A Lei de Responsabilidade Fiscal e a Polêmica das Despesas com Pessoal

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Lei de Responsabilidade Fiscal e a Polêmica das Despesas com Pessoal"

Transcrição

1 A Lei de Responsabilidade Fiscal e a Polêmica das Despesas com Pessoal (texto atualizado) Edson Ronaldo Nascimento Brasília Agosto de 2003

2 A LRF e a Polêmica das Despesas com Pessoal por Edson Ronaldo Nascimento 1 1. Introdução A Lei Complementar n 101, de 4 de maio de 2000 (LRF), entre outras matérias, tem por escopo o artigo 169 da Constituição Federal de 1988, que determina, in verbis: Art A despesa com pessoal ativo e inativo da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios não poderá exceder os limites estabelecidos em lei complementar. Esse dispositivo constitucional está regulamentado desde 1995 a partir da edição da Lei Complementar n 82 (Lei Camata) e sua reedição, a Lei Complementar n 96, de 31 de maio de 1999, revogada pelo artigo 75 da LRF Ressalte-se que o artigo 169 da Constituição Federal de 1988 foi modificado pela Emenda Constitucional nº 19 de 1998 (EC/19). Essa Emenda Constitucional tornou ainda mais rígido o controle dos gastos com pessoal na administração pública, autorizando o administrador a demitir, se necessário (e em condições especiais) o servidor estável para o cumprimento da norma constitucional, conforme se verifica no seu artigo 21, que determina, in verbis: Art. 21. da EC 19 de 1998: O art. 169 da Constituição Federal passa a vigorar com a seguinte redação: 1 Economista, autor do livro Finanças Públicas:União, Estados e Municípios Ed. Vestcon. Brasília. dezembro de

3 Art A despesa com pessoal ativo e inativo da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios não poderá exceder os limites estabelecidos em lei complementar. 1º (...) 3º Para o cumprimento dos limites estabelecidos com base neste artigo, durante o prazo fixado na lei complementar referida no caput, a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios adotarão as seguintes providências: I - redução em pelo menos vinte por cento das despesas com cargos em comissão e funções de confiança; II - exoneração dos servidores não estáveis. 4º Se as medidas adotadas com base no parágrafo anterior não forem suficientes para assegurar o cumprimento da determinação da lei complementar referida neste artigo, o servidor estável poderá perder o cargo, desde que ato normativo motivado de cada um dos Poderes especifique a atividade funcional, o órgão ou unidade administrativa objeto da redução de pessoal. Já a Lei Complementar n 101, a partir do seu artigo 18, define despesas de pessoal da seguinte forma: Art. 18. Para os efeitos desta Lei Complementar, entende-se como despesa total com pessoal: o somatório dos gastos do ente da Federação com os ativos, os inativos e os pensionistas, relativos a mandatos eletivos, cargos, funções ou empregos, civis, militares e de membros de Poder, com quaisquer espécies remuneratórias, tais como vencimentos e vantagens, fixas e variáveis, subsídios, proventos da 3

4 aposentadoria, reformas e pensões, inclusive adicionais, gratificações, horas extras e vantagens pessoais de qualquer natureza, bem como encargos sociais e contribuições recolhidas pelo ente às entidades de previdência (grifo nosso). 1º Os valores dos contratos de terceirização de mão-de-obra que se referem à substituição de servidores e empregados públicos serão contabilizados como Outras Despesas de Pessoa l. A grande polêmica em relação a esse dispositivo legal diz respeito ao seu 1 que vem dividindo opiniões no Brasil desde a sanção da LRF. O parágrafo primeiro do artigo 18 introduz a conta contratos de serviços de terceiros em substituição a servidores públicos, novidade dentro do estudo da contabilidade pública. Até a edição da LRF, tal rubrica contábil era desconhecida dos contadores e dos demais estudiosos das finanças públicas. A intenção do legislador, neste caso, foi evitar que o setor público (no caso o irresponsável), utilize artimanhas contábeis para burlar os ditames da LRF. Este artigo tem ocasionado descontentamento à maioria dos administradores públicos e estranheza aos juristas e contabilistas. Na verdade, a maior dificuldade neste caso diz respeito à interpretação da norma: serão todos os serviços terceirizados, afinal, somados aos limites de pessoal? Qual a forma de substituir servidores, além do concurso público? É necessário um esclarecimento maior quanto à forma de contabilização deste tipo de despesa, bem como a sua clara identificação dentro do plano de contas. De acordo com a LRF, a Contabilidade Geral da União é o órgão competente para dirimir dúvidas quanto a operacionalidade da LRF, enquanto não estiver em funcionamento o Conselho de Gestão Fiscal, previsto no seu art. 67. Acrescentamos neste título a opinião dos Tribunais de Contas sobre esta matéria: 4

5 Terceirização consiste na contratação de empresas prestadoras de serviços, e atualmente emprega-se este vocábulo para designar a prática adotada por muitas empresas de contratar serviços de terceiros para as suas atividades meio. Além disso, de acordo com o Tribunal de Contas do Rio Grande do Sul: Vê-se que a terceirização, na Administração Pública, envolve um conceito de delegação a outra empresa para execução de determinado serviço ou trabalho, gerando, desse modo, atividade de execução indireta, bem definida pelo recente Decreto nº 2.271, de 7 de julho de Assim, terceirização de mão-de-obra significaria a contratação de empresas prestadoras de serviços, as quais, evidentemente, alocariam mão-de-obra. Desta forma, funcionários das empresas contratadas não manteriam qualquer vínculo jurídico ou funcional com o Poder Público, não podendo, conseqüentemente, ser caracterizados como agentes públicos, não adentrando no conceito de pessoal ativo. Aparentemente esta regra estaria em conflito com os limites a que alude o caput do art. 169 da CF, o qual disciplina despesa tão somente com pessoal ativo e inativo. Aceitando-se a tese de que o disposto no mencionado 1º do art. 18 afronte aos ditames constitucionais e, por este motivo, deva ser afastado, tal fato não autorizará a que os Poderes e órgãos referidos no art. 20 busquem contratar serviços de terceiros, objetivando fugir dos limites de despesas com pessoal a que estejam submetidos, face à limitação imposta no art. 72, para a contratação de serviços de terceiros, a seguir transcrito: Art. 72. A despesa com serviços de terceiros dos Poderes e órgãos referidos no art. 20 não poderá exceder, em percentual da receita 5

6 corrente líquida, a do exercício anterior à entrada em vigor desta Lei Complementar, até o término do terceiro exercício seguinte. A regra posta no transcrito artigo 72 estabelece um limitador de comprometimento da receita corrente líquida com serviços de terceiros. Tal limite, que vigorará até , deve ser calculado tomando-se por base o total das contratações de prestação de serviços com terceiros celebrados no exercício de 1999, e verificando qual a sua participação percentual em relação ao montante da receita corrente líquida arrecadada no mesmo exercício. Atualmente, na medida em que não há manifestação do STF quanto a inconstitucionalidade do 1º do artigo 18, devemos atentar para as seguintes situações: 1) Entes públicos que tem nos serviços de terceiros percentual importante da sua RCL: é o caso, por exemplo do Estado do Tocantins e seus Municípios, onde esta rubrica aproxima-se, em termos percentuais, dos limites com gastos com pessoal. Os serviços terceirizados no conjunto dos Municípios do Estado do Tocantins, consomem cerca de 30% da sua RCL anual, contra 40% dos gastos médios com a folha de pagamentos. Neste caso, ao acrescentar no limite de gastos com pessoal a totalidade dos serviços de terceiros, o percentual médio de comprometimento passaria de 70% da RCL, portanto, acima dos limites legais. 2) Desconsiderando as situações extremas, conforme exemplo anterior, em outras situações o percentual com serviços de terceiros obedece a média nacional: cerca de 10% da RCL anual. Neste caso, caracterizando-se aqueles serviços de terceiros em substituição de pessoal, de forma a somarem as despesas com pessoal, o seu efeito 6

7 sobre o volume total dos gastos com pessoal torna-se muitas vezes, residual. 3) Muitas vezes, a opção pela contratação de serviços terceirizados representará um ônus menor para o ente público. No caso do Tocantins, Estado em construção, a opção pela terceirização indica a necessidade de mão-de-obra para a montagem da infra-estrutura pública. Finalizada esta fase de constituição e implantação física da máquina administrativa, cessa a necessidade destes serviços, sendo sua rescisão facilitada pelo instrumento jurídico que o norteia: um contrato de serviços. Na opção pela contratação de funcionários públicos através de concurso, finalizados os trabalhos, teríamos um contingente de pessoal sem função dentro do serviço público. 4) Dessa forma, a análise das limitações para contratação de pessoal deve ser verificada caso a caso. Buscando-se no espírito da LRF a eficiência na alocação de recursos e economia para os cofres públicos, deve-se atentar para que a interpretação prática da LRF leve em consideração este s pressupostos. E isto já está ocorrendo por parte de Tribunais de Contas, preocupados, neste caso, com a governabilidade. Não se deve imputar ao administrador público uma tarefa que implique em dificuldades para desenvolvimento sócioeconômico local, sob pena de colocar em risco a validade da LRF, criando, neste caso, resistência à sua implantação. Por fim, a partir do artigo 86 da Lei no , de 30 de julho de 2003 (LDO da União para 2004) apresenta-se a forma como o Governo Federal vem tratando a questão das substituições de servidores: 7

8 Art. 86. O disposto no 1º do art. 18 da Lei Complementar nº 101, de 2000, aplica-se exclusivamente para fins de cálculo do limite da despesa total com pessoal, independentemente da legalidade ou validade dos contratos. Parágrafo único. Não se considera como substituição de servidores e empregados públicos, para efeito do caput, os contratos de terceirização relativos à execução indireta de atividades que, simultaneamente: I - sejam acessórias, instrumentais ou complementares aos assuntos que constituem área de competência legal do órgão ou entidade, na forma de regulamento; II - não sejam inerentes a categorias funcionais abrangidas por plano de cargos do quadro de pessoal do órgão ou entidade, salvo expressa disposição legal em contrário, ou sejam relativas a cargo ou categoria extintos, total ou parcialmente; III - não caracterizem relação direta de emprego. Outros instrumentos legais como a Emenda Constitucional n 25, de 14 de fevereiro de 2000 não alteraram o artigo 169 da CF/88. Esse dispositivo,vem regulamentar situação específica, qual seja, o limite de despesas com o Poder Legislativo Municipal, não alcançando os demais poderes da administração pública em nível nacional. O objetivo do presente texto é fomentar a discussão em torno das despesas com pessoal a partir da edição da LRF. 8

9 2. Limites para as despesas com pessoal O constituinte de 1988 já manifestava preocupação quanto ao controle das despesas com pessoal, o que podemos verificar a partir do texto do artigo 38 dos ADCT: Art. 38. Até a promulgação da lei complementar referida no art. 169, a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios não poderão despender com pessoal mais do que sessenta e cinco por cento do valo r das respectivas receitas correntes. Parágrafo único. A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, quando a respectiva despesa de pessoal exceder o limite previsto neste artigo, deverão retornar àquele limite, reduzindo o percentual excedente à razão de um quinto por ano. Essa regra vigorou até 1995, quando foi editada a Lei Complementar n 82, conforme já asseverado. Mas qual foi a motivação do constituinte de 1988 para determinar um limite para as despesas com pessoal? Qual é, de fato, o objetivo do supracitado artigo 169 da Lei Maior? As respostas para essas questões podem ser apresentadas da seguinte forma: a folha de pagamentos representa o principal item da despesa pública nas três esferas de governo no Brasil e o seu descontrole pode trazer conseqüências desastrosas à administração pública. Portanto, essas despesas deverão ser limitadas de forma a não comprometer uma parcela excessiva das receita públicas, deixando uma margem insuficiente para o atendimento do conjunto das prioridades e programas governamentais. Os limites para despesas com pessoal, definidos a partir da Lei Camata e da Lei de Responsabilidade Fiscal, partiram da análise das contas públicas nacionais durante a década de 90 que apresentaram as seguintes constatações: em linhas gerais, existem algumas despesas que podem ser tratadas como despesas fixas 9

10 dentro do setor público, da mesma forma como acontece com algumas despesas no setor empresarial (privado). Na administração pública essas despesas referemse aos custos com materiais e serviços, necessários para a manutenção da máquina pública, onde estão incluídas as contas de luz, água, serviços terceirizados, etc. São as chamadas despesas de custeio, não incluídos, nesse caso, os gastos com pessoal que também pertencem a esse grupo de despesas. Outro gasto permanente dentro do setor público nas três esferas de governo é aquele referente ao pagamento da dívida. Dados de 2001 extraídos dos balanços estaduais e municipais, mostram que a totalidade dos Estados brasileiros, além de 85% dos Municípios realizaram pagamento de dívida no período. O pagamento da dívida significa o cumprimento de contratos assumidos pelo setor público junto ao próprio setor público 2 e junto ao setor privado da economia. A não ser em casos excepcionais, as administrações públicas estão obrigadas a honrar seus compromissos junto a terceiros garantindo a própria credibilidade do setor público. Outras despesas imprescindíveis para a manutenção dos serviços públicos dizem respeito aos gastos com investimentos que, obrigatoriamente, o Estado deve realizar a cada ano em função do crescimento da demanda por esses serviços. Ressalte-se que parte dos investimentos públicos é custeada por recursos de terceiros (empréstimos), o que demonstra uma relação direta entre as despesas com investimentos e o serviço da dívida. A cada ano os governos devem construir novas escolas, pavimentar vias públicas, aumentar a oferta do número de leitos hospitalares, etc, em função do fluxo migratório populacional. Esse tipo de despesa refere-se às chamadas despesas de capital e encontra-se inserido dentro da rubrica Investimentos. São também despesas essenciais para a melhoria da qualidade de vida da população, que consomem a cada ano parte da receita corrente líquida (RCL) de Estados e 2 Outras esferas de governo 10

11 Municípios. Mas que parte é essa? Que parcela da RCL dos Estados e Municípios é necessária para atender às despesas com a manutenção da máquina administrativa, o pagamento da dívida e os gastos com investimentos necessários a cada ano? O quadro a seguir mostra o total desses gastos, analisados no período 1995 a 2000, como percentual da RCL anual. Despesas Estaduais em Relação a RCL Período Manutenção da Pagamento da Investimentos Máquina Dívida Básicos % 17% 11% % 18% 11% % 24% 12% % 20% 29% % 12% 12% % 13% 9% Média Anual 16% 17% 14% Despesas Municipais em Relação a RCL * Período Manutenção da Pagamento da Investimentos Máquina Dívida Básicos % 5% 22% % 5% 22% % 5% 12% % 9% 11% % 2% 12% % 3% 11% Média Anual 34% 5% 15% Fonte:STN/ FINBRA * Informações de todos os Estados e de uma amostra de Municípios 11

12 A partir das informações apresentadas no quadro anterior, podemos identificar alguns aspectos das despesas estaduais e municipais: 1.Em média, Estados e Municípios gastaram a cada ano, entre 14% e 15% da RCL com despesas de investimentos (inclusive inversões financeiras). Esses resultados foram extraídos dos balanços orçamentários municipais e estaduais a partir da rubrica Despesas de Capital (somatório das contas Investimentos e Inversões Financeiras). Não incluem, portanto, despesas com pessoal (despesas correntes de custeio). 2.O custo da maquina administrativa municipal é, em média, maior que o custo da máquina administrativa estadual (não computadas as despesas com pessoal). Ressalte-se ainda que estão incluídos nessas despesas os serviços terceirizados que, em geral, são maiores nos Municípios do que nos Estados. 3.O pagamento da dívida pública consome um volume maior dos recursos estaduais, em relação aos gastos municipais com essa rubrica. Consideramse, nesse caso, as despesas com encargos mais amortizações da dívida pública a cada ano. Ressalte-se que no período analisado, o incremento no pagamento da dívida pública em 1997 e 1998 nos Estados e nos Municípios, leva em consideração o refinanciamento dessas dívidas e as amortizações extraordinárias que ocorreram no período. Expurgando-se esses efeitos, as despesas com o serviço da dívida estadual e municipal a cada ano cairiam para cerca de 13% e 3%, em média, respectivamente. 4.Em média, essas despesas que podemos chamar de rígidas, conforme definido anteriormente, consomem, no caso dos Estados, cerca de 40% da RCL a cada ano e, no caso dos Municípios, 50% da RCL anual. Verificamos, portanto, que em média, cerca de 45% das receitas disponíveis a Estados e Municípios, estão comprometidas com despesas que podemos chamar 12

13 de fixas. Restariam ainda, em média, 55% das receitas estaduais e municipais para o pagamento de gastos com pessoal, não computados nos dados apresentados. Podemos então concluir que o limite máximo de 60% da RCL definido para gastos com pessoal, surge a partir de pressupostos econômicos básicos, como por exemplo, a escassez de recursos públicos. Em outras palavras, qualquer excesso de gastos com pessoal (acima ou mesmo próximo a 60% da RCL) poderá significar a redução de recursos para a manutenção da máquina pública, para o pagamento da dívida ou para a realização do mínimo necessário de investimentos básicos. Ressalte-se que, a partir dos dados analisados poderíamos ainda inferir que o limite máximo para gastos com pessoal poderia ser mais restritivo do que aquele determinado pela LRF. 3. As despesas com pensionistas De acordo com o citado art. 169 da Constituição Federal de 1988 podemos verificar que não há no texto constitucional, referência aos pensionistas, no que se refere aos limites legais a serem definidos em Lei Complementar: Art A despesa com pessoal ativo e inativo da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios não poderá exceder os limites estabelecidos em lei complementar.(grifo nosso). De fato, partindo-se de uma interpretação literal da Constituição Federal, poderíamos concluir que o legislador pretendeu com esse dispositivo dispensar (ou mesmo evitar) a inclusão dos gastos com pensionistas nos limites de pessoal. Ou seja, dentro dessa linha de raciocínio apenas pessoal ativo e inativo devem compor o total das despesas com pessoal. Nesse contexto, poderíamos concluir ainda que encargos sociais, gratificações, horas extras, vantagens pessoais de qualquer natureza considerados, etc (conforme disposto no caput do artigo 18 da LRF), 13

14 também não poderiam ser contabilizados como despesas de pessoal, já que não estão contemplados no citado artigo 169. Para chegarmos a conclusões consistentes sobre essa matéria, convém ainda relembrar o magistério de Carlos Maximiliano, em sua Hermenêutica e Aplicação do Direito, in verbis (editora Forense, 16ª edição, página 166): Deve o Direito ser interpretado inteligentemente: não de modo que a ordem legal envolva um absurdo, prescreva inconveniências, vá ter a conclusões inconsistentes ou impossíveis. Somamos aos ensinamentos do grande jurista o parecer de Antônio Sérgio Baptista, Coordenador do Conselho Técnico da Associação Paulista de Municípios: A interpretação de qualquer dispositivo legal não pode ser meramente literal; indispensável que seja sistemática, isto é, deve abranger os textos legais como um todo aberto, observando os princípios, as normas e os valores jurídicos, fixando-lhes o alcance para buscar a solução mais correta das questões suscitadas, especialmente quando se está diante de matéria nova, controversa e, por isso mesmo, ainda não suficientemente sedimentada pela doutrina 3. Quando a LRF estabeleceu o limite de 60% da RCL para gastos com pessoal (definido nos termos do artigo 18) incluiu nesse montante os gastos com pensionistas. Nesse caso, considerando os objetivos da Lei Complementar n 101, as questões para as quais devemos atentar são as seguintes: a figura do pensionista está, em termos financeiros, econômicos (ou mesmo jurídicos), deslocada da figura do inativo? Sabemos que, na maioria dos casos, quem arca 3 Em A Lei de Responsabilidade Fiscal e o encerramento do exercício de A disponibilidade de caixa e os restos a pagar (texto divulgado pelo BNDES). 14

15 com a despesa do servidor aposentado é o tesouro público. Será diferente no caso do pensionista? O resultado não é o mesmo para as finanças públicas? Ou seja, gastos com pensionistas não representam despesas públicas, competindo por recursos com outros gastos? Entendo que aqueles que defendem a retirada das despesas de pensionistas do cômputo dos gastos com pessoal devem defender também a mudança no limite legal para as despesas com pessoal. Ou seja, o legislador, a partir da LRF, definiu um limite legal (60% da RCL) para despesas com pessoal, inclusive pensionistas. Se retirarmos os pensionistas desse total, devemos rever o limite legal, mantendo assim a coerência entre os objetivos da LRF (equilíbrio das contas públicas) e a legalidade da norma. Ressalte-se que, as despesas com pensionistas consomem, em média, 1% da RCL municipal e 2% da RCL estadual à cada ano. 4 A Lei Complementar n 96, de 1999 (LC 96/99), revogada pela LRF, até maio de 2000 regulamentava o art. 169 da Constituição Federal de De acordo com o art. 2º desse dispositivo legal, observamos que os pensionistas também fazem parte das despesas totais com pessoal: Art. 2º Para os fins do disposto nesta Lei Complementar, consideramse: I - Despesas Totais com Pessoal: o somatório das Despesas de Pessoal e Encargos Sociais da administração direta e indireta, realizadas pela União, pelos Estados, pelo Distrito Federal e pelos Municípios, considerando-se os ativos, inativos e pensionistas, excetuando-se as obrigações relativas a indenizações por demissões, inclusive gastos com incentivos à demissão voluntária ;(grifo nosso). 4 Dados extraídos dos Balanços Orçamentários de Estados e de uma amostra de Municípios 15

16 Não temos conhecimento de questionamentos jurídicos em relação a essa regra que vigorou no Brasil de 31 de maio de 1999 a 4 de maio de Cumpre ressaltar que a principal diferença entre a LC 96/99 e a LC 101/00, no que se refere às despesas com pessoal, é que esta impõe sanções pessoais e institucionais para aqueles que descumprirem a norma legal. Não havendo do ponto de vista contábil e financeiro, justificativa para a exclusão dos pensionistas das despesas com pessoal, já que essas, assim como os gastos com ativos e os inativos, são cobertos com receitas públicas, tentarei, abordar algumas questões jurídicas envolvidas nesse debate. A primeira conclusão que podemos extrair da discordância em relação às regras do artigo 18 da LRF (que inclui pensionistas no total das despesas com pessoal) é que os defensores dessa teoria não reconhecem a Lei Complementar nº 101 como instrumento regulador e normatizador do art. 169 da Constituição Federal de Mas não é possível à Lei Complementar n 101 materializar a vontade do Constituinte? Qual a natureza e qual o alcance da Lei Complementar no nosso ordenamento jurídico nacional? De acordo com o Ministro Fernando Gonçalves, do Tribunal de Contas da União, em parecer publicado no DOU em 26/05/97, Leis complementares prestam-se ao desenvolvimento normativo de temas materialmente constitucionais, é dizer, temas cujo conteúdo é próprio da Constituição, mas que dependem, para sua aplicabilidade, de um desdobramento e detalhamento que não se coaduna com o caráter tendencialmente sintético e rígido que se espera das constituições 5. 5 Carlos Pinto Coelho Mota, et all. 16

17 Já Ives Gandra Martins, assim se manifestou quando ao alcance das Leis Complementares: Considero a lei complementar uma lei nacional. Inclusive no que diz respeito às leis complementares que veiculam normas auto-aplicáveis... Por esta razão tenho defendido a tese de que a lei complementar, que cria normas gerais, é lei da federação e não da União, emprestando esta o seu aparelho legislativo à Federação, que, por maioria absoluta, das Casas Legislativas da própria Federação (Senado) e do povo ( Câmara), produz uma lei de dignidade legislativa superior à lei ordinária 6. Nesse caso, a Lei Complementar n 101, de 2000, tratando de normas gerais e tendo o aval das duas Casas Legislativas nacionais buscou, para o bom funcionamento das finanças públicas nacionais, reduzir a pressão de determinadas despesas sobre os cofres públicos. Se a norma não atende à população, certamente que o cidadão é a parte mais legítima para questionar a norma. No entanto, nos últimos tempos, nenhuma outra lei votada e sancionada pelo Congresso Nacional, encontrou tamanha aceitação popular quanto a Lei de Responsabilidade Fiscal. Outro aspecto a ser ressaltado é que o texto da EC 25/2000, inserido na Constituição Federal, na forma dos atuais arts. 29 e 29-A, é auto-aplicável ao definir os limites totais de gastos e dos gastos com pessoal para as Câmaras municipais, não necessitando de qualquer outra norma regulamentadora para assegurar o seu entendimento ou a sua exeqüibilidade. Os demais Poderes e órgãos públicos, nas três esferas, têm esse assunto regulamentado por via da LRF. A propósito, em direito público há um princípio consagrado, segundo o qual os agentes públicos têm como limites de sua ação a norma legal, não lhes cabendo ampliar nem restringir os seus efeitos. 6 Idem 17

18 Por fim, cumpre ressaltar que a retirada das despesas com pensionistas do cômputo dos gastos com pessoal, servirá apenas para melhorar a situação de Estados e Municípios que estejam, por exemplo, gastando 61% ou 62% da sua RCL com pessoal. Nesses casos, retirando-se os pensionistas, esses entes retornariam ao limite legal (60% da RCL) resolvendo-se no plano contábil, problemas que deveriam ser solucionados no âmbito administrativo. Da mesma forma, a retirada do Imposto de Renda Retido na Fonte - IRRF das despesas com pessoal e da RCL, medida adotada em algumas unidades federadas, em meu entendimento, representa uma forma de ajuste contábil que vem atender interesses da administração pública e não os interesses da sociedade. 4. A retirada dos inativos do total das despesas com pessoal Existe ainda no País, uma corrente de juristas e de representantes das Cortes de Contas que defende, a exclusão dos inativos, além da retirada dos encargos sociais e previdenciários do cômputo das despesas com pessoal. O argumento busca consistência no aparente conflito entre a LRF, o artigo 169 da Constituição Federal e a Emenda Constitucional n 25, de Além disso, de acordo com os defensores dessa tese as regras definidas na norma constitucional emendada (art. 29-A), deverão alcançar toda a administração pública. Em primeiro lugar devemos observar o texto do art. 29-A, da CF/88: Art A. O total da despesa do Poder Legislativo Municipal, incluídos os subsídios dos Vereadores e excluídos os gastos com inativos, não poderá ultrapassar os seguintes percentuais, relativos ao somatório da receita tributária e das transferências previstas no 5º do art 153 e nos artigos 158 e 159, efetivamente realizado no exercício anterior: 18

19 I - oito por cento para Municípios com população de até cem mil habitantes; II - sete por cento para Municípios com população entre cem mil e um trezentos mil habitantes; III - seis por cento para Municípios com população entre trezent os mil e um e quinhentos mil habitantes; IV - cinco por cento para Municípios com população acima de quinhentos mil habitantes ;(grifei) Observa-se que essa regra refere-se explicitamente às despesas com o Poder Legislativo municipal e, em linhas gerais,não conflita com as regras definidas na LRF. São disposições diferentes: enquanto a LRF trata das despesas com pessoal de todos os poderes, com limites definidos para cada caso, tendo-se por parâmetro a RCL, o artigo 29-A da Carta Magna e a EC 25 tratam apenas dos limites do legislativo municipal, a partir de um parâmetro diverso da LRF, qual seja, o somatório das receitas tributárias e das transferências previstas no 5º do art. 153 e nos arts. 158 e 159 da CF/88. Entendo que existe ainda um outro argumento a sinalizar no sentido de que não se faça a exclusão das despesas com inativos conforme definido pela LRF. Refiro-me ao fato de que tanto a receita que serve de base de cálculo para os gastos totais das Câmaras municipais, quanto à composição da despesa com pessoal que o art. 29-A denomina folha de pagamento são diferentes. Em outros termos, o limite de despesas de pessoal dos legislativos municipais não é o mesmo que o definido na LRF, da mesma forma que a sua base de cálculo, ou referencial, não é a Receita Corrente Líquida RCL. Portanto, o legislativo municipal deverá atender as duas normas (ambas constitucionais), observando-se sempre a mais rígida, já que a intenção dos dois dispositivos é o controle e a limitação das despesas com pessoal. Em outras palavras, no que colidir com a EC 25, a LRF não se aplica, por vício de 19

20 inconstitucionalidade. No entanto, em qualquer situação, prevalecerá o limite mais rígido para as despesas com o Poder Legislativo municipal. Percebe-se que a tentativa de manter os inativos fora dos limites com pessoal na LRF, tendo-se por argumento o art n 29 A da CF, é uma medida forçosa, sem nenhum amparo legal e que, portanto, não se sustenta. Procurarei abordar essa questão dentro de uma análise econômica com os prováveis efeitos financeiros sobre as contas dos entes públicos que viessem a adotar essa regra. Diferente das despesas com pensionistas que consomem em média entre 1% e 2% da RCL municipal e estadual, respectivamente, as despesas com inativos representam, no primeiro caso, em média, 5% da RCL anual e 10% no caso dos Estados. Ressalte-se que em alguns Estados, as despesas com inativos ultrapassam a 40% do total dos gastos com pessoal (Rio Grande do Sul e Minas Gerais são dois exemplos). Dessa forma, a retirada dos inativos das despesas com pessoal poderia trazer sérios problemas para as administrações municipais e estaduais, podendo levar ao desequilíbrio das contas públicas, contrário ao princípio de equilíbrio definido no art. 1º da LRF. Na medida em que os demonstrativos fiscais apresentassem baixos níveis de comprometimento com a folha de pagamentos, a pressão para aumentos, reajustes salariais, etc, seriam inevitáveis. Cumpre ainda ressaltar que, para que retirássemos inativos do total das despesas com pessoal seria necessário reduzir o limite legal de Estados e Municípios para, no máximo, 50% da RCL, mantendo-se dessa forma os objetivos da Lei Complementar n 101: responsabilidade fiscal e equilíbrio das contas públicas. 20

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO TOCANTINS RESOLUÇÃO N. 931/2003, DE 08 DE OUTUBRO DE 2003.

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO TOCANTINS RESOLUÇÃO N. 931/2003, DE 08 DE OUTUBRO DE 2003. RESOLUÇÃO N. 931/2003, DE 08 DE OUTUBRO DE 2003. Processo: 06367/2002 Assunto: Consulta Entidade: Ministério Público Órgão: Procuradoria Geral de Justiça Consulente: Jacqueline Adorno de La Cruz Barbosa

Leia mais

COORDENAÇÃO-GERAL DE NORMAS DE CONTABILIDADE APLICADAS À FEDERAÇÃO CCONF. Resultado Subgrupos PIS/PASEP

COORDENAÇÃO-GERAL DE NORMAS DE CONTABILIDADE APLICADAS À FEDERAÇÃO CCONF. Resultado Subgrupos PIS/PASEP COORDENAÇÃO-GERAL DE NORMAS DE CONTABILIDADE APLICADAS À FEDERAÇÃO CCONF Resultado Subgrupos PIS/PASEP Objetivo Definir se as contribuições ao PIS/PASEP devem ou não ser computadas na apuração do montante

Leia mais

Qual o valor que os prefeitos devem repassar às câmaras?

Qual o valor que os prefeitos devem repassar às câmaras? Qual o valor que os prefeitos devem repassar às câmaras? Algumas pessoas têm me procurado sobre dúvidas quanto aos repasses feitos pelas prefeituras às câmaras. Em regra, queixam-se que os valores transferidos

Leia mais

Contrato de Aprendizagem

Contrato de Aprendizagem COORDENAÇÃO-GERAL DE NORMAS DE CONTABILIDADE APLICADAS À FEDERAÇÃO - CCONF GERÊNCIA DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE GESTÃO FISCAL - GENOP Contrato de Aprendizagem GRUPO TÉCNICO DE PADRONIZAÇÃO DE RELATÓRIOS

Leia mais

PLANEJAMENTO E GESTÃO PÚBLICA. Auditor Substituto de Conselheiro Omar P. Dias

PLANEJAMENTO E GESTÃO PÚBLICA. Auditor Substituto de Conselheiro Omar P. Dias PLANEJAMENTO E GESTÃO PÚBLICA Auditor Substituto de Conselheiro Omar P. Dias A ARTE DE GOVERNAR (segundo Matus) PROJETO DE GOVERNO SABER ARTICULAR GOVERNABILIDADE GOVERNANÇA Plano de Governo: Base do Planejamento

Leia mais

CONSULTA N. 809.491 EMENTA:

CONSULTA N. 809.491 EMENTA: Utilização do saldo positivo da reserva do regime próprio de previdência social para abertura de créditos adicionais suplementares. Arquivamento de notas de empenho pela administração pública CONSULTA

Leia mais

GT Contábil Agosto/2010

GT Contábil Agosto/2010 GT Contábil Agosto/2010 PORTARIA STN/SOF 163 Ajustes em Classificações Orçamentárias Aplicadas à Federação Coordenação Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação STN/CCONF 1 Última Atualização:

Leia mais

8ª Secretaria de Controle Externo

8ª Secretaria de Controle Externo Fls. 12 À Auditora de Controle Externo, Maria Clara Seabra de Mello Costa, para proferir Orientação Técnica. Em 23 de janeiro de 2014. JOSÉ AUGUSTO MARTINS MEIRELLES FILHO Secretário da 8ª Secretaria de

Leia mais

Programa Saúde da Família - PSF

Programa Saúde da Família - PSF COORDENAÇÃO-GERAL DE NORMAS DE CONTABILIDADE APLICADAS À FEDERAÇÃO - CCONF GERÊNCIA DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE GESTÃO FISCAL - GENOP Programa Saúde da Família - PSF REUNIÃO DO GRUPOS TÉCNICOS DE PADRONIZAÇÃO

Leia mais

SISTEMA CONTÁBIL DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL

SISTEMA CONTÁBIL DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL A CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIO E APROPRIAÇÃO DA DESPESA NO SISTEMA CONTÁBIL DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL A Administração Pública, cada vez mais, tem se utilizado da contratação de estagiários para execução

Leia mais

A previsão sobre o gasto com pessoal e seus limites, estabelecidos pela Lei Complementar 101/00, está expressa no art. 18, 1º da norma, que diz:

A previsão sobre o gasto com pessoal e seus limites, estabelecidos pela Lei Complementar 101/00, está expressa no art. 18, 1º da norma, que diz: Parecer Coletivo Convênio. Prestação Serviços. Programas de Saúde. Despesa com Pessoal. Terceirização. Outros Encargos. Apropriação na Folha do Município. Impossibilidade A abordagem da presente matéria

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL: Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte Lei.

O GOVERNADOR DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL: Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte Lei. (*) Os textos contidos nesta base de dados têm caráter meramente informativo. Somente os publicados no Diário Oficial estão aptos à produção de efeitos legais. LEI Nº 3.545, DE 17 DE JULHO DE 2008. Publicada

Leia mais

Execução e controle das despesas com pessoal conforme as regras da Lei de Responsabilidade Fiscal - LRF

Execução e controle das despesas com pessoal conforme as regras da Lei de Responsabilidade Fiscal - LRF Execução e controle das despesas com pessoal conforme as regras da Lei de Responsabilidade Fiscal - LRF Amigos concursandos! Desejo a todos muita paz, tranqüilidade e que seus objetivos estejam caminhando

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul GAB. CONS. MARISA JOAQUINA MONTEIRO SERRANO

Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul GAB. CONS. MARISA JOAQUINA MONTEIRO SERRANO RELATÓRIO VOTO : REV-G.MJMS-1196/2015 PROCESSO TC/MS : TC/116662/2012 PROTOCOLO : 2012 ÓRGÃO : INSTITUTO MUNICIPAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DE ROCHEDO ASSUNTO DO PROCESSO : CONSULTA RELATOR : CONS. JERSON

Leia mais

Desejo a todos que realizem uma excelente preparação para esse e outros concursos.

Desejo a todos que realizem uma excelente preparação para esse e outros concursos. ..FUNDOS ESPECIAIS Amigos e amigas estudantes do Ponto dos Concursos! Com a aproximação do concurso do TCU, estamos programando três cursos on line específicos para esse certame: Contabilidade Pública,

Leia mais

DESEMPENHO FISCAL DA CÂMARA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS APÓS A IMPLANTAÇÃO DA LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL

DESEMPENHO FISCAL DA CÂMARA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS APÓS A IMPLANTAÇÃO DA LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL 1 DESEMPENHO FISCAL DA CÂMARA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS APÓS A IMPLANTAÇÃO DA LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL Autores ORION AUGUSTO PLATT NETO Universidade Federal de Santa Catarina MILTON DONIZETE BARCELOS

Leia mais

BRUNO PENA & ADVOGADOS ASSOCIADOS S/S

BRUNO PENA & ADVOGADOS ASSOCIADOS S/S PARECER Interessado: Sindicato dos Policiais Civis do Estado de Goiás - SINPOL. SERVIDOR PÚBLICO. INGRESSO EM 2004. APOSENTADORIA. PARIDADE. INTEGRALIDADE DE PROVENTOS. RELATÓRIO Trata-se de consulta feita

Leia mais

CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL

CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL 1. O que é a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF)? A Lei de Responsabilidade Fiscal é um código

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA Analista/Técnico MPU

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA Analista/Técnico MPU ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA Analista/Técnico MPU 4/5 - Classificação de gastos públicos (despesas). Normas da LRF sobre despesas (1ª Parte) Sergio Karkache sekarkache@yahoo.com.br http://sergiokarkache.blogspot.com

Leia mais

Senado Federal Subsecretaria de Informações

Senado Federal Subsecretaria de Informações Senado Federal Subsecretaria de Informações Data 19/12/2003 EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 41 Modifica os arts. 37, 40, 42, 48, 96, 149 e 201 da Constituição Federal, revoga o inciso IX do 3º do art. 142 da

Leia mais

JOVEM APRENDIZ. Resultado do Aprofundamento dos Estudos. Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação

JOVEM APRENDIZ. Resultado do Aprofundamento dos Estudos. Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação Resultado do Aprofundamento dos Estudos Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação Introdução A formação técnico-profissional de jovens é de grande importância para sua inserção

Leia mais

Tratam os autos de consulta formulada pelo Sr. Antônio do Vale Ramos, Prefeito do município de Patos de Minas, vazada nos seguintes termos:

Tratam os autos de consulta formulada pelo Sr. Antônio do Vale Ramos, Prefeito do município de Patos de Minas, vazada nos seguintes termos: PROCESSO Nº 735556 NATUREZA: Consulta PROCEDÊNCIA: Prefeitura Municipal de Patos de Minas CONSULENTE: Antônio do Vale Ramos Prefeito Municipal AUDITOR: Edson Arger Tratam os autos de consulta formulada

Leia mais

Prefeitura Da Cidade do Rio de Janeiro Controladoria Geral do Município Subcontroladoria de Integração de Controles Contadoria Geral

Prefeitura Da Cidade do Rio de Janeiro Controladoria Geral do Município Subcontroladoria de Integração de Controles Contadoria Geral 1 RELATÓRIO DE DESEMPENHO DA PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO FRENTE À LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL NO EXERCÍCIO DE 2012 Este relatório tem por objetivo abordar, de forma resumida, alguns aspectos

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 02/2012/CGNAL/DRPSP/SPPS/MPS CONSIDERAÇÕES SOBRE A APLICAÇÃO DA EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 70, DE 29 DE MARÇO DE 2012.

NOTA TÉCNICA Nº 02/2012/CGNAL/DRPSP/SPPS/MPS CONSIDERAÇÕES SOBRE A APLICAÇÃO DA EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 70, DE 29 DE MARÇO DE 2012. NOTA TÉCNICA Nº 02/2012/CGNAL/DRPSP/SPPS/MPS Brasília, 07 de maio de 2012. CONSIDERAÇÕES SOBRE A APLICAÇÃO DA EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 70, DE 29 DE MARÇO DE 2012. Diversos questionamentos têm sido apresentados

Leia mais

MAGNO ANTÔNIO CORREIA DE MELLO

MAGNO ANTÔNIO CORREIA DE MELLO ALTERAÇÕES NORMATIVAS DECORRENTES DE REFORMAS PREVIDENCIÁRIAS IMPLEMENTADAS OU PROPOSTAS, CLASSIFICADAS POR ASSUNTO, A PARTIR DA EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 20/98 - QUADRO COMPARATIVO - MAGNO ANTÔNIO CORREIA

Leia mais

Renato Silva de Assis Supervisor Técnico da Paraíba

Renato Silva de Assis Supervisor Técnico da Paraíba Renato Silva de Assis Supervisor Técnico da Paraíba Análise do Projeto de Lei que dispõe sobre os planos de custeio e de benefícios do regime próprio de previdência social do Estado da Paraíba No dia 20

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE UNAÍ

CÂMARA MUNICIPAL DE UNAÍ CÂMARA MUNICIPAL DE UNAÍ RELATÓRIO DO SISTEMA CONTROLE INTERNO Mês:: Janeiro/2014 Janeiro/2014 SUMÁRIO I APRESENTAÇÃO... II - AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS QUANTO À EFICIÊNCIA E À EFICÁCIA DA GESTÃO ORÇAMENTÁRIA,

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE RPPS

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE RPPS PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE RPPS 1 - O que vem a ser regime próprio de previdência social (RPPS)? R: É o sistema de previdência, estabelecido no âmbito de cada ente federativo, que assegure, por lei, ao

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JURANDA

PREFEITURA MUNICIPAL DE JURANDA LEI Nº 875/2009 DISPÕE SOBRE AS DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS PARA ELABORAÇÃO DA LEI ORÇAMENTÁRIA PARA O EXERCÍCIO DE 2010, E DÁ OUTRAS PROVIDENCIAS. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE JURANDA,, faz saber a todos os

Leia mais

LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL: ASPECTOS JURÍDICOS. José Mauricio Conti 1. Noções gerais sobre a LRF A Lei de Responsabilidade Fiscal (Lei

LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL: ASPECTOS JURÍDICOS. José Mauricio Conti 1. Noções gerais sobre a LRF A Lei de Responsabilidade Fiscal (Lei LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL: ASPECTOS JURÍDICOS. José Mauricio Conti 1. Noções gerais sobre a LRF A Lei de Responsabilidade Fiscal (Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000, doravante designada

Leia mais

PROPOSTA DE PROJETO DE LEI SOBRE O PISO SALARIAL NACIONAL DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO ESCOLAR PÚBLICA

PROPOSTA DE PROJETO DE LEI SOBRE O PISO SALARIAL NACIONAL DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO ESCOLAR PÚBLICA PROPOSTA DE PROJETO DE LEI SOBRE O PISO SALARIAL NACIONAL DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO ESCOLAR PÚBLICA Regulamenta o inciso VIII do artigo 206 da Constituição Federal, para instituir o piso salarial profissional

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado do Pará

Tribunal de Contas do Estado do Pará RESOLUÇÃO Nº 16.769 (Processo nº. 2003/51606-1) Assunto: Consulta formulada pelo MINISTÉRIO PÚBLICO DO ES- TADO visando esclarecer se os valores correspondentes ao Imposto de Renda Retido na Fonte sobre

Leia mais

Relatório de Gestão Fiscal

Relatório de Gestão Fiscal Relatório de Gestão Fiscal 2º Quadrimestre/2006 Boa Vista-RR RELATÓRIO DE GESTÃO FISCAL Setembro/2005 a Agosto/2006 A Lei Complementar nº 101, de 04 de maio de 2000, chamada Lei de Responsabilidade Fiscal,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988 Emendas Constitucionais Emendas Constitucionais de Revisão Ato das Disposições

Leia mais

CICLOS DE DEBATES DIREITO E GESTÃO PÚBLICA TEXTO X

CICLOS DE DEBATES DIREITO E GESTÃO PÚBLICA TEXTO X CICLOS DE DEBATES DIREITO E GESTÃO PÚBLICA CICLO 2012 TEXTO X A Previdência Social do Servidor Público Valéria Porto Ciclos de Debates - Direito e Gestão Pública A Previdência Social do Servidor Público

Leia mais

CARTILHA SOBRE A REFORMA DA PREVIDÊNCIA

CARTILHA SOBRE A REFORMA DA PREVIDÊNCIA CARTILHA SOBRE A REFORMA DA PREVIDÊNCIA O servidor público e as alterações do seu regime previdenciário Jose Luis Wagner Luciana Inês Rambo Flavio Alexandre Acosta Ramos Junho de 2009 1 1. Introdução Desde

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 297, DE 2006

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 297, DE 2006 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 297, DE 2006 Inclui as doações aos Fundos controlados pelos Conselhos de Assistência Social na permissão para dedução do imposto de renda devido pelas pessoas físicas e jurídicas.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS AUDITORIA INTERNA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS AUDITORIA INTERNA Pelotas, 28 de novembro de 2013. ASSESSORIA TÉCNICA 06.2013 Assunto: Terceirização Ilícita Relatório Primeiramente, cabe salientar que foram publicados o Acórdão nº 1520/2006 Plenário/TCU; Acórdão 2.681/2011

Leia mais

PROPOSTA DE PROJETO DE LEI SOBRE O PISO SALARIAL NACIONAL DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO ESCOLAR PÚBLICA

PROPOSTA DE PROJETO DE LEI SOBRE O PISO SALARIAL NACIONAL DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO ESCOLAR PÚBLICA PROPOSTA DE PROJETO DE LEI SOBRE O PISO SALARIAL NACIONAL DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO ESCOLAR PÚBLICA Regulamenta o inciso VIII do artigo 206 da Constituição Federal, para instituir o piso salarial profissional

Leia mais

NOTA JURÍDICA N.º 001/2006 Cuiabá/MT, 04 de abril de 2006.

NOTA JURÍDICA N.º 001/2006 Cuiabá/MT, 04 de abril de 2006. NOTA JURÍDICA N.º 001/2006 Cuiabá/MT, 04 de abril de 2006. A MÉDIA ARITMÉTICA SIMPLES E O CÁLCULO DOS PROVENTOS DE APOSENTADORIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS FACE A EMENDA CONSTITUCIONAL N.º 41, DE 2003 1.

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 22, DE 2007

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 22, DE 2007 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 22, DE 2007 Estabelece normas para o reajuste das aposentadorias e pensões concedidas no âmbito dos regimes próprios de previdência social destinados aos servidores

Leia mais

Serviço Público Municipal Prefeitura Municipal de Ubatã Estado da Bahia CNPJ: 14.235.253/0001-59 PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015.

Serviço Público Municipal Prefeitura Municipal de Ubatã Estado da Bahia CNPJ: 14.235.253/0001-59 PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015. PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015. Estabelece os procedimentos e as normas a serem adotados pelos órgãos e entidades da administração pública estadual direta e indireta, para o encerramento anual

Leia mais

A Lei de Responsabilidade na Gestão Fiscal

A Lei de Responsabilidade na Gestão Fiscal A Lei de Responsabilidade na Gestão Fiscal Angela Cristina Pelicioli Sumário 1. Breve histórico. 1.1 Comparação entre outros sistemas legais. 1.2. Sistema legal brasileiro. 2. A Lei de Responsabilidade

Leia mais

orçamentária se realize na conformidade dos pressupostos da responsabilidade fiscal.

orçamentária se realize na conformidade dos pressupostos da responsabilidade fiscal. PORTARIA Nº O SECRETÁRIO DO TESOURO NACIONAL, no uso das atribuições que lhe confere a Portaria nº 403, de 2 de dezembro de 2005, do Ministério da Fazenda, e Considerando o disposto no 2º do art. 50 da

Leia mais

O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA

O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA 1. INTRODUÇÃO A previdência social no Brasil pode ser divida em dois grandes segmentos, a saber: Regime Geral de Previdência Social (RGPS):

Leia mais

O recurso argumenta que a opção D também poderia ser assinalada como correta.

O recurso argumenta que a opção D também poderia ser assinalada como correta. DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO TOCANTINS CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS NOS CARGOS DE NÍVEL INTERMEDIÁRIO E NÍVEL SUPERIOR Analista em Gestão Especializado Administração Disciplina: Conhecimentos

Leia mais

Voto nº: 590/2001. I - Relatório MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO: TRIBUNAL DE CONTAS PROCESSO Nº CMRJ-005.465/01 DATA DE AUTUAÇÃO: 14/08/01

Voto nº: 590/2001. I - Relatório MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO: TRIBUNAL DE CONTAS PROCESSO Nº CMRJ-005.465/01 DATA DE AUTUAÇÃO: 14/08/01 Voto nº: 590/2001 MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO: TRIBUNAL DE CONTAS PROCESSO Nº CMRJ-005.465/01 DATA DE AUTUAÇÃO: 14/08/01 VOTO Nº: 590/2001 PROCESSO Nº: CMRJ-005.465/2001 ASSUNTO: CONSULTA INTERESSADO:

Leia mais

PIS/PASEP na Despesa com Pessoal. De acordo com as discussões realizadas nas últimas reuniões do GTREL, foi elaborada a seguinte síntese:

PIS/PASEP na Despesa com Pessoal. De acordo com as discussões realizadas nas últimas reuniões do GTREL, foi elaborada a seguinte síntese: PIS/PASEP na Despesa com Pessoal O objetivo das discussões deste subgrupo é a definição sobre as contribuições ao PIS/PASEP serem ou não computadas na apuração do montante da despesa com pessoal, para

Leia mais

Olá caros acadêmicos segue um resumo básico de alguns conceitos estabelecidos na LDO, retirado do site ponto dos concursos.

Olá caros acadêmicos segue um resumo básico de alguns conceitos estabelecidos na LDO, retirado do site ponto dos concursos. Olá caros acadêmicos segue um resumo básico de alguns conceitos estabelecidos na LDO, retirado do site ponto dos concursos. Vamos ao nosso assunto de hoje! Lei de Diretrizes Orçamentárias LDO: A LDO é

Leia mais

COMENTÁRIOS DA PROVA DO TCU PROF FLÁVIO ASSIS

COMENTÁRIOS DA PROVA DO TCU PROF FLÁVIO ASSIS COMENTÁRIOS DA PROVA DO TCU PROF FLÁVIO ASSIS Cargo 4: Técnico Federal de Controle Externo Área: Apoio Técnico e Administrativo Especialidade: Técnica Administrativa Com base em conceitos e na legislação

Leia mais

CURSO ON-LINE - PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE CONTABILIDADE PÚBLICA APO MPOG

CURSO ON-LINE - PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE CONTABILIDADE PÚBLICA APO MPOG RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE CONTABILIDADE PÚBLICA APO MPOG CONCURSO: APO/MPOG/2010 66. (ESAF APO/MPOG/2010) Assinale a opção verdadeira a respeito do objeto, regime e campo de aplicação da contabilidade

Leia mais

Modernização da Gestão

Modernização da Gestão Modernização da Gestão Administrativa do MPF Lei de Responsabilidade Fiscal, Finanças Públicas e o Aprimoramento da Transparência Francisco Vignoli Novembro-Dezembro/2010 MPF - I Seminário de Planejamento

Leia mais

Estado do Rio de Janeiro PREFEITURA MUNICIPAL DE CANTAGALO Secretaria Municipal de Governo e Planejamento

Estado do Rio de Janeiro PREFEITURA MUNICIPAL DE CANTAGALO Secretaria Municipal de Governo e Planejamento 1 LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL GUIA PRÁTICO PARA O CIDADÃO O que é a LRF? A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), ou Lei Complementar nº 101, é o principal instrumento regulador das contas públicas no

Leia mais

PROJETO LEI N 75/2015

PROJETO LEI N 75/2015 PROJETO LEI N 75/2015 Dispõe sobre as Diretrizes Orçamentárias para o Exercício Financeiro de 2015 e dá outras providências. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Ficam estabelecidas as metas,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL (LRF) Atualizado até 13/10/2015 LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) tem como base alguns princípios,

Leia mais

- Art. 9º-B da Lei nº 11.350/2006, inserido pelo art. 1º da Lei 12.994/2014;

- Art. 9º-B da Lei nº 11.350/2006, inserido pelo art. 1º da Lei 12.994/2014; PARECER Nº 01/2014 SOLICITANTE: CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES DA SEURIDADE SOCIAL CNTSS OBJETO: Vetos Presidenciais à Lei 12.994/2014, que institui piso salarial profissional nacional e diretrizes

Leia mais

Lei de Responsabilidade Fiscal

Lei de Responsabilidade Fiscal AOF Lei de Responsabilidade Fiscal PLANEJAMENTO Lei de Diretrizes Orçamentárias Lei Orçamentária Anual Execução Orçamentária e do Cumprimento das Metas RECEITA PÚBLICA Previsão e da Arrecadação Renúncia

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ EDIFÍCIO ODOVAL DOS SANTOS - CNPJ. 76.290.691/0001-77 www.santaceciliadopavao.pr.gov.br LEI Nº. 720/2013

ESTADO DO PARANÁ EDIFÍCIO ODOVAL DOS SANTOS - CNPJ. 76.290.691/0001-77 www.santaceciliadopavao.pr.gov.br LEI Nº. 720/2013 LEI Nº. 720/2013 SÚMULA: ALTERA A LEI Nº. 593/2010 QUE INSTITUIU O FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE (FMS) E INCLUI O CAPÍTULO IX COM OS ARTIGOS 12º E 13º E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Faço saber que a Câmara Municipal

Leia mais

Diagnóstico Qualitativo e Propostas para o Regime Previdenciário dos Servidores Públicos por Gilberto Guerzoni Filho

Diagnóstico Qualitativo e Propostas para o Regime Previdenciário dos Servidores Públicos por Gilberto Guerzoni Filho Diagnóstico Qualitativo e Propostas para o Regime Previdenciário dos Servidores Públicos por Gilberto Guerzoni Filho 1. REGIME PREVIDENCIÁRIO OU ADMINISTRATIVO O principal problema do regime previdenciário

Leia mais

Assunto: Auxílio-funeral. Vínculo de parentesco. Valor do benefício. Referência: Processo nº XXXXXXXXXXXXXXX

Assunto: Auxílio-funeral. Vínculo de parentesco. Valor do benefício. Referência: Processo nº XXXXXXXXXXXXXXX Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Recursos Humanos Departamento de Normas e Procedimentos Judiciais Coordenação-Geral de Elaboração, Sistematização e Aplicação das Normas NOTA

Leia mais

Prezadas Senadoras, Prezados Senadores,

Prezadas Senadoras, Prezados Senadores, Carta 035/ 2015 Brasília, 12 de maio de 2015 Carta Aberta da Undime às Senadoras e aos Senadores integrantes da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania do Senado Federal referente ao PLS 532/ 2009

Leia mais

A NOVA CONTABILIDADE DOS MUNICÍPIOS

A NOVA CONTABILIDADE DOS MUNICÍPIOS Apresentação O ano de 2009 encerrou pautado de novas mudanças nos conceitos e nas práticas a serem adotadas progressivamente na contabilidade dos entes públicos de todas as esferas do Governo brasileiro.

Leia mais

ANEXO DE RISCOS FISCAIS TABELA 1 - DEMONSTRATIVO DE RISCOS FISCAIS E PROVIDÊNCIAS 2013 ARF (LRF, art. 4º, 3º) PASSIVOS CONTINGENTES PROVIDÊNCIAS Descrição Valor Descrição Valor Abertura de créditos adicionais

Leia mais

TRAMITAÇÃO DO PROJETO DE LEI DA LEI ORÇAMENTÁRIA ANUAL LOA: AUMENTO DA DESPESA TOTAL FIXADA PELO EXECUTIVO

TRAMITAÇÃO DO PROJETO DE LEI DA LEI ORÇAMENTÁRIA ANUAL LOA: AUMENTO DA DESPESA TOTAL FIXADA PELO EXECUTIVO TRAMITAÇÃO DO PROJETO DE LEI DA LEI ORÇAMENTÁRIA ANUAL LOA: AUMENTO DA DESPESA TOTAL FIXADA PELO EXECUTIVO Prezados amigos concursandos! Desejo a todos que estão se preparando para o concurso do TCU um

Leia mais

Área Técnica: Equipe responsável pelo SIOPS Área de Economia da Saúde e Desenvolvimento Secretaria Executiva Ministério da Saúde.

Área Técnica: Equipe responsável pelo SIOPS Área de Economia da Saúde e Desenvolvimento Secretaria Executiva Ministério da Saúde. Assunto: Composição dos indicadores estaduais calculados automaticamente pelo SIOPS, após a declaração de dados contábeis, pelos Estados e pelo DF, a partir do SIOPS 2007 semestral. Área Técnica: Equipe

Leia mais

Francisco Paulo Pimenta Maria Tereza de Araújo Serra

Francisco Paulo Pimenta Maria Tereza de Araújo Serra TEXTO: FINANCIAMENTO (MECANISMOS E INSTRUMENTOS) Diretrizes Orçamentárias, Plano Integrado e Orçamento Público da União, Estados, Distrito Federal e Municípios: conhecer para exigir, exigir para incluir,

Leia mais

Ministério da Previdência Social MPS Secretaria de Políticas de Previdência Social SPS RPPS E RGPS

Ministério da Previdência Social MPS Secretaria de Políticas de Previdência Social SPS RPPS E RGPS RPPS E RGPS GUAXUPÉ MG AMOG - Associação dos Municípios da Microrregião da Baixa Mogiana. Pedro Antônio Moreira - AFRFB RGPS REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL Art 201 ESTRUTURA DO SISTEMA PREVIDENCIÁRIO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BELO HORIZONTE Curso de Ciências Contábeis RESUMO

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BELO HORIZONTE Curso de Ciências Contábeis RESUMO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BELO HORIZONTE Curso de Ciências Contábeis CONTABILIDADE PÚBLICA: APLICAÇÃO DA LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL NO MUNICÍPIO DE SANTA LUZIA Aline Aparecida Ferreira 1 Margareth Marques

Leia mais

NOTA JURÍDICA N.º 004/2006 Cuiabá/MT, 06 de dezembro de 2006.

NOTA JURÍDICA N.º 004/2006 Cuiabá/MT, 06 de dezembro de 2006. NOTA JURÍDICA N.º 004/2006 Cuiabá/MT, 06 de dezembro de 2006. LEGALIDADE DA CONFISSÃO E PARCELAMENTO DE DÉBITOS ORIUNDOS DAS CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS RETIDAS DOS SERVIDORES PÚBLICOS ATÉ O MÊS DE DEZEMBRO

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A VEDAÇÃO DE INCLUSÃO DE PARCELAS TEMPORÁRIAS NOS BENEFÍCIOS CONCEDIDOS PELOS RPPS

CONSIDERAÇÕES SOBRE A VEDAÇÃO DE INCLUSÃO DE PARCELAS TEMPORÁRIAS NOS BENEFÍCIOS CONCEDIDOS PELOS RPPS NOTA Nº 77/2014 CGNAL/DRPSP/SPPS/MPS Brasília, 07 de outubro de 2014. CONSIDERAÇÕES SOBRE A VEDAÇÃO DE INCLUSÃO DE PARCELAS TEMPORÁRIAS NOS BENEFÍCIOS CONCEDIDOS PELOS RPPS Diversas dúvidas têm sido apresentadas

Leia mais

Contratos. Licitações & Contratos - 3ª Edição

Contratos. Licitações & Contratos - 3ª Edição Contratos 245 Conceito A A Lei de Licitações considera contrato todo e qualquer ajuste celebrado entre órgãos ou entidades da Administração Pública e particulares, por meio do qual se estabelece acordo

Leia mais

QUESTÕES DE AFO SIMULADO 1 ANALISTA ADMINISTRATIVO DO TRF

QUESTÕES DE AFO SIMULADO 1 ANALISTA ADMINISTRATIVO DO TRF QUESTÕES DE AFO SIMULADO 1 ANALISTA ADMINISTRATIVO DO TRF 01 No momento da elaboração do projeto de lei orçamentária anual deve se atentar para algumas normas contidas nas legislações pertinentes à matéria.

Leia mais

Gabinete do Conselheiro Antônio Carlos Andrada

Gabinete do Conselheiro Antônio Carlos Andrada PROCESSO: 716941 NATUREZA: CONSULTA CONSULENTE: ÚLTIMO BITENCOURT DE FREITAS PROCEDÊNCIA: PREFEITURA MUNICIPAL DE MONTE ALEGRE DE MINAS ASSUNTO: CONSULTA QUANTO À LEGALIDADE DE REPASSE DE RECURSOS FINANCEIROS,

Leia mais

O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE SUMARÉ

O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE SUMARÉ LEI Nº 5456, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2012. Estima a receita e fixa a despesa do Município de Sumaré para o exercício financeiro de 2013, e dá outras providências.- O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE SUMARÉ seguinte

Leia mais

EC 70/12 E MUDANÇAS NA LEI 9.717/98

EC 70/12 E MUDANÇAS NA LEI 9.717/98 SPPS Secretaria de Políticas de Previdência Social Departamento dos Regimes de Previdência no Serviço Público-DRPSP EC 70/12 E MUDANÇAS NA LEI 9.717/98 BENTO GONÇALVES, 25 de Maio de 2012 1 EMENDA CONSTITUCIONAL

Leia mais

DECRETO Nº 037, DE 08 DE JANEIRO DE 2015

DECRETO Nº 037, DE 08 DE JANEIRO DE 2015 1 Gabinete do Prefeito DECRETO Nº 037, DE 08 DE JANEIRO DE 2015 Dispõe sobre critérios a serem adotados na execução orçamentária e financeira do Poder Executivo do Município de Goiânia para o exercício

Leia mais

Descrição da Ação Criada, Expandida ou Aperfeiçoada Despesa Aumentada 1º ano 2º ano 3º ano

Descrição da Ação Criada, Expandida ou Aperfeiçoada Despesa Aumentada 1º ano 2º ano 3º ano ADEQUAÇÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA Art. 16, Inciso I e 4º, inciso I, da LC 101/2000 Estudo da adequação orçamentária e financeira para a finalidade de Reposição Salarial com Aumento Real, em cumprimento

Leia mais

Governo do Estado do Piauí Secretaria da Fazenda Unidade de Gestão Financeira e Contábil do Estado Gerência de Controle Contábil

Governo do Estado do Piauí Secretaria da Fazenda Unidade de Gestão Financeira e Contábil do Estado Gerência de Controle Contábil R I S C O S F I S C A I S (Artigo 4º, 3º da Lei Complementar nº 101/2000) A Lei Complementar n.º 101 de 2002 Lei de Responsabilidade Fiscal, estabelece que a Lei de Diretrizes Orçamentárias conterá o Anexo

Leia mais

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL. (Do Deputado Robério Negreiros) ~1.. ::J ".,,.",

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL. (Do Deputado Robério Negreiros) ~1.. ::J .,,., CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL EMENDA N 1 /2015 (MODIFICATIVA) (Do Deputado Robério Negreiros) Ao Projeto de Lei no 145 de 2015 que "Dispõe sobre a publicação mensal, em diário oficial e outros

Leia mais

Noções Administração Financeira e Orçamentária. Prof. Fernando Aprato

Noções Administração Financeira e Orçamentária. Prof. Fernando Aprato Noções Administração Financeira e Orçamentária Prof. Fernando Aprato Lei de Responsabilidade Fiscal LC 101/2000 A lei de Responsabilidade Fiscal, Lei Complementar 101, de 4 de maio de 2000, estabelece

Leia mais

LEI Nº 5026 DE 19 DE MAIO 2009. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 5026 DE 19 DE MAIO 2009. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 5026 DE 19 DE MAIO 2009 Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organizações Sociais e dá outras providências. Autor: Poder Executivo O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, faço saber que

Leia mais

REFORMAS PREVIDENCIÁRIAS

REFORMAS PREVIDENCIÁRIAS REFORMAS PREVIDENCIÁRIAS João Dado Deputado Federal Solidariedade/SP Julho - 2014 Até Junho/98 EC-19/98 Jun EC-20/98 - Dez EC-41/03 EC-47/05 Lei 12.618/12 Estabilidade no Emprego Irredutibilidade Salarial

Leia mais

4. Padrão Mínimo de Qualidade dos Sistemas Integrados de Administração Financeira e Controle

4. Padrão Mínimo de Qualidade dos Sistemas Integrados de Administração Financeira e Controle 4. Padrão Mínimo de Qualidade dos Sistemas Integrados de Administração Financeira e Controle Luís Eduardo Vieira Superintendência de Gestão Técnica SGT Financeira e Controle. Introdução A transparência

Leia mais

LEI Nº. 1293/10- DE 05 DE JULHO DE 2010. SEBASTIÃO DE OLIVEIRA BAPTISTA, Prefeito do Município de São Francisco, Estado de São Paulo,

LEI Nº. 1293/10- DE 05 DE JULHO DE 2010. SEBASTIÃO DE OLIVEIRA BAPTISTA, Prefeito do Município de São Francisco, Estado de São Paulo, LEI Nº. 1293/10- DE 05 DE JULHO DE 2010 Dispõe sobre as diretrizes orçamentárias para o exercício financeiro de 2011 e dá outras providências. SEBASTIÃO DE OLIVEIRA BAPTISTA, Prefeito do Município de São

Leia mais

QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA

QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA ESTUDO ESTUDO QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA Cláudia Augusta Ferreira Deud Consultora Legislativa da Área XXI Previdência e Direito Previdenciário ESTUDO ABRIL/2007 Câmara dos Deputados

Leia mais

AULA 02 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 02

AULA 02 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 02 AULA 02 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 02 CAPÍTULO VII DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA SEÇÃO I DISPOSIÇÕES

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.350, DE 5 DE OUTUBRO DE 2006. Regulamenta o 5 o do art. 198 da Constituição, dispõe sobre o aproveitamento de pessoal amparado

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR A APOSENTADORIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO DO PROFESSOR SERVIDOR PÚBLICO EFETIVO DE ENTE FEDERATIVO QUE NÃO TENHA REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL Daescio Lourenço Bernardes de Oliveira 1 - INTRODUÇÃO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS-FASA CURSO CIÊNCIAS CONTÁBEIS ORIENTADOR : PROF

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS-FASA CURSO CIÊNCIAS CONTÁBEIS ORIENTADOR : PROF CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS-FASA CURSO CIÊNCIAS CONTÁBEIS ORIENTADOR : PROF.MS FRANCISCO GLAUBER LIMA MOTA OS LIMITES IMPOSTOS PELA LEI DE RESPONSABILIDADE

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 014 /2009

NOTA TÉCNICA Nº 014 /2009 NOTA TÉCNICA Nº 014 /2009 Brasília, 03 de dezembro de 2009. ÁREA: Jurídico TÍTULO: Proposta de alterações nas regras para pagamento de precatórios. REFERÊNCIA(S): art. 100 da Constituição Federal de 1988;

Leia mais

Assunto: Comparando o Regime Próprio de Previdência Social com o INSS. ANÁLISE

Assunto: Comparando o Regime Próprio de Previdência Social com o INSS. ANÁLISE Assunto: Comparando o Regime Próprio de Previdência Social com o INSS. ANÁLISE A Previdência Social no Brasil é um direito previsto pela Constituição Federal e se organiza por três regimes previdenciários

Leia mais

Regime Próprio de Previdência Social

Regime Próprio de Previdência Social Regime Próprio de Previdência Social Regime Próprio de Previdência Social RPPS é o regime de previdência, estabelecido no âmbito da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios que assegura,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI COMPLEMENTAR Nº 101, DE 4 DE MAIO DE 2000. Mensagem de veto Estabelece normas de finanças públicas voltadas para a responsabilidade

Leia mais

Subseção I Disposição Geral

Subseção I Disposição Geral Subseção I Disposição Geral Art. 59. O processo legislativo compreende a elaboração de: I - emendas à Constituição; II - leis complementares; III - leis ordinárias; IV - leis delegadas; V - medidas provisórias;

Leia mais

4.3 FUNDO CONSTITUCIONAL DO DISTRITO FEDERAL

4.3 FUNDO CONSTITUCIONAL DO DISTRITO FEDERAL 4.3 FUNDO CONSTITUCIONAL DO DISTRITO FEDERAL O Distrito Federal, em face de suas peculiaridades, depende, desde sua criação, de repasses da União para manutenção das áreas de segurança, educação e saúde

Leia mais

ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES

ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES 1. INTRODUÇÃO O presente estudo tem por finalidade analisar a possibilidade de um militar exercer, na ativa ou na reserva remunerada, outro cargo público e receber,

Leia mais

A Aposentadoria dos Servidores Públicos Federais

A Aposentadoria dos Servidores Públicos Federais A Aposentadoria dos Servidores Públicos Federais Carlos Alberto Pereira de Castro Curitiba, junho de 2008 Introdução Estudo da aposentadoria dos servidores públicos passou a ser relevante com as reformas

Leia mais