UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E ECONÔMICAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS EDUARDO RODRIGUES DOS SANTOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E ECONÔMICAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS EDUARDO RODRIGUES DOS SANTOS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E ECONÔMICAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS EDUARDO RODRIGUES DOS SANTOS BALANÇO SOCIAL: UMA ANÁLISE DA EMPREGABILIDADE DE AFRODESCENDENTES NAS ENTIDADES DO SETOR FINANCEIRO NO PERÍODO DE 2001 À 2006 VITÓRIA 2008

2 EDUARDO RODRIGUES DOS SANTOS BALANÇO SOCIAL: UMA ANÁLISE DA EMPREGABILIDADE DE AFRODESCENDENTES NAS ENTIDADES DO SETOR FINANCEIRO NO PERÍODO DE 2001 À 2006 Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Departamento de Ciências Contábeis do Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas da Universidade Federal do Espírito Santo, como requisito parcial para obtenção do Grau de Bacharel em Ciências Contábeis. Orientador: Prof. MSc Fernando J. Arrigoni VITÓRIA 2008

3 EDUARDO RODRIGUES DOS SANTOS BALANÇO SOCIAL: UMA ANÁLISE DA EMPREGABILIDADE DE AFRODESCENDENTES NAS ENTIDADES DO SETOR FINANCEIRO NO PERÍODO DE 2001 À 2006 Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Departamento de Ciências Contábeis do Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas da Universidade Federal do Espírito Santo, como requisito parcial para obtenção do título de Bacharel em Ciências Contábeis. Aprovado em 20/11/2008. COMISSÃO EXAMINADORA Prof. MSc Fernando J. Arrigoni Universidade Federal do Espírito Santo Orientador Prof. Claudio S. Salim Universidade Federal do Espírito Santo Prof. MSc Fernando N. Zatta Universidade Federal do Espírito Santo

4 É simplesmente inimaginável. Pela primeira vez um negro colocado numa posição de poder real e por um longo tempo. Joaquim Barbosa, Ministro do Supremo Tribunal Federal, negro, que foi ao EUA acompanhar a eleição de Barack Obama para presidente.

5 RESUMO Balanço Social: uma análise da empregabilidade de afrodescendentes nas entidades do setor financeiro tem como objetivo verificar a participação das pessoas negras no mercado de trabalho, em especial nas instituições financeiras sediadas no Brasil. É cada vez mais corrente a discussão sobre o papel das entidades como agentes sociais no processo de desenvolvimento, onde a responsabilidade social tem levado as empresas a buscarem formas de trabalhar, objetivando evidenciar informações que demonstrem seu comprometimento com a sociedade. Porém, ainda não existe uma padronização para que elas possam evidenciar essas informações e nem mesmo uma legislação que as obriguem a publicá-las. A contabilidade, sendo uma ciência social, apresenta uma ferramenta que as empresas tem utilizado para evidenciar essas informações, que são os Balanços Sociais, criados para tornar público a responsabilidade social e ambiental das organizações e seu grau de comprometimento com a sociedade, por meio deles, busca-se evidenciar informações sócio-ambientais sobre as atitudes das empresas. A presente pesquisa, através da análise dos Balanços Socias dos bancos - Banco do Brasil, Banrisul, Bradesco, Itaú, Santander e Unibanco, no período de 2001 a analisou a empregabilidade de afrodescendentes nas entidades do setor financeiro, bem como os cargos de chefia ocupados pelos mesmos, utilizando-se das informações disponibilizadas no Balanço Social - modelo do Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas (Ibase) e nos sítios eletrônicos das próprias empresas, para tanto utilizou-se da pesquisa bibliográfica, descritiva e documental. Palavras-chave: Bancos. Balanço Social. Negros. Responsabilidade Social.

6 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Base de Cálculo Tabela 2 Indicadores Sociais Internos Tabela 3 Indicadores Sociais Externos Tabela 4 Indicadores Ambientais Tabela 5 Indicadores do Corpo Funcional Tabela 6 Receita Líquida (em mil R$) apurada de 2001 a Tabela 7 Número de empregados no período de 2001 a

7 AGRIMER Banco Agrícola Mercantil LISTA DE SIGLAS BADESUL Banco de Desenvolvimento do Rio Grande do Sul BANRISUL Banco do Estado do Rio Grande do Sul BOVESPA Bolsa de Valores de São Paulo BS - Balanço Social CEF Caixa Econômica Federal DIEESE - Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos FEBRABAN Federação Brasileira de Bancos FGTS Fundo de Garantia por Tempo de Serviço GRI - Global Reporting Initiative GTI População Negra - Grupo de Trabalho Interministerial de Valorização da População Negra IBASE - Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística INSS Instituto Nacional do Seguro Social IPEA - Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicada MEC Ministério da Educação e Cultura MinC Ministério da Cultura MJ Ministério da Justiça MRE Ministério das Relações Exteriores MTE - Ministério do Trabalho e Emprego NYSE Bolsa de Valores de Nova York OIT - Organização Internacional de Trabalho PNAD - Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNDH - Programa Nacional de Direitos Humanos UBB União dos Bancos Brasileiros S.A UNIBANCO União de Bancos Brasileiros S.A

8 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1 - Balanços Sociais por ano de publicação Gráfico 2 - Total de pessoas empregadas por ano de publicação Gráfico 3 - Empresas que divulgaram o número de negros(as) em (%) Gráfico 4 - Empresas que divulgaram o % de cargos chefiados por negros(as) Gráfico 5 - Empresas que divulgam o número de pessoas com deficiência (em %) Gráfico 6 - Empresas que divulgaram o número de pessoas acima de 45 anos (em %) Gráfico 7 - Total de agências no Brasil Gráfico 8 - Total de Empregados X n de negros empregados Banco do Brasil.. 48 Gráfico 9 - Total de Empregados X n de negros empregados Banrisul Gráfico 10 - Total de Empregados X n de negros empregados Bradesco Gráfico 11 - Total de Empregados X n de negros empregados Itaú Gráfico 12 - Total de Empregados X n de negros empregados Santander Gráfico 13 - Total de Empregados X n de negros empregados Unibanco Gráfico 14 - Relação de Cargos de chefia ocupados por negros... 53

9 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO PROBLEMA OBJETIVOS Geral Específico JUSTIFICATIVA E RELEVÂNCIA DO TEMA METODOLOGIA LIMITAÇÕES DA PESQUISA 18 2 REVISÃO DA LITERATURA RESPONSABILIDADE SOCIAL BALANÇO SOCIAL Conceito Modelos de Balanço Social O BALANÇO SOCIAL DO IBASE Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas Modelo de Balanço Social/Ibase CONTEXTUALIZAÇÃO DA HISTÓRIA DOS NEGROS NO BRASIL Histórico das Desigualdades Raciais Situação do Negro no Brasil Racismo, Preconceito e Discriminação Racial Ação Afirmativa Ações Públicas Realizadas no Âmbito Federal O Negro no Mercado de Trabalho Negros em destaque no mercado de trabalho 41 3 ANÁLISE DAS INSTITUIÇÕES BANCÁRIAS BREVE HISTÓRICO DOS BANCOS Banco do Brasil Banrisul Bradesco 45

10 3.1.4 Itaú Santander Unibanco A EMPREGABILIDADE DOS NEGROS NO SETOR BANCÁRIO RESULTADOS DA PESQUISA 54 4 CONCLUSÃO 57 5 REFERÊNCIAS 59 ANEXOS 62 ANEXO A Modelo de Balanço Social / Ibase 62 APÊNDICE 63 APÊNDICE A Dados extraídos dos Balanços Sociais dos bancos pesquisados 63

11 11 1 INTRODUÇÃO 1.1 CONTEXTUALIZAÇÃO A Contabilidade, segundo Iudícibus e Marion (apud Beuren, 2006, p. 28) é uma Ciência Social, ainda que ela utilize métodos quantitativos como sua principal ferramenta, e como tal, busca apresentar para a sociedade, além das informações econômico-financeiras solicitadas pelos seus diversos usuários, as transformações que nela ocorrem ao longo dos anos. Logo, observa-se que a história da Contabilidade vem sendo escrita por estudiosos na medida em que se desenvolve a civilização humana. Para Sá a contabilidade nasceu com a civilização e jamais deixará de existir em decorrência dela; talvez, por isso, seus progressos quase sempre tenham coincidido com aqueles que caracterizaram os da própria evolução do ser humano (SÁ, 1997, p. 15). Essa ciência, por ser social, acompanha a evolução da humanidade, buscando suprir as necessidades informacionais dos usuários cada vez mais exigentes, que buscam informações das empresas que possuem compromissos sociais. Os modelos utilizados para uma adequada administração, não são os mesmos que de uma à duas décadas passadas, período onde teve início um movimento de valorização da responsabilidade social das entidades. Referindo-se a responsabilidade social D Ambrosio e Mello (2006, p. 15) a define como uma decisão da entidade em [...] participar mais diretamente das ações comunitárias na região em que se pretende e minorar possíveis danos ambientais decorrente do tipo de atividade que exerce. Nesse contexto, o Balanço Social (BS) apresenta-se como um instrumento valioso para medir o desempenho do exercício da responsabilidade social em seus empreendimentos, reunindo informações sobre as atividades desenvolvidas, em promoção humana e social, dirigidas a seus empregados e à comunidade onde a empresa está inserida (SILVA e FREIRE, 2001, p. 124).

12 12 O Balanço Social beneficia os grupos que interagem com a empresa (stakeholders), e acerca de alguns desses beneficiários, Silva e Freire (2001, p. 126) afirmam que beneficia os seguintes grupos: Dirigentes: a esses usuários o Balanço Social fornece informações úteis à tomada de decisão, com relação aos programas sociais que a empresa esteja ou venha a desenvolver; Trabalhadores: para eles, o Balanço Social dá a possibilidade de que seus anseios sejam percebidos pela empresa de maneira sistematizada e quantificada. Os autores afirmam que indicadores do Balanço Social estimulam a participação voluntária do empregado na escolha dos programas sociais da empresa, o que acarreta um grau mais elevado de integração nas relações entre dirigentes e empregados; Fornecedores/Investidores: Informa como a empresa trata suas responsabilidades com relação aos seus recursos humanos, indicando de forma adequada como a empresa é administrada; Consumidores: Fornece uma ideia da mentalidade dos dirigentes da companhia, o que pode ser associado à qualidade do produto ou serviço oferecido; e Estado: o Balanço Social apresenta subsídios para a elaboração de normas legais que auxiliem na regulamentação da atividade da organização com vista ao bem-estar individual e da comunidade. Dentre os benefícios criados pela implantação do Balanço Social, Tenório (2004, p. 39) destaca: a identificação do grau de comprometimento social da empresa com a sociedade, os empregados e o meio ambiente; a evidenciação, por meio de indicadores, das contribuições à qualidade de vida da sociedade; e a avaliação da administração diante dos resultados sociais e não somente financeiros. Deste modo, utilizando-se principalmente desta ferramenta da Contabilidade que é o Balanço Social, este estudo apresenta uma análise da empregabilidade de afrodescendentes, também definidos como negros - população autodeclarada de cor preta ou parda, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de

13 13 Domicílios (PNAD) de 2007, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) - nas entidades do setor financeiro por meio da verificação dos indicadores laborais apresentados pelos Balanços Sociais das respectivas entidades, publicadas pelo Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas (Ibase), com a finalidade de oferecer informações relevantes para investidores e para a sociedade em geral quanto à proteção e ao estímulo do trabalho dos afrodescendentes (negros). Esta pesquisa está fundamentada em informações do banco de dados do Ibase, literatura nacional, informações constantes do Balanço Social das empresas, em uma abordagem descritiva e comparativa. Os resultados permitirão avaliar qual a evolução da empregabilidade dos negros nas empresas do setor financeiro, em especial nas instituições bancárias, que são o foco deste trabalho. Tentará evidenciar se as empresas possuem equilíbrio de cor/raça na ocupação de determinados cargos e qual a relação dessa mão-de-obra com os negros em cargos de chefia. 1.2 PROBLEMA O Brasil possui uma população de aproximadamente 187 milhões de pessoas, sendo 49,70% de cor/raça branca, 49,50% de cor/raça negra (preta ou parda) e 0,8% de cor/raça amarela ou indígena (IBGE, Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD, 2007). Contudo, apesar de se verificar quase a mesma proporcionalidade em números de habitantes entre brancos e negros, percebe-se que a quantidade destes em relação àqueles no mercado de trabalho, em alguns setores, é muito baixa. Verifica-se que há uma dificuldade de inserção do negro no mercado de trabalho e sua ascensão em áreas de maior remuneração. Segundo Jaccoud (2002) várias são as atitudes que acabam dificultando a inserção do negro em setores que exigem uma qualificação maior, como a exigência de boa aparência, a ocupação de cargos inferiores, a remuneração diferenciada do branco com relação ao negro em uma mesma função, a dificuldade de acesso à educação. Diante da realidade que é apresentada pelo mercado, o presente trabalho propõe o seguinte problema de pesquisa: qual tem sido o

14 14 percentual de participação dos negros em relação ao total da força de trabalho nas instituições bancárias ao longo dos anos de 2001 a 2006? A porcentagem de cargos chefiados por negros tem aumentado ou diminuído nas empresas pesquisadas? O quantitativo de negros que ocupam cargos de chefia acompanha a evolução da quantidade de negros empregados no período de 2001 a 2006? 1.3 OBJETIVOS Geral A implementação de dispositivos regulatórios e de políticas específicas para os negros significa, até certo ponto, uma intervenção na desigualdade de acesso ao trabalho. O conceito de desigualdade está associado às questões de classe, de gênero e de raça. Denota as posições dos indivíduos de uma sociedade com relação aos meios de produção, o valor diferente dado a esses indivíduos de acordo com seu sexo e características físicas diferentes ou a cor de sua pele (REVISTA PROPOSTA, 1998, p. 65). O objetivo desta pesquisa é identificar como a especificidade de raça se reflete no mercado de trabalho, no período de 2001 a 2006, com foco nas entidades bancárias, a partir de dados dos balanços sociais disponibilizados pelo Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas (Ibase) e nos sítios eletrônicos das próprias empresas, visando apresentar o percentual de participação dos negros em relação ao total da força de trabalho nas instituições bancárias, no período de 2001 a 2006, demonstrando ainda se ao longo desse período constata-se diferenças entre a participação do negro no total de mão-de-obra com os cargos de chefia ofertados pelos bancos Específico Os objetivos específicos que serão percorridos para alcançar o objetivo geral serão os seguintes:

15 15 o Contextualização da história do negro no Brasil; o Inserção do negro no mercado de trabalho; o Conceituação de Balanço Social; o Detalhamento do modelo Ibase de Balanço Social; o Confecção de planilha com os dados extraídos dos referidos balanços sociais; o Comparação dos dados anuais sobre o corpo funcional das entidades e verificar a evolução destes dados. 1.4 JUSTIFICATIVA E RELEVÂNCIA DO TEMA As desigualdades sociais apresentadas em todos os indicadores analisados pelo IBGE, na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD, no ano de 2007, referente aos dados coletados em 2006, demonstram a exclusão à qual homens e mulheres, identificados como negros ou pardos, são submetidos ao longo do percurso de suas vidas. Ressalta-se que dois indicadores sociais apresentam maior relevância quando se compara a exclusão dessas pessoas: a educação e a participação econômica (PNAD, 2007). Ibase afirma que Em recente publicação contemplando os 10 anos do Balanço Social, o apesar de todo o discurso pela igualdade de direitos e oportunidades, os dados apresentados nos mostram a discriminação que ainda persiste na sociedade brasileira e que se reflete, de múltiplas maneiras, em veladas práticas discriminatórias no mundo do trabalho (IBASE, 2008, p. 50). Como comportamento associado a estas desigualdades, os rendimentos médios percebidos por negros se apresentam menores que os dos brancos. Os procedimentos de elaboração, análise e divulgação do Balanço Social vêm sendo cada vez mais adotados pelas entidades interessadas em demonstrar para seus usuários, que além das suas metas de lucratividade e rentabilidade, elas se preocupam com a responsabilidade social e com os impactos da sua atuação na sociedade que as acolhe (SILVA e FREIRE, 2001, p ).

16 16 Segundo o comentário de um analista de mercado (IBASE, 2008, p. 50), atualmente todas as pessoas ao analisarem ou indicarem uma empresa, avaliam o seu Balanço Social e ele destaca ainda que o modelo Ibase facilita bastante essa análise. Observa-se que muitas empresas já concluíram aquilo que parece óbvio, que o seu desenvolvimento e crescimento a longo prazo estão diretamente relacionados ao desenvolvimento e crescimento dos seus empregados, dos seus clientes, dos seus fornecedores e da melhoria da qualidade de vida da sociedade em geral. Ao elaborar o Balanço Social, a organização demonstra para seus usuários e colaboradores, qualitativa e quantitativamente, a sua forma de atuação social, seja na comunidade em geral (indicadores externos), nas relações com o meio ambiente ou em seu corpo funcional (indicadores internos). Destarte, este trabalho pretende utilizar esta ferramenta como instrumento na obtenção de dados nesse campo de pesquisa contábil, mostrando que além de prestar informações econômicas, financeiras e gerenciais, a contabilidade por ser uma ciência social, também trabalha em temas envolvendo a socidade como um todo. Tendo como base principalmente dados estatísticos e os balanços sociais das entidades bancárias, capta-se informações de suma importância para o levantamento de questões que ajudarão na compreensão do processo que exclui o negro de determinadas áreas em que pessoas de raça branca predominam. Em uma sociedade capitalista, em que as desigualdades sociais se destacam, a reprodução da discriminação impede a ascensão social do negro, pois ele recebe salários inferiores aos recebidos pelo branco, realizando trabalhos menos qualificados. Devido ao preconceito, a mão-de-obra negra é direcionada para trabalhos domésticos e pesados. A sua cor é fator determinante, sobrepondo-se à qualificação profissional, indicando, com isso, que no mercado de trabalho brasileiro, independente de qualquer outra qualidade, ser branco representa, por si só, uma vantagem na disputa por um espaço (Fundação Cultural Palmares, 2005, p. 18).

17 17 Este trabalho se justifica pela relevância do tema do negro e sua inclusão no mercado de trabalho, delimitando como área a ser pesquisa às instituições do setor financeiro. 1.5 METODOLOGIA A metodologia utilizada para a realização do presente trabalho é a pesquisa bibliográfica, documental e descritiva. Para Cervo e Bervian (1983, p. 55) a pesquisa bibliográfica explica um problema a partir de referenciais teóricos publicados em documentos. Pode ser realizada independentemente ou como parte da pesquisa descritiva ou experimental. Ambos os casos buscam conhecer e analisar as contribuições culturais ou científicas do passado existentes sobre um determinado assunto, tema ou problema. A pesquisa documental, devido as suas características, pode chegar a ser confundida com a bibliográfica (BEUREN, 2006, p. 89). Gil (1999) explica que a principal diferença entre esses tipos de pesquisa é a natureza das fontes de ambas. Enquanto a pesquisa bibliográfica é desenvolvida mediante material já elaborado, principalmente livros e artigos científicos, a documental baseia-se em materiais que ainda não receberam um tratamento analítico ou que podem ser reelaborados de acordo com os objetivos que se quer alcançar. Parte das informações coletadas no portal do Ibase, bem como documentos divulgados pelas empresas entre 2001 e 2006 será a base de estudos. Essa opção está fundamentada na perspectiva de Severino o que pesquisar na internet? Como se trata de uma enorme rede, com um excessivo volume de informações, sobre todos os domínios e assuntos, é preciso saber garimpar, sobretudo dirigindo-se a endereços certos (SEVERINO, 2001, p. 138). Dessa forma o estudo elege o Ibase, premissa inicial, como fonte de informações corretas e completas das empresas do mercado financeiro brasileiro. Já a pesquisa descritiva, na concepção de Gil (1999), tem como principal objetivo mostrar as características de determinada população ou fenômeno ou o estabelecimento de relacionamento entre as variáveis. Ainda sobre este tipo de

18 18 pesquisa, destaca-se que ela se interessa em observar fatos, registrá-los, analisálos, classificá-los e interpretá-los, sem a interferência do pesquisador. Isto posto, o trabalho se utilizará da metodologia bibliográfica para embasar a revisão de literatura, visando explicitar o conceito de Responsabilidade Social, apresentar o Balanço Social com seus conceitos e modelos, destacando o modelo do Ibase. Apresentar uma contextualização da história dos negros no Brasil, bem como uma análise das instituições bancárias. As metodologias documental e descritiva serão utilizadas para apresentar as características das entidades bancárias e a empregabilidade dos negros nestas instituições (descritiva). A documental constituir-se-a de selecionar os Balanços Sociais destas entidades, por meio do portal eletrônico do Ibase ou dos bancos, planilhar os dados relevantes para a presente pesquisa, confeccionar os gráficos destes dados e analisá-los, visando satisfazer a problemática deste trabalho. 1.6 LIMITAÇÕES DA PESQUISA A presente pesquisa restringiu seu campo de investigação a uma amostra aleatória simples de empresas do setor financeiro. Isto posto, se faz necessária a utilização de maior quantidade de empresas e maior horizonte temporal para ensejar um quadro mais generalizável da participação das pessoas negras no setor bancário e na economia brasileira. Quadro este que não foi possível alcançar, devido a falta de publicação do Balanço Social pela maioria dos bancos, logo, os resultados apresentados são válidos somente para a amostra pesquisada. 2 REVISÃO DA LITERATURA Esta seção apresenta visões sobre a responsabilidade social, o Balanço Social e a situação dos negros no Brasil, fundamentais para a caracterização do problema dos afrodescendentes no mercado de trabalho.

19 RESPONSABILIDADE SOCIAL A ideia da responsabilidade social tem contagiado as empresas nos últimos anos, porque tem se observado uma ascensão no número de organizações que estão apresentando o Balanço Social por livre iniciativa. Uma das razões é a necessidade do setor privado de se aproximar dos clientes e consequentemente da comunidade local e, um dos caminhos para isso é apontar o que cada um pode fazer pelo social. Esse é um assunto que tem ganhado cada vez mais espaço, e tem no Balanço Social o principal instrumento de transparência e prestação de contas das práticas dos gestores na governança dos negócios. Diante disso, tem-se então que a Responsabilidade Social Corporativa não está situada apenas no âmbito da caridade ou da filantropia, tradicionalmente praticada pela iniciativa privada. Seu conceito está muito mais próximo das estratégias de sustentabilidade de longo prazo das empresas que, em sua lógica de performance e lucros, passam a incluir a necessária preocupação com os efeitos das atividades desenvolvidas e o objetivo de proporcionar bem estar para a sociedade. [...] Na visão de governança corporativa exclusivamente direcionada para a performance financeira, o exercício da responsabilidade social pode ser entendido, à primeira vista, como um custo adicional para as empresas, seus sócios e acionistas, pois são recursos que de outra maneira estariam sendo reinvestidos ou distribuídos sob forma de lucros e dividendos [...] (COSTA, 2000, p. 6). Logo, compreende-se a responsabilidade social como um compromisso da empresa para com a sociedade na busca da melhoria da qualidade de vida, agindo de modo a respeitar os interesses da população, preservando, inclusive, o meio ambiente e satisfazendo às exigências legais. 2.2 BALANÇO SOCIAL Conceito A Contabilidade, enquanto ciência que estuda a situação patrimonial e o desempenho econômico-financeiro das entidades, também possui os instrumentos

20 20 necessários para contribuir para a identificação do nível de responsabilidade social dos agentes econômicos. Estes instrumentos se traduzem no Balanço Social. Torres (2007, p. 21) conceitua Balanço Social como sendo: [...] um demonstrativo publicado anualmente pela empresa reunindo um conjunto de informações sobre os projetos, benefícios e ações sociais dirigidas aos empregados, investidores, analistas de mercado, acionistas e à comunidade. É também um instrumento estratégico para avaliar e multiplicar o exercício da responsabilidade social corporativa. Já Kroetz (2000, p. 36) afirma que o Balanço Social representa a demonstração dos gastos e das influências (favoráveis e desfavoráveis) recebidas e transmitidas pelas entidades na promoção humana, social e ecológica, sendo que os efeitos dessa interação se dirigem aos gestores, aos empregados e à comunidade, no espaço temporal passado/presente/futuro, tornando-se parte integrante da Contabilidade Social, configurando-se uma demonstração para a sociedade, e não da sociedade. Isto posto, verifica-se que diferentemente do balanço patrimonial e outros relatórios que evidenciam a posição financeira e patrimonial da entidade em um dado momento, a Contabilidade tem no Balanço Social uma ferramenta que presta as informações econômicas, sociais e ambientais, demonstrando o que a instituição produz de riqueza para terceiros. O Balanço Social é um instrumento fundamental para o disclosure e análise da responsabilidade social das empresas. Carvalho (1990, p. 62) afirma que o Balanço Social como uma ferramenta de gestão [...] constitui um instrumento de controle de tomada de decisões, de grande utilidade para a direção da empresa, permitindo melhorar o ambiente interno e clarificar alguns objetivos a médio prazo [...]. Vale destacar, o pronunciamento do sociólogo Hebert de Souza, o Betinho, um dos grandes precursores do Balanço Social no Brasil, o qual afirma que cabe às empresas oferecer dados sobre as atividades no campo social a entidades autônomas e independentes da sociedade civil. São imprescindíveis o acompanhamento, a análise e a participação nesse esforço conjunto. O Balanço Social não pode ser uma peça de marketing, mas uma demonstração responsável de investimentos sociais realizados pelas empresas (SOUZA, 2008).

21 Modelos de Balanço Social Será apresentado, brevemente, alguns modelos observados como forma de Balanço Social. Porém, como o objetivo deste trabalho não é evidenciar estes modelos, este trabalho se limitará apenas apresentá-los sucintamente. 1. Modelo GRI (Global Reporting Initiative) - conta com mais de mil membros em sua rede e propõe um padrão internacional de relatório de sustentabilidade. É uma ferramenta de comunicação do desempenho social, ambiental e econômico das organizações. O modelo de relatório da Global Reporting Initiative (GRI) é atualmente o mais completo e mundialmente difundido. Seu processo de elaboração contribui para o engajamento das partes interessadas da organização, a reflexão dos principais impactos, a definição dos indicadores e a comunicação com o público interessado (ETHOS, 2008). 2. Modelo do Instituto Ethos - Baseado num relato detalhado dos princípios e das ações da organização, este guia incorpora os Indicadores Ethos de Responsabilidade Social Empresarial e a planilha proposta pelo Ibase, sugerindo um detalhamento maior do contexto das tomadas de decisão em relação aos problemas encontrados e aos resultados obtidos (ETHOS, 2008). 3. Modelo do Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas Ibase - é um modelo reduzido e simplificado que prima pela divulgação dos resultados a todos os públicos interessados, principalmente os colaboradores da empresa. Lançado em 1997, o Balanço Social modelo Ibase inspira-se no formato dos balanços financeiros. De forma detalhada, expõe os números associados à responsabilidade social da organização através de informações sobre a folha de pagamentos e os gastos com encargos sociais de funcionários. Além disso, detalha as despesas com controle ambiental e os investimentos sociais externos nas diversas áreas educação, cultura, saúde etc. (ETHOS, 2008)

22 22 O modelo Ibase surgiu com o objetivo de servir à avaliação dos desempenhos das empresas na área social ao longo dos anos, podendo também ser utilizado como parâmetro de comparação nela mesma e entre outras empresas em períodos diferentes. Observando a necessidade de padronização das informações, achou-se necessário um modelo único, simples e objetivo, tal qual o modelo proposto pelo Ibase (IBASE, 2008). Neste sentido, utilizar-se-á este modelo, como fonte de informações que irá compor o desenvolvimento deste trabalho e que permitirá alcançar os objetivos propostos. 2.3 O BALANÇO SOCIAL DO IBASE Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas (Ibase) O Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas - Ibase foi criado em É uma instituição de Utilidade Pública Federal, sem fins lucrativos, sem vinculação religiosa ou político-partidária, que também busca a transparência na prestação de contas das empresas. A missão do Ibase é a construção da democracia, combatendo desigualdades e estimulando a participação cidadã. E possui como objetivos: Dar visibilidade às demandas e propostas de setores em situação de pobreza e exclusão social particularmente mulheres e afrodescendentes no debate e na agenda política e consolidar sujeitos coletivos e a esfera pública. Desenvolver ações que permitam incidir em políticas públicas para priorizar a igualdade e o desenvolvimento humano democrático e sustentável. Lutar pela erradicação da pobreza e combater desigualdades no acesso a bens e recursos. Defender, valorizar e fortalecer a participação cidadã de grupos sociais e comunidades em situação de pobreza e excluídos dos processos decisórios. Exigir transparência de representantes eleitos, gestores e gestoras quanto ao uso de recursos públicos. Cobrar ética, responsabilidade social e cidadã de todas as organizações da sociedade. Estabelecer alianças estratégicas na promoção da democracia, no fortalecimento da sociedade civil e da cidadania planetária, vinculando o global e o local (IBASE, 2008). O Ibase é uma instituição relevante para esse estudo porque recomenda a adoção de alguns indicadores laborais para que as empresas e outras instituições

A consolidação do modelo

A consolidação do modelo C A P Í T U L O 2 A consolidação do modelo Nos últimos anos, o balanço social modelo Ibase tornou-se a principal ferramenta por meio da qual as empresas são estimuladas a conhecer, sistematizar e apresentar

Leia mais

BALANÇO SOCIAL. Prof. Edson Degraf 1

BALANÇO SOCIAL. Prof. Edson Degraf 1 BALANÇO SOCIAL Prof. Edson Degraf 1 O balanço social é uma demonstração que pode ser publicada anualmente pelas empresas, e que reúne uma série de informações sobre sua atuação social, como por exemplo:

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo III: Conselhos dos Direitos no

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES.

CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 417 CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES. Alice da Silva

Leia mais

IGUALDADE RACIAL. 146 políticas sociais acompanhamento e análise 7 ago. 2003 ipea

IGUALDADE RACIAL. 146 políticas sociais acompanhamento e análise 7 ago. 2003 ipea IGUALDADE RACIAL Constituição da República Federativa do Brasil (CRFB) 1988 Artigo 5 o Caput Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros

Leia mais

BALANÇO SOCIAL: UM ESTUDO DE CASO DE UMA EMPRESA DO RAMO DE ENERGIA ELÉTRICA

BALANÇO SOCIAL: UM ESTUDO DE CASO DE UMA EMPRESA DO RAMO DE ENERGIA ELÉTRICA 2, 3 e 4 de Julho de 2009 ISSN 1984-9354 BALANÇO SOCIAL: UM ESTUDO DE CASO DE UMA EMPRESA DO RAMO DE ENERGIA ELÉTRICA Sandro Vieira Soares UFSC José Meirelles Neto UFSC Gustavo Rugoni de Sousa UFSC Elisete

Leia mais

Questionário para Instituidoras

Questionário para Instituidoras Parte 1 - Identificação da Instituidora Base: Quando não houver orientação em contrário, a data-base é 31 de Dezembro, 2007. Dados Gerais Nome da instituidora: CNPJ: Endereço da sede: Cidade: Estado: Site:

Leia mais

A POLÍTICA DE EFETIVAÇÃO DOS DIREITOS DA POPULAÇÃO NEGRA. Prof. Dr. Silvio Luiz de Almeida

A POLÍTICA DE EFETIVAÇÃO DOS DIREITOS DA POPULAÇÃO NEGRA. Prof. Dr. Silvio Luiz de Almeida A POLÍTICA DE EFETIVAÇÃO DOS DIREITOS DA POPULAÇÃO NEGRA Prof. Dr. Silvio Luiz de Almeida As ações afirmativas na construção de um horizonte ético Democracia, Republicanismo e Cidadania - Questão racial:

Leia mais

Um Estudo dos Relatórios da Administração de Empresas com Níveis Diferenciados de Governança Corporativa

Um Estudo dos Relatórios da Administração de Empresas com Níveis Diferenciados de Governança Corporativa Um Estudo dos Relatórios da Administração de Empresas com Níveis Diferenciados de Governança Corporativa Elizabeth Krauter ekrauter@usp.br Universidade de São Paulo (USP), FEA São Paulo, SP, Brasil RESUMO

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA Vitória, ES Janeiro 2010. 1ª Revisão Janeiro 2011. 2ª Revisão Janeiro 2012. POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA REDE GAZETA IDENTIDADE CORPORATIVA Missão

Leia mais

PROGRAMA. Brasil, Gênero e Raça. Orientações Gerais

PROGRAMA. Brasil, Gênero e Raça. Orientações Gerais PROGRAMA Brasil, Gênero e Raça Orientações Gerais Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Trabalho e Emprego Luiz Marinho Secretário-Executivo Marco Antonio de Oliveira Secretário

Leia mais

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS?

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS? COMO SE FAZ NO BRASIL: PRINCIPAIS INSTRUMENTOS DE MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS COMO SE FAZ O MONITORAMENTO? O monitoramento de programas envolve as seguintes etapas:» 1ª etapa: Coleta regular de

Leia mais

As especificidades da desigualdade étnicoracial no cenário das desigualdades no Brasil

As especificidades da desigualdade étnicoracial no cenário das desigualdades no Brasil MÓDULO 4 - Relações Étnico-Raciais unidade 2 TEXTO 4 As especificidades da desigualdade étnicoracial no cenário das desigualdades no Brasil Você já pensou em como as desigualdades raciais muitas vezes

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007. (Do Sr. José Guimarães)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007. (Do Sr. José Guimarães) PROJETO DE LEI Nº, DE 2007. (Do Sr. José Guimarães) Institui feriado nacional no dia 20 de novembro, Dia Nacional da Consciência Negra, data que lembra o dia em que foi assassinado, em 1695, o líder Zumbi,

Leia mais

DESIGUALDADE RACIAL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: DESAFIOS A ENFRENTAR Ricardo de Souza Janoario UFRJ Rita de Cassia de Oliveira e Silva UFRJ

DESIGUALDADE RACIAL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: DESAFIOS A ENFRENTAR Ricardo de Souza Janoario UFRJ Rita de Cassia de Oliveira e Silva UFRJ 1 DES E PROFESSORES: DESAFIOS A ENFRENTAR Ricardo de Souza Janoario UFRJ Rita de Cassia de Oliveira e Silva UFRJ INTRODUÇÃO No Brasil, criou-se a ideologia da democracia racial para explicar que as oportunidades

Leia mais

As Nações Unidas e as Políticas de Redução da Desigualdade Racial

As Nações Unidas e as Políticas de Redução da Desigualdade Racial As Nações Unidas e as Políticas de Redução da Desigualdade Racial Introdução Este documento foi elaborado e aprovado pela Equipe de País do Sistema das Nações Unidas no Brasil em resposta ao interesse

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Ações Inclusivas de Sucesso Belo Horizonte 24 a 28 de maio de 2004 Realização: Pró-reitoria de Extensão

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA SE-001/2011

TERMO DE REFERÊNCIA SE-001/2011 TERMO DE REFERÊNCIA SE-001/2011 Objeto da contratação Consultor sênior Título do Projeto Projeto BRA 07/010 Designação funcional Duração do contrato Consultoria por produto 04 meses Data limite para envio

Leia mais

Os Cursos Pré-Vestibulares para Negros e as Políticas de Cotas nas Instituições de Ensino Superior no Brasil

Os Cursos Pré-Vestibulares para Negros e as Políticas de Cotas nas Instituições de Ensino Superior no Brasil LUGAR COMUM Nº30, pp. 95-100 Os Cursos Pré-Vestibulares para Negros e as Políticas de Cotas nas Instituições de Ensino Superior no Brasil Alexandre do Nascimento Políticas de ação afirmativa são medidas

Leia mais

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 Com a Constituição Federal de 1988, a Assistência Social passa

Leia mais

Cotas Socioeconômicas sim, Étnicas não

Cotas Socioeconômicas sim, Étnicas não Este é um tema atual de debate na sociedade brasileira, motivado principalmente pela discussão das cotas étnicas e, a partir do Projeto de Lei nº 3627/04, com ênfase nas socioeconômicas (origem dos alunos

Leia mais

Não discriminação e igualdade de oportunidades: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente

Não discriminação e igualdade de oportunidades: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente Não discriminação e igualdade de oportunidades: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente Laís Abramo Socióloga, Mestre e Doutora em Sociologia Diretora Escritório da OIT no Brasil Brasília, 3 de

Leia mais

EDIÇÃO ESPECIAL NOVEMBRO DE 2001

EDIÇÃO ESPECIAL NOVEMBRO DE 2001 BOLETIM DIEESE DIEESE EDIÇÃO ESPECIAL NOVEMBRO DE 2001 Há 306 anos morria Zumbi dos Palmares, o maior líder da resistência anti-escravista nas Américas. A sua luta contra a discriminação racial permanece

Leia mais

Desigualdade Racial e políticas públicas no Brasil

Desigualdade Racial e políticas públicas no Brasil Desigualdade Racial e políticas públicas no Brasil Documento para a Audiência Pública sobre as políticas de ação afirmativa de acesso ao ensino superior- STF Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada

Leia mais

Of. nº 025/04-GP/JCZ Erechim, 12 de agosto de 2004. Excelentíssimo Senhor Ministro:

Of. nº 025/04-GP/JCZ Erechim, 12 de agosto de 2004. Excelentíssimo Senhor Ministro: Of. nº 025/04-GP/JCZ Erechim, 12 de agosto de 2004. Excelentíssimo Senhor Ministro: Ao cumprimentá-lo cordialmente, vimos pelo presente, em nome do Consórcio das Universidades Comunitárias Gaúchas COMUNG,

Leia mais

Balanço Social das Empresas

Balanço Social das Empresas Balanço Social das Empresas Aqui inicia-se a construção do Balanço Social de sua empresa, no modelo proposto pelo Ibase. Este importante documento deve ser resultado de um amplo processo participativo

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011 Estabelece medidas de proteção a mulher e garantia de iguais oportunidades de acesso, permanência e remuneração nas relações de trabalho no âmbito rural ou urbano.

Leia mais

OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES POPULARES

OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES POPULARES COMO CITAR ESTE TEXTO: Formato Documento Eletrônico (ISO) NASCIMENTO, Alexandre do. Os Cursos Pré-Vestibulares Populares. [Acesso em dd/mm/aaaa]. Disponível em http://www.alexandrenascimento.com. OS CURSOS

Leia mais

A COR NEGRA NO MERCADO DE TRABALHO UM ESTUDO COM ALUNOS NEGROS EGRESSOS DO CEFET-CUIABÁ PAULA,

A COR NEGRA NO MERCADO DE TRABALHO UM ESTUDO COM ALUNOS NEGROS EGRESSOS DO CEFET-CUIABÁ PAULA, A COR NEGRA NO MERCADO DE TRABALHO UM ESTUDO COM ALUNOS NEGROS EGRESSOS DO CEFET-CUIABÁ. PAULA, Willian Silva de. UFMT CEFET-Cbá - willdepaula@yahoo.com.br Orientadora: Profª Drª Maria Lúcia R. Muller

Leia mais

Dimensão social. Educação

Dimensão social. Educação Dimensão social Educação 218 Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 36 Taxa de escolarização Representa a proporção da população infanto-juvenil que freqüenta a escola. Descrição As variáveis

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Page 1 of 5 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 4.886, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2003. Institui a Política Nacional de Promoção da Igualdade Racial - PNPIR e dá

Leia mais

Princípios Gerais. Política Nacional de Saúde Integral da População Negra 15/10/2012

Princípios Gerais. Política Nacional de Saúde Integral da População Negra 15/10/2012 Princípios Gerais Política Nacional de Saúde Integral da População Negra PORTARIA Nº 992, DE 13 DE MAIO DE 2009 Profª Carla Pintas A Constituição de 1988 assumiu o caráter de Constituição Cidadã, em virtude

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009 03/08/2010 Pág.01 POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009 1. INTRODUÇÃO 1.1 A Política de Comunicação da CEMIG com a Comunidade explicita as diretrizes que

Leia mais

BALANÇO SOCIAL: UM ESTUDO DA EVOLUÇÃO DOS INDICADORES SOCIAIS DE UMA INSTITUIÇÃO FINANCEIRA BRASILEIRA

BALANÇO SOCIAL: UM ESTUDO DA EVOLUÇÃO DOS INDICADORES SOCIAIS DE UMA INSTITUIÇÃO FINANCEIRA BRASILEIRA ISSN 1984-9354 BALANÇO SOCIAL: UM ESTUDO DA EVOLUÇÃO DOS INDICADORES SOCIAIS DE UMA INSTITUIÇÃO FINANCEIRA BRASILEIRA Carlos Eduardo de Oliveira (UFU) Kamyr Gomes de Souza (UFU) Lorena de Almeida (UFU)

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Publicado em: 27/02/2015 Válido até: 26/02/2020 Política de Responsabilidade Socioambiental 1. SUMÁRIO 2 2. OBJETIVO 2 3. ABRANGÊNCIA 2 4. IMPLEMENTAÇÃO 2 5. DETALHAMENTO 2 5.1. Definições 3 5.2. Envolvimento

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE LEI nº, de de (Projeto de Lei nº 00/04, do Executivo) Institui o Programa Oportunidade Solidária, estabelece princípios fundamentais e objetivos da Política de Fomento à Economia Popular Solidária do Município

Leia mais

Sustentabilidade: Hoje ou Amanhã?

Sustentabilidade: Hoje ou Amanhã? Sustentabilidade: Hoje ou Amanhã? Sustentabilidade O que isto significa? Tem implicações nas vidas das pessoas e organizações? Os cidadãos e os executivos estão comprometidos com isto? Surgem muitas organizações

Leia mais

Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão SECADI/MEC Objetivo

Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão SECADI/MEC Objetivo Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão SECADI/MEC Objetivo Contribuir para o desenvolvimento inclusivo dos sistemas de ensino, voltado à valorização das diferenças e da

Leia mais

CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável Missão:

CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável Missão: O CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável, é uma Instituição Social Sem Fins Lucrativos, de Utilidade Pública Federal, fundada em 1998, com sede na cidade do Rio de

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 297, DE 2006

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 297, DE 2006 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 297, DE 2006 Inclui as doações aos Fundos controlados pelos Conselhos de Assistência Social na permissão para dedução do imposto de renda devido pelas pessoas físicas e jurídicas.

Leia mais

COTAS, DO DIREITO DE TODOS AO PRIVILÉGIO DE ALGUNS

COTAS, DO DIREITO DE TODOS AO PRIVILÉGIO DE ALGUNS COTAS, DO DIREITO DE TODOS AO PRIVILÉGIO DE ALGUNS Francisco Carlos Vitória Professor de História do Conjunto Agrotécnico Visconde da Graça - Universidade Federal de Pelotas A partir do ano 2000, setores

Leia mais

NOSSA CLASSE TEM COR E NOSSA COR É DE LUTA - Contribuição à tese 02 Unidade e Luta - Construindo o Vamos À Luta Nacional

NOSSA CLASSE TEM COR E NOSSA COR É DE LUTA - Contribuição à tese 02 Unidade e Luta - Construindo o Vamos À Luta Nacional NOSSA CLASSE TEM COR E NOSSA COR É DE LUTA - Contribuição à tese 02 Unidade e Luta - Construindo o Vamos À Luta Nacional A GLOBALIZAÇÃO E A COR DA EXCLUSÃO Em oposição a um projeto da classe trabalhadora,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE URUAÇU ESTADO DE GOIÁS PODER EXECUTIVO SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO CNPJ 01.219.807/0001-82

PREFEITURA MUNICIPAL DE URUAÇU ESTADO DE GOIÁS PODER EXECUTIVO SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO CNPJ 01.219.807/0001-82 Lei nº 1.591/2010 Altera a Lei Municipal 1.313/205, Cria a Coordenadoria Especial de Políticas para Mulheres, Cria a Coordenadoria Especial de Promoção da Igualdade Racial, e dá outras providências. O

Leia mais

4. CURSO DE EDUCAÇÃO NA DIVERSIDADE E CIDADANIA. 4.1. Apresentação

4. CURSO DE EDUCAÇÃO NA DIVERSIDADE E CIDADANIA. 4.1. Apresentação 4. CURSO DE EDUCAÇÃO NA DIVERSIDADE E CIDADANIA 4.1. Apresentação O Curso de Educação na Diversidade e Cidadania é um curso de formação continuada de professores de educação básica, com carga horária de

Leia mais

Quer tirar seu projeto do fundo do baú?

Quer tirar seu projeto do fundo do baú? Quer tirar seu projeto do fundo do baú? Sumário 1. PATROCÍNIO... 2. SECRETARIA DE POLÍTICAS DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL... 3. INSTITUTO BRASILEIRO DE TURISMO... 4. FUND. COORD. DE APERF. DE PESSOAL

Leia mais

As Nações Unidas e as Políticas de Redução da Desigualdade Racial

As Nações Unidas e as Políticas de Redução da Desigualdade Racial As Nações Unidas e as Políticas de Redução da Desigualdade Racial Introdução Este documento foi elaborado e aprovado pela Equipe de País do Sistema das Nações Unidas no Brasil em resposta ao interesse

Leia mais

Constituição Federal

Constituição Federal Constituição Federal CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1 CONSTITUIÇÃO FEDERAL DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL - 1988 COM A INCORPORAÇÃO DA EMENDA 14 Capítulo III Da Educação, da Cultura e do Desporto Seção I Da Educação

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN

PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN ESPÍRITO SANTO/RN, OUTUBRO DE 2014. FRANCISCO ARAÚJO DE SOUZA PREFEITO MUNICIPAL DE ESPÍRITO SANTO/RN ELIZANGELA FREIRE DE

Leia mais

Análise dos 3 balanços

Análise dos 3 balanços C A P Í T U L O 3 Análise dos balanços O Ibase criou uma base de dados para armazenar e disponibilizar as informações dos balanços sociais publicados pelas empresas que elaboram seus relatórios socioambientais

Leia mais

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a).

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). 1 Ofício nº 01/2015 - CDS - OAB/BLUMENAU Aos(as) Excelentíssimos(as) Vereadores(as) de Blumenau. Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). Conforme se denota do sítio eletrônico,

Leia mais

O MULTICULTURALISMO E OS DIREITOS DE COTAS NA EDUCAÇÃO.

O MULTICULTURALISMO E OS DIREITOS DE COTAS NA EDUCAÇÃO. O MULTICULTURALISMO E OS DIREITOS DE COTAS NA EDUCAÇÃO. SANTOS, Gustavo Abrahão Dos 1 A diversidade cultural entre os discentes nas escolas brasileiras é repleta de características sócio econômicas, aos

Leia mais

DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016

DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016 DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016 A Constituição de 1988 criou a possibilidade de que os cidadãos possam intervir na gestão pública. Pela via do controle social, influenciam

Leia mais

72,0% DA POPULAÇÃO É NEGRA É DE 75,6% ALAVANCADO PELO GRANDE NÚMERO DE PESSOAS QUE SE AUTODECLARAM PARDAS (68,1%) 40,2 MILHÕES 38,0 MILHÕES

72,0% DA POPULAÇÃO É NEGRA É DE 75,6% ALAVANCADO PELO GRANDE NÚMERO DE PESSOAS QUE SE AUTODECLARAM PARDAS (68,1%) 40,2 MILHÕES 38,0 MILHÕES IGUALDADE RACIAL AGENDA IGUALDADE RACIAL O Governo Federal vem promovendo a incorporação da perspectiva da igualdade racial nas políticas governamentais, articulando ministérios e demais órgãos federais,

Leia mais

Igualdade de oportunidades e não discriminação: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente

Igualdade de oportunidades e não discriminação: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente Igualdade de oportunidades e não discriminação: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente Laís Abramo Socióloga, Mestre e Doutora em Sociologia Diretora do Escritório da OIT no Brasil Salvador,

Leia mais

O Mercado de Trabalho nas Atividades Culturais no Brasil, 1992-2001

O Mercado de Trabalho nas Atividades Culturais no Brasil, 1992-2001 1 Ministério da Cultura Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) Data de elaboração da ficha: Ago 2007 Dados das organizações: Nome: Ministério da Cultura (MinC) Endereço: Esplanada dos Ministérios,

Leia mais

WORKSHOP DIMENSÃO AMBIENTAL 08.05.2009 WORKSHOP DIMENSÃO SOCIAL

WORKSHOP DIMENSÃO AMBIENTAL 08.05.2009 WORKSHOP DIMENSÃO SOCIAL WORKSHOP DIMENSÃO AMBIENTAL 08.05.2009 WORKSHOP DIMENSÃO SOCIAL 26.05.2009 2009/2010 Processo 2009/2010 Principais etapas / eventos Quem Quando Revisão questionário 2008/09 e pontos de FGV CES MAR/2009

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: ESTUDO COMPARATIVO DE DUAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS

RESPONSABILIDADE SOCIAL: ESTUDO COMPARATIVO DE DUAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS RESPONSABILIDADE SOCIAL: ESTUDO COMPARATIVO DE DUAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS RESUMO Atualmente, a responsabilidade social surge como um diferencial para as empresas, capaz de fortalecer a relação da empresa

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

DISCRIMINAÇÃO NO EMPREGO: COMO ELIMINÁ-LA?

DISCRIMINAÇÃO NO EMPREGO: COMO ELIMINÁ-LA? DISCRIMINAÇÃO NO EMPREGO: COMO ELIMINÁ-LA? Laís Abramo Socióloga e Doutora em Sociologia pela USP Diretora do Escritório da OIT no Brasil XXII Encontro Brasileiro de Administração Painel V Rio de Janeiro

Leia mais

2 A Realidade Brasileira

2 A Realidade Brasileira 16 2 A Realidade Brasileira 2.1. A Desigualdade Social no Brasil De acordo com o levantamento do IBGE, embora a renda per capita no país seja relativamente elevada para os padrões internacionais, a proporção

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Sul Mineira 1 Índice Política de Sustentabilidade Unimed Sul Mineira Mas o que é Responsabilidade Social? Premissas Básicas Objetivos da Unimed Sul Mineira Para a Saúde Ambiental

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 128/2012

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 128/2012 PROJETO DE LEI Nº 128/2012 Altera a Lei nº 14.485, de 19 de julho de 2007, com a finalidade de incluir no Calendário Oficial de Eventos da Cidade de São Paulo o Dia Municipal de Combate a Homofobia, a

Leia mais

A COR DA POBREZA: UMA ANÁLISE ACERCA DAS DESIGUALDADES RACIAIS E IMPLANTAÇÃO DE AÇÕES AFIRMATIVAS NO BRASIL.

A COR DA POBREZA: UMA ANÁLISE ACERCA DAS DESIGUALDADES RACIAIS E IMPLANTAÇÃO DE AÇÕES AFIRMATIVAS NO BRASIL. Anais do SILIAFRO. Volume, Número 1. EDUFU,2012 131 A COR DA POBREZA: UMA ANÁLISE ACERCA DAS DESIGUALDADES RACIAIS E IMPLANTAÇÃO DE AÇÕES AFIRMATIVAS NO BRASIL. Douglas Henrique de S. Xavier Universidade

Leia mais

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PROJETO DE LEI Nº 274, DE 2007

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PROJETO DE LEI Nº 274, DE 2007 COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO PROJETO DE LEI Nº 274, DE 2007 Acrescenta parágrafo 3º ao art. 93 da Lei nº 8.213, de 24 de julho de 1991, que dispõe sobre o Plano de Benefícios

Leia mais

Norma Permanente 4.1. GOVERNANÇA E GESTÃO 4.2. PRINCÍPIOS 4.3. INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO E INCENTIVADO

Norma Permanente 4.1. GOVERNANÇA E GESTÃO 4.2. PRINCÍPIOS 4.3. INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO E INCENTIVADO Resumo: Reafirma o comportamento socialmente responsável da Duratex. Índice 1. OBJETIVO 2. ABRANGÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 3.1. PARTE INTERESSADA 3.2. ENGAJAMENTO DE PARTES INTERESSADAS 3.3. IMPACTO 3.4. TEMAS

Leia mais

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS SEPPIR/Nº 001/2008

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS SEPPIR/Nº 001/2008 Presidência da República Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial Subsecretaria de Políticas para Comunidades Tradicionais EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS SEPPIR/Nº 001/2008

Leia mais

OS MANIFESTOS, O DEBATE PÚBLICO E A PROPOSTA DE COTAS

OS MANIFESTOS, O DEBATE PÚBLICO E A PROPOSTA DE COTAS COMO CITAR ESTE TEXTO: NASCIMENTO, Alexandre do. Os Manifestos, o debate público e a proposta de cotas. Revista Lugar Comum: Estudos de Mídia, Cultura e Democracia, n. 23/24. Ou NASCIMENTO, Alexandre do.

Leia mais

XXXII Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Farmacêutica

XXXII Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Farmacêutica XXXII Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Farmacêutica Mesa-Redonda: Responsabilidade Social Empresarial 23-24 de Novembro de 2006 Mário Páscoa (Wyeth/ Painel Febrafarma) E-mail: pascoam@hotmail.com

Leia mais

Estereótipos, preconceito e discriminação racial

Estereótipos, preconceito e discriminação racial MÓDULO 4 - Relações Étnico-Raciais unidade 2 TEXTO 5 Estereótipos, preconceito e discriminação racial Esse texto aborda a questão dos estereótipos e da discriminação racial. Ressalta que cada grupo ocupa

Leia mais

A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA

A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA Josenilson Felizardo dos Santos 1 INTRODUÇÃO É possível compreender o papel da escola diante de todo o processo de ensino aprendizagem. E

Leia mais

1 Introdução. 1 O Benefício de Prestação Continuada (BPC) é um programa de política social, garantido pela

1 Introdução. 1 O Benefício de Prestação Continuada (BPC) é um programa de política social, garantido pela 1 Introdução O Programa Bolsa Família (PBF) é o maior programa sócio assistencial atualmente no país, que atende cerca de 11,1 milhões de famílias brasileiras. O PBF tem sido objeto de várias questões

Leia mais

Em março de 1999, passaram a integrar o grupo, representantes da Secretaria do Tesouro Nacional e do Ministério da Educação.

Em março de 1999, passaram a integrar o grupo, representantes da Secretaria do Tesouro Nacional e do Ministério da Educação. PROGRAMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FISCAL PNEF 1 Antecedentes Historicamente, a relação fisco e sociedade, foram pautadas pelo conflito entre a necessidade de financiamento das atividades estatais e o retorno

Leia mais

LEVANTAMENTO ESTATÍSTICO SOBRE A COMPOSIÇÃO DO QUADRO DE MEMBROS E SERVIDORES DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO (SEGUNDO OS CRITÉRIOS COR/RAÇA,

LEVANTAMENTO ESTATÍSTICO SOBRE A COMPOSIÇÃO DO QUADRO DE MEMBROS E SERVIDORES DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO (SEGUNDO OS CRITÉRIOS COR/RAÇA, LEVANTAMENTO ESTATÍSTICO SOBRE A COMPOSIÇÃO DO QUADRO DE MEMBROS E SERVIDORES DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO (SEGUNDO OS CRITÉRIOS COR/RAÇA, GÊNERO E DEFICIÊNCIA) 1/13 LEVANTAMENTO ESTATÍSTICO SOBRE

Leia mais

Nova Lei de Filantropia

Nova Lei de Filantropia Nova Lei de Filantropia A nova Lei da Filantropia e seus aspectos preponderantes para a Assistência Social e o Conselho Municipal de Assistência Social Títulos Públicos Existentes (Federal) TÍTULOS Nº

Leia mais

A história do Balanço Social

A história do Balanço Social C A P Í T U L O 1 A história do Balanço Social D esde o início do século XX registram-se manifestações a favor de ações sociais por parte de empresas. Contudo, foi somente a partir da década de 1960, nos

Leia mais

Comparativo Ethos - Pacto Global

Comparativo Ethos - Pacto Global DISOFT das Nações Unidas Comunicação de Progresso Nesta comunicação de progresso do da ONU procuramos fazer uma análise dos indicadores e descrever práticas que melhor exemplifiquem os avanços da DISOFT

Leia mais

6.2.2 RISCO SOCIOAMBIENTAL NA CONCESSÃO DE CRÉDITO 6.3 RELACIONAMENTO COM FUNCIONÁRIOS E COLABORADORES

6.2.2 RISCO SOCIOAMBIENTAL NA CONCESSÃO DE CRÉDITO 6.3 RELACIONAMENTO COM FUNCIONÁRIOS E COLABORADORES Índice 1. INTRODUÇÃO 2. PARTES INTERESSADAS. NORMATIVOS. ESTRUTURA DE GOVERNANÇA. PRINCÍPIOS 6. DIRETRIZES 6.1 NORMATIZAÇÃO 6.2 GERENCIAMENTO DO RISCO SOCIOAMBIENTAL 6.2.1 RISCO SOCIOAMBIENTAL DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ²

RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ² RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ² A Responsabilidade Social tem sido considerada, entre muitos autores, como tema de relevância crescente na formulação de estratégias empresarias

Leia mais

Índice. Missão, Visão, Valores e Princípios Objetivo Aplicabilidade Organização Interna Relacionamento Externo

Índice. Missão, Visão, Valores e Princípios Objetivo Aplicabilidade Organização Interna Relacionamento Externo Código de Conduta Índice Missão, Visão, Valores e Princípios Objetivo Aplicabilidade Organização Interna Relacionamento Externo 3 4 5 6 9 Missão, Visão, Valores e Princípios Missão Visão Princípios Valores

Leia mais

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 BR/2001/PI/H/3 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 2001 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO),

Leia mais

Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional

Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional Aos 21 de março de 2014, dia em que o mundo comemora o Dia Internacional contra a Discriminação Racial instituído pela ONU em 1966, adotamos o presente Pacto

Leia mais

A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO. Palavras-chave: Inclusão. Pessoas com deficiência. Mercado de trabalho.

A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO. Palavras-chave: Inclusão. Pessoas com deficiência. Mercado de trabalho. 1 A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO Marlene das Graças de Resende 1 RESUMO Este artigo científico de revisão objetiva analisar importância do trabalho na vida das pessoas portadoras

Leia mais

Glossário do Investimento Social*

Glossário do Investimento Social* Glossário do Investimento Social* O IDIS Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social é uma organização da sociedade civil de interesse público, que tem como missão promover e estruturar o investimento

Leia mais

Nova ética emergindo de crises mudança no sistema de emprego exclusão/marginalização social aumento das demandas sociais concentração de poder e

Nova ética emergindo de crises mudança no sistema de emprego exclusão/marginalização social aumento das demandas sociais concentração de poder e PROGRAMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FISCAL - PNEF A EDUCAÇÃO FISCAL COMO EXERCÍCIO DE CIDADANIA CONTEXTO Nova ética emergindo de crises mudança no sistema de emprego exclusão/marginalização social aumento das

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa

Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa Módulo Unidade 01 Tópico 01 Políticas na Atenção do Idoso Introdução as Políticas Públicas Políticas Públicas Ao longo do tempo o papel do Estado frente

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ARTICULAÇÃO COM OS SISTEMAS DE ENSINO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ARTICULAÇÃO COM OS SISTEMAS DE ENSINO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ARTICULAÇÃO COM OS SISTEMAS DE ENSINO Monitoramento e Avaliação dos Planos Municipais de Educação Caderno de Orientações (Versão Preliminar) Apresentação Um grande

Leia mais

Proteção Social Básica para Juventude

Proteção Social Básica para Juventude Proteção Social Básica para Juventude Orientação para a implantação do Projeto Agente Jovem de Desenvolvimento Social e Humano Tem esta orientação para implantação do projeto Agente Jovem de Desenvolvimento

Leia mais

PROGRAMA SOCIAL COMO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DA SOCIEDADE: Experiência da Unidade Móvel do SENAC PE

PROGRAMA SOCIAL COMO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DA SOCIEDADE: Experiência da Unidade Móvel do SENAC PE PROGRAMA SOCIAL COMO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DA SOCIEDADE: Experiência da Unidade Móvel do SENAC PE Autor(a): Ivalda Barbosa do Nascimento Mandú Coautor(es): Rosana de Fátima Oliveira Pedrosa Email:

Leia mais

Profa. Cláudia Palladino. Unidade I RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS

Profa. Cláudia Palladino. Unidade I RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS Profa. Cláudia Palladino Unidade I RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES Antes de falarmos sobre RSE Ambiente das empresas: Incertezas Pressões das partes interessadas em: desempenho global que promova

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO

CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO invepar índice Apresentação Visão, Missão, Valores Objetivos Princípios Básicos Pág. 4 Pág. 6 Pág. 7 Pág. 8 Abrangência / Funcionários Empresas do Grupo Sociedade / Comunidade

Leia mais

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades 1 Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades A Comissão Nacional da Questão da Mulher Trabalhadora da CUT existe desde 1986. Neste período houve muitos avanços na organização das

Leia mais

INDICADORES ETHOS. De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000

INDICADORES ETHOS. De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000 INDICADORES ETHOS De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000 Instrumento de avaliação e planejamento para empresas que buscam excelência e sustentabilidade em seus negócios Abril/2000

Leia mais

Arquivos públicos municipais. Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania

Arquivos públicos municipais. Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania Arquivos públicos municipais Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania APRESENTAÇÃO Este documento tem como objetivo principal informar e sensibilizar as autoridades públicas

Leia mais

Declaração das ONGs: Ciência e Tecnologia com Inclusão Social

Declaração das ONGs: Ciência e Tecnologia com Inclusão Social III Conferência Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação Declaração das ONGs: Ciência e Tecnologia com Inclusão Social Muito fizemos entre uma conferência e outra... 2 Não, não tenho caminho novo. O

Leia mais

PRINCIPAIS NORTEADORES ESTRATÉGICOS DA UNIMED VALE DAS ANTAS/RS.

PRINCIPAIS NORTEADORES ESTRATÉGICOS DA UNIMED VALE DAS ANTAS/RS. UNIMED VALE DAS ANTAS, RS - COOPERATIVA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE LTDA Ramo: Cooperativa Médica de Serviços de Saúde Período de Relato: de 27/02/2014 a 24/02/2015 E-mail: rh@valedasantas.unimed.com.br / gerencia@valedasantas.unimed.com.br

Leia mais

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR 1 Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR A Definição e organização do sistema: 1 O Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial

Leia mais