O PROCESSO DE CRIAÇÃO LITERÁRIA EM CLARICE LISPECTOR, POR UMA FILOSOFIA DA LITERATURA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O PROCESSO DE CRIAÇÃO LITERÁRIA EM CLARICE LISPECTOR, POR UMA FILOSOFIA DA LITERATURA"

Transcrição

1 O PROCESSO DE CRIAÇÃO LITERÁRIA EM CLARICE LISPECTOR, POR UMA FILOSOFIA DA LITERATURA Anderson Barbosa Camilo Departamento de Filosofia - UFRN Resumo: Entre muitos teóricos da literatura, pensar o problema da exigência literária é um assunto por demais rico que trás inúmeras reflexões. Por que escrever e Para quem escrever torna-se o eixo das atenções de vários pensadores a respeito da escrita, sobretudo os franceses. E vemos, por essa esteira, em Clarice Lispector a oportunidade de estudar essas questões que concernem ao processo de criação artística e literária, sobretudo porque sua literatura nos renderia, com todo o jogo dos elementos simbólicos envolvidos, muito o que pensar acerca da exigência da obra. Com o nome entre os mais importantes da literatura do século XX no Brasil, os livros de Clarice Lispector trazem aos leitores uma urgência que não é de um engajamento, mas sim de ficar a errar pelas margens de um deserto como horizonte de sentido, com a morte a rondar os movimentos das palavras. Palavras-chave: Clarice Lispector; Literatura; Exigência; Criação; Morte. Quando falamos de escritores brasileiros, lembramos de nomes canônicos como, por exemplo, Machado de Assis, Augusto dos Anjos, Guimarães Rosa, entre outros gigantes. Entretanto, se continuássemos a listar nomes grandiosos que constituíram o cenário da literatura brasileira, com quase 95% de nomes masculinos, inevitavelmente citaríamos uma mulher, nordestina, de origem ucraniana, e que morou no Rio de Janeiro durante muito tempo e lá faleceu, cuja literatura é repleta de simbolismos que desnorteiam qualquer leitor desavisado. Tal nome, que poderíamos colocar entre os tantos outros grandiosos escritores na história do Brasil, seria o de Clarice Lispector. De fato, Clarice é um dos maiores nomes da literatura brasileira do século XX, um momento histórico para a literatura, marcado por vários acontecimentos, guerras mundiais e crises econômicas, a nível global por exemplo, e no Brasil os anos da ditadura militar, que culminaram no exílio de alguns artistas, dentre eles o poeta Fernando Sabino. Então querer abarcar a noção do que seja a literatura, supostamente para muitas pessoas, se resumiria nessas circunstâncias políticas e econômicas. Pensaríamos, junto à elas, com Sartre, por uma literatura do engajamento. Alguns dos escritores brasileiros acreditam que toda literatura é engajada, diz Pablo Neruda numa entrevista à Clarice Lispector 1. Entretanto, Clarice não acredita no engajamento, não acredita que 1 Cf. LISPECTOR, Clarice. Entrevistas. Rio de Janeiro: Rocco Editora, 2007, p. 73. É interessante salientar que esse livro de entrevistas não se trata de uma coletânea de entrevistas concedidas por Clarice, mas ao contrário, constitui várias entrevistas que diversas personalidades concederam à Clarice nas ocasiões em que exercia a função de entrevistadora.

2 as palavras sejam armas carregadas que quando miradas e disparadas atinjam seu alvo 2, ou que ao desvendar o mundo pela palavra (fala) é mudá-lo 3. No entanto, pensar o que é literatura para Clarice é pensar numa literatura que pode retratar elementos culturais e econômico de determinado tipo de classe, como por exemplo, a anti-heroína Macabéa, do último romance da escritora, A hora da estrela. Esta obra delimita em seu horizonte os complexos da vida de uma nordestina sem qualquer perspectiva que vai viver no Rio de Janeiro e na sua vida acontecem alguns desenlaces. Entretanto, uma literatura como esta não quer dizer que vá mudar algo, não quer dizer que quando disparada atinja algo. Para Clarice as palavras são impotentes, e assim também é o escritor. Numa entrevista com José Carlos Oliveira, ela diz: Carlinhos, nó dois escrevemos e não escolhemos propriamente essa função. Mas já que ela nos caiu nos braços, cada palavra nossa devia ser pão de se comer (LISPECTOR, 2007: 81). De todo modo, como Clarice afirma numa outra entrevista, para um programa de televisão, Panorama Especial 4, em 1977, quando o entrevistador interroga se ela acredita que sua literatura possa de algum modo alterar a realidade que aborda, Clarice diz que escreve sem esperança de que o que escreve altere alguma coisa. Vemos que, por parte da autora, a literatura não influencia na realidade, ela não se altera por conta da literatura, não há qualquer correspondência desse tipo. Para ela, na mesma entrevista, o que está em voga não é de querer alterar a realidade, até porque não acredita nisso, mas de que no fundo quer desabrochar pela e na escrita, de um modo ou de outro, e que o que escreve e comunica ao outro é, antes de mais nada, escrever e comunicar a si mesma. Percebemos, em Clarice Lispector, um caráter de uma literatura que advém de uma espécie de introspecção. De algo que sai de si e vai para si. Que a arte é uma busca 5. E assim fala à Érico Veríssimo, ao entrevistá-lo: Você se sente realizado como escritor, Érico? Eu, por exemplo, ainda não me sinto, e tenho a impressão de que será assim até eu morrer. (Cf. ibid.: 39). Para Clarice a literatura é, portanto, uma busca, ela a sente como tal, como uma busca de realização, e sabe que essa busca nunca irá acabar, nunca será plenamente realizada, e que a cada novo exercício de escrever com um propósito de se realizar acaba que por abrir mais e mais esse espaço de realização nunca contemplado inteiramente. A noção desse espaço de realização para Clarice, de que sua busca é ao mesmo tempo seu distanciamento e conjuração, assemelha-se à noção de literatura e obra em Foucault quando [...] palavras que nos conduzem ao limiar de uma perpétua ausência que será a literatura [...] é característico da literatura ter se dado como desde que existe, no século XIX, e oferece à cultura ocidental essa figura estranha sobre a qual nós nos interrogamos como tarefa, precisamente, o assassinato da literatura. (Cf. FOUCAULT, 2001: ) 2 Cf. SARTRE, Jean-Paul. Que é a literatura?. São Paulo: Ática, 1993, p Cf. Ibid. p Tal entrevista encontra-se disponível no Youtube, site de gerenciamento e hospedagem de vídeos. O endereço eletrônico do site é Acessando-o e nele procurando por CLARICE LISPECTOR na barra de busca, será possível encontrar a entrevista em questão. 5 Cf. LISPECTOR, Clarice. Entrevistas. Rio de Janeiro: Rocco Editora, 2007, p. 14.

3 Sobre a obra, Foucault afirma: [...] a obra só existe na medida em que, a cada instante, todas as palavras estão voltadas para a literatura, são iluminadas por ela e, ao mesmo tempo, porque a literatura é conjurada e profanada. Pode-se dizer, em suma, que a obra como irrupção desaparece e se dissolve no murmúrio da repetição continua da literatura. (Cf. Ibidem:144). No sentido em que a literatura, para Foucault, se faz, ela ao mesmo tempo se desfaz, se assassina, e a obra quando aparece, dissolve-se na literatura; e quando a realização está a se realizar, para Clarice, ela se desrealiza, de modo que nunca se realizará. Então, uma vez que, no pensar de Lispector, a literatura não altera nada na realidade, é impotente, e que é uma busca, mas que nunca realiza o autor e nem se realiza, que seu espaço ao ser percorrido cada vez se torna maior para percorrer, nos resta uma pergunta: porque escrever, Clarice? Carlos Oliveira lhe pergunta isso e então nossa autora responde: Escrevo porque não posso ficar muda (Cf. LISPECTOR, 2007:81). Nesse horizonte, devemos pensar que Clarice não poder ficar muda não é dizer e alterar qualquer coisa, mas porque não pode não falar, é uma necessidade de desabrochar. Ela, ao entrevistar o escritor Fernando Sabino, diz: Fernando Sabino, por que é que você escreve? Eu não sei por que eu escrevo, de modo que o que você disser talvez sirva pra mim (Cf. Ibidem:32). Se Clarice acreditasse no engajamento, e isso fosse seu objetivo, saberia por que escreve. Mas ela não sabe, sabe apenas que não pode ficar muda, não pode deixar de falar, de se exprimir, mesmo não acreditando que o que fale vá mudar a realidade. De todo modo, vemos que há uma exigência da obra, da escrita, em Clarice. E ela, na entrevista ao programa Panorama Especial, de 1977, afirma que quando escreve algum romance está morta. E que no momento da realização desta entrevista está morta, pois acabou de concluir um romance, e que está ali a falar pela sua tumba. Nós a entendemos quando lemos o que Blanchot afirma: A obra exige do escritor que ele perca toda a natureza, todo o caráter, e que, ao deixar de relacionar-se com os outros e consigo mesmo pela decisão que o faz eu, converta-se no lugar vazio onde se anuncia a afirmação impessoal. Exigência que não é uma, porquanto nada exige, é desprovida de conteúdo, não obriga, é tão só o ar que se deve respirar. (Cf. BLANCHOT, 1987: 50) Fazendo uma analogia com a figura do poeta e sua relação com a poesia, sobre uma tal experiência da escrita, Blanchot dirá que A poesia não é dada ao poeta como uma verdade e uma certeza de que ele poderia aproximar-se; ele não sabe se é poeta, mas tampouco sabe o que é a poesia, nem mesmo se ela é; ela depende dele, de sua busca, dependência que, entretanto, não o torna senhor do que busca mas torna-o incerto de si mesmo e como que inexistente. (Cf. Ibidem:83)

4 Percebemos que Clarice e Blanchot estão em consonância nesse ponto, e que, para nossa autora, escrever é a busca de uma realização, mas que escrever também é morrer, como há de realizar-se dessa forma? Seria como ir em busca da Terra Prometida, mas sabendo que nunca irá encontrá-la, que só irá deparar-se com o deserto, com essa realidade do deserto, mas que crer que ainda se possa ir ou estar em Canaã, mesmo sabendo que os seus passos só irão pisar nas areias da errância, e que quer fixar o pé no solo da Terra Prometida. Assim como em Kafka, nos diz Blanchot: Ele já pertence à outra margem, e sua migração não consiste em aproximar-se de Canaã mas em acercar-se do deserto, da verdade do deserto, de ir sempre mais longe do lado de lá, mesmo quando, desgraçado também nesse outro mundo e tentado ainda pelas alegrias, [...] tenta persuadir-se de que permanece ainda em Canaã. (Cf. Ibidem: 66) Escrever, para Clarice Lispector, é algo com muitas nuanças e muitos lados contrários. Para ela, o início do momento de criação é como uma inspiração, algo não planejado, uma coisa que não é de modo algum deliberada (Cf. LISPECTOR, 2007:32). Com relação ao início da criação, Lispector pergunta à Sabino: É sempre deliberado seu ato criador? Ou você de repente se vê escrevendo? Comigo é uma mistura (Cf. Ibidem). Em primeira instância é assim que ocorre, confusamente, seu ato criador, sendo deliberado ou não, e Clarice o teme 6. Ela tem medo da grandeza do ato criador frente a si mesma, e na entrevista com Fernando Sabino, afirma: Fernando, você tem medo antes e durante o ato criador? Eu tenho: acho-o grande demais para mim. E cada novo livro meu é tão hesitante e assustado quanto o primeiro livro (Cf. Ibidem:35) Clarice Lispector fala de um medo do ato criador, que o acha demais para si. Mas que tipo de medo é esse? Em que consiste esse medo do tamanho grandioso do ato criador, face à sua, pequenez? Entretanto a palavra pequenez parece não trazer o sentido correto para o que estamos falando. Não pensemos em pequenez, pensemos em impessoalidade. Pensemos que esse medo consiste em ela, através do ato criador na obra, tornar-se impessoal, morrer para além da obra, para além do universo ficcional. Na entrevista ao programa Panorama Especial, o entrevistador, falando sobre coisas que ela escreve e depois rasga, pergunta por que ela assim o faz, e Clarice responde que é porque estava cansada de si mesma, num momento de raiva. Escrever, nessa instância, mesmo que os manuscritos sejam rasgados posteriormente, não seria uma espécie de remediação contra aquilo que a está lhe tocando e lhe trazendo ruins afecções? Remediar a si mesma, pois algo lhe traz más afecções? Não sabemos ao certo, são momentos muito raros em que Clarice aborda ou norteia algo nessa direção. Em todo caso, escrever para ela está no âmbito do misterioso, e o ato criador é assombroso pra si. Portanto, nada seria de assombroso e misterioso se ela tivesse algo a comunicar para alterar a realidade. Nada seria misterioso se houvesse engajamento. Escrever para Clarice, como já dissemos, é uma busca de realização que não se realiza ao passo que busca, é uma ida à Canaã, analogicamente ao pensamento de Blanchot sobre Kafka, que só irá deparar-se com o deserto. Mesmo sabendo da impossibilidade 6 Cf. Ibidem:32.

5 daquilo que almeja realizar-se, Clarice ainda continua a escrever, pois sente uma necessidade de escrever. Ela não pode ficar muda, tem que falar, mas não com o intuito de atrair uma atenção para modificar as coisas ao seu redor, e sim porque acredita que na verdade nada queremos mudar, que queremos somente falar, desabrochar. Por isso que sua literatura é tão marcada por simbolismos, de uma sensibilidade, além de feminina, se é que podemos dizer isso no âmbito da literatura, de alguém que viajou e morou em vários lugares, tendo vivenciado diversas realidades. E é no meio da vivência que surgem os lampejos para escrever para Clarice, a inspiração, algo que foge de toda causa e racionalidade, que desemboca numa tarefa de matar a si próprio no ato escrita. Eis o que poderíamos descrever o que é a literatura para Clarice Lispector: exigência de falar para se esvaziar, se remediar, se realizar sem realização, continuar nessa exigência, e por fim, morrer pela palavra. Referências Bibliográficas: BLANCHOT, Maurice. O espaço literário. Rio de Janeiro: Rocco Editora, FOUCAULT, Michel. Linguagem e Literatura. In: MACHADO, Roberto. Foucault, a filosofia e a literatura. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Edtora, LISPECTOR, Clarice. Entrevistas. Rio de Janeiro: Rocco Editora, Clarice Lispector: Panorama Especial. Entrevistador: J. Lerner. São Paulo: TV Cultura, Entrevista concedida ao programa Panorama Especial e reapresentado no programa 30 Anos Incríveis da emissora TV cultura. Disponível em: < > Acesso em: 21 jun SARTRE, Jean-Paul. Que é a literatura?. São Paulo: Ática, 1993.

Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à obra!

Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à obra! ROTEIRO DE ESTUDOS DE LITERATURA PARA A 3ª ETAPA 2ª SÉRIE Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à

Leia mais

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro sumário 9 prefácio. A lição aristotélica de Poe [Pedro Süssekind] 17 A filosofia da composição

Leia mais

FILOSOFIA BUDISTA APLICADA A EMPRESA:

FILOSOFIA BUDISTA APLICADA A EMPRESA: FILOSOFIA BUDISTA APLICADA A EMPRESA: CRESCENDO PESSOAL E PROFISSIONALMENTE. 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Onde você estiver que haja LUZ. Ana Rique A responsabilidade por um ambiente

Leia mais

5Passos fundamentais. Conseguir realizar todos os seus SONHOS. para. Autora: Ana Rosa. www.novavitacoaching.com

5Passos fundamentais. Conseguir realizar todos os seus SONHOS. para. Autora: Ana Rosa. www.novavitacoaching.com 5Passos fundamentais para Conseguir realizar todos os seus SONHOS Autora: Ana Rosa www.novavitacoaching.com O futuro pertence àqueles que acreditam na beleza dos seus sonhos! Eleanor Roosevelt CONSIDERA

Leia mais

ENTREVISTA CONCEDIDA AO ESCRITOR FLÁVIO IZHAKI Realizada em 21.VII.08 A PROPÓSITO DE RETRATO DESNATURAL (diários 2004 a 2007) Evando Nascimento

ENTREVISTA CONCEDIDA AO ESCRITOR FLÁVIO IZHAKI Realizada em 21.VII.08 A PROPÓSITO DE RETRATO DESNATURAL (diários 2004 a 2007) Evando Nascimento ENTREVISTA CONCEDIDA AO ESCRITOR FLÁVIO IZHAKI Realizada em 21.VII.08 A PROPÓSITO DE RETRATO DESNATURAL (diários 2004 a 2007) Evando Nascimento Renomado professor universitário, autor de títulos de não

Leia mais

IV PARTE FILOSOFIA DA

IV PARTE FILOSOFIA DA IV PARTE FILOSOFIA DA 119 P á g i n a O que é? Como surgiu? E qual o seu objetivo? É o que veremos ao longo desta narrativa sobre a abertura do trabalho. Irmos em busca das estrelas, no espaço exterior,

Leia mais

Poesia AUTOR. Adélia Prado DADOS BIOGRÁFICOS Nome completo: Adélia Luzia Prado de Freitas. Poesia

Poesia AUTOR. Adélia Prado DADOS BIOGRÁFICOS Nome completo: Adélia Luzia Prado de Freitas. Poesia OBRA ANALISADA: O Coração Disparado 1978 GÊNERO Poesia AUTOR Adélia Prado DADOS BIOGRÁFICOS Nome completo: Adélia Luzia Prado de Freitas BIBLIOGRAFIA Poesia Bagagem, Imago - 1975 O Coração Disparado, Nova

Leia mais

POESIA NO ENSINO MÉDIO: ANÁLISE DE RECEITAS RESUMO

POESIA NO ENSINO MÉDIO: ANÁLISE DE RECEITAS RESUMO POESIA NO ENSINO MÉDIO: ANÁLISE DE RECEITAS Caroline Orlandini Moraes (Bolsista Fundação Araucária / G CLCA UENP/CJ) (Integrante do GP Literatura e Ensino - UENP/CJ) Rafaela Stopa (Orientadora - CLCA-UENP/CJ)

Leia mais

DE NOEL ROSA E A CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS: UM ESTUDO SEMÂNTICO-ENUNCIATIVO DA DIRETIVIDADE ARGUMENTATIVA NO PROCESSO DE LEITURA

DE NOEL ROSA E A CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS: UM ESTUDO SEMÂNTICO-ENUNCIATIVO DA DIRETIVIDADE ARGUMENTATIVA NO PROCESSO DE LEITURA A MÚSICA POSITIVISMO DE NOEL ROSA E A CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS: UM ESTUDO SEMÂNTICO-ENUNCIATIVO DA DIRETIVIDADE ARGUMENTATIVA NO PROCESSO DE LEITURA Josegleide Elioterio dos Santos gleideelioterio@hotmail.com

Leia mais

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque Fantasmas da noite Uma peça de Hayaldo Copque Peça encenada dentro de um automóvel na Praça Roosevelt, em São Paulo-SP, nos dias 11 e 12 de novembro de 2011, no projeto AutoPeças, das Satyrianas. Direção:

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

Sustentabilidade x Seguros

Sustentabilidade x Seguros 6 JOSÉ ELI DA VEIGA Professor titular de economia da Universidade de São Paulo (USP), pesquisador do Núcleo de Economia Socioambiental (NESA) e orientador em dois programas de pós-graduação: Relações Internacionais

Leia mais

ALBERTO CAEIRO E A POÉTICA DA NEGAÇÃO RINALDO GAMA. Resumo

ALBERTO CAEIRO E A POÉTICA DA NEGAÇÃO RINALDO GAMA. Resumo ALBERTO CAEIRO E A POÉTICA DA NEGAÇÃO RINALDO GAMA Resumo Ao explicitar, em O Guardador de Rebanhos, a impossibilidade de se atingir o real por meio dos signos, ao mesmo tempo em que se vê na contingência

Leia mais

Latusa Digital Ano 9 N. 49 Junho de 2012. Sobre a letra e o gozo na escrita de Clarice Lispector

Latusa Digital Ano 9 N. 49 Junho de 2012. Sobre a letra e o gozo na escrita de Clarice Lispector Clarisse Boechat 1 Marcia Mello de Lima 2 A obra de Clarice Lispector surpreende o psicanalista de orientação lacaniana, que trabalha com a prática da letra, pois é possível extrair dali alguns conceitos

Leia mais

O que procuramos está sempre à nossa espera, à porta do acreditar. Não compreendemos muitos aspectos fundamentais do amor.

O que procuramos está sempre à nossa espera, à porta do acreditar. Não compreendemos muitos aspectos fundamentais do amor. Capítulo 2 Ela representa um desafio. O simbolismo existe nas imagens coloridas. As pessoas apaixonam-se e desapaixonam-se. Vão onde os corações se abrem. É previsível. Mereces um lugar no meu baloiço.

Leia mais

QUESTÕES FILOSÓFICAS CONTEMPORÂNEAS: HEIDEGGER E O HUMANISMO

QUESTÕES FILOSÓFICAS CONTEMPORÂNEAS: HEIDEGGER E O HUMANISMO QUESTÕES FILOSÓFICAS CONTEMPORÂNEAS: HEIDEGGER E O HUMANISMO Bernardo Goytacazes de Araújo Professor Docente de Filosofia da Universidade Castelo Branco Especialista em Filosofia Moderna e Contemporânea

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos.

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos. 1) Como está sendo a expectativa do escritor no lançamento do livro Ser como um rio que flui? Ele foi lançado em 2006 mas ainda não tinha sido publicado na língua portuguesa, a espera do livro pelos fãs

Leia mais

Honrar os valores, uma questão de integridade

Honrar os valores, uma questão de integridade Honrar os valores, uma questão de integridade Por: P.A. (Paulo Alvarenga) Nos últimos congressos de desenvolvimento profissional que participei, o que mais tenho escutado é sobre a importância dos valores.

Leia mais

DIAS 94. de Claudio Simões (1990 / 94)

DIAS 94. de Claudio Simões (1990 / 94) DIAS 94 de Claudio Simões (1990 / 94) 2 PERSONAGENS São cinco personagens identificadas apenas por números. Não têm gênero definido, podendo ser feitas por atores ou atrizes. As frases em que falam de

Leia mais

SEU GUIA DEFINITIVO PARA PLANEJAR E EXECUTAR DE UMA VEZ POR TODAS SEU SONHO ENGAVETADO

SEU GUIA DEFINITIVO PARA PLANEJAR E EXECUTAR DE UMA VEZ POR TODAS SEU SONHO ENGAVETADO FAÇA ACONTECER AGORA MISSÃO ESPECIAL SEU GUIA DEFINITIVO PARA PLANEJAR E EXECUTAR DE UMA VEZ POR TODAS SEU SONHO ENGAVETADO RENATA WERNER COACHING PARA MULHERES Página 1 Q ue Maravilha Começar algo novo

Leia mais

A palavra APOCALIPSE vem do grego e significa REVELAÇÃO. O livro não revela o fim do mundo, mas trata-se de um livro sobre as revelações de Jesus

A palavra APOCALIPSE vem do grego e significa REVELAÇÃO. O livro não revela o fim do mundo, mas trata-se de um livro sobre as revelações de Jesus - Oi, dona Jurema, como vai? - Tudo bem, e o senhor? - Dona Jurema, a senhora que lê a Bíblia, do que mais gosta? - Ah! Gosto do Apocalipse. O meu entendimento é fraco, mas, esse livro me traz conforto

Leia mais

MERGULHO de Betina Toledo e Thuany Motta

MERGULHO de Betina Toledo e Thuany Motta MERGULHO de Betina Toledo e Thuany Motta Copyright Betina Toledo e Thuany Motta Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 MERGULHO FADE IN: CENA 1 PRAIA DIA Fotografia de

Leia mais

O Prólogo de um Experimento - Número 114-10/2013 [166-171]

O Prólogo de um Experimento - Número 114-10/2013 [166-171] O Prólogo de um Experimento - Número 114-10/2013 [166-171] Há uma mistura de sentimentos que parece sempre acompanhar ao menos a mim o início da relação com algo a ser lido ou escrito; seja quando sou

Leia mais

Para que serve tudo isso?

Para que serve tudo isso? Para que serve tudo isso? Para que serve tudo isso? A filosofia e o sentido da vida, de Platão a Monty Python Julian Baggini Tradução: Cristiano Botafogo Rio de Janeiro Título original: What s It All About?

Leia mais

A ESPERANÇA QUE VEM DO ALTO. Romanos 15:13

A ESPERANÇA QUE VEM DO ALTO. Romanos 15:13 A ESPERANÇA QUE VEM DO ALTO Romanos 15:13 - Ora o Deus de esperança vos encha de toda a alegria e paz em crença, para que abundeis em esperança pela virtude do Espírito Santo. Só Deus pode nos dar uma

Leia mais

Uma vanguarda centenária

Uma vanguarda centenária Entrevista Uma vanguarda centenária George Popescu Revista Brasileira Como o senhor interpreta o quadro atual da literatura romena? George Popescu Depois da queda do regime autoritário de Ceauşescu, a

Leia mais

Anna Catharinna 1 Ao contrário da palavra romântico, o termo realista vai nos lembrar alguém de espírito prático, voltado para a realidade, bem distante da fantasia da vida. Anna Catharinna 2 A arte parece

Leia mais

SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA

SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA Kellen Millene Camargos RESENDE (Faculdade de Letras UFG; kellenmil@gmail.com); Zênia de FARIA (Faculdade de Letras UFG; zenia@letras.ufg.br).

Leia mais

O Coração Sujo. Tuca Estávamos falando sobre... hm, que cheiro é esse? Tuca Parece cheiro de gambá morto afogado no esgoto.

O Coração Sujo. Tuca Estávamos falando sobre... hm, que cheiro é esse? Tuca Parece cheiro de gambá morto afogado no esgoto. O Coração Sujo Personagens - Tuca - Teco - Tatá - Tia Tuca e Tatá estão conversando. Teco chega. Teco Oi, meninas, sobre o que vocês estão falando? Tuca Estávamos falando sobre... hm, que cheiro é esse?

Leia mais

2015 O ANO DE COLHER MAIO - 1 COMO SERÁ A CIDADE?

2015 O ANO DE COLHER MAIO - 1 COMO SERÁ A CIDADE? MAIO - 1 COMO SERÁ A CIDADE? Texto: Apocalipse 21:1-2 Então vi um novo céu e uma nova terra, pois o primeiro céu e a primeira terra tinham passado; e o mar já não existia. Vi a cidade santa, a nova Jerusalém,

Leia mais

mdic.empauta.com Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior Clipping da imprensa Brasília, 15 de abril de 2008 às 14h20

mdic.empauta.com Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior Clipping da imprensa Brasília, 15 de abril de 2008 às 14h20 Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior Clipping da imprensa Brasília, 15 de abril de 2008 às 14h20 Diário de Cuiabá MT Novo perfil trará mudanças à Casa Civil...............................................

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 24

Transcrição de Entrevista n º 24 Transcrição de Entrevista n º 24 E Entrevistador E24 Entrevistado 24 Sexo Feminino Idade 47 anos Área de Formação Engenharia Sistemas Decisionais E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

O Sofrimento humano.

O Sofrimento humano. Clamo a Deus por socorro; clamo a Deus que me escute... O meu coração medita, e o meu espírito pergunta: Irá o Senhor rejeitar-nos para sempre? Jamais tornará a mostrar-nos o seu favor? Desapareceu para

Leia mais

3. Os erros têm sido cometidos exatamente onde há maior dificuldade...

3. Os erros têm sido cometidos exatamente onde há maior dificuldade... Entrevista com PEDRO MANDELLI Consultor na área de mudança organizacional, Pedro Mandelli é um dos maiores especialistas em desenho e condução de processos de mudança em organizações. É professor da Fundação

Leia mais

UM JEITO DE AMAR A VIDA

UM JEITO DE AMAR A VIDA UM JEITO DE AMAR A VIDA Maria do Carmo Chaves CONSCIÊNCIA DO MUNDO FICHA TÉCNICA EDIÇÃO: Vírgula (Chancela Sítio do Livro) TÍTULO: Um jeito de amar a vida AUTORA: Maria do Carmo Chaves (escreve de acordo

Leia mais

CURRÍCULO NA CONTEMPORANEIDADE: INTERNACIONALIZAÇÃO E CONTEXTOS LOCAIS

CURRÍCULO NA CONTEMPORANEIDADE: INTERNACIONALIZAÇÃO E CONTEXTOS LOCAIS CURRÍCULO NA CONTEMPORANEIDADE: INTERNACIONALIZAÇÃO E CONTEXTOS LOCAIS ATAS DO XI Colóquio sobre Questões Curriculares VII Colóquio Luso-Brasileiro de Questões Curriculares I Colóquio Luso-Afro-Brasileiro

Leia mais

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro;

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro; EIXO TEMÁTICO: 1 TEXTO LITERÁRIO E NÃO LITERÁRIO 1) Analisar o texto em todas as suas dimensões: semântica, sintática, lexical e sonora. 1. Diferenciar o texto literário do não-literário. 2. Diferenciar

Leia mais

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri. Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.com Página 1 1. HISTÓRIA SUNAMITA 2. TEXTO BÍBLICO II Reis 4 3.

Leia mais

2007 Para Francisco livro em 2008 cinemas em 2015 Hoje Vou Assim 2013, lançou o livro Moda Intuitiva

2007 Para Francisco livro em 2008 cinemas em 2015 Hoje Vou Assim 2013, lançou o livro Moda Intuitiva CR I S G U E R R A p u b l i c i tá r i a, e s c r i to r a e pa l e s t r a N t e PERFIL Começou sua trajetória na internet em 2007, escrevendo o blog Para Francisco, que virou livro em 2008 e irá para

Leia mais

By Dr. Silvia Hartmann

By Dr. Silvia Hartmann The Emo trance Primer Portuguese By Dr. Silvia Hartmann Dra. Silvia Hartmann escreve: À medida em que nós estamos realizando novas e excitantes pesquisas; estudando aplicações especializadas e partindo

Leia mais

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR Matheus Oliveira Knychala Biasi* Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Carnaval 2014 A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Nesta noite vamos fazer uma viagem! Vamos voltar a um tempo que nos fez e ainda nos faz feliz, porque afinal como

Leia mais

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1 Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana avier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este trabalho se propõe uma jornada Arcoverde adentro

Leia mais

O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES

O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES Aline Patrícia da Silva (Departamento de Letras - UFRN) Camila Maria Gomes (Departamento de Letras - UFRN) Orientadora: Profª Dra.

Leia mais

Entrevista 2.21- Vera

Entrevista 2.21- Vera Entrevista 2.21- Vera (Bloco A - Legitimação da entrevista onde se clarificam os objectivos do estudo, se contextualiza a realização do estudo e participação dos sujeitos e se obtém o seu consentimento)

Leia mais

6. Referências Bibliográficas

6. Referências Bibliográficas 6. Referências Bibliográficas ARIÈS, P. Por uma história da vida privada. In ARIÈS, P. e CHARTIER, R., História da Vida Privada, vol 3, p. 7-19. São Paulo: Ed. Schwarcz, 1997. BENEDICT, Ruth, Continuidades

Leia mais

A se acreditar no testemunho de seus contemporâneos, Maria Guilhermina Loureiro

A se acreditar no testemunho de seus contemporâneos, Maria Guilhermina Loureiro CONSIDERAÇÕES FINAIS A se acreditar no testemunho de seus contemporâneos, Maria Guilhermina Loureiro de Andrade foi uma mulher bastante conhecida na sociedade brasileira, pelo menos entre a imprensa e

Leia mais

Sinopse. Teria sido uma noite como qualquer outra, se ele não tivesse aparecido. E se eu

Sinopse. Teria sido uma noite como qualquer outra, se ele não tivesse aparecido. E se eu 1 Sinopse Teria sido uma noite como qualquer outra, se ele não tivesse aparecido. E se eu não estivesse completamente sozinha. Com um estranho em um Penhasco e sem lembrar de como fui parar ali. Me assustei

Leia mais

SABE O QUE É UM "BIBLIÓFILO"?

SABE O QUE É UM BIBLIÓFILO? SABE O QUE É UM "BIBLIÓFILO"? Se apelarmos para o sentido etimológico da palavra, vamos saber que o nome vem do grego: "biblion" quer dizer "livro" (daí, biblioteca lugar onde os livros são guardados,

Leia mais

Carlos Neves. Antologia. Raízes. Da Poesia

Carlos Neves. Antologia. Raízes. Da Poesia 1 Antologia Raízes Da Poesia 2 Copyrighr 2013 Editra Perse Capa e Projeto gráfico Autor Registrado na Biblioteca Nacional ISBN International Standar Book Number 978-85-8196-234- 4 Literatura Poesias Publicado

Leia mais

COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO VESTIBULAR PUCPR 2009/2010 PROVA DE LITERATURA

COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO VESTIBULAR PUCPR 2009/2010 PROVA DE LITERATURA COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO VESTIBULAR PUCPR 2009/2010 PROVA DE LITERATURA Nenhuma questão com problema no gabarito. Nenhuma falha mais clamorosa. Logo, podemos considerar excelente

Leia mais

O Surrealismo foi um movimento artístico e literário surgido primeiramente em Paris (1924) com a publicação do Manifesto Surrealista, feito pelo

O Surrealismo foi um movimento artístico e literário surgido primeiramente em Paris (1924) com a publicação do Manifesto Surrealista, feito pelo 1 O Surrealismo foi um movimento artístico e literário surgido primeiramente em Paris (1924) com a publicação do Manifesto Surrealista, feito pelo poeta e psiquiatra francês André Breton em 1924. Inserido

Leia mais

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES SUPLEMENTO DE ATIVIDADES NOME: N O : ESCOLA: SÉRIE: 1 Considerado um dos mais importantes escritores de todos os tempos, Edgar Allan Poe se inscreveu na história da literatura mundial com seu estilo inconfundível.

Leia mais

Videoclipe: Só sei dançar com você 1

Videoclipe: Só sei dançar com você 1 Videoclipe: Só sei dançar com você 1 Bruno Olhero BOTAS 2 Gabriela dos Santos SILVA 3 Grazielli FERRACCIOLLI 4 Guilherme Henrique de SOUZA 5 Isa Dias Colombo SANTOS 6 Rahessa da Silva VITÓRIO 7 Yasmin

Leia mais

Considerações sobre Walter Benjamin e a Reprodutibilidade Técnica. mais possível. Com efeito, uma certeza acerca do conceito de arte é sua indefinição

Considerações sobre Walter Benjamin e a Reprodutibilidade Técnica. mais possível. Com efeito, uma certeza acerca do conceito de arte é sua indefinição Considerações sobre Walter Benjamin e a Reprodutibilidade Técnica Danilo L. Brito (UFRJ) A arte tem sido alvo de discussões de diferentes teóricos ao longo da história, desde os gregos, com sua concepção

Leia mais

Retroceder? Só se for pra pegar impulso!

Retroceder? Só se for pra pegar impulso! Retroceder? Só se for pra pegar impulso! Hb 10:35-39 "Por isso, não abram mão da confiança que vocês têm; ela será ricamente recompensada. Vocês precisam perseverar, de modo que, quando tiverem feito a

Leia mais

Matemática e Psicanálise

Matemática e Psicanálise Matemática e Psicanálise Antonio Carlos Borges Campos Desde que comecei minhas leituras sobre Lacan, passei a conviver com um verdadeiro sentimento de estranheza, no sentido do Unheimlich. A topologia

Leia mais

Língua Portuguesa Introdução ao estudo do conto. III Média

Língua Portuguesa Introdução ao estudo do conto. III Média + Língua Portuguesa Introdução ao estudo do conto III Média + O que é um conto? n Conto é uma narrativa curta que apresenta os mesmos elementos de um romance: narrador, personagens, enredo, espaço e tempo.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 88 Discurso na cerimónia de inauguração

Leia mais

A melhor ideia, sem gente boa, "Não vai a lugar algum"

A melhor ideia, sem gente boa, Não vai a lugar algum A melhor ideia, sem gente boa, "Não vai a lugar algum" O empresário Carlos Alberto Sicupira conta como se dedica atualmente ao que muitas vezes não passa de platitude no jargão corporativo - a formação

Leia mais

15:54:39 - Rodrigo Schwarz : Convidado 'Rodrigo Schwarz' entra na sala. 15:56:27 - Cristovão Tezza : Convidado 'Cristovão Tezza' entra na sala.

15:54:39 - Rodrigo Schwarz : Convidado 'Rodrigo Schwarz' entra na sala. 15:56:27 - Cristovão Tezza : Convidado 'Cristovão Tezza' entra na sala. 15:54:39 - Rodrigo Schwarz : Convidado 'Rodrigo Schwarz' entra na sala. 15:56:26 - ana laura fala para todos: boa tarde 15:56:26 - Bortoli fala para todos: olá 15:56:26 - Flufi fala para todos: boa tarde!

Leia mais

Revista Sul-americana de Filosofia e Educação RESAFE A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO

Revista Sul-americana de Filosofia e Educação RESAFE A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO 83 Relato de experiência A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO Vânia Mesquita 1 Resumo: O presente relato busca introduzir a discussão sobre o filosofar em sala de aula como uma importante possibilidade

Leia mais

Bons empregos e cosmopolitismo atraem brasileiros a Dubai

Bons empregos e cosmopolitismo atraem brasileiros a Dubai Bons empregos e cosmopolitismo atraem brasileiros a Dubai Emirado permite ter padrão de vida semelhante ao da classe alta do Brasil. Estrangeiros vão a festas 'ocidentalizadas' e pouco interagem com locais.

Leia mais

O PULO DO GATO. Luiz Carlos Bresser-Pereira

O PULO DO GATO. Luiz Carlos Bresser-Pereira O PULO DO GATO Luiz Carlos Bresser-Pereira Entrevista publicada em Synthesis no.3, maio 1992; 4-9. Melhorar de vida tem sido uma preocupação do homem desde o século X, na Idade Média, quando a invenção

Leia mais

Entrevistada por Maria Augusta Silva [EM 1999, NA OCASIÃO DO LANÇAMENTO DO LIVRO ROSAS DA CHINA ]

Entrevistada por Maria Augusta Silva [EM 1999, NA OCASIÃO DO LANÇAMENTO DO LIVRO ROSAS DA CHINA ] ANA MAFALDA LEITE Entrevistada por Maria Augusta Silva [EM 1999, NA OCASIÃO DO LANÇAMENTO DO LIVRO ROSAS DA CHINA ] Um dizer poético pleno. Professora e poeta luso-moçambicana encantada por Florbela Espanca,

Leia mais

Os 3 Passos da Fluência - Prático e Fácil!

Os 3 Passos da Fluência - Prático e Fácil! Os 3 Passos da Fluência - Prático e Fácil! Implemente esses 3 passos para obter resultados fantásticos no Inglês! The Meridian, 4 Copthall House, Station Square, Coventry, Este material pode ser redistribuído,

Leia mais

Quando vi Fátima pela primeira vez

Quando vi Fátima pela primeira vez ... Quando vi Fátima pela primeira vez Texto de Fernando Ben, falando resumidamente sobre sua experiência nos primeiros encontros mediúnicos com Fátima. As religiões são janelas para ver o céu. Você pode

Leia mais

O corpo para a psicanálise: notas sobre inibição e psicossomática. 1

O corpo para a psicanálise: notas sobre inibição e psicossomática. 1 O corpo para a psicanálise: notas sobre inibição e psicossomática. 1 Miriam A. Nogueira Lima 2 1ª - O corpo para a psicanálise é o corpo afetado pela linguagem. Corpo das trocas, das negociações. Corpo

Leia mais

O PERCURSO ACADÉMICO NA FBAUL E AS PERSPECTIVAS FUTURAS

O PERCURSO ACADÉMICO NA FBAUL E AS PERSPECTIVAS FUTURAS O PERCURSO ACADÉMICO NA FBAUL E AS PERSPECTIVAS FUTURAS QUE OPORTUNIDADES PÓS-LICENCIATURA ESPERAM? EXPECTATIVAS QUE INQUIETAÇÕES TÊM OS ALUNOS DE DC? MADALENA : M QUAL É A TUA PERSPECTIVA DO MERCADO

Leia mais

Medo e Pathos: O indivíduo na (pós)-modernidade Carlos Henrique Aguiar Serra 1 e Flávia Mendes Ferreira 2

Medo e Pathos: O indivíduo na (pós)-modernidade Carlos Henrique Aguiar Serra 1 e Flávia Mendes Ferreira 2 Medo e Pathos: O indivíduo na (pós)-modernidade Carlos Henrique Aguiar Serra 1 e Flávia Mendes Ferreira 2 Apresentação: O nosso objetivo neste trabalho é refletir acerca do medo sentido e vivenciado pelo

Leia mais

InfoProduto Já. Qual Sua Marca? Você Sabe Vender Sua Imagem? *Sheila Souto

InfoProduto Já. Qual Sua Marca? Você Sabe Vender Sua Imagem? *Sheila Souto Qual Sua Marca? Você Sabe Vender Sua Imagem? *Sheila Souto Um Marketing Pessoal bem arquitetado pode alavancar de maneira decisiva seus negócios ou carreira, pois como dizem por aí: A primeira impressão

Leia mais

Entrevistado por Maria Augusta Silva. Entrevista realizada na ocasião em que recebeu o Prémio Nacional de Ilustração.

Entrevistado por Maria Augusta Silva. Entrevista realizada na ocasião em que recebeu o Prémio Nacional de Ilustração. ANDRÉ LETRIA Entrevistado por Maria Augusta Silva Entrevista realizada na ocasião em que recebeu o Prémio Nacional de Ilustração. Um traço sinónimo de qualidade. Desenho e cor para a infância. Aos 26 anos

Leia mais

Lila Azam Zanganeh: a poesia da felicidade

Lila Azam Zanganeh: a poesia da felicidade Lila Azam Zanganeh: a poesia da felicidade Por Meire Kusumoto 05/07/2013 A escritora franco-iraniana Lila Azam Zanganeh, atração desta sexta-feira da Festa Literária Internacional de Paraty (Flip), onde

Leia mais

Corpo e Corporeidade: uma leitura fenomenológica

Corpo e Corporeidade: uma leitura fenomenológica Corpo e Corporeidade: uma leitura fenomenológica Ari Rehfeld Publicado na Revista de Psicologia do Instituto de Gestalt de São Paulo, nr 1 2004, apresentado na IV Jornada Paulista de Gestalt É muita pretensão

Leia mais

Culturas e Imagens IMAGENS E REALIDADE. Alice Casimiro Lopes. Pinto o que sei, não o que vejo. [PABLO PICASSO]

Culturas e Imagens IMAGENS E REALIDADE. Alice Casimiro Lopes. Pinto o que sei, não o que vejo. [PABLO PICASSO] Culturas e Imagens IMAGENS E REALIDADE Alice Casimiro Lopes Pinto o que sei, não o que vejo. [PABLO PICASSO] Claude Monet, Impressão, sol nascente, Museu Marmottan, Paris Joan Miró, Noturno, coleção privada.

Leia mais

Judith H. Katz e Frederick A. Miller. seja. grande

Judith H. Katz e Frederick A. Miller. seja. grande Judith H. Katz e Frederick A. Miller seja grande Com amor, para David, meu parceiro de vida, que mantém sua fé em meu desejo de ser GRANDE; para Fred, que me ensinou o que realmente significa ousar dar

Leia mais

PERPECTIVAS DO PROJETO LIGA DE INVENTORES DA UFG * Renan Dias ROSA 1, Getúlio Antero de DEUS JÚNIOR 2

PERPECTIVAS DO PROJETO LIGA DE INVENTORES DA UFG * Renan Dias ROSA 1, Getúlio Antero de DEUS JÚNIOR 2 PERPECTIVAS DO PROJETO LIGA DE INVENTORES DA UFG * Renan Dias ROSA 1, Getúlio Antero de DEUS JÚNIOR 2 1 Bolsista do PET EEEC/UFG; renandiasrosa@gmail.com. 2 Professor Tutor do PET EEEC /UFG; getulio@eeec.ufg.br.

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia. Comunicação: Relato de Pesquisa

Universidade Federal de Uberlândia. Comunicação: Relato de Pesquisa PLANTA BAIXA: RESIGNIFICAÇÃO SENSORIAL DO ESPAÇO ESCOLAR André Luiz Silva Rodovalho (andreluizsr@yahoo.com.br), Bárbara Lamounier Borges Lima (barbaralblima@hotmail.com), Clara Fonseca Bevilaqua (clara.bevilaqua@uol.com.br),

Leia mais

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos.

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Diogo Vieira do Nascimento 1 (UERJ/EDU) Fabiana da Silva 2 (UERJ/EDU)

Leia mais

Um Futuro de Realizações sem Segredos

Um Futuro de Realizações sem Segredos Um Futuro de Realizações sem Segredos George Vittorio Szenészi, MSc. Já há algum tempo as pessoas que se realizam e obtêm sucesso têm despertado sentimentos desconcertantes: admiração, inveja ou raiva

Leia mais

Amar Dói. Livro De Poesia

Amar Dói. Livro De Poesia Amar Dói Livro De Poesia 1 Dedicatória Para a minha ex-professora de português, Lúcia. 2 Uma Carta Para Lúcia Querida professora, o tempo passou, mas meus sonhos não morreram. Você foi uma pessoa muito

Leia mais

A NOÇÃO DE ANGÚSTIA NO PENSAMENTO DE MARTIN HEIDEGGER

A NOÇÃO DE ANGÚSTIA NO PENSAMENTO DE MARTIN HEIDEGGER A NOÇÃO DE ANGÚSTIA NO PENSAMENTO DE MARTIN HEIDEGGER Leandro Assis Santos Voluntário PET - Filosofia / UFSJ (MEC/SESu/DEPEM) Orientadora: Profa. Dra. Glória Maria Ferreira Ribeiro - DFIME / UFSJ (Tutora

Leia mais

Construindo Derrida. Por Carla Rodrigues Para o Valor, 31.5.2013

Construindo Derrida. Por Carla Rodrigues Para o Valor, 31.5.2013 Construindo Derrida Por Carla Rodrigues Para o Valor, 31.5.2013 Em biografia recém- lançada, Benoît Peeters situa a obra do filósofo Jacques Derrida como parte de um tempo rico do pensamento francês Judeu

Leia mais

Eduardo Lacerda: Vender Literatura é muito difícil

Eduardo Lacerda: Vender Literatura é muito difícil Eduardo Lacerda: Vender Literatura é muito difícil Não é nada fácil vender Literatura no Brasil. A constatação é do jovem poeta e editor Eduardo Lacerda. Um dos editores da Patuá, editora paulista, Lacerda

Leia mais

1. A TRADIÇÃO REALISTA

1. A TRADIÇÃO REALISTA 1. A TRADIÇÃO REALISTA Se você alguma vez passou os olhos por um livro chamado Raízes do Brasil (1936)*, talvez tenha lido uma passagem famosa, que refere uma característica portuguesa que Sérgio Buarque

Leia mais

Inteligência emocional: como lidar com emoções difíceis

Inteligência emocional: como lidar com emoções difíceis Inteligência emocional: como lidar com emoções difíceis Inteligência emocional é fundamental para diversos contextos de nossas vidas. Estudos da CareerBuilder líder mundial na área do capital humano mostraram

Leia mais

Morte e narração em Nove Noites, de Bernardo Carvalho

Morte e narração em Nove Noites, de Bernardo Carvalho Morte e narração em Nove Noites, de Bernardo Carvalho Janaina Dias Barcelos Resumo Este ensaio busca apontar questões que envolvem os conceitos de morte e narração na obra Nove Noites, de Bernardo Carvalho,

Leia mais

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO.

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO. Roteiro de Telenovela Brasileira Central de Produção CAPÍTULO 007 O BEM OU O MAL? Uma novela de MHS. PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO. AGENOR ALBERTO FERNANDO GABRIELE JORGE MARIA CLARA MARIA CAMILLA MARÍLIA

Leia mais

Shusterman insere cultura pop na academia

Shusterman insere cultura pop na academia São Paulo, quinta, 21 de maio de 1998 Shusterman insere cultura pop na academia PATRICIA DECIA da Reportagem Local O filósofo americano leva a cultura pop à academia. Em "Vivendo a Arte - O Pensamento

Leia mais

Você, no entanto, pode nos ajudar!

Você, no entanto, pode nos ajudar! Este livro pode ser adquirido por educação, negócios, vendas ou uso promocional. Embora toda precaução tenha sido tomada na preparação deste livro, o autor não assume nenhuma responsabilidade por erros

Leia mais

Um café em Madri com Ian Gibson, prato principal: Federico Garcia Lorca - Por Syntia Pereira Alves

Um café em Madri com Ian Gibson, prato principal: Federico Garcia Lorca - Por Syntia Pereira Alves Um café em Madri com Ian Gibson, prato principal: Federico Garcia Lorca - Por Syntia Pereira Alves Ian Gibson, irlandes, mas desde 1984, cidadão espanhol. Hispanista internacionalmente reconhecido por

Leia mais

MEU REINO NÃO É DESTE MUNDO

MEU REINO NÃO É DESTE MUNDO CAPÍTULO 2 MEU REINO NÃO É DESTE MUNDO A vida futura A realeza de Jesus O ponto de vista Instruções dos Espíritos: Uma realeza terrena 1. Tornou a entrar Pilatos no palácio, e chamou a Jesus, e disse:

Leia mais

O livro. Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia

O livro. Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia O livro Vanderney Lopes da Gama 1 Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia enfurnado em seu apartamento moderno na zona sul do Rio de Janeiro em busca de criar ou

Leia mais

Portadores. Luz. Por Neale Donald Walsch. Autor de Conversando com Deus

Portadores. Luz. Por Neale Donald Walsch. Autor de Conversando com Deus Portadores da Luz Por Neale Donald Walsch Autor de Conversando com Deus Em memória de Francis H. Treon um Futzu (Mestre) em Gohn Dagow (uma clássica, chinesa, suave, monacal forma de autodesenvolvimento)

Leia mais

futurismo Filippo Marinetti Oswald de Andrade Anita Malfatti

futurismo Filippo Marinetti Oswald de Andrade Anita Malfatti FUTURISMO O futurismo é um movimento artístico e literário, que surgiu oficialmente em 20 de fevereiro de 1909 com a publicação do Manifesto Futurista, pelo poeta italiano Filippo Marinetti, no jornal

Leia mais

O Solista (The Soloist), O Alienista e outras divagações sobre as representações de loucura e normalidade APRESENTAÇÃO E PROBLEMÁTICA DESENVOLVIDA

O Solista (The Soloist), O Alienista e outras divagações sobre as representações de loucura e normalidade APRESENTAÇÃO E PROBLEMÁTICA DESENVOLVIDA O Solista (The Soloist), O Alienista e outras divagações sobre as representações de loucura e normalidade Fernanda Gabriela Soares dos Santos 1 Eu posso até parecer careta De perto ninguém é normal...

Leia mais

A geografia da solidariedade

A geografia da solidariedade Maria Adélia Aparecida de Souza Professora Titular de Geografia Humana da Universidade de São Paulo. instituto@territorial.org.br A geografia da solidariedade Tenho clareza de que me propus a um difícil

Leia mais

SUPERAÇÃO JÁ! ETAPA DEDICAÇÃO CADERNO DO ESTUDANTE

SUPERAÇÃO JÁ! ETAPA DEDICAÇÃO CADERNO DO ESTUDANTE Escola de Tempo Integral Leitura e Produção de Texto 7º ANO 6ª série) SUPERAÇÃO JÁ! ETAPA DEDICAÇÃO CADERNO DO ESTUDANTE Este é um material em construção que contém os capítulos de apoio das atividades

Leia mais