GRUPO VISABEIRA Sociedade Gestora de Participações Sociais, S.A. o mundo move-nos.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GRUPO VISABEIRA Sociedade Gestora de Participações Sociais, S.A. o mundo move-nos."

Transcrição

1 GRUPO VISABEIRA Sociedade Gestora de Participações Sociais, S.A. o mundo move-nos.

2 GRUPO VISABEIRA QUEM SOMOS E O QUE FAZEMOS O Grupo Visabeira nasceu em 1980 em Viseu, Portugal, onde mantém a sua sede. Iniciou a sua actividade nos sectores das telecomunicações e energia, fornecendo serviços de engenharia de redes, incluindo construção, instalação, gestão e manutenção, tornando-se líder de mercado nestas áreas. Ao longo de 30 anos, alargou as suas áreas de actividade às telecomunicações, à indústria, ao turismo e à imobiliária, transformando-se numa holding multinacional.

3 Bélgica França Portugal Espanha Caraíbas Brasil Angola Moçambique Timor África do Sul Grupo Visabeira 36% do volume de negócios fora de Portugal Produtos e serviços disponíveis em mais de 50 países colaboradores

4 ÁREAS DE NEGÓCIO VISABEIRA GLOBAL TELECOMUNICAÇÕES TECNOLOGIAS ENERGIA CONSTRUÇÃO VISABEIRA INDÚSTRIA CERÂMICA E CRISTALARIA COZINHAS ENERGIA RECURSOS NATURAIS VISABEIRA TURISMO HOTELARIA ENTRETENIMENTO E LAZER DESPORTO E BEM-ESTAR RESTAURAÇÃO VISABEIRA IMOBILIÁRIA COMÉRCIO TURÍSTICO RESIDENCIAL GESTÃO E SERVIÇOS VISABEIRA PARTICIPAÇÕES TRADING SAÚDE SERVIÇOS INVESTIMENTOS

5 GRUPO VISABEIRA NÚMEROS 18% 13% 796,8 815,4 78,0 81,6 690,5 72,3 VN EBITDA milhões de USD milhões de USD 8% 5 % 1% 9% Portugal Moçambique Angola 14% 1% 6% 3% Visabeira Global Visabeira Indústria 13% 64% Bélgica França Outros Países 76% Visabeira Turismo Visabeira Imobiliária Visabeira Participações Financeiras Volume de negócios por país 2010 (valores em percentagem) Volume de negócios por domínio de actividade 2010 (valores em percentagem)

6 DOMÍNIOS DE ACTIVIDADE OPERAÇÃO DE TELECOMUNICAÇÕES TVCABO COMATEL HOTEL SERRA DA CHELA EDIVISA VISACONSTROI ÁLAMO MOB MERCURY VISAUTO VECAUTO INFRA-ESTRUTURAS DE TELECOMUNICAÇÕES, ENERGIA E ÁGUAS TURISMO CONSTRUÇÃO E IMOBILIÁRIO INDÚSTRIA SERVIÇOS

7 NÚMEROS -12% 47% 87,3 86,4 76,9 16,3 14,2 9,6 VN EBITDA milhões de USD milhões de USD Operação de telecomunicações Infra-estruturas 10% 6% Serviços 39% Construção e imobiliário 19% Indústria 26% Distribuição do Volume de Negócios por Actividade (valores em percentagem)

8 ENERGIAS RENOVÁVEIS

9 ENERGIAS RENOVÁVEIS Implementação e gestão de:. centrais de energia solar. centrais de energia eólica. sistemas de co-geração. mini-hídricas Produção de combustível com base em biomassa Auditoria e consultoria em eficiência energética Projectos chave na mão : concepção, instalação, construção e manutenção

10 ENERGIAS RENOVÁVEIS VANTAGENS Garantir o acesso à energia Reduzir os custos logísticos e de transporte de energia Diminuir o consumo de recursos naturais Diminuir a emissão de poluentes SOLUÇÃO PRODUÇÃO DESCENTRALIZADA E AUTO-SUSTENTÁVEL

11 ENERGIAS RENOVÁVEIS PRODUÇÃO DESCENTRALIZADA Centrais solares. Painéis solares térmicos, para aquecimento de águas. Painéis fotovoltaicos, para produção de electricidade Mini-centrais eólicas e mini-hídricas Co-geração (p.e., produção de energia a partir de vapor)

12 ENERGIAS RENOVÁVEIS EXEMPLOS Edifícios públicos (escolas, hospitais, telecomunicações) Hotéis, condomínios e outros edifícios Iluminação pública Locais isolados ou de difícil acesso

13 ENERGIAS RENOVÁVEIS REFERÊNCIAS 800 instalações de microprodução, totalizando cerca de 4 MWp PV 1200 instalações de colectores solares térmicos, num total de mais de 2200m2 de ST Outros exemplos de instalações. Banca: 100 instalações de sistemas de microprodução, 420KWp e 150m2 de ST. Centros de Saúde: 35 instalações de sistemas de microprodução, 161 KWp e 70m2 de ST. Munícipios: 18 instalações de sistemas de microprodução 150 KWp e 60m2 de ST. Supermercados: 30 instalações de sistemas de microprodução, 150 KWp

14 ENERGIAS RENOVÁVEIS CASE STUDY VILAS SOLARES EM ZONAS RURAIS DE MOÇAMBIQUE Projecto Instalação de fontes de energia renovável em 50 vilas, localizadas em zonas rurais, abrangendo 50 escolas, 50 centros de saúde, 2 hospitais e 9 sistemas de bombeamento de água Equipamentos instalados. 50 mini-centrais de 4kW. 9 centrais fotovoltaicas autónomas para suportar os sistemas de bombeamento. 2 sistemas solares térmicos Impacto. Fornecimento de electricidade a pessoas. 500 novos postos de trabalho permanentes e 500 temporários

15 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES DE FINANCIAMENTO Programas de financiamento público Banca Fundos internacionais (Banco Mundial, Banco Africano para o Desenvolvimento)

16 o mundo move-nos. Travessa N gola Mbandi Bairro da Madeira - Luanda Angola T. (+244) F. (+244) Setembro de 2011

TOUREG, 21 de Setembro de 2010. O Modelo sesco. A combinação de eficiência energética e energias renováveis. Check-List e CASOS PRÀTICOS no TURISMO

TOUREG, 21 de Setembro de 2010. O Modelo sesco. A combinação de eficiência energética e energias renováveis. Check-List e CASOS PRÀTICOS no TURISMO TOUREG, 21 de Setembro de 2010 O Modelo sesco - A combinação de eficiência energética e energias renováveis Check-List e CASOS PRÀTICOS no TURISMO CHECK LIST - HOTELARIA - Tem uma factura de energia (electricidade+gás+diesel)

Leia mais

VISABEIRA GLOBAL > Telecomunicações Energia Tecnologia Construção. VISABEIRA INDÚSTRIA > Cerâmica e Cristal Cozinhas Recursos Naturais

VISABEIRA GLOBAL > Telecomunicações Energia Tecnologia Construção. VISABEIRA INDÚSTRIA > Cerâmica e Cristal Cozinhas Recursos Naturais 1 VISABEIRA GLOBAL > Telecomunicações Energia Tecnologia Construção VISABEIRA INDÚSTRIA > Cerâmica e Cristal Cozinhas Recursos Naturais VISABEIRA TURISMO > Hotelaria Entretenimento & Lazer Restauração

Leia mais

República de Angola MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS

República de Angola MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS República de Angola MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS Conferência e exposição ipad angola 2011 Luanda, 15 de Setembro de 2011 Fontes de Energias renováveis no Contexto angolano APRESENTAÇÃO SANDRA CRISTÓVÃO

Leia mais

Produza a sua própria energia

Produza a sua própria energia Produza a sua própria energia CONTEÚDO ENERGIAFRICA QUEM SOMOS A NOSSA MISSÃO SERVIÇOS AS NOSSAS SOLUÇÕES SOLARES PROJECTO MODULO VIDA PORTEFÓLIO MAIS ENERGIA RENOVÁVEL, MAIS VIDA PARA O PLANETA www.energiafrica.com

Leia mais

Powered by. Desenvolvimento

Powered by. Desenvolvimento Desenvolvimento de Sistemas Sustentáveis 1 Urbancraft Energia, S.A. FDO INVESTIMENTOS E PARTICIPAÇÕES, SGPS, S.A. ALEXANDRE BARBOSA BORGES, SGPS, S.A. 50% 50% A URBANCRAFT ENERGIA, S.A é uma sociedade

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DE PROJECTOS DE PRODUÇÃO DE ENERGIA E DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. Selfenergy

PROGRAMA DE APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DE PROJECTOS DE PRODUÇÃO DE ENERGIA E DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. Selfenergy PROGRAMA DE APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DE PROJECTOS DE PRODUÇÃO DE ENERGIA E DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Selfenergy PARCEIRO: SCT Consulting SOLVING CHALLENGES TOGETHER Uma empresa com energia A Vivapower é uma

Leia mais

REQUEST aproveitamento da energia solar na reabilitação

REQUEST aproveitamento da energia solar na reabilitação REQUEST aproveitamento da energia solar na reabilitação US Tile request aproveitamento da energia solar na reabilitação apisolar@ FIL 10out12 Índice apisolar apresentação e intervenção no projecto sistemas

Leia mais

A Sustentabilidade Empresarial em Mercados Internacionais - Moçambique

A Sustentabilidade Empresarial em Mercados Internacionais - Moçambique AEP 26 de Novembro de 2009 Business On the Way A Sustentabilidade Empresarial em Mercados Internacionais - Moçambique Portugal Moçambique Angola Marrocos Argélia África do Sul Espanha França Bélgica Roménia

Leia mais

JPM Tecnologias para Energias Renováveis, SA. Filipe Fernandes

JPM Tecnologias para Energias Renováveis, SA. Filipe Fernandes JPM Tecnologias para Energias Renováveis, SA Filipe Fernandes Arouca, 2010 A JPM Automação e Equipamentos Industrias SA - Apresentação Historial Fundada há mais de uma década, a JPM é uma empresa tecnologicamente

Leia mais

Microgeração de Energia Enquadramento Legal

Microgeração de Energia Enquadramento Legal Microgeração de Energia Enquadramento Legal Inês Saraiva Azevedo Junho 2008 Enquadramento Legislativo Decreto-Lei n.º 363/2007 Benefícios Fiscais Confidencial 2 Enquadramento Legislativo Confidencial 3

Leia mais

Diagnóstico Energético. Projecto Influência Comportamental no Consumo de Energia Eléctrica. Promotor: Entidade Financiadora: Parceiro:

Diagnóstico Energético. Projecto Influência Comportamental no Consumo de Energia Eléctrica. Promotor: Entidade Financiadora: Parceiro: Diagnóstico Energético Projecto Influência Comportamental no Consumo de Energia Eléctrica Entidade Financiadora: Promotor: Parceiro: Medida financiada no âmbito do Plano de Promoção da Eficiência no Consumo

Leia mais

Uma estratégia global Para um mercado global

Uma estratégia global Para um mercado global NEGÓCIOS E INTERNACIONALIZAÇÃO Business roundtable MOÇAMBIQUE Uma estratégia global Para um mercado global Portugal Moçambique Angola Marrocos Argélia África do Sul Espanha França Bélgica Roménia Caraíbas

Leia mais

alienspresent@hotmail.com a minha central energética http://www.pbase.com/image/28867977

alienspresent@hotmail.com a minha central energética http://www.pbase.com/image/28867977 alienspresent@hotmail.com a minha central energética http://www.pbase.com/image/28867977 Quem Somos Empresa surgiu em 2007 de 1 projecto desenvolvido no ISEG Concurso ISEG / IAPMEI PME Investimentos Missão:

Leia mais

Mecanismo de Garantia para Eficiência Energética e Energias Renováveis (EEGM) Alvaro Silveira Atla Consultoria

Mecanismo de Garantia para Eficiência Energética e Energias Renováveis (EEGM) Alvaro Silveira Atla Consultoria Mecanismo de Garantia para Eficiência Energética e Energias Renováveis (EEGM) Alvaro Silveira Atla Consultoria Institucional Quem somos? O Programa das Nações Unidas para o desenvolvimento (PNUD) é o órgão

Leia mais

Medida Solar Térmico 2009 Impulsionar a Eficiência Energética e a Economia Nacional

Medida Solar Térmico 2009 Impulsionar a Eficiência Energética e a Economia Nacional Medida Solar Térmico 2009 Impulsionar a Eficiência Energética e a Economia Nacional Alargamento a Instituições Particulares de Solidariedade Social e Associações Desportivas de Utilidade Pública Lisboa,

Leia mais

Audiência Parlamentar Internacional em Moçambique Maputo, 19 de Setembro de 2009 1. ELECTRIFICAÇÃO RURAL EM MOÇAMBIQUE Moçambique é rico em recursos energéticos, como é o caso da energia hidroeléctrica,

Leia mais

minigeração # SINERGIAE Engineering for life...

minigeração # SINERGIAE Engineering for life... minigeração # SINERGIAE Engineering for life... O grupo SINERGIAE 2 í ndice O Grupo SINERGIAE... 3 O Que é a Minigeração... 4 Público Alvo... 5 Vantagens & Condições... 6 As nossas soluções... 7 Como fazer...

Leia mais

Consultadoria e Serviços Energéticos, lda ENERGIA PARA A VIDA. Energy for life

Consultadoria e Serviços Energéticos, lda ENERGIA PARA A VIDA. Energy for life ENERGIA PARA A VIDA Energy for life A GREEN SOLUTIONS A ambição de uma empresa não se reflecte nos seus feitos individuais, mas antes na realização de projectos marcantes para sua indústria. O reconhecimento

Leia mais

Sustentabilidade na Gestão de Estruturas Desportivas. Susana Lucas

Sustentabilidade na Gestão de Estruturas Desportivas. Susana Lucas Susana Lucas Guião Porquê Sustentabilidade em Estruturas Desportivas? Onde Avaliação da Gestão das Estruturas Desportivas? Como Gestores vão pensar em Sustentabilidade? O que se pode concluir em relação

Leia mais

Soluções de Energia Solar. Março de 2007. www.senso.pt

Soluções de Energia Solar. Março de 2007. www.senso.pt Soluções de Energia Solar Março de 2007 www.senso.pt ENERGIA E CONSTRUÇÃO Crescente aplicação de energias renováveis Mudança do modelo energético Símbolo de distinção para construções de qualidade Resposta

Leia mais

Água Quente Solar para Portugal

Água Quente Solar para Portugal INICIATIVA PÚBLICA AQSpP Água Quente Solar para Portugal J. Farinha Mendes Presidente da SPES www.spes.pt Portugal - um dos países da Europa com maior disponibilidade de recurso solar Eficiência Energética

Leia mais

Case study. Novo Conceito de Hotelaria SUSTENTABILIDADE 360 NA HOTELARIA EM PORTUGAL EMPRESA ENVOLVIMENTO

Case study. Novo Conceito de Hotelaria SUSTENTABILIDADE 360 NA HOTELARIA EM PORTUGAL EMPRESA ENVOLVIMENTO Case study 2010 Novo Conceito de Hotelaria SUSTENTABILIDADE 360 NA HOTELARIA EM PORTUGAL EMPRESA A Inspira, uma joint-venture formalizada em 2006 entre o grupo Blandy, com sede na Madeira e larga experiência

Leia mais

ENTERPRISE EUROPE NETWORK. Título: Empresa da Eslováquia certificada especializada na produção de painéis fotovoltaicos de alta qualidade.

ENTERPRISE EUROPE NETWORK. Título: Empresa da Eslováquia certificada especializada na produção de painéis fotovoltaicos de alta qualidade. Tipo de parceria:joint venture Empresa da Eslováquia certificada especializada na produção de painéis fotovoltaicos de alta qualidade. Empresa da Eslováquia certificadaespecializada na produção de painéis

Leia mais

AS ENERGIAS RENOVÁVEIS EM ANGOLA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES

AS ENERGIAS RENOVÁVEIS EM ANGOLA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES AS ENERGIAS RENOVÁVEIS EM ANGOLA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES Engª Sandra Cristóvão Directora Nacional de Energias Renováveis Ministério da Energia e Águas Luanda, 24 a 27 de Setembro de 2013 CONFERÊNCIA

Leia mais

INTERNACIONALIZAR EM PARCERIA

INTERNACIONALIZAR EM PARCERIA INTERNACIONALIZAR EM PARCERIA 2 PROGRAMA INTERNACIONALIZAR EM PARCERIA A Mota-Engil Indústria e Inovação e a Caixa Capital celebraram um acordo para a concretização de um Programa, designado Internacionalizar

Leia mais

www.tese.org.pt www.facebook.com/tese.ongd www.linkedin.com/in/teseongd

www.tese.org.pt www.facebook.com/tese.ongd www.linkedin.com/in/teseongd www.tese.org.pt www.facebook.com/tese.ongd www.linkedin.com/in/teseongd Energias Renováveis e o Desenvolvimento Social 1. Apresentação da Instituição 2. Projectos da Área das Energias Renováveis e Impactes

Leia mais

A inovação não é um luxo, mas sim uma necessidade que poderá ajudar a enfrentar as dificuldades da crise

A inovação não é um luxo, mas sim uma necessidade que poderá ajudar a enfrentar as dificuldades da crise A inovação não é um luxo, mas sim uma necessidade que poderá ajudar a enfrentar as dificuldades da crise A Empresa - No mercado nacional desde 1993 - Localização: Com fábrica em Vale de Cambra (50 km a

Leia mais

INICIATIVA JESSICA. Fundo de Desenvolvimento Urbano Turismo. Faro, 22 de maio de 2013

INICIATIVA JESSICA. Fundo de Desenvolvimento Urbano Turismo. Faro, 22 de maio de 2013 INICIATIVA JESSICA Fundo de Desenvolvimento Urbano Turismo Faro, 22 de maio de 2013 O Turismo na economia Peso no PIB Peso no Emprego Peso nas Exportações Peso dos Mercados O Turismo e a Regeneração Urbana

Leia mais

PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS

PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS Enquadramento Protocolo de Quioto Cimeira de Joanesburgo Directiva Renováveis Estratégia Nacional de Desenvolvimento Sustentável Programa E4 Nova Resolução do Conselho de Ministros INTERREG Programas Regionais

Leia mais

DIÁRIO ECONÓMICO Calendário Projectos Especiais

DIÁRIO ECONÓMICO Calendário Projectos Especiais DIÁRIO ECONÓMICO Calendário Projectos Especiais 2012 JAN 19 Prémio Excelência Revista 30 Propriedade Intelectual 31 Industria Farmacêutica de Genéricos 2 Energia: Painéis Solares 7 Desafios de Portugal:

Leia mais

INTERNACIONALIZAR EM PARCERIA

INTERNACIONALIZAR EM PARCERIA INTERNACIONALIZAR EM PARCERIA 2 PROGRAMA INTERNACIONALIZAR EM PARCERIA A Portugal Ventures, Caixa Capital e Mota-Engil Industria e Inovação celebraram um acordo para a concretização de um Programa, designado

Leia mais

EXPO EUROPA E AMBIENTE

EXPO EUROPA E AMBIENTE EXPO EUROPA E AMBIENTE Microgeração Um novo Conceito de Energias Carlos Mendes Nunes Carlos Simões Contactos: Eurosauna; José Morais / Raul Fino Quarteira - Loulé 09 Maio 2008 Energias Renová Energias

Leia mais

Uma visão geral do sector das energias renováveis na Roménia

Uma visão geral do sector das energias renováveis na Roménia Uma visão geral do sector das energias renováveis na Roménia A Roménia localiza-se geograficamente no centro da Europa (parte sudeste da Europa Central). O país tem,5 milhões de habitantes e abrange uma

Leia mais

Medida Solar Térmico 2009 A eficiência energética como dinamizador da economia

Medida Solar Térmico 2009 A eficiência energética como dinamizador da economia Medida Solar Térmico 2009 A eficiência energética como dinamizador da economia Instituições Particulares de Solidariedade Social e Clubes e Associações de Utilidade Pública Desportiva Lisboa, 4 de Agosto

Leia mais

ÍNDICE PERFIL MERCADOS ONDE A A400 ESTÁ PRESENTE VOLUME DE NEGÓCIOS CERTIFICAÇÕES PROJECTOS DE REFERÊNCIA CONTACTOS

ÍNDICE PERFIL MERCADOS ONDE A A400 ESTÁ PRESENTE VOLUME DE NEGÓCIOS CERTIFICAÇÕES PROJECTOS DE REFERÊNCIA CONTACTOS DOSSIER DE IMPRENSA ÍNDICE 1 PERFIL - A Empresa - Os Colaboradores - Os serviços 2 MERCADOS ONDE A A400 ESTÁ PRESENTE - A Internacionalização VOLUME DE NEGÓCIOS 4 CERTIFICAÇÕES 5 PROJECTOS DE REFERÊNCIA

Leia mais

Banco Interamericano de Desenvolvimento Patrick Doyle Patrickd@iadb.org. Agosto 2015

Banco Interamericano de Desenvolvimento Patrick Doyle Patrickd@iadb.org. Agosto 2015 Banco Interamericano de Desenvolvimento Patrick Doyle Patrickd@iadb.org Agosto 2015 Desde 1959 A principal fonte de financiamento para o desenvolvimento da América Latina e Caribe 26 Países Conta com 26

Leia mais

Damos valor à sua energia

Damos valor à sua energia Damos valor à sua energia Invista em energias renováveis e eficiência energética e comece a poupar naturalmente. Energia O futuro do planeta está cada vez mais nas nossas mãos e a forma como obtemos e

Leia mais

Uso da Energia Solar na Industria. Prof. Zaqueu Ernesto da Silva LES/DEER/CEAR

Uso da Energia Solar na Industria. Prof. Zaqueu Ernesto da Silva LES/DEER/CEAR Uso da Energia Solar na Industria Prof. Zaqueu Ernesto da Silva LES/DEER/CEAR Fontes de Energia no Brasil Quem usou energia no Brasil - 2012 Consumo de Energia no Setor Industria Setor Industrial % Setor

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Conceitos & Oportunidades 1. CONCEITOS 2. OPORTUNIDADES 3. DESAFIOS

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Conceitos & Oportunidades 1. CONCEITOS 2. OPORTUNIDADES 3. DESAFIOS EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Conceitos & Oportunidades 1. CONCEITOS 2. OPORTUNIDADES 3. DESAFIOS 1. CONCEITOS : - Fazer igual ou mais com menos ( $ ) EFICIÊNCIA ECONÔMICA - Fazer igual ou mais com menos ( Energia

Leia mais

Energia das Ondas: Estado de desenvolvimento e perspectivas antonio.sarmento@ist.utl.pt

Energia das Ondas: Estado de desenvolvimento e perspectivas antonio.sarmento@ist.utl.pt O recurso energético e o mercado potencial Estado actual da tecnologia Custos A Energia das Ondas em Portugal Conclusões Energia das Ondas: Estado de desenvolvimento e perspectivas antonio.sarmento@ist.utl.pt

Leia mais

LISTA DE CURSOS DE TECNOLOGIA COM BASE NAS RN's 374/2009, 379/2009, 386/2010, 396/2010 404/2011, 412/2011, 414/2011 DO CFA

LISTA DE CURSOS DE TECNOLOGIA COM BASE NAS RN's 374/2009, 379/2009, 386/2010, 396/2010 404/2011, 412/2011, 414/2011 DO CFA LISTA DE CURSOS DE TECNOLOGIA COM BASE NAS RN's 374/2009, 379/2009, 386/2010, 396/2010 404/2011, 412/2011, 414/2011 DO CFA Curso Superior de Tecnologia em Comércio Exterior Exportação e Importação Gerência

Leia mais

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA EDP PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA O Grupo EDP Energias de Portugal centra as suas actividades na produção, distribuição e comercialização de energia eléctrica,

Leia mais

Green Value Energy Building Solutions ACTIVE LIGHTS. 100% effective when it s needed

Green Value Energy Building Solutions ACTIVE LIGHTS. 100% effective when it s needed Green Value Energy Building Solutions ACTIVE LIGHTS TM 100% effective when it s needed 01. Apresentação A Green Value, Energy Building Solutions foi constituída em 2007 com o objectivo de dar resposta

Leia mais

As PME do Sector Energético Desafios e Estratégias

As PME do Sector Energético Desafios e Estratégias As PME do Sector Energético Desafios e Estratégias Lisboa, 22 de Março de 2013 www.selfenergy.eu PRIMEIRA ESCO PORTUGUESA A Self Energy é a primeira ESCO (Energy Services Company) portuguesa, criada para

Leia mais

Universidade Eduardo Mondlane FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engª Mecânica

Universidade Eduardo Mondlane FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engª Mecânica Universidade Eduardo Mondlane FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engª Mecânica Tema: Dimensionamento de uma instalação combinada de energia solar e eólica Autor: Quintino, Bernardo Supervisor: Dr.

Leia mais

GRUPO ROLEAR. Porque há coisas que não podem parar!

GRUPO ROLEAR. Porque há coisas que não podem parar! GRUPO ROLEAR Porque há coisas que não podem parar! INOVAÇÃO COMO CHAVE DO SUCESSO Desde 1979, com sede no Algarve, a Rolear resulta da oportunidade identificada pelo espírito empreendedor do nosso fundador

Leia mais

Medida Solar Térmico 2009 A eficiência energética como dinamizador da economia

Medida Solar Térmico 2009 A eficiência energética como dinamizador da economia Medida Solar Térmico 2009 A eficiência energética como dinamizador da economia Instituições Particulares de Solidariedade Social e Clubes e Associações de Utilidade Pública Desportiva 20 de Outubro 2009

Leia mais

Energias Renováveis (ER) Sustentabilidade Económica e Ambiental

Energias Renováveis (ER) Sustentabilidade Económica e Ambiental Seminário de Boa Governação das Energias Renováveis Energias Renováveis (ER) Sustentabilidade Económica e Ambiental Madival Alva das Neves Meteorologista (Direção Geral do Ambiente) São Tomé, 30 de junho,

Leia mais

Portugal Investimento

Portugal Investimento Portugal Investimento O Investimento Bruto atingiu os 32 mil milhões de euros e o acumulado 71,7 mil milhões de euros o que significa um crescimento de quase 50% nos últimos 5 anos. Cerca de 32% do IDE

Leia mais

8 DE MAIO 2013. ONDE NASCE O NOVO EMPREGO EM PORTUGAL Teresa Cardoso de Menezes

8 DE MAIO 2013. ONDE NASCE O NOVO EMPREGO EM PORTUGAL Teresa Cardoso de Menezes 8 DE MAIO 2013 ONDE NASCE O NOVO EMPREGO EM PORTUGAL Teresa Cardoso de Menezes a empresa activa mais antiga em Portugal nasceu em 1670? 2001 foi o ano em que nasceram mais empresas em Portugal? ontem quando

Leia mais

18 ANOS. Janelas para a vida

18 ANOS. Janelas para a vida 18 ANOS Janelas para a vida 1 EVOLUÇÃO HISTÓRICA 2 CAIXIAVE GROUP NO PRESENTE 3 PRODUÇÃO 4 QUALIDADE 5 UNIDADES DE NEGÓCIO 6 PRODUTOS 7 REFERÊNCIAS 1 EVOLUÇÃO HISTÓRICA 1993 1994 1996 1997 2001 2003 2004

Leia mais

Our innovative solutions wherever you need us. ABREU ADVOGADOS FERREIRA ROCHA & ASSOCIADOS Em parceria: Portugal Moçambique. Consolidar o Futuro

Our innovative solutions wherever you need us. ABREU ADVOGADOS FERREIRA ROCHA & ASSOCIADOS Em parceria: Portugal Moçambique. Consolidar o Futuro Our innovative solutions wherever you need us. ABREU ADVOGADOS FERREIRA ROCHA & ASSOCIADOS Em parceria: Portugal Moçambique Consolidar o Futuro Abreu Advogados Ferreira Rocha & Associados 2012 PORTUGAL

Leia mais

A ENERGIA QUE FAZ SENTIDO RGIA AMBIENTE TECNOLOGIA INOVAÇÃO FUTU VA ÇÃO FUTURO RESPONSABILIDADE RESPEITO ABILIDADE RESPEITO FUTURO ENERGIA AMBIE

A ENERGIA QUE FAZ SENTIDO RGIA AMBIENTE TECNOLOGIA INOVAÇÃO FUTU VA ÇÃO FUTURO RESPONSABILIDADE RESPEITO ABILIDADE RESPEITO FUTURO ENERGIA AMBIE A ENERGIA QUE FAZ SENTIDO RGIA AMBIENTE TECNOLOGIA INOVAÇÃO FUTU VA ÇÃO FUTURO RESPONSABILIDADE RESPEITO ABILIDADE RESPEITO FUTURO ENERGIA AMBIE A Energia Que Faz Sentido QUEM SOMOS Somos uma Empresa vocacionada

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO PETROBRAS 2015 PLANO DE NEGÓCIOS 2006-2010

PLANO ESTRATÉGICO PETROBRAS 2015 PLANO DE NEGÓCIOS 2006-2010 PLANO ESTRATÉGICO PETROBRAS 2015 PLANO DE NEGÓCIOS 2006-2010 MISSÃO Atuar de forma segura e rentável, com responsabilidade social e ambiental, nas atividades da indústria de óleo, gás e energia, nos mercados

Leia mais

Os combustíveis fósseis e as energias alternativas

Os combustíveis fósseis e as energias alternativas Os combustíveis fósseis e as energias alternativas O que são combustíveis fósseis: Os combustíveis fósseis são compostos por hidrocarbonetos e são usados por exemplo como combustível. São alguns exemplos

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS CENTRO DE PROMOÇÃO DE INVESTIMENTOS CLIMA DE INVESTIMENTOS EM MOÇAMBIQUE

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS CENTRO DE PROMOÇÃO DE INVESTIMENTOS CLIMA DE INVESTIMENTOS EM MOÇAMBIQUE REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS CENTRO DE PROMOÇÃO DE INVESTIMENTOS CLIMA DE INVESTIMENTOS EM MOÇAMBIQUE CONTEÚDO 1 Razões para investir em Moçambique 2 Evolução do Investimento

Leia mais

Eficiência Energética através de Energia Solar

Eficiência Energética através de Energia Solar Eficiência Energética através de Energia Solar V0810 Competências Principais Soluções completas com sistemas de energia solar integrado Aquecimento de água para instalações industriais e comerciais Máquinas

Leia mais

1- A empresa...2. 2- Protocolos...3. 3.1- Solar Térmico...4. 3.2-Solar Fotovoltaico...7. 3.3-Biomassa...8. 3.4-Bomba de Calor...9

1- A empresa...2. 2- Protocolos...3. 3.1- Solar Térmico...4. 3.2-Solar Fotovoltaico...7. 3.3-Biomassa...8. 3.4-Bomba de Calor...9 Indice 1- A empresa...2 2- Protocolos...3 3- Energias Renováveis...4 3.1- Solar Térmico...4 3.2-Solar Fotovoltaico...7 3.3-Biomassa...8 3.4-Bomba de Calor...9 4- Gestão de Energia...10 5- A.Q.S (Águas

Leia mais

1- A empresa...2. 2- Protocolos...3. 3.1- Solar Térmico...4. 3.2-Solar Fotovoltaico...7. 3.3-Biomassa...8. 3.4-Bomba de Calor...9

1- A empresa...2. 2- Protocolos...3. 3.1- Solar Térmico...4. 3.2-Solar Fotovoltaico...7. 3.3-Biomassa...8. 3.4-Bomba de Calor...9 Indice 1- A empresa...2 2- Protocolos...3 3- Energias Renováveis...4 3.1- Solar Térmico...4 3.2-Solar Fotovoltaico...7 3.3-Biomassa...8 3.4-Bomba de Calor...9 4- Gestão de Energia...10 5- A.Q.S (Águas

Leia mais

DETEÇÃO DE INFRAESTRUTURAS ENTERRADAS INSPEÇÃO TERMOGRÁFICA POR INFRAVERMELHOS

DETEÇÃO DE INFRAESTRUTURAS ENTERRADAS INSPEÇÃO TERMOGRÁFICA POR INFRAVERMELHOS Geodetect, Lda. DETEÇÃO DE INFRAESTRUTURAS ENTERRADAS INSPEÇÃO TERMOGRÁFICA POR INFRAVERMELHOS Travessa do Governo Civil, Nº4 2ºDrt. Sala 5 3810-118 Aveiro PORTUGAL (+351) 967 085 701 (+351) 963 829 703

Leia mais

CONFERENCIA & EXPOSIÇÃO DO IPAD ANGOLA

CONFERENCIA & EXPOSIÇÃO DO IPAD ANGOLA CONFERENCIA & EXPOSIÇÃO DO IPAD ANGOLA TEMA: AVALIAÇÃO DA VIABILIDADE DA APOSTA PELAS ENERGIAS RENOVAVEIS EM ANGOLA. EXPERIENCIAS DA PROVÍNCIA DO HUAMBO Apresentado por: Eng. Adolfo Elias Gomes Director

Leia mais

EEGM Mecanismo de Garantia de Eficiência Energética. Alvaro Silveira

EEGM Mecanismo de Garantia de Eficiência Energética. Alvaro Silveira EEGM Mecanismo de Garantia de Eficiência Energética Alvaro Silveira Institucional Quem somos? O Programa das Nações Unidas para o desenvolvimento (PNUD) é o órgão da Organização das Nações Unidas (ONU)

Leia mais

Investimento Privado em Angola

Investimento Privado em Angola Abril 2013 Investimento Privado em Angola Sectores Económicos Prioritários Investimento Privado em Angola Sectores Económicos Prioritários Sectores económicos prioritários Agricultura e Pecuária Indústria

Leia mais

AVISO PARA A APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURA AO FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA AVISO 01- FEE CONDOMÍNIO.E-2012

AVISO PARA A APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURA AO FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA AVISO 01- FEE CONDOMÍNIO.E-2012 AVISO PARA A APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURA AO FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA AVISO 01- FEE CONDOMÍNIO.E-2012 Tipologia de operações: Despesas elegíveis: Entidades beneficiárias: Investimentos que visem a

Leia mais

Esta radiação que atinge o solo é constituída por três componentes:

Esta radiação que atinge o solo é constituída por três componentes: Energia Solar O Sol é a nossa principal fonte de energia, responsável pela manutenção das várias formas de vida existentes na Terra. Trata-se de um recurso praticamente inesgotável e constante, quando

Leia mais

Trabalhamos em função do cliente apresentando uma gama de soluções chave na mão de forma a garantir: Satisfação Eficácia Continuidade Inovação

Trabalhamos em função do cliente apresentando uma gama de soluções chave na mão de forma a garantir: Satisfação Eficácia Continuidade Inovação Trabalhamos em função do cliente apresentando uma gama de soluções chave na mão de forma a garantir: Satisfação Eficácia Continuidade Inovação Fidelização PRINCIPAIS CLIENTES A anglobal atende a mais de

Leia mais

A reabilitação urbana constitui um fator essencial no desenvolvimento do. setor do turismo, enquanto elemento integrante da oferta turística e que

A reabilitação urbana constitui um fator essencial no desenvolvimento do. setor do turismo, enquanto elemento integrante da oferta turística e que INICIATIVA JESSICA Fundo de Desenvolvimento Urbano Turismo Lisboa, 21 de janeiro de 2013 O Turismo na economia Peso no PIB Peso nas Exportações Peso no Emprego 63% Peso dos Mercados 37% Mercado Estrangeiro

Leia mais

Apresentado por: Miquelina Menezes Maputo, 17 de Novembro de 2011

Apresentado por: Miquelina Menezes Maputo, 17 de Novembro de 2011 Energia Para Moçambique Análise do potencial do país no âmbito da geração de energias renováveis e revisão dos projectos de energia solar, eólica, hídrica, biomassa e biodiesel Apresentado por: Miquelina

Leia mais

Armazenamento de Energia Renovável

Armazenamento de Energia Renovável Solar Eólico Armazenamento de Energia Renovável Biomassa Eficiência Energética Comercial Parques Público Rural Industrial Residencial MICRO E MINIGERAÇÃO DE ENERGIA A ANEEL permitiu aos consumidores através

Leia mais

INICIATIVA JESSICA. Fundo de Desenvolvimento Urbano Turismo

INICIATIVA JESSICA. Fundo de Desenvolvimento Urbano Turismo INICIATIVA JESSICA Fundo de Desenvolvimento Urbano Turismo Porto, 28 de novembro de 2012 Objectivo do FDU - Turismo Promover o desenvolvimento de projetos de investimento que contribuam para a regeneração,

Leia mais

Apresentação Institucional. FERMAT Materiais de Construção, S.A. Luanda, Janeiro de 2010 - Republica de Angola

Apresentação Institucional. FERMAT Materiais de Construção, S.A. Luanda, Janeiro de 2010 - Republica de Angola Apresentação Institucional FERMAT Materiais de Construção, S.A. Luanda, Janeiro de 2010 - Republica de Angola 1 Índice 1. Grupo Importrading 2. Fermat Company Profile 3. Produtos comercializados 4. Nova

Leia mais

Estratégia Nacional para a Energia (ENE 2020) Luis Silva, ADENE Agência para a Energia

Estratégia Nacional para a Energia (ENE 2020) Luis Silva, ADENE Agência para a Energia Estratégia Nacional para a Energia (ENE 2020) Luis Silva, ADENE Agência para a Energia 6º workshop da Plataforma do Empreendedor AIP-CE, 1 Julho 2010 Índice As novas metas EU para as Renováveis Estratégia

Leia mais

Sumário. Empresa Grupo Auditel Organização Soluções Referências Parceiros Tecnológicos Contactos 30-12-2011

Sumário. Empresa Grupo Auditel Organização Soluções Referências Parceiros Tecnológicos Contactos 30-12-2011 Bernardino Jorge Sumário Empresa Grupo Auditel Organização Soluções Referências Parceiros Tecnológicos Contactos 2 Empresa Audport é uma empresa de direito Português, filial da Auditel Engeniería y Servicios

Leia mais

Dr. Henrique Relógio

Dr. Henrique Relógio Dia 28 de Maio Renovar com Sustentabilidade Dr. Henrique Relógio Jardins de S. Bartolomeu Case Study Renovar com Sustentabilidade Henrique Relógio henriquerelogio@gmail.com 1 Jardins São Bartolomeu Um

Leia mais

PROMOÇÃO DE SISTEMAS DE ENERGIAS RENOVÁVEIS DE PEQUENA E MEDIA DIMENSÃO EM CABO VERDE

PROMOÇÃO DE SISTEMAS DE ENERGIAS RENOVÁVEIS DE PEQUENA E MEDIA DIMENSÃO EM CABO VERDE PROMOÇÃO DE SISTEMAS DE ENERGIAS RENOVÁVEIS DE PEQUENA E MEDIA DIMENSÃO EM CABO VERDE JANSENIO DELGADO RENEWABLE ENERGY EXPERT ECREEE PRAIA, 12 DE NOVEMBRO DE 2012 www.ecreee.org 1 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO

Leia mais

5º Workshop Técnico 2007 C3P NASA. Energias Renováveis: Factor de Desenvolvimento

5º Workshop Técnico 2007 C3P NASA. Energias Renováveis: Factor de Desenvolvimento 5º Workshop Técnico 2007 C3P NASA Peniche, 7 de Novembro de 2007 Energias Renováveis: Factor de Desenvolvimento O Sol pode ser um recurso? Moura e Amareleja: 2.200 KWh/m2 Soma da irradiação anual global,

Leia mais

A AngoBIM é uma empresa de direito Angolano, sedeada em Talatona, que tem como atividade principal o desenvolvimento de projetos de Arquitectura e de

A AngoBIM é uma empresa de direito Angolano, sedeada em Talatona, que tem como atividade principal o desenvolvimento de projetos de Arquitectura e de A AngoBIM é uma empresa de direito Angolano, sedeada em Talatona, que tem como atividade principal o desenvolvimento de projetos de Arquitectura e de Engenharia, bem como Assistência Técnica e Fiscalização

Leia mais

Energias Renováveis. Definições Básicas. Fontes de energia Convencionais Renováveis Alternativas Limpas Sustentáveis

Energias Renováveis. Definições Básicas. Fontes de energia Convencionais Renováveis Alternativas Limpas Sustentáveis Definições Básicas Fontes de energia Convencionais Renováveis Alternativas Limpas Sustentáveis Fontes de energia convencionais: São as fontes tradicionais de energia, por exemplo: Usinas hidrelétricas

Leia mais

1- A empresa...2. 2- Protocolos...3. 3.1- Solar Térmico...4. 3.2-Solar Fotovoltaico...7. 3.3-Biomassa...8. 3.4-Bomba de Calor...9

1- A empresa...2. 2- Protocolos...3. 3.1- Solar Térmico...4. 3.2-Solar Fotovoltaico...7. 3.3-Biomassa...8. 3.4-Bomba de Calor...9 Indice 1- A empresa...2 2- Protocolos...3 3- Energias Renováveis...4 3.1- Solar Térmico...4 3.2-Solar Fotovoltaico...7 3.3-Biomassa...8 3.4-Bomba de Calor...9 4- Gestão de Energia...10 5- A.Q.S (Águas

Leia mais

GUIA DO REGULAMENTO ESPECÍFICO DO DOMÍNIO DA SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA NO USO DE RECURSOS BENEFICIÁRIOS OPERAÇÕES FINANCIADAS FORMA DOS APOIOS

GUIA DO REGULAMENTO ESPECÍFICO DO DOMÍNIO DA SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA NO USO DE RECURSOS BENEFICIÁRIOS OPERAÇÕES FINANCIADAS FORMA DOS APOIOS GUIA DO REGULAMENTO ESPECÍFICO DO DOMÍNIO DA SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA NO USO DE RECURSOS PORTARIA 57-B/2015 BENEFICIÁRIOS OPERAÇÕES FINANCIADAS FORMA DOS APOIOS EMPRESAS BENEFICIÁRIOS: IPSS Instituições

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA UM ESTUDO DE MERCADO NA REGIÃO DOS PALOP CENTRO DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS E MANUTENÇÃO INDUSTRIAL (CERMI)

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA UM ESTUDO DE MERCADO NA REGIÃO DOS PALOP CENTRO DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS E MANUTENÇÃO INDUSTRIAL (CERMI) TERMOS DE REFERÊNCIA PARA UM ESTUDO DE MERCADO NA REGIÃO DOS PALOP CENTRO DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS E MANUTENÇÃO INDUSTRIAL (CERMI) DE CABO VERDE Resumo Cabo Verde assume claramente a energia renovável como

Leia mais

MODIFICAÇÕES MAIS RELEVANTES INTRODUZIDAS PELA NOVA LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO

MODIFICAÇÕES MAIS RELEVANTES INTRODUZIDAS PELA NOVA LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO MODIFICAÇÕES MAIS RELEVANTES INTRODUZIDAS PELA NOVA LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO Sofia Vale Agosto de 2015 Foi publicada recentemente a nova Lei do Investimento Privado 1 (doravante A Nova LIP ), que contém

Leia mais

Energia Solar : aplicações térmicas e outras

Energia Solar : aplicações térmicas e outras Energia Solar : aplicações térmicas e outras por Manuel Collares Pereira (Investigador Coordenador, INETI) (Prof. Catedrático Convidado, IST) Sumário A disponibilidade do recurso em Portugal O solar passivo

Leia mais

Manual de Apoio ao Cogerador Simulador do Cogerador

Manual de Apoio ao Cogerador Simulador do Cogerador Manual de Apoio ao Cogerador Simulador do Cogerador Jorge Mendonça e Costa jmcosta@cogenportugal.com Manual de Apoio ao Cogerador Simulador do Cogerador Manual de Apoio ao Cogerador: Motivação Manual de

Leia mais

CONHEÇA A INFOCONTROL

CONHEÇA A INFOCONTROL CONHEÇA A INFOCONTROL O Grupo Infocontrol é formado por um conjunto de empresas comerciais especializadas em engenharia, que operam nas áreas da Indústria, Edifícios e Segurança. A nossa actividade está

Leia mais

www.advancedway.pt O nosso know-how vai mais longe que a própria energia. Chega ao futuro.

www.advancedway.pt O nosso know-how vai mais longe que a própria energia. Chega ao futuro. www.advancedway.pt O nosso know-how vai mais longe que a própria energia. Chega ao futuro. ÍNDICE 1. QUEM SOMOS 2. MINi PRODUÇÃO 2.1. Enquadramento legal 2.2. Caso de estudo_venda à rede 2.3. Caso de estudo_modelo

Leia mais

As Auditorias Energéticas e a Gestão da Energia como fator de competitividade

As Auditorias Energéticas e a Gestão da Energia como fator de competitividade As Auditorias Energéticas e a Gestão da Energia como fator de competitividade Artur Serrano CTCV Sistemas de Energia 1 ÍNDICE DOS ASSUNTOS Sistemas de Energia do CTCV - Actividades Objectivos das Auditorias

Leia mais

SOLAR EXPO CAPTAÇÃO SOLAR NA ORDEM DO DIA

SOLAR EXPO CAPTAÇÃO SOLAR NA ORDEM DO DIA EXPO SOLAR Feira Internacional de Tecnologia Solar CAPTAÇÃO SOLAR NA ORDEM DO DIA Pesquisas indicam que em 20 anos o mundo vai consumir 50% mais energia do que é consumido atualmente. O mesmo percentual

Leia mais

African Development Bank

African Development Bank OPORTUNIDADES E DESAFIOS BANCO AFRICANO DE DESENVOLVIMENTO Lisboa, 18 de Abril 2008 1 2 O que investidores e empresas querem saber 1. O que é o BAD? 2. Instrumentos de financiamento 3. Áreas de negócios

Leia mais

Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro. Pós-Graduação em Tecnologia Ambiental. CONSULTUA Ensino e Formação Profissional Lda.

Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro. Pós-Graduação em Tecnologia Ambiental. CONSULTUA Ensino e Formação Profissional Lda. NOME Luís Reis INFORMAÇÃO PESSOAL Nome Completo Luís Alberto Pinto Reis Data de nascimento 22 de Agosto de 1978 Telemóvel 916 415 457 Correio electrónico Nacionalidade luispintoreis@gmail.com Portuguesa

Leia mais

XIX CONGRESSO SOCIEDADE, TERRITÓRIO E AMBIENTE A INTERVENÇÃO DO ENGENHEIRO 19 e 20 de outubro de 2012

XIX CONGRESSO SOCIEDADE, TERRITÓRIO E AMBIENTE A INTERVENÇÃO DO ENGENHEIRO 19 e 20 de outubro de 2012 XIX CONGRESSO SOCIEDADE, TERRITÓRIO E AMBIENTE A INTERVENÇÃO DO ENGENHEIRO 19 e 20 de outubro de 2012 O CONSUMO MUNDIAL DE ENERGIA CONTINUARÁ A CRESCER, MAS AS POLÍTICAS DE EFICIÊNCIA TERÃO UM FORTE IMPACTO

Leia mais

Pretendemos por este meio dar a conhecer as áreas de intervenção da nossa empresa, na expectativa do vosso interesse.

Pretendemos por este meio dar a conhecer as áreas de intervenção da nossa empresa, na expectativa do vosso interesse. Energia sem limites Lic. n.º 38549 Amorlux Projectos e Instalações Eléctricas, Lda. Amorlux, Projectos e Instalações Eléctricas, Lda, fundada em 1994, é uma empresa Portuguesa com ampla e reconhecida experiência

Leia mais

O reconhecimento como uma referência na área de consultadoria em engenharia em Portugal.

O reconhecimento como uma referência na área de consultadoria em engenharia em Portugal. VISÃO & MISSÃO VISÃO O reconhecimento como uma referência na área de consultadoria em engenharia em Portugal. MISSÃO Actuar junto de empresas industriais, de serviços, estabelecimentos de ensino, empresas

Leia mais

Castelo de Vide 16.02.2009. Mais eco. Mais futuro.

Castelo de Vide 16.02.2009. Mais eco. Mais futuro. Castelo de Vide 16.02.2009 Mais eco. Mais futuro. O mundo está nas nossas mãos... 1 O consumo energético mundial tem registado forte crescimento nos últimos anos, agravando o volume de emissões de CO 2

Leia mais

Apresentação Institucional

Apresentação Institucional Apresentação Institucional Green Value Energy Building Solutions Janeiro de 2014 Índice Apresentação Áreas de Negócio Consultoria em Eficiência Energética e Ambiental Clientes Contactos Auditorias energéticas

Leia mais

Palmela, 31 Outubro 2012. Schneider Electric - Eficiência Energética HAG 01/2010 1

Palmela, 31 Outubro 2012. Schneider Electric - Eficiência Energética HAG 01/2010 1 Palmela, 31 Outubro 2012 Schneider Electric - Eficiência Energética HAG 01/2010 1 O Consumo de Energia está a aumentar Schneider Electric - Eficiência Energética HAG 01/2010 2 mais rápido do que novas

Leia mais

Energias Renováveis de Portugal, SA

Energias Renováveis de Portugal, SA Energias Renováveis de Portugal, SA A ENP ENP Energias Renováveis SA, é detida maioritariamente pelo Grupo Salvador Caetano Áreas de actuação Promoção de sistemas de eficiência energética Estudos de viabilidade

Leia mais

Estrutura da ERI. Administração. Direção Geral. Qualidade, Ambiente e Segurança. Comercial & Marketing. Departamento de Compras

Estrutura da ERI. Administração. Direção Geral. Qualidade, Ambiente e Segurança. Comercial & Marketing. Departamento de Compras At tud p rm t! ERI Engenharia SA A ERI Engenharia S.A. é uma empresa que está no mercado desde 1995. A nossa estratégia de actuação pauta-se pela flexibilidade e ajustamento face às necessidades e exigências

Leia mais

REDES COMUNITÁRIAS. Casos Internacionais. Stokcab Municipios de Estocolmo. MetroWeb Municipios de Milão

REDES COMUNITÁRIAS. Casos Internacionais. Stokcab Municipios de Estocolmo. MetroWeb Municipios de Milão REDES COMUNITÁRIAS Casos Internacionais Stokcab Municipios de Estocolmo MetroWeb Municipios de Milão BorderLight.net Municipios da Suécia / Cidade de Uppsala Utopia.net Municipios do Estado do Utah 0 O

Leia mais

O papel das Renováveis no contexto NZEB

O papel das Renováveis no contexto NZEB O papel das Renováveis no contexto NZEB António Joyce LNEG Laboratório Nacional de Energia e Geologia Estrada do Paço do Lumiar, 1649-038 Lisboa, PORTUGAL Edifício Solar XXI Antonio.Joyce@lneg.pt 1 Até

Leia mais