CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011"

Transcrição

1 1

2 CASO LEI CIDADE LIMPA NARRATIVA 1 Sumário: 1. O mercado de mídia exterior 2. A construção da política Cidade Limpa: quais são os limites à intervenção do Estado no domínio econômico? 2.1. Uma nova política de ordenação da paisagem urbana em São Paulo: a Lei Cidade Limpa 2.2. Da política Cidade Limpa à Lei / A disciplina da paisagem urbana pela Lei Cidade Limpa 3. Lei Cidade Limpa: impactos esperados e conflitos colocados 4. O Judiciário e a aplicação da Lei Cidade Limpa 5. 5 anos de Lei Cidade Limpa: atuais tendências e conflitos colocados Ainda sob o impacto da real possibilidade de o Projeto de Lei 379/06 ser aprovado em menos de um ano, instituindo a política da Cidade Limpa no Município de São Paulo, o Sindicato das Empresas de Publicidade Exterior de São Paulo (SEPEX-SP) em conjunto com a Tendências Consultoria Integrada anteviram o seguinte cenário no maior nicho de mercado de mídia exterior no Brasil: Os empresários do ramo também acreditam que o projeto, se aprovado, deve levar a uma redução de 72% no faturamento a um corte de 70% nos postos de trabalho gerados pelo setor. Por outro lado, as restrições sobre os anúncios indicativos provocarão, segundo nossas estimativas, um choque de custos que varia de R$1,1 bilhão (cenário onde 70% dos estabelecimentos comerciais são afetados) ao comércio da cidade de São Paulo. Esta cifra cobriria os custos de readequação inclui retirada das peças atuais, retirada dos revestimentos, recuperação das fachadas onde estavam os luminosos e confecções de novas identificações de 4 metros quadrados de estabelecimentos comerciais da cidade 2. Após enxuta tramitação na Câmara dos Vereadores de São Paulo, com pontuais alterações do projeto originalmente apresentado pelo Poder Executivo municipal, a Lei foi aprovada 1 Agradecemos à Direito GV por apoiar o desenvolvimento deste caso na figura de ESDRAS BORGES, RAFAEL MAFEI RABELO QUEIROZ, FLÁVIO BEICKER e LUCIANA SILVA REIS, cujos feedbacks foram de grande importância para tornar o produto final mais instigante e consentâneo com a proposta metodológica de ensino jurídico por meio de casos. Por disponibilizar importante material de pesquisa, fundamental à construção do caso, agradecemos ao CARLOS ARI SUNDFELD. Agradecemos também à JULIANA LACERDA pela dedicação excepcional no auxílio do levantamento de dados referentes à Lei Cidade Limpa e ao FERNANDO ISSAO NINOMIYA pela confecção da capa do caso, que sintetiza em grande medida as preocupações da política cidade limpa do Município de São Paulo. 2 Gesner Oliveira, Ernesto Moreira Guedes Filho, Fábio Messi Sanches, Richard Lee Hochstetler, Andréa Curi, Lilian Fujiy, Fábio Seguchi, Carla Rossi & Bernardo Oliveira. Análise do Projeto de Lei 379/2006 da Prefeitura de São Paulo e seus Impactos Econômicos, p

3 em 26 de setembro de 2006 sem qualquer voto dissidente 3. Desde então, ela é conhecida como Lei Cidade Limpa, mecanismo estatal de ordenação da paisagem urbana no Município de São Paulo 4. Trata-se de uma medida ousada, cuja implementação foi marcada por polêmicas quanto ao grau de limitação dos anúncios, especialmente os publicitários. Como principais objetivos, estava a tentativa de minimizar a poluisão visual na cidade de São Paulo, retirando placas, painéis, faixas, letreiros, tabuletas, outdoors e anúncios publicitários em geral. Também surgiram dúvidas com relação à efetividade da Lei Cidade Limpa: ela iria pegar? Afinal, como eliminar a mídia exterior de São Paulo? Apesar dos diversos conflitos de interesse, não é precipitado afirmar que a Lei Cidade Limpa emplacou. É notável a adaptação da cidade de São Paulo às regras restritivas aos direitos de propriedade e de livre iniciativa. A modificação da paisagem urbana de São Paulo é evidente. Todavia, remanesce o debate sobre o grau de ingerência de limitações estatais sobre a esfera particular, com reflexos diretos na gestão empresarial. Está em discussão também a validade da política paulistana, dado que o Supremo Tribunal Federal (STF) ainda não proferiu uma resposta definitiva sobre a constitucionalidade da lei. Ademais, novos desafios se abrem na aplicação da Lei Cidade Limpa. Ainda é questionada a capacidade de fiscalização da Prefeitura de São Paulo para garantir a eficácia da política, apesar das constantes demonstrações de força por meio de blitz. Junte-se a isso a flexibilização da Lei Cidade Limpa, como se evidencia no caso Copan. Enfim, o caso está colocado. 1. O mercado de mídia exterior Reconhecer o mercado de mídia exterior é fundamental para a adequada compreensão da Lei Cidade Limpa, especialmente para mensuração do impacto da Lei municipal /06 sobre a exploração de atividades econômicas relacionadas à propaganda externa. Nessa linha, é oportuno descrever parcela do mercado de mídia exterior na cidade de São Paulo em momento antecedente à aprovação da Lei Cidade Limpa e este mesmo mercado após a vigência da lei. Ao analisar o mercado relevante material de outdoors no PA / , o CADE considerou que o mercado de outdoor possui características que o diferenciam dos demais tipos de mídia externa (formato padronizado, maior oferta com relação aos demais produtos, localização variada e período de veiculação). Na presente narrativa, o mercado de mídia exterior será considerado como o conjunto envolvendo mídia fixa externa (outdoors, letreiros, back-lights, front-lights, painel digital, triedro, empena cega, topo, letriro luminoso, painel rodoviário etc.), mídia móvel (a exemplo de táxis e ônibus) e mobiliário urbano (anúncios em 3 A íntegra da Lei municipal /06 encontra-se no Anexo I do caso. 4 Segundo o art. 1º da Lei /06, a lei dispõe sobre a ordenação dos elementos que compõem a paisagem urbana, visíveis a partir de logradouro público no território do Município de São Paulo. 3

4 placas de esquinas, sanitários públicos, relógios etc.) compreendido no Município de São Paulo. Deve-se esclarecer que as disposições da Lei Cidade Limpa extravasam o mercado de mídia exterior ao incidirem, por exemplo, sobre os anúncios indicativos. Até a edição da Lei Cidade Limpa, a publicidade exterior era disciplina pela Lei municipal , de 28 de fevereiro de , a qual previa basicamente duas formas de anúncio 6 : o anúncio indicativo e o anúncio publicitário. O anúncio indicativo tem uma função bastante específica, correspondente à indicação no próprio local a atividade desenvolvida, bem como a empresa ou os profissionais que atuam no recinto 7. Já o anúncio publicitário corresponde ao efetivo meio exterior de veiculação de publicidade, ou seja, de propaganda fora do local de desenvolvimento da atividade relacionada ao produto ou serviço anunciado 8. Como uma de suas características mais maçantes, o mercado de mídia exterior na cidade de São Paulo era bastante expressivo, seja pelo faturamento na ordem de R$ 631,6 milhões de reais em , seja pela cartela de clientes em potencial, dado que na época a cidade de São Paulo comportava aproximadamente 300 mil estabelecimentos comerciais formais. De fato, o mercado de mídia exterior estava em plena expansão, recebendo cada vez mais investimentos como demonstra o gráfico a seguir (de abrangência nacional): 5 A íntegra da Lei municipal /03 encontra-se no Anexo II do caso. 6 Nos termos do art. 8º, inc. IV, da Lei /03, por anúncio compreende-se qualquer veículo de comunicação visual presente na paisagem visível de logradouro público, composto de área de exposição e estrutura. 7 Cf. art. 8º, inc. IV, a, da Lei /03, que também admite a indicação de logomarcas e referências a outras empresas fornecedoras, colaboradoras ou patrocinadoras da atividade desenvolvida no recinto, respeitado o limite de um terço da área total do anúncio. 8 Cf. art. 8º, inc. IV, b, da Lei /03. 9 Análise do Projeto de Lei 379/2006 da Prefeitura de São Paulo e seus Impactos Econômicos, p

5 Gráfico 01 Fonte: Análise do Projeto de Lei 379/2006 da Prefeitura de São Paulo e seus Impactos Econômicos,, p. 77. Nesse sentido, a tabela abaixo demonstra o tamanho (crescente) do mercado tendo em vista o seu faturamento bruto: Tabela 01 Faturamento do mercado (em R$ milhões) Mídia exterior Outdoors Mobiliário urbano 631,6 257,3 88,0 671,5 370,5 147,8 680,67 365,4 154,73 Fonte: Análise do Projeto de Lei 379/2006 da Prefeitura de São Paulo e seus Impactos Econômicos, p. 77 De uma forma geral, o mercado de mídia exterior correspondia a uma fatia de 4,39% dos anúncios publicitários em 2005, tomando como parâmetro da comparação o faturamento bruto 10. Na ocasião, a TV ainda era o principal meio de publicidade, sendo responsável por 61,31% dos anúncios veiculados, logo acompanhada por jornal (16,78%), revista (9,09%), rádio (4,32%) TV por assinatura (2,40%) e internet (1,70%) 11. O gráfico a seguir demonstra como o mercado de mídia exterior se divide, tendo em vista o faturamento bruto de cada segmento em 2005: 10 Idem, p Idem, ibidem. 5

6 Gráfico 02 Porcentual do faturamento da mídia exterior por segmento em 2005 Móvel 3% Mob. Urbano 23% Painel 17% Outdoor 53% Eletrônico 4% Fonte: Análise do Projeto de Lei 379/2006 da Prefeitura de São Paulo e seus Impactos Econômicos,, p. 18. A partir da leitura dos dados, reforça-se a informação de que o outdoor é o principal segmento da mídia exterior, respondendo por mais da metade das demandas publicitárias. Trata-se de uma relevante informação, pois indica o quão impactante sobre o mercado de mídia exterior a previsão da Lei Cidade Limpa de proibição de outdoors. Ademais, o gráfico também permite registrar um padrão de mídia exterior, qual seja, publicidade externa realizada predominantemente em estruturas imóveis urbanas. A fatia correspondente aos anúncios móveis (em táxis, ônibus backbus e busdoor e motocicletas) é muito reduzida quando comparada aos demais segmentos. Por fim, informam-se quais eram os principais setores econômicos que utilizavam a mídia exterior como estratégia comercial em 2005: Tabela 02 6

7 Fonte: Análise do Projeto de Lei 379/2006 da Prefeitura de São Paulo e seus Impactos Econômicos,, p. 92. Segundo o estudo realizado pelo SEPEX em conjunto com a Tendências Consultoria Integrada, a mídia exterior é utilizada predominantemente por empresas de pequeno e médio porte, sendo relevante estratégia empresarial de divulgação de seus bens e serviços, dado o elevado custo de anunciar em TV e jornal, por exemplo A construção da política Cidade Limpa: quais são os limites à intervenção do Estado no domínio econômico? 2.1. Uma nova política de ordenação da paisagem urbana em São Paulo: a Lei Cidade Limpa A ordenação da paisagem urbana do Município de São Paulo pode ser considerada como uma das principais questões enfrentadas pela Municipalidade. Anteriormente à Lei Cidade Limpa, instituída na gestão Kassab em 2006, a Lei /03 disciplinava a política Belezura, medida análoga editada no governo Marta Suplicy. A primeira iniciativa de regulamentação da paisagem urbana da cidade de São Paulo ocorreu com a Lei , de Análise do Projeto de Lei 379/2006 da Prefeitura de São Paulo e seus Impactos Econômicos, p

8 A política Cidade Limpa foi desenhada pelo Poder Executivo Municipal 13 em um contexto de grande debate em torno da ordenação urbana. Tomando a dianteira dos debates, o Prefeito Gilberto Kassab suscitou amplo foro de discussão institucionalmente, no âmbito da Administração Pública ou do Legislativo municipal, com a sociedade em fóruns de discussão organizados ou por intermédio da mídia sobre a necessidade de uma regulamentação mais incisiva em prol de externalidades positivas à paisagem urbana. Os pontos de discussão foram posteriormente inseridos na Lei /06 como princípios orientadores da aplicação dos preceitos normativos 14. A publicidade da Prefeitura de São Paulo referente à Lei Cidade Limpa pode ser conferida em De uma forma resumida, os dispositivos iniciais da Lei /06 apresentam um quadro das motivações que levaram o Poder Público paulistano a adotar a política cidade limpa: Art. 3º. Constituem objetivos da ordenação da paisagem do Município de São Paulo o atendimento ao interesse público em consonância com os direitos fundamentais da pessoa humana e as necessidades de conforto ambiental, com a melhoria da qualidade de vida urbana, assegurando, dentre outros, os seguintes: I o bem-estar estético, cultural e ambiental da população; II a segurança das edificações e da população; III a valorização do ambiente natural e construído; IV a segurança, a fluidez e o conforto nos deslocamentos referenciais da paisagem; V a percepção e a compreensão dos elementos referenciais da paisagem; VI a preservação da memória cultural; VII a preservação e a visualização das características peculiares dos logradouros e das fachadas; VIII a preservação e a visualização dos elementos naturais tomados em seu conjunto e em suas peculiaridades ambientais nativas; IX o fácil acesso e utilização das funções e serviços de interesse coletivo nas vias e logradouros; 13 Segundo Diógenes José Pasqualini, a edição da Lei Cidade Limpa relaciona-se a uma estratégia política do Prefeito Gilberto Kassab, dado o alto grau de receptividade da medida pela sociedade. Mídia. Cognição e Poder: ume leitura corpomídia da Lei Cidade Limpa, p. 20 e ss. 14 Serva, Leão. Cidade Limpa: o projeto que mudou a cara de São Paulo. Os bastidores de como o prefeito Kassab realizou a mais profunda intervenção na paisagem urbana de São Paulo. 8

9 X o fácil e rápido acesso aos serviços de emergência, tais como bombeiros, ambulância e polícia; XI o equilíbrio de interesses dos diversos agentes atuantes na cidade para promoção da melhoria da paisagem do Município. Art. 4º. Constituem diretrizes a serem observadas na colocação dos elementos que compõem a paisagem urbana: I o livre acesso de pessoas e bens à infra-estrutura urbana; II a priorização da sinalização de interesse público com vistas a não confundir motoristas na condução de veículos e garantir a livre e segura locomoção de pedestres; III o combate à poluição visual, bem como à degradação ambiental; IV a proteção, preservação e recuperação do patrimônio cultural, histórico, artístico, paisagístico, de consagração popular, bem como do meio ambiente natural ou construído da cidade; V a compatibilização das modalidades de anúncios com os locais onde possam ser veiculados, nos termos desta Lei; VI a implantação de sistema de fiscalização efetivo, ágil, moderno, planejado e permanente. Depoimentos de especialistas favoráveis à Lei Cidade Limpa e do Prefeito Gilberto Kassab podem ser conferidos em Nota-se atualmente um movimento de recepção da política Cidade Limpa por Municipalidades. A partir da experiência de São Paulo, diversos Municípios brasileiros terminaram por adotar leis bastante próximas à Lei /06, convergindo quanto ao propósito e muitas vezes quanto ao conteúdo. Isso demonstra a repercussão da Lei Cidade Limpa, que extravasa a cidade de São Paulo para alcançar também outros Municípios. A tabela abaixo indica, em ordem cronológica, as leis que foram editadas por influência da Lei Cidade Limpa: Tabela 03 Leis editadas com conteúdo análogo à Lei paulistana /06 Lei Município / Estado Publicação Chefe do Executivo Lei /06 São Paulo / SP 26.set.2006 Gilberto Kassab Lei 5.137/07 Rio de Janeiro / RJ 22.nov.2007 Sérgio Cabral Lei Complementar 95/08 Cotia / São Paulo 24.jun.2008 Joaquim Pedroso Neto Lei 5.891/08 São Bernardo do Campo / 26.jun.2008 William Dib SP Lei 1.960/08 Itapecerica da Serra / SP 23.dez.2008 Jorge José da Costa 9

10 Lei 9.875/09 Ponta Grossa / PR 30.mar.2009 Pedro Wosgrau Filho Lei 6.468/09 Piracicaba / SP 28.mai.2009 Barjas Negri Lei Complementar Ilhabela / SP 30.nov.2009 Antonio Luiz Colucci 756/09 Lei 4.831/09 São Caetano do Sul / SP 10.dez.2009 José Auricchio Júnior Lei 205-A/10 Cuiabá / MT 08.jan.2010 Wilson Pereira Santos Lei Complementar Cuiabá / MT 12.fev.2010 Wilson Pereira 206/10 Santos Lei 3.906/10 Atibaia / SP 16.jul.2010 José Bernardo Denig Lei /10 Londrina / PR 26.jul.2010 Homero Barbosa Neto Fonte: elaboração própria. Ocorre que tal movimento já foi constatado pela SEPEX-SP, que elaborou plano de ação para conter o avanço da política Cidade Limpa. Para proteção e preservação do mercado de mídia exterior, a SEPEX-SP adotou como estratégia se antecipar aos debates sobre a regulação da publicidade exterior. Dessa forma, o Sindicato tanto participa de audiências e consultas públicas realizadas em Municípios que estudam a possibilidade de adotar restrições análogas à Lei /06 quanto debatem o próprio modelo de lei junto aos chefes do Poder Executivo Municipal. Nesse sentido, vale a reprodução da seguinte passagem: A atuação conjunta entre Poder Público, iniciativa privada e sociedade é o único caminho que pode evitar que a Publicidade Exterior seja definitivamente extinta do Estado de São Paulo e, principalmente, garantir a coexistência da atividade e do meio urbano, é o que afirma o presidente do SEPEX-SP, Luiz Fernando Rodovalho. (...) Desde a aprovação da Lei /06, que proibiu a instalação de qualquer tipo de anúncio exterior na cidade de São Paulo, o SEPEX-SP tem trabalhado no sentido de defender o exercício da atividade, em total conformidade com as leis. Assim, tem estado presente em audiências públicas e em reuniões com a Prefeitura de diversos municípios, salientando a importância dos anúncios exteriores e os impactos negativos gerados pela proibição total, não apenas na economia local, mas na própria comunicação com a população 15. Nessa medida, faz parte do plano do SEPEX-SP desvincular a imagem de anúncios irregulares ao mercado de mídia exterior, como se depreende da declaração abaixo transcrita: Este conceito tem sido largamente defendido pelo Sindicato: Temos solicitado insistentemente a todas as empresas de Publicidade Exterior que regularizem suas peças junto às prefeituras, que efetuem os devidos cadastros e que façam o recolhimento das taxas. É extremamente importante que toda a documentação esteja em ordem estou falando de 15 SEPEX-SP, Parcerias com o Poder Público são o melhor caminho para a publicidade exterior, p

11 2.2. Da política Cidade Limpa à Lei /06 impostos recolhidos, alugueis e contratos em ordem, instalações devidamente autorizadas etc. porque só assim o SEPEX-SP conseguirá mostrar que representa uma categoria correta, de profissionais sérios e que atuam em concordância com a legislação, seja municipal ou estadual, diz Rodovalho 16. O Poder Executivo apresentou, em , o Projeto de Lei nº 379/2006, o qual recebeu enxutíssimos pareceres favoráveis da Comissão de Constituição e Justiça (em ) e (em ) da reunião das Comissões de Política Urbana, Metropolitana e Meio Ambiente; Administração Pública; de Trânsito; Transporte e Atividade Econômica e de Finanças e Orçamento. Esse segundo parecer foi lançado um dia depois da primeira votação nominal sobre o projeto (ocorrida em ). Seguiram-se duas audiências públicas, datadas de 05 e Foram apresentados dois substitutivos ao projeto de lei, um de autoria do Vereador Dalton Silvano, outro oriundo do líder de governo e das lideranças partidárias. Ambos receberam pareceres favoráveis das mesmas Comissões da Câmara Municipal. Em sessão de , foi aprovado o segundo substitutivo e rejeitadas todas as ementas propostas pelo Vereador Dalton Silvano, as quais, destacadamente, propunham atenuações ao regime legal, autorizando, por exemplo, as seguintes formas de publicidade: a) distribuição de materiais promocionais aos sábados domingos e feriados (sob a justificativa de que tal atividade gera postos de trabalho); b) veiculação de anúncios em ônibus e táxis (sob o fundamento de que isso geraria receita para concessionários e taxistas), c) anúncios em estandartes móveis, bandeiras e bicicletas (não havendo, anexa à proposta de emenda, a correspondente justificativa) A disciplina da paisagem urbana pela Lei Cidade Limpa A Lei Cidade Limpa estabeleceu ampla disciplina da paisagem urbana na cidade de São Paulo. De fato, o conceito de paisagem urbana adotado pela lei é amplíssimo, referindo-se ao espaço aéreo ou superfície externa de qualquer elemento natural ou construído que seja visível ao observador situado em áreas de uso comum 17. Ainda que o anúncio esteja afixado em espaço interno, ele será considerado visível se localizado em até 1m de qualquer abertua ou 16 SEPEX-SP, Parcerias com o Poder Público são o melhor caminho para a publicidade exterior, p Segundo o art. 2º da Lei /06, considera-se paisagem urbana o espaço aéreo e a superfície externa de qualquer elemento natural ou construído, tais como água, fauna, flora, construções, edifícios, anteparos, superfícies aparentes de equipamentos de infra-estrutura, de segurança e de veículos automotores, anúncios de qualquer natureza, elementos de sinalização urbana, equipamentos de informação e comodidade pública e logradouros públicos, visíveis por qualquer observador situado em áreas de uso comum do povo. 11

12 vedo transparente com comunicação externa 18. Foram considerados para utilização da paisagem urbana todos os anúncios instalados em: imóvel de propriedade particular, edificado ou não; imóvel de domínio público, edificado ou não; bens de uso comum do povo; obras de construção civil em lotes públicos ou privados; faixas de domínio pertencentes a redes de infra-estrutura e faixas de servidão de redes de transporte, de redes de transmissão de energia elétrica, de oleodutos, gasodutos e similares; veículos automotores e motocicletas; bicicletas e similares; trailers ou carretas engatados ou desengatados de veículos automotores; mobiliário urbano; aeronaves em geral e sistemas aéreos de qualquer tipo 19. Invariavelmente, todas as mencionadas instalações submetem-se aos termos da Lei Cidade Limpa. Para uma análise do dos resultados da Lei Cidade Limpa na paisagem urbana de São Paulo, cf. O mesmo cuidado conceitual do legislador paulistano se verificou com relação aos anúncios. São considerados anúncios, nos termos do art. 6º, inc. I, da Lei /06 os veículos de comunicação visual visível no logradouro público, composto por estrutura e área de exposição. Todavia, a própria lei excepciona os elementos que não podem ser considerados anúncios, como as denominações de prédios e condomínios 20. Na medida em que conceitos centrais como paisagem urbana e anúncio irão nortear a aplicação da Lei Cidade Limpa, desenvolvendo relevante papel na fixação da abrangência e limites da disciplina urbanística, houve um esforço maior de detalhamento do teor de cada qual. 18 Cf. art. 12, 2º, Lei / Cf. art. 12 da Lei / O rol de elementos que não são considerados anúncios está previsto no art. 7º da Lei /06. Já as normas gerais de disciplina dos anúncios como o dever de oferecer segurança ao público e de atender às normas técnicas emitidas pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) encontram-se no art. 8º da Lei /06. 12

13 Com a edição da Lei Cidade Limpa, os anúncios passaram a ser classificados em indicativos, publicitários e especiais. Os anúncios indicativos são reconhecidos como aqueles destinados a identificar no próprio local da atividade os estabelecimentos comerciais estabelecidos na localidade, assim como os profissionais que dele fazem uso 21. Os anúncios publicitários, por sua vez, são destinados à veiculação de publicidade em estrutura fora do local onde se exerce a atividade 22. Os anúncios especiais, por sua vez, possuem características específicas e se destinam a atender finalidades culturais, eleitorais, educativas ou imobliárias 23. Por meio desta nova classificação, a Lei Cidade Limpa conferiu uma disciplina específica para cada tipo de anúncio que, de forma geral, pode ser resumida no seguinte esquema: ANÚNCIOS INDICATIVOS Imóveis edificados: permitido, conforme a Lei Cidade Limpa (arts. 13, 15 e 16) Imóveis não edificados: proibido Imóveis edificados: proibido PUBLICITÁRIOS Imóveis não edificados: proibido Mobiliário urbano: permitido, conforme lei específica (arts. 21 e 22) ESPECIAIS Permitido, conforme leis e normas específicas (arts. 19 e 20) A Lei Cidade Limpa foi editada com ampla proposta, passando pela disciplina do mercado de mídia exterior, a contenção de poluição visual na cidade de São Paulo e a adequada utilização do espaço urbano 24. Para tanto, algumas restrições polêmicas, ao mínimo foram adotadas, as quais podem ser agrupadas nas seguintes categorias: proibições (arts. 9º, 10, 14 e 18 da Lei /06); limitações (arts. 13 e 15); condicionantes (arts. 19 e 23); fiscalização e sanções (art. 39 e ss.). Apesar de tais restrições visarem à satisfação de finalidades públicas, grandes embates se colocaram com a edição da Lei Cidade Limpa acerca da legalidade das medidas (as restrições são constitucionais? São proporcionais?) assim como da oportunidade e conveniência da adoção das mesmas (a cidade de São Paulo estava desamparada com a Lei /03? Para uma cidade limpa é necessário comprometer o mercado regular de mídia exterior?). 21 Cf. art. 6º, inc. I, a, da Lei / Cf. art. 6º, inc. I, b, da Lei / Cf. art. 6º, inc. I, c, da Lei / Maiores detalhes sobre o conteúdo e proposta da Lei /06 podem ser depreendidos no item 3 deste Caso. 13

14 3. Lei Cidade Limpa: impactos esperados e conflitos colocados Talvez a mais contundente reação à Lei Cidade Limpa tenha sido proveniente do SEPEX-SP e das empresas de publicidade exterior, diretamente relacionados com a sustentabilidade econômica do mercado de mídia exterior. De modo reflexo, também aquelas empresas vinculadas à cadeia produtiva dos anúncios publicitários em paisagem urbana sentiram o impacto da aprovação da Lei /06, a exemplo de fornecedores de insumos para as empresas de publicidade exterior. Primeiramente, foi suscitada a abrupta queda do faturamento por parte das empresas de publicidade exterior, como apontado no estudo realizado pela SEPEX-SP SP em conjunto com a Tendências Consultoria Integrada do qual se extrai a tabela abaixo indicada: Tabela 04 Impactos estimados com a nova lei em São Paulo Corte Estimativa de queda no faturamento 71,73% Estimativa do número de demissões 70,31% Fonte: Análise do Projeto de Lei 379/2006 da Prefeitura de São Paulo e seus Impactos Econômicos, p. 42. Some-se ao quadro de custos para implementação da Lei Cidade Limpa o custo para readequação da quase totalidade dos 300 mil estabelecimentos comerciais formais, dado que estimativas apontavam que 90% deles deveria se adequar aos novos preceitos da Lei /06. Tabela 05 Fonte: Análise do Projeto de Lei 379/2006 da Prefeitura de São Paulo e seus Impactos Econômicos, p. 39. Empresários do setor argumentavam a existência de uma balança perversa com a edição da Lei Cidade Limpa: de um lado, os custos para manutenção do negócio aumentariam, ao passo 14

15 que a demanda se reduziria. Como resultado, 70% dos funcionários do mercado de mídia exterior seriam demitidos de seus postos talvez em um cenário de desemprego estrutural, ao menos na cidade de São Paulo, passando de funcionários diretos para no setor 25. Além dos funcionários diretos que perderiam seu trabalho, também deveriam ser contabilizados os funcionários indiretos que inevitavelmente teriam o mesmo destino. A proporção estimada era de três funcionários indiretos para um direto 26. A mesma vedação trouxe conseqüências também no que tange às relações contratuais mantidas pelas empresas que se viram impedidas de exercer seu objeto em função da lei. Essas empresas buscaram o judiciário para eximir-se de culpa pelo inadimplemento de obrigações contratuais firmadas anteriormente à promulgação da lei porque a lei tornou ilegal a prestação da obrigação contratada. A Lei nº /06 não só gerou problemas relacionados ao inadimplemento de obrigações relativas à criação, venda e locação de meios de publicidade externa. O estado de crise econômico-financeira instaurou-se em algumas dessas empresas, dando ensejo, ainda no âmbito contratual, a ações revisionais de contratos de financiamento eis que, sendo empresas voltadas à exploração de painéis publicitários, estas não conseguiram honrar seus compromissos. Algumas delas tentaram buscar guarida na aplicação da teoria da imprevisão. A Lei Cidade Limpa promoveu efetiva diferenciação entre empresas de publicidade estruturadas e empresarialmente gestadas e pequenas empresas, geralmente familiares. Para aquelas, a acomodação foi bastante rápida: a recuperação do mercado deve-se à estratégia de ampliar o espectro de atuação para outros Municípios no Estado de São Paulo que não recepcionaram a tendência proibitiva da lei paulistana 27. Ademais, as empresas de mídia exterior mais estruturadas filiadas ao SEPEX não fecharam as portas em decorrência da edição da Lei Cidade Limpa 28. Atualmente, das 60 empresas filiadas ao SEPEX, 20 encontram-se no Município de São Paulo, apesar de não explorarem sua atividade na cidade 29. Uma outra forma de adaptação do mercado de mídia exterior consiste da expansão das atividades, como o desenvolvimento de mídia indoor. Cf. Todavia, para as empresas cujo objeto se restringia aos serviços vedados pela Lei Cidade Limpa, a promulgação da lei significou motivo de instauração de crise irreversível que as levaram à falência. 25 Análise do Projeto de Lei 379/2006 da Prefeitura de São Paulo e seus Impactos Econômicos, p Idem, ibidem. 27 Conforme relato fornecido por José Roberto Fogaça de Almeida (Diretor-Executivo do SEPEX) em 06 de junho de Idem, ibidem. 29 Idem, ibidem. 15

16 Céus Abertos Folha de São Paulo, 20 a 26 de fevereiro de Um senhor com mãos sujas de tinta fresca atende o portão. Em um casebre alugado no Município de Taboão da Serra, na grande São Paulo, Maurício Campos, 75, exerce uma atividade quase esquecida em tempos de tecnologia digital. Sócio da gráfica Fidalga, ele é tipógrafo há 58 anos. "Já vendi coco, mas gosto mesmo é da mão suja, da tinta na unha". No ambiente que lembra uma garagem, rodeado por duas salas de tipos talhados em madeira, Maurício apresenta, orgulhoso, a máquina alemã, de 1929 uma joia que, nos anos 1970, antes de ser adquirida pelos atuais donos, rodava panfletos e cartazes do PT (Partido dos Trabalhadores) em São Bernardo do Campo. O nome da empresa remete ao antigo endereço da gráfica, na rua Fidalga, na Vila Madalena (reg. oeste). Na época, Maurício e o sócio Carlos Palmeiras, 45, rodavam até seis cartazes com tiragem de folhas por dia. "Produzíamos para casas de shows e rodávamos material político para a Marta Suplicy e até pro Maluf", conta. Porém, desde 2007, quando a Lei Cidade Limpa entrou em vigor, o grupo perdeu praticamente todos os seus clientes. "As encomendas diminuíram 70%", lamenta Maurício. Foi o caráter artesanal dos tipos a salvação para o negócio. Hoje, a Fidalga vive de arte. "O público mudou. Somos procurados por artistas plásticos. De galeria e de rua", diz Carlinhos. O artista Stephan Doitschinoff, 33, acaba de finalizar uma gravura por lá. "Valorizo a impressão manual, o tipo característico de texturas orgânicas e degradês que se obtém com esse tipo de impressão", explica. O maior cliente da Fidalga é a galeria Choque Cultural. O dono, Baixo Ribeiro, já produziu um livro na casa e conta que até os artistas gringos, como Pure Evil e Kid Acne, não resistem ao charme da máquina de "Eles adoram o aspecto retrô, a técnica e o carisma dos impressores", diz. Sobre a nova clientela, os donos dividem opiniões: "Quase escorreu uma lágrima ao ver o meu trabalho na galeria", suspira seu Maurício. "Não muda nada trabalhar com artista ou político. Sou mercenário, quero é grana", diz Carlinhos. "O político é mais chato pois não conhece a técnica, não dá valor". As restrições e imposições legais trazidas pela nova norma deram origem, assim, a diferentes 16

17 problemas obrigacionais relativos ao respeito ou revisão dos contratos em vigor. A passagem a seguir do SEPEX-SP SP clarifica o ponto de vista sustentado pelas empresas de publicidade exterior quanto à viabilidade de exploração da atividade de publicidade externa na cidade de São Paulo: É bem verdade que atualmente o empresário de Publicidade Exterior, sobretudo na capital paulista, não tem mais ânimo de enfrentar o grande desafio de restabelecer sua atividade, após o forte abalo causado pela restrição total imposta pela Lei /06. (...) O SEPEX-SP acredita na volta da Publicidade Exterior à cidade de São Paulo! Acredita que todas as cidades podem e devem ter um visual organizado, sem que a atividade seja meramente extinta e é essa a nossa luta 30. Com relação aos efeitos concorrenciais, sustenta-se se a dificuldade de pequenas e médias empresas manterem a estratégia comercial de publicidade, o que leva à concentração do mercado, em claro prejuízo às pequenas e médias empresas. Para tanto, a SEPEX-SP tentou demonstrar que a mídia exterior é predominantemente utilizada pelas empresas de pequeno ou médio porte, em termos de faturamento, como se evidencia na tabela abaixo: Tabela 06 Fonte: Análise do Projeto de Lei 379/2006 da Prefeitura de São Paulo e seus Impactos Econômicos, p. 21. Para organização dos dados referentes ao mercado de mídia exterior, o setor se organizou por instituir o Projeto Inter-Meios,, por meio do qual as principais informações estatísticas do mercado de mídia exterior são geradas eletronicamente em site específico 31 a partir das informações repassadas pelos empresários de publicidade exterior 32. O cenário retratado é, 30 Editorial do SEPEX-SP News,, p Cf. 32 O Projeto Inter-Meios pode ser lido como um meio de valorização da categoria e, conseqüentemente, reforço da atividade de publicidade exterior para frear aprovação de novas leis municipais similares à Lei Cidade Limpa. É o 17

18 portanto, aquele fornecido pelos próprios pares, em âmbito nacional. Para melhor compreensão da metodologia de análise do mercado, é importante mencionar também que a partir de 2008 a mídia indoor passou a ser contabilizada como mídia exterior 33. Com relação ao ano de 2008, um ano após a vigência da Lei Cidade Limpa, o faturamento publicitário em mídia exterior aumentou 9,5% em relação ao ano de 2007, passando de R$536 milhões para R$587 milhões 34. O aumento também se verificou nos segmentos do mercado de mídia exterior: eletrônicos, móveis e painéis registraram aumento de 14,8%, enquanto o mobiliário urbano e outdoor registraram, respectivamente, aumento de 7,8% e 8,3% 35. Todavia, um dado destoa daquele apresentado pela SEPEX-SP em conjunto com a Tendências Consultoria Integrada, qual seja, a representatividade da mídia exterior no bolo publicitário: enquanto o dado de 2004 indicava que 4,39% deste mercado correspondia à mídia exterior, o dado apresentado em 2008 indica que a mídia exterior compreendia 2,7% deste mesmo mercado. Uma hipótese para justificar essa mudança corresponde à diferença de métodos para se realizar a medição. Porém, a diferença também pode ser lida como um reflexo da Lei Cidade Limpa, que impactou o mais significativo nicho do mercado de mídia exterior (a cidade de São Paulo). O aumento do faturamento nada mais seria, portanto, que um reflexo do aquecimento do mercado publicitário como um todo, cujo faturamento aumentou de R$19 bilhões em 2007 para 21,4 bilhões em A parcial de 2009, porém, não se mostrou otimista para o mercado de mídia exterior, pois o crescimento foi de apenas 1% no primeiro semestre de 2009 segundo o projeto Inter-Meios, conforme publicado no jornal Meio & Mensagem 37 : Para os representantes dos diversos setores analisados pelo Projeto Inter- Meios, a expectativa para o fechamento de 2009 é de um crescimento de 3% para o mercado em geral. Defendemos a tese de que estamos num momento de retomada de investimentos, após os reflexos negativos oriundos do que pode ser depreendido da seguinte passagem: Você sabe quantos empregos diretos ou indiretos são gerados pela Mídia Exterior? E o quanto ela movimenta na economia do país? Qual é a importância desta atividade e qual é o volume de renda que ela gera na sua região? As respostas a estas perguntas são fundamentais para definirmos o papel da Mídia Exterior no mercado da comunicação. Por meio destes números é possível delinear exatamente o universo que nossas empresas representam e é por esta razão que chamamos a atenção mais uma vez para a importância de fornecer dados que embasem as pesquisas. Atualmente, o Projeto Inter-Meios é a principal iniciativa nesse sentido, levantando dados do setor em caráter sigiloso, a fim de mensurar em números reais o volume de investimento publicitário em mídia no Brasil. O Projeto Inter-Meios fornece, mês a mês, o total nacional desses investimentos, distribuído por região e tipo de mídia. SEPEX-SP News n. 10, p O setor de mídia exterior tem uma análise global e em paralelo é feita uma análise setorial, sendo que estes conceitos deverão ter alterações para 2009, visto que os setores da mídia indoor começaram a ser incluídos dentro da mesma chancela da mídia exterior. SEPEX-SP News, p Idem, p Idem, ibidem. 36 Idem, ibidem. 37 SEPEX-SP News n. 6, p. 2 18

19 problema da mídia exterior de São Paulo, mantendo-se, assim, a expectativa de crescimento de 12% para o setor de Mídia Exterior Nacional 38. Abaixo, a tabela indica o faturamento da mídia exterior referente ao ano de 2010: Tabela 07 Faturamento e Percentual de participação por segmento de mídia exterior Fonte: Projeto Inter-Meios. Os dados referem-se ao mercado de mídia exterior nacional. 4. O Judiciário e a aplicação da Lei Cidade Limpa A aplicação da Lei Cidade Limpa suscitou um incisivo processo de judicialização de seus preceitos e experiências práticas. Basicamente, dois movimentos foram evidenciados: (i) questionamento sobre a constitucionalidade da Lei Cidade Limpa e, posteriormente, (ii) questionamento sobre a aplicação concreta da Lei Cidade Limpa. A constitucionalidade da Lei Cidade Limpa foi primeiramente analisada pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJ-SP) 39 na ação direta de inconstitucionalidade nº /8-00 ajuizada pela Central de Outdoor, em 2 de julho de Segundo o desembargador relator Ivan Sartori, a Lei Cidade Limpa mostra-se se razoável e se coaduna com o interesse público: apesar do grau de ingerência da Lei Cidade Limpa, há manutenção das atividades privadas. 38 Idem, ibidem. 39 No âmbito dos Tribunais Superiores, cf. Ag (STJ), MC (STJ) e SL 161 (STF), decisões monocráticas em que a Lei Cidade Limpa foi objeto de apreciação. 19

20 Assevera a acionante ocorrer, na espécie, exacerbada restrição ou mesmo vedação à modalidade publicitária de interesse de seus associados, considerados os alvos excluídos, com a instituição, ainda, de prestação de fato extremamente gravosa para esses associados (retirada e readequação de anúncios), tudo a implicar significativo impacto econômico em seus orçamentos. Entretanto, cuida-se, em verdade, de avaliar-se possível desequilíbrio na valoração dos interesses privado e público. E, embora severo o texto legal hostilizado, dele não se extrai proibição da atividade focada, tanto que a própria inicial se reporta à necessidade de readequação dos anúncios. Nessa medida, o desembargador José Reynaldo também se apóia nos interesses a que a Lei Cidade Limpa vem a endereçar para julgá-la constitucional: (...) há de ser feita uma compatibilização entre os interesses consistentes na defesa do patrimônio estético e do meio ambiente e o exercício da atividade econômica, esta com proteção constitucional no art. 170, VI, da Constituição Federal ao assegurar a livre iniciativa, porém observada a defesa do meio ambiente, inclusive mediante tratamento diferenciado conforme o impacto ambiental dos produtos e serviços e de seus processos de elaboração e prestação. O TJ-SP apreciou ao todo 53 casos no período de 2008 a 2011 relativos à Lei Cidade Limpa que tiveram como partes processuais particulares ou entidades representativas e o Município de São Paulo. O gráfico abaixo apresenta a distribuição temporal desses acórdãos: Gráfico 03 -Acórdãos proferidos pelo TJ-SP relativos à Lei Cidade Limpa Fonte: Elaboração própria. O ano de 2011 é considerado até o mês de maio, quando a pesquisa jurisprudencial foi concluída. 20

SEDEMA DIVISÃO DE CONTROLE E FISCALIZAÇÃO

SEDEMA DIVISÃO DE CONTROLE E FISCALIZAÇÃO SEDEMA DIVISÃO DE CONTROLE E FISCALIZAÇÃO Lei nº 6468/09 Disciplina a veiculação de anúncios no Município de Piracicaba Decreto nº 13.512/10 Licenciamento de anúncios Decreto nº 13.513/10 Engenhos Publicitários

Leia mais

LEGISLAÇÃO FEDERAL SOBRE POLUIÇÃO VISUAL URBANA

LEGISLAÇÃO FEDERAL SOBRE POLUIÇÃO VISUAL URBANA LEGISLAÇÃO FEDERAL SOBRE POLUIÇÃO VISUAL URBANA JOSÉ DE SENA PEREIRA JR. Consultor Legislativo da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional JANEIRO/2002

Leia mais

POLUIÇÃO VISUAL NA CIDADE DE SÃO PAULO

POLUIÇÃO VISUAL NA CIDADE DE SÃO PAULO Pesquisa Quantitativa de Opinião Pública POLUIÇÃO VISUAL NA CIDADE DE SÃO PAULO Julho/ 2006 Índice I. Metodologia e Amostra II. Contexto III. Poluição Visual IV. O Projeto de Lei V. Considerações Finais

Leia mais

Viver em uma cidade que respeita o espaço urbano, o patrimônio histórico e a integridade da arquitetura das edificações é um direito de todos.

Viver em uma cidade que respeita o espaço urbano, o patrimônio histórico e a integridade da arquitetura das edificações é um direito de todos. Viver em uma cidade que respeita o espaço urbano, o patrimônio histórico e a integridade da arquitetura das edificações é um direito de todos. A Lei Descobrindo Rio Claro surgiu para melhor organizar os

Leia mais

Seminário Gaúcho de Acessibilidade na Mobilidade Urbana. Andrea Mallmann Couto Juliana Baum Vivian

Seminário Gaúcho de Acessibilidade na Mobilidade Urbana. Andrea Mallmann Couto Juliana Baum Vivian Planos Municipais de Mobilidade Urbana e Acessibilidade e o papel do TCE-RS na sua implementação Seminário Gaúcho de Acessibilidade na Mobilidade Urbana Andrea Mallmann Couto Juliana Baum Vivian SUPORTE

Leia mais

A LEI CIDADE LIMPA EM LONDRINA E AS POSSIBILIDADES DE PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO-CULTURAL

A LEI CIDADE LIMPA EM LONDRINA E AS POSSIBILIDADES DE PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO-CULTURAL 1 A LEI CIDADE LIMPA EM LONDRINA E AS POSSIBILIDADES DE PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO-CULTURAL Colégio Londrinense Alunos(as): Natalia Bergamini da Silva Lucas Tsuchya Hubacek Nasser Nasser Orientadora

Leia mais

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com.

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com. 1 2 CONSÓRCIO FÊNIX PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA - SMMU MANUAL DOS USUÁRIOS DO SISTEMA SIM MODALIDADE POR ÔNIBUS DIREITOS E DEVERES DAS PARTES ENVOLVIDAS

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA 1/10 INFORMAÇÕES SOBRE A EMPRESA... 2 ABRANGÊNCIA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 3 1. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE:... 4 - MANUAL DA QUALIDADE... 4 Escopo do SGQ e definição dos clientes... 4 Política

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE. Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE. Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 8.267 Dispõe sobre o licenciamento ambiental no Município de Porto Alegre, cria a Taxa de Licenciamento Ambiental e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE. Faço saber que a

Leia mais

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE LEI N o 4.095, DE 2012 Altera a Lei nº 10.257, de 10 de julho 2001, que regulamenta os arts. 182 e 183 da Constituição Federal, estabelece

Leia mais

5.2. Programa de Mobilização e Desmobilização da Mão de Obra. Revisão 00 NOV/2013

5.2. Programa de Mobilização e Desmobilização da Mão de Obra. Revisão 00 NOV/2013 PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.2 Programa de Mobilização e Desmobilização da Mão de Obra CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já realizadas... 2 2. Justificativa... 6 3. Objetivos... 8 4. Área de abrangência...

Leia mais

Prefeito João da Costa Vice-Prefeito Milton Coelho. Secretário de Serviços Públicos José Eduardo Santos Vital

Prefeito João da Costa Vice-Prefeito Milton Coelho. Secretário de Serviços Públicos José Eduardo Santos Vital Prefeito João da Costa Vice-Prefeito Milton Coelho Secretário de Serviços Públicos José Eduardo Santos Vital Assessor Executivo Luis Roberto Wanderley de Siqueira Diretor Presidente da Empresa de Manutenção

Leia mais

CIDADE LIMPA LEI Nº 6468/09

CIDADE LIMPA LEI Nº 6468/09 CIDADE LIMPA LEI Nº 6468/09 Índice Apresentação...03 O que é um anúncio?...04 É proibido colocar anúncio que prejudique:...04 Locais onde é proibido colocar anúncios:...05 Prazos...05 Anúncio indicativo

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 7 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 13.089, DE 12 DE JANEIRO DE 2015. Mensagem de veto Institui o Estatuto da Metrópole, altera a Lei n o 10.257,

Leia mais

Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social

Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social Na mesma semana em que os trabalhadores brasileiros tomaram as ruas e conseguiram suspender a votação do Projeto de Lei

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

Mídia exterior e a nova lei Cuiabá Cidade Limpa 1

Mídia exterior e a nova lei Cuiabá Cidade Limpa 1 Mídia exterior e a nova lei Cuiabá Cidade Limpa 1 Paula Apolinário ZAGUI 2 Marco Lunardi ESCOBAR 3 Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, Mossoró, RN RESUMO O crescimento não planejado e sem fiscalização

Leia mais

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM DECRETO nº 1098, de 12 de fevereiro de 2009 Dispõe sobre alocação, denominação e atribuições dos órgãos que compõem a estrutura organizacional do Gabinete da Prefeita e dá outras providências. A PREFEITA

Leia mais

Guia para contratação de Transporte Intermunicipal de Passageiros sob regime de FRETAMENTO

Guia para contratação de Transporte Intermunicipal de Passageiros sob regime de FRETAMENTO Guia para contratação de Transporte Intermunicipal de Passageiros sob regime de FRETAMENTO 100 95 75 25 5 0 Introdução A Artesp tem a finalidade de regulamentar e fiscalizar todas as modalidades de serviços

Leia mais

Brasília, 27 de maio de 2013.

Brasília, 27 de maio de 2013. NOTA TÉCNICA N o 20 /2013 Brasília, 27 de maio de 2013. ÁREA: Desenvolvimento Social TÍTULO: Fundo para Infância e Adolescência (FIA) REFERÊNCIAS: Lei Federal n o 4.320, de 17 de março de 1964 Constituição

Leia mais

Comissão de Saúde da Câmara dos Vereadores do Rio questiona SMS e defende instalação de CPI para investigar desrespeito à Lei das OSs

Comissão de Saúde da Câmara dos Vereadores do Rio questiona SMS e defende instalação de CPI para investigar desrespeito à Lei das OSs Comissão de Saúde da Câmara dos Vereadores do Rio questiona SMS e defende instalação de CPI para investigar desrespeito à Lei das OSs O plenário da Câmara Municipal do Rio de Janeiro ficou lotado durante

Leia mais

EDIFÍCIO MIRANTE DO VALE O GIGANTE DO BRASIL

EDIFÍCIO MIRANTE DO VALE O GIGANTE DO BRASIL EDIFÍCIO MIRANTE DO VALE O GIGANTE DO BRASIL Projetado pelo engenheiro Waldomiro Zarzur juntamente com Aron Kogan, o GIGANTE DO BRASIL localiza-se em São Paulo, na região do Vale do Anhangabaú, possuindo

Leia mais

LEI Nº 358/2011. Súmula: Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. Capitulo I. Objetivos

LEI Nº 358/2011. Súmula: Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. Capitulo I. Objetivos LEI Nº 358/2011 Faço saber a todos os habitantes que a Câmara Municipal de Cafeara, Estado do Paraná aprovou e eu sanciono a presente Lei, que revoga a Lei nº. 084/92 de 17/09/1992. Súmula: Institui o

Leia mais

Ensino Fundamental com 9 anos de duração - Idade de Ingresso

Ensino Fundamental com 9 anos de duração - Idade de Ingresso Ensino Fundamental com 9 anos de duração - Idade de Ingresso A respeito da idade de ingresso das crianças, no ensino fundamental de 9 anos de duração, ocorreram acaloradas discussões na esfera educacional

Leia mais

LEI N. 084/91. O PREFEITO MUNICIPAL DE ALTO TAQUARI, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais, etc.

LEI N. 084/91. O PREFEITO MUNICIPAL DE ALTO TAQUARI, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais, etc. LEI N. 084/91 Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE ALTO TAQUARI, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais, etc. Faço saber que a Câmara

Leia mais

O PAPEL DO CONTROLE EXTERNO

O PAPEL DO CONTROLE EXTERNO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO PRÓ-REITORIA DE GESTÃO FINANCEIRA I CICLO DE APERFEIÇOAMENTO EM GESTÃO FINANCEIRA O PAPEL DO CONTROLE EXTERNO Prof. Ariel Lopes Torres E-mail: ariel@unemat.br CÁCERES

Leia mais

ESTADO DO ACRE PREFEITURA MUNICIPAL DE MÂNCIO LIMA GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 19/091 MÂNCIO LIMA ACRE, 06 DE NOVEMBRO DE 1991.

ESTADO DO ACRE PREFEITURA MUNICIPAL DE MÂNCIO LIMA GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 19/091 MÂNCIO LIMA ACRE, 06 DE NOVEMBRO DE 1991. LEI Nº 19/091 MÂNCIO LIMA ACRE, 06 DE NOVEMBRO DE 1991. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LUIS HELOSMAN DE FIGUEIREDO, PREFEITO MUNICIPAL DE MÂNCIO LIMA, ESTADO

Leia mais

Medida Provisória nº 691/2015

Medida Provisória nº 691/2015 Medida Provisória nº 691/2015 Brasília, Setembro/2015 AUDIÊNCIA PÚBLICA SENADO GESTÃO DE IMÓVEIS DA UNIÃO APERFEIÇOAMENTO DO MARCO LEGAL- MP 691/2015 Alienação de terrenos em áreas urbanas consolidadas

Leia mais

Lei Nº14.223 - Cidade Limpa

Lei Nº14.223 - Cidade Limpa Lei Nº14.223 - Cidade Limpa Uma São Paulo melhor pra gente! O esforço por uma São Paulo de paisagem mais ordenada foi recompensado com a Lei nº 14.223, a Lei Cidade Limpa. Este texto, acrescido do decreto

Leia mais

TRANSPARÊNCIA QUANTO À ATUAÇÃO PARLAMENTAR DIRETA

TRANSPARÊNCIA QUANTO À ATUAÇÃO PARLAMENTAR DIRETA De: Gabinete do Vereador Jimmy Pereira Para: Ação Jovem Brasil Resposta à solicitação de Informações para a formação do Índice de Transparência da Câmara do Rio TRANSPARÊNCIA QUANTO À ATUAÇÃO PARLAMENTAR

Leia mais

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010.

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. Pág. 1 de 5 LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. CRIA O FUNDO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL FMHIS E INSTITUI O CONSELHO GESTOR DO FMHIS. O PREFEITO MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL ACRE, EM EXERCÍCIO,

Leia mais

TC BTOWERS FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO CNPJ: 20.132.453/0001-89 RELATÓRIO DO ADMINISTRADOR

TC BTOWERS FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO CNPJ: 20.132.453/0001-89 RELATÓRIO DO ADMINISTRADOR TC BTOWERS FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO CNPJ: 20.132.453/0001-89 Ref.: Semestre Junho a Dezembro/2014 RELATÓRIO DO ADMINISTRADOR Em conformidade com o Art. 39 da Instrução CVM 472, de 31 de maio de

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES SEMAP

RELATÓRIO DE ATIVIDADES SEMAP RELATÓRIO DE ATIVIDADES SEMAP 2010 Paulo Cesar Roza da Luz Porto Alegre, dezembro de 2010 ÍNDICE - Introdução... 03 - Atividades realizadas... 04 1) Manutenção... 04 2) Almoxarifado... 06 3) Patrimônio...

Leia mais

PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO DE USO E OCUPAÇÃO DO CÂMPUS ITAJAÍ

PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO DE USO E OCUPAÇÃO DO CÂMPUS ITAJAÍ PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO DE USO E OCUPAÇÃO DO CÂMPUS ITAJAÍ Agosto/2014 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

Leia mais

20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual

20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual 20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual Paulista da CONSOCIAL Prioridades Texto Diretriz Eixo Pontos 1 2 Regulamentação e padronização de normas técnicas para a elaboração dos Planos de Governo apresentados

Leia mais

Regulamento Estágio Curricular Obrigatório

Regulamento Estágio Curricular Obrigatório Regulamento Estágio Curricular Obrigatório CST em Fabricação Mecânica CST em Gestão de Recursos Humanos CST em Mecatrônica Industrial 1 CAPÍTULO I DA JUSTIFICATIVA E FINALIDADES Art. 1º - O programa de

Leia mais

PROGRAMA DESENVOLVER PELOTAS

PROGRAMA DESENVOLVER PELOTAS PREFEITURA MUNICIPAL DE PELOTAS SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO CARTA-CONSULTA ANEXO II AO DECRETO 4744 PROGRAMA DESENVOLVER PELOTAS I A EMPRESA 1.1. Caracterização e Outras Informações Razão social:

Leia mais

O PREFEITO DO MUNICIPIO DE SUMARÉ

O PREFEITO DO MUNICIPIO DE SUMARÉ PROJETO DE LEI Nº, de 30 de Novembro de 2010 Obriga a sinalização de fiscalização eletrônica de velocidade fixa efetuada por meio de radar nas vias urbanas do Município de Sumaré e proíbe sua instalação

Leia mais

PUBLICADO DOC 10/01/2012, p. 1 c. todas

PUBLICADO DOC 10/01/2012, p. 1 c. todas PUBLICADO DOC 10/01/2012, p. 1 c. todas LEI Nº 15.525, DE 9 DE JANEIRO DE 2012 (Projeto de Lei nº 470/11, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo do Legislativo) Institui o Projeto Estratégico

Leia mais

MENSAGEM N o 557, DE 2006

MENSAGEM N o 557, DE 2006 COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL MENSAGEM N o 557, DE 2006 Submete à consideração do Congresso Nacional o texto do Acordo de Cooperação no Domínio do Turismo entre a República Federativa

Leia mais

PARECER DA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA RELATÓRIO

PARECER DA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA RELATÓRIO PARECER DA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA Projeto de Lei nº 058 de 17 de abril de 2013 AUTOR: Poder Executivo PARECER: Favorável, sem apresentação de emendas EMENTA: Cria o Arquivo Público do Executivo

Leia mais

A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal

A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal 1. Introdução O patrimônio cultural de cada comunidade pode ser considerado a sua cédula de identidade. Por isso, cada vez mais os municípios necessitam

Leia mais

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA Declaração de trabalho, serviços e especificações A Contratada deverá executar o trabalho e realizar os serviços a seguir, indicados de acordo com as especificações e normas

Leia mais

PROJETO DE LEI N o 4.970, DE 2013.

PROJETO DE LEI N o 4.970, DE 2013. COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR PROJETO DE LEI N o 4.970, DE 2013. Adota medidas para informar os consumidores acerca dos tributos indiretos que incidem sobre bens e serviços, conforme o disposto no 5º,

Leia mais

Marcones Libório de Sá Prefeito

Marcones Libório de Sá Prefeito Mensagem n. 010 /2015 Salgueiro, 14 de Setembro de 2015. Senhor Presidente, Senhores (as) Vereadores (as), Considerando os princípios de descentralização e transparência, que tem levado esta administração

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa DECRETO Nº 49.377, DE 16 DE JULHO DE 2012. (publicado no DOE n.º 137, de 17 de julho de 2012) Institui o Programa

Leia mais

DECRETO Nº 277 DE 23 DE MARÇO DE 2015

DECRETO Nº 277 DE 23 DE MARÇO DE 2015 DECRETO Nº 277 DE 23 DE MARÇO DE 2015 Estabelece medidas administrativas temporárias para contenção e otimização de despesas, no âmbito do Poder Executivo, cria o Conselho Gestor para Eficiência Administrativa

Leia mais

LEI Nº 213/1994 DATA: 27 DE JUNHO DE 1.994. SÚMULA: INSTITUI O FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE E DA OUTRAS PROVIDENCIAS. CAPITULO I DOS OBJETIVOS

LEI Nº 213/1994 DATA: 27 DE JUNHO DE 1.994. SÚMULA: INSTITUI O FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE E DA OUTRAS PROVIDENCIAS. CAPITULO I DOS OBJETIVOS LEI Nº 213/1994 DATA: 27 DE JUNHO DE 1.994. SÚMULA: INSTITUI O FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE E DA OUTRAS PROVIDENCIAS. O Sr. Ademir Macorin da Silva, Prefeito Municipal de Tapurah, Estado de Mato Grosso, no

Leia mais

Dedicamos ao projeto de cada anunciante com total transparência e honestidade, inclusive assessorando-o no desenvolvimento do layout.

Dedicamos ao projeto de cada anunciante com total transparência e honestidade, inclusive assessorando-o no desenvolvimento do layout. Empresa A ÓRBITA iniciou suas atividades em 2003 no mercado de publicidade em ônibus, inicialmente restrita aos municípios de Guarulhos e São Paulo. Hoje atende toda a região metropolitana e São José dos

Leia mais

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ O presente edital regulamenta o processo de recrutamento, seleção e ingresso de projetos empresariais na Incubadora

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 69ª Reunião Ordinária, realizada no dia 26 de novembro de 2015, no uso das atribuições que

Leia mais

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS Secretaria de Estado do Meio SEMA-MT Roteiro Básico de Projeto de Desoneração de Área de Reserva Legal (ARL) 1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS I T E M N º. D O C U M E N T O S E X I G I D O S O B S E

Leia mais

Prefeitura Municipal de Nova Ubiratã Gestão: 2009/2012

Prefeitura Municipal de Nova Ubiratã Gestão: 2009/2012 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 018 /2011/CSCI Versão: 01 Aprovação em: 17 de novembro de 2011 Ato de Aprovação: 018/2011 Unidades Responsáveis: Assessoria de Imprensa e Comunicação Social DISPÕE SOBRE PROCEDIMENTOS

Leia mais

PPP PARCERIA PÚBLICO PRIVADA

PPP PARCERIA PÚBLICO PRIVADA PPP PARCERIA PÚBLICO PRIVADA Autores: Eng Sérgio Piccinelli Eng Carlos Henrique Machado Edição: José Carlos Lada Outubro / 2014 Formas de Contratação pela Administração 1) Contratação Direta (Formas de

Leia mais

VEREADOR MARIO NADAF - PARTIDO VERDE - PV PROJETO DE LEI

VEREADOR MARIO NADAF - PARTIDO VERDE - PV PROJETO DE LEI PROJETO DE LEI "INSTITUI O PROGRAMA DE ADOÇÃO DE PRAÇAS, CANTEIROS, JARDINS, PARQUES, LOGRADOUROS E ÁREAS VERDES PÚBLICOS, ESTABELECENDO SEUS OBJETIVOS, LIMITAÇÕES DAS RESPONSABILIDADES E DOS BENEFÍCIOS

Leia mais

REQUERIMENTO N o, DE 2015

REQUERIMENTO N o, DE 2015 REQUERIMENTO N o, DE 2015 (Da Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio) Requer a criação e constituição de Comissão Especial destinada a proferir parecer ao Projeto de Lei Complementar

Leia mais

Associativismo a modernização do sindicalismo nacional

Associativismo a modernização do sindicalismo nacional A união faz a força O dito popular encaixa-se como uma luva quando o assunto é associativismo o assunto em pauta no meio sindical. As principais confederações patronais do País estão investindo nessa bandeira

Leia mais

LEI Nº 2.998/2007 CAPÍTULO I DA COMPOSIÇÃO

LEI Nº 2.998/2007 CAPÍTULO I DA COMPOSIÇÃO LEI Nº 2.998/2007 REGULAMENTA O CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO URBANO - COPLAN, CRIADO NO ARTIGO 2º, DA LEI COMPLEMENTAR N.º 037/2006, DE 15 DE DEZEMBRO, QUE DISPOE SOBRE NORMAS DE

Leia mais

NOTA TÉCNICA N o 12/2014

NOTA TÉCNICA N o 12/2014 NOTA TÉCNICA N o 12/2014 Brasília, 21 de Agosto de 2014. ÁREA: Finanças TÍTULO: Fundo de Participação dos Municípios (FPM) REFERÊNCIA: Constituição Federal de 1988; Resolução TCU nº242; Lei 5.172/1966,

Leia mais

Empresa. Dedicamos ao projeto de cada anunciante com total transparência e honestidade, inclusive assessorando-o no desenvolvimento do layout.

Empresa. Dedicamos ao projeto de cada anunciante com total transparência e honestidade, inclusive assessorando-o no desenvolvimento do layout. Empresa A ÓRBITA iniciou suas atividades em 2003 no mercado de publicidade em ônibus, inicialmente restrita aos municípios de Guarulhos e São Paulo. Hoje atende toda a região metropolitana. Dedicamos ao

Leia mais

O Amarelinho mantém liderança

O Amarelinho mantém liderança Mídia Kit O CAMPEÃO DAS BANCAS! O melhor jornal de empregos mídia exclusiva Empregos, estágios, cursos e concursos Páginas 6, 7 e 8 perfil do leitor Instituto define quem é o leitor do Amarelinho Página

Leia mais

JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ www.diariodaconstrucao.com.br

JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ www.diariodaconstrucao.com.br PROPOSTA DE PROPAGANDA - ANUNCIE NO JDC Apresentação de Plano de Publicidade Online no Site O JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ atende com o nome de JDC, porque é uma empresa que tem como sua atividade

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Considerando a ratificação do Pacto Internacional de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais, que reconhece o direito de todos a um adequado nível de vida, incluindo alimentação adequada,

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

1 de 5 03/12/2012 14:32

1 de 5 03/12/2012 14:32 1 de 5 03/12/2012 14:32 Este documento foi gerado em 29/11/2012 às 18h:32min. DECRETO Nº 49.377, DE 16 DE JULHO DE 2012. Institui o Programa de Gestão do Patrimônio do Estado do Rio Grande do Sul - Otimizar,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA RESOLUÇÃO COEMA N 116, DE 03 DE JULHO DE 2014. Dispõe sobre as atividades de impacto ambiental

Leia mais

REGULAMENTO SOBRE DISTRIBUIÇÃO, AFIXAÇÃO E INSCRIÇÃO DE MENSAGENS DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA CONCELHO DE CAMINHA

REGULAMENTO SOBRE DISTRIBUIÇÃO, AFIXAÇÃO E INSCRIÇÃO DE MENSAGENS DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA CONCELHO DE CAMINHA CÂMARA MUNICIPAL DE CAMINHA REGULAMENTO SOBRE DISTRIBUIÇÃO, AFIXAÇÃO E INSCRIÇÃO DE MENSAGENS DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA DO CONCELHO DE CAMINHA 1992 1 REGULAMENTO SOBRE DISTRIBUIÇÃO, AFIXAÇÃO E INSCRIÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 Aprova a NBC T 11.8 Supervisão e Controle de Qualidade. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas

Leia mais

A observância da acessibilidade na fiscalização de obras e licenciamentos de projetos pelos municípios

A observância da acessibilidade na fiscalização de obras e licenciamentos de projetos pelos municípios A observância da acessibilidade na fiscalização de obras e licenciamentos de projetos pelos municípios Luciano de Faria Brasil Promotoria de Justiça de Habitação e Defesa da Ordem Urbanística de Porto

Leia mais

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA DIREITO ADMINISTRATIVO Estado, governo e administração pública: conceitos, elementos, poderes e organização; natureza, fins e princípios. Direito Administrativo: conceito, fontes e princípios. Organização

Leia mais

LEI Nº 1326/2014 De 10 de dezembro de 2014

LEI Nº 1326/2014 De 10 de dezembro de 2014 LEI Nº 1326/2014 De 10 de dezembro de 2014 Dispõe sobre concessão de diária aos Vereadores e servidores que menciona e dá outras providências. A Câmara Municipal de Piranguinho aprovou e eu, Prefeito Municipal,

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

Orientações para o Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural

Orientações para o Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural Orientações para o Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural 1. Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural no bioma Amazônia... 2 2. Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento

Leia mais

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA GUIA PARA A ESCOLHA DO PERFIL DE INVESTIMENTO DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA Caro Participante: Preparamos para você um guia contendo conceitos básicos sobre investimentos, feito para ajudá-lo a escolher

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

NBA 10: INDEPENDÊNCIA DOS TRIBUNAIS DE CONTAS. INTRODUÇÃO [Issai 10, Preâmbulo, e NAT]

NBA 10: INDEPENDÊNCIA DOS TRIBUNAIS DE CONTAS. INTRODUÇÃO [Issai 10, Preâmbulo, e NAT] NBA 10: INDEPENDÊNCIA DOS TRIBUNAIS DE CONTAS INTRODUÇÃO [Issai 10, Preâmbulo, e NAT] 1. Os Tribunais de Contas somente podem realizar suas tarefas quando são independentes da entidade auditada e são protegidos

Leia mais

COMISSÃO DE VIAÇÃO E TRANSPORTES PROJETO DE LEI N o 97, DE 2011

COMISSÃO DE VIAÇÃO E TRANSPORTES PROJETO DE LEI N o 97, DE 2011 COMISSÃO DE VIAÇÃO E TRANSPORTES PROJETO DE LEI N o 97, DE 2011 Institui o Programa de Acessibilidade e Mobilidade Urbana, através da adoção de uma linguagem universal no transporte público. Autor: Deputado

Leia mais

RELAÇÕES ENTRE O IFRS E AS FUNDAÇÕES DE APOIO AUTORIZADAS PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC) E PELO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO (MCTI)

RELAÇÕES ENTRE O IFRS E AS FUNDAÇÕES DE APOIO AUTORIZADAS PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC) E PELO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO (MCTI) RELAÇÕES ENTRE O IFRS E AS FUNDAÇÕES DE APOIO AUTORIZADAS PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC) E PELO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO (MCTI) Dispõe sobre as normas que regulamentam as relações

Leia mais

Relatório Metas Nacionais do Judiciário Diagnóstico Situacional TJAL

Relatório Metas Nacionais do Judiciário Diagnóstico Situacional TJAL Relatório Metas Nacionais do Judiciário Diagnóstico Situacional TJAL Assessoria de Planejamento de Modernização do Poder - APMP Divisão de Estatística do Tribunal de Justiça - DETJ Assessoria de Planejamento

Leia mais

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais.

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. RESOLUÇÃO Nº 306, DE 5 DE JULHO DE 2002 Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

1 Informações diversas Projeto de Terceirização A Câmara dos Deputados concluiu dia 22/04 a votação do projeto de lei que regulamenta contratos de terceirização. O texto principal foi aprovado no último

Leia mais

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança?

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança? INTERPRETAÇÃO NBR ISO 14001 (1996), JULHO 2001 CB-38/SC-01/GRUPO DE INTERPRETAÇÃO INTRODUÇÃO O CB-38, Comitê Brasileiro de Gestão Ambiental, da ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas, decidiu criar

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Maio/ 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

Sindipostos cria grupo de trabalho sobre legislação ambiental

Sindipostos cria grupo de trabalho sobre legislação ambiental NATAL-RIO GRANDE DO NORTE - ANO 03 - EDIÇÃO 19 Sindipostos cria grupo de trabalho sobre legislação ambiental O Sindicato do Comércio Varejista dos Derivados de Petróleo continua investindo alto no t r

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada 5 1. Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas

Leia mais

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1 Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1 Entenda quais são os Instrumentos de Planejamento e Gestão Urbana que serão revistos Revisão Participativa

Leia mais

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DO ARRAIAL PROJETO DE LEI MUNICIPAL N.º. /2007, DE 26 DE NOVEMBRODE 2007.

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DO ARRAIAL PROJETO DE LEI MUNICIPAL N.º. /2007, DE 26 DE NOVEMBRODE 2007. PROJETO DE LEI MUNICIPAL N.º. /2007, DE 26 DE NOVEMBRODE 2007. Cria o Fundo Municipal de Microcrédito e Apoio à Economia Solidaria-FUMAES e Institui o Conselho Gestor do FUMAES e da outras providências.

Leia mais

Abrangência da terceirização

Abrangência da terceirização Reportagem especial explica os pontos polêmicos do projeto da terceirização A proposta que regulamenta a terceirização no Brasil e derrubou a reunião da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania

Leia mais

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador ANTONIO CARLOS JÚNIOR I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador ANTONIO CARLOS JÚNIOR I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2010 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS, sobre o Projeto de Lei da Câmara nº 57, de 2007 (PL 4760, de 2005, na origem), que altera o art. 3º da Lei nº 8.100, de 5 de dezembro de 1990, para

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS Mensagem nº 3, de 2013. Canoas, 25 de janeiro de 2013. A Sua Excelência o Senhor Vereador Juares Carlos Hoy Presidente da Câmara Municipal de Canoas Canoas RS Senhor Presidente, Na forma da legislação

Leia mais

Boletim de Proteção do Consumidor/Investidor CVM/Senacon

Boletim de Proteção do Consumidor/Investidor CVM/Senacon Boletim de Proteção do Consumidor/Investidor CVM/Senacon Fundo 157 Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor Secretaria Nacional do Consumidor Ministério da Justiça Apresentação Com frequência são

Leia mais

PROJETO BÁSICO AGÊNCIA DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

PROJETO BÁSICO AGÊNCIA DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA PROJETO BÁSICO AGÊNCIA DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA Projeto Básico da Contratação de Serviços: Constitui objeto do presente Projeto Básico a contratação de empresa especializada em serviços de comunicação

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR nº _105 /2014

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR nº _105 /2014 PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR nº _105 /2014 Cria a TAXA DE PRESERVAÇÃO AMBIENTAL E TURÍSTICA - TPAT, e acrescenta o Capítulo V ao Título III do Código Tributário Municipal e dá outras providências. A Câmara

Leia mais

Art. 1 º Esta Lei estabelece os princípios para o planejamento e a execução das políticas públicas do Município do Rio de Janeiro.

Art. 1 º Esta Lei estabelece os princípios para o planejamento e a execução das políticas públicas do Município do Rio de Janeiro. 2008 Nº Despacho Projeto de Lei Nº 1637/2008 Estabelece princípios para o planejamento e a execução de políticas públicas do Município do Rio de Janeiro. Autora: Vereadora Andrea Gouvêa Vieira A CÂMARA

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE LEI N. 1.099, DE 1º DE DEZEMBRO DE 1993 "Dispõe sobre a constituição do Conselho Estadual do Bem-Estar Social e a criação do Fundo Estadual a ele vinculado e dá outras providências." O GOVERNADOR DO ESTADO

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 167 - Data 25 de junho de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: SIMPLES NACIONAL SIMPLES NACIONAL. SERVIÇO DE INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRINHOS Estado de Goiás LEI N. 1.233, DE 28 DE DEZEMBRO DE 1.993. O PREFEITO MUNICIPAL DE MORRINHOS,

PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRINHOS Estado de Goiás LEI N. 1.233, DE 28 DE DEZEMBRO DE 1.993. O PREFEITO MUNICIPAL DE MORRINHOS, LEI N. 1.233, DE 28 DE DEZEMBRO DE 1.993. Institui o Fundo Municipal de Saúde e da outras providencias.. O PREFEITO MUNICIPAL DE MORRINHOS, Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu, Prefeito Municipal,

Leia mais

A CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPOS DOS GOYTACAZES DECRETA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI:

A CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPOS DOS GOYTACAZES DECRETA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI: Lei nº 7.084, de 02 de julho de 2001. Cria o Fundo de Desenvolvimento de Campos dos Goytacazes - FUNDECAM e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPOS DOS GOYTACAZES DECRETA E EU SANCIONO A SEGUINTE

Leia mais

União das Freguesias de Real, Dume e Semelhe

União das Freguesias de Real, Dume e Semelhe REGULAMENTO DE PUBLICIDADE DE NATUREZA COMERCIAL EM EQUIPAMENTOS DESPORTIVOS DE ÂMBITO LOCAL Artigo 1.º Enquadramento jurídico O presente Regulamento rege-se pelo disposto no artigo 241º da Constituição

Leia mais