Cátia Patrícia Sá Barreiro A INSTITUCIONALIZAÇÃO DO IDOSO NO CONCELHO LIMIANO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cátia Patrícia Sá Barreiro A INSTITUCIONALIZAÇÃO DO IDOSO NO CONCELHO LIMIANO"

Transcrição

1 Cátia Patrícia Sá Barreiro A INSTITUCIONALIZAÇÃO DO IDOSO NO CONCELHO LIMIANO Universidade Fernando Pessoa Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Porto, 2013

2 II

3 Cátia Patrícia Sá Barreiro A INSTITUCIONALIZAÇÃO DO IDOSO NO CONCELHO LIMIANO Universidade Fernando Pessoa Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Porto, 2013 III

4 CÁTIA PATRÍCIA SÁ BARREIRO A INSTITUCIONALIZAÇÃO DO IDOSO NO CONCELHO LIMIANO Projeto de Graduação, apresentado à Universidade Fernando Pessoa como parte dos requisitos para a obtenção do grau de Licenciatura em Serviço Social, sob a orientação Prof. Doutor Luís Santos. IV

5 SUMÁRIO Vários são os motivos que levam os idosos à procura da resposta estrutura residencial: a falta de saúde, a dependência funcional, a indisponibilidade familiar, a solidão e, para grande parte dos idosos, a procura da satisfação das suas necessidades básicas (e.g., alimentação, higiene, conforto). No sentido de compreender e conhecer melhor a população idosa institucionalizada em Ponte de Lima, realizou-se um estudo cujo objetivo geral consistiu na aferição de múltiplas realidades institucionais, da valência estrutura residencial, no concelho Limiano. Optámos por uma investigação híbrida, ou seja, quantitativa e qualitativa, com a intenção de analisar dados numéricos bem como as opiniões dos entrevistados. Realizámos assim oito entrevistas a idosos integrados numa estrutura residencial e aplicámos um inquérito por questionário às Diretoras Técnicas das Instituições do Concelho. Os resultados obtidos permitiram compreender o processo de integração numa estrutura residencial, os motivos da institucionalização, os contextos de vida, as vivências com os familiares e cuidadores formais e a satisfação com os serviços. Palavras-chave: Envelhecimento, Idoso, Velhice, Institucionalização, Estrutura Residencial V

6 ABSTRACT Various are the reasons that compel the elderly to seek a residential structure solution: poor health, functional dependency, lack of availability on the part of the family, solitude and, for a large number, the need to for a response to basic necessities (e.g. nourishment, hygiene and comfort). With the purpose of gaining greater knowledge and a better understanding of the institutionalized elderly people of Ponte de Lima, a study was carried out where the main goal consisted of assessing institutional realities providing a residential structure valence within the county Limiano. We opted to undertake a hybrid research approach, that is, both quantitative and qualitative, with the dual intention of analyzing the numerical data as well as the interviewees opinions. We thus performed eight interviews with elderly people lodged in a residential structure and applied a survey questionnaires to the Technical Directors of the County s Social Institutions. The results uncovered allowed us to understand the process of integration in a residential structure, the motives of institutionalization, the life contexts, the interactions with family and care providers and also the level of satisfaction with the services provided. Keywords: Aging, Elderly, Aging, Institutionalization, Residential Structure VI

7 AGRADECIMENTOS O presente trabalho não seria possível sem o apoio e a disponibilidade de todas as pessoas que contribuíram, direta e indiretamente, para a sua elaboração e às quais gostaria de exprimir algumas palavras de agradecimento e profundo reconhecimento: Aos meus pais e irmão, por toda a dedicação, esforço, amor, sacrifício e orgulho que sempre depositaram em mim. A vocês, devo tudo que sou. Aos meus colegas de jornada, por todos os momentos que tivemos a oportunidade de partilhar e que eu nunca esquecerei. Madalena, Nina, Paula e Marco, a vocês em especial. Ao meu orientador, Prof. Doutor Luís Santos, pela sua importante orientação e os seus sábios conselhos nos momentos de dúvida. A todos os docentes que fizeram parte do meu percurso académico, por me terem transmitido os valores e conhecimentos necessários à minha futura profissão. À Dra. Lurdes Fernandes, diretora técnica do Centro Comunitário de Refoios, bem como a toda a restante equipa, pelo acolhimento, ajuda e apoio. Às diretoras técnicas das instituições do concelho pela colaboração no preenchimento dos questionários. Um obrigada muito especial aos idosos que me acarinharam no estágio e participaram voluntariamente neste estudo e sem os quais não era possível a sua realização. A todos aqueles que de forma (in)direta acompanharam esta etapa da minha vida. A todos, o meu mais sincero OBRIGADA! VII

8 ÍNDICE GERAL SUMÁRIO... V ABSTRACT... VI AGRADECIMENTOS... VII ÍNDICE DE SIGLAS E ABREVIATURAS... X ÍNDICE DE QUADROS... XI INTRODUÇÃO PARTE I PARTE TEÓRICA CAPÍTULO I APROXIMAÇÃO GERAL AO PROCESSO DE ENVELHECIMENTO Velhice: Processo inevitável da vida Conceito e processo de envelhecimento Consequências do envelhecimento O idoso na sociedade: estereótipos e mitos Fenómeno do envelhecimento demográfico: algumas considerações acerca do Envelhecimento em Portugal CAPÍTULO II DENTRE A MULTIPLICIDADE DE RESPOSTAS, A ESPECIFICIDADE DAS ESTRUTURAS RESIDENCIAIS Emergência das instituições de apoio à terceira idade Respostas Sociais direcionadas para a População Idosa Estruturas residenciais Recurso à institucionalização PARTE II PARTE EMPÍRICA CAPÍTULO III METODOLOGIA Introdução Objetivos do Estudo Instrumentos e procedimentos VIII

9 3.4 Participantes CAPÍTULO IV APRESENTAÇÃO, ANÁLISE E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS Introdução Estudo 1 Institucionalização limiana Caracterização geral das estruturas residenciais de ponte de lima Caracterização sociodemográfica dos residentes Caracterização dos residentes em função das suas capacidades funcionais Sobre o processo de institucionalização: motivos, tomada de decisão, visitas e relacionamentos Atividades proporcionadas aos residentes Estudo 2 Discursos e percursos dos residentes sobre o processo de institucionalização Caracterização sociodemográfica dos participantes Momento da pré-institucionalização Momento da institucionalização Momento presente Discussão dos resultados CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXOS IX

10 ÍNDICE DE SIGLAS E ABREVIATURAS p. Página pp. Páginas E Entrevista ER Estrutura Residencial INE Instituto Nacional de Estatística IPSS Instituição Particular de Solidariedade Social MTSS Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social X

11 ÍNDICE DE QUADROS Quadro n.º 1 Identificação geral das estruturas residenciais Quadro n.º2 Caraterização das estruturas residenciais Quadro n.º3 Caracterização dos residentes em função do sexo Quadro n.º4 Caracterização dos residentes em função da idade Quadro n.º5 Caracterização dos residentes em função do estado civil. 41 Quadro n.º6 Caracterização dos residentes em função do nível de escolaridade.42 Quadro n.º7 Caracterização dos residentes em função da profissão Quadro n.º8 Caracterização dos residentes em função da naturalidade Quadro n.º9 Caracterização dos residentes em função do nível de (in)dependência...44 Quadro n.º10 Caracterização dos residentes em função das suas (in)capacidades funcionais.44 Quadro n.º11 Principais motivos da institucionalização Quadro n.º12 Iniciativa de institucionalização Quadro n.º13 Visitas recebidas Quadro n.º14 Atividades proporcionadas XI

12 ÍNDICE DE ANEXOS Anexo I Questionário 63 Anexo II Guião de Entrevista...73 Anexo III Autorização das Entrevistas.76 Anexo IV Matrizes conceptuais referentes à unidade 2 do guião de entrevista...79 Anexo V Matrizes conceptuais referentes à unidade 3 do guião de entrevista 89 Anexo VI Matrizes conceptuais referentes à unidade 4 do guião de entrevista...96 XII

13 A Institucionalização do Idoso no Concelho Limiano INTRODUÇÃO O presente Projeto de Graduação surge no âmbito do 3º ano do Plano Curricular da Licenciatura em Serviço Social da Universidade Fernando Pessoa, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, em Ponte de Lima. A elaboração deste trabalho científico tem como objetivo complementar a avaliação para obtenção do grau de Licenciatura. A manifestação em estudar a população idosa, deriva do contato obtido com idosos através do estágio curricular, das horas de escuta sobre histórias de vida, da observação e participação nas vivências num lar de idosos. De facto, algumas pessoas, por mais velhas que sejam, nunca perdem a beleza; apenas a transferem do rosto para o coração (M. Buxbaum, s/d). Para além destas razões, o aprofundar conhecimentos sobre o processo do envelhecimento e desenvolver competências de intervenção adequadas aos contextos em que estamos inseridos foram os objetivos gerais que delineamos para esta investigação. O envelhecimento é, como se sabe, comum a todos os seres humanos sendo que, atualmente, o número de idosos tem vindo a aumentar significativamente. Este é um processo biológico, intrínseco, progressivo e individual, no qual se podem reconhecer aspetos físicos e fisiológicos inerentes (Freitas et al., 2002). O aumento demográfico da população idosa constitui uma das transformações sociais mais importantes nas últimas décadas da humanidade e uma realidade presente em todas as sociedades economicamente desenvolvidas. No entanto, este envelhecimento generalizado da população traz consigo novos problemas sociais na medida em que a velhice aparece como um período em que ocorrem grandes mudanças ao nível biológico, psicológico e social. Estas mudanças exigem, por sua vez, um grande esforço de adaptação às novas condições de vida, tratando-se assim de um momento de risco para o equilíbrio e bem-estar da pessoa idosa. Face a este contexto, para o presente trabalho, consultámos uma gama extensa de autores que elaboraram investigações sobre a institucionalização dos idosos em lares e as suas repercussões. Alguns defendem que a integração num lar é vivida e sentida pelo 13

14 A Institucionalização do Idoso no Concelho Limiano idoso de uma forma difícil, angustiante, implicando inúmeras perdas tais como: físicas, sociais, relacionais e psíquicas que possivelmente aceleram o processo do envelhecimento (e.g., Paúl, 1997; Pimentel, 2005; Sousa, 2004; Cardão, 2009). Outros autores (e.g., Pimentel, 2005; Oliveira, 2005) vêm na institucionalização alguns aspetos positivos, pois para muitos idosos a integração nos lares foi a única alternativa encontrada de modo a viverem com mais qualidade. No sentido de compreender e conhecer melhor a população idosa institucionalizada em Ponte de Lima, este estudo tem como objetivo geral a aferição de múltiplas realidades institucionais, da valência estrutura residencial, no concelho Limiano. Este Projeto de Graduação encontra-se dividido em duas grandes partes: a primeira refere-se à fundamentação teórica e a segunda à investigação empírica. A fundamentação teórica, organizada em dois capítulos, serviu para nos familiarizarmos com o conhecimento atualizado da literatura. Nela procuramos uma abordagem sobre questões pertinentes para enquadrar teoricamente o problema em estudo, nomeadamente uma Aproximação geral ao processo de envelhecimento, no capítulo I, e, no capítulo II, intitulado Dentre a multiplicidade de respostas, a especificidade das estruturas residenciais. A parte empírica, organizada também em dois capítulos, apresenta, no Capítulo III, intitulado de Metodologia, o percurso metodológico adotado para a realização do presente estudo, bem como os objetivos e os procedimentos que conduziram a análise dos resultados obtidos. No Capítulo IV, intitulado Análise e Discussão dos Resultados, pretende-se fazer a conciliação entre o quadro conceptual e os resultados obtidos. 14

15 A Institucionalização do Idoso no Concelho Limiano PARTE I PARTE TEÓRICA 15

16 A Institucionalização do Idoso no Concelho Limiano CAPÍTULO I APROXIMAÇÃO GERAL AO PROCESSO DE ENVELHECIMENTO 1.1 VELHICE: PROCESSO INEVITÁVEL DA VIDA Nas antigas sociedades, atribuía-se um papel de dirigente ao indivíduo mais velho, pela experiência e sabedoria que lhe era conferida ao longo da vida. Ser-se velho era ser-se sábio; era ter-se a mais-valia do tempo que fazia do velho o conselheiro, o amigo, a memória das gerações. Atualmente, cada sociedade, no seu contexto e momento da história, tem dado um papel positivo ou negativo à velhice, levando a que os idosos sejam ora valorizados, ora rejeitados. Cardão (2009) explica, a este propósito, que envelhecer não é ser velho, isto é, a representação social de velhice como acontecimento individual não convoca somente aspetos negativos relacionados com o desgaste e a eventual dependência. Envelhecer é igualmente ter experiência, maturidade e uma perceção das coisas e do mundo de forma mais elaborada e abrangente. A Organização Mundial de Saúde, na tentativa de uniformizar os critérios, também nomeia como idoso qualquer indivíduo com idade igual ou superior a 65 anos, independentemente do sexo e do seu estado de saúde. Já Eliopoulos (2005) classifica idoso em quatro categorias, sendo elas: Idoso - Jovem, pessoas com uma idade compreendida entre 65 e 75 anos. Idoso com idades compreendidas entre os 75 e 85 anos. Idoso - Idoso com idades compreendidas entre os 85 e 100 anos. Por último, Idoso de elite com idade superior a 100 anos. Por seu lado, Frutuoso (1990, cit. in Santos, 2000) afirma que as frases aquele rapaz parece um velho ou tem 80 anos e parece um jovem, demonstram como a velhice não é um conceito óbvio e objetivo, porque depende: do modo como cada um conceptualiza e encara a velhice e da fase de envelhecimento em que se encontra. Oliveira (2005, p.24) acrescenta que velhice se traduz num: ( ) Processo que, devido ao avançar da idade, atinge toda a pessoa, bio-psico-socialmente considerada, isto é, todas as modificações morfo-fisiológicas e psicológicas, com repercussões sociais, como consequência do desgaste do tempo. 16

17 A Institucionalização do Idoso no Concelho Limiano Sousa, Figueiredo e Cerqueira (2004, p. 9) apresentam descrições da velhice de acordo com a idade do respondente, que demonstram a variabilidade do conceito e das vivências da velhice ao longo da vida, assim: aos 14 anos a velhice é ter avós que podem contar histórias aos netos ; aos 27 anos é um momento para aproveitar a vida ; aos 36 anos é um período que demora muito tempo a chegar ; aos 48 anos é um período em que se vive de muitas recordações ; aos 54 anos é estar dependente e precisar de muito carinho e amparo, aos 66 anos é uma tristeza, não há nada que chegue, ser um pouco mais novo, para não dependermos dos outros ; aos 78 anos é uma ironia. Como se percebe, este conceito varia com a idade de quem o define, reforçando a variabilidade das vivências ao longo da vida e como a maior ou menor proximidade da velhice afeta a forma como ela é definida. Sendo a última fase do ciclo vital, a velhice leva a que muitos dos idosos se sintam mais frágeis, sensíveis e vulneráveis face à opinião e a gestos dos outros. Muitos dos idosos, consideram a velhice, como uma perda de autonomia e de saúde, acreditando assim, no que a sociedade lhes diz, como, velhos, senis e mimados. Por outro lado, existem idosos que consideram a velhice como um fenómeno natural, sendo felizes e sentindo-se úteis para a sociedade. Estes últimos reconhecem aspetos positivos em si, bem como vantagens no processo de envelhecimento, complicam menos a vida e temem menos a morte (Berger & Mailloux-Poirier, 1995). 1.2 CONCEITO E PROCESSO DE ENVELHECIMENTO O envelhecimento é um processo de deterioração endógena e irreversível das capacidades funcionais do organismo. Trata-se de um fenómeno inevitável ( ), que tem sido considerado historicamente através de duas fortes e opostas perspetivas: uma que o reconhece como etapa final da vida, a fase de declínio que culmina na morte, e a outra, que o concebe como fase da sabedoria, da maturidade e da serenidade (Sousa, Figueiredo e Cerqueira, 2004, p.23). Torna-se evidente que o envelhecimento não é uma doença: vive-se, logo envelhece-se. É um processo complexo, universal, comum a todos os seres vivos, nomeadamente ao Homem. Pode ser considerado um processo contínuo, podendo-se observar uma evolução mais rápida ou pelo menos mais notória nas últimas fases da vida (Fernandes, 2002). 17

18 A Institucionalização do Idoso no Concelho Limiano Cancela (2007) considera que como os indivíduos envelhecem de formas muito diversas e em ritmos diferentes, não envelhecendo todos ao mesmo tempo, podemos destacar três tipos de envelhecimento: a) O envelhecimento biológico, que está ligada ao envelhecimento orgânico. Cada órgão sofre modificações que diminuem o seu funcionamento durante a vida e a capacidade de se autorregular torna-se menos eficaz. O processo de envelhecimento não é executado todo ao mesmo tempo, ou seja, cada sector do organismo envelhece num tempo determinado. É um processo contínuo que acontece durante todo o decorrer da vida, não ocorrendo ao mesmo tempo, nem de modo igual para todos (p.2); b) O envelhecimento psicológico relaciona-se com as competências comportamentais que a pessoa pode mobilizar em resposta às mudanças do ambiente e inclui a inteligência, memória e motivação. Foca, ainda, outro aspeto significativo que se prende com a questão dos conflitos psicológicos que derivam de conflitos afetivos e frustrações correspondentes a épocas anteriores da sua vida e que as dificuldades psicológicas acumulam-se na velhice; c) O envelhecimento social refere-se ao papel, aos estatutos e aos hábitos da pessoa, relativamente aos outros membros. O processo de envelhecimento é inerente à vida, constituindo um fenómeno complexo que afeta o indivíduo de modo particular, pois as diferenças na experiência do envelhecimento devem-se a fatores biológicos, psicológicos, sociais e culturais que determinam a existência humana. Assim, e de acordo com Fontaine (2000, p.23): O envelhecimento é, assim, um processo diferencial (muito variável de individuo para individuo) que revela simultaneamente dados objetivos (degradações físicas, diminuição tendencial dos funcionamentos percetivos e mnésicos, etc), e também dados subjetivos que constituem de facto a representação que a pessoa faz do seu próprio envelhecimento. Moniz (2003, p. 45) refere ainda que: Embora o envelhecimento seja um processo natural e comum a todas as pessoas, decorrente do facto de se inscrever no ciclo de vida biológico, constituído pelo nascimento, crescimento e morte, ele é vivido de forma variável consoante o contexto social em que a pessoa se insere. 18

19 A Institucionalização do Idoso no Concelho Limiano De acordo com este autor à medida que o ser humano cresce, adquire novas aptidões, novos interesses, novos valores e uma importância da vida diferente, a cada momento que vive novas experiências, devendo-se isto, a novas informações que são transmitidas através de um meio físico, social e cultural em que se insere. Moniz (2003, pp ) verbaliza que: A pessoa, nasce, cresce, envelhece e morre. Ao longo da vida passa por influências internas e externas que vão ter repercussões na sua velhice e na forma como vai envelhecendo. Concluindo, o processo de envelhecimento não se inicia no mesmo período nem se desenvolve ao mesmo ritmo sendo assim diferente de individuo para individuo, inevitável e observável em todos os seres humanos. De pessoa para pessoa, as alterações causadas pelo envelhecimento desenvolvem-se a um ritmo distinto, dependendo de fatores externos, como estilos de vida, atividades que um indivíduo desenvolve, ambiente onde se insere e organização de cuidados de saúde e de fatores internos, como a bagagem genética e o estado de saúde. De acordo com Lidz (1983) os fatores internos ou individuais são os biológicos, genéticos e psicológicos, e os fatores externos são os comportamentais, ambientais e sociais. Os fatores individuais podem contribuir para a ocorrência de doenças ao longo da vida. No entanto, em muitas situações, o declínio das funções está intimamente relacionado com os fatores externos, como por exemplo, o aparecimento de depressões e os fenómenos de solidão e isolamento de muitas pessoas idosas. Deste modo, a saúde é o resultado das experiências passadas em termos de estilos de vida, de exposição aos ambientes onde se vive e dos cuidados de saúde que se recebam, sendo a qualidade de vida nas pessoas idosas largamente influenciada pela capacidade em manter a autonomia e a independência. Por autonomia entende-se a capacidade percebida para controlar, lidar com as situações e tomar decisões sobre a vida do dia-a-dia, de acordo com as próprias regras e preferências. Por independência entende-se a capacidade para realizar funções relacionadas com a vida diária, ou seja, a capacidade de viver de forma independente na comunidade, sem ajuda ou com uma pequena ajuda de outrem. Estas incluem, por exemplo, tomar banho, alimentar-se, utilizar a casa de banho e andar pela casa. 19

20 A Institucionalização do Idoso no Concelho Limiano 1.3 CONSEQUÊNCIAS DO ENVELHECIMENTO O envelhecimento, por mais natural que surja, traz consigo uma série de alterações, sejam elas biológicas/físicas, psicológicas ou sociais. Estas mudanças ocorrentes durante este processo são sentidas de forma particular por cada um. De acordo com Spar e Rue (1997, cit. in Silva, 2011), podemos referir que as principais modificações biológicas que o organismo sofre, decorrentes da idade, têm a ver com os aspetos gerais, como a perda de elasticidade e tonicidade da pele que leva ao aparecimento de rugas, a perda de acuidade visual, mudança da cor dos olhos, perda de brilho e aparecimento de doenças como a miopia ou as cataratas. Há uma diminuição da audição com surdez progressiva, podendo surgir lesões no ouvido médio e deterioração do ouvido interno. A nível da locomoção emergem mudanças como a diminuição do peso e da altura, perda de mobilidade e de flexibilidade, surgindo artroses. Os ossos ficam mais frágeis, podendo provocar osteoporose. E mais uma série de muitos outros problemas de saúde relacionados com o declínio das capacidades. Durante a velhice assistimos a algumas alterações psicológicas devido às mudanças que os idosos sofrem no seu dia-a-dia e que os obriga a desempenhar novos papéis, bem como a enfrentar novos problemas. Devido à falta de vitalidade do organismo, os idosos preferem atividades menos exigentes e que impliquem um menor esforço, dando prioridade às atividades que se desenvolvam em grupo e em contacto com outras pessoas. Com o passar dos anos os idosos tendem a criar uma imagem de si que tem a ver com a estrutura social em que se encontram inseridos: criam limites para si próprios, que podem ficar muito aquém ou além das suas reais capacidades, podendo desencadear ou originar ilusões ou frustrações. Na opinião de Bromley (cit. in Costa, 2003), as alterações psicológicas que podem acompanhar o envelhecimento são as seguintes: lentidão de pensamento, enfraquecimento moderado e não progressivo da memória, diminuição do ritmo das capacidades vitais e de empreendimento, acentuação da prudência, alteração do ritmo do sono e Relativa troca libidinal da genitalidade para o plano alimentar e para o interior do corpo. 20

21 A Institucionalização do Idoso no Concelho Limiano Zimerman (2000) refere que as alterações psicológicas podem trazer ao idoso as seguintes consequências: dificuldade em adaptar-se a novos papéis, falta de motivação e dificuldade em planear o futuro, necessidade de trabalhar as perdas orgânicas, afetivas e sociais, dificuldade em se adaptar às mudanças rápidas, que têm reflexos dramáticos nos idosos, alterações psíquicas que exigem tratamento e baixa da autoestima. 1.4 O IDOSO NA SOCIEDADE: ESTEREÓTIPOS E MITOS O conceito de velhice tem assumido diversos significados ao longo dos séculos, dependendo das características culturais e históricas vigorantes em cada época. Apesar dos idosos constituírem o grupo que mais cresce e se evidencia na sociedade, continuam a ser vítimas de estereótipos e de erradas conceções. Segundo Ebersole (1985, cit. in Berger, 1995) existem sete mitos relevantes confrontados com estudos que provam o contrário (p.67): 1 - A maioria dos idosos é senil ou doente. No entanto verifica-se que a maior parte dos idosos não é mentalmente perturbada e o envelhecimento normal não afeta as faculdades mentais de uma forma previsível; 2 - A maior parte dos idosos é infeliz. Existem estudos que demonstram que o nível de satisfação de vida dos idosos é relativamente elevado comparando-se ao dos adultos. Demonstram um nível de auto estima elevado estando satisfeitos com o seu papel familiar e social; 3 - No trabalho os idosos produzem menos que os jovens. Os idosos têm uma taxa de absentismo menos elevada, têm menos acidentes e um rendimento mais constante; 4 - A maior parte dos idosos está doente e tem necessidade de ajuda para as suas atividades quotidianas. Cerca de 80% dos idosos é suficientemente saudável e autónomo para efetuar as suas atividades sem qualquer ajuda. A dependência não é, de forma alguma, sinónimo de terceira idade; 5 - Os idosos mantêm obstinadamente os seus hábitos de vida, são conservadores e incapazes de mudar. Apesar dos idosos serem mais estáveis, não recusam totalmente a mudança. Quando confrontados com situações novas são capazes de se adaptar a elas; 6 - Todos os idosos se assemelham. Esta afirmação não corresponde à verdade, pois á medida que o ser humano envelhece diferencia-se dos outros sob diversos aspetos; 21

22 A Institucionalização do Idoso no Concelho Limiano 7 - A maioria dos idosos está isolada e sofre de solidão. Um grande número de idosos mantém elos de amizade e permanece em contacto com a família, além de participar regularmente em atividades sociais. O que importa salientar acerca de todos estes mitos e ideias pré-concebidas é o facto de estes estarem muitas vezes ligados ao desconhecimento do processo de envelhecimento, e poderem influenciar a forma como os indivíduos interagem com a pessoa idosa. Esta postura social atingiu tal dimensão, que Berger (1995) chega mesmo a referir que hoje em dia abundam ideias feitas e preconceitos relativamente à velhice. Os velhos de hoje os gastos os enrugados cometeram a asneira de envelhecer numa cultura que deifica a juventude (p.63). Por outro lado constituem também uma causa de enorme perturbação nos idosos, uma vez que negam o seu processo de crescimento e os impedem de reconhecer as suas potencialidades, de procurar soluções precisas para os seus problemas e de encontrar medidas adequadas. Torna-se assim urgente o combate a estas representações sociais negativas cabendo a todos nós contribuir para que os idosos sejam vistos com outros olhos. 1.5 FENÓMENO DO ENVELHECIMENTO DEMOGRÁFICO: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO ENVELHECIMENTO EM PORTUGAL Portugal, à semelhança de outros países da Europa, está a passar por uma rápida transição demográfica, caraterizada por um aumento progressivo e acentuado da população adulta e idosa. Segundo Rosa (1999, p.9): Em trinta anos a população portuguesa conheceu uma modificação profunda do seu perfil etário, que se traduz por uma alteração da configuração geral da pirâmide de idades, a qual perde a forma marcadamente triangular que apresentava em 1960, passando em 1991 a apresentar uma forma tipo urna. 22

23 A Institucionalização do Idoso no Concelho Limiano No geral, todas estas alterações a nível populacional e da estrutura etária de Portugal podem ser devidas a uma variedade de fatores, entre eles: a diminuição das taxas de fecundidade e natalidade, acompanhada pela diminuição da taxa de mortalidade, com consequente aumento da esperança média de vida; a melhoria das condições de vida; o desenvolvimento dos cuidados de saúde, acompanhados de programas de apoio à promoção de saúde nos países desenvolvidos; o desenvolvimento de programas de atividade física, com o objetivo de melhorar a saúde e o bem-estar das pessoas idosas e consequentemente aumento da sua qualidade de vida (Hawkins et al, 1999). O aumento da população idosa é mais acentuado na população com 80 anos ou mais, sendo que em 2008 esta população representava 4,2% da população total. Prevê-se que, para 2060, esta população passe a representar entre 12,7 e 15,8% da população total portuguesa (INE, 2009). Ainda segundo previsões do INE, estima-se que a população idosa passe a representar em 2050, 32% da população total (Carrilho, 2004). Em 2060 a percentagem de população idosa aumentará para 32,3% da população total portuguesa (INE, 2009). Concluindo, e tal como refere Natário (1992, p. 55): Se o envelhecimento da população é uma aspiração natural de qualquer sociedade e, depois, de esta continuamente desenvolver esforços no sentido de prolongar a vida humana, então oferecer as condições adequadas aos idosos para viver em bem estar é um importante desafio que se coloca a toda a sociedade. 23

24 A Institucionalização do Idoso no Concelho Limiano CAPÍTULO II DENTRE A MULTIPLICIDADE DE RESPOSTAS, A ESPECIFICIDADE DAS ESTRUTURAS RESIDENCIAIS 2.1 EMERGÊNCIA DAS INSTITUIÇÕES DE APOIO À TERCEIRA IDADE Desde os primórdios da nossa nacionalidade, a preocupação com as necessidades da população esteve presente tendo-se assim verificado a origem de uma multiplicidade de iniciativas. A maior parte estava ligada a ordens militares e religiosas, aos municípios ou a simples particulares; outras devem-se a reis, rainhas e outros nobres ricos. Segundo Jacob (2002), no final do século XV existiam quatro tipos de estabelecimentos assistenciais: Albergarias; Mercearias (praticavam o bem pela alma ou saúde de alguém); Hospitais (hospedarias para os pobres) e Gafarias ou Leprosarias. Nos dias de hoje apenas existem os hospitais, que se dedicam especificamente aos cuidados de saúde da população. A partir do séc. XVII, a solidariedade começou a assumir-se como um dever social do Estado e da sociedade civil ao invés do sentido unicamente religioso da caridade: ( ) No transcurso da evolução observada [ ] o que ressalta é o triunfo gradual do modelo filantrópico sobre o velho paradigma da caridade piedosa entendida, desde a longínqua Idade Média, como tesouro de salvação pessoal (Araújo, 1997, p.449). A criação da Casa Pia, nos finais do séc. XVIII, constitui-se uma referência importante, no lançamento da assistência social com origem pública/estatal. A designação Instituições Particulares de Solidariedade Social IPSS surgiu, pela primeira vez, na Constituição de 1976 (art.º nº 63). Posteriormente, no art.º 1 do Decreto-Lei nº 119/83 de 25 de Fevereiro, foram definidas como Entidades jurídicas constituídas sem finalidade lucrativa, por iniciativa privada, com o propósito de expressão organizada ao dever moral de solidariedade e de justiça entre indivíduos e desde que não sejam administradas pelo Estado ou por um corpo autárquico. 24

A singularidade do apoio aos idosos: cuidadores formais e informais, que articulação? Maria Laurência Gemito

A singularidade do apoio aos idosos: cuidadores formais e informais, que articulação? Maria Laurência Gemito 1 A singularidade do apoio aos idosos: cuidadores formais e informais, que articulação? Maria Laurência Gemito 2 Com início no século passado, foi efetivamente nos últimos anos que se tornou mais visível

Leia mais

A Institucionalização da Pessoa Idosa

A Institucionalização da Pessoa Idosa UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Ciências Sociais e Humanas A Institucionalização da Pessoa Idosa Ana Paula Leite Pereira de Carvalho Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Empreendedorismo e Serviço

Leia mais

ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL

ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL O processo de envelhecimento e a velhice devem ser considerados como parte integrante do ciclo de vida. Ao longo dos tempos, o conceito de envelhecimento e as

Leia mais

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS PESSOAS IDOSAS

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS PESSOAS IDOSAS GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS PESSOAS IDOSAS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P. ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/15 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Apoios Sociais Pessoas Idosas (N35J V4.10) PROPRIEDADE

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO PROGRAMA DE FERIAS DESPORTIVAS E CULTURAIS

PROJETO PEDAGÓGICO DO PROGRAMA DE FERIAS DESPORTIVAS E CULTURAIS 1. APRESENTAÇÃO PRINCÍPIOS E VALORES Acreditamos pela força dos factos que o desenvolvimento desportivo de um Concelho ou de uma Freguesia, entendido na sua vertente quantitativa e qualitativa, exige uma

Leia mais

Considerações Finais. Resultados do estudo

Considerações Finais. Resultados do estudo Considerações Finais Tendo em conta os objetivos definidos, as questões de pesquisa que nos orientaram, e realizada a apresentação e análise interpretativa dos dados, bem como a sua síntese final, passamos

Leia mais

Envelhecimento Ativo e Educação ao Longo da Vida

Envelhecimento Ativo e Educação ao Longo da Vida Centro de Competência de Ciências Sociais Departamento de Ciências da Educação Envelhecimento Ativo e Educação ao Longo da Vida Alice Mendonça alice@uma.pt Internet: http://www.uma.pt/alicemendonca Enquadramento

Leia mais

Planificação Anual Educação para a Cidadania

Planificação Anual Educação para a Cidadania Agrupamento de Escolas de Monforte Ano letivo - 2014-2015 Planificação Anual Educação para a Cidadania Departamento do 1º Ciclo Introdução Rua Professor Dr. Rosado Correia A escola ocupará sempre um papel

Leia mais

Enquadramento técnico normativo

Enquadramento técnico normativo Este Guião pretende, por um lado dar visibilidade ao serviço de SAD promovido pelas IPSS, e por outro servir de inspiração para todas as instituições. Não é um documento fechado, antes uma base de trabalho

Leia mais

Sucesso académico: Variáveis pessoais e respostas institucionais. Leandro S. Almeida & Alexandra M. Araújo Universidade do Minho

Sucesso académico: Variáveis pessoais e respostas institucionais. Leandro S. Almeida & Alexandra M. Araújo Universidade do Minho Sucesso académico: Variáveis pessoais e respostas institucionais Leandro S. Almeida & Alexandra M. Araújo Universidade do Minho TÓPICOS: - (In)Sucesso académico: Enquadramento - (In)Sucesso académico:

Leia mais

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida.

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida. 1. APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO A Casa do Povo de Alvalade foi criada em 1943, por grupo informal de pessoas, na tentativa de dar resposta às necessidades das pessoas que a esta se iam associando. Com o

Leia mais

Métodos e Instrumentos de Pesquisa

Métodos e Instrumentos de Pesquisa Métodos e Instrumentos de Pesquisa Prof. Ms. Franco Noce fnoce2000@yahoo.com.br MÉTODO E INSTRUMENTOS DE PESQUISA Entrevista Questionários Técnicas de Observação Sociometria Estudos de Caso Testes cognitivos

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO MUSSOC

PROJETO PEDAGÓGICO MUSSOC PROJETO PEDAGÓGICO dos Campos de Férias da MUSSOC Associação Mutualista dos Trabalhadores da Solidariedade e Segurança Social I CARATERIZAÇÃO GERAL DA MUSSOC 1. Introdução O presente documento tem como

Leia mais

S I A T (SISTEMA DE INQUÉRITOS DA AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA) AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2011 (canal internet)

S I A T (SISTEMA DE INQUÉRITOS DA AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA) AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2011 (canal internet) S I A T (SISTEMA DE INQUÉRITOS DA AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA) AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES (canal internet) Março 2012 Índice 1 ENQUADRAMENTO...5 2 INTRODUÇÃO... 6 3 IDENTIFICAÇÃO E

Leia mais

www.ine.pt Titulo Saúde e Incapacidades em Portugal 2011

www.ine.pt Titulo Saúde e Incapacidades em Portugal 2011 Titulo Saúde e Incapacidades em Portugal 2011 Editor Instituto Nacional de Estatística, IP Av. António José de Almeida 1000-043 Lisboa, Portugal Telefone: 21 842 61 00 Fax: 21 844 04 01 Presidente do Conselho

Leia mais

AVÓS DE HOJE PROBLEMAS E SOLUÇÕES

AVÓS DE HOJE PROBLEMAS E SOLUÇÕES AVÓS DE HOJE PROBLEMAS E SOLUÇÕES 2 ÍNDICE Introdução... p. 4 Estudo Empírico... pp. 5-7 Ouçamos os nossos avós... pp. 5-6 Como agir? O que fazer?... pp. 6-7 Conclusão... p. 7 Bibliografia... p. 8 Agradecimentos...

Leia mais

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS POPULAÇÃO ADULTA PESSOAS IDOSAS

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS POPULAÇÃO ADULTA PESSOAS IDOSAS GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS POPULAÇÃO ADULTA PESSOAS IDOSAS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/10 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Respostas Sociais População

Leia mais

Programa Regional de Reestruturação dos Serviços de Apoio Domiciliário e de Apoio aos Cuidadores

Programa Regional de Reestruturação dos Serviços de Apoio Domiciliário e de Apoio aos Cuidadores Programa Regional de Reestruturação dos Serviços de Apoio Domiciliário e de Apoio aos Cuidadores 2015-2016 Entidades Promotoras: Direção Regional da Solidariedade Social Instituto de Segurança Social dos

Leia mais

Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações

Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações M ensagens que devem permanecer A pobreza não se combate apenas com caridade ou medidas de emergência. Queremos que a situação melhore

Leia mais

Introdução. Procura, oferta e intervenção. Cuidados continuados - uma visão económica

Introdução. Procura, oferta e intervenção. Cuidados continuados - uma visão económica Cuidados continuados - uma visão económica Pedro Pita Barros Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa Introdução Área geralmente menos considerada que cuidados primários e cuidados diferenciados

Leia mais

ANEXO L Documento de apresentação do estudo. Programa de promoção da saúde no idoso

ANEXO L Documento de apresentação do estudo. Programa de promoção da saúde no idoso ANEXO L Documento de apresentação do estudo Programa de promoção da saúde no idoso Fundamentação teórica O envelhecimento Com o avançar da idade, o organismo desgasta-se. A esse processo chamamos envelhecimento.

Leia mais

Dra. Daniela Figueiredo

Dra. Daniela Figueiredo família horizontal, em que as gerações se sucediam, Dra. Daniela Figueiredo Licenciada em Ciências da Educação pela Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra. Doutorada

Leia mais

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo:

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo: 3 METODOLOGIA Apresenta-se a seguir a descrição da metodologia utilizada neste trabalho com o objetivo de expor os caminhos que foram percorridos não só no levantamento dos dados do estudo como também

Leia mais

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros Esta é uma versão post print de Cândido, Carlos J. F. (2004) Hotelaria: Gestores Portugueses vs. Estrangeiros, Gestão Pura, Ano II, N.º 7, Abril/Maio, 80-83. Recursos Humanos Hotelaria: gestores portugueses

Leia mais

Dados Pessoais. Nome: Apelido: Morada: Localidade: Código Postal - E - mail: Outros contactos:

Dados Pessoais. Nome: Apelido: Morada: Localidade: Código Postal - E - mail: Outros contactos: Errata Dados Pessoais Nome: Apelido: Morada: Localidade: Código Postal - Telefone: Telemóvel: E - mail: Outros contactos: 1 Edição Instituto da Segurança Social, I.P. Coordenação e Supervisão Técnica Departamento

Leia mais

Modulo 4. Principais instrumentos de coleta de dados. Entrevista Questionário Formulário Observação Triangulação

Modulo 4. Principais instrumentos de coleta de dados. Entrevista Questionário Formulário Observação Triangulação Metodologia de Estudo e de Pesquisa em Administração Modulo 4 Principais instrumentos de coleta de dados. Entrevista Questionário Formulário Observação Triangulação UAB - UNEMAT Prof. Dr. Marcos Luís Procópio

Leia mais

Projeto de Ações de Melhoria

Projeto de Ações de Melhoria DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALVES REDOL, VILA FRANCA DE XIRA- 170 770 SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALVES REDOL 400 014 Projeto de Ações de Melhoria 2012/2013

Leia mais

Associação de Apoio a Crianças e Jovens em Risco. Plano de Atividades 2015

Associação de Apoio a Crianças e Jovens em Risco. Plano de Atividades 2015 Associação de Apoio a Crianças e Jovens em Risco Plano de Atividades 2015 INTRODUÇÃO Depois de escalar uma montanha muito alta, descobrimos que há muitas mais montanhas por escalar. (Nelson Mandela) A

Leia mais

Metodologia Científica

Metodologia Científica Metodologia Científica Prof. William Costa Rodrigues FAETEC/IST Paracambi 2007 Metodologia Científica: Conceitos e Definições É um conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para

Leia mais

Uma faculdade centrada nas pessoas, na investigação e no ensino

Uma faculdade centrada nas pessoas, na investigação e no ensino Magnífico Reitor, Senhoras Vice-Reitoras, Senhores Vice-Reitores Caras/os Colegas, Amigos, Estudantes e Funcionários Minhas Senhoras e Meus Senhores Regresso, hoje, a este espaço da Reitoria da Universidade

Leia mais

Cruz Vermelha Portuguesa

Cruz Vermelha Portuguesa FÓRUM NACIONAL ÁLCOOL E SAÚDE FORMULÁRIO DE SUBMISSÃO TÍTULO DO CAMPO Data de submissão 14 de Março 2014 NOME DA ORGANIZAÇÃO AUTORA DO COMPROMISSO Cruz Vermelha Portuguesa TÍTULO DO COMPROMISSO PREVENIR

Leia mais

Investigação experimental

Investigação experimental Investigação experimental Aproximação positivista Experiências laboratoriais: identificação de relações exactas entre as variáveis escolhidas num ambiente controlado (laboratório) através do uso de técnicas

Leia mais

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE MEDICINA DE LISBOA

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE MEDICINA DE LISBOA UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE MEDICINA DE LISBOA III MESTRADO EM BIOÉTICA PROGRAMAS DE CUIDADOS CONTINUADOS: A DIGNIDADE HUMANA NA PRESTAÇÃO DE CUIDADOS DE ENFERMAGEM Maria João Santos Rodrigues

Leia mais

MANUAL DO VOLUNTÁRIO. Ajudar uma criança é tornar o mundo melhor.

MANUAL DO VOLUNTÁRIO. Ajudar uma criança é tornar o mundo melhor. MANUAL DO VOLUNTÁRIO Ajudar uma criança é tornar o mundo melhor. Apresentação No decorrer do ano de 2010, muitas mudanças estruturais ocorreram na Casa do Bom Menino. Podemos colher alguns frutos positivos

Leia mais

Fundamentação e Contextualização do Programa de Voluntariado

Fundamentação e Contextualização do Programa de Voluntariado Fundamentação e Contextualização do Programa de Voluntariado O Programa de Voluntariado do Centro Solidariedade e Cultura de Peniche pretende ir ao encontro do ideário desta instituição, numa linha da

Leia mais

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Ficha Técnica Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Edição: Região Autónoma dos Açores Secretaria Regional da Educação e Ciência Direcção Regional da Educação Design e Ilustração: Gonçalo Cabaça Impressão:

Leia mais

CONSTRANGIMENTOS DOS SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS NA ADMISSÃO DE PESSOAS IDOSAS DO FORO MENTAL

CONSTRANGIMENTOS DOS SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS NA ADMISSÃO DE PESSOAS IDOSAS DO FORO MENTAL CONSTRANGIMENTOS DOS SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS NA ADMISSÃO DE PESSOAS IDOSAS DO FORO MENTAL Associação Amigos da Grande Idade Inovação e Desenvolvimento Posição Institucional 1 LARES DE IDOSOS Desde inicio

Leia mais

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes INTRODUÇÃO O direito à protecção da saúde está consagrado na Constituição da República Portuguesa, e assenta num conjunto de valores fundamentais como a dignidade

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM GRUPO DISCIPLNAR: EMRC PLANIFICAÇÕES 8º Ano ANO 2008/2009 1/7

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM GRUPO DISCIPLNAR: EMRC PLANIFICAÇÕES 8º Ano ANO 2008/2009 1/7 8º Ano ANO 2008/2009 1/7 Módulo 1- O GOSTO PELA AVENTURA Tema 1 - A atracção ao desconhecido Experiência de aventuro. (Situações que exprimem experiências de aventura como a condução de veículos, iniciação

Leia mais

Avaliação do inquérito de satisfação ao Centro de Documentação Técnica e Científica

Avaliação do inquérito de satisfação ao Centro de Documentação Técnica e Científica Direção de Gestão de Informação e Comunicação Centro de Informação e Conhecimento Avaliação do inquérito de satisfação ao Centro de Documentação Técnica e Científica Lisboa, janeiro de 2015 Introdução

Leia mais

15º Congresso Português. De Gerontologia Social. Conferência: Portugal é um País bom para se envelhecer?

15º Congresso Português. De Gerontologia Social. Conferência: Portugal é um País bom para se envelhecer? 15º Congresso Português De Gerontologia Social Conferência: Portugal é um País bom para se envelhecer? Dia: 28/11/13 Envelhecimento em Portugal Portugal, de acordo com os Censos 2011, apresenta um quadro

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO. Projeto do. CLUBE É-TE=igual? Equipa Dinamizadora: Elisa Neiva Cruz

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO. Projeto do. CLUBE É-TE=igual? Equipa Dinamizadora: Elisa Neiva Cruz AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO Projeto do CLUBE É-TE=igual? Equipa Dinamizadora: Elisa Neiva Cruz Uma ação educativa de abertura para a comunidade Ano letivo 2014/2015 Índice 1. Introdução

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social de Barrancos 2007 2009 INTRODUÇÃO

Plano de Desenvolvimento Social de Barrancos 2007 2009 INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO O presente documento surge no âmbito do Programa Rede Social, que tem como principal objectivo a articulação e congregação de esforços das entidades públicas e das entidades privadas sem fins

Leia mais

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Manual de GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/9 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Apoios Sociais Pessoas com Deficiência

Leia mais

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de O do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de Desenvolvimento Social, onde estão definidos alguns Projectos (com o desejo de uma projecção num futuro próximo), a serem desenvolvidos para se concretizarem

Leia mais

Modelo de Acordo de Cooperação. Creche

Modelo de Acordo de Cooperação. Creche Modelo de Acordo de Cooperação Creche Entre os outorgantes a seguir identificados: Primeiro outorgante: Instituto de Solidariedade e Segurança Social/Centro Distrital de Solidariedade e Segurança Social

Leia mais

Melhor Idade Oficinas de Produção 1

Melhor Idade Oficinas de Produção 1 Melhor Idade Oficinas de Produção 1 Patrícia da Silva Fonseca. Economista Doméstica e estudante não-vinculado do Programa de Pós-Graduação em Economia Doméstica da Universidade Federal de Viçosa. Endereço:

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA SISTEMATIZADA

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA SISTEMATIZADA Nome: YURI MENDES ROSA Professor: ANDERSON FONSECA GARCIA, ESPECIALISTA, EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA Forma de Apresentação: Painel Escola: INTERATIVA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS PRATICANTES

Leia mais

ESTUDO DE SATISFAÇÃO DOS UTENTES DO SISTEMA DE SAÚDE PORTUGUÊS. Departamento da Qualidade na Saúde

ESTUDO DE SATISFAÇÃO DOS UTENTES DO SISTEMA DE SAÚDE PORTUGUÊS. Departamento da Qualidade na Saúde ESTUDO DE SATISFAÇÃO DOS UTENTES DO SISTEMA DE SAÚDE PORTUGUÊS Departamento da Qualidade na Saúde Maio 2015 Ficha Técnica Relatório elaborado pelo Departamento da Qualidade na Saúde Ano: 2015 Condução

Leia mais

Programa de Prevenção de Maus-Tratos em Pessoas Idosas

Programa de Prevenção de Maus-Tratos em Pessoas Idosas Programa de Prevenção de Maus-Tratos em Pessoas Idosas Catarina Paulos Jornadas Litorais de Gerontologia: Intervenção Técnica no Processo de Envelhecimento Amarante, 26 de Setembro de 2007 Conteúdos Conceito

Leia mais

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MIRANDELA. Preâmbulo

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MIRANDELA. Preâmbulo REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MIRANDELA Preâmbulo O voluntariado é definido como um conjunto de acções e interesses sociais e comunitários, realizadas de forma desinteressada no âmbito

Leia mais

Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso

Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso 64 ÁREA DE INTERVENÇÃO IV: QUALIDADE DE VIDA DO IDOSO 1 Síntese do Problemas Prioritários Antes de serem apresentadas as estratégias e objectivos para

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA VOLUNTARIADO. Regulamento do Voluntariado

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA VOLUNTARIADO. Regulamento do Voluntariado REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO Índice 1. Enquadramento... 3 2. Definição... 3 3. Princípios... 4 4. Objetivos... 4 5. Direitos... 4 6. Deveres... 5 7. Inscrição... 7 8. Candidatura...

Leia mais

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE E DA SEGURANÇA SOCIAL

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE E DA SEGURANÇA SOCIAL 1942 Diário da República, 1.ª série N.º 64 2 de abril de 2013 MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE E DA SEGURANÇA SOCIAL Portaria n.º 139/2013 de 2 de abril Centro de Apoio Familiar e Aconselhamento Parental A

Leia mais

DIMENSÃO DE CONSTRUÍDO (Avaliação Formativa) DOC2. AVALIAÇÃO DO SUCESSO ACADÉMICO: como desenvolver o processo? (Part. 1)

DIMENSÃO DE CONSTRUÍDO (Avaliação Formativa) DOC2. AVALIAÇÃO DO SUCESSO ACADÉMICO: como desenvolver o processo? (Part. 1) DIMENSÃO DE CONSTRUÍDO (Avaliação Formativa) DOC2 AVALIAÇÃO DO SUCESSO ACADÉMICO: como desenvolver o processo? (Part. 1) NOTA INTRODUTÓRIA Integrado no Programa de Apoio à Avaliação do Sucesso Académico

Leia mais

Lar para Crianças e Jovens

Lar para Crianças e Jovens Direcção-Geral da Acção Social Núcleo de Documentação Técnica e Divulgação Maria Amélia Fernandes Maria Graciete Palma da Silva Lar para Crianças e Jovens (Condições de implantação, localização, instalação

Leia mais

PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO

PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO MARKETING SOCIAL DESENVOLVIDO PELA CÁRITAS EM PARCERIA COM A IPI CONSULTING NETWORK PORTUGAL As virtualidades da interação entre a economia social e o empreendedorismo

Leia mais

Caracterização Demográfica, Socioeconómica e de Saúde da População Idosa Portuguesa

Caracterização Demográfica, Socioeconómica e de Saúde da População Idosa Portuguesa Caracterização Demográfica, Socioeconómica e de Saúde da População Idosa Portuguesa Tânia Costa, Ana Rego, António Festa, Ana Taborda e Cristina Campos Caracterização Demográfica, Socioeconómica e de Saúde

Leia mais

CLAS de Melgaço Plano de Desenvolvimento Social 2014-2016 MELGAÇO, JULHO/2013

CLAS de Melgaço Plano de Desenvolvimento Social 2014-2016 MELGAÇO, JULHO/2013 1 PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2014-2016 MELGAÇO, JULHO/2013 2 ÍNDICE NOTA PRÉVIA Enquadramento e contextualização geográfica e temporal 3 Percurso dos documentos estratégicos 3 Metodologias utilizadas

Leia mais

COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM

COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM Faz aquilo em que acreditas e acredita naquilo que fazes. Tudo o resto é perda de energia e de tempo. Nisargadatta Atualmente um dos desafios mais importantes que se

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO DOS SENIORES NUMA OFICINA DE MÚSICA E TEATRO: IMPACTOS NA AUTO-ESTIMA E AUTO-IMAGEM. Sandra Maria Franco Carvalho

A PARTICIPAÇÃO DOS SENIORES NUMA OFICINA DE MÚSICA E TEATRO: IMPACTOS NA AUTO-ESTIMA E AUTO-IMAGEM. Sandra Maria Franco Carvalho CENTRO DE COMPETÊNCIAS DE CIÊNCIAS SOCIAIS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO A PARTICIPAÇÃO DOS SENIORES NUMA OFICINA DE MÚSICA E TEATRO: IMPACTOS NA AUTO-ESTIMA E AUTO-IMAGEM ESTUDO DE CASO NUMA UNIVERSIDADE

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNÃO DE MAGALHÃES CHAVES. CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO PARA OS 1.º, 2.º e 3.º CICLOS DO ENSINO BÁSICO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNÃO DE MAGALHÃES CHAVES. CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO PARA OS 1.º, 2.º e 3.º CICLOS DO ENSINO BÁSICO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNÃO DE MAGALHÃES CHAVES CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO PARA OS 1.º, 2.º e 3.º CICLOS DO ENSINO BÁSICO ANO LETIVO 2015/2016 ÍNDICE I INTRODUÇÃO... 3 II ENQUADRAMENTO DA AVALIAÇÃO...

Leia mais

1. Apresentação. 2. Características Principais do Colégio Heliântia

1. Apresentação. 2. Características Principais do Colégio Heliântia I. O COLÉGIO HELIÂNTIA 1. Apresentação O Colégio Heliântia é um projeto de ensino privado que desenvolve a estratégia de Escola Total. Este conceito pretende a construção de um projeto educativo coeso

Leia mais

Regulamento de Funcionamento do Grupo de Voluntariado

Regulamento de Funcionamento do Grupo de Voluntariado LAHUC LIGA DOS AMIGOS DOS HOSPITAIS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA LAHUC Gabinete de Serviço Social O MELHOR DA VIDA TODOS OS DIAS Regulamento de Funcionamento do Grupo de Voluntariado Preâmbulo O Voluntariado

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE S.PEDRO DE BAIRRO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO RESPOSTA SOCIAL LAR DE INFÂNCIA E JUVENTUDE REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO LAR DE INFÂNCIA E JUVENTUDE CAPÍTULO

Leia mais

Plano de Atividades de 2016

Plano de Atividades de 2016 GRUPO DE ACÇÃO COMUNITÁRIA IPSS Plano de Atividades de 2016 Fórum Sócio Ocupacional do GAC Unidade de Vida Protegida UPRO Formação Profissional Novembro de 2015 Plano de atividades 2016 1 Grupo de Ação

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO

PROJETO DE INTERVENÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES CANDIDATURA A DIRETOR PROJETO DE INTERVENÇÃO (2013-2017) Pedro Paulo da Costa Cerqueira Amares, maio de 2013 As organizações, tal como os organismos vivos, têm os seus

Leia mais

R E L A T Ó R I O D E E S T Á G I O

R E L A T Ó R I O D E E S T Á G I O INSTITUTO POLITÉCNICO DA GUARDA ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO COMUNICAÇÃO E DESPORTO R E L A T Ó R I O D E E S T Á G I O RICARDO JORGE MARCELO ALMEIDA RELATÓRIO PARA A OBTENÇÃO DO DIPLOMA DE ESPECIALIZAÇÃO

Leia mais

A INFLUENCIA DO ESTÁGIO VOLUNTÁRIO NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO ENFERMEIRO

A INFLUENCIA DO ESTÁGIO VOLUNTÁRIO NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO ENFERMEIRO A INFLUENCIA DO ESTÁGIO VOLUNTÁRIO NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO ENFERMEIRO Elizabeth Braz Fabiana Gonçalves de Oliveira Azevedo Matos Vanessa Barros Santi Annelise de Oliveira Rodrigues Priscila Conde Bogo

Leia mais

TÍTULO DO CAMPO Data de submissão 2014-03-25. FPAT Federação Portuguesa de Instituições Sociais Afectas à Prevenção de Toxicodependências

TÍTULO DO CAMPO Data de submissão 2014-03-25. FPAT Federação Portuguesa de Instituições Sociais Afectas à Prevenção de Toxicodependências FÓRUM NACIONAL ÁLCOOL E SAÚDE FORMULÁRIO DE SUBMISSÃO TÍTULO DO CAMPO Data de submissão 2014-03-25 NOME DA ORGANIZAÇÃO AUTORA DO COMPROMISSO TÍTULO DO COMPROMISSO SUMÁRIO DO COMPROMISSO FPAT Federação

Leia mais

Índice. Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente. Índice 01. Introdução 02. Pressupostos 02. Dimensões da Avaliação 03

Índice. Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente. Índice 01. Introdução 02. Pressupostos 02. Dimensões da Avaliação 03 Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente Índice Página Índice 01 Introdução 02 Pressupostos 02 Dimensões da Avaliação 03 Domínios e Indicadores da Avaliação 03 Níveis de Desempenho da Avaliação

Leia mais

Fevereiro de 2012. Relatório de Avaliação das Sessões de Relaxamento. Ano Letivo 2011/2012. Gabinete de Apoio ao Tutorado

Fevereiro de 2012. Relatório de Avaliação das Sessões de Relaxamento. Ano Letivo 2011/2012. Gabinete de Apoio ao Tutorado Fevereiro de 2012 Relatório de Avaliação das Sessões de Relaxamento Ano Letivo 2011/2012 Gabinete de Apoio ao Tutorado ÍNDICE 1. Introdução & Enquadramento... 3 2. Avaliação 1º semestre de 2011/2012...

Leia mais

Métodos e técnicas de pesquisa. Alessandra Martins Coelho

Métodos e técnicas de pesquisa. Alessandra Martins Coelho Métodos e técnicas de pesquisa Alessandra Martins Coelho Método de Pesquisa Metodologia é o estudo dos métodos. O método consiste na seqüência de passos necessários para demonstrar que o objetivo proposto

Leia mais

Avaliação do Desempenho Docente Ano Letivo 2014/2015

Avaliação do Desempenho Docente Ano Letivo 2014/2015 Orientações da SADD 2014/15 Aprovadas no C.P. 14 janeiro 2015 Pág. 1 / 11 \FUNDAMENTAÇÃO Avaliação: Docentes em regime de contrato de trabalho a termo resolutivo Avaliação: Docentes integrados na carreira

Leia mais

ENFERMAGEM HUMANITÁRIA. - Que competências? - - Que futuro? -

ENFERMAGEM HUMANITÁRIA. - Que competências? - - Que futuro? - ENFERMAGEM HUMANITÁRIA - Que competências? - - Que futuro? - Filomena Maia Presidente do Conselho de Enfermagem Regional Norte Vice-Presidente do Conselho de Enfermagem Universidade Fernando Pessoa Porto

Leia mais

5ª Edição do Projeto "Energia com vida"

5ª Edição do Projeto Energia com vida 5ª Edição do Projeto "Energia com vida" Maria Isabel Junceiro Agrupamento de Escolas de Marvão No presente ano letivo 2014-15, quatro turmas do Agrupamento de Escolas do Concelho de Marvão (8º e 9º anos),

Leia mais

Pereira, Fernando a, Nunes, Berta b, Pereira, Conceição c, Azevedo, Ana d, Raimundo, Diogo e, Vieira, Armanda f

Pereira, Fernando a, Nunes, Berta b, Pereira, Conceição c, Azevedo, Ana d, Raimundo, Diogo e, Vieira, Armanda f ESTUDO DE AVALIAÇÃO MULTIDIMENSIONAL DOS IDOSOS A VIVER SOZINHOS NO CONCELHO DE ALFÂNDEGA DA FÉ 1 Autores: Pereira, Fernando a, Nunes, Berta b, Pereira, Conceição c, Azevedo, Ana d, Raimundo, Diogo e,

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE PONTE DE LIMA SERVIÇO DE VOLUNTARIADO. Índice

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE PONTE DE LIMA SERVIÇO DE VOLUNTARIADO. Índice REGULAMENTO INTERNO Índice Preâmbulo...... 3 Artigo 1º - Âmbito de aplicação........ 3 Artigo 2º - Definição......... 3 Artigo 3º - Princípios enquadradores do voluntariado...... 4 Artigo 4º - Perfil do

Leia mais

Projetos de Voluntariado no Concelho de Odemira

Projetos de Voluntariado no Concelho de Odemira Projetos de Voluntariado no Concelho de Odemira Inscreva-se! Uma mão, um amigo Casa do Povo de Relíquias Através da realização de atividades lúdicas, visitas domiciliárias, apoio na alimentação e acompanhamento

Leia mais

Técnicas de coleta de dados e instrumentos de pesquisa

Técnicas de coleta de dados e instrumentos de pesquisa Técnicas de coleta de dados e instrumentos de pesquisa O que é técnica? O que é instrumento? Tipos de técnicas e instrumentos de pesquisa Entrevista Questionários Observação 1. ENTREVISTA Encontro entre

Leia mais

SAÚDE PÚBLICA UMA NOVA AMBIÇÃO PARA A SAÚDE PÚBLICA

SAÚDE PÚBLICA UMA NOVA AMBIÇÃO PARA A SAÚDE PÚBLICA SAÚDE PÚBLICA UMA NOVA AMBIÇÃO PARA A SAÚDE PÚBLICA Documento estratégico para apreciação e discussão pública Direção-Geral de Saúde, 6 de abril de 2016 1 Índice RESUMO EXECUTIVO... 3 INTRODUÇÃO... 5 1.

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA RECREAÇÃO PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADO

IMPORTÂNCIA DA RECREAÇÃO PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADO IMPORTÂNCIA DA RECREAÇÃO PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADO Eliane de Sousa Leite/Universidade Federal de Campina Grande/UFCG. E-mail: elianeleitesousa@yahoo.com.br Jeruzete Almeida de Menezes/ Universidade

Leia mais

HOSPITAL DO ARCEBISPO JOÃO CRISÓSTOMO UNIDADE DE CONVALESCENÇA

HOSPITAL DO ARCEBISPO JOÃO CRISÓSTOMO UNIDADE DE CONVALESCENÇA HOSPITAL DO ARCEBISPO JOÃO CRISÓSTOMO UNIDADE DE CONVALESCENÇA PROJECTO DE MELHORIA CONTÍNUA SABER CUIDAR UM DIREITO CANTANHEDE, Janeiro de 2011 HOSPITAL DO ARCEBISPO JOÃO CRISÓSTOMO UNIDADE DE CONVALESCENÇA

Leia mais

Programa de Orientação Escolar e Profissional Consulta Psicológica de Orientação Vocacional 2013/2014

Programa de Orientação Escolar e Profissional Consulta Psicológica de Orientação Vocacional 2013/2014 Programa de Orientação Escolar e Profissional Consulta Psicológica de Orientação Vocacional 2013/2014 Exmºs Senhores Constatando a dificuldade que muitas instituições de ensino público e privado têm em

Leia mais

Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto

Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto Outubro de 2015 Índice 1. Introdução... 3 2. Caraterização do Estudo... 4 3. Resultado Global dos Cursos de Lisboa

Leia mais

Carla Ribeirinho. Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias

Carla Ribeirinho. Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias Carla Ribeirinho Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias Lisboa, 10 de Maio de 2012 Desafios e oportunidades Crescimento em massa da população idosa. Adopção de medidas que visem minorar situações

Leia mais

Câmara Municipal de Alter do Chão Setor Ação Social e Educação

Câmara Municipal de Alter do Chão Setor Ação Social e Educação Nota Introdutória O presente projeto de intervenção surge da constatação do elevado número da população idosa na estrutura demográfica do concelho de Alter do Chão, do conhecimento e do contato direto

Leia mais

Design de Ambientes e Demência

Design de Ambientes e Demência 1 Design de Ambientes e Demência Por que razão o ambiente é uma intervenção não-farmacológica no contexto da demência? A criação de ambientes de alta qualidade que sustentem o envelhecimento positivo é

Leia mais

Teatro com Teias e Histórias

Teatro com Teias e Histórias Teatro com Teias e Histórias 3 em Pipa Associação de Criação Teatral e Animação Cultural Organização de um grupo de voluntários que, integrados num projecto comunitário de vertente artística, actuam junto

Leia mais

Mulheres de rabo de peixe e homens de rosto de cão :

Mulheres de rabo de peixe e homens de rosto de cão : Mulheres de rabo de peixe e homens de rosto de cão : dilemas e soluções contingenciais para evitar a exclusão social na investigação Isabel Estrela Rego & Ana Moura Arroz Métodos Qualitativos em Ciências

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE OEIRAS

CÂMARA MUNICIPAL DE OEIRAS 2008 CÂMARA MUNICIPAL DE OEIRAS SERVIÇO DE TRANSPORTE ADAPTADO A PESSOAS COM MOBILIDADE REDUZIDA Normas de Funcionamento As pessoas com mobilidade condicionada debatem-se diariamente com sérios problemas

Leia mais

APOSENTADORIA + VOLUNTARIADO = TRANSFORMAÇÃO RUBENS DE FRAGA JÚNIOR

APOSENTADORIA + VOLUNTARIADO = TRANSFORMAÇÃO RUBENS DE FRAGA JÚNIOR APOSENTADORIA + VOLUNTARIADO = TRANSFORMAÇÃO RUBENS DE FRAGA JÚNIOR ROTEIRO O QUE É ENVELHECIMENTO? APOSENTADORIA : UMA TRANSIÇÃO BENEFÍCIOS PARA A SAÚDE DO VOLUNTÁRIO O Envelhecimento O que é? Conceito

Leia mais

Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES

Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES Jovanka de Freitas S. Limeira Psicóloga Setor Socioeducacional Caruaru 2014 APRESENTAÇÃO O presente projeto sugere

Leia mais

Respostas Sociais. Nomenclaturas e Conceitos

Respostas Sociais. Nomenclaturas e Conceitos Respostas ociais Nomenclaturas e Conceitos 2014 Ficha Técnica Título: Respostas ociais Nomenclaturas e Conceitos Editor: ecretaria Regional da olidariedade ocial Direção Regional da olidariedade ocial

Leia mais

Curso Temático Intensivo 1 - Gestão da qualidade nos sistemas de formação profissional e de desenvolvimento de competências

Curso Temático Intensivo 1 - Gestão da qualidade nos sistemas de formação profissional e de desenvolvimento de competências Curso Temático Intensivo 1 - Gestão da qualidade nos sistemas de formação profissional e de desenvolvimento de competências O programa do curso sobre a qualidade no desenvolvimento de competências irá

Leia mais

Psicologia A Psicologia no Programa Idade com Qualidade" A psicologia na disfunção sexual

Psicologia A Psicologia no Programa Idade com Qualidade A psicologia na disfunção sexual Psicologia A Psicologia no Programa Idade com Qualidade" A Psicologia faz parte integrante de todas as áreas exploradas, mas também pode funcionar de forma independente das restantes especialidades, ou

Leia mais

Economia Social e a sua Sustentabilidade como Fator de Inclusão Social (ESSIS) PRINCIPAIS RESULTADOS DO INQUÉRITO ÀS IPSS

Economia Social e a sua Sustentabilidade como Fator de Inclusão Social (ESSIS) PRINCIPAIS RESULTADOS DO INQUÉRITO ÀS IPSS Economia Social e a sua Sustentabilidade como Fator de Inclusão Social (ESSIS) Projeto n.º 000350402011 PRINCIPAIS RESULTADOS DO INQUÉRITO ÀS IPSS POAT/FSE: Gerir, Conhecer e Intervir Respostas sociais

Leia mais

Compromisso para IPSS Amigas do Envelhecimento Ativo CONFEDERAÇÃO NACIONAL INSTITUIÇÕES DE SOLIDARIEDADE

Compromisso para IPSS Amigas do Envelhecimento Ativo CONFEDERAÇÃO NACIONAL INSTITUIÇÕES DE SOLIDARIEDADE 2014 Compromisso para IPSS Amigas do Envelhecimento Ativo CONFEDERAÇÃO NACIONAL INSTITUIÇÕES DE SOLIDARIEDADE MANIFESTO E COMPROMISSO DA CNIS IPSS AMIGAS DO ENVELHECIMENTO ATIVO As modificações significativas

Leia mais

1. Referencial e objeto de avaliação INFORMAÇÃO Nº 2 /2015-2016

1. Referencial e objeto de avaliação INFORMAÇÃO Nº 2 /2015-2016 INFORMAÇÃO Nº 2 /2015-2016 O presente documento refere-se à Inglês 9.º ano (PET), a aplicar aos alunos do 9.º ano de escolaridade em 2016. Encontra-se disponível, para consulta, no site do iave.pt, na

Leia mais

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Universidade do Minho Escola de Psicologia rgomes@psi.uminho.pt www.psi.uminho.pt/ www.ardh-gi.com Esta apresentação não substitui a leitura

Leia mais