CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DO MUNICÍPIO DE JATAÍ-GO: Subsídios às atividades agrícolas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DO MUNICÍPIO DE JATAÍ-GO: Subsídios às atividades agrícolas"

Transcrição

1 CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DO MUNICÍPIO DE JATAÍ-GO: Subsídios às atividades agrícolas Nathalie Ribeiro Silva Universidade Federal de Uberlândia / Instituto de Geografia Samuel Lacerda de Andrade Universidade Federal de Uberlândia / Instituto de Geografia INTRODUÇÃO As reflexões acerca do comportamento atmosférico, bem como o conhecimento do clima, são de fundamental importância no que diz respeito a qualquer tipo de planejamento, seja ele na área econômica, social, política, cultural, dentre outras. A distribuição espacial e sazonal dos elementos do clima, principalmente a temperatura e a precipitação estão intimamente ligados ao planejamento e gestão do território, especialmente no que tange as atividades agrícolas. Nesse sentido, o estudo da dinâmica climática do município de Jataí, justifica-se por este representar um importante produtor de grãos no estado de Goiás. Por meio da caracterização climática da área é possível fornecer subsídios às atividades agrícolas existentes no município. O município de Jataí pertence à Mesorregião do Sul Goiano, localizado na Microrregião do Sudoeste de Goiás (figura 1). Está situado entre as coordenadas de latitude: 17º 52' 53 S e longitude: 51º 42' 52 W. A área total do município é de 7174,1 Km². (IBGE, 2010). A Serra do Caiapó, onde se localiza o município situa-se na divisa entre as bacias dos Rios Araguaia e Paranaíba. 1

2 Figura 1: Mapa de localização do município de Jataí - GO Fonte: Capturado em Abril de 2010 A população do município é estimada em aproximadamente habitantes (IBGE, 2009) e PIB de R$ (IBGE, 2007). A economia se baseia principalmente na agropecuária. Nos últimos anos obteve expressivo crescimento no ramo de agronegócios, sendo considerado nas safras de 2003 a 2006 o maior produtor de milho e sorgo. Tal desenvolvimento levou o município à qualidade de Capital de grãos de Goiás. Outra cultura que vem ganhando destaque e está em considerável desenvolvimento é a cana-de-açúcar, devido à instalação de usinas de álcool, açúcar e biodiesel. Na safra de 2007/2008 o município obteve destaque na colheita de soja, milho, cana-de-acúcar, e sorgo. (Tabela 1) Tabela 1: Safra colhida no ano de 2007/2008 Cultura Toneladas Àrea plantada (ha) Soja Milho Cana-de-açúcar Sorgo granívero

3 Fonte: IBGE (2010). Organizado por: SILVA, N. R. OBJETIVOS Segundo Ayoade (1996, p. 224), o clima sobre uma localidade é a síntese de todos os elementos climáticos em uma combinação de certa forma singular, determinada pela interação dos controles e dos processos climáticos. Entre os elementos climáticos colocados por Ayoade estão a temperatura e a precipitação, os quais são as variáveis utilizadas nas análises deste estudo. Dessa forma, o presente estudo possui como objetivo a análise e caracterização dos fatores que determinam e/ou influenciam a dinâmica climática do município de Jataí GO. E ainda, estudar o comportamento dos elementos do clima em uma dada série histórica e a distribuição espacial e sazonal destes elementos: temperatura, precipitação e balanço hídrico do solo. O trabalho pretende alcançar resultados que, por meio do estudo da dinâmica climática, seja possível fornecer subsídios e informações sobre as influências do clima no município, com foco principal na área da agricultura, de forma a evitar riscos de perdas ou baixo rendimento da produção agrícola relacionado a eventos climáticos, podendo inclusive auxiliar no aumento da produtividade. Dessa forma, é possível contribuir para o melhor desenvolvimento da área em questão. METODOLOGIA A partir da obtenção dos dados climatológicos (temperatura e precipitação) de uma Estação Climatológica Automática ou Convencional é possível elaborar um gráfico chamado Climograma. Para a confecção do mesmo e, posteriormente realizar a classificação climática, as análises foram realizadas a partir dos dados de precipitação da Estação (Pombal) pertencente à Agência Nacional das Águas (ANA), instalada no município de Jataí - GO, 3

4 considerando uma série histórica de 31 anos (1979 a 2009). Para a tabulação desses dados foi utilizado a ferramenta Microsoft Excel Seguindo a sugestão de J. O. Ayoade para a classificação de um determinado clima ele considera que:...clima é a síntese do tempo num dado lugar durante um período de aproximadamente anos. O clima, portanto, refere-se às características da atmosfera, inferidas de observações contínuas durante um longo período. O clima abrange um maior número de dados do que as condições médias do tempo em uma determinada área. Ele inclui considerações dos desvios em relação às médias (isto é, variabilidade), condições extremas, e as probabilidades de ocorrência de determinadas condições de tempo. (AYOADE, 1991, p.2) Para a obtenção dos dados de temperatura média foi utilizado os dados de altitude, longitude e latitude do município de Jataí- GO, fazendo a utilização de uma fórmula de regressão desenvolvida no Laboratório de Climatologia e Recursos Hídricos da UFU, para obter a temperatura estimada. Para realizar a análise do excedente hídrico e da deficiência hídrica foram feitos balanços hídricos de todos os meses dos anos de 1979 a 2009, utilizando os dados da Estação citada acima ( Pombal) a partir das estimativas médias de temperaturas e considerando a capacidade de água disponível (CAD) nos solos de 100 mm como padrão para todos os anos do período. Este cálculo somente se tornou possível graças à teoria e método desenvolvidos por Thornthwaite e Mater (1995), cuja adaptação foi feita e disponibilizada por meio de uma planilha do Microsoft Excel por Rolim e Sentelhas (1999). ANÁLISE CLIMÁTICA Por meio do Climograma (Gráfico 1), ferramenta utilizada para a melhor visualização e interpretação dos dados de temperatura e precipitação, nota-se a relação entre os períodos chuvosos com as altas temperaturas, e os períodos de ocorrência de baixas temperaturas e estiagem na região, sendo assim o Climograma é uma ferramenta bastante útil para identificação das variáveis climáticas de uma determinada região. Observando o Climograma e as Alturas Pluviométricas do município (Tabela 2) é possível perceber a existência de duas estações bem definidas. São seis meses de verão quente e chuvoso, que abrange os meses de Outubro a Março, e seis meses de inverno seco e ameno, que compreende os meses de Abril a Setembro. No verão, a temperatura média é 4

5 de 25ºC, o mês mais quente registrado no Climograma foi o de Outubro com 27 C. Quanto às chuvas de verão a precipitação média (medida em milímetros) é de aproximadamente 300 mm. Os meses mais chuvosos são Novembro, Dezembro e Janeiro com somatório de 740 mm, o que corresponde a 46% da precipitação de todo o ano. O mês mais chuvoso no período analisado (1979 a 2009) foi Janeiro, com média de 277 mm. Gráfico 1: Climograma do Município de Jataí- GO Fonte: Laboratório de Climatologia e Recursos Hídricos e ANA (2010) Organizado por: SILVA, N. R. Junho de 2010 No período seco do ano (Abril a Setembro) possui uma temperatura média de 23 C. O mês com temperatura mais baixa registrado foi Junho com 20,3 C. Neste período a média pluviométrica é de 44,9 mm, sendo o mês de Julho com o mais baixo índice pluviométrico: média de 10,7mm. Durante o inverno, estão os três meses mais secos: Junho, Julho e Agosto, juntos somam cerca de 49 mm, ou seja, representam apenas 3% das chuvas de todo o ano. Tabela 2: Alturas Pluviométricas Mensais - Jataí (GO) Período de 1979 a Precipitação em milímetros (mm) Ano/Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Total ,1 154,8 170, ,2 32,4 105,4 28,8 288,8 289,3 1551,0 5

6 ,1 233, ,4 52,4 18,5 2,2 21,6 91,4 86,7 166,8 231,7 1450, , ,4 94,8 5,4 44,2 0 3, ,4 204,2 419,9 1464, ,9 105,2 303, ,4 13,6 55,4 113,6 135,2 229, , ,4 227,6 140,7 207,3 47,4 4,5 32,2 0 72,8 160,9 215,5 396,6 1838, ,6 190,2 173,1 33, ,2 30,2 149,1 153, , , ,2 133,4 5 7,4 13,2 4,2 10,9 91,8 173,6 66,2 1453, ,6 231,5 158,2 67, , ,1 85,8 137,1 411,7 1597, ,3 231,3 206,8 175,2 16,5 59 2,2 10,2 27,6 178,2 199,2 182,3 1489, ,3 352,3 226,6 230,3 34,1 0, ,6 139,2 95,6 324,5 1557, ,2 317,9 358,1 32,8 50,2 34, ,4 151,4 121,8 294,4 526,7 2313, ,4 202,2 102,5 134,7 54,3 11,5 21,7 53,1 83,4 263,4 138,6 169,5 1407, ,5 347, , ,4 172,3 143,6 112,2 1648, ,3 247,6 394,2 252,3 34,8 0 3,1 8,7 148,5 169,4 319,7 142,9 2047, ,3 302,2 300, , ,7 195, ,8 380,2 1767, ,3 119,2 236,3 5,1 22, ,1 10, ,7 244,4 1319, ,2 205,1 81,3 63,1 30, ,6 169,4 178,3 133,3 1457, ,1 176,7 122,8 40,9 26,2 0 6,3 85,3 132,9 388,1 262,2 1737, ,9 138,1 205,9 53,9 80,7 127, ,7 161,9 169,5 91,3 1218, ,9 245,8 194,3 60,2 48, ,6 143,7 135,9 69, , ,6 143,8 145,7 17,5 74,5 0, ,1 49,9 185,4 227,1 1116, ,2 215,4 296,5 49,7 24,4 0 4,6 25, ,2 183,3 401,2 1522, , ,4 20,4 146,3 8,1 13,2 104,4 83, ,4-1487, ,4 310,6 318,7 3 34,7 0 46,4 29,1 86,8 56,3 149,7 158,5 1516, ,5 208,5 276,1 247,4 22, ,3 24,7 157, ,4 1887, ,1 239,1 97, ,6 10,1 40,2 8, ,6 192,9 395,4 1726, ,2 42,9 400, ,3 31,9 0 24,6 53,9 90,8 151,9 291,4 1602, ,2 308,8 446, , , ,8 304,4 305,6 1891, ,5 294,5 62,1 46,7 63,6 8,3 35, ,6 108,7 188,6 1378, ,5-22,9 0,0 0,0 22,3 18,5 39,2 171,4 179,8 770, ,9 523,0-90,0 13,6 32,6 10,9 10,5 153, ,7 295,8 1767,4 Média 277,1 225,1 242,0 102,8 44,8 16,8 10,7 21,1 72,5 127,7 197,6 264,8 1603,1 Fonte: Agência Nacional de Águas - Estação Jataí (Pombal) GO. Organizado por: SILVA, N.R. Junho de Conforme mostra a Tabela 2, a média pluviométrica do município de Jataí GO é de aproximadamente 1600 mm. No período analisado, o ano de 1989 obteve o maior índice pluviométrico com 2313 mm. O ano em que houve o menor índice pluviométrico foi de 1999 com registro de 1116 mm, considerando que houve registro de dados pluviométricos nos 12 meses daquele ano. No ano de 2008, houve registro de 770,6 mm de precipitação, porém existe uma ausência de dados nos meses de Janeiro, Fevereiro e Abril, o que não é possível obter o valor real precipitado naquele ano. Considerando a diversidade climática do território brasileiro e dos diferentes solos de cada bioma, o ato de plantar e cultivar são tarefas que exigem análises técnicas necessárias 6

7 para o sucesso do plantio e colheita. Assim, o reconhecimento da área a ser cultivada e a análise do balanço hídrico é extremamente necessário, pois é por meio desse procedimento que o agricultor saberá as condições hídricas do solo, se haverá déficit hídrico (falta de água no solo), ou excedente hídrico. Segundo o Centro Integrado de Informações Agrometereológicas o excedente hídrico é o excesso de água no solo o qual o mesmo não consegue reter. O balanço hídrico, como uma das análises realizadas para a classificação climática, consolida-se como grande importância para o conhecimento sobre as questões climáticas locais para o plantio. No cerrado Goiano, mais especificamente no município de Jataí, os períodos de maior deficiência hídrica são os períodos de estiagem. A seguir (Tabela 3), nota-se que os meses com maior deficiência hídrica têm inicio no mês de Abril, o qual possui uma média deficitária de 7,4 mm até o mês de Setembro o qual possui uma deficiência média de 29,4 mm. Em porcentagem, a maior probabilidade de deficiência hídrica ocorre no mês de Julho, com praticamente 100%. Isso significa que durante o período analisado (1979 a 2009), Julho foi o mês em que houve maior falta de água no solo. O trimestre composto por Junho, Julho e Agosto apresenta uma severa estiagem, com uma elevada deficiência hídrica, nesse período do ano a probabilidade de falta de água no solo varia de 93 a 100%. Tabela 3: Deficiência Hídrica no Município de Jataí (GO) Período de 1979 a 2009 Ano/Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez ,0 0,0 0,0 31,8 50,0 47,0 33,9 38,3 0,0 71,0 0,0 0, ,0 0,0 0,0 0,0 1,5 11,1 30,8 38,3 0,0 19,7 0,0 0, ,0 20,2 0,0 0,0 17,1 5,7 37,1 56,9 45,9 33,0 0,0 0, ,0 0,0 0,0 0,0 0,2 11,7 23,1 11,7 0,0 0,0 0,0 0, ,0 0,0 0,0 0,0 2,4 19,1 14,7 54,0 15,4 0,0 0,0 0, ,0 0,0 0,0 0,0 5,9 25,9 40,1 0,0 40,7 0,0 0,0 0, ,0 0,0 0,0 0,0 17,2 28,2 32,8 58,8 74,5 18,1 0,0 19, ,0 0,0 0,0 2,8 0,0 12,9 8,0 7,8 29,8 19,0 0,0 0, ,0 0,0 0,0 0,0 12,1 0,0 29,0 46,4 54,6 0,0 0,0 0, ,0 0,0 0,0 0,0 5,8 25,2 39,9 61,5 73,6 0,0 7,8 0, ,0 0,0 0,0 14,5 9,9 12,4 23,8 20,8 0,0 0,0 0,0 0, ,0 0,0 0,1 0,0 1,2 13,6 19,3 13,2 5,4 0,0 0,0 0, ,0 0,0 0,0 0,0 8,8 27,1 41,3 62,4 53,3 0,0 0,0 0, ,0 0,0 0,0 0,0 5,6 25,5 37,5 53,5 0,0 0,0 0,0 0, ,8 0,0 0,0 0,0 7,2 3,4 31,0 17,2 0,0 0,0 0,0 0,0 7

8 1994 0,0 0,0 0,0 28,8 31,5 35,9 41,2 58,4 85,9 0,0 0,0 0, ,0 0,0 0,0 0,5 0,9 6,6 29,1 54,3 0,0 0,0 0,0 0, ,0 0,0 0,0 0,0 3,9 10,3 33,2 51,7 4,9 0,0 0,0 0, ,0 0,0 0,0 6,4 0,0 0,0 13,8 44,1 49,1 0,0 0,0 1, ,0 0,0 0,0 4,5 7,4 30,5 42,8 27,4 0,0 0,0 9,0 0, ,0 0,0 0,0 21,9 0,0 33,0 44,5 64,6 19,5 57,8 0,0 0, ,0 0,0 0,0 7,8 21,6 37,8 43,2 42,6 0,0 51,6 0,0 0, ,0 0,0 0,0 20,4 0,0 9,6 30,3 44,3 0,0 19,3 0,0 0, ,0 0,0 0,0 30,0 23,1 43,2 9,4 38,9 4,0 50,6 0,0 0, ,0 0,0 0,0 0,0 9,7 29,0 42,0 43,9 60,7 0,0 0,0 0, ,0 0,0 0,5 0,0 0,2 11,2 7,9 41,2 75,6 0,0 0,0 0, ,0 14,5 0,0 4,1 0,5 8,3 32,4 36,2 31,1 17,4 0,0 0, ,0 0,0 0,0 0,0 4,6 24,5 39,3 57,1 38,1 0,0 0,0 0, ,0 0,0 8,7 22,0 3,9 32,8 17,2 63,4 79,9 0,0 0,0 0, ,4 81,5 0,0 31,8 32,2 44,9 51,3 47,8 70,2 70,3 0,0 0, ,0 0,0 41,3 1,3 42,0 18,9 41,0 58,4 0,0 0,0 0,0 0,0 MÉDIA 1,6 3,7 1,6 7,4 10,5 20,8 31,0 42,4 29,4 13,8 0,5 0,7 Meses com Defic Probab. Defic. (%) 6,5 9,7 12,9 48,4 87,1 93,5 100,0 96,8 64,5 35,5 6,5 6,5 Fonte: Agência Nacional de Águas. Organizado por: SILVA, N.R. Junho de Com os dados do excedente hídrico (Tabela 4), é possível identificar como os períodos com elevado índices pluviométricos tendem a ter excedentes hídricos. Nos meses compreendidos entre Dezembro e Março, a média do excedente hídrico varia entre 120 mm e 160 mm, ou seja, a probabilidade do excedente hídrico é de 87% a 93%, sendo Janeiro o mês de maior probabilidade de excedente hídrico com 156,7 mm (93%), o qual corresponde ao mês com maior índice de precipitação conforme pode ser observado no Gráfico 1 (Climograma) com média de índice pluviométrico de 277 mm. Tabela 4: Excedente Hídrico no Município de Jataí (GO) Período de 1979 a 2009 Ano/Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez ,0 52,7 63,2 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 90,4 178, ,0 131,7 31,0 19,5 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 96, ,3 0,0 85,6 2,9 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 2,7 308, ,8 3,1 196,6 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 101,5 126, ,3 125,5 33,7 115,4 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 73,6 285, ,9 59,5 83,2 81,2 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 9,2 116, ,2 58,9 243,2 41,5 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0, ,5 129,4 51,2 0,0 13,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 251, ,2 129,2 99,8 83,3 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 69,8 71, ,2 250,2 119,6 138,4 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 143, ,1 215,8 251,1 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 178,6 415, ,3 100,1 0,0 38,4 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 81,8 31,6 58, ,4 245,8 356,0 9,1 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 3,9 1, ,2 145,5 287,2 160,4 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 28,3 212,7 31, ,0 178,1 193,7 17,1 0,0 0,0 0,0 0,0 31,2 1,3 47,8 269,2 8

9 ,2 17,1 129,3 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 128, ,9 131,1 98,1 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 46,7 71,3 22, ,9 108,0 69,7 30,9 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 218,4 151, ,9 36,0 98,9 0,0 0,0 51,2 0,0 0,0 0,0 0,0 28,3 0, ,8 143,7 87,3 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 184, ,5 41,7 38,7 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 98, ,1 113,3 189,5 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 274, ,5 108,9 29,4 0,0 25,1 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 90,8 160, ,7 208,5 211,7 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0, ,4 106,4 169,1 155,5 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 87,8 202, ,0 137,0 0,0 82,7 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 77,3 284, ,1 0,0 249,1 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 136, ,1 206,7 339,7 35,1 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 184,2 194, ,5 192,4 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0, ,0 0,0 121,2 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 34, ,8 420,9 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 72,6 166,7 184,8 MÉDIA 156,7 122,5 126,7 32,6 1,2 1,7 0,0 0,0 1,0 7,4 56,3 142,3 Meses com Exced Probab Exced (%) 93,5 90,3 87,1 48,4 6,5 3, , ,3 87,1 Fonte: Agência Nacional de Águas. Organizado por: SILVA, N.R. Junho de RESULTADOS A partir das análises feitas neste trabalho nota-se que o conhecimento sobre a dinâmica climática da região a ser cultivada é de extrema importância para o desenvolvimento da agricultura, não só na região do bioma de cerrado brasileiro, mas em qualquer região do território que vise o plantio. No caso especifico do município de Jataí os dados climatológicos obtidos em campo como a leitura das precipitações auxiliam no planejamento do cultivo, tendo em vista os severos períodos de estiagem e deficiência hídrica, que correspondem aos meses de Abril à Setembro, em que o uso de técnicas modernas de irrigação são indispensáveis, já em relação ao período que compreende os meses de Dezembro a Março, o clima da região apresenta uma boa oferta hídrica, registrando excedente nestes períodos. Os fatores climáticos não foram limitantes para o desenvolvimento da agricultura local já que existe a utilização de tecnologias para aprimorar o processo de irrigação e o rendimento do plantio e colheitas. BIBLIOGRAFIA 9

10 AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS (ANA). Disponível em: Acesso em: 10 de abril de ANDRADE. M, C, N; VANZELA, L, S. Manejo da Irrigação Via Solo. Disponível em: Acesso em: 10 de maio de AYOADE, J. O. Introdução à climatologia para os trópicos; tradução de Maria Juraci Zani dos santos. 6ª edição. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, p CENTRO INTEGRADO DE INFORMAÇÕES AGROMETEREOLOGICAS. Balanço Hídrico. Disponível em: < Acesso em: 10 de maio de Prefeitura de Jataí - GO. Disponível em: < Acesso em: 15 de abril de IBGE, Disponível em: < Acesso em: 15 de abril de THORNTWAIRE, C. W.; MATHER, J. R. The water balance. Centertorn, N. J: Drexel Institute of Technology p. 10

Alturas mensais de precipitação (mm)

Alturas mensais de precipitação (mm) Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos AGUASPARANÁ - Instituto das Águas do Paraná Sistema de Informações Hidrológicas - SIH Alturas mensais de precipitação (mm) Estação: Município: Tipo: Altitude:

Leia mais

Boletim Agrometeorológico

Boletim Agrometeorológico 1 Boletim Agrometeorológico Início da 1 a safra 2016/2017 em Mato Grosso Cornélio Alberto Zolin, Embrapa Agrossilvipastoril, cornelio.zolin@embrapa.br Jorge Lulu, Embrapa Agrossilvipastoril, jorge.lulu@embrapa.br

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM ANGRA DOS REIS - RJ

CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM ANGRA DOS REIS - RJ CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM ANGRA DOS REIS - RJ Célia Maria Paiva (1); Gisele dos Santos Alves; Mônica Carneiro Alves Xavier (1) Profª. do Departamento de Meteorologia da UFRJ-Ms E-mail:

Leia mais

ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA

ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA 1. Definição; 2. Antecedentes; 3. Elaboração; 4. Metodologia; 5. Utilidade; Departamento de Gestão de Risco Rural Coordenação-Geral de Zoneamento Agropecuário

Leia mais

ANÁLISE DAS CONDIÇÕES CLIMÁTICAS NO MUNICÍPIO DE ITURAMA-MG

ANÁLISE DAS CONDIÇÕES CLIMÁTICAS NO MUNICÍPIO DE ITURAMA-MG UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA 4ª Semana do Servidor e 5ª Semana Acadêmica 2008 UFU 30 anos ANÁLISE DAS CONDIÇÕES CLIMÁTICAS NO MUNICÍPIO DE ITURAMA-MG Raffaella Fernandes Borges 1 Universidade Federal

Leia mais

Climatologia da Precipitação no Município de Igarapé-Açu, PA. Período:

Climatologia da Precipitação no Município de Igarapé-Açu, PA. Período: Climatologia da Precipitação no Município de Igarapé-Açu, PA. Período: 1995-2009. Adriana Hellen Ferreira Cordeiro¹, Nilza Araújo Pachêco², Alailson Venceslau Santiago³. 1. Graduanda de Meteorologia da

Leia mais

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO E DO NÚMERO DE DIAS DE CHUVA NO MUNICÍPIO DE PETROLINA - PE

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO E DO NÚMERO DE DIAS DE CHUVA NO MUNICÍPIO DE PETROLINA - PE CAPTAÇÃO E MANEJO DE ÁGUA DE CHUVA PARA SUSTENTABILIDADE DE ÁREAS RURAIS E URBANAS TECNOLOGIAS E CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA TERESINA, PI, DE 11 A 14 DE JULHO DE 2 ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO E DO NÚMERO DE DIAS

Leia mais

Nome do Sítio Experimental: Cruz Alta. Localização e Mapas do Sítio Experimental: Latitude: Longitude: Altitude: 432 m

Nome do Sítio Experimental: Cruz Alta. Localização e Mapas do Sítio Experimental: Latitude: Longitude: Altitude: 432 m Nome do Sítio Experimental: Cruz Alta Localização e Mapas do Sítio Experimental: Latitude: -28.6036 Longitude: -53.6736 Altitude: 432 m Rio Grande do Sul torre Cruz Alta torre DESCRIÇÃO: Descrição Geral:

Leia mais

INFLUÊNCIA DO EL NIÑO-OSCILAÇÃO SUL (ENOS) NOS REGIMES PLUVIOMÉTRICO E TÉRMICO NA ILHA DE SÃO LUIS, MA RESUMO 1. INTRODUÇÃO

INFLUÊNCIA DO EL NIÑO-OSCILAÇÃO SUL (ENOS) NOS REGIMES PLUVIOMÉTRICO E TÉRMICO NA ILHA DE SÃO LUIS, MA RESUMO 1. INTRODUÇÃO INFLUÊNCIA DO EL NIÑO-OSCILAÇÃO SUL (ENOS) NOS REGIMES PLUVIOMÉTRICO E TÉRMICO NA ILHA DE SÃO LUIS, MA 1 Gunter de Azevedo Reschke 2 Ronaldo Haroldo N. de Menezes 3 Alan de Castro Leite RESUMO Entre as

Leia mais

LSPA. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. Dezembro de Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil

LSPA. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. Dezembro de Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária Gerência de Agricultura LSPA Dezembro de 2013 Levantamento Sistemático da Produção Agrícola Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas

Leia mais

FLUTUAÇÃO DA PRECIPITAÇÃO EM ALAGOA NOVA, PARAÍBA, EM ANOS DE EL NIÑO

FLUTUAÇÃO DA PRECIPITAÇÃO EM ALAGOA NOVA, PARAÍBA, EM ANOS DE EL NIÑO FLUTUAÇÃO DA PRECIPITAÇÃO EM ALAGOA NOVA, PARAÍBA, EM ANOS DE EL NIÑO Vicente de Paulo Rodrigues da Silva 1 ; Raimundo Mainar de Medeiros 2 ; Manoel Francisco Gomes Filho 1 1 Prof. Dr. Unidade Acadêmica

Leia mais

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA E DO NÚMERO DE DIAS COM CHUVA EM CALÇOENE LOCALIZADO NO SETOR COSTEIRO DO AMAPÁ

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA E DO NÚMERO DE DIAS COM CHUVA EM CALÇOENE LOCALIZADO NO SETOR COSTEIRO DO AMAPÁ ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA E DO NÚMERO DE DIAS COM CHUVA EM CALÇOENE LOCALIZADO NO SETOR COSTEIRO DO AMAPÁ Leidiane L. Oliveira¹, Daniel G. Neves¹, Alan C. Cunha², Edmir S. Jesus², Jonathan

Leia mais

1 - INTRODUÇÃO 2 - METODOLOGIA

1 - INTRODUÇÃO 2 - METODOLOGIA SUMÁRIO 1. Introdução... 2 2. Metodologia... 2 3. Estimativa da Área Plantada... 3 4. Estimativa da Produção... 3 5. Avaliação das Culturas... 4 5.1 Algodão... 4 5.2 Arroz... 4 5.3 Feijão... 5 5.4 Milho...

Leia mais

PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE TELES PIRES

PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE TELES PIRES PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE TELES PIRES P.10 PROGRAMA DE MONITORAMENTO CLIMATOLÓGICO Parecer Técnico EQUIPE TÉCNICA RESPONSÁVEL PELO DESENVOLVIMENTO DAS ATIVIDADES DO PROGRAMA INTEGRANTES CONSELHO CTF

Leia mais

Impurezas e Qualidade de Cana-de-Açúcar

Impurezas e Qualidade de Cana-de-Açúcar Impurezas e Qualidade de Cana-de-Açúcar Levantamento dos níveis de impurezas nas últimas safras Luiz Antonio Dias Paes 12 de Maio de 2011 Dados Gerais da Safra 10/11 Impurezas Evolução Indicadores Impurezas

Leia mais

CC54Z - Hidrologia. Precipitação: definição, métodos de medição e grandezas características. Universidade Tecnológica Federal do Paraná

CC54Z - Hidrologia. Precipitação: definição, métodos de medição e grandezas características. Universidade Tecnológica Federal do Paraná Universidade Tecnológica Federal do Paraná CC54Z - Hidrologia Precipitação: definição, métodos de medição e grandezas características Prof. Fernando Andrade Curitiba, 2014 Objetivos da aula Definir a importância

Leia mais

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO NA REGIÃO DO SUB-MÉDIO SÃO FRANCISCO EM EVENTOS CLIMÁTICOS DE EL NIÑO E LA NIÑA

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO NA REGIÃO DO SUB-MÉDIO SÃO FRANCISCO EM EVENTOS CLIMÁTICOS DE EL NIÑO E LA NIÑA ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO NA REGIÃO DO SUB-MÉDIO SÃO FRANCISCO EM EVENTOS CLIMÁTICOS DE EL NIÑO E LA NIÑA. Ana Paula Lima Marques da Silva 1 ; Otto Corrêa Rotunno Filho 2 ; Isimar de Azevedo Santos 3, Cláudio

Leia mais

BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS PARA O ESTADO DO PIAUÍ

BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS PARA O ESTADO DO PIAUÍ BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS PARA O ESTADO DO PIAUÍ Teresina - PI Dezembro(2015)/Janeiro(2016)/Fevereiro(2016) Rua 13 de Maio, 307, 4º, 5º e 6º Andar Centro CEP 64.001-150 - www.semar.pi.gov.br Teresina

Leia mais

OFERTA E FLUTUAÇÃO DOS PREÇOS DO ABACAXI EM RIO BRANCO/AC

OFERTA E FLUTUAÇÃO DOS PREÇOS DO ABACAXI EM RIO BRANCO/AC OFERTA E FLUTUAÇÃO DOS PREÇOS DO ABACAXI EM RIO BRANCO/AC Romeu de Carvalho Andrade Neto 1, D. Sc; João Ricardo de Oliveira, M. Sc 2 ; Paulo Sérgio Braña Muniz 2, Eng. Agr.º; Ueliton Oliveira de Almeida

Leia mais

BALANÇO HÍDRICO COMO PLANEJAMENTO AGROPECUÁRIO PARA CIDADE DE POMBAL PB, BRASIL

BALANÇO HÍDRICO COMO PLANEJAMENTO AGROPECUÁRIO PARA CIDADE DE POMBAL PB, BRASIL BALANÇO HÍDRICO COMO PLANEJAMENTO AGROPECUÁRIO PARA CIDADE DE POMBAL PB, BRASIL Flaviano Moura Pereira¹; Joelma Viera do Nascimento Duarte²; Jonas da Silva Dias³; Gilberto Campos de Araújo Filho 4. ¹ Mestrando

Leia mais

Localização : em áreas de baixas latitudes, ao longo da linha equatorial.

Localização : em áreas de baixas latitudes, ao longo da linha equatorial. Curso Completo Professor João Felipe Geografia Tipos de Clima No Brasil e no Mundo CLIMA EQUATORIAL Localização : em áreas de baixas latitudes, ao longo da linha equatorial. 1 Apresentam baixas pressões

Leia mais

ESTUDO DA PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA NO MUNICÍPIO DE CAMPINAS DO PIAUÍ

ESTUDO DA PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA NO MUNICÍPIO DE CAMPINAS DO PIAUÍ ESTUDO DA PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA NO MUNICÍPIO DE CAMPINAS DO PIAUÍ Medeiros, R.M. (1) ; Santos, D.C. (1) ; Correia, D. S, (1) ; Oliveira, V.G (1) ; Rafael, A. R. (1) mainarmedeiros@gmail.com (1) Universidade

Leia mais

UNIDADE DE CONSERVAÇÃO E ZONA DE AMORTECIMENTO

UNIDADE DE CONSERVAÇÃO E ZONA DE AMORTECIMENTO ANEXO 5.2 - CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DO PNSB E DA ZONA DE AMORTECIMENTO A 5.2.1 REGIME PLUVIOMÉTRICO O regime pluviométrico das áreas do PNSB e de sua Zona de Amortecimento foi avaliado com base nos dados

Leia mais

ANÁLISE DO PREÇO DO MILHO ENTRE OS ANOS DE 2005 A 2014

ANÁLISE DO PREÇO DO MILHO ENTRE OS ANOS DE 2005 A 2014 ANÁLISE DO PREÇO DO MILHO ENTRE OS ANOS DE 2005 A 2014 Lázaro Eduardo Faraoni¹, Fabio Bechelli Tonin² ¹Discente do curso de Tecnologia em Agronegócio- FATEC Botucatu edufaraoni@gmail.com ² Prof. Dr. Faculdade

Leia mais

Boletim Climatológico Sazonal Verão 2015

Boletim Climatológico Sazonal Verão 2015 ISSN 2183-1084 Resumo Boletim Climatológico Sazonal Verão 2015 O verão 2015 (junho, julho, agosto) em Portugal Continental foi caracterizado por valores da temperatura média do ar superiores ao valor normal

Leia mais

Balanço Hídrico SEGUNDO THORNTHWAITE E MATHER, 1955

Balanço Hídrico SEGUNDO THORNTHWAITE E MATHER, 1955 Meteorologia e Climatologia - Aula - Balanço Hídrico SEGUNDO THORNTHWAITE E MATHER, 1955 Capitulo 12 e 13 do PEREIRA, A.R.; ANGELOCCI, L.R.; SENTELHAS, P.C. Agrometeorologia: fundamentos e aplicações práticas.

Leia mais

MODELAÇÃO MATEMÁTICA DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS DA REGIÃO DE MOURA

MODELAÇÃO MATEMÁTICA DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS DA REGIÃO DE MOURA 7 CLIMA 7.1 Introdução Para a caracterização do clima de uma região, no que respeita à água, uma das técnicas correntemente utilizadas consiste na realização do balanço sequencial mensal da água no solo.

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO CENTRO DE ESTUDOS SUPERIORES DE IMPERATRIZ

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO CENTRO DE ESTUDOS SUPERIORES DE IMPERATRIZ UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO CENTRO DE ESTUDOS SUPERIORES DE IMPERATRIZ Disciplina: 2E321 - METEOOROLOGIA E CLIMATOLOGIA CONCEITOS INICIAIS Professor: Luiz Carlos A. dos Santos Tempo atmosférico ou

Leia mais

MENSURAÇÃO DA TEMPERATURA E DAS CHUVAS UTILIZANDO INSTRUMENTOS ALTERNATIVOS, NA CIDADE DE JATAÍ-GO

MENSURAÇÃO DA TEMPERATURA E DAS CHUVAS UTILIZANDO INSTRUMENTOS ALTERNATIVOS, NA CIDADE DE JATAÍ-GO MENSURAÇÃO DA TEMPERATURA E DAS CHUVAS UTILIZANDO INSTRUMENTOS ALTERNATIVOS, NA CIDADE DE JATAÍ-GO José Ricardo Rodrigues Rocha 1, Francielle Francisca Souza Silva 2, Danilo Ferreira Rezende 3, Hildeu

Leia mais

XII Congresso Brasileiro de Meteorologia, Foz de Iguaçu-PR,2002 ANÁLISE DAS CONDIÇÕES CLIMÁTICAS DA REGIÃO DE CASCAVEL/PR

XII Congresso Brasileiro de Meteorologia, Foz de Iguaçu-PR,2002 ANÁLISE DAS CONDIÇÕES CLIMÁTICAS DA REGIÃO DE CASCAVEL/PR ANÁLISE DAS CONDIÇÕES CLIMÁTICAS DA REGIÃO DE CASCAVEL/PR Ranieri Carlos F. Amorim Universidade Estadual do Oeste do Paraná Mestrando em Engenharia Agrícola / Cascavel PR rcfamorim@unioeste.br Dr. Reinaldo

Leia mais

Com base nos pontos foram determinadas direções intermediárias, conhecidas como. pontos : nordeste (NE), (NO), sudeste (SE) e (SO).

Com base nos pontos foram determinadas direções intermediárias, conhecidas como. pontos : nordeste (NE), (NO), sudeste (SE) e (SO). PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= 01- Complete as

Leia mais

Clima, Vegetações e Impactos

Clima, Vegetações e Impactos Clima, Vegetações e Impactos 1. Observe o climograma de uma cidade brasileira e considere as afirmativas relacionadas a este. I. O clima representado é denominado equatorial, em cuja área está presente

Leia mais

Soja Análise da Conjuntura Agropecuária MUNDO SAFRA 2014/15

Soja Análise da Conjuntura Agropecuária MUNDO SAFRA 2014/15 Soja Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro de 2014 MUNDO SAFRA 2014/15 Devido ao aumento das cotações nas últimas safras, principalmente na comparação com o milho, o cultivo da soja vem aumentando

Leia mais

XXX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO Eficiência nas cadeias produtivas e o abastecimento global

XXX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO Eficiência nas cadeias produtivas e o abastecimento global XXX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO Eficiência nas cadeias produtivas e o abastecimento global Fatores de correção para a evapotranspiração de referência estimada para uso no software IrrigaFácil Paulo

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS ÍNDICES TÉRMICOS E PLUVIOMÉTRICOS NO SEMIÁRIDO PERNAMBUCANO: O CASO DO MUNICÍPIO DE PETROLINA- PERNAMBUCO-BRASIL

CARACTERIZAÇÃO DOS ÍNDICES TÉRMICOS E PLUVIOMÉTRICOS NO SEMIÁRIDO PERNAMBUCANO: O CASO DO MUNICÍPIO DE PETROLINA- PERNAMBUCO-BRASIL CARACTERIZAÇÃO DOS ÍNDICES TÉRMICOS E PLUVIOMÉTRICOS NO SEMIÁRIDO PERNAMBUCANO: O CASO DO MUNICÍPIO DE PETROLINA- PERNAMBUCO-BRASIL Maria do Carmo Gomes Medeiros 1 ; Tamiris Aquino do Nascimento 2 ; Edson

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS CHUVAS NA BACIA DO RIO ARAGUARI (MG) Washington Luiz Assunção 1 Jorge Luís Silva Brito 2 Dayane Zandonadi Soares 3

DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS CHUVAS NA BACIA DO RIO ARAGUARI (MG) Washington Luiz Assunção 1 Jorge Luís Silva Brito 2 Dayane Zandonadi Soares 3 DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS CHUVAS NA BACIA DO RIO ARAGUARI (MG) (Texto publicado no VII Simpósio Brasileiro de Climatologia Geográfica Rondonópolis/MT Agosto de 2006) Washington Luiz Assunção 1 Jorge Luís

Leia mais

BOLETIM CLIMÁTICO PARA O PARANÁ OUTONO 2015

BOLETIM CLIMÁTICO PARA O PARANÁ OUTONO 2015 1. Características da estação BOLETIM CLIMÁTICO PARA O PARANÁ OUTONO 2015 O outono tem início em 20 de março às 19 h e 45 min e término em 21 de junho às 13 h e 38 min. Esta estação é marcada por forte

Leia mais

Geografia. Climas Do Brasil. Professor Luciano Teixeira.

Geografia. Climas Do Brasil. Professor Luciano Teixeira. Geografia Climas Do Brasil Professor Luciano Teixeira www.acasadoconcurseiro.com.br Geografia CLIMAS DO BRASIL Tempo x Clima Tempo meteorológico estado momentâneo da atmosfera. Clima sucessão habitual

Leia mais

CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DA SUB-BACIA HIDROGRAFICA DO CÓRREGO DO CERRADÃO

CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DA SUB-BACIA HIDROGRAFICA DO CÓRREGO DO CERRADÃO CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DA SUB-BACIA HIDROGRAFICA DO CÓRREGO DO CERRADÃO FLORÊNCIO, Ágatha Cristine 1 ; VALE, Monnike Yasmin Rodrigues do ²; MORAIS Welmys Magno de³,paula, Heber Martins de 4 Palavras chave:

Leia mais

V Workshop em Modelagem Numérica de tempo e clima em mesoescala utilizando o Modelo Eta: Aspectos físicos e numéricos

V Workshop em Modelagem Numérica de tempo e clima em mesoescala utilizando o Modelo Eta: Aspectos físicos e numéricos V Workshop em Modelagem Numérica de tempo e clima em mesoescala utilizando o Modelo Eta: Aspectos físicos e numéricos V WORKETA Aplicações em Agricultura São José dos Campos 03 a 08/Abril 2016 Escala temporal

Leia mais

RENDIMENTO DE FRUTOS DE CAFEEIROS, NA 1ª SAFRA, SOB EFEITO DO DÉFICIT HÍDRICO DE JAN-MAR DE EXEMPLO DE PROPRIEDADE NO SUL DE MINAS.

RENDIMENTO DE FRUTOS DE CAFEEIROS, NA 1ª SAFRA, SOB EFEITO DO DÉFICIT HÍDRICO DE JAN-MAR DE EXEMPLO DE PROPRIEDADE NO SUL DE MINAS. RENDIMENTO DE FRUTOS DE CAFEEIROS, NA 1ª SAFRA, SOB EFEITO DO DÉFICIT HÍDRICO DE JAN-MAR DE 2014 - EXEMPLO DE PROPRIEDADE NO SUL DE MINAS. J.B. Matiello Eng Agr Fundação Procafé e J. Renato Dias e Lucas

Leia mais

Boletim Climatológico Anual - Ano 2009

Boletim Climatológico Anual - Ano 2009 Boletim Climatológico Anual - Ano 2009 CONTEÚDOS IM 01 Resumo Anual 04 Caracterização Climática Anual 04 Temperatura do Ar 07 Precipitação 09 Factos e Fenómenos Relevantes RESUMO ANUAL Temperatura em 2009

Leia mais

Dr. Mário Jorge de Souza Gonçalves

Dr. Mário Jorge de Souza Gonçalves Avaliação Qualitativa da Porosidade /Permeabilidade de Aquíferos em Função da Dinâmica Sazonal das Precipitações e das Vazões na Bacia Hidrográfica do Rio Verde-BA. Dr. Mário Jorge de Souza Gonçalves Novembro

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO CLIMÁTICA

CLASSIFICAÇÃO CLIMÁTICA CLASSIFICAÇÃO CLIMÁTICA -A CLASSIFICAÇÃO CLIMÁTICA OBJETIVA CARACTERIZAR EM UMA GRANDE ÁREA OU REGIÃO, ZONAS COM CARACTERÍSTICAS CLIMÁTICAS E BIOGEOGRÁFICAS RELATIVAMENTE HOMOGÊNEAS. -ESSA CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

SUBTROPICAL (SÃO GABRIEL - RS)

SUBTROPICAL (SÃO GABRIEL - RS) PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= 01- Analise as imagens.

Leia mais

Introdução. A importância da compreensão dos fenômenos meteorologicos Grande volume de dados

Introdução. A importância da compreensão dos fenômenos meteorologicos Grande volume de dados Introdução A importância da compreensão dos fenômenos meteorologicos Grande volume de dados Estações meteorológicas Imagens de satélite Radar Aeronaves, navios e bóias oceânicas Necessidade de rapidez

Leia mais

BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS PARA O ESTADO DO PIAUÍ

BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS PARA O ESTADO DO PIAUÍ BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS PARA O ESTADO DO PIAUÍ Teresina - PI Janeiro/Fevereiro/Março (2016) Rua 13 de Maio, 307, 4º, 5º e 6º Andar Centro CEP 64.001-150 - www.semar.pi.gov.br Teresina - PI TELEFONE:

Leia mais

Superintendência Regional do Rio Grande do Norte Gerência de Operações e de Suporte Estratégico Setor de Apoio à Logística e Gestão da Oferta

Superintendência Regional do Rio Grande do Norte Gerência de Operações e de Suporte Estratégico Setor de Apoio à Logística e Gestão da Oferta Superintendência Regional do Rio Grande do Norte Gerência de Operações e de Suporte Estratégico Setor de Apoio à Logística e Gestão da Oferta LEVANTAMENTO DE AVALIAÇÃO DE SAFRA DE GRÃOS E ALGODÃO EM CAROÇO

Leia mais

Dimensionamento Preliminar de Reservatório de Águas Pluviais para o Prédio do Instituto de Recursos Naturais (Irn- Unifei) 1

Dimensionamento Preliminar de Reservatório de Águas Pluviais para o Prédio do Instituto de Recursos Naturais (Irn- Unifei) 1 Dimensionamento Preliminar de Reservatório de Águas Pluviais para o Prédio do Instituto de Recursos Naturais (Irn- Unifei) 1 Pedro Augusto da Costa Leite 2 e Ivan Felipe Silva dos Santos 3 1 Aceito para

Leia mais

AVALIAÇÃO DE VARIÁVEIS CLIMÁTICAS RELACIONADAS AO CULTIVO DA CANA-DE-AÇÚCAR NA REGIÃO DE ITUVERAVA - SP

AVALIAÇÃO DE VARIÁVEIS CLIMÁTICAS RELACIONADAS AO CULTIVO DA CANA-DE-AÇÚCAR NA REGIÃO DE ITUVERAVA - SP AVALIAÇÃO DE VARIÁVEIS CLIMÁTICAS RELACIONADAS AO CULTIVO DA CANA-DE-AÇÚCAR NA REGIÃO DE ITUVERAVA - SP 77 GARCIA, Anice 1 Recebido em: 2011-02-09 Aprovado em: 2011-09-26 ISSUE DOI: 10.3738/1982.2278.558

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E DURAÇÃO DAS ESTAÇÕES SECA E CHUVOSA NO TRIÂNGULO MINEIRO MG

CARACTERIZAÇÃO E DURAÇÃO DAS ESTAÇÕES SECA E CHUVOSA NO TRIÂNGULO MINEIRO MG CARACTERIZAÇÃO E DURAÇÃO DAS ESTAÇÕES SECA E CHUVOSA NO TRIÂNGULO MINEIRO MG Aline de Freitas Roldão Universidade Federal de Uberlândia alineroldao@yahoo.com.br Washington Luiz Assunção Universidade Federal

Leia mais

Relatório sobre a Avaliação de Safra de Grãos do RN 10º Levantamento da Safra Brasileira de Grãos Período: 20 a 24 de junho de 2016 Por telefone

Relatório sobre a Avaliação de Safra de Grãos do RN 10º Levantamento da Safra Brasileira de Grãos Período: 20 a 24 de junho de 2016 Por telefone Superintendência Regional do Rio Grande do Norte Sureg/RN Gerência de Operações e de Suporte Estratégicos (Geose) Setor de Apoio à Logística e Gestão da Oferta (Segeo) Relatório sobre a Avaliação de Safra

Leia mais

Ciclo diurno das chuvas intensas na Região Metropolitana de Belo Horizonte entre 2007 e 2010.

Ciclo diurno das chuvas intensas na Região Metropolitana de Belo Horizonte entre 2007 e 2010. Ciclo diurno das chuvas intensas na Região Metropolitana de Belo Horizonte entre e. Cora Carolina da Costa Munt Adma Raia Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais PUC Minas Centro de Climatologia

Leia mais

Characterization of Rainfall Patterns in the Projeto Rio Formoso Region in the Araguaia Basin, Tocantins State, Brazil

Characterization of Rainfall Patterns in the Projeto Rio Formoso Region in the Araguaia Basin, Tocantins State, Brazil CARACTERIZAÇÃO DO REGIME PLUVIOMÉTRICO DA Jair da Costa OLIVEIRA FILHO 1, Eder Soares PINTO 1, Luciano Marcelo Fallé SABOYA 1, Antonio José PERON 1, Gaspar F. CAETANO 2 RESUMO - A caracterização do regime

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO REGIME PLUVIOMÉTRICO NO MUNICÍPIO DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON - PR ENTRE OS ANOS 1941 A 2008

CARACTERIZAÇÃO DO REGIME PLUVIOMÉTRICO NO MUNICÍPIO DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON - PR ENTRE OS ANOS 1941 A 2008 CARACTERIZAÇÃO DO REGIME PLUVIOMÉTRICO NO MUNICÍPIO DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON - PR ENTRE OS ANOS 1941 A 2008 Karl Heins Ewald 1 Leila Limberger 2 Eixo temático: GESTÃO AMBIENTAL EM ZONA SUBTROPICAL RESUMO:

Leia mais

ANÁLISE TERMOPLUVIOMÉTRICA E BALANÇO HÍDRICO CLIMATOLÓGICO DOS DADOS DA ESTAÇÃO METEOROLÓGICA DO PEIXE TO

ANÁLISE TERMOPLUVIOMÉTRICA E BALANÇO HÍDRICO CLIMATOLÓGICO DOS DADOS DA ESTAÇÃO METEOROLÓGICA DO PEIXE TO ANÁLISE TERMOPLUVIOMÉTRICA E BALANÇO HÍDRICO CLIMATOLÓGICO DOS DADOS DA ESTAÇÃO METEOROLÓGICA DO PEIXE TO TATIANA DINIZ PRUDENTE 1 ALINE DE FREITAS ROLDÃO 2 ROBERTO ROSA 3 Resumo: O presente trabalho tem

Leia mais

3 CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA EM ESTUDO

3 CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA EM ESTUDO 3 CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA EM ESTUDO A caracterização da área em estudo, apresentada neste capítulo, inicia-se com uma descrição de sua localização, clima, vegetação, relevo, bem como aspectos referentes

Leia mais

CHUVAS EM Campo Grande MATO GROSSO DO SUL. NOVEMBRO e DEZEMBRO/2015 JANEIRO e FEVEREIRO/2016

CHUVAS EM Campo Grande MATO GROSSO DO SUL. NOVEMBRO e DEZEMBRO/2015 JANEIRO e FEVEREIRO/2016 CHUVAS EM Campo Grande MATO GROSSO DO SUL NOVEMBRO e DEZEMBRO/2015 JANEIRO e FEVEREIRO/2016 1. DESCRIÇÃO DOS DADOS Os dados desse documento são da Estação Meteorológica Automática EMA -, do Instituto Nacional

Leia mais

Escola Estadual Senador Filinto Müller. Tipos De Clima

Escola Estadual Senador Filinto Müller. Tipos De Clima Escola Estadual Senador Filinto Müller Tipos De Clima Trabalho De Geografia Tipos De Clima Nome: João Vitor, Wuanderson N:09, 23. Equatorial Clima quente e úmido durante o ano todo, em regiões localizadas

Leia mais

Levantamento de Custos de Produção de Cascavel PR

Levantamento de Custos de Produção de Cascavel PR Levantamento de Custos de Produção de Cascavel PR Os produtores de Cascavel se reuniram no dia 29/06, para realizar o levantamento de custos de produção de grãos para o projeto Campo Futuro, uma iniciativa

Leia mais

ESTUDO DA ALOCAÇÃO DE ÁGUA NO RIO SÃO FRANCISCO CONSIDERANDO A DEMANDA AMBIENTAL

ESTUDO DA ALOCAÇÃO DE ÁGUA NO RIO SÃO FRANCISCO CONSIDERANDO A DEMANDA AMBIENTAL ESTUDO DA ALOCAÇÃO DE ÁGUA NO RIO SÃO FRANCISCO CONSIDERANDO A DEMANDA AMBIENTAL Andrea Sousa Fontes Anderson Lima Aragão Yvonilde Dantas Pinto Medeiros Introdução Controle ar/ficial do fluxo x componentes

Leia mais

SOMAR METEOROLOGIA É BEM MELHOR SABER

SOMAR METEOROLOGIA É BEM MELHOR SABER SOMAR METEOROLOGIA É BEM MELHOR SABER CONDIÇÕES CLIMÁTICAS SAFRA 2014/15 MARCO ANTONIO DOS SANTOS ENGENHEIRO AGRÔNOMO MESTRE E DOUTORADO EM AGROMETEOROLOGIA marcoantonio@somarmeteorologia.com.br (19) 99763-1014

Leia mais

A EMPRESA TERRA E INFRAESTRUTURA

A EMPRESA TERRA E INFRAESTRUTURA A EMPRESA TERRA E INFRAESTRUTURA A FAZENDAS BRAZIL AGRONEGÓCIOS é uma empresa com mais de 15 anos no mercado do agronegócio brasileiro. Atualmente a FAZENDAS BRAZIL é possuidora de uma grande quantidade

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA INMET 5º DISME BELO HORIZONTE

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA INMET 5º DISME BELO HORIZONTE BOLETIM AGROMETEOROLÓGICO DE MAIO E PROGNÓSTICO CLIMÁTICO PARA O TRIMESTRE JUNHO, JULHO E AGOSTO DE 2011. I. DIAGNÓSTICO Maio foi um mês seco e com temperaturas amenas em Minas Gerais. As chuvas foram

Leia mais

ANÁLISE PRELIMINAR DO IMPACTO DO RESERVATÓRIO DE ITÁ NO CLIMA LOCAL. Maria Laura G. Rodrigues 1 Elaine Canônica 1,2

ANÁLISE PRELIMINAR DO IMPACTO DO RESERVATÓRIO DE ITÁ NO CLIMA LOCAL. Maria Laura G. Rodrigues 1 Elaine Canônica 1,2 ANÁLISE PRELIMINAR DO IMPACTO DO RESERVATÓRIO DE ITÁ NO CLIMA LOCAL Maria Laura G. Rodrigues 1 Elaine Canônica 1,2 RESUMO O presente trabalho investiga as possíveis alterações de precipitação e temperatura

Leia mais

09 a 11 de dezembro de 2015 Auditório da Universidade UNIT Aracaju - SE

09 a 11 de dezembro de 2015 Auditório da Universidade UNIT Aracaju - SE 09 a 11 de dezembro de 2015 Auditório da Universidade UNIT Aracaju - SE ESTUDO DO REGIME DAS PRECIPITAÇÕES MÁXIMAS E MÍNIMAS DAS ZONAS CLIMÁTICAS DO LITORAL E SEMIÁRIDO DO ESTADO DE SERGIPE Lucas dos Santos

Leia mais

CLIMAS DO BRASIL PROF. MSC. JOÃO PAULO NARDIN TAVARES

CLIMAS DO BRASIL PROF. MSC. JOÃO PAULO NARDIN TAVARES CLIMAS DO BRASIL PROF. MSC. JOÃO PAULO NARDIN TAVARES Introdução O Brasil é um país de dimensões continentais, e a tropicalidade é uma de suas principais características, como já vimos. Ainda que se estenda

Leia mais

Situação Atual e Projeção Hidrológica para o Sistema Cantareira

Situação Atual e Projeção Hidrológica para o Sistema Cantareira São José dos Campos, 02 de março de 2016 Situação Atual e Projeção Hidrológica para o Sistema Cantareira 1) Situação atual do Sistema Cantareira A precipitação acumulada durante a estação seca de abril

Leia mais

Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1:

Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1: IPH 110 Hidráulica e Hidrologia Aplicadas Exercícios de Hidrologia Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1: Tabela 1 Características

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA DINÂMICA CLIMÁTICA DA MICRORREGIÃO DO ENTORNO DO DISTRITO FEDERAL GOIÁS, BRASIL. 7 - Processos da Interação Sociedade-Natureza

CARACTERIZAÇÃO DA DINÂMICA CLIMÁTICA DA MICRORREGIÃO DO ENTORNO DO DISTRITO FEDERAL GOIÁS, BRASIL. 7 - Processos da Interação Sociedade-Natureza CARACTERIZAÇÃO DA DINÂMICA CLIMÁTICA DA MICRORREGIÃO DO ENTORNO DO DISTRITO FEDERAL GOIÁS, BRASIL G.R. BARBOSA 1., W. L. ASSUNÇÃO 2 1. Graduando do curso de Geografia/UFU, Uberlândia-MG bolsista FAPEMIG

Leia mais

ANÁLISE DA FREQUENCIA DA PRECIPITAÇÃO DIÁRIA NO MUNICÍPIO DE ÁGUIA BRANCA ES.

ANÁLISE DA FREQUENCIA DA PRECIPITAÇÃO DIÁRIA NO MUNICÍPIO DE ÁGUIA BRANCA ES. ANÁLISE DA FREQUENCIA DA PRECIPITAÇÃO DIÁRIA NO MUNICÍPIO DE ÁGUIA BRANCA ES. José Geraldo Ferreira da Silva 1, Hugo Ely dos Anjos Ramos 2, Gizella Carneiro Igreja 3, Aline Oliveira da Silva 4, Roziane

Leia mais

Características Climáticas da Primavera

Características Climáticas da Primavera Previsão Climática para a Primavera/2014 Data da Previsão: 17/09/2014 Duração da Primavera: 22/09/2014(23h29min) a 21/12/2014 (20h03min*) *Não acompanha o horário de verão Características Climáticas da

Leia mais

ARRANJOS ESPACIAIS NO CONSÓRCIO DA MANDIOCA COM MILHO E CAUPI EM PRESIDENTE TANCREDO NEVES, BAHIA INTRODUÇÃO

ARRANJOS ESPACIAIS NO CONSÓRCIO DA MANDIOCA COM MILHO E CAUPI EM PRESIDENTE TANCREDO NEVES, BAHIA INTRODUÇÃO ARRANJOS ESPACIAIS NO CONSÓRCIO DA MANDIOCA COM MILHO E CAUPI EM PRESIDENTE TANCREDO NEVES, BAHIA JAEVESON DA SILVA 1, JOSÉ RAIMUNDO FERREIRA FILHO 2 1 Eng. Agr., DSc., Pesquisador da Embrapa Mandioca

Leia mais

Fechamento dos Mercados Segunda-feira 07/11/16 granoeste.com.br (45) Atual Ant. Dif.

Fechamento dos Mercados Segunda-feira 07/11/16 granoeste.com.br (45) Atual Ant. Dif. COMPLEXO SOJA CBOT - Soja (U$/Bushel = 27,216) Máx Min NOV 989,25 981,50 7,75 992,00 981,75 JAN 998,50 990,75 7,75 1.001,75 990,00 MAR 1005,50 997,25 8,25 1.007,75 996,25 MAI 1012,25 1004,00 8,25 1.014,25

Leia mais

PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL

PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL DEZEMBRO/JANEIRO/FEVEREIRO 2015-2016 Cooperativa de Energia Elétrica e Desenvolvimento Rural NOVEMBRO/2015 Comunicado importante da Aquaeris Meteorologia Em novembro de 2015

Leia mais

Estudos dos impactos da agricultura na quantidade e qualidade da água no solo e nos rios

Estudos dos impactos da agricultura na quantidade e qualidade da água no solo e nos rios Estudos dos impactos da agricultura na quantidade e qualidade da água no solo e nos rios Universidade Federal de Santa Maria Professores: Jean P.G. Minella, José Miguel Reichert, Dalvan J. Reinert Universidade

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM VASSOURAS - RJ

CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM VASSOURAS - RJ CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM VASSOURAS - RJ Gisele dos Santos Alves (1); Célia Maria Paiva; Mônica Carneiro Alves Xavier (1) Aluna do curso de graduação em Meteorologia - UFRJ e-mail:

Leia mais

ESTIMATIVA DA EROSIVIDADE DA CHUVA NO PERÍODO DE NO MUNICÍPIO DE BANANEIRAS-PB COMO CONTRIBUIÇÃO A AGROPECUÁRIA

ESTIMATIVA DA EROSIVIDADE DA CHUVA NO PERÍODO DE NO MUNICÍPIO DE BANANEIRAS-PB COMO CONTRIBUIÇÃO A AGROPECUÁRIA ESTIMATIVA DA EROSIVIDADE DA CHUVA NO PERÍODO DE 1930-2010 NO MUNICÍPIO DE BANANEIRAS-PB COMO CONTRIBUIÇÃO A AGROPECUÁRIA Introdução Raimundo Mainar de Medeiros, Camilla Kassar Borges Lucílio José Vieira

Leia mais

PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL

PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL MARÇO/ABRIL/MAIO - 2016 Cooperativa de Energia Elétrica e Desenvolvimento Rural MARÇO/2016 El Niño 2015-2016 Observações recentes sobre a região do Oceano Pacífico Equatorial

Leia mais

Trimestre 2008: outubro, novembro e dezembro

Trimestre 2008: outubro, novembro e dezembro Trimestre 2008: outubro, novembro e dezembro Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Companhia Nacional de Abastecimento CONAB Diretoria de Logística e Gestão Empresarial DIGEM Superintendência

Leia mais

Capítulo 01 Método de Thornthwaite, 1948

Capítulo 01 Método de Thornthwaite, 1948 Capítulo 01 Método de Thornthwaite, 1948 Tanque para evaporaçao Classe A Varejao-Silva, 2005 1-1 SUMÁRIO Ordem Assunto 1.1 Introdução 1.2 Método de Thornthwaite, 1945 1.3 Conclusão 1.4 Bibliografia e livros

Leia mais

Figura 1 Distribuição espacial do índice de seca meteorológica em 31de Agosto e em 15 de Setembro de 2012.

Figura 1 Distribuição espacial do índice de seca meteorológica em 31de Agosto e em 15 de Setembro de 2012. Situação de Seca Meteorológica em 15 de setembro Contributo do Instituto de Meteorologia, I.P. para o Acompanhamento e Avaliação dos Efeitos da Seca 1. Situação Atual de Seca Meteorológica A situação de

Leia mais

TABELA DAS PRECIPITAÇÕES MENSAIS NO ESTADO DO PARÁ RELATÓRIO TÉCNICO

TABELA DAS PRECIPITAÇÕES MENSAIS NO ESTADO DO PARÁ RELATÓRIO TÉCNICO GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE RECURSOS HÍDRICOS TABELA DAS PRECIPITAÇÕES MENSAIS NO ESTADO DO PARÁ RELATÓRIO TÉCNICO Belém-PA 2013 1 TABELA DAS PRECIPITAÇÕES

Leia mais

Acompanhamento quinzenal da safra na região Centro-Sul

Acompanhamento quinzenal da safra na região Centro-Sul Acompanhamento quinzenal da safra na região Centro-Sul Posição até 16/11/2016 Informações adicionais Safra 2016/2017 1ª quinzena de novembro A moagem pelas unidades produtoras da região Centro-Sul atingiu

Leia mais

EROSIVIDADE DAS CHUVAS NA PORÇÃO NORTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO SANTO ANTÔNIO EM IPORÁ GOIÁS NO PERÍODO DE 2000 À 2008

EROSIVIDADE DAS CHUVAS NA PORÇÃO NORTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO SANTO ANTÔNIO EM IPORÁ GOIÁS NO PERÍODO DE 2000 À 2008 EROSIVIDADE DAS CHUVAS NA PORÇÃO NORTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO SANTO ANTÔNIO EM IPORÁ GOIÁS NO PERÍODO DE À 8 Leily Silva de Oliveira 1 ; Flávio Alves de Sousa. 1 Graduanda do Curso de Licenciatura

Leia mais

Universidade de São Paulo Departamento de Geografia FLG CLIMATOLOGIA I. Umidade do ar

Universidade de São Paulo Departamento de Geografia FLG CLIMATOLOGIA I. Umidade do ar Universidade de São Paulo Departamento de Geografia FLG 0253 - CLIMATOLOGIA I Umidade do ar Prof. Dr. Emerson Galvani Laboratório de Climatologia e Biogeografia LCB Umidade do ar A água é a única substância

Leia mais

Situação Atual e Projeção Hidrológica para o Sistema Cantareira

Situação Atual e Projeção Hidrológica para o Sistema Cantareira São José dos Campos, 18 de agosto de 2016. Situação Atual e Projeção Hidrológica para o Sistema Cantareira 1) Situação atual do Sistema Cantareira A precipitação média espacial, acumulada durante a estação

Leia mais

Lançamento Soja marca Pioneer no Sul do Brasil. Ricardo B. Zottis Ger. Produto RS/SC

Lançamento Soja marca Pioneer no Sul do Brasil. Ricardo B. Zottis Ger. Produto RS/SC Lançamento Soja marca Pioneer no Sul do Brasil Ricardo B. Zottis Ger. Produto RS/SC Agenda 1. Histórico Soja marca Pioneer 2. Pesquisa Soja Brasil 3. Qualidade das Sementes DuPont Pioneer 4. Cultivares

Leia mais

Duas dessas massas de ar são formadas nas proximidades do Equador:

Duas dessas massas de ar são formadas nas proximidades do Equador: GEOGRAFIA DO BRASIL Massas de ar Além da importância dos fatores climáticos estáticos (latitude e altitude), deve-se destacar também a atuação dos fatores dinâmicos sobre os climas encontrados no território

Leia mais

CULTIVARES DE ALGODOEIRO AVALIADAS EM DIFERENTES LOCAIS NO CERRADO DA BAHIA, SAFRA 2007/08 1. INTRODUÇÃO

CULTIVARES DE ALGODOEIRO AVALIADAS EM DIFERENTES LOCAIS NO CERRADO DA BAHIA, SAFRA 2007/08 1. INTRODUÇÃO Página 1481 CULTIVARES DE ALGODOEIRO AVALIADAS EM DIFERENTES LOCAIS NO CERRADO DA BAHIA, SAFRA 2007/08 1. Murilo Barros Pedrosa (Fundação Bahia / algodao@fundacaoba.com.br), Camilo de Lelis Morello (Embrapa

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

Características dos Solos Goianos

Características dos Solos Goianos Universidade do Estado de Mato Grosso Campus Universitário de Pontes e Lacerda Departamento de Zootecnia Disciplina: Geologia Docente: Prof. Dr. Eurico Características dos Solos Goianos Discente: Kepler

Leia mais

Edição 37 (Março2014)

Edição 37 (Março2014) Edição 37 (Março2014) Cenário Econômico: PIB brasileiro cresce 2,3% em 2013 e chega a R$ 4,8 trilhões A economia brasileira cresceu 0,7% no quarto trimestre de 2013, na comparação com os três meses anteriores,

Leia mais

Formação das precipitações

Formação das precipitações 6.1. Definição A precipitação consiste no produto da condensação atmosférica depositado no solo. As formas mais comuns de precipitação entre outras são a chuva, a neve, o granizo e o orvalho. Formação

Leia mais

ESTIMATIVA DO POTENCIAL DE CAPTAÇÃO DE ÁGUAS PLUVIAIS NO CAMPUS DA UFCG EM POMBAL PB

ESTIMATIVA DO POTENCIAL DE CAPTAÇÃO DE ÁGUAS PLUVIAIS NO CAMPUS DA UFCG EM POMBAL PB ESTIMATIVA DO POTENCIAL DE CAPTAÇÃO DE ÁGUAS PLUVIAIS NO CAMPUS DA UFCG EM POMBAL PB José Ronildo da Silva ¹; Amanda Nogueira Medeiros ¹; Célia Soares de Brito ²; Yasmim Sousa e Lima ³; Raphael Moreira

Leia mais

1 de 6 16/11/ :54

1 de 6 16/11/ :54 1 de 6 16/11/2016 09:54 a Esqueceu a senha? Quero me cadastrar 16/11/2016 Palavra-chave Busca Avançada 05/11/2016 V Silvania Weekend - Gir Leiteiro Caçapava - SP 08/11/2016 IV Congresso Brasileiro de Recursos

Leia mais

Relatório final da safra 2013/2014. Região Centro-Sul

Relatório final da safra 2013/2014. Região Centro-Sul Relatório final da safra 2013/2014 Região Centro-Sul Tabela 1. Balanço final da safra 2013/2014 na região Centro-Sul Comparativo com a safra 2012/2013 Produtos Safra 2012/2013 2013/2014 Var. (%) Cana-de-açúcar

Leia mais

BOLETIM CLIMATOLÓGICO DE RONDÔNIA

BOLETIM CLIMATOLÓGICO DE RONDÔNIA Governo do Estado de Rondônia Secretaria de Estado do Desenvolvimento Ambiental - SEDAM Gerência da Área Ambiental - GEAMB Núcleo de Sensoriamento Remoto e Climatologia NUSERC BOLETIM CLIMATOLÓGICO DE

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM GUARAPUAVA-PR

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM GUARAPUAVA-PR CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM GUARAPUAVA-PR Foi realizado no dia 10 de julho de 2012 em Guarapuava (PR), o painel de custos de produção de grãos. A pesquisa faz parte do Projeto Campo Futuro da Confederação

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais