Application and characterization of zirconium layer of corrosion protection of the stainless steel AISI 304

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Application and characterization of zirconium layer of corrosion protection of the stainless steel AISI 304"

Transcrição

1 Aplicação e caracterização de camada de zircônio para a proteção contra corrosão do aço inoxidável AISI 304 Application and characterization of zirconium layer of corrosion protection of the stainless steel AISI 304 Jucimara Kulek Andrade 1, Andressa Galli 2, Larissa Berbel 3, Maico Taras da Cunha 4, Marcelo Grassi 3, Martha Tussolini 4, Maico Taras da Cunha 4, Everson do Prado Banczek 2, Paulo Rogério Pinto Rodrigues 2. Universidade Estadual do Centro-Oeste (PR) - UNICENTRO 1 Mestranda em Química Aplicada, 2 Doutor(a) em Ciências, 3 Graduando(a) em Química, 4 Doutorando(a) em Química Aplicada. Resumo O objetivo geral deste trabalho foi desenvolver e caracterizar um tratamento para o aço inoxidável AISI 304 à base de cerâmicas de zircônio que apresentem compatibilidade ambiental e resistência à corrosão relacionada com as exigências atuais,, entre os quais podem ser citados os revestimentos nanocerâmicos. O material metálico utilizado como substrato para o tratamento de superfícies foi o aço inoxidável AISI 304. Anteriormente, ao tratamento de superfície, as amostras foram lixadas com lixas de SiC de #220, #320, #400, #600. O revestimento de zircônio foi preparado a partir de uma resina contendo etilenoglicol, ácido cítrico e um sal de zircônio. O metal base foi imerso durante 15 minutos na resina e, posteriormente, tratado à 450 ºC em forno mufla por 30 minutos. Após, o sistema foi caracterizado utilizando-se as seguintes técnicas experimentais: gravimetria, microscopia eletrônica de varredura, espectroscopia de energia dispersiva, potencial de circuito aberto, espectroscopia de impedância eletroquímica e curvas de polarização potenciodinâmica anódica. Os resultados de microscopia mostraram que o revestimento de zircônio alterou a morfologia da superfície do aço inoxidável AISI 304 e indicaram a presença de um pico referente ao elemento zircônio o qual indica que o revestimento foi formado sobre a superfície do metal.os ensaios eletroquímicos mostraram que o pré-tratamento de zircônio aumentou a resistência à corrosão do metal base, em relação ao aço inoxidável AISI 304 sem nenhum tipo de revestimento. Palavras-chave: corrosão, pré-tratamento, método Pechini. Abstract The aim of this study was to develop and characterize a treatment for AISI 304 stainless steel-based ceramic zirconium presenting environmental compatibility and corrosion resistance related to the current requirements, among which may be mentioned the coatings nano ceramic. The metallic material used as substrate for the surface treatment was stainless steel AISI 304. Previously surface treatment, the samples were abraded with SiC abrasive paper of # 220, # 320, # 400, # 600. The coated zirconia was prepared from a resin containing ethylene glycol, citric acid and a salt of zirconium. The metal base was immersed for 15 minutes in the resin and thereafter treated at 450 C in a muffle furnace for 30 minutes. After the system was characterized using the following experimental techniques: gravimetry, scanning electron microscopy, energy dispersive spectroscopy, open circuit potential, electrochemical impedance spectroscopy and potentiodynamic anodic polarization curves. The results microscopy showed that the coating of zirconium altered the morphology of the surface of stainless steel AISI 304 and indicated the presence of a peak for the zirconium element which indicates that the coating was formed on the surface of electrochemical tests showed that metal. Os pretreatment zirconium increased the corrosion resistance of the base metal, relative to AISI 304 stainless steel without any coating. Key-words: Corrosion, pretreatment, Pechini Method.

2 Introdução A corrosão de superfícies metálicas tem sido um dos grandes problemas, por isso a corrosão destes materiais vem despertando interesse de pesquisadores para melhoria das características de revestimentos de superfícies metálicas. Entre as ligas mais estudadas tem-se o aço inoxidável. Muitos estudos têm sido realizados com relação à corrosão de superfícies metálicas, entre as ligas mais estudadas tem-se o aço inoxidável. Este material vem sendo amplamente utilizado em diversas áreas, como construção civil e nas indústrias aeroespaciais (BADDOO, 2008), devido às suas características, tais como: durabilidade, alta ductilidade, moldabilidade e resistência à corrosão. Embora apresente elevada resistência à corrosão, quando em contato com determinados íons o aço inoxidável sofre corrosão localizada, perdendo a sua propriedade de passividade. Por isso, busca-se sempre melhorar os revestimentos e técnicas de tratamento de superfície com o intuito de aumentar a resistência à corrosão dos materiais metálicos. Uma opção são os revestimentos cerâmicos. Por isso, busca-se sempre melhorar os revestimentos e técnicas de tratamento de superfície com o intuito de aumentar a resistência à corrosão dos materiais metálicos. Estes apresentam boa estabilidade química e resistência à oxidação. Dentre os revestimento cerâmicos pode ser destacado o de zircônia o qual apresenta características interessantes como: resistência mecânica, inércia química, estabilidade térmica e resistência à corrosão, tornando o material adequado para a produção de revestimentos de proteção. Várias técnicas são utilizadas na preparação de cerâmicas de zircônia, baseadas em ZrO 2, por deposição física a vapor (PVD) (PINEDO et al, 2011), revestimento por deposição química a vapor (CVD), eletrodeposição, spray pirólise, plasma spray e processo de sol-gel (Shiyan Zhanga et al, 2010), entre outros. O processo sol-gel apresenta a vantagem de utilizar equipamentos de baixo custo, controle da estequiometria da solução precursora, fácil modificação da composição e favorece a introdução de vários grupos funcionais. Existem trabalhos na literatura que utilizam diferentes soluções e temperaturas na obtenção dos filmes, tal como Esmaiel Nouri et al (2011), que utilizaram hidróxido de acetato de zircônio em etanol variando a temperatura de calcinação de 300 C a 900 C. Verificou-se que na temperatura de 500 C o revestimento é mais resistente a corrosão que o aço inoxidável 316 L. Mun Teng Soo (2012) utilizou para a preparação dos filmes alcóxidos na forma de Zr[O(CH 2 ) 3 CH 3 ] 4 na presença de etanol (EtOH) em diferentes proporções e tratados com água quente. Obteve variações na espessura da película de 39 para 206 nm em função da razão molar do EtOH durante a preparação de sol-gel. A cristalinidade de ZrO 2 foi maior através do aumento da razão molar de EtOH. O presente trabalho propõe o revestimento nanocerâmico utilizando como solução precursora uma mistura de ácido cítrico em etilenoglicol a base de íons zirconila em ligas metálicas de aço inoxidável AISI 304, em substituição aos pré-tratamentos de superfícies já existentes, com finalidade de atuar contra a corrosão, bem como para fins econômicos, sociais e ambientais. Materiais e métodos O material metálico utilizado no presente trabalho como substrato para o tratamento metálico foi o aço inoxidável AISI 304. Anteriormente, aos processos de tratamento de superfície, as amostras foram lixadas com lixas de SiC de granulometria #220, #320, #400 e #600 mesh. As cerâmicas de zircônio foram preparadas a partir de uma resina pelo método de Pechini como apresentado no fluxograma da Figura 1. O preparo da resina foi realizado pela dissolução de ácido cítrico (C 6 H 8 O 7 ) em etilenoglicol (C 2 H 4 (OH) 2 ) a uma temperatura de 60 o C sob agitação magnética com posterior adição do nitrato de zirconila (ZrO(NO 3 ) 2.6H 2 O). A solução resultante foi mantida sob agitação por 30 minutos. Foram preparadas resinas com razões molares (n/n) entre ácido cítrico/etilenoglicol de 1:4, e entre o ácido e o nitrato de zircônio 10:1. As cerâmicas de óxido de zircônio foram preparadas por deposição através da imersão das amostras na resina com o tempo de imersão de 15 minutos. Os filmes preparados foram submetidos a um tratamento térmico a 450 o C por 30 minutos.

3 Ensaios gravimétricos foram realizados para determinar a massa do revestimento nanocerâmico na superfície do substrato determinando a massa das amostras antes da imersão na resina e após o tratamento térmico, sendo a massa determinada pela Equação 1, m m = A m camada 1 2 Eq. (1) onde m 2 é a massa após o tratamento térmico, m 1 é a massa antes da imersão na resina e A é a área do substrato em m 2. A caracterização da superfície metálica do aço inoxidável foi realizada por Microscopia Eletrônica de Varredura (MEV) utilizando um microscópio eletrônico Philips modelo XL30. Para determinação da composição semi-quantitativa das superfícies metálicas revestidas e não revestidas utilizou-se Espectroscopia de Energia Dispersiva (EDS) acoplada ao MEV. Medidas de potencial de circuito aberto (PCA), espectroscopia de impedância eletroquímica (EIE), polarização potenciodinâmica anódica (PPA) e polarização cíclica (PC) foram realizadas para a caracterização eletroquímica. A espectroscopia de impedância eletroquímica foi realizada variando a frequência de 10 khz a 10 mhz, com potencial de perturbação de ±10 mv. As curvas de polarização potenciodinâmica e polarização cíclica foram obtidas com velocidade de varredura de 1 mv.s -1. Utilizou-se um arranjo experimental de 3 eletrodos, constituído por um fio de platina como contra-eletrodo, um eletrodo de referência de sulfato mercuroso (Hg/Hg 2 SO 4 (ESM)) e um eletrodo de trabalho constituído do metal aço inoxidável AISI 304, com área geométrica de 0,68 cm 2. As medidas eletroquímicas foram realizadas em um analisador de frequências marca Gamry modelo EIS 300 acoplado a um potenciostato marca Gamry modelo PCI 4/300. O eletrólito utilizado para as medidas de PCA, EIE e PPA foi uma solução de sulfato de sódio 0,5 mol L -1 com ph 4, ajustado com solução tampão de biftalato de potássio 0,1 mol L -1 e hidróxido de sódio 0,1 mol L-1. Para as medidas de PC foi utilizada uma solução de cloreto de sódio 0,5 moll -1. Ácido cítrico Etilenoglicol Agitação (60 C, 30 min) Resina Nitrato de zirconila????zirconila Imersão (15 min) Tratamento térmico (450 C, 30 min) Filme de ZrO 2 Figura 1. Fluxograma do método de obtenção do nanocerâmica de ZrO 2. Resultados Microscopia eletrônica de varredura e espectroscopia de energia dispersiva A morfologia da superfície das amostras foi avaliada por meio de microscopia eletrônica de varredura e as micrografias obtidas são apresentadas na Figura 2.

4 (A) (B) Figura 2. Micrografias da superfície do aço inoxidável 304 sem proteção (A) e após o revestimento de zircônio (B). Aumento de 1500x. A composição semi-quantitativa da superfície, obtida por energia dispersiva de raios-x, foi avaliada e os espectros obtidos são apresentados na Figura 3. A quantificação elementar permitiu determinar a composição elementar em porcentagem m/m e valores são apresentados na Tabela 1. (A) (B) Figura 3: Espectroscopia de energia dispersiva para: (A) e (B) + Zr. Tabela 1. Composição percentual em massa. Elemento C Cr Fe Mn Mo Nb Ni O Si Zr - 19,593 73,684 1,707 0,448 0,183 4,012-0,373-4,453 13,148 43,721 1, ,575 21,314 0,702 11,054 Um valor de níquel em porcentagem de massa, inferior ao indicado para o aço inoxidável 304, foi obtido para o metal não tratado sendo que tal resultado está relacionado ao método de determinação por EDS, ou seja é somente qualitativo e não quantitativo. Valores maiores de Ni, em porcentagem massa foram obtidos para a amostra revestida, tal comportamento está relacionado com o aquecimento do metal para a obtenção do filme de óxido de alumínio. Tal aquecimento promove a migração de níquel da matriz para a formação do óxido superficial. Ensaios gravimétricos Ensaios gravimétricos foram realizados e os resultados são apresentados na Tabela 2. Tabela 2 Massa da Camada para o revestimento de aço inoxidável Zircônio. Camada Massa média (g/m 2 ) Desvio (g/m 2 ) Aço Zircônio 1,81 g/m 2 0,481 g/m 2

5 Z i / Ohm.cm 2 - / E (V vs Hg/Hg 2 SO 4 ) Ensaios eletroquímicos Potencial de Circuito aberto O comportamento de corrosão do substrato de aço inox 304 revestido com zircônio e não revestido foi avaliado por ensaios de potencial de circuito aberto e os resultados são apresentados na Figura 4. 0,00-0,05-0,10-0,15-0,20-0,25-0, Tempo (min) Figura 4. Curvas de Potencial de circuito aberto do aço inox 304 com e sem revestimento de Zircônio em meio de sulfato de sódio 0,5 mol L -1 com ph 4. Espectroscopia de impedância eletroquímica Os ensaios de espectroscopia de impedância eletroquímica são apresentados na Figura 5 na forma de diagramas de Nyquist e de ângulo de fase de Bode. 2,5x10 4 2,0x10 4 0,01 Hz ,5x ,0x ,0x10 3 0,01 Hz 15 0,0 0,00 7,50x10 3 1,50x10 4 2,25x10 4 3,00x10 4 Z r / Ohm.cm Frequência / Hz (A) (B) Figura 5. Diagrama de Nyquist (A) e Bode (B) do aço inox 304 com e sem deposito de Zircônio em meio de sulfato de sódio 0,5 mol L -1 com ph 4. Polarização potenciodinâmica anódica Medidas de polarização potenciodinâmica anódica foram realizadas e os resultados são apresentados na Figura 6.

6 j (A/cm 2 ) j (A.cm -2 ) log j 0,04 0,03 0, ,2 0,0 0,2 0,4 E (V vs Ag/AgCl) 0,01 0,00-0,4-0,2 0,0 0,2 0,4 0,6 0,8 E (V vs Ag/AgCl) Figura 6. Polarização anódica com velocidade de varredura de 1 mv.s -1 do aço inox 304 com e sem deposito de Zircônio em meio de sulfato de sódio 0,5 mol L -1 com ph 4. Figura interna é a ampliação da região passiva. Polarização cíclica Ensaios de polarização cíclica foram realizados para avaliar o comportamento de corrosão por pite das amostras estudadas e os resultados são apresentados na Figura 7. 0,050 0,040 0,030 0,020 0,010 E rep 0,000 E p1 E p -0,010-0,5 0,0 0,5 1,0 1,5 2,0 E (V vs. Ag/AgCl) Figura 7. Polarização cíclica do aço inox 304 com e sem camada de Zircônio em meio cloreto de sódio 0,5 mol L -1. Discussões Microscopia eletrônica de varredura e espectroscopia de energia dispersiva A Figura 2 mostra que houve alteração da morfologia da superfície do aço 304 devida à deposição do revestimento de zircônio, indicando a formação de um filme, que apresenta uma morfologia irregular. Observa-se a partir dos espectros de energia dispersiva (Figura 3) que na presença do revestimento há um pico referente ao Zr o qual não é observado no substrato, confirmando a presença de Zr no filme depositado, confirmando os resultados de MEV. A superfície da amostra revestida com zircônio apresentou aproximadamente 11% de zircônio, como está apresentado na Tabela 1, tal elemento é referente ao revestimento depositado.

7 Adicionalmente, um pico referente ao elemento carbono de aproximadamente 4% foi quantificado. Este pico está relacionado à queima incompleta da resina em forno mufla. Ensaios gravimétricos Através dos ensaios de gravimétricos (Tabela 2), observa-se que a massa da camada de zircônio depositada foi de 1,81 g/m 2 e indica que o revestimento foi formado. Ensaios eletroquímicos Potencial de Circuito aberto Observa-se um deslocamento (Figura 4) para valores mais positivos de potencial para a amostra de aço 304 sem revestimento quando comparado a este metal revestido com zircônio. Este resultado sugere que a camada de zircônio está agindo catodicamente. Espectroscopia de impedância eletroquímica Os diagramas de Nyquist (Figura 5 (A)), apresentam apenas um arco capacitivo para as duas amostras. Valores de impedância maiores foram obtidos para as amostras revestidas sugerindo uma maior resistência à corrosão sendo esta promovida pela camada de zircônio. Nota-se por meio dos diagramas de ângulo de fase de Bode (Figura 5 (B)), que para o aço 304 há uma constante de tempo em freqüências da ordem de 10-2 Hz. Esta constante pode ser relacionada ao óxido formado na superfície do metal. Adicionalmente, para o mesmo sistema, na região de 1 Hz há uma segunda constante de tempo que pode ser atribuída aos processos de transferência de carga na superfície do metal. Comportamento distinto com relação à freqüência foi observado para as constantes de tempo do sistema aço Zr, pois a primeira constante foi deslocada para freqüências da ordem de 10 Hz e pode ser atribuída ao revestimento de Zr. O deslocamento para freqüências menores indica um retardamento na resposta para esta constante. Tal comportamento sugere uma característica de proteção contra corrosão inferior do revestimento de Zr quando comparado ao óxido na superfície do aço, entretanto, tal resultado não influencia na resposta geral do sistema, pois maiores valores de ângulo de fase foram obtidos para a primeira constante do aço inox revestido, em relação ao metal não tratado, o que indica uma maior resistência à corrosão. Esta resposta de impedância indica que o tratamento de superfície é poroso e irregular. Uma região de ângulo de fase aproximadamente constante da ordem de 45 foi observada para o aço inox com Zr, tal comportamento é característico de materiais porosos, essa região constante indica a sobreposição de várias constantes de tempo. Neste diagrama em freqüências entre 10-1 e 10-2 Hz há uma segunda constante de tempo que pode ser atribuída aos processos de transferências de carga. Em relação à segunda constante, o deslocamento para menores freqüências, quando comparado ao sistema de aço inox, indica um retardo na reação de transferência de carga, o que mostra uma maior resistência a corrosão. Essa, maior resistência à corrosão também é observada devido aos maiores ângulos de fase obtidos. Polarização potenciodinâmica anódica A partir das curvas de polarização potenciodinâmica anódicas (Figura 6) foi possível observar que duas regiões distintas estão presentes na figura. A primeira região aparece a partir do potencial de corrosão até 0,1 V de sobretensão, na qual um comportamento passivo, para as duas amostras é evidenciado. A segunda região aparece em sobretensões entre 0,1 e 0,3 V em que as densidades de corrente medidas para a amostra revestida são maiores que para a amostra não

