FACULDADES INTEGRADAS IPIRANGA CURSO DE TECNOLOGIA EM RADIOLOGIA EBERSON LUAN DOS SANTOS CARDOSO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADES INTEGRADAS IPIRANGA CURSO DE TECNOLOGIA EM RADIOLOGIA EBERSON LUAN DOS SANTOS CARDOSO"

Transcrição

1 FACULDADES INTEGRADAS IPIRANGA CURSO DE TECNOLOGIA EM RADIOLOGIA EBERSON LUAN DOS SANTOS CARDOSO DIAGNÓSTICO POR IMAGEM E TRATAMENTO DE DISTÚRBIOS VASCULARES: estenose e aneurisma Belém PA 2013

2 FACULDADES INTEGRADAS IPIRANGA CURSO DE TECNOLOGIA EM RADIOLOGIA EBERSON LUAN DOS SANTOS CARDOSO DIAGNÓSTICO POR IMAGEM E TRATAMENTO DE DISTÚRBIOS VASCULARES: estenose e aneurisma Portfólio apresentado ao Curso de Tecnologia em Radiologia das Faculdades Integradas Ipiranga como requisito parcial para a obtenção do título de Tecnólogo em Radiologia. Orientador: Prof. Stanley Soares Xavier Belém PA 2013

3 EBERSON LUAN DOS SANTOS CARDOSO DIAGNÓSTICO POR IMAGEM E TRATAMENTO DE DISTÚRBIOS VASCULARES: estenose e aneurisma Portfólio apresentado ao Curso de Tecnologia em Radiologia das Faculdades Integradas Ipiranga como requisito parcial para a obtenção do título de Tecnólogo em Radiologia. Orientador: Prof. Stanley Soares Xavier Data: Resultado: AVALIADORES Prof. Stanley Soares Xavier Assinatura Faculdades Integradas Ipiranga Prof. MSc. Dirceu Costa dos Santos Assinatura Faculdades Integradas Ipiranga

4 Aos meus pais, Edimar e Lúcia, cujos valores e exemplos constituem os alicerces daquilo que eu sou e de tudo o que eu faço.

5 RESUMO As doenças vasculares apresentam grande incidência e prevalência dentre a população ocidental, acometendo principalmente indivíduos acima de 60 anos, sendo explicadas, na maioria das vezes, por hábitos alimentares inadequados, acarretando uma desordem de lipídeos e colesterol na circulação sanguínea, responsável pela deposição de placas ateromatosas na parede vascular das artérias. Temos como objetivo, no presente trabalho, a apresentação dos meios de diagnóstico por imagem e tratamento endovascular (por meio de stents) das doenças vasculares, tendo como foco aneurisma e estenose. Para tanto, utilizamos como método o resumo e correlação de três trabalhos acadêmicos anteriormente apresentados a disciplinas específicas do curso, e estes, unificados, nos dão a base para a elaboração desse trabalho. O resultado da pesquisa mostrou que os métodos de imagem são conclusivos para o diagnóstico, destacando a Angiografia como padrão ouro para diagnóstico e acompanhamento de doenças vasculares, seguido da Tomografia Computadorizada e Ressonância Magnética, e em alguns casos, da Ultrassonografia. Além disso, mostrou que a terapia endovascular por meio de stents é a mais indicada para tratar afecções vasculares. A discussão que permeia o tema diz respeito a qual a melhor opção de tratamento para pacientes com alto risco cirúrgico: o tratamento convencional (cirurgia aberta) ou o tratamento endovascular com angioplastia e stents. Como considerações finais do tema, temos o tratamento endovascular como o mais indicado para pacientes com alto risco cirúrgico, destacando também a Tomografia Computadorizada como meio de diagnóstico em ascensão para doenças vasculares. Palavras-chaves: Doenças vasculares. Diagnóstico por imagem. Endopróteses vasculares.

6 ABSTRACT Vascular diseases have high incidence and prevalence among the western population, primarily affecting individuals over 60 years and are explained in most cases by inadequate eating habits, causing a disorder of lipids and cholesterol in the bloodstream, responsible for plaque deposition atheromatous vascular wall of arteries. We aim, in this work, the presentation of diagnostic imaging and endovascular treatment (through stents) of vascular diseases, with the aneurysm and stenosis focus. Therefore, we use the method as abstract and correlation of three academic papers previously submitted to specific course subjects, and these, unified, give us the basis for the preparation of this work. The research result showed that imaging methods are conclusive for the diagnosis, highlighting the angiography as the gold standard for diagnosis and monitoring of vascular disease, followed by Computed Tomography and Magnetic Resonance Imaging, and in some cases, the Ultrasonography. Moreover, it showed that endovascular therapy using stents is more appropriate to treat vascular disorders. The discussion that permeates the topic relates to what the best treatment option for patients at high surgical risk: conventional treatment (open surgery) or endovascular treatment with angioplasty and stents. As a final consideration of the topic, we have the endovascular treatment as more suitable for patients with high surgical risk, also highlighting the Computed Tomography as a diagnostic tool for vascular diseases on the rise. Keywords: Vascular diseases. Diagnostic imaging. Endovascular stents.

7 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO OBJETIVOS OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS REVISÃO TEÓRICA HISTÓRICO E EVOLUÇÃO DA TERAPIA ENDOVASCULAR CARACTERIZAÇÃO PATOLÓGICA E DIAGNÓSTICA Aneurisma Estenose Arterial TERAPIA ENDOVASCULAR Angioplastia Transluminal Percutânea Endopróteses Vasculares DIAGNÓSTICO E ACOMPANHAMENTO PÓS-OPERATÓRIO POR IMAGEM METODOLOGIA RESULTADOS DISCUSSÃO CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 35

8 7 1 INTRODUÇÃO As doenças vasculares apresentam grande incidência e prevalência dentre a população ocidental, acometendo principalmente indivíduos acima de 60 anos, predominando no sexo masculino (quatro vezes mais quando comparado ao sexo feminino), sendo explicadas, na maioria das vezes, por hábitos alimentares inadequados, acarretando uma desordem de lipídeos e colesterol na circulação sanguínea, responsável pela deposição de placas ateromatosas na parede vascular das artérias (STEVES e LOWE, 2002). Acredita-se que cerca de 2 a 5% dos homens, que se enquadram na faixa etária acima citada, sejam portadores de doenças vasculares. Esses dados tem incentivado um programa de controle de doenças vasculares a partir dos 50 anos, caracterizado pela realização de exames de imagem, de início a Ultrassonografia, juntamente com exames clínicos para rastreio e posterior tratamento de doenças vasculares (VARDULAKI et al., 1999). Ao discutirmos sobre doenças vasculares de qualquer tipo ou causa, não podemos deixar de considerar um risco maior agregado a elas e complicações que podem levar a óbito. No caso de estenose, onde temos uma obstrução da luz do vaso por placas ateromatosas, o estreitamento do vaso prejudica o fluxo sanguíneo, podendo causar dor ou outros danos nos órgãos que ficam privados da circulação, o que pode ocasionar uma isquemia severa. Uma intervenção angioplásticas, nesse caso, representa o tratamento menos invasivo possível, apresentando poucas contraindicações e ótimos resultados. Em situações em que as vias de acesso à lesão corram risco de serem ocluídas por trombos advindos do tratamento (desprendimento de trombos/placa da parede vascular no momento de passagem do cateter), aconselha-se o tratamento cirúrgico aberto convencional, prevenindo possíveis complicações vasculares (ARAÚJO JUNIOR e GUIMARÃES, 2003). Se tratando de aneurismas, a principal preocupação é a ocorrência da ruptura da parede do vaso, que se encontra enfraquecida, ocasionando o chamado aneurisma roto e com ele um quadro clínico de hemorragia interna, que se não forem tomadas medidas rápidas, pode levar a morte. A probabilidade de rotura é diretamente proporcional ao tamanho do aneurisma, mais especificamente ao seu diâmetro. Por todo o risco envolvido, não é de admirar que as endopróteses vasculares sejam o tratamento mais comum para aneurismas, tendo como função principal a selagem do vaso acima e abaixo da área comprometida, permitindo a passagem do fluxo sanguíneo sem pressionar a parede enfraquecida do aneurisma (ARAÚJO JUNIOR, 2003).

9 8 O diagnóstico por imagem desses tipos de distúrbios veio a contribuir muito para a clínica médica, pois, sabe-se que, apesar de o diagnóstico físico ser na maioria das vezes suficiente, nem sempre é conclusivo, haja vista que os sintomas costumam ser presentes apenas em estenoses, ao contrário dos aneurismas, que podem permanecer assintomáticos por muito tempo. O exame de imagem considerado padrão-ouro para diagnóstico de doenças vasculares é a Angiografia, disponibilizando imagens e informações sobre o fluxo sanguíneo local. Entretanto, a Angiografia tem perdido espaço para a Angiotomografia Computadorizada, um exame não invasivo que pode, além de proporcionar boas imagens, gerar reconstruções que facilitam um planejamento angioplástico devido disponibilizar a localização exata da afecção (THOMAZ et al., 2008). Por conseguinte, o tratamento á base de endopróteses, apesar da baixa invasibilidade, requer um planejamento terapêutico eficaz a fim de verificar o risco ligado ao paciente, haja vista que não é indicado para todos, assim como prover o melhor tratamento ao tipo de distúrbio apresentado. Todo o planejamento é feito pelo médico endovascular, o qual decide o tipo de tratamento, o tipo de endoprótese a usar, assim como o material desta, além do acompanhamento pós-operatório (FRANÇA e PEREIRA, 2008). As limitações quanto à realização desses procedimentos estão geralmente relacionadas ao custo agregado a eles e ao risco proibitivo de alguns pacientes ao tratamento. Gastos relacionados à compra das endopróteses, procedimento cirúrgico, exames de imagem para diagnóstico e acompanhamento, não são, muitas vezes, cobertos pelos planos assistenciais de saúde, tendo o paciente que recorrer a procedimentos convencionais como cirurgias de peito aberto, ocasionando altos índices de morbidade, tempo de recuperação maior e risco cirúrgico elevado (PEREIRA e GRUDTNER, 2003). Vale salientar que, apesar do tratamento de doenças vasculares com endopróteses ser o mais indicado e obter, na maioria das vezes, resultados satisfatórios, pode também acarretar distúrbios em longo prazo posteriores à cirurgia, ocasionando reestenoses por hiperplasia intimal, movimentação indevida da endoprótese ou contrações resultantes do tratamento de lesões fibroelásticas. Por essa razão, é aconselhável manter um acompanhamento pósoperatório regular, com o intuito de evitar qualquer complicação resultante do procedimento cirúrgico endovascular (FANELLI e ARONOFF, 1990; ROSS, 1993). O presente trabalho apresenta o tratamento endovascular das doenças vasculares com a utilização endopróteses (stents) como sendo o mais indicado para estenoses e aneurismas e caracteriza os métodos pelos quais são feitos o diagnóstico por imagem atualmente, assim como a importância do acompanhamento pós-operatório clínico e por imagem.

10 9 2 OBJETIVOS 2.1 OBJETIVO GERAL Apresentar, através de pesquisas anteriormente realizadas no âmbito acadêmico, as principais formas de diagnóstico por imagem e tratamento de distúrbios vasculares, dando ênfase no tratamento com uso de endopróteses por meio de angioplastia. 2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS Resumir e correlacionar três trabalhos acadêmicos das disciplinas Patologia e Radiologia Básica, Radiologia Intervencionista e Tomografia Computadorizada ; Caracterizar os exames de diagnóstico por imagem pelos quais é possível identificar os distúrbios vasculares; Apresentar o uso de endopróteses vasculares como tratamento preferencial, e minimamente invasivo, para as afecções vasculares.

11 10 3 REVISÃO TEÓRICA 3.1 HISTÓRICO E EVOLUÇÃO DA TERAPIA ENDOVASCULAR A partir da década de 60, o diagnóstico de afecções vasculares, feito até então por meio de angiografia com fluoroscopia, teve o acréscimo de procedimentos radiológicos intervencionistas, que permitiram, através de acesso por cateterismo percutâneo, o tratamento de hemorragias em órgãos e estenoses arteriais por meio de angioplastia transluminal percutânea (ATP). A primeira descrição desse procedimento foi feita por Dotter e Judkins, em 1964, o mesmo pesquisador que iniciou a angioplastia com cateter, prevendo e sugerindo a possível colocação de um dispositivo no interior do vaso, dando sustentação à parede do vaso recanalizado, a fim de manter o lúmen aberto até que a cicatrização fosse completa, partindo do pressuposto que as endopróteses vasculares foram desenvolvidas inicialmente com o objetivo de suporte mecânico à parede arterial (DOTTER e JUDKINS, 1964). Em 1969, Dotter também foi o primeiro a relatar a utilização experimental de endopróteses vasculares em artérias poplíteas de caninos da espécie Anima Villi, prevendo que elas poderiam ser utilizadas em outras lesões arteriais. Foram implantadas seis endopróteses naquela ocasião, onde três ocluíram precocemente e três mantiveram perviedade por mais de dois anos (DOTTER, 1969). O interesse terapêutico no uso de endopróteses vasculares ficou mais evidente apenas em 1983, quando houve maiores relatos do uso da técnica em modelos experimentais, fazendo que atualmente a técnica tenha várias aplicações clínicas para o tratamento de doenças vasculares (DOTTER et al., 1983; GRAGG et al., 1983). Desde então, o extraordinário desenvolvimento desses métodos permitiu o avanço sobre a árvore arterial, ocluindo, dilatando, influindo e introduzindo endopróteses vasculares nas mais diversas artérias, sendo caracterizado hoje como a principal forma de tratamento, tendo como vantagens: ser pouco invasivo, pois é realizado através de cateterismo percutâneo com pequena incisão; ser realizado com anestesia local e sedação e baixo custo comparado ao procedimento cirúrgico convencional (UFLACKER, 1987). As limitações quanto à realização desses procedimentos estão geralmente relacionadas ao custo agregado a eles e ao risco proibitivo de alguns pacientes ao tratamento. Gastos relacionados à compra das endopróteses, procedimento cirúrgico, exames de imagem para diagnóstico e acompanhamento, não são, muitas vezes, cobertos pelos planos assistenciais de saúde, tendo o paciente que recorrer a procedimentos convencionais (PEREIRA e GRUDTNER, 2003).

12 CARACTERIZAÇÃO PATOLÓGICA E DIAGNÓSTICA As doenças vasculares têm se tornado a causa mais comum de óbitos em países ocidentais, devido, principalmente, ao grande número de pessoas que não tem hábitos alimentares saudáveis, se enquadrando na condição de obesidade. Nesses casos, em especial, há prevalência de um processo patológico conhecido como ateroma, que pode desencadear doenças como infartos (principalmente no miocárdio e cerebrais), isquemias, estenoses e aneurismas, complicações essas explicadas pela formação de placas na parede vascular, obstruindo a luz do vaso, gerando trombos e degeneração da camada íntima das artérias de pequeno, médio e grande calibre (STEVES e LOWE, 2002). Ainda outros distúrbios sistêmicos predispõem a aneurismas e agravamento do processo ateromatoso, como o diabetes e a hipertensão sistêmica (LAGO, SINGH e NESTO, 2007). A seguir, temos a caracterização patológica de doenças vasculares, voltados para aneurisma e estenose, respectivamente Aneurisma Aneurisma é o termo designado para um alargamento ou dilatação permanente de um segmento vascular, sendo essa dilatação maior que 50% em relação ao diâmetro normal do vaso (Figura 1). É uma doença de grande risco, devido principalmente à possibilidade de rompimento da parede vascular, ocasionando o chamado aneurisma roto, que é certamente a complicação mais temida, pois gera uma grande perda de sangue e, na maioria das vezes, óbito. Além da rotura, outras complicações possíveis são a trombose e a embolização, ambas com graves repercussões para o organismo (BERGQVIST, 2008; SILVEIRA et al., 2002). Figura 1 Representação didática de aneurisma de aorta abdominal FONTE: CARDOZO, 2013

13 12 A trombose é considerada comum em artérias, originária do processo fisiológico de coagulação sanguínea, um mecanismo fisiológico que ocorre constantemente, restaurando pequenos defeitos nos vasos sanguíneos e que logo após a reparação, é removida por fibrinólise. Porém, a trombose é definida como patológica quando o trombo continua a crescer, devido ao acúmulo excessivo de plaquetas e fibrina, gerando uma massa capaz de obstruir o lúmen arterial e causar isquemia (STEVES e LOWE, 2002). A embolia também representa um fator de risco, definida pela oclusão de um vaso por elementos transportados pela circulação sanguínea, denominados êmbolos. Os fragmentos mais comuns na circulação sanguínea são os tombos, sendo eles os responsáveis pela embolização das artérias na maioria das vezes, ocasionando a tromboembolia, caracterizada pelo desprendimento da massa de trombo da parede vascular onde foi formada e migração para vasos menores em diâmetro, ocorrendo a oclusão parcial ou completa do vaso. Consequentemente, assim como na trombose, pode haver isquemia tecidual e risco de perda do membro (NETTO, SANTOS e MONTENEGRO, 2004). Os aneurismas ocorrem em artérias de médio a grande calibre, sendo a grande maioria assintomática até que se rompam, muitas vezes encontrados por acaso em exames de imagem. O exame físico nesse caso não é muito sensível, podendo apenas se ouvir um sopro na ausculta, indicando um fluxo sanguíneo turbulento dentro do aneurisma. Em casos de aneurismas torácicos e abdominais, podem ser observados alargamento e expansão da pulsação arterial. Sendo assim, são indicados exames complementares de imagem (Figura 2), para providenciar o plano de intervenção e acompanhamento ao paciente (FERRO et al., 2012). Figura 2 Reconstrução tomográfica para diagnóstico de aneurisma de aorta abdominal FONTE: CARDOZO, 2013.

14 Estenose Arterial A estenose arterial é caracterizada como um estreitamento anormal da parede vascular, acometendo principalmente artérias de pequeno calibre e que são tortuosas e/ou sofrem bifurcações na sua trajetória. Similarmente ao aneurisma, é causada por acúmulo gradativo de placas ateromatosas nos vasos, podendo causar obstrução parcial ou total do fluxo sanguíneo (Figura 3). É comum, nesse caso, a apresentação de processo inflamatório reagindo ao ateroma (aterosclerose). Complicações como derrame e isquemia podem ocorrer devido à obstrução do fluxo sanguíneo, que se não forem tratadas a tempo podem levar a consequências graves ao paciente (ARAÚJO JUNIOR e GUIMARÃES, 2003). Figura 3 Representação didática de placas ateromatosas nas artérias renais D e E FONTE: CARDOZO, Devido apresentar um quadro clínico e sintomatologia própria, a estenose pode ser diagnosticada clinicamente, e como forma de exatidão diagnóstica, são feitos exames complementares, preferencialmente por imagem. Os sintomas podem variar de acordo com a localização da lesão. Por exemplo, quando a estenose é localizada em artérias ilíacas ou poplíteas, pode levar o paciente à claudicação limitante, enfraquecimento dos músculos ou ulcerações nos membros inferiores; quando em artérias renais, resulta, na maioria das vezes, a uma hipertensão arterial severa (hipertensão renovascular) e/ou perda da função renal e atrofia, pela falta de fluxo sanguíneo (FELDMAN et al., 2008; YOSHIDA et al., 2008). Quando não há precisão diagnóstica, o médico responsável pode optar por exames complementares como a determinação do Índice Tornozelo-Braquial (ITB), importante aliado na identificação e quantificação do fluxo arterial, e exames por imagem como Angiografia, Ultrassonografia (US) com Doppler, Tomografia Computadorizada (TC) e Ressonância Magnética (RM). A angiografia (Figura 4) é considerada o padrão-ouro para avaliação de

15 14 fluxo sanguíneo no diagnóstico de estenoses, porém, em muitos centros tem sido substituída pela TC (Figura 5), que apesar de também usar radiação ionizante, não é invasiva, apresentando protocolo específico para vasos sanguíneos, com alta resolução e possibilidade de reconstrução espacial da imagem, oferecendo alta sensibilidade e especificidade na detecção de estenoses (ARAÚJO JUNIOR e GUIMARÃES, 2003). Figura 4 Angiografia evidenciando estenose na artéria renal D FONTE: Endovascular SP Figura 5 Reconstrução tomográfica para diagnóstico de estenose de artéria renal D e evidência de isquemia por diminuição do fluxo sanguíneo FONTE: OMICS Publishing Group.

16 TERAPEUTICA ENDOVASCULAR Os métodos terapêuticos atuais tem seguido a tendência da Medicina que é o da menor invasibilidade possível. A terapia com uso de endopróteses vasculares tem seguido essa tendência, se apresentando como um procedimento com baixo risco de reações adversas e pouca invasibilidade, quando comparado aos métodos convencionais e possibilidade de repetição, se destacando como o principal método de tratamento dos pacientes com doenças vasculares (GRUDTNER, 2001; PEREIRA e GRUDTNER, 2003). O procedimento cirúrgico endovascular utiliza um sistema de cateteres que são introduzidos por via percutânea ou por dissecção cirúrgica no interior dos vasos sanguíneos, podendo por meio deles obter imagens do interior dos vasos, e, se haver necessidade, intervir. Com a introdução da ATP na clínica médica, a necessidade de dissecção cirúrgica tem perdido aos poucos sua utilidade no tratamento de doenças vasculares, diminuindo a morbidade advinda de um procedimento convencional cirúrgico (GRUDTNER, 2001) Angioplastia Transluminal Percutânea O desenvolvimento dos sistemas de guias e cateteres representa um avanço importante na técnica da ATP, tornando o procedimento possível em situações anatômicas desfavoráveis, quer seja pela configuração da lesão ou do calibre do vaso afetado, permitindo o tratamento de diversas doenças que anteriormente só poderiam ser tratadas com o uso de procedimentos cirúrgicos (PEREIRA e GRUDTNER, 2003). Apesar de os resultados em longo prazo da ATP serem inferiores aos dos procedimentos cirúrgicos convencionais, a angioplastia vem ganhando seu espaço como método alternativo ou complementar em vários casos clínicos, principalmente em casos de risco proibitivo da realização de dissecção cirúrgica. A associação de ATP e stents, da mesma forma, também tem sido frequentemente indicada nas situações de falha da angioplastia, no tratamento da reestenose pós-angioplastia e em certas lesões arteriais complexas (KERSTEIN e WHITE, 1995). É de extrema importância para esse estudo o entendimento do que seria um paciente com alto risco cirúrgico, a ponto de tal risco tornar proibitiva a prática do procedimento cirúrgico convencional. A literatura médica conta com várias definições a esse respeito, mas entra no consenso de que pacientes que apresentam idade acima de 80 anos, instabilidade dos níveis de creatinina sérica, insuficiência pulmonar, disfunção cardíaca e falência hepática se enquadram no grupo considerado de alto risco cirúrgico e estão mais propensos à realização

17 16 do procedimento menos invasivo proporcionado pelo método endovascular de tratamento (BREWSTER et al., 2003; MENARD et al., 2003). A dilatação com balão nas lesões vasculares oclusivas tem como objetivo principal o aumento do diâmetro do lúmen arterial, o suficiente para reestabelecer a adequada perfusão tecidual (Figura 6). As vias de acesso ao sistema arterial dependem sempre da localização da lesão, sendo escolhida a via mais próxima, e do padrão de doença oclusiva que o paciente apresenta, facilitando o procedimento terapêutico. Os sítios de acesso mais comumente usados são femoral, braquial e axilar, sendo o acesso femoral o mais comum dentre eles, tanto para diagnóstico quando para terapia, devido principalmente à facilidade de punção proveniente do diâmetro do vaso (CRIADO, 1999). A ATP com balão é uma técnica de simples execução. Como ação primária, é definida a via de acesso percutâneo e administrado um anticoagulante intravenoso (heparina UI). A seguir, o cateter-balão é introduzido sobre a guia. Dependendo da localização e característica da lesão a ser dilatada, um cateter guia pode ser selecionado para facilitar o procedimento. No local da estenose ou oclusão, o balão é inflado mediante a injeção de solução de contraste pelo cateter. Após o balão ser desinflado é realizada uma arteriografia de controle para se avaliar o resultado do procedimento. Em caso de aneurismas, não é necessário o uso de cateter balão (PEREIRA e GRUDTNER, 2003). Figura 6 (A) Posicionamento do cateter-balão no vaso ocluído parcialmente por placa ateromatosa. (B) Balão dilatado, desobstruindo o vaso. (C) Fluxo sanguíneo normalizado. FONTE: Saúde e Medicina

18 Endopróteses Vasculares As endopróteses utilizadas no tratamento de afecções vasculares são estruturas tubulares confeccionadas com metal, em forma de malha, que tem a propriedade de se expandir, moldando-se à luz do vaso, mantendo o lúmen arterial aberto (por meio de pressão mecânica) e evitando reestenoses em áreas submetidas à angioplastia com balão. O termo nominal mais usado para referir-se às endopróteses vasculares é stent, que vem do epônimo Charles Thomas Stent ( ), um dentista que criou um material moldável com a finalidade de manter, em uma determinada posição, um enxerto cutâneo (LOBATO, 2006; PUECH-LEÃO, 2006). As formas de inserção dos stents podem variar de acordo com o procedimento indicado pelo médico e do tipo de lesão apresentado pelo paciente, e podem ser classificados em: stent direto (inserido antes da expansão por balão), stent primário (inserção após ATP) e implante seletivo de stent (inserido após resultado da ATP). A maioria dos stents é implantada de forma seletiva, sendo indicados em casos de estenose residual, recuo elástico, ulcerações de placa, oclusões e reestenose. Já o stent primário pode ser empregado em caso de oclusões, lesões de alto risco para reestenose e lesões maiores que oito centímetros. Seu uso é limitado em casos de tortuosidade acentuada do vaso e lesões muito calcificadas (SHNEIDER, 2003). Os stents podem ser divididos e classificados em vários fatores, como: mecanismo de implante (autoexpansivo, balão expansivo e memória térmica), formato dos anéis (células abertas ou fechadas), desenho estrutural das malhas formadas pelas hastes de metal (tubular ou espiral) ou quanto à composição metálica (NELKEN e SCHNEIDER, 2004). Os stents autoexpansivos são caracterizados por serem comprimidos por fina membrana de plástico sobre a circunferência externa de um cateter de pequeno calibre ou comprimidos no interior de cateteres de maior diâmetro (Figura 7). Quando ejetados, do cateter, expandem-se para o diâmetro da luz do vaso previamente dilatado por um balão de angioplastia, assumindo seu diâmetro normal. Esses stents possuem alta flexibilidade, o que permite a expansão a um limite predeterminado, após a remoção da bainha introdutora. São relativamente fáceis de implantar, porém, apresentam baixa resistência à compressão radial. Podem sofrer encurtamento e não são liberados com muita precisão quando comparados aos stents expansíveis por balão. Tais stents são indicados nas seguintes localizações: eixos aortoilíaco e femoro-poplíteo, carótidas e lesões não ostiais da artéria subclávia. Como exemplos desses tipos de stents, temos: Wallstent, Graggstent e Gianturco Z (ARAÚJO, CAIAFA e WERNECK, 1996; LEUNG et al., 2003; NELKEN e SHNEIDER, 2004).

19 18 Figura 7 Stent autoexpansivo comprimido por fina membrana plástica da marca Wallstent FONTE: Society for Study of Metallic Stents & Grafts. Quanto aos stents expansíveis por balão, são montados sobre cateteres balão de angioplastia e introduzidos até o local indicado, logo após ocorre a retirada da bainha e a insuflação do balão com solução salina, via cateter, expandindo o stent até o tamanho desejado (Figura 8). Esse mecanismo de implante permite que sejam colocados com maior precisão e apresentem boa resistência à compressão radial, mas possuem pouca elasticidade e pouca flexibilidade longitudinal. Devido à alta força radial, esses stents são indicados em caso de lesões ostiais e em locais com calcificações e com compressão externa. Os locais contraindicados para tais stents são os próximos às articulações, em volta de ossos e ligamentos e junto a pontos de flexão. As chances de embolização são diminuídas devido os stents se abrirem das pontas para o centro, fazendo com que o material aterosclerótico da parede vascular se desloque da periferia para centro. Como exemplos de stents com esse mecanismo de implante, temos: Palmaz, Strecker e Gianturco-Robin (GRUDTNER, 2001; LEUNG et al., 2003; NELKEN e SHNEIDER, 2004). Figura 8 Modelo de stent expansível por balão FONTE: TopNews Network

20 19 Os stents com memória térmica (Figura 9) assumem seus formatos originais se expandindo após exposição à temperatura corporal. Essa característica se dá por se tratarem de um composto de liga de níquel-titânio, chamada nitinol, que à temperatura corpórea se enrijece, mas, ao alcançar a temperatura de 0 torna-se de consistência pastosa. Esse fenômeno permite que ele seja acondicionado em cateteres de pequeno diâmetro, logo, podem ser inseridos em vasos de pequeno calibre, quando comparado aos outros tipos. A irrigação com soro gelado no momento da aplicação torna o stent amolecido, permitindo que ele seja ejetado da luz do cateter. Ao entrar em contato com o sangue à temperatura corporal, o stent volta ao seu estado rígido à medida que vai se expandindo e ocupando a área previamente dilatada com balão de angioplastia. Podemos citar como exemplos: Gragg Nitinol, Memotherm e VascuCoil (GRAGG et al., 1983; HENRY et al., 1995; NELKEN e SHNEIDER, 2004). Figura 9 Stent com memória térmica confeccionado em nitinol FONTE: CORTEXMED A arquitetura dos stents e a flexibilidade longitudinal têm um efeito importante na resposta do paciente ao tratamento. O formato é composto de anéis que podem ser tanto de montagem individual como por acumulação sequencial em um padrão de repetição. Os anéis individuais podem ser simplesmente acoplados uns aos outros. O outro tipo é a junção sequencial de anéis, utilizando uma variedade de conexões que também conferem propriedades aos stents (NELKEN e SHNEIDER, 2004). Os espaços entre os anéis são chamados de células, que podem ser fechadas ou abertas. As células fechadas são conectadas entre si por conectores não flexíveis, o que produz uma estrutura forte e durável em áreas que não estão sujeitas as forças de quebra ou que não precisem de flexibilidade. Essa falta de flexibilidade pode causar problemas, não apenas em áreas de tortuosidade, mas também em alvos retos com acessos difíceis (por

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar:

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar: A cirurgia endovascular agrupa uma variedade de técnicas minimamente invasivas mediante as quais CIRURGIA ENDOVASCULAR = CIRURGIA SEM CORTES! Técnicas Minimamente Invasivas As técnicas de cirurgia endovascular

Leia mais

Sessão Cardiovascular

Sessão Cardiovascular Sessão Cardiovascular Dr Carlos Jader Feldman Priscila Schenkel R3 26/10/2012 Sexo feminino, 46 anos Hemiplegia à esquerda Dissecção arterial 3 camadas: -intima, média, adventícia Dissecção = ruptura na

Leia mais

Indicações e Resultados do Tratamento Percutâneo de Obstruções à Via de Saída do VD

Indicações e Resultados do Tratamento Percutâneo de Obstruções à Via de Saída do VD Indicações e Resultados do Tratamento Percutâneo de Obstruções à Via de Saída do VD Carlo B Pilla e Cardiologia Intervencionista SBHCI 2012 Obstruções à VSVD Estenose subvalvar pulmonar* Estenose valvar

Leia mais

REUNIÃO TEMÁTICA ANGIOGRAFIA: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DE PATOLOGIA ISQUÉMICA MEMBROS INFERIORES. Frederico Cavalheiro Março 2011

REUNIÃO TEMÁTICA ANGIOGRAFIA: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DE PATOLOGIA ISQUÉMICA MEMBROS INFERIORES. Frederico Cavalheiro Março 2011 REUNIÃO TEMÁTICA ANGIOGRAFIA: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DE PATOLOGIA ISQUÉMICA MEMBROS INFERIORES Frederico Cavalheiro Março 2011 INTRODUÇÃO Doença vascular periférica, pode corresponder a qualquer entidade

Leia mais

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR)

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR) HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR) REVISÃO DE DOENÇA DE ARTÉRIA CORONÁRIA Seu coração é uma bomba muscular poderosa. Ele é

Leia mais

ANEURISMA DE AORTA. ESTADO DA ARTE

ANEURISMA DE AORTA. ESTADO DA ARTE ANEURISMA DE AORTA. CORREÇÃO POR VIA ENDO-VASCULAR ESTADO DA ARTE Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia Seção Médica de Radiologia 2010 ACCF/AHA/AATS/ACR/ASA/SCA/SCAI/SIR/STS SVM Guidelines for the

Leia mais

TRATAMENTO PERCUTÂNEO DA AORTA TORÁCICA

TRATAMENTO PERCUTÂNEO DA AORTA TORÁCICA TRATAMENTO PERCUTÂNEO DA AORTA TORÁCICA Álvaro Laranjeira Santos Serviço de Cirurgia Cardiotorácica CHLC- Hospital Santa Marta Sistematização Grupo 1 Aorta descendente c TEVAR isolado Grupo 2 Arco aórtico

Leia mais

Cardiologia Hemodinâmica

Cardiologia Hemodinâmica 1 Concurso Público 2011 Cardiologia Hemodinâmica Questão 1: Homem de 40 anos de idade, brasileiro (RJ), solteiro e comerciante, apresentou dor precordial intensa, acompanhada de palpitações e desencadeada

Leia mais

cateter de Swan-Ganz

cateter de Swan-Ganz cateter de Swan-Ganz Dr. William Ganz Dr. Jeremy Swan A introdução, por Swan e Ganz, de um cateter que permitia o registro de parâmetros hemodinâmicos na artéria pulmonar a partir de 1970 revolucionou

Leia mais

Portaria nº 451 de 12 de Julho de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais,

Portaria nº 451 de 12 de Julho de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Portaria nº 451 de 12 de Julho de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando que a angioplastia arterial periférica associada ao uso de prótese endovascular

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM RESSONÂNCIA E TOMOGRAFIA CARDIOVASCULAR

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM RESSONÂNCIA E TOMOGRAFIA CARDIOVASCULAR CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM RESSONÂNCIA E TOMOGRAFIA CARDIOVASCULAR Coordenadores: Drs. Clerio Azevedo e Marcelo Hadlich 1. Objetivos do Programa Proporcionar, aos pós-graduandos, formação especializada

Leia mais

DICIONÁRIO DE TERMOS DA HEMODINÂMICA

DICIONÁRIO DE TERMOS DA HEMODINÂMICA DICIONÁRIO DE TERMOS DA HEMODINÂMICA Aneurisma: dilatação e protusão localizada da parede de um vaso (principalmente artéria) ou do coração, decorrente de uma fragilidade estrutural local. Angina: também

Leia mais

Conheça alguns termos comumente utilizados na Hemodinâmica

Conheça alguns termos comumente utilizados na Hemodinâmica Conheça alguns termos comumente utilizados na Hemodinâmica O QUE É CATETERISMO CARDÍACO? O Cateterismo Cardíaco é um procedimento realizado com o objetivo de diagnosticar e/ou tratar inúmeras patologias

Leia mais

Abordagem da reestenosee. Renato Sanchez Antonio

Abordagem da reestenosee. Renato Sanchez Antonio Abordagem da reestenosee oclusões crônicas coronárias Renato Sanchez Antonio Estudos iniciais de seguimento clínico de pacientes com angina estável demonstraram que o percentual de mortalidade aumentou

Leia mais

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/ 5ª Reunião de Casos www.digimaxdiagnostico.com.br/ Caso 1 Paciente J.M., 81 anos, sexo masculino. TC sem contraste TC com contraste Diagnóstico Aneurisma roto da aorta abdominal, parcialmente trombosado,

Leia mais

Doenças Vasculares. Flebite ou Tromboflebite. Conceito:

Doenças Vasculares. Flebite ou Tromboflebite. Conceito: Doenças Vasculares Tromboflebiteé uma afecção na qual se forma um coágulo numa veia, em conseqüência de flebite ou devido à obstrução parcial da veia. Flebiteé a inflamação das paredes de uma veia. Causas:

Leia mais

Um tratamento. endovascular para. aneurismas de. aorta abdominal

Um tratamento. endovascular para. aneurismas de. aorta abdominal Um tratamento endovascular para aneurismas de aorta abdominal Sumário Introdução 1 O que é um aneurisma de aorta abdominal (AAA)? 3 Página Quais são alguns dos sintomas de um aneurisma de aorta abdominal

Leia mais

Sumário. Data: 17/12/2012

Sumário. Data: 17/12/2012 Nota Técnica: 53 /2012 Solicitante: Des. Vanessa Verdolim Hudson Andrade 1ª Câmara Cível TJMG Numeração: 1.0439.12.014415-9/001 Data: 17/12/2012 Medicamento Material X Procedimento Cobertura TEMA: Uso

Leia mais

Protocolo de Procedimentos para Cirurgia Endovascular

Protocolo de Procedimentos para Cirurgia Endovascular Protocolo de Procedimentos para Cirurgia Endovascular Presidente Guilherme Benjamin Brandão Pitta Secretário Geral Marcelo Araujo Coordenador Dino Fecci Colli Protocolo de Angiorradiologia e Cirurgia

Leia mais

fundação portuguesa de cardiologia Nº. 12 Dr. João Albuquerque e Castro REVISÃO CIENTÍFICA: [CIRURGIA VASCULAR DO CENTRO HOSPITALAR LISBOA CENTRAL]

fundação portuguesa de cardiologia Nº. 12 Dr. João Albuquerque e Castro REVISÃO CIENTÍFICA: [CIRURGIA VASCULAR DO CENTRO HOSPITALAR LISBOA CENTRAL] fundação portuguesa de cardiologia TUDO O QUE DEVE SABER SOBRE ANEURISMAS DA AORTA ABDOMINAL Nº. 12 REVISÃO CIENTÍFICA: Dr. João Albuquerque e Castro [CIRURGIA VASCULAR DO CENTRO HOSPITALAR LISBOA CENTRAL]

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO VASCULAR

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO VASCULAR 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO VASCULAR QUESTÃO 21 Paciente com síndrome isquêmica crônica dos membros inferiores de longa data apresentando queixa de claudicação incapacitante

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

Estado Atual do Tratamento do AVCI Agudo: Literatura e Experiência Pessoal. Workshop de Intervenção em Ginecologia e Obstetrícia

Estado Atual do Tratamento do AVCI Agudo: Literatura e Experiência Pessoal. Workshop de Intervenção em Ginecologia e Obstetrícia AUDITÓRIO II PROGRAMA SIMPÓSIO SBNRDT 09h00-12h30 12h30-14h00 14h00-15h45 14h00-14h35 14h35-15h10 15h10-15h45 15h45-16h15 16h15-16h45 16h45-18h30 STROKE I Tratamento do AVCI Agudo - Indicações Clínicas

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 12

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 12 8 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 12 QUESTÃO 17 Na cirurgia eletiva de aneurisma de aorta, associada a rim em ferradura com o istmo funcionante e cobrindo grande parte da aorta abdominal, qual

Leia mais

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida Colesterol O que é Isso? X O que é o Colesterol? Colesterol é uma gordura encontrada apenas nos animais Importante para a vida: Estrutura do corpo humano (células) Crescimento Reprodução Produção de vit

Leia mais

DO TERMO DE CONSENTIMENTO

DO TERMO DE CONSENTIMENTO : DO TERMO DE CONSENTIMENTO AO CHECK LIST E fªl i Li Enfª Luciana Lima Hospital Procardíaco Aliança Mundial para Segurança do paciente Cirurgias seguras salvam vidas Check list baseado nas recomendações

Leia mais

Baseado no Caso Clínico Abaixo Responda as Questões 1 e 2.

Baseado no Caso Clínico Abaixo Responda as Questões 1 e 2. PROVA RESIDÊNCIA MÉDICA 2015/2016 ÁREA DE ATUAÇÃO: ANGIORRADIOLOGIA E CIRURGIA ENDOVASCULAR 1 Baseado no Caso Clínico Abaixo Responda as Questões 1 e 2. Paciente 80 anos, insuficiência cardíaca em tratamento

Leia mais

INSTITUTO DE DOENÇAS CARDIOLÓGICAS

INSTITUTO DE DOENÇAS CARDIOLÓGICAS Página: 1/7 1- CONSIDERAÇÕES GERAIS 1.1- As doenças cardiovasculares são, ainda hoje, as principais responsáveis pela mortalidade na população geral, no mundo ocidental. Dentre as inúmeras patologias que

Leia mais

Retinopatia Diabética

Retinopatia Diabética Retinopatia Diabética A diabetes mellitus é uma desordem metabólica crónica caracterizada pelo excesso de níveis de glicose no sangue. A causa da hiper glicemia (concentração de glicose igual ou superior

Leia mais

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas Pós Operatório Cirurgias Torácicas Tipos de Lesão Lesões Diretas fratura de costelas, coluna vertebral ou da cintura escapular, hérnia diafragmática, ruptura do esôfago, contusão ou laceração pulmonar.

Leia mais

TÉCNICA EM RADIOLOGIA

TÉCNICA EM RADIOLOGIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO Hospital Universitário TÉCNICA EM RADIOLOGIA Parte I: Múltipla Escolha Hospital Universitário

Leia mais

2. HIPERTENSÃO ARTERIAL

2. HIPERTENSÃO ARTERIAL TESTE ERGOMETRICO O teste ergométrico serve para a avaliação ampla do funcionamento cardiovascular, quando submetido a esforço físico gradualmente crescente, em esteira rolante. São observados os sintomas,

Leia mais

Intervenções percutâneas. Tratamento das obstruções da via de saída do Ventrículo Esquerdo

Intervenções percutâneas. Tratamento das obstruções da via de saída do Ventrículo Esquerdo Intervenções percutâneas Tratamento das obstruções da via de saída do Ventrículo Esquerdo Célia Maria C. Silva Declaro que não existe conflito de interesse nesta minha apresentação Estenose Valvar Aórtica

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Essencial para a utilização bem sucedida da prótese para o amputado da extremidade inferior:

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Essencial para a utilização bem sucedida da prótese para o amputado da extremidade inferior: 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CIRURGIA VASCULAR 21. Essencial para a utilização bem sucedida da prótese para o amputado da extremidade inferior: I. Reserva cardiopulmonar. II. Coto construído corretamente.

Leia mais

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PÓS-OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: UMA PERSPECTIVA BIBLIOGRÁFICA

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PÓS-OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: UMA PERSPECTIVA BIBLIOGRÁFICA INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PÓS-OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: UMA PERSPECTIVA BIBLIOGRÁFICA INTRODUÇÃO Antonio Quaresma de Melo Neto NOVAFAPI Marcos Maciel Soares e Silva NOVAFAPI Marcelo

Leia mais

Stents farmacológicos e diabetes

Stents farmacológicos e diabetes Stents farmacológicos e diabetes Constantino González Salgado Hospital Pró Cardíaco Realcath-RealCordis HUPE-UERJ DM analisando o problema O Diabetes Mellitus é doença sistêmica de elevada prevalência

Leia mais

Tratamento do Aneurisma da Aorta Abdominal por Cateter. anos, principalmente nos últimos cinqüenta anos. Uma doença antes não tratável, hoje

Tratamento do Aneurisma da Aorta Abdominal por Cateter. anos, principalmente nos últimos cinqüenta anos. Uma doença antes não tratável, hoje Tratamento do Aneurisma da Aorta Abdominal por Cateter Felipe Puricelli Faccini Cirurgião Vascular Introdução: O tratamento do aneurisma da aorta abdominal tem evoluído muito ao longo dos anos, principalmente

Leia mais

Curso de Revisão para Enfermagem em Intervenção Cardiovascular 2012

Curso de Revisão para Enfermagem em Intervenção Cardiovascular 2012 Serviço de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista Hospital São Paulo Hospital do Rim e Hipertensão UNIFESP - EPM Curso de Revisão para Enfermagem em Intervenção Cardiovascular 2012 Eduardo Rodrigues

Leia mais

Como escolher um método de imagem? - Dor abdominal. Aula Prá:ca Abdome 1

Como escolher um método de imagem? - Dor abdominal. Aula Prá:ca Abdome 1 Como escolher um método de imagem? - Dor abdominal Aula Prá:ca Abdome 1 Obje:vos Entender como decidir se exames de imagem são necessários e qual o método mais apropriado para avaliação de pacientes com

Leia mais

Em que situações se deve realizar um eco- doppler arterial dos membros inferiores.

Em que situações se deve realizar um eco- doppler arterial dos membros inferiores. O que é um eco- doppler? O eco- doppler, ultrassonografia vascular ou triplex- scan é um método de imagem que se baseia na emissão e reflecção de de ondas de som (ultra- sons). Através deste exame é possível

Leia mais

Lista com cerca de 1500 produtos testados em campos de pelo menos 1,5 T - site : www.mrisafety.com

Lista com cerca de 1500 produtos testados em campos de pelo menos 1,5 T - site : www.mrisafety.com SEGURANÇA - RM Lista com cerca de 1500 produtos testados em campos de pelo menos 1,5 T - site : www.mrisafety.com Agulhas e pistolas de biópsia: para procedimentos invasivos guiados por RM, tais materiais

Leia mais

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS BENIGNOS Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS

Leia mais

PROGRAMAS COM ANOS ADICIONAIS: CIRURGIA VASCULAR

PROGRAMAS COM ANOS ADICIONAIS: CIRURGIA VASCULAR Edital Nº 03/2015 RESIDÊNCIA MÉDICA 2016 CADERNO DE QUESTÕES DATA: 1º DE NOVEMBRO DE 2015. PROGRAMAS COM ANOS ADICIONAIS: CIRURGIA VASCULAR ÿû C ESPECIALIDADE: Cirurgia Vascular (R3) Área de Atuação: Ecografia

Leia mais

Seleção dos pacientes

Seleção dos pacientes Livro(Atlas) Dr. Otoni Moreira Gomes e Alfredo Fiorelli Capítulo Tratamento endovascular das patologias da aorta Dr. Eduardo Keller Saadi* *Mestre e Doutor em Medicina *Pós Doutorado pelo Royal Brompton

Leia mais

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta.

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Prezado(a) candidato(a): Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Nº de Inscrição Nome ASSINALE A RESPOSTA

Leia mais

DISSECÇÃO AÓRTICA. Eurival Soares Borges Revisão - Ronaldo Ducceschi Fontes DEFINIÇÃO HISTÓRICO ETIOLOGIA CLASSIFICAÇÃO PATOGÊNESE E HISTÓRIA NATURAL

DISSECÇÃO AÓRTICA. Eurival Soares Borges Revisão - Ronaldo Ducceschi Fontes DEFINIÇÃO HISTÓRICO ETIOLOGIA CLASSIFICAÇÃO PATOGÊNESE E HISTÓRIA NATURAL Eurival Soares Borges Revisão - Ronaldo Ducceschi Fontes DISSECÇÃO AÓRTICA DEFINIÇÃO HISTÓRICO ETIOLOGIA CLASSIFICAÇÃO PATOGÊNESE E HISTÓRIA NATURAL QUADRO CLÍNICO DIAGNÓSTICO TRATAMENTO CLÍNICO INDICAÇÃO

Leia mais

Introdução à Neuroimagem

Introdução à Neuroimagem FACULDADE DE MEDICINA/UFC-SOBRAL MÓDULO SISTEMA NERVOSO NEUROANATOMIA FUNCIONAL Introdução à Neuroimagem Prof. Gerardo Cristino Aula disponível em: www.gerardocristino.com.br Neuroimagem Técnicas de Imagem

Leia mais

INTERVENÇÃO EM PONTES DE SAFENA

INTERVENÇÃO EM PONTES DE SAFENA INTERVENÇÃO EM PONTES DE SAFENA IV Curso José Gabay para Intervencionistas em Treinamento de ProEducar - SOLACI Helio Roque Figueira JULHO de 2013 helioroque@uol.com.br LESÕES EM PONTE DE SAFENA 1- A FISIOPATOLOGIA.

Leia mais

- CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR. 3) ANATOMIA DO CORAÇÃO HUMANO - O coração é um órgão oco localizado no meio do peito, na cavidade torácica;

- CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR. 3) ANATOMIA DO CORAÇÃO HUMANO - O coração é um órgão oco localizado no meio do peito, na cavidade torácica; - CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR 1) FUNÇÕES DO SISTEMA CARDIOVASCULAR - Propulsão do sangue por todo o organismo; - Transporte de substâncias como o oxigênio (O 2 ), dióxido de carbono ou gás carbônico

Leia mais

Doenças do Sistema Circulatório

Doenças do Sistema Circulatório Doenças do Sistema Circulatório Dados Mundiais: Mortes por grupos de causas - 2000 Total de Mortes: 55.694.000 Causas Externas ( 9.1%) Doenças Não Transmissíveis (59.0%) Doenças transmissíveis, mortalidade

Leia mais

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA TECNOLOGIA EM TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA II

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA TECNOLOGIA EM TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA II PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA TECNOLOGIA EM TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA II 1 O SEMESTRE DE 2015 PROFESSORES: Andréa de Lima Bastos Giovanni Antônio Paiva de Oliveira 1. EMENTA: Procedimentos, Protocolos,

Leia mais

DISCIPLINA DE RADIOLOGIA UFPR

DISCIPLINA DE RADIOLOGIA UFPR DISCIPLINA DE RADIOLOGIA UFPR MÓDULO ABDOME AULA 2 AVALIAÇÃO INTESTINAL POR TC E RM Prof. Mauricio Zapparoli Neste texto abordaremos protocolos de imagem dedicados para avaliação do intestino delgado através

Leia mais

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma 8 Epidemiologia da Atividade Física & Doenças Crônicas: Diabetes Dênis Marcelo Modeneze Graduado em Educação Física Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde-UNICAMP Em pleno

Leia mais

URGÊNCIAS VASCULARES TRAUMAS VASCULARES

URGÊNCIAS VASCULARES TRAUMAS VASCULARES URGÊNCIAS VASCULARES Trauma Trombo-Embolia Infecções Aneurismas Iatrogenia Arterial Venosa Pé Diabético Roto -Roto Os serviços de cirurgia vascular da SES/DF são encontrados nos seguintes hospitais: HBDF

Leia mais

CAV - Centro de Acesso Vasculares

CAV - Centro de Acesso Vasculares CAV - Centro de Acesso Vasculares Exames Complementares Paulo Almeida Cirurgião Vascular Centro Hospitalar do Porto Hospital Santo António GEV- Grupo Estudos Vasculares Consulta de AcessosVasculares: Mapeamento

Leia mais

Como Indicar (bem) Tomografia Computadorizada (TC) e Ressonância Magnética (RM)

Como Indicar (bem) Tomografia Computadorizada (TC) e Ressonância Magnética (RM) Como Indicar (bem) Tomografia Computadorizada (TC) e Ressonância Magnética (RM) Dra. Luciana Baptista Artigo originalmente publicado no caderno Application do Jornal Interação Diagnóstica n.01, abril/maio

Leia mais

PROFISSIONAL(IS) SOLICITANTE(S) Clínico Geral; Clínica Médica; Pediatra; Ginecologista; Geriatra.

PROFISSIONAL(IS) SOLICITANTE(S) Clínico Geral; Clínica Médica; Pediatra; Ginecologista; Geriatra. CONSULTA EM ANGIOLOGIA - GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 Motivos para encaminhamento: 1. Varizes em membros inferiores 2. Úlceras de pernas 3. Insuficiência circulatória arterial/venosa com dor e

Leia mais

DOENÇA ARTERIAL PERIFÉRICA (DAP) Prof. Abdo Farret Neto

DOENÇA ARTERIAL PERIFÉRICA (DAP) Prof. Abdo Farret Neto DOENÇA ARTERIAL PERIFÉRICA (DAP) Prof. Abdo Farret Neto DOENÇA ARTERIAL PERIFÉRICA (DAP) OBJETIVOS DO APRENDIZADO SOBRE DAP 1. Aprender a DIANOSTICAR a doença 2. Identificar e tratar adequadamente os FATORES

Leia mais

É uma fratura comum que ocorre em pessoas de todas as idades. Anatomia. Clavícula

É uma fratura comum que ocorre em pessoas de todas as idades. Anatomia. Clavícula Fratura da Clavícula Dr. Marcello Castiglia Especialista em Cirurgia do Ombro e Cotovelo É uma fratura comum que ocorre em pessoas de todas as idades. Anatomia O osso da clavícula é localizado entre o

Leia mais

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO EM PACIENTES SUBMETIDOS À ANGIOPLASTIA CORONARIANA

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO EM PACIENTES SUBMETIDOS À ANGIOPLASTIA CORONARIANA 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO EM PACIENTES SUBMETIDOS À ANGIOPLASTIA CORONARIANA Gisele Escudeiro 1 ; Willian Augusto de Melo 2 RESUMO: As doenças cardiovasculares

Leia mais

Implante Implante Transcateter Valvar Valvar Aórtico: Curso de Pós Graduação Lato Sensu Hospital Beneficência Portuguesa SP Maio/2010

Implante Implante Transcateter Valvar Valvar Aórtico: Curso de Pós Graduação Lato Sensu Hospital Beneficência Portuguesa SP Maio/2010 Implante Implante Transcateter Valvar Valvar Aórtico: Indicações, Aórtico: Indicações, Critério de Critério Seleção de e Seleção Resultados e Resultados Curso de Pós Graduação Lato Sensu Hospital Beneficência

Leia mais

Raio X e Tomografia Computadorizada

Raio X e Tomografia Computadorizada Raio X e Tomografia Computadorizada Processamento de Imagens e Sinais Biológicos Aluno: Diego Cordeiro Barboza Professora: Aura Conci 04/2010 Sumário Introdução Descoberta Geração Imagens com Raio X Tomografia

Leia mais

1. Resumo executivo... 2 2. Conclusão... 2 2.1... 2 2.2. Recomendação... 2 3. Análise da solicitação... 2

1. Resumo executivo... 2 2. Conclusão... 2 2.1... 2 2.2. Recomendação... 2 3. Análise da solicitação... 2 NTRR 22/2014 Solicitante: BERNADETE PORTUGAL SIMÃO Data:31 /01 /2014 Medicamento x Material Procedimento Cobertura Número do processo: 0001041-06.2014.8.13.0444 Réu: Estado de Minas Gerais TEMA: Aneurisma

Leia mais

Por que a Varicocele causa Infertilidade Masculina?

Por que a Varicocele causa Infertilidade Masculina? O Nosso protocolo assistencial tem como base as diretrizes e normas elaboradas pela Society of Interventional Radiology (SIR) O Que é a Varicocele? Entende-se por varicocele à dilatação anormal (varizes)

Leia mais

COLÉGIO AMERICANO DE MEDICINA ESPORTIVA Posicionamento Oficial Exercício para Pacientes com Doença Arterial Coronariana

COLÉGIO AMERICANO DE MEDICINA ESPORTIVA Posicionamento Oficial Exercício para Pacientes com Doença Arterial Coronariana COLÉGIO AMERICANO DE MEDICINA ESPORTIVA Posicionamento Oficial Exercício para Pacientes com Doença Arterial Coronariana RESUMO Posicionamento Oficial do Colégio Americano de Medicina Esportiva: Exercise

Leia mais

NewsLetter LINUS. ENDOPRÓTESE STENT-GRAFT Tratamento de Aneurisma de Aorta Abdominal. www.braile.com.br

NewsLetter LINUS. ENDOPRÓTESE STENT-GRAFT Tratamento de Aneurisma de Aorta Abdominal. www.braile.com.br NewsLetter Boletim Científico ano 6 novembro 2015 nº39 Biológica & Soluções Cardiovascular Eletromecânica Endovascular Oncologia LINUS ENDOPRÓTESE STENT-GRAFT Tratamento de Aneurisma de Aorta Abdominal

Leia mais

Sistema circulatório

Sistema circulatório Sistema circulatório O que é: também conhecido como sistema cardiovascular é formado pelo coração e vasos sanguíneos. Tal sistema é responsável pelo transporte de nutrientes, gases, hormônios, excreções

Leia mais

RAIOS-X. preto. cinza. branco. AR Gordura Osso

RAIOS-X. preto. cinza. branco. AR Gordura Osso RAIOS-X AR Gordura Osso preto cinza branco Radiotransparente Radiopaco Imagens formadas pelas diferentes DENSIDADES radiográficas GÁS GORDURA TECIDOS MOLES/ ÁGUA OSSO Radiologia torácica Primeira opção

Leia mais

Protocolo de Dor Torácica / Doença Arterial Coronariana (DAC)

Protocolo de Dor Torácica / Doença Arterial Coronariana (DAC) Protocolo de Dor Torácica / Doença Arterial Coronariana (DAC) 1 - Epidemiologia No Brasil, as doenças cardiovasculares (DCV) representam a principal causa de mortalidade. Calcula-se que existam 900.000

Leia mais

Maria da Conceição Muniz Ribeiro

Maria da Conceição Muniz Ribeiro Maria da Conceição Muniz Ribeiro Os miomas são a principal causa de histerectomia em nosso meio, sendo responsável por um terço do total de indicações de histerectomia. Aproximadamente 30 a 50% de todas

Leia mais

Idade, ela pesa 07/07/ 2015. Minhavida.com.br

Idade, ela pesa 07/07/ 2015. Minhavida.com.br Todo mundo quer viver muitos anos, não é mesmo? Mas você já se questionou se está somando mais pontos contra do que a favor na busca pela longevidade? Por isso mesmo, um estudo da Universidade da Califórnia,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ALCIDES CARNEIRO DIA - 20/12/2009 CARGO: CIRURGIÃO CARDÍACO C O N C U R S O P Ú B L I C O - H U A C / 2 0 0 9 Comissão de

Leia mais

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004.

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Artigo comentado por: Dr. Carlos Alberto Machado Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Kwok Leung Ong, Bernard M. Y. Cheung, Yu Bun

Leia mais

ARTÉRIAS E VEIAS. Liga Acadêmica de Anatomia Clínica. Hugo Bastos. Aula III

ARTÉRIAS E VEIAS. Liga Acadêmica de Anatomia Clínica. Hugo Bastos. Aula III ARTÉRIAS E VEIAS Aula III Liga Acadêmica de Anatomia Clínica Hugo Bastos Salvador BA 23 de Agosto de 2011 Sistema circulatório Responsável pelo transporte de líquidos (sangue ou linfa) por todo o corpo.

Leia mais

FÍGADO. Veia cava inferior. Lobo direito. Lobo esquerdo. Ligamento (separa o lobo direito do esquerdo) Vesícula biliar

FÍGADO. Veia cava inferior. Lobo direito. Lobo esquerdo. Ligamento (separa o lobo direito do esquerdo) Vesícula biliar FÍGADO É o maior órgão interno È a maior glândula É a mais volumosa de todas as vísceras, pesa cerca de 1,5 kg no homem adulto, e na mulher adulta entre 1,2 e 1,4 kg Possui a coloração arroxeada, superfície

Leia mais

Aneurisma da aorta abdominal. Residente: Danilo Cerqueira R3 Coordenador: Prof. Dr. Giuseppe D Ippolito 03/09/2009

Aneurisma da aorta abdominal. Residente: Danilo Cerqueira R3 Coordenador: Prof. Dr. Giuseppe D Ippolito 03/09/2009 Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina Departamento de Diagnóstico por Imagem Reunião de Abdome Aneurisma da aorta abdominal Residente: Danilo Cerqueira R3 Coordenador: Prof. Dr.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Curso de Graduação em Enfermagem Liga de Enfermagem em Neurologia

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Curso de Graduação em Enfermagem Liga de Enfermagem em Neurologia UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Curso de Graduação em Enfermagem Liga de Enfermagem em Neurologia Acidente Vascular Cerebral Isquêmico em Crianças, as, Acidente Vascular Cerebral Hemorrágico na Criança

Leia mais

TOMOGRAFIA E RESSONÂNCIA CARDIOVASCULAR. Renato Sanchez Antonio Santa Casa RP

TOMOGRAFIA E RESSONÂNCIA CARDIOVASCULAR. Renato Sanchez Antonio Santa Casa RP TOMOGRAFIA E RESSONÂNCIA CARDIOVASCULAR Renato Sanchez Antonio Santa Casa RP Tomografia Técnica baseada em radiografia com uso colimadores para restringir feixes Realizada na mesma fase do ciclo cardíaco

Leia mais

03/05/2012. Radiografia simples do abdome

03/05/2012. Radiografia simples do abdome Radiografia simples do abdome 3 1 Contrastados: Urografia Excretora Injeção EV Contraste iodado Opacificação: 1. Parênquima renal 2. Sistema coletor 3. Bexiga e uretra 4 Litíase urinária Caso cr Rx simples:

Leia mais

PROTOCOLO DE PROCEDIMENTO PARA CIRURGIA ENDOVASCULAR DA SBACV Estado atual Implantação Nacional

PROTOCOLO DE PROCEDIMENTO PARA CIRURGIA ENDOVASCULAR DA SBACV Estado atual Implantação Nacional Protocolo de Angiorradiologia e Cirurgia Endovascular chamado agora de: PROTOCOLO DE PROCEDIMENTO PARA CIRURGIA ENDOVASCULAR DA SBACV Estado atual Implantação Nacional Aos colegas associados da SBACV Estamos

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR

SISTEMA CARDIOVASCULAR SISTEMA CARDIOVASCULAR Professora: Edilene biologolena@yahoo.com.br Sistema Cardiovascular Sistema Cardiovascular Composto pelo coração, pelos vasos sanguíneos e pelo sangue; Tem por função fazer o sangue

Leia mais

RCC- Radiologia Clínica de Campinas A Imagem da sua Saúde RESSONÂNCIA MAGNÉTICA 3.0 TESLA

RCC- Radiologia Clínica de Campinas A Imagem da sua Saúde RESSONÂNCIA MAGNÉTICA 3.0 TESLA RCC- Radiologia Clínica de Campinas A Imagem da sua Saúde RESSONÂNCIA MAGNÉTICA 3.0 TESLA ABERTURA 70 CM + TIM SUPER ALTO CAMPO - ALTA RESOLUÇÃO MAIOR VELOCIDADE - MAIOR COMODIDADE PREZADO COLEGA Com grande

Leia mais

A. Patologias vasculares B. Choque C. Hemostasia. 2 Letícia C. L. Moura

A. Patologias vasculares B. Choque C. Hemostasia. 2 Letícia C. L. Moura Alterações Circulatórias Edema, Hiperemiae e Congestão, Hemorragia, Choque e Hemostasia PhD Tópicos da Aula A. Patologias vasculares B. Choque C. Hemostasia 2 Patogenia Edema A. Patologias Vasculares Fisiopatogenia

Leia mais

Agenda. Nódulo da Tireóide. Medicina Nuclear. Medicina Nuclear em Cardiologia 17/10/2011

Agenda. Nódulo da Tireóide. Medicina Nuclear. Medicina Nuclear em Cardiologia 17/10/2011 Agenda Medicina Nuclear Endocrinologia Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com O objetivo desta aula é abordar a Medicina nuclear em endocrinologia (notadamente aplicações Câncer de Tireóide).

Leia mais

FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - FUPAC

FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - FUPAC FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - FUPAC FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERLÂNDIA Imagenologia: Técnicas Radiológicas II Prof. Msc Ana Paula de Souza Paixão Biomedicina 5º P Método de diagnóstico

Leia mais

Professor: João Paulo ALGUNS PROBLEMAS CARDIOVASCULARES. Prof: João Paulo

Professor: João Paulo ALGUNS PROBLEMAS CARDIOVASCULARES. Prof: João Paulo ALGUNS PROBLEMAS CARDIOVASCULARES Prof: João Paulo SOPRO NO CORAÇÃO É uma alteração no fluxo do sangue dentro do coração, provocada por problemas em uma ou mais válvulas cardíacas ou por lesões nas paredes

Leia mais

2 Imagens Médicas e Anatomia do Fígado

2 Imagens Médicas e Anatomia do Fígado 2 Imagens Médicas e Anatomia do Fígado Neste capítulo são apresentados os tipos de dados utilizados neste trabalho e a anatomia do fígado, de onde foram retiradas todas as heurísticas adotadas para segmentação

Leia mais

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Disciplina: Farmacologia Curso: Enfermagem TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Professora: Ms. Fernanda Cristina Ferrari Controle da Pressão Arterial Sistêmica Controle Neural estimulação dos

Leia mais

ULTRA SOM - HISTÓRIA

ULTRA SOM - HISTÓRIA ULTRA SOM Usa ondas de som para interagir com tecidos Mostra características específicas de tecidos Ondas mecânicas e longitudinais que viajam através da matéria Em ondas longitudinais, o movimento do

Leia mais

PÔSTERES DIA 13/11/2015-08:00 ÀS 12:00 TÍTULO

PÔSTERES DIA 13/11/2015-08:00 ÀS 12:00 TÍTULO 1 PÔSTERES DIA 13/11/2015-08:00 ÀS 12:00 A CIRCULAÇÃO EXTRACORPOREA NA CIRURGIA CARDÍACA BRASILEIRA: HISTÓRICO, AVANÇOS E DESAFIOS. 2 A DISSECÇÃO AÓRTICA E O TRATAMENTO ENDOVASCULAR 3 A IMPORTÂNCIA DA

Leia mais

Figura 1 Principais áreas de atuação

Figura 1 Principais áreas de atuação AVALIAÇÃO DO IMPACTO DA GREVE DA ANVISA NO SETOR DE SAÚDE A Associação Brasileira da Indústria de Alta Tecnologia de Equipamentos, Produtos e Suprimentos Médico-Hospitalares realizou junto as suas empresas

Leia mais

PARECER CREMEB Nº 32/10 (Aprovado em Sessão da 3ª Câmara de 13/05/2010)

PARECER CREMEB Nº 32/10 (Aprovado em Sessão da 3ª Câmara de 13/05/2010) PARECER CREMEB Nº 32/10 (Aprovado em Sessão da 3ª Câmara de 13/05/2010) EXPEDIENTE CONSULTA N.º 169.266/09 ASSUNTO: Tratamento endovascular do aneurisma da aorta abdominal justarenal. RELATOR: Cons. Luiz

Leia mais

EXAME 2014 RESIDÊNCIA COM PRÉ-REQUISITO: CIRURGIA VASCULAR

EXAME 2014 RESIDÊNCIA COM PRÉ-REQUISITO: CIRURGIA VASCULAR EXAME 2014 RESIDÊNCIA COM PRÉ-REQUISITO: CIRURGIA VASCULAR Instruções Leia atentamente e cumpra rigorosamente as instruções que seguem, pois elas são parte integrante das provas e das normas que regem

Leia mais

EXAMES DE IMAGEM EM DOENÇAS VASCULARES CEREBRAIS

EXAMES DE IMAGEM EM DOENÇAS VASCULARES CEREBRAIS EXAMES DE IMAGEM EM DOENÇAS VASCULARES CEREBRAIS Neuroimagem desempenha um papel vital nas doenças vasculares do encéfalo: Definir isquemia ou hemorragia; Estimar o risco de infarto no tecido cerebral;

Leia mais

ENOXALOW enoxaparina sódica. Forma farmacêutica e apresentações Solução injetável. Via de administração: IV/SC

ENOXALOW enoxaparina sódica. Forma farmacêutica e apresentações Solução injetável. Via de administração: IV/SC ENOXALOW enoxaparina sódica Forma farmacêutica e apresentações Solução injetável. Via de administração: IV/SC 20 mg/0,2 ml cartucho com 1 ou 10 seringas. 40 mg/0,4 ml cartucho com 1 ou 10 seringas. 60

Leia mais

3. FORMAÇÃO DA IMAGEM

3. FORMAÇÃO DA IMAGEM 3. FORMAÇÃO DA IMAGEM 3.1 INTRODUÇÃO O sistema de geração da imagem de RM emprega muitos fatores técnicos que devem ser considerados, compreendidos e algumas vezes modificados no painel de controle durante

Leia mais

Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Integração e Regulação do Sistema

Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Integração e Regulação do Sistema PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES DE ANGIOGRAFIA RADIODIAGNÓSTICA GRUPO 13 SUBGRUPO DEZEMBRO 2007 1 A ANGIOGRAFIA RADIODIAGNÄSTICA CARACTERIZA-SE POR SER EXAME DE ALTA COMPLEXIDADE E ALTO CUSTO, PORTANTO DEVE

Leia mais

Complicações relacionadas ao cateterismo cardíaco e intervenção percutânea

Complicações relacionadas ao cateterismo cardíaco e intervenção percutânea Hospital Dr. Hélio Angotti Complicações relacionadas ao cateterismo cardíaco e intervenção percutânea Dr. Achilles Gustavo da Silva Introdução Procedimento relativamente seguro Riscos bem definidos de

Leia mais

Desdobrável de informação ao paciente

Desdobrável de informação ao paciente Desdobrável de informação ao paciente Doença cardíaca coronária Secções para este tópico: Introdução Sintomas Causas Diagnóstico Tratamento Prevenção Hiperligações seleccionadas Introdução Para que funcione,

Leia mais

O que são varizes? IX Semana Estadual de Saúde Vascular

O que são varizes? IX Semana Estadual de Saúde Vascular O que são varizes? Varizes são veias que se tornaram dilatadas e tortuosas ao longo das pernas. Algumas varizes são calibrosas e evidentes na pele. Outras, de menor calibre, chamadas de microvarizes ou

Leia mais