FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E DA SAÚDE IBES - Instituto Brasileiro de Educação e Saúde Curso de Licenciatura Plena em Educação Física

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E DA SAÚDE IBES - Instituto Brasileiro de Educação e Saúde Curso de Licenciatura Plena em Educação Física"

Transcrição

1 FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E DA SAÚDE IBES - Instituto Brasileiro de Educação e Saúde Curso de Licenciatura Plena em Educação Física Dayane Camelo Silva Especialista em Saúde Pública com Ênfase em Estratégia de Saúde da Família pelo CEEN/PUC - GO. Graduado em Enfermagem pela UNIP - GO. Enfermeira e Coordenadora da Estratégia de Saúde da Família Nova Iguaçu/Go Currículo lattes: MSN: Jussara GO 2012

2 RESUMO A Anatomia é uma palavra grega que significa cortar em partes, cortar separado sem destruir os elementos componentes. O equivalente em português é dissecação. É também, a parte da biologia que estuda a morfologia ou estrutura dos seres vivos. Pode ser tradicional ou clássica, a qual diverge em cada país, e internacional onde o significado dos termos anatômicos são os mesmos, mas sua escrita e leitura são traduzidos para cada nação conforme a sua língua de origem. No final do último século, foi criado uma comissão de eminentes autoridades de vários países da Europa e Estados Unidos denominada BNA (Basle Nomina Anatomica) que foi substituída pela PNA (Paris Nomina Anatomica). Esta comissão é responsável pela nomenclatura anatômica que será utilizada em todo o mundo. Com base neste órgão, em relação aos Estudos de Educação Física, a Posição Anatômica é considerada: posição de sentido de um atleta (posição ereta), isto é, de pé, com as mãos espalmadas, dedos unidos, palmas voltadas para frente. Dedos dos pés para diante e pés unidos. Já em anatomia para análise, o nosso corpo pode ser dividido de diversas formas de acordo com o plano que estamos analisando. O esqueleto humano constitui a estrutura que dá apoio ao corpo, protege os órgãos internos e assegura a realização dos movimentos, juntamente com o sistema muscular. Compete ainda aos ossos o armazenamento e o fornecimento de minerais vitais e a formação de células sanguíneas. De acordo com a anatomia do esqueleto humano, o membro inferior é formado por cintura pélvica, coxa, perna e pé, composto por 30 ossos em cada lado. Os membros inferiores são mais fortes e resistentes que os superiores, pois são responsáveis pelo processo de locomoção, sustentação do corpo e postura. Desses 30 ossos que formam o membro inferior 26 ficam no pé. As articulações do membro inferior são conexões habituais existentes entre dois ou mais ossos, nos vertebrados, ou entre os artículos dos apêndices dos invertebrados. Essas uniões não só colocam as peças do esqueleto em contato, como também permitem que o crescimento ósseo ocorra e que certas partes do esqueleto mudem de forma durante o parto. Além disto, capacitam que partes do corpo se movimentem em resposta a contração muscular. Embora apresentem consideráveis variações entre elas, as articulações possuem certos aspectos estruturais e funcionais em comum que permitem classificá-las em três grandes grupos: fibrosas, cartilaginosas e sinoviais. O critério para esta divisão é o da natureza do elemento que se interpõe às peças que se articulam. Já os músculos são estruturas individualizadas que cruzam uma ou mais articulações e pela sua contração são capazes de transmitir-lhes movimento (células especializadas-fibras musculares). Os músculos são capazes de transformar energia química em energia mecânica. São estruturas anatômicas que apresentam a capacidade de se contrair, sob estímulos.

3 REVISÃO DE LITERATURA Anatomia Humana A Anatomia humana é um campo especial dentro da anatomia. Ele estuda grandes estruturas e sistemas do corpo humano, deixando o estudo de tecidos para a histologia e das células para a citologia. O corpo humano, como no corpo de todos os animais, consiste de sistemas, que são formados de órgãos, que são constituídos de tecidos, que por sua vez são formados de células. Anatomicamente, o nosso corpo pode ser dividido de diversas formas de acordo com o plano que estamos analisando. Se considerarmos: O plano sagital, estaremos divididos em direita e esquerda. o plano frontal, estaremos divididos em parte anterior e posterior. o plano transversal, estaremos divididos em parte superior e inferior. Nossos ossos e músculos tem como função básica nos sustentar e nos movimentar, respectivamente. Todos os nossos músculos estão ligados a, pelo menos, dois ossos (um em cada extremidade) através de seus tendões. A esta região onde encontram-se dois ou mais ossos chamamos de articulação. Ao contrair, os músculos, necessariamente, realiza o movimento em direção a aproximação destes ossos onde está inserido ( grudado ). Ao relaxar ele para de fazer força e o corpo volta a posição inicial. Por este motivo cada músculo é capaz de realizar a flexão ou extensão da articulação por onde passa.

4 O membro inferior tem função de sustentação do peso corporal, locomoção, tem a capacidade de mover-se de um lugar para outro e manter o equilíbrio. Os membros inferiores são conectados ao tronco pelo cíngulo do membro inferior (ossos do quadril e sacro). OSSOS DO MEMBRO INFERIOR O esqueleto humano constitui a estrutura que dá apoio ao corpo, protege os órgãos internos e assegura a realização dos movimentos, juntamente com o sistema muscular. Compete ainda aos ossos o armazenamento e o fornecimento de minerais vitais e a formação de células sanguíneas. Dividi-se em duas partes principais: esqueleto axial e esqueleto apendicular. O esqueleto axial consiste de 80 ossos na cabeça e tronco do corpo humano. Ele é composto por cinco partes: o crânio humano, os ossículos do ouvido interno, o osso hióide da garganta, o tórax e a coluna vertebral. Já o esqueleto apendicular é composto pelos ossos dos membros superiores e inferiores. Esqueleto Axial: Ossos da cabeça

5 O crânio forma uma caixa resistente onde se encontra alojado o encéfalo, sendo constituído por 8 ossos, uns pares e outros ímpares: os parietais, o frontal, o occipital, os temporais e inferiormente o esfenóide e o etmóide. Já a face, apresenta as órbitas onde se alojam os olhos, os ossos nasais, os malares, os maxilares superiores e o maxilar inferior ou mandíbula. Ossos do Tronco Os ossos do tronco formam a chamada caixa torácica que protege os pulmões e o coração. São formados por ossos planos como o esterno e as costelas, e irregulares como as vértebras, formando a porção truncal do esqueleto axial. Resumindo temos: 33 vértebras, 01 esterno e 24 costelas, sendo 12 pares.

6 Esqueleto Apendicular: Tipos de Ossos Em relação à forma, existem três tipos principais de ossos: Ossos longos, como as costelas, o fêmur, o úmero e outros ossos dos membros; Ossos largos ou laminares, como escápula e ossos ilíacos; Ossos curtos, de forma arredondada ( assemelha-se a um cubo) possuem as três dimensões mais ou menos iguais e só são encontrados no tornozelo(tarso) e punho (carpo). Ossos sesamóides ou supranumerarios, temos com exemplo a patela. Presentes no interior de alguns tendões, que sofram um stresse físico e tensão, como palmas e plantas. Ossos Irregulares, como as vértebras.

7 Ossos do Membro Inferior Os ossos dos membros inferiores são em números de 60 e podem ser divididos em quatro segmentos: Cintura Pélvica - Ilíaco (Osso do Quadril) Coxa - Fêmur e Patela Perna - Tíbia e Fíbula Pé - Ossos do Pé Ossos da Cintura Pélvica ou Cíngulo Pélvico A cintura pélvica é uma importante parte do nosso corpo, pois é nela que está localizado o ísquio, que é onde nos apoiamos ao sentar. Deve ser lembrado que o termo bacia, que é mais utilizado, refere-se ao espaço limitado pelos ossos ilíaco, sacro e cóccix. Parte do grupo dos ossos dos membros inferiores e formado pela pelve, a cintura pélvica é uma articulação triaxial estável responsável pela sustentação e estabilização do tronco além de proteção das vísceras. Na pelve e no tronco se mantém o centro de gravidade das forças. O osso do quadril é constituído pela fusão de três ossos: o íleo (superior), ísquio (inferior) e púbis (antero-inferior). Anteriormente, os dois ossos do quadril se unem e se articulam na região da sínfise púbica. Já posteriormente, ambos vão se articular com o sacro. Assim, o anel ósseo formado entre o íleo, ísquio e pubis, além do sacro e cóccix (este parte da coluna vertebral) compõem a pelve. Há quatro classificações de abertura superior da pelve humana: Ginecóide: comum entre as mulheres, é arredondada, favorável ao parto; Andróide: comum entre os homens, tem forma de coração; Antropóide: forma oval, estreita, alongada; Platipelóide: forma achatada.

8 Embora haja características da forma andróide e ginecóide, poucas pelves são tipicamente masculinas ou femininas. Na mulher, geralmente os ossos são mais finos e leves; a cavidade é menos afunilada e os relevos musculares não são proeminentes. Aida, as distâncias entre as espinhas e os tubérculos esquiáticos são maiores, a incisura isquiática é maior e mais larga, além de apresentar a superfície do sacro para a articulação com o ílio e a L5 menores. Já no homem, as espinhas são mais robustas do que a da mulher e projetam-se mais para dentro da cavidade pélvica. A abertura superior também é váriável. Na pelve fetal, ainda que algumas diferenças sexuais sejam observadas, não ha grandes diferenças. A pelve do recém nascido, de ambos os sexos, tem a abertura superior na forma ovoidal, e seu longo eixo é anteroposterior. Na infância, as medidas da estrutura pélvica total são maiores nos meninos. A estrutura interna, sobretudo a abertura superior da pelve, tendem a ser maiores nas meninas. Maiores diferenças sexuais vão ocorrer na puberdade. Nos seres humanos, a pelve contém os principais componentes abdominais - terminais dos ureteres, bexiga, órgãos genitais, pélvicos, reto, vasos sanguíneos, vasos linfáticos e nervos. Ainda nas mulheres, ovários e útero. A pelve das mulheres se apresentam mais largas do que a dos homens, para acomodar o feto na gestação. Fêmur O fêmur é o único osso da coxa, situado entre a anca e o joelho. Para além de ser o osso mais comprido do organismo, é o muito robusto e resistente. À semelhança de todos os ossos longos, o fêmur também apresenta duas extremidades, denominadas epífises, e uma parte central, designada diáfise. A extremidade superior apresenta uma proeminência arredondada (2/3 de circunferência), que se denomina de cabeça, encontrando-se orientada para cima, para dentro e para frente de modo a encaixar-se na cavidade cotiloide do ilíaco, ao nível da anca ou articulação coxofemoral. A cabeça encontra-se unida à diáfise através de um segmento mais estreito e oblíquo, denominado colo, cuja base apresenta duas proeminências destinadas à inserção de músculos muito importantes,

9 denominados grande trocanter ou externo e pequeno trocanter ou interno. A diáfise, ou corpo, tem uma forma semelhante a um prisma triangular e não é totalmente reta, pois apresenta uma ligeira inclinação. A epífise inferior apresenta duas proeminências em ambos os lados, as quais devem permitir a articulação do joelho com a tíbia, sendo denominadas de côndilo externo e côndilo interno. Estas encontram-se separadas na parte inferior por um canal de superfície lisa, denominado tróclea. Para além disso, a parte inferior apresenta uma cavidade onde se encontra alojada a rótula.

10 Patela A patela é um osso curto, de forma arredondada e praticamente triangular, embora pareça plana quando vista de perfil, fazendo parte da articulação do joelho. A patela é um pequeno osso anexo ao tendão terminal do músculo quadríceps crural, adiante da articulação do joelho. Na verdade, como apenas a parte de trás entra em contato com a face anterior da extremidade inferior do fêmur, sobre a qual se desloca nos movimentos de flexão e extensão, a patela não desempenha um papel significativo na articulação do joelho. A sua missão consiste, assim, em proteger os componentes mais significativos do joelho em caso de traumatismos. Tíbia É um dos dois ossos longos da perna e o mais robusto, e encontra-se paralelamente ao perônio ou fíbula. A epífise superior (larga) apresenta duas concavidades praticamente planas, as cavidades glenóides da tíbia, separadas entre si por uma proeminência denominada superfície interglenóide; na parte da frente existe outra proeminência, denominada tuberosidade anterior da tíbia. A diáfise, ou corpo, é muito resistente e tem um corte triangular. A epífise inferior apresenta uma superfície lisa que se articula no tornozelo com o astrágalo; a parte externa é composta pela chanfradura peronial que se deve articular com o perônio ou fíbula e, na extremidade interna, acaba numa proeminência óssea - o maléolo interno.

11 Perônio ou Fíbula O perônio ou fíbula é um osso longo da perna, estando situado na parte externa paralelamente à tíbia, embora seja muito menos grosso e resistente. A epífise superior, ou cabeça, encontra-se lateralmente articulada com a extremidade superior da tíbia. A epífise inferior, através da qual o perônio e/ou fíbula permanece articulado na zona do tornozelo com a tíbia e com o astrágalo, apresenta na extremidade exterior uma proeminência designada maléolo externo.

12

13 Ossos do Pé O esqueleto do pé é formado por um total de 26 ossos dispostos em três setores: o tarso, o metatarso e as falanges. Tarso: Este setor do pé, que corresponde à parte de trás, é constituído por sete ossos dispostos em duas filas: na posterior, o astrágalo e o calcâneo; na anterior, o cubóide, o escafóide e os três cuneiformes. O astrágalo é o único osso do pé que se encontra em contacto com os ossos da perna, na medida em que se articula com a tíbia e com o perônio ou fíbula na zona do tornozelo, com o calcâneo na zona inferior e com o escafóide na parte da frente. O calcâneo, o maior e mais robusto dos ossos do tarso, está situado na parte posterior e estende-se até uma proeminência, ou tuberosidade, correspondente ao calcanhar, estabelecendo uma ligação com o astrágalo na parte de cima e com o cubóide na parte da frente. Na segunda fila do tarso, o escafóide está lateralmente ligado ao cubóide e, na da frente, aos três cuneiformes, enquanto que o cubóide, o cuneiforme externo e o cuneiforme interno se encontram alinhados. Metatarso: Este setor é formado por cinco ossos denominados metatársicos, correspondendo cada um a cada dedo, designados de I a V, começando pelo que corresponde ao primeiro dedo. São ossos compridos, com uma diáfise central e duas epífises, das quais a proximal denomina-se base e a distal, com um formato arredondado, é conhecida por cabeça. Na extremidade proximal, os metatársicos articulam-se com os ossos do tarso, enquanto que na extremidade distal cada osso articula-se com a correspondente falange de cada dedo. Dedos do pé: Os dedos do pé são formados por três ossos, à exceção do primeiro dedo, que apenas apresenta dois. Embora sejam pequenos, os dedos do pé têm ossos longos, formados por uma diáfise e duas epífises, sendo a proximal denominada base e a distal (arredondada) designada cabeça. Embora cada um destes ossos seja denominado falange podem ser especificamente distinguidos como falange proximal, falange média (que é o osso ausente no primeiro dedo) e falange distal.

14 ARTICULAÇÕES DO MEMBRO INFERIOR As ligações entre os ossos do esqueleto que permitem a mobilidade são as articulações. Existem 3 tipos de articulações: Articulações imóveis: não permitem qualquer tipo de movimento. Articulações semimóveis: permite movimentos pouco amplos. Articulações móveis: movimentos são amplos. IMÓVEIS MÓVEIS MÓVEIS MÓVEIS SEMIMÓVEIS MÓVEIS SEMIMÓVEIS As articulações são conexões habituais existentes entre dois ou mais ossos, nos vertebrados, ou entre os artículos dos apêndices dos invertebrados. Essas uniões não só colocam as peças do esqueleto em contato, como também permitem que o crescimento ósseo ocorra e que certas partes do esqueleto mudem de forma durante o parto. Além disto, capacitam que partes do corpo se movimentem em resposta a contração muscular. Embora apresentem consideráveis variações entre elas, as articulações possuem certos aspectos estruturais e funcionais em comum que permitem classificá-las em três grandes grupos: fibrosas, cartilaginosas e sinoviais. O critério para esta divisão é o da natureza do elemento que se interpõe às peças que se articulam. Articulações Fibrosas As articulações nas quais o elemento que se interpõe às peças que se articulam é o tecido conjuntivo fibroso são ditas fibrosas (ou sinartroses). O grau de mobilidade delas, sempre pequeno, depende do comprimento das fibras interpostas.

15 Articulações Cartilaginosas Nas articulações cartilaginosas, os ossos são unidos por cartilagem pelo fato de pequenos movimentos serem possíveis nestas articulações, elas também são chamadas de anfiartroses. Existem dois tipos de articulações cartilagíneas: Sincondroses Os ossos de uma articulação do tipo sincondrose estão unidos por uma cartilagem hialina. Muitas sincondroses são articulações temporárias, com a cartilagem sendo substituída por osso com o passar do tempo (isso ocorre em ossos longos e entre alguns ossos do crânio). As articulações entre as dez primeiras costelas e as cartilagens costais são sincondroses permanentes. Sínfises As superfícies articulares dos ossos unidos por sínfises estão cobertas por uma camada de cartilagem hialina. Entre os ossos da articulação, há um disco fibrocartilaginoso, sendo essa a característica distintiva da sínfise. Esses discos por serem compressíveis permitem que a sínfise absorva impactos. A articulação entre os ossos púbicos e a articulação entre os corpos vertebrais são exemplos de sínfises. Durante o desenvolvimento as duas metades da mandíbula estão unidas por uma sínfise mediana, mas essa articulação torna-se completamente ossificada na idade adulta. Articulações Sinoviais A mobilidade exige livre deslizamento de uma superfície óssea contra outra e isto é impossível quando entre elas interpõe-se um meio de ligação, seja fibroso ou cartilagíneo. Para que haja o grau desejável de movimento, em muitas articulações, o elemento que se interpõe às peças que se articulam é um líquido denominado sinóvia, ou líquido sinovial. Articulação Sacroilíaca A articulação sacroilíaca (AS) une a pelve à coluna, apresenta movimentação limitada e desempenha papel importante na transmissão de forças entre a parte superior e inferior do nosso corpo.

16 Articulação do Quadril ou Coxofemoral A coxofemoral é uma das articulações do membro inferior (M.I) a qual tem a função especifica de sustentação e locomoção do corpo humano. Esta é classificada como sinovial, esferoidal, permitindo movimento nos três planos (frontal, sagital e transversal). A articulação coxofemoral é composta por duas estruturas ósseas: o acetábulo constituído pelo encontro de três ossos (Ílio, Ísquio e Púbis) e a cabeça do fêmur sendo 2/3 esférica. Articulação do Joelho A articulação do joelho pode ser descrita como um gínglimo ou articulação em dobradiça (entre o fêmur e a tíbia) e plana (entre o fêmur e a patela); O joelho é uma articulação do corpo humano e de outros mamíferos. Formada pela extremidade distal do fêmur, pela extremidade proximal da tíbia e pela patela (rótula).

17 Articulação Tibiofibular A articulação tibiofibular formada pela extremidade inferior da tíbia e da fíbula, é uma sindesmose (articulação fibrosa permeada por tecido fibroso, como membrana ou ligamento interósseo), na qual um denso tecido fibroso mantém os ossos juntos. A tíbia e fíbula apresentam igual função no desenvolvimento e estabilização do tornozelo.

18 Articulação Talocrural A articulação do tornozelo (tibiotalar e talofibular) ou talocrural é a articulação distal do membro inferior. É composta da superfície articular côncava distal da tíbia, com seu maléolo e o maléolo lateral da fíbula, ambos formando a pinça do tornozelo ou pinça bimaleolar, que se articula com uma superfície convexa, a tróclea do tálus. Articulação Tarsometatársica plana. São as articulações entre os ossos do tarso e os ossos metatársicos. São sinoviais do tipo Articulação Metatarsofalângicas São articulações entre os ossos metatársicos e as falanges. São geralmente elipsóides. Articulação Interfalângicas São articulações em dobradiça, gíglimos. MÚSCULOS DO MEMBRO INFERIOR Miologia é parte da anatomia que estuda os músculos e seus anexos. Os músculos são estruturas individualizadas que cruzam uma ou mais articulações e pela sua contração são capazes de transmitir-lhes movimento (células especializadas-fibras musculares). São capazes de transformar energia química em energia mecânica. São estruturas anatômicas que apresentam a capacidade de se contrair, sob estímulos. E são compostas por: Ventre e Tendão.

19 O ventre é a parte carnosa, constituída por fibras musculares que se contraem. Já o tendão é a parte não contrátil e esta localizado nas extremidades dos músculos. É composto de tecido conjuntivo resistente e esbranquiçado. Funções dos Músculos a) Produção dos movimentos corporais: Movimentos globais do corpo, como andar e correr. b) Estabilização das Posições Corporais: A contração dos músculos estabilizam as articulações e participam da manutenção das posições corporais, como a de ficar em pé ou sentar.

20 c) Regulação do Volume dos Órgãos: A contração sustentada das faixas anelares dos músculos lisos (esfíncteres) pode impedir a saída do conteúdo de um órgão oco. d) Movimento de Substâncias dentro do Corpo: As contrações dos músculos lisos das paredes vasos sanguíneos regulam a intensidade do fluxo. Os músculos lisos também podem mover alimentos, urina e gametas do sistema reprodutivo. Os músculos esqueléticos promovem o fluxo de linfa e o retorno do sangue para o coração. e) Produção de Calor: Quando o tecido muscular se contrai ele produz calor e grande parte desse calor liberado pelo músculo é usado na manutenção da temperatura corporal. Classificação dos Músculos a) Superficiais ou Cutâneos: Estão logo abaixo da pele e apresentam no mínimo uma de suas inserções na camada profunda da derme. Estão localizados na cabeça (crânio e face), pescoço e na mão (região hipotenar). b) Profundos ou Subaponeuróticos: São músculos que não apresentam inserções na camada profunda da derme, e na maioria das vezes, se inserem em ossos. Estão localizados abaixo da fáscia superficial.

21 Formas Musculares a) Longos: São encontrados especialmente nos membros. Os mais superficiais são os mais longos, podendo passar duas ou mais articulações. Exemplo: Bíceps braquial. b) Curtos: Encontram-se nas articulações cujos movimentos tem pouca amplitude, o que não exclui força nem especialização. Exemplo: Músculos da mão.

22 c) Largos: Caracterizam-se por serem laminares. São encontrados nas paredes das grandes cavidades (tórax e abdome). Exemplo: Diafragma. Disposição das Fibras Musculares a) Reto: Paralelo à linha média. Ex: Reto abdominal. b) Transverso: Perpendicular à linha média. Ex: Transverso abdominal. c) Oblíquo: Diagonal à linha média. Ex: Oblíquo externo. Origem e Inserção Muscular a) Origem: Quando se originam de mais de um tendão. Ex. Bíceps, Quadríceps. b) Inserção: Quando se inserem em mais de um tendão. Ex: Flexor Longo dos Dedos. Funções Musculares a) Agonistas: São os músculos principais que ativam um movimento específico do corpo, eles se contraem ativamente para produzir um movimento desejado. Ex: Pegar uma chave sobre a mesa. b) Antagonistas: Músculos que se opõem à ação dos agonistas, quando o agonista se contrai, o antagonista relaxa progressivamente, produzindo um movimento suave.

23 c) Sinergistas: São aqueles que participam estabilizando as articulações para que não ocorram movimentos indesejáveis durante a ação principal. Ex: idem anterior, os sinergistas são estabilizadores do punho, cotovelo e ombro. d) Fixadores: Estabilizam a origem do agonista de modo que ele possa agir mais eficientemente. Estabilizam a parte proximal do membro quando move-se a parte distal. Nomenclaturas Musculares Derivado de fatores fisiológico e o topográfico: a) Ação: Extensor dos dedos. b) Ação Associada à Forma: Pronador redondo e pronador quadrado. c) Ação Associada à Localização: Flexor superficial dos dedos. d) Forma: Músculo Deltóide (letra grega delta). e) Localização: Tibial anterior. f) Número de Origem: Bíceps femoral e tríceps braquial. Tipos de Músculos Os músculos quanto ao seu tipo são classificados em: voluntários e involuntários. Os voluntários são aqueles que sua contração resulta de um ato de vontade. Possuem estrias transversais e pelo menos uma de suas extremidades prende-se ao esqueleto. Já os involuntários, são os músculos onde sua contração resulta de um ato inconsciente. Não possuem estriações transversais e são encontrados nas paredes das vísceras. Existem três tipos de músculos: Músculo estriado esquelético Músculo estriado cardíaco Músculo liso Todos os três tipos musculares têm as seguintes características: Podem contrair-se e encurtar, tornando-se mais tensos e duros, em resposta a um estímulo vindo do sistema nervoso; Podem ser distendidos, aumentando o seu comprimento; Podem retornar à forma e ao tamanho originais.

24 A propriedade do tecido muscular de se contrair chama-se contratilidade e a propriedade de poder ser distendido recebe o nome de elasticidade. Músculos Estriados Esquelético O tecido muscular estriado ou esquelético é formado por fibras musculares cilíndricas, finas e que podem medir vários centímetros de comprimento. Os músculos esqueléticos possuem uma coloração mais avermelhada. São também chamados de músculos estriados, já que apresentam estriações em suas fibras (fibrocélulas estriadas). São os responsáveis pelos movimentos voluntários; estes músculos se inserem sobre os ossos e sobre as cartilagens e contribuem, com a pele e o esqueleto, para formar o invólucro exterior do corpo. Músculo Estriado Cardíaco Histologicamente tem característica de músculo esquelético, mas funcionalmente tem característica de músculo liso. Assim como o tecido muscular esquelético, apresentam fibrocélulas bastante compridas. É também chamado de miocárdio, e constitui a parede do coração. Apesar de ser estriado, possui movimentos involuntários. Este músculo se contrai e relaxa sem parar. Entretanto, suas células são mononucleadas ou binucleadas, com núcleos localizados mais centralmente. Também possuem discos intercalares, que são linhas de junção entre uma célula e outra, que aparecem mais coradas que as estrias transversais. No tecido cardíaco, têm bastante importância as fibras de Purkinie, células responsáveis pela distribuição do impulso elétrico que gera a contração muscular às diversas fibrocélulas cardíacas. Músculo Liso O Músculo liso é um tecido muscular de contração involuntária e lenta, composta por células fusiformes mononucleadas. É encontrado nas paredes de órgãos ocos, tais como os vasos sanguíneos, na bexiga, no útero e no trato gastrointestinal. O músculo liso está presente nestes órgãos pois, por contrações peristálticas controladas automaticamente pelo Sistema Nervoso Autônomo, tem o papel preponderante de impulsionar sangue, urina, esperma, bile. As células do músculo liso podem também reagir a estímulos vindos de células vizinhas ou a hormônios (vasodilatadores ou vasoconstritores). Nestas células, os canais de cálcio induzem contração.

25 Estrutura Muscular Esquelética Os músculos estriados esqueléticos são compostos de três porções: uma média e extremidades. Porção Média (Ventre): é o ventre muscular, vermelho no vivente, vulgarmente chamado de carne. É a parte ativa (contrátil) do músculo por possuir fibras musculares. Extremidades: são estruturas formadas por tecido conjuntivo denso, rico em fibras colágenas, esbranquiçadas e brilhantes, de grande resistência e praticamente inextensíveis. Aponeurose é uma estrutura formada por tecido conjuntivo. Membrana que envolve grupos musculares. Geralmente apresenta-se em forma de lâminas ou em leques. Bainhas Tendíneas são estruturas que formam pontes ou túneis entre as superfícies ósseas sobre as quais deslizam os tendões. Sua função é conter o tendão, permitindo-lhe um deslizamento fácil. Bolsas Sinoviais são encontradas entre os músculos ou entre um músculo e um osso. São pequenas bolsas forradas por uma membrana serosa que possibilitam o deslizamento muscular. A PORÇÃO MÉDIA (VENTRE) B EXTREMIDADES

26 Tipos de Contrações Musculares a) Contração Concêntrica: o músculo se encurta e traciona outra estrutura, como um tendão, reduzindo o ângulo de uma articulação. Ex: Trazer um livro que estava sobre a mesa ao encontro da cabeça. b) Contração Excêntrica: quando aumenta o comprimento total do músculo durante a contração. Ex: idem anterior, porém quando recolocamos o livro sobre mesa c) Contração Isométrica: servem para estabilizar as articulações enquanto outras são movidas. Gera tensão muscular sem realizar movimentos. É responsável pela postura e sustentação de objetos em posição fixa. Ex: idem anterior, porém quando o livro é sustentado em abdução de 90. Componentes Anatômicos do Tecido Conjuntivo a) Fáscia Superficial separa os músculos da pele. b) Fáscia Muscular é uma lâmina ou faixa larga de tecido conjuntivo fibroso, que, abaixo da pele, circunda os músculos e outros órgãos do corpo. c) Epimísio é a camada mais externa de tecido conjuntivo, circunda todo o músculo. d) Perimísio circunda grupos de 10 a 100 ou mais fibras musculares individuais, separando-as em feixes chamados fascículos. Os fascículospodem ser vistos a olho nu. e) Endomísio é um fino revestimento de tecido conjuntivo que penetra no interior de cada fascículo e separa as fibras musculares individuais de seus vizinhos.

27 Origem e Inserção O Ponto de Origem é a extremidade do músculo presa à peça óssea que não se desloca, também chamado de PONTO FIXO. Já o Ponto de Inserção, é a extremidade do músculo presa á peça óssea que se desloca, também chamado de PONTO MÓVEL. Quanto à origem dos músculos, eles não nomeados de acordo com a quantidade de cabeças em sua origem. Bíceps: duas cabeças de origem Ex.: Bíceps Braquial Tríceps: três cabeças de origem Ex.: Tríceps Braquial Quadríceps: quatro cabeças de origem Ex.: Quadríceps Quanto à inserção, eles são nomeados de acordo com os tendões. Monocaudados: um tendão de inserção. Ex.: Panturrilha Bicaudado: dois tendões de inserção Ex.: Bíceps Braquial

28 Policaudado: três tendões de inserção. Ex.: extensor longo dos dedos Monocaudados Bicaudados

29 Policaudados Tipos Movimentos Musculares * Flexão: curvatura ou diminuição do ângulo entre os ossos ou partes do corpo. * Extensão: endireitar ou aumentar o ângulo entre os ossos ou partes do corpo.

30 * Adução: movimento na direção do plano mediano em um plano coronal. * Abdução: afastar-se do plano mediano no plano coronal. * Rotação Medial: traz a face anterior de um membro para mais perto do plano mediano. * Rotação Lateral: leva a face anterior para longe do plano mediano.

31 * Retrusão: movimento de retração (para trás) como ocorre na retrusão da mandíbula e no ombro. * Protrusão: movimento dianteiro (para frente) como ocorre na protrusão da mandíbula e no ombro. * Pronação: movimento do antebraço e mão que gira o rádio medialmente em torno de seu eixo longitudinal de modo que a palma da mão olha posteriormente. e no ombro. * Supinação: movimento do antebraço e mão que gira o rádio lateralmente em torno de seu eixo longitudinal de modo que a palma da mão olha anteriormente. e no ombro.

32 * Inversão: movimento da sola do pé em direção ao plano mediano. Quando o pé está totalmente invertido, ele também está plantifletido. * Eversão: movimento da sola do pé para longe do plano mediano. Quando o pé está totalmente evertido, ele também está dorsifletido.

33 Músculos da Região Glútea Os músculos da região glútea são divididos em:glúteo Máximo, Glúteo Médio, Glúteo Mínimo, Piriforme, Gêmeo Superior, Obturatório Interno, Gêmeo Inferior, Obturatório Externo e Quadrado Femural. GLÚTEO MÁXIMO Quadril (Região Glútea) Inserção Medial: Linha glútea posterior do íleo, sacro, cóccix e ligamento sacrotuberoso Inserção Lateral: Trato íleotibial da fáscia lata e tuberosidade glútea do fêmur Inervação: Nervo Glúteo Inferior (L5 - S2) Ação: Extensão e rotação lateral do quadril GLÚTEO MÉDIO Quadril (Região Glútea) Inserção Superior: Face externa do íleo entre a crista ilíaca, linha glútea posterior e anterior Inserção Inferior: Trocânter maior Inervação: Nervo Glúteo Superior (L4 - S1) Ação: Abdução e rotação medial da coxa

34 GLÚTEO MÍNIMO Quadril (Região Glútea) Inserção Superior: Asa ilíaca (entre linha glútea anterior e inferior) Inserção Inferior: Trocânter maior Inervação: Nervo Glúteo Superior (L4 - S1) Ação: Abdução e rotação medial da coxa. As fibras anteriores realizam flexão do quadril PIRIFORME Quadril (Região Glútea) Inserção Medial: Superfície pélvica do sacro e margem da incisura isquiática maior Inserção Lateral: Trocânter maior Inervação: Nervo para o músculo piriforme (S2) Ação: Abdução e rotação lateral da coxa

35 GÊMEO SUPERIOR Quadril (Região Glútea) Inserção Medial: Espinha isquiática Inserção Lateral: Trocânter maior Inervação: Nervo para o músculo gêmeo superior (L5 - S2) Ação: Rotação lateral da coxa OBTURATÓRIO INTERNO Quadril (Região Glútea) Inserção Medial: Face interna da membrana obturatória e ísquio Inserção Lateral: Trocânter maior e fossa trocantérica do fêmur Inervação: Nervo para o músculo obturatório interno (L5 - S2) Ação: Rotação lateral da coxa

36 GÊMEO INFERIOR Quadril (Região Glútea) Inserção Medial: Tuberosidade isquiática Inserção Lateral: Trocânter maior Inervação: Nervo para o músculo gêmeo inferior e quadrado femural (L4 - S1) Ação: Rotação lateral da coxa OBTURATÓRIO EXTERNO Quadril (Região Glútea) Inserção Medial: Ramos do púbis e ísquio e face externa da membrana obturatória Inserção Lateral: Fossa trocantérica do fêmur Inervação: Nervo para o músculo obturatório externo (L3 - L4) Ação: Rotação lateral da coxa

37 QUADRADO FEMORAL Quadril (Região Glútea) Inserção Medial: Tuberosidade isquiática Inserção Lateral: Crista intertrocantérica Inervação: Nervo para o músculo quadrado femural e gêmeo inferior (L4 - S1) Ação: Rotação lateral e adução da coxa Músculos da Coxa TENSOR DA FÁSCIA LATA Coxa - Região Ântero-Lateral Inserção Proximal: Crista ilíaca e EIAS Inserção Distal: Trato íleo-tibial Inervação: Nervo do Glúteo Superior (L4 - S1) Ação: Flexão, abdução e rotação medial do quadril e rotação lateral do joelho

38 SARTÓRIO Coxa - Região Ântero-Lateral Inserção Proximal: Espinha ilíaca ântero-superior Inserção Distal: Superfície medial da tuberosidade da tíbia (pata de ganso) Inervação: Nervo Femoral (L2 - L3) Ação: Flexão, abdução e rotação lateral da coxa e flexão e rotação medial do joelho QUADRÍCEPS Coxa - Região Ântero-Lateral Inserção Proximal: Reto Anterior: Espinha ilíaca ântero-inferior Vasto Lateral: Trocânter maior, linha áspera, linha intertrocantérica e tuberosidade glútea Vasto Medial: Linha áspera e linha intertrocantérica Vasto Intermédio: 2/3 proximais da face anterior e lateral do fêmur e ½ distal da linha áspera Inserção Distal: Patela e, através do ligamento patelar, na tuberosidade anterior da tíbia <="" font=""> Inervação: Nervo Femoral (L2 - L4) <="" font=""> Ação: Extensão do joelho e o reto femural realiza flexão do quadril. O vasto medial realiza rotação medial e o vasto lateral, rotação lateral

39 BÍCEPS FEMORAL Coxa - Região Posterior Inserção Proximal: Cabeça Longa: Tuberosidade isquiática e ligamento sacrotuberoso Cabeça Curta: Lábio lateral da linha áspera Inserção Distal: Cabeça da fíbula e côndilo lateral da tíbia Inervação: Nervo Isquiático (L5 - S2), exceto L5 para a cabeça longa Ação: Extensão do quadril, flexão do joelho e rotação lateral da coxa SEMITENDÍNEO Coxa - Região Posterior Inserção Proximal: Tuberosidade isquiática Inserção Distal: Superfície medial da tuberosidade da tíbia (pata de ganso) Inervação: Nervo Isquiático (L5 S2) Ação: Extensão do quadril, flexão e rotação medial do joelho

40 SEMIMEMBRANÁCEO Coxa - Região Ântero-Lateral Inserção Proximal: Tuberosidade isquiática Inserção Distal: Côndilo medial da tíbia Inervação: Nervo Isquiático (L5 S2) Ação: Extensão do quadril, flexão e rotação medial do joelho ISQUIOTIBIAIS Bíceps Femural + Semitendíneo + Semimembranáceo

41 GRÁCIL Coxa - Região Póstero-Medial Inserção Proximal: Sínfise púbica e ramo inferior do púbis Inserção Distal: Superfície medial da tuberosidade da tíbia (pata de ganso) Inervação: Nervo Obturatório (L2 L3) Ação: Adução da coxa, flexão e rotação medial do joelho PECTÍNEO Coxa - Região Póstero-Medial Inserção Proximal: Eminência ílo-pectínea, tubérculo púbico e ramo superior do púbis Inserção Distal: Linha pectínea do fêmur Inervação: Nervo Femoral (L2 - L4) Ação: Flexão do quadril e adução da coxa

42 ADUTOR LONGO Coxa - Região Póstero-Medial Inserção Proximal: Superfície anterior do púbis e sínfise púbica Inserção Distal: Linha áspera Inervação: Nervo Obturatório (L2 - L4) Ação: Adução da coxa ADUTOR CURTO Coxa - Região Póstero-Medial Inserção Proximal: Ramo inferior do púbis Inserção Distal: Linha áspera Inervação: Nervo Obturatório (L2 - L4) Ação: Adução da coxa

43 ADUTOR MAGNO Coxa - Região Póstero-Medial Inserção Proximal: Tuberosidade isquiática, ramo do púbis e do ísquio Inserção Distal: Linha áspera e tubérculo adutório Inervação: Nervo Obturatório (L2 - L4) e Nervo Isquiático (L4 à S1) Ação: Adução da coxa Músculos da Perna TIBIAL ANTERIOR Perna - Região Anterior Inserção Proximal: Côndilo lateral da tíbia e ½ proximal da face lateral da tíbia e membrana interóssea Inserção Distal: Cuneiforme medial e base do 1º metatarsal Inervação: Nervo Fibular Profundo (L4 - S1) Ação: Flexão dorsal e inversão do pé

44 EXTENSOR LONGO DOS DEDOS Perna - Região Anterior Inserção Proximal: Côndilo lateral da tíbia, ¾ proximais da fíbula e membrana interóssea Inserção Distal: Falange média e distal do 2º ao 5º dedos Inervação: Nervo Fibular Profundo (L4 - S1) Ação: Extensão da MF, IFP e IFD do 2º ao 5º dedos EXTENSOR LONGO DO HÁLUX Perna - Região Anterior Inserção Proximal: 2/4 intermediários da fíbula e membrana interóssea Inserção Distal: Falange distal do hálux Inervação: Nervo Fibular Profundo (L4 - S1) Ação: Extensão do hálux, flexão dorsal e inversão do pé

45 FIBULAR TERCEIRO Perna - Região Anterior Inserção Proximal: 1/3 distal da face anterior da fíbula Inserção Distal: Base do 5º metatarsal Inervação: Nervo Fibular Profundo (L5 - S1) Ação: Eversão do pé FIBULAR LONGO Perna - Região Lateral Inserção Proximal: Cabeça, 2/3 proximais da superfície lateral da fíbula e côndilo lateral da tíbia Inserção Distal: 1º metatarsal e cuneiforme medial Inervação: Nervo Fibular Superficial (L4 - S1) Ação: Flexão plantar e eversão do pé

46 FIBULAR CURTO Perna - Região Lateral Inserção Proximal: 2/3 distais da face lateral da fíbula Inserção Distal: Base do 5º metatarsal Inervação: Nervo Fibular Superficial (L4 - S1) Ação: Flexão plantar e eversão do pé GASTROCNÊMIO MEDIAL Perna - Região Posterior - Camada Superficial Inserção Proximal: Côndilo medial do fêmur Inserção Distal: Calcâneo Inervação: Nervo Tibial (S1 - S2) Ação: Flexão do joelho e flexão plantar do tornozelo

47 GASTROCNEMIO LATERAL Perna - Região Posterior - Camada Superficial Inserção Proximal: Côndilo lateral do fêmur Inserção Distal: Calcâneo Inervação: Nervo Tibial (S1 - S2) Ação: Flexão do joelho e flexão plantar do tornozelo SÓLEO Perna - Região Posterior - Camada Superficial Inserção Proximal: 1/3 intermédio da face medial da tíbia e cabeça da fíbula Inserção Distal: Calcâneo (tendão dos gastrocnêmios) Inervação: Nervo Tibial ( L5 - S1) Ação: Flexão plantar do tornozelo

48 PLANTAR DELGADO Perna - Região Posterior - Camada Superficial Inserção Proximal: Côndilo lateral do fêmur Inserção Distal: Calcâneo Inervação: Nervo Tibial (L4 - S1) Ação: Auxilia o tríceps sural POPLÍTEO Perna - Região Posterior - Camada Profunda Inserção Proximal: Côndilo lateral do fêmur Inserção Distal: Linha solear da face posterior da tíbia Inervação: Nervo Tibial (L4 - S1) Ação: Flexão e rotação medial do joelho

49 FLEXOR LONGO DOS DEDOS Perna - Região Posterior - Camada Profunda Inserção Proximal: Face posterior da tíbia Inserção Distal: Falanges distais do 2º ao 5º dedo Inervação: Nervo Tibial (L5 - S1) Ação: Flexão plantar e inversão do tornozelo, flexão da MF, IFP e IFD do 2º ao 5º dedos FLEXOR LONGO DO HÁLUX Perna - Região Posterior - Camada Profunda Inserção Proximal: 2/3 distais da face posterior da fíbula e membrana interóssea Inserção Distal: Falange distal do hálux Inervação: Nervo Tibial (L5 - S2) Ação: Flexão do hálux, flexão plantar e inversão do tornozelo

50 TIBIAL POSTERIOR Perna - Região Posterior - Camada Profunda Inserção Proximal: Face posterior da tíbia e 2/3 proximais da fíbula e membrana interóssea Inserção Distal: 3 cuneiformes (medial, médio e lateral), cubóide, navicular e base do 2º ao 4º metatarsais Inervação: Nervo Tibial (L5 e S1) Ação: Flexão plantar e inversão do pé Músculos do Pé Inserção Proximal: Calcâneo ABDUTOR DO HÁLUX Pé - Região Plantar Medial Inserção Distal: Falange proximal do hálux Inervação: Nervo Plantar Medial (L5 S1) Ação: Flexão e abdução do hálux

51 Inserção Proximal: Cubóide e cuneiforme lateral Inserção Distal: Falange proximal do hálux FLEXOR CURTO DO HÁLUX Pé - Região Plantar Medial Inervação: Nervo Plantar Medial e Lateral (L5 S1) Ação: Flexão da MF do hálux Inserção Proximal: 2º, 3º e 4º metatarsais Inserção Distal: Falange proximal do hálux Inervação: Nervo Plantar Lateral (S2 S3) Ação: Adução do hálux ADUTOR DO HÁLUX Pé - Região Plantar Medial Inserção Proximal: Calcâneo ABDUTOR DO MÍNIMO Pé - Região Plantar Lateral Inserção Distal: Falange proximal do 5º dedo Inervação: Nervo Plantar Lateral (S2 S3) Ação: Abdução do 5º dedo

52 Inserção Proximal: Cubóide FLEXOR CURTO DO MÍNIMO Pé - Região Plantar Lateral Inserção Distal: Falange proximal do 5º dedo Inervação: Nervo Plantar Lateral (S2 S3) Ação: Flexão da MF do 5º dedo Inserção Proximal: Cubóide OPONENTE DO MÍNIMO Pé - Região Plantar Lateral Inserção Distal: 5º metatarso Inervação: Nervo Plantar Lateral (S2 S3) Ação: Adução do 5º metatarso Inserção Proximal: Calcâneo EXTENSOR CURTO DOS DEDOS Pé - Região Dorsal Inserção Distal: Tendão do 2º, 3º e 4º extensor longo dos dedos Inervação: Nervo Fibular Profundo (L5 S1) Ação: Extensão do 2º ao 4º dedos

53 Inserção Proximal: Calcâneo EXTENSOR CURTO DO HÁLUX Pé - Região Dorsal Inserção Distal: Falange proximal do hálux Inervação: Nervo Fibular Profundo (L5 S1) Ação: Extensão do hálux FLEXOR CURTO DOS DEDOS Pé - Região Plantar Média Inserção Proximal: Calcâneo e aponeurose plantar Inserção Distal: Falange intermédia do 2º ao 5º dedos Inervação: Nervo Plantar Medial (L5 S1) Ação: Flexão da IFP e IFD do 2º ao 5º dedos Inserção Proximal: Calcâneo QUADRADO PLANTAR Pé - Região Plantar Média Inserção Distal: Tendões do flexor longo dos dedos Inervação: Nervo Plantar Lateral (S2 S3) Ação: Flexão da MF, IFP e IFD do 2º ao 5º dedos

54 LUMBRICAIS Pé - Região Plantar Média Inserção Proximal: Tendão do flexor longo dos dedos Inserção Distal: Tendão do extensor longo dos dedos e falange proximal do 2º ao 5º dedo Inervação: Nervo Plantar Medial (2º e 3º dedos) e Plantar Lateral (4º e 5º dedos) (L5 S3) Ação: Flexão da MF e propriocepção INTERÓSSEOS PLANTARES (3) Pé - Região Plantar Média Inserção Proximal: Borda medial do 3º ao 5º metarsos Inserção Distal: Borda medial das falanges proximais do 3º ao 5º dedos Inervação: Nervo Plantar Lateral (S2 S3) Ação: Aproximação (Adução) dos dedos e flexão das MF Inserção Proximal: Entre os ssos metatársicos INTERÓSSEOS DORSAIS (4) Pé - Região Plantar Média Inserção Distal: Bases das falanges proximais do 2º ao 4º dedos e tendões dos extensores longos dos dedos Inervação: Nervo Plantar Lateral (S2 S3) Ação: Afastamento (Abdução) dos dedos e flexão das MF

55 lustrações Músculos do Pé Interósseos Dorsais Músculos do Pé Interósseos Plantares Referências: acesso em 23/09/2012 às 13:oo horas. acesso em 23/09/2012 às 13:oo horas. acesso em 23/09/2012 às 13:oo horas. acesso em 23/09/2012 às 13:oo horas. acesso em 23/09/2012 às 13:oo horas. acesso em 23/09/2012 às 13:oo

56 horas. acesso em 23/09/2012 às 13:oo horas. acesso em 23/09/2012 às 13:oo horas. nferior.htm acesso em 23/09/2012 às 13:oo horas. acesso em 23/09/2012 às 13:oo horas. acesso em 23/09/2012 às 13:oo horas. acesso em 23/09/2012 às 13:oo horas. acesso em 23/09/2012 às 13:oo horas.

MIOLOGIA. O músculo vivo é de cor vermelha. Essa coloração denota a existência de pigmentos e de grande quantidade de sangue nas fibras musculares.

MIOLOGIA. O músculo vivo é de cor vermelha. Essa coloração denota a existência de pigmentos e de grande quantidade de sangue nas fibras musculares. MIOLOGIA Conceito de Músculos: São estruturas individualizadas que cruzam uma ou mais articulações e pela sua contração são capazes de transmitir-lhes movimento. Este é efetuado por células especializadas

Leia mais

MÚSCULOS DO OMBRO. Músculos do Ombro

MÚSCULOS DO OMBRO. Músculos do Ombro MÚSCULOS DO OMBRO Músculos do Ombro Deltóide Supra-espinhal Infra-espinhal Redondo Menor Redondo Maior Subescapular DELTÓIDE Ombro Inserção Proximal: 1/3 lateral da borda anterior da clavícula, acrômio

Leia mais

importantíssimo para o funcionamento do corpo humano Origem MESODÉRMICA Presença de miofibrilas contidas no citoplasma

importantíssimo para o funcionamento do corpo humano Origem MESODÉRMICA Presença de miofibrilas contidas no citoplasma Estudado por um ramo da ciência MIOLOGIA Células altamente especializadas importantíssimo para o funcionamento do corpo humano Origem MESODÉRMICA Presença de miofibrilas contidas no citoplasma maior quantidade

Leia mais

Podemos didaticamente dividir a musculatura dos membros superiores em grupos principais: Músculo Origem Inserção Ação Psoas maior proc.

Podemos didaticamente dividir a musculatura dos membros superiores em grupos principais: Músculo Origem Inserção Ação Psoas maior proc. MIOLOGIA DO ESQUELETO APENDICULAR MIOLOGIA DO MEMBRO INFERIOR Podemos didaticamente dividir a musculatura dos membros superiores em grupos principais: Iliopsoas MÚSCULOS QUE ACIONAM A COXA Psoas maior

Leia mais

Os membros inferiores são formados por cinco segmentos ósseos, que apresentamos a seguir. Todos os ossos desses segmentos são pares.

Os membros inferiores são formados por cinco segmentos ósseos, que apresentamos a seguir. Todos os ossos desses segmentos são pares. ESQUELETO APENDICULAR INFERIOR OSTEOLOGIA DOS MEMBROS INFERIORES Os membros inferiores são formados por cinco segmentos ósseos, que apresentamos a seguir. Todos os ossos desses segmentos são pares. Cintura

Leia mais

MIOLOGIA TIPOS DE MÚSCULOS CONCEITO DE MIOLOGIA TIPOS DE MÚSCULOS TIPOS DE MÚSCULOS GENERALIDADES DO SISTEMA MUSCULAR ESTRIADOS ESQUELÉTICOS

MIOLOGIA TIPOS DE MÚSCULOS CONCEITO DE MIOLOGIA TIPOS DE MÚSCULOS TIPOS DE MÚSCULOS GENERALIDADES DO SISTEMA MUSCULAR ESTRIADOS ESQUELÉTICOS Marcelo Marques Soares Prof. Didi GENERALIDADES DO SISTEMA MUSCULAR CONCEITO DE MIOLOGIA MIOLOGIA É parte da anatomia que estuda os músculos e seus anexos. TIPOS DE MÚSCULOS Células Musculares Cardíacas

Leia mais

ANATOMIA RADIOLÓGICA DOS MMII. Prof.: Gustavo Martins Pires

ANATOMIA RADIOLÓGICA DOS MMII. Prof.: Gustavo Martins Pires ANATOMIA RADIOLÓGICA DOS MMII Prof.: Gustavo Martins Pires OSSOS DO MEMBRO INFERIOR OSSOS DO MEMBRO INFERIOR Tem por principal função de locomoção e sustentação do peso. Os ossos do quadril, constituem

Leia mais

APOSTILA DE ANATOMIA EDUCAÇÃO FÍSICA

APOSTILA DE ANATOMIA EDUCAÇÃO FÍSICA APOSTILA DE ANATOMIA EDUCAÇÃO FÍSICA P2-1º BIMESTRE Aluno (a): Turno: Turma: Unidade Data: / /2016 A posição anatômica nada mais é que um referencial para podermos localizar e descrever as estruturas anatômicas,

Leia mais

Músculos do membro inferior. Carlomagno Bahia

Músculos do membro inferior. Carlomagno Bahia Músculos do membro inferior Carlomagno Bahia Ossos do quadril Superficiais; Região glútea: Profundos. Músculos do membro inferior Coxa: Compartimento anterior; Compartimento medial; Compartimento posterior.

Leia mais

Principais funções dos músculos: Tipos de tecido muscular:

Principais funções dos músculos: Tipos de tecido muscular: Tipos de tecido muscular: Esquelético Liso Cardíaco Principais funções dos músculos: 1.Movimento corporal 2.Manutenção da postura 3.Respiração 4.Produção de calor corporal 5.Comunicação 6.Constrição de

Leia mais

Miologia. Mio Músculo Logia Estudo Quatrocentos músculos esqueléticos 40 50% da massa corporal.

Miologia. Mio Músculo Logia Estudo Quatrocentos músculos esqueléticos 40 50% da massa corporal. Prof. Amir Curcio Miologia Mio Músculo Logia Estudo Quatrocentos músculos esqueléticos 40 50% da massa corporal. Miologia Funções Geração de força para locomoção e respiração. Sustentação postural. Geração

Leia mais

ASPECTOS BIOMECÂNICOS APLICADOS AO TREINAMENTO DE FORÇA. Professor Marcio Gomes

ASPECTOS BIOMECÂNICOS APLICADOS AO TREINAMENTO DE FORÇA. Professor Marcio Gomes ASPECTOS BIOMECÂNICOS APLICADOS AO TREINAMENTO DE FORÇA ANATOMIA HUMANA O conhecimento da Anatomia é de fundamental importância na hora de prescrever o exercício... Ossos e músculos; Tipos de articulações;

Leia mais

Anatomia Humana Módulo 02 Conceitos Gerais do Sistema Osteomioarticular

Anatomia Humana Módulo 02 Conceitos Gerais do Sistema Osteomioarticular Anatomia Humana 1 Profª Fabíola Claudia Henrique da Costa Parte 01 Osteologia Partedaanatomiaque estuda o esqueleto, o qual é constituído por ossos e cartilagens. 1 Axial Ossos da cabeça, pescoço e tronco

Leia mais

Cinesiologia Aplicada. Quadril, Joelho e tornozelo

Cinesiologia Aplicada. Quadril, Joelho e tornozelo Cinesiologia Aplicada Quadril, Joelho e tornozelo Cintura Pélvica - Ossos Ossos Pélvicos: Ílio Isquio Púbis Femúr Cintura Pélvica - Movimentos Movimentos da Cintura Pélvica Rotação Pélvica posterior Retroversão

Leia mais

Miologia e anatomia funcional do abdômen, quadril e membros inferiores

Miologia e anatomia funcional do abdômen, quadril e membros inferiores Miologia e anatomia funcional do abdômen, quadril e membros inferiores Profª Esp.Flávia Medeiros M. Oblíquo Externo Origem: Margem inferior e face anterior da 5ª à 12ª costela Inserção: lábio externo da

Leia mais

Prof.ª Leticia Pedroso SISTEMA ESQUELÉTICO

Prof.ª Leticia Pedroso SISTEMA ESQUELÉTICO Prof.ª Leticia Pedroso SISTEMA ESQUELÉTICO SISTEMA ESQUELÉTICO Composto de ossos e cartilagens. É uma forma especializada de tecido conjuntivo cuja a principal característica é a mineralização (cálcio)

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDO Membro inferior

ROTEIRO DE ESTUDO Membro inferior ROTEIRO DE ESTUDO Membro inferior OSSOS Os membros inferiores são mais estáveis, devido a fixação de duas fortes articulações, anteriormente, a sínfise púbica (é uma articulação cartilagínea) e posteriormente

Leia mais

OSTEOLOGIA. Osteon osso Logus estudo

OSTEOLOGIA. Osteon osso Logus estudo OSTEOLOGIA Osteon osso Logus estudo Osso Estruturas rígidas e esbranquiçadas que participam da formação do esqueleto Esqueleto Conjunto de ossos e tecido cartilaginoso unidos entre si que dão conformação

Leia mais

Roteiro de Aula - Artrologia

Roteiro de Aula - Artrologia Roteiro de Aula - Artrologia O que é uma Articulação? Articulação ou "juntura" é a conexão entre duas ou mais peças esqueléticas (ossos ou cartilagens) Essas uniões colocam as pecas do esqueleto em contato,

Leia mais

ENFERMAGEM ANATOMIA. SISTEMA MÚSCULO ESQUELÉTICO Aula 4. Profª. Tatiane da Silva Campos

ENFERMAGEM ANATOMIA. SISTEMA MÚSCULO ESQUELÉTICO Aula 4. Profª. Tatiane da Silva Campos ENFERMAGEM ANATOMIA SISTEMA MÚSCULO ESQUELÉTICO Aula 4 Profª. Tatiane da Silva Campos Ossos do pé mantêm-se unidos por meio de fortes ligamentos que lhe permitem sustentar o peso corporal e funcionar como

Leia mais

Músculos do Quadril e Coxa. Profa. Dra. Cecília H A Gouveia Departamento de Anatomia, ICB, USP

Músculos do Quadril e Coxa. Profa. Dra. Cecília H A Gouveia Departamento de Anatomia, ICB, USP Músculos do Quadril e Coxa Profa. Dra. Cecília H A Gouveia Departamento de Anatomia, ICB, USP Movimentos da Articulação do Quadril (ou Coxa) -Flexão e Extensão -Adução e Abdução -Rotação Medial e Rotação

Leia mais

MÚSCULO ORIGEM INSERÇÃO INERVAÇÃO 1 SUPRA-ESPINHAL FOSSA SUPRA-ESPINHAL TUBÉRCULO > DO ÚMERO 2 INFRA-ESPINHAL SUPERFÍCIE INFERIOR DA ESPINHA

MÚSCULO ORIGEM INSERÇÃO INERVAÇÃO 1 SUPRA-ESPINHAL FOSSA SUPRA-ESPINHAL TUBÉRCULO > DO ÚMERO 2 INFRA-ESPINHAL SUPERFÍCIE INFERIOR DA ESPINHA 6MOD205 LOCOMOÇÃO E PREENSÃO MÚSCULOS DO MEMBRO SUPERIOR OMBRO MANGUITO ROTADOR 1 SUPRA-ESPINHAL FOSSA SUPRA-ESPINHAL TUBÉRCULO > DO 2 INFRA-ESPINHAL SUPERFÍCIE INFERIOR DA ESPINHA TUBÉRCULO > DO 3 SUBESCAPULAR

Leia mais

INTRODUÇÃO Á ANATOMIA HUMANA. Instituto Long Tao. Prof. Regiane Monteiro

INTRODUÇÃO Á ANATOMIA HUMANA. Instituto Long Tao. Prof. Regiane Monteiro INTRODUÇÃO Á ANATOMIA HUMANA Instituto Long Tao Prof. Regiane Monteiro INTRODUÇÃO Á ANATOMIA HUMANA História da Anatomia Terminologia Anatômica Osteologia HISTÓRIA DA ANATOMIA HUMANA HISTÓRIA DA ANATOMIA

Leia mais

Dr. Ricardo Anatomia dos membros inferiores junho site recomendado para estudar anatomia KENHUB

Dr. Ricardo Anatomia dos membros inferiores junho site recomendado para estudar anatomia KENHUB WWW.cedav.com.br Dr. Ricardo Anatomia dos membros inferiores junho 2017 site recomendado para estudar anatomia KENHUB Ossos da bacia Sacro Ilíacos Crista ilíaca Espinhas ilíacas anteriores Ísquios Espinhas

Leia mais

Profa. Elen H. Miyabara

Profa. Elen H. Miyabara UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Biomédicas Departamento de Anatomia MÚSCULOS DO QUADRIL E COXA Profa. Elen H. Miyabara elenm@usp.br Movimentos da Articulação do Quadril (ou Coxa) -Flexão

Leia mais

Medicina Tradicional Chinesa

Medicina Tradicional Chinesa MEMBROS SUPERIIORES E INFERIIORES 1 IV - MEMBROS SUPERIORES E INFERII IORES 1 1 MEMBROS SUPERIORES 5 Ombro Deltóide 5 5 MANGUITO ROTADOR: 5 Músculos do Ombro - Vista Anterior 7 Músculos do Ombro - Vista

Leia mais

AVALIAR A ANATOMIA DE SUPERFÍCIE DO MEMBRO PÉLVICO DO CÃO.

AVALIAR A ANATOMIA DE SUPERFÍCIE DO MEMBRO PÉLVICO DO CÃO. AVALIAR A ANATOMIA DE SUPERFÍCIE DO MEMBRO PÉLVICO DO CÃO. Orientar o membro em relação a sua posição in vivo. Usando os esqueletos da sala de dissecação, como auxílio, orientar o membro e decidir se você

Leia mais

SISTEMA MUSCULAR. Profa. Roberta Paresque CEUNES/UFES - ANATOMIA HUMANA

SISTEMA MUSCULAR. Profa. Roberta Paresque CEUNES/UFES - ANATOMIA HUMANA SISTEMA MUSCULAR Profa. Roberta Paresque CEUNES/UFES - ANATOMIA HUMANA AS FIBRAS MUSCULARES SÃO LONGAS E ESTREITAS QUANDO RELAXADAS. São células contráteis especializadas, organizadas em tecidos que movimentam

Leia mais

MEMBROS INFERIORES. Anatomia Humana Segmentar Profª. Kátia Nóbrega Profª. Terezinha Nóbrega

MEMBROS INFERIORES. Anatomia Humana Segmentar Profª. Kátia Nóbrega Profª. Terezinha Nóbrega MEMBROS INFERIORES Anatomia Humana Segmentar Profª. Kátia Nóbrega Profª. Terezinha Nóbrega INTRODUÇÃO A Anatomia Segmentar divide o corpo humano em diferentes segmentos para melhor analisá-los. Considerando

Leia mais

Osteologia e Artrologia. Tema F Descrição e caraterização funcional do sistema ósseo e articular do membro inferior.

Osteologia e Artrologia. Tema F Descrição e caraterização funcional do sistema ósseo e articular do membro inferior. Tema F Descrição e caraterização funcional do 1 Cintura pélvica; 2 Bacia 3 Articulação coxo-femural e seu funcionamento nos movimentos da coxa. 4 Complexo articular do joelho e seu funcionamento nos movimentos

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA. Sistema Esquelético

ANATOMIA E FISIOLOGIA. Sistema Esquelético ANATOMIA E FISIOLOGIA Sistema Esquelético SISTEMA ESQUELÉTICO 09/02/2018 2 SISTEMA ESQUELÉTICO O sistema esquelético é composto de ossos e cartilagens. 09/02/2018 3 SISTEMA ESQUELÉTICO Ossos são órgãos

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA. Sistema Esquelético

ANATOMIA E FISIOLOGIA. Sistema Esquelético ANATOMIA E FISIOLOGIA Sistema Esquelético 2 SISTEMA ESQUELÉTICO 3 SISTEMA ESQUELÉTICO O sistema esquelético é composto de ossos e cartilagens. 4 SISTEMA ESQUELÉTICO Ossos são órgãos esbranquiçados, muito

Leia mais

Músculos da Perna e Pé

Músculos da Perna e Pé UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Biomédicas Departamento de Anatomia Músculos da Perna e Pé Profa. Elen H. Miyabara elenm@usp.br Dorsiflexão Flexão plantar Dorsiflexão Flexão Plantar Art.

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDOS SISTEMA ÓSSEO. Prof a. Ana Carolina Athayde R. Braz

ROTEIRO DE ESTUDOS SISTEMA ÓSSEO. Prof a. Ana Carolina Athayde R. Braz ROTEIRO DE ESTUDOS SISTEMA ÓSSEO Prof a. Ana Carolina Athayde R. Braz ESQUELETO AXIAL 1) CABEÇA: a) Identificar e localizar os ossos da cabeça: - Crânio (8): Ossos pares ou bilaterais: Parietais e Temporais

Leia mais

Esqueleto Apendicular e Axial, e articulação do joelho. Marina Roizenblatt 75 Monitora de Anatomia

Esqueleto Apendicular e Axial, e articulação do joelho. Marina Roizenblatt 75 Monitora de Anatomia Esqueleto Apendicular e Axial, e articulação do joelho Marina Roizenblatt 75 Monitora de Anatomia Coluna Vertebral Canal Vertebral Forames intervertebrais Características de uma vértebra típica Corpo vertebral

Leia mais

SISTEMA ESQUELÉTICO. O sistema esquelético é composto de ossos e cartilagens.

SISTEMA ESQUELÉTICO. O sistema esquelético é composto de ossos e cartilagens. SISTEMA ESQUELÉTICO Conceito de Sistema Esquelético O sistema esquelético é composto de ossos e cartilagens. Conceito de Ossos: Ossos são órgãos esbranquiçados, muito duros, que unindos-se aos outros,

Leia mais

15/03/2016 ESQUELETO APENDICULAR OSTEOLOGIA DO ESQUELETO APENDICULAR MEMBRO TORÁCICO. Constituído por ossos dos membros torácico e pélvico

15/03/2016 ESQUELETO APENDICULAR OSTEOLOGIA DO ESQUELETO APENDICULAR MEMBRO TORÁCICO. Constituído por ossos dos membros torácico e pélvico ESQUELETO APENDICULAR Constituído por ossos dos membros torácico e pélvico OSTEOLOGIA DO ESQUELETO APENDICULAR Ombro - Escápula Braço - Úmero Antebraço Rádio e Ulna Joelho - Carpos Canela - Metacarpos

Leia mais

Conceitos Gerais de Osteologia, Artrologia e Miologia.

Conceitos Gerais de Osteologia, Artrologia e Miologia. Conceitos Gerais de Osteologia, Artrologia e Miologia 1 Conceitos Gerais de Osteologia, Artrologia e Miologia. 1 - Formação do Aparelho Locomotor: a) Sistema Esquelético parte passiva Ossos, cartilagens,

Leia mais

28/03/2018 MIOLOGIA. Prof. Maurício Mandalozzo Ruppel. GENERALIDADES Propriedades. Contratilidade Elasticidade

28/03/2018 MIOLOGIA. Prof. Maurício Mandalozzo Ruppel. GENERALIDADES Propriedades. Contratilidade Elasticidade MIOLOGIA Prof. Maurício Mandalozzo Ruppel 1 GENERALIDADES Propriedades Contratilidade Elasticidade 2 1 3 4 2 5 Classificação das fibras musculares Fibras estriadas esqueléticas Fibras estriadas cardíacas

Leia mais

INTRODUÇÃO Á ANATOMIA HUMANA. Instituto Long Tao. Prof. Regiane Monteiro

INTRODUÇÃO Á ANATOMIA HUMANA. Instituto Long Tao. Prof. Regiane Monteiro INTRODUÇÃO Á ANATOMIA HUMANA Instituto Long Tao Prof. Regiane Monteiro INTRODUÇÃO Á ANATOMIA HUMANA História da Anatomia Terminologia Anatômica Osteologia HISTÓRIA DA ANATOMIA HUMANA HISTÓRIA DA ANATOMIA

Leia mais

ANATOMIA. SISTEMA MÚSCULO ESQUELÉTICO Aula 3. Profª. Tatianeda Silva Campos

ANATOMIA. SISTEMA MÚSCULO ESQUELÉTICO Aula 3. Profª. Tatianeda Silva Campos ANATOMIA SISTEMA MÚSCULO ESQUELÉTICO Aula 3 Profª. Tatianeda Silva Campos Ossos da coluna vertebral coluna vertebral = eixo do esqueleto e sustentação do corpo. É formada pela superposição de 33 vértebras:

Leia mais

OSTEOLOGIA 18/03/2014 OSTEOLOGIA

OSTEOLOGIA 18/03/2014 OSTEOLOGIA OSTEOLOGIA SISTEMA ESQUELÉTICO Na verdade quando se fala em Sistema Esquelético, temos logo em mente só os ossos, o que não está completamente correto, isso porque as articulações é que na verdade mantêm

Leia mais

SISTEMA ESQUELÉTICO. Prof. Esp. Bruno Gonzaga

SISTEMA ESQUELÉTICO. Prof. Esp. Bruno Gonzaga SISTEMA ESQUELÉTICO Prof. Esp. Bruno Gonzaga CONSIDERAÇÕES GERAIS 2 Nosso aparelho locomotor é constituído pelos sistemas muscular, ósseo e articular. Eles possuem 656 músculos e 206 ossos e têm como função

Leia mais

MÚSCULOS ESTRIADOS ESQUELÉTICOS COMPONENTES ANATÔMICOS VENTRE MUSCULAR FÁSCIA MUSCULAR TENDÕES E APONEUROSES BAINHAS TENDÍNEAS / SINÓVIAIS

MÚSCULOS ESTRIADOS ESQUELÉTICOS COMPONENTES ANATÔMICOS VENTRE MUSCULAR FÁSCIA MUSCULAR TENDÕES E APONEUROSES BAINHAS TENDÍNEAS / SINÓVIAIS MÚSCULOS MIOLOGIA MÚSCULOS ESTRIADOS ESQUELÉTICOS COMPONENTES ANATÔMICOS VENTRE MUSCULAR FÁSCIA MUSCULAR TENDÕES E APONEUROSES BAINHAS TENDÍNEAS / SINÓVIAIS MÚSCULOS ESTRIADOS ESQUELÉTICOS COMPONENTES

Leia mais

ANATOMOFISIOLOGIA I J. SILVA HENRIQUES

ANATOMOFISIOLOGIA I J. SILVA HENRIQUES ANATOMOFISIOLOGIA I J. SILVA HENRIQUES 2 SISTEMA MUSCULAR MÚSCULOS DO MEMBRO SUPERIOR 3 MÚSCULOS MOVIMENTOS OMOPLATA 4 MÚSCULOS TRAPÉZIO MOVIMENTOS OMOPLATA 5 ELEVADOR DA OMOPLATA Origem: Apófises transversas

Leia mais

Cap.10 SISTEMA. CIÊNCIAS Profa. Jéssica 2019

Cap.10 SISTEMA. CIÊNCIAS Profa. Jéssica 2019 Cap.10 SISTEMA ESQUELÉTICO CIÊNCIAS Profa. Jéssica 2019 A SUSTENTAÇÃO E A MOVIMENTAÇÃO DO CORPO - A forma do corpo humano é determinada, em grande parte, por seus ossos e músculos; - Sistema esquelético

Leia mais

MEMBROS INFERIORES: OSSOS. Profa. Dra. Cecília Helena A Gouveia Departamento de Anatomia, ICB-USP

MEMBROS INFERIORES: OSSOS. Profa. Dra. Cecília Helena A Gouveia Departamento de Anatomia, ICB-USP MEMBROS INFERIORES: OSSOS Profa. Dra. Cecília Helena A Gouveia Departamento de Anatomia, ICB-USP FUNÇÃO DOS MMII LOCOMOÇÃO SUSTENTAÇAO DE PESO OSSOS DO MEMBRO INFERIOR (62) OSSO DO QUADRIL (ILÍACO) (2)

Leia mais

Universidade Federal de Viçosa Campus UFV Florestal

Universidade Federal de Viçosa Campus UFV Florestal Universidade Federal de Viçosa Campus UFV Florestal SISTEMA ESQUELÉTICO ANATOMIA HUMANA Laboratório de Morfofisiologia Funções: suporte, movimento, proteção, estoque de minerais e hematopoiese. O esqueleto

Leia mais

APARELHO LOCOMOTOR. sistema esquelético, sistema muscular, sistema articular

APARELHO LOCOMOTOR. sistema esquelético, sistema muscular, sistema articular Aparelho locomotor APARELHO LOCOMOTOR APARELHO LOCOMOTOR sistema esquelético, sistema muscular, sistema articular APARELHO LOCOMOTOR SISTEMA ESQUELÉTICO Ossos são órgãos esbranquiçados, muito duros, que

Leia mais

Apostila de Cinesiologia

Apostila de Cinesiologia 1 FACIS - Faculdade de Ciências da Saúde Fisioterapia Apostila de Cinesiologia Aula Prática Coxo Femoral Este material é fruto do trabalho iniciado na monitoria de 2009. Ainda esta em fase de construção.

Leia mais

10/17/2011. Conhecimento Técnico. Construir Argumentos

10/17/2011. Conhecimento Técnico. Construir Argumentos Conhecimento Técnico Construir Argumentos 1 Manhã (9:00 12:00) 04/10 (terça-feira) Principais 05/10 Lesões das 06/10 (quarta-feira) Modalidades Esportivas (quinta-feira) (Corrida e Futebol) Ms Andrea Bloco

Leia mais

Ossos da Perna Vista Anterior

Ossos da Perna Vista Anterior TORNOZELO Ossos da Perna Vista Anterior FÍBULA TÍBIA MALÉOLO LATERAL MALÉOLO MEDIAL Ossos do Pé Vista Lateral TÁLUS CALCÂNEO NAVICULAR CUBÓIDE TARSO METATARSO FALANGES Ossos do Pé Vista Dorsal FALANGES

Leia mais

ASPECTOS BIOMECÂNICOS APLICADOS AO TREINAMENTO DE FORÇA. Professor Marcio Gomes

ASPECTOS BIOMECÂNICOS APLICADOS AO TREINAMENTO DE FORÇA. Professor Marcio Gomes ASPECTOS BIOMECÂNICOS APLICADOS AO TREINAMENTO DE FORÇA O homem que se esvazia do orgulho, dá espaço ao conhecimento. ANATOMIA HUMANA O conhecimento da Anatomia é de fundamental importância na hora de

Leia mais

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ANATOMIA HUMANA Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Os ossos se unem uns aos outros para constituir o esqueleto; Permitem a mobilidade Permitem a união entre os ossos

Leia mais

Tornozelo - Pé. Tornozelo - Pé Cinesiologia. Renato Almeida

Tornozelo - Pé. Tornozelo - Pé Cinesiologia. Renato Almeida Tornozelo - Pé Questão de Concurso Treinando... (SERTANEJA - PR) Os músculos fibular longo, fibular curto e terceiro fibular realizam qual movimento? a) Flexão do joelho. b) Eversão do pé. c) Plantiflexão

Leia mais

CINESIOLOGIA. Músculos vs Movimentos. Prof. Msd. Ricardo L. Pace Jr.

CINESIOLOGIA. Músculos vs Movimentos. Prof. Msd. Ricardo L. Pace Jr. CINESIOLOGIA Músculos vs Movimentos Prof. Msd. Ricardo L. Pace Jr. CINESIOLOGIA FASAR 2015 Prof. Msd. Ricardo L. Pace Jr. 1 COMPLEXO SUPERIOR TRAPÉZIO: PORÇÃO SUPERIOR (PARTE DESCENDENTE) Na Cervical:

Leia mais

ARTROLOGIA. Prof.: Gustavo Martins Pires

ARTROLOGIA. Prof.: Gustavo Martins Pires ARTROLOGIA Prof.: Gustavo Martins Pires CONCEITO CONCEITO Os ossos se unem para constituir o esqueleto, e essa união tem a finalidade exclusiva de colocar os ossos em contato, mas também a de permitir

Leia mais

INTRODUÇÃO AO SISTEMA ESQUELÉTICO

INTRODUÇÃO AO SISTEMA ESQUELÉTICO INTRODUÇÃO AO SISTEMA ESQUELÉTICO O QUE É O OSSO? É um órgão composto por diversos tecidos diferentes funcionando em conjunto: tecido ósseo, cartilagem, tecido conjuntivo denso, epitélio, tecido adiposo

Leia mais

Músculos da Perna e Pé. Profa. Dra. Cecília H A Gouveia Ferreira Departamento de Anatomia Instituto de Ciências Biomédicas Universidade de São Paulo

Músculos da Perna e Pé. Profa. Dra. Cecília H A Gouveia Ferreira Departamento de Anatomia Instituto de Ciências Biomédicas Universidade de São Paulo Músculos da Perna e Pé Profa. Dra. Cecília H A Gouveia Ferreira Departamento de Anatomia Instituto de Ciências Biomédicas Universidade de São Paulo Movimentos Angulares do Tornozelo e Pé Dorsiflexão Flexão

Leia mais

FUNDAÇÃO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DE BARUERI. Sistema Muscular

FUNDAÇÃO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DE BARUERI. Sistema Muscular 1 FUNDAÇÃO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DE BARUERI EEFMT Professora Maria Theodora Pedreira de Freitas Av. Andrômeda, 500 Alphaville Barueri SP CEP 06473-000 Disciplina: Educação Física 6ª Série Ensino Fundamental

Leia mais

ANATOMIA ÓSSEA/MUSCULAR/TEGUMENTAR. Enfº Eliél Martins Esp. em Emergências

ANATOMIA ÓSSEA/MUSCULAR/TEGUMENTAR. Enfº Eliél Martins Esp. em Emergências ANATOMIA ÓSSEA/MUSCULAR/TEGUMENTAR Enfº Eliél Martins Esp. em Emergências INTRODUÇÃO Nosso corpo possui dois sistemas responsáveis pelos movimentos: o sistema esquelético, composto por 206 ossos, que da

Leia mais

NOÇÕES DO SISTEMA ESQUELÉTICO OU

NOÇÕES DO SISTEMA ESQUELÉTICO OU NOÇÕES DO SISTEMA ESQUELÉTICO OU SISTEMA LOCOMOTOR OBJETIVOS Identificar as estruturas e funções dos ossos do sistema locomotor; Analisar a importância deste sistema para processo de movimentação e locomoção;

Leia mais

Sistema Esquelético: Ossos. Prof a. Deise Maria Furtado de Mendonça

Sistema Esquelético: Ossos. Prof a. Deise Maria Furtado de Mendonça Sistema Esquelético: Ossos Prof a. Deise Maria Furtado de Mendonça Conceito de Esqueleto Conjunto de ossos e cartilagens que se interligam para formar o arcabouço do corpo do animal e desempenhar várias

Leia mais

Roteiro da Aula Prática - Generalidades sobre Ossos, Articulações e Músculos

Roteiro da Aula Prática - Generalidades sobre Ossos, Articulações e Músculos BMA129 Anatomia do Aparelho Locomotor/Curso: Educação Física Departamento de Anatomia Instituto de Ciências Biomédicas Universidade de São Paulo Roteiro da Aula Prática - Generalidades sobre Ossos, Articulações

Leia mais

Educação Física 1ºs anos CAPACIDADES FÍSICAS

Educação Física 1ºs anos CAPACIDADES FÍSICAS Educação Física 1ºs anos CAPACIDADES FÍSICAS Capacidades Físicas são definidas como todo atributo físico treinável num organismo humano. Em outras palavras, são todas as qualidades físicas motoras passíveis

Leia mais

1 2 PSOAS O = PROCESSOS TRANSVERSOS / CORPOS E DISCOS INTERVERTEBRAIS DE TODAS AS VÉRTEBRAS LOMBARES N. FEMURAL I = TROCANTER MENOR ILIACO O = FOSSA ILIACA N. FEMURAL I = TROCANTER MENOR RETO FEMURAL O

Leia mais

Total de páginas: 06 1

Total de páginas: 06 1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 Articulações Articulação é um ponto de contato entre: Ossos Cartilagens e Ossos Dente e Ossos Espectro entre força e flexibilidade Fortes e imóveis Fracas e muito flexíveis Quanto

Leia mais

SISTEMA ESQUELÉTICO. Centro Universitário Central Paulista UNICEP São Carlos Disciplina: Anatomia Humana Profa. Silvia Tesser.

SISTEMA ESQUELÉTICO. Centro Universitário Central Paulista UNICEP São Carlos Disciplina: Anatomia Humana Profa. Silvia Tesser. SISTEMA ESQUELÉTICO Centro Universitário Central Paulista UNICEP São Carlos Disciplina: Anatomia Humana Profa. Silvia Tesser. SISTEMA ESQUELÉTICO 1. Conceito: -Ostelogia -Esquelto -Ossos Profa. Silvia

Leia mais

Introdução à Anatomia

Introdução à Anatomia ESTRUTURA ANIMAL 1 Introdução à Anatomia : É o fundamento de todas as outras ciências médicas. Função: Fornecer noções preciosas para as aplicações na prática médico-cirúrgica Anatomia vem do grego; Significa

Leia mais

COMPLEXO SUPERIOR CINTURA ESCAPULAR

COMPLEXO SUPERIOR CINTURA ESCAPULAR CINESIOLOGIA FASAR 2015 Prof. Msd. Ricardo L. Pace Jr. 1 COMPLEXO SUPERIOR CINTURA ESCAPULAR ELEVAÇÃO: TRAPÉZIO PORÇÃO SUPERIOR (PARTE DESCENDENTE), ELEVADOR (LEVANTADOR) DA ESCÁPULA, ROMBÓIDES. DEPRESSÃO:

Leia mais

OSSOS DO MEMBRO INFERIOR

OSSOS DO MEMBRO INFERIOR OSSOS DO MEMBRO INFERIOR ARTICULAÇÕES DO MEMBRO INFERIOR Articulação SacroiIíaca: Ligamento sacrotuberal Lig. sacroespinal Lig. Sacroilíacos post. e ant. Lig. Sacroilíacos interósseos Articulação

Leia mais

Osteologia. Prof.: Gustavo Martins Pires

Osteologia. Prof.: Gustavo Martins Pires Osteologia Prof.: Gustavo Martins Pires Osteologia Osteologia A moldura de ossos e cartilagem que protege nossos órgão e permite nossos movimentos é denominada de sistema esquelético. Cada osso do sistema

Leia mais

Fémur Acidentes Anatómicos

Fémur Acidentes Anatómicos Fémur Acidentes Anatómicos Osso mais longo e mais pesado do corpo Transmite o peso do corpo do osso do quadril para a tíbia quando a pessoa está de pé Comprimento osso = ¼ Comprimento do indivíduo Possui

Leia mais

1 ARTICULAÇÕES FIBROSAS (SINARTROSES) OU IMÓVEIS; 2 ARTICULAÇÕES CARTILAGÍNEAS (ANFIARTROSES) OU COM MOVIMENTOS LIMITADOS;

1 ARTICULAÇÕES FIBROSAS (SINARTROSES) OU IMÓVEIS; 2 ARTICULAÇÕES CARTILAGÍNEAS (ANFIARTROSES) OU COM MOVIMENTOS LIMITADOS; 1 ARTICULAÇÕES FIBROSAS (SINARTROSES) OU IMÓVEIS; 2 ARTICULAÇÕES CARTILAGÍNEAS (ANFIARTROSES) OU COM MOVIMENTOS LIMITADOS; 3 ARTICULAÇÕES SINOVIAIS (DIARTROSES) OU ARTICULAÇÕES DE MOVIMENTOS AMPLOS. AS

Leia mais

BIOLOGIA. Identidade dos Seres Vivos. Sistema Esquelético e Muscular Humano Parte 1. Prof. Daniele Duó

BIOLOGIA. Identidade dos Seres Vivos. Sistema Esquelético e Muscular Humano Parte 1. Prof. Daniele Duó BIOLOGIA Identidade dos Seres Vivos Parte 1 Prof. Daniele Duó Embriologicamente, o esqueleto é formado por cartilagens. Durante o crescimento existe a substituição por tecido ósseo. O esqueleto humano

Leia mais

Universidade Federal do Pampa Campus Itaqui Curso de Nutrição Anatomia Humana. Sistema esquelético. Profa. Dra. Silvana Boeira

Universidade Federal do Pampa Campus Itaqui Curso de Nutrição Anatomia Humana. Sistema esquelético. Profa. Dra. Silvana Boeira Universidade Federal do Pampa Campus Itaqui Curso de Nutrição Anatomia Humana Sistema esquelético Profa. Dra. Silvana Boeira É composto por ossos e (articulações). É constituído por um total de 206 ossos.

Leia mais

Tema C NOÇÕES GERAIS SOBRE ARTICULAÇÕES

Tema C NOÇÕES GERAIS SOBRE ARTICULAÇÕES 1 Noções e tipos de articulações 1.1 Imóveis 1.2 Semimóveis 1.3 - Móveis Tema C NOÇÕES GERAIS SOBRE ARTICULAÇÕES 2 Constituintes articulares típicos das articulações móveis 2.1 Superfícies articulares

Leia mais

Anatomia Humana. A- Anatomia Geral e do Aparelho Locomotor. B- Anatomia do Aparelho Cardiorespiratório

Anatomia Humana. A- Anatomia Geral e do Aparelho Locomotor. B- Anatomia do Aparelho Cardiorespiratório Anatomia Humana A- Anatomia Geral e do Aparelho Locomotor B- Anatomia do Aparelho Cardiorespiratório C- Anatomia dos Sistemas Endócrino e Digestório D- Anatomia do Aparelho Genitourinário E- Anatomia do

Leia mais

OSSOS DE MEMBRO INFERIOR PROF. Esp. Carlos Henrique Przybysz 1

OSSOS DE MEMBRO INFERIOR PROF. Esp. Carlos Henrique Przybysz 1 OSSOS DE MEMBRO INFERIOR PROF. Esp. Carlos Henrique Przybysz 1 1 OSSOS DO CÍNGULO DO MEMBRO INFERIOR Também chamado de cintura pélvica forma a raiz de implantação do membro inferior, sendo constituído

Leia mais

UNIC - UNIVERSIDADE DE CUIABÁ FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS MORFOFUNCIONAIS APLICADAS A MEDICINA VETERINÁRIA I

UNIC - UNIVERSIDADE DE CUIABÁ FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS MORFOFUNCIONAIS APLICADAS A MEDICINA VETERINÁRIA I UNIC - UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - 1 - FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS MORFOFUNCIONAIS APLICADAS A MEDICINA VETERINÁRIA I Roteiro de aula prática de Anatomia Veterinária Profa.Juliana

Leia mais

Universidade Federal do Pampa Campus Itaqui Curso de Nutrição Anatomia Humana. Sistema Muscular. Profa. Dra. Silvana Boeira

Universidade Federal do Pampa Campus Itaqui Curso de Nutrição Anatomia Humana. Sistema Muscular. Profa. Dra. Silvana Boeira Universidade Federal do Pampa Campus Itaqui Curso de Nutrição Anatomia Humana Sistema Muscular Profa. Dra. Silvana Boeira Músculos Tecido contrátil capaz de gerar força e movimento contração e relaxamento

Leia mais

Anatomia e funcionamento do aparelho locomotor

Anatomia e funcionamento do aparelho locomotor Anatomia e funcionamento do aparelho locomotor APARELHO LOCOMOTOR SISTEMA ESQUELÉTICO SISTEMA ARTICULAR SISTEMA MUSCULAR PASSIVO UNIÃO ATIVO Funções do esqueleto Sustentação; Proteção; Movimento; Homeostase

Leia mais

Músculo Origem Inserção Inervação Ação

Músculo Origem Inserção Inervação Ação Músculos Toracoapendiculares Anteriores Músculo Origem Inserção Inervação Ação Peitoral Maior Porção clavicular: Face anterior da metade anterior da clavícula; Porção esternocostal: face anterior do esterno

Leia mais

18/03/2014 ARTICULAÇÃO. Funções: Movimentos Manutenção da Postura Proteção dos Órgãos Crescimento dos Ossos Longos Amortecedor. O que é Articulação???

18/03/2014 ARTICULAÇÃO. Funções: Movimentos Manutenção da Postura Proteção dos Órgãos Crescimento dos Ossos Longos Amortecedor. O que é Articulação??? O que é Articulação??? ARTICULAÇÃO É o conjunto dos elementos que promovem a união de dois ou mais ossos, com a finalidade de permitir maior ou menor possibilidade de movimento, entre os segmentos articulados

Leia mais

Cinesiologia. Cinesio = movimento Logia = estudo. Cinesiologia = estudo do movimento

Cinesiologia. Cinesio = movimento Logia = estudo. Cinesiologia = estudo do movimento Cinesiologia Cinesio = movimento Logia = estudo Cinesiologia = estudo do movimento Cinesiologia Movimento: mudança de local, posição ou postura com relação a algum ponto do ambiente. Estudo do movimento

Leia mais

Membro Superior. Sistema Esquelético. Cintura Escapular. Membro Superior. 1 Segmento ESCÁPULA E CLAVÍCULA 24/02/2016 CLAVÍCULA. CLAVÍCULA Articulações

Membro Superior. Sistema Esquelético. Cintura Escapular. Membro Superior. 1 Segmento ESCÁPULA E CLAVÍCULA 24/02/2016 CLAVÍCULA. CLAVÍCULA Articulações ANATOMIA PALPATÓRIA Marcelo Marques Soares Prof. Didi Jonas Wecker Douglas Lenz 1 Segmento Cintura Escapular E CLAVÍCULA Membro Superior Sistema Esquelético CLAVÍCULA Membro Superior 1 Segmento - Cintura

Leia mais

Sistema Ósseo ou Esquelético. Aline Carrilho Menezes

Sistema Ósseo ou Esquelético. Aline Carrilho Menezes Sistema Ósseo ou Esquelético Aline Carrilho Menezes Osteologia É o estudo dos ossos que unidos formam o esqueleto. Funções principais do sistema: Sustentar a totalidade do corpo e dar-lhe forma. Tornar

Leia mais

Avaliação Integrada. Prof. Silvio Pecoraro

Avaliação Integrada. Prof. Silvio Pecoraro Avaliação Integrada slpecoraro@yahoo.com.br Prof. Silvio Pecoraro Corrente cinética: sistema muscular + sistema articular + sistema neural. Anatomia Funcional Biomecânica Funcional Educação Motora Definições

Leia mais

Anatomia Geral. http://d-nb.info/1058614592. 1 Filogênese e Ontogênese Humanas. 5 Músculos. 6 Vasos. 2 Visão Geral do Corpo Humano

Anatomia Geral. http://d-nb.info/1058614592. 1 Filogênese e Ontogênese Humanas. 5 Músculos. 6 Vasos. 2 Visão Geral do Corpo Humano Anatomia Geral 1 Filogênese e Ontogênese Humanas 1.1 Filogênese Humana 2 1.2 Ontogênese Humana: Visão Geral, Fecundação e Estágios Iniciais do Desenvolvimento 4 1.3 Gastrulação, Neurulação e Formação dos

Leia mais

08/08/2016 CINESIOLOGIA E BIOMECÂNICA DOS SEGMENTOS ARTICULARES DO MEMBRO INFERIOR COMPONENTES DO COMPLEXO DO QUADRIL

08/08/2016 CINESIOLOGIA E BIOMECÂNICA DOS SEGMENTOS ARTICULARES DO MEMBRO INFERIOR COMPONENTES DO COMPLEXO DO QUADRIL CINESIOLOGIA E BIOMECÂNICA DOS SEGMENTOS ARTICULARES DO MEMBRO INFERIOR COMPONENTES DO COMPLEXO DO QUADRIL PELVE (isquio, ilio, pubis) FÊMUR 1 COMPLEXO DO QUADRIL ARTICULAÇÃO SINOVIAL, TIPO ESFERÓIDE 3

Leia mais

LISTA DE ACIDENTES ANATÔMICOS ÓSSEOS

LISTA DE ACIDENTES ANATÔMICOS ÓSSEOS LISTA DE ACIDENTES ANATÔMICOS ÓSSEOS 1. Base do crânio - Visão externa Canal Carótico Canal do Hipoglosso Canal e fossa condilar Canal incisivo Coana Côndilo Occipital Dorso da sela turca Espinha nasal

Leia mais

GENERALIDADES DO SISTEMA ÓSSEO. MSc. Carolline Raidan Anatomia Humana- UFES Aula 3

GENERALIDADES DO SISTEMA ÓSSEO. MSc. Carolline Raidan Anatomia Humana- UFES Aula 3 GENERALIDADES DO SISTEMA ÓSSEO MSc. Carolline Raidan Anatomia Humana- UFES Aula 3 Aula 3- Generalidades do sistema ósseo Conceito Os ossos são estruturas resistentes, de número, coloração e forma variáveis,

Leia mais

Cinesiologia aplicada a EF e Esporte. Prof. Dr. Matheus Gomes

Cinesiologia aplicada a EF e Esporte. Prof. Dr. Matheus Gomes Cinesiologia aplicada a EF e Esporte Prof. Dr. Matheus Gomes 1 Cinesiologia PARTE I Descrição dos movimentos e ações musculares 2 Planos e Eixos Plano Frontal ou Coronal (eixo sagital ou ânteroposterior)

Leia mais

Total de 11 páginas 1

Total de 11 páginas 1 SISTEMA ESQUELÉTICO O esqueleto Esqueleto grego: corpo ressecado Entretanto é um tecido vivo Endoesqueleto 206 ossos Funções Sustentação; Proteção; Reserva de minerais; Movimentação; Formação de células

Leia mais

Pelve: Ossos, Articulações e Ligamentos. Dante Pascali

Pelve: Ossos, Articulações e Ligamentos. Dante Pascali CAPÍTULO 1 Pelve: Ossos, Articulações e Ligamentos Dante Pascali Capítulo 1 Pelve: Ossos, Articulações e Ligamentos 3 OSSOS PÉLVICOS A pelve é a base óssea na qual o tronco se apóia e através da qual o

Leia mais

ANATOMIA HUMANA. Profª. Ana Carolina Athayde Braz. Programa da Disciplina. 1. Introdução ao Estudo da Anatomia

ANATOMIA HUMANA. Profª. Ana Carolina Athayde Braz. Programa da Disciplina. 1. Introdução ao Estudo da Anatomia ANATOMIA HUMANA Profª. Ana Carolina Athayde Braz Programa da Disciplina 1. Introdução ao Estudo da Anatomia 2. Sistema Passivo de Locomoção Esqueleto e Sistema Ósseo. 2.1 Osteologia, Funções e Classificação

Leia mais

SISTEMA ESQUELÉTICO. Curso Técnico em Estética Bruna Cristina Jaboinski Silva

SISTEMA ESQUELÉTICO. Curso Técnico em Estética Bruna Cristina Jaboinski Silva SISTEMA ESQUELÉTICO Curso Técnico em Estética Bruna Cristina Jaboinski Silva O ESQUELETO HUMANO Além de dar sustentação ao corpo, o esqueleto protege os órgãos internos e fornece pontos de apoio para a

Leia mais

28/08/2015 CINTURA PÉLVICA E QUADRIL INTRODUÇÃO. Transmissão do peso da cabeça, tronco e MMSS para os MMII INTRODUÇÃO ÍNDICE DE ASSUNTOS

28/08/2015 CINTURA PÉLVICA E QUADRIL INTRODUÇÃO. Transmissão do peso da cabeça, tronco e MMSS para os MMII INTRODUÇÃO ÍNDICE DE ASSUNTOS ÍNDICE DE ASSUNTOS CINTURA PÉLVICA E QUADRIL PROF. DR. Wouber Hérickson de B. Vieira DEPARTAMENTO DE FISIOTERAPIA - UFRN hericksonfisio@yahoo.com.br INTRODUÇÃO ANATOMIA FUNCIONAL Estrutura óssea Estrutura

Leia mais

Nome RA. Introdução ao Estudo da Anatomia Humana

Nome RA. Introdução ao Estudo da Anatomia Humana Introdução ao Estudo da Anatomia Humana 1) È um dos fatores gerais de variação anatômica 2) Segmento do membro inferior 3) Plano de secção que divide o corpo em duas porções laterais exatamente iguais

Leia mais

Músculos da face Não estão fixados pela parte óssea nas duas extremidades

Músculos da face Não estão fixados pela parte óssea nas duas extremidades Músculos da face Não estão fixados pela parte óssea nas duas extremidades Uma fixação é no esqueleto e outra na parte mais profunda da Pele Podem movimentar a pele do couro cabeludo e da face modificando

Leia mais