Escola básica 2,3 ciclos da Alembrança. Os bombeiros. Ano lectivo 2008/09. Disciplina: Área de projecto. Professor: Hélder Baião

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Escola básica 2,3 ciclos da Alembrança. Os bombeiros. Ano lectivo 2008/09. Disciplina: Área de projecto. Professor: Hélder Baião"

Transcrição

1 Escola básica 2,3 ciclos da Alembrança Os bombeiros Ano lectivo 2008/09 Disciplina: Área de projecto Professor: Hélder Baião Trabalho realizado por: - António Rodrigues nº4 - Jorge Moreira nº13 - Miguel Casaca nº17 - Miguel Fortes nº27

2 Introdução Neste trabalho vamos falar dos bombeiros, também conhecidos por soldados da paz. Os bombeiros estão sempre activos durante a nossa vida, apesar de combaterem fogos, prestam muitos outros serviços à comunidade, como por exemplo tratam de inundações, terramotos, queda de árvores, entre muitas outras catástrofes. Estão divididos por áreas de actuação nas quais tem de ajudar as outras pessoas, combate a incêndios nas cidades, florestas, transporte hospitalar, resgate aquático e entre outros. Nessas alturas até os próprios bombeiros estão em constante risco de morte pois até com os fatos de protecção tornase arriscado ter esse trabalho. 2

3 Índice Introdução pág. 2 Os bombeiros pág. 4 Formação de bombeiros pág. 4 Carreira do bombeiro pág.6 História dos bombeiros pág.8 Material de apoio aos bombeiros pág.9 Material individual pág.13 Áreas de actuação pág.15 Bombeiros da nossa zona pág.16 Risco de incêndio em Portugal pág.17 Conclusão pag.18 Bibliografia pág.19 3

4 Formação Os bombeiros Todos bombeiros antes de iniciarem o seu trabalho têm que realizar uma formação. Em que consiste em: Dinamização do ensino/aprendizagem em articulação com os corpos de bombeiros; Valorização de práticas educativas e de investigação aplicada; Formação de profissionais qualificados para prestação de serviços de qualidade à comunidade; Relação dinâmica com o meio envolvente; Fig.1 Formação de bombeiros no combate ás chamas Cooperação com entidades nacionais e estrangeiras em actividades de interesse comum Afirmar-se como entidade formadora dos bombeiros, e demais agentes de protecção civil; Promoção do ensino / aprendizagem Cursos de Formação: FORMAÇÃO BÁSICA: Salvamento e Desencarceramento Tripulante de Ambulância de Transporte FORMAÇÃO ESPECIFICA: Tripulante de Ambulância de Socorro Condução de Veículos Todo-o-terreno Nadadores Salvadores Tripulante de Ambulância de Socorro Condutor de Embarcação de Socorro Operador de Central de Telecomunicações 4

5 Equipa de Combate a Fogos Florestais Chefe de Equipa de Combate a Fogos Florestais Chefe de Brigada Helitransportada Chefe de Grupo de Combate a Incêndios Florestais Grupo Nacional de Fogo Táctico chefe de Equipa de Salvamento e Desencarceramento Laboratório Móvel de Fogo Combate a Incêndio Estruturais Salvamento em Grande Ângulo / Montanha Carreira do bombeiro: Nos municípios podem existir os seguintes corpos de bombeiros: Bombeiros Profissionais ou sapadores Mistos Voluntários Privados Os corpos de bombeiros profissionais (chamados sapadores) dependem directamente de uma câmara municipal e integram apenas profissionais. Os corpos de bombeiros mistos dependem de uma câmara municipal ou de uma associação humanitária de bombeiros e são constituídos por bombeiros profissionais e por bombeiros voluntários. Os corpos de bombeiros voluntários pertencem a uma associação humanitária de bombeiros, são constituídos por bombeiros voluntários, podendo ter uma unidade profissional mínima. O ingresso na carreira de bombeiro voluntário é feito na categoria de bombeiro de 3.ª. São aceites pessoas com idades compreendidas entre os 18 e os 35 anos, após aproveitamento em estágio.o acesso às restantes categorias da carreira de bombeiro voluntário requer a prestação de provas e, concurso. O limite de idade de permanência na carreira de bombeiro voluntário é de 65 anos. Os corpos privativos de bombeiros pertencem a uma pessoa colectiva privada que, devido à sua actividade sua actividade necessita manter um corpo profissional de bombeiros para auto protecção. 5

6 Exemplos de bombeiros privados: Bombeiros Profissionais Civis As grandes empresas industriais, portuárias, aeroportuárias e florestais têm normalmente corpos privativos de bombeiros, vocacionados para a actuação especializada no seu ramo de actividade exemplos disso são: ANA Aeroportos Auto Europa EFACEC Aveiro EFACEC Porto Hotel Meridien Lisboa Hotel Meridien Porto Nestlé OGMA Petrogal Portucel Cacia Portucel Setúbal Quimiparque Riopele Robinson Saint Clair Salvador Caetano Aveiro Salvador Caetano Porto TAP Vista Alegre A carreira de bombeiro é composta pelas categorias: Estagiário; Bombeiro de 3.ª; Bombeiro de 2.ª; Bombeiro de 1.ª; Subchefe; Chefe. A carreira de oficial bombeiro é composta pelas categorias: Estagiário; Oficial bombeiro de 2.ª; Oficial bombeiro de 1.ª; Oficial bombeiro principal; Oficial bombeiro superior. 6

7 A lei determina que haja instrução para todos os elementos das carreiras de oficial bombeiro e bombeiro, para que progridam na respectiva carreira e ainda instrução contínua. Esta formação contínua tem como objectivo o treino e o saber-fazer, através do aperfeiçoamento permanente do pessoal do corpo de bombeiros. Existem cursos profissionais de bombeiro que conferem certificação. Existe uma instrução inicial, destinada a habilitar os cadetes e estagiários para o ingresso na carreira de bombeiros. Existe também instrução inicial para os estagiários que queiram seguir a carreira de oficial bombeiro. O ingresso na carreira de oficial bombeiro é feito na categoria de oficial bombeiro de 2.ª, tendo antes obtido aproveitamento em estágio. Os candidatos devem estar habilitados com bacharelato ou licenciatura adequados, de acordo com a legislação publicada em Junho de Para aceder às categorias da carreira de oficial bombeiro os candidatos devem ter, pelos menos, três anos de serviço, com a classificação de Muito Bom ou de cinco anos de serviço com a classificação de Bom na categoria anterior. Fig.2 Grande incêndio 7