8 revestida. Tal comportamento sugere uma menor proteção contra a corrosão promovida pela camada de Zr nesta região. Tal comportamento é explicado pela elevação de corrente que ocorre na sobretensão de 0,1 V que é o potencial de quebra do revestimento, entretanto, em sobretensões da ordem de 0,3 V a densidade de corrente para o revestimento diminui, exatamente quando há a quebra do óxido sobre o aço inoxidável sem revestimento. A resposta de polarização da amostra revestida demonstra a heterogeneidade superficial, pois uma camada porosa e irregular favorece a formação de micro pilhas que podem facilitar o processo corrosivo, entretanto, não pode ser atribuído uma pior proteção contra corrosão para a amostra revestida, pois apesar da quebra acontecer em sobretensões mais negativas as densidades de corrente se mantiveram menores que as do aço sem revestimento, a partir do potencial de quebra do óxido deste último. Polarização cíclica A partir das curvas de polarização cíclica (Figura 7) foi possível observar que a amostra revestida com zircônio apresenta um potencial de pite E p1 mais negativo que para o aço 304 E p sem revestimento. Tal comportamento indica uma menor resistência à corrosão por pites para a amostra revestida. A explicação para este resultado reside no fato de a camada de zircônio ser irregular (porosidades e falhas) e favorece a formação de micro pilhas que aceleram o processo de corrosão. Adicionalmente, observou-se que o potencial de repassivação E rep é o mesmo para as duas amostras e que a histerese é maior para a amostra de aço não revestida, indicando que a camada de zircônio protege a superfície do metal base. Conclusões Os resultados de MEV mostram que o revestimento formado apresenta uma morfologia irregular. Os espectros de EDS confirmam a presença de Zr no filme depositado. Através dos ensaios eletroquímicos foi possível analisar que o revestimento de Zr desloca o potencial de corrosão para valores mais catódicos. A partir das curvas de polarização anódica verificou-se que em potenciais maiores que 380 mv ocorre uma redução na densidade de corrente do aço inox com Zr em comparação ao substrato. Os diagramas de impedância eletroquímica sugeriram que o revestimento de Zr protege o aço inox da corrosão em condições estacionárias. Entretanto, para as condições de polarização o revestimento zircônio apresenta três regiões distintas das quais a primeira está antes do potencial de quebra por volta de 0,2 V na qual a amostra apresenta comportamento semelhante ao metal base, a segunda região pode ser observada na faixa de potenciais entre 0,2 e 0,4 V em que o revestimento apresenta comportamento de corrosão inferior ao do metal base e a terceira região pode ser observada a partir de 0,4 V em que o material revestido apresenta melhor comportamento de corrosão Agradecimentos Agradecemos à UNICENTRO, RHAE /CNPQ e à empresa TECNOQUISA. Referências BADDOO, N. R. Stainless steel in construction: A review of research, applications, challenges and opportunities. Journal of Constructional Steel Research. v. 64, n. 11, p , HSIEH, J. H., LEE, R., ERCK, R. A., FENSKE, G. R., SU, Y. Y., MAREK, M., HOCHMAN, R. F. Niobium coatings on 316L stainless steel for improving corrosion resistance. Surface and Coatings Technology. v.49, p , 1991.

9 NOURI, E., SHAHMIRI, M., REZAIE, H. R., TALAYIAN, F. Investigation of structural evolution and electrochemical behaviour of zirconia thin films on the 316L stainless steel substrate formed via sol gel process. Surface and Coatings Technology. v. 205, n , p , PÉREZ, F. J., PEDRAZA, F., HIERRO, M. P., HOU, P. Y. Adhesion properties of aluminide coatings deposited via CVD in fluidised bed reactors (CVD-FBR) on AISI 304 stainless steel. Surface and Coatings Technology. v , p , PINEDO, C. E., MONTEIRO, W. A. Tratamento térmico e de nitretação sob plasma do aço inoxidável martensítico AISI 420. Tecnol. Metal. Mater. Miner. n. 2, v. 8, p , RODRIGUES, P. R. P., AGOSTINHO, S. M. L. Análise da resistência do filme inibidor de benzotriazol formado sobre a superfície do aço inoxidável tipo 304 em meio de H 2 SO 4 2 mol L-1. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE ELETROQUÍMICA E ELETROANALÍTICA, SIBEE, 11. Alagoas, p , RODRIGUES, P. R. P., AGOSTINHO, S. M. L., ZERBINO, J. O. Voltammetric and ellipsometric studies of films formed on 304 stainless steel in sulphuric acid solution without and with benzotriazole. In: EMCR - INTERNATIONAL SYMPOSIUM ON ELECTROCHEMICAL METHODS IN CORROSION RESEARCH. Trento - Itália, RODRIGUES, P. R. P., ANDRADE, A. H. P., AGOSTINHO, S. M. L. Benzotriazole as corrosion inhibitor for 304 stainless steel in water-ethanol media containing 2M H 2 SO 4. British Corrosion Journal. v. 33, n. 3, p , SOO, M. T., PRASTOMO, N., MATSUDA, A., KAWAMURA, G., MUTO, I., NOOR, A. F. M., LOCKMAN, Z., CHEONG, K. Y. Elaboration and characterization of sol gel derived ZrO2 thin films treated with hot water. Applied Surface Science. v. 258, n. 13, p , VILLAMIL, R. F. V., RODRIGUES, P. R. P., AGOSTINHO, S. M. L. O efeito sinérgico do benzotriazol e do dodecil sulfato de sódio na inibição da corrosão do aço 304 em H 2 SO 4 2 M, In: ABRACO - CONGRESSO BRASILEIRO DE CORROSÃO / IMCORR-RIO - INTERNATIONAL MEETING ON CORROSION SCIENCE E CONTROL TECHNOLOGIES. Rio de Janeiro, VIOMAR, A., GALLINA, A. L., COSTA, I., CUNHA, M. T. da, RODRIGUES, P. R. P., BANCZEK, E. do P. Aplicação de SAM em liga de alumínio AA 2024-T3 com desengraxe alcalino. REM Revista Escola de Minas. v. 65, n. 1, p , ZHANG, S., LI, Q., CHEN, B., YANG, X. Preparation and corrosion resistance studies of nanometric sol gel-based CeO 2 film with a chromium-free pretreatment on AZ91D magnesium alloy. Electrochimica Acta. v. 55, n. 3, p , Autor Responsável: Paulo Rogério Pinto Rodrigues- Universidade Estadual do Centro Oeste UNICENTRO. Endereço: Rua Simeão Camargo Varela de Sá, CEP: , Vila Carli, Guarapuava, Paraná. Tel: (42)

Keywords: corrosion, pretreatment, Pechini Method.

Keywords: corrosion, pretreatment, Pechini Method. Aplicação e caracterização de camada de titânio para a proteção contra corrosão do aço inoxidável AISI 304 Application and characterization of titanium layer for corrosion protection of the stainless steel

Leia mais

Encontro e Exposição Brasileira de tratamento de superficie III INTERFINISH Latino Americano

Encontro e Exposição Brasileira de tratamento de superficie III INTERFINISH Latino Americano Revestimento de alumínio obtido pelo método sol-gel para a proteção contra a corrosão de superfícies metálicas Jucimara Kulek de Andrade 1, Larissa Oliveira Berbel 1, Maico Taras da Cunha 1, Marilei Fátima

Leia mais

CORROSÃO EM MEIO DE DIESEL DO AÇO CARBONO REVESTIDO COM COBRE. Danielle Cristina Silva (Universidade Estadual do Centro-Oeste - Brasil)

CORROSÃO EM MEIO DE DIESEL DO AÇO CARBONO REVESTIDO COM COBRE. Danielle Cristina Silva (Universidade Estadual do Centro-Oeste - Brasil) CORROSÃO EM MEIO DE DIESEL DO AÇO CARBONO REVESTIDO COM COBRE Danielle Cristina Silva (Universidade Estadual do Centro-Oeste - Brasil) Julian Johann (Universidade Estadual do Centro-Oeste - Brasil) Maico

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE NÍQUEL ELETRODEPOSITADO NA PRESENÇA DE NANOTUBOS DE CARBONO (NTC)

CARACTERIZAÇÃO DE NÍQUEL ELETRODEPOSITADO NA PRESENÇA DE NANOTUBOS DE CARBONO (NTC) CARACTERIZAÇÃO DE NÍQUEL ELETRODEPOSITADO NA PRESENÇA DE NANOTUBOS DE CARBONO (NTC) A.C.Lopes a,e.p.banczek a, I.Costa c, M.Terada b, M.T.Cunha a, P.R.P. Rodrigues a a Universidade Estadual do Centro-Oeste,

Leia mais

DA INFLUÊNCIA DA RUGOSIDADE NO DESENVOLVIMENTO DE RESVESTIMENTOS CERÂMICOS ANTICORROSIVOS EM SUBSTRATOS METÁLICOS DE AÇO AISI 316L

DA INFLUÊNCIA DA RUGOSIDADE NO DESENVOLVIMENTO DE RESVESTIMENTOS CERÂMICOS ANTICORROSIVOS EM SUBSTRATOS METÁLICOS DE AÇO AISI 316L ÓXIDOS NANOESTRUTURADOS DE TiO 2 /Al 2 O 3 : ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA RUGOSIDADE NO DESENVOLVIMENTO DE RESVESTIMENTOS CERÂMICOS ANTICORROSIVOS EM SUBSTRATOS METÁLICOS DE AÇO AISI 316L Andreza Menezes Lima

Leia mais

ESTUDO DA RESISTÊNCIA À COROSÃO DO AÇO INOXIDÁVEL LEAN DUPLEX UNS 32304 SOLDADO POR ATRITO COM PINO NÃO CONSUMÍVEL

ESTUDO DA RESISTÊNCIA À COROSÃO DO AÇO INOXIDÁVEL LEAN DUPLEX UNS 32304 SOLDADO POR ATRITO COM PINO NÃO CONSUMÍVEL ESTUDO DA RESISTÊNCIA À COROSÃO DO AÇO INOXIDÁVEL LEAN DUPLEX UNS 32304 SOLDADO POR ATRITO COM PINO NÃO CONSUMÍVEL Victor Hugo Ayusso 1, Maysa Terada 1, Víctor Ferrinho Pereira 2, Célia Regina Tomachuk

Leia mais

Martha Tussolini et al. Estudo do comportamento eletroquímico de azóis para o aço inoxidável AISI 430 em H 2 SO 4. 1 mol L -1

Martha Tussolini et al. Estudo do comportamento eletroquímico de azóis para o aço inoxidável AISI 430 em H 2 SO 4. 1 mol L -1 Martha Tussolini et al. INOX: Corrosão Estudo do comportamento eletroquímico de azóis para o aço inoxidável AISI 430 em H 2 1 mol L -1 Study of electrochemical behavior of azoles for AISI 430 stainless

Leia mais

CAPÍTULO 5. Materiais e Métodos 97. Errar é humano. Botar a culpa nos outros, também. Millôr Fernandes (76 anos), humorista brasileiro

CAPÍTULO 5. Materiais e Métodos 97. Errar é humano. Botar a culpa nos outros, também. Millôr Fernandes (76 anos), humorista brasileiro Materiais e Métodos 97 CAPÍTULO 5 Errar é humano. Botar a culpa nos outros, também. Millôr Fernandes (76 anos), humorista brasileiro Toda a empresa precisa ter gente que erra, que não tem medo de errar

Leia mais

Universidade Estadual do Centro Oeste (PR)- UNICENTRO.

Universidade Estadual do Centro Oeste (PR)- UNICENTRO. Resistência à corrosão dos aços inoxidáveis austeníticos 304 e 316 em meio de HNO 3 orrosion resistance of austenitic stainless steels 304 and 316 in the middle of HNO 3 ndré Lazarin Gallina 1, line Viomar

Leia mais

Materiais / Materiais I

Materiais / Materiais I Materiais / Materiais I Guia para o Trabalho Laboratorial n.º 4 CORROSÃO GALVÂNICA E PROTECÇÃO 1. Introdução A corrosão de um material corresponde à sua destruição ou deterioração por ataque químico em

Leia mais

Revestimento de zircônio obtido pelo método sol-gel para a proteção contra a corrosão do alumínio AA 3003

Revestimento de zircônio obtido pelo método sol-gel para a proteção contra a corrosão do alumínio AA 3003 Revestimento de zircônio obtido pelo método sol-gel para a proteção contra a corrosão do alumínio AA 3003 Larissa Oliveira Berbel 1, Jucimara Kulek de Andrade 1, Isolda Costa 2, Maico Taras da Cunha 1,

Leia mais

EFEITO DOS PARÂMETROS DE MARCAÇÃO A LASER NA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DO AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO ISO 5832-1

EFEITO DOS PARÂMETROS DE MARCAÇÃO A LASER NA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DO AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO ISO 5832-1 EFEITO DOS PARÂMETROS DE MARCAÇÃO A LASER NA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DO AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO ISO 5832-1 Pieretti, E. F. ¹*, Leivas, T. P. ², Raele, M. P. ³, Rossi, W. ³, Martins, M. D.¹ 1 Centro de

Leia mais

15º Encontro e Exposição Brasileira de Tratamentos de Superfície 4º INTERFINISH Latino Americano

15º Encontro e Exposição Brasileira de Tratamentos de Superfície 4º INTERFINISH Latino Americano INFLUÊNCIA DA ATIVAÇÃO SUPERFICIAL DOS REVESTIMENTOS À BASE DE ZIRCÔNIO E TANINO EM SUBSTRATOS DE ZINCO Josiane Soares Costa (Universidade Federal do Rio Grande do Sul Brasil)*, Raquel Dei Agnoli (Universidade

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DO AÇO AISI 420 DEPOSITADO POR PROCESSOS VARIADOS DE ASPERSÃO TÉRMICA

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DO AÇO AISI 420 DEPOSITADO POR PROCESSOS VARIADOS DE ASPERSÃO TÉRMICA AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DO AÇO AISI 420 DEPOSITADO POR PROCESSOS VARIADOS DE ASPERSÃO TÉRMICA L.C. Casteletti 1, F.A.P. Fernandes 1, G.S. Takeya 1, C.A. Picon 2, G. Tremiliosi-Filho 3 Universidade

Leia mais

SÍNTESE QUÍMICA DE NANOCERÂMICAS VISANDO APLICAÇÕES EM ODONTOLOGIA

SÍNTESE QUÍMICA DE NANOCERÂMICAS VISANDO APLICAÇÕES EM ODONTOLOGIA Ciências da Vida - Odontologia SÍNTESE QUÍMICA DE NANOCERÂMICAS VISANDO APLICAÇÕES EM ODONTOLOGIA Moysés Barbosa de Araújo Junior 1 Alejandra Hortencia Miranda González 2 Palavras-chaves Nanocerâmicas;

Leia mais

MECANISMOS DA CORROSÃO. Professor Ruy Alexandre Generoso

MECANISMOS DA CORROSÃO. Professor Ruy Alexandre Generoso MECANISMOS DA CORROSÃO Professor Ruy Alexandre Generoso MECANISMOS DA CORROSÃO De acordo com o meio corrosivo e o material, podem ser apresentados diferentes mecanismos. Os principais são: MECANISMO QUÍMICO

Leia mais

Resultados e Discussões 95

Resultados e Discussões 95 Resultados e Discussões 95 É interessante observar, que a ordem de profundidade máxima não obedece à ordem de dureza Shore A. A definição de dureza é exatamente a dificuldade de se penetrar na superfície

Leia mais

Já sabemos que o tratamento de superfície tem, principalmente, a finalidade de proteger peças ou materiais da corrosão e de outros tipos de desgaste.

Já sabemos que o tratamento de superfície tem, principalmente, a finalidade de proteger peças ou materiais da corrosão e de outros tipos de desgaste. Recobrimento metálico Um problema Já sabemos que o tratamento de superfície tem, principalmente, a finalidade de proteger peças ou materiais da corrosão e de outros tipos de desgaste. Essa proteção pode

Leia mais

RELAÇÃO DO TEMPO DE SINTERIZAÇÃO NA DENSIFICAÇÃO E CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM CÉLULAS À COMBUSTÍVEL. Prof. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior

RELAÇÃO DO TEMPO DE SINTERIZAÇÃO NA DENSIFICAÇÃO E CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM CÉLULAS À COMBUSTÍVEL. Prof. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior RELAÇÃO DO TEMPO DE SINTERIZAÇÃO NA DENSIFICAÇÃO E CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM CÉLULAS À COMBUSTÍVEL Prof. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior INTRODUÇÃO Célula à combustível é um material eletroquimico em

Leia mais

Introdução. Princípios da corrosão: reações de oxiredução potencial de eletrodo - sistema redox em equilíbrio - Diagrama de Pourbaix

Introdução. Princípios da corrosão: reações de oxiredução potencial de eletrodo - sistema redox em equilíbrio - Diagrama de Pourbaix Introdução Princípios da corrosão: reações de oxiredução potencial de eletrodo - sistema redox em equilíbrio - Diagrama de Pourbaix Introdução Conceitos de oxidação e redução 1 - Ganho ou perda de oxigênio

Leia mais

Aplicação de diferentes tipos de taninos comerciais como agentes de passivação do aço galvanizado para substituição da cromatização

Aplicação de diferentes tipos de taninos comerciais como agentes de passivação do aço galvanizado para substituição da cromatização Aplicação de diferentes tipos de taninos comerciais como agentes de passivação do aço galvanizado para substituição da cromatização Use of different commercial tannins as passivation agents on hot-dip

Leia mais

REPROCESSAMENTO DE CATODOS DE BATERIAS DE ÍONS LÍTIO DESCARTADAS UTILIZANDO SÍNTESE PECHINI.

REPROCESSAMENTO DE CATODOS DE BATERIAS DE ÍONS LÍTIO DESCARTADAS UTILIZANDO SÍNTESE PECHINI. REPROCESSAMENTO DE CATODOS DE BATERIAS DE ÍONS LÍTIO DESCARTADAS UTILIZANDO SÍNTESE PECHINI. Polo Fonseca,C 1.; Amaral, F. 2 ; Prado, R.M. 1 ; Santos Junior, G.A. 1 ; Marques, E.C. 1 ; Neves, S 1. R. Alexandre

Leia mais

O Conceito de Corrosão Engenharia SACOR, setembro/1999

O Conceito de Corrosão Engenharia SACOR, setembro/1999 O Conceito de Corrosão Engenharia SACOR, setembro/1999 A corrosão é a deterioração de metais e ligas por ação química do meio ambiente. Sendo este meio a água do mar ou o solo, metais e ligas que nele

Leia mais

ANÁLISE DE DESCONTINUIDADES EM REVESTIMENTOS DE CARBETOS SOBRE AÇO. Haroldo de Araújo Ponte UNIVERSIDADE FEDER AL DO PARANÁ LESC

ANÁLISE DE DESCONTINUIDADES EM REVESTIMENTOS DE CARBETOS SOBRE AÇO. Haroldo de Araújo Ponte UNIVERSIDADE FEDER AL DO PARANÁ LESC ANÁLISE DE DESCONTINUIDADES EM REVESTIMENTOS DE CARBETOS SOBRE AÇO Haroldo de Araújo Ponte UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ LESC hponte@engquim.ufpr.br Lígia Fernanda Kaefer UNIVERSIDADE FEDER AL DO PARANÁ

Leia mais

Rem: Revista Escola de Minas ISSN: Escola de Minas Brasil

Rem: Revista Escola de Minas ISSN: Escola de Minas Brasil Rem: Revista Escola de Minas ISSN: 0370-4467 editor@rem.com.br Escola de Minas Brasil Anunziato, Priscila; Tussolini, Martha; Caparica, Rebeca; Furstenberger, Cynthia Beatriz; Pinto Rodrigues, Paulo Rogério

Leia mais

ESTUDO DO EFEITO DO TEOR DE TUNGSTÊNIO SOBRE A RESISTÊNCIA À CORROSÃO DE FILMES DE Ni-W-P OBTIDOS POR DEPOSIÇÃO QUÍMICA

ESTUDO DO EFEITO DO TEOR DE TUNGSTÊNIO SOBRE A RESISTÊNCIA À CORROSÃO DE FILMES DE Ni-W-P OBTIDOS POR DEPOSIÇÃO QUÍMICA ESTUDO DO EFEITO DO TEOR DE TUNGSTÊNIO SOBRE A RESISTÊNCIA À CORROSÃO DE FILMES DE Ni-W-P OBTIDOS POR DEPOSIÇÃO QUÍMICA Bardia Ett (Electrocell Ind. Com. de Equipamentos Elétricos LTDA Brasil)*, Gerhard

Leia mais

EVALUATION OF SENSITIZATION OF FERRITICS STAINLESS STEELS STABILIZED AND NOT STABILIZED USING ELECTROCHEMICAL TECHNIQUES IN SULPHURIC ENVIRONMENT

EVALUATION OF SENSITIZATION OF FERRITICS STAINLESS STEELS STABILIZED AND NOT STABILIZED USING ELECTROCHEMICAL TECHNIQUES IN SULPHURIC ENVIRONMENT doi: 10.4322/tmm.00302008 AVALIAÇÃO DA SENSITIZAÇÃO EM AÇOS INOXIDÁVEIS FERRÍTICOS ESTABILIZADOS E NÃO ESTABILIZADOS USANDO-SE A TÉCNICA REATIVAÇÃO ELETROQUÍMICA POTENCIOCINÉTICA EM MEIO SULFÚRICO Resumo

Leia mais

ESTUDO DA SENSITIZAÇÃO CAUSADA PELO CICLO TÉRMICO DE SOLDAGEM NO AÇO INOXIDÁVEL SUPERFERRÍTICO AISI 444

ESTUDO DA SENSITIZAÇÃO CAUSADA PELO CICLO TÉRMICO DE SOLDAGEM NO AÇO INOXIDÁVEL SUPERFERRÍTICO AISI 444 ESTUDO DA SENSITIZAÇÃO CAUSADA PELO CICLO TÉRMICO DE SOLDAGEM NO AÇO INOXIDÁVEL SUPERFERRÍTICO AISI 444 Cleiton Carvalho Silva 1, João Paulo Sampaio Eufrásio Machado 1, Hosiberto Batista de Sant Ana 2,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DE AÇOS INOXIDÁVEIS SUBMETIDAS A CICLOS DE FADIGA TÉRMICA.

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DE AÇOS INOXIDÁVEIS SUBMETIDAS A CICLOS DE FADIGA TÉRMICA. AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DE AÇOS INOXIDÁVEIS SUBMETIDAS A CICLOS DE FADIGA TÉRMICA. Rodrigo Freitas Guimarães 1, José Airton Lima Torres 2, George Luiz Gomes de Oliveira 3, Hélio Cordeiro de

Leia mais

FATORES QUE PODEM IMPLICAR EM FALHAS PREMATURAS DE PINTURA INTERNA in situ DE DUTOS 2006

FATORES QUE PODEM IMPLICAR EM FALHAS PREMATURAS DE PINTURA INTERNA in situ DE DUTOS 2006 FATORES QUE PODEM IMPLICAR EM FALHAS PREMATURAS DE PINTURA INTERNA in situ DE DUTOS 2006 Joaquim Pereira Quintela PETROBRAS/CENPES Victor Solymossy PETROBRAS/CENPES INTRODUÇÃO Vantagens do emprego de revestimentos

Leia mais

ESTUDO DA CORROSÃO POR PITE DE NOVOS AÇOS INOXIDÁVEIS APLICADOS EM IMPLANTES ORTOPÉDICOS EM MEIO DE SOLUÇÕES DE RINGER LACTATO

ESTUDO DA CORROSÃO POR PITE DE NOVOS AÇOS INOXIDÁVEIS APLICADOS EM IMPLANTES ORTOPÉDICOS EM MEIO DE SOLUÇÕES DE RINGER LACTATO ESTUDO DA CORROSÃO POR PITE DE NOVOS AÇOS INOXIDÁVEIS APLICADOS EM IMPLANTES ORTOPÉDICOS EM MEIO DE SOLUÇÕES DE RINGER LACTATO Ruth F. V. Villamil 1 (PQ), Arnaldo H.P. de Andrade (PQ) 2, Celso A. Barbosa

Leia mais

Pilha de moedas. Introdução. Materiais Necessários

Pilha de moedas. Introdução. Materiais Necessários Intro 01 Introdução A pilha eletroquímica é um sistema constituído por anodo (eletrodo de oxidação), catodo (eletrodo de redução), eletrólito (condutor iônico) e condutor metálico (condutor de corrente

Leia mais

Eficiência na Produção de Hidrogénio por Electrólise. Paulo S.D. Brito

Eficiência na Produção de Hidrogénio por Electrólise. Paulo S.D. Brito Bioenergia Portugal 2015 Portalegre, 28/05/2015 Eficiência na Produção de Hidrogénio por Electrólise Paulo S.D. Brito 28 de Maio 2015 Tópicos 1. Enquadramento 2. Armazenamento de energia 3. Eléctrodos

Leia mais

SÍNTESE E CARACTERIZAÇÃO DE FILMES FINOS DE ZrN DEPOSITADOS EM DIFERENTES TEMPERATURAS

SÍNTESE E CARACTERIZAÇÃO DE FILMES FINOS DE ZrN DEPOSITADOS EM DIFERENTES TEMPERATURAS doi: 10.4322/tmm.2011.027 SÍNTESE E CARACTERIZAÇÃO DE FILMES FINOS DE ZrN DEPOSITADOS EM DIFERENTES TEMPERATURAS Daiane Roman 1 Juliane Bernardi 2 Cintia Lugnani Gomes de Amorim 3 Carlos Alejandro Figueroa

Leia mais

TESTES DE CORROSÃO Domingos J C Spinelli SurTec do Brasil Ltda Abril/2000

TESTES DE CORROSÃO Domingos J C Spinelli SurTec do Brasil Ltda Abril/2000 TESTES DE CORROSÃO Domingos J C Spinelli SurTec do Brasil Ltda Abril/2000 1 O Teste de corrosão é a interpretação dos resultados que pode ser um dos mais controvertidos assuntos na indústria de galvanoplastia.

Leia mais

ESTUDO DA CORROSÃO NA ZAC DO AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO AISI 316L CAUSADA POR PETRÓLEO PESADO DA BACIA DE CAMPOS

ESTUDO DA CORROSÃO NA ZAC DO AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO AISI 316L CAUSADA POR PETRÓLEO PESADO DA BACIA DE CAMPOS ESTUDO DA CORROSÃO NA ZAC DO AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO AISI 316L CAUSADA POR PETRÓLEO PESADO DA BACIA DE CAMPOS Cleiton Carvalho Silva 1, José Mathias de Brito Ramos Júnior 1, João Paulo Sampaio Eufrásio

Leia mais

2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS

2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS 2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS PROTEÇÃO CONTRA A CORROSÃO MARINHA - COMPARAÇÃO DE REVESTIMENTOS DE ALUMÍNIO DEPOSITADOS POR ASPERSÃO TÉRMICA COM AR COMPRIMIDO, ARGÔNIO E NITROGÊNIO Regina

Leia mais

ELETRODO OU SEMIPILHA:

ELETRODO OU SEMIPILHA: ELETROQUÍMICA A eletroquímica estuda a corrente elétrica fornecida por reações espontâneas de oxirredução (pilhas) e as reações não espontâneas que ocorrem quando submetidas a uma corrente elétrica (eletrólise).

Leia mais

EFEITO DO REVESTIMENTO A BASE DE CONVERSÃO A BASE DE CERIO SOBRE O COMPORTAMENTO DE CORROSÃO DA LIGA DE MAGNESIO AZ91D

EFEITO DO REVESTIMENTO A BASE DE CONVERSÃO A BASE DE CERIO SOBRE O COMPORTAMENTO DE CORROSÃO DA LIGA DE MAGNESIO AZ91D EFEITO DO REVESTIMENTO A BASE DE CONVERSÃO A BASE DE CERIO SOBRE O COMPORTAMENTO DE CORROSÃO DA LIGA DE MAGNESIO AZ91D Rafael Luiz Emiliano Ferreira 1, Olandir Vercino Correa 2,*, Renato Altobelli Antunes

Leia mais

ESTUDO ELETROQUÍMICO PARA DETECTAR A CORROSÃO EM CONCRETO ARMADO DEGRADADO POR CLORETO DE SÓDIO E ÁCIDO SULFURICO. Campina Grande.

ESTUDO ELETROQUÍMICO PARA DETECTAR A CORROSÃO EM CONCRETO ARMADO DEGRADADO POR CLORETO DE SÓDIO E ÁCIDO SULFURICO. Campina Grande. ESTUDO ELETROQUÍMICO PARA DETECTAR A CORROSÃO EM CONCRETO ARMADO DEGRADADO POR CLORETO DE SÓDIO E ÁCIDO SULFURICO K. D. NERI 1, V. C. P. VITORINO 2, E.O.VILAR 3 e G.R.MEIRA 4 1 UAEQ - Mestranda do Programa

Leia mais

CQ049 FQ IV Eletroquímica. www.quimica.ufpr.br/mvidotti. Terça/Quarta: 15:30 17:30

CQ049 FQ IV Eletroquímica. www.quimica.ufpr.br/mvidotti. Terça/Quarta: 15:30 17:30 CQ049 FQ IV Eletroquímica prof. Dr. Marcio Vidotti LEP Laboratório de Eletroquímica e Polímeros mvidotti@ufpr.br www.quimica.ufpr.br/mvidotti Terça/Quarta: 15:30 17:30 Espontaneidade de reações eletroquímicas

Leia mais

INFLUÊNCIA DOS PARÂMETROS DE DEPOSIÇÃO NA PROTEÇÃO CONTRA COR- ROSÃO DE TiN DEPOSITADOS POR BIASED MAGNETRON SPUTTERING

INFLUÊNCIA DOS PARÂMETROS DE DEPOSIÇÃO NA PROTEÇÃO CONTRA COR- ROSÃO DE TiN DEPOSITADOS POR BIASED MAGNETRON SPUTTERING Revista Brasileira de Aplicações de Vácuo, v. 25, n. 3, 135-14, 26. 26 INFLUÊNCIA DOS PARÂMETROS DE DEPOSIÇÃO NA PROTEÇÃO CONTRA COR- ROSÃO DE TiN DEPOSITADOS POR BIASED MAGNETRON SPUTTERING A.F. Feil;

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE CORROSÃO EM FOLHAS-DE-FLANDRES COM E SEM REVESTIMENTO ORGÂNICO INTERNO, UTILIZADAS EM CONSERVAS DE PÊSSEGOS.

AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE CORROSÃO EM FOLHAS-DE-FLANDRES COM E SEM REVESTIMENTO ORGÂNICO INTERNO, UTILIZADAS EM CONSERVAS DE PÊSSEGOS. AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE CORROSÃO EM FOLHAS-DE-FLANDRES COM E SEM REVESTIMENTO ORGÂNICO INTERNO, UTILIZADAS EM CONSERVAS DE PÊSSEGOS. Paulo Eduardo Masselli Bernardo Universidade Federal de Itajubá -UNIFEI

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A CORROSÃO DO Ti e Ti 6Al 4V EM PRESENÇA DE ÍONS FLUORETO

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A CORROSÃO DO Ti e Ti 6Al 4V EM PRESENÇA DE ÍONS FLUORETO ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A CORROSÃO DO Ti e Ti 6Al 4V EM PRESENÇA DE ÍONS FLUORETO Laisa Cristina Cândido Lúcio Sathler José Antônio da Cunha Ponciano Gomes UFRJ/COPPE 6 COTEQ Conferência sobre Tecnologia

Leia mais

MECANISMOS BÁSICOS DE CORROSÃO

MECANISMOS BÁSICOS DE CORROSÃO Centro Universitário de Brasília Disciplina: Química Tecnológica Geral Professor: Edil Reis MECANISMOS BÁSICOS DE CORROSÃO No estudo dos processos corrosivos devem ser sempre consideradas as variáveis

Leia mais

TECNOLOGIA DE SUPERFÍCIE TECNOLOGIA DE SUPERFÍCIES

TECNOLOGIA DE SUPERFÍCIE TECNOLOGIA DE SUPERFÍCIES TECNOLOGIA DE SUPERFÍCIES Sorocaba - SP Porto Alegre - RS Betim - MG Recife - PE R. de Janeiro - RJ A CASCADURA Simões Filho - BA Fundada em 1950, na cidade de São Paulo. Atualmente, possui 06 fábricas

Leia mais

Influence of Austenitizing Temperature On the Microstructure and Mechanical Properties of AISI H13 Tool Steel.

Influence of Austenitizing Temperature On the Microstructure and Mechanical Properties of AISI H13 Tool Steel. Influence of Austenitizing Temperature On the Microstructure and Mechanical Properties of AISI H13 Tool Steel. Lauralice de C. F. Canale 1 George Edward Totten 2 João Carmo Vendramim 3 Leandro Correa dos

Leia mais

Tratamentos Térmicos dos Aços Ferramenta Um Ensaio

Tratamentos Térmicos dos Aços Ferramenta Um Ensaio Tratamentos Térmicos dos Aços Ferramenta Um Ensaio Dr. Carlos Eduardo Pinedo Diretor Técnico 1. Considerações Iniciais Aços Ferramenta Dentre os diferentes materiais utilizados pelo homem em seu cotidiano,

Leia mais

TESTES REFERENTES A PARTE 1 DA APOSTILA FUNDAMENTOS DA CORROSÃO INDIQUE SE AS AFIRMAÇÕES A SEGUIR ESTÃO CERTAS OU ERRADAS

TESTES REFERENTES A PARTE 1 DA APOSTILA FUNDAMENTOS DA CORROSÃO INDIQUE SE AS AFIRMAÇÕES A SEGUIR ESTÃO CERTAS OU ERRADAS TESTES REFERENTES A PARTE 1 DA APOSTILA FUNDAMENTOS DA CORROSÃO INDIQUE SE AS AFIRMAÇÕES A SEGUIR ESTÃO CERTAS OU ERRADAS 1) Numa célula eletroquímica a solução tem que ser um eletrólito, mas os eletrodos

Leia mais

Jéferson Egner de Moraes et al. Corrosão microbiológica do aço inoxidável austenítico 316 em Na 2

Jéferson Egner de Moraes et al. Corrosão microbiológica do aço inoxidável austenítico 316 em Na 2 Jéferson Egner de Moraes et al. INOX: Corrosão Corrosão microbiológica do aço inoxidável austenítico 316 em Na 2 0,5 mol L -1 na ausência e presença de Escherichia coli (Microbiological corrosion of 316

Leia mais

Nº COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 174029.1 Corrosão galvânica do par aço-carbono/aço inoxidável em ácido sulfúrico concentrado. Claudete Silva Barbosa Neusvaldo Lira de Almeida Gutemberg de Souza Pimenta Robson Rodrigues

Leia mais

PROJETOS EM INSTRUMENTAÇÃO E AUTOMAÇÃO INSTRUMENTAÇÃO - TEMPERATURA

PROJETOS EM INSTRUMENTAÇÃO E AUTOMAÇÃO INSTRUMENTAÇÃO - TEMPERATURA MÉTODO DE MEDIÇÃO Podemos dividir os medidores de temperatura em dois grandes grupos, conforme a tabela abaixo: 1º grupo (contato direto) Termômetro à dilatação de líquidos de sólido Termômetro à pressão

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA E CIÊNCIA DE MATERIAIS ALESSANDRA SOUZA MARTINS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA E CIÊNCIA DE MATERIAIS ALESSANDRA SOUZA MARTINS UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA E CIÊNCIA DE MATERIAIS ALESSANDRA SOUZA MARTINS ESTUDO COMPARATIVO DA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DOS AÇOS INOXIDÁVEIS

Leia mais

4. RESULTADOS & DISCUSSÃO

4. RESULTADOS & DISCUSSÃO 6 4. RESULTADOS & DISCUSSÃO 4. Estudo do comportamento da decomposição total para o precursor na fase (Bi, Pb)- Obs. As amostras desta seção foram as resultantes de tratamento feito por DTA/TGA, e foram

Leia mais

OBTENÇÃO DE ÓXIDO DE ESTANHO ATRAVÉS DE HIDRÓLISE CONTROLADA SnCl 2 A.G. RAMALHÃO (1), E.R. LEITE (1), E. LONGO (1), J.A.

OBTENÇÃO DE ÓXIDO DE ESTANHO ATRAVÉS DE HIDRÓLISE CONTROLADA SnCl 2 A.G. RAMALHÃO (1), E.R. LEITE (1), E. LONGO (1), J.A. OBTENÇÃO DE ÓXIDO DE ESTANHO ATRAVÉS DE HIDRÓLISE CONTROLADA SnCl 2 A.G. RAMALHÃO (1), E.R. LEITE (1), E. LONGO (1), J.A. VARELA (2) (1) UFSCar CMDMC-LIEC-DQ, (2) UNESP CMDMC-LIEC-IQ RESUMO Os estudos

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DE FORMAÇÃO DA AUSTENITA EXPANDIDA NA NITRETAÇÃO POR PLASMA DO AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO AISI 316 GRAU ASTM F138

CARACTERÍSTICAS DE FORMAÇÃO DA AUSTENITA EXPANDIDA NA NITRETAÇÃO POR PLASMA DO AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO AISI 316 GRAU ASTM F138 CARACTERÍSTICAS DE FORMAÇÃO DA AUSTENITA EXPANDIDA NA NITRETAÇÃO POR PLASMA DO AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO AISI 316 GRAU ASTM F138 R. R. Caetano (1), A. R. Franco Jr. (2), C. E. Pinedo (1) (1) Núcleo de

Leia mais

TECNOLOGIA DOS MATERIAIS

TECNOLOGIA DOS MATERIAIS TECNOLOGIA DOS MATERIAIS Aula 7: Tratamentos em Metais Térmicos Termoquímicos CEPEP - Escola Técnica Prof.: Transformações - Curva C Curva TTT Tempo Temperatura Transformação Bainita Quando um aço carbono

Leia mais

Rem: Revista Escola de Minas ISSN: Escola de Minas Brasil

Rem: Revista Escola de Minas ISSN: Escola de Minas Brasil Rem: Revista Escola de Minas ISSN: 0370-4467 editor@rem.com.br Escola de Minas Brasil Egner de Moraes, Jéferson; Spagnol, Cristiane; Tussolini, Martha; Rodrigues, Paulo Rogério P.; Furstenberger, Cynthia

Leia mais

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer MODIFICAÇÃO SUPERFICIAL DE CERÂMICAS ZrO 2(1-X) -MgO (x) (0 X Mg 1) SINTETIZADAS PELO MÉTODO PECHINI P. J. B. Marcos * e D. Gouvêa ** * Mestre em Engenharia de Materiais pelo Departamento de Engenharia

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO QUÍMICA CADERNO DE QUESTÕES 2014/2015

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO QUÍMICA CADERNO DE QUESTÕES 2014/2015 Informações de Tabela Periódica CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO QUÍMICA CADERNO DE QUESTÕES 2014/2015 Folha de Dados Elemento H C N O F Al Cl Zn Sn I Massa atômica (u) 1,00 12,0 14,0

Leia mais

Pág. 1. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO - COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - PROGRAD CONCURSO VESTIBULAR 2009 2ª Fase PROVA DE QUÍMICA

Pág. 1. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO - COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - PROGRAD CONCURSO VESTIBULAR 2009 2ª Fase PROVA DE QUÍMICA Questão 1: As bebidas alcoólicas contêm etanol e podem ser obtidas pela destilação do álcool (ex. whiskey e vodka) ou pela fermentação de uma variedade de produtos como frutas e outros vegetais (ex. vinho

Leia mais

Utilização de aços inoxidáveis em implantes

Utilização de aços inoxidáveis em implantes Utilização de aços inoxidáveis em implantes Buss GAM 1 ; Donath KS 2 ; Vicente MG 1 1 Unidade de Tecnovigilância NUVIG/Anvisa 2 Gerência de Materiais GGTPS/Anvisa Introdução Os requisitos gerais para a

Leia mais

2 Deposição por PVD. 2.1. Introdução. 2.2. Processos de erosão

2 Deposição por PVD. 2.1. Introdução. 2.2. Processos de erosão 2 Deposição por PVD 2.1. Introdução Pretendemos fazer uma pequena revisão da física da erosão induzida por íons energéticos (sputtering), os processos físicos que acontecem nas interações na superfície

Leia mais

Química experimental - Unidade mestra para química geral e eletroquímica - Volume 2 - Físico-química - EQ102A.

Química experimental - Unidade mestra para química geral e eletroquímica - Volume 2 - Físico-química - EQ102A. Autores: Luiz Antonio Macedo Ramos e Rosane Bittencourt Wirth. - Revisor: Leandro dos Santos Silveira - Direitos autorais reservados Índice Remissivo... 4 9999.994... 6 Instruções para o professor....6

Leia mais

GRUPO II GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO TÉRMICA E FONTES NÃO CONVENCIONAIS

GRUPO II GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO TÉRMICA E FONTES NÃO CONVENCIONAIS SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPT 26 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO II GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO TÉRMICA E FONTES NÃO CONVENCIONAIS MINIMIZAÇÃO

Leia mais

Laboratório de Eletroquímica e Eletroanalítica (634 A) Instituto de Química UFRJ. Profa. Eliane D Elia

Laboratório de Eletroquímica e Eletroanalítica (634 A) Instituto de Química UFRJ. Profa. Eliane D Elia Laboratório de Eletroquímica e Eletroanalítica (634 A) Departamento de Química Inorgânica Instituto de Química UFRJ Profa. Eliane D Elia Linhas de Pesquisa: Corrosão Dissolução metálica Inibidores de Corrosão

Leia mais

Linha Telecom m Teleco

Linha Telecom m Teleco Linha Telecom Telecom Linha Telecom Esteiras para telecomunicações... 93 Sistema para condução e distribuição do cabeamento, constituído de barra chata de aço carbono, muito utilizado como solução no cabeamento

Leia mais

Planejamento experimental no estudo eletroquímico de camadas de óxido de nióbio em liga de alumínio 3003

Planejamento experimental no estudo eletroquímico de camadas de óxido de nióbio em liga de alumínio 3003 Cerâmica 60 (2014) 417-424 417 Planejamento experimental no estudo eletroquímico de camadas de óxido de nióbio em liga de alumínio 3003 (Experimental design for electrochemistry study of niobium oxide

Leia mais

ESTUDO DAS TRANSFORMAÇÕES DE FASE EM COBERTURAS CERÂMICAS DEPOSITADAS ATRAVÉS DE PLASMA-SPRAY

ESTUDO DAS TRANSFORMAÇÕES DE FASE EM COBERTURAS CERÂMICAS DEPOSITADAS ATRAVÉS DE PLASMA-SPRAY ESTUDO DAS TRANSFORMAÇÕES DE FASE EM COBERTURAS CERÂMICAS DEPOSITADAS ATRAVÉS DE PLASMA-SPRAY (1) Carmo Roberto Pelliciari de Lima, (2) Cecília Amélia de Carvalho Zavaglia Departamento de Engenharia de

Leia mais

Soldabilidade de Metais. Soldagem II

Soldabilidade de Metais. Soldagem II Soldabilidade de Metais Soldagem II Soldagem de Ligas Metálicas A American Welding Society (AWS) define soldabilidade como a capacidade de um material ser soldado nas condições de fabricação impostas por

Leia mais

ESTUDO DO COMPORTAMENTO TÉRMICO DA LIGA Cu-7%Al-10%Mn-3%Ag (m/m) *camilaandr@gmail.com

ESTUDO DO COMPORTAMENTO TÉRMICO DA LIGA Cu-7%Al-10%Mn-3%Ag (m/m) *camilaandr@gmail.com ESTUDO DO COMPORTAMENTO TÉRMICO DA LIGA Cu-7%Al-10%Mn-3%Ag (m/m) C. M. A. Santos (PG) 1*, R. A. G. Silva (PQ) 2, A.T. Adorno (PQ) 1 e T. M. Carvalho (PG) 1 1 IQ, Universidade Estadual Paulista, Campus

Leia mais

2. Resultados. 2.1 A Deposição dos Filmes de Diamante

2. Resultados. 2.1 A Deposição dos Filmes de Diamante 1. Introdução O presente relatório apresenta os resultados referentes ao trabalho experiemental desenvolvido no periodo de março a Junho de 29. O trabalho foi desenvolvido nos laboratórios do grupo DIMARE

Leia mais

ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3. ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE...

ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3. ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE... ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3 ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE... 5 FUNDAMENTOS DOS TRATAMENTOS TÉRMICOS DAS LIGAS FERROSAS

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP. Tecnologia Mecânica

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP. Tecnologia Mecânica CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP Tecnologia Mecânica Tratamentos térmicos e termo-químicos Recozimento Normalização Têmpera Revenimento Cementação Nitretação Tratamentos Térmicos

Leia mais

ESTUDO DO REVESTIMENTO DE CONVERSÃO À BASE DE ZIRCÔNIO COMO REVESTIMENTO DE CONVERSÃO EM AÇO GALVANIZADO

ESTUDO DO REVESTIMENTO DE CONVERSÃO À BASE DE ZIRCÔNIO COMO REVESTIMENTO DE CONVERSÃO EM AÇO GALVANIZADO ESTUDO DO REVESTIMENTO DE CONVERSÃO À BASE DE ZIRCÔNIO COMO REVESTIMENTO DE CONVERSÃO EM AÇO GALVANIZADO G. Zaro; J. Z. Ferreira ¹LACOR UFRGS, Mestrando ; ²LACOR- UFRGS, Doutora gustavo.zaro@gmail.com

Leia mais

Resolução: 0,86ºC. x = 0,5 mol etanol/kg acetona. 0,5 mol 1000 g de acetona. 200 g de acetona. y = 0,1 mol de etanol. 1 mol de etanol (C 2 H 6 O) 46 g

Resolução: 0,86ºC. x = 0,5 mol etanol/kg acetona. 0,5 mol 1000 g de acetona. 200 g de acetona. y = 0,1 mol de etanol. 1 mol de etanol (C 2 H 6 O) 46 g (ACAFE) Foi dissolvida uma determinada massa de etanol puro em 200 g de acetona acarretando em um aumento de 0,86 C na temperatura de ebulição da acetona. Dados: H: 1 g/mol, C: 12 g/mol, O: 16 g/mol. Constante

Leia mais

DETECÇÃO DE PEQUENOS TEORES DE FASE SIGMA E AVALIAÇÃO DOS SEUS EFEITOS NA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DO AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX UNS S31803

DETECÇÃO DE PEQUENOS TEORES DE FASE SIGMA E AVALIAÇÃO DOS SEUS EFEITOS NA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DO AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX UNS S31803 DETECÇÃO DE PEQUENOS TEORES DE FASE SIGMA E AVALIAÇÃO DOS SEUS EFEITOS NA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DO AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX UNS S31803 Sérgio Souto Maior Tavares 1 Jorge Luiz Guerreiro de Castro 1 Raissa

Leia mais

"A vantagem do alumínio"

A vantagem do alumínio "A vantagem do alumínio" Comparativo entre os Evaporadores para Amônia fabricados com tubos de alumínio e os Evaporadores fabricados com tubos de aço galvanizado Os evaporadores usados em sistemas de amônia

Leia mais

ELETROOXIDAÇÃO DOS CORANTES REATIVOS AZUL BF-5G E VERMELHO BF-4B UTILIZANDO ELETRODOS DE TITÂNIO PLATINADO

ELETROOXIDAÇÃO DOS CORANTES REATIVOS AZUL BF-5G E VERMELHO BF-4B UTILIZANDO ELETRODOS DE TITÂNIO PLATINADO ELETROOXIDAÇÃO DOS CORANTES REATIVOS AZUL BF-5G E VERMELHO BF-4B UTILIZANDO ELETRODOS DE TITÂNIO PLATINADO R. S. CUNHA 1, G. P. SILVA 1, R. H. L. LEITE 1 1 Universidade Federal Rural do Semiárido, Departamento

Leia mais

Lista de exercícios de Química Correção da Revisão para a 2ª Avaliação de Química: Pilhas

Lista de exercícios de Química Correção da Revisão para a 2ª Avaliação de Química: Pilhas Nome: Bimestre: 3º Ano / série: 2ª série Ensino: Médio Componente Curricular: Química Professor: Ricardo Honda Data: / / 2011 1. Considere o esquema a seguir e responda: Lista de exercícios de Química

Leia mais

V 2 O 5 /TiO 2, especificamente, o vanádio encontra-se altamente disperso. Os resultados de XPS indicaram a presença de íons V 4+ e V 5+ nos

V 2 O 5 /TiO 2, especificamente, o vanádio encontra-se altamente disperso. Os resultados de XPS indicaram a presença de íons V 4+ e V 5+ nos Resumo Os óxidos mistos V 2 O 5 /SiO 2, V 2 O 5 /TiO 2 e V 2 O 5 /Al 2 O 3 foram sintetizados pelo método sol-gel, bem como seus correspondentes óxidos puros, SiO 2, TiO 2 e Al 2 O 3. Os óxidos mistos

Leia mais

B) (até três pontos) Para os pares de espécies apresentados em i, ii e iii, tem-se, respectivamente, Al +, F - e Li.

B) (até três pontos) Para os pares de espécies apresentados em i, ii e iii, tem-se, respectivamente, Al +, F - e Li. Química 1. O raio atômico (ou iônico) é uma propriedade periódica que exerce grande influência na reatividade dos átomos (ou dos íons). A) Explique, em termos de carga nuclear efetiva, a variação apresentada

Leia mais

Sistema Duplex. Vantagens e Aplicações. Luiza Abdala (luiza.abdala@vmetais.com.br) Engenheira Química - Desenvolvimento de Mercado

Sistema Duplex. Vantagens e Aplicações. Luiza Abdala (luiza.abdala@vmetais.com.br) Engenheira Química - Desenvolvimento de Mercado Sistema Duplex Vantagens e Aplicações Luiza Abdala (luiza.abdala@vmetais.com.br) Engenheira Química - Desenvolvimento de Mercado METALURGIA Corrosão Tendência que os materiais têm de retornar ao seu estado

Leia mais

SOUZA, C.S. a*, ANTUNES, M.L.P. a, DALLA VALENTINA, L.V.O. b, RANGEL, E.C. a, CRUZ, N.C. a. a. UNESP, Sorocaba, São Paulo

SOUZA, C.S. a*, ANTUNES, M.L.P. a, DALLA VALENTINA, L.V.O. b, RANGEL, E.C. a, CRUZ, N.C. a. a. UNESP, Sorocaba, São Paulo Avaliação da viabilidade de produção de revestimentos cerâmicos a partir de resíduo gerado no processo de fundição, utilizando plasma eletrolítico de oxidação em liga de alumínio. SOUZA, C.S. a*, ANTUNES,

Leia mais

RESISTÊNCIA À CORROSÃO DE AÇO GALVANIZADO E DE AÇO ELETRODEPOSITADO COM ZnFe REVESTIDO POR RESINAS DE SILICONE

RESISTÊNCIA À CORROSÃO DE AÇO GALVANIZADO E DE AÇO ELETRODEPOSITADO COM ZnFe REVESTIDO POR RESINAS DE SILICONE RESISTÊNCIA À CORROSÃO DE AÇO GALVANIZADO E DE AÇO ELETRODEPOSITADO COM ZnFe REVESTIDO POR RESINAS DE SILICONE M.E.P.Souza 1,2*, E.Ariza 2, M.Ballester 3, I.V.P.Yoshida 4, L.A. Rocha 2,5, C.M.A.Freire

Leia mais

AVALIAÇÃO DO EFEITO DE INIBIDORES NA RESISTÊNCIA A CORROSÃO DE AÇO DE CONSTRUÇÃO CIVIL

AVALIAÇÃO DO EFEITO DE INIBIDORES NA RESISTÊNCIA A CORROSÃO DE AÇO DE CONSTRUÇÃO CIVIL AVALIAÇÃO DO EFEITO DE INIBIDORES NA RESISTÊNCIA A CORROSÃO DE AÇO DE CONSTRUÇÃO CIVIL Marina M. Mennucci, Fernando M. dos Reis, Lucia H. Higa, Isolda Costa Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares,

Leia mais

RECOBRIMENTO DE HIDROXIAPATITA EM AÇOS INOXIDÁVEIS AUSTENÍTICOS PELO MÉTODO BIOMIMÉTICO

RECOBRIMENTO DE HIDROXIAPATITA EM AÇOS INOXIDÁVEIS AUSTENÍTICOS PELO MÉTODO BIOMIMÉTICO RECOBRIMENTO DE HIDROXIAPATITA EM AÇOS INOXIDÁVEIS AUSTENÍTICOS PELO MÉTODO BIOMIMÉTICO V. M. Dias, A. L. M Maia Filho, G. Silva, E. de Sousa, K.R. Cardoso Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento IP&D

Leia mais

22º CBECiMat - Congresso Brasileiro de Engenharia e Ciência dos Materiais 06 a 10 de Novembro de 2016, Natal, RN, Brasil

22º CBECiMat - Congresso Brasileiro de Engenharia e Ciência dos Materiais 06 a 10 de Novembro de 2016, Natal, RN, Brasil INVESTIGAÇÃO SOBRE O EFEITO DA TAXA DE VARREDURA DO ENSAIO DE POLARIZAÇÃO POTENCIODINÂMICA E DA CONCENTRAÇÃO DE ÍONS CLORETO SOBRE O COMPORTAMENTO DE CORROSÃO DO AÇO INOXIDÁVEL AISI 304 Mara Cristina Lopes

Leia mais

ELETRODEPOSIÇÃO DE FILMES DE POLIPIRROL EM MEIO ORGÂNICO CONTENDO ÁCIDO FOSFÓRICO. Rua Pedro Vicente, 625, , Canindé, São Paulo

ELETRODEPOSIÇÃO DE FILMES DE POLIPIRROL EM MEIO ORGÂNICO CONTENDO ÁCIDO FOSFÓRICO. Rua Pedro Vicente, 625, , Canindé, São Paulo ELETRODEPOSIÇÃO DE FILMES DE POLIPIRROL EM MEIO ORGÂNICO CONTENDO ÁCIDO FOSFÓRICO R. B. Hilario 1*, K. M. Bezerra¹, A. S. Liu 1, L. Y. Cho 2 Rua Pedro Vicente, 625, 01109-010, Canindé, São Paulo * rodrigobarbosahilario@gmail.com

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ESPESSURA, DUREZA E RESISTÊNCIA A CORROSÃO DE UMA CAMADA ANÓDICA COLORIDA

AVALIAÇÃO DA ESPESSURA, DUREZA E RESISTÊNCIA A CORROSÃO DE UMA CAMADA ANÓDICA COLORIDA AVALIAÇÃO DA ESPESSURA, DUREZA E RESISTÊNCIA A CORROSÃO DE UMA CAMADA ANÓDICA COLORIDA N. N. Regone UNESP/Campus de São João da Boa Vista Avenida Doutor Octávio da Silva Bastos -2439 Jardim Nova São João

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM REVESTIMENTO A BASE DE NIÓBIO PARA PROTEÇÃO CONTRA CORROSÃO DE AÇO-CARBONO (SAE 1020)

DESENVOLVIMENTO DE UM REVESTIMENTO A BASE DE NIÓBIO PARA PROTEÇÃO CONTRA CORROSÃO DE AÇO-CARBONO (SAE 1020) DESENVOLVIMENTO DE UM REVESTIMENTO A BASE DE NIÓBIO PARA PROTEÇÃO CONTRA CORROSÃO DE AÇO-CARBONO (SAE 1020) Brian Utri a, Everson do Prado Banczek b, Guilherme Arielo Rodrigues Maia c e Paloma Detlinger

Leia mais

Capítulo 4. Resultados e Discussão

Capítulo 4. Resultados e Discussão Capítulo 4 Resultados e Discussão Os filmes poliméricos foram estudados por diferentes técnicas experimentais capazes de determinar a concentração de PHAmcl na superfície, sua influência na morfologia

Leia mais

FILMES FINOS DE ÓXIDO DE CROMO PARA PROTEÇÃO DE HASTES DE BOMBEIO DO ATAQUE CORROSIVO DO CO 2. 49100-000 São Cristóvão SE E-mail: mmacedo@ufs.

FILMES FINOS DE ÓXIDO DE CROMO PARA PROTEÇÃO DE HASTES DE BOMBEIO DO ATAQUE CORROSIVO DO CO 2. 49100-000 São Cristóvão SE E-mail: mmacedo@ufs. FILMES FINOS DE ÓXIDO DE CROMO PARA PROTEÇÃO DE HASTES DE BOMBEIO DO ATAQUE CORROSIVO DO CO 2 R. M. Silva a, M. A. Macêdo a, F. C. Cunha a, J. M. Sasaki b G. S. Pimenta c, F. A. C. Oliveira d a Universidade

Leia mais

Rem: Revista Escola de Minas ISSN: 0370-4467 editor@rem.com.br Escola de Minas Brasil

Rem: Revista Escola de Minas ISSN: 0370-4467 editor@rem.com.br Escola de Minas Brasil Rem: Revista Escola de Minas ISSN: 0370-4467 editor@rem.com.br Escola de Minas Brasil Santos, Fabricio Simão dos; Gheno, Simoni Maria; Kuri, Sebastião Elias Microscopia de varredura por sonda (SPM) aplicada

Leia mais

EFEITO DE MOLÉCULAS AUTO-ORGANIZÁVEIS NA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DA LIGA AA2024-T3

EFEITO DE MOLÉCULAS AUTO-ORGANIZÁVEIS NA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DA LIGA AA2024-T3 EFEITO DE MOLÉCULAS AUTO-ORGANIZÁVEIS NA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DA LIGA AA2024-T3 Resumo doi: 10.4322/tmm.00603002 Solange de Souza 1 Daniel Sierra Yoshikawa 2 Sérgio Luiz de Assis 3 Wagner Izaltino Alves

Leia mais

REVESTIMENTOS DE LIGA NiCrMo-4 APLICADOS EM TUBO DE AÇO CARBONO. PARTE 2: COMPOSIÇÃO QUÍMICA E RESISTÊNCIA À CORROSÃO

REVESTIMENTOS DE LIGA NiCrMo-4 APLICADOS EM TUBO DE AÇO CARBONO. PARTE 2: COMPOSIÇÃO QUÍMICA E RESISTÊNCIA À CORROSÃO REVESTIMENTOS DE LIGA NiCrMo-4 APLICADOS EM TUBO DE AÇO CARBONO. PARTE 2: COMPOSIÇÃO QUÍMICA E RESISTÊNCIA À CORROSÃO Marcos Mesquita da Silva 1 ; Clarice Oliveira da Rocha 2 ; Renato Alexandre Costa de

Leia mais

TTT 2012 - VI Conferência Brasileira sobre Temas de Tratamento Térmico 17 a 20 de Junho de 2012, Atibaia, SP, Brasil

TTT 2012 - VI Conferência Brasileira sobre Temas de Tratamento Térmico 17 a 20 de Junho de 2012, Atibaia, SP, Brasil ESTUDO COMPARATIVO ENTRE O TRATAMENTO TÉRMICO A VÁCUO E O TRATAMENTO TÉRMICO POR BRASAGEM REALIZADO EM AÇO INOXIDÁVEL M340 APLICADO A INSTRUMENTAIS CIRÚRGICOS R. L. Ciuccio 1, V. Pastoukhov 2, M.D.D. NEVES

Leia mais

corrosão em concreto armado atacados por SO e Cl

corrosão em concreto armado atacados por SO e Cl Artigo Técnico 18 Aplicação da técnica de polarização linear para detectar - - corrosão em concreto armado atacados por SO e Cl 1 2 3 4 5 Helton G. Alves, Kátya D. Neri,Pablo R. R. Ferreira, Eudésio O.

Leia mais

INFLUÊNCIA DA FOSFATIZAÇÃO NA PROTEÇÃO DO ALUMÍNIO 2024 POR FILMES DE POLIPIRROL

INFLUÊNCIA DA FOSFATIZAÇÃO NA PROTEÇÃO DO ALUMÍNIO 2024 POR FILMES DE POLIPIRROL INFLUÊNCIA DA FOSFATIZAÇÃO NA PROTEÇÃO DO ALUMÍNIO 2024 POR FILMES DE POLIPIRROL M. R. Ygei 1*, K. M. Bezerra 1, M. de Aquino 1, A. S. Liu 1, L. Y. Cho 2 Rua Pedro Vicente, 625, 01109-010, Canindé, São

Leia mais

CORROSÃO. Química Geral Prof a. Dr a. Carla Dalmolin

CORROSÃO. Química Geral Prof a. Dr a. Carla Dalmolin CORROSÃO Química Geral Prof a. Dr a. Carla Dalmolin CORROSÃO - DEFINIÇÃO Ferrugem Deterioração Oxidação Perda de material ASTM G15: Reação química ou eletroquímica entre um material (geralmente metálico)

Leia mais