Interações biomecânicas entre a organização. postural global e a respiração: um olhar ampliado. sobre a fisioterapia dirigida a crianças com doença

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Interações biomecânicas entre a organização. postural global e a respiração: um olhar ampliado. sobre a fisioterapia dirigida a crianças com doença"

Transcrição

1 Interações biomecânicas entre a organização postural global e a respiração: um olhar ampliado sobre a fisioterapia dirigida a crianças com doença respiratória Renata Ungier Rio de Janeiro, 2005

2 Interações biomecânicas entre a organização postural global e a respiração: um olhar ampliado sobre a fisioterapia dirigida a crianças com doença respiratória Renata Ungier Orientadoras: Prof a Dr a Susana Maciel Wuillaume Prof a Dr a Maria Helena Cabral de Almeida Cardoso Co-orientadora: Prof a Moana Cabral de Castro Mattos Dissertação apresentada ao programa de pósgraduação em saúde da criança e da mulher IFF/FIOCRUZ, como exigência parcial para obtenção do título de mestre. Rio de Janeiro, 2005

3 Para os protagonistas da minha história

4 Agradecimentos Ao meu marido Alexandre, por suportar, com inabalável bom humor, os fins de semana perdidos, as crises de ansiedade e a luz acesa de madrugada, fornecendo a base de carinho e segurança que me permitiram chegar até aqui. Aos meus pais Celso e Aida, por despertarem, em mim, desde criança, o encanto pelos livros e por estarem sempre aplaudindo na primeira fila. Ao meu irmão Thiago, por ser uma fonte inesgotável de amizade e por não desistir de me convidar para sair nos fins de semana, mesmo recebendo respostas sistematicamente negativas. Também à sua namorada Lia, por formar conosco um quarteto tão divertido... À minha orientadora, Profa. Dra. Susana Wuillaume, por me conduzir do mar aberto das idéias desordenadas para o rio navegável da produção acadêmica. E também ao Claude, pela participação ativa e pela acessoria tecnológica! À minha orientadora Profa. Dra. Maria Helena Cardoso, por compartilhar o gosto por um bordado bem acabado e pelo carinho maternal com que corrigiu meus arremates. À minha co-orientadora Profa. Moana Cabral, com quem tive o prazer e o privilégio de discutir a fisioterapia, e que compartilha comigo a idéia de que nossa atuação pode ser uma tarefa bastante divertida... Ao meu primo, irmão, amigo Kiko, por estar presente sempre que precisei. Aos meus tios Dagoberto e Maria da Graça e aos meus primos, Fernanda (e Léo) e Filipe, pelo eterno incentivo e por ajudarem a tornar a família, para mim, um gênero de primeira necessidade...

5 Ao querido grupo do Mega-Terê, pela segurança das amizades e por me proporcionar intervalos de diversão em meio a tanto trabalho! Às amigas Babi, Aninha, Pat e Moa (de novo!), por dividirem alegrias, tristezas, sucessos e aflições ao longo do percurso. Enfim, a todos os parentes, de sangue ou do coração. À Nicinha, por ser uma segunda mãe. À Profa. Márcia Castro, por acreditar no meu trabalho e iniciar comigo a parceria entre abordagens fisioterapêuticas que originou esta pesquisa. Aos colegas fisioterapeutas com quem tive a honra de trabalhar no Ambulatório de Fisioterapia Respiratória do IFF. À Dra. Márcia Boechat, Dr. Paulo Roberto Boechat e Dr. Pedro Daltro, pela valiosa ajuda prestada. À família Zucchi - Castiel, pelo incentivo e pelo carinho. Aos professores da pós-graduação, que me mostraram caminhos nunca antes percorridos. Aos colegas de turma do mestrado, com quem naveguei no mesmo barco. Aos profissionais da secretaria de ensino do IFF, por tornarem simples e ágil o que, muitas vezes, é lento e árduo. À Capes, pelo financiamento desta pesquisa. Aos meus professores Godelieve Denys-Struyf, Marie-Madeleine Béziers (in memorium), Philippe Campignion, Yva Hussinger, Ivaldo Bertazzo e todos os outros, do I.C.T.G.D.S. e do Centro Brasileiro de Cadeias Musculares, pela transmissão do conhecimento que me construiu como profissional. Aos meus pacientes, por me permitirem concretizar minhas convicções.

6 Resumo A partir de uma fundamentação teórica que evidencia a íntima relação entre a organização postural global e a mecânica da respiração, esta pesquisa busca discutir a relevância de uma abordagem fisioterapêutica que contemple a totalidade do sistema locomotor da criança com doença respiratória. Para tanto, procedeu-se ao estudo narrativo do tratamento de quatro meninos com síndrome de prune belly, dentro de um modelo inovador a que chamamos dupla abordagem (na mesma ocasião, cada criança recebia, concomitantemente, atendimento fisioterapêutico postural e respiratório). A opção por uma metodologia qualitativa se justifica pela valorização dos aspectos sociais e psico-comportamentais que, necessariamente, interferem no processo de tratamento, permitindo perceber como uma abordagem centrada no vínculo entre terapeuta e paciente e na presença do caráter lúdico viabilizou a adesão espontânea das crianças à terapia. Este trabalho se situa no contexto da nova saúde pública, corroborando com os princípios da integralidade e distanciando-se do paradigma biomédico mecanicista e reducionista, pela valorização das subjetividades e singularidades inerentes a cada paciente. Os resultados satisfatórios obtidos com os pacientes deste estudo apontam para a relevância da construção de um modelo ampliado de fisioterapia, que vise problematizar o papel deste profissional no âmbito da saúde coletiva e lance luz sobre sua responsabilidade, não apenas quanto à melhora do quadro pulmonar, mas no que diz respeito à promoção da autonomia e da qualidade de vida da criança com doença respiratória.

7 Abstract From a theoretical background which supports the close relation between global postural organization and breathing mechanics, the present study discusses the relevance of a physiotherapeutic approach which comprehends the totality of the locomotor system of children with breathing disorders. To this purpose, this study investigates the treatment of four children with prune belly syndrome from the perspective of an innovative model we have called double approach, which implies that each child received at the same time postural and respiratory physiotherapeutic treatment. The option for a qualitative approach is justified due to the fact that it covers social and psycho-behavioural aspects which necessarily interfere with the treatment. In addition, such methodological paradigm allows the perception of how an approach centered on the link between therapist and patient and in the ludic aspect has made the children spontaneously adhere to therapy. This work is situated in the context of a new public health system, in line with the principles of integrality and distancing itself from a reductionist and mechanistic biomedical paradigm. It also values subjectivities and the uniqueness of each patient. The satisfactory results obtained with the patients of the present study point towards the relevance of the construction of an expanded model of physiotherapy, aiming at questioning the role of such professional in the area of public health and focusing on their responsibility as regards not only the improvement of lung function but also the promotion of the autonomy and the life quality of children with respiratory disease.

8 Lista de figuras Pág. Figura 1: Musculatura ventral do tórax e do abdômen, face interna... 5 Figura 2: Cavidade torácica, diafragma, musculatura lombar e pelve, vista ventral.. 6 Figura 3: O equilíbrio tóraco-abdominal a partir da relação entre os três diafragmas 12 Figura 4: As tipologias de Godelieve Denys-Struyf e as cadeias musculares correspondentes Figura 5: Esquema da relação das atitudes posturais descritas por Denys-Struyf com a linha da gravidade Figura 6: Direções das torções ósseas nos membros inferiores e músculos condutores Figura 7: Tipologia com predominância da cadeia póstero-mediana, evidenciando horizontalização do esterno e do sacro e trabalho em corda de arco dos paravertebrais... 77

9 Lista de fotografias Pág. Foto 1: Alongamento dos músculos pelvi-trocanterianos - O Caracol Foto 2: Mobilização das articulações coxofemorais e alongamento da musculatura periarticular Borboleta voa Foto 3: Associação do alongamento da musculatura paravertebral A borboleta dormiu Foto 4: Exercício abdominal ( elevador ) Foto 5: Elevador - detalhe da organização dos braços para facilitação do trabalho abdominal Foto 6: Exercício de ereção da coluna vertebral: A marionete desmontou Foto 7: Kiko, vista anterior, março de Foto 8: Kiko, perfil direito, março de Foto 9: Abordagem lúdica, fevereiro de Foto10: Kiko, radiografia do quadril em vista antero-posterior (AP), junho de Foto 11: Kiko, vista anterior, agosto de Foto 12: Kiko, agosto de 2003, observação da cintura escapular e pescoço Foto 13: Kiko tem dificuldades com o exercício do elevador Foto 14: Dificuldade na adaptação da cinta elástica Foto 15: Léo sentado, sem conseguir cruzar as pernas, março de Foto 16: Léo brinca sentado, março de

10 Foto 17: Léo, vista posterior, março de Foto 18: Léo, vista posterior, março de Foto 19: Léo, perfil, março de Foto 20: Léo em posição de brincadeira e de perfil, novembro de Foto 21: Léo em posição de brincadeira e de perfil, novembro de Foto 22: Léo mobiliza sua articulação coxofemoral, novembro de Foto 23: Léo alonga sua cadeia póstero-mediana, setembro de Foto 24: Radiografia do quadril de Léo, evidenciando displasia bilateral de cabeças femorais e acetábulos, maio de Foto 25: Léo sentado, julho de Foto 26: Léo, vista posterior, julho e setembro de Foto 27: Léo, vista posterior, julho e setembro de Foto 28: Léo, perfil, julho de Foto 29: Thiago, maio de Foto 30: Thiago de pé, novembro de Foto 31: Thiago, radiografia do quadril em vista ântero-posterior (AP), outubro de Foto 32: Thiago realiza exercícios de mobilização e alongamento, agosto de Foto 33: Thiago realiza exercícios de mobilização e alongamento, agosto de Foto 34: Thiago, vistas posterior e anterior, agosto de Foto 35: Thiago, vistas posterior e anterior, agosto de Foto 36: Thiago, perfil, agosto de Foto 37: Alex, fevereiro de Foto 38: Alex, fevereiro de

11 Foto 39: Alex, decúbito dorsal, fevereiro de Foto 40: Alex sentado, perfil, fevereiro de Foto 41: Alex de pé, perfil, fevereiro de Foto 42: Radiografia do quadril de Alex, junho de Foto 43: Alex de pé, vista frontal, setembro de Foto 44: Alex, exercício da borboleta, setembro de Foto 45: Alex, exercício da borboleta, setembro de

12 Lista de siglas ACBT Ciclo ativo de técnicas respiratórias AIG adequado para a idade gestacional AL [cadeia] ântero-lateral AM - [cadeia] ântero-mediana AP - [cadeia] ântero-posterior DC defeitos congênitos G.D.S. Godelieve Denys-Struyf IFF Instituto Fernandes Figueira IPG/CF Grupo Internacional de Fisioterapia / Fibrose Cística ITU infecção do trato urinário PA - [cadeia] póstero-anterior PL - [cadeia] póstero-lateral PM - [cadeia] póstero-mediana SPB síndrome de prune belly TEF técnica de expiração forçada UPG unidade de pacientes graves

13 Sumário Pág. Introdução... xvii Parte 1 Considerações Teóricas... 1 Capítulo 1 - Considerações sobre a biomecânica tóraco-abdominal e sua relação com a atitude postural global Considerações anatômicas Considerações biomecânicas sobre a respiração Interações biomecânicas Considerações sobre a organização postural global Capítulo 2 - Considerações sobre a abordagem fisioterapêutica postural Capítulo 3 Considerações sobre a síndrome de prune belly Etiologia e patogênese Aspectos motores e respiratórios Parte 2 - Narrativa do tratamento fisioterapêutico de quatro crianças portadoras de síndrome de prune belly Capítulo 4 A conduta fisioterapêutica direcionada a portadores de síndrome de prune belly no IFF A abordagem postural A abordagem respiratória Capítulo 5 - Borrachinha, não! Breve história clínica Vou contar uma história! Capítulo 6 - Ele faz sozinho Breve história clínica... 93

14 Eu solto pipa, sabia? Capítulo 7 - Com a tia rê, eu brinco Breve história clínica Canta, tia, canta! Capítulo 8 A casa da tia Rê Breve história clínica Estava com saudades Conclusão Referências Bibliográficas Anexos Anexo 1 Termo de Consentimento Livre e Esclarecido

15 (...) Respirar, em toda a plenitude, já é dançar. ( ) Respirer dans toute la plenitude, c est déjà danser. Denys-Struyf, 1985 FICHA CATALOGRÁFICA NA FONTE CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA BIBLIOTECA DO INSTITUTO FERNANDES FIGUEIRA

16 U57i Ungier, Renata Interações biomecânicas entre a organização postural global e a respiração: um olhar ampliado sobre a fisioterapia dirigida a crianças com doença respiratória / Renata Ungier xxxiii, 161f. Dissertação (Mestrado em Saúde da Criança e da Mulher)-Instituto Fernandes Figueira, Rio de Janeiro, Orientadoras : Wuillaume, Susana Maciel Cardoso, Mª Helena Cabral de Almeida 1. Fisioterapia (Especialidade). 2. Postura. 3. Respiração. 4. Síndrome de Prune Belly. I.Título. CDD -20ªed INTRODUÇÃO A criança com doença respiratória demanda, em geral, cuidados que não se restringem à atuação do médico. A fisioterapia respiratória tem contribuído significativamente para a redução da morbidade de tais casos e para a melhora de sua qualidade de vida. Abordagens fisioterapêuticas mais globais, entretanto, vêm se mostrando efetivas, não apenas no sentido do reequilíbrio do aparelho locomotor do paciente, mas também da potencialização dos resultados benéficos alcançados pela abordagem respiratória. A respiração inclui essencialmente dois aspectos: visceral e biomecânico. A medicina e a fisioterapia respiratória se ocupam primordialmente da questão visceral (remoção de secreções, trocas gasosas, volumes pulmonares, etc.). Entretanto, a fisiologia respiratória