8 História dos bombeiros Quando começaram a existir grandes incêndios, o ser Humano teve de desenvolver uma instituição/associação que combate-se esses flagelos. D. João I, através da Carta Régia de 23 de Agosto de 1395, tomou a primeira iniciativa em promulgar a organização do primeiro Serviço de Incêndios de Lisboa, ordenando que em caso que se algum fogo levantase, o que Deus não queria, que todos os carpinteiros e calafates venham àquele lugar, cada um com seu machado, para haverem de atalhar o dito fogo. E que outros sim todas as mulheres que ao dito fogo acudam, tragam cada uma seu cântaro ou pote para acarretar água para apagar o dito fogo. Estabelecia também que os pregoeiros da cidade saíssem de noite pela ruas, a avisar, em voz alta, os moradores, de que deveriam tomar cuidado com o lume em suas casas. Esta preocupação de organização começou a generalizar-se por todo o País, tendo decidido a Câmara do Porto, eleger diversos cidadãos para fiscalizar se os restantes moradores da cidade apagavam o lume das cozinhas à hora indicada pelo sino da noite. Mas só no Reinado de D. João IV, introduziu-se o sistema já utilizado em Paris, as indemnizações para as pessoas afectadas pelos fogos ou outras catástrofes. D. João IV, contribui e muito para o desenvolvimento dos bombeiros em Portugal, equipando-os com diversos materiais. D. João I ( ) 8

9 Veículos: Material de apoio aos bombeiros Veículo Ligeiro de Combate a Incêndios Veículo Florestal de Combate a Incêndios Veículo Rural de Combate a Incêndios Veículo Urbano de Combate a Incêndios Veículo Especial de Combate a Incêndios Veículo Tanque Táctico Urbano 9

10 Veículo Tanque Táctico Rural Veículo Tanque Táctico Florestal Veículo Tanque Grande Capacidade Veículo com Equipamento Técnico de Apoio Veículo de Apoio Alimentar Veículo de Apoio a Mergulhadores Veículo com Escada Giratória 10

11 Veículo com Plataforma Giratória Veículo de Socorro e Assistência Táctico Veículo de Socorro e Assistência Especial Veículo de Protecção Multiriscos Especial Veículo de Comando Táctico Veículo de Comando e Comunicações Veículo de Transporte de Pessoal Táctico 11

12 Veículo de Transporte de Pessoal Geral Veículos para Operações Específicas Veículo de Socorro e Assistência Médica Ambulância de Socorro Ambulância de Cuidados Intensivos Ambulância de Transporte de Doentes Ambulância de Transporte Múltiplo 12

13 Material individual: Capacete Óculos de Protecção Calças e camisa Capa Luvas Cintos 13

14 Bota para bombeiro Áreas de Actuação Apesar de terem sido inicialmente constituídos com a função de combate a incêndios, as funções dos bombeiros alargaram-se para quase todas as áreas da protecção civil. Conforme o país e o corpo de bombeiros, as várias áreas de intervenção dos bombeiros são: Combate a incêndios florestais; Combate a incêndios urbanos; Combate a incêndios industriais; Resgate em grande ângulo; Emergência médica pré-hospitalar; Salvamento aquático; Desencarceramento em acidentes rodoviários e ferroviários; Intervenção em incidentes eléctricos; Intervenção em incidentes hidráulicos; Intervenção em incidentes com matérias perigosas; Intervenção em incidentes com redes de gás. 14

15 Bombeiros na nossa zona Bombeiros Voluntários de Cacilhas Bombeiros Voluntários do Seixal Bombeiros Voluntários de Setúbal Bombeiros Voluntários da Moita Bombeiros Voluntários da Trafaria 15

16 Bombeiros Voluntários de Almada Bombeiros Voluntários do Barreiro 16

17 Risco de incêndio em Portugal 17

18 Conclusão Fizemos este trabalho porque achamos importante chamar a atenção das pessoas o trabalho que os bombeiros têm feito pela sociedade. Neste trabalho tivemos algumas dificuldades, como por exemplo a escolha de informações para a realização do trabalho e também a coordenação do grupo. Com o trabalho ficamos a aprender algo mais sobre a vida dos bombeiros e as suas dificuldades no dia-a-dia. Nunca lhes seremos suficientemente gratos estátua de Almada, tributo aos bombeiros 18

19 Bibliografia pt.wikipedia.org/wiki/bombeiro Portugueses 19

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO Página 1 de 1 Oferta formativa 1. Escola Nacional de Bombeiros O Regulamento dos Cursos de Formação do Bombeiro, é o normativo legal que regulamenta os cursos de formação dos elementos do Quadro de Comando

Leia mais

PARTE C MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA. 7670-(8) Diário da República, 2.ª série N.º 56 20 de março de 2014. Autoridade Nacional de Proteção Civil

PARTE C MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA. 7670-(8) Diário da República, 2.ª série N.º 56 20 de março de 2014. Autoridade Nacional de Proteção Civil 7670-(8) Diário da República, 2.ª série N.º 56 20 de março de 2014 PARTE C MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA Autoridade Nacional de Proteção Civil Despacho n.º 4205-A/2014 Regulamento dos Cursos de Formação,

Leia mais

LISTA DE BENEFÍCIOS. Desconto na contratação de viagens desde que requisitadas através da LBP. AINDA NÃO DISPONÍVEL. AGUARDAR INFORMAÇÃO.

LISTA DE BENEFÍCIOS. Desconto na contratação de viagens desde que requisitadas através da LBP. AINDA NÃO DISPONÍVEL. AGUARDAR INFORMAÇÃO. LIGA DOS BOMBEIROS PORTUGUESES LISTA DE BENEFÍCIOS 1- FARDAMENTO E EQUIPAMENTO (ANEXO A) Desconto de 10% na aquisição, a pronto pagamento ou à cobrança, de todas as peças regulamentares de fardamento à

Leia mais

Desconto nas visitas às Grutas de Mira D Aire para os aderentes da Juvebombeiro mediante a apresentação do respectivo cartão.

Desconto nas visitas às Grutas de Mira D Aire para os aderentes da Juvebombeiro mediante a apresentação do respectivo cartão. LISTA DE BENEFÍCIOS 1- FARDAMENTO E EQUIPAMENTO (ANEXO A) Desconto de 10% na aquisição, a pronto pagamento ou à cobrança, de todas as peças regulamentares de fardamento à venda no Núcleo de Fardamentos

Leia mais

Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS)

Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS) Anteprojecto de decreto-lei Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS) As acções de protecção civil integram, obrigatoriamente, agentes e serviços que advêm de organismos do Estado,

Leia mais

Sempre que ligar o 112 colabore com o operador de modo a deixar claro os três Pontos Seguintes:

Sempre que ligar o 112 colabore com o operador de modo a deixar claro os três Pontos Seguintes: 2ª Edição - 2º Trimestre de 2014 AHBVLAGOS Mensagem da Direcção AHBVLagos Tendo sido bem recebida a 1º edição da news letter do 1º. Trimestre de 2014, decidimos continuar com esta forma de informação aos

Leia mais

Fernanda Alturas Directora do Centro RVCC da ENB

Fernanda Alturas Directora do Centro RVCC da ENB PROJECTO FSE: Cursos Educação e Formação de Adultos; Formação Contínua e Centro de Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências (Escola Nacional de Bombeiros) APOIO FSE ATRAVÉS DO: Programa

Leia mais

Índice geral. Apresentação. Prólogo à 2.ª edição. Sumário. Siglas. Agradecimentos. 1. Introdução. 2. O risco de incêndio

Índice geral. Apresentação. Prólogo à 2.ª edição. Sumário. Siglas. Agradecimentos. 1. Introdução. 2. O risco de incêndio Índice geral 3 Prólogo à 2.ª edição 5 Sumário 7 Siglas 9 Agradecimentos 11 1. Introdução 13 Tipificação dos incêndios... Causas de incêndio... Consequências dos incêndios... 2.3.1. Considerações gerais...

Leia mais

www.prociv.pt 26JUN2015 V Jornadas NOVOS PARADIGMAS DA PROTEÇÃO CIVIL cdos.porto@prociv.pt AGENDA 4. Síntese histórica do Voluntariado;

www.prociv.pt 26JUN2015 V Jornadas NOVOS PARADIGMAS DA PROTEÇÃO CIVIL cdos.porto@prociv.pt AGENDA 4. Síntese histórica do Voluntariado; Voluntariado e Protecção Civil www.prociv.pt 26JUN2015 V Jornadas NOVOS PARADIGMAS DA PROTEÇÃO CIVIL cdos.porto@prociv.pt 1 AGENDA 1.Enquadramento Legal; 2. Responsabilidades; 3. O Voluntariado; 4. Síntese

Leia mais

ANEXO 7 FORMAÇÃO PROFISSIONAL

ANEXO 7 FORMAÇÃO PROFISSIONAL ANEXO 7 FORMAÇÃO PROFISSIONAL A profissionalização dos membros da Organização, enquanto factor determinante da sua eficácia na prevenção e no combate aos incêndios florestais, requer a criação de um programa

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ELVAS

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ELVAS PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ELVAS ELABORADO POR: SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL DO MUNICÍPIO DE ELVAS PMEPC DE ELVAS Parte I ENQUADRAMENTO GERAL ÍNDICE Parte I ENQUADRAMENTO

Leia mais

Curso de Formação de Elementos do Quadro de Comando e de Ingresso na Carreira de Oficial Bombeiro Estrutura modular

Curso de Formação de Elementos do Quadro de Comando e de Ingresso na Carreira de Oficial Bombeiro Estrutura modular Curso de Formação de Elementos do Quadro de Comando e de Ingresso na Carreira de Oficial Bombeiro Estrutura modular Módulo Organização Jurídica Administrativa e Operacional (QC801) Unidades de Formação

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ALVAIÁZERE

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ALVAIÁZERE PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ALVAIÁZERE PARTE II Índice 1. CONCEITO DE ACTUAÇÃO...3 1.1. COMISSÕES DE PROTECÇÃO CIVIL...3 1.1.1 Missão...3 1.1.2 Competências da Comissão Municipal

Leia mais

RELATÓRIO HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO

RELATÓRIO HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO RELATÓRIO HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO Florência Loureiro Setembro de 09 Pág. 1 de 11 INDICE 1 -Introdução. 2.-Caracterização do Municipio de Mondim de Basto 3.-Caracterização dos Empreendimentos 3.1-Princípios

Leia mais

Uma Questão de Atitude...

Uma Questão de Atitude... Uma Questão de Atitude... Catálogo de Formação 2014 1 Introdução 3 Soluções de Formação 3 Áreas de Formação 4 Desenvolvimento Pessoal 5 Comercial 12 Secretariado e Trabalho Administrativo 15 Indústrias

Leia mais

Situações de emergência de incêndio na FEUP

Situações de emergência de incêndio na FEUP RELATÓRIO Situações de emergência de incêndio na FEUP MIEEC - ELE305 Hugo Ribeiro (090503141) Jorge Corujas (090503045) Mafalda Machado (090503057) Ricardo Coelho (090503084) Sérgio Moreira (090503125)

Leia mais

ESCOLA NACIONAL DE BOMBEIROS (Centro de Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências)

ESCOLA NACIONAL DE BOMBEIROS (Centro de Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências) ESCOLA NACIONAL DE BOMBEIROS (Centro de Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências) APOIO DO FUNDO SOCIAL EUROPEU: Através do Programa Operacional Educação (PRODEP III) Objectivos: Reduzir

Leia mais

2. MISSÃO COMUM A TODAS AS ENTIDADES E ORGANISMOS DE APOIO IMPLANTADOS NO CONCELHO DE SINES

2. MISSÃO COMUM A TODAS AS ENTIDADES E ORGANISMOS DE APOIO IMPLANTADOS NO CONCELHO DE SINES 2. MISSÃO COMUM A TODAS AS ENTIDADES E ORGANISMOS DE APOIO IMPLANTADOS NO CONCELHO DE SINES Colaboram com o SMPC ou o CMOEPC (se estiver activado) na actualização do inventário dos seus meios e recursos.

Leia mais

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002)

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002) TÍTULO: Planos de Emergência na Indústria AUTORIA: Factor Segurança, Lda PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002) 1. INTRODUÇÃO O Plano de Emergência

Leia mais

CTT Correios de Portugal Frota Postal e Prevenção Rodoviária José Guilherme

CTT Correios de Portugal Frota Postal e Prevenção Rodoviária José Guilherme CTT Correios de Portugal Frota Postal e Prevenção Rodoviária José Guilherme IV Congresso Rodoviário Português Estoril, 5 a 7 de Abril de 2006 Apresentação 6 Novembro 1520 Carta Régia D. Manuel I (Ofício

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE CAMPO MAIOR

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE CAMPO MAIOR PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE CAMPO MAIOR ÍNDICE ÍNDICE... 2 ÍNDICE DE FIGURAS... 5 ÍNDICE DE QUADROS... 7 PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO... 8 1 INTRODUÇÃO... 8 2 ÂMBITO DE

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO. N. o 87 13 de Abril de 2002 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A 3675

MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO. N. o 87 13 de Abril de 2002 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A 3675 N. o 87 13 de Abril de 2002 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A 3675 anexo II da Directiva n. o 92/61/CEE, secção A, nos pontos: 0.1 Marca:... 0.2 Tipo (especificar as eventuais variantes e versões: cada variante

Leia mais

BREVE REFERÊNCIA À LEI N.º 32/2007, DE 13 DE AGOSTO E AOS ESTATUTOS DA CONSULENTE

BREVE REFERÊNCIA À LEI N.º 32/2007, DE 13 DE AGOSTO E AOS ESTATUTOS DA CONSULENTE FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 9º Entidade sem fins lucrativos e de utilidade pública Processo: nº 2155, despacho do SDG dos Impostos, substituto legal do Director - Geral, em 2011-06-28.

Leia mais

D I R E C Ç Ã O D E I N S T R U Ç Ã O

D I R E C Ç Ã O D E I N S T R U Ç Ã O PROVA DE AVALIAÇÃO TÉCNICO- MILITAR (PARTE ESPECÍFICA) Operadores de Sistemas de assistência e Socorros OPSAS ESTRUTURA DA PROVA Disciplina Organização e Sistemas de Comando e Controlo Segurança e Higiene

Leia mais

ANA Aeroportos de Portugal Aeroportos e Ruído: Uma Gestão de Compromisso

ANA Aeroportos de Portugal Aeroportos e Ruído: Uma Gestão de Compromisso ANA Aeroportos de Portugal Aeroportos e Ruído: Uma Gestão de Compromisso O ruído tem vindo a assumir um lugar de destaque no conjunto de preocupações dos cidadãos em matéria ambiental. De acordo com informação

Leia mais

4. ORGANIZAÇÃO, RECURSOS HUMANOS E FORMAÇÃO

4. ORGANIZAÇÃO, RECURSOS HUMANOS E FORMAÇÃO CADERNO FICHA 4. ORGANIZAÇÃO, RECURSOS HUMANOS E FORMAÇÃO 4.3. FORMAÇÃO O presente documento constitui uma Ficha que é parte integrante de um Caderno temático, de âmbito mais alargado, não podendo, por

Leia mais

ROJECTO PEDAGÓGICO E DE ANIMAÇÃO

ROJECTO PEDAGÓGICO E DE ANIMAÇÃO O Capítulo 36 da Agenda 21 decorrente da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento, realizada em 1992, declara que a educação possui um papel fundamental na promoção do desenvolvimento

Leia mais

Equipamentos de salvatagem e combate a incêndio

Equipamentos de salvatagem e combate a incêndio Equipamentos de salvatagem e combate a incêndio Os equipamentos de salvatagem e combate á incêndio são essenciais para que seja mantida a segurança dos tripulantes quando o navio estiver em operação. A

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA EXPOSIÇÃO PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA De 6 a 17 de Maio 2008 MUNICÍPIO DO SEIXAL CÂMARA MUNICIPAL PROTECÇÃO CIVIL MUNICIPAL É a actividade desenvolvida pelas autarquias locais, com a colaboração dos

Leia mais

Anexo I. Seguros obrigatórios de acidentes pessoais. Montante global dos capitais seguros a 31.12.2007 (em euros)

Anexo I. Seguros obrigatórios de acidentes pessoais. Montante global dos capitais seguros a 31.12.2007 (em euros) Anexo I Seguros obrigatórios de acidentes pessoais Seguro N.º de contratos em vigor a (1.) Aluno (2.) Aprendiz (3.) Atleta de alta competição (4.) Bolseiro de investigação (5.) Bombeiro municipal ou voluntário

Leia mais

1. As Actividades do Técnico de Higiene e Segurança

1. As Actividades do Técnico de Higiene e Segurança BOAS PRÁTICAS PREVENTIVAS PORTUCEL - Fábrica de Cacia Paula Lima (Técnico Sup. HST) 100505PL1P 1. As Actividades do Técnico de Higiene e Segurança ENQUADRAMENTO LEGAL Ver em pormenor no Artº 98º da DL

Leia mais

SEDE - Carnaxide. Número de postos de trabalho - Presidente (1) - 1. Cargo/carreira/categoria. Técnico Superior. Técnico Superior Direito 3

SEDE - Carnaxide. Número de postos de trabalho - Presidente (1) - 1. Cargo/carreira/categoria. Técnico Superior. Técnico Superior Direito 3 2009 MAPA DE PESSOAL DA ANPC (Artigo 5º da Lei nº 2-A/2008, 27 Fevereiro) SEDE - Carnaxi Competências/Actividas Área formação académica e/ou - Presinte () - - Director Nacional () - 3 - Comandante Operacional

Leia mais

REGRAS DE SEGURANÇA JUNTO A INSTALAÇÕES DE MUITO ALTA TENSÃO E ALTA TENSÃO LINHAS DE TRANSPORTE SUBESTAÇÕES, POSTOS DE CORTE E DE SECCIONAMENTO

REGRAS DE SEGURANÇA JUNTO A INSTALAÇÕES DE MUITO ALTA TENSÃO E ALTA TENSÃO LINHAS DE TRANSPORTE SUBESTAÇÕES, POSTOS DE CORTE E DE SECCIONAMENTO REGRAS DE SEGURANÇA JUNTO A INSTALAÇÕES DE MUITO ALTA TENSÃO E ALTA TENSÃO LINHAS DE TRANSPORTE SUBESTAÇÕES, POSTOS DE CORTE E DE SECCIONAMENTO A REN - Rede Eléctrica Nacional, S.A. é a concessionária

Leia mais

Sinalização de segurança:

Sinalização de segurança: A Sinalização de Segurança tem por objectivo chamar a atenção, de forma rápida e inteligível, para objectos ou situações que comportem riscos ou possam estar na origem de perigos 1 Significados e a aplicação

Leia mais

Braga, 10 de Janeiro de 2011.

Braga, 10 de Janeiro de 2011. Braga, 10 de Janeiro de 2011. Página 1 de 20 INDICE INTRODUÇÃO... 3 Págs. CARACTERIZAÇÃO DO SERVIÇO DE FORMAÇÃO... 10 BALANÇO DAS ACTIVIDADES DEP. FORMAÇÃO.11 PRIORIDADES DE MELHORIA. 15 CONCLUSÃO.. 16

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/7 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ARMAZENAGEM DE MATERIAIS, EQUIPAMENTOS E RESÍDUOS 2 DESCRIÇÃO O trabalho preventivo no armazenamento de produtos perigosos, visa não só a protecção

Leia mais

Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis. Enquadramento Legal

Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis. Enquadramento Legal AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis - Obrigações Gerais do Empregador SERVIÇOS DE ENGENHARIA/SEGURANÇA AICCOPN - 07 de Junho de

Leia mais

CURSO FORMAÇÃO DE BOMBEIRO PROFISSIONAL CIVIL

CURSO FORMAÇÃO DE BOMBEIRO PROFISSIONAL CIVIL 410h/a MÓDULO I - INTRODUÇÃO Aula Inaugural Materiais e Equipamentos Introdução ao Gerenciamento de Emergências/Acidentes Históricos Segurança no Trabalho Saúde Ocupacional O profissional BPC EPI e EPR

Leia mais

MBA - Executivo. Edital 2ª Edição 2013-2014

MBA - Executivo. Edital 2ª Edição 2013-2014 MBA - Executivo Edital 2ª Edição 2013-2014 Sines, Junho de 2013 Enquadramento e Objectivos O MBA Executivo é uma realização da Escola Superior de Ciências Empresariais, do Instituto Politécnico de Setúbal

Leia mais

6. O que indica este sinal? a) um perigo possível b) uma via de evacuação c) material de combate ao fogo d) direcção das casas de banho

6. O que indica este sinal? a) um perigo possível b) uma via de evacuação c) material de combate ao fogo d) direcção das casas de banho 1. Uma autorização de trabalho é um documento: a) que tem de promover a concertação entre todos os que tenham a ver com o trabalho. b) em que vêm estipuladas as condições relativas à maneira de trabalhar

Leia mais

Inovação ao Serviço dos Cidadãos. Comunicação com os cidadãos através de tecnologia móvel

Inovação ao Serviço dos Cidadãos. Comunicação com os cidadãos através de tecnologia móvel Inovação ao Serviço dos Cidadãos Comunicação com os cidadãos através de tecnologia móvel 27 de Junho de 2008 Do para o Objectivos da Apresentação Canal de comunicação com os cidadãos complementar à Internet

Leia mais

Bem-vindo à Evonik Degussa Antwerpen

Bem-vindo à Evonik Degussa Antwerpen pagina 1 van 26 Bem-vindo à Evonik Degussa Antwerpen A Evonik Degussa Antwerpen é uma empresa de químicos e parte de um grupo global. A sua segurança, assim como a nossa, é muito importante, pelo que existem

Leia mais

CATÁSTROFES E GRANDES DESASTRES IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO PÚBLICA NO ÂMBITO DA PROTEÇÃO CIVIL

CATÁSTROFES E GRANDES DESASTRES IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO PÚBLICA NO ÂMBITO DA PROTEÇÃO CIVIL programa Ao evocar os 260 anos do Terramoto de 1755, a Câmara Municipal de Lisboa, através do Programa que agora se apresenta, pretende levar a cabo um conjunto de atividades e manifestações alusivas à

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ANGRA DO HEROÍSMO

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ANGRA DO HEROÍSMO CÂMARA MUNICIPAL DE ANGRA DO HEROÍSMO PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ANGRA DO HEROÍSMO ILHA TERCEIRA 2008 SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL DA CÂMARA MUNICIPAL DE ANGRA DO HEROÍSMO

Leia mais

Quando falamos de prevenção no âmbito da Segurança, Higiene e Saúde no. Trabalho, estamos a falar de um conjunto de actividades que têm como objectivo

Quando falamos de prevenção no âmbito da Segurança, Higiene e Saúde no. Trabalho, estamos a falar de um conjunto de actividades que têm como objectivo 1 - Em que consiste a prevenção? Quando falamos de prevenção no âmbito da Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho, estamos a falar de um conjunto de actividades que têm como objectivo eliminar ou reduzir

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ORGANIZAÇÃO DO ESTALEIRO 2 DESCRIÇÃO Face à legislação em vigor, estaleiros temporários ou móveis são os locais onde se efectuam trabalhos de

Leia mais

ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL A PESSOAS IDOSAS

ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL A PESSOAS IDOSAS ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL A PESSOAS IDOSAS PLANOS DE SEGURANÇA A sociedade é feita por todas as pessoas, em todas as idades NÚCLEO DE CERTIFICAÇÃO E FISCALIZAÇÃO ALEXANDRA SANTOS E MARIA ANDERSON

Leia mais

Resposta Hospitalar à Catástrofe Externa e Emergência Interna. Abílio Casaleiro

Resposta Hospitalar à Catástrofe Externa e Emergência Interna. Abílio Casaleiro Resposta Hospitalar à Catástrofe Externa e Emergência Interna 27.02.2015 Apresentação do Hospital de Cascais Plano de Catástrofe Externa Plano de Emergência Interna Hospital de Cascais - Caracterização

Leia mais

Uma rede que nos une

Uma rede que nos une Uma rede que nos une Uma rede que nos une O IMTT - Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres, I.P. é um organismo da Administração Central, dotado de autonomia administrativa e financeira,

Leia mais

SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA A IMPLEMENTAR NAS PEDREIRAS A CÉU ABERTO

SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA A IMPLEMENTAR NAS PEDREIRAS A CÉU ABERTO SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA A IMPLEMENTAR NAS PEDREIRAS A CÉU ABERTO Humberto Guerreiro Engenheiro de Minas INTRODUÇÃO A crescente preocupação das entidades oficiais sobre a segurança na indústria extractiva,

Leia mais

DEMOCRACIA E GESTÃO AUTÁRQUICA

DEMOCRACIA E GESTÃO AUTÁRQUICA DEMOCRACIA E GESTÃO AUTÁRQUICA DURAÇÃO / COMPONENTE / DIPLOMA CURSO DE FORMAÇÃO AVANÇADA I Edição 2014 30 Horas lectivas / Teórica / Curso de Formação Avançada COORDENAÇÃO Coordenação Científica Prof.

Leia mais

Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos. Câmara Municipal de Mora

Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos. Câmara Municipal de Mora Pág.1/5 Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos Câmara Municipal de Mora Pág.2/5 Identificação da Entidade Informação da Visita Documento Entidade: Câmara Municipal de Mora Entidade: Segurévora

Leia mais

Investimentos no distrito do Porto são contratualizados hoje, na CCDR-N

Investimentos no distrito do Porto são contratualizados hoje, na CCDR-N NOTA DE IMPRENSA Investimentos no distrito do Porto são contratualizados hoje, na CCDR-N BOMBEIROS DA REGIÃO DO NORTE RECEBEM 10 MILHÕES DE EUROS PARA REFORÇO DOS MEIOS A autoridade de gestão do ON.2 O

Leia mais

- Estabelecer os planos de trabalhos, recolhendo os elementos de estudo necessários aplicando as prescrições de segurança em vigor;

- Estabelecer os planos de trabalhos, recolhendo os elementos de estudo necessários aplicando as prescrições de segurança em vigor; REDES 1 CARACTERIZAÇÃO RESUMIDA 1.1 Objectivos No final do curso os formandos deverão ser capazes de: - Conhecer e aplicar as Condições de Execução de Trabalhos, processos operatórios e fichas técnicas

Leia mais

Pré-requisitos Formação ENB

Pré-requisitos Formação ENB rmação acesso carreira de Oficial Bombeiro ingresso na carreira de bombeiro ingresso carreira Oficial Bombeiro e Programa de FO-01-V Organização e Sistemas de Comando e Controlo (Eq. Organização Jurídica

Leia mais

O empregador deve assegurar ao trabalhador condições de segurança e de saúde em todos os aspectos do seu trabalho.

O empregador deve assegurar ao trabalhador condições de segurança e de saúde em todos os aspectos do seu trabalho. Guia de Segurança do Operador PORTUGAL: Lei n.º 102/2009 de 10 de Setembro Regime Jurídico da Promoção da Segurança e Saúde no Trabalho O empregador deve assegurar ao trabalhador condições de segurança

Leia mais

Gestão de Riscos. Relatório Visita aos Bombeiros Voluntários de Loulé

Gestão de Riscos. Relatório Visita aos Bombeiros Voluntários de Loulé Ano Lectivo de 2010 2011 Licenciatura em Gestão de Bio Recursos Gestão de Riscos Relatório Visita aos Bombeiros Voluntários de Loulé Docente: Prof. Doutor Manuel Rebelo Marques Índice Índice Discente:

Leia mais

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO DE Área de Formação 862 Segurança e Higiene no Trabalho Formação Profissional Contínua/de Especialização ÍNDICE 1- ENQUADRAMENTO... 3 2- OBJECTIVO GERAL... 4 3- OBJECTIVOS

Leia mais

CAE Rev_3: 93294 ASSISTÊNCIA AOS BANHISTAS

CAE Rev_3: 93294 ASSISTÊNCIA AOS BANHISTAS O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL CAE Rev_3: 93294 ASSISTÊNCIA AOS BANHISTAS ÂMBITO:

Leia mais

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil O Voluntariado e a Protecção Civil 1. O que é a Protecção Civil A 03 de Julho de 2006, a Assembleia da Republica publica a Lei de Bases da Protecção Civil, que no seu artigo 1º dá uma definição de Protecção

Leia mais

METODOLOGIA DE CARACTERIZAÇÃO E ORDENAÇÃO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO APLICAÇÃO A UM EDIFÍCIO MULTIFAMILIAR DE MUITO GRANDE ALTURA

METODOLOGIA DE CARACTERIZAÇÃO E ORDENAÇÃO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO APLICAÇÃO A UM EDIFÍCIO MULTIFAMILIAR DE MUITO GRANDE ALTURA METODOLOGIA DE CARACTERIZAÇÃO E ORDENAÇÃO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO APLICAÇÃO A UM EDIFÍCIO MULTIFAMILIAR DE MUITO GRANDE ALTURA João C Gaspar Vasconcelos João Ventura INTRODUÇÃO Finalidade

Leia mais

Largo Ramos da Costa, 7520 Sines. Responsável pelos sectores de Eletricidade e de Serralharia da Autarquia.

Largo Ramos da Costa, 7520 Sines. Responsável pelos sectores de Eletricidade e de Serralharia da Autarquia. M ODELO EUROPEU DE CURRICULUM VITAE INFORMAÇÃO PESSOAL Nome Oliveira, José Manuel Santana De Oliveira Morada Praceta Nau Roxo, Lote n.º 5 Sines 7520-268 SINES Telefone 961740416 Fax 269630239 Correio electrónico

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DA RIBEIRA GRANDE

CÂMARA MUNICIPAL DA RIBEIRA GRANDE CÂMARA MUNICIPAL DA RIBEIRA GRANDE Proposta de Regulamento do Serviço Municipal de Protecção Civil do Concelho da Ribeira Grande Preâmbulo Atendendo que: A Protecção Civil é, nos termos da Lei de Bases

Leia mais

Europass-Curriculum Vitae

Europass-Curriculum Vitae Europass-Curriculum Vitae Informação pessoal Nome Gomes, Joaquim Pedro Raposo Morada Rua Natália Correia n.º 20 2º esq., 7800-326 Beja Telemóvel 962766964 Correio(s) electrónico(s) papedro.quim@gmail.com

Leia mais

Aspectos a ter em conta pelas partes laboral e patronal em situações de tufão, chuvas intensas, trovoada e storm surge 1

Aspectos a ter em conta pelas partes laboral e patronal em situações de tufão, chuvas intensas, trovoada e storm surge 1 Aspectos a ter em conta pelas partes laboral e patronal em situações de tufão, chuvas intensas, trovoada e storm surge 1 Preâmbulo: A lei laboral actualmente vigente na Região Administrativa Especial de

Leia mais

Estágios de Cooperação Internacional BES/ AMI. 6ª Edição Ano 2011

Estágios de Cooperação Internacional BES/ AMI. 6ª Edição Ano 2011 Estágios de Cooperação Internacional BES/ AMI 6ª Edição Ano 2011 Março de 2011 Queres fazer parte desta Missão? Se queres chegar mais longe em experiência e vivência Pelo sexto ano consecutivo o BES realiza

Leia mais

O SERVIÇO DE ENGENHARIA SANITÁRIA NOS SERVIÇOS DE SAÚDE

O SERVIÇO DE ENGENHARIA SANITÁRIA NOS SERVIÇOS DE SAÚDE O SERVIÇO DE ENGENHARIA SANITÁRIA NOS SERVIÇOS DE SAÚDE 1. INTRODUÇÃO Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), o conceito Saúde e Ambiente abarca as consequências para a saúde, das interacções entre

Leia mais

HÁ NORTE! ACREDITAR E MOBILIZAR

HÁ NORTE! ACREDITAR E MOBILIZAR HÁ NORTE! ACREDITAR E MOBILIZAR Programa da lista candidata à eleição para os órgãos regionais do Norte da Associação Portuguesa de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas Triénio 2011-2013 25 de

Leia mais

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO IV JORNADAS TÉCNICAS DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO DA ESCOLA PROFISSIONAL DE AVEIRO SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO Manuela Mil-Homens Comando Distrital de Operações de Socorro

Leia mais

Lei n.º 66/98 de 14 de Outubro

Lei n.º 66/98 de 14 de Outubro Lei n.º 66/98 de 14 de Outubro Aprova o estatuto das organizações não governamentais de cooperação para o desenvolvimento A Assembleia da República decreta, nos termos dos artigos 161.º, alínea c), 166.º,

Leia mais

Perguntas Frequentes sobre Voluntariado

Perguntas Frequentes sobre Voluntariado Perguntas Frequentes sobre Voluntariado Juntos podemos fazer da solidariedade um compromisso Índice 1. O que é o Voluntariado? 3 2. Que organizações podem ser promotoras do Voluntariado? 3 3. O que é ser

Leia mais

MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO

MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO Paulo Pinto Obrigações legais e metodologias para a sua implementação Conteúdo 2 Medidas de Autoprotecção O que são? Enquadramento legal Responsabilidades Coimas e sanções acessórias

Leia mais

Câmara Municipal de Matosinhos Plano de Emergência Externo REFINARIA DO PORTO Petrogal

Câmara Municipal de Matosinhos Plano de Emergência Externo REFINARIA DO PORTO Petrogal Câmara Municipal de Matosinhos Plano de Emergência Externo REFINARIA DO PORTO Petrogal MAIO 2011 4. Informação complementar 4.1 Secção I 4.1.1 Mecanismos da estrutura de Protecção Civil Estrutura de Operações

Leia mais

REGULAMENTO DAS PROVAS DE AVALIAÇÃO E PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÃO

REGULAMENTO DAS PROVAS DE AVALIAÇÃO E PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÃO REGULAMENTO DAS PROVAS DE AVALIAÇÃO E PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÃO Na sequência da publicação dos Despachos 363/2012, de 12 de janeiro e 713/2012, de 18 de janeiro verificou-se a necessidade de estabelecer

Leia mais

DELEGAÇÃO DISTRITAL DE FORMAÇÃO DE LISBOA FORMAÇÃO MINISTRADA NO ANO 2005 CORPO DE BOMBEIROS

DELEGAÇÃO DISTRITAL DE FORMAÇÃO DE LISBOA FORMAÇÃO MINISTRADA NO ANO 2005 CORPO DE BOMBEIROS DELEGAÇÃO DISTRITAL DE FORMAÇÃO DE LISBOA ESCOLA NACIONAL DE BOMBEIROS FEDERAÇÃO DOS BOMBEIROS DO DISTRITO DE LISBOA FORMAÇÃO MINISTRADA NO ANO 2005 CURSO DE ORGANIZAÇÃO DE POSTOS DE COMANDO Total de formandos:

Leia mais

Tema 3 Comportamentos específicos de segurança

Tema 3 Comportamentos específicos de segurança Escola Básic a 2º º e 3º º Ciclos s Escola E. B. 2, 3 de Sabóia ANO LECTIVO 2008/2009 Formação Cívica 5ºA Módulo Cidadania e Segurança Tema 3 Comportamentos específicos de segurança" Tema Conteúdo Competências

Leia mais

Plano de Emergência Externo do Estabelecimento de Armazenagem de Produtos Explosivos da MaxamPor, S.A.

Plano de Emergência Externo do Estabelecimento de Armazenagem de Produtos Explosivos da MaxamPor, S.A. Plano de Emergência Externo do Estabelecimento de Armazenagem de Produtos Explosivos da MaxamPor, S.A. CÂMARA MUNICIPAL DE VILA POUCA DE AGUIAR SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL SETEMBRO DE 2010 ÍNDICE

Leia mais

'(&,6 (6$3529$'$6325352&(',0(172(6&5,72

'(&,6 (6$3529$'$6325352&(',0(172(6&5,72 & Bruxelas, 26 de Março de 2001 7362/01 (Presse 120) (OR. en) '(&,6 (6$3529$'$6325352&(',0(172(6&5,72 O Conselho aprovou em 23 de Março de 2001, por procedimento escrito, as suas posições comuns tendo

Leia mais

A Engenharia de Máquinas Marítimas da ENIDH: Algumas notas complementares

A Engenharia de Máquinas Marítimas da ENIDH: Algumas notas complementares A Engenharia de Máquinas Marítimas da ENIDH: Algumas notas complementares Luis Filipe Baptista 1 No artigo apresentado no número anterior da revista, com o título A Engenharia de Máquinas Marítimas na

Leia mais

SP 09/95 NT 193/95. Subsídios para Legislação de Trânsito sobre Veículos de Emergência. Arqº Luis Fernando C. Figueiredo. 1.

SP 09/95 NT 193/95. Subsídios para Legislação de Trânsito sobre Veículos de Emergência. Arqº Luis Fernando C. Figueiredo. 1. SP 09/95 NT 193/95 Subsídios para Legislação de Trânsito sobre Veículos de Emergência Arqº Luis Fernando C. Figueiredo 1. Introdução Apresentam-se neste artigo as disposições referentes aos veículos policiais,

Leia mais

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto 1 - O presente Decreto-Lei estabelece o regime jurídico da carreira dos

Leia mais

Limpeza e Pequena Conservação em Tensão de PT

Limpeza e Pequena Conservação em Tensão de PT 1 CARACTERIZAÇÃO RESUMIDA 1.1 Objectivos No final da acção os participantes deverão ser capazes de: - Conhecer as condições de execução de trabalhos, processos operatórios, fichas técnicas correspondentes

Leia mais

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO 1 Introdução No actual quadro legislativo (35/2004) é bem claro que a responsabilidade pelas condições de Segurança, Higiene e Saúde

Leia mais

Lisboa 2014 FICHA DE CANDIDATURA

Lisboa 2014 FICHA DE CANDIDATURA Lisboa 2014 Refª: 090 BRIC- LX 1 Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone: 21 322 73 60 Email - bip.zip@cm-lisboa.pt

Leia mais

II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA 30/11/2015 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA - MADEIRA TECNOPOLO FUNCHAL 1

II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA 30/11/2015 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA - MADEIRA TECNOPOLO FUNCHAL 1 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA 30/11/2015 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA - MADEIRA TECNOPOLO FUNCHAL 1 30/11/2015 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE

Leia mais

GESTÃO DE RISCO E PROTEÇÃO CIVIL

GESTÃO DE RISCO E PROTEÇÃO CIVIL Curso Novo Ficha Académica de Curso GESTÃO DE RISCO E PROTEÇÃO CIVIL Pós-Graduação Curso Pós-Graduação em GESTÃO DE RISCO E PROTEÇÃO CIVIL Unidade Orgânica ULP / FCNET Grau ECTS 65 ECTS Horas de Contacto

Leia mais

Plano Estratégico de Formação dos Bombeiros Portugueses 2014-2016

Plano Estratégico de Formação dos Bombeiros Portugueses 2014-2016 Plano Estratégico de Formação dos Bombeiros Portugueses 2014-2016 O Plano Estratégico de Formação dos Bombeiros Portugueses, embora esteja definido para o período 2014-2016, será revisto anualmente por

Leia mais

A NECESSIDADE DA COMUNICAÇÃO EM SITUAÇÃO DE PLENA MANIFESTAÇÃO DE RISCOS

A NECESSIDADE DA COMUNICAÇÃO EM SITUAÇÃO DE PLENA MANIFESTAÇÃO DE RISCOS A NECESSIDADE DA COMUNICAÇÃO EM SITUAÇÃO DE PLENA MANIFESTAÇÃO DE RISCOS. A COORDENAÇÃO DAS OPERAÇÕES DE SOCORRO NA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA E A IMPORTÂNCIA VITAL DAS COMUNICAÇÕES Sumário Caracterização

Leia mais

FORÇA ESPECIAL DE BOMBEIROS

FORÇA ESPECIAL DE BOMBEIROS FORÇA ESPECIAL DE BOMBEIROS RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014 1. ENQUADRAMENTO... 1 2. ATIVIDADE OPERACIONAL... 2 2.1. Missões de combate a incêndios florestais... 2 2.1.1. Missões com meios terrestres... 2

Leia mais

N. o 246 21-10-1999 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A

N. o 246 21-10-1999 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A 7023 MAPA IV Anexo a que se refere o n. o 1 do artigo 10. o Consultor... MAPA V Assessor do tesouro. Anexo a que se refere o n. o 1 do artigo 11. o Técnico especialista principal... Chefe de secção...

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM PROTEÇÃO CIVIL

PÓS-GRADUAÇÃO EM PROTEÇÃO CIVIL PÓS-GRADUAÇÃO EM PROTEÇÃO CIVIL DOCENTES MESTRE ISABEL ONETO Licenciada em Direito, mestre e doutoranda em Direito, em Ciências Jurídico-Criminais. Governadora Civil do Distrito do Porto entre 2005 e 2009

Leia mais

É criado um regime de crédito bonificado aos estudantes do ensino superior que se rege pelo disposto no presente diploma.

É criado um regime de crédito bonificado aos estudantes do ensino superior que se rege pelo disposto no presente diploma. Decreto-Lei N.º 512/99 De 24 de Novembro Cria um regime de crédito bonificado aos estudantes do ensino superior A Lei n.º 113/97, de 16 de Setembro - Lei de Bases do Financiamento do Ensino Superior Público

Leia mais

TEXTO DE APOIO À EXPLORAÇÃO PEDAGÓGICA DO TEMA

TEXTO DE APOIO À EXPLORAÇÃO PEDAGÓGICA DO TEMA TEXTO DE APOIO À EXPLORAÇÃO PEDAGÓGICA DO TEMA TEMA SELECCIONADO A CAMINHO DA ESCOLA IDENTIFICAÇÃO DAS COMPONENTES DA RUA / ESTRADA A Educação Rodoviária é um processo ao longo da vida do cidadão como

Leia mais

disponibiliza a LEI DO VOLUNTARIADO

disponibiliza a LEI DO VOLUNTARIADO A disponibiliza a LEI DO VOLUNTARIADO Lei n.º 71/98 de 3 de Novembro de 1998 Bases do enquadramento jurídico do voluntariado A Assembleia da República decreta, nos termos do artigo 161.º, alínea c), do

Leia mais

SEGURANÇA NA MONTAGEM DE ANDAIMES E ESCORAMENTOS IV JORNADAS TÉCNICAS DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO DA ESCOLA PROFISSIONAL DE AVEIRO.

SEGURANÇA NA MONTAGEM DE ANDAIMES E ESCORAMENTOS IV JORNADAS TÉCNICAS DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO DA ESCOLA PROFISSIONAL DE AVEIRO. SEGURANÇA NA MONTAGEM DE ANDAIMES E ESCORAMENTOS IV JORNADAS TÉCNICAS DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO DA ESCOLA PROFISSIONAL DE AVEIRO. ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 1.1 HISTÓRIA 1.2 ORGANIGRAMA

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho

Segurança e Higiene do Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XXVIII Prevenção de acidentes com veículos na Construção Civil Parte 1 um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico

Leia mais

Trabalhadores designados pelas empresas (microempresas e PME S).

Trabalhadores designados pelas empresas (microempresas e PME S). Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho Público-Alvo Trabalhadores designados pelas empresas (microempresas e PME S). OBJECTIVOS Formação direccionada para cumprimento da legislação em matéria de higiene,

Leia mais

Estágio Curricular no âmbito do Curso Licenciatura de Engenharia Electrotécnica e de Computadores. Segurança

Estágio Curricular no âmbito do Curso Licenciatura de Engenharia Electrotécnica e de Computadores. Segurança 1/10 Índice 1. SEGURANÇA...2 1.1. Domínio de Actuação... 2 1.2. Situações de Emergência... 2 1.3. Prescrições de... 3 1.3.1. Equipamentos de Trabalho (ET)... 3 1.3.2. Equipamentos de Protecção Colectiva

Leia mais

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto Define as bases gerais do regime jurídico da prevenção,

Leia mais

Actividades relacionadas com o património cultural. Actividades relacionadas com o desporto

Actividades relacionadas com o património cultural. Actividades relacionadas com o desporto LISTA E CODIFICAÇÃO DAS ÁREAS DE ACTIVIDADES Actividades relacionadas com o património cultural 101/801 Artes plásticas e visuais 102/802 Cinema, audiovisual e multimédia 103/803 Bibliotecas 104/804 Arquivos

Leia mais