VOLUME III. Cartas Regionais de Competitividade

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VOLUME III. Cartas Regionais de Competitividade"

Transcrição

1 VOLUME III Cartas Regionais de Competitividade 1

2 FICHA TÉCNICA Coordenação Científica Professor Doutor José Veiga Simão Execução: Dr. José Félix Ribeiro e Mestre Joana Chorincas NOTA: As Cartas Regionais de Competitividade que agora se apresentam foram elaboradas durante os anos 2008 e 2009, tendo a informação estatística sido actualizadas em A informação sobre Empresas e Centros de Investigação deverá ser periodicamente actualizada dada a dinâmica do mundo empresarial e a evolução das actividades de I&D no País. 2

3 CARTA REGIONAL DE COMPETITIVIDADE DÃO LAFÕES 3

4 1. TERRITÓRIO A sub-região Dão Lafões localiza-se na parte Norte da região Centro, entre os territórios do litoral e os territórios do interior, e estendendo-se por um conjunto de 15 municípios. A nível paisagístico, a sub-região é caracterizada por uma paisagem muito diversa, marcada pelas serras do Caramulo, Arada, Montemuro, Freita, Lapa e Leomil e pelos rios Dão, Vouga, Paiva e Mondego. Na perspectiva do ordenamento do território e planeamento urbano, o Dão Lafões integra a Grande Área Metropolitana de Viseu (GAMVis) 1, desenvolvendo-se em torno do município de Viseu, num círculo irregular que agrupa a totalidade das sub-regiões Dão-Lafões (com excepção de Mortágua) e Serra da Estrela, além de quatro municípios da sub-região Douro. FIGURA 1 SUB-REGIÃO DÃO LAFÕES As mais expressivas dinâmicas territoriais e sócio económicas da sub-região concentram-se na cidade de Viseu, estruturante de todo o território sub-regional e uma das maiores cidades médias do País (com cerca de 45 mil habitantes, a maior cidade fora do litoral), que desempenha um papel relevante no equilíbrio da rede urbana nacional. Viseu constitui o principal pólo de relação da subregião Dão-Lafões com os demais centros urbanos da região Centro, designadamente com as cidades de Aveiro e Coimbra. Assim, a par das cidades de Aveiro, Coimbra, Leiria, Guarda, Covilhã e Castelo Branco, Viseu assume-se como um dos pilares do policentrismo regional. Complementarmente à capacidade polarizadora de Viseu em relação ao território envolvente, têm vindo a afi rmar-se outros centros urbanos na sub-região sobretudo Tondela e Mangualde e, em menor grau, Nelas e São Pedro do Sul -, que, para além de contribuírem para suster as dinâmicas regressivas dos territórios rurais do interior, podem contribuir, em articulação com a cidade de Viseu, para a formação de uma aglomeração urbana alargada. 1 A GAMVis foi criada a partir do disposto na Lei nº. 10/2003, de 13 de Maio, e abrange o território de 21 municípios: Aguiar da Beira, Carregal do Sal, Castro Daire, Fornos de Algodres, Gouveia, Mangualde, Moimenta da Beira, Nelas, Oliveira de Frades, Penalva do Castelo, Penedono, Santa Comba Dão, São Pedro do Sul, Sátão, Seia, Sernancelhe, Tarouca, Tondela, Vila Nova de Paiva, Viseu e Vouzela. 4

5 Além da razoável dimensão da cidade de Viseu no contexto nacional, da sua localização privilegiada (na intermediação entre o litoral e o interior) e do forte dinamismo comercial e industrial, o Plano Regional de Ordenamento do Território (PROT) da região Centro destaca os seguintes elementos de dinâmica territorial do Dão Lafões: A posição estratégica no eixo do IP5 (actual A25 - Aveiro, Viseu, Guarda) e na ligação a Coimbra e Vila Real/Chaves (IP3, em parte A24); O reforço da massa crítica da constelação urbana polarizada por Viseu (Mangualde, Nelas, Tondela, São Pedro do Sul), a que se associa uma segunda coroa (Oliveira do Hospital, Seia, Gouveia, sobre o IC7), aproveitando o reforço de acessibilidade permitido pelo IP3, IC12 (Santa Comba/Nelas), IC37 (Nelas/Seia) e pela linha da Beira Alta; posição de polaridade partilhada, no Corredor de Lafões (com Aveiro) e na zona da albufeira da Aguieira (com Coimbra); O reforço da centralidade de Viseu (ensino especializado, saúde, administração pública/nível sub-regional, instituições culturais, serviços ao consumo fi nal; serviços às empresas); A diminuição/envelhecimento demográfi co e a importância da rede de pequenos aglomerados (vilas e cidades de pequena dimensão); A atractividade industrial (fi leiras automóvel e madeiras) e a relevância dos produtos agrícolas de qualidade e diferenciação; A importância do Mondego e do Alva; Barragens da Aguieira; Planos de Bacia e fecho dos sistemas em alta de água e saneamento. No que respeita às acessibilidades rodoviárias, destaque para o facto de Dão Lafões ser servido pelas seguintes infra-estruturas: IP3, que tem como destinos fi nais Vila Verde da Raia (Chaves) para Norte e Figueira da Foz para Sul, com um papel importante na ligação de Viseu à parte Norte do Distrito e a Régua, Vila Real e Espanha (Galiza). A ligação a Coimbra possui um baixo nível de serviço, com características que não respondem à procura existente - em Novembro de 2007, foi aprovado pelo Governo o lançamento de concursos públicos internacionais para a concepção e construção do IP3, em perfi l de auto-estrada, entre Coimbra e Viseu (concessão Auto-Estradas do Centro vd. ponto 7.2.); O IP5/A25, que liga Aveiro a Vilar Formoso, garantindo a ligação à A1 (IP1) e a Salamanca (através de Vilar Formoso). O IC12, que estabelece ligações de interesse regional entre Santa Comba Dão, Carregal do Sal, Nelas e Mangualde, fazendo a ligação entre o IP3 e o IP5. No âmbito da concessão Auto-Estradas do Centro, está prevista a construção de troços entre Santa Comba Dão e Mangualde. De referir que alguns municípios dispõem de boas acessibilidades ao IP5 e/ou ao IP3, principalmente os que se localizam próximo destas infra-estruturas, como é o caso de Oliveira de Frades, Tondela, Santa Comba Dão, Vouzela e Castro Daire. Noutros municípios, esta ligação é apenas estabelecida com a sede, existindo territórios que permanecem muito isolados. No que respeita às ligações dos municípios à cidade de Viseu, em alguns casos são realizadas através dos itinerários principais (conjugados com as estradas nacionais), principalmente Tondela, Santa Comba Dão, Oliveira de Frades, Vouzela e Castro Daire, existindo Estradas Nacionais que asseguram uma ligação rápida, por exemplo, de Viseu a São Pedro do Sul (EN16) e a Nelas (EN231). Existem ainda importantes ligações externas que permitem relações relevantes com os municípios de regiões vizinhas, como é o caso de Vila Nova de Paiva a Moimenta da Beira (EN323) e Aguiar da Beira a Fornos de Algodres e à Guarda (EN330). 5

6 No que respeita à rede ferroviária, a sub-região Dão-Lafões é atravessada pela linha da Beira Alta, definida, pelo documento de Orientações Estratégicas para o Sector Ferroviário, como o eixo de maior procura e com as principais acessibilidades às plataformas logísticas, portos, aeroportos e fronteiras. Localizam-se na sub-região algumas infra-estruturas complementares do sistema aeroportuário nacional: em Viseu, existe um aeródromo certifi cado de utilização pública, utilizado principalmente por privados e que está vocacionado para funções específi cas, como emergência médica, protecção civil, trabalho aéreo, aviação desportiva e educacional. 2. DEMOGRAFIA Em 2009 residiam na sub-região Dão Lafões cerca de 291 mil indivíduos, concentrados sobretudo nos municípios Viseu (34% da população total), Tondela (11%) e Mangualde (7%). Aguiar da Beira e Vila Nova de Paiva eram os municípios menos populosos (não indo além dos 2% do total da população residente na sub-região). FIGURA 2 - POPULAÇÃO RESIDENTE 2009 Fonte: INE. Viseu evidencia o dinamismo demográfi co próprio de uma capital de Distrito, com um crescimento populacional, entre 1991 e 2009, superior a 2.8%. Este município destaca-se também com os valores mais elevados de densidade populacional (196.2 hab./km 2, em 2009), seguindo-se os municípios Nelas (117.2 hab./km 2 ) e Santa Comba Dão (109.2 hab./km 2 ). A sub-região Dão Lafões apresentou, em 2009, uma taxa de crescimento efectivo de -0,08%, tendência negativa que se vem acentuando nas últimas décadas. O município de Viseu destacase, sendo o município da sub-região que apresenta o mais elevado valor naquele indicador, ainda que muito ténue (0,46%). O decréscimo demográfi co de alguns municípios é o resultado de uma tendência de concentração nas áreas urbanas mais importantes da sub-região ou da envolvente e, ainda, dos fl uxos de emigração que continuam a marcar este território. 6

7 FIGURA 3 - TAXA DE CRESCIMENTO EFECTIVO DA POPULAÇÃO RESIDENTE Fonte: INE O índice de envelhecimento da população da sub-região apresenta um valor próximo do da região Centro (148.2 contra 147.2, respectivamente, em 2009) mas revela-se superior ao valor do País (de 115.5). Mais uma vez o município de Viseu se destaca, com o valor mais baixo deste indicador (105.2). O envelhecimento demográfi co é mais acentuado nos municípios de Mortágua (227.2) e Tondela (206.2). 3. ACTIVIDADES ECONÓMICAS, POLOS INDUSTRIAIS E CLUSTERS Em 2009, o Produto Interno Bruto (PIB) a preços correntes da sub-região Dão Lafões rondava os 3.4 mil milhões de euros (o equivalente a apenas 2.1% do total nacional e a 11% do total da região Centro). Em termos de Valor Acrescentado Bruto (VAB), a relevância nacional e regional da subregião rondava os mesmos valores. Naquele ano, o PIB per capita a preços correntes da sub-região era de 11.8 milhares de euros, valor inferior aos registados a nível nacional (de 15.8 milhares de euros) e na região Centro (13.2 milhares de euros). O índice de disparidade do PIB per capita da sub-região em relação à média nacional permite aferir que o Dão Lafões apresenta um PIB per capita cerca de 25% abaixo do valor médio nacional. O índice do poder de compra evidencia a heterogeneidade da sub-região, e particularmente a 7

8 demarcação do município de Viseu face aos restantes, com o valor mais próximo (embora inferior) da média nacional (94.3). Salienta-se ainda um conjunto de municípios que apresentam um valor correspondente a metade, ou menos, da média do País: Penalva do Castelo (50.2), Aguiar da Beira (49.9) e Vila Nova de Paiva (49.8). A sub-região representava, em 2010, apenas cerca de 3% dos fl uxos do comércio internacional em Portugal. Em 2009, a taxa de cobertura das entradas pelas saídas na sub-região foi de 128% (muito acima da média regional de 121% e da média nacional de 62%). Em 2009, cerca de 63 mil indivíduos desenvolviam a sua actividade económica no Dão Lafões, o equivalente a 2% do emprego total do país. As actividades económicas mais representativas na sub-região em termos de emprego são, por ordem decrescente: a agricultura, produção animal, caça e silvicultura (22% do emprego total da sub-região), o comércio por grosso e a retalho (13%) e a construção civil (9%). As actividades industriais representam, no seu conjunto, cerca de 18% do emprego total do Dão Lafões. Cerca de 24 mil empresas tinham, em 2009 sede nos municípios do Dão Lafões, concentrando-se sobretudo nos municípios de Viseu (42% do total de empresas sedeadas na sub-região) e Tondela (10%). Os sectores de actividade económica não industriais mais representativos em termos empresariais são, por ordem decrescente de importância, o comércio por grosso e a retalho (29% do total de empresas sedeadas na sub-região), a construção civil (16%) e as actividades imobiliárias, alugueres e serviços prestados às empresas (15%). As empresas industriais representam cerca de 8% do total de empresas com sede na sub-região, destacando-se as empresas das indústrias metalúrgicas de base e de produtos metálicos (25% do total de empresas industriais sedeadas no Dão Lafões), das indústrias alimentares, das bebidas e do tabaco (17%), das indústrias da madeira e da cortiça e suas obras (14%) e da indústria têxtil (10%). A taxa de natalidade de empresas no Dão Lafões posicionou-se, em 2008, abaixo da média nacional (12.6% contra 14.2%). Por seu turno, em 2007, a taxa de mortalidade de empresas foi de 14.2% (valor inferior ao registado a nível nacional, de 16.1%). No que respeita à estrutura dimensional das empresas com sede nos municípios da sub-região, o Dão Lafões é marcado pela coexistência de empresas de pequena dimensão e de grandes empresas: cerca de 27% dos Trabalhadores por Conta de Outrem (TCO) desenvolviam a sua actividade, em 2008, em empresas com menos de 10 trabalhadores; cerca de 24% dos TOC pertencem a empresas com mais de 250 trabalhadores. Em 2009, as empresas do Dão Lafões atingiram um volume de negócios de 5.3 mil milhões de euros. Os sectores mais representativos em termos de volumes de negócios foram, por ordem decrescente de importância: comércio a retalho, excepto de veículos automóveis e motociclos (17% do volume de negócios total); comércio por grosso, excepto de veículos automóveis e motociclos (15%); indústrias da madeira e da cortiça e suas obras, excepto mobiliário (8%); fabricação de produtos metálicos, excepto máquinas e equipamentos (7%); fabricação de veículos automóveis, reboques, semi-reboques e componentes para veículos automóveis (6%). 8

9 FIGURA 4 - TAXA DE TCO EM EMPRESAS COM MENOS DE 10 TRABALHADORES Fonte: INE. FIGURA 5 - TAXA DE TCO EM EMPRESAS COM MAIS DE 250 TRABALHADORES Fonte: INE. 9

10 Especialização da base produtiva A sub-região Dão Lafões apresenta características próprias que fazem deste território a charneira entre o interior e o litoral: Nas últimas décadas, assistiu-se à transformação de uma economia fortemente ligada à agricultura para uma economia marcada pela importância de determinados sectores industriais e pelo incremento das actividades de comércio e serviços; A sub-região funcionou como alavanca da atracção de investimentos para o centro interior norte do País; Viseu, o principal centro urbano, que concentrava funções essencialmente no âmbito das actividades comerciais (além das de natureza administrativa), transformou-se numa cidade de prestação de serviços às pessoas e às empresas da sub-região; O desenvolvimento, para além de atingir o principal centro urbano da sub-região orientou-se ao longo das vias de comunicação - do IP5, em direcção a Oliveira de Frades e Vouzela e do IP3 para Sul em direcção a Tondela, principalmente. Outros municípios, como Mangualde e Nelas, desenvolveram-se através da interacção com Viseu. Do ponto de vista da especialização da base produtiva, de referir que determinadas actividades primárias mantêm expressividade em alguns municípios, contribuindo de forma signifi cativa para o emprego e a criação de riqueza na sub-região: é o caso da avicultura, particularmente nos municípios de Tondela e Oliveira de Frades; das actividades ligadas à fl oresta, principalmente nos municípios de Santa Comba Dão, Sátão, Castro Daire, Vouzela e Oliveira de Frades; da vinicultura, sector de forte reconhecimento da sub-região. De facto, o vinho Dão, com Denominação de Origem Controlada (DOC), é considerado uma das principais land marks da sub-região, sendo o produto externamente mais (re)conhecido, para além da relevância económica 2. O Vinho de Lafões, com Indicação de Proveniência Regulamentada (IPR), produzido nos municípios de Oliveira de Frades, São Pedro do Sul e Vouzela, regista áreas e volumes de produção muito menores, apresentando menor expressão em termos económicos. No que respeita à indústria, os processos produtivos que se desenvolveram na sub-região foram sobretudo de mão-de-obra intensiva e de organização industrial baseada em unidades industriais de pequena dimensão, apesar de terem surgido unidades de grande dimensão centradas no investimento estrangeiro. Os sectores que se apresentaram como mais dinâmicos foram os tradicionais da indústria transformadora nacional (vestuário, madeiras e metalomecânica ligeira). Nos últimos anos, o sector secundário, sobretudo a indústria transformadora, tem vindo a diminuir o seu peso no Dão Lafões, consequência do encerramento ou deslocalização de empresas multinacionais (como o caso da Johnson em Nelas) e da perda de competitividade dos sectores industriais marcantes na sub-região. Face a um desenvolvimento industrial relativamente recente e aos problemas enfrentados pelas empresas industriais, o comércio e os serviços destacam-se na dinâmica económica do Dão Lafões, concentrando-se sobretudo na cidade de Viseu e nas suas proximidades. Assim, a sub-região apresenta uma estrutura de emprego distribuída entre sectores básicos como o comércio, a construção, o turismo e restauração, as actividades associativas/serviços às famílias, a agricultura e silvicultura, com uma expressão signifi cativa, e alguns sectores industriais. 2 Da Região Demarcada do Dão (com cerca de 376 mil hectares) fazem parte os municípios de Aguiar da Beira, Carregal do Sal, Mangualde, Nelas, Penalva do Castelo, Santa Comba Dão, Sátão, Tondela e Viseu (parcialmente), e ainda Arganil, Tábua, Mortágua, Oliveira do Hospital, Fornos de Algodres, Gouveia, Seia. 10

11 Em termos de clusters há a destacar a importância dos: Cluster Automóvel, em que se destaca a localização de uma Original Equipment Manufacture (OEM) a CITROEN LUSITANA, em Mangualde, com actividade de montagem de veículos comerciais ligeiros; e de fabricantes de componentes como a HUF Portuguesa, em Tondela, e a BOMORO Portuguesa, também em Tondela, do grupo BOSCH, ambas especializadas no fabrico de fechos, fechaduras e puxadores; mais recentemente instalaram-se novas empresas como a SASAL Assentos para Automóveis, que produz capas para assento automóvel, em Vouzela, ou a EDA, que produz assentos em Nelas, ambas as empresas do grupo francês FAURECIA. Referência também para a AVON AUTOMOTIVE Portugal, em Nelas, pertencente a uma multinacional americana fabricante de borrachas para o sector automóvel. Cluster Têxtil, em que se destacam a BORGSTENA TEXTILE Portugal, em Nelas, especializada em têxteis para o sector automóvel e a BRITONS Indústria de Alcatifas, em Vouzela, empresa do Grupo Brintons Limited, que se dedica à produção de carpetes/ alcatifas para cadeias internacionais de hotéis, navios, casinos, aeroportos, centros comerciais, cinemas, entre outros. Cluster Madeira, em que estão presentes grandes empresas exportadoras de produtos de madeira como a SIAF/SONAE (vd, Caixa), a LUSOFINSA - Indústria e Comércio de Madeiras e a MADIBERIA - Transformação e Comércio de Madeiras, ambas em Nelas: mais recentemente instalaram-se novas empresas como a DIERRE Portugal Portas de Segurança, em Santa Comba Dão. Cluster Metalomecânica, destacando-se empresas como a MARTIFER, com sede em Oliveira de Frades, a MARCOVIL Metalomecânica de Viseu, que desenvolve e produz soluções para equipamentos industriais como calandras hidráulicas, pontes e pórticos rolantes, túneis de decapagem, centrais de betão e destroçadores; a GRUVIS - Estruturas Multiuso para Construção, também em Viseu, empresa especializada na produção de estruturas metálicas para construções, edifícios comerciais e grandes superfícies, edifícios industriais, estruturas de apoio à indústria e obras ferroviárias. Cluster Cerâmica, com a presença de empresas como a AQUATIS Companhia Europeia de Louça sanitária, em Santa Comba Dão, e a CERUTIL Cerâmicas Utilitárias, empresa do Grupo Visabeira. Em termos de clusters, a dinâmica do Dão Lafões sugere um alastramento à sub-região de clusters típicos do Entre Douro e Vouga e do Baixo Vouga. A construção do IP 5, com consequente melhoria da acessibilidade ao litoral, a elevada disponibilidade de mão-de-obra local (ainda que sem grande tradição de trabalho na indústria) e a oferta de espaços de acolhimento industrial a baixo preço criaram condições para que o Dão Lafões pudesse ser abrangido pela extensão em mancha de óleo de algumas das actividades localizadas em sub-regiões muito mais industrializadas, e por vezes saturadas, como o Entre Douro e Vouga e o Baixo Vouga. Viseu, Mangualde e Nelas surgem como os municípios que mais benefi ciaram deste processo de extensão. Além dos clusters referidos, pertencentes a sectores de actividade mais tradicionais, o Dão Lafões destaca-se pela crescente presença de empresas do sector farmacêutico. De referir também o desenvolvimento do cluster do turismo, centrado sobretudo no produto turístico termalismo, em virtude das características geológicas do Dão Lafões, propícias à abundância de águas termais com propriedades terapêuticas. Estão em funcionamento na sub-região várias estâncias termais (São Pedro do Sul, Alcafache, Carvalhal, Caldas de Felgueira, Caldas de Sangemil, Caldas da Cavaca) e perspectiva-se, a curto prazo, a dinamização das Termas do Granjal. 11

12 Impulsionadas pelo termalismo, a oferta turística da sub-região tem vindo a ser reforçada, nomeadamente em segmentos específi cos como os hotéis de qualidade superior e o Turismo em Espaço Rural (TER). As caixas seguintes apresentam exemplos de empresas do Dão Lafões, que constituem importantes grupos económicos e que pertencem a sectores de especialização da sub-região: CAIXA 1 GRUPO VISABEIRA O Grupo Visabeira iniciou a sua actividade em 1980 no sector das Telecomunicações, prestando serviços de instalação, manutenção e gestão de infra-estruturas de rede. Actualmente o Grupo Visabeira agrega um universo composto por mais de cinco dezenas de empresas, com uma actuação estruturadas em 5 sub-holdings: - Visabeira Global: integra as empresas especializadas nos sectores das telecomunicações, energias, tecnologias e construção. Refi ram-se as empresas Viatel (engenharia e redes de telecomunicações); PDT Projectos de Telecomunicações (redes fi xas, móveis, por cabo e infra-estruturas de telecomunicações); Constructel (construção e manutenção de infra-estruturas e redes de telecomunicações); Gatel (engenharia de redes de telecomunicações e energia); Visabeira-Infra-Estruturas (construção, instalação, manutenção, supervisão e assistência técnica de infra-estruturas do sector energético); Beiragás (principal distribuidora de gás natural no Centro do País); Ambitermo (desenvolvimento e concepção de caldeiras e sistemas de recuperação de energia industriais); Pinewells (produção de biocombustíveis sólidos - wood pellets -, valorização de resíduos e desperdícios fl orestais); Granbeira (actuação no sector extractivo de rochas ornamentais, desde blocos até aos mais variados tipos de agregados e produção de betão). - Visabeira Indústria: integra unidades especializadas em diferentes áreas de produção industrial, como o fabrico de mobiliário de cozinha e cerâmica utilitária, tubos de PVC e polietileno, cabos eléctricos e telefónicos, extracção e transformação de rochas ornamentais, produção de agregados e betão pronto. Possui unidades fabris em Portugal, Angola e Moçambique. - Visabeira Imobiliária: integra empresas de comércio, serviços, do sector residencial e turístico. Refi ram-se as empresas Visabeira Imobiliária SA (promotor imobiliário responsável pelo desenvolvimento e comercialização de empreendimentos de alta qualidade, tanto nas áreas residencial e comercial como turística). - Visabeira Turismo: compreende uma variedade de unidades hoteleiras de 4 e 5 estrelas, resorts turísticos, centros de congresso, golfe, complexos de lazer, bem-estar e entretenimento, novos conceitos em restauração, pistas de gelo, piscinas, ginásios, courts de ténis, squash, spa e health clubs, espaços de animação e agências de viagem. - Visabeira Participações: concentra os investimentos fi nanceiros do Grupo Visabeira em empresas estrategicamente seleccionadas e com as quais existem importantes sinergias, bem como actua como incubadora de novos projectos. Entre os seus clientes, encontram-se alguns dos mais infl uentes players em sectores determinantes, como o Grupo PT, France Telecom, EDP, ZON Multimédia, Grupo Galp, TDM Telecomunicações de Moçambique, Angola Telecom, Sonae, Belgacom, Wal-Mart, Grupo Auchan, Ericsson, Alcatel, Kaufhof, CTT, mcel, Autarquias, entre muitos outros. A nível internacional assume uma destacada presença em Moçambique, Angola, Espanha, França, Marrocos, Argélia, Roménia, Bélgica, África do Sul e Caraíbas, e os seus produtos estão presentes em mais de quatro dezenas de países. O Grupo Visabeira, através de uma participada da Cerutil, procedeu à aquisição da maioria do capital da empresa Fábrica de Faianças Artísticas Bordalo Pinheiro e detém a Vista Alegre Atlantis. De referir que, em 2009, o Grupo inaugurou duas unidades hoteleiras de 5 estrelas na sub-região Dão Lafões: o aldeamento Montebelo Aguieira Lake Resort & Spa, situado junto à Barragem da Aguieira, em Mortágua; e o Hotel Casa da Ínsua, em Penalva do Castelo. Através da Visabeira Indústria, o Grupo integra o Pólo de Competitividade e Tecnologia Indústria da Fileira Florestal, reconhecido formalmente como Estratégia de Efi ciência Colectiva em Julho de Por outro lado, através da Vista Alegre Atlantis, integra o Outro Cluster Habitat Sustentável, também uma Estratégia de Efi ciência Colectiva reconhecida formalmente. Integra ainda o Pólo de Competitividade e Tecnologia TICE - Pólo de Tecnologias de Informação, Comunicação e Electrónica. Fontes: Grupo Visabeira. 12

13 CAIXA 2 MARTIFER Com sede em Oliveira de Frades, a Martifer Sgps é a empresa mãe de um grupo de cerca de 120 empresas, divididas por quatro segmentos básicos de actividade cujos activos excedem já os 300 milhões de euros: Construção; Equipamentos para a Energia; Biocombustíveis; Energia Eléctrica. O crescimento contínuo registado desde a constituição da Martifer Construções Metalomecânicas, em 1990 (que em termos médios tem rondado os 30%/ano), conduziu o Grupo à liderança ibérica do segmento das construções metalomecânicas. Hoje, com cerca de 2000 colaboradores, a Martifer iniciou a sua actividade no sector das estruturas metálicas (em 1990), conquistando em apenas 6 anos a liderança do mercado nacional. As estruturas em inox e alumínio têm vindo a assumir um papel importante dentro da empresa. A Martifer Construções é ainda uma das principais empresas do Grupo: é líder Ibérica e um dos principais players europeus no sector das estruturas metálicas, reúne uma vasta experiência na construção de edifícios, fábricas, pontes, torres, estádios e aeroportos. O Grupo complementa a sua actividade com a aposta nas energias renováveis, no desenvolvimento da área dos equipamentos para a energia, nomeadamente na produção de componentes como torres eólicas e caixas multiplicadoras para aerogeradores e na instalação de parques eólicos e parques solares chave-na-mão. Integra a Martifer Energy Systems, através da qual acompanha a expansão da indústria da energia eólica a nível global, numa lógica de verticalização e internacionalização do negócio, multiplicando unidades industriais e apostando no fornecimento de projectos chave-na-mão. No domínio da energia solar, apresenta serviços e soluções inovadoras em matéria de efi ciência energética de edifícios e em sistemas solares, térmicos e fotovoltaicos, com soluções de tecnologia fi xa ou de seguimento. No domínio da energia das ondas, criou um Núcleo de Investigação e Desenvolvimento, com o objectivo de promover uma tecnologia para produção de energia eléctrica a partir das ondas do mar (projecto Flow). Por outro lado, adquiriu, em Janeiro de 2008, 96.79% do capital da Navalria Docas, Construções e Reparações Navais, detentora dos Estaleiros Navais de São Jacinto. No domínio dos biocombustíveis, integra a subholding Prio - a sua actividade cobre a total cadeia de valor de produção de biodiesel, desde a produção das sementes oleaginosas até à distribuição de combustíveis, passando pela extracção de óleos vegetais e produção de biodiesel nas unidades de Aveiro e da Roménia. Assegurou uma presença global através da aposta na agricultura na Roménia e no Brasil, não descurando a produção nacional através de acordos com agricultores do Alentejo e do Ribatejo, para a cultura do girassol. A Prio pretende penetrar noutros países, como Angola e Moçambique, Polónia, Moldávia e Ucrânia. Para fazer face ao seu importante plano de investimentos nas diversas áreas, a Martifer entrou em Bolsa em Junho de 2007, através de uma operação de aumento de capital. A internacionalização do Grupo Martifer fez sempre parte integrante das preocupações estratégicas da empresa. Este processo teve início em 1999, com a criação da Martifer Espanha. Actualmente, a Martifer está presente em mais de 15 países. Em Julho de 2008, a Martifer e o Grupo CGD (através da Caixa Capital, Sociedade de Capital de Risco) celebraram um acordo de entendimento em que estabelecem os princípios de colaboração entre as duas sociedades ao nível da promoção e concretização de investimentos na área das energias renováveis, mais especifi camente energia eólica e solar. Através da Martifer Solar, o Grupo concebeu e fabricou o SunPark, um novo produto de integração arquitectónica, com tecnologia Plug and Play, de energia solar fotovoltaica - trata-se de uma tecnologia aplicada na cobertura de parques de estacionamento, montada e equipada para gerar electricidade. Está envolvido no projecto Smart Energy, projecto de efi ciência energética assinado em Julho de 2008, em Viseu, por cerca de 30 parceiros, entre empresas e universidades. Tem também em curso projectos para o porto de Aveiro, nas áreas do biodiesel e da energia eólica. De referir ainda que a Martifer integra o Pólo de Competitividade e Tecnologia Energia, reconhecido formalmente como Estratégia de Efi ciência Colectiva em Julho de Fontes: Grupo Martifer. 13

14 CAIXA 3 JVC HOLDING A JVC Holding é um grupo detido pelo empresário de Tondela Joaquim Vieira Coimbra que detém ou participa em meia centena de empresas pertencentes aos mais variados sectores de actividade económica. Tem investimentos na banca e participação na Sociedade Lusa de Negócios, além de investimentos na comunicação social (aplicou, em 2008, 1.5 milhões de euros no semanário Sol), no turismo (destacando-se a parceria com o Grupo SIRAM no segmento do turismo residencial de luxo), na energia, na refrigeração e painéis isotérmicos, na tecnologia e na agro-indústria. Desde 2009 que controla a Global Wines, depois de ter acordado com os accionistas fundadores da Dão Sul a cedência das suas participações (33%), que juntou aos 50% de acções que já detinha. Fontes: JVC; Imprensa. CAIXA 4 DAÕ SUL A Dão Sul Sociedade Vitivinícola foi fundada em 1990 na região do Dão, com o objectivo de mudar a imagem dos vinhos portugueses. Mais tarde, verifi cando a importância em apostar noutras regiões do País, foram constituídas sociedades com produtores locais nas regiões do Alentejo, Douro, Estremadura e Bairrada, permitindo a criação de uma gama alargada de produtos provenientes das várias regiões vitivinícolas. No presente, é maioritariamente detida pela JVC Holding. Além da aposta nos vinhos nacionais, a Dão Sul produz vinhos no Brasil, a uma latitude de 8º Sul, num projecto único a nível mundial. Produz vinhos que vão desde um preço extremamente acessível e com uma excelente relação qualidade/ preço, como são os casos do Quinta de Cabriz Colheita Seleccionada e o Quinta dos Grilos, ambos da região do Dão, a vinhos monocastas e a vinhos topo de gama e com uma fi losofi a de concepção singular como, por exemplo, o Dourat e o Pião, vinhos que resultam da junção de vinhos de origem portuguesa com vinhos de origem espanhola e italiana, respectivamente. Além dos vinhos tintos e brancos de mesa, produz também vinhos espumantes, provenientes das regiões do Dão (branco) e Bairrada (branco e tinto), bem como aguardentes bagaceiras e vínicas, vinho licoroso e vinho do Porto. A Dão Sul é uma das PME inovadoras da COTEC Portugal e foi a única empresa do sector a ser admitida nesta rede, já que todas as outras pertencem à área das novas tecnologias. A empresa integra o Cluster Agro-Industrial do Ribatejo, Estratégia de Efi ciência Colectiva reconhecida formalmente em Julho de Fontes: Dão Sul; Imprensa. CAIXA 5 NUTROTON A Nutroton SGPS é um grupo do mercado alimentar que centra a sua actividade na comercialização de produtos avícolas, com o controlo de toda a cadeia produtiva através da produção de rações, pintos e ovos. O Grupo teve a sua origem na década de 50 do século XX na Somercal, Sociedade de Mercearias do Caramulo, empresa que pretendia ser uma Central de Compras da então Estância Sanatorial do Caramulo, que deu origem, em 1961, à Granja Avícola Portuguesa (Gapol). Fazem parte do Grupo as seguintes empresas: Nutroton; Multiaves; Agrocaramulo; Aviários do Areal; Iberavi; Angolaves; Iberfer; Nutroton Energia. Em Março de 2009 a Nutroton Energias formalizou a adjudicação junto do Governo da central de biomassa de Viseu, um projecto de 15 milhões de euros que prevê a produção de electricidade através de resíduos fl orestais. Em Janeiro de 2010, esta empresa adquiriu 50% da Floponor, empresa de tratamento de resíduos de biomassa, de forma a garantir o fornecimento de matéria-prima para as cinco centrais de biomassa que pretende desenvolver no País. Fontes: Nutroton; Imprensa. 14

15 CAIXA 6 SIAF- SOCIEDADE DE INICIATIVA E APROVEITAMENTOS FLORESTAIS/SONAE INDÚSTRIA Com sede na Maia, a Sonae Indústria é a sub-holding da Sonae e constitui um dos maiores produtores mundiais de painéis derivados de madeira. Teve a sua origem em 1959, ano de fundação da Sonae (Sociedade Nacional de Estratifi cados), criada com o objectivo de produzir estratifi cados a partir do engaço de uva. Problemas tecnológicos inesperados difi cultaram o sucesso inicial da sua actividade, tendo-se optado por partir para a produção de termolaminado decorativo à base de papel. Em 1990 arrancou a produção da fábrica de Mangualde (Siaf - Sociedade de Iniciativa e Aproveitamentos Florestais, uma unidade de MDF). As suas participações incluem actividades de produção de: -Termolaminados decorativos, produtos químicos (formaldeído e resinas à base de formaldeído), componentes, soluções e sistemas para a indústria do mobiliário, sectores da construção e decoração; - Aglomerado de partículas de madeira, Medium Density Fibreboard (MDF), High Density Fibreboard (HDF), aglomerado de fi bras duro, contraplacado e Oriented Strand Board (OSB) e laminados decorativos de alta pressão; - Papel e embalagem de cartão canelado; - Produtos e serviços de valor acrescentado - componentes, soluções e sistemas - para as indústrias de mobiliário, construção, decoração e para o sector de bricolage; - Produtos químicos (formaldeído, resinas à base de formaldeído e papéis impregnados). A empresa possui operações industriais em dez países, na Europa, América do Norte, América do Sul e África. De referir que a Sonae Indústria integra os Pólos de Competitividade e Tecnologia Indústria da Fileira Florestal e Produtech Tecnologias de Produção, reconhecidos formalmente como Estratégia de Efi ciência Colectiva em Julho de Grupo: Sonae; Imprensa. CAIXA 7 ALBERPLAS O Grupo ALBERPLÁS é o líder do mercado português no subsector de fi lmes, mangas e embalagens fl exíveis em plástico, transformando mais de 95 mil toneladas de polímeros por ano. As suas principais matérias-primas, polietileno de alta densidade, polietileno de baixa densidade e polipropileno, são fornecidas na quase totalidade por sociedades petroquímicas multinacionais.os produtos que fabrica têm como principal destino o mercado nacional português, no qual, quer no sector da distribuição, comércio e serviços, quer no sector da indústria, fornece os principais grupos e empresas nacionais e estrangeiras aí a operar. O Grupo é constituído pelas seguintes empresas: - ALBERPLÁS Indústria de Plásticos: sedeada na Zona Industrial de Albergaria-a-Velha, iniciou a sua actividade em 1992, em consequência do desejo de crescimento e opção estratégica de deslocalização do negócio até então exclusivamente desenvolvido na Polivouga. - POLIVOUGA Indústria de Plásticos: iniciou a sua actividade em 1982, em Fataunços (Vouzela), vocacionando-se para o fabrico de fi lmes e mangas para a agricultura e indústria e alguns sacos para a distribuição e comércio tradicionais. - TOPACK Indústria de Plásticos: sedeada na Zona Industrial de Nelas, iniciou a sua actividade em 1980, com a fabricação e comércio de sacos em plástico de alta densidade. Fontes: Alberplas; Imprensa. 15

16 No que respeita ás empresas multinacionais com instalações industriais nesta região salientaríamos a PSA e a HUF ambas integradas no Cluster Automóvel em Portugal: CAIXA 8 PSA (PEUGEOT CITROEN) A Peugeot Citroën Automóveis Portugal foi criada em 1962, com a denominação social de Citröen Lusitânia, tendo começado a laborar em Em Portugal, o Grupo PSA é constituído pelas marcas Peugeot e Citroën, o centro industrial de Mangualde, a divisão de equipamentos Faurecia, a empresa de logística GEFCO e a sociedade fi nanceira Banque PSA, com um total de cerca de 4 mil empregos directos. A fábrica de Mangualde é uma das mais de uma dezena de centros de produção automóvel de que o Grupo dispõe em todo o mundo, no qual produz, na mesma plataforma, o Citroën Berlingo e o Peugeot Partner. Em Dezembro de 2009 a empresa apresentou um projecto de modernização da sua unidade fabril, para a produção de um novo modelo de veículos automóveis. O Governo português irá subsidiar em 21 milhões de euros a empresa, numa medida que obrigará a empresa a garantir a sua manutenção e a manter os actuais 750 postos de trabalho até O investimento, resultante de uma candidatura ao Sistema de Incentivos à Inovação, permitirá a manutenção da actividade do fabricante em Portugal, assegurará a actividade dos fornecedores nacionais e das pequenas empresas que lhe estão associadas, visando, ainda, a produção de um novo modelo de veículos automóveis (o Citroën Berlingo e o Peugeot Partner) e a melhoria da efi ciência dos processos de fabricação. Deste modo, espera-se que o valor de vendas do novo projecto da PSA ascenda aos milhões de euros e que o valor acrescentado atinja os milhões de euros, até Em 2010 a fábrica de Mangualde iniciou a produção de um dos novos modelos da Citröen Berlingo e do Peugeot Partner, os designados B9, produzidos desde 2008 na unidade de Vigo. De referir que a empresa integra o Cluster das Indústrias da Mobilidade, reconhecido como Estratégia de Efi ciência Colectiva em Julho de Fontes: PSA; Imprensa. CAIXA 9 HUF PORTUGUESA A Huf Portuguesa, instalada em Tondela desde 1991, está inserida num consórcio que agrupa a Huf España e resultou do investimento conjunto de dois grupos europeus ligados à indústria de componentes para o automóvel a Huf Hülsbeck & Fürst (Alemanha) e a Ficosa International (Espanha). Líder europeu em fornecimento de sistemas de acesso, segurança e imobilização para o automóvel, a Huf Hülsbeck & Fürst tem fábricas na Europa, Ásia e América, estando representada em 12 países. Tem como principais clientes a Daimler - Chrysler, Grupo VW e BMW. A Ficosa International, por seu turno, fabrica cabos e sistemas de travão, espelhos e componentes plásticos para a indústria automóvel. Este grupo espanhol marca presença na Europa, América e Ásia, tendo mais de duas dezenas de fábricas a laborar. Fornece a clientes como GM/Opel; Ford; Grupo VW; PSA (Peugeot/Citroën) e Renault. Em Portugal, a Ficosa International tem uma fábrica na Maia - A FicoCables. A principal actividade da Huf Portuguesa é o fabrico de sistemas de acesso e imobilização para o automóvel, nomeadamente conjuntos de chaves e fechaduras electrónicas e mecânicas, sistemas de bloqueio de direcção e puxadores externos para portas. Tem como clientes a GM/Opel; Ford; VW (Audi;Seat;Skoda); PSA (Peugeot/Citroën). Conta com cerca de 3 centenas de colaboradores. Fontes: Huf; Imprensa. As indústrias mineiras estão presentes em Dão Lafões. A exploração dos feldspatos constitui uma das actividades deste sector cuja produção se destinava tradicionalmente às indústrias cerâmicas. A importância crescente do lítio veja-se a sua aplicação no fabrico da nova geração de bateria, incluindo para aplicação na mobilidade eléctrica - fez olhar para as reservas de feldspatos existentes em Portugal com novos olhos. Uma empresa a FELMICA tem vindo a destacar-se neste campo. 16

17 CAIXA 10- FELMICA Portugal é rico no seu subsolo em lítio, que está especialmente concentrado nos distritos de Guarda, Viseu, Vila Real e Viana do Castelo. É uma matéria-prima muito importante e utilizada nas baterias recarregáveis para os veículos automóveis, telemóveis, computadores portáteis, câmaras digitais, entre outros produtos. Actualmente Portugal é o maior produtor da Europa de lítio, mas este encontra-se agregado a outros metais, havendo ainda dúvidas sobre a viabilidade fi nanceira da sua separação. A maior empresa extractiva de lítio em Portugal localiza-se em Mangualde e é designada por FELMICA. De acordo com um estudo recente do Departamento de Energia dos EUA, Portugal ocuparia a 5ª posição entre os produtores mundiais de lítio. Fundada em 1967, a FELMICA é uma empresa especializada na extracção e transformação de matérias-primas para a indústria cerâmica. Em Agosto de 2007, a Direcção-Geral de Geologia e Energia realizou um contrato de prospecção e pesquisa de depósitos minerais de quartzo e feldspato (Anúncio nº 5100/2007 de 2 de Agosto D.R. nº 148 II Série) detendo, em 2009, direitos de exploração sobre mais de 25 concessões mineiras destes dois metais. Actualmente, explora 24 jazidas das quais 6 são de lítio. A totalidade da produção desta empresa destina-se à indústria cerâmica, sendo o lítio a base da produção de mosaicos, azulejos e louças sanitárias e de cozinha. Ao nível do processo produtivo, a FELMICA introduziu a separação óptica dos minérios, inovação esta que permite aproveitar integralmente o minério e obter uma concentração de lítio cerca de três vezes superior há habitual. Em 2008, iniciou-se a produção de concentrados de lítio, potencialmente utilizáveis nas baterias dos automóveis eléctricos. Estes concentrados são a base da metalurgia do lítio. PRINCIPAIS OCORRÊNCIAS DE LÍTIO EM PORTUGAL Fontes: LNEG RECURSOS HUMANOS - EDUCAÇÃO BÁSICA E SECUNDÁRIA Nos contextos nacional e regional, a sub-região Dão Lafões apresenta um perfi l desfavorável no que respeita aos indicadores de qualifi cação dos recursos humanos. No ano lectivo 2008/2009, a taxa bruta de escolarização do ensino secundário era de 137%, valor inferior aos registados na região Centro (151.6%) e no País (146.7%). Santa Comba Dão e Viseu destacaram-se com os valores mais elevados deste indicador (190.6% e 184%, respectivamente), registando-se o valor mais baixo em Vila Nova de Pêra (56.3%). A taxa de retenção e desistência no ensino básico foi de 6.1%, valor inferior à média nacional (de 7.8%). No mesmo ano lectivo, cerca de 9.5 mil estudantes da sub-região frequentavam o ensino secundário, 23% dos quais estavam inscritos em cursos profi ssionais de Nível 3 (o equivalente a cerca de 2.2 mil alunos). No que se refere ao ensino tecnológico, no ano lectivo 2008/2009 cerca de 650 alunos frequentavam cursos tecnológicos. Destacaram-se os cursos tecnológicos na área da administração, da acção social e da informática. O Instituto Politécnico de Viseu e o Instituto Piaget promovem diversos Cursos de Especialização Tecnológica na sub-região, nas mais diversas áreas (desde a construção civil, à produção agrícola, à manutenção industrial e contabilidade). 17

18 FIGURA 6 - ALUNOS INSCRITOS EM CURSOS TECNOLÓGICOS POR ÁREA CIENTÍFICA (% TOTAL INSCRITOS NESTE TIPO DE CURSOS) ANO LECTIVO 2008/2009 Acção Social 24% Desporto 2% Electrot./Electrón. 8% Informática 21% Design 4% Administração 30% Marketing 6% Fonte: Ministério da Educação. QUADRO 1 - CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA NO DÃO LAFÕES ANO LECTIVO 2009/2010 Instituição Promotora Estabelecimento Designação do CET Instituto Politécnico de Viseu Escola Superior de Tecnologia de Viseu Automação e Energia Condução de Obra Energia e Climatização Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos Manutenção Industrial Técnico de Design de Mobiliário Técnico de Laboratório Escola Superior Agrária de Viseu Agricultura Biológica Produção Avícola Sistemas de Informação Geográfica Viticultura e Enologia Instituto Piaget - Cooperativa para o Desenvolvimento Humano, Integral e Ecológico, C.R.L. Instituto Superior de Estudos Interculturais e Transdisciplinares de Viseu Fonte: Ministério da Educação. Condução e Acompanhamento de Obra Contabilidade e Gestão Técnicas e Gestão Hoteleira 5. RECURSOS HUMANOS - ENSINO SUPERIOR E INVESTIGAÇÃO A sub-região Dão-Lafões está dotada de um número signifi cativo de instituições de ensino superior, politécnico e universitário, público e privado: Instituto Superior Politécnico de Viseu que integra a Escola Superior Agrária de Viseu, a Escola Superior de Educação de Viseu, a Escola Superior de Saúde de Viseu, a Escola Superior de Tecnologia de Viseu e a Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Lamego. 18

19 Instituto Jean Piaget composto pela Escola Superior de Educação Jean Piaget de Arcozelo (Viseu), pela Escola Superior de Saúde Jean Piaget de Viseu e pelo Instituto Superior de Estudos Interculturais e Transdisciplinares (vocacionado para o ensino das ciências aplicadas e tecnológicas). Universidade Católica Portuguesa com a presença do Centro Regional das Beiras, no qual são ministrados vários cursos de licenciatura, mestrado e doutoramento em áreas tão diversas como as letras, ciências da educação, serviço social, gestão, informática de gestão, medicina dentária e arquitectura. Instituto Superior de Ciências Educativas é uma instituição particular de ensino superior que tem o seu principal pólo em Felgueiras mas que funciona também em Mangualde desde Além das instituições de ensino superior enumeradas, a sub-região conta com a presença, em Viseu, da Escola de Estudos Avançados das Beiras. Trata-se de uma escola de estudos avançados, orientada para as empresas que pretendem apostar nos seus quadros e nas suas competências, e de uma escola empresarial, orientada para os indivíduos que apostam na sua qualifi cação profi ssional. É uma associação sem fi ns lucrativos, que tem como objecto o exercício de ensino, formação, investigação científi ca e técnica, demonstração e desenvolvimento tecnológico. Resultou de uma parceria institucional entre a Universidade Católica Portuguesa, o Instituto Politécnico de Viseu e a Associação Empresarial da Região de Viseu. Lecciona cursos de gestão para executivos (formação avançada), curso de energias renováveis, tecnologia e avaliação (pósgraduação) e curso de biotecnologia e inovação vitivinícola (formação avançada). De referir que em 2004, na sequência de uma decisão governamental, foi criado um Grupo de Trabalho tendo em vista defi nir opções estratégicas para a reorganização do ensino superior, designadamente o modelo orgânico da futura Universidade de Viseu. Considerados factores como a dimensão demográfi ca, o predomínio de actividades fortemente ameaçadas pela concorrência internacional e o défi ce de actividades baseadas no conhecimento e na tecnologia, foi defendida por esse Grupo de Trabalho a necessidade de criar um novo pólo de ensino superior público no litoral centro-norte. Propunha-se que esta reestruturação poderia passar por uma fusão de(as) várias instituições presentes, confi gurando uma única universidade com uma oferta alargada e adaptada às necessidades da sub-região Dão Lafões, em termos de formação e de investigação e desenvolvimento Diplomados do ensino superior No ano lectivo 2007/2008, o Dão Lafões apresentava uma taxa de escolarização do ensino superior de 21.1%, valor inferior ao registado no País (30.6%) e na região Centro (32.6%). Viseu apresentava o valor mais elevado da sub-região, de 62.7%. Naquele ano lectivo, cerca de 6.3 mil alunos estavam matriculados nas instituições de ensino superior do Dão Lafões. Numa análise mais fi na, de distribuição dos alunos do ensino superior pelas áreas científi cas, verifi ca-se a importância das ciências da saúde, das engenharias e ciências da educação. 19

20 FIGURA 7 - DIPLOMADOS DO ENSINO SUPERIOR POR ÁREA CIENTÍFICA (% TOTAL) ANO LECTIVO 2008/2009 Saúde 20% Serviços Pessoais 4% Serviços Sociais 2% Prot. Ambiente 4% Ciências da Educação 11% Artes 2% Humanidades 1% Ciências Sociais e do Comportamento 4% Jornalismo 6% Ciências Veterinárias 3% Agricultura, Sivicultura e Pescas 5% Arquitectura e Construção 9% Ind. Transformadoras 6% Fonte: Direcção-Geral do Ensino Superior. Informática Engenharia e 1% Técnicas Afins 14% Ciiências Empresariais 8% Ciências da Vida 0% Matemática e Estatística 1% 5.2. Investigação Em 2008, cerca de 460 indivíduos desenvolviam actividades de I&D na sub-região Dão Lafões, sobretudo em contexto empresarial. As despesas em I&D atingiam os 37.3 mil milhares de euros. As actividades de investigação desenvolvidas nas instituições de ensino superior do Dão Lafões estão centradas sobretudo no Instituto Politécnico de Viseu (IPV). De referir que há cerca de 2 décadas foi criada, no âmbito do IPV, a Associação para o Desenvolvimento e Investigação de Viseu (ADIV), associação sem fi ns lucrativos que tem como objectivos desenvolver a investigação e o desenvolvimento em todos os domínios de interesse do IPV e das suas escolas integradas, bem como fomentar a cooperação entre o IPV e o tecido empresarial. Contudo, e embora abranja diversos domínios (organização de colóquios, seminários e congressos; realização de estudos e projectos, publicação de trabalhos científi cos), a actividade da ADIV tem-se centrado na formação profi ssional, dirigida maioritariamente a empresas. No que respeita a centros de investigação na sub-região, merece destaque o Centro de Estudos em Educação, Tecnologias e Saúde (CI&DETS), uma unidade de I&D do IPV que, desde 2007, se dedica ao desenvolvimento de actividades de investigação, à promoção da cooperação e intercâmbio com outras unidades ou centros de investigação, nacionais e estrangeiros, ao desenvolvimento da competitividade do tecido empresarial através da difusão de conhecimentos, inovação e transferência de tecnologia e ao fomento da articulação entre os sistemas de ensino e de investigação. Este Centro tem como objectivo central desenvolver a investigação em ciências da educação, saúde, tecnologias e gestão, assumindo-se como uma estrutura organizativa de coordenação e apoio aos projectos de investigação. Dada a diversidade de áreas científi cas dos investigadores que integram o Centro, são ainda seus domínios de intervenção o ambiente, as ciências agrárias, as ciências biológicas, as ciências da comunicação, as ciências da saúde, as ciências do desporto, a economia e gestão, a engenharia e ciências dos materiais, a engenharia electrotécnica e computadores, a engenharia química e biotecnologia, os estudos literários, a física, a história, a linguística, a matemática e a psicologia. Maioritariamente composto por docentes do IPV, integra mais de 5 dezenas de doutorados e é constituído por dois grupos de investigação: Educação, Saúde e Desenvolvimento Social; e Engenharias, Tecnologia e Gestão. 20

CARTA REGIONAL DE COMPETITIVIDADE DÃO LAFÕES

CARTA REGIONAL DE COMPETITIVIDADE DÃO LAFÕES CARTA REGIONAL DE COMPETITIVIDADE DÃO LAFÕES 3 1. TERRITÓRIO A sub-região Dão Lafões localiza-se na parte Norte da região Centro, entre os territórios do litoral e os territórios do interior, e estendendo-se

Leia mais

Area (km 2 ): 31.604,9 Hab/Km 2 : 23,7 População (Nº): 749.055 (2010)

Area (km 2 ): 31.604,9 Hab/Km 2 : 23,7 População (Nº): 749.055 (2010) As Regiões de - Região O Território Porquê? Com a maior área territorial de Continental 31.605,2 km2 (1/3 do território nacional) a região do apresenta 179 km de perímetro de linha de costa e 432 km de

Leia mais

Uma das maiores áreas territoriais de Portugal, com uma fronteira terrestre internacional de 568 km e um perímetro da linha de costa de 142 km

Uma das maiores áreas territoriais de Portugal, com uma fronteira terrestre internacional de 568 km e um perímetro da linha de costa de 142 km As Regiões de - Região O Território Porquê o? Uma das maiores áreas territoriais de, com uma fronteira terrestre internacional de 568 km e um perímetro da linha de costa de 142 km Area (km 2 ): 21.286

Leia mais

PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS

PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS Enquadramento Protocolo de Quioto Cimeira de Joanesburgo Directiva Renováveis Estratégia Nacional de Desenvolvimento Sustentável Programa E4 Nova Resolução do Conselho de Ministros INTERREG Programas Regionais

Leia mais

Áreas e Sub-Áreas de Formação CIME

Áreas e Sub-Áreas de Formação CIME de Formação CIME e Sub- de Formação CIME Sub- 09. Desenvolvimento Pessoal 090. Desenvolvimento Pessoal 14.Formação de Professores/Formadores e Ciências da Educação 141.Formação de Professores e Formadores

Leia mais

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva centro tecnológico da cerâmica e do vidro coimbra portugal Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva Victor Francisco CTCV Responsável Unidade Gestão

Leia mais

Powered by. Desenvolvimento

Powered by. Desenvolvimento Desenvolvimento de Sistemas Sustentáveis 1 Urbancraft Energia, S.A. FDO INVESTIMENTOS E PARTICIPAÇÕES, SGPS, S.A. ALEXANDRE BARBOSA BORGES, SGPS, S.A. 50% 50% A URBANCRAFT ENERGIA, S.A é uma sociedade

Leia mais

QREN Inovação Empreendedorismo Qualificado. Projectos Individuais N.º 06/SI/2011

QREN Inovação Empreendedorismo Qualificado. Projectos Individuais N.º 06/SI/2011 1 QREN Inovação Empreendedorismo Qualificado Projectos Individuais N.º 06/SI/2011 2 Índice 1. Objectivos e Prioridades 2. Condições de Acesso a. Promotor b. Projecto c. Aviso de Abertura 3. Modalidades

Leia mais

SI I&DT PROJECTOS INDIVIDUAIS

SI I&DT PROJECTOS INDIVIDUAIS SI I&DT PROJECTOS INDIVIDUAIS CRITÉRIOS DE INSERÇÃO DE PROJECTOS NAS EEC-CLUSTERS RECONHECIDAS ÁREAS TECNOLÓGICAS E DE DESENVOLVIMENTO DE NOVOS PRODUTOS, PROCESSOS OU SISTEMAS ELEGÍVEIS 1. No âmbito do

Leia mais

2006 a 2010 REGIMES ESPECIAIS. PALOP s e Timor-Leste. DSAES: Vânia Néné Virgínia Ferreira. Colaboração Bruno Pereira Maria das Dores Ribeiro

2006 a 2010 REGIMES ESPECIAIS. PALOP s e Timor-Leste. DSAES: Vânia Néné Virgínia Ferreira. Colaboração Bruno Pereira Maria das Dores Ribeiro 2006 a 2010 DSAES: Vânia Néné Virgínia Ferreira Outubro de 2011 Colaboração Bruno Pereira Maria das Dores Ribeiro ÍNDICE: 1. Enquadramento e apreciação dos resultados.. pág. 2 2. Estatísticas dos candidatos,

Leia mais

Portugal Investimento

Portugal Investimento Portugal Investimento O Investimento Bruto atingiu os 32 mil milhões de euros e o acumulado 71,7 mil milhões de euros o que significa um crescimento de quase 50% nos últimos 5 anos. Cerca de 32% do IDE

Leia mais

Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo. Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes

Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo. Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes 2 Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo Índice 1 Plano Estratégico Nacional do Turismo (PENT) 2 Crédito

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À

SISTEMA DE INCENTIVOS À SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO AVISOS PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS INOVAÇÃO PRODUTIVA EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO Elisabete Félix Turismo de Portugal, I.P. - Direcção de Investimento PRIORIDADE

Leia mais

IV CURSOS DO ENSINO PROFISSIONAL Nível III

IV CURSOS DO ENSINO PROFISSIONAL Nível III Apresentação O Ensino Profissional é uma modalidade especial de educação que visa, essencialmente, o desenvolvimento da formação profissional qualificante dos jovens. Dado o facto de dedicarem grande parte

Leia mais

Várzea de Mesiões - Apartado 177 2354-909 Torres Novas Tel.:249839500-249839509 e-mail:geral@nersant.pt - site:www.nersant.pt

Várzea de Mesiões - Apartado 177 2354-909 Torres Novas Tel.:249839500-249839509 e-mail:geral@nersant.pt - site:www.nersant.pt Várzea de Mesiões - Apartado 177 2354-909 Torres Novas Tel.:249839500-249839509 e-mail:geral@nersant.pt - site:www.nersant.pt Projectos a Desenvolver pela Nersant 2007-2013 Prioridades Estratégicas Nersant

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural, I.P. Índice

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural, I.P. Índice Índice Desemprego Registado de Estrangeiros por Continente de Origem e Principais Nacionalidades - Situação no fim do mês de Dezembro, de 2003 a 2009... 2 Desemprego Registado de Estrangeiros por Continente

Leia mais

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

Formação e Tendências de Mercado da Formação Graduada e Pós graduada 1

Formação e Tendências de Mercado da Formação Graduada e Pós graduada 1 Número de Alunos Formação e Tendências de Mercado da Formação Graduada e Pós graduada 1 Susana Justo, Diretora Geral da Qmetrics 1. Formação em ensino superior, graduada e pós graduada. Em Portugal continua

Leia mais

O Concelho de Beja. Localização

O Concelho de Beja. Localização O Concelho de Beja Localização Beja, capital de distrito, situa-se na região do Baixo Alentejo, no coração da vasta planície alentejana. É sede de um dos maiores concelhos de Portugal, com cerca de 1150

Leia mais

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa Diagnóstico do Sistema de Investigação e Inovação: Desafios, forças e fraquezas rumo a 2020 FCT - A articulação das estratégias regionais e nacional - Estratégia de Especialização Inteligente para a Região

Leia mais

QREN Inovação Inovação Produtiva. Projectos Individuais N.º 05/SI/2011

QREN Inovação Inovação Produtiva. Projectos Individuais N.º 05/SI/2011 1 QREN Inovação Inovação Produtiva Projectos Individuais N.º 05/SI/2011 2 Índice 1. Objectivos e Prioridades 2. Condições de Acesso a. Promotor b. Projecto c. Aviso de Abertura 3. Modalidades de Projectos

Leia mais

ÍNDICE PERFIL MERCADOS ONDE A A400 ESTÁ PRESENTE VOLUME DE NEGÓCIOS CERTIFICAÇÕES PROJECTOS DE REFERÊNCIA CONTACTOS

ÍNDICE PERFIL MERCADOS ONDE A A400 ESTÁ PRESENTE VOLUME DE NEGÓCIOS CERTIFICAÇÕES PROJECTOS DE REFERÊNCIA CONTACTOS DOSSIER DE IMPRENSA ÍNDICE 1 PERFIL - A Empresa - Os Colaboradores - Os serviços 2 MERCADOS ONDE A A400 ESTÁ PRESENTE - A Internacionalização VOLUME DE NEGÓCIOS 4 CERTIFICAÇÕES 5 PROJECTOS DE REFERÊNCIA

Leia mais

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 A aposta no apoio à internacionalização tem sido um dos propósitos da AIDA que, ao longo dos anos, tem vindo a realizar diversas acções direccionadas para

Leia mais

APRESENTAÇÃO AEFCUP. Informações. AEFCUP Associação de Estudantes da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto

APRESENTAÇÃO AEFCUP. Informações. AEFCUP Associação de Estudantes da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto APRESENTAÇÃO AEFCUP Informações AEFCUP Associação de Estudantes da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Rua do Campo Alegre, 1021 4150 180 Porto GPS: 41º 11'10.25'' N 8º41'25.32''W Tlf. AEFCUP

Leia mais

IV Seminário Plataformas Logísticas Ibéricas

IV Seminário Plataformas Logísticas Ibéricas IV Seminário Plataformas Logísticas Ibéricas Preparar a Retoma, Repensar a Logística 10 de Novembro NOVOHOTEL SETUBAL Comunicação: Factores de Atractividade da oferta logística do Alentejo Orador: Dr.

Leia mais

Emergência de instrumentos e mecanismos de liderança a e participação em territórios rios de baixa densidade

Emergência de instrumentos e mecanismos de liderança a e participação em territórios rios de baixa densidade Emergência de instrumentos e mecanismos de liderança a e participação em territórios rios de baixa densidade O caso dos PROVERE Joaquim Felício CCDRC/MAIS CENTRO Coimbra, 24 novembro 2014 1 política pública

Leia mais

Uma estratégia global Para um mercado global

Uma estratégia global Para um mercado global NEGÓCIOS E INTERNACIONALIZAÇÃO Business roundtable MOÇAMBIQUE Uma estratégia global Para um mercado global Portugal Moçambique Angola Marrocos Argélia África do Sul Espanha França Bélgica Roménia Caraíbas

Leia mais

VISABEIRA GLOBAL > Telecomunicações Energia Tecnologia Construção. VISABEIRA INDÚSTRIA > Cerâmica e Cristal Cozinhas Recursos Naturais

VISABEIRA GLOBAL > Telecomunicações Energia Tecnologia Construção. VISABEIRA INDÚSTRIA > Cerâmica e Cristal Cozinhas Recursos Naturais 1 VISABEIRA GLOBAL > Telecomunicações Energia Tecnologia Construção VISABEIRA INDÚSTRIA > Cerâmica e Cristal Cozinhas Recursos Naturais VISABEIRA TURISMO > Hotelaria Entretenimento & Lazer Restauração

Leia mais

A Sustentabilidade Empresarial em Mercados Internacionais - Moçambique

A Sustentabilidade Empresarial em Mercados Internacionais - Moçambique AEP 26 de Novembro de 2009 Business On the Way A Sustentabilidade Empresarial em Mercados Internacionais - Moçambique Portugal Moçambique Angola Marrocos Argélia África do Sul Espanha França Bélgica Roménia

Leia mais

Portugal 2020. Inovação da Agricultura, Agroindústria. Pedro Cilínio pedro.cilinio@iapmei.pt

Portugal 2020. Inovação da Agricultura, Agroindústria. Pedro Cilínio pedro.cilinio@iapmei.pt Portugal 2020 Inovação da Agricultura, Agroindústria e Floresta Pedro Cilínio pedro.cilinio@iapmei.pt FEDER 2020 - Prioridades Concentração de investimentos do FEDER Eficiência energética e energias renováveis

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008. Micro, Pequenas. e Médias. Empresas. em Portugal

Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008. Micro, Pequenas. e Médias. Empresas. em Portugal Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008 28 de Junho de 2010 Micro, Pequenas e Médias Empresas em Portugal Em 2008, existiam 349 756 micro, pequenas e médias empresas (PME) em Portugal,

Leia mais

ÍNDICE II ENQUADRAMENTO REGIONAL

ÍNDICE II ENQUADRAMENTO REGIONAL ÍNDICE II ENQUADRAMENTO REGIONAL 1. TERRITORIAL 2. DEMOGRÁFICO 3. VIÁRIO Revisão do Plano Director Municipal de Vila Nova de Famalicão - II. Enquadramento Regional - DEZEMBRO 2004 1 Índice de Figuras Figura

Leia mais

GRUPO VISABEIRA Sociedade Gestora de Participações Sociais, S.A. o mundo move-nos.

