Relatório de. Conclusões e Recomendações de Auditoria

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório de. Conclusões e Recomendações de Auditoria"

Transcrição

1 Relatório de Conclusões e Recomendações de Auditoria AUDITORIA: OPERACIONAL Divisão do Cidadão Cascais, Dezembro de

2 Índice Objectivo e âmbito Breve análise e enquadramento Económico-Financeiro da DCID Análise da Receita Orçamental Análise da Receita Total Conclusões e Recomendações Limitação na apreciação do relatório de contraditório Conformidade com a Norma de Controlo Interno Da conformidade Administrativa Recomendações de Gestão Recomendações de Qualidade Recomendações Técnicas Recomendações de Higiene e Segurança no Trabalho Notas Finais

3 Objetivo e âmbito O presente relatório final é o produto de uma Auditoria de carácter Operacional à DCID. As conclusões e recomendações expressas no presente documento são as da equipa de auditoria, constituindo a opinião da mesma após análise interna. Como serviço ligado ao atendimento ao público, a DCID constitui a primeira face do município no contacto com o utente, sendo alvo de apreciação sobre a qualidade dos serviços desenvolvidos. Um serviço público de excelência assenta nos critérios base de economia, eficiência e eficácia das operações, na fiabilidade dos serviços prestados, na conformidade com a lei e regulamentos resultando num serviço de qualidade, com consequente acréscimo no grau de satisfação quanto ao serviço público por parte dos utentes. Notas de leitura: 1. No presente documento, as informações destacadas a cor azul com sublinhado ou a negrito, assinalam as recomendações e ideias-chave, respetivamente; 2. A sigla DCID diz respeito à Divisão do Cidadão, NIA corresponde ao Núcleo de Informação e Atendimento, NAE indica o Núcleo de Arquivo e Expediente, SCA corresponde ao Sistema de Contabilidade Autárquica e TAX (Sistema de cobrança de Taxas em uso no município). 5

4 1. Breve análise e enquadramento Económico- Financeiro da DCID No âmbito da auditoria operacional à DCID procedemos ao estudo económicofinanceiro da divisão, que apresentamos em seguida. A análise foi elaborada por semestre, uma vez que a Loja Cascais teve a sua abertura no 2º semestre de Análise da Receita Orçamental Foram retirados os mapas semestrais de cobranças no TAX e o contabilizado no SCA. O mapa por económica apresenta-se nos Anexos 1 a 4. Existem dois serviços emissores relacionados com a DCID: o serviço emissor 10 e o serviço emissor 16. A partir de 2011, o serviço emissor 10 ficou a inativo, sendo a receita própria da DCID arrecadada por via do serviço emissor Análise da Receita Total Procedemos à análise parcelar por tipologia de receita e serviço emissor da receita eventual, virtual e de operações de tesouraria. Os resultados por semestre podem ser vistos nos quadros seguintes: 6

5 Quadro 1 Quadro 2 Quadro 3 Quadro 4 Período: 1/7/2010 a 31/12/ Urbanismo Receita por Serviço Emissor Administração Actividades Execuções Atendimento Cultura-Serviços (Reembolsos) TOTAL Notariado Cemitérios Obras Pessoal Licenças e Polícia municipal Balcão Único Financeira Económicas Fiscais Geral Atendimento alvarás Receita Orçamental Eventual , , , , ,66 745, , , , , , , , ,04 Receita Orçamental Virtual , , ,47 Operações Tesouraria , , , , ,15 9,00 387, , , ,09 Total , , , , , , , , , , , , , ,36 Período: 1/1/2011 a 30/06/ Urbanismo Receita por Serviço Emissor Administração Actividades Execuções Atendimento Cultura-Serviços (Reembolsos) TOTAL RECEITA Notariado Cemitérios Obras Pessoal Licenças e Polícia municipal Balcão Único Financeira Económicas Fiscais Geral Atendimento alvarás Receita Orçamental Eventual , , , , , , , , , , , , ,66 Receita Orçamental Virtual , ,89 Operações Tesouraria , , , , ,37-72, , , ,29 Total , , , , , , , , , , , , ,68 Período: 1/7/2011 a 31/12/ Urbanismo Receita por Serviço Emissor Administração Actividades Execuções Atendimento Cultura-Serviços (Reembolsos) TOTAL Notariado Cemitérios Obras Pessoal Licenças e Polícia municipal Balcão Único Financeira Económicas Fiscais Geral Atendimento alvarás Receita Orçamental Eventual , , , , ,86 12, , , , , , , ,98 Receita Orçamental Virtual , ,53 Operações Tesouraria , , , , ,95-33, , , ,82 Total , , , , , , , , , , , , ,38 Período: 1/1/2012 a 30/06/ Urbanismo Receita por Serviço Emissor Administração Actividades Execuções Atendimento Cultura-Serviços (Reembolsos) TOTAL Notariado Cemitérios Obras Pessoal Licenças e Polícia municipal Balcão Único Financeira Económicas Fiscais Geral Atendimento alvarás Receita Orçamental Eventual , , , , , , , , , , , , ,81 Receita Orçamental Virtual , ,57 Operações Tesouraria , , , , ,53-27, , , ,59 Total , , , , , , , , , , , , ,72 O resumo total da receita cobrada pela divisão, pode sintetizar-se no quadro seguinte. DCID (Serviço Emissor 10 e 16) 2º Semestre 2010 Quadro 5 1º Semestre º Semestre º Semestre 2012 Receita Orçamental Eventual , , , ,49 Receita Orçamental Virtual 28, Operações Tesouraria , , , ,24 TOTAL , , , ,73 7

6 Gráfico 1 Comparando os primeiros semestres de 2011 e 2012, verifica-se que se deve às classificações económicas relativas ao urbanismo, o decréscimo de receita cobrada. Analisada a receita cobrada exclusivamente na DCID por classificações económicas em todo o período, demonstra-se que é de facto a área de urbanismo, que mais contribui para a diminuição do ritmo de arrecadação de receita, apesar do acréscimo sentido na rubrica de publicidade. 8

7 Quadro 6 Classificação Económica Designação DCID - receita cobrada 2º Semestre º Semestre º Semestre º Semestre Loteamentos ilegais , , , , Urbanismo , , , , Ocupação da via pública , , , , Publicidade , , , , Aferição conf. Pesoso medida parelhos medição 348, , , , Pass.averb.reg.alvarás estab. diversos 1.112, , , , Licenc. da activ. Industrial tipo 4(peq. Ind) 89,00 267,00-117, Lic. fis.inst.produt.petroleo post. combustível - 570, , , Taxas - Comissão Arbitral Municipal - CAM - 216,00 204, Taxa de depósito da ficha técnica de habitação 3.362, , , , Outros , , , , Loteamentos ilegais , , , , Urbanismo , , , , Ocupação da via pública , , , , Caça, uso e porte de arma 167,64 179,72 268,44 219, Licença condução transf. matric. veículos 525, ,91 481,80 408, Inscrção Técnicos 3.414, , , , Ocupação de terrenos municipais 235, , ,33 84, Cartões feirantes e vendedores ambulantes 216,71 697,67 585,50 747, Serviço Médico Veterinário 31, Licenças de espectáculos 346, , , , Taxas - Comissão Arbitral Municipal - CAM 2.689, ,50 331, Taxa de depósito da ficha técnica de habitação 229,45 987,95 601,80 509, Taxa pela emissão do certificado de registo , , , Outras 2.095, , , , Juros de mora - 360,99 137,53 155, Coimas e penalidades por contra-ordenações , , , , Multas e Coimas Diversas -Policia Municipal 500, , Terrenos 765, ,65 849, , Habitações 1.994, , , , Outras 8.769, , , , Diversos 83, , Aluguer de espaços e equipamentos 970, , , , Vistorias e ensaios , , , , Outros , Outros - 123, Trabalhos por conta de particulares - 953,00 600, Cemitérios 279, ,69 286,30 705, Mercados e feiras 871, , , , Canídeos e gatídeos - 115, Publicação alvará de loteamento 2.233, , , , Consultas ao Plano Director Municipal - 432,42 216, , Médico veterinário serviços diversos 1.641, , , , Ascensores Monta-cargas/Insp./Lic./Outros , , , , Fotócópias,Cert.eOutrosServ.deSecretaria , , , , Venda Púb. Plantas Topográf. e Outros 390,95 840,24 809,90 922, Outros 1.605, , , , Outros 765,45 368,30 959,57 120, Terrenos urbanos , , , , Mercados e feiras , , , , Concessão/Diversos 544, , Concessão/Marina de Cascais , Diversos 1.122, , , Participações financeiras/loteamentos 578, , ,55 250, Diversas 1.408, , , , Terrenos diversos , Famílias - 640, , Outros , Reemb. Adiant. De Prop. Obras Clandestinos 2.765, , , , Loteamentos ilegais , , , , Urbanismo , , , Diversos , TOTAL , , , ,49 9

8 2. Conclusões e Recomendações As presentes conclusões e recomendações resultam da síntese da análise efetuada ao serviço pelo GAUD, das evidências recolhidas e do exercício do direito de resposta por parte do serviço auditado. De uma forma geral, a equipa conclui que falta delinear com maior profundidade os critérios de qualidade para o atendimento ao público, quais os objetivos, os meios a utilizar e a qualidade da informação proveniente das orgânicas que refletem na DCID, em particular no NIA, o final das suas atividades. É opinião desta equipa de trabalho, que já sendo longa a história do serviço auditado, em determinado momento, após instalação das rotinas básicas de trabalho, a orgânica deixou de olhar para dentro (para as suas próprias necessidades de gestão), estabelecendo como critério único de avaliação do serviço o munícipe. Apesar desta orientação parecer a correta, na realidade, a satisfação do munícipe não passa apenas por resolver-lhe determinado assunto, mas resolver corretamente a nível processual a matéria que o trouxe até ao município. 10

9 2.1 Limitação na apreciação do relatório de contraditório Constata-se que o presente relatório de conclusões/recomendações encontra-se limitado pelos seguintes factos: 1. Ausência de assinatura dos responsáveis pelo relatório de resposta em sede de contraditório (os nomes indicados não possuem assinatura manuscrita); 2. Na esmagadora maioria do relatório de resposta em sede de contraditório, não houve resposta efetiva às questões colocadas, verificando a equipa de auditoria, que o alcance que pretendemos dar a determinadas áreas, não foi identificado face às respostas obtidas; 3. E ainda, pela ausência de envio dos anexos mencionados pelo serviço auditado nas páginas do relatório de resposta em sede de contraditório: a) mails anexos : página 5, último parágrafo; b) ver mails anexos : página 6, parágrafo relativo à resposta 15; c) ver troca de s sobre : página 1º, parágrafo relativo à resposta 28. Os documentos mencionados pelo serviço auditado foram solicitados por GDCC/2012/67123, mas não foi obtida resposta. Desta forma, o GAUD procedeu ao início da construção do documento de conclusões/recomendações no 1º dia útil após o prazo limite para entrega de resposta no exercício de direito ao contraditório da DCID (13 de Novembro). A construção do relatório prolongou-se no tempo devido ao início de auditoria a outro serviço e também por motivos internos de funcionamento do gabinete. 11

10 2.2 Conformidade com a Norma de Controlo Interno A Norma de Controlo Interno (NCI), enquanto parte do Sistema de Controlo Interno do município, deverá incluir as regras e procedimentos normativos de todas as suas áreas de intervenção. No presente e em nossa opinião, a norma é claramente insuficiente no que respeita à cobertura de todas as áreas de atividades, pelo que, o enriquecimento da NCI com os procedimentos internos detalhados da DCID é por nós considerado um elemento fundamental na melhoria e progresso desse documento. É necessário que a DCID proceda à revisão da sua parte da NCI, o que passa por proceder à normalização das regras internas do Serviço Auditado (por forma a que deixe de existir um vasto conjunto de regulamentos projeto) e posteriormente a integração das mesmas no texto da Norma de Controlo Interno, que atualmente, contém apenas uma definição muito genérica da atividade da DCID. Esta Acão implica: 1. A definição clara dos pontos de controlo administrativo na orgânica auditada; 2. A identificação das responsabilidades funcionais de cada agente e processos a que o mesmo responde; 3. Definição pormenorizada dos circuitos documentais. 12

11 2.3 Da conformidade Administrativa Os testes de conformidade administrativa conduzidos pela equipa do GAUD tiveram por objetivo determinar os pontos fortes e fracos dos procedimentos internos de cariz administrativo. Desta forma, recomendamos o seguinte: Proposta ao Executivo de anulação das deliberações anteriores relativas à Loja Cascais e postos de cobrança e criação de nova deliberação una, criada de acordo com as competências a definir no âmbito do desenho previsto no novo Regulamento de Organização dos Serviços Municipais (ROSM) a vigorar a partir de Janeiro de 2013; A criação de Despacho de subdelegação de competências na Srª. Coordenadora da Loja Cascais, sem o qual não consideramos a sua atividade administrativamente legitimada e salvaguardada; Propõe-se que seja deliberada a atribuição de abono para falhas para a colaboradora Avelina Churro (Técnica Superior), que executa funções de agente cobrador em Front-Office, nos termos do nº 5 do Despacho nº 15049/2009, de 30 de Junho, do Ministério das Finanças e Administração Pública em que o reconhecimento do direito ao abono para trabalhadores integrados noutras carreiras, ou titular de outras categorias, efectua-se mediante despacho conjunto dos membros do Governo da Tutela e das Finanças e da Administração Pública. Neste âmbito perfilhamos o entendimento do parecer da CCDRLVT nº 118/

12 de 2 de Novembro 1, que mutatis mutandis 2, o mesmo raciocínio se pode alargar às autarquias locais, ou seja, o referido despacho é da competência do responsável pela gestão dos Recursos Humanos, que no município é o Presidente da Câmara; Não se encontra a ser cumprida a solicitação de identificação do contribuinte/utilizador/utente (com o nome e número de contribuinte). Esta formalidade encontra-se estabelecida na própria Norma de Controlo Interno, no nº 4 do artº 11º, bem como no Decreto-Lei nº 463/79, de 30 de Novembro e deverá ser cumprida com vista ao bom funcionamento do sistema. Em reunião prévia à entrega do presente relatório de conclusões/recomendações, fomos informadas que a nova aplicação resolverá esta questão, o que aguardamos com expectativa; Propõe-se que as assinaturas sejam sempre acompanhadas da identificação legível dos colaboradores que praticam os atos, evitando assim a problemática das assinaturas ilegíveis; Sendo o principal problema da não conformidade administrativa na emissão de guias pelo NIA (vide páginas 17 a 22 do relatório enviado para contraditório), a falta de enriquecimento das mesmas com informação que permita a identificação dos processos que lhe deram origem, a indicação do nome em coerência com o número de identificação fiscal, a adequação do tipo de guia, a precisão das classificações económicas e preenchimento das observações 1 O relator deste parecer foi Vitor Bruno de Sá Santos. 2 Mudando o que tem que ser mudado, com as necessárias adaptações. 14

13 com o tipo de pagamento, recomenda-se a determinação de regras precisas com vista à uniformização de procedimentos por toda a equipa de atendimento; Propõe-se a anulação do procedimento de rotina de fecho consolidado em Back-Office nos moldes em que é atualmente praticado. Alerta-se que a rotina de fecho consolidado é praticado por duas colaboradoras em Back-Office que não possuem despacho de subdelegação de competências, o que torna o processo, em nossa opinião, irregular. Embora os agentes cobradores, quer em Front- Office, quer em Back-Office devessem entregar diretamente as verbas de que são responsáveis na tesouraria, compreendemos que esse facto pode sobrecarregar esta última subunidade orgânica, razão pela qual propõem-se novos modelos de fecho de contas que apresentamos no Anexo 5, com cariz de apuramento automático. Informamos que estamos disponíveis para proceder à implementação dos trabalhos sobre este ficheiro com a DCID e inclusive, melhorar a sua estrutura de cálculos; Recomenda-se que seja analisada com a DISI a referência da localização dos CPU s, que se encontram alocados a essa divisão e não à DCID na ficha cadastral dos bens; Recomenda-se que seja feito um pedido à DGEP no sentido de que essa divisão proceda à verificação das fichas e números de inventário dos equipamentos da DCID, pois encontrámos impressoras sem identificação cadastral; 15

14 2.4 Recomendações de Gestão No sentido de que a subunidade orgânica auditada possa olhar para o seu interior, melhorando conhecimentos comuns e tornando mais eficiente o acesso à informação, recomenda-se: Que o NIA tenha um papel pró-ativo na atualização de informação disponibilizada aos munícipes pelas unidades orgânicas, a fim de evitar casos como o descrito na página 30 do relatório enviado para efeitos de contraditório; A informação aos munícipes está fortemente dependente da existência de uma base de dados comum, que à data não existe (veja-se a página 8 do relatório de exercício de contraditório). Recomenda-se que a NIA desenvolva uma base de dados comum que permita o suporte do upload de informação no novo sistema GDCC, por via da criação e desenvolvimento no disco comum da divisão de pastas com informação legal, informação de base a processos; isto é, pastas de suporte que sejam do conhecimento de toda a área de Front e Back-Office. Defendemos ainda a criação de uma caixa de correio institucional com acesso de leitura pelos elementos de todo o NIA, por forma a evitar por exemplo, casos em que é enviado mail direto para a Coordenadora da Loja, o que na sua ausência ou impedimento, impossibilita o acesso a todos os colaboradores, sendo a cobrança assim feita com base em informação, muitas vezes trazida pelo próprio munícipe (ex: filmagens em vários locais do concelho); É importante que os colaboradores do Front-Office estejam preparados para o atendimento de qualquer pedido respeitante a qualquer área da competência do município. 16

15 O NIA tem apenas dois postos de urbanismo, o que constitui uma das principais causas de descontentamento dos munícipes, que mencionam que alguns colaboradores têm tempos mortos. Contudo, a DCID informou-nos que a experiência de rotatividade não resultou e que o atendimento online virá agilizar o processo ao nível do urbanismo, a principal fonte de descontentamento do público utente. Acompanharemos este processo em sede de follow-up de auditoria; A diminuição do número de não conformidades constatadas no Relatório para resposta em sede de contraditório, passará não só pela análise em grupo por parte dos colaboradores da importância destes elementos e pelo incentivo e diretrizes das chefias para a matéria nas reuniões de coordenação, mas também por Ações de Formação para todos os colaboradores (de cariz interno ao município ou externo), nomeadamente nas áreas de Código de Procedimento Administrativo, Qualidade e Atendimento, Urbanismo, Atividades Económicas e também relativamente à Lei Geral do Cheque, cuja prática recomendamos vivamente. A formação é tão importante para o Núcleo de Informação e Atendimento como para o Núcleo de Arquivo e Expediente Geral, sentindo-se em particular para esta última subunidade orgânica, a necessidade de Ações de Formação ao nível de Arquivo e programas do Microsoft Office na ótica do utilizador (Word, Excel e Access); A qualidade intrínseca da informação no NIA e o seu fluxo, constitui um aspeto de grande relevância na prestação de serviços da Loja Cascais. Para incremento da melhoria qualitativa da informação relativa aos processos, recomenda-se que a DCID tenha um papel pró-ativo na comunicação com as restantes unidades orgânicas, solicitando, quando necessário, informação complementar por forma a enriquecer cada um dos processos administrativos tratados. 17

16 As informações complementares a ter em conta, e que são responsabilidade das orgânicas gestoras dos processos e não da DCID, são as referentes a: a) Manutenção de um relacionamento mais próximo com as unidades orgânicas operacionais, para que todos os processos passíveis de carregamento em conta-corrente de aplicação TAX sejam disponibilizados pelos serviços de origem e alvo de manutenção permanente, evitando assim, cálculos executados pelos colaboradores do NIA e emissão de guias de receita avulsas (não parametrizadas e fora dos módulos TAX específicos para as operações, ex: guias relativas a pagamentos em prestações de loteamentos ilegais, entre outras); b) Liquidação de taxas e outras receitas (ver página 77, questão 56, do relatório enviado para resposta em contraditório): que o NIA só deverá aceitar quando haja demonstração da liquidação, indicação do suporte normativo (interno ou externo) que deu origem à liquidação e validação da mesma por colaborador com competência para o efeito; c) Aplicação de agravamentos, que à semelhança da alínea anterior, deverão ser suportados pelos normativos que aos mesmos respeitem, com indicação clara e validação prévia por parte dos serviços competentes para esse efeito, das percentagens e condições (nomeadamente, data ou dia), a partir das quais o agravamento se deve aplicar. O NIA fica sujeito ao risco de processo nesta matéria, pelo que sugerimos que seja analisado e elaborado um estudo por parte dos serviços operacionais, a software house (AIRC) e a própria DCID sobre metodologias que permitam a criação de alertas automáticos em conta-corrente para o momento de aplicação de agravamentos Recomenda-se o estudo com a unidade orgânica responsável pelos consumíveis de uma metodologia que permita aligeirar a obtenção de 18

17 materiais prioritários, necessários à prestação de serviços ao público, como por exemplo toners para fotocopiadoras; É importante que o município tenha um arquivo centralizado, onde os documentos estejam catalogados e devidamente arquivados, permitindo o fácil acesso ao conhecimento comum, ao invés do que hoje se assiste, em que cada unidade orgânica detém o seu próprio arquivo. Destaca-se que podem ser utilizados recursos humanos especializados nesta matéria, existentes na própria DCID, o que pode ser fundamental para a concretização de um objetivo do NAE: a certificação de qualidade; O número diminuto ou inexistente de quotas de Desempenho Relevante para avaliação de Recursos Humanos constitui um fator de grande desmotivação para as equipas de trabalho. Recomenda-se a análise desta matéria com a área de Recursos Humanos, pois pode no futuro, vir a constituir tema sensível, face à situação presente de grande perda de rendimentos por parte dos agentes públicos. 19

18 2.5 Recomendações de Qualidade A análise administrativa dos GDCC s apresentados nas páginas 23 a 29 do relatório para exercício do direito de resposta, não foi feita pelo serviço auditado. Segundo a DCID, não é feito qualquer comentário uma vez que se tratam de evidências (página 3 da resposta). Contudo, cada um dos GDCC s escolhidos pela equipa de auditoria interna, tinham por objetivo a verificação por parte da equipa da DCID de não conformidades administrativas detetadas com consequências na qualidade Das não conformidades detetadas em sede de auditoria, nasce a presente recomendação: é necessário à DCID proceder à uniformização de critérios de atuação, pela definição de rigorosos critérios de qualidade. O desenvolvimento de sessões de trabalho com cada área de competência municipal, por forma a normalizar os critérios de qualidade criarão redes de apoio e de ligação inter-serviços, que diminuem o risco e contribuem para a compreensão do município como um órgão com uma direção estratégica única. Deste relacionamento, esperamos também contributos para o aprofundamento e melhoria da Norma de Controlo Interno, como referido no ponto 2.2; Recomenda-se a instalação de um painel com formulários disponíveis e com designação visível e classificados por tipologia, onde fiquem colocados também os anúncios, informações municipais e/ou regulamentos (para maior detalhe, vide pág. 32 do Relatório para resposta em sede de contraditório); Propõe-se o estudo com os Recursos Humanos da disponibilização de um colaborador para a triagem, para nós fundamental ao bom funcionamento da Loja, permitindo incrementar a coordenação com os postos de cobrança e 20

19 melhorar a imagem do município junto dos utentes, evitando assim, as situações vertidas na página 31 do relatório para resposta; Recomenda-se que no NIA, seja elaborado um plano de racionalização de recursos humanos, que permita não só o aproveitamento de recursos internos do município que tenham interesse em desenvolver a sua atividade na Loja Cascais, mas também ao aproveitamento de recursos já existentes na divisão, com trabalho permanente em Back-Office e cuja rotatividade deverá ser equacionada a fim de evitar faltas de colaboradores no Front-Office, aquando de ausências e impedimentos dos que nele exercem funções no presente; O tratamento da correspondência não deverá depender apenas do critério da Chefia da DCID. Recomenda-se que a DCID proceda à definição clara dos procedimentos a adotar na receção e tratamento de correspondência, nomeadamente, no que respeita à privacidade ou não do assunto e como o mesmo deve ter sequência. A definição destes procedimentos deverá ser alvo de deliberação por parte do Executivo. 21

20 2.6 Recomendações Técnicas Verificou-se em sede de processo de auditoria, que o processo de transmissão dos valores relativos ao fecho contabilístico do dia, são transmitidos por via telefónica. Esta metodologia não apresenta segurança, nem para o NIA, nem para a Tesouraria Municipal. Propõe-se a comunicação formal por parte da Tesoureira Municipal à Coordenadora da Loja, por via de , desses valores; Não havendo quaisquer planos de contingência relativos ao possível recebimento de notas falsas, encontram-se perfeitamente inseguros os colaboradores do Front-Office do NIA no que respeita à receção das mesmas. Esta insegurança repercute-se por sua vez, nos colaboradores da Tesouraria Municipal. A existência de aparelhos de verificação de conformidade das notas, são na nossa opinião fundamentais para o funcionamento da Loja Cascais; Ainda no que respeita à movimentação de valores, constatou-se que as contagens no NIA, quer em Front-Office quer em Back-Office são feitas manualmente. Recomenda-se o estudo pela DCID com a respetiva hierarquia superior, da possibilidade de inscrição de verba em sede de Grandes Opções do Plano, de um valor para aquisição de uma máquina de contagem de notas; Os processos de pagamentos por via de transferências bancárias também nos parecem frágeis. Na esmagadora maioria dos casos, a equipa de Back-Office do NIA emite as guias de receita regularizadoras com base na intuição do que aos mesmos dizem respeito. Esta metodologia é rudimentar e insegura. Recomenda-se assim, uma análise cuidada entre a DCID e a Tesouraria Municipal dos débitos pendentes, bem como o estudo com os órgãos do Departamento de 22

21 Gestão Financeira da disponibilização de referências multibanco para pagamentos. Parece-nos que este processo já terá tido desenvolvimentos, pois verificámos na loja online disponível no sítio da câmara municipal, que o mesmo se encontra já previsto, razão pela qual esperamos com entusiasmo este progresso O processo relativo às cauções apresenta as fragilidades descritas nas páginas 75 e 76 do relatório enviado para contraditório. Recomenda-se a atribuição de senha de criação de entidade em SCA para pelo menos três colaboradores da Loja Cascais: Coordenadora, um elemento de Back-Office e de Front-Office a designar pela DCID. As unidades orgânicas que detenham valores a liquidar com caução devem enviar mail de comunicação da mesma, para a caixa de correio institucional que propusemos no ponto 2.4.2, permitindo a todos os colaboradores o acesso à informação necessária à cobrança dos valores em dívida pelos munícipes Encontram-se emitidas guias de emissão do certificado de registo de cidadão comunitário desde a disponibilização desta valência pela Câmara Municipal em 2007, parametrizadas exclusivamente em operação orçamental. Contudo, parece-nos que não foram feitas entregas ao Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) nos termos do disposto no nº 2 do artº 29º da lei nº 37/2006, de 9 de Agosto (Anexo 6), pelo que propomos a regularização dos montantes, após confirmação da matéria com os serviços de contabilidade municipal por via de documento interno. Previamente deverá ser criado o código de operações de tesouraria para o SEF, para transferências das receitas que a essa entidade diz respeito. Feitos os cálculos por esta equipa até 6 de Dezembro de 2012 inclusive (que apresentamos na íntegra em CD anexo), apurámos a entrega de ,06 ao Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, que propomos seja feita, assim que 23

REGULAMENTO Nº 3/2009

REGULAMENTO Nº 3/2009 REGULAMENTO Nº 3/2009 REGULAMENTO DE LIQUIDAÇÃO E COBRANÇA DE RECEITAS MUNICIPAIS Preâmbulo A dispersão geográfica dos serviços da Câmara Municipal torna impraticável a cobrança de todas as receitas na

Leia mais

Relatório. de Conclusões/ Recomendações

Relatório. de Conclusões/ Recomendações Relatório de Conclusões/ Recomendações AUDITORIA: Operacional, Orientada e Ocasional Divisão de Valorização dos Recursos Humanos (DVRH) Cascais, Novembro de 2013 3 Índice 1. Conclusões e Recomendações...

Leia mais

Conclusões e Recomendações

Conclusões e Recomendações Conclusões e Recomendações AUDITORIA: OPERACIONAL Divisão de Licenciamentos Económicos Cascais, Dezembro de 2013 3 Índice 1. Conclusões e Recomendações de auditoria... 5 No âmbito do enquadramento organizacional...

Leia mais

MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS

MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS A prestação de contas é matéria que deve respeitar o quadro normativo em vigor actualmente (consultar nota final deste manual). No POCAL Simplificado,

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS 2010 5 ANÁLISE ORÇAMENTAL

RELATÓRIO E CONTAS 2010 5 ANÁLISE ORÇAMENTAL 5 ANÁLISE ORÇAMENTAL 1 PRINCIPAIS DESTAQUES [Indicadores] Indicadores 2009 RECEITA Crescimento da Receita Total -18,8 19,8 Receitas Correntes / Receitas Totais 76,1 61 Crescimento das Receitas Correntes

Leia mais

Relatório. de Conclusões/ Recomendações

Relatório. de Conclusões/ Recomendações Relatório de Conclusões/ Recomendações AUDITORIA: Operacional Divisão de Valorização dos Recursos Humanos (DVRH) Cascais, Janeiro de 2014 3 Índice 1. Enquadramento... 5 2. Conclusões e Recomendações...

Leia mais

Deliberação do Conselho Geral da Câmara dos Solicitadores de 07/01/2011

Deliberação do Conselho Geral da Câmara dos Solicitadores de 07/01/2011 Deliberação do Conselho Geral da Câmara dos Solicitadores de 07/01/2011 Considerando que: a) Quando um agente de execução cessa funções é essencial transferir os bens de que seja fiel depositário e apurar

Leia mais

Plataforma Colaborativa Gestão e Arquivo Digital de Documentos e Mensagens

Plataforma Colaborativa Gestão e Arquivo Digital de Documentos e Mensagens Pasta TOC Plataforma Colaborativa Gestão e Arquivo Digital de e Mensagens Atualização e Migração: - Atualização tecnológica para a mais recente tecnologia de desenvolvimento Oracle - Migração de conteúdos

Leia mais

ERP AIRC. Transição de Ano Económico 2014-2015 (Receita) Apresentado por: AIRC

ERP AIRC. Transição de Ano Económico 2014-2015 (Receita) Apresentado por: AIRC Apresentado por: AIRC Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 ÂMBITO... 3 1.2 OBJETIVOS... 3 1.3 REQUISITOS A OBSERVAR... 3 1.3.1 Versões das aplicações... 3 1.4 RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS... 3 2. SCA ENTRADA EM VIGOR

Leia mais

NORMAS E PRINCÍPIOS DE EXECUÇÃO ORÇAMENTAL 2015

NORMAS E PRINCÍPIOS DE EXECUÇÃO ORÇAMENTAL 2015 NORMAS E PRINCÍPIOS DE EXECUÇÃO ORÇAMENTAL 2015 CAPÍTULO I 1 Artigo 1º (Objeto) O presente documento estabelece, sem prejuízo do disposto na legislação em vigor, os princípios, regras e procedimentos aplicáveis

Leia mais

REGULAMENTO FINANCEIRO CAPÍTULO I

REGULAMENTO FINANCEIRO CAPÍTULO I REGULAMENTO FINANCEIRO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º Objeto e Âmbito de Aplicação 1. O presente regulamento define as normas relativas à obtenção de rendimentos e realização de gastos, as regras

Leia mais

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Auditoria do Tribunal de Contas à Direcção Geral do Tesouro no âmbito da Contabilidade do Tesouro de 2000 (Relatório n.º 18/2002 2ª Secção) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS

5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS 5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS 1 PRINCIPAIS DESTAQUES [Indicadores] Indicadores 2010 2011 RECEITA Crescimento da Receita Total 19,8 3,7 Receitas Correntes / Receita Total 61 67,2 Crescimento das

Leia mais

Regime de IVA de Caixa

Regime de IVA de Caixa Regime de IVA de Caixa Versão 1.4 maio de 2014 (Última atualização a 05.05.2014) Índice Índice... 2 Introdução... 3 Notas prévias... 4 Configurações Gerais... 4 Administrador...4 ERP PRIMAVERA...8 Perfis

Leia mais

Relatório. de Conclusões/ Recomendações

Relatório. de Conclusões/ Recomendações Relatório de Conclusões/ Recomendações AUDITORIA: Operacional e Orientada Pontos de Venda de Publicações Municipais Cascais, novembro de 2014 Índice 1. Enquadramento... 3 2. Conclusões e Recomendações...

Leia mais

2. Enquadramento Orçamental para o Exercício de 2015

2. Enquadramento Orçamental para o Exercício de 2015 G R A N D E S O P Ç Õ E S D O P L A N O E O R Ç A M E N T O 2 9 2. Enquadramento Orçamental para o Exercício de 2015 GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2015 3 0 G R A N D E S O P Ç Õ E S D O P L A N O

Leia mais

Freguesia de Tabuadelo e São Faustino. Concelho de Guimarães

Freguesia de Tabuadelo e São Faustino. Concelho de Guimarães Freguesia de Tabuadelo e São Faustino Concelho de Guimarães Relatório de Gerência de Contas e Relatório de Actividades Ano de 2013 Índice: Introdução:... 3 Analise Económica e Financeira... 5 Execução

Leia mais

Análise do Questionário aos Utentes Internet 2006/2007. Resumo

Análise do Questionário aos Utentes Internet 2006/2007. Resumo Análise do Questionário aos Utentes Internet 2006/2007 Resumo Nos três últimos anos a Administração Fiscal tem vindo a efectuar estudos qualitativos de periodicidade anual com o objectivo de conhecer o

Leia mais

Regulamento de Competências de Subunidades Orgânicas

Regulamento de Competências de Subunidades Orgânicas Regulamento de Competências de Subunidades Orgânicas Dando sequência ao estabelecido no art.º 2.º do Regulamento da Estrutura Flexível dos serviços municipais e usando das competências conferidas pelos

Leia mais

MUNICÍPIO DO PORTO SANTO CÂMARA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DO PORTO SANTO CÂMARA MUNICIPAL CADERNO DE ENCARGOS PROCESSO Nº 3 RH-2015 Apoio Técnico na área de Gestão de Recursos Humanos - Prestação de Serviços Ajuste Direto 1 de 10 ÍNDICE CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS... 3 Cláusula 1.ª - Objecto...

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO MADEIRA 14-20

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO MADEIRA 14-20 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL DA 2014-2020 (MADEIRA 14-20) EIXO PRIORITÁRIO 3 Reforçar a Competitividade das Empresas PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI) 3.b Desenvolvimento

Leia mais

TESOURARIA. Âmbito. Avisos a Clientes Proposta e emissão de avisos de débitos em atraso de clientes.

TESOURARIA. Âmbito. Avisos a Clientes Proposta e emissão de avisos de débitos em atraso de clientes. Página1 TESOURARIA Âmbito Recibos O módulo de recibos do Multi permite associar os valores recebidos de terceiros aos documentos regularizados, registar os meios de liquidação e emitir o Recibo. O recibo

Leia mais

NORMA DE CONTROLO INTERNO (NCI)

NORMA DE CONTROLO INTERNO (NCI) NORMA DE CONTROLO INTERNO (NCI) Freguesia de Almagreira PREÂMBULO Tendo em conta o estipulado na Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro (que estabelece o quadro de competências, assim como o regimento jurídico

Leia mais

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Conforme preceitua o Decreto Lei n.º 54-A/99 de 22 de Fevereiro, com as devidas alterações, os anexos às Demonstrações Financeiras visam facultar aos órgãos autárquicos

Leia mais

Junta de Freguesia de Roliça REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS

Junta de Freguesia de Roliça REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS Em conformidade com o disposto nas alíneas d) e j) do n.º2 do artigo 17º, conjugada com a alínea b) do n.º5 do artigo 34º da Lei das Autarquias Locais (Lei n.º169/99,

Leia mais

Relatório. de Conclusões/ Recomendações

Relatório. de Conclusões/ Recomendações Relatório de Conclusões/ Recomendações AUDITORIA: Operacional, Orientada e Ocasional Divisão de Intervenção Educativa (DIED, antiga DASE) Cascais, Junho de 2013 3 Índice 1. Conclusões e Recomendações...

Leia mais

Financiamento e Apoio às Micro e Pequenas Empresas

Financiamento e Apoio às Micro e Pequenas Empresas Financiamento e Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho da Nazaré no âmbito do Programa FINICIA Anexo I ao protocolo financeiro e de cooperação Normas e Condições de Acesso Artigo 1º. (Objectivo)

Leia mais

07.02.2012. Sumário NORMAS DE ACESSO A PROCESSOS ARQUIVADOS DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS

07.02.2012. Sumário NORMAS DE ACESSO A PROCESSOS ARQUIVADOS DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS 07.02.2012 Sumário NORMAS DE ACESSO A PROCESSOS ARQUIVADOS DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS AVISO De acordo com o disposto na alínea b) do nº. 2 do art.º 14º. do Regulamento de Organização dos Serviços Municipais

Leia mais

MANUAL DE CONTROLO INTERNO

MANUAL DE CONTROLO INTERNO MANUAL DE CONTROLO INTERNO ARSN, IP Página 1 de 12 Ed. Rev. Data Autor 00 00 s/ data Implementação do Modelo de Controlo Interno nas ACSS ARS. 01 00 jan./2013 Adequação dos procedimentos à ARSN,IP. UACI

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DE LISBOA Deliberações CMC POR: 9/10/2007, 15/07/2008, 30/01/2012 e 8/08/2012 SAÚDE (LISBOA) ENTRADA EM VIGOR DA ÚLTIMA ALTERAÇÃO EM 9/08/2012 NA REDAÇÃO DADA PELA DELIBERAÇÃO

Leia mais

MANUAL DE CONTROLO INTERNO

MANUAL DE CONTROLO INTERNO MANUAL DE CONTROLO INTERNO ARSN, IP Página 1 de 11 Ed. Rev. Data Autor 00 00 s/ data Implementação do Modelo de Controlo Interno nas ACSS ARS. 01 00 jan./2013 Adequação dos procedimentos à ARSN,IP. UACI

Leia mais

Perguntas frequentes procedimentos Código dos Contratos Públicos

Perguntas frequentes procedimentos Código dos Contratos Públicos Perguntas frequentes procedimentos Código dos Contratos Públicos Questões de âmbito geral - Os novos procedimentos adotados pela FFCUL aplicam-se a que tipologias de projeto? Os novos procedimentos implementados

Leia mais

JORNAL OFICIAL Quinta-feira, 27 de junho de 2013

JORNAL OFICIAL Quinta-feira, 27 de junho de 2013 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quinta-feira, 27 de junho de 2013 Série Sumário VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Despacho n.º 104/2013 Designa o Licenciado, António Gil Fraga Gomes Ferreira,

Leia mais

são reduzidos os requisitos de acesso; são eliminadas obrigações de prestação de serviços;

são reduzidos os requisitos de acesso; são eliminadas obrigações de prestação de serviços; O REGIME LEGAL DO ALOJAMENTO LOCAL Por Sandra Neves, Advogada A figura do alojamento local surgiu em 2008, com o DL n.º 39/2008, de 7 de Março, que aprovou o regime jurídico de instalação, exploração e

Leia mais

Unidade orgânica/áreas de atividades. Inspetor- Geral. Subinspetor- Geral

Unidade orgânica/áreas de atividades. Inspetor- Geral. Subinspetor- Geral MODELO A MAPA DE PESSOAL 05 (Estrutura de mapa de pessoal - artigo 5º LVCR) Atribuições/Competências/Atividades Unidade orgânica/áreas de atividades Inspetor- Geral Subinspetor- Geral Diretor de Serviços

Leia mais

CALENDÁRIO FISCAL Novembro de 2015

CALENDÁRIO FISCAL Novembro de 2015 DATA DE CUMPRIMENTO DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS Até ao dia 02 IUC Liquidação, por transmissão eletrónica de dados, e pagamento do Imposto Único de Circulação (IUC), relativo aos veículos cujo aniversário da

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS

PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS Artigo 1.º (Âmbito) 1 - O presente Regulamento estabelece a estrutura orgânica e as competências dos Serviços Administrativos e Financeiros

Leia mais

1. Introdução... 3 2. Principais pontos de Impacto das novas imposições Legais para 2013:... 3

1. Introdução... 3 2. Principais pontos de Impacto das novas imposições Legais para 2013:... 3 1. Introdução... 3 2. Principais pontos de Impacto das novas imposições Legais para 2013:... 3 3. Alterações por imposição legal ao funcionamento da aplicação WINOPT:... 3 3.1. Alertas / Avisos... 3 3.2.

Leia mais

Análise do Questionário aos Utentes Internet 2005/2006 Resumo

Análise do Questionário aos Utentes Internet 2005/2006 Resumo Análise do Questionário aos Utentes Internet 2005/2006 Resumo À semelhança de 2005, a Administração Fiscal encontra-se a realizar um diagnóstico da sua relação com os utentes, cidadãos e empresas, com

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Segunda-feira, 31 de março de 2014. Série. Número 44

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Segunda-feira, 31 de março de 2014. Série. Número 44 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Segunda-feira, 31 de março de 2014 Série Sumário VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL E SECRETARIA REGIONAL DO PLANO E FINANÇAS Portaria n.º 34/2014 Aprova a organização

Leia mais

Orçamento do Conselho Geral para 2012. Justificação do planeado

Orçamento do Conselho Geral para 2012. Justificação do planeado Orçamento do Conselho Geral para 2012 Justificação do planeado Esta proposta de orçamento é a primeira apresentada pelo atual Conselho Geral. É um instrumento de concretização do programa eleitoral dos

Leia mais

Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Serpa

Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Serpa Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Serpa Anexo I ao protocolo financeiro e de cooperação Normas e Condições de Acesso Artigo 1º. (Objectivo) Pretende-se colocar à disposição das

Leia mais

Análise do Questionário aos Notários 2006/2007. Resumo

Análise do Questionário aos Notários 2006/2007. Resumo Análise do Questionário aos Notários 2006/2007 Resumo Nos três últimos anos a Administração Fiscal tem vindo a efectuar estudos qualitativos de periodicidade anual com o objectivo de conhecer o grau de

Leia mais

MANUAL DE APOIO SISTEMA INTEGRADO DE DOCUMENTOS E ATENDIMENTO MUNICIPAL

MANUAL DE APOIO SISTEMA INTEGRADO DE DOCUMENTOS E ATENDIMENTO MUNICIPAL Município de Alfândega da Fé Câmara Municipal GABINETE de INFORMATICA (GI) MANUAL DE APOIO SISTEMA INTEGRADO DE DOCUMENTOS E ATENDIMENTO MUNICIPAL - CMAF Versão 2.00 PS.05_MAN.01 GI GABINETE de INFORMATICA

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO REGULAMENTO DO APOIO TÉCNICO À CRIAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DE PROJETOS

PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO REGULAMENTO DO APOIO TÉCNICO À CRIAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DE PROJETOS PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO REGULAMENTO DO APOIO TÉCNICO À CRIAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DE PROJETOS Portaria n.º 985/2009, de 4 de setembro, alterada pela Portaria n.º

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Procedimento de Controlo Interno

SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Procedimento de Controlo Interno SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Procedimento de Controlo Interno Página 2 de 11 ORIGINAL Emissão Aprovação Data Data / / (Orgânica Responsável) / / (Presidente da Câmara) REVISÕES REVISÃO N.º PROPOSTO APROVAÇÃO

Leia mais

Câmara Municipal de Águeda

Câmara Municipal de Águeda Câmara Municipal de Águeda Fundamentação Económico-Financeira das Taxas e Licenças Municipais 1. Introdução As taxas e licenças municipais resultam essencialmente da prestação de serviços públicos locais,

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Designação da Entidade: CÂMARA MUNICIPAL DE ODIVELAS Gerência de 1 de Janeiro a 31 de Dezembro de 2006 8.2.1 Não se aplica. 8.2.2 Os conteúdos das contas

Leia mais

SIADAP Sistema Integrado de Gestão e Avaliação do Desempenho na Administração Pública

SIADAP Sistema Integrado de Gestão e Avaliação do Desempenho na Administração Pública SIADAP Sistema Integrado de Gestão e Avaliação do Desempenho na Administração Pública (Lei n.º 66-B/2007, de 28 de dezembro, com as alterações introduzidas pela Lei n.º 66-B/2012, de 31 de dezembro) 1

Leia mais

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria www.anotherstep.pt 2 Sumário Ponto de situação Plano de Ações de Melhoria PAM Enquadramento e planeamento Selecção das Ações de Melhoria Fichas de

Leia mais

ADSE DIRETA MANUAL DE UTILIZAÇÃO PARA PRESTADORES DA REDE DA ADSE

ADSE DIRETA MANUAL DE UTILIZAÇÃO PARA PRESTADORES DA REDE DA ADSE ADSE DIRETA MANUAL DE UTILIZAÇÃO PARA PRESTADORES DA REDE DA ADSE 2 ÍNDICE ADSE Direta... 4 Serviços Disponíveis... 6 Atividade Convencionada... 7 Atualizar/Propor Locais de Prestação... 9 Propor Novo

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE MAPA DE OBRIGAÇÕES FISCAIS E PARAFISCAIS DE OUTUBRO 2015 Dia 12: IVA: Envio da declaração mensal referente ao mês de agosto 2015 e anexos. IVA: Pagamento do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA), a

Leia mais

1.2- Breves Considerações sobre a Implementação do SISTAFE

1.2- Breves Considerações sobre a Implementação do SISTAFE I INTRODUÇÃO 1.1 Enquadramento Legal A Constituição da República de Moçambique estabelece, na alínea l) do n.º 2 do artigo 179, que é da exclusiva competência da Assembleia da República deliberar sobre

Leia mais

CALENDÁRIO FISCAL Outubro de 2015

CALENDÁRIO FISCAL Outubro de 2015 CALENDÁRIO FISCAL DATA DE CUMPRIMENTO DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS Até ao dia 12 Envio da Declaração Periódica, por transmissão eletrónica de dados, acompanhada dos anexos que se mostrem devidos, pelos sujeitos

Leia mais

MUNICÍPIO DE CASTRO VERDE CÂMARA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DE CASTRO VERDE CÂMARA MUNICIPAL MUNICÍPIO DE CASTRO VERDE CÂMARA MUNICIPAL EDITAL (nº112/2013) António João Fernandes Colaço, Vice-Presidente da Câmara Municipal de Castro Verde, no uso da competência delegada conforme despacho do Presidente

Leia mais

Regulamento de Propina

Regulamento de Propina Regulamento de Propina 2015 2015 ÍNDICE SECÇÃO I Curso de Licenciatura em Enfermagem... 4 Artigo 1º Valor da Propina... 4 Artigo 2º Modalidades de pagamento... 4 SECÇÃO II Cursos de Pós-Licenciatura e

Leia mais

MANUAL DE CONTROLO INTERNO

MANUAL DE CONTROLO INTERNO MANUAL DE CONTROLO INTERNO ARSN, IP Página 1 de 12 Ed. Rev. Data Autor 00 00 s/ data Implementação do Modelo de Controlo Interno nas ACSS ARS. 01 00 jan./2013 Adequação dos procedimentos à ARSN,IP. UACI

Leia mais

REGULAMENTO DE INCENTIVOS À CRIAÇÃO DE EMPREGO E AO EMPREENDEDORISMO JOVEM - VERSÃO ATUALIZADA (DEZ/2014) -

REGULAMENTO DE INCENTIVOS À CRIAÇÃO DE EMPREGO E AO EMPREENDEDORISMO JOVEM - VERSÃO ATUALIZADA (DEZ/2014) - REGULAMENTO DE INCENTIVOS À CRIAÇÃO DE EMPREGO E AO EMPREENDEDORISMO JOVEM - VERSÃO ATUALIZADA (DEZ/2014) - PREÂMBULO A definição e implementação de uma política local promotora da dinamização da atividade

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 8.2 - NOTAS AO BALANÇO E A DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 Indicação e justificação das disposições do POCAL que, em casos excecionais, devidamente fundamentados e sem

Leia mais

Referencial Elaboração do Contrato de Consórcio

Referencial Elaboração do Contrato de Consórcio Referencial Elaboração do Contrato de Consórcio Sistema de Incentivos à I&DT e Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONTRATO CONSÓRCIO EXTERNO Aplicável a projectos de I&DT

Leia mais

DIVISÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E COESÃO SOCIAL SETOR SERVIÇOS EDUCATIVOS

DIVISÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E COESÃO SOCIAL SETOR SERVIÇOS EDUCATIVOS DIVISÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E COESÃO SOCIAL SETOR SERVIÇOS EDUCATIVOS EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR ANO LETIVO 2015/2016 I APRESENTAÇÃO A educação pré-escolar contribui de forma significativa para o desenvolvimento

Leia mais

Regulamento de Funcionamento

Regulamento de Funcionamento AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE S. PEDRO DO SUL Avaliação de Desempenho Pessoal não Docente Regulamento de Funcionamento Regulamento da Avaliação de Desempenho do Pessoal não Docente do Agrupamento de Escolas

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO Novembro/2014 Índice INTRODUÇÃO... 3 Balanço da execução do plano... 4 Conclusão... 5 Recomendações... 8 REVISÃO DO

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA DOS ENCONTROS DE SABEDORIA DA AMUT

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA DOS ENCONTROS DE SABEDORIA DA AMUT REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA DOS ENCONTROS DE SABEDORIA DA AMUT Conteúdo Artigo 1º... 3 OBJECTIVO... 3 Artigo 2º... 3 CONCEITO DE ENCONTRO DE SABEDORIA... 3 Artigo 3º... 3 ÂMBITO

Leia mais

REGULAMENTO DE CONSTITUIÇÃO E REGULARIZAÇÃO DE FUNDOS DE MANEIO

REGULAMENTO DE CONSTITUIÇÃO E REGULARIZAÇÃO DE FUNDOS DE MANEIO REGULAMENTO DE CONSTITUIÇÃO E REGULARIZAÇÃO DE FUNDOS DE MANEIO Em conformidade com a Lei n.º 8/2012, de 21 de fevereiro e Decreto-Lei n.º 127/2012, de 21 de junho Aprovado na reunião ordinária da Câmara

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO. CAPÍTULO I Disposições Comuns

REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO. CAPÍTULO I Disposições Comuns REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO CAPÍTULO I Disposições Comuns SECÇÃO I Disposições gerais Artigo 1.º Objecto O presente regulamento procede

Leia mais

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Aprovado pela Câmara em 6/02/2003, alterado em Reunião de Câmara de 18/09/2003 Aprovado pela Assembleia Municipal em

Leia mais

Relatório de Avaliação do Sistema de Gestão da Qualidade

Relatório de Avaliação do Sistema de Gestão da Qualidade Relatório de Avaliação do Sistema de Gestão da Qualidade Referente ao período de janeiro a dezembro de 2014 Município de Terras de Bouro Elaborado em 29 de janeiro de 2015 janeiro de 2013 MUNICÍPIO DE

Leia mais

INSTRUÇÃO N.º 44/2012 - (BO N.º 12, 17.12.2012) SUPERVISÃO Supervisão Comportamental

INSTRUÇÃO N.º 44/2012 - (BO N.º 12, 17.12.2012) SUPERVISÃO Supervisão Comportamental INSTRUÇÃO N.º 44/2012 - (BO N.º 12, 17.12.2012) Temas SUPERVISÃO Supervisão Comportamental ASSUNTO: Comunicação de informação relativa a contratos de crédito abrangidos pelos procedimentos previstos no

Leia mais

Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto *

Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto * Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto * Nos termos da Resolução do Conselho de Ministros n.º 103/2002, de 26 de Julho, que aprovou o Programa para a Produtividade e o Crescimento da Economia, foi delineado

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA TESOURARIA

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA TESOURARIA Coordenação: Conselho para a Avaliação e Qualidade Gabinete de Qualidade, Avaliação e Procedimentos Instituto Politécnico de Beja Rua Pedro Soares, s/n 7800-295 BEJA Equipa Técnica: João Leal Manuel Monge

Leia mais

FAQ S Certificação Software GM

FAQ S Certificação Software GM FAQ S Certificação Software GM Macwin - Sistemas Informáticos S.A. A Portaria nº 363/2010, de 23 de Junho de 2010, regulamentou o processo de certificação dos programas informáticos de facturação tendo

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Procedimento de Controlo Interno

SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Procedimento de Controlo Interno SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Procedimento de Controlo Interno Edição: 0.1 JUL/2013 Página 2 de 19 ORIGINAL Emissão Aprovação Data Data / / (Orgânica Responsável) / / (Presidente da Câmara) REVISÕES REVISÃO

Leia mais

Plano de Sustentabilidade e Gestão da Segurança Social PSGSS

Plano de Sustentabilidade e Gestão da Segurança Social PSGSS Plano de Sustentabilidade e Gestão da Segurança Social PSGSS Manuel Moreira Coordenador do PSGSS Benguela, 22 e 23 de Maio Agenda Objetivos Gerais Objectivos Estratégicos Estrutura do Projecto Inciativas

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE AUDITORIA Entidade Auditada: BIBLIOTECA MUNICIPAL SANTA MARIA DA FEIRA Tipo de Auditoria: Auditoria Interna Data da Auditoria: 09.12.2014 Duração: 1 dia Locais Auditados: Av. Dr. Belchior Cardoso da Costa / 4520-606

Leia mais

Projeto do Regulamento Orgânico da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa

Projeto do Regulamento Orgânico da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Projeto do Regulamento Orgânico da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa CAPÍTULO I Disposições gerais Art.º 1.º Habilitação O Regulamento Orgânico da FCUL assenta nos preceitos da legislação

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO. Titulo: Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO V09. Sistema de Gestão da Qualidade

IDENTIFICAÇÃO. Titulo: Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO V09. Sistema de Gestão da Qualidade IDENTIFICAÇÃO Titulo: Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO V09 Código: CMSeixalSGQ_2600204_ManualGestaoV09 Destinatários: Trabalhadores, Munícipes e Utentes da CMSeixal Campo de aplicação:

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS Fundo de Eficiência Energética PERGUNTAS E RESPOSTAS Aviso 09 - Auditoria Elevadores Edifícios Serviços 2015 Perguntas e Respostas Aviso 09 - Auditoria Elevadores Edifícios Serviços 2015 v0 0 ÍNDICE ÂMBITO

Leia mais

Medidas intersectoriais 2010/11

Medidas intersectoriais 2010/11 Medidas intersectoriais 2010/11 IS01 BALCÃO DO EMPREENDEDOR DISPONIBILIZAÇÃO DE SERVIÇOS Objectivos: Inventariar, introduzir e manter permanentemente actualizados no Balcão do Empreendedor vários serviços,

Leia mais

Perguntas e Respostas. Aviso 06 - Enchimento de Pneus a Nitrogénio 2014

Perguntas e Respostas. Aviso 06 - Enchimento de Pneus a Nitrogénio 2014 ÂMBITO GERAL Perguntas e Respostas Aviso 6 - Enchimento de Pneus a Nitrogénio 14 1. O que é o FEE Fundo de Eficiência Energética? O Fundo de Eficiência Energética (FEE) é um instrumento financeiro que

Leia mais

RELATÓRIO DE IMPLEMENTAÇÃO DO PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRAÇÕES CONEXAS PARA 2012

RELATÓRIO DE IMPLEMENTAÇÃO DO PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRAÇÕES CONEXAS PARA 2012 RELATÓRIO DE IMPLEMENTAÇÃO DO PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRAÇÕES CONEXAS PARA 2012 1 de 7 1) INTRODUÇÃO Na sequência da Recomendação do Conselho de Prevenção da Corrupção de 1 de julho

Leia mais

Projeto do plano de classificação: Desenvolvimento e Expetativas

Projeto do plano de classificação: Desenvolvimento e Expetativas Projeto do plano de classificação: Desenvolvimento e Expetativas Daniel de Melo Helena Neves Natália Antónia Município de Lisboa Dificuldades sentidas Conceitos - série documental - abordagem por processos

Leia mais

Manual de Procedimentos. Volume 9.8 Serviços de Saúde do IST

Manual de Procedimentos. Volume 9.8 Serviços de Saúde do IST Manual de Procedimentos Volume 9.8 Serviços de Saúde do IST Índice Princípios Gerais... 3 Abreviaturas e Acrónimos... 4 Legislação Aplicável... 5 Mapa de Atualização do Documento... 6 Capítulo 1 - Serviços

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009 O Decreto Regulamentar n.º 84-A/2007, de 10 de Dezembro, estabeleceu o enquadramento

Leia mais

Projeto de Alteração ao Regulamento Geral e Tabela de Taxas e Licenças do Município de Arganil

Projeto de Alteração ao Regulamento Geral e Tabela de Taxas e Licenças do Município de Arganil Projeto de Alteração ao Regulamento Geral e Tabela de Taxas e Licenças do Município de Arganil Nota Justificativa O Decreto-Lei n.º 48/2011, de 1 de Abril, publicado no âmbito do Programa Simplex, veio

Leia mais

Identificação da empresa. Missão

Identificação da empresa. Missão Identificação da empresa SPMS - Serviços Partilhados do Ministério da Saúde, EPE, pessoa coletiva de direito público de natureza empresarial, titular do número único de matrícula e de pessoa coletiva 509

Leia mais

FAQ'S - Perguntas frequentes

FAQ'S - Perguntas frequentes 1 de 5 SOBRE O E-FATURA FAQS CONTACTOS FAQ'S - Perguntas frequentes CLIENTE / CONSUMIDOR FINAL Em que consiste o novo regime de faturação eletrónica? O novo regime de faturação eletrónica consiste na obrigatoriedade

Leia mais

Câmara Municipal de Vila Pouca de Aguiar. [Sistema de Gestão da Qualidade]

Câmara Municipal de Vila Pouca de Aguiar. [Sistema de Gestão da Qualidade] Câmara Municipal de Vila Pouca de Aguiar [Sistema de Gestão da Qualidade] Relatório da Auditoria 12 de junho de 2015 1 1. INTRODUÇÃO, ÂMBITO E OBJETIVO DA AUDITORIA A Auditoria realizada ao Sistema de

Leia mais

ERP AIRC. Alteração da Taxa de IVA Região Autónoma dos Açores (OE 2014) Apresentado por: AIRC

ERP AIRC. Alteração da Taxa de IVA Região Autónoma dos Açores (OE 2014) Apresentado por: AIRC Apresentado por: AIRC Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 ÂMBITO... 3 1.2 VERSÕES MÍNIMAS REQUERIDAS... 3 2. PROCEDIMENTOS... 4 2.1 PROCEDIMENTO [1]... 4 2.2 PROCEDIMENTO [2]... 5 2.2.1 TAX Sistema de Taxas

Leia mais

Publicado em 2013-02-27 14h:28m N.º 257 http://www.cm-oaz.pt/boletimmunicipal/257.html

Publicado em 2013-02-27 14h:28m N.º 257 http://www.cm-oaz.pt/boletimmunicipal/257.html Manutenção da Comissão de Serviço Divisão Municipal de Auditoria interna, Planeamento e Sistemas de Informação Considerando - Que as Câmaras Municipais devem promover a adequação dos serviços até 31 de

Leia mais

8.2.1 Disposições do Plano Oficial de Contabilidade (POCAL) e Derrogações

8.2.1 Disposições do Plano Oficial de Contabilidade (POCAL) e Derrogações NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Introdução: As notas que a seguir se apresentam visam facultar aos órgãos autárquicos a informação necessária ao exercício das suas competências, permitindo

Leia mais

Regulamento para atribuição do Financiamento Incentivo. 2014 Estímulo à Contratação e Retenção de Recursos Humanos

Regulamento para atribuição do Financiamento Incentivo. 2014 Estímulo à Contratação e Retenção de Recursos Humanos Regulamento para atribuição do Financiamento Incentivo 2014 Estímulo à Contratação e Retenção de Recursos Humanos O crescimento do Sistema Científico e Tecnológico Nacional nas últimas duas décadas foi

Leia mais

ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS RESPOSTAS SOCIAIS

ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS RESPOSTAS SOCIAIS 1. bjectivo presente documento tem como objectivo definir o esquema de acreditação para a Certificação do Serviço proporcionado pelas várias Respostas Sociais, tendo em conta os Modelos de Avaliação da

Leia mais

Regulamento do pagamento de propinas e outras taxas de frequência do Instituto Politécnico de Leiria PREÂMBULO

Regulamento do pagamento de propinas e outras taxas de frequência do Instituto Politécnico de Leiria PREÂMBULO DESPACHO N.º /2015 Regulamento do pagamento de propinas e outras taxas de frequência do Instituto Politécnico de PREÂMBULO Considerando a experiência adquirida no Instituto Politécnico de (IP) com a aplicação

Leia mais

NORMA DE PAGAMENTOS. Componente FEDER

NORMA DE PAGAMENTOS. Componente FEDER NORMA DE PAGAMENTOS Componente A PRESENTE NORMA DE PAGAMENTOS APLICA-SE AOS PEDIDOS DE PAGAMENTOS A FORMALIZAR (APÓS 18-01-2013) E AINDA AOS QUE SE ENCONTRAM EM ANÁLISE NO IDE- RAM, NO ÂMBITO DO SISTEMAS

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 16º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 16º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 16º Subsídios e subvenções Processo: nº 3141, despacho do SDG dos Impostos, substituto legal do Director - Geral, em 2012-05-28. Conteúdo: Tendo por referência

Leia mais

CONTRIBUTO DA UGT SOBRE O PROGRAMA INTEGRADO DO REFORÇO DO COMBATE À EVASÃO E À FRAUDE FISCAL

CONTRIBUTO DA UGT SOBRE O PROGRAMA INTEGRADO DO REFORÇO DO COMBATE À EVASÃO E À FRAUDE FISCAL CONTRIBUTO DA UGT SOBRE O PROGRAMA INTEGRADO DO REFORÇO DO COMBATE À EVASÃO E À FRAUDE FISCAL I. INTRODUÇÃO No âmbito dos compromissos assumidos pelo Governo em sede de Concertação Social, o Governo apresentou

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º X/2015 Capital de Risco, Empreendedorismo Social e Investimento Especializado (Revoga o regulamento da CMVM n.

Regulamento da CMVM n.º X/2015 Capital de Risco, Empreendedorismo Social e Investimento Especializado (Revoga o regulamento da CMVM n. Regulamento da CMVM n.º X/2015 Capital de Risco, Empreendedorismo Social e Investimento Especializado (Revoga o regulamento da CMVM n.º 1/2008) [Preâmbulo] Assim, ao abrigo do disposto no n.º 2 do artigo

Leia mais

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS - GABINETE DO SECRETÁRIO DE ESTADO DOS ASSUNTOS FISCAIS. Despacho normativo n.º 17/2014, de 26 de dezembro

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS - GABINETE DO SECRETÁRIO DE ESTADO DOS ASSUNTOS FISCAIS. Despacho normativo n.º 17/2014, de 26 de dezembro Legislação Diploma Despacho normativo n.º 17/2014, de 26 de dezembro Estado: vigente Resumo: Despacho Normativo que altera o Despacho Normativo nº 18-A/2010, de 1 de julho. Publicação: Diário da República

Leia mais

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020.

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020.063 NOTAS AO BALANÇO E A DEMONSTRAÇÃO

Leia mais