Caminhos para as cidades digitais no Brasil. Campinas, 26 de março de 2009

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Caminhos para as cidades digitais no Brasil. Campinas, 26 de março de 2009"

Transcrição

1 Caminhos para as cidades digitais no Brasil Campinas, 26 de março de 2009

2 Atualmente, faz-se necessário o exame de meios que estimulem a difusão de cidades digitais sustentáveis pelo país, porque, além de instrumentos de inclusão digital, elas são essenciais aos recentes modelos de desenvolvimento sócio-econômico, pautados no uso e domínio de novas tecnologias de informação e comunicação. Agenda Revisão do conceito Planejamento da implantação de uma cidade digital Desafios à expansão das cidades digitais no Brasil

3 Histórico e motivadores Histórico Disseminação de experiências nos EUA, Europa, Ásia e Brasil Motivação para governos Melhoria no acesso a serviços públicos e de e-gov (saúde, segurança pública, educação, controle de tráfego, etc) Superação de gaps no mercado de serviços de telecomunicações e-desenvolvimento, desenvolvimento local e inserção global Motivação para empresas Telecomunicações como insumo no processo produtivo, operação distribuída Novo mercado para operadores, fabricantes e integradores Benefício para os cidadãos Inclusão Digital Acesso à informação como um direito

4 Definição de Cidade Digital Cidade Digital é aquela que apresenta, em toda a sua área geográfica, infra-estrutura de telecomunicações e internet, tanto para acesso individual quanto público, disponibilizando à sua população informações e serviços, públicos e privados em ambiente virtual Camada Virtual Camada de Interconexão Camada Física

5 Cidades digitais centradas na rede de comunicação Trajetória das experiências no país: Foco na implantação de redes municipais, pelo governo local Disponibilização de acesso à Internet Disponibilização limitada de serviços (VOIP, impressão de guias para pagamento de impostos) Fonte: Apresentação de Piraí Digital

6 Cidade digital centrada em serviços Adaptado de 3g-generation.com

7 Cenário viável em uma cidade digital plena

8 Conceito de Cidades Digitais O que falta? Conceber projetos a partir de uma visão de serviços locais disruptivos Repensar o urbanismo Incorporar as oportunidades e ameaças das novas tecnologias e serviços, levando-se em conta processos sociais existentes (econômicos, culturais e políticos), nos distintos contextos regionais Criar e aprimorar instrumentos e ferramentas para facilitar a implantação de cidades digitais em escala nacional Proposta Desenvolver soluções para serviços inovadores, inclusivos e sustentáveis, apoiados por uma metodologia de planejamento, adequada às distintas condições regionais do país.

9 Modelo de referência Arquitetura tecnológica e-serviços privados e-serviços públicos (e-gov, e-cid) Soluções para serviços: integração de serviços, usabilidade & acessibilidade, segurança da informação, georeferenciamento,... Soluções de acesso Terminais, redes de acesso, transporte Infraestrutura municipal Redes ubíquas e convergentes com QoS Sensores digitais Novos espaços de acesso público e coletivo Conteúdos inovadores Soluções de apoio: Criação e publicação de conteúdos Ambiente de simulação Metodologias Urbanismo Incorporação das TICs ao planejamento urbano Construções inteligentes Digital Ecocities: controle de poluição, tráfego, energia...

10 Estágios e níveis de urbanização digital Cidades digitais Habilitação Cidade Digital Plena Cidade Digital Integrada Cidade Digital Pré-Integrada Serviços Eletrônicos Telecentros Acesso Básico Integração de cidades, estados e países Construções inteligentes e conectadas Serviços públicos e privados totalmente replicados em ambiente virtual integrado Recursos plenos de acessibilidade, usabilidade e inteligibilidade Cobertura total para acesso público e individual Sem limitação significativa de banda para acesso público e individual (acesso e backbone) Acesso público à Internet (telecentros) Recursos mínimos de acessibilidade Limitação de número de telecentros e de banda (acesso e backbone) Livro Minicom/CPqD: As cidades digitais no mapa do Brasil: Uma rota para a inclusão social

11 Metodologia Aprimoramento do nível de urbanização digital de um município Focos Focos de de atuação atuação Dimensionamento Dimensionamento Análise Análisede de viabilidade viabilidade Monitoramento Monitoramento Focos de atuação: i) Infraestrutura; ii) perfis da população; iii) serviços públicos e privado; iv) integração de serviços e recursos; Dimensionamento: levantamento de demanda (focos de atuação); curvas de sensibilidade aos serviços pagos; agregados de transmissão; grau de integração de serviços de governo; Análise de viabilidade técnica e econômica: escolha de soluções e metas de evolução (técnica de construção de cenários, simulações e riscos) Monitoramento periódico

12 Urbanização digital e inclusão digital Livro Minicom/CPqD: As cidades digitais no mapa do Brasil: Uma rota para a inclusão social

13 Modelos de negócio (Redes sem-fio metropolitanas) Modelos Básicos Monopólio: Um provedor (governo, empresa, ONG) é proprietário e opera uma rede ubíqua em um município Competição entre Redes (Facilities-based competition): Dois ou mais provedores locais competem no município Atacado-varejo (Wholesale-retail) : Um provedor vende serviços no atacado para diversos provedores menores, que os revendem para os usuários finais do município Competição aberta: distintos provedores exploram e competem livremente, qualquer área do município Fonte: New American Foundation: Wireless Future Program

14 Modelos de parceria de propriedade e operação Serviços gerenciados Dispositivo de acesso Rede sem-fio Rede Metro Aplicações Bilhetagem Acesso Atacado-varejo com compartilhamento na rede metropolitana Dispositivo de acesso Rede sem-fio Rede Metro Aplicações Bilhetagem Acesso Múlt. ISPs Modelo Híbrido Dispositivo de acesso Rede sem-fio Rede Metro Aplicações Bilhetagem Acesso Múlt. ISPs Propriedade e operação de um Provedor de Serviço Propriedade e operação do município Propriedade do município, operado por um provedor ou integrador de sistemas Fonte: Succesfull municipalities business models, Cisco

15 Modelos de receita Publicidade WISP Comunidades Prefeituras Fonte: Sítio da Teleco

16 Modelos (Público <-> Privado) Modelos Privado Cooperativas de Atacado-varejo Público Serviços e conteúdos Provedor único de serviços e conteúdos Múltiplos provedores de serviços e conteúdos Empresas públicas, governo local, ou PPP Redes de Backbone e de acesso Provedor único de serviços e conteúdos Operador de rede (ONG) Empresas públicas, governo local, ou PPP Infraestrutura Física Governo Local ou concessionária Governo local / concessionária Empresas públicas, governo local, ou PPP

17 Quadro comparativo Modelo Proposta de valor Financiame nto Parceiros Gestão Infraestrutura Público-alvo Empresa Pública Melhoria nos serviços públicos e inclusão digital Fundos públicos Administração municipal Adm. Municipal ou empresa Qualquer comunidade Comunidade Estimula o capital social, engajamento cívico Doações e voluntariado Adm. Municipal, empresas locais, voluntários Entidade sem fins lucrativos Qualquer comunidade Publicoprivado Utiliza sítios públicos para hospedar infraestrutura. Melhora eficiência de gestão. Fundos privados Provedores de serviços Empresa privada Grandes comunidades Publicidade Provedores de conteúdo atuam na eliminação da exclusão digital Publicidade Provedores de conteúdos, fornecedores de equipamentos Operadores de conteúdos (Google, Yahoo), ou ISP Grandes áreas comerciais ou grandes cidades

18 Desafios a uma implantação nacional Mapeamento do mercado para produtos e serviços para cidades digitais Identificação das alternativas de intervenção para estímulo das áreas de menor interesse de mercado incentivos à criação de serviços de cidadania digital, e-administração, filet&osso Articulação de políticas públicas voltadas para os cenários, onde haverá pouquíssimo investimento privado, no médio prazo: Criação de um programa nacional de cidades digitais, para regiões de baixa densidade populacional e baixo potencial de consumo: Financiamento de soluções para prefeituras, escolas, saúde, associações, etc.

19 Ações para um programa nacional de cidades digitais em municípios e regiões pouco desenv. Selecionar os municípios/áreas-alvo Aplicar a metodologia de elevação do nível de urbanização digital Definir modelos de implantação, exploração e negócios para os serviços identificados Quantificar investimentos necessários e identificar fontes de financiamento.

20 Articulação de políticas públicas Esfera Federal: Gesac & troca dos PSTs Industrial (equipamentos) Educação (conteúdos, formação de professores) Planejamento (governo eletrônico) Cultura (promover a diversidade de conteúdos) Cidades (incorporação do tema ao planejamento urbano municipal) Economia (alternativas de financiamento: BNDES, CEF...) MCT (inovação, software público) Esfera Estadual Definir o papel dos governos estaduais na construção das cidades digitais Municipal Conscientizar governantes locais / formação de uma vontade política local Estimular a participação da população no debate e construção das cidades digitais

21 Reflexão...enfim, o caminho para as Cidades Digitais no Brasil parte da constituição de um referencial para a criação de serviços inovadores, passa pela identificação de alternativas de sustentabilidade para os diversos cenários existentes no país, devendo conduzir a um território onde os diversos atores sociais possam usufruir plenamente das novas possibilidades de mediação das tecnologias da informação e comunicação.

22 Marcos de Carvalho Marques (19)

A cidade digital plena, articulada a partir da administração local. Marcos de C. Marques Pesquisador e Consultor São Paulo, 09 de Junho de 2009

A cidade digital plena, articulada a partir da administração local. Marcos de C. Marques Pesquisador e Consultor São Paulo, 09 de Junho de 2009 A cidade digital plena, articulada a partir da administração local Marcos de C. Marques Pesquisador e Consultor São Paulo, 09 de Junho de 2009 O foco na construção de uma cidade digital deve recair sobre

Leia mais

Cidades Inteligentes

Cidades Inteligentes Cidades Inteligentes Além das Cidades Digitais Plenas Juliano Castilho Dall Antonia CTI 15/05/14 Conceituação Publicado em 2006 Creative Commons Você pode copiar, distribuir e exibir Você pode criar obras

Leia mais

Cidades Digitais: Viabilidade Econômica e Sustentabilidade

Cidades Digitais: Viabilidade Econômica e Sustentabilidade Cidades Digitais: Viabilidade Econômica e Sustentabilidade Este tutorial apresenta conceitos e modelos de negócios para a implantação das Cidades Digitais e, através de um estudo de caso da cidade da Filadélfia

Leia mais

Cidades Digitais: Viabilidade Econômica e Sustentabilidade

Cidades Digitais: Viabilidade Econômica e Sustentabilidade Cidades Digitais: Viabilidade Econômica e Sustentabilidade Este tutorial apresenta conceitos e modelos de negócios para a implantação das Cidades Digitais e, através de um estudo de caso da cidade da Filadélfia

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações CIDADES DIGITAIS CONSTRUINDO UM ECOSSISTEMA DE COOPERAÇÃO E INOVAÇÃO Cidades Digitais Princípios

Leia mais

Programa Nacional de Banda Larga 18 meses depois

Programa Nacional de Banda Larga 18 meses depois Programa Nacional de Banda Larga 18 meses depois Caio Bonilha Telebras 1 Câmara dos Deputados, 06/12/2011 Mercado de Banda Larga no Brasil Conexões Banda Larga por região 9% 2% 17% 63% 9% Norte Nordeste

Leia mais

Panorama Projeto STID Soluções de Telecomunicações para Inclusão Digital. Campinas, 26 de março de 2009

Panorama Projeto STID Soluções de Telecomunicações para Inclusão Digital. Campinas, 26 de março de 2009 Panorama Projeto STID Soluções de Telecomunicações para Inclusão Digital Campinas, 26 de março de 2009 STID Soluções de Telecomunicações para Inclusão Digital Projeto de Pesquisa e Desenvolvimento, conduzido

Leia mais

Tecnologia nos Municípios Brasileiros

Tecnologia nos Municípios Brasileiros PREFEITURA DE ITABORAÍ SECRETARIA DE FAZENDA ASSCT&I & (COBRA/BANCO DO BRASIL) DIRETORIA DE SISTEMAS INTEGRADOS Tecnologia nos Municípios Brasileiros O TERMO CIDADE DIGITAL Uma Cidade Digital muitas vezes

Leia mais

Entraves existentes ao desenvolvimento regional no Brasil: como vetor de desenvolvimento. Brasília, junho 2011

Entraves existentes ao desenvolvimento regional no Brasil: como vetor de desenvolvimento. Brasília, junho 2011 Entraves existentes ao desenvolvimento regional no Brasil: Inclusão digital i A Telebrás Tlbá como vetor de desenvolvimento. Brasília, junho 2011 O Desenvolvimento Desenvolvimento, em termos conceituais,

Leia mais

Modelos de Negócios para Serviços de Cidadania Digital. Campinas, 26 de março de 2009

Modelos de Negócios para Serviços de Cidadania Digital. Campinas, 26 de março de 2009 Modelos de Negócios para Serviços de Cidadania Digital Campinas, 26 de março de 2009 Agenda Que modelos de negócios podem contribuir à implantação, sustentabilidade e rearranjo dos serviços de inclusão

Leia mais

Iniciativa para Identificação de Oportunidades Tecnológicas para o Desenvolvimento da Internet do Futuro. Tania Regina Tronco

Iniciativa para Identificação de Oportunidades Tecnológicas para o Desenvolvimento da Internet do Futuro. Tania Regina Tronco Iniciativa para Identificação de Oportunidades Tecnológicas para o Desenvolvimento da Internet do Futuro Tania Regina Tronco Data: 15/04/2009 Motivadores A evolução da Internet causará um forte impacto

Leia mais

Transparência e Internet, as Telecomunicações apoiando a Administração Pública Case Prefeitura de São Paulo

Transparência e Internet, as Telecomunicações apoiando a Administração Pública Case Prefeitura de São Paulo Transparência e Internet, as Telecomunicações apoiando a Administração Pública Case Prefeitura de São Paulo Data:17 de Julho de 2009 Índice 01 Evolução da Internet - História (comercialização dos Backbones)

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

PROJETO CIDADE DIGITAL. CIDADE ONLINE e Internet para todos

PROJETO CIDADE DIGITAL. CIDADE ONLINE e Internet para todos PROJETO CIDADE DIGITAL CIDADE ONLINE e Internet para todos 2 PROJETO CIDADE DIGITAL CIDADE(nome da cidade) ONLINE e Internet para todos 3 CONCEITO Em termos técnicos, uma CIDADE DIGITAL é a interconexão

Leia mais

Pesquisa sobre Provedores de Serviços Internet no Brasil. São Paulo, 30 de novembro de 2011

Pesquisa sobre Provedores de Serviços Internet no Brasil. São Paulo, 30 de novembro de 2011 Pesquisa TIC Provedores 2011 Coletiva de Imprensa Pesquisa sobre Provedores de Serviços Internet no Brasil São Paulo, 30 de novembro de 2011 CGI.br Comitê Gestor da Internet no Brasil NIC.br Núcleo de

Leia mais

O direito à tecnologia da informação: perspectivas e desafios. Prof. José Carlos Vaz EACH-USP

O direito à tecnologia da informação: perspectivas e desafios. Prof. José Carlos Vaz EACH-USP O direito à tecnologia da informação: perspectivas e desafios Prof. José Carlos Vaz EACH-USP 1 1. A importância da democratização do acesso à TI A desigualdade no acesso à tecnologia é um fator adicional

Leia mais

Plano Nacional. de Banda Larga. Brasília, 05 de maio de 2010

Plano Nacional. de Banda Larga. Brasília, 05 de maio de 2010 Plano Nacional de Banda Larga Brasília, 05 de maio de 2010 Sumário 1. Importância Estratégica 2. Diagnóstico 3. Objetivos e Metas 4. Ações 5. Investimento 6. Governança e Fórum Brasil Digital 2 1. Importância

Leia mais

Apresentação Institucional. Ignacio Daniel Arias, Maio 2013

Apresentação Institucional. Ignacio Daniel Arias, Maio 2013 Apresentação Institucional Ignacio Daniel Arias, Maio 2013 Agenda - A Empresa - Infraestrutura - Equipe - Produtos e Serviços - Tecnologias - Clientes - Serviços e o MPS.BR A Empresa Historico A EliteSoft

Leia mais

Telebras Institucional

Telebras Institucional Telebras Institucional Ibirubá-RS, Setembro 2011 A Telebrás Quem somos A TELEBRAS é uma S/A de economia mista, vinculada ao Ministério das Comunicações, autorizada a usar e manter a infraestrutura e as

Leia mais

Governo Eletrônico no Brasil

Governo Eletrônico no Brasil Governo Eletrônico no Brasil João Batista Ferri de Oliveira Natal, 18 de Setembro de 2009 II Simpósio de Ciência e Tecnologia de Natal Estrutura da apresentação Estrutura organizacional Diretrizes Principais

Leia mais

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social II Fórum de Informação em Saúde IV Encontro da Rede BiblioSUS O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social Maria de Fátima Ramos Brandão Outubro/2007 1 Apresentação O Projeto Casa Brasil Modelos

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

4 Mercado setor de telecomunicações

4 Mercado setor de telecomunicações 4 Mercado setor de telecomunicações Nesta sessão é apresentada uma pequena visão geral do mercado de telecomunicações no Brasil, com dados históricos dos acontecimentos mais relevantes a este trabalho,

Leia mais

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES 1 Apresentação 1. As comunicações, contemporaneamente, exercem crescentes determinações sobre a cultura,

Leia mais

Cidades Digitais. Convergência - Banda Larga Melhorando a vida do cidadão. José C. Alcântara Jr alcantara@furukawa.com.br

Cidades Digitais. Convergência - Banda Larga Melhorando a vida do cidadão. José C. Alcântara Jr alcantara@furukawa.com.br Cidades Digitais Convergência - Banda Larga Melhorando a vida do cidadão José C. Alcântara Jr alcantara@furukawa.com.br Sociedade Conectada A todo instante - Em qualquer lugar Sociedade Conectada A todo

Leia mais

LINHAS TEMÁTICAS. EDITAL MCT/CNPq 066/2010 ICT 2011 Chamada coordenada UE/ Brasil. Linha temática 1: Microeletrônica/ Microssistemas

LINHAS TEMÁTICAS. EDITAL MCT/CNPq 066/2010 ICT 2011 Chamada coordenada UE/ Brasil. Linha temática 1: Microeletrônica/ Microssistemas (Anexo IV) LINHAS TEMÁTICAS EDITAL MCT/CNPq 066/2010 ICT 2011 Chamada coordenada UE/ Brasil Linha temática 1: Microeletrônica/ Microssistemas Metodologia, blocos e ferramentas específicas de projeto que

Leia mais

Soluções urbanas inovadoras e financiamento de Smart Cities. São Paulo, 23 setembro 2014

Soluções urbanas inovadoras e financiamento de Smart Cities. São Paulo, 23 setembro 2014 Soluções urbanas inovadoras e financiamento de Smart Cities São Paulo, 23 setembro 2014 1 Índice 1. Fatores habilitantes da Cidade Inteligente 2. Modelos de financiamento da Cidade Inteligente 2 1. Fatores

Leia mais

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

Financiamento das Iniciativas de Inclusão Digital

Financiamento das Iniciativas de Inclusão Digital Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Financiamento das Iniciativas de Inclusão Digital III IPAIT 07 / 06 / 2005 Mauricio Neves MSN@BNDES.GOV.BR Gerente Depto Indústria Eletrônica Área Industrial

Leia mais

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA Em 22 e 23 de outubro de 2015, organizado pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano SEDU, por meio da Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba COMEC,

Leia mais

Governo eletrônico e a integração de processos de serviços públicos para melhoria do atendimento a sociedade

Governo eletrônico e a integração de processos de serviços públicos para melhoria do atendimento a sociedade Governo eletrônico e a integração de processos de serviços públicos para melhoria do atendimento a sociedade Rogério Santanna dos Santos Brasília, 03 de junho de 2009 Fórum Internacional das Centrais de

Leia mais

Governo Orientado por Serviços

Governo Orientado por Serviços Governo Orientado por Serviços Qual a Sociedade da Informação que Queremos? Uso das tecnologias da informação e da comunicação na administração pública - combinado com mudanças organizacionais e novas

Leia mais

PTTMetro. 11 Jan 2010

PTTMetro. 11 Jan 2010 PTTMetro 11 Jan 2010 Antonio Galvao de Rezende Filho Eduardo Ascenço Reis Milton Kaoru Kashiwakura PTTMetro http://ptt.br/ Apresentação 1 Sobre o CGI.br

Leia mais

Evento Huawei Águas de São Pedro Cidade Digital e Inteligente

Evento Huawei Águas de São Pedro Cidade Digital e Inteligente Evento Huawei Águas de São Pedro Cidade Digital e Inteligente São Paulo, 2 de Julho de 2015 Eduardo Koki Iha Smart Cities & Inovação IoT eduardo.iha@telefonica.com - @kokiiha 1 Por que Cidades Inteligentes?_

Leia mais

Software Livre no Serpro

Software Livre no Serpro Software Livre no SERPRO Apresentador:Sérgio Rosa Diretor 02/03/05 Agenda O SERPRO Fatores Críticos de Sucesso Papel do SERPRO Software Livre no SERPRO Resultados Alcançados Conclusões Empresa Pública

Leia mais

O Impacto Sócio-Econômico da Banda Larga

O Impacto Sócio-Econômico da Banda Larga Instituto de Inovação com TIC O Impacto Sócio-Econômico da Banda Larga [ Flávia Fernandes Julho/2010] Banda Larga Internet A Internet supera a produtividade combinada do telefone, transporte e eletricidade

Leia mais

I Fórum Lusófono de Comunicações. Abril. 2010

I Fórum Lusófono de Comunicações. Abril. 2010 I Fórum Lusófono de Comunicações Abril. 2010 Evolução do Setor de Telecomunicações no Brasil Pré-Privatização Monopólio estatal Poucos investimentos Baixa qualidade dos serviços 98 Grande demanda reprimida

Leia mais

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 Análise de Tendências e Inovação Estratégica Levar o aluno a compreender os conceitos e as ferramentas de inteligência preditiva e inovação estratégica. Analisar dentro

Leia mais

Reunião da Qualidade RS - 48a Edição. Inovação e Cidades Inteligentes. Planeta Mais Inteligente: www.ibm.com/smarterplanet/br/pt/

Reunião da Qualidade RS - 48a Edição. Inovação e Cidades Inteligentes. Planeta Mais Inteligente: www.ibm.com/smarterplanet/br/pt/ Planeta Mais Inteligente: www.ibm.com/smarterplanet/br/pt/ Siga a IBM no Twitter: YouTube Canal IBM: www.twitter.com/ibmbrasil www.youtube.com/ibmbrasil Reunião da Qualidade RS - 48a Edição Inovação e

Leia mais

Piraí - O Município digital

Piraí - O Município digital Município digital O SISTEMA SHSW: sistema híbrido com suporte wireless (SHSW) cobertura a todo o seu território iluminando todos os distritos e sua área central. município inova com uma infra-estrutura

Leia mais

:: Telefonia pela Internet

:: Telefonia pela Internet :: Telefonia pela Internet http://www.projetoderedes.com.br/artigos/artigo_telefonia_pela_internet.php José Mauricio Santos Pinheiro em 13/03/2005 O uso da internet para comunicações de voz vem crescendo

Leia mais

Importância e Implementação

Importância e Implementação Importância e Implementação O que é? Sub-área da inclusão social. Democratização do acesso às tecnologias de informação. Melhorar as condições de vida de uma comunidade com ajuda da tecnologia. Utilização

Leia mais

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus APRESENTAÇÃO Ao se propor a sistematização de uma política pública voltada para os museus brasileiros, a preocupação inicial do Ministério

Leia mais

VoIP Peering. Operação, Tecnologia e Modelos de Negócio

VoIP Peering. Operação, Tecnologia e Modelos de Negócio VoIP Peering Operação, Tecnologia e Modelos de Negócio Histórico 2005 2004 2004 2003 2002 2001 2000 1999 1998 1996 1995 1993 Plataformas de Suporte ao Cliente Final Suporte ao protocolo SIP POP em Miami

Leia mais

Cidades Digitais Uma visão sustentável de parcerias

Cidades Digitais Uma visão sustentável de parcerias Cidades Digitais Uma visão sustentável de parcerias Vanderlei Riga9eri Júnior WDC Networks vriga9eri@wdcnet.com.br Slide 1/2588 Cidades Digitais Quais os mo9vadores da prefeitura? O que a prefeitura ganha?

Leia mais

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA APRESENTAÇÃO CORPORATIVA Julho de 2011 Mercado Brasileiro de Telecomunicações Oi: Perfil, Cobertura e Estratégia Resultados Operacionais e Financeiros Aliança com a Portugal Telecom e Aumento de Capital

Leia mais

Software Livre. Agência de Tecnologia da Informação de Sergipe

Software Livre. Agência de Tecnologia da Informação de Sergipe Software Livre Governo do Estado de Sergipe Apresentação AGETIS Situação Encontrada e Motivação SL no Governo de Sergipe Decisão Governamental Decreto 23.706 de 10 de Março de 2006 Projetos Conclusão AGETIS

Leia mais

mudanças qualitativas radicais na vida econômica, social e política das nações.

mudanças qualitativas radicais na vida econômica, social e política das nações. PRONUNCIAMENTO DO MINISTRO EDUARDO CAMPOS NA SOLENIDADE DE INSTALAÇÃO DA III ASSEMBLÉIA GERAL DA ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL DE PARLAMENTARES PARA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (IPAIT), NA CÂMARA DOS DEPUTADOS,

Leia mais

REDE IP WAVENET INFRA-ESTRUTURA MULTISERVIÇOS IP WIRELESS

REDE IP WAVENET INFRA-ESTRUTURA MULTISERVIÇOS IP WIRELESS REDE IP WAVENET INFRA-ESTRUTURA MULTISERVIÇOS IP WIRELESS TÓPICOS - INTRODUÇÃO - HISTÓRICO - INTERNET PONTO A PONTO - INTERNET PONTO MULTIPONTO - TECNOLOGIA WI-MESH - REDE MULTISERVIÇOS IP - CASOS PRÁTICOS

Leia mais

ALTEROSA CIDADE DIGITAL Inclusão Digital e Inclusão Social

ALTEROSA CIDADE DIGITAL Inclusão Digital e Inclusão Social ALTEROSA CIDADE DIGITAL Inclusão Digital e Inclusão Social PROF. DIMAS DOS REIS RIBEIRO MESTRE EM HISTÓRIA E CULTURA E DOUTORANDO EM SERVIÇO SOCIAL MUNDO DO TRABALHO E QUESTÃO SOCIAL UNIVERSIDADE ESTADUAL

Leia mais

TELECENTROS.BR PROGRAMA NACIONAL DE APOIO À INCLUSÃO DIGITAL NAS COMUNIDADES. Informações preliminares Outubro de 2009

TELECENTROS.BR PROGRAMA NACIONAL DE APOIO À INCLUSÃO DIGITAL NAS COMUNIDADES. Informações preliminares Outubro de 2009 TELECENTROS.BR PROGRAMA NACIONAL DE APOIO À INCLUSÃO DIGITAL NAS COMUNIDADES Informações preliminares Outubro de 2009 1 OBSERVAÇÃO IMPORTANTE Esta apresentação é baseada na consolidação da proposta preliminar

Leia mais

PTT Fórum 6 Encontro dos Sistemas Autônomos da Internet no Brasil 3 e 4 de dezembro de 2012

PTT Fórum 6 Encontro dos Sistemas Autônomos da Internet no Brasil 3 e 4 de dezembro de 2012 PTT Fórum 6 Encontro dos Sistemas Autônomos da Internet no Brasil 3 e 4 de dezembro de 2012 MILTON KAORU KASHIWAKURA Diretor de Projetos Especiais e de Desenvolvimento NIC.br Sobre o CGI.br e o NIC.br

Leia mais

PTTMetro Informações e Destaques

PTTMetro Informações e Destaques PTTMetro Informações e Destaques 3 o PTT Forum 3 Dez 2009 Antonio Galvao de Rezende Filho Eduardo Ascenço Reis Milton Kaoru Kashiwakura 3o PTT Forum

Leia mais

Sistema de Desenvolvimento da Tecnologia da Informação e Comunicação de PE

Sistema de Desenvolvimento da Tecnologia da Informação e Comunicação de PE Secretaria de Administração e Reforma do Estado SARE LVI FÓRUM NACIONAL DE SECRETÁRIOS DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO CONSAD FLORIANÓPOLIS SC 09 e 10 de dezembro de 2004 Sistema de Desenvolvimento da Tecnologia

Leia mais

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte PPCAAM Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Secretaria de Direitos Humanos Presidência

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

Os Pontos de Troca de Tráfego, o PTTMetro, e seu papel na Internet brasileira. Antonio M. Moreiras moreiras@nic.br

Os Pontos de Troca de Tráfego, o PTTMetro, e seu papel na Internet brasileira. Antonio M. Moreiras moreiras@nic.br Os Pontos de Troca de Tráfego, o PTTMetro, e seu papel na Internet brasileira. Antonio M. Moreiras moreiras@nic.br Agenda O CGI.br e o NIC.br O que é a Internet? E o protocolo IP? Quais as relações possíveis

Leia mais

Sugestão de Política Pública para o Atendimento Rural via Satélite

Sugestão de Política Pública para o Atendimento Rural via Satélite Sugestão de Política Pública para o Atendimento Rural via Satélite Sindicato Nacional das Empresas de Telecomunicações por Satélite SINDISAT Suporte: TELECO - Inteligência em Telecomunicações Brasília,

Leia mais

Propriedade intelectual e políticas de comunicação

Propriedade intelectual e políticas de comunicação 1 Fórum Para entender os eixos focais Propriedade intelectual e políticas de comunicação Graça Caldas O texto do prof. Rebouças oferece uma importante revisão histórica sobre os conceitos que permeiam

Leia mais

Abordagens da Participação Social na aplicação de Recursos Públicos: A experiência do Orçamento Participativo Digital de Belo Horizonte

Abordagens da Participação Social na aplicação de Recursos Públicos: A experiência do Orçamento Participativo Digital de Belo Horizonte Abordagens da Participação Social na aplicação de Recursos Públicos: A experiência do Orçamento Participativo Digital de Belo Horizonte Belo Horizonte: aspectos demográficos e econômicos Cidade planejada

Leia mais

O QUE É O SITE MUNÍCIPIOS?

O QUE É O SITE MUNÍCIPIOS? O QUE É O SITE MUNÍCIPIOS? Apresentação Histórico Estratégia de comunicação e políticas para promoção do municipalismo forte e atuante A atuação da Confederação Nacional de Municípios na comunicação pública

Leia mais

Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal. JOÃO REZENDE Presidente da Anatel Anatel

Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal. JOÃO REZENDE Presidente da Anatel Anatel Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal JOÃO REZENDE Presidente da Anatel Anatel Brasília/DF Maio/2013 15 anos de LGT Em 1997, na corrida pelo usuário, a

Leia mais

Desafios para a construção" de uma rede de telecomunicações governamental no Estado

Desafios para a construção de uma rede de telecomunicações governamental no Estado Desafios para a construção" de uma rede de telecomunicações governamental no Estado Cristiane Lima Guadagnin Cardoso I Semana Estadual de Tecnologia da Informação e Comunicação - TIC Maio 2015. 1 AGENDA

Leia mais

Anexo III: Solução de Rede Local - LAN (Local Area Network)

Anexo III: Solução de Rede Local - LAN (Local Area Network) Anexo III: Solução de Rede Local - LAN (Local Area Network) 1. Objeto: 1.1. Contratação de uma Solução de rede de comunicação local (LAN) para interligar diferentes localidades físicas e os segmentos de

Leia mais

Troca de Tráfego : criando uma infraestrutura Internet melhor e mais barata (http://ptt.br). Milton Kaoru Kashiwakura mkaoruka@nic.

Troca de Tráfego : criando uma infraestrutura Internet melhor e mais barata (http://ptt.br). Milton Kaoru Kashiwakura mkaoruka@nic. Troca de Tráfego : criando uma infraestrutura Internet melhor e mais barata (http://ptt.br). Milton Kaoru Kashiwakura mkaoruka@nic.br Agenda O CGI.br e o NIC.br O que é a Internet? E o protocolo IP? Quais

Leia mais

Leiria Região Digital

Leiria Região Digital U M A R E G I Ã O ONLINE COM A VIDA Leiria Região Digital Resultados 15 de Julho de 2008 Nerlei 1 Agenda Parceiros do Leiria Região Digital (LRD) Zona de abrangência Objectivos do LRD Resultados do projecto

Leia mais

Centros de Inclusão o Digital Indicadores sobre Lanhouses e Telecentros

Centros de Inclusão o Digital Indicadores sobre Lanhouses e Telecentros Comissão Especial (PL 4361/2004): Centros de Inclusão Digital: Lanhouses, Telecentros, Cybercafés, Pontos de Cultura e similares Centros de Inclusão o Digital Indicadores sobre Lanhouses e Telecentros

Leia mais

PRIVACIDADE LEGISLAÇÃO BRASILEIRA. Patrícia Schmitt Freitas e Schmitt Advogados

PRIVACIDADE LEGISLAÇÃO BRASILEIRA. Patrícia Schmitt Freitas e Schmitt Advogados PRIVACIDADE LEGISLAÇÃO BRASILEIRA Patrícia Schmitt Freitas e Schmitt Advogados o direito que cada um tem sobre seu nome, sua imagem, sua intimidade, sua honra e sua reputação, sua própria biografia, e

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Design de Rede Local Design Hierárquico Este design envolve a divisão da rede em camadas discretas. Cada camada fornece funções específicas que definem sua função dentro da rede

Leia mais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 1: Etapas de Projeto e Dimensionamento do Sistema INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 Etapas de projeto e dimensionamento

Leia mais

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012)

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

Rede PLC da Restinga Primeira Etapa do Projeto

Rede PLC da Restinga Primeira Etapa do Projeto Primeira Etapa do Projeto Transferência de sinal da rede elétrica do prédio para cabo ou wireless e vice-versa D Repetidores e extratores de sinal para baixa tensão (220V/127V) e vice-versa C B Injeção

Leia mais

Ministério das Cidades

Ministério das Cidades Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana Ministério das Cidades A Mobilidade Urbana no Brasil Seminário Internacional:

Leia mais

O Futuro das Megacidades. São Paulo março de 2012

O Futuro das Megacidades. São Paulo março de 2012 São Paulo março de 2012 Rede Urbana Paulista Rede Urbana Paulista O território do Estado de São Paulo caracteriza-se pela presença de várias formas espaciais e de distintas escalas de urbanização. Rede

Leia mais

ANEXO I-a ARQUITETURA DA REDE INFOSUS II

ANEXO I-a ARQUITETURA DA REDE INFOSUS II ANEXO I-a ARQUITETURA DA REDE INFOSUS II 1. Descrição da rede INFOSUS II A Rede INFOSUS II, Infovia Integrada do Sistema Único de Saúde (SUS), consistirá em infra-estrutura de telecomunicações, a ser utilizada

Leia mais

Internet Cidadão Quissamã

Internet Cidadão Quissamã Internet Cidadão Quissamã Agenda Introdução Internet Cidadão Rede Prefeitura Situação Internet Cidadão Setembro de 2005 Ausência de provedores locais de acesso à Internet 2 Empresas de Informática (cerca

Leia mais

Jovino Francisco Filho Secretaria de Telecomunicações

Jovino Francisco Filho Secretaria de Telecomunicações GOVERNO FEDERAL AÇÕES PÚBLICAS PARA IMPLEMENT TAÇÃO DE BANDA LARGA BRASIL. Jovino Francisco Filho Secretaria de Telecomunicações BANDA LARGA INFRAESTRUTURA PARA REDUÇÃO DAS DISPA ARIDADES REGIO ONAIS BANDA

Leia mais

Tecnologias Digitais e Educação a Distância: letramento digital e formação de professores

Tecnologias Digitais e Educação a Distância: letramento digital e formação de professores Tecnologias Digitais e Educação a Distância: letramento digital e formação de professores Prof. Dr. Luís Paulo Leopoldo Mercado Universidade Federal de Alagoas Conteúdos Cenário das práticas pedagógicas

Leia mais

Redes sociais no Terceiro Setor

Redes sociais no Terceiro Setor Redes sociais no Terceiro Setor Prof. Reginaldo Braga Lucas 2º semestre de 2010 Constituição de redes organizacionais Transformações organizacionais Desenvolvimento das organizações articuladas em redes

Leia mais

7 Modelos de Négocio para o PLC

7 Modelos de Négocio para o PLC 87 7 Modelos de Négocio para o PLC Há basicamente três modelos de negócio que podem ser usados para o PLC baseados no valor de investimento e nível de risco que as empresas de energia se dispõem em aceitar

Leia mais

6127. Redes comunicação de dados. RSProf@iol.pt. 2014/2015. Introdução.

6127. Redes comunicação de dados. RSProf@iol.pt. 2014/2015. Introdução. Sumário 6127. Redes comunicação de dados. 6127. Redes comunicação de dados A Internet: Permite a interação entre pessoas. 6127. Redes comunicação de dados A Internet: Ensino; Trabalho colaborativo; Manutenção

Leia mais

Algar Telecom registra lucro de R$ 71 milhões em 2009

Algar Telecom registra lucro de R$ 71 milhões em 2009 Algar Telecom registra lucro de R$ 71 milhões em 2009 EBITDA atingiu a soma de R$ 391 milhões no ano passado São Paulo, 24 de março de 2010 A Algar Telecom, empresa de telecomunicações do Grupo Algar,

Leia mais

AGENDA. O Portal Corporativo. Arquitetura da Informação. Metodologia de Levantamento. Instrumentos Utilizados. Ferramentas

AGENDA. O Portal Corporativo. Arquitetura da Informação. Metodologia de Levantamento. Instrumentos Utilizados. Ferramentas AGENDA O Portal Corporativo Arquitetura da Informação Metodologia de Levantamento Instrumentos Utilizados Ferramentas PORTAL CORPORATIVO Na sociedade da informação é cada vez mais presente a necessidade

Leia mais

UMA REFLEXÃO SOBRE A REDE MUNDIAL DE COMPUTADORES

UMA REFLEXÃO SOBRE A REDE MUNDIAL DE COMPUTADORES Uma reflexão sobre a rede mundial de computadores 549 UMA REFLEXÃO SOBRE A REDE MUNDIAL DE COMPUTADORES por Guilherme Paiva de Carvalho * CASTELLS, Manuel. A galáxia da Internet: reflexões sobre a Internet,

Leia mais

A universalização do acesso à informação pelo uso das telecomunicações

A universalização do acesso à informação pelo uso das telecomunicações CONFIDENCIAL A universalização do acesso à informação pelo uso das telecomunicações José Antônio Guaraldi Félix Presidente da NET Serviços de Comunicação S.A. São Paulo, 29 de setembro de 2009 SUMÁRIO

Leia mais

Concentração no mercado de telecom Telesíntese 40

Concentração no mercado de telecom Telesíntese 40 Concentração no mercado de telecom Telesíntese 40 Telefonica do Brasil S.A. mar.2015 AGENDA e principais mensagens 1. O negócio de telecomunicações é intensivo em capital e está pressionado pela expansão

Leia mais

Estratégia do Projeto Cyberela

Estratégia do Projeto Cyberela Estratégia do Projeto Cyberela 1. Situação antes do começo da iniciativa Apenas 32 milhões dos 180 milhões de brasileiros tem acesso à internet. Neste contexto de exclusão digital, as mulheres se encontram

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Informática e Telecomunicações

Universidade. Estácio de Sá. Informática e Telecomunicações Universidade Estácio de Sá Informática e Telecomunicações A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades

Leia mais

TELEFONIA MÓVEL AUDIÊNCIA PÚBLICA CCT E CMA SENADO FEDERAL EDUARDO LEVY BRASÍLIA, 8 DE AGOSTO DE 2012

TELEFONIA MÓVEL AUDIÊNCIA PÚBLICA CCT E CMA SENADO FEDERAL EDUARDO LEVY BRASÍLIA, 8 DE AGOSTO DE 2012 TELEFONIA MÓVEL AUDIÊNCIA PÚBLICA CCT E CMA SENADO FEDERAL EDUARDO LEVY BRASÍLIA, 8 DE AGOSTO DE 2012 Telefonia móvel jun/2012 256 milhões 1998 7,4 milhões 1 ativação por segundo em 2012 Fonte: Telebrasil

Leia mais

TERMOS & CONDIÇÕES 0. DO CONTEXTO

TERMOS & CONDIÇÕES 0. DO CONTEXTO TERMOS & CONDIÇÕES O DESAFIO CISCO DE INOVAÇÃO URBANA - PORTO MARAVILHA é promovido pelo CENTRO DE INOVAÇÃO IOE DA CISCO NO RIO DE JANEIRO, e tem como objetivo inspirar a inovação, incentivando e novos

Leia mais

ser alcançada através de diferentes tecnologias, sendo as principais listadas abaixo: DSL (Digital Subscriber Line) Transmissão de dados no mesmo

ser alcançada através de diferentes tecnologias, sendo as principais listadas abaixo: DSL (Digital Subscriber Line) Transmissão de dados no mesmo 1 Introdução Em 2009, o Brasil criou o Plano Nacional de Banda Larga, visando reverter o cenário de defasagem perante os principais países do mundo no setor de telecomunicações. Segundo Ministério das

Leia mais

UNIVATES. Case Cisco CLIENTE SEGMENTO DESAFIOS SOLUÇÕES RESULTADOS CASES DE EDUCAÇÃO

UNIVATES. Case Cisco CLIENTE SEGMENTO DESAFIOS SOLUÇÕES RESULTADOS CASES DE EDUCAÇÃO CASES DE EDUCAÇÃO Case Cisco UNIVATES CLIENTE - Centro Universitário Univates - Número total de alunos: 13.235 - Número total de professores contratados: 537 SEGMENTO - Educação privada superior e profissionalizante

Leia mais

www.internetsul.org.br Prefeituras Parceria e Oportunidade Provedor X Mantenedor Porto Alegre Wireless Março/2008

www.internetsul.org.br Prefeituras Parceria e Oportunidade Provedor X Mantenedor Porto Alegre Wireless Março/2008 Internetsul www.internetsul.org.br Prefeituras Parceria e Oportunidade Provedor X Mantenedor Porto Alegre Wireless Março/2008 Objetivos 1 Inclusão Digital / Social 2 Prefeituras 3 Parcerias e Oportunidades

Leia mais

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Fica instituída a Política Municipal de Educação Ambiental, seus objetivos, princípios

Leia mais

Regulamentação da Internet e seus impactos nos modelos de negócio

Regulamentação da Internet e seus impactos nos modelos de negócio Regulamentação da Internet e seus impactos nos modelos de negócio Virgilio Almeida Secretário de Política de Informática Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação Brasilia Setembro de 2015 Elementos

Leia mais

EMBRATEL WHITE PAPER

EMBRATEL WHITE PAPER EMBRATEL WHITE PAPER CARRIER ETHERNET Neste artigo, a Embratel destaca a história, arquitetura, princípios e serviços que a solução de Carrier Ethernet possui. A tecnologia Ethernet foi concebida na década

Leia mais

PROCERGS O Uso Estratégico de TIC para suporte aos Objetivos do Governo RS

PROCERGS O Uso Estratégico de TIC para suporte aos Objetivos do Governo RS PROCERGS O Uso Estratégico de TIC para suporte aos Objetivos do Governo RS Antônio Ramos Gomes Diretor Presidente Agosto 2015 Agenda........... 1. Quem somos? 2. Governo Eletrônico e Governo Integrado

Leia mais

O P apel do Governo Federal nas Cidades Digitais

O P apel do Governo Federal nas Cidades Digitais O P apel do Governo Federal nas Cidades Digitais Mercado Mundial de Banda Larga Fonte: I DC/ Barômetro Cisco Mercado de Banda Larga no Brasil Distribuição Geográfica Dez/ 2007 7,49 milhões conexões crescimento

Leia mais

Digital para a Redução das

Digital para a Redução das Secretaria de Inclusão Digital i Contribuições da Política de Inclusão Digital para a Redução das Desigualdades Regionais Brasília, Junho de 2011 Sociedade idd do Conhecimento Não quero que a minha casa

Leia mais