RECUPERABILIDADE DE ATIVOS UM DESAFIO PARA AS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS: UMA APLICAÇÃO EMPÍRICA NAS EMPRESAS COMERCIAIS DO MUNICÍPIO DE ICONHA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RECUPERABILIDADE DE ATIVOS UM DESAFIO PARA AS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS: UMA APLICAÇÃO EMPÍRICA NAS EMPRESAS COMERCIAIS DO MUNICÍPIO DE ICONHA"

Transcrição

1 RECUPERABILIDADE DE ATIVOS UM DESAFIO PARA AS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS: UMA APLICAÇÃO EMPÍRICA NAS EMPRESAS COMERCIAIS DO MUNICÍPIO DE ICONHA IMPAIRMENT OF ASSETS - A CHALLENGE FOR SMALL AND MEDIUM-SIZED ENTERPRISES: AN EMPIRICAL APPLICATION IN THE COMMERCIAL ENTERPRISES OF THE ICONHA CITY Eliane Coelho Vassoler Reis 1 Professor/Orientador: Hercules Vander de Lima Freire 2 MBA em Controladoria e Finanças Empresariais Cachoeiro De Itapemirim/ES 2013 RESUMO O presente artigo expõe uma discussão sobre os desafios na aplicação do teste de recuperabilidade de ativos para pequenas e médias empresas, que surgiu após aprovação da Lei /07 e Lei /09. Para isso, buscou-se inicialmente explicar o conceito de recuperabilidade de ativos e sua inserção no Brasil, considerou-se em seguida, três fatores capazes de retardar a aplicação do teste nos pequenos e médios empreendimentos, tais como: Ausência de técnicas de gestão nos pequenos negócios, falhas de percepção qualitativa advinda dos profissionais de contabilidade e custo da informação X benefício gerado. Desta forma, por meio de um levantamento bibliográfico e pesquisa empírica, notou-se que a falta de gestão aprimorada pode retardar ou dificultar a aplicação do teste, cabe aos profissionais de contabilidade assumir uma nova postura diante do atual cenário contábil, a fim de, gerar informações com maior qualidade e confiabilidade. Por outro lado, cabe ao contabilista informar e instruir aos pequenos empresários sobre a realização do teste de recuperabilidade de ativos. Palavras chave: Teste de recuperabilidade, ativos, pequenas e medias empresas. 1 Graduada em Ciências Contábeis pela Faculdade Pitágoras de Guarapari/ES, Pós Graduando em Controladoria e Finanças Empresariais pelo Centro Universitário São Camilo. 2 Graduado em Ciências Contábeis e Direito pela Universidade de Vila Velha/ES, Mestrado em Ciências Contábeis, Pós-graduado em Direito Constitucional e Pós-graduado em Gerência Contábil. Professor Universitário de Graduação e Pós-graduação.

2 ABSTRACT This article presents a discussion on the challenges in applying the impairment test of assets to small and medium enterprises, which emerged after approval of the Law /07 and Law /09. For that, we sought initially to explain the concept of asset impairment and its insertion in Brazil, then analyzed three factors capable of delay the application of the test in small and medium enterprises, such as: Lack of management techniques in small business, failures arising qualitative perception of professional accounting and information cost X benefit generated. This manner, through a bibliographic survey, was noted, that the lack of improved management can delay or impede the implementation of the test, it is up to accounting professionals to assume a new posture given the current scenario accounting, in order to, generate information with higher quality and reliability. On the other hand, it is the accounting officer to inform and educate small business owners on the test for impairment of assets. Keywords: Impairment test, assets, small and medium-sized enterprises. INTRODUÇÃO A Globalização dos Mercados tem aumentado a demanda por transparência das informações divulgadas nos demonstrativos contábeis das empresas. O surgimento de Normas contábeis padronizadas vem contribuindo para a disponibilização de ferramentas mais confiáveis, a fim de, melhor atender aos usuários da informação. Uma das ferramentas inclusa nas normas internacionais de contabilidade inserida no Brasil a partir da Lei /07 e Lei /09, e que alteraram a legislação societária no que diz respeito à apresentação das demonstrações Contábeis, foi o teste de recuperabilidade. Este defini que as empresas avaliem seus ativos por meio do teste de recuperabilidade de ativos Impairment Test (IAS 36) 3 desta forma, nenhum ativo deve estar registrado pelo valor superior ao seu valor de recuperação, comparado ao valor de mercado ou valor de uso. Essa obrigação tem demandado estudos por parte dos profissionais de contabilidade, pois sua abrangência atinge todas as empresas brasileiras, independente de tamanho ou regime tributário. A importância deste trabalho consiste em contribuir no crescimento de pesquisas teóricas relacionadas ao assunto, pois, 3 International Accounting Standards 36. 2

3 por fazer parte de um contexto recente, ainda existem poucas publicações direcionadas ao conteúdo proposto. Pretende-se ao longo deste estudo responder a seguinte questão: Quais os desafios na aplicação do teste de recuperabilidade de ativos para as pequenas e médias empresas? A legislação exige que as empresas elaborem suas demonstrações com base nos pronunciamentos contábeis, o que consequentemente aumentará a confiabilidade das informações geradas. Entretanto, existem fatores que podem tornar-se um desafio aos pequenos empresários e dificultarem a aplicação do CPC 01_R1, que trata da recuperabilidade de ativos. O objetivo principal deste trabalho consiste em: Identificar os principais fatores que se configuram um desafio na aplicação do teste de recuperabilidade de ativos nas pequenas e médias empresas, fazendo com que as demonstrações contábeis das mesmas não atendam corretamente as normas vigentes. Para isso, foram organizados, três objetivos específicos: Demonstrar as dificuldades geradas por alguns fatores que inibem a aplicação do teste de recuperabilidade de ativos nas pequenas e médias Empresas; Criar uma discussão sobre os desafios atuais das pequenas e médias empresas decorrentes da obrigatoriedade do teste de recuperabilidade de ativos; avaliar os resultados alcançados com a pesquisa, considerando as possíveis limitações e questionamentos sobre as informações obtidas. Apesar da importância que a informação gerada pelo teste de recuperabilidade oferece, podem existir alguns fatores que dificultam a sua aplicação nas pequenas e médias empresas, tais como: Ausência de técnicas de gestão nos pequenos negócios, falhas de percepção qualitativa advinda dos profissionais contábeis e custo da informação X benefício gerado. Para uma melhor compreensão do leitor sobre o assunto, antes de expor detalhamentos sobre os fatores citados, far-se-á uma breve demonstração dos materiais e métodos utilizados, e em seguida será introduzido o conceito de recuperabilidade de ativos e sua inserção no Brasil. MATERIAIS E METODOS 3

4 Metodologia O presente trabalho trata-se, de uma pesquisa teórico-empírica, com revisão bibliográfica qualitativa de caráter exploratório. Segundo GIL (2010, p.29) A pesquisa bibliográfica é elaborada em material já publicado. Com o intuito de levantar estudos sobre o tema em questão, inicialmente realizou-se uma busca em inglês e português, e as referências encontradas foram agrupadas por assuntos sob um título genérico em função de características comuns. A escolha de pequenas e médias empresas se deu pelo fato de representarem 98% do total de empresas no Brasil segundo dados do SEBRAE 4, Essas empresas apesar de grande representatividade no cenário nacional, por empregarem parte significativa de mão-de-obra e movimentarem o mercado, enfrentam muitos desafios para acompanhar a harmonização das práticas contábeis às internacionais (SANTOS; 2012). Os procedimentos metodológicos desenvolveram-se em duas etapas. A primeira envolveu levantamentos bibliográficos acerca do assunto cujo material utilizado adveio de dados coletados em livros, anais de congressos da área, base de dados de periódicos, notícias em sites especializados, artigos, e estudo da legislação vigente. Na etapa seguinte, elaborou-se um questionário, contendo um roteiro de entrevistas, com o intuito de avaliar a existência ou não de técnicas de gestão, a percepção qualitativa advindas dos profissionais contábeis, e se a aplicação do teste de recuperabilidade de ativos vem sendo realizada pelas pequenas e médias empresas, cuja atividade seja comercial, contidas na cidade de Iconha, Espírito Santo. Seleção da Amostra A amostra foi constituída a partir de relatório fornecido pelo NAC (Núcleo de Apoio ao Contribuinte) departamento da Prefeitura Municipal de Iconha, abrangendo somente estabelecimentos comerciais. O relatório apresentou inicialmente um número de 323 empresas comerciais contidas no município de Iconha, porém 100 destas empresas foram excluídas da amostra por não serem objetos deste estudo: 4 Serviço Brasileiro de Apoio as Micro e Pequenas Empresas. 4

5 42 estavam cadastradas no nome de pessoas físicas e 58 faziam parte do regime tributário de Micro Empreendedor Individual (MEI). Após eliminação a amostra resultou em 223 empresas, no entanto 36 destes estabelecimentos não estão em atividade, ou seja, estão em processo de baixa ou paralisada, isto reduziu a amostra para 187 empresas. O total de estabelecimentos comerciais pesquisados neste estudo foi de 187. DESENVOLVIMENTO Conceito de Recuperabilidade de Ativos e sua inserção No Brasil O termo Recuperabilidade de Ativos ou Impairment test pode ser explicado como um teste, realizado a partir dos laudos emitidos por profissionais habilitados em engenharia de avaliações, do qual determina o valor recuperável de um ativo, ou quanto ele ainda gerará de caixa futuro, seja por seu uso ou por sua venda, e por quanto ele deve ser registrado contabilmente. O Impairment é o instrumento utilizado para adequar o ativo a sua real capacidade de retorno econômico. O impairment é aplicado a ativos fixos (ativo imobilizado), ativos de vida útil indefinida (goodwil), ativos disponíveis para a venda, investimentos em operações descontinuadas. (SILVA et al., 2006, p. 2) O teste de recuperabilidade de ativos objetiva assegurar que os ativos de uma companhia estejam registrados contabilmente por valor que não exceda seus valores de recuperação (Resolução CFC 1.292/10). Apesar de, o assunto ter sido introduzido recentemente em nosso país, pela adoção das normas internacionais de contabilidade, em termos de teoria contábil, pode-se dizer que o Impairment test não é novidade para o EUA (Estados Unidos da America), existem pronunciamentos do FASB 5 que incentivam sua aplicação desde No Brasil, o reconhecimento da redução do valor recuperável de ativos constitui-se uma obrigação contábil, difundida após a publicação da Lei /07 (art. 183) e Lei /09. Regulamentada por meio da deliberação CVM n 639/10, que confirmou a obrigatoriedade para as companhias abertas, por meio do pronunciamento CPC01_R1. Com o objetivo de estabelecer procedimentos que a entidade deve aplicar, para assegurar que seus ativos estejam registrados contabilmente por valor que não exceda seus valores de recuperação. A resolução 5 Financial Accounting Standard Board. 5

