UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE UNIVALE FACULDADE DE DIREITO, CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS E ECONÔMICAS FADE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE UNIVALE FACULDADE DE DIREITO, CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS E ECONÔMICAS FADE"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE UNIVALE FACULDADE DE DIREITO, CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS E ECONÔMICAS FADE DIEGO TORRES MAFRA GILBERTO DE OLIVEIRA RAFAEL MOURA DUARTE A PARTICIPAÇÃO NO SUICÍDIO SEGUNDO O CÓDIGO PENAL BRASILEIRO GOVERNADOR VALADARES MG 2008

2 2 DIEGO TORRES MAFRA GILBERTO DE OLIVEIRA RAFAEL MOURA DUARTE A PARTICIPAÇÃO NO SUICÍDIO SEGUNDO O CÓDIGO PENAL BRASILEIRO Monografia apresentada ao curso de Direito da Universidade Vale do Rio Doce UNIVALE, como requisito indispensável à obtenção do título de Bacharel em Direito. Orientador: Fabrinny Neves Guimarães GOVERNADOR VALADARES MG 2008

3 3 DIEGO TORRES MAFRA GILBERTO DE OLIVEIRA RAFAEL MOURA DUARTE A PARTICIPAÇÃO NO SUICÍDIO SEGUNDO O CÓDIGO PENAL BRASILEIRO Monografia apresentada ao curso de Direito da Universidade Vale do Rio Doce UNIVALE, como requisito indispensável à obtenção do título de Bacharel em Direito. Aprovados ( ) Aprovados com louvor ( ) Aprovados com restrições ( ) Reprovados ( ) Professor: Professor (a): Orientador: Fabrinny Neves Guimarães Professor (a): GOVERNADOR VALADARES MG 2008

4 Dedicamos esta monografia às nossas famílias, pela luta, amor e dedicação a nós oferecidos. 4

5 Nossos profundos agradecimentos a Deus, aos nossos pais e avós pela educação e atenção dedicada; Agradecemos ao nosso amigo Lélio Braga Calhau pela amizade e oportunidades de estudos, que só vieram a enriquecer e abrilhantar nossos conhecimentos jurídicos. 5

6 A prisão não são as grades, e a liberdade não é a rua; existem homens presos na rua e livres na prisão. É uma questão de consciência. Ghandi. 6

7 7 RESUMO DUARTE, Rafael Moura, MAFRA, Diego Torres, OLIVEIRA, Gilberto de. A participação no suicídio segundo o Código Penal Brasileiro, Monografia (Graduação em Direito). Faculdade de Direito, Ciências Administrativas e Econômicas da Universidade Vale do Rio Doce UNIVALE, Governador Valadares, MG. O presente estudo justifica se pela complexidade do ato de tirar a própria vida, pelas limitações e impasses que envolvem o suicida e os participantes do suicídio, particularidades estas, pouco evidentes e de grande importância para o conhecimento da sociedade. Fazer com que referidas ações tenham por escopo ser ponte para a aplicação de medidas preventivas, educativas, e didáticas, tanto para os profissionais do âmbito jurídico, como para os profissionais da saúde pública, é uma questão que deve imperar. Nesse sentido, embora o suicídio no Brasil seja taxativamente o menor a nível mundial, uma das grandes preocupações nos dias atuais, e requisito do trabalho, é objetivar vertentes sociológicas, filosófica e jurídica no que tange ligação direta ao suicídio, visando não somente conceitos valiosos, mas também a valia aos costumes e ao bem estar, benefício estes, importantes no tratamento e auxílio dos indivíduos, muitas vezes encontrados em estados caóticos ou depressivos, ou, àqueles que vivenciam um dia a dia sob alto nível de stress ou problemas inteiramente ligados ao suicídio e suas diferentes vertentes. Leva nos a diferentes mundos ou classes, demonstrando mais uma vez, que os fatos geradores do suicídio e sua origem sob a ótica penal podem e devem alcançar patamares valorosos e enriquecidos de matéria e instrumentação, com a resultante na incessante busca à finalidade primordial para se fazer valer um dos princípios constitucionais tão bem expressos e tão escasso no nosso ordenamento jurídico, principalmente nas classes mais baixas, a dignidade humana. Palavras chave: Suicídio, suicida, vida, sociedade, participantes.

8 8 ABSTRACT DUARTE, Rafael Moura, MAFRA, Diego Torres, OLIVEIRA, Gilberto de. The participation in the suicide according to Brazilian Criminal Code, Monograph (Right Graduation). Administrative and Economic Law School, Sciences of the University Vale do Rio Doce UNIVALE, Governador Valadares/MG, Brazil. The present study it is justified for complexity of the act to take off the proper life, for the limitations and impasses that they involve the suicidal and the participants of the suicide, particularitities these, little evident and of great importance for the knowledge of the society, being that such actions have for purpose, to be bridge for the application of writs of prevention, educative, and didactics, as much for the professionals of the legal scope, as much for the professionals of the medicine. In this direction, even so the suicide in Brazil is taxing the minor the world wide level, the great concern in the current days, and one of the requirements of the present work, it is to bring sociological and legal knowledge in what it refers to direct bonding to the suicide, aiming at not only related concepts valuable, but as the delivery to the depressive individuals or to that they live under high level of stress and litigations, exposing to these classrooms the different on aspects to the criminal type in screen, so that thus, they reach the basic and safe knowledge, having as primordial purpose, a necessity that today reveals very scarce, fullness, human dignity. Key words: Suicide, suicidal, life, society, participants.

9 9 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO BREVES APONTAMENTOS ACERCA DO SUICÍDIO ANÁLISE HISTÓRICA O SUICÍDIO E A SOCIEDADE A SOCIOLOGIA E FILOSOFIA NO SUICÍDIO O suicídio sob o ponto de vista de Émile Durkheim O suicídio sob o ponto de vista de Cesare Beccaria O suicídio sob o ponto de vista de Albert Camus SUICIDOLOGIA PRINCIPAIS CAUSAS DO SUICÍDIO INDICADORES DE RISCO INDUZIMENTO E INSTIGAÇÃO AO SUICÍDIO ELEMENTOS NORMATIVOS DO TIPO O induzimento como forma de participação moral A instigação como forma de participação moral SUJEITO ATIVO SUJEITO PASSIVO PRESTAÇÃO DE AUXÍLIO POR OMISSÃO IMPOSSIBILIDADE NA 36 VISÃO MINORITÁRIA PRESTAÇÃO DE AUXÍLIO POR OMISSÃO POSSIBILIDADE NA 38 VISÃO MAJORITÁRIA CONDIÇÕES DE PUNIBILIDADE FORMAS QUALIFICADAS DO DELITO Motivo egoístico Vítima menor de idade Capacidade de resistência da vítima diminuída por qualquer 44 causa: art. 122, parágrafo único, inciso II PACTO DE MORTE TESTEMUNHAS DE JEOVÁ GREVE DE FOME ROLETA RUSSA CONCLUSÃO... 49

10 REFERÊNCIAS

11 11 1 INTRODUÇÃO A presente pesquisa busca o espelhamento de um assunto escasso e pouco discutido no Brasil; tal seja o suicídio. Faremos menção ao fenômeno, explanando conceitos, abordando o quadrante histórico, sociológico e filosófico, diferenciando paralelamente as visões de grandes pensadores como Émile Durkheim, Cesare Beccaria e Albert Camus. Por seu turno, será externada a questão das causas e indicadores de risco, evidentes e relevantes acerca do suicídio. Além disso, serão expostas as condutas malogradas no delito tipificado no artigo 122, do Código Penal Brasileiro, que dispõe de três tipos, duas de caráter moral e outro material, reflexos da participação no suicídio; são elas: induzir, instigar e prestar auxílio. No que tange ao suicídio, sabemos que é um enigma que se dá por diversos fatores, sejam eles sociais, econômicos, psicológicos, ou até mesmo em virtude de doenças graves, reações estas que serão explicadas mais adiante. O enfoque principal do trabalho será a figura dos divergentes entendimentos doutrinários; tais sejam aqueles que prevêem a possibilidade de participação por omissão, como também, o entendimento minoritário e contrário, que entende a não possibilidade de auxílio por omissão, questões que de fato são controvertidas e motivo de discussões em Tribunais e doutrinas, e também serão enfocados com veemência no estudo proposto. Sendo assim, pela natureza do crime, o trabalho se atentará a aspectos fundamentais, sem os quais não poderia ser possível aludido crime, onde não poderemos também deixar de olvidar a essência e importância característica do sujeito ativo e passivo referente ao artigo legal em comento, configurando e complementando a estrutura do elemento objetivo e subjetivo do crime. Por fim, ao concurso de pessoas e a tentativa culposa, serão detalhadamente expostos, de maneira hábil e consistente, demonstrando o papel de cada um dentro do campo do suicídio. Além disso, apresentaremos as formas agravadas dentro da participação do suicídio, buscando o teor de cada uma, e por sua vez, a figura do suicídio assistido, tema de enorme relevância, para a posterior e definitiva conclusão do combatente estudo.

12 12 2 BREVES APONTAMENTOS ACERCA DO SUICÍDIO Aparentemente, parece fácil distinguir o verdadeiro conceito para o suicídio, porém, essa não é a realidade. No Brasil, muitos pensadores e estudiosos da área possuem opiniões conceituais diversas. Não obstante, o suicídio é um ato verdadeiramente complexo e pouco debatido no Brasil e nessa linha chega se a uma conclusão que o tema suicídio se revela altamente escasso, seja em livros, ou quaisquer meios da mídia no nosso país. Assim, temos que além das dificuldades de levar o conteúdo para a pertinente interação à sociedade e a outros fatos sociais considerados mais pertinentes, é extremamente reunir elementos hábeis para formular uma cadeia de estudos e propostas positivas sobre o suicídio, mas em que pese essa atual situação, cremos que num futuro próximo o tema estará desmistificado e sob o altere de todos os cidadãos no país. O suicídio (do latim sui caedere), termo criado por Desfontaines, matar se, é um ato que consiste em tirar intencionalmente à própria vida. Tal termo foi descoberto em 1737, sob a análise de que a pessoa, pelo próprio desejo de escapar de uma situação negativa, decide tirar a própria vida. No país, a figura do suicida com a preemente idéia de por fim à própria vida, nos tem revelado vários aspectos enigmáticos, que não poderiam deixar de serem postos em análise. Sendo assim, atentar se á primeiramente à natureza do lugar, forma como foi encontrada a vítima, vestigíos na cena do crime, para chegarmos a duas possíveis conclusões atinentes ao caso, ou seja, se houve suicídio ou se houve participação no suicídio. A perícia e testemunhas nesse tipo de situação é fundamental para se chegar à conclusão referente à possibilidade de ter havido ou não indícios de autoria ou materialidade por parte do participante. p. 167) o suicídio é: Para Bromberg, Kovács, e Carvalhos, (1996, p. 80 apud KOVÁCS, 1992, Um ato muito complexo, portanto não pode ser considerado em todos os casos como psicose ou como decorrente de desordem social. Também não pode ser ligado de forma simplista a um determinado acontecimento, como rompimento amoroso ou perda de emprego. Trata se de um processo que pode ter tido o seu início na infância, embora os motivos alegados sejam tão somente os fatores desencadeantes.

13 13 Nessa mesma esteira, para Nucci, (2007 p. 561): É a morte voluntária, que, segundo Durkheim, resulta, direta ou indiretamente, de um ato positivo ou negativo, realizado pela própria vítima, a qual sabia dever produzir este resultado, chamando se, ainda, autocídio e autoquiria. (Odon Ramos Maranhão, Curso básico de medicina legal, p. 222). Em virtude disso, o suicídio é o ato complexo decorrente de um fator social negativo ou positivo que leva o indivíduo a ser induzido, instigado ou auxiliado de modo material ou omissivo a tirar intencionalmente sua própria vida. A conceituação popular, frequentemente afirma que o suicídio é ato único de ceifar a própria vida. Segundo Costa Júnior, (1999 p. 261) o suicídio é a destruição intencional da própria vida. Entende se, por suicídio, supressão voluntária e consciente da própria vida. Constitui estranho fenômeno de patologia social, que em vários de seus aspectos tem desafiado os observadores. Muitos autores adotam este pensamento, mas o que também não podemos deixar de observar, são as causas, se no caso concreto é evidente algum transtorno social, ou qualquer outra informação que possa influenciar o suicida, ou até mesmo o induzidor, instigador e aquele que tem a vontade de participar materialmente no crime, que muitas vezes levam o indivíduo a transformar facilmente a vida em morte. No entendimento conceitual de Grecco, (2005 p. 223): O suicídio, também denominado pela medicina de autocídio e autoquiria, é um dos enigmas que envolvem a humanidade. A falta de esperança, a ausência completa de qualquer resposta aos seus problemas, o desconhecimento da pessoa de Deus podem levar alguém a eliminar a própria vida. O suicida, em virtude do desespero de que é acometido, pratica o ato extremo de matar se, entendendoo como única e última resposta a tudo que enfrenta. E ainda mais afundo percebemos que um dos principais tabus da sociedade é o suicídio, pois este demonstra a necessidade de aprofundamentos no que diz respeito ao crime do art. 122 do CP, o estudo jurídico e psicológico na figura do crime e do criminoso, pois o Direito enxerga na figura do suicídio uma afronta aos costumes, à religiosidade, à vida em conjunto, justamente por ser um fato de resultados drásticos, que causa abalo na sociedade em geral.

14 14 Para Cassorla (1992, p. 20): O indivíduo suicida, ou se mata, ou (geralmente com ajuda profissional) se permite pensar e controlar seus impulsos, e assim se humaniza. A humanidade também, ou pensa e se humaniza, ou se exterminará. Nesse enfoque, é bem verdade, e não podemos deixar de polemizar a importância do suicídio, principalmente no que se refere à saúde pública, basta direcionarmos nossa atenção e compreendermos os índices de mortes por suicídio, seus paradigmas, as tentativas infrutíferas na prática a si mesmo a autoquiria (termo usado para o suicídio). Far se á necessária a apuração das causas que levam o indivíduo a participar do suicídio, e mesmo que a participação seja mínima, deve haver um controle mais rígido, para se saber a origem ou se houver, as causas. Será que podemos afirmar se essas causas são diretamente causadas pelo que a mídia nos propõe? Que embora muitas vezes, influenciam sim, a sociedade de maneira estrondosa em determinados assuntos, com ideologias vis e publicidades enganosas? Ou se são outras as causas, buscando se trabalhar efetivamente estas, incentivando a busca pela prevenção, e não à repressão, ou o preconceito, visando apurar a realidade social de determinadas regiões, onde o nível de suicídios e questões ligadas esteja acontecendo crescentemente, para assim, alcançar com tranqüilidade e efetivo controle o campo da prevenção e definição razoável dos fatores numéricos ligado ao índice de suicídios. 2.1 ANÁLISE HISTÓRICA O processo histórico do suicídio inaugurou se na antiguidade, naquela época o suicídio era considerado crime. Em outros países como a Inglaterra, este ato se estendia aos membros da família do suicida, e, por conseqüência, tinham punições indiretas como, a exposição do cadáver nas ruas, ridicularizações com o corpo em público, etc.

15 15 Na história do Egito, temos o suicídio de Cleópatra. Em Cartago eram também freqüentes os suicídios. Amílcar matou se humilhado por uma derrota e Aníbal suicidou se para não cair nas mãos dos seus inimigos. Código, rei de Atenas, se matou para livrar o seu país dos horrores da guerra. Na idade média, surgiam com mais vigores as "punições" aos cadáveres dos suicidas, como a negativa de sepultamento em solo consagrado, as mutilações, e rituais especiais, derivados de várias superstições, como o vampirismo. Outra conseqüência era que naquela forma de Estado, a punição recaía sobre os cadáveres dos autoquiristas (pessoas voltadas para o suicídio), já que cortavam seus membros, e em determinadas ocasiões, cabeças eram erguidas a público, ou, partes do corpo humano, como: braços e pernas eram enterrados em longínquos e diferentes locais, para que a família do infrator não pudesse oferecer orações ou adorações. Contudo, em algumas regiões e épocas diversas o suicídio era tolerado, inclusive sendo considerado um ato corajoso e nobre nas batalhas, ou ainda, considerado forma de negativa de rendição ou traição de seu povo. Referentemente ao islamismo, religião fundada pelo profeta Maomé, o suicídio é fortemente repudiado, mais do que em qualquer outra religião, sendo penalizada até a família do suicida, que passa a ser desonrada e marginalizada pelas ações do autoquirista. No ocidente, o renascimento, com seu apelo à razão, e o Iluminismo, por seu igual apelo à razão, a tolerância e o liberalismo tenderam a diminuir a repressão ao suicídio, considerando equivocadas as censuras religiosas a esse fenômeno. As regras acerca do suicídio na Antiga Roma, durante o seu período republicano, eram semelhantes às dos gregos, e o suicídio era consideravelmente reprovado e tratado como forma de enfraquecimento do grupo social, devendo os interessados em tirar a própria vida apresentar as razões do suicídio, para que o senado viesse a analisar o caso. Tem se, que o cristianismo influenciou diretamente na questão do suicídio, pois compreendia o mandamento Não matarás (Êxodo 20.13), era considerado como um crime gravíssimo, equiparado ao homicídio. Em determinadas regiões, as punições chegavam ao extremo, com o arrastamento de cadáveres pelas ruas, de modo cruel e torturoso. Não podemos deixar de mencionar, que o suicídio vai contra o 5º mandamento na Lei de Deus.

16 16 merecem ser vistas: Nesse diapasão, Capez, (2003, p. 84) nos tece algumas lições que O Direito Canônico equiparou o homicídio ao suicídio a ponto de, sob as Ordenações de São Luís, ser instaurado processo contra o cadáver do suicida, sendo seus bens confiscados. Em algumas cidades, o cadáver do suicida, segundo os estatutos, devia ser suspenso pelos pés e arrastado pelas ruas, com o rosto voltado para o chão. Com relação às Escrituras divinas, temos os registros dos suicídios de Abimileque, de Saúl, de Aquitofel, de Zambri e alguns outros. Prosseguindo no exame do processo histórico, durante a Revolução Francesa, a mesma desencadeou a primeira "desincriminação" do suicídio pela Europa Moderna. Tanto que não há qualquer referência dessa conduta no Código Penal Francês de 1791 ou no Código Napoleônico de Oportuno salientar, que os questionamentos de ordem econômica e política deslegitimavam o suicídio. Os escravos eram proibidos de suicidar se pelo prejuízo (eram comprados ou dados em garantias de dívida) que causavam aos seus donos senhores. Sob a concepção de um Estado "cidade estado" de caráter racional, o indivíduo não tinha mais decisão pessoal sobre a vida dele, não podendo se suicidar sem a prévia autorização da comunidade. O suicídio era inautorizado e considerado uma transgressão. No Oriente, as tradições e as culturas são peculiares e demonstram diferenças claras em relação a outras regiões do mundo. O suicídio é comum no Japão Moderno, sendo adotado o método haraquiri (ritual de suicídio usado pela espada nos momentos de traição, indignidade e deslealdade para com o próximo). No Japão Antigo havia a tradição do seppuku (espécie de suicídio praticado para defender a dignidade e a honra dos samurais nas batalhas). Na África, quando os filhos nasciam mortos, as mães se suicidavam, em razão da dor e do impacto infeliz pela perda de um filho. No passado, não muito distante, precisamente nos momentos de guerras e confrontos, havia a figura dos camicases (membros do corpo de voluntários da aeronáutica japonesa), que no final da 2.ª Guerra Mundial foram treinados para o combate aéreo e oferecer pelo país, a qualquer custo, as suas vidas contra os inimigos de guerra, que eram, na sua maioria os navios.

17 17 Nesse mesmo aparato, podemos citar o filme A Conquista da Honra (2007, Clint Eastwood), que nos conta a guerra entre americanos e japoneses na Ilha de Iwo Jima, na 2ª Guerra Mundial, revelando nos uma situação que por certo, causou choque à população mundial que assistiu ao filme, pelo impacto que a guerra causou e até hoje causa, direta e indiretamente. No aspecto decisivo das guerras, os soldados não poderiam se suicidar, pois enfraqueceria o batalhão. Curiosamente, nesse último caso, o suicídio equivalia à deserção, e o soldado que não lograsse êxito ao se matar, ele próprio era morto pelo pelotão de fuzilamento, essa era a pena para o desertor. Nesse contexto, um dos primeiros projetos do Código Penal a inserir o delito de auxílio ao suicídio ocorreu em 1822 e teve grande influência sobre o Código Criminal Brasileiro de Em seu artigo 196 punia se o auxílio ao suicídio com a pena de prisão de 2 (dois) a 6 (seis) anos. Assim era a definição: "Ajudará alguém a suicidar se ou fornecer lhe meios para este fim como conhecimento de causa". Nosso Código Penal do Império não previa a incriminação do suicídio ou da tentativa do suicídio. O Código Penal de 1890 já incluía na definição do delito a forma de induzir: "Induzir ou ajudar alguém a suicidar se, ou para esse fim fornecer lhe meios com conhecimento de causa" (art. 299). A pena era a prisão celular, por dois a quatro anos. Não havia o crime sem a superveniência do resultado da morte. Na configuração do delito, o legislador brasileiro inspirou se no Código Penal italiano de 1930 (art. 580), adotando, porém técnica superior. Desprezou o modelo do Código Penal suíço (art. 115), segundo o qual o auxílio ou induzimento ao suicídio só é punível se a ação for praticada por motivo egoístico. Nossa lei fez de tal fim de agir apenas uma agravante. O Código Penal de 1969 mantendo basicamente as disposições da lei anterior introduziu como crime menos grave a "provocação indireta ao suicídio", que se configura quando o agente, desumana, e reiteradamente inflige maus tratos a alguém sob sua autoridade ou dependência, levando a, em razão disso, à prática do suicídio (art. 123, 2º). Na idade contemporânea, o fenômeno do suicídio mereceu as mais variadas formas de pesquisa e interpretação psiquiátrica, sociológica e filosófica. No que compete à religiosidade, a postura da Igreja Católica também se modifica: o

18 18 suicídio passa a ser encarado como uma decorrência de problemas psicológicos, retirando a "responsabilidade moral" do suicida. Os códigos penais das nações deixam de considerar o suicídio como a figura delitiva, tendo como último país ocidental a abolir a criminalização da conduta a Inglaterra, em Ressalte se, que o que foi abolido foi o suicídio propriamente dito, convindo dizer que o agente responde criminalmente, acaso cometa o crime de assistência, sendo normalmente punível. Assim, o contexto histórico sobre o tema em estudo, tem evoluído de maneira gradativa, pois cada país possui seus sistemas de político criminal e sanções diversificados. Cumpre salientar, que as mudanças têm sido positivas, apesar dos progressos e aceleração incontrolada que o mundo de hoje nos traz, ou impõe, sob todos os reflexos dele originados. 2.2 O SUICÍDIO E A SOCIEDADE Dentro do contexto atual do suicido, presenciamos nas sociedades, grande tolerância, e embora não seja considerado, o ato em si, crime; ainda é muito repreendido nas religiões católica e judaica. Os tempos modernos revelam especificamente no Brasil, que o suicídio tem crescido gradativamente, principalmente na classe mais jovem. Vários fatores estão ligados a essa crescente, em primeiro lugar está à depressão, causa esta ligada desde o momento da criação do ato cogitação ao suicídio, até a intenção de fato. Porém, deve se deixar claro que existem outras propostas ligadas à suicidologia, campo que estuda a concepção e projetos ligados ao domínio e investigação do suicídio e as condutas suicidas. No tocante ao aspecto atual religioso do suicídio, vale citarmos Bromberg, Kovács, e Carvalhos, (1996, p. 88): No Brasil, atualmente, o suicídio não é ilegal, mas dar assistência a ele é crime. O Código Penal Brasileiro, no Art. 122, propõe como ações criminosas o induzir, o instigar e o auxiliar o suicídio. Mas o suicida não é considerado um criminoso e sim um doente. Do ponto de vista religioso, no entanto, ainda existem condenações, como, por

19 19 exemplo, nas religiões católica e judaica, as quais dão um tratamento diferencial ao suicida nos funerais. No Brasil, em que pese grande parte da população entender que a depressão afeta somente a classe adulta; entendem erroneamente, pois o mal desta doença, requisito indicador de risco ao suicídio, afeta consideravelmente aos jovens. A depressão, em muitos casos inicia se desde a fase da adolescência, e agrava se na fase adulta, acarretando isolamentos, e até desencadeamento de outras doenças. Sob esse enfoque, várias são as doenças mentais que estão conectadas na vítima, inclusive o participante de suicídio, pois o último é munido dessas motivações negativas para influenciar ou interferir na vida de uma pessoa, a saber: transtorno de conduta, problemas sentimentais, reações na família, fracasso escolar, timidez, religião, drogas e fatores de ordem sexual. No tocante ao suicida ou a vítima, por diversas causas entende haver para si a desnecessidade em viver, e o participante, por sua vez, em também não estar vivendo o melhor dos momentos, deseja o infortúnio alheio. Significativo esclarecer, no que toca à questão técnico jurídica, o crime de participação no suicídio é acessório, ele depende da ação da vítima, que é a figura principal, se esta se permanecer inerte diante das ações do partícipe, o caso é atípico e não haverá crime. A participação no crime descrito no art. 122 do CP, pelo fenômeno que é, tem características diversas, é um crime comum, que pode ser praticado por qualquer pessoa, instantâneo de efeito permanente, e no nosso entendimento, de certa forma, é cogitado, preparado, e executado até mesmo mais de uma vez, caso a tentativa seja perfeita ou inacabada, tendo duas possíveis resultantes, a consumação com a morte ou a tentativa infrutífera. Não obstante, dependendo da complexidade do caso, o suicídio é elaborado em detalhes e procedimentos a serem seguidos à risca pelo suicida, como um ritual. Como se sabe, os sintomas mais presentes nos dias de hoje, principalmente nos adolescentes é racionado de maneira infeliz ou angustiante, muitos pensam que a vida não tem mais sentido, ou que não há razão para viver. Há também há questões ligadas à família, como o sentimento de culpa por algum fato, ou de estar sendo um fardo ou empecilho para os pais.

20 20 De acordo com estes fatores, depuramos que são indicadores de risco de extrema gravidade, que deveriam chamar a atenção dos órgãos públicos de saúde, a atentar e estudar mais zelosamente estes casos. Os suicidas, em sua grande maioria, não se matam simplesmente por nada, por plena vontade, e o que tem acontecido em muitas regiões pelo Brasil é que na maioria dos casos registrados, os suicidas se encontram em desespero, e procuram não enfrentar com razoabilidade os problemas que a sociedade e a vida lhes impõem. Segundo o autor italiano Cesare Pavese ( ), o suicídio pode ser compreendido como uma solução falida e mal adaptada de uma crise provocada pelo estresse real em uma pessoa psiquiatricamente predisposta. Esta descrição é retirada da própria biografia de Pavese, o qual cometeu suicídio no pico de sua carreira, mas, segundo seu diário, vinha refletindo sobre isso por muitos anos antes (Scherbaum, 1997). É relevante considerar, demonstrando a atual situação do suicídio no Brasil, temos que 4,9 de pessoas a cada 100 mil morrem por suicídio. Inegável dizer que felizmente é uma das menores médias do mundo, o que deveria atrair mais a atenção das pessoas, com relevado foco e alcance, já que estamos literalmente com um índice razoável para o país em que vivemos. A título de índices, no estado do Rio Grande do Sul, o qual se revela o maior em mortes por suicídios, o número é expressivo (11 para cada 100 mil habitantes), sendo Porto Alegre a capital com maior taxa de suicídios (11,9 para cada 100 mil habitantes). Já a cidade brasileira com elevado índice de suicidas é o Município de Venâncio Aires RS, com mais de 40 casos a cada 100 mil habitantes. Ao estudarmos o suicídio no Brasil depreendemos um fator revelador, qual seja a não punição da pessoa do suicida por razões político criminais, pois como se pode punir uma coisa que já está morta? Ou uma pessoa que já não tolera mais as inconstâncias e paradigmas da vida? É bem sabido que a conduta de penalizar um cadáver, ou mesmo uma pessoa em patente angústia e desespero não existe há séculos. Outro motivo, nessa mesma linha de raciocínio, seria não reprimir criminalmente o suicida, por caráter meramente solidário e social, para que o mesmo não se sinta ameaçado por uma possível ação penal, ou seja, caso tente se

21 21 matar, seria invocar um conflito moral, senão contra a dignidade humana, princípio tão combatido em nosso ordenamento jurídico. A pena não pode passar da pessoa do delinqüente (art. 5º, XLV, da CF), é o que dispõe a CF. Mais que isso, se houvesse a penalização do ato de dispor da própria vida, sem dúvidas a situação iria se agravar a partir do momento que alguém estivesse em total desespero, imbuído de uma dor inexorável, conduzido a ceifar a própria vida. Cremos que a referida criminalização só iria aumentar a vontade do indivíduo no gesto de autodestruição. O suicídio na verdade tem um propósito, tirar a própria vida. Mas por quê? Qual a razão? A resposta é simples, o ato de tirar a própria vida pode decorrer como fator de última instância, de caráter secundário, e um dos aspectos ligados a esse ato pode decorrer de um quadro grave, como a carência de estabilidade econômicofinanceira, afetividade, família, saúde, motivação, requisitos importantes para qualquer pessoa. É preciso mudar, trabalhar políticas criminais, prevenir e atuar em conjunto com o campo da saúde pública, especificamente o autocídio (suicídio), bem como prevenir e reprimir o partícipe, para que não continue crescendo o número de soldados da morte. A verdade é que os indivíduos, ao cogitarem o cometimento de suicídio, são levados por situações, que por si só, chegaram aos seus limites, ou seja, as chances de se reerguerem na sociedade estão se esgotando, de modo que já não consegue se ter uma solução mínima. É assunto bastante controverso a questão da participação do suicídio, mas a solução, consoante dito está em deixar de lado os fatores negativos e focarmos em ações positivas e solidárias, dedicando nos a uma única força objetiva, tais sejam trazer a restauração de vidas. Outra questão a ser considerada, em relação ao suicídio, é que há variações consideráveis de um país para outro, que parecem depender da índole e cultura de cada povo, onde algumas correlações e aspectos gerais têm sido fixados pelos estudiosos, como exemplo, a estatística referente aos países altamente industrializados e prósperos tendentes a apresentar taxas de suicídio mais elevadas. Destaca se, que a taxa de suicídio se torna bastante regredida nas classes inferiores, conforme relato em algumas pesquisas. As vítimas do suicídio encontram se principalmente entre os membros das profissões liberais, os militares

Prof. José Nabuco Filho. Aborto

Prof. José Nabuco Filho. Aborto Aborto Apostila 1. Introdução Sob o nomem juris de aborto, o Código Penal tipifica quatro crimes diferentes: 1 duas definidas no art. 124, tendo como sujeito ativo a gestante; outras duas, em que o sujeito

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DE SHOPPING CENTER EM CASO DE SUICÍDIO

RESPONSABILIDADE CIVIL DE SHOPPING CENTER EM CASO DE SUICÍDIO RESPONSABILIDADE CIVIL DE SHOPPING CENTER EM CASO DE SUICÍDIO ROBERVAL CASEMIRO BELINATI Desembargador do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios Membro da 2ª Turma Criminal Professor

Leia mais

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS ALESSANDRO CABRAL E SILVA COELHO - alessandrocoelho@jcbranco.adv.br JOSÉ CARLOS BRANCO JUNIOR - jcbrancoj@jcbranco.adv.br Palavras-chave: crime único Resumo O presente

Leia mais

O TROTE NA PERSPECTIVA DOS DIREITOS HUMANOS

O TROTE NA PERSPECTIVA DOS DIREITOS HUMANOS 1. Introdução O TROTE NA PERSPECTIVA DOS DIREITOS HUMANOS Mônica Alves Costa Ribeiro* Na definição da profª Maria Helena Diniz, trote é: b) troça que os estudantes veteranos impõem aos calouros. 1 Ou seja,

Leia mais

PROGRAMA APRENDA DIREITO PENAL EM 3 MESES

PROGRAMA APRENDA DIREITO PENAL EM 3 MESES PROGRAMA APRENDA DIREITO PENAL EM 3 MESES Perguntas/Respostas alunos Módulo 2 Seguem abaixo as respostas aos questionamentos elaborados pelos alunos. Bons estudos! PERGUNTA 1 Aluna: Talita Késsia Andrade

Leia mais

FALANDO ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO

FALANDO ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO FALANDO ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO MOMENTO DE DERRUBAR TABUS As razões podem ser bem diferentes, porém muito mais gente do que se imagina já teve uma intenção em comum. Segundo estudo realizado pela Unicamp,

Leia mais

TEMA: CRIME CONSUMADO E CRIME TENTADO CRIME CONSUMADO

TEMA: CRIME CONSUMADO E CRIME TENTADO CRIME CONSUMADO TEMA: CRIME CONSUMADO E CRIME TENTADO CRIME CONSUMADO Significado: Terminar, acabar. Importância: Termo inicial da prescrição e na competência territorial (não esquecer da teria da ubiqüidade quanto ao

Leia mais

DROGAS NO CONTEXTO DO DIREITO PENAL BRASILEIRO

DROGAS NO CONTEXTO DO DIREITO PENAL BRASILEIRO DROGAS NO CONTEXTO DO DIREITO PENAL BRASILEIRO Drugs and brazilian legal system Geraldo Sanches Carvalho Advogado com especialização em direito penal e criminologia, procurador do Estado de São Paulo,

Leia mais

Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual

Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual Guilherme Schelb, Promotor de Justiça da Infância em Brasília (1992-1995), especialista em temas da infância e

Leia mais

www.apostilaeletronica.com.br

www.apostilaeletronica.com.br DIREITO PENAL PARTE GERAL I. Princípios Penais Constitucionais... 003 II. Aplicação da Lei Penal... 005 III. Teoria Geral do Crime... 020 IV. Concurso de Crime... 027 V. Teoria do Tipo... 034 VI. Ilicitude...

Leia mais

Julio 2008 O CRIME DE PARTICIPAÇÃO EM SUICÍDIO NO CÓDIGO PENAL

Julio 2008 O CRIME DE PARTICIPAÇÃO EM SUICÍDIO NO CÓDIGO PENAL Julio 2008 O CRIME DE PARTICIPAÇÃO EM SUICÍDIO NO CÓDIGO PENAL Marcelo Nunes Apolinário Para citar este artículo puede utilizar el siguiente formato: Nunes Apolinário, M.: O crime de participação em suicídio

Leia mais

Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11.

Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11. Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11. Ricardo Henrique Araújo Pinheiro. A breve crítica que faremos neste

Leia mais

Thiago Gondim de Almeida Oliveira 1 INTRODUÇÃO DESENVOLVIMENTO

Thiago Gondim de Almeida Oliveira 1 INTRODUÇÃO DESENVOLVIMENTO 154 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 14 Curso: Capacitação em Gênero, Acesso à Justiça e Violência contra as Mulheres A Lei Maria da Penha e o Estímulo à Denúncia da Violência, o Acesso à Justiça,

Leia mais

Autor: Marcos Espínola Advogado Criminalista

Autor: Marcos Espínola Advogado Criminalista Autor: Marcos Espínola Advogado Criminalista 1 SUMÁRIO DEDICATÓRIAS E AGRADECIMENTOS 02 CARTA DE APRESENTAÇÃO 03 O QUE SERIA O SOFRIMENTO FÍSICO? 04 E O SOFRIMENTO MENTAL? 04 TORTURA-PROVA 05 TORTURA

Leia mais

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Omissão de Notificação da Doença DIREITO PENAL - Omissão de Notificação de Doença CP. Art. 269. Deixar o médico de denunciar à autoridade pública doença cuja

Leia mais

REGIME PRISIONAL FECHADO NO DELITO DE TRÁFICO DE ENTORPECENTES. Autor: Fábio Soares Valera. Promotor de Justiça. Comarca de Araxá.

REGIME PRISIONAL FECHADO NO DELITO DE TRÁFICO DE ENTORPECENTES. Autor: Fábio Soares Valera. Promotor de Justiça. Comarca de Araxá. REGIME PRISIONAL FECHADO NO DELITO DE TRÁFICO DE ENTORPECENTES. Autor: Fábio Soares Valera. Promotor de Justiça. Comarca de Araxá. Em sede do julgamento do habeas corpus n. 97.256/RS, o Supremo Tribunal

Leia mais

Gênero e Suicídio no Rio de Janeiro

Gênero e Suicídio no Rio de Janeiro Gláucio Soares Professor Doutor do IESP/UERJ Vanessa Campagnac Doutoranda em Ciência Política pelo PGCP-UFF Tatiana Guimarães Graduanda em Ciências Sociais pela UERJ Resumo Suicídios são fenômenos quantitativamente

Leia mais

Direito Penal III. Aula 07 21/03/2012 2.3 DA PERICLITAÇÃO DA VIDA E DA SAÚDE. 2.3.1 Introdução

Direito Penal III. Aula 07 21/03/2012 2.3 DA PERICLITAÇÃO DA VIDA E DA SAÚDE. 2.3.1 Introdução Aula 07 21/03/2012 2.3 DA PERICLITAÇÃO DA VIDA E DA SAÚDE 2.3.1 Introdução a) Crime de perigo os da periclitação da vida e da saúde são denominados como crimes de perigo, cuja consumação se dá com a exposição

Leia mais

A tecnologia e a ética

A tecnologia e a ética Escola Secundária de Oliveira do Douro A tecnologia e a ética Eutanásia João Manuel Monteiro dos Santos Nº11 11ºC Trabalho para a disciplina de Filosofia Oliveira do Douro, 14 de Maio de 2007 Sumário B

Leia mais

CRIMES DE TORTURA (9.455/97)

CRIMES DE TORTURA (9.455/97) CRIMES DE TORTURA (9.455/97) TORTURA FÍSICA MENTAL Art. 1º Constitui crime de tortura: I - constranger alguém com emprego de violência ou grave ameaça, causando-lhe sofrimento físico ou mental: a) tortura-persecutória

Leia mais

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Karina Balduino Leite e Rivadavio Anadão de Oliveira Guassú Maria da Penha foi uma entre as incontáveis vítimas de violência doméstica espalhadas pelo planeta.

Leia mais

VIOLÊNCIA NO TRABALHO EM AMERICA LATINA UMA FORMA DE DISCRIMINAÇÃO NO EMPREGO RISCO PARA A SAÚDE DOS TRABALHADHORES

VIOLÊNCIA NO TRABALHO EM AMERICA LATINA UMA FORMA DE DISCRIMINAÇÃO NO EMPREGO RISCO PARA A SAÚDE DOS TRABALHADHORES VIOLÊNCIA NO TRABALHO EM AMERICA LATINA UMA FORMA DE DISCRIMINAÇÃO NO EMPREGO RISCO PARA A SAÚDE DOS TRABALHADHORES FORMA DE DISCRIMINAÇÃO E VIOLAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS A violência é global e sistêmica.

Leia mais

LEI DE TORTURA Lei n. 9.455/97

LEI DE TORTURA Lei n. 9.455/97 LEI DE TORTURA Lei n. 9.455/97 DUDH Artigo 5º Ninguém será submetido à tortura, nem a tratamento ou castigo cruel, desumano ou degradante. ART. 5º DA CF Inciso III Ninguém será submetido à tortura nem

Leia mais

DISCIPLINA: DIREITO PENAL

DISCIPLINA: DIREITO PENAL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO DISCIPLINA: DIREITO PENAL QUESTÃO Nº 109 Protocolo: 11913003657-0 Não existe qualquer erro material na questão. Nada a ser alterado. O recorrente

Leia mais

Campanha de combate e prevenção à Violência Contra a Mulher.

Campanha de combate e prevenção à Violência Contra a Mulher. Campanha de combate e prevenção à Violência Contra a Mulher. Vamos juntos trabalhar em prol da vida! BRASIL É CAMPEÃO DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA NUM RANKING DE 54 PAÍSES fonte: Sociedade Mundial de Vitimologia,

Leia mais

A (IN)COMPATIBILIDADE DA TENTATIVA NO DOLO EVENTUAL RESUMO

A (IN)COMPATIBILIDADE DA TENTATIVA NO DOLO EVENTUAL RESUMO 331 A (IN)COMPATIBILIDADE DA TENTATIVA NO DOLO EVENTUAL Cícero Oliveira Leczinieski 1 Ricardo Cesar Cidade 2 Alberto Wunderlich 3 RESUMO Este artigo visa traçar breves comentários acerca da compatibilidade

Leia mais

ANTIJURIDICIDADE. 1.3 - Conceito segundo a Teoria Constitucionalista do Delito: fato formal e materialmente típico e antijurídico.

ANTIJURIDICIDADE. 1.3 - Conceito segundo a Teoria Constitucionalista do Delito: fato formal e materialmente típico e antijurídico. ANTIJURIDICIDADE 1 - Crime 1.1 - Conceito Clássico: fato típico, antijurídico e culpável. 1.2 - Conceito segundo o Finalismo: fato típico e antijurídico. 1.3 - Conceito segundo a Teoria Constitucionalista

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br As Medidas de Segurança (Inconstitucionais?) e o dever de amparar do Estado Eduardo Baqueiro Rios* Antes mais nada são necessárias breves considerações acerca de pena e das medidas

Leia mais

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 8ª ª-

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 8ª ª- DIREITO PENAL IV LEGISLAÇÃO ESPECIAL 8ª - Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 Direito penal Iv 2 ROUBO 3 - Roubo Qualificado/Latrocínio 3º Se da violência resulta lesão corporal grave, a pena é de

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA DA PEÇA PRÁTICO-PROFISSIONAL MEMORIAIS/MEMORIAIS DEFENSÓRIOS/MEMORIAIS FINAIS

PADRÃO DE RESPOSTA DA PEÇA PRÁTICO-PROFISSIONAL MEMORIAIS/MEMORIAIS DEFENSÓRIOS/MEMORIAIS FINAIS PROVA SIMULADA OAB - DIREITO PENAL PADRÃO DE RESPOSTA DA PEÇA PRÁTICO-PROFISSIONAL MEMORIAIS/MEMORIAIS DEFENSÓRIOS/MEMORIAIS FINAIS Peça - MEMORIAIS, com fundamento no art. 403, 3o, do Código de Processo

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br (Artigos) considerações sobre a responsabilidade "penal" da pessoa jurídica Dóris Rachel da Silva Julião * Introdução É induvidoso que em se tratando da criminalidade econômica e

Leia mais

Trechos do voto do Ministro CELSO DE MELLO proferido na sessão plenária de 22 de outubro de 2012 (AP 470/MG).

Trechos do voto do Ministro CELSO DE MELLO proferido na sessão plenária de 22 de outubro de 2012 (AP 470/MG). Trechos do voto do Ministro CELSO DE MELLO proferido na sessão plenária de 22 de outubro de 2012 (AP 470/MG). Em mais de 44 anos de atuação na área jurídica, primeiramente como membro do Ministério Público

Leia mais

LEIS PENAIS ESPECIAIS

LEIS PENAIS ESPECIAIS LEIS PENAIS ESPECIAIS Prof. Marcel Figueiredo Gonçalves Especialista em Direito Penal e Direito Processual Penal (PUC-SP) Mestre em Ciências Jurídico-Criminais (Universidade de Lisboa) www.cienciacriminal.com

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O Estatuto do idoso em Benefício do Réu. Roberto Dantes Schuman de Paula * DA NOVATIO LEGIS IN PEJUS Em outubro de 2003 a ordem jurídica foi inovada com o advento da lei 10741/03,

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS BR/1998/PI/H/4 REV. DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Brasília 1998 Representação

Leia mais

FACULDADE METROPOLITANA SÃO CARLOS

FACULDADE METROPOLITANA SÃO CARLOS FACULDADE METROPOLITANA SÃO CARLOS DIREITO CHEYENNE BERNARDES CLÁUDIO GUALANDE JALLON NOGUEIRA KARINA CAVICHINI MARCELO NUNES DE JESUS MARCO ANTÔNIO TEIXEIRA MAYRA RAMOS PAULO RODRIGO MARTINS PEDRO LEMGRUBER

Leia mais

PROJETO DE LEI nº, de 2012 (Do Sr. Moreira Mendes)

PROJETO DE LEI nº, de 2012 (Do Sr. Moreira Mendes) PROJETO DE LEI nº, de 2012 (Do Sr. Moreira Mendes) Dispõe sobre o conceito de trabalho análogo ao de escravo. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Para fins desta Lei, a expressão "condição análoga à

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA SEGURANÇA BRIGADA MILITAR OPM

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA SEGURANÇA BRIGADA MILITAR OPM ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA SEGURANÇA BRIGADA MILITAR OPM Eu, 3º Sgt QPM-1, Id Func nº /1, servindo atualmente neste Departamento, venho através deste, interpor JUSTIFICATIVA

Leia mais

Exercícios da lei 9.455/97 - lei de tortura. Prof. Wilson Torres

Exercícios da lei 9.455/97 - lei de tortura. Prof. Wilson Torres Exercícios da lei 9.455/97 - lei de tortura. Prof. Wilson Torres 01- A prática da tortura, o tráfico ilícito de entorpecentes, o terrorismo e os crimes definidos como hediondos podem ser imputados, com

Leia mais

A CLÁUSULA DE MELHORES ESFORÇOS NOS CONTRATOS

A CLÁUSULA DE MELHORES ESFORÇOS NOS CONTRATOS A CLÁUSULA DE MELHORES ESFORÇOS NOS CONTRATOS SÍLVIO DE SALVO VENOSA 1 Com muita freqüência, por tradução, influência ou injunção do direito anglo-saxão, encontramos em contratos aqui redigidos ou cujos

Leia mais

LFG MAPS. Teoria Geral do Delito 05 questões

LFG MAPS. Teoria Geral do Delito 05 questões Teoria Geral do Delito 05 questões 1 - ( Prova: CESPE - 2009 - Polícia Federal - Agente Federal da Polícia Federal / Direito Penal / Tipicidade; Teoria Geral do Delito; Conceito de crime; Crime impossível;

Leia mais

www. Lifeworld.com.br

www. Lifeworld.com.br 1 Artigos da Constituição Mundial A Constituição Mundial é composta de 61º Artigos, sendo do 1º ao 30º Artigo dos Direitos Humanos de 1948, e do 31º ao 61º Artigos estabelecidos em 2015. Dos 30 Artigos

Leia mais

OS HOMENS TAMBÉM NECESSITAM DA PROTEÇÃO ESPECIAL PREVISTA NA LEI MARIA DA PENHA?

OS HOMENS TAMBÉM NECESSITAM DA PROTEÇÃO ESPECIAL PREVISTA NA LEI MARIA DA PENHA? OS HOMENS TAMBÉM NECESSITAM DA PROTEÇÃO ESPECIAL PREVISTA NA LEI MARIA DA PENHA? Narra os fundamentos legais e constitucionais que garantem somente às mulheres uma política especial de proteção afirmativa,

Leia mais

Estudo da Legislação Penal de Combate ao Racismo

Estudo da Legislação Penal de Combate ao Racismo Estudo da Legislação Penal de Combate ao Racismo Professor: Almiro de Sena Soares Filho 1. Introdução A declaração de direitos humanos da Organização das Nações Unidas de 1948 significou um divisor de

Leia mais

CONDUTA TEO E R O I R AS A a) c ausal b) c ausal valora r tiva (neoclássica) c) finalista d) s ocial e) f uncionalistas

CONDUTA TEO E R O I R AS A a) c ausal b) c ausal valora r tiva (neoclássica) c) finalista d) s ocial e) f uncionalistas DIREITO PENAL Prof. Marcelo André de Azevedo TEORIA GERAL DO CRIME INTRODUÇÃO TEORIA GERAL DO CRIME FATO TÍPICO CONDUTA RESULTADO NEXO DE CAUSALIDADE CONDUTA TEORIAS a) causal b) causal valorativa (neoclássica)

Leia mais

Responsabilidade Civil e Criminal em Acidentes de Trabalho. M. J. Sealy

Responsabilidade Civil e Criminal em Acidentes de Trabalho. M. J. Sealy Responsabilidade Civil e Criminal em Acidentes de Trabalho O Conceito de Acidente de Trabalho (de acordo com a Lei 8.213/91 Art. 19) Acidente do trabalho é o que ocorre pelo exercício do trabalho a serviço

Leia mais

CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011

CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011 CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011 CASOTECA DIREITO GV Caso do Campo de Algodão: Direitos Humanos, Desenvolvimento, Violência e Gênero ANEXO I: DISPOSITIVOS RELEVANTES DOS INSTRUMENTOS INTERNACIONAIS

Leia mais

Questões relevantes Parte Especial CP

Questões relevantes Parte Especial CP Direito Penal 2ª Fase OAB/FGV Aula 07 Professor Sandro Caldeira Questões relevantes Parte Especial CP Crimes contra a vida; ; Homicídio simples Art. 121 CP. Matar alguém: Pena - reclusão, de seis a vinte

Leia mais

A RESPONSABILIDADE CIVIL DO EMPREGADOR NOS ACIDENTES DO TRABALHO: APLICAÇÃO DA TEORIA DA PERDA DE UMA CHANCE

A RESPONSABILIDADE CIVIL DO EMPREGADOR NOS ACIDENTES DO TRABALHO: APLICAÇÃO DA TEORIA DA PERDA DE UMA CHANCE A RESPONSABILIDADE CIVIL DO EMPREGADOR NOS ACIDENTES DO TRABALHO: APLICAÇÃO DA TEORIA DA PERDA DE UMA CHANCE CHAMORRO, N. A. A. Resumo: O estudo baseia-se na responsabilidade civil do empregador pela perda

Leia mais

INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 18 COMPETÊNCIA

INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 18 COMPETÊNCIA INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 18 COMPETÊNCIA Índice 1. Competência...3 1.1. Critérios Objetivos... 3 1.1.1. Critérios Subjetivos... 4 1.1.2. Competência Territorial... 4 2. Dos Processos...4

Leia mais

Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990

Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990 Sumário Prefácio... 11 Apresentação dos autores... 13 Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990 1. Para entender a lei... 26 2. Aspectos gerais... 28 2.1 Fundamento constitucional... 28 2.2 A Lei dos

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 (Do Sr. Fábio Trad) Tipifica o crime de descumprimento de medidas protetivas da Lei 11.340, de 07 de agosto de 2006 - Lei Maria da Penha. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º

Leia mais

Papel e estratégias do Ministério Público na defesa dos direitos das mulheres e principais limitações na aplicação da Lei Sobre Violência Doméstica

Papel e estratégias do Ministério Público na defesa dos direitos das mulheres e principais limitações na aplicação da Lei Sobre Violência Doméstica Papel e estratégias do Ministério Público na defesa dos direitos das mulheres e principais limitações na aplicação da Lei Sobre Violência Doméstica (Síntese a partir dos slides) Por Lúcia Maximiano (Procuradoria

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015 Disciplina: Direito Penal III Departamento III Direito Penal e Direito Processo Penal Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo: Anual 4º ano Docente Responsável: Gustavo

Leia mais

Especificidades das mortes violentas no Brasil e suas lições. Maria Cecília de Souza Minayo

Especificidades das mortes violentas no Brasil e suas lições. Maria Cecília de Souza Minayo Especificidades das mortes violentas no Brasil e suas lições Maria Cecília de Souza Minayo 1ª. característica: elevadas e crescentes taxas de homicídios nos últimos 25 anos Persistência das causas externas

Leia mais

PONTO 1: Conduta PONTO 2: Resultado PONTO 3: Nexo Causal PONTO 4: Tipicidade 1. CONDUTA. 1.1.1 CAUSALISMO ou NATURALÍSTICA Franz Von Liszt

PONTO 1: Conduta PONTO 2: Resultado PONTO 3: Nexo Causal PONTO 4: Tipicidade 1. CONDUTA. 1.1.1 CAUSALISMO ou NATURALÍSTICA Franz Von Liszt 1 DIREITO PENAL PONTO 1: Conduta PONTO 2: Resultado PONTO 3: Nexo Causal PONTO 4: Tipicidade 1.1 TEORIAS DA CONDUTA 1. CONDUTA 1.1.1 CAUSALISMO ou NATURALÍSTICA Franz Von Liszt Imperava no Brasil até a

Leia mais

JURISPRUDÊNCIA FAVORÁVEL:

JURISPRUDÊNCIA FAVORÁVEL: TRF 2 COMPETÊNCIA PENAL - PROCESSO PENAL - DECISÃO QUE REJEITA EXCEÇÃO DE INCOMPETÊNCIA - INEXISTÊNCIA DE RECURSO - APELAÇÃO CRIMINAL NÃO CONHECIDA - PEDIDO RECEBIDO COMO HABEAS CORPUS - REDUÇÃO À CONDIÇÃO

Leia mais

CRIME CONTINUADO EM HOMICÍDIOS. César Dario Mariano da Silva 8º PJ do II Tribunal do Júri de São Paulo

CRIME CONTINUADO EM HOMICÍDIOS. César Dario Mariano da Silva 8º PJ do II Tribunal do Júri de São Paulo CRIME CONTINUADO EM HOMICÍDIOS César Dario Mariano da Silva 8º PJ do II Tribunal do Júri de São Paulo A figura do crime continuado surgiu na antigüidade por razões humanitárias, a fim de que fosse evitada

Leia mais

Bullying não é brincadeira!

Bullying não é brincadeira! Bullying não é brincadeira! Nunca se discutiu tanto, nos meios de comunicação, nas escolas e universidades, a violência física e verbal que ocorre nas escolas. O bullying, popular inclusive entre os alunos,

Leia mais

EDITORIAL. Nosso entrevistado deste mês é o magistrado Dr. Kéops Vasconcelos, presidente da ABRAME Associação Brasileira dos Magistrados Espíritas.

EDITORIAL. Nosso entrevistado deste mês é o magistrado Dr. Kéops Vasconcelos, presidente da ABRAME Associação Brasileira dos Magistrados Espíritas. ANO 1, REVISTA Nº 8, OUTUBRO/2015 EDITORIAL Nosso entrevistado deste mês é o magistrado Dr. Kéops Vasconcelos, presidente da ABRAME Associação Brasileira dos Magistrados Espíritas. Ele enfrenta temas controvertidos

Leia mais

Questão de Direito Penal 1,0 Ponto PADRÃO DE RESPOSTA.

Questão de Direito Penal 1,0 Ponto PADRÃO DE RESPOSTA. Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios XL Concurso Público para Provimento de Cargos de Juiz de Direito Substituto da Justiça do Distrito Federal SEGUNDA PROVA

Leia mais

CARTILHA DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS

CARTILHA DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS CARTILHA DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS Os Juizados Especiais foram criados para atender; de uma forma rápida e simples, problemas cujas soluções podem ser buscadas por qualquer cidadão. Antes deles,

Leia mais

PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROCESSO PENAL

PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROCESSO PENAL PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROCESSO PENAL Carlos Antonio da Silva 1 Sandro Marcos Godoy 2 RESUMO: O Direito Penal é considerado o ramo jurídico mais incisivo, uma vez que restringe um dos maiores bens do

Leia mais

IMPOSSIBILIDADE DE RECOLHIMENTO DE PRESO CIVIL EM PRISÃO MILITAR

IMPOSSIBILIDADE DE RECOLHIMENTO DE PRESO CIVIL EM PRISÃO MILITAR ELBERT DA CRUZ HEUSELER Mestre em Direito da Administração Pública Doutorando em Ciências Jurídicas e Sociais Pós Graduado em Estratégia e Relações Internacionais Especialista em Globalização e Brasil

Leia mais

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira Sociologia Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira [...] tudo o que é real tem uma natureza definida que se impõe, com a qual é preciso contar,

Leia mais

Palestra Virtual. Tema: Perda dos Entes Queridos. Palestrante: Mauro Operti. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.

Palestra Virtual. Tema: Perda dos Entes Queridos. Palestrante: Mauro Operti. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org. Palestra Virtual Promovida pelo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: Perda dos Entes Queridos Palestrante: Mauro Operti Rio de Janeiro 08/05/1998 Organizadores da palestra: Moderador: Macroz (nick:

Leia mais

Violência afetiva e violência doméstica contra idosos. Patrícia Luíza Costa e Paulo Guilherme Santos Chaves. Belo Horizonte MG Janeiro - 2003

Violência afetiva e violência doméstica contra idosos. Patrícia Luíza Costa e Paulo Guilherme Santos Chaves. Belo Horizonte MG Janeiro - 2003 Violência afetiva e violência doméstica contra idosos Patrícia Luíza Costa e Paulo Guilherme Santos Chaves Belo Horizonte MG Janeiro - 2003 Autores: PATRÍCIA LUÍZA COSTA - Bacharel em Química pela UFMG.

Leia mais

DA RESPONSABILIDADE CIVIL DO MÉDICO por Jackson Domenico e Ana Ribeiro - RESPONSABILIDADE CIVIL OBJETIVA E SUBJETIVA

DA RESPONSABILIDADE CIVIL DO MÉDICO por Jackson Domenico e Ana Ribeiro - RESPONSABILIDADE CIVIL OBJETIVA E SUBJETIVA DA RESPONSABILIDADE CIVIL DO MÉDICO por Jackson Domenico e Ana Ribeiro - RESPONSABILIDADE CIVIL OBJETIVA E SUBJETIVA A responsabilidade civil tem como objetivo a reparação do dano causado ao paciente que

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR PRISÃO REALIZADA PELA GUARDA MUNICIPAL Denis Schlang Rodrigues Alves - Delegado de Polícia do Estado de Santa Catarina. Pós- Graduado em Direito Penal pela Universidade Paulista. Professor de Direito Penal

Leia mais

Maria Regina Rocha Ramos

Maria Regina Rocha Ramos CONSIDERAÇÕES ACERCA DA SEMI- IMPUTABILIDADE E DA INIMPUTABILIDADE PENAIS RESULTANTES DE TRANSTORNOS MENTAIS E DE COMPORTAMENTO ASSOCIADOS AO USO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS Maria Regina Rocha Ramos Sumário:

Leia mais

Autor: Ministério Público do Estado de Mato Grosso. Réu: Evanderly de Oliveira Lima. Vistos.

Autor: Ministério Público do Estado de Mato Grosso. Réu: Evanderly de Oliveira Lima. Vistos. Fl..---- --- ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO COMARCA DE ALTO ARAGUAIA Tribunal do Júri Vistos. O Ministério Público estadual ofereceu denúncia contra o réu Evanderly de Oliveira Lima, por ter infringido

Leia mais

MITOS E REALIDADES A QUESTÃO DA VIOLÊNCIA

MITOS E REALIDADES A QUESTÃO DA VIOLÊNCIA MITOS E REALIDADES A QUESTÃO DA VIOLÊNCIA Mitos e Realidades Algumas considerações O álcool e as drogas são as causas reais da violência. O consumo de álcool pode favorecer a emergência de condutas violentas,

Leia mais

AS REGRAS DO MÉTODO SOCIOLÓGICO ÉMILE DURKHEIM

AS REGRAS DO MÉTODO SOCIOLÓGICO ÉMILE DURKHEIM AS REGRAS DO MÉTODO SOCIOLÓGICO DE ÉMILE DURKHEIM Prof. Railton Souza OBJETO Na obra As Regras do Método Sociológico, publicada em 1895 Émile Durkheim estabelece um objeto de investigação para a sociologia

Leia mais

SUMÁRIO. UNIDADE 10 Prescrição ou ministração culposa de drogas; UNIDADE 11 Condução de embarcação ou aeronave sob o efeito de drogas;

SUMÁRIO. UNIDADE 10 Prescrição ou ministração culposa de drogas; UNIDADE 11 Condução de embarcação ou aeronave sob o efeito de drogas; SUMÁRIO LEI Nº 11.343/06 NOVA LEI DE DROGAS; UNIDADE 1 UNIDADE 2 UNIDADE 3 UNIDADE 4 Antinomia aparente de normas penais; Delito de posse de drogas ilícitas para consumo pessoal; Vedação da prisão em flagrante;

Leia mais

OAB 139º - 1ª Fase Regular Modulo II Disciplina: Direito Penal Professor Patrícia Vanzolini Data: 31/07/2009

OAB 139º - 1ª Fase Regular Modulo II Disciplina: Direito Penal Professor Patrícia Vanzolini Data: 31/07/2009 9ª Aula: Parte Especial: Homicídio, Infanticídio, Participação no Suicídio, Aborto e Lesão Corporal. 1. HOMICIDIO 1. Homicídio simples: Caput pena de 6 a 20 anos de reclusão. É crime hediondo? Não, salvo

Leia mais

Considerando ser essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações,

Considerando ser essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações, A Declaração Universal dos Direitos Humanos é um dos documentos básicos das Nações Unidas e foi assinada em 1948. Nela, são enumerados os direitos que todos os seres humanos possuem. Preâmbulo Considerando

Leia mais

PROCESSO DE INGRESSO NA UPE

PROCESSO DE INGRESSO NA UPE PROCESSO DE INGRESSO NA UPE SOCIOLOGIA 2º dia 1 SOCIOLOGIA VESTIBULAR 11. A Sociologia surgiu das reflexões que alguns pensadores fizeram acerca das transformações ocorridas na sociedade do seu tempo.

Leia mais

01 MOEDA FALSA. 1.1. MOEDA FALSA 1.1.1. Introdução. 1.1.2. Classificação doutrinária. 1.1.3. Objetos jurídico e material

01 MOEDA FALSA. 1.1. MOEDA FALSA 1.1.1. Introdução. 1.1.2. Classificação doutrinária. 1.1.3. Objetos jurídico e material 01 MOEDA FALSA Sumário: 1. Moeda falsa 2. Crimes assimilados ao de moeda falsa 3. Petrechos para falsificação de moeda 4. Emissão de título ao portador sem permissão legal. 1.1. MOEDA FALSA 1.1.1. Introdução

Leia mais

A REVOGAÇÃO TÁCITA DOS ARTIGOS 30 E 31 DA LEI DO COLARINHO BRANCO EM RAZÃO DA ALTERAÇÃO LEGISLATIVA PROMOVIDA PELA LEI 12.403/11.

A REVOGAÇÃO TÁCITA DOS ARTIGOS 30 E 31 DA LEI DO COLARINHO BRANCO EM RAZÃO DA ALTERAÇÃO LEGISLATIVA PROMOVIDA PELA LEI 12.403/11. A REVOGAÇÃO TÁCITA DOS ARTIGOS 30 E 31 DA LEI DO COLARINHO BRANCO EM RAZÃO DA ALTERAÇÃO LEGISLATIVA PROMOVIDA PELA LEI 12.403/11. Ricardo Henrique Araújo Pinheiro Recentemente publicamos um artigo no qual

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 957.779 - GO (2007/0014985-3) RELATOR : MINISTRO CASTRO FILHO RECORRENTE : UNIMED GOIÂNIA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO ADVOGADO : ANTÔNIO RICARDO REZENDE ROQUETE E OUTRO(S) RECORRIDO

Leia mais

Em nome do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime. UNODC quero agradecer ao coordenador residente, sr. Jorge

Em nome do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime. UNODC quero agradecer ao coordenador residente, sr. Jorge Boa tarde! Em nome do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime UNODC quero agradecer ao coordenador residente, sr. Jorge Chediek, e a toda sua equipe, pela oportunidade em participar desse importante

Leia mais

U m h o m e m q u e v i v e u c o m o e x e m p l o r e a l d e t u d o a q u i l o q u e t r a n s m i t i u e m s u a s m e n s a g e n s...

U m h o m e m q u e v i v e u c o m o e x e m p l o r e a l d e t u d o a q u i l o q u e t r a n s m i t i u e m s u a s m e n s a g e n s... U m h o m e m q u e v i v e u c o m o e x e m p l o r e a l d e t u d o a q u i l o q u e t r a n s m i t i u e m s u a s m e n s a g e n s... Aqui não estão as mensagens mediúnicas, mas algumas palavras

Leia mais

GUARDA NACIONAL REPUBLICANA COMANDO DA ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS INTERNOS DIRECÇÃO DE RECURSOS HUMANOS CENTRO DE PSICOLOGIA E INTERVENÇÃO SOCIAL

GUARDA NACIONAL REPUBLICANA COMANDO DA ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS INTERNOS DIRECÇÃO DE RECURSOS HUMANOS CENTRO DE PSICOLOGIA E INTERVENÇÃO SOCIAL GUARDA NACIONAL REPUBLICANA COMANDO DA ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS INTERNOS DIRECÇÃO DE RECURSOS HUMANOS CENTRO DE PSICOLOGIA E INTERVENÇÃO SOCIAL JUNHO 2013 ÍNDICE ÂMBITO... 3 INTRODUÇÃO... 4 COMO SE MANIFESTA

Leia mais

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável.

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável. Transtornos mentais: Desafiando os Preconceitos Durante séculos as pessoas com sofrimento mental foram afastadas do resto da sociedade, algumas vezes encarcerados, em condições precárias, sem direito a

Leia mais

PARECER DECRETO CALL CENTER

PARECER DECRETO CALL CENTER PARECER DECRETO CALL CENTER PARECER DECRETO 6.523/2008 Elizabeth Costa de Oliveira Góes Trata-se de parecer com vistas a analisar a aplicabilidade do Decreto 6.523/2008, de 31 de julho de 2008, no que

Leia mais

ASSÉDIO MORAL: Por: Claudia Regina Martins Psicóloga Organizacional CRP 08/13638

ASSÉDIO MORAL: Por: Claudia Regina Martins Psicóloga Organizacional CRP 08/13638 ASSÉDIO MORAL: Por: Claudia Regina Martins Psicóloga Organizacional CRP 08/13638 DEFINIÇÕES Moral: É o conjunto de regras adquiridas através da cultura, da educação, da tradição e do cotidiano, e que orientam

Leia mais

DEZ ANOS DA LEI DOS CRIMES CONTRA O MEIO AMBIENTE: QUESTÕES CONTROVERTIDAS E A JURISPRUDÊNCIA

DEZ ANOS DA LEI DOS CRIMES CONTRA O MEIO AMBIENTE: QUESTÕES CONTROVERTIDAS E A JURISPRUDÊNCIA DEZ ANOS DA LEI DOS CRIMES CONTRA O MEIO AMBIENTE: QUESTÕES CONTROVERTIDAS E A JURISPRUDÊNCIA Eladio Lecey Diretor-Presidente, Escola Nacional da Magistratura - AMB Diretor, Escola Brasileira de Direito

Leia mais

A progressão de regime e o exame criminológico à luz da Súmula Vinculante 26 e Súmula 439 do STJ

A progressão de regime e o exame criminológico à luz da Súmula Vinculante 26 e Súmula 439 do STJ A progressão de regime e o exame criminológico à luz da Súmula Vinculante 26 e Súmula 439 do STJ Irving Marc Shikasho Nagima Bacharel em Direito. Especialista em Direito Criminal. Advogado Criminalista

Leia mais

PARECER - Instituto dos Advogados Brasileiros (IAB)

PARECER - Instituto dos Advogados Brasileiros (IAB) PARECER - Instituto dos Advogados Brasileiros (IAB) Autor: Consócio Jacksohn Grossman Matéria: Nova Lei de Crimes Resultantes de Discriminação e Preconceito Relatora: Victoria-Amália de Barros Carvalho

Leia mais

TEMA: CONCURSO DE PESSOAS (concursus delinquentium) CONCURSO DE AGENTES / CONCURSO DE DELINQUENTES / CO-AUTORIA/ CODELINQÜÊNCIA/PARTICIPAÇÃO

TEMA: CONCURSO DE PESSOAS (concursus delinquentium) CONCURSO DE AGENTES / CONCURSO DE DELINQUENTES / CO-AUTORIA/ CODELINQÜÊNCIA/PARTICIPAÇÃO TEMA: CONCURSO DE PESSOAS (concursus delinquentium) CONCURSO DE AGENTES / CONCURSO DE DELINQUENTES / CO-AUTORIA/ CODELINQÜÊNCIA/PARTICIPAÇÃO INTRODUÇÃO Normalmente, os tipos penais referem-se a apenas

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº de de 2015.

PROJETO DE LEI Nº de de 2015. PROJETO DE LEI Nº de de 2015. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL PARA O SISTEMA INTEGRADO DE INFORMAÇÕES DE VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO NO ESTADO DE GOIÁS, DENOMINADO OBSERVATÓRIO ESTADUAL DA VIOLÊNCIA CONTRA O

Leia mais

TIPO 1 TIPO 2 TIPO 3 TIPO 4 59 60 61 64 60 61 60 63 61 62 59 62 62 59 64 59 63 64 63 61 64 63 62 60 65 66 67 68

TIPO 1 TIPO 2 TIPO 3 TIPO 4 59 60 61 64 60 61 60 63 61 62 59 62 62 59 64 59 63 64 63 61 64 63 62 60 65 66 67 68 Tabela de Correspondência de Questões: XIII EXAME UNIFICADO OAB 1ª. ETAPA TIPO 1 TIPO 2 TIPO 3 TIPO 4 59 60 61 64 60 61 60 63 61 62 59 62 62 59 64 59 63 64 63 61 64 63 62 60 65 66 67 68 PROVA TIPO 1 Questão

Leia mais

Princípios Básicos Relativos à Função dos Advogados

Princípios Básicos Relativos à Função dos Advogados Princípios Básicos Relativos à Função dos Advogados O Oitavo Congresso das Nações Unidas para a Prevenção do Crime e o Tratamento dos Delinquentes, Lembrando o Plano de Acção de Milão 139, adoptado pelo

Leia mais

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Alessandro Alves A pré-adolescência e a adolescência são fases de experimentação de diversos comportamentos. É nessa fase que acontece a construção

Leia mais

Gustavo Noronha Silva. Clássicos da Sociologia: Marx, Durkheim e Weber

Gustavo Noronha Silva. Clássicos da Sociologia: Marx, Durkheim e Weber Gustavo Noronha Silva Clássicos da Sociologia: Marx, Durkheim e Weber Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES abril / 2003 Gustavo Noronha Silva Clássicos da Sociologia: Marx, Durkheim e Weber

Leia mais

14 DE JUNHO DE 2009 DIRIGIR NÃO É UM DIREITO MAS APENAS UMA PERMISSÃO

14 DE JUNHO DE 2009 DIRIGIR NÃO É UM DIREITO MAS APENAS UMA PERMISSÃO 14 DE JUNHO DE 2009 DIRIGIR NÃO É UM DIREITO MAS APENAS UMA PERMISSÃO O problema é trágico quando se trata de acidentes de trânsito, no Brasil, causados por quem dirige alcoolizado. Por isso, foi promulgada

Leia mais

ESTADO DO AMAZONAS CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS GABINETE DO VEREADOR PROFESSOR BIBIANO

ESTADO DO AMAZONAS CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS GABINETE DO VEREADOR PROFESSOR BIBIANO PROJETO DE LEI N.º 215/2013 ESTADO DO AMAZONAS DISPÕE sobre a necessidade de assistência psicológica e social nos estabelecimentos educacionais integrantes do Sistema de Educação do município de Manaus

Leia mais

Reportagens. A perda da chance nos casos de erro médico. Por Gislene Barbosa da Costa

Reportagens. A perda da chance nos casos de erro médico. Por Gislene Barbosa da Costa Reportagens A perda da chance nos casos de erro médico Por Gislene Barbosa da Costa O instituto da responsabilidade civil repousa no princípio de que a ninguém é autorizado causar prejuízo a outrem e tem

Leia mais