17 depende igualmente de uma mecânica satisfatória, dado que o jogo pressórico e as possibilidades de expansão dos pulmões estão ligados a mecanismos ósteo-mio-articulares, notadamente a mobilidade da caixa torácica e o equilíbrio da musculatura especificamente envolvida na respiração (Souchard, 1989; West, 1996). Por outro lado, a biomecânica da caixa torácica não funciona de maneira isolada. Ela está inserida na mecânica corporal global. Todos os músculos do corpo humano estão ligados entre si através das fáscias e aponeuroses, que os ligam também ao esqueleto, às vísceras e aos demais tecidos. Estas fáscias e aponeuroses agrupam os músculos em cadeias, que interagem continuamente em cada articulação do corpo. Assim, no momento em que um desequilíbrio muscular desorganiza determinado segmento corporal, esta desorganização se estenderá necessariamente ao sistema locomotor em sua globalidade (Bienfait, 1989; Denys- Struyf, 1997; Souchard, 1989). Desta forma, entende-se que a atuação sobre a mecânica respiratória não pode se desvincular de uma abordagem sobre a organização da totalidade do corpo, assim como uma interferência sobre disfunções ósteo-musculares em regiões periféricas pode produzir efeitos benéficos sobre o equilíbrio global, aí incluída a respiração. Da mesma maneira, um acometimento respiratório altera inevitavelmente sua mecânica, o que trará reflexos sobre a organização global. Tais conceitos encontram um paralelo na concepção de uma proposta integrada de saúde, em que o aspecto reducionista e fragmentário do tradicional modelo biomédico dá lugar a uma valorização da totalidade do indivíduo, não apenas no que tange à sua subjetividade e singularidade, mas também no que diz respeito à não divisão do corpo em partes isoladas. Esta perspectiva se situa no contexto de promoção de saúde da nova saúde pública, em que a questão da autonomia e da integralidade ocupam lugar de destaque. Ao ampliar o campo da saúde a um universo que abrange elementos físicos e psico-sociais, levando em conta a globalidade e voltando sua atenção para a qualidade de vida (e não mais

18 somente para a erradicação das doenças), o debate da promoção da saúde se insere na conjuntura da transição paradigmática, na tentativa de criar um marco teórico que abra espaço para possibilidades inovadoras de atendimento (Czeresnia, 2003; Mattos, 2001; Paim e Almeida Filho, 2000). A questão da integralidade, no que diz respeito às práticas da fisioterapia no âmbito da saúde coletiva, foi amplamente discutida no VII Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva (2003). Entre os problemas levantados, pode-se destacar: (...) o acesso universal ainda não garantido na maioria das experiências relatadas, nítidas limitações para atender o princípio da integralidade da atenção à saúde, devido à carência de profissionais para compor equipes de trabalho, dificuldade do trabalho interdisciplinar, entre outras, além das limitações políticas da categoria que se refletem em entidades representativas com escasso poder de negociação (p. 3). Ainda assim, o encontro apontou caminhos para a consolidação da figura do fisioterapeuta no cenário da equipe de saúde, apostando em modificações no processo de formação do profissional, em uma participação mais ativa na gestão dos serviços e em uma postura de maior interação entre os diversos profissionais e em relação aos órgãos governamentais e às entidades representativas das demais disciplinas da área da saúde. Tendo em vista um conceito ampliado de assistência, foi iniciado, em fevereiro de 2001, no Ambulatório de Fisioterapia Respiratória do Instituto Fernandes Figueira (IFF) Rio de Janeiro, um trabalho de associação de duas abordagens fisioterapêuticas em crianças e adolescentes com asma, fibrose cística e síndrome de prune belly (SPB), entre outras doenças. A observação de tais pacientes permite verificar claramente a íntima relação entre a questão postural e o acometimento respiratório propriamente dito, fato que motivou a realização deste estudo. Seu acompanhamento, de 2001 a 2003, vem mostrando a efetividade da associação

19 entre as abordagens fisioterapêuticas postural e respiratória no cuidado de crianças e adolescentes com enfermidades que, direta ou indiretamente, acometem a respiração. A SPB foi escolhida para exemplificar as questões aqui discutidas, por ser uma doença em que o acometimento respiratório é secundário a um distúrbio do sistema locomotor (agenesia / hipoplasia da musculatura abdominal), como se poderá verificar no capítulo 3 (pp. 44), o que a torna de certo modo emblemática no âmbito desta pesquisa. Nestes casos específicos, a questão ósteo-muscular se mostrava particularmente evidente, refletida não somente no atraso no desenvolvimento motor dos pacientes, mas também na desorganização postural que se instalava a partir do momento em que conquistavam a posição sentada, o ortostatismo ou a marcha (Burns, 1999; Hausdorff et al., 1999; Okamoto et al., 2003). Tais dificuldades parecem ser devidas a desequilíbrios musculares encontrados não apenas na região diretamente atingida pela doença, mas também possivelmente nos demais segmentos corporais. A abordagem fisioterapêutica postural se faz então indubitavelmente necessária, no sentido de promover a reestruturação corporal global de tais crianças, além de criar condições favoráveis para a atuação da abordagem respiratória. Cabe ressaltar que a otimização da organização psicomotora destes pacientes contribui sobremaneira para a construção de sua autonomia, corroborando com a perspectiva da integralidade. Valenzuela e Benguigui (1997) ponderam que: Dado que os enfoques convencionais no setor de saúde se concentram na doença, o conceito de desenvolvimento integral da criança pode representar uma oportunidade única para nos aproximarmos de uma concepção positiva da saúde (...). (p. 45). Horovitz (2003) chama a atenção para a carência de estratégias específicas nas políticas públicas direcionadas a crianças com defeitos congênitos (DC). Sua percepção é de que:

20 No contexto atual do SUS, com a municipalização radical da gestão da saúde, é pouco provável que seja possível atender à questão dos DC de forma integrada. Para a efetivação de um sistema de atenção voltado aos DC deverá ser formulada política específica, de âmbito nacional, que inclua mecanismos de financiamento diferentes dos atualmente utilizados. Apenas com a participação ativa do Ministério de Saúde, utilizando como espinha dorsal os serviços de genética existentes, será possível a estruturação de uma rede regionalizada, hierarquizada e funcional voltada à atenção aos defeitos congênitos no Brasil (resumo). Os avanços tecnológicos e a evolução da medicina e da própria fisioterapia respiratória vêm progressivamente reduzindo a morbimortalidade das mais diversas doenças, trazendo para a saúde pública uma importante discussão: como garantir aos sobreviventes uma qualidade de vida satisfatória? A questão músculo-esquelética não deve ser negligenciada no que tange às doenças que acometem a respiração, em especial à síndrome de prune belly. O funcionamento satisfatório do aparelho locomotor é fator determinante para a boa função respiratória e motora dos pacientes acometidos, contribuindo decisivamente para a melhora de sua qualidade de vida. É neste debate que se pode vislumbrar a possibilidade de um modelo ampliado de fisioterapia, no qual a interação entre abordagens distintas, como a postural e a respiratória, possam propiciar ao paciente não apenas a sobrevida, mas condições de viver com funcionalidade, autonomia e prazer. Assim, as relações existentes entre a organização global do aparelho locomotor da criança e a mecânica respiratória constituem o objeto deste estudo, visando permitir a

21 discussão do intercâmbio entre abordagens de tratamento, dentro do campo da fisioterapia. Tal debate convida a problematizar o papel do fisioterapeuta no âmbito da saúde pública, em especial no que diz respeito à assistência à criança que sofre de doença respiratória. No que concerne especificamente a este objeto de estudo, a literatura mundial não é muito abundante. De fato, uma busca na PubMed / Medline, por exemplo, com termos como posture, respiration ou biomechanics, embora forneça um grande número de artigos, não contribui de forma tão significativa com fontes efetivamente úteis para esta pesquisa, por oferecer trabalhos majoritariamente referentes a assuntos como, por exemplo, posicionamento (no caso da palavra-chave posture), cirurgias ortopédicas e implantação de próteses (no caso de biomechanics) e aspectos da respiração que não incluem a questão músculo-esquelética, sem mencionar aqueles que tratam de pesquisas em animais (cuja biomecânica difere bastante da humana, especialmente no que diz respeito aos quadrúpedes) e com pacientes idosos. A pesquisa nas bases de dados virtuais, então, termina por se configurar como uma espécie de garimpo. Quanto a abordagens mais globais em termos de postura, não restam dúvidas de que uma riqueza muito maior de material pode ser encontrada nos livros, ao invés dos periódicos. As décadas de 60 e 70 do século XX presenciaram o aparecimento de inúmeros métodos terapêuticos que transitam na fronteira da fisioterapia, da psicologia e das artes, caracterizando-se primordialmente pela proposta globalista e pela ênfase na conscientização corporal e participação ativa do paciente no processo terapêutico (Russo, 1993). Embora nunca tenham passado por processos de validação dentro dos padrões científicos clássicos, alguns destes métodos, assim como seus derivados, norteiam a prática fisioterapêutica atual, em especial as técnicas posturais. É o caso, por exemplo, das Cadeias Musculares de Godelieve Denys-Struyf (1997); das técnicas de Françoise Mézières (relatadas por Denys- Struyf em 1996, entre outros autores); da Reeducação Postural Global de Philippe-Emmanuel

22 Souchard (2001); da Coordenação Motora de Piret e Béziers (1992); das pesquisas de Rudolf Laban (1978); da Consciência pelo Movimento de Moshe Feldenkrais (1988, 1994); da Técnica de Alexander, de Mathias Alexander (1992); e da Eutonia de Gerda Alexander (1991). Tais autores não são encontrados na literatura científica tradicional, contudo sua contribuição é inegavelmente preciosa para o campo da fisioterapia. De fato, somente na década de 80 se inicia um movimento em direção a um maior rigor científico, que se reflete no ingresso de profissionais da área em programas de pós-graduação strictu-sensu e no surgimento incipiente de periódicos especializados. Bons exemplos são o Gait and Posture (indexado à Medline e editado desde 1993), o Manual Therapy (indexado à Medline) e o Journal for Bodywork and Movement Therapies (indexado ao Embase), estes últimos editados somente a partir de 2002, constituindo um dos poucos espaços onde se pode localizar artigos sobre os métodos supracitados. A exceção, em termos de longevidade, é a revista Physical Therapy, publicação oficial da American Physical Therapy Association desde 1921, verdadeiro ícone em termos de periódicos científicos em fisioterapia, que no entanto pouco contempla assuntos da área postural e dedica-se primordialmente à fisioterapia de adultos (o Pediatric Physical Therapy só começou a ser publicado em 1989). Por outro lado, importantes contribuições acerca das relações entre postura e respiração, notadamente sobre as funções dos músculos diafragma e transverso do abdômen nesta dinâmica, provêm das pesquisas conduzidas pelo fisioterapeuta Paul W. Hodges, na University of New South Wales, em Sidney Austrália (Hodges, 1999; Hodges et al., 1997a, 1997b, 2001a, 2001b ; Hodges e Gandevia, 2000a, 2000b; Hodges e Richardson, 1997, 1999). Outros pesquisadores, como Cholewicki et al. (1997, 1999a, 1999b, 2000a, 2000b, 2002a, 2002b), Janda et al. (2003) e Lecoq et al. (2000), exploram a relação mecânica pélvicotorácica, acrescentando a esta discussão uma gama mais ampla de elementos. Periódicos como o Journal of Biomechanics e o Journal of Applied Physiology parecem ser os

23 preferidos pelos pesquisadores que lidam com este tipo de assunto. Um artigo de McGill et al. (2003) toca particularmente no papel da fisioterapia em relação a tais fatores. Não foi encontrado, todavia, nenhum trabalho que aborde a possibilidade de concomitância de diferentes abordagens fisioterapêuticas. No que tange às questões posturais especificamente envolvidas na SPB, a literatura é ainda mais escassa. Embora a busca na mesma base de dados, no mesmo período, proveja 224 artigos para o termo prune belly, o resultado cai para somente um artigo se acrescentada a palavra-chave posture e quatro se esta for trocada para respiration, dos quais em apenas dois o assunto se aproxima das questões abordadas por esta pesquisa. De fato, ocorre uma absoluta predominância de abordagens dos aspectos urológicos e cirúrgicos, além de algum material tratando das questões respiratórias. Dentre os poucos artigos e estudos que tratavam da área ortopédica, a abordagem limitava-se em geral às anormalidades congênitas associadas geralmente à síndrome, como luxação congênita de quadril, espinha bífida oculta, torcicolo congênito, etc. Mesmo a escoliose e o pectus excavatum são geralmente relatados como eventos apenas concomitantes, sem relação biomecânica direta com a agenesia muscular abdominal inerente à doença em questão (Brinker et al., 1995; Green et al., 1993; Loder et al., 1992). Entretanto, Lam e Mehdian (1999), autores do único artigo encontrado a tratar diretamente da postura na referida síndrome (apesar de consistir no relato do caso de um paciente adulto), consideram o desequilíbrio crônico da musculatura espinhal como possível responsável pela instalação de uma escoliose em casos de SPB. Não foi encontrado nenhum material que descreva alterações posturais adquiridas ao longo do desenvolvimento destes pacientes, relacionando-as aos distúrbios ósteo-musculares característicos. Dado que a observação dos pacientes com SPB, no IFF, demonstra que tais alterações estão presentes e, em alguns casos, surgem subseqüentemente à conquista do ortostatismo e

24 da marcha, torna-se importante estabelecer um panorama de tais distúrbios e de sua relação com a morfologia específica da síndrome. No contexto da saúde pública brasileira, é nítida a ausência da fisioterapia na literatura especializada. A busca na base de dados LILACS, com os termos fisioterapia AND saúde pública OR saúde coletiva só fornece dois artigos (Cecatto et al., 1992; Martins et al., 1999) e uma dissertação de mestrado (Camargo, 2001) de interesse para este estudo, apesar de mais ligados à fisioterapia de adultos, por discutirem o papel do fisioterapeuta na saúde pública, porém nenhum deles contempla a saúde coletiva. A busca na SCIELO não fornece resultados relevantes. A questão da possível complementaridade entre as abordagens postural e respiratória não consta de nenhum dos trabalhos encontrados, tema que deverá ser discutido nesta pesquisa com base no relato da experiência vivenciada no Ambulatório de Fisioterapia Respiratória do IFF. A íntima relação entre a organização global do sistema locomotor e a biomecânica respiratória permite assumir a hipótese de que a concomitância entre abordagens fisioterapêuticas distintas postural e respiratória - seja de fundamental importância para a efetividade do tratamento de doenças que acometem a respiração da criança. Assim, esta pesquisa pretendeu atingir os seguintes objetivos: Analisar a importância da intervenção postural sobre a função respiratória. Discutir a relevância da dupla assistência à criança (postura respiração), dentro de uma concepção de atenção integral ao portador de doença respiratória. Proceder ao estudo narrativo do tratamento fisioterapêutico de quatro casos de SPB. Neste sentido, o trabalho se desenvolveu a partir de duas vertentes metodológicas distintas: a pesquisa exploratória da literatura, tendo em vista a carência de fundamentação teórica dos assuntos aqui abordados; e o estudo narrativo do tratamento fisioterapêutico de quatro casos de SPB.

CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING

CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING O Curso de Formação em Iso Stretching é ministrado pelo fundador da técnica, o osteopata e fisioterapeuta francês Bernard Redondo. O método Iso Stretching foi desenvolvido

Leia mais

Alterações da Estrutura Corporal

Alterações da Estrutura Corporal Alterações da Estrutura Corporal Exercícios e Postura milenadutra@bol.com.br Os Exercícios Realmente Mudam a Postura? Vício postural pode ser corrigido voluntariamente com reeducação psicomotora Desvio

Leia mais

3/26/2009 EX E E X R E C R ÍCI C OS S E E PO P ST S U T RA R OS EX ER EX CÍ C CI C OS REAL EA MEN M T EN E MO M DIFI F CAM A M A A PO P STUR U A?

3/26/2009 EX E E X R E C R ÍCI C OS S E E PO P ST S U T RA R OS EX ER EX CÍ C CI C OS REAL EA MEN M T EN E MO M DIFI F CAM A M A A PO P STUR U A? EXERCÍCIOS E POSTURA OS EXERCÍCIOS REALMENTE MODIFICAM A POSTURA? 1 Um vício postural pode ser corrigido voluntariamente com reeducação psicomotora, um desvio postural pode ser corrigido com exercícios

Leia mais

Curso Anatomia e Preparação para o Parto Módulos 1 e 2

Curso Anatomia e Preparação para o Parto Módulos 1 e 2 Curso Anatomia e Preparação para o Parto Módulos 1 e 2 Segundo o programa Anatomía, Integración y Movimiento por Núria Vives Ciclo especial para enfemeiras especialistas em saúde materna e obstétrica,

Leia mais

Considerada como elemento essencial para a funcionalidade

Considerada como elemento essencial para a funcionalidade 13 Epidemiologia e Flexibilidade: Aptidão Física Relacionada à Promoção da Saúde Gláucia Regina Falsarella Graduada em Educação Física na Unicamp Considerada como elemento essencial para a funcionalidade

Leia mais

KINETIC CONTROL: OTIMIZANDO A SAÚDE DO MOVIMENTO

KINETIC CONTROL: OTIMIZANDO A SAÚDE DO MOVIMENTO KC seguindo adiante KINETIC CONTROL: OTIMIZANDO A SAÚDE DO MOVIMENTO Otimizar a saúde do está no coração da Fisioterapia e da Terapia do Movimento. As pesquisas de neurociência nos tem proporcionado um

Leia mais

ALTERAÇÕES RESPIRATÓRIAS RELACIONADAS À POSTURA

ALTERAÇÕES RESPIRATÓRIAS RELACIONADAS À POSTURA ALTERAÇÕES RESPIRATÓRIAS RELACIONADAS À POSTURA Karina de Sousa Assad * Layana de Souza Guimarães ** RESUMO A proposta desse artigo é demonstrar que algumas alterações posturais podem levar a distúrbios

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ SUYANNE NUNES DE CASTRO PERFIL DAS ALTERAÇÕES POSTURAIS EM IDOSOS ATENDIDOS NO SERVIÇO DE REEDUCAÇÃO POSTURAL GLOBAL

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ SUYANNE NUNES DE CASTRO PERFIL DAS ALTERAÇÕES POSTURAIS EM IDOSOS ATENDIDOS NO SERVIÇO DE REEDUCAÇÃO POSTURAL GLOBAL UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ SUYANNE NUNES DE CASTRO PERFIL DAS ALTERAÇÕES POSTURAIS EM IDOSOS ATENDIDOS NO SERVIÇO DE REEDUCAÇÃO POSTURAL GLOBAL FORTALEZA CEARÁ 2009 SUYANNE NUNES DE CASTRO PERFIL DAS

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

A PERCEPÇÃO DAS SENSAÇÕES DO CORPO NA FLEXIBILIDADE DA POSTURA E NO CONTATO COM O AMBIENTE

A PERCEPÇÃO DAS SENSAÇÕES DO CORPO NA FLEXIBILIDADE DA POSTURA E NO CONTATO COM O AMBIENTE 1 A PERCEPÇÃO DAS SENSAÇÕES DO CORPO NA FLEXIBILIDADE DA POSTURA E NO CONTATO COM O AMBIENTE RESUMO Luciana Gandolfo O objetivo da prática da eutonia é orientar a pessoa a focalizar a atenção em um segmento

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

CINESIOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

CINESIOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior CINESIOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior COLUNA VERTEBRAL 7 vértebras cervicais 12 vértebras torácicas 5 vértebras lombares 5 vértebras sacrais 4 vértebras coccígeas anterior

Leia mais

ANÁLISE FUNCIONAL DA MUSCULATURA HUMANA (Tronco) Aula 9 CINESIOLOGIA. Raul Oliveira 2º ano 2007-2008. músculos monoarticulares

ANÁLISE FUNCIONAL DA MUSCULATURA HUMANA (Tronco) Aula 9 CINESIOLOGIA. Raul Oliveira 2º ano 2007-2008. músculos monoarticulares ANÁLISE FUNCIONAL DA MUSCULATURA HUMANA (Tronco) Aula 9 CINESIOLOGIA Raul Oliveira 2º ano 2007-2008 músculos monoarticulares músculos multiarticulares Músculos bi-articulares 1 LINHA DE TRACÇÃO DO MÚSCULO

Leia mais

Foram estabelecidos critérios de inclusão, exclusão e eliminação. Critérios de inclusão: todos os dançarinos com síndrome da dor femoropatelar.

Foram estabelecidos critérios de inclusão, exclusão e eliminação. Critérios de inclusão: todos os dançarinos com síndrome da dor femoropatelar. Figura 11a - Posição inicial: 1ª posição paralela. Figura 11b - demi-plié: 1ª posição paralela. Figura 12a - Posição inicial: 2ª posição paralela. Figura 12b- Demi-plié: 2ª posição paralela. 35 Figura

Leia mais

[251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX

[251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX [251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX a. CONSIDERAÇÕES TÉCNICAS Exposição A aquisição adequada da radiografia de tórax é mais difícil que a de outras partes do corpo devido ao contraste

Leia mais

O CUIDAR HUMANIZADO AO IDOSO: REVISÃO SISTEMÁTICA

O CUIDAR HUMANIZADO AO IDOSO: REVISÃO SISTEMÁTICA O CUIDAR HUMANIZADO AO IDOSO: REVISÃO SISTEMÁTICA Jéssyka Cibelly Minervina da Costa Silva (NEPB/UFPB) jessykacibelly@gmail.com Kalina Coeli Costa de Oliveira Dias (NEPB/UFPB) kalinacoeli@gmail.com Ana

Leia mais

Componente Curricular: Fisioterapia nas Disfunções Posturais PLANO DE CURSO

Componente Curricular: Fisioterapia nas Disfunções Posturais PLANO DE CURSO CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 Componente Curricular: Fisioterapia nas Disfunções Posturais Código: Fisio 218 Pré-requisito: --------

Leia mais

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ANATOMIA HUMANA Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Os seres mais basais possuem capacidade de reação a estímulos ambientais; Células procariontes, metazoários contraem

Leia mais

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I I PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA BIBLIOGRAFIA: MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

MANUAL DO LIAN GONG. Lian Gong, ginástica chinesa criada há mais de 40 anos, faz bem para o corpo e para a saúde.

MANUAL DO LIAN GONG. Lian Gong, ginástica chinesa criada há mais de 40 anos, faz bem para o corpo e para a saúde. MANUAL DO LIAN GONG Lian Gong, ginástica chinesa criada há mais de 40 anos, faz bem para o corpo e para a saúde. A ginástica Lian Gong (pronuncia-se "liam cum") foi desenvolvida na China, pelo Dr. Zhuang

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO

SISTEMA RESPIRATÓRIO ANATOMIA HUMANA I SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof. Me. Fabio Milioni Roteiro Sistema Respiratório Conceito Função Divisão Estruturas Nariz Faringe Laringe Traquéia e Brônquios Pulmão Bronquíolos e Alvéolos 1

Leia mais

Politica Nacional de Humanizacao , ~ PNH. 1ª edição 1ª reimpressão. Brasília DF 2013

Politica Nacional de Humanizacao , ~ PNH. 1ª edição 1ª reimpressão. Brasília DF 2013 ,, ~ Politica Nacional de Humanizacao PNH 1ª edição 1ª reimpressão Brasília DF 2013 ,, O que e a Politica Nacional de ~ Humanizacao?, Lançada em 2003, a Política Nacional de Humanização (PNH) busca pôr

Leia mais

GT Psicologia da Educação Trabalho encomendado. A pesquisa e o tema da subjetividade em educação

GT Psicologia da Educação Trabalho encomendado. A pesquisa e o tema da subjetividade em educação GT Psicologia da Educação Trabalho encomendado A pesquisa e o tema da subjetividade em educação Fernando Luis González Rey 1 A subjetividade representa um macroconceito orientado à compreensão da psique

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

Corpo e Fala EMPRESAS

Corpo e Fala EMPRESAS Corpo e Fala EMPRESAS A Corpo e Fala Empresas é o braço de serviços voltado para o desenvolvimento das pessoas dentro das organizações. Embasado nos pilares institucionais do negócio, ele está estruturado

Leia mais

GUIA DO PACIENTE. Dynesys Sistema de Estabilização Dinâmica. O Sistema Dynesys é o próximo passo na evolução do tratamento da dor lombar e nas pernas

GUIA DO PACIENTE. Dynesys Sistema de Estabilização Dinâmica. O Sistema Dynesys é o próximo passo na evolução do tratamento da dor lombar e nas pernas GUIA DO PACIENTE Dynesys Sistema de Estabilização Dinâmica O Sistema Dynesys é o próximo passo na evolução do tratamento da dor lombar e nas pernas Sistema de Estabilização Dinâmica Dynesys O Sistema Dynesys

Leia mais

O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro

O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro O corpo humano é projetado para funcionar como uma unidade, com os músculos sendo ativados em seqüências especifica para produzir um

Leia mais

experiência inovadora como contribuição da sociedade civil: Reintegração Familiar de Crianças e Adolescentes em Situação de Rua.

experiência inovadora como contribuição da sociedade civil: Reintegração Familiar de Crianças e Adolescentes em Situação de Rua. Título da experiência: Políticas públicas de apoio à população de rua Uma experiência inovadora como contribuição da sociedade civil: Reintegração Familiar de Crianças e Adolescentes em Situação de Rua.

Leia mais

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA!

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! SUA MOCHILA NÃO PODE PESAR MAIS QUE 10% DO SEU PESO CORPORAL. A influência de carregar a mochila com o material escolar nas costas, associado

Leia mais

PLANO DE TRABALHO IDOSO

PLANO DE TRABALHO IDOSO PLANO DE TRABALHO IDOSO Telefone: (44) 3220-5750 E-mail: centrosesportivos@maringa.pr.gov.br EQUIPE ORGANIZADORA SECRETARIO MUNICIPAL DE ESPORTES E LAZER Francisco Favoto DIRETOR DE ESPORTES E LAZER Afonso

Leia mais

Programas Seleção Conteúdo Vagas com bolsas Vagas sem bolsa Data da seleção

Programas Seleção Conteúdo Vagas com bolsas Vagas sem bolsa Data da seleção Programas Seleção Conteúdo Vagas com bolsas Vagas sem bolsa Data da seleção Processo de Trabalho em saúde: Integralidade e Cuidado do 6º ou 7º Biossegurança no trabalho, aspectos legais, suas classificações

Leia mais

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano.

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano. Biomecânica Parte do conhecimento da Ergonomia aplicada ao trabalho origina-se no estudo da máquina humana. Os ossos, os músculos, ligamentos e tendões são os elementos dessa máquina que possibilitam realizar

Leia mais

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA Romaldo Bomfim Medina Jr 1 Luciane Silva Ramos 2 Fernanda Franceschi de Freitas 3 Carmem Lúcia Colomé Beck 4 O movimento

Leia mais

A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos.

A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos. A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos. Autores: Ft Mariana Machado Signoreti Profa. Msc. Evelyn Cristina Parolina A capoeira é uma manifestação

Leia mais

Construindo o Conteúdo da Liderança. José Renato S. Santiago Jr.

Construindo o Conteúdo da Liderança. José Renato S. Santiago Jr. Construindo o Conteúdo da Liderança José Renato S. Santiago Jr. Gestão Estratégica de RH Módulo 1: Alinhando Gestão de Pessoas com a Estratégia da Empresa Módulo 2: Compreendendo e Dinamizando a Cultura

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

www.josegoe s.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1

www.josegoe s.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1 Página 1 01. Definição A escoliose é uma disfunção da coluna vertebral que provoca uma angulação lateral desta. A coluna é torcida, de modo que cada vértebra gira em torno de seu próprio eixo, causando

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos:

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos: 1 INTRODUÇÃO Sobre o Sou da Paz: O Sou da Paz é uma organização que há mais de 10 anos trabalha para a prevenção da violência e promoção da cultura de paz no Brasil, atuando nas seguintes áreas complementares:

Leia mais

RELATÓRIOS DAS OFICINAS: CUIDANDO DO CUIDADOR: CPPT CUNIÃ. Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz

RELATÓRIOS DAS OFICINAS: CUIDANDO DO CUIDADOR: CPPT CUNIÃ. Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz 1 RELATÓRIOS DAS OFICINAS: CUIDANDO DO CUIDADOR: CPPT CUNIÃ Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz Empresa: SENSOTECH ASSESSORAMENTO E REPRESENTAÇÕES LTDA 4ª Oficina Data: 31/07/2012

Leia mais

ABDOMINAIS: UMA ABORDAGEM PRÁTICA DO EXERCÍCIO RESISTIDO

ABDOMINAIS: UMA ABORDAGEM PRÁTICA DO EXERCÍCIO RESISTIDO ABDOMINAIS: UMA ABORDAGEM PRÁTICA DO EXERCÍCIO RESISTIDO Éder Cristiano Cambraia 1 Eduardo de Oliveira Melo 2 1 Aluno do Curso de Pós Graduação em Fisiologia do Exercício. edercambraiac@hotmail.com 2 Professor

Leia mais

PSICOLOGIA E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: EVIDÊNCIAS DE UMA RELAÇÃO.