GRUPO VISABEIRA Sociedade Gestora de Participações Sociais, S.A. o mundo move-nos. GRUPO VISABEIRA Sociedade Gestora de Participações Sociais, S.A. o mundo move-nos. GRUPO VISABEIRA QUEM SOMOS E O QUE FAZEMOS O Grupo Visabeira nasceu em 1980 em Viseu, Portugal, onde mantém a sua sede.

Leia mais

Discurso do Encontro Ministerial sobre Infraestruturas entre China e PLP

Discurso do Encontro Ministerial sobre Infraestruturas entre China e PLP Discurso do Encontro Ministerial sobre Infraestruturas entre China e PLP Senhores Ministros, É com grande satisfação que venho ouvir as políticas de investimento internacional, a nível das infraestruturas,

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Inovação Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 02/SI/2012 1 Índice Tipologias de Investimento... 3 Condições de Elegibilidade

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DE CARACTERIZAÇÃO SOCIO-ECONÓMICA DA REGIÃO ALENTEJO

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DE CARACTERIZAÇÃO SOCIO-ECONÓMICA DA REGIÃO ALENTEJO ASPECTOS FUNDAMENTAIS DE CARACTERIZAÇÃO SOCIO-ECONÓMICA DA REGIÃO ALENTEJO Principais linhas de evolução e transformação da paisa social e económica regional População A região, inserida no contexto português

Leia mais

Venezuela. Dossier de Mercado. Maio 2008

Venezuela. Dossier de Mercado. Maio 2008 Venezuela Dossier de Mercado Maio 2008 Venezuela Dossier de Mercado (Maio 2008) Índice 1. O País...3 1.1 Venezuela em Ficha...3 1.2 Organização Política e Administrativa...4 1.3 Situação Económica...5

Leia mais

Centrais Eléctricas de Biomassa Uma Opção Justificável? Posição conjunta da CELPA e da AIMMP sobre BIOMASSA para ENERGIA

Centrais Eléctricas de Biomassa Uma Opção Justificável? Posição conjunta da CELPA e da AIMMP sobre BIOMASSA para ENERGIA Centrais Eléctricas de Biomassa Uma Opção Justificável? Posição conjunta da CELPA e da AIMMP sobre BIOMASSA para ENERGIA Centrais Eléctricas de Biomassa Uma Opção Justificável? O uso de biomassa florestal

Leia mais

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Candidatura aprovada ao Programa Política de Cidades - Redes Urbanas para a Competitividade e a Inovação Síntese A cidade de S.

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Universidade de Évora, 10 de março de 2015 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Sistema de Incentivos às Empresas O que é? é um dos instrumentos fundamentais das políticas públicas de dinamização económica, designadamente em matéria da promoção da

Leia mais

Projecto HidroValor. Avaliação dos Impactos Económicos, Sociais e Ambientais de Novos Médios e Grandes Aproveitamentos Hídricos na Região Centro

Projecto HidroValor. Avaliação dos Impactos Económicos, Sociais e Ambientais de Novos Médios e Grandes Aproveitamentos Hídricos na Região Centro Projecto HidroValor Avaliação dos Impactos Económicos, Sociais e Ambientais de Novos Médios e Grandes Aproveitamentos Hídricos na Região Centro 11 Agradecimentos Os autores do presente estudo, querem

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011

GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011 GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011 Versão Preliminar Este relatório tem por objectivo da conta do que de mais relevante foi realizado no cumprimento

Leia mais

Algarve Acolhe. Uma plataforma para o desenvolvimento da Região do Algarve. - Empreendedorismo e Competitividade Territorial Albufeira, 10 Maio 2013

Algarve Acolhe. Uma plataforma para o desenvolvimento da Região do Algarve. - Empreendedorismo e Competitividade Territorial Albufeira, 10 Maio 2013 Algarve Acolhe Uma plataforma para o desenvolvimento da Região do Algarve - Empreendedorismo e Competitividade Territorial Albufeira, 10 Maio 2013 Empreendedorismo Competitividade Territorial Empreendedor

Leia mais

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR Prioridades Estratégicas Indústria Portuguesa Agro-Alimentar Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares XI LEGISLATURA 2009-2013 XVIII

Leia mais

Câmara do Comércio de Angra do Heroísmo Associação Empresarial das ilhas Terceira, Graciosa e São Jorge

Câmara do Comércio de Angra do Heroísmo Associação Empresarial das ilhas Terceira, Graciosa e São Jorge Segunda alteração do Decreto Regulamentar Regional n.º 22/2007/A, de 25 de Outubro, que aprova o Subsistema de Apoio ao Desenvolvimento Local Promotores -Empresários em nome individual, estabelecimentos

Leia mais

Circular nº 1/ANQEP/2015

Circular nº 1/ANQEP/2015 Circular nº 1/ANQEP/2015 O ajustamento da oferta de qualificações às necessidades da economia e do mercado de trabalho é um objetivo estratégico para o desenvolvimento económico e social do país. Consciente

Leia mais

Planeamento Estratégico. Estratégia, as Pessoas e a Melhoria Contínua

Planeamento Estratégico. Estratégia, as Pessoas e a Melhoria Contínua Planeamento Estratégico Estratégia, as Pessoas e a Melhoria Contínua AGENDA 1. O Grupo Martifer 2. As Pessoas 4. A Estratégia 5. Monitorização Ferramenta Balance Scord Card 2 GRUPO MARTIFER Dimensão: Mais

Leia mais

METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA

METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA 1. Indicadores e Variáveis das Empresas A indústria metalomecânica engloba os sectores de fabricação de produtos metálicos, excepto máquinas e equipamento (CAE )

Leia mais

Síntese do estudo sobre A ADESÃO DAS PME NACIONAIS À PRÁTICA DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO

Síntese do estudo sobre A ADESÃO DAS PME NACIONAIS À PRÁTICA DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO Síntese do estudo sobre A ADESÃO DAS PME NACIONAIS À PRÁTICA DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO 1. PRINCIPAIS CONCLUSÕES Há um entendimento razoável das vantagens da prática do comércio electrónico no seio das PME

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN]

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Frederico Mendes & Associados Sociedade de Consultores Lda. Frederico Mendes & Associados é uma

Leia mais

GRUPO ROLEAR. Porque há coisas que não podem parar!

GRUPO ROLEAR. Porque há coisas que não podem parar! GRUPO ROLEAR Porque há coisas que não podem parar! INOVAÇÃO COMO CHAVE DO SUCESSO Desde 1979, com sede no Algarve, a Rolear resulta da oportunidade identificada pelo espírito empreendedor do nosso fundador

Leia mais

XI Jornadas Técnicas. O Sector Marítimo Português

XI Jornadas Técnicas. O Sector Marítimo Português XI Jornadas Técnicas O Sector Marítimo Português Modernização e Inovação na Construção e Reparação Naval J. Ventura de Sousa e Filipe Duarte IST, 25 de Novembro de 2008 A Associação das Indústrias Marítimas

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 07/SI/2010 1 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

A MOBILIDADE EM CIDADES MÉDIAS ABORDAGEM NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI

A MOBILIDADE EM CIDADES MÉDIAS ABORDAGEM NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI Mobilidade em Cidades Médias e Áreas Rurais Castelo Branco, 23-24 Abril 2009 A MOBILIDADE EM CIDADES MÉDIAS ABORDAGEM NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI A POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI Compromisso

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2012 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

Mecanismo de Apoio e Incentivo à Inovação e I&DT

Mecanismo de Apoio e Incentivo à Inovação e I&DT Mecanismo de Apoio e Incentivo à Inovação e I&DT Victor Francisco Responsável Unidade Gestão e Promoção da Inovação [victor.francisco@ctcv.pt] Seminário Gestão da Inovação - ACIB 25 de Março 2010 1 Sumário

Leia mais

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012 Apoio à Internacionalização CENA 3 de Julho de 2012 Enquadramento Enquadramento Comércio Internacional Português de Bens e Serviços Var. 13,3% 55,5 68,2 57,1 73,4 48,3 60,1 54,5 66,0 67,2 61,7 Exportação

Leia mais

Consórcio CGD/IHRU. Fundo de Desenvolvimento Urbano TEKTÓNICA. Iniciativa Comunitária JESSICA. 9 de Maio 2012

Consórcio CGD/IHRU. Fundo de Desenvolvimento Urbano TEKTÓNICA. Iniciativa Comunitária JESSICA. 9 de Maio 2012 Iniciativa Comunitária JESSICA Fundo de Desenvolvimento Urbano Consórcio CGD/IHRU TEKTÓNICA 9 de Maio 2012 Iniciativa Comunitária JESSICA Consórcio IHRU/GCGD 18 de Abril de 2012 1 Portugal Evolução de

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 906-() Diário da República,.ª série N.º 56 de Março de 00 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Portaria n.º 7-A/00 de de Março O Decreto -Lei n.º 8/00, de 9 de Março, prevê, no seu artigo

Leia mais

2006-2015. Bolsa de Turismo de Lisboa 18 de Janeiro 2006

2006-2015. Bolsa de Turismo de Lisboa 18 de Janeiro 2006 2006-2015 Bolsa de Turismo de Lisboa 18 de Janeiro 2006 Portugal 2015 Portugal 2015 - Metas 2005 2015 Douro Douro Oeste Oeste Serra da Estrela Serra da Estrela Alqueva Litoral Alentejano Litoral Alentejano

Leia mais

CONCURSO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO DE 2014: 1.ª FASE

CONCURSO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO DE 2014: 1.ª FASE da Nome da Nome Grau 0110 8031 Universidade dos Açores - Angra do Heroísmo Ciências Farmacêuticas (Preparatórios) PM 15 10 134,0 5 0110 8085 Universidade dos Açores - Angra do Heroísmo Ciências da Nutrição

Leia mais

AGENDA VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO

AGENDA VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO Novas Oportunidades para o Financiamento de Investimento Público e Empresarial no âmbito do QREN --- Sines 11 de Março de 2008 A Agenda Operacional para a Valorização do Território é uma estratégia de

Leia mais

A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES. Opções da União Europeia e posição de Portugal

A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES. Opções da União Europeia e posição de Portugal A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES Opções da União Europeia e posição de Portugal 1 I Parte - O Plano de Acção da EU Plano de Acção para a Mobilidade Urbana Publicado pela Comissão Europeia

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR +

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + Ponta Delgada, 28 de Abril de 2014 Intervenção do Presidente do Governo Regional

Leia mais

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP PME em Números PME em Números 1 Nota introdutória De acordo com o disposto na definição europeia 1, são classificadas como PME as empresas com menos de 250 trabalhadores cujo volume de negócios anual não

Leia mais

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Programa de da ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (ELD) 1 / 16 Programa de da 1. Caracterização Socioeconómica do Território A caracterização do território deve centrar-se em dois aspectos

Leia mais

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação 1 Incentivos financeiros à internacionalização Em 2010 os incentivos financeiros à internacionalização, não considerando

Leia mais

ET-09. INCENTIVOS AO INVESTIMENTO E DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL ALGUNS RESULTADOS DA APLICAÇÃO DO SIR Suzanne Fonseca Amaro (samaro@dgest.ipv.pt) Instituto Politécnico de Viseu Escola Superior de Tecnologia

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO, QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL E DEFESA

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO, QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL E DEFESA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO, QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL E DEFESA DO CONSUMIDOR OBSERVATÓRIO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO NACIONAL DO TURISMO. Para o Desenvolvimento do Turismo em Portugal. Síntese

PLANO ESTRATÉGICO NACIONAL DO TURISMO. Para o Desenvolvimento do Turismo em Portugal. Síntese PLANO ESTRATÉGICO NACIONAL DO TURISMO Para o Desenvolvimento do Turismo em Portugal Síntese 1 O PENT - Plano Estratégico Nacional do Turismo é uma iniciativa governamental, da responsabilidade do Ministério

Leia mais

ENQUADRAMENTO OBJETIVOS ESTRATÉGIA

ENQUADRAMENTO OBJETIVOS ESTRATÉGIA PLANO DE AÇÃO PARA A PROMOÇÃO DA EMPREGABILIDADE - PAPE ENQUADRAMENTO OBJETIVOS ESTRATÉGIA PLANO DE AÇÃO PARA A PROMOÇÃO DA EMPREGABILIDADE - PAPE Enquadramento PLANO DE AÇÃO PARA A PROMOÇÃO DA EMPREGABILIDADE

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011 Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 População a Milhares Hab. INE 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.636 10.643 2º Trimestre

Leia mais

Região Autónoma da Madeira

Região Autónoma da Madeira Região Autónoma da Madeira Área () km 2 801,0 Densidade populacional () Hab/Km 2 309,0 População residente (31.12.) Nº 247.568 População < 15 anos Nº 42.686 População > 65 anos Nº 32.188 Taxa conclusão

Leia mais

AS 46 EMPRESAS GAZELA 2014 DA REGIÃO CENTRO

AS 46 EMPRESAS GAZELA 2014 DA REGIÃO CENTRO AS 46 EMPRESAS GAZELA 2014 DA REGIÃO CENTRO A Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC) efetuou, pelo terceiro ano consecutivo, o apuramento das empresas gazela existentes na

Leia mais

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia:

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia: GRUPO FERREIRA A GFH, é um Grupo sólido e inovador, detendo um curriculum de projectos de qualidade reconhecida, com um portfólio de negócios diversificado, e que aposta no processo de internacionalização,

Leia mais

Sistemas de Incentivos PROVERE

Sistemas de Incentivos PROVERE Sistemas de Incentivos PROVERE 1 Estratégias de Eficiência Colectiva Conceito Conjunto coerente e estrategicamente justificado de iniciativas, integradas num Programa de Acção, que visem a inovação, a

Leia mais

Número de. Gabinete de Planeamento e Políticas. Inspecção-Geral da Agricultura e Pescas. 11 851 Tecnologia de protecção do ambiente

Número de. Gabinete de Planeamento e Políticas. Inspecção-Geral da Agricultura e Pescas. 11 851 Tecnologia de protecção do ambiente MADRP Entida Promotora Autorida Gestão do Programa Desenvolvimento Rural do Continente Autorida Gestão do PROMAR Autorida Florestal Nacional Direcção-Geral Veterinária Direcção Regional das Florestas Lisboa

Leia mais

Plano Estratégico dos Transportes e Infraestruturas. Horizonte 2014-2020

Plano Estratégico dos Transportes e Infraestruturas. Horizonte 2014-2020 Plano Estratégico dos Transportes e Infraestruturas Horizonte 2014-2020 Consensualização de Prioridades O Grupo de Trabalho para as Infraestruturas de Elevado Valor Acrescentado apresentou o seu relatório

Leia mais

O contributo do Cluster Habitat Sustentável

O contributo do Cluster Habitat Sustentável O contributo do Cluster Habitat Sustentável Victor Ferreira Plataforma para a Construção Sustentável Seminário Construção Sustentável CONCRETA 2011 20/10/2011 Visão e Missão O Cluster Habitat? agregador

Leia mais

Cursos de Aprendizagem Oferta de Formação do IEFP, IP 2013 (atualizada em 2013-03-15)

Cursos de Aprendizagem Oferta de Formação do IEFP, IP 2013 (atualizada em 2013-03-15) Cursos de Aprendizagem Oferta de Formação do IEFP, IP 201 (atualizada em 201-0-15) Guarda 0 21 - Audiovisuais e Produção dos Media Técnico/a de Desenho Gráfico Guarda 2-Set-1 Médio Tejo 2 21 - Audiovisuais

Leia mais

ORDEM DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS CURSOS DE ENGENHARIA REGISTADOS - Bacharelatos e Licenciaturas

ORDEM DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS CURSOS DE ENGENHARIA REGISTADOS - Bacharelatos e Licenciaturas ESCOLA CURSO GRAU ESPECIALIDADE NORMAS REGISTO OBS. ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E G ÁGUEDA Engenharia Electromecânica B Mecânica a) do n.º 2 Universidade de Aveiro Engenharia Electrotécnica B ESP a)

Leia mais

SECTOR DA PUBLICIDADE

SECTOR DA PUBLICIDADE SECTOR DA PUBLICIDADE AEP / GABINETE DE ESTUDOS MAIO DE 2009 Índice 1. Introdução: a importância da publicidade... 1 1. Introdução: a importância da publicidade... 2 1. Introdução: a importância da publicidade...

Leia mais

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Da União Europeia vão chegar até 2020 mais de 20 mil milhões de euros a Portugal. Uma pipa de massa, nas palavras do ex-presidente da Comissão

Leia mais

CENTRO 2020 PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO CENTRO 2014-2020

CENTRO 2020 PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO CENTRO 2014-2020 ÍNDICE Esquema resumo..pág. 2 Introdução...pág. 3 Objetivos Temáticos pág. 3 Eixos Prioritários...pág. 4 Eixo 1: Investigação, Desenvolvimento e Inovação..pág. 5 Eixo 2: Competitividade e Internacionalização

Leia mais

Sistemas de Incentivos

Sistemas de Incentivos Sistemas de Incentivos Apoios para PME na colaboração com entidades do SCT Lurdes Pinho (Secretária Técnica Sistemas de Incentivos ON.2) 1 Enquadramento 2 Estrutura ON.2 Eixo Prioritário FEDER % PO I -

Leia mais

A Matriz Input-Output para a Região Alentejo: uma aproximação ao seu primeiro quadrante

A Matriz Input-Output para a Região Alentejo: uma aproximação ao seu primeiro quadrante A Matriz Input-Output para a Região Alentejo: uma aproximação ao seu primeiro quadrante Elsa Cristina Vaz 1, José Belbute 2, António Caleiro 3, Gertrudes Saúde Guerreiro 4, Ana Eduardo 5 1 elsavaz@uevora.pt,

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Inovação Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2010 1 Índice Tipologias de Investimento... 3 Condições de Elegibilidade

Leia mais

A Construção Sustentável e o Futuro

A Construção Sustentável e o Futuro A Construção Sustentável e o Futuro Victor Ferreira ENERGIA 2020, Lisboa 08/02/2010 Visão e Missão O Cluster Habitat? Matérias primas Transformação Materiais e produtos Construção Equipamentos Outros fornecedores

Leia mais

Investimentos de Pequena Dimensão Acção 112

Investimentos de Pequena Dimensão Acção 112 Incentivos PRODER Investimentos de Pequena Dimensão Acção 112 Investimentos de Pequena Dimensão Acção 112 Abertura: A partir de 22 de Maio Objectivos: Melhorar condições vida, trabalho e produção dos agricultores

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2011

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2011 GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2011 1. Análise do Plano Plurianual de Investimentos (PPI) Neste orçamento, o Município ajustou, as dotações para despesas de investimento, ao momento de austeridade que o país

Leia mais

Universitário 7500 Academia da Força Aérea História Militar. Universitário 7510 Academia Militar Guerra de Informação

Universitário 7500 Academia da Força Aérea História Militar. Universitário 7510 Academia Militar Guerra de Informação Distrito Subsistema Tipo de ensino Cód. Estab. Nome do Estabelecimento Nome do Curso Grau Lisboa Público Militar e Policial Universitário 7500 Academia da Força Aérea História Militar Lisboa Público Militar

Leia mais

O RISCO SEMPRE EXISTIU E ESTAMOS TODOS SUJEITOS A ELE

O RISCO SEMPRE EXISTIU E ESTAMOS TODOS SUJEITOS A ELE 64 CAPA ENTREVISTA AMÍLCAR SILVA, PRESIDENTE, E NÍRIA ORAMALU, COORDENADORA DO NÚCLEO DE ESTUDOS E ESTATÍSTICAS DA ABANC O RISCO SEMPRE EXISTIU E ESTAMOS TODOS SUJEITOS A ELE Na sede da Associação Angolana

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO

PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO Alentejo 2020 Desafios Borba 17 de Dezembro de 2014 ALENTEJO Estrutura do Programa Operacional Regional do Alentejo 2014/2020 1 - Competitividade e Internacionalização

Leia mais

PROVERE - ZONA DOS MÁRMORES CARACTERIZAÇÃO

PROVERE - ZONA DOS MÁRMORES CARACTERIZAÇÃO PROVERE - ZONA DOS MÁRMORES CARACTERIZAÇÃO A Estratégia de Eficiência Colectiva (EEC) PROVERE Zona dos Mármores assume como foco temático o aproveitamento do recurso endógeno mármore, com uma abrangência

Leia mais

SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO

SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO CRITÉRIOS DE INSERÇÃO DE PROJECTOS NO PÓLO DE COMPETITIVIDADE E TECNOLOGIA TURISMO 2015 TIPOLOGIAS DE INVESTIMENTO ELEGÍVEIS 1. No âmbito dos

Leia mais

Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial

Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial COMPETIR + O Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial tem por objetivo promover o desenvolvimento sustentável da economia regional,

Leia mais

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO Mercado Economico em Angola - 2015 Caracterização Geográfica de Angola Caracterização da economia Angolana Medidas para mitigar o efeito da redução do

Leia mais