PROGRAMA DE PONTUAÇÃO PARTICIPATIVA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMA DE PONTUAÇÃO PARTICIPATIVA"

Transcrição

1 PROGRAMA DE PONTUAÇÃO PARTICIPATIVA

2 1 INTRODUÇÃO O desenvolvimento das ações promovidas no decorrer deste projeto, terão como resultado o estreitamento dos laços Cooperado\Cooperativa que vai integrar o cenário que envolve médico\empresa\cliente\sociedade. Buscaremos desenvolver o interesse do cooperado pela cooperativa, para que este gere uma contribuição que influencia positivamente no resultado da organização e o mesmo tenha benefícios contribuindo com as melhorias. Nesta nova proposta, dentre as várias mudanças que serão trabalhadas, está o uso de indicadores como produção e registro de ocorrências, dois exemplos de fatores que atingem diretamente a cooperativa e influenciam no cotidiano da mesma. Partindo dos princípios que, quem trabalha consequentemente gera mais lucros para a cooperativa e aquele que trabalha exercendo seu compromisso com ética, consequentemente não acarreta transtornos, como os judiciais que trazem grandes prejuízos para seu negócio e prejudicam o desenvolvimento dos processos. Valorizaremos os cooperados que vêem sua cooperativa como uma empresa, que só pode crescer com a contribuição de todos, ou seja, os bons e maus comportamentos refletem na contabilidade do negócio. Propomos então, para melhoria do programa e consequentemente maior valorização dos cooperados que é o objetivo primordial do programa, as devidas alterações nos itens a seguir: Desvincular o calendário de fechamento do programa da Festa de Confraternização de Final de Ano dos Cooperados; onde os pontos são usados para bonificar o cooperado com cupons de sorteio de brindes. Acabaria então esse tipo de bonificação, recebendo o cooperado apenas um cupom para participação de sorteios na festa;

3 O PPP teria então seu calendário alterado, prevalecendo à vigência de Janeiro a Dezembro do ano corrente, tendo início suas novas regras em Janeiro de 2011; As novas regras seriam apresentadas na primeira AGO\AGE de 2011, onde também a partir da nova proposta do programa seria anualmente o momento de valorizar a participação do médico que mais pontuaram no PPP; A Diretoria continua não participando do PPP; Atualmente, o cooperado que atinge o nível 4 no PPP, participa de um sorteio exclusivo na Festa de Confraternização de Final de Ano que vale uma passagem aérea com acompanhante, para qualquer lugar do Brasil para participar de um congresso. Propomos a extinção deste sorteio, já que o mesmo se refere à Festa de Confraternização; A forma como é realizada o reembolso da unidade do CRM hoje, também deve ser modificada, passando a ser valorizados todos os cooperados que atingirem mais de 50% do índice total de pontos do PPP, ou seja, os cooperados seriam divididos em dois grupos, os que atingirem até 50% do índice teriam 50% do reembolso da anuidade do CRM, os que atingirem mais de 75% teriam o reembolso de 100% da anuidade do CRM; Os médicos que participam de congressos também são pontuados pelo PPP, propomos também uma revisão no processo de reembolso, onde o valor pago hoje seria acrescido de 100% de seu valor de acordo com a pontuação do cooperado, ou seja, cooperado que participa e se preocupa em manter o conhecimento atualizado ganha mais; Serão pontuados também eventos organizados por médicos fora da cooperativa e que a participação seja devidamente comprovada; Terão direito aos benefícios apenas os cooperados que atingirem mais de 50% dos pontos do PPP;

4 Serão extintos os níveis 1-baixa (0 a 25%) e 2-regular (25,01% a 50%) de participação da pontuação atual, e serão usados como parâmetro, apenas os níveis que hoje são denominados: 3-média (50,01% a 75%) e 4-alta (75,01 a 100%) de participação serão mantidos. Propomos também modificações nas atividades pontuadas (ver quadro em anexo); Vale salientar que os impactos financeiros advindos dessa remodelagem do PPP serão realizados no exercício de após tabulação dos dados e divulgação do resultado no início do exercício. 2 JUSTIFICATIVA Com o passar dos anos e o crescimento da cooperativa, foi detectada a necessidade de fazer uma revisão no conteúdo do Programa de Pontuação Participativa, visando a melhoria nos conceitos que buscam a valorização do médico e envolvimento do cooperado com a sua empresa, onde o mesmo participa de uma política de benefícios. O Programa visa estimular o cooperado na participação dos processos políticoadministrativo, educacionais, socioambientais e integração operacional. 3 OBJETIVO Objetivo Geral Valorizar a integração e participação dos cooperados enquanto sócio atuante na cooperativa. Objetivos Específicos Estimular o cooperado a participar ativamente junto ao seu empreendimento. Estimular a busca permanente pelo aprimoramento técnico-científico;

5 Promover a conscientização dos cooperados com a Unimed em seus processos operacionais, tais como atendimento ao cliente, autorização de procedimentos, faturamento, dentre outros. 4 RESULTADOS ESPERADOS Com as mudanças no Programa de Pontuação Participativa, a cooperativa espera valorizar a participação e integração dos cooperados na mesma, tendo com resultado maior atuação do sócio junto ao seu empreendimento. Estimulando a busca pelo aprimoramento técnicocientífico e conscientizando-os da importância do uso de boas práticas que são catalisadoras dos processos de melhoria evolutiva e inovação operacional, tática e estratégica que envolvem os processos do cotidiano da cooperativa, tais como: atendimento ao cliente e de sua conduta ética e médica. 5 RECURSOS HUMANOS Colaboradores dos setores envolvidos no processo: Gerência Administrativa, Relacionamento com o Cooperado, Comunicação, Contas Médicas, Suporte Executivo, Comitê Educativo e Unidades Hospitalares Unidades. 6 COMUNICAÇÃO O resultado será divulgado a através dos canais de comunicação disponíveis pela Cooperativa, como: Jornal Cooperar, site da Unimed Vale do Aço - link Central do Cooperado, SMS, circulares, e encarte especial no Jornal Cooperar.

6 7 ATIVIDADES PONTUADAS Nível de Pontuação participação Benefícios 1. Média 50,01 a 75% Reembolso de 50% da anuidade do CRM-MG. Ajuda de custo de 50% para participar de congressos conforme tabela em vigor. 2. Alta 75,01 a 100% Reembolso de 100% anuidade do CRM-MG Ajuda de custo de 100% para participar de congressos conforme tabela em vigor. Tabela: Participação congresso Valor bonificação Regional Vale do Aço Média R$ 200,00 Alta R$ 400,00 Estadual Média R$ 500,00 Alta R$ 1.000,00 Nacional Média R$ 1.000,00 Alta R$ 2.000,00 *Será liberado no ano subsequente a entrada em vigor da reformulação Programa de Pontuação Participativa, ou seja, a partir Janeiro Participação Político-administrativa: AGO / AGE (duas participações por ano) 60 pontos (30 pontos cada evento) Participação em eventos recreativos, sociais e culturais promovidos pela 5 pontos cooperativa ou sistema (uma participação por ano) Total de pontos deste item 65 pontos Educação Médica: Participar de congressos médicos da especialidade (um curso por ano apresentar a certificação para pontuar) 10 pontos

7 Participar de Cursos e eventos promovidos pelo Comitê Educativo (um 30 pontos por ano) Organizar Simpósios, Seminários ou Jornadas de especialidade (um 30 pontos curso por ano apresentar a certificação para pontuar) Cursos de formação cooperativista ou empresarial ou de capacitação profissional promovidos pela cooperativa ou pelo Sistema Unimed. (um 15 pontos curso por ano apresentar a certificação para pontuar) Total de pontos deste item 85 pontos Responsabilidade Social: Participação voluntária em ações de responsabilidade social (voluntário) promovidas ou patrocinadas pela Unimed Vale do Aço. (uma participação por ano) Participar como voluntário em instituições beneficentes no Vale do Aço (apresentar carta da instituição). Total de pontos deste item 20 pontos 20 pontos 40 pontos Integração Operacional: Participação das secretárias Treinamento Técnico anual realizados pela 10 pontos Unimed Vale do Aço. (uma participação por ano) Participação das secretarias nos Cursos Virtuais da Fundação Unimed. 20 pontos (um curso por ano apresentar a certificação para pontuar) Participação do cooperado no Café com o Cooperado (uma participação 30 pontos por ano) Manter atualizado o cadastro quando houver alteração de endereço, 10 pontos telefones, e horário de atendimento Estar inserido no desvio padrão de atendimento consultas x exame 20 pontos (pontuação por especialidade) (pontuação máxima) Total de pontos deste item 90 pontos Total de pontos distribuídos 280 pontos

8 Participação Político-Administrativa: Objetiva valorizar a participação dos cooperados no processo decisório da cooperativa. Contempla a participação em Assembleias Gerais Ordinárias e Extraordinárias (AGO's, AGE's), reuniões convocadas pelo Conselho de Administração e Conselho Técnico Ético. Educação Médica: Objetiva estimular a busca permanente pelo aprimoramento científico e profissional. Contempla a participação em congressos e simpósios médicos, cursos e treinamentos promovidos pela Unimed ou pelas sociedades e associações de classe. Responsabilidade Social: Tem ênfase na divulgação dos princípios da responsabilidade sócio-ambiental e na sua integração com a estratégia empresarial. São contempladas a participação em programas de inclusão social e campanhas promovidas pela Unimed (Curso de Apoio a Gravidez, MOTI, entre outros). Integração Operacional: Objetiva promover a integração dos cooperados com a Unimed em seus processos operacionais, tais como atendimento ao cliente, autorização de procedimentos, faturamento, dentre outros. Neste eixo estão contemplados participação de secretárias em treinamentos promovidos pela cooperativa, entre outros. Público alvo: Participam do Programa de Pontuação Participativa, todos os médicos cooperados ativos da Unimed Vale do Aço. Calendário de eventos: Será elaborado um calendário específico de eventos a serem pontuados no ano, com ênfase nos eixos do programa: participação político administrativa, desenvolvimento técnico-científico, responsabilidade social e integração operacional.

9 Pontuação: A pontuação deve ser atribuída exclusivamente aos médicos cooperados, não se aplicando a nenhuma Pessoa Jurídica, ainda que de sua propriedade ou sociedade. Como boa prática de pontuação deve ser acumulativa e crescente, não se aplicando descontos de pontos já obtidos a título de penalidade, pela não participação do cooperado em algumas das atividades previstas no calendário anual. Periodicidade: A pontuação dever ser acumulada pelos cooperados no período de Janeiro a dezembro e deve ser zerada no fim de cada ano. Sugere-se a divulgação dos cooperados beneficiados pelo programa, até o último dia útil de janeiro do ano subsequente. Benefício: No final do ano de referência do programa, os pontos obtidos dos cooperados devem ser comparados com o total de pontos distribuídos. Todos os cooperados que alcançarem pelo menos 50% de pontuação serão beneficiados conforme tabela de atividades. Informações Complementares: A cada ano serão elencados os eventos, treinamentos e projetos a serem pontuados, conforme sua importância para o aumento da competitividade da cooperativa no mercado de saúde suplementar. A pontuação, bem como a seleção das atividades, prevista para o ano, poderá ser revista, a qualquer tempo, pelo Conselho de Administração. As mudanças normativas terão validade após aprovação pelo Conselho de Administração para o ano corrente e os subsequentes. O cooperado será pontuado exclusivamente pela participação nas atividades relacionadas pela cooperativa. O aperfeiçoamento científico (participação em congressos, simpósios, cursos e treinamentos) deve ser valorizado, independentemente de tais eventos serem promovidos ou realizados pela cooperativa, desde que sejam reconhecidos pelas sociedades oficiais das especialidades.

10 ANEXO I CRONOGRAMA DE ATIVIDADES Projeto: Programa de Pontuação Participativa Cronograma de Execução de Projeto ATIVIDADES Reembolso CRM Pontuação dos cooperados Atividade Prevista Atividade Realizada Meses Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro

11 ANEXO II CRONOGRAMA DE DESEMBOLSO

12

13

Unimed Uberaba Relacionamento com o Cooperado Elaine Joudran

Unimed Uberaba Relacionamento com o Cooperado Elaine Joudran Unimed Uberaba Relacionamento com o Cooperado Elaine Joudran Unimed Uberaba Área de ação Onde estamos Farmácia Unimed Nossa estrutura Unimed Domiciliar Clínica Unimed Unidade Sacramento Clínica de Especialidades

Leia mais

EDITAL 2014-2015 Programa de Iniciação Científica do INPA (PIBIC/PAIC e PIC)

EDITAL 2014-2015 Programa de Iniciação Científica do INPA (PIBIC/PAIC e PIC) INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA INPA COORDENAÇÃO DE CAPACITAÇÃO COCP DIVISÃO DE APOIO TÉCNICO - DAT PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIBIC/CNPq e PAIC/FAPEAM PROGRAMA

Leia mais

PROGRAMA DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA NO CAMPUS ARARANGUÁ DO IF-SC EDITAL INTERNO- N0 XX/2010

PROGRAMA DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA NO CAMPUS ARARANGUÁ DO IF-SC EDITAL INTERNO- N0 XX/2010 PROGRAMA DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA NO DO IF-SC EDITAL INTERNO- N0 XX/2010 CHAMADA DE PROJETOS DE PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA EXECUÇÃO: 19 DE ABRIL DE 2010 A 10 DE MAIO DE 2010

Leia mais

1. APRESENTAÇÃO 2. OBJETIVO E FOCO TEMÁTICO INSCRIÇÕES 14º DIA DO VOLUNTARIADO 2015.

1. APRESENTAÇÃO 2. OBJETIVO E FOCO TEMÁTICO INSCRIÇÕES 14º DIA DO VOLUNTARIADO 2015. REV.: 03 Pág.: 1 de 6 A Manaus Ambiental torna público que estão abertas as inscrições para a seleção de Instituições e Projetos Sociais para o 14º Dia do Voluntariado. A empresa realizará o processo de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO

REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO Capítulo I da Finalidade Art. 1o. - Este Regimento Interno complementa e disciplina disposições do Estatuto da Associação Brasileira de Manutenção

Leia mais

Anexo 10 Diretrizes de Governança

Anexo 10 Diretrizes de Governança Anexo 10 Diretrizes de Governança i 1 INTRODUÇÃO... 1 2 DISPOSIÇÕES GERAIS... 1 3 ASSESSORIA TÉCNICA... 2 4 ESTRUTURA DOS COMITÊS... 2 ii 1 INTRODUÇÃO O presente Anexo tem como objetivo definir as diretrizes

Leia mais

Faça parte da Fundação Nacional da Qualidade

Faça parte da Fundação Nacional da Qualidade Faça parte da Fundação Nacional da Qualidade A BUSCA CONTÍNUA DA EXCELÊNCIA DA GESTÃO É O QUE NOS MOVE! A Fundação Nacional da Qualidade (FNQ) é uma instituição sem fins lucrativos, que conta com uma rede

Leia mais

1. APRESENTAÇÃO 2. DA ATUAÇÃO

1. APRESENTAÇÃO 2. DA ATUAÇÃO 1. APRESENTAÇÃO Cooperativa é uma sociedade de pessoas, com forma e caráter jurídico próprio, de natureza civil, constituídas para prestar serviços aos cooperados. Sua missão é promover a qualidade de

Leia mais

EDITAL FAPEAL Nº 04/2015 AUXÍLIO À PARTICIPAÇÃO EM REUNIÃO CIENTÍFICA NO BRASIL OU NO EXTERIOR - ARC

EDITAL FAPEAL Nº 04/2015 AUXÍLIO À PARTICIPAÇÃO EM REUNIÃO CIENTÍFICA NO BRASIL OU NO EXTERIOR - ARC Rua Melo Moraes, 354, CEP 57020-330 Centro Maceió - Alagoas Fone: 82 3315 2200/3315 2232. E-mail: atendimento@fapeal.br EDITAL FAPEAL Nº 04/2015 AUXÍLIO À PARTICIPAÇÃO EM REUNIÃO CIENTÍFICA NO BRASIL OU

Leia mais

Estruturação dos Projetos SERVIÇOS CANAL DE SUPORTE JURÍDICO Problema / Oportunidade

Estruturação dos Projetos SERVIÇOS CANAL DE SUPORTE JURÍDICO Problema / Oportunidade CANAL DE SUPORTE JURÍDICO Dificuldade do associado, quando questionado juridicamente ou com a possibilidade de uma situação de solução através da justiça; muitas vezes não sabe a que área do direito recorrer.

Leia mais

Contribuições à Criação e Organização de um Núcleo de Voluntariado

Contribuições à Criação e Organização de um Núcleo de Voluntariado Terceiro Setor Contribuições à Criação e Organização de um Núcleo de Voluntariado Para que possamos atuar com voluntários, em projetos sociais, em instituições públicas ou privadas é fundamental que se

Leia mais

EDITAL PROCESSO SELETIVO PARA ASSISTENTE SOCIAL

EDITAL PROCESSO SELETIVO PARA ASSISTENTE SOCIAL EDITAL PROCESSO SELETIVO PARA ASSISTENTE SOCIAL A SORRI - BAURU, por meio de sua Diretoria Executiva convoca os interessados a participar de processo seletivo para a contratação de ASSISTENTE SOCIAL. Este

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO À EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA EDITAL 2015 CAMPUS NATAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO À EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA EDITAL 2015 CAMPUS NATAL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA EDITAL DE EXTENSÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO À EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA EDITAL 2015 CAMPUS NATAL 1. EDITAL A Universidade Potiguar UnP, através da Pró-Reitoria Acadêmica, torna

Leia mais

4. Apoiar a EMPRESA no registro de marcas e patentes, quando for do interesse de ambas as partes;

4. Apoiar a EMPRESA no registro de marcas e patentes, quando for do interesse de ambas as partes; CONVÊNIO DE INCUBAÇÃO QUE ENTRE SI CELEBRAM A UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E A PARA DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO, DE ACORDO COM A SELEÇAO PÚBLICA REALIZADA ATRAVÉS DO EDITAL 01/2011 DA INCUBADORA

Leia mais

Fundação de Ensino Superior de Cajazeiras - FESC Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Cajazeiras - FAFIC

Fundação de Ensino Superior de Cajazeiras - FESC Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Cajazeiras - FAFIC REGULAMENTO DAS ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS DO CURSO DE LICENCIATURA EM FILOSOFIA Art. 1º As atividades acadêmico-científico-culturais, denominadas atividades complementares, compreendem

Leia mais

PROGRAMA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO DA FATEC GUARATINGUETÁ

PROGRAMA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO DA FATEC GUARATINGUETÁ PROGRAMA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO DA FATEC GUARATINGUETÁ Elaboração: Prof. Me. Herlandí de Souza Andrade Verificação/Revisão: Prof. Me. Daniel Faria Chaim Coordenador do Curso de Gestão

Leia mais

Com a sua atuação pró-ativa a SUCESU trouxe diversos benefícios em prol do setor que representa no Brasil, podendo destacar:

Com a sua atuação pró-ativa a SUCESU trouxe diversos benefícios em prol do setor que representa no Brasil, podendo destacar: Introdução É grande a parcela da população das nações mais desenvolvidas do mundo que está se organizando em sociedades e associações civis que defendem interesses comuns. Essas pessoas já perceberam que

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA Nº 04/2014. Seleção de Empresas para Participação na Feira SIAL Paris

CHAMADA PÚBLICA Nº 04/2014. Seleção de Empresas para Participação na Feira SIAL Paris CHAMADA PÚBLICA Nº 04/2014 Seleção de Empresas para Participação na Feira SIAL Paris Porto Alegre 2014 2 PREÂMBULO SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SEBRAE/RS,

Leia mais

EDITAL DE CONVOCAÇÃO PARA SELEÇÃO DE PROJETOS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PARA O PERÍODO 2015/2016

EDITAL DE CONVOCAÇÃO PARA SELEÇÃO DE PROJETOS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PARA O PERÍODO 2015/2016 EDITAL DE CONVOCAÇÃO PARA SELEÇÃO DE PROJETOS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PARA O PERÍODO 2015/2016 O Comitê Institucional de Iniciação Científica do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo, torna

Leia mais

LÍDERES QUE ENTREGAM RESULTADOS E VALORES

LÍDERES QUE ENTREGAM RESULTADOS E VALORES LÍDERES QUE ENTREGAM RESULTADOS E VALORES Dr. Gabriel Dias Pereira Filho Presidente Dra Maristela Nogueira Leônidas Diretoria Administrativa PERFIL DA COOPERATIVA ÁREA DE AÇÃO 28 cidades 275 mil habitantes

Leia mais

CONSELHO CIENTÍFICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E INOVAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO RESOLUÇÃO Nº 113, DE 11 DE SETEMBRO DE 2014

CONSELHO CIENTÍFICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E INOVAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO RESOLUÇÃO Nº 113, DE 11 DE SETEMBRO DE 2014 CONSELHO CIENTÍFICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E INOVAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO RESOLUÇÃO Nº 113, DE 11 DE SETEMBRO DE 2014 Regulamenta a concessão de Auxílio para Apoio a Incubadoras

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA Nº 03/2015. Seleção de Empresas para Participação na Feira Anuga

CHAMADA PÚBLICA Nº 03/2015. Seleção de Empresas para Participação na Feira Anuga CHAMADA PÚBLICA Nº 03/2015 Seleção de Empresas para Participação na Feira Anuga Porto Alegre 2015 2 PREÂMBULO SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SEBRAE/RS, entidade

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA Nº 04/2015. Seleção de Empresas para Participação na Missão Internacional à NRF 2016

CHAMADA PÚBLICA Nº 04/2015. Seleção de Empresas para Participação na Missão Internacional à NRF 2016 CHAMADA PÚBLICA Nº 04/2015 Seleção de Empresas para Participação na Missão Internacional à NRF 2016 Porto Alegre 2015 2 PREÂMBULO SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO

Leia mais

ANEXO III CURRÍCULO PADRÃO NIVEL SUPERIOR

ANEXO III CURRÍCULO PADRÃO NIVEL SUPERIOR ANEXO III CURRÍCULO PADRÃO NIVEL SUPERIOR 1 - IDENTIFICAÇÃO NOME CARGO CPF C. IDENTIDADE 2 - FORMAÇÃO ESCOLAR OU ACADÊMICA CURSO INSTITUIÇÃO TÉRMINO 2.1 - TÍTULOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DOUTORADO OU MESTRADO

Leia mais

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO Art. 1º - Corpo Clínico é o conjunto de médicos que se propõe a assumir solidariamente a responsabilidade de prestar atendimento aos usuários que

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ATIVIDADES COMPLEMENTARES ATIVIDADES COMPLEMENTARES A partir das Diretrizes Curriculares, as Atividades Complementares constituem-se, também, em um dos componentes dos Cursos Superiores. As Diretrizes Curriculares objetivam servir

Leia mais

Edital para seleção de orientadores e bolsistas de iniciação tecnológica e inovação para o período de 2015-2016

Edital para seleção de orientadores e bolsistas de iniciação tecnológica e inovação para o período de 2015-2016 Edital para seleção de orientadores e bolsistas de iniciação tecnológica e inovação para o período de 2015-2016 O Comitê Institucional dos Programas de Iniciação Científica (CIPIC) da Universidade Federal

Leia mais

Adequação das Normas do Programa IC da UNITAU

Adequação das Normas do Programa IC da UNITAU Adequação das Normas do Programa IC da UNITAU Alteração da Deliberação Consuni N o 080/2010 Artigo 4 o Os projetos de Iniciação Científica poderão ser aprovados por um período de até 24 (vinte e quatro)

Leia mais

Preâmbulo. resultado econômico, ao mesmo tempo em que protege o meio ambiente e melhora a qualidade de vida das pessoas com as quais interage.

Preâmbulo. resultado econômico, ao mesmo tempo em que protege o meio ambiente e melhora a qualidade de vida das pessoas com as quais interage. Preâmbulo Para a elaboração da Política de Sustentabilidade do Sicredi, foi utilizado o conceito de Sustentabilidade proposto pela abordagem triple bottom line (TBL), expressão que reúne simultaneamente

Leia mais

Art. 2 A Liga possui estatuto, gestão e gerenciamento próprios, tendo a sua Diretoria direitos e deveres para exercer suas funções em estatuto.

Art. 2 A Liga possui estatuto, gestão e gerenciamento próprios, tendo a sua Diretoria direitos e deveres para exercer suas funções em estatuto. Estatuto da Liga de Cirurgia da Universidade Federal de São Carlos. 08/05/2013 Da Disposição Geral Sobre a Liga de Cirurgia da UFSCar Art. 1 - A Liga de Cirurgia da UFSCar é uma instituição acadêmica,

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Banco Cooperativo Sicredi S.A. Versão: Julho/2015 Página 1 de 1 1 INTRODUÇÃO O Sicredi é um sistema de crédito cooperativo que valoriza a

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Art. 1º - As Atividades Complementares constituem ações que devem ser desenvolvidas ao longo do curso, criando

Leia mais

FACULDADE DE SAÚDE, CIÊNCIAS HUMANAS E TECNOLÓGICAS DO PIAUÍ - NOVAFAPI COORDENAÇÃO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

FACULDADE DE SAÚDE, CIÊNCIAS HUMANAS E TECNOLÓGICAS DO PIAUÍ - NOVAFAPI COORDENAÇÃO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO R FACULDADE DE SAÚDE, CIÊNCIAS HUMANAS E TECNOLÓGICAS DO PIAUÍ - NOVAFAPI COORDENAÇÃO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EDITAL DE PESQUISA CPPG/NOVAFAPI Nº 001/2008 Seleção de projetos de pesquisa e desenvolvimento

Leia mais

COMO SE ASSOCIAR 2014

COMO SE ASSOCIAR 2014 2014 QUEM SOMOS FUNDADO EM 2004, O CONSELHO EMPRESARIAL BRASIL CHINA CEBC É UMA INSTITUIÇÃO BILATERAL SEM FINS LUCRATIVOS FORMADA POR DUAS SEÇÕES INDEPENDENTES, NO BRASIL E NA CHINA, QUE SE DEDICA À PROMOÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO II CONGRESSO INTERNACIONAL DA AMB

REGULAMENTO GERAL DO II CONGRESSO INTERNACIONAL DA AMB REGULAMENTO GERAL DO II CONGRESSO INTERNACIONAL DA AMB A Associação dos Magistrados Brasileiros AMB, torna público o REGULAMENTO DO II CONGRESSO INTERNACIONAL DA AMB, a ser realizado no Reino Unido, em

Leia mais

Programa Integrado de Desenvolvimento e Qualificação de Fornecedores REALIZAÇÃO

Programa Integrado de Desenvolvimento e Qualificação de Fornecedores REALIZAÇÃO Programa Integrado de Desenvolvimento e Qualificação de Fornecedores REALIZAÇÃO OBJETIVO GERAL ESTABELECER E IMPLEMENTAR UM MODO INTEGRADO PARA O DESENVOLVIMENTO E QUALIFICAÇÃO DOS FORNECEDORES DAS PRINCIPAIS

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 002/2009 SERVIÇOS DE CONSULTORIA DE COORDENAÇÃO DO PROJETO Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Relações Institucionais)

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Sul Mineira 1 Índice Política de Sustentabilidade Unimed Sul Mineira Mas o que é Responsabilidade Social? Premissas Básicas Objetivos da Unimed Sul Mineira Para a Saúde Ambiental

Leia mais

Selo Verde Certificação Socioambiental da OSCIP Ecolmeia

Selo Verde Certificação Socioambiental da OSCIP Ecolmeia e c o l m e i a. o r g. b r Selo Verde Certificação Socioambiental da OSCIP Ecolmeia O que é? O Selo Verde Ecolmeia é um programa de certificação às Organizações dos setores da sociedade, com compromisso

Leia mais

Conteúdo programático: Formação Gestão de Materiais

Conteúdo programático: Formação Gestão de Materiais Conteúdo programático: Formação Gestão de Materiais Informações gerais Família de Gestão: Gestão de Materiais Carga Horária: 172 horas (96 horas presencial + 76 horas e-learning) Objetivo: Proporcionar

Leia mais

UNIVERSIDADE VILA VELHA ES REITORIA EDITAL Nº 10/2012 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIBIC / UVV / FAPES

UNIVERSIDADE VILA VELHA ES REITORIA EDITAL Nº 10/2012 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIBIC / UVV / FAPES REITORIA EDITAL Nº 10/2012 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIBIC / UVV / FAPES O Reitor da Universidade Vila Velha faz saber a todos os interessados que estarão abertas, de 31 de maio a

Leia mais

Edital Nº 001/2013 COTAÇÃO PRÉVIA TIPO MELHOR TÉCNICA

Edital Nº 001/2013 COTAÇÃO PRÉVIA TIPO MELHOR TÉCNICA Edital Nº 001/2013 COTAÇÃO PRÉVIA TIPO MELHOR TÉCNICA Dispõe sobre o cadastramento e seleção de Consultores para atuar nos projetos desenvolvidos pela entidade, no âmbito do Desenvolvimento Sustentável,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação Secretária de Educação Profissional e Tecnológica Pró-Reitoria de Pesquisa e Inovação

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação Secretária de Educação Profissional e Tecnológica Pró-Reitoria de Pesquisa e Inovação SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação Secretária de Educação Profissional e Tecnológica Pró-Reitoria de Pesquisa e Inovação PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO TECNOLOGICO

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA Nº 02/2015. Seleção de Empresas para Participação na Missão Internacional à NRA Show Chicago 2015

CHAMADA PÚBLICA Nº 02/2015. Seleção de Empresas para Participação na Missão Internacional à NRA Show Chicago 2015 CHAMADA PÚBLICA Nº 02/2015 Seleção de Empresas para Participação na Missão Internacional à NRA Show Chicago 2015 Porto Alegre 2015 2 PREÂMBULO SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO ESTADO DO

Leia mais

EDITAL DE FLUXO CONTÍNUO Nº 005/2015

EDITAL DE FLUXO CONTÍNUO Nº 005/2015 EDITAL Nº 005/2015 EDITAL DE FLUXO CONTÍNUO Nº 005/2015 A Universidade Federal do Maranhão por meio da Pró-Reitoria de Extensão torna público e convoca os extensionistas (docentes e técnico-administrativos

Leia mais

Regulamento do Programa de Monitoria dos Cursos de Graduação da Faculdade ASCES

Regulamento do Programa de Monitoria dos Cursos de Graduação da Faculdade ASCES Regulamento do Programa de Monitoria dos Cursos de Graduação da Faculdade ASCES 1. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1.1. Este documento determina as normas estabelecidas para o Programa de Monitoria a ser desenvolvido

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 12/2010

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 12/2010 CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 12/2010 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA GESTÃO DE PROCESSO PRODUTIVO E PRODUTO Contatos Luiz

Leia mais

PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COSERN

PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COSERN PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COSERN Resumo das diretrizes e critérios da COSERN/ Grupo Neoenergia para patrocínios a projetos socioculturais e ambientais. Guia Básico do Proponente 1 Índice Introdução 2 1.

Leia mais

PROGRAMA DE RECOMPENSA SICREDI EMPRESARIAL ANEXO AO CONTRATO DE EMISSÃO E UTILIZAÇÃO DOS CARTÕES SICREDI EMPRESARIAL

PROGRAMA DE RECOMPENSA SICREDI EMPRESARIAL ANEXO AO CONTRATO DE EMISSÃO E UTILIZAÇÃO DOS CARTÕES SICREDI EMPRESARIAL PROGRAMA DE RECOMPENSA SICREDI EMPRESARIAL ANEXO AO CONTRATO DE EMISSÃO E UTILIZAÇÃO DOS CARTÕES SICREDI EMPRESARIAL 1. O Programa de Recompensa Sicredi Empresarial é um programa de incentivo ao uso do(s)

Leia mais

Lista de documentos mínimos necessários para o início do processo de solicitação de autorização de funcionamento por Modalidade

Lista de documentos mínimos necessários para o início do processo de solicitação de autorização de funcionamento por Modalidade Lista de documentos mínimos necessários para o início do processo de solicitação de autorização de funcionamento por Modalidade Administradora de Benefícios Documento Requerimento formal solicitando a

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília EDITAL Nº 007/RIFB, DE 28 DE ABRIL DE 2015.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília EDITAL Nº 007/RIFB, DE 28 DE ABRIL DE 2015. EDITAL Nº 007/RIFB, DE 28 DE ABRIL DE 2015. SELEÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA PARA CONCESSÃO DE BOLSAS DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS E VOLUNTARIADO EM INICIAÇÃO CIENTÍFICA NAS AÇÕES AFIRMATIVAS (ENSINO

Leia mais

Declaro ter ciência do regulamento e concordo com as condições nele contidas.

Declaro ter ciência do regulamento e concordo com as condições nele contidas. FICHA DE INSCRIÇÃO PARA INTERESSADOS EM PARTICIPAR DO PROCESSO SELETIVO NOME DO MÉDICO: CRM: Atingida: (Espaço Unimed-BH) Orientamos que leia o regulamento anexo, antes de preencher esta ficha ESPECIALIDADE

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLÓGIA DO RN CAMPUS NATAL CENTRAL INCUBADORA TECNOLÓGICA NATAL CENTRAL - ITNC

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLÓGIA DO RN CAMPUS NATAL CENTRAL INCUBADORA TECNOLÓGICA NATAL CENTRAL - ITNC INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLÓGIA DO RN CAMPUS NATAL CENTRAL INCUBADORA TECNOLÓGICA NATAL CENTRAL - ITNC EDITAL Nº 02/2015 - SELEÇÃO DE IDEIAS EMPREENDEDORAS E MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

Leia mais

Profa. Ligia Vianna. Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA

Profa. Ligia Vianna. Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA Profa. Ligia Vianna Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA ADMINISTRAÇÃO Num passado não muito distante, a ordem sociopolítica compreendia apenas dois setores, ou seja, um público e outro privado. Esses setores

Leia mais

Universidade de Brasília Decanato de Pesquisa e Pós-Graduação

Universidade de Brasília Decanato de Pesquisa e Pós-Graduação RESOLUÇÃO DO DECANATO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO N. 4/2006 Regulamenta o Programa de Iniciação Científica da Universidade de Brasília. O Decano de Pesquisa e Pós-Graduação, no uso das atribuições que

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE ENSINO MÉDIO INTEGRADO DO COLÉGIO PEDRO II

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE ENSINO MÉDIO INTEGRADO DO COLÉGIO PEDRO II REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE ENSINO MÉDIO INTEGRADO DO COLÉGIO PEDRO II TÍTULO I DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES Art.

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE DESENHO INDUSTRIAL INCUBADORA DE EMPRESAS DE DESIGN. Modelo 01 Incubação

ESCOLA SUPERIOR DE DESENHO INDUSTRIAL INCUBADORA DE EMPRESAS DE DESIGN. Modelo 01 Incubação Modelo 01 Incubação CONVÊNIO DE INCUBAÇÃO QUE ENTRE SI CELEBRAM A UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E A EMPRESA PARA DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE DESIGN DA ESCOLA SUPERIOR

Leia mais

EDITAL 01/2015 ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO

EDITAL 01/2015 ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO EDITAL 01/2015 ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO A Assessoria de Comunicação do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais (IF Sudeste MG) Câmpus Rio Pomba, setor da Direção-Geral,

Leia mais

Art. 1- Da definição do selo educacional:

Art. 1- Da definição do selo educacional: Instrução Normativa ABRAFIT I.N.A. 01/2014 Art. 1 Da definição do selo educacional: Esta Instrução Normativa tem como objetivo determinar eventos, ações e projetos educacionais e científicos que solicitem

Leia mais

REGIMENTO DOS GRUPOS NACIONAIS E REGIONAIS DE TRABALHO DA ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL DO DIREITO DO SEGURO AIDA/Brasil

REGIMENTO DOS GRUPOS NACIONAIS E REGIONAIS DE TRABALHO DA ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL DO DIREITO DO SEGURO AIDA/Brasil REGIMENTO DOS GRUPOS NACIONAIS E REGIONAIS DE TRABALHO DA ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL DO DIREITO DO SEGURO AIDA/Brasil Artigo 1. Os Grupos Nacionais de Trabalho e os Grupos Regionais de Trabalho terão por

Leia mais

EDITAL PROCESSO SELETIVO PARA ASSISTENTE SOCIAL SORRI-BAURU - Janeiro de 2013

EDITAL PROCESSO SELETIVO PARA ASSISTENTE SOCIAL SORRI-BAURU - Janeiro de 2013 EDITAL PROCESSO SELETIVO PARA ASSISTENTE SOCIAL SORRI-BAURU - Janeiro de 2013 A SORRI BAURU, por meio de sua Diretoria Executiva convoca os interessados a participar do processo seletivo para a contratação

Leia mais

MANUAL DE ASPECTOS JURÍDICOS DO PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE

MANUAL DE ASPECTOS JURÍDICOS DO PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE Av. Barbacena, 472 8º andar Barro Preto CEP: 30190-130 Belo Horizonte/MG Tel.: 3253.4917 E-mail: renata.gontijo@cemigsaude.org.br Portal Corporativo: www.cemigsaude.org.br MANUAL DE ASPECTOS JURÍDICOS

Leia mais

EDITAL N º 62/2015 PIBIC E PIBIC/VOLUNTÁRIO - 2015

EDITAL N º 62/2015 PIBIC E PIBIC/VOLUNTÁRIO - 2015 EDITAL N º 62/2015 PIBIC E PIBIC/VOLUNTÁRIO - 2015 A Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa da Universidade do Vale do Sapucaí PROPPES/Univás, desempenhando suas funções de apoiar a Pesquisa Científica

Leia mais

Redes sociais no Terceiro Setor

Redes sociais no Terceiro Setor Redes sociais no Terceiro Setor Prof. Reginaldo Braga Lucas 2º semestre de 2010 Constituição de redes organizacionais Transformações organizacionais Desenvolvimento das organizações articuladas em redes

Leia mais

Centro Institucional de Pesquisa

Centro Institucional de Pesquisa Centro Institucional de Pesquisa Edital do Programa de Iniciação Científica (PIC UNISANTA) 01/2014 Dispõe sobre as normas contidas no Edital processo de chamada de propostas de projetos de iniciação científica

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO ACRE Tribunal de Justiça - Presidência

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO ACRE Tribunal de Justiça - Presidência EDITAL N o 9/2012. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO ACRE, DESEMBARGADOR ADAIR LONGUINI, TORNA PÚBLICA A ABERTURA DO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PRESTADORES

Leia mais

Programa de Compliance da CCEE

Programa de Compliance da CCEE Programa de Compliance da CCEE O que é compliance São processos e procedimentos adotados pela empresa visando detectar, prevenir e combater fraudes e infrações às leis e regulamentos, bem como assegurar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE PESQUISA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE PESQUISA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA EDITAL 2015-2016 O Programa Institucional de Iniciação Científica (PIIC) da UFES é um programa voltado para a iniciação à pesquisa de estudantes de graduação

Leia mais

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA Prestação de Serviços em Assessoria e Consultoria Tributária para as empresas do Arranjo Produtivo Local. 1. OBJETIVO

Leia mais

PROMOÇÃO POR SELEÇÃO- CICLO 2013. Lei Complementar 640/12

PROMOÇÃO POR SELEÇÃO- CICLO 2013. Lei Complementar 640/12 PROMOÇÃO POR SELEÇÃO- CICLO 2013 Lei Complementar 640/12 O que é Promoção? É a passagem do servidor Público Efetivo de uma classe para a outra, em sentido vertical, na mesma referência, por meio de seleção.

Leia mais

Vice-Presidência de Pesquisa e Laboratórios de Referência EDITAL novas ou de renovação de Iniciação Científica todas 1. Objetivos do Programa

Vice-Presidência de Pesquisa e Laboratórios de Referência EDITAL novas ou de renovação de Iniciação Científica todas 1. Objetivos do Programa EDITAL O Vice-Presidente de Pesquisa da Fundação Oswaldo Cruz (VPPLR- FIOCRUZ), responsável pelas cotas do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica do Conselho Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE PROFESSORES PARA ATUAR NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NOS CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO SUBSEQUENTES DA REDE e-tec BRASIL

PROCESSO SELETIVO DE PROFESSORES PARA ATUAR NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NOS CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO SUBSEQUENTES DA REDE e-tec BRASIL Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Câmpus Osório E JAN EDITAL Nº 06, DE 25 DE FEVEREIRO DE

Leia mais

Programa do Voluntariado Paranaense Londrina

Programa do Voluntariado Paranaense Londrina EDITAL DE PROCESSO SELETIVO 051/2013 O Programa do Voluntariado Paranaense de Londrina - Provopar LD, visando garantir os princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade e publicidade consubstanciados

Leia mais

Plano de Ação 2011-2012. Preparado para: Site da Apimec Rio Abr/2011

Plano de Ação 2011-2012. Preparado para: Site da Apimec Rio Abr/2011 Plano de Ação 2011-2012 Preparado para: Site da Apimec Rio Abr/2011 Sumário Introdução Resultados 2010 Estrutura Organizacional Plano de Ação 2011 Assuntos Gerais IPTU da Sede Contribuição Nacional Assessoria

Leia mais

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA CENTRO DE EDUCAÇÃO TENOLÓGICA DE TERESINA FACULDADE TECNOLÓGICA DE TERESINA CET PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Programa de Iniciação Científica apresentado aos Colegiados de Curso e Conselho Superior

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE SUBSÍDIO DE ASSISTÊNCIA INTERNACIONAL

SOLICITAÇÃO DE SUBSÍDIO DE ASSISTÊNCIA INTERNACIONAL FUNDAÇÃO DE LIONS CLUBS INTERNATIONAL SOLICITAÇÃO DE SUBSÍDIO DE ASSISTÊNCIA INTERNACIONAL Nós nos Preocupamos. Nós servimos. Nós Realizamos. SUBSÍDIO DE ASSISTÊNCIA INTERNACIONAL Visão Geral O programa

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS Junho, 2006 Anglo American Brasil 1. Responsabilidade Social na Anglo American Brasil e objetivos deste Manual Já em 1917, o Sr. Ernest Oppenheimer, fundador

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 1 FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO PIO XII CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 O currículo

Leia mais

Programa Nota CAPES COTA

Programa Nota CAPES COTA PROGRAMA DE BOLSAS FAPESB - COTAS INSTITUCIONAIS MESTRADO PROFISSIONAL, MESTRADO E DOUTORADO 1. INTRODUÇÃO A FAPESB tem como um de seus principais objetivos apoiar a formação científica através da concessão

Leia mais

Edital para seleção de orientadores e bolsistas de iniciação científica para o período de 2015-2016

Edital para seleção de orientadores e bolsistas de iniciação científica para o período de 2015-2016 Edital para seleção de orientadores e bolsistas de iniciação científica para o período de 2015-2016 O Comitê Institucional dos Programas de Iniciação Científica (CIPIC) da Universidade Federal de Ciências

Leia mais

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM CAPÍTULO I DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E SUAS FINALIDADES Art. 1º. As atividades complementares, no âmbito do Curso de Enfermagem,

Leia mais

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA RESIDÊNCIA MÉDICA E SEUS OBJETIVOS Art. 1º - O Curso de Residência Médica da Faculdade de Medicina de Marília constitui modalidade de ensino de pós-graduação, lato sensu, caracterizado por

Leia mais

FAÇO SABER que a Assembleia Legislativa do Estado do Acre decreta e eu sanciono a

FAÇO SABER que a Assembleia Legislativa do Estado do Acre decreta e eu sanciono a LEI N. 2530, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2011 Cria o Programa Estadual de Fomento a Pequenos Negócios. seguinte Lei: O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE FAÇO SABER que a Assembleia Legislativa do Estado do Acre decreta

Leia mais

Programa CI-BRASIL RN-009/2010

Programa CI-BRASIL RN-009/2010 Programa CI-BRASIL RN-009/2010 Revoga as RN-010/2008 e RN-016/2009 O Presidente do CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO - CNPq, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo

Leia mais

Educação Profissional Continuada (Continuing Professional Education CPE)

Educação Profissional Continuada (Continuing Professional Education CPE) Diretriz Administrativa de Requisitos de Educação Profissional Continuada nº 4: 2011 Educação Profissional Continuada (Continuing Professional Education CPE) Objetivo Este documento contém os requisitos

Leia mais

EDITAL PI IPCIT - Nº001/2012 - PRPPGI/IFAM PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA PI-IPCIT

EDITAL PI IPCIT - Nº001/2012 - PRPPGI/IFAM PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA PI-IPCIT EDITAL PI IPCIT - Nº001/2012 - PRPPGI/IFAM PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA PI-IPCIT PROJETOS DE PESQUISA CIENTÍFICA E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DO IFAM Maio

Leia mais

Associação Nacional de Programas de Pós-Graduação em Ciências Contábeis - ANPCONT. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2014 e 2013

Associação Nacional de Programas de Pós-Graduação em Ciências Contábeis - ANPCONT. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2014 e 2013 Associação Nacional de Programas de Pós-Graduação em Ciências Contábeis - ANPCONT Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2014 e 2013 Associação Nacional de Programas de Pós-Graduação em Ciências

Leia mais

1) Esta promoção é uma iniciativa da RWTECH e somente ela poderá se. pronunciar, estabelecer e modificar suas regras e formato, além de ser a

1) Esta promoção é uma iniciativa da RWTECH e somente ela poderá se. pronunciar, estabelecer e modificar suas regras e formato, além de ser a 1) Esta promoção é uma iniciativa da RWTECH e somente ela poderá se pronunciar, estabelecer e modificar suas regras e formato, além de ser a única a comunicar seus participantes. 2) Qualquer informação

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS 3ª REGIÃO (SP e MS)

CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS 3ª REGIÃO (SP e MS) ANEXO II CRITÉRIOS PARA PONTUAÇÃO E JULGAMENTO DAS PROPOSTAS Serão considerados, para efeito de julgamento, aspectos de natureza técnica e financeira, expressos através de um Índice Técnica (IT) e de um

Leia mais

ESTATUTO LIGA ACADÊMICA PRÓ-RIM

ESTATUTO LIGA ACADÊMICA PRÓ-RIM ESTATUTO LIGA ACADÊMICA PRÓ-RIM TÍTULO I DA DEFINIÇÃO E SUA FINALIDADE Artigo 1 - A Liga Acadêmica Pró-Rim é uma associação civil e científica livre, de duração indeterminada, sem fins lucrativos, com

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIC/FB

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIC/FB PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Barretos 2009 REGULAMENTO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - 1. GERAL O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA da é uma política

Leia mais

PROJETO EXPORTAR BRASIL

PROJETO EXPORTAR BRASIL CNPJ: 10692.348/0001-40 PROJETO EXPORTAR BRASIL Apresentação da GS Educacional A GS Educacional faz parte de um grupo que trabalha há vários anos com cursos e serviços na área de comércio exterior e vem

Leia mais

Art. 1º Franquia. A APEX adotará o modelo de Franquias Sociais para a concretização de sua expansão mundial por meio de unidades e representações.

Art. 1º Franquia. A APEX adotará o modelo de Franquias Sociais para a concretização de sua expansão mundial por meio de unidades e representações. Capítulo I Definições Art. 1º Franquia. A APEX adotará o modelo de Franquias Sociais para a concretização de sua expansão mundial por meio de unidades e representações. Art. 2 o Definições. Para os fins

Leia mais

Relatório de Atividades 2010

Relatório de Atividades 2010 Relatório de Atividades 2010 Introdução O ano de 2010 foi um marco na retomada das atividades do FSC Brasil, a partir da reestruturação de seu escritório em agosto, e da contratação de nova equipe. Desta

Leia mais

PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COELBA

PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COELBA PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COELBA Guia Básico do Proponente Resumo das diretrizes e critérios da Coelba/ Grupo Neoenergia para patrocínios a projetos socioculturais e ambientais. 1 Índice Introdução 2 1.

Leia mais

Assessoria de Imprensa e Comunicação

Assessoria de Imprensa e Comunicação PORTARIA 74/06 - SMG Assessoria de Imprensa e Comunicação Dispõe sobre os critérios e procedimentos para valoração e apuração dos pontos relativos à capacitação e participação em atividades realizadas

Leia mais