PSICOLOGIA E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: EVIDÊNCIAS DE UMA RELAÇÃO. PSICOLOGIA E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: EVIDÊNCIAS DE UMA RELAÇÃO. Betânia Maria Oliveira de Amorim UFCG betânia_maria@yahoo.com.br Polliany de Abrantes Silva UFCG pollianyabrantes_psico@hotmail.com

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE *

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * DILMEIRE SANT ANNA RAMOS VOSGERAU ** m 2003, com a publicação do livro Educação online, o professor Marco Silva conseguiu, com muita pertinência, recolher

Leia mais

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS PAPÉIS E COMPETÊNCIAS O SERVIÇO PSICOSSOCIAL NO CREAS... O atendimento psicossocial no serviço é efetuar e garantir o atendimento especializado (brasil,2006). Os profissionais envolvidos no atendimento

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA SILVA, Lourdes Helena da - UFV GT: Educação Fundamental /n.13 Agência Financiadora:

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA RESUMO SILVA 1, Thays Gonçalves ALMEIDA 2, Rogério Moreira de Centro de Ciências da

Leia mais

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL Introdução Com frequência as tecnologias digitais estão sendo empregadas pelos educadores em

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

FACULDADE SANTA TEREZINHA CEST COORDENAÇÃO DO CURSO DE FISIOTERAPIA

FACULDADE SANTA TEREZINHA CEST COORDENAÇÃO DO CURSO DE FISIOTERAPIA PLANO DE ENSINO DADOS DA DISCIPLINA CÓDIGO NOME CH TOTAL PERÍODO HORÁRIO 0395 Recursos Terapeuticos Manuais PROFESSOR (ES) Profa. Esp. Maria da Consolação Rios da Silva 60 h T-40 h/p-20 h 4º MATUTINO EMENTA:

Leia mais

SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Susana Lazzaretti Padilha Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE) Campus Cascavel susana.lap@hotmail.com

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA. Profa.: Jane Peruzo Iacono Projeto: UNIOESTE/MEC 2006

EDUCAÇÃO INCLUSIVA. Profa.: Jane Peruzo Iacono Projeto: UNIOESTE/MEC 2006 EDUCAÇÃO INCLUSIVA Profa.: Jane Peruzo Iacono Projeto: UNIOESTE/MEC 2006 Por que é equivocado dizer que a INCLUSÃO refere se a um processo direcionado aos alunos com necessidades educacionais especiais,

Leia mais

Cuidando da Coluna e da Postura. Texto elaborado por Luciene Maria Bueno. Coluna e Postura

Cuidando da Coluna e da Postura. Texto elaborado por Luciene Maria Bueno. Coluna e Postura Cuidando da Coluna e da Postura Texto elaborado por Luciene Maria Bueno Coluna e Postura A coluna vertebral possui algumas curvaturas que são normais, o aumento, acentuação ou diminuição destas curvaturas

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES Kátia Hatsue Endo Unesp hatsueendo@yahoo.com.br Daniela Bittencourt Blum - UNIP danibittenc@bol.com.br Catarina Maria de Souza Thimóteo CEETEPS - catarinamst@netonne.com.br

Leia mais

EFETIVIDADE DA ESCOLA DE COLUNA EM IDOSOS COM LOMBALGIA

EFETIVIDADE DA ESCOLA DE COLUNA EM IDOSOS COM LOMBALGIA EFETIVIDADE DA ESCOLA DE COLUNA EM IDOSOS COM LOMBALGIA Maria Lucia Ziroldo 1 ; Mateus Dias Antunes 2 ; Daniela Saldanha Wittig 3 ; Sonia Maria Marques Gomes Bertolini 4 RESUMO: A dor lombar é uma das

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR RESENHA Neste capítulo, vamos falar acerca do gênero textual denominado resenha. Talvez você já tenha lido ou elaborado resenhas de diferentes tipos de textos, nas mais diversas situações de produção.

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

TELEMEDICINA:NOVAS TECNOLOGIAS NO ENSINO SUPERIOR

TELEMEDICINA:NOVAS TECNOLOGIAS NO ENSINO SUPERIOR TELEMEDICINA:NOVAS TECNOLOGIAS NO ENSINO SUPERIOR Alessandra R. M. de Castro-HE-UFPEL/FAU 1 Resumo: O presente estudo trata do relato de experiência a partir de uma nova tecnologia, denominada telemedicina,

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES Silva.A.A.S. Acadêmica do curso de Pedagogia (UVA), Bolsista do PIBID. Resumo: O trabalho

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA Uma proposta para aplicação no Programa Mais Educação Izabele Silva Gomes Universidade Federal de Campina Grande UFCG izabelesilvag@gmail.com Orientador (a): Professora

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DA ÁREA DE ENSINO E EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: FORMAÇÃO PEDAGÓGICA PARA PROFISSIONAIS DE SERVIÇOS DE SAÚDE

QUALIFICAÇÃO DA ÁREA DE ENSINO E EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: FORMAÇÃO PEDAGÓGICA PARA PROFISSIONAIS DE SERVIÇOS DE SAÚDE QUALIFICAÇÃO DA ÁREA DE ENSINO E EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: FORMAÇÃO PEDAGÓGICA PARA PROFISSIONAIS DE SERVIÇOS DE SAÚDE Há amplo consenso nas categorias profissionais da saúde, em especial na categoria

Leia mais

BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL

BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL GEANE SANTANA ROCHA QUIXABEIRA CMEI Criança Feliz geanezinha@gmail.com ANADIR FERREIRA DA SILVA Secretaria Municipal de Educação laurapso@hotmail.co.uk

Leia mais

PELA SAÚDE DOS VOSSOS OMBROS

PELA SAÚDE DOS VOSSOS OMBROS PELA SAÚDE DOS VOSSOS OMBROS por Hoje em dia as circunstâncias da vida quotidiana forçam-nos a passar muito tempo sentados em posturas que não são as mais adequadas. Neste preciso momento enquanto estão

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

DEFORMIDADES DA COLUNA VERTEBRAL: avaliação postural em adolescentes da faixa etária entre 11 a 16 anos

DEFORMIDADES DA COLUNA VERTEBRAL: avaliação postural em adolescentes da faixa etária entre 11 a 16 anos DEFORMIDADES DA COLUNA VERTEBRAL: avaliação postural em adolescentes da faixa etária entre 11 a 16 anos CAROLINE GONSALEZ FLAVIO PILOTO CIRILLO JULIANA THIEMI IMANO KAMILLA FERNANDES LINS SP 2009 DEFORMIDADES

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Fisioterapia 2010-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Fisioterapia 2010-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Fisioterapia 2010-2 DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO PROPOSTA DE UM PROGRAMA DE ERGONOMIA

Leia mais

Título: Modelo Bioergonomia na Unidade de Correção Postural (Total Care - AMIL)

Título: Modelo Bioergonomia na Unidade de Correção Postural (Total Care - AMIL) Projeto: Unidade de Correção Postural AMIL Título: Modelo Bioergonomia na Unidade de Correção Postural (Total Care - AMIL) Autores: LACOMBE,Patricia, FURLAN, Valter, SONSIN, Katia. Instituição: Instituto

Leia mais

A GESTÃO DA SAÚDE E A ENFERMAGEM: A FORMAÇÃO E A ATUAÇÃO PROFISSIONAL NO CONTEXTO DE UM COLEGIADO DE GESTÃO REGIONAL Sueli Terezinha Goi Barrios

A GESTÃO DA SAÚDE E A ENFERMAGEM: A FORMAÇÃO E A ATUAÇÃO PROFISSIONAL NO CONTEXTO DE UM COLEGIADO DE GESTÃO REGIONAL Sueli Terezinha Goi Barrios A GESTÃO DA SAÚDE E A ENFERMAGEM: A FORMAÇÃO E A ATUAÇÃO PROFISSIONAL NO CONTEXTO DE UM COLEGIADO DE GESTÃO REGIONAL Sueli Terezinha Goi Barrios Alcindo Antônio Ferla Adelina Giacomelli Prochnow Ana Cristina

Leia mais

Centro de Reeducação Respiratória e Postural S/C Ltda Josleide Baldim Hlatchuk Fisioterapeuta CREFITTO 12.408F

Centro de Reeducação Respiratória e Postural S/C Ltda Josleide Baldim Hlatchuk Fisioterapeuta CREFITTO 12.408F RPG 1. DEFINIÇÃO A Reeducação Postural Global é um método fisioterápico de correção e tratamento da dor, que trabalha sobre as cadeias de tensão muscular utilizando posturas de alongamento excêntrico ativo

Leia mais

PRINCÍPIO DE ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA

PRINCÍPIO DE ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

A ESCOLHA PROFISSIONAL: UMA ESCUTA DO SOFRIMENTO PSIQUÍCO DE ADOLESCENTES DAS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES DA CIDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE SP.

A ESCOLHA PROFISSIONAL: UMA ESCUTA DO SOFRIMENTO PSIQUÍCO DE ADOLESCENTES DAS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES DA CIDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE SP. A ESCOLHA PROFISSIONAL: UMA ESCUTA DO SOFRIMENTO PSIQUÍCO DE ADOLESCENTES DAS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES DA CIDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Joselene Lopes Alvim A ESCOLHA PROFISSIONAL: UMA ESCUTA

Leia mais

Administração em Enfermagem Teorias da Administração - Aula 3

Administração em Enfermagem Teorias da Administração - Aula 3 Administração em Enfermagem Teorias da Administração - Aula 3 Teorias da Administração Aula 3 Teoria Científica Taylorismo (Continuação) Taylor observou que, ao realizar a divisão de tarefas, os operários

Leia mais

Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional. Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João

Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional. Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João Avaliação Fisioterapêutica do Quadril Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Articulação do Quadril: É uma articulação

Leia mais

Ora, é hoje do conhecimento geral, que há cada vez mais mulheres licenciadas, com mestrado, doutoramentos, pós-docs e MBA s.

Ora, é hoje do conhecimento geral, que há cada vez mais mulheres licenciadas, com mestrado, doutoramentos, pós-docs e MBA s. Bom dia a todos e a todas, Não é difícil apontar vantagens económicas às medidas de gestão empresarial centradas na igualdade de género. Em primeiro lugar, porque permitem atrair e reter os melhores talentos;

Leia mais

ANATOMIA e SEMIOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL. Prof. Dr. GABRIEL PAULO SKROCH

ANATOMIA e SEMIOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL. Prof. Dr. GABRIEL PAULO SKROCH ANATOMIA e SEMIOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL Prof. Dr. GABRIEL PAULO SKROCH - COMPOSIÇÃO: 24 Corpos Vertebrais 5 Fusionadas Sacro 4 Cóccix 23 Discos Intervertebrais - FUNÇÕES 1. Postura 2. Movimento e Locomoção

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA Q U E S T Õ E S E R E F L E X Õ E S Suraya Cristina Dar ido Mestrado em Educação Física, na Escola de Educação Física da Universidade de São Paulo, SP, 1987 1991 Doutorado em

Leia mais

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior 5.1 Nome da iniciativa ou Projeto Academia Popular da Pessoa idosa 5.2 Caracterização da Situação Anterior O envelhecimento é uma realidade da maioria das sociedades. No Brasil, estima-se que exista, atualmente,

Leia mais

Especialização em Fisioterapia Traumato-Ortopédica Funcional - NOVO

Especialização em Fisioterapia Traumato-Ortopédica Funcional - NOVO Especialização em Fisioterapia Traumato-Ortopédica Funcional - NOVO Apresentação Previsão de Início Agosto Inscrições em Breve - Turma 01 - Campus Stiep O curso de Especialização em Fisioterapia Traumato-Ortopédica

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA CLAINES KREMER GENISELE OLIVEIRA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POR UMA PERSPECTIVA DE RELAÇÕES ENTRE

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

ANATOMIA TOPOGRÁFICA DA CABEÇA E PESCOÇO (FCB00089)

ANATOMIA TOPOGRÁFICA DA CABEÇA E PESCOÇO (FCB00089) ANATOMIA TOPOGRÁFICA DA CABEÇA E PESCOÇO (FCB00089) Músculos e Trígonos do Pescoço Platisma Lâmina de músculo fina e larga, situada no tecido subcutâneo do pescoço. Recobre a face anterolateral do pescoço.

Leia mais

SISTEMA OSTEOARTICULAR II ESQUELETO AXIAL: COLUNA VERTEBRAL E CAIXA TORÁCICA SUMÁRIO

SISTEMA OSTEOARTICULAR II ESQUELETO AXIAL: COLUNA VERTEBRAL E CAIXA TORÁCICA SUMÁRIO SISTEMA OSTEOARTICULAR II ESQUELETO AXIAL: COLUNA VERTEBRAL E CAIXA TORÁCICA SUMÁRIO I COLUNA VERTEBRAL 1 Os constituintes da coluna vertebral: 7 vértebras cervicais, 12 vértebras torácicas, 5 vértebras

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CHOPINZINHO PR SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GESTÃO 2012-2015

PREFEITURA MUNICIPAL DE CHOPINZINHO PR SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GESTÃO 2012-2015 PREFEITURA MUNICIPAL DE CHOPINZINHO PR SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GESTÃO 2012-2015 PROJETO TERCEIRA IDADE ATIVA EDUCADORAS FÍSICAS: LÍDIA POSSO SIMIONATO (responsável) ALANA M. C. KNAKIEWICZ (estagiária)

Leia mais

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II 1 A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II Donizeth Henrique Aleluia Vieira 1 Paula Rodrigues de Souza 2 Suely Miranda Cavalcante Bastos 3 Resumo: Juntamente com o campo dos Números

Leia mais

VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1

VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1 1 VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1 Anna Maria de Oliveira Salimena 2 Maria Carmen Simões Cardoso de Melo 3 Ívis Emília de Oliveira

Leia mais

Política de humanização no estado de São Paulo

Política de humanização no estado de São Paulo Artigo Política de humanização no estado de São Paulo Por Eliana Ribas A autora é psicanalista e doutora em Psicologia Clínica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Atua como coordenadora

Leia mais

Saúde mental: acompanhamentos terapêuticos, reabilitação psicossocial e clínica

Saúde mental: acompanhamentos terapêuticos, reabilitação psicossocial e clínica Saúde mental: acompanhamentos terapêuticos, reabilitação psicossocial e clínica Palestra apresentada no XII Congresso Brasileiro de Terapia Ocupacional e IX Congresso Latino Americano de Terapia Ocupacional,

Leia mais

determinam o comportamento e as consequências do comportamento no contexto de interação, ou seja, na relação funcional dos comportamentos.

determinam o comportamento e as consequências do comportamento no contexto de interação, ou seja, na relação funcional dos comportamentos. Psicoterapia comportamental infantil Eliane Belloni 1 A psicoterapia comportamental infantil é uma modalidade de atendimento clínico que visa propiciar mudanças no comportamento da criança a partir de

Leia mais