AS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA BIOSSEGURANÇA ELABORADAS POR ACADÊMICOS DE ODONTOLOGIA DA NOVAFAPI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA BIOSSEGURANÇA ELABORADAS POR ACADÊMICOS DE ODONTOLOGIA DA NOVAFAPI"

Transcrição

1 AS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA BIOSSEGURANÇA ELABORADAS POR ACADÊMICOS DE ODONTOLOGIA DA NOVAFAPI INTRODUÇÃO Luana Kelle Batista Moura NOVAFAPI* Francisca Tereza Coelho Matos NOVAFAPI** A Biossegurança é um tema de extrema importância para os profissionais que trabalham em serviços de saúde ou que manipulam materiais biológicos, e que podem acarretar riscos ao homem, animais, plantas e ao meio ambiente. A lógica da construção do conceito de Biossegurança teve início na década de 70 na reunião de Asilomar no qual a comunidade científica iniciou a discussão sobre os impactos da engenharia genética na sociedade que para Goldim (1997), é um marco da história da ética aplicada à pesquisa, pois foi a primeira vez que se discutiu os aspéctos de proteção ao pesquisadores e demais profissionais envolvidos nas áreas onde se realiza o projeto de pesquisa. Outra definição diz que a biossegurança é o conjunto de ações voltadas para a prevenção, minimização ou eliminação de riscos inerentes às atividades de pesquisa, produção, ensino, desenvolvimento tecnológico prestação de serviços, visando a saúde do homem dos animais, a preservação do meio ambiente e a qualidade dos resultados. (TEIXEIRA & VALLE,1996). Os profissionais na área de saúde que prestam assistência direta ou manipulam material biológico devem possuir um conhecimento suficiente sobre biossegurança para uma prática segura e eficaz. De acordo com Tosta (2001), biossegurança é um conjunto de posturas, atitudes e procedimentos, intimamente relacionados, que possam trazer bioproteção a todos os envolvidos em uma determinada atividade. Sendo assim, a biossegurança é um fenômeno complexo que não deve somente ser reduzida a aspectos da lógica racional e sim também considerando as influências sócio-culturais. A Odontologia é uma área da saúde onde há riscos físicos, químicos e biológicos, tantos para os profissionais como para os pacientes. Porém a preocupação em adotar normas de biossegurança na prática odontológica, só surgiu no início da década de 80, com o surgimento dos primeiros casos de AIDS. Tal fato despertou o interesse por outras doenças contagiosas e letais, em especial as hepatites B e C, que embora fossem conhecidas as formas de transmissão e infecções cruzadas na prática clínica, não havia uma preocupação com o controle dessas doenças.(brasil, 2000) E mesmo hoje, a biossegurança na odontologia sendo um tema tão discutido, os profissionais devido a suas posturas e atitudes, perpetuam práticas inadequadas de segurança no seu ambiente de trabalho. A Representação Social é definida como uma forma de conhecimento do senso comum. (MOSCOVICI,1978) e está diretamente relacionada à maneira como as pessoas entendem as informações e segundo sua convivência e recursos que possuem vão reelaborar seus saberes científicos. A finalidade de investigar o fenômeno da biossegurança na Teoria das Representações Sociais é importante, pois pode proporcionar a mudança de comportamento nos profissionais, conseqüentemente reduzindo a possibilidade de infecções cruzadas, contaminações por produtos químicos e o número de riscos físicos que este profissional esteja correndo.(brasil, 2000).

2 E, considerando essa problemática, definiu-se como objetivos: apreender as representações sociais elaboradas pelos acadêmicos de odontologia sobre biossegurança e discutir como essas representações influenciam na prática da Odontologia e na qualidade da aprendizagem no curso de Odontologia da NOVAFAPI. METODOLOGIA Trata-se de um estudo de abordagem qualitativa onde foi utilizado como referencial metodológico a Teoria das Representações Sociais, de Serge Moscovici (1978), e Denise Jodelet (2001), definida como teoria científica e do senso comum. Como teoria científica, explica o senso comum, interpreta e elabora o real. Como teoria do senso comum mostra como os sujeitos coletivos compreendem e interpretam o mundo a partir de suas relações com os objetos e com as pessoas. A pesquisa qualitativa responde a questões muito particulares. Ela se preocupa, nas ciências sociais, com um nível de realidade que não pode ser quantificado, ou seja, trabalha com um universo de significados, motivos, aspirações, crenças, valores e atitudes, o que corresponde a um espaço mais profundo das relações, dos processos e dos fenômenos que não podem ser reduzidos à operacionalização de variáveis (Minayo,1994). O cenário da pesquisa foi a Faculdade de Odontologia da NOVAFAPI, situada na cidade de Teresina-Piauí e o universo dos sujeitos da pesquisa, era constituído por 55 acadêmicos de Odontologia, cursando o 1º ano(ciclo básico), com 22 acadêmicos, cursando o 2º ano(ciclo pré-clínico), com 9 acadêmicos e 24 acadêmicos cursando o 5º ano(ciclo clínico), dos gêneros masculino e feminino, com idades de 18 a 28 anos. Os sujeitos pesquisados responderam a um questionário que tinha como estímulo indutor as palavras: Biossegurança na Odontologia, que originaram um conjunto de 220 palavras que foram dispostas em ordem alfabética, reagrupadas por similaridade semântica e submetidas à Técnica de Análise de Conteúdo, Modalidade Teste por Associação de Palavras, segundo Bardin (2004). A análise de conteúdo trabalha a palavra, o aspécto individual e factual da linguagem, ou seja, a prática da língua concretizada por agentes identificáveis, buscando compreendê-los, ou ao seu ambiente, num momento determinado, considerando as significações, às vezes sua forma e a distribuição de ambos. Procura entender aquilo que está por trás das palavras..., outras realidades através das mensagens (BARDIN, 2004). Os dados coletados submetidos ao Teste por Associação de Palavras, foram organizados em: Grupos, Categorias e Subcategorias. Sendo Três Grupos: o Grupo I - alunos do ciclo básico; Grupo II alunos do ciclo pré-clínico: Grupo III alunos do ciclo clínico; Duas Categorias: a Categoria 1 - Dimensão Subjetiva ou Ética da Biossegurança, com Quatro Subcategorias - Ética, Cuidado, Conhecimento e Saúde; e a Categoria 2 - Dimensão Objetiva ou Técnica da Biossegurança, com Seis Subcategorias - o Uso de Equipamentos de Proteção Individual-EPI, Esterilização, Aparelhagem, Planejamento, Infecção e Tratamento. RESULTADOS E DISCUSSÃO As palavras indutoras biossegurança na odontologia provocaram nos 55 acadêmicos pesquisados a evocação de 220 palavras que foram categorizadas por suas similaridades semânticas e analisadas segundo as evocações dos grupos de acadêmicos por ciclo de estudo básico, pré-clínico e clínico.

3 GRUPO I (acadêmicos do ciclo básico - 88 evocações) - Na CATEGORIA 1, a Dimensão Subjetiva ou Ética da Biossegurança teve 47 evocações perfazendo 53,4%. A subcategoria ética apresentou aproximações semânticas do tipo: ética/respeito/responsabilidade; compromisso/profissionalismo/dedicação/perfeição, com 23 evocações ou 26,1%; a subcategoria cuidado apresentou palavras como cuidado/atenção/prevenção/vacina, com 20 evocações ou 22,8%; a subcategoria conhecimento com as palavras qualificação/capacidade, 3 evocações ou 3,4% e a subcategoria saúde com apenas uma evocação perfazendo 1,1%. Na CATEGORIA 2, a Dimensão Objetiva ou Técnica da Biossegurança, teve 41 evocações e um percentual de 46,6%. A subcategoria esterilização com 19 evocações ou 21.6% agrupou as palavras esterilização/higiene/limpeza e produtos químicos; a subcategoria uso EPIs com 10 evocações ou 11,4%, agrupou palavras como proteção/vestuário/uso de luvas e máscaras assim como, segurança/vida segura; A subcategoria aparelhagem com 6 evocações ou 6,8% agrupou palavras tipo aparelhagem/estrutura e instrumentação para o trabalho/instrumentação cirúrgica; a subcategoria infecção agrupou as palavras infecção/agentespatológicos/risco biológico/risco patológico/instrumentos perfurocortantes, com 5 evocações ou 5,7% e a subcategoria tratamento com uma evocação perfazendo 1,1%. GRUPO II (acadêmicos do ciclo pré-clínico - 36 evocações) - Na CATEGORIA 1, a Dimensão Subjetiva ou Ética da Biossegurança apresentou 15 evocações perfazendo 41,7%. A subcategoria ética com 10 evocações ou 27,8% apresentou similaridades semânticas como: competência/profissionalismo/qualidade na profissão e respeito e responsabilidade; a Subcategoria Cuidado apresentou as palavras prevenção/atenção/assistência/vida totalizando 4 evocações ou 11,1%; na Subcategoria Conhecimento foi feita uma evocação,o erro médico, dando um percentual de 2,8%. Na CATEGORIA 2, a Dimensão Objetiva ou Técnica da Biossegurança teve 21 evocações totalizando 58,3%. A subcategoria uso EPIs com 12 evocações ou 33,3%, agrupou palavras como equipamentos de proteção individual/proteção, salubridade/segurança /segurança no trabalho; a subcategoria esterilização com 8 evocações ou 22,2%, agrupou as palavras ambiente descontaminado/descontaminação e higiene/limpeza; a subcategoria planejamento evocou a palavra organização perfazendo 2,8%. GRUPO III (acadêmicos do ciclo pré-clínico - 96 evocações) Na CATEGORIA 1, a Dimensão Subjetiva ou Ética da Biossegurança com 16 evocações ou 16,6%: a subcategoria ética com 3 evocações ou 3,1%) apresentou aproximações semânticas do tipo: responsabilidade/respeitar/respeito com o paciente; a subcategoria cuidado com 8 evocações ou 8,3% agrupou as palavras prevenção/cuidado/controle/bom tratamento, e postura/posturacorreta; a subcategoria conhecimento com 3 evocações ou 3,1%, reuniu as palavras conhecimento e conhecimento específico e a subcategoria saúde teve duas evocações perfazendo 2,1%. Na CATEGORIA 2, a Dimensão Objetiva ou Técnica da Biossegurança teve 80 evocações e um percentual de 83,4%. A subcategoria uso de EPIs com 43 evocações ou 44,8% agrupou palavras como proteção/proteçãodentista-paciente, paramentação correta/óculos/gorro/máscara/luvas, segurança/segurança-biológica/segurança-paciente. A subcategoria esterilização teve 30 evocações ou 31,3% agrupou palavras como esterilização/materiaisestéreis/materiais-esterilizados/assepsia/antissepsia/desinfecção; a subcategoria planejamento teve 5 evocações ou 5,2% com as palavras planejamento e organização e a subcategoria aparelhagem teve a palavra material evocada duas vezes perfazendo 2,1%.

4 Os dados apreendidos e analisados à luz do Teste de Associação de Palavras, segundo Bardin(2004), demonstraram que os percentuais das evocações relacionadas à Dimensão Ética da Biossegurança e suas subcategorias ética, cuidado, conhecimento e saúde, são mais elevados nos acadêmicos que estão no ciclo básico onde foi encontrado 53,4%; seguido pelas evocações dos acadêmicos do ciclo pré-clínico com 41,7%; enquanto que nas evocações dos acadêmicos da clínica integrada, foi encontrado um percentual de apenas 16,6%. Assim como, quando foram relacionados os dados da Dimensão Técnica da Biossegurança, e suas subcategorias uso de EPIs, esterilização, planejamento e aparelhagem, ficou constatado que os acadêmicos da clínica integrada evocaram 83,4% palavras, os acadêmicos da pré-clínica evocaram 58% e os alunos das disciplinas básicas evocaram com 46,6% das palavras. Os dados demonstraram ainda que, os acadêmicos dos ciclos básico e préclínico, que ainda não vivenciaram o atendimento na clínica odontológica, direcionaram suas palavras para a dimensão ética e subjetiva da biossegurança, evocando palavras relacionadas à ética e ao cuidado, enquanto os acadêmicos do ciclo clínico, já cursando o último ano e com experiência em atendimento na clínica odontológica integrada, centraram suas falas na dimensão técnica e objetiva da biossegurança, evocando palavras relacionadas ao uso de EPIs e à esterilização. Em síntese, os resultados apreendidos por este instrumento de pesquisa, demonstraram que a representação social da biossegurança para acadêmicos de odontologia estruturam-se na interface da pluralidade e complexidade de aspéctos afetivos, cognitivos e comportamentais e em que momento do curso de odontologia esses acadêmicos encontram-se inseridos. CONSIDERAÇÕES FINAIS Apreender as representações sociais da biossegurança a partir de um conhecimento elaborado e compartilhado por acadêmicos de odontologia da NOVAFAPI, permitiu identificar percepções, atitudes, valores, conhecimentos, informações e experiências acadêmicas, objetivadas e ancoradas conforme com o contexto acadêmico no qual o sujeito da pesquisa encontrava-se inserido. A representações sociais elaboradas por esses acadêmicos revelaram como percebem a biossegurança nas diferentes etapas do curso de odontologia e esperamos que esta pesquisa possa contribuir para a reflexão de que biossegurança na odontologia, não é apenas reduzir a possibilidade de riscos químicos, físicos e biológicos que a prática odontológica acarreta, mas também, fundamenta-se em aspectos humanos e éticos da biossegurança, em especial para os alunos e docentes das disciplinas clínicas. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BARDIN, L. Análise de conteúdo. 3ª. Ed. Tradução: Luis Antero Reto e Augusto Pinheiro. Lisboa. Edições 70, BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde; Coordenação Nacional de DST e AIDS. Controle de Infecção em Tempos de AIDS: Manual de Condutas. Brasília: Ministério da Saúde, p. COUTINHO, M.P.I., et al. Representações Sociais: abordagem interdisciplinar. João Pessoa: Universitária UFPB, 2003.

5 GOLDIM, J.R. Conferência de Asilomar. Califórnia, USA, JODELET, D. As representações sociais. Rio de Janeiro. Ed. UERJ, MINAYO, Maria Cecília de Sousa, et al. Pesquisa Social: Teoria, Método e Criatividade. 21 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, p. MOSCOVICI, S. A Representação Social da Psicanálise. Rio de Janeiro. Zahar editores, TEIXEIRA, P. e VALLE, s Biossegurança: uma abordagem multidisciplinar. Rio de Janeiro: FioCruz, TOSTA, Cláudio Alexandre. Biossegurança e Qualidade em Assistência à Saúde (Padrões de procedimento). Disponível em: Acesso em 09 de janeiro de *Acadêmica de Odontologia e Bolsista PIBIC da NOVAFAPI **Professora Mestre do Curso de Odontologia da NOVAFAPI

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DO SORRISO

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DO SORRISO REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DO SORRISO Francisca Tereza Coelho Matos* NOVAFAPI João Batista Teles** NOVAFAPI/UFPI Cristina Maria Miranda de Sousa*** NOVAFAPI Maria Natália Ramos**** Universidade Aberta de Lisboa

Leia mais

BIOSSEGURANÇA NA VISÃO DO RECÉM INGRESSO NO CURSO DE ODONTOLOGIA

BIOSSEGURANÇA NA VISÃO DO RECÉM INGRESSO NO CURSO DE ODONTOLOGIA BIOSSEGURANÇA NA VISÃO DO RECÉM INGRESSO NO CURSO DE ODONTOLOGIA Vanara Florêncio Passos * Thyciana Rodrigues Ribeiro * João Arruda Cajazeira Neto * Sérgio Lima Santiago ** PET Odontologia Universidade

Leia mais

A influência das Representações Sociais na Docência no Ensino Superior

A influência das Representações Sociais na Docência no Ensino Superior A influência das Representações Sociais na Docência no Ensino Superior Eixo temático 2: Formação de professores e cultura digital ZAIDAN, Lílian Araújo Ferreira 1 VIEIRA, Vânia Maria de Oliveira 2 No ensino

Leia mais

A REPRESENTAÇÃO SOCIAL DO ENSINO DE PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO PARA ESTUDANTES DE LICENCIATURAS DA UFPA

A REPRESENTAÇÃO SOCIAL DO ENSINO DE PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO PARA ESTUDANTES DE LICENCIATURAS DA UFPA A REPRESENTAÇÃO SOCIAL DO ENSINO DE PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO PARA ESTUDANTES DE LICENCIATURAS DA UFPA Resumo RODRIGUES, Sônia Eli Cabral UFPA soniaely@ufpa.br PINTO, Ivany Nascimento Ivany.pinto@gmail.com

Leia mais

Curso Básico de Biossegurança Curso on-line: biossegurancahospitalar.com Aula: Qualidade e Biossegurança Professor Marco Antônio F.

Curso Básico de Biossegurança Curso on-line: biossegurancahospitalar.com Aula: Qualidade e Biossegurança Professor Marco Antônio F. Publicado na Revista CIPA N. 253 de janeiro de 2002 BIOSSEGURANÇA: elo estratégico de SST Eng. Marco Antonio F. da Costa, DSc - Fiocruz / EPSJV Eng. Maria de Fátima B. da Costa, DSc - Fiocruz / ENSP Contato:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO PRÓTESE DENTÁRIA FICHA DA SUBFUNÇÃO/COMPONENTE CURRICULAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO PRÓTESE DENTÁRIA FICHA DA SUBFUNÇÃO/COMPONENTE CURRICULAR UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO PRÓTESE DENTÁRIA FICHA DA SUBFUNÇÃO/COMPONENTE CURRICULAR FUNÇÃO: Proteção e prevenção SUBFUNÇÃO: SEGURANÇA NO TRABALHO E BIOSSEGURANÇA

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO. Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde

CURSO DE ATUALIZAÇÃO. Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde Promoção da Saúde do Trabalhador da Saúde: conscientização acerca do uso de luvas e higienização das mãos pelos

Leia mais

A PERCEPÇÃO DO TÉCNICO DE ENFERMAGEM SOBRE LIMPEZA TERMINAL EM UTI

A PERCEPÇÃO DO TÉCNICO DE ENFERMAGEM SOBRE LIMPEZA TERMINAL EM UTI 1 A PERCEPÇÃO DO TÉCNICO DE ENFERMAGEM SOBRE LIMPEZA TERMINAL EM UTI INTRODUÇÃO Maria do Socorro Oliveira Guimarães - NOVAFAPI Paula Cristina Santos Miranda Queiroz - NOVAFAPI Rosania Maria de Araújo -

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

Aprendizagem da Matemática: um estudo sobre Representações Sociais no curso de Administração

Aprendizagem da Matemática: um estudo sobre Representações Sociais no curso de Administração Aprendizagem da Matemática: um estudo sobre Representações Sociais no curso de Administração Eixo temático 2: Formação de professores e cultura digital SALERNO, Daniela Prado 1 VIEIRA, Vania Maria de Oliveira

Leia mais

FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA

FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA 1 FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA O PROFISSIONAL FARMACÊUTICO O Farmacêutico é um profissional da

Leia mais

ODONTOLOGIA BIOSSEGURANÇA E ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL ODONTOLOGICA 3º Período / Carga Horária: 72 Horas

ODONTOLOGIA BIOSSEGURANÇA E ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL ODONTOLOGICA 3º Período / Carga Horária: 72 Horas ODONTOLOGIA BIOSSEGURANÇA E ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL ODONTOLOGICA 3º Período / Carga Horária: 72 Horas 1. PRÉ-REQUISITO: Não há pré-requisito 2. EMENTA: Estudar a definição, histórico, aplicações, simbologia

Leia mais

POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA E TUBERCULOSE: RELATO DE EXPERIÊNCIA DE UMA EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA

POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA E TUBERCULOSE: RELATO DE EXPERIÊNCIA DE UMA EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA E TUBERCULOSE: RELATO DE EXPERIÊNCIA DE UMA EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DIAS 1, Dayse Caetano Bezerra LIMA 2, Cícera Luana Alves LIMA 3, Maria Laiene Alves PINHEIRO 4, Patrícia

Leia mais

AS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DO EDUCAR E DO CUIDAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL

AS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DO EDUCAR E DO CUIDAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL AS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DO EDUCAR E DO CUIDAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Resumo SOUZA, Thaís Oliveira de 1 - UFPB DIAS, Adelaide Alves 2 - UFPB Grupo de Trabalho - Educação da Infância Agência Financiadora:

Leia mais

ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE ACIDENTES COM PERFURO CORTANTES

ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE ACIDENTES COM PERFURO CORTANTES ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE ACIDENTES COM PERFURO CORTANTES INTRODUÇÃO *Cindy Heloisa Silva da Silva - NOVAFAPI *Frida Jéssica de Carvalho e Silva- NOVAFAPI *Renata Giordana de Sousa Andrelino- NOVAFAPI

Leia mais

O PROCESSO DE COACHING EXECUTIVO E EMPRESARIAL: PERCEPÇÕES DE GESTORES DE RECURSOS HUMANOS PSICÓLOGOS E DE OUTRAS FORMAÇÕES

O PROCESSO DE COACHING EXECUTIVO E EMPRESARIAL: PERCEPÇÕES DE GESTORES DE RECURSOS HUMANOS PSICÓLOGOS E DE OUTRAS FORMAÇÕES 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 O PROCESSO DE COACHING EXECUTIVO E EMPRESARIAL: PERCEPÇÕES DE GESTORES DE RECURSOS HUMANOS PSICÓLOGOS E DE OUTRAS FORMAÇÕES Dione Nunes Franciscato 1 ;

Leia mais

PRESERVAÇÃO E CONSERVAÇÃO: REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DE MEIO AMBIENTE DE PROFESSORES DE ESCOLAS URBANAS E DE ESCOLAS RURAIS NO SUDOESTE DO PARANÁ

PRESERVAÇÃO E CONSERVAÇÃO: REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DE MEIO AMBIENTE DE PROFESSORES DE ESCOLAS URBANAS E DE ESCOLAS RURAIS NO SUDOESTE DO PARANÁ DOI http://dx.doi.org/10.7867/1809-0354.2013v8n3p953-963 PRESERVAÇÃO E CONSERVAÇÃO: REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DE MEIO AMBIENTE DE PROFESSORES DE ESCOLAS URBANAS E DE ESCOLAS RURAIS NO SUDOESTE DO PARANÁ PRESERVACIÓN

Leia mais

JOGO E EDUCAÇÃO: UM DIÁLOGO POSSÍVEL?

JOGO E EDUCAÇÃO: UM DIÁLOGO POSSÍVEL? Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2008 página 1 JOGO E EDUCAÇÃO: UM DIÁLOGO POSSÍVEL? Lúcia P. S. Villas Bôas Versão condensada do texto apresentado no XIV Endipe - Encontro Nacional de

Leia mais

CONSTRUÇÃO SOCIAL DO CONCEITO DE LÍDER ESCOLAR: REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

CONSTRUÇÃO SOCIAL DO CONCEITO DE LÍDER ESCOLAR: REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA CONSTRUÇÃO SOCIAL DO CONCEITO DE LÍDER ESCOLAR: REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA BONA, Juliano FURB Julianob10@flipp.com.br Área temática: Profissionalização Docente e Formação Resumo

Leia mais

O Enfermeiro na Prevenção do Uso/Abuso de Drogas: uma perspectiva para o Programa Saúde da Família

O Enfermeiro na Prevenção do Uso/Abuso de Drogas: uma perspectiva para o Programa Saúde da Família O Enfermeiro na Prevenção do Uso/Abuso de Drogas: uma perspectiva para o Programa Saúde da Família Autoras: Margarida Maria Rocha Bernardes Elaine Cristina Valadares Gertrudes Teixeira Lopes Grupo de Estudos

Leia mais

CONHECIMENTO DA CONTAMINAÇÃO PRESENTE NAS MOLDAGENS ODONTOLÓGICAS PELOS PROFISSIONAIS DOS LABORATÓRIOS DE PRÓTESE DE CASCAVEL

CONHECIMENTO DA CONTAMINAÇÃO PRESENTE NAS MOLDAGENS ODONTOLÓGICAS PELOS PROFISSIONAIS DOS LABORATÓRIOS DE PRÓTESE DE CASCAVEL CONHECIMENTO DA CONTAMINAÇÃO PRESENTE NAS MOLDAGENS ODONTOLÓGICAS PELOS PROFISSIONAIS DOS LABORATÓRIOS DE PRÓTESE DE CASCAVEL Rosana Izabela Spiller 1 Rosana Aparecida dos Santos INTRODUÇÃO: Com a propagação

Leia mais

EVASÃO NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO NA MODALIDADE A DISTÂNCIA: UM ESTUDO DE CASO

EVASÃO NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO NA MODALIDADE A DISTÂNCIA: UM ESTUDO DE CASO 928 EVASÃO NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO NA MODALIDADE A DISTÂNCIA: UM ESTUDO DE CASO Carolina Zavadzki Martins 1, Raimunda Abou Gebran 2 1 Discente do Mestrado em Educação da Universidade do

Leia mais

PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE

PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE Rafaela Souza SANTOS, Valquiria Rodrigues do NASCIMENTO, Dayane Graciele dos SANTOS, Tamíris Divina Clemente URATA, Simara Maria Tavares

Leia mais

ENSINO DE FÍSICA EM ANGICAL DO PIAUÍ PI: EM BUSCA DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES E DE METODOLOGIAS EFICAZES

ENSINO DE FÍSICA EM ANGICAL DO PIAUÍ PI: EM BUSCA DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES E DE METODOLOGIAS EFICAZES ENSINO DE FÍSICA EM ANGICAL DO PIAUÍ PI: EM BUSCA DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES E DE METODOLOGIAS EFICAZES MARCELA NEIVA SOUSA 1 SAMARA MARIA VIANA DA SILVA 2 RESUMO O presente artigo tem como objetivo investigar

Leia mais

Ética e Valores Morais na Formação de Profissionais da Educação

Ética e Valores Morais na Formação de Profissionais da Educação Ética e Valores Morais na Formação de Profissionais da Educação XI Salão de Iniciação Científica PUCRS Bolsista Felipe Bragagnolo, Orientador Dr. Evaldo Antônio Kuiava Universidade de Caxias do Sul, UCS

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 PLANO DE CURSO

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 PLANO DE CURSO CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: BIOSSEGURANÇA Código: ENF- 307 Pré-requisito: Nenhum Período Letivo: 20.2

Leia mais

PRÁTICAS DE BIOSSEGURANÇA ADOTADAS POR MANICURES/PEDICURES NA PREVENÇÃO DE HEPATITE B E C

PRÁTICAS DE BIOSSEGURANÇA ADOTADAS POR MANICURES/PEDICURES NA PREVENÇÃO DE HEPATITE B E C PRÁTICAS DE BIOSSEGURANÇA ADOTADAS POR MANICURES/PEDICURES NA PREVENÇÃO DE HEPATITE B E C Renato Nelson Sasso 1, Lauyze Dall"ago Barbosa 2, Janete Lane Amadei 3 RESUMO: As hepatites emergem com problema

Leia mais

INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E HIV/AIDS: CONHECIMENTOS E PERCEPÇÃO DE RISCO DE IDOSOS DE UMA COMUNIDADE EM JOÃO PESSOA-PB

INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E HIV/AIDS: CONHECIMENTOS E PERCEPÇÃO DE RISCO DE IDOSOS DE UMA COMUNIDADE EM JOÃO PESSOA-PB INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E HIV/AIDS: CONHECIMENTOS E PERCEPÇÃO DE RISCO DE IDOSOS DE UMA COMUNIDADE EM JOÃO PESSOA-PB Nívea Maria Izidro de Brito (UFPB). E-mail: niveabrito@hotmail.com Simone

Leia mais

I SEMINÁRIO DE EXTENSÃO DA UCB

I SEMINÁRIO DE EXTENSÃO DA UCB I SEMINÁRIO DE EXTENSÃO DA UCB 29 de setembro, 09 e 10 de outubro de 2012 MODELO PARA APRESENTAÇÃO DO TRABALHO: Título do trabalho Elaboração de Mapa de Risco: uma ação comunitária de cuidado interno na

Leia mais

Os Sentidos da Prevenção à Aids na Contemporaneidade

Os Sentidos da Prevenção à Aids na Contemporaneidade Os Sentidos da Prevenção à Aids na Contemporaneidade Congresso de Prevenção à Aids e de Saúde Sexual e Reprodutiva (Gapa-Bahia) Salvador, 19.03.07 Cristina Câmara Contexto social da aids no Brasil Democratização

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS RISCOS DE CONTAMINAÇÃO EM UM LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS NO CENTRO- OESTE DO ESTADO PARANÁ

LEVANTAMENTO DOS RISCOS DE CONTAMINAÇÃO EM UM LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS NO CENTRO- OESTE DO ESTADO PARANÁ LEVANTAMENTO DOS RISCOS DE CONTAMINAÇÃO EM UM LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS NO CENTRO- OESTE DO ESTADO PARANÁ Guilherme Viero, Marlise Shoenhals, Franciele A.C. Follador, Darlan Clóvis Vettorello Rech,

Leia mais

A Formação Continuada a distância como suporte para a prática do docente da modalidade de ensino de jovens e adultos* 1

A Formação Continuada a distância como suporte para a prática do docente da modalidade de ensino de jovens e adultos* 1 A Formação Continuada a distância como suporte para a prática do docente da modalidade de ensino de jovens e adultos* 1 Geucineia de Souza Pencinato Joyce Vieira Fettermann Universidade Estadual do Norte

Leia mais

BIOSSEGURANÇA NO AMBIENTE HOSPITALAR: PERCEPÇÃO DE ENFERMEIROS

BIOSSEGURANÇA NO AMBIENTE HOSPITALAR: PERCEPÇÃO DE ENFERMEIROS UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM JACQUELINE KRIS SANTOS MOURA BIOSSEGURANÇA NO AMBIENTE HOSPITALAR: PERCEPÇÃO

Leia mais

Palavras-chave: Formação de professores; Justificativas biológicas; Dificuldades de escolarização

Palavras-chave: Formação de professores; Justificativas biológicas; Dificuldades de escolarização OS MECANISMOS DE ATUALIZAÇÃO DAS EXPLICAÇÕES BIOLÓGICAS PARA JUSTIFICAR AS DIFICULDADES NO PROCESSO DE ESCOLARIZAÇÃO: ANÁLISE DO PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO LETRA E VIDA Cristiane Monteiro da Silva 1 ; Aline

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2003. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2003. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2003. (*) Institui Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Graduação em Medicina Veterinária.

Leia mais

A Representação Social sobre Função e Atuação do Psicólogo Escolar/Educacional: uma proposta de investigação na escola

A Representação Social sobre Função e Atuação do Psicólogo Escolar/Educacional: uma proposta de investigação na escola A Representação Social sobre Função e Atuação do Psicólogo Escolar/Educacional: uma proposta de investigação na escola Eixo temático 2: Formação de professores e cultura digital Érico Lopes Pinheiro de

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

1 Faculdade Santa Maria. 2 Faculdade São Francisco

1 Faculdade Santa Maria. 2 Faculdade São Francisco IMPORTÂNCIA DO USO DE EPI S EM EMPRESAS INCINERADORAS DE LIXO HOSPITALAR: VISÃO DO TRABALHADOR Suênia Kátia Gonçalves 1 Lidiane Leite Nobre 1 Maria Aparecida de Freitas 1 Ana Cláudia Cavalcante Silva 1

Leia mais

O QUE SIGNIFICA A ESCOLA PARA MIM? UMA ANÁLISE DAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DOS EDUCANDOS SOBRE A ESCOLA- PARCEIRA DO PIBID-BIOLOGIA-UFT-ARAGUAÍNA

O QUE SIGNIFICA A ESCOLA PARA MIM? UMA ANÁLISE DAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DOS EDUCANDOS SOBRE A ESCOLA- PARCEIRA DO PIBID-BIOLOGIA-UFT-ARAGUAÍNA 1 O QUE SIGNIFICA A ESCOLA PARA MIM? UMA ANÁLISE DAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DOS EDUCANDOS SOBRE A ESCOLA- PARCEIRA DO PIBID-BIOLOGIA-UFT-ARAGUAÍNA Narayanne Almeida Saraiva, PIBID-Biologia, UFT Campus

Leia mais

PSICOLOGIA E ONCOLOGIA: UMA PARCERIA ESSENCIAL?

PSICOLOGIA E ONCOLOGIA: UMA PARCERIA ESSENCIAL? PSICOLOGIA E ONCOLOGIA: UMA PARCERIA ESSENCIAL? Aline Fernanda Sartori Kanegusuku¹; Marina Tiemi Kobiyama Sonohara 1 ; Angélica Aparecida Valenza¹; Nemerson José Jesus¹; Sandra Diamante² RESUMO Para compreender

Leia mais

METODOLOGIA UTILIZADA PELOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO MÉDIO DAS ESCOLAS DA REDE ESTADUAL DE JATAÍ-GO RESUMO

METODOLOGIA UTILIZADA PELOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO MÉDIO DAS ESCOLAS DA REDE ESTADUAL DE JATAÍ-GO RESUMO METODOLOGIA UTILIZADA PELOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO MÉDIO DAS ESCOLAS DA REDE ESTADUAL DE JATAÍ-GO LIMA, Raiane Ketully Vieira Acadêmica do curso de Educação Física licenciatura da Universidade

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave: Representações sociais. Profissão docente. Matemática.

RESUMO. Palavras-chave: Representações sociais. Profissão docente. Matemática. 1 REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DE PROFESSORES SOBRE A PROFISSÃO DOCENTE EM MATEMÁTICA Elisângela Bastos de Melo Universidade Federal de Pernambuco elisangelabastosdemelo@yahoo.com.br RESUMO Este trabalho apresenta

Leia mais

ASPECTOS PSICOSSOCIAIS DA APRENDIZAGEM DA LÍNGUA INGLESA NO ENSINO FUNDAMENTAL

ASPECTOS PSICOSSOCIAIS DA APRENDIZAGEM DA LÍNGUA INGLESA NO ENSINO FUNDAMENTAL ASPECTOS PSICOSSOCIAIS DA APRENDIZAGEM DA LÍNGUA INGLESA NO ENSINO FUNDAMENTAL Fernanda Lourdes de Carvalho Gomes Lustosa (UFPI) Luís Carlos Sales (UFPI) GT 13 Educação e Representações Sociais O processo

Leia mais

A TUTORIA PRESENCIAL NA EAD

A TUTORIA PRESENCIAL NA EAD A TUTORIA PRESENCIAL NA EAD Goiânia GO - Abril 2010 Lia Camila dos Reis Figueiredo - Colégio Meta - Goiânia GO liacamila19@hotmail.com Danuza Janne Ribeiro de Almeida - Polo Goiânia I SEPC / UNOPAR danuzajan@hotmail.com

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO: UMA ANÁLISE DE SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A FORMAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL

ESTÁGIO SUPERVISIONADO: UMA ANÁLISE DE SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A FORMAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO: UMA ANÁLISE DE SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A FORMAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL Jocelma Tossin Martins (UNICENTRO), Rosângela Bujokas de Siqueira (Orientadora), e-mail: janja.bujokas@uol.com.br

Leia mais

No entanto, a compreensão e a implicação de ser docente envolve reflexões que necessitam cada vez mais de sentido e significado para que se possa

No entanto, a compreensão e a implicação de ser docente envolve reflexões que necessitam cada vez mais de sentido e significado para que se possa CONCEPÇÕES DE FORMAÇÃO/DOCÊNCIA DOS PROFESSORES DO CURSO DE FISIOTERAPIA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO *Hedioneia Maria Foletto Pivetta **Silvia Maria de Aguiar Isaia A educação superior vem passando

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE VIDA NO ACOMPANHAMENTO DO TRATAMENTO DAS PESSOAS COM AIDS

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE VIDA NO ACOMPANHAMENTO DO TRATAMENTO DAS PESSOAS COM AIDS AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE VIDA NO ACOMPANHAMENTO DO TRATAMENTO DAS PESSOAS COM AIDS Leidyanny Barbosa de Medeiros 1 Moema Brandão de Albuquerque 2 Oriana Deyze Correia Paiva Leadebal 3 Jordana de Almeida

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS NECESSIDADES DO IDOSO ACAMADO NA COMUNIDADE

AVALIAÇÃO DAS NECESSIDADES DO IDOSO ACAMADO NA COMUNIDADE AVALIAÇÃO DAS NECESSIDADES DO IDOSO ACAMADO NA COMUNIDADE Cristina Katya Torres Teixeira Mendes 1, Maria Adelaide Silva Paredes Moreira 2, Luípa Michele Silva 3, Antonia Oliveira Silva 4 INTRODUÇÃO O envelhecimento

Leia mais

AS CAUSAS DA EVASÃO DISCENTE NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) Carolina Zavadzki Martins 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

AS CAUSAS DA EVASÃO DISCENTE NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) Carolina Zavadzki Martins 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 665 AS CAUSAS DA EVASÃO DISCENTE NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) Carolina Zavadzki Martins 1, Tereza de Jesus Ferreira

Leia mais

PLANO DE ENSINO. TURMA: Formação mista, envolvendo acadêmicos da Católica de SC que cumprem os requisitos dispostos no Regulamento

PLANO DE ENSINO. TURMA: Formação mista, envolvendo acadêmicos da Católica de SC que cumprem os requisitos dispostos no Regulamento CATÓLICA DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA SETOR DE EXTENSÃO COMUNITÁRIA PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: PROJETO COMUNITÁRIO PROFESSORES(AS): FASE: Constituída a partir da conclusão de 30% da PAULO

Leia mais

Ceane Andrade Simões Universidade do Estado do Amazonas Aderli Vasconcelos Simões Universidade do Estado do Amazonas

Ceane Andrade Simões Universidade do Estado do Amazonas Aderli Vasconcelos Simões Universidade do Estado do Amazonas CIÊNCIA, TECNOLOGIA E CIENTISTA NA ESCOLA PÚBLICA: UM ESTUDO À LUZ DA TEORIA DAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS NA AMAZÔNIA Ceane Andrade Simões Universidade do Estado

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE OS GÊNEROS E O NÍVEL DE INFORMAÇÃO DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS EM RELAÇÃO AO HIV/AIDS

RELAÇÃO ENTRE OS GÊNEROS E O NÍVEL DE INFORMAÇÃO DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS EM RELAÇÃO AO HIV/AIDS RELAÇÃO ENTRE OS GÊNEROS E O NÍVEL DE INFORMAÇÃO DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS EM RELAÇÃO AO HIV/AIDS Maria Thereza Ávila Dantas Coelho 1 Vanessa Prado Santos 2 Márcio Pereira Pontes 3 Resumo O controle

Leia mais

A APRENDIZAGEM DA LÍNGUA INGLESA: uma leitura psicossociológica

A APRENDIZAGEM DA LÍNGUA INGLESA: uma leitura psicossociológica A APRENDIZAGEM DA LÍNGUA INGLESA: uma leitura psicossociológica Fernanda L. de C. Gomes Lustosa / UFPI Luís Carlos Sales ** / UFPI Os problemas relacionados à aprendizagem de Línguas Estrangeiras podem

Leia mais

O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS.

O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS. O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS. 1 Marcos Antonio de Sousa Rodrigues Bolsista/ PIBID/ UESPI 2 Sara Juliana Lima Ferreira Bolsista/

Leia mais

O PROCESSO REFLEXIVO E A REFLEXÃO CRÍTICA EM ALUNOS DE UM CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

O PROCESSO REFLEXIVO E A REFLEXÃO CRÍTICA EM ALUNOS DE UM CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS IX CONGRESO INTERNACIONAL SOBRE INVESTIGACIÓN EN DIDÁCTICA DE LAS CIENCIAS Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN O PROCESSO REFLEXIVO E A REFLEXÃO CRÍTICA EM ALUNOS DE UM CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

BIOTECNOLOGIA, BIOSSEGURANÇA E PRODUTOS TRANSGÊNICOS: ESCLARECENDO DÚVIDAS À SOCIEDADE.

BIOTECNOLOGIA, BIOSSEGURANÇA E PRODUTOS TRANSGÊNICOS: ESCLARECENDO DÚVIDAS À SOCIEDADE. BIOTECNOLOGIA, BIOSSEGURANÇA E PRODUTOS TRANSGÊNICOS: ESCLARECENDO DÚVIDAS À SOCIEDADE. Priscila Carvalho da Silva 1 ; Amanda Colombo 2 ; Mariana Kurihara 2 ; Romário Oliveira 2 ; Emerson Machado de Carvalho

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO PROFISSIONAL DE PSICOLOGIA NO CONTEXTO ESCOLAR

A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO PROFISSIONAL DE PSICOLOGIA NO CONTEXTO ESCOLAR A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO PROFISSIONAL DE PSICOLOGIA NO CONTEXTO ESCOLAR Larissa Brito da Silva, Waleria Maria de Sousa Paulino, Stefania Germano Dias, Flavio Pereira de Oliveira, Leilane Menezes Maciel

Leia mais

Réplica 2 - Análise de Conteúdo como Técnica de Análise de Dados Qualitativos no Campo da Administração: Potencial e Desafios

Réplica 2 - Análise de Conteúdo como Técnica de Análise de Dados Qualitativos no Campo da Administração: Potencial e Desafios Disponível em http:// RAC, Curitiba, v. 15, n. 4, pp. 761-765, Jul./Ago. 2011 Documentos e Debates: Réplica 2 - Análise de Conteúdo como Técnica de Análise de Dados Qualitativos no Campo da Administração:

Leia mais

Regulamento dos Estágios Curriculares Supervisionados

Regulamento dos Estágios Curriculares Supervisionados Regulamento dos Estágios Curriculares Supervisionados Fixa normas dos Estágios Curriculares Supervisionados do Curso de Odontologia do Centro Universitário de Anápolis UniEVANGÉLICA. TÍTULO I DO ESTÁGIO

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Psicologia. O Presidente

Leia mais

1.1. PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE)

1.1. PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) 1.1. PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) ATUALIZAÇÃO: VERSÃO 11-27 DE OUTUBRO DE 2014 7.2.1. Introdução A detecção de casos suspeitos de

Leia mais

DAS NECESSIDADES DE FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE MÚSICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA

DAS NECESSIDADES DE FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE MÚSICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA DAS NECESSIDADES DE FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE MÚSICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA Resumo GONÇALVES, Rita Maria UNISANTOS ritagoncalves02@hotmail.com ABDALLA, Maria de Fátima Barbosa UNISANTOS mfabdalla@uol.com.br

Leia mais

e/ou o recorte dessa área sempre foi uma temática central para pensar a ação de formar profissionais. O professor universitário, historicamente,

e/ou o recorte dessa área sempre foi uma temática central para pensar a ação de formar profissionais. O professor universitário, historicamente, O COMPROMISSO DA UNIVERSIDADE NO EXERCÍCIO DA DOCÊNCIA BROILO, Cecília Luiza UNISINOS ceciliab@unisinos.br FAGUNDES, Maurício César UNISINOS mc.fagundes@terra.com.br GOMES, Marta Quintanilha UNISINOS martaqg@unisinos.br

Leia mais

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031 OS SENTIDOS DO PIBID PARA A FORMAÇÃO DOCENTE PARA LICENCIANDOS DOS CURSOS DE LETRAS/PORTUGUÊS E CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DO IFAL/POLO MACEIÓ APROXIMAÇÕES INICIAIS Leonara Evangelista de Figueiroa Leonara100@gmail.com

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução Nº 67/2013 Aprova o curso de Extensão na modalidade de Formação Inicial e Continuada de

Leia mais

A INFLUENCIA DO ESTÁGIO VOLUNTÁRIO NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO ENFERMEIRO

A INFLUENCIA DO ESTÁGIO VOLUNTÁRIO NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO ENFERMEIRO A INFLUENCIA DO ESTÁGIO VOLUNTÁRIO NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO ENFERMEIRO Elizabeth Braz Fabiana Gonçalves de Oliveira Azevedo Matos Vanessa Barros Santi Annelise de Oliveira Rodrigues Priscila Conde Bogo

Leia mais

ANÁLISE QUALITATIVA DE DADOS

ANÁLISE QUALITATIVA DE DADOS ANÁLISE QUALITATIVA DE DADOS Gabriela Rodrigues A expressão é correntemente utilizada nas Ciências Sociais, particularmente entre a Antropologia e a Sociologia, e refere-se a um conjunto de técnicas de

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES 1 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL 1.1. Perfil Comum: Farmacêutico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva.

Leia mais

GRUPO TERAPÊUTICO NA REABILITAÇÃO SOCIAL DE MULHERES MASTECTOMIZADAS

GRUPO TERAPÊUTICO NA REABILITAÇÃO SOCIAL DE MULHERES MASTECTOMIZADAS GRUPO TERAPÊUTICO NA REABILITAÇÃO SOCIAL DE MULHERES MASTECTOMIZADAS Gilmara Saraiva Bezerra 1 Irma Caroline Lima Verde da Silva 2 Nydia Cavalcante de Carvalho Pinheiro 3 Maria Zélia de Araújo Madeira

Leia mais

EMENTAS DOS COMPONENTES CURRICULARES OPTATIVOS. Função: Básica

EMENTAS DOS COMPONENTES CURRICULARES OPTATIVOS. Função: Básica EMENTAS DOS COMPONENTES CURRICULARES OPTATIVOS INGLES INSTRUMENTAL LET 053 Letras Germânicas 51 teóricas 30 Aplicação de estratégias específicas que levem ao nível inicial de compreensão de textos acadêmicos

Leia mais

2 o Simpósio Brasileiro de Saúde e Meio Ambiente

2 o Simpósio Brasileiro de Saúde e Meio Ambiente 2 o Simpósio Brasileiro de Saúde e Meio Ambiente Belo Horizonte MG, 19 a 22 de outubro de 2014 Eixo 3. Direitos justiça ambiental e política públicas SAÚDE E MEIO AMBIENTE: CONCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS

Leia mais

MEDICINA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE MEDICINA (SÍNTESE)

MEDICINA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE MEDICINA (SÍNTESE) PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE (SÍNTESE) Ao longo de mais de cinco décadas, a Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas) estruturou um ambiente acadêmico intelectualmente rico

Leia mais

PROJETO COMUNITÁRIO NA FISIOTERAPIA DA PUCPR E PRÁTICA PEDAGÓGICA: NOVAS POSSIBILIDADES NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL

PROJETO COMUNITÁRIO NA FISIOTERAPIA DA PUCPR E PRÁTICA PEDAGÓGICA: NOVAS POSSIBILIDADES NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL PROJETO COMUNITÁRIO NA FISIOTERAPIA DA PUCPR E PRÁTICA PEDAGÓGICA: NOVAS POSSIBILIDADES NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL Ana Paula Loureiro Cunha, PUCPR Eliani de Souza Arruda, PUCPR Marilda Aparecida Behrens,

Leia mais

OFICINA: SEXUALIDADE

OFICINA: SEXUALIDADE OFICINA: SEXUALIDADE Daniele Costa Tatiane Fontoura Garcez APRESENTAÇÃO A oficina tem como tema a Sexualidade, será realizado no Instituto Estadual de Educação Bernardino Ângelo, no dia 25/08/2014, segunda-feira,

Leia mais

INTERVENÇÃO JOGO SEXUALIDADE PLANO DA INTERVENÇÃO

INTERVENÇÃO JOGO SEXUALIDADE PLANO DA INTERVENÇÃO INTERVENÇÃO JOGO SEXUALIDADE Suelen Mattoso PLANO DA INTERVENÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO Como educadores, muito temos a trabalhar para que nossos jovens aprendam a se proteger da infecção pelo HIV e outras doenças

Leia mais

EDUCAÇÃO E SAÚDE NO ATENDIMENTO PEDAGÓGICO AO ESCOLAR EM TRATAMENTO DE SAÚDE

EDUCAÇÃO E SAÚDE NO ATENDIMENTO PEDAGÓGICO AO ESCOLAR EM TRATAMENTO DE SAÚDE EDUCAÇÃO E SAÚDE NO ATENDIMENTO PEDAGÓGICO AO ESCOLAR EM TRATAMENTO DE SAÚDE Resumo Jacques de Lima Ferreira 1 - PUCPR Grupo de Trabalho - Educação, Saúde e Pedagogia Hospitalar Agência Financiadora: não

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13

ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13 ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13 I CICLO DE ESTUDOS INTERDISCIPLINARES (1º e 2º semestres): FUNDAMENTOS DA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO EMENTÁRIO: O I Ciclo do Curso de Pedagogia do UniRitter desenvolve os fundamentos

Leia mais

POSSIBILIDADES DO INSTRUMENTO DE ENTREVISTA EM SERVIÇO SOCIAL

POSSIBILIDADES DO INSTRUMENTO DE ENTREVISTA EM SERVIÇO SOCIAL POSSIBILIDADES DO INSTRUMENTO DE ENTREVISTA EM SERVIÇO SOCIAL Edriane Cristhina Catarin Peretti 1 RESUMO: A proposta de pesquisa refere-se à compreensão do instrumento de entrevista situado nos processos

Leia mais

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde A Portaria MS nº 2616/98 define a Infecção Hospitalar (IH) como sendo aquela adquirida após a admissão do paciente e que se manifesta durante

Leia mais

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Metodologia Científica 60 horas História da Educação 60 horas Sociologia da Educação I 60 horas Filosofia

Leia mais

DOCENTE INTERLOCUTOR DE LIBRAS-LÍNGUA PORTUGUESA NA REDE ESTADUAL DE ENSINO DE SÃO PAULO: ANÁLISE DE UMA NOVA FUNÇÃO

DOCENTE INTERLOCUTOR DE LIBRAS-LÍNGUA PORTUGUESA NA REDE ESTADUAL DE ENSINO DE SÃO PAULO: ANÁLISE DE UMA NOVA FUNÇÃO 1 DOCENTE INTERLOCUTOR DE LIBRAS-LÍNGUA PORTUGUESA NA REDE ESTADUAL DE ENSINO DE SÃO PAULO: ANÁLISE DE UMA NOVA FUNÇÃO Mara Aparecida de Castilho Lopes 1 Ida Lichtig 2 Universidade de São Paulo - USP Resumo:

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DO ENSINO TÉCNICO E DA CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL NO INSTITUTO FEDERAL DO AMAPÁ CÂMPUS MACAPÁ

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DO ENSINO TÉCNICO E DA CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL NO INSTITUTO FEDERAL DO AMAPÁ CÂMPUS MACAPÁ REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DO ENSINO TÉCNICO E DA CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL NO INSTITUTO FEDERAL DO AMAPÁ CÂMPUS MACAPÁ Resumo Caio Teixeira Brandão 1 - UFRRJ Grupo de Trabalho Educação, Complexidade e Transdisciplinaridade

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE A CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE DO PROFESSOR DE INGLÊS DA CIDADE DE FAGUNDES - PB

UM ESTUDO SOBRE A CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE DO PROFESSOR DE INGLÊS DA CIDADE DE FAGUNDES - PB UM ESTUDO SOBRE A CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE DO PROFESSOR DE INGLÊS DA CIDADE DE FAGUNDES - PB 01. RESUMO Karla Rodrigues de Almeida Graduada em Letras pela UFCG e-mail: karlaalmeida.1@hotmail.com Izanete

Leia mais

A EXPERIÊNCIA NO TRATAMENTO PSICOLÓGICO COM PESSOAS SURDAS: UM ESTUDO DE CASO

A EXPERIÊNCIA NO TRATAMENTO PSICOLÓGICO COM PESSOAS SURDAS: UM ESTUDO DE CASO A EXPERIÊNCIA NO TRATAMENTO PSICOLÓGICO COM PESSOAS SURDAS: UM ESTUDO DE CASO Adriana Cattalini, Silvia Aparecida Fornazari. Centro Universitario Católico Salesiano Auxilium UNISALESIANO /Lins,SP. acattalini@bol.com.br,

Leia mais

A Integração da Equipe de Saúde Bucal nos Serviços de Saúde

A Integração da Equipe de Saúde Bucal nos Serviços de Saúde A Integração da Equipe de Saúde Bucal nos Serviços de Saúde Trabalho em Saúde Economia globalizada transforma o trabalho afeta os meios e as relações de trabalho substituindo trabalho individual trabalho

Leia mais

SATISFAÇÃO DO IDOSO NO PROGRAMA JOÃO PESSOA VIDA SAUDÁVEL

SATISFAÇÃO DO IDOSO NO PROGRAMA JOÃO PESSOA VIDA SAUDÁVEL SATISFAÇÃO DO IDOSO NO PROGRAMA JOÃO PESSOA VIDA SAUDÁVEL Priscilla Pinto Costa da Silva 1 Emília Amélia Pinto Costa da Silva 2 Luiz Arthur Cavalcanti Cabral 1 Eronaldo de Sousa Queiroz Junior 1 Nayrla

Leia mais

O CONHECIMENTO BÁSICO DA COMUNIDADE ESCOLAR SOBRE HIV/AIDS

O CONHECIMENTO BÁSICO DA COMUNIDADE ESCOLAR SOBRE HIV/AIDS Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2010, v. 11, n. 11, p. 10 20 O CONHECIMENTO BÁSICO DA COMUNIDADE ESCOLAR SOBRE HIV/AIDS GONÇALVES, B.F.da S.¹; DE BRITO, D.M.¹; PEDRO, E. M. ¹; CALVO, F.L.M.¹; SPERLICH,

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Regulamento da Unidade Centro de materiais e Esterilização da Faculdade Guairacá. Título I Das Disposições Gerais

Regulamento da Unidade Centro de materiais e Esterilização da Faculdade Guairacá. Título I Das Disposições Gerais Regulamento da Unidade Centro de materiais e Esterilização da Faculdade Guairacá Título I Das Disposições Gerais Capítulo I Da Identificação, Missão e Visão Art. 1 - A Unidade Centro de Materiais e Esterilização

Leia mais

BIOSSEGURANÇA. Maria Emilia Aracema aracema@terra.com.br Farmacêutica-Bioquímica

BIOSSEGURANÇA. Maria Emilia Aracema aracema@terra.com.br Farmacêutica-Bioquímica BIOSSEGURANÇA Maria Emilia Aracema aracema@terra.com.br Farmacêutica-Bioquímica BIOSSEGURANÇA Biossegurança GERENCIAMENTO PONTO DE PARTIDA Risco O que entendemos por RISCO? CONCEITOS BÁSICOS RISCO (2000)

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde.

Leia mais

A INCLUSÃO ESCOLAR E O ENSINO DE BIOLOGIA: A VISÃO DOS ALUNOS

A INCLUSÃO ESCOLAR E O ENSINO DE BIOLOGIA: A VISÃO DOS ALUNOS A INCLUSÃO ESCOLAR E O ENSINO DE BIOLOGIA: A VISÃO DOS ALUNOS Natállia Carrion Teodoro (Instituto de Biociências, UNESP/Botucatu) Pedro Ryô de Landim y Goya (Instituto de Biociências, UNESP/Botucatu) Luciana

Leia mais

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es).

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es). A AIDS NA VELHICE NA PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE Ana Alayde Werba Saldanha*; Isabel Cristina V. Oliveira**; Ludgleydson Fernandes de. Araújo***; Josevânia Silva* *Universidade Federal da Paraíba,

Leia mais

A MOTIVAÇÃO PARA APRENDER BIOLOGIA: O QUE REVELAM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO.

A MOTIVAÇÃO PARA APRENDER BIOLOGIA: O QUE REVELAM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO. A MOTIVAÇÃO PARA APRENDER BIOLOGIA: O QUE REVELAM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO. Thayssa Rabelo Scheley (Instituto de Biociências UNESP/Botucatu- Bolsista PIBIC CNPq -2013 ) Camila Rocha Pergentino da Silva (Instituto

Leia mais

CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS DA ÁREA DA SAÚDE EM RELAÇÃO À HEPATITE C

CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS DA ÁREA DA SAÚDE EM RELAÇÃO À HEPATITE C CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS DA ÁREA DA SAÚDE EM RELAÇÃO À HEPATITE C 1 Vieira, E. S.; 2 Cardoso E. M.; 3 Souza, J. R.; 4 Filipini. S. M., 5 Giaretta, V. M. A Faculdade de Ciências da Saúde, Curso de

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA FERREIRA, Adriana Ribeiro & ROSSO, Ademir José INTRODUÇÃO O meio ambiente (MA) é

Leia mais