MAIS JANELAS EFICIENTES

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MAIS JANELAS EFICIENTES"

Transcrição

1 MAIS JANELAS EFICIENTES MAIS EFICIÊNCIA ENERGÉTICA nos edifícios portugueses TEKTÓNICA 2014 Lisboa 06 de Maio de 2014

2 1 JANELAS EFICIENTES E A REABILITAÇÃO URBANA 2 JANELAS EFICIENTES E A SUSTENTABILIDADE 3 JANELAS EFICIENTES: INOVAÇÃO E FUTURO Conclusões 2

3 1 JANELAS EFICIENTES E A REABILITAÇÃO URBANA 3

4 1 JANELAS EFICIENTES E A REABILITAÇÃO URBANA Consumo de energia em Portugal O consumo energético nos edifícios corresponde a 22% do total da energia consumida Crescimento previsto do consumo energético: 7,5%/ano (DGE) 40% do consumo energético de uma habitação e/ou de um edifício pode perder-se pelas FACHADAS através da zona mais débil: as JANELAS 4

5 1 JANELAS EFICIENTES E A REABILITAÇÃO URBANA A substituição de janelas antigas ineficientes termicamente por JANELAS EFICIENTES térmica e acusticamente contribuem para a redução dos consumos energéticos redução da factura energética. Redução dos consumos energéticos em energia de aquecimento (INVERNO) e energia de arrefecimento (VERÃO), com a consequente redução das emissões de CO 2 para a atmosfera.. Redução das emissões de CO 2 3

6 1 JANELAS EFICIENTES E A REABILITAÇÃO URBANA Existe um enorme potencial de mercado para janelas eficientes A maioria dos edifícios em Portugal necessitam de janelas eficientes 13% Vidros simples 30% 57% Vidros duplos, caixilharia sem corte térmico Vidros duplos, caixilharia com corte térmico Fonte: Documento BUILD UP SKILLS > Estima-se a existência de 3 milhões de fogos em Portugal com janelas antigas ineficientes 6 4

7 1 JANELAS EFICIENTES E A REABILITAÇÃO URBANA A reabilitação urbana terá de apostar na Eficiência Energética PNAEE Plano Nacional de Acção para a Eficiência Energética - Redução do consumo de energia final em 10% - Execução da Medida JANELA EFICIENTE ENE2020 Estratégia Nacional para a Energia - Redução do consumo de energia final em 20% até É fundamental executar as medidas inscritas no PNAEE para criar condições de crescimento económico É fundamental uma articulação com uma estratégia de Reabilitação Urbana das cidades portuguesas 5

8 1 JANELAS EFICIENTES E A REABILITAÇÃO URBANA A reabilitação urbana terá de apostar na Eficiência Energética A dinamização da reabilitação urbana em Portugal implica o crescimento da economia e das empresas da fileira da construção O desenvolvimento de acções e programas de incentivo à reabilitação urbana deverá contribuir para aumentar a qualificação do sector e apostar no reforço da Eficiência Energética dos edifícios A necessidade de aumento do conforto térmico do parque edificado exige a substituição de janelas ineficientes por JANELAS EFICIENTES Novas normativas europeias com o aumento das exigências de conforto térmico Novos regulamentos (REH e RECS Térmica) Regulamento das condições de conforto acústico (RRAE) Obrigatoriedade de Marcação CE de janelas (desde 01 de Fevereiro de 2010) Obrigatoriedade da certificação energética dos edifícios Novas directivas europeias relativas à eficiência energética 6

9 1 JANELAS EFICIENTES E A REABILITAÇÃO URBANA Novos regulamentos relativos à térmica dos edifícios REH Regulamento dos Edifícios de Habitação RECS Regulamento dos Edifícios de Comércio e Serviços Valores de referência para os valores Uw PORTUGAL E REGIÕES AUTÓNOMAS Zonas climáticas I1 I2 I3 Elementos exteriores Zonas envidraçadas (caixilho + vidro) U w = 4,30 U w = 3,30 U w = 3,30 RCCTE U w = 2,80 U w = 2,40 U w = 2,20 Classes de permeabilidade ao ar Classe 3 Classe 3 Classe 3 7

10 1 JANELAS EFICIENTES E A REABILITAÇÃO URBANA Novos regulamentos relativos à térmica dos edifícios REH Regulamento dos Edifícios de Habitação RECS Regulamento dos Edifícios de Comércio e Serviços Valores de referência para os valores Uw PORTUGAL E REGIÕES AUTÓNOMAS Zonas climáticas I1 I2 I3 Elementos exteriores Zonas envidraçadas U w = 2,90 U w = 2,60 U w = 2,40 (caixilho + vidro) U w = 2,80 U w = 2,40 U w = 2,20 Classes de permeabilidade ao ar Classe 3 Classe 3 Classe 3 8

11 1 JANELAS EFICIENTES E A REABILITAÇÃO URBANA Novos regulamentos relativos à térmica dos edifícios REH Regulamento dos Edifícios de Habitação RECS Regulamento dos Edifícios de Comércio e Serviços Valores de referência para os Factores Solares máximos admissíveis [gt máx.] PORTUGAL E REGIÕES AUTÓNOMAS Zonas climáticas I1 I2 I3 Classe de inércia U w = 2,90 U w = 2,60 U w = 2,40 FRACA 0,15 0,10 0,10 MÉDIA 0,56 0,56 0,50 FORTE 0,56 0,56 0,50 9

12 1 JANELAS EFICIENTES E A REABILITAÇÃO URBANA Novos regulamentos relativos à térmica dos edifícios Marcação CE + Etiqueta energética 10

13 1 JANELAS EFICIENTES E A REABILITAÇÃO URBANA VENTILAÇÃO Novos regulamentos relativos à térmica dos edifícios Método simplificado Método condicionado + 11

14 1 JANELAS EFICIENTES E A REABILITAÇÃO URBANA Janelas mais eficientes + ventilação Novos regulamentos relativos à térmica dos edifícios 12

15 1 JANELAS EFICIENTES E A REABILITAÇÃO URBANA Novas normativas europeias exigem mais qualificação das empresas existentes Marcação CE de janelas obrigatória desde 01 de Fevereiro de 2010 e RPC desde 01 de Julho de 2013 A produção de JANELAS EFICIENTES exige mais inovação tecnológica das empresas e maior qualificação dos recursos humanos Sector das janelas: um sector em mudança A dinamização da reabilitação urbana e medidas de apoio à substituição de janelas antigas por JANELAS EFICIENTES é indispensável para criar mais economia para Portugal 13

16 2 JANELAS EFICIENTES E A SUSTENTABILIDADE 14

17 2 JANELAS EFICIENTES E A SUSTENTABILIDADE O futuro dos edifícios e a sua sustentabilidade As características da arquitectura e da construção do futuro: Edifícios mais eficientes energeticamente (consumo quase zero) Edifícios com mais inovação e sofisticação técnica Edifícios multifuncionais 15

18 2 JANELAS EFICIENTES E A SUSTENTABILIDADE As características das janelas são sempre influenciadas pelo clima Diferentes zonas climáticas dentro da Europa Diferentes zonas climáticas dentro de cada país Clima continental Clima atlântico moderado Clima moderado Clima mediterrânico 16

19 2 JANELAS EFICIENTES E A SUSTENTABILIDADE A tecnologia das janelas adapta-se a cada zona geográfica Conforme as necessidades de cada clima, a tecnologia das janelas e fachadas evolui Clima continental Clima atlântico moderado Clima moderado Clima mediterrânico 17

20 2 JANELAS EFICIENTES E A SUSTENTABILIDADE Necessidade de reduzir os consumos de energia de aquecimento [inverno] diferentes tipos de perfis e de materiais para os caixilhos, diferentes tipos de vidros de arrefecimento [verão] diferentes soluções adaptadas a cada situação: estores exteriores, portadas, lâminas de sombreamento 18

21 2 JANELAS EFICIENTES E A SUSTENTABILIDADE As janelas não são um simples elemento da fachada de um edifício AS JANELAS são um elemento fundamental na fachada de um edifício Cumprem REQUISITOS: Mecânicos, Funcionais e Estéticos Elemento mais forte Ganhos solares de Inverno + Entrada de luz natural Elemento mais fraco Isolamento térmico e acústico Conciliar REQUISITOS com redução dos consumos energéticos e emissões de CO 2 Aumento das EXIGÊNCIAS TÉCNICAS dos sistemas de janelas + Certificações de produto 19

22 2 JANELAS EFICIENTES E A SUSTENTABILIDADE Mais inovação nos perfis das janelas, nos tipos e características dos vidros e nas ferragens Diferentes funções, diferentes soluções Fonte: IFT Rosenheim 20

23 2 JANELAS EFICIENTES E A SUSTENTABILIDADE As janelas são decisivas para maior Eficiência Energética As janelas contribuem para a redução dos consumos energéticos de Inverno e de Verão BALANÇO: Perdas e ganhos 21

24 2 JANELAS EFICIENTES E A SUSTENTABILIDADE Um projecto europeu Etiqueta Energética de janelas Clima frio moderado Clima continental Clima atlântico moderado Clima moderado Clima mediterrânico 22

25 2 JANELAS EFICIENTES E A SUSTENTABILIDADE Diferentes soluções adaptadas a cada país Etiqueta Energética de janelas 23

26 2 JANELAS EFICIENTES E A SUSTENTABILIDADE Etiqueta Energética de janelas Ferramenta de comunicação de simples compreensão e de suporte às decisões a tomar por parte dos clientes finais Potencia a escolha de produtos mais eficientes Amplamente aceite por todos os agentes do mercado Potencia a comparação, distinção e concorrência entre produtos Compatível com a Marcação CE e o Regulamento dos Produtos da Construção (RPC) Potencia a caracterização de desempenho energético dos produtos 24

27 2 JANELAS EFICIENTES E A SUSTENTABILIDADE Etiqueta Energética de janelas 25

28 1 JANELAS EFICIENTES E REABILITAÇÃO URBANA 2 JANELAS EFICIENTES E A SUSTENTABILIDADE 3 JANELAS EFICIENTES: INOVAÇÃO E FUTURO Conclusões 26

29 3 JANELAS EFICIENTES: INOVAÇÃO E FUTURO Mais inovação no desenvolvimento de produtos Facilidade de operar Aproveitar os ganhos solares para produzir energia Multifuncional Modular Maior complexidade técnica Qual a aceitação por parte dos utilizadores finais? Segurança anti-intrusão Segurança no uso Sustentabilidade 27

30 3 JANELAS EFICIENTES: INOVAÇÃO E FUTURO Como adaptar as janelas aos vários requisitos dos sistemas de Análise do Ciclo de Vida? Análise do Ciclo de Vida 28

31 3 JANELAS EFICIENTES: INOVAÇÃO E FUTURO Janelas verdes Análise do ciclo de vida das janelas Edifícios sustentáveis edifícios verdes PRODUÇÃO RECICLAGEM USO 29

32 3 JANELAS EFICIENTES: INOVAÇÃO E FUTURO Ciclo de vida das janelas Consumo de energia Consumo de energia Consumo de energia Consumo de energia Extracção de recursos e produção de materiais Montagem da caixilharia Uso Remoção e disposição final Emissão Emissão Emissão Emissão Consumo de energia Consumo de energia Reciclagem Transporte Outros usos Emissão Emissão Necessidade de minimizar os consumos energéticos em cada fase do Ciclo de Vida 30

33 3 JANELAS EFICIENTES: INOVAÇÃO E FUTURO Declarações Ambientais de Produto (DAP) Fonte: IFT Rosenheim 31

34 3 JANELAS EFICIENTES: INOVAÇÃO E FUTURO Declarações Ambientais de Produto (DAP) Impactes ambientais Consumo de energia primária de fontes não renováveis Consumo de energia primária de fontes renováveis Potencial e contributo para o aquecimento global Potencial de destruição da camada de ozono Potencial de destruição de recursos não renováveis Contributo para as chuvas ácidas Potencial de destruição de terrenos e aquíferos Potencial de depredação de recursos de origem fóssil Fonte: IFT Rosenheim 32

35 3 JANELAS EFICIENTES: INOVAÇÃO E FUTURO Características e requisitos obrigatórios Resistência às acções do vento Estanquidade à água Permeabilidade ao ar Emissão de substâncias perigosas Resistência ao impacto Resistência mecânica dos dispositivos de segurança Protecção contra o ruído Isolamento térmico Propriedades relevantes para a radiação solar: Factor solar e transmissão luminosa Ventilação Resistência a ciclos repetidos de abertura e fecho Fonte: IFT Rosenheim Regulamento dos Produtos da Construção (RPC) 33

36 3 JANELAS EFICIENTES: INOVAÇÃO E FUTURO No entanto, existem outros requisitos Regulamento dos Produtos da Construção (RPC) Fonte: IFT Rosenheim 34

37 3 JANELAS EFICIENTES: INOVAÇÃO E FUTURO A inovação tecnológica das janelas continuará a evoluir inovar Evolução tecnológica dos materiais perfis 35

38 3 JANELAS EFICIENTES: INOVAÇÃO E FUTURO A inovação tecnologia tecnológica das janelas continuará a a evoluir inovar Evolução tecnológica dos materiais vidros 36

39 3 JANELAS EFICIENTES: INOVAÇÃO E FUTURO A inovação tecnológica das janelas continuará a evoluir inovar Evolução tecnológica dos materiais ferragens 37

40 3 JANELAS EFICIENTES: INOVAÇÃO E FUTURO A inovação tecnológica das janelas continuará a evoluir inovar Evolução tecnológica dos materiais ventilação 38

41 3 JANELAS EFICIENTES: INOVAÇÃO E FUTURO A inovação tecnológica das janelas continuará a evoluir inovar Novas necessidades dos clientes Novos modelos de negócio 39

