Qualidade de vida, saúde e política pública de idosos no Brasil: uma reflexão teórica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Qualidade de vida, saúde e política pública de idosos no Brasil: uma reflexão teórica"

Transcrição

1 27 Qualidade de vida, saúde e política pública de idosos no Brasil: uma reflexão teórica Quality of life, health and public policy of elderly in Brazil: a theoretical reflection Ramon Missias Moreira Carla Elane Silva dos Santos Edvaldo Souza Couto Jules Ramon Brito Teixeira RESUMO: Estudo teórico que objetivou refletir sobre os fatores que se relacionam com a qualidade de vida de idosos no Brasil. Portanto, destacam-se nesse texto os aspectos do envelhecimento humano, as políticas públicas voltadas para os idosos e o envelhecimento ativo. A partir desses eixos temáticos, percebe-se uma relação evidente entre a qualidade de vida com os aspectos da vida do idoso, como a autonomia, independência, dependência, prática de atividades físicas e os laços sociais, afetivos e culturais. Palavras-chave: Envelhecimento; Idoso; Qualidade de Vida; Saúde; Políticas Públicas em Saúde. ABSTRACT: Theoretical study that aimed to reflect about the factors that relate to the quality of life of elderly in Brazil. Therefore, this text stands out aspects of human aging, public policies targeting the elderly and active aging. From these themes, was demonstrated a clear link between the quality of life with aspects of life of the elderly, such as autonomy, independence, dependence, physical activity practice and the social, affective and cultural ties. Keywords: Aging; Elderly; Quality of Life; Health; Public Policies in Health.

2 28 Ramon Missias Moreira; Carla Elane Silva dos Santos; Edvaldo Souza Couto; Jules Ramon Brito Teixeira & Introdução Uma das mudanças demográficas mais marcantes e importantes da atualidade é o envelhecimento humano, o qual tem alcançado também boa representatividade em países que se encontram em desenvolvimento. O processo do envelhecer é uma trilha natural e irreversível, e é percebido por quem vivencia essa fase a partir de diferentes prismas, derivando das experiências, objetivos e perspectivas que integram a vida do ser. No contexto brasileiro, pode-se perceber que a população vem envelhecendo acentuadamente a partir da década de 60 e o principal motivo para esse fato é pelo exacerbado declínio da taxa de fecundidade (Veras, 2007). O envelhecimento deve ser compreendido para além do olhar biológico, pois o homem não é apenas um composto de órgãos e músculos, mas, mais do que isso, este se completa através de sua inserção nos meios culturais, sociais, políticos e ideológicos, colaborando, assim, para sua constituição enquanto ser pensante, histórico e social (Guccione, 2002). O envelhecimento pode ser definido como um processo gradual, universal e irreversível, que acelera na maturidade e que provoca uma perda funcional progressiva no organismo (Nahas, 2003). Dentre os países em desenvolvimento, o que se encontra em ritmo mais acelerado em relação ao envelhecimento populacional é o Brasil. O contingente de idosos brasileiros hodiernamente representa cerca de 8% da população e esta expectativa de vida vem aumentando, tendo alcançado 72,86 anos para homens e 76,71 anos para as mulheres, estimando-se que alcançará a idade dos países desenvolvidos a partir de Na região do Nordeste brasileiro, por exemplo, a população de idosos, em relação à proporção, aumentou de 5,1% no ano de 1991 para 7,2% em 2010 (IBGE, 2010). Nesse sentido, o aumento da expectativa de vida é resultado de uma combinação de fatores que hoje estão sob controle, principalmente, pelos avanços ocorridos na área farmacológica, e também pelas mudanças no estilo de vida da população idosa, pela implantação de novas políticas públicas, além do controle das doenças infectocontagiosas (Matsudo, 2001). Essas mudanças na pirâmide populacional geram consequências também negativas, tendo em vista os vários desafios que são direcionados ao sistema público de saúde, em decorrência de doenças próprias da idade (Furtado et al., 2012).

3 Qualidade de vida, Saúde e Política Pública de Idosos no Brasil: uma reflexão teórica 29 Ainda, sabendo-se que a sociedade moderna dispõe de muitos recursos que contribuem de maneira eficaz para o aumento da longevidade, surge uma questão norteadora: como está a qualidade de vida dos idosos brasileiros? Prosseguindo, na intenção de demarcar o eixo central dessa reflexão teórica e na tentativa de responder ao questionamento anterior, objetivou-se nesse estudo refletir sobre os fatores que se relacionam com a qualidade de vida de idosos no Brasil. Desafios e Perspectivas do Envelhecimento Humano O trabalho foi feito, o amor foi dado, a dor foi sofrida - e tudo continua ali, no rosto, nas mãos, nas atitudes, permanecendo viva a voz do ancião. Essa foi uma realização que construiu a si própria, graças a uma aceitação, constantemente renovada, daquilo que não pode ser mudado; graças à bondade, que sabe que o outro também existe e procura tornar-lhe fáceis as coisas, ao entendimento de que mais vale o perdão do que a obstinação; e mais a paciência que a violência, e de que o mais profundo da vida se encontra no silêncio, não na palavra (Guardini, 2012, p. 86). Aproveitar o envelhecimento como convém e como se recomenda, buscando a sabedoria, depende da circunstância do homem e da própria pessoa. Não adiantam os esforços do governo no que diz respeito ao investimento na tecnologia e incentivo de avanços técnicos, se o ser idoso não obtiver noção e consciência do próprio sentido de sua vida. Corroborando com essa ideia, Guardini (2012) afirma que envelhecer, como se deve, depende para além das conjunturas culturais e materiais, da favorável aceitação da própria idade pelo idoso. Dentre outros aspectos, trata-se de superação dos preconceitos que são disseminados entre os jovens, além de superar as angústias contra tudo o que é atual, moderno. Essa aceitação de si deve perpassar, necessariamente, pela cognição de que todos são seres que têm como fim a morte e, a partir do reconhecimento desses fatores negativos, sugere-se aproveitar a vida com qualidade, enquanto há tempo. Nessa perspectiva, levando-se em consideração que o processo do envelhecimento carrega consigo muitas alterações anátomo-fisiológicas, é válido pensar em traçar estratégias para aproveitar e viver a vida de forma harmoniosa, equilibrada e com qualidade de vida (Silva et al., 2011).

4 30 Ramon Missias Moreira; Carla Elane Silva dos Santos; Edvaldo Souza Couto; Jules Ramon Brito Teixeira & Essas modificações biológicas que ocorrem nos corpos dos idosos são claras e muitas vezes visíveis, acontecendo em todos os sistemas e aparelhos. Nesse mesmo sentido, para Del Duca e Nahas (2011), o envelhecer configura-se pelas perdas funcionais, mesmo que resulte de fatores genéticos e de dimensões externas como as condições culturais e sociais do indivíduo e o estilo de vida levado. Trata-se de uma situação normal, existindo, porém, a possibilidade de intensificar ou desacelerar esse processo a partir dos fatores comportamentais, e também ambientais, os quais exercem enorme influência sobre as patologias. Portanto, outro ponto importante em relação ao envelhecimento é a saúde sexual do idoso, quando as atividades sexuais são reduzidas; contudo, a partir de um relacionamento afetivo com a parceira ou parceiro, é provável que haja uma satisfação sexual, mesmo que para isso não aconteça a conjunção carnal. Por conseguinte, essas ações estão submetidas às condições físicas e de saúde dos idosos, a partir de suas experiências; dessa forma, se anteriormente a vida sexual era ativa, e se existia amor, carinho e afetividade, na relação atual é possível sentir a sensação de prazer (Missias Moreira, 2010). Destarte, aumentar os anos de vida, imprimindo neles qualidade, tem sido uma questão bem considerada e ponderada entre os estudiosos da gerontologia. Devem-se alargar as preocupações dos gestores que estão à frente dos órgãos públicos, e da sociedade de modo geral, no sentido de assegurar uma longevidade excelente e melhor qualidade de vida a essa população (Joia et al., 2007). Políticas Públicas: um olhar para a qualidade de vida do idoso A importância das reflexões sobre questões inerentes aos idosos, observando-se as práticas e estratégias das políticas públicas de saúde e o impacto das mesmas sobre a qualidade de vida deles, demarca um ponto de partida para o elo entre diversos campos do conhecimento, os quais representam um suporte fundamental para a problematização e reconhecimento das demandas e necessidades dessa população (Moura, Silva & Marques, 2011), especificamente no contexto da saúde, e também as diretrizes estratégicas para o desenvolvimento de ações de atendimento e acolhimento de maneira efetiva e eficaz. Com esse crescimento contínuo da população idosa brasileira, torna-se necessária a incrementação de políticas de saúde direcionadas a essas pessoas e a seus familiares; sabe-se

5 Qualidade de vida, Saúde e Política Pública de Idosos no Brasil: uma reflexão teórica 31 da importância dos cuidadores, enfocando principalmente a prevenção de doenças e a promoção da saúde, a partir do estilo de vida ativo, objetivando retardar as modificações decorrentes do envelhecimento, bem como proporcionar a autoestima, que é característica relevante nesse processo de cuidar (Silva et al., 2011). A partir do reconhecimento do envelhecimento populacional no Brasil, por parte do governo federal, foi aprovada em 4 de janeiro de 1994 a Lei n. o 8.842/94, que estabelece a Política Nacional do Idoso, regulamentada posteriormente pelo Decreto n. o 1.948/96 (Brasil, 1994). A finalidade dessa lei é assegurar direitos sociais, garanti-los a fim de assegurarem a promoção da integração, autonomia e participação efetiva do idoso na sociedade, visando ao exercício de sua cidadania. Consta ainda, nessa lei, que a pessoa idosa é aquela com idade a partir de 60 anos (Rodrigues et al., 2007). Nesse sentido, no ano de 2003, a partir do crescimento acentuado de idosos no Brasil, foi criado o Estatuto do Idoso que enfatiza a garantia de assistência integral à saúde dessa população através do Sistema Único de Saúde (SUS), em todos os níveis de atenção, fomentando, dessa forma, a discussão sobre a atenção às condições de saúde dos idosos, assegurando-lhes acesso igualitário e universal, num contexto imbricado de serviços e ações visando à proteção, promoção, prevenção e recuperação da saúde (Rodrigues et al., 2013). Esse Estatuto foi construído com a participação popular, através das entidades que lutam em defesa dos interesses dos idosos; portanto, estendendo as respostas do Estado e da sociedade às demandas e necessidades das pessoas idosas, sem trazer consigo, contudo, uma forma de como financiar as ações propostas. Ampliando ainda mais esse debate, é promulgada a Política Nacional de Saúde da Pessoa Idosa, em 2006, elucidando sobre o preconceito contra a velhice e o quanto este, juntamente à negação da sociedade, colaboram para a dificuldade de se pensarem políticas específicas para esse grupo. Sugerindo, que deva ser um compromisso de todos os gestores em saúde, entender que, mesmo que sejam altos os custos com internações e tratamento prolongados, no caso de alguns idosos, nessas ações também se está investindo no envelhecimento (Brasil, 2006). É reconhecida ainda nesta Portaria que o grande problema que pode comprometer o idoso, por conta do desenvolvimento de suas enfermidades e de seu estilo de vida, é a perda de sua capacidade funcional, isto é, a diminuição das aptidões físicas e mentais imprescindíveis para a prática de suas atividades fundamentais e instrumentais da vida diária (Brasil, 2006).

6 32 Ramon Missias Moreira; Carla Elane Silva dos Santos; Edvaldo Souza Couto; Jules Ramon Brito Teixeira & De acordo com Silvestre e Costa Neto (2003), pesquisas desenvolvidas na população do país têm evidenciado que no mínimo 85% dos idosos apresentam não menos que uma doença crônica, e cerca de 10% tem pelo menos cinco dessas doenças. A existência de uma ou mais doenças crônicas não significa que o idoso passe a ser uma pessoa dependente e incapaz de desenvolver suas atividades diárias. Foi percebido ainda que a maioria dos idosos do Brasil consegue tomar suas próprias decisões e organizar-se, sem que seja necessário ajuda de outra pessoa, mesmo no caso de terem essas doenças. Quando o envelhecimento é aceito como um êxito, o aproveitamento da competência, experiência e dos recursos humanos dos grupos mais velhos é assumido com naturalidade, como uma vantagem para o crescimento de sociedades humanas mais maduras e plenamente integradas (Brasil, 2006, p.1). Portanto, o envelhecimento deve ser vivido com saúde, de maneira que os indivíduos se sintam livres e dispostos a desenvolver qualquer tipo de atividade diária, mantendo uma vida ativa e com independência, o que exige promoção da saúde em todas as faixas etárias. Nessa perspectiva, corrobora-se com a Política Nacional de Saúde da Pessoa Idosa (Brasil, 2006, p.2), que assegura direitos sociais à pessoa idosa, criando condições para promover sua autonomia, integração e participação efetiva na sociedade e reafirmando o direito à saúde nos diversos níveis de atendimento do SUS. A legislação brasileira tem se firmado em relação aos cuidados da população idosa através de diversas portarias, leis e documentos, estando bastante adiantada; porém, na realidade a prática ainda é insatisfatória, pois se encontram inúmeras barreiras burocráticas e políticas que impedem o bom desenvolvimento das ações voltadas para os idosos, refletindo em dificuldades de acesso aos tratamentos médicos e serviços assistenciais. Diversas ações de promoção de saúde para os idosos podem estar sendo desenvolvidas nas comunidades, com o objetivo de manter os fatores de risco de doenças crônicas e a diminuição das capacidades funcionais em um índice baixo. Assim, as pessoas podem usufruir de melhores condições de saúde, permanecendo autodeterminantes e autoconfiantes. A realização de palestras que possam informar o público idoso sobre ações que promovam a melhoria da qualidade de vida, como a importância da prática de atividade física, assim como as diversas implicações que uma vida sedentária pode trazer para a sua saúde, como as decorrentes doenças crônicas. Além desses elementos, é imprescindível o desenvolvimento de atividades em grupo, proporcionando a convivência social entre os idosos, com criação de jogos que estimulem sua

7 Qualidade de vida, Saúde e Política Pública de Idosos no Brasil: uma reflexão teórica 33 atenção e memória, além de atividades culturais como dança (Silva & Buriti, 2012) e teatro, que retratem acontecimentos da época da juventude desses idosos e que possam valorizar as suas experiências de toda uma vida. Nesse cenário, compreender o processo de envelhecimento do ser humano requer primeiramente entender as contradições existentes entre velhice e bem-estar e até mesmo a relação entre velhice e doença; dessa forma, tem-se cada vez mais necessidade de políticas públicas que qualifiquem a saúde brasileira, e de estratégias adequadas, para que nossos idosos adquiram uma qualidade de vida satisfatória, ações que podem, significativamente, contribuir para um melhor desenvolvimento de novas formas de intervenção junto a essa população. Envelhecimento Ativo sob a ótica da qualidade de vida O envelhecimento se apresenta como um fenômeno natural do ser humano, sendo hoje um fator mundial, ocasionado, dentre outros fatores, pela melhoria das condições de vida, avanços na medicina e dos recursos tecnológicos, a prática de atividades físicas, a alimentação equilibrada, a não utilização de drogas, acarretando, consequentemente, um aumento no índice da expectativa de vida. Em contrapartida, a representação que a sociedade dissemina, a respeito do idoso, ainda carrega marcas do declínio físico e da incapacidade, o que amplia a decadência mental e social de algum tempo atrás. Atualmente, uma velhice com boa qualidade de vida e considerada saudável pode estar relacionada com a afetividade e a prática de atividades físicas, que têm auxiliado a prolongar o desempenho das atividades básicas da vida cotidiana. Segundo Matsudo (2001), a prática de atividades físicas por idosos poderá influenciar na sua qualidade de vida, garantindo uma maior independência pessoal, beneficiando, dessa forma, a prevenção de doenças comuns nessa fase da vida. Dessa maneira, as pessoas que alcançam a terceira idade com bons costumes e hábitos de vida saudáveis, apesar das alterações fisiológicas específicas do envelhecimento, poderá demonstrar melhorias em decorrência da prática da atividade física, em que se pode sinalizar: a melhoria no transporte e captação de insulina pelo organismo, o aumento do gasto de calorias, o aumento do metabolismo basal, a diminuição do risco de doenças coronarianas, a dislipidemia, a hipertensão arterial e outros (Silva et al., 2011).

8 34 Ramon Missias Moreira; Carla Elane Silva dos Santos; Edvaldo Souza Couto; Jules Ramon Brito Teixeira & A saúde intelectual e física no processo do envelhecer é de grande valor e elas podem ser mantidas por meio de atividades de lazer, favorecendo com que o idoso não se sinta marginalizado e excluído da sociedade. Trata-se, então, de dar prioridade às atividades que promovam um melhor bem-estar nos idosos, deixando-os ativos na promoção da saúde e da qualidade de vida. Segundo Geis (2003), deve-se tentar manter a autonomia física e mental do indivíduo por um período prolongado de tempo, conservando, assim, sua saúde e suas condições físicas e psíquicas. Nesse contexto, é reconhecido mundialmente o que é preconizado pelo American College of Sports Medicine (ACSM, 2003), em relação ao envolvimento de idosos com a prática de atividades físicas, quando esta é recomendada entre três e cinco dias por semana, com intensidade variando de leve a moderada, e cuja duração pode variar entre vinte e sessenta minutos, o que demonstra o respeito ao idoso, por parte dessa entidade. Ainda assim, as práticas de atividade física devem priorizar não apenas a melhoria do aspecto motor e biológico, que ajudam a prolongar a vida, mas também devem ser atividades que trabalhem com o cognitivo e a esfera afetiva dos idosos. A maioria dos idosos pode exercer as mesmas atividades que os mais jovens, sendo em um ritmo menor e mais lento; neste ponto é que se encontra a importância da atividade física para o idoso, pois a prática de atividade corporal moderada, regular e bem-orientada contribui para a preservação das estruturas orgânicas e do bem-estar físico, mental e social (Del Duca & Nahas, 2011). Os benefícios alcançados, devidos à prática regular de exercícios físicos em idosos, vão desde a melhora fisiológica - controle da glicose, pressão arterial, melhora das capacidades físicas relacionadas à saúde; psicológica - redução dos níveis de ansiedade e estresse, melhoras do nível cognitivo; e social - melhora a integração sociocultural, além da redução dos desvios de postura e prevenção de algumas doenças como a osteoporose (Nahas, 2001). Através da literatura, já se sabe as vantagens da musculação no combate ou prevenção contra a osteoporose e problemas articulares da velhice (Palma, 2009), doença comum nessa etapa da vida. Outro estudo aponta que os resultados dos exercícios físicos, praticados em curto prazo, a partir das manifestações e representações evocadas pelos sujeitos, tais como: redução da ansiedade, sensação de bem-estar, e melhoria das condições de saúde (Spirduso, 2005). Contudo, é válido ressaltar que a atividade física programada para o idoso deve ser orientada e supervisionada por um profissional de educação física.

9 Qualidade de vida, Saúde e Política Pública de Idosos no Brasil: uma reflexão teórica 35 Contudo, Lodovici & Silveira (2011) alertam que estudos isolados sobre a população idosa, o envelhecimento e a velhice, são ineficientes e discutíveis devido à fragmentação das reflexões, discussões e teorizações limitadas apenas à determinada área, impedindo a materialização do ponto de vista interdisciplinar, que gera saberes gerontológicos de modo correto ao objeto de estudo que se propõe estudar. Partindo dessas premissas, essa população deve ser estimulada a ser ativa, na medida em que as pessoas envelhecem, e devem ter garantidas mais oportunidades por meio de melhores espaços para a realização de caminhadas, equipamentos de qualidade em praças públicas, dentre outras ações que oportunizem a estes idosos estarem sempre em movimento. Destaca-se outro fator importante para contribuir na qualidade de vida dos mais velhos, que é educar os jovens de hoje, futuros idosos, para começarem a se cuidar, entender sobre o envelhecimento e cuidar da manutenção dos direitos das pessoas mais velhas; dessa forma, estarão ajudando na redução e eliminação da discriminação, do preconceito e dos abusos a elas. Conclusão Conclui-se que, tornar a última etapa da vida um período de bem-estar e de qualidade para a vida dos idosos, é um grande desafio para a sociedade, vez que a realidade do envelhecimento populacional está cada dia mais se evidenciando. Contudo, esse crescimento da população idosa ainda não tem sido acompanhado de maneira satisfatória, com políticas públicas que garantam a ela desfrutar dos bens e serviços sociais, de um serviço público de saúde preparado para atender às suas necessidades na perspectiva de ganhar mais qualidade de vida. O processo de longevidade, muitas vezes, está associado a doenças crônicas não transmissíveis que favorecem o desenvolvimento de incapacidades motoras, psicológicas e sociais, limitando os idosos em suas atividades cotidianas, levando-os a frequentarem os serviços médicos de forma mais constante, na perspectiva da cura de algum problema ou doença. Por fim, entende-se que o objetivo principal da atividade física regular na terceira idade é o retardamento do processo inevitável do envelhecimento funcional, através da

10 36 Ramon Missias Moreira; Carla Elane Silva dos Santos; Edvaldo Souza Couto; Jules Ramon Brito Teixeira & manutenção de um estado suficientemente saudável, permitindo a retomada da autonomia física, independência e consequentemente, contribuindo para uma melhor qualidade de vida. Referências ACSM. American College of Sports Medicine. (2003). Diretrizes do ACSM para os Testes de Esforço e sua Prescrição. (5ª ed.). Rio de Janeiro (RJ): Guanabara Koogan. Brasil, Ministério da Saúde. (2006). Portaria n.º de 19 de outubro de Aprova a Política Nacional de Saúde da Pessoa Idosa. Brasília (DF). Brasil. (1994). Lei n. o de 4 de janeiro de Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências. Brasília (DF). Del Duca, G.F. & Nahas, M.V. (Orgs.). (2011). Atividades físicas e doenças crônicas: evidências e recomendações para um estilo de vida ativo. Londrina (PR): Midiograf. Furtado L.F.V., Araújo, P.M., Soares, F.V.S., Brito, V.M., Sousa, L.G., Melo, A.C.L., Yoshioka, F.K.N., Araújo, L.F. & Melo, A.C.F.L. (2012). Epidemiologia do envelhecimento: dinamização, problemas e consequências. Revista Kairós Gerontologia, 15(2), São Paulo (SP), Brasil: FACHS/NEPE/PEPGG/PUC-SP. Geis, P.P. (2003). Atividade física e saúde na terceira idade: teoria e prática. (5ª ed.). Porto Alegre (RS): Artmed. Guardini, R. (2012). A aceitação de si mesmo: as idades da vida. (78ª ed.). São Paulo (SP): Palas Athenas. Guccione, A.A. (2002). Fisioterapia geriátrica. Rio de Janeiro (RJ): Guanabara Koogan. IBGE. (2010). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira Rio de Janeiro (RJ): IBGE. Joia, L.C.; Ruiz, T. & Donalisio, M. R. Condições associadas ao grau de satisfação com a vida entre a população de idosos. Rev. Saúde Pública, 41(1), Lodovici, F.M.M. & Silveira, N.D. (2011) Interdisciplinaridade: desafios na construção do conhecimento gerontológico. Porto Alegre (RGS): Estudos interdisciplinares sobre o. envelhecimento, 16(2), Matsudo, S.M.M. (2001). Envelhecimento e atividade física. Londrina (PR): Midiograf. Moura, E.P.M., Silva, L.W.S. & Marques, C.L. (2011). Envelhecimento e políticas públicas de saúde: considerações reflexivas. Revista Kairós Gerontologia, 14(3), São Paulo (SP), Brasil: FACHS/NEPE/PEPGG/PUC-SP.

11 Qualidade de vida, Saúde e Política Pública de Idosos no Brasil: uma reflexão teórica 37 Nahas, M.V. (2001). Atividade física e saúde: conceitos e sugestões para um estilo de vida ativo. (3ª ed.). Londrina (PR): Midiograf. Nahas, M.V. (2003). Atividade física, saúde e qualidade de vida. Londrina (PR): Midiograf. Palma, A. (2009). Exercício físico e saúde; sedentarismo e doença: epidemia, causalidade e moralidade. Motriz. Rev. Educ. Fís., 15(1), Rodrigues, C.A.Q., Silva, P.L.V., Caldeira, A.P., Pordeus, I.A., Ferreira, R.C. & Martins, A.M.E.B.L. (2013). Fatores associados à satisfação com serviços odontológicos entre idosos. Rev. Saúde Pública [online], s/v (ahead of print). Rodrigues, R.A.P., Kusumota, L., Marques, S., Fabrício, S.C., Rosset-Cruz, C., Lange, I. (2007). Política nacional de atenção ao idoso e a contribuição da Enfermagem. Texto Contexto Enferm., 16(3), Silva, G.B. & Buriti, M.A. (2012). Influência da dança no aspecto biopsicossocial do idoso. Revista Kairós Gerontologia, 15(2), São Paulo (SP), Brasil: FACHS/NEPE/ PEPGG/PUC-SP. Silva, L.W.S., Santos, R.G., Scquarcini, C.F.R., Souza, A.L., Azevedo, M.P. & Barbosa, F.N.M. (2011). Perfil do estilo de vida e autoestima da pessoa idosa: perspectivas de um Programa de Treinamento Físico. Revista Kairós Gerontologia, 14(3), São Paulo (SP), Brasil: FACHS/NEPE/PEPGG/PUC-SP. Silvestre, J.A. & Costa Neto, M.M. (2003). Opinião. Abordagem do idoso em programas de saúde da família. Cad. Saúde Pública, 19(3), Spirduso, W.W. (2005). Dimensões físicas do envelhecimento. São Paulo (SP): Manole. Veras, R. (2007). Fórum. Envelhecimento populacional e as informações de saúde do PNAD: demandas e desafios contemporâneos. Introdução. Cad. Saúde Pública, 23(10), Recebido em 02/03/2013 Aceito em 20/03/2013 Ramon Missias Moreira Educador Físico. Mestre em Enfermagem e Saúde, com área de concentração em Saúde Pública, pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB). Pesquisador do Grupo de Pesquisa Saúde e Qualidade de Vida SQV/UESB/CNPq.

12 38 Ramon Missias Moreira; Carla Elane Silva dos Santos; Edvaldo Souza Couto; Jules Ramon Brito Teixeira & Carla Elane Silva dos Santos Educadora Física. Mestranda em Educação Física pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Pesquisadora do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Educação Física, Esportes e Lazer- NEPEEL/UESB/CnPq. Edvaldo Souza Couto Filósofo. Pós-Doutor em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Professor Associado na Universidade Federal da Bahia (UFBA). Doutor em Educação pela Universidade de Campinas (UNICAMP). Jules Ramon Brito Teixeira Enfermeiro. Mestrando em Enfermagem e Saúde (UESB). Pesquisador do Grupo de Pesquisa Saúde e Qualidade de Vida SQV/UESB/CnPq. Bolsista de Pesquisa da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado da Bahia FAPESB. Acadêmica do Curso de Licenciatura em Pedagogia pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia.

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias Daiana de Aquino Hilario Machado * RESUMO: Neste artigo estaremos discutindo sobre as repercussões do envelhecimento

Leia mais

IDOSOS COM HIPERTENSÃO: CARACTERÍSTICAS EPIDEMIOLÓGICAS NO MUNICIPIO DE FOZ DO IGUAÇU, PARANÁ, BRASIL.

IDOSOS COM HIPERTENSÃO: CARACTERÍSTICAS EPIDEMIOLÓGICAS NO MUNICIPIO DE FOZ DO IGUAÇU, PARANÁ, BRASIL. IDOSOS COM HIPERTENSÃO: CARACTERÍSTICAS EPIDEMIOLÓGICAS NO MUNICIPIO DE FOZ DO IGUAÇU, PARANÁ, BRASIL. Paulo Sergio Lemke (Apresentador) 1, Marcos Augusto Moraes Arcoverde (Orientado) 2 Curso de Enfermagem

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA SISTEMATIZADA

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA SISTEMATIZADA Nome: YURI MENDES ROSA Professor: ANDERSON FONSECA GARCIA, ESPECIALISTA, EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA Forma de Apresentação: Painel Escola: INTERATIVA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS PRATICANTES

Leia mais

ENVELHECIMENTO E HABITAÇÃO: UM OLHAR SOBRE O CONDOMÍNIO CIDADE MADURA EM CAMPINA GRANDE-PB

ENVELHECIMENTO E HABITAÇÃO: UM OLHAR SOBRE O CONDOMÍNIO CIDADE MADURA EM CAMPINA GRANDE-PB ENVELHECIMENTO E HABITAÇÃO: UM OLHAR SOBRE O CONDOMÍNIO CIDADE MADURA EM CAMPINA GRANDE-PB Valdênia Nogueira de Lima Universidade Estadual da Paraíba UEPB valdenianogueira@yahoo.com.br RESUMO Este artigo

Leia mais

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA FEFD/UFG 1 NA ÁREA DO ENVELHECIMENTO

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA FEFD/UFG 1 NA ÁREA DO ENVELHECIMENTO O ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA FEFD/UFG 1 NA ÁREA DO ENVELHECIMENTO Juliana Paula Balestra Soares Joelma Cristina Gomes Carmencita Márcia Balestra Faculdade

Leia mais

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e os desportos saudáveis são essenciais para a nossa saúde e bem-estar. Actividade física adequada e desporto

Leia mais

Programa de Controle de Peso Corporal

Programa de Controle de Peso Corporal 15 Programa de Controle de Peso Corporal Denis Marcelo Modeneze Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde na UNICAMP principal objetivo de desenvolver este tema com os alunos

Leia mais

Orientação para Aposentadoria. Donália Cândida Nobre Assistente Social Suzana Pacheco F. de Melo Psicóloga

Orientação para Aposentadoria. Donália Cândida Nobre Assistente Social Suzana Pacheco F. de Melo Psicóloga Orientação para Aposentadoria Donália Cândida Nobre Assistente Social Suzana Pacheco F. de Melo Psicóloga Orientação para aposentadoria Entendendo a saúde na definição da Organização Mundial da Saúde:

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA. PROJETO DE LEI N o 6.845, DE 2010 (Apenso o Projeto de Lei n o 6.887, de 2010) I - RELATÓRIO

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA. PROJETO DE LEI N o 6.845, DE 2010 (Apenso o Projeto de Lei n o 6.887, de 2010) I - RELATÓRIO COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N o 6.845, DE 2010 (Apenso o Projeto de Lei n o 6.887, de 2010) Institui o Programa Nacional do Esporte Solidário para o Idoso PNESI, e dá outras

Leia mais

Programas de Saúde para a pessoa idosa no Brasil: Breve estudo sobre o Envelhecimento Ativo

Programas de Saúde para a pessoa idosa no Brasil: Breve estudo sobre o Envelhecimento Ativo 21 Programas de Saúde para a pessoa idosa no Brasil: Breve estudo sobre o Envelhecimento Ativo Alessandra Negrão Elias Martins Ana Carla Santos Nogueira de Sousa Beltrina Côrte Resumo: Neste artigo apresentamos

Leia mais

PLANO DE TRABALHO IDOSO

PLANO DE TRABALHO IDOSO PLANO DE TRABALHO IDOSO Telefone: (44) 3220-5750 E-mail: centrosesportivos@maringa.pr.gov.br EQUIPE ORGANIZADORA SECRETARIO MUNICIPAL DE ESPORTES E LAZER Francisco Favoto DIRETOR DE ESPORTES E LAZER Afonso

Leia mais

Envelhecimento com qualidade: Como as operadoras de planos de saúde estão se organizando. 10ª Jornada PRONEP Rio de Janeiro, setembro 2010

Envelhecimento com qualidade: Como as operadoras de planos de saúde estão se organizando. 10ª Jornada PRONEP Rio de Janeiro, setembro 2010 Envelhecimento com qualidade: Como as operadoras de planos de saúde estão se organizando 10ª Jornada PRONEP Rio de Janeiro, setembro 2010 CONTEXTUALIZANDO: A variação de despesas nos últimos 8 anos superou

Leia mais

Qualidade de Vida na Velhice Frente ao Avanço Tecnológico

Qualidade de Vida na Velhice Frente ao Avanço Tecnológico Capítulo 10 Qualidade de Vida na Velhice Frente ao Avanço Tecnológico ALESSANDRA DE SOUZA CERRI MESTRE EM EDUCAÇÃO FÍSICA PESQUISADORA DO GRUPO ESCOLA PROMOTORA DA QUALIDADE DE VIDA E SAÚDE, FEF, UNICAMP

Leia mais

Ações Públicas Voltadas para Qualidade de Vida do Idoso

Ações Públicas Voltadas para Qualidade de Vida do Idoso Capítulo 15 Ações Públicas Voltadas para Qualidade de Vida do Idoso Cristina Medeiros da Silva Educadora Física com Especialização em Atividade Física e Qualidade de Vida na FEF/UNICAMP Paulo Cerri Cirurgião

Leia mais

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012.

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Layz Dantas de Alencar 1 - layzalencar@gmail.com Rosimery

Leia mais

SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, JURÍDICA E DE ESTUDOS SOBRE A PESSOA IDOSA

SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, JURÍDICA E DE ESTUDOS SOBRE A PESSOA IDOSA 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO

Leia mais

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres 2 Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres Ana Paula Bueno de Moraes Oliveira Graduada em Serviço Social Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC Campinas Especialista

Leia mais

MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA

MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA INTRODUÇÃO MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA Mayara Muniz Dias Rodrigues 1 Saemmy Grasiely Estrela de Albuquerque 2 Maria das Graças Melo Fernandes 3 Keylla

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA RECREAÇÃO PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADO

IMPORTÂNCIA DA RECREAÇÃO PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADO IMPORTÂNCIA DA RECREAÇÃO PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADO Eliane de Sousa Leite/Universidade Federal de Campina Grande/UFCG. E-mail: elianeleitesousa@yahoo.com.br Jeruzete Almeida de Menezes/ Universidade

Leia mais

A Atividade Física como Proposta de Prevenção de Doenças no Trabalhador

A Atividade Física como Proposta de Prevenção de Doenças no Trabalhador 23 A Atividade Física como Proposta de Prevenção de Doenças no Trabalhador Maria Lúcia Cimadon Silvestre Graduada em Psicologia na Universidade São Francisco Especialista em Gestão da Qualidade de Vida

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

IMPORTÂNCIA DAS MUDANÇAS SOCIAIS PARA PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA NA TERCEIRA IDADE

IMPORTÂNCIA DAS MUDANÇAS SOCIAIS PARA PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA NA TERCEIRA IDADE IMPORTÂNCIA DAS MUDANÇAS SOCIAIS PARA PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA NA TERCEIRA IDADE Dalila Freire² J.O. Rodrigues¹ T.P.M. Cunha² M.S.B.F. Costa¹ C.A.S Soares¹ L.R. Oliveira¹ Vanilce Bernardes³ Nos países

Leia mais

UBM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BARRA MANSA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIDADE CICUTA PROJETO OUTONO I - OFICINA DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE

UBM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BARRA MANSA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIDADE CICUTA PROJETO OUTONO I - OFICINA DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE 1 UBM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BARRA MANSA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIDADE CICUTA PROJETO OUTONO I - OFICINA DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA IDOSO: UM BATE PAPO COM A SAÚDE "COMO ENVELHECER

Leia mais

Prof. MS. Ellen H. Magedanz

Prof. MS. Ellen H. Magedanz Prof. MS. Ellen H. Magedanz As transformações nos padrões de saúde/doença constituíram-se em uma das características do último século, estão associadas às mudanças na estrutura etária populacional. América

Leia mais

CUIDANDO DO IDOSO E CUIDANDO DO CUIDADOR

CUIDANDO DO IDOSO E CUIDANDO DO CUIDADOR CUIDANDO DO IDOSO E CUIDANDO DO CUIDADOR Jorge Wilker Bezerra Clares 1 Rozzana Oliveira Tabosa 2 Carliene Bezerra da Costa 3 Maria Célia de Freitas 4 RESUMO Trata-se de um relato de experiência vivenciado

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA PARA OS ALUNOS DO PRÉ VESTIBULAR: A VISÃO DE PROFESSORES DO TERCEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO DE ESCOLAS DE FORTALEZA 1

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA PARA OS ALUNOS DO PRÉ VESTIBULAR: A VISÃO DE PROFESSORES DO TERCEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO DE ESCOLAS DE FORTALEZA 1 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA PARA OS ALUNOS DO PRÉ VESTIBULAR: A VISÃO DE PROFESSORES DO TERCEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO DE ESCOLAS DE FORTALEZA 1 Renata Pereira Moreira 2 Heraldo Simões Ferreira 3

Leia mais

MELHOR IDADE EM MOVIMENTO: IMPORTÂNCIA DA FISIOTERAPIA PREVENTIVA NA FLEXIBILIDADE DE IDOSAS

MELHOR IDADE EM MOVIMENTO: IMPORTÂNCIA DA FISIOTERAPIA PREVENTIVA NA FLEXIBILIDADE DE IDOSAS MELHOR IDADE EM MOVIMENTO: IMPORTÂNCIA DA FISIOTERAPIA PREVENTIVA NA FLEXIBILIDADE DE IDOSAS Área Temática: Saúde Helenara Salvati Bertolossi Moreira 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) Helenara Salvati

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal Lei nº 5.905/73

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal Lei nº 5.905/73 PARECER CTSAB Nº 03/2014 Porto Alegre, 11 de agosto de 2014. Atuação do Profissional Enfermeiro na Atividade Física. I - Relatório Trata-se de solicitação de dúvida e emissão de parecer, encaminhada por

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA Área Temática: Direitos Humanos e Justiça Liza Holzmann (Coordenadora da Ação de Extensão) Liza Holzmann 1 Palavras Chave:

Leia mais

A PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO EM GERONTOLOGIA E GERIATRIA NO BRASIL

A PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO EM GERONTOLOGIA E GERIATRIA NO BRASIL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO EM GERONTOLOGIA E GERIATRIA NO BRASIL Mayara Caroline Barbieri 1 ; Amanda Marques Padilha 2 ; Maria Aparecida Salci

Leia mais

FIM DO SEDENTARISMO NA TERCEIRA IDADE: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES

FIM DO SEDENTARISMO NA TERCEIRA IDADE: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES FIM DO SEDENTARISMO NA TERCEIRA IDADE: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES Gilmara Marques Rodrigues Araújo (1) Maria Zélia Araújo (1); Josiane Costa e Silva (2); Juliane Berenguer de Souza Peixoto(3) Docente da Unesc

Leia mais

O envelhecimento populacional brasileiro e a abordagem da mídia em relação a pessoa idosa Moreira, Thais dos Santos*

O envelhecimento populacional brasileiro e a abordagem da mídia em relação a pessoa idosa Moreira, Thais dos Santos* O envelhecimento populacional brasileiro e a abordagem da mídia em relação a pessoa idosa Moreira, Thais dos Santos* Resumo: Este presente artigo tem por finalidade demonstrar de forma sucinta no cenário

Leia mais

O PACTO PELA VIDA É UM DOS SUBCOMPONENTES DO PACTO PELA SAÚDE PORTARIA 399/06. É O MARCO JURÍDICO DA PRIORIZAÇÃO DA SAÚDE DO IDOSO NO BRASIL

O PACTO PELA VIDA É UM DOS SUBCOMPONENTES DO PACTO PELA SAÚDE PORTARIA 399/06. É O MARCO JURÍDICO DA PRIORIZAÇÃO DA SAÚDE DO IDOSO NO BRASIL SAÚDE DO IDOSO CURSO ESPECÍFICOS ENFERMAGEM - A Saúde do Idoso aparece como uma das prioridades no Pacto pela Vida, o que significa que, pela primeira vez na história das políticas públicas no Brasil,

Leia mais

NÚCLEO UNIVERSITÁRIO DA TERCEIRA IDADE. Palavras-chave: envelhecimento, desenvolvimento humano, terceira idade, saúde.

NÚCLEO UNIVERSITÁRIO DA TERCEIRA IDADE. Palavras-chave: envelhecimento, desenvolvimento humano, terceira idade, saúde. NÚCLEO UNIVERSITÁRIO DA TERCEIRA IDADE Área Temática: Direitos Humanos e Justiça Mirella Pinto Valerio 1. Denise Maria Maciel Leão 2. Palavras-chave: envelhecimento, desenvolvimento humano, terceira idade,

Leia mais

PALAVRAS-CHAVES: Qualidade de vida. Idosos. Atividade física. Benefícios.

PALAVRAS-CHAVES: Qualidade de vida. Idosos. Atividade física. Benefícios. 197 QUALIDADE DE VIDA DE IDOSOS PRATICANTES DE ATIVIDADES FÍSICAS. Pricila Aparecida de Oliveira Cláudia Christina Mendes Rocha Deyliane Aparecida de Almeida Pereira RESUMO O objetivo deste estudo foi

Leia mais

Neste capítulo, valorizamos a função da escola na promoção. Atividade Física e Qualidade de Vida na Terceira Idade Também se Aprende na Escola

Neste capítulo, valorizamos a função da escola na promoção. Atividade Física e Qualidade de Vida na Terceira Idade Também se Aprende na Escola 14 Atividade Física e Qualidade de Vida na Terceira Idade Também se Aprende na Escola Efigênia Passarelli Mantovani Mestre em Educação Física - UNICAMP Grace Angélica de Oliveira Gomes Mestranda em Gerontologia

Leia mais

IX MOSTRA DE EXTENSÃO E CULTURA UFG

IX MOSTRA DE EXTENSÃO E CULTURA UFG IX MOSTRA DE EXTENSÃO E CULTURA UFG SAUDANDO A VIDA COM SAÚDE MENTAL E ATIVIDADE FÍSICA NO CENTRO DE CONVIVENCIA ARTE DE CONVIVER: RELATO DE EXPERIÊNCIA. ALMEIDA, Cláudia Silva de 1 ; GOUVEIA, Dayane de

Leia mais

Saúde: Possivelmente, se perguntarmos a todos os nossos amigos e familiares quais são seus desejos para uma vida satisfatória...

Saúde: Possivelmente, se perguntarmos a todos os nossos amigos e familiares quais são seus desejos para uma vida satisfatória... Atualmente, verificamos em programas de TV, nas revistas e jornais e em sites diversos na internet, uma grande quantidade de informações para que as pessoas cuidem da sua saúde. Uma das recomendações mais

Leia mais

ENVELHECIMENTO E QUALIDADE DE VIDA

ENVELHECIMENTO E QUALIDADE DE VIDA ENVELHECIMENTO E QUALIDADE DE VIDA Lariça Cândido da Silva (NEPB-UFPB/Email: larissa-nv27@hotmail.com) Irany Carvalho da Silva (NEPB-UFPB/Email: iranycarvalho_jp@yahoo.com.br) Carla Braz Evangelista (NEPB-UFPB/Email:

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 Institui as diretrizes gerais de promoção da saúde do servidor público federal, que visam orientar os órgãos e entidades do Sistema de Pessoal Civil da Administração

Leia mais

HUMANIZAÇÃO E ACOLHIMENTO À PESSOA IDOSA NOS SERVIÇOS DE SAÚDE: UMA REVISÃO INTEGRATIVA

HUMANIZAÇÃO E ACOLHIMENTO À PESSOA IDOSA NOS SERVIÇOS DE SAÚDE: UMA REVISÃO INTEGRATIVA HUMANIZAÇÃO E ACOLHIMENTO À PESSOA IDOSA NOS SERVIÇOS DE SAÚDE: UMA REVISÃO INTEGRATIVA Eveline de Oliveira Barros (UFPB). evinhabarros@gmail.com Fabiana Medeiros de Brito (UFPB). fabianabrito_@hotmail.com

Leia mais

Promoção da Saúde na Escola Através das Aulas de Educação Física

Promoção da Saúde na Escola Através das Aulas de Educação Física 10 Promoção da Saúde na Escola Através das Aulas de Educação Física Juliana Marin Orfei Especialista em Atividade Física: Treinamento Esportivo UNICASTELO Viviane Portela Tavares Especialista em Atividade

Leia mais

ÁREA TEMÁTICA: Saúde OBJETIVOS DAS AÇÕES EXTRA-MUROS

ÁREA TEMÁTICA: Saúde OBJETIVOS DAS AÇÕES EXTRA-MUROS TÍTULO:A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA DO IDOSO EM AÇÕES INTERSETORIAS DO PROGRAMA UNIVERSIDADE ABERTA COM A TERCEIRA IDADE - UATI E VOLUNTARIADO POPULAR NO MUNICÍPIO DE JEQUIÉ/BA. AUTORES: Andréa Santos Souza;

Leia mais

O acelerado ritmo de envelhecimento no Brasil cria novos desafios para a sociedade brasileira contemporânea. O envelhecimento ocorre num cenário de

O acelerado ritmo de envelhecimento no Brasil cria novos desafios para a sociedade brasileira contemporânea. O envelhecimento ocorre num cenário de Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Programa de Melhoria da Qualidade de Vida dos Idosos Institucionalizados Área Temática de Saúde Resumo

Leia mais

PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS DO PONTO DE VISTA FÍSICO E NUTRICIONAL

PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS DO PONTO DE VISTA FÍSICO E NUTRICIONAL PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS DO PONTO DE VISTA FÍSICO E NUTRICIONAL Nilza Matias Oliver Cruz Faculdade Maurício de Nassau/CG nilzamoc31@hotmail.com Débora de Araújo Targino Faculdade Maurício

Leia mais

GERIATRIA E SAUDE: ENVELHECIMENTO ATIVO NA PREVENÇÃO DA OSTEOPOROSE

GERIATRIA E SAUDE: ENVELHECIMENTO ATIVO NA PREVENÇÃO DA OSTEOPOROSE GERIATRIA E SAUDE: ENVELHECIMENTO ATIVO NA PREVENÇÃO DA OSTEOPOROSE Bianca Emanuelle Silva Constâncio Acadêmica do curso de Fisioterapia do Centro Universitário de João Pessoa UNIPÊ, email: biancaemanuelle@live.com

Leia mais

TÍTULO: ASPECTOS BIOPSICOSSOCIAIS DOS IDOSOS ATENDIDOS ATRAVÉS DO SUS:ESTUDO DE CASO

TÍTULO: ASPECTOS BIOPSICOSSOCIAIS DOS IDOSOS ATENDIDOS ATRAVÉS DO SUS:ESTUDO DE CASO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ASPECTOS BIOPSICOSSOCIAIS DOS IDOSOS ATENDIDOS ATRAVÉS DO SUS:ESTUDO DE CASO CATEGORIA: CONCLUÍDO

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE

ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE Ridailda de Oliveira Amaral * RESUMO A atividade física e o exercício foram reconhecidos formalmente como fatores que desempenham um papel essencial no aprimoramento da saúde e

Leia mais

Esse tema foi abordado com o objetivo de despertar o interesse pela

Esse tema foi abordado com o objetivo de despertar o interesse pela 10 A Atividade Física e o Controle do Peso Corporal Denis Marcelo Modeneze Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde na UNICAMP Esse tema foi abordado com o objetivo de despertar

Leia mais

CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL

CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL Ocilma Barros de Quental. Faculdade de Medicina do ABC(ocilmaquental2011@hotmail.com) Sheylla Nadjane Batista Lacerda.

Leia mais

FOZ$DO$IGUAÇU,$2015$!

FOZ$DO$IGUAÇU,$2015$! FOZDOIGUAÇU,2015 XXVIENANGRAD SIGNIFICADO DO TRABALHO PARA O IDOSO: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO Marina Menezes Ladeira Débora Vargas Ferreira Costa Victor Cláudio Paradela Ferreira Rejane Prevot Nascimento

Leia mais

O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA

O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA (2011) Dayana Lima Dantas Valverde Psicóloga, graduada pela Faculdade de Tecnologia e Ciências de Feira de Santana, BA. Pós-graduanda em Saúde Mental

Leia mais

Paulo Freitas - paulofreitasb@gmail.com

Paulo Freitas - paulofreitasb@gmail.com Paulo Freitas - paulofreitasb@gmail.com CONCEITOS GERAIS IDOSO MAIS IDOSO MUITO IDOSO Idosos com velhice avançada 60 anos +- 70 anos 80 anos SEGMENTO POPULACIONAL QUE MAIS CRESCE, SENDO HOJE MAIS DE 12%

Leia mais

EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL

EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL Proposta I Fomentar a criação de grêmios estudantis, fóruns de juventude, diretórios centrais de estudantes,

Leia mais

INCIDÊNCIA DE AIDS NA POPULAÇÃO IDOSA DO BRASIL

INCIDÊNCIA DE AIDS NA POPULAÇÃO IDOSA DO BRASIL INCIDÊNCIA DE AIDS NA POPULAÇÃO IDOSA DO BRASIL Tacilla Maria Rodrigues Pereira¹(tacilla90@hotmail.com) Milene Evaristo Pereira¹(Milene.trab@gmail.com) Nicole Cristine Diniz de Medeiros Dutra¹ (nicole_dutra@hotmail.com)

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DIRECIONADAS AO IDOSO: aplicabilidade do artigo 4º do decreto nº 1.948/96. Keywords: Elderly. Public Policies.

POLÍTICAS PÚBLICAS DIRECIONADAS AO IDOSO: aplicabilidade do artigo 4º do decreto nº 1.948/96. Keywords: Elderly. Public Policies. 1 POLÍTICAS PÚBLICAS DIRECIONADAS AO IDOSO: aplicabilidade do artigo 4º do decreto nº 1.948/96 Paulo Roberto Barbosa Ramos * Yuri Sampaio Capellato Logrado Viviane Freitas Perdigão Geórgia Kerle Santos

Leia mais

RESPEITEM OS MEUS CABELOS BRANCOS!

RESPEITEM OS MEUS CABELOS BRANCOS! RESPEITEM OS MEUS CABELOS BRANCOS! Claudia Maria Bezerra da Silva¹ 1. claudiambezerra@yahoo.com.br Resumo O projeto Respeitem os Meus Cabelos Brancos! foi desenvolvido na Escola Coronel José Domingos da

Leia mais

Documento Técnico A Actividade Física e a Promoção da Saúde na 3ª Idade

Documento Técnico A Actividade Física e a Promoção da Saúde na 3ª Idade Documento Técnico A Actividade Física e a Promoção da Saúde na 3ª Idade DIVISÃO DESPORTO - CME A Actividade Física e a Promoção da Saúde na 3ª Idade 1.1. Conceito de Saúde Segundo a Organização Mundial

Leia mais

GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE

GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE RESUMO Esterfania Silva Lucena; Manoel Freire de Oliveira Neto Universidade Estadual da Paraíba, Email:

Leia mais

PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS

PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS Renata Lívia Silva F. M. de Medeiros (UFPB) Zirleide Carlos Felix (UFPB) Mariana de Medeiros Nóbrega (UFPB) E-mail: renaliviamoreira@hotmail.com

Leia mais

A RELEVÂNCIA DO CUIDADO DA ENFERMAGEM PARA SAÚDE MENTAL DO IDOSO

A RELEVÂNCIA DO CUIDADO DA ENFERMAGEM PARA SAÚDE MENTAL DO IDOSO A RELEVÂNCIA DO CUIDADO DA ENFERMAGEM PARA SAÚDE MENTAL DO IDOSO Ianine Alves da Rocha¹, Aralinda Nogueira Pinto¹, L enilma Bento de Araújo Meneses¹, Lucineide Alves Vieira Braga¹, Ana Neri A lves da Rocha¹,

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PLANO DE ENSINO Unidade Universitária: CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Curso: EDUCAÇÃO FISICA Disciplina: EDUCAÇÃO

Leia mais

Atividade Física e Saúde na Escola

Atividade Física e Saúde na Escola Atividade Física e Saúde na Escola *Eduardo Cardoso Ferreira ** Luciano Leal Loureiro Resumo: Atividade física pode ser trabalhada em todas as idades em benefício da saúde. O objetivo do artigo é conscientizar

Leia mais

Corpo, velhice e saúde: formas de viver e ser na velhice

Corpo, velhice e saúde: formas de viver e ser na velhice Fazendo Florianópolis, Gênero de 8 25 - Corpo, a 28 de Violência agosto de e 2008 Poder Corpo, velhice e saúde: formas de viver e ser na velhice Gabriela Felten da Maia e Fátima Cristina Vieira Perurena

Leia mais

PARTICIPAÇÃO NA VELHICE: POLÍTICAS PÚBLICAS E CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADES ENTRE IDOSOS INSERIDOS EM GRUPOS E ASSOCIAÇÕES

PARTICIPAÇÃO NA VELHICE: POLÍTICAS PÚBLICAS E CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADES ENTRE IDOSOS INSERIDOS EM GRUPOS E ASSOCIAÇÕES PARTICIPAÇÃO NA VELHICE: POLÍTICAS PÚBLICAS E CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADES ENTRE IDOSOS INSERIDOS EM GRUPOS E ASSOCIAÇÕES Kátia Ramos Silva (Doutoranda PPGS/UFPB) E-mail: katya6@gmail.com I. INTRODUÇÃO A

Leia mais

APOSENTADORIA + VOLUNTARIADO = TRANSFORMAÇÃO RUBENS DE FRAGA JÚNIOR

APOSENTADORIA + VOLUNTARIADO = TRANSFORMAÇÃO RUBENS DE FRAGA JÚNIOR APOSENTADORIA + VOLUNTARIADO = TRANSFORMAÇÃO RUBENS DE FRAGA JÚNIOR ROTEIRO O QUE É ENVELHECIMENTO? APOSENTADORIA : UMA TRANSIÇÃO BENEFÍCIOS PARA A SAÚDE DO VOLUNTÁRIO O Envelhecimento O que é? Conceito

Leia mais

REVISTA DA UFG - Tema MELHOR IDADE Órgão de divulgação da Universidade Federal de Goiás - Ano V, No. 2, dezembro de 2003

REVISTA DA UFG - Tema MELHOR IDADE Órgão de divulgação da Universidade Federal de Goiás - Ano V, No. 2, dezembro de 2003 REVISTA DA UFG - Tema MELHOR IDADE Órgão de divulgação da Universidade Federal de Goiás - Ano V, No. 2, dezembro de 2003 GOYAZ, M. - Vida ativa na melhor idade. Revista da UFG, Vol. 5, No. 2, dez 2003

Leia mais

Introdução: Este é um estudo sobre atividades culturais praticadas por

Introdução: Este é um estudo sobre atividades culturais praticadas por SOCIABILIDADE DOS IDOSOS: FATOR DE PROMOÇÃO DA SAÚDE Autores: Natália Aparecida de Meira Franco Beltrina Côrte Instituição: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) Introdução: Este é um

Leia mais

Ministério do Esporte

Ministério do Esporte A CULTURA CORPORAL DO MOVIMENTO HUMANO E O ESPORTE EDUCACIONAL Ministério do Esporte OBJETIVOS: 1. Reivindicar e demarcar as fronteiras da cultura corporal do movimento humano (CCMH) como um espaço próprio

Leia mais

Relacionamentos. Laços familiares, amizades e atividades sociais fazem bem à saúde.

Relacionamentos. Laços familiares, amizades e atividades sociais fazem bem à saúde. Relacionamentos Relacionamentos Laços familiares, amizades e atividades sociais fazem bem à saúde. Dependendo de como você leva a sua vida, pode prevenir ou não as chamadas doenças da civilização (cardiovasculares,

Leia mais

PERFIL DO ESTILO E QUALIDADE DE VIDA DOS PROFESSORES DE ACADEMIAS DA CIDADE DE SOMBRIO SC

PERFIL DO ESTILO E QUALIDADE DE VIDA DOS PROFESSORES DE ACADEMIAS DA CIDADE DE SOMBRIO SC PERFIL DO ESTILO E QUALIDADE DE VIDA DOS PROFESSORES DE ACADEMIAS DA CIDADE DE SOMBRIO SC FLÁVIA BORGES LAURINDO* *GRADUANDA EM EDUCAÇÃO FÍSICA BACHAREL - UNESC Resumo Este artigo tem como objetivo identificar

Leia mais

cultural de fundamental importância quando mergulham conceitualmente em temas de interesse para o bem-estar de pessoas e de populações idosas, para o

cultural de fundamental importância quando mergulham conceitualmente em temas de interesse para o bem-estar de pessoas e de populações idosas, para o Prefácio Ao longo dos últimos 11 anos, a coleção Velhice e Sociedade vem cumprindo a missão de divulgar conhecimento sobre a velhice e tem contribuído para o desenvolvimento e o aperfeiçoamento de recursos

Leia mais

Viva Idade: Uma Proposta de Atividades Físicas e Lazer Para Idosos

Viva Idade: Uma Proposta de Atividades Físicas e Lazer Para Idosos Viva Idade: Uma Proposta de Atividades Físicas e Lazer Para Idosos Cristiane Pereira de Oliveira Estudante de Economia Doméstica e Bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Extensão da Universidade

Leia mais

ARTIGO APRESENTADO NO 17 O CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA FIEP/2002-01-29 REALIZADO EM FOZ DO IGUAÇU DE 12 A 16 DE JANEIRO DE 2002

ARTIGO APRESENTADO NO 17 O CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA FIEP/2002-01-29 REALIZADO EM FOZ DO IGUAÇU DE 12 A 16 DE JANEIRO DE 2002 ARTIGO APRESENTADO NO 17 O CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA FIEP/2002-01-29 REALIZADO EM FOZ DO IGUAÇU DE 12 A 16 DE JANEIRO DE 2002 TÍTULO: NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA E BARREIRAS PARA A ATIVIDADE

Leia mais

Programa Melhoria da Qualidade de Vida dos Idosos Institucionalizados

Programa Melhoria da Qualidade de Vida dos Idosos Institucionalizados Programa Melhoria da Qualidade de Vida dos Idosos Institucionalizados SIEXBRASIL: 17805 Área Temática Principal: Saúde Autores Professora Leani Souza Máximo Pereira - Doutora em Ciências Biológicas/UFMG

Leia mais

UNIVERSIDADE ABERTA À TERCEIRA IDADE: O EXERCICIO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL

UNIVERSIDADE ABERTA À TERCEIRA IDADE: O EXERCICIO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL UNIVERSIDADE ABERTA À TERCEIRA IDADE: O EXERCICIO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL (2006) Salvador Loureiro Rebelo Junior Graduando do 6º ano de Psicologia da Universidade Estadual Paulista Bauru, Intercambista

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR Prof. Dr. Jones Alberto de Almeida Divisão de saúde ocupacional Barcas SA/ CCR ponte A necessidade de prover soluções para demandas de desenvolvimento, treinamento

Leia mais

ENVELHECIMENTO POPULACIONAL E SUA PRODUÇÃO HISTÓRICA NO BRASIL, AMAZONAS, TEFÉ, ALVARÃES E UARINI-AM

ENVELHECIMENTO POPULACIONAL E SUA PRODUÇÃO HISTÓRICA NO BRASIL, AMAZONAS, TEFÉ, ALVARÃES E UARINI-AM ENVELHECIMENTO POPULACIONAL E SUA PRODUÇÃO HISTÓRICA NO BRASIL, AMAZONAS, TEFÉ, ALVARÃES E UARINI-AM Ellen Anjos Camilo da Costa Universidade Federal do Amazonas ellen_cami@yahoo.com.br Tatiana Schor Universidade

Leia mais

Melhor Idade Oficinas de Produção 1

Melhor Idade Oficinas de Produção 1 Melhor Idade Oficinas de Produção 1 Patrícia da Silva Fonseca. Economista Doméstica e estudante não-vinculado do Programa de Pós-Graduação em Economia Doméstica da Universidade Federal de Viçosa. Endereço:

Leia mais

A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS

A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS Agostinho Both3 3, Carmen Lucia da Silva Marques 3,José Francisco Silva Dias 3 As instituições, em especial as educacionais, não podem se furtar

Leia mais

POLÍTICA PÚBLICA DE SAÚDE DO IDOSO NO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA-RS 1

POLÍTICA PÚBLICA DE SAÚDE DO IDOSO NO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA-RS 1 POLÍTICA PÚBLICA DE SAÚDE DO IDOSO NO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA-RS 1 Braido, A. 2 ; Gehn, Mari. 3 ; Ilha, S 3 ;Colomé, J. 4 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Curso de Nutrição do Centro Universitário Franciscano

Leia mais

APROXIMAÇÕES À PROBLEMÁTICA DO ENVELHECIMENTO POPULACIONAL NO ÂMBITO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL ABSTRACT

APROXIMAÇÕES À PROBLEMÁTICA DO ENVELHECIMENTO POPULACIONAL NO ÂMBITO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL ABSTRACT APROXIMAÇÕES À PROBLEMÁTICA DO ENVELHECIMENTO POPULACIONAL NO ÂMBITO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Yara Silva dos Santos 1 Maria Aparecida Nunes dos Santos 2 RESUMO O presente artigo tece considerações

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA FISIOTERAPIA PARA A PROMOÇÃO DE SAÚDE DO CUIDADOR INFORMAL

CONTRIBUIÇÕES DA FISIOTERAPIA PARA A PROMOÇÃO DE SAÚDE DO CUIDADOR INFORMAL RELATO DE EXPERIÊNCIA CONTRIBUIÇÕES DA FISIOTERAPIA PARA A PROMOÇÃO DE SAÚDE DO CUIDADOR INFORMAL Contributions of physiotherapy for the promotion of health of the informal caregiver Lidiane Cristina Custódio

Leia mais

Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa

Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa Módulo Unidade 01 Tópico 01 Políticas na Atenção do Idoso Introdução as Políticas Públicas Políticas Públicas Ao longo do tempo o papel do Estado frente

Leia mais

ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL

ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL O processo de envelhecimento e a velhice devem ser considerados como parte integrante do ciclo de vida. Ao longo dos tempos, o conceito de envelhecimento e as

Leia mais

BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM.

BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM. BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM. RESUMO Karyn Albrecht SIQUEIRA, 1. Aline MASSAROLI, 2. Ana Paula LICHESKI, 2. Maria Denise Mesadri GIORGI, 3. Introdução: Com os diversos avanços

Leia mais

DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA

DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA FARIAS, Maria Lígia Malta ¹ SOUSA, Valéria Nicolau de ² TANNUSS, Rebecka Wanderley ³ Núcleo De Cidadania e Direitos Humanos/ PROEXT RESUMO O Projeto de Extensão

Leia mais

UMI UNIVERSIDADE DA MELHOR IDADE 1

UMI UNIVERSIDADE DA MELHOR IDADE 1 UMI UNIVERSIDADE DA MELHOR IDADE 1 BOAVENTURA, Lara Duarte dos Santos 2 ; ALCÂNTARA, Bruna dos Santos 3 ; SILVA, Juliana Adono da 4 ; GUIMARÃES, Pedro Henrique 5 ; PALMA, Vanessa Cristina Lourenço Casotti

Leia mais

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às CURSO: ENFERMAGEM Missão Formar para atuar em Enfermeiros qualificados todos os níveis de complexidade da assistência ao ser humano em sua integralidade, no contexto do Sistema Único de Saúde e do sistema

Leia mais

SATISFAÇÃO DO IDOSO NO PROGRAMA JOÃO PESSOA VIDA SAUDÁVEL

SATISFAÇÃO DO IDOSO NO PROGRAMA JOÃO PESSOA VIDA SAUDÁVEL SATISFAÇÃO DO IDOSO NO PROGRAMA JOÃO PESSOA VIDA SAUDÁVEL Priscilla Pinto Costa da Silva 1 Emília Amélia Pinto Costa da Silva 2 Luiz Arthur Cavalcanti Cabral 1 Eronaldo de Sousa Queiroz Junior 1 Nayrla

Leia mais

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ MINISTÉRIO DA SAÚDE IMPACTO DA VIOLÊNCIA NA SAÚDE DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ VOCÊ É A PEÇA PRINCIPAL PARA ENFRENTAR ESTE PROBLEMA Brasília - DF 2008

Leia mais

SAÚDE PERCEBIDA E A ATIVIDADE FÍSICA NO PROCESSO DE ENVELHECIMENTO

SAÚDE PERCEBIDA E A ATIVIDADE FÍSICA NO PROCESSO DE ENVELHECIMENTO SAÚDE PERCEBIDA E A ATIVIDADE FÍSICA NO PROCESSO DE ENVELHECIMENTO Profª Drª Maria do Carmo Eulálio (Orientadora) Kalina de Lima Santos* Renata Alessandra Oliveira Neves* Daniella Oliveira Pinheiro* Tarsila

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Serviço Social 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Serviço Social 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Serviço Social 2011-2 A INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NO PROGRAMA PROJOVEM URBANO Alunos: VARGAS,

Leia mais

Dança para Idosos: Resgate da Cultura e da Vida

Dança para Idosos: Resgate da Cultura e da Vida 17 Dança para Idosos: Resgate da Cultura e da Vida Ana Zélia Belo Licenciada em Educação Física Especialista em Qualidade de Vida e Atividade Física - UNICAMP Roberta Gaio Licenciada em Educação Física

Leia mais

AÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DE COMUNIDADES VULNERÁVEIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (2012) 1

AÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DE COMUNIDADES VULNERÁVEIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (2012) 1 AÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DE COMUNIDADES VULNERÁVEIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (2012) 1 DALCIN, Camila Biazus 2 ; GUERRA, Leonardo Rigo 3 ; VOGEL, Gustavo Micheli 4 ; BACKES, Dirce

Leia mais

UMA ABORDAGEM DA PROMOÇÃO DA SAÚDE E SUA RELAÇÃO COM A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR 1

UMA ABORDAGEM DA PROMOÇÃO DA SAÚDE E SUA RELAÇÃO COM A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR 1 UMA ABORDAGEM DA PROMOÇÃO DA SAÚDE E SUA RELAÇÃO COM A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR 1 Cristiano Mezzaroba 2 RESUMO A proposta Promoção à Saúde compreende diferentes conhecimentos e estratégias de ação já bastante

Leia mais

FACES DA VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO EM PRESIDENTE PRUDENTE/SP.

FACES DA VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO EM PRESIDENTE PRUDENTE/SP. 538 FACES DA VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO EM PRESIDENTE PRUDENTE/SP. Dayane Siqueira 1, Graciele Correia Melo 1, Larissa Marques Menani 1, Stefânia Ciriaco de Jesus Sanches 1, Juliene Aglio Parrão Graduanda

Leia mais

DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL: Prevenção, Consciência e Convivência.

DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL: Prevenção, Consciência e Convivência. DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL: Prevenção, Consciência e Convivência. Lourival dos Santos Filho Graduando em Farmácia Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Klerison Romero Martinez Graduando

Leia mais

TREINO COGNITIVO E ENVELHECIMENTO: na busca da autonomia dos idosos

TREINO COGNITIVO E ENVELHECIMENTO: na busca da autonomia dos idosos TREINO COGNITIVO E ENVELHECIMENTO: na busca da autonomia dos idosos Samara Pereira Cabral - UFPB samarapcj@hotmail.com Monica Dias Palitot - UFPB monicadiaspt@yahoo.com.br Joseane da Silva Meireles - UFPB

Leia mais