ENSINO DA LÍNGUA INGLESA EM ESCOLAS DE NÍVEL FUNDAMENTAL E MÉDIO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ENSINO DA LÍNGUA INGLESA EM ESCOLAS DE NÍVEL FUNDAMENTAL E MÉDIO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO: A VEZ DO MESTRE ENSINO DA LÍNGUA INGLESA EM ESCOLAS DE NÍVEL FUNDAMENTAL E MÉDIO SILVANA SOUZA FERNANDES ORIENTADOR CELSO SANCHES RIO DE JANEIRO JUNHO/2003

2 UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO: A VEZ DO MESTRE ENSINO DA LÍNGUA INGLESA EM ESCOLAS DE NÍVEL FUNDAMENTAL E MÉDIO Silvana Souza Fernandes OBJETIVOS: Fazer um relato e uma análise do ensino da Língua Inglesa, não só da minha experiência como professora de Inglês, mas também da experiência de outros professores, além de conhecer e discutir as opiniões de alguns alunos de escolas de nível fundamental e médio. Rio de Janeiro Junho/2003

3 Agradecimentos A Deus - pelo privilégio de fazer esse curso. Aos meus pais que proporcionaram todos os recursos para a minha formação. E em especial, a minha mãe, pelo exemplo de amor e perseverança. Ao meu filho pela compreensão, por não poder dedicar-lhe toda a minha atenção, em função dos estudos. Aos professores que tanto se empenharam na minha formação. Aos meus alunos pelo estímulo a continuar a aprender sempre.

4 Dedico este trabalho de pesquisa ao meu filho Matheus e todos que acreditam na Educação como fator primordial para mudança da nossa realidade.

5 Creio que os humanos são seres superiores neste planeta. Os humanos têm o potencial não só para criar vidas felizes para si mesmos, mas também para ajudar outros seres. Nos dispomos de uma capacidade criativa natural, e é importantíssimo ter consciência desse fato. Dalai-lama

6 RESUMO Atualmente o ensino de Língua Inglesa em escolas de nível fundamental e médio levanta uma série de questionamentos, uma vez que o contexto ensinoaprendizagem se dá em situações formais desfavoráveis ao ensino de uma Língua Estrangeira. As turmas superlotadas, a carga horária mínima oferecida, objetivos mal definidos, a não contextualização do ensino, a ausência de recursos interdisciplinares em função da discriminação existente por parte dos profissionais das demais disciplinas, a lenda de que a Língua Inglesa não reprova, entre outros. As desculpas mais comuns dos alunos são apontadas aqui, como também não podemos deixar de mencionar o fato de que muitos profissionais mal preparados para desempenhar suas funções, deveriam estimular seus alunos, possibilitando-lhes um vôo mais alto, subestimam-lhes a capacidade de dar continuidade e o próprio envolvimento com a língua, limitando-lhes os conteúdos. Em linhas gerais, iremos apontar algumas deficiências na formação dos profissionais de Língua Inglesa, bem com, no nosso sistema educacional. Também apresentaremos uma série de entrevistas individuais com alunos e professores de inglês, e o preenchimento de um questionário por parte dos alunos de inglês. A partir das entrevistas, ficou claro que o inglês que é ensinado nas escolas é fortemente criticado pelos alunos, que, na maioria das vezes mostram um grande desinteresse pela disciplina.

7 Objetivando a desmistificação do ensino de Língua Inglesa, é apresentada sua relevância e importância no processo educacional como um todo, viabilizando uma nova compreensão da linguagem, desenvolvendo maior consciência ao funcionamento da sua própria língua materna, aumentando a percepção da própria cultura, promovendo a tolerância diante das diferenças, contribuindo na construção da cidadania do aluno, bem como na construção de sua visão crítica de mundo.

8 METODOLOGIA A metodologia que foi empregada para a execução deste trabalho consistiu, inicialmente, na realização de uma pesquisa bibliográfica e documental, que tinha por objetivo determinar o que existia na literatura em relação ao ensino da Língua Inglesa em escola de ensino fundamental e médio. Em seguida, foi realizada uma série de entrevistas individuais, com alunos e professores de inglês. Tentei captar a realidade como ela é, segundo a opinião de alunos e professores de inglês, selecionando seus aspectos mais relevantes; ao mesmo tempo, procurei não perder de vista os textos teóricos. Apesar de minha larga experiência neste assunto e de ter minha opinião formada, procurei ser sempre imparcial, não deixando que alunos e professores fossem influenciados pela minha opinião pessoal.

9 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 1 O PROBLEMA 4 UM DESAFIO CONSTANTE 5 MITOS DE PROFESSORES 9 UMA DEFICIÊNCIA DO NOSSO SISTEMA EDUCACIONAL 11 DIFICULDADES NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA 13 A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA PARA A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA 16 O ENSINO DA LÍNGUA INGLESA COM CONSCIÊNCIA CRÍTICA 18 PESQUISA DE CAMPO 21 CONCLUSÃO 23 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 24 REFERÊNCIAS DOCUMENTAIS 25 ANEXOS 26

10 ÍNDICE INTRODUÇÃO O Problema Um Desafio Constante 2.1 Desculpas dos alunos Não consigo aprender Inglês Não tenho talento para aprender Inglês Não gosto de aprender Inglês Não tenho que aprender Inglês Falar Inglês é coisa para quem quer se exibir Não tenho ouvido musical Mitos de Professores 3.1 Certos alunos não têm mesmo jeito Meu inglês é igual ao de um americano (ou 10 inglês) Estudo inglês há anos e já sei o bastante Uma Deficiência do Nosso Sistema Educacional Dificuldades no Ensino da Língua Inglesa 5.1 Língua Inglesa: elemento descartável do currículo Objetivos mal planejados Ausência de conhecimento de mundo A Importância do Ensino da Língua Inglesa para a Construção da Cidadania... 16

11 7- O Ensino da Língua Inglesa com Consciência Crítica Pesquisa de Campo Entrevistas com Professores e alunos Resultados e Análises Conclusão Referências Bibliográficas Referências Documentais Anexos A- Modelo do questionário submetido a alunos de Inglês B- Amostras das declarações de professores e alunos de Inglês C- Comprovantes de entrada no teatro D- Comprovante de participação no 3º ENCONTRO DE PROFISSIONAIS DE LÍNGUA INGLESA DO RIO DE JANEIRO E- Comprovante da visita à Bienal do Livro Rio.. 32

12 INTRODUÇÃO A questão da democratização do conhecimento tem feito parte dos debates sobre os rumos da Educação Brasileira. O acesso ao conhecimento torna-se, crescentemente, uma das maiores exigências no campo da cidadania. No Brasil, esta necessidade se acirra, devido aos longos períodos de elitização educacional, exclusão e desigualdade social. O acesso à uma língua estrangeira tem importante papel num mundo globalizado. Somos obrigados a conhecer uma língua usada hoje, em todo o mundo, para a comunicação entre pessoas de diferentes culturas: a Língua Inglesa. Esta não é prioridade exclusiva de ingleses ou americanos (em geral sequer pensamos em australianos, neozelandeses, indianos...). A aprendizagem da Língua Inglesa é uma possibilidade de aumentar a auto-percepção do aluno como ser humano e como cidadão, permite ao estudante aproximar-se de várias culturas e, conseqüentemente, propiciam sua integração num mundo globalizado. Por isso, ela deve centrar-se em sua capacidade de se engajar e engajar outros no discurso de modo a poder agir no mundo social e globalizado. Para que isso seja possível, é fundamental que o ensino da Língua Inglesa seja balizado pela função social deste tipo de conhecimento na sociedade brasileira. Tal função está, principalmente, relacionada ao uso que se faz da Língua Inglesa via leitura, embora se possa também considerar outras habilidades comunicativas em função da especificidade da Língua Inglesa nas condições existentes

13 2 no contexto escolar. Além disso, ainda que seja desejável uma política de pluralismo lingüístico, condições pragmáticas apontam a necessidade de considerar três fatores para a orientar a inclusão da Língua Inglesa no currículo: fatores relativos à história, comunidades locais e à tradição. O contato do inglês com a língua materna nas diferentes culturas gera dificuldades específicas de aprendizagem, oriundas das diferenças de estrutura, vocabulário e pronúncia entre as línguas. O ideal é que a Língua Inglesa seja ensinada com a simulação de situações reais em aula, os caminhos para desenvolver o conhecimento de inglês são traçados diversamente pelos alunos, de acordo com as facilidades e dificuldades que a sua língua materna impõe no curso do processo de aprendizagem. De um modo geral, o que o ensino da Língua Inglesa proporciona é o aumento do conhecimento sobre a linguagem que o aluno construiu, inclusive sobre sua própria língua materna; por meio de comparações com a Língua Inglesa em vários níveis; e a possibilidade de o aluno, ao se envolver nos processos de construir significados nesta língua, se constitua em um ser discursivo no uso da Língua Inglesa; sem, contudo, ser abandonado o senso crítico, o fator fundamental em qualquer relação ensinoaprendizagem. No que compete ao ensino de Língua Inglesa especificamente em escolas da rede pública, a discussão tem sido ampla nos meios acadêmicos e educacionais. Antes, a discussão era em torno da garantia da permanência dessa disciplina no currículo. Com a Nova Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, no entanto, que prevê o ensino de uma Língua Estrangeira, como

14 3 disciplina obrigatória no ensino fundamental a partir da 5ª série. (art. 26, 5).

15 4 1- O PROBLEMA A discriminação da disciplina Língua Inglesa em relação às outras disciplinas do currículo do ensino fundamental e médio é fator preponderante. A própria comunidade escolar não privilegia o ensino de Língua Inglesa, bem como os próprios profissionais da área, pois, muitas vezes, mal preparados, descontextualizam e, o que é pior, subestimam a capacidade de seus alunos, limitando-lhes os conteúdos. Freqüentemente, ouvimos expressões tais como Língua Inglesa não reprova, para que vou estudar Inglês se mal falo Português. E quando se trata de uma comunidade carente então... questionamentos do tipo eu nunca terei chance de viajar para os Estados Unidos ou para qualquer outro país cujo idioma falado é o Inglês, por que vou estudá-lo? Além disso, a carga horária destinada ao ensino de uma Língua Estrangeira é reduzida, raramente ultrapassa dois tempos semanais.

16 5 2- UM DESAFIO CONSTANTE Os professores de Língua Estrangeira, bem como aqueles que lecionam as demais disciplinas do currículo das escolas regulares, vivem dia-a-dia um constante desafio. Seguem enumerados abaixo alguns muito comuns que os docentes ouvem ao entrar na sala-de-aula de escolas regulares, em geral no início do ano letivo, que funcionam como verdadeiros desestimulantes num primeiro momento. Seguem, também, possíveis explicações para tais questionamentos, segundo o Profª Cristina Schumacher (Inglês Urgente! Para Brasileiros, 1999). 2.1 Desculpas dos alunos Não consigo aprender inglês Essa é uma desculpa clássica. Aos que usam essa desculpa e tentam, ou, por causa dela, não tentam aprender inglês, ela funciona como uma auto-sugestão extremamente para que o aluno, de fato, não aprenda. E é disso que o professor precisa convencer o aluno Não tenho talento para aprender inglês. Tem gente que nasce com talento para aprender a tocar violão, estudar matemática, e tem gente que tem jeito para inglês. De fato. E ainda bem que é assim. No mundo existem pessoas com as aptidões mais diversificadas, e isso contribui para que tudo fique mais interessante.

17 6 O aluno pode até não ter jeito para inglês, só que dificilmente não terá jeito para comunicar-se. O que pode bem ser o caso do aluno é a resistência a expor-se a ser continuamente corrigido, porque não colocou o s na terceira pessoa, ou, então, porque fez uma pergunta sem usar o do, etc Não gosto de aprender inglês. Odeio inglês Essa desculpa é grave. É grave porque, na linha de auto-sugestão, é ainda mais poderosa do que não consigo. Ao dizer que não consegue aprender inglês, o aluno está trabalhando com a premissa da incapacidade; ao dizer que não gosta, está aplicando sua vontade para ajudar-lhe na auto-sabotagem. Mas existe uma vantagem aí: a vontade é poderosa. O aluno passará a gostar de aprender inglês quando vir nesse processo um resultado claro, constante e diretamente relacionado com suas necessidades comunicativas. Quanto mais conhecimento da língua inglesa revelar ao aluno possibilidades de expandir seus conhecimentos, de crescer profissionalmente e, sobretudo, quanto mais ela servir para que ele se aproxime das coisas de que sempre gostou, maior será seu reconhecimento a utilidade do inglês em sua vida e, por conseqüência, maior será a vontade de o aluno aprender. Normalmente os alunos que usam essa desculpa para não estudar inglês, passaram pela desculpa do não consigo. Aquela, levada às suas previsíveis e discutidas conseqüências, conduz a esta.

18 Eu tenho que aprender inglês Pura tirania. É usada a expressão ter que toda hora, com referência aos mais diversos compromissos. Usando-a, é esquecida completamente como é a relação com dado compromisso. Ou seja, a obrigação rouba o próprio relacionamento com as coisas: não tem opção, é obrigado. Reconheça: cada vez que o aluno diz que tem que aprender inglês, maior fica a distância entre ele que não providencia a aprendizagem e ele que tem que aprender. A fim de anular essa desculpa, deve-se mostrar ao aluno tirano que ele quer aprender inglês porque quer enriquecer a vida, e não porque ele está mandando Falar inglês é coisa para quem quer se exibir Há uma tradição cultural brasileira de que tudo o que é da Europa ou dos Estados Unidos é melhor. Quando a referência é a escola pública então, essa desculpa é muito mais comum. Imagine um aluno de uma comunidade carente falando suas primeira palavras em inglês? A exibição, o equívoco, são traços do comportamento humano e nada têm a ver com a língua inglesa Não tenho ouvido musical Essa é uma desculpa muito relacionada com a dificuldade de pronunciar. Como mais uma desculpa que não serve, basta pensar que uma língua não é uma música. Se o

19 8 aluno tiver sotaque, isso não será uma falha, mas uma forma de identidade.

20 9 3- MITOS DE PROFESSORES 3.1 Certos alunos não têm mesmo jeito Existem alunos que são verdadeiros desafios. Gente com grande dificuldade, que colocou por terra as boas intenções do corpo docente e o fez desistir, ou quase isso. Realmente, há alunos que têm extrema dificuldade. No entanto, o grande problema a esse respeito é a falta de flexibilidade na expectativa que o professor tem quanto ao desempenho dos seus alunos. Algumas pessoas, fatalmente, não conseguirão ir além de um determinado limite e isso não está certo nem errado. São limites com que qualquer ser humano se depara em sua capacidade se posto prova em outras áreas para as quase não tem jeito. É uma crueldade excluir uma pessoa de um processo porque ela não o acompanha de acordo com a expectativa que o professor traz, empacotada debaixo do braço. Algum padrão comunicativo este aluno, com dificuldades, vai conseguir desenvolver, e o sucesso dele depende muito da flexibilidade dos professores. Por razões de aptidão pessoal e de objetivos de aprendizagem, é preciso, por parte dos professores, realismo nas expectativas de resultados do processo de ensino.

21 Meu inglês é igual ao de um americano (ou inglês) Com a dedicação, a intimidade com a língua e a pronúncia poderão ser impecáveis, mas a identidade cultural irá, mais cedo ou mais tarde, trair esse professor. 3.3 Estudo inglês há anos e já sei o bastante É impossível estar pronto com o conhecimento de uma língua. Evidentemente, quanto mais tempo o professor estiver em contato, mais saberá. A grande verdade, para qualquer língua que seja, é que tudo é muito dinâmico, e que nunca ninguém sabe tudo. Ficar pensando que já se sabe o bastante pode fechar as portas à aprendizagem de coisas novas. O docente monta um pedestal de conhecimento que julga alto, e que sempre é, de fato, muito mais baixo do que pensa. Sei que nada sei (Sócrates, s:d). Não será o professor de inglês, que saberá o que sabe.

22 11 4- UMA DEFICIÊNCIA DO NOSSO SISTEMA EDUCACIONAL Embora proficiência em inglês seja hoje uma necessidade básica na formação do indivíduo, nosso ensino fundamental e médio, tanto na rede pública quanto na rede particular, mostra uma alarmante incapacidade de proporcioná-la. Esta incapacidade está evidentemente demonstrada na grande quantidade de cursos existentes. Aprendemos Português, Matemática, História e Geografia na escola e, raramente, precisamos freqüentar cursos paralelamente para suprir defasagens nessas áreas. Entretanto, para suprirmos a necessidade de proficiência em inglês, temos que investir muito tempo e dinheiro em cursinhos de idiomas, sem, ao menos, ter a garantia de alcançarmos o resultado almejado. Todos sabemos que uma grande parcela dos professores não têm a habilidade com a língua que devem ensinar. Muitos professores não possuem um prérequisito fundamental - a fluência na língua. E, se nos reportarmos ao interior, a situação é bem mais crítica, pois o despreparo é ainda maior. O problema está muitas vezes nos cursos de letras das universidades, pois, priorizam o estudo formal do idioma. Este problema revela uma deficiência do nosso ensino. Os ensinos fundamental e médio continuam atolados numa abordagem quase igual à do início do século, presos no método de tradução e gramática, carentes de professores proficientes no idioma. O Ministério da Educação precisaria rever as

23 12 grades curriculares dos cursos de letras existentes no Brasil.

24 13 5- DIFICULDADES NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA 5.1 Língua Inglesa: elemento descartável do currículo A primeira observação a ser feita é que o ensino da Língua Inglesa (ou de qualquer Língua Estrangeira) não é visto como elemento importante na formação do aluno, como um direito que lhe deve ser assegurado. Ao contrário, freqüentemente, a Língua Inglesa não tem lugar privilegiado no currículo, sendo ministrada, em algumas regiões, em apenas uma ou duas séries do ensino fundamental. Em outras, tem o status de simples atividade, sem caráter de promoção/reprovação. Em alguns estados, ainda, a Língua Inglesa é colocada fora da grade curricular, em Centros de Línguas, fora do horário regular e fora da escola. Fora, portanto, do contexto da educação global do aluno. 5.2 Objetivos mal planejados Quanto aos objetivos, vê-se total falta de clareza. A maioria das propostas prioriza o desenvolvimento da habilidade de compreensão escrita, mas esta opção não parece decorrer de uma análise de necessidades dos alunos, nem de uma concepção explícita da natureza da linguagem e do processo de ensino-aprendizagem de línguas, nem ainda de sua função social. Há contradições entre a opção priorizada e os conteúdos e atividades sugeridos. Essas contradições aparecem também no que diz respeito à abordagem escolhida. A maioria das propostas

25 14 situa-se dentro da abordagem comunicativa do ensino de línguas, mas os exercícios propostos, em geral, exploram de forma behaviorista pontos ou estruturas gramaticais não-contextualizados. Todas as propostas apontam para as circunstâncias difíceis em que se dá o ensino-aprendizagem da Língua Inglesa: falta de materiais adequados, classes excessivamente numerosas, número reduzido de aulas por semana e ausência de ações formativas contínuas junto ao corpo docente. 5.3 Ausência de conhecimento de mundo A ausência de conhecimento de mundo pode apresentar grande dificuldade no engajamento discursivo, principalmente se não dominar o conhecimento sistêmico na interação oral ou escrita na qual estiver envolvido. Por exemplo, a dificuldade para entender a fala de alguém sobre um assunto que desconheça pode ser maior se o aluno de Língua Inglesa tiver problemas com o vocabulário usado e/ou com a sintaxe. Por outro lado, esta dificuldade será diminuída se o assunto já for do conhecimento do aluno. No ensino de Língua Inglesa, este problema de conhecimento de mundo referente ao assunto de que se fale ou sobre o qual se leia ou escreva, pode também ser complicado caso seja culturalmente distante do aluno. Por exemplo, considerem-se as dificuldades que um aluno iniciante brasileiro de Língua Inglesa, pouco familiarizado com a cultura inglesa, enfrentaria para ler um texto em inglês que descrevesse o ritual que envolve uma refeição da Família Real Britânica. Ou um aluno que esteja lendo um texto sobre a vida dos aborígenes no

26 15 passado e no presente (considerando-se que inglês não se fala somente na Inglaterra e nos Estados Unidos). Ao mesmo tempo, é este tipo de conhecimento que pode, com o desenvolvimento da aprendizagem em nível sistêmico, colaborar no aprimoramento conceptual do aluno, ao expô-lo a outras visões do mundo, a outros modos de ver a vida social e política, à possibilidade de reconhecer outras experiências diferentes como válidas.

27 16 6- A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA PARA A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA A aprendizagem da Língua Inglesa em escolas regulares, como contribuição ao processo educacional como um todo, vai muito além da aquisição de um conjunto de habilidades lingüísticas. Leva a uma nova compreensão da linguagem, aumenta a compreensão de como a linguagem funciona e desenvolve maior consciência do funcionamento da própria língua materna. Outro aspecto a ser considerado, do ponto de vista educacional, é a função interdisciplinar que a Língua Inglesa pode desempenhar no currículo. O benefício resultante é mútuo. Os estudo das outras disciplinas, notadamente da História, da Geografia, das Ciências Sociais, da Arte, passa a ter outro significado se em certos momentos forem proporcionadas atividades conjugadas com o ensino da Língua Inglesa. Esta é uma forma de viabilizar na prática de sala de aula a relação entre a Língua Estrangeira e o mundo social, isto é, como fazer uso da linguagem para agir no mundo social. A aprendizagem da Língua Inglesa em escolas regulares não é só um exercício intelectual em aprendizagem de formas e estruturas lingüísticas em um código diferente; é, sim, uma experiência de vida. O papel educacional da Língua Inglesa é importante, desse modo, para o desenvolvimento integral do indivíduo, devendo o ensino ser visto em termos de proporcionar ao aluno essa nova experiência de vida. Experiência que deveria significar uma abertura para o mundo, tanto o

28 17 mundo próximo, fora de si mesmo, quanto o mundo distante, em outras culturas. Assim, contribui-se para a construção e o cultivo, pelo aluno, de uma competência não só no uso de uma Língua Estrangeira, mas também na compreensão de outras culturas.

29 18 7- O ENSINO DA LÍNGUA INGLESA COM CONSCIÊNCIA CRÍTICA O aprendizado de uma segunda língua, aqui em destaque a Língua Inglesa, tem um papel primordial no processo educacional como um todo, conforme anteriormente citado. Ao mesmo tempo, ao desenvolver uma apreciação dos costumes e valores de outras culturas, desenvolvemos a tolerância diante das diferenças de maneira de expressão e de comportamento. Isto significa dizer que respeitamos as outras culturas mas não significa dizer que tenhamos que abandonar nossas raízes para a incorporação de outras idéias, conforme alertam alguns compositores da nossa música popular. "Raspas e restos me interessam..." (Cazuza e Frejat, Menor Abandonado). Cabe aqui recorrer ao conceito de Paulo Freire (...)educação como força libertadora" (Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa, 1996) aplicando-o ao ensino da Língua Inglesa. Uma ou mais Línguas Estrangeiras que concorram para o desenvolvimento individual e nacional podem ser também entendidas como força libertadora tanto em termos culturais quanto profissionais. Poder participar da competição profissional e econômica em termos iguais, tanto interna quanto externamente, faz as pessoas aprenderem a escolher. Mas, para isso, é necessário ter olhos esclarecidos para ver. Isto significa despojar-se de qualquer tipo de falso nacionalismo, pois este pode ser um empecilho para o

30 19 desenvolvimento pleno do cidadão no seu espaço social imediato e no mundo. A aprendizagem da Língua Inglesa aguça a percepção e, ao abrir a porta para o mundo, não só propicia acesso à informação, mas também torna os indivíduos e, conseqüentemente, os países mais bem conhecidos pelo mundo. Essa é uma visão de ensino de Língua Inglesa como uma força libertadora de indivíduos e de países. Também se deve considerar o desenvolvimento de uma consciência crítica sobre a linguagem como parte desta visão lingüística como libertação. A aprendizagem da Língua Inglesa, tendo em vista o seu papel hegemônico nas trocas internacionais, desde que haja consciência crítica deste fato, pode colaborar na formulação de contra-discursos em relação às desigualdades entre países e entre grupos sociais (homens, mulheres, brancos, negros, falantes de línguas hegemônicas e não-hegemônicas, etc.). Assim, os indivíduos passam de meros consumidores passivos de cultura e de conhecimento a criadores ativos: o uso da Língua Inglesa é uma forma de agir no mundo para transformá-lo. A ausência dessa consciência crítica no processo de ensino-aprendizagem de inglês, no entanto, colabora na manutenção do status quo em vez de colaborar em sua transformação. Portanto, a Língua Inglesa nas escolas regulares não tem papel meramente decorativo, no sentido de que possa ser suprimida sem afetar a educação global dos indivíduos. É parte integrante da educação formal, que envolve um complexo processo de reflexão sobre a realidade social, política e econômica, com valor intrínseco importante no processo de capacitação que leva à libertação em face das imposições das forças

31 20 dominantes, ou seja, é parte do processo de construção da cidadania.

32 21 8- PESQUISA DE CAMPO ENTREVISTA COM PROFESSORES E ALUNOS RESULTADOS E ANÁLISES A coleta de dados de campo correspondeu à maior, principal e mais importante etapa deste projeto. A coleta de dados de campo consistiu em entrevistas individuais com professores, conversas informais com alunos e preenchimento de questionários por alunos. No total, foram mais de 10 professores de inglês, e mais de 50 alunos, de escolas públicas e particulares do Rio de Janeiro. Algumas das declarações de alunos e professores estão transcritas em anexo, assim como o modelo do questionário que foi submetido aos alunos. Basicamente, professores e alunos foram indagados a respeito da sua opinião geral sobre as aulas de inglês que ministravam e assistiam, respectivamente. As entrevistas terminaram sempre com as opiniões de professores e alunos sobre o que poderia ser feito para tornar as aulas de inglês mais atrativas para ambos. (Ver declarações e questionário em anexo). A pesquisa comprovou exatamente o que tenho observado ao longo de minha vida no magistério. O ensino da Língua Inglesa não é levado muito a sério. As aulas são voltadas para a compreensão escrita, calcadas numa abordagem quase igual a do início do século, presas ao método de tradução e gramática. Alunos e professores das redes pública e particular foram unânimes quanto aos recursos audiovisuais para o

33 22 ensino de idiomas, pois tornaria as aulas mais interessantes. Também abordaram a questão da prática oral que não é enfatizada. Eles alegaram o grande número de alunos em uma mesma turma, o que reduz a possibilidade de uma participação ativa de todos os alunos e o reduzido número de aulas semanais dedicados ao ensino de inglês, impedindo a realização de uma série de atividades.

34 23 CONCLUSÃO Num mundo globalizado em que vivemos, é incontestável a necessidade do aprendizado de uma língua estrangeira. Diante do poderio dos Estados Unidos, apesar de a Língua Inglesa não ser propriedade dos americanos, ela é a língua atualmente utilizada comercialmente. Para navegar pelo mundo virtual ou físico, saber inglês é preciso. Assim sendo, o professor dessa disciplina, ao contrário de se conformar como sendo um profissional descartado e discriminado, deve encarar os problemas buscando superá-los. Visando alcançar melhores resultados sob o ponto de vista educacional, o corpo docente deve se unir e caminhar rumo à interdisciplinaridade, facilitando o engajamento da disciplina Língua Inglesa com as demais. É indiscutível o papel educacional do ensino da Língua Inglesa em escolas regulares, sobretudo, para o desenvolvimento integral do indivíduo, devendo o ensino ser visto em termos de proporcionar ao aluno essa nova experiência de vida, essa nova visão de mundo; atividades fundamentais no processo de libertação e no processo de formação de verdadeiros cidadãos, levando-os à reflexão sobre a realidade social, política e econômica.

35 24 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALVES, Júlia Falivene. A invasão cultural norteamericana. São Paulo:Moderna, DEMO, Pedro. A nova LDB:ranços e avanços. 13ª ed. São Paulo: Papirus, FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, Educação como prática da liberdade. 25ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, GIMENEZ, T. N., Reis. Formação de professores de inglês: uma avaliação. Boletim do Centro de Letras e Ciências Humanas, Londrina, n. 24, pp , PERRENOUD, Philippe. A pedagogia na escola das diferenças. 2ªed. São Paulo: Artmed, Dez novas competências para ensinar. Porto Alegre: Artmed, SCHUMACHER, Cristina. Inglês urgente! Para brasileiros. Rio de Janeiro:Campus, SILVA, Tomaz Tadeu (org.). Alienígenas na sala de aula. Petrópolis, RJ:Vozes, VASCONCELLOS, C.S. Construção do conhecimento em sala de aula. São Paulo: Libertad, WERNECK, H. Se você finge que ensina, eu finjo que aprendo. Petrópolis:Vozes, 1993.

36 25 REFERÊNCIAS DOCUMENTAIS Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional 9394, de 20 de dezembro de Parâmetros Curriculares Nacionais - Língua Estrangeira. Versão Preliminar para Discussão. Ministério da Educação e do Desporto. Brasília. Outubro/1997.

37 26 ANEXO A- Modelo do questionário submetido a alunos de Inglês A seguir é apresentado o questionário que foi entregue a alunos de inglês de escolas particulares e públicas. 1. O que você acha do ensino de Língua Inglesa que é dado na sua escola? 2. Você gosta da maneira com que o inglês é ensinado na sua escola? Por quê? O que você sugeriria para melhorá-lo? 3. O que você acha que poderia ser mudado para tornar as aulas de inglês mais atrativas e interessantes para os alunos?

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA Fabiane Caron Novaes 1 Roberta Aparecida Diadio 2 Resumo: Considerando as recomendações contidas no referencial teórico dos Parâmetros Curriculares Nacionais

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

1» A revolução educacional e a educação em valores 11

1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Sumário Introdução 9 1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Introdução 12 As causas da revolução educacional 12 O triplo desafio pedagógico 14 Da transmissão à educação 15 O que pretende

Leia mais

MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS

MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS Prof. Dr. Richard Schütz www.sk.com.br Referência: SCHÜTZ, Ricardo. "Motivação e Desmotivação no Aprendizado de Línguas" English Made in Brazil .

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Interação das Escolas do Tocantins

Interação das Escolas do Tocantins SINDICATO DOS PEDAGOGOS DO ESTADO DO TOCANTINS - SINPETO www.sinpeto.com.br Interação das Escolas do Tocantins Palmas 2010. SINDICATO DOS PEDAGOGOS DO ESTADO DO TOCANTINS - SINPETO www.sinpeto.com.br Projeto:

Leia mais

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento A contribuição do interesse e da curiosidade por atividades práticas em ciências, para melhorar a alfabetização de

Leia mais

EXTENSÃO DE ESPANHOL: CONTRIBUIÇÃO NA FORMAÇÃO DOS ALUNOS, DA CIDADE DOS MENINOS

EXTENSÃO DE ESPANHOL: CONTRIBUIÇÃO NA FORMAÇÃO DOS ALUNOS, DA CIDADE DOS MENINOS 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EXTENSÃO DE

Leia mais

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA Luís Armando Gandin Neste breve artigo, trato de defender a importância da construção coletiva de um projeto político-pedagógico nos espaços

Leia mais

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock ABCEducatio entrevista Sílvio Bock Escolher uma profissão é fazer um projeto de futuro A entrada do segundo semestre sempre é marcada por uma grande preocupação para todos os alunos que estão terminando

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA

CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 761 CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA Fabiana Gonçalves Monti 1, Sérgio

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Maribel Manfrim Rohden PUCPR Ana Maria Eyng PUCPR Este trabalho apresenta a reflexão desenvolvida num projeto de

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DOS ESTUDOS SOCIOGEOLINGÜÍSTICOS PARA A ESCOLHA LEXICAL NA RECEPÇÃO E PRODUÇÃO DE TEXTOS ORAIS E ESCRITOS

A CONTRIBUIÇÃO DOS ESTUDOS SOCIOGEOLINGÜÍSTICOS PARA A ESCOLHA LEXICAL NA RECEPÇÃO E PRODUÇÃO DE TEXTOS ORAIS E ESCRITOS A CONTRIBUIÇÃO DOS ESTUDOS SOCIOGEOLINGÜÍSTICOS PARA A ESCOLHA LEXICAL NA RECEPÇÃO E PRODUÇÃO DE TEXTOS ORAIS E ESCRITOS Adriana Cristina Cristianini (USP, UNIBAN) dricris@usp.br Márcia Regina Teixeira

Leia mais

Jardim Helena São Miguel Paulista PROJETO DE REGÊNCIA EM TURMAS DO ENSINO MÉDIO RECUPERAÇÃO PARALELA.

Jardim Helena São Miguel Paulista PROJETO DE REGÊNCIA EM TURMAS DO ENSINO MÉDIO RECUPERAÇÃO PARALELA. De acordo com às determinações constantes do Plano de Estágio Supervisionado, submeto à apreciação de V.Sª o plano de aula que foram desenvolvidas no Estágio de Licenciatura em Matemática no período de

Leia mais

Maria Izabel Rodrigues TOGNATO[2]

Maria Izabel Rodrigues TOGNATO[2] PROFESSOR OU EDUCADOR? CIDADANIA UMA RESPONSABILIDADE SOCIAL NO ENSINO DE LITERATURA E DA PRÁTICA DE ENSINO NA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA Referência: TOGNATO, M.I.R..

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

Indicamos inicialmente os números de cada item do questionário e, em seguida, apresentamos os dados com os comentários dos alunos.

Indicamos inicialmente os números de cada item do questionário e, em seguida, apresentamos os dados com os comentários dos alunos. Os dados e resultados abaixo se referem ao preenchimento do questionário Das Práticas de Ensino na percepção de estudantes de Licenciaturas da UFSJ por dez estudantes do curso de Licenciatura Plena em

Leia mais

PROJETO LÍNGUA DE FORA

PROJETO LÍNGUA DE FORA DESCRIÇÃO PROJETO LÍNGUA DE FORA O, de responsabilidade dos professores da disciplina de estágio supervisionado das línguas espanhola, francesa e inglesa, corresponde a 50 horas de estágio, das 200 horas

Leia mais

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Educação Inclusiva ALUNO(A):Claudia Maria de Barros Fernandes Domingues MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 NÚCLEO REGIONAL: Rio

Leia mais

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA Júlio César Paula Neves Tânia Mayra Lopes de Melo Modalidade: Pôster Sessão Temática 5: Educação e

Leia mais

A LINGUAGEM E A AQUISIÇÃO DO PORTUGUÊS COMO LÍNGUA MATERNA

A LINGUAGEM E A AQUISIÇÃO DO PORTUGUÊS COMO LÍNGUA MATERNA A LINGUAGEM E A AQUISIÇÃO DO PORTUGUÊS COMO LÍNGUA MATERNA Flávia Santos Silva * José Mozart de Góis * Isa Ursole Brito** Luiz José da Silva*** Sergio Luiz Malta de Azevedo**** INTRODUÇÃO Constituindo-se

Leia mais

DIFICULDADES NA APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NA ESCOLA OSVALDO DA COSTA E SILVA: ALGUMAS CAUSAS E POSSÍVESIS SOLUÇÕES

DIFICULDADES NA APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NA ESCOLA OSVALDO DA COSTA E SILVA: ALGUMAS CAUSAS E POSSÍVESIS SOLUÇÕES DIFICULDADES NA APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NA ESCOLA OSVALDO DA COSTA E SILVA: ALGUMAS CAUSAS E POSSÍVESIS SOLUÇÕES Rogério Sousa AZEVEDO (1); Iara M Cavalcante NOLETO (2) (1 e 2) Instituto Federal de

Leia mais

O ENSINO DE FÍSICA NA VISÃO DOS ALUNOS DE UMA TURMA DE 2º ANO DO ENSINO MÉDIO: ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE ABAETETUBA PARÁ.

O ENSINO DE FÍSICA NA VISÃO DOS ALUNOS DE UMA TURMA DE 2º ANO DO ENSINO MÉDIO: ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE ABAETETUBA PARÁ. O ENSINO DE FÍSICA NA VISÃO DOS ALUNOS DE UMA TURMA DE 2º ANO DO ENSINO MÉDIO: ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE ABAETETUBA PARÁ. Alessandra da Costa Marques; Najara Siva; Lúcia Maria Assunção

Leia mais

Redação do Site Inovação Tecnológica - 28/08/2009. Humanos aprimorados versus humanos comuns

Redação do Site Inovação Tecnológica - 28/08/2009. Humanos aprimorados versus humanos comuns VOCÊ ESTÁ PREPARADO PARA CONVIVER COM OS HUMANOS APRIMORADOS? http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=voce-esta-preparado-conviver-humanosaprimorados&id=010850090828 Redação do

Leia mais

ORATÓRIA ATUAL: desmistificando a idéia de arte

ORATÓRIA ATUAL: desmistificando a idéia de arte ORATÓRIA ATUAL: desmistificando a idéia de arte Autora: ADRIJANE ALVES DE AMORIM Introdução Estabelecer objetivamente a medida de um bom orador não é tarefa fácil. Para muitos, falar bem guarda a ideia

Leia mais

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031 COORDENADOR PEDAGÓGICO E SUA IMPORTÂNCIA NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Polyana Marques Lima Rodrigues 1 poly90lima@hotmail.com Willams dos Santos Rodrigues Lima 2 willams.rodrigues@hotmail.com RESUMO

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

GRUPO DISCIPLINAR DE INGLÊS - 330. Critérios de Avaliação. Ano letivo 2015/2016

GRUPO DISCIPLINAR DE INGLÊS - 330. Critérios de Avaliação. Ano letivo 2015/2016 GRUPO DISCIPLINAR DE INGLÊS - 330 Critérios de Avaliação Ano letivo 2015/2016 Em conformidade com os programas e respectivas orientações e processos de operacionalização da disciplina de Inglês procurou-se

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

O ENSINO DE FÍSICA: DA METODOLOGIA DE ENSINO ÀS CONDIÇÕES DE APRENDIZAGEM

O ENSINO DE FÍSICA: DA METODOLOGIA DE ENSINO ÀS CONDIÇÕES DE APRENDIZAGEM O ENSINO DE FÍSICA: DA METODOLOGIA DE ENSINO ÀS CONDIÇÕES DE APRENDIZAGEM José Cícero Santos (UFAL) [cjnego2007@gmail.com] Aldisío Alencar Gomes (UFAL) [aldisioalencar@gmail.com] Ana Paula Perdigão Praxedes

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

Future School Idiomas

Future School Idiomas Future School Idiomas Sumário Quem somos... pag 2 Sobre o curso... pag 3 Sobre a aula... pag 4 Vantagens em se fazer nosso curso on line... pag 5 Objetivo do curso... pag 6 Como entrar na sala de aula...

Leia mais

Linguística Aplicada ao ensino de Língua Portuguesa: a oralidade em sala de aula (Juliana Carvalho) A Linguística Aplicada (LA) nasceu há mais ou menos 60 anos, como uma disciplina voltada para o ensino

Leia mais

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - Sou so profes r a, Posso m a s n ão parar d aguento m e ai ensinar s? d a r a u la s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A

Leia mais

COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO

COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO Por que ler este livro? Você já escutou histórias de pessoas que ganharam muito dinheiro investindo, seja em imóveis ou na Bolsa de Valores? Após ter escutado todas essas

Leia mais

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série).

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série). INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A EJA 1- Você se matriculou em um CURSO DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA). Esse curso tem a equivalência do Ensino Fundamental. As pessoas que estudam na EJA procuram um curso

Leia mais

CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE

CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE INTRODUÇÃO Lucas de Sousa Costa 1 Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará lucascostamba@gmail.com Rigler da Costa Aragão 2

Leia mais

A METODOLOGIA DE.ENSINO-APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA ATRAVÉS DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS: INTERDISCIPLINARIDADE E O USO DA MATEMÁTICA FUNCIONAL.

A METODOLOGIA DE.ENSINO-APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA ATRAVÉS DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS: INTERDISCIPLINARIDADE E O USO DA MATEMÁTICA FUNCIONAL. A METODOLOGIA DE.ENSINO-APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA ATRAVÉS DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS: INTERDISCIPLINARIDADE E O USO DA MATEMÁTICA FUNCIONAL. Wagner José Bolzan 1. Resumo Em minha dissertação de mestrado

Leia mais

MÓDULO 5 O SENSO COMUM

MÓDULO 5 O SENSO COMUM MÓDULO 5 O SENSO COMUM Uma das principais metas de alguém que quer escrever boas redações é fugir do senso comum. Basicamente, o senso comum é um julgamento feito com base em ideias simples, ingênuas e,

Leia mais

Profª Drª Jorgeta Zogheib Milanezi DIDÁTICA DO ENSINO O DOMÍNIO DE UMA PROFISSÃO NÃO EXCLUI O SEU APERFEIÇOAMENTO .. AO CONTTRÁRIO, SERÁ MESTRE QUEM

Profª Drª Jorgeta Zogheib Milanezi DIDÁTICA DO ENSINO O DOMÍNIO DE UMA PROFISSÃO NÃO EXCLUI O SEU APERFEIÇOAMENTO .. AO CONTTRÁRIO, SERÁ MESTRE QUEM Profª Drª Jorgeta Zogheib Milanezi DIDÁTICA DO ENSINO O DOMÍNIO DE UMA PROFISSÃO NÃO EXCLUI O SEU APERFEIÇOAMENTO.. AO CONTTRÁRIO, SERÁ MESTRE QUEM CONTINUAR APRENDENDO.. Piere Furter AVALIAR PARA CONHECER

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

SEÇÃO ENTREVISTA A INICIAÇÃO CIENTÍFICA E A PUBLICAÇÃO NA GRADUAÇÃO COMO MEIOS DE QUALIDADE NA FORMAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR JOSÉ ROBERTO RUS PEREZ

SEÇÃO ENTREVISTA A INICIAÇÃO CIENTÍFICA E A PUBLICAÇÃO NA GRADUAÇÃO COMO MEIOS DE QUALIDADE NA FORMAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR JOSÉ ROBERTO RUS PEREZ Revista Eventos Pedagógicos v.5, n.4 (13. ed.), número regular, p. 115-121, nov./dez. 2014 SEÇÃO ENTREVISTA A INICIAÇÃO CIENTÍFICA E A PUBLICAÇÃO NA GRADUAÇÃO COMO MEIOS DE QUALIDADE NA FORMAÇÃO DE ENSINO

Leia mais

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Entrevista com Ricardo de Paiva e Souza. Por Flávia Gomes. 2 Flávia Gomes Você acha importante o uso de meios de comunicação na escola? RICARDO

Leia mais

PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO

PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO ISSN 2316-7785 PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO RESUMO Karen Rodrigues Copello Universidade Federal de Santa Maria karen_keruso@hotmail.com Debora Silvana Soares Universidade

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 4CCHSADCSAMT04 A MONITORIA COMO SUBSÍDIO AO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM: O CASO DA DISCIPLINA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA NO CCHSA-UFPB Moisés de Assis Alves Soares (1) ; Kadidja Ferreira Santos (3) ;

Leia mais

DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA

DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA 27 a 30 de Agosto de 2014. DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo: MACHADO, Diana dos Santos 1 Ifes - Campus Cachoeiro de Itapemirim

Leia mais

O JOGO CONTRIBUINDO DE FORMA LÚDICA NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA

O JOGO CONTRIBUINDO DE FORMA LÚDICA NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA O JOGO CONTRIBUINDO DE FORMA LÚDICA NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA Denise Ritter Instituto Federal Farroupilha Campus Júlio de Castilhos deniseritter10@gmail.com Renata da Silva Dessbesel Instituto

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE Bruna Cardoso Cruz 1 RESUMO: O presente trabalho procura conhecer o desempenho profissional dos professores da faculdade

Leia mais

PEDAGOGIA ENADE 2005 PADRÃO DE RESPOSTAS - QUESTÕES DISCURSIVAS COMPONENTE ESPECÍFICO

PEDAGOGIA ENADE 2005 PADRÃO DE RESPOSTAS - QUESTÕES DISCURSIVAS COMPONENTE ESPECÍFICO PEDAGOGIA ENADE 2005 PADRÃO DE RESPOSTAS - QUESTÕES DISCURSIVAS COMPONENTE ESPECÍFICO QUESTÃO 4 a) O conteúdo do diálogo a ser completado deve manifestar que as colocações da aluna não constituem aquilo

Leia mais

24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano

24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano 24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano Mariana Tavares Colégio Camões, Rio Tinto João Pedro da Ponte Departamento de Educação e Centro de Investigação em Educação Faculdade de Ciências

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

A TEORIA E A PRÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: O LIMITE DO POSSÍVEL

A TEORIA E A PRÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: O LIMITE DO POSSÍVEL V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 A TEORIA E A PRÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: O LIMITE DO POSSÍVEL Celeida Belchior Cintra Pinto 1 ; Maria Eleusa Montenegro

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores VIVENCIANDO A PRÁTICA ESCOLAR DE MATEMÁTICA NA EJA Larissa De Jesus Cabral, Ana Paula Perovano

Leia mais

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA LYSNE NÔZENIR DE LIMA LIRA, 1 HSTÉFFANY PEREIRA MUNIZ 2 1. Introdução Este trabalho foi criado a partir da experiência

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG

A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG Autor: Gefferson Luiz dos Santos Orientadora: Angela Marta Pereira das Dores Savioli Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Respostas dos alunos para perguntas do Ciclo de Debates

Respostas dos alunos para perguntas do Ciclo de Debates Respostas dos alunos para perguntas do Ciclo de Debates 1º ano do Ensino Fundamental I O que você gosta de fazer junto com a sua mã e? - Dançar e jogar um jogo de tabuleiro. - Eu gosto de jogar futebol

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA.

FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA. FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA. Rosângela de Fátima Cavalcante França* Universidade Federal de Mato Grosso do Sul RESUMO Este texto apresenta de forma resumida

Leia mais

Os 3 Passos da Fluência - Prático e Fácil!

Os 3 Passos da Fluência - Prático e Fácil! Os 3 Passos da Fluência - Prático e Fácil! Implemente esses 3 passos para obter resultados fantásticos no Inglês! The Meridian, 4 Copthall House, Station Square, Coventry, Este material pode ser redistribuído,

Leia mais

AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE ARTE

AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE ARTE AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE ARTE Juliana Stedille 1 Richelly de Macedo Ramos 2 Edi Jussara Candido Lorensatti 3 Resumo Este artigo busca verificar quais os procedimentos adotados por professores da disciplina

Leia mais

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas.

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SANTOS, Silvana Salviano silvanasalviano@hotmail.com UNEMAT Campus de Juara JESUS, Lori Hack de lorihj@hotmail.com UNEMAT

Leia mais

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Nicia Cristina Rocha Riccio nicia@ufba.br Introdução Com o advento das tecnologias de informação e comunicação (TICs) a Educação a Distância (EAD) ganha

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PARA O ENSINO DE ESPANHOL: EDUCAÇÃO BÁSICA E O CLIC/UFS.

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PARA O ENSINO DE ESPANHOL: EDUCAÇÃO BÁSICA E O CLIC/UFS. PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PARA O ENSINO DE ESPANHOL: EDUCAÇÃO BÁSICA E O CLIC/UFS. Maria da Conceição da Cruz (PIBIX/PIBID-UFS) marynni@hotmail.com Tayane dos Santos (PIBIX -UFS) tayaneyat@gmail.com Resumo:

Leia mais

Como transformar a sua empresa numa organização que aprende

Como transformar a sua empresa numa organização que aprende Como transformar a sua empresa numa organização que aprende É muito interessante quando se fala hoje com profissionais de Recursos Humanos sobre organizações que aprendem. Todos querem trabalhar em organizações

Leia mais

Formação e Gestão em Processos Educativos. Josiane da Silveira dos Santos 1 Ricardo Luiz de Bittencourt 2

Formação e Gestão em Processos Educativos. Josiane da Silveira dos Santos 1 Ricardo Luiz de Bittencourt 2 1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE PEDAGOGIA NA MODALIDADE EAD E A FORMAÇÃO COMPLEMENTAR NO CURSO DE MAGISTÉRIO PRESENCIAL: AS PERCEPÇÕES DOS ESTUDANTES Formação e Gestão em Processos Educativos Josiane

Leia mais

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE Mesmo não acreditando na Educação Criativa, o professor pode fazer uma experiência para ver o resultado. É o caso da professora deste relato. Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br

Leia mais

Tudo o que você precisa saber para ter filhos éticos, inteligentes, felizes e de sucesso

Tudo o que você precisa saber para ter filhos éticos, inteligentes, felizes e de sucesso Tudo o que você precisa saber para ter filhos éticos, inteligentes, felizes e de sucesso SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 15 2. COMUNICAÇÃO E DIÁLOGO ENTRE PAIS E FILHOS 23 2.1 O problema da comunicação entre pais

Leia mais

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES Poliana de Brito Morais ¹ Francisco de Assis Lucena² Resumo: O presente trabalho visa relatar as experiências

Leia mais

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS Daiana Rodrigues dos Santos Prado¹; Francine de Paulo Martins² Estudante do Curso de Pedagogia; e-mail:

Leia mais

Inglesar.com.br. asasasadsddsçlf

Inglesar.com.br. asasasadsddsçlf 1 Sumário Introdução...04 Passo 1...04 Passo 2...05 Passo 3...05 É possível Aprender Inglês Rápido?...07 O Sonho da Fórmula Mágica...07 Como Posso Aprender Inglês Rápido?...09 Porque isto Acontece?...11

Leia mais

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA Antonio Carlos Pavão Quero saber quantas estrelas tem no céu Quero saber quantos peixes tem no mar Quero saber quantos raios tem o sol... (Da canção de João da Guabiraba

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual

OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual Tuane Telles Rodrigues 1 Letícia Ramires Corrêa 2 Resumo: Durante nossa vida acadêmica estamos em constante aperfeiçoamento,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO PARA O TRABALHO

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO PARA O TRABALHO A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO PARA O TRABALHO A educação é um dos pilares da sociedade e no nosso emprego não é diferente. Um povo culto está mais preparado para criar, planejar e executar os projetos para

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e Tecnologias para a Educação Básica Coordenação Geral de Materiais Didáticos PARA NÃO ESQUECER:

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Curso: Pedagogia Carga Horária: 36h Ano: 2011 Professor: José Paulo de Assis Rocha Plano de Ensino Disciplina: Arte e Educação Período: 1º ano Turno: noturno

Leia mais

A Educação Musical em atividades interdisciplinares: um relato de experiência em uma oficina 1

A Educação Musical em atividades interdisciplinares: um relato de experiência em uma oficina 1 A Educação Musical em atividades interdisciplinares: um relato de experiência em uma oficina 1 Fernanda de Assis Oliveira 2 Universidade Federal do Rio Grande do Sul UFRGS Resumo: Este relato descreve

Leia mais

5- Cite, em ordem de preferência, três profissões que você mais gostaria de exercer: 1º 2º 3º

5- Cite, em ordem de preferência, três profissões que você mais gostaria de exercer: 1º 2º 3º 18. DICAS PARA A PRÁTICA Orientação para o trabalho A- Conhecimento de si mesmo Sugestão: Informativo de Orientação Vocacional Aluno Prezado Aluno O objetivo deste questionário é levantar informações para

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID RELATÓRIO DE ATIVIDADES DO ALUNO BOLSISTA SUBPROJETO DE 2011. 2 Semestre de 2011

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID RELATÓRIO DE ATIVIDADES DO ALUNO BOLSISTA SUBPROJETO DE 2011. 2 Semestre de 2011 Ministério da Educação Secretaria de Educação Média e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE

Leia mais

PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA

PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA Adriana Zanela Nunes (UFRJ) zannelli@bol.com.br, zannelli@ig.com.br zannelli@ibest.com.br

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1 OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1. Introdução: Compreendendo que a Educação Infantil é uma etapa

Leia mais

Construindo o Conteúdo da Liderança. José Renato S. Santiago Jr.

Construindo o Conteúdo da Liderança. José Renato S. Santiago Jr. Construindo o Conteúdo da Liderança José Renato S. Santiago Jr. Gestão Estratégica de RH Módulo 1: Alinhando Gestão de Pessoas com a Estratégia da Empresa Módulo 2: Compreendendo e Dinamizando a Cultura

Leia mais

BLOG COMO FERRAMENTA DE ENSINO. Palavras chaves:educação Matemática,Tecnologia, ensino-aprendizagem

BLOG COMO FERRAMENTA DE ENSINO. Palavras chaves:educação Matemática,Tecnologia, ensino-aprendizagem Desenvolvendo o Pensamento Matemático em Diversos Espaços Educativos 27 a 29 de Novembro UEPB Campina Grande, Paraíba. 2014 BLOG COMO FERRAMENTA DE ENSINO Tecnologias da Informação e Comunicação e Educação

Leia mais

RAZÕES QUE DESMOTIVAM E MOTIVAM NA APRENDIZAGEM EM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE PELOTAS

RAZÕES QUE DESMOTIVAM E MOTIVAM NA APRENDIZAGEM EM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE PELOTAS RAZÕES QUE DESMOTIVAM E MOTIVAM NA APRENDIZAGEM EM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE PELOTAS Roberta A. dos Santos 1* (IC), Karen.L. Cruz 1 (IC) Verno Krüger 2 (PQ) beta x@hotmail.com 1-

Leia mais

ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO

ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO José da Silva de Lima¹; José Rodolfo Neves da Silva²; Renally Gonçalves da Silva³; Alessandro Frederico da Silveira

Leia mais

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade Organizando Voluntariado na Escola Aula 2 Liderança e Comunidade Objetivos 1 Entender o que é liderança. 2 Conhecer quais as características de um líder. 3 Compreender os conceitos de comunidade. 4 Aprender

Leia mais