42 Conclusões 40

43 Conclusões Finalmente, urge divulgar amplamente a contribuição decisiva da instalação de novas JANELAS EFICIENTES na Reabilitação de edifícios A instalação de novas JANELAS EFICIENTES permite obter mais Eficiência Energética dos edifícios, por diminuição dos custos energéticos em aquecimento e arrefecimento e consequente redução das emissões de CO 2 para a atmosfera 41

44 MUITO OBRIGADO! A ANFAJE é Membro Associado da CPCI Confederação Portuguesa da Construção e do Imobiliário FAECF - Federation of European Window and Curtain Wall Manufacturers' Association FORUM IBERO AMERICANO de Janelas, Portas e Fachadas

ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DE JANELAS

ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DE JANELAS ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DE JANELAS Mais inovação Maior valor-acrescentado para o sector APCMC 27 de Fevereiro 2013 Em parceria com 1 Indústria da caixilharia: um sector em mudança A indústria de caixilharia

Leia mais

PROJECTO REQUEST. Lisboa 10.10.2012. www.building-request.eu

PROJECTO REQUEST. Lisboa 10.10.2012. www.building-request.eu PROJECTO REQUEST Lisboa 10.10.2012 www.building-request.eu 1 APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL > ANFAJE 2 A 1 APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL Missão A ANFAJE pretende representar e defender os seus associados bem

Leia mais

Instaladores de Janelas Eficientes

Instaladores de Janelas Eficientes Instaladores de Janelas Eficientes LNEG, 8 julho BUILD UP Skills FORESEE IEE/13/BWI 702/SI2.680177 BUILD UP Skills FORESEE September 2014 to February 2017 Carga horária 25 horas A. Teoria: Objetivos 1.

Leia mais

As soluções de janelas de guilhotina ZENDOW são a escolha adequada para obras de renovação arquitectónica.

As soluções de janelas de guilhotina ZENDOW são a escolha adequada para obras de renovação arquitectónica. GUILHOTINAS As soluções de janelas de guilhotina ZENDOW são a escolha adequada para obras de renovação arquitectónica. Com um sistema de ferragens de elevado desempenho, a solução de janelas de guilhotina

Leia mais

Zendow oscilo-paralelas. + liberdade para o seu espaço + isolamento térmico e acústico + segurança

Zendow oscilo-paralelas. + liberdade para o seu espaço + isolamento térmico e acústico + segurança OSCILO-PARALELAS + liberdade para o seu espaço + isolamento térmico e acústico + segurança Zendow oscilo-paralelas A tecnologia e a estética Zendow O sistema de janelas e portas oscilo-paralelas Zendow

Leia mais

Programa Janela Eficiente tem potencial de negócio de 500 milhões 08/03/11, 18:31

Programa Janela Eficiente tem potencial de negócio de 500 milhões 08/03/11, 18:31 1 de 9 Programa Janela Eficiente tem potencial de negócio de 500 milhões 08/03/11, 18:31 NOTÍCIAS A substituição de janelas antigas por janelas eficientes pode gerar na indústria, um potencial de negócio

Leia mais

REABILITAÇÃO ENERGETICAMENTE EFICIENTE de edifícios urbanos. Coimbra 31 de Julho de 2014

REABILITAÇÃO ENERGETICAMENTE EFICIENTE de edifícios urbanos. Coimbra 31 de Julho de 2014 REABILITAÇÃO ENERGETICAMENTE EFICIENTE de edifícios urbanos Coimbra 31 de Julho de 2014 1 2 3 REABILITAÇÃO URBANA uma estratégia de desenvolvimento para Portugal REABILITAÇÃO URBANA com enfoque na eficiência

Leia mais

Vasco Peixoto de Freitas

Vasco Peixoto de Freitas VIDROS EM FACHADAS Vasco Peixoto de Freitas Prof. Catedrático Laboratório de Física das Construções FACULDADE DE ENGENHARIA - UNIVERSIDADE DO PORTO SUMÁRIO I. VIDRO EM FACHADAS II. PROPRIEDADES DOS VIDROS

Leia mais

CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL

CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL SOLUÇÕES EFICIENTES HOJE, A NOSSA RIQUEZA DE AMANHÃ www.construcaosustentavel.pt ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA Apoio: AS CIDADES SÃO O NOSSO DESAFIO 50% da população

Leia mais

Eficiência Energética em Edifícios. J. Júlio Correia da Silva

Eficiência Energética em Edifícios. J. Júlio Correia da Silva J. Júlio Correia da Silva Workshop (Bio)Energia Resíduos Energias Renováveis e Eficiência Energética U. Évora 31 Maio 2010 A humanidade está a tomar consciência de que: - os recursos da Terra são finitos.

Leia mais

Sistema de Etiquetagem Energética de Produtos Janelas. Versão 1.0 Janeiro de 2014

Sistema de Etiquetagem Energética de Produtos Janelas. Versão 1.0 Janeiro de 2014 Sistema de Etiquetagem Energética de Produtos Janelas Versão 1.0 Janeiro de 2014 Índice 1. Sistema de Etiquetagem Energética de Produtos (SEEP) 2. SEEP Janelas 3. Janelas Eficientes 4. Apoio ao consumidor

Leia mais

Certificado Energético Pequeno Edifício de Comércio e Servicos IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA, 231, R/C Localidade PORTO

Certificado Energético Pequeno Edifício de Comércio e Servicos IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA, 231, R/C Localidade PORTO Válido até 20/04/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA, 231, R/C Localidade PORTO Freguesia PARANHOS Concelho PORTO GPS 41.163993, -8.604853 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL 1 ª Conservatória

Leia mais

TRAINREBUILD Formar para Reabilitar a Europa. WORKSHOP Reabilitação Energética de Edificios. Cascais, 19 de Abril de 2012

TRAINREBUILD Formar para Reabilitar a Europa. WORKSHOP Reabilitação Energética de Edificios. Cascais, 19 de Abril de 2012 TRAINREBUILD Formar para Reabilitar a Europa WORKSHOP Reabilitação Energética de Edificios Cascais, 19 de Abril de 2012 INDICE Lisboa E-Nova Enquadramento Conceitos Metodologia Oportunidades de Melhoria

Leia mais

Etiquetagem energética de janelas

Etiquetagem energética de janelas Etiquetagem energética de janelas Apresentação sumária Outubro 2012 Razões para um sistema de etiquetagem Ferramenta de comunicação de simples compreensão e suporte à decisão a tomar; Potencia a escolha

Leia mais

ecoprodutos Instituto Politécnico de Castelo Branco Castelo Branco, 29 de Maio de 2015 Francisco Pereira Branco Francisco.branco@boavistawindows.

ecoprodutos Instituto Politécnico de Castelo Branco Castelo Branco, 29 de Maio de 2015 Francisco Pereira Branco Francisco.branco@boavistawindows. ecoprodutos Instituto Politécnico de Castelo Branco Castelo Branco, 29 de Maio de 2015 www.boavistawindows.com Francisco Pereira Branco Francisco.branco@boavistawindows.com CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL ALGUNS

Leia mais

18 ANOS. Janelas para a vida

18 ANOS. Janelas para a vida 18 ANOS Janelas para a vida 1 EVOLUÇÃO HISTÓRICA 2 CAIXIAVE GROUP NO PRESENTE 3 PRODUÇÃO 4 QUALIDADE 5 UNIDADES DE NEGÓCIO 6 PRODUTOS 7 REFERÊNCIAS 1 EVOLUÇÃO HISTÓRICA 1993 1994 1996 1997 2001 2003 2004

Leia mais

O Sistema de Certificação Energética como plataforma integrada de gestão do património edificado

O Sistema de Certificação Energética como plataforma integrada de gestão do património edificado O Sistema de Certificação Energética como plataforma integrada de gestão do património edificado ENERGY FOR SMART CITIES Cascais Painel Built Environment Lisboa, 28 a 30 de Novembro de 2012 Joana Fernandes

Leia mais

Normas Europeias para Projecto de Estruturas Metálicas

Normas Europeias para Projecto de Estruturas Metálicas CENFIM, Trofa 6 de Maio de 2014 Normas Europeias para Projecto de Estruturas Metálicas Rui Ferreira Alves O Sector da Construção no contexto da União Europeia Sector estratégico: relevante para promover

Leia mais

de Janelas Eficientes

de Janelas Eficientes Este suplemento comercial faz parte integrante do JORNAL DE NOTÍCIAS de 10 de março de 2014 e não pode ser vendido separadamente Entrevista a João Ferreira Gomes, presidente da ANFAJE Associação Nacional

Leia mais

Optimização Energética na Reabilitação Onde Investir?

Optimização Energética na Reabilitação Onde Investir? Optimização Energética na Reabilitação Onde Investir? A nova legislação estabelece as seguintes exigências relativamente à envolvente do edifício: Limite máximo dos coeficientes de transmissão térmica

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada SESMARIA DO PAU QUEIMADO,, Localidade SANTO ESTEVÃO BNV

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada SESMARIA DO PAU QUEIMADO,, Localidade SANTO ESTEVÃO BNV Válido até 26/05/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada SESMARIA DO PAU QUEIMADO,, Localidade SANTO ESTEVÃO BNV Freguesia SANTO ESTEVÃO Concelho BENAVENTE GPS 38.888944, -8.723055 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

A Construção Sustentável e o Futuro

A Construção Sustentável e o Futuro A Construção Sustentável e o Futuro Victor Ferreira ENERGIA 2020, Lisboa 08/02/2010 Visão e Missão O Cluster Habitat? Matérias primas Transformação Materiais e produtos Construção Equipamentos Outros fornecedores

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE)

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Seminário : Inovação na Construção, Técnicas e Materiais de Construção sustentável Auditório da Associação

Leia mais

Thermowin, Lda. Thermowin portas e janelas) FeBa FeBa Thermowin

Thermowin, Lda. Thermowin portas e janelas) FeBa FeBa Thermowin Quem somos? Thermowin, Lda., fundada em Maio de 2010 por Vitor Soares e Paulo Salvador, com sede em Trancoso e escritório de representação em Lisboa, conta com uma equipa qualificada, com formação e experiência

Leia mais

Sistemas de perfis Softline 70 mm para janelas deslizantes

Sistemas de perfis Softline 70 mm para janelas deslizantes Sistemas de perfis Softline 70 mm para janelas deslizantes Descrição Técnica do Sistema Secção lateral janela Secção central janela Secção lateral porta Secção central porta O sistema de perfis EKOSOL

Leia mais

Eficiência Energética

Eficiência Energética Eficiência Energética A Janela que lhe proporciona tranquilidade Mais eficiência energética nos edifícios O consumo energético dos edifícios e as consequentes emissões de CO 2 para a atmosfera, responsáveis

Leia mais

José Perdigoto Director Geral de Energia e Geologia. Lisboa, 20 de Junho de 2011

José Perdigoto Director Geral de Energia e Geologia. Lisboa, 20 de Junho de 2011 O papel dos biocombustíveis na política energética nacional Seminário Internacional sobre Políticas e Impactes dos Biocombustíveis em Portugal e na Europa José Perdigoto Director Geral de Energia e Geologia

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DE PARADELHAS, 273, Localidade PADORNELO. Freguesia PADORNELO

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DE PARADELHAS, 273, Localidade PADORNELO. Freguesia PADORNELO Válido até 30/03/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DE PARADELHAS, 273, Localidade PADORNELO Freguesia PADORNELO Concelho PAREDES DE COURA GPS 41.927754, -8.540848 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL Conservatória

Leia mais

Passive Houses na região de Aveiro

Passive Houses na região de Aveiro João Gavião www.homegrid.pt jgavias@gmail.com Índice Introdução As primeiras Passive Houses certificadas em Portugal O desempenho da primeira Passive House certificada As próximas Passive Houses Solar

Leia mais

Aquecimento e arrefecimento. Ventilação. Humidificação e desumidificação

Aquecimento e arrefecimento. Ventilação. Humidificação e desumidificação A generalidade das empresas necessitam de controlar o seu ambiente interior, tanto em termos de condições térmicas como de qualidade do ar, por diferentes motivos como bem estar e segurança das pessoas,

Leia mais

QUALIVERDE. Legislação para Construções Verdes NOVEMBRO DE 2012

QUALIVERDE. Legislação para Construções Verdes NOVEMBRO DE 2012 QUALIVERDE Legislação para Construções Verdes NOVEMBRO DE 2012 Legislação para Construções Verdes Concessão de benefícios às construções verdes, de modo a promover o incentivo à adoção das ações e práticas

Leia mais

SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO. Laertes Mota (Eng. Civil) Guimarães, 02-12-2013

SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO. Laertes Mota (Eng. Civil) Guimarães, 02-12-2013 1 SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO Laertes Mota (Eng. Civil) Guimarães, 02-12-2013 2 SUMÁRIO: 1. INTRODUÇÃO 1.1 CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL 1.2 NZEB 2.1 CARÁCTER INOVADOR 2.2 CARACTERÍSTICAS 2.3 PORMENORES CONSTRUTIVOS

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO CHOUPELO, 833, 1º DTO Localidade VILA NOVA DE GAIA

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO CHOUPELO, 833, 1º DTO Localidade VILA NOVA DE GAIA Válido até 11/02/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DO CHOUPELO, 833, 1º DTO Localidade VILA NOVA DE GAIA Freguesia VILA NOVA DE GAIA (SANTA MARINHA) Concelho VILA NOVA DE GAIA GPS 41.070000, -8.360000

Leia mais

PORTAS CORREDORAS ELEVÁVEIS REHAU BRILLANT-DESIGN PARA CRIAR LUGARES CHEIOS DE LUZ. Automóvel Indústria

PORTAS CORREDORAS ELEVÁVEIS REHAU BRILLANT-DESIGN PARA CRIAR LUGARES CHEIOS DE LUZ. Automóvel Indústria PORTAS CORREDORAS ELEVÁVEIS REHAU BRILLANT-DESIGN PARA CRIAR LUGARES CHEIOS DE LUZ www.rehau.com Construção Automóvel Indústria AMBIENTES LUMINOSOS PORTAS CORREDORAS ELEVÁVEIS DO SISTEMA REHAU BRILLANT

Leia mais

Promover a Eficiência Energética nos edifícios. As PME do Sector Energético Desafios e estratégias

Promover a Eficiência Energética nos edifícios. As PME do Sector Energético Desafios e estratégias Promover a Eficiência Energética nos edifícios As PME do Sector Energético Desafios e estratégias 22 de Março 2013 Índice 1. Sistema de Etiquetagem Energética de Produtos 2. Fundo de Eficiência Energética

Leia mais

CONTRIBUTO DAS ARGAMASSAS NA SUSTENTABILIDADE LISBOA 15.05.2015

CONTRIBUTO DAS ARGAMASSAS NA SUSTENTABILIDADE LISBOA 15.05.2015 CONTRIBUTO DAS ARGAMASSAS NA SUSTENTABILIDADE LISBOA 15.05.2015 ÍNDICE SOLUÇÕES EM ARGAMASSAS PARA A REABILITAÇÃO ENERGÉTICA Sobre a Secil Argamassas Perspectiva de melhoramento do conforto André Correia

Leia mais

Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores de Coimbra

Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores de Coimbra Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores de Coimbra Bolsa de Integração à Investigação Bolseiro: Tiago Pereira da Silva Monteiro Professor Coordenador: Prof. Doutor João António Esteves Ramos

Leia mais

KÖMMERLINGR. Número 1 em Europa em Perfis de PVC. Técnica e Estética

KÖMMERLINGR. Número 1 em Europa em Perfis de PVC. Técnica e Estética KÖMMERLINGR Número 1 em Europa em Perfis de PVC Técnica e Estética 3 1 2 O que há no interior de uma janela fabricada com perfis Eurofutur? O VIDRO [1] As propriedades isolantes da janela dependem muito

Leia mais

ANFAJE Associação Nacional dos Fabricantes de Janelas Eficientes APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL

ANFAJE Associação Nacional dos Fabricantes de Janelas Eficientes APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ANFAJE Associação Nacional dos Fabricantes de Janelas Eficientes APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL A NOSSA BREVE HISTÓRIA Constituição Constituída em Janeiro de 2010, a ANFAJE representa a nível nacional os fabricantes

Leia mais

\ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial

\ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial \ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial Workshop Eficiência Energética e Sustentabilidade Ambiental nas empresas CTCV 25 de Fevereiro de 2014 \ BOAS PRÁTICAS

Leia mais

INOVAÇÃO TECNOLOGIA QUALIDADE POUPANÇA GARANTIA SUSTENTABILIDADE ESTÉTICA FUNCIONALIDADE DESIGN CONFORTO I+D+I

INOVAÇÃO TECNOLOGIA QUALIDADE POUPANÇA GARANTIA SUSTENTABILIDADE ESTÉTICA FUNCIONALIDADE DESIGN CONFORTO I+D+I SISTEMA COR 60 FOLHA OCULTA A CORTIZO desenvolveu mais de 50 sistemas exclusivos de janelas, fachadas, painel compósito e sistemas de proteção solar de última geração. Esta aposta na inovação permite-nos

Leia mais

A construção das primeiras Passive House em Portugal (Ílhavo)

A construção das primeiras Passive House em Portugal (Ílhavo) A construção das primeiras Passive House em Portugal (Ílhavo) Eng.º JOÃO MARCELINO Arq.º JOÃO GAVIÃO ÍNDICE _introdução A adaptação ao conceito Passive House _envolvente As medidas para a melhoria do invólucro

Leia mais

A inovação não é um luxo, mas sim uma necessidade que poderá ajudar a enfrentar as dificuldades da crise

A inovação não é um luxo, mas sim uma necessidade que poderá ajudar a enfrentar as dificuldades da crise A inovação não é um luxo, mas sim uma necessidade que poderá ajudar a enfrentar as dificuldades da crise A Empresa - No mercado nacional desde 1993 - Localização: Com fábrica em Vale de Cambra (50 km a

Leia mais

Soluções REHAU PARA A REABILITAÇÃO. www.rehau.pt. Construção Automóvel Indústria

Soluções REHAU PARA A REABILITAÇÃO. www.rehau.pt. Construção Automóvel Indústria Soluções REHAU PARA A REABILITAÇÃO Uma APLICAÇÃO PARA CADA NECESSIDADE www.rehau.pt Construção Automóvel Indústria A REABILITAÇÃO, UMA SOLUÇÃO COM SISTEMAS PARA O AQUECIMENTO E O ARREFECIMENTO POR SUPERFÍCIES

Leia mais

Apresentação do RECS e suas implicações para o projeto luminotécnico e elétrico

Apresentação do RECS e suas implicações para o projeto luminotécnico e elétrico Apresentação do RECS e suas implicações para o projeto luminotécnico e elétrico António Manuel Almeida aalmeida@isec.pt INESC Coimbra e IPC - ISEC Iluminação Interior no RSECE, 2006 Iluminação Interior

Leia mais

O GUIA TERMOS DE REFERÊNCIA: EXEMPLO DE APLICAÇÃO

O GUIA TERMOS DE REFERÊNCIA: EXEMPLO DE APLICAÇÃO O GUIA TERMOS DE REFERÊNCIA: EXEMPLO DE APLICAÇÃO VASCO PEIXOTO DE FREITAS Faculdade Engenharia Universidade do Porto Laboratório de Física das Construções /FEUP - AdePorto SUMÁRIO 1. Introdução 2. Tipificação

Leia mais

VIII SIMPÓSIO LUSO ALEMÃO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS FOTOVOLTAICO Energia solar nos edifícios

VIII SIMPÓSIO LUSO ALEMÃO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS FOTOVOLTAICO Energia solar nos edifícios VIII SIMPÓSIO LUSO ALEMÃO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS FOTOVOLTAICO Energia solar nos edifícios Sheraton Lisboa Hotel & Spa, na sala White Plains Lisboa, 25 de Outubro de 2011 ADENE Agência para a Energia Rui

Leia mais

A DIRECTIVA Erp E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA

A DIRECTIVA Erp E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA A DIRECTIVA Erp E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA 1 O CONTEXTO ETIQUETAGEM ENERGÉTICA e DIRECTIVA ErP, PORQUÊ? Travar a mudança climática, garantir o abastecimento de energia e aumentar a competitividade industrial

Leia mais

SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Jorge Santos Pato Lisboa, 6 de Novembro de 2014 Auditório da Ordem dos Engenheiros Gestão Eficiente da Energia nas Organizações Industriais Reflexões Iniciais Importantes Sustentabilidade e eficiência

Leia mais

02 02 2010 [MARCAÇÃO CE]

02 02 2010 [MARCAÇÃO CE] 02 02 2010 2 [MARCAÇÃO CE] Neste documento está um resumo do processo de marcação CE para o mercado da caixilharia. Esperamos que possa servir de ajuda a todos os interessados, para que a transição seja

Leia mais

Acumuladores de Calor

Acumuladores de Calor Acumuladores de Calor Em virtude da atividade de muitas pessoas se desenvolver, diariamente, no interior de edifícios, tal obriga a que as condições de conforto, principalmente as relacionadas com a qualidade

Leia mais

QUEM FAZ A AVALIAÇÃO ENERGÉTICA E EMITE O CERTIFICADO?

QUEM FAZ A AVALIAÇÃO ENERGÉTICA E EMITE O CERTIFICADO? O QUE É UM CERTIFICADO ENERGÉTICO? Um Certificado Energético (CE) de um edifício ou fracção autónoma é o documento emitido no âmbito do Sistema Nacional de Certificação Energética e Qualidade do Ar Interior

Leia mais

Conceitos e Princípios da Arquitectura Sustentável.

Conceitos e Princípios da Arquitectura Sustentável. Conceitos e Princípios da Arquitectura Sustentável. 1.0 Impacto da Construção: 1.1 Ambiental 1.2 Social 1.3 Económico Procura do Equilíbrio nestes três factores Desenvolvimento de soluções sustentáveis

Leia mais

Sustentabilidade ambiental da construção de edifícios em Portugal: Análise da regulamentação e medidas complementares

Sustentabilidade ambiental da construção de edifícios em Portugal: Análise da regulamentação e medidas complementares Jornadas LNEC Engenharia para a Sociedade Investigação e Inovação Cidades e Desenvolvimento Lisboa, LNEC, 18 a 20 de junho de 2012 Sustentabilidade ambiental da construção de edifícios em Portugal: Análise

Leia mais

Com sede em Lisboa dedica-se maioritariamente, ao Comercio e Indústria de alumínios assim como remodelações de interiores.

Com sede em Lisboa dedica-se maioritariamente, ao Comercio e Indústria de alumínios assim como remodelações de interiores. A Perfilar é hoje uma empresa de referência no sector da fabricação e instalação de sistemas de alumínio, que desde 1990 vem fazendo da satisfação contínua do cliente o seu estandarte, numa caminhada incessante

Leia mais

Desempenho energético dos edifícios o impacto dos regulamentos na construção e as oportunidades de melhoria do parque habitacional

Desempenho energético dos edifícios o impacto dos regulamentos na construção e as oportunidades de melhoria do parque habitacional Desempenho energético dos edifícios o impacto dos regulamentos na construção e as oportunidades de melhoria do parque habitacional Paulo Santos ADENE Agência para a Energia Nuno Baptista ADENE Agência

Leia mais

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 O desafio Horizonte 2020 Compromissos Nacionais Metas UE-27 20%

Leia mais

Redução da Dependência Energética de Portugal Principal Desafio:

Redução da Dependência Energética de Portugal Principal Desafio: Redução da Dependência Energética de Portugal Principal Desafio: Mudança de paradigma energético em Portugal, com um implícito Desenvolvimento Sustentável suportado no seu crescimento económico, justiça

Leia mais

22-03-2010. 1. Enquadramento do Sistema de Certificação Energética SUMÁRIO

22-03-2010. 1. Enquadramento do Sistema de Certificação Energética SUMÁRIO Take a week to change tomorrow A Certificação Energética e o Sector da Construção SUMÁRIO 1. Enquadramento do Sistema de Certificação Energética 2. As Novas Exigências Regulamentares 3. As Principais mudanças

Leia mais

Centro Urbano do Futuro Parcerias para a regeneração urbana

Centro Urbano do Futuro Parcerias para a regeneração urbana Estratégia para um Desenvolvimento Sustentável para a Cidade de Águeda Centro Urbano do Futuro Parcerias para a regeneração urbana Águeda, 27/04/2011 V.M. Ferreira O projecto: Este projecto visou reflectir

Leia mais

DR Technal CITAL JANELA DE CORRER BÁSICA

DR Technal CITAL JANELA DE CORRER BÁSICA DR Technal CITAL JANELA DE CORRER BÁSICA DR Technal CITAL, uma linha de estética simples e limpa linha de janelas Technal, oferece uma excelente relação entre o desempenho técnico e o valor do investimento.

Leia mais

A sua casa respeita o ambiente?

A sua casa respeita o ambiente? A sua casa respeita o ambiente? A casa passiva com Dow - Soluções para a Construção A casa passiva isolada com produtos Dow Soluções para a Construção Um resultado extraordinário E=-92% & 0 CO 2 E=-92%

Leia mais

O Vidro de Controlo Solar e Design VITROCHAVES INDÚSTRIA DE VIDRO S.A. www.vitrochaves.com

O Vidro de Controlo Solar e Design VITROCHAVES INDÚSTRIA DE VIDRO S.A. www.vitrochaves.com O Vidro de Controlo Solar e Design www.vitrochaves.com Polivalente para o uso Eficiente da Energia ISOLAR SOLARLUX proporciona uma temperatura ambiente equilibrada Tanto no verão como no inverno. Isto

Leia mais

Sistema softline Dupla Junta Arredondada 70 mm SL/DJ-R 70. Perfil de Calidad

Sistema softline Dupla Junta Arredondada 70 mm SL/DJ-R 70. Perfil de Calidad Sistema softline Dupla Junta Arredondada 70 mm SL/DJ-R 70 Perfil de Calidad Sl/DJ-R 70 Secção lateral Sistema de perfis de desenho suave e arestas arredondadas para janelas e portas de sacada de batente

Leia mais

Vidro isolante para mais luz e calor

Vidro isolante para mais luz e calor Vidro isolante para mais luz e calor Vidro isolante para mais luz e calor NEUTRALUX é o vidro de maior isolamento térmico da ISOLAR. Funciona sobre três princípios muito simples: Uma das superfícies do

Leia mais

27 de Fevereiro de 2014. João Gomes (jgomes@centi.pt) Bernardina Pós de Mina (bernardina.mina@secil.pt)

27 de Fevereiro de 2014. João Gomes (jgomes@centi.pt) Bernardina Pós de Mina (bernardina.mina@secil.pt) 27 de Fevereiro de 2014 João Gomes (jgomes@centi.pt) Bernardina Pós de Mina (bernardina.mina@secil.pt) 1 ÍNDICE 1. OBJECTIVOS DO PROJECTO 2. ESTRATÉGIA TÉCNICO-CIENTÍFICA 3. I&D DAS ABORDAGENS TÉCNICO-CIENTÍFICAS

Leia mais

Medida Solar Térmico 2009 Impulsionar a Eficiência Energética e a Economia Nacional

Medida Solar Térmico 2009 Impulsionar a Eficiência Energética e a Economia Nacional Medida Solar Térmico 2009 Impulsionar a Eficiência Energética e a Economia Nacional Alargamento a Instituições Particulares de Solidariedade Social e Associações Desportivas de Utilidade Pública Lisboa,

Leia mais

5º Workshop Técnico 2007 C3P NASA. Energias Renováveis: Factor de Desenvolvimento

5º Workshop Técnico 2007 C3P NASA. Energias Renováveis: Factor de Desenvolvimento 5º Workshop Técnico 2007 C3P NASA Peniche, 7 de Novembro de 2007 Energias Renováveis: Factor de Desenvolvimento O Sol pode ser um recurso? Moura e Amareleja: 2.200 KWh/m2 Soma da irradiação anual global,

Leia mais

Datas: Curso: 20, 21, 27 e 28 de Março de 2015 Exame: 19 de Junho de 2015 (exame mundial agendado pelo Passivhaus Institut)

Datas: Curso: 20, 21, 27 e 28 de Março de 2015 Exame: 19 de Junho de 2015 (exame mundial agendado pelo Passivhaus Institut) oficial do Passivhaus Institut. Permite o reconhecimento como Certified Passive House Tradesperson. Local: Coimbra - Departamento de Arquitectura da FCTUC Datas: : 20, 21, 27 e 28 de Março de 2015 Exame:

Leia mais

Aplicação de XPS em sistema ETICS e suas vantagens

Aplicação de XPS em sistema ETICS e suas vantagens Fachadas energeticamente eficientes: contribuição dos ETICS/Argamassas Térmicas Aplicação de XPS em sistema ETICS e suas vantagens Oradora: Vera Silva Associação Portuguesa de Fabricantes de Argamassas

Leia mais

5 PASSOS PARA A MARCAÇÃO CE EM CAIXILHARIAS

5 PASSOS PARA A MARCAÇÃO CE EM CAIXILHARIAS 5 PASSOS PARA A MARCAÇÃO CE EM CAIXILHARIAS Este documento é uma pequena ferramenta que o guiará nos passos necessários para a obtenção da marca CE em caixilharias, de acordo com a norma portuguesa NP

Leia mais

CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS REABILITADSOS

CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS REABILITADSOS CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS REABILITADSOS Vasco Peixoto de Freitas LFC Laboratório de Física das Construções FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO Vasco Peixoto de Freitas OASRN_2008-1

Leia mais

Sistema SOFTLINE Dupla Junta 70 mm SL/DJ-70. Sistemas de ventanas de PVC

Sistema SOFTLINE Dupla Junta 70 mm SL/DJ-70. Sistemas de ventanas de PVC Sistema SOFTLINE Dupla Junta 70 mm SL/DJ-70 Sistemas de ventanas de PVC SL/DJ-70 Secção Lateral Sistema de perfis de desenho suave e arestas arredondadas para janelas e portas de sacada de batente ou oscilobatentes

Leia mais

O reconhecimento como uma referência na área de consultadoria em engenharia em Portugal.

O reconhecimento como uma referência na área de consultadoria em engenharia em Portugal. VISÃO & MISSÃO VISÃO O reconhecimento como uma referência na área de consultadoria em engenharia em Portugal. MISSÃO Actuar junto de empresas industriais, de serviços, estabelecimentos de ensino, empresas

Leia mais

O Projecto SMART-SPP: a visão do Município de Cascais

O Projecto SMART-SPP: a visão do Município de Cascais O Projecto SMART-SPP: a visão do Município de Cascais Dr. João Dias Coelho - Administrador da Agência Cascais Energia Supported by: YOUR LOGO OBJECTIVOS DA CASCAIS ENERGIA Promover o uso racional de energia;

Leia mais

OBJECTIVOS DA CASCAIS ENERGIA

OBJECTIVOS DA CASCAIS ENERGIA O Projecto SMART-SPP: a visão do Município de Cascais Dr. João Dias Coelho - Administrador da Agência Cascais Energia Supported by: YOUR LOGO OBJECTIVOS DA CASCAIS ENERGIA Promover o uso racional de energia;

Leia mais

O papel das Renováveis no contexto NZEB

O papel das Renováveis no contexto NZEB O papel das Renováveis no contexto NZEB António Joyce LNEG Laboratório Nacional de Energia e Geologia Estrada do Paço do Lumiar, 1649-038 Lisboa, PORTUGAL Edifício Solar XXI Antonio.Joyce@lneg.pt 1 Até

Leia mais

6624-(18) Diário da República, 1.ª série N.º 232 29 de novembro de 2013

6624-(18) Diário da República, 1.ª série N.º 232 29 de novembro de 2013 6624-(18) Diário da República, 1.ª série N.º 232 29 de novembro de 2013 Portaria n.º 349-B/2013 de 29 de novembro O Decreto -Lei n.º 118/2013, de 20 de agosto, aprovou o Sistema de Certificação Energética

Leia mais

iii REABILITAÇÃO DE EDIFÍCIOS DO CENTRO HISTÓRICO DO PORTO

iii REABILITAÇÃO DE EDIFÍCIOS DO CENTRO HISTÓRICO DO PORTO iii REABILITAÇÃO DE EDIFÍCIOS DO CENTRO HISTÓRICO DO PORTO Guia de Termos de Referência para o Desempenho Energético-Ambiental 1 2 REABILITAÇÃO DE EDIFÍCIOS DO CENTRO HISTÓRICO DO PORTO Guia de Termos

Leia mais

Porto, 21 de Março 2012. Ventilação e QAI em edifícios

Porto, 21 de Março 2012. Ventilação e QAI em edifícios Porto, 21 de Março 2012 Ventilação e QAI em edifícios ÍNDICE SCE O certificado Método de cálculo Edifícios de habitação Edifícios de serviços Evolução do Sistema de Certificação Energética em Portugal

Leia mais

Soluções para reabilitação energética em coberturas inclinadas

Soluções para reabilitação energética em coberturas inclinadas Inverno Verão Menor perda de calor Menor ganho de calor Óptima temperatura interior COBERTURAS INCLINADAS Janeiro 2010 Soluções para reabilitação energética em coberturas inclinadas Lã Mineral Natural

Leia mais

Sistema EC VEKASLIDE CONFORTO SEM LIMITES. Benefícios técnicos do sistema. Com VEKASLIDE aproxime a natureza á sua casa.

Sistema EC VEKASLIDE CONFORTO SEM LIMITES. Benefícios técnicos do sistema. Com VEKASLIDE aproxime a natureza á sua casa. De vekaslide convence cada pormenor. n Envidraçamento até 4 mm, permitindo duplos e triplos envidraçamentos. n O especial desenho da junta teflonada permite um deslizamento suave e silencioso da folha

Leia mais

OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA

OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA Prof. ENEDIR GHISI UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Departamento

Leia mais

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA EDP PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA O Grupo EDP Energias de Portugal centra as suas actividades na produção, distribuição e comercialização de energia eléctrica,

Leia mais

Eco.AP e o financiamento no âmbito do Portugal 2020

Eco.AP e o financiamento no âmbito do Portugal 2020 Eco.AP e o financiamento no âmbito do Portugal 2020 IV Congresso ATEPH Energia e Ambiente no Edifícios Hospitalar 4 de junho de 2015 Dinis Rodrigues Porto, 4 de junho de 2015 AGENDA Tema 1 Enquadramento

Leia mais

PETA.PREMIUM ALU. Clarabóia para instalação em cobertura para Iluminação Zenital e Ventilação Natural PETAPROJ - ENGENHARIA DE SISTEMAS

PETA.PREMIUM ALU. Clarabóia para instalação em cobertura para Iluminação Zenital e Ventilação Natural PETAPROJ - ENGENHARIA DE SISTEMAS PETAPROJ - ENGENHARIA DE SISTEMAS ILUMINAÇÃO, VENTILAÇÃO E DESENFUMAGEM NATURAL Novidade!! Produto fabricado em Portugal! PETA.PREMIUM ALU Clarabóia para instalação em cobertura para Iluminação Zenital

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA MÁRTIRES DO TARRAFAL, Nº375, 1º ESQ Localidade MONTIJO

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA MÁRTIRES DO TARRAFAL, Nº375, 1º ESQ Localidade MONTIJO Válido até 14/04/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA MÁRTIRES DO TARRAFAL, Nº375, 1º ESQ Localidade MONTIJO Freguesia MONTIJO E AFONSOEIRO Concelho MONTIJO GPS 38.710800, -8.986600 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

Na direcção de casas passivas. Mecanismos de apoio ao desenvolvimento do mercado de casas passivas

Na direcção de casas passivas. Mecanismos de apoio ao desenvolvimento do mercado de casas passivas Na direcção de casas passivas Mecanismos de apoio ao desenvolvimento do mercado de casas passivas Junho 2007 Índice O MÉTODO PASSIVO PARA POUPAR 1 A ESCOLHA DO FUTURO 1 CASAS PASSIVAS UM GRANDE PASSO NA

Leia mais

Aspetos da Sustentabilidade

Aspetos da Sustentabilidade Aspetos da Sustentabilidade Francisco Ferreira (Quercus FCT/UNL) 16 de outubro de 2014 Ordem dos Engenheiros Antigamente Bulla Regia Tunísia (vila subterrânea) Atualmente Aspetos de sustentabilidade Perspetiva

Leia mais

Sistema de Correr Série Corte Térmico. Série 8000

Sistema de Correr Série Corte Térmico. Série 8000 Série 8000 Sistema de Correr Série Corte Térmico 2014 Série Fria. Sistema de correr de corte perimetral. Os vidros são aplicados em perfis de caixa directa. Vedantes em EPDM. Kit s até 150 Kg por folha.

Leia mais

Passive Houses em Ílhavo

Passive Houses em Ílhavo s em Ílhavo João Gavião Arquitecto, Assessor LiderA; Certified Designer João Marcelino Eng.º Civil, Perito Qualificado RCCTE, Certified Designer Porquê 01_Introdução 02_O conceito 03_As primeiras s 04_

Leia mais

Estratégia Nacional para a Habitação

Estratégia Nacional para a Habitação Estratégia Nacional para a Habitação 8 de maio de 2015 Estrutura do Documento O diagnóstico As oportunidades A articulação com outras políticas A visão, os pilares e os desafios As medidas e iniciativas

Leia mais

SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS

SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS Gás Climatização

Leia mais

Destaque ARQUITECTURA

Destaque ARQUITECTURA ARQUITECTURA ARQUITECTURA Edificio Bloom Space for Business Localização Este edifício situa-se na Rua de Campolide em Lisboa. Com sua localização privilegiada sobre o Parque do Monsanto, coração verde

Leia mais

Aproveitamento Solar Passivo - Aproveitamento da energia para aquecimento de edifícios ou prédios, através de concepções e estratégias construtivas.

Aproveitamento Solar Passivo - Aproveitamento da energia para aquecimento de edifícios ou prédios, através de concepções e estratégias construtivas. GLOSSÁRIO Aproveitamento Solar Passivo - Aproveitamento da energia para aquecimento de edifícios ou prédios, através de concepções e estratégias construtivas. Ar Condicionado - Expressão utilizada largamente

Leia mais

Cidade da Praia Cabo Verde

Cidade da Praia Cabo Verde A NEW ENERGY CONCEPT TECNOLOGIA, AMBIENTE E ENERGIAS RENOVÁVEIS EM CABO VERDE PRESENTE E FUTURO 29 e 30 de Novembro 1 e 2 de Dezembro 2011 Cidade da Praia Cabo Verde Paulo M. G. Gil Paulo Manuel Gonçalves

Leia mais

Certificação e Monitorização de Edifícios Públicos Municipais em Cascais

Certificação e Monitorização de Edifícios Públicos Municipais em Cascais Certificação e Monitorização de Edifícios Públicos Municipais em Cascais TECNOFIL Workshop Municípios e Certificação Energética de Edifícios Lisboa, 18 Junho 2009 Objectivos A Agência Cascais Energia é

Leia mais

GRUPO ROLEAR. Porque há coisas que não podem parar!

GRUPO ROLEAR. Porque há coisas que não podem parar! GRUPO ROLEAR Porque há coisas que não podem parar! INOVAÇÃO COMO CHAVE DO SUCESSO Desde 1979, com sede no Algarve, a Rolear resulta da oportunidade identificada pelo espírito empreendedor do nosso fundador

Leia mais

SEMINÁRIO FACHADAS ENERGETICAMENTE EFICIENTES: CONTRIBUIÇÃO DOS ETICS/ARGAMASSAS TÉRMICAS FACHADAS EFICIENTES NO DESEMPENHO ENERGÉTICO DE EDIFÍCIOS

SEMINÁRIO FACHADAS ENERGETICAMENTE EFICIENTES: CONTRIBUIÇÃO DOS ETICS/ARGAMASSAS TÉRMICAS FACHADAS EFICIENTES NO DESEMPENHO ENERGÉTICO DE EDIFÍCIOS SEMINÁRIO FACHADAS ENERGETICAMENTE EFICIENTES: CONTRIBUIÇÃO DOS ETICS/ARGAMASSAS TÉRMICAS FACHADAS EFICIENTES NO DESEMPENHO ENERGÉTICO DE EDIFÍCIOS LISBOA, 10 DE MAIO DE 2012 ADENE Agencia para a Energia

Leia mais

CICLO DE CONFERÊNCIAS ENGENHARIA EM MOVIMENTO

CICLO DE CONFERÊNCIAS ENGENHARIA EM MOVIMENTO CICLO DE CONFERÊNCIAS ENGENHARIA EM MOVIMENTO Estratégia para o Crescimento Verde A ELETRICIDADE RENOVÁVEL EM PORTUGAL António Sá da Costa 22 de Janeiro de 2015 ÍNDICE 1. A ENERGIA EM PORTUGAL 2. CONTRIBUIÇÃO

Leia mais