AGÊNCIA BRASILEIRA DE COOPERAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AGÊNCIA BRASILEIRA DE COOPERAÇÃO"

Transcrição

1 AGENCE BRÉSILIENNE DE COOPÉRATION - LA COOPÉRATION TECHNIQUE DU BRÉSIL EN AFRIQUE BRAZILIAN COOPERATION AGENCY - BRAZILIAN TECHNICAL COOPERATION IN AFRICA AGÊNCIA BRASILEIRA DE COOPERAÇÃO A COOPERAÇÃO TÉCNICA DO BRASIL PARA A ÁFRICA

2 1 A COOPERAÇÃO TÉCNICA DO BRASIL PARA A ÁFRICA MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES - MRE AGÊNCIA BRASILEIRA DE COOPERAÇÃO - ABC Ministro de Estado das Relações Exteriores Embaixador Celso Luiz Nunes Amorim Subsecretário-Geral das Relações Exteriores Embaixador Samuel Pinheiro Guimarães Neto Subsecretário-Geral de Cooperação e de Promoção Comercial Embaixador Ruy Nunes Pinto Nogueira Diretor da Agência Brasileira de Cooperação Ministro Marco Farani

3 Foto: Acervo ABC/MRE

4 ÍNDICE PREFÁCIO APRESENTAÇÃO ANGOLA ARGÉLIA BENIN BOTSUANA BURKINA FASO CABO VERDE CAMEROUN CÔTE D IVOIRE GANA GUINÉ-BISSAU LIBÉRIA MALI MARROCOS MOÇAMBIQUE NIGÉRIA QUÊNIA SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE SENEGAL SERRA LEOA TOGO TUNÍSIA ZÂMBIA CPLP - A COOPERAÇÃO COM A COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA PROJETO COTTON

5 Foto: Acervo ABC/MRE

6 Ações de Cooperação Internacional Realizadas pelo Brasil 5 PREFÁCIO Embaixador Celso Amorim Ministro das Relações Exteriores Desde o início do Governo do Presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o Brasil vem intensifi cando seu diálogo com os países da África. A estratégia de aproximação com a África é ao mesmo tempo parte do esforço de concretização da vocação universalista do País e de resgate da identidade nacional na formulação de política externa. Abrimos 16 novas embaixadas em solo africano. Nosso comércio com a África mais que quintuplicou entre 2002 e O Presidente Lula realizou dez viagens ao continente, visitando vinte países, alguns dos quais mais de uma vez. Tudo isso mostra que o Brasil tem um compromisso de longo prazo com a África. Uma das formas pelas quais esse compromisso melhor se expressa é por meio de uma cooperação técnica que busca semear capacidade para o desenvolvimento autônomo. A cooperação técnica é um instrumento central da ação externa brasileira. A cooperação que o Brasil promove, num verdadeiro espírito Sul-Sul, privilegia a transferência de conhecimento, a capacitação, o emprego da mão-de-obra local e a concepção de projetos que reconheçam a realidade específi ca de cada país. A solidariedade que anima o relacionamento do Brasil com outros países em desenvolvimento é pilar fundamental de nossas ações de cooperação com a África. É com orgulho, portanto, que o Brasil vem colocando à disposição dos países africanos iniciativas como o Escritório da Empresa Brasileira de Agropecuária, em Acra; uma fábrica de antiretrovirais e o Escritório da Fundação Osvaldo Cruz, em Maputo; uma fazenda modelo de produção de algodão, em instalação no Mali; centros de formação profi ssional; e numerosos projetos de energia renovável, agricultura tropical, combate ao HIV e à malária. A participação do Presidente Lula como convidado de honra na XIII Cúpula da União Africana é ocasião propícia para o retrato que este livro pretende oferecer das ações de cooperação técnica brasileiras para a África em curso ou em negociação. Além de simbólica, por ocorrer na instância máxima da organização, a presença do Presidente brasileiro dá destaque à possibilidade de que instrumentos celebrados com a Comissão da União Africana sirvam de abrigo para a multiplicação de novas iniciativas. Vários dos desafi os africanos não são estranhos ao Brasil, país que ainda comporta muita desigualdade. Contribuir para o desenvolvimento africano, por meio do compartilhamento das soluções que encontramos para nossos próprios problemas, é o objetivo central de nossa cooperação técnica. Como mostra esta publicação, muito já foi feito. Mas a disposição brasileira de continuar fazendo e a potencialidade de novas parcerias nos garantem que estamos apenas começando a trilhar um caminho muito promissor.

7 6 Ministério das Relações Exteriores Agência Brasileira de Cooperação A COOPERAÇÃO TÉCNICA DO BRASIL PARA A ÁFRICA APRESENTAÇÃO Ministro Marco Farani Diretor da Agência Brasileira de Cooperação A cooperação com a África é prioritária para o Brasil. Nossa principal meta é garantir um desenvolvimento equilibrado e integral, em benefício das populações dos nossos países. Trata-se de relacionamento estratégico. Temos clara compreensão da importância do diálogo e do desenvolvimento de parcerias com os países africanos. Nosso relacionamento contribui para enriquecer e diversificar nossa inserção conjunta no sistema internacional. Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante o Painel de Alto Nível da XII Reunião da Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD), Acra, Gana, 21 de abril de A cooperação horizontal vem ocupando, cada vez mais, lugar de destaque na agenda diplomática brasileira. A constatação é comprovada pelo crescente número de atos internacionais fi rmados entre o Brasil e países da África nos últimos anos e, consequentemente, pelo número de projetos de cooperação técnica desenvolvidos. Em 2005, o Governo brasileiro firmou Acordos Básicos de Cooperação Técnica com Botsuana, Sudão, Burkina-Faso, Benin, Gâmbia e Guiné Equatorial e em 2006 com Zâmbia e Tanzânia. Em 2007, foram assinados acordos com a União Africana, Ruanda e Suazilândia e, em 2008, com Suazilândia e Serra Leoa. Atualmente encontram-se em negociação acordos de cooperação técnica com a Etiópia, Mali, Comores, Burundi, Libéria e Chade. Os instrumentos executivos que operacionalizam os programas e projetos de cooperação técnica brasileira a países em desenvolvimento montam a cerca de 150 desde Em 2008, cerca de 115 ações de cooperação, entre projetos e atividades isoladas, foram executadas somente com países africanos, em diversas áreas: educação, agricultura, pecuária, saúde, meio ambiente, administração pública, tecnologia da informação, governo eletrônico, cultura, energia, desenvolvimento urbano, formação profi ssional e esporte. Para o biênio , deverão ser executados 150 projetos e atividades de cooperação Sul-Sul do Brasil na África, com um orçamento total de aproximadamente US$ 38 milhões. A primeira linha de frente da cooperação brasileira junto aos países africanos envolve as nações de língua ofi cial portuguesa. A cooperação brasileira prestada a Angola, Moçambique, Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe e Cabo Verde corresponde a cerca de 74% do volume de recursos alocados em projetos de cooperação técnica na África. Não obstante, a cooperação brasileira tem diversifi cado seus benefi ciários nesse continente. Dessa forma, atividades de cooperação vêm sendo negociadas e desenvolvidas com novos parceiros, como Senegal, Nigéria, Namíbia

8 Ações de Cooperação Internacional Realizadas pelo Brasil 7 e Quênia, Benin, Burquina Faso, Botsuana, Chade, Mali, Marrocos e Zâmbia, dentre outros. A ABC tem buscado implantar, desde 2008, uma nova estratégia de ação para a cooperação Sul-Sul do Brasil, que privilegia a concepção, sempre que havendo condições para tanto, de projetos estruturantes no lugar da reprodução automática do modelo tradicional de projetos pontuais. Os ditos projetos estruturantes oferecem diversas vantagens para a cooperação brasileira e, principalmente, para os países benefi ciários: aumenta-se o impacto social e econômico sobre o público-alvo da cooperação; logra-se assegurar maior sustentabilidade dos resultados da cooperação do Brasil; facilita-se a mobilização de instituições brasileiras para a implementação de diferentes componentes dos projetos; e cria-se espaço para a mobilização de parcerias triangulares com outros atores internacionais. Na linha dos projetos estruturantes, destacase a cooperação técnica da EMBRAPA em apoio à Iniciativa do Algodão em benefício dos países membros do Cotton-4 (Benin, Burkina Faso, Chade e Mali). Esse projeto foi aprovado por meio de Ajuste Complementar ao Acordo de Cooperação Técnica entre a República Federativa do Brasil e a União Africana, para a implementação do projeto de apoio à cotonicultura nos países do C-4, cujo objetivo é o de estabelecer parceria para a promoção da cooperação técnica para o desenvolvimento sustentável da cadeia do algodão. A Agricultura apresenta-se, nesse contexto, como a área de maior demanda de países africanos pela cooperação brasileira. Devido às grandes solicitações nesse domínio, decidiuse pelo estabelecimento de Escritório de Representação da Embrapa na África, com o objetivo de atuar como agente facilitador do processo de transferência de tecnologias agropecuárias e fl orestais dessa empresa, bem como de outras instituições brasileiras a países africanos. Atualmente, encontram-se projetos de cooperação técnica em agricultura executados em Angola, Moçambique, São Tomé e Príncipe, Senegal, Cameroun, Tunísia, Argélia, Namíbia, Tanzânia, Guiné-Bissau e Cabo Verde, além do grupo Cotton-4. Vale destacar que os programas bilaterais de cooperação técnica do Brasil na área agrícola na África têm estimulado o desenvolvimento de iniciativas de cooperação triangular envolvendo países desenvolvidos. Dentre outros projetos de maior impacto na África, destacam-se a instalação de Centros de Formação Profi ssional em parceria com o SENAI em Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, São Tomé e Príncipe. Tais projetos possuem como objetivo a oferta de cursos de capacitação de mão-de-obra, sobretudo nas áreas de construção civil, elétrica, hidráulica, panifi cação, informática e confecção. Na área de educação, por sua vez, destacam-se os projetos de Alfabetização de Jovens e Adultos em São Tomé e Príncipe e Moçambique, bem como a transferência da metodologia do programa Bolsa-Escola em Moçambique e São Tomé e Príncipe. Com o Governo de Angola, vale mencionar o Projeto Capacitação para Elaboração de Proposta Curricular. No tema da governança, o Brasil tem cooperado com Angola, Cabo Verde e SãoTomé e Príncipe, por intermédio do SERPRO, para a instalação de Tele-Centros, que contemplam ações no campo da inclusão digital. Na área da Saúde, a cooperação brasileira tem se concentrado, sobretudo, em ações de apoio ao combate à malária, HIV/AIDS e anemia falciforme. Cabe ressaltar o importante apoio brasileiro às ações de combate ao HIV/AIDS em Moçambique, materializado inclusive pela elaboração de estudo de viabilidade econômica para a implantação de fábrica de medicamentos anti-retrovirais naquele país. O Governo brasileiro capacitará os profi ssionais moçambicanos que atuarão na fábrica, bem como apoiará o fortalecimento institucional do órgão público responsável pelas atividades de regulação sanitária. Os gráfi cos a seguir apresentam a relação dos países africanos benefi ciados por ações de cooperação brasileira no biênio , incluindo o volume de recursos alocados e uma comparação com outras regiões do mundo.

9 8 Ministério das Relações Exteriores Agência Brasileira de Cooperação Foto: Acervo ABC/MRE

10 Ações de Cooperação Internacional Realizadas pelo Brasil 9 AGÊNCIA BRASILEIRA DE COOPERAÇÃO ANGOLA //PROJETOS EM EXECUÇÃO APOIO À REESTRUTURAÇÃO DO TELECENTRO DE LUANDA Brasil OIT/Brasil Angola Ministério da Administração Pública Emprego e Segurança Social de Angola Projeto Combate às Piores Formas de Trabalho Infantil em Países Lusófonos da África,Organização Internacional do Trabalho OIT. Promover a inclusão digital da comunidade do Cazenga. O Projeto prevê: 1) Viabilizar o funcionamento no curto prazo do Telecentro de Luanda; 2) Realizar curso de capacitação utilizando a infraestrutura do Telecentro.

11 10 Ministério das Relações Exteriores Agência Brasileira de Cooperação CAPACITAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE REFORMA CURRICULAR Brasil Secretaria da Educação Básica, do Ministério da Educação -SEB/MEC Angola Instituto Nacional de Investigação e Desenvolvimento da Educação, do Ministério da Educação - INIDE/MED Doc. Projeto assinado em: 16/11/2007 Aj. Compl. Assinado em: 18/10/2007 Vigência projeto: 18 meses, a partir da assinatura do doc de projeto. Vigência Ajuste: 2 anos renováveis automaticamente até o cumprimento de seu objeto. Apoiar o desenvolvimento da reforma curricular em Angola. O Projeto prevê: 1) Capacitar técnicos em educação de Angola para a análise e aprofundamento da proposta curricular implementada no país, 2) Avaliar a execução do projeto. ESCOLA DE TODOS Brasil Secretaria da Educação Especial, do Ministério da Educação SEESP/MEC Angola Instituto Nacional de Investigação e Angola Desenvolvimento da Educação, do Ministério da Educação INIDE/MED Doc. Projeto assinado em: 14/03/2008 Aj. Compl. Assinado em: 18/10/2007 Vigência projeto: 12 meses, a partir da assinatura do doc de projeto. Vigência Ajuste: 2 anos renováveis automaticamente até o cumprimento de seu objeto. Fortalecer o processo de inclusão dos alunos com necessidades educacionais especiais no sistema de ensino angolano. O Projeto prevê : 1)Propiciar a organização de recursos técnicos, didáticos e pedagógicos específi cos e apoiar tecnicamente a organização de serviços de atendimento educacional especializado no sistema educacional angolano; 2)Oferecer formação continuada para os professores em serviço, de modo a promover a oferta do atendimento aos alunos com defi ciência visual, auditiva, mental, Síndrome de Down e Transtornos Invasivos do Desenvolvimento; e 3)Subsidiar a prática docente para o uso e emprego do Sistema Braille Integral, do Código Matemático Unifi cado, da Orientação e Mobilidade e Atividades da Vida Diária - AVD, do Ensino da Língua Portuguesa para Surdos, da comunicação alternativa e do desenvolvimento de atividades que trabalhem os processos mentais superiores.

12 Ações de Cooperação Internacional Realizadas pelo Brasil 11 APOIO AO PROGRAMA DE PREVENÇÃO E CONTROLE DA MALÁRIA Brasil Secretaria de Vigilância Sanitária, do Ministério da Saúde-SVS/MS Angola Ministério da Saúde de Angola Doc. Projeto assinado em: 16/10/2008 Aj. Compl. Assinado em: 18/10/2007 Vigência projeto: 18 meses, a partir da assinatura do doc de projeto. Vigência Ajuste: 2 anos renováveis automaticamente até o cumprimento de seu objeto. Contribuir para a Diminuição do número de casos de malária em Angola. O Projeto prevê: 1) Contribuir para o fortalecimento das diretrizes técnicas do Programa de Controle a Malária de Angola e para o fortalecimento do Sistema de Vigilância Sanitária Epidemiológica de Angola; 2) Formar formadores em diagnóstico parasitológico da malária com controle de qualidade e em tratamento efetivo da malária; e 3) Capacitar técnicos para o controle integrado de vetores com base entomo-epidemiológica. FORTALECIMENTO DA PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA E DA PRODUÇÃO AUDIVISUAIS DE ANGOLA Brasil Ministério da Cultura MinC Angola Ministério da Cultura de Angola Doc. Projeto assinado em: 20/10/2008 Aj. Compl. Assinado em: 17/07/2008 Vigência projeto: 12 meses, a partir da assinatura do doc de projeto. Vigência Ajuste: 1 ano renováveis automaticamente até o cumprimento de seu objeto. Desenvolver o setor de preservação, catalogação e difusão dos acervos fi lmicos, bem como o planejamento e difusão de culturas públicas e metodologias para o desenvolvimento da cadeia cultural audivisual em Angola. O Projeto prevê: 1) Capacitar técnicos angolanos nos setores de gestão, descarte, preservação, restauração, indexação e difusão dos acervos recuperados; 2) Capacitar técnicos angolanos para gestão, criação, técnica, produção, fi nalização e difusão de peças audiovisuais.. FORTALECIMENTO DA GESTÃO DO PATRIMÔNIO CULTURAL DE ANGOLA Brasil Ministério da Cultura- MinC Angola Ministério da Cultura de Angola Doc. Projeto assinado em: 20/10/2008 Aj. Compl. Assinado em: 17/07/2008 Vigência projeto: 12 meses, a partir da assinatura do doc de projeto. Vigência Ajuste: 2 anos renováveis automaticamente até o cumprimento de seu objeto.

13 12 Ministério das Relações Exteriores Agência Brasileira de Cooperação Preservar o patrimônio cultural de Angola para benefício das gerações futuras. O Projeto prevê: 1) Realizar seminário sobre gestão do patrimônio cultural; 2) Prover capacitação nas áreas de identifi cação e documentação do Patrimônio Cultural; 3) Prover capacitação em práticas de proteção e conservação dos bens materiais; 4) Prover capacitação em práticas de identifi cação, registro e salvaguarda do Patrimônio Cultural imaterial; 5) Prover capacitação nas práticas de promoção de bens culturais, especialmente educação patrimonial; 6) Prover capacitação em práticas de gestão museológica; 7) Monitorar e avaliar o projeto. AGÊNCIA BRASILEIRA DE COOPERAÇÃO ANGOLA //PROJETOS EM NEGOCIAÇÃO CAPACITAÇÃO DO SISTEMA DE SAÚDE DA REPÚBLICA DE ANGOLA Brasil Ministério da Saúde de Angola Angola FIOCRUZ Doc. Projeto assinado em: 10/09/2007 Aj. Compl. Assinado em: 09/07/2007 Vigência projeto: 12 meses, a partir da assinatura do doc de projeto. Vigência Ajuste: 2 anos, sendo renovado automaticamente, até o cumprimento de seu objeto.

14 Ações de Cooperação Internacional Realizadas pelo Brasil 13 Fortalecer a capacidade da formação em saúde pública em Angola nos campos de ensino, ciência e tecnologia, incluindo comunicação e informação. O Projeto prevê: 1) o apoio à organização e implementação do curso de Mestrado em Saúde Pública em Angola para formar profi ssionais que atuarão no ensino, investigação e cooperação técnica na Escola de Saúde Pública de Angola; 2) o apoio à estruturação de uma rede de bibliotecas em saúde em Angola; 3) o apoio à reestruturação das Escolas Técnicas de Saúde de Angola; e 4) o apoio ao fortalecimento do Instituto Nacional de Saúde Pública de Angola. APOIO TÉCNICO PARA A IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO CENTRO MILITAR DE HIGIENE E EPIDEMIOLOGIA DE ANGOLA Brasil Ministério da Saúde do Brasil / Fundação de Desenvolvimento da Pesquisa da Universidade Federal de Minas Gerais Angola Direção dos Serviços de Saúde do Estado Maior General das Forças Armadas Angolanas / Ministério da Defesa Nacional de Angola Programa Executivo e Projeto em fi nalização. Auxiliar a formação técnica de profi ssionais com capacidades estratégicas para a gestão e operacionalização do Centro Militar de Higiene e Epidemilogia e apoiar a capacitação de profi ssionais técnicos e a formação de multiplicadores em conhecimentos básicos de vigilância epidemilogia, sanitária e diagnóstico laboratorial, e apoiar tecnicamente a implantaçãao de um centro de telessaúde no CMHE. Projeto prevê: 1) Capacitar técnicos angolanos em técnicas e procedimentos básicos de vigilância epidemiológica, sanitária e diagnóstico laboratorial e realizar estágio prático nestas áreas; 2) Capacitar médicos e gestores do CMHE em vigilância em saúde e gestão de informações estratégicas para o controle de endemias e epidemias; 3) intercambiar conhecimentos sobre as estratégias nacionais de Vigilância Epidemiológica, Vigilância Sanitária e Laboratórios de Saúde Pública e no manejo de informações estratégicas nessas áreas; e 4) Apoiar o CMHE na implementação de uma sala de telessaúde.

15 14 Ministério das Relações Exteriores Agência Brasileira de Cooperação PROJETO-PILOTO EM ANEMIA FALCIFORME Brasil Ministério da Saúde do Brasil / Coordenação da Política Nacional de Sangue e Hemoderivados Angola Ministério da Saúde de Angola / Hospital Pediátrico David Bernardino Programa Executivo e Projeto em fi nalização Reduzir a taxa de morbimortalidade por doença falciforme no país. Projeto prevê: 1)Capacitar profi ssionais de saúde de Angola em tratamento básico, diagnóstico laboratorial e por imagem da doença falciforme, triagem neonatal e restauração de lesões ósseas; e 2) Implantar o sistema de cadastro de pacientes. APOIO A FORMAÇÃO PROFISSIONAL RURAL E PROMOÇÃO SOCIAL EM ANGOLA Transferir metodologias do SENAR para Profi ssionais de Ciência Agrárias e Técnicos do IDA. Brasil Angola EMBRAPA,MAPA, EMATER-DF e SENAR MINADER

16 Foto: Site USAID

17 16 Ministério das Relações Exteriores Agência Brasileira de Cooperação Foto: Acervo ABC/MRE Missão de prospecção à Argélia na Área de Gestão e Monitoramento de Ecossistemas Florestais

18 Ações de Cooperação Internacional Realizadas pelo Brasil 17 AGÊNCIA BRASILEIRA DE COOPERAÇÃO ARGÉLIA //PROJETOS EM NEGOCIAÇÃO CAPACITAÇÃO TÉCNICA EM PROCEDIMENTOS CIRÚRGICOS CARDÍACOS PEDIÁTRICOS Brasil Instituto Nacional de Cardiologia Argélia Ministério da Saúde, da População e da Reforma Hospitalar AC ass em: 23/06/2008. Vig do AC: 23/06/2010. Treinar especialistas argelinos para realização de cirurgias cardíacas pediátricas. TRANSFERÊNCIA DE CONHECIMENTO PARA PRODUÇÃO DE GEMAS LAPIDADAS, JÓIAS E ARTESANATO MINERAL Brasil Argélia ABRAGEM Ministério das Pequenas e Médias Empresas e do Artesanato AC ass em: 23/06/2008. Vig do AC: 23/06/2011. Formar cooperativas de trabalhadores através da capacitação técnica na produção e lapidação de jóias fi nas.

19 18 Ministério das Relações Exteriores Agência Brasileira de Cooperação GESTÃO E MONITORAMENTO DE ECOSSISTEMAS FLORESTAIS Brasil Universidade Federal de Viçosa (UFV) Argélia Institut National de Recherche Forestière (INRF) AC ass em: 23/06/2008. Vig do AC: 23/06/2010. Transferir tecnologias ambientais para realizar monitoramento dos ecossitemas em áreas ameaçadas de degradação. DESENVOLVIMENTO INTEGRADO E SUSTENTÁVEL DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO TOUIL Brasil Universidade Federal de Viçosa (UFV) Argélia Institut National de Recherche Agronomique de l Algérie (INRAA) AC ass em: 23/06/2008. Vig do AC: 23/06/2010. Reforçar as capacidades técnicas argelinas em matéria de desenvolvimento integrado e sustentável e fornecer ferramentas necessárias a este fi m. CONSERVAÇÃO DE RECURSOS HÍDRICOS E SOLOS EM ZONAS ÚMIDAS DO RIO TELL ORIENTAL Brasil Universidade Federal de Viçosa (UFV) Argelia Institut National de Recherche Forestière (INRF) AC ass em: 23/06/2008. Vig do AC: 23/06/2010. Contribuir para o fortalecimento da gestão para conservação da água e do solo na Argélia. GESTÃO E NORMATIZAÇÃO DO ATENDIMENTO DE QUEIMADURAS Brasil Ministério Saúde Argélia Ministério da Saúde, da População e da Reforma Hospitalar AC ass em: 23/06/2008. Vig do AC: 23/06/2010. Contribuir para o fortalecimento da gestão na área de queimaduras, voltada à normatização do atendimento, em todas as fases e áreas de abrangência. REVITALIZAÇÃO DO VIADUTO SIDI-RACHED DE CONSTANTINE Brasil Instituto de Pesquisa Tecnológica Argélia Ministerio de Obras Públicas y Comunicaciones Apoio à revitalização do Viaduto Sidi-Rached de Constantine peritagem das estruturas e fundações da obra. Prover treinamento na manutenção e restauração da estrutura do viaduto Sidi-Rached.

20 Ações de Cooperação Internacional Realizadas pelo Brasil 19 Foto: Acervo ABC/MRE Encontro do presidente Lula com o presidente Boutefl ika/2006

21 20 Ministério das Relações Exteriores Agência Brasileira de Cooperação Foto: Domingos Tadeu/PR Presidente Lula na inauguração da embaixada de Benin em Brasília

22 Ações de Cooperação Internacional Realizadas pelo Brasil 21 AGÊNCIA BRASILEIRA DE COOPERAÇÃO BENIN //PROJETOS EM EXECUÇÃO APOIO AO DESENVOLVIMENTO DO SETOR ALGODOEIRO DOS PAÍSES DO COTTON-4 (BENIN, BURKINA-FASO, CHADE E MALI) Contribuir para o aumento da competitividade da cadeia produtiva do algodão nos países do C-4. Brasil Benin EMBRAPA Instituto Nacional de Pesquisa Agronômica (ITRA) BOLSA FAMÍLIA FASE PILOTO Brasil Benin Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Ministério da Família e da Solidariedade Nacional Transferir a metodologia brasileira do Programa Bolsa Família e sua gestão ao Benin.

23 22 Ministério das Relações Exteriores Agência Brasileira de Cooperação PROJETO PILOTO EM DOENÇA FALCIFORME Brasil Ministério da Saúde Benin Ministério da Saúde Intercâmbio de experiências entre as Partes; fortalecimento de competências e capacidades profi ssionais de saúde do Benin em tratamento básico, diagnóstico laboratorial da doença falciforme, triagem neonatal e recuperação de lesões ósseas; defi nição de áreas de interesse comum para pesquisa médica aplicada à doença falciforme; e implementação de programas de acompanhamento contínuo de pacientes. GESTÃO DE PATRIMÔNIO MATERIAL E IMATERIAL NO BENIN Brasil Benin Ministério da Cultura / IPHAN Ministério da Cultura Formar profi ssionais beninenses em gestão de patrimônio material e imaterial, restauração de monumentos e áreas afi ns, bem como em turismo cultural.

24 Ações de Cooperação Internacional Realizadas pelo Brasil 23 Foto: Acervo ABC/MRE

25 24 Ministério das Relações Exteriores Agência Brasileira de Cooperação Foto: Site Webshots

26 Ações de Cooperação Internacional Realizadas pelo Brasil 25 AGÊNCIA BRASILEIRA DE COOPERAÇÃO BOTSUANA //PROJETOS EM NEGOCIAÇÃO ATIVIDADE ISOLADA NA ÁREA DE PREVENÇÃO E COMBATE A DST/AIDS Contribuir para a redução do impacto da epidemia de HIV/Aids/DST em Botsuana. Brasil Programa Nacional DST/Aids Botsuana Ministério da Saúde de Botsuana

27 26 Ministério das Relações Exteriores Agência Brasileira de Cooperação Foto: Acervo ABC/MRE

28 Ações de Cooperação Internacional Realizadas pelo Brasil 27 AGÊNCIA BRASILEIRA DE COOPERAÇÃO BURKINA FASO //PROJETOS EM EXECUÇÃO MISSÃO DE PROSPECÇÃO DE PROJETOS NA ÁREA DA SAÚDE Realizar missão de prospecção para subsidiar a elaboração de projetos de cooperação técnica Brasil FIOCRUZ Burkina-Faso Ministério da Saúde de Burkina Faso

29 28 Ministério das Relações Exteriores Agência Brasileira de Cooperação Foto: Site Pahte

30 Ações de Cooperação Internacional Realizadas pelo Brasil 29 AGÊNCIA BRASILEIRA DE COOPERAÇÃO CABO VERDE //PROJETOS EM EXECUÇÃO MISSÃO DE DESDOBRAMENTO DA AVALIAÇÃO ATUARIAL DE CABO VERDE E DE ELABORAÇÃO DE PROJETO DE COOPERAÇÃO EM POLÍTICAS DE INVESTIMENTO PARA O INSTITUTO NACIONAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL Brasil Ministério da Previdência Social Secretaria de Políticas de Previdência Social Cabo Verde Ministério das Finanças de Cabo Verde Doc de proj ass. em: 29/01/09. Vig do proj: 08/02/09 a 08/03/09. Realizar desdobramento da avaliação atuarial cabo-verdiana com vistas à criação do fundo de pensão para os servidores públicos de Cabo Verde e elaborar projeto de cooperação em políticas de investimento para o Instituto Nacional de Previdência Social.

31 30 Ministério das Relações Exteriores Agência Brasileira de Cooperação CAPACITAÇÃO PARA A ATUALIZAÇÃO DA CARTOGRAFIA CENSITÁRIA DE CABO VERDE Brasil Instituto Brasileiro de Geografi a e Estatística IBGE Cabo Verde Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Doc de proj ass. em: 29/01/09. Vig do proj: 08/02/09 a 08/03/09. Capacitar técnicos do Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde (INE) nos processos e softwares implantados para a atualização da base cartográfi ca censitária para o censo demográfi co de Cabo Verde de MISSÃO DE REESTRUTURAÇÃO DO TELECENTRO DE PRAIA Brasil Serviço Federal de Processamento de Dados - SERPRO Cabo Verde Biblioteca Nacional de Cabo Verde Doc de proj ass. em: 05/02/09. Vig do proj: 03/02/09 a 29/05/09. Reestruturar o Telecentro de Praia por meio de sua modernização e capacitação de seus técnicos. MISSÃO PARA ESTRUTURAÇÃO DE UM CURSO DE MESTRADO EM SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL Brasil Universidade Federal da Bahia Cabo Verde Ministério da Educação e Ensino Superior ICASE (Instituto Caboverdiano de Assistência Social Escolar) Elaborar projeto de mestrado em segurança alimentar e nutricional para Cabo Verde, considerando as demandas locais e a experiência brasileira na Escola de Nutrição da Universidade Federal da Bahia. MISSÃO PARA PROSPECÇÃO DE PROJETO DE IMPLEMENTAÇÃO DA AGRICULTURA FAMILIAR E HORTO ESCOLAR Estudar as realidades locais do país visando eventual apoio à implementação da agricultura familiar e Horto Escolar. Brasil Companhia Nacional de Abastecimento Cabo Verde Ministério da Educação e Ensino Superior ICASE (Instituto Caboverdiano de Assistência Social Escolar) MISSÃO DE ACOMPANHAMENTO À FORMAÇÃO DE COORDENADORES DE CURSOS DE EDUCAÇÃO ESPECIAL A DISTÂNCIA EM CABO VERDE Subsidiar o governo de Cabo verde com acompanhamento de formação de coordenadores de cursos a distância. Brasil Ministério da Educação Secretaria de Educação Especial (SEESP) Cabo Verde Direção Geral do Ensino Básico e Secundário - DGEBS

32 Ações de Cooperação Internacional Realizadas pelo Brasil 31 MISSÃO DE PROSPECÇÃO DE PROJETO EM POLÍTICA NACIONAL DE EMPREGO Brasil Ministério do Trabalho e Emprego Cabo Verde Ministério do Trabalho, Formação Profi ssional e Solidariedade Social de Cabo Verde (MTFPS) Cabo Verde Elaborar projeto de cooperação técnica na área de Política Nacional de Emprego, com foco em políticas de emprego e rendimento, instrumentos fi nanceiros do trabalho e programa primeiro emprego. APOIO AO DESENVOLVIMENTO DA CAPRINO-OVINOCULTURA EM CABO VERDE Brasil Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária EMBRAPA Cabo Verde Instituto Nacional de Investigação e Desenvolvimento Agrário INIDA Doc. Projeto assinado em: 12/03/08. Aj. Compl. assinado em: 13/09/07. Vigência projeto: mar/10. Vigência Ajuste: 2 anos renováveis automaticamente até o cumprimento de seu objeto. Consolidar a política de expansão da pecuária em Cabo Verde, visando ao desenvolvimento rural e à geração de emprego e renda do país. APOIO AO DESENVOLVIMENTO DA HORTICULTURA EM CABO VERDE Brasil Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária EMBRAPA Cabo Verde Instituto Nacional de Investigação e Desenvolvimento Agrário INIDA Doc. Projeto assinado em: 12/03/08. Aj. Compl. assinado em: 13/09/07. Vigência projeto: mar/10. Vigência Ajuste: 2 anos renováveis automaticamente até o cumprimento de seu objeto. Consolidar a política de expansão da horticultura em Cabo Verde, visando ao desenvolvimento rural e à geração de emprego e renda do país. FORTALECIMENTO DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE EM CABO VERDE Brasil Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF Cabo Verde Ministério da Saúde de Cabo Verde Doc. Projeto assinado em: 29/09/08. Aj. Compl. assinado em: 27/06/08. Vigência projeto: ago/09. Vigência Ajuste: 2 anos renováveis automaticamente até o cumprimento de seu objeto. Fortalecer a Atenção Primária à Saúde em Cabo Verde, com vista à melhoria da gestão do cuidado e da organização dos serviços do Sistema de Saúde cabo-verdiano.

a CooPeraçÃo técnica do Brasil Para a ÁFriCa Ministério das relações exteriores - Mre agência Brasileira de CooPeraçÃo - abc

a CooPeraçÃo técnica do Brasil Para a ÁFriCa Ministério das relações exteriores - Mre agência Brasileira de CooPeraçÃo - abc 1 a CooPeraçÃo técnica do Para a ÁFriCa Ministério das relações exteriores - Mre agência eira de CooPeraçÃo - abc Ministro de estado das relações exteriores Embaixador Celso Luiz Nunes Amorim secretário-geral

Leia mais

MRE ABC CGRM CGPD CGRB

MRE ABC CGRM CGPD CGRB 1 Organograma da ABC MRE ABC CGRM CGPD CGRB 2 Competências da ABC Coordenar, negociar, aprovar e avaliar a cooperação técnica internacional do país. Coordenar todo o ciclo da cooperação técnica internacional

Leia mais

Programa Integração com a África

Programa Integração com a África Programa Integração com a África Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Junho/2010 Gestor: Roberto Alvarez Gerente Internacional (ABDI) Situação atual (2010):

Leia mais

Seminários CEsA 2012. 26 de Abril de 2012. Brasil em África: a cooperação. Gerhard Seibert

Seminários CEsA 2012. 26 de Abril de 2012. Brasil em África: a cooperação. Gerhard Seibert Seminários CEsA 2012 26 de Abril de 2012 Brasil em África: a cooperação Gerhard Seibert Centro de Estudos Africanos (CEA), ISCTE-IUL 1. Enquadramento político-histórico 2. História Relações Brasil - África

Leia mais

4. Trata-se de uma estratégia complementar à cooperação Norte-Sul e que não tem o objetivo de substituí-la.

4. Trata-se de uma estratégia complementar à cooperação Norte-Sul e que não tem o objetivo de substituí-la. VI REUNIÃO PARDEV 17/5/2012 Fala abertura Laís Abramo 1. A Cooperação Sul Sul é um importante e estratégico instrumento de parceria (partnership) para o desenvolvimento, capaz de contribuir para o crescimento

Leia mais

Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental

Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental I. Contexto Criada em 1996, a reúne atualmente oito Estados Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique,

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial 0352 Abastecimento Agroalimentar 22000 1049 Acesso à Alimentação 0351 Agricultura Familiar - PRONAF 1215 Alimentação Saudável 1016 Artesanato Brasileiro 28000 0135 Assentamentos Sustentáveis para Trabalhadores

Leia mais

Demonstrativo de Funções, Subfunções e Programas por Projetos e Atividades - Anexo VII

Demonstrativo de Funções, Subfunções e Programas por Projetos e Atividades - Anexo VII 01 Legislativa 3.000.000 52.200.000 55.200.000 01031 Ação Legislativa 7.834.000 7.834.000 010310028 ATUAÇÃO LEGISLATIVA DA CÂMARA MUNICIPAL DE 7.834.000 7.834.000 01122 Administração Geral 3.000.000 38.140.000

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR

PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR FNDE MEC PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR Atendimento universal Território de 8,5 milhões de km2 27 estados 5.569 municípios 170.000 escolas 47 milhões de alunos 130 milhões de refeições servidas

Leia mais

Ideias Criativas em Práticas Inovadoras

Ideias Criativas em Práticas Inovadoras Ideias Criativas em Práticas Inovadoras O Concurso Inovação na Gestão Pública Federal é promovido anualmente, desde 1996, pela Escola Nacional de Administração Pública (Enap), em parceria com o Ministério

Leia mais

REDE DE INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EM SAÚDE DA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA EM IST, VIH E SIDA (RIDES IST - SIDA CPLP)

REDE DE INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EM SAÚDE DA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA EM IST, VIH E SIDA (RIDES IST - SIDA CPLP) REDE DE INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EM SAÚDE DA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA EM IST, VIH E SIDA (RIDES IST - SIDA CPLP) 1 REDE DE INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EM SAÚDE DA COMUNIDADE DE

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais

I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Cascais, 23 de junho de 2015. Declaração de Cascais

I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Cascais, 23 de junho de 2015. Declaração de Cascais I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Cascais, 23 de junho de 2015 Declaração de Cascais Os Ministros responsáveis pela Energia da Comunidade dos Países de Língua

Leia mais

COOPERAÇÃO SUL SUL INSPEÇÃO DO TRABALHO. Brasília, 7 de dezembro de 2010

COOPERAÇÃO SUL SUL INSPEÇÃO DO TRABALHO. Brasília, 7 de dezembro de 2010 COOPERAÇÃO SUL SUL SEMINARIO BOAS PRÁTICAS NA INSPEÇÃO DO TRABALHO Brasília, 7 de dezembro de 2010 ESQUEMA DA APRESENTAÇÃO 1. O que se entende por Cooperação Sul-Sul 2. Princípios da Cooperação Sul-Sul

Leia mais

Consulta Pública ESTRATÉGIAS

Consulta Pública ESTRATÉGIAS Plano Municipal de Educação PME Secretaria Municipal de Educação São Francisco do Sul Fórum Municipal de Educação Consulta Pública META 3: Universalizar, até 2016, o atendimento escolar para toda a população

Leia mais

República de Moçambique Ministério das Finanças SISTAFE

República de Moçambique Ministério das Finanças SISTAFE República de Moçambique Ministério das Finanças SISTAFE Data de Geração: 01/10/2012 Orçamento do Estado para Ano de 2013 Código Designação 0101 Presidência da República 150,000.00 0.00 150,000.00 0105

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

Apoio ao Desenvolvimento da Educação Especial

Apoio ao Desenvolvimento da Educação Especial Programa 0049 DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL Objetivo Ampliar e melhorar a oferta de atendimento aos portadores de necessidades educativas especiais. Público Alvo Alunos com necessidades educativas

Leia mais

Código Especificação Fiscal Seg.Social Investimentos Total

Código Especificação Fiscal Seg.Social Investimentos Total 100 Fortalecimento da Atuação Legislativa 8.475.000 8.475.000 101 Fortalecimento do Controle Externo Estadual 80.649.880 80.649.880 102 Fortalecimento do Controle Externo Municipal 3.245.000 3.245.000

Leia mais

Mobilização e Participação Social no

Mobilização e Participação Social no SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Mobilização e Participação Social no Plano Brasil Sem Miséria 2012 SUMÁRIO Introdução... 3 Participação

Leia mais

Curso de Economia Aplicada Para Profissionais de Comunicação

Curso de Economia Aplicada Para Profissionais de Comunicação Curso de Economia Aplicada Para Profissionais de Comunicação Tema: A Cooperação Brasileira para o Desenvolvimento Internacional (Cobradi) João Brígido Bezerra Lima Pesquisador do Ipea Coordenador do estudo

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 367 - Educação Especial UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação

Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 367 - Educação Especial UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Programa 1374 Desenvolvimento da Educação Especial Numero de Ações 16 Ações Orçamentárias 0511 Apoio ao Desenvolvimento da Educação Especial Produto: Projeto apoiado UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

Atuação Internacional da Embrapa

Atuação Internacional da Embrapa Atuação Internacional da Embrapa Atuação Internacional Cooperação Científica Negócios Tecnológicos Cooperação Técnica Cooperação Científica Conhecimentos do Mundo Agricultura Brasileira Cooperação Científica

Leia mais

AGRICULTORES FAMILIARES

AGRICULTORES FAMILIARES Temas para o Diálogo Brasil-África em termos de Segurança Alimentar, Combate à Fome e Desenvolvimento Rural Brasília, de 10 a 12 de maio de 2010 AGRICULTORES FAMILIARES Transferência de Tecnologia - Recursos

Leia mais

PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA PARA 2007

PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA PARA 2007 Secretaria de Orçamento Federal - SOF Assessoria de Consolidação - ASCON PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA PARA 2007 No Estado do Rio de (RJ) Ministério da Ciência e Tecnologia 0 23.384 23.384 Implantação de

Leia mais

Workshop Financiamento às Infraestruturas, à Agricultura e Agro-indústria. Luanda, 26.05.2014

Workshop Financiamento às Infraestruturas, à Agricultura e Agro-indústria. Luanda, 26.05.2014 Workshop Financiamento às Infraestruturas, à Agricultura e Agro-indústria Luanda, 26.05.2014 Agenda 1. Cenário Internacional 2. Formas de apoio 3. Estratégia de atuação na África Depto. de Suporte a Operações

Leia mais

PEP/2015-3ª AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA-SAÚDE

PEP/2015-3ª AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA-SAÚDE 1 PEP/2015-3ª AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA-SAÚDE 1ª QUES TÃ O (Valor 6,0) Comparar a população das Regiões Sul e Sudeste do Brasil com as das Regiões Centro-Oeste, Norte

Leia mais

LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento

LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento PNE PME LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento locais e nacionais (prova Brasil e IDEB) 10% do

Leia mais

Relações Brasil-África:

Relações Brasil-África: 53 Relações Brasil-África: cooperação técnica e comércio Lia Valls Pereira Em 2008, o governo brasileiro lançou a Política de Desenvolvimento Produtivo (PDP). No capítulo sobre Destaques Estratégicos temas

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE Painel 8: O papel de Instituições Públicas para Desenvolvimento da Cacauicultura Brasileira O Cacau e a Agricultura Familiar Adriana

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. Código: CFDN/ABC/HAITI

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. Código: CFDN/ABC/HAITI 1 INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA Código: CFDN/ABC/HAITI 1. OBJETO DA CONSULTORIA Prestação de serviços de consultoria de pessoa física especializados para apoiar a estruturação

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL BAIANO CAMPUS URUÇUCA PLANO DE TRABALHO QUADRIÊNIO 2014-2018 EURO OLIVEIRA DE ARAÚJO

INSTITUTO FEDERAL BAIANO CAMPUS URUÇUCA PLANO DE TRABALHO QUADRIÊNIO 2014-2018 EURO OLIVEIRA DE ARAÚJO INSTITUTO FEDERAL BAIANO CAMPUS URUÇUCA PLANO DE TRABALHO QUADRIÊNIO 2014-2018 EURO OLIVEIRA DE ARAÚJO Euro Oliveira de Araújo, graduado em Licenciatura em Química pela Universidade Estadual da Bahia.

Leia mais

Desenvolvimento da Agricultura Irrigada no Brasil, sob Cenários Sustentáveis (PCT BRA/IICA/08/002)

Desenvolvimento da Agricultura Irrigada no Brasil, sob Cenários Sustentáveis (PCT BRA/IICA/08/002) Desenvolvimento da Agricultura Irrigada no Brasil, sob Cenários Sustentáveis (PCT BRA/IICA/08/002) Data do Início: 01/01/2008 Data do Término: 31/12/2011 Valor: R$ 21.000.000,00 Objetivo: Desenvolvimento

Leia mais

ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICAP Educação a Distância

ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICAP Educação a Distância Fundação Oswaldo Cruz ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICAP Educação a Distância Lucia Dupret Coordenação Geral Programa de Educação a Distância Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca Fundação Oswaldo

Leia mais

Operacionalizar a política de cooperação técnica internacional do país.

Operacionalizar a política de cooperação técnica internacional do país. Competências da ABC Operacionalizar a política de cooperação técnica internacional do país. Coordenar todo o ciclo da cooperação técnica internacional recebida pelo país do exterior e aquela mantida junto

Leia mais

2 INOVAÇÃO NA PROVISÃO DE SERVIÇOS

2 INOVAÇÃO NA PROVISÃO DE SERVIÇOS 1 MELHORIA DA GESTÃO FISCAL DE MÉDIO PRAZO E DO INVESTIMENTO PÚBLICO 1.1 Diagnóstico e Proposição de Melhorias do Marco de Gasto de Médio Prazo 1.1.0 Não há 1.1.0.0 Não há 1.1.0.0.1 Diagnóstico da metodologia

Leia mais

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO Objetivo O objetivo das Diretrizes é apoiar os países a

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

PROGRAMA DO: Governo da República Federativa do Brasil (Ministério das Cidades Ministério do Meio Ambiente)

PROGRAMA DO: Governo da República Federativa do Brasil (Ministério das Cidades Ministério do Meio Ambiente) PROGRAMA DO: Governo da República Federativa do Brasil (Ministério das Cidades Ministério do Meio Ambiente) COM APOIO DO: Programa das Nações Unidas para os Assentamentos Humanos (UN-HABITAT) e o Programa

Leia mais

MENSAGEM N.º 671, DE 2009 (Do Poder Executivo)

MENSAGEM N.º 671, DE 2009 (Do Poder Executivo) CÂMARA DOS DEPUTADOS MENSAGEM N.º 671, DE 2009 (Do Poder Executivo) Aviso nº 603/2009 C. Civil Submete à deliberação do Congresso Nacional o Texto do Acordo Geral de Cooperação entre o Governo da República

Leia mais

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Atores envolvidos Movimentos Sociais Agricultura Familiar Governos Universidades Comunidade Científica em Geral Parceiros Internacionais,

Leia mais

Acordos e Protocolos sem Repasse - Vigentes

Acordos e Protocolos sem Repasse - Vigentes Página 1 de 5 19/7/2015 Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN 20/7/2010 Desenvolver trabalhos e de ações de capacitação no âmbito científico, acadêmico e técnico de interesse comum às suas

Leia mais

Desenvolvimento Agrícola e Meio Ambiente

Desenvolvimento Agrícola e Meio Ambiente p Relatório Consulta Bico do Papagaio Oficinas 279 pessoas se credenciaram para participar das oficinas na cidade de Tocantinópolis. Foi solicitado à elas que elencassem as demandas e problemas regionais.

Leia mais

PROGRAMA: 0553 - Atuação Legislativa da Câmara dos Deputados. PROGRAMA: 0551 - Atuação Legislativa do Senado Federal

PROGRAMA: 0553 - Atuação Legislativa da Câmara dos Deputados. PROGRAMA: 0551 - Atuação Legislativa do Senado Federal PROGRAMA: 0553 - Atuação Legislativa da Câmara dos Deputados 3.172.280 9.772.013 Despesas Correntes 2.964.653 9.031.347 Despesas de Capital 207.627 740.666 3.172.280 12.944.292 9.772.013 PROGRAMA: 0551

Leia mais

Anexo II - Programas de Gestão, Manutenção e Serviços ao Estado

Anexo II - Programas de Gestão, Manutenção e Serviços ao Estado Anexo II - Programas de Gestão, Manutenção e Serviços ao Estado PROGRAMA: 0553 - Atuação Legislativa da Câmara dos Deputados 3.185.780 9.806.513 Despesas Correntes 2.978.153 9.065.847 Despesas de Capital

Leia mais

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR...o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff Julho/2014 0 APRESENTAÇÃO Se fôssemos traduzir o Plano de Governo 2015-2018

Leia mais

Uma Nova Agenda para a Reforma do

Uma Nova Agenda para a Reforma do Uma Nova Agenda para a Reforma do Setor Saúde: Fortalecimento das Funções Essenciais da Saúde Pública e dos Sistemas de Saúde FORO REGIONAL ANTIGUA/GUATEMALA 19-22 DE JULHO DE 2004 PERSPECTIVAS NACIONAIS

Leia mais

Fundação Oswaldo Cruz 1900-2010

Fundação Oswaldo Cruz 1900-2010 Fundação Oswaldo Cruz 1900-2010 Produção e Inovação Pesquisa Ensino Vigilância e Serviços de Referência Informação e comunicação em saúde Ambiente Planejamento e gestão História - Participação na Construção

Leia mais

Actividades relacionadas com o património cultural. Actividades relacionadas com o desporto

Actividades relacionadas com o património cultural. Actividades relacionadas com o desporto LISTA E CODIFICAÇÃO DAS ÁREAS DE ACTIVIDADES Actividades relacionadas com o património cultural 101/801 Artes plásticas e visuais 102/802 Cinema, audiovisual e multimédia 103/803 Bibliotecas 104/804 Arquivos

Leia mais

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância A Escola A ENAP pode contribuir bastante para enfrentar a agenda de desafios brasileiros, em que se destacam a questão da inclusão e a da consolidação da democracia. Profissionalizando servidores públicos

Leia mais

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO:

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO: EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO: PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS 1. Profissionais da educação: formação inicial e continuada 1.1. Implantar

Leia mais

Fórum de Diálogo IBAS

Fórum de Diálogo IBAS Fórum de Diálogo IBAS, e do Sul Integração SUL-SUL Fórum de Mulheres FÓRUM De DIÁLOGO IBAS, e do Sul O Fórum IBAS é uma iniciativa trilateral entre, e do Sul, desenvolvida para promover a cooperação Sul-

Leia mais

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Brasília, 25 de novembro de 2009 1 POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO,

Leia mais

Inclusão Social - mudanças K A T I A C A V A L C A N T E 2 0 1 4

Inclusão Social - mudanças K A T I A C A V A L C A N T E 2 0 1 4 Inclusão Social - mudanças K A T I A C A V A L C A N T E 2 0 1 4 Sumário Assistência Social Saúde Educação Infraestrutura - Comunicação e Energia Moradia Bolsa Família Bolsa Verde Direitos Culturais A

Leia mais

GASTRONOMIA SUSTENTÁVEL - PARATY. Oficina de Planejamento 2010-2012

GASTRONOMIA SUSTENTÁVEL - PARATY. Oficina de Planejamento 2010-2012 GASTRONOMIA SUSTENTÁVEL - PARATY Oficina de Planejamento 2010-2012 Paraty, agosto de 2010 Objetivo da oficina Elaborar o Direcionamento Estratégico da Gastronomia Sustentável de Paraty para os próximos

Leia mais

Nasceu em Recife em 1921 e faleceu em 1997.

Nasceu em Recife em 1921 e faleceu em 1997. África do Sul Nasceu em Recife em 1921 e faleceu em 1997. É considerado um dos grandes pedagogos da atualidade e respeitado mundialmente. Embora suas idéias e práticas tenham sido objeto das mais diversas

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para promover estudos, formular proposições e apoiar as Unidades

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

EDUCAÇÃO BÁSICA E PROFISSIONAL SENAI SESI

EDUCAÇÃO BÁSICA E PROFISSIONAL SENAI SESI EDUCAÇÃO BÁSICA E PROFISSIONAL SENAI SESI SENADO FEDERAL COMISSÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTE AUDIÊNCIA PÚBLICA: IDÉIAS E PROPOSTAS PARA A EDUCAÇÃO BRASILEIRA PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO SESI

Leia mais

PESQUISA AGROPECUÁRIA. Gian Terres Jessica Freitas Luana de Lemos Sandra Vargas

PESQUISA AGROPECUÁRIA. Gian Terres Jessica Freitas Luana de Lemos Sandra Vargas PESQUISA AGROPECUÁRIA Gian Terres Jessica Freitas Luana de Lemos Sandra Vargas Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) Vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, foi

Leia mais

Reciclagem e Valorização de Resíduos Sólidos - Meio Ambiente e Sustentabilidade

Reciclagem e Valorização de Resíduos Sólidos - Meio Ambiente e Sustentabilidade SEMINÁRIO Reciclagem e Valorização de Resíduos Sólidos - Meio Ambiente e Sustentabilidade Universidade de São Paulo Escola Politécnica Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais 27 de maio de

Leia mais

Curso: Administração Disciplina: Administração Pública Prof: Carlos Henrique CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL -PROGRAMÁTICA

Curso: Administração Disciplina: Administração Pública Prof: Carlos Henrique CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL -PROGRAMÁTICA 1 Curso: Administração Disciplina: Administração Pública 6º Semestre Prof: Carlos Henrique CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL -PROGRAMÁTICA Na verdade, o que existe é a junção de duas classificações distintas: a

Leia mais

Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro da Economia,

Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro da Economia, ANGOLA NO CONTEXTO DA INTEGRAÇAO ECONÓMICA REGIONAL 29 de Setembro, 2015 Intervenção do Doutor Paolo Balladelli, Representante Residente do PNUD em Angola Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro

Leia mais

mudanças qualitativas radicais na vida econômica, social e política das nações.

mudanças qualitativas radicais na vida econômica, social e política das nações. PRONUNCIAMENTO DO MINISTRO EDUARDO CAMPOS NA SOLENIDADE DE INSTALAÇÃO DA III ASSEMBLÉIA GERAL DA ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL DE PARLAMENTARES PARA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (IPAIT), NA CÂMARA DOS DEPUTADOS,

Leia mais

IICT Qual a Relevância de um Instituto de Investigação orientada para os Trópicos

IICT Qual a Relevância de um Instituto de Investigação orientada para os Trópicos Audição Conjunta Presidentes dos Laboratórios do Estado Funcionamento e financiamento dos Laboratórios Aplicação das recomendações internacionais IICT Assembleia da República.02.27 IICT Qual a Relevância

Leia mais

O ensino e a cooperação na investigação para o turismo entre os países lusófonos: uma reflexão

O ensino e a cooperação na investigação para o turismo entre os países lusófonos: uma reflexão O ensino e a cooperação na investigação para o turismo entre os países lusófonos: uma reflexão Alexandre Panosso Netto Escola de Artes, Ciências e Humanidades Universidade de São Paulo Fábia Trentin Departamento

Leia mais

BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul

BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul MECANISMOS INTER-REGIONAIS BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul O que faz o BRICS? Desde a sua criação, o BRICS tem expandido suas atividades em duas principais vertentes: (i) a coordenação

Leia mais

Políticas de formação e valorização profissional em Segurança Pública

Políticas de formação e valorização profissional em Segurança Pública Ministério da Justiça Políticas de formação e valorização profissional em Segurança Pública SECRETARIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA Diagnóstico da Formação em Segurança Pública (2001-2003) 2003) Cenário

Leia mais

Modelos Legais e Políticos para o Desenvolvimento de um Programa Nacional de Alimentação Escolar em Moçambique

Modelos Legais e Políticos para o Desenvolvimento de um Programa Nacional de Alimentação Escolar em Moçambique República de Moçambique Ministério da Educação Modelos Legais e Políticos para o Desenvolvimento de um Programa Nacional de Alimentação Escolar em Moçambique Senhor Augusto Jone Ministro da Educação Vamos

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

PMS-MT Cartilha. Breve histórico e Abrangência Objetivos gerais e benefícios esperados Componentes. Governança Funcionamento do Programa

PMS-MT Cartilha. Breve histórico e Abrangência Objetivos gerais e benefícios esperados Componentes. Governança Funcionamento do Programa PMS-MT Cartilha Breve histórico e Abrangência Objetivos gerais e benefícios esperados Componentes Fortalecimento da gestão ambiental municipal Contexto e benefícios Tarefas Regularização ambiental e fundiária

Leia mais

Cultura Oficina Litoral Sustentável

Cultura Oficina Litoral Sustentável Cultura Oficina Litoral Sustentável 1 ESTRUTURA DA AGENDA REGIONAL E MUNICIPAIS 1. Princípios 2. Eixos 3. Diretrizes 4. Ações 4.1 Natureza das ações (planos, projetos, avaliação) 4.2 Mapeamento de Atores

Leia mais

Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname

Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname A República Argentina, a República Federativa do Brasil, a República do Paraguai, a República Oriental do Uruguai, a República Bolivariana

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

O BRASIL E A COOPERAÇÃO SUL-SUL

O BRASIL E A COOPERAÇÃO SUL-SUL O BRASIL E A COOPERAÇÃO SUL-SUL Organograma da ABC O Mandato da ABC Coordenar, negociar, aprovar e avaliar a cooperação técnica internacional no Brasil Coordenar e financiar ações de cooperação técnica

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA 03/2010

TERMO DE REFERÊNCIA 03/2010 TERMO DE REFERÊNCIA 03/2010 PROJETO: OEI/BRA 08/003 Fortalecimento da Capacidade Institucional da Secretaria de Educação Especial SEESP/MEC em Gestão e Avaliação do Programa de Acompanhamento e Monitoramento

Leia mais

PLANO PLURIANUAL DE AÇÃO GOVERNAMENTAL 2012-2015 RELAÇÃO DE PROGRAMAS SOCIAIS (Inciso I do art. 12 da Lei n.º 20.024, de 9 de janeiro de 2012)

PLANO PLURIANUAL DE AÇÃO GOVERNAMENTAL 2012-2015 RELAÇÃO DE PROGRAMAS SOCIAIS (Inciso I do art. 12 da Lei n.º 20.024, de 9 de janeiro de 2012) ADMINISTRAÇÃO DE ESTÁDIOS DO ESTADO DE MINAS GERAIS 181 GERENCIAMENTO DE ESTÁDIOS E PROMOÇÃO DE EVENTOS ESPORTIVOS, RELIGIOSOS E SOCIO-CULTURAIS AGÊNCIA REGULADORA DE SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA

Leia mais

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS EIXO III - CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

Plano Plurianual DESENVOLVIMENTO, PRODUTIVIDADE E INCLUSÃO SOCIAL ANEXO II

Plano Plurianual DESENVOLVIMENTO, PRODUTIVIDADE E INCLUSÃO SOCIAL ANEXO II Plano Plurianual 216 219 DESENVOLVIMENTO, PRODUTIVIDADE E INCLUSÃO SOCIAL ANEXO II PROGRAMA: 21 - Aprimoramento do Ministério Público Orçamentos Fiscal e da Seguridade Social 82.71 268.863 Despesas Correntes

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Universidade de Évora, 10 de março de 2015 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.813, DE 22 DE JUNHO DE 2006. Aprova a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos e dá outras providências.

Leia mais

Consolidado Orçamento Fiscal - Adendo VI Anexo 7, da Lei nº 4320, de 17/03/64. (Portaria SOF nº 8, de 04/02/85) Em R$ 1,00

Consolidado Orçamento Fiscal - Adendo VI Anexo 7, da Lei nº 4320, de 17/03/64. (Portaria SOF nº 8, de 04/02/85) Em R$ 1,00 Governo Municipal de Castanhal ORÇAMENTO PROGRAMA PARA 2015 Consolidado Orçamento Fiscal - Adendo VI Anexo 7, da Lei nº 4320, de 17/03/64. (Portaria SOF nº 8, de 04/02/85) Em R$ 1,00 PROGRAMA DE TRABALHO

Leia mais

15/10/2012. Oficina de Mobilização de Recursos. Apresentação. Estrutura de um Projeto. Programação. Conteúdos

15/10/2012. Oficina de Mobilização de Recursos. Apresentação. Estrutura de um Projeto. Programação. Conteúdos Apresentação Oficina de Mobilização de Recursos 1. Nome 2. Instituição 3. Você conhece os ODM? 4. Já trabalhou com projetos? 5. Expectativas com a Oficina? odm@fiepr.org.br Programação Estrutura de um

Leia mais

PORTARIA N o 42, DE 14 DE ABRIL DE 1999 (ATUALIZADA) (*) (Publicada no D.O.U. de 15.04.99)

PORTARIA N o 42, DE 14 DE ABRIL DE 1999 (ATUALIZADA) (*) (Publicada no D.O.U. de 15.04.99) PORTARIA N o 42, DE 14 DE ABRIL DE 1999 (ATUALIZADA) (*) (Publicada no D.O.U. de 15.04.99) Atualiza a discriminação da despesa por funções de que tratam o inciso I do 1 o do art. 2 o e 2 o do art. 8 o,

Leia mais

Assistência Técnica e Extensão Rural

Assistência Técnica e Extensão Rural Assistência Técnica e Extensão Rural A EXTENSÃO RURAL CONTEMPORÂNEA DA CEPLAC Concepção, Estrutura e Projetos Sergio Murilo Correia Menezes Ceplac / Cenex Base - Fundamentos ANATER Agenda Estratégica da

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Ações Inclusivas de Sucesso Belo Horizonte 24 a 28 de maio de 2004 Realização: Pró-reitoria de Extensão

Leia mais

Contratos Públicos UE nos Países de Língua Portuguesa

Contratos Públicos UE nos Países de Língua Portuguesa Contratos Públicos UE nos Países de Língua Portuguesa Índice 1. Países de Língua Portuguesa/Comunidade de Países de Língua Portuguesa 1.1 Potencialidades da Espaço Lusófono 1.2 Comunidades Económicas Regionais

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 5 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.405, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84,

Leia mais

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE SERVIÇOS DE CONSULTORIA País: Brasil

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE SERVIÇOS DE CONSULTORIA País: Brasil CONVITE À APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE SERVIÇOS DE CONSULTORIA País: Brasil Nome do Processo de Seleção: Consultor Bioma Mata Atlântica da Cooperação Técnica BR-X1028 O Ministério da Agricultura,

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2014-2018 PROPOSTAS DE METAS, AÇÕES E INDICADORES

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2014-2018 PROPOSTAS DE METAS, AÇÕES E INDICADORES PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS PROPOSTAS DE METAS, AÇÕES E INDICADORES CAMPUS CONGONHAS DEZEMBRO - 2013 INFRA-ESTRUTURA Objetivo

Leia mais

A Comunidade Empresarial do IBAS está concentrada em promover fluxos comerciais de US$30 bilhões até 2015

A Comunidade Empresarial do IBAS está concentrada em promover fluxos comerciais de US$30 bilhões até 2015 A Comunidade Empresarial do IBAS está concentrada em promover fluxos comerciais de US$30 bilhões até 2015 Recomendações da Terceira Reunião de Cúpula do IBAS para questões empresariais, apresentadas aos

Leia mais

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012 Meta superior (RIABM 2011): A Floresta Modelo é um processo em que grupos que representam uma diversidade de atores trabalham juntos para uma visão comum de desenvolvimento sustentável em um território

Leia mais

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social II Fórum de Informação em Saúde IV Encontro da Rede BiblioSUS O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social Maria de Fátima Ramos Brandão Outubro/2007 1 Apresentação O Projeto Casa Brasil Modelos

Leia mais

Planejamento Estratégico. Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR

Planejamento Estratégico. Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR Planejamento Estratégico Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR Visão Oferecer ensino de excelência em nível de Graduação e Pós-Graduação; consolidar-se como pólo

Leia mais

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social AGENDA SOCIAL AGENDA SOCIAL Estamos lutando por um Brasil sem pobreza, sem privilégios, sem discriminações. Um país de oportunidades para todos. A melhor forma para um país crescer é fazer que cada vez

Leia mais

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa Diagnóstico do Sistema de Investigação e Inovação: Desafios, forças e fraquezas rumo a 2020 FCT - A articulação das estratégias regionais e nacional - Estratégia de Especialização Inteligente para a Região

Leia mais