MÉTODOS QUALITATIVOS NA ANÁLISE DE RISCO DE CRÉDITO - CONFIANÇA E CREDIBILIDADE NA RELAÇÃO ENTRE BANCOS E EMPRESAS. Carlos Arriaga Costa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MÉTODOS QUALITATIVOS NA ANÁLISE DE RISCO DE CRÉDITO - CONFIANÇA E CREDIBILIDADE NA RELAÇÃO ENTRE BANCOS E EMPRESAS. Carlos Arriaga Costa"

Transcrição

1 MÉTODOS QUALITATIVOS NA ANÁLISE DE RISCO DE CRÉDITO - CONFIANÇA E CREDIBILIDADE NA RELAÇÃO ENTRE BANCOS E EMPRESAS Carlos Arriaga Costa Universidade do Minho Escola de Economia e Gestão Campus de Gualtar Braga Portugal e-correio: Resumo A relação entre bancos e empresas assume uma importância relevante em economia bancária. Podemse observar três estruturas principais nesta relação: relação de mercado, relação hierárquica e relação da quasi-integração. Os bancos avaliam o risco e a qualidade do crédito através de indicadores quantitativos e qualitativos. Os indicadores quantitativos são os mais utilizados pelos bancos mas os indicadores qualitativos começam a ganhar importância na avaliação do risco de crédito. Nesta comunicação analisamos os indicadores quantitativos e qualitativos mais utilizados no sistema bancário português. Não obstante a reputação de uma empresa ser um indicador qualitativo muito importante, os bancos não consideram suficiente este indicador para atribuir à empresa uma classificação de risco baixo. Entretanto, existe uma associação entre risco e reputação. Palavras chave: risco de crédito; reputação; credibilidade; análise qualitativa do risco 3

2 1. Introdução A relação entre bancos e empresas ocupa um lugar importante na literatura económica e financeira. Esta relação insere-se na actividade de intermediação dos bancos. As teorias mais recentes da intermediação desenvolvem esta relação num ambiente de informação assimétrica. Os bancos incluem nos contratos incentivos de modo a enfrentarem problemas de risco moral (Allegret e Baudry, 1996). De acordo com Stiglitz (1985), os princípios da teoria de intermediação fundamentam-se na incapacidade dos intermediários financeiros obterem a informação necessária num clima de incerteza e na incapacidade dos bancos controlarem, com eficácia, os mutuários. Gorton e Kahn (1993) demonstram o interesse do intermediário financeiro em tomar procedimentos credíveis quanto ao conjunto de incentivos a considerar no contrato. Atitudes de credibilidade parecem ser mais importantes para os bancos do que para o mercado financeiro. Ainda de acordo com Allegret e Baudry, podem-se observar três estruturas na relação entre os bancos e as empresas: (1) uma relação de mercado (2) uma relação hierárquica e (3) uma relação da quasi-integração. A relação de mercado (1) é caracterizada por uma maior flexibilidade na relação e por uma ausência de controle do banco na qualidade da informação fornecida pela empresa. Num contexto de mercado, a fidelidade da relação entre os bancos e empresas não parece ser muito importante. O banco diversifica a sua carteira de clientes e a empresa diversifica as suas fontes de financiamento. Neste caso, a empresa sentirá maior dificuldade em iniciar a sua actividade com investimentos que apresentam um determinado grau de risco. As penalizações por crédito mal parado são requeridas pelo próprio mercado. Torna-se fundamental que o banco estabeleça testes estatísticos sobre o comportamento passado das empresas que lhe permitirá justificar uma eventual restrição do crédito em caso de necessidade. Do lado oposto, apresenta-se a estrutura hierárquica (2) onde o banco tem capacidade de proceder a auditorias sobre a empresa. A estrutura do financiamento é marcada pela dependência da empresa ao banco no que concerne aos empréstimos a efectuar. Diversificando os serviços oferecidos, o banco pode seguir de perto a actividade da empresa. Os intermediários financeiros ocupam a parte central do sistema. Uma empresa mantem 4

3 um relacionamento privilegiado de longo prazo com um banco (princípio de autoridade). Na troca desta relação privilegiada, o banco obtem o direito de interferência na gerência da empresa. Os bancos, neste caso, tomam em mãos a gestão de sectores importantes das empresas que controlam e podem supervisionar e recolher a informação sobre a empresa, quer como emprestadores quer como accionistas. A troca de informação entre eles é muito forte. Finalmente, a estrutura de quasiintegração (3) corresponde às relações usuais dos clientes com os bancos. Esta estrutura é uma combinação dos dois outros princípios, particularmente quanto à necessidade de criar incentivos por um lado e fornecer atitudes de confiança por outro. Para a empresa, a importância desta estrutura é justificada pela durabilidade da relação. Consequentemente, a relação não é exclusivamente baseada num sistema de preços como na estrutura de mercado ou por um tipo de autoridade administrativa como na estrutura hierárquica. A sustentação deste tipo de relacionamento é que a informação é cara e deve ser partilhada entre os agentes. A informação constitui a base da relação e da sua eficiência potencial. As empresas podem ter um relacionamento com diversos bancos, mas somente um obtém o papel de banco principal. Se a empresa quiser substituir o banco com que privilegiou a relação, esta atitude será considerada um sinal de alarme por parte do banco. 2. O valor da confiança na relação entre bancos e empresas A relação entre os bancos e as empresas registou transformações importantes ao longo dos últimos anos. O desenvolvimento tecnológico facilitou o acesso à informação e contribuiu para o aumento do fluxo de capitais entre os países. Ao mesmo tempo, estes fluxos de capital permitiram acelerar a participação dos bancos nas actividades das empresas. Uma maior facilidade de acesso aos mercados financeiros e a intervenção de investidores estrangeiros nos mercados nacionais contribuiram para aumentar o papel dos bancos na gestão destes movimentos. Em resposta ao crescimento dos mercados financeiros em todo o mundo, os bancos desenvolveram diversos serviços, fornecendo análises e aconselhamento na formação de portfólios, fornecendo produtos bancários novos, gestão de carteiras de investimento, créditos associados a investimentos em bolsa, 5

4 etc. Por outro lado, observou-se uma intensificação da competição bancária, expressa por uma redução das margens financeiras e uma maior diversificação dos instrumentos financeiros, quer ao nível da poupança quer ao nível do crédito às empresas. No conjunto das operações verificadas pela relação entre bancos e empresas, a reputação é observada através de uma atitude de confiança recíproca entre os agentes. As atitudes tomadas pelos agentes fundamentam-se, por sua vez, na credibilidade das acções tomadas. De acordo com Gambetta (1988), a confiança é definida como um nível de probabilidade subjetiva com que um agente avalia a acção produzida ou a produzir por um outro agente, num contexto onde a sua própria acção é também avaliada pelo outro agente. A confiança permite resolver problemas complexos resultantes da relação e reduz, de certa forma o clima de incerteza onde a relação é desenvolvida. A incerteza domina os procedimentos considerados nos contratos porque os mercados são imperfeitos ao nível da informação partilhada pelos agentes. Os contratos encontramse incompletos porque não é possível considerar todos os estados da natureza subjacentes à realização do contrato no momento da negociação. A confiança resulta então da relação estabelecida pelos agentes e é reforçada pela proximidade geográfica dos contratantes. Os bancos que mantêm um relacionamento próximo e de longo prazo com empresas de uma área geográfica próxima são supostos terem um comportamento particular para estas empresas. Todavia, a evolução tecnológica e o acesso à informação terá depreciado a importância da confiança? Como é que a confiança entre os agentes permite suportar o valor da reputação? Por exemplo, se uma empresa enfrentar problemas financeiros temporários, o banco pode adoptar um comportamento egoísta e recusar ajudar a empresa a superar as suas dificuldades. Entretanto, esta atitude vai destruir a confiança e o benefício resultante da relação de longo prazo. De acordo com Allegret e Baudry (1996), uma empresa que não reembolse a sua dívida por dificuldades temporárias pode receber algum apoio do banco. Não entanto, o banco espera que a empresa proceda a esforços na resolução das suas dificuldades. 6

5 3. Quantidade e qualidade da informação fornecidas pelas empresas aos bancos Um outro problema da relação entre bancos e empresas é resultante da quantidade e da qualidade da informação requerida pelos bancos às empresas. Apesar de se encontrar relativamente desenvolvida a rede de informação partilhada entre os agentes económicos, obrigação que se encontra usualmente formalizada no contrato, a informação não é fornecida completamente. Há com efeito assimetrias de informação na relação entre empresas e bancos. De acordo com Diamont (1989), é necessário assegurar a transmissão da informação. Quando a empresa requer um empréstimo, comunica informação ao banco. Todavia, o empréstimo corresponde sempre a um reembolso a efectuar no futuro o que torna difícil garantir completamente a realização do empréstimo a priori. Se o problema não ficar resolvido a posteriori, o banco pode enfrentar uma situação de risco moral e a probabilidade do não-reembolso pode ficar aumentada. Por outro lado, com a informação obtida, o banco obtém uma vantagem que lhe permitirá analisar condições de empréstimos futuros. A qualidade da informação transmitida pela empresa apresenta-se assim fundamental. Por isso, a informação é normalmente formalizada por um acréscimo de garantias exigidas à empresa e pela comprovação de auditorias a efectuar regulamente às contas da empresa. 4. Qualidade do crédito Alguns dos problemas enfrentados pelos bancos encontram-se relacionados com o financiamento de projectos de risco elevado. Jordi (1997) classifica as razões das dificuldades atravessadas pelos bancos em dois grupos: razões cíclicas (recessão económica, empréstimos elevados concedidos a alguns clientes) e razões estruturais (desintermediação financeira, globalização dos mercados, inovação financeira, etc.). A análise de risco do crédito e o controle do crédito concedido pelos bancos apresentam-se vitais para a actividade bancária. Apesar da supervisão dos bancos, observa-se que o crédito que os bancos possuem em carteira contêm empréstimos de risco demasiadamente elevado. A competição parece ter levado os bancos 7

6 a tomarem comportamentos mais agressivos, o que poderá ter provocado acréscimos de risco nas suas carteiras de crédito. Por outro lado, a existência de assimetrias de informação tem levado igualmente os bancos a suportar custos acrescidos para superar esta dificuldade. Existem estratégias por parte das empresas para esconder a informação gerada na sua actividade, podendo a empresa dissimular uma posição de lucro se houver maiores vantagens em esconder essa informação do que fornece-la. A perda de reputação poderá estar relacionada com o anúncio de um mau resultado o que pode conduzir a um a uma taxa de juro acrescida no período seguinte. Diversos estudos analisam as condições de um contrato óptimo. Eber (1996) analisa as condições de um contrato óptimo no relacionamento de longo prazo com a empresa. Mojon (1996) privilegia o contrato óptimo no momento em que o crédito é solicitado, através da taxa de juro negociada com o banco. Stiglitz e Weiss (1981) analisam o contrato óptimo de acordo com a existência de colaterais. Diamont (1991) baseia a sua análise na capacidade de observação sobre a actividade da empresa. Pollin e Vaubourg (1996) fundamentam a sua análise em contratos repetidos, que são efectuados entre a empresa e o banco. Estudos empíricos mostram que há uma proporção óptima para o crédito duvidoso que não deve exceder 3 % do crédito total (Sousa, M (1992)). O crédito duvidoso não pode ser totalmente eliminado porque uma análise completa do risco implica custos elevados. Entretanto, não devem os bancos especializados em operações de risco, aceitar uma proporção mais elevada de crédito duvidoso? Bancos especializados têm uma menor capacidade de diversificação da sua carteira de clientes e, consequentemente, essa situação pode fazer aumentar o risco não sistémico. No mercado, encontam-se clientes com um perfil de risco muito baixo, com um perfil de risco médio e com um perfil de risco elevado. Os bancos conhecem somente uma estimativa da proporção de empresas em cada grupo. O primeiro grupo, se reconhecido ex-ante, não necessitará provavelmente de uma monitorização elevada. O terceiro grupo, por outro lado, não tem nada a perder a posteriori com a revelação da sua situação. Deste modo, a monitorização apresenta-se talvez mais eficaz no segundo grupo de empresas. A existência de crédito duvidoso em todos os 8

7 grupos do risco pode ocorrer porque os bancos não sabem ex-ante em que grupo a empresa deve ser classificada. Por outro lado, será que os bancos ganham em atenuar a monitorização das empresas para poderem ganhar quotas de mercado? Será que a expansão rápida do crédito, ocorrida nos últimos dez anos, provocou uma atenuação dos critérios selectivos de concessão de crédito? 5. Investigação empírica Os bancos utilizam indicadores de ordem quantitativa para avaliar o risco de crédito de uma empresa. Esses indicadores revelam normalmente o desempenho da empresa no período de referência. Indicadores de natureza qualitativa traduzem normalmente a opinião sobre a qualidade da gestão, a capacidade dos gerentes na resolução de problemas da empresa, a riqueza dos accionistas, a formação profissional dos empregados ou mesmo a capacidade da empresa para a inovação tecnológica. Enquanto os indicadores quantitativos traduzem uma situação passada da empresa, os indicadores de ordem qualitativa incluem uma expectativa do banco sobre o sucesso da empresa avaliada para o futuro mais próximo. Com efeito, uma situação boa no passado não garante a realização de projectos bem sucedidos no futuro. Interessa-nos investigar que tipo de bancos utilizam mais os indicadores de natureza qualitativa na análise do risco de crédito. Lançámos um inquérito junto dos bancos localizados em Portugal a fim de compreendermos a importância dos indicadores qualitativos na análise do risco de crédito. Considerámos os critérios de risco de crédito para cada banco e pretendemos compreender a importância da reputação da empresa na percepção do risco de crédito. 5.A. Indicadores quantitativos e indicadores qualitativos na análise do risco de crédito Dividimos os bancos que responderam ao inquérito em três categorias, de acordo com a importância dada aos indicadores qualitativos na análise do risco de crédito: - Grupo 1: Este grupo atribui uma importância bastante elevada aos indicadores 9

8 quantitativos na análise do risco de crédito: Estes bancos atribuem mais de 80% do peso aos indicadores quantitativos e menos de 20% aos indicadores qualitativos. - Grupo 2: Este grupo atribui uma importância relativa aos indicadores quantitativos: Os bancos incluídos neste grupo atribuem um peso situado entre 60% e 80% aos indicadores quantitativos. - Grupo 3: Este grupo dá um privilégio, ainda que relativo aos indicadores qualitativos na análise do risco de crédito : Os bancos incluídos neste grupo atribuem mais de 40% aos indicadores de natureza qualitativa. A distribuição dos bancos pelos três grupos é a seguinte: Quadro 1 Grupos (%) 1º Grupo 22 - Mais de 80% aos indicadores quantitativos 2º grupo Entre 70% e 80% aos indicadores quantitativos - 60 % aos indicadores quantitativos 3 ºgrupo entre 60 e 50% aos indicadores quantitativos 4 - o mesmo peso aos dois tipos de indicadores 11 - menos de 50 % aos indicadores quantitativos 11 10

9 Muito embora a maior parte dos bancos privilegiem os indicadores de natureza quantitativa, encontramo-nos interessados neste estudo em observar as características dos bancos que atribuem maior importância aos indicadores de natureza qualitativa. Pretendemos determinar se os bancos que dão maior peso aos indicadores de natureza qualitativa se diferenciam nos critérios de análise do risco de crédito e, se for este o caso, se há diferenças significativas na importância dada à reputação das empresas. Para tal, consideramos primeiro a percentagem de de cada grupo segundo as caractarísticas institucionais dos bancos: Quadro 2 1º+2º grupos (%) (Q>=60%) 3º grupo (%) (Q<60%) Total Bancos Bancos públicos Bancos privados: universais especializados Bancos estrangeiros universais especializados Q: indicadores de natureza quantitativa Indicadores de natureza quantitativa O indicador de natureza quantitativa mais referenciado é a capacidade de endividamento da empresa, seguindo-se a autonomia financeira da empresa. Entretanto, os seguintes indicadores quantitativos diferenciam mais os bancos quanto à sua utilização : volume das vendas; hipotecas efectuadas; despesas em recursos humanos; solvabilidade da empresa; cash-flow gerado pela empresa. 11

10 Indicadores de natureza qualitativa Os indicadores de natureza qualitativa mais referenciados são, por ordem decrescente de importância: Opinião sobre a gerência da empresa (indicador utilizado por 63% dos bancos que responderam ao questionário), capacidade dos gerentes (muito utilizado por 52% dos bancos), indicadores de opinião relativos a factores de ordem comercial (muito utilizado por 13% dos bancos) e introdução de tecnologias novas na empresa (muito ou várias vezes utilizado por 37% dos bancos) Entretanto, os seguintes indicadores de natureza qualitativa parecem diferenciar os bancos: características gerais dos recursos humanos da empresa (muito utilizado por 7% dos bancos mas nunca utilizado por 37% dos bancos); o relacionamento próximo entre o gerente da empresa e o banco (muito utilizado por 37% dos bancos e nunca ou pouco utilizado por 19%). Detalhando os indicadores de natureza qualitativa mais utilizados: Indicadores de gestão O indicador mais utilizado revela ser a experiência da empresa para honrar os seus compromissos. Do lado oposto, o indicador menos utilizado parece ser a alternativa de utilização de dividendos no re-investimento da empresa ou na sua distribuição pelos accionistas (48% dos bancos responderam que o indicador é muito utilizado contra 26% que o referem como pouco ou nunca utilizado). Capacidade dos gestores: A riqueza dos gestores foi referenciada por 77% dos bancos como " sempre " ou " diversas vezes " utilizados e apenas 7% indicam " nunca " ou " pouco " utilizado. Do lado oposto, o indicador menos referenciado é o nível de formação escolar dos gestores : 26% dos bancos utilizam este indicador " diversas vezes" mas 19% indicam nunca o considerar na avaliação de risco; 55% dos bancos utilizam moderadamente este indicador. 12

11 Opinião sobre características económicas e financeiras da empresa Todos os indicadores propostos foram referenciados. Os bancos diferenciam-se somente entre a indicação de ser muito utilizado ou apenas, diversas vezes utilizado: Assim, o indicador mais referenciado é o registo histórico de crédito duvidoso: 37% dos bancos indicam que utilizam sempre este indicador e 52% referem a sua utilização por " diversas vezes ". O facto de uma empresa pertencer a um grupo económico é importante para 88% dos bancos. A quota de mercado da empresa é muito utilizado por 19% dos bancos e 67% referenciam que utilizam este indicador por diversas vezes". Finalmente, sinais de dependência da empresa aos fornecedores é indicado por 19% dos bancos como " sempre utilizado "e 70% como " diversas vezes " utilizado. Inovação tecnológica A introdução de novos equipamentos e as condições físicas da empresa são os indicadores mais referenciados deste grupo. O primeiro é muito utilizado ou diversas vezes utilizado por 48% dos bancos contra 11% que indicam " nunca " ou " poucas vezes " utilizado. O segundo indicador é muito ou diversas vezes utilizado por 26% contra 15% como " pouco " ou " poucas vezes " utilizado. O indicador menos referenciado é o esforço de investigação, o qual é referenciado por 52% dos bancos como " muito " ou " diversas vezes " utilizado contra 48% que indicaram " pouco " ou " poucas vezes " utilizado. Salários e força de trabalho Os indicadores de recursos humanos parecem ser pouco utilizados na avaliação do risco de crédito. No entanto, dentro deste grupo o indicador mais referenciado é o facto da empresa ter salários em atraso, o qual é indicado por 60% dos bancos contra 11% que o refere como nunca ou poucas vezes utilizado. Se as condições de trabalho têm uma importância relativa na avaliação do risco de crédito, as políticas salariais seguidas pelas empresas não parecem influenciar a determinação do risco da empresa. O primeiro indicador obteve 7% das respostas como " sempre " ou " diversas vezes " utilizado contra 37% que indicaram " pouco " ou " nunca" utilizado. O segundo indicador 13

12 foi indicado como " diversas vezes " utilizado por um único banco contra 67% que o refere como nunca ou " pouco " utilizado. Aspectos humanos Este indicador avalia o relacionamento entre os gestores e os bancos. O indicador mais referido é a opinião do gerente da rede bancária local: Todos os bancos referenciaram esta opinião pessoal como " sempre " ou " diversas vezes " utilizado. Do lado oposto, o relacionamento do gerente de conta com o gestor da empresa não é significativamente referenciado pelos bancos. 14

13 5.B A atitude dos bancos face ao risco e ao crédito duvidoso Nesta secção analisámos os critérios de diferenciação relativamente ao risco das empresas. Parecenos relevante observar se a exigência de garantias e o pedido de informação adicional às empresas se encontra ou não dependente da classificação de risco atribuida à empresa. Será que a reputação da empresa determina a classificação atribuída? Ou será que a atribuição de uma classificação de risco muito baixo ou baixo é condição suficiente para determinar a reputação da empresa? Identificamos as seguintes atitudes dos bancos face às empresas de risco muito baixo ou baixo: Reduzir a supervisão da actividade da empresa, considerando que o problema de risco moral se encontra muito reduzido. Diminuição da taxa de juro aproximando-se esta da taxa de juro considerada para as operações sem risco. Interesse do banco em financiar todos os projetos apresentados por estas empresas, propondo-lhes produtos financeiros e linhas de crédito especiais. Redução das garantias, requeridas nãormalmente para as empresas de risco mais elevado. Identificamos as seguintes atitudes dos bancos face às empresas de risco muito elevado ou elevado: Em caso de risco de falência, os bancos têm mais interesse em interferir na gestão da empresa Restrição do financiamento da empresa Aumento das garantias O indicador " aumento das garantias " é o mais referenciado para as empresas de risco elevado: 78% dos bancos indicam ter esta atitude " diversas vezes " ou sempre mesmo para as empresas de risco médio. Se a classe de risco aumentar, as respostas passam de " diversas vezes " para " 15

14 sempre ". Somente para as empresas classificadas de risco muito baixo é que a redução das garantias se encontra mais generalizada. Para as empresas de risco baixo, a redução das garantias não é óbvia: 70% dos bancos indicam reduzir as garantias nas empresas de risco muito baixo, mas nas empresas classificadas de risco baixo, essa frequência encontra-se reduzida a 26% dos casos. Quanto à redução da taxa de juro, parece haver uma diferenciação nítida na atitude dos bancos face às empresas de risco muito baixo ou baixo relativamente às empresas de risco muito elevado, elevado ou mesmo de risco médio. A redução da taxa de juro é referenciada por 63% dos bancos nas empresas de risco muito baixo. Esta percentagem diminui até 41% para as empresas de risco baixo. Do lado oposto, nas empresas classificadas de risco médio, o aumento da taxa de juro é indicado por 41% dos bancos contra 44% que indicaram que o aumento se encontra dependente de outros factores. A restrição do crédito às empresas de risco mais elevado é considerada pela maioria dos bancos: 67% dos bancos indicaram " sempre " relativamente às empresas classificadas de risco muito elevado. Quando o nível do risco aumenta, as possibilidades de racionar o crédito aumentam também: 22% dos bancos consideraram mesmo a possibilidade de racionar o crédito relativamente às empresas de risco médio e 59% dos bancos indicaram que racionar o crédito se encontra dependente de outros factores. Parece-nos óbvio o interesse de financiamento às empresas classificadas de risco muito baixo contra a vontade de reduzir o financiamento às empresas de risco mais elevado. Entretanto, para 59% dos bancos o interesse de financiamento às empresas de risco baixo encontra-se dependente de outros factores. Esta situação mostra a forte precaução dos bancos no financiamento às empresas. Para as empresas de risco elevado parece-nos evidente o desinteresse de financiamento. No entanto, para as empresas de risco médio, parece-nos haver já uma vontade nítida de redução do financiamento : 81% dos bancos indicam uma " redução do financiamento para esta classe de risco; 59% indicam " diversas vezes " e 22% " sempre". Observámos igualmente a relação entre o risco e a necessidade de supervisão da empresa. Reduzir a 16

15 supervisão das empresas classificadas de risco baixo não reuniu uma resposta generalizada: Quase metade das respostas mostram que os bancos não atenuam a supervisão das empresas classificadas de risco muito baixo. Para as empresas do risco baixo, essa percentagem sobe para 56% dos bancos Finalmente, observámos a vontade dos bancos interferirem na gestão das empresas em caso de risco de falência. Ao contrário da intenção de supervisão, a vontade de interferência na gestão das empresas não é seguida pela maioria dos bancos. Relativamente às empresas de risco elevado, encontramos 15% das respostas que mostram intenção de interferência na gestão da empresa contra 30% que responderam " nunca " e 41% que indicaram que a intenção de interferir se encontra dependente de outros factores. Para as empresas de risco muito elevado, a percentagem de intenção de interferência sobe até 37% das respostas. Analisámos seguidamente a diferenciação de atitudes entre os bancos com características universais das dos bancos especializados. Os bancos de características universais parecem recorrer mais aos colaterais como instrumento de distinção do risco entre as empresas. Os bancos universais apostam mais em reduzirem o nível de garantias nas empresas classificadas de risco muito baixo ou baixo e exigirem garantias complementares às empresas de risco muito elevado, elevado ou médio. Ao contrário, os bancos de investimento apostam mais na utilização de "prémios" de risco para distinguir as empresas quanto ao risco, racionando mesmo o crédito às empresas de risco elevado: 17

16 Quadro 3 Bancos universais e bancos de investimento - distribuição em percentagem por atitudes tomadas face ao risco: Empresas de risco muito baixo ou baixo Nível de risco Comportamento do banco Muito baixo baixo NR NR Nenhuma monitorização - banco universal banco de investimento Prémio de risco. (-) - banco universal banco de investimento Financiamento da empresa - banco universal banco de investimento Garantias (-) - banco universal banco de investimento Atitudes: 1-nunca utilizado; 2-não utilizado; 3- utilizaram; 4-muito utilizado 5-sempre utilizado NR: nenhuma resposta 18

17 Quadro 4 Bancos universais e bancos de investimento- distribuição em percentagem por atitudes tomadas face ao risco: Empresas do risco muito elevado e elevado Nível de risco Comportamento do banco Elevado Muito elevado NR NR Reduzir o financiamento - banco universal banco de investimento Garantias (+) - banco universal banco de investimento Racionar o crédito - banco universal banco de investimento interferir na gerência da empresa. - banco universal banco de investimento Atitudes: 1-nunca utilizado; 2-não utilizado; 3- utilizaram;4-muito utilizado 5-sempre utilizado NR: nenhuma resposta Comparando o peso dado aos indicadores quantitativos e qualitativos, os bancos que atribuem maior importância aos indicadores quantitativos parecem encontrar-se mais interessados em requerer às empresas de risco elevado mais garantias ou mesmo racionar o crédito a este grupo de empresas. Do lado oposto, são os bancos que atribuem maior ponderação aos indicadores " qualitativos " os mais interessados em reduzir o prémio de risco ou aumentar sua participação em empresas de mais baixo risco: 19

18 Quadro 5 Bancos que ponderam fortemente os indicadores " quantitativos " (quantitativos > 80%) versus bancos que ponderam relativamente pouco os indicadores quantitativos (quantitativos < 60%) - distribuição em percentagem por atitudes tomadas face ao risco: Empresas de risco muito baixo ou baixo Nível do risco Comportamento do banco Muito baixo baixo Nenhuma monitorização - quantitativos>80% quantitativos<60% Prémio de risco. (+ou -) - quantitativos>80% quantitativos<60% Financiamento da empresa quantitativos>80% quantitativos<60% Garantias (+ ou-) - quantitativos>80% quantitativos<60% Atitudes: 1-nunca utilizado; 2-não utilizado; 3- utilizaram;4-muito utilizado; 5-sempre utilizado 20

19 Quadro 6 Bancos que ponderam fortemente os indicadores " quantitativos " (quantitativos > 80%) versus bancos que ponderam relativamente pouco os indicadores quantitativos (quantitativos < 60%) - distribuição em percentagem por atitudes tomadas face ao risco: Empresas do risco muito elevado e elevado Nível do risco Comportamento do banco Elevado Muito altamente Reduzir o financiamento - quantitativos>80% quantitativos<60% Garantias (+) - quantitativos>80% quantitativos<60% Racionar o crédito - quantitativos>80% quantitativos<60% interferir na gerência da empresa. - quantitativos>80% quantitativos<60% Atitudes: 1-nunca utilizado; 2-não utilizado; 3- utilizaram;4-muito utilizado 5-sempre utilizado A atitude dos bancos ao enfrentar o crédito duvidoso pode ser observada pelas seguintes três acções principais: (1) Atitude extrema: processo no tribunal (2) Atitude de precaução : avaliando os recursos da empresa, reforçando os contactos com os gestores ou mesmo reforçar os contactos com outros bancos. (3) Atitude de participação directa na gestão da empresa: na reorganização da empresa, na renegociação da dívida ou na transformação da dívida em accões da empresa. A atitude mais generalizada face ao crédito duvidoso situa-se na renegociação do empréstimo. 21

20 Dentro da atitude de precaução, a atitude mais seguida parece ser a da reavaliação dos recursos da empresa. Por outro lado, a atitude menos utilizada parece ser a transformação da dívida em accões da empresa. Quadro 7 Comportamento dos bancos perante o crédito duvidoso: Bancos universais versus bancos de investimento- distribuição em percentagem por atitudes tomadas face ao risco: Bancos Comportamento do banco Bancos Comportamento do banco U- Universal Investimento U- Universal Investimento A.Solução judicial 1 E. Participar na 1 2 8,3 reorganização da empresa NR NR B. Reavaliação de activos F. Renegociação do 1 2 débito NR NR C. Reforçar os contactos com 1 G. Transformação da os gestores dívida em accões NR NR D. Reforçar os contactos com 1 outros bancos NR Atitudes: 1-nunca utilizado; 2-não utilizado; 3- utilizaram;4-muito utilizado; 5-sempre utilizado NR: nenhuma resposta 22

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO CVGARANTE SOCIEDADE DE GARANTIA MÚTUA PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO 14 de Outubro de 2010 O que é a Garantia Mútua? É um sistema privado e de cariz mutualista de apoio às empresas,

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

Assim, torna-se crucial a utilização de metodologias de avaliação do risco de crédito cada vez mais precisas.

Assim, torna-se crucial a utilização de metodologias de avaliação do risco de crédito cada vez mais precisas. OBJECTIVO O risco de crédito está presente no quotidiano de qualquer empresa, sendo hoje reconhecido, por uma grande parte das organizações, como uma das suas principais preocupações. Também nas empresas

Leia mais

A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1

A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1 A Dívida Paga-se Sempre Teodora Cardoso A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1 Teodora Cardoso As Duas Faces da Dívida Usada com moderação e sentido do risco, a dívida é um factor de desenvolvimento e promove o bem-estar.

Leia mais

Manual da Garantia Mútua

Manual da Garantia Mútua Março de 2007 Manual da Garantia Mútua O que é a Garantia Mútua? É um sistema privado e de cariz mutualista de apoio às pequenas, médias e micro empresas (PME), que se traduz fundamentalmente na prestação

Leia mais

NºAULAS PONTO PROGRAMA Cap. 35 1 1 INTRODUÇÃO 1

NºAULAS PONTO PROGRAMA Cap. 35 1 1 INTRODUÇÃO 1 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA CURSO de ECONOMIA 2004-2005 NºAULAS PONTO PROGRAMA Cap. 35 1 1 INTRODUÇÃO 1 Porquê estudar mercados financeiros? Porquê estudar os bancos e as outras instituições financeiras?

Leia mais

Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Sines

Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Sines Programa FINICIA Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Sines Anexo I ao protocolo financeiro e de cooperação Normas e Condições de Acesso Artigo 1º. (Objectivo) Pretende-se colocar

Leia mais

DIRECTIVA RELATIVA À CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS HIPOTECÁRIOS PARA AQUISIÇÃO DE HABITAÇÃO

DIRECTIVA RELATIVA À CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS HIPOTECÁRIOS PARA AQUISIÇÃO DE HABITAÇÃO N. o 035/B/2010-DBS/AMCM Data: 05/10/2010 DIRECTIVA RELATIVA À CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS HIPOTECÁRIOS PARA AQUISIÇÃO DE HABITAÇÃO A Autoridade Monetária de Macau (AMCM), no exercício das competências que

Leia mais

Política Global de Conflitos de Interesses

Política Global de Conflitos de Interesses Política Global de Conflitos de Interesses Índice 1. DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS... 3 2. INTRODUÇÃO... 3 3. OBJECTIVO... 3 4. ALCANCE... 4 5. REGRAS E REGULAMENTAÇÕES... 5 6. ORIENTAÇÃO GERAL... 6 7. EXEMPLOS

Leia mais

Módulo de Formação 4. para os mercados intermédios e avançados em CDE

Módulo de Formação 4. para os mercados intermédios e avançados em CDE Módulo de Formação 4. para os mercados intermédios e avançados em CDE Financiamento do CDE Projeto Transparense VISÃO GLOBAL SOBRE OS MÓDULOS DE FORMAÇÃO I. Introdução ao CDE II. Processo do CDE da Identificação

Leia mais

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS NOVEMBRO DE 2007 CMVM A 1 de Novembro de 2007 o

Leia mais

PORTUGAL 2020: FINANCIAMENTO ATRAVÉS

PORTUGAL 2020: FINANCIAMENTO ATRAVÉS 25 de maio de 2015 PORTUGAL 2020: FINANCIAMENTO ATRAVÉS ATRAVÉ DO RECURSO AOS FUNDOS FUNDO EUROPEUS ESTRUTURAIS IS E DE INVESTIMENTO O estímulo ao tecido empresarial trazido pelo programa Portugal 2020

Leia mais

ESTRUTURA DE FINANCIAMENTO UMA PANORÂMICA GERAL DAS ALTERNATIVAS DE FINANCIAMENTO

ESTRUTURA DE FINANCIAMENTO UMA PANORÂMICA GERAL DAS ALTERNATIVAS DE FINANCIAMENTO AF- 1 ESTRUTURA DE FINANCIAMENTO UMA PANORÂMICA GERAL DAS ALTERNATIVAS DE FINANCIAMENTO 1. TIPOS DE FINANCIAMENTO AF- 2 Introdução: Capital alheio Capital Próprio Títulos Híbridos Diferenças CA/CP: Tipo

Leia mais

Parte V Financiamento do Desenvolvimento

Parte V Financiamento do Desenvolvimento Parte V Financiamento do Desenvolvimento CAPÍTULO 9. O PAPEL DOS BANCOS PÚBLICOS CAPÍTULO 10. REFORMAS FINANCEIRAS PARA APOIAR O DESENVOLVIMENTO. Questão central: Quais as dificuldades do financiamento

Leia mais

V JORNADAS DE CONTABILIDADE

V JORNADAS DE CONTABILIDADE V JORNADAS DE CONTABILIDADE Título da Comunicação: 1 AS RELAÇÕES ACCIONISTAS-GESTORES SEGUNDO OS TIPOS DE ORGANIZAÇÃO Autora: MARIA HÉLDER MARTINS COELHO (Mestre em Economia (FEP); Professora do ISCAP)

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 310 ÍNDICE

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 310 ÍNDICE Directriz de Revisão/Auditoria 310 CONHECIMENTO DO NEGÓCIO Outubro de 1999 ÍNDICE Parágrafos Introdução 1-7 Obtenção do Conhecimento 8-13 Uso do Conhecimento 14-18 Apêndice Matérias a Considerar no Conhecimento

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

Serviços Financeiros. Créditos Incobráveis. Recuperação do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) Outubro de 2009

Serviços Financeiros. Créditos Incobráveis. Recuperação do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) Outubro de 2009 Serviços Financeiros Créditos Incobráveis Recuperação do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) Outubro de 2009 Sabia que 25% das falências são resultado de créditos incobráveis? Intrum Justitia Os créditos

Leia mais

Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas. Algumas Medidas de Política Orçamental

Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas. Algumas Medidas de Política Orçamental Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas Algumas Medidas de Política Orçamental CENÁRIO O ano de 2015 marca um novo ciclo de crescimento económico para Portugal e a Europa. Ante tal cenário,

Leia mais

GLOSSÁRIO. Auditoria Geral do Mercado de Valores Mobiliários 39

GLOSSÁRIO. Auditoria Geral do Mercado de Valores Mobiliários 39 GLOSSÁRIO Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos. Assembleia geral: órgão das sociedades anónimas em que

Leia mais

O Cluster Financeiro

O Cluster Financeiro O Cluster Financeiro Um sector financeiro promotor do crescimento Manuel Lima Bolsa de Valores de Cabo Verde 15 de Maio de 2013 WS 2.4 O Cluster Financeiro Índice Breves notas O que assinalam os números

Leia mais

A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA

A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA DE QUE FORMA OS GESTORES DE VENDAS ADICIONAM VALOR À SUA ORGANIZAÇÃO? Desenvolver Gestores de Vendas eficazes tem sido uma das grandes preocupações

Leia mais

Painel da Indústria Financeira - PIF

Painel da Indústria Financeira - PIF Painel da Indústria Financeira - PIF Agenda Desintermediação Bancária nas Operações de Créditos Relacionamento com Instituições não Bancárias As Razões de Uso do Sistema Financeiro, segundo as Empresas:

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009

C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009 C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009 Comunicação da Comissão Critérios para a análise da compatibilidade dos auxílios estatais a favor de trabalhadores desfavorecidos e com deficiência sujeitos

Leia mais

PRÉMIOS MORNINGSTAR DIÁRIO ECONÓMICO 2012 OBJETIVO

PRÉMIOS MORNINGSTAR DIÁRIO ECONÓMICO 2012 OBJETIVO PRÉMIOS MORNINGSTAR DIÁRIO ECONÓMICO 2012 OBJETIVO O objectivo dos Prémios Morningstar consiste em seleccionar os fundos e gestoras que mais valor proporcionaram aos participantes neste tipo de fundos,

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro

Leia mais

Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Serpa

Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Serpa Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Serpa Anexo I ao protocolo financeiro e de cooperação Normas e Condições de Acesso Artigo 1º. (Objectivo) Pretende-se colocar à disposição das

Leia mais

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A.

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. Empresa especializada na concepção, instalação e manutenção de equipamentos para a indústria hoteleira, restauração e similares. Primeira empresa do sector a nível

Leia mais

OS PLANOS POUPANÇA-REFORMA

OS PLANOS POUPANÇA-REFORMA 7 OS PLANOS POUPANÇA-REFORMA 7 OS PLANOS POUPANÇA-REFORMA As alterações no sistema de Segurança Social, bem como a importância da manutenção do nível de vida após a idade de aposentação, têm reforçado

Leia mais

Financiamento e Apoio às Micro e Pequenas Empresas

Financiamento e Apoio às Micro e Pequenas Empresas Financiamento e Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho da Nazaré no âmbito do Programa FINICIA Anexo I ao protocolo financeiro e de cooperação Normas e Condições de Acesso Artigo 1º. (Objectivo)

Leia mais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Exmo Senhor Presidente da Associação Angolana de Bancos Sr. Amílcar Silva Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Estimados Bancários Minhas Senhoras

Leia mais

Acções. Amortização. Autofinanciamento. Bens

Acções. Amortização. Autofinanciamento. Bens Palavra Acções Significado Títulos que representam uma parte ou fracção de uma sociedade anónima e que dão ao seu proprietário o direito à parcela correspondente de votos, lucros líquidos e activos da

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO 1 Sumário: Conceito e Objectivos Estrutura do PN o Apresentação da Empresa o Análise do Produto / Serviço o Análise de Mercado o Estratégia de Marketing o

Leia mais

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009 IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões Lisboa, 15 de Abril de 2009 Foi com todo o gosto e enorme interesse que aceitei o convite do Diário Económico para estar presente neste IV Fórum do sector

Leia mais

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ Palma, G. (2002). The Three routes to financial crises In: Eatwell, J; Taylor, L. (orgs.). International Capital Markets: systems in transition. Oxford

Leia mais

Ainda Mais Próximo dos Clientes. Empresas. 10 de Novembro de 2010

Ainda Mais Próximo dos Clientes. Empresas. 10 de Novembro de 2010 Ainda Mais Próximo dos Clientes O acesso ao crédito pelas Empresas 10 de Novembro de 2010 Agenda 1. Introdução 1.1. Basileia II. O que é? 1.2. Consequências para as PME s 2. Análise de Risco 2.1. Avaliação

Leia mais

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial 2 PRIMAVERA BSS Qpoint Rumo à Excelência Empresarial Numa era em que a competitividade entre as organizações é decisiva para o sucesso empresarial, a aposta na qualidade e na melhoria contínua da performance

Leia mais

Iniciar um negócio em Franchising

Iniciar um negócio em Franchising Iniciar um negócio em Franchising Franchising, o que é? Terminologia Vantagens e Desvantagens do Franchisado Vantagens e Desvantagens do Franchisador Dicas para potenciais Franchisados Serviços de apoio

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2 NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 7 Demonstrações de

Leia mais

Apresentam-se, neste documento, os tópicos que se seguem.

Apresentam-se, neste documento, os tópicos que se seguem. Apresentam-se, neste documento, os tópicos que se seguem. O que é o Failure Score? O que prevê o Failure Score? Qual é a disponibilidade do Failure Score? Como é calculado o Failure Score? Qual o desempenho

Leia mais

DE QUE FORMA OS CONHECIMENTOS

DE QUE FORMA OS CONHECIMENTOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE QUE FORMA OS CONHECIMENTOS E A EXPERIÊNCIA DOS INVESTIDORES DETERMINAM O MODO COMO SÃO TRATADOS PELOS INTERMEDIÁRIOS

Leia mais

A Concepção da Ideia

A Concepção da Ideia A Concepção da Ideia Inov@emprego - Fórum do emprego, formação e empreendedorismo do litoral alentejano Tiago Santos Sines, 7 de Novembro de 2008 Sines Tecnopolo O Sines Tecnopolo é uma associação de direito

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

IRENA PROJECT NAVIGATOR WORKSHOP. Praia, 11 de Setembro de 2014

IRENA PROJECT NAVIGATOR WORKSHOP. Praia, 11 de Setembro de 2014 IRENA PROJECT NAVIGATOR WORKSHOP Praia, 11 de Setembro de 2014 I - BREVE APRESENTAÇÃO A CAIXA foi criada em 18 de Maio de 1928 com a designação de Caixa Económica Postal, integrada no então Serviço de

Leia mais

Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R

Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R AVALIAÇÃO DOS TERRENOS E EDIFÍCIOS DAS EMPRESAS DE SEGUROS E DOS FUNDOS DE PENSÕES Considerando que, de acordo com a regulamentação

Leia mais

B. Qualidade de Crédito dos Investimentos das Empresas de Seguros e dos Fundos de Pensões. 1. Introdução. 2. Âmbito

B. Qualidade de Crédito dos Investimentos das Empresas de Seguros e dos Fundos de Pensões. 1. Introdução. 2. Âmbito B. Qualidade de Crédito dos Investimentos das Empresas de Seguros e dos Fundos de Pensões 1. Introdução A mensuração, mitigação e controlo do nível de risco assumido pelos investidores institucionais (e

Leia mais

2º CONGRESSO DA CIP E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS

2º CONGRESSO DA CIP E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS 2º CONGRESSO DA CIP E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS 4º PAINEL: AS NOVAS FORMAS DE FINANCIAMENTO DA ECONOMIA - CONCLUSÕES - A CIP reconhece que a nossa economia atingiu um nível de alavancagem excessivo que

Leia mais

IMIGRANTES E SERVIÇOS FINANCEIROS QUESTIONÁRIO. N questionário. Cidade em que habita:. Sexo: M F Idade:

IMIGRANTES E SERVIÇOS FINANCEIROS QUESTIONÁRIO. N questionário. Cidade em que habita:. Sexo: M F Idade: IMIGRANTES E SERVIÇOS FINANCEIROS QUESTIONÁRIO N questionário Cidade em que habita:. Sexo: M F Idade: Grau de Ensino: 1. Nenhum 2. Escola primária ou ciclo preparatório 3. Escola Secundária/qualificações

Leia mais

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel.

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. Projecto A Oficina+ ANECRA é uma iniciativa criada em 1996, no âmbito da Padronização de Oficinas ANECRA. Este projecto visa reconhecer a qualidade

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05.REV1/POFC/2009

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05.REV1/POFC/2009 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05.REV1/POFC/2009 PROCEDIMENTOS DE ENCERRAMENTO DE PROJECTOS 1. ENQUADRAMENTO No âmbito do acompanhamento dos projectos apoiados pelo POFC, importa estabelecer o conjunto de procedimentos

Leia mais

PROGRAMA IMPULSO JOVEM

PROGRAMA IMPULSO JOVEM PROGRAMA IMPULSO JOVEM (O PROGRAMA IMPULSO JOVEM APRESENTA UM CONJUNTO DE MEDIDAS DE INCENTIVO À CRIAÇÃO DE EMPREGO JOVEM, UM DOS PRINCIPAIS DESAFIOS COM QUE PORTUGAL SE CONFRONTA ATUALMENTE.) 1. PASSAPORTE

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2009. Resultados para Portugal

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2009. Resultados para Portugal INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Janeiro de 2009 Resultados para Portugal I. Apreciação Geral De acordo com os resultados do inquérito realizado em Janeiro de 2009, os cinco grupos bancários

Leia mais

Fundo Caixa Crescimento. Junho de 2015

Fundo Caixa Crescimento. Junho de 2015 Fundo Caixa Crescimento Junho de 2015 O que é o Capital de Risco Modalidades O Capital de Risco constitui uma forma de financiamento de longo prazo das empresas, realizado por investidores financeiros

Leia mais

Inquérito ao Crédito. Relatório

Inquérito ao Crédito. Relatório Inquérito ao Crédito Relatório Março 2012 Destaques O crédito bancário é a fonte de financiamento mais significativa referida por cerca de 70% das empresas. O financiamento pelos sócios ou accionistas

Leia mais

Reforma da Segurança Social Prioridade Estratégica Nacional

Reforma da Segurança Social Prioridade Estratégica Nacional INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL Reforma da Segurança Social Prioridade Estratégica Nacional - A ligação entre os Fundos de Pensões e o 1 Os Fundos de Pensões em Portugal Início em 1987 Fundos de Pensões

Leia mais

Introdução. Procura, oferta e intervenção. Cuidados continuados - uma visão económica

Introdução. Procura, oferta e intervenção. Cuidados continuados - uma visão económica Cuidados continuados - uma visão económica Pedro Pita Barros Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa Introdução Área geralmente menos considerada que cuidados primários e cuidados diferenciados

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro semestre de 20, foi a subida das taxas do

Leia mais

contribuir para ocultar a descida real do poder de compra dos salários e das pensões de reforma em Portugal contribui para que continue.

contribuir para ocultar a descida real do poder de compra dos salários e das pensões de reforma em Portugal contribui para que continue. RESUMO A actual crise financeira, que começou nos EUA, um país apresentado durante muito tempo pelo pensamento económico neoliberal dominante em Portugal, nomeadamente a nível dos media, como exemplo a

Leia mais

O princípio da afirmação da sociedade civil.

O princípio da afirmação da sociedade civil. Dois dos Valores do PSD O Princípio do Estado de Direito, respeitante da eminente dignidade da pessoa humana - fundamento de toda a ordem jurídica baseado na nossa convicção de que o Estado deve estar

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A.

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A. Universidade Federal do Pará Centro: Sócio Econômico Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Análise de Demonstrativos Contábeis II Professor: Héber Lavor Moreira Aluno: Roberto Lima Matrícula:05010001601

Leia mais

Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos.

Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos. GLOSSÁRIO Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos. Assembleia geral: órgão das sociedades anónimas em que

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto *

Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto * Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto * Nos termos da Resolução do Conselho de Ministros n.º 103/2002, de 26 de Julho, que aprovou o Programa para a Produtividade e o Crescimento da Economia, foi delineado

Leia mais

POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS

POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS 1 INDICE POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS... 1 INDICE... 2 1. Responsabilidade Legal e Social... 3 2. Processo de Contratação de Terceiros... 4 3. Categorias de

Leia mais

OS FUNDOS DE INVESTIMENTO

OS FUNDOS DE INVESTIMENTO OS FUNDOS DE INVESTIMENTO CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012 1 Os Fundos de Investimento O que é um Fundo de investimento? Um fundo de investimento é um instrumento financeiro

Leia mais

Condicionantes do Desenvolvimento Sustentável numa União Monetária

Condicionantes do Desenvolvimento Sustentável numa União Monetária Condicionantes do Desenvolvimento Sustentável numa União Monetária Carlos da Silva Costa Governador XXIV Encontro de Lisboa entre os Bancos Centrais dos Países de Língua Portuguesa Banco de Portugal, 6

Leia mais

01 _ Enquadramento macroeconómico

01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico O agravamento da crise do crédito hipotecário subprime transformou-se numa crise generalizada de confiança com repercursões nos mercados

Leia mais

Financiamento. Financiamento

Financiamento. Financiamento É preciso ter em conta o valor de: Imobilizações corpóreas Imobilizações incorpóreas Juros durante a fase de investimento Capital circulante permanente 1 O capital circulante tem que financiar o ciclo

Leia mais

Código de Conduta Voluntário

Código de Conduta Voluntário O Banif, SA, ao formalizar a sua adesão ao Código de Conduta Voluntário do crédito à habitação, no âmbito da Federação Hipotecária Europeia, e de acordo com as recomendações da Comissão Europeia e do Banco

Leia mais

Objectivo. Ephi-ciência Financeira Tópicos Avançados sobre Opções -III. Definição e Carcterização de Opções Tipos de Opções Princípios de Avaliação

Objectivo. Ephi-ciência Financeira Tópicos Avançados sobre Opções -III. Definição e Carcterização de Opções Tipos de Opções Princípios de Avaliação Tópicos Avançados sobre Opções -III Objectivo Definição e Carcterização de Opções Tipos de Opções Princípios de Avaliação João Cantiga Esteves Senior Partner 1 ACTIVOS FINANCEIROS DERIVADOS MODELO BLACK-SCHOLES

Leia mais

Guia dos Emitentes. Departamento de Supervisão de Emitentes e Auditoria. Data: 17/12/2015

Guia dos Emitentes. Departamento de Supervisão de Emitentes e Auditoria. Data: 17/12/2015 Guia dos Emitentes Departamento de Supervisão de Emitentes e Auditoria Data: 17/12/2015 Agenda Objectivos do Guia dos Emitentes Admissão de Valores Mobiliários nos Mercados Regulamentados Alternativas

Leia mais

Indicadores de desempenho em bibliotecas: a NP ISO 11620

Indicadores de desempenho em bibliotecas: a NP ISO 11620 Indicadores de desempenho em bibliotecas: a NP ISO 11620 Rosa Maria Galvão rgalvao@bn.pt Aurora Machado amachado@bn.pt ... a avaliação [ ], apresenta-se de muitos modos e busca cumprir distintas finalidades.

Leia mais

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações NP ISO 10001:2008 Gestão da qualidade. Satisfação do cliente. Linhas de orientação relativas aos códigos de conduta das organizações CT 80 2008 NP ISO 10002:2007 Gestão da qualidade. Satisfação dos clientes.

Leia mais

SÍNTESE a SÍNTESE. Janet Murdock NOVEMBRO 2009. Understanding conflict. Building peace.

SÍNTESE a SÍNTESE. Janet Murdock NOVEMBRO 2009. Understanding conflict. Building peace. SÍNTESE a Governação de Recursos Naturais em São Tomé e Príncipe: Um Estudo de Caso sobre a Supervisão e Transparência das Receitas Petrolíferas SÍNTESE Janet Murdock NOVEMBRO 2009 Understanding conflict.

Leia mais

Princípios ABC do Grupo Wolfsberg Perguntas Frequentes Relativas a Intermediários e Procuradores/Autorizados no Contexto da Banca Privada

Princípios ABC do Grupo Wolfsberg Perguntas Frequentes Relativas a Intermediários e Procuradores/Autorizados no Contexto da Banca Privada Princípios ABC do Grupo Wolfsberg Perguntas Frequentes Relativas a Intermediários e Procuradores/Autorizados no Contexto da Banca Privada Por vezes surgem perguntas relativas a Intermediários Promotores

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO 1 A avaliação de desempenho é uma apreciação sistemática do desempenho dos trabalhadores nos respectivos cargos e áreas de actuação e do seu potencial de desenvolvimento (Chiavenato).

Leia mais

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros Esta é uma versão post print de Cândido, Carlos J. F. (2004) Hotelaria: Gestores Portugueses vs. Estrangeiros, Gestão Pura, Ano II, N.º 7, Abril/Maio, 80-83. Recursos Humanos Hotelaria: gestores portugueses

Leia mais

Estratégia Empresarial. Capítulo 6 Integração Vertical. João Pedro Couto

Estratégia Empresarial. Capítulo 6 Integração Vertical. João Pedro Couto Estratégia Empresarial Capítulo 6 Integração Vertical João Pedro Couto Natureza da integração vertical A integração vertical consiste na execução de várias funções da cadeia operacional sob a égide de

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 179/IX ALARGA O REGIME DE INCENTIVOS FISCAIS À I&D EMPRESARIAL. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º 179/IX ALARGA O REGIME DE INCENTIVOS FISCAIS À I&D EMPRESARIAL. Exposição de motivos PROJECTO DE LEI N.º 179/IX ALARGA O REGIME DE INCENTIVOS FISCAIS À I&D EMPRESARIAL Exposição de motivos Nos últimos seis anos conseguiu-se um verdadeiro take-off da I&D empresarial reflectido nos resultados

Leia mais

Orientação de Gestão nº 06/POFC/2008

Orientação de Gestão nº 06/POFC/2008 Orientação de Gestão nº 06/POFC/2008 Enquadramento no Sistema de Apoio às Entidades do Sistema Científico e Tecnológico Nacional (SAESCTN) de Projectos de IC&DT em todos os domínios científicos Projectos

Leia mais

União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde

União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde Legislação da União Europeia Legislação nacional Jurisprudência TJUE Diretiva 2011/24 Proposta de Lei 206/XII Direitos e deveres

Leia mais

Circular 05 de Janeiro de 2009 (última actualização 16 de Fevereiro de 2009)

Circular 05 de Janeiro de 2009 (última actualização 16 de Fevereiro de 2009) Circular 05 de Janeiro de 2009 (última actualização 16 de Fevereiro de 2009) Assunto: s às Perguntas Mais Frequentes sobre a Instrução da CMVM n.º 3/2008 - Informação sobre Concessão de Crédito para a

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Resultados para Portugal Outubro de 2015

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Resultados para Portugal Outubro de 2015 INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Resultados para Portugal Outubro de 2015 I. Apreciação Geral De acordo com os resultados obtidos no inquérito realizado em outubro aos cinco grupos bancários

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA. Objectivo. Metodologia de Análise Os rácios Financeiros Qualidade dos Indicadores Sinais de Perigo METODOLOGIA DE ANÁLISE

GESTÃO FINANCEIRA. Objectivo. Metodologia de Análise Os rácios Financeiros Qualidade dos Indicadores Sinais de Perigo METODOLOGIA DE ANÁLISE GESTÃO FINANCEIRA MÓDULO III Objectivo Metodologia de Análise Os rácios Financeiros Qualidade dos Indicadores Sinais de Perigo METODOLOGIA DE ANÁLISE ASPECTOS A NÃO ESQUECER o todo não é igual à soma das

Leia mais

Mercado de Capitais e Investimento de Longo Prazo

Mercado de Capitais e Investimento de Longo Prazo Mercado de Capitais e Investimento de Longo Prazo Alguns Tópicos Essenciais Dia da Formação Financeira 31 de Outubro de 2012 Abel Sequeira Ferreira, Director Executivo Outubro, 31, 2012 Crescimento Económico

Leia mais

SEGURO CAUÇÃO COM A GARANTIA DO ESTADO

SEGURO CAUÇÃO COM A GARANTIA DO ESTADO SEGURO CAUÇÃO COM A GARANTIA DO ESTADO BENEFICIÁRIOS: entidades que em virtude de obrigação legal ou contratual sejam beneficiárias de uma obrigação de caucionar ou de afiançar, em que seja devido, designadamente,

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

Assunto: Consulta Pública nº1/2010. Exmos. Senhores,

Assunto: Consulta Pública nº1/2010. Exmos. Senhores, Assunto: Consulta Pública nº1/2010 Exmos. Senhores, Fundada em 13 de Outubro de 1994 por diversas empresas de Rádio e Televisão e Associações de Imprensa e de Rádio, a Confederação Portuguesa dos Meios

Leia mais

Organização do Mercado de Capitais Português

Organização do Mercado de Capitais Português Instituto Superior de Economia e Gestão Organização do Mercado de Capitais Português Docente: Discentes : Prof. Dra. Raquel Gaspar Inês Santos João Encarnação Raquel Dias Ricardo Andrade Temas a abordar

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Empreendedorismo de Base Tecnológica

Empreendedorismo de Base Tecnológica Instituto Superior Técnico Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores (LEIC) Alameda 2005-2006 1º Semestre Empreendedorismo de Base Tecnológica Rui Baptista http://in3.dem.ist.utl.pt/pp/rbaptista/0506ebt/

Leia mais

Guia prático. Rede Judiciária Europeia em matéria civil e comercial

Guia prático. Rede Judiciária Europeia em matéria civil e comercial Utilização da videoconferência para obtenção de provas em matéria civil e comercial, ao abrigo do Regulamento (CE) n.º 1206/2001 do Conselho, de 28 de Maio de 2001 Guia prático Rede Judiciária Europeia

Leia mais

RELATÓRIO DE RISCO DE CONCENTRAÇÃO DE CRÉDITO

RELATÓRIO DE RISCO DE CONCENTRAÇÃO DE CRÉDITO RELATÓRIO DE RISCO DE CONCENTRAÇÃO DE CRÉDITO 2013 MARÇO DE 2014 2 ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA... 3 1. RISCO DE CONCENTRAÇÃO DE CRÉDITO... 3 2. RISCO DE CONCENTRAÇÃO DE MERCADO... 4 3. CONCENTRAÇÃO DE RISCO

Leia mais

Seminário internacional sobre A supervisão eficiente e o desenvolvimento do mercado de capitais. Discurso de abertura

Seminário internacional sobre A supervisão eficiente e o desenvolvimento do mercado de capitais. Discurso de abertura Seminário internacional sobre A supervisão eficiente e o desenvolvimento do mercado de capitais Discurso de abertura Em representação do Banco de Cabo Verde, apraz-me proceder à abertura deste seminário

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 COMUNICADO Página 1 / 9 RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 09 de Setembro de 2005 (Os valores apresentados neste comunicado reportam-se ao primeiro semestre de 2005, a não ser quando especificado

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

Condicionantes de um crescimento sustentado da economia portuguesa

Condicionantes de um crescimento sustentado da economia portuguesa Condicionantes de um crescimento sustentado da economia portuguesa Carlos da Silva Costa Governador Forum para a Competitividade Hotel Tiara Park, Lisboa, 23 setembro 2014 Condicionantes de um crescimento

Leia mais