6 CFC n 1.110/07 (substituída pela resolução CFC n 1.292/10) expandiu a norma para todas as empresas por intermédio da NBC de 29 de novembro de 2007 Esta Norma é de natureza geral e se aplica a todos os ativos relevantes relacionados às atividades industriais, comerciais, agropecuárias, minerais, financeiras, de serviços e outras. Dentro do contexto da harmonização das práticas contábeis brasileiras as internacionais o Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) divulgou em 2009, o Pronunciamento Técnico para Pequenas e Médias Empresas (PMEs), baseado no The International Financial Reporting Standard for Small and Medium-Size Entities (IFRS for SMEs), este pronunciamento trata da adoção das normas de contabilidade internacional para pequenas e médias empresas. A regulamentação da norma pela Resolução CFC n 1.315/10 tem como base a NBC TG 1000, com isso todas as empresas classificadas como pequenas e médias estão obrigadas a elaborar suas demonstrações com base nas normas internacionais o que inclui o teste de recuperabilidade de ativos. As sociedades limitadas e demais sociedades comerciais, desde que não enquadradas pela Lei nº /07 como sociedades de grande porte, também são tidas, para fins desta Norma, como pequenas e médias empresas. (Resolução CFC n 1.255/09, NBC TG Seção 1, item 1.3 (b)) A entidade deve avaliar em cada data de divulgação se existe qualquer indicação de que um ativo possa estar desvalorizado. Se tal indicação existir, a entidade deve estimar o valor recuperável do ativo. Se não existir indicação de desvalorização, não é necessário estimar o valor recuperável. (Resolução CFC n 1.255/09, NBC TG Seção 27, item 27.7) Baseado na importância do assunto exposto entende-se que as pequenas e médias empresas têm de se adaptar as novas exigências do mercado, considerando as alterações na legislação contábil brasileira, entretanto, percebe-se que alguns fatores podem dificultar tal adequação em nosso país, por isso, abaixo, discutir-se-á três pontos configurados como desafiantes na implantação do teste de recuperabilidade de ativos, para as pequenas e médias empresas. Ausência de técnicas de gestão nos pequenos negócios Apesar da relevância que uma boa gestão apresenta para a manutenção do negócio, no Brasil, as pequenas e médias empresas podem apresentar dificuldades na aplicação dessas técnicas. Observa-se, que muitas dessas empresas encerram suas atividades antes mesmo de completar o segundo ano de vida. Um estudo do 6

7 SEBRAE demonstra que as habilidades gerenciais ocupam um lugar de destaque entre os condicionantes do sucesso empresarias. (SEBRAE, p. 14) Nos dias atuais as técnicas de gestão são primordiais para o crescimento e continuidade de um negócio. O gestor de hoje precisa estar apto para perceber, refletir, decidir e agir em condições totalmente diferentes de antes e a distinção entre o sucesso e o fracasso está no melhor uso dos recursos disponíveis para atingir os objetivos focados. (CORDEIRO; RIBEIRO: 2002) Em uma pesquisa realizada por Mizumoto et. al. (2010) analisou-se o conjunto formado por capital humano, capital social e práticas gerenciais enfatizando o impacto nas chances de sobrevivências de empresas nascentes, o resultado demonstrou um maior poder explicativo atribuído ao fator de adoção a práticas gerenciais. No que se refere às práticas gerenciais, os empreendedores que declararam sempre antecipar acontecimentos, sempre buscar informações e sempre seguir objetivos apresentaram uma razão de chance menor do que 1. Claramente, empreendedores que adotam essas práticas gerenciais têm uma chance menor de falência. (MIZUMOTO et. al. 2010, Revista de Administração, p.352) Embora possa haver esforços advindos de variados órgãos, como intuito de gerar informações sobre gestão financeira aos pequenos e médios empreendimentos, nota-se uma taxa de mortalidade para empresas com até dois anos, em torno de 27%, conforme estudo publicado pelo SEBRAE (2011). Considera-se, a ausência de gestão, um fator de destaque para a manutenção de um empreendimento, que precisa ser alargada dentro das pequenas empresas. A falta de planejamento e gestão pode ser um desafio crucial na elaboração do teste de recuperabilidade de ativos, pois a obtenção dos resultados do teste tem como base, os dados da empresa, ou seja, os ativos nela contidos, quanto estes ativos contribuem para o resultado e quais segmentos têm melhores perspectivas de continuidade em longo prazo. A falta de controle advindo de uma má gestão pode dificultar o processo de implantação do teste, afinal, o principal objetivo do teste consiste em avaliar se um ativo não excede o seu valor recuperável. Se houver indicações de desvalorização a NBC TG 01 define que a entidade deve considerar as fontes externas e internas de informação: dentre as fontes internas destaca-se: evidência disponível, proveniente de relatório interno, que indique que o desempenho econômico de um ativo é ou será pior que o esperado; (NBC TG 01, item 12, g).o item 14 expõe: 7

8 14. Evidência proveniente de relatório interno que indique que um ativo pode ter se desvalorizado inclui a existência de: (a) fluxos de caixa para adquirir o ativo ou necessidades de caixa subseqüentes para operar ou mantê-lo, que sejam significativamente mais elevadas do que originalmente orçadas; (b) fluxos de caixa líquidos realizados ou lucros ou prejuízos operacionais gerados pelo ativo, que são significativamente piores do que aqueles orçados; (c) queda significativa nos fluxos de caixa líquidos orçados ou no lucro operacional, ou aumento significativo no prejuízo orçado, gerados pelo ativo; ou (d) prejuízos operacionais ou saídas de caixa líquidas advindos do ativo, quando os números do período atual são agregados com números orçados para o futuro. O relatório interno acima citado só poderá ser construído por empresas, onde a gestão tenha como base um planejamento orçamentário, cujas decisões são tomadas com apoio de ferramentas de controle e gestão. Em entidades, das quais, já utilizem de técnicas de gestão e tenha um controle interno dos ativos e seus recursos, talvez seja possível encontrar dados a respeito de fluxo de caixa gerado, isto poderia facultar a implantação do teste, tornando-a mais rápida, e fazendo com que a confiabilidade dos elementos tenha um grau mais elevado. O CPC 01_R1 determina que o teste de recuperabilidade de ativos possa ser realizado pelo seu valor de mercado (por quanto este ativo seria negociado), ou pelo seu valor de uso (quanto este ativo pode gerar de resultado futuro). Para verificar se um ativo sofreu desvalorizações, o CPC 01_R1 específica definições dos termos utilizados no pronunciamento, dentre eles destaca-se: a existência de um mercado ativo (Itens homogêneos transacionados no mercado, vendedores e compradores em condições de negociação, preços disponíveis para o público); valor contábil (Valor do ativo reconhecido no balanço após deduções depreciação, exaustão, amortização); valor justo líquido de despesa de vendas (Montante obtido pela venda de um ativo ou unidade geradora de caixa em transação entre partes conhecedoras e interessadas, menos as despesas de venda); valor em uso (valor presente dos fluxos de caixa esperado), e unidade geradora de caixa (menor grupo identificável de ativos que gera entradas de caixa que são em grande parte independentes das entradas de caixa de outros ativos). A determinação do valor recuperável deve ser aplicada igualmente a um ativo independente ou uma unidade geradora de caixa. (CPC 01_R1) Nem sempre será possível determinar o valor justo líquido de despesas de venda porque não haverá base para se fazer a estimativa confiável do valor a ser obtido pela venda do ativo em transação em bases comutativas, entre partes 8

9 conhecedoras e interessadas 6. Neste caso, o CPC 01_R1 orienta que seja utilizado o valor em uso como valor recuperável, mas, recomenda o uso de projeções confiáveis relacionadas às premissas para determinar o valor de receitas e custos, estas premissas devem apresentar consistência e embasamento com o planejamento orçamentário da empresa, garantindo a confiabilidade das informações. Na verdade, àquelas empresas que ainda não se utilizam de ferramentas de gestão e controle, tornar-se-á interessante adquiri-las, para que as informações contidas em suas demonstrações financeiras atendam a legislação vigente. Falhas de percepção qualitativa advinda dos profissionais de contabilidade No Brasil os empreendimentos e sociedades empresariais, exceto o micro empresário individual (MEI) 7, são obrigados a escrituração contábil, mesmo que diferenciada ou simplificada 8. O empresário e a sociedade empresária são obrigados a seguir um sistema de contabilidade, mecanizado ou não, com base na escrituração uniforme de seus livros, em correspondência com a documentação respectiva, e a levantar anualmente o balanço patrimonial e o de resultado econômico. (Lei /02, art.1.179). A escrituração mercantil ou contábil está atribuída, de forma privativa, aos profissionais de contabilidade (Resolução CFC n 560/1983. art. 3, item 9) e estes, por sua vez, tornaram-se umas das principais fontes de informações aos pequenos negócios. Finalmente, encontra-se o contador como uma das principais fontes de informações aos empreendedores de pequenas empresas. Porém, seu papel desempenhado junto às pequenas empresas está geralmente associado a um mal necessário para cumprimento de suas obrigações legais. Os contadores estão cientes dessa limitação que parece imposta por uma estrutura fiscal complexa e por exigências burocráticas desconexas. (KASSAI; 1997, p. 21) Ao longo dos anos a contabilidade esteve associada à escrituração dos registros dos fatos administrativos de uma organização, no entanto, com as mudanças ocorridas no mundo, produzidas principalmente pela revolução tecnológica e informacional, foi alocado a estes profissionais da contabilidade um 6 CPC 01_R1, Item Inserido pela Lei Complementar 128, de 14 de dezembro de Lei /02, art

10 novo conceito. Assim, não basta simplesmente contabilizar o que está escrito. È necessário ter certeza de que o documento formal represente, de fato, a essência econômica dos fatos sendo registrados. (IUDÌCIBUS, et. al p. 21.) A internacionalização das normas contábeis no Brasil trouxe características qualitativas que enfatizam maior julgamento e análises das informações, tornandose um objetivo e um desafio para os profissionais da área, afinal, a mudança decorrida da harmonização refletirá em cada um deles. O profissional, para adaptarse ao novo cenário contábil, terá que alterar sua postura e forma de pensar na contabilidade. Não basta mais escriturar, ter-se-á que pensar qual a melhor forma de escriturar, a fim de transmitir a essência sobre a forma. Conforme Santos, 2012: Este profissional deve ser atualizado, dinâmico e comprometido e integrado com a empresa. Não é recomendada a postura de um contador que apenas receba as informações e faça registro e controles contábeis; ele deve estudar alternativas, verificar aspectos tributários e fornecer informações gerenciais para a tomada de decisão. (SANTOS, et. al, 2012, p. 13) Sabe-se que além de fornecer informações que atendam as demandas de seus usuários, o profissional de contabilidade terá de preocupar-se, ainda mais, com os princípios de contabilidade 9, dentre eles destaca-se; a relevância, qualidade, comparabilidade, consistência e acima de tudo a confiabilidade da informação, (...). A informação é confiável quando está livre de desvio substancial e viés, e represente adequadamente aquilo que tem a pretensão de representar ou seria razoável de se esperar que representasse. (CPC_PME. Seção 2, item 2.7). O código de ética profissional 10 que objetiva fixar a forma em que os profissionais devem conduzir os assuntos relacionados à sua profissão deixa claro que o Contabilista tem o dever de: Exercer a profissão com zelo, diligência, honestidade e capacidade técnica, observada toda a legislação vigente, em especial aos Princípios de Contabilidade e as Normas Brasileiras de Contabilidade, e resguardados os interesses de seus clientes e/ou empregadores, sem prejuízo da dignidade e independência profissionais. (Lei 1.307/10, Art. 4º O inciso I do Art. 2º da Resolução CFC nº 803/1996) Ressalta-se, que as propostas introduzidas pelas normas internacionais, além de padronizar a forma de evidenciar o patrimônio na esfera mundial, objetiva oferecer números que reflitam a real situação financeira de uma entidade. Neste 9 Resolução CFC n 1.307/10. Art. 11, inciso XX, (...) é vedado ao profissional de contabilidade: executar trabalhos técnicos contábeis sem observância dos Princípios de Contabilidade e das Normas Brasileiras de Contabilidade editadas pelo Conselho Federal de Contabilidade. 10 Resolução CFC n 803/1996 alterada pela Resolução CFC n 1.307/

11 contexto, o grupo de ativos pode apresentar extrema importância, por serem considerados: bens advindos de recursos passados, nos quais se esperam benefícios futuros (IUDÍCIBUS, et. al. 2010). Um pequeno descuido na contabilização de um ativo pode ocasionar problemas relativos à autenticidade dos índices financeiros. Diante destes pressupostos, o profissional de contabilidade deve ficar atento as novas regras, tais como, o teste de recuperabilidade de ativos, porque este, constitui-se uma obrigação contábil. A não realização do teste expõe a empresa a sanções e o contador, no caso de erro cometido por imperícia, responderá diretamente a quem solicitou o serviço 11. Além disso, cabe ao contabilista fornecer informações aos seus clientes, conforme o código de defesa do consumidor expõe: O fornecedor de serviços responde, independentemente da existência de culpa, pela reparação dos danos causados aos consumidores por defeitos relativos à prestação dos serviços, bem como por informações insuficientes ou inadequadas sobre sua fruição e riscos. (Lei n 8.078/90, art. 14) Existem implicações criminais e varias legislações a serem analisadas, como por exemplo: Código penal Lei 8.137/90 (dispões sobre crimes fiscais), Nova lei das falências Lei /2005, Lei 7.492/1986 (define crimes contra o SFN 12 ). A baixa qualidade contida nas informações geradas, tais como, dados enviesados e a falta de orientação adequada ao empresário, configuram-se, um problema às organizações contábeis e profissionais da área, e pode retardar a implantação do teste de recuperabilidade de ativos nas pequenas e médias empresas. O empreendedor nem sempre possuirá conhecimentos no âmbito financeiro e contábil do seu negócio, como também, em relação às normatizações. Na maioria das vezes ao abrir um pequeno negócio o proprietário possui apenas condicionais a respeito do campo que pretende atuar. (...), em muitos casos, o empreendedor possui conhecimento técnico da área que pretende atuar, mas não tem experiência de exercer um papel administrativo (KASSAI; p. 7) Por outro lado, cabe ao contabilista assumir uma posição de atilamento diante das novas perspectivas, adotando uma postura contábil que permita difundir subsídios no âmbito gerencial, a fim de transmitir; relevância, qualidade e 11 Lei n /2002, art Os assentos lançados nos livros ou fichas do preponente, por qualquer dos prepostos encarregados de sua escrituração, produzem, salvo se houver procedido de má-fé, os mesmos efeitos como se o fossem por aquele. 12 Sistema Financeiro Nacional. 11

12 confiabilidade, respeitando a legislação vigente e as demandas das pequenas e médias empresas. A responsabilidade do contabilista é de suma importância no processo de implantação do teste de recuperabilidade de ativos, pois cabe a ele orientar os seus clientes sobre as alterações ocorridas na legislação. Custo da informação X benefício O Equilíbrio entre custo e benefício pode gerar discussões no ambiente contábil das pequenas e médias empresas, afinal, em sua essência consiste em um exercício de julgamento. Segundo o CPC 01_R1 fica claro que: Os Benefícios derivados da informação devem exceder o custo de produzi-las (item p. 10). Este tipo de avaliação demanda uma série de debates devido à dificuldade de sua aplicação, o ponto abordado neste tópico estabelecerá uma discussão entre custo beneficio das informações advindas do teste de recuperabilidade de ativos nas pequenas e médias empresas, abrangendo também as microempresas. A legislação determina que todas as empresas 13 avaliem seus ativos, afim de que, nenhum esteja registrado com valores superiores á sua venda ou uso. Contudo, para que as demonstrações contábeis emitidas atendam esta normatização, tornase necessário considerar que, em casos de empreendimentos dos quais apresente uma gestão deficitária, e não haja um controle adequado dos ativos, o processo de elaboração do teste demandará disposição de pessoas capacitadas para desenvolver técnicas de controle, afinal, a aplicação do teste acontece a partir de dados de bens cadastrados no ativo, para empresas que não tem este controle, será indispensável desenvolvê-los. Na determinação do valor recuperável de um bem, pode ser recomendável a utilização das normas da ABNT 14 NBR , esta, por sua vez, privativa aos engenheiros e arquitetos as atividades: (...) avaliações e arbitramentos relativos a bens móveis e imóveis, suas partes integrantes e pertences, máquinas e instalações industriais, obras e serviços de utilidade pública, recursos naturais e bens e direitos que, de qualquer forma, para a sua existência ou utilização, sejam de atribuição dessas profissões.(nbr objetivo) Boa parte de pequenas e médias empresas, principalmente as microempresas, talvez não disponham deste tipo de profissional dentro de sua 13 Inclusive as microempresas conforme limites previstos nos incisos I e II do art. 3 da Lei Complementar 123/2006. Determinada pela a Resolução CFC n 1.418, 05 de dezembro de Associação Brasileira de Normas Técnicas. 12

13 equipe de funcionários e tenha que contratar a parte, o que designará diversos gastos. Outro ponto a ser discutido é o valor em uso indicado pelos fluxos de caixas futuros estimados, que deve resultar do uso de um ativo ou de uma unidade geradora de caixa. Neste caso, enfatiza-se o emprego de ferramentas de controle e previsões orçamentárias, e sua implantação poderá produzir acréscimos, tanto no aspecto financeiro, como de mão-de-obra especializada, caso o contabilista ou a organização contábil não se disponha a realizar o serviço. Mediante as colocações, estima-se que em determinados casos, tais como, em empresas que não efetuam um controle adequado dos seus ativos, o custo para produzir a informação alcançada pelo teste de recuperabilidade de ativo, poderá ser mais elevado ou trabalhoso, e o dono do negócio desejará implantá-lo apenas por existir uma legislação que o obrigue e não pelo benefício econômico / financeiro que o teste trará para o empreendimento. Sobre isso Carmo et. al. destacam: Apesar da ressaltada relevância da convergência internacional da contabilidade, a simples introdução das normas sem considerar aspectos culturais e institucionais dos países pode levar a uma adoção de jure (de direito) e não de facto (de fato) das normas, o que prejudicaria o processo de uniformização das práticas contábeis, transformando a convergência em uma simples questão de formalidade. (CARMO: et. al Revista de Contabilidade& Finanças, p. 243) Novamente a responsabilidade recai sobre o profissional de contabilidade, cabe a ele utilizar todo o seu conhecimento no âmbito financeiro, econômico e contábil, para disseminar mecanismos de qualidade, que permitam reduzir os custos de implantação do teste de recuperabilidade de ativos nos pequenos negócios. RESULTADOS E DISCUSSÃO A coleta de dados foi realizada por intermédio de um questionário de entrevista, contendo 3 assuntos com 10 afirmativas e 1 resposta objetiva cada, onde se averiguou a existência ou não de técnicas de gestão, falhas de percepção qualitativa advinda dos profissionais de contabilidade e o custo x benefício da informação gerada pelo teste. A análise dos dados promove uma discussão dos resultados obtidos e, mediante uma estatística descritiva observa-se na tabela 1 que, das 187 empresas pesquisadas, 22,46% não foram localizadas no endereço indicado pelo relatório 13

14 emitido pelo Núcleo de Apoio ao Contribuinte, órgão da Prefeitura Municipal, 14,44% recusaram-se a participar da pesquisa, e 63,10% participaram da pesquisa. Tabela 1 - Total de Empresas Comerciais Pesquisadas QUANT. % NÃO LOCALIZADAS 42 22,46% RECUSOU-SE A RESPONDER 27 14,44% PARTICIPANTES ,10% TOTAL DE EMPRESAS % Fonte: Elaborado pelo autor Ao verificar a tabela 2, percebe-se que, em média as micro, pequenas e médias empresas comerciais do município de Iconha praticam técnicas de controle básico de gestão tais como: controle de contas periódico, controle de entrada e saídas, controle de estoques e efetuam o registro dos ativos. As respostas positivas somadas alcançaram 55,51% (22,46% +33,05%), ou seja, 55,51% dos respondentes concordam, ou concordam totalmente, com a existência de técnicas de gestão nas empresas analisadas. No entanto, nota-se na tabela 3, afirmativa nove, que existem falhas no controle referente a ativos, 39% (25%+14%) dos respondentes discordaram, ou discordaram totalmente que por meio de relatório interno possam descrever quantos ativos existem na empresa atualmente e 32% foram indiferentes, ou seja, não concordaram nem discordaram. Na afirmativa dez, tabela 3, buscou-se analisar a existência de controle do fluxo de caixa, gerado por um ativo independente ou um conjunto deles, a soma dos que Discordaram, ou discordaram totalmente foi de 42%, e 37% não concordaram e nem discordaram. Isto corrobora a existência de falhas no controle e gestão dos ativos dentro das empresas estudadas. Tabela 2 - Média das repostas, referente fator: Ausência de Técnicas De Gestão Discordo Totalmente Nos Pequenos Negócios Não Concordo Nem Discordo Concordo Totalmente Discordo Concordo 15,85% 13,05% 15,59% 22,46% 33,05% Fonte: Elaborado pelo autor 14

15 Discordo Totalmente 1 Tabela 3 - Ausência de técnicas de gestão nos pequenos negócios Discordo 2 Não Concordo Nem Discordo 3 Concordo 4 Concordo Totalmente 5 1. O controle das contas em minha empresa é realizado periodicamente (diariamente; quinzenalmente; mensalmente; etc.) TOTAL - VALOR TOTAL % 3% 5% 0% 17% 75% 2. Todas as entradas e saídas da empresa são controladas ( dinheiro, mercadoria, documentos, etc.) TOTAL - VALOR TOTAL % 2% 9% 3% 19% 66% 3. O controle na Empresa é realizado de forma manual (papel, anotações, agendas, etc.) TOTAL - VALOR TOTAL % 19% 23% 0% 25% 32% 4. O controle na Empresa é realizado de forma automatizado (Software, planilhas Excel, etc.) TOTAL - VALOR TOTAL % 32% 7% 3% 26% 31% 5. Controlo rigidamente o estoque na Empresa TOTAL - VALOR TOTAL % 4% 19% 14% 35% 28% 6. Sempre planejo o que vou realizar (o que fazer, como fazer, quando fazer) TOTAL - VALOR TOTAL % 3% 9% 24% 36% 28% 7. Registro todos os ativos (Investimentos, Imobilizado, intangíveis etc.) TOTAL - VALOR TOTAL % 5% 6% 15% 41% 33% 8. Registro apenas os ativos de maior valor ou que tenha grande representatividade na Empresa TOTAL - VALOR TOTAL % 38% 24% 26% 6% 6% 9. Através de relatório interno posso descrever quantos ativos existe na minha Empresa atualmente TOTAL - VALOR TOTAL % 25% 14% 32% 10% 19% 10. Controlo fluxo de caixa (receita) gerado pelos ativos independentes ou um conjunto deles Fonte: Elaborado pelo autor TOTAL - VALOR TOTAL % 26% 15% 37% 9% 12% MÉDIA 16% 13% 16% 22% 33% 15

16 A tabela 4 explana que 57% das empresas pesquisadas concordam, ou concordam totalmente com as afirmativas propostas para verificar possíveis falhas de percepção qualitativa advinda do profissional de contabilidade, o que inicialmente leva-nos a entender que existe uma boa percepção qualitativa advindas dos contabilistas na região estudada, porém o resultado elevou-se devido a 97% das empresas efetuarem os registros contábeis por meio de organizações contábeis, e enviarem mensalmente os documentos para o mesmo, conforme tabela 5, afirmativa um e dois. Tabela 4 - Média das repostas, referente o fator: Falhas De Percepção Discordo Totalmente Qualitativa Advinda Dos Profissionais De Contabilidade Discordo Não Concordo Nem Discordo Concordo Concordo Totalmente 9,58% 10,34% 23,47% 13,14% 43,39% Fonte: Elaborado pelo autor Quando se faz uma análise separada nos itens da tabela 5, nas afirmativas três, quatro e cinco, percebe-se que o número de concordância a respeito da freqüência de conversas sobre legislação fiscal é de 86% (18%+68%), sobre legislação contábil advém para 58% (15%+43%) e quando se trata de assuntos gerenciais cai para 31% (14%+16%), isto retrata que os serviços contábeis oferecidos dentro da região analisada, ainda encontram-se atrelados a informações de âmbito fiscal. Percebe-se também pela da tabela 5, afirmativa sete, que boa parte dos estabelecimentos comerciais não possui métodos de custos bem definidos, afinal 64% dos respondentes não concordaram nem discordaram, ou seja, são omissos a esta informação, e a afirmação oito confirma a existência de falhas na gestão dos ativos, pois 68% dos respondentes foram indiferentes, não concordam nem discordam em relação ao calculo da depreciação, pois não conhecem o método utilizado. 16

17 Tabela 5 - Falhas de percepção qualitativa advinda dos profissionais de Discordo Totalmente 1 Discordo 2 contabilidade Não Concordo Nem Discordo 3 Concordo 4 Concordo Totalmente 5 1. Os registros contábeis de minha empresa são realizados por meio de um escritório contábil TOTAL - VALOR TOTAL - % 3% 0% 0% 7% 91% 2. Envio mensalmente os documentos solicitados para o escritório contábil TOTAL - VALOR TOTAL - % 1% 0% 2% 6% 92% 3. Converso freqüentemente com meu contador sobre legislação fiscal TOTAL - VALOR TOTAL - % 2% 4% 8% 18% 68% 4. Converso freqüentemente com meu contador sobre legislação contábil TOTAL - VALOR TOTAL - % 6% 18% 18% 15% 43% 5. Converso freqüentemente com meu contador sobre fluxo de caixa/assuntos gerenciais TOTAL - VALOR TOTAL - % 9% 27% 33% 14% 16% 6. Recebo mensalmente do meu Contador demonstrações Contábeis de minha Empresa TOTAL - VALOR TOTAL - % 5% 13% 22% 29% 31% 7. Tenho métodos de controle de estoques bem definidos (PEPs, CMP, preço específico) TOTAL - VALOR TOTAL - % 5% 13% 64% 11% 7% 8. O cálculo da depreciação dos bens é elaborado de acordo com a tabela do IR TOTAL - VALOR TOTAL - % 2% 4% 68% 14% 13% 9. Recebi informações de meu contador sobre o teste de recuperabilidade de ativos TOTAL - VALOR TOTAL - % 62% 24% 8% 4% 2% 10. Estou satisfeito com o serviço prestado pelo escritório Contábil Fonte: Elaborado pelo autor TOTAL - VALOR TOTAL - % 2% 1% 12% 14% 72% MÉDIA 10% 10% 23% 13% 43% O total de empresas satisfeitas com o serviço contábil oferecido foi de 86% (14%+72%) tabela 5, afirmativa 10, apesar da alta satisfação não significa que se tem um serviço de qualidade na cidade estudada, afinal 86% discordaram ou 17

18 discordaram totalmente da afirmativa numero nove, contida na tabela 5, que examinou se as empresas pesquisadas receberam informações sobre o teste de recuperabilidade de ativos do Contabilista. Assim sendo, embora o teste de recuperabilidade de ativos seja uma norma contábil, ainda está sendo pouco divulgada pelas organizações contábeis dentro da região estudada. Em conformidade com a tabela 6, verifica-se que 65% das empresas avaliadas discordaram, ou discordaram totalmente em relação às afirmativas sobre o custo da informação x benefício do teste de recuperabilidade. Este resultado pode dever-se ao fato de, 91% dos Empresários desconhecerem detalhadamente o teste de recuperabilidade de ativos (tabela 7, afirmativa um, soma dos discordantes), a falta de informação sobre o assunto, advinda das empresas dificultou a análise e interpretação das afirmativas contidas na tabela 7. Isto pode ser confirmado nas respostas de não concordo e nem discordo, que tiveram um percentual elevado para as afirmativas sete, oito, nove e dez, da tabela 7. Tabela 6 - Média das repostas, referente ao fator: Custo Da Informação X Discordo Totalmente Discordo Benefício Não Concordo Nem Discordo Concordo Concordo Totalmente 60,17% 5,08% 31,78% 2,54% 1,27% Fonte: Elaborado pelo autor Apenas 7% das empresas entrevistadas concordaram com a afirmativa dois, da tabela 7, uma parcela pequena que já realizou o teste, sendo que 2% destas afirmaram ter contratado empresa especializada para esta realização, e 2% concordaram com a afirmativa sete, da tabela 7, afirmando que o teste de recuperabilidade de ativos aumentou os custos da empresa. 6% afirmaram ter realizado junto ao contador sem custos adicionais (tabela 7, afirmativa 8). A afirmativa cinco, tabela 7 foi elaborada com o objetivo de verificar se as premissas advindas do planejamento orçamentário são utilizadas no teste de recuperabilidade de ativos, mas o nível de concordância foi de 0%, este resultado pode ser explicado pelo pequeno percentual de empresas que realizaram o teste, não quer dizer que possa ser generalizado. 18

19 Discordo Totalmente 1 Tabela 7 - Custo Da Informação X Benefício Discordo 2 Não Concordo Nem Discordo 3 Concordo 4 Concordo Totalmente 5 1. Conheço detalhadamente o teste de recuperabilidade de ativos TOTAL - VALOR TOTAL - % 81% 9% 5% 3% 2% 2. O teste de recuperabilidade de ativos é realizado na minha empresa TOTAL - VALOR TOTAL - % 84% 4% 5% 4% 3% 3. Fiquei sabendo do teste de recuperabilidade de ativos através de consultores TOTAL - VALOR TOTAL - % 92% 10% 5% 1% 1% 4. Os controles internos implantados por empresas de consultorias facilitaram a implantação do teste de recuperabilidade de ativos TOTAL - VALOR TOTAL - % 83% 5% 10% 2% 0% 5. As premissas advindas do planejamento orçamentário são utilizadas na aplicação do teste de recuperabilidade de ativos TOTAL - VALOR TOTAL - % 81% 3% 15% 0% 0% 6. Para a realização do teste de recuperabilidade contratamos uma empresa especializada TOTAL - VALOR TOTAL - % 77% 5% 16% 2% 0% 7. O teste de recuperabilidade de ativos aumentou os custos/despesas da minha empresa TOTAL - VALOR TOTAL - % 33% 4% 61% 2% 0% 8. Juntamente ao contador realizamos o teste de recuperabilidade, sem custos adicionais TOTAL - VALOR TOTAL - % 46% 3% 46% 3% 3% 9. Não vejo benefícios na aplicação do teste de recuperabilidade de ativos na minha empresa TOTAL - VALOR TOTAL - % 19% 6% 70% 3% 1% 10. Realizamos o teste de recuperabilidade apenas para atender a legislação TOTAL - VALOR TOTAL - % 5% 1% 84% 6% 4% MÉDIA 60% 5% 32% 3% 1% Fonte: Elaborado pelo autor Os resultados da tabela 2 evidenciam uma gestão deficitária em relação aos ativos, percebe-se que existem controles internos a respeito de entradas, saídas e estoques, mas referente aos ativos, há apenas registros. Também se confirma 19

20 falhas na gestão de ativos conforme afirmativa oito da tabela 5, onde a maioria dos respondentes não soube informar se a depreciação é realizada pela tabela de imposto de renda ou não, logo que, a não utilização de métodos adequados para calcular a depreciação pode configurar-se como uma dificuldade na implantação do teste, já que o mesmo objetiva assegurar que o valor contábil dos ativos, após deduzir a depreciação, amortização ou exaustão, não exceda seu valor de recuperação. Constatou-se falhas na percepção qualitativa advinda dos profissionais de contabilidade, que vai ao encontro de (KASSAI; 1997 p. 21) citada na pagina 09 deste artigo, confirmando a existência de uma ligação muito forte entre a contabilidade e o fisco, poucas informações gerenciais são compartilhadas entre pequenos empresários da região estudada e as organizações contábeis (afirmativa cinco, tabela 5), isto acarretou um índice de respondentes que demonstrou conhecer e realizar o teste de recuperabilidade na sua empresa de apenas 7% (Tabela 7, afirmativas um e dois). Em relação ao custo da informação x benefício gerado, o estudo apresentou dificuldades na análise, pois faltou conhecimento sobre o assunto advindo das empresas pesquisadas. Porém ao observar os dados, percebe-se que a maioria das empresas terceiriza o serviço de contabilidade e pagam por ele, logo se tem um custo/despesa para obter informações, no entanto estas empresas podem estar recebendo informações insuficientes, ou seja, benefícios pequenos em relação ao custo, afinal, o teste de recuperabilidade de ativos constitui-se, uma norma contábil, e apesar da obrigatoriedade as empresas pesquisadas não o realizaram. Apurou-se que 86% dessas empresas nem se quer conhecem o teste e não receberam informações do profissional contábil sobre o mesmo. CONSIDERAÇÕES FINAIS Este trabalho teve como objetivo principal responder por meio de três fatores, quais os desafios na aplicação do teste de recuperabilidade de ativos, para as pequenas e médias empresas, e, ao apurar os dados colhidos por intermédio de micros, pequenas e médias empresas do município de Iconha, os desafios encontrados resumem-se na ausência de controle rigorosos dos ativos, falhas 20

Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas

Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas Conhecimento essencial em Gestão de Controladoria Depois de sucessivas crises econômicas, os investidores pressionam cada vez mais pela

Leia mais

JOSÉ HERNANDEZ PEREZ JUNIOR

JOSÉ HERNANDEZ PEREZ JUNIOR JOSÉ HERNANDEZ PEREZ JUNIOR Mestre em Controladoria e Contabilidade Estratégica e Bacharel em Ciências Contábeis. Professor de cursos de MBA da Fundação Getulio Vargas - RJ. Professor das Faculdades Atibaia

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP PROF. Ms. EDUARDO RAMOS Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E ESTRUTURA CONCEITUAL 3. O CICLO CONTÁBIL

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ITG 1000

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ITG 1000 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ALCANCE 1.... estabelece critérios e procedimentos específicos a serem observados pelas entidades

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 8 MENSURAÇÃO

Leia mais

IFRS A nova realidade de fazer Contabilidade no Brasil

IFRS A nova realidade de fazer Contabilidade no Brasil Ano X - Nº 77 - Julho/Agosto de 2014 IFRS A nova realidade de fazer Contabilidade no Brasil Profissionais da Contabilidade deverão assinar prestações de contas das eleições Ampliação do Simples Nacional

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16. Estoques. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16. Estoques. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16 Estoques Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 8 MENSURAÇÃO

Leia mais

Teste de recuperabilidade Impairment test

Teste de recuperabilidade Impairment test 1 Teste de recuperabilidade Impairment test A informação tem sido considerada o principal insumo para a obtenção de um conhecimento maior acerca das decisões que devem ser tomadas no âmbito das organizações.

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Normas Contábeis ICPC 10 - Interpretação Sobre a Aplicação Inicial ao Ativo Imobilizado

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Normas Contábeis ICPC 10 - Interpretação Sobre a Aplicação Inicial ao Ativo Imobilizado Normas Contábeis ICPC 10 - Interpretação Sobre a Aplicação Inicial ao Ativo Imobilizado 13/11/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

MUDANÇAS NO GERADOR DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS

MUDANÇAS NO GERADOR DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS MUDANÇAS NO GERADOR DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS Visando a redução de riscos nos investimentos internacionais, além de ter mais facilidade de comunicação internacional no mundo dos negócios, com o uso de

Leia mais

Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08

Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 No dia 3 de dezembro de 2008, foi editada a Medida Provisória nº 449,

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Resolução CFC nº 1.159, de 13/02/2009 DOU 1 de 04/03/2009 Aprova o Comunicado Técnico CT 01 que aborda como os ajustes das novas práticas contábeis adotadas no Brasil trazidas pela Lei nº 11.638/07 e MP

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.315/10

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.315/10 NOTA - A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração desta Norma de NBC T 19.40 para NBC TG 43 e de outras normas citadas: de NBC T 1 para NBC TG ESTRUTURA CONCEITUAL; de NBC T 19.18 para

Leia mais

Princípios primeiros pronunciamentos para orientação de contadores;

Princípios primeiros pronunciamentos para orientação de contadores; ESTRUTURA CONCEITUAL BÁSICA DA CONTABILIDADE Prof. Francisco Marcelo Avelino Junior, MsC. EVOLUÇÃO HISTÓRICA Princípios primeiros pronunciamentos para orientação de contadores; Princípios Contábeis representam

Leia mais

Faz saber que foi aprovada em seu Plenário a seguinte Norma Brasileira de Contabilidade (NBC), que tem por base o CT 04/2010 (R2) do Ibracon:

Faz saber que foi aprovada em seu Plenário a seguinte Norma Brasileira de Contabilidade (NBC), que tem por base o CT 04/2010 (R2) do Ibracon: Norma Brasileira de Contabilidade CFC/CTA Nº 2 DE 27/02/2015 Publicado no DO em 9 mar 2015 Dá nova redação ao CTA 02 que trata da emissão do relatório do auditor independente sobre demonstrações contábeis

Leia mais

NORMAS CONTÁBEIS APLICÁVEIS ÀS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS NO BRASIL: SEGUNDO AS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE ALUNO: MINASSON ELIAS FERREIRA

NORMAS CONTÁBEIS APLICÁVEIS ÀS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS NO BRASIL: SEGUNDO AS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE ALUNO: MINASSON ELIAS FERREIRA CIÊNCIAS CONTÁBEIS NORMAS CONTÁBEIS APLICÁVEIS ÀS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS NO BRASIL: SEGUNDO AS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE ALUNO: MINASSON ELIAS FERREIRA ORIENTADOR: PROF. Ms. GESIEL DE

Leia mais

Unidade IV CONTABILIDADE SOCIETÁRIA. Profa. Divane Silva

Unidade IV CONTABILIDADE SOCIETÁRIA. Profa. Divane Silva Unidade IV CONTABILIDADE SOCIETÁRIA Profa. Divane Silva A disciplina está dividida em 04 Unidades: Unidade I 1. Avaliação de Investimentos Permanentes Unidade II 2. A Técnica da Equivalência Patrimonial

Leia mais

TÍTULO: "COMUNICAÇÃO E CONTABILIDADE: A TECNOLOGIA NA ROTINA DO CONTADOR"

TÍTULO: COMUNICAÇÃO E CONTABILIDADE: A TECNOLOGIA NA ROTINA DO CONTADOR TÍTULO: "COMUNICAÇÃO E CONTABILIDADE: A TECNOLOGIA NA ROTINA DO CONTADOR" CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DE RIO PRETO

Leia mais

REDUÇÃO AO VALOR RECUPERAVEL DE ATIVOS - CONCEITO E IMPACTO NA EMPRESA GERDAU S/A. Amanda Caroline Diniz Pereira¹, José César de Faria²

REDUÇÃO AO VALOR RECUPERAVEL DE ATIVOS - CONCEITO E IMPACTO NA EMPRESA GERDAU S/A. Amanda Caroline Diniz Pereira¹, José César de Faria² REDUÇÃO AO VALOR RECUPERAVEL DE ATIVOS - CONCEITO E IMPACTO NA EMPRESA GERDAU S/A Amanda Caroline Diniz Pereira¹, José César de Faria² ¹Universidade do Vale do Paraíba/Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas

Leia mais

Gestão Contábil e Financeira nas Pequenas e Médias Empresas PMEs

Gestão Contábil e Financeira nas Pequenas e Médias Empresas PMEs Gestão Contábil e Financeira nas Pequenas e Médias Empresas PMEs. 1 A Contabilidade como Ferramenta de Gestão: Nova Visão Empresarial Benefícios e Vantagens; Parceria do Administrador e do Profissional

Leia mais

A CONVERGÊNCIA DOS PADRÕES DE CONTABILIDADE APLICADOS NO BRASIL ÀS INTERNATIONAL FINANCIAL ACCOUNTING STANDARDS (IFRS)

A CONVERGÊNCIA DOS PADRÕES DE CONTABILIDADE APLICADOS NO BRASIL ÀS INTERNATIONAL FINANCIAL ACCOUNTING STANDARDS (IFRS) A CONVERGÊNCIA DOS PADRÕES DE CONTABILIDADE APLICADOS NO BRASIL ÀS INTERNATIONAL FINANCIAL ACCOUNTING STANDARDS (IFRS) PROF. Ms. EDUARDO RAMOS Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ OBJETIVO Apresentar

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE RESOLUÇÃO CFC N.º 1.418/12 Aprova a ITG 1000 Modelo Contábil para Microempresa e Empresa de Pequeno Porte. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais e com

Leia mais

Harmonização contábil internacional. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua

Harmonização contábil internacional. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua Harmonização contábil internacional Autor: Ader Fernando Alves de Pádua RESUMO O presente artigo tem por objetivo abordar o conceito e os aspectos formais e legais das Normas Brasileiras de Contabilidade

Leia mais

LEI 11.638/2007 E A CONVERGÊNCIA ÀS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE

LEI 11.638/2007 E A CONVERGÊNCIA ÀS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE LEI 11.638/2007 E A CONVERGÊNCIA ÀS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE Daniela Berta Locatelli 1 Isair Cardoso 2 Resumo A Contabilidade evolui constantemente, acompanhando o mundo dos negócios e dos

Leia mais

Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS

Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS Objetivos da aula: Nesta aula veremos como cada empresa deve fazer pela primeira vez a adoção do IFRS. Como ela

Leia mais

A RELEVÂNCIA DA EVIDENCIAÇÃO DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO DECORRENTE DE ADIÇÕES INTERTEMPORAIS E DE PREJUÍZO FISCAL NAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

A RELEVÂNCIA DA EVIDENCIAÇÃO DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO DECORRENTE DE ADIÇÕES INTERTEMPORAIS E DE PREJUÍZO FISCAL NAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHO TÍTULO: A RELEVÂNCIA DA EVIDENCIAÇÃO DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO DECORRENTE DE ADIÇÕES INTERTEMPORAIS E DE PREJUÍZO FISCAL NAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS AUTOR: JOSÉ ANTONIO DE FRANÇA

Leia mais

3. 0 - Nível de Conhecimento dos Profissionais de Contabilidade no Brasil

3. 0 - Nível de Conhecimento dos Profissionais de Contabilidade no Brasil 1.0 - Introdução à Lei 11.638/07 Países com pouca tradição em mercados de capitais têm a tendência de sofrer, mais do que os demais, influências exógenas (externas) nos seus processos de desenvolvimento

Leia mais

A CONTABILIDADE E SUA IMPORTÂNCIA PARA UM GRUPO DE EMPRESAS COMERCIAIS 1

A CONTABILIDADE E SUA IMPORTÂNCIA PARA UM GRUPO DE EMPRESAS COMERCIAIS 1 A CONTABILIDADE E SUA IMPORTÂNCIA PARA UM GRUPO DE EMPRESAS COMERCIAIS 1 SILVA, Cleusa Pereira da 2 ; FELICE, Luciana Maria Vizzotto 4 ; LORENZETT, Daniel Benitti 3 ; VIERO, Claudinei 4 1 Trabalho de Pesquisa

Leia mais

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL Ana Beatriz Nunes Barbosa Em 31.07.2009, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aprovou mais cinco normas contábeis

Leia mais

Unidade II. Unidade II

Unidade II. Unidade II Unidade II 2 Outras metodologias aplicadas 2.1 Metodologia do valor patrimonial de mercado Nesta metodologia, o enfoque é a determinação do valor da empresa a partir de seu valor patrimonial de mercado.

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.137/08 Aprova a NBC T 16.10 Avaliação e Mensuração de Ativos e Passivos em Entidades do Setor Público. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.265/09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.265/09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, NOTA - A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração desta Interpretação de IT 12 para ITG 12 e de outras normas citadas: de NBC T 19.1 para NBC TG 27; de NBC T 19.7 para NBC TG 25; de NBC

Leia mais

A RESOLUÇÃO CFC Nº 1409/12 REFLEXOS NA CONTABILIDADE DAS ENTIDADES SEM FINALIDADE DE LUCROS

A RESOLUÇÃO CFC Nº 1409/12 REFLEXOS NA CONTABILIDADE DAS ENTIDADES SEM FINALIDADE DE LUCROS NUTRINDO RELAÇÕES A RESOLUÇÃO CFC Nº 1409/12 REFLEXOS NA CONTABILIDADE DAS ENTIDADES SEM FINALIDADE DE LUCROS APRESENTAÇÃO José Alberto Tozzi Adm. Empresas FGV MBA USP Mestre pela PUC-SP Instrutor de Gestão

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis Resumo Demonstrações contábeis são informações e dados que as empresas oferecem ao fim de cada exercício, com a finalidade de mostrar aos acionistas, ao governo e todos os interessados,

Leia mais

Palestra. CPC 01 e IAS 36 Redução ao valor recuperável de ativos

Palestra. CPC 01 e IAS 36 Redução ao valor recuperável de ativos Palestra CPC 01 e IAS 36 Redução ao valor recuperável de ativos Agenda: Objetivo e alcance Processo de identificação de ativos desvalorizados Fontes externas observadas durante o período ou por ocasião

Leia mais

Aprovada a NBC T 19.18 Adoção Inicial da Lei n. 11.638/07 e da Medida Provisória n. 449/08

Aprovada a NBC T 19.18 Adoção Inicial da Lei n. 11.638/07 e da Medida Provisória n. 449/08 Aprovada a NBC T 19.18 Adoção Inicial da Lei n. 11.638/07 e da Medida Provisória n. 449/08 O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO que o

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 728, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014

DELIBERAÇÃO CVM Nº 728, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014 Aprova o Documento de Revisão de Pronunciamentos Técnicos nº 06 referente aos Pronunciamentos CPC 04, CPC 05, CPC 10, CPC 15, CPC 22, CPC 25, CPC 26, CPC 27, CPC 28, CPC 33, CPC 38, CPC 39 e CPC 46 emitidos

Leia mais

Contabilidade Avançada Redução ao valor recuperável de ativos: Impairment

Contabilidade Avançada Redução ao valor recuperável de ativos: Impairment Contabilidade Avançada Redução ao valor recuperável de ativos: Impairment Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 36 Impairment of Assets No CPC: CPC 01 (R1) Redução ao valor recuperável

Leia mais

Palavra-Chave: Contabilidade Internacional, Adoção as Normas Internacionais de Contabilidade, CPC-PMEs.

Palavra-Chave: Contabilidade Internacional, Adoção as Normas Internacionais de Contabilidade, CPC-PMEs. CONTABILIDADE INTERNACIONAL: a convergência das Normas Internacionais da Contabilidade aplicada às micros e pequenas empresas no município de Barreiras-BA. Acadêmica: Luana Alves Souza 1 E-mail: Lua.luana23@hotmail.com

Leia mais

Luciano Silva Rosa Contabilidade 20

Luciano Silva Rosa Contabilidade 20 Luciano Silva Rosa Contabilidade 20 Tratamento contábil do ágio e do deságio O tratamento contábil do ágio e do deságio na aquisição de investimentos avaliados pelo método da equivalência patrimonial (MEP)

Leia mais

JOSÉ APARECIDO MAION jmaion@maioncia.com.br. IRINEU DE MULA idemula@amcham.com.br. DELIBERAÇÃO CVM N o 539, DE 14/03/2008

JOSÉ APARECIDO MAION jmaion@maioncia.com.br. IRINEU DE MULA idemula@amcham.com.br. DELIBERAÇÃO CVM N o 539, DE 14/03/2008 DELIBERAÇÃO CVM N o 539, DE 14/03/2008 Aprova o Pronunciamento Conceitual Básico do CPC que dispõe sobre a Estrutura Conceitual para a Elaboração e Apresentação das Demonstrações Contábeis. JOSÉ APARECIDO

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.638, DE 28 DEZEMBRO DE 2007. Mensagem de veto Altera e revoga dispositivos da Lei n o 6.404, de 15 de dezembro de 1976, e

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Demonstrações Contábeis por Tipo e Tamanho de Empresa e Reflexos na Escrituração Contábil Digital (ECD)

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Demonstrações Contábeis por Tipo e Tamanho de Empresa e Reflexos na Escrituração Contábil Digital (ECD) 1 Parecer Consultoria Tributária Segmentos Demonstrações Contábeis por Tipo e Tamanho de Empresa e Reflexos na Escrituração Contábil Digital (ECD) 04/06/2014. Contábeis por Tipo e Tamanho de Empresa 1

Leia mais

ITG 1000 ITG 1000 MODELO CONTÁBIL PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE MODELO CONTÁBIL PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE

ITG 1000 ITG 1000 MODELO CONTÁBIL PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE MODELO CONTÁBIL PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ITG 1000 MODELO CONTÁBIL PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE O Processo de O Processo de Convergência às Normas Internacionais de Contabilidade (IFRS) PROCESSO DE CONVERGÊNCIA MARCOS LEGAL E

Leia mais

A Nova Contabilidade do Setor Público. Conselho Federal de Contabilidade

A Nova Contabilidade do Setor Público. Conselho Federal de Contabilidade A Nova Contabilidade do Setor Público Conselho Federal de Contabilidade 1 Conteúdo: Antecedentes Novo foco da contabilidade Convergência às IPSAS Principais entidades normativas O conjunto das NBC T SP

Leia mais

A Experiência Brasileira na Adoção do IFRS para Pequenas e Médias Empresas

A Experiência Brasileira na Adoção do IFRS para Pequenas e Médias Empresas A Experiência Brasileira na Adoção do IFRS para Pequenas e Médias Empresas Balneário Camboriú-SC 21 de julho de 2011 O padrão IFRS é adotado, atualmente, por cerca de 140 países(1) e por milhões de pequenas

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 28. Propriedade para Investimento

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 28. Propriedade para Investimento COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 28 Propriedade para Investimento Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 40 Índice OBJETIVO 1 Item ALCANCE 2 4 DEFINIÇÕES

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 610, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2009

DELIBERAÇÃO CVM Nº 610, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2009 Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 43 do Comitê de Pronunciamentos Contábeis, que trata da adoção inicial dos pronunciamentos técnicos CPC 15 a 40. A PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - CVM

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_...

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... Página 1 de 14 CONTABILIDADE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Considerações ROTEIRO 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO

Leia mais

Reavaliação: a adoção do valor de mercado ou de consenso entre as partes para bens do ativo, quando esse for superior ao valor líquido contábil.

Reavaliação: a adoção do valor de mercado ou de consenso entre as partes para bens do ativo, quando esse for superior ao valor líquido contábil. Avaliação e Mensuração de Bens Patrimoniais em Entidades do Setor Público 1. DEFINIÇÕES Reavaliação: a adoção do valor de mercado ou de consenso entre as partes para bens do ativo, quando esse for superior

Leia mais

O Impacto da Lei 11.638/07 no encerramento das Demonstrações Contábeis de 2008

O Impacto da Lei 11.638/07 no encerramento das Demonstrações Contábeis de 2008 O Impacto da Lei 11.638/07 no encerramento das Demonstrações Contábeis de 2008 Pronunciamento CPC 013 Adoção Inicial da Lei nº 11.638/07 e da Medida Provisória no 449/08 Antônio Carlos Palácios Vice-Presidente

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos MP627 Alterações Fiscais sobre o Ajuste a Valor Presente

Parecer Consultoria Tributária Segmentos MP627 Alterações Fiscais sobre o Ajuste a Valor Presente 11/03/2014 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas Pelo Cliente... 4 3. Análise da Legislação... 5 a. Ajuste a Valor Presente no Contas a Receber... 5 b. Ajuste

Leia mais

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil. CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1.

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil. CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1. PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1.304/10; 1 OBJETIVO O objetivo deste Pronunciamento é estabelecer,

Leia mais

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional O tamanho que a micro ou pequena empresa assumirá, dentro, é claro, dos limites legais de faturamento estipulados pela legislação para um ME ou EPP, dependerá do

Leia mais

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Home page: www.crc.org.br - E-mail: cursos@crcrj.org.br Notas Explicativas Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com (Rio de Janeiro)

Leia mais

A ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL: UM COMPARATIVO ANTES E DEPOIS DA ADOÇÃO DO PADRÃO CONTÁBIL INTERNACIONAL.

A ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL: UM COMPARATIVO ANTES E DEPOIS DA ADOÇÃO DO PADRÃO CONTÁBIL INTERNACIONAL. A ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL: UM COMPARATIVO ANTES E DEPOIS DA ADOÇÃO DO PADRÃO CONTÁBIL INTERNACIONAL. Eliseu Pereira Lara 1 RESUMO: As alterações ocorridas na legislação contábil, visando à adequação

Leia mais

IFRS INTERNATIONAL FINANCIAL REPORTING STANDARD IFRS NORMAS INTERNACIONAIS DE RELATÓRIOS FINANCEIROS

IFRS INTERNATIONAL FINANCIAL REPORTING STANDARD IFRS NORMAS INTERNACIONAIS DE RELATÓRIOS FINANCEIROS PARTE 1 - IFRS NORMATIVOS E SEUS EFEITOS NO PROCESSO DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS PARTE 2 MENSURAÇÃO DE RISCOS E GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS IFRS GRUPO APLICABILIDADE IFRS FULL ENTIDADES

Leia mais

Agência Nacional de Transportes Terrestres ANTT Relatório de orientação técnica para o encerramento do exercício de 2012

Agência Nacional de Transportes Terrestres ANTT Relatório de orientação técnica para o encerramento do exercício de 2012 Agência Nacional de Transportes Terrestres ANTT Relatório de orientação técnica para o encerramento do exercício de 2012 Prefácio Com a convergência das normas brasileiras de contabilidade para as normas

Leia mais

SEÇÃO 27 REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVOS. Dezembro 2011. Elaborado por:

SEÇÃO 27 REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVOS. Dezembro 2011. Elaborado por: Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Telefones: 11 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento); fax 11 3824-5487 E-mail: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

O IMPACTO DA LEI 11.638 NA AUDITORIA DAS DEMONSTRAÇÕES FINACEIRAS

O IMPACTO DA LEI 11.638 NA AUDITORIA DAS DEMONSTRAÇÕES FINACEIRAS O IMPACTO DA LEI 11.638 NA AUDITORIA DAS DEMONSTRAÇÕES FINACEIRAS Fernanda de Fátima Teixeira Arantes, 1 José César de Faria 2 1 Universidade do Vale do Paraíba/Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10. Pagamento Baseado em Ações

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10. Pagamento Baseado em Ações COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10 Pagamento Baseado em Ações Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 2 Descrição Item Objetivo 1 Escopo 2 6 Reconhecimento

Leia mais

FAS 109, FIN 48, FAS 5, CPC 25 e IAS 37

FAS 109, FIN 48, FAS 5, CPC 25 e IAS 37 FAS 109, FIN 48, FAS 5, CPC 25 e IAS 37 Thais R. Bandeira de Mello Rodrigues Associada 55 21 2127-4236 trodrigues@mayerbrown.com Março, 2015 Tauil & Chequer Advogados is associated with Mayer Brown LLP,

Leia mais

TABELA DE PONTUAÇÃO 2012

TABELA DE PONTUAÇÃO 2012 Encantado Cruz Alta Soledade Gravataí Caxias do Sul Ijui Cerro Largo Curso de Auditoria voltado à validação da escrituração contábil fundamentado nas novas NBCs e nos dispositivos das legislações comercial

Leia mais

CURSO DE PÓS-MBA. Convergência de Normas Contábeis Brasileiras para as Normas Internacionais de Contabilidade Lei 11638/07 e Lei 11941/09, CPC e IASB

CURSO DE PÓS-MBA. Convergência de Normas Contábeis Brasileiras para as Normas Internacionais de Contabilidade Lei 11638/07 e Lei 11941/09, CPC e IASB REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA CURSO DE PÓS-MBA Convergência de Normas Contábeis Brasileiras para as Normas Internacionais de Contabilidade Lei 11638/07 e Lei 11941/09, CPC e IASB Coordenação Acadêmica:

Leia mais

ANÁLISE DA DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) DAS EMPRESAS DE PAPEL E CELULOSE POR MEIO DE INDICADORES

ANÁLISE DA DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) DAS EMPRESAS DE PAPEL E CELULOSE POR MEIO DE INDICADORES ANÁLISE DA DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) DAS EMPRESAS DE PAPEL E CELULOSE POR MEIO DE INDICADORES RESUMO O presente estudo aborda a importância da DFC para a organização, pois além de ser uma

Leia mais

FUNDAÇÃO DE APOIO AO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS FACPC. Relatório dos auditores independentes

FUNDAÇÃO DE APOIO AO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS FACPC. Relatório dos auditores independentes FUNDAÇÃO DE APOIO AO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS FACPC Relatório dos auditores independentes Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2015 e 2014 FPRJ/ORN/TMS 0753/16 FUNDAÇÃO DE APOIO AO COMITÊ

Leia mais

2 Noções de Direito Público e Privado - Paulo César de Melo Mendes, 88 Objetivos, 88

2 Noções de Direito Público e Privado - Paulo César de Melo Mendes, 88 Objetivos, 88 Apresentação 1 Contabilidade Geral - Rodrigo de Souza Gonçalves e Fernanda Fernandes Rodrigues, 1 Objetivos, 1 Introdução, 1 1 Plano de contas - elaboração e utilização, 2 2 Balanço patrimonial - estrutura

Leia mais

A Estrutura das Demonstrações Contábeis

A Estrutura das Demonstrações Contábeis A Estrutura das Demonstrações Contábeis Prof. Dr. José Elias Feres de Almeida Universidade Federal do Espírito Santo International Certified Valuation Specialist (ICVS) NBC TA 200: Contexto: Estrutura

Leia mais

A NOVA CONTABILIDADE DOS MUNICÍPIOS

A NOVA CONTABILIDADE DOS MUNICÍPIOS Apresentação O ano de 2009 encerrou pautado de novas mudanças nos conceitos e nas práticas a serem adotadas progressivamente na contabilidade dos entes públicos de todas as esferas do Governo brasileiro.

Leia mais

ATIVO IMOBILIZADO (GESTÃO, APURAÇÃO E CONTROLE)

ATIVO IMOBILIZADO (GESTÃO, APURAÇÃO E CONTROLE) ATIVO IMOBILIZADO (GESTÃO, APURAÇÃO E CONTROLE) Ativo Imobilizado e Intangível OBJETIVOS Possibilitar a compreensão da importância da informação contábil adequada do Ativo Imobilizado e sua gestão, apuração

Leia mais

Resolução CFC 1418/12 Celso luft Contador CRC/RS 50477 Vice Presidente de Fiscalização do CRC/RS

Resolução CFC 1418/12 Celso luft Contador CRC/RS 50477 Vice Presidente de Fiscalização do CRC/RS ITG 1000 Novo Modelo Contábil para ME e EPP Resolução CFC 1418/12 Celso luft Contador CRC/RS 50477 Vice Presidente de Fiscalização do CRC/RS ITG 1000 Novo Modelo Contábil para ME e EPP AGENDA A ITG 1000

Leia mais

MANTENEDOR E CONTADOR

MANTENEDOR E CONTADOR MANTENEDOR E CONTADOR No ano de 2000, Darci de Paula, Contador formado pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, em Ciências Contábeis e Pós graduado em MBA IFRS(Normas Internacionais de Contabilidade),

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004

RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004 CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004 Aprova a NBC T 19.2 - Tributos sobre Lucros. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

Leia mais

ASPECTOS GERAIS NA ELABORAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS EMPRESAS

ASPECTOS GERAIS NA ELABORAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS EMPRESAS ASPECTOS GERAIS NA ELABORAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS EMPRESAS Resolução CFC nº 1.418/2012 ITG 1000. CONVÊNIO CRCGO / SCESGO NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE MODELO CONTÁBIL PARA MICROEMPRESA

Leia mais

RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Responsabilidade da administração sobre as demonstrações contábeis

RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Responsabilidade da administração sobre as demonstrações contábeis RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Aos Diretores e Mantenedores da FUNDAÇÃO PRÓ RIM JOINVILLE SC Examinamos as demonstrações financeiras da Fundação Pró Rim, que compreendem

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2014 - Encalso Participações em Concessões S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2014 - Encalso Participações em Concessões S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

Contabilidade Financeira

Contabilidade Financeira Contabilidade Prof. Dr. Alvaro Ricardino Módulo: Contabilidade Básica aula 04 Balanço Patrimonial: Grupo de Contas II Aula 4 Ao final desta aula você : - Conhecerá os grupos de contas do Ativo e Passivo.

Leia mais

Adoção e Aplicação da IFRS

Adoção e Aplicação da IFRS IFRS Normas internacionais de contabilidade PARTE I Adoção e Aplicação da IFRS AULA 2 Prof. MSc. Márcio de Souza e Silva Objetivos: Compreender como adotar e implementar pela primeira vez as normas internacionais

Leia mais

7º Simpósio de Ensino de Graduação AS ALTERAÇÕES GERADAS PELA APROVAÇÃO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE PARA O SETOR PÚBLICO NBC T 16

7º Simpósio de Ensino de Graduação AS ALTERAÇÕES GERADAS PELA APROVAÇÃO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE PARA O SETOR PÚBLICO NBC T 16 7º Simpósio de Ensino de Graduação AS ALTERAÇÕES GERADAS PELA APROVAÇÃO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE PARA O SETOR PÚBLICO NBC T 16 Autor(es) LEONARDO GARCIA PAIS DE ARRUDA Orientador(es) ELAINE

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

O IFRS e as cooperativas de crédito no Brasil - Efetividade das ações das auditorias internas e externas

O IFRS e as cooperativas de crédito no Brasil - Efetividade das ações das auditorias internas e externas O IFRS e as cooperativas de crédito no Brasil - Efetividade das ações das auditorias internas e externas JOÃO PAULO VIANA MAGALHÃES Departamento de Supervisão de Cooperativas de Crédito e Instituições

Leia mais

CURSO DE PÓS-MBA. Convergência de Normas Contábeis Brasileiras para as Normas Internacionais de Contabilidade Lei 11638/07 e Lei 11941/09, CPC e IASB

CURSO DE PÓS-MBA. Convergência de Normas Contábeis Brasileiras para as Normas Internacionais de Contabilidade Lei 11638/07 e Lei 11941/09, CPC e IASB CURSO DE PÓS-MBA Convergência de Normas Contábeis Brasileiras para as Normas Internacionais de Contabilidade Lei 11638/07 e Lei 11941/09, CPC e IASB Código no SIGA: PMBACBIC09/00 Coordenação Acadêmica

Leia mais

Fiscal - ECF. Me. Fábio Luiz de Carvalho. Varginha-MG, 31.julho.2015

Fiscal - ECF. Me. Fábio Luiz de Carvalho. Varginha-MG, 31.julho.2015 Escrituração Contábil Fiscal - ECF Me. Fábio Luiz de Carvalho Varginha-MG, 31.julho.2015 Causa & Efeito A Lei n. 11.638/07 combinada com os Pronunciamentos emitidos pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis

Leia mais

APLICAÇÃO DO TESTE DE IMPAIRMENT EM UMA EMPRESA DE TRANSPORTES

APLICAÇÃO DO TESTE DE IMPAIRMENT EM UMA EMPRESA DE TRANSPORTES APLICAÇÃO DO TESTE DE IMPAIRMENT EM UMA EMPRESA DE TRANSPORTES 1 - INTRODUÇÃO O Brasil, através do Conselho Federal de Contabilidade, o Comitê de Pronunciamentos Contábeis e entidades parceiras, tem empreendido

Leia mais

Profa. Dra. Márcia Athayde

Profa. Dra. Márcia Athayde As NBC s para micro e pequenas empresas e sua influência tributária Profa. Dra. Márcia Athayde 2015 1 Interação social da Contabilidade SOCIAL Clientes Macroambiente TECNOLÓGICO POLÍTICO Imprensa ORGANIZAÇÃO

Leia mais

CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS

CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS SUMÁRIO 1. Considerações Iniciais 2. Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados (DLPA) na Lei das S.A. 3. Demonstração

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 01 (R1) Redução ao Valor Recuperável de Ativos

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 01 (R1) Redução ao Valor Recuperável de Ativos COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 01 (R1) Redução ao Valor Recuperável de Ativos Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 36 (BV2010) Sumário OBJETIVO 1 Item

Leia mais

CONTABILIDADE E AUDITORIA CEBAS - EDUCAÇÃO ASPECTOS PRÁTICOS E ITG 2002

CONTABILIDADE E AUDITORIA CEBAS - EDUCAÇÃO ASPECTOS PRÁTICOS E ITG 2002 CONTABILIDADE E AUDITORIA CEBAS - EDUCAÇÃO ASPECTOS PRÁTICOS E ITG 2002 AGENDA Introdução Terceiro Setor Contabilidade Demonstrações Contábeis Auditoria Perguntas TERCEIRO SETOR TERCEIRO SETOR LEI 12.101/09

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06. Operações de Arrendamento Mercantil

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06. Operações de Arrendamento Mercantil COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 Operações de Arrendamento Mercantil Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 17 (IASB) PRONUNCIAMENTO Índice Item OBJETIVO

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

Instituto Hernandez de Desenvolvimento Profissional

Instituto Hernandez de Desenvolvimento Profissional AS IFRS COMO FATOR IMPULSIONADOR DA ECONOMIA E DA PROFISSÃO CONTÁBIL NO BRASIL JOSÉ HERNANDEZ PEREZ JUNIOR José Hernandez Perez Junior 1 PALESTRANTE JOSÉ HERNANDEZ PEREZ JUNIOR PhD Doctor of Philosophy

Leia mais

A CONTABILIDADE NAS EMPRESAS PRODUTORAS DE PROJETOS CULTURAIS FACE AO NOVO PADRÃO CONTÁBIL

A CONTABILIDADE NAS EMPRESAS PRODUTORAS DE PROJETOS CULTURAIS FACE AO NOVO PADRÃO CONTÁBIL A CONTABILIDADE NAS EMPRESAS PRODUTORAS DE PROJETOS CULTURAIS FACE AO NOVO PADRÃO CONTÁBIL Já tivemos oportunidade de abordar a importância da contabilidade para as pequenas empresas produtoras de projetos

Leia mais

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 109 GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Claudinei Higino da Silva,

Leia mais

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA Laércio Dahmer 1 Vandersézar Casturino2 Resumo O atual mercado competitivo tem evidenciado as dificuldades financeiras da microempresa.

Leia mais

OBRIGATORIEDADE DA EVIDENCIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

OBRIGATORIEDADE DA EVIDENCIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS OBRIGATORIEDADE DA EVIDENCIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Marivane Orsolin 1 ; Marlene Fiorentin 2 ; Odir Luiz Fank Palavras-chave: Lei nº 11.638/2007. Balanço patrimonial. Demonstração do resultado

Leia mais

Contabilidade Geral ICMS-RJ/2010

Contabilidade Geral ICMS-RJ/2010 Elias Cruz Toque de Mestre www.editoraferreira.com.br Temos destacado a importância das atualizações normativas na Contabilidade (Geral e Pública), pois em Concurso, ter o estudo desatualizado é o mesmo

Leia mais

Serviço Funerário Bom Pastor Ltda ME Demonstrações contábeis findas em 31 de dezembro de 2014

Serviço Funerário Bom Pastor Ltda ME Demonstrações contábeis findas em 31 de dezembro de 2014 Serviço Funerário Bom Pastor Ltda ME Demonstrações contábeis findas Demonstrações financeiras em IFRS e baseadas nos Pronunciamentos Técnicos emitidos pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis - CPC em

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 03 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais