Universidade Estadual do Centro Oeste (PR)- UNICENTRO.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Estadual do Centro Oeste (PR)- UNICENTRO."

Transcrição

1 Resistência à corrosão dos aços inoxidáveis austeníticos 304 e 316 em meio de HNO 3 orrosion resistance of austenitic stainless steels 304 and 316 in the middle of HNO 3 ndré Lazarin Gallina 1, line Viomar 2, Maico Taras da unha 1, Marcelo de astro Rebello 3, verson do Prado anczek 4 e Paulo Rogério Pinto Rodrigues 4. ¹outorando em Química plicada, Área de ísico-química, epartamento de Química, Setor de iências xatas e de Tecnologia, Universidade stadual do entro Oeste (PR)- UNINTRO. ²Mestranda em ioenergia, Setor de iências grárias, Universidade stadual do entro Oeste (PR)- UNINTRO. 3 outor em ngenharia Metalúrgica, SP - aculdade de ngenharia São Paulo, São Paulo, São Paulo. 4 outor em iências, Área de ísico-química, epartamento de Química, Setor de iências xatas e de Tecnologia, Universidade stadual do entro Oeste (PR)- UNINTRO. Resumo Os aços inoxidáveis são utilizados em grande escala em indústrias do setor alimentício, em caldeiras, tubulações de transporte dos produtos, entre outras. Nestas indústrias são utilizados agentes de limpeza ácidos a base de HNO 3, porém estas soluções de limpeza não podem ser agressivas aos aços utilizados nesta indústria para que não ocorra a contaminação dos produtos alimentícios. O objetivo deste trabalho é avaliar a corrosão dos aços inoxidáveis 304 e 316 em meio de soluções de limpeza que contem HNO 3, que são empregadas em indústrias alimentícias. s amostras foram condicionadas em três diferentes soluções de limpeza, de acordo com o procedimento padrão de higiene operacional (PPHO), para higienização de superfícies metálicas. s técnicas empregadas foram polarização potenciodinâmica anódica, análise óptica, gravimétrica e espectrometria de absorção atômica (). Os resultados referentes às análises de micrografia óptica demonstraram que não houve um processo de oxidação perceptível opticamente. s análises gravimétricas mostram que à perda de espessura das placas são da ordem de 10-2 mm ano -1. om relação à quantificação dos elementos de liga (, e ) na solução por, o ferro foi o elemento de liga em maior concentração. s densidades de corrente observadas para as amostras de aço inoxidável no potencial de corrosão tem valores da ordem de 10-9 cm -2, sugerindo um comportamento passivo. Os resultados mostram que as soluções de limpeza testadas podem ser utilizadas para a limpeza do aço inoxidável NT 304 e 316. Palavras chave: indústria alimentícia, limpeza, ácido, detergente. bstract Stainless steels are used in large scale by industries in the food sector, in boilers, pipes transport of products, among others. In these industries are used cleaning acids agents in HNO 3 based, but these cleaning solutions can t be aggressive to the steels used in the industry to minimize potential contamination of food products. The objective of this study is to evaluate the corrosion of stainless steels 304 and 316 in the media of cleaning solutions containing HNO 3, which are used in food industries. The samples were conditioned in three different cleaning solutions according to the sanitation standard operating procedures (SSOP) for cleaning metal surfaces. The techniques employed were potentiodynamic anodic polarization, optical analysis, gravimetric and atomic absorption spectrometry (S). The results regarding the analysis of optical micrographs showed that there wasn t noticeable optically oxidation process. The gravimetric analyzes show that the thickness losses of the samples are of the order of 10-2 mm/ year. With respect to measurement of alloying elements (, and ) in the solution by S, iron alloying element was in higher concentration. The current densities observed for stainless steel samples in corrosion potential have approximately values of 10-9 cm -2, suggesting a passive behavior. The results show that the cleaning solutions tested can be used for surface cleaning of stainless steel ISI 304 and 316. Keywords: ood industry, cleaning, acid, detergent.

2 1. Introdução Os aços inoxidáveis são ligas ferrosas caracterizadas por conter cromo em uma concentração acima de 10% em sua composição. Os aços inoxidáveis austeníticos, possuem de 18 a 20% de além de outros elementos de liga, como o níquel e o carbono, que os tornam muito resistentes mecânica e quimicamente (SILV, 1988). resistência característica dos aços inoxidáveis implica em economia, pois a substituição de peças deterioradas torna-se menos frequente, sendo necessário apenas fazer a limpeza das superfícies metálicas. Por esta razão, esse tipo de liga vem sendo vastamente utilizada em diversos setores industriais, como para o transporte de produtos corrosivos, indústria automobilística, indústria alimentícia, de papel, entre outras (GLLIN et al., 2010). O aço inoxidável mesmo tendo alta resistência, pode ser suscetível à corrosão, em meios mais agressivos, soluções ácidas ou na presença de cloreto. omo a ocorrência deste fenômeno é minimizada, são necessárias técnicas eletroquímicas, além das tradicionais (gravimétrica) para averiguar o comportamento destas ligas em determinados meios (SRIKS, 1996; SNTOR, 2007; RORIGUS et al, 1997; JIMS et al., 2010). Na aplicação dos aços inoxidáveis especificamente em indústrias alimentícias se faz necessário um cuidado quanto à escolha dos métodos e produtos a serem adotados para a limpeza destas ligas metálicas, pois como esses produtos são bastante agressivos podem provocar a corrosão dos materiais ou até mesmo, o produto de corrosão contaminar os alimentos que passam por estas tubulações produzidas com estes aços inoxidáveis. ste trabalho apresenta uma avaliação relacionada à corrosão das ligas de aço inoxidável austenítico 304 e 316 quando expostas a três soluções de limpeza a base de ácido nítrico e averiguar se estas soluções podem ou não serem empregadas em sistemas que sejam fabricados com estes aços inoxidáveis. 2. Materiais e Métodos 2.1 ondicionamento das amostras O condicionamento das amostras e preparo das soluções foi realizado em conformidade com procedimento padrão de higiene operacional (PPHO), para higiene de superfícies de contato de acordo com higiene e sanitização para as indústrias de alimentos. s soluções utilizadas, seguindo o PPHO, foram preparadas a partir dos produtos Mundidec 220 (M220), Mundidec 220 SU (M220 SU) e HNO 3 98% comercial. concentração das soluções foi 2% (v/v) e tempo de imersão das amostras para todos os testes foi de 30 minutos em 65 e 85, para que o ensaios correspondam as condições reais do procedimento de limpeza das empresas alimentícias, ou seja, em conformidade com os PPHO. 2.2 Técnicas empregadas Os ensaios de corrosividade consistiram no uso das seguintes técnicas: polarização potenciodinâmica anódica (PP), microscopia óptica (MO) e análise gravimétrica por espectroscopia de absorção atômica () devido à baixa perda de massa. análise gravimétrica foi realizada pela pesagem das placas metálicas antes e após a imersão nas soluções de limpeza descritas anteriormente a 2% (v/v) durante 30 minutos em temperaturas de 65 o e 85 o. variação de massa e a área de cada placa foram utilizadas para calcular a perda de espessura em milímetros por ano. Para os ensaios de espectrometria de absorção atômica () foram retiradas alíquotas das soluções estudadas e analisadas quanto à presença dos íons dos seguintes elementos:, e.

3 análise óptica da superfície das peças metálicas foi realizada antes e após os testes de corrosividade com aumentos de 50 e 100 vezes. O aparelho utilizado foi um microscópio Olympus X-41 M. Os ensaios de polarização foram realizados em um potenciostato Gamry P4-300 e a varredura foi realizada a partir do potencial de corrosão até 1,2 V com velocidade igual a 10 mv s -1. mpregou-se uma cela eletroquímica composta por três eletrodos, sendo o eletrodo de trabalho as placas de aço inoxidável 316 e 304, o eletrodo auxiliar um fio de platina de grande área e como eletrodo de referência foi utilizado o de cloreto de prata (g (s) /gl (s) ). 3. Resultados Nas tabelas 1 e 2 são apresentados os valores de perda de espessura calculados para o aço inox 304 e 316, respectivamente. Tabela 1: Perda de espessura calculada para o aço inoxidável 304 em milímetros por ano. TRTMNTO Temperatura / o Perda de espessura / Perda em relação à espessura mm ano -1 total da placa / % HNO 3 65 (6,012 ± 2,043) x ,0x (3,459 ± 97) x ,6x10-2 M (5,478 ± 3,536) x ,8x (5,402 ± 57) x ,6x10-2 M220 SU 65 (4,210 ± 2,980) x ,9x (1,639 ± 1,132) x ,1x10-2 Tabela 2: Perda de espessura calculada para o aço inoxidável 316 em milímetros por ano. TRTMNTO Temperatura / o Perda de espessura / Perda em relação à espessura mm ano -1 total da placa / % 65 (2,590 ± 88) x ,1x10-1 HNO 3 85 (5,175 ± 46) x ,1x (1,173 ± 79) x ,2x10-2 M (5,613 ± 1,529) x ,5x (3,384 ± 1,725) x ,7x10-2 M220 SU 85 (9,706 ± 6,863) x ,7x10-3 s micrografias ópticas dos corpos de prova dos aços são apresentadas nas figuras 1 e 2. igura 1 - Micrografias ópticas da superfície tipo NT 304, com aumento de 100x () ntes da imersão, depois de imersa por 30 minutos em () HNO 3 2% a 65, () HNO 3 2% a 85, () M220 2% a 65, () M220 2% a 85, () M220 SU 2% a 65 e (G) M220 SU 2% a 85. G

4 igura 2 - Micrografias ópticas da superfície tipo NT 316, com aumento de 100x () ntes da imersão, depois de imersa por 30 minutos em () HNO 3 2% a 65, () HNO 3 2% a 85, () M220 2% a 65, () M220 2% a 85, () M220 SU 2% a 65 e (G) M220 SU 2% a 85. Os resultados de espectroscopia de absorção atômica () para os aços inoxidáveis 304 e 316 são apresentados nas figuras 3 e 4, respectivamente. ig.1 - nsaio de para o aço 304 a T=65 em meio de HNO 3 G ig.2 - nsaio de para o aço 304 a T=65 em meio de M220 3,0 2,5 2,0 1,5 - ig.3 - nsaio de para o aço 304 a T=65 em meio de M220SU ig.4 - nsaio de para o aço 304 a T=85 em meio de HNO 3 1,3 1,2 1,1 -

5 ig.5 - nsaio de para o aço 304 a T=85 em meio de M220 1,1 ig.6 - nsaio de para o aço 304 a T=85 em meio de M220SU igura 3 - Variação da massa (, e ) para o aço inoxidável 304 em relação ao tempo de imersão (até 30 minutos) em () HNO 3 2% a 65, () HNO 3 2% a 85, () M220 2% a 65, () M220 2% a 85, () M220 SU 2% a 65 e () M220 SU 2% a 85. ig.7 - nsaio de para o aço 316 a T=65 em meio de HNO 3 ig.8 - nsaio de para o aço 316 a T=65 em meio de M220 1,1 ig.9 - nsaio de para o aço 316 a T=65 em meio de M220SU 2,0 1,8 1,6 1,4 1,2 ig.10 - nsaio de para o aço 316 a T=85 em meio de HNO 3 ig.11 - nsaio de para o aço 316 a T=85 em meio de M220 ig.12 - nsaio de para o aço 316 a T=85 em meio de M220SU t/ min igura 4 Variação da massa (, e ) para o aço inoxidável 316 em relação ao tempo de imersão (até 30 minutos) em () HNO 3 2% a 65, () HNO 3 2% a 85, () M220 2% a 65, () M220 2% a 85, () M220 SU 2% a 65 e () M220 SU 2% a 85. s curvas de polarização potenciodinâmica anódica para os metais e meios estudados são apresentadas na figura 5.

6 igura 5 urvas de polarização potenciodinâmica anódica para o aço inoxidável 304 a () 65 e () 85 e para o aço inoxidável 316 a () 65 e 85, imersos em solução aquosa de HNO 3, M220 e M220SU, v.v.: 1 mvs iscussão nalisando os resultados de perda de espessura obtidos para a liga de aço inoxidável austenítico 304 apresentados na tabela 1, é possível notar que a placa imersa em solução de ácido nítrico a 65 o foi mais atacada em relação às placas imersas nas outras soluções, nota-se também que a tendência de diminuição na espessura das placas de acordo com a imersão nas soluções testadas é HNO 3 > M220 > M220SU. Na temperatura de 85 o a placa imersa em M220 apresentou maior perda de espessura do que a imersa em HNO 3, entretanto as perdas sãos estatisticamente equivalentes. Para a liga de aço austenítico 316 foi observado um comportamento semelhante, vide tabela 2. s perdas de espessura para a liga 304 em todas as condições estudadas apresentaram variações de 04 a 6 mm ano -1, enquanto para a liga 316 as variações foram de 097 a 6 mm ano -1, demonstrando que para os dois aços a perda de espessura é baixa. s imagens obtidas por microscopia óptica para a liga 304 (mostradas na figura 1), comprovam não ser possível observar variação significativa na morfologia superficial quando as imagens da placa sem imersão (figura 1) e das demais amostras de aço 304 imersas nas soluções estudadas são comparadas, apenas pontos escuros decorrentes das inclusões do metal que foram retiradas pelo leve ataque ácido das soluções de limpeza, os quais também revelam a rugosidade da superfície devido ao polimento. O mesmo comportamento pode ser observado nas imagens da superfície do aço inoxidável 316, mostradas na figura 2. stes resultados foram ratificados pelo ensaio de absorção atômica. Observa-se na figura 3 que a concentração de ferro na solução, decorrente da oxidação das placas de aço inoxidável 304, decresce de acordo com imersão nas soluções na seguinte ordem HNO 3 > M220 > M220 SU. O mesmo resultado é registrado na figura 4 para o aço inoxidável 316. Para ambas as ligas metálicas a concentração de íons de ferro, cromo e níquel, nas soluções testadas são muito baixas, sugerindo que esteja ocorrendo apenas retirada da camada de óxido da superfície e que as três soluções atuam apenas na limpeza das amostras metálicas, com uma espécie de detergente.

7 s curvas de polarização potenciodinâmica anódica dos aços 304 e 316 nos diferentes meios estudados, figuras 5 a 5, mostram que para os corpos de prova dos dois aços testados nas duas temperaturas de ensaio, apresentaram valores de densidade de corrente mais altos nos sistemas imersos em ácido nítrico. Verifica-se que no potencial de corrosão dos materiais metálicos estudados, os valores de densidade de corrente são da ordem de 10-8 m cm -2, sugerindo passividade do aços 304 e 316 nos meios estudados e não polarizados (RORIGUS et al, 1997; JIMS et al., 2010). 5. onclusões Os resultados obtidos nos ensaios de corrosividade indicaram que as soluções M220 e M220 SU podem ser utilizadas como solução de limpeza de superfícies de aço inoxidável austenítico 304 e 316, pois não ocasionam perda de massa acentuada, pois os aços testados apresentam passividade nos meios estudados, quando os metais não são polarizados. gradecimentos Á apes, ao NPq, a Mundial Química (pela cessão dos produtos químicos) e ao GPL. Referências IS, J..N. et al; studo da ocorrência da corrosão em aços inoxidáveis ISI 316 e 444 utilizados na indústria petroquímica. 6º OTQ- onferencia sobre tecnologia em equipamentos, 2002, ahia. GLLIN,. L. et al. corrosão do aço inoxidável austenítico 304 em biodiesel. RM - Revista da scola de Minas, v. 63, n.1 p , JIMS, R.. V. et al.; studo eletroquímico comparativo do aço ISO em diferentes meios de interesse biológico. Rem: Rev. sc. Minas, vol.63, n.1, p , RORIGUS, P. R. P. et al. ffect of benzotriazole on the electrochemical and corrosion behaviour of type 304 stainless steel in 2 M sulphuric acid solution. ritish orrosion Journal, Inglaterra, v. 31, n. 4, p , SRIKS,.J. orrosion of stainless steel. 2.ed. US: John Wiley & Sons Inc,. p , SNTOR, M.; INZTTO, L.; PR,.; studo comparativo entre os aços inoxidáveis dúplex e os inoxidáveis ISI 304L/316L. Rem: Rev. sc. Minas, Ouro Preto, v. 60, n. 1, SILV,.L., MI. P.R. ços e ligas especiais, 2º dição, letrometal S.. metais especiais, Sumaré SP, utor Responsável: Paulo Rogério Pinto Rodrigues- Universidade stadual do entro Oeste UNINTRO. ndereço: Rua Simeão amargo Varela de Sá, P: , Vila arli, Guarapuava, Paraná. Tel: (42) mail:

CORROSÃO EM MEIO DE DIESEL DO AÇO CARBONO REVESTIDO COM COBRE. Danielle Cristina Silva (Universidade Estadual do Centro-Oeste - Brasil)

CORROSÃO EM MEIO DE DIESEL DO AÇO CARBONO REVESTIDO COM COBRE. Danielle Cristina Silva (Universidade Estadual do Centro-Oeste - Brasil) CORROSÃO EM MEIO DE DIESEL DO AÇO CARBONO REVESTIDO COM COBRE Danielle Cristina Silva (Universidade Estadual do Centro-Oeste - Brasil) Julian Johann (Universidade Estadual do Centro-Oeste - Brasil) Maico

Leia mais

ESTUDO DA RESISTÊNCIA À COROSÃO DO AÇO INOXIDÁVEL LEAN DUPLEX UNS 32304 SOLDADO POR ATRITO COM PINO NÃO CONSUMÍVEL

ESTUDO DA RESISTÊNCIA À COROSÃO DO AÇO INOXIDÁVEL LEAN DUPLEX UNS 32304 SOLDADO POR ATRITO COM PINO NÃO CONSUMÍVEL ESTUDO DA RESISTÊNCIA À COROSÃO DO AÇO INOXIDÁVEL LEAN DUPLEX UNS 32304 SOLDADO POR ATRITO COM PINO NÃO CONSUMÍVEL Victor Hugo Ayusso 1, Maysa Terada 1, Víctor Ferrinho Pereira 2, Célia Regina Tomachuk

Leia mais

Rem: Revista Escola de Minas ISSN: 0370-4467 editor@rem.com.br Escola de Minas Brasil

Rem: Revista Escola de Minas ISSN: 0370-4467 editor@rem.com.br Escola de Minas Brasil Rem: Revista Escola de Minas ISSN: 0370-4467 editor@rem.com.br Escola de Minas Brasil Santos, Fabricio Simão dos; Gheno, Simoni Maria; Kuri, Sebastião Elias Microscopia de varredura por sonda (SPM) aplicada

Leia mais

ESTUDO DA CORROSÃO NA ZAC DO AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO AISI 316L CAUSADA POR PETRÓLEO PESADO DA BACIA DE CAMPOS

ESTUDO DA CORROSÃO NA ZAC DO AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO AISI 316L CAUSADA POR PETRÓLEO PESADO DA BACIA DE CAMPOS ESTUDO DA CORROSÃO NA ZAC DO AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO AISI 316L CAUSADA POR PETRÓLEO PESADO DA BACIA DE CAMPOS Cleiton Carvalho Silva 1, José Mathias de Brito Ramos Júnior 1, João Paulo Sampaio Eufrásio

Leia mais

EVALUATION OF SENSITIZATION OF FERRITICS STAINLESS STEELS STABILIZED AND NOT STABILIZED USING ELECTROCHEMICAL TECHNIQUES IN SULPHURIC ENVIRONMENT

EVALUATION OF SENSITIZATION OF FERRITICS STAINLESS STEELS STABILIZED AND NOT STABILIZED USING ELECTROCHEMICAL TECHNIQUES IN SULPHURIC ENVIRONMENT doi: 10.4322/tmm.00302008 AVALIAÇÃO DA SENSITIZAÇÃO EM AÇOS INOXIDÁVEIS FERRÍTICOS ESTABILIZADOS E NÃO ESTABILIZADOS USANDO-SE A TÉCNICA REATIVAÇÃO ELETROQUÍMICA POTENCIOCINÉTICA EM MEIO SULFÚRICO Resumo

Leia mais

ESTUDO DA CORROSÃO POR PITE DE NOVOS AÇOS INOXIDÁVEIS APLICADOS EM IMPLANTES ORTOPÉDICOS EM MEIO DE SOLUÇÕES DE RINGER LACTATO

ESTUDO DA CORROSÃO POR PITE DE NOVOS AÇOS INOXIDÁVEIS APLICADOS EM IMPLANTES ORTOPÉDICOS EM MEIO DE SOLUÇÕES DE RINGER LACTATO ESTUDO DA CORROSÃO POR PITE DE NOVOS AÇOS INOXIDÁVEIS APLICADOS EM IMPLANTES ORTOPÉDICOS EM MEIO DE SOLUÇÕES DE RINGER LACTATO Ruth F. V. Villamil 1 (PQ), Arnaldo H.P. de Andrade (PQ) 2, Celso A. Barbosa

Leia mais

DA INFLUÊNCIA DA RUGOSIDADE NO DESENVOLVIMENTO DE RESVESTIMENTOS CERÂMICOS ANTICORROSIVOS EM SUBSTRATOS METÁLICOS DE AÇO AISI 316L

DA INFLUÊNCIA DA RUGOSIDADE NO DESENVOLVIMENTO DE RESVESTIMENTOS CERÂMICOS ANTICORROSIVOS EM SUBSTRATOS METÁLICOS DE AÇO AISI 316L ÓXIDOS NANOESTRUTURADOS DE TiO 2 /Al 2 O 3 : ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA RUGOSIDADE NO DESENVOLVIMENTO DE RESVESTIMENTOS CERÂMICOS ANTICORROSIVOS EM SUBSTRATOS METÁLICOS DE AÇO AISI 316L Andreza Menezes Lima

Leia mais

Materiais / Materiais I

Materiais / Materiais I Materiais / Materiais I Guia para o Trabalho Laboratorial n.º 4 CORROSÃO GALVÂNICA E PROTECÇÃO 1. Introdução A corrosão de um material corresponde à sua destruição ou deterioração por ataque químico em

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DE AÇOS INOXIDÁVEIS SUBMETIDAS A CICLOS DE FADIGA TÉRMICA.

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DE AÇOS INOXIDÁVEIS SUBMETIDAS A CICLOS DE FADIGA TÉRMICA. AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DE AÇOS INOXIDÁVEIS SUBMETIDAS A CICLOS DE FADIGA TÉRMICA. Rodrigo Freitas Guimarães 1, José Airton Lima Torres 2, George Luiz Gomes de Oliveira 3, Hélio Cordeiro de

Leia mais

Utilização de aços inoxidáveis em implantes

Utilização de aços inoxidáveis em implantes Utilização de aços inoxidáveis em implantes Buss GAM 1 ; Donath KS 2 ; Vicente MG 1 1 Unidade de Tecnovigilância NUVIG/Anvisa 2 Gerência de Materiais GGTPS/Anvisa Introdução Os requisitos gerais para a

Leia mais

ESTUDO DA SENSITIZAÇÃO CAUSADA PELO CICLO TÉRMICO DE SOLDAGEM NO AÇO INOXIDÁVEL SUPERFERRÍTICO AISI 444

ESTUDO DA SENSITIZAÇÃO CAUSADA PELO CICLO TÉRMICO DE SOLDAGEM NO AÇO INOXIDÁVEL SUPERFERRÍTICO AISI 444 ESTUDO DA SENSITIZAÇÃO CAUSADA PELO CICLO TÉRMICO DE SOLDAGEM NO AÇO INOXIDÁVEL SUPERFERRÍTICO AISI 444 Cleiton Carvalho Silva 1, João Paulo Sampaio Eufrásio Machado 1, Hosiberto Batista de Sant Ana 2,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE NÍQUEL ELETRODEPOSITADO NA PRESENÇA DE NANOTUBOS DE CARBONO (NTC)

CARACTERIZAÇÃO DE NÍQUEL ELETRODEPOSITADO NA PRESENÇA DE NANOTUBOS DE CARBONO (NTC) CARACTERIZAÇÃO DE NÍQUEL ELETRODEPOSITADO NA PRESENÇA DE NANOTUBOS DE CARBONO (NTC) A.C.Lopes a,e.p.banczek a, I.Costa c, M.Terada b, M.T.Cunha a, P.R.P. Rodrigues a a Universidade Estadual do Centro-Oeste,

Leia mais

EFEITO DOS PARÂMETROS DE MARCAÇÃO A LASER NA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DO AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO ISO 5832-1

EFEITO DOS PARÂMETROS DE MARCAÇÃO A LASER NA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DO AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO ISO 5832-1 EFEITO DOS PARÂMETROS DE MARCAÇÃO A LASER NA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DO AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO ISO 5832-1 Pieretti, E. F. ¹*, Leivas, T. P. ², Raele, M. P. ³, Rossi, W. ³, Martins, M. D.¹ 1 Centro de

Leia mais

MECANISMOS BÁSICOS DE CORROSÃO

MECANISMOS BÁSICOS DE CORROSÃO Centro Universitário de Brasília Disciplina: Química Tecnológica Geral Professor: Edil Reis MECANISMOS BÁSICOS DE CORROSÃO No estudo dos processos corrosivos devem ser sempre consideradas as variáveis

Leia mais

MECANISMOS DA CORROSÃO. Professor Ruy Alexandre Generoso

MECANISMOS DA CORROSÃO. Professor Ruy Alexandre Generoso MECANISMOS DA CORROSÃO Professor Ruy Alexandre Generoso MECANISMOS DA CORROSÃO De acordo com o meio corrosivo e o material, podem ser apresentados diferentes mecanismos. Os principais são: MECANISMO QUÍMICO

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A CORROSÃO DO Ti e Ti 6Al 4V EM PRESENÇA DE ÍONS FLUORETO

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A CORROSÃO DO Ti e Ti 6Al 4V EM PRESENÇA DE ÍONS FLUORETO ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A CORROSÃO DO Ti e Ti 6Al 4V EM PRESENÇA DE ÍONS FLUORETO Laisa Cristina Cândido Lúcio Sathler José Antônio da Cunha Ponciano Gomes UFRJ/COPPE 6 COTEQ Conferência sobre Tecnologia

Leia mais

Importância da Verificação da Especificação de Aços Inoxidáveis: Estudo de Caso em uma Refinaria de Petróleo

Importância da Verificação da Especificação de Aços Inoxidáveis: Estudo de Caso em uma Refinaria de Petróleo Importância da Verificação da Especificação de Aços Inoxidáveis: Estudo de Caso em uma Refinaria de Petróleo Importance of Checking Specification Stainless Steels: Case Study in a Petroleum Refinery Emanuel

Leia mais

RESISTÊNCIA À CORROSÃO DE TUBULAÇÕES DE AÇOS INOXIDÁVEIS AISI 304 e 444 DESINFETADAS PELO PROCESSO CIP

RESISTÊNCIA À CORROSÃO DE TUBULAÇÕES DE AÇOS INOXIDÁVEIS AISI 304 e 444 DESINFETADAS PELO PROCESSO CIP RESISTÊNCIA À CORROSÃO DE TUBULAÇÕES DE AÇOS INOXIDÁVEIS AISI 304 e 444 DESINFETADAS PELO PROCESSO CIP CORROSION RESISTANCE OF STAINLESS STEEL PIPES AISI 304 and 444 DISINFECTED BY USING CIP PROCESS Vanessa

Leia mais

INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO

INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO 1 OLIVEIRA, Andrielli Morais (1), CASCUDO, Oswaldo (2) Palavras chave: Corrosão, adições

Leia mais

2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS

2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS 2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS PROTEÇÃO CONTRA A CORROSÃO MARINHA - COMPARAÇÃO DE REVESTIMENTOS DE ALUMÍNIO DEPOSITADOS POR ASPERSÃO TÉRMICA COM AR COMPRIMIDO, ARGÔNIO E NITROGÊNIO Regina

Leia mais

Application and characterization of zirconium layer of corrosion protection of the stainless steel AISI 304

Application and characterization of zirconium layer of corrosion protection of the stainless steel AISI 304 Aplicação e caracterização de camada de zircônio para a proteção contra corrosão do aço inoxidável AISI 304 Application and characterization of zirconium layer of corrosion protection of the stainless

Leia mais

Estudo comparativo da precipitação de fases a 850ºC em aços dúplex UNS S32304 e UNS S31803

Estudo comparativo da precipitação de fases a 850ºC em aços dúplex UNS S32304 e UNS S31803 Estudo comparativo da precipitação de fases a 850ºC em aços dúplex UNS S32304 e UNS S31803 Adir G. Reis 1,2), Cynthia S. B. Castro 1), Tiago E. Gomes 1,2), José M. C. Vilela 1), Margareth S. Andrade 1)

Leia mais

CAPÍTULO 5. Materiais e Métodos 97. Errar é humano. Botar a culpa nos outros, também. Millôr Fernandes (76 anos), humorista brasileiro

CAPÍTULO 5. Materiais e Métodos 97. Errar é humano. Botar a culpa nos outros, também. Millôr Fernandes (76 anos), humorista brasileiro Materiais e Métodos 97 CAPÍTULO 5 Errar é humano. Botar a culpa nos outros, também. Millôr Fernandes (76 anos), humorista brasileiro Toda a empresa precisa ter gente que erra, que não tem medo de errar

Leia mais

Encontro e Exposição Brasileira de tratamento de superficie III INTERFINISH Latino Americano

Encontro e Exposição Brasileira de tratamento de superficie III INTERFINISH Latino Americano Revestimento de alumínio obtido pelo método sol-gel para a proteção contra a corrosão de superfícies metálicas Jucimara Kulek de Andrade 1, Larissa Oliveira Berbel 1, Maico Taras da Cunha 1, Marilei Fátima

Leia mais

As informações e opiniões contidas neste trabalho são de exclusiva responsabilidade dos autores.

As informações e opiniões contidas neste trabalho são de exclusiva responsabilidade dos autores. AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DE PRÓTESE TOTAL DE QUADRIL DE AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO REMOVIDA DE PACIENTE E.H. de S. Cavalcanti (1), S.M.C. de Souza (1), C. de A. Ferreira (1), M.M.Campos (1),

Leia mais

DETECÇÃO DE PEQUENOS TEORES DE FASE SIGMA E AVALIAÇÃO DOS SEUS EFEITOS NA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DO AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX UNS S31803

DETECÇÃO DE PEQUENOS TEORES DE FASE SIGMA E AVALIAÇÃO DOS SEUS EFEITOS NA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DO AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX UNS S31803 DETECÇÃO DE PEQUENOS TEORES DE FASE SIGMA E AVALIAÇÃO DOS SEUS EFEITOS NA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DO AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX UNS S31803 Sérgio Souto Maior Tavares 1 Jorge Luiz Guerreiro de Castro 1 Raissa

Leia mais

2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS

2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS 2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS INFLUÊNCIA DO ÓLEO NACIONAL PESADO NA CORROSÃO DE AÇOS INOXIDÁVEIS J. P. S. E. Machado 1, H. F. G. de Abreu 1, Ana V. C. Sobral 1 e H. B. de Sant Ana 2

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE CORROSÃO EM FOLHAS-DE-FLANDRES COM E SEM REVESTIMENTO ORGÂNICO INTERNO, UTILIZADAS EM CONSERVAS DE PÊSSEGOS.

AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE CORROSÃO EM FOLHAS-DE-FLANDRES COM E SEM REVESTIMENTO ORGÂNICO INTERNO, UTILIZADAS EM CONSERVAS DE PÊSSEGOS. AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE CORROSÃO EM FOLHAS-DE-FLANDRES COM E SEM REVESTIMENTO ORGÂNICO INTERNO, UTILIZADAS EM CONSERVAS DE PÊSSEGOS. Paulo Eduardo Masselli Bernardo Universidade Federal de Itajubá -UNIFEI

Leia mais

Keywords: corrosion, pretreatment, Pechini Method.

Keywords: corrosion, pretreatment, Pechini Method. Aplicação e caracterização de camada de titânio para a proteção contra corrosão do aço inoxidável AISI 304 Application and characterization of titanium layer for corrosion protection of the stainless steel

Leia mais

corrosão em concreto armado atacados por SO e Cl

corrosão em concreto armado atacados por SO e Cl Artigo Técnico 18 Aplicação da técnica de polarização linear para detectar - - corrosão em concreto armado atacados por SO e Cl 1 2 3 4 5 Helton G. Alves, Kátya D. Neri,Pablo R. R. Ferreira, Eudésio O.

Leia mais

ESTUDO ELETROQUÍMICO PARA DETECTAR A CORROSÃO EM CONCRETO ARMADO DEGRADADO POR CLORETO DE SÓDIO E ÁCIDO SULFURICO. Campina Grande.

ESTUDO ELETROQUÍMICO PARA DETECTAR A CORROSÃO EM CONCRETO ARMADO DEGRADADO POR CLORETO DE SÓDIO E ÁCIDO SULFURICO. Campina Grande. ESTUDO ELETROQUÍMICO PARA DETECTAR A CORROSÃO EM CONCRETO ARMADO DEGRADADO POR CLORETO DE SÓDIO E ÁCIDO SULFURICO K. D. NERI 1, V. C. P. VITORINO 2, E.O.VILAR 3 e G.R.MEIRA 4 1 UAEQ - Mestranda do Programa

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DOS MÉTODOS DE QUANTIFICAÇÃO DE PORCENTAGEM VOLUMÉTRICA DE FERRITA EM AÇO INOXIDÁVEL DÚPLEX UNS S31803 (SAF 2205)

ESTUDO COMPARATIVO DOS MÉTODOS DE QUANTIFICAÇÃO DE PORCENTAGEM VOLUMÉTRICA DE FERRITA EM AÇO INOXIDÁVEL DÚPLEX UNS S31803 (SAF 2205) ESTUDO COMPARATIVO DOS MÉTODOS DE QUANTIFICAÇÃO DE PORCENTAGEM VOLUMÉTRICA DE FERRITA EM AÇO INOXIDÁVEL DÚPLEX UNS S31803 (SAF 2205) Evelin Barbosa de Mélo Engenheira Química, Dep. Eng. Mecânica, Centro

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA E CIÊNCIA DE MATERIAIS ALESSANDRA SOUZA MARTINS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA E CIÊNCIA DE MATERIAIS ALESSANDRA SOUZA MARTINS UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA E CIÊNCIA DE MATERIAIS ALESSANDRA SOUZA MARTINS ESTUDO COMPARATIVO DA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DOS AÇOS INOXIDÁVEIS

Leia mais

Caracterização de dobras de laminação por metalografia e microscopia óptica

Caracterização de dobras de laminação por metalografia e microscopia óptica Caracterização de dobras de laminação por metalografia e microscopia óptica Marcos Chogi Iano (1) Faculdade de Tecnologia de Sorocaba São Paulo Brasil e-mail: iano@fatecsorocaba.edu.br Mauro Pancera (2)

Leia mais

ANÁLISE DE DESCONTINUIDADES EM REVESTIMENTOS DE CARBETOS SOBRE AÇO. Haroldo de Araújo Ponte UNIVERSIDADE FEDER AL DO PARANÁ LESC

ANÁLISE DE DESCONTINUIDADES EM REVESTIMENTOS DE CARBETOS SOBRE AÇO. Haroldo de Araújo Ponte UNIVERSIDADE FEDER AL DO PARANÁ LESC ANÁLISE DE DESCONTINUIDADES EM REVESTIMENTOS DE CARBETOS SOBRE AÇO Haroldo de Araújo Ponte UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ LESC hponte@engquim.ufpr.br Lígia Fernanda Kaefer UNIVERSIDADE FEDER AL DO PARANÁ

Leia mais

EFEITO DE LONGOS TEMPOS DE AQUECIMENTO A 850 C SOBRE A RESISTÊNCIA À CORROSÃO DO AÇO UNS S31803 EM MEIO ÁCIDO E MEIO AQUOSO CONTENDO CLORETO.

EFEITO DE LONGOS TEMPOS DE AQUECIMENTO A 850 C SOBRE A RESISTÊNCIA À CORROSÃO DO AÇO UNS S31803 EM MEIO ÁCIDO E MEIO AQUOSO CONTENDO CLORETO. EFEITO DE LONGOS TEMPOS DE AQUECIMENTO A 850 C SOBRE A RESISTÊNCIA À CORROSÃO DO AÇO UNS S31803 EM MEIO ÁCIDO E MEIO AQUOSO CONTENDO CLORETO. Rodrigo Magnabosco Engenheiro Metalurgista EPUSP 1993, Mestre

Leia mais

(AÇO SEM MANCHAS) Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

(AÇO SEM MANCHAS) Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho AÇO INOXIDÁVEL OU AÇO INOX STAINLESS STEEL (AÇO SEM MANCHAS) Conceito Aço inox é o termo empregado para identificar uma família de aços contendo no mínimo 10,5% de cromo. Este cromo está presente homogênea

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DO AÇO AISI 420 DEPOSITADO POR PROCESSOS VARIADOS DE ASPERSÃO TÉRMICA

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DO AÇO AISI 420 DEPOSITADO POR PROCESSOS VARIADOS DE ASPERSÃO TÉRMICA AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DO AÇO AISI 420 DEPOSITADO POR PROCESSOS VARIADOS DE ASPERSÃO TÉRMICA L.C. Casteletti 1, F.A.P. Fernandes 1, G.S. Takeya 1, C.A. Picon 2, G. Tremiliosi-Filho 3 Universidade

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA DE AUTOMATIZAÇÃO DA CARACTERIZAÇÃO MICROESTRUTURAL DE FERRO FUNDIDO NODULAR NUMA FUNDIÇÃO DO INTERIOR DO RIO DE JANEIRO

ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA DE AUTOMATIZAÇÃO DA CARACTERIZAÇÃO MICROESTRUTURAL DE FERRO FUNDIDO NODULAR NUMA FUNDIÇÃO DO INTERIOR DO RIO DE JANEIRO ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA DE AUTOMATIZAÇÃO DA CARACTERIZAÇÃO MICROESTRUTURAL DE FERRO FUNDIDO NODULAR NUMA FUNDIÇÃO DO INTERIOR DO RIO DE JANEIRO David Alves Lidugerio 1, Rodrigo Silva Oliveira 2,

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS AÇOS INOXIDÁVEIS DUPLEX E OS INOXIDÁVEIS AISI 304L/316L (b) Marcelo Senatore 1, Leandro Finzetto 2,Eduardo Perea 3 (c)

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS AÇOS INOXIDÁVEIS DUPLEX E OS INOXIDÁVEIS AISI 304L/316L (b) Marcelo Senatore 1, Leandro Finzetto 2,Eduardo Perea 3 (c) ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS AÇOS INOXIDÁVEIS DUPLEX E OS INOXIDÁVEIS AISI 304L/316L (b) Marcelo Senatore 1, Leandro Finzetto 2,Eduardo Perea 3 (c) Abstract Ferritic-austenitic duplex stainless steels are

Leia mais

REVESTIMENTOS DE LIGA NiCrMo-4 APLICADOS EM TUBO DE AÇO CARBONO. PARTE 2: COMPOSIÇÃO QUÍMICA E RESISTÊNCIA À CORROSÃO

REVESTIMENTOS DE LIGA NiCrMo-4 APLICADOS EM TUBO DE AÇO CARBONO. PARTE 2: COMPOSIÇÃO QUÍMICA E RESISTÊNCIA À CORROSÃO REVESTIMENTOS DE LIGA NiCrMo-4 APLICADOS EM TUBO DE AÇO CARBONO. PARTE 2: COMPOSIÇÃO QUÍMICA E RESISTÊNCIA À CORROSÃO Marcos Mesquita da Silva 1 ; Clarice Oliveira da Rocha 2 ; Renato Alexandre Costa de

Leia mais

4.Materiais e métodos

4.Materiais e métodos 4.Materiais e métodos 4.1. Material em estudo O material em estudo, de procedência sueca (Sandvik), foi adquirido como chapa laminada a quente de 3mm de espessura, recebendo posteriormente tratamento térmico

Leia mais

INFLUÊNCIA DO ENVELHECIMENTO NA TENACIDADE À FRATURA DO AÇO INOXIDÁVEL ISO 5832-9

INFLUÊNCIA DO ENVELHECIMENTO NA TENACIDADE À FRATURA DO AÇO INOXIDÁVEL ISO 5832-9 INFLUÊNCIA DO ENVELHECIMENTO NA TENACIDADE À FRATURA DO AÇO INOXIDÁVEL ISO 5832-9 Celso Riyoitsi Sokei 1, Ruís Camargo Tokimatsu 1, Daniel Ivan Martin Delforge 1, Vicente Afonso Ventrella 1, Itamar Ferreira

Leia mais

15º Encontro e Exposição Brasileira de Tratamentos de Superfície 4º INTERFINISH Latino Americano

15º Encontro e Exposição Brasileira de Tratamentos de Superfície 4º INTERFINISH Latino Americano INFLUÊNCIA DA ATIVAÇÃO SUPERFICIAL DOS REVESTIMENTOS À BASE DE ZIRCÔNIO E TANINO EM SUBSTRATOS DE ZINCO Josiane Soares Costa (Universidade Federal do Rio Grande do Sul Brasil)*, Raquel Dei Agnoli (Universidade

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA TENACIDADE E RESISTÊNCIA A CORROSÃO POR PITE DO AÇO INOXIDÁVEL DÚPLEX UNS S31803 (SAF2205) APÓS SOLDAGEM

CARACTERIZAÇÃO DA TENACIDADE E RESISTÊNCIA A CORROSÃO POR PITE DO AÇO INOXIDÁVEL DÚPLEX UNS S31803 (SAF2205) APÓS SOLDAGEM CARACTERIZAÇÃO DA TENACIDADE E RESISTÊNCIA A CORROSÃO POR PITE DO AÇO INOXIDÁVEL DÚPLEX UNS S31803 (SAF2205) APÓS SOLDAGEM Paulo Melo Modenezi 1 RESUMO ABSTRACT Izabela Ferreira Girão 2 Rodrigo Magnabosco

Leia mais

FATORES QUE PODEM IMPLICAR EM FALHAS PREMATURAS DE PINTURA INTERNA in situ DE DUTOS 2006

FATORES QUE PODEM IMPLICAR EM FALHAS PREMATURAS DE PINTURA INTERNA in situ DE DUTOS 2006 FATORES QUE PODEM IMPLICAR EM FALHAS PREMATURAS DE PINTURA INTERNA in situ DE DUTOS 2006 Joaquim Pereira Quintela PETROBRAS/CENPES Victor Solymossy PETROBRAS/CENPES INTRODUÇÃO Vantagens do emprego de revestimentos

Leia mais

Estudo exploratório do grau de sensitização do aço UNS S311803 envelhecido a 800 C por ensaios de reativação potenciodinâmica de duplo loop (DL EPR).

Estudo exploratório do grau de sensitização do aço UNS S311803 envelhecido a 800 C por ensaios de reativação potenciodinâmica de duplo loop (DL EPR). LUARA DA COSTA MORAIS Estudo exploratório do grau de sensitização do aço UNS S311803 envelhecido a 800 C por ensaios de reativação potenciodinâmica de duplo loop (DL EPR). Relatório apresentado ao Centro

Leia mais

INFLUÊNCIA DO TEMPO DE SOLUBILIZAÇÃO NA RESISTÊNCIA A TRAÇÃO DE UM AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX. 1 UNIFEI - Universidade Federal de Itajubá

INFLUÊNCIA DO TEMPO DE SOLUBILIZAÇÃO NA RESISTÊNCIA A TRAÇÃO DE UM AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX. 1 UNIFEI - Universidade Federal de Itajubá INFLUÊNCIA DO TEMPO DE SOLUBILIZAÇÃO NA RESISTÊNCIA A TRAÇÃO DE UM AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX G. S. Machado 1, M. L. N. M. Melo 1, C. A. Rodrigues 1. 1 UNIFEI - Universidade Federal de Itajubá gustavosouza_unifei@yahoo.com.br

Leia mais

Aplicação de diferentes tipos de taninos comerciais como agentes de passivação do aço galvanizado para substituição da cromatização

Aplicação de diferentes tipos de taninos comerciais como agentes de passivação do aço galvanizado para substituição da cromatização Aplicação de diferentes tipos de taninos comerciais como agentes de passivação do aço galvanizado para substituição da cromatização Use of different commercial tannins as passivation agents on hot-dip

Leia mais

BR 280 - KM 47 - GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com

BR 280 - KM 47 - GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com TÉCNICA DA NITRETAÇÃO A PLASMA BR 280 KM 47 GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com A Nitrion do Brasil, presente no mercado brasileiro desde 2002,

Leia mais

Soldabilidade de Metais. Soldagem II

Soldabilidade de Metais. Soldagem II Soldabilidade de Metais Soldagem II Soldagem de Ligas Metálicas A American Welding Society (AWS) define soldabilidade como a capacidade de um material ser soldado nas condições de fabricação impostas por

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE DECAPAGEM E DE PASSIVAÇÃO E APLICAÇÃO DE PINTURA EM AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE DECAPAGEM E DE PASSIVAÇÃO E APLICAÇÃO DE PINTURA EM AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE DECAPAGEM E DE PASSIVAÇÃO E APLICAÇÃO DE PINTURA EM AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO Marli Ohba João Carlos Lazarini RHODIA DO BRASIL LTDA Davi Dianes RHODIA INC 6 COTEQ Conferência

Leia mais

CORROSÃO DE AÇOS INOXIDÁVEIS EM FUNÇÃO DA RUGOSIDADE. Eurico Fernando de Miranda (1)

CORROSÃO DE AÇOS INOXIDÁVEIS EM FUNÇÃO DA RUGOSIDADE. Eurico Fernando de Miranda (1) CORROSÃO DE AÇOS INOXIDÁVEIS EM FUNÇÃO DA RUGOSIDADE Eurico Fernando de Miranda (1) Susana Marraccini Giampietri Lebrão (2) Margarete Cristina Moreira (3) (1)Eng Metalurgista da ArcelorMittal São Paulo

Leia mais

Ligas Inoxidáveis. Estudo comparativo entre os aços inoxidáveis dúplex e os inoxidáveis AISI 304L/316L. Abstract. Resumo.

Ligas Inoxidáveis. Estudo comparativo entre os aços inoxidáveis dúplex e os inoxidáveis AISI 304L/316L. Abstract. Resumo. Enrico José Giordani et al. Ligas Inoxidáveis Estudo comparativo entre os aços inoxidáveis dúplex e os inoxidáveis AISI 304L/316L Marcelo Senatore Engenheiro Metalurgista - Sandvik Materials Technology

Leia mais

RECOBRIMENTO DE HIDROXIAPATITA EM AÇOS INOXIDÁVEIS AUSTENÍTICOS PELO MÉTODO BIOMIMÉTICO

RECOBRIMENTO DE HIDROXIAPATITA EM AÇOS INOXIDÁVEIS AUSTENÍTICOS PELO MÉTODO BIOMIMÉTICO RECOBRIMENTO DE HIDROXIAPATITA EM AÇOS INOXIDÁVEIS AUSTENÍTICOS PELO MÉTODO BIOMIMÉTICO V. M. Dias, A. L. M Maia Filho, G. Silva, E. de Sousa, K.R. Cardoso Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento IP&D

Leia mais

Laboratório de Eletroquímica e Eletroanalítica (634 A) Instituto de Química UFRJ. Profa. Eliane D Elia

Laboratório de Eletroquímica e Eletroanalítica (634 A) Instituto de Química UFRJ. Profa. Eliane D Elia Laboratório de Eletroquímica e Eletroanalítica (634 A) Departamento de Química Inorgânica Instituto de Química UFRJ Profa. Eliane D Elia Linhas de Pesquisa: Corrosão Dissolução metálica Inibidores de Corrosão

Leia mais

O Conceito de Corrosão Engenharia SACOR, setembro/1999

O Conceito de Corrosão Engenharia SACOR, setembro/1999 O Conceito de Corrosão Engenharia SACOR, setembro/1999 A corrosão é a deterioração de metais e ligas por ação química do meio ambiente. Sendo este meio a água do mar ou o solo, metais e ligas que nele

Leia mais

(Evaluation of multipass welding of thick lean duplex stainless steel UNS S32304 plates welded by SMAW, GMAW and FCAW Part II Corrosion Resistance)

(Evaluation of multipass welding of thick lean duplex stainless steel UNS S32304 plates welded by SMAW, GMAW and FCAW Part II Corrosion Resistance) Avaliação da Soldagem Multipasse de Chapas Espessas de Aços Inoxidáveis Lean Duplex UNS S32304 Soldadas pelos Processos SMAW, GMAW e FCAW Parte II: Resistência à Corrosão (Evaluation of multipass welding

Leia mais

ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3. ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE...

ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3. ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE... ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3 ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE... 5 FUNDAMENTOS DOS TRATAMENTOS TÉRMICOS DAS LIGAS FERROSAS

Leia mais

CQ049 FQ IV Eletroquímica. www.quimica.ufpr.br/mvidotti. Terça/Quarta: 15:30 17:30

CQ049 FQ IV Eletroquímica. www.quimica.ufpr.br/mvidotti. Terça/Quarta: 15:30 17:30 CQ049 FQ IV Eletroquímica prof. Dr. Marcio Vidotti LEP Laboratório de Eletroquímica e Polímeros mvidotti@ufpr.br www.quimica.ufpr.br/mvidotti Terça/Quarta: 15:30 17:30 Espontaneidade de reações eletroquímicas

Leia mais

Introdução. Princípios da corrosão: reações de oxiredução potencial de eletrodo - sistema redox em equilíbrio - Diagrama de Pourbaix

Introdução. Princípios da corrosão: reações de oxiredução potencial de eletrodo - sistema redox em equilíbrio - Diagrama de Pourbaix Introdução Princípios da corrosão: reações de oxiredução potencial de eletrodo - sistema redox em equilíbrio - Diagrama de Pourbaix Introdução Conceitos de oxidação e redução 1 - Ganho ou perda de oxigênio

Leia mais

Prof André Montillo www.montillo.com.br

Prof André Montillo www.montillo.com.br Prof André Montillo www.montillo.com.br Definição: É a deterioração de um material, geralmente metálico, por ação eletroquímica ou química do meio ambiente, associada ou não a esforços mecânicos. Isto

Leia mais

Análise de Óleo. Artigo Técnico

Análise de Óleo. Artigo Técnico Análise de Óleo O uso da análise de óleo como técnica de manutenção começou a ser aplicada na década 50. A crise do petróleo intensificou o uso da análise de óleo, que passou a cumprir uma nova função

Leia mais

Tubulações pré-fabricadas

Tubulações pré-fabricadas SPECIAL PIPES AND COMPONENTS READY FOR INSTALLATION 1 Tubulações pré-fabricadas Tubos resistentes à corrosão Tubos cladeados Tubos especiais e componentes prontos para instalação Tubulações e spools pré-fabricados

Leia mais

TESTES REFERENTES A PARTE 1 DA APOSTILA FUNDAMENTOS DA CORROSÃO INDIQUE SE AS AFIRMAÇÕES A SEGUIR ESTÃO CERTAS OU ERRADAS

TESTES REFERENTES A PARTE 1 DA APOSTILA FUNDAMENTOS DA CORROSÃO INDIQUE SE AS AFIRMAÇÕES A SEGUIR ESTÃO CERTAS OU ERRADAS TESTES REFERENTES A PARTE 1 DA APOSTILA FUNDAMENTOS DA CORROSÃO INDIQUE SE AS AFIRMAÇÕES A SEGUIR ESTÃO CERTAS OU ERRADAS 1) Numa célula eletroquímica a solução tem que ser um eletrólito, mas os eletrodos

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO ELETROPOLIMENTO NA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE EQUIPAMENTOS DAS INDÚSTRIAS DE PROCESSO

A INFLUÊNCIA DO ELETROPOLIMENTO NA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE EQUIPAMENTOS DAS INDÚSTRIAS DE PROCESSO A INFLUÊNCIA DO ELETROPOLIMENTO NA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE EQUIPAMENTOS DAS INDÚSTRIAS DE PROCESSO GRUPO HUMMA Eng Fawler Morellato Av. Fagundes Filho, 191 - Cj. 103D Depto. Engenharia e Desenvolvimento

Leia mais

EFEITO DOS IONS CITRATO SOBRE O AÇO SAE 1005: COMPORTAMENTO ELETROQUÍMICO E ANÁLISE TOPOGRÁFICA

EFEITO DOS IONS CITRATO SOBRE O AÇO SAE 1005: COMPORTAMENTO ELETROQUÍMICO E ANÁLISE TOPOGRÁFICA EFEITO DOS IONS CITRATO SOBRE O AÇO SAE 1005: COMPORTAMENTO ELETROQUÍMICO E ANÁLISE TOPOGRÁFICA Susana Modiano Cecílio Sadao Fugivara Assis Vicente Benedetti DEP. DE FÍSICO-QUÍMICA, INSTITUTO DE QUÍMICA

Leia mais

PROJETOS EM INSTRUMENTAÇÃO E AUTOMAÇÃO INSTRUMENTAÇÃO - TEMPERATURA

PROJETOS EM INSTRUMENTAÇÃO E AUTOMAÇÃO INSTRUMENTAÇÃO - TEMPERATURA MÉTODO DE MEDIÇÃO Podemos dividir os medidores de temperatura em dois grandes grupos, conforme a tabela abaixo: 1º grupo (contato direto) Termômetro à dilatação de líquidos de sólido Termômetro à pressão

Leia mais

CORROSÃO E PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES ENTERRADAS E TANQUES EM PLANTAS INDUSTRIAIS

CORROSÃO E PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES ENTERRADAS E TANQUES EM PLANTAS INDUSTRIAIS CORROSÃO E PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES ENTERRADAS E TANQUES EM PLANTAS INDUSTRIAIS Eng o Luiz Paulo Gomes Diretor da IEC-Instalações e Engenharia de Corrosão Ltda LPgomes@iecengenharia.com.br 21 2159

Leia mais

ANÁLISE DE DESCONTINUIDADES EM REVESTIMENTOS DE CROMO SOBRE AÇO

ANÁLISE DE DESCONTINUIDADES EM REVESTIMENTOS DE CROMO SOBRE AÇO ANÁLISE DE DESCONTINUIDADES EM REVESTIMENTOS DE CROMO SOBRE AÇO Haroldo de Araújo Ponte Universidade Federal do Paraná, Departamento de Engenharia Química, Laboratório de Eletroquímica de Superfícies e

Leia mais

ESTUDO ELETROQUÍMICO COMPARATIVO DO AÇO ISO 5832-9 EM DIFERENTES MEIOS DE INTERESSE BIOLÓGICO ABSTRACT

ESTUDO ELETROQUÍMICO COMPARATIVO DO AÇO ISO 5832-9 EM DIFERENTES MEIOS DE INTERESSE BIOLÓGICO ABSTRACT ESTUDO ELETROQUÍMICO COMPARATIVO DO AÇO ISO 5832-9 EM DIFERENTES MEIOS DE INTERESSE BIOLÓGICO Ruth Flavia Vera Villamil Jaimes Instituto de Química da Universidade de São Paulo - Universidade do Grande

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA METALÚRGICA E DE MATERIAIS ENGENHARIA METALURGICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA METALÚRGICA E DE MATERIAIS ENGENHARIA METALURGICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA METALÚRGICA E DE MATERIAIS ENGENHARIA METALURGICA LUIS FERNANDO L. S. JÁCOME EFEITO DE TRATAMENTOS TÉRMICOS NAS PROPRIEDADES

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DE FORMAÇÃO DA AUSTENITA EXPANDIDA NA NITRETAÇÃO POR PLASMA DO AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO AISI 316 GRAU ASTM F138

CARACTERÍSTICAS DE FORMAÇÃO DA AUSTENITA EXPANDIDA NA NITRETAÇÃO POR PLASMA DO AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO AISI 316 GRAU ASTM F138 CARACTERÍSTICAS DE FORMAÇÃO DA AUSTENITA EXPANDIDA NA NITRETAÇÃO POR PLASMA DO AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO AISI 316 GRAU ASTM F138 R. R. Caetano (1), A. R. Franco Jr. (2), C. E. Pinedo (1) (1) Núcleo de

Leia mais

INFLUÊNCIA DO TRATAMENTO DE VIBRAÇÃO NAS TENSÕES RESIDUAIS GERADAS NA SOLDAGEM A LASER DE AÇOS ARBL E IF

INFLUÊNCIA DO TRATAMENTO DE VIBRAÇÃO NAS TENSÕES RESIDUAIS GERADAS NA SOLDAGEM A LASER DE AÇOS ARBL E IF INFLUÊNCIA DO TRATAMENTO DE VIBRAÇÃO NAS TENSÕES RESIDUAIS GERADAS NA SOLDAGEM A LASER DE AÇOS ARBL E IF T. C. Chuvas 1 ; M. P. Cindra Fonseca 1 ; D. A. Castello 2 1 Departamento de Engenharia Mecânica/PGMEC

Leia mais

Estudo Exploratório das Técnicas de Caracterização Microestrutural por meio Microscopia Óptica de Aços Inoxidáveis Dúplex.

Estudo Exploratório das Técnicas de Caracterização Microestrutural por meio Microscopia Óptica de Aços Inoxidáveis Dúplex. Estudo Exploratório das Técnicas de Caracterização Microestrutural por meio Microscopia Óptica de Aços Inoxidáveis Dúplex. Orientador: Profª. Drª. Daniella Caluscio dos Santos. Departamento: Engenharia

Leia mais

GRUPO II GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO TÉRMICA E FONTES NÃO CONVENCIONAIS

GRUPO II GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO TÉRMICA E FONTES NÃO CONVENCIONAIS SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPT 26 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO II GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO TÉRMICA E FONTES NÃO CONVENCIONAIS MINIMIZAÇÃO

Leia mais

Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade.

Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade. Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade. Prof. Luciano Martin Teixeira, M.Sc. Eng. INTRODUÇÃO O emprego de polímeros no concreto tem como objetivo intensificar certas qualidades devido a diminuição

Leia mais

AGRADECIMENTOS. À Dra. Maysa Terada, do Laboratório Nacional de Nanotecnologia em Campinas- SP, pelas análises de SEM-FEG.

AGRADECIMENTOS. À Dra. Maysa Terada, do Laboratório Nacional de Nanotecnologia em Campinas- SP, pelas análises de SEM-FEG. INSTITUTO DE PESQUISAS ENERGÉTICAS E NUCLEARES Autarquia associada à Universidade de São Paulo EFEITO DA MARCAÇÃO NA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DE IMPLANTES ORTOPÉDICOS PRODUZIDOS EM AÇO INOXIDÁVEL ABNT NBR

Leia mais

DECAPAGEM & PASSIVAÇÃO DE AÇO INOXIDÁVEL

DECAPAGEM & PASSIVAÇÃO DE AÇO INOXIDÁVEL DECAPAGEM & PASSIVAÇÃO DE AÇO INOXIDÁVEL Decapagem & Passivação de Aço Inoxidável ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 03 2 DEFEITOS TÍPICOS...04 2.1 COLORAÇÃO POR AQUECIMENTO E INCRUSTAÇÃO DE ÓXIDO... 04 2.2 DEFEITOS

Leia mais

Formas de corrosão 1

Formas de corrosão 1 Formas de corrosão 1 Os processos de corrosão são considerados reações químicas heterogêneas ou reações na superfície de separação entre o metal e o meio corrosivo. O processo de corrosão é uma reação

Leia mais

TESTES DE CORROSÃO Domingos J C Spinelli SurTec do Brasil Ltda Abril/2000

TESTES DE CORROSÃO Domingos J C Spinelli SurTec do Brasil Ltda Abril/2000 TESTES DE CORROSÃO Domingos J C Spinelli SurTec do Brasil Ltda Abril/2000 1 O Teste de corrosão é a interpretação dos resultados que pode ser um dos mais controvertidos assuntos na indústria de galvanoplastia.

Leia mais

SOLIDIFICAÇÃO/ESTABILIZAÇÃO DE LODO GALVÂNICO EM BLOCOS DE CONCRETO PARA PAVIMENTAÇÃO (PAVERS)

SOLIDIFICAÇÃO/ESTABILIZAÇÃO DE LODO GALVÂNICO EM BLOCOS DE CONCRETO PARA PAVIMENTAÇÃO (PAVERS) 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 SOLIDIFICAÇÃO/ESTABILIZAÇÃO DE LODO GALVÂNICO EM BLOCOS DE CONCRETO PARA PAVIMENTAÇÃO (PAVERS) Janaina de Melo Franco 1, Célia Regina Granhen Tavares 2,

Leia mais

TRATAMENTOS TÉRMICOS: EFEITO DA VELOCIDADE DE RESFRIAMENTO SOBRE AS MICROESTRUTURAS DOS AÇOS ABNT 1045

TRATAMENTOS TÉRMICOS: EFEITO DA VELOCIDADE DE RESFRIAMENTO SOBRE AS MICROESTRUTURAS DOS AÇOS ABNT 1045 TRATAMENTOS TÉRMICOS: EFEITO DA VELOCIDADE DE RESFRIAMENTO SOBRE AS MICROESTRUTURAS DOS AÇOS ABNT 1045 Daniel Favalessa, Edésio Anunciação Santos Filho, Gilberto Prevital, Heriberto Guisso, João Paulo

Leia mais

RELAÇÃO DO TEMPO DE SINTERIZAÇÃO NA DENSIFICAÇÃO E CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM CÉLULAS À COMBUSTÍVEL. Prof. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior

RELAÇÃO DO TEMPO DE SINTERIZAÇÃO NA DENSIFICAÇÃO E CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM CÉLULAS À COMBUSTÍVEL. Prof. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior RELAÇÃO DO TEMPO DE SINTERIZAÇÃO NA DENSIFICAÇÃO E CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM CÉLULAS À COMBUSTÍVEL Prof. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior INTRODUÇÃO Célula à combustível é um material eletroquimico em

Leia mais

Tratamentos Térmicos dos Aços Ferramenta Um Ensaio

Tratamentos Térmicos dos Aços Ferramenta Um Ensaio Tratamentos Térmicos dos Aços Ferramenta Um Ensaio Dr. Carlos Eduardo Pinedo Diretor Técnico 1. Considerações Iniciais Aços Ferramenta Dentre os diferentes materiais utilizados pelo homem em seu cotidiano,

Leia mais

METODOLOGIA PARA AVALIAÇÃO DE FRAÇÃO DE VIDA CONSUMIDA DE AÇOS 1CR-0,5MO ATRAVÉS DE ENSAIOS ACELERADOS DE FLUÊNCIA

METODOLOGIA PARA AVALIAÇÃO DE FRAÇÃO DE VIDA CONSUMIDA DE AÇOS 1CR-0,5MO ATRAVÉS DE ENSAIOS ACELERADOS DE FLUÊNCIA METODOLOGIA PARA AVALIAÇÃO DE FRAÇÃO DE VIDA CONSUMIDA DE AÇOS 1CR-0,5MO ATRAVÉS DE ENSAIOS ACELERADOS DE FLUÊNCIA Hector Reynaldo Meneses Costa CEFET-RJ/DEPES Ari Sauer Guimarães UFRJ/PEMM/COPPE Ivani

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Tintas Soluções para Celulose & Papel

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Tintas Soluções para Celulose & Papel Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Tintas Soluções para Celulose & Papel Soluções para Celulose e Papel A WEG Tintas fornece tecnologia em tintas para diversos tipos de ambientes

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG)

PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG) PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG) MONTES CLAROS MARÇO/2014 1 COORDENAÇÃO DE PESQUISA PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL DO

Leia mais

Sistema Duplex. Vantagens e Aplicações. Luiza Abdala (luiza.abdala@vmetais.com.br) Engenheira Química - Desenvolvimento de Mercado

Sistema Duplex. Vantagens e Aplicações. Luiza Abdala (luiza.abdala@vmetais.com.br) Engenheira Química - Desenvolvimento de Mercado Sistema Duplex Vantagens e Aplicações Luiza Abdala (luiza.abdala@vmetais.com.br) Engenheira Química - Desenvolvimento de Mercado METALURGIA Corrosão Tendência que os materiais têm de retornar ao seu estado

Leia mais

RECICLAGEM DE CROMO E NÍQUEL A PARTIR DE RESÍDUOS SIDERÚRGICOS

RECICLAGEM DE CROMO E NÍQUEL A PARTIR DE RESÍDUOS SIDERÚRGICOS RECICLAGEM DE CROMO E NÍQUEL A PARTIR DE RESÍDUOS SIDERÚRGICOS Pedro José Nolasco Sobrinho Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais da EPUSP Av. Prof. Mello Moraes, 2463 Cidade Universitária

Leia mais

COMPORTAMENTO DE RESISTÊNCIA À CORROSÃO EM JUNTAS SOLDADAS DE UM AÇO ARBL

COMPORTAMENTO DE RESISTÊNCIA À CORROSÃO EM JUNTAS SOLDADAS DE UM AÇO ARBL 6º CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE FABRICAÇÃO 6 th BRAZILIAN CONFERENCE ON MANUFACTURING ENGINEERING 11 a 15 de abril de 2011 Caxias do Sul RS - Brasil April 11 th to 15 th, 2011 Caxias do Sul RS

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO QUANTO A RESISTÊNCIA À CORROSÃO ENTRE AÇOS INOXIDÁVEIS UTILIZADOS EM TROCADORES DE CALOR.

ESTUDO COMPARATIVO QUANTO A RESISTÊNCIA À CORROSÃO ENTRE AÇOS INOXIDÁVEIS UTILIZADOS EM TROCADORES DE CALOR. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA METALÚRGICA E DE MATERIAIS CURSO DE ENGENHARIA METALÚRGICA PROJETO FINAL DE CURSO Autor: Leonardo Paiva Sanches ESTUDO

Leia mais

GGD INOX MARTENSÍTICO

GGD INOX MARTENSÍTICO AÇOS INOXIDÁVEIS GGD INOX MARTENSÍTICO Generalidades Podem ser beneficiados para altas durezas e ampla faixa de resistência mecânica. São magnéticos e possuem boa usinabilidade. Resistência à corrosão:

Leia mais

A FORMAÇÃO DA CAMADA PROTETORA DE MAGNETITA EM CALDEIRA

A FORMAÇÃO DA CAMADA PROTETORA DE MAGNETITA EM CALDEIRA A FORMAÇÃO DA CAMADA PROTETORA DE MAGNETITA EM CALDEIRA Antonio Sergio Barbosa Neves CONSUCAL -CONSULTORIA QUÍMICA PARA CALDEIRAS S/C LTDA asbneves@cwaynet.com.br 6 COTEQ Conferência sobre Tecnologia de

Leia mais

MÉTODO PARA O CÁLCULO DA FRAÇÃO VOLUMÉTRICA DE AUSTENITA RETIDA ATRAVÉS DO SOFTWARE DE ANÁLISE DIGITAL DE IMAGENS

MÉTODO PARA O CÁLCULO DA FRAÇÃO VOLUMÉTRICA DE AUSTENITA RETIDA ATRAVÉS DO SOFTWARE DE ANÁLISE DIGITAL DE IMAGENS MÉTODO PARA O CÁLCULO DA FRAÇÃO VOLUMÉTRICA DE AUSTENITA RETIDA ATRAVÉS DO SOFTWARE DE ANÁLISE DIGITAL DE IMAGENS S. Lombardo 1 ; F.H. Costa 1 ; T.M. Hashimoto 1 ; M.S. Pereira 1 ; A.J. Abdalla 1,2 Av.

Leia mais

Evaluation of different shielding gases in the welding of superduplex stainless steel by the process (GTAW) gas tungsten arc welding orbital

Evaluation of different shielding gases in the welding of superduplex stainless steel by the process (GTAW) gas tungsten arc welding orbital Avaliação de diferentes gases de proteção na soldagem de aço inoxidável superduplex pelo processo (GTAW) gas tungsten arc welding orbital Evaluation of different shielding gases in the welding of superduplex

Leia mais

INSPEÇÃO DE TUBOS DE TROCADORES DE CALOR E DE CALDEIRAS COM AS TÉCNICAS IRIS E CAMPO REMOTO CONJUGADAS

INSPEÇÃO DE TUBOS DE TROCADORES DE CALOR E DE CALDEIRAS COM AS TÉCNICAS IRIS E CAMPO REMOTO CONJUGADAS INSPEÇÃO DE TUBOS DE TROCADORES DE CALOR E DE CALDEIRAS COM AS TÉCNICAS IRIS E CAMPO REMOTO CONJUGADAS Marcos Alberto da Silva Figueredo SGS DO BRASIL LTDA Rua São Januário, 187 São Cristóvão Rio de Janeiro

Leia mais

Usinagem química e usinagem eletroquímica

Usinagem química e usinagem eletroquímica A U A UL LA Usinagem química e usinagem eletroquímica Nesta aula você vai estudar dois métodos não convencionais de usinagem, que têm em comum entre si apenas o fato de aproveitarem a capacidade que certos

Leia mais

ANÁLISE MICROESTRUTURAL DE AÇOS INOXIDÁVEIS ALTAMENTE LIGADOS: DA AMOSTRAGEM À INTERPRETAÇÃO

ANÁLISE MICROESTRUTURAL DE AÇOS INOXIDÁVEIS ALTAMENTE LIGADOS: DA AMOSTRAGEM À INTERPRETAÇÃO ANÁLISE MICROESTRUTURAL DE AÇOS INOXIDÁVEIS ALTAMENTE LIGADOS: DA AMOSTRAGEM À INTERPRETAÇÃO Prof. Dr. Marcelo Martins (1) Prof. Dr. Luiz Carlos Casteletti (2) Eng. MSc. Luiz Fernando Bonavina (3) Eng.

Leia mais