No nosso encontro de hoje abordaremos um assunto que tem visitado bastante os editais de concursos, a Conta Única do Tesouro Nacional.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "No nosso encontro de hoje abordaremos um assunto que tem visitado bastante os editais de concursos, a Conta Única do Tesouro Nacional."

Transcrição

1 Conta Única do Tesouro Nacional Caro amigo estudante! No nosso encontro de hoje abordaremos um assunto que tem visitado bastante os editais de concursos, a Conta Única do Tesouro Nacional. Esse tema é muito pouco discutido na literatura, em virtude disso tenho recebido diversos s de concursandos questionando onde ou em qual livro pode-se encontrar esse conteúdo programático. Assim sendo, atendendo aos nossos queridos e guerreiros alunos, vamos abordar acerca do tema conta única do Tesouro Nacional. Antes, porém, desejo a todos que tenham um excelente proveito em seus estudos e que a paz e a tranqüilidade sejam sempre seus aliados. Vamos ao que mais interessa! A Conta Única do Tesouro Nacional originou-se a partir do Decreto-Lei 200/67, onde estabeleceu o seguinte: Art. 92. Com o objetivo de obter maior economia operacional e racionalizar a execução da programação financeira de desembolso, o Ministério da Fazenda promoverá a unificação de recursos movimentados pelo Tesouro Nacional através de sua Caixa junto ao agente financeiro da União. Parágrafo único. Os saques contra a Caixa do Tesouro só poderão ser efetuados dentro dos limites autorizados pelo Ministro da Fazenda ou autoridade delegada. Art. 93. Quem quer que utilize dinheiros públicos terá de justificar seu bom e regular emprego na conformidade das leis, regulamentos e normas emanadas das autoridades administrativas competentes. Posteriormente, em 1979, foi editado o Decreto-lei nº com a finalidade de regulamentar os dispositivos acima.

2 Essa norma regulamentou a arrecadação e restituição das receitas federais, dispondo da seguinte forma: Art 1º - A arrecadação de todas as receitas da União far-se-á na forma estabelecida pelo Ministério da Fazenda, devendo o seu produto ser obrigatoriamente recolhido à conta do Tesouro Nacional. Art 2º - As receitas com destinação especificada na legislação em vigor, após o trânsito pelas contas do Tesouro Nacional, serão repassadas pelo Banco do Brasil S.A. aos respectivos beneficiários. Pode-se observar que apesar da existência das normas supramencionadas, até então ainda não estava definitivamente regulamentado acerca da arrecadação e unificação de todos os recursos arrecadados pela União em um caixa único bem como qual seria a instituição financeira responsável. Portanto, em momento posterior o Decreto nº /86 dispôs sobre a unificação dos recursos de caixa do Tesouro Nacional. O art. 2º desse Decreto estabeleceu que a arrecadação de todas as receitas da União far-se-á na forma disciplinada pelo Ministério da Fazenda, devendo o seu produto ser obrigatoriamente recolhido à conta do Tesouro Nacional no Banco do Brasil S.A. (Decreto-lei nº 1.755/79, art. 1º). Assim, depois da edição dessa norma ficou definido de forma clara que a arrecadação de todas as receitas da União far-se-á na forma disciplinada pelo Ministério da Fazenda, devendo o seu produto ser obrigatoriamente recolhido à conta do Tesouro Nacional no Banco do Brasil S.A. Importante! O Decreto nº /86 tem aplicabilidade obrigatória somente no âmbito da União. Essa matéria foi definitivamente elevada à categoria de norma constitucional em 1988, onde a carta magna estabeleceu que as disponibilidades de caixa da União serão depositadas no banco central; as dos Estados, do Distrito Federal, dos Municípios e dos órgãos ou entidades do Poder Público e das empresas por ele controladas, em instituições financeiras oficiais, ressalvados os casos previstos em lei (art. 164, 3º, da CF).

3 Em 2002 o Decreto nº estabeleceu que a arrecadação de receitas diretamente pelo Tesouro Nacional seria realizada através do SIAFI, conforme transcrição da norma abaixo: Art. 1º Fica o Ministério da Fazenda, por meio da Secretaria do Tesouro Nacional, autorizado a arrecadar diretamente receitas da União utilizando o Sistema Integrado de Administração Financeira - SIAFI ou por meio do Sistema de Transferência de Reservas do Banco Central, sem prejuízo de eventual exclusividade de arrecadação por parte de instituição financeira decorrente de ato do Poder Executivo. Que confusão hem! Afinal, atualmente onde é mantida a Conta Única do Tesouro Nacional? R. Sem medo de errar, a Conta Única do Tesouro Nacional é mantida no Banco Central do Brasil. Atualmente essa regulamentação encontra-se na Instrução Normativa STN nº 4, de 31 de julho de Observe o que prevê essa Instrução Normativa: Art. 1o A Conta Única do Tesouro Nacional, mantida no Banco Central do Brasil, tem por finalidade acolher as disponibilidades financeiras da União a serem movimentadas pelas Unidades Gestoras - UG da Administração Federal, Direta e Indireta e outras entidades integrantes do Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal - SIAFI, na modalidade on-line. Art. 2o A operacionalização da Conta Única do Tesouro Nacional será efetuada por intermédio do Banco do Brasil S/A, ou, excepcionalmente, por outros agentes financeiros autorizados pelo Ministério da Fazenda. Sem maiores comentários, posto que a norma é bastante elucidativa, a Instrução Normativa STN nº 4, de 31 de julho de 1998 regulamentando o Decreto /86, o alterou estabelecendo que a Conta Única do Tesouro Nacional, será mantida no Banco Central do Brasil e tem por finalidade acolher as disponibilidades financeiras da União a serem movimentadas pelas Unidades Gestoras UG da Administração Federal, Direta e Indireta e outras entidades integrantes do Sistema Integrado

4 de Administração Financeira do Governo Federal - SIAFI, na modalidade on-line. Estabeleceu ainda que a operacionalização da Conta Única do Tesouro Nacional será efetuada por intermédio do Banco do Brasil S/A, ou, excepcionalmente, por outros agentes financeiros autorizados pelo Ministério da Fazenda. Repetindo, atualmente a conta única do Tesouro Nacional é mantida junto ao Banco Central do Brasil e sua operacionalização será efetuada por intermédio do Banco do Brasil. Qual é a finalidade da Conta Única? A finalidade dessa conta única, mantida junto ao Banco Central do Brasil, é acolher, em princípio, todas as disponibilidades de caixa da União. Importante! Algumas receitas não são recolhidas ao caixa único da União, a exemplo das receitas de aplicação financeiras de fundos e de convênios. Essas receitas revertem às suas respectivas contas correntes. Pagamento das despesas: O art. 5º do Decreto nº /86 dispõe que o pagamento da despesa será feito mediante saques contra a conta do Tesouro Nacional (Decreto-lei nº 200/67, parágrafo único do art. 92). A sistemática funciona da seguinte forma: 1. Todo e qualquer tipo de receita arrecadada pela União deverá ser recolhida ao caixa único do Tesouro Nacional. Este é o princípio da unidade de caixa ou tesouraria, c/c o princípio orçamentário da universalidade; 2. Todas as Unidades Orçamentárias e órgãos públicos devem manter uma conta bancária junto ao Banco do Brasil para fins de movimentação de recursos; 3. A Secretaria do Tesouro Nacional STN é o órgão responsável pela movimentação dos recursos e a sua regulamentação (programação financeira);

5 4. As receitas próprias, orçamentárias ou extra-orçamentárias de todos os órgãos e Poderes da União devem ser recolhidas ao caixa único do Tesouro Nacional; 5. A movimentação de recursos da Conta Única será efetuada através de Ordem Bancária - OB, DARF-Eletrônico - DF, GRPS Eletrônica, Nota de Sistema - NS ou Nota de Lançamento - NL, de acordo com as respectivas finalidades (art. 3 o, IN STN nº 4/98). Foi cobrado em concurso! (CESPE CONSULTOR DO SENADO 1996) A respeito da utilização do Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal (SIAFI), julgue os itens que se seguem. (1). A movimentação de recursos da conta única do Tesouro Nacional será efetuada somente por ordens bancárias. Resolução Essa ficou fácil! Somente por ordem bancária? Opção incorreta. Pode ser através de Ordem Bancária - OB, DARF-Eletrônico - DF, GRPS Eletrônica, Nota de Sistema - NS ou Nota de Lançamento NL, conforme visto acima. Já ouviu falar da conta única institucional? A conta única institucional tem por finalidade acolher disponibilidades financeiras de Entidades participantes do Sistema Integrado da Administração Financeira do Governo Federal - SIAFI, na modalidade on-line, que não movimentam seus recursos por meio da Conta Única do Tesouro Nacional (art. 18, IN STN nº 4 /98). Exemplo: o BB exerce atividade econômica e não movimenta seus recursos através da conta única do tesouro nacional, ou seja, o BB não participa dos orçamentos fiscal e da seguridade social, haja vista que suas despesas operacionais (de custeio) e seus servidores não são pagos pela União, mas sim, pela própria instituição, através de seus ganhos, suas receitas. Assim, o BB utiliza a conta única institucional, através do siafi, para fins de recolhimento de receitas federais (tributos arrecadados) e recebimento de recursos da União para empréstimos de fomento à agricultura. Essas regras estão estabelecidas nos artigos 18, 19 e 20 da Instrução Normativa IN/STN nº 04/98, conforme transcrito abaixo:

6 Art. 18. A Conta Única Institucional tem por finalidade acolher disponibilidades financeiras de Entidades participantes do Sistema Integrado da Administração Financeira do Governo Federal - SIAFI, na modalidade on-line, que não movimentam seus recursos por meio da Conta Única do Tesouro Nacional. Art. 19. A operacionalização da Conta Única Institucional será efetuada por intermédio do Banco do Brasil S.A. Art. 20. A Conta Única Institucional será movimentada pelos mesmos mecanismos da Conta Única do Tesouro Nacional. Portanto, todos os recursos arrecadados, com raríssimas exceções, a exemplo dos fundos especiais, são recolhidas ao caixa único do Tesouro Nacional, mantido junto a Banco Central através de uma conta matriz com a seguinte codificação: Conta Única do Tesouro Nacional. A partir dessa conta existem as contas filiais, com as seguintes codificações; Banco Central do Brasil e Banco do Brasil. Observe que na codificação só mudam os dois últimos dígitos. A Conta Única do Tesouro Nacional não é uma conta movimento, mas sim, de acolhimento das disponibilidades de caixa. As outras contas são de movimento e são gerenciadas pela STN e BB. A operacionalização da conta única institucional será efetuada por intermédio do Banco do Brasil S.A (art. 19, IN STN nº 4/98).. A conta única institucional será movimentada pelos mesmos mecanismos da conta única do Tesouro Nacional (art. 20, IN STN nº 4/98). Importante! O Ministro da Fazenda poderá autorizar, em caráter excepcional, que outras instituições financeiras operacionalizem a conta única do Tesouro Nacional. Exemplo: em caso de greve dos servidores do Banco do Brasil. Nessa situação, o Ministro da Fazenda poderia autorizar que a Caixa Econômica Federal realize as transferências financeiras para dar continuidade da execução orçamentária.

7 A arrecadação de todas as receitas realizadas pelos órgãos, fundos, autarquias, fundações e demais entidades integrantes dos orçamentos fiscal e da seguridade social, far-se-á por intermédio dos mecanismos da conta única do Tesouro Nacional (art. 1º, do Decreto nº 4.950/04); Foi cobrado em concurso! 1. (CESPE MJ/Escrivão de Polícia Federal/2004) A conta única do tesouro nacional é operacionalizada por meio do Sistema Integrado de Administração Financeira (SIAFI) do governo federal. Resolução A conta única do Tesouro Nacional é mantida junto ao Banco Central e operacionalizada pelo Banco do Brasil. Assim, todas as unidades gestoras deverão possuir obrigatoriamente uma conta no BB para fins de movimentação de recursos através do siafi. A normatização, ou seja, o gerenciamento da forma de utilização da conta única é competência da Secretaria do Tesouro Nacional STN. Opção correta. 2. (CESPE 2004 Contador - TERRACAP) A operacionalização da conta única do Tesouro Nacional é efetuada exclusivamente por intermédio do Banco do Brasil S.A. Resolução Incorreta. O art. 2º da Instrução Normativa STN nº 4/98 prevê que a operacionalização da Conta Única do Tesouro Nacional será efetuada por intermédio do Banco do Brasil S/A, ou, excepcionalmente, por outros agentes financeiros autorizados pelo Ministério da Fazenda. 3. (CESPE Técnico Judiciário TRE Alagoas 2004) A Conta Única é uma conta mantida junto ao Banco Central do Brasil e destinada a acolher, em conformidade com o disposto na Constituição Federal, os recursos financeiros da União que se encontrem à disposição, on line, das unidades gestoras, nos limites financeiros previamente definidos. Resolução Correta. Essa disposição encontra-se inserida no 3º do art. 164 da CF. Veja: 3º - As disponibilidades de caixa da União serão depositadas no banco central; as dos Estados, do Distrito Federal, dos Municípios e dos órgãos ou entidades do Poder Público e das empresas por ele controladas, em instituições financeiras oficiais, ressalvados os casos previstos em lei.

8 Por hoje é só! Um forte abraço. Prof. Deusvaldo Carvalho

Desejo a todos que realizem uma excelente preparação para esse e outros concursos.

Desejo a todos que realizem uma excelente preparação para esse e outros concursos. ..FUNDOS ESPECIAIS Amigos e amigas estudantes do Ponto dos Concursos! Com a aproximação do concurso do TCU, estamos programando três cursos on line específicos para esse certame: Contabilidade Pública,

Leia mais

I - DA CONTA ÚNICA DO TESOURO NACIONAL

I - DA CONTA ÚNICA DO TESOURO NACIONAL INSTRUÇÃO NORMATIVA n o 04, de 30 de agosto de 2004. Dispõe sobre a consolidação das instruções para movimentação e aplicação dos recursos financeiros da Conta Única do Tesouro Nacional, a abertura e manutenção

Leia mais

Objetivos e principais documentos do Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal SIAFI

Objetivos e principais documentos do Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal SIAFI Objetivos e principais documentos do Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal SIAFI Amigos e amigas visitantes do Ponto dos Concursos! Desejo muita paz e tranqüilidade a todos os

Leia mais

QUESTÕES DE AFO E CONTABILIDADE PÚBLICA ANALISTA JUDICIÁRIO CONTABILIDADE - STM/2011 ÚLTIMA PARTE

QUESTÕES DE AFO E CONTABILIDADE PÚBLICA ANALISTA JUDICIÁRIO CONTABILIDADE - STM/2011 ÚLTIMA PARTE QUESTÕES DE AFO E CONTABILIDADE PÚBLICA ANALISTA JUDICIÁRIO CONTABILIDADE - STM/2011 ÚLTIMA PARTE Prezado internauta e estudante do Ponto dos Concursos! Desejo a todos uma mente ILUMINADA e que tenham

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA STN Nº 02, DE 22 DE MAIO DE 2009. Dispõe sobre a Guia de Recolhimento da União - GRU, e dá outras providências.

INSTRUÇÃO NORMATIVA STN Nº 02, DE 22 DE MAIO DE 2009. Dispõe sobre a Guia de Recolhimento da União - GRU, e dá outras providências. INSTRUÇÃO NORMATIVA STN Nº 02, DE 22 DE MAIO DE 2009. Dispõe sobre a Guia de Recolhimento da União - GRU, e dá outras providências. O SECRETÁRIO DO TESOURO NACIONAL SUBSTITUTO, no exercício das atribuições

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ NOTA TÉCNICA Nº 002 / 2013 SATES / DICONF SEFA Aos Órgãos e Entidades da Administração Pública Estadual, 1 Belém, 18 de outubro de 2013 ASSUNTO: Ordem Bancária de Transferência Voluntária (OBTV) do Sistema

Leia mais

Contabilidade Pública. Aula 1. Apresentação. Aula 1. Conceitos e definições. Bases legais. Contabilidade Pública.

Contabilidade Pública. Aula 1. Apresentação. Aula 1. Conceitos e definições. Bases legais. Contabilidade Pública. Contabilidade Pública Aula 1 Apresentação Prof. Adilson Lombardo Aula 1 Conceitos e definições Bases legais Contabilidade Pública Orçamento Público Normas Brasileiras de Contabilidade Técnicas 16 Normas

Leia mais

SIAFI SEGUNDA PARTE. Caros estudantes!

SIAFI SEGUNDA PARTE. Caros estudantes! SIAFI SEGUNDA PARTE Caros estudantes! No nosso encontro de hoje daremos prosseguimento ao estudo do SIAFI. Na aula anterior abordamos acerca do conceito, objetivos, principais documento etc. Antes porém,

Leia mais

Assunto: Ordem Bancária de Transferências Voluntárias - OBTV

Assunto: Ordem Bancária de Transferências Voluntárias - OBTV Nota Técnica n 010/2014/GECOG (Revoga a Nota Técnica 005/2013) Vitória, 09 de outubro de 2014. Assunto: Ordem Bancária de Transferências Voluntárias - OBTV Prezados (as) Senhores (as), A presente Nota

Leia mais

Prof. Alexandre Teshima. Prof. Alexandre Teshima. Prof. Alexandre Teshima. Prof. Alexandre Teshima

Prof. Alexandre Teshima. Prof. Alexandre Teshima. Prof. Alexandre Teshima. Prof. Alexandre Teshima CONCEITO: O SIAFI (Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal) é um sistema informatizado que processa e controla, por meio de terminais instalados em todo o território nacional,

Leia mais

DECRETO Nº 037, DE 08 DE JANEIRO DE 2015

DECRETO Nº 037, DE 08 DE JANEIRO DE 2015 1 Gabinete do Prefeito DECRETO Nº 037, DE 08 DE JANEIRO DE 2015 Dispõe sobre critérios a serem adotados na execução orçamentária e financeira do Poder Executivo do Município de Goiânia para o exercício

Leia mais

TRAMITAÇÃO DO PROJETO DE LEI DA LEI ORÇAMENTÁRIA ANUAL LOA: AUMENTO DA DESPESA TOTAL FIXADA PELO EXECUTIVO

TRAMITAÇÃO DO PROJETO DE LEI DA LEI ORÇAMENTÁRIA ANUAL LOA: AUMENTO DA DESPESA TOTAL FIXADA PELO EXECUTIVO TRAMITAÇÃO DO PROJETO DE LEI DA LEI ORÇAMENTÁRIA ANUAL LOA: AUMENTO DA DESPESA TOTAL FIXADA PELO EXECUTIVO Prezados amigos concursandos! Desejo a todos que estão se preparando para o concurso do TCU um

Leia mais

XI Semana de d Adminis minis ação Orç Or amen amen ária , Financeira r e d e e d Contr Con a tr t a ações Públi Púb cas SIAFI Básico ABOP Slide 1

XI Semana de d Adminis minis ação Orç Or amen amen ária , Financeira r e d e e d Contr Con a tr t a ações Públi Púb cas SIAFI Básico ABOP Slide 1 SIAFI Básico ABOP Slide 1 Oficina nº 65 - SIAFI BÁSICO Carga Horária: 4h Conteúdo: 1. Aspectos históricos do SIAFI. 1.1 Apresentação do Sistema. 1.2 Conceituações básicas do SIAFI. 1.3 Objetivos. 1.4 Abrangência.

Leia mais

Portaria Ministerial nº 241, de 13 de março de 1989

Portaria Ministerial nº 241, de 13 de março de 1989 Portaria Ministerial nº 241, de 13 de março de 1989 Normas para registro, movimentação e controle dos recursos oriundos da fonte 050 O MINISTRO DE ESTADO DO EXÉRCITO, de acordo com o artigo 57 das Instruções

Leia mais

IV Semana de AOFCP Suprimento de Fundos - Legislação. Suprimento de Fundos. Legislação ABOP BIRD

IV Semana de AOFCP Suprimento de Fundos - Legislação. Suprimento de Fundos. Legislação ABOP BIRD Suprimento de Fundos Legislação Painéis/Oficinas is/oficinas Área Planejamento Cod 10 20 PPA LDO Sigla Oficina CH 21 Previsão da Receita Orçamento 22 23 Orçamento - Elaboração Orçamento Alterações Orçamentárias

Leia mais

Senhora Gerente de Estudos e Normatização Contábil,

Senhora Gerente de Estudos e Normatização Contábil, Informação GENOC/DCOG n. 041/2011 Florianópolis, 17 de junho de 2011. Assunto: Pagamento de despesas com utilização de recursos das fontes 0.120 Salário-educação e 0.131 FUNDEB. Senhora Gerente de Estudos

Leia mais

VI Semana de Administração Orçamentária, Financeira e de Contratações Públicas do Governo Federal - 2008. Oficina 50

VI Semana de Administração Orçamentária, Financeira e de Contratações Públicas do Governo Federal - 2008. Oficina 50 VI Semana de Administração Orçamentária, Financeira e de Contratações Públicas do Governo Federal - 2008 SIAFI Básico Oficina 50 Painéis/Oficinas Oficina nº 50 - Siafi Básico Carga Horária: 4h Conteúdo:

Leia mais

Apresentação e contextualização do novo modelo de prestação de contas

Apresentação e contextualização do novo modelo de prestação de contas Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Diretoria Financeira Coordenação-Geral de Contabilidade e Acompanhamento de Prestação de Contas Apresentação e contextualização do novo modelo de prestação

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: DJALMA

CURSO ON-LINE PROFESSOR: DJALMA "O sol nasce para todos, mas sombra e água fresca é só para alguns". (frase proferida pelo Professor Osíris em 1999, no Rio de Janeiro) 1. Introdução Neste fim de semana que passou, foram aplicadas pela

Leia mais

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 342, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2008

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 342, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2008 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 342, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2008 Altera a Portaria Interministerial nº 127/MP/MF/CGU, de 29 de maio de 2008,

Leia mais

Enquanto não saem os esperados concursos da Polícia Federal, CGU, SENADO, etc., vamos continuar a nossa batalha de estudos...

Enquanto não saem os esperados concursos da Polícia Federal, CGU, SENADO, etc., vamos continuar a nossa batalha de estudos... QUESTÕES DE AFO ANALISTA AMBIENTAL- MMA/2011 Prezado estudante! Enquanto não saem os esperados concursos da Polícia Federal, CGU, SENADO, etc., vamos continuar a nossa batalha de estudos... Para tanto,

Leia mais

ORIENTAÇÕES AO JUDICIÁRIO RELATIVAS À ARRECADAÇÃO DE RECEITAS DA UNIÃO

ORIENTAÇÕES AO JUDICIÁRIO RELATIVAS À ARRECADAÇÃO DE RECEITAS DA UNIÃO ORIENTAÇÕES AO JUDICIÁRIO RELATIVAS À ARRECADAÇÃO DE RECEITAS DA UNIÃO SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 1. Restituição ou retificação de recolhimentos efetuados por meio de Darf... 3 2. Restituição ou retificação

Leia mais

Professor: Ednei Isidoro de Almeida Lei Orçamentária Anual LOA 4 EMESTRE DE CENCIAS CONTABEIS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO-UNEMAT

Professor: Ednei Isidoro de Almeida Lei Orçamentária Anual LOA 4 EMESTRE DE CENCIAS CONTABEIS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO-UNEMAT Professor: Ednei Isidoro de Almeida Lei Orçamentária Anual LOA 4 EMESTRE DE CENCIAS CONTABEIS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO-UNEMAT Prezados Acadêmicos Iremos abordar os aspectos mais relevantes

Leia mais

Olá caros acadêmicos segue um resumo básico de alguns conceitos estabelecidos na LDO, retirado do site ponto dos concursos.

Olá caros acadêmicos segue um resumo básico de alguns conceitos estabelecidos na LDO, retirado do site ponto dos concursos. Olá caros acadêmicos segue um resumo básico de alguns conceitos estabelecidos na LDO, retirado do site ponto dos concursos. Vamos ao nosso assunto de hoje! Lei de Diretrizes Orçamentárias LDO: A LDO é

Leia mais

PARECER Nº 002/2009/JURÍDICO/CNM INTERESSADOS: MUNICÍPIOS BRASILEIROS ASSUNTO: LICITAÇÃO DE GESTÃO DE FOLHA DE PAGAMENTO E ARRECADAÇÃO TRIBUTÁRIA

PARECER Nº 002/2009/JURÍDICO/CNM INTERESSADOS: MUNICÍPIOS BRASILEIROS ASSUNTO: LICITAÇÃO DE GESTÃO DE FOLHA DE PAGAMENTO E ARRECADAÇÃO TRIBUTÁRIA PARECER Nº 002/2009/JURÍDICO/CNM INTERESSADOS: MUNICÍPIOS BRASILEIROS ASSUNTO: LICITAÇÃO DE GESTÃO DE FOLHA DE PAGAMENTO E ARRECADAÇÃO TRIBUTÁRIA DA CONSULTA: Trata-se de consulta formulada por diversos

Leia mais

0046 - Transferência da Cota-Parte dos Estados e DF Exportadores na Arrecadação do IPI (CF, Art. 159)

0046 - Transferência da Cota-Parte dos Estados e DF Exportadores na Arrecadação do IPI (CF, Art. 159) Programa 0903 - Operações Especiais: Transferências Constitucionais e as Decorrentes de Legislação Específica Número de Ações 22 0044 - Fundo de Participação dos Estados e do Distrito Federal - FPE (CF,

Leia mais

CAMPO DE APLICAÇÃO DA CONTABILIDADE PÚBLICA 1ª PARTE Leonardo Silveira do Nascimento cpublicaconcursos@yahoo.com.br

CAMPO DE APLICAÇÃO DA CONTABILIDADE PÚBLICA 1ª PARTE Leonardo Silveira do Nascimento cpublicaconcursos@yahoo.com.br CAMPO DE APLICAÇÃO DA CONTABILIDADE PÚBLICA 1ª PARTE Leonardo Silveira do Nascimento cpublicaconcursos@yahoo.com.br Olá pessoal! Nesta aula iremos abordar um assunto cada vez mais recorrente nas provas

Leia mais

Manual Cartão de Pagamento do Governo Federal. Banco do Setor público

Manual Cartão de Pagamento do Governo Federal. Banco do Setor público Manual Cartão de Pagamento do Governo Federal Banco do Setor público Sumário Introdução 04 Cartão de Pagamento do Governo Federal CPGF 04 Passo a Passo 10 Perguntas e Respostas 12 Legislação I Ementa 17

Leia mais

Descentralização de amentários e de Recursos Financeiros

Descentralização de amentários e de Recursos Financeiros Descentralização de Créditos Orçament amentários e de Recursos Financeiros Conceito: Despesa Orçament amentária Despesa Orçamentária Pública aquela executada por entidade pública e que depende de autorização

Leia mais

Execução Orçamentária e Financeira

Execução Orçamentária e Financeira Execução Orçamentária e Financeira Introdutório aos cursos dos Sistemas de Contabilidade e Gastos Públicos Setembro / 2008 Administração Pública Classifica-se, conforme a CF/88 em: Administração Direta

Leia mais

b) custeio geral da administração e das atividades públicas. Em regra, sem vinculações a órgão, fundo ou despesa

b) custeio geral da administração e das atividades públicas. Em regra, sem vinculações a órgão, fundo ou despesa UNIDADE VII 1. IMPOSTOS a) definição legal (tributo não-vinculado) b) custeio geral da administração e das atividades públicas. Em regra, sem vinculações a órgão, fundo ou despesa c) pessoalidade, em regra

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA STN Nº 4, DE 13 DE AGOSTO DE 2002 DOU de 16.8.2002

INSTRUÇÃO NORMATIVA STN Nº 4, DE 13 DE AGOSTO DE 2002 DOU de 16.8.2002 INSTRUÇÃO NORMATIVA STN Nº 4, DE 13 DE AGOSTO DE 2002 DOU de 16.8.2002 Dispõe sobre a consolidação das instruções para movimentação e aplicação dos recursos financeiros da Conta Única do Tesouro Nacional,

Leia mais

ROTEIRO DE AUDITORIA DE CONTABILIDADE PÚBLICA

ROTEIRO DE AUDITORIA DE CONTABILIDADE PÚBLICA SISTEMA ORÇAMENTÁRIO 1 - RECEITAS 1.1 - Orçamento da Receita 1.2 - Receita Prevista 1.3 - Execução Orçamentária da Receita ROTEIRO DE AUDITORIA DE CONTABILIDADE PÚBLICA I - Verificar se os registros das

Leia mais

COORDENADORIA DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA

COORDENADORIA DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA COORDENADORIA DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA Portaria CAT-Detran - 2, de 28-8-2008 Dispõe sobre a participação do Estado de São Paulo no sistema denominado Registro Nacional de Infrações de Trânsito - Renainf

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTO GARÇAS CONTROLE INTERNO

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTO GARÇAS CONTROLE INTERNO 1/5 NORMA INTERNA : 1) DOS OBJETIVOS: 1.1) Disciplinar e orientar o fluxo das operações de crédito, bem como avais e garantias oferecidas para as operações de crédito; 1.2) Atender legalmente os dispositivos

Leia mais

RESTITUIÇÃO DE RECEITAS ARRECADADAS POR GRU

RESTITUIÇÃO DE RECEITAS ARRECADADAS POR GRU RESTITUIÇÃO DE RECEITAS ARRECADADAS POR GRU O processo de restituição visa atender o contribuinte que, por algum motivo, tenha recolhido receitas a maior ou indevidamente por meio da Guia de Recolhimento

Leia mais

Comentário às questões do concurso do TCE_RS/Oficial_de_Controle_Externo/CESPE/2013

Comentário às questões do concurso do TCE_RS/Oficial_de_Controle_Externo/CESPE/2013 Comentário às questões do concurso do TCE_RS/Oficial_de_Controle_Externo/CESPE/2013 Julgue os itens a seguir, relativos ao orçamento público. 96.O orçamento público tem caráter e força de lei, em sentido

Leia mais

Gestão de Finanças Públicas

Gestão de Finanças Públicas APRESENTAÇÃO Desde a primeira edição deste livro mencionamos como os avanços no arcabouço institucional e instrumental de gestão financeira foram relevantes para que o governo brasileiro, efetivamente,

Leia mais

Caros colegas! Desejo-lhes muita paz, tranqüilidade e que tenham excelente rendimento em seus estudos.

Caros colegas! Desejo-lhes muita paz, tranqüilidade e que tenham excelente rendimento em seus estudos. SIAFI TERCEIRA PARTE Caros colegas! Desejo-lhes muita paz, tranqüilidade e que tenham excelente rendimento em seus estudos. Crescem as expectativas de que o edital do concurso para o TCU sairá em breve.

Leia mais

AULA 01. Esses três primeiros livros se destacam por serem atualizados pelos próprios autores.

AULA 01. Esses três primeiros livros se destacam por serem atualizados pelos próprios autores. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Direito Administrativo / Aula 01 Professora: Luiz Oliveira Castro Jungstedt Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 01 CONTEÚDO DA AULA: Estado Gerencial brasileiro.introdução1

Leia mais

SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL PORTARIA Nº 634, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2013.

SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL PORTARIA Nº 634, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2013. SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL PORTARIA Nº 634, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2013. Dispõe sobre regras gerais acerca das diretrizes, normas e procedimentos contábeis aplicáveis aos entes da Federação, com vistas

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE RPPS

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE RPPS PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE RPPS 1 - O que vem a ser regime próprio de previdência social (RPPS)? R: É o sistema de previdência, estabelecido no âmbito de cada ente federativo, que assegure, por lei, ao

Leia mais

AULA Nº 01: PLANEJAMENTO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PARTE I.

AULA Nº 01: PLANEJAMENTO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PARTE I. AULA Nº 01: PLANEJAMENTO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PARTE I. Caros colegas! Iniciaremos, hoje, o estudo dos principais pontos relativos aos instrumentos de planejamento da administração pública, previstos

Leia mais

COMENTÁRIOS DA PROVA DO TCU PROF FLÁVIO ASSIS

COMENTÁRIOS DA PROVA DO TCU PROF FLÁVIO ASSIS COMENTÁRIOS DA PROVA DO TCU PROF FLÁVIO ASSIS Cargo 4: Técnico Federal de Controle Externo Área: Apoio Técnico e Administrativo Especialidade: Técnica Administrativa Com base em conceitos e na legislação

Leia mais

Receita Orçamentária: Conceitos, codificação e classificação 1

Receita Orçamentária: Conceitos, codificação e classificação 1 Para mais informações, acesse o Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público, Parte I Procedimentos Contábeis Orçamentários, 5ª edição. https://www.tesouro.fazenda.gov.br/images/arquivos/artigos/parte_i_-_pco.pdf

Leia mais

2. O que a Funpresp Exe traz de modernização para o sistema previdenciário do Brasil?

2. O que a Funpresp Exe traz de modernização para o sistema previdenciário do Brasil? Perguntas Frequentes 1. O que é a Funpresp Exe? É a Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal do Poder Executivo, criada pelo Decreto nº 7.808/2012, com a finalidade de administrar

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL: Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte Lei.

O GOVERNADOR DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL: Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte Lei. (*) Os textos contidos nesta base de dados têm caráter meramente informativo. Somente os publicados no Diário Oficial estão aptos à produção de efeitos legais. LEI Nº 3.545, DE 17 DE JULHO DE 2008. Publicada

Leia mais

Olá Concursandos! Vou escolher uma dessas listadas acima para resolver.

Olá Concursandos! Vou escolher uma dessas listadas acima para resolver. Olá Concursandos! No artigo de hoje, vou tratar das taxas (taxas-serviço público, pois as taxaspoder de polícia vão ficar para outra oportunidade). É impressionante como esse ponto cai em concurso da ESAF!

Leia mais

Marcones Libório de Sá Prefeito

Marcones Libório de Sá Prefeito Mensagem n. 010 /2015 Salgueiro, 14 de Setembro de 2015. Senhor Presidente, Senhores (as) Vereadores (as), Considerando os princípios de descentralização e transparência, que tem levado esta administração

Leia mais

Lei do Audiovisual IN 81 de 2008.

Lei do Audiovisual IN 81 de 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº. 81, DE 28 DE OUTUBRO DE 2008. Estabelece procedimentos sobre a apresentação de relatórios de gestão e prestação de contas em Programas Especiais de Fomento. A DIRETORIA COLEGIADA

Leia mais

NOTA TÉCNICA N. 17/2014 Brasília, 4 de julho de 2014.

NOTA TÉCNICA N. 17/2014 Brasília, 4 de julho de 2014. NOTA TÉCNICA N. 17/2014 Brasília, 4 de julho de 2014. ÁREA: Contabilidade Municipal TÍTULO: Contabilização do recurso financeiro transferido para o Município destinado a educação em tempo integral REFERÊNCIA:

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 108, DE 29 DE MAIO DE 2001

LEI COMPLEMENTAR Nº 108, DE 29 DE MAIO DE 2001 LEI COMPLEMENTAR Nº 108, DE 29 DE MAIO DE 2001 Dispõe sobre a relação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, suas autarquias, fundações, sociedades de economia mista e outras entidades

Leia mais

4. Padrão Mínimo de Qualidade dos Sistemas Integrados de Administração Financeira e Controle

4. Padrão Mínimo de Qualidade dos Sistemas Integrados de Administração Financeira e Controle 4. Padrão Mínimo de Qualidade dos Sistemas Integrados de Administração Financeira e Controle Luís Eduardo Vieira Superintendência de Gestão Técnica SGT Financeira e Controle. Introdução A transparência

Leia mais

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Unidade III 6 O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O sistema financeiro nacional é o conjunto de instituições e instrumentos financeiros que possibilita a transferência de recursos

Leia mais

SUPRIMENTO DE F RIMENTO UNDOS

SUPRIMENTO DE F RIMENTO UNDOS SUPRIMENTO DE FUNDOS - Legislação Oficina 75 ABOP Slide 1 Oficina nº 75 Suprimento de Fundos - Legislação Carga Horária: 4h Conteúdo: 1. Conceito e normatização de suprimento de fundos. Finalidades. Despesas

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: DJALMA PEÇANHA

CURSO ON-LINE PROFESSOR: DJALMA PEÇANHA "Quando sopram os ventos da mudança, alguns constroem abrigos e se colocam a salvo; outros constroem moinhos e ficam ricos". (Claus Möller) Boa tarde, pessoal! Enfim, chegamos a este último ponto sobre

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS SICONV APRENDIZADO QUE GERA RESULTADOS

GESTÃO DE PROJETOS SICONV APRENDIZADO QUE GERA RESULTADOS GESTÃO DE PROJETOS SICONV APRENDIZADO QUE GERA RESULTADOS ABORDAGEM Conceitos relacionados ao tema; Legislação aplicável à execução; Modelo de gestão e processo adotado pela Fundep. O que é o SICONV? CONCEITOS

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO. Resolução n 027/2011-CONSU De 22 de dezembro de 2011

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO. Resolução n 027/2011-CONSU De 22 de dezembro de 2011 Resolução n 027/2011-CONSU De 22 de dezembro de 2011 Regulamenta as normas para o relacionamento entre a Universidade Federal do Amapá e as Fundações de Apoio prevista na Lei n 8.958, de 20 de dezembro

Leia mais

O PRESIDENTE DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO E DO CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

O PRESIDENTE DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO E DO CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO CONJUNTO N.º 21/2010 TST.CSJT.GP.SG Dispõe sobre o recolhimento de custas e emolumentos na Justiça do Trabalho. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO E DO, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

PONTO DOS CONCURSOS Orçamento nas Constiuições Federais

PONTO DOS CONCURSOS Orçamento nas Constiuições Federais Olá, concurseiro (a)! Tenho observado que algumas bancas cobram um conhecimento histórico do orçamento público nas constituições federais brasileiras. Para facilitar tua vida, organizei a linha do tempo

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Breves considerações tributárias quanto a atividade de empresário (antiga firma individual) na atividade de representação comercial Juliano César Borges de Vito* Um dos fatores preponderantes

Leia mais

BOLETIM ADMINISTRATIVO Nº 020 DE 12 a 16/05/14

BOLETIM ADMINISTRATIVO Nº 020 DE 12 a 16/05/14 Leia-se:...Art. 1º DELEGAR COMPETÊNCIA e as responsabilidades decorrentes ao Superintendente Regional do DNIT nos estados de Goiás e Distrito Federal para Lavrar o Termo Aditivo de Prorrogação de prazo,

Leia mais

CURSO: SICONV 1) NOÇÕES GERAIS, CREDENCIAMENTO, CADASTRAMENTO E PROGRAMAS DE CONVÊNIO

CURSO: SICONV 1) NOÇÕES GERAIS, CREDENCIAMENTO, CADASTRAMENTO E PROGRAMAS DE CONVÊNIO CURSO: SICONV TEMAS CENTRAIS 1) NOÇÕES GERAIS, CREDENCIAMENTO, CADASTRAMENTO E PROGRAMAS DE CONVÊNIO 2) PROPOSIÇÃO, AVALIAÇÃO DE PROPOSTAS - CEDENTE, CELEBRAÇÃO DE UM CONVÊNIO E ALTERAÇÕES 3) EXECUÇÃO,

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenção de Tributos por Entidades Públicas Federais na Intermediação de Viagens

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenção de Tributos por Entidades Públicas Federais na Intermediação de Viagens Retenção de Tributos por Entidades Públicas Federais na Intermediação de 17/06/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1

Leia mais

DOU de 30/07/2015 (nº 144, Seção 1, pág. 73) DENATRAN - Departamento Nacional de Trânsito PORTARIA Nº 95, DE 28 DE JULHO DE 2015

DOU de 30/07/2015 (nº 144, Seção 1, pág. 73) DENATRAN - Departamento Nacional de Trânsito PORTARIA Nº 95, DE 28 DE JULHO DE 2015 DOU de 30/07/2015 (nº 144, Seção 1, pág. 73) DENATRAN - Departamento Nacional de Trânsito PORTARIA Nº 95, DE 28 DE JULHO DE 2015 Estabelece regras e padronização de documentos para arrecadação de multas

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE CONTRATO

SISTEMA DE GESTÃO DE CONTRATO MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS - SICON - SISTEMA DE GESTÃO DE CONTRATO MANUAL DO USUÁRIO Brasília

Leia mais

Financiamento no Âmbito do Programa de Incentivo à Implementação de Projetos de Interesse Social - PIPS (Lei nº 10.735, de 2003)

Financiamento no Âmbito do Programa de Incentivo à Implementação de Projetos de Interesse Social - PIPS (Lei nº 10.735, de 2003) Programa 0902 Operações Especiais: Financiamentos com Retorno Justificativa Operações Especiais: Financiamentos com Retorno Público Alvo Operações Especiais: Financiamentos com Retorno Ações Orçamentárias

Leia mais

RETENÇÃO DE TRIBUTOS NOS PAGAMENTOS EFETUADOS A FORNECEDORES DE BENS E PRESTADORES DE SERVIÇOS

RETENÇÃO DE TRIBUTOS NOS PAGAMENTOS EFETUADOS A FORNECEDORES DE BENS E PRESTADORES DE SERVIÇOS RETENÇÃO DE TRIBUTOS NOS PAGAMENTOS EFETUADOS A FORNECEDORES DE BENS E PRESTADORES DE SERVIÇOS Autoria: Adriane Terebinto Di Bacco Advogada COFINS, CSLL e PIS/PASEP A retenção das contribuições federais

Leia mais

PRINCIPAIS TRIBUTOS PÁTRIOS E SEUS FUNDAMENTOS

PRINCIPAIS TRIBUTOS PÁTRIOS E SEUS FUNDAMENTOS PRINCIPAIS TRIBUTOS PÁTRIOS E SEUS FUNDAMENTOS Thiago Figueiredo de Lima Cursando o 9º Semestre do Curso de Direito A Constituição Federal, como lei fundamental de organização do Estado, determina a competência

Leia mais

CONSULTA N. 809.491 EMENTA:

CONSULTA N. 809.491 EMENTA: Utilização do saldo positivo da reserva do regime próprio de previdência social para abertura de créditos adicionais suplementares. Arquivamento de notas de empenho pela administração pública CONSULTA

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária (Prof. Paulo Bijos)

Administração Financeira e Orçamentária (Prof. Paulo Bijos) Administração Financeira e Orçamentária (Prof. Paulo Bijos) Aula 11 2010 Exercícios Funções de Governo (alocativa, distributiva e estabilizadora) CESPE ACE-TCU 2008. (E) A teoria de finanças públicas consagra

Leia mais

BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE A RPV. (Requisição de Pequeno Valor)

BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE A RPV. (Requisição de Pequeno Valor) BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE A RPV (Requisição de Pequeno Valor) Hugo Soares Porto Fonseca O caput do art. 100 da Constituição Federal 1 determina que os pagamentos de valores devidos pelas Fazendas Federal,

Leia mais

Portal dos Convênios SICONV CONCEITOS

Portal dos Convênios SICONV CONCEITOS Portal dos Convênios SICONV CONCEITOS Julho de 2014 Edercio Bento Órgão Gestor do SICONV MP, Orçamento e Gestão. SLTI Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação. DETRV- Departamento de Transferências

Leia mais

AULA Nº 02: PLANO PLURIANUAL - PARTE II

AULA Nº 02: PLANO PLURIANUAL - PARTE II AULA Nº 02: PLANO PLURIANUAL - PARTE II Olá amigos concursandos! Primeiramente gostaria de externar a nossa alegria e parabenizar a todos os felizardos aprovados para AFRF. Parabéns e sucesso na carreira!

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SFI SISTEMA FINANCEIRO Nº 004/2013, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2013.

INSTRUÇÃO NORMATIVA SFI SISTEMA FINANCEIRO Nº 004/2013, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2013. INSTRUÇÃO NORMATIVA SFI SISTEMA FINANCEIRO Nº 004/2013, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2013. DISPÕE SOBRE ESTABELECIMENTO DA PROGRAMAÇÃO FINANCEIRA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Versão: 01 Aprovação em: 26 de fevereiro

Leia mais

O objetivo deste procedimento é estabelecer os instrumentos e os critérios para pagamentos realizados pela FTS.

O objetivo deste procedimento é estabelecer os instrumentos e os critérios para pagamentos realizados pela FTS. Página: 1/6 1. OBJETIVO O objetivo deste procedimento é estabelecer os instrumentos e os critérios para pagamentos realizados pela FTS. 2. REFERÉNCIAS 2.1 Lei 8.958 de 20 de dezembro de 1994 Lei das Fundações

Leia mais

GUIA DE CAPACITAÇÃO REGISTRO DE RECEITA EXTRA ORÇAMENTÁRIA - RDE

GUIA DE CAPACITAÇÃO REGISTRO DE RECEITA EXTRA ORÇAMENTÁRIA - RDE GUIA DE CAPACITAÇÃO REGISTRO DE RECEITA EXTRA ORÇAMENTÁRIA - RDE Registro de Receita Extra Orçamentária (RDE) - SUMÁRIO - 1. CONCEITOS...3 2. Registro de Receita Extra Orçamentária...6 2.1. DESCRIÇÃO...6

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº Altera dispositivos da Lei Complementar nº 141, de 13 de janeiro de 2012 que Regulamenta o 3 o do art. 198 da Constituição Federal para dispor sobre os valores mínimos a

Leia mais

Manual Cartão de Pagamento do Governo Federal. Banco do Setor público

Manual Cartão de Pagamento do Governo Federal. Banco do Setor público Manual Cartão de Pagamento do Governo Federal Banco do Setor público 2 Sumário Introdução 04 Cartão de Pagamento do Governo Federal CPGF 04 Passo a Passo 10 Perguntas e Respostas 12 Legislação I Ementa

Leia mais

DELIBERAÇÃO NORMATIVA CGFPHIS Nº 016, DE 28 DE MAIO DE 2013

DELIBERAÇÃO NORMATIVA CGFPHIS Nº 016, DE 28 DE MAIO DE 2013 Deliberação Normativa nº 016, de 28 de maio de 2013. Reedita, com alterações, a Deliberação Normativa nº 014, de 11 de setembro de 2012, que aprovou a implantação do PROGRAMA CASA PAULISTA APOIO AO CRÉDITO

Leia mais

Curso de Planejamento e Execução da Despesa Pública para Servidores do Ministério do Desenvolvimento Agrário

Curso de Planejamento e Execução da Despesa Pública para Servidores do Ministério do Desenvolvimento Agrário Curso de Planejamento e Execução da Despesa Pública para Servidores do Ministério do Desenvolvimento Agrário GESTÃO FINANCEIRA Docentes: Luiz Claudio Monteiro Morgado Alexandre Gomes de Souza Júnior Brasília,

Leia mais

DECRETO LEI 509 DECRETO-LEI Nº 509, DE 20 DE MARÇO DE 1969.

DECRETO LEI 509 DECRETO-LEI Nº 509, DE 20 DE MARÇO DE 1969. DECRETO LEI 509 DECRETO-LEI Nº 509, DE 20 DE MARÇO DE 1969. Dispõe sobre a transformação do Departamento dos Correios e Telégrafos em empresa pública, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA,

Leia mais

PROCEDIMENTOS FINANCEIROS

PROCEDIMENTOS FINANCEIROS PROCEDIMENTOS FINANCEIROS PARA FAZER A ARRECADAÇÃO Menu/ Orçamento Arrecadação Boletim de Arrecadação 1º Fazer a capa, clicando no botão [NOVO] colocar a DATA e o BANCO ou CAIXA (se necessário, preencher

Leia mais

Aplicações financeiras e disponibilidades de caixa dos órgãos públicos

Aplicações financeiras e disponibilidades de caixa dos órgãos públicos Aplicações financeiras e disponibilidades de caixa dos órgãos públicos Parecer nº 12/00-SAFF Ementa: Direito Administrativo e Financeiro. Contabilidade. Aplicação de disponibilidades financeiras da Câmara

Leia mais

DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS

DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS OBJETIVOS Dotar as Promotorias de Justiça

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira ESTUDO TÉCNICO Nº 1/2014

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira ESTUDO TÉCNICO Nº 1/2014 Solicitação de Trabalho nº 1.273/2013 CONOF Solicitante: Deputado Davi Alcolumbre ESTUDO TÉCNICO Nº 1/2014 POSSÍVEL CONFLITO ENTRE AS "TRAVAS" E LIMITES DA LRF E O ORÇAMENTO IMPOSITIVO 1. Introdução O

Leia mais

LEI Nº 599/2011. Artigo 1 - As consignação Pública direta e indireta do Município de Novo São Joaquim são disciplinadas por esta Lei.

LEI Nº 599/2011. Artigo 1 - As consignação Pública direta e indireta do Município de Novo São Joaquim são disciplinadas por esta Lei. LEI Nº 599/2011 DISPÕE SOBRE AS CONSIGNAÇÕES EM FOLHA DE PAGAMENTO DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS E DA OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEONARDO FARIAS ZAMPA, Prefeito Municipal de Novo São Joaquim MT faz saber

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTO SOCIAL NA ÁREA DA INFÂNCIA

POLÍTICA DE INVESTIMENTO SOCIAL NA ÁREA DA INFÂNCIA POLÍTICA DE INVESTIMENTO SOCIAL NA ÁREA DA INFÂNCIA NOVOS PARÂMETROS DO CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE (CONANDA) Carlos Nicodemos DOUTRINA DA INDIFERENÇA Até 1899: Ausência

Leia mais

POR QUE AS SUBVENÇÕES SOCIAIS NÃO SÃO ALCANÇADAS PELO MROSC

POR QUE AS SUBVENÇÕES SOCIAIS NÃO SÃO ALCANÇADAS PELO MROSC artigo POR QUE AS SUBVENÇÕES SOCIAIS NÃO SÃO ALCANÇADAS PELO MROSC Mariana Moreira * Kleyton Rogério Machado Araújo ** A Lei federal 13.019/2014, ou Marco Regulatório das Organizações Sociais (MROSC),

Leia mais

PROJETO DE LEI N. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

PROJETO DE LEI N. O CONGRESSO NACIONAL decreta: PROJETO DE LEI N Institui o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego PRONATEC, altera as Leis n. 7.998, de 11 de janeiro de 1990, n. 8.121, de 24 de julho de 1991 e n. 10.260, de 12 de julho

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul GAB. CONS. MARISA JOAQUINA MONTEIRO SERRANO

Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul GAB. CONS. MARISA JOAQUINA MONTEIRO SERRANO RELATÓRIO VOTO : REV-G.MJMS-1196/2015 PROCESSO TC/MS : TC/116662/2012 PROTOCOLO : 2012 ÓRGÃO : INSTITUTO MUNICIPAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DE ROCHEDO ASSUNTO DO PROCESSO : CONSULTA RELATOR : CONS. JERSON

Leia mais

Gestão dos Recursos da Saúde: Fundo de Saúde

Gestão dos Recursos da Saúde: Fundo de Saúde Gestão dos Recursos da Saúde: Fundo de Saúde Antonio Carlos Rosa de Oliveira Junior 1 Arionaldo Bomfim Rosendo 2 Erasmo Ferreira da Silva 3 José Carlos da Silva 4 Sandra Yoko Sato 5 Este texto tem o propósito

Leia mais

Novas formas de prestação do serviço público: Gestão Associada Convênios e Consórcios Regime de parceria- OS e OSCIPS

Novas formas de prestação do serviço público: Gestão Associada Convênios e Consórcios Regime de parceria- OS e OSCIPS Novas formas de prestação do serviço público: Gestão Associada Convênios e Consórcios Regime de parceria- OS e OSCIPS Material de apoio para estudo: slides trabalhados em sala de aula com acréscimo de

Leia mais

O importante é não desistir porque existem bons certames em vista, a exemplo do próximo concurso da Polícia Federal.

O importante é não desistir porque existem bons certames em vista, a exemplo do próximo concurso da Polícia Federal. QUESTÕES DE CONCURSOS Colega estudante! Colegas Concursandos e candidatos ao TCU e STF! Desejo-lhes uma mente ILUMINADA na hora das provas e que a sorte lhe acompanhe em todas as fases desse concurso.

Leia mais

Como deve ser do conhecimento de todos, o edital do concurso para Analista e Técnico do TCU foi publicado dia 20.07, exatamente conforme programado.

Como deve ser do conhecimento de todos, o edital do concurso para Analista e Técnico do TCU foi publicado dia 20.07, exatamente conforme programado. CRÉDITOS ADICIONAIS CARACTERÍSTICAS ESPECIAIS Prezado amigo concursando! Como deve ser do conhecimento de todos, o edital do concurso para Analista e Técnico do TCU foi publicado dia 20.07, exatamente

Leia mais

SUBCHEFIA DE ASSUNTOS PARLAMENTARES

SUBCHEFIA DE ASSUNTOS PARLAMENTARES SUBCHEFIA DE ASSUNTOS PARLAMENTARES PROJETO DE LEI Institui o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego - PRONATEC; altera as Leis n os 7.998, de 11 de janeiro de 1990, que regula o Programa

Leia mais

Lei de Responsabilidade Fiscal

Lei de Responsabilidade Fiscal AOF Lei de Responsabilidade Fiscal PLANEJAMENTO Lei de Diretrizes Orçamentárias Lei Orçamentária Anual Execução Orçamentária e do Cumprimento das Metas RECEITA PÚBLICA Previsão e da Arrecadação Renúncia

Leia mais

PORTARIA Nº 411, DE 7 DE JULHO DE 2009

PORTARIA Nº 411, DE 7 DE JULHO DE 2009 (Cont. 1) PORTARIA Nº 411, DE 7 DE JULHO DE 2009 Dispõe sobre os macroprocessos e a distribuição dos quantitativos de Gratificação Temporária das Unidades dos Sistemas Estruturadores da Administração Pública

Leia mais

DECISÃO Nº 193/2011 D E C I D E

DECISÃO Nº 193/2011 D E C I D E CONSUN Conselho Universitário DECISÃO Nº 193/2011 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO, em sessão de 08/04/2011, tendo em vista o constante no processo nº 23078.032500/10-21, de acordo com o Parecer nº 022/2011 da

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 1102/2011

PROJETO DE LEI Nº 1102/2011 PROJETO DE LEI Nº 1102/2011 EMENTA: ALTERA A LEI Nº 5981/2011, QUE DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO PORTAL DA TRANSPARÊNCIA DAS ONG S, OSCIP S E DEMAIS ENTIDADES QUE RECEBAM RECURSOS PÚBLICOS NO ESTADO DO RIO

Leia mais