Net-Zero energy performance em edifícios de serviços

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Net-Zero energy performance em edifícios de serviços"

Transcrição

1 Net-Zero energy performance em edifícios de serviços Carlos Lisboa LNEG FCT UNL Lisboa, 25 e 26 de Junho de de Junho de 2012 Net-Zero energy performance em edifícios de serviços 1

2 PARADIGMA: Algo que serve de exemplo geral ou de modelo. = PADRÃO Paradigma (do grego parádeigma) literalmente modelo, é a representação de um padrão...a constellation of concepts, values, perceptions and practices shared by a community which forms a particular vision of reality that is the basis of the way a community organises itself. (Thomas Kuhn, em The Structure of Scientific Revolutions,1962) 25 de Junho de 2012 Net-Zero energy performance em edifícios de serviços 2

3 A reformulação da Directiva Europeia relativa ao desempenho energético dos edifícios obriga todos os edifícios novos a serem Net Zero Energy, NZE, em 2020 (2018 para os edifícios públicos) Nos EUA o Programa de Tecnologias de Edifícios do Departamento de Energia, DOE, estabeleceu um programa de investigação com o objectivo de criar as tecnologias e soluções que permitam que em 2025 a construção de Net Zero Energy Buildings seja competitiva com as soluções convencionais. Na classificação energética proposta pela ASHRAE, o grau mais elevado (A+) corresponde a Net Zero Energy Building. 25 de Junho de 2012 Net-Zero energy performance em edifícios de serviços 3

4 PARADIGMA ACTUAL: Cargas internas elevadas (iluminação, equipamentos e ocupação), Soluções arquitectónicas existentes concebidas maioritariamente com poucas preocupações de eficiência energética, Sistemas de climatização existentes concebidos maioritariamente com poucas preocupações de eficiência energética, Temperatura ambiente interior baixa, em conformidade com critérios clássicos de conforto térmico, Grandes exigências no que se refere à qualidade do ar interior e ao tratamento do ar exterior devido a ambiente urbano significativamente poluído e ruidoso devido ao trânsito automóvel, Caudal de ar novo constante e dimensionado para o pico de ocupação, Produção energética centralizada. 25 de Junho de 2012 Net-Zero energy performance em edifícios de serviços 4

5 PARADIGMA ACTUAL: Consumo anual de energia por sector (Auditorias energéticas a três edifícios de escritórios em Lisboa) Consumo médio total de energia de 150kWh/m2/ano 25 de Junho de 2012 Net-Zero energy performance em edifícios de serviços 5

6 PARADIGMA ACTUAL: Consumo anual de energia por sector Reduções de consumo em iluminação e equipamentos conduzem a uma redução indirecta em climatização. Estas reduções são prioritárias! 25 de Junho de 2012 Net-Zero energy performance em edifícios de serviços 6

7 CARGAS INTERNAS: 8 m Exemplo real de densidade extrema (3.5 m2/pessoa, 1PC por pessoa) 25 de Junho de 2012 Net-Zero energy performance em edifícios de serviços 7

8 CARGAS INTERNAS: 25 de Junho de 2012 Net-Zero energy performance em edifícios de serviços 8

9 CARGAS INTERNAS: Iluminação Com a tecnologia mais eficiente de iluminação actual conseguem-se 500lux com uma potência instalada de apenas 6W/m2. 25 de Junho de 2012 Net-Zero energy performance em edifícios de serviços 9

10 CARGAS INTERNAS: Iluminação Com tecnologia de lâmpadas fluorescentes de alta eficiência aplicadas em luminárias com reflectores de alta reflectividade conseguem-se potências instaladas de entre 4 e 6W/m2 para obter 500lux médios no plano de trabalho, Esta potência pode ser ligeiramente mais baixa com a tecnologia de LEDs, A aplicação de balastros electrónicos digitais endereçáveis ligados por BUS ao sistema de gestão técnica permite a configuração através do sistema de gestão do fluxo luminoso por luminária. Com esta solução conseguem-se obter os 500lux apenas nos postos de trabalho, reduzindo para 200lux na restante área e reduzindo significativamente o consumo, e a carga térmica, quando comparado com o consumo da solução convencional (nível de luminosidade uniforme em toda a área útil), 25 de Junho de 2012 Net-Zero energy performance em edifícios de serviços 10

11 CARGAS INTERNAS: Iluminação Uma boa concepção arquitectónica do ponto de vista da maximização da iluminação natural, aliada a um adequado sistema automático de comando da iluminação artificial, pode reduzir drasticamente o consumo de energia em iluminação, As soluções de iluminação natural são uma grande condicionante à concepção arquitectónica, Uma boa integração na arquitectura das mais eficazes soluções de iluminação natural só é possível numa fase muito inicial de concepção, quando o 3D ainda só está na cabeça do arquitecto, É necessário informar os nossos arquitectos sobre como conceber os edifícios para maximizar a iluminação natural! Sistemas de comando automático com sensores de ocupação permitem ainda reduzir mais um pouco o consumo em iluminação. 25 de Junho de 2012 Net-Zero energy performance em edifícios de serviços 11

12 CARGAS INTERNAS: Iluminação DESAFIO/OBJECTIVO; A aplicação das mais eficientes tecnologias de iluminação artificial aliada a uma concepção optimizada em termos de iluminação natural poderá levar o consumo em iluminação para menos de 5kWh/m2/ano 25 de Junho de 2012 Net-Zero energy performance em edifícios de serviços 12

13 CARGAS INTERNAS: Equipamentos Excluindo períodos de hibernação ou suspensão, um computador pessoal (PC) médio consome em média entre 110W e 125W (ASHRAE Research Project RP-1055, 1999), O consumo em equipamentos, e a carga térmica associada, depende fundamentalmente da concepção dos mesmos, O consumo depende também da forma como os mesmos são utilizados (utilização manual ou automática dos modos de hibernação e suspensão), O programa EnergyStar, criado pela Environmental Protection Agency, EUA, em 1993, levou os fabricantes de equipamentos de escritório (PCs, impressoras, fotocopiadoras, etc.) a melhorarem significativamente a eficiência energética dos mesmos, Terá que se dar um novo salto evolutivo na concepção dos equipamentos para conseguir atingir o objectivo Zero Energy. Esta evolução tecnológica, como se demonstra pelo programa EnergyStar, pode ser dinamizada pelos estados (EUA/UE). 25 de Junho de 2012 Net-Zero energy performance em edifícios de serviços 13

14 CARGAS INTERNAS: Equipamentos. PCs Cloud Computing. Processamento e storage em Mega Data Centers (DC) de alta eficiência energética (PUE<1,25) PC com reduzidos recursos de processamento e storage => baixo consumo nos edifícios Imagem do novo DC da yahoo PUE~1,1 25 de Junho de 2012 Net-Zero energy performance em edifícios de serviços 14

15 CARGAS INTERNAS: Equipamentos DESAFIO/OBJECTIVO; A aplicação de novas soluções/concepções de soluções e tecnologias informáticas, nomeadamente Cloud Computing poderá levar o consumo em equipamentos nos edifícios para valores significativamente inferiores aos actuais 25 de Junho de 2012 Net-Zero energy performance em edifícios de serviços 15

16 SOLUÇÕES ARQUITECTÓNICAS E CONSTRUTIVAS: A ausência de um eficaz sombreamento das superfícies envidraçadas no período de Inverno, aliado à elevada carga térmica interna, leva normalmente a que o pico de necessidades de arrefecimento ocorra em Novembro ou Dezembro (nas fachadas orientadas a Sul), Imagem simulada da fachada Sul de edifício existente às 12h de Dezembro. (no Verão o sombreamento é completamente eficaz) 25 de Junho de 2012 Net-Zero energy performance em edifícios de serviços 16

17 SOLUÇÕES ARQUITECTÓNICAS E CONSTRUTIVAS: Generalidade dos edifícios em Portugal são actualmente concebidos com a preocupação dominante da estética, sendo, entre outros aspectos, sacrificada a eficiência energética àquele objectivo, A maioria dos edifícios existentes seriam inabitáveis sem recurso a sistemas de climatização, mesmo na ausência de cargas internas, A concepção arquitectónica e as soluções construtivas (especificações térmicas e solares da envolvente) têm que ser testadas e optimizadas do ponto de vista da eficiência energética, recorrendo a software de simulação, Para se atingir o objectivo Zero Energy é necessário evitar completamente a incidência de radiação solar directa nas superfícies envidraçadas no período de Verão e gerir essa mesma incidência no período de Inverno. 25 de Junho de 2012 Net-Zero energy performance em edifícios de serviços 17

18 SOLUÇÕES ARQUITECTÓNICAS E CONSTRUTIVAS: DESAFIO/OBJECTIVO; As soluções arquitectónicas e construtivas devem ser tais que proporcionem condições de habitabilidade na ausência de cargas internas e de sistemas de climatização activos. 25 de Junho de 2012 Net-Zero energy performance em edifícios de serviços 18

19 SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO: Estudo do Department of Energy (DOE), dos EUA. 25 de Junho de 2012 Net-Zero energy performance em edifícios de serviços 19

20 SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO: Ventiladores e bombas são os maiores consumidores! Estudo do Department of Energy (DOE), dos EUA. 25 de Junho de 2012 Net-Zero energy performance em edifícios de serviços 20

21 SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO: Ventiladores. Necessário optimizar energeticamente os sistemas aeráulicos, Por 1000Pa de pressão o ar aquece cerca de 1ºC, Se, entre a insuflação e o retorno, a pressão fornecida pelos ventiladores for de 2000Pa, os ventiladores contribuem com um aquecimento de 2ºC, Os sistemas a ar são dimensionados para um dt=8/10ºc, portanto, o aquecimento dos ventiladores corresponde a 20% a carga sensível do local, É prioritário conceber soluções/tecnologias que reduzam a pressão dos ventiladores, Unidades de climatização de baixa perda de carga (velocidades transversais baixas), Redes aeráulicas optimizadas, Localização central das unidades de tratamento de ar, Ventiladores e motores de alta eficiência, Utilização de filtragem do ar com racionalidade. 25 de Junho de 2012 Net-Zero energy performance em edifícios de serviços 21

22 SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO: Ventiladores. Filtragem do ar. Em Portugal, as recentes exigências de qualidade do ar interior obrigam à instalação nos sistemas de vários filtros de alta eficiência (F5 a F9), inclusivé nas admissões de ar exterior, Estes filtros introduzem perdas de carga de centenas de Pascal, Estas exigências conduzem a um aumento significativo do consumo de energia (e carga térmica associada) em ventiladores, A aplicação de filtros finos (F5 a F9) tem como objectivo a protecção da saúde. Para protecção dos equipamentos são suficientes filtros gravimétricos (G1 a G4), de menor perda de carga, A aplicação dos níveis de filtragem actualmente exigidos não está devidamente justificada por estudos da ciência médica ou recomendações da OMS, É necessário rever os critérios de aplicação de filtros em sistemas de climatização, A justificarem-se os níveis de filtragem do ar exterior actualmente exigidos inviabilizam-se os sistemas de ventilação natural. 25 de Junho de 2012 Net-Zero energy performance em edifícios de serviços 22

23 SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO: Ar Novo. Em Portugal, a aplicação da lei em vigor tem conduzido frequentemente a caudais de ar novo 2,5 vezes superiores ao requerido, esta situação será corrigida na revisão da lei em curso, Edifícios em operação têm ocupações médias entre 30% e 50% da ocupação de ponta para que os sistemas foram dimensionados [1] [2], (1) Maripuu, L-L, DCV in Commercial Bldgs. Chalmers Univ.of Techn.) (2) Johansson, D., 2010, Measured Occupancy levels in 12 School class rooms. 25 de Junho de 2012 Net-Zero energy performance em edifícios de serviços 23

24 SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO: Ar Novo. Em Portugal, a aplicação da lei em vigor tem conduzido frequentemente a caudais de ar novo 2,5 vezes superiores ao requerido, esta situação será corrigida na revisão da lei em curso, Edifícios em operação têm ocupações médias entre 30% e 50% da ocupação de ponta para que os sistemas foram dimensionados [1] [2], Necessário implementar sistemas de Demand Controlled Ventilation, DCV, abrangendo todo o edifício e não apenas as salas de conferências! (1) Maripuu, L-L, DCV in Commercial Bldgs. Chalmers Univ.of Techn.) (2) Johansson, D., 2010, Measured Occupancy levels in 12 School class rooms. 25 de Junho de 2012 Net-Zero energy performance em edifícios de serviços 24

25 SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO: Ar Novo. Em Portugal, a aplicação da lei em vigor tem conduzido frequentemente a caudais de ar novo 2,5 vezes superiores ao requerido, esta situação será corrigida na revisão da lei em curso, Edifícios em operação têm ocupações médias entre 30% e 50% da ocupação de ponta para que os sistemas foram dimensionados [1] [2], Necessário implementar sistemas de Demand Controlled Ventilation, DCV, abrangendo todo o edifício e não apenas as salas de conferências! Detetores de ocupação, Difusores com bom desempenho para diferentes caudais de ar, Rede de condutas e ventiladores dimensionados para Volume de Ar Variável. (1) Maripuu, L-L, DCV in Commercial Bldgs. Chalmers Univ.of Techn.) (2) Johansson, D., 2010, Measured Occupancy levels in 12 School class rooms. 25 de Junho de 2012 Net-Zero energy performance em edifícios de serviços 25

26 EER (Kw frio / kw consumidos) Net Zero Energy Buildings Conference SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO: Unidades de expansão directa. 7 Actualmente há unidades com EER nominal de 6,0 e COP de 6,12! 6 EER médio >3,20 60% das unidades são Classe A! ANO EER máx EER med EER min Até 2006 ; ref. Saheb, Pierrot, Becirspahic / após 2006 ; pesquisa na base de dados da Eurovent 25 de Junho de 2012 Net-Zero energy performance em edifícios de serviços 26

27 EER Net Zero Energy Buildings Conference SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO: Unidades de expansão directa EER de splits de conforto certificados. Março de Splits certificados pela Eurovent em Março/ Potência de refrigeração (kw) 25 de Junho de 2012 Net-Zero energy performance em edifícios de serviços 27

28 EER Net Zero Energy Buildings Conference SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO: Unidades de expansão directa. EFICIÊNCIA A DIFERENTES TEMPERATURAS EXTERIORES. DAKIN FTXR28EV1B9+RXR28EV1B9 (Temperatura ambiente interior = 27ºC) Em condições de carga parcial atingem-se EER muito elevados Temperatura exterior média de Lisboa Condições EUROVENT Temperatura Exterior (ºC) EER sobre a potência total EER sobre a potência sensível 25 de Junho de 2012 Net-Zero energy performance em edifícios de serviços 28

29 EER (kw frio / kw elect) Net Zero Energy Buildings Conference SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO: Eficiência de chillers. Para baixas diferenças entre a temperatura no evaporador e no condensador atingem-se EER muito elevados, superior a 10!! Eficência versus carga do chiller e temperatura de entrada no condensador As eficiências mais elevadas obtêm-se para cargas entre 50% e 75%! Temperatura entrada no condensador (ºC) 25% 50% 75% 100% 25 de Junho de 2012 Net-Zero energy performance em edifícios de serviços 29

30 EER (kw térm / kw eléct) EWT. Condenser Entering Water Temperature (ºC) Net Zero Energy Buildings Conference SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO: Eficiência de chillers ,8 15,4 Chiller de levitação magnética (sem óleo) Produção de 12ºC usando fonte geotérmica entre 18ºC e 20ºC 15,2 14, ,2 13, ,8 12,1 11, ,7 17 Temperatura da água refrigerada produzida = 12ºC Chiller Load(%) EER EWT 25 de Junho de 2012 Net-Zero energy performance em edifícios de serviços 30

31 EER (kw térm / kw eléct) EWT. Condenser Entering Water Temperature (ºC) Net Zero Energy Buildings Conference SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO: Eficiência de chillers. Chiller de levitação magnética (sem óleo) Produção de 7ºC usando fonte geotérmica entre 18ºC e 20ºC Aumento do consumo de aproximadamente 17%, comparado com produção a 12ºC ,8 12, ,4 11,1 11,8 12, , , ,0 8,9 17 Temperatura da água refrigerada produzida = 7ºC Chiller Load(%) EER EWT 25 de Junho de 2012 Net-Zero energy performance em edifícios de serviços 31

32 SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO: Sistemas a água a 15-22ºC. Conseguem muito elevadas eficiências de produção de frio (EER de cerca de 10) com baixos diferenciais de temperatura entre o condensador e o evaporador, Este facto é a principal vantagem de aplicação de sistemas funcionando com temperaturas da água mais elevadas do que as tradicionais (7/12ºC). Estes sistemas baseiam-se em arrefecimento sensível e são do tipo, Vigas arrefecidas, Tectos/pavimentos/paredes arrefecidos, Unidades convencionais com serpentinas dimensionadas para temperatura elevadas da água refrigerada. Para além da maior eficiência da produção de frio não se gasta energia em arrefecimento latente (desumidificação) 25 de Junho de 2012 Net-Zero energy performance em edifícios de serviços 32

33 SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO: Conforto adaptativo. 25 de Junho de 2012 Net-Zero energy performance em edifícios de serviços 33

34 SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO: Conforto adaptativo. ANSI/ASHRAE STANDARD de Junho de 2012 Net-Zero energy performance em edifícios de serviços 34

35 O QUE FAZER NO VERÃO? Condições prévias; Arquitectura energeticamente optimizada, Redução de cargas térmicas de iluminação, Redução de cargas térmicas de equipamentos, Solução para temperaturas exteriores médias; Em grande parte das horas do Verão os edifícios de serviços poderão ser tratados apenas com sistemas de ventilação natural transversal (aberturas em fachadas) cumprindo os critérios de conforto adaptativo, Solução para temperaturas exteriores extremas; Para as horas em que a temperatura exterior é excessivamente elevada para criar condições de trabalho aceitáveis no interior deverão adoptar-se sistemas activos de alta eficiência a água a alta temperatura. 25 de Junho de 2012 Net-Zero energy performance em edifícios de serviços 35

36 O QUE FAZER NO VERÃO? Solução mais generalizada quando a implantação do Condições prévias; veículo eléctrico conduzir a Arquitectura energeticamente optimizada, menores emissões poluentes Redução de cargas térmicas de iluminação, e acústicas do trânsito Redução de cargas térmicas de equipamentos, automóvel. Solução para temperaturas exteriores médias; Em grande parte das horas do Verão os edifícios de serviços poderão ser tratados apenas com sistemas de ventilação natural transversal (aberturas em fachadas) cumprindo os critérios de conforto adaptativo, Solução para temperaturas exteriores extremas; Para as horas em que a temperatura exterior é excessivamente elevada para criar condições de trabalho aceitáveis no interior deverão adoptar-se sistemas activos de alta eficiência a água a alta temperatura. 25 de Junho de 2012 Net-Zero energy performance em edifícios de serviços 36

37 O QUE FAZER NO INVERNO? Condições prévias; Arquitectura energeticamente optimizada, Redução de cargas térmicas de iluminação, Redução de cargas térmicas de equipamentos, Solução para baixas densidades de ocupação; Aquecimento por meios passivos ou por bombas de calor de alta eficiência a baixa temperatura, Solução para elevadas densidades de ocupação; Soluções de free-cooling directo (no ar), Soluções de free-cooling indirecto (na água), Soluções de arrefecimento activo de alta eficiência. (soluções para os dias em que as condições meteorológicas, temperatura, vento ou chuva não permitam funcionar com os sistemas de ventilação natural transversal) 25 de Junho de 2012 Net-Zero energy performance em edifícios de serviços 37

38 PARADIGMA FUTURO: Cargas internas baixas (iluminação e equipamentos), Soluções arquitectónicas optimizadas relativamente à eficiência energética, Sistemas de climatização optimizados relativamente à eficiência energética, Temperatura ambiente interior em conformidade com critérios de conforto adaptativo, Ambiente exterior de qualidade devido à implantação do veículo eléctrico, permitindo a maior viabilidade de sistemas de ventilação natural transversal, Produção energética descentralizada. 25 de Junho de 2012 Net-Zero energy performance em edifícios de serviços 38

39 PROCEDIMENTO PARA NZEB: 1. Otimização de soluções passivas (arquitetura, soluções construtivas), 2. Otimização de soluções ativas (climatização e iluminação artificial), 3. Prever corretamente o consumo de energia do edifício na fase de projeto, 4. Dimensionar o sistema renovável (fotovoltaico) para fornecer uma quantidade de energia igual ou superior ao consumo de energia previsto para o edifício. 25 de Junho de 2012 Net-Zero energy performance em edifícios de serviços 39

40 PROCEDIMENTO PARA NZEB: 1. Otimização de soluções passivas (arquitetura, soluções construtivas), 2. Otimização de soluções ativas (climatização e iluminação artificial), 3. Prever corretamente o consumo de energia do edifício na fase de projeto, 4. Dimensionar o sistema renovável (fotovoltaico) para fornecer uma quantidade de energia igual ou superior ao consumo de energia previsto para o edifício. A principal causa para o fracasso de projetos NZEB tem sido a incapacidade de previsão correta do consumo de energia do edifício. 25 de Junho de 2012 Net-Zero energy performance em edifícios de serviços 40

41 PROCEDIMENTO PARA NZEB: 1. Otimização de soluções passivas (arquitetura, soluções construtivas), 2. Otimização de soluções ativas (climatização e iluminação artificial), 3. Prever corretamente o consumo de energia do edifício na fase de projeto, 4. Dimensionar o sistema renovável (fotovoltaico) para fornecer uma quantidade de energia igual ou superior ao consumo de energia previsto para o edifício. A principal causa para o fracasso de projetos NZEB tem sido a incapacidade de previsão correta do consumo de energia do edifício. Necessário desenvolver procedimentos de simulação dinâmica detalhada que conduzam a resultados mais fiáveis. 25 de Junho de 2012 Net-Zero energy performance em edifícios de serviços 41

42 Boa Sorte para o desafio NZEB! 25 de Junho de 2012 Net-Zero energy performance em edifícios de serviços 42

SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS

SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS Gás Climatização

Leia mais

\ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial

\ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial \ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial Workshop Eficiência Energética e Sustentabilidade Ambiental nas empresas CTCV 25 de Fevereiro de 2014 \ BOAS PRÁTICAS

Leia mais

Aquecimento e arrefecimento. Ventilação. Humidificação e desumidificação

Aquecimento e arrefecimento. Ventilação. Humidificação e desumidificação A generalidade das empresas necessitam de controlar o seu ambiente interior, tanto em termos de condições térmicas como de qualidade do ar, por diferentes motivos como bem estar e segurança das pessoas,

Leia mais

A CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA EM PORTUGAL - ANÁLISE DA SUA APLICAÇÃO A UM EDIFÍCIO DE SERVIÇOS

A CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA EM PORTUGAL - ANÁLISE DA SUA APLICAÇÃO A UM EDIFÍCIO DE SERVIÇOS A CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA EM PORTUGAL - ANÁLISE DA SUA APLICAÇÃO A UM EDIFÍCIO DE SERVIÇOS Panorama Energético Segundo o Portal Europeu de Energia em 2009: Ou seja, o sector dos edifícios foi responsável

Leia mais

Dicas para poupar energia Empresas

Dicas para poupar energia Empresas Dicas para poupar energia Empresas Eficiência energética: Poupar energia, utilizá-la de forma eficiente e inteligente, para conseguir mais, com menos. Importância da eficiência energética: Redução da factura

Leia mais

Todas as unidades são testadas na fábrica antes de serem vendidas! (Possibilidade de assistir aos testes)

Todas as unidades são testadas na fábrica antes de serem vendidas! (Possibilidade de assistir aos testes) 1 Todas as unidades são testadas na fábrica antes de serem vendidas! (Possibilidade de assistir aos testes) ISO 9001 Quality Management System ISO 14001 Environmental Management System 2 Sazonalidade das

Leia mais

Comparando a eficiência dos sistemas centralizados com a dos sistemas VRV por Luis Roriz e Pedro Alves da Silva

Comparando a eficiência dos sistemas centralizados com a dos sistemas VRV por Luis Roriz e Pedro Alves da Silva Comparando a eficiência dos sistemas centralizados com a dos sistemas VRV por Luis Roriz e Pedro Alves da Silva Resumo: No presente artigo é feita a comparação dos consumos devidos à climatização dum edifício

Leia mais

SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Jorge Santos Pato Lisboa, 6 de Novembro de 2014 Auditório da Ordem dos Engenheiros Gestão Eficiente da Energia nas Organizações Industriais Reflexões Iniciais Importantes Sustentabilidade e eficiência

Leia mais

Arrefecimento solar em edifícios

Arrefecimento solar em edifícios Arrefecimento solar em edifícios Introdução A constante procura de conforto térmico associada à concepção dos edifícios mais recentes conduziram a um substancial aumento da utilização de aparelhos de ar

Leia mais

Optimização Energética na Reabilitação Onde Investir?

Optimização Energética na Reabilitação Onde Investir? Optimização Energética na Reabilitação Onde Investir? A nova legislação estabelece as seguintes exigências relativamente à envolvente do edifício: Limite máximo dos coeficientes de transmissão térmica

Leia mais

Barómetro da Eficiência Energética Portugal 2010

Barómetro da Eficiência Energética Portugal 2010 1 - Aspectos Gerais 1.1 - Em qual das duas categorias a sua empresa se insere mais? Indústria 1.2 - O tema da eficiência energética é importante para a sua empresa. Barómetro da Eficiência Energética Portugal

Leia mais

Uso de Energia de combustíveis fósseis como principal culpado do Aquecimento Global

Uso de Energia de combustíveis fósseis como principal culpado do Aquecimento Global Alterações Climáticas e Energia Três pontos de vista: Uso de Energia de combustíveis fósseis como principal culpado do Aquecimento Global Impactos ambientais dos sistemas de produção de Energia de origem

Leia mais

Contribuição do INESC Coimbra para o Estudo Prévio do Futuro Edifício da Câmara Municipal da Mealhada

Contribuição do INESC Coimbra para o Estudo Prévio do Futuro Edifício da Câmara Municipal da Mealhada Institute of Systems Engineering and Computers INESC Coimbra Contribuição do INESC Coimbra para o Estudo Prévio do Futuro Edifício da Technical Report Documento Técnico Institute of Systems Engineering

Leia mais

Fórum Eficiência Energética

Fórum Eficiência Energética Fórum Eficiência Energética A Visão do Auditor Aspectos a Considerar Luís Coelho Escola Superior de Tecnologia de Setúbal (ESTSetúbal) - IPS OBJECTIVOS: Apresentar os aspectos mais importantes da intervenção

Leia mais

ETAMAX. Unidade de tratamento de ar autónoma de elevada eficiência. versões. principais características. Feio & Comp

ETAMAX. Unidade de tratamento de ar autónoma de elevada eficiência. versões. principais características. Feio & Comp ETAMAX Unidade de tratamento de ar autónoma de elevada eficiência Caudais: 4.000-25.000 m 3 /h alta eficiência ETAMAX, são unidades de tratamento de ar novo de elevada eficiência do tipo compacto com circuito

Leia mais

O papel das Renováveis no contexto NZEB

O papel das Renováveis no contexto NZEB O papel das Renováveis no contexto NZEB António Joyce LNEG Laboratório Nacional de Energia e Geologia Estrada do Paço do Lumiar, 1649-038 Lisboa, PORTUGAL Edifício Solar XXI Antonio.Joyce@lneg.pt 1 Até

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL ATRAVÉS DA CERTIFICAÇÃO Leticia Neves

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL ATRAVÉS DA CERTIFICAÇÃO Leticia Neves EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL ATRAVÉS DA CERTIFICAÇÃO Leticia Neves CTE CONSULTORIA EM GREEN BUILDING DOS 203 EMPREENDIMENTOS CERTIFICADOS LEED, O CTE PRESTOU CONSULTORIA PARA 95

Leia mais

As Auditorias Energéticas e a Gestão da Energia como fator de competitividade

As Auditorias Energéticas e a Gestão da Energia como fator de competitividade As Auditorias Energéticas e a Gestão da Energia como fator de competitividade Artur Serrano CTCV Sistemas de Energia 1 ÍNDICE DOS ASSUNTOS Sistemas de Energia do CTCV - Actividades Objectivos das Auditorias

Leia mais

Esquema de Certificação Técnicos de Instalação e Manutenção de Sistemas de Climatização

Esquema de Certificação Técnicos de Instalação e Manutenção de Sistemas de Climatização Esquema de Certificação Técnicos de Instalação e Manutenção de Sistemas de Climatização 1. Introdução 1.1. O presente documento, descreve os requisitos particulares referentes à certificação de técnicos

Leia mais

A inovação não é um luxo, mas sim uma necessidade que poderá ajudar a enfrentar as dificuldades da crise

A inovação não é um luxo, mas sim uma necessidade que poderá ajudar a enfrentar as dificuldades da crise A inovação não é um luxo, mas sim uma necessidade que poderá ajudar a enfrentar as dificuldades da crise A Empresa - No mercado nacional desde 1993 - Localização: Com fábrica em Vale de Cambra (50 km a

Leia mais

Certificado Energético Pequeno Edifício de Comércio e Servicos IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA, 231, R/C Localidade PORTO

Certificado Energético Pequeno Edifício de Comércio e Servicos IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA, 231, R/C Localidade PORTO Válido até 20/04/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA, 231, R/C Localidade PORTO Freguesia PARANHOS Concelho PORTO GPS 41.163993, -8.604853 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL 1 ª Conservatória

Leia mais

Ficha de identificação da entidade participante

Ficha de identificação da entidade participante Ficha de identificação da entidade participante Instituição Designação Instituto Superior Técnico Professor responsável João Toste Azevedo Contacto 218417993 Email toste@ist.utl.pt Técnico responsável

Leia mais

Estruturas Solares Multifunções

Estruturas Solares Multifunções Esta nova forma de captação da energia solar patenteada pela Sunaitec, chamada de Estruturas Solares Multifunções, vem alterar radicalmente a forma de captação da energia do sol disponibilizando-se, no

Leia mais

Eficiência. Energética. e a energia eléctrica

Eficiência. Energética. e a energia eléctrica Eficiência Energética e a energia eléctrica > Eficiência energética A é um desafio que devemos colocar a todos nós. Está ao nosso alcance, o podermos contribuir de forma decisiva para um mundo melhor e

Leia mais

Aquecimento / Arrefecimento forma de climatização pela qual é possível controlar a temperatura mínima num local.

Aquecimento / Arrefecimento forma de climatização pela qual é possível controlar a temperatura mínima num local. ANEXO I CONCEITOS E DEFINIÇÕES (A) Águas quentes sanitárias (AQS) é a água potável a temperatura superior a 35ºC utilizada para banhos, limpezas, cozinha e outros fins específicos, preparada em dispositivo

Leia mais

Energias Renováveis em Portugal

Energias Renováveis em Portugal Energias Renováveis em Portugal António Joyce Departamento de Energias Renováveis INETI - Instituto Nacional de Engenharia, Tecnologia e Inovação Estrada do Paço do Lumiar, 1649-038 Lisboa, PORTUGAL Antonio.Joyce@ineti.pt

Leia mais

Na direcção de casas passivas. Mecanismos de apoio ao desenvolvimento do mercado de casas passivas

Na direcção de casas passivas. Mecanismos de apoio ao desenvolvimento do mercado de casas passivas Na direcção de casas passivas Mecanismos de apoio ao desenvolvimento do mercado de casas passivas Junho 2007 Índice O MÉTODO PASSIVO PARA POUPAR 1 A ESCOLHA DO FUTURO 1 CASAS PASSIVAS UM GRANDE PASSO NA

Leia mais

Corinthia Hotel Lisbon. Hotel Energeticamente Eficiente

Corinthia Hotel Lisbon. Hotel Energeticamente Eficiente Corinthia Hotel Lisbon Hotel Energeticamente Eficiente O CORINTHIA HOTEL LISBON O Maior 5 estrelas em Portugal 27 pisos Área total aproximada de 50 000 m 2 518 quartos no total: 360 quartos superiores

Leia mais

COM SISTEMAS ACTIVOS DE ELEVADA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

COM SISTEMAS ACTIVOS DE ELEVADA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EDIFÍCIOS DE BAIXO CONSUMO COM SISTEMAS ACTIVOS DE ELEVADA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA 20 de Maio de 2010 COMPONENTE PASSIVA DO EDIFÍCIO OPTIMIZADA COMPONENTE DOS SISTEMAS ACTIVOS OPTIMIZADA 1 COMPONENTE PASSIVA

Leia mais

Estudo Comparativo Implementação de IMOP

Estudo Comparativo Implementação de IMOP SIMULAÇÃO ENERGETICA ANUAL Estudo Comparativo Implementação de IMOP Elaborado por Pedro Mimoso Março, 2012 Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Agos Set Out Nov Dez SIMULAÇÃO ENERGETICA Para a elaboração desta

Leia mais

Passive Houses na região de Aveiro

Passive Houses na região de Aveiro João Gavião www.homegrid.pt jgavias@gmail.com Índice Introdução As primeiras Passive Houses certificadas em Portugal O desempenho da primeira Passive House certificada As próximas Passive Houses Solar

Leia mais

MINISTÉRIOS DO AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E ENERGIA E DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL

MINISTÉRIOS DO AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E ENERGIA E DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL 6628-(40) Diário da República, 1.ª série N.º 233 2 de dezembro de 2013 MINISTÉRIOS DO AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E ENERGIA E DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL Portaria n.º 349-D/2013

Leia mais

Por Utilização Racional de Energia (URE) entendemos o conjunto de acções e medidas, que têm como objectivo a melhor utilização da energia.

Por Utilização Racional de Energia (URE) entendemos o conjunto de acções e medidas, que têm como objectivo a melhor utilização da energia. Utilização Racional de Energia (URE) Por Utilização Racional de Energia (URE) entendemos o conjunto de acções e medidas, que têm como objectivo a melhor utilização da energia. Utilizar melhor a energia

Leia mais

Aproveitamento Solar Passivo - Aproveitamento da energia para aquecimento de edifícios ou prédios, através de concepções e estratégias construtivas.

Aproveitamento Solar Passivo - Aproveitamento da energia para aquecimento de edifícios ou prédios, através de concepções e estratégias construtivas. GLOSSÁRIO Aproveitamento Solar Passivo - Aproveitamento da energia para aquecimento de edifícios ou prédios, através de concepções e estratégias construtivas. Ar Condicionado - Expressão utilizada largamente

Leia mais

FREECOOLING COMO COMPLEMENTO DE SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO EM DATA CENTERS

FREECOOLING COMO COMPLEMENTO DE SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO EM DATA CENTERS FREECOOLING COMO COMPLEMENTO DE SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO EM DATA CENTERS Medida apoiada pelo Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Eléctrica (PPEC) para o ano de 2008 PPEC PLANO DE PROMOÇÃO

Leia mais

PROJECTOS AVAC EM ESCOLAS: SUCESSOS E DIFICULDADES

PROJECTOS AVAC EM ESCOLAS: SUCESSOS E DIFICULDADES PROJECTOS AVAC EM ESCOLAS: SUCESSOS E DIFICULDADES ENQUADRAMENTO REGULAMENTAR: RSECE (DL79/06) Grande Edifício de Serviços (área > 1000 m 2 ) Edifício constituído por vários corpos Grande intervenção de

Leia mais

Acumuladores de Calor

Acumuladores de Calor Acumuladores de Calor Em virtude da atividade de muitas pessoas se desenvolver, diariamente, no interior de edifícios, tal obriga a que as condições de conforto, principalmente as relacionadas com a qualidade

Leia mais

Passive Houses em Ílhavo

Passive Houses em Ílhavo s em Ílhavo João Gavião Arquitecto, Assessor LiderA; Certified Designer João Marcelino Eng.º Civil, Perito Qualificado RCCTE, Certified Designer Porquê 01_Introdução 02_O conceito 03_As primeiras s 04_

Leia mais

GRUPO ROLEAR. Porque há coisas que não podem parar!

GRUPO ROLEAR. Porque há coisas que não podem parar! GRUPO ROLEAR Porque há coisas que não podem parar! INOVAÇÃO COMO CHAVE DO SUCESSO Desde 1979, com sede no Algarve, a Rolear resulta da oportunidade identificada pelo espírito empreendedor do nosso fundador

Leia mais

Principais equipamentos utilizados nos sectores dos edifícios e da industria (a ter em consideração na análise energética) L. F.

Principais equipamentos utilizados nos sectores dos edifícios e da industria (a ter em consideração na análise energética) L. F. Principais equipamentos utilizados nos sectores dos edifícios e da industria (a ter em consideração na análise energética) L. F. Roriz 1. Tipo de instalações A análise energética pode ter que cobrir os

Leia mais

1. NECESSIDADES NOMINAIS ANUAIS DE ENERGIA ÚTIL PARA AQUECIMENTO

1. NECESSIDADES NOMINAIS ANUAIS DE ENERGIA ÚTIL PARA AQUECIMENTO Diário da República, 2.ª série N.º 234 3 de dezembro de 2013 35088-(41) Despacho (extrato) n.º 15793-I/2013 Nos termos e para os efeitos do Decreto -Lei n.º 118/2013 de 20 de agosto e respetiva regulamentação,

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO HOSPITAL DOUTOR MANOEL CONSTÂNCIO INSTALAÇÕES TÉCNICAS. Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios

RELATÓRIO DE ESTÁGIO HOSPITAL DOUTOR MANOEL CONSTÂNCIO INSTALAÇÕES TÉCNICAS. Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios RELATÓRIO DE ESTÁGIO INSTALAÇÕES TÉCNICAS HOSPITAL DOUTOR MANOEL CONSTÂNCIO Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios Fernando Jorge Albino Varela de Oliveira Abrantes Dezembro 2014 ÍNDICE Objectivos

Leia mais

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA. arlindo.louro@iep.pt

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA. arlindo.louro@iep.pt SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA arlindo.louro@iep.pt Instalações instituto electrotécnico português Matosinhos Rua de S. Gens, 3717 4460-409 Senhora da Hora Tel.: 229570000/15 Fax: 229530594 e-mail:com@iep.pt

Leia mais

Consultadoria e Serviços Energéticos, lda ENERGIA PARA A VIDA. Energy for life

Consultadoria e Serviços Energéticos, lda ENERGIA PARA A VIDA. Energy for life ENERGIA PARA A VIDA Energy for life A GREEN SOLUTIONS A ambição de uma empresa não se reflecte nos seus feitos individuais, mas antes na realização de projectos marcantes para sua indústria. O reconhecimento

Leia mais

O Armazenamento de Energia Térmica para aquecimento por Calor Latente (P.C.M,s) (Materiais com Mudança de Fase)

O Armazenamento de Energia Térmica para aquecimento por Calor Latente (P.C.M,s) (Materiais com Mudança de Fase) O Armazenamento de Energia Térmica para aquecimento por Calor Latente (P.C.M,s) (Materiais com Mudança de Fase) Por: Alfredo Costa Pereira* Os materiais que mudam de fase (P.C.M,s) armazenam energia mantendo

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DE PROJECTOS DE PRODUÇÃO DE ENERGIA E DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. Selfenergy

PROGRAMA DE APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DE PROJECTOS DE PRODUÇÃO DE ENERGIA E DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. Selfenergy PROGRAMA DE APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DE PROJECTOS DE PRODUÇÃO DE ENERGIA E DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Selfenergy PARCEIRO: SCT Consulting SOLVING CHALLENGES TOGETHER Uma empresa com energia A Vivapower é uma

Leia mais

BOMBAS DE CALOR AR ÁGUA. Conforto durante todo o ano, com produção de águas quentes sanitárias

BOMBAS DE CALOR AR ÁGUA. Conforto durante todo o ano, com produção de águas quentes sanitárias BOMBAS DE CALOR AR ÁGUA Conforto durante todo o ano, com produção de águas quentes sanitárias CARRIER.GRUPO UNITED TECHNOLOGIES Carrier Corporation é uma subsidiária da United Technologies Corporation

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume II Locais e Postos de trabalho. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume II Locais e Postos de trabalho. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume II Locais e Postos de trabalho um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

METODOLOGIA DE DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO. Oportunidades de redução de custos e maior eficiência energética

METODOLOGIA DE DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO. Oportunidades de redução de custos e maior eficiência energética METODOLOGIA DE DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO Oportunidades de redução de custos e maior eficiência energética A realização de diagnóstico energético envolve um conjunto bastante diversificado de atividades,

Leia mais

A escolha. atural BOMBA DE CALOR DAIKIN ALTHERMA

A escolha. atural BOMBA DE CALOR DAIKIN ALTHERMA A escolha atural BOMBA DE CALOR DAIKIN ALTHERMA 2 A escolha natural 3 em1: aquecimento, arrefecimento e água quente sanitária O sistema Daikin Altherma é a solução integrada de conforto, promovendo aquecimento,

Leia mais

EDIFÍCIO SOLAR XXI UM EDIFÍCIO ENERGETICAMENTE EFICIENTE EM PORTUGAL. Gonçalves H.P.*, Cabrito P.**

EDIFÍCIO SOLAR XXI UM EDIFÍCIO ENERGETICAMENTE EFICIENTE EM PORTUGAL. Gonçalves H.P.*, Cabrito P.** XII Congreso Ibérico y 67 VII Congreso Íbero Americano de Energía Solar Vigo, España, 14-18 Septiembre 2004 2004 M. Vázquez y J. F. Seara (Editores) EDIFÍCIO SOLAR XXI UM EDIFÍCIO ENERGETICAMENTE EFICIENTE

Leia mais

Eficiência Energética e Integração de Energias Renováveis em Edifícios

Eficiência Energética e Integração de Energias Renováveis em Edifícios Eficiência Energética e Integração de Energias Renováveis em Edifícios Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior dos Edifícios Leiria, 11 de Dezembro de 2008 Paulo Gata Amaral pgata@estg.ipleiria.pt

Leia mais

6624-(18) Diário da República, 1.ª série N.º 232 29 de novembro de 2013

6624-(18) Diário da República, 1.ª série N.º 232 29 de novembro de 2013 6624-(18) Diário da República, 1.ª série N.º 232 29 de novembro de 2013 Portaria n.º 349-B/2013 de 29 de novembro O Decreto -Lei n.º 118/2013, de 20 de agosto, aprovou o Sistema de Certificação Energética

Leia mais

Edifício Sede do Grupo EDP. Especialidades Soluções Técnicas

Edifício Sede do Grupo EDP. Especialidades Soluções Técnicas Especialidades Soluções Técnicas coordenação interdisciplinar Estruturas Principais vantagens da solução: - Leveza - Flexibilidade na utilização dos espaços - Rapidez de construção Estrutura - Modelo

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE)

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Seminário : Inovação na Construção, Técnicas e Materiais de Construção sustentável Auditório da Associação

Leia mais

QUEM FAZ A AVALIAÇÃO ENERGÉTICA E EMITE O CERTIFICADO?

QUEM FAZ A AVALIAÇÃO ENERGÉTICA E EMITE O CERTIFICADO? O QUE É UM CERTIFICADO ENERGÉTICO? Um Certificado Energético (CE) de um edifício ou fracção autónoma é o documento emitido no âmbito do Sistema Nacional de Certificação Energética e Qualidade do Ar Interior

Leia mais

MAIS JANELAS EFICIENTES

MAIS JANELAS EFICIENTES MAIS JANELAS EFICIENTES MAIS EFICIÊNCIA ENERGÉTICA nos edifícios portugueses TEKTÓNICA 2014 Lisboa 06 de Maio de 2014 1 JANELAS EFICIENTES E A REABILITAÇÃO URBANA 2 JANELAS EFICIENTES E A SUSTENTABILIDADE

Leia mais

AVALIAÇÃO ENERGÉTICA DE UM SISTEMA HÍBRIDO RADIANTE-CONVECTIVO A DOIS-TUBOS, VENTILOCONVECTORES E PAREDES RADIANTES

AVALIAÇÃO ENERGÉTICA DE UM SISTEMA HÍBRIDO RADIANTE-CONVECTIVO A DOIS-TUBOS, VENTILOCONVECTORES E PAREDES RADIANTES AVALIAÇÃO ENERGÉTICA DE UM SISTEMA HÍBRIDO RADIANTE-CONVECTIVO A DOIS-TUBOS, VENTILOCONVECTORES E PAREDES RADIANTES L. Roriz R. Duarte M. Gamboa Instituto Superior Técnico DEM/ICIST Av. Rovisco Pais, 1

Leia mais

SECTOR DA FABRICAÇÃO DE ARTIGOS DE BORRACHA E MATÉRIAS PLÁSTICAS

SECTOR DA FABRICAÇÃO DE ARTIGOS DE BORRACHA E MATÉRIAS PLÁSTICAS #3 SECTOR DA FABRICAÇÃO DE ARTIGOS DE BORRACHA E MATÉRIAS PLÁSTICAS INTERVENÇÕES E CASOS DE SUCESSO Intervenções Durante o período de intervenção do projeto efinerg II, constatou-se que as empresas do

Leia mais

CTE EQUIPE DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE PONTA. empreendimentos já certificados LEED NC e CS

CTE EQUIPE DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE PONTA. empreendimentos já certificados LEED NC e CS CTE EQUIPE DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE PONTA ü Mais de empreendimentos já certificados LEED NC e CS ü Todos com simulação termo-energética realizada por equipe especializada interna ü Atualmente temos

Leia mais

melhoria do desempenho energético global e a redução de custos para a empresa, numa perspetiva de médio prazo.

melhoria do desempenho energético global e a redução de custos para a empresa, numa perspetiva de médio prazo. 4 5 índice nota prévia NOTA PRÉVIA INTRODUÇÃO O projeto Plano de Dinamização e Disseminação de Boas Práticas Eficiência Energética no Sector Empresarial Enquadramento A eficiência energética no contexto

Leia mais

Casos de Estudo: CFD

Casos de Estudo: CFD Casos de Estudo: CFD Ventilação - Escola em Lisboa Mário Neves Dono de Obra Câmara Municipal de Lisboa Projeto de Arquitetura Arquiteta Ana Lúcia Barbosa Outubro 2013 1 1. Contexto Adaptação parcial de

Leia mais

Edifícios. Variação de Velocidade com o PumpDrive. Eficiência em Acção.

Edifícios. Variação de Velocidade com o PumpDrive. Eficiência em Acção. Edifícios Variação de Velocidade com o PumpDrive. Eficiência em Acção. 2 Vantagens Bombas controladas - planeamento controlado. Com o PumpDrive da KSB. Nos anos mais recentes as exigências profissionais

Leia mais

Dimensionamento de Solar T. para aquecimento de Piscinas

Dimensionamento de Solar T. para aquecimento de Piscinas Dimensionamento de Solar T. para aquecimento de Piscinas Pedro Miranda Soares Dimensionamento de Sistemas Solares Térmicos para aquecimento de Piscinas No dimensionamento de colectores solares para aquecimento

Leia mais

CENTRO ESCOLAR DAS LAGOAS PONTE DE LIMA

CENTRO ESCOLAR DAS LAGOAS PONTE DE LIMA CENTRO ESCOLAR DAS LAGOAS PONTE DE LIMA Projeto Energia Construção Sustentável www.cezero.pt / www.cezero.com.br CENTRO ESCOLAR DAS LAGOAS PONTE DE LIMA PROJETO Arquitetura e sistemas construtivos Maximização

Leia mais

Edifício SOLAR XXI. Um edifício energeticamente eficiente em Portugal MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO

Edifício SOLAR XXI. Um edifício energeticamente eficiente em Portugal MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO PROJECTO COM O APOIO MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO UNIÃO EUROPEIA FEDER Departamento de Energias Renováveis Estrada do Paço do Lumiar 1649-038 Lisboa Tel 351 10 94 666 Fax 351 17 17 195 helder.goncalves@ineti.pt

Leia mais

Equipamentos primários. L. Roriz

Equipamentos primários. L. Roriz Equipamentos primários L. Roriz Unidades de Arrefecimento Unidades de Arrefecimento de Ar Unidades Produtoras de Água Refrigerada Sistemas de compressão de vapor Sistemas de expansão directa Sistemas utilizando

Leia mais

ASHRAE Annual Conference 2011

ASHRAE Annual Conference 2011 ASHRAE Annual Conference 2011 Definição A ASHRAE Annual Conference é um evento criado pela American Society of Heating, Refrigerating and Air-Conditioning Engineers (sociedade americana dos engenheiros

Leia mais

Projecto de instalações mecânicas Novo Edifício do call center da PT em Santo Tirso

Projecto de instalações mecânicas Novo Edifício do call center da PT em Santo Tirso por Isabel Sarmento e Marco Quaresma (Afaconsult) grafismo AVAC João Fitas Projecto de instalações mecânicas Novo Edifício do call center da PT em Santo Tirso O novo Edifício do CallCenter da PT localizar-se-á

Leia mais

TÉCNICOS. CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA

TÉCNICOS. CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA TÉCNICOS CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA A utilização racional de energia (URE) visa proporcionar o mesmo nível de produção de bens, serviços e níveis de conforto através de tecnologias que reduzem

Leia mais

Os Benefícios Ambientais da REDE URBANA DE FRIO E CALOR DO PARQUE DAS NAÇÕES

Os Benefícios Ambientais da REDE URBANA DE FRIO E CALOR DO PARQUE DAS NAÇÕES Os Benefícios Ambientais da REDE URBANA DE FRIO E CALOR DO PARQUE DAS NAÇÕES 1. Introdução As mais-valias geradas pelo projecto da EXPO 98 ultrapassaram há muito as fronteiras do Parque das Nações. Os

Leia mais

Desempenho energético dos edifícios o impacto dos regulamentos na construção e as oportunidades de melhoria do parque habitacional

Desempenho energético dos edifícios o impacto dos regulamentos na construção e as oportunidades de melhoria do parque habitacional Desempenho energético dos edifícios o impacto dos regulamentos na construção e as oportunidades de melhoria do parque habitacional Paulo Santos ADENE Agência para a Energia Nuno Baptista ADENE Agência

Leia mais

Aquecimento Doméstico

Aquecimento Doméstico Aquecimento Doméstico Grande variedade de escolha Dos cerca de 4.000 kwh de energia consumidos por uma família portuguesa durante o ano, 15% é destinado ao aquecimento ambiente. A zona climática, o tipo

Leia mais

- Enquadramento Legal Abordagem genérica das questões associadas à QAI; Enquadramento Legal.

- Enquadramento Legal Abordagem genérica das questões associadas à QAI; Enquadramento Legal. Cursos de atualização profissional para revalidação da credenciação técnica (nº 6, art. 22º DL79/2006 de 4 Abril) Referenciais mínimos aprovados pela Comissão Tripartida Revalidação da Credenciação a TIM

Leia mais

O papel da eficiência e inovação energética nos edifícios

O papel da eficiência e inovação energética nos edifícios O papel da eficiência e inovação energética nos edifícios Apresentação no INETI 25 Junho, 2012 A energia está associada à maioria dos actuais desafios de sustentabilidade Resíduos Aquecimento global Poluição

Leia mais

Destaque ARQUITECTURA

Destaque ARQUITECTURA ARQUITECTURA ARQUITECTURA Edificio Bloom Space for Business Localização Este edifício situa-se na Rua de Campolide em Lisboa. Com sua localização privilegiada sobre o Parque do Monsanto, coração verde

Leia mais

23/06/2010. Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica. Roberto Lamberts

23/06/2010. Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica. Roberto Lamberts Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica Roberto Lamberts Oficina 09 junho de 2010 1 ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES Publicação: junho de 2009. EDIFÍCIOS ETIQUETADOS CETRAGUA

Leia mais

Solar Térmico: Uso de paineis solares térmicos. Luis Roriz

Solar Térmico: Uso de paineis solares térmicos. Luis Roriz Solar Térmico: Uso de paineis solares térmicos Luis Roriz Aquecimento passivo O calor resultante da radiação solar pode ser aproveitado para o aquecimento de edifícios sem necessidade de recorrer a sistemas

Leia mais

SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO. Laertes Mota (Eng. Civil) Guimarães, 02-12-2013

SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO. Laertes Mota (Eng. Civil) Guimarães, 02-12-2013 1 SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO Laertes Mota (Eng. Civil) Guimarães, 02-12-2013 2 SUMÁRIO: 1. INTRODUÇÃO 1.1 CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL 1.2 NZEB 2.1 CARÁCTER INOVADOR 2.2 CARACTERÍSTICAS 2.3 PORMENORES CONSTRUTIVOS

Leia mais

Aplicação do sistema de avaliação de sustentabilidade L.E.E.D. (Leadership in Energy and Environmental Design) a uma Escola Primária.

Aplicação do sistema de avaliação de sustentabilidade L.E.E.D. (Leadership in Energy and Environmental Design) a uma Escola Primária. ANEXO IV Caso de estudo: Aplicação do sistema de avaliação de sustentabilidade L.E.E.D. (Leadership in Energy and Environmental Design) a uma Escola Primária. Foto 1 - Prairieview Elementary School, Vulcan,

Leia mais

Caso prático: Um contrato de desempenho energético num hotel de cinco estrelas. pág. 22

Caso prático: Um contrato de desempenho energético num hotel de cinco estrelas. pág. 22 Caso prático: Um contrato de desempenho energético num hotel de cinco estrelas. pág. 22 H IPALAI.'I.)"S'.' HOlfc.O'.^INIHIA Corínthía Hotel Lisbon "Energy Performance Contracting" num hotel de cinco estrelas

Leia mais

Aquecimento eléctrico por fibra de carbono

Aquecimento eléctrico por fibra de carbono Aquecimento eléctrico por fibra de carbono Aquecimento eléctrico por fibra de carbono Pouco dispendioso Alta Tecnologia Ecológico Thermal Technology é uma empresa líder no desenvolvimento de tecnologias

Leia mais

Dali Multi3 torna a poupança de energia simples

Dali Multi3 torna a poupança de energia simples Dali Multi3 torna a poupança de energia simples Cada vez mais deverá ser uma realidade, a importância dada à melhoria da eficiência energética dos edifícios e à redução do consumo de energia e correspondentes

Leia mais

Eficiência Energética nos Ventiladores. Classificação Energética de Unidades de Tratamento de Ar

Eficiência Energética nos Ventiladores. Classificação Energética de Unidades de Tratamento de Ar Eficiência Energética nos Ventiladores Classificação Energética de Unidades de Tratamento de Ar 29 Novembro 2012 ecodesign requisitos - Enquadramento DIRETIVA 92/42/EEC DIRETIVA 96/57/EC DIRETIVA 2000/55/EC

Leia mais

Soluções em Climatização para Data Center

Soluções em Climatização para Data Center Soluções em Climatização para Data Center Como a climatização pode contribuir na eficiência energética do Data Center Outubro 9, 2014 Universidade de Brasília (UnB) 1 Agenda Data Center: a importância

Leia mais

Aplicação de Chillers a 4 tubos em Hotéis

Aplicação de Chillers a 4 tubos em Hotéis Aplicação de Chillers a 4 tubos em Hotéis Lisboa, 27 de Outubro de 2011 - Funcionamento de chillers 4 tubos AERMEC-NRP - Especificações hidráulicas - Avaliação energética de soluções em hotéis Chillers

Leia mais

Gestão do Consumo de Energia no Sector Turístico

Gestão do Consumo de Energia no Sector Turístico Agência Regional da Energia e Ambiente da Região Autónoma da Madeira Gestão do Consumo de Energia no Sector Turístico Funchal, 1999 Índice 1. INTRODUÇÃO... 1 2. METODOLOGIA... 4 2.1. DEFINIÇÃO DO UNIVERSO

Leia mais

SISTEMAS DE SOMBREAMENTO EM ARQUITECTURA:

SISTEMAS DE SOMBREAMENTO EM ARQUITECTURA: SISTEMAS DE SOMBREAMENTO EM ARQUITECTURA: PROPOSTA DE UM NOVO MÉTODO DE CONCEPÇÃO E DIMENSIONAMENTO Milene Silva de Jesus Palhinha Dissertação para a obtenção do Grau de Mestre em Arquitectura Instituto

Leia mais

AR CONDICIONADO SOLAR

AR CONDICIONADO SOLAR ISO 9001 : 2008 Engenharia do Ar Condicionado De 08/04/2013 a 12/04/2013 Capítulo Especial sobre AR CONDICIONADO SOLAR Local: Hotel Windsor Guanabara Av. Presidente Vargas, 392 Centro Rio de Janeiro RJ

Leia mais

A SOLUÇÃO DE AQUECIMENTO E ARREFECIMENTO CENTRAL

A SOLUÇÃO DE AQUECIMENTO E ARREFECIMENTO CENTRAL A SOLUÇÃO DE AQUECIMENTO E ARREFECIMENTO CENTRAL TECNOLOGIA BOMBA DE CALOR NO SEU MELHOR O sistema Daikin Altherma para arrefecimento e aquecimento central é baseado na tecnologia bomba de calor e representa

Leia mais

A construção das primeiras Passive House em Portugal (Ílhavo)

A construção das primeiras Passive House em Portugal (Ílhavo) A construção das primeiras Passive House em Portugal (Ílhavo) Eng.º JOÃO MARCELINO Arq.º JOÃO GAVIÃO ÍNDICE _introdução A adaptação ao conceito Passive House _envolvente As medidas para a melhoria do invólucro

Leia mais

Vamos Poupar Energia!!! www.facebook.com/experimenta.energia

Vamos Poupar Energia!!! www.facebook.com/experimenta.energia Vamos Poupar Energia!!! www.facebook.com/experimenta.energia Que podemos nós fazer? Eficiência Energética Utilização Racional da Energia, assegurando os níveis de conforto e de qualidade de vida. Como?

Leia mais

MODERNIZE SUA PLANTA FABRIL. Máquinas e equipamentos mais modernos são mais eficientes e consomem menos energia.

MODERNIZE SUA PLANTA FABRIL. Máquinas e equipamentos mais modernos são mais eficientes e consomem menos energia. 1 REALIZE UM DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO para identificar todas as oportunidades existentes, avaliar a viabilidade, determinar as prioridades e montar um programa para sua implementação 2 MODERNIZE SUA PLANTA

Leia mais

Energia. Sistemas de AVAC. Gestão Técnica Centralizada

Energia. Sistemas de AVAC. Gestão Técnica Centralizada Energia Sistemas de AVAC Gestão Técnica Centralizada Edifícios e Energia - indicadores 85% do impacte ambiental dos edifícios ocorre no período em que são ocupados (em regime de operação); Só 15% do seu

Leia mais

AR CONDICIONADO. Soluções integrais para arrefecimento e aquecimento

AR CONDICIONADO. Soluções integrais para arrefecimento e aquecimento AR CONDICIONADO AR CONDICIONADO. Soluções integrais para arrefecimento e aquecimento Índice A temperatura perfeita, com frio ou calor 03 Benefícios 04 Serviços de Apoio ao Cliente 04 Princípio de Funcionamento

Leia mais

a excelência do clima sistemas VRF

a excelência do clima sistemas VRF a excelência do clima VRF UNIDADES INTERIORES 5 MODELOS / 37 VERSÕES UNIDADES EXTERIORES 3 MODELOS / 36 VERSÕES Mural Cassette 4 vias Mini - VRF VRF VRF Plus Parede / Tecto Módulos Básicos Módulos Básicos

Leia mais

Concurso Nacional de Inovação BES

Concurso Nacional de Inovação BES UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Concurso Nacional de Inovação BES Formulário de Candidatura José Gaspar Mestrado em Engenharia de Concepção Cadeira de Gestão de Projectos Professora:

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil Gabriela Ferreira da Silva Companhia Paulista de Força e Luz gabrielaf@cpfl.com.br Eficiência

Leia mais

Série e-svtm Electrobombas verticais multicelulares em aço inoxidável

Série e-svtm Electrobombas verticais multicelulares em aço inoxidável Série e-svtm Electrobombas verticais multicelulares em aço inoxidável Campo de rendimentos hidráulicos extra efficient: extra eficiente A hidráulica recentemente concebida da e-sv TM, combinada com um

Leia mais

MERCOFRIO 2000 CONGRESSO DE AR CONDICIONADO, REFRIGERAÇÃO, AQUECIMENTO E VENTILAÇÃO DO MERCOSUL

MERCOFRIO 2000 CONGRESSO DE AR CONDICIONADO, REFRIGERAÇÃO, AQUECIMENTO E VENTILAÇÃO DO MERCOSUL MERCOFRIO 2000 CONGRESSO DE AR CONDICIONADO, REFRIGERAÇÃO, AQUECIMENTO E VENTILAÇÃO DO MERCOSUL ANÁLISE COMPARATIVA DAS TAXAS TRANSFERÊNCIA DE CALOR EM SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO DO TIPO VOLUME DE AR CONSTANTE

Leia mais