REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS CEDSIF CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DE FINANÇAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS CEDSIF CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DE FINANÇAS"

Transcrição

1 REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS CEDSIF CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DE FINANÇAS RELATÓRIO ANUAL DE ACTIVIDADES E DE EXECUÇÃO ORÇAMENTAL 2011 MAPUTO, SETEMBRO DE 2012 Relatório Anual de Actividades e de Execução Financeira 2011 Página 1

2 A Distribuir a: Sua Excelência o Ministro das Finanças Sua Excelência o Vice-Ministro das Finanças Exmo. Senhor Secretário Permanente do Ministério das Finanças Directores Nacionais do Ministério das Finanças Membros do Comité de Parceria do SISTAFE Director Geral do CEDSIF Directores Gerais Adjuntos do CEDSIF Directores de Serviços do CEDSIF Chefes dos Departamentos Centrais do CEDSIF Data Relatório Anual de Actividades e de Execução Financeira 2011 Página 2

3 LISTA DE ABREVIATURAS PAO AFU AT BM CAF CAP CD CEDSIF CFMP CGE CIRESP CPD CUT CUT-ME DAS DNCP DNO DNPE DNT DPPF s EGFAE e-sistafe e-tributação IAs IGF IMF/FMI INE IRPS MAE MEO MEX MF NUIT OE PARPA PAs PBCP PC PES PQG QAG REGFAE SISTAFE TOC UGB UGE UTRESP VD Plano de Actividades e Orçamento (Action Plan and Budget) Adiantamento de Fundos Autoridade Tributária Banco de Moçambique Cadastro dos Funcionários e Agentes do Estado Cadastro dos Pensionistas e Rendistas do Estado Centro de Dados Centro de Desenvolvimento de Sistemas de Informação de Finanças Cenário Fiscal de Médio Prazo Conta Geral do Estado Comissão Interministerial para Reforma do Sector Público Centro de Processamento de Dados Conta Única do Tesouro Conta Única do Tesouro em Moeda Externa Departamentos de Apoio ao SISTAFE Direcção Nacional da Contabilidade Pública Direcção Nacional do Orçamento Direcção Nacional do Património do Estado Direcção Nacional do Tesouro Direcção Provincial do Plano e Finanças Estatuto Geral dos Funcionários e Agentes do Estado Sistema Electrónico de Administração Financeira do Estado Sistema de Gestão de Arrecadação de Receitas Instituições Autónomas Inspecção-Geral de Finanças Fundo Monetário Internacional Instituto Nacional de Estatística Imposto sobre o Rendimento de Pessoas Singulares Ministério da Admnistração Estatal Módulo de Elaboração do Orçamento Módulo de Execução Orçamental Ministério das Finanças Número Único de Identificação Tributária Orçamento do Estado Plano de Acção para Redução da Pobreza Absoluta Processos Administrativos Plano Básico de Contabilidade Pública Comité de Parceria Plano Económico e Social Plano Quinquenal do Governo Grupo de Garantia de Qualidade do SISTAFE (Quality Assurance Group) Regulamento do Estatuto Geral dos Funcionários e Agentes do Estado Sistema de Administração Financeira do Estado (Lei) Tesouro, Orçamento e Contabilidade Unidade Gestora Beneficiária Unidade Gestora Executora Unidade Técnica da Reforma do Sector Público Via Directa Relatório Anual de Actividades e de Execução Financeira 2011 Página 3

4 ÍNDICE PARTE 1 ACTIVIDADES REALIZADAS NO EXERCÍCIO ECONÓMICO DE PILAR 1 - DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL E GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS COMPONENTE 0: DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL GESTÃO DO CEDSIF (MDF03-00-MDF-I ) Monitoria e Avaliação Cooperação Internacional...10 Planificação e Orçamento Capacitação Treinamento (Formação e reciclagem de utilizadores e gestores das finanças públicas nas diversas aplicações) Divulgação e Implementação da expansão do e-sistafe Auditoria Operacional Recomendações de Auditoria Externa às Contas do CEDSIF referentes ao exercício económico de 2010 implementadas Recomendações do Relatório de Revisão de Médio Termo implementadas DEFINIÇÃO DA ACTUAÇÃO DO CEDSIF E GESTÃO DA MUDANÇA ORGANIZACIONAL (MDF03-00-MDF-I ) PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS E OPERAÇÃO DE TI (MDF03-00-MDF-I ) Operação contínua do e-sistafe A nível de TI % da Execução do Orçamento realizada pela via Directa Especificações tendentes a melhorias das aplicações do e-sistafe...13 Expansão do e-sistafe para mais 50 instituições a expensas do CEDSIF Implementação de um mecanismo mais seguro controlável e fiável de transmissão de dados entre o MF e BM.14 Treinamento Recomendações da auditoria de segurança ELABORAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DO PLANO MESTRE DE INVESTIMENTOS EM TI s (PLATAFORMA DE TI s) - MDF03-00-MDF-I Para incremento da qualidade nos serviços prestados pelo CEDSIF em TI Renovação da Infraestrutura de TI COMPONENTE 1: REESTRUTURAR A UTRAFE E O CPD COMPONENTE 3: REFORÇAR A CAPACIDADE DE COORDENAÇÃO, MONITORIA DA IMPLEMENTAÇÃO DA REFORMA BEM COMO O DESEMPENHO NA ÁREA DE GFP DEFINIÇÃO DA RESPONSABILIDADE DE COORDENAÇÃO GERAL DAS REFORMAS DE GESTÃO DAS FINANÇAS PÚBLICAS (MDF03-00-MDF-I ) Estabelecimento de Parcerias com Instituições Académicas para inclusão nos planos de estudos de matérias relacionadas com Finanças Públicas de Moçambique Elaboração, acompanhamento e actualização da Visão das Finanças Públicas PILAR 2: DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA DE GESTÃO DE FINANÇAS PÚBLICAS COMPONENTE 4: APERFEIÇOAR E DESENVOLVER A GESTÃO DE TODOS OS PROCESSOS E METODOLOGIAS DO SISTEMA DE GESTÃO DE FINANÇAS PÚBLICAS MÓDULO DE SALÁRIOS E PENSÕES (MDF03-00-MDF-I ) e-folha implementado no nível central e em pelo menos 3 sectores ao nível provincial...16 Especificação para a implantação do pagamento de pensionistas via e-folha Realização da prova de vida de Funcionários e Agentes do Estado...17 Aquisição e instalação do equipamento para prova de vida SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS (MDF03-00-MDF-I ) COMPONENTE 5: DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DE TI PARA SUSTENTAR O SISTEMA DE GFP MÓDULO DE GESTÃO DO PATRIMÓNIO DO ESTADO (MDF03-00-MDF-I ) Desenvolvimento e implantação em produção do módulo e-inventário...17 Continuidade das actividades para implantação do módulo de Gestão do Património do Estado MÓDULO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO (MDF03-00-MDF-I ) Produção de Relatórios Especificação da funcionalidade que permita a extracção automática de informação pelo e-sistafe, pelas unidades com vista a compor a Conta de Gerência Desenhadas especificações para a instalação do Business Inteligence (BI) SISTEMA NACIONAL DE PLANIFICAÇÃO E ORÇAMENTAÇÃO (MDF03-00-MDF-I ) Definir as directrizes (modelo conceptual/de negócio) para o SNPO e-tributação (MDF03-00-MDF-I E) No âmbito da Gestão, Controlo e Monitoria...18 No âmbito Infraestrutura de suporte e disponibilização do serviço No âmbito do Desenho e Desenvolvimento do Módulo de Registo do NUIT...20 No âmbito do Desenho e Desenvolvimento do módulo do IVA e ISPC...21 Relatório Anual de Actividades e de Execução Financeira 2011 Página 4

5 3. PILAR 3: MELHORAR AS PRÁTICAS NA GESTÃO DAS FINANÇAS PÚBLICAS AOS NÍVEIS SECTORIAL, TERRITORIAL E INSTITUCIONAL COMPONENTE 2: ELABORAR E IMPLEMENTAR UMA ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DOS RECURSOS HUMANOS NA ÁREA DAS FINANÇAS PÚBLICAS e DESENVOLVIMENTO DE RH EM TODOS OS ÓRGÃOS CENTRAIS (MDF03-00-MDF-I ) COMPONENTE 7. PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS NA BASE DA DEMANDA DOS ÓRGÃOS DO ESTADO E OUTRAS ENTIDADES SISTEMA DE GESTÃO MUNICIPAL - Município de Maputo e P13 (MDF03-00-MDF-I ) Realização de Testes da Aplicação SGM para Certificação...22 Produção do Relatório de Avaliação do SGM PROJECTO DE JANELA ELETRÓNICA ÚNICA DO TURISMO JUTUR (MDF03-00-MDF-I ) PROJECTO SISTEMA NACIONAL DE GESTÃO DE CUSTOS DE CONSTRUÇÃO - SINAGEC_ MOPH (MDF03-00-MDF-I ) SISTEMA DE GESTÃO DE BENEFICIÁRIOS - SGB_INAS (MDF03-00-MDF-I ) PARTE 2 RELATÓRIO DE EXECUÇÃO ORÇAMENTAL...23 PARTE 3 IMPACTO DAS ACTIVIDADES REALIZADAS NA REFORMA DO SISTAFE NO SUBSISTEMA DO ORÇAMENTO DO ESTADO Execução das despesas pela da Via Directa Execução por VD de cada categoria de Despesa Implementação do Classificador Seccional NO SUBSISTEMA DE TESOURO PÚBLICO Utilização da CUT Transacções via CUT Transacções via CUT Moeda Externa NO SUBSISTEMA DA CONTABILIDADE PÚBLICA NO SUBSISTEMA DE PATRIMÓNIO DO ESTADO PARTE 4 FRAQUEZAS POR SUPERAR NA IMPLEMENTAÇÃO DA REFORMA...65 PARTE 5: ANEXOS RELEVANTES...67 ANEXO 1: RELAÇÃO NOMINAL DE FUNCIONÁRIOS DO CEDSIF QUE BENEFICIARAM DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL EM ANEXO 2: RELAÇÃO DE INSTITUIÇÕES COM TÉCNICOS FORMADOS, CURSOS MINISTRADOS E O TRIMESTRE DE REALIZAÇÃO DA FORMAÇÃO, NO ÂMBITO DO PROJECTO GESTÃO DO CEDSIF ANEXO 3: RECOMENDAÇÕES DE AUDITORIA EXTERNA ÀS CONTAS DO CEDSIF REFERENTES AO EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 IMPLEMENTADAS ANEXO 4: RECOMENDAÇÕES DO RELATÓRIO DE REVISÃO DE MÉDIO TERMO ANEXO 5: PLANO E BALANÇO DE AQUISIÇÕES DE ANEXO 6: PONTO DE SITUAÇÃO DAS FUNCIONALIDADES NUCLEARES DO E-SISTAFE A 31 DE DEZEMBRO DE ANEXO 7: UNIDADES SELECCIONADAS PARA EXPANSÃO DO E-SISTAFE E FORMADAS EM 2011, DE ACORDO COM O PAO_ ANEXO 8: MATRIZ DE IMPLEMENTAÇÃO DAS RECOMENDAÇÕES DE AUDITORIA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DE ANEXO 9: PRINCIPAIS RELATÓRIOS IMPLANTADOS EM PRODUÇÃO E DISPONÍVEIS PARA COMPOR A CONTA DE GERÊNCIA Relatório Anual de Actividades e de Execução Financeira 2011 Página 5

6 SUMÁRIO EXECUTIVO Em 2010 o Governo iniciou a implementação da III Fase do Programa de Modernização da Administração Financeira do Estado. As suas acções estratégicas e o respectivo Orçamento constam do PAO , que contém as iniciativas da reforma do SISTAFE consideradas cruciais para uma mais ampla reforma da Gestão das Finanças Públicas (GFP), espelhada na Visão Estratégica das Finanças Públicas Se, por um lado, a reforma do SISTAFE devia contribuir na prossecução dos objectivos gerais da Estratégia de Redução da Pobreza em Moçambique (PARPA I e PARPA II) é, por outro lado, importante referir que a sua implementação conta com um forte compromisso do Governo e com a ajuda coordenada dos Parceiros de Cooperação e Desenvolvimento. Sobre o CEDSIF recai a responsabilidade de operacionalização da modernização dos processos das Finanças Públicas e dos processos associados e bem assim de prestação de serviços especializados em tecnologias de informação aa todos os Órgãos e Instituições do Estado. Considerando que o Plano de Acção e Orçamento é um dos instrumentos de gestão das actividades da Instituição e de monitoria e avaliação das suas realizações e dos resultados alcançados, a elaboração do presente Relatório de Actividades e de Execução Orçamental em 2011 visa dar a conhecer o ponto de situação das actividades a que o CEDSIF se propôs desenvolver em Em termos gerais e tendo em conta o cumprimento, acima de 90%, das principais actividades previstas para o ano de 2011, os resultados alcançados foram também bastante encorajadores. Com efeito, registou-se um salto qualitativo e quantitativo nos resultados alcançados, que se reflecte no estágio de desenvolvimento dos vários projectos, nomeadamente: A estruturação e operacionalização do funcionamento do CEDSIF, incluindo o trabalho para a regularização da situação contratual quer dos Consultores Internacionais quer dos Trabalhadores nacionais foram realizados, aguardando-se apenas a aprovação pelo Conselho de Ministros do Estatuto Orgânico e da alteração do Decreto de criação do CEDSIF para atender à realidade concreta desta Instituição e do regime laboral dos seus Trabalhadores; A revisão da Visão Estratégica das Finanças Públicas , que resultou na elaboração da Visão das Finanças Públicas foi concluída, aguardando-se apenas também a sua aprovação pelo Conselho de Ministros; A expansão do e-folha a nível Provincial ocorreu acima do previsto, ou seja, em 293 unidades e bem acima das 33 Direcções Provinciais previstas, e a nível Central em 116 novos Sectores; Relatório Anual de Actividades e de Execução Financeira 2011 Página 6

7 Concretizaram-se melhorias substanciais na renovação da infraestrutura tecnológica que suporta a camada da base de dados do e-sistafe, tendo resultado uma melhoria substancial na qualidade de serviço de TI s prestados aos utilizadores do e-sistafe, o que também permitiu o aumento do número de utilizadores concorrentes no sistema bem como o aumento do número de transacções realizadas com sucesso por dia; No Projecto Gestão do Património do Estado foi elaborado, apreciado e aprovado o Modelo de Negócios do e-inventário. Foi ainda elaborado e aprovado o Modelo Conceptual do Subsistema do Património do Estado pelo Conselho Consultivo do Ministro das Finanças e formados Técnicos em Licitação Pública no Brasil. A realização do Projecto e-tributação decorre nos termos previstos no respectivo plano aprovado; Concluiu-se a elaboração do Modelo Conceptual do Subsistema de Planeamento e Orçamentação; Foi concluída a elaboração do Modelo de Negócio para o Sistema de Gestão de Recursos Humanos da Função Pública e aprovado pela respectiva Ministra bem como foi concluído o documento de reflexão que servirá de base para a elaboração da Estratégia de definição das Carreiras Profissionais da área das Finanças Públicas. Efectivou-se a realização de 20 Concursos Públicos, 5 Ajustes Directos Públicos, e 41 Ajustes Directos normais, ao abrigo das disposições do Decreto nº 15/2010, de 24 de Maio, contra os 18 Concursos Públicos e 7 Ajustes Directos inicialmente previstos; Ainda que não se tenha alcançado a meta de 45% da execução orçamental pela Via Directa devido a constrangimentos da infraestrutura tecnológica do e-sistafe, que ditou a sua renovação substancial, o total da despesa orçamental paga em 2011 foi de ,78 MT, tendo ,89 MT sido pela Via Directa, ou seja 42,22%. Em compensação da não concretização da expansão de pontos do e-sistafe para mais 50 Instituições a expensas do CEDSIF, devido aos constrangimentos da sua infrae-strutura tecnológica ocorridos nos meses de Julho a Outubro de 2011, o que ditou o adiamento desta actividade para 2012, foram instalados e operacionalizados 78 novos pontos do e-sistafe sob solicitação e a expensas próprias das respectivas UGB s e formados os respectivos usuários. Em termos gerais o Orçamento de 2011, é no montante de ,55 repartido em contribuições ao Fundo Comum e e-tributação no valor de ,55MT e em contribuições para Outros Projectos no valor de ,00 MT. A execução acumulada foi de ,46MT, Relatório Anual de Actividades e de Execução Financeira 2011 Página 7

8 correspondente a 63.86%, dos quais ,00MT a uma execução de % em de Outros Projectos (Janela Única do Turismo - JUTUR). Do orçamento de ,55MT foi executado e pagas as respectivas despesas até 31 de Dezembro 2011 no valor de total de ,46MT, ou seja 63.86% do orçamento aprovado, tendo despesas realizadas mais por pagar em 2012 se situa ao valor de ,16MT, isto é, 21.01% do orçamento. Com a realização da despesa transitada para pagamento em 2012, a execução total do orçamento atingiu ,02MT o que corresponderá a uma execução total de 86.70%, conforme mostra a tabela abaixo. Odem Descrição Valor % 1 Dotação do CEDSIF ,55 100,00% 2 Despesas realizadas e já Pagas ,46 63,86% 3 Dotação transferida a DPPFS ,00 0,22% 4 Dotação transferida a DNPE ,40 1,61% 5 Despesas realizadas mas por pagar em ,16 21,01% 6 Total das Despeas Realizadas ,02 86,70% Ordem Descrição Valor 1 Saldo Final a 31/12/ ,50 2 Garantias Bancarias ,62 3 AT 133FCAAT (é dotação) ,46 4 Valor do BCI ,65 5 Desembolso adiantado para 2012 por Noruega ,49 6 Desembolso adiantado para 2012 por INAS ,50 7 Subsaldo (7= ) ,02 Conforme se mostra ao longo do Relatório, para pagamento das despesas que transitam de 2011 para o seu pagamento em 2012, há um saldo financeiro disponível, a 31 de Dezembro de 2011, no valor de ,02MT e mais uma transferência de dotação a efectuar pela Autoridade Tributária em 2012, referente a despesas realizadas em 2011 no valor de ,00MT. O saldo final de ,50MT inclui as garantias bancárias no valor de ,62Mt. Após deduzir o desembolso adicional da Noruega destinado a despesas de 2012, e após deduzir também o valor do Projecto INAS que é para despesas de 2012, bem como após deduzir o valor das despesas realizadas em 2011 cujo pagamento transitou para 2012, o CEDSIF regista, em princípio, a , um défice de ,31 MT. Este aparente défice encontra-se coberto pelo valor por transferir pela Autoridade Tributaria para o CEDSIF, para reembolso de despesas do Projecto e-tributação efectuadas, por adiantamento, pelo CEDSIF para não comprometer o curso dos trabalhos do referido Projecto, no valor de ,00MT. Determinação do Saldo Final em 31/12/11 Relatório Anual de Actividades e de Execução Financeira 2011 Página 8

9 Formulas Descrição Valores 1 Saldo Final a 31/12/ ,88 2 Desembolso antecipados da Noruega ,49 3 Desembolso do INAS ,50 4=1-2-3 Subsaldo Financeiro ,89 5 Despesas não realizadas de ,20 6=4-5 Saldo (+Superavit/-Deficit) ,31 7 Transferência a ser realizada pela At ,00 8=6+7 Saldo Final (+Superavit/-Deficit) ,69 Relatório Anual de Actividades e de Execução Financeira 2011 Página 9

10 PARTE 1 ACTIVIDADES REALIZADAS NO EXERCÍCIO ECONÓMICO DE PILAR 1 - DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL E GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS 1.1. COMPONENTE 0: DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL GESTÃO DO CEDSIF (MDF03-00-MDF-I ) Monitoria e Avaliação Procedeu-se à elaboração do Relatório de Actividades Desenvolvidas no 1º, 2º e 3º Trimestres de 2011 bem como da Matriz do Plano Económico e Social para 2012 (PES 2012) e deu-se seguimento à implementação das recomendações das Missões do FMI sobre a Gestão de Finanças Públicas e bem assim da Revisão de Médio Termo do PAO Cooperação Internacional Foram realizadas palestras sobre o SISTAFE entre os dias 18 a 23 de Julho de 2011, no âmbito da visita efectuada por Técnicos da Zâmbia, enquadrada no Programa de trocas de experiência com o nosso País Planificação e Orçamento Decorreu a revisão do Orçamento do CEDSIF aprovado de 2011 e concluiu-se a elaboração do Plano de Actividades e Orçamento para 2012 (PAO 2012), tendo-se remetido aos Parceiros de Cooperação e Desenvolvimento para aprovação. Deu-se ainda início à elaboração do Plano de Acção e Orçamento para Capacitação Durante este período, dois Directores-Gerais Adjuntos, o Director do Serviço de Auditoria, o Director do Serviço de Segurança de Sistemas de Informação, o Director do Serviço de Operações, o Director do Serviço de Qualidade e Certificação e vários Técnicos participaram em cursos de capacitação, tendo em vista 1 Esta componente não se encontrava inicialmente prevista no PAO 2010_2012, entretanto, pelo facto de, as actividades deste projecto, Gestão do CEDSIF, apresentam resultados como significado na execução do Orçamento do CEDSIF, optou-se pela inclusão da mesma. Relatório Anual de Actividades e de Execução Financeira 2011 Página 10

11 o aperfeiçoamento das suas habilidades e capacidades profissionais e a elevação da sua produtividade, conforme se pode verificar no Anexo Treinamento (Formação e reciclagem de utilizadores e gestores das finanças públicas nas diversas aplicações) Formados Técnicos de 67 instituições no âmbito da reciclagem e reforço da capacidade dos utilizadores dos Sectores, para os vários perfis em uso no e-sistafe, como se pode ver no Anexo 2 ao presente Relatório Divulgação e Implementação da expansão do e-sistafe Foram realizados dois Seminários de preparação para a expansão do e-sistafe, dirigidas a 24 instituições e realizado um Seminário para Auditores externos no dia 22 de Novembro de 2011 para divulgação das regras do SISTAFE e do seu uso na realização de trabalhos de auditoria Auditoria Operacional Foram elaborados os Termos de Referência para o recrutamento de um Técnico informático para a área de Auditoria Operacional, tendo-se posteriormente optado pelo seu recrutamento a nível interno Recomendações de Auditoria Externa às Contas do CEDSIF referentes ao exercício económico de 2010 implementadas As recomendações de Auditoria Externa às Contas do CEDSIF referentes ao ano de 2010 foram, de um modo geral, cumpridas estrita e integralmente, tendo constituído objecto de observância, com carácter diário e permanente, na vida da Instituição. (Vide Anexo 3) Recomendações do Relatório de Revisão de Médio Termo implementadas No Geral As recomendações do Relatório de Revisão de Médio Termo foram incorporadas na análise do Balanço do PAO e na elaboração do PAO para 2012 e do PAO em processo de conclusão, para além de serviram de instrumento para a melhoria da Gestão Estratégica do CEDSIF, alinhada com a Visão de Finanças Públicas Vide Anexo 4. Procurement de bens e serviços e outras actividades correntes No que concerne ao processo de aquisição de bens e serviços ao longo de 2011, foi elaborado e aprovado o respectivo Plano Anual de Aquisições, com a previsão inicial de realização de 18 Concursos Relatório Anual de Actividades e de Execução Financeira 2011 Página 11

12 Públicos e 7 Ajustes Directos, Porém, no decurso do referido ano, houve a necessidade de revisão do Plano de Aquisições, tendo-se verificado a realização de 20 Concursos Públicos, 5 Ajustes Directos Públicos 2, e 41 Ajustes Directos normais, ao abrigo das disposições do Decreto nº 15/2010, de 24 de Maio. Vide Anexo DEFINIÇÃO DA ACTUAÇÃO DO CEDSIF E GESTÃO DA MUDANÇA ORGANIZACIONAL (MDF03-00-MDF-I ) Houve avanços na implementação de várias actividades tendentes à definição do quadro jurídicolegal que define o escopo de actuação do CESDSIF, numa base interina, tendo-se, em consequência, criado e operacionalizado o funcionamento da actual estrutura orgânica e a nomeação dos respectivos dirigentes, enquanto se aguarda pela aprovação do novo Decreto, que altera o Decreto de criação do CEDSIF, e o respectivo Estatuto Orgânico. O Modelo de Gestão e Processos Consolidados, o Modelo Conceptual de Processos Administrativos, o Regulamento Interno e o Plano de Carreiras Ocupacionais constituem instrumentos de gestão em processo de finalização da sua elaboração mas cuja adopção formal está dependente da aprovação do Estatuto Orgânico já remetido em finais de 2011 ao Conselho de Ministros. O uso do Classificador Programático foi introduzido no CEDSIF, tendo-se inserido o PAO 2012 no e- SISTAFE na base deste Classificador O Boletim Informativo mensal, da Instituição, foi produzido e divulgado ao longo do ano PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS E OPERAÇÃO DE TI (MDF03-00-MDF-I ) Operação contínua do e-sistafe A nível de TI Definida a estrutura organizacional adequada à manutenção, desenvolvimento e funcionamento eficiente do Centro de Dados, implementou-se uma estrutura organizacional baseada na orientação para serviços e observância das boas práticas e conhecimentos adquiridos nas formações em ITIL e COBIT. Neste contexto, foi determinada a coordenação de todas as acções inerentes a políticas de implementação e funcionamento eficazes do Centro de Dados, associada à capacitação dos responsáveis das diferentes áreas competências de desenvolvimento e gestão de sistemas de informação e de infraestruturas de TI s. Para assegurar que os processos de manutenção e evolução das aplicações de TI s estejam em linha com as boas práticas internacionais (em particular no MEX e MEO), foi melhorado o mecanismo de implementação das alterações (releases) desde a sua fabricação, implantação e entrada em produção, tendose elaborado a primeira versão do documento de procedimentos de gestão de alterações (releases) de 2 Consiste na aquisição de bens e prestação de serviços seguindo as mesmas normas do concurso publico com indicação da marca/referência do produto para garantir a concorrência e transparência da licitação, no entanto com a publicação do acto do lançamento. Relatório Anual de Actividades e de Execução Financeira 2011 Página 12

13 acordo com as boas práticas. Neste contexto, para qualquer manutenção ou alteração de funcionamento de qualquer activo do Centro de Dados e seus associados, deve-se criar um Documento de Alteração de Requisitos (DAR), para se assegurar que os processos de manutenção e evolução das aplicações de TI s estejam em linha com as boas práticas internacionais % da Execução do Orçamento realizada pela via Directa As actividades realizadas para se garantir a operação contínua do e-sistafe reflectiram-se no nível alcançado de execução orçamental e no incremento do pagamento de despesas pela Via Directa (VD). O desempenho alcançado na execução orçamental via e-sistafe traduz o processo da sua expansão para os vários órgãos e instituições do Estado ao nível central, provincial e distrital, incluindo as instituições autónomas, bem como a manutenção e aperfeiçoamento das funcionalidades do sistema. O total da despesa paga (pela Via Directa e por Adiantamentos de Fundos) em 2011, segundo dados extraídos do e-sistafe, atingiu ,78MT, dos quais ,89MT foram realizadas pela Via Directa, ou seja 42.22% do total da despesa orçamental. A meta de execução em 45% do Orçamento pela via directa, não foi alcançada devido a problemas de lentidão do sistema ocorridos nos meses de Junho a Outubro de 2011, por obsolescência do equipamento da respectiva infraestrutura de TI, o que ditou que várias instituições recorressem a métodos tradicionais para pagamento de salários, abandonando temporariamente o pagamento de salários pela Via Directa Especificações tendentes a melhorias das aplicações do e-sistafe As melhorias efectuadas à infraestrutura tecnológica do e-sistafe, tanto as evolutivas como as correctivas, constam do Anexo 6 a este Relatório Expansão do e-sistafe para mais 50 instituições a expensas do CEDSIF A expansão do e-sistafe para mais 50 Instituições a expensas do CEDSIF não se concretizou devido a problemas de lentidão do sistema ocorridos nos meses de Julho a Outubro de 2011, tendo-se, por isso, adiado esta actividade para o ano de Entretanto, em 78 UGB s foram, sob sua solicitação e a expensas próprias, instalados novos pontos do e-sistafe e formados os respectivos usuários (vide Anexo 7). Esta expansão ocorreu em 38 instituições de nível central, 22 de nível provincial e 18 ao nível distrital, o que contribuiu para a elevação dada execução pela Via Directa de 37,5% no final de 2010 parapara 42,22% no final de Relatório Anual de Actividades e de Execução Financeira 2011 Página 13

14 Implementação de um mecanismo mais seguro controlável e fiável de transmissão de dados entre o MF e BM Com o objectivo de substituir o mecanismo de troca de informação entre o e-sistafe e os sistemas do Banco de Moçambique, em Novembro de 2011 foi adoptado um projecto específico. A nova forma de comunicação deverá, também, resolver os problemas de segurança que foram objecto de recomendações da auditoria de segurança bem como melhorar a velocidade e reduzir as falhas que actualmente se verificam entre o e-sistafe e Sistema do BM. A equipa do projecto é constituída por membros do CEDSIF e do BM e suas actividades são semanalmente acompanhadas por um Comité constituído por membros da Direcção das duas Instituições O projecto está dividido em duas fases, sendo a primeira centrada para a resolução das deficiências do mecanismo actual para garantir a melhoria do seu funcionamento, e a segunda para identificar e implementar uma solução definitiva para todos os problemas identificados, incluindo as recomendações da auditoria de segurança. Finalizada a primeira fase, deu-se início a segunda, com a produção da prova de conceito como primeira actividade em processo de execução Treinamento Foram formados Técnicos de 233 instituições, tendo de 5 sido formadas pela DPPF de Inhambane, mediante transferência de dotação para esse efeito. (Vide o Anexo 7) Recomendações da auditoria de segurança Relativamente à auditoria de segurança realizada em 2010, maior parte das suas recomendações foram já implementadas, encontrando-se as remanescentes em processo de implementação, como mostra o Anexo ELABORAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DO PLANO MESTRE DE INVESTIMENTOS EM TI s (PLATAFORMA DE TI s) - MDF03-00-MDF-I Para incremento da qualidade nos serviços prestados pelo CEDSIF em TI Foram melhoradas as apresentações da informação colectada nas monitorias diárias em todas as áreas do SO (Serviço de Operações) e criadas as seguintes ferramentas de controlo de actividades: Workflow de entrada de projectos no SO e timesheet para controlo das actividades realizadas; Controlo de prestação de serviços (planilha de controlo de solicitações e modelo de ficha de serviços). Relatório Anual de Actividades e de Execução Financeira 2011 Página 14

15 Foi elaborado o relatório de desempenho (performance) dos sistemas, na base do resultado da monitoria diária, e iniciada a implementação do sistema de gestão de qualidade (SGQ) segundo as normas ISO 9001:2008 e ISO Reforçou-se a capacidade de monitoria do Serviço de Operação nas áreas de controlo de solicitações, de prestação de serviços de qualidade e de desempenho. Foram realizadas as provas de conceito para selecção de uma solução de monitoria integrada, de gestão de infraestrutura e de apoio à tomada de decisão e identificados os processos-chave e as bases de comparação, que permitirão a selecção da ferramenta que melhor responde às necessidades do CEDSIF em termos de definição e controlo dos níveis de serviço, gestão de capacidade e melhoria dos tempos de resposta bem como foram concluídos os documentos sobre os requisitos mínimos do Sistema de Gestão de Qualidade, nomeadamente, o Manual de Qualidade e os Procedimentos de Controlo de Documentos e Registos Renovação da Infraestrutura de TI Foram adquiridas duas novas máquinas EXADATA para a camada de base de dados e migradas todas as bases de dados de 9i para 11g, que entraram em produção em Novembro de Foram ainda substituídos os servidores da camada aplicacional por outros de maior capacidade de processamento bem como foram iniciados os trabalhos de melhoramento do Centro de Dados secundário e efectuada a revisão da instalação eléctrica e o estudo de consumo de energia de todos os equipamentos COMPONENTE 1: REESTRUTURAR A UTRAFE E O CPD Foi concluído o processo de fusão da UTRAFE e CPD, de que resultou a criação e operacionalização da estruturação e organização do funcionamento do CEDSIF COMPONENTE 3: REFORÇAR A CAPACIDADE DE COORDENAÇÃO, MONITORIA DA IMPLEMENTAÇÃO DA REFORMA BEM COMO O DESEMPENHO NA ÁREA DE GFP DEFINIÇÃO DA RESPONSABILIDADE DE COORDENAÇÃO GERAL DAS REFORMAS DE GESTÃO DAS FINANÇAS PÚBLICAS (MDF03-00-MDF-I ) De forma a galvanizar as acções do processo de coordenação das reformas na gestão das finanças públicas, o Ministério das Finanças reactivou os encontros do órgão técnico dos Directores Nacionais do TOC (Tesouro, Orçamento e Contabilidade), para análise de matérias de reformas antes da sua submissão à apreciação pelo Consultivo do Ministro das Finanças. O trabalho deste órgão técnico tem surtido resultados Relatório Anual de Actividades e de Execução Financeira 2011 Página 15

16 satisfatórios decorrentes dos debates exaustivos na definição e interpretação correctas das matérias em análise Estabelecimento de Parcerias com Instituições Académicas para inclusão nos planos de estudos de matérias relacionadas com Finanças Públicas de Moçambique Iniciado o desenvolvimento de parcerias com instituições académicas, visando a inclusão, nos planos de estudos, de matérias sobre finanças públicas, tendo-se para o efeito realizado na Faculdade de Economia da UEM, em Novembro de 2011, uma Palestra subordinada ao tema O SISTAFE nos Currillums Escolares Elaboração, acompanhamento e actualização da Visão das Finanças Públicas A revisão da Visão das Finanças Públicas foi concluída e efectuada a sua apreciação preliminar no Conselho Consultivo do MF, em Abril, tendo-se recomendado a sua apreciação pelo Conselho Coordenador, o qual, por sua vez, que a proposta da Visão das Finanças Públicas fosse analisada com mais detalhe com o Ministério de Planificação e Desenvolvimento no que se refere aos seus macro-objectivos de base. Apresentada a proposta da Visão de Finanças Públicas no Conselho Técnico do MPD, colheu-se as contribuições e o acordo sobre a inclusão dos macro-objectivos de base da Visão na Estratégia Nacional de Desenvolvimento, em elaboração pelo MPD. Com as várias contribuições recolhidas já incorporadas, a proposta revista foi objecto de apreciação pelo Conselho Consultivo do Ministro das Finanças e, posteriormente, remetida à apreciação pelo Conselho Económico a 1 de Dezembro de 2011 e, seguidamente, remetida à aprovação pelo Conselho de Ministros, aguardando-se pela decisão deste Órgão. 2. PILAR 2: DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA DE GESTÃO DE FINANÇAS PÚBLICAS 2.1. COMPONENTE 4: APERFEIÇOAR E DESENVOLVER A GESTÃO DE TODOS OS PROCESSOS E METODOLOGIAS DO SISTEMA DE GESTÃO DE FINANÇAS PÚBLICAS MÓDULO DE SALÁRIOS E PENSÕES (MDF03-00-MDF-I ) e-folha implementado no nível central e em pelo menos 3 sectores ao nível provincial Registaram-se avanços bastante significativos no âmbito da expansão do e-folha com destaque para o nível provincial. A nível central expandiu-se o pagamento de salários via e-folha para 116 novos Sectores Relatório Anual de Actividades e de Execução Financeira 2011 Página 16

17 dos 123 previstos, o que representa 94% do universo. A nível Provincial expandiu-se o pagamento de salários Via e-folha para 326 Sectores, quando se previu expandir para 3 Sectores em cada Província Especificação para a implantação do pagamento de pensionistas via e-folha Foi iniciado o desenvolvimento do Modelo de Negócio para administração de pensões pela DNPS Realização da prova de vida de Funcionários e Agentes do Estado A realização da prova de vida foi adiada para 2012 por depender da especificação do respectivo equipamento cujo concurso público, para sua aquisição, foi lançado em Outubro de Aquisição e instalação do equipamento para prova de vida Uma vez especificado, lançado e adjudicado o concurso público para aquisição do equipamento, aguarda-se pela entrega, com previsão para meados de Março de SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS (MDF03-00-MDF-I ) Foi iniciada e concluída a elaboração do Modelo de Negócios do Sistema de Gestão de Recursos Humanos da Função Pública COMPONENTE 5: DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DE TI PARA SUSTENTAR O SISTEMA DE GFP MÓDULO DE GESTÃO DO PATRIMÓNIO DO ESTADO (MDF03-00-MDF-I ) Desenvolvimento e implantação em produção do módulo e-inventário Foi elaborado, apreciado e aprovado o Modelo de Negócios do e-inventário. Procedeu-se ainda à digitalização (Fase 1) e ao registo de conformidade (Fase 2) dos dados dos bens patrimoniais do Estado, tendo-se ainda desenvolvido a funcionalidade de Geração de Mapas do Património do Estado para a CGE (Fase 3) e estando-se agora em fase da sua homologação Continuidade das actividades para implantação do módulo de Gestão do Património do Estado. Foi elaborado e aprovado o Modelo Conceptual do Subsistema do Património do Estado pelo Conselho Consultivo do Ministro das Finanças e formados Técnicos em Licitação Pública no Brasil. Relatório Anual de Actividades e de Execução Financeira 2011 Página 17

18 MÓDULO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO (MDF03-00-MDF-I ) Produção de Relatórios Para o Módulo de Gestão de Informação (MGI), previa-se a disponibilização de relatórios específicos para utilização pelos sectores, atendendo-se às especificidades de cada sector. O trabalho foi realizado e, por solicitação da DNCP e dos Parceiros de Cooperação, foram especificados, produzidos, homologados, remetidos ao ambiente de produção e colocados à disposição para sua extracção, nomeadamente, o Relatório de Fluxos Financeiros dos Fundos Externos por Moeda e por Fonte de Recursos (FR), o Relatório de Pagamentos Efectuados por FR Fundos Externos, o Relatório de Gestão por UGB CED- CED 112 e CED 12, o Relatório por FR e por CED e o Relatório por UGB/CED Mês a Mês Execução Via Directa Especificação da funcionalidade que permita a extracção automática de informação pelo e- SISTAFE, pelas unidades com vista a compor a Conta de Gerência As funcionalidades para emissão dos Relatórios da Conta de Gerência foram colocados em produção e encontram-se prontos para sua extracção. Pelo facto, prevê-se uma redução substancial no esforço empreendido pelos sectores na produção da Conta de Gerência, conforme mostra o Anexo Desenhadas especificações para a instalação do Business Inteligence (BI) Foi desenvolvida a funcionalidade do Business Inteligence (BI). Porém, durante o processo de homologação, concluiu-se que esta funcionalidade não se adequava às especificações do negócio, daí decorrendo a necessidade de se realizar uma nova especificação SISTEMA NACIONAL DE PLANIFICAÇÃO E ORÇAMENTAÇÃO (MDF03-00-MDF-I ) Definir as directrizes (modelo conceptual/de negócio) para o SNPO A primeira versão do Modelo Conceptual foi finalizada e submetida a apreciação do TOC, DNP e outras Direcções Nacionais do MPD e em preparação da sua apreciação e aprovação pelos Ministros da Planificação e Desenvolvimento e das Finanças e-tributação (MDF03-00-MDF-I E) No âmbito da Gestão, Controlo e Monitoria Foram elaborados e aprovados os planos de trabalho e de formação, a lista de aquisição do equipamento para lançamento do respectivo concurso, o documento de arquitectura, o Plano de Ambientes, o documento de arranque do projecto; o Regulamento dos Comités Executivo e Técnico do Projecto e revisto o Relatório Anual de Actividades e de Execução Financeira 2011 Página 18

19 Plano do NUIT com o Consultor da Oracle. Foram também elaborados os TOR s da consultoria de segurança bem como os TOR`s de consultoria do Arquitecto Técnico e foi celebrado, com a ORACLE, o Acordo de Parceria Directa de Prestação de Serviços de Consultoria da ORACLE. Foi elaborado o Orçamento para Infraestrutura e desenvolvimento do Portal do Contribuinte, e para o Centro de Atendimento (Call Centre), a serem objecto de revisão e actualização nos Orçamentos de e submetido à apreciação do Comité Executivo. Foi assegurada a participação nos Comités Técnicos mensais do Projecto e-tributação e realizados encontros com vista ao informe sobre o progresso do projecto e apreciação do orçamento actualizado de Foi contratado o Arquitecto Funcional por 15 dias para finalização dos requisitos do NUIT e executado o Plano de Preparação de Configuração (Implementação do Estudo de Caso), tendo-se, em seguida, realizado o respectivo Seminário, com o apoio da ORACLE. Foi finalizada a discussão da migração para o ETPM e a forma do seu licenciamento, tendo-se melhorado o plano de actividades com o Gestor de Projectos da ORACLE antes da integração das consultorias da ORACLE na equipa bem como foi concretizada a contratação (por ordens de serviço) das referidas consultorias, à luz do OSA. Foram elaborados os Planos de actividades para o módulo do IVA/ISPC e processos comuns e preparadas as condições para o início do desenho e desenvolvimento. Foram elaborados os TOR s de consultoria de segurança, o Modelo de Processo de Desenvolvimento, o Plano de Gestão de Qualidade e o Plano de Transição e dada a continuidade da elaboração do Plano de Actividades do IVA/ISPC e Processos Comuns. Foi realizada a reunião com os representantes da Oracle, com os Parceiros de Cooperação Internacional e adquiridas as viaturas para os consultores de Oracle sem excluir a participação na 3ª Sessão Ordinária do Comité Técnico e 1ª Sessão Ordinária do Comité Executivo do Projecto e-tributação No âmbito Infraestrutura de suporte e disponibilização do serviço Foi instalada a versão 2.2 compactada do ETM em Ambiente de Configuração a partir de imagens, revistos os manuais e apresentações sobre a formação em ETM e simulado o registo do contribuinte no ETM de acordo com a situação actual, utilizando como base os formulários M05, M06 e M07. Concluído o desenho da estrutura, encontrando-se em processo de aquisição a infraestrutura de suporte e disponibilização do Relatório Anual de Actividades e de Execução Financeira 2011 Página 19

20 serviço e lançado o concurso de aquisição de servidores para o início do desenvolvimento do Módulo de Registo do Contribuinte, NUIT. Foram preparadas as condições para análise, desenho e início do trabalho de desenvolvimento, definida a Arquitectura de infraestrutura do ETM e definida a Arquitectura Inicial e Mapeamento de Aplicativos. Foram recebidos e configurados os servidores para o ambiente mínimo; Instalado o ETMP no ambiente mínimo; Avaliado e adjudicado o concurso e assinado o contrato para aquisição do equipamento definitivo. Foi elaborado o plano da realização do levantamento do ponto de situação da infraestrutura das DAF s e outros locais que serão abrangidos pelo e-tributação (RN) e Instalação do ETPM no ambiente temporário bem como o fecho do documento de especificações técnicas e lançado o concurso de equipamento do projecto para, em seguida, abrir-se o concurso para avaliação das propostas de fornecimento do equipamento do Projecto. Foi iniciado o processo de redesenho e restruturação de toda a infraestrutura tecnológica actual, o que permitirá ao Centro de Dados albergar a componente tecnológica para responder à adesão de determinados projectos externos; e foi especificado e lançado e concluído o concurso para aquisição de equipamento para implementação do ambiente mínimo de desenvolvimento do projecto e-tributação. Enquanto isso, foi concluída a implementação do ambiente mínimo de desenvolvimento do projecto e- Tributação numa infraestrutura temporária e está em fase de recepção o equipamento para o ambiente de treinamento do projecto e-tributação, na sequência do concurso lançado para aquisição de nova infraestrutura de TI, nomeadamente, Servidores, equipamento de comunicação e de armazenamento de dados de melhor performance e capacidade No âmbito do Desenho e Desenvolvimento do Módulo de Registo do NUIT Neste domínio, foi concluído o levantamento da situação actual do Desenho e Desenvolvimento do Módulo de Registo do NUIT, executado o Plano de Preparação da Configuração do ETPM (e implementação do Estudo de Caso), desenhadas as regras para o modelo de negócio de registo do NUIT e validadas pelo consultor externo, concluídas as estimativas de esforço, tempo e recursos necessários para o desenho e desenvolvimento do NUIT e elaborado o Modelo de Negócio do NUIT, já em fase de finalização e documentação. Recebido o Modelo de Negócio do NUIT, da AT, foi iniciado o trabalho de desenvolvimento e a análise e Desenho da Solução para o Registo da Pessoa Singular, Registo de Pessoa Colectiva, Registo de Actividades, Registo de Sucursal e suas Actividades e Registo da Cessação de Actividade. Relatório Anual de Actividades e de Execução Financeira 2011 Página 20

21 Foi dada continuidade à realização, no CEDSIF, do Seminário sobre o Módulo do NUIT e da análise e desenho do Módulo de Registo de Contribuinte No âmbito do Desenho e Desenvolvimento do módulo do IVA e ISPC Foi realizado o levantamento da situação actual face aos requisitos para o desenho e desenvolvimento do Módulo do IVA e ISPC, faltando concluir as estimativas do esforço, tempo e recursos necessários para o desenho e desenvolvimento deste Módulo e iniciou-se a análise das deficiências (gap) existentes nos comuns e específicos do IVA e ISPC (execuções fiscais, pagamentos, reembolsos) bem como para o desenho e desenvolvimento do Módulo de IRPC e IRPS e para o desenho e desenvolvimento dos restantes impostos, previstos para 2012 e 2013 respectivamente. 3. PILAR 3: MELHORAR AS PRÁTICAS NA GESTÃO DAS FINANÇAS PÚBLICAS AOS NÍVEIS SECTORIAL, TERRITORIAL E INSTITUCIONAL 3.1. COMPONENTE 2: ELABORAR E IMPLEMENTAR UMA ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DOS RECURSOS HUMANOS NA ÁREA DAS FINANÇAS PÚBLICAS e COMPONENTE 6: ELABORAR E IMPLEMENTAR UMA ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DOS RECURSOS HUMANOS EM TODOS OS ÓRGÃOS DO ESTADO Foi concluído o documento de reflexão que servirá de base para a elaboração da Estratégia de definição das Carreiras Profissionais da área das Finanças Públicas DESENVOLVIMENTO DE RH EM TODOS OS ÓRGÃOS CENTRAIS (MDF03-00-MDF-I ) Foi concluído e aprovado pela Ministra da Função Pública o Modelo de Negócios para o Sistema de Gestão de Recursos Humanos da Função Pública COMPONENTE 7. PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS NA BASE DA DEMANDA DOS ÓRGÃOS DO ESTADO E OUTRAS ENTIDADES SISTEMA DE GESTÃO MUNICIPAL - Município de Maputo e P13 (MDF03-00-MDF-I ) Com base nos encontros realizados nos Trimestres anteriores, o Conselho Municipal de Maputo elaborou o Documento de Inicio de Projecto (DIP), que o submeteu ao CEDSIF para sua validação. O CEDSIF analisou o documento e submeteu o seu parecer ao Conselho Municipal. No que se refere ao P13, o Relatório Anual de Actividades e de Execução Financeira 2011 Página 21

22 parecer do CEDSIF sobre a proposta recebida foi também submetido ao Projecto P13 via Ministério da Administração Estatal (MAE), órgão que exerce a tutela administrativa sobre os Municípios Realização de Testes da Aplicação SGM para Certificação Foi elaborado o relatório de avaliação e enviado ao MAE e seus Parceiros no P13, para o qual apresentaram o contraditório, que já mereceu a prestação dos devidos esclarecimentos. Aguarda-se, do MAE e seus Parceiros, a tomada de providências para o suprimento das inconformidades detectadas Produção do Relatório de Avaliação do SGM Foi concluído o relatório de avaliação do SGM e entregue ao MAE e seus Parceiros no P13, e, face ao contraditório recebido, foi elaborada e enviada ao MAE a resposta a esse contraditório e a matriz das constatações que, imperiosamente, devem ser corrigidas PROJECTO DE JANELA ELETRÓNICA ÚNICA DO TURISMO JUTUR (MDF03-00-MDF-I ) No âmbito deste projecto três Técnicos (um Arquitecto, um Desenvolvedor e um Analista de sistemas) beneficiaram de uma formação durante 3 meses em Cabo Verde na área de licenciamentos, que será relevante na concepção e desenvolvimento do Sistema de Gestão Municipal, mais concretamente, na componente de Gestão Municipal de Licenciamentos, que é fundamental para suporte à componente de Gestão Financeira Municipal. Entretanto, tendo sido transferida a responsabilidade pela hospedagem e apoio tecnológico a este Projecto para o INTIC - Instituto Nacional de Tecnologias de Informação, o CEDSIF já se desligou deste Projecto PROJECTO SISTEMA NACIONAL DE GESTÃO DE CUSTOS DE CONSTRUÇÃO - SINAGEC_ MOPH (MDF03-00-MDF-I ) Este projecto, a ser realizado sob demanda, consiste numa proposta de desenvolvimento de uma aplicação para o Sistema Nacional de Gestão de Custos de Construção, para o Ministério das Obras Públicas e Habitação (MOPH). O MOPH solicitou oficialmente, por carta, ao MF para se proceder ao desenvolvimento deste sistema, tendo também aprovado as especificações enviadas pelo CEDSIF. Estão em processo de revisão os TOR s do projecto e outros documentos relevantes para o projecto. Relatório Anual de Actividades e de Execução Financeira 2011 Página 22

23 SISTEMA DE GESTÃO DE BENEFICIÁRIOS - SGB_INAS (MDF03-00-MDF-I ) Foi concluída a elaboração do Modelo Conceptual que serviu de base para a elaboração do Contrato a estabelecer com a OIT, para efeitos do acordo de financiamento deste projecto. Recebido o contrato já assinado pela OIT e tendo-se elaborado o Memorando de Entendimento entre o CEDSIF e o INAS sobre o Projecto, foram assinados por todas as partes os dois instrumentos jurídicos (Contrato e Memorando). PARTE 2 RELATÓRIO DE EXECUÇÃO ORÇAMENTAL O presente Relatório reporta-se ao balanço da execução do Orçamento inicial e revisto, em moeda nacional (meticais), do Plano de Actividades e Orçamento (PAO) de 2011, apreciado e aprovado pelo Comité de Parceria do Fundo Comum do SISTAFE. Apresenta os fundos disponibilizados, a execução orçamental por projecto e categoria de despesa, o fluxo de caixa e os eventos relevantes subsequentes a 31 de Dezembro de Durante a execução de 2011, ocorreu revisão do Orçamento do PAO O Orçamento inicialmente apreciado em Dezembro de 2011, no valor global de ,27 MT, continha um valor para contingências no valor de ,37MT que não tinha sido repartido por trimestres. No PAO aprovado na globalidade em Fevereiro de 2011, na sua página 17, na tabela n.º 2, linha 1.1 na coluna de totais, não esta incluído o valor de contingência. A linha verde no Projecto Gestão do CEDSIF, não contém os somatórios. Os motivos acima referidos ocasionaram ligeira diferença na tabela do PAO inicial acima face à constante da página 17 do PAO 2011 revisto. Após o comentário das divergências entre os valores do PAO 2011 inicial e revistos, passa-se apresentar, de seguida, o Orçamento aprovado em Novembro de Relatório Anual de Actividades e de Execução Financeira 2011 Página 23

24 N.O. D escrição 1º T 2º T 3º T 4º T T o tal D ESP ESA S D E F UN C ION A M EN T O 1.1 Gestão C ED SIF , , , , , Salário s e R emuneraçõ es , , , , , C apacitação , , , , , T reinamento , , , , , Equipamento , , , , M ateriais e Serviço s C o rrentes , , , , , Obras , , , , Viagens , , , , , C o municaçõ es , , , , , C o ntigência ,37 T OT A L GEST Ã O D O C ED SIF , , , , ,02 P R OJEC T OS T R A N SIT A D OS , , , , , EST R UT UR A ÇÃ O D O C ED SIF , , , M ateriais e Serviço s C o rrentes , , , OP ER A ÇÕES D E T I , , , , , T reinamento , , , , , M ateriais e Serviço s C o rrentes , , , , , Equipamento , , , Obras , , , Viagens , , , , , C o municaçõ es , , , , D ESEN VOLVIM EN T O D E R H C EN T R A IS , , , M ateriais e Serviço s C o rrentes , , , R EF OR ÇO À C OOR D EN A ÇÃ O D A GEST Ã O D E F IN A N ÇA S P ÚB LIC A S , , , , M ateriais e Serviço s C o rrentes , , , , T reinamento , , , SIST EM A N A C ION A L D E P LA N IC A ÇÃ O , , , M ateriais e Serviço s C o rrentes , , , M ÓD ULO D O P A T R IM ÓN IO D O EST A D O ORÇAMENTO ANUAL INICIAL APROVADO REFERENTE AO PAO , , , , , T reinamento , , , , , M ateriais e Serviço s C o rrentes , , , , M ÓD ULO D E SA LÁ R IOS E P EN SÕES , , , , , T reinamento , , , , , M ateriais e Serviço s C o rrentes Equipamento , , Viagens , , , , , M ÓD ULO D E GEST Ã O D E IN F OR M A ÇÃ O , , M ateriais e Serviço s C o rrentes , ,00 Relatório Anual de Actividades e de Execução Financeira 2011 Página 24 T OT A L (GC + P T ) , , , , ,27 Tabela 1: Orçamento InicialAprovado por Projectos de 2011 (Aprovado em Fevereiro de 2011)

25 ORÇAMENTO REVISTO Classificador Programático Descrição do CED Orçamento Anual Revisto ORÇAMENTO DO CEDSIF ,55 MDF03-00-MDF-I GESTÃO DO CEDSIF ,81 MDF03-00-MDF-I Despesas de Manutenção ,76 MDF03-00-MDF-I H Despesas de Manutenção DAF ,76 MDF03-00-MDF-I F Despesas de Manutenção SSSI 0,00 MDF03-00-MDF-I Capacitação do pessoal do CEDSIF ,72 MDF03-00-MDF-I B Capacitação do Pessoal do CEDSIF - SOM ,50 MDF03-00-MDF-I G Capacitação do Pessoal do CEDSIF - SA ,10 MDF03-00-MDF-I E Capacitação do Pessoal do CEDSIF - SOISITIC ,53 MDF03-00-MDF-I D Capacitação do Pessoal do CEDSIF - SCQCSI ,58 MDF03-00-MDF-I C Capacitação do Pessoal do CEDSIF - SDSI ,41 MDF03-00-MDF-I F Capacitação do Pessoal do CEDSIF - SSSI ,60 MDF03-00-MDF-I H Capacitação do Pessoal do CEDSIF - DAF ,00 MDF03-00-MDF-I I Capacitação do Pessoal do CEDSIF - DAAJ ,00 MDF03-00-MDF-I J Capacitação do Pessoal do CEDSIF - UAU 0,00 MDF03-00-MDF-I Treinamento ,83 MDF03-00-MDF-I B Treinamento dos utilizadores - SOM ,00 MDF03-00-MDF-I F Treinamento de utilizadores - SSSI ,83 MDF03-00-MDF-I G Treinamento de utilizadores SA 0,00 MDF03-00-MDF-I D Treinamento de utilizadores - SCQCSI 0,00 MDF03-00-MDF-I Viagens ,50 MDF03-00-MDF-I B Viagens SOM ,00 MDF03-00-MDF-I G Viagens SA ,20 MDF03-00-MDF-I E Viagens SOISITIC ,60 MDF03-00-MDF-I D Viagens SCQCSI ,60 MDF03-00-MDF-I H Viagens DAF ,60 MDF03-00-MDF-I I Viagens DAAJ ,00 MDF03-00-MDF-I F Viagens SSSI ,50 MDF03-00-MDF-I C Viagens SDSI 0,00 MDF03-00-MDF-I ESTRUTURAÇÃO DO CEDSIF ,00 MDF03-00-MDF-I Definição da Estrutura ,00 MDF03-00-MDF-I B Definição da Estrutura SOM ,00 MDF03-00-MDF-I J Definição da Estrutura UAU 0,00 MDF03-00-MDF-I OPERAÇÕES DE TI ,23 MDF03-00-MDF-I Manutenção do e-sistafe ,46 MDF03-00-MDF-I B Manutenção do e-sistafe - SOM ,00 MDF03-00-MDF-I E Manutenção do e-sistafe - SOISITIC ,46 MDF03-00-MDF-I Roll Out do e-sistafe ,17 MDF03-00-MDF-I E ,17 MDF03-00-MDF-I H Roll Out do e-sistafe DAF ,00 MDF03-00-MDF-I Viagens (SOM, SOISITIC e DAF) ,60 MDF03-00-MDF-I H Roll Out - SOM e SOISITIC ,60 MDF03-00-MDF-I H Roll Out DAF 0,00 MDF03-00-MDF-I Treinamento ,00 MDF03-00-MDF-I B Treinamento SOM ,00 PLANO MESTRE DE INVESTIMENTO DE MDF03-00-MDF-I TIC ,58 Modernização de Infraestrutura de TIC MDF03-00-MDF-I CEDSIF ,58 Modernização de infraestrutura de TIC MDF03-00-MDF-I E SOISITIC ,58 MDF03-00-MDF-I Capacitação do pessoal do CEDSIF ,00 MDF03-00-MDF-I F ,00 Modernização de Infraestrutura de TIC- e- MDF03-00-MDF-I Tributação ,00 MDF03-00-MDF-I H Despesas de Manutenção DAF ,00 Modernização de infraestrutura de TIC - e- MDF03-00-MDF-I E Tributação SOISITIC ,00 Relatório Anual de Actividades e de Execução Financeira 2011 Página 25

26 MDF03-00-MDF-I E Capacitação do pessoal do CEDSIF ,00 MDF03-00-MDF-I E Viagens SOISITIC - Técnicos do Projecto ,00 REFORÇO À COORDENAÇÃO DA GESTÃO ,00 MDF03-00-MDF-I DE FINANÇAS PÚBLICAS MDF03-00-MDF-I Gestão de Mudanças ,00 MDF03-00-MDF-I B Gestão de Mudanças SOM ,00 MDF03-00-MDF-I H Gestão de Mudanças DAF ,00 MDF03-00-MDF-I Treinamento ,00 MDF03-00-MDF-I B Treinamento SOM ,00 MDF03-00-MDF-I SISTEMA NACIONAL DE PLANICAÇÃO ,00 MDF03-00-MDF-I Estudos Técnicos ,00 MDF03-00-MDF-I B Estudos Técnicos - SOM ,00 MDF03-00-MDF-I MÓDULO DO PATRIMÓNIO DO ESTADO ,91 MDF03-00-MDF-I Estudos Técnicos ,00 MDF03-00-MDF-I B Estudos Técnicos - SOM ,00 MDF03-00-MDF-I C Estudos Técnicos - SDSI ,00 MDF03-00-MDF-I Roll Out do e-inventário ,50 MDF03-00-MDF-I E Roll Out - SOISITIC ,50 MDF03-00-MDF-I Treinamento ,00 MDF03-00-MDF-I B Treinamento - SOM ,00 MDF03-00-MDF-I Viagens ,41 MDF03-00-MDF-I H Viagens - DAF ,00 MDF03-00-MDF-I E Viagens - SOISITIC ,00 MDF03-00-MDF-I B Viagens - SOM ,00 MDF03-00-MDF-I C Viagens - SDSI ,41 MDF03-00-MDF-I MÓDULO DE SALÁRIOS E PENSÕES ,63 MDF03-00-MDF-I Implantação da Aplicação Informática ,63 Implantação da Aplicação Informática ,00 MDF03-00-MDF-I E SOISITIC MDF03-00-MDF-I H Implantação da Aplicação Informática - DAF ,00 MDF03-00-MDF-I B Implantação da Aplicação Informática - SOM ,63 MDF03-00-MDF-I Treinamento ,00 MDF03-00-MDF-I B Treinamento - SOM ,00 MDF03-00-MDF-I MÓDULO DE GESTÃO DE INFORMAÇÃO ,00 MDF03-00-MDF-I Estudos Técnicos ,00 MDF03-00-MDF-I B Estudos Técnicos - SOM ,00 MÓDULO DE GESTÃO DE RECURSOS ,39 MDF03-00-MDF-I HUMANOS (SGRH) MDF03-00-MDF-I Estudos Técnicos ,39 MDF03-00-MDF-I B Estudos Técnicos - SOM ,39 MDF03-00-MDF-I DESENVOLVIMENTO DE RH CENTRAIS ,00 MDF03-00-MDF-I Estudos Técnicos ,00 MDF03-00-MDF-I B Estudos Técnicos - SOM ,00 Tabela 2: Orçamento revisto de 2011 Legenda Côr Descrcição Projecto Categoria Area Organica do CEDSIF Relatório Anual de Actividades e de Execução Financeira 2011 Página 26

27 ORÇAMENTO DE OUTROS PROJECTOS Clas. Prog. N.O. Descrição 1º Trim 2º Trim 3º Trim 4º Trim Total DEFINIÇÃO DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS NA BASE DA DEMANDA , , , ,00 SISTEMA NACIONAL DE GESTÃO DE CUSTOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (SINAGEC) PARA O MINISTÉRIO DE OBRAS PÚBLICAS E HABITAÇÃO (MOPH) SISTEMA DE GESTÃO DE BENEFICIÁRIOS PARA O INSTITUTO NACIONAL DE ACÇÃO SOCIAL (INAS) JANELA ÚNICA DO TURISMO (JUTUR) PARA O MINISTÉRIO DO TURISMO TOTAL PROJECTOS POR SOLICITAÇÃO Tabela 3: Orçamento Aprovado de Projectos de Demanda de 2011 EXTERNA , , , ,00 Relatório Anual de Actividades e de Execução Financeira 2011 Página 27

28 COMPROMISSOS DOS PARCEIROS DE COOPERAÇÃO PARA 2011 (PAO INICIAL) Doadores Valores Moeda Compra Venda Médio MZM USD 1º 2º 3º 4º Belgica - EUR 46,60 46,87 46, DKK 6,25 6,29 6, Dinamarca ,00 DKK 6,25 6,29 6, , ,81 Itália ,00 EUR 46,60 46,87 46, , ,20 Noruega ,00 NOK 5,85 5,88 5, , , ,00 NOK 5,85 5,88 5, , ,79 EU - EUR 46,60 46,87 46, Total , ,39 NB Câmbio Médios em USD 34, Fonte: BM Tabela 4:Compromissos dos parceiros de cooperaçã apresentado em Dezembro de 2010 para 2011 Relatório Anual de Actividades e de Execução Financeira 2011 Página 28

29 COMPROMISSOS DOS PARCEIROS DE COOPERAÇÃO PARA 2011 (REVISTO) Descrição Valores Moeda Compra Venda Médio MZM USD 1º 2º 3º 4º Belgica - EUR 46,60 46,87 46, Dinamarca ,00 DKK 6,25 6,29 6, , , ,00 DKK 6,25 6,29 6, , , ,00 DKK 6,25 6,29 6, , , ,00 DKK 6,25 6,29 6, , ,83 Itália ,00 EUR 46,60 46,87 46, , , ,00 NOK 5,85 5,88 5, , ,59 Noruega ,00 NOK 5,85 5,88 5, , ,79 EU - EUR 46,60 46,87 46, Total , ,27 Tabela 4: Compromissos dos parceiros de cooperação para 2011 NB Câmbio Médios em USD 34, Fonte: BM Indica o periodo acordado com Doador para o desembolso do valor Tabela 5:Compromissos dos parceiros de cooperaçã feito em 2010 para 2011 Relatório Anual de Actividades e de Execução Financeira 2011 Página 29

30 Desembolsos Realizados Em Meticais MZN Desembolsos Previsto Desembolsos Realizado 1º Semestre 2º Semestre Total Grau de Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Realizado Paises Datas 1ºTrimestre 2ºTrimestre 3ºTrimestre 4ºTrimestre Total Execução Governo de Moçambique , , , , , , , , , , , , , , , ,52 96% SubTotal Si + Gov ,00 0, , , , , , , , , , , , , , , ,52 96% Suécia 0,00 - Italia , , , , ,00 88% Noruega , , , , , , ,84 125% Inglaterra - DFID 0,00 - Bélgica 0,00 - Dinamarca , , , , , , ,06 187% Doador interno (INAS) , ,50 SubTotal , , , , , , , , , ,40 154% venda de Cadernos encargos , , , ,00 Juros - Reembolsos 457, , , ,88 SubTotal , , , , , ,88 Global , , , , , , , , , , , , , , , , , ,80 119% Tabela 6: Desembolsos Previstos e Realizados Durante 2011 em Meticais Em Moeda de Origem Paises Observações Moeda Plano de Desembolso Moeda de Origem Desembolsos Realizados em Moeda de Origem Grau de Desembolso Governo de Moçambique Compromisso MZN , ,52 96% Italia Compromisso EUR , ,00 100% Noruega Compromisso NOK , ,00 100% Adicional para 2012 NOK ,00 #DIV/0! Compromisso DKK , ,00 100% Dinamarca Adicional DKK ,00 0% etributação DKK , ,00 100% Doador interno (INAS) USD ,00 #DIV/0! Total , ,52 97% Tabela 7: Desembolsos Previstos e Realizados Durante de 2011 em Moeda e Origem Relatório Anual de Actividades e de Execução Financeira 2011 Página 30

31 Do plano de desembolso previsto para 2011, o Governo disponibilizou todo o seu orçamento previsto, tendo autorizado a libertação do cativo, em Novembro, com a dotação de ,00MT. Contudo, desembolsou em termos financeiros ,52 MT equivalente a 96% do seu orçamento anual. Os Parceiros do Fundo Comum efectuaram desembolsos acima dos compromissos em ,80MT. A Itália, na sua moeda de origem também desembolsou na totalidade o seu compromisso. A diferença verificada no mesmo doador na Tabela acima, resulta de diferenças cambiais de conversão da moeda de origem para a moeda de reporte. Nos desembolsos realizados, consta INAS, que disponibilizou o valor correspondente a ,50MZN para o Projecto do Sistema de Beneficiários do INAS, que não estava previsto no Plano dos desembolsos. nível nacional. Dos desembolsos realizados pelos parceiros do fundo comum ,00MT foi transferido para as DPPFs a Procedendo a uma análise do plano de compromissos e dos respectivos desembolsos na moeda de origem, todos os Parceiros que se comprometeram em 2011, realizaram os seus desembolsos. E de referir que a Noruega desembolsou um adicional de ,00NOK para financiar despesas de A Dinamarca, para além do seu compromisso desembolsou um adicional de ,00DKK. Relatório Anual de Actividades e de Execução Financeira 2011 Página 31

32 EXECUÇÃO ORÇAMENTAL DOS PROJECTOS EM 2011 Em termos gerais o Orçamento de 2011, é no montante de ,55 repartido em contribuições ao Fundo Comum e e-tributação no valor de ,55MT e em contribuições para Outros Projectos no valor de ,00 MT. A execução acumulada foi de ,46MT, correspondente a 63.86%, dos quais ,00MT a uma execução de % em de Outros Projectos (Janela Única do Turismo - JUTUR). Do orçamento de ,55MT foi executado e pagas as respectivas despesas até 31 de Dezembro 2011 no valor de total de ,46MT, ou seja 63.86% do orçamento aprovado, tendo despesas realizadas mais por pagar em 2012 se situa ao valor de ,16MT, isto é, 21.01% do orçamento. Com a realização da despesa transitada para pagamento em 2012, a execução total do orçamento atingiu ,02MT o que corresponderá a uma execução total de 86.70%, conforme mostra a tabela abaixo. Odem Descrição Valor % 1 Dotação do CEDSIF ,55 100,00% 2 Despesas realizadas e já Pagas ,46 63,86% 3 Dotação transferida a DPPFS ,00 0,22% 4 Dotação transferida a DNPE ,40 1,61% 5 Despesas realizadas mas por pagar em ,16 21,01% 6 Total das Despeas Realizadas ,02 86,70% Ordem Descrição Valor 1 Saldo Final a 31/12/ ,50 2 Garantias Bancarias ,62 3 AT 133FCAAT (é dotação) ,46 4 Valor do BCI ,65 5 Desembolso adiantado para 2012 por Noruega ,49 6 Desembolso adiantado para 2012 por INAS ,50 7 Subsaldo (7= ) ,02 Conforme se mostra ao longo do Relatório, para pagamento das despesas que transitam de 2011 para o seu pagamento em 2012, há um saldo financeiro disponível, a 31 de Dezembro de 2011, no valor de ,02MT e mais uma transferência de dotação a efectuar pela Autoridade Tributária em 2012, referente a despesas realizadas em 2011 no valor de ,00MT. Relatório Anual de Actividades e de Execução Financeira 2011 Página 32

33 ORÇAMENTO, DESEMBOLSOSE EXECUÇÃO NO EXERCÍCIO DE 2011 Dinamica Orçamental , , , , ,00 Despesas Transitas de 2011 Para 2012 AT por Desembolsar Governo Doadores Saldo Inicial BCI ,00 Saldo Inicial AT - Depesas Previstas Receitas Previstas Execução Saldo Inicial Parceiros Orçamento Relatório Anual de Actividades e de Execução Financeira 2011 Página 33

34 Ao longo do ano de 2011, a Itália, Noruega e Dinamarca desembolsaram 88%, 125% e 187%, respectivamente, em relação aos respectivos planos de desembolsos. Em Dezembro a Noruega desembolsou um valor adicional equivalente a ,95 USD. Relatório Anual de Actividades e de Execução Financeira 2011 Página 34

35 Pilares Componentes Projectos Códigos APB 2011 Revisto 1º Trimestre 2º Trimestre 3º Trimestre 4º Trimestre ExecuçãoTotal Diferença do Orçamento Revisto e Execução Anual Grau Execução do Orçamental Revisto -(%) P1 Restrurar a UTRAFE e CPD Gestão do CEDSIF P1-RUC-GDC , , , , , , ,28 82,53% P1 Restrurar a UTRAFE e CPD Restruturaçao P1-RUC-RES , ,00 0,00% P1 Restrurar a UTRAFE e CPD Operações de TI P1-RUC-OTI , , , , , ,52 ( ,29) 109,50% P1 Restrurar a UTRAFE e CPD Plano Mestre de Investimentos de TI P1-RUC-PMI , , , , , ,17 72,11% P1 Desenvolvimento de RH centrais Desenvolvimento de RH centrais P1-DRH-DRH , ,00 0,00% P1 Reforçar a Coordenação da GFP Reforçar a Coordenação da GFP P1-RCG-RCG , , , , , ,15 27,03% P2 Aperfeicoar e Desenvover Quadro Legal, Processos e Metodologias Sistema Nacional de Planificação P2-ADQ-MEP , ,00 0,00% P2 P2 P2 P2 P3 P3 Aperfeicoar e Desenvover Quadro Legal, Processos e Metodologias Aperfeicoar e Desenvover Quadro Legal, Processos e Metodologias Aperfeicoar e Desenvover Quadro Legal, Processos e Metodologias Aperfeicoar e Desenvover Quadro Legal, Processos e Modelo de Patrimonio do Estado P2-ADQ-MPE , , , , , , ,50 91,75% Modelo de Salarios e Pensões P2-ADQ-MSP , , , , , , ,50 4,18% Modelo de gestão de Informação P2-ADQ-MGI , ,00 0,00% Metodologias etributação P2-ADQ-eTR , , , , , ,63 11,68% Desenvolvimento de Desenvolvimento de RH RH sectorial, sectorial, territorial territorial P3-DRH-DRH - - Prestação de Prestação de Servirviços Servirviços P3-PDS-PDS - - Sistema de Gestão de Recuros Humanos Orçamento Sistema de Gestão de Recuros Humanos SGRH , , , ,14 64,75% Subtotal Subtotal , , , , , , ,09 63,76% DEFINIÇÃO DA PRESTAÇÃO DE DEFINIÇÃO DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS NA BASE DA SERVIÇOS NA BASE DA DEMANDA DEMANDA DPSBD , ,00 0,00% JANELA ÚNICA DO JANELA ÚNICA DO TURISMO (JUTUR) PARA O MINISTÉRIO DO TURISMO TURISMO (JUTUR) PARA O MINISTÉRIO DO TURISMO JUTUR , ,00 ( ,00) Subtotal de extra de Projetos Subtotal , , ,00 ( ,00) 151,58% Total Gobal Total , , , , , , ,09 63,86% Execução Analise Relatório Anual de Actividades e de Execução Financeira 2011 Página 35

36 Tabela 8: Execução anual de Execução dos Projectos (em Meticais) Apresenta-se em seguida uma apreciação do comportamento das grandes rubricas constantes da Tabela 5 bem como a da despesa realizadas por projecto e categoria de despesa. Presta-se ainda algum esclarecimento por categoria de despesa nos casos em que as variações ou desvios foram significativos. 1. Projecto: Gestão do CEDSIF (P1-RUC-GDC) Com um orçamento previsto de ,81MT teve uma execução acumulada de ,07 MZM, o equivalente a 82.44% do orçamento revisto. Execução por categorias: Pilares Componente Projectos Categorias Descrição Orçamento Anual Execução I Trimestral Execução II Trimestral Execução III Trimestral Execução IV Trimestre Execução Anual Saldo Orçamental Anual Grau de Execução Anual P1 Restrurar a UTRAFE e CPD Gestão do CEDSIF P1-RUC-GDC ,81 Tabela 9: Execução Orçamental na Gestão do CEDSIF (P1-RUC-GDC) , , , , , ,28 82,53% 1 CPT Capacitação , , , , , , ,20 64,15% 2 Pessoal total (3+4) , , , , , , ,59 94,33% 3 PEN Nacional , , , , , , ,52 99,58% 4 PEI Internacional , , , , , , ,07 88,28% 5 TRE Treinamento , ,83 0,00% 6 EQP Equipamento , , , , , , ,89 13,93% 7 EQS Equipamento de suporte , , , , , , ,35 49,85% 8 COM Comunicações , , , , , ,16 ( ,16) 127,60% 9 OBR Obras 3.510, , ,54 ( ,54) #DIV/0! 10 VIG Viagem , , , , , , ,12 39,75% Relatório Anual de Actividades e de Execução Financeira 2011 Página 36

37 Apreciação por categoria 1.1 Capacitação A actividade de capacitação teve uma execução de 64,15%, isto é, 35.85% abaixo do orçamento previsto. O CEDSIF teve acções de formação junto de diversas Instituições nacionais e internacionais. As formações cingiram-se ao âmbito da capacitação dos Técnicos do CEDSIF na área de tecnologias de informação com objectivos profissionais na Instituição diversos, incluindo em procedimentos de controlo interno, desenvolvimento da língua inglesa, ITILRV3: Achieving Foundation Certification e outras formações. As acções de formação e capacitação do pessoal do CEDSIF tiveram lugar em larga percentagem no exterior, sendo de destacar a organização portuguesa VANTAGENS + no processo. Os maiores beneficiários foram Técnicos dos Serviços de Operação, de Organização e Modernização, da Seguranças e da Auditoria Interna, tendo sido abrangido 48 Técnicos, para além dos dois Directores Adjuntos. Há acções que não tiveram lugar por os titulares das respectivas unidades orgânicas terem sido nomeados tarde, sendo disso exemplo o Serviço de Auditoria e a Unidade de Apoio ao Utilizador. 1.2 Pessoal Na Categoria de pessoal registou-se a execução financeira de 94.35%. A despesa com o Pessoal registou, ao longo do ano passado, uma crescente execução, derivada de novos ingressos ocorridos no 1º e 4 Trimestres e do incremento salarial. Por outro lado, no último Trimestre, ou seja, em Dezembro, registou se uma subida acentuada devido ao pagamento das diferenças salariais decorrentes da regularização do enquadramento do pessoal, reportado ao mês de Maio, bem como do 13º vencimento. Contudo, esta categoria de despesa não atingiu os 100% de execução, pelo facto de nem todos os Consultores internacionais e funcionários nacionais terem recebido em Dezembro as respectivas diferenças salarias por se encontrarem ainda em processo de regularização da documentação em falta exigida por lei. 1.3 Treinamento A execução desta categoria de despesa está explicada na página Obras Esta dotação acabou sendo aplicada no valor de ,54MT na manutenção de infraestruturas, e não nas Obras visadas, devido à conclusão e apresentação tardias do respectivo projecto. Relatório Anual de Actividades e de Execução Financeira 2011 Página 37

38 1.5 Equipamento de Suporte A categoria de Equipamento de Suporte comporta as despesas de segurança do imóvel, manutenção e transporte de equipamento, combustíveis, rendas, seguros e viagens. A sua execução foi de apenas 48,46%, 1.6 Comunicação Esta categoria teve uma execução em torno dos 27.60% para pagamento de facturas da TDM recebidas, incluindo algumas em divida transitadas de 2010, e não tendo ainda sido recebidas várias facturas do II Semestre de Projecto: Reestruturação (P1-RUC-RES) - Este projecto, orçado em ,00MT, não teve execução, devido ao facto de as actividades realizadas não terem surtido impacto financeiro, por não se ter recorrido à contratação de recursos externos, mas sim ao uso de recursos internos de Instituição. Execução por categorias: Pilares Componente Projectos Categorias Descrição Orçamento Anual P1 Tabela 10: Execução da Reestruturação (P1-RUC-RES) Execução I Trimestral Execução II Trimestral Execução III Trimestral Execução IV Trimestre 3. Projecto: Operações de TI (P1 RUC-OTI) - Orçado em ,23MZM, este Projecto teve uma execução acumulada de %, o correspondente a ,52MT. O excesso em 9.5% deveu-se à aquisição de equipamento para 70 pontos do e-sistafe, e não apenas para os 50 pontos programados, para ter-se equipamento de reserva para as substituições em casos de avarias. Execução Anual Saldo Orçamental Anual Grau de Execução Anual Restrurar a UTRAFE e Restruturaçao P1-RUC-RES ,00 CPD ,00 0,00% 1 CPT Capacitação - - #DIV/0! 2 Pessoal total (3+4) #DIV/0! 3 PEN Nacional - - #DIV/0! 4 PEI Internacional - - #DIV/0! 5 TRE Treinamento - - #DIV/0! 6 EQP Equipamento - - #DIV/0! 7 EQS Equipamento de suporte , ,00 0,00% 8 OBR Obras COM Comunicações - - #DIV/0! - - #DIV/0! 9 VIG Viagem - - #DIV/0! Relatório Anual de Actividades e de Execução Financeira 2011 Página 38

39 Execução por categorias: Pilares Componente Projectos Categorias Descrição Orçamento Anual P1 Tabela 11: Execução Orçamental na Operações de TI (P1-RUC-OTI). Execução I Trimestral Execução II Trimestral Execução III Trimestral Execução IV Trimestre Execução Anual Saldo Orçamental Anual Grau de Execução Anual Restrurar a UTRAFE e Operações de TI P1-RUC-OTI ,23 CPD , , , , ,52 ( ,29) 109,50% 1 CPT Capacitação , , , ,31 ( ,31) #DIV/0! 2 Pessoal total (3+4) , , ,00 ( ,00) #DIV/0! 3 PEN Nacional , , ,00 ( ,00) #DIV/0! 4 PEI Internacional - - #DIV/0! 5 TRE Treinamento , , , ,50 2,39% 6 EQP Equipamento , , , , ,99 ( ,82) 112,57% 7 EQS Equipamento de suporte , , , , , ,35 ( ,89) 108,48% 8 OBR Obras COM Comunicações , , , ,00 (38.100,00) #DIV/0! - - #DIV/0! 9 VIG Viagem , , , , , , ,23 63,72% Apreciação por categoria 3.1 Capacitação Ainda que não orçamentada, esta rubrica registou uma execução acumulada de ,31 MT, tendo no 1º Trimestre sido pagos ,60MT de formação em JAVA, na Caelum, de factura transitada de 2010 para Pessoal Nacional Igualmente ainda que sem orçamento, esta categoria despesa registou pagamento de honorários a formadores, nos dois últimos trimestres, no valor de ,00MT. 1.3 Treinamento Relatório Anual de Actividades e de Execução Financeira 2011 Página 39

40 Na categoria de treinamento houve uma execução de 2.39% executado apenas no 1º trimestre, e que faz parte dos subsídios pagos aos formandos. Mais justificações constam da página Equipamento Na categoria de Equipamento registou-se a realização de despesa em % do respectivo orçamento. A execução em excesso deveu-se ao pagamento de uma Factura de ,75 MT de licença de Software Update Licence & Suport referentes ao período de 31/Agosto de 2010 a 30/Agosto de 2011 à Oracle, transitada de 2010 para Para além deste pagamento, verificou-se a compra de mais algum equipamento adicional ao programado no projecto. 4. Projecto: Plano Mestre de Investimentos (P1-RUC-PMI) - Orçado em ,58MT, registou um nível de execução de 72.11%. o correspondente a ,41MT. Execução por categorias Pilares Componente Projectos Categorias Descrição Orçamento Anual P1 Restrurar a UTRAFE e CPD Tabela 12: Execução Plano Mestre de Investimento (P1-RUC-PMI) Apreciação por categoria 4.1 Capacitação Plano Mestre de Investimentos de TI P1-RUC-PMI ,58 Execução I Trimestral Execução II Trimestral Execução III Trimestral Execução IV Trimestre Execução Anual Saldo Orçamental Anual Grau de Execução Anual , , , , ,17 72,11% 1 CPT Capacitação , , , ,42 84,79% 2 Pessoal total (3+4) #DIV/0! 3 PEN Nacional - - #DIV/0! 4 PEI Internacional - - #DIV/0! 5 TRE Treinamento - - #DIV/0! 6 EQP Equipamento , , , , ,55 71,84% 7 EQS Equipamento de suporte , , , , ,30 73,10% 8 OBR Obras COM Comunicações - - #DIV/0! - - #DIV/0! 9 VIG Viagem , , ,10 ( ,10) #DIV/0! Relatório Anual de Actividades e de Execução Financeira 2011 Página 40

41 Esta capacitação teve uma execução de 84.79%, para pagamento da formação junto a Oracle University. 4.2 Equipamento Esta categoria de Equipamento foi executada em 72% do seu orçamento anual. Com efeito, foram adquiridas duas máquinas EXADATA e diverso equipamento associado para o projecto do Plano Mestre de Investimento em TIs. 4.3 Equipamento de Suporte Nesta categoria de Equipamento de Suporte a execução cifrou-se em 73.10%, para pagamento de vários encargos aquando da realização de actividades e hospedagens de consultores internacionais solicitados no âmbito do Projecto. 4.4 Viagens A categoria de viagens não tinha sido orçada, mas teve execução de ,10MT ao longo de 2011, para pagamento de passagens para Consultores. 5. Projecto: Reforço da Coordenação da GFP (P1-RCG-RCG) - Orçado em ,00MT, teve a execução de 27.03%, o equivalente a ,85MT.Ainda que o valor programado não tenha sido significativamente executado, a actividade em si foi cabalmente realizada com base no uso de recursos internos da Instituição, incluindo a realização de encontros de auscultação, tendo-se concluindo-se a elaboração de Visão das Finanças Públicas , aguardandose a sua aprovação pelo Conselho de Ministros. Execução por categorias: Relatório Anual de Actividades e de Execução Financeira 2011 Página 41

42 Pilares Componente Projectos Categorias Descrição Orçamento Anual P1 Tabela 13: Reforço a Coordenação da GFP (P1-RCG-RCG) Execução I Trimestral Execução II Trimestral Execução III Trimestral Execução IV Trimestre Execução Anual Saldo Orçamental Anual Grau de Execução Anual Reforçar a Coordenação P1-RCG-RCG ,00 da GFP 9.700, , , , ,15 27,03% 1 CPT Capacitação #DIV/0! 2 Pessoal total (3+4) #DIV/0! 3 PEN Nacional - - #DIV/0! 4 PEI Internacional - - #DIV/0! 5 TRE Treinamento , ,00 0,00% 6 EQP Equipamento - - #DIV/0! 7 EQS Equipamento de suporte , , , , , ,15 91,73% 8 OBR Obras COM Comunicações - - #DIV/0! - - #DIV/0! 9 VIG Viagem - - #DIV/0! Apreciação por categoria 5.1 Capacitação Esta categoria de despesa não teve execução. 5.2 Equipamento de Suporte Nesta rubrica houve alguns pagamentos de lanches e hospedagens de Consultores. 6. Projecto: Módulo de Património de Estado (P2-ADQ-MPE) - Orçado em ,91MZM, teve um grau de execução de 91.75% Execução por categorias: Relatório Anual de Actividades e de Execução Financeira 2011 Página 42

43 Pilares Componente Projectos Categorias Descrição Orçamento Anual P2 Aperfeicoar e Desenvover Quadro Legal, Processos e Metodologias Tabela 14: Execução Orçamental no Módulo de Património de Estado (P2-ADQ-MPE). Apreciação por categoria 6.1 Pessoal Nacional Nesta categoria de despesa com pessoal nacional, foram pagos subsídios aos formadores do projecto, em Treinamento No treinamento, apenas no 1º Trimestre houve execução no valor de ,00MT, para pagamento de ajudas de custos a formandos. 6.3 Equipamento de Suporte Nesta rubrica houve pagamento de lanche e hospedagens relativos às acções de formação neste Projecto. 6.4 Viagens Modelo de Patrimonio do Estado P2-ADQ-MPE ,91 Execução I Trimestral Execução II Trimestral Na categoria de viagens suportou-se passagens dos formandos provenientes de diversas províncias. Execução III Trimestral Execução IV Trimestre Execução Anual Saldo Orçamental Anual Grau de Execução Anual , , , , , ,50 91,75% 1 CPT Capacitação , ,00 (30.780,00) #DIV/0! 2 Pessoal total (3+4) , , , , ,00 ( ,00) #DIV/0! 3 PEN Nacional , , , , ,00 ( ,00) #DIV/0! 4 PEI Internacional - - #DIV/0! 5 TRE Treinamento , , , ,00 22,71% 6 EQP Equipamento - - #DIV/0! 7 EQS Equipamento de suporte , , , , , ,50 41,35% 8 COM Comunicações - - #DIV/0! 9 OBR Obras - - #DIV/0! 10 VIG Viagem , , , , ,00 96,41% 7. Projecto: Módulo de Salários e Pensões (P2 ADQ - MSP) Orçado em ,63MZM, teve uma execução 4.18%, o equivalente a ,13MT. A baixa execução deveu-se ao facto da aprovação tardia da estratégia do plano de actividades em torno do equipamento de prova de vida, tendo o concurso sido lançado em Novembro de 2011 e a adjudicação feita em Janeiro de 2012 e com o pagamento a ocorrer, por consequência, em Relatório Anual de Actividades e de Execução Financeira 2011 Página 43

44 Execução por categorias Pilares Componente Projectos Categorias Descrição Orçamento Anual Execução I Trimestral Execução II Trimestral Execução III Trimestral Execução IV Trimestre Execução Anual Saldo Orçamental Anual Grau de Execução Anual P2 Aperfeicoar e Desenvover Quadro Legal, Processos e Metodologias Modelo de Salarios e Pensões P2-ADQ-MSP , , , , , , ,50 4,18% 1 CPT Capacitação - - #DIV/0! 2 Pessoal total (3+4) , , , ,00 ( ,00) #DIV/0! 3 PEN Nacional , , , ,00 ( ,00) #DIV/0! 4 PEI Internacional - - #DIV/0! 5 TRE Treinamento , , , ,00 0,07% 6 EQP Equipamento , ,00 0,00% 7 EQS Equipamento de suporte ,63 500, , , ,13 0,25% 8 OBR Obras COM Comunicações 9.221, ,63 (9.221,63) #DIV/0! - - #DIV/0! 9 VIG Viagem , , , ,00 ( ,00) #DIV/0! Tabela 15: Modelo de Salários e Pensões (P2 ADQ - MSP) Apreciação por categoria 7.2 Pessoal Nacional Nesta categoria, foram pagos honorários aos formadores do projecto ao longo do ano. Projecto: Módulo de e-tributação (P2-ADQ-eTR) Orçado em ,00MZN, teve uma execução de 11.75%, corresponde a ,16MZN. Este projecto envolveu capacitação, equipamento, equipamento de suporte e viagens e hospedagens. A actividade prevista para o plano de acção do projecto de 2011 não foram concretizadas pelo facto de os desembolsos para o projecto terem sido recebidos tarde. Relatório Anual de Actividades e de Execução Financeira 2011 Página 44

45 Execução por categorias Pilares Componente Projectos Categorias Descrição Orçamento Anual Execução I Trimestral Execução II Trimestral Execução III Trimestral Execução IV Trimestre Execução Anual Saldo Orçamental Anual Grau de Execução Anual P2 Aperfeicoar e Desenvover Quadro Legal, Processos e Metodologias etributação P2-ADQ-eTR , , , , , ,64 11,68% 1 CPT Capacitação , , ,12 ( ,12) #DIV/0! 2 Pessoal total (3+4) #DIV/0! 3 PEN Nacional - - #DIV/0! 4 PEI Internacional - - #DIV/0! 5 TRE Treinamento - - #DIV/0! 6 EQP Equipamento , , , , , ,36 10,44% 7 EQS Equipamento de suporte , , , , ,00 2,17% 8 COM Comunicações - - #DIV/0! 9 OBR Obras - - #DIV/0! 10 VIG Viagem , ,60 ( ,60) #DIV/0! Tabela 16: Modelo de Salários e Pensões (P2 ADQ - MSP) Apreciação por categoria 8.1 Capacitação Foi executado o orçamento desta rubrica para pagar-se Curso de Gerenciamento Ágil de Projectos de Software com Scrum e PMR, Gestão de Arquitectura e Gestão Eficiente de Reuniões e Contactos (Stakeholders) e de formação em Web Services, dos Técnicos do Serviço de Operação. 8.2 Equipamento Nesta categoria de equipamento, foram pagas licenças para o período de 2010 a 2012 e licenças do período de 2011 a Todos os pagamentos efectuados foram a favor da Oracle. 8.3 Equipamento de Suporte Relatório Anual de Actividades e de Execução Financeira 2011 Página 45

46 Foi executada esta rubrica, somente no último Trimestre, por hospedagens de Consultores contratados especificamente para o projecto. 8.4 Viagens Estas viagens tiveram uma execução apenas do 3º trimestre, para pagamento de ajudas de custos e passagens aos colaboradores do CEDSIF e AT no âmbito da sua formação em Portugal. Projecto: Sistema de Gestão de Recursos Humanos (SGRH) Orçado em ,39 MT, teve uma execução de 64.75% equivalente a MT, para pagamento de lanches no âmbito da modelagem do sistema de gestão de recursos humanos. Execução por categorias Pilares Componente Projectos Categorias Descrição Orçamento Anual Execução I Trimestral Execução II Trimestral Execução III Trimestral Execução IV Trimestre 9 VIG Viagem - - #DIV/0! Tabela 17: Modelo de Sistema de Gestão de Recursos Humanos (SGRH) Execução Anual Saldo Orçamental Anual Grau de Execução Anual P3 SGRH , , , ,14 64,75% 1 CPT Capacitação - - #DIV/0! 2 Pessoal total (3+4) #DIV/0! 3 PEN Nacional - - #DIV/0! 4 PEI Internacional - - #DIV/0! 5 TRE Treinamento - - #DIV/0! 6 EQP Equipamento - - #DIV/0! 7 EQS Equipamento de suporte , , , ,14 64,75% COM Comunicações - - #DIV/0! 8 OBR Obras - - #DIV/0! Projecto: Janela Única Turismo (JUTUR) Este projecto, ainda que sem orçamento específico, teve uma execução de ,00 MT referente a ajuda de custos e deslocação de 3 Técnicos a Cabo Verde por um período de 3 meses em acção de formação. Execução por categorias Relatório Anual de Actividades e de Execução Financeira 2011 Página 46

47 Pilares Componente Projectos Categorias Descrição Orçamento Anual Saldo Grau de Execução I Execução II Execução III Execução IV Execução Orçamental Execução Trimestral Trimestral Trimestral Trimestre Anual Anual Anual Desenvolvim P3 ento de RH sectorial, JATUR - territorial , ,00 ( ,00) #DIV/0! 1 CPT Capacitação - - #DIV/0! 2 Pessoal total (3+4) #DIV/0! 3 PEN Nacional - - #DIV/0! 4 PEI Internacional - - #DIV/0! 5 TRE Treinamento - - #DIV/0! 6 EQP Equipamento - - #DIV/0! 7 EQS Equipamento de suporte - - #DIV/0! COM Comunicações - - #DIV/0! 8 OBR Obras - - #DIV/0! 9 VIG Viagem , ,00 ( ,00) #DIV/0! Tabela 18: Janela Única Turismo (JUTUR) Em suma, eis a situação da execução dos diversos projectos por Categorias de Despesas: Relatório Anual de Actividades e de Execução Financeira 2011 Página 47

48 Execução por Categorias de todos os projectos inscritos/2011 I Tr II Tr III Tr IV Tr Ano Categoria Valor Valor Valor Valor Valor 1 CPT Capacitação , , , , ,21 2 Pessoal total (3+4) , , , , ,48 3 PEN Nacional , , , , ,53 4 PEI Internacional , , , , ,95 5 TRE Treinamento , , ,50 6 EQP Equipamento , , , , ,94 7 EQS Equipamento de suporte , , , , ,92 8 COM Comunicações , , , , ,79 9 OBR Obras 3.510, , ,54 10 VIG Viagem , , , , ,07 Total , , , , ,46 Tabela 19: Execução Orçamental por Categorias A análise da execução orçamental por categoria, mostra que as despesas com equipamento de suporte, que compreende a consultorias, manutenção do imóvel, manutenção do equipamento, segurança, combustível, renda, anúncios, seguro, energia e água. Relatório Anual de Actividades e de Execução Financeira 2011 Página 48

49 Execução da Dotação transferida para as DPPF s A transferência de dotação às DPPFs, para acções de formação para os usuários do e-sistafe nas Províncias e respectivos Distritos, teve a seguinte execução: Execução das DPPFs DPPF Saldo Inicial Recebimentos Total Execução Saldo Final Grau de Execução Niassa 8.924, , , ,00 850,00 99% Cabo Delgado , , , ,00 69% Nampula , , , ,96 77,04 100% Zambézia , , , , ,00 78% Tete , , , ,00-100% Manica , , ,19 634,81 100% Sofala , , , , ,08 95% I bane , , , , ,00 99% Gaza , , , ,00 99% Maputo Provincia , , , , ,49 65% Maputo Cidade , , ,00 0% Total , , , , ,42 81% Tabela 20: Execução das DPPFs Para as DPPF, tal como ilustra a Tabela acima, foram transferidas dotações no valor total de ,00MT e a sua execução foi de 81% isto é um valor de ,58MT. Relatório Anual de Actividades e de Execução Financeira 2011 Página 49

50 Análise da Execução considerando as Dotações Transferidas Ordem Descrição Valor 1 Dotação do CEDSIF ,55 2 Dotação transferida a DPPFS ,00 3 Dotação transferida a DNPE ,40 (4)=(1-2-3) Saldo Orçamental ,15 5 Execução Cumulada ,46 (6)=(5/4) Grau de Execução Tabela 21: Grau Execução sem orçamento transferido 65,12% Da execução indicada da tabela 5, e considerando as dotações transferidas para DPPFs para as despesas de expansão do e-sistafe e acções de formação nas províncias bem como a transferência para Direcção Nacional do Património do Estado para pagamento da aquisição de viaturas de serviços e para os membros da Direcção. O grau de execução acumulada, tendo em conta o orçamento anual revisto, atingindo um grau de execução de 65.10%. Apesar dessa análise, o CEDSIF não conseguiu no ano de 2011 tinge na sua execução, ¾ do seu Orçamento revisto. Fluxo de Caixa O fluxo de caixa abaixo indicado, está referenciado em várias moedas. Relatório Anual de Actividades e de Execução Financeira 2011 Página 50

51 Tabela 22: Fluxo de Caixas Descrição MZM USD EURO ZAR BCI ,75 BM Ordem ,58 CUT , ,97 0, ,03 Saldo da DPPF Autoridade Tributaria (133FCAAT) ,13 1 Saldo inicial Total de 2010 (MZM, USD, EURO e ZAR) , ,55 0, ,03 Entradas/Saídas MZM USD EURO ZAR 2 Subtotal de Entradas/Saídas , , , ,99 Execução anual , , , ,60 3 SubTotal de despesas , , , ,60 4 Saldo Financeiro final de 2010 (1+2-3) , , , ,42 Descrição MZM USD EURO ZAR BCI ,65 BM ,95 CUT , , , ,42 CUT (FR - 101) MDF03-00-MDF (FR - 101) CUT (133FCUTRAFE) Autoridade Tributaria (133FCAAT) ,46 Valores a realizar pela apropriação de descontos de salários ( ) Saldo das DPPF Cabimentos Liquidados e não pagos 5 Saldo Final Total do 3º Semestre de 2011 de Extratos , , , ,42 6 Diferenças em MZN, USD, EURO e ZAR (4-5) - - (0,00) (0,00) 7 Diferenças em MZN, USD, EURO e ZAR (=4=5) TRUE TRUE TRUE FALSE Câmbios Médio BM (31/12/11) 1,00 27,13 34,96 3,32 6 Saldo Final MZN , , , ,37 7 Global em MZN ,50 Garantia do BTG ,20 Garantia do Eletro Fase ,80 Garantia do Eletro Fase ,48 Garantia de EBS ,14 Total das Garantias ,62 Saldo Final ,88 Relatório Anual de Actividades e de Execução Financeira 2011 Página 51

52 Resumo de Fluxo de Caixa Descrição Valor Saldo Inicial (1) ,66 Desembolsos (2) ,92 Despesas (3) ,80 Diferenças cambiais (4) ( ,90) Saldo Final (5= ) ,88 Determinação do Saldo Final em 31/12/11 Formulas Descrição Valores 1 Saldo Final a 31/12/ ,88 2 Desembolso antecipados da Noruega ,49 3 Desembolso do INAS ,50 4=1-2-3 Subsaldo Financeiro ,89 5 Despesas não realizadas de ,20 6=4-5 Saldo (+Superavit/-Deficit) ,31 7 Transferência a ser realizada pela At ,00 8=6+7 Saldo Final (+Superavit/-Deficit) ,69 Do saldo final de ,88MT, após deduzir o desembolso adicional da Noruega destinado a despesas de 2012, e após deduzir também o valor do Projecto INAS que é também para despesas de 2012, bem como após deduzir o valor das despesas realizadas em 2011 cujo pagamento transitou para 2012, o CEDSIF regista, em princípio, a , um défice de ,31 MT. Este aparente défice encontra-se coberto pelo valor por transferir pela Autoridade Tributaria para o CEDSIF, para reembolso de despesas do Projecto e-tributação efectuadas, por adiantamento, pelo CEDSIF para não comprometer o curso dos trabalhos do referido Projecto, no valor de ,00MT. Relatório Anual de Actividades e de Execução Financeira 2011 Página 52

53 Na tabela de fluxo de caixa acima, o saldo inicial inclui os seguintes valores: ,84USD, que é parte do plano de desembolso da Noruega em 2009, para o reembolso de despesas da deslocação de consultores do CEDSIF; ,75USD, desembolsado pela Danida, com a finalidade de apoiar o Projecto dos treze (13) Municípios P13, na área de Aperfeiçoamento e Adequação do Sistema de Gestão Municipal (SGM); e ,87USD, disponibilizado pela Noruega para cobrir despesas da avaliação PEFA. O saldo inicial é constituído apenas pelos valores de fontes externas para o CEDSIF. A execução pode ser feita em qualquer das moedas da CUT, sendo as despesas correntes e os honorários de nacionais executadas por dotação de fonte interna de recursos e os honorários de Consultores internacionais pela fonte de Recursos Externos. O saldo financeiro que consta das contas do CEDSIF a 31/12/2011, no valor de ,50MT, incluí garantias prestadas no âmbito dos concursos no valor de ,62MT. Assim sendo, o valor pertencente, de facto, à Instituição é de ,88MT O facto de toda a execução estar reflectida em Meticais permite observar a inexistência de diferenças cambiais. É de salientar que, todas as execuções feitas em divisas estão convertidas para metical ao câmbio de planeamento previsto para efeitos de reporte no relatório consolidado das despesas. Relatório Anual de Actividades e de Execução Financeira 2011 Página 53

54 Concursos e Actividades em Curso a 31/12/2011 por Pagar em 2012 Descrição CED Valor de Despesas Transitadas de 2011 a 2012 Factura n.º Extintor , Factura 566/11 PLM , Factura n.º 613,635,630PLM , Factura n.º Orclae - Formação , Factura n.º da Vantagen + ( Formação ) Factura por forma n.º da Vantagens + (Formação ) Formação Governação Corporativa (SA - Serviço de Auditoria) , , , Formação LL School , Pratica de Inglês na SA , Ajudas de custso (SA) , Passagem (SA) , Aquisição de 6 aparelhos de Ar Condicionado de 18000BTUs - THL Aquisição de 24 aparelhos de Ar Condicionado de 24000BTUs -ICE Lote 1- Servidores -BTG (Ajuste Directo n.º 34) lote 2 Redes -BTG (Ajuste Directo n.º 34) Fornecimento de inteligação entre Centro de dados (CWDM) (etributação) Aquisição de computadores IMAC, impressoras de Rede e Microsoft Office Lote 1: 339- Computadores Completo Intel Core, 124 Impressoras LaserJet e 4 Wireless IP Phone (Prova de vida) (Contrato 3) Lote2: Projectores, 4 Wireless, 10 Scan, 190 Camaras, 190 Leitores de impressão digital, 3- Acess point (Contrato 2) Pro forma invice n.º /10/2011 Ver,03 - Integra Diversoso equipamentos (Eng Chemane) - (SO-PMI Modernização de I TIC ) - BTg Factura n.º Referente a Netapo Storage - Pagamento Parcial do LOTE 4 Consultoria da Oracle (facturas n.º , , , ) Rever as facturas , ,094, ,451, ,658, ,432, , ,830, ,310, , ,718, ,431, Factura 722 Hotel Africa , Factura n.º Hotel VIP , Lote 5 Licenças de Software ,210, Villa da Mangas Factura n.º 21845, , Oracle - Licença, factura n.º ,073, Total 219,735, Relatório Anual de Actividades e de Execução Financeira 2011 Página 54

55 Execução Financeira do Projecto e-tributação Para o Projecto e-tributação, o seu orçamento anual que consta do PAO 2011 revisto é de ,00MT. No plano de desembolso para este projecto estava previsto receber-se ,00 de Coroas Dinamarquesas avaliadas em ,86USD que foram integralmente desembolados no último trimestre do ano, tendo-se por isso utilizado apenas em 27%, transitado o remanescente para Pilares Componente Projectos Categorias Descrição Orçamento Anual Execução I Trimestral Execução II Trimestral Execução III Trimestral Execução IV Trimestre Execução Anual Saldo Orçamental Anual Grau de Execução Anual P2 Aperfeicoar e Desenvover Quadro Legal, Processos e Metodologias etributação P2-ADQ-eTR , , , , , ,64 11,68% 1 CPT Capacitação , , ,12 ( ,12) #DIV/0! 2 Pessoal total (3+4) #DIV/0! 3 PEN Nacional - - #DIV/0! 4 PEI Internacional - - #DIV/0! 5 TRE Treinamento - - #DIV/0! 6 EQP Equipamento , , , , , ,36 10,44% 7 EQS Equipamento de suporte , , , , ,00 2,17% 8 COM Comunicações - - #DIV/0! 9 OBR Obras - - #DIV/0! 10 VIG Viagem , ,60 ( ,60) #DIV/0! Mapa de Origem e Aplicação de Fundos (MOAF) Relatório Anual de Actividades e de Execução Financeira 2011 Página 55

56 MOAF Orim Aplicação País Valor Despesa Valor Dinamarca ,11 Capacitação ,12 Pessoal total (3+4) 0,00 Nacional 0,00 Internacional 0,00 Treinamento 0,00 Equipamento ,64 Equipamento de suporte ,00 Comunicações 0,00 Obras 0,00 Viagem ,60 Subtotal ,11 Subtotal ,36 Saldo (+Superavit / -Deficit) ,75 Total , ,11 Relatório Anual de Actividades e de Execução Financeira 2011 Página 56

57 Lista das despesas Realizadas em cada Trimestre, no Projecto e-tributação 2º Trimestre Inposto de Licença , ,71 3º Trimestre Formação Megaformar - Webservice ,00 Formação Megaformar - Scrum ,00 Pagamento de Licenças da Oracle ,75 Retençao na Fonte da Taxa liberatoria ,53 Laches ,00 Ajudas de Custos , ,87 4º Trimestre Formação Vantagem + (EUR) - Secretarias ,12 Imposto de Licença ,14 Imposto de Licença ,52 Viaturas ,00 Hospedagem ,00 Hospedagem ,00 Hospedagem ,00 Seguro de viaturas ,00 Hospedagem , ,78 Global ,37 EVENTOS SUBSEQUENTES a 31/12/2011 Do final do ano (31/12/2011) à data do presente Relatório, houve contratação de quatro funcionários, dos quais, dois no Serviço de Operações, e outros dois no Serviço de Desenvolvimento de Sistemas. Foram aprovadas as Políticas de Qualidade e de Segurança e a Carta de Auditoria, para o reforço do processo de governação no cumprimento da missão, objectivos e propósitos da criação e existência da Instituição. A partir de Janeiro de 2012, iniciou o processo de solicitação de recursos financeiro sem a indicação de descontos e a cabimentação de pagamento colectivo. Os relatórios financeiros do CEDSIF, que vinham sendo efectuados via sistemas paralelos, passaram, a partir de Janeiro de 2012, a serem extraídos do e-sistafe. Relatório Anual de Actividades e de Execução Financeira 2011 Página 57

58 PARTE 3 IMPACTO DAS ACTIVIDADES REALIZADAS NA REFORMA DO SISTAFE O n.º 22 do artigo 1 da Lei 9/2002, de 12 de Fevereiro, que cria o SISTAFE, dispõe que este compreende os seguintes subsistemas: Subsistema do Orçamento do Estado; Subsistema da Contabilidade Pública; Subsistema do Tesouro Público; Subsistema do Património do Estado; e Subsistema do Controlo Interno. A reforma do Sistema da Administração Financeira do Estado, iniciada em 2001, contempla os seguintes desafios básicos: Alinhar a consonância do OE com os objectivos e indicadores do Programa do Governo; Assegurar a uniformização, harmonização e abrangência dos critérios da contabilidade pública; Rever e adequar os processos de contratação de aquisições públicas (o procurement); e Promover a regularidade e abrangência das acções de auditoria e prestação de contas. O artigo 3 da referida Lei define os seguintes objectivos para o SISTAFE: Estabelecer e harmonizar as regras e procedimentos de programação, execução, controlo e avaliação da utilização dos recursos públicos; Desenvolver subsistemas que proporcionem informação oportuna e fiável sobre o comportamento orçamental e patrimonial dos órgãos e instituições do Estado; Estabelecer, implementar e manter um sistema contabilístico de controlo da execução orçamental e patrimonial adequado às necessidades de registo, da organização da informação e da avaliação do desempenho das acções desenvolvidas no domínio da actividade financeira dos Órgãos Instituições do Estado; Estabelecer, implementar e manter o sistema de controlo interno eficiente e eficaz e os procedimentos de auditoria interna internacionalmente aceites; Estabelecer, implementar e manter um sistema de procedimentos adequados a uma correcta, eficaz e eficiente condução económica das actividades resultantes dos programas, projectos Relatório Anual de Actividades e de Execução Financeira 2011 Página 58

59 e demais operações no âmbito da planificação programática delineada e dos objectivos pretendidos. É importante realçar que as acções de reforma levadas a cabo permitiram que o processo de encerramento do exercício económico de 2011 decorresse com sucesso, e que, no início de 2012, a abertura e o início dada execução orçamental, da receita e da despesa, pela Via Directa e de adiantamento de fundos, no e-sistafe. A nível de cada Subsistema destacam-se, em seguida, algumas acções de impacto relevantes: 3.1. NO SUBSISTEMA DO ORÇAMENTO DO ESTADO Execução das despesas pela da Via Directa A despesa orçamental executada2011 foi de ,78 MT, tendo ,89 MT sido realizadas pela Via Directa (VD), o que representa 42.22% da despesa total executada. Gráfico 1: Execução Total por VD sobre despesa total , , , , , ,00 0,00 Demonstrativo do crescimento da Execuçaõ da Despesa pela Via Directa em relação a Despesa Total Executada Ano 2011 Despesa total realizada Execução pela VD sobre a despesa total Execução por VD de cada categoria de Despesa O incremento do uso da via directa pelas UGE s sectoriais influenciou positivamente os resultados da execução pela mesma via em todas as categorias dada despesa orçamental. (vide Gráfico 2 abaixo). Na execução da despesa de funcionamento a implantação do e-folha impulsionou o incremento do pagamento de salários e pensões pela VD, uma vez que estes representam cerca de 48% do total das despesas de funcionamento. Relatório Anual de Actividades e de Execução Financeira 2011 Página 59

60 Para as despesas em bens e serviços, nota-se que mais de metade (51,18%) são executadas pela via directa. Isto deve-se principalmente ao facto de ter sido incrementada, em 2011, a descentralização do e- SISTAFE para mais Instituições aos níveis Central e Distrital. Em relação à execução da despesa de Investimento na componente interna, tem-se vindo a observar a tendência de crescimento (de 60% em 2009 para 64% em 2010 e 62,21% em 2011), resultante dos esforços de expansão do e-sistafe para novas UGE s, bem como das providências restritivas dada execução de despesas por adiantamento de fundos pelas UGE s dos Sectores. Na componente externa observa-se uma subida maior (de 35% em 2009 para 45% em 2010 e para 78,83% em 2011). Entretanto, a execução poderia ter sido mais significativa se grandes parte dos projectos com financiamento externo não estivessem a ser realizados fora da CUT, não obstante os esforços desenvolvidos conjuntamente pelo Governo e pelos Parceiros de Cooperação para a progressiva inclusão na CUT dos projectos com financiamento externo. Gráfico 2. Execução pela Via Directa de cada categoria de Despesa /Total da despesa da categoria EXECUÇÃO POR VIA DIRECTA DE CADA CATEGORIA DE DESPESA % 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% Implementação do Classificador Seccional A funcionalidade para utilização do Classificador Seccional está totalmente concluída e disponível, desde o início do exercício de 2010, para permitir o detalhamento e o controlo das Células Orçamentais da Despesa. Entretanto, ela não tem vindo a ser utilizada por falta de capacidade das Unidades Implementadoras do Subsistema do Orçamento do Estado (SOE). Esta situação constitui um desafio para se encontrar uma solução para viabilizar o uso da referida funcionalidade. Relatório Anual de Actividades e de Execução Financeira 2011 Página 60

61 3.2. NO SUBSISTEMA DE TESOURO PÚBLICO A eliminação progressiva da proliferação das contas bancárias tem vindo a concretizar-se de ano para ano. De um total de 12,000 contas em 2003, o Estado já dispunha em 2011 de 4, Utilização da CUT Verificam-se também melhorias visíveis na gestão financeira, nomeadamente na disponibilidade da liquidez do Estado, gerando saldos positivos na CUT em meticais no final de cada ano, ainda queque os saldos finais só possam ser conhecidos no final da elaboração da Conta Geral do Estado e acerto das reconciliações para o efeito efectuadas. (vide Gráfico 3 abaixo). Gráfico 3: Saldos da CUT (Fonte: Extracto bancário de 2011 extraído do e-sistafe) , , , , , ,00 0,00 Saldos da CUT Saldos da CUT As contas bancárias activas do Estado nos Bancos Comerciais têm estado a reduzir (de em 2009 para em 2010 e 4028 em 2011) devido a um maior controlo por parte do Estado das suas disponibilidades financeiras, uma vez queque as instituições do Estado passaram a movimentar os seus recursos para dentro da CUT. O acompanhamento pela DNT está a contribuir para imprimir um maior rigor na abertura de contas pelos Sectores junto dos Bancos Comerciais. Relatório Anual de Actividades e de Execução Financeira 2011 Página 61

62 Gráfico 4: Número de contas bancárias no sistema financeiro Número de contas bancárias no sistema financeiro Numa outra, dados comparativos de 2009 a 2011 mostram o registo do aumento nas Ordens de Pagamento (OPs) processadas com sucesso no e-sistafe em relação às emitidas, como consequência da crescente capacidade de utilização do sistema pelos sectores, da eficácia da utilização da Via Directa e de um processamento das OPs mais adequado pelo Banco de Moçambique (BM), o que contribui para conferir uma maior credibilidade no Sistema. (vide Gráficos 5 abaixo). Por seu turno, a média diária das transacções processadas também cresceu entre 2009 e 2011, como se pode verificar no Gráfico 5 abaixo. (vide Gráficos 6 abaixo). Gráfico 5. Análise comparativa do número de OPs processadas e o total de OPs emitidas Número de Ordens de Pagamento Processadas por ano Total de Ordens de Pagamento emitidas por ano Relatório Anual de Actividades e de Execução Financeira 2011 Página 62

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS CEDSIF CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DE FINANÇAS

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS CEDSIF CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DE FINANÇAS REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS CEDSIF CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DE FINANÇAS PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO DE 2011 MAPUTO, FEVEREIRO 2011 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS CEDSIF - CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DE FINANÇAS RELATÓRIO DE DESENVOLVIDAS NO 3º TRIMESTRE DE MAPUTO, NOVEMBRO DE Confidencial CEDSIF

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS CEDSIF - CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DE FINANÇAS

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS CEDSIF - CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DE FINANÇAS REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS CEDSIF - CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DE FINANÇAS RELATÓRIO DO 1º TRIMESTRE SOBRE A EXECUÇÃO DO PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO DE

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS CEDSIF- CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DE FINANÇAS RELATÓRIO DE ACTIVIDADES E DE EXECUÇÃO ORÇAMENTAL DO I TRIMESTRE DE 2013 MAPUTO,

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS CEDSIF- CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DE FINANÇAS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO PLANO DE ACTIVIDADES E DO ORÇAMENTO DE 2013 III TRIMESTRE

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS GUIÃO RELATIVO AO FINANCIAMENTO EXTERNO NO ORÇAMENTO DO ESTADO 1. INTRODUÇÃO Moçambique possui uma dependência externa elevada e o ponto de partida para

Leia mais

MODELO DE GESTÃO DO SISTAFE

MODELO DE GESTÃO DO SISTAFE REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DO PLANO E FINANÇAS GABINETE DA MINISTRA Unidade Técnica da Reforma Da Administração Financeira do Estado - UTRAFE MODELO DE GESTÃO DO SISTAFE Maputo, 12 de Julho de

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS UTRAFE

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS UTRAFE REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS UNIDADE TÉCNICA DE REFORMA DA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO ESTADO UTRAFE RELATÓRIO DA II FASE DE IMPLEMENTAÇÃO DA REFORMA DO SISTAFE (2006 2009) MAPUTO, FEVEREIRO

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS RELATÓRIO ANUAL DE ACTIVIDADES E DE EXECUÇÃO FINANCEIRA

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS RELATÓRIO ANUAL DE ACTIVIDADES E DE EXECUÇÃO FINANCEIRA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DE FINANÇAS CEDSIF RELATÓRIO ANUAL DE ACTIVIDADES E DE EXECUÇÃO FINANCEIRA 2010 MAPUTO, MARÇO DE 2011

Leia mais

1.2- Breves Considerações sobre a Implementação do SISTAFE

1.2- Breves Considerações sobre a Implementação do SISTAFE I INTRODUÇÃO 1.1 Enquadramento Legal A Constituição da República de Moçambique estabelece, na alínea l) do n.º 2 do artigo 179, que é da exclusiva competência da Assembleia da República deliberar sobre

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS. Centro de Informática e Processamento de Dados CPD

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS. Centro de Informática e Processamento de Dados CPD REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Centro de Informática e Processamento de Dados CPD Modelo Conceptual do Sistema de Gestão de Recursos Humanos (SGRH) CONFIDENCIAL CPD 2009 Histórico de versões

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DO ESTADO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DO ESTADO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO S FINANÇAS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DO ESTADO ANO 2012 JANEIRO A JUNHO RELATÓRIO 1. Introdução 2. Equilíbrio Orçamental 3. Receitas do Estado 4. Financiamento

Leia mais

República de Moçambique. Ministério Das Finanças

República de Moçambique. Ministério Das Finanças República de Moçambique Ministério Das Finanças CEDSIF Centro de Desenvolvimento de Sistemas de Informação de Finanças TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O OBJECTO 1 E/OU OBJECTO 2 MAPUTO, Setembro de 2012 2 Introdução

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS GABINETE DO MINISTRO CIRCULAR N 01/ GAB-MF/2010

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS GABINETE DO MINISTRO CIRCULAR N 01/ GAB-MF/2010 REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS GABINETE DO MINISTRO CIRCULAR N 01/ GAB-MF/2010 ASSUNTO: CONCEITOS E PROCEDIMENTOS RELATIVOS A INSCRIÇÃO NO OE, COBRANÇA, CONTABILIZAÇÃO E RECOLHA DE RECEITAS

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O POSTO DE CONSELHEIRO EM GESTÃO DE FINANÇAS PUBLICAS

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O POSTO DE CONSELHEIRO EM GESTÃO DE FINANÇAS PUBLICAS I. Introdução TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O POSTO DE CONSELHEIRO EM GESTÃO DE FINANÇAS PUBLICAS O melhoramento da prestação de serviços públicos constitui uma das principais prioridades do Governo da Província

Leia mais

Metodologia para a Elaboração das Propostas do CENÁRIO FISCAL DE MÉDIO PRAZO 2009-2011

Metodologia para a Elaboração das Propostas do CENÁRIO FISCAL DE MÉDIO PRAZO 2009-2011 REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO Metodologia para a Elaboração das Propostas do CENÁRIO FISCAL DE MÉDIO PRAZO 2009-2011 Maputo, Novembro de 2007 Índice 1. Introdução

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE CONTRATAÇÕES PÚBLICAS EM MOÇAMBIQUE

SISTEMA NACIONAL DE CONTRATAÇÕES PÚBLICAS EM MOÇAMBIQUE 2014 FIDIC GAMA ANNUAL CONFERENCE LOCAL INVOLVEMENT IN MAJOR PROJECTS FOR SUSTAINABILITY MAPUTO: 23 TO 26 TH MARCH 2014 Group of African Member Associations International Federation of Consulting Engineers

Leia mais

FUNDO COMUM. da Autoridade Tributária. y y. Principais Acções de Reforma Tributária Realizadas de 2007 a 2013. Julho de 2014

FUNDO COMUM. da Autoridade Tributária. y y. Principais Acções de Reforma Tributária Realizadas de 2007 a 2013. Julho de 2014 y y y y y y FUNDO COMUM da Autoridade Tributária Principais Acções de Reforma Tributária Realizadas de 2007 a 2013 y y y y Julho de 2014 y y y y y y y y y Melhoria de Desempenho Reforma Tributária Modernização

Leia mais

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Auditoria do Tribunal de Contas à Direcção Geral do Tesouro no âmbito da Contabilidade do Tesouro de 2000 (Relatório n.º 18/2002 2ª Secção) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE. (Unidade-Disciplina-Trabalho) MINISTÉRIO DO PLANO E FINANÇAS

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE. (Unidade-Disciplina-Trabalho) MINISTÉRIO DO PLANO E FINANÇAS REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE (Unidade-Disciplina-Trabalho) MINISTÉRIO DO PLANO E FINANÇAS PROJECTO DE APOIO À GESTÃO ECONÓMICA E FINANCEIRA (PAGEF) TERMOS DE REFERÊNCIA RESPONSÁVEL ADMINISTRATIVO

Leia mais

(FINANCIADO PELA UNIÃO EUROPEIA) LOTE 2: ITEM 4. Formação em PMI Risk Management Professional (PMI RMP) SSSI

(FINANCIADO PELA UNIÃO EUROPEIA) LOTE 2: ITEM 4. Formação em PMI Risk Management Professional (PMI RMP) SSSI República de Moçambique Ministério das Finanças CEDSIF - Centro de Desenvolvimento de Sistemas de Informação de Finanças UGEA-Unidade Gestora Executora das Aquisições UNIÃO EUROPEIA (FINANCIADO PELA UNIÃO

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DO ESTADO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DO ESTADO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO S FINANÇAS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DO ESTADO ANO 2013 JANEIRO A JUNHO RELATÓRIO 1. Introdução 2. Equilíbrio Orçamental 3. Receitas do Estado 4. Financiamento

Leia mais

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Tendo em conta a história económica do nosso País após a independência, a propriedade pública ainda ocupa um lugar muito

Leia mais

IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO

IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 DE DE FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO A presente Lei cria o Fundo Financeiro Imobiliário e estabelece o respectivo regime jurídico. Os princípios de planeamento,

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS. Centro de Desenvolvimento de Sistemas de Informação de Finanças - CEDSIF

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS. Centro de Desenvolvimento de Sistemas de Informação de Finanças - CEDSIF REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Centro de Desenvolvimento de Sistemas de Informação de Finanças - CEDSIF e Direcção Nacional do Património do Estado -DNPE- Modelo Conceptual do Subsistema

Leia mais

Guião para o Processo de integração da componente externa no ciclo orçamental

Guião para o Processo de integração da componente externa no ciclo orçamental REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Guião para o Processo de integração da componente externa no ciclo orçamental Versão 07/02/2012 Índice 1. Introdução...

Leia mais

relatório final do projecto.../pt/16/c/ /

relatório final do projecto.../pt/16/c/ / Relatório Final Estrutura 1. INTRODUÇÃO 1.1 Caracterização da Situação Antes da Intervenção 1.2 Objectivos da Intervenção 2. IDENTIFICAÇÃO DA DECISÃO 2.1 Elementos Básicos da Decisão Inicial 2.2 Alterações

Leia mais

Estatuto-Tipo das Delegações Regionais do Gabinete das Zonas Económicas de Desenvolvimento Acelerado

Estatuto-Tipo das Delegações Regionais do Gabinete das Zonas Económicas de Desenvolvimento Acelerado 34 Diploma Ministerial n.º 22/2015 de 21 de Janeiro Havendo necessidade de regular a organização e o funcionamento do Gabinete das Zonas Económicas de Desenvolvimento Acelerado, abreviadamente designado

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DO ESTADO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DO ESTADO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO S FINANÇAS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DO ESTADO ANO 2013 JANEIRO A MARÇO RELATÓRIO 1. Introdução 2. Equilíbrio Orçamental 3. Receitas do Estado 4. Financiamento

Leia mais

Sistema Central de Encargos Plurianuais

Sistema Central de Encargos Plurianuais Sistema de Informação de Gestão Orçamental Sistema Central de Encargos Plurianuais Manual de Utilizador DSOD/DEQS Histórico de Alterações Versão Data Descrição Autor Data da Aprovação 1.0 2011/04/14 Versão

Leia mais

Área 1: Reforço dos Sistemas Nacionais - Área de Gestão das Finanças Públicas

Área 1: Reforço dos Sistemas Nacionais - Área de Gestão das Finanças Públicas ANEXO III: Relatórios das Quatro Áreas Prioritárias do Apoio Geral ao Orçamento Área 1: Reforço dos Sistemas Nacionais - Área de Gestão das Finanças Públicas I. Introdução No quadro da implementação do

Leia mais

ASSUNTO: EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DA REGIÃO PARA 2004.

ASSUNTO: EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DA REGIÃO PARA 2004. CIRCULAR N.º 11/ORÇ/2003 (PROVISÓRIA) A todos os serviços da administração pública regional ASSUNTO: EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DA REGIÃO PARA 2004. O Decreto Regulamentar Regional n.º ---/---M, de --de --,

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MINISTÉRIO DAS FINANÇAS REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Orientações e Metodologia para a Elaboração das Propostas de: Plano Económico e Social e Orçamento do Estado

Leia mais

Harmonização do regulamento com a Lei 9/02, 12 de Fevereiro.

Harmonização do regulamento com a Lei 9/02, 12 de Fevereiro. FUNDAMENTAÇÃO Por Decreto nº 17/2002, de 27 de Junho, o Governo aprovou o Regulamento do Sistema de Administração Financeira do Estado que teve o mérito de introduzir alterações profundas ao anterior sistema

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio Decreto executivo n.º 11/01 de 9 de Março A actualização e capacitação técnico profissional dos trabalhadores do Ministério do Comércio e de particulares buscam o aperfeiçoamento

Leia mais

MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS

MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS A prestação de contas é matéria que deve respeitar o quadro normativo em vigor actualmente (consultar nota final deste manual). No POCAL Simplificado,

Leia mais

República de Moçambique Ministério da Educação. Guião de Planificação de Aquisições Procurement

República de Moçambique Ministério da Educação. Guião de Planificação de Aquisições Procurement República de Moçambique Ministério da Educação Guião de Planificação de Aquisições Procurement 2012 1. Apresentação O presente guião foi elaborado pela Direcção de Administração e Finanças com o objectivo

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA Gabinete de Cooperação EuropeAid. América Latina Gestão financeira e contratual

COMISSÃO EUROPEIA Gabinete de Cooperação EuropeAid. América Latina Gestão financeira e contratual 1 Introdução ao sistema financeiro (custos elegíveis ) Custos directos elegíveis por natureza Custos não elegíveis Período de elegibilidade Repartição das despesas financeiras em conformidade com oanexo

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP 16.12.2010 REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL

Leia mais

VII OPERAÇÕES DE TESOURARIA. 7.1 Enquadramento Legal

VII OPERAÇÕES DE TESOURARIA. 7.1 Enquadramento Legal VII OPERAÇÕES DE TESOURARIA 7.1 Enquadramento Legal Ao abrigo das alíneas f) do artigo 47 e h) do artigo 48 da Lei n.º 9/2002, de 12 de Fevereiro, que cria o Sistema de Administração Financeira do Estado

Leia mais

Linha de Crédito PME Investe II

Linha de Crédito PME Investe II Linha de Crédito PME Investe II Condições e procedimentos I - CONDIÇÕES GERAIS DA LINHA DE CRÉDITO 1. Beneficiários: PME, tal como definido na Recomendação 2003/361CE da Comissão Europeia, certificadas

Leia mais

- Reforma do Tesouro Público

- Reforma do Tesouro Público - Reforma do Tesouro Público Em Novembro de 1997 foram definidas as opções estratégicas do Ministério das Finanças para a adopção da moeda Única ao nível da Administração Financeira do Estado. Estas opções,

Leia mais

BOLETIM DA REPÚBLICA 5.º SUPLEMENTO PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE. Segunda-feira, 14 de Novembro de 2011 I SÉRIE Número 45

BOLETIM DA REPÚBLICA 5.º SUPLEMENTO PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE. Segunda-feira, 14 de Novembro de 2011 I SÉRIE Número 45 Segunda-feira, 14 de Novembro de 2011 I SÉRIE Número 45 BOLETIM DA REPÚBLICA PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE 5.º SUPLEMENTO IMPRENSA NACIONAL DE MOÇAMBIQUE, E.P. Ministério das Obras Públicas

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Lei nº 10/96 De 18 de Outubro A actividade petrolífera vem assumindo nos últimos tempos importância fundamental no contexto da economia nacional, constituindo por isso,

Leia mais

CEDSIF Centro de Desenvolvimento de Sistemas de Informação de Finanças. Anúncio de Concurso para 20 Vagas

CEDSIF Centro de Desenvolvimento de Sistemas de Informação de Finanças. Anúncio de Concurso para 20 Vagas MINISTÉRIO DAS FINANÇAS CEDSIF Centro de Desenvolvimento de Sistemas de Informação de Finanças Anúncio de Concurso para 20 Vagas 1. O CEDSIF- Centro de Desenvolvimento de Sistemas de Informação de Finanças

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE COMISSÃO INTERMINISTERIAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Resolução nº /2015

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE COMISSÃO INTERMINISTERIAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Resolução nº /2015 REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE COMISSÃO INTERMINISTERIAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Resolução nº /2015 Havendo necessidade de aprovar o estatuto orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia, Ensino Superior e

Leia mais

DRH- Departamento de Recursos Humanos

DRH- Departamento de Recursos Humanos República de Moçambique Ministério das Finanças CEDSIF - Centro de Desenvolvimento de Sistemas de Informação de Finanças UGEA-Unidade Gestora Executora das Aquisições UNIÃO EUROPEIA (FINANCIADO PELA UNIÃO

Leia mais

Termos de Referência para a componente de Formação

Termos de Referência para a componente de Formação República de Moçambique Ministério das Finanças CEDSIF - Centro de Desenvolvimento de Sistemas de Informação de Finanças UGEA-Unidade Gestora Executora das Aquisições UNIÃO EUROPEIA (FINANCIADO PELA UNIÃO

Leia mais

Plano de Sustentabilidade e Gestão da Segurança Social PSGSS

Plano de Sustentabilidade e Gestão da Segurança Social PSGSS Plano de Sustentabilidade e Gestão da Segurança Social PSGSS Manuel Moreira Coordenador do PSGSS Benguela, 22 e 23 de Maio Agenda Objetivos Gerais Objectivos Estratégicos Estrutura do Projecto Inciativas

Leia mais

Imposto Simplificado para Pequenos Contribuintes - ISPC

Imposto Simplificado para Pequenos Contribuintes - ISPC República de Moçambique Ministério das Finanças Autoridade Tributária de Moçambique DIRECÇÃO GERAL DE IMPOSTOS Imposto Simplificado para Pequenos Contribuintes - ISPC Maputo, Julho de 2013 INDICE Contextualização

Leia mais

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 FISCAL E FINANÇAS LOCAIS NEWSLETTER RVR 2 Maio de 2007 ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 Sandra Cristina Pinto spinto@rvr.pt O Decreto Lei nº 238/2006 e a Lei nº 53-A/2006, publicados

Leia mais

República de Moçambique: Carta de Intenções, Memorando de Política Económica e Financeira e Memorando Técnico de Entendimento

República de Moçambique: Carta de Intenções, Memorando de Política Económica e Financeira e Memorando Técnico de Entendimento Fundo Monetário Internacional República de Moçambique: Carta de Intenções, Memorando de Política Económica e Financeira e Memorando Técnico de Entendimento 28 de Outubro de 2008 O documento a seguir é

Leia mais

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA O Sistema de Certificação de Entidades Formadoras, consagrado na Resolução do Conselho de Ministros nº 173/2007, que aprova

Leia mais

Primeira alteração à Lei n.º 9/2005, de 20 de Junho, Lei do Fundo Petrolífero

Primeira alteração à Lei n.º 9/2005, de 20 de Junho, Lei do Fundo Petrolífero IV GOVERNO CONSTITUCIONAL Proposta de Lei n. De... de... Primeira alteração à Lei n.º 9/2005, de 20 de Junho, Lei do Fundo Petrolífero O Fundo Petrolífero foi estabelecido em 2005 com o objectivo de contribuir

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Rev.: 02. Data: 05-07-2013. Mod.41/00. pág. 1

MANUAL DA QUALIDADE. Rev.: 02. Data: 05-07-2013. Mod.41/00. pág. 1 MANUAL DA QUALIDADE Rev.: 02 Data: 05-07-2013 pág. 1 Designação Social: Dupliconta Sociedade de Contabilidade, Consultadoria e Gestão Lda. Morada: Caminho do Pilar, Conjunto Habitacional do Pilar, Lote

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA

TERMOS DE REFERÊNCIA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA (Unidade-Disciplina-Trabalho) DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE MINISTÉRIO DO PLANO E FINANÇAS PROJECTO DE APOIO À GESTÃO ECONÓMICA E FINANCEIRA (PAGEF) TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O RECRUTAMENTO

Leia mais

REGULAMENTO FINANCEIRO CAPÍTULO I

REGULAMENTO FINANCEIRO CAPÍTULO I REGULAMENTO FINANCEIRO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º Objeto e Âmbito de Aplicação 1. O presente regulamento define as normas relativas à obtenção de rendimentos e realização de gastos, as regras

Leia mais

MUNICÍPIO DO PORTO SANTO CÂMARA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DO PORTO SANTO CÂMARA MUNICIPAL CADERNO DE ENCARGOS PROCESSO Nº 3 RH-2015 Apoio Técnico na área de Gestão de Recursos Humanos - Prestação de Serviços Ajuste Direto 1 de 10 ÍNDICE CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS... 3 Cláusula 1.ª - Objecto...

Leia mais

DAF Departamento de Administração e Finanças

DAF Departamento de Administração e Finanças República de Moçambique Ministério das Finanças CEDSIF - Centro de Desenvolvimento de Sistemas de Informação de Finanças UGEA-Unidade Gestora Executora das Aquisições UNIÃO EUROPEIA (FINANCIADO PELA UNIÃO

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011

GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011 GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011 Versão Preliminar Este relatório tem por objectivo da conta do que de mais relevante foi realizado no cumprimento

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS

PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS Artigo 1.º (Âmbito) 1 - O presente Regulamento estabelece a estrutura orgânica e as competências dos Serviços Administrativos e Financeiros

Leia mais

Norma ISO 9000. Norma ISO 9001. Norma ISO 9004 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REQUISITOS FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO

Norma ISO 9000. Norma ISO 9001. Norma ISO 9004 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REQUISITOS FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALDADE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Norma ISO 9000 Norma ISO 9001 Norma ISO 9004 FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO REQUISITOS LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA MELHORIA DE DESEMPENHO 1. CAMPO

Leia mais

Desenvolvimento de Macros em VBA - Microsoft Excel

Desenvolvimento de Macros em VBA - Microsoft Excel República de Moçambique Ministério das Finanças CEDSIF - Centro de Desenvolvimento de Sistemas de Informação de Finanças UGEA-Unidade Gestora Executora das Aquisições UNIÃO EUROPEIA (FINANCIADO PELA UNIÃO

Leia mais

NOTA EXPLICATIVA. Assim, face a este enquadramento normativo, propõe-se que o presente diploma seja apresentado sob a forma de Decreto Presidencial.

NOTA EXPLICATIVA. Assim, face a este enquadramento normativo, propõe-se que o presente diploma seja apresentado sob a forma de Decreto Presidencial. NOTA EXPLICATIVA 1. Introdução A recente alteração da legislação sobre a organização e funcionamento dos Institutos Públicos, pelo Decreto Legislativo Presidencial n.º 2/13, de 25 de Junho, que revoga

Leia mais

DAF Departamento de Administração e Finanças

DAF Departamento de Administração e Finanças República de Moçambique Ministério das Finanças CEDSIF - Centro de Desenvolvimento de Sistemas de Informação de Finanças UGEA-Unidade Gestora Executora das Aquisições UNIÃO EUROPEIA (FINANCIADO PELA UNIÃO

Leia mais

Termos de Referência para a componente de Formação Gestão de Projectos de TI

Termos de Referência para a componente de Formação Gestão de Projectos de TI República de Moçambique Ministério das Finanças CEDSIF - Centro de Desenvolvimento de Sistemas de Informação de Finanças UGEA-Unidade Gestora Executora das Aquisições UNIÃO EUROPEIA (FINANCIADO PELA UNIÃO

Leia mais

(CRÉDITO Nº 4684) FUNDO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL FDI GUIÃO DE CONCEPÇÃO DE PROJECTOS 4.º CICLO DE CANDIDATURAS

(CRÉDITO Nº 4684) FUNDO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL FDI GUIÃO DE CONCEPÇÃO DE PROJECTOS 4.º CICLO DE CANDIDATURAS REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Direcção para a Coordenação do Ensino Superior DICES Projecto do Ensino Superior, Ciência e Tecnologia HEST UNIDADE DE COORDENAÇÃO DO PROJECTO (CRÉDITO Nº

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Inovação Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2010 1 Índice Tipologias de Investimento... 3 Condições de Elegibilidade

Leia mais

Ministério da Educação

Ministério da Educação Ministério da Educação Decreto Lei n.º 7/03 de 17 de Junho Diário da República, I Série nº47 17.06.2003 Considerando as últimas alterações verificadas na denominação dos organismos de administração central

Leia mais

Relatório sobre a Estrutura Organizacional e os Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno

Relatório sobre a Estrutura Organizacional e os Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno Generali Vida, Companhia de Seguros, S.A. Relatório sobre a Estrutura Organizacional e os Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno 31 de Dezembro de 2013 Lima Jorge 1. Introdução Não tendo existido

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS SISTAFE MEO Módulo de Elaboração Orçamental do e-sistafe MEO Manual Operacional do Usuário do MEO - UGB Elaboração do Orçamento do Estado para 2011 Segundo

Leia mais

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE XXVIII Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE 1. Sistema de gestão de qualidade... 2 1.1 Objectivos do sistema... 2 1.2 Estrutura organizativa... 4 1.2.1 Organização interna... 4 1.2.2 Estrutura

Leia mais

Acordo Especial de Cooperação no Domínio do Sector Eléctrico entre a República Popular de Moçambique e a República Portuguesa.

Acordo Especial de Cooperação no Domínio do Sector Eléctrico entre a República Popular de Moçambique e a República Portuguesa. Decreto n.º 87/79 de 20 de Agosto Acordo Especial de Cooperação no Domínio do Sector Eléctrico entre a República Portuguesa e a República Popular de Moçambique O Governo decreta, nos termos da alínea c)

Leia mais

associados do Mukhero

associados do Mukhero Oportunidades e Desafios do Comércio Externo em Moçambique Principais serviços do IPEME que contribuem formalização dos associados do Mukhero Por: Adriano Claire Zimba, Director Geral 27 de Maio de 2014

Leia mais

Regulamento Interno do Secretariado Técnico de Segurança Alimentar e Nutricional (SETSAN)

Regulamento Interno do Secretariado Técnico de Segurança Alimentar e Nutricional (SETSAN) 670 I SÉRIE NÚMERO 76 do artigo 25 da Lei n.º 14/2002, de 26 de Junho, Lei de Minas, o Conselho de Ministros determina: Artigo 1. São aprovados os termos do Contrato Mineiro, para a mina de carvão do Projecto

Leia mais

UEM: Desafios e perspectivas na implementação do Sistema Nacional de Avaliação, Acreditação e Garantia de Qualidade do Ensino Superior

UEM: Desafios e perspectivas na implementação do Sistema Nacional de Avaliação, Acreditação e Garantia de Qualidade do Ensino Superior UEM: Desafios e perspectivas na implementação do Sistema Nacional de Avaliação, Acreditação e Garantia de Qualidade do Ensino Superior Autores: Maida Abdulssatar Khan, Eduardo Chiziane, Luisa Santos e

Leia mais

Princípios de Bom Governo

Princípios de Bom Governo Princípios de Bom Governo Regulamentos internos e externos a que a empresa está sujeita Sendo a STCP uma sociedade anónima, rege-se pelo previsto nos seus estatutos, aprovados pelo Decreto-Lei 202/94,

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Diário da República, 1.ª série N.º 38 22 de Fevereiro de 2008 1167 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Resolução do Conselho de Ministros n.º 33/2008 A Assembleia Municipal de Óbidos aprovou, em 29 de

Leia mais

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA Introdução Nesta edição do Catálogo de Serviços apresentamos os vários tipos de serviços que compõe a actual oferta da Primavera na área dos serviços de consultoria.

Leia mais

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO Decreto N. 2/ 2003 De 23 de Julho Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal O Decreto Lei N 7/ 2003 relativo à remodelação da estrutura orgânica

Leia mais

Relatório de Actividades - 2014 ANO 2014. Investir na competência sustentar o desenvolvimento

Relatório de Actividades - 2014 ANO 2014. Investir na competência sustentar o desenvolvimento ANO 2014 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 4 I. DESENVOLVIMENTO DAS ACTIVIDADES DE FORMAÇÃO 6 QUADRO Nº 2: FORMADOS POR ÁREAS TEMÁTICAS QUADRO Nº 3: FORMADOS POR MODALIDADES DE FORMAÇÃO QUADRO Nº4: DISTRIBUIÇÃO DOS FORMADOS

Leia mais

REGULAMENTO Nº 3/2009

REGULAMENTO Nº 3/2009 REGULAMENTO Nº 3/2009 REGULAMENTO DE LIQUIDAÇÃO E COBRANÇA DE RECEITAS MUNICIPAIS Preâmbulo A dispersão geográfica dos serviços da Câmara Municipal torna impraticável a cobrança de todas as receitas na

Leia mais

COMISSÃO DA BACIA DO ZAMBEZE OPORTUNIDADES DE EMPREGO

COMISSÃO DA BACIA DO ZAMBEZE OPORTUNIDADES DE EMPREGO COMISSÃO DA BACIA DO ZAMBEZE OPORTUNIDADES DE EMPREGO Instituição: Comissão da Bacia do Zambeze (ZAMCOM) Local de Trabalho: Harare, Zimbabwe Duração: Inicialmente um ano com possibilidade de renovação

Leia mais

Gestão Financeira Fernando Nhabinde

Gestão Financeira Fernando Nhabinde Banco Mundial Governo de Moçambique Gestão Financeira Fernando Nhabinde Revisão do Desempenho da Carteira de Projectos (CPPR) 18 de Setembro de 2009 Pessoal Descrição da Apresentação retenção, formação,

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS A Penafiel Verde, E.M. é uma empresa municipal, com sede em Penafiel, constituída em Maio de 2006 e que tem como actividades principais a gestão e exploração

Leia mais

PROJECTO DE ORÇAMENTO RECTIFICATIVO N.º 6 AO ORÇAMENTO GERAL DE 2010

PROJECTO DE ORÇAMENTO RECTIFICATIVO N.º 6 AO ORÇAMENTO GERAL DE 2010 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 17.6.2010 COM(2010) 315 final PROJECTO DE ORÇAMENTO RECTIFICATIVO N.º 6 AO ORÇAMENTO GERAL DE 2010 MAPA DE RECEITAS E DE DESPESAS POR SECÇÃO Secção II Conselho Europeu e Conselho

Leia mais

O QUE DEVE SABER SOBRE TRABALHO TEMPORÁRIO. De acordo com as normas previstas no código de trabalho em vigor

O QUE DEVE SABER SOBRE TRABALHO TEMPORÁRIO. De acordo com as normas previstas no código de trabalho em vigor O QUE DEVE SABER SOBRE TRABALHO TEMPORÁRIO De acordo com as normas previstas no código de trabalho em vigor O QUE DEVE SABER SOBRE NECESSIDADES DE RECORRER AO TRABALHO TEMPORÁRIO As Empresas de Trabalho

Leia mais

Criação do GAZEDA E APROVAÇÃO DO ESTATUTO ORGÂNICO. Decreto nº 75/2007 de 24 de Dezembro

Criação do GAZEDA E APROVAÇÃO DO ESTATUTO ORGÂNICO. Decreto nº 75/2007 de 24 de Dezembro Criação do GAZEDA E APROVAÇÃO DO ESTATUTO ORGÂNICO Decreto nº 75/2007 de 24 de Dezembro Decreto n.º 75/2007 de 24 de Dezembro Com vista a garantir uma gestão efectiva e efi caz das Zonas Económicas Especiais,

Leia mais

ANEXOS. ACORDO DE COOPERAÇÃO CAMBIAL entre a República Portuguesa e a República de Cabo Verde

ANEXOS. ACORDO DE COOPERAÇÃO CAMBIAL entre a República Portuguesa e a República de Cabo Verde ANEXOS l ACORDO DE COOPERAÇÃO CAMBIAL entre a República Portuguesa e a República de Cabo Verde A República Portuguesa e a República de Cabo Verde para os devidos efeitos representados, respectivamente,

Leia mais

PRESIDENTE DA REPÚBLICA

PRESIDENTE DA REPÚBLICA 3780 DIÁRIO DA REPÚBLICA PRESIDENTE DA REPÚBLICA Decreto Presidencial n.º 298/10 de3dedezembro Convindo adequar o sistema de contratação pública à nova realidade constitucional, bem como uniformizar a

Leia mais

8226 Diário da República, 1.ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007

8226 Diário da República, 1.ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007 8226 Diário da República, ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007 da Madeira os Drs. Rui Nuno Barros Cortez e Gonçalo Bruno Pinto Henriques. Aprovada em sessão plenária da Assembleia Legislativa da Região

Leia mais

sãcção r,ì ACRO-PROCESSO DE "EXECUçÃO DO ORçÁMENTO DO ESTADO" ÁssuNTo: ÁDMrrursrRnçÃo E execvção Do orçámento Do ESTADO PARÁ 2OO9 DrsPosrçõEs aernrs

sãcção r,ì ACRO-PROCESSO DE EXECUçÃO DO ORçÁMENTO DO ESTADO ÁssuNTo: ÁDMrrursrRnçÃo E execvção Do orçámento Do ESTADO PARÁ 2OO9 DrsPosrçõEs aernrs REPUBLICA DE MOçAMBIQUE MrNrsrERro DAs FINANçA5 GABINETE DO MINI5TRO crrcular ru. " j)-z GAB-MF/zoog t, t, MÁPUTO, AOS 1+ DE FEVERETRO DE 2009 ÁssuNTo: ÁDMrrursrRnçÃo E execvção Do orçámento Do ESTADO

Leia mais

Workshop Certificação de Entidades pela DGERT

Workshop Certificação de Entidades pela DGERT www.b-training.pt Workshop Certificação de Entidades pela DGERT 27 de Maio de 2011 ORDEM DE TRABALHOS 10h00 11h15 11h30 12h30 13h Início dos Trabalhos Coffee-Break Reinício dos Trabalhos Perguntas & Respotas

Leia mais

Termos de Referência Avaliação do Sistema de Gestão de Finanças Públicas na Província de Cabo Delgado

Termos de Referência Avaliação do Sistema de Gestão de Finanças Públicas na Província de Cabo Delgado Termos de Referência Avaliação do Sistema de Gestão de Finanças Públicas na Província de Cabo Delgado 4º Rascunho 1. Antecedentes e Contexto 1.1 Moçambique é um país de baixa renda, com uma população de

Leia mais

Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projectos e Despesas TIC

Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projectos e Despesas TIC Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projectos e Despesas TIC Overview do Processo de Avaliação de Projectos e Despesas TIC www.ama.pt Índice 1. Enquadramento

Leia mais

CONTABILIDADE E PROCESSAMENTO SALARIAL

CONTABILIDADE E PROCESSAMENTO SALARIAL Contabilidade e Processamento Salarial A Câmara de Comércio e Indústria Luso-Alemã disponibiliza às empresas alemãs com sucursal ou estabelecimento estável em Portugal, o serviço de contabilidade organizada

Leia mais

Reformas em curso no Sistema de Gestão e Informação do INAS em Moçambique

Reformas em curso no Sistema de Gestão e Informação do INAS em Moçambique Reformas em curso no Sistema de Gestão e Informação do INAS em Moçambique Contextualização Para a operacionalização dos Programas de Segurança Social Básica o MMAS conta com O Instituto Nacional de Acção

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES - 2013 Exmo. Sr. Presidente Tenho a honra de encaminhar a V.Exa. o Relatório Anual das Atividades desenvolvidas por esta Coordenadoria de Controle Interno, no exercício de

Leia mais

Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico.

Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico. COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 26.07.2002 C (2002) 2943 Assunto: Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico. Excelência, PROCEDIMENTO Por carta n.º

Leia mais