AMORTECEDORES 1. A HISTÓRIA DA MONROE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AMORTECEDORES 1. A HISTÓRIA DA MONROE"

Transcrição

1 AMORTECEDORES 1. A HISTÓRIA DA MONROE A Monroe Amortecedores, empresa subsidiária da Tenneco e líder mundial no desenvolvimento e fabricação de amortecedores, chegou ao Brasil em 1974, após adquirir a Maremont, de origem norte-americana, e a Onner do Brasil, de Belo Horizonte (MG). A empresa está sediada em Mogi Mirim, interior de São Paulo, em um terreno de 120 mil m 2, dos quais 30 mil m 2 correspondem à área construída. A Tenneco possui centros tecnológicos altamente avançados, que permitem incorporar simultaneamente as inovações em todas as unidades do grupo espalhadas pelo mundo. No Brasil, a Monroe produz cerca de 22 mil amortecedores por dia para veículos leves, pesados e utilitários de várias marcas. Possui uma das linhas de produtos mais completas do mercado, capaz de atender 96% da atual frota circulante no Brasil. A Monroe foi fundada em 1916 com o nome de Brisk Blast Manufacturing Company. Iniciou suas atividades com a produção de equipamentos para pneus, lançando o primeiro amortecedor dez anos depois. Hoje, há mais de 30 anos no mercado brasileiro, a Monroe está presente em 14 países, possui 22 unidades fabris nas Américas do Norte e Sul, Europa, Ásia e Austrália. Sua matriz está situada nos Estados Unidos. 2. A HISTÓRIA DO AMORTECEDOR Quando se iniciou a fabricação dos primeiros automóveis no final do século XIX, um item imprescindível para garantir a segurança, conforto e estabilidade, não equipava as suspensões destes veículos: o amortecedor. A falta dos amortecedores trazia inúmeros transtornos. As irregularidades do solo deixavam o carro bastante instável, o motorista perdia facilmente o controle nas curvas, pois a inclinação do veículo não era compensada. A ausência do equipamento provocava um excesso de vibração que passava das rodas para a carroceria do automóvel, os pneus furavam constantemente, devido ao extremo impacto que sofriam. Em vista deste cenário, a Monroe criou o eliminador de vibrações. Lançado em 1926, o equipamento era hidráulico e possuía um pistão vertical interno. Já na década de 30, a Monroe desenvolveu uma nova tecnologia: o amortecedor de dupla ação. A peça era composta por duas câmaras, uma de compressão e outra de tração, divididas pelo pistão e por válvulas calibradas. O pistão era ligado a uma haste altamente resistente, o que tornava o amortecedor capaz de suportar grandes impactos.

2 No início dos anos 50, a Monroe inovou mais uma vez ao lançar o amortecedor telescópico de dupla ação. O produto recebeu este nome porque sua estrutura se assemelha a de um telescópio, com o pistão e a haste deslizando dentro do tubo de pressão. Depois disso, a empresa manteve um ritmo acelerado de crescimento. Na década de 60, lançou o Monro-Matic, que se tornou peça original de fábrica de quase todos os veículos produzidos nos Estados Unidos. Atualmente, a Monroe está presente em diversos países com uma ampla linha de amortecedores. Em busca de inovações, a empresa investe constantemente em seus centros tecnológicos para desenvolver produtos que revolucionem o mercado dos amortecedores no futuro. 3. AMORTECEDORES COMO ELEMENTO DE SUSPENSÃO O amortecedor e o sistema de suspensão são dois elementos que, como regra geral, são considerados como apenas um elemento. Na realidade são dois componentes totalmente diferentes que trabalham em conjunto, um complementando ao outro. Por esta dependência, podemos concluir então que o amortecedor é um dos principais elementos que compõem a suspensão de um veículo. Como tal, a suspensão tem as seguintes funções distintas: Mantém o nível correto da altura do veículo. Reduz o efeito de impacto da estrada. Mantém o alinhamento correto do veículo. A suspensão geralmente é composta de elementos flexíveis que absorvem os movimentos da roda absorvidos do pavimento. Esta flexibilidade pode criar algumas situações desfavoráveis de rodagem, como por exemplo, desconsiderar desiguais superfícies de pavimento, o chassi é submetido a movimentos verticais brutos, e movimentos de rolagem (transferência de peso), todos resultando uma certa instabilidade no veículo. Para controlar e reduzir estes movimentos, foi projetado um elemento especial na suspensão, denominado "amortecedor". Os primeiros exemplares usaram a fricção (atrito) produzida entre dois braços de metal separados por uma isolante de borracha. O constante avanço tecnológico fornece atualmente ao mercado automotivo amortecedores telescópicos, hidráulicos e pressurizados, com regulagens manuais e eletrônicas de altura e carga (pressão).

3 4. O PRINCÍPIO DO AMORTECEDOR Como já sabemos, o amortecedor é instalado entre o chassi do carro e a roda, sendo um dos principais componentes do sistema de suspensão do veículo. Quando a roda se movimenta verticalmente por causa das irregularidades da superfície da estrada, a haste do amortecedor também se movimenta no mesmo sentido. Este movimento faz o óleo contido no amortecedor se movimentar pelos tubos de pressão e reservatório, atravessando as válvulas do pistão e de base. A resistência do óleo ao passar pelas válvulas cria uma pressão, o que chamamos tecnicamente de carga, responsável por controlar os movimentos do veículo. O amortecedor segue o princípio da física que diz "a energia não pode ser criada ou destruída, apenas transformada", onde a energia cinética, gerada pela movimentação, se transforma em energia térmica, gerando calor. 5. A DINÂNICA VEÍCULAR A Dinâmica Veicular explica a interação existente entre o motorista, veículo e pavimento. Esta interação pode ser mostrada basicamente em quatro áreas distintas: Dirigibilidade Aderência ao Pavimento Movimentação vertical NVH A Dirigibilidade, que também é mais conhecida como Manobrabilidade é a resposta do veículo para as ordens do motorista, em relação à estabilidade e controle do veículo em velocidades diferentes. Amortecedores com cargas maiores permitem respostas mais rápidas. Aderência ao Pavimento é a característica que mantém as rodas em permanente contato com a superfície de estrada, independente do nível da superfície e dos diferentes tipos de manobras. Amortecedores com cargas maiores permitem uma aderência maior do pneu com o solo. Movimentação Vertical são os movimentos para cima e para baixo do chassi, e seus efeitos no conforto do veículo. Amortecedores com cargas maiores permitem um controle mais eficaz de movimentação vertical. O coeficiente de NVH (Barulho, Vibração e Aspereza), é obtido estudando o barulho no interior do veículo, ignorando obstáculos isolados ou diferentes tipos de superfícies pavimentadas.

4 Amortecedores com cargas mais baixas são melhores para o conforto. Por outro lado, amortecedores com cargas maiores asseguram a estabilidade do veículo. Assim, conclui-se facilmente que o conforto é inversamente proporcional à estabilidade. Sendo assim, teoricamente, o amortecedor ideal proporcionaria 50% de conforto e os outros 50% de estabilidade. Porém, no desenvolvimento do amortecedor serão obrigatoriamente analisados outros fatores, como o tipo do veículo e suspensão, suas características, finalidade do veículo, entre outros. Por exemplo, em carros especiais os amortecedores possuem uma carga mais alta, tornando a suspensão mais rígida, com o objetivo de fornecer ao veículo maior estabilidade, com nível de conforto aceitável. Por outro lado, em veículos normais os amortecedores são mais macios, proporcionando maior conforto com nível de estabilidade aceitável. 6. COMO O AMORTECEDOR TRABALHA Os amortecedores são basicamente bombas de óleo, e o tipo mais usado atualmente é denominado telescópico hidráulico. Um pistão é preso ao fim da haste e trabalha de acordo com a movimentação do fluido hidráulico no tubo de pressão. Como os movimentos de suspensão são na sua grande maioria verticais (para cima e para baixo), o fluido hidráulico é forçado a passar por furos (orifícios) presentes no pistão. Se os orifícios forem pequenos, a carga do amortecedor será alta, resultando no maior controle da movimentação da suspensão. Caso contrário, se os orifícios forem maiores, a carga do amortecedor será baixa, resultando no controle mais suave da movimentação da suspensão. O funcionamento do amortecedor hidráulico é definido pela constante movimentação interna de óleo entre os tubos. Para isso, a primeira condição básica para o perfeito funcionamento do amortecedor é estar com o tubo de pressão repleto de óleo, sem a presença de ar. A sangria ou escorvamento é processo pelo qual se extrai o ar do tudo de pressão. Quando o amortecedor está no movimento de compressão (fechamento), a haste juntamente com o pistão de desloca para baixo, deslizando pelo tubo de pressão. De todo o óleo que estava abaixo do pistão, parte dele se desloca para a parte superior do tubo de pressão, passando pela válvula do pistão, e a outra parte restante vai para o tubo reservatório, passando pela válvula de base. Quando o amortecedor está no movimento de extensão (abertura), a haste juntamente com o pistão de desloca para cima deslizando pelo tubo de pressão. De todo o óleo que estava acima do pistão, parte dele se desloca para a parte inferior do tubo de pressão, passando pela válvula do pistão, e a outra parte restante é sugada do tubo reservatório para o tubo de pressão, passando pela válvula de base.

5 A velocidade de movimento da haste e o tipo de válvula do pistão determinam a força de resistência (carga) gerada pelo amortecedor na compressão e extensão. O nível de carga de cada amortecedor dependerá da velocidade de movimentação da suspensão, e mais uma série de características próprias do veículo. Ela será definida pelo número e tamanho dos orifícios no pistão, mais a quantidade, e a espessura dos discos de válvula. Quanto mais rápido a suspensão se movimenta, maior carga terá o amortecedor, ou vice-versa. Diante de tantas variáveis na concepção do amortecedor, seria impossível estabelecer apenas um nível de carga para todos os veículos. Por este motivo cada veículo tem o seu próprio amortecedor, não podendo ser adaptado nenhum outro semelhante. Em caso de dúvidas, consulte sempre a aplicação junto ao fabricante antes da realização da troca das peças. 7. FUNÇÕES DO AMORTECEDOR O amortecedor tem três funções básicas e distintas: Mantém o contato dos pneus com o solo. Controla os movimentos de abertura e fechamento das molas. Proporciona benefícios ao condutor, passageiros e ao veículo. As funções básicas e distintas do amortecedor contribuem de maneira clara e significativa no aumento da estabilidade e conforto do veículo, proporcionando: Controle do movimento da suspensão. Diminuição da distância de frenagem. Redução do desgaste dos pneus. Controle da movimentação das molas. Mantém os pneus em permanente contato com o solo. Mantém o alinhamento das rodas. Controle da movimentação do veículo: Rolagem, balanço, mergulho e subida na aceleração. Redução do desgaste dos outros componentes da suspensão. Redução da fadiga do motorista ao dirigir. Analisando o seu funcionamento, podemos afirmar categoricamente que os amortecedores são componentes fundamentais de um veículo, proporcionando ao mesmo tempo segurança e conforto na sua dirigibilidade. 8. AMORTECEDORES HIDRÁULICOS X AMORTECEDORES PRESSURIZADOS Usando as descrições prévias abaixo, podemos definir os seguintes tipos de amortecedores existentes no mercado: Amortecedores Hidráulicos São amortecedores equipados com óleo e ar, e que possuem dois tubos distintos (reservatório e pressão), e por este motivo são denominados bitubos. Possuem construção simplificada, porém de alta tecnologia, proporcionando ao veículo estabilidade necessária com nível elevado de conforto na sua rodagem. São desenvolvidos para todos os tipos de veículos, dos menores aos maiores.

6 Amortecedores Pressurizados São amortecedores semelhantes aos hidráulicos, porém com algumas diferenças: O ar é substituído internamente pelo gás nitrogênio (gás inerte) a baixa pressão, injetado no momento da fabricação do amortecedor. O selo de vedação ou retentor é especial para este tipo de amortecedor. Possui um lábio para prevenir a entrada de pó ou sujeira, e dois lábios que previnem o vazamento do óleo. A base do selo é flexível, funcionando como uma válvula de retorno do gás, mantendo a pressão de gás somente no tubo reservatório. Os amortecedores pressurizados proporcionam ao veículo rodagem confortável, porém com elevado nível de controle e estabilidade. Vantagens dos Amortecedores Pressurizados A presença do gás nitrogênio evita a formação de bolhas de ar no óleo - as bolhas são formadas quando os amortecedores alcançam altas temperaturas, ou movimentação intensa. Esse processo de formação de bolhas de ar no óleo do amortecedor é denominado aeração ou cavitação. Durante a sua ocorrência, há uma leve perda momentânea de carga no amortecedor. A pressão do gás nitrogênio no tubo reservatório pressiona o óleo para o tubo de pressão, mantendo-o sempre cheio, sem a presença de bolsas de gás. Isto auxilia na preparação do amortecedor antes da sua instalação. O gás nitrogênio produz uma ação mais rápida no trabalho do amortecedor. Durante a movimentação de abertura e fechamento do amortecedor, a pressão de gás nitrogênio pressionará constantemente o óleo a preencher os espaços livres decorrentes do movimento do pistão, produzindo uma reação quase instantânea aos amortecimentos. Como resultado, o desempenho do amortecedor melhora, pois os pneus estarão sempre em contato com o pavimento. 9. LINHA DE AMORTECEDORES Na linha de amortecedores hidráulicos, os destaques são o Convencional e o Max-Air. O primeiro tem tecnologia que proporciona uma rodagem mais confortável. Já o Max-Air diferencia-se do Convencional por possuir uma câmara de borracha externa com ar que funciona como um nivelador de suspensão, mantendo o veículo sempre em equilíbrio em diversas situações de uso, principalmente suportando cargas. O amortecedor Light é a grande novidade dessa linha. Fabricado com a mesma qualidade e tecnologia do Convencional, os amortecedores Light apresentam um custo mais baixo, e menor garantia. É uma ótima opção para quem procura a relação custo x benefício.

7 Dentre os amortecedores pressurizados, destacam-se o Gás Premium Gold, Reflex e GNV. O Gás Premium Gold possui tecnologia avançada que aumenta a estabilidade e evita a aeração. No Reflex o consumidor encontra outra inovação, a tecnologia exclusiva Impact Sensor. Graças a um sensor de impacto que funciona como um interruptor entre a compressão alta e baixa, os amortecedores desse modelo se adaptam a qualquer tipo de solo. Especialmente projetados para os carros movidos a Gás Natural Veicular, os amortecedores GNV são mais resistentes para suportar a carga do veículo, que sofre um acréscimo de aproximadamente 80 quilos por causa do cilindro colocado no porta-malas para armazenar o combustível. No segmento off-road, a última tecnologia da Monroe está presente no amortecedor Rancho. O modelo é hidráulico e conta com o conceito inovador Célula de Gás. Uma bolsa de ar comprimido localizada no interior do amortecedor não permite que o óleo se misture com o ar, evitando a aeração. Além disso, o amortecedor Rancho tem tecnologia de Controle de Força Variável (ajuste de cargas), que resulta em uma perfeita combinação entre performance, durabilidade e eficiência. A opção do amortecedor pressurizado para este segmento off-road é o modelo Adventure. Diferente do Rancho, esses amortecedores não possuem ajuste de carga variável, são produzidos com uma carga média já estabelecida, apresentando elevada resistência em diferentes condições de terreno. A Monroe oferece ainda mais dois modelos de amortecedores hidráulicos para a linha pesada. O Convencional 35 mm é reforçado e possui um maior volume de fluido hidráulico, que garante maior absorção de impacto. Já o modelo Convencional 45 mm é robusto e possui haste e tubos de diâmetros maiores para suportar as exigências dos caminhões e ônibus que circulam pelo mundo. Desta forma, estes amortecedores proporcionam performance mais consistente, aliada ao conforto e maior absorção de impacto. 10. EFEITOS DOS AMORTECEDORES DESGASTADOS Quando um veículo atinge a marca aproximada de km recomenda-se a troca preventiva dos amortecedores. Essa kilometragem referencial foi determinada através de testes realizados que constataram que um amortecedor em uso se movimenta (abertura e fechamento) em média aproximadamente ciclos por quilômetro rodado ciclos p/ km km ciclos Sendo assim, aos km um amortecedor se movimentou cerca de 104 milhões de vezes, o suficiente para provocar desgastes naturais por uso da peça.

