DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS CHUVAS NA BACIA DO RIO ARAGUARI (MG) Washington Luiz Assunção 1 Jorge Luís Silva Brito 2 Dayane Zandonadi Soares 3

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS CHUVAS NA BACIA DO RIO ARAGUARI (MG) Washington Luiz Assunção 1 Jorge Luís Silva Brito 2 Dayane Zandonadi Soares 3"

Transcrição

1 DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS CHUVAS NA BACIA DO RIO ARAGUARI (MG) (Texto publicado no VII Simpósio Brasileiro de Climatologia Geográfica Rondonópolis/MT Agosto de 2006) Washington Luiz Assunção 1 Jorge Luís Silva Brito 2 Dayane Zandonadi Soares 3 Palavras-Chave: Regime pluviométrico, Geoprocessamento, sazonalidade pluvial. Rio Araguari. Resumo: Este trabalho teve como objetivo estudar a distribuição espacial dos dados de chuva da Bacia do Rio Araguari, na escala de 1: , envolvendo informações pluviométricas de um período de 30 anos ( ). A base cartográfica foi construída a partir das folhas topográficas editadas pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) e DSG (Divisão de Serviços Geográficos do Exército Brasileiro) nas escalas de 1: Os dados foram espacializados no Sistema de Geoprocessamento de Informações Georrreferenciadas (SPRING 4.2). Foram utilizados os dados de 27 estações localizadas na bacia e entorno. Observou-se que no intervalo de a mm as chuvas ocupam 95% da área da Bacia. As maiores precipitações (tanto anual quanto na estação chuvosa) estão nas áreas mais elevadas da bacia, na sua porção leste, área das nascentes do Rio. Pode-se dizer que há uma tendência de redução na precipitação no sentido leste-oeste ou então que as precipitações menores ocorrem nas áreas mais baixas próxima ao leito do Rio e na sua foz. Já na estação chuvosa que engloba seis meses (outubro a março) são esperados aproximadamente 85% das precipitações anuais, sendo que dezembro e janeiro concentram as maiores precipitações (45% do total anual). INTRODUÇÃO A bacia hidrográfica do Rio Araguari localiza-se na Mesorregião do Triângulo e Alto Paranaíba, na porção oeste do Estado de Minas Gerais (Figura 1), entre as coordenadas geográficas de 18º 20 e 20º 10 de latitude Sul e 46º 00 e 48º 50' de longitude Oeste de Greenwich, ocupando uma área de km². Na referida bacia estão inseridas as áreas totais ou parciais de 20 municípios (Figura 2). O Rio Araguari é o principal afluente da margem esquerda do Rio Paranaíba. Sua importância 1 Prof. Dr. Instituto de Geografia da UFU (34) Prof. Dr. Instituto de Geografia da UFU (34) Graduanda em Geografia pela UFU e estagiária do Laboratório de Climatologia e Recursos Hídricos (LCRH)

2 MATO GROSSO econômica para a região oeste de Minas Gerais está ligada ao fornecimento de água para inúmeros projetos de irrigação e por contemplar 03 usinas hidroelétricas em operação (Nova Ponte, Miranda e Capim Branco I) e uma em fase final de construção (Capim Branco 2), além disso, a cidade de Uberlândia com aproximadamente 600 mil habitantes está localizada dentro da respectiva bacia. METODOLOGIA E MATERIAIS Na espacialização das informações sobre o mapa da Bacia do Rio Araguari adotou-se como parâmetro padrão, cinco intervalos de classes de precipitação, no intuito de facilitar a melhor compreensão e interpretação das informações. A escolha das cores de cada intervalo segue o padrão norte-americano, atualmente o mais utilizado nos mapas pluviométricos que são gerados a partir de softwares específicos. Foram gerados cinco mapas, que envolvem a precipitação anual, da estação chuvosa, da estação seca, do trimestre mais úmido e do trimestre mais seco. Os dados obtidos foram espacializados no Sistema de geoprocessamento de Informações Georreferenciadas (SPRING-4.2), utilizando o método de interpolação de média ponderada. Após gerar a grade retangular, os dados foram subdivididos em classes, utilizando o método de fatiamento de classes. Posteriormente, foram calculadas as áreas ocupadas pelas categorias. Figura 1 - Localização da Bacia do Rio Araguari na Mesorregião do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba. BAHIA TRIÂNGULO MINEIRO E ALTO PARANAÍBA DF DO SUL GOIÁS SÃO PAULO MINAS GERAIS ESPÍRITO SANTO RIO DE JANEIRO GOIÁS MINAS GERAIS PARANÁ Tupaciguara Araguari Uberlândia MATO GROSSO DO SUL Uberaba Santa Juliana Sacramento Tapira Rio Paranaíba São Roque de Minas LEGENDA Sede de município Limite Interestadual Drenagem Bacia do Rio Araraguari SÃO PAULO FONTE: Estado de Minas Gerais - Mapa Geo político - IGA 1994 Organizado por: Brito, J.L.S., e Macedo, D.

3 Os dados de chuva foram importados para o SPRING 4.2, contendo as informações da estação climatológica, localização, total de chuva, estação chuvosa, estação seca, trimestre mais chuvoso e trimestre mais seco no período de 1975 a A partir dos dados das estações, foram geradas grades retangulares, utilizando-se o método de média ponderada, disponível no software SPRING 4.2. As grades foram fatiadas em classes e, utilizando o método de fatiamento foram definidos intervalos de classes iguais. Foram calculadas as áreas ocupadas pelas classes nos mapas, utilizando a função cálculo de área. Os mapas temáticos foram então elaborados no módulo Scarta do SPRING 4.2. Figura 2 Municípios pertencentes à Bacia hidrográfica do Rio Araguari. Fonte: Rosa e Brito (2004) Os dados de chuvas utilizados no trabalho pertencem à rede pluviométrica da Agência Nacional de Águas (ANA), contemplando informações de 27 estações (exceção da estação de Uberaba que pertence ao Instituto Nacional de Meteorologia INMET), tanto dentro como próximas da área de estudo (Tabela 1). Os dados analisados contemplaram um período de observação de 30 anos ininterruptos ( ) de coleta das precipitações diárias. Foram analisados e espacializados os dados da precipitação média anual, da estação chuvosa que engloba o período de outubro a março, da estação seca representada pelos meses de abril a setembro, do

4 trimestre mais chuvoso envolvendo os meses de novembro a janeiro e, por último, o trimestre mais seco representado pelos meses de junho, julho e agosto. Tabela 1 - Bacia do Rio Araguari (MG): Alturas Pluviométricas Médias Município Número Localização Média Estação Trimestre Estação Latitude Longitude Total Chuvosa Seca Chuvoso Seco Araguari Bambuí Carmo do Paranaíba Corumbaíba (GO) Ibia/Rio Misericórdia Ibiá Iraí de Minas Patrocínio Patrocínio Perdizes Pratinha Sacramento Santa Juliana Serra do Salitre Tupaciguara Mt.Alegre de Minas Uberlândia Tapira Tupaciguara São Gotardo Guimarânia Serra da Saudade Estrela do Sul Uberaba INMET Tiros Tiros Vargem Bonita Média Geral Fonte: Agência Nacional de Águas e Instituto Nacional de Meteorologia A DISTRIBUIÇÃO PLUVIOMÉTRICA E SUA SAZONALIDADE De acordo com a Tabela 1, são esperados na Bacia do Rio Araguari uma precipitação média anual de aproximadamente 1500 mm, com uma variação máxima entre (Pratinha) e mm

5 (Ibiá). Além disso, é possível distinguir, pela diferenciação das tonalidades de azul, na Figura 3, as maiores e menores médias anuais nos intervalos considerados no período em questão. Figura 3 Precipitação Média Anual na Bacia hidrográfica do Rio Araguari: Desse modo, observa-se uma distribuição pluviométrica considerável na bacia, entretanto, não homogênea. A Tabela 2 mostram a área ocupada e a distribuição espacial das 5 classes de precipitação média anual da bacia do rio Araguari. Tabela 2 Precipitação média anual da Bacia do Rio Araguari: Classes Área Ocupada Km 2 % 1330_ _ _ _ _ Total No sentido oeste-leste, da Bacia hidrográfica considerada, as médias pluviométricas são mais homogêneas, sendo classificadas nos intervalos de 1400 a 1500 mm. Entretanto, na região oeste, nas proximidades do município de Araguari, as médias pluviométricas são maiores (1527 mm).

6 Tomando o rumo ao norte da Bacia, as médias pluviométricas do município de Iraí de Minas se encontram entre 1300 a 1400 mm, crescendo em direção leste até as proximidades de Ibiá, onde retoma esta média pluviométrica. É interessante ressaltar que esse intervalo ocupa 1,46% de toda a área da bacia, o que revela um regime de acentuada média pluviométrica, sendo o restante da área preenchida por médias superiores. No extremo sudeste da Bacia do rio Araguari, no entorno do município de Pratinha (1700 a 1800 mm), se encontram as maiores médias pluviométricas. Essa pluviosidade decresce em uma estrutura mais ou menos concêntrica; rumo ao oeste, e norte. Podendo, novamente, ser encontrada em área próxima a Patrocínio, todavia, as maiores médias não são distribuídas na Bacia, representando somente 0.54%, enquanto que as médias entre 1400 a 1500 mm sobressaem com 51,92% da área ocupada. Os municípios de Perdizes e Araxá são os extremos de uma área correspondente ao intervalo de média pluviométrica entre 1500 a 1600 mm, estendendo-se até o entorno do município de Rio Paranaíba, ao noroeste e, a sudeste até as proximidades de Uberaba (1559 mm). Comparando-se o mapa de altitudes da Bacia do Rio Araguari (Figura 4) com os mapas de distribuição de precipitação anual, da estação chuvosa, da estação seca, do trimestre mais úmido e do trimestre mais seco (Figuras 3, 4, 5, 6, 7 e 8), observa-se que nas áreas de altitudes maiores, ocorre em geral, um índice pluviométrico maior e também uma menor variação das chuvas ao longo do ano. Figura 4 Mapa hipsométrico da Bacia do Rio Araguari (MG) Fonte: Brito e Rosa (2003).

7 Figura 5 - Precipitação Média anual da Estação Chuvosa na Bacia hidrográfica do Rio Araguari (MG): Através da Figura 5, é demonstrada a configuração dos intervalos de classe que representam as médias de precipitação durante a estação chuvosa (outubro a março) no período considerado, quando, aproximadamente é possível esperar 85% das precipitações anuais, distribuídas em faixas quase que homogêneas. Observa-se que a altitude também tem forte influência na distribuição pluviométrica. Assim verifica-se o caso das proximidades de Araguari (oeste da Bacia), Serra do Salitre e Patrocínio (na região nordeste) onde as alturas pluviométricas são superiores ( ) de uma área de média pluviométrica, em sua maior parte, de 1200 a 1300 mm. Como já observado nas médias anuais de precipitação, a região de Ibiá, ao norte da Bacia, corresponde às menores médias da estação chuvosa, aproximadamente 1108 mm, e a região no entorno de Pratinha, no sudeste da Bacia, corresponde às maiores médias da estação chuvosa, aproximadamente 1447 mm. Valores, estes, que apesar de parecer tão discrepantes, em função da pouca distancia entre as áreas de ocorrência, se justificam quando são considerados os fatores altitude influenciando na distribuição pluviométrica regional. Em relação à Figura 6, que considera a precipitação média anual da estação seca (abril a setembro), no período de 30 anos analisados, observa-se que a altitude, verificada na Figura 4, realmente possui relação com a distribuição do regime pluviométrico; uma vez que, as precipitações menores ocorrem nas áreas mais baixas próximas ao leito do Rio e na sua foz. O que leva a

8 constatação da existência uma tendência de redução na precipitação no sentido leste-oeste da Bacia do Rio Araguari. Sendo a região mais seca, o baixo curso do Rio Araguari, no entorno de Tupaciguara (197 mm), Uberlândia (198 mm) e Araguari (193mm). Já a região mais úmida, localiza no extremo sudeste da Bacia, no entorno do município de Pratinha (283 mm). Figura 6 Precipitação Média Anual da Estação Seca na Bacia hidrográfica do Rio Araguari (MG): A média anual do trimestre mais chuvoso (novembro a janeiro) é de 776 mm, o que corresponde a 45% de toda a distribuição pluviométrica do período mais chuvoso (outubro-março). Na Figura 7, pode-se verificar a distribuição dos intervalos de classe deste trimestre mais chuvoso, no período de 1975 a 2004, sendo possível, também correlacioná-los com os valores altimétricos da Figura 4. Percebe-se que há um predomínio de uma precipitação média anual de 710 a 780 mm, em uma área que se estende de leste-oeste na bacia. No entanto, as maiores médias se encontram no sudoeste, e no alto da Bacia, podendo sr destacados os municípios de Pratinha (866 mm), Serra do Salitre (851 mm) e Tupaciguara (867 mm). Já no trimestre mais seco (junho a agosto), de acordo com a Figura 8, ocorre uma queda brusca nos índices pluviométricos na Bacia do rio Araguari, sendo encontrada, em média, um total de apenas 44 mm. A região mais crítica é a do baixo curso da bacia, como por exemplo, em alguns municípios: Araguari (40 mm), Uberlândia (43 mm) e Tupaciguara (36 mm). No restante da área da bacia

9 ocorrem médias superiores ou próximas da média geral. A maior média registrada no período analisado foi na região de Tapira, sudeste da bacia, com um valor de aproximadamente 57 mm. Figura 7 Precipitação Média anual do trimestre chuvoso na Bacia do Rio Araguari. Figura 8 Precipitação Média anual do trimestre seco ( ), na Bacia hidrográfica do Rio Araguari.

10 CONSIDERAÇÕES FINAIS Observou-se que no intervalo de a mm as chuvas ocupam 95% da área da Bacia. As maiores precipitações (tanto anual quanto na estação chuvosa) estão nas áreas mais elevadas da bacia, na sua porção leste, área das nascentes do Rio. Pode-se dizer que há uma tendência de redução na precipitação no sentido leste-oeste ou então que as precipitações menores ocorrem nas áreas mais baixas próxima ao leito do Rio e na sua foz. Já na estação chuvosa que engloba seis meses (outubro a março) são esperados aproximadamente 85% das precipitações anuais, sendo que dezembro e janeiro concentram as maiores precipitações (45% do total anual). O software Spring 4.2 apresentou resultados satisfatórios para a espacialização dos dados, podendo constituir-se em uma importante ferramenta nos estudos climáticos que envolvam áreas relativamente grandes e com um número elevados de informações climáticas. REFERÊNCIAS AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS ANA. Disponível em Acesso em março de ROSA, Roberto; BRITO, Jorge Luís Silva. Uso de geotecnologias na elaboração de mapas do meio físico da bacia hidrografia do Rio Araguari (MG). In: V SIMPÓSIO NACIONAL DE GEOMORFOLOGIA, 2004, Santa Maria. Anais do V Simpósio Nacional de Geomorfologia. Santa Maria: v. 1, p BRITO, Jorge Luís Silva; ROSA, Roberto. Mapa hipsométrico e de declividade do terreno da bacia do rio Araguari. In: II SIMPOSIO REGIONAL DE GEOGRAFIA, 2003, Uberlândia. Anais do II simpósio Regional de Geografia v. 1, p. 1-6.

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA PROGNÓSTICO DE PRECIPITAÇÃO

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA PROGNÓSTICO DE PRECIPITAÇÃO 1 PROGNÓSTICO TRIMESTRAL Novembro-Dezembro-Janeiro 2003. Este período é caracterizado por chuvas em grande parte do Brasíl, com temporais, trovoadas, vendavais e queda de granizo nas Regiões Sul, Sudeste

Leia mais

PROGNÓSTICO TRIMESTRAL (Setembro Outubro e Novembro de- 2002).

PROGNÓSTICO TRIMESTRAL (Setembro Outubro e Novembro de- 2002). 1 PROGNÓSTICO TRIMESTRAL (Setembro Outubro e Novembro de- 2002). O prognóstico climático do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), órgão do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, para

Leia mais

UNIDADE DE CONSERVAÇÃO E ZONA DE AMORTECIMENTO

UNIDADE DE CONSERVAÇÃO E ZONA DE AMORTECIMENTO ANEXO 5.2 - CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DO PNSB E DA ZONA DE AMORTECIMENTO A 5.2.1 REGIME PLUVIOMÉTRICO O regime pluviométrico das áreas do PNSB e de sua Zona de Amortecimento foi avaliado com base nos dados

Leia mais

Prognóstico Climático

Prognóstico Climático Prognóstico Climático PROGNÓSTICO TRIMESTRAL Trimestre: ago/set/out - 2001 O prognóstico climático do Instituto Nacional de Meteorologia - INMET, órgão do Ministério da Agricultura e do Abastecimento,

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA INMET 5º DISME BELO HORIZONTE

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA INMET 5º DISME BELO HORIZONTE BOLETIM AGROMETEOROLÓGICO DE MAIO E PROGNÓSTICO CLIMÁTICO PARA O TRIMESTRE JUNHO, JULHO E AGOSTO DE 2011. I. DIAGNÓSTICO Maio foi um mês seco e com temperaturas amenas em Minas Gerais. As chuvas foram

Leia mais

ESTUDO DA PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA NO MUNICÍPIO DE CAMPINAS DO PIAUÍ

ESTUDO DA PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA NO MUNICÍPIO DE CAMPINAS DO PIAUÍ ESTUDO DA PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA NO MUNICÍPIO DE CAMPINAS DO PIAUÍ Medeiros, R.M. (1) ; Santos, D.C. (1) ; Correia, D. S, (1) ; Oliveira, V.G (1) ; Rafael, A. R. (1) mainarmedeiros@gmail.com (1) Universidade

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA INMET 5º DISME BELO HORIZONTE. BOLETIM AGROMETEOROLÓGICO DECENDIAL PARA MINAS GERAIS, 11 a 20 de Março de 2011

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA INMET 5º DISME BELO HORIZONTE. BOLETIM AGROMETEOROLÓGICO DECENDIAL PARA MINAS GERAIS, 11 a 20 de Março de 2011 BOLETIM AGROMETEOROLÓGICO DECENDIAL PARA MINAS GERAIS, 11 a 20 de Março de 2011 I. DIAGNÓSTICO Comportamento das Chuvas O segundo decêndio de março, em Minas Gerais, foi caracterizado por chuvas frequentes,

Leia mais

A CONCENTRAÇÃO DO PIB MEDIDA PELO ÍNDICE HERFINDAHL- HIRSCHMAN: O CASO DAS MESORREGIÕES GEOGRÁFICAS BRASILEIRAS NO PERÍODO DE 1985 A 2010

A CONCENTRAÇÃO DO PIB MEDIDA PELO ÍNDICE HERFINDAHL- HIRSCHMAN: O CASO DAS MESORREGIÕES GEOGRÁFICAS BRASILEIRAS NO PERÍODO DE 1985 A 2010 A CONCENTRAÇÃO DO PIB MEDIDA PELO ÍNDICE HERFINDAHL- HIRSCHMAN: O CASO DAS MESORREGIÕES GEOGRÁFICAS BRASILEIRAS NO PERÍODO DE 1985 A 2010 Iniciação Científica Karoline Almeida Cavalcanti Universidade Estadual

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DO MUNICÍPIO DE JATAÍ-GO: Subsídios às atividades agrícolas

CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DO MUNICÍPIO DE JATAÍ-GO: Subsídios às atividades agrícolas CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DO MUNICÍPIO DE JATAÍ-GO: Subsídios às atividades agrícolas Nathalie Ribeiro Silva Universidade Federal de Uberlândia / Instituto de Geografia nathaliersilva@yahoo.com.br Samuel

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO PREÇO DA TERRA EM GOIÁS A PARTIR DO USO DE GEOESTATÍSTICA

DETERMINAÇÃO DO PREÇO DA TERRA EM GOIÁS A PARTIR DO USO DE GEOESTATÍSTICA DETERMINAÇÃO DO PREÇO DA TERRA EM GOIÁS A PARTIR DO USO DE GEOESTATÍSTICA Fábio Campos MACEDO 1 ; Laerte Guimarães FERREIRA 2 ; Nilson Clementino FERREIRA 3 1 Doutorando em Geografia IESA/UFG; Professor

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA ESTIAGEM NA REGIÃO SUDESTE DO BRASIL

ACOMPANHAMENTO DA ESTIAGEM NA REGIÃO SUDESTE DO BRASIL ACOMPANHAMENTO DA ESTIAGEM NA REGIÃO SUDESTE DO BRASIL BOLETIM Nº 03 - FEVEREIRO Área de Atuação da Superintendência Regional da CPRM de Belo Horizonte 2015 Rio São Francisco em Três Marias. Foto de Soraya

Leia mais

BOLETIM PROJETO CHUVA - 22 DE JUNHO DE 2011

BOLETIM PROJETO CHUVA - 22 DE JUNHO DE 2011 BOLETIM PROJETO CHUVA - 22 DE JUNHO DE 2011 Condições Climáticas Na carta de Temperatura da Superfície do Mar (TSM), que pode ser analisado através da Figura 1a, são observadas anomalias positivas de TSM

Leia mais

BOLETIM CLIMÁTICO - NOVEMBRO 2015

BOLETIM CLIMÁTICO - NOVEMBRO 2015 BOLETIM CLIMÁTICO - NOVEMBRO 2015 1. Condições meteorológicas sobre o Brasil No mês de novembro de 2015 os valores acumulados de precipitação mais significativos ocorreram nas regiões Sul, São Paulo, e

Leia mais

Avaliação de métodos de classificação para o mapeamento de remanescentes florestais a partir de imagens HRC/CBERS

Avaliação de métodos de classificação para o mapeamento de remanescentes florestais a partir de imagens HRC/CBERS http://dx.doi.org/10.12702/viii.simposfloresta.2014.131-592-1 Avaliação de métodos de classificação para o mapeamento de remanescentes florestais a partir de imagens HRC/CBERS Juliana Tramontina 1, Elisiane

Leia mais

DISCIPLINA: Geografia Professor: Alissom Queiroz Data: 11/11/2016 Ensino Fundamental II Série: SEXTO ANO Turmas: 16A, 16B e 16C

DISCIPLINA: Geografia Professor: Alissom Queiroz Data: 11/11/2016 Ensino Fundamental II Série: SEXTO ANO Turmas: 16A, 16B e 16C DISCIPLINA: Geografia Professor: Alissom Queiroz Data: 11/11/2016 Ensino Fundamental II Série: SEXTO ANO Turmas: 16A, 16B e 16C RELAÇÃO DE CONTEÚDOS PARA O EXAME FINAL E AVALIAÇÃO ESPECIAL Conteúdos de

Leia mais

Ministério Público do Rio Grande do Sul Divisão de Assessoramento Técnico PARECER DOCUMENTO DAT-MA Nº 3038/2008

Ministério Público do Rio Grande do Sul Divisão de Assessoramento Técnico PARECER DOCUMENTO DAT-MA Nº 3038/2008 PARECER DOCUMENTO DAT-MA Nº 3038/2008 UNIDADE DE ASSESSORAMENTO AMBIENTAL GEOPROCESSAMENTO BACIAS HIDROGRÁFICAS PARA: Dr. Alexandre Saltz Centro de Apoio Operacional de Defesa do Meio Ambiente DE: Luciano

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE ACOMPANHAMENTO DE MERCADO Fevereiro de 2015 ETANOL HIDRATADO

RELATÓRIO MENSAL DE ACOMPANHAMENTO DE MERCADO Fevereiro de 2015 ETANOL HIDRATADO CDC - Coordenadoria de Defesa da Concorrência RELATÓRIO MENSAL DE ACOMPANHAMENTO DE MERCADO Fevereiro de 2015 ETANOL HIDRATADO 1. Introdução Neste relatório será apresentado o comportamento dos preços

Leia mais

Símbolos Ordenados. PONTOS LINHAS ÁREAS ORDEM relevo e outros, se manifestam de forma contínua no espaço ou no tempo, ou obedecem uma hierarquia de

Símbolos Ordenados. PONTOS LINHAS ÁREAS ORDEM relevo e outros, se manifestam de forma contínua no espaço ou no tempo, ou obedecem uma hierarquia de 14- Simbolização Cartográfica Manifestações Ordenadas Além das manifestações qualitativas, Símbolos Cartográficos Ordenados quantitativas e dinâmicas, alguns fenômenos espaciais, como os fatores climáticos

Leia mais

CLIMAS DO BRASIL PROF. MSC. JOÃO PAULO NARDIN TAVARES

CLIMAS DO BRASIL PROF. MSC. JOÃO PAULO NARDIN TAVARES CLIMAS DO BRASIL PROF. MSC. JOÃO PAULO NARDIN TAVARES Introdução O Brasil é um país de dimensões continentais, e a tropicalidade é uma de suas principais características, como já vimos. Ainda que se estenda

Leia mais

ANÁLISE GEOMORFOLÓGICA DO MUNICÍPIO DE JARDIM OLINDA - PR

ANÁLISE GEOMORFOLÓGICA DO MUNICÍPIO DE JARDIM OLINDA - PR ANÁLISE GEOMORFOLÓGICA DO MUNICÍPIO DE JARDIM OLINDA - PR 17 Luiz Giovanni Bornia Acadêmico 4º Geografia - UEM luiz.bornia@cocamar.com.br Wérica Cardoso de Oliveira Acadêmica 1º Geografia - UEM wericaco@gmail.com

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA INMET 5º DISME BELO HORIZONTE

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA INMET 5º DISME BELO HORIZONTE BOLETIM AGROMETEOROLÓGICO DE JANEIRO E PROGNÓSTICO CLIMÁTICO PARA O TRIMESTRE FEVEREIRO, MARÇO E ABRIL DE 2011. I. DIAGNÓSTICO Em Minas Gerais, janeiro iniciou-se com chuvas fortes, frequentes e generalizadas,

Leia mais

INFLUÊNCIA DO EL NIÑO-OSCILAÇÃO SUL (ENOS) NOS REGIMES PLUVIOMÉTRICO E TÉRMICO NA ILHA DE SÃO LUIS, MA RESUMO 1. INTRODUÇÃO

INFLUÊNCIA DO EL NIÑO-OSCILAÇÃO SUL (ENOS) NOS REGIMES PLUVIOMÉTRICO E TÉRMICO NA ILHA DE SÃO LUIS, MA RESUMO 1. INTRODUÇÃO INFLUÊNCIA DO EL NIÑO-OSCILAÇÃO SUL (ENOS) NOS REGIMES PLUVIOMÉTRICO E TÉRMICO NA ILHA DE SÃO LUIS, MA 1 Gunter de Azevedo Reschke 2 Ronaldo Haroldo N. de Menezes 3 Alan de Castro Leite RESUMO Entre as

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO CENTRO DE ESTUDOS SUPERIORES DE IMPERATRIZ

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO CENTRO DE ESTUDOS SUPERIORES DE IMPERATRIZ UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO CENTRO DE ESTUDOS SUPERIORES DE IMPERATRIZ Disciplina: 2E321 - METEOOROLOGIA E CLIMATOLOGIA CONCEITOS INICIAIS Professor: Luiz Carlos A. dos Santos Tempo atmosférico ou

Leia mais

TABELA DAS PRECIPITAÇÕES MENSAIS NO ESTADO DO PARÁ RELATÓRIO TÉCNICO

TABELA DAS PRECIPITAÇÕES MENSAIS NO ESTADO DO PARÁ RELATÓRIO TÉCNICO GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE RECURSOS HÍDRICOS TABELA DAS PRECIPITAÇÕES MENSAIS NO ESTADO DO PARÁ RELATÓRIO TÉCNICO Belém-PA 2013 1 TABELA DAS PRECIPITAÇÕES

Leia mais

BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS PARA O ESTADO DO PIAUÍ

BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS PARA O ESTADO DO PIAUÍ BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS PARA O ESTADO DO PIAUÍ Teresina - PI Janeiro/Fevereiro/Março (2016) Rua 13 de Maio, 307, 4º, 5º e 6º Andar Centro CEP 64.001-150 - www.semar.pi.gov.br Teresina - PI TELEFONE:

Leia mais

Quantidade de água no planeta

Quantidade de água no planeta HIDROGRAFIA Quantidade de água no planeta O Brasil possui: 10% da água superficial disponível para consumo no mundo. No Brasil a distribuição é desigual. - 70% na Amazônia - 27% no Centro-Sul - 3% no

Leia mais

BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS PARA O ESTADO DO PIAUÍ

BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS PARA O ESTADO DO PIAUÍ BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS PARA O ESTADO DO PIAUÍ Teresina - PI Dezembro(2015)/Janeiro(2016)/Fevereiro(2016) Rua 13 de Maio, 307, 4º, 5º e 6º Andar Centro CEP 64.001-150 - www.semar.pi.gov.br Teresina

Leia mais

Ajuste de modelos de séries temporais para pressão atmosférica de Uberlândia

Ajuste de modelos de séries temporais para pressão atmosférica de Uberlândia Ajuste de modelos de séries temporais para pressão atmosférica de Uberlândia Valiana Alves Teodoro Mirian Fernandes Carvalho Araújo Lúcio Borges de Araújo Introdução Na comercialização de produtos originados

Leia mais

Localização : em áreas de baixas latitudes, ao longo da linha equatorial.

Localização : em áreas de baixas latitudes, ao longo da linha equatorial. Curso Completo Professor João Felipe Geografia Tipos de Clima No Brasil e no Mundo CLIMA EQUATORIAL Localização : em áreas de baixas latitudes, ao longo da linha equatorial. 1 Apresentam baixas pressões

Leia mais

Cartografia Temática

Cartografia Temática Cartografia Temática Os mapas temáticos podem ser gerados por intituições públicas e privadas, especializadas em mapeamento. Servem para auxiliar o poder público e empresas privadas na tomada de decisões,

Leia mais

Geografia. Climas Do Brasil. Professor Luciano Teixeira.

Geografia. Climas Do Brasil. Professor Luciano Teixeira. Geografia Climas Do Brasil Professor Luciano Teixeira www.acasadoconcurseiro.com.br Geografia CLIMAS DO BRASIL Tempo x Clima Tempo meteorológico estado momentâneo da atmosfera. Clima sucessão habitual

Leia mais

BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS

BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS I N F O C L I M A BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 11 15 de julho de 2004 Número 7 Previsão de Consenso 1 CPTEC/INPE e INMET PREVISÃO DE NORMALIDADE DE CHUVAS E DE TEMPERATURAS NA MAIOR PARTE DO PAÍS

Leia mais

Uso do Sistema de Informações Geográficas para realização da análise da capacidade gerencial dos municípios mineiros

Uso do Sistema de Informações Geográficas para realização da análise da capacidade gerencial dos municípios mineiros Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 8., 2011, Belo Horizonte Uso do Sistema de Informações Geográficas para realização da análise da capacidade gerencial dos municípios mineiros Thiago Andrade

Leia mais

PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE TELES PIRES

PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE TELES PIRES PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE TELES PIRES P.10 PROGRAMA DE MONITORAMENTO CLIMATOLÓGICO Parecer Técnico EQUIPE TÉCNICA RESPONSÁVEL PELO DESENVOLVIMENTO DAS ATIVIDADES DO PROGRAMA INTEGRANTES CONSELHO CTF

Leia mais

Apresentar a importação de linhas e pontos cotados, em formato.dxf, afim de formarem um PI;

Apresentar a importação de linhas e pontos cotados, em formato.dxf, afim de formarem um PI; Adalberto Koiti Miura Silvia Cristina de Jesus Sumaia Resegue Aboud Thais Maria Sperandio Introdução ao Geoprocessamento (SER 300) Relatório do Laboratório 3 Modelagem Numérica do Terreno Objetivo O objetivo

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA ESTIAGEM NA REGIÃO SUDESTE DO BRASIL

ACOMPANHAMENTO DA ESTIAGEM NA REGIÃO SUDESTE DO BRASIL ACOMPANHAMENTO DA ESTIAGEM NA REGIÃO SUDESTE DO BRASIL BOLETIM Nº 05 - MARÇO Área de Atuação da Superintendência Regional da CPRM de Belo Horizonte 2015 Rio Urucuia em Buritis - março/2013 Rio Urucuia

Leia mais

04/08/2013. Localização do nosso território: orientação, pontos extremos e fusos horários

04/08/2013. Localização do nosso território: orientação, pontos extremos e fusos horários Localização do nosso território: orientação, pontos extremos e fusos horários Área em milhões de km²: 8.514.215 km² 6% das terras emersas do planeta; 20,8% do continente americano; 41,5% da superfície

Leia mais

Professora: Jordana Costa

Professora: Jordana Costa Professora: Jordana Costa Cartografia Cartografia, segundo a ABNT é definida como: A arte de levantamento, construção e edição de mapas e cartas de qualquer natureza. Função principal: Representar a realidade

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE ACOMPANHAMENTO DE MERCADO Março de 2015 ETANOL HIDRATADO

RELATÓRIO MENSAL DE ACOMPANHAMENTO DE MERCADO Março de 2015 ETANOL HIDRATADO CDC - Coordenadoria de Defesa da Concorrência RELATÓRIO MENSAL DE ACOMPANHAMENTO DE MERCADO Março de 2015 ETANOL HIDRATADO 1. Introdução Neste relatório será apresentado o comportamento dos preços de etanol

Leia mais

BOLETIM CLIMÁTICO - JULHO 2016

BOLETIM CLIMÁTICO - JULHO 2016 BOLETIM CLIMÁTICO - JULHO 2016 1. Condições meteorológicas sobre o Brasil No mês de julho de 2016, os valores acumulados de precipitação mais significativos ocorreram no noroeste do Amazonas, sul de Roraima

Leia mais

XXX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO Eficiência nas cadeias produtivas e o abastecimento global

XXX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO Eficiência nas cadeias produtivas e o abastecimento global XXX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO Eficiência nas cadeias produtivas e o abastecimento global Fatores de correção para a evapotranspiração de referência estimada para uso no software IrrigaFácil Paulo

Leia mais

Uso de geotecnologias livres para o mapeamento das plantações de Eucalipto, Nossa Senhora do Socorro-SE

Uso de geotecnologias livres para o mapeamento das plantações de Eucalipto, Nossa Senhora do Socorro-SE http://dx.doi.org/10.12702/viii.simposfloresta.2014.210-469-2 Uso de geotecnologias livres para o mapeamento das plantações de Eucalipto, Nossa Senhora do Socorro-SE Janisson B. de Jesus 1, Dráuzio C.

Leia mais

Análise de Dados de Área dos índices de indústria e malha rodoviária para o estado de Minas Gerais

Análise de Dados de Área dos índices de indústria e malha rodoviária para o estado de Minas Gerais Análise de Dados de Área dos índices de indústria e malha rodoviária para o estado de Minas Gerais Adriana Maria Rocha Trancoso Santos 1 Gérson Rodrigues dos Santos 2 Nilcilene das Graças Medeiros 1 Eduardo

Leia mais

ENSINO MÉDIO Geografia

ENSINO MÉDIO Geografia ENSINO MÉDIO Geografia Conteúdos da 1ª Série 1º/2º Bimestre 2016 Trabalho de Dependência Nome: N. o : Turma: Professor(a): Bruno Data: / /2016 Unidade: Cascadura Mananciais Méier Taquara Resultado / Rubrica

Leia mais

2. AS PAISAGENS NATURAL E CULTURAL DAS UNIDADES FEDERATIVAS

2. AS PAISAGENS NATURAL E CULTURAL DAS UNIDADES FEDERATIVAS 2. AS PAISAGENS NATURAL E CULTURAL DAS UNIDADES FEDERATIVAS 1. Escreva V para as informações verdadeiras e F para as informações falsas. A superfície dos lugares não é igual em toda a sua extensão. b)

Leia mais

Formação das precipitações

Formação das precipitações 6.1. Definição A precipitação consiste no produto da condensação atmosférica depositado no solo. As formas mais comuns de precipitação entre outras são a chuva, a neve, o granizo e o orvalho. Formação

Leia mais

Temperatura do nordeste brasileiro via análise de lacunaridade

Temperatura do nordeste brasileiro via análise de lacunaridade Temperatura do nordeste brasileiro via análise de lacunaridade 1 Introdução Leandro Ricardo Rodrigues de Lucena 1 Tatijana Stosic¹ A região Nordeste é caracterizada pela seca, provocada por diversos fatores,

Leia mais

Geografia. As Regiões Geoeconômicas do Brasil. Professor Luciano Teixeira.

Geografia. As Regiões Geoeconômicas do Brasil. Professor Luciano Teixeira. Geografia As Regiões Geoeconômicas do Brasil Professor Luciano Teixeira www.acasadoconcurseiro.com.br Geografia Aula XX AS REGIÕES GEOECONÔMICAS DO BRASIL A divisão regional oficial do Brasil é aquela

Leia mais

LISTA DE EXERCICIOS I TOPOGRAFIA I

LISTA DE EXERCICIOS I TOPOGRAFIA I LISTA DE EXERCICIOS I TOPOGRAFIA I 1-Em um mapa cuja escala é 1:2.500.000, duas cidades estão separadas, em linha reta, por 5 centímetros. A distância real (no terreno) entre essas duas cidades é a) 50

Leia mais

NARRATIVA DO MONITOR DE SECAS DO MÊS DE FEVEREIRO DE Condições Meteorológicas do Mês de Fevereiro de 2016

NARRATIVA DO MONITOR DE SECAS DO MÊS DE FEVEREIRO DE Condições Meteorológicas do Mês de Fevereiro de 2016 NARRATIVA DO MONITOR DE SECAS DO MÊS DE FEVEREIRO DE 2016 Condições Meteorológicas do Mês de Fevereiro de 2016 A Figura 1 mostra a espacialização da precipitação do Nordeste brasileiro: (a) registrada

Leia mais

GEOGRAFIA REVISÃO 1 REVISÃO 2. Aula 25.1 REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE IV

GEOGRAFIA REVISÃO 1 REVISÃO 2. Aula 25.1 REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE IV Aula 25.1 REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE IV Complexos Regionais Amazônia: Baixa densidade demográfica e grande cobertura vegetal. 2 3 Complexos Regionais Nordeste: Mais baixos níveis de desenvolvimento

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA INMET 5º DISME BELO HORIZONTE

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA INMET 5º DISME BELO HORIZONTE BOLETIM AGROMETEOROLÓGICO DE ABRIL E PROGNÓSTICO CLIMÁTICO PARA O TRIMESTRE MAIO, JUNHO E JULHO DE 2011. I. DIAGNÓSTICO Abril apresentou características típicas de transição do período chuvoso para o seco.

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE ACOMPANHAMENTO DE MERCADO Janeiro de 2015 ETANOL HIDRATADO

RELATÓRIO MENSAL DE ACOMPANHAMENTO DE MERCADO Janeiro de 2015 ETANOL HIDRATADO CDC - Coordenadoria de Defesa da Concorrência RELATÓRIO MENSAL DE ACOMPANHAMENTO DE MERCADO Janeiro de 2015 ETANOL HIDRATADO 1. Introdução Neste relatório será apresentado o comportamento dos preços de

Leia mais

CHUVAS EM Campo Grande MATO GROSSO DO SUL. NOVEMBRO e DEZEMBRO/2015 JANEIRO e FEVEREIRO/2016

CHUVAS EM Campo Grande MATO GROSSO DO SUL. NOVEMBRO e DEZEMBRO/2015 JANEIRO e FEVEREIRO/2016 CHUVAS EM Campo Grande MATO GROSSO DO SUL NOVEMBRO e DEZEMBRO/2015 JANEIRO e FEVEREIRO/2016 1. DESCRIÇÃO DOS DADOS Os dados desse documento são da Estação Meteorológica Automática EMA -, do Instituto Nacional

Leia mais

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças)

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) 9 05 5 PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) Fonte: PLD: CCEE / PLD médio: PONDERAÇÃO COMERC. PLD médio é a média ponderada dos valores já divulgados do PLD, pelas horas das semanas publicadas. 2. PLD

Leia mais

10º Ano Módulos 1, 2 e 3 Total de horas: 81 ou seja, 54 aulas de 90 minutos MÓDULOS/ CONTEÚDOS

10º Ano Módulos 1, 2 e 3 Total de horas: 81 ou seja, 54 aulas de 90 minutos MÓDULOS/ CONTEÚDOS 10º Ano Módulos 1, 2 e 3 Total de horas: 81 ou seja, 54 aulas de 90 minutos MÓDULOS/ CONTEÚDOS Módulo 1 O Quadro natural de O Relevo COMPETÊNCIAS A - Compreender as grandes características do relevo de

Leia mais

Cargo: P01 - PROFESSOR CLASSE "C" - ARTES Disciplina: História e Geografia de Rondônia. Conclusão (Deferido ou Indeferido) Resposta Alterada para:

Cargo: P01 - PROFESSOR CLASSE C - ARTES Disciplina: História e Geografia de Rondônia. Conclusão (Deferido ou Indeferido) Resposta Alterada para: Cargo: P01 - PROFESSOR CLASSE "C" - ARTES. que a ementa referente é Principais unidades de relevo do estado e do entorno amazônico. Sendo assim, observar a questão somente por meio da hidrografia resulta

Leia mais

Espírito Santo. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Espírito Santo (1991, 2000 e 2010)

Espírito Santo. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Espírito Santo (1991, 2000 e 2010) Espírito Santo Em, no estado do Espírito Santo (ES), moravam 3,5 milhões de pessoas, onde parcela relevante (7,1%, 249, mil) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 78 municípios, dos

Leia mais

SIPAM Sistema de Proteção da Amazônia

SIPAM Sistema de Proteção da Amazônia SIPAM Sistema de Proteção da Amazônia DMET - Divisão de Meteorologia MAIO / 29 1 CENÁRIO SAZONAL DA PRECIPITAÇÃO NA AMAZÔNIA LEGAL ÊNFASE AMAZONAS RETROSPECTIVA DA DISTRIBUIÇÃO MENSAL DA PRECIPITAÇÃO NA

Leia mais

BOLETIM Nº 05/2016 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS. Núcleo Estadual de Meteorologia e Recursos Hídricos

BOLETIM Nº 05/2016 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS. Núcleo Estadual de Meteorologia e Recursos Hídricos FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS Núcleo Estadual de Meteorologia e Recursos Hídricos nemet.rh@unitins.br (63) 3218-2930 BOLETIM Nº 05/2016 Nesse boletim executivo será apresentado o monitoramento mensal

Leia mais

Climatologia Agrícola Relatório Anual Ano de 2008

Climatologia Agrícola Relatório Anual Ano de 2008 Climatologia Agrícola Relatório Anual Ano de 28 No âmbito da actividade do Sistema Agrometeorológico para a Gestão da Rega no (SAGRA) e no seguimento de anos anteriores, apresenta-se no presente relatório,

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DA PRECIPITAÇÃO NO SERTÃO DE PERNAMBUCO E SUA RELAÇÃO COM EL NIÑO E LA NIÑA

CARACTERÍSTICAS DA PRECIPITAÇÃO NO SERTÃO DE PERNAMBUCO E SUA RELAÇÃO COM EL NIÑO E LA NIÑA CARACTERÍSTICAS DA PRECIPITAÇÃO NO SERTÃO DE PERNAMBUCO E SUA RELAÇÃO COM EL NIÑO E LA NIÑA Alaerte da Silva Germano 1, Heliofabio Barros Gomes 2, Ricardo Ferreira Carlos de Amorim 3, Maurílio Neemias

Leia mais

HIDROGRAFIA (estudo das águas)

HIDROGRAFIA (estudo das águas) HIDROGRAFIA (estudo das águas) CONSUMO DE ÁGUA MUNDIAL CONSUMO DE ÁGUA MUNDIAL - comparativo CONSUMO DE ÁGUA BRASILEIRO Fase rápida Fase longa 2 Alto Médio Curso Curso Interflúvios Baixo Curso Interflúvios

Leia mais

HIDROGRAFIA (estudo das águas)

HIDROGRAFIA (estudo das águas) HIDROGRAFIA (estudo das águas) Consumo Real e Virtual 1 CONSUMO DE ÁGUA MUNDIAL CONSUMO DE ÁGUA MUNDIAL - comparativo CONSUMO DE ÁGUA BRASILEIRO 2 Ciclo da Água CONCEITOS e TERMINOLOGIAS 3 CONCEITOS e

Leia mais

Ceará. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Ceará (1991, 2000 e 2010)

Ceará. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Ceará (1991, 2000 e 2010) Ceará Em, no estado do Ceará (CE), moravam 8,5 milhões de pessoas, onde uma parcela considerável (7,6%, 637,7) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 184 municípios, dos quais 21 (11,4%)

Leia mais

ESTIMATIVA DA EROSIVIDADE DA CHUVA NO PERÍODO DE NO MUNICÍPIO DE BANANEIRAS-PB COMO CONTRIBUIÇÃO A AGROPECUÁRIA

ESTIMATIVA DA EROSIVIDADE DA CHUVA NO PERÍODO DE NO MUNICÍPIO DE BANANEIRAS-PB COMO CONTRIBUIÇÃO A AGROPECUÁRIA ESTIMATIVA DA EROSIVIDADE DA CHUVA NO PERÍODO DE 1930-2010 NO MUNICÍPIO DE BANANEIRAS-PB COMO CONTRIBUIÇÃO A AGROPECUÁRIA Introdução Raimundo Mainar de Medeiros, Camilla Kassar Borges Lucílio José Vieira

Leia mais

Dr. Mário Jorge de Souza Gonçalves

Dr. Mário Jorge de Souza Gonçalves Avaliação Qualitativa da Porosidade /Permeabilidade de Aquíferos em Função da Dinâmica Sazonal das Precipitações e das Vazões na Bacia Hidrográfica do Rio Verde-BA. Dr. Mário Jorge de Souza Gonçalves Novembro

Leia mais

Análise morfométrica das microbacias do Córrego da Onça, dos Macacos e dos. Dourados na Bacia do Rio Araguari.

Análise morfométrica das microbacias do Córrego da Onça, dos Macacos e dos. Dourados na Bacia do Rio Araguari. 1 Análise morfométrica das microbacias do Córrego da Onça, dos Macacos e dos Dourados na Bacia do Rio Araguari. José Arlindo Braga Neto 1 ; Ana Cláudia Bernardes Brito! ; Kathereyn Jéssica Rosa Fiordelice!

Leia mais

Comparação de Variáveis Meteorológicas Entre Duas Cidades Litorâneas

Comparação de Variáveis Meteorológicas Entre Duas Cidades Litorâneas Comparação de Variáveis Meteorológicas Entre Duas Cidades Litorâneas F. D. A. Lima 1, C. H. C. da Silva 2, J. R. Bezerra³, I. J. M. Moura 4, D. F. dos Santos 4, F. G. M. Pinheiro 5, C. J. de Oliveira 5

Leia mais

APLICAÇÃO DE SIG NO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS: LOCALIZAÇÃO DE ÁREA PARA ATERRO SANITÁRIO

APLICAÇÃO DE SIG NO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS: LOCALIZAÇÃO DE ÁREA PARA ATERRO SANITÁRIO APLICAÇÃO DE SIG NO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS: LOCALIZAÇÃO DE ÁREA PARA ATERRO SANITÁRIO Ilka Soares Cintra (1) Professora Assistente do Departamento de Cartografia do Instituto de Geo- Ciências

Leia mais

CC54Z - Hidrologia. Precipitação: definição, métodos de medição e grandezas características. Universidade Tecnológica Federal do Paraná

CC54Z - Hidrologia. Precipitação: definição, métodos de medição e grandezas características. Universidade Tecnológica Federal do Paraná Universidade Tecnológica Federal do Paraná CC54Z - Hidrologia Precipitação: definição, métodos de medição e grandezas características Prof. Fernando Andrade Curitiba, 2014 Objetivos da aula Definir a importância

Leia mais

Gabarito da 2º atividade avaliativa Disciplina: Geografia. Dinâmica climática Professor (a): Kátia Silene Data: 25/11/2015 Nome do Aluno:

Gabarito da 2º atividade avaliativa Disciplina: Geografia. Dinâmica climática Professor (a): Kátia Silene Data: 25/11/2015 Nome do Aluno: MODALIDADE: EJA Ensino Médio PERÍODO 1º Período Gabarito da 2º atividade avaliativa Disciplina: Geografia Dinâmica climática Professor (a): Kátia Silene Data: 25/11/2015 Nome do Aluno: Questão 1 Diferencie

Leia mais

EIXO CAPACIDADES CONTEÚDOS / CONCEITOS CICLO COMPLEMENTAR

EIXO CAPACIDADES CONTEÚDOS / CONCEITOS CICLO COMPLEMENTAR SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃOBÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO INFANTIL E FUNDAMENTAL DIRETORIA DE ENSINO FUNDAMENTAL 5 MATRIZ CURRICULAR

Leia mais

A VARIABILIDADE ANUAL DA TEMPERATURA NO ESTADO DE SÃO PAULO 1971/1998: UMA CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO MUNDO TROPICAL

A VARIABILIDADE ANUAL DA TEMPERATURA NO ESTADO DE SÃO PAULO 1971/1998: UMA CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO MUNDO TROPICAL A VARIABILIDADE ANUAL DA TEMPERATURA NO ESTADO DE SÃO PAULO 71/98: UMA CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO MUNDO TROPICAL João Lima Sant`anna Neto (*) RESUMO: Este trabalho de pesquisa, ainda

Leia mais

FUNDAMENTAL. PARTE 1

FUNDAMENTAL. PARTE 1 FUNDAMENTAL PARTE 1 www.ceejamax.com 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO...págs. 03 ESPAÇO GEOGRÁFICO E PAISAGEM... 03 LEITURA DAS PAISAGENS... 04 REPRESENTAÇÕES DO ESPAÇO GEOGRÁFICO... 06 MAPA ANTIGO E MAPA ATUAL...

Leia mais

Alturas mensais de precipitação (mm)

Alturas mensais de precipitação (mm) Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos AGUASPARANÁ - Instituto das Águas do Paraná Sistema de Informações Hidrológicas - SIH Alturas mensais de precipitação (mm) Estação: Município: Tipo: Altitude:

Leia mais

PRODUTO INTERNO BRUTO PIB PLANALTO DE ARAXÁ E MUNICÍPIOS

PRODUTO INTERNO BRUTO PIB PLANALTO DE ARAXÁ E MUNICÍPIOS CENTRO UNIVERSITÁRIO DO PLANALTO DE ARAXÁ NÚCLEO DE PESQUISAS ECONÔMICAS E SOCIAIS INFORMATIVO ANO I - N I - MARÇO 2007 PRODUTO INTERNO BRUTO PIB PLANALTO DE ARAXÁ E MUNICÍPIOS 1999-2004 ARAXÁ - MG Introdução

Leia mais

Mato Grosso do Sul. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Mato Grosso do Sul (1991, 2000 e 2010)

Mato Grosso do Sul. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Mato Grosso do Sul (1991, 2000 e 2010) Mato Grosso do Sul Em 21, no estado de Mato Grosso do Sul (MS), moravam 2,5 milhões de pessoas, onde parcela relevante (6,6%, 162,2 mil) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 78 municípios,

Leia mais

1. CLIMATOLOGIA E PREVISÃO DA PRECIPITAÇÃO PARA JUL/AGO/SET/2014

1. CLIMATOLOGIA E PREVISÃO DA PRECIPITAÇÃO PARA JUL/AGO/SET/2014 1. CLIMATOLOGIA E PREVISÃO DA PRECIPITAÇÃO PARA JUL/AGO/SET/2014 A climatologia da precipitação para os meses de Julho, Agosto e Setembro (Figura 1) mostra que os volumes de chuva neste trimestre variam

Leia mais

1/27. Copyright LTG 2016 LTG/PTR/EPUSP

1/27. Copyright LTG 2016 LTG/PTR/EPUSP 1/27 2/27 ESCALA é a relação entre o valor de uma distância medida no desenho e sua correspondente no terreno. Representa-se na forma: 1:M ou 1/M ou como escala gráfica M é o módulo da escala e deve ser

Leia mais

CONCEITOS DE CARTOGRAFIA ENG. CARTÓGRAFA ANNA CAROLINA CAVALHEIRO

CONCEITOS DE CARTOGRAFIA ENG. CARTÓGRAFA ANNA CAROLINA CAVALHEIRO CONCEITOS DE CARTOGRAFIA ENG. CARTÓGRAFA ANNA CAROLINA CAVALHEIRO CAMPO LARGO, 15 DE ABRIL DE 2013 Cartografia Cartografia é o conjunto de estudos e operações científicas, artísticas e técnicas, baseado

Leia mais

Colégio de Nossa Senhora de Fátima - Leiria. Geografia 8º ano. Planificação a longo prazo. Filipe Miguel Botelho 2012/2013

Colégio de Nossa Senhora de Fátima - Leiria. Geografia 8º ano. Planificação a longo prazo. Filipe Miguel Botelho 2012/2013 Colégio de Nossa Senhora de Fátima - Leiria Geografia 8º ano Planificação a longo prazo Filipe Miguel Botelho 0/03 Planificação a longo prazo 8º ano - Geografia º Período Aulas º Período Aulas 3º Período

Leia mais

Obtenção de Parâmetros para Simulação Hidrológica na Bacia do Rio Japaratuba por meio de Geotecnologias

Obtenção de Parâmetros para Simulação Hidrológica na Bacia do Rio Japaratuba por meio de Geotecnologias 168 III Seminário de Iniciação Científica e Pós-Graduação da Embrapa Tabuleiros Costeiros Obtenção de Parâmetros para Simulação Hidrológica na Bacia do Rio Japaratuba por meio de Geotecnologias Rafael

Leia mais

ÍNDICE GERAL AGRADECIMENTOS RESUMO ABSTRACT SIMBOLOGIA 1. - INTRODUÇÃO 2. - DEFINIÇÃO DO PROBLEMA

ÍNDICE GERAL AGRADECIMENTOS RESUMO ABSTRACT SIMBOLOGIA 1. - INTRODUÇÃO 2. - DEFINIÇÃO DO PROBLEMA ÍNDICE GERAL AGRADECIMENTOS RESUMO ABSTRACT SIMBOLOGIA 1. - INTRODUÇÃO 2. - DEFINIÇÃO DO PROBLEMA 3. - SISTEMATIZAÇÃO DE CONCEITOS E REVISÃO DA LITERATURA 3.1 - INTERPOLAÇÃO ESPACIAL DE INFORMAÇÃO ASSOCIADA

Leia mais

NOVO MAPA NO BRASIL?

NOVO MAPA NO BRASIL? NOVO MAPA NO BRASIL? Como pode acontecer A reconfiguração do mapa do Brasil com os novos Estados e Territórios só será possível após a aprovação em plebiscitos, pelos poderes constituídos dos respectivos

Leia mais

BOLETIM CLIMÁTICO SOBRE A PRIMAVERA NO ESTADO DO PARANÁ

BOLETIM CLIMÁTICO SOBRE A PRIMAVERA NO ESTADO DO PARANÁ BOLETIM CLIMÁTICO SOBRE A PRIMAVERA NO ESTADO DO PARANÁ Data da previsão: 22/09/15 Duração da Primavera: 23/09/15 (05h20) a 22/12/2015 (01h48 não ajustado ao horário de verão) Características climáticas

Leia mais

AVALIAÇÃO DA CONSISTÊNCIA DE SÉRIES HISTÓRICAS DE CHUVA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO ARAGUARI, EM MINAS GERAIS

AVALIAÇÃO DA CONSISTÊNCIA DE SÉRIES HISTÓRICAS DE CHUVA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO ARAGUARI, EM MINAS GERAIS EIXO TEMÁTICO: ( ) Biodiversidade e Unidade de Conservação ( ) Gestão e Gerenciamento dos Resíduos ( ) Campo, Agronegócio e as Práticas Sustentáveis (X) Planejamento e Gestão dos Recursos Hídricos ( )

Leia mais

TÍTULO: DETERMINAÇÃO DE MAPA DE ISOIETAS PARA A ESTÂNCIA DE ATIBAIA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS

TÍTULO: DETERMINAÇÃO DE MAPA DE ISOIETAS PARA A ESTÂNCIA DE ATIBAIA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS TÍTULO: DETERMINAÇÃO DE MAPA DE ISOIETAS PARA A ESTÂNCIA DE ATIBAIA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA AUTOR(ES): EDUARDO

Leia mais

SER300 Introdução ao Geoprocessamento. Laboratório 1. Modelagem e Criação de Banco de Dados

SER300 Introdução ao Geoprocessamento. Laboratório 1. Modelagem e Criação de Banco de Dados SER300 Introdução ao Geoprocessamento Laboratório 1 Modelagem e Criação de Banco de Dados Jefferson Gonçalves de Souza Relatório da disciplina de Introdução ao Geoprocessamento (SER-300) do Programa de

Leia mais

Exercícios Extras de Cartografia. Prof. Carlão Abril/14

Exercícios Extras de Cartografia. Prof. Carlão Abril/14 Exercícios Extras de Cartografia. Prof. Carlão Abril/14 01. (Uerj/2014) Observe na imagem uma feição de relevo em escarpa, área de desnível acentuado de altitude, encontrada geralmente nas bordas de planalto,

Leia mais

MENSURAÇÃO DA TEMPERATURA E DAS CHUVAS UTILIZANDO INSTRUMENTOS ALTERNATIVOS, NA CIDADE DE JATAÍ-GO

MENSURAÇÃO DA TEMPERATURA E DAS CHUVAS UTILIZANDO INSTRUMENTOS ALTERNATIVOS, NA CIDADE DE JATAÍ-GO MENSURAÇÃO DA TEMPERATURA E DAS CHUVAS UTILIZANDO INSTRUMENTOS ALTERNATIVOS, NA CIDADE DE JATAÍ-GO José Ricardo Rodrigues Rocha 1, Francielle Francisca Souza Silva 2, Danilo Ferreira Rezende 3, Hildeu

Leia mais

Situação Atual e Projeção Hidrológica para o Sistema Cantareira

Situação Atual e Projeção Hidrológica para o Sistema Cantareira São José dos Campos, 02 de março de 2016 Situação Atual e Projeção Hidrológica para o Sistema Cantareira 1) Situação atual do Sistema Cantareira A precipitação acumulada durante a estação seca de abril

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO VENTO EM MACAPÁ-AP NO PERÍODO DE 2003 A 2005 RESUMO

CARACTERIZAÇÃO DO VENTO EM MACAPÁ-AP NO PERÍODO DE 2003 A 2005 RESUMO CARACTERIZAÇÃO DO VENTO EM MACAPÁ-AP NO PERÍODO DE 2003 A 2005 Edmir dos Santos Jesus 1, Daniel Gonçalves das Neves 2 RESUMO O objetivo desse trabalho foi de analisar a distribuição da freqüência do vento

Leia mais

CAPÍTULO 2 ASPECTOS FISIOGRÁFICOS. 2.1 Clima

CAPÍTULO 2 ASPECTOS FISIOGRÁFICOS. 2.1 Clima CAPÍTULO 2 ASPECTOS FISIOGRÁFICOS 2.1 Clima A região do Médio Vale do Rio Jequitinhonha situa-se na faixa de clima Bsw (Köppen, 1948 in Oliveira et al., 2002), caracterizado como continental-seco e quente,

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA INMET 5º DISME BELO HORIZONTE. BOLETIM AGROMETEOROLÓGICO DECENDIAL 11 a 20 de Janeiro de 2011

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA INMET 5º DISME BELO HORIZONTE. BOLETIM AGROMETEOROLÓGICO DECENDIAL 11 a 20 de Janeiro de 2011 BOLETIM AGROMETEOROLÓGICO DECENDIAL 11 a 20 de Janeiro de 2011 I. DIAGNÓSTICO Comportamento das Chuvas O segundo decêndio de janeiro foi caracterizado por chuvas fortes e recorrentes, principalmente no

Leia mais

Conceitos Básicos mapa

Conceitos Básicos mapa Cartografia Conceitos Básicos Entende-se por mapa a representação gráfica convencional, geralmente plana e em pequena escala, de áreas relativamente extensas, como acontece nos mapas dos atlas. Para tal,

Leia mais

ANÁLISE DE RESULTADOS PARANÁ

ANÁLISE DE RESULTADOS PARANÁ ANÁLISE DE RESULTADOS A pesquisa realizada no âmbito do projeto Vulnerabilidade à Mudança do Clima avaliou a vulnerabilidade à mudança do clima nos 399 municípios do estado do Apresentação Paraná. As informações

Leia mais

Lista de Carnaval

Lista de Carnaval SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR SARGENTO NADER ALVES DOS SANTOS SÉRIE/ANO: 7ª TURMA(S):

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Bacias Hidrográficas. Professora: Mayara Moraes

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Bacias Hidrográficas. Professora: Mayara Moraes Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Bacias Hidrográficas Professora: Mayara Moraes Fase terrestre do ciclo hidrológico Elemento fundamental: Bacia hidrográfica. Definição: Área de

Leia mais

Cartografia GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Cartografia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Cartografia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Curvas de Nível Mapas temáticos Representação de fenômenos e suas diversidades: Qualitativas: Representa os diferentes elementos cartográficos Ex: Rios, cidades, industrias,

Leia mais