Deficiência glicocorticóide Deficiência mineralocorticóide

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "255.41 255.4 Deficiência glicocorticóide 255.42 255.4 Deficiência mineralocorticóide"

Transcrição

1 Lista de códigos de diagnósticos da CID-9-MC de Outubro de 2007 e código anterior de Outubro de 2003 a utilizar no Integrador de GDHs (enquanto este não for actualizado) O mapeamento ( ) é definido pelos CMS: ver em Código Código Novo Anterior Descrição Botulismo especificado, não classificável em outra parte Botulismo infantil Botulismo adquirido através de ferida Herpesvirus humano, não classificável em outra parte Roseola infantum Roseola infantum, não especificada Roseola infantum por herpesvirus Roseola infantum por herpesvirus humano Encefalite por herpesvirus humano não classificável em outra parte Encefalite por herpesvirus humano Encefalite por herpesvirus humano não classificável em outra parte Infecções por herpesvirus humano, não classificáveis em outra parte Infecção por herpesvirus humano Infecção por herpesvirus humano Infecção por herpesvirus humano não classificável em outra parte Parvovirus B Linfoma da zona marginal Linfoma da zona marginal, local não especificado, extranodal e localizado em órgãos sólidos Linfoma da zona marginal, gânglios linfáticos da cabeça, face e pescoço Linfoma da zona marginal, gânglios linfáticos intratorácicos Linfoma da zona marginal, gânglios linfáticos intra-abdominais Linfoma da zona marginal, gânglios linfáticos axilares e do membro superior Linfoma da zona marginal, gânglios linfáticos inguinais e do membro inferior Linfoma da zona marginal, gânglios linfáticos intrapélvicos Linfoma da zona marginal, baço Linfoma da zona marginal, gânglios linfáticos de locais múltiplos Linfoma de células do manto Linfoma de células do manto, local não especificdo, extranodal e localizado em órgãos sólidos

2 Linfoma de células do manto, gânglios linfáticos da cabeça, face e pescoço Linfoma de células do manto, gânglios linfáticos intratorácicos Linfoma de células do manto, gânglios linfáticos intra-abdominais Linfoma de células do manto, gânglios linfáticos axilares e do membro superior Linfoma de células do manto, gânglios linfáticos inguinais e do membro inferior Linfoma de células do manto, gânglios linfáticos intrapélvicos Linfoma de células do manto, baço Linfoma de células do manto, gânglios linfáticos de locais múltiplos Linfoma primário do sistema nervoso central Linfoma primário do sistema nervoso central, local n/especif., extranodal e localiz em órgãos sólido Linfoma primário do sistema nervoso central, gânglios linfáticos da cabeça, face e pescoço Linfoma primário do sistema nervoso central, gânglios linfáticos intratorácicos Linfoma primário do sistema nervoso central, gânglios linfáticos intra-abdominais Linfoma primário do sistema nervoso central, gânglios linfáticos axilares e do membro superior Linfoma primário do sistema nervoso central, gânglios linfáticos inguinais e do membro inferior Linfoma primário do sistema nervoso central, gânglios linfáticos intrapélvicos Linfoma primário do sistema nervoso central, baço Linfoma primário do sistema nervoso central, gânglios linfáticos de locais múltiplos Linfoma anaplástico de células grandes Linfoma anaplástico de células grandes, local n/especificdo, extranodal e localizado em órgãos sólid Linfoma anaplástico de células grandes, gânglios linfáticos da cabeça, face e pescoço Linfoma anaplástico de células grandes, gânglios linfáticos intratorácicos Linfoma anaplástico de células grandes, gânglios linfáticos intra-abdominais Linfoma anaplástico de células grandes, gânglios linfáticos axilares e do membro superior Linfoma anaplástico de células grandes, gânglios linfáticos inguinais e do membro inferior Linfoma anaplástico de células grandes, gânglios linfáticos intrapélvicos Linfoma anaplástico de células grandes, baço Linfoma anaplástico de células grandes, gânglios linfáticos de locais múltiplos Linfoma de células grandes Linfoma de células grandes, local não especificdo, extranodal e localizado em órgãos sólidos Linfoma de células grandes, gânglios linfáticos da cabeça, face e pescoço Linfoma de células grandes, gânglios linfáticos intratorácicos Linfoma de células grandes, gânglios linfáticos intra-abdominais Linfoma de células grandes, gânglios linfáticos axilares e do membro superior Linfoma de células grandes, gânglios linfáticos inguinais e do membro inferior Linfoma de células grandes, gânglios linfáticos intrapélvicos Linfoma de células grandes, baço Linfoma de células grandes, gânglios linfáticos de locais múltiplos

3 Linfoma periférico de células T Linfoma periférico de células T, local não especificado, extra-ganglionar e localiz. em órgãos sólid Linfoma periférico de células T, gânglios linfáticos da cabeça, face e pescoço Linfoma periférico de células T, gânglios linfáticos intratorácicos Linfoma periférico de células T, gânglios linfáticos intra-abdominais Linfoma periférico de células T, gânglios linfáticos axilares e do membro superior Linfoma periférico de células T, gânglios linfáticos da região inguinal e membro inferior Linfoma periférico de células T, gânglios linfáticos intrapélvicos Linfoma periférico de células T, baço Linfoma periférico de células T, gânglios linfáticos de locais múltiplos Carcinoma in situ de órgão genital feminino não especificado Carcinoma in situ da vagina Carcinoma in situ da vulva Carcinoma in situ de órgão genital feminino não classificável em outra parte Deficiência glicocorticóide Deficiência mineralocorticóide Neoplasia endócrina múltipla [MEN] tipo I Neoplasia endócrina múltipla [MEN] tipo IIA Neoplasia endócrina múltipla [MEN] tipo IIB Aplasia de glóbulos rubros (adquirida) (do adulto) (com timoma) Anemias aplásticas especificadas, não classificáveis em outra parte Bandemia Transtorno de desenvolvimento da fala ou da linguagem por perda auditiva Hidrocefalia idiopática de pressão normal Distrofia muscular miotónica Miotonia congénita Condrodistrofia miotónica Miotonia induzida por fármacos Transtorno miotónico especificado não classificável em outra parte Síndromo da íris "floppy" Transtornos da íris e do corpo ciliar não classificáveis em outra parte Transtorno adquirido do processamento auditivo

4 Surdez de condução, unilateral Surdez de condução, bilateral Surdez nervosa, unilateral Surdez sensorial, unilateral Surdez mista de condução e neuro-sensorial, não especificada Surdez mista de condução e neuro-sensorial, unilateral Surdez mista de condução e neuro-sensorial, bilateral Oclusão total crónica de artéria coronária Embolia pulmonar séptica Tamponamento cardíaco Oclusao total crónica de artérias das extremidades Embolia arterial séptica Gripe por virus identificado como da gripe das aves Falência de implante dentário intraósseo Falência de osteointegração de implante dentário Falência biológica pós-osteointegração de implante dentário Falência mecânica pós-osteointegração de implante dentário Falência de implante dentário intraósseo, não classificável em outra parte Rasgadura do esfíncter anal (cicatrizada) (antiga) Neoplasia vulvar intraepitelial I [VIN I] Neoplasia vulvar intraepitelial II [VIN II] Distrofia da vulva não classificável em outra parte Rasgadura do esfíncter anal complicando o parto, não associada a laceração períneo do 3 grau Rasgadura esfíncter anal complicando parto, n/associada a lacer.períneo 3 grau, epis cuid n/especif Rasgadura esfíncter anal complic parto, n/assoc. laceração períneo 3 grau, parto refer. c/s/cond ant Rasgadura esfíncter anal complic parto, n/assoc. laceração períneo 3 grau, cond./complic. pós-parto Necrose asséptica da mandíbula Disfagia não especificada Disfagia, fase oral Disfagia, fase orofaríngea Disfagia, fase faríngea Disfagia, fase faringoesofágica Disfagia não classificável em outra parte

5 Ascite maligna Ascite não classificável em outra parte Infecção devida a catéter venoso central Infecção sucedânea a infusão, injecção, transfusão, ou vacinação E92.86 E92.88 Exposição ambiental a algas e toxinas perigosas E93.36 E93.38 Reacções adversas a bifosfonados orais E93.37 E93.38 Reacções adversas a bifosfonados intravenosos V12.53 V12.59 História pessoal de paragem cardíaca súbita V12.54 V12.59 História pessoal de acidente isquémico transitório (AIT) e enfarte cerebral sem sequelas V13.22 V13.29 Hstóa pessoal de displasia do colo uterino V16.52 V16.59 História familiar de neoplasia maligna da bexiga V17.41 V17.4 Hstóia familiar de morte súbita de causa cardíaca V17.49 V17.4 História familialr de doenças cardiovasculares não classificáveis em outra parte V18.11 V18.1 História familial de síndromo de neoplasias endocrinas multiplas [men] V18.12 V18.1 Historia familial de doenças endócrinas e metabólicas não classificáveis em outra parte V26.41 V26.4 Aconselhamento e orientação geral procriativa utilizando planeamento familiar natural V26.49 V26.4 Aconselhamento e orientação geral procriativa, não classificável em outra parte V26.81 V26.8 Admissão para ciclo assistido de fertilidade reprodutora V26.89 V26.8 Procedimentos relativos a procriação não classificáveis em outra parte V Incapacidade sensorial dupla V68.01 V68.0 Contacto para exame de incapacidade V68.09 V68.0 Contactos para emissão de certificados medicos nãoi classificáveis em outra parte V72.12 V72.1 Admissão para conservação e tratamento da audição V73.81 V73.89 Rastreio especial para papilomavirus humano V Susceptibilidade genética a neoplasias endócrinas múltiplas [MEN] V Susceptibilidade genética a doença não classificável em outra parte NB: - As descrições dos diagnósticos ainda carecem de revisão e confirmação - Os códigos que apresentam como código anterior não têm mapeamento

ICD-9-CM Códigos novos e modificados entre outubro de 2006 e outubro de 2011 (válidos até 30 de setembro de 2012)

ICD-9-CM Códigos novos e modificados entre outubro de 2006 e outubro de 2011 (válidos até 30 de setembro de 2012) ICD-9-CM Códigos novos e modificados entre outubro de 2006 e outubro de 2011 (válidos até 30 de setembro de 2012) 1. Diagnósticos Código ano novo/modificado descrição -----------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

ICD-9-CM Códigos novos e modificados entre outubro de 2007 e outubro de 2011 (válidos até 30 de setembro de 2012)

ICD-9-CM Códigos novos e modificados entre outubro de 2007 e outubro de 2011 (válidos até 30 de setembro de 2012) ICD-9-CM Códigos novos e modificados entre outubro de 2007 e outubro de 2011 (válidos até 30 de setembro de 2012) 1. Diagnósticos Código ano novo/modificado descrição -----------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

ICD-9-CM Códigos novos e modificados entre outubro de 2004 e outubro de 2011 (válidos até 30 de setembro de 2012) 1. Diagnósticos

ICD-9-CM Códigos novos e modificados entre outubro de 2004 e outubro de 2011 (válidos até 30 de setembro de 2012) 1. Diagnósticos ICD-9-CM Códigos novos e modificados entre outubro de 2004 e outubro de 2011 (válidos até 30 de setembro de 2012) 1. Diagnósticos Código ano novo/modificado descrição -----------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO EMENTAS DISCIPLINAS MATRIZ 3 1º AO 3º PERÍODO 1 º Período C.H. Teórica: 90 C.H. Prática: 90 C.H. Total: 180 Créditos: 10

Leia mais

Lembramos, no entanto, que a Deficiência Física, não está contemplada na sua totalidade, existindo outros CIDs não listados e que sofrerão análise.

Lembramos, no entanto, que a Deficiência Física, não está contemplada na sua totalidade, existindo outros CIDs não listados e que sofrerão análise. Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Em função de ocorrer dúvidas em relação ao encaminhamento do benefício do passe-livre intermunicipal,

Leia mais

As principais causas de morte em Portugal de 1990-1999

As principais causas de morte em Portugal de 1990-1999 As principais causas de morte em Portugal de 199-1999 Observatório Nacional de Saúde. Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge Lisboa 3 1 Ficha Técnica Portugal. Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo

Leia mais

Tabagismo Patologia relacionada com o tabaco

Tabagismo Patologia relacionada com o tabaco Tabagismo Patologia relacionada com o tabaco Comissão de Tabagismo da SociedadePortuguesa de Pneumologia > 4.000 compostos Monóxido de carbono Hipóxia no sangue e tecidos Benzopireno cancerígeno FUMO DO

Leia mais

DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis. Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani.

DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis. Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani. DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani. O que são DSTS? São as doenças sexualmente transmissíveis (DST), são transmitidas, principalmente, por contato

Leia mais

SÍNDROME DE HIPER-IgM

SÍNDROME DE HIPER-IgM SÍNDROME DE HIPER-IgM Esta brochura é para ser usada pelos pacientes e pelas suas famílias e não deve substituir o aconselhamento de um imunologista clínico. 1 Também disponível: AGAMAGLOBULINEMIA LIGADA

Leia mais

CATEGORIA DISPOSITIVO / Faixa Etária L CID MONOBLOCO O C. Idade mínima: 16 a O. Idade máxima: 50 a M O Ç Ã O ACIMA 90 KG

CATEGORIA DISPOSITIVO / Faixa Etária L CID MONOBLOCO O C. Idade mínima: 16 a O. Idade máxima: 50 a M O Ç Ã O ACIMA 90 KG CATEGRIA DISPSITIV / Faixa Etária L MNBLC C Idade mínima: 16 a Idade máxima: 50 a M Ç Ã ACIMA 90 KG Idade mínima: 20 a CID B91- Seqüelas de poliomielite. C412- Neoplasia maligna da coluna vertebral. C72-

Leia mais

O QUE É? O LINFOMA DE HODGKIN

O QUE É? O LINFOMA DE HODGKIN O QUE É? O LINFOMA DE HODGKIN Gânglio Linfático O LINFOMA DE HODGKIN O QUE É O LINFOMA DE HODGKIN? O linfoma de Hodgkin é um cancro do sistema linfático, que surge quando as células linfáticas se alteram

Leia mais

VIROSES. Prof. Edilson Soares www.profedilson.com

VIROSES. Prof. Edilson Soares www.profedilson.com VIROSES Prof. Edilson Soares www.profedilson.com CATAPORA OU VARICELA TRANSMISSÃO Saliva Objetos contaminados SINTOMAS Feridas no corpo PROFILAXIA Vacinação HERPES SIMPLES LABIAL TRANSMISSÃO Contato

Leia mais

Um pouco sobre nós. Tecnologia e modernas instalações

Um pouco sobre nós. Tecnologia e modernas instalações Um pouco sobre nós. Referência em Medicina Ocupacional, Saúde do Trabalhador em Uberlândia e Região. Nosso objetivo é solucionar os problemas ligados à preservação da saúde e segurança do trabalhador,

Leia mais

MONITORIA - 2012 PONTOS PARA A PROVA

MONITORIA - 2012 PONTOS PARA A PROVA MONITORIA - 2012 PONTOS PARA A PROVA OTORRINOLARINGOLOGIA Otites Exames Audiológicos Labirintopatias Rinossinusites Doenças da Faringe Hipertrofia Tonsilar Larinites ÉTICA E RELAÇÕES PSICOSSOCIAIS I, II

Leia mais

Linfomas. Claudia witzel

Linfomas. Claudia witzel Linfomas Claudia witzel Pode ser definido como um grupo de diversas doenças neoplásicas : Do sistema linfático Sistema linfóide Que tem origem da proliferação de linfócitos B ou T em qualquer um de seus

Leia mais

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 2ª etapa do curso

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 2ª etapa do curso ANEXO Para candidatos que desejam entrar na 2ª etapa do Metabolismo (anabolismo x catabolismo) Metabolismo de Carboidratos Metabolismo de Lipídeos Motilidade no trato gastrointestinal Introdução ao Metabolismo

Leia mais

DIAS AULA TEMA CONTEÚDO

DIAS AULA TEMA CONTEÚDO MARÇO 04/03 Teórica Noções em Geriatria e Gerontologia - Histórico - Temas básicos: saúde, autonomia, independência, incapacidade e fragilidade - Epidemiologia do envelhecimento - Papel do cuidador - Qualidade

Leia mais

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES TUMORES Tumores, também chamados de neoplasmas, ou neoplasias, são alterações celulares que provocam o aumento anormal dos tecidos corporais envolvidos. BENIGNO: são considerados benignos quando são bem

Leia mais

Frequência de internação nos hospitais do SUS-BH, por causa básica, em menores de 1 ano, residentes em Belo Horizonte, 1996-1999.

Frequência de internação nos hospitais do SUS-BH, por causa básica, em menores de 1 ano, residentes em Belo Horizonte, 1996-1999. Frequência de internação nos hospitais do SUS-BH, por causa básica, em menores de 1 ano, residentes em Belo Horizonte, 1996-1999. Broncopneumonia não especificada 3388 2564 1637 1734 Diarréia e gastroenterite

Leia mais

Herpesvírus linfotrópicos: CMV e EBV. Prof. Dr. Eurico Arruda Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto-USP

Herpesvírus linfotrópicos: CMV e EBV. Prof. Dr. Eurico Arruda Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto-USP Herpesvírus linfotrópicos: CMV e EBV Prof. Dr. Eurico Arruda Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto-USP Citomegalovirus Icosaédrico, 150-200 nm de diâmetro, 162 capsômeros hexagonais, envelopado, com

Leia mais

Documentário Despertar Para a Vida. Adriana CALAZANS Felipe KREUSCH Ketlin PEREIRA Universidade do Sul de Santa Catarina, Palhoça, SC

Documentário Despertar Para a Vida. Adriana CALAZANS Felipe KREUSCH Ketlin PEREIRA Universidade do Sul de Santa Catarina, Palhoça, SC Documentário Despertar Para a Vida Adriana CALAZANS Felipe KREUSCH Ketlin PEREIRA Universidade do Sul de Santa Catarina, Palhoça, SC RESUMO A leucemia atinge grande parte da população mundial. Em 2008

Leia mais

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso ANEXO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso Células e Tecidos do Sistema Imune Anatomia do sistema linfático Inflamação aguda e crônica Mecanismos de agressão por

Leia mais

- CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR. 3) ANATOMIA DO CORAÇÃO HUMANO - O coração é um órgão oco localizado no meio do peito, na cavidade torácica;

- CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR. 3) ANATOMIA DO CORAÇÃO HUMANO - O coração é um órgão oco localizado no meio do peito, na cavidade torácica; - CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR 1) FUNÇÕES DO SISTEMA CARDIOVASCULAR - Propulsão do sangue por todo o organismo; - Transporte de substâncias como o oxigênio (O 2 ), dióxido de carbono ou gás carbônico

Leia mais

DIÁRIA POR INTERNAÇÃO HOSPITALAR DIH 692 - DIH 693 (PROC. SUSEP Nº 15414.004510/2012-11) da Capemisa Seguradora de Vida e Previdência S/A

DIÁRIA POR INTERNAÇÃO HOSPITALAR DIH 692 - DIH 693 (PROC. SUSEP Nº 15414.004510/2012-11) da Capemisa Seguradora de Vida e Previdência S/A DIÁRIA POR INTERNAÇÃO HOSPITALAR DIH 692 - DIH 693 (PROC. SUSEP Nº 15414.004510/2012-11) da Capemisa Seguradora de Vida e Previdência S/A CONDIÇÃO ESPECIAL DA GARANTIA BÁSICA DE DIÁRIA POR INTERNAÇÃO HOSPITALAR

Leia mais

Patologia Geral. Adaptações Celulares. Carlos Cas4lho de Barros Augusto Schneider. h:p://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/

Patologia Geral. Adaptações Celulares. Carlos Cas4lho de Barros Augusto Schneider. h:p://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/ Patologia Geral Adaptações Celulares Carlos Cas4lho de Barros Augusto Schneider h:p://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/ Adaptações Celulares Alterações do: Volume celular aumento = hipertrofia - diminuição

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina MED222 Mecanismos Básicos do Processo Saúde-Doença II

Programa Analítico de Disciplina MED222 Mecanismos Básicos do Processo Saúde-Doença II Programa Analítico de Disciplina Departamento de Medicina e Enfermagem - Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Número de créditos: 10 Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária semanal

Leia mais

Doenças Infecciosas que Acometem a Cavidade Oral

Doenças Infecciosas que Acometem a Cavidade Oral Disciplina: Semiologia Doenças Infecciosas que Acometem a Cavidade Oral PARTE 2 http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 FAMÍLIA HHV Alfaherpesvirinae HHV1(herpes bucal)

Leia mais

Agrupamento de Escolas Eugénio de Castro Escola Básica de Eugénio de Castro Planificação Anual

Agrupamento de Escolas Eugénio de Castro Escola Básica de Eugénio de Castro Planificação Anual Compreender a importância da saúde individual e comunitária na qualidade de vida da população Sintetizar as estratégias de promoção da saúde Conhecer os distintos níveis estruturais do corpo Viver Melhor

Leia mais

EstudoDirigido Exercícios de Fixação Doenças Vasculares TCE Hipertensão Intracraniana Hidrocefalia Meningite

EstudoDirigido Exercícios de Fixação Doenças Vasculares TCE Hipertensão Intracraniana Hidrocefalia Meningite EstudoDirigido Exercícios de Fixação Doenças Vasculares TCE Hipertensão Intracraniana Hidrocefalia Meningite SOMENTE SERÃO ACEITOS OS ESTUDOS DIRIGIDOS COMPLETOS, MANUSCRITOS, NA DATA DA PROVA TERÁ O VALOR

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS - 9.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS - 9.º ANO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 9.º ANO Ano Letivo 2014 2015 PERFIL DO ALUNO No domínio Viver melhor na Terra, o aluno deve ser capaz de: Compreender a importância da saúde individual e comunitária na qualidade

Leia mais

Meningites são processos agudos que comprometem as leptomeninges (pia-aracnóide), ocasionando reação inflamatória do espaço subaracnóide e das

Meningites são processos agudos que comprometem as leptomeninges (pia-aracnóide), ocasionando reação inflamatória do espaço subaracnóide e das Meningite M.Sc. Prof.ª Viviane Marques Fonoaudióloga, Neurofisiologista e Mestre em Fonoaudiologia Coordenadora da Pós-graduação em Fonoaudiologia Hospitalar Chefe da Equipe de Fonoaudiologia do Hospital

Leia mais

Conheça as principais DSTs e confira as dicas de prevenção que o Instituto Corpore preparou para você:

Conheça as principais DSTs e confira as dicas de prevenção que o Instituto Corpore preparou para você: Conheça as principais DSTs e confira as dicas de prevenção que o Instituto Corpore preparou para você: CANCRO MOLE Pode ser chamada também de cancro venéreo. Popularmente é conhecida como cavalo. Manifesta-se

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS 9.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS 9.º ANO DE CIÊNCIAS NATURAIS 9.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO No domínio Viver melhor na Terra, o aluno deve ser capaz de: Compreender a importância da saúde individual e comunitária na qualidade de

Leia mais

ORDEM DOS MÉDICOS SUBESPECIALIDADE DE NEONATOLOGIA PROGRAMA DE FORMAÇÃO

ORDEM DOS MÉDICOS SUBESPECIALIDADE DE NEONATOLOGIA PROGRAMA DE FORMAÇÃO ORDEM DOS MÉDICOS SUBESPECIALIDADE DE NEONATOLOGIA PROGRAMA DE FORMAÇÃO A aprendizagem resultante da aplicação deste curriculum deve resultar num neonatologista europeu com reconhecida idoneidade para

Leia mais

TRANSTORNOS ESPECÍFICOS DO DESENVOLVIMENTO DA FALA E DA LINGUAGEM F80.0 DISLALIA (ARTICULAÇÃO; COMUNICAÇÃO FONOLÓGICA; FUNCIONAL ARTICULAÇÃO)

TRANSTORNOS ESPECÍFICOS DO DESENVOLVIMENTO DA FALA E DA LINGUAGEM F80.0 DISLALIA (ARTICULAÇÃO; COMUNICAÇÃO FONOLÓGICA; FUNCIONAL ARTICULAÇÃO) 27/12/2007 ANEXO 49 TABELA da CLASSIFICAÇÃO ESTATÍSTICA INTERNACIONAL DE DOENÇAS E PROBLEMAS RELACIONADOS À SAÚDE FONOAUDIOLÓGICA CID 10 /OMS /1997 6ª VERSÃO 2008 CÓDIGO F80 DESCRIÇÃO TRANSTORNOS ESPECÍFICOS

Leia mais

TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia

TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 64823 MICROBIOLOGIA GERAL 17/34 ODONTOLOGIA MICROBIOLOGIA

Leia mais

Neoplasia Maligna Dos Dois Tercos Anteriores Da Lingua Parte Nao Especificada

Neoplasia Maligna Dos Dois Tercos Anteriores Da Lingua Parte Nao Especificada SÅo Paulo, 20 de setembro de 2011 Protocolo: 0115/2011 Informo que a partir de 20/09/2011 alguns protocolos de atendimento da especialidade Cirurgia PlÑstica do Hospital das ClÖnicas foram desativados,

Leia mais

Doenças do Sistema Circulatório

Doenças do Sistema Circulatório Doenças do Sistema Circulatório Dados Mundiais: Mortes por grupos de causas - 2000 Total de Mortes: 55.694.000 Causas Externas ( 9.1%) Doenças Não Transmissíveis (59.0%) Doenças transmissíveis, mortalidade

Leia mais

Papiloma Vírus Humano

Papiloma Vírus Humano Papiloma Vírus Humano Grupo: Helder Freitas N 9 João Marcos Borges N 12 Luca Najan N 18 Matheus Pestana N 22 Rafael Cardoso N 28 Raphael Barros N 29 Thiago Glauber N33 Turma: 12 Professor: César Fragoso

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS Prof. Mestrando: Marcelo Mota São Cristóvão 2008 POPULAÇÕES ESPECIAIS

Leia mais

Apudoma TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO. PROCED. DESCRIÇÃO QT CID At. Prof. Vr. TOTAL

Apudoma TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO. PROCED. DESCRIÇÃO QT CID At. Prof. Vr. TOTAL TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO Apudoma 0304020117 Quimioterapia paliativa de apudoma (doença loco-regional avançada, inoperável, metastática ou recidivada; alteração da função hepática;

Leia mais

Estadiamento dos cancros ginecológicos: FIGO 2009

Estadiamento dos cancros ginecológicos: FIGO 2009 A Estadiamento dos cancros ginecológicos: FGO 2009 Sofia Raposo e Carlos Freire de Oliveira O estadiamento dos cancros é preconizado com o intuito de permitir uma comparação válida dos resultados entre

Leia mais

Check-list Procedimentos de Segurança

Check-list Procedimentos de Segurança Check-list Procedimentos de Segurança 1. Cultura de Segurança 1.1 1.2 Existe um elemento definido como responsável pelas questões da segurança do doente Promove o trabalho em equipa multidisciplinar na

Leia mais

-Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae.

-Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae. -Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae. -Chamado de HPV, aparece na forma de doenças como condiloma acuminado, verruga genital ou crista de galo. -Há mais de 200 subtipos do

Leia mais

Dimensão Segurança do Doente. Check-list Procedimentos de Segurança

Dimensão Segurança do Doente. Check-list Procedimentos de Segurança 1. 1.1 1.2 Cultura de Segurança Existe um elemento(s) definido(s) com responsabilidade atribuída para a segurança do doente Promove o trabalho em equipa multidisciplinar na implementação de processos relativos

Leia mais

CATATERIZAÇÃO DA ARTÉRIA UMBILICAL

CATATERIZAÇÃO DA ARTÉRIA UMBILICAL CATÉTERES Trataremos das indicações e das técnicas de introdução do catéter de artéria e veia umbilical e do catéter percutâneo. Nos casos de cataterização umbilical, tanto arterial quanto venosa está

Leia mais

O CÉREBRO, O OLHO, O OUVIDO E AS SEQUELAS

O CÉREBRO, O OLHO, O OUVIDO E AS SEQUELAS O CÉREBRO, O OLHO, O OUVIDO E AS SEQUELAS O cérebro do bebé prematuro é particularmente frágil. Uma das complicações que pode ocorrer é a hemorragia. Felizmente esta hemorragia ocorre, não no tecido nervoso

Leia mais

10101004 PROCEDIMENTOS GERAIS - CONSULTAS - CONSULTA 10102000 PROCEDIMENTOS GERAIS - CONSULTAS - VISITAS 10103007 PROCEDIMENTOS GERAIS - CONSULTAS -

10101004 PROCEDIMENTOS GERAIS - CONSULTAS - CONSULTA 10102000 PROCEDIMENTOS GERAIS - CONSULTAS - VISITAS 10103007 PROCEDIMENTOS GERAIS - CONSULTAS - Código SUGRUPO 10101004 PROCEDIMENTOS GERAIS - CONSULTAS - CONSULTA 10102000 PROCEDIMENTOS GERAIS - CONSULTAS - VISITAS 10103007 PROCEDIMENTOS GERAIS - CONSULTAS - RECÉM-NASCIDO 10104003 PROCEDIMENTOS

Leia mais

Neoplasias 2. Adriano de Carvalho Nascimento

Neoplasias 2. Adriano de Carvalho Nascimento Neoplasias 2 Adriano de Carvalho Nascimento Biologia tumoral Carcinogênese História natural do câncer Aspectos clínicos dos tumores Biologia tumoral Carcinogênese (bases moleculares do câncer): Dano genético

Leia mais

PROGRAMA DE ANATOMIA 10ª Classe. Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário

PROGRAMA DE ANATOMIA 10ª Classe. Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário PROGRAMA DE ANATOMIA 10ª Classe Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Ficha Técnica Título Programa de Anatomia - 10ª Classe Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMATICO PARA PROVA DE TRANSFERÊNCIA MEDICINA UNITAU

CONTEÚDO PROGRAMATICO PARA PROVA DE TRANSFERÊNCIA MEDICINA UNITAU CONTEÚDO PROGRAMATICO PARA PROVA DE TRANSFERÊNCIA MEDICINA UNITAU PARA O 2º PERÍODO: - Bases Morfológicas Médicas I: 1-Terminologia e mecanismos do desenvolvimento. 2-Gametogênese. 3-Fertilização. 4-Desenvolvimento

Leia mais

TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO

TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO O objetivo deste Termo de Esclarecimento e Consentimento Informado, utilizado pelo HOSPITAL E MATERNIDADE SANTA JOANA, é esclarecer

Leia mais

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações 1. Introdução A evolução da epidemia causada pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 implica que as medidas sejam adaptadas

Leia mais

Regulamento da Habilitação Legal para Conduzir. (Anexo ao Decreto-Lei nº 209/98, 15 de Julho)

Regulamento da Habilitação Legal para Conduzir. (Anexo ao Decreto-Lei nº 209/98, 15 de Julho) Regulamento da Habilitação Legal para Conduzir (Anexo ao Decreto-Lei nº 209/98, 15 de Julho) Capítulo I Aptidão física, mental e psicológica Secção I Classificação Artigo 1.º Classificação dos condutores

Leia mais

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS Doenças Sexualmente Transmissíveis são aquelas que são mais comumente transmitidas através da relação sexual. PRINCIPAIS DOENÇAS SEXUALMENTE

Leia mais

IMPFDIENST. Brochura informativa para Pais e Alunos

IMPFDIENST. Brochura informativa para Pais e Alunos IMPFDIENST Brochura informativa para Pais e Alunos Serviço de Vacinação Exmos. Pais e Encarregados de Educação Caros alunos Em colaboração com os médicos escolares e o Serviço de Medicina Cantonal (Departamento

Leia mais

Guia do sistema de implante coclear Nucleus para educadores

Guia do sistema de implante coclear Nucleus para educadores Guia do sistema de implante coclear Nucleus para educadores GUIA PARA EDUCADORES 3 Índice Capítulo 1: Introdução aos implantes cocleares...4 Capítulo 2: Histórico dos implantes cocleares...8 Capítulo

Leia mais

D.S.T. CANCRO MOLE TRICOMO ÍASE CANDIDÍASE HERPES CONDILOMA LI FOGRA ULOMA GONORRÉIA SÍFILIS GRANULOMA AIDS

D.S.T. CANCRO MOLE TRICOMO ÍASE CANDIDÍASE HERPES CONDILOMA LI FOGRA ULOMA GONORRÉIA SÍFILIS GRANULOMA AIDS D.S.T D.S.T. CANCRO MOLE TRICOMO ÍASE CANDIDÍASE HERPES CONDILOMA LI FOGRA ULOMA GONORRÉIA SÍFILIS GRANULOMA AIDS CANCRO MOLE Agente: bactéria Haemophilus ducreyi Transmissão: sexo vaginal, anal ou oral

Leia mais

Citologia oncótica pela Colpocitologia

Citologia oncótica pela Colpocitologia ALTERAÇÕES ESCAMOSAS NÃO-REATIVAS NILM = negativo p/ lesão intra-epitelial cervical ASCUS e ASCH = células escamosas atípicas de significado indeterminado SIL = lesão intra-epitelial escamosa LSIL e HSIL

Leia mais

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Licenciatura em Educação Física Disciplina: Fisiologia Humana Professor: Ricardo Marques Nogueira Filho e-mail: ricardonogfilho@ig.com.br Código: Carga Horária:

Leia mais

Participar em estudos de investigação científica é contribuir para o conhecimento e melhoria dos serviços de saúde em Portugal

Participar em estudos de investigação científica é contribuir para o conhecimento e melhoria dos serviços de saúde em Portugal FO L H E TO F EC H A D O : FO R M ATO D L ( 2 2 0 x 1 1 0 m m ) FO L H E TO : C A PA Departamento de Epidemiologia Clínica, Medicina Preditiva e Saúde Pública Faculdade de Medicina da Universidade do Porto

Leia mais

Turmas 1 e 2 2T Aula introdutória. 13:30 às 15:10 29/02/2012 Prático: Turmas 1 e 2 2P Organização de grupos para seminários

Turmas 1 e 2 2T Aula introdutória. 13:30 às 15:10 29/02/2012 Prático: Turmas 1 e 2 2P Organização de grupos para seminários Estrutura e Função de Tecidos e Órgãos II (CBI 706) Cronograma do módulo Fisiologia do Sistema Cardiovascular Medicina 2012 Prof. Dr. Mauro César Isoldi Primeira semana 2T Aula introdutória 29/02/2012

Leia mais

Declaração de Saúde. Nome do Proponente: Nome do Proponente:

Declaração de Saúde. Nome do Proponente: Nome do Proponente: Nº de Registro da Operadora na ANS - 41656-8 Nº de Registro do Produto - 435451016 Nome do Proponente a Participante Titular ou Responsável Legal (no caso de menor ou incapaz): INFORMAÇÕES IMPORTANTES

Leia mais

Atresia... TRANSTORNOS DO CRESCIMENTO E DA DIFERENCIAÇÃO CELULAR. Agenesia, aplasia, atresia e hipoplasia

Atresia... TRANSTORNOS DO CRESCIMENTO E DA DIFERENCIAÇÃO CELULAR. Agenesia, aplasia, atresia e hipoplasia PATOLOGIA GERAL CRESCIMENTO E DIFERENCIAÇÃO CELULAR VETERINÁRIA INDISPENSÁVEIS PARA OS SERES VIVOS CRESCIMENTO - multiplicação celular formação normal dos organismos e reposição TRANSTORNOS DO CRESCIMENTO

Leia mais

Ruído. Acção de Formação. Associação de Municípios do Oeste. Outubro de 2008

Ruído. Acção de Formação. Associação de Municípios do Oeste. Outubro de 2008 Ruído Acção de Formação Associação de Municípios do Oeste Outubro de 2008 Objectivos Impacte do Ruído no Ser Humano; Introdução à Acústica; Quantificação do Ruído; Legislação Aplicável (D.L. n.º 9/2007

Leia mais

Apoptose em Otorrinolaringologia

Apoptose em Otorrinolaringologia Apoptose em Otorrinolaringologia Teolinda Mendoza de Morales e Myrian Adriana Pérez García Definição A apoptose é um processo biológico existente em todas as células de nosso organismo, conhecida desde

Leia mais

IMUNODEFICIÊNCIA COMUN VARIÁVEL

IMUNODEFICIÊNCIA COMUN VARIÁVEL IMUNODEFICIÊNCIA COMUN VARIÁVEL Esta brochura é para ser usada pelos pacientes e pelas suas famílias e não deve substituir o aconselhamento de um imunologista clínico. 1 Também disponível: AGAMAGLOBULINEMIA

Leia mais

A surdez é uma deficiência que fisicamente não é visível, e atinge uma pequena parte da anatomia do indivíduo.

A surdez é uma deficiência que fisicamente não é visível, e atinge uma pequena parte da anatomia do indivíduo. A surdez é uma deficiência que fisicamente não é visível, e atinge uma pequena parte da anatomia do indivíduo. Porém, traz para o surdo consequências sociais, educacionais e emocionais amplas e intangíveis.

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DA PARAÍBA VAGAS DE MONITORIA - EDITAL N. 18 / 2012. CURSO DE MEDICINA - Semestre 2012.2.

FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DA PARAÍBA VAGAS DE MONITORIA - EDITAL N. 18 / 2012. CURSO DE MEDICINA - Semestre 2012.2. Área do Conhecimento Professor Número de vagas Caracterização Prova Dia Hora Local ANATOMIA Alisson 2 Bolsista 07/08/2012 4 Voluntário 08/08/12 8/8/2012 LAB ANATOMIA HISTOLOGIA Nadábia 2 Bolsista Renato

Leia mais

Planificação anual de Saúde- 10ºano

Planificação anual de Saúde- 10ºano CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO AUXILIAR DE SAÚDE Turmas: 10ºI Professora: Ana Margarida Vargues Planificação anual de Saúde- 10ºano 1 - Estrutura e Finalidades da disciplina A disciplina de Saúde do Curso

Leia mais

DOENÇAS RELACIONADAS COM O TABACO

DOENÇAS RELACIONADAS COM O TABACO DOENÇAS RELACIONADAS COM O TABACO BOCA E FARINGE Cancro CÉREBRO Acidente vascular cerebral LARINGE E TRAQUEIA Cancro Inflamação CORAÇÃO Doença coronária/ Enfarte ESÓFAGO E ESTÔMAGO Cancro Úlcera PÂNCREAS

Leia mais

AGAMAGLOBULINEMIA LIGADA AO CROMOSSOMA X

AGAMAGLOBULINEMIA LIGADA AO CROMOSSOMA X AGAMAGLOBULINEMIA LIGADA AO CROMOSSOMA X Esta brochura é para ser usada pelos pacientes e pelas suas famílias e não deve substituir o aconselhamento de um imunologista clínico. 1 Também disponível: DOENÇA

Leia mais

O QUE É? O TUMOR DE WILMS

O QUE É? O TUMOR DE WILMS O QUE É? O TUMOR DE WILMS Rim O TUMOR DE WILMS O QUE SIGNIFICA ESTADIO? O QUE É O TUMOR DE WILMS? O tumor de Wilms é o tipo de tumor renal mais frequente na criança. Desenvolve-se quando células imaturas

Leia mais

Principais formas de cancro na idade adulta

Principais formas de cancro na idade adulta Rastreio do cancro na idade adulta Principais formas de cancro na idade adulta Cancro do colo do útero Cancro da mama Cancro do cólon Cancro testicular Cancro da próstata SINAIS DE ALERTA O aparecimento

Leia mais

Dia Data Hora Professor Sala Conteúdo Módulo 08:00 Tiago 104 D Principais neoplasias ginecológicas e lesões precursoras SEGUNDA 23/2/2015

Dia Data Hora Professor Sala Conteúdo Módulo 08:00 Tiago 104 D Principais neoplasias ginecológicas e lesões precursoras SEGUNDA 23/2/2015 PLANILHA GERAL - BASES BIOLÓGICAS DA PRÁTICA MÉDICA IV 1º 2015 Dia Data Hora Professor Sala Conteúdo Módulo 08:00 Tiago Principais neoplasias ginecológicas e lesões precursoras SEGUNDA 23/2/2015 08:55

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 346 779 COD. 152 870

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 346 779 COD. 152 870 CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO (Aprovados em Conselho Pedagógico, 21 outubro de 2014) CIÊNCIAS NATURAIS 9º ano de escolaridade Saúde Individual e comunitária Indicadores do estado de saúde de uma população

Leia mais

LABORATÓRIO RIO DE HABILIDADES CLÍNICAS. Universidade Estácio de Sá Rio de Janeiro Curso de Medicina

LABORATÓRIO RIO DE HABILIDADES CLÍNICAS. Universidade Estácio de Sá Rio de Janeiro Curso de Medicina Universidade Estácio de Sá Rio de Janeiro Curso de Medicina HISTÓRICO 1975 Universidade de Limburg MAASTRICHT Holanda Cria o Instituto Educacional para Treinamento de Habilidades Médicas M SKILLSLAB HISTÓRICO

Leia mais

Lista de Tabulação CID-BR

Lista de Tabulação CID-BR Mortalidade CID-10 Lista de Tabulação CID-BR Esta classificação foi elaborada a partir da Lista de Tabulação da CID-BR-9, uma versão da Lista Básica de Tabulação da Classificação Internacional de Doenças

Leia mais

EXAME ADMISSIONAL Ficha Clínica página 1

EXAME ADMISSIONAL Ficha Clínica página 1 Nome: Nome da Mãe EXAME ADMISSIONAL Ficha Clínica página 1 1.Dados Pessoais Data nascimento: Cargo: RG / órgão emissor / Endereço atual: Esta ficha clínica foi elaborada para seu exame admissional e servirá

Leia mais

Tabela de Codificação quanto as Causas de Rejeição (CR) - Referência para o SHTWEB (Portaria 2712/2013-MS e RDC 34/2014-ANVISA) Cód.

Tabela de Codificação quanto as Causas de Rejeição (CR) - Referência para o SHTWEB (Portaria 2712/2013-MS e RDC 34/2014-ANVISA) Cód. Tabela de Codificação quanto as Causas de Rejeição (CR) - Referência para o SHTWEB (Portaria 2712/2013-MS e RDC 34/2014-ANVISA) Cód. Tempo Descrição Sem Rejeição 00-01 Def. Idade superior a 69 anos 11

Leia mais

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: : FLÁVIA NUNES DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO ENDOCARDITE REUMÁTICA O desenvolvimento da endocardite reumática é atribuído diretamente à febre reumática, uma doença

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Acompanhamento das gestantes vacinadas inadvertidamente (GVI) com a vacina dupla viral (sarampo e rubéola)

Leia mais

1. CANDIDATURA A UM DESEJO

1. CANDIDATURA A UM DESEJO 1. CANDIDATURA A UM DESEJO Dados da criança: (dd/mmm/aaaa i.e. 01Jan2000) Nome: Sexo: Masculino Feminino Doença: Data de Nascimento: Telefone: Morada actual: Idade: Desejo da Criança: Língua-materna: Já

Leia mais

MÉTODOS CONTRACETIVOS. Hélder Giroto Paiva - EPL

MÉTODOS CONTRACETIVOS. Hélder Giroto Paiva - EPL MÉTODOS CONTRACETIVOS Hélder Giroto Paiva - EPL MÉTODOS CONTRACETIVOS São processos que permitem evitar uma gravidez não desejada. Alguns destes métodos servem também para evitar doenças sexualmente transmissíveis.

Leia mais

Hemoglobinopatias. Dra. Débora Silva Carmo

Hemoglobinopatias. Dra. Débora Silva Carmo Hemoglobinopatias Dra. Débora Silva Carmo Hemoglobinopatias O que é hemoglobina É a proteína do sangue responsável em carregar o oxigênio para os tecidos Qual é a hemoglobina normal? FA recém-nascido AA

Leia mais

Instituições de Solidariedade Social

Instituições de Solidariedade Social Instituições de Solidariedade Social Trabalho realizado por: Alexandre d Eça, nº1 Ana Margarida Oliveira, nº3 João André Fortunato, nº14 Margarida Milheiro, nº18 9ºC Introdução O tema deste trabalho é

Leia mais

F i c h a d e i n f o r m a ç ã o sobre doenças sexualmente transmissíveis

F i c h a d e i n f o r m a ç ã o sobre doenças sexualmente transmissíveis F i c h a d e i n f o r m a ç ã o sobre doenças sexualmente transmissíveis As infecções sexualmente transmissíveis (STI s, abreviatura em inglês para Sexually Transmitted Infections (Infecções Sexualmente

Leia mais

Informações sobre anestesia

Informações sobre anestesia Informações sobre anestesia Estamos fornecendo este documento para ajudar os pacientes que serão submetidos a anestesia, para melhor entendimento do processo. Leia-o cuidadosamente e entenda o conteúdo.

Leia mais

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar:

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar: A cirurgia endovascular agrupa uma variedade de técnicas minimamente invasivas mediante as quais CIRURGIA ENDOVASCULAR = CIRURGIA SEM CORTES! Técnicas Minimamente Invasivas As técnicas de cirurgia endovascular

Leia mais

Mortalidade CID-10 Lista de Tabulação CID-BR

Mortalidade CID-10 Lista de Tabulação CID-BR Mortalidade CID-10 Lista de Tabulação CID-BR Esta classificação foi elaborada a partir da Lista de Tabulação da CID-BR-9, uma versão da Lista Básica de Tabulação da Classificação Internacional de Doenças

Leia mais

O QUE É? O NEUROBLASTOMA. Coluna Vertebral. Glândula supra-renal

O QUE É? O NEUROBLASTOMA. Coluna Vertebral. Glândula supra-renal O QUE É? O NEUROBLASTOMA Coluna Vertebral Glândula supra-renal O NEUROBLASTOMA O QUE SIGNIFICA ESTADIO? O QUE É O NEUROBLASTOMA? O neuroblastoma é um tumor sólido maligno, o mais frequente em Pediatria

Leia mais

1 - Estrutura e Finalidades da disciplina

1 - Estrutura e Finalidades da disciplina CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO AUXILIAR DE SAÚDE Planificação anual de SAÚDE 10º ano 014/015 Turma K Professora: Maria de Fátima Martinho. 1 - Estrutura e Finalidades da disciplina A disciplina de Saúde

Leia mais

Terapêutica anticoagulante oral

Terapêutica anticoagulante oral Terapêutica anticoagulante oral Quando iniciar? Quando e como suspender? Quando parar definitivamente? Eugénia Cruz e Sara Morais Serviço de Hematologia Clínica, Hospital de Santo António 1º Encontro Proximidade

Leia mais

Cursos de Graduação em Farmácia e Enfermagem 3º Período

Cursos de Graduação em Farmácia e Enfermagem 3º Período Cursos de Graduação em Farmácia e Enfermagem 3º Período Disciplina: Patologia Geral http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2013 ALTERAÇÕES DO CRESCIMENTO ALTERAÇÕES DA DIFERENCIAÇÃO

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PÚBLICO 01/2007 RIS/GHC RESIDÊNCIA INTEGRADA EM SAÚDE 2008 GERÊNCIA DE ENSINO E PESQUISA

PROCESSO SELETIVO PÚBLICO 01/2007 RIS/GHC RESIDÊNCIA INTEGRADA EM SAÚDE 2008 GERÊNCIA DE ENSINO E PESQUISA De acordo com o Edital 01/2007, que rege o Processo Seletivo, os recursos com argumentações inconsistentes, extemporâneos, que estiverem fora das especificações estabelecidas para a interposição, que contiverem

Leia mais

Capítulo 18 (ex-capítulo 2) CÓDIGO V

Capítulo 18 (ex-capítulo 2) CÓDIGO V Capítulo 18 (ex-capítulo 2) CÓDIGO V O código V é uma classificação suplementar que se destina a classificar situações e outras circunstâncias que não as de doença ou lesão, que aparecem registadas como

Leia mais

Bibliografia: Capítulo 2 e 3 - Nowak Capítulo 12, 13 e 14 Fisiopatologia Fundamentos e Aplicações A. Mota Pinto Capítulo 4 S.J.

Bibliografia: Capítulo 2 e 3 - Nowak Capítulo 12, 13 e 14 Fisiopatologia Fundamentos e Aplicações A. Mota Pinto Capítulo 4 S.J. 1 3 Março INFLAMAÇÃO Conhecer os diferentes mecanismos fisiopatológicos que intervêm na resposta inflamatória Identificar os principais mediadores celulares e moleculares da inflamação Identificar os efeitos

Leia mais

Interpretação de exames laboratoriais Lactato desidrogenase (LDH)

Interpretação de exames laboratoriais Lactato desidrogenase (LDH) Interpretação de exames laboratoriais Lactato desidrogenase (LDH) Nathália Krishna O que é? NAD+ está presente em quantidades somente catalíticas na célula e é um cofator essencial para a glicólise,dessa

Leia mais

DOENÇAS TRATÁVEIS. Existem dois tipos de transplante:

DOENÇAS TRATÁVEIS. Existem dois tipos de transplante: DOENÇAS TRATÁVEIS Nestes casos, o tratamento com células estaminais e progenitoras hematopoiéticas é eficaz e está totalmente comprovado, padronizado e generalizado. Para algumas destas doenças, as células

Leia mais