ANEXO 6. Reajustes e Cálculos das Contraprestações Públicas Mensais de Amortização Fixa e Variável e Penalidades

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANEXO 6. Reajustes e Cálculos das Contraprestações Públicas Mensais de Amortização Fixa e Variável e Penalidades"

Transcrição

1 ANEXO 6 Reajustes e Cálculos das Contraprestações Públicas Mensais de Amortização Fixa e Variável e Penalidades 1

2 1. OBJETIVO O objetivo deste anexo é detalhar a forma de cálculo e de reajustes da receita de contraprestação de amortização fixa e da receita de contraprestação de amortização variável. 2. RECEITA DE CONTRAPRESTAÇÃO Além da receita tarifária, há a necessidade de dois tipos de contraprestação, sendo o valor mensal efetivamente recebido pela concessionária dado pela equação: = contraprestação mensal total a ser recebida pela concessionária =Componente da contraprestação mensal de amortização fixa = Componente da contraprestação mensal de amortização variável O reajuste da, cujo valor teto mensal é de R$ ,33 (quatro milhões, oitocentos e cinquenta e oito mil, trezentos e trinta e três reais e trinta e três centavos), data base abril de 2012, válido por um período de 20 anos após o início da operação comercial do VLT, será dado pelo IPCA em caráter incondicional e de acordo com as regras a seguir. O primeiro reajuste do C1 será dado pela fórmula abaixo: = valor da Componente 1 para o mês t (início da operação comercial) = valor da Componente 1 apresentada pelo licitante na entrega da proposta com database abril/2012 : variação acumulada do IPCA entre o mês de abril/2012 até o mês anterior ao início da operação comercial. 2

3 Após o primeiro reajuste, a C1 permanecerá fixa por um período de 12 meses e os reajustes subsequentes serão realizados a cada 12 meses, a partir do último reajuste e serão dados pela seguinte fórmula: = valor da Componente 1 ajustada para o mês t+12 : valor da Componente 1 em vigor no mês t - 1 : variação acumulada do IPCA entre o mês do último reajuste da Componente 1 e o mês anterior ao mês t+12. A segunda componente ( ), cujo valor mensal inicial é de R$ ,67 e válida após o início da operação do VLT, é composta por três subcomponentes, conforme a fórmula a seguir: Ca = Cav Fator X Fator Q Cav = Subcomponente da Contraprestação Mensal de Amortização Variável Fator X = Subcomponente de comprometimento com ganhos de produtividade Fator Q = Subcomponente de bonificação ou penalização por desempenho, de acordo com o anexo 8 do contrato de concessão - Quadro de Indicadores de Desempenho Cb = Subcomponente de Ajuste Paramétrico de Tarifas Cc = Subcomponente de compartilhamento de risco de demanda Cd = Subcomponente de compartilhamento do lucro líquido oriundo da exploração de receitas assessórias pela Concessionária O primeiro reajuste do Cav será dado pela fórmula abaixo: 3

4 = valor da Subcomponente da Contraprestação Mensal de Amortização Variável para o mês t = valor da Subcomponente da Contraprestação Mensal de Amortização Variável apresentada pelo licitante na entrega da proposta (data-base abril/2012) : variação acumulada do IPCA entre o mês de Abril/2012 até o mês anterior ao mês do início de operação comercial do projeto. Após o primeiro reajuste, a Cavt permanecerá fixa por um período de 12 meses e os reajustes subsequentes serão realizados a cada 12 meses, a partir do último reajuste e serão dados pela seguinte fórmula: = valor da Subcomponente da Contraprestação Mensal de Amortização Variável ajustada para o mês t+12 : valor da Subcomponente da Contraprestação Mensal de Amortização Variável em vigor no mês t : variação acumulada do IPCA entre o mês do último reajuste da Componente 2 e o mês anterior ao mês t. Do valor da Contraprestação Mensal de Amortização Variável será aplicado o Fator X, estabelecido de acordo percentuais de ganho de produtividade descritos na tabela a seguir: 4

5 Período da Concessão Ganho de produtividade (%) Fator X (%) Até o 5º ano do início da Operação Comercial 0,00% 100,00% Do 6º ao 10º ano do início da Operação Comercial 0,15% 99,85% Do 11º ao 15º ano do início da Operação Comercial 0,30% 99,70% Do 16º ao 20º ano do início da Operação Comercial 0,45% 99,55% Do 21º ao 25º da Concessão 0,60% 99,40% 25º da Concessão ao final da concessão 0,75% 99,25% O Fator X poderá ser revisto quinquenalmente, com base em estudos de mercado, de modo a contemplar a projeção de ganhos de produtividade operacionais. Os valores estabelecidos na tabela acima serão alterados para o período remanescente da Concessão e não retroagirão. O Fator Q é o multiplicador que refletirá a avaliação de desempenho operacional da Concessionária, permitindo, assim, ao Poder Concedente exercer seu poder de fiscalização e bonificação/penalização em relação às melhores práticas de prestação de serviços públicos. O fator Q deverá ser mensurado de acordo com as regras constantes no anexo 8 do contrato de concessão - Quadro de Indicadores de Desempenho. O valor calculado deverá bonificar ou penalizar a Concessionária e estará compreendido entre 0% e 120%. A segunda subcomponente ( ) refere-se a um ajuste da contraprestação para contemplar o diferencial entre: (i) a tarifa contratual, cuja fórmula é dada pelo Contrato de Concessão; e (ii) a tarifa básica dos serviços do transporte coletivo da Região Metropolitana de Goiânia, que é efetivamente paga pelo usuário. Assim, caso a tarifa resultante da aplicação da fórmula paramétrica seja superior à tarifa praticada e paga pelo usuário, a receita equivalente a essa diferença deverá ser adicionada ao valor da contraprestação. E o oposto também se aplica. Caso esta tarifa contratual seja inferior à tarifa básica efetivamente paga pelos usuários, a receita adicional será subtraída do valor da contraprestação. O primeiro reajuste do Cb será dado pela fórmula abaixo: = valor da Componente 3 para o mês t 5

6 : Tarifa Contratual média presente na proposta entregue pela licitante para o mês t : Tarifa Básica média aplicada no mês t : Número de passageiros equivalentes pagantes do VLT presente na proposta entregue pela licitante para o mês t Tarifa Básica: tarifa básica dos serviços do transporte coletivo da Região Metropolitana de Goiânia Tarifa Contratual: tarifa estabelecida no Contrato de Concessão patrocinada do VLT Após o primeiro reajuste, permanecerá fixa por um período de 3 meses e os reajustes subsequentes serão realizados a cada 3 meses a partir do último reajuste e serão dados pela seguinte fórmula: = valor da Componente b para o mês t : Tarifa Contratual média em vigor durante o trimestre que antecede o mês anterior observado : Tarifa Básica média em vigor durante o trimestre que antecede o mês anterior observado : Número real de passageiros equivalentes pagantes do VLT durante o trimestre que antecede o mês anterior observado Tarifa Básica: tarifa básica dos serviços do transporte coletivo da Região Metropolitana de Goiânia Tarifa Contratual: tarifa estabelecida no contrato de concessão patrocinada do VLT A terceira subcomponente da contraprestação ( ) é o valor a ser adicionado, ou subtraído, pelas bandas de demanda de passageiros equivalentes pagantes. De acordo com a primeira banda de demanda, caso a demanda de passageiros equivalentes pagantes observada tenha uma variação de até 10%, para mais ou para 6

7 menos, em relação à projeção do plano de negócio referencial, Anexo 4 do Edital de Licitação - Plano de Negócios Referencial, o risco de demanda será 100% assumido pela Concessionária. Ou seja, a Concessionária arcará integralmente com a redução da receita tarifária ou fará jus integralmente ao aumento da receita tarifária, não resultando em uma variação no valor da contraprestação a ser paga pelo Poder Concedente. Neste caso o valor de será igual a zero. De acordo com a segunda banda de demanda, caso a demanda de passageiros equivalentes pagantes observada tenha uma variação entre 10% e 20% (inclusive), ou entre -10% e -20% (inclusive), em relação à projeção do plano de negócio referencial, Anexo 4 do Edital de Licitação - Plano de Negócios Referencial, o risco de demanda será compartilhado entre a Concessionária e o Poder Concedente na proporção de 50%/50%. Ou seja, a Concessionária e o Poder Concedente arcarão em iguais proporções tanto com o aumento quanto com a redução da receita tarifária, resultando em uma variação no valor da contraprestação a ser paga pelo Poder Concedente. Neste caso o valor de poderá ser positivo ou negativo, conforme o caso verificado. De acordo com a terceira banda de demanda, caso a demanda de passageiros equivalentes pagantes observada tenha uma variação entre 20% e 30% (inclusive), ou entre -20% e -30% (inclusive), em relação à projeção do plano de negócio referencial, Anexo 4 do Edital de Licitação - Plano de Negócios Referencial, o risco de demanda será 100% assumido pelo Poder Concedente. Ou seja, o Poder Concedente arcará integralmente com a redução da receita tarifária ou fará jus integralmente ao aumento da receita tarifária, não resultando em uma variação no valor da contraprestação a ser paga pelo Poder Concedente. Neste caso o valor de poderá ser positivo ou negativo, conforme o caso verificado. Por fim, caso a demanda de passageiros equivalentes pagantes observada tenha uma variação acima de 30%, para mais ou para menos, faz-se necessário o reequilíbrio econômico a favor da Concessionária ou do Poder Concedente, conforme o caso verificado. O será ajustado a cada trimestre calendário e será dado por uma das cinco fórmulas abaixo: Caso a demanda real observada de passageiros equivalentes pagantes esteja: (i) Entre 120% e 140% (inclusive) da projeção referencial (anexo 4 do Edital): (ii) Entre 110% e 120% (inclusive) da projeção referencial (anexo 4 do Edital): 7

8 (iii) Entre 90% e 110% da projeção referencial (anexo 4 do Edital): (iv) Entre 90% e 80% (inclusive) da projeção referencial (anexo 4 do Edital): (v) Entre 80% e 60% (inclusive) da projeção referencial (anexo 4 do Edital): observado : Tarifa Básica média em vigor durante o trimestre que anteceder o mês anterior : Número real de passageiros equivalentes do VLT durante o trimestre que anteceder o mês anterior observado : Número de passageiros equivalentes do VLT projetados no plano de negócio referencial, Anexo 4 do Edital de Licitação (Plano de Negócios Referencial), do trimestre anterior ao mês observado. Independente do mecanismo de mitigação do risco de demanda apresentado neste anexo, a Concessionária poderá requerer o reequilíbrio econômico financeiro do Contrato na hipótese do Poder Concedente ou de quaisquer outros órgãos/entidades públicas implantarem ou autorizarem implantação futura de sistemas de transporte concorrente ao sistema VLT, bem como alterarem os valores das tarifas praticadas nestes mesmos sistemas, de modo a acarretar em queda da demanda projetada. Entende-se como sistema de transporte concorrente, em regime público ou privado, aquele que atue na área de influência do sistema VLT e ofereça alternativa de transporte a partir da origem/destino similar ao sistema VLT em modal metro-ferroviário ou sobre rodas. Em decorrência da demanda observada apresentar-se superior à demanda projetada, a realização de novos investimentos ou até mesmo antecipação dos investimentos previstos no Plano de Negócios serão condicionados à viabilidade do financiamento para a sua 8

9 realização e somente poderão ser efetivadas mediante acordo entre as partes (concessionária e poder concedente). Neste cenário, tanto a concessionária como o Poder Concedente poderá solicitar a realização ou antecipação de novos investimentos, tendo em vista a adequação do sistema VLT à demanda real observada. Sob esta hipótese, poderá caber a recomposição do equilíbrio econômico-financeiro na forma do reajuste da componente ( ). A quarta subcomponente ( ) refere-se a um ajuste da contraprestação para contemplar o compartilhamento do lucro líquido oriundo da exploração de receitas assessórias pela Concessionária, nos termos da cláusula 23 do Contrato de Concessão. O ajuste relativo a essa componente se dará de forma anual, na mesma data base do reajuste inflacionário, de acordo com a fórmula abaixo: LL s/ inv t = Valor do faturamento bruto (R$) a ser compartilhado com a Poder Concedente, oriunda da exploração de receitas assessórias que não demandaram investimentos pela Concessionária, apurado nos 12 meses anteriores ao mês t. LL c/ inv t = Valor do faturamento bruto (R$) a ser compartilhado com a Poder Concedente, oriunda da exploração de receitas assessórias que demandaram investimentos pela Concessionária, apurado nos 12 meses anteriores ao mês t. 3. PENALIDADES (P) As Penalidades serão reajustadas anualmente pelo IPCA de acordo com as regras a seguir. O primeiro reajuste de P será dado pela fórmula abaixo: Pt = Pt0 x [IPCA t-1 / IPCA t0] Pt = valor da respectiva penalidade para o mês t Pt0 = valor original da respectiva penalidade (data-base abril/2012) 9

10 : variação acumulada do IPCA entre o mês de Abril/2012 até o mês anterior ao mês do início de operação comercial do VLT. Após o primeiro reajuste, os respectivos encargos permanecerão fixos por um período de 12 meses e os reajustes subsequentes serão realizados a cada 12 meses, a partir do último reajuste e serão dados pela seguinte fórmula: Pt+12 = Pt x [IPCA t+11 / IPCA t-1] Pt+12 = valor da respectiva penalidade ajustada para o mês t+12 Pt: = valor da respectiva penalidade em vigor no mês t : variação acumulada do IPCA entre o mês do último reajuste da Parcela P e o mês anterior ao mês t. 10

ANEXO II AVALIAÇÃO ECONÔMICO FINANCEIRA DA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE BRAGANÇA PAULISTA

ANEXO II AVALIAÇÃO ECONÔMICO FINANCEIRA DA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE BRAGANÇA PAULISTA ANEXO II AVALIAÇÃO ECONÔMICO FINANCEIRA DA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE BRAGANÇA PAULISTA 1 Sumário 1 - INTRODUÇÃO... 3 2 - PROJEÇÃO DAS RECEITAS, DESPESAS E INVESTIMENTOS...

Leia mais

1 - INTRODUÇÃO 2 - ANÁLISE JURÍDICA PROCESSO ADMINISTRATIVO ARES-PCJ Nº 35/2017 PARECER CONSOLIDADO ARES-PCJ Nº 14/ CRO

1 - INTRODUÇÃO 2 - ANÁLISE JURÍDICA PROCESSO ADMINISTRATIVO ARES-PCJ Nº 35/2017 PARECER CONSOLIDADO ARES-PCJ Nº 14/ CRO PROCESSO ADMINISTRATIVO ARES-PCJ Nº 35/2017 PARECER CONSOLIDADO ARES-PCJ Nº 14/2017 - CRO ASSUNTO: REAJUSTE DE TARIFAS DE CONTRAPRESTAÇÃO INTERESSADO: SESAMM - SERVIÇOS DE SANEAMENTO DE MOGI MIRIM S/A

Leia mais

ANEXO V INSTRUMENTOS DE INCENTIVO À PRESERVAÇÃO AMBIENTAL E REMUNERAÇÃO DA CONCESSIONÁRIA

ANEXO V INSTRUMENTOS DE INCENTIVO À PRESERVAÇÃO AMBIENTAL E REMUNERAÇÃO DA CONCESSIONÁRIA ANEXO V INSTRUMENTOS DE INCENTIVO À PRESERVAÇÃO AMBIENTAL E REMUNERAÇÃO DA CONCESSIONÁRIA SUMÁRIO 1. ASPECTOS GERAIS... 3 2. SISTEMA DE MENSURAÇÃO DE DESEMPENHO... 3 3. MECANISMO DE PAGAMENTO... 6 EQUAÇÕES

Leia mais

Em 18 de dezembro de 2015, a PGA emitiu Parecer, de fls. 56/67, em que expôs o seguinte:

Em 18 de dezembro de 2015, a PGA emitiu Parecer, de fls. 56/67, em que expôs o seguinte: NOTA TÉCNICA Nº : Nº 018/2015 Destinatário : Gabinete do Conselheiro Dr. Cesar Mastrangelo Número do Processo : E-12/004.386/2015 Data : 21 de dezembro de 2015 Assunto : Supervia Reajuste Tarifário 2016

Leia mais

SPPO SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO POR ÔNIBUS

SPPO SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO POR ÔNIBUS SPPO SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO POR ÔNIBUS SPPO Sistema de Transporte Publico por Ônibus, licitado em 2010, compreende a operação do sistema de ônibus em quatro áreas da cidade, sendo cada área operada

Leia mais

Anexo 7 Modelo para o Cálculo da Remuneração da Concessionária

Anexo 7 Modelo para o Cálculo da Remuneração da Concessionária Anexo 7 Modelo para o Cálculo da Remuneração da Concessionária i Índice 1 INTRODUÇÃO... 2 2 INÍCIO DO PAGAMENTO... 2 3 CÁLCULO DA CONTRAPRESTAÇÃO PÚBLICA... 2 4 REAJUSTE DA CONTRAPRESTAÇÃO PÚBLICA... 6

Leia mais

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS ANEXO VI SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA SISTEMA RIO MANSO REMUNERAÇÃO E MECANISMOS DE PAGAMENTO

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS ANEXO VI SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA SISTEMA RIO MANSO REMUNERAÇÃO E MECANISMOS DE PAGAMENTO COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS ANEXO VI SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA SISTEMA RIO MANSO REMUNERAÇÃO E MECANISMOS DE PAGAMENTO JULHO / 2013 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. MECANISMO DE PAGAMENTO...

Leia mais

SISTEMAS DE PAGAMENTOS e INDICADORES DE QUALIDADE DE SERVIÇOS em CONCESSÕES e PPPs

SISTEMAS DE PAGAMENTOS e INDICADORES DE QUALIDADE DE SERVIÇOS em CONCESSÕES e PPPs SISTEMAS DE PAGAMENTOS e INDICADORES DE QUALIDADE DE SERVIÇOS em CONCESSÕES e PPPs CONCESSÕES PPPs LEGISLAÇÃO APLICÁVEL: Lei n 8.987/1995 Lei n 11.079/2004 e Lei nº 12.766/2012 Objetivos: atrair investimentos

Leia mais

REQUERIMENTO Nº DE 2013

REQUERIMENTO Nº DE 2013 REQUERIMENTO Nº DE 2013 Requeremos, nos termos do artigo 13, 2º, da Constituição do Estado de São Paulo e dos artigos 34 e seguintes da XIV Consolidação do Regimento Interno, a constituição de uma Comissão

Leia mais

ANEXO II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO ANEXO 9-1-II DA INSTRUÇÃO CVM Nº. 481/ (R$) ,29

ANEXO II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO ANEXO 9-1-II DA INSTRUÇÃO CVM Nº. 481/ (R$) ,29 ANEXO II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO ANEXO 9-1-II DA INSTRUÇÃO CVM Nº. 481/2009 1. Informar o lucro líquido do exercício. (R$) 864.940.364,29 2. Informar o montante global e o valor por ação dos dividendos,

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 528, DE 6 DE AGOSTO DE 2007.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 528, DE 6 DE AGOSTO DE 2007. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 528, DE 6 DE AGOSTO DE 2007. Homologa o resultado provisório da quarta revisão tarifária periódica e fixa as Tarifas de Uso dos Sistemas

Leia mais

PPPs PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS. DARCI FERNANDES PIMENTEL Advogada, Especialista em Direito Público

PPPs PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS. DARCI FERNANDES PIMENTEL Advogada, Especialista em Direito Público PPPs PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS DARCI FERNANDES PIMENTEL Advogada, Especialista em Direito Público 1 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS, DIRETA E INDIRETA: CONCESSÕES E PERMISSÕES 1.1 FUNDAMENTO CONSTITUCIONAL:

Leia mais

DECISÃO Nº 144, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015.

DECISÃO Nº 144, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015. DECISÃO Nº 144, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015. Altera os tetos das tarifas aeroportuárias aplicáveis ao Contrato de Concessão do Aeroporto Internacional de Viracopos, localizado em Campinas (SP). O DIRETOR-PRESIDENTE

Leia mais

DECISÃO Nº 81, DE 8 DE JULHO DE 2016.

DECISÃO Nº 81, DE 8 DE JULHO DE 2016. DECISÃO Nº 81, DE 8 DE JULHO DE 2016. Reajusta os tetos das tarifas aeroportuárias aplicáveis ao Contrato de Concessão do Aeroporto Internacional de Viracopos, localizado em Campinas/SP. O DIRETOR-PRESIDENTE

Leia mais

DECISÃO Nº 110, DE 7 DE JULHO DE 2017.

DECISÃO Nº 110, DE 7 DE JULHO DE 2017. DECISÃO Nº 110, DE 7 DE JULHO DE 2017. Reajusta os tetos das tarifas aeroportuárias aplicáveis ao Contrato de Concessão do Aeroporto Internacional de Viracopos, localizado em Campinas (SP). O DIRETOR-PRESIDENTE

Leia mais

Linha 4-Amarela do metrô de São Paulo A Primeira PPP do Brasil. Harald Peter Zwetkoff Presidente da ViaQuatro

Linha 4-Amarela do metrô de São Paulo A Primeira PPP do Brasil. Harald Peter Zwetkoff Presidente da ViaQuatro Linha 4-Amarela do metrô de São Paulo A Primeira PPP do Brasil Harald Peter Zwetkoff Presidente da ViaQuatro PPP ViaQuatro & Governo A PRIMEIRA PPP DO BRASIL O modelo utilizado foi o de Licitação 8.666

Leia mais

Parcerias Público-Privadas no Setor de Habitação

Parcerias Público-Privadas no Setor de Habitação 14h00 às 15h30-Caso 3 Parcerias Público-Privadas no Setor de Habitação Jardins Mangueiral (DF) Novembro de 2014 1. Oportunidades e Desafios das PPP Habitacionais PPP Habitacionais Oportunidades Parceiro

Leia mais

Decreto N , de 06 de Outubro de (Publicação DOM de 07/10/2005)

Decreto N , de 06 de Outubro de (Publicação DOM de 07/10/2005) Decreto N 15.278, de 06 de Outubro de 2005. (Publicação DOM de 07/10/2005) REGULAMENTA OS ARTIGOS 18, 23, 24 e 25 DA LEI N 11.263, DE 05 DE JUNHO DE 2002, QUE DISPÕE SOBRE A ORGANIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE

Leia mais

PROCESSO ADMINISTRATIVO ARES-PCJ Nº 05/2015 PARECER CONSOLIDADO ARES-PCJ Nº 11/ DFB

PROCESSO ADMINISTRATIVO ARES-PCJ Nº 05/2015 PARECER CONSOLIDADO ARES-PCJ Nº 11/ DFB PROCESSO ADMINISTRATIVO ARES-PCJ Nº 05/2015 PARECER CONSOLIDADO ARES-PCJ Nº 11/2015 - DFB ASSUNTO: INTERESSADO: REAJUSTE DO CONTRATO DE PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA Nº 048/2012 - ÁGUAS DO MIRANTE S/A SERVIÇO

Leia mais

ANEXO II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO ANEXO 9-1-II DA INSTRUÇÃO CVM Nº. 481/ (R$) ,02

ANEXO II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO ANEXO 9-1-II DA INSTRUÇÃO CVM Nº. 481/ (R$) ,02 ANEXO II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO ANEXO 9-1-II DA INSTRUÇÃO CVM Nº. 481/2009 1. Informar o lucro líquido do exercício. 937.418.802,02 2. Informar o montante global e o valor por ação dos dividendos,

Leia mais

Concessionária Auto Raposo Tavares S.A.

Concessionária Auto Raposo Tavares S.A. Relatório de Desempenho 30 de setembro de 2013 A, ( CART ) ou ( Companhia ), empresa controlada pela INVEPAR Investimentos e Participações em Infraestrutura S.A., é uma sociedade de propósito específico,

Leia mais

Programa Paulista de Concessões. Dr. Rodrigo José Oliveira Pinto de Campos Diretor de Assuntos Institucionais da ARTESP

Programa Paulista de Concessões. Dr. Rodrigo José Oliveira Pinto de Campos Diretor de Assuntos Institucionais da ARTESP Programa Paulista de Concessões Dr. Rodrigo José Oliveira Pinto de Campos Diretor de Assuntos Institucionais da ARTESP Foz do Iguaçu, 13 de Maio de 2016 Sobre a ARTESP Criada pela Lei Complementar nº 914,

Leia mais

Regulação como instrumento de incentivo à inovação em Mobilidade Urbana

Regulação como instrumento de incentivo à inovação em Mobilidade Urbana Regulação como instrumento de incentivo à inovação em Mobilidade Urbana BHTRANS: agência reguladora e fiscalizadora Gestão dos Serviços de Transporte Ônibus Convencional / BRT 2.969 Miniônibus Suplementar

Leia mais

Tipo/Nº do Documento: Data: Origem: Publicação: Resolução Homologatória nº /10/2015 ANEEL 23/10/2015

Tipo/Nº do Documento: Data: Origem: Publicação: Resolução Homologatória nº /10/2015 ANEEL 23/10/2015 LEGISLAÇÃO COMERCIAL Assunto: Homologa o resultado da quarta Revisão Tarifária Periódica RTP da Bandeirante Energia S/A., Bandeirante, as Tarifas de Energia TE e as Tarifas de Uso do Sistema de Distribuição

Leia mais

COMPLEXO HOSPITALAR IMASF MODELAGEM 1

COMPLEXO HOSPITALAR IMASF MODELAGEM 1 COMPLEXO HOSPITALAR IMASF MODELAGEM 1 Legislação Aplicável Esta Audiência Pública está sendo realizada nos termos do ART. 39 da Lei 8.666/1993. Lei nº 11.079, de 30 de Dezembro de 2004 Lei de Parcerias

Leia mais

Uma Metodologia para Cálculo de Desequilíbrio de um Projeto

Uma Metodologia para Cálculo de Desequilíbrio de um Projeto temas de economia aplicada 11 Uma Metodologia para Cálculo de Desequilíbrio de um Projeto Elias Cavalcante Filho (*) Rodrigo De-Losso (**) Felipe Sande Cruz Mattos Filgueiras (***) 1 Introdução Projetos

Leia mais

CLÁUSULA 1ª - PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS OU RESULTADOS (P.L.R.) - EXERCÍCIO 2016 E 2017

CLÁUSULA 1ª - PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS OU RESULTADOS (P.L.R.) - EXERCÍCIO 2016 E 2017 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO ESPECÍFICA SOBRE PARTICIPAÇÃO DOS EMPREGADOS NOS LUCROS OU RESULTADOS DAS EMPRESAS DE SEGUROS PRIVADOS E DE CAPITALIZAÇÃO EM 2017. SINDICATO DOS EMPREGADOS EM EMPRESAS DE

Leia mais

1. ANÁLISE DE DESEMPENHO OPERACIONAL DA AUTