MÉTODOS QUALITATIVOS NA ANÁLISE DE RISCO DE CRÉDITO - CONFIANÇA E CREDIBILIDADE NA RELAÇÃO ENTRE BANCOS E EMPRESAS. Carlos Arriaga Costa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MÉTODOS QUALITATIVOS NA ANÁLISE DE RISCO DE CRÉDITO - CONFIANÇA E CREDIBILIDADE NA RELAÇÃO ENTRE BANCOS E EMPRESAS. Carlos Arriaga Costa"

Transcrição

1 MÉTODOS QUALITATIVOS NA ANÁLISE DE RISCO DE CRÉDITO - CONFIANÇA E CREDIBILIDADE NA RELAÇÃO ENTRE BANCOS E EMPRESAS Carlos Arriaga Costa Universidade do Minho Escola de Economia e Gestão Campus de Gualtar Braga Portugal e-correio: Resumo A relação entre bancos e empresas assume uma importância relevante em economia bancária. Podemse observar três estruturas principais nesta relação: relação de mercado, relação hierárquica e relação da quasi-integração. Os bancos avaliam o risco e a qualidade do crédito através de indicadores quantitativos e qualitativos. Os indicadores quantitativos são os mais utilizados pelos bancos mas os indicadores qualitativos começam a ganhar importância na avaliação do risco de crédito. Nesta comunicação analisamos os indicadores quantitativos e qualitativos mais utilizados no sistema bancário português. Não obstante a reputação de uma empresa ser um indicador qualitativo muito importante, os bancos não consideram suficiente este indicador para atribuir à empresa uma classificação de risco baixo. Entretanto, existe uma associação entre risco e reputação. Palavras chave: risco de crédito; reputação; credibilidade; análise qualitativa do risco 3

2 1. Introdução A relação entre bancos e empresas ocupa um lugar importante na literatura económica e financeira. Esta relação insere-se na actividade de intermediação dos bancos. As teorias mais recentes da intermediação desenvolvem esta relação num ambiente de informação assimétrica. Os bancos incluem nos contratos incentivos de modo a enfrentarem problemas de risco moral (Allegret e Baudry, 1996). De acordo com Stiglitz (1985), os princípios da teoria de intermediação fundamentam-se na incapacidade dos intermediários financeiros obterem a informação necessária num clima de incerteza e na incapacidade dos bancos controlarem, com eficácia, os mutuários. Gorton e Kahn (1993) demonstram o interesse do intermediário financeiro em tomar procedimentos credíveis quanto ao conjunto de incentivos a considerar no contrato. Atitudes de credibilidade parecem ser mais importantes para os bancos do que para o mercado financeiro. Ainda de acordo com Allegret e Baudry, podem-se observar três estruturas na relação entre os bancos e as empresas: (1) uma relação de mercado (2) uma relação hierárquica e (3) uma relação da quasi-integração. A relação de mercado (1) é caracterizada por uma maior flexibilidade na relação e por uma ausência de controle do banco na qualidade da informação fornecida pela empresa. Num contexto de mercado, a fidelidade da relação entre os bancos e empresas não parece ser muito importante. O banco diversifica a sua carteira de clientes e a empresa diversifica as suas fontes de financiamento. Neste caso, a empresa sentirá maior dificuldade em iniciar a sua actividade com investimentos que apresentam um determinado grau de risco. As penalizações por crédito mal parado são requeridas pelo próprio mercado. Torna-se fundamental que o banco estabeleça testes estatísticos sobre o comportamento passado das empresas que lhe permitirá justificar uma eventual restrição do crédito em caso de necessidade. Do lado oposto, apresenta-se a estrutura hierárquica (2) onde o banco tem capacidade de proceder a auditorias sobre a empresa. A estrutura do financiamento é marcada pela dependência da empresa ao banco no que concerne aos empréstimos a efectuar. Diversificando os serviços oferecidos, o banco pode seguir de perto a actividade da empresa. Os intermediários financeiros ocupam a parte central do sistema. Uma empresa mantem 4

3 um relacionamento privilegiado de longo prazo com um banco (princípio de autoridade). Na troca desta relação privilegiada, o banco obtem o direito de interferência na gerência da empresa. Os bancos, neste caso, tomam em mãos a gestão de sectores importantes das empresas que controlam e podem supervisionar e recolher a informação sobre a empresa, quer como emprestadores quer como accionistas. A troca de informação entre eles é muito forte. Finalmente, a estrutura de quasiintegração (3) corresponde às relações usuais dos clientes com os bancos. Esta estrutura é uma combinação dos dois outros princípios, particularmente quanto à necessidade de criar incentivos por um lado e fornecer atitudes de confiança por outro. Para a empresa, a importância desta estrutura é justificada pela durabilidade da relação. Consequentemente, a relação não é exclusivamente baseada num sistema de preços como na estrutura de mercado ou por um tipo de autoridade administrativa como na estrutura hierárquica. A sustentação deste tipo de relacionamento é que a informação é cara e deve ser partilhada entre os agentes. A informação constitui a base da relação e da sua eficiência potencial. As empresas podem ter um relacionamento com diversos bancos, mas somente um obtém o papel de banco principal. Se a empresa quiser substituir o banco com que privilegiou a relação, esta atitude será considerada um sinal de alarme por parte do banco. 2. O valor da confiança na relação entre bancos e empresas A relação entre os bancos e as empresas registou transformações importantes ao longo dos últimos anos. O desenvolvimento tecnológico facilitou o acesso à informação e contribuiu para o aumento do fluxo de capitais entre os países. Ao mesmo tempo, estes fluxos de capital permitiram acelerar a participação dos bancos nas actividades das empresas. Uma maior facilidade de acesso aos mercados financeiros e a intervenção de investidores estrangeiros nos mercados nacionais contribuiram para aumentar o papel dos bancos na gestão destes movimentos. Em resposta ao crescimento dos mercados financeiros em todo o mundo, os bancos desenvolveram diversos serviços, fornecendo análises e aconselhamento na formação de portfólios, fornecendo produtos bancários novos, gestão de carteiras de investimento, créditos associados a investimentos em bolsa, 5

4 etc. Por outro lado, observou-se uma intensificação da competição bancária, expressa por uma redução das margens financeiras e uma maior diversificação dos instrumentos financeiros, quer ao nível da poupança quer ao nível do crédito às empresas. No conjunto das operações verificadas pela relação entre bancos e empresas, a reputação é observada através de uma atitude de confiança recíproca entre os agentes. As atitudes tomadas pelos agentes fundamentam-se, por sua vez, na credibilidade das acções tomadas. De acordo com Gambetta (1988), a confiança é definida como um nível de probabilidade subjetiva com que um agente avalia a acção produzida ou a produzir por um outro agente, num contexto onde a sua própria acção é também avaliada pelo outro agente. A confiança permite resolver problemas complexos resultantes da relação e reduz, de certa forma o clima de incerteza onde a relação é desenvolvida. A incerteza domina os procedimentos considerados nos contratos porque os mercados são imperfeitos ao nível da informação partilhada pelos agentes. Os contratos encontramse incompletos porque não é possível considerar todos os estados da natureza subjacentes à realização do contrato no momento da negociação. A confiança resulta então da relação estabelecida pelos agentes e é reforçada pela proximidade geográfica dos contratantes. Os bancos que mantêm um relacionamento próximo e de longo prazo com empresas de uma área geográfica próxima são supostos terem um comportamento particular para estas empresas. Todavia, a evolução tecnológica e o acesso à informação terá depreciado a importância da confiança? Como é que a confiança entre os agentes permite suportar o valor da reputação? Por exemplo, se uma empresa enfrentar problemas financeiros temporários, o banco pode adoptar um comportamento egoísta e recusar ajudar a empresa a superar as suas dificuldades. Entretanto, esta atitude vai destruir a confiança e o benefício resultante da relação de longo prazo. De acordo com Allegret e Baudry (1996), uma empresa que não reembolse a sua dívida por dificuldades temporárias pode receber algum apoio do banco. Não entanto, o banco espera que a empresa proceda a esforços na resolução das suas dificuldades. 6

5 3. Quantidade e qualidade da informação fornecidas pelas empresas aos bancos Um outro problema da relação entre bancos e empresas é resultante da quantidade e da qualidade da informação requerida pelos bancos às empresas. Apesar de se encontrar relativamente desenvolvida a rede de informação partilhada entre os agentes económicos, obrigação que se encontra usualmente formalizada no contrato, a informação não é fornecida completamente. Há com efeito assimetrias de informação na relação entre empresas e bancos. De acordo com Diamont (1989), é necessário assegurar a transmissão da informação. Quando a empresa requer um empréstimo, comunica informação ao banco. Todavia, o empréstimo corresponde sempre a um reembolso a efectuar no futuro o que torna difícil garantir completamente a realização do empréstimo a priori. Se o problema não ficar resolvido a posteriori, o banco pode enfrentar uma situação de risco moral e a probabilidade do não-reembolso pode ficar aumentada. Por outro lado, com a informação obtida, o banco obtém uma vantagem que lhe permitirá analisar condições de empréstimos futuros. A qualidade da informação transmitida pela empresa apresenta-se assim fundamental. Por isso, a informação é normalmente formalizada por um acréscimo de garantias exigidas à empresa e pela comprovação de auditorias a efectuar regulamente às contas da empresa. 4. Qualidade do crédito Alguns dos problemas enfrentados pelos bancos encontram-se relacionados com o financiamento de projectos de risco elevado. Jordi (1997) classifica as razões das dificuldades atravessadas pelos bancos em dois grupos: razões cíclicas (recessão económica, empréstimos elevados concedidos a alguns clientes) e razões estruturais (desintermediação financeira, globalização dos mercados, inovação financeira, etc.). A análise de risco do crédito e o controle do crédito concedido pelos bancos apresentam-se vitais para a actividade bancária. Apesar da supervisão dos bancos, observa-se que o crédito que os bancos possuem em carteira contêm empréstimos de risco demasiadamente elevado. A competição parece ter levado os bancos 7

6 a tomarem comportamentos mais agressivos, o que poderá ter provocado acréscimos de risco nas suas carteiras de crédito. Por outro lado, a existência de assimetrias de informação tem levado igualmente os bancos a suportar custos acrescidos para superar esta dificuldade. Existem estratégias por parte das empresas para esconder a informação gerada na sua actividade, podendo a empresa dissimular uma posição de lucro se houver maiores vantagens em esconder essa informação do que fornece-la. A perda de reputação poderá estar relacionada com o anúncio de um mau resultado o que pode conduzir a um a uma taxa de juro acrescida no período seguinte. Diversos estudos analisam as condições de um contrato óptimo. Eber (1996) analisa as condições de um contrato óptimo no relacionamento de longo prazo com a empresa. Mojon (1996) privilegia o contrato óptimo no momento em que o crédito é solicitado, através da taxa de juro negociada com o banco. Stiglitz e Weiss (1981) analisam o contrato óptimo de acordo com a existência de colaterais. Diamont (1991) baseia a sua análise na capacidade de observação sobre a actividade da empresa. Pollin e Vaubourg (1996) fundamentam a sua análise em contratos repetidos, que são efectuados entre a empresa e o banco. Estudos empíricos mostram que há uma proporção óptima para o crédito duvidoso que não deve exceder 3 % do crédito total (Sousa, M (1992)). O crédito duvidoso não pode ser totalmente eliminado porque uma análise completa do risco implica custos elevados. Entretanto, não devem os bancos especializados em operações de risco, aceitar uma proporção mais elevada de crédito duvidoso? Bancos especializados têm uma menor capacidade de diversificação da sua carteira de clientes e, consequentemente, essa situação pode fazer aumentar o risco não sistémico. No mercado, encontam-se clientes com um perfil de risco muito baixo, com um perfil de risco médio e com um perfil de risco elevado. Os bancos conhecem somente uma estimativa da proporção de empresas em cada grupo. O primeiro grupo, se reconhecido ex-ante, não necessitará provavelmente de uma monitorização elevada. O terceiro grupo, por outro lado, não tem nada a perder a posteriori com a revelação da sua situação. Deste modo, a monitorização apresenta-se talvez mais eficaz no segundo grupo de empresas. A existência de crédito duvidoso em todos os 8

7 grupos do risco pode ocorrer porque os bancos não sabem ex-ante em que grupo a empresa deve ser classificada. Por outro lado, será que os bancos ganham em atenuar a monitorização das empresas para poderem ganhar quotas de mercado? Será que a expansão rápida do crédito, ocorrida nos últimos dez anos, provocou uma atenuação dos critérios selectivos de concessão de crédito? 5. Investigação empírica Os bancos utilizam indicadores de ordem quantitativa para avaliar o risco de crédito de uma empresa. Esses indicadores revelam normalmente o desempenho da empresa no período de referência. Indicadores de natureza qualitativa traduzem normalmente a opinião sobre a qualidade da gestão, a capacidade dos gerentes na resolução de problemas da empresa, a riqueza dos accionistas, a formação profissional dos empregados ou mesmo a capacidade da empresa para a inovação tecnológica. Enquanto os indicadores quantitativos traduzem uma situação passada da empresa, os indicadores de ordem qualitativa incluem uma expectativa do banco sobre o sucesso da empresa avaliada para o futuro mais próximo. Com efeito, uma situação boa no passado não garante a realização de projectos bem sucedidos no futuro. Interessa-nos investigar que tipo de bancos utilizam mais os indicadores de natureza qualitativa na análise do risco de crédito. Lançámos um inquérito junto dos bancos localizados em Portugal a fim de compreendermos a importância dos indicadores qualitativos na análise do risco de crédito. Considerámos os critérios de risco de crédito para cada banco e pretendemos compreender a importância da reputação da empresa na percepção do risco de crédito. 5.A. Indicadores quantitativos e indicadores qualitativos na análise do risco de crédito Dividimos os bancos que responderam ao inquérito em três categorias, de acordo com a importância dada aos indicadores qualitativos na análise do risco de crédito: - Grupo 1: Este grupo atribui uma importância bastante elevada aos indicadores 9

8 quantitativos na análise do risco de crédito: Estes bancos atribuem mais de 80% do peso aos indicadores quantitativos e menos de 20% aos indicadores qualitativos. - Grupo 2: Este grupo atribui uma importância relativa aos indicadores quantitativos: Os bancos incluídos neste grupo atribuem um peso situado entre 60% e 80% aos indicadores quantitativos. - Grupo 3: Este grupo dá um privilégio, ainda que relativo aos indicadores qualitativos na análise do risco de crédito : Os bancos incluídos neste grupo atribuem mais de 40% aos indicadores de natureza qualitativa. A distribuição dos bancos pelos três grupos é a seguinte: Quadro 1 Grupos (%) 1º Grupo 22 - Mais de 80% aos indicadores quantitativos 2º grupo Entre 70% e 80% aos indicadores quantitativos - 60 % aos indicadores quantitativos 3 ºgrupo entre 60 e 50% aos indicadores quantitativos 4 - o mesmo peso aos dois tipos de indicadores 11 - menos de 50 % aos indicadores quantitativos 11 10

9 Muito embora a maior parte dos bancos privilegiem os indicadores de natureza quantitativa, encontramo-nos interessados neste estudo em observar as características dos bancos que atribuem maior importância aos indicadores de natureza qualitativa. Pretendemos determinar se os bancos que dão maior peso aos indicadores de natureza qualitativa se diferenciam nos critérios de análise do risco de crédito e, se for este o caso, se há diferenças significativas na importância dada à reputação das empresas. Para tal, consideramos primeiro a percentagem de de cada grupo segundo as caractarísticas institucionais dos bancos: Quadro 2 1º+2º grupos (%) (Q>=60%) 3º grupo (%) (Q<60%) Total Bancos Bancos públicos Bancos privados: universais especializados Bancos estrangeiros universais especializados Q: indicadores de natureza quantitativa Indicadores de natureza quantitativa O indicador de natureza quantitativa mais referenciado é a capacidade de endividamento da empresa, seguindo-se a autonomia financeira da empresa. Entretanto, os seguintes indicadores quantitativos diferenciam mais os bancos quanto à sua utilização : volume das vendas; hipotecas efectuadas; despesas em recursos humanos; solvabilidade da empresa; cash-flow gerado pela empresa. 11

10 Indicadores de natureza qualitativa Os indicadores de natureza qualitativa mais referenciados são, por ordem decrescente de importância: Opinião sobre a gerência da empresa (indicador utilizado por 63% dos bancos que responderam ao questionário), capacidade dos gerentes (muito utilizado por 52% dos bancos), indicadores de opinião relativos a factores de ordem comercial (muito utilizado por 13% dos bancos) e introdução de tecnologias novas na empresa (muito ou várias vezes utilizado por 37% dos bancos) Entretanto, os seguintes indicadores de natureza qualitativa parecem diferenciar os bancos: características gerais dos recursos humanos da empresa (muito utilizado por 7% dos bancos mas nunca utilizado por 37% dos bancos); o relacionamento próximo entre o gerente da empresa e o banco (muito utilizado por 37% dos bancos e nunca ou pouco utilizado por 19%). Detalhando os indicadores de natureza qualitativa mais utilizados: Indicadores de gestão O indicador mais utilizado revela ser a experiência da empresa para honrar os seus compromissos. Do lado oposto, o indicador menos utilizado parece ser a alternativa de utilização de dividendos no re-investimento da empresa ou na sua distribuição pelos accionistas (48% dos bancos responderam que o indicador é muito utilizado contra 26% que o referem como pouco ou nunca utilizado). Capacidade dos gestores: A riqueza dos gestores foi referenciada por 77% dos bancos como " sempre " ou " diversas vezes " utilizados e apenas 7% indicam " nunca " ou " pouco " utilizado. Do lado oposto, o indicador menos referenciado é o nível de formação escolar dos gestores : 26% dos bancos utilizam este indicador " diversas vezes" mas 19% indicam nunca o considerar na avaliação de risco; 55% dos bancos utilizam moderadamente este indicador. 12

11 Opinião sobre características económicas e financeiras da empresa Todos os indicadores propostos foram referenciados. Os bancos diferenciam-se somente entre a indicação de ser muito utilizado ou apenas, diversas vezes utilizado: Assim, o indicador mais referenciado é o registo histórico de crédito duvidoso: 37% dos bancos indicam que utilizam sempre este indicador e 52% referem a sua utilização por " diversas vezes ". O facto de uma empresa pertencer a um grupo económico é importante para 88% dos bancos. A quota de mercado da empresa é muito utilizado por 19% dos bancos e 67% referenciam que utilizam este indicador por diversas vezes". Finalmente, sinais de dependência da empresa aos fornecedores é indicado por 19% dos bancos como " sempre utilizado "e 70% como " diversas vezes " utilizado. Inovação tecnológica A introdução de novos equipamentos e as condições físicas da empresa são os indicadores mais referenciados deste grupo. O primeiro é muito utilizado ou diversas vezes utilizado por 48% dos bancos contra 11% que indicam " nunca " ou " poucas vezes " utilizado. O segundo indicador é muito ou diversas vezes utilizado por 26% contra 15% como " pouco " ou " poucas vezes " utilizado. O indicador menos referenciado é o esforço de investigação, o qual é referenciado por 52% dos bancos como " muito " ou " diversas vezes " utilizado contra 48% que indicaram " pouco " ou " poucas vezes " utilizado. Salários e força de trabalho Os indicadores de recursos humanos parecem ser pouco utilizados na avaliação do risco de crédito. No entanto, dentro deste grupo o indicador mais referenciado é o facto da empresa ter salários em atraso, o qual é indicado por 60% dos bancos contra 11% que o refere como nunca ou poucas vezes utilizado. Se as condições de trabalho têm uma importância relativa na avaliação do risco de crédito, as políticas salariais seguidas pelas empresas não parecem influenciar a determinação do risco da empresa. O primeiro indicador obteve 7% das respostas como " sempre " ou " diversas vezes " utilizado contra 37% que indicaram " pouco " ou " nunca" utilizado. O segundo indicador 13

12 foi indicado como " diversas vezes " utilizado por um único banco contra 67% que o refere como nunca ou " pouco " utilizado. Aspectos humanos Este indicador avalia o relacionamento entre os gestores e os bancos. O indicador mais referido é a opinião do gerente da rede bancária local: Todos os bancos referenciaram esta opinião pessoal como " sempre " ou " diversas vezes " utilizado. Do lado oposto, o relacionamento do gerente de conta com o gestor da empresa não é significativamente referenciado pelos bancos. 14

13 5.B A atitude dos bancos face ao risco e ao crédito duvidoso Nesta secção analisámos os critérios de diferenciação relativamente ao risco das empresas. Parecenos relevante observar se a exigência de garantias e o pedido de informação adicional às empresas se encontra ou não dependente da classificação de risco atribuida à empresa. Será que a reputação da empresa determina a classificação atribuída? Ou será que a atribuição de uma classificação de risco muito baixo ou baixo é condição suficiente para determinar a reputação da empresa? Identificamos as seguintes atitudes dos bancos face às empresas de risco muito baixo ou baixo: Reduzir a supervisão da actividade da empresa, considerando que o problema de risco moral se encontra muito reduzido. Diminuição da taxa de juro aproximando-se esta da taxa de juro considerada para as operações sem risco. Interesse do banco em financiar todos os projetos apresentados por estas empresas, propondo-lhes produtos financeiros e linhas de crédito especiais. Redução das garantias, requeridas nãormalmente para as empresas de risco mais elevado. Identificamos as seguintes atitudes dos bancos face às empresas de risco muito elevado ou elevado: Em caso de risco de falência, os bancos têm mais interesse em interferir na gestão da empresa Restrição do financiamento da empresa Aumento das garantias O indicador " aumento das garantias " é o mais referenciado para as empresas de risco elevado: 78% dos bancos indicam ter esta atitude " diversas vezes " ou sempre mesmo para as empresas de risco médio. Se a classe de risco aumentar, as respostas passam de " diversas vezes " para " 15

14 sempre ". Somente para as empresas classificadas de risco muito baixo é que a redução das garantias se encontra mais generalizada. Para as empresas de risco baixo, a redução das garantias não é óbvia: 70% dos bancos indicam reduzir as garantias nas empresas de risco muito baixo, mas nas empresas classificadas de risco baixo, essa frequência encontra-se reduzida a 26% dos casos. Quanto à redução da taxa de juro, parece haver uma diferenciação nítida na atitude dos bancos face às empresas de risco muito baixo ou baixo relativamente às empresas de risco muito elevado, elevado ou mesmo de risco médio. A redução da taxa de juro é referenciada por 63% dos bancos nas empresas de risco muito baixo. Esta percentagem diminui até 41% para as empresas de risco baixo. Do lado oposto, nas empresas classificadas de risco médio, o aumento da taxa de juro é indicado por 41% dos bancos contra 44% que indicaram que o aumento se encontra dependente de outros factores. A restrição do crédito às empresas de risco mais elevado é considerada pela maioria dos bancos: 67% dos bancos indicaram " sempre " relativamente às empresas classificadas de risco muito elevado. Quando o nível do risco aumenta, as possibilidades de racionar o crédito aumentam também: 22% dos bancos consideraram mesmo a possibilidade de racionar o crédito relativamente às empresas de risco médio e 59% dos bancos indicaram que racionar o crédito se encontra dependente de outros factores. Parece-nos óbvio o interesse de financiamento às empresas classificadas de risco muito baixo contra a vontade de reduzir o financiamento às empresas de risco mais elevado. Entretanto, para 59% dos bancos o interesse de financiamento às empresas de risco baixo encontra-se dependente de outros factores. Esta situação mostra a forte precaução dos bancos no financiamento às empresas. Para as empresas de risco elevado parece-nos evidente o desinteresse de financiamento. No entanto, para as empresas de risco médio, parece-nos haver já uma vontade nítida de redução do financiamento : 81% dos bancos indicam uma " redução do financiamento para esta classe de risco; 59% indicam " diversas vezes " e 22% " sempre". Observámos igualmente a relação entre o risco e a necessidade de supervisão da empresa. Reduzir a 16

15 supervisão das empresas classificadas de risco baixo não reuniu uma resposta generalizada: Quase metade das respostas mostram que os bancos não atenuam a supervisão das empresas classificadas de risco muito baixo. Para as empresas do risco baixo, essa percentagem sobe para 56% dos bancos Finalmente, observámos a vontade dos bancos interferirem na gestão das empresas em caso de risco de falência. Ao contrário da intenção de supervisão, a vontade de interferência na gestão das empresas não é seguida pela maioria dos bancos. Relativamente às empresas de risco elevado, encontramos 15% das respostas que mostram intenção de interferência na gestão da empresa contra 30% que responderam " nunca " e 41% que indicaram que a intenção de interferir se encontra dependente de outros factores. Para as empresas de risco muito elevado, a percentagem de intenção de interferência sobe até 37% das respostas. Analisámos seguidamente a diferenciação de atitudes entre os bancos com características universais das dos bancos especializados. Os bancos de características universais parecem recorrer mais aos colaterais como instrumento de distinção do risco entre as empresas. Os bancos universais apostam mais em reduzirem o nível de garantias nas empresas classificadas de risco muito baixo ou baixo e exigirem garantias complementares às empresas de risco muito elevado, elevado ou médio. Ao contrário, os bancos de investimento apostam mais na utilização de "prémios" de risco para distinguir as empresas quanto ao risco, racionando mesmo o crédito às empresas de risco elevado: 17

16 Quadro 3 Bancos universais e bancos de investimento - distribuição em percentagem por atitudes tomadas face ao risco: Empresas de risco muito baixo ou baixo Nível de risco Comportamento do banco Muito baixo baixo NR NR Nenhuma monitorização - banco universal banco de investimento Prémio de risco. (-) - banco universal banco de investimento Financiamento da empresa - banco universal banco de investimento Garantias (-) - banco universal banco de investimento Atitudes: 1-nunca utilizado; 2-não utilizado; 3- utilizaram; 4-muito utilizado 5-sempre utilizado NR: nenhuma resposta 18

17 Quadro 4 Bancos universais e bancos de investimento- distribuição em percentagem por atitudes tomadas face ao risco: Empresas do risco muito elevado e elevado Nível de risco Comportamento do banco Elevado Muito elevado NR NR Reduzir o financiamento - banco universal banco de investimento Garantias (+) - banco universal banco de investimento Racionar o crédito - banco universal banco de investimento interferir na gerência da empresa. - banco universal banco de investimento Atitudes: 1-nunca utilizado; 2-não utilizado; 3- utilizaram;4-muito utilizado 5-sempre utilizado NR: nenhuma resposta Comparando o peso dado aos indicadores quantitativos e qualitativos, os bancos que atribuem maior importância aos indicadores quantitativos parecem encontrar-se mais interessados em requerer às empresas de risco elevado mais garantias ou mesmo racionar o crédito a este grupo de empresas. Do lado oposto, são os bancos que atribuem maior ponderação aos indicadores " qualitativos " os mais interessados em reduzir o prémio de risco ou aumentar sua participação em empresas de mais baixo risco: 19

18 Quadro 5 Bancos que ponderam fortemente os indicadores " quantitativos " (quantitativos > 80%) versus bancos que ponderam relativamente pouco os indicadores quantitativos (quantitativos < 60%) - distribuição em percentagem por atitudes tomadas face ao risco: Empresas de risco muito baixo ou baixo Nível do risco Comportamento do banco Muito baixo baixo Nenhuma monitorização - quantitativos>80% quantitativos<60% Prémio de risco. (+ou -) - quantitativos>80% quantitativos<60% Financiamento da empresa quantitativos>80% quantitativos<60% Garantias (+ ou-) - quantitativos>80% quantitativos<60% Atitudes: 1-nunca utilizado; 2-não utilizado; 3- utilizaram;4-muito utilizado; 5-sempre utilizado 20

19 Quadro 6 Bancos que ponderam fortemente os indicadores " quantitativos " (quantitativos > 80%) versus bancos que ponderam relativamente pouco os indicadores quantitativos (quantitativos < 60%) - distribuição em percentagem por atitudes tomadas face ao risco: Empresas do risco muito elevado e elevado Nível do risco Comportamento do banco Elevado Muito altamente Reduzir o financiamento - quantitativos>80% quantitativos<60% Garantias (+) - quantitativos>80% quantitativos<60% Racionar o crédito - quantitativos>80% quantitativos<60% interferir na gerência da empresa. - quantitativos>80% quantitativos<60% Atitudes: 1-nunca utilizado; 2-não utilizado; 3- utilizaram;4-muito utilizado 5-sempre utilizado A atitude dos bancos ao enfrentar o crédito duvidoso pode ser observada pelas seguintes três acções principais: (1) Atitude extrema: processo no tribunal (2) Atitude de precaução : avaliando os recursos da empresa, reforçando os contactos com os gestores ou mesmo reforçar os contactos com outros bancos. (3) Atitude de participação directa na gestão da empresa: na reorganização da empresa, na renegociação da dívida ou na transformação da dívida em accões da empresa. A atitude mais generalizada face ao crédito duvidoso situa-se na renegociação do empréstimo. 21

20 Dentro da atitude de precaução, a atitude mais seguida parece ser a da reavaliação dos recursos da empresa. Por outro lado, a atitude menos utilizada parece ser a transformação da dívida em accões da empresa. Quadro 7 Comportamento dos bancos perante o crédito duvidoso: Bancos universais versus bancos de investimento- distribuição em percentagem por atitudes tomadas face ao risco: Bancos Comportamento do banco Bancos Comportamento do banco U- Universal Investimento U- Universal Investimento A.Solução judicial 1 E. Participar na 1 2 8,3 reorganização da empresa NR NR B. Reavaliação de activos F. Renegociação do 1 2 débito NR NR C. Reforçar os contactos com 1 G. Transformação da os gestores dívida em accões NR NR D. Reforçar os contactos com 1 outros bancos NR Atitudes: 1-nunca utilizado; 2-não utilizado; 3- utilizaram;4-muito utilizado; 5-sempre utilizado NR: nenhuma resposta 22

Assim, torna-se crucial a utilização de metodologias de avaliação do risco de crédito cada vez mais precisas.

Assim, torna-se crucial a utilização de metodologias de avaliação do risco de crédito cada vez mais precisas. OBJECTIVO O risco de crédito está presente no quotidiano de qualquer empresa, sendo hoje reconhecido, por uma grande parte das organizações, como uma das suas principais preocupações. Também nas empresas

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 310 ÍNDICE

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 310 ÍNDICE Directriz de Revisão/Auditoria 310 CONHECIMENTO DO NEGÓCIO Outubro de 1999 ÍNDICE Parágrafos Introdução 1-7 Obtenção do Conhecimento 8-13 Uso do Conhecimento 14-18 Apêndice Matérias a Considerar no Conhecimento

Leia mais

V JORNADAS DE CONTABILIDADE

V JORNADAS DE CONTABILIDADE V JORNADAS DE CONTABILIDADE Título da Comunicação: 1 AS RELAÇÕES ACCIONISTAS-GESTORES SEGUNDO OS TIPOS DE ORGANIZAÇÃO Autora: MARIA HÉLDER MARTINS COELHO (Mestre em Economia (FEP); Professora do ISCAP)

Leia mais

Guia dos Emitentes. Departamento de Supervisão de Emitentes e Auditoria. Data: 17/12/2015

Guia dos Emitentes. Departamento de Supervisão de Emitentes e Auditoria. Data: 17/12/2015 Guia dos Emitentes Departamento de Supervisão de Emitentes e Auditoria Data: 17/12/2015 Agenda Objectivos do Guia dos Emitentes Admissão de Valores Mobiliários nos Mercados Regulamentados Alternativas

Leia mais

ESTRATÉGIAS DOS BANCOS EM PORTUGAL E A AVALIAÇÃO DO RISCO DE CRÉDITO

ESTRATÉGIAS DOS BANCOS EM PORTUGAL E A AVALIAÇÃO DO RISCO DE CRÉDITO ESTRATÉGIAS DOS BANCOS EM PORTUGAL E A AVALIAÇÃO DO RISCO DE CRÉDITO Carlos Arriaga Costa (caac@eeg.uminho.pt) RESUMO Universidade do Minho Escola de Economia e Gestão Campus de Gualtar 7-8 Braga Portugal

Leia mais

Índice de Risco de 2011 PORTUGAL

Índice de Risco de 2011 PORTUGAL Índice de Risco de PORTUGAL Índice de Pagamentos Índice de Risco Explicação dos valores do Índice de Risco 190 180 170 160 150 140 130 120 110 100 2004 2005 2006 2007 2008 100 Nenhuns riscos de pagamento,

Leia mais

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO CVGARANTE SOCIEDADE DE GARANTIA MÚTUA PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO 14 de Outubro de 2010 O que é a Garantia Mútua? É um sistema privado e de cariz mutualista de apoio às empresas,

Leia mais

Fortis Lease Portugal, Instituição Financeira de Crédito, S.A

Fortis Lease Portugal, Instituição Financeira de Crédito, S.A FORTIS LEASE PORTUGAL IFIC S.A. AVISO 10/2007 DISCIPLINA DE MERCADO Disciplina de Mercado - 2010 1 Índice Nota Introdutória 3 1. Declaração de Responsabilidade 3 2. Âmbito de Aplicação e Políticas de Gestão

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2009. Resultados para Portugal

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2009. Resultados para Portugal INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Janeiro de 2009 Resultados para Portugal I. Apreciação Geral De acordo com os resultados do inquérito realizado em Janeiro de 2009, os cinco grupos bancários

Leia mais

DIRECTIVA RELATIVA À CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS HIPOTECÁRIOS PARA AQUISIÇÃO DE HABITAÇÃO

DIRECTIVA RELATIVA À CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS HIPOTECÁRIOS PARA AQUISIÇÃO DE HABITAÇÃO N. o 035/B/2010-DBS/AMCM Data: 05/10/2010 DIRECTIVA RELATIVA À CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS HIPOTECÁRIOS PARA AQUISIÇÃO DE HABITAÇÃO A Autoridade Monetária de Macau (AMCM), no exercício das competências que

Leia mais

CONTABILIDADE FINANCEIRA II. 2ª Frequência. Responda a cada grupo em folha separada

CONTABILIDADE FINANCEIRA II. 2ª Frequência. Responda a cada grupo em folha separada CONTABILIDADE FINANCEIRA II Equipa Docente: Data: 8 de Janeiro de 2008 Cristina Neto de Carvalho Duração: 2 horas Sofia Pereira 2ª Frequência Responda a cada grupo em folha separada A Ibersol tem como

Leia mais

Empreendedorismo de Base Tecnológica

Empreendedorismo de Base Tecnológica Instituto Superior Técnico Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores (LEIC) Alameda 2005-2006 1º Semestre Empreendedorismo de Base Tecnológica Rui Baptista http://in3.dem.ist.utl.pt/pp/rbaptista/0506ebt/

Leia mais

De uma forma geral, as micro

De uma forma geral, as micro A assimetria informacional no financiamento das micro e pequenas empresas P o r M i g u e l N e v e s M a t i a s As dificuldades significativas no acesso a financiamento externo que as micro e pequenas

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA. Objectivo. Metodologia de Análise Os rácios Financeiros Qualidade dos Indicadores Sinais de Perigo METODOLOGIA DE ANÁLISE

GESTÃO FINANCEIRA. Objectivo. Metodologia de Análise Os rácios Financeiros Qualidade dos Indicadores Sinais de Perigo METODOLOGIA DE ANÁLISE GESTÃO FINANCEIRA MÓDULO III Objectivo Metodologia de Análise Os rácios Financeiros Qualidade dos Indicadores Sinais de Perigo METODOLOGIA DE ANÁLISE ASPECTOS A NÃO ESQUECER o todo não é igual à soma das

Leia mais

Emitente: Descrição do Emitente: Oferta: Vencimento:

Emitente: Descrição do Emitente: Oferta: Vencimento: RESUMO DA OFERTA Este resumo tem de ser visto como uma introdução a este Prospecto. Qualquer decisão de investimento em quaisquer Acções Preferenciais deve basear-se numa avaliação deste Prospecto como

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA Conceito e Características. O mercado de capitais pode ser definido como um conjunto de instituições e de instrumentos que negociam com títulos e valores mobiliários, objetivando

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ORGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ORGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ORGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO 1. Objectivos da Política de Remuneração dos órgãos de administração e fiscalização da Companhia de Seguros Açoreana, SA (

Leia mais

MANITOWOC. Boletim de Política da Empresa. Assunto: Política de Transacções Internas para Administradores, Funcionários e Empregados Chave

MANITOWOC. Boletim de Política da Empresa. Assunto: Política de Transacções Internas para Administradores, Funcionários e Empregados Chave MANITOWOC Boletim de Política da Empresa Assunto: Política de Transacções Internas para Administradores, Funcionários e Empregados Chave Boletim Original 0 Substitui 112 Datado de 1 de Setembro de 2000

Leia mais

GLOSSÁRIO. Auditoria Geral do Mercado de Valores Mobiliários 39

GLOSSÁRIO. Auditoria Geral do Mercado de Valores Mobiliários 39 GLOSSÁRIO Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos. Assembleia geral: órgão das sociedades anónimas em que

Leia mais

O SISTEMA FINANCEIRO PORTUGUÊS E A EVOLUÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA. Relator: João Costa Pinto

O SISTEMA FINANCEIRO PORTUGUÊS E A EVOLUÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA. Relator: João Costa Pinto O SISTEMA FINANCEIRO PORTUGUÊS E A EVOLUÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA Relator: João Costa Pinto Dia da Competitividade em Portugal 31 Outubro 2007 I. O PAPEL DO SISTEMA FINANCEIRO PORTUGUÊS NO MOVIMENTO DE

Leia mais

Os valores mobiliários que fazem parte de uma mesma emissão conferem aos seus titulares os mesmos direitos e deveres.

Os valores mobiliários que fazem parte de uma mesma emissão conferem aos seus titulares os mesmos direitos e deveres. VALORES MOBILIÁRIOS O QUE SÃO VALORES MOBILIÁRIOS? Valores mobiliários são documentos emitidos por empresas ou outras entidades, em grande quantidade, que representam direitos e deveres, podendo ser comprados

Leia mais

NºAULAS PONTO PROGRAMA Cap. 35 1 1 INTRODUÇÃO 1

NºAULAS PONTO PROGRAMA Cap. 35 1 1 INTRODUÇÃO 1 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA CURSO de ECONOMIA 2004-2005 NºAULAS PONTO PROGRAMA Cap. 35 1 1 INTRODUÇÃO 1 Porquê estudar mercados financeiros? Porquê estudar os bancos e as outras instituições financeiras?

Leia mais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Exmo Senhor Presidente da Associação Angolana de Bancos Sr. Amílcar Silva Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Estimados Bancários Minhas Senhoras

Leia mais

O que são CFDs? CFDS Uma abordagem prática

O que são CFDs? CFDS Uma abordagem prática O que são CFDs? Um CFD (Contract for difference) é um instrumento financeiro negociado fora de mercados regulamentados que proporciona, aos investidores, uma forma mais eficiente de negociação em acções.

Leia mais

Circular 05 de Janeiro de 2009 (última actualização 16 de Fevereiro de 2009)

Circular 05 de Janeiro de 2009 (última actualização 16 de Fevereiro de 2009) Circular 05 de Janeiro de 2009 (última actualização 16 de Fevereiro de 2009) Assunto: s às Perguntas Mais Frequentes sobre a Instrução da CMVM n.º 3/2008 - Informação sobre Concessão de Crédito para a

Leia mais

Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado. Batalha, 8 Julho de 2010

Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado. Batalha, 8 Julho de 2010 Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado Batalha, 8 Julho de 2010 As vossas necessidades... O apoio aos Empreendedores e às PME s

Leia mais

Documento de Divulgação. Introdução

Documento de Divulgação. Introdução Abbott Laboratórios, Lda. Estrada de Alf ragide, 67 Alf rapark Edif icio D 2610-008 Amadora Portugal Contribuinte nº 500 006 148 Reg. C.R.C. Amadora Capital Social: 3.396.850 Tel. (351) 214 727 100 Fax.

Leia mais

AUDITORIA GERAL DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS 2. VALORES MOBILIÁRIOS

AUDITORIA GERAL DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS 2. VALORES MOBILIÁRIOS AUDITORIA GERAL DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS 2. VALORES MOBILIÁRIOS Banco de Cabo Verde O QUE SÃO VALORES MOBILIÁRIOS? Valores mobiliários são documentos emitidos por empresas ou outras entidades,

Leia mais

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos 2012 1 2 Sobre a COSEC O que é o Seguro de Créditos

Leia mais

ASSEMBLEIA GERAL DA MARTIFER SGPS, S.A. (28/03/2008)

ASSEMBLEIA GERAL DA MARTIFER SGPS, S.A. (28/03/2008) ASSEMBLEIA GERAL DA MARTIFER SGPS, S.A. (28/03/2008) PROPOSTA RELATIVA AO PONTO 13 DA ORDEM DE TRABALHOS (Deliberar sobre a supressão do direito de preferência dos accionistas relativamente a aumento de

Leia mais

Exercício de stress test Europeu: Resultados principais dos bancos portugueses 15 Julho 2011

Exercício de stress test Europeu: Resultados principais dos bancos portugueses 15 Julho 2011 Exercício de stress test Europeu: Resultados principais dos bancos portugueses Julho Esta nota resume as principais características e resultados do exercício de stress test realizado ao nível da União

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro semestre de 20, foi a subida das taxas do

Leia mais

Financiamento das PME. Evolução fiscal e regulatória. Carlos Loureiro. 28 de Novembro de 2014. 2014 Deloitte

Financiamento das PME. Evolução fiscal e regulatória. Carlos Loureiro. 28 de Novembro de 2014. 2014 Deloitte Financiamento das PME Evolução fiscal e regulatória Carlos Loureiro 28 de Novembro de 2014 1 Temas a discutir Abordagem da temática Financiamento bancário: Panaceia ou factor de restrição? As alternativas

Leia mais

Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference

Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO ADVERTÊNCIA AO INVESTIDOR Risco de perda súbita total, superior ou parcial do capital investido Remuneração não garantida

Leia mais

INCUMPRIMENTO NO CRÉDITO AOS PARTICULARES: QUAL É O PAPEL DO PERFIL DE CRÉDITO DOS DEVEDORES?*

INCUMPRIMENTO NO CRÉDITO AOS PARTICULARES: QUAL É O PAPEL DO PERFIL DE CRÉDITO DOS DEVEDORES?* INCUMPRIMENTO NO CRÉDITO AOS PARTICULARES: QUAL É O PAPEL DO PERFIL DE CRÉDITO DOS DEVEDORES?* Luísa Farinha** Ana Lacerda** 1. INTRODUÇÃO A crise económica recente, no contexto de um elevado nível de

Leia mais

A Volatilidade recente dos Preços das Acções. em Portugal e na Europa

A Volatilidade recente dos Preços das Acções. em Portugal e na Europa A Volatilidade recente dos Preços das Acções em Portugal e na Europa 0 Introdução Os principais mercados accionistas europeus registaram elevados níveis de volatilidade durante 2002, colocando no centro

Leia mais

Módulo de Formação 4. para os mercados intermédios e avançados em CDE

Módulo de Formação 4. para os mercados intermédios e avançados em CDE Módulo de Formação 4. para os mercados intermédios e avançados em CDE Financiamento do CDE Projeto Transparense VISÃO GLOBAL SOBRE OS MÓDULOS DE FORMAÇÃO I. Introdução ao CDE II. Processo do CDE da Identificação

Leia mais

PORTUGAL 2020: FINANCIAMENTO ATRAVÉS

PORTUGAL 2020: FINANCIAMENTO ATRAVÉS 25 de maio de 2015 PORTUGAL 2020: FINANCIAMENTO ATRAVÉS ATRAVÉ DO RECURSO AOS FUNDOS FUNDO EUROPEUS ESTRUTURAIS IS E DE INVESTIMENTO O estímulo ao tecido empresarial trazido pelo programa Portugal 2020

Leia mais

GUIA PARA INVESTIR. Rentabilizar os Investimentos

GUIA PARA INVESTIR. Rentabilizar os Investimentos www.facebook.com/santandertotta.pt http://twitter.com/santandertotta Onde deve investir? A escolha deve ter em conta diversos factores, tais como: quando é que pretende utilizar o montante que investiu?

Leia mais

A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA

A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA DE QUE FORMA OS GESTORES DE VENDAS ADICIONAM VALOR À SUA ORGANIZAÇÃO? Desenvolver Gestores de Vendas eficazes tem sido uma das grandes preocupações

Leia mais

Título da apresentação Curso Gestão de Projetos II (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS

Título da apresentação Curso Gestão de Projetos II (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS Título da apresentação Curso Gestão de Projetos II (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS Prof. Instrutor Elton Siqueira (a) (Arial Moura preto) CURSO DE GESTÃO DE PROJETOS

Leia mais

Sociedades de Garantia Mútua (SGM) são:

Sociedades de Garantia Mútua (SGM) são: Sociedades de Garantia Mútua (SGM) são: Operadores financeiros que prestam às instituições bancárias as garantias que lhes permitem disponibilizar às PME empréstimos em condições mais favoráveis. Ao partilhar

Leia mais

CONECT. PDD - Imparidade. II Congresso de Contabilidade e Tributos de Instituições Financeiras

CONECT. PDD - Imparidade. II Congresso de Contabilidade e Tributos de Instituições Financeiras AUDIT CONECT PDD - Imparidade II Congresso de Contabilidade e Tributos de Instituições Financeiras 26 de novembro de 2010 José Claudio Costa / Simon Fishley Introdução Comentários Gerais Práticas Contábeis

Leia mais

INSTRUÇÕES N.º 2 /00 2.ª SECÇÃO 1.ª. Âmbito

INSTRUÇÕES N.º 2 /00 2.ª SECÇÃO 1.ª. Âmbito INSTRUÇÕES N.º 2 /00 2.ª SECÇÃO De acordo com o disposto na alínea c) do n.º 1 do artigo 41.º da Lei n.º 98/97, de 26 de Agosto, compete ao Tribunal de Contas, no âmbito do parecer sobre a Conta Geral

Leia mais

newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013

newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013 newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2013 2 Contabilização dos Subsídios do Governo e Divulgação de Apoios do Governo 3 Revisores e Auditores 7 LEGISLAÇÃO

Leia mais

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Painel: Desafio Demográfico na Europa (11h45-13h00) Auditório da Assembleia da República, Lisboa,

Leia mais

TEORIA POSITIVA DE CONTABILIDADE SEGUNDO WATTS & ZIMMERMAM (CAP. 8, 9, 10 E 11)

TEORIA POSITIVA DE CONTABILIDADE SEGUNDO WATTS & ZIMMERMAM (CAP. 8, 9, 10 E 11) UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - UERJ FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E FINANCAS - FAF PROGRAMA DE MESTRADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS DISCIPLINA TEORIA POSITIVA DE CONTABILIDADE I TEORIA POSITIVA DE CONTABILIDADE

Leia mais

Riscos relacionados ao Santander Brasil e ao setor de Serviços Financeiros Brasileiro

Riscos relacionados ao Santander Brasil e ao setor de Serviços Financeiros Brasileiro Riscos relacionados ao Santander Brasil e ao setor de Serviços Financeiros Brasileiro Estamos expostos aos efeitos das perturbações e volatilidade nos mercados financeiros globais e nas economias nos países

Leia mais

Condições do Franchising

Condições do Franchising Condições do Franchising ÍNDICE Introdução 1. Vantagens em entrar num negócio de franchising 2. O que nos distingue como sistema de franchising 2.1. vantagens para o franchisado face a outras redes 2.2.

Leia mais

Código de Conduta Voluntário

Código de Conduta Voluntário O Banif, SA, ao formalizar a sua adesão ao Código de Conduta Voluntário do crédito à habitação, no âmbito da Federação Hipotecária Europeia, e de acordo com as recomendações da Comissão Europeia e do Banco

Leia mais

Instrumentos e Mercados Financeiros A crise do Subprime no mercado Norte-Americano Introdução

Instrumentos e Mercados Financeiros A crise do Subprime no mercado Norte-Americano Introdução Instrumentos e Mercados Financeiros A crise do Subprime no mercado Norte-Americano Introdução Noção do Subprime Causas da crise Consequências da crise A crise subprime em Portugal Previsões para as economias

Leia mais

hospi tais um novo modelo de gestão hospitalar Adalberto Campos Fernandes 2011 2012 PORTUGAL TEM EMENDA? Augusto Brázio

hospi tais um novo modelo de gestão hospitalar Adalberto Campos Fernandes 2011 2012 PORTUGAL TEM EMENDA? Augusto Brázio hospi tais 2011 2012 PORTUGAL TEM EMENDA? um novo modelo de gestão hospitalar A reflexão sobre um novo modelo de gestão hospitalar não pode deixar de ter em conta a enorme complexidade do sistema em que

Leia mais

Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos.

Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos. GLOSSÁRIO Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos. Assembleia geral: órgão das sociedades anónimas em que

Leia mais

Aula Sobre a Teoria do Dinheiro de Keynes

Aula Sobre a Teoria do Dinheiro de Keynes Aula Sobre a Teoria do Dinheiro de Keynes Professor Fabiano Abranches Silva Dalto SE506-Economia Monetária e Financeira Bibliografia Utilizada: KEYNES, John Maynard. A Teoria Geral do Emprego, do Juros

Leia mais

O financiamento das empresas portuguesas

O financiamento das empresas portuguesas O financiamento das empresas portuguesas 1. Um dos efeitos colaterais da crise financeira ainda em curso foi o aumento da relevância do financiamento das empresas pelo mercado em detrimento do crédito

Leia mais

Apresentam-se, neste documento, os tópicos que se seguem.

Apresentam-se, neste documento, os tópicos que se seguem. Apresentam-se, neste documento, os tópicos que se seguem. O que é o Failure Score? O que prevê o Failure Score? Qual é a disponibilidade do Failure Score? Como é calculado o Failure Score? Qual o desempenho

Leia mais

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros Esta é uma versão post print de Cândido, Carlos J. F. (2004) Hotelaria: Gestores Portugueses vs. Estrangeiros, Gestão Pura, Ano II, N.º 7, Abril/Maio, 80-83. Recursos Humanos Hotelaria: gestores portugueses

Leia mais

Cerca de 13% das famílias endividadas têm encargos com a dívida superiores a 40% do seu rendimento

Cerca de 13% das famílias endividadas têm encargos com a dívida superiores a 40% do seu rendimento Inquérito à Situação Financeira das Famílias 2010 25 de maio de 2012 Cerca de 13% das famílias endividadas têm encargos com a dívida superiores a 40% do seu rendimento O Inquérito à Situação Financeira

Leia mais

Análise Financeira 2º semestre

Análise Financeira 2º semestre ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO Análise Financeira 2º semestre Caderno de exercícios CAP II Luís Fernandes Rodrigues António Manuel F Almeida CAPITULO II 2011 2012 Página

Leia mais

1. FINANCIAMENTO A MÉDIO E LONGO PRAZO

1. FINANCIAMENTO A MÉDIO E LONGO PRAZO 1. FINANCIAMENTO A MÉDIO E LONGO PRAZO Finanças II Ano Lectivo 2005/06 Turma TP1 Ricardo Valente 1 Introdução Decisões de financiamento Captação de fundos para financiar actividade corrente, projectos

Leia mais

Contrastação empírica do modelo CAPM aplicada ao mercado bolsista português

Contrastação empírica do modelo CAPM aplicada ao mercado bolsista português Contrastação empírica do modelo CAPM aplicada ao mercado bolsista português Tânia Cristina Simões de Matos dos Santos Instituto Politécnico de Leiria 2012 Working paper nº 83/2012 globadvantage Center

Leia mais

Decreto-Lei nº 495/88, de 30 de Dezembro

Decreto-Lei nº 495/88, de 30 de Dezembro Decreto-Lei nº 495/88, de 30 de Dezembro Com a publicação do Código das Sociedades Comerciais, aprovado pelo Decreto-Lei nº 262/86, de 2 de Setembro, e do Decreto-Lei nº 414/87, de 31 de Dezembro, foram

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

01 _ Enquadramento macroeconómico

01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico O agravamento da crise do crédito hipotecário subprime transformou-se numa crise generalizada de confiança com repercursões nos mercados

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

Manual da Garantia Mútua

Manual da Garantia Mútua Março de 2007 Manual da Garantia Mútua O que é a Garantia Mútua? É um sistema privado e de cariz mutualista de apoio às pequenas, médias e micro empresas (PME), que se traduz fundamentalmente na prestação

Leia mais

Reforma da Segurança Social Prioridade Estratégica Nacional

Reforma da Segurança Social Prioridade Estratégica Nacional INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL Reforma da Segurança Social Prioridade Estratégica Nacional - A ligação entre os Fundos de Pensões e o 1 Os Fundos de Pensões em Portugal Início em 1987 Fundos de Pensões

Leia mais

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA. Programa Formação PME Manual de Formação para Empresários 1/22

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA. Programa Formação PME Manual de Formação para Empresários 1/22 MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA 1/22 INTRODUÇÃO... 3 ANÁLISE DA ACTIVIDADE DA EMPRESA... 4 ESTRUTURA DE CUSTOS... 7 VALOR ACRESCENTADO BRUTO... 7 ANÁLISE DOS FLUXOS DE TESOURARIA... 9 ANÁLISE DOS

Leia mais

Acções. Amortização. Autofinanciamento. Bens

Acções. Amortização. Autofinanciamento. Bens Palavra Acções Significado Títulos que representam uma parte ou fracção de uma sociedade anónima e que dão ao seu proprietário o direito à parcela correspondente de votos, lucros líquidos e activos da

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS

RESULTADOS CONSOLIDADOS 2012 RESULTADOS CONSOLIDADOS Lisboa, 8 de Fevereiro de 2013 A presente informação anual não foi sujeita a auditoria. Processo de Recapitalização A 31 de Dezembro de 2012 foi anunciada a aprovação por parte

Leia mais

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com CADERNO IDC Nº 53 IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com ROI - Retorno do Investimento OPINIÃO IDC Os anos 90 permitiram a inclusão das tecnologias

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA ELÉCTRICA E ELECTRÓNICA. Para a disciplina de Gestão

GESTÃO FINANCEIRA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA ELÉCTRICA E ELECTRÓNICA. Para a disciplina de Gestão UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA ELÉCTRICA E ELECTRÓNICA GESTÃO FINANCEIRA Para a disciplina de Trabalho elaborado por: César Alfredo nº 21243 André santos nº 28568

Leia mais

Índice ÍNDICE PREFÁCIO...7 APRESENTAÇÃO E AGRADECIMENTOS...9 INTRODUÇÃO...11 PRIMEIRA PARTE

Índice ÍNDICE PREFÁCIO...7 APRESENTAÇÃO E AGRADECIMENTOS...9 INTRODUÇÃO...11 PRIMEIRA PARTE Índice 3 ÍNDICE PREFÁCIO...7 APRESENTAÇÃO E AGRADECIMENTOS...9 INTRODUÇÃO...11 PRIMEIRA PARTE ESTRUTURA DO CAPITAL: ABORDAGENS TEÓRICAS E EVIDÊNCIA EMPÍRICA CAPÍTULO 1 ABORDAGENS BASEADAS NOS EFEITOS FISCAIS

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS. Introdução

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS. Introdução - 1 - RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS Introdução A Administração acredita que a gestão efetiva de riscos é vital para o sucesso da Instituição e conseqüentemente mantém um ambiente de gerenciamento de riscos

Leia mais

CRIAÇÃO VERSUS RETOMA

CRIAÇÃO VERSUS RETOMA A RETOMA E A FRANCHISE CRIAÇÃO VERSUS RETOMA Na óptica do potencial empresário a criação e a retoma ou aquisição de uma empresa correspondem a duas lógicas distinta. Assim, enquanto o "criador" procura

Leia mais

I. CÓDIGO DE ÉTICA. 1. Âmbito de Aplicação

I. CÓDIGO DE ÉTICA. 1. Âmbito de Aplicação I. CÓDIGO DE ÉTICA 1. Âmbito de Aplicação O presente Código de Ética define os princípios e as regras a observar pela N Seguros, S.A. sem prejuízo de outras disposições legais ou regulamentares aplicáveis

Leia mais

sobre Instrumentos Financeiros

sobre Instrumentos Financeiros A Informação que deve ser Prestada pelos Intermediários Financeiros sobre Instrumentos Financeiros CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012 1 A Informação que deve ser prestada pelos

Leia mais

Os Custos de Prevenção e Segurança e a sua Recuperação no Tempo COMUNICAÇÃO DE MANUEL MENDES DA CRUZ

Os Custos de Prevenção e Segurança e a sua Recuperação no Tempo COMUNICAÇÃO DE MANUEL MENDES DA CRUZ Os Custos de Prevenção e Segurança e a sua Recuperação no Tempo COMUNICAÇÃO DE MANUEL MENDES DA CRUZ INTRODUÇÃO O inesperado é o dia a dia das empresas... Pelo que os gestores têm também de prever o inesperado...

Leia mais

contribuir para ocultar a descida real do poder de compra dos salários e das pensões de reforma em Portugal contribui para que continue.

contribuir para ocultar a descida real do poder de compra dos salários e das pensões de reforma em Portugal contribui para que continue. RESUMO A actual crise financeira, que começou nos EUA, um país apresentado durante muito tempo pelo pensamento económico neoliberal dominante em Portugal, nomeadamente a nível dos media, como exemplo a

Leia mais

newsletter Nº 79 AGOSTO / 2013

newsletter Nº 79 AGOSTO / 2013 newsletter Nº 79 AGOSTO / 2013 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Julho de 2013 2 Capitalização de Gastos com Empréstimos Obtidos 4 Revisores e Auditores 7 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL Tribunal Constitucional

Leia mais

Relatório sobre a. estrutura e Práticas. de governo societário

Relatório sobre a. estrutura e Práticas. de governo societário Relatório sobre a estrutura e Práticas de governo societário 108 RELATÓRIO SOBRE A ESTRUTURA E PRÁTICAS DE GOVERNO SOCIETÁRIO (SANTANDER TOTTA SEGUROS) O presente relatório é elaborado nos termos do art.

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP 16.12.2010 REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL

Leia mais

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS NOVEMBRO DE 2007 CMVM A 1 de Novembro de 2007 o

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

Recapitalizar as Pequenas e Médias Empresas Portuguesas

Recapitalizar as Pequenas e Médias Empresas Portuguesas Recapitalizar as Pequenas e Médias Empresas Portuguesas Apresentação na 1ª Reunião do Fórum CMVM/PME para o Mercado de Capitais Carlos Tavares 27 Março 2012 1 Redução dos desequilíbrios externos da Economia

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE. INQUÉRITO DE CONJUNTURA Folha de Informação Rápida. CONSTRUÇÃO 3º Trimestre 2013

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE. INQUÉRITO DE CONJUNTURA Folha de Informação Rápida. CONSTRUÇÃO 3º Trimestre 2013 INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE CABO VERDE CABO VERDE INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE INQUÉRITO DE CONJUNTURA

Leia mais

. INFORMAÇÃO E EMITENTES MOBILIÁRIOS

. INFORMAÇÃO E EMITENTES MOBILIÁRIOS . INFORMAÇÃO 4.. I E EMITENTES DE VALORES MOBILIÁRIOS 4. Informação e Emitentes de Valores Mobiliários O QUE É PRECISO SABER PARA INVESTIR EM VALORES MOBILIÁRIOS? A informação desempenha um papel fundamental

Leia mais

Teoria dos ciclos de investimento

Teoria dos ciclos de investimento Teoria dos ciclos de investimento elaborada por Kalecki KALECKI, Michal. Teoria da dinâmica econômica. São Paulo, Abril Cultural, 1976. (original de 1954). COSTA (2000), Lição 6.3: 241-245. http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/

Leia mais

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA)

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) 30 de Junho de 2005 ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) Relatório do Conselho de Administração Altri, S.G.P.S., S.A. (Sociedade Aberta) Contas Individuais Rua General Norton de Matos, 68 4050-424

Leia mais

Médias e Pequenas Empresas: Desafios e Oportunidades para os Bancos de Varejo. Carlos Alberto dos Santos

Médias e Pequenas Empresas: Desafios e Oportunidades para os Bancos de Varejo. Carlos Alberto dos Santos Médias e Pequenas Empresas: Desafios e Oportunidades para os Bancos de Varejo Carlos Alberto dos Santos Agenda 1) Um pouco ( só um pouco) de teoria. 2) Que mercado é este? 3) Desafios e oportunidades

Leia mais

CAPÍTULO III TOMADA DE DECISÃO COM INCERTEZA E RISCO

CAPÍTULO III TOMADA DE DECISÃO COM INCERTEZA E RISCO CAPÍTULO III TOMADA DE DECISÃO COM INCERTEZA E RISCO TOMADA DE DECISÃO 36 Tomada de Decisões Primeiro Passo i. Identificar decisões alternativas. ii. Identificar consequências possíveis. iii. Identificar

Leia mais

Aspectos fiscais do investimento português em Angola

Aspectos fiscais do investimento português em Angola Tax Aspectos fiscais do investimento português em Angola Jaime Carvalho Esteves, Partner Revista Angola - Portugal Negócios, Julho e Novembro de 2009 Angola tem sido um dos oásis de muitas das empresas

Leia mais

Macroeconomia - Lição 3 - Oferta e Procura Global

Macroeconomia - Lição 3 - Oferta e Procura Global Macroeconomia - Lição 3 - Oferta e Procura Global João Sousa Andrade 18 de Novembro de 2004 Faculdade de Economia - Mestrado de Economia Ano Lectivo de 2004/05 Texto com carácter provisório para acompanhamento

Leia mais

O Financiamento Bancário no Contexto Atual

O Financiamento Bancário no Contexto Atual Seminário: Modelos de Financiamento de Operações Urbanísticas: desafios e oportunidades O Financiamento Bancário no Contexto Atual José Herculano Gonçalves IST Lisboa, 28 Janeiro 2014 Direção de Financiamento

Leia mais

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Senhores Accionistas, De acordo com o disposto na Lei e nos Estatutos, vem o Conselho de Administração apresentar o seu Relatório de Gestão, o Balanço e Contas, bem

Leia mais

COMUNICADO. Bank Millennium na Polónia apresenta Resultados de 2005

COMUNICADO. Bank Millennium na Polónia apresenta Resultados de 2005 BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Praça D. João I, 28, Porto Mat. CRC do Porto: 40.043 NIPC: 501.525.882 Capital Social Registado: 3.588.331.338 Euros COMUNICADO Bank Millennium na

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Resultados para Portugal Outubro de 2015

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Resultados para Portugal Outubro de 2015 INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Resultados para Portugal Outubro de 2015 I. Apreciação Geral De acordo com os resultados obtidos no inquérito realizado em outubro aos cinco grupos bancários

Leia mais

- Contabilidade Financeira II 2007/ 2008 2º Semestre 1 AUMENTOS DE CAPITAL. Por incorporação de Reservas. Por entrada de Dinheiro

- Contabilidade Financeira II 2007/ 2008 2º Semestre 1 AUMENTOS DE CAPITAL. Por incorporação de Reservas. Por entrada de Dinheiro AULA 10 Capital Próprio Aumentos de capital Demonstração de fluxos de caixa Construção da DFC - Contabilidade Financeira II 2007/ 2008 2º Semestre 1 AUMENTOS DE CAPITAL Por incorporação de Reservas Por

Leia mais