8 Além da kilometragem de uso, será necessário analisar outros fatores para determinarmos se um amortecedor ainda encontra-se eficiente, são eles: Condições da superfície de rodagem (ruas, estradas, etc). Condições de dirigibilidade. O peso transportado pelo veículo. Condição dos outros componentes da suspensão do veículo. O desgaste do amortecedor normalmente não é visto e nem sentido pelo motorista do veículo, pelo fato da deterioração gradual do componente ser por muitas vezes lenta e imperceptível. Os condutores por sua vez, vão se adaptando e se acostumando com a dirigibilidade, ignorando o estado de funcionamento dos amortecedores, e sua importância na segurança do veículo. Os principais sintomas de defeitos nos amortecedores por uso normal são: movimento livre da haste na câmara de funcionamento (tubo interno), vazamentos de óleo, marcas na haste, coxins de fixação desgastados, batentes e coifas danificadas, válvulas obstruídas ou gastas, e amassados no tubo externo. Todos estes sintomas modificarão o trabalho normal do amortecedor, resultando em um veículo desconfortável e principalmente inseguro. Por exemplo, comparando um veículo com amortecedores novos, com outro equipado com amortecedores 50% eficientes, (entre e km.), poderemos notar: - Aumento de 2,6 metros na distância de frenagem, trafegando a uma velocidade de 80 km/h em linha reta, com o motorista somente a bordo. (TÜV Rheinland). - Aumento de 12,1 metros na distância de frenagem, trafegando a uma velocidade de 70 km/h em linha reta, com o motorista e três outras pessoas a bordo. (Centro de Segurança de Carro, em Milão). - O veículo começou a aquaplanar a 109 km/h em uma superfície de 6mm de água, equipado com amortecedores 50% eficientes. Já com amortecedores novos o veículo começou a aquaplanar a 125 km/h nas mesmas condições. (TÜV Rheinland). - Aumento em 23% na distância de frenagem em neve ou gelo, inclusive em veículos equipados com sistema de freios ABS, pois amortecedores ineficientes provocam o mau funcionamento da unidade de controle do ABS. (TÜV Rheinland). Em todos os testes realizados, notamos claramente que em veículos equipados com amortecedores ineficientes, o contato dos pneus com o pavimento diminui consideravelmente, provocando pequenos saltos das rodas, ocasionando desgaste prematuro dos pneus e problemas com a dirigibilidade do veículo. Caso o problema não seja solucionado, situações de risco ou até mesmo acidentes com o veículo poderão acontecer. A outra maneira de verificar a performance dos amortecedores em um veículo é analisar minuciosamente o comportamento deles na rodagem. Os sintomas de desgaste são facilmente perceptíveis, desde que o técnico ou condutor tenha o conhecimento dos pontos de verificação. São eles:

9 Verifique se a parte dianteira do veículo mergulha excessivamente ao frear, ou a parte traseira afunda muito ao acelerar. Analise cuidadosamente a condição dos pneus, deformações na banda central de rodagem (com dentes de serra ou escamas) são sintomas de amortecedores defeituosos. Verifique se o veículo rola excessivamente lateralmente e inclina em suas extremidades (cantos). Analise a dificuldade de manter a direção normal do veículo ao dirigir com vento lateral. É de fundamental importância que o motorista saiba que os amortecedores são componentes de extrema segurança para seu veículo, e que a conservação e manutenção deles asseguram um rodar mais confortável e principalmente seguro. Neste sentido, o trabalho do técnico em suspensão é muito importante. A oportunidade do contato direto com o condutor do veículo resultará na divulgação de informações precisas e mais confiáveis.

Foto cortesia de Honda Motor Co., Ltd. Sistema de suspensão de braços triangulares superpostos no Honda Accord Coupe 2005

Foto cortesia de Honda Motor Co., Ltd. Sistema de suspensão de braços triangulares superpostos no Honda Accord Coupe 2005 Introdução Quando as pessoas pensam sobre o desempenho de um automóvel, geralmente vem à cabeça potência, torque e aceleração de 0 a 100 km/h. No entanto, toda a força gerada pelo motor é inútil se o motorista

Leia mais

TERMO DE GARANTIA PARA CÂMARAS DE AR E PROTETORES PARA VEÍCULOS DE PASSEIO, CAMIONETAS, VEÍCULOS DE CARGA (CAMINHÕES E ÔNIBUS) E AGRÍCOLAS

TERMO DE GARANTIA PARA CÂMARAS DE AR E PROTETORES PARA VEÍCULOS DE PASSEIO, CAMIONETAS, VEÍCULOS DE CARGA (CAMINHÕES E ÔNIBUS) E AGRÍCOLAS AS CONDIÇÕES DESTA GARANTIA PASSAM A VALER PARA PRODUTOS COMERCIALIZADOS PELA TORTUGA CÂMARAS DE AR ADQUIRIDOS A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2011. Além da garantia legal, a Tortuga Câmaras de Ar, garante

Leia mais

Segurança dos Pneus. Data de validade

Segurança dos Pneus. Data de validade Segurança dos Pneus Dirigimos diariamente e quase nunca prestamos atenção a uma das partes mais importantes do automóvel, O PNEU. Veja a seguir como ler e entender a fabricação e o uso correto de um pneu.

Leia mais

Leia com atenção este termo de garantia, mantenha-o ao seu alcance e consulte-o sempre que surgir dúvidas. TERMO DE GARANTIA

Leia com atenção este termo de garantia, mantenha-o ao seu alcance e consulte-o sempre que surgir dúvidas. TERMO DE GARANTIA Leia com atenção este termo de garantia, mantenha-o ao seu alcance e consulte-o sempre que surgir dúvidas. TERMO DE GARANTIA A Maggion Inds. de Pneus e Máquinas Ltda. garante, por um período de 5 ( cinco

Leia mais

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE ALAGOAS - DETRAN/AL QUESTÕES SOBRE MECÂNICA

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE ALAGOAS - DETRAN/AL QUESTÕES SOBRE MECÂNICA A quilometragem percorrida pelo veículo é indicada pelo: 1 velocímetro. 2 hodômetro. 3 manômetro. 4 conta-giros. O termômetro é utilizado para indicar a temperatura: 1 do motor. 2 do combustível. 3 no

Leia mais

Aqui você encontrará dicas para manutenção preventiva de seu carro, para que este esteja sempre em ordem.

Aqui você encontrará dicas para manutenção preventiva de seu carro, para que este esteja sempre em ordem. Aqui você encontrará dicas para manutenção preventiva de seu carro, para que este esteja sempre em ordem. É importante ressaltar a realização da manutenção preventiva, além prevenir reparos inesperados,

Leia mais

VEICULOS PREVENÇÃO. Exemplo de roda para automóveis:

VEICULOS PREVENÇÃO. Exemplo de roda para automóveis: VEICULOS PREVENÇÃO AROS E RODAS Roda é um conjunto formado de aro e disco, servindo de elemento intermediário entre o pneu e o veículo. Portanto aro é o elemento anelar onde o pneu é montado e disco é

Leia mais

Soluções para Transmissão

Soluções para Transmissão Soluções para Transmissão Motor Transmissão Chassis Estruturas Tração Total SOLUÇÕES PARA TRANSMISSÃO Em 1904, o fundador da Dana, Clarence Spicer, revolucionou a indústria automobilística ao inventar

Leia mais

EMPILHADEIRAS HYUNDAI À DIESEL

EMPILHADEIRAS HYUNDAI À DIESEL GARFO (Comprimento X Largura x Bitola) (mm) HDF50-7S (TIPO EIXO - TIPO GANCHO) - 1.350 X 150 X 60-1.500 X 150 X 60-1.800 X 150 X 60-2.000 X 150 X 60-2.400 X 150 X 60 HDF70-7S (TIPO EIXO) - 1,350 X 180

Leia mais

Vícios e Manias ao Volante

Vícios e Manias ao Volante Vícios e Manias ao Volante EMBREAGEM Muitos brasileiros deixam o pé apoiado sobre o pedal da embreagem quando dirigem. É um dos vícios mais comuns e difícil de ser superado. As alavancas desse sistema

Leia mais

PARA O ALUNO. 2. Não utilizar celular em sala de aula (em caso de urgência pedir licença para o professor e atender a ligação fora da sala).

PARA O ALUNO. 2. Não utilizar celular em sala de aula (em caso de urgência pedir licença para o professor e atender a ligação fora da sala). 1. Ter disciplina e respeito em sala de aula. PARA O ALUNO. 2. Não utilizar celular em sala de aula (em caso de urgência pedir licença para o professor e atender a ligação fora da sala). 3. Manter a Escola

Leia mais

Geometria da Suspensão

Geometria da Suspensão Geometria da Suspensão Literatura Automotiva ABRAPNEUS Associação Brasileira dos Revendedores de Pneus Reparação Automotiva ABRAPNEUS e SINDIREPA/SP lançam o manual Literatura Automotiva Geometria de

Leia mais

Scania Série F ÔNIBUS URBANOS E RODOVIÁRIOS. Versatilidade e robustez para o segmento urbano ou rodoviário

Scania Série F ÔNIBUS URBANOS E RODOVIÁRIOS. Versatilidade e robustez para o segmento urbano ou rodoviário Scania Série F ÔNIBUS URBANOS E RODOVIÁRIOS Versatilidade e robustez para o segmento urbano ou rodoviário Scania Série F ÔNIBUS URBANOS E RODOVIÁRIOS A performance que você pode confiar 2 3 Criado para

Leia mais

- Cilindro Pneumático ISO

- Cilindro Pneumático ISO de Instalação, Operação e Manutenção Janeiro 2000 - ISO Série P1E (Tubo Perfilado) 32 a 100 mm Índice Introdução... 1 Características Técnicas... 1 Características Construtivas... 1 Instalação... 2 Manutenção...

Leia mais

Linha de COMPACTAÇÃO 2010

Linha de COMPACTAÇÃO 2010 Linha de COMPACTAÇÃO 2010 Compactador de Percussão RAM60 I RAM70 Esses equipamentos foram desenvolvidos para compactação dos mais diversos tipos de solo que necessitam de maior abrangência na profundidade.

Leia mais

Venda de pneus de mota. Enchimento de pneus a nitrogénio

Venda de pneus de mota. Enchimento de pneus a nitrogénio Venda de pneus novos - ligeiros, comerciais, pesados, agrícolas e industriais Venda de pneus de mota Venda de jantes Enchimento de pneus a nitrogénio AS RODAS INSUFLADAS COM NITROGÉNIO ATINGEM MENOR TEMPETRATURA.

Leia mais

O modelo da foto pode conter equipamentos opcionais.

O modelo da foto pode conter equipamentos opcionais. Contate o seu concessionário Hyundai para mais informações. O equipamento apresentado pode variar de acordo com normas internacionais. Todas as medidas em libras e polegadas estão arredondadas. Novo Conceito

Leia mais

(19) 3541-2000 - contato@dispelempilhadeiras.com.br www.dispelempilhadeiras.com.br

(19) 3541-2000 - contato@dispelempilhadeiras.com.br www.dispelempilhadeiras.com.br CE CERTIFICADO EMPILHADEIRAS A transmissão 2-3 T possui estrutura avançada tipo flutuante, a única na China. Estruturas flutuantes são projetadas para reduzir a transmissão das vibrações ao chassis em

Leia mais

ENGENHARIA MECÂNICA NA

ENGENHARIA MECÂNICA NA ENGENHARIA MECÂNICA NA Gonçalo Falcão Marta Ramos Paulo Fernandes Pedro Lima Pedro Forte Pedro Seabra 1M05_03 Supervisor: Monitor: Ana Reis Mário Silva Mestrado Integrado Engenharia Mecânica Motores Energy

Leia mais

4. Dados técnicos. BMW 116i, BMW 118i.

4. Dados técnicos. BMW 116i, BMW 118i. Página 16 4. Dados técnicos. BMW 116i, BMW 118i. BMW 116i BMW 118i Carroceria Nº de portas / assentos 5/5 5/5 Compr/largura/altura (sem carga) 1) mm 4.324/1.765/1.421 4.324/1.765/1.421 Distância entre

Leia mais

SIENA / GRAND SIENA TETRAFUEL

SIENA / GRAND SIENA TETRAFUEL SIENA / GRAND SIENA TETRAFUEL Página 1 FIAT CHRYSLER AUTOMOBILES 13/08/2015 DESCRIÇÃO DO SISTEMA GNV COMPONENTES DO SISTEMA GNV 1. Cilindro GNV 2. Suporte do Cilindro de GNV 3. Linha de Alta Pressão: Tubo

Leia mais

Carregadeira LW300K. Potência Motor: 124 HP - Capacidade da caçamba: 1,9 m³ - Peso operacional: 10.600 Kg

Carregadeira LW300K. Potência Motor: 124 HP - Capacidade da caçamba: 1,9 m³ - Peso operacional: 10.600 Kg Carregadeira LW300K Potência Motor: 124 HP - Capacidade da caçamba: 1,9 m³ - Peso operacional: 10.600 Kg Qualidade, confiabilidade e força, aliada ao baixo consumo de combustível. A Pá-carregadeira LW300K

Leia mais

0800 709 8000 - www.brasifmaquinas.com.br. Distribuidor exclusivo: Distrito Federal. Espírito Santo. Goiás. Minas Gerais. Paraná

0800 709 8000 - www.brasifmaquinas.com.br. Distribuidor exclusivo: Distrito Federal. Espírito Santo. Goiás. Minas Gerais. Paraná 0800 709 8000 - www.brasifmaquinas.com.br Distribuidor exclusivo: Distrito Federal. Espírito Santo. Goiás. Minas Gerais. Paraná Santa Catarina. São Paulo. Rio Grande do Sul. Tocantins ÍNDICE Confiança

Leia mais

USO & MANUTENÇÃO DE PNEUS

USO & MANUTENÇÃO DE PNEUS USO & MANUTENÇÃO DE PNEUS O QUE É O PNEU... É UM ELO DE LIGAÇÃO ENTRE O VEÍCULO E O SOLO FUNÇÕES DO PNEU SUPORTAR A CARGA ASSEGURAR A TRANSMISSÃO DA FORÇA MOTRIZ GARANTIR A DIRIGIBILIDADE DO VEÍCULO RESPODER

Leia mais

n 4 ... Bê-á-Bá da Mecânica ... O SISTEMA DE Direitos reservados ao SENAI-PR

n 4 ... Bê-á-Bá da Mecânica ... O SISTEMA DE Direitos reservados ao SENAI-PR ...... O SISTEMA DE Bê-á-Bá da Mecânica n 4 HB Design Novembro 2008 Direitos reservados ao SENAI-PR FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO PARANÁ FIEP SENAI Departamento Regional do Paraná Direção Regional:

Leia mais

www.peugeot.com.br/professional

www.peugeot.com.br/professional www.peugeot.com.br/professional Todos os veículos Peugeot estão de acordo com o PROCONVE, Programa de Controle de Poluição do Ar por Veículos Automotores. Colar etiqueta de identificação da Concessionária.

Leia mais

Polivalentes. Com melhorias para facilitar a pilotagem no dia a dia, a nova Kawasaki Ninja 650 desponta entre as carenadas de entrada

Polivalentes. Com melhorias para facilitar a pilotagem no dia a dia, a nova Kawasaki Ninja 650 desponta entre as carenadas de entrada Comparativo POR francis vieira Fotos Mario Villaescusa Polivalentes Com melhorias para facilitar a pilotagem no dia a dia, a nova Kawasaki Ninja 650 desponta entre as carenadas de entrada A carenagem é

Leia mais

Lastragem do trator Agrícola Lastragem Prof. Luiz Atilio

Lastragem do trator Agrícola Lastragem Prof. Luiz Atilio do trator Agrícola FORMAS PARA AUMENTAR A ADERÊNCIA ENTRE O RODADO E O SOLO: - Aumento da área de contato: - Pneu mais largo - Rodagem dupla -: - Lastro Líquido ( água nos pneus) - Lastro metálico ( pesos

Leia mais

Mercedes-Benz Global Training. MANUTENÇÃO DE FREIOS DE CARRETA

Mercedes-Benz Global Training. MANUTENÇÃO DE FREIOS DE CARRETA Mercedes-Benz Global Training. Manutenção de Freios de Carreta.indd 1 23/10/2012 08:54:06 02 Veículos articulados são aqueles compostos de uma unidade motriz (cavalo mecânico) e um ou mais implementos

Leia mais

Potência e divertimento.

Potência e divertimento. Potência e divertimento. Se já conduziu o YFM350R ou o YFM250R e quer algo mais dos seus passeios com amigos, considere o. Potente e desportivo, foi concebido para proporcionar grandes emoções. Graças

Leia mais

SOLUÇÕES PARA O TRANSPORTADOR AUTÔNOMO:

SOLUÇÕES PARA O TRANSPORTADOR AUTÔNOMO: SOLUÇÕES PARA O TRANSPORTADOR AUTÔNOMO: Nesta categoria de transportador o motorista é o proprietário do caminhão, desta forma, sente na pele as decisões de compras em todas as áreas do seu veículo. Nos

Leia mais

ESCOLA DE CONDUÇÃO INVICTA (Conduzir em Segurança)

ESCOLA DE CONDUÇÃO INVICTA (Conduzir em Segurança) Condução consciente A condução consciente e tranquila depende em grande parte de quem está ao volante. Cada um tem a responsabilidade de melhorar a sua segurança e a dos outros. Basta estar atento e guiar

Leia mais

Secretaria do Planejamento e Gestão. Manual

Secretaria do Planejamento e Gestão. Manual Secretaria do Planejamento e Gestão Manual Manual de Abastecimento da Frota Introdução O presente manual tem por finalidade orientar os usuários sobre seus deveres, instruir como proceder nas diversas

Leia mais

Computação Embarcada Projeto e Implementação de Veículos Autônomos Inteligentes

Computação Embarcada Projeto e Implementação de Veículos Autônomos Inteligentes XXV CONGRESSO DA SBC JAI 2005 Computação Embarcada Projeto e Implementação de Veículos Autônomos Inteligentes - GPVA http://www.eletrica eletrica.unisinos..unisinos.br/~autonom Dr. Christian R. Kelber

Leia mais

Trator de Rodas Derrubador-Amontoador

Trator de Rodas Derrubador-Amontoador 553 563 573 Trator de Rodas Derrubador-Amontoador 553 563 573 Motor Motor CAT C6.6 ACERT Motor CAT C7 ACERT Motor CAT C7 ACERT Comp. Classe III Comp. Classe III Comp. Classe III Potência Bruta 129 kw (173

Leia mais

O modelo da foto pode conter equipamentos opcionais.

O modelo da foto pode conter equipamentos opcionais. Contate o seu concessionário Hyundai para mais informações. O equipamento apresentado pode variar de acordo com normas internacionais. Todas as medidas em libras e polegadas estão arredondadas. Novo Conceito

Leia mais

Descrever o princípio de funcionamento dos motores Ciclo Otto Identificar os componentes básicos do motor.

Descrever o princípio de funcionamento dos motores Ciclo Otto Identificar os componentes básicos do motor. Objetivos Descrever o princípio de funcionamento dos motores Ciclo Otto Identificar os componentes básicos do motor. Descrição Neste módulo são abordados os princípios de funcionamento do motor Ciclo Otto,

Leia mais

Tratores Agrícolas 1

Tratores Agrícolas 1 Tratores Agrícolas 1 TRATOR AGRÍCOLA 1 DEFINIÇÃO???? Máquina autopropelida provida de meios que, além de lhe conferirem apoio estável sobre uma superfície horizontal, capacitam-no a tracionar, transportar

Leia mais

HELI. MOTOR COM POTÊNCIA PARA 5-10t CPCD50 CPCD60 CPCD70 CPCD80 CPCD100

HELI. MOTOR COM POTÊNCIA PARA 5-10t CPCD50 CPCD60 CPCD70 CPCD80 CPCD100 HELI MOTOR COM POTÊNCIA PARA 5-10t Painel de Instrumentos Digital Limpo e fácil de ler Leitura instantânea ao ligar Layout ergonômico CPCD50 CPCD60 CPCD70 CPCD80 CPCD100 Torre de ampla visão As empilhadeiras

Leia mais

Lubrificação III. Após a visita de um vendedor de lubrificante. Outros dispositivos de lubrificação

Lubrificação III. Após a visita de um vendedor de lubrificante. Outros dispositivos de lubrificação A U A UL LA Lubrificação III Introdução Após a visita de um vendedor de lubrificante ao setor de manutenção de uma indústria, o pessoal da empresa constatou que ainda não conhecia todos os dispositivos

Leia mais

Nível 3 Nível Tático; Nível 4 Nível Operacional. Tema 2 Atitudes e Comportamentos Tema 6 Domínio das Situações de Trânsito Tema 7 Controlo do Veículo

Nível 3 Nível Tático; Nível 4 Nível Operacional. Tema 2 Atitudes e Comportamentos Tema 6 Domínio das Situações de Trânsito Tema 7 Controlo do Veículo FICHA TÉCNICA TRAVAGEM Níveis GDE: Nível 3 Nível Tático; Nível 4 Nível Operacional Temas Transversais: Tema 2 Atitudes e Comportamentos Tema 6 Domínio das Situações de Trânsito Tema 7 Controlo do Veículo

Leia mais

CAMINHÃO MERCEDES-BENZ 1720 A UM 4x4 FORA DE ESTRADA MILITARIZADO

CAMINHÃO MERCEDES-BENZ 1720 A UM 4x4 FORA DE ESTRADA MILITARIZADO CAMINHÃO MERCEDES-BENZ 1720 A UM 4x4 FORA DE ESTRADA MILITARIZADO O mais novo caminhão militar brasileiro é o Mercedes-Benz 1720 A, versão militarizada do modelo civil recentemente lançado no Brasil. O

Leia mais

1º. Seminário Internacional Sobre Eficiência Energética de Veículos Pesados DESPOLUIR/CNT PNEUS VERDES. 06 de Junho de 2013

1º. Seminário Internacional Sobre Eficiência Energética de Veículos Pesados DESPOLUIR/CNT PNEUS VERDES. 06 de Junho de 2013 01 1º. Seminário Internacional Sobre Eficiência Energética de Veículos Pesados DESPOLUIR/CNT PNEUS VERDES 06 de Junho de 2013 02 Índice A Indústria Brasileira de Pneus ANIP pg 03-09 Pneus Verdes ou Biopneus

Leia mais

Tipos de tratores agrícolas

Tipos de tratores agrícolas Tratores Agrícolas Tipos de tratores agrícolas Tratores agrícolas São máquinas projetadas para tracionar, transportar e fornecer potência para máquinas e implementos agrícolas. O desenvolvimento de tratores

Leia mais

automóveis e caminhonetes Pneus para automóveis e caminhonetes.

automóveis e caminhonetes Pneus para automóveis e caminhonetes. automóveis e caminhonetes Pneus para automóveis e caminhonetes. Fate Tecnologia em pneus Na província de Buenos Aires, em San Fernando, está sediada a principal produtora e exportadora de pneus da Argentina.

Leia mais

MULAS MECÂNICAS MADE IN BRAZIL

MULAS MECÂNICAS MADE IN BRAZIL MULAS MECÂNICAS MADE IN BRAZIL Nos anos 70 diversos exércitos no mundo estavam a desenvolver uma família de veículos leves, versáteis e capazes de serem lançados de pará-quedas para apoiar operações que

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO Nº 11/08 DICAS PARA O TÉCNICO REPARADOR AUDI 01J MULTITRONIC ENGATE À FRENTE DEMORADO VIBRAÇÃO NA RETOMADA OU SAÍDA

BOLETIM INFORMATIVO Nº 11/08 DICAS PARA O TÉCNICO REPARADOR AUDI 01J MULTITRONIC ENGATE À FRENTE DEMORADO VIBRAÇÃO NA RETOMADA OU SAÍDA BOLETIM INFORMATIVO Nº 11/08 DICAS PARA O TÉCNICO REPARADOR AUDI 01J MULTITRONIC ENGATE À FRENTE DEMORADO VIBRAÇÃO NA RETOMADA OU SAÍDA RECLAMAÇÃO: Alguns veículos AUDI A4 e A6 equipados com a transmissão

Leia mais

Aplicação da camada de tinta nos chassis, eixos e aros de roda

Aplicação da camada de tinta nos chassis, eixos e aros de roda Informações gerais sobre pintura Informações gerais sobre pintura IMPORTANTE! A Scania recomenda que peças feitas de material macio e flexível não devem ser pintadas. Mangueiras hidráulicas de borracha

Leia mais

A gente aprendeu na prática: a vida em duas rodas exige muita resistência.

A gente aprendeu na prática: a vida em duas rodas exige muita resistência. A gente aprendeu na prática: a vida em duas rodas exige muita resistência. Fomos pra rua e enfrentamos de tudo: buracos, trânsito pesado, as piores condições climáticas. O resultado? A linha de pneus mais

Leia mais

GUINDASTE SOBRE CAMINHÃO STC1300. Capacidade de Elevação 130t

GUINDASTE SOBRE CAMINHÃO STC1300. Capacidade de Elevação 130t GUINDASTE SOBRE CAMINHÃO STC1300 Capacidade de Elevação 130t PÁGINA 01 GUINDASTE SOBRE CAMINHÃO STC1300 Comprimento da extensão total da lança principal de 60m, perfil U, placa de aço WELDOX de alta resistência.

Leia mais

55MR. Escavadeira Compacta PC55MR-3. POTÊNCIA 39,6 HP @ 2.400 rpm. PESO OPERACIONAL 5.160-5.350 kg. CAPACIDADE DA CAÇAMBA 0,07-0,18 m³

55MR. Escavadeira Compacta PC55MR-3. POTÊNCIA 39,6 HP @ 2.400 rpm. PESO OPERACIONAL 5.160-5.350 kg. CAPACIDADE DA CAÇAMBA 0,07-0,18 m³ PC 55MR As fotos neste folheto são meramente ilustrativas, podendo incluir opcionais ou configurações diferentes do equipamento padrão. Escavadeira Compacta PC55MR-3 POTÊNCIA 39,6 HP @ 2.400 rpm PESO OPERACIONAL

Leia mais

Freios ABS SISTEMA DE FREIO ABS. HISTÓRIA DO sistema DE FREIO ABS. FUNCIONAMENTO DO sistema DE FREIO ABS

Freios ABS SISTEMA DE FREIO ABS. HISTÓRIA DO sistema DE FREIO ABS. FUNCIONAMENTO DO sistema DE FREIO ABS Freios ABS SISTEMA DE FREIO ABS Um veículo equipado com um sistema de freios convencionais, durante uma situação dedesaceleração de emergência, produzirá marcas de frenagem sobre a pista. Conhecendo o

Leia mais

Acionamento elétrico 4X4 Acionamento elétrico do sistema de tração 4x4 e reduzida com luz indicadora do sistema acionado (nas versões 4x4).

Acionamento elétrico 4X4 Acionamento elétrico do sistema de tração 4x4 e reduzida com luz indicadora do sistema acionado (nas versões 4x4). S10 Colina Disponível nas versões cabine simples ou dupla e equipada com o motor 2.8L Turbo Diesel Eletrônico MWM, a camionete Chevrolet S10 Colina tem freios ABS nas quatro rodas, acionamento elétrico

Leia mais

- Válvulas com Flange -

- Válvulas com Flange - Procedimentos de Montagem e Manutenção - Válvulas com Flange - Para Sistemas de Vapor, Óleo Térmico e Outros Processos Industriais. Em uma instalação industrial de aquecimento, devem ser previstas facilidades

Leia mais

VIDAL & SOHN TEMPO G 1200 O MAIS ESTRANHO DOS 4X4 NO EXÉRCITO BRASILEIRO

VIDAL & SOHN TEMPO G 1200 O MAIS ESTRANHO DOS 4X4 NO EXÉRCITO BRASILEIRO VIDAL & SOHN TEMPO G 1200 O MAIS ESTRANHO DOS 4X4 NO EXÉRCITO BRASILEIRO A motorização no Exército Brasileiro remonta ao início dos anos 20, recebendo veículos dos mais variados modelos, das mais variadas

Leia mais

Recife terá ônibus HíbridoBR durante a Copa das Confederações

Recife terá ônibus HíbridoBR durante a Copa das Confederações Ônibus Informação à imprensa Recife terá ônibus HíbridoBR durante a Copa das Confederações 10 de junho de 2013 Veículo tem tecnologia nacional e baixa emissão de poluentes A Eletra, empresa brasileira

Leia mais

Dirigir ecologicamente com

Dirigir ecologicamente com Global Training. The finest automotive learning rpm x 100 Dirigir ecologicamente com PREFÁCIO Convidamos você para participar: - Treinamento de Condução Econômica, transmitindo-lhe conhecimento sobre uma

Leia mais

Pesquisa de segurança da Bosch sobre Sistemas Antibloqueio de Frenagem para motocicletas no Brasil e na Argentina

Pesquisa de segurança da Bosch sobre Sistemas Antibloqueio de Frenagem para motocicletas no Brasil e na Argentina Robert Bosch Ltda. Chassis Systems Control Rodovia Anhanguera, km 98 CEP: 13065-900 Campinas SP Brasil www.bosch-moto.com.br Pesquisa de segurança da Bosch sobre Sistemas Antibloqueio de Frenagem para

Leia mais

Scania Série K ÔNIBUS URBANOS E RODOVIÁRIOS. Ônibus singulares começam aqui

Scania Série K ÔNIBUS URBANOS E RODOVIÁRIOS. Ônibus singulares começam aqui Scania Série K ÔNIBUS URBANOS E RODOVIÁRIOS Ônibus singulares começam aqui Scania Série K ÔNIBUS URBANOS E RODOVIÁRIOS Ajudando voc excelentes ôn O chassis é a base fundamental do ônibus. Desenvolvidos

Leia mais

302.2D. Miniescavadora hidráulica. Motor Potência bruta (ISO 14396) 17,9 kw 24,3 hp

302.2D. Miniescavadora hidráulica. Motor Potência bruta (ISO 14396) 17,9 kw 24,3 hp 302.2D Miniescavadora hidráulica Motor Potência bruta (ISO 14396) 17,9 kw 24,3 hp Pesos Peso em operação com cabina 2135 kg 4707 lb Peso em operação com tejadilho 2025 kg 4464 lb Flexibilidade e eficiência

Leia mais

A nova Etiqueta UE para pneus: A explicação ativa. Com conhecimento técnico. Para que o seu Volkswagen seja sempre um Volkswagen Volkswagen Service

A nova Etiqueta UE para pneus: A explicação ativa. Com conhecimento técnico. Para que o seu Volkswagen seja sempre um Volkswagen Volkswagen Service A nova Etiqueta UE para pneus: A explicação ativa. Com conhecimento técnico. Para que o seu Volkswagen seja sempre um Volkswagen Volkswagen Service Conduza em segurança e poupe energia. A introdução da

Leia mais

SOLUÇÕES PARA A TRANSPORTADORA:

SOLUÇÕES PARA A TRANSPORTADORA: SOLUÇÕES PARA A TRANSPORTADORA: O transportador de cargas e passageiros, tem uma frota a administrar e precisa conhecer todos os custos da empresa, pois todos eles compõe o custo do frete que vende aos

Leia mais

Regras do Curso PARA O ALUNO.

Regras do Curso PARA O ALUNO. Regras do Curso 1. Ter disciplina e respeito em sala de aula. PARA O ALUNO. 2. Não utilizar celular em sala de aula (em caso de urgência pedir licença para o professor e atender a ligação fora da sala).

Leia mais

Como conhecer e cuidar melhor do seu carro!

Como conhecer e cuidar melhor do seu carro! A cada 10 mil km: Trocar o fluido do freio;* Trocar os filtros de ar, de combustível, do ar condicionado;* Trocar o óleo do motor (sintético) e filtro do óleo;* A cada 15 mil km Verificar as velas de ignição

Leia mais

6 Manutenção de Tratores Agrícolas

6 Manutenção de Tratores Agrícolas 6 Manutenção de Tratores Agrícolas 6.1 Introdução Desenvolvimento tecnológico do país Modernização da agricultura Abertura de novas fronteiras agrícolas Aumento no uso de MIA Aumento da produtividade Maiores

Leia mais

CSR/Instruções de inspeção para técnicos

CSR/Instruções de inspeção para técnicos INSTRUÇÕES DE INSPEÇÃO Escavadeiras CSR/Instruções de inspeção para técnicos Esta instrução é um recurso técnico informal. Para obter especificações e procedimentos corretos, refira-se sempre às instruções

Leia mais

DIAGNÓSTICOS E CORREÇÕES DE SISTEMA DE FREIOS HIDRÁULICOS. 9ª Edição

DIAGNÓSTICOS E CORREÇÕES DE SISTEMA DE FREIOS HIDRÁULICOS. 9ª Edição DIAGNÓSTICOS E CORREÇÕES DE SISTEMA DE FREIOS HIDRÁULICOS 9ª Edição POLÍTICA DE QUALIDADE Nosso compromisso é melhorar continuamente a qualidade de nossos produtos e serviços, atendendo ou superando os

Leia mais

PORTA-PALETES PARA APLICAÇÕES ESPECÍFICAS

PORTA-PALETES PARA APLICAÇÕES ESPECÍFICAS Porta-Paletes Manuais Porta-Paletes Elétricos Porta-Paletes de Tesoura Porta-Paletes em Inox Porta-Paletes com Balança Porta-Paletes TODO-O-TERRENO Porta-Paletes Aplicações Específicas Compre Produtos

Leia mais

Velocidade da oscilação. Comprimento do chassi Bitola da esteira Número de roletes. Esteira Lubrificada com graxa

Velocidade da oscilação. Comprimento do chassi Bitola da esteira Número de roletes. Esteira Lubrificada com graxa CX75SR MIDIESCAVADEIRA MOTOR Modelo Tipo Cilindros Isuzu AU-4LE2X 4 tempos, turboalimentado Intercooler 4 cilindros em linha Deslocamento 2,2 L (2.189 m 3 ) Diâmetro/Curso 85 x 96 mm Injeção de combustível

Leia mais

pá carregadeira compacta série e

pá carregadeira compacta série e pá carregadeira compacta série e 321E PERFECT IN EVERY MISSION casece.com.br experts for the real world since 1842. pá carregadeira compacta série e 321E Repleta de recursos inovadores e apoiada pelo suporte

Leia mais

Linha de TECNOLOGIA PARA CONCRETO

Linha de TECNOLOGIA PARA CONCRETO Linha de TECNOLOGIA PARA CONCRETO 2010 2 Cortadora de Pisos HCC14 I HCC16 O design da Cortadora de Pisos Menegotti foi desenvolvido para aumentar a performance, força e vida útil do produto. É um equipamento

Leia mais

PORTA-PALETES MANUAIS

PORTA-PALETES MANUAIS Porta-Paletes Manuais Porta-Paletes Elétricos Porta-Paletes de Tesoura Porta-Paletes em Inox Porta-Paletes com Balança Porta-Paletes TODO-O-TERRENO Porta-Paletes Aplicações Específicas Compre Produtos

Leia mais

24/06/2015 São Bernardo do Campo FORD LANÇA NOVO FOCUS HATCH 2016, MAIS COMPLETO E COM O MELHOR PREÇO DA CATEGORIA

24/06/2015 São Bernardo do Campo FORD LANÇA NOVO FOCUS HATCH 2016, MAIS COMPLETO E COM O MELHOR PREÇO DA CATEGORIA 24/06/2015 São Bernardo do Campo FORD LANÇA NOVO FOCUS HATCH 2016, MAIS COMPLETO E COM O MELHOR PREÇO DA CATEGORIA A Ford lança o Novo Focus Hatch 2016 com inovações no design, tecnologias inéditas de

Leia mais

Caminhões Mercedes-Benz oferecem elevado padrão de segurança

Caminhões Mercedes-Benz oferecem elevado padrão de segurança Segurança nas estradas Caminhões Mercedes-Benz oferecem elevado padrão de segurança Informação à imprensa 21 de novembro de 2012 Solução integrada da Mercedes-Benz inclui a oferta de itens de avançada

Leia mais

PARA O ALUNO. 2. Não utilizar celular em sala de aula (em caso de urgência pedir licença para o professor e atender a ligação fora da sala).

PARA O ALUNO. 2. Não utilizar celular em sala de aula (em caso de urgência pedir licença para o professor e atender a ligação fora da sala). 1. Ter disciplina e respeito em sala de aula. PARA O ALUNO. 2. Não utilizar celular em sala de aula (em caso de urgência pedir licença para o professor e atender a ligação fora da sala). 3. Manter a Escola

Leia mais

AULA 4: Força e Equilíbrio

AULA 4: Força e Equilíbrio COLÉGIO PEDRO II CAMPUS HUMAITÁ II PROJETO UERJ-ENEM/2014 Prof. Carlos Frederico (Fred) AULA 4: Força e Equilíbrio 1. (UERJ - 2005) Uma caixa está sendo puxada por um trabalhador, conforme mostra a figura

Leia mais

Pesquisa Bosch de Segurança Ativa no Brasil

Pesquisa Bosch de Segurança Ativa no Brasil Sistema de Segurança Ativa Bosch, o anjo da guarda dos motoristas. Pesquisa Bosch de Segurança Ativa no Brasil Os motoristas brasileiros conhecem seu anjo da guarda? 2 Sistema de Segurança Ativa Bosch,

Leia mais

FICHA TÉCNICA CARROCERIA Hatchback em monobloco, 4 lugares, 2 portas AERODINÂMICA Coeficiente aerodinâmico. Cx 0,38

FICHA TÉCNICA CARROCERIA Hatchback em monobloco, 4 lugares, 2 portas AERODINÂMICA Coeficiente aerodinâmico. Cx 0,38 FICHA TÉCNICA CARROCERIA Hatchback em monobloco, 4 lugares, 2 portas AERODINÂMICA Coeficiente aerodinâmico Área frontal Cw x A MOTOR Cx 0,38 2.17 m2 0.82 m2 Dianteiro, transversal, 2.0 litros, 4 cilindros

Leia mais

Melhorando a produção e a qualidade das calandras para roupa lisa

Melhorando a produção e a qualidade das calandras para roupa lisa Melhorando a produção e a qualidade das calandras para roupa lisa Como se pode melhorar a produção e a qualidade das calandras para roupa lisa, e uma vez melhorada, mantê-la? Maximizar a produção e a qualidade

Leia mais

Pneumáticos Industriais. Pneus especializados para máxima eficiência.

Pneumáticos Industriais. Pneus especializados para máxima eficiência. Pneumáticos Industriais. Pneus especializados para máxima eficiência. Pneumáticos Industriais da Continental Os pneumáticos industriais da Continental proporcionam conforto em todas as superfícies e, como

Leia mais

Como conhecer e cuidar melhor do seu carro!

Como conhecer e cuidar melhor do seu carro! Guia Como conhecer e cuidar melhor do seu carro! Segurança e Bem-estar! Você acaba de assistir a uma palestra sobre como conhecer e cuidar melhor do seu carro. Para que não se esqueça de alguns itens importantes,

Leia mais

MANUAL DE REFORMA SEÇÃO UM

MANUAL DE REFORMA SEÇÃO UM MANUAL DE REFORMA SEÇÃO UM PNEU RADIAL DE CARGA, BÁSICO Pagina 1 de 7 1.1 MATERIAIS USADOS NA CONSTRUÇÃO DE UM PNEU RADIAL CARGA São usados diferentes tipos de componentes e compostos de borracha para

Leia mais

Sistemas de direção automotiva

Sistemas de direção automotiva Sistemas de direção automotiva Atualmente, o mercado de sistemas de transmissões automotivas está crescendo mais do que o mercado de veículos em geral muitos veículos utilitários esportivos (SUVs) passam

Leia mais

Elementos de Vedação. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc.

Elementos de Vedação. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. Elementos de Vedação Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. ELEMENTOS DE VEDAÇÃO Conceito Vedação é o processo usado para impedir a passagem, de maneira estática ou dinâmica, de líquidos, gases e sólidos particulados

Leia mais

REDE OFICIAL SEGMENTO AGRÍCOLA

REDE OFICIAL SEGMENTO AGRÍCOLA SEGMENTO AGRÍCOLA Com sua ampla gama de pneus agrícolas, a Pirelli desenvolve seus produtos visando especialmente atender as necessidades dos profissionais em campo. A busca constante pela excelência na

Leia mais

HSL650 7A/HSL850-7A CONSTRUINDO UM FUTURO MELHOR. MINI CARREGADEIRA HYUNDAI Motor Tier 3 aplicado

HSL650 7A/HSL850-7A CONSTRUINDO UM FUTURO MELHOR. MINI CARREGADEIRA HYUNDAI Motor Tier 3 aplicado CONSTRUINDO UM FUTURO MELHOR * Algumas fotos podem incluir equipamentos opcionais. MINI CARREGADEIRA HYUNDAI Motor Tier 3 aplicado HSL650 7A/HSL850-7A NOVAS Minicarregadeiras Hyundai HSL650-7A/HSL850-7A

Leia mais

Conheça nossa empresa

Conheça nossa empresa Conheça nossa empresa Empresa Damaeq Integridade, Vontade de Superar-se, Satisfação do Cliente. Varredora Coletora Rebocável. A varredora Mecânica Coletora de Lixo Damaeq, é ideal para varrição de ruas,

Leia mais

LÍDER MUNDIAL EM ABSORÇÃO DE ENERGIA BARREIRAS FINAIS BARREIRAS FINAIS

LÍDER MUNDIAL EM ABSORÇÃO DE ENERGIA BARREIRAS FINAIS BARREIRAS FINAIS LÍDER MUNDIAL EM ABSORÇÃO DE ENERGIA BARREIRAS FINAIS BARREIRAS FINAIS OLEO INTERNATIONAL A Oleo é uma empresa líder, especialista em tecnologia de absorção de energia, que presta serviços para os setores

Leia mais

SUSPENSÃO 2-1 SUSPENSÃO CONTEÚDO

SUSPENSÃO 2-1 SUSPENSÃO CONTEÚDO R1 SUSPENSÃO 2-1 SUSPENSÃO CONTEÚDO página ALINHAMENTO... 1 SUSPENSÃO DIANTEIRA - 4X4... 13 página SUSPENSÃO DIANTEIRA-4X2... 6 SUSPENSÃO TRASEIRA... 23 ALINHAMENTO ÍNDICE página DESCRIÇÃO E OPERAÇÃO ALINHAMENTO

Leia mais

Fazer as costelas de vários mini saltos, pular em uma e quando cair pular em outra e assim em diante.

Fazer as costelas de vários mini saltos, pular em uma e quando cair pular em outra e assim em diante. Concentração e Atenção são as palavras chaves para uma pilotagem segura. Embora tenham a moto adequada, muitos pilotos apresentam deficiências, especialmente de postura, na hora de frenagem e na escolha

Leia mais

Mercedes-Benz lança novas opções para o transporte rodoviário de passageiros

Mercedes-Benz lança novas opções para o transporte rodoviário de passageiros Lançamento de ônibus Mercedes-Benz lança novas opções para o transporte rodoviário de passageiros Informação à imprensa 26 de agosto de 2014 Chassis O 500 RSD 6x2 e RSDD 8x2, com 2º eixo direcional de

Leia mais

Física Geral. Série de problemas. Unidade II Mecânica Aplicada. Departamento Engenharia Marítima

Física Geral. Série de problemas. Unidade II Mecânica Aplicada. Departamento Engenharia Marítima Física Geral Série de problemas Unidade II Mecânica Aplicada Departamento Engenharia Marítima 2009/2010 Módulo I As Leis de movimento. I.1 Uma esfera com uma massa de 2,8 10 4 kg está pendurada no tecto

Leia mais

TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR

TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR Prof. Humberto A. Machado Departamento de Mecânica e Energia DME Faculdade de Tecnologia de Resende - FAT Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Leia mais

Linha de Empilhadeiras LEG25 e LED30

Linha de Empilhadeiras LEG25 e LED30 Linha de Empilhadeiras LEG25 e LED30 Manual de peças Empilhadeira ÍNDICE 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 Montagem Da Transmissão Transmissão

Leia mais

Nota: As informações apresentadas estão corretas no momento da publicação, e estão sujeitas a alteração sem aviso prévio.

Nota: As informações apresentadas estão corretas no momento da publicação, e estão sujeitas a alteração sem aviso prévio. JEEP GRAND CHEROKEE ESPECIFICAÇÕES Todas as dimensões estão em milímetros (polegadas), salvo indicação contrária. Todas as dimensões são medidas com os pneus e rodas que equipam o veículo de série. Nota:

Leia mais

450A 450AJ. Série 450 PLATAFORMAS DE LANÇA ARTICULADA

450A 450AJ. Série 450 PLATAFORMAS DE LANÇA ARTICULADA 45A 45AJ Série 45 PLATAFORMAS DE LANÇA ARTICULADA Veja o Quanto Mudou. 1% 1% 86% 76% 65% 64% 54% 5% 4% 39% 2% 2% 13% 6% Maior Garantia Melhor Acesso ao Local de Trabalho Mais Potência no Motor de Combustível

Leia mais

Manual para afinação de suspensões em motos de competição

Manual para afinação de suspensões em motos de competição Manual para afinação de suspensões em motos de competição Todas as motos possuem valores médios ideais calculados pelo fabricante para o ajuste e afinação das suspensões dianteiras e traseiras. Estes valores

Leia mais

Aquecedor Solar Tubos de Vácuo.

Aquecedor Solar Tubos de Vácuo. Aquecedor Solar Tubos de Vácuo. Manual de instalação Ultrasolar Tel: (11) 3361 3328 Fax: (11) 3361 5810 www.ultrasolar.com.br Aquecedor Solar de Agua. Os aquecedores solares de água a vácuo Ultrasolar,

Leia mais