INFORME OPEU DEZEMBRO 2012, n 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INFORME OPEU DEZEMBRO 2012, n 1"

Transcrição

1 INFORME OPEU DEZEMBRO 2012, n 1 SEGURANÇA EUA VOTAM CONTRA PALESTINA COMO ESTADO OBSERVADOR NA ONU 29 DE NOVEMBRO DE 2012 Os EUA votaram contra o pedido da Palestina para se tornar Estado observador não membro das Nações Unidas. A solicitação foi aprovada na votação da Assembleia Geral da organização no dia 29, com 138 votos a favor, 9 contra e 41 abstenções. O novo status permite que os palestinos busquem acesso a agências especializadas da ONU e a Cortes internacionais. Após a votação, a secretária de Estado Hillary Clinton declarou que a resolução poderia atrapalhar as negociações de paz entre israelenses e palestinos. Desde o início, EUA e Israel se opuseram à iniciativa conduzida pelo grupo palestino Fatah. Uma das preocupações de Washington, e principalmente de Israel, é que a Palestina acione o Tribunal Penal Internacional (TPI) contra práticas israelenses nos territórios ocupados. Antes da votação, diplomatas dos EUA se reuniram com o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, para buscar garantias de que o líder não requisitará participação no TPI e em outras agências internacionais. Congressistas em Washington já apresentaram projetos de lei para cortar contribuições financeiras destinadas ao governo Palestino e a organizações internacionais que aceitem o país como membro de suas instituições. A administração Obama é contra a suspensão das verbas. A resolução na ONU, que ocorreu dias após o fim das agressões entre Israel e o grupo palestino Hamas, indica um afastamento da comunidade internacional em relação à posição dos EUA. Analistas acreditam que a percepção de fortalecimento do Hamas depois do conflito estimulou países a aprovar o pedido do Fatah, facção considerada mais moderada. GOVERNO PLANEJA REGRAS PARA ATAQUE COM AVIÕES NÃO TRIPULADOS 28 DE NOVEMBRO DE 2012 A administração Obama está estabelecendo diretrizes para operações com aviões não tripulados. Divulgada pelo The New York Times no dia 24, a informação foi atribuída a fontes anônimas. O esforço, iniciado no meio do ano, teria sido acelerado semanas antes da eleição de novembro com a possibilidade de vitória de Mitt Romney. O objetivo era que o código ficasse pronto até janeiro de 2013, para que o possível sucessor de Barack Obama herdasse regras claras. Com a reeleição do presidente, a iniciativa teria perdido parte da urgência. Segundo as fontes, as agências envolvidas no processo divergem sobre as circunstâncias em que ataques remotos devem ser autorizados. O Departamento de Defesa e a CIA defenderiam ações para auxiliar governos aliados. O Departamento de Estado e o Departamento de Justiça teriam uma postura mais restritiva, argumentando que as operações deveriam ser um último

2 recurso, empregado apenas em casos de ameaça iminente ao país. O uso de aviões não tripulados começou na administração George W. Bush e foi expandido por Obama. Em uma entrevista este ano, o presidente afirmou que a criação de uma estrutura legal, com processos e controles sobre o uso desse tipo de arma, seria um desafio para seu governo. Críticos afirmam que o foco das operações foi sendo ampliado para alvos, como militantes no Paquistão ou suspeitos de terrorismo não identificados, que não representariam risco direto para a segurança do país. Grupos de direitos humanos consideram lamentável que os EUA queiram institucionalizar ações claramente ilegais de acordo com o direito internacional. CASA BRANCA FAZ CRÍTICA MODERADA A DECRETO EGÍPCIO 27 DE NOVEMBRO DE 2012 A secretária de Estado Hillary Clinton manifestou preocupação com o decreto emitido pelo presidente egípcio Mohamed Morsi, no dia 22. Em telefonema a seu contraparte egípcio, Mohamed Arm, Clinton disse que os EUA gostariam que as reformas políticas não levassem à concentração de poder. Morsi deu imunidade ao Executivo e à Assembleia Constituinte contra eventuais medidas do Judiciário. O presidente também pediu revisão do julgamento do ex-líder Hosni Mubarak e a incriminação de membros do antigo governo por repressão durante a Primavera Árabe. A iniciativa de Morsi, que foi eleito pela Irmandade Muçulmana, despertou forte reação por parte de juízes e da população. Muitos manifestantes vêm enfrentando forças oficiais nas ruas do Cairo, mesmo após o presidente reverter algumas medidas e garantir que as decisões serão temporárias. Em contrapartida, outros protestam contra a demora do governo em julgar abusos cometidos pelo regime anterior. Apesar dos sinais de nova convulsão social no Egito, a administração Obama evitou críticas mais fortes. A relação entre Washington e Cairo vem sendo testada desde a queda do ditador Mubarak, aliado dos EUA por mais de 30 anos. Para a Casa Branca, é importante garantir a cooperação do país árabe em questões regionais, como o conflito israelense-palestino. Um dia antes do decreto, Morsi anunciou o cessar-fogo entre Israel e Hamas após mais de uma semana de conflito. O acerto foi mediado em parceria com os EUA, que elogiaram o papel ativo do Egito na obtenção do acordo. 2

3 ECONOMIA PIB DO TERCEIRO TRIMESTRE É REVISADO PARA CIMA 29 DE NOVEMBRO DE 2012 O Bureau de Análises Econômicas, órgão do Departamento de Comércio, informou que a economia cresceu a uma taxa de 2,7% no terceiro trimestre. Na estimativa anterior, divulgada em outubro, o Departamento havia anunciado que o PIB crescera a uma taxa de 2%. Os últimos dados, divulgados no dia 29, também revisaram gastos com consumo, que sofreram uma queda de 0,6%, atingindo o patamar de 1,4%. A diminuição foi compensada pelo ritmo mais acelerado de recomposição dos estoques de empresas, maiores gastos governamentais e melhora nas exportações. As previsões para o último trimestre do ano indicam que tais progressos podem não persistir, levando a uma desaceleração com crescimento abaixo de 2%. O impacto do furacão Sandy, e a incerteza quanto aos aumentos de impostos e cortes de gastos do governo poderão afetar gastos de consumo e das empresas. Caso a Casa Branca e o Congresso não cheguem a um acordo sobre o déficit fiscal, estudos apontam que a economia poderá crescer a uma taxa anual de apenas 1,1% em 2013, com aumento de desemprego para 8,5% até o final do ano. A maior parte dos especialistas espera uma solução de curto prazo para minimizar os efeitos do abismo fiscal, mas os riscos quanto ao crescimento futuro são crescentes. No mesmo dia, o presidente Barack Obama apresentou aos republicanos uma proposta detalhada na tentativa de solucionar os impasses econômicos. No entanto, a oposição criticou fortemente o plano, chamando-o de retrocesso nos esforços bipartidários. MEMBROS DA OMC CRITICAM PROTECIONISMO DA RÚSSIA 28 DE NOVEMBRO DE 2012 Os EUA e outros membros chave da OMC estão pressionando a Rússia a respeitar os compromissos assumidos ao entrar na instituição. No dia 26, durante reunião do Conselho de Bens, EUA, União Europeia (UE) e Japão questionaram a adoção de políticas protecionistas pela Rússia. Uma das questões levantadas se refere à aplicação de tarifas mistas. Segundo a OMC, a Rússia pode utilizar esse tipo de tarifa, que é uma composição entre tarifas percentuais sobre o valor do bem e tarifas fixas sobre a quantidade do mesmo. Todavia, os países argumentam que a maneira pela qual a Rússia utiliza tais instrumentos contraria os regulamentos da OMC. Além disso, EUA, UE e Japão questionam a imposição taxas de reciclagem sobre automóveis importados pela Rússia. A UE declarou haver violação do Artigo 3 do GATT, que estabelece a não discriminação entre produtos nacionais e importados. Como a taxa de reciclagem só é aplicada a veículos importados, e não aos produzidos na Rússia, haveria descumprimento das regras do comércio internacional. A UE também critica a proibição da importação de animais vivos, vigente desde março de A suspensão afeta particularmente porcos para 3

4 abate, violando o Acordo Sanitário e Fitossanitário, uma vez que a Rússia não apresentou avaliação de risco para justificar as medidas. Por fim, os EUA continuam pressionando pela adesão russa ao Acordo de Tecnologia da Informação. O dispositivo elimina tarifas sobre produtos de alta tecnologia, embora tenha sido assinado por apenas 70 dos 157 países da Organização. BRASIL CRITICA MODELO DE ENGAJAMENTO BILATERAL DOS EUA 23 DE NOVEMBRO DE 2012 O governo brasileiro acredita que o aprofundamento comercial do Brasil com os EUA não será fácil se o parceiro não reconsiderar seu atual modelo de engajamento bilateral. A declaração foi dada por Ernesto Araújo, ministro-conselheiro da embaixada brasileira em Washington, no dia 16. Araújo criticou a ênfase dos EUA na promoção da desregulamentação dos mercados em seus acordos comerciais. Segundo o ministroconselheiro, tal abordagem restringe o espaço político dos parceiros. O modelo de política comercial dos EUA seria voltado para o setor privado, diminuindo a margem de ação governamental. Além disso, Araújo ressalta que a plataforma econômica do presidente Barack Obama durante a campanha presidencial, ressaltando o papel do Estado na criação de empregos e a competição justa no comércio internacional, não se transformou em agenda negociadora. Em abril, o ministro das Relações Exteriores Antônio Patriota já demonstrava preocupação quanto à relação comercial entre os dois países. Para o ministro, o grande superávit dos EUA e a atual composição do comércio bilateral não são ideias. Apesar de o Brasil não estar em processo ativo de negociação com os EUA, Araújo acredita que Washington deve respeitar o espaço político de seus parceiros, e permitir o avanço de políticas domésticas econômicas e sociais. No final de setembro, Brasil-EUA discordaram sobre o aumento de tarifas comerciais brasileiras em 100 produtos do setor siderúrgico e a possibilidade de extensão para outros 100. Os EUA alertaram que a medida poderia gerar reações adversas dos parceiros comerciais brasileiros. 4

5 POLÍTICA OBAMA FAZ PRESSÃO PARA EVITAR ABISMO FISCAL ATÉ FIM DO ANO 3 DE DEZEMBRO DE 2012 O presidente Barack Obama pressiona o partido republicano pela aprovação de seu plano fiscal antes do fim do ano. Todavia, pouco progresso foi atingido até o momento. Líderes republicanos desdenharam a oferta inicial do presidente para conter os efeitos do fim das isenções de impostos da era Bush e da entrada em vigor dos cortes orçamentários do Budget Control Act de A Casa Branca quer gerar novas receitas com impostos de US$ 1,6 trilhão e cortar cerca de US$ 400 bilhões em programas sociais, como o Medicare, ao longo da próxima década. Além disso, o plano inclui um estímulo de US$ 50 bilhões em obras públicas de infraestrutura e o estabelecimento de privilégio executivo que permita o aumento do limite da dívida pública sem aprovação do Congresso. Especialistas indicam que a proposta faz poucas concessões aos republicanos, o que seria um reflexo dos resultados favoráveis aos democratas nas eleições. Por enquanto, o Senado já aprovou a extensão de isenções de impostos da era Bush para famílias com renda anual inferior a US$ 250 mil. Mas o projeto ainda não foi apreciado na Câmara, que é controlada pelos republicanos. A líder da minoria na Casa, Nancy Pelosi (D-CA), afirmou que abrirá uma petição para que a proposta seja votada, mas analistas dizem que o projeto dificilmente passará. A maioria dos republicanos quer que as isenções de impostos sejam mantidas para todos os níveis de renda, com medo de que um crescimento das alíquotas esfrie a economia. O porta-voz da Câmara, John Boehner, propôs um aumento de receita de US$ 800 bilhões a partir de correções em brechas tributárias e imposição de limites em deduções fiscais. REFORMA DO FILIBUSTER SOFRE OPOSIÇÃO BIPARTIDÁRIA 30 DE NOVEMBRO DE 2012 O líder da maioria no Senado, Harry Reid (D-NV), está sofrendo oposição de republicanos e democratas por conta do método que pretende utilizar para mudar as regras do filibuster. Reid quer que a manobra deixe de ser realizada para impedir que propostas cheguem ao plenário. O procedimento é utilizado pela minoria para bloquear propostas, pois estende indefinidamente o tempo de debate. Para o encerramento do debate, é necessária uma votação com a anuência de três quintos dos senadores. Reid alega que, nestes 6 anos em que foi líder da maioria, os republicanos utilizaram o filibuster 382 vezes. Especialistas indicam que a frequência do procedimento contribuiu para um dos períodos mais improdutivos do Congresso. Normalmente, uma mudança nos procedimentos do Senado requer dois terços dos parlamentares para ser aprovada. Entretanto, um precedente estabelecido pela Suprema Corte em 1892 permite que, na primeira sessão do ano do Congresso, apenas uma maioria simples possa aprovar qualquer tipo de legislação. No ano que vem, a bancada de Reid no Senado terá 55 votos contra 45 dos republi- 5

6 canos. Apesar de a maioria dos democratas ser favorável à reforma, alguns se mostram relutantes por conta do método em pauta para a alteração. Ao mesmo tempo, senadores republicanos dizem que a reforma acabará com qualquer tentativa de compromisso bipartidário e poderá afetar outras negociações, como a do abismo fiscal. O porta-voz da Câmara, John Boenher (R-OH), afirmou que qualquer projeto do Senado que chegue à sua Casa por meio dos novos procedimentos será ignorado. SUPREMA CORTE REABRE CASO ENVOLVENDO REFORMA DA SAÚDE 26 DE NOVEMBRO DE 2012 A Suprema Corte decidiu, no dia 26, que um caso envolvendo a lei de reforma da saúde de 2010 poderá ser revisto pela Corte de Apelações do 4o. Circuito. A constitucionalidade do Patient Protection and Affordable Care Act voltará a ser discutida após um longo julgamento da Suprema Corte, que terminou em junho com decisão por 5 a 4 a favor da manutenção da lei. Em 2010, a instituição evangélica Liberty University abriu processo contra dispositivos da reforma da saúde. A universidade questionava a obrigatoriedade de os empregadores proverem seguro saúde para seus funcionários e o mandato individual, que torna mandatória a aquisição de plano de saúde por todos os cidadãos, sob pena de multa. De acordo com a universidade, como planos de saúde fornecem métodos contraceptivos, a instituição evangélica teria seu direito à liberdade religiosa infringido ao ser obrigada a prover seguros saúde para funcionários. O caso foi indeferido por uma corte federal com base no Anti- Injuction Act de O Ato proíbe contestações a um imposto antes de sua implementação. Como a reforma só entrará totalmente em vigor em 2014, a lei não poderia ser questionada até que seus efeitos fossem constatados. Todavia, ao julgar a reforma da saúde, a Suprema Corte decidiu que questionamentos poderiam ser feitos a despeito do Anti- Injunction Act. Apesar de discordar da Liberty University, o Departamento de Justiça aceitou uma nova apreciação do caso. Especialistas afirmam que, independentemente do resultado do julgamento pela Corte de Apelações, a disputa deve ser levada novamente à Suprema Corte, que pode ou não aceitar a apreciação do caso. 6

7 ENERGIA OLEODUTO KEYSTONE XL COMPLICA INDICAÇÃO DE SUSAN RICE 30 DE NOVEMBRO DE 2012 A embaixadora dos EUA na ONU, Susan Rice, está sendo pressionada a vender ações de empresas envolvidas com o projeto de construção do oleoduto Keystone XL. A embaixadora é a principal candidata para o cargo de secretária de Estado, após a saída prevista de Hillary Clinton em No dia 28, um grupo ambiental divulgou que Rice possui ações da construtora TransCanada e de companhias de petróleo, todas ligadas ao Keystone XL. Organizações da sociedade civil fizeram petições para que os ativos sejam vendidos. A construção do oleoduto, que transportaria petróleo extraído das areias betuminosas do Canadá até o Texas, está suspensa desde janeiro de Há preocupações com o impacto ambiental do projeto, devido ao risco de contaminação do aquífero Ogallala, em Nebraska. Entre outros pontos, a permissão federal para a obra depende da obtenção de um acordo entre a TransCanada e o governo de Nebraska sobre a realização de um desvio. Como o projeto envolve outro país, a retomada da construção precisa da autorização do Departamento de Estado. Segundo grupos ambientalistas e outros ativistas, caso Rice seja nomeada secretária de Estado, a posse das ações geraria um conflito de interesses. De acordo com sua declaração de renda, a embaixadora tem entre US$ 300 mil e US$ 600 mil investidos na Trans- Canada. A questão pode complicar sua indicação para o cargo de secretária de Estado. Rice precisa dos democratas para superar a grande oposição republicana à sua nomeação. Mas como o partido democrata é contra a construção do oleoduto, o apoio poderá ser menor do que o esperado. DEPARTAMENTO DE ENERGIA INVESTE EM NOVOS REATORES NUCLEARES 23 DE NOVEMBRO DE 2012 O Departamento de Energia (DOE, na sigla em inglês) anunciou, no dia 20, o nome do consórcio beneficiado com empréstimos para o desenvolvimento de reatores nucleares. As empresas Babcock & Wilcox, Tennessee Valley Authority e Bechtel International receberão parte dos US$ 452 milhões de um pacote do Departamento para acelerar a criação, o licenciamento e a comercialização de reatores de pequeno porte. O valor exato do empréstimo ainda está sendo negociado. Com o acordo de cinco anos, o DOE cobrirá até metade do custo total do projeto, enquanto as empresas deverão investir pelo menos uma quantia equivalente. Com a iniciativa, a administração Obama quer alcançar a liderança tecnológica no setor e estimular exportações. O argumento é o de que reatores menores reduzem custos, viabilizando aumento da produção de energia elétrica. Além disso, os equipamentos ofereceriam maior segurança por ter um resfriamento mais rápido e poder operar em instalações subterrâneas. Para analistas, a construção de protótipos é dificultada pelo processo de licenciamento conduzido pela Comissão Reguladora Nuclear. 7

8 Os fabricantes precisam das certificações para vender os reatores, mas hesitam em fazer investimentos elevados sem ter garantias de venda. Segundo a presidente da Comissão, Allison Macfarlane, o auxílio do programa deve permitir que os primeiros pedidos de licença sejam apresentados já em A iniciativa ocorre em um momento de incerteza sobre a energia nuclear nos EUA, uma vez que a maioria das plantas do país tem reatores antigos e poucos esforços de substituição têm sido feitos. EPA REJEITA PEDIDO DE SUSPENSÃO DO MANDATO DE ETANOL 16 DE NOVEMBRO DE 2012 A Agência de Proteção Ambiental (EPA, na sigla em inglês) recusou, no dia 16, petições de doze estados para suspender o mandato que exige a mistura de etanol à gasolina. Em agosto, governadores de estados como Carolina do Norte, Arkansas e Texas solicitaram a suspensão do programa devido à seca que atingiu o país no meio do ano. A maior estiagem dos últimos 50 anos afetou o cultivo de milho, que é usado tanto pela indústria de alimentos como pela de etanol. Setores pecuários e alimentícios alegam que o uso da commodity pela indústria de etanol encarece os alimentos, situação que teria sido agravada pela seca. Segundo estimativas setoriais, 40% da produção doméstica do grão é destinada ao biocombustível. Os produtores de etanol, no entanto, argumentam que a participação não ultrapassa 26%. Após analisar as demandas, a EPA concluiu que as reclamações eram infundadas. Reformular os padrões de combustíveis renováveis só seria possível em caso de dano severo à economia. O órgão também afirmou que a suspensão do mandato teria pouco impacto no preço do milho nesse momento, levando à redução máxima de 1% no valor do produto. Associações ligadas à indústria alimentícia e a ambientalistas que não consideram o etanol como energia limpa criticaram a decisão. Em contrapartida, a medida agrada aos exportadores no Brasil. A manutenção da mistura de etanol à gasolina nos EUA ajuda a manter o mercado para o biocombustível brasileiro. A decisão também favorece as exportações de milho do Brasil para os EUA. As vendas do grão, que eram inexistentes em 2010, devem exceder US$ 10 milhões em

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas Análise Economia e Comércio / Desenvolvimento Carolina Dantas Nogueira 20 de abril de 2006 O processo de abertura comercial da China:

Leia mais

&RPpUFLR,QWHUQDFLRQDO±&RQIOLWRV

&RPpUFLR,QWHUQDFLRQDO±&RQIOLWRV &RPpUFLR,QWHUQDFLRQDO±&RQIOLWRV 3RU 'HQLV &RUWL] GD 6LOYD $QGHUVRQ 1RYDHV 9LHLUD 5RGROIR )DUDK 9DOHQWH )LOKR 'DQLHO5XGUD)HUQDQGHV,QWURGXomR A criação da OMC (Organização Mundial do Comércio) foi um grandioso

Leia mais

A visita de Shimon Peres ao Brasil e a relação brasileira com o Oriente Médio

A visita de Shimon Peres ao Brasil e a relação brasileira com o Oriente Médio A visita de Shimon Peres ao Brasil e a relação brasileira com o Oriente Médio Análise Desenvolvimento Jéssica Silva Fernandes 15 de dezembro de 2009 A visita de Shimon Peres ao Brasil e a relação brasileira

Leia mais

Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites

Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites Análise Integração Regional / Economia e Comércio Bernardo Erhardt de Andrade Guaracy 15 de outubro de 2003 Organização Mundial do Comércio: Possibilidades

Leia mais

OMC reabre a Rodada de Doha. Análise Economia & Comércio

OMC reabre a Rodada de Doha. Análise Economia & Comércio OMC reabre a Rodada de Doha Análise Economia & Comércio Celeste Cristina Machado Badaró 30 de março de 2007 OMC reabre a Rodada de Doha Análise Economia & Comércio Celeste Cristina Machado Badaró 30 de

Leia mais

Resolução de Questões- Tropa de Elite ATUALIDADES Questões- AULA 1-4 NILTON MATOS

Resolução de Questões- Tropa de Elite ATUALIDADES Questões- AULA 1-4 NILTON MATOS Resolução de Questões- Tropa de Elite ATUALIDADES Questões- AULA 1-4 NILTON MATOS 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. OBS: EM NEGRITO OS ENUNCIADOS, EM AZUL AS

Leia mais

Bruxelas, 18 de Março de 2002

Bruxelas, 18 de Março de 2002 Bruxelas, 18 de Março de 2002 O tratado da UE institui uma política comercial comum cuja execução é da competência da Comissão Europeia : A política comercial comum assenta em princípios uniformes, designadamente

Leia mais

DIRETORIA LEGISLATIVA CONSULTORIA LEGISLATIVA. TIPO DE TRABALHO: ESTUDO TÉCNICO ESPECÍFICO ASSUNTO: Financiamento de campanhas nos Estados Unidos

DIRETORIA LEGISLATIVA CONSULTORIA LEGISLATIVA. TIPO DE TRABALHO: ESTUDO TÉCNICO ESPECÍFICO ASSUNTO: Financiamento de campanhas nos Estados Unidos DIRETORIA LEGISLATIVA CONSULTORIA LEGISLATIVA TIPO DE TRABALHO: ESTUDO TÉCNICO ESPECÍFICO ASSUNTO: Financiamento de campanhas nos Estados Unidos CONSULTORA: ANA LUIZA BACKES DATA: 21/09/2005 2 Neste trabalho,

Leia mais

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015 Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. A Economia Brasileira Atual 2.1. Desempenho Recente

Leia mais

O que fazer para reformar o Senado?

O que fazer para reformar o Senado? O que fazer para reformar o Senado? Cristovam Buarque As m e d i d a s para enfrentar a crise do momento não serão suficientes sem mudanças na estrutura do Senado. Pelo menos 26 medidas seriam necessárias

Leia mais

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 BR/2001/PI/H/3 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 2001 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO),

Leia mais

A PAZ ENTRE PALESTINOS E ISRAELENSES CONTINUA DISTANTE

A PAZ ENTRE PALESTINOS E ISRAELENSES CONTINUA DISTANTE Aumentar a fonte Diminuir a fonte MUNDO ÁRABE A PAZ ENTRE PALESTINOS E ISRAELENSES CONTINUA DISTANTE Apesar da vitória diplomática palestina na ONU, a existência de um Estado fica difícil com os novos

Leia mais

Desafios para a Indústria Eletroeletrônica

Desafios para a Indústria Eletroeletrônica Desafios para a Indústria Eletroeletrônica 95 O texto aponta as características das áreas da indústria eletroeletrônica no país e os desafios que este setor tem enfrentado ao longo das últimas décadas.

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

ATUALIDADES. Top Atualidades Semanal DESTAQUE PROFESSOR MARCOS JOSÉ. Governo Dilma é o 1º a ter contas reprovadas. SEMANA DE 06 a 12 DE OUTUBRO

ATUALIDADES. Top Atualidades Semanal DESTAQUE PROFESSOR MARCOS JOSÉ. Governo Dilma é o 1º a ter contas reprovadas. SEMANA DE 06 a 12 DE OUTUBRO Governo Dilma é o 1º. a ter contas reprovadas no TCU desde Getúlio Obama pede desculpas por ataque a hospital Alckmin impõe sigilo e só vai expor falhas no metrô de SP após 25 anos ATUALIDADES PROFESSOR

Leia mais

PROPOSTAS DA INDÚSTRIA PARA AS ELEIÇÕES 2014

PROPOSTAS DA INDÚSTRIA PARA AS ELEIÇÕES 2014 PROPOSTAS DA INDÚSTRIA PARA AS ELEIÇÕES 2014 Propostas para os candidatos Desde as eleições de 1994, a CNI apresenta à sociedade e aos candidatos sugestões para melhorar o desempenho da economia. Propostas

Leia mais

Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil

Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil Nós, representantes de governos, organizações de empregadores e trabalhadores que participaram da III Conferência Global sobre Trabalho Infantil, reunidos

Leia mais

TRATADO BRASIL - ESTADOS UNIDOS PARA EVITAR A BITRIBUTAÇÃO CÂMARA DOS DEPUTADOS

TRATADO BRASIL - ESTADOS UNIDOS PARA EVITAR A BITRIBUTAÇÃO CÂMARA DOS DEPUTADOS CÂMARA DOS DEPUTADOS Comissão de Finanças e Tributação Comissão de Relações Exteriores Grupo Parlamentar Brasil-EUA AmCham Brasil Câmara Americana de Comércio Roberto Pasqualin Conselheiro Legal AmCham

Leia mais

- Observatório de Política Externa Brasileira - Nº 67 02/09/05 a 08/09/05

- Observatório de Política Externa Brasileira - Nº 67 02/09/05 a 08/09/05 - Observatório de Política Externa Brasileira - Nº 67 02/09/05 a 08/09/05 Lula faz um balanço da política externa O presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez um balanço de sua política externa na cerimônia

Leia mais

Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol

Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol Resenha Desenvolvimento / Economia e Comércio Raphael Rezende Esteves 22 de março de 2007 1 Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol

Leia mais

Evolução Recente dos Preços dos Alimentos e Combustíveis e suas Implicações

Evolução Recente dos Preços dos Alimentos e Combustíveis e suas Implicações 1 ASSESSORIA EM FINANÇAS PÚBLICAS E ECONOMIA PSDB/ITV NOTA PARA DEBATE INTERNO (não reflete necessariamente a posição das instituições) N : 153/2008 Data: 27.08.08 Versão: 1 Tema: Título: Macroeconomia

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

Estados Unidos buscam acordo com Arábia Saudita sobre a questão energética

Estados Unidos buscam acordo com Arábia Saudita sobre a questão energética Estados Unidos buscam acordo com Arábia Saudita sobre a questão energética Análise Segurança, Economia e Comério Jéssica Naime 20 de maio de 2005 Estados Unidos buscam acordo com Arábia Saudita sobre a

Leia mais

Os bancos públicos e o financiamento para a retomada do crescimento econômico

Os bancos públicos e o financiamento para a retomada do crescimento econômico Boletim Econômico Edição nº 87 outubro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Os bancos públicos e o financiamento para a retomada do crescimento econômico 1 O papel dos bancos

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Setembro 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

PANORAMA EUA VOL. 3, Nº 1, ABRIL DE 2013

PANORAMA EUA VOL. 3, Nº 1, ABRIL DE 2013 PANORAMA EUA VOL. 3, Nº 1, ABRIL DE 2013 PANORAMA EUA OBSERVATÓRIO POLÍTICO DOS ESTADOS UNIDOS INSTITUTO NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA PARA ESTUDOS SOBRE OS ESTADOS UNIDOS INCT-INEU VOL. 3, Nº 1, ABRIL

Leia mais

A Família e o Movimento pela Inclusão

A Família e o Movimento pela Inclusão A Família e o Movimento pela Inclusão (Mônica Pereira dos Santos) 1 Já sabemos que a luta pelos direitos dos portadores de deficiência não é recente. No Brasil, se traçarmos uma demarcação temporal, podemos

Leia mais

Ferramentas para Campanhas Globais

Ferramentas para Campanhas Globais Ferramentas para Campanhas Globais Coalisões sindicais globais Normas trabalhistas internacionais Ação direta Fortalecimento do relacionamento entre trabalhadores Engajamento de acionistas: investimento

Leia mais

Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014

Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014 1 Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014 Brasil: Fundamentos Macroeconômicos (1) Reservas International

Leia mais

A PROTEÇÃO DOS CIVIS E DA AÇÃO HUMANITÁRIA POR MEIO DE UM TRATADO DE COMÉRCIO DE ARMAS EFICAZ

A PROTEÇÃO DOS CIVIS E DA AÇÃO HUMANITÁRIA POR MEIO DE UM TRATADO DE COMÉRCIO DE ARMAS EFICAZ A PROTEÇÃO DOS CIVIS E DA AÇÃO HUMANITÁRIA POR MEIO DE UM TRATADO DE COMÉRCIO DE ARMAS EFICAZ FOLHETO Marko Kokic/CICV DISPONIBILIDADE DE ARMAS: O CUSTO HUMANO Todos os anos, devido à disponibilidade generalizada

Leia mais

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil 1 A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO MUNDO GLOBALIZADO 1 Introdução Área de atuação. A Carta de Bangkok (CB) identifica ações, compromissos e garantias requeridos para atingir os determinantes

Leia mais

PRINCÍPIOS DE PARIS. Princípios relativos ao estatuto das instituições nacionais para a promoção e proteção dos direitos humanos

PRINCÍPIOS DE PARIS. Princípios relativos ao estatuto das instituições nacionais para a promoção e proteção dos direitos humanos PRINCÍPIOS DE PARIS Princípios relativos ao estatuto das instituições nacionais para a promoção e proteção dos direitos humanos Competência e atribuições 1. Uma instituição nacional disporá de competência

Leia mais

Posição dos BRICS diante da questão da Palestina

Posição dos BRICS diante da questão da Palestina BRICS Monitor Posição dos BRICS diante da questão da Palestina Janeiro de 2012 Núcleo de Política Internacional e Agenda Multilateral BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisa BRICS BRICS Monitor

Leia mais

Negócios Internacionais

Negócios Internacionais International Business 10e Daniels/Radebaugh/Sullivan Negócios Internacionais Capítulo 3.2 Influencia Governamental no Comércio 2004 Prentice Hall, Inc Objectivos do Capítulo Compreender a racionalidade

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012 Palestra: Macroeconomia e Cenários Prof. Antônio Lanzana 2012 ECONOMIA MUNDIAL E BRASILEIRA SITUAÇÃO ATUAL E CENÁRIOS SUMÁRIO I. Cenário Econômico Mundial II. Cenário Econômico Brasileiro III. Potencial

Leia mais

O PROVEDOR DE JUSTIÇA EUROPEU

O PROVEDOR DE JUSTIÇA EUROPEU O PROVEDOR DE JUSTIÇA EUROPEU O Provedor de Justiça Europeu procede a inquéritos para esclarecer eventuais casos de má administração na atuação de instituições, organismos, gabinetes e agências da União

Leia mais

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia Disciplina: Economia ECN001 Macroeconomia Orçamento do Setor Público É a previsão de receitas e a estimativa de despesas a serem realizadas por um Governo em um determinado exercício (geralmente um ano).

Leia mais

Destaques do Plano de Trabalho do Governo Chinês para 2015

Destaques do Plano de Trabalho do Governo Chinês para 2015 INFORMATIVO n.º 25 MARÇO de 2015 Esta edição do CEBC Alerta lista os principais destaques do Plano de Trabalho do governo chinês para 2015, apresentado pelo Primeiro-Ministro Li Keqiang e divulgado pela

Leia mais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais IMF Survey PERSPECTIVAS ECONÓMICAS REGIONAIS África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais Por Jesus Gonzalez-Garcia e Juan Treviño Departamento da África, FMI 24 de Abril de 2014

Leia mais

Tratados internacionais sobre o meio ambiente

Tratados internacionais sobre o meio ambiente Tratados internacionais sobre o meio ambiente Conferência de Estocolmo 1972 Preservação ambiental X Crescimento econômico Desencadeou outras conferências e tratados Criou o Programa das Nações Unidas para

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Crise Mundo Os EUA e a Europa passam por um forte processo de desaceleração economica com indicios de recessão e deflação um claro sinal de que a crise chegou

Leia mais

2º Encontro Empresarial Brasil-União Européia. Declaração Conjunta

2º Encontro Empresarial Brasil-União Européia. Declaração Conjunta 2º Encontro Empresarial Brasil-União Européia Rio de Janeiro, 22 de dezembro de 2008. Declaração Conjunta Sumário Os empresários europeus e brasileiros apóiam com entusiasmo a Parceria Estratégica Brasil-

Leia mais

A atual situação do Egito e as perspectivas para a reconstrução do país

A atual situação do Egito e as perspectivas para a reconstrução do país A atual situação do Egito e as perspectivas para a reconstrução do país Análise Oriente Médio e Magreb Pedro Casas 14 de Março de 2011 A atual situação do Egito e as perspectivas para a reconstrução do

Leia mais

COMO SE ASSOCIAR 2014

COMO SE ASSOCIAR 2014 2014 QUEM SOMOS FUNDADO EM 2004, O CONSELHO EMPRESARIAL BRASIL CHINA CEBC É UMA INSTITUIÇÃO BILATERAL SEM FINS LUCRATIVOS FORMADA POR DUAS SEÇÕES INDEPENDENTES, NO BRASIL E NA CHINA, QUE SE DEDICA À PROMOÇÃO

Leia mais

HÁ UM ANO, O MUNDO VIVIA UMA FASE DE OTIMISMO

HÁ UM ANO, O MUNDO VIVIA UMA FASE DE OTIMISMO A economia verde Às vésperas da Conferência de Copenhague, a maior discussão global sustentabilidade desde o Protocolo de Kyoto, empresas e governos de todo o mundo têm uma certeza: quem não se adaptar

Leia mais

Cenário Macroeconômico

Cenário Macroeconômico INSTABILIDADE POLÍTICA E PIORA ECONÔMICA 24 de Março de 2015 Nas últimas semanas, a instabilidade política passou a impactar mais fortemente o risco soberano brasileiro e o Real teve forte desvalorização.

Leia mais

MEDICAMENTOS GENÉRICOS

MEDICAMENTOS GENÉRICOS MEDICAMENTO GENÉRICO Uma importante conquista para a saúde pública no Brasil 15 anos 15 anos , 15 ANOS DE BENEFÍCIOS PARA A SOCIEDADE BRASILEIRA. Ao completar 15 anos de existência no país, os medicamentos

Leia mais

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS REFORMAS FISCAIS A CIP lamenta que a dificuldade em reduzir sustentadamente a despesa pública tenha impedido que o Orçamento do Estado

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

ATUDALIDADES - Conflitos na Atualidade

ATUDALIDADES - Conflitos na Atualidade ATUDALIDADES - Conflitos na Atualidade Origem dos povos ORIENTE MÉDIO: Conflitos árabes-israelenses: 1948 Independência de Israel 1949 Guerras da Independência 1956 Crise de Suez 1964 Criação da OLP` 1967

Leia mais

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 1 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. Política Econômica Desastrosa do Primeiro Mandato 2.1. Resultados

Leia mais

PERÍODO MILITAR (1964/1985) PROF. SORMANY ALVES

PERÍODO MILITAR (1964/1985) PROF. SORMANY ALVES PERÍODO MILITAR (1964/1985) PROF. SORMANY ALVES INTRODUÇÃO Período governado por GENERAIS do exército brasileiro. Adoção do modelo desenvolvimento dependente, principalmente dos EUA, que subordinava a

Leia mais

Um dos grandes desafios para tornar o Brasil mais condizente com os anseios da sua população é a "modernização" da vida política.

Um dos grandes desafios para tornar o Brasil mais condizente com os anseios da sua população é a modernização da vida política. Apesar dos problemas associados à má distribuição de renda, o Brasil- ingressa no século XXI com uma das maiores economias do mundo e um compromisso com a paz mundial e o sistema democrático e sem conflitos

Leia mais

Comissão de Saúde da Câmara dos Vereadores do Rio questiona SMS e defende instalação de CPI para investigar desrespeito à Lei das OSs

Comissão de Saúde da Câmara dos Vereadores do Rio questiona SMS e defende instalação de CPI para investigar desrespeito à Lei das OSs Comissão de Saúde da Câmara dos Vereadores do Rio questiona SMS e defende instalação de CPI para investigar desrespeito à Lei das OSs O plenário da Câmara Municipal do Rio de Janeiro ficou lotado durante

Leia mais

Ficha Limpa Lei já vale para eleições de 2012 José Renato Salatiel* Especial para a Página 3 Pedagogia & Comunicação

Ficha Limpa Lei já vale para eleições de 2012 José Renato Salatiel* Especial para a Página 3 Pedagogia & Comunicação MATERIAL COMPLEMENTAR - ATUALIDADES NOS VESTIBULARES COLÉGIO IMPULSO SIMPLESMENTE O MELHOR. 3 o ANO INTEGRADO / EM 1 o BIMESTRE DATA: 04/04/2012 ALUNO: TURMA: N o : EIXO TEMÁTICO 01 Ficha Limpa Lei já

Leia mais

Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil

Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil Thayne Garcia, Assessora-Chefe de Comércio e Investimentos (tgarcia@casacivil.rj.gov.br) Luciana Benamor, Assessora de Comércio e Investimentos

Leia mais

SENADO FEDERAL Gabinete do Senador ALOYSIO NUNES FERREIRA RELATÓRIO

SENADO FEDERAL Gabinete do Senador ALOYSIO NUNES FERREIRA RELATÓRIO RELATÓRIO Da COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL, sobre a Mensagem nº 93, de 2011 (Mensagem nº 212, de 17/06/2011, na origem), da Presidente da República, que submete à apreciação do Senado

Leia mais

O SR. NELSON MARQUEZELLI (PTB - sp) pronuncia o. seguinte discurso: Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados,

O SR. NELSON MARQUEZELLI (PTB - sp) pronuncia o. seguinte discurso: Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, O SR. NELSON MARQUEZELLI (PTB - sp) pronuncia o seguinte discurso: Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, encontra-se em curso, no Congresso Nacional, uma proposta de reforma que aborda questões consideradas

Leia mais

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL IMPORTÂNCIA ECONOMICA 1- Exportações em 2014: Mais de US$ 100 bilhões de dólares; 2- Contribui com aproximadamente 23% do PIB brasileiro; 3- São mais de 1 trilhão de Reais e

Leia mais

Divulgado relatório do Pentágono sobre as capacidades militares da China

Divulgado relatório do Pentágono sobre as capacidades militares da China Divulgado relatório do Pentágono sobre as capacidades militares da China Análise Segurança Cândida Cavanelas Mares 22 de junho de 2006 Divulgado relatório do Pentágono sobre as capacidades militares da

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. PROJETO DE LEI N o 1.893, DE 2007

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. PROJETO DE LEI N o 1.893, DE 2007 COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO PROJETO DE LEI N o 1.893, DE 2007 Dispõe sobre medidas de suspensão e diluição temporárias ou extinção de da proteção de direitos de propriedade

Leia mais

LEGISLAÇÃO SOBRE FINANCIAMENTO DE PARTIDOS E DE CAMPANHAS ELEITORAIS NO BRASIL, EM PERSPECTIVA HISTÓRICA

LEGISLAÇÃO SOBRE FINANCIAMENTO DE PARTIDOS E DE CAMPANHAS ELEITORAIS NO BRASIL, EM PERSPECTIVA HISTÓRICA LEGISLAÇÃO SOBRE FINANCIAMENTO DE PARTIDOS E DE CAMPANHAS ELEITORAIS NO BRASIL, EM PERSPECTIVA HISTÓRICA Ana Luiza Backes Consultora Legislativa da Área XIX Ciência Política, Sociologia Política História,

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 66 agosto de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor Econômico

Boletim Econômico Edição nº 66 agosto de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor Econômico Boletim Econômico Edição nº 66 agosto de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor Econômico Considerações técnicas sobre a Conjuntura econômica e a Previdência Social 1 I - Governo se perde

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente

A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente BRICS Monitor A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente Agosto de 2011 Núcleo de Análises de Economia e Política dos Países BRICS BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisa BRICS BRICS Monitor

Leia mais

A Semana no Congresso Nacional

A Semana no Congresso Nacional A Semana no Congresso Nacional Brasília, 10/08/2015 CÂMARA Câmara instalará seis comissões mistas para analisar MPs Relator da CPI do BNDES apresentará plano de trabalho Comissão de Finanças e Tributação

Leia mais

Saiba o que vai mudar no seu bolso com as novas medidas econômicas do governo

Saiba o que vai mudar no seu bolso com as novas medidas econômicas do governo Cliente: Trade Energy Veículo: Portal R7 Assunto: Saiba o que vai mudar no seu bolso com as novas medidas Data: 21/01/2015 http://noticias.r7.com/economia/saiba-o-que-vai-mudar-no-seu-bolso-com-as-novas-medidaseconomicas-do-governo-21012015

Leia mais

Refúgio no Brasil Uma Análise Estatística Janeiro de 2010 a Outubro de 2014

Refúgio no Brasil Uma Análise Estatística Janeiro de 2010 a Outubro de 2014 Refúgio no Brasil Uma Análise Estatística Janeiro de 21 a Outubro de 214 O Brasil é signatário dos principais tratados internacionais de direitos humanos e é parte da Convenção das Nações Unidas de 1951

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno.

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno. 1. ASPECTOS GERAIS Comércio é um conceito que possui como significado prático, trocas, venda e compra de determinado produto. No início do desenvolvimento econômico, o comércio era efetuado através da

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca r f Considerei particularmente oportuno

Leia mais

20 de agosto de 2013. Xisto muda geopolítica da energia

20 de agosto de 2013. Xisto muda geopolítica da energia 20 de agosto de 2013 Xisto muda geopolítica da energia A "revolução do xisto" em curso nos Estados Unidos, que já despertou investimento de US$ 100 bilhões na indústria americana, vai resultar em uma nova

Leia mais

2013 Inventta Todos os direitos reservados.

2013 Inventta Todos os direitos reservados. Agenda Quem Somos Gerindo a Inovação nas Empresas Estímulos Governamentais à Inovação Resultados da pesquisa FDC/Inventta Conclusões O GRUPO A Inventta é uma consultoria especializada em gestão da inovação,

Leia mais

CARTA DE. Identificação. públicos. imparcialidade. Pública. 1 Estado de Direito. Democrático. 7 Justiça. 3 Isenção. Fonte: PLACOR

CARTA DE. Identificação. públicos. imparcialidade. Pública. 1 Estado de Direito. Democrático. 7 Justiça. 3 Isenção. Fonte: PLACOR REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE CARTA DE SERVIÇO DO TRIBUNAL ADMINISTRATIVO I. Identificação da Instituição Tribunal Administrativo II. Missão Garantir a justiça administrativa, fiscal e aduaneira ao cidadão,

Leia mais

Economia em Perspectiva 2012-2013

Economia em Perspectiva 2012-2013 Economia em Perspectiva 2012-2013 Porto Alegre, 28 Nov 2012 Igor Morais igor@vokin.com.br Porto Alegre, 13 de março de 2012 Economia Internacional EUA Recuperação Lenta Evolução da Produção Industrial

Leia mais

O conflito interno entre palestinos: Hamas e Fatah. Resenha Segurança

O conflito interno entre palestinos: Hamas e Fatah. Resenha Segurança O conflito interno entre palestinos: Hamas e Fatah Resenha Segurança Lígia Franco Prados Mello 09 de julho de 2007 1 O conflito interno entre palestinos: Hamas e Fatah Resenha Segurança Lígia Franco Prados

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 4 11 de maio de 2006

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 4 11 de maio de 2006 M A C R O C H I N A Ano Nº 11 de maio de 6 Síntese gráfica trimestral do comércio bilateral e do desempenho macroeconômico chinês - Primeiro trimestre de 6. Para surpresa de muitos analistas, o Banco Central

Leia mais

Reforma Política Democrática Eleições Limpas 13 de janeiro de 2015

Reforma Política Democrática Eleições Limpas 13 de janeiro de 2015 Reforma Política Democrática Eleições Limpas 13 de janeiro de 2015 A Coalizão é uma articulação da sociedade brasileira visando a uma Reforma Política Democrática. Ela é composta atualmente por 101 entidades,

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL Políticas Comerciais. Políticas Comerciais, Barreiras e Medidas de Defesa Comercial

COMÉRCIO INTERNACIONAL Políticas Comerciais. Políticas Comerciais, Barreiras e Medidas de Defesa Comercial Políticas Comerciais, Barreiras e Medidas de Defesa Comercial Prof.Nelson Guerra Políticas Comerciais Conceito: São formas e instrumentos de intervenção governamental sobre o comércio exterior, e sempre

Leia mais

Em março de 1999, passaram a integrar o grupo, representantes da Secretaria do Tesouro Nacional e do Ministério da Educação.

Em março de 1999, passaram a integrar o grupo, representantes da Secretaria do Tesouro Nacional e do Ministério da Educação. PROGRAMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FISCAL PNEF 1 Antecedentes Historicamente, a relação fisco e sociedade, foram pautadas pelo conflito entre a necessidade de financiamento das atividades estatais e o retorno

Leia mais

Enfrentar a crise climática vai ajudar a resolver a crise financeira a perspectiva do Greenpeace

Enfrentar a crise climática vai ajudar a resolver a crise financeira a perspectiva do Greenpeace Enfrentar a crise climática vai ajudar a resolver a crise financeira a perspectiva do Greenpeace Manaus Av. Joaquim Nabuco, 2367, Centro CEP: 69020-031 Tel.: +55 92 4009-8000 Fax: +55 92 4009-8004 São

Leia mais

Choques Desequilibram a Economia Global

Choques Desequilibram a Economia Global Choques Desequilibram a Economia Global Uma série de choques reduziu o ritmo da recuperação econômica global em 2011. As economias emergentes como um todo se saíram bem melhor do que as economias avançadas,

Leia mais

Em nome do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime. UNODC quero agradecer ao coordenador residente, sr. Jorge

Em nome do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime. UNODC quero agradecer ao coordenador residente, sr. Jorge Boa tarde! Em nome do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime UNODC quero agradecer ao coordenador residente, sr. Jorge Chediek, e a toda sua equipe, pela oportunidade em participar desse importante

Leia mais

O SENADO FEDERAL resolve:

O SENADO FEDERAL resolve: PROJETO DE RESOLUÇÃO DO SENADO Nº 27, DE 2015 Altera o inciso II do caput do art. 383 do Regimento Interno do Senado Federal para disciplinar, no âmbito das comissões, a arguição pública dos indicados

Leia mais

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País o que é O QUE É. Lançado em Brasília em dezembro de 2011, o Movimento Mais Etanol visa detalhar e disseminar políticas públicas e privadas indispensáveis para: w O restabelecimento da competitividade do

Leia mais

BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul

BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul MECANISMOS INTER-REGIONAIS BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul O que faz o BRICS? Desde a sua criação, o BRICS tem expandido suas atividades em duas principais vertentes: (i) a coordenação

Leia mais

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE AUMENTAR O INVESTIMENTO PRIVADO EM P&D ------------------------------------------------------- 3 1. O QUE É A PDP? ----------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social

Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social Na mesma semana em que os trabalhadores brasileiros tomaram as ruas e conseguiram suspender a votação do Projeto de Lei

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS Er REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS Art 1º O Fórum da Agenda 21 Local Regional de Rio Bonito formulará propostas de políticas públicas voltadas para o desenvolvimento sustentável local, através

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DE CABO VERDE NO DOMÍNIO DA DEFESA

ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DE CABO VERDE NO DOMÍNIO DA DEFESA ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DE CABO VERDE NO DOMÍNIO DA DEFESA A República Portuguesa e a República de Cabo Verde, doravante designadas por Partes : Animadas pela vontade

Leia mais

número 4 junho de 2005 A autonomia do Banco Central

número 4 junho de 2005 A autonomia do Banco Central número 4 junho de 2005 A autonomia do Banco Central A autonomia do Banco Central Amanutenção da política de elevadas taxas de juros reais conduzida pelo Copom - Comitê de Política Monetária - reacendeu

Leia mais

CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL

CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL 1. O que é a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF)? A Lei de Responsabilidade Fiscal é um código

Leia mais

MENSAGEM N.º 671, DE 2009 (Do Poder Executivo)

MENSAGEM N.º 671, DE 2009 (Do Poder Executivo) CÂMARA DOS DEPUTADOS MENSAGEM N.º 671, DE 2009 (Do Poder Executivo) Aviso nº 603/2009 C. Civil Submete à deliberação do Congresso Nacional o Texto do Acordo Geral de Cooperação entre o Governo da República

Leia mais

RELATÓRIO DA OFICINA DE PAÍSES FEDERATIVOS E DA AMÉRICA DO NORTE. (Apresentado pelo Brasil)

RELATÓRIO DA OFICINA DE PAÍSES FEDERATIVOS E DA AMÉRICA DO NORTE. (Apresentado pelo Brasil) TERCEIRA REUNIÃO DE MINISTROS E AUTORIDADES DE OEA/Ser.K/XXXVII.3 ALTO NÍVEL RESPONSÁVEIS PELAS POLÍTICAS DE REDMU-III/INF. 4/05 DESCENTRALIZAÇÃO, GOVERNO LOCAL E PARTICIPAÇÃO 28 outubro 2005 DO CIDADÃO

Leia mais