PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL"

Transcrição

1 SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE MINISTÉRIO DA SAÚDE INSTITUTO EVANDRO CHAGAS PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2009 Ananindeua-PA, 31/03/2010

2 Ministério da Saúde MS Secretaria de Vigilância em Saúde SVS Instituto Evandro Chagas IEC Assessoria de Planejamento PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2009 Relatório de Gestão apresentado ao tribunal de Contas da União como prestação de contas anual a que esta Unidade está obrigada nos termos do art. 70 da Constituição Federal, elaborado de acordo com as disposições da Instrução Normativa TCU nº 57/2008, da Decisão Normativa TCU nº 100/2009 e da Portaria TCU nº 389/2009. Ananindeua-PA, 31/03/2010

3 2010, MS/SVS/Instituto Evandro Chagas Presidente da República Luis Inácio Lula da Silva Ministro da Saúde MS José Gomes Temporão Secretaria de Vigilância em Saúde SVS Secretário-Executivo Gerson Oliveira Penna Instituto Evandro Chagas IEC Diretora Elisabeth Conceição de Oliveira Santos Serviços, Seções e Unidades de Apoio João Carlos Lopes da Silva Gilberta Bensabath Margarete Maria de Figueiredo Garcia Pedro Fernando da Costa Vasconcelos Maria Luiza Lopes Raimundo Bahia Pantoja Manoel do Carmo Pereira Soares Iracina Maura de Jesus Sebastião Aldo da Silva Valente Manoel Gomes da Silva Filho Alexandre da Costa Linhares Vânia Barbosa da Cunha Araújo Nelson Veiga Gonçalves José António Picanço Diniz Junior Serviço de Administração Serviço de Epidemiologia Serviço de Recursos Humanos Seção de Arbovirologia e Febres Hemorrágicas Seção de Bacteriologia e Micologia Seção de Criação e Produção de Animais de Lab. Seção de Hepatologia Seção de Meio Ambiente Seção de Parasitologia Seção de Patologia Seção de Virologia Biblioteca Laboratório de Geoprocessamento Laboratório de Microscopia Eletrônica 3

4 Consolidação do relatório Assessoria de Planejamento Maria do Perpétuo Socorro Gonçalves dos Santos Coordenação Normalização e editoração Biblioteca do IEC Colaboração Os textos de cada área são de autoria dos Serviços, Seções, e Unidades de apoio à Pesquisa. SERVIÇOS Serviço de Administração Serviço de Epidemiologia Serviço de Recursos Humanos SEÇÕES CIENTÍFICAS Seção de Arbovirologia e Febres Hemorrágicas Seção de Bacteriologia e Micologia Seção de Criação e Produção de Animais de Laboratório Seção de Hepatologia Seção de Meio Ambiente Seção de Parasitologia Seção de Patologia Seção de Virologia UNIDADE DE APOIO A PESQUISA Biblioteca Laboratório de Geoprocessamento Laboratório de Microscopia Eletrônica Instituto Evandro Chagas (Ananindeua PA) Relatório de gestão Ananindeua, f.: il. 1. Relatório anual. 2. Gestão em saúde. 3 Instituto Governamentais de Pesquisa. I. Título. CDU: (075) 4

5 Lista de Tabelas Tabela 1 Tabela 2 Tabela 3 Tabela 4 Tabela 5 Tabela 6 Tabela 7 Tabela 8 Tabela 9 Tabela 10 Tabela 11 Tabela 12 Tabela 13 Análise das amostras de soros recebidas para pesquisa de anticorpos para arbovírus por inibição de hemaglutinação (IH), realizada na Seção de Arbovirologia do Instituto Evandro Chagas, Ananindeua Pará, Análise das amostras de soros recebidas para detecção de anticorpos IgM para arbovírus por ELISA, realizada na Seção de Arbovirologia do Instituto Evandro Chagas, Ananindeua Pará, Espécimes clínicos, de acordo a procedência, inoculados em cultura de células de Aedes albopictus clone C6/36 para tentativas de isolamento de arbovírus, especialmente Dengue realizada na Seção de Arbovirologia do Instituto Evandro Chagas, Ananindeua Pará, Espécimes clínicos inoculados, em cultura de células (VERO), para isolamento de arbovírus, na Seção de Arbovirologia do Instituto Evandro Chagas, Ananindeua Pará, Amostras biológicas inoculadas, em camundongos recém nascidos para tentativas de isolamento de arbovírus, na Seção de Arbovirologia do Instituto Evandro Chagas, Ananindeua Pará, Análise das amostras para detecção de arbovírus por RT-PCR, realizada pela Seção de Arbovirologia do Instituto Evandro Chagas, Ananindeua Pará, Distribuição, por gênero, das cepas virais caracterizadas através da reação de seqüenciamento nucleotídico, na Seção de Arbovirologia do Instituto Evandro Chagas, Ananindeua Pará, Número de artrópodes identificados, segundo mês e procedência na Seção de Arbovirologia do Instituto Evandro Chagas, Ananindeua Pará, Número de amostras recebidas para detecção de anticorpos para Arbovirus pela biologia molecular, na Seção de Arbovirologia do Instituto Evandro Chagas, Ananindeua Pará, Amostras de casos suspeitos de SCPH testadas pela técnica de RT Nested-PCR, na Seção de Arbovirologia do Instituto Evandro Chagas, Ananindeua Pará, Amostras biológicas de roedores silvestres testados (sangue) pela técnica de ELISA IgG utilizando o antígeno N-ANDES ou pelo Kit ICC EIE IgG HANTEC, na Seção de Arbovirologia do Instituto Evandro Chagas, Ananindeua Pará, Amostras de casos suspeitos de SCPH e contatos, testadas para o diagnóstico de hantaviroses na Seção de Arbovirologia do Instituto Evandro Chagas, Ananindeua Pará, Distribuição das cepas virais caracterizadas, através da reação de seqüenciamento de nucleotídeos, no período de janeiro a dezembro de 5

6 2009 na Seção de Arbovirologia do Instituto Evandro Chagas, Ananindeua Pará Tabela 14 Tabela 15 Tabela 16 Tabela 17 Tabela 18 Tabela 19 Tabela 20 Tabela 21 Tabela 22 Tabela 23 Tabela 24 Tabela 25 Espécimes clínicas oriundas dos estados brasileiros para detecção de Dengue e Oropouche, através do cultivo celular na Seção de Arbovirologia do Instituto Evandro Chagas, Ananindeua Pará, Espécimes clínicas oriundas dos municípios do estado do Pará para detecção de Dengue e Oropouche, através do cultivo celular na Seção de Arbovirologia do Instituto Evandro Chagas, Ananindeua Pará, Amostras de casos suspeitos de Raiva testadas pela técnica de Imunofluorescência direta (IF) e Prova Biológica (PB) na Seção de Arbovirologia do Instituto Evandro Chagas, Ananindeua Pará, Total de espécimes hematófagos identificados no Laboratório de Entomologia da Seção de Arbovirologia do Instituto Evandro Chagas, Ananindeua Pará, oriundos do Pará e de outros Estados, no período de janeiro a dezembro de Antígenos e Antisoros produzidos e distribuídos pelo IEC, Seção de Arbovirologia do Instituto Evandro Chagas, Ananindeua Pará, Surtos de Epizootias de Febre Amarela, Oropouche e Encefalite atendidos pela Seção de Arbovirologia do Instituto Evandro Chagas, em Discriminação dos testes realizados em apoio à pesquisa nos Laboratórios da Seção de Virologia deste Instituto, por mês e etiologia em 2009, Ananindeua-Pa Quantidade de amostras suspeitas do vírus influenza H1N1 recebidas e processadas no Laboratório de Vírus Respiratórios do IEC, Ananindeua- Pa, em Quantidade de amostras analisadas para detecção de anticorpos IgM e IgG específicos para. o Parvovírus B19 e Herpes Vírus Humano tipo 6 (HHV-6) no Laboratório de Parvovirus do IEC, Ananindeua-Pa, em Número de testes realizados com a sorologia (RIFI e/ou ELISA), visando apoiar as pesquisas em diversas áreas e a elucidação diagnóstica de material enviado de outros municípios, em Exames Realizados para diagnóstico da Doença de Chagas realizados no Instituto Evandro Chagas, no ano de Resultados dos exames bacteriológicos realizados no monitoramento da qualidade da água realizado no manancial do Utinga, Belém-Pa,

7 Tabela 26 Tabela 27 Tabela 28 Tabela 29 Resultado do isolamento de Vibrio cholerae e Vibrio mimicus de acordo com os diferentes pontos de monitoramento e os respectivos números de cepas isoladas, Belém-Pa, no período janeiro a dezembro de Distribuição mensal dos isolados de Vibrio cholerae de acordo com os pontos de monitoramento na região metropolitana de Belém-Pa no período de janeiro a dezembro, Quantitativo de amostras analisadas no Laboratório de Microbiologia Ambiental/SAMAM/IEC em 2009, segundo parâmetros, na matriz água Distribuição das amostras, destinadas ao estudo de cianotoxinas e metal no plâncton, coletadas pelo Laboratório de Microbiologia Ambiental (SAMAM/IEC) durante o período de novembro de 2008 a outubro de 2009, no âmbito do Projeto Barcarena Tabela 30 Metais encontrados no plâncton (resultado em %. Relação: 1%=10000(mg/kg) (ppm) Tabela 31 Tabela 32 Tabela 33 Tabela 34 Tabela 35 Tabela 36 Distribuição das amostras, destinadas ao estudo qualitativo das cianobactérias e do fitoplâncton, coletadas pelo Laboratório de Microbiologia Ambiental (SAMAM/IEC), durante o período de novembro de 2008 a outubro de 2009, no âmbito do Projeto Barcarena Distribuição das amostras, destinadas ao estudo quantitativo do fitoplâncton, das cianobactérias e da biomassa fitoplânctônica (Clorofila a), coletadas pelo Laboratório de Microbiologia Ambiental (SAMAM/IEC) durante o período de novembro de 2008 a outubro de 2009, no âmbito do Projeto Barcarena Distribuição das amostras, destinadas ao estudo da diversidade molecular, coletadas pelo Laboratório de Microbiologia Ambiental (SAMAM/IEC) durante o período de 2009, no âmbito do Projeto Barcarena Distribuição das amostras, destinadas ao estudo qualitativo e quantitativo do Zooplâncton, coletadas pelo Laboratório de Microbiologia Ambiental (SAMAM/IEC) durante o período de novembro de 2008 a outubro de 2009, no âmbito do Projeto Barcarena Distribuição das amostras, destinadas a quantificação dos coliformes termotolerantes e E.coli, coletadas pelo Laboratório de Microbiologia Ambiental (SAMAM/IEC), durante 2009, nas marés enchente e vazante, no âmbito do Projeto Barcarena Quantitativo de amostras analisadas no Laboratório de Físico- Química/SAMAM/IEC em 2009, segundo parâmetros e Instituições solicitantes, na matriz água Tabela 37 Análises sorológicas para Rubéola, Tabela 38 Análises sorológicas para HCMV,

8 Tabela 39 Tabela 40 Tabela 41 Tabela 42 Tabela 43 Tabela 44 Tabela 45 Tabela 46 Tabela 47 Resultados das análises de metais e amônio em amostras de água superficial do rio Murucupi durante a maré vazante no dia 28/04/2009, durante a ocorrência do acidente ambiental de lançamento de efluentes da bacia de resíduos (lama vermelha) do processo de beneficiamento de bauxita no município de Barcarena, Estado do Pará Resultados das análises de ânions em amostras de água superficial do rio Murucupi durante a maré vazante no dia 28/04/2009, durante a ocorrência do acidente ambiental de lançamento de efluentes da bacia de resíduos (lama vermelha) do processo de beneficiamento de bauxita no município de Barcarena, Estado do Pará Resultados físico-químicos em amostras de água superficial do rio Murucupi durante a maré vazante no dia 28/04/2009, durante a ocorrência do acidente ambiental de lançamento de efluentes da bacia de resíduos (lama vermelha) do processo de beneficiamento de bauxita no município de Barcarena, Estado do Pará Análises cromatográficas realizadas em diversas matrizes no Laboratório de Toxicologia da SAMAM em Quantidade de volumes de material biológico recebido na Central de Recebimento de Espécimes do IEC em Demonstrativo dos Municípios do Pará que enviaram maior número de material biológico ao IEC em Demonstrativo dos agravos e a quantidade de material biológico recebido em 2009, para investigação epidemiológica Demonstrativo do material biológico recebido no IEC para investigação epidemiológica, por área técnica em Trabalhadores qualificados segundo modalidade de capacitação, IEC Tabela 48 Evolução desta atividade nos últimos quatro anos Tabela 49 Quantidade de Alunos orientados por pesquisadores do IEC em Tabela 50 Tabela 51 Tabela 52 Tabela 53 Consolidado sobre o atendimento realizado aos usuários internos e externos, pela Biblioteca do IEC em 2009, em Ananindeua-Pará Quantitativo de trabalhos revisados em português, inglês e espanhol para a Revista Pan-Amazônica de Saúde, de julho a dezembro de 2009, em Ananindeua/PA Quantitativo de trabalhos traduzidos de português para espanhol e de espanhol para português para a Revista Pan-Amazônica de Saúde, de julho a dezembro de 2009, em Ananindeua/PA Quantitativo de trabalhos traduzidos de português para inglês e de inglês para português para a Revista Pan-Amazônica de Saúde, de julho a dezembro de 2009, em Ananindeua/PA

9 Tabela 54 Tabela 55 Tabela 56 Tabela 57 Tabela 58 Tabela 59 Tabela 60 Tabela 61 Tabela 62 Tabela 63 Tabela 64 Tabela 65 Atividades de digitalização de artigos científicos e capítulos de livros, realizadas em 2009, na Biblioteca do IEC, em Ananindeua Download de artigos, livros localizados na web realizados em 2009 na Biblioteca do IEC, em Ananindeua Acessos por países à página do IEC, durante o período de janeiro a dezembro de Acessos por cidades brasileiras à página do IEC, durante o período de janeiro a dezembro de Países e cidades estrangeiras que mais acessaram a página do IEC, durante o período de janeiro a dezembro de Acessos por instituições nacionais à página do IEC, durante o período de janeiro a dezembro de Acessos por instituição internacional à página do IEC, durante o período de janeiro a dezembro de Acessos por assunto à página do IEC, durante o período de janeiro a dezembro de Acessos à página da BVS IEC por país durante o período de janeiro a dezembro de Acessos aos conteúdos da página da BVS IEC durante o período de janeiro a dezembro de Acessos por instituições à página da BVS IEC durante o período de janeiro a dezembro de Quantidade de sangue fornecida no período de janeiro a novembro de Tabela 66 Espécimes Produzidos no IEC no período de jan a dez de Tabela 67 Tabela 68 Tabela 69 Quantidade de animais (mus musculus) fornecidos a Outras Instituições em 2009, pelo IEC Quantidade de animais (Hamsters) fornecidos a Outras Instituições em 2009, pelo IEC Quantidade de animais (Cobaio) fornecidos a Outras Instituições em 2009, pelo IEC Tabela 70 Quantidade de animais (Ratos) fornecidos a Outras Instituições em 2009, pelo IEC Tabela 71 Dispensas, Inexigibilidades e Licitações realizadas no IEC em Tabela 72 Valores dos processos empenhados e o respectivo percentual Tabela 73 Acessos por cidades brasileiras à página compras do IEC, durante o 9

10 período de janeiro a dezembro de Tabela 74 Tabela 75 Tabela 76 Tabela 77 Acessos por países à página Compras do IEC, durante o período de janeiro a Dezembro de Acessos à página Compras IEC por conteúdo, durante o período de Janeiro a Dezembro de Consolidado das entradas, saídas e do saldo em estoque no Almoxarifado do IEC em Valores gastos com suprimento de fundos em 2009, por mês de utilização Tabela 78 Consumo das Unidades cadastradas no SISMAT em Tabela 79 Quantidade de material recebido da prestadora de serviços de Conservação e Limpeza Tabela 80 Recursos Orçamentários Tabela 81 Investimento em Equipamentos por Setor/Seção em Tabela 82 Demonstrativo das aquisições dos programas do MS/SVS Tabela 83 Tabela 84 Tabela 85 Quantidade de resíduos oriundos da coleta seletiva doados em Quantitativo de pesquisas realizadas no IEC, incluindo as mantidas de anos anteriores e as iniciadas em Meta prevista e realizada referente à ação especifica do IEC em Tabela 86 Programação orçamentária Tabela 87 Despesas por modalidade de contratação realizada no IEC em Tabela 88 Tabela 89 Despesas Correntes por Grupo e Elemento de Despesa, realizadas pelo IEC em Despesa de Capital por Grupo e Elemento de Despesa Crédito Originário da UJ Tabela 90 Evolução dos gastos gerais do IEC no período de 2007 a Tabela 91 Demonstrativo dos recursos recebidos relativos à ação especifica do IEC e de ações da SVS/MS, em Tabela 92 Quantitativo de servidores ativos do IEC em 2009, por cargo/nível Tabela 93 Tabela 94 Número e percentual de servidores por tipo de carreiras existentes no IEC Estagiários do CIEE, distribuídos por Serviço/Seção /Setor no IEC em

11 Tabela 95 Números de Alunos dos Programas de Bolsas - PIBIC/IEC e PIBIC/Jr, alocados no IEC, por seção e por nível de escolaridade em Tabela 96 Força de Trabalho Terceirizada do IEC - Campus Belém e Ananindeua em Tabela 97 Tabela 98 Consolidado da Força de Trabalho, por área fim e meio do IEC Quantidade de cargos comissionados distribuídos por unidade, área meio/fim Tabela 99 Servidores do IEC cedidos a outros órgãos em Tabela 100 Demanda de trabalhadores capacitados, distribuídos por lotação e categoria Tabela 101 Distribuição dos trabalhadores do IEC que sofreram acidente de trabalho por local/tipo. Belém-Pará Tabela 102 Pagamento de Restos a Pagar, exercício

12 Lista de quadros Quadro 1 Quadro 2 Quadro 3 Identificação e quantidade de amostras coletadas e destinadas a detecção molecular de HAV por ponto de amostragem, realizada pela Seção de Meio-Ambiente, do Instituto Evandro Chagas, Ananindeua Pará, em Distribuição do número de amostras coletadas e o quantitativo das respectivas análises realizadas no âmbito do projeto Juru ti, Análises de cádmio e chumbo em diversas matrizes analisadas por Absorção Atômica com Forno de Grafite, no Laboratório de Toxicologia da SAMAM em Quadro 4 Atividades planejadas e executadas Quadro 5 Dados do programa 1201 do Plano Plurianual do IEC Quadro 6 Dados da Ação 4386 do Programa Quadro 7 Tipo 1 : Meta que permite gradação de alcance Quadro 8 Tipo 2 : Não permite gradação de alcance Quadro 9 Movimentações.realizadas pelo IEC em Quadro 10 Composição e custos de recursos humanos em Quadro 11 Atos de admissão, desligamento, concessão de aposentadoria e pensão, praticados no IEC com a instrução de processos e registro no Sistema de Administração de Pessoal SIAPE e no Sistema de Apreciação e Registro dos Atos de Admissão e Concessões SISAC em Quadro 12 Relação das aposentadorias e pensões concedidas pelo IEC em 2009, conforme processo no SISAC

13 Lista de figuras Figura 1 Distribuição dos casos e controles em 4 clínicas pediátricas de Belém, Pará, em 28/12/ Figura 2 Gráfico de freqüências de escolaridade das gestantes Figura 3 Gráfico de freqüências de anticorpos para TORCH em gestantes Figura 4 Figura 5 Estados que mais enviaram ofícios para pesquisa de espécimes biológicos no IEC Principais doenças solicitadas para investigação no IEC em 2009 (exceto H1N1) Figura 6 Recebimento de espécimes por área técnica no IECF em Figura 7 Figura 8 Demonstrativo de acesso, por país, ao site do IEC, referente aos períodos de janeiro a dezembro dos anos de 2008 e Demonstrativo do número de acessos a BVS, comparação de acessos nos períodos de janeiro a dezembro dos anos de 2008 e Figura 9 Demonstração do valor contratado, por modalidade, em forma de gráfico Figura 10 Execução do Crédito por Natureza de Despesa em Figura 11 Estagiários do CIEE, distribuídos por Serviço/Seção/Setor e nível Figura 12 Nº de Alunos Alocados no programa de Bolsas - PIBIC/IEC/ Figura 13 Vacinação continuada realizada no IEC Figura 14 Distribuição dos tipos da acidentes ocorridos com trabalhadores do IEC por categoria funcional. Belém-Pará

14 Sumário Introdução 1 Identificação Unidades do IEC Unidades de assistência direta à Diretoria Unidades Técnico-Administrativas Unidades Técnicas de Apoio Unidades Técnico-Científicas Objetivos e metas institucionais e/ou programáticos Responsabilidades institucionais papel da unidade na execução das políticas públicas Seção de Parasitologia (SAPAR) Seção de Arbovirologia e Febres Hemorrágicas (SAARB) Seção de Meio Ambiente (SAMAM) Serviço de Epidemiologia (SEVEP) Seção de Bacteriologia e Micologia (SABMI) Seção de Hepatologia (SAHEP) Seção de Patologia (SAPAT) Seção de Virologia (SAVIR) Seção de Criação e Produção de Animais de Laboratório (SACPA) Estratégia de atuação frente às responsabilidades institucionais Atenção à Saúde Ações desenvolvidas na área de doenças hepáticas Estudos relativos às arboviroses e febres hemorrágicas Ações relativas à Vírus Ações que envolvem bactérias e micoses Ações que envolvem estudos parasitológicos Ações de estudos ambientais Investigações anatomopatológicas Investigações Epidemiológicas Atendimento Único a população com queixas não resolvidas pelos Postos de Saúde e LACEN s Promoção da Saúde Qualificação

15 2.2.3 Complexo Industrial/Produtivo da Saúde Produção intelectual Premiações Apoio técnico à pesquisa científica Documentação, informação e memória Informações Georreferenciadas Animais de Laboratório Força de trabalho em Saúde Participação em treinamentos internacionais Apoio administrativo à pesquisa científica Compras Almoxarifado Patrimônio Transportes Informática Obras e Instalações Responsabilidade Social Programas dados gerais do programa e principais ações do programa Relação dos Programas Principais Ações do Programa Desempenho Operacional Programação Orçamentária Execução Orçamentária Análise das Despesas por Modalidade de contratação Análise das Despesas Correntes Evolução de Gastos Gerais Execução Física e Financeira das ações realizadas pela UJ Indicadores de Desempenho ou Institucionais Informações sobre a composição de Recursos Humanos Cadastro de Pessoal Quantitativo de Cargos Comissionados Quantitativo de Pessoal Cedido Movimentações Outras Realizações

16 3.2 Desenvolvimento de Recursos Humanos Pagamento de pessoal Saúde do trabalhador Análise situacional de recursos humanos Reconhecimento de passivos por insuficiência de créditos ou recursos Inscrições de Restos a Pagar no Exercício e os Saldos de Restos a Pagar de Exercícios Anteriores Informações sobre transferências (recebidas e realizadas) no Exercício Previdência Complementar Patrocinada Fluxo financeiro de projetos ou programas financiados com recursos externos Renúncias Tributárias Operações de fundos A Recomendações do órgão ou Unidade de Controle Interno B Determinações e recomendações do TCU Atos de admissão, desligamento, concessão de aposentadoria e pensão praticados, no exercício Aposentadorias/Pensões Registros atualizados nos Sistemas SIASG e SICONV Outras informações consideradas pelos responsáveis como relevantes para a avaliação da conformidade e do desempenho da gestão Informações Contábeis da Gestão Conteúdos específicos por UJ ou grupo de unidades afins Anexo 1 Estrutura organizacional do Ministério da Saúde Anexo 2 Estrutura organizacional do Instituto Evandro Chagas Anexo 3 Produção intelectual do IEC Anexo 4 Acompanhamento dos contratos de serviços continuados do IEC em Anexo 5 Aquisição de bens móveis por conta contábil em Anexo 6 Relação das pesquisas em andamento no IEC em Anexo 7 Distribuição das funções inerentes aos cargos comissionados

17 Anexo 8 Relação das capacitações promovidas para os trabalhadores do IEC em Anexo 9 Declaração de reconhecimento de passivos Anexo 10 Declaração de transferências Anexo 11 Declaração de previdência complementar patrocinada Anexo 12 Declaração de renuncia tributária Anexo 13 Declaração de operações de fundos Anexo 14 Declaração de recomendações do controle interno Anexo 15 Declaração de recomendações do Tribunal de Contas da União Anexo 16 Declaração de atualização de SIASG e SICONV Anexo 17 Declaração sobre outras informações relevantes Anexo 18 Declaração do contador responsável com ressalvas Anexo 19 Declaração do contador responsável sem ressalvas Anexo 20 Declaração dos órgãos ou grupos de unidades afins Anexo 21 Rol de responsáveis Anexo 22 Declaração do rol de responsáveis

18 INSTITUTO EVANDRO CHAGAS Relatório de Gestão/2009 Introdução Este relatório tem o objetivo de apresentar a prestação de contas da administração do Instituto Evandro Chagas, no exercício de 2009, ao Tribunal de Contas da União, além de cumprir o dever de prestar contas da gestão ao público interno e externo, mantendo-se a transparência que caracteriza as ações do órgão. Além dos avanços significativos nas ações, computa-se como uma vitória importante, o empenho, a boa vontade, a criatividade e a capacidade técnica de seu quadro funcional, que vem ao longo de seus 74 anos, buscando melhorar a saúde pública e as pesquisas no Pará e na Amazônia brasileira, em parceria com as universidades, os órgãos de pesquisa locais, regionais e nacionais, Secretarias Estaduais e Municipais, contando sempre com o apoio incondicional do Ministério da Saúde, através da Secretaria de Vigilância em Saúde. Em seguida se apresenta em poucas linhas alguns avanços conquistados na área da pesquisa e, finalmente, as ações desenvolvidas nas áreas de administração e de recursos humanos, os quais se encontram melhor demonstrados nos itens referente à realização de cada Unidade Técnico-administrativa do órgão no corpo do Relatório. O IEC na função de Centro Nacional de Referência do Ministério da Saúde, no campo dos Rotavírus processou quase cinco centenas de espécimes fecais positivos, com vistas à determinação dos sorotipos. Destaque-se como achado de relevância a identificação pioneira do tipo G12 em nossa região, fato que pode representar um desafio às estratégias vacinais. O ano de 2009 trouxe o advento da pandemia de influenza H1N1, exigindo expressivo empenho do IEC no processamento das amostras oriundas do norte e nordeste do País. Os estudos em papilomavírus (HPV) prosseguiram, envolvendo particularmente grupos populacionais sob risco na Amazônia; dois fatos importantes merecem realce: a adoção sistemática do PCR e hibridização reversa no campo diagnóstico e o advento das investigações sobre HPBV e câncer de próstata. No campo das doenças exantemáticas, ampliou-se o seu potencial diagnóstico nas áreas de eritrovírus (parvovírus B19) e herpes vírus humano do tipo 6, valendo-se basicamente do método imunoenzimático voltado à detecção de anticorpos das classes IgM e IgM. Observou-se avanço considerável nos estudos sobre Calicivírus, Astrovírus e Adenovírus, todos reconhecidos como enteropatógenos de importância. Como Centro Macrorregional para HIV/AIDS, o IEC prosseguiu no seu papel de confirmar amostras positivas encaminhadas da rede oficial. No monitoramento das amostras virais circulantes do Estudo Rotavírus Caso-Controle foram identificados quase 1600 casos de 18

19 INSTITUTO EVANDRO CHAGAS Relatório de Gestão/2009 crianças hospitalizadas por rotavírus em 4 clínicas pediátricas da cidade. Assinale-se que essa atividade refere-se às ações relativas à análise da efetividade vacinal. No estudo dos arbovírus e das febres hemorrágicas o IEC identificou cepas do vírus da febre amarela obtidos de casos leves e que demonstraram se menos patogênicos e que tornaram-se candidatos para o desenvolvimento de vacina anti-amarílica no futuro; realizou a demonstração de infecção persistente pelo vírus Rocio em Hamsters dourados inoculados pela via intraperitoneal e efetuou a caracterização antigênica de mais de 200 cepas do vírus da Raiva e molecular de mais de 30, bem como a demonstração de novas linhagens do vírus da Raiva, tanto linhagens antigênicas quanto uma possível nova linhagem genética. Ao longo deste ano o IEC buscou a padronização de técnicas biomoleculares para a detecção e infecções pelo vírus da hepatite D (Delta), no levantamento dos reservatórios, junto ao Programa Nacional de Prevenção e Controle das Hepatites Virais (PNHV), na Coordenação nacional de laboratórios e na finalização dos estudos sobre a resposta vacinal para hepatite B. Assim como busca a detecção de antígeno capsular polissacarídico de Cryptococcus neoforms em pacientes portadores do HIV-1; o seqüenciamento e a genotipagem de micobactérias; participa ativamente nos Programas de Controle, Inquéritos de Malária, Toxoplasmose, Doença de Chagas, Leishmaniose, Leptospirose, Rubéola, Citomegalovírus, Tuberculose, Hanseníase e de Doenças Sexualmente Transmissíveis do Ministério da Saúde. Desenvolveu estudos e ações em saúde ambiental, focalizando o impacto e poluentes em populações e no ambiente amazônico, nas áreas de toxicologia, físico-químico e água, microbiologia ambiental, virologia e biologia molecular. Através da Central de Recebimento de Espécimes Biológicos o Instituto recebeu espécimes para investigação epidemiológica de Raiva, Dengue, Leishmaniose, doença de Chagas e Febre Amarela. Registra-se alguns itens da norma (DN TCU nº 100/2009, Anexo II) que não se aplicam a realidade do Instituto a saber: Item Indicadores de Desempenho ou Institucionais; Item 4 -Reconhecimento de passivos por insuficiência de créditos ou recursos; Item 6 - Informações sobre transferências (recebidas e realizadas) no Exercício; Item 7 - Previdência Complementar Patrocinada; Item 8 Fluxo financeiro de projetos ou programas financiados com recursos externos; Item 9 - Renúncias Tributárias; Item 10 - Operações de fundos; Item 11, 11 A e 11B Recomendações do órgão ou Unidade de Controle Interno e Determinações e recomendações do TCU; Item 13 - Registros atualizados nos Sistemas SIASG e SICONV; Item 14 Outras informações consideradas pelos responsáveis como 19

20 INSTITUTO EVANDRO CHAGAS Relatório de Gestão/2009 relevantes para a avaliação da conformidade e do desempenho da gestão; Item C - Conteúdos específicos por UJ ou grupo de unidades afins. Várias obras foram realizadas no decorrer deste ano visando ampliação e reforma de Seções científicas para implantação de novas técnicas e adequação de áreas administrativas. Todo o contexto das atividades acima configurado requer o estabelecimento de múltiplas parcerias nos contextos regional, nacional e mesmo internacional, a par do suporte administrativo institucional. A um exame das áreas do IEC como um todo, denota-se contínuo aprimoramento tecnológico nos procedimentos laboratoriais empregados, grande parcela hoje representada pelas ferramentas da biologia molecular e busca-se implantar o Centro de Inovação Tecnológica, tendo já implantado estudos de genômica, proteômica, nanotecnologia, bioinformática e citotaxonomia. Também se consolidou em 2009 a vocação do Instituto na condução de estudos caracterizados como pesquisa clínica, refletindo experiência acumulada já ao longo de duas décadas. Como principal óbice ao pleno desenvolvimento das ações sob sua responsabilidade, assinale-se o quadro reduzido de pessoal, havendo a expectativa de minimizar a situação com o advento, em breve, do concurso público. Para dar suporte as atividades de ensino e pesquisa o IEC conta com um setor que, congrega as atribuições de um Centro de Documentação, Informação e Memória e a relevância de suas atribuições, no exercício de 2009, diz respeito à construção da Memória Institucional; suporte de informação aos laboratórios de pesquisa e área administrativa, e editoração de publicações elaboradas no IEC e da revista científica do IEC impressa e eletrônica. Perspectivas do IEC para 2010: concurso para a unidade do Acre; aquisição de grupo gerador para a Administração, Centro de Documentação, Informação e Memória (CEDIM), Epidemiologia e atendimento Médico; quatro ônibus laboratório para trabalho de campo; dois containeres de segurança máxima para o CENP e Unidade do IEC no Acre; construir o CEDIM, o Setor de Manutenção e sala de grupo gerador, a Sede da Unidade Descentralizada do Acre; dois galpões para preservação de animais para o CENP, o Centro de Inovação e Tecnologia em Ananindeua, o prédio do Centro de Meio Ambiente; criar uma Escola Profissionalizante, Elaborar projeto para a implantação de uma Escola de Saúde Pública; e organizar a pós-graduação do IEC. Espera-se que os sucessos e insucessos registrados neste relatório sirvam de estímulo para que o nosso Instituto possa continuar crescendo, ampliando sua qualidade e seu vínculo com a comunidade científica e a sociedade paraense e amazônica.. 20

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE INSTITUTO EVANDRO CHAGAS ASSESSORIA DE PLANEJAMENTO RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO 2012

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE INSTITUTO EVANDRO CHAGAS ASSESSORIA DE PLANEJAMENTO RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO 2012 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE INSTITUTO EVANDRO CHAGAS ASSESSORIA DE PLANEJAMENTO RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO 2012 Ananindeua-PA, 2013 1 Ministério da Saúde MS Secretaria de

Leia mais

ZIKA VÍRUS INFORMAÇÕES SOBRE A DOENÇA

ZIKA VÍRUS INFORMAÇÕES SOBRE A DOENÇA ZIKA VÍRUS INFORMAÇÕES SOBRE A DOENÇA E INVESTIGAÇÃO DE SÍNDROME EXANTEMÁTICA NO NORDESTE Wanderson Kleber de Oliveira Coordenação Geral de Vigilância e Resposta às Emergências de Saúde Pública Departamento

Leia mais

Incentivo às Ações de Vigilância, Prevenção e Controle das DST, Aids e Hepatites Virais

Incentivo às Ações de Vigilância, Prevenção e Controle das DST, Aids e Hepatites Virais Incentivo às Ações de Vigilância, Prevenção e Controle das DST, Aids e Hepatites Virais Departamento DST, Aids e Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde www.aids.gov.br Maio/2014

Leia mais

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 37 de 2015

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 37 de 2015 Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 37 de 2015 A vigilância da influenza no Brasil é composta pela vigilância

Leia mais

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 29 de 2014

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 29 de 2014 Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 29 de 2014 A vigilância da influenza no Brasil é composta pela vigilância

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO Artigo 1º Atendendo à Portaria de número

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES CNHD Supervisão

Leia mais

ANEXO I DEMOSTRATIVO DE VAGAS POR CARGO, ÁREA DE ATUAÇÃO, PERFIL, ESCOLARIDADE EXIGIDA E LOCALIZAÇÃO. N O. DE VAGAS POR PERFIL PERFIL

ANEXO I DEMOSTRATIVO DE VAGAS POR CARGO, ÁREA DE ATUAÇÃO, PERFIL, ESCOLARIDADE EXIGIDA E LOCALIZAÇÃO. N O. DE VAGAS POR PERFIL PERFIL ANEXO I DEMOSTRATIVO DE CARGO, ÁREA DE ATUAÇÃO,, ESCOLARIDADE EXIGIDA E LOCALIZAÇÃO. CARGO: TECNOLOGISTA JUNIOR Cód. ÁREA DE ATUAÇÃO N O DE ÁREA 32 Arquitetura 12 Conservação e restauração de conjuntos

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES MELLITUS MORBIDADE AUTO REFERIDA

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Superintendência de Vigilância e Proteção da Saúde

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Superintendência de Vigilância e Proteção da Saúde GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Superintendência de Vigilância e Proteção da Saúde NOTA TÉCNICA Nº 03/2015 DIVEP/LACEN/SUVISA/SESAB Assunto: Casos de ZIKA Vírus e de Doença

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - 2008/2009

PROGRAMAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - 2008/2009 PROGRAMAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - 2008/2009 1.Notificação AÇÃO 1.1 Realizar notificação dos casos de sífilis em gestante 48.950 casos de sífilis em gestantes notificados. 1.2 Definir Unidades

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CASA CIVIL SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO COORDENAÇÃO-GERAL DE AUDITORIA RELATÓRIO DE AUDITORIA

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CASA CIVIL SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO COORDENAÇÃO-GERAL DE AUDITORIA RELATÓRIO DE AUDITORIA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CASA CIVIL SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO COORDENAÇÃO-GERAL DE AUDITORIA TIPO DE AUDITORIA : Auditoria de Gestão EXERCÍCIO : 2009 PROCESSO : 00181.000687/2010-82 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO E PROCESSO ANUAL DE CONTAS

RELATÓRIO DE GESTÃO E PROCESSO ANUAL DE CONTAS RELATÓRIO DE GESTÃO E PROCESSO ANUAL DE CONTAS (Normativos e composição) Outubro - 2010 Coordenação-Geral de Técnicas, Procedimentos e Qualidade DCTEQ Eveline Brito Coordenadora-Geral de Técnicas, Procedimentos

Leia mais

NÚCLEO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR

NÚCLEO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR NÚCLEO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR Enfª Dda. Verginia Rossato Enfª Danieli Bandeira Santa Maria, 2012 Portaria GM/MS nº 2529, de 23 de novembro de 2004 Institui o Subsistema Nacional de Vigilância

Leia mais

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2013

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2013 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2013 Brasília - DF / 2014 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO

Leia mais

1936 -------------2004

1936 -------------2004 O Instituto Evandro Chagas, SVS, MS, no contexto da Ciência, Tecnologia e Inovação em Saúde na Região Amazônica 1936 -------------2004 Primórdios Instituto de Patologia Experimental do Norte Decreto 2.346

Leia mais

Proposta de Vigilância Integrada de Pneumonia Bacteriana e Viral no Brasil: Oportunidades de Integração. Aspectos Laboratoriais

Proposta de Vigilância Integrada de Pneumonia Bacteriana e Viral no Brasil: Oportunidades de Integração. Aspectos Laboratoriais Proposta de Vigilância Integrada de Pneumonia Bacteriana e Viral no Brasil: Oportunidades de Integração Aspectos Laboratoriais Eduardo Pinheiro Guerra Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde

Leia mais

Sistema Nacional de Vigilância Ambiental em Saúde. Ministério da Saúde Fundação Nacional de Saúde

Sistema Nacional de Vigilância Ambiental em Saúde. Ministério da Saúde Fundação Nacional de Saúde Sistema Nacional de Vigilância Ambiental em Saúde Ministério da Saúde Fundação Nacional de Saúde 1 FLUXO DA VIGILÂNCIA SISTEMAS SETORIAIS RELACIONADOS COM SAÚDE E AMBIENTE (Saúde, Educação, Des. Urbano,

Leia mais

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007.

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. Dispõe sobre a criação do Instituto Escola de Governo e Gestão Pública de Ananindeua, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui, e eu

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade

Contrata Consultor na modalidade Contrata Consultor na modalidade PROJETO 914/BRZ/1138 EDITAL Nº 03/2015 1. Perfil: 044/2014 - Consultor em gestão de processos de negócio 3. Qualificação educacional: Nível superior completo em qualquer

Leia mais

Informe Epidemiológico CHIKUNGUNYA N O 03 Atualizado em 24-11-2014, às 11h.

Informe Epidemiológico CHIKUNGUNYA N O 03 Atualizado em 24-11-2014, às 11h. Informe Epidemiológico CHIKUNGUNYA N O 03 Atualizado em 24-11-2014, às 11h. Vigilância Epidemiológica de Febre Chikungunya No Brasil, a febre chikungunya é uma doença de notificação compulsória e imediata,

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 2.031, DE 23 DE SETEMBRO DE 2004

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 2.031, DE 23 DE SETEMBRO DE 2004 Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 2.031, DE 23 DE SETEMBRO DE 2004 Dispõe sobre a organização do Sistema Nacional de Laboratórios de Saúde Pública. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no

Leia mais

Ações de Vigilância Epidemiológica, Perspectivas e Desafios para o enfrentamento de uma nova epidemia

Ações de Vigilância Epidemiológica, Perspectivas e Desafios para o enfrentamento de uma nova epidemia Superintendência de Vigilância em Saúde Gerência de Vigilância Epidemiológica das Doenças Transmissíveis Coordenação de Dengue e Febre Amarela Ações de Vigilância Epidemiológica, Perspectivas e Desafios

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 156 DE 14 DE JANEIRO DE 2010.

LEI COMPLEMENTAR Nº 156 DE 14 DE JANEIRO DE 2010. LEI COMPLEMENTAR Nº 156 DE 14 DE JANEIRO DE 2010. Dispõe sobre a transformação da Universidade Virtual do Estado de Roraima UNIVIRR, para a categoria de Fundação Pública e dá outras providências. O GOVERNADOR

Leia mais

PEÇAS INTEGRANTES DO PROCESSO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS ANUAL DA ANA CONFORME IN/TCU

PEÇAS INTEGRANTES DO PROCESSO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS ANUAL DA ANA CONFORME IN/TCU ANEXO I PEÇAS INTEGRANTES DO PROCESSO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS ANUAL DA ANA CONFORME IN/TCU nº 47, de 2004, DN/TCU nº 81, de 2006, e NE/CGU nº 03, de 2006, instituída pela Portaria CGU nº 555, de 2006 Discriminação

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2011

PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2011 PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2011 Ananindeua-PA, 30/03/2011 Ministério da Saúde (MS) Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS) Instituto Evandro Chagas (IEC) Assessoria

Leia mais

NOTA TÉCNICA 50 2013 REGULAMENTAÇÃO DO INCENTIVO ÀS AÇÕES DE VIGILÂNCIA, PREVENÇÃO E CONTROLE DAS DST/AIDS E HEPATITES VIRAIS

NOTA TÉCNICA 50 2013 REGULAMENTAÇÃO DO INCENTIVO ÀS AÇÕES DE VIGILÂNCIA, PREVENÇÃO E CONTROLE DAS DST/AIDS E HEPATITES VIRAIS NOTA TÉCNICA 50 2013 REGULAMENTAÇÃO DO INCENTIVO ÀS AÇÕES DE VIGILÂNCIA, PREVENÇÃO E CONTROLE DAS DST/AIDS E HEPATITES VIRAIS Brasília, 18 de novembro de 2013 REGULAMENTAÇÃO DO INCENTIVO ÀS AÇÕES DE VIGILÂNCIA,

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

Diretoria Geral Ouvidoria RELATÓRIO DE ATIVIDADES DA OUVIDORIA MÊS DE OUTUBRO DE 2015

Diretoria Geral Ouvidoria RELATÓRIO DE ATIVIDADES DA OUVIDORIA MÊS DE OUTUBRO DE 2015 Diretoria Geral Ouvidoria RELATÓRIO DE ATIVIDADES DA OUVIDORIA MÊS DE OUTUBRO DE 1 A Ouvidoria do DNPM, órgão de assistência direta e imediata ao Diretor-Geral, foi criada por meio do Decreto nº 7.9, de

Leia mais

I - Técnico de Apoio Fazendário e Financeiro, integrando a categoria funcional de Profissional de Apoio Operacional;

I - Técnico de Apoio Fazendário e Financeiro, integrando a categoria funcional de Profissional de Apoio Operacional; (*) Os textos contidos nesta base de dados têm caráter meramente informativo. Somente os publicados no Diário Oficial estão aptos à produção de efeitos legais. ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL DECRETO Nº 10.609,

Leia mais

PODER EXECUTIVO ANEXO I ATRIBUIÇÕES DO CARGO DE ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL

PODER EXECUTIVO ANEXO I ATRIBUIÇÕES DO CARGO DE ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL ANEXO I ATRIBUIÇÕES DO CARGO DE ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL a) formulação, implantação e avaliação de políticas públicas voltadas para o desenvolvimento sócio-econômico e

Leia mais

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem ANÁLISE DAS NOTIFICAÇÕES DE DENGUE APÓS ATUAÇÃO DO SERVIÇO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR INTRODUÇÃO: A Dengue é uma doença infecciosa febril aguda de amplo espectro clínico e de grande importância

Leia mais

Alcançado (b) Número total de casos notificados. Número total de notificações negativas recebidas

Alcançado (b) Número total de casos notificados. Número total de notificações negativas recebidas INSTRUTIVO PARA PREENCHIMENTO DO ROTEIRO DE ACOMPANHAMENTO DA PROGRAMAÇÃO PACTUADA INTEGRADA DE EPIDEMIOLOGIA E CONTROLE DE DOENÇAS PPI-ECD - NAS UNIDADES FEDERADAS 1 2 Este instrutivo contém informações

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

Ministério da Cultura

Ministério da Cultura SISTEMA NACIONAL DE CULTURA Processo de articulação, gestão, comunicação e de promoção conjunta de políticas públicas de cultura, mediante a pactuação federativa. Objetivo Geral do SNC Implementar políticas

Leia mais

PRIORIDADES PARA A REDE DE LABORATÓRIOS E O DE REFERÊNCIA NACIONAL

PRIORIDADES PARA A REDE DE LABORATÓRIOS E O DE REFERÊNCIA NACIONAL PRIORIDADES PARA A REDE DE LABORATÓRIOS E O DE REFERÊNCIA NACIONAL O SISTEMA NACIONAL DE LABORATÓRIOS DE SAÚDE PÚBLICA (SNLSP) FOI INSTITUIDO ATRAVÉS DA PORTARIA MINISTERIAL Nº 280/BSB DE 21/07/77 E FOI

Leia mais

NOTA TÉCNICA 2. Investigação de casos de Encefalite Viral de Saint Louis, notificados no município de São José do Rio Preto SP, agosto de 2006.

NOTA TÉCNICA 2. Investigação de casos de Encefalite Viral de Saint Louis, notificados no município de São José do Rio Preto SP, agosto de 2006. SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Prof. Alexandre Vranjac NOTA TÉCNICA 2 Investigação de casos de Encefalite Viral de Saint Louis, notificados

Leia mais

Informe Técnico - SARAMPO nº2 /2010 Atualização da Situação Epidemiológica

Informe Técnico - SARAMPO nº2 /2010 Atualização da Situação Epidemiológica 1 SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PROF. ALEXANDRE VRANJAC Av. Dr. Arnaldo, 351-6º andar SP/SP CEP: 01246-000 Fone: (11)3082-0957 Fax:

Leia mais

9 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO

9 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO 9 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO Ao sistema de controle interno, consoante o previsto nos arts. 70 e 74 da Constituição Federal, incumbe a fiscalização contábil, financeira, orçamentária, operacional e patrimonial,

Leia mais

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Informações Básicas Recursos Humanos Foram pesquisadas as pessoas que trabalhavam na administração direta e indireta por vínculo empregatício e escolaridade;

Leia mais

ANEXO I - Lista de Doenças e Agravos de Notificação Compulsória (LDNC). 1. Acidente com exposição a material biológico relacionado ao trabalho;

ANEXO I - Lista de Doenças e Agravos de Notificação Compulsória (LDNC). 1. Acidente com exposição a material biológico relacionado ao trabalho; ANEXO I - Lista de Doenças e Agravos de Notificação Compulsória (LDNC). 1 Caso suspeito ou confirmado de: 1. Acidente com exposição a material biológico relacionado ao trabalho; 2. Acidente de Trabalho

Leia mais

a) Situação-problema e/ou demanda inicial que motivou e/ou requereu o desenvolvimento desta iniciativa;

a) Situação-problema e/ou demanda inicial que motivou e/ou requereu o desenvolvimento desta iniciativa; TÍTULO DA PRÁTICA: PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS CASOS DE TUBERCULOSE DO DISTRITO SANITÁRIO CENTRO 2011: apresentação regular dos dados de tuberculose as unidades do Distrito Sanitário Centro CÓDIGO DA PRÁTICA:

Leia mais

Febre Amarela Silvestre, Brasil, 2009.

Febre Amarela Silvestre, Brasil, 2009. Febre Amarela Silvestre, Brasil, 2009. BOLETIM DE ATUALIZAÇÃO Dezembro/2009 Emergências em Saúde Pública de Importância Nacional (ESPIN) de Febre Amarela Silvestre em São Paulo e no Rio Grande do Sul e

Leia mais

Fundação Oswaldo Cruz. Ministério da Saúde

Fundação Oswaldo Cruz. Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz Ministério da Saúde Missão A Fundação Oswaldo Cruz é um centro polivalente e multidisciplinar na área da saúde, que exerce um papel social de grande relevância para o país. Realiza

Leia mais

ANEXO I PEÇAS EXIGIDAS PELAS IN/TCU Nº 47, DE 2004, DN/TCU Nº 62, DE 2004, IN/SFC Nº 2, DE 2000, E NE/SFC Nº 2, DE 2003.

ANEXO I PEÇAS EXIGIDAS PELAS IN/TCU Nº 47, DE 2004, DN/TCU Nº 62, DE 2004, IN/SFC Nº 2, DE 2000, E NE/SFC Nº 2, DE 2003. ANEXO I PEÇAS EXIGIDAS PELAS IN/TCU Nº 47, DE 2004, DN/TCU Nº 62, DE 2004, IN/SFC Nº 2, DE 2000, E NE/SFC Nº 2, DE 2003. Discriminação da peça I Rol de Responsáveis, assinado pela Diretoria Colegiada,

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013.

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013. REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013. PALMAS-TO MARÇO 2013 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 2 DA CATEGORIA... 2 FINALIDADE E OBJETIVOS...

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 080/2014, DE 25 DE JUNHO DE 2014 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 080/2014, DE 25 DE JUNHO DE 2014 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG RESOLUÇÃO Nº 080/2014, DE 25 DE JUNHO DE 2014 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho Universitário da UNIFAL-MG, no uso de suas atribuições regimentais e estatutárias,

Leia mais

Concurso Público - FIOCRUZ 2010 Relação Candidato/Vaga

Concurso Público - FIOCRUZ 2010 Relação Candidato/Vaga Belo Horizonte/ MG A103 Assistente Técnico de Gestão em Saúde Assistente Técnico de Gestão em Saúde 765 3 255,00 Belo Horizonte/ MG A204 Técnico em Saúde Pública Manutenção de Insetário 49 1 49,00 Belo

Leia mais

Programa Nacional de Controle do Tabagismo (PNCT) Tratamento do Tabagismo

Programa Nacional de Controle do Tabagismo (PNCT) Tratamento do Tabagismo Programa Nacional de Controle do Tabagismo (PNCT) Tratamento do Tabagismo O tabagismo é, reconhecidamente, uma doença crônica, resultante da dependência à droga nicotina, e um fator de risco para cerca

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 1. CONTEÚDO GERAL POR NATUREZA JURÍDICA SECRETARIA DE ASSUNTOS LEGISLATIVOS

RELATÓRIO DE GESTÃO 1. CONTEÚDO GERAL POR NATUREZA JURÍDICA SECRETARIA DE ASSUNTOS LEGISLATIVOS RELATÓRIO DE GESTÃO 1. CONTEÚDO GERAL POR NATUREZA JURÍDICA SECRETARIA DE ASSUNTOS LEGISLATIVOS 1) Dados Gerais por Unidade Jurisdicionada NOME / SIGLA: NATUREZA JURÍDICA: NORMA DE CRIAÇÃO: REGIMENTO INTERNO:

Leia mais

PORTARIA-TCU Nº 150, DE 3 DE JULHO DE 2012

PORTARIA-TCU Nº 150, DE 3 DE JULHO DE 2012 PORTARIA-TCU Nº 150, DE 3 DE JULHO DE 2012 Dispõe sobre orientações às unidades jurisdicionadas ao Tribunal quanto à elaboração dos conteúdos dos relatórios de gestão referentes ao exercício de 2012. O

Leia mais

Regimento Interno da Unidade de Auditoria Interna

Regimento Interno da Unidade de Auditoria Interna CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA - UAUDI Regimento Interno da Unidade de Auditoria Interna Rio de Janeiro 2015 CAPÍTULO I DA MISSÃO E DO ESCOPO

Leia mais

Vacinação em massa contra febre amarela na África 4.

Vacinação em massa contra febre amarela na África 4. Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2010 (1). Edição 17 Shirley da Luz Gomes 1 Rômulo Luis de Oliveira Bandeira 2 Selonia Patrícia Oliveira Sousa 3 Otacílio Batista

Leia mais

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais.

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais. EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 10/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 10/2012 TIPO: MELHOR TÉCNICA O Centro de Promoção da Saúde, entidade privada sem fins lucrativos, inscrita

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES DE CONTROLE INTERNO 2014

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES DE CONTROLE INTERNO 2014 Processo nº 2013/174887 PLANO ANUAL DE ATIVIDADES DE CONTROLE INTERNO 2014 Novembro/2013 Sumário INTRODUÇÃO... 2 PLANEJAMENTO DAS ATIVIDADES DE CONTROLE INTERNO... 2 1. ÁREA ADMINISTRATIVA... 3 1.1 Acompanhamento

Leia mais

Implantação do Sistema de Divulgação de Melhores Práticas de Gestão na Administração Pública

Implantação do Sistema de Divulgação de Melhores Práticas de Gestão na Administração Pública Ministério do Planejamento, Orçamento e Programa 0792 GESTÃO PÚBLICA EMPREENDEDORA Objetivo Promover a transformação da gestão pública para ampliar os resultados para o cidadão e reduzir custos. Indicador(es)

Leia mais

Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA Informe do dia 26.04.09, às 13h

Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA Informe do dia 26.04.09, às 13h Ministério da Saúde Gabinete Permanente de Emergências em Saúde Pública ALERTA DE EMERGÊNCIA DE SAÚDE PÚBLICA DE IMPORTÂNCIA INTERNACIONAL Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA

Leia mais

Panoramas e Desafios da Vigilância em Saúde

Panoramas e Desafios da Vigilância em Saúde Panoramas e Desafios da Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Cheila Marina de

Leia mais

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. Regulamenta as atribuições da Secretaria de Controle Interno do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região e dá outras providências. A PRESIDENTE DO, no uso de

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Hanseníase no Brasil DADOS E INDICADORES SELECIONADOS

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Hanseníase no Brasil DADOS E INDICADORES SELECIONADOS MINISTÉRIO DA SAÚDE Hanseníase no Brasil DADOS E INDICADORES SELECIONADOS Brasília DF 2009 MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Hanseníase no

Leia mais

Relatório de Gestão da CCIH

Relatório de Gestão da CCIH Relatório de Gestão da CCIH 1 - Apresentação A Comissão de Controle de Infecção Hospitalar CCIH é formada por membros executores -01 enfermeira, 01 farmacêutica e 01 infectologista e consultoresrepresentantes

Leia mais

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação s Possíveis Achados 1 As características da unidade de controle interno atendem aos preceitos normativos e jurisprudenciais? Ato que criou

Leia mais

Lançamento do Planejamento Estratégico Nacional Brasília, 09 de novembro de 2011

Lançamento do Planejamento Estratégico Nacional Brasília, 09 de novembro de 2011 Lançamento do Planejamento Estratégico Nacional Brasília, 09 de novembro de 2011 1 Lançamento do Planejamento Estratégico Nacional Brasília, 09 de novembro de 2011 2 Planejamento Estratégico Nacional do

Leia mais

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Manual das ações programáticas 1 M o d e l o S a ú d e T o d o D i a PROGRAMA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DE AGRAVOS TRANSMISSÍVEIS INDICE INTRODUÇÃO... 5 FLUXOGRAMA DO ENVIO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 13/2010 Aprova o Regimento Interno do Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO Art. 1º A Diretoria Executiva, subordinada ao Presidente da Fundação, é responsável pelas atividades

Leia mais

ESTATUTO DO DISTRITO ESTADUAL DE FERNANDO DE NORONHA

ESTATUTO DO DISTRITO ESTADUAL DE FERNANDO DE NORONHA DECRETO Nº 26.266, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2003. DOE 24.12.2003, p. 04. P.Execuitivo Altera o Estatuto do Distrito Estadual de Fernando de Noronha, aprovado pelo Decreto nº 25.297, de 12 de março de 2003,

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

PORTARIA Nº 876/GM, DE 16 DE MAIO DE 2013. p. DOU, Seção1, de 17.5.2013, págs. 135/136

PORTARIA Nº 876/GM, DE 16 DE MAIO DE 2013. p. DOU, Seção1, de 17.5.2013, págs. 135/136 PORTARIA Nº 876/GM, DE 16 DE MAIO DE 2013 p. DOU, Seção1, de 17.5.2013, págs. 135/136 Dispõe sobre a aplicação da Lei nº 12.732, de 22 de novembro de 2012, que versa a respeito do primeiro tratamento do

Leia mais

Os serviços, objetos desse termo de referência, deverão ser desenvolvidos em 03 (três) etapas, conforme descrição a seguir:

Os serviços, objetos desse termo de referência, deverão ser desenvolvidos em 03 (três) etapas, conforme descrição a seguir: Termo de Referência 1. Objeto Contratação de empresa especializada em gestão de saúde para execução de atividades visando a reestruturação do modelo de atenção à saúde, objetivando diagnosticar novas proposituras

Leia mais

Estruturação da Rede Nacional de Laboratórios de Vigilância em Saúde Ambiental, da Coordenação Geral de Laboratórios de Saúde Pública da Secretaria

Estruturação da Rede Nacional de Laboratórios de Vigilância em Saúde Ambiental, da Coordenação Geral de Laboratórios de Saúde Pública da Secretaria Estruturação da Rede Nacional de Laboratórios de Vigilância em Saúde Ambiental, da Coordenação Geral de Laboratórios de Saúde Pública da Secretaria de Vigilância em Saúde, Ministério da Saúde VIGILÂNCIA

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009. Dispõe sobre a criação e estruturação do Setor de Gestão Ambiental e de Segurança e Saúde no Trabalho

Leia mais

8. Excelência no Ensino Superior

8. Excelência no Ensino Superior 8. Excelência no Ensino Superior PROGRAMA: 08 Órgão Responsável: Contextualização: Excelência no Ensino Superior Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI O Programa busca,

Leia mais

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ATRIBUIÇÕES DO MÉDICO I- Realizar consultas clínicas aos usuários de sua área adstrita; II- Participar das atividades de grupos de controle

Leia mais

Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 2013. PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD.

Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 2013. PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 203. PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. GESTÃO EAD Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA LEI Nº 2.054, DE 29 DE OUTUBRO DE 2015 (D.O.M. 29.10.2015 N. 3.763 Ano XVI) DISPÕE sobre a estrutura organizacional da Secretaria Municipal de Finanças, Tecnologia da Informação e Controle Interno Semef,

Leia mais

DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências.

DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências. DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013 Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências. (Publicado no DOE de 10 de abril de 2013) O GOVERNADOR DO ESTADO

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade Produto

Contrata Consultor na modalidade Produto Contrata Consultor na modalidade Produto PROJETO 914BRZ1127/SETEC EDITAL Nº 03/2009 1. Perfil: ACOMPANHAMENTO DA GESTÃO EM PROJETOS - PERFIL I Ministério da Educação. Especialização na área de educação,

Leia mais

É uma doença respiratória aguda, causada pelo vírus A (H1N1).

É uma doença respiratória aguda, causada pelo vírus A (H1N1). INFLUENZA (GRIPE) SUÍNA INFLUENZA SUÍNA É uma doença respiratória aguda, causada pelo vírus A (H1N1). Assim como a gripe comum, a influenza suína é transmitida, principalmente, por meio de tosse, espirro

Leia mais

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte PPCAAM Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Secretaria de Direitos Humanos Presidência

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 01350.000002/2007-76 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

NOTA TÉCNICA 02 2014

NOTA TÉCNICA 02 2014 NOTA TÉCNICA 02 2014 DEFINIÇÃO DAS AÇÕES E SERVIÇOS DE SAÚDE VOLTADOS PARA VIGILÂNCIA, PREVENÇÃO E CONTROLE DE ZOONOSES E DE ACIDENTES CAUSADOS POR ANIMAIS PEÇONHENTOS E VENENOSOS, DE RELEVÂNCIA PARA A

Leia mais

Controle Interno do Tribunal de Contas da União

Controle Interno do Tribunal de Contas da União Controle Interno do Tribunal de Contas da União Resumo: o presente artigo trata de estudo do controle interno no Tribunal de Contas da União, de maneira expositiva. Tem por objetivo contribuir para o Seminário

Leia mais

PORTARIA MS Nº 1.271, DE 6 DE JUNHO DE 2014

PORTARIA MS Nº 1.271, DE 6 DE JUNHO DE 2014 PORTARIA MS Nº 1.271, DE 6 DE JUNHO DE 2014 Define a Lista Nacional de Notificação Compulsória de doenças, agravos e eventos de saúde pública nos serviços de saúde públicos e privados em todo o território

Leia mais

NOTA TÉCNICA 31 2013 REPASSES FINANCEIROS DE INVESTIMENTO PARA FOMENTO E APRIMORAMENTO DAS CONDIÇÕES DE FUNCIONAMENTO DA REDE DE FRIO

NOTA TÉCNICA 31 2013 REPASSES FINANCEIROS DE INVESTIMENTO PARA FOMENTO E APRIMORAMENTO DAS CONDIÇÕES DE FUNCIONAMENTO DA REDE DE FRIO NOTA TÉCNICA 31 2013 REPASSES FINANCEIROS DE INVESTIMENTO PARA FOMENTO E APRIMORAMENTO DAS CONDIÇÕES DE FUNCIONAMENTO DA REDE DE FRIO Brasília, 16 de agosto de 2013 REPASSES FINANCEIROS DE INVESTIMENTO

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

INSTRUÇÃO INTERNA DE PROCEDIMENTOS IIP Nº 005, de 24 de agosto de 2011 (*)

INSTRUÇÃO INTERNA DE PROCEDIMENTOS IIP Nº 005, de 24 de agosto de 2011 (*) INSTRUÇÃO INTERNA DE PROCEDIMENTOS IIP Nº 005, de 24 de agosto de 2011 (*) Disciplina no âmbito do IFPR as Orientações acerca da Execução Orçamentária e Financeira, relativas à Concessão de Suprimentos

Leia mais

EVENTOS. Caravana da Inclusão, Acessibilidade e Cidadania

EVENTOS. Caravana da Inclusão, Acessibilidade e Cidadania A União dos Vereadores do Estado de São Paulo UVESP, desde 1977 (há 38 anos) promove parceria com o Poder Legislativo para torná-lo cada vez mais forte, através de várias ações de capacitação e auxílio

Leia mais

ANEXO II "AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS" INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS

ANEXO II AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS ANEXO II "AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS" INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS EQUIPE DE DESINSTITCUIONALIZAÇÃO - MODALIDADE: VALOR DO PROJETO: 1. DADOS

Leia mais

REGIMENTO DOS LABORATÓRIOS MULTIUSUÁRIOS DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO (RESOLUÇÃO CCS 102/2011)

REGIMENTO DOS LABORATÓRIOS MULTIUSUÁRIOS DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO (RESOLUÇÃO CCS 102/2011) REGIMENTO DOS LABORATÓRIOS MULTIUSUÁRIOS DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO (RESOLUÇÃO CCS 102/2011) CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO E FINALIDADES Art.1º- Os Laboratórios

Leia mais

Índice dos Boletins Epidemiológicos de Porto Alegre de 2014 a 1996

Índice dos Boletins Epidemiológicos de Porto Alegre de 2014 a 1996 Índice dos Boletins Epidemiológicos de Porto Alegre de 2014 a 1996 XV 55 Novembro de 2014 Especial Vigilância Ambiental da Dengue em Porto Alegre XV 54 Fevereiro de 2014 Atual Cenário Epidemiológica da

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 23/2012 Aprova a implantação do Sistema de Gestão de Pessoas por Competências (SGPC) da UFPB. O Conselho Universitário

Leia mais

Relatório de Gestão 2010 da Universidade Federal de Santa Catarina. Secretaria de Planejamento e Finanças Prof. Luiz Alberton

Relatório de Gestão 2010 da Universidade Federal de Santa Catarina. Secretaria de Planejamento e Finanças Prof. Luiz Alberton da Universidade Federal de Santa Catarina Secretaria de Planejamento e Finanças Prof. Luiz Alberton Estrutura Apresentação do Reitor e Vice-Reitor 1. A Universidade Federal de Santa Catarina 2. Dados sobre

Leia mais

Detalhamento por Localizador

Detalhamento por Localizador Programa 2015 - Aperfeiçoamento do Sistema Único de Saúde (SUS) 20QI - Implantação e Manutenção da Força Nacional de Saúde Número de Ações 3 Esfera: 20 - Orçamento da Seguridade Social Função: 10 - Saúde

Leia mais

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI Secretaria de Articulação Institucional SAI Seminário Metas do Plano e dos Sistemas Municipal, Estadual e Nacional de Cultura Vitória-ES 05/Dez/2011 Secretaria de Articulação Institucional SAI A Construção

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 883, DE 5 DE JULHO DE 2010

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 883, DE 5 DE JULHO DE 2010 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 883, DE 5 DE JULHO DE 2010 Regulamenta o Decreto nº 7.082, de 27 de janeiro de 2010, que institui o Programa Nacional de Reestruturação

Leia mais

Diretoria de Vigilância Epidemiológica FEBRE DO CHIKUNGUNYA NOTA TÉCNICA 01/2014

Diretoria de Vigilância Epidemiológica FEBRE DO CHIKUNGUNYA NOTA TÉCNICA 01/2014 FEBRE DO CHIKUNGUNYA NOTA TÉCNICA 01/2014 Assunto: Informações e procedimentos para a vigilância da Febre do Chikungunya na Bahia. I. A Febre do Chikungunya é uma doença causada por um vírus do gênero

Leia mais

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI Secretaria de Articulação Institucional SAI O Processo de Construção do SNC Teresina-PI 04/Dez/2012 A Importância Estratégica do SNC Após os inúmeros avanços ocorridos nos últimos anos no campo da cultura

Leia mais