Qualidade de vida, saúde e política pública de idosos no Brasil: uma reflexão teórica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Qualidade de vida, saúde e política pública de idosos no Brasil: uma reflexão teórica"

Transcrição

1 27 Qualidade de vida, saúde e política pública de idosos no Brasil: uma reflexão teórica Quality of life, health and public policy of elderly in Brazil: a theoretical reflection Ramon Missias Moreira Carla Elane Silva dos Santos Edvaldo Souza Couto Jules Ramon Brito Teixeira RESUMO: Estudo teórico que objetivou refletir sobre os fatores que se relacionam com a qualidade de vida de idosos no Brasil. Portanto, destacam-se nesse texto os aspectos do envelhecimento humano, as políticas públicas voltadas para os idosos e o envelhecimento ativo. A partir desses eixos temáticos, percebe-se uma relação evidente entre a qualidade de vida com os aspectos da vida do idoso, como a autonomia, independência, dependência, prática de atividades físicas e os laços sociais, afetivos e culturais. Palavras-chave: Envelhecimento; Idoso; Qualidade de Vida; Saúde; Políticas Públicas em Saúde. ABSTRACT: Theoretical study that aimed to reflect about the factors that relate to the quality of life of elderly in Brazil. Therefore, this text stands out aspects of human aging, public policies targeting the elderly and active aging. From these themes, was demonstrated a clear link between the quality of life with aspects of life of the elderly, such as autonomy, independence, dependence, physical activity practice and the social, affective and cultural ties. Keywords: Aging; Elderly; Quality of Life; Health; Public Policies in Health.

2 28 Ramon Missias Moreira; Carla Elane Silva dos Santos; Edvaldo Souza Couto; Jules Ramon Brito Teixeira & Introdução Uma das mudanças demográficas mais marcantes e importantes da atualidade é o envelhecimento humano, o qual tem alcançado também boa representatividade em países que se encontram em desenvolvimento. O processo do envelhecer é uma trilha natural e irreversível, e é percebido por quem vivencia essa fase a partir de diferentes prismas, derivando das experiências, objetivos e perspectivas que integram a vida do ser. No contexto brasileiro, pode-se perceber que a população vem envelhecendo acentuadamente a partir da década de 60 e o principal motivo para esse fato é pelo exacerbado declínio da taxa de fecundidade (Veras, 2007). O envelhecimento deve ser compreendido para além do olhar biológico, pois o homem não é apenas um composto de órgãos e músculos, mas, mais do que isso, este se completa através de sua inserção nos meios culturais, sociais, políticos e ideológicos, colaborando, assim, para sua constituição enquanto ser pensante, histórico e social (Guccione, 2002). O envelhecimento pode ser definido como um processo gradual, universal e irreversível, que acelera na maturidade e que provoca uma perda funcional progressiva no organismo (Nahas, 2003). Dentre os países em desenvolvimento, o que se encontra em ritmo mais acelerado em relação ao envelhecimento populacional é o Brasil. O contingente de idosos brasileiros hodiernamente representa cerca de 8% da população e esta expectativa de vida vem aumentando, tendo alcançado 72,86 anos para homens e 76,71 anos para as mulheres, estimando-se que alcançará a idade dos países desenvolvidos a partir de Na região do Nordeste brasileiro, por exemplo, a população de idosos, em relação à proporção, aumentou de 5,1% no ano de 1991 para 7,2% em 2010 (IBGE, 2010). Nesse sentido, o aumento da expectativa de vida é resultado de uma combinação de fatores que hoje estão sob controle, principalmente, pelos avanços ocorridos na área farmacológica, e também pelas mudanças no estilo de vida da população idosa, pela implantação de novas políticas públicas, além do controle das doenças infectocontagiosas (Matsudo, 2001). Essas mudanças na pirâmide populacional geram consequências também negativas, tendo em vista os vários desafios que são direcionados ao sistema público de saúde, em decorrência de doenças próprias da idade (Furtado et al., 2012).

3 Qualidade de vida, Saúde e Política Pública de Idosos no Brasil: uma reflexão teórica 29 Ainda, sabendo-se que a sociedade moderna dispõe de muitos recursos que contribuem de maneira eficaz para o aumento da longevidade, surge uma questão norteadora: como está a qualidade de vida dos idosos brasileiros? Prosseguindo, na intenção de demarcar o eixo central dessa reflexão teórica e na tentativa de responder ao questionamento anterior, objetivou-se nesse estudo refletir sobre os fatores que se relacionam com a qualidade de vida de idosos no Brasil. Desafios e Perspectivas do Envelhecimento Humano O trabalho foi feito, o amor foi dado, a dor foi sofrida - e tudo continua ali, no rosto, nas mãos, nas atitudes, permanecendo viva a voz do ancião. Essa foi uma realização que construiu a si própria, graças a uma aceitação, constantemente renovada, daquilo que não pode ser mudado; graças à bondade, que sabe que o outro também existe e procura tornar-lhe fáceis as coisas, ao entendimento de que mais vale o perdão do que a obstinação; e mais a paciência que a violência, e de que o mais profundo da vida se encontra no silêncio, não na palavra (Guardini, 2012, p. 86). Aproveitar o envelhecimento como convém e como se recomenda, buscando a sabedoria, depende da circunstância do homem e da própria pessoa. Não adiantam os esforços do governo no que diz respeito ao investimento na tecnologia e incentivo de avanços técnicos, se o ser idoso não obtiver noção e consciência do próprio sentido de sua vida. Corroborando com essa ideia, Guardini (2012) afirma que envelhecer, como se deve, depende para além das conjunturas culturais e materiais, da favorável aceitação da própria idade pelo idoso. Dentre outros aspectos, trata-se de superação dos preconceitos que são disseminados entre os jovens, além de superar as angústias contra tudo o que é atual, moderno. Essa aceitação de si deve perpassar, necessariamente, pela cognição de que todos são seres que têm como fim a morte e, a partir do reconhecimento desses fatores negativos, sugere-se aproveitar a vida com qualidade, enquanto há tempo. Nessa perspectiva, levando-se em consideração que o processo do envelhecimento carrega consigo muitas alterações anátomo-fisiológicas, é válido pensar em traçar estratégias para aproveitar e viver a vida de forma harmoniosa, equilibrada e com qualidade de vida (Silva et al., 2011).

4 30 Ramon Missias Moreira; Carla Elane Silva dos Santos; Edvaldo Souza Couto; Jules Ramon Brito Teixeira & Essas modificações biológicas que ocorrem nos corpos dos idosos são claras e muitas vezes visíveis, acontecendo em todos os sistemas e aparelhos. Nesse mesmo sentido, para Del Duca e Nahas (2011), o envelhecer configura-se pelas perdas funcionais, mesmo que resulte de fatores genéticos e de dimensões externas como as condições culturais e sociais do indivíduo e o estilo de vida levado. Trata-se de uma situação normal, existindo, porém, a possibilidade de intensificar ou desacelerar esse processo a partir dos fatores comportamentais, e também ambientais, os quais exercem enorme influência sobre as patologias. Portanto, outro ponto importante em relação ao envelhecimento é a saúde sexual do idoso, quando as atividades sexuais são reduzidas; contudo, a partir de um relacionamento afetivo com a parceira ou parceiro, é provável que haja uma satisfação sexual, mesmo que para isso não aconteça a conjunção carnal. Por conseguinte, essas ações estão submetidas às condições físicas e de saúde dos idosos, a partir de suas experiências; dessa forma, se anteriormente a vida sexual era ativa, e se existia amor, carinho e afetividade, na relação atual é possível sentir a sensação de prazer (Missias Moreira, 2010). Destarte, aumentar os anos de vida, imprimindo neles qualidade, tem sido uma questão bem considerada e ponderada entre os estudiosos da gerontologia. Devem-se alargar as preocupações dos gestores que estão à frente dos órgãos públicos, e da sociedade de modo geral, no sentido de assegurar uma longevidade excelente e melhor qualidade de vida a essa população (Joia et al., 2007). Políticas Públicas: um olhar para a qualidade de vida do idoso A importância das reflexões sobre questões inerentes aos idosos, observando-se as práticas e estratégias das políticas públicas de saúde e o impacto das mesmas sobre a qualidade de vida deles, demarca um ponto de partida para o elo entre diversos campos do conhecimento, os quais representam um suporte fundamental para a problematização e reconhecimento das demandas e necessidades dessa população (Moura, Silva & Marques, 2011), especificamente no contexto da saúde, e também as diretrizes estratégicas para o desenvolvimento de ações de atendimento e acolhimento de maneira efetiva e eficaz. Com esse crescimento contínuo da população idosa brasileira, torna-se necessária a incrementação de políticas de saúde direcionadas a essas pessoas e a seus familiares; sabe-se

5 Qualidade de vida, Saúde e Política Pública de Idosos no Brasil: uma reflexão teórica 31 da importância dos cuidadores, enfocando principalmente a prevenção de doenças e a promoção da saúde, a partir do estilo de vida ativo, objetivando retardar as modificações decorrentes do envelhecimento, bem como proporcionar a autoestima, que é característica relevante nesse processo de cuidar (Silva et al., 2011). A partir do reconhecimento do envelhecimento populacional no Brasil, por parte do governo federal, foi aprovada em 4 de janeiro de 1994 a Lei n. o 8.842/94, que estabelece a Política Nacional do Idoso, regulamentada posteriormente pelo Decreto n. o 1.948/96 (Brasil, 1994). A finalidade dessa lei é assegurar direitos sociais, garanti-los a fim de assegurarem a promoção da integração, autonomia e participação efetiva do idoso na sociedade, visando ao exercício de sua cidadania. Consta ainda, nessa lei, que a pessoa idosa é aquela com idade a partir de 60 anos (Rodrigues et al., 2007). Nesse sentido, no ano de 2003, a partir do crescimento acentuado de idosos no Brasil, foi criado o Estatuto do Idoso que enfatiza a garantia de assistência integral à saúde dessa população através do Sistema Único de Saúde (SUS), em todos os níveis de atenção, fomentando, dessa forma, a discussão sobre a atenção às condições de saúde dos idosos, assegurando-lhes acesso igualitário e universal, num contexto imbricado de serviços e ações visando à proteção, promoção, prevenção e recuperação da saúde (Rodrigues et al., 2013). Esse Estatuto foi construído com a participação popular, através das entidades que lutam em defesa dos interesses dos idosos; portanto, estendendo as respostas do Estado e da sociedade às demandas e necessidades das pessoas idosas, sem trazer consigo, contudo, uma forma de como financiar as ações propostas. Ampliando ainda mais esse debate, é promulgada a Política Nacional de Saúde da Pessoa Idosa, em 2006, elucidando sobre o preconceito contra a velhice e o quanto este, juntamente à negação da sociedade, colaboram para a dificuldade de se pensarem políticas específicas para esse grupo. Sugerindo, que deva ser um compromisso de todos os gestores em saúde, entender que, mesmo que sejam altos os custos com internações e tratamento prolongados, no caso de alguns idosos, nessas ações também se está investindo no envelhecimento (Brasil, 2006). É reconhecida ainda nesta Portaria que o grande problema que pode comprometer o idoso, por conta do desenvolvimento de suas enfermidades e de seu estilo de vida, é a perda de sua capacidade funcional, isto é, a diminuição das aptidões físicas e mentais imprescindíveis para a prática de suas atividades fundamentais e instrumentais da vida diária (Brasil, 2006).

6 32 Ramon Missias Moreira; Carla Elane Silva dos Santos; Edvaldo Souza Couto; Jules Ramon Brito Teixeira & De acordo com Silvestre e Costa Neto (2003), pesquisas desenvolvidas na população do país têm evidenciado que no mínimo 85% dos idosos apresentam não menos que uma doença crônica, e cerca de 10% tem pelo menos cinco dessas doenças. A existência de uma ou mais doenças crônicas não significa que o idoso passe a ser uma pessoa dependente e incapaz de desenvolver suas atividades diárias. Foi percebido ainda que a maioria dos idosos do Brasil consegue tomar suas próprias decisões e organizar-se, sem que seja necessário ajuda de outra pessoa, mesmo no caso de terem essas doenças. Quando o envelhecimento é aceito como um êxito, o aproveitamento da competência, experiência e dos recursos humanos dos grupos mais velhos é assumido com naturalidade, como uma vantagem para o crescimento de sociedades humanas mais maduras e plenamente integradas (Brasil, 2006, p.1). Portanto, o envelhecimento deve ser vivido com saúde, de maneira que os indivíduos se sintam livres e dispostos a desenvolver qualquer tipo de atividade diária, mantendo uma vida ativa e com independência, o que exige promoção da saúde em todas as faixas etárias. Nessa perspectiva, corrobora-se com a Política Nacional de Saúde da Pessoa Idosa (Brasil, 2006, p.2), que assegura direitos sociais à pessoa idosa, criando condições para promover sua autonomia, integração e participação efetiva na sociedade e reafirmando o direito à saúde nos diversos níveis de atendimento do SUS. A legislação brasileira tem se firmado em relação aos cuidados da população idosa através de diversas portarias, leis e documentos, estando bastante adiantada; porém, na realidade a prática ainda é insatisfatória, pois se encontram inúmeras barreiras burocráticas e políticas que impedem o bom desenvolvimento das ações voltadas para os idosos, refletindo em dificuldades de acesso aos tratamentos médicos e serviços assistenciais. Diversas ações de promoção de saúde para os idosos podem estar sendo desenvolvidas nas comunidades, com o objetivo de manter os fatores de risco de doenças crônicas e a diminuição das capacidades funcionais em um índice baixo. Assim, as pessoas podem usufruir de melhores condições de saúde, permanecendo autodeterminantes e autoconfiantes. A realização de palestras que possam informar o público idoso sobre ações que promovam a melhoria da qualidade de vida, como a importância da prática de atividade física, assim como as diversas implicações que uma vida sedentária pode trazer para a sua saúde, como as decorrentes doenças crônicas. Além desses elementos, é imprescindível o desenvolvimento de atividades em grupo, proporcionando a convivência social entre os idosos, com criação de jogos que estimulem sua

7 Qualidade de vida, Saúde e Política Pública de Idosos no Brasil: uma reflexão teórica 33 atenção e memória, além de atividades culturais como dança (Silva & Buriti, 2012) e teatro, que retratem acontecimentos da época da juventude desses idosos e que possam valorizar as suas experiências de toda uma vida. Nesse cenário, compreender o processo de envelhecimento do ser humano requer primeiramente entender as contradições existentes entre velhice e bem-estar e até mesmo a relação entre velhice e doença; dessa forma, tem-se cada vez mais necessidade de políticas públicas que qualifiquem a saúde brasileira, e de estratégias adequadas, para que nossos idosos adquiram uma qualidade de vida satisfatória, ações que podem, significativamente, contribuir para um melhor desenvolvimento de novas formas de intervenção junto a essa população. Envelhecimento Ativo sob a ótica da qualidade de vida O envelhecimento se apresenta como um fenômeno natural do ser humano, sendo hoje um fator mundial, ocasionado, dentre outros fatores, pela melhoria das condições de vida, avanços na medicina e dos recursos tecnológicos, a prática de atividades físicas, a alimentação equilibrada, a não utilização de drogas, acarretando, consequentemente, um aumento no índice da expectativa de vida. Em contrapartida, a representação que a sociedade dissemina, a respeito do idoso, ainda carrega marcas do declínio físico e da incapacidade, o que amplia a decadência mental e social de algum tempo atrás. Atualmente, uma velhice com boa qualidade de vida e considerada saudável pode estar relacionada com a afetividade e a prática de atividades físicas, que têm auxiliado a prolongar o desempenho das atividades básicas da vida cotidiana. Segundo Matsudo (2001), a prática de atividades físicas por idosos poderá influenciar na sua qualidade de vida, garantindo uma maior independência pessoal, beneficiando, dessa forma, a prevenção de doenças comuns nessa fase da vida. Dessa maneira, as pessoas que alcançam a terceira idade com bons costumes e hábitos de vida saudáveis, apesar das alterações fisiológicas específicas do envelhecimento, poderá demonstrar melhorias em decorrência da prática da atividade física, em que se pode sinalizar: a melhoria no transporte e captação de insulina pelo organismo, o aumento do gasto de calorias, o aumento do metabolismo basal, a diminuição do risco de doenças coronarianas, a dislipidemia, a hipertensão arterial e outros (Silva et al., 2011).

8 34 Ramon Missias Moreira; Carla Elane Silva dos Santos; Edvaldo Souza Couto; Jules Ramon Brito Teixeira & A saúde intelectual e física no processo do envelhecer é de grande valor e elas podem ser mantidas por meio de atividades de lazer, favorecendo com que o idoso não se sinta marginalizado e excluído da sociedade. Trata-se, então, de dar prioridade às atividades que promovam um melhor bem-estar nos idosos, deixando-os ativos na promoção da saúde e da qualidade de vida. Segundo Geis (2003), deve-se tentar manter a autonomia física e mental do indivíduo por um período prolongado de tempo, conservando, assim, sua saúde e suas condições físicas e psíquicas. Nesse contexto, é reconhecido mundialmente o que é preconizado pelo American College of Sports Medicine (ACSM, 2003), em relação ao envolvimento de idosos com a prática de atividades físicas, quando esta é recomendada entre três e cinco dias por semana, com intensidade variando de leve a moderada, e cuja duração pode variar entre vinte e sessenta minutos, o que demonstra o respeito ao idoso, por parte dessa entidade. Ainda assim, as práticas de atividade física devem priorizar não apenas a melhoria do aspecto motor e biológico, que ajudam a prolongar a vida, mas também devem ser atividades que trabalhem com o cognitivo e a esfera afetiva dos idosos. A maioria dos idosos pode exercer as mesmas atividades que os mais jovens, sendo em um ritmo menor e mais lento; neste ponto é que se encontra a importância da atividade física para o idoso, pois a prática de atividade corporal moderada, regular e bem-orientada contribui para a preservação das estruturas orgânicas e do bem-estar físico, mental e social (Del Duca & Nahas, 2011). Os benefícios alcançados, devidos à prática regular de exercícios físicos em idosos, vão desde a melhora fisiológica - controle da glicose, pressão arterial, melhora das capacidades físicas relacionadas à saúde; psicológica - redução dos níveis de ansiedade e estresse, melhoras do nível cognitivo; e social - melhora a integração sociocultural, além da redução dos desvios de postura e prevenção de algumas doenças como a osteoporose (Nahas, 2001). Através da literatura, já se sabe as vantagens da musculação no combate ou prevenção contra a osteoporose e problemas articulares da velhice (Palma, 2009), doença comum nessa etapa da vida. Outro estudo aponta que os resultados dos exercícios físicos, praticados em curto prazo, a partir das manifestações e representações evocadas pelos sujeitos, tais como: redução da ansiedade, sensação de bem-estar, e melhoria das condições de saúde (Spirduso, 2005). Contudo, é válido ressaltar que a atividade física programada para o idoso deve ser orientada e supervisionada por um profissional de educação física.

9 Qualidade de vida, Saúde e Política Pública de Idosos no Brasil: uma reflexão teórica 35 Contudo, Lodovici & Silveira (2011) alertam que estudos isolados sobre a população idosa, o envelhecimento e a velhice, são ineficientes e discutíveis devido à fragmentação das reflexões, discussões e teorizações limitadas apenas à determinada área, impedindo a materialização do ponto de vista interdisciplinar, que gera saberes gerontológicos de modo correto ao objeto de estudo que se propõe estudar. Partindo dessas premissas, essa população deve ser estimulada a ser ativa, na medida em que as pessoas envelhecem, e devem ter garantidas mais oportunidades por meio de melhores espaços para a realização de caminhadas, equipamentos de qualidade em praças públicas, dentre outras ações que oportunizem a estes idosos estarem sempre em movimento. Destaca-se outro fator importante para contribuir na qualidade de vida dos mais velhos, que é educar os jovens de hoje, futuros idosos, para começarem a se cuidar, entender sobre o envelhecimento e cuidar da manutenção dos direitos das pessoas mais velhas; dessa forma, estarão ajudando na redução e eliminação da discriminação, do preconceito e dos abusos a elas. Conclusão Conclui-se que, tornar a última etapa da vida um período de bem-estar e de qualidade para a vida dos idosos, é um grande desafio para a sociedade, vez que a realidade do envelhecimento populacional está cada dia mais se evidenciando. Contudo, esse crescimento da população idosa ainda não tem sido acompanhado de maneira satisfatória, com políticas públicas que garantam a ela desfrutar dos bens e serviços sociais, de um serviço público de saúde preparado para atender às suas necessidades na perspectiva de ganhar mais qualidade de vida. O processo de longevidade, muitas vezes, está associado a doenças crônicas não transmissíveis que favorecem o desenvolvimento de incapacidades motoras, psicológicas e sociais, limitando os idosos em suas atividades cotidianas, levando-os a frequentarem os serviços médicos de forma mais constante, na perspectiva da cura de algum problema ou doença. Por fim, entende-se que o objetivo principal da atividade física regular na terceira idade é o retardamento do processo inevitável do envelhecimento funcional, através da

10 36 Ramon Missias Moreira; Carla Elane Silva dos Santos; Edvaldo Souza Couto; Jules Ramon Brito Teixeira & manutenção de um estado suficientemente saudável, permitindo a retomada da autonomia física, independência e consequentemente, contribuindo para uma melhor qualidade de vida. Referências ACSM. American College of Sports Medicine. (2003). Diretrizes do ACSM para os Testes de Esforço e sua Prescrição. (5ª ed.). Rio de Janeiro (RJ): Guanabara Koogan. Brasil, Ministério da Saúde. (2006). Portaria n.º de 19 de outubro de Aprova a Política Nacional de Saúde da Pessoa Idosa. Brasília (DF). Brasil. (1994). Lei n. o de 4 de janeiro de Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências. Brasília (DF). Del Duca, G.F. & Nahas, M.V. (Orgs.). (2011). Atividades físicas e doenças crônicas: evidências e recomendações para um estilo de vida ativo. Londrina (PR): Midiograf. Furtado L.F.V., Araújo, P.M., Soares, F.V.S., Brito, V.M., Sousa, L.G., Melo, A.C.L., Yoshioka, F.K.N., Araújo, L.F. & Melo, A.C.F.L. (2012). Epidemiologia do envelhecimento: dinamização, problemas e consequências. Revista Kairós Gerontologia, 15(2), São Paulo (SP), Brasil: FACHS/NEPE/PEPGG/PUC-SP. Geis, P.P. (2003). Atividade física e saúde na terceira idade: teoria e prática. (5ª ed.). Porto Alegre (RS): Artmed. Guardini, R. (2012). A aceitação de si mesmo: as idades da vida. (78ª ed.). São Paulo (SP): Palas Athenas. Guccione, A.A. (2002). Fisioterapia geriátrica. Rio de Janeiro (RJ): Guanabara Koogan. IBGE. (2010). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira Rio de Janeiro (RJ): IBGE. Joia, L.C.; Ruiz, T. & Donalisio, M. R. Condições associadas ao grau de satisfação com a vida entre a população de idosos. Rev. Saúde Pública, 41(1), Lodovici, F.M.M. & Silveira, N.D. (2011) Interdisciplinaridade: desafios na construção do conhecimento gerontológico. Porto Alegre (RGS): Estudos interdisciplinares sobre o. envelhecimento, 16(2), Matsudo, S.M.M. (2001). Envelhecimento e atividade física. Londrina (PR): Midiograf. Moura, E.P.M., Silva, L.W.S. & Marques, C.L. (2011). Envelhecimento e políticas públicas de saúde: considerações reflexivas. Revista Kairós Gerontologia, 14(3), São Paulo (SP), Brasil: FACHS/NEPE/PEPGG/PUC-SP.

11 Qualidade de vida, Saúde e Política Pública de Idosos no Brasil: uma reflexão teórica 37 Nahas, M.V. (2001). Atividade física e saúde: conceitos e sugestões para um estilo de vida ativo. (3ª ed.). Londrina (PR): Midiograf. Nahas, M.V. (2003). Atividade física, saúde e qualidade de vida. Londrina (PR): Midiograf. Palma, A. (2009). Exercício físico e saúde; sedentarismo e doença: epidemia, causalidade e moralidade. Motriz. Rev. Educ. Fís., 15(1), Rodrigues, C.A.Q., Silva, P.L.V., Caldeira, A.P., Pordeus, I.A., Ferreira, R.C. & Martins, A.M.E.B.L. (2013). Fatores associados à satisfação com serviços odontológicos entre idosos. Rev. Saúde Pública [online], s/v (ahead of print). Rodrigues, R.A.P., Kusumota, L., Marques, S., Fabrício, S.C., Rosset-Cruz, C., Lange, I. (2007). Política nacional de atenção ao idoso e a contribuição da Enfermagem. Texto Contexto Enferm., 16(3), Silva, G.B. & Buriti, M.A. (2012). Influência da dança no aspecto biopsicossocial do idoso. Revista Kairós Gerontologia, 15(2), São Paulo (SP), Brasil: FACHS/NEPE/ PEPGG/PUC-SP. Silva, L.W.S., Santos, R.G., Scquarcini, C.F.R., Souza, A.L., Azevedo, M.P. & Barbosa, F.N.M. (2011). Perfil do estilo de vida e autoestima da pessoa idosa: perspectivas de um Programa de Treinamento Físico. Revista Kairós Gerontologia, 14(3), São Paulo (SP), Brasil: FACHS/NEPE/PEPGG/PUC-SP. Silvestre, J.A. & Costa Neto, M.M. (2003). Opinião. Abordagem do idoso em programas de saúde da família. Cad. Saúde Pública, 19(3), Spirduso, W.W. (2005). Dimensões físicas do envelhecimento. São Paulo (SP): Manole. Veras, R. (2007). Fórum. Envelhecimento populacional e as informações de saúde do PNAD: demandas e desafios contemporâneos. Introdução. Cad. Saúde Pública, 23(10), Recebido em 02/03/2013 Aceito em 20/03/2013 Ramon Missias Moreira Educador Físico. Mestre em Enfermagem e Saúde, com área de concentração em Saúde Pública, pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB). Pesquisador do Grupo de Pesquisa Saúde e Qualidade de Vida SQV/UESB/CNPq.

12 38 Ramon Missias Moreira; Carla Elane Silva dos Santos; Edvaldo Souza Couto; Jules Ramon Brito Teixeira & Carla Elane Silva dos Santos Educadora Física. Mestranda em Educação Física pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Pesquisadora do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Educação Física, Esportes e Lazer- NEPEEL/UESB/CnPq. Edvaldo Souza Couto Filósofo. Pós-Doutor em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Professor Associado na Universidade Federal da Bahia (UFBA). Doutor em Educação pela Universidade de Campinas (UNICAMP). Jules Ramon Brito Teixeira Enfermeiro. Mestrando em Enfermagem e Saúde (UESB). Pesquisador do Grupo de Pesquisa Saúde e Qualidade de Vida SQV/UESB/CnPq. Bolsista de Pesquisa da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado da Bahia FAPESB. Acadêmica do Curso de Licenciatura em Pedagogia pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia.

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias Daiana de Aquino Hilario Machado * RESUMO: Neste artigo estaremos discutindo sobre as repercussões do envelhecimento

Leia mais

PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS

PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS Renata Lívia Silva F. M. de Medeiros (UFPB) Zirleide Carlos Felix (UFPB) Mariana de Medeiros Nóbrega (UFPB) E-mail: renaliviamoreira@hotmail.com

Leia mais

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres 2 Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres Ana Paula Bueno de Moraes Oliveira Graduada em Serviço Social Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC Campinas Especialista

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA. PROJETO DE LEI N o 6.845, DE 2010 (Apenso o Projeto de Lei n o 6.887, de 2010) I - RELATÓRIO

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA. PROJETO DE LEI N o 6.845, DE 2010 (Apenso o Projeto de Lei n o 6.887, de 2010) I - RELATÓRIO COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N o 6.845, DE 2010 (Apenso o Projeto de Lei n o 6.887, de 2010) Institui o Programa Nacional do Esporte Solidário para o Idoso PNESI, e dá outras

Leia mais

PLANO DE TRABALHO IDOSO

PLANO DE TRABALHO IDOSO PLANO DE TRABALHO IDOSO Telefone: (44) 3220-5750 E-mail: centrosesportivos@maringa.pr.gov.br EQUIPE ORGANIZADORA SECRETARIO MUNICIPAL DE ESPORTES E LAZER Francisco Favoto DIRETOR DE ESPORTES E LAZER Afonso

Leia mais

EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL

EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL Proposta I Fomentar a criação de grêmios estudantis, fóruns de juventude, diretórios centrais de estudantes,

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA FEFD/UFG 1 NA ÁREA DO ENVELHECIMENTO

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA FEFD/UFG 1 NA ÁREA DO ENVELHECIMENTO O ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA FEFD/UFG 1 NA ÁREA DO ENVELHECIMENTO Juliana Paula Balestra Soares Joelma Cristina Gomes Carmencita Márcia Balestra Faculdade

Leia mais

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 CARTA DE OTTAWA PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 A Primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa, Canadá, em novembro

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

O PACTO PELA VIDA É UM DOS SUBCOMPONENTES DO PACTO PELA SAÚDE PORTARIA 399/06. É O MARCO JURÍDICO DA PRIORIZAÇÃO DA SAÚDE DO IDOSO NO BRASIL

O PACTO PELA VIDA É UM DOS SUBCOMPONENTES DO PACTO PELA SAÚDE PORTARIA 399/06. É O MARCO JURÍDICO DA PRIORIZAÇÃO DA SAÚDE DO IDOSO NO BRASIL SAÚDE DO IDOSO CURSO ESPECÍFICOS ENFERMAGEM - A Saúde do Idoso aparece como uma das prioridades no Pacto pela Vida, o que significa que, pela primeira vez na história das políticas públicas no Brasil,

Leia mais

Programa de Controle de Peso Corporal

Programa de Controle de Peso Corporal 15 Programa de Controle de Peso Corporal Denis Marcelo Modeneze Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde na UNICAMP principal objetivo de desenvolver este tema com os alunos

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR Prof. Dr. Jones Alberto de Almeida Divisão de saúde ocupacional Barcas SA/ CCR ponte A necessidade de prover soluções para demandas de desenvolvimento, treinamento

Leia mais

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às CURSO: ENFERMAGEM Missão Formar para atuar em Enfermeiros qualificados todos os níveis de complexidade da assistência ao ser humano em sua integralidade, no contexto do Sistema Único de Saúde e do sistema

Leia mais

ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL

ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL O processo de envelhecimento e a velhice devem ser considerados como parte integrante do ciclo de vida. Ao longo dos tempos, o conceito de envelhecimento e as

Leia mais

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior 5.1 Nome da iniciativa ou Projeto Academia Popular da Pessoa idosa 5.2 Caracterização da Situação Anterior O envelhecimento é uma realidade da maioria das sociedades. No Brasil, estima-se que exista, atualmente,

Leia mais

PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS DO PONTO DE VISTA FÍSICO E NUTRICIONAL

PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS DO PONTO DE VISTA FÍSICO E NUTRICIONAL PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS DO PONTO DE VISTA FÍSICO E NUTRICIONAL Nilza Matias Oliver Cruz Faculdade Maurício de Nassau/CG nilzamoc31@hotmail.com Débora de Araújo Targino Faculdade Maurício

Leia mais

Prof. MS. Ellen H. Magedanz

Prof. MS. Ellen H. Magedanz Prof. MS. Ellen H. Magedanz As transformações nos padrões de saúde/doença constituíram-se em uma das características do último século, estão associadas às mudanças na estrutura etária populacional. América

Leia mais

TERCEIRA IDADE - CONSTRUINDO SABERES SOBRE SEUS DIREITOS PARA UM ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

TERCEIRA IDADE - CONSTRUINDO SABERES SOBRE SEUS DIREITOS PARA UM ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA TERCEIRA IDADE - CONSTRUINDO SABERES SOBRE SEUS DIREITOS PARA UM ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Gabriela Pereira Batista, graduanda em enfermagem (UNESC Faculdades) gabrielabio_gabi@hotmail.com

Leia mais

Orientação para Aposentadoria. Donália Cândida Nobre Assistente Social Suzana Pacheco F. de Melo Psicóloga

Orientação para Aposentadoria. Donália Cândida Nobre Assistente Social Suzana Pacheco F. de Melo Psicóloga Orientação para Aposentadoria Donália Cândida Nobre Assistente Social Suzana Pacheco F. de Melo Psicóloga Orientação para aposentadoria Entendendo a saúde na definição da Organização Mundial da Saúde:

Leia mais

SATISFAÇÃO DO IDOSO NO PROGRAMA JOÃO PESSOA VIDA SAUDÁVEL

SATISFAÇÃO DO IDOSO NO PROGRAMA JOÃO PESSOA VIDA SAUDÁVEL SATISFAÇÃO DO IDOSO NO PROGRAMA JOÃO PESSOA VIDA SAUDÁVEL Priscilla Pinto Costa da Silva 1 Emília Amélia Pinto Costa da Silva 2 Luiz Arthur Cavalcanti Cabral 1 Eronaldo de Sousa Queiroz Junior 1 Nayrla

Leia mais

ÁREA TEMÁTICA: Saúde OBJETIVOS DAS AÇÕES EXTRA-MUROS

ÁREA TEMÁTICA: Saúde OBJETIVOS DAS AÇÕES EXTRA-MUROS TÍTULO:A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA DO IDOSO EM AÇÕES INTERSETORIAS DO PROGRAMA UNIVERSIDADE ABERTA COM A TERCEIRA IDADE - UATI E VOLUNTARIADO POPULAR NO MUNICÍPIO DE JEQUIÉ/BA. AUTORES: Andréa Santos Souza;

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA RECREAÇÃO PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADO

IMPORTÂNCIA DA RECREAÇÃO PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADO IMPORTÂNCIA DA RECREAÇÃO PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADO Eliane de Sousa Leite/Universidade Federal de Campina Grande/UFCG. E-mail: elianeleitesousa@yahoo.com.br Jeruzete Almeida de Menezes/ Universidade

Leia mais

Grupo de Trabalho: Temas Livres

Grupo de Trabalho: Temas Livres ATIVIDADE FÍSICA, LAZER E SAÚDE NA ADOLESCÊNCIA: POSSÍVEIS APROXIMAÇÕES Alipio Rodrigues Pines Junior (alipio.rodrigues@gmail.com) Grupo Interdisciplinar de Estudos do Lazer - GIEL/USP/CNPq Tiago Aquino

Leia mais

Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. CAPÍTULO I. Da Finalidade

Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. CAPÍTULO I. Da Finalidade Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei:

Leia mais

CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL

CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL Ocilma Barros de Quental. Faculdade de Medicina do ABC(ocilmaquental2011@hotmail.com) Sheylla Nadjane Batista Lacerda.

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO I. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para atuação privativa do Enfermeiro em Aconselhamento Genético, no âmbito da equipe

Leia mais

PROJETO MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA: CONVIVÊNCIA, CIDADANIA, SAÚDE E LAZER

PROJETO MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA: CONVIVÊNCIA, CIDADANIA, SAÚDE E LAZER SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ESCOLA AGROTÉCNICA FEDERAL DE UBERLÂNDIA Fazenda Sobradinho, s/ nº, Município de Uberlândia, CEP: 38.400-974, telefone: (34) 3233-8800 Fax: (34) 3233-8833,

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios LEI N. 1.343, DE 21 DE JULHO DE 2000 Institui a Política Estadual do Idoso - PEI e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que a Assembléia Legislativa do Estado

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 Institui as diretrizes gerais de promoção da saúde do servidor público federal, que visam orientar os órgãos e entidades do Sistema de Pessoal Civil da Administração

Leia mais

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE X ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE INTRODUÇÃO

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE X ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE INTRODUÇÃO LÍVIA CRISTINA FRIAS DA SILVA SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE X ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE Ms. Maria de Fátima Lires Paiva Orientadora São Luís 2004 INTRODUÇÃO Sistema Único de Saúde - Universalidade

Leia mais

Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro

Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro A Campanha Nacional pela Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma colheita para o futuro, é uma ação estratégica do Movimento Sindical de Trabalhadores

Leia mais

TREINO COGNITIVO E ENVELHECIMENTO: na busca da autonomia dos idosos

TREINO COGNITIVO E ENVELHECIMENTO: na busca da autonomia dos idosos TREINO COGNITIVO E ENVELHECIMENTO: na busca da autonomia dos idosos Samara Pereira Cabral - UFPB samarapcj@hotmail.com Monica Dias Palitot - UFPB monicadiaspt@yahoo.com.br Joseane da Silva Meireles - UFPB

Leia mais

Carvalho Goretti Moreira Leal de, Themis; Ribas Almeida, Milene. Brasil RESUMO

Carvalho Goretti Moreira Leal de, Themis; Ribas Almeida, Milene. Brasil RESUMO ID:862 PROJETO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA AMPLIANDO AS AÇÕES DE PREVENÇÃO EM DST/AIDS E HEPATITES VIRAIS JUNTO À POPULAÇÃO ESCOLAR: UM ESPAÇO PARA FORMAÇÃO PROFISSIONAL E PROMOÇÃO DA SAÚDE Carvalho Goretti

Leia mais

A ACTIVIDADE FÍSICA F PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES

A ACTIVIDADE FÍSICA F PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES A ACTIVIDADE FÍSICA F NA PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES Epidemiologia do Envelhecimento O envelhecimento da população é um fenómeno de amplitude mundial, a OMS (Organização Mundial de

Leia mais

CARTA DE BRASÍLIA. Com base nas apresentações e debates, os representantes das instituições e organizações presentes no encontro constatam que:

CARTA DE BRASÍLIA. Com base nas apresentações e debates, os representantes das instituições e organizações presentes no encontro constatam que: CARTA DE BRASÍLIA Contribuições do I Seminário Internacional sobre Políticas de Cuidados de Longa Duração para Pessoas Idosas para subsidiar a construção de uma Política Nacional de Cuidados de Longa Duração

Leia mais

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Gislaine Franco de Moura (UEL) gislaine.franco.moura@gmail.com Gilmara Lupion Moreno (UEL) gilmaralupion@uel.br

Leia mais

MINISTÉRIO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL ATENDIMENTO À PESSOA IDOSA

MINISTÉRIO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL ATENDIMENTO À PESSOA IDOSA MINISTÉRIO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL ATENDIMENTO À PESSOA IDOSA BRASIL Ü 2025 32 milhões de idosos 6º LUGAR NO MUNDO 2002 15 milhões de Idosos LEGISLAÇÃO DE PROTEÇÃO SOCIAL PARA O IDOSO Lei Orgânica da Assistência

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

MULHERES IDOSAS E AIDS: UM ESTUDO ACERCA DE SEUS CONHECIMENTOS E SITUAÇÕES DE VULNERABILIDADE

MULHERES IDOSAS E AIDS: UM ESTUDO ACERCA DE SEUS CONHECIMENTOS E SITUAÇÕES DE VULNERABILIDADE MULHERES IDOSAS E AIDS: UM ESTUDO ACERCA DE SEUS CONHECIMENTOS E SITUAÇÕES DE VULNERABILIDADE Karolayne Germana Leal e Silva e-mail: karolaynegermana@hotmail.com Magna Adriana de Carvalho e-mail: magnacreas@hotmail.com

Leia mais

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012.

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Layz Dantas de Alencar 1 - layzalencar@gmail.com Rosimery

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física ATIVIDADE FÍSICA ASILAR Departamento de Psicologia e Educação Física 1. INTRODUÇÃO Compreensivelmente, à medida que envelhecemos podemos observar várias mudanças, tanto com relação aos nossos órgãos e

Leia mais

UMI UNIVERSIDADE DA MELHOR IDADE 1

UMI UNIVERSIDADE DA MELHOR IDADE 1 UMI UNIVERSIDADE DA MELHOR IDADE 1 BOAVENTURA, Lara Duarte dos Santos 2 ; ALCÂNTARA, Bruna dos Santos 3 ; SILVA, Juliana Adono da 4 ; GUIMARÃES, Pedro Henrique 5 ; PALMA, Vanessa Cristina Lourenço Casotti

Leia mais

Ginástica Laboral como Meio de Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho

Ginástica Laboral como Meio de Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho 6 Ginástica Laboral como Meio de Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho José Cicero Mangabeira Da Silva Gestor Em Recursos Humanos - Anhanguera Educacional - Campinas-SP Especialista Em Gestão Da Qualidade

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

O ENVELHECIMENTO SOB A ÓTICA MASCULINA

O ENVELHECIMENTO SOB A ÓTICA MASCULINA O ENVELHECIMENTO SOB A ÓTICA MASCULINA Por: DANIELA NASCIMENTO AUGUSTO (Técnica em Gerontologia e Terapeuta Ocupacional) DIEGO MIGUEL (Artista Plástico, Técnico em Gerontologia e Coordenador do NCI Jova

Leia mais

Nossa inserção na Graduação se dá por meio da Unidade Curricular Educação e Comunicação na Prática Médica.

Nossa inserção na Graduação se dá por meio da Unidade Curricular Educação e Comunicação na Prática Médica. Ao longo desses 15 anos o CEDESS congrega atividades de ensino, pesquisa e extensão, nos níveis de graduação e pós-graduação lato e stricto sensu e tem por objeto de estudo o binômio Educação e Saúde.

Leia mais

MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012

MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012 MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012 Simone Machado Firme FURG 1 Karine Vargas Oliveira FURG 2 Michele Fernanda Silveira

Leia mais

A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS

A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS Agostinho Both3 3, Carmen Lucia da Silva Marques 3,José Francisco Silva Dias 3 As instituições, em especial as educacionais, não podem se furtar

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB.

NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB. NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB. Antonio José Barbosa Neto (ajbneto_@hotmail.com) 1 Ceciliana Araújo Leite (cecidemais@hotmail.com)

Leia mais

Os Sentidos da Prevenção à Aids na Contemporaneidade

Os Sentidos da Prevenção à Aids na Contemporaneidade Os Sentidos da Prevenção à Aids na Contemporaneidade Congresso de Prevenção à Aids e de Saúde Sexual e Reprodutiva (Gapa-Bahia) Salvador, 19.03.07 Cristina Câmara Contexto social da aids no Brasil Democratização

Leia mais

Violência contra a Pessoa Idosa. Sandra Regina Gomes Fonoaudióloga e Gerontóloga sandra@longevida.com.br

Violência contra a Pessoa Idosa. Sandra Regina Gomes Fonoaudióloga e Gerontóloga sandra@longevida.com.br Violência contra a Pessoa Idosa Sandra Regina Gomes Fonoaudióloga e Gerontóloga sandra@longevida.com.br Violência contra as pessoas idosas: FOTOGRAFIA: THINKSTOCK problema sério e invisível Síntese de

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Serviço Social 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Serviço Social 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Serviço Social 2011-2 A INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NO PROGRAMA PROJOVEM URBANO Alunos: VARGAS,

Leia mais

PROGRAMA MUNICIPAL DE PROMOÇÃO DO ENVELHECIMENTO ATIVO E SAUDÁVEL

PROGRAMA MUNICIPAL DE PROMOÇÃO DO ENVELHECIMENTO ATIVO E SAUDÁVEL PROGRAMA MUNICIPAL DE PROMOÇÃO DO ENVELHECIMENTO ATIVO E SAUDÁVEL ENQUADRAMENTO O tema «envelhecimento» tem sido alvo de estudos de pesquisadores e profissionais e vem desencadeando a produção de conhecimentos

Leia mais

09/12/2014 JUSTIFICATIVAS A PROMOÇÃO DA ATIVIDADE FÍSICA NA ESCOLA. Questões norteadoras SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE PESQUISA EM ESTILOS DE VIDA & SAÚDE

09/12/2014 JUSTIFICATIVAS A PROMOÇÃO DA ATIVIDADE FÍSICA NA ESCOLA. Questões norteadoras SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE PESQUISA EM ESTILOS DE VIDA & SAÚDE SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE PESQUISA EM ESTILOS DE VIDA & SAÚDE PROMOÇÃO DE ESTILOS DE VIDA SAUDÁVEIS NA ESCOLA Prof. Mario Renato de Azevedo Júnior A PROMOÇÃO DA ATIVIDADE FÍSICA NA ESCOLA Questões norteadoras

Leia mais

SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, JURÍDICA E DE ESTUDOS SOBRE A PESSOA IDOSA

SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, JURÍDICA E DE ESTUDOS SOBRE A PESSOA IDOSA 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO

Leia mais

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS Cristiane Cinat Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP - Franca cricriblue@hotmail.com Introdução

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE UMA UNIVERSIDADE ABERTA PARA A TERCEIRA IDADE

EXPERIÊNCIAS DO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE UMA UNIVERSIDADE ABERTA PARA A TERCEIRA IDADE EXPERIÊNCIAS DO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE UMA UNIVERSIDADE ABERTA PARA A TERCEIRA IDADE Juan Carlos Lara Canizares. Marta Merenciana Del Bigio de Freitas. Rozany dos Santos. Wilson Jacob Filho. Universidade

Leia mais

II TEXTO ORIENTADOR 1. APRESENTAÇÃO

II TEXTO ORIENTADOR 1. APRESENTAÇÃO II TEXTO ORIENTADOR 1. APRESENTAÇÃO A III Conferência Nacional dos Direitos das Pessoas com Deficiência acontece em um momento histórico dos Movimentos Sociais, uma vez que atingiu o quarto ano de ratificação

Leia mais

ANS Longevidade - Custo ou Oportunidade. Modelos de Cuidados à Saúde do Idoso Rio de Janeiro/RJ 25/09/2014

ANS Longevidade - Custo ou Oportunidade. Modelos de Cuidados à Saúde do Idoso Rio de Janeiro/RJ 25/09/2014 ANS Longevidade - Custo ou Oportunidade. Modelos de Cuidados à Saúde do Idoso Rio de Janeiro/RJ 25/09/2014 Cenário 1) Nas últimas décadas, os países da América Latina e Caribe vêm enfrentando uma mudança

Leia mais

Acupuntura: a escuta das dores subjetivas

Acupuntura: a escuta das dores subjetivas 38 Acupuntura: a escuta das dores subjetivas Simone Spadafora A maior longevidade expõe os seres vivos por mais tempo aos fatores de risco, resultando em maior possibilidade de desencadeamento de doenças

Leia mais

Carla Ribeirinho. Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias

Carla Ribeirinho. Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias Carla Ribeirinho Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias Lisboa, 10 de Maio de 2012 Desafios e oportunidades Crescimento em massa da população idosa. Adopção de medidas que visem minorar situações

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

15 de junho: Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa

15 de junho: Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa 15 de junho: Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa O dia 15 de junho marca o Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa. A data foi instituída em 2006,

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Josefa Adelaide Clementino Leite 1 Maria de Fátima Melo do Nascimento 2 Waleska Ramalho Ribeiro 3 RESUMO O direito à proteção social

Leia mais

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X DA INVISIBILIDADE AFROBRASILEIRA À VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE

Leia mais

O CUIDAR HUMANIZADO AO IDOSO: REVISÃO SISTEMÁTICA

O CUIDAR HUMANIZADO AO IDOSO: REVISÃO SISTEMÁTICA O CUIDAR HUMANIZADO AO IDOSO: REVISÃO SISTEMÁTICA Jéssyka Cibelly Minervina da Costa Silva (NEPB/UFPB) jessykacibelly@gmail.com Kalina Coeli Costa de Oliveira Dias (NEPB/UFPB) kalinacoeli@gmail.com Ana

Leia mais

O IDOSO EM QUESTÃO: ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MOSTRAM SUA VISÃO SOBRE O QUE É SER IDOSO NA ATUALIDADE

O IDOSO EM QUESTÃO: ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MOSTRAM SUA VISÃO SOBRE O QUE É SER IDOSO NA ATUALIDADE ISSN: 1981-3031 O IDOSO EM QUESTÃO: ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MOSTRAM SUA VISÃO SOBRE O QUE É SER IDOSO NA ATUALIDADE Eva Pauliana da Silva Gomes 1. Givanildo da Silva 2. Resumo O presente

Leia mais

AÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DE COMUNIDADES VULNERÁVEIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (2012) 1

AÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DE COMUNIDADES VULNERÁVEIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (2012) 1 AÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DE COMUNIDADES VULNERÁVEIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (2012) 1 DALCIN, Camila Biazus 2 ; GUERRA, Leonardo Rigo 3 ; VOGEL, Gustavo Micheli 4 ; BACKES, Dirce

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Seu futuro é o nosso compromisso. O presente documento visa trazer em seu conteúdo o posicionamento do INFRAPREV frente aos desafios propostos e impostos pelo desenvolvimento sustentável. Para formular

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

Atividade Física e Saúde na Escola

Atividade Física e Saúde na Escola Atividade Física e Saúde na Escola *Eduardo Cardoso Ferreira ** Luciano Leal Loureiro Resumo: Atividade física pode ser trabalhada em todas as idades em benefício da saúde. O objetivo do artigo é conscientizar

Leia mais

CARACTERÍSTICAS SOCIODEMOGRÁFICAS DE IDOSAS. UM OLHAR PARA VIÇOSA, MINAS GERAIS, BRASIL

CARACTERÍSTICAS SOCIODEMOGRÁFICAS DE IDOSAS. UM OLHAR PARA VIÇOSA, MINAS GERAIS, BRASIL CARACTERÍSTICAS SOCIODEMOGRÁFICAS DE IDOSAS. UM OLHAR PARA VIÇOSA, MINAS GERAIS, BRASIL Nubia C. Freitas - UFV nubia.freitas@ufv.br Estela S. Fonseca UFV estela.fonseca@ufv.br Alessandra V. Almeida UFV

Leia mais

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação Saúde Escolar Secretaria Regional da Educação e Formação «Um programa de saúde escolar efectivo é o investimento de custo-benefício mais eficaz que um País pode fazer para melhorar, simultaneamente, a

Leia mais

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos.

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Autores Aline Xavier Melo alinexaviermelo@yahoo.com.br Juliana Roman dos Santos Oliveira ju_roman@hotmail.com

Leia mais

Art. 2º - São diretrizes da Política Municipal de Educação Alimentar e Combate à Obesidade:

Art. 2º - São diretrizes da Política Municipal de Educação Alimentar e Combate à Obesidade: PROJETO DE LEI N. 426/2013 ESTADO DO AMAZONAS ESTABELECE diretrizes para a Política Municipal de Educação Alimentar Escolar e Combate à Obesidade, e dá outras providências. Art.1º - O Poder Público Municipal,

Leia mais

MELHOR IDADE EM MOVIMENTO: IMPORTÂNCIA DA FISIOTERAPIA PREVENTIVA NA FLEXIBILIDADE DE IDOSAS

MELHOR IDADE EM MOVIMENTO: IMPORTÂNCIA DA FISIOTERAPIA PREVENTIVA NA FLEXIBILIDADE DE IDOSAS MELHOR IDADE EM MOVIMENTO: IMPORTÂNCIA DA FISIOTERAPIA PREVENTIVA NA FLEXIBILIDADE DE IDOSAS Área Temática: Saúde Helenara Salvati Bertolossi Moreira 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) Helenara Salvati

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

PARTICIPAÇÃO NA VELHICE: POLÍTICAS PÚBLICAS E CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADES ENTRE IDOSOS INSERIDOS EM GRUPOS E ASSOCIAÇÕES

PARTICIPAÇÃO NA VELHICE: POLÍTICAS PÚBLICAS E CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADES ENTRE IDOSOS INSERIDOS EM GRUPOS E ASSOCIAÇÕES PARTICIPAÇÃO NA VELHICE: POLÍTICAS PÚBLICAS E CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADES ENTRE IDOSOS INSERIDOS EM GRUPOS E ASSOCIAÇÕES Kátia Ramos Silva (Doutoranda PPGS/UFPB) E-mail: katya6@gmail.com I. INTRODUÇÃO A

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

TRABALHO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DE UMA ESCOLA INCLUSIVA. Profa. Maria Antonia Ramos de Azevedo UNESP/Rio Claro. razevedo@rc.unesp.

TRABALHO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DE UMA ESCOLA INCLUSIVA. Profa. Maria Antonia Ramos de Azevedo UNESP/Rio Claro. razevedo@rc.unesp. TRABALHO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DE UMA ESCOLA INCLUSIVA Profa. Maria Antonia Ramos de Azevedo UNESP/Rio Claro. razevedo@rc.unesp.br O que é educação inclusiva? Inclusão é um processo de aprendizagem

Leia mais

Serviço Social. DISCURSIVA Residência Saúde 2012 C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A. wwww.cepuerj.uerj.br ATIVIDADE DATA LOCAL

Serviço Social. DISCURSIVA Residência Saúde 2012 C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A. wwww.cepuerj.uerj.br ATIVIDADE DATA LOCAL HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A Serviço Social DISCURSIVA Residência Saúde 2012 ATIVIDADE DATA LOCAL Divulgação do gabarito - Prova Objetiva (PO) 31/10/2011

Leia mais

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es).

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es). A PRÁTICA INTERDISCIPLINAR NO ASILO: FORTALECENDO A INTEGRAÇÃO EDUCAÇÃO-ASSISTÊNCIA Damaris Asseburg, Juliana Farias Duarte, Glasiely Alves da Silva, Karen Lúcia Abreu Rodrigues, Noédia Moura de Souza

Leia mais

CUIDANDO DO IDOSO E CUIDANDO DO CUIDADOR

CUIDANDO DO IDOSO E CUIDANDO DO CUIDADOR CUIDANDO DO IDOSO E CUIDANDO DO CUIDADOR Jorge Wilker Bezerra Clares 1 Rozzana Oliveira Tabosa 2 Carliene Bezerra da Costa 3 Maria Célia de Freitas 4 RESUMO Trata-se de um relato de experiência vivenciado

Leia mais

A ATUAÇÃO DO ASSISTENTE SOCIAL NA DEFESA DOS DIREITOS DA PESSOA IDOSA

A ATUAÇÃO DO ASSISTENTE SOCIAL NA DEFESA DOS DIREITOS DA PESSOA IDOSA A ATUAÇÃO DO ASSISTENTE SOCIAL NA DEFESA DOS DIREITOS DA PESSOA IDOSA Ana Karina da Cruz Machado Faculdade Mauricio de Nassau e-mail: ana.cruz@mauriciodenassau.edu.br INTRODUÇÃO: A questão do envelhecimento

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

Ações Públicas Voltadas para Qualidade de Vida do Idoso

Ações Públicas Voltadas para Qualidade de Vida do Idoso Capítulo 15 Ações Públicas Voltadas para Qualidade de Vida do Idoso Cristina Medeiros da Silva Educadora Física com Especialização em Atividade Física e Qualidade de Vida na FEF/UNICAMP Paulo Cerri Cirurgião

Leia mais

CLÁUDIA REGINA VIEIRA LIMA

CLÁUDIA REGINA VIEIRA LIMA CLÁUDIA REGINA VIEIRA LIMA POLÍTICAS PÚBLICAS PARA A TERCEIRA IDADE NO DISTRITO FEDERAL: Instituições de Longa Permanência & Centros de Convivência Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós-Graduação

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

Estudo do Estatuto do Idoso: conhecer para garantir direitos

Estudo do Estatuto do Idoso: conhecer para garantir direitos CENTRO DE ATENÇÃO INTEGRAL À MELHOR IDADE CAIMI D. ADA RODRIGUES VIANA EXPERIÊNCIA: Estudo do Estatuto do Idoso: conhecer para garantir direitos ROSANA QUEIROZ LEITÃO Assistente Social, Especialista em

Leia mais

ENVELHECIMENTO E HABITAÇÃO: UM OLHAR SOBRE O CONDOMÍNIO CIDADE MADURA EM CAMPINA GRANDE-PB

ENVELHECIMENTO E HABITAÇÃO: UM OLHAR SOBRE O CONDOMÍNIO CIDADE MADURA EM CAMPINA GRANDE-PB ENVELHECIMENTO E HABITAÇÃO: UM OLHAR SOBRE O CONDOMÍNIO CIDADE MADURA EM CAMPINA GRANDE-PB Valdênia Nogueira de Lima Universidade Estadual da Paraíba UEPB valdenianogueira@yahoo.com.br RESUMO Este artigo

Leia mais

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Projeto de Supervisão Escolar Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Justificativa O plano de ação do professor pedagogo é um guia de orientação e estabelece as diretrizes e os meios de realização

Leia mais

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS PAPÉIS E COMPETÊNCIAS O SERVIÇO PSICOSSOCIAL NO CREAS... O atendimento psicossocial no serviço é efetuar e garantir o atendimento especializado (brasil,2006). Os profissionais envolvidos no atendimento

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO FUTEBOL PARA TODOS EDUCANDO ATRAVÉS DO ESPORTE

PROJETO DE EXTENSÃO FUTEBOL PARA TODOS EDUCANDO ATRAVÉS DO ESPORTE PROJETO DE EXTENSÃO FUTEBOL PARA TODOS EDUCANDO ATRAVÉS DO ESPORTE *Luciano Leal Loureiro *Jéssica Finguer RESUMO O presente texto busca explicar o que é o projeto Futebol Para Todos, oferecido pelo curso

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Superior Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais