O PROJETO PROFISSIONAL DE ALUNOS DE UM CURSINHO PRÉ- VESTIBULAR POPULAR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O PROJETO PROFISSIONAL DE ALUNOS DE UM CURSINHO PRÉ- VESTIBULAR POPULAR"

Transcrição

1 O PROJETO PROFISSIONAL DE ALUNOS DE UM CURSINHO PRÉ- VESTIBULAR POPULAR No Brasil, apesar das várias vias de acesso ao ensino superior, o processo seletivo por meio do Vestibular ainda é a principal porta de entrada aos cursos universitários, especialmente nas universidades federais. Nos últimos anos, tem-se proliferado os cursinhos preparatórios para este exame. Neles, o aluno recebe uma síntese dos conteúdos programáticos exigidos na prova, de forma a se sentir preparado para realizála. Considerando esse contexto, este trabalho investigou o projeto profissional de estudantes frequentadores de um curso pré-vestibular popular totalmente gratuito aos participantes, selecionados por critério sócio-econômico, disponibilizado por uma instituição federal de ensino superior (IFES). A pesquisa, de arcabouço teórico oriundo da Psicologia Social, apresenta um um estudo de caso no referido pré-vestibular popular de iniciativa de uma IFES. 117 sujeitos participaram da pesquisa, 65% mulheres, 32% homens, sendo que 3% dos sujeitos não se identificaram quanto ao gênero. A idade variou entre 18 e 48 anos. O instrumento de pesquisa foi uma redação intitulada O Cursinho e Eu redigida pelos estudantes em seu primeiro dia de aula. Ao material coletado foi aplicada a técnica de análise de conteúdo (AC), sendo que a partir das expressões utilizadas pelos próprios sujeitos da pesquisa, elaboraram-se as seguintes categorias: 1) projetos profissionais pretendidos pelos alunos; 2) o cursinho como viabilizador de um sonho ou projeto; 3) dificuldades a enfrentar. Os principais resultados indicam que os projetos profissionais dos participantes da pesquisa estão intimamente relacionados ao projeto de vida, os quais, em sua maioria, direcionam-se para a superação das barreiras sócio-econômicas encontradas até o momento e para a concretização de um futuro mais otimista. O cursinho representou tanto a possibilidade de ingresso na universidade quanto a possibilidade de concretizar sonhos, sejam eles individuais, familiares e/ou sociais. Palavras-chaves: curso pré-vestibular popular, ensino superior, inclusão e exclusão social. Geruza Tavares D Avila Psicóloga e doutoranda do Programa de Pós-graduação em Psicologia da Universidade Federal de Santa Catarina, (UFSC). Atualmente é professora do curso de graduação em administração da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS). Endereço: Av. Getúlio Vargas, 1403N ap. 705, Centro, Chapecó, SC, CEP Nadia Rocha Veriguine Psicóloga, Mestre em Psicologia e doutoranda pelo Programa de Pós-graduação em Psicologia da UFSC. Pesquisadora do Laboratório de Informação e Orientação Profissional (LIOP) da UFSC. Atualmente é bolsista da CAPES. Instituição: UFSC. Endereço: Rua Dr. Abel Capela, nº 481, ap 303, Coqueiros, Florianópolis, SC, CEP Dulce Helena Penna Soares - Professora do Curso de Graduação e do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da UFSC. Coordenadora do Laboratório de Informação e Orientação Profissional (LIOP) da UFSC. Bolsista de produtividade do CNPq. Atualmente bolsista POS DOC Senior CNPq no Grupo de Pesquisa em Psicologia Comunitária da UFRGS. Instituição: UFSC. Endereço: Departamento de Psicologia, 1

2 sala 16 A, Campus Universitário, Bairro Trindade, Florianópolis, Santa Catarina. E- mail: INTRODUÇÃO O interessante é que quando me sento na carteira da sala de aula, ainda me vejo caminhando, pois, vejo o cursinho como uma parte do caminho para as minhas realizações particulares (depoimento do sujeito BN1). O depoimento acima foi extraído de uma redação, intitulada O Cursinho e Eu, confeccionada por um estudante de um cursinho pré-vestibular popular inserido no interior de uma universidade federal. Neste trecho, o sujeito considera o curso em que estuda como uma das etapas a ser enfrentada a fim de concretizar algo que está buscando e desejando, isto é, seus projetos de vida. A entrada em um curso prévestibular pode sensibilizar o alunado a imaginar, a pensar e a planejar o seu ingresso no ensino superior, uma vez que a própria frequência a um curso destes é considerada uma estratégia para atingir tal meta. Entretanto, será somente esse projeto que o estudante busca? Pode um cursinho pré-vestibular popular suscitar em estudantes oriundos da rede pública de ensino novos sonhos, novos desejos e outros projetos profissionais? No Brasil, ao se falar em um projeto profissional no qual o ingresso no ensino superior esteja presente, deve-se, no mínimo, considerar a existência e o aumento dos cursinhos pré-vestibulares, tanto de iniciativas privadas como públicas. Estes cursos são oferecidos, como sugere o nome, para os sujeitos que se candidatam ao Exame Vestibular, principal via de acesso a um curso universitário, sobretudo, nas IFES 1. O cursinho pré-vestibular popular onde este estudo foi realizado, de iniciativa da própria universidade federal em que os estudantes pleitearam uma das vagas oferecidas 2, tem como finalidade primordial proporcionar um aumento da inclusão social de camadas carentes da população e, para tanto, além de ministrar aulas sobre os conteúdos específicos do Vestibular, o programa também oferece serviços de assistência social, acompanhamento psicopedagógico e orientação profissional aos estudantes. 1 Atualmente no Brasil, o aluno que quer adentrar ao ensino superior pode se submeter a diferentes processos, tais como o ENEM, o SAEM, o ProUni e o tradicional exame Vestibular. Esse artigo dá enfoque especial ao Vestibular em função do fato de que os jovens pesquisados almejam, sobretudo, a entrada nas universidades públicas do estado de Santa Catarina, as quais adotam principalmente o Vestibular como forma de acesso. 2 No ano de realização da pesquisa, precisamente no ano de 2005, a referida universidade ofereceu vagas aos candidatos ao Exame Vestibular, distribuídas em suas 65 habilitações em cursos superiores. Hoje, porém, este número já sofreu alterações devido aos investimentos do Programa e Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais (REUNI). 2

3 Em 2005 foram matriculados cerca de 400 alunos, divididos em duas turmas extensivas e três turmas semi-extensivas 3. Participaram do processo de seleção em tal programa sujeitos contemplados com a isenção da taxa de inscrição no exame Vestibular, residissem na cidade de Florianópolis ou nas suas proximidades e que concluíram o Ensino Médio em escolas da rede pública. Logo, este cursinho destina-se as pessoas que, sem esse auxílio, não teriam condições de frequentar um curso prévestibular devido tanto à falta de tempo, pois a maioria trabalha durante a manhã e tarde, quanto pela impossibilidade de financiar um cursinho pré-vestibular comercial. Em relação aos outros cursinhos, privados ou não, este além de ser gratuito ao alunado, ainda é realizado dentro da Universidade em que possivelmente os candidatos irão estudar, caso aprovados no Exame Vestibular. Desde 2003, quando o curso foi inaugurado, os índices de aprovação dos egressos em vestibulares de universidades federais, estaduais e particulares vêm subindo, igualando-se aos índices de cursinhos pré-vestibulares particulares nacionais, o que motiva e possibilita a continuação do programa. Considerando este contexto, este trabalho investigou o projeto profissional de estudantes frequentadores de um curso pré-vestibular popular (totalmente gratuito sugiro a supressão dessa expressão, até porque não é gratuito, o recurso é que é público, então, é a gente mesmo que paga) disponibilizado por uma IFES ao egresso do ensino médio público e de baixa renda. O PROJETO PROFISSIONAL A sociedade contemporânea é caracterizada por extrema complexidade e dinamismo, uma vez que um mundo de possibilidades, de diversidades e de escolhas está disponível para os indivíduos (Giddens, 1993). Torna-se fundamental, então, o pensamento e o planejamento acerca do futuro individual. Ou seja, do projeto de vida e profissional que se aspira para si mesmo. A noção de projeto profissional está intimamente ligada às condições de possibilidade de uma pessoa, ao futuro, àquilo que é desconhecido e sem certezas. Por outro lado, o futuro possui também certa previsibilidade quando o sujeito pensa sobre as suas condições de vida presentes e assim 3 Na modalidade extensiva as aulas iniciam em março e continuam até dezembro enquanto o semi-extensivo ocorre de agosto até dezembro. 3

4 lança ao longe suas possibilidades. O projeto articula-se com a própria identidade da pessoa, pois envolve quem ela é e quem ela quer ser no mundo (Maheirie, 1994). A identidade pode ser compreendida como um conjunto de características próprias de um indivíduo, que o tornam diferente de outros e que vão sendo construídos nas e pelas relações sociais, bem como através dos diferentes papéis que esse indivíduo desempenha ao longo de sua trajetória existencial (Krawulski, 2004, p. 24). Nesse sentido, a noção de identidade abordada aqui é vista como um processo: o processo permanente de formação e transformação do sujeito humano, que se dá dentro de condições materiais e históricas dadas (Ciampa, 1998, p. 87). Além disso, é um processo dialético. A identidade é história. Isto nos permite afirmar que não há personagens fora de uma história, assim como não há história (ao menos história humana) sem personagens (Ciampa, 2001, p. 157). A identidade humana sob a ótica de Ciampa (2001) contempla o projeto de vida e profissional das pessoas. O projeto, desta maneira, também deve ser entendido como categoria social e processual. Assim, identidade é processo; é metamorfose, e, como tal, também é possibilidades de futuro e de projeto. Para Velho (1994) o projeto, a identidade e a memória estão relacionados. A memória garante consistência ao projeto, já que permite uma visão retrospectiva e, de certa forma, organizada de uma trajetória de vida; o projeto é uma antecipação no futuro dessa biografia; e a identidade assume significado graças à associação e à articulação da memória e do projeto de vida. Para o autor somente é possível falar em projetos de vida enquanto ligados a uma individualidade singular: nas sociedades ocidentais de ideologias individualistas é só o indivíduo que faz planos para o futuro. Sartre (1987; 2000) teceu considerações sobre a ideia de projeto. Sua noção mais geral pode ser descrita como o movimento do sujeito no mundo, em direção àquilo que ele pretende e que ao mesmo tempo, é desconhecido e também é novo; a este impulso em direção ao que ainda não existe, ao desejo de ser do sujeito. A definição de um projeto de vida ou de um projeto profissional implica em uma escolha do que se deseja ser e do que se deseja realizar no mundo. Implica no sujeito escolher estratégias e meios para realização do ser no mundo. De qualquer forma, falar em projeto é falar em alternativas possíveis na vida de uma pessoa: uma identidade futura que expressa a inesgotável plasticidade do humano diante das condições objetivamente dadas (Ciampa, 2001, p. 35). No projeto deve 4

5 existir uma unidade entre subjetividade e objetividade; sem essa unidade, a primeira é desejo que não se concretiza, e a segunda é finalidade sem realização. Entretanto, não é porque um projeto não se concretiza que ele não é ou foi real (Ciampa, 2001). Velho (1994, p. 103) nos chama atenção para o fato que o sujeito poderá possuir mais de um projeto; poderá existir um principal e outros a ele subordinados. Mesmo assim, o projeto relaciona-se com o campo de possibilidades de uma pessoa e existe, sobretudo, como meio de comunicação, como maneira de expressar, articular interesses, objetivos, sentimentos, aspirações para o mundo. MÉTODO Este trabalho investigou o projeto profissional de estudantes frequentadores de um curso pré-vestibular popular (totalmente gratuito, novamente, sugiro que retire essa expressão, pois não é gratuito) disponibilizado por uma IFES aos egressos do ensino médio público e que também foram selecionados por critério sócio-econômico. O referencial adotado baseou-se no arcabouço teórico e epistemológico da Psicologia Social em sua vertente de base histórico-cultural. O local da pesquisa foi o próprio cursinho pré-vestibular, portanto, no interior da universidade, e os sujeitos foram os estudantes matriculados no curso presentes no primeiro dia de aula e que aceitaram participar da pesquisa. 117 sujeitos participaram da pesquisa, 65% mulheres (115 no total) e 32% homens (57 no total), sendo que 3% dos sujeitos não se identificaram quanto ao gênero. A idade variou de 18 a 48 anos. A pesquisa apresenta um estudo de caso, e por essa razão pode ser considerada como predominantemente de abordagem qualitativa (Krawulski, 2004; Triviños, 1987). O instrumento utilizado foi uma redação intitulada O Cursinho e Eu escrita pelos próprios estudantes. Ao material coletado foi aplicada a técnica de análise de conteúdo (Bardin, 1979). As redações receberam um código correspondente à turma de origem (A, B ou C), ao sexo (H para masculino, M para feminino e N quando não informado) e ao número de cada sujeito, sendo desta forma observado o preceito ético de proteção à identidade dos sujeitos. Após a (re)leitura e exploração do material, este foi organizado, primeiramente, em quatro eixos temáticos, a saber: o projeto, a participação no curso popular, a trajetória pessoal e a preparação para o vestibular. As expressões corresponderam aos termos utilizados pelos próprios sujeitos, portanto, definidos a 5

6 posteriori. Em um segundo momento foi possível definir 3 categorias de análise, a partir daquelas temáticas. Finalmente, no momento de tratamento dos resultados as categorias foram relacionadas ao suporte teórico que permeia esta pesquisa, configurando três grandes categorias: 1) projetos profissionais pretendidos pelos alunos, 2) o cursinho como viabilizador de um sonho ou projeto; 3) dificuldades a enfrentar. RESULTADOS E DISCUSSÃO Categoria Projetos profissionais pretendidos pelos alunos Nesta categoria os sujeitos mencionaram planos e metas que desejam para a sua vida. Alguns falaram mais de seus projetos profissionais, desde o desejo de passar no vestibular, mais imediato, até planos mais amplos, como vislumbrar um possível trabalho como profissional de nível superior. Assim como afirma Maheirie (2002) o processo de constituição do sujeito dá-se no coletivo, isto é, o sujeito vai criando sua história e a dos outros, e vice-versa; por isso ele não a realiza como bem entende, mas também não se constitui como um objeto dela, podendo realizá-la de uma forma mais ou menos alienada, sempre em função de um projeto (2002, p. 36). Logo, sempre há um projeto de ser guiando ações e atuações no mundo e, este, também vai levando em consideração as demais singularidades que se cruzam no meio da história : Temos metas na vida, gostaria de ser professor de Educação Física. Sei como é difícil, pessoas que no ensino médio tiravam notas melhores que eu, e não passaram no vestibular, nem por causa disso vou desistir do meu sonho. (sujeito AH2). Os depoimentos também mostram que frequentar o cursinho pré-vestibular e/ou ser aprovado no Exame Vestibular é só mais etapa para se chegar ao projeto, e não o projeto em si, pois o projeto de ser está sempre em processo de constituição, assim como a identidade (Maheirie, 2002): Cursinho, para mim é um novo começo de vida, onde as portas se abrem, terei uma grande chance de passar no vestibular e também irá me auxiliar em concursos públicos no final deste ano (CH3). De acordo com Soares (2002) as dificuldades oriundas do contexto atual do mundo trabalho repercutem em projetos profissionais cada vez mais individualizados, aumentado ainda mais a barreira entre o social e o individual. Por outro lado, alguns estudantes mostraram interesse em aliar projetos individuais aos sociais: Acredito na ideia e nos objetivos de que este cursinho poderá crescer e adquirir cada vez mais alunos no futuro. Naquele futuro pretendo estar já cursando o meu novo caminho até o dia da 6

7 entrega do canudo. E, quem sabe, até poder ajudar a contribuir para que outras pessoas que necessitarem possam também alterar a trilha de sua vida, seguir seu destino (sujeito AH10). Como definiu Velho (1994), os sujeitos podem possuir mais de um projeto, podendo um ser o principal e os demais estarem a ele subordinados. Este conceito pode ser aplicado ao projeto de vida, mais amplo, e aos demais projetos, entre eles, o profissional. Ocorre, como demonstrado nos dois relatos abaixo, que os projetos de vida e profissionais encontram-se tão ligados um a outro, não sendo tão evidente tal divisão. Eu tenho consciência que terei que abrir mão de muitas coisas, inclusive família e lazer. Mas irei me dedicar ao máximo, não faltando as aulas, perguntando em sala, em caso de dúvida, estudando em casa, as matérias passadas, para poder valorizar ao máximo a oportunidade que recebi, esquecendo o cansaço, o sono, e me entregar ao máximo aos ensinamentos para no final, depois do resultado do vestiba, com certeza estar sorridente e alegre, pois tenho fé e esperança que uma vaga de Educação Física em 2006 é minha (BH4). Soares (2002) estudou a centralidade das expectativas e desejos da família no projeto profissional das gerações seguintes e explica que a necessidade de cumprir ou não os desejos dos pais varia de uma pessoa para a outra e também de acordo com o grupo social do qual faz parte (2002, p. 74). Tal situação pode ser observada no relato seguinte: Ao nascermos, nossos pais tinham várias expectativas do que seríamos quando crescêssemos. E após este caminhar, suas expectativas passam para nós. Agora me vejo frente a uma escolha, e a primeira etapa já foi alcançada, pois consegui uma vaga em um cursinho pré-vestibular (AM24). O depoimento abaixo também explicita desejos e sonhos de todos os familiares e demonstra que o ingressar em uma universidade pública continua sendo um dos sonhos dos frequentadores ou egressos do Ensino Médio, bem como de seus pais: Tudo começou em um sonho, não só meu, mas sim de toda minha família em si. Desde muito cedo, já pensava em cursar na universidade. Mas foi crescendo após o ensino médio (BH10). A análise desta categoria permite observar o quanto projetos de vida e profissionais aparecem atrelados um ao outro, sendo difícil desvinculá-los entre si. Também se percebe a influência familiar, cultural e das condições sociais nas escolhas dos sujeitos quando do planejamento profissional. Categoria O Cursinho como viabilizador de um sonho ou projeto Tal categoria refere-se ao fato de o cursinho ser considerado viabilizador de um sonho ou projeto, na medida em que auxilia tanto na preparação psicológica quanto dos conteúdos do exame. Muitos complementaram esta idéia afirmando que sem este espaço, gratuito, dificilmente teriam condições de preparar-se para o concorrido concurso. 7

8 O cursinho surgiu para mim como a chance que eu precisava para mostrar a minha capacidade. Estou apostando tudo nessa oportunidade. Acredito que a vida seria diferente se todos pudessem correr atrás dos seus sonhos (CM27) Ademais, a possibilidade de realizar sonhos e projetos oferecida pelo cursinho também se constitui como uma poderosa ferramenta de inclusão social, pois como dito anteriormente, todos os estudantes deste ambiente encontram-se em situação sócioeconômica desfavorável, sendo esta um dos requisitos para ingresso no curso. Para esta situação, Sawaia (1999) sugere falar, ao invés de exclusão, em dialética exclusão/inclusão De acordo com a autora Esta concepção introduz a ética e a subjetividade na análise sociológica da desigualdade, ampliando as interpretações legalistas e minimalistas de inclusão como as baseadas em justiça social e restritas à crise do Estado e do sistema de empregabilidade. Dessa forma, exclusão passa a ser entendida como descompromisso político com o sofrimento do outro (Sawaia, 1999, p. 8) Esta compreensão fica visível nos trechos abaixo: A relação entre o cursinho e eu é o fortalecimento da minha perspectiva de futuro. (...) Este representa também, para mim, o direito de inclusão social, para que a população tenha acesso a universidade, acabando com a desigualdade de pessoas com mais recursos (BH5). A partir de uma primeira análise consigo ver esta oportunidade de fazer parte de uma das turmas do cursinho popular da Universidade como uma imensa ajuda no caminho ao encontro de minha vida acadêmica e futuramente profissional. (...) Com este cursinho, não apenas uma ajuda, temos vontade de lutar, de perseverar e alcançar nossos ideais, sem a preocupação da estratificação ou não da sociedade (BH15). Estes resultados sugerem que o cursinho constitui-se como alicerce em busca das realizações particulares de cada um, fortalecendo ainda mais o sonho de ingresso no ensino superior para sujeitos que anterior à entrada no curso, dificilmente poderiam realizar uma preparação para o Vestibular. Categoria Dificuldades a enfrentar Algumas dificuldades, já enfrentadas, e, a enfrentar após o ingresso no cursinho, foram levantadas pelos candidatos em suas redações: a) quanto ao sistema político e educacional brasileiro, que é estratificado e excludente, beneficiando àqueles que possuem mais recursos financeiros; b) quanto às dificuldades de conseguir uma vaga no curso pré-vestibular popular devido ao restrito número de vagas; c) quanto à preparação até o Vestibular, como por exemplo, largar emprego ou o cansaço para cumprir a rotina casa-trabalho-estudo-casa e d) quanto às dificuldades do Exame em si, seja em termos de conteúdos, seja em termos biológicos, físicos e psicológicos dos candidatos. 8

9 Quanto ao sistema político e educacional brasileiro, considera-se o ensino médio, antigo segundo grau, totalmente desvinculado do ensino fundamental e do ensino superior. Como é realizado hoje não prepara os egressos à vida universitária e acadêmica e nem para o exame Vestibular. Na tentativa de preencher este vazio deixado pela insuficiência do ensino médio, sobretudo na rede pública, o candidato ao exame se vê obrigado a frequentar os cursinhos pré-vestibulares, os quais podem ser considerados fruto da sociedade neoliberal (Bianchetti, 1996). O depoimento seguinte exprime parte desta problemática: Há três anos venho prestando vestibular para Arquitetura na Universidade e infelizmente não obtive sucesso em nenhum deles. Sem um apoio profissional, como um pré-vestibular, a concorrência é injusta. Competir por uma das oitenta vagas anuais, depois de concluir o ensino médio a mais de dez anos, com candidatos extremamente preparados por colégios particulares de alta qualidade, tem se tornado meu grande desafio (CH6). De acordo com Soares (2002) e Bianchetti (1996), os cursos preparatórios privados possuem interesses puramente lucrativos e, desta maneira, acabam por desvirtuar ainda mais os objetivos da educação brasileira, cujo enfoque deveria atender às expectativas da maioria da população: O cursinho é peça importante na caminhada da busca pela qualificação profissional e o atendimento da vontade interna, já que atende ou dirige-se para as exigências do vestibular. Importante tratar neste espaço que é o remédio político, um produto no mercado, já que nos encontramos em um período em que a educação pública brasileira de ensino médio é carente, aparecendo então, os cursinhos pré-vestibular pra remediar o enfraquecimento da educação ante-universidade. Aparecem os oportunistas de mercado oferecendo-cobrando o produto, o conhecimento; tem-se o pré-vestibular popular oferecido pelo órgão público como iniciativa de inclusão, como o tirar o peso da consciência, o peso da carência de ensino médio público de qualidade (BM36). (...) é necessário a extinção da grosseira concentração de renda neste país. Essa concentração caracteriza uma classe dominante que estabelece dominação sócio-econômica sobre a grande maioria e que impede a socialização da renda e a consequente e inclusão dos demais para o conhecimento (CH12). Diante do que foi exposto, fica claro que o ingresso no cursinho, apesar de aproximar o alunado quanto à concretização de seus projetos, expõe a uma série de dificuldades que precisam ser encaradas pelos sujeitos tanto em nível micro, quanto macro. Assim, não apenas questões de ordem psicológica e familiar são tônicas, mas também as políticas, econômicas e sociais. ALGUMAS CONSIDERAÇÕES Ao longo deste trabalho foi possível perceber o quanto estão entrelaçados os projetos profissionais e de vida dos sujeitos pesquisados, sendo difícil realizar uma dissociação entre eles. Sendo o projeto algo articulado com a identidade do sujeito, 9

10 pensar sobre estes projetos num momento em que a sociedade oferece infinitas possibilidades de ser, é um exercício complexo, mas extremamente necessário. Como demonstrado nos resultados dessa pesquisa, ao mesmo tempo em que o sujeito possui diversas opções de escolha, ele também enfrenta condições sociais e econômicas inviabilizantes desse mesmo futuro. Vive-se uma realidade paradoxal, na qual há o discurso das possibilidades infinitas e a concretude de opções restritas. Nesse estudo, verificou-se que os projetos profissionais dos indivíduos pesquisados dirigem-se para a preparação para a realização do exame vestibular, mas também para a concretização de um sonho de ser estudante universitário e, através de um bom trabalho, atingir melhores condições de vida. Os resultados apresentados confirmam a necessidade dessa preparação para a prova e mostram que o cursinho aqui estudado assumiu um papel fundamental na vida e nos projetos de seu alunado. Ele representou o meio viabilizador, não apenas de ingresso em uma universidade, mas também da possibilidade de concretizar sonhos e projetos, sejam eles individuais, sociais e/ou familiares. Além disso, a participação nesse curso realizado dentro dos muros da Universidade permitiu a aproximação desse público com o meio universitário, e consequentemente com outras perspectivas de vida e futuro. REFERÊNCIAS BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições, BIANCHETTI, L. Angústia no vestibular: indicações para pais e professores. Passo Fundo: Editora da Universidade de Passo Fundo (EDIUPF), CIAMPA, A. da C. Identidade humana como metamorfose: a questão da família e do trabalho e a crise de sentido no mundo moderno. Interações. 6(3), pp , CIAMPA, A. da C. A estória do Severino e a história da Severina. São Paulo: Brasiliense, GIDDENS, A. Modernidade e Identidade. (P. Dentzien, Trad.). Rio de Janeiro: Jorge Zahar, KRAWULSKI, E. Construção da identidade Profissional do Psicólogo: vivendo as metamorfoses do caminho no exercício cotidiano da profissão. Tese de Doutorado em Engenharia de Produção. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC MAHEIRIE, K. Agenor no mundo: um estudo psicossocial da identidade. Florianópolis: Letras Contemporâneas, MAHEIRIE, K. Constituição do sujeito, subjetividade e identidade. Interações. 13(7), pp ,

11 SARTRE, J. P. Questão de Método. Em Os pensadores. (B. Prado Jr, Trad.) São Paulo: Abril Cultural, 1987 (Trabalho original publicado em 1957).. O ser e o nada: ensaio de ontologia fenomenológica. (P. Perdigão, Trad.). Petrópolis: Ed. Vozes, 2000 (Trabalho original publicado em 1943). SAWAIA, B. B. Introdução: Exclusão ou Inclusão perversa? Em SAWAIA, B. B. (org.). As artimanhas da Exclusão: análise psicossocial e ética da desigualdade social. Petrópolis: Vozes, SOARES, D. H. P. A escolha profissional: do jovem ao adulto. São Paulo: Summus, TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em Ciências Sociais: a pesquisa qualitativa em Educação. São Paulo: Atlas, VELHO, G. Projeto e metamorfose: antropologia das sociedades complexas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor,

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem?

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? SAIBA TUDO SOBRE O ENEM 2009 Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? Até 2008, o Enem era uma prova clássica com 63 questões interdisciplinares, sem articulação direta com os

Leia mais

PROGRAMA DO CURSO DE FORMAÇÃO EM ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL E DE CARREIRA (OPC)

PROGRAMA DO CURSO DE FORMAÇÃO EM ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL E DE CARREIRA (OPC) PROGRAMA DO CURSO DE FORMAÇÃO EM ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL E DE CARREIRA (OPC) Realização: INSTITUTO DO SER Orientação Profissional e de Carreira em parceria com o INSTITUTO BRASILEIRO DE GESTÃO DE NEGÓCIOS

Leia mais

PROGRAMA DO CURSO DE FORMAÇÃO EM ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL E DE CARREIRA (OPC)

PROGRAMA DO CURSO DE FORMAÇÃO EM ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL E DE CARREIRA (OPC) PROGRAMA DO CURSO DE FORMAÇÃO EM ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL E DE CARREIRA (OPC) Realização: INSTITUTO DO SER Orientação Profissional e de Carreira em parceria com o INSTITUTO BRASILEIRO DE GESTÃO DE NEGÓCIOS

Leia mais

CONSOLIDANDO EXPERIÊNCIAS DE EXTENSÃO: O CURSO PRÉ-UNIVERISTÁRIO POPULAR COMO FORMA DE DEMOCRATIZAÇÃO E ACESSO AO ENSINO SUPERIOR

CONSOLIDANDO EXPERIÊNCIAS DE EXTENSÃO: O CURSO PRÉ-UNIVERISTÁRIO POPULAR COMO FORMA DE DEMOCRATIZAÇÃO E ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 4PRACOUT03 CONSOLIDANDO EXPERIÊNCIAS DE EXTENSÃO: O CURSO PRÉ-UNIVERISTÁRIO POPULAR COMO FORMA DE DEMOCRATIZAÇÃO E ACESSO AO ENSINO SUPERIOR Alan Leite Moreira (1); Patrícia Roque Lemos (1); Profª. Vilma

Leia mais

ACS Assessoria de Comunicação Social

ACS Assessoria de Comunicação Social DISCURSO DO MINISTRO DA EDUCAÇÃO, HENRIQUE PAIM Brasília, 3 de fevereiro de 2014 Hoje é um dia muito especial para mim. É um dia marcante em uma trajetória dedicada à gestão pública ao longo de vários

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE. Palavras-chave: Curso Normal Superior (CNS), perfil, pretensões e motivações.

CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE. Palavras-chave: Curso Normal Superior (CNS), perfil, pretensões e motivações. 24 CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE Profª Ms Angela Maria Venturini Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro/ISERJ RESUMO O Curso Normal Superior (CNS) do Instituto Superior de Educação

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO SALÁRIO NA ESCOLHA DA PROFISSÃO Professor Romulo Bolivar. www.proenem.com.br

A INFLUÊNCIA DO SALÁRIO NA ESCOLHA DA PROFISSÃO Professor Romulo Bolivar. www.proenem.com.br A INFLUÊNCIA DO SALÁRIO NA ESCOLHA DA PROFISSÃO Professor Romulo Bolivar www.proenem.com.br INSTRUÇÃO A partir da leitura dos textos motivadores seguintes e com base nos conhecimentos construídos ao longo

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2015 Manual do Candidato

PROCESSO SELETIVO 2015 Manual do Candidato PROCESSO SELETIVO 2015 Manual do Candidato O cursinho pré-vestibular comunitário VestJr O cursinho pré-vestibular VestJr surgiu em 2003 seguindo a ideia já em curso da política de implementação de cursinhos

Leia mais

O significado do Ensino Médio Público na visão dos estudantes

O significado do Ensino Médio Público na visão dos estudantes *Pôster: O Significado do Ensino Médio Público na Visão dos Estudantes. Apresentado no XIV Seminário de Pesquisa do CCSA. Realizado no período de 24 a 26 de setembro de 2008, na UFRN. Autores: ; ;. O significado

Leia mais

A ESCOLHA PROFISSIONAL: UMA ESCUTA DO SOFRIMENTO PSIQUÍCO DE ADOLESCENTES DAS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES DA CIDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE SP.

A ESCOLHA PROFISSIONAL: UMA ESCUTA DO SOFRIMENTO PSIQUÍCO DE ADOLESCENTES DAS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES DA CIDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE SP. A ESCOLHA PROFISSIONAL: UMA ESCUTA DO SOFRIMENTO PSIQUÍCO DE ADOLESCENTES DAS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES DA CIDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Joselene Lopes Alvim A ESCOLHA PROFISSIONAL: UMA ESCUTA

Leia mais

Testes de ortografia e redação eliminam candidatos a estágio

Testes de ortografia e redação eliminam candidatos a estágio Testes de ortografia e redação eliminam candidatos a estágio Entre cursos com maior reprovação estão pedagogia, jornalismo e turismo. Falta de leitura e hábitos gerados pela internet são fatores motivadores.

Leia mais

M a n u a l E n e m 2 0 1 5 P á g i n a 1. Manual do Enem 2015

M a n u a l E n e m 2 0 1 5 P á g i n a 1. Manual do Enem 2015 M a n u a l E n e m 2 0 1 5 P á g i n a 1 Manual do Enem 2015 Criado em 1998, o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), segundo o INEP, tinha o objetivo de avaliar o desempenho do aluno ao término da escolaridade

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG

A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG Autor: Gefferson Luiz dos Santos Orientadora: Angela Marta Pereira das Dores Savioli Programa de Pós-Graduação

Leia mais

CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE

CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE INTRODUÇÃO Lucas de Sousa Costa 1 Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará lucascostamba@gmail.com Rigler da Costa Aragão 2

Leia mais

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: DIFICULDADES, ANSEIOS E SUGESTÕES DOS ALUNOS.

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: DIFICULDADES, ANSEIOS E SUGESTÕES DOS ALUNOS. N 430 - OLIVEIRA Eloiza da Silva Gomes de, ENCARNAÇÃO Aline Pereira da, SANTOS Lázaro ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: DIFICULDADES, ANSEIOS E SUGESTÕES DOS ALUNOS. O Vestibular se reveste de grande

Leia mais

coleção Conversas #14 - outubro 2014 - e r r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #14 - outubro 2014 - e r r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. não Eu Não r que o f existe coleção Conversas #14 - outubro 2014 - a z fu e r tu r uma fa o para c ul m d im ad? e. Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção

Leia mais

PARTICIPAÇÃO DO GRUPO PET MATEMÁTICA NO PRÉ- VESTIBULAR POPULAR ALTERNATIVA

PARTICIPAÇÃO DO GRUPO PET MATEMÁTICA NO PRÉ- VESTIBULAR POPULAR ALTERNATIVA Resumo ISSN 2316-7785 PARTICIPAÇÃO DO GRUPO PET MATEMÁTICA NO PRÉ- VESTIBULAR POPULAR ALTERNATIVA Stephanie Abé abe.stephanie1@gmail.com Ana Caroline Pierini karolpierini@gmail.com Luana Kuister Xavier

Leia mais

FIC FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA CURSO DE CONTROLADOR E PROGRAMADOR DE PRODUÇÃO

FIC FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA CURSO DE CONTROLADOR E PROGRAMADOR DE PRODUÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS JARAGUÁ DO SUL FIC FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA CURSO DE CONTROLADOR E PROGRAMADOR DE

Leia mais

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS Daiana Rodrigues dos Santos Prado¹; Francine de Paulo Martins² Estudante do Curso de Pedagogia; e-mail:

Leia mais

Edital de Seleção de Bolsistas para o Projeto Vale do Jequitinhonha 2012. Edital de 07 outubro de 2011.

Edital de Seleção de Bolsistas para o Projeto Vale do Jequitinhonha 2012. Edital de 07 outubro de 2011. Edital de Seleção de Bolsistas para o Projeto Vale do Jequitinhonha 2012. Edital de 07 outubro de 2011. ADVJ Associação de Desenvolvimento do Vale do Jequitinhonha - abre edital para seleção de bolsistas

Leia mais

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - Sou so profes r a, Posso m a s n ão parar d aguento m e ai ensinar s? d a r a u la s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos.

A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos. A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos. A CONTEE, depois de uma trajetória de mais de uma década de permanente debate interno e sintonia com as entidades filiadas, se encontra

Leia mais

OS MAPAS CONCEITUAIS COMO FERRAMENTAS PARA AUXILIAR NA APRENDIZAGEM DE ALUNOS DO PRÉ-VESTIBULAR SOLIDÁRIO

OS MAPAS CONCEITUAIS COMO FERRAMENTAS PARA AUXILIAR NA APRENDIZAGEM DE ALUNOS DO PRÉ-VESTIBULAR SOLIDÁRIO OS MAPAS CONCEITUAIS COMO FERRAMENTAS PARA AUXILIAR NA APRENDIZAGEM DE ALUNOS DO PRÉ-VESTIBULAR SOLIDÁRIO José Jailson Lima Bezerra (1); Joseclécio Dutra Dantas (2) (1) Discente. Licenciatura em Ciências

Leia mais

O PERFIL DOS ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FURG

O PERFIL DOS ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FURG O PERFIL DOS ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FURG Juliana Diniz Gutierres FURG Stephany Sieczka Ely FURG Maria Renata Alonso Mota FURG Suzane da Rocha Vieira FURG Resumo: Esse estudo apresenta parte dos

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Elisa Maçãs IDÉIAS & SOLUÇÕES Educacionais e Culturais Ltda www.ideiasesolucoes.com 1

Leia mais

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação Entrevista concedida por Álvaro Santin*, da coordenação nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem

Leia mais

UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO

UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO SOUZA, Caio Henrique Bueno de 1 RODRIGUES, Davi 2 SANTOS, Edna Silva 3 PIRES, Fábio José 4 OLIVEIRA, Jully Gabriela

Leia mais

M a n u a l d o P r o U n i 2014 P á g i n a 1

M a n u a l d o P r o U n i 2014 P á g i n a 1 M a n u a l d o P r o U n i 2014 P á g i n a 1 O Programa Universidade para Todos (Prouni) foi criado pelo Governo Federal em 2004 e tem como finalidade a concessão de bolsas de estudo integrais e parciais

Leia mais

PESQUISA DE CABELEIREIRA/TÉCNICO DE ESTÉTICA:

PESQUISA DE CABELEIREIRA/TÉCNICO DE ESTÉTICA: Fundo Perpétuo de Educação PESQUISA DE CABELEIREIRA/TÉCNICO DE ESTÉTICA: Os depoimentos, ensinamentos e metas dos participantes mais bem sucedidos. A escolha da escola fez a diferença na sua colocação

Leia mais

FORMANDO AS LIDERANÇAS DO FUTURO

FORMANDO AS LIDERANÇAS DO FUTURO Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMANDO AS LIDERANÇAS DO FUTURO Fúlvia Rosemberg: analisa ações de inclusão e apresenta programa voltado para a formação de novas lideranças

Leia mais

Precisamos fortalecer cada vez mais nossa profissão. Através dos conselhos e de uma nova regulamentação!

Precisamos fortalecer cada vez mais nossa profissão. Através dos conselhos e de uma nova regulamentação! Resultado da pesquisa feita no dia 10/03/2014, através do Site do Conselho Regional de Relações Públicas 4ª Região, a respeito da Lei 6601/13. Foi disponibilizado uma enquete, com a seguinte pergunta:

Leia mais

FIC FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA CURSO DE ASSISTENTE DE CONTROLE DE QUALIDADE

FIC FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA CURSO DE ASSISTENTE DE CONTROLE DE QUALIDADE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS JARAGUÁ DO SUL FIC FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA CURSO DE ASSISTENTE DE CONTROLE DE QUALIDADE

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA NO ENSINO MÉDIO: O QUE PENSAM PROFESSORES, ALUNOS E REPRESENTANTES DO COMÉRCIO DO MUNICÍPIO DE BOA VISTA ESTADO DE RORAIMA

MATEMÁTICA FINANCEIRA NO ENSINO MÉDIO: O QUE PENSAM PROFESSORES, ALUNOS E REPRESENTANTES DO COMÉRCIO DO MUNICÍPIO DE BOA VISTA ESTADO DE RORAIMA MATEMÁTICA FINANCEIRA NO ENSINO MÉDIO: O QUE PENSAM PROFESSORES, ALUNOS E REPRESENTANTES DO COMÉRCIO DO MUNICÍPIO DE BOA VISTA ESTADO DE RORAIMA José Roberto da silva Almeida, Arno Bayer jrsa12@hotmail.com,

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL TEORIA MARXISTA NA COMPREENSÃO DA SOCIEDADE CAPITALISTA Disciplina: QUESTÃO E SERVIÇO Professora: Maria da Graça Maurer Gomes Türck Fonte: AS Maria da Graça Türck 1 Que elementos são constitutivos importantes

Leia mais

Universidade Federal de São Carlos. Grupo PET/Conexões de Saberes-Indígenas: Ações em Saúde

Universidade Federal de São Carlos. Grupo PET/Conexões de Saberes-Indígenas: Ações em Saúde Universidade Federal de São Carlos 1 Grupo PET/Conexões de Saberes-Indígenas: Ações em Saúde FORMAÇÃO, AÇÃO E PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO EM SAÚDE - Edital para seleção de estudantes de graduação da UFSCar

Leia mais

CURSO PRÉ-VESTIBULAR UNE-TODOS: CONTRIBUINDO PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA NA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO *

CURSO PRÉ-VESTIBULAR UNE-TODOS: CONTRIBUINDO PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA NA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO * CURSO PRÉ-VESTIBULAR UNE-TODOS: CONTRIBUINDO PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA NA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO * COSTA, Marcia de Souza 1, PAES, Maria Helena Rodrigues 2 ; Palavras-chave: Pré-vestibular

Leia mais

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade.

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. A educação de nível superior superior no Censo de 2010 Simon Schwartzman (julho de 2012) A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. Segundo os dados mais recentes, o

Leia mais

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO Elaine Cristina Penteado Koliski (PIBIC/CNPq-UNICENTRO), Klevi Mary Reali (Orientadora), e-mail: klevi@unicentro.br

Leia mais

Lúmini Art Centro de Pesquisa, Cultura e Ação Social. O Projeto Social Luminando

Lúmini Art Centro de Pesquisa, Cultura e Ação Social. O Projeto Social Luminando Lúmini Art Centro de Pesquisa, Cultura e Ação Social O Projeto Social Luminando O LUMINANDO O Luminando surgiu como uma ferramenta de combate à exclusão social de crianças e adolescentes de comunidades

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DOS ENCARTES DE PREÇOS NA FORMAÇÃO DO ALUNO.

AS CONTRIBUIÇÕES DOS ENCARTES DE PREÇOS NA FORMAÇÃO DO ALUNO. AS CONTRIBUIÇÕES DOS ENCARTES DE PREÇOS NA FORMAÇÃO DO ALUNO. Autor: José Marcos da Silva Instituição: MIDS/Macaé E-mail:mzosilva@yahoo.com.br. RESUMO Na atualidade, é preciso que se crie novos métodos

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO.

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. Resumo Paula Lopes Gomes - Universidade Estadual da Paraíba. E-mail: paulagomes20@msn.com

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS JOVENS DA GERAÇÃO Y SOBRE O CONCEITO DE TRABALHO

A PERCEPÇÃO DOS JOVENS DA GERAÇÃO Y SOBRE O CONCEITO DE TRABALHO A PERCEPÇÃO DOS JOVENS DA GERAÇÃO Y SOBRE O CONCEITO DE TRABALHO A Geração Y no Brasil é a geração da tecnologia, da internet, multitarefa que busca dar sentido e significado as coisas, fazendo o que gosta

Leia mais

AS MAIS COMUNS PERGUNTAS E RESPOSTAS

AS MAIS COMUNS PERGUNTAS E RESPOSTAS Programa Ciência sem Fronteiras (CsF) Modalidade: Graduação Sanduíche no Exterior AS MAIS COMUNS PERGUNTAS E RESPOSTAS Prezados candidatos à bolsa do Programa CsF: Desempenhamos o papel de Coordenador

Leia mais

DA UNIVERSIDADE AO TRABALHO DOCENTE OU DO MUNDO FICCIONAL AO REAL: EXPECTATIVAS DE FUTUROS PROFISSIONAIS DOCENTES

DA UNIVERSIDADE AO TRABALHO DOCENTE OU DO MUNDO FICCIONAL AO REAL: EXPECTATIVAS DE FUTUROS PROFISSIONAIS DOCENTES DA UNIVERSIDADE AO TRABALHO DOCENTE OU DO MUNDO FICCIONAL AO REAL: EXPECTATIVAS DE FUTUROS PROFISSIONAIS DOCENTES Karem Nacostielle EUFRÁSIO Campus Jataí karemnacostielle@gmail.com Sílvio Ribeiro DA SILVA

Leia mais

M a n u a l E n e m 2 0 1 4 P á g i n a 1

M a n u a l E n e m 2 0 1 4 P á g i n a 1 M a n u a l E n e m 2 0 1 4 P á g i n a 1 Criado em 1998, o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), segundo o próprio INEP, tinha o objetivo de avaliar o desempenho do aluno ao término da escolaridade básica,

Leia mais

Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013

Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a suas atividades em 1944

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO PARA O TRABALHO

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO PARA O TRABALHO A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO PARA O TRABALHO A educação é um dos pilares da sociedade e no nosso emprego não é diferente. Um povo culto está mais preparado para criar, planejar e executar os projetos para

Leia mais

EVASÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UM ESTUDO DE CASO

EVASÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UM ESTUDO DE CASO EVASÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UM ESTUDO DE CASO Elizabeth da Silva Guedes UNESA Laélia Portela Moreira UNESA Resumo A evasão no Ensino Superior (ES) vem chamando

Leia mais

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul.

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul. Pesquisa A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul. Introdução Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e políticas capazes de ampliar a inserção da mulher no mercado de trabalho.

Leia mais

PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1. Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4

PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1. Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4 PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1 Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4 Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG RESUMO Como forma de estimular a criatividade

Leia mais

Avanços na transparência

Avanços na transparência Avanços na transparência A Capes está avançando não apenas na questão dos indicadores, como vimos nas semanas anteriores, mas também na transparência do sistema. Este assunto será explicado aqui, com ênfase

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

EDITAL Nº 007/2015 SELEÇÃO DE CANDIDATOS PARA O PROGRAMA DE CURSINHO POPULAR DO IFSP - CAMPUS CAPIVARI: SEMEANDO O FUTURO

EDITAL Nº 007/2015 SELEÇÃO DE CANDIDATOS PARA O PROGRAMA DE CURSINHO POPULAR DO IFSP - CAMPUS CAPIVARI: SEMEANDO O FUTURO EDITAL Nº 007/2015 SELEÇÃO DE CANDIDATOS PARA O PROGRAMA DE CURSINHO POPULAR DO IFSP - : SEMEANDO O FUTURO O Diretor do Campus Capivari do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo

Leia mais

VESTIBULAR: Uma escolha profissional que interliga a família e a escola

VESTIBULAR: Uma escolha profissional que interliga a família e a escola VESTIBULAR: Uma escolha profissional que interliga a família e a escola Caroline Pilar 1 Simone Medianeira Franzin 2 Resumo: A escolha profissional dos alunos no final do Ensino Médio tem sido pensada

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

TÍTULO DO PROJETO: Política de Financiamento da Educação Superior no Brasil uma análise dos Planos Nacionais de Educação

TÍTULO DO PROJETO: Política de Financiamento da Educação Superior no Brasil uma análise dos Planos Nacionais de Educação TÍTULO DO PROJETO: Política de Financiamento da Educação Superior no Brasil uma análise dos Planos Nacionais de Educação 1 APRESENTAÇÃO O financiamento da educação superior pública constitui-se num dos

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL JOSÉ INÁCIO JARDIM MOTTA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA Fundação Oswaldo Cruz Curitiba 2008 EDUCAÇÃO PERMANENTE UM DESAFIO EPISTÊMICO Quando o desejável

Leia mais

A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO

A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO Autores: Rúbia Ribeiro LEÃO; Letícia Érica Gonçalves

Leia mais

Metas e estratégias equalizadoras ao PNE II Educação de Jovens e Adultos EJA Analise da Silva Coordenação Nacional dos Fóruns de EJA do Brasil

Metas e estratégias equalizadoras ao PNE II Educação de Jovens e Adultos EJA Analise da Silva Coordenação Nacional dos Fóruns de EJA do Brasil Metas e estratégias equalizadoras ao PNE II Educação de Jovens e Adultos EJA Analise da Silva Coordenação Nacional dos Fóruns de EJA do Brasil Analise Da Silva analiseforummineiro@gmail.com www.forumeja.org.br

Leia mais

ANEXO II - QUESTIONÁRIO SOCIOCULTURAL

ANEXO II - QUESTIONÁRIO SOCIOCULTURAL ANEXO II - QUESTIONÁRIO SOCIOCULTURAL Processo Seletivo Faculdade AMEC Trabuco 2005.1 Este questionário, que compõe o material de inscrição, tem o objetivo exclusivo de coletar dados socioculturais dos

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA. Antonio Joaquim Severino 1. Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções:

PROJETO DE PESQUISA. Antonio Joaquim Severino 1. Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções: PROJETO DE PESQUISA Antonio Joaquim Severino 1 Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções: 1. Define e planeja para o próprio orientando o caminho a ser seguido no desenvolvimento do trabalho

Leia mais

AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM

AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM MARÇO/ABRIL/2012 Considerações sobre as Novas Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio Resolução CNE/CEB

Leia mais

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Resumo Gabriel Mathias Carneiro Leão1 - IFPR, UFPR Rosane de Fátima Batista Teixeira2 - IFPR Grupo de Trabalho Cultura, Currículo e Saberes

Leia mais

Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto

Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto Outubro de 2015 Índice 1. Introdução... 3 2. Caraterização do Estudo... 4 3. Resultado Global dos Cursos de Lisboa

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

DIMENSÃO 8 ATENDIMENTO AOS ESTUDANTES

DIMENSÃO 8 ATENDIMENTO AOS ESTUDANTES DIMENSÃO 8 ATENDIMENTO AOS ESTUDANTES 8.1 CONDIÇÕES INSTITUCIONAIS PARA OS DISCENTES 8.1.1 Facilidade de acesso aos dados e registros acadêmicos 8.1.2 Apoio à participação em eventos, produção e divulgação

Leia mais

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA Autor: Marusa Fernandes da Silva marusafs@gmail.com Orientadora: Profª. Ms. Mônica Mª N. da Trindade Siqueira Universidade de Taubaté monica.mnts@uol.com.br Comunicação oral:

Leia mais

Nosso desafio é atingir a nobre meta de ajudar alguém a encontrar-se com sua própria realidade, sua própria natureza e sua razão de ser pessoa.

Nosso desafio é atingir a nobre meta de ajudar alguém a encontrar-se com sua própria realidade, sua própria natureza e sua razão de ser pessoa. Nosso desafio é atingir a nobre meta de ajudar alguém a encontrar-se com sua própria realidade, sua própria natureza e sua razão de ser pessoa. Proposta Pedagógica Irmãs Marcelinas Para os Pais Para a

Leia mais

Uma ação de cidadania para o emprego e geração de renda na cidade de Lavras-MG 1

Uma ação de cidadania para o emprego e geração de renda na cidade de Lavras-MG 1 Uma ação de cidadania para o emprego e geração de renda na cidade de Lavras-MG 1 Iracema Clara Alves Luz, 3º módulo de Agronomia/UFLA, chokbool@hotmail.com; Paula Terra Duarte, 8º módulo de Agronomia/UFLA,

Leia mais

Adair Santa Catarina 1 (Coordenador da Ação de Extensão)

Adair Santa Catarina 1 (Coordenador da Ação de Extensão) CURSO PRÉ-VESTIBULAR DA UNIOESTE UM AMBIENTE INTERDISCIPLINAR PARA FORMAÇÃO DE EDUCADORES Área Temática: Educação Adair Santa Catarina 1 (Coordenador da Ação de Extensão) Aparecida Favoretto 2, Bruna S.

Leia mais

HIPERATIVIDADE E INDISCIPLINA: SEMELHANÇAS E DESSEMELHANÇAS - UMA ESCUTA DO PROFESSOR

HIPERATIVIDADE E INDISCIPLINA: SEMELHANÇAS E DESSEMELHANÇAS - UMA ESCUTA DO PROFESSOR HIPERATIVIDADE E INDISCIPLINA: SEMELHANÇAS E DESSEMELHANÇAS - UMA ESCUTA DO PROFESSOR Maria Célia Malheiros Knopp 1 Resumo Partindo do princípio que a indisciplina e a hiperatividade é um fato da realidade

Leia mais

FACULDADE REDENTOR ITAPERUNA RJ

FACULDADE REDENTOR ITAPERUNA RJ RESULTADOS DA PESQUISA DE PERCEPÇÃO E SATISFAÇÃO DOS CURSOS DE: MBA - GESTÃO ESTRATÉGICA DOS NEGÓCIOS MBA - GESTÃO ESTRATÉGICA COM PESSOAS FACULDADE REDENTOR 2012 ITAPERUNA RJ MODELO DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO

Leia mais

Palavras-chaves: Formação de professores; Estágio Supervisionado; Reflexão sobre a prátida; Escrita docente; Diários de aula.

Palavras-chaves: Formação de professores; Estágio Supervisionado; Reflexão sobre a prátida; Escrita docente; Diários de aula. DIÁRIOS DE AULA ONLINE: ANÁLISE DE UM DISPOSITIVO DE FORMAÇÃO DOCENTE NA LICENCIATURA EM MATEMÁTICA Jane Bittencourt 1 Alice Stephanie Tapia Sartori 2 Resumo Esse trabalho tem como foco a formação inicial

Leia mais

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Entrevista com Ricardo de Paiva e Souza. Por Flávia Gomes. 2 Flávia Gomes Você acha importante o uso de meios de comunicação na escola? RICARDO

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Superior Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock ABCEducatio entrevista Sílvio Bock Escolher uma profissão é fazer um projeto de futuro A entrada do segundo semestre sempre é marcada por uma grande preocupação para todos os alunos que estão terminando

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES Kátia Hatsue Endo Unesp hatsueendo@yahoo.com.br Daniela Bittencourt Blum - UNIP danibittenc@bol.com.br Catarina Maria de Souza Thimóteo CEETEPS - catarinamst@netonne.com.br

Leia mais

Área de Ciências Humanas

Área de Ciências Humanas Área de Ciências Humanas Ciências Sociais Unidade: Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia (FCHF) www.fchf.ufg.br Em Ciências Sociais estudam-se as relações sociais entre indivíduos, grupos e instituições,

Leia mais

Programa de Bolsas do Fundo de Apoio à Manutenção e ao Desenvolvimento da Educação Superior -FUMDES

Programa de Bolsas do Fundo de Apoio à Manutenção e ao Desenvolvimento da Educação Superior -FUMDES PROGRAMA DE BOLSAS DO ARTIGO 171 DA CONSTITUIÇÃO ESTADUAL Programa de Bolsas do Fundo de Apoio à Manutenção e ao Desenvolvimento da Educação Superior -FUMDES Florianópolis abril 2011 1 FUNDAMENTAÇÃO LEGAL

Leia mais

1. Preâmbulo. 2. Requisitos para candidatura

1. Preâmbulo. 2. Requisitos para candidatura Ministério da Educação Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Programa de Educação Tutorial - PET Edital de seleção de bolsistas de graduação Edital n 013 PROGRAD/2015

Leia mais

Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO

Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO Projeto de Pesquisa apresentado ao Programa de Pós- Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Santa Maria como requisito parcial para a seleção de ingresso

Leia mais

CADASTRO ÚNICO POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA E SEUS DIREITOS

CADASTRO ÚNICO POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA E SEUS DIREITOS CADASTRO ÚNICO POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA E SEUS DIREITOS SABIA? VOCÊ As pessoas em situação de rua têm direito a estar no Cadastro Único. O que é o Cadastro Único? O Cadastro Único identifica quem são

Leia mais

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES Introdução A questão dos recursos humanos na área de Tecnologia da Informação é assunto de preocupação permanente no Colégio de

Leia mais

O curso de biblioteconomia da UFRGS: ponto de vista dos alunos

O curso de biblioteconomia da UFRGS: ponto de vista dos alunos O curso de biblioteconomia da UFRGS: ponto de vista dos alunos Samile Andréa de Souza Vanz 1 Glória Isabel Sattamini Ferreira 2 Patrícia Mallman Souto Pereira 3 Geraldo Ribas Machado 4 Universidade Federal

Leia mais

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca Projetos de informatização educacional Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca O uso do computador como instrumento de educação ainda não é uma realidade para muitos no Brasil, mas aqui

Leia mais

EDUCAÇÃO SUPERIOR: AVANÇOS E PERSPECTIVAS

EDUCAÇÃO SUPERIOR: AVANÇOS E PERSPECTIVAS Ministério da Educação Secretaria de Educação Superior Diretoria de Políticas e Programas para a Graduação EDUCAÇÃO SUPERIOR: AVANÇOS E PERSPECTIVAS Brasil : ciclo virtuoso na educação Banco Mundial: Última

Leia mais

44% 56% 67.896 respostas no Brasil. 111.432 respostas na América Latina. 0,5% Margem de erro. Metodologia e Perfil. homens.

44% 56% 67.896 respostas no Brasil. 111.432 respostas na América Latina. 0,5% Margem de erro. Metodologia e Perfil. homens. Brasil A pesquisa em 2015 Metodologia e Perfil 111.432 respostas na América Latina 44% homens 67.896 respostas no Brasil 0,5% Margem de erro 56% mulheres * A pesquisa no Uruguai ainda está em fase de coleta

Leia mais

Etapas da Metodologia da Pesquisa Científica. Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ

Etapas da Metodologia da Pesquisa Científica. Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ Etapas da Metodologia da Pesquisa Científica Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ Metodologia da Pesquisa Cientifica Metodologia Como se procederá a pesquisa? Caminhos para se

Leia mais

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA RELAÇÕES ENTRE A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O SETOR DE HOSPITALIDADE: um estudo de caso aplicável ao curso Técnico de Hospedagem Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente de Pernambuco Autores: ANNARA

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS 0 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS AS FUNÇÕES DA CONTROLADORIA E O PERFIL DO CONTROLLER NAS EMPRESAS INTEGRANTES DOS PRINCIPAIS

Leia mais