Resoluções das atividades

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Resoluções das atividades"

Transcrição

1 LIVRO 5 BIOLOGIA 3 Resoluções das atividades Sumário Aula 18 Fluxo de energia no ecossistema...1 Aula 19 Ciclos biogeoquímicos...2 Aula 20 Dinâmica das populações...4 Aula 21 Interações ecológicas I...6 Aula 22 Interações ecológicas II...7 Aula B 02 C 03 E Fluxo de energia no ecossistema A produção de matéria orgânica em ecossistemas aquáticos é determinada principalmente pela atividade fotossintética das algas, sendo tal atividade desempenhada de maneira mais relevante pelas algas microscópicas que constituem o itoplâncton. Devido à sua atividade fotossintética, associada à rápida capacidade de reprodução, a produtividade primária líquida resultante das algas é o principal fator produtor de matéria orgânica que passará para os níveis tróicos dos organismos consumidores. A energia presente no ambiente comporta se como um luxo, pois sua transferência sempre ocorre de um nível tróico para outro, ocasionando perda de energia devido à formação de dejetos pelo organismo, à geração de calor durante a respiração celular etc. Dessa forma, desde os produtores até o último nível tróico, ocorre uma diminuição gradual da quantidade de energia disponível, resultando em um gráico com forma de pirâmide direta, ou seja, base mais larga com níveis subsequentes cada vez menores. As pirâmides de números indicam o número de indivíduos em cada nível tróico. Em um campo, um grande número de plantas de capim é necessário para alimentar um número menor de bois, que, por sua vez, alimenta um número bem maior de ectoparasitas (carrapatos), os quais suprem de alimento um número menor de anus do campo, que alimentam cobras. Pelo exposto, a pirâmide de números que representa a cadeia mista indicada é a III. A pirâmide de energia é construída levando se em consideração a biomassa acumulada em determinada área (ou volume) por unidade de tempo em cada nível tróico. As pirâmides de energia consideram o fator tempo e nunca ocorrem invertidas, tal como indicado em II. 01 D 03 C A transferência de energia nos ecossistemas apresenta se como um luxo unidirecional. Tem início com os organismos autótrofos, foto ou quimiossintetizantes, que sintetizam moléculas orgânicas a partir de moléculas inorgânicas do meio. Ao longo das cadeias e teias alimentares, dos produtores em direção aos consumidores, a energia contida nos compostos orgânicos é dissipada, principalmente na forma de calor, e não pode ser reutilizada. O luxo de energia nas cadeias alimentares é unidirecional, ocorrendo diminuição contínua da quantidade dessa energia dos produtores em direção aos consumidores, sem que haja nenhuma interferência entre esse fenômeno biofísico e o tamanho dos consumidores que participam dessas relações alimentares. A energia perdida por meio do calor das atividades metabólicas (respiração celular, fermentação) não pode ser reaproveitada. Entretanto, a matéria orgânica que é perdida (componentes das fezes, urina etc.) em cada nível tróico pode ser reciclada pela atividade dos organismos decompositores. Como ocorre a dissipação de grande quantidade de energia na forma de calor de um nível tróico para outro, quanto mais longa uma cadeia alimentar ou quanto mais próximo estiver o organismo do im de uma cadeia alimentar, menor será a energia disponível. É exatamente por isso que, normalmente, não se observa a existência de cadeias ou teias alimentares com 7 ou 8 níveis tróicos. Nos diferentes ecossistemas, as relações alimentares são baseadas na interação entre organismos autótrofos e heterótrofos. Nesta situação, a atividade dos organismos autótrofos, foto ou quimiossintetizantes, garante a produção de matéria orgânica (glicídios, proteínas etc.) a partir de 1

2 BIOLOGIA 3 LIVRO 5 05 C 06 A 07 C uma fonte de matéria inorgânica (luz, água e sais minerais). Parte da matéria orgânica que ica retida no corpo do autótrofo acaba servindo como fonte de nutrientes para os organismos heterótrofos. Pelo fato de ocorrer dissipação da maior parte da energia obtida por um ser vivo na forma de calor para o ambiente, quanto maior for o nível tróico, menor será a quantidade de energia disponível. Dessa forma, existirá maior quantidade de energia sempre no primeiro nível tróico, ocupado pelos produtores, enquanto a menor quantidade de energia estará disponível no último nível tróico. Nessa situação, os indivíduos que receberão maior e menor quantidade de energia serão A e E, respectivamente. Como os micro organismos que constituem o itoplâncton são, normalmente, os principais produtores nos ambientes aquáticos, a extinção deles causaria a desorganização de toda a cadeia ou teia alimentar. Os organismos autótrofos fotossintetizantes (algas, plantas etc.) formam o nível tróico no qual encontra se a maior quantidade de energia potencial. A energia solar captada é retida nas ligações dos compostos químicos sintetizados por tais indivíduos. Quando organismos heterótrofos consomem um fotossintetizante como alimento, apenas uma parte do total permanece no corpo, podendo ser, assim, transferida para o nível seguinte. Dessa forma, percebe se que a cada nível tróico ocorre uma perda de energia em forma de calor (respiração celular), células mortas, excretas etc. Portanto, o nível tróico com a maior quantidade de energia é o primeiro nível tróico, que é ocupado pelos organismos produtores (fotossintetizantes ou quimiossintetizantes). Como as pirâmides de biomassa não levam em conta o tempo no qual certa quantidade de matéria orgânica foi produzida, pode ocorrer uma inversão desta na cadeia itoplâncton zooplâncton. Isso ocorre pelo fato de a avaliação de biomassa acontecer de forma pontual, não traduzindo a maior disponibilidade de biomassa e energia ao longo do tempo no nível tróico dos produtores. 09 B 10 D 01 D Os autótrofos, como algas pluricelulares, plantas, cianobactérias e certas bactérias com bacteriocloroila, são capazes de fabricar compostos orgânicos que serão utilizados por seres heterótrofos. Parte da matéria orgânica é oxidada no corpo dos seres vivos para obtenção de energias necessárias às atividades de certas bactérias e fungos decompositores. I. (F) A energia disponível para a manutenção das atividades metabólicas das células de um produtor ou consumidor estão presentes nas ligações químicas que formam as diferentes substâncias orgânicas. Dessa forma, existe uma relação diretamente proporcional entre a quantidade de biomassa (matéria orgânica) e de energia. II. (V) Ao se considerar os ecossistemas terrestres, a maior quantidade de biomassa e energia está disponível no primeiro nível tróico, ou seja, nos organismos produtores, que, no caso do ambiente terrestre, são principalmente as plantas. III. (V) A existência de grande quantidade de organismos microscópicos (componentes do plâncton) torna possível que, devido à sua rápida capacidade de multiplicação, em um determinado momento, se encontre uma pequena biomassa de produtores sustentando uma biomassa maior de consumidores. Aula 19 Ciclos biogeoquímicos A questão retrata as diversas etapas do ciclo da água no planeta Terra. Sendo o Sol a energia máxima de inluência no planeta, o aquecimento favorece a evaporação, a evapotranspiração e a formação de áreas de baixa pressão e, consequentemente, a formação de ventos que distribuem umidade, principalmente, oriunda dos oceanos e mares. Os continentes recebem mais umidade do que fornecem para a atmosfera. Atualmente, a forte ação antrópica na Terra, por meio do desmatamento, da urbanização, da industrialização etc., vem alterando, de forma signiicativa, o ciclo hidrológico. 08 A Como as pirâmides de energia levam em conta a quantidade de energia disponível em cada nível tróico e pelo fato de essa energia ser dissipada de acordo com a elevação do nível tróico, as pirâmides de energia nunca se apresentam de forma invertida. Logo, as pirâmides nas três situações devem apresentar base mais larga e ser um pouco menor a cada nível subsequente. No ciclo do nitrogênio, as bactérias que realizam o processo de desnitriicação transformam nitratos e amônia em nitrogênio molecular (N 2 ) atmosférico ou que permanece dissolvido na água. No ambiente, a reciclagem dos compostos orgânicos é realizada devido à atividade dos organismos decompositores, representados pelas bactérias e pelos fungos. A ixação do nitrogênio molecular (N 2 ) é 2

3 LIVRO 5 BIOLOGIA 3 03 B 04 B 01 B seguida pela nitriicação, ou seja, ocorre a conversão de amônia (NH 3 ) em nitrito (NO 2 ), processo chamado de nitrosação, seguido da conversão de nitrito em nitrato (NO 3 ), no processo de nitratação; esse nitrato, então, é absorvido pelos vegetais. O 1 o nível tróico das cadeias alimentares, que é ocupado pelos organismos autótrofos como as algas e os vegetais, depende da atividade dos organismos que ixam o nitrogênio atmosférico. Dessa forma, ao absorverem o nitrito, o nitrogênio deste acabará sendo utilizado para a síntese de aminoácidos, proteínas e ácidos nucleicos. Parte desses produtores servirão de alimento para consumidores, que também acabarão recebendo sua parcela de compostos nitrogenados. O aumento da capacidade de estufa da atmosfera terrestre vem sendo atribuído, em parte, à ação humana (antropogênica). Tal contribuição ocorre devido às emissões de CO 2 e outros gases pela queima de combustíveis fósseis em veículos e indústrias, pelas queimadas, que vêm devastando as formações vegetais, e pela poluição dos oceanos que compromete a absorção do CO 2 atmosférico, que acabaria imobilizado em compostos orgânicos constituintes dos organismos fotossintetizantes. As bactérias do gênero Rhizobium invadem as raízes de plântulas leguminosas, instalando se e reproduzindo se no interior de suas células. As bactérias estimulam a multiplicação das células infectadas, o que leva à formação de nódulos. Devido à associação simbiótica com os rizóbios, as leguminosas podem viver em solos pobres em compostos nitrogenados, nos quais outras plantas não se desenvolveriam bem. As bactérias se beneiciam com a associação, uma vez que utilizam as substâncias orgânicas sintetizadas pela planta como alimento. Ao morrerem e se decomporem, as leguminosas liberam, em forma de amônia, o nitrogênio de suas moléculas orgânicas, fertilizando o solo. Na rotação de culturas, intercala se ao longo do tempo o plantio de uma planta não leguminosa (milho, arroz etc.) com uma planta leguminosa (feijão, ervilha etc.). Dessa maneira, enquanto o cultivo de não leguminosas retira grande quantidade de compostos nitrogenados do solo, o plantio seguido de leguminosas permite que o solo seja enriquecido naturalmente com estes compostos, já que as plantas leguminosas apresentam uma associação mutualística com bactérias ixadoras de nitrogênio que se situam em suas raízes. 02 C 03 A 04 C 05 C 06 A 07 D A radiação solar que chega à superfície do planeta permite que a água receba a energia necessária para mudar de estado, ou seja, passar do estado líquido para o gasoso, processo denominado evaporação. No esquema apresentado, pode se observar a ocorrência de processos anabólicos que consomem carbono, resultando na produção de matéria orgânica a partir de matéria inorgânica, como é o caso da fotossíntese na letra B. Processos catabólicos que degradam compostos ricos em carbono, liberando este no meio, são observados em A (respiração da girafa que libera CO 2 ), C (respiração das plantas), D (decomposição realizada por micro organismos) e E (respiração realizada por micro organismos). A água, quando evapora, não carrega os sais minerais nela dissolvidos. Em um campo irrigado, estabelece se o ciclo irrigação evaporação da água do solo, aumentando a concentração salina nesses campos. A etapa indicada em A é a fotossíntese, já que consome CO 2 e H 2 O e produz compostos orgânicos. Em B, tem se a respiração celular aeróbica, pelo fato de ser consumido composto orgânico e O 2, produzindo H 2 O e CO 2. Como as algas são organismos autotróicos, elas realizam tanto a fotossíntese quanto a respiração celular. Já os fungos são organismos heterótrofos capazes de degradar compostos orgânicos de forma aeróbica ou anaeróbica, dependendo da espécie. Entretanto, fungos não são capazes de realizar a fotossíntese, logo, na questão, os fungos são aeróbios, pois consomem oxigênio para oxidar os compostos orgânicos. O processo de decomposição aeróbico, que é desempenhado principalmente por fungos e bactérias e ocorre sobre as árvores caídas na superfície do solo, reduz, localmente, a quantidade de oxigênio devido ao consumo desse gás pelos micro organismos decompositores. Todos os seres vivos, animais, vegetais etc., dependem da atividade de micro organismos ixadores de nitrogênio atmosférico para obterem compostos nitrogenados. Bactérias nitriicantes presentes no solo convertem amônia em nitrito (nitrossomonas). Depois, o nitrito é convertido em nitrato (nitrobacter). Um animal, como o ser humano, obtém compostos nitrogenados, parte deles são perdidos na forma de compostos na urina, sob a forma de ureia. Podem ser adotadas medidas para evitar o empobrecimento 3

4 BIOLOGIA 3 LIVRO 5 08 C 09 D 10 E de nitrogênio do solo. Uma delas é realizar a adubação química ou, então, optar pela adubação verde. Esta é feita por meio do cultivo de leguminosas, em que, após a colheita, todo o corpo da planta é agregado ao solo. O carbono que compõe o corpo dos seres vivos é fornecido, direta ou indiretamente, devido à atividade dos organismos fotossintetizantes e quimiossintetizantes. Para que os ciclos biogeoquímicos de compostos como o oxigênio, o carbono e o nitrogênio ocorram, é indispensável a interação da atmosfera, hidrosfera e litosfera com a atividade metabólica dos seres vivos. No caso do oxigênio e do gás carbônico, processos metabólicos da respiração e da fotossíntese são fundamentais para a reciclagem desses elementos. Apesar de o nitrogênio ser o elemento mais abundante na atmosfera, apenas micro organismos garantem a ixação do nitrogênio atmosférico, assim como o fornecimento de compostos nitrogenados para outros organismos. A construção de grandes represas aumenta a evaporação na região onde estão localizadas; uma vez que a água é aquecida pelo Sol, a água líquida evapora e, no estado de vapor, passa a compor ar atmosférico, promovendo aumento local da umidade relativa do ar. A estratégia de adubação do solo com ureia disponibiliza amônia (NH 3 ) para que as plantas produzam compostos nitrogenados que farão parte da dieta do gado. Isso ocorre porque a ureia apresenta cerca de 45% de nitrogênio (N) solúvel em água, permitindo que tal nitrogênio seja transformado em amônia (NH 3 ) gasosa e nitrato (NO 3 ). Aula C Dinâmica das populações Observando o intervalo do gráico indicado pela letra A, conclui se que a população apresenta se em uma fase de crescimento inicial, que se deve à pequena quantidade de indivíduos que compõem a população e que se encontram aptos para a reprodução. No intervalo indicado pela letra B, percebe se que a população atingiu uma fase de crescimento acelerado, caracterizando um período de crescimento exponencial. Isso acontece devido à possibilidade de, nesse momento, ocorrer, para os indivíduos da população, uma grande quantidade de recursos abióticos e bióticos que viabilizam tal sucesso reprodutivo. 02 D 03 E No intervalo indicado pela letra C, o número de indivíduos da população atingiu um patamar no qual a quantidade de recursos abióticos e bióticos do meio começa a se tornar mais escassa. Como resultado disso, a competição entre indivíduos da própria população (competição intraespecíica) aumenta, assim como aumenta a competição com indivíduos de outras populações de espécies diferentes (competição interespecíica) etc. No intervalo indicado pela letra D, a curva de crescimento real da população chegou a uma fase na qual ocorrem pequenas variações na densidade populacional em torno do que é denominado capacidade suporte ou carga biótica máxima, que está representada pela linha paralela à linha do tempo. Como ocorrem ao longo do tempo alterações na temperatura, na quantidade de chuvas e de alimentos etc., o tamanho da população acaba sofrendo inluência de tais fatores e tendo acréscimos e decréscimos de indivíduos ao longo do tempo. A seta E indica o crescimento da população caso não existisse na região o que se chama de resistência ambiental. A disponibilidade ilimitada de recursos, somada à ausência de fatores que podem se opor ao crescimento da população indicada, como a competição, o predatismo, os parasitismos etc. resultaria em um crescimento descontrolado da população, o que originaria uma curva de crescimento exponencial. No controle biológico (seta 1), a espécie introduzida combateu bem as pragas, uma vez que houve declínio de sua densidade populacional. Quando se introduz uma espécie de inseto inimigo natural da praga, ocorre certo controle e, no caso citado, a praga atingiu uma densidade populacional que não causava prejuízo à lavoura. No momento indicado pela seta 2, a população de pragas recuperou se mais rápido, indicando, provavelmente, sensação direcional, que acontece quando mudanças ambientais ocorrem, e um fenótipo, antes desfavorecido, passa a ser favorecido. Após a aplicação do inseticida, a praga foi quase eliminada, mas voltou a crescer rapidamente, promovendo uma explosão populacional. Portanto, o controle biológico se mostrou bem mais eicaz do que o uso do inseticida. Para calcular qual das populações (I, II, III, IV ou V) possui a maior taxa de crescimento, basta somar o valor da taxa de natalidade (N) com a de imigração (I), que são fatores que contribuem com o crescimento das populações, e comparar com a soma da taxa de mortalidade (M) mais a emigração (E), que são fatores que contribuem com o decréscimo do número de indivíduos das populações. Quando N + I for maior que M + E, a população estará crescendo; dessa forma tem se: I. ( ) > ( ), a população tem um acréscimo de 4 indivíduos em certo período de tempo; 4

5 LIVRO 5 BIOLOGIA 3 01 B II. ( ) < ( ), a população sofre um decréscimo de 5 indivíduos em certo período de tempo; III. ( ) > ( ), a população tem um acréscimo de 5 indivíduos em certo período de tempo; IV. (32 + 8) < ( ), a população sofre um decréscimo de 2 indivíduos em certo período de tempo; V. (16 + 4) > (8 + 2), a população tem um acréscimo de 10 indivíduos em certo período de tempo. Dessa forma, a população que apresenta a maior taxa de crescimento é a população V. A principal fonte alimentar dos peixes pequenos são os organismos microscópicos que fazem parte do plâncton (itoplâncton e zooplâncton). Ao se introduzir no ecossistema um peixe predador dos peixes pequenos, a população destes deverá diminuir ao longo do tempo, até atingir um novo ponto de equilíbrio em relação à população de predadores. Em consequência, a população de itoplâncton deverá aumentar até atingir um novo equilíbrio, como mostra o gráico a seguir. População dos seres vivos Introdução do peixe carnívoro Tempo A letra A representa a capacidade de sustentação ou de suporte ou carga biótica máxima que determinado ambiente pode sustentar, uma vez que deve haver uma densidade máxima de indivíduos. B representa o potencial biótico ou reprodutivo, que é a capacidade de uma população crescer em condições ideais de espaço, alimento e temperatura, sem a ação de predadores, parasitas e competidores. C representa a curva de crescimento real, considerando os fatores de resistência ambiental, e D é a resistência ambiental, ou seja, o conjunto de fatores que determina o crescimento real. 03 E 04 E 05 C 06 D matéria orgânica das fezes. Ao enterrar essas fezes, os besouros impedem que as gramíneas, abundantes na superfície onde eles ocorrem, morram ao ficar soterradas. Dessa forma, eles aceleram a decomposição da matéria orgânica das fezes e impedem a morte de grande parte das gramíneas. A relação predador-presa em comunidades evolui de modo a estabelecer um equilíbrio entre os indivíduos dessa relação. O que ocorreu foi um decréscimo anormal da população de veados, o que torna a primeira hipótese incorreta. Na ausência de predadores, e com o aumento da densidade populacional de veados, a competição intraespecífica pelo alimento cresceu, resultando na diminuição de sua densidade populacional, uma vez que o alimento passou a representar o pior problema. Em grandes metrópoles ocorrem duas situações que possibilitam o crescimento exacerbado dos pombos. Primeiro, a fartura de alimentos disponibilizada a esses animais, direta ou indiretamente. Diretamente, pois algumas pessoas cultivam o hábito de alimentá-los; ou indiretamente, pois eles podem ser encontrados em zonas de embarque e desembarque de cargas alimentícias e no lixo. Além disso, como um segundo fator, pode-se citar a ausência de inimigos naturais destas aves nas cidades, como gaviões, corujas, serpentes, felinos selvagens etc. O gráfico 1 corresponde a uma curva de crescimento real de uma população (curva em S), crescimento este que passa pela interferência da resistência ambiental. No início, verifica-se uma fase de crescimento lento (A), seguida de uma fase de crescimento exponencial (B), interrompido, no entanto, ao atingir-se a carga biótica do ecossistema, gerando uma desaceleração (C) até, finalmente chegar à fase de equilíbrio (D). O gráfico 2 ilustra uma curva de crescimento exponencial (curva em J) no qual uma população cresce aceleradamente, após o tempo 80, sem sofrer a ação eficiente da resistência ambiental. Pelo fato de os gambás se alimentarem de galinhas e de seus ilhotes, caso o número destas presas diminua, consequentemente, o número de gambás (predadores) também diminuirá. 02 B A redução populacional dos besouros escarabeíneos do tipo tuneleiros, ou seja, da variedade que cava túneis e transporta matéria orgânica para o solo, irá comprometer a reciclagem de nutrientes no ambiente em que vivem. Esses besouros enterram as fezes para realizar a postura de ovos dos quais eclodirão larvas que se alimentam da 07 D Pelo que foi apresentado no texto, o único fator que poderia atuar sobre a população, impedindo que ela continuasse seu crescimento, seria a disponibilidade de espaço para os indivíduos. Desta forma, ao atingir determinada densidade populacional, o crescimento do número de indivíduos cessa. 5

6 BIOLOGIA 3 LIVRO 5 08 D 09 C a) (F) A herbivoria dos insetos A e B transporta energia dos produtores para os níveis tróicos seguintes da cadeia alimentar. b) (F) O uso do agrotóxico 1 diminuiu a população de insetos pragas, enquanto houve resistência dos insetos A. c) (F) A população de insetos A estabelece entre si uma relação ecológica de sociedade, caracterizada por organismos iguais geneticamente. d) (V) A população de insetos A parece competir por recursos ambientais com os insetos pragas B. Esse fator pode ser observado no momento em que os insetos A desempenham o controle biológico dos insetos B que sobreviveram ao agrotóxico 1. e) (F) Os insetos pragas não são suscetíveis ao agrotóxico 2 e possuem uma relação ecológica negativa (competição) com a população de insetos A. Uma espécie, quando introduzida em um ecossistema diferente daquele de que é nativa, pode se tornar uma praga se for possível que ela se alimente de outros vegetais, além daqueles que se quer controlar. Desta forma, a introdução do que se chama de espécie exótica, seja de forma acidental ou intencional, como no caso proposto, é possível que a mesma cause um grande impacto ambiental. 03 C Caso os participantes de uma relação ecológica pertençam a uma mesma espécie, a relação é considerada como intraespecíica. É possível que os participantes da relação obtenham benefício mútuo de tal interação, o que ocorre tanto na relação de sociedade como na de colônia. Se ao menos um dos participantes da relação for prejudicado, esta relação intraespecíica será considerada desarmônica, como ocorre na competição intraespecíica, quando os indivíduos disputam território, alimento ou qualquer outro recurso. A análise das imagens indica que, em cada uma delas, os dois integrantes pertencem a uma mesma espécie (relação intraespecíica) e que, provavelmente pode haver entre estes algum tipo de disputa de recursos (fêmeas, território, alimento etc.). Portanto, pode se deduzir que ocorre uma competição intraespecíica entre os mesmos. A sociedade estruturada pelas formigas caracteriza se pela presença de uma divisão de trabalho com tarefas bem deinidas, originando as chamadas castas. Tal comportamento contribui para o sucesso da sociedade estabelecida e do próprio formigueiro, que pode ser formado por até dezenas de milhares de indivíduos. 10 E 01 A O gráico apresentado na questão representa a curva de crescimento real de uma população, com indicação dos seguintes períodos: A crescimento lento; B e C crescimento mais acelerado devido à maior quantidade de indivíduos que já atingiram a maturidade sexual, sendo capazes de se reproduzir; D o crescimento desacelera devido à população estar atingindo os limites impostos pelo ambiente, ou seja, os recursos começam a se tornar mais escassos; E a população atinge o patamar no qual a quantidade de recursos ambientais é proporcional ao tamanho populacional, além da atuação de outros fatores que se opõem ao crescimento populacional (resistência do meio). Dessa forma, a capacidade de crescimento populacional (potencial biótico) é equivalente à resistência ambiental, resultando no equilíbrio (normalmente dinâmico) do número de indivíduos da população. Aula 21 Interações ecológicas I Quando indivíduos de uma mesma espécie encontram se anatomicamente separados e trabalhando de forma cooperativa, apresentando uma divisão de tarefas, tem se um exemplo de relação intraespecíica harmônica chamada sociedade. 01 B 02 B 03 D 04 C A competição intraespecífica ocorre com indivíduos da mesma espécie que disputam os mesmos recursos disponíveis no ambiente. Formigas e cupins são artrópodes anatomicamente independentes os quais normalmente vivem agrupados e apresentam uma divisão dos trabalhos realizados no formigueiro ou cupinzeiro. Devido a isso, tal organização é chamada de sociedade. O gregarismo é a relação ecológica intraespecífica em que os indivíduos se reúnem com determinados objetivos, os quais, quando alcançados, separam-nos. I. (V) O canibalismo sexual ocorre entre diferentes espécies, dentre elas o louva a deus, aranhas, escorpiões, moluscos etc. Com frequência, fêmeas de alguns dos indivíduos citados se alimentam dos machos durante ou após a cópula. Acredita se que tal comportamento possa aumentar o sucesso reprodutivo dos machos. 6

7 LIVRO 5 BIOLOGIA 3 05 B 06 C 07 D 08 D II. (F) Relações intraespecíicas desarmônicas ocorrem entre plantas. Estas podem localizar se muito perto uma da outra, o que aumenta a disputa por luz solar ou por nutrientes do solo. Também é possível ocorrer a liberação de substâncias próximas à planta parental para impedir que suas sementes, que se encontram muito próximas, não germinem. III. (V) A disputa por indivíduos de uma mesma espécie por algum recurso físico (oxigênio, luz, água etc.) ou biológico (parceiros sexuais, presas) caracteriza se como uma interação desarmônica. Os insetos sociais são aqueles que vivem agrupados visando ao benefício mútuo, formando a chamada sociedade. As abelhas melíferas, as formigas e os cupins são insetos que vivem em sociedade. É comum o uso da expressão colônia de formigas, entretanto, como afirmado anteriormente, tais animais estabelecem uma relação ecológica de sociedade. Os cupins são artrópodes que vivem em uma sociedade estruturada por um casal de indivíduos, o cupim fêmea rainha e um macho rei. Entre eles existe uma clara diferença anatômica, o que permite que esses indivíduos detenham especialização na sua atividade, atuando como operários (maior parte dos indivíduos do cupinzeiro), soldados (que defendem todo o cupinzeiro) etc. Quando uma relação ecológica ocorre entre indivíduos de uma mesma espécie, ela é classiicada como do tipo intraespecíica, enquanto a que ocorre entre indivíduos de espécies diferentes é classiicada com interespecíica. Dessa forma, as relações de inquilinismo, herbivoria, mutualismo e parasitismo são interespecíicas, e a sociedade, juntamente com a colônia e a competição intraespecíica, são classiicadas como intraespecíicas. Por meio da leitura do diálogo, conclui se que a formiga 2 é uma rainha porque acasalará durante o voo nupcial e, depois, poderá formar um novo formigueiro. Já a formiga 1 é uma operária, pois apresenta se cansada devido ao trabalho contínuo para a manutenção do formigueiro. Além disso, ao longo da sua vida, a formiga operária não acasala, pois seus órgãos reprodutores são atroiados. Essa disfunção ocorre por dois motivos: primeiramente, na fase larval, elas recebem alimentos menos nutritivos e em menor quantidade do que a rainha; em segundo lugar, a rainha produz feromônios que inibem o desenvolvimento dos órgãos responsáveis pela reprodução. 09 A 10 B Em Ecologia, uma sociedade é formada quando indivíduos de uma mesma espécie vivem na forma de um agrupamento permanente, no qual ocorre divisão de trabalho. Além disso, o fato de viverem reunidos, embora anatomicamente separados, facilita a sua sobrevivência, a obtenção de alimento etc. Como exemplo de sociedade, pode-se citar os insetos sociais (certas abelhas, os cupins, as formigas etc.). Indivíduos de uma mesma espécie apresentam relações intraespecíficas. No caso das abelhas, a divisão de trabalho e o alto grau de cooperação caracterizam uma sociedade heteromorfa. Aula A 03 B Interações ecológicas II O texto deixa claro que o peixe Gambusia afinis é larvófago, ou seja, captura as larvas do mosquito transmissor da malária e alimenta se delas. Dessa forma, tal peixe comporta se como um predador dos anofelinos. Quando duas espécies de uma biocenose (comunidade) exploram nichos ecológicos semelhantes, estabelece se uma competição pelos recursos do ambiente. A competição intraespecíica ocorre entre indivíduos da mesma espécie. No caso da tira 1, veriica se que a competição por espaço não é um problema só de humanos. Na tira 2, o gato é o predador, animal que mata e se alimenta de ratos (presas), sendo que, do ponto de vista do indivíduo, as espécies predadoras se beneiciam, enquanto as presas são prejudicadas; do ponto de vista ecológico, a predação é um mecanismo que regula a densidade populacional, tanto para presas como para predadores. Já na tira 3, o aparelho bucal dos mosquitos é do tipo pungitivo sugador e contém, entre outras peças, uma espécie de probóscide sugadora. Parasito temporário é aquele que só procura o seu hospedeiro quando tem fome; saciado o apetite, abandona o hospedeiro. Assim procedem as pulgas, mosquitos etc. A relação ecológica que ocorre entre as formigas e os pulgões pode ser classiicada como um caso de protocooperação, pois estes, apesar de poderem viver separadamente, quando estão em associação geram benefícios um para o outro (formigas obtêm alimento e pulgões, proteção contra predadores). Já a relação ecológica entre as formigas e as joaninhas é caracterizada como uma competição, pois ambas as espécies disputam os pulgões como recurso alimentar. 7

Ecologia: interações ecológicas

Ecologia: interações ecológicas FACULDADES OSWALDO CRUZ Curso: Engenharia Ambiental Disciplina: Microbiologia Aplicada Prof a MsC. Vanessa Garcia Aula 12 (2º semestre): Ecologia: interações ecológicas Objetivos: analisar os principais

Leia mais

Ecologia Conceitos Básicos e Relações Ecológicas

Ecologia Conceitos Básicos e Relações Ecológicas Ecologia Conceitos Básicos e Relações Ecológicas MOUZER COSTA O que é Ecologia? É a parte da Biologia que estuda as relações dos seres vivos entre si e com o ambiente. Conceitos Básicos Espécie População

Leia mais

Matéria: Biologia Assunto: Relações Ecológicas Prof. Enrico Blota

Matéria: Biologia Assunto: Relações Ecológicas Prof. Enrico Blota Matéria: Biologia Assunto: Relações Ecológicas Prof. Enrico Blota Biologia Ecologia Relações ecológicas Representam as interações entre os seres vivos em um determinado ecossistema. Podem ser divididas

Leia mais

Introdução à Ecologia Prof. Fernando Belan

Introdução à Ecologia Prof. Fernando Belan Introdução à Ecologia Prof. Fernando Belan Ecologia (oikos = casa; logos = ciência) Estuda as relações entre os seres vivos, e o ambiente em que vivem; Multidisciplinar A Ecologia é complexa, e envolve:

Leia mais

ECOLOGIA SERES VIVOS AMBIENTE. estuda as relações entre

ECOLOGIA SERES VIVOS AMBIENTE. estuda as relações entre ECOLOGIA SERES VIVOS estuda as relações entre AMBIENTE Níveis de Organização Molécula Célula Tecido Órgão Sistema Espécie População Comunidade Ecossistema Biosfera Níveis de Organização Espécie Grupo de

Leia mais

Ciências Naturais 6º ano Lígia Palácio

Ciências Naturais 6º ano Lígia Palácio Relações Ecológicas Tema: Ecologia Ciências Naturais 6º ano Lígia Palácio 1) Introdução A interação dos diversos organismos que constituem uma comunidade biológica são genericamente denominadas relações

Leia mais

Específicas. I. Harmônicas. II. Desarmônicas. I. Harmônicas 1) SOCIEDADE. Estas relações podem ser

Específicas. I. Harmônicas. II. Desarmônicas. I. Harmônicas 1) SOCIEDADE. Estas relações podem ser Relações Ecológicas Os seres vivos mantém constantes relações entre si, exercendo influências recíprocas em suas populações. INTRA ou INTERESPECÍFICAS Estas relações podem ser HARMÔNICAS OU DESARMÔNICAS

Leia mais

A Ecologia e sua Importância. Componentes Estruturais. Estudo das Relações dos Seres Vivos entre si e com o meio onde vivem

A Ecologia e sua Importância. Componentes Estruturais. Estudo das Relações dos Seres Vivos entre si e com o meio onde vivem Link para acessar o conteúdo, calendário, notas, etc. www.e-conhecimento.com.br Ensino Médio Primeiros Anos Ecologia oikos casa ; logos - estudo A Ecologia e sua Importância Estudo das Relações dos Seres

Leia mais

Conceitos Ecológicos. Prof. Dr. Mauro Parolin

Conceitos Ecológicos. Prof. Dr. Mauro Parolin Conceitos Ecológicos Prof. Dr. Mauro Parolin Hábitat [1] ou habitat (do latim, ele habita) é um conceito usado em ecologia que inclui o espaço físico e os fatores abióticos que condicionam um ecossistema

Leia mais

Relações Ecológicas. Essa interação entre os seres vivos é chamada de relação ecológica.

Relações Ecológicas. Essa interação entre os seres vivos é chamada de relação ecológica. Relações Ecológicas Relações Ecológicas Os seres vivos de diferentes espécies, além de interagirem com o meio abiótico em que vivem, também se interagem com os outros seres vivos presentes num mesmo local.

Leia mais

Ecologia. 1) Níveis de organização da vida

Ecologia. 1) Níveis de organização da vida Introdução A ciência que estuda como os seres vivos se relacionam entre si e com o ambiente em que vivem e quais as conseqüências dessas relações é a Ecologia (oikos = casa e, por extensão, ambiente; logos

Leia mais

RELAÇÕES HARMÔNICAS (interações positivas) COLÔNIAS INTRA - ESPECÍFICAS SOCIEDADES

RELAÇÕES HARMÔNICAS (interações positivas) COLÔNIAS INTRA - ESPECÍFICAS SOCIEDADES RELAÇÕES HARMÔNICAS (interações positivas) COLÔNIAS INTRA - ESPECÍFICAS SOCIEDADES SOCIEDADES Diferem das colônias basicamente pela independência física exibida por seus integrantes. Também caracterizam-se

Leia mais

Pirâmides de números

Pirâmides de números Fluxo de energia Pirâmides de números COBRA (1) RATO (15) MILHO (100) PROTOZOÁRIOS CUPIM (100) (1) ÁRVORE (1000) ARANHAS (100) MOSCAS (300) (1) BANANA NAO HA PADRAO UNICO!!! - Massa de matéria orgânica

Leia mais

Biologia Fascículo 10 André Eterovic

Biologia Fascículo 10 André Eterovic Biologia Fascículo 10 André Eterovic Índice Ecologia Conceitos Ecológicos...1 Cadeias Alimentares...2 Relações Simbióticas...4 Exercícios...6 Gabarito...8 Ecologia Conceitos Ecológicos Ecologia: definição

Leia mais

Ecossistemas e Saúde Ambiental :: Prof.ª MSC. Dulce Amélia Santos

Ecossistemas e Saúde Ambiental :: Prof.ª MSC. Dulce Amélia Santos Engenharia Civil Disciplina Ecossistemas e Saúde Ambiental Relações Ecológicas Duas Aula- Relações Ecológicas Profª Msc. Dulce Amélia Santos PODEMOS CLASSIFICAR AS RELAÇÕES ECOLÓGICAS EM RELAÇÕES INTRA-ESPECÍFICAS

Leia mais

Relações ecológicas. Professora: Reisila Migliorini Mendes - Biologia 1ª série - Ensino Médio

Relações ecológicas. Professora: Reisila Migliorini Mendes - Biologia 1ª série - Ensino Médio Relações ecológicas Professora: Reisila Migliorini Mendes - Biologia 1ª série - Ensino Médio Classificação Intraespecífica: entre indivíduos da mesma espécie. Interespecífica: entre indivíduos de espécies

Leia mais

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS CICLOS BIOGEOQUÍMICOS O fluxo de energia em um ecossistema é unidirecional e necessita de uma constante renovação de energia, que é garantida pelo Sol. Com a matéria inorgânica que participa dos ecossistemas

Leia mais

5ª SÉRIE/6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL UM MUNDO MELHOR PARA TODOS

5ª SÉRIE/6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL UM MUNDO MELHOR PARA TODOS 5ª SÉRIE/6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL UM MUNDO MELHOR PARA TODOS Auno(a) N 0 6º Ano Turma: Data: / / 2013 Disciplina: Ciências UNIDADE I Professora Martha Pitanga ATIVIDADE 01 CIÊNCIAS REVISÃO GERAL De

Leia mais

1. O conjunto de indivíduos de uma mesma espécie que vive numa mesma área geográfica constitui:

1. O conjunto de indivíduos de uma mesma espécie que vive numa mesma área geográfica constitui: COLÉGIO JOÃO PAULO I ENSINO MÉDIO 2009 ECOLOGIA PROF. XANDI 1. O conjunto de indivíduos de uma mesma espécie que vive numa mesma área geográfica constitui: a) população b) comunidade c) ecossistema d)

Leia mais

Biologia LIVRO 3 Unidade 3 Avaliação capítulos 12, 13, 14, 15 e 16 Ecologia

Biologia LIVRO 3 Unidade 3 Avaliação capítulos 12, 13, 14, 15 e 16 Ecologia 1. Durante uma aula de campo, a professora informou que naquela área existiam diversas espécies de formigas, seres que estabelecem uma relação intraespecífica harmônica conhecida como sociedade. Informou

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO 1ª VP4 de Ciências 6ª SÉRIE 1ª ETAPA. Professora: Alexsandra Ribeiro

EXERCÍCIOS DE REVISÃO 1ª VP4 de Ciências 6ª SÉRIE 1ª ETAPA. Professora: Alexsandra Ribeiro CONTEÚDO: CAP. 1, 2 e 3 EXERCÍCIOS DE REVISÃO 1ª VP4 de Ciências 6ª SÉRIE 1ª ETAPA Professora: Alexsandra Ribeiro 1. O esquema abaixo nos mostra como a vida está organizada no planeta. A complexidade da

Leia mais

Matéria e Energia no Ecossistema

Matéria e Energia no Ecossistema Matéria e Energia no Ecossistema Qualquer unidade que inclua a totalidade dos organismos (comunidade) de uma área determinada, interagindo com o ambiente físico, formando uma corrente de energia que conduza

Leia mais

INTERAÇÕES. Guilherme Alfenas Programa de Pós-Graduação em Ecologia PGECOL - UFJF

INTERAÇÕES. Guilherme Alfenas Programa de Pós-Graduação em Ecologia PGECOL - UFJF INTERAÇÕES Guilherme Alfenas Programa de Pós-Graduação em Ecologia PGECOL - UFJF BIBLIOGRAFIA RICKLEFS, R.E. 5ª edição. A Economia da Natureza. Editora Guanabara Koogan. CONCEITO BÁSICO São relações que

Leia mais

Cadeia alimentar 3º ano

Cadeia alimentar 3º ano Cadeia alimentar 3º ano O equilíbrio ecológico depende diretamente da interação, das trocas e das relações que os seres vivos estabelecem entre si e com o ambiente. Os seres respiram, vivem sobre o solo

Leia mais

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS. ECOLOGIA Fluxo de energia e Interações ecológicas

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS. ECOLOGIA Fluxo de energia e Interações ecológicas UFRGS ECOLOGIA Fluxo de energia e Interações ecológicas 1. (Ufrgs 2015) Analise o quadro abaixo que apresenta os componentes de uma cadeia alimentar aquática e de uma terrestre. Ecossistema aquático aguapé

Leia mais

Ecologia. Aula Programada. Biologia. Tema: Ecologia

Ecologia. Aula Programada. Biologia. Tema: Ecologia Aula Programada Tema: Ecologia Biologia 1) Conceitos Básicos Indivíduo: Exemplar de uma espécie qualquer que constitui uma unidade distinta. Espécie: Conjunto de indivíduos muito semelhantes entre si e

Leia mais

Ecologia Relações entre os seres vivos

Ecologia Relações entre os seres vivos O funcionamento de uma comunidade depende das diversas relações ou interações entre os organismos que a compõem. Essas relações podem ser: A)Intra-específicas quando ocorrem entre seres da mesma espécie;

Leia mais

3. Ler atentamente as 3 afirmativas relativas às relações entre os seres vivos,

3. Ler atentamente as 3 afirmativas relativas às relações entre os seres vivos, ATIVIDADE DE RECUPERAÇÃO BIOLOGIA 1º ANO / 3ª etapa Professor: Warley Ferreira 1. Uma população de parasitas e seus hospedeiros estão em interação. Eliminando-se os parasitas, espera-se que a população

Leia mais

ECOLOGIA GERAL FLUXO DE ENERGIA E MATÉRIA ATRAVÉS DE ECOSSISTEMAS

ECOLOGIA GERAL FLUXO DE ENERGIA E MATÉRIA ATRAVÉS DE ECOSSISTEMAS ECOLOGIA GERAL Aula 05 Aula de hoje: FLUXO DE ENERGIA E MATÉRIA ATRAVÉS DE ECOSSISTEMAS Sabemos que todos os organismos necessitam de energia para se manterem vivos, crescerem, se reproduzirem e, no caso

Leia mais

5ª série / 6º ano 1º bimestre

5ª série / 6º ano 1º bimestre 5ª série / 6º ano 1º bimestre Água e o planeta Terra Hidrosfera Distribuição e importância Hidrosfera é o conjunto de toda a água da Terra. Ela cobre 2/3 da superfície terrestre e forma oceanos, mares,

Leia mais

2ª Série Biologia Prof o Sérgio Santos

2ª Série Biologia Prof o Sérgio Santos 2ª Série Biologia Prof o Sérgio Santos Aluno(a):...Turma:... 1º) Um indivíduo ao ser picado por uma cobra coral, foi levado ao hospital onde lhe aplicaram: a. Antígenos específico para a citada cobra.

Leia mais

NECESSIDADE BÁSICAS DOS SERES VIVOS. Estágio docência: Camila Macêdo Medeiros

NECESSIDADE BÁSICAS DOS SERES VIVOS. Estágio docência: Camila Macêdo Medeiros NECESSIDADE BÁSICAS DOS SERES VIVOS Estágio docência: Camila Macêdo Medeiros Necessidades básicas O planeta oferece meios que satisfaçam as necessidades básicas dos seres vivos. Necessidades básicas dos

Leia mais

Maxillaria silvana Campacci

Maxillaria silvana Campacci Ecologia Aula 1 Habitat É o lugar que reúne as melhores condições de vida para uma espécie. Temperatura, quantidade de água, intensidade da luz solar e tipo de solo determinam se o habitat é adequado ao

Leia mais

Interações entre os seres vivos

Interações entre os seres vivos Relações Ecológicas Interações entre os seres vivos I. CLASSIFICAÇÃO:. Quanto as espécies participantes: - Intra-espec específicas ou Homotípicas picas: : mesma espécie cie. - Interespecíficas ou Heterotípicas

Leia mais

Níveis de Organização

Níveis de Organização Níveis de Organização Indivíduo Átomos Moléculas Células Tecidos Órgãos Sistemas capazes de se cruzarem entre si, originando indivíduos férteis. Ex: Cachorro População: grupo de indivíduos da mesma espécie

Leia mais

Lista de relações ecológicas, sucessão e dinâmica de pop./ Prof. Karina/ 1º ano

Lista de relações ecológicas, sucessão e dinâmica de pop./ Prof. Karina/ 1º ano 1. (Upf 2015) Considerando as relações ecológicas entre os seres vivos de uma comunidade, as formigas de um formigueiro, os liquens, um coral cérebro e uma bromélia crescendo no galho de uma árvore são,

Leia mais

Relações Harmônicas (Não há prejuízo)- Homotípicas (Seres da mesma espécie) -Colônia Indivíduos unidos fisicamente.

Relações Harmônicas (Não há prejuízo)- Homotípicas (Seres da mesma espécie) -Colônia Indivíduos unidos fisicamente. RELAÇÕES ECOLÓGICAS RELAÇÕES ECOLÓGICAS - As relações ecológicas são aquelas que se manifestam em diferentes populações de um ecossistema que pode ocorrer em indivíduos de uma mesma espécie ou não. Relações

Leia mais

PROFESSOR: Leonardo Mariscal

PROFESSOR: Leonardo Mariscal PROFESSOR: Leonardo Mariscal BANCO DE QUESTÕES BIOLOGIA - 1ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ============================================================================================== 01- O aumento da poluição

Leia mais

ECOLOGIA I - CONCEITOS GERAIS

ECOLOGIA I - CONCEITOS GERAIS BIOLOGIA ECOLOGIA I - CONCEITOS GERAIS Ecologia é o estudo das relações entre os seres vivos e o ambiente onde vivem. É uma ciência que estuda os seres vivos acima do nível do organismo individual, estuda,

Leia mais

EXERCÍCIOS ON LINE 6 ANO - 1 TRIMESTRE

EXERCÍCIOS ON LINE 6 ANO - 1 TRIMESTRE EXERCÍCIOS ON LINE 6 ANO - 1 TRIMESTRE 1- Leia o texto e responda as questões Todos os animais, independentemente do seu estilo de vida, servem como fonte de alimento para outros seres vivos. Eles estão

Leia mais

FLUXO DE ENERGIA E CICLOS DE MATÉRIA

FLUXO DE ENERGIA E CICLOS DE MATÉRIA FLUXO DE ENERGIA E CICLOS DE MATÉRIA Todos os organismos necessitam de energia para realizar as suas funções vitais. A energia necessária para a vida na Terra provém praticamente toda do sol. Contudo,

Leia mais

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS CICLOS BIOGEOQUÍMICOS As moléculas orgânicas fundamentais que formam a biomassa dos seres vivos são basicamente os átomos de hidrogênio, carbono, nitrogênio e oxigênio. Os organismos usam os compostos

Leia mais

BIOLOGIA ECOLOGIA - CONCEITOS ECOLÓGICOS

BIOLOGIA ECOLOGIA - CONCEITOS ECOLÓGICOS BIOLOGIA Prof. Fred ECOLOGIA - CONCEITOS ECOLÓGICOS Ecologia: definição e importância Ecologia é o estudo das relações entre os seres vivos e entre estes e o ambiente em que vivem. Envolve aspectos do

Leia mais

BIOLOGIA Prof. Fred correta

BIOLOGIA Prof. Fred correta BIOLOGIA Prof. Fred 1. (Ufpr) Pesquisadores da Universidade da Flórida estão realizando testes para introduzir nos Estados Unidos o inseto Calophya latiforceps (conhecido como gralha-da-folha-da-aroeira),

Leia mais

A Biosfera e seus Ecossistemas

A Biosfera e seus Ecossistemas A Biosfera e seus Ecossistemas UNIDADE I ECOLOGIA CAPÍTULO 2 Aula 01 Níveis de organização Hábitat e nicho ecológico Componentes do ecossistema Cadeia e teia alimentar 1. INTRODUÇÃO À ECOLOGIA X Ecologia

Leia mais

FATORES ECOLÓGICOS. Professora: Dayse Luna Barbosa

FATORES ECOLÓGICOS. Professora: Dayse Luna Barbosa FATORES ECOLÓGICOS Professora: Dayse Luna Barbosa Fatores Ecológicos São o conjunto de fatores biológicos e físicos que atuam sobre o desenvolvimento de uma comunidade. Fatores Ecológicos Fatores Ecológicos

Leia mais

ECOLOGIA IMPACTOS ANTRÓPICOS (AR E ÁGUA) - AR

ECOLOGIA IMPACTOS ANTRÓPICOS (AR E ÁGUA) - AR ECOLOGIA IMPACTOS ANTRÓPICOS (AR E ÁGUA) é uma das áreas da biologia que mais cai no ENEM, sendo que, dentro da ecologia, impactos ambientais são pontos bem cobrados. Nessa aula, iremos estudar alguns

Leia mais

PROGRAMAÇÃO CURRICULAR DE CIÊNCIAS

PROGRAMAÇÃO CURRICULAR DE CIÊNCIAS PROGRAMAÇÃO CURRICULAR DE CIÊNCIAS 6 ano 1 volume CONTEÚDOS OBJETIVOS 1.Astronomia: estudando o céu Estrelas e constelações Sistema Solar e exploração do Universo - Movimentos da - Terra e da Lua Reconhecer

Leia mais

34 Por que as vacas mastigam o tempo todo?

34 Por que as vacas mastigam o tempo todo? A U A UL LA Por que as vacas mastigam o tempo todo? Nos sítios e fazendas que têm criação de gado, os bois e vacas se espalham pelo pasto e têm hora certa para ir ao cocho receber o trato. O trato pode

Leia mais

Unidade I: Fundamentos

Unidade I: Fundamentos Curso: Ciências do Ambiente Unidade I: Fundamentos Profª Manuella Villar Amado A crise ambiental Miller (1985) A Terra pode ser comparada a uma astronave deslocando-se a 100.000 km/h pelo espaço sideral

Leia mais

Figura 1. Habitats e nichos ecológicos diversos. Fonte: UAN, 2014.

Figura 1. Habitats e nichos ecológicos diversos. Fonte: UAN, 2014. Ecologia de Comunidades e Ecossistemas Habitat e nicho ecológico Para entendermos o funcionamento da vida dos seres vivos em comunidade (dentro de um ecossistema) se faz necessário abordarmos dois conceitos

Leia mais

DISCIPLINA: BIOLOGIA PROFª. CRISTINA DE SOUZA 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO

DISCIPLINA: BIOLOGIA PROFª. CRISTINA DE SOUZA 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO DISCIPLINA: BIOLOGIA PROFª. CRISTINA DE SOUZA 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO Ciclo Biogeoquímico 1. É a troca cíclica de elementos químicos que ocorre entre os seres vivos e o ambiente. 2. Todos os elementos

Leia mais

RELAÇÕES ECOLÓGICAS CLASSIFICAÇÃO

RELAÇÕES ECOLÓGICAS CLASSIFICAÇÃO CLASSIFICAÇÃO Tipo de interação A Intraespecíficas 9 relações que ocorrem entre indivíduos da mesma espécie. 9 relações que ocorrem entre indivíduos de espécies diferentes. Tipo de resultado da interação

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 1G

CADERNO DE EXERCÍCIOS 1G CADERNO DE EXERCÍCIOS 1G Ensino Fundamental Ciências da Natureza Questão Conteúdo Habilidade da Matriz da EJA/FB 1 Movimentos dos continentes H7 2 Origem dos seres vivos na Terra H17 3 Relações ecológicas

Leia mais

Quiz 6 a Série. 1. Um cientista estudou o conteúdo do estômago de um animal e descobriu que nele só havia plantas. Este animal deve ser um:

Quiz 6 a Série. 1. Um cientista estudou o conteúdo do estômago de um animal e descobriu que nele só havia plantas. Este animal deve ser um: Quiz 6 a Série Professora: Alexsandra Ribeiro Instruções: Olá queridos alunos e alunas! O quiz é mais uma ferramenta que nos possibilita saber se realmente você está entendendo o conteúdo abordado em sala

Leia mais

Os Ciclos Biogeoquímicos. Estágio- Docência: Camila Macêdo Medeiros

Os Ciclos Biogeoquímicos. Estágio- Docência: Camila Macêdo Medeiros Os Ciclos Biogeoquímicos Estágio- Docência: Camila Macêdo Medeiros (Odum, 1971). Ciclos Biogeoquímicos Bio Porque os organismos vivos interagem no processo de síntese orgânica e decomposição dos elementos.

Leia mais

Elementos essenciais a vida: Zn, Mo e o Co. - Água; - Macronutrientes: C, H, O, N e o P mais importantes, mas também S, Cl, K, Na, Ca, Mg e Fe;

Elementos essenciais a vida: Zn, Mo e o Co. - Água; - Macronutrientes: C, H, O, N e o P mais importantes, mas também S, Cl, K, Na, Ca, Mg e Fe; Elementos essenciais a vida: - Água; - Macronutrientes: C, H, O, N e o P mais importantes, mas também S, Cl, K, Na, Ca, Mg e Fe; - Micronutrientes principais: Al, Bo, Cr, Zn, Mo e o Co. Bio organismos

Leia mais

BIOLOGIA. setor A. Prof.: setor 1421. aula 52...AD h...tm h...tc h... 129. ALFA 7 Biologia Setor 1421 119

BIOLOGIA. setor A. Prof.: setor 1421. aula 52...AD h...tm h...tc h... 129. ALFA 7 Biologia Setor 1421 119 BIOLOGIA setor A setor 1421 Prof.: aula 47...AD h...tm h...tc h... 120 aula 48...AD h...tm h...tc h... 120 aula 49...AD h...tm h...tc h... 124 aula 50...AD h...tm h...tc h... 124 aula 51...AD h...tm h...tc

Leia mais

E C O L O G I A. Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que a tornam habitável

E C O L O G I A. Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que a tornam habitável E C O L O G I A Deriva do grego oikos, com sentido de casa e logos com sentido de estudo Portanto, trata-se do estudo do ambiente da casa Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que

Leia mais

Entre os seres vivos de um ecossistema, há um inter relacionamento dinâmico e equilibrado, que permite a troca de matéria e de energia.

Entre os seres vivos de um ecossistema, há um inter relacionamento dinâmico e equilibrado, que permite a troca de matéria e de energia. Cadeia alimentar A biosfera, parte do planeta onde vivem os seres vivos, é formado por ecossistemas. O ecossistema é constituído por comunidades (parte biótica) e os fatores físicos e químicos do meio

Leia mais

Questão 1. Questão 2. Resposta

Questão 1. Questão 2. Resposta Questão 1 O gráfico mostra os níveis de glicose medidos no sangue de duas pessoas, sendo uma saudável e outra com diabetes melito, imediatamente após uma refeição e nas cinco horas seguintes. Essa substância

Leia mais

Os seres vivos e o ambiente

Os seres vivos e o ambiente Nas teias alimentares, certos organismos podem ser, ao mesmo tempo, consumidores primários, secundários, etc., dependendo da cadeia alimentar que for selecionada. A eliminação de alguns organismos de uma

Leia mais

ATIVIDADE INTERAÇÕES DA VIDA. CAPÍTULOS 1, 2, 3 e 4

ATIVIDADE INTERAÇÕES DA VIDA. CAPÍTULOS 1, 2, 3 e 4 ATIVIDADE INTERAÇÕES DA VIDA CAPÍTULOS 1, 2, 3 e 4 Questão 1) Abaixo representa uma experiência com crisântemo, em que a planta foi iluminada, conforme mostra o esquema. Com base no esquema e seus conhecimentos,

Leia mais

RELAÇÕES ENTRE OS SERES VIVOS (ALELOBIOSES) 1- HARMÔNICAS NINGUÉM É PREJUDICADO 3- INTRA-ESPECÍFICAS OU HOMOTÍPICAS OS SERES SÃO DA MESMA ESPÉCIE

RELAÇÕES ENTRE OS SERES VIVOS (ALELOBIOSES) 1- HARMÔNICAS NINGUÉM É PREJUDICADO 3- INTRA-ESPECÍFICAS OU HOMOTÍPICAS OS SERES SÃO DA MESMA ESPÉCIE RELAÇÕES ENTRE OS SERES VIVOS (ALELOBIOSES) 1- HARMÔNICAS NINGUÉM É PREJUDICADO 2- DESARMÔNICAS ALGUÉM É PREJUDICADO 3- INTRA-ESPECÍFICAS OU HOMOTÍPICAS OS SERES SÃO DA MESMA ESPÉCIE 4- INTERESPECÍFICAS

Leia mais

ORIENTAÇÕES RESUMO TEÓRICO. BIOLOGIA 3 Prof.: Vinícius (Minguado) LISTA 12 CICLOS BIOGEOQUÍMICOS CICLO DO NITROGÊNIO. Algumas etapas do ciclo:

ORIENTAÇÕES RESUMO TEÓRICO. BIOLOGIA 3 Prof.: Vinícius (Minguado) LISTA 12 CICLOS BIOGEOQUÍMICOS CICLO DO NITROGÊNIO. Algumas etapas do ciclo: BIOLOGIA 3 Prof.: Vinícius (Minguado) LISTA 12 CICLOS BIOGEOQUÍMICOS ORIENTAÇÕES A lista 12 traz questões que abordam os mais importantes ciclos de elemento e substâncias, assunto bastante cobrado pelos

Leia mais

No caso da Candida spp. se tornar patogênica, como se denomina a relação interespecífica entre esse fungo e o ser humano? Justifique sua resposta.

No caso da Candida spp. se tornar patogênica, como se denomina a relação interespecífica entre esse fungo e o ser humano? Justifique sua resposta. 1. (Unesp 2013) Texto 1 O biopoder, sem a menor dúvida, foi elemento indispensável ao desenvolvimento do capitalismo, que só pode ser garantido à custa da inserção controlada dos corpos no aparelho de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MATO GROSSO INSTITUTO DE CIÊNCIAS NATURAIS, HUMANAS E SOCIAIS (ICNHS) Prof. Evaldo Martins Pires Doutor em Entomologia

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MATO GROSSO INSTITUTO DE CIÊNCIAS NATURAIS, HUMANAS E SOCIAIS (ICNHS) Prof. Evaldo Martins Pires Doutor em Entomologia ECOLOGIA GERAL Aula 04 Aula de hoje: CICLAGEM DE NUTRIENTES E CICLOS BIOGEOQUÍMICOS O ciclo ou a rota dos nutrientes no ecossistema está diretamente relacionado ao processo de reciclagem ou reaproveitamento

Leia mais

GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3

GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3 Módulo 09 GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3 Quando ocorre o fechamento dos estômatos a condução de seiva bruta fica prejudicado bem como a entrada de gás carbônico para o processo fotossintético. 02. C O deslocamento

Leia mais

Nome: Nº Ano: 3º Turma: Disciplina: Biologia Professor:Wanessa Data: / /

Nome: Nº Ano: 3º Turma: Disciplina: Biologia Professor:Wanessa Data: / / Nome: Nº Ano: 3º Turma: Disciplina: Biologia Professor:Wanessa Data: / / 01) Os vaga-lumes machos e fêmeas emitem sinais luminosos para se atraírem para o acasalamento. O macho reconhece a fêmea de sua

Leia mais

1º ANO MATRIZ CURRICULAR DE CIÊNCIAS NATURAIS. Eu um ser no ambiente

1º ANO MATRIZ CURRICULAR DE CIÊNCIAS NATURAIS. Eu um ser no ambiente 1º ANO MATRIZ CURRICULAR DE CIÊNCIAS NATURAIS Eu um ser no ambiente Higiene Corporal Os cinco sentidos Corpo humano Perceber a importância do cuidado com o corpo, da vacinação e da prevenção de acidentes.

Leia mais

COLÉGIO SÃO JOSÉ 3º ANO- ENSINO MÉDIO BIOLOGIA PROFESSORA VANESCA 2015

COLÉGIO SÃO JOSÉ 3º ANO- ENSINO MÉDIO BIOLOGIA PROFESSORA VANESCA 2015 COLÉGIO SÃO JOSÉ 3º ANO- ENSINO MÉDIO BIOLOGIA PROFESSORA VANESCA 2015 ECOLOGIA Introdução, Cadeias alimentares, Matéria e Energia no Ecossistema. O termo ECOLOGIA foi empregado pela 1ª vez por E. Haeckel,

Leia mais

DISCIPLINA: BIOLOGIA PROFª. CRISTINA DE SOUZA 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO

DISCIPLINA: BIOLOGIA PROFª. CRISTINA DE SOUZA 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO DISCIPLINA: BIOLOGIA PROFª. CRISTINA DE SOUZA 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO RELAÇÕES ECOLÓGICAS Interações (relações ou associações) = SIMBIOSE INTRAESPECÍFICAS - entre indivíduos da mesma espécie. INTERESPECÍFICAS

Leia mais

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local;

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; A Vida no Solo A Vida no Solo A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; O solo é constituído por alguns componentes: os minerais, o húmus, o ar, a água e os seres

Leia mais

ENEM NÍVEIS DE ORGANIZAÇÃO

ENEM NÍVEIS DE ORGANIZAÇÃO Ecologia (do grego oikos = casa e logos = estudo) é o ramo da biologia que estuda as relações dos seres vivos entre si e com o meio ambiente e foi utilizado com esse sentido pela primeira vez em 1870,

Leia mais

ORIENTAÇÕES EXERCÍCIOS PROPOSTOS. BIOLOGIA 3 Prof.: Vinícius (Minguado) LISTA DE REVISÃO PARA A UNICAMP

ORIENTAÇÕES EXERCÍCIOS PROPOSTOS. BIOLOGIA 3 Prof.: Vinícius (Minguado) LISTA DE REVISÃO PARA A UNICAMP BIOLOGIA 3 Prof.: Vinícius (Minguado) LISTA DE REVISÃO PARA A UNICAMP ORIENTAÇÕES Após a mudança do formato da prova da Unicamp (que deixou de cobrar questões discursivas na 1ª fase) Botânica passou a

Leia mais

COMENTÁRIO DA PROVA DE BIOLOGIA

COMENTÁRIO DA PROVA DE BIOLOGIA COMENTÁRIO DA PROVA DE BIOLOGIA A prova de Biologia da UFPR apresentou uma boa distribuição de conteúdos ao longo das nove questões. O grau de dificuldade variou entre questões médias e fáceis, o que está

Leia mais

Sequência de Aulas - Ciclos Biogeoquímicos

Sequência de Aulas - Ciclos Biogeoquímicos Sequência de Aulas - Ciclos Biogeoquímicos 1. Nível de Ensino: Ensino Médio 2. Conteúdo Estruturante: Biogeoquímica 2.1 Conteúdo Básico: Matéria, Composição dos elementos químicos. 2.2 Conteúdo Específico:

Leia mais

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR SARGENTO NADER ALVES DOS SANTOS SÉRIE/ANO: 3ª TURMA(S):

Leia mais

PROBLEMAS AMBIENTAIS INVERSÃO TÉRMICA INVERSÃO TÉRMICA 14/02/2014. Distribuição aproximada dos principais poluentes do ar de uma cidade (SP)

PROBLEMAS AMBIENTAIS INVERSÃO TÉRMICA INVERSÃO TÉRMICA 14/02/2014. Distribuição aproximada dos principais poluentes do ar de uma cidade (SP) PROBLEMAS AMBIENTAIS Distribuição aproximada dos principais poluentes do ar de uma cidade (SP) Liga-se com a hemoglobina impedindo o O2 de ser conduzido INVERSÃO TÉRMICA *Inversão térmica é um fenômeno

Leia mais

Universidade Federal de Goiás. Ecologia de Ecossistemas. Aula 4: Produtividade e Decomposição

Universidade Federal de Goiás. Ecologia de Ecossistemas. Aula 4: Produtividade e Decomposição Universidade Federal de Goiás Instituto de Ciências Biológicas Dep. Ecologia Prof. Adriano S. Melo - asm.adrimelo@gmail.com Ecologia de Ecossistemas Aula 4: Produtividade e Decomposição Produção primária

Leia mais

De onde veio e para onde vai o carbono que faz parte do nosso corpo?

De onde veio e para onde vai o carbono que faz parte do nosso corpo? De onde veio e para onde vai o carbono que faz parte do nosso corpo? 07/2011 Esta obra foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não-Comercial - Obras Derivadas Proibidas 3.0 Não

Leia mais

Dinâmica dos Ecossistemas

Dinâmica dos Ecossistemas UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS ECOLOGIA Prof. Oriel Herrera Monitores: John David & Giuliane Sampaio Dinâmica dos Ecossistemas Fortaleza-CE Versão

Leia mais

20/5/2014 RELAÇÕES ECOLÓGICAS RELAÇÕES HARMÔNICAS INTRA-ESPECÍFICAS COLÔNIA CLASSIFICAÇÃO

20/5/2014 RELAÇÕES ECOLÓGICAS RELAÇÕES HARMÔNICAS INTRA-ESPECÍFICAS COLÔNIA CLASSIFICAÇÃO RELAÇÕES ECOLÓGICAS RELAÇÕES ECOLÓGICAS Os seres vivos, além de interagirem com o meio abiótico, também interagem com outros seres vivos presentes na mesma comunidade. Estas interações são as relações

Leia mais

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MAX DADA GALLIZZI BIOLOGIA GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MAX DADA GALLIZZI BIOLOGIA GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MAX DADA GALLIZZI BIOLOGIA 01 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Conhecimentos de Biologia Roteiro de estudo BIO = VIDA Prezado(a)

Leia mais

Mudanças do clima, mudanças no campo

Mudanças do clima, mudanças no campo Mudanças do clima, mudanças no campo Sumário executivo do relatório escrito por Jessica Bellarby, Bente Foereid, Astley Hastings e Pete Smith, da Escola de Ciências Biológicas da Universidade de Aberdeen

Leia mais

Aula 11 Cadeia alimentar

Aula 11 Cadeia alimentar Aula 11 Cadeia alimentar A biosfera, parte do planeta onde vivem os seres vivos, é formado por ecossistemas. O ecossistema é constituído por comunidade (parte biótica) e os fatores físicos e químicos do

Leia mais

Matéria e energia nos ecossistemas

Matéria e energia nos ecossistemas Aula de hoje Matéria e energia nos ecossistemas Matéria e energia nos ecossistemas A forma e funcionamento dos organismos vivos evoluiu parcialmente il em respostas às condições prevalecentes no mundo

Leia mais

Texto Base: Aula 27. Ecossistemas. Autor: Ana Lúcia Brandimarte. Fonte: Brandimarte e Santos, 2014a

Texto Base: Aula 27. Ecossistemas. Autor: Ana Lúcia Brandimarte. Fonte: Brandimarte e Santos, 2014a Texto Base: Aula 27 Ecossistemas Autor: Ana Lúcia Brandimarte Ecossistema Fonte: http://people.wku.edu/ O termo ecossistema foi cunhado por Sir Arthur George Tansley, um ecólogo vegetal inglês, em 1935.

Leia mais

6 O PRODUTO. ATIVIDADE 01: Perfil

6 O PRODUTO. ATIVIDADE 01: Perfil 54 6 O PRODUTO ATIVIDADE 01: Perfil Descrição da atividade Olá, como vai? Seja bem-vindo (a) a nossa primeira atividade! Nesta atividade, você terá a oportunidade de conhecer colegas e professores utilizando

Leia mais

ORIENTAÇÕES DE ESTUDO PARA RECUPERAÇÃO. 2º Semestre - 2015

ORIENTAÇÕES DE ESTUDO PARA RECUPERAÇÃO. 2º Semestre - 2015 Estrada do Açude, 250 - Alto da Boa Vista Rio de Janeiro RJ CEP. 20.531-330 Tels.: 2492-2124 /2492-2243 -www.marcelinas. com.br -email:colegiorj@marcelinas.com.br ORIENTAÇÕES DE ESTUDO PARA RECUPERAÇÃO

Leia mais

Ecologia: definição. OIKOS Casa LOGOS Estudo. Ciência que estuda as relações entre os seres vivos e desses com o ambiente.

Ecologia: definição. OIKOS Casa LOGOS Estudo. Ciência que estuda as relações entre os seres vivos e desses com o ambiente. Profª Kamylla Ecologia: definição OIKOS Casa LOGOS Estudo Ciência que estuda as relações entre os seres vivos e desses com o ambiente. Componentes do Ecossistema Substâncias Abióticas; Componentes Bióticos:

Leia mais

Delza - Ciências 6ª Série RECUPERAÇÂO. QUESTÃO 1 (Descritor: associar características básicas à classificação dos seres vivos.)

Delza - Ciências 6ª Série RECUPERAÇÂO. QUESTÃO 1 (Descritor: associar características básicas à classificação dos seres vivos.) Delza - Ciências 6ª Série RECUPERAÇÂO QUESTÃO 1 (Descritor: associar características básicas à classificação dos seres vivos.) Assunto: Classificação dos seres vivos Os cientistas estabeleceram um sistema

Leia mais

Relações ecológicas. Relações intraespecíficas harmônicas

Relações ecológicas. Relações intraespecíficas harmônicas Relações ecológicas Nenhum ser vivo está sozinho neste planeta, todos os seres vivos se relacionam seja com seres da própria espécie ou com seres de outras espécies. Essas relações são muito importantes

Leia mais

Slide 1 REVISÃO DA PROVA

Slide 1 REVISÃO DA PROVA Slide 1 REVISÃO DA PROVA Slide 2 FOTOSSINTESE Slide 3 3- A fotossíntese libera para a atmosfera: a) o oxigênio oriundo da água; b) o oxigênio proveniente do gás carbônico; c) o gás carbônico proveniente

Leia mais

IC II - Lab.Geo.Fis. Aula 3. Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com

IC II - Lab.Geo.Fis. Aula 3. Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com IC II - Lab.Geo.Fis Aula 3 Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Aula de hoje.. Sistemas Teoria Geral dos Sistemas Relações entre os elementos dos Ecossistemas Biogeografia e Sistemas

Leia mais

Questão 89. Questão 90. Questão 91. alternativa B. alternativa B

Questão 89. Questão 90. Questão 91. alternativa B. alternativa B Questão 89 Qual das alternativas classifica corretamente o vírus HIV, o tronco de uma árvore, a semente de feijão e o plasmódio da malária, quanto à constituição celular? Plasmódio da Vírus Tronco Semente

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES CIÊNCIAS

CADERNO DE ATIVIDADES CIÊNCIAS COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES CIÊNCIAS Aluno (a): 4º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Este trabalho deverá ser entregue IMPRETERIVELMENTE no dia da prova. Conteúdo de Recuperação

Leia mais

NETXPLICA http://forum.netxplica.com TESTE DE AVALIAÇÃO 8º Ano Ciências Naturais Ecossistemas fluxos de energia e ciclos de matéria

NETXPLICA http://forum.netxplica.com TESTE DE AVALIAÇÃO 8º Ano Ciências Naturais Ecossistemas fluxos de energia e ciclos de matéria Classificação Encarregado de Educação Nome nº Turma Data / / 08 GRUPO I (Cotação = 25 pontos: 1.1-10x2=20 + 1.2-5 pontos) 1. Considera a figura seguinte, que representa o fluxo de energia numa cadeia alimentar.

Leia mais

CAPÍTULO 02 A TEIA ALIMENTAR

CAPÍTULO 02 A TEIA ALIMENTAR CAPÍTULO 02 A TEIA ALIMENTAR Cadeia alimentar: é uma seqüência de seres vivos relacionando-se dentro de um ecossistema, onde um ser serve de alimento para outro ser. Exemplo: Capim capivara onça bactéria

Leia mais

BIOLOGIA. Questão 2 a) Criptógamas. b) Fanerógamas. c) Espermatófitas. d) avasculares. e) vasculares ou traqueófitas. f) Monera.

BIOLOGIA. Questão 2 a) Criptógamas. b) Fanerógamas. c) Espermatófitas. d) avasculares. e) vasculares ou traqueófitas. f) Monera. BIOLOGIA Prof. Fred AULA 1 EVOLUÇÃO E REPRODUÇÃO DOS GRUPOS VEGETAIS SERIE AULA a) Final do Carbonífero: Final do Carbonífero: raízes, caules e folhas. Início do Cretáceo: Início do Cretáceo: raízes, caules,

Leia mais