Estudo exploratório do grau de sensitização do aço UNS S envelhecido a 800 C por ensaios de reativação potenciodinâmica de duplo loop (DL EPR).

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estudo exploratório do grau de sensitização do aço UNS S311803 envelhecido a 800 C por ensaios de reativação potenciodinâmica de duplo loop (DL EPR)."

Transcrição

1 LUARA DA COSTA MORAIS Estudo exploratório do grau de sensitização do aço UNS S envelhecido a 800 C por ensaios de reativação potenciodinâmica de duplo loop (DL EPR). Relatório apresentado ao Centro Universitário da FEI, como parte dos requisitos estabelecidos pelo Programa de Bolsas de Iniciação Científica (PBIC), orientado pela Prof. MSc. Daniella Caluscio dos Santos. São Bernardo do Campo 2012

2 AGRADECIMENTOS À Deus por cada dia, e pela força para não desanimar diante das dificuldades. À minha orientadora Prof. MSc. Daniella Caluscio dos Santos por acreditar no meu trabalho e por toda orientação. Ao Prof. Dr. Rodrigo Magnabosco por toda orientação prestada. A minha família pelo incentivo e apoio emocional. Aos amigos Amanda Campanatti, André Barbosa, Pedro Basso e Mariana Guilherme pelo companheirismo, amizade e compreensão. Ao Centro de Desenvolvimento de Materiais Metálicos (CDMat-FEI), Centro de Laboratórios Químico da FEI (CLQ FEI), especialmente aos Srs. Geleci Ribeiro da Silva, Antonio Mirom, Fabricio Piedade, Gustavo Estrela e Vlamir Rodrigues, pelo auxílio na parte experimental.

3 RESUMO O objetivo deste trabalho compreende o estudo exploratório do grau de sensitização do aço UNS S31803 envelhecido a 800 C por ensaios de DL-EPR. Para isto, corpos de provas do aço em estudo foram solubilizados a 1175 C e em seguida envelhecidos a 800 C entre 10 minutos e 72 horas, visando a formação de diferentes teores de sigma. As amostras envelhecidas deram origem a corpos-de-prova metalográficos para a caracterização microestrutural, que foi realizada utilizando-se técnicas de estereologia quantitativa e análise com ferritoscópio. Os ensaios de DL- EPR foram conduzidos em 3 diferentes soluções, (A) 0,5M H 2 SO 4 + 0,5M NaCl + 0,01M KSCN (B) 1M H 2 SO 4 + 0,5M NaCl + 0,01M KSCN e (C) 2M H 2 SO 4 + 0,5 M NaCl + 0,01 M KSCN à 30 C, em amostras com acabamento polido. Assim, determinou-se o grau de sensitização das amostras envelhecidas onde foi observada sua forte dependência da microestrutura. Para amostra ensaiada na solução A foi registrado a presença de dois máximos de densidade de corrente na ativação e um na reativação, exceto para amostras de 4 e 6 horas envelhecimento que apresentaram 2 máximos. As soluções B e C apresentam 2 máximos na ativação e 2 na reativação. Foi notado na análise microestrutural após o ensaio DL EPR que houve dissolução preferencial das fases, ferrita e austenita, em todas as soluções, sugerindo que esta dissolução possui relação com os máximos de densidade de corrente encontrados na ativação e indicando que a técnica DL-EPR, nas soluções ensaiadas, é destrutiva para o aço inoxidável UNS S A solução C se mostrou mais eficaz para detectar as variações na estrutura causadas pelo envelhecimento e apresentou menor desvio padrão na variação das medidas do grau de sensitização, indicando que esta solução possui maior reprodutibilidade. Palavras - chaves: Aço inoxidável dúplex; Fase sigma; Grau de sensitização; DL-EPR.

4 ABSTRACT The main purpose of this work is the exploratory study of the degree of sensitization of UNS S31803 aged at 800 C between 10 minutes and 72 hours, enabling the formation of the different sigma phase contents. The microstructural characterization of the samples was carried out by quantitative metallography and magnetic measurements. The DL-EPR tests were conducted (A) 0,5M H 2 SO 4 + 0,5M NaCl + 0,01M KSCN, (B) 1M H 2 SO 4 + 0,5M NaCl + 0,01M KSCN and (C) 2M H 2 SO 4 + 0,5M NaCl + 0,01M KSCN solutions at 30 C in polished samples. It was observed that the degree of sensitization of the samples were strongly dependent on the microstructure. For the sample tested in A solution was noted the presence of a double maximum current density in the activation and one maximum on the reactivation. The solutions, B and C, were observed a double maximum in both activation and reactivation. The microstructural analysis after the DL-EPR test revealed dissolution of ferrite and austenite phases for all solutions, suggesting that this dissolution may be related to the double maximum found in the activation, showing that DL-EPR technique is destructive for duplex stainless steel UNS S The C solution was more effective in detecting variations in the structure caused by aging and revealed lower standard deviations measures variations in the degree sensitization, indicating that this solution has greater reproducibility. Key words: Duplex stainless steels; Sigma phase; Degree of Sensitization; DL-EPR.

5 LISTA DE FIGURAS FIGURA Microestrutura do aço UNS S Ataque Behara modificado FIGURA Diagrama ternário do sistema Fe Cr Ni a 1200 C FIGURA Diagrama ternário do sistema Fe Cr Ni a 1100 C FIGURA Diagrama ternário do sistema Fe Cr Ni a 1000 C FIGURA Diagrama TTP apresentando as diferentes fases que podem precipitar nos aços inoxidáveis dúplex FIGURA 2.5 Coeficiente de cromo na ferrita e austenita em função da temperatura FIGURA 2.6 Fração volumétrica das fases austenita, ferrita e sigma em função do tempo de envelhecimento a 850 C FIGURA Curva esquemática de polarização potenciodinâmica cíclica em de um aço inoxidável FIGURA Esquema de curva típica do ensaio DL EPR FIGURA Curva de polarização típica de ensaio de DL EPR com velocidade de varredura de 1mV/s. a) Solução A, amostra tratada a 850 C por 5 horas. b) Solução B, amostra envelhecida a 750 C por 5 horas. c) Solução C, amostra envelhecida a 850 C por 5 horas FIGURA Variação das razões (a) Ir1/ia e (b) ir2/ia com o tempo de tratamento térmico para amostras tratada a 650 C, 750 C e 850 C. Resultados obtidos através da técnica DL EPR na solução B FIGURA 2.11 Variação do grau de sensitização em função do tempo de envelhecimento FIGURA 2.12 Curva típica de polarização potenciodinâmica anódica em solução 1M HCl FIGURA Microestrutura após 30 minutos de imersão em solução 1 M HCL a (60 ± 2) C. Material solubilizado a 1000 C durante 60 minutos FIGURA 2.14 Variação do grau de sensitização por tempo de envelhecimento FIGURA 2.15 Curvas típicas de ensaio DL-EPR em solução 2M H2SO4 + 1M HCl FIGURA 2.16 superfície da amostra após ensaio DL-EPR no aço 7MoPlus. (a) Amostra envelhecida a 630 C por 170 horas. (b) amostra envelhecida a 800 C por 10 horas FIGURA Forno tubular FIGURA Politriz semi-automática Struers Abramin FIGURA 4.3 Microscopio Leica

6 FIGURA Ferritoscópio Fischer FIGURA 4.5 Potenciostato AUTOLAB FIGURA 4.6 Célula eletroquímica utilizada para ensaio DL-EPR.Eletrodo de Referência (E.R.); Eletrodo de Trabalho (E.T.) ; e Contra Eletrodo (C.E.) FIGURA Amostra solubilizada a 1175 C durante 30 minutos, as fases ferrita (escura), austenita (clara) FIGURA Amostra envelhecida a 800ºC por 10 minutos (a) ferrita (escura), austenita (clara) e sigma (branca). Ataque: Behara modificado. (b) sigma escura. Ataque: KOH FIGURA Amostra envelhecida a 800ºC por 1 hora (a) ferrita (escura), austenita (clara) e sigma (branca). Ataque: Behara modificado. (b) sigma escura. Ataque: KOH FIGURA Amostra envelhecida a 800ºC por 4 horas (a) ferrita (escura), austenita (clara) e sigma (branca). Ataque: Behara modificado. (b) sigma escura. Ataque: KOH FIGURA Amostra envelhecida a 800ºC por 6 horas (a) ferrita (escura), austenita (clara) e sigma (branca). Ataque: Behara modificado. (b) sigma escura. Ataque: KOH FIGURA Amostra envelhecida a 800ºC por 12 horas (a) ferrita (escura), austenita (clara) e sigma (branca). Ataque: Behara modificado. (b) sigma escura. Ataque: KOH FIGURA Amostra envelhecida a 800ºC por 72 horas (a) ferrita (escura), austenita (clara) e sigma (branca). Ataque: Behara modificado. (b) sigma escura. Ataque: KOH FIGURA 5.8 Imagem de elétrons retrospalhados para amostra envelhecida durante 10 minutos a 800 C FIGURA Imagem de elétrons retrospalhados para amostra envelhecida durante 12 horas a 800 C FIGURA Imagem de elétrons retrospalhados para amostra envelhecida durante 72 horas a 800 C FIGURA Fração volumétrica de sigma em função do tempo de envelhecimento a 800ºC analisadas utilizando-se amostras atacadas com ataque KOH FIGURA Fração volumétrica de sigma em função do tempo de envelhecimento a 800ºC analisadas utilizando-se ataque de Behara modificado FIGURA Fração volumétrica de ferrita em função do tempo de envelhecimento a 800ºC analisadas utilizando-se amostras atacadas com ataque KOH

7 FIGURA Fração volumétrica de ferrita em função do tempo de envelhecimento a 800ºC analisadas utilizando-se ataque de Behara modificado FIGURA Fração volumétrica de austenita em função do tempo de envelhecimento a 800ºC, determinada conforme equação 1 (ferritoscópio + KOH) FIGURA Fração volumétrica de austenita em função do tempo de envelhecimento a 800ºC analisadas utilizando-se ataque de Behara modificado FIGURA 5.17 Curva típica de DL EPR em solução 0,5 H2SO4 + 0,5 NaCl + 0,01 KSCN da amostra solubilizada FIGURA 5.18 Curva típica de DL EPR em solução 0,5 H2SO4 + 0,5 NaCl + 0,01 KSCN da envelhecida por 10 minutos a 800 C FIGURA Curva típica de DL EPR em solução 0,5 H2SO4 + 0,5 NaCl + 0,01 KSCN da envelhecida por 1 hora a 800 C FIGURA Curva típica de DL EPR em solução 0,5 H2SO4 + 0,5 NaCl + 0,01 KSCN da envelhecida por 4 horas a 800 C FIGURA Curva típica de DL EPR em solução 0,5 H2SO4 + 0,5 NaCl + 0,01 KSCN da envelhecida por 6 horas a 800 C FIGURA Curva típica de DL EPR em solução 0,5 H2SO4 + 0,5 NaCl + 0,01 KSCN da envelhecida por 12 horas a 800 C FIGURA Curva típica de DL EPR em solução 0,5 H2SO4 + 0,5 NaCl + 0,01 KSCN da envelhecida por 72 horas a 800 C FIGURA Razão ir/ia em função do tempo de envelhecimento a 800 C utilizando solução 0,5M H2SO4 + 0,5M NaCl + 0,01M KSCN FIGURA Amostra solubilizada a 1175 C por 30 minutos após ensaio de DL EPR em solução 0,5M H2SO4+0,5M NaCl + 0,01M KSCN FIGURA Amostra envelhecida por 10 minutos a 800 C após ensaio de DL EPR em solução 0,5M H2SO4+0,5M NaCl + 0,01M KSCN FIGURA Amostra envelhecida por 1 hora a 800 C após ensaio de DL EPR em solução 0,5M H2SO4+0,5M NaCl + 0,01M KSCN FIGURA Amostra envelhecida por 4 horas a 800 C após ensaio de DL EPR em solução 0,5M H2SO4+0,5M NaCl + 0,01M KSCN

8 FIGURA Amostra envelhecida por 6 horas a 800 C após ensaio de DL EPR em solução 0,5M H2SO4+0,5M NaCl + 0,01M KSCN FIGURA Amostra envelhecida por 12 horas a 800 C após ensaio de DL EPR em solução 0,5M H2SO4+0,5M NaCl + 0,01M KSCN FIGURA Amostra envelhecida por 72 horas a 800 C após ensaio de DL EPR em solução 0,5M H2SO4+0,5M NaCl + 0,01M KSCN FIGURA 5.32 Imagem de elétrons secundários da amostra solubilizada em solução 0,5M H2SO4+0,5M NaCl + 0,01M KSCN FIGURA 5.33 Imagem de elétrons secundários da amostra envelhecida por 12 horas em solução 0,5M H2SO4+0,5M NaCl + 0,01M KSCN FIGURA Imagem de elétrons secundários da amostra envelhecida por 72 horas em solução 0,5M H2SO4+0,5M NaCl + 0,01M KSCN FIGURA Curva típica de DL EPR em solução 1M H2SO4 + 0,5M NaCl + 0,01M KSCN da amostra solubilizada a 1175 C durante 30 minutos FIGURA Curva típica de ensaio DL EPR em solução 1M H2SO4 + 0,5M NaCl + 0,01M KSCN para amostra envelhecida durante 10 minutos a 800 C FIGURA Curva típica de ensaio DL EPR em solução 1M H2SO4 + 0,5M NaCl + 0,01M KSCN para amostra envelhecida durante 1 hora a 800 C FIGURA Curva típica de ensaio DL EPR em solução 1M H2SO4 + 0,5M NaCl + 0,01M KSCN para amostra envelhecida durante 4 horas a 800 C FIGURA Curva típica de ensaio DL EPR em solução 1M H2SO4 + 0,5M NaCl + 0,01M KSCN para amostra envelhecida durante 6 horas a 800 C FIGURA Curva típica de ensaio DL EPR em solução 1M H2SO4 + 0,5M NaCl + 0,01M KSCN para amostra envelhecida durante 12 horas a 800 C FIGURA Curva típica de ensaio DL EPR em solução 1M H2SO4 + 0,5M NaCl + 0,01M KSCN para amostra envelhecida durante 72 horas a 800 C FIGURA Variação no grau de sensitização (ir/ia) em solução 1M H2SO4 + 0,5M NaCl + 0,01M KSCN em função do tempo de envelhecimento a 800 C FIGURA Amostra solubilizada a 1175 C por 30 minutos após ensaio de DL EPR em solução 1M H2SO4 + 0,5 NaCl + 0,01M KSCN

9 FIGURA Amostra envelhecida por 10 minutos a 800 C após ensaio de DL EPR em solução 1M H2SO4 + 0,5 NaCl + 0,01M KSCN FIGURA Amostra envelhecida durante 1 hora a 800 C após ensaio de DL EPR em solução 1M H2SO4 + 0,5 NaCl + 0,01M KSCN FIGURA Amostra envelhecida durante 4 horas a 800 C após ensaio DL EPR em solução 1M H2SO4 + 0,5 NaCl + 0,01M KSCN FIGURA Amostra envelhecida durante 6 horas a 800 C após ensaio DL EPR em solução 1M H2SO4 + 0,5 NaCl + 0,01M KSCN FIGURA Amostra envelhecida durante 12 horas a 800 C após ensaio DL EPR em solução 1M H2SO4 + 0,5 NaCl + 0,01M KSCN FIGURA Amostra envelhecida durante 72 horas a 800 C após ensaio DL EPR em solução 1M H2SO4 + 0,5 NaCl + 0,01M KSCN FIGURA 5.50 Curva típica de ensaio DL-EPR em solução 2M H2SO4 + 0,5M NaCl + 0,01M KSCN para amostra solubilizada a 1175 C durante 30 minutos FIGURA Curva típica de ensaio DL-EPR em solução 2M H2SO4 + 0,5M NaCl + 0,01M KSCN para amostra envelhecida por 10 minutos FIGURA Curva típica de ensaio DL-EPR em solução 2M H2SO4 + 0,5M NaCl + 0,01M KSCN para amostra envelhecida por 1 hora FIGURA Curva típica de ensaio DL-EPR em solução 2M H2SO4 + 0,5M NaCl + 0,01M KSCN para amostra envelhecida por 4 horas FIGURA Curva típica de ensaio DL-EPR em solução 2M H2SO4 + 0,5M NaCl + 0,01M KSCN para amostra envelhecida por 6 horas FIGURA Curva típica de ensaio DL-EPR em solução 2M H2SO4 + 0,5M NaCl + 0,01M KSCN para amostra envelhecida por 12 horas FIGURA Curva típica de ensaio DL-EPR em solução 2M H2SO4 + 0,5M NaCl + 0,01M KSCN para amostra envelhecida por 72 horas FIGURA Variação no grau de sensitização (ir/ia) em solução 2M H2SO4 + 0,5M NaCl + 0,01M KSCN em função do tempo de envelhecimento a 800 C FIGURA Amostra solubilizada a 1175 C durante 30 minutos após ensaio DL EPR em solução 2M H2SO4 + 0,5 NaCl + 0,01M KSCN

10 FIGURA Amostra envelhecida por 10 minutos a 800 C após ensaio DL EPR em solução 2M H2SO4 + 0,5 NaCl + 0,01M KSCN FIGURA Amostra envelhecida por 1 hora a 800 C após ensaio DL EPR em solução 2M H2SO4 + 0,5 NaCl + 0,01M KSCN FIGURA Amostra envelhecida por 4 horas a 800 C após ensaio DL EPR em solução 2M H2SO4 + 0,5 NaCl + 0,01M KSCN FIGURA Amostra envelhecida por 6 horas a 800 C após ensaio DL EPR em solução 2M H2SO4 + 0,5 NaCl + 0,01M KSCN FIGURA Amostra envelhecida por 12 horas a 800 C após ensaio DL EPR em solução 2M H2SO4 + 0,5 NaCl + 0,01M KSCN FIGURA Amostra envelhecida por 72 horas a 800 C após ensaio DL EPR em solução 2M H2SO4 + 0,5 NaCl + 0,01M KSCN FIGURA Imagem de elétrons secundários da amostra envelhecida por 10 minutos e polarizada em solução 2M H2SO4+0,5M NaCl + 0,01M KSCN FIGURA Imagem de elétrons secundários da amostra envelhecida por 10 minutos e polarizada em solução 2M H2SO4+0,5M NaCl + 0,01M KSCN FIGURA Imagem de elétrons secundários da amostra envelhecida por 10 minutos e polarizada em solução 2M H2SO4+0,5M NaCl + 0,01M KSCN FIGURA Imagem de elétrons secundários da amostra envelhecida por 4 horas e polarizada em solução 2M H2SO4+0,5M NaCl + 0,01M KSCN FIGURA Imagem de elétrons secundários da amostra envelhecida por 4 horas e polarizada em solução 2M H2SO4+0,5M NaCl + 0,01M KSCN FIGURA Imagem de elétrons secundários da amostra envelhecida por 6 horas e polarizada em solução 2M H2SO4+0,5M NaCl + 0,01M KSCN FIGURA 6.1 Amostras envelhecidas atacadas com KOH 10%. (a) 10 minutos. (b) 1 hora. (c) 4 horas. (d) 72 horas FIGURA 6.2 Fração volumétricas das fases (%) sigma (azul) e ferrita (vermelho) em função do tempo de envelhecimento FIGURA 6.3 Fração volumétrica de fase sigma em função do tempo de envelhecimento a 800 C. Estereologia quantitativa com ataque 10% KOH (vermelho). Estereologia quantitativa com ataque Behara modificado (azul)... 86

11 FIGURA 6.4 Fração volumétrica da fase ferrita em função do tempo de envelhecimento a 800 C. Ferristoscópio (vermelho). Estereologia quantitativa com ataque Behara modificado (azul) FIGURA Fração volumétrica de austenita em função do tempo de envelhecimento. Determinada conforme a equação 1. Em vermelho (KOH 10% + ferritoscópio). Em azul (Behara modificado) FIGURA 6.6 Comparação das curvas ensaiadas na solução A e B. Amostras (a) solubilizada. E envelhecidas por. (b) 10 min. (c) 1 hora. (d) 4 horas. (e) 6 horas. (f) 12 horas. (g) 72 horas FIGURA 6.7 Imagens após ensaio DL-EPR. Amostras (a) solubilizada, polarizada na solução A. (b) envelhecida por 10 minutos, polarizada na solução B. (c) envelhecida por 4 horas, polarizada na solução B, (d) envelhecida por 6 horas, polarizada na solução B, (e) envelhecida por 12 horas, solubilizada na solução C, (f) envelhecida por 72 horas, polarizada na solução C. 91 FIGURA Amostra envelhecida por 10 minutos a 800 C. (a) Amostra com ataque eletrolítico em solução 10% KOH. (b) Amostra após ensaio DL-EPR em solução 2M H 2 SO 4 + 0,5M NaCl +0,01 KSCN FIGURA 6.9 Corrosão intensa ao redor do grão de austenita da amostras envelhecida por 72 horas a 800ºC e polarizadas na solução A FIGURA 6.10 Corrosão intensa ao redor do grão de austenita na amostra envelhecida por 10 minutos a 800 C e polarizadas na solução C FIGURA Imagens de elétrons secundários para amostra envelhecida durante 4 horas a 800 C após ensaio DL-EPR em solução 2M H2SO4 + 0,5M NaCl +0,01M KSCN FIGURA 6.12 Variação de ir/ia por tempo de envelhecimento para todas as soluções FIGURA 6.13 Curva típica de ensaio DL-EPR. (a) 4 horas de envelhecimento, solução A. (b) 6 horas de envelhecimento, solução B FIGURA 6.14 Variação da razão i r /i a1 em função tempo de envelhecimento, solução A FIGURA 6.15 Variação da razão i r1 /i a1 por tempo de envelhecimento, solução B FIGURA 6.16 Variação de ir1/ia1 por tempo de envelhecimento, Solução C FIGURA 6.17 Variação de i r /i a2 por tempo de envelhecimento, solução A FIGURA 6.18 Variação de i r2 /i a2 por tempo de envelhecimento, solução B FIGURA 6.19 Variação de ir2/ia2 por tempo de envelhecimento, Solução C

12 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO E OBJETIVOS REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Metalurgia Física dos Aços Inoxidáveis Dúplex Formação de Sigma Corrosão dos aços inoxidáveis dúplex JUSTIFICATIVA PARA ESTE TRABALHO MATERIAIS E MÉTODOS Material Tratamentos Térmicos Preparação dos corpos de provas Caracterização quantitativa da microestrutura Ensaios Eletroquímicos RESULTADOS Análise microestrutural Ensaios de reativação potenciodinâmica de duplo loop Solução (A): 0,5 M H 2 SO 4 + 0,5 M NaCl + 0,01 M KSCN Ensaio de reativação potenciodinâmica de duplo loop em solução (B) 1M H 2 SO 4 + 0,5M NaCl + 0,01M KSCN Ensaio de reativação potenciodinâmica de duplo loop em solução (C) 2M H 2 SO 4 + 0,5M NaCl + 0,01M KSCN DISCUSSÃO Formação de fase sigma... 84_Toc Ensaios de DL EPR

13 7 CONCLUSÕES SUGESTÃO PARA TRABALHOS FUTUROS REFERÊNCIAS 105

14 14 1 INTRODUÇÃO E OBJETIVOS Os aços inoxidáveis são ligas ferrosas contendo no mínimo 11% de cromo, sendo este elemento o principal responsável pela resistência à corrosão destes materiais, por meio da formação de uma película passiva na superfície do aço. Estes materiais podem ser divididos em 3 categorias principais: austenitícos, ferritícos e dúplex (SEDRIKS, 2006). Os aços inoxidáveis austeníticos possuem em sua composição elementos austenitizantes como níquel, manganês, cobre carbono e nitrogênio, sendo esses capazes de estabilizar a austenita. Estes aços possuem alta ductilidade, soldabilidade e tenacidade, entretanto possuem apresentam elevado custo principalmente devido ao preço do níquel. Além disso, esses materiais são susceptíveis a corrosão intergranular, devido à formação fases precipitadas quando estes são submetidos a altas temperaturas por um longo período de tempo. Este fenômeno é chamado de sensitização. Os precipitados mais comumente encontrados em um material sensitizado são: sigma ( ), chi ( ), fases laves ( ) e carbonetos (SEDRIKS, 2006). Já os aços inoxidáveis ferríticos são ricos em elementos capazes de estabilizar a ferrita, como cromo e molibdênio e silício (SEDRIKS, 2006). Teores de cromo acima de 12% tornam esses aços sujeitos a fragilização, quando submetidos a temperaturas entre 370 C e 550 C. Os aços inoxidáveis ferríticos apresentam excelente resistência à corrosão sobtensão, boa resistência à corrosão por pite e corrosão em fresta, em ambientes contendo cloretos (KRYSIAK et al., 1993), porém quando comparados aos austeníticos, possuem valores de ductilidade e tenacidade menores. Esses aços ferritícos também podem apresentar a precipitação de fases intermetálicas quando sujeitos a altas temperaturas (SEDRIKS, 2006). Os aços inoxidáveis dúplex são constituídos principalmente por ferro, cromo, molibdênio e níquel, normalmente apresentam de 20 a 30% de cromo, 5 a 10% de níquel e possuem baixo teor de carbono < 0,3% (NOBLE, 1993). Na Figura 1.1 observa-se a microestrutura do aço inoxidável dúplex UNS S31803 solubilizado a 1175 C durante 30 minutos, seguido de um resfriamento em água. A fase branca refere-se a austenita enquanto a preta a ferrita.

15 15 Figura Microestrutura do aço UNS S Ataque Behara modificado. Fonte: Santos, 2010, p. 66 A primeira geração dos aços dúplex era fabricada sem a adição de nitrogênio, porém estes, quando soldados apresentavam nas regiões dos contornos de grãos de ferrita, a formação de uma zona termicamente afetada, resultando na redução de resistência a corrosão e tenacidade destes materiais. Na década de 90 uma nova geração desses aços foi desenvolvida tendo como diferencial a adição de nitrogênio, que contribuiu para a melhoria de diversas propriedades incluindo estabilidade a altas temperaturas particularmente em áreas de solda e o aumento da resistência a corrosão localizada (SEDRIKS, 2006, CHARLES; CHEMELLHE, 2010). A vantagem de uma estrutura dúplex é que esta nos oferece em uma única combinação alta resistência à corrosão intergranular, corrosão por pite e corrosão sobtensão além de excelentes propriedades mecânicas como boa tenacidade e ductilidade. Comparando-os com a série 300 dos aços inoxidáveis austeníticos, os dúplex requerem menos níquel e molibdênio para uma equivalente propriedade de resistência a corrosão (SEDRIKS, 2006; CHARLES; CHEMELLE, 2010; ALVAREZ-ARMAS; DEGALLAIX MOREUIL, 2009). Assim como os aços inoxidáveis ferríticos e austeníticos, os aços dúplex também podem apresentar a precipitação de compostos intermetálicos, quando submetidos ao tratamento de envelhecimento. Segundo Nilsson (1992) dentre as fases intermetálicas que podem se formar a fase sigma é a mais importante, pois esta possui grande influência na tenacidade e no comportamento corrosivo dos aços inoxidáveis dúplex.

16 16 A relação da formação de sigma com comportamento corrosivo dos materiais vem sendo largamente estudada, entretanto os ensaios eletroquímicos convencionais necessitam de quantidades significativas de material, pois quase sempre estes ensaios são destrutivos. Da necessidade de ensaios não destrutivos, foi desenvolvido o ensaio de reativação potenciodinâmica de duplo loop (DL EPR), elaborado para a medição do grau de sensitização dos materiais, normalizado para aços inoxidáveis austeníticos. Estudos vêm sendo realizados, a fim de encontrar as condições ideais da utilização deste experimento em aços inoxidáveis dúplex (WOLYNEC (2003), MAJIDI; STREICHER (1984), CRISTINI et al., 2010). Assim, esse trabalho compreende o estudo exploratório do grau de sensitização do aço UNS S31803 envelhecido a 800 C por ensaios de reativação potenciodinâmica de duplo loop.

17 17 2 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Para o desenvolvimento deste trabalho, faz-se da revisão bibliográfica apresentada na sequencia. Serão abordados nesta seção a metalurgia física dos aços inoxidáveis dúplex destacando-se nesta a formação de fase sigma, e conceitos da corrosão nos aços inoxidáveis dúplex, enfocando os ensaios de DL-EPR. 2.1 Metalurgia Física dos Aços Inoxidáveis Dúplex Em 1927, Bain e Griffith estudando o sistema Fe Cr Ni mencionaram um campo no qual havia a existência de duas fases: ferrita e austenita. Estes foram provavelmente os primeiros a mencionarem a possível existência da estrutura dúplex. O diagrama ternário Fe Cr Ni é o diagrama básico para os aços inoxidáveis dúplex (PADILHA; PLAUT, 2009). As seções isotérmicas entre 1000 e 1200 C dos diagramas ternários Fe Cr - Ni são apresentados nas Figuras 2.1 a 2.3 onde se notam campos onde há coexistência das fases ferrita e austenita. Sendo assim, o desenvolvimento da estrutura dúplex ferrita-austenita se dá pela correta escolha da composição, e da execução do tratamento de solubilização seguido de um rápido resfriamento (MAGNABOSCO, 2001). Nota-se nos diagramas que o campo bifásico aumenta com a diminuição da temperatura.

18 18 Figura Diagrama ternário do sistema Fe Cr Ni a 1200 C. Fonte: Santos, 2010, p. 25 Figura Diagrama ternário do sistema Fe Cr Ni a 1100 C Fonte: Santos, 2010, p.26.

19 19 Figura Diagrama ternário do sistema Fe Cr Ni a 1000 C Fonte: Santos, 2010, p Formação de Sigma. Os aços inoxidáveis dúplex quando expostos a temperaturas entre 650 e 950 C podem apresentar a formação de fases intermetálicas. As principais fases que podem se formar nestes materiais são sigma ( ) e chi ( ), além de nitretos. Na curva TTP (temperatura-tempoprecipitação) apresentada na Figura 2.4, pode-se observar os diferentes precipitados que podem ser encontrados nos aços dúplex a temperaturas entre 300 e 1000 C (PADILHA; PLAUT, 2009).

20 20 Figura Diagrama TTP apresentando as diferentes fases que podem precipitar nos aços inoxidáveis dúplex. Fonte: Autor, adaptado de Padilha e Plaut, 2009, p.124. Dentre as fases intermetálicas que são passíveis de se formar nos aços inoxidáveis dúplex, a fase sigma é a mais estudada, pois sua formação promove perdas em resistência mecânica e resistência à corrosão. A formação de sigma se dá inicialmente nos contornos de grãos ferrita/ferrita ou na interface ferrita/austenita. Seu crescimento ocorre preferencialmente em direção à ferrita, já que a fase sigma é rica em cromo e molibdênio, elementos estabilizadores de ferrita (SEDRIKS, 2006). Além disso, a difusão de cromo na ferrita é mais fácil comparada a austenita. Na Figura 2.5 é possível verificar a variação do coeficiente de difusão do cromo nas fases ferrita e austenita como na ferrita em função da temperatura. Nota-se que para uma temperatura de 800 C a difusão de cromo na ferrita é cerca de 166 vezes maior do que na austenita. Segundo Santos, 2010 este comportamento é esperado, pois a estrutura CFC da austenita (FEA= 0,74) 1 é mais compacta comparada a estrutura CCC da ferrita (FEA = 0,68). 1 Fator de Empacotamento atômico.

21 21 Figura 2.5 Coeficiente de cromo na ferrita e austenita em função da temperatura. Fonte: Santos, p.31 Magnabosco (2009) em estudos com o aço dúplex UNS S31803 envelhecido entre 700 e 900 C mostrou que a energia de ativação para a nucleação e crescimento de sigma a partir de ferrita é 185 KJ.mol -1 valor similar à energia de ativação para a difusão do cromo na ferrita (235 ± 15 KJ.mol -1 para difusão em volume e 218 KJ.mol -1 para difusão no contorno de grão). Em contrapartida, o valor de energia de ativação encontrada pelo autor é pequeno se comparado à energia de ativação para a difusão de cromo na austenita (278 ± 10 KJ.mol -1 ), indicando fortemente que a formação de sigma depende da difusão de cromo e que este se dá preferencialmente através da ferrita. Segundo Nilsson (1992) e Magnabosco (2009) existem três mecanismos formadores de sigma em aços inoxidáveis dúplex. a) Nucleação e crescimento a partir da ferrita. Dando origem a uma ferrita secundária pobre em cromo e molibdênio. b) Decomposição eutetóide da ferrita gerando austenita secundária pobre em cromo e molibdênio. c) Crescimento a partir da austenita após total consumo da ferrita, formando austenita secundária pobre em cromo e molibdênio.

22 22 Santos (2010) estudou a formação da fase sigma em amostras do aço UNS S31803 envelhecido a 850 C em tempos de até 360 horas. A autora verificou que há variação no mecanismo de formação de sigma com aumento no tempo de envelhecimento. Na Figura 2.6 verificam-se as variações das fases presente nas amostras com o tempo de envelhecimento e na

23 23 Tabela 1 encontram-se os mecanismos de formação de sigma de acordo com o tempo de envelhecimento. Figura 2.6 Fração volumétrica das fases austenita, ferrita e sigma em função do tempo de envelhecimento a 850 C Fonte: Santos, p. 7

24 24 Tabela 1 - Mecanismos de formação de sigma em função do tempo de envelhecimento a 850 C. Intervalo Fenomêno Mecanismo Diminuição de ferrita, aumento de sigma e manutenção da 10 min - 1 hora austenita A 1-2 horas Aumento de sigma, diminuição da ferrita e austenita e ausência de aumento de austenita em decorrência da formação de austenita secundária. A e C 2-72 horas Consumo total de ferrita, aumento de sigma e manutenção da austenita. A horas Ausência de ferrita, aumento de sigma e diminuição de austenita C horas Frações volumétricas de sigma e austenita permanecem constantes indicando um possível equilíbrio das fases. - Um estudo similar foi realizado por Romana (2009), trabalhando com o aço superdúplex UNS S32750, entre 1 e 6 horas de envelhecimento a 850 C, onde autora observou formação de sigma por decomposição eutetóide da ferrita (mecanismo b) formando austenita pobre em cromo e molibdênio, portanto menos resistente a corrosão. Acima de 12 horas de envelhecimento Romana observou que não havia mais presença de ferrita, porém a formação de sigma prosseguia aumentando sua fração em massa de 52% (12 horas de envelhecimento) a 67% (1032 horas de envelhecimento), evidenciando a formação de sigma através do mecanismo c. 2.2 Corrosão dos aços inoxidáveis dúplex A presença da fase sigma provoca efeito prejudicial na resistência à corrosão dos aços inoxidáveis dúplex. Devido sua composição química, que resulta em um empobrecimento em cromo e molibdênio nas regiões adjacentes a sua formação, a fase sigma origina áreas onde o início da corrosão se torna mais fácil (CHARLES; CHEMELLE, 2010; SEDRIKS, 1996). Por isso, o estudo da influência da formação de fase sigma na resistência à corrosão nos aços inoxidáveis dúplex é de grande importância. No estudo do processo corrosivo dos aços inoxidáveis é comum a análise de curvas de potencial por densidade de corrente, denominadas curvas de polarização. Na Figura 2.7 pode-se observar um esquema de uma curva de polarização anódica de um aço inoxidável, onde se verifica o comportamento de um metal quando submetido a uma situação forçada de corrosão. Para obtenção dessas curvas utiliza-se um aparelho chamado potenciostato que promove a variação do potencial do material em estudo e o monitoramento da corrente produzida em função

25 25 do tempo ou potencial (SEDRIKS, 1996; SANTOS, 2010; WOLYNEC 2003). O comportamento eletroquímico de um aço inoxidável quando submetido ao ensaio de polarização potenciodinâmica pode ser divido em três regiões: ativa, passiva e transpassiva, como detalhado na Figura 2.7. Figura Curva esquemática de polarização potenciodinâmica cíclica em de um aço inoxidável. Fonte: Magnabosco, 1996, p.31 De maneira simplista, a descrição de uma curva de polarização inicia-se com o aumento do potencial a partir do potencial de circuito aberto (E*), que é o potencial registrado na imersão da amostra, tem-se o início da região ativa, onde se observam ligeiros aumentos no potencial ocasionando um rápido aumento na densidade de corrente. No entanto, com o aumento do potencial verifica-se uma diminuição da densidade de corrente sendo este momento é caracterizado pelo o início do trecho passivo, onde a taxa de corrosão do material onde é observada pouca ou nenhuma variação na densidade de corrente do material com o aumento do potencial. Finalmente, em potenciais elevados ocorre o aumento da densidade de corrente, caracterizando um aumento na taxa de corrosão, decorrente da quebra da passividade do material. Esta região é denominada região transpassiva (MAGNABOSCO, 1996). Em trabalhos anteriores Santos (2010) estudando a corrosão por pite de um aço UNS S31803 em solução 0,6M NaCl, verificou por meio de ensaios de polarização anódica que o comportamento eletroquímico deste material quando envelhecido a 850 e 900ºC possui forte dependência da microestrutura. Com o aumento do tempo de envelhecimento ocorrem diminuições de aproximadamente 1000 mv (ECS) no valor do potencial de pite, que é o potencial

26 26 onde ocorre a quebra da passividade, em relação à amostra solubilizada. Isto ocorre provavelmente devido à formação de regiões empobrecidas em cromo na matriz associadas à formação de sigma, fazendo com que haja uma queda na resistência à corrosão destas áreas. O estudo da relação entre a formação de sigma e a resistência à corrosão por pite tem sido muito estudada nos dias atuais. Porém, os ensaios de polarização potenciodinâmica além de serem de difícil interpretação, por exemplo, quando a fração volumétrica de fases secundárias empobrecidas em cromo e molibdênio é baixa, demandam quantidade significativa de material para os testes, os quais quase sempre são destrutivos. Motivada por esta dificuldade, foi desenvolvida a técnica de reativação potenciodinâmica de duplo loop (DL EPR) baseada na técnica de reativação de single loop (SL EPR) que foi desenvolvida originalmente para os aços inoxidáveis austeníticos. Esta técnica consiste no levantamento de uma curva de polarização, a partir da região passiva até o potencial de circuito aberto. A solução usada nesse ensaio consiste numa mistura de 0,5M H 2 SO 4 + 0,01M KSCN (WOLYNEC, 2003). O Ensaio DL EPR postulado por Majidi e Streicher (1984) trata-se de um aperfeiçoamento da técnica SL-EPR, sendo que muitos autores citam que a vantagem deste método se dá, pois esta seria uma técnica não destrutiva (WOLYNEC, 2003; GAO et al., 2009; MAJIDI, STREICHER 1994). A Figura 2.8 apresenta uma curva típica do ensaio de DL-EPR. O ensaio consiste na polarização do material a partir do potencial de circuito aberto até um potencial onde a amostra fique passiva, em seguida a direção de varredura é invertida, e a amostra é polarizada com a mesma velocidade de varredura, de volta ao potencial de circuito aberto (WOLYNEC, 2003). Durante a ativação, forma-se na superfície da amostra uma película passiva, assim, a reversão é realizada em um trecho em que a amostra ainda se encontra neste trecho passivado para que não ocorra a quebra desta película. Entretanto, alguns autores (Chavez e Wolynec (2003); Gao et al. (2009), Cristini et al. (2010)) mostram que na reativação ocorre quebra parcial da camada passiva, esta quebra pode estar relacionada a precipitação de fases, como sigma, que deixam os aços inoxidáveis dúplex menos resistente a corrosão devido a sua formação. Assim, através da razão entre o máximo de densidade de corrente na reativação (i r ) e o máximo entre a corrente de ativação (i a ) é definido um parâmetro chamado grau de sensitização.

27 27 Figura Esquema de curva típica do ensaio DL EPR. Fonte: Autor. Chavez e Wolynec (2003) investigaram a corrosão seletiva em aços inoxidáveis dúplex UNS S31803 por meio de ensaios de DL-EPR. Para isto, os autores realizaram o ensaio em três condições diferentes, variando a solução e a temperatura, as soluções utilizadas e as respectivas temperaturas em seus estudos foram: A: 0,5M H 2 SO 4 + 0,01M KSCN a 70 C; B: 2M H 2 SO 4 + 0,5M NaCl + 0,01M KSCN a 30 C; C: 2M H 2 SO 4 + 0,5 M NaCl + 0,01 M C 2 H 5 NS a 30 C. As curvas típicas apresentadas no trabalho destes encontram-se na Figura 2.9. Os autores ressaltam que na curva apresentada na Figura (a), polarizada na solução A existe a presença de um máximo de densidade de corrente na ativação (i a ) e um na reativação (i r ), comportamento diferente das amostras polarizadas na solução B e C no qual se observa um máximo de ativação e dois de reativação denominado i r1 e i r2. Segundo os autores a presença de dois máximos de reativação sugere dois tipos distintos de regiões susceptíveis a corrosão seletiva, como consequência da precipitação de diferentes fases, sendo o primeiro relacionado à precipitação de fase sigma, e o segundo relacionado a precipitação de fase chi, carbonetos e nitretos.

28 28 Figura Curva de polarização típica de ensaio de DL EPR com velocidade de varredura de 1mV/s. a) Solução A, amostra tratada a 850 C por 5 horas. b) Solução B, amostra envelhecida a 750 C por 5 horas. c) Solução C, amostra envelhecida a 850 C por 5 horas. Fonte: Autor, modificado de Chavez, Segundo Chavez e Wolynec (2003) dentre as soluções ensaiadas a que mais se mostra eficaz para o aço inoxidável dúplex UNS S31803 é a solução B. Neste mesmo trabalho os autores apresentam as variações de i r1 /i a e i r2 /i a com o tempo de envelhecimento para três diferentes temperaturas, mostrado na Figura Para a variação de i r1 /i a com o tempo de envelhecimento, Chavez e Wolynec observaram um crescimento contínuo. Entretanto quando se trata da variação de i r2 /ia para a temperatura de 850ºC inicialmente existe um crescimento rápido até 5 horas de envelhecimento, seguido de um máximo (10h) e posteriormente há um decréscimo. Este comportamento, segundo os mesmos autores, é resultado da rápida precipitação das fases chi, nitretos e carbonetos, que faz com que rapidamente o grau de sensitização atinja valores elevados que em seguida diminui em decorrência de uma provável recuperação parcial das regiões empobrecidas, devido a difusão desses elementos responsáveis por este empobrecimento das regiões não empobrecidas para as empobrecidas.

29 29 Figura Variação das razões (a) I r1 /i a e (b) i r2 /i a com o tempo de tratamento térmico para amostras tratada a 650 C, 750 C e 850 C. Resultados obtidos através da técnica DL EPR na solução B. Fonte: Chavez; Wolynec, Comportamento semelhante a variação de i r2 /ia apresentado por Chavez e Wolynec (2003) foi apresentado por Gao et al. (2009). Estes autores trabalharam com amostras do aço inoxidável dúplex LDX2101 de composição química 21,08%Cr-1,53%Ni-0,3%Mo-0,21%N em solução 0,5 M H 2 SO 4 + 0,5 M NaCl + 0,01 M KSCN envelhecido a 30 C por tempos de envelhecimento variando de 30 minutos a 100 horas. Segundo os autores o decréscimo apresentado no grau de sensitização para amostras envelhecidas durante longos tempos de envelhecimento, pode relacionado à redistribuição de cromo e molibdênio nas regiões adjacentes a formação dos precipitados. O resultado obtido pelos autores está apresentado na Figura Figura 2.11 Variação do grau de sensitização em função do tempo de envelhecimento. Fonte: Autor, adaptado de Gao et al., 2009.

30 30 Assim como Chavez, e Wolynec (2003), Cristini et al. (2010) encontrou dois máximos de corrente, trabalhando com o mesmo material apresentado pelo primeiro e utilizando a solução 2M H 2 SO 4 + 0,5 NaCl + 0,01 KSCN também utilizada por estes autores, porém, os máximos encontrados por Cristini et al. (2010) foram na ativação. Os autores indicam que a presença destes dois máximos é referente a dissolução preferencial de umas das fases (típica de corrosão seletiva), sendo o primeiro máximo de menor potencial referente a dissolução da fase ferrita e o segundo referente a dissolução da austenita. Magnabosco, Santos, e Mélo (2009) realizando um estudo sobre a relação da microestrutura e a corrosão seletiva do aço inoxidável dúplex UNS S31803 solubilizado em diferentes temperaturas em ácido clorídrico a 60 C observaram após polarização potenciodinâmica a formação de dois máximos de densidade de corrente na ativação. Por polarização potenciostática os autores confirmaram que o potencial de dissolução da fase ferrita nesta solução é inferior ao da austenita. O potencial de dissolução da ferrita encontrado tratavase do potencial de circuito aberto sendo este após 30 minutos -332 ± 4 mv Ag/AgCl. Estes realizaram também a determinação do potencial de dissolução da austenita -243 ± 10 mv Ag/AgCl, nota-se que o potencial de dissolução da austenita é maior que o apresentado para a ferrita, confirmando a afirmação de Cristini et. al que o primeiro pico de densidade de corrente no potencial mais baixo apresentado em suas curvas de DL EPR pode tratar-se da dissolução da ferrita, enquanto o de potencial mais alto da dissolução da austenita. A Figura 2.12 apresenta a curva típica de polarização potenciodinâmica obtida por estes autores. Figura 2.12 Curva típica de polarização potenciodinâmica anódica em solução 1M HCl. Determinação dos potenciais de dissolução das fases ferrita (E ) e austenita (E ). Fonte: Autor, modificado de Magnabosco; Santos; Mélo (2009), p. 6.

31 31 A Figura 2.13 foi obtida após 30 minutos de imersão em 1 M HCl com o objetivo de medir o potencial de circuito aberto, observa-se que houve dissolução da ferrita enquanto a austenita caracterizada pelas maclas encontra-se perfeitamente observável. Figura Microestrutura após 30 minutos de imersão em solução 1 M HCL a (60 ± 2) C. Material solubilizado a 1000 C durante 60 minutos. Fonte: Magnabosco, Santos, Mélo, 2009, p. 6 Alguns autores (Gong et al.) realizaram o ensaio DL-EPR utilizando HCl como depassivante ao invés de NaCl + KSCN, inclusive os autores Amadou, Brahm e Sidhom (2004) afirmam que o HCl é mais sensível se comparado ao NaCl + KSCN para detectar a sensitização em aços dúplex. Entretanto, ao observar a variação do grau de sensitização (i r /i a ) obtido por Gong et al. (2010) pela polarização em solução 2M H 2 SO 4 + 1M HCl à 30 C e velocidade de varredura 1,66 mv/s em amostras do aço UNS S31803 envelhecido a 800 C entre 30 minutos e 48 horas, apresentada na Figura 2.14, nota-se comportamento similar ao apresentado pelos autores citados acima (CHAVEZ e WOLYNEC (2003), GAO et. al (2009) onde nota-se o aumento no grau de sensitização de envelhecimento seguido de um decréscimo, no caso deste estudo o decréscimo é caracterizado a partir de 24 horas. Assim como Gao et al. (2009), os autores sugerem que tal decréscimo é caracterizado pela redistribuição de cromo de áreas menos empobrecidas para as mais empobrecidas neste elemento.

32 32 Figura 2.14 Variação do grau de sensitização por tempo de envelhecimento. Fonte: Gong, J et al., Além disso, se comparado as curvas obtidas através do ensaio realizado por este autor, Figura 2.15, com aquelas realizadas em solução 2M H 2 SO 4 + 0,5M NaCl + 0,01M KSCN, em amostras do mesmo aço, por Chavez, R. e Wolynec, S. (Figura 2.9), nota-se que não há variações no comportamento observado, em ambas as soluções foi possível a detecção de dois máximos de densidade de corrente. Figura 2.15 Curvas típicas de ensaio DL-EPR em solução 2M H 2 SO 4 + 1M HCl. Fonte: Gong, 2003.

33 33 A vantagem do ensaio DL-EPR, segundo alguns autores (Chavez e Wolynec (2003); Gao et al. (2009), Cristini et al. (2010)), se dá por este ensaio ser não destrutivo na avaliação do grau de sensitização das amostras. Entretanto, Lo, Kwok, e Chan (2011) reportam que após o ensaio DL-EPR em solução 2M H 2 SO 4 + 0,5M NaCl + 0,01 KSCN no aço dúplex 7MoPlus de composição química (26-29) %Cr-(0,15-0,35) %Ni-(1-2,5) %Mo-(0,15-0,35) %N, houve um intenso ataque na microestrutura. As micrografias realizadas pelos autores após o ensaio encontram-se na Figura O autor ressalta que para amostras envelhecidas a 630 C por 170 horas, houve ataque nos contornos de grão caracterizado pela formação de sigma nesta região, porém, quando se observa a amostra onde toda a ferrita foi consumida para a formação de sigma, restando somente austenita e sigma, nota-se que a amostra foi bastante corroída. O autor ainda ressalta, que desbastou cerca de 1 mm cada amostra após o ensaio, para assim realizar nova polarização. Figura 2.16 superfície da amostra após ensaio DL-EPR no aço 7MoPlus. (a) Amostra envelhecida a 630 C por 170 horas. (b) amostra envelhecida a 800 C por 10 horas. Fonte: Lo, K.H, Kwok, C.T, Chan, W. K, 2011

34 34 3 JUSTIFICATIVA PARA ESTE TRABALHO Com base na revisão bibliográfica previamente apresentada, foi observado que a fase sigma afeta a resistência a corrosão dos aços inoxidáveis dúplex. Com a formação desta fase terse-á o empobrecimento em Cr e Mo, elementos principais na resistência a corrosão destes aços. Assim o estudo do comportamento eletroquímico destes aços quando envelhecidos entre 650 e 900 C, e consequentemente com a formação de fase sigma é de grande relevância científica e tecnológica. Além disto, como as técnicas eletroquímicas convencionais são destrutivas e necessitam uma grande demanda de material a investigação da técnica DL-EPR teoricamente não destrutiva mostra-se de grande importância. Este trabalho se propõe a estudar o grau de sensitização do aço UNS S31803 envelhecido a 800 C por ensaios de DL-EPR, identificando a solução mais adequada entre as estudadas para a realização deste ensaio.

35 35 4 MATERIAIS E MÉTODOS A metodologia utilizada neste trabalho segue descrita nos itens subsequentes. 4.1 Material O material desse estudo é de propriedade do Centro de Desenvolvimento de Materiais Metálicos CDMatM FEI - e foi adquirido como chapa de 3mm de espessura laminada a 1100 C e resfriada por jato de ar e água forçado. A composição química do material pode ser constatada na Tabela 2. Tabela 2: Composição química (% em massa) do aço UNS S Elemento Cr Ni Mo Mn N C Si Cu Co P S Nb Fe % em 22,5 5,74 3,20 1,42 0,16 0,02 0,35 0,15 0,07 0,02 0 0,01 Bal. massa 4.2 Tratamentos Térmicos A partir do material como recebido as amostras foram solubilizadas a 1175 C por 30 minutos, seguido de resfriamento em água, que foi realizado para garantir estrutura homogênea de ferrita e austenita. Em seguida as amostras solubilizadas foram envelhecidas por 10 minutos, 1 hora, 4 horas, 6 horas, 12 horas e 72 horas a 800 C em forno tipo tubular (apresentado na Figura 4.1) sob atmosfera de N 2 para evitar a oxidação excessiva. O resfriamento foi realizado em água. Figura Forno tubular. Fonte: Autor. 2 Análise por espectroscopia de emissão óptica. O Certificado completo do aço encontra-se no anexo I do presente trabalho, e foi emitido pelo fornecedor do material.

36 Preparação dos corpos de provas O material solubilizado e as séries de material envelhecido tiveram todas as suas faces lixadas até a obtenção de superfície com acabamento conferido por lixa de granulação 100 mesh. As amostras foram embutidas em resina fenólica de cura a quente (baquelite), gerando corpos de provas metalográficos e para os ensaios eletroquímicos, onde a superfície de observação corresponde a seção longitudinal com relação a direção de laminação. A área exposta varia de 0,4 a 0,6 cm 2. Os corpos de prova metalográficos foram lixados até 600 mesh e em seguida foram polidos com acabamento final de 1 m, de acordo com o procedimento descrito na Tabela 3, em equipamento de polimento semiautomático do CDMatM FEI, apresentado na Figura 4.2. Tabela 3: Preparação das amostras (lixamento e polimento) para caracterização microestrutural. Etapa Abrasivo Força (N) RPM Lubrificante Tempo 1 Lixa # Água 3'00'' 2 Lixa # Água 3'00'' 3 Lixa # Água 3'00'' 4 Lixa # Água 3'00'' 5 Diamante de 6 m Álcool 3'00'' 6 Diamante de 3 m Álcool 3'00'' 7 Diamante de 1 m Álcool 3'00'' Figura Politriz semiautomática Struers Abramin. Fonte: CDMatM FEI (Centro de Desenvolvimento de Materiais Metálicos da FEI)

37 37 Para a revelação da microestrutura foi utilizado o reativo Behara modificado, cuja composição é de 20 ml de ácido clorídrico (HCl), 80 ml de água destilada e deionizada; a esta solução de estoque foram adicionados 1 g de metabissulfito de potássio e 2 g de bifluoreto de amônio, e o ataque foi conduzido durante aproximadamente dois minutos de imersão. O ataque foi interrompido com água, e a superfície de observação foi seca através da evaporação de álcool etílico, auxiliado por jato de ar quente. Para a identificação da fase sigma foi utilizado ataque eletrolítico seletivo com solução de 10% de hidróxido de potássio (KOH), a 2 Vcc de diferença de potencial durante 60 segundos. Todas as amostras preparadas metalograficamente foram observadas no microscópio LEICA DMLM do CDMatM-FEI. O mesmo pode ser observado na Figura 4.3. As amostras envelhecidas por 10 minutos, 12 horas e 72 horas foram observadas por Microscopia Eletrônica de Varredura (MEV) Figura 4.3 Microscópio Leica. Fonte: Autor Caracterização quantitativa da microestrutura. A fração volumétrica de ferrita foi obtida de duas maneiras. Primeiramente foi feita com o auxílio de um ferritoscópio FISCHER (Figura 4.4) modelo MP30 do CDMatM FEI, calibrado com auxílio de padrões, tendo como limite de detecção 0,1% de ferrita. Vinte medições foram realizadas em cada uma das séries das amostras. A quantificação de ferrita das amostras

4.Materiais e métodos

4.Materiais e métodos 4.Materiais e métodos 4.1. Material em estudo O material em estudo, de procedência sueca (Sandvik), foi adquirido como chapa laminada a quente de 3mm de espessura, recebendo posteriormente tratamento térmico

Leia mais

2.4-Aços inoxidáveis dúplex:

2.4-Aços inoxidáveis dúplex: N (Nitrogênio): Juntamente com o cromo e molibdênio, é usado para dar maior resistência à corrosão. Adições de nitrogênio (0,1% a 0,3%) aumentam significativamente a resistência à corrosão por pite. Estudos

Leia mais

Evolução da fração volumétrica de ferrita durante a formação de fase sigma do aço SAF 2205.

Evolução da fração volumétrica de ferrita durante a formação de fase sigma do aço SAF 2205. Projeto de iniciação científica Evolução da fração volumétrica de ferrita durante a formação de fase sigma do aço SAF 2205. Relatório Final Bolsista: RODRIGO DI PIETRO GERZELY e-mail: rpietro@fei.edu.br

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DOS MÉTODOS DE QUANTIFICAÇÃO DE PORCENTAGEM VOLUMÉTRICA DE FERRITA EM AÇO INOXIDÁVEL DÚPLEX UNS S31803 (SAF 2205)

ESTUDO COMPARATIVO DOS MÉTODOS DE QUANTIFICAÇÃO DE PORCENTAGEM VOLUMÉTRICA DE FERRITA EM AÇO INOXIDÁVEL DÚPLEX UNS S31803 (SAF 2205) ESTUDO COMPARATIVO DOS MÉTODOS DE QUANTIFICAÇÃO DE PORCENTAGEM VOLUMÉTRICA DE FERRITA EM AÇO INOXIDÁVEL DÚPLEX UNS S31803 (SAF 2205) Evelin Barbosa de Mélo Engenheira Química, Dep. Eng. Mecânica, Centro

Leia mais

Estudo Exploratório das Técnicas de Caracterização Microestrutural por meio Microscopia Óptica de Aços Inoxidáveis Dúplex.

Estudo Exploratório das Técnicas de Caracterização Microestrutural por meio Microscopia Óptica de Aços Inoxidáveis Dúplex. Estudo Exploratório das Técnicas de Caracterização Microestrutural por meio Microscopia Óptica de Aços Inoxidáveis Dúplex. Orientador: Profª. Drª. Daniella Caluscio dos Santos. Departamento: Engenharia

Leia mais

EFEITO DE LONGOS TEMPOS DE AQUECIMENTO A 850 C SOBRE A RESISTÊNCIA À CORROSÃO DO AÇO UNS S31803 EM MEIO ÁCIDO E MEIO AQUOSO CONTENDO CLORETO.

EFEITO DE LONGOS TEMPOS DE AQUECIMENTO A 850 C SOBRE A RESISTÊNCIA À CORROSÃO DO AÇO UNS S31803 EM MEIO ÁCIDO E MEIO AQUOSO CONTENDO CLORETO. EFEITO DE LONGOS TEMPOS DE AQUECIMENTO A 850 C SOBRE A RESISTÊNCIA À CORROSÃO DO AÇO UNS S31803 EM MEIO ÁCIDO E MEIO AQUOSO CONTENDO CLORETO. Rodrigo Magnabosco Engenheiro Metalurgista EPUSP 1993, Mestre

Leia mais

EVALUATION OF SENSITIZATION OF FERRITICS STAINLESS STEELS STABILIZED AND NOT STABILIZED USING ELECTROCHEMICAL TECHNIQUES IN SULPHURIC ENVIRONMENT

EVALUATION OF SENSITIZATION OF FERRITICS STAINLESS STEELS STABILIZED AND NOT STABILIZED USING ELECTROCHEMICAL TECHNIQUES IN SULPHURIC ENVIRONMENT doi: 10.4322/tmm.00302008 AVALIAÇÃO DA SENSITIZAÇÃO EM AÇOS INOXIDÁVEIS FERRÍTICOS ESTABILIZADOS E NÃO ESTABILIZADOS USANDO-SE A TÉCNICA REATIVAÇÃO ELETROQUÍMICA POTENCIOCINÉTICA EM MEIO SULFÚRICO Resumo

Leia mais

Previsão da vida em fadiga de aços inoxidáveis dúplex SAF 2205 e SAF 2507.

Previsão da vida em fadiga de aços inoxidáveis dúplex SAF 2205 e SAF 2507. Projeto de iniciação científica Previsão da vida em fadiga de aços inoxidáveis dúplex SAF 2205 e SAF 2507. Relatório final. Bolsista: Gustavo H. B. Donato e-mail:superguga@uol.com.br Orientador: Prof.

Leia mais

INFLUÊNCIA DO TEMPO DE SOLUBILIZAÇÃO NA RESISTÊNCIA A TRAÇÃO DE UM AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX. 1 UNIFEI - Universidade Federal de Itajubá

INFLUÊNCIA DO TEMPO DE SOLUBILIZAÇÃO NA RESISTÊNCIA A TRAÇÃO DE UM AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX. 1 UNIFEI - Universidade Federal de Itajubá INFLUÊNCIA DO TEMPO DE SOLUBILIZAÇÃO NA RESISTÊNCIA A TRAÇÃO DE UM AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX G. S. Machado 1, M. L. N. M. Melo 1, C. A. Rodrigues 1. 1 UNIFEI - Universidade Federal de Itajubá gustavosouza_unifei@yahoo.com.br

Leia mais

ESTUDO DA SENSITIZAÇÃO CAUSADA PELO CICLO TÉRMICO DE SOLDAGEM NO AÇO INOXIDÁVEL SUPERFERRÍTICO AISI 444

ESTUDO DA SENSITIZAÇÃO CAUSADA PELO CICLO TÉRMICO DE SOLDAGEM NO AÇO INOXIDÁVEL SUPERFERRÍTICO AISI 444 ESTUDO DA SENSITIZAÇÃO CAUSADA PELO CICLO TÉRMICO DE SOLDAGEM NO AÇO INOXIDÁVEL SUPERFERRÍTICO AISI 444 Cleiton Carvalho Silva 1, João Paulo Sampaio Eufrásio Machado 1, Hosiberto Batista de Sant Ana 2,

Leia mais

Fração volumétrica de fase sigma durante o envelhecimento de aço inoxidável dúplex SAF 2205

Fração volumétrica de fase sigma durante o envelhecimento de aço inoxidável dúplex SAF 2205 Projeto de iniciação científica Fração volumétrica de fase sigma durante o envelhecimento de aço inoxidável dúplex SAF 2205 Relatório final. Bolsista: Gustavo H. B. Donato e-mail:superguga@uol.com.br Orientador:

Leia mais

ESTUDO DA RESISTÊNCIA À COROSÃO DO AÇO INOXIDÁVEL LEAN DUPLEX UNS 32304 SOLDADO POR ATRITO COM PINO NÃO CONSUMÍVEL

ESTUDO DA RESISTÊNCIA À COROSÃO DO AÇO INOXIDÁVEL LEAN DUPLEX UNS 32304 SOLDADO POR ATRITO COM PINO NÃO CONSUMÍVEL ESTUDO DA RESISTÊNCIA À COROSÃO DO AÇO INOXIDÁVEL LEAN DUPLEX UNS 32304 SOLDADO POR ATRITO COM PINO NÃO CONSUMÍVEL Victor Hugo Ayusso 1, Maysa Terada 1, Víctor Ferrinho Pereira 2, Célia Regina Tomachuk

Leia mais

Estudo comparativo da precipitação de fases a 850ºC em aços dúplex UNS S32304 e UNS S31803

Estudo comparativo da precipitação de fases a 850ºC em aços dúplex UNS S32304 e UNS S31803 Estudo comparativo da precipitação de fases a 850ºC em aços dúplex UNS S32304 e UNS S31803 Adir G. Reis 1,2), Cynthia S. B. Castro 1), Tiago E. Gomes 1,2), José M. C. Vilela 1), Margareth S. Andrade 1)

Leia mais

SIMONE SPOMBERG USO DE DIFRATOMETRIA DE RAIOS-X NA QUANTIFICAÇÃO DE FERRITA E AUSTENITA EM AÇOS INOXIDÁVEIS DÚPLEX

SIMONE SPOMBERG USO DE DIFRATOMETRIA DE RAIOS-X NA QUANTIFICAÇÃO DE FERRITA E AUSTENITA EM AÇOS INOXIDÁVEIS DÚPLEX SIMONE SPOMBERG USO DE DIFRATOMETRIA DE RAIOS-X NA QUANTIFICAÇÃO DE FERRITA E AUSTENITA EM AÇOS INOXIDÁVEIS DÚPLEX Relatório parcial a ser apresentado ao Centro Universitário da FEI, como parte dos requisitos

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI PAULO MELO MODENEZI TENACIDADE DO AÇO UNS S31803 APÓS SOLDAGEM.

CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI PAULO MELO MODENEZI TENACIDADE DO AÇO UNS S31803 APÓS SOLDAGEM. CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI PAULO MELO MODENEZI TENACIDADE DO AÇO UNS S31803 APÓS SOLDAGEM. São Bernardo do Campo 2008 CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI PAULO MELO MODENEZI TENACIDADE DO AÇO UNS S31803 APÓS

Leia mais

DETECÇÃO DE PEQUENOS TEORES DE FASE SIGMA E AVALIAÇÃO DOS SEUS EFEITOS NA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DO AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX UNS S31803

DETECÇÃO DE PEQUENOS TEORES DE FASE SIGMA E AVALIAÇÃO DOS SEUS EFEITOS NA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DO AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX UNS S31803 DETECÇÃO DE PEQUENOS TEORES DE FASE SIGMA E AVALIAÇÃO DOS SEUS EFEITOS NA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DO AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX UNS S31803 Sérgio Souto Maior Tavares 1 Jorge Luiz Guerreiro de Castro 1 Raissa

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA TENACIDADE E RESISTÊNCIA A CORROSÃO POR PITE DO AÇO INOXIDÁVEL DÚPLEX UNS S31803 (SAF2205) APÓS SOLDAGEM

CARACTERIZAÇÃO DA TENACIDADE E RESISTÊNCIA A CORROSÃO POR PITE DO AÇO INOXIDÁVEL DÚPLEX UNS S31803 (SAF2205) APÓS SOLDAGEM CARACTERIZAÇÃO DA TENACIDADE E RESISTÊNCIA A CORROSÃO POR PITE DO AÇO INOXIDÁVEL DÚPLEX UNS S31803 (SAF2205) APÓS SOLDAGEM Paulo Melo Modenezi 1 RESUMO ABSTRACT Izabela Ferreira Girão 2 Rodrigo Magnabosco

Leia mais

Influence of Austenitizing Temperature On the Microstructure and Mechanical Properties of AISI H13 Tool Steel.

Influence of Austenitizing Temperature On the Microstructure and Mechanical Properties of AISI H13 Tool Steel. Influence of Austenitizing Temperature On the Microstructure and Mechanical Properties of AISI H13 Tool Steel. Lauralice de C. F. Canale 1 George Edward Totten 2 João Carmo Vendramim 3 Leandro Correa dos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA E CIÊNCIA DE MATERIAIS ALESSANDRA SOUZA MARTINS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA E CIÊNCIA DE MATERIAIS ALESSANDRA SOUZA MARTINS UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA E CIÊNCIA DE MATERIAIS ALESSANDRA SOUZA MARTINS ESTUDO COMPARATIVO DA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DOS AÇOS INOXIDÁVEIS

Leia mais

TECNOLOGIA DOS MATERIAIS

TECNOLOGIA DOS MATERIAIS TECNOLOGIA DOS MATERIAIS Aula 7: Tratamentos em Metais Térmicos Termoquímicos CEPEP - Escola Técnica Prof.: Transformações - Curva C Curva TTT Tempo Temperatura Transformação Bainita Quando um aço carbono

Leia mais

Estudo das Transformações de Fase Isotérmicas do Aço UNS S31803 Envelhecido entre 700 C e 950 C.

Estudo das Transformações de Fase Isotérmicas do Aço UNS S31803 Envelhecido entre 700 C e 950 C. Tese apresentada à Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa do Instituto Tecnológico de Aeronáutica, como parte dos requisitos para obtenção do título de Doutor em Ciências no Programa de Pós-Graduação

Leia mais

SIMONE SPOMBERG USO DE DIFRATOMETRIA DE RAIOS-X NA QUANTIFICAÇÃO DE FERRITA E AUSTENITA EM AÇOS INOXIDÁVEIS DÚPLEX

SIMONE SPOMBERG USO DE DIFRATOMETRIA DE RAIOS-X NA QUANTIFICAÇÃO DE FERRITA E AUSTENITA EM AÇOS INOXIDÁVEIS DÚPLEX SIMONE SPOMBERG USO DE DIFRATOMETRIA DE RAIOS-X NA QUANTIFICAÇÃO DE FERRITA E AUSTENITA EM AÇOS INOXIDÁVEIS DÚPLEX Relatório final a ser apresentado ao Centro Universitário da FEI, como parte dos requisitos

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP. Tecnologia Mecânica

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP. Tecnologia Mecânica CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP Tecnologia Mecânica Tratamentos térmicos e termo-químicos Recozimento Normalização Têmpera Revenimento Cementação Nitretação Tratamentos Térmicos

Leia mais

ANÁLISE DA SENSITIZAÇÃO DE JUNTAS SOLDADAS EM AÇO INOXIDÁVEL AISI 409 PARA USO EM SISTEMA DE EXAUSTÃO VEICULAR

ANÁLISE DA SENSITIZAÇÃO DE JUNTAS SOLDADAS EM AÇO INOXIDÁVEL AISI 409 PARA USO EM SISTEMA DE EXAUSTÃO VEICULAR ANÁLISE DA SENSITIZAÇÃO DE JUNTAS SOLDADAS EM AÇO INOXIDÁVEL AISI 409 PARA USO EM SISTEMA DE EXAUSTÃO VEICULAR Giovanna Agarelli 1 ; Susana Marraccini Giampietri Lebrão 2 1 Aluno de Iniciação Científica

Leia mais

ESTUDO DA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DO AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX UNS S31803 ou SAF 2205 SUBMETIDO A PROCESSO DE SOLDAGEM. Lucinda Oliveira Amaro

ESTUDO DA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DO AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX UNS S31803 ou SAF 2205 SUBMETIDO A PROCESSO DE SOLDAGEM. Lucinda Oliveira Amaro UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA METALÚRGICA E DE MATERIAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA E CIÊNCIA DE MATERIAIS ESTUDO DA RESISTÊNCIA À CORROSÃO

Leia mais

TRATAMENTOS TÉRMICOS: EFEITO DA VELOCIDADE DE RESFRIAMENTO SOBRE AS MICROESTRUTURAS DOS AÇOS ABNT 1045

TRATAMENTOS TÉRMICOS: EFEITO DA VELOCIDADE DE RESFRIAMENTO SOBRE AS MICROESTRUTURAS DOS AÇOS ABNT 1045 TRATAMENTOS TÉRMICOS: EFEITO DA VELOCIDADE DE RESFRIAMENTO SOBRE AS MICROESTRUTURAS DOS AÇOS ABNT 1045 Daniel Favalessa, Edésio Anunciação Santos Filho, Gilberto Prevital, Heriberto Guisso, João Paulo

Leia mais

Utilização de aços inoxidáveis em implantes

Utilização de aços inoxidáveis em implantes Utilização de aços inoxidáveis em implantes Buss GAM 1 ; Donath KS 2 ; Vicente MG 1 1 Unidade de Tecnovigilância NUVIG/Anvisa 2 Gerência de Materiais GGTPS/Anvisa Introdução Os requisitos gerais para a

Leia mais

Palavras-chave: Aço inoxidável duplex, ferrita, cinética, ferritoscópio. ferritoscope

Palavras-chave: Aço inoxidável duplex, ferrita, cinética, ferritoscópio. ferritoscope Estudo da precipitação da fase sigma em aço inoxidável duplex 2205 através de estereologia e ferritoscópio Study of precipitation of the sigma phase in a duplex stainless steel 2205 by means stereology

Leia mais

5 DISCUSSÃO. 5.1 Influência dos resfriadores no fundido. Capítulo 5 77

5 DISCUSSÃO. 5.1 Influência dos resfriadores no fundido. Capítulo 5 77 Capítulo 5 77 5 DISCUSSÃO 5.1 Influência dos resfriadores no fundido. A finalidade do uso dos resfriadores no molde antes da fundição das amostras Y block foi provocar uma maior velocidade de resfriamento

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX UNS S31803 PELA TÉCNICA NÃO DESTRUTIVA DE CORRENTES PARASITAS PULSADAS

CARACTERIZAÇÃO DO AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX UNS S31803 PELA TÉCNICA NÃO DESTRUTIVA DE CORRENTES PARASITAS PULSADAS CARACTERIZAÇÃO DO AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX UNS S31803 PELA TÉCNICA NÃO DESTRUTIVA DE CORRENTES PARASITAS PULSADAS Jessica Pisano Loureiro Projeto de Graduação apresentado ao Curso de Engenharia Metalúrgica

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMOQUÍMICOS

GLOSSÁRIO DE TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMOQUÍMICOS 1 NITRAMET TRATAMENTO DE METAIS LTDA PABX: 11 2192 3350 nitramet@nitramet.com.br GLOSSÁRIO DE TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMOQUÍMICOS Austêmpera Tratamento isotérmico composto de aquecimento até a temperatura

Leia mais

CAPÍTULO 5. Materiais e Métodos 97. Errar é humano. Botar a culpa nos outros, também. Millôr Fernandes (76 anos), humorista brasileiro

CAPÍTULO 5. Materiais e Métodos 97. Errar é humano. Botar a culpa nos outros, também. Millôr Fernandes (76 anos), humorista brasileiro Materiais e Métodos 97 CAPÍTULO 5 Errar é humano. Botar a culpa nos outros, também. Millôr Fernandes (76 anos), humorista brasileiro Toda a empresa precisa ter gente que erra, que não tem medo de errar

Leia mais

ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3. ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE...

ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3. ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE... ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3 ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE... 5 FUNDAMENTOS DOS TRATAMENTOS TÉRMICOS DAS LIGAS FERROSAS

Leia mais

ESTUDO DA CORROSÃO NA ZAC DO AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO AISI 316L CAUSADA POR PETRÓLEO PESADO DA BACIA DE CAMPOS

ESTUDO DA CORROSÃO NA ZAC DO AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO AISI 316L CAUSADA POR PETRÓLEO PESADO DA BACIA DE CAMPOS ESTUDO DA CORROSÃO NA ZAC DO AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO AISI 316L CAUSADA POR PETRÓLEO PESADO DA BACIA DE CAMPOS Cleiton Carvalho Silva 1, José Mathias de Brito Ramos Júnior 1, João Paulo Sampaio Eufrásio

Leia mais

Tratamento térmico. A.S.D Oliveira

Tratamento térmico. A.S.D Oliveira Tratamento térmico Porque fazer Tratamentos Térmicos? Modificação de propriedades sem alterar composição química, pela modificação da microestrutura Sites de interesse: www.infomet.com.br www.cimm.com.br

Leia mais

Tratamentos Térmicos dos Aços Ferramenta Um Ensaio

Tratamentos Térmicos dos Aços Ferramenta Um Ensaio Tratamentos Térmicos dos Aços Ferramenta Um Ensaio Dr. Carlos Eduardo Pinedo Diretor Técnico 1. Considerações Iniciais Aços Ferramenta Dentre os diferentes materiais utilizados pelo homem em seu cotidiano,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO TECNOLÓGICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO TECNOLÓGICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO TECNOLÓGICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA CHRISTIANO HONORATO PEREIRA E SILVA ESTUDO DO EFEITO DA TEMPERATURA E DO TEMPO DE TRATAMENTO TÉRMICO

Leia mais

MECANISMOS DA CORROSÃO. Professor Ruy Alexandre Generoso

MECANISMOS DA CORROSÃO. Professor Ruy Alexandre Generoso MECANISMOS DA CORROSÃO Professor Ruy Alexandre Generoso MECANISMOS DA CORROSÃO De acordo com o meio corrosivo e o material, podem ser apresentados diferentes mecanismos. Os principais são: MECANISMO QUÍMICO

Leia mais

TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS

TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS Tratamentos térmicos dos aços 1 TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS Os tratamentos térmicos empregados em metais ou ligas metálicas, são definidos como qualquer conjunto de operações de aquecimento e resfriamento,

Leia mais

Soldabilidade de Metais. Soldagem II

Soldabilidade de Metais. Soldagem II Soldabilidade de Metais Soldagem II Soldagem de Ligas Metálicas A American Welding Society (AWS) define soldabilidade como a capacidade de um material ser soldado nas condições de fabricação impostas por

Leia mais

Evaluation of different shielding gases in the welding of superduplex stainless steel by the process (GTAW) gas tungsten arc welding orbital

Evaluation of different shielding gases in the welding of superduplex stainless steel by the process (GTAW) gas tungsten arc welding orbital Avaliação de diferentes gases de proteção na soldagem de aço inoxidável superduplex pelo processo (GTAW) gas tungsten arc welding orbital Evaluation of different shielding gases in the welding of superduplex

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DE AÇOS INOXIDÁVEIS SUBMETIDAS A CICLOS DE FADIGA TÉRMICA.

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DE AÇOS INOXIDÁVEIS SUBMETIDAS A CICLOS DE FADIGA TÉRMICA. AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DE AÇOS INOXIDÁVEIS SUBMETIDAS A CICLOS DE FADIGA TÉRMICA. Rodrigo Freitas Guimarães 1, José Airton Lima Torres 2, George Luiz Gomes de Oliveira 3, Hélio Cordeiro de

Leia mais

DISSOLUÇÃO DA FERRITA DELTA EM AÇO INOXIDÁVEL ENDURECIDO POR PRECIPITAÇÃO

DISSOLUÇÃO DA FERRITA DELTA EM AÇO INOXIDÁVEL ENDURECIDO POR PRECIPITAÇÃO 1 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI NADIR DIAS DE FIGUEIREDO Alexandre Afonso Alves de Moura Marcos Paulo Pereira de Toledo Ricardo Breviglieri Alves Castilho DISSOLUÇÃO DA FERRITA DELTA EM AÇO INOXIDÁVEL

Leia mais

Rem: Revista Escola de Minas ISSN: 0370-4467 editor@rem.com.br Escola de Minas Brasil

Rem: Revista Escola de Minas ISSN: 0370-4467 editor@rem.com.br Escola de Minas Brasil Rem: Revista Escola de Minas ISSN: 0370-4467 editor@rem.com.br Escola de Minas Brasil Santos, Fabricio Simão dos; Gheno, Simoni Maria; Kuri, Sebastião Elias Microscopia de varredura por sonda (SPM) aplicada

Leia mais

COMPORTAMENTO DE RESISTÊNCIA À CORROSÃO EM JUNTAS SOLDADAS DE UM AÇO ARBL

COMPORTAMENTO DE RESISTÊNCIA À CORROSÃO EM JUNTAS SOLDADAS DE UM AÇO ARBL 6º CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE FABRICAÇÃO 6 th BRAZILIAN CONFERENCE ON MANUFACTURING ENGINEERING 11 a 15 de abril de 2011 Caxias do Sul RS - Brasil April 11 th to 15 th, 2011 Caxias do Sul RS

Leia mais

ANÁLISE MICROESTRUTURAL DE AÇOS INOXIDÁVEIS ALTAMENTE LIGADOS: DA AMOSTRAGEM À INTERPRETAÇÃO

ANÁLISE MICROESTRUTURAL DE AÇOS INOXIDÁVEIS ALTAMENTE LIGADOS: DA AMOSTRAGEM À INTERPRETAÇÃO ANÁLISE MICROESTRUTURAL DE AÇOS INOXIDÁVEIS ALTAMENTE LIGADOS: DA AMOSTRAGEM À INTERPRETAÇÃO Prof. Dr. Marcelo Martins (1) Prof. Dr. Luiz Carlos Casteletti (2) Eng. MSc. Luiz Fernando Bonavina (3) Eng.

Leia mais

Disciplina CIÊNCIA DOS MATERIAIS A. Marinho Jr. Materiais polifásicos - Processamentos térmicos

Disciplina CIÊNCIA DOS MATERIAIS A. Marinho Jr. Materiais polifásicos - Processamentos térmicos Tópico 7E Materiais polifásicos - Processamentos térmicos Introdução Já vimos que a deformação plástica de um metal decorre da movimentação interna de discordâncias, fazendo com que planos cristalinos

Leia mais

Introdução. Princípios da corrosão: reações de oxiredução potencial de eletrodo - sistema redox em equilíbrio - Diagrama de Pourbaix

Introdução. Princípios da corrosão: reações de oxiredução potencial de eletrodo - sistema redox em equilíbrio - Diagrama de Pourbaix Introdução Princípios da corrosão: reações de oxiredução potencial de eletrodo - sistema redox em equilíbrio - Diagrama de Pourbaix Introdução Conceitos de oxidação e redução 1 - Ganho ou perda de oxigênio

Leia mais

DA INFLUÊNCIA DA RUGOSIDADE NO DESENVOLVIMENTO DE RESVESTIMENTOS CERÂMICOS ANTICORROSIVOS EM SUBSTRATOS METÁLICOS DE AÇO AISI 316L

DA INFLUÊNCIA DA RUGOSIDADE NO DESENVOLVIMENTO DE RESVESTIMENTOS CERÂMICOS ANTICORROSIVOS EM SUBSTRATOS METÁLICOS DE AÇO AISI 316L ÓXIDOS NANOESTRUTURADOS DE TiO 2 /Al 2 O 3 : ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA RUGOSIDADE NO DESENVOLVIMENTO DE RESVESTIMENTOS CERÂMICOS ANTICORROSIVOS EM SUBSTRATOS METÁLICOS DE AÇO AISI 316L Andreza Menezes Lima

Leia mais

Em aços trabalhados mecanicamente, é usual a presença de uma

Em aços trabalhados mecanicamente, é usual a presença de uma Figura 2.13: Amostra do aço SAF 2205 envelhecida a 850ºC por 30 minutos. Ferrita (escura), austenita (cinza) e sigma (sem ataque). Nota-se morfologia lamelar de sigma e austenita, no centro da micrografia.

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS AÇOS INOXIDÁVEIS DUPLEX E OS INOXIDÁVEIS AISI 304L/316L (b) Marcelo Senatore 1, Leandro Finzetto 2,Eduardo Perea 3 (c)

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS AÇOS INOXIDÁVEIS DUPLEX E OS INOXIDÁVEIS AISI 304L/316L (b) Marcelo Senatore 1, Leandro Finzetto 2,Eduardo Perea 3 (c) ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS AÇOS INOXIDÁVEIS DUPLEX E OS INOXIDÁVEIS AISI 304L/316L (b) Marcelo Senatore 1, Leandro Finzetto 2,Eduardo Perea 3 (c) Abstract Ferritic-austenitic duplex stainless steels are

Leia mais

Influência do envelhecimento térmico de longo prazo em baixas temperaturas sobre as propriedades de corrosão do aço inoxidável duplex 2205

Influência do envelhecimento térmico de longo prazo em baixas temperaturas sobre as propriedades de corrosão do aço inoxidável duplex 2205 Influência do envelhecimento térmico de longo prazo em baixas temperaturas sobre as propriedades de corrosão do aço inoxidável duplex 2205 Influence of long-term low-temperature aging on the corrosion

Leia mais

ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Caderno 02

ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Caderno 02 ASSISTÊNCIA TÉCNICA Caderno 02 Julho/2004 CONFORMAÇÃO DOS AÇOS INOXIDÁVEIS Comportamento dos Aços Inoxidáveis em Processos de Estampagem por Embutimento e Estiramento 1 Estampagem Roberto Bamenga Guida

Leia mais

EFEITO DA ESTRUTURA BAINÍTICA EM AÇOS PARA ESTAMPAGEM

EFEITO DA ESTRUTURA BAINÍTICA EM AÇOS PARA ESTAMPAGEM 1 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI NADIR DIAS DE FIGUEIREDO MARCOS HUSEK COELHO RUBENS DA SILVA FREIRE EFEITO DA ESTRUTURA BAINÍTICA EM AÇOS PARA ESTAMPAGEM OSASCO 2011 2 MARCOS HUSEK COELHO RUBENS DA SILVA

Leia mais

Metalografia não Destrutiva pelo Método de Réplicas.

Metalografia não Destrutiva pelo Método de Réplicas. Metalografia não Destrutiva pelo Método de Réplicas. 1 Conceito: As propriedades das ligas metálicas e suas transformações estão intimamente ligadas ao seu estado metalúrgico ou microestrutural. O exame

Leia mais

DIAGRAMA Fe-C. DIAGRAMA Fe-Fe 3 C

DIAGRAMA Fe-C. DIAGRAMA Fe-Fe 3 C 1 DIAGRAMA Fe-C DIAGRAMA Fe-Fe 3 C ALOTROPIA DO FERRO PURO Na temperatura ambiente, o ferro puro apresenta estrutura cristalina cúbica de corpo centrado (CCC), denominada ferrita alfa (α). A estrutura

Leia mais

INFLUÊNCIA DO ENVELHECIMENTO NA TENACIDADE À FRATURA DO AÇO INOXIDÁVEL ISO 5832-9

INFLUÊNCIA DO ENVELHECIMENTO NA TENACIDADE À FRATURA DO AÇO INOXIDÁVEL ISO 5832-9 INFLUÊNCIA DO ENVELHECIMENTO NA TENACIDADE À FRATURA DO AÇO INOXIDÁVEL ISO 5832-9 Celso Riyoitsi Sokei 1, Ruís Camargo Tokimatsu 1, Daniel Ivan Martin Delforge 1, Vicente Afonso Ventrella 1, Itamar Ferreira

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO QUANTO A RESISTÊNCIA À CORROSÃO ENTRE AÇOS INOXIDÁVEIS UTILIZADOS EM TROCADORES DE CALOR.

ESTUDO COMPARATIVO QUANTO A RESISTÊNCIA À CORROSÃO ENTRE AÇOS INOXIDÁVEIS UTILIZADOS EM TROCADORES DE CALOR. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA METALÚRGICA E DE MATERIAIS CURSO DE ENGENHARIA METALÚRGICA PROJETO FINAL DE CURSO Autor: Leonardo Paiva Sanches ESTUDO

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS INSTITUTO DE FÍSICA DE SÃO CARLOS INSTITUTO DE QUÍMICA DE SÃO CARLOS

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS INSTITUTO DE FÍSICA DE SÃO CARLOS INSTITUTO DE QUÍMICA DE SÃO CARLOS UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS INSTITUTO DE FÍSICA DE SÃO CARLOS INSTITUTO DE QUÍMICA DE SÃO CARLOS LUIS HENRIQUE GUILHERME Estudo da corrosão em junta tubo-espelho soldada

Leia mais

RELAÇÃO DO TEMPO DE SINTERIZAÇÃO NA DENSIFICAÇÃO E CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM CÉLULAS À COMBUSTÍVEL. Prof. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior

RELAÇÃO DO TEMPO DE SINTERIZAÇÃO NA DENSIFICAÇÃO E CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM CÉLULAS À COMBUSTÍVEL. Prof. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior RELAÇÃO DO TEMPO DE SINTERIZAÇÃO NA DENSIFICAÇÃO E CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM CÉLULAS À COMBUSTÍVEL Prof. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior INTRODUÇÃO Célula à combustível é um material eletroquimico em

Leia mais

Laboratório de Eletroquímica e Eletroanalítica (634 A) Instituto de Química UFRJ. Profa. Eliane D Elia

Laboratório de Eletroquímica e Eletroanalítica (634 A) Instituto de Química UFRJ. Profa. Eliane D Elia Laboratório de Eletroquímica e Eletroanalítica (634 A) Departamento de Química Inorgânica Instituto de Química UFRJ Profa. Eliane D Elia Linhas de Pesquisa: Corrosão Dissolução metálica Inibidores de Corrosão

Leia mais

Tratamentos térmicos de ferros fundidos

Tratamentos térmicos de ferros fundidos FERROS FUNDIDOS Usados em geral para: Resistência ao desgaste Isolamento de vibrações Componentes de grandes dimensões Peças de geometria complicada Peças onde a deformação plástica é inadmissível FERROS

Leia mais

EFEITO DA VELOCIDADE DE RESFRIAMENTO APÓS TRATAMENTO TÉRMICO EM ALTA TEMPERATURA NA CORROSÃO LOCALIZADA DO AÇO UNS S31803

EFEITO DA VELOCIDADE DE RESFRIAMENTO APÓS TRATAMENTO TÉRMICO EM ALTA TEMPERATURA NA CORROSÃO LOCALIZADA DO AÇO UNS S31803 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO TECNOLÓGICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA DAVI PEREIRA GARCIA EFEITO DA VELOCIDADE DE RESFRIAMENTO APÓS TRATAMENTO TÉRMICO EM ALTA TEMPERATURA

Leia mais

EFEITO DO ENVELHECIMENTO A DIVERSAS TEMPERATURAS NA MICROESTRUTURA DE UM AÇO INOXIDÁVEL SUPERDUPLEX AMANDA CAMERINI LIMA

EFEITO DO ENVELHECIMENTO A DIVERSAS TEMPERATURAS NA MICROESTRUTURA DE UM AÇO INOXIDÁVEL SUPERDUPLEX AMANDA CAMERINI LIMA EFEITO DO ENVELHECIMENTO A DIVERSAS TEMPERATURAS NA MICROESTRUTURA DE UM AÇO INOXIDÁVEL SUPERDUPLEX AMANDA CAMERINI LIMA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE FLUMINENSE-UENF CAMPOS DOS GOYTACAZES RJ FEVEREIRO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI JOÃO RICARDO ORTEGA ALVES

CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI JOÃO RICARDO ORTEGA ALVES CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI JOÃO RICARDO ORTEGA ALVES PROJETO DE AÇO INOXIDÁVEL LEAN DÚPLEX COM ADIÇÃO DE NIÓBIO São Bernardo do Campo 2015 JOÃO RICARDO ORTEGA ALVES PROJETO DE AÇO INOXIDÁVEL LEAN DÚPLEX

Leia mais

SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO

SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO Juntas com excelentes propriedades mecânicometalúrgicas Altas taxas de deposição Esquema básico do processo 1 Vantagens do processo Pode-se usar chanfros com menor área de metal

Leia mais

Tratamentos Térmicos [7]

Tratamentos Térmicos [7] [7] Finalidade dos tratamentos térmicos: ajuste das propriedades mecânicas através de alterações da microestrutura do material. alívio de tensões controle da dureza e resistência mecânica usinabilidade

Leia mais

UNIVERSIDADE SANTA. Objetivo Metodologia Introdução. Método Experimental Resultados Experimentais Conclusão Grupo de Trabalho

UNIVERSIDADE SANTA. Objetivo Metodologia Introdução. Método Experimental Resultados Experimentais Conclusão Grupo de Trabalho UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA ENGENHARIA MECÂNICA INDUSTRIAL Análise dos Parâmetros que Influenciaram a Falha dos Parafusos Calibrados Aço1045 A do Acoplamento de Engrenagem da Mesa Giratória ria do Laminador

Leia mais

5. Resultados e Análises

5. Resultados e Análises 66 5. Resultados e Análises Neste capítulo é importante ressaltar que as medições foram feitas com uma velocidade constante de 1800 RPM, para uma freqüência de 60 Hz e uma voltagem de 220 V, entre as linhas

Leia mais

CORROSÃO EM MEIO DE DIESEL DO AÇO CARBONO REVESTIDO COM COBRE. Danielle Cristina Silva (Universidade Estadual do Centro-Oeste - Brasil)

CORROSÃO EM MEIO DE DIESEL DO AÇO CARBONO REVESTIDO COM COBRE. Danielle Cristina Silva (Universidade Estadual do Centro-Oeste - Brasil) CORROSÃO EM MEIO DE DIESEL DO AÇO CARBONO REVESTIDO COM COBRE Danielle Cristina Silva (Universidade Estadual do Centro-Oeste - Brasil) Julian Johann (Universidade Estadual do Centro-Oeste - Brasil) Maico

Leia mais

Relatório Final. Estudo das Condições de Tempera e Revenido nas Propriedades Mecânicas de Aço VND. Aluno: Luciano Antonio de Morais

Relatório Final. Estudo das Condições de Tempera e Revenido nas Propriedades Mecânicas de Aço VND. Aluno: Luciano Antonio de Morais Relatório Final Estudo das Condições de Tempera e Revenido nas Propriedades Mecânicas de Aço VND Aluno: Luciano Antonio de Morais Orientadora: Profª. Dra. Luciana Sgarbi Rossino Co Orientador: Profº. Msc.

Leia mais

FATORES QUE PODEM IMPLICAR EM FALHAS PREMATURAS DE PINTURA INTERNA in situ DE DUTOS 2006

FATORES QUE PODEM IMPLICAR EM FALHAS PREMATURAS DE PINTURA INTERNA in situ DE DUTOS 2006 FATORES QUE PODEM IMPLICAR EM FALHAS PREMATURAS DE PINTURA INTERNA in situ DE DUTOS 2006 Joaquim Pereira Quintela PETROBRAS/CENPES Victor Solymossy PETROBRAS/CENPES INTRODUÇÃO Vantagens do emprego de revestimentos

Leia mais

materiais ou produtos,sem prejudicar a posterior utilização destes, contribuindo para o incremento da

materiais ou produtos,sem prejudicar a posterior utilização destes, contribuindo para o incremento da Definição De acordo com a Associação Brasileira de Ensaios Não Destrutivos, ABENDE, os Ensaios Não Destrutivos (END) são definidos como: Técnicas utilizadas no controle da qualidade, d de materiais ou

Leia mais

ESTUDO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM AÇO SAE 4140 COM ESTRUTURA BIFÁSICA

ESTUDO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM AÇO SAE 4140 COM ESTRUTURA BIFÁSICA ESTUDO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM AÇO SAE 4140 COM ESTRUTURA BIFÁSICA Marcos Antônio de Carvalho Rocha Sérgio Souto Maior Tavares Maria da Penha Cindra Fonseca Juan Manuel Pardal Viviane Florido

Leia mais

ESTUDO DA CORROSÃO POR PITE DE NOVOS AÇOS INOXIDÁVEIS APLICADOS EM IMPLANTES ORTOPÉDICOS EM MEIO DE SOLUÇÕES DE RINGER LACTATO

ESTUDO DA CORROSÃO POR PITE DE NOVOS AÇOS INOXIDÁVEIS APLICADOS EM IMPLANTES ORTOPÉDICOS EM MEIO DE SOLUÇÕES DE RINGER LACTATO ESTUDO DA CORROSÃO POR PITE DE NOVOS AÇOS INOXIDÁVEIS APLICADOS EM IMPLANTES ORTOPÉDICOS EM MEIO DE SOLUÇÕES DE RINGER LACTATO Ruth F. V. Villamil 1 (PQ), Arnaldo H.P. de Andrade (PQ) 2, Celso A. Barbosa

Leia mais

ASPECTOS METALÚRGICOS E SUSCEPTIBILIDADE À CORROSÃO LOCALIZADA DO AÇO INOXIDÁVEL SUPERDUPLEX UNS S32760. Kioshy Santos de Assis

ASPECTOS METALÚRGICOS E SUSCEPTIBILIDADE À CORROSÃO LOCALIZADA DO AÇO INOXIDÁVEL SUPERDUPLEX UNS S32760. Kioshy Santos de Assis ASPECTOS METALÚRGICOS E SUSCEPTIBILIDADE À CORROSÃO LOCALIZADA DO AÇO INOXIDÁVEL SUPERDUPLEX UNS S32760 Kioshy Santos de Assis Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-graduação em Engenharia

Leia mais

2 Deposição por PVD. 2.1. Introdução. 2.2. Processos de erosão

2 Deposição por PVD. 2.1. Introdução. 2.2. Processos de erosão 2 Deposição por PVD 2.1. Introdução Pretendemos fazer uma pequena revisão da física da erosão induzida por íons energéticos (sputtering), os processos físicos que acontecem nas interações na superfície

Leia mais

Já sabemos que o tratamento de superfície tem, principalmente, a finalidade de proteger peças ou materiais da corrosão e de outros tipos de desgaste.

Já sabemos que o tratamento de superfície tem, principalmente, a finalidade de proteger peças ou materiais da corrosão e de outros tipos de desgaste. Recobrimento metálico Um problema Já sabemos que o tratamento de superfície tem, principalmente, a finalidade de proteger peças ou materiais da corrosão e de outros tipos de desgaste. Essa proteção pode

Leia mais

Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem

Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem Universidade Presbiteriana Mackenzie Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem Danila Pedrogan Mendonça Orientador: Profº Giovanni S. Crisi Objetivo

Leia mais

Dissertação de Mestrado Mailson Santos de Queiroz

Dissertação de Mestrado Mailson Santos de Queiroz Dissertação de Mestrado Mailson Santos de Queiroz ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DOS PROCESSAMENTOS TÉRMICO E MECÂNICO NA FORMAÇÃO DE FASES INTERMETÁLICAS E SEU EFEITO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS E NA RESISTÊNCIA

Leia mais

BR 280 - KM 47 - GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com

BR 280 - KM 47 - GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com TÉCNICA DA NITRETAÇÃO A PLASMA BR 280 KM 47 GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com A Nitrion do Brasil, presente no mercado brasileiro desde 2002,

Leia mais

Aço Inoxidável. Aplicações e Especificação

Aço Inoxidável. Aplicações e Especificação Aço Inoxidável Aplicações e Especificação Eng. Héctor Mario Carbó Acesita 2001 OS AÇOS INOXIDÁVEIS Os aços inoxidáveis são ligas de ferro (Fe) e cromo (Cr) com um mínimo de 10,50% de Cr. Outros elementos

Leia mais

Palavras - chave: Grafita nodular, ferro fundido nodular, tempo e temperatura de vazamento, propriedades mecânicas, analise estrutural.

Palavras - chave: Grafita nodular, ferro fundido nodular, tempo e temperatura de vazamento, propriedades mecânicas, analise estrutural. INFLUÊNCIA DO TEMPO E DA TEMPERATURA DE VAZAMENTO SOBRE A ESTRUTURA DOS NÓDULOS E PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM FERRO FUNDIDO NODULAR NO ESTADO BRUTO DE FUNDIÇÃO Resumo: Douglas F. Vidal¹* (D), Lioudmila

Leia mais

Materiais Aço Inox /Aço Carbono

Materiais Aço Inox /Aço Carbono Materiais Aço Inox /Aço Carbono DEFINIÇÕES DOS AÇOS Aço Carbono: Uma liga ferrosa em que o carbono é o principal elemento de liga. Aço Inoxidável: Uma liga de aço altamente resistente a corrosão em uma

Leia mais

Materiais / Materiais I

Materiais / Materiais I Materiais / Materiais I Guia para o Trabalho Laboratorial n.º 4 CORROSÃO GALVÂNICA E PROTECÇÃO 1. Introdução A corrosão de um material corresponde à sua destruição ou deterioração por ataque químico em

Leia mais

Aços Inoxidáveis AÇOS INOXIDÁVEIS

Aços Inoxidáveis AÇOS INOXIDÁVEIS AÇOS INOXIDÁVEIS Aços Inoxidáveis 1 A corrosão dos aços carbono e dos aços baixa-liga é caracterizada pela presença de uma camada de oxidação permeável. Em um meio corrosivo, estes aços sofrem oxidação

Leia mais

MECANISMOS BÁSICOS DE CORROSÃO

MECANISMOS BÁSICOS DE CORROSÃO Centro Universitário de Brasília Disciplina: Química Tecnológica Geral Professor: Edil Reis MECANISMOS BÁSICOS DE CORROSÃO No estudo dos processos corrosivos devem ser sempre consideradas as variáveis

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA METALÚRGICA E DE MATERIAIS ENGENHARIA METALURGICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA METALÚRGICA E DE MATERIAIS ENGENHARIA METALURGICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA METALÚRGICA E DE MATERIAIS ENGENHARIA METALURGICA LUIS FERNANDO L. S. JÁCOME EFEITO DE TRATAMENTOS TÉRMICOS NAS PROPRIEDADES

Leia mais

INFLUÊNCIA DA INOCULAÇÃO NA OBTENÇÃO DO FERRO FUNDIDO CINZENTO

INFLUÊNCIA DA INOCULAÇÃO NA OBTENÇÃO DO FERRO FUNDIDO CINZENTO 1 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI NADIR DIAS DE FIGUEIREDO ANDRÉ JOSÉ ALBERTINI INFLUÊNCIA DA INOCULAÇÃO NA OBTENÇÃO DO FERRO FUNDIDO CINZENTO OSASCO 2012 2 ANDRÉ JOSÉ ALBERTINI INFLUÊNCIA DA INOCULAÇÃO

Leia mais

CIÊNCIA DE MATERIAIS I

CIÊNCIA DE MATERIAIS I CIÊNCIA DE MATERIAIS I ENUNCIADOS DE PROBLEMAS PARA AS LICENCIATURAS EM ENGENHARIA MECÂNICA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO INDUSTRIAL ENGENHARIA QUÍMICA Compilação efectuada por Alexandre Velhinho, Lucelinda Cunha,

Leia mais

PREPARAÇÃO DE AMOSTRAS DE CERÂMICAS PARA OBSERVAÇÃO MICROESTRUTURAL

PREPARAÇÃO DE AMOSTRAS DE CERÂMICAS PARA OBSERVAÇÃO MICROESTRUTURAL 1 PREPARAÇÃO DE AMOSTRAS DE CERÂMICAS PARA OBSERVAÇÃO MICROESTRUTURAL O. M. M. Silva 1, S. A. Baldacim 1, C. Santos 2, Salgado, E.G.C 1, F. C. L. Melo 1 1 CTA-IAE- Divisão de Materiais - Pça. Mar. do Ar

Leia mais

Dicas para elaboração de relatórios técnicos

Dicas para elaboração de relatórios técnicos Dicas para elaboração de relatórios técnicos Prof. Dr. Rodrigo Magnabosco rodrmagn@gmail.com O principal objetivo é auxiliar na preparação de: Trabalhos de Conclusão de Curso Relatórios de iniciação científica

Leia mais

ELETRODO OU SEMIPILHA:

ELETRODO OU SEMIPILHA: ELETROQUÍMICA A eletroquímica estuda a corrente elétrica fornecida por reações espontâneas de oxirredução (pilhas) e as reações não espontâneas que ocorrem quando submetidas a uma corrente elétrica (eletrólise).

Leia mais

ANÁLISE DO BALANÇO DE FASES FERRITA/AUSTENITA NO METAL DE SOLDA DO AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX UNS S 32205 SOLDADO COM TIG

ANÁLISE DO BALANÇO DE FASES FERRITA/AUSTENITA NO METAL DE SOLDA DO AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX UNS S 32205 SOLDADO COM TIG ANÁLISE DO BALANÇO DE FASES FERRITA/AUSTENITA NO METAL DE SOLDA DO AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX UNS S 32205 SOLDADO COM TIG W.R.V.Sanita, J. L. Padilha, C.R.Sokey, R.C.Tokimatsu, V.A.Ventrella UNESP Departamento

Leia mais

EFEITO DA ENERGIA DE SOLDAGEM SOBRE A FRAÇÃO VOLUMÉTRICA DA FASE FERRÍTICA NO AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX UNS S 31803

EFEITO DA ENERGIA DE SOLDAGEM SOBRE A FRAÇÃO VOLUMÉTRICA DA FASE FERRÍTICA NO AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX UNS S 31803 EFEITO DA ENERGIA DE SOLDAGEM SOBRE A FRAÇÃO VOLUMÉTRICA DA FASE FERRÍTICA NO AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX UNS S 31803 Menezes, J.W.A. 1 ; Reis, F.E.U. 1 ; Abreu, H.F.G 1 ; Miranda, H.C. 1 ; Ribeiro, J.E.M. 1

Leia mais

Formas de corrosão 1

Formas de corrosão 1 Formas de corrosão 1 Os processos de corrosão são considerados reações químicas heterogêneas ou reações na superfície de separação entre o metal e o meio corrosivo. O processo de corrosão é uma reação

Leia mais

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%).

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%). ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 3 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos. 31 de março, 2003. AÇOS PARA ARMADURAS 3.1 DEFINIÇÃO E IMPORTÂNCIA Aço é uma liga metálica composta principalmente

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 33,de 22 de janeiro de 2004. O PRESIDENTE

Leia mais

REFINO DE GRÃO ATRAVÉS DE TRATAMENTO TÉRMICO SEM MOVIMENTAÇÃO DE MASSA

REFINO DE GRÃO ATRAVÉS DE TRATAMENTO TÉRMICO SEM MOVIMENTAÇÃO DE MASSA 1 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI NADIR DIAS DE FIGUEIREDO LAIZ OLIVEIRA DOS REIS REFINO DE GRÃO ATRAVÉS DE TRATAMENTO TÉRMICO SEM MOVIMENTAÇÃO DE MASSA OSASCO 2011 2 LAIZ OLIVEIRA DOS REIS REFINO DE GRÃO

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE DECAPAGEM E DE PASSIVAÇÃO E APLICAÇÃO DE PINTURA EM AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE DECAPAGEM E DE PASSIVAÇÃO E APLICAÇÃO DE PINTURA EM AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE DECAPAGEM E DE PASSIVAÇÃO E APLICAÇÃO DE PINTURA EM AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO Marli Ohba João Carlos Lazarini RHODIA DO BRASIL LTDA Davi Dianes RHODIA INC 6 COTEQ Conferência

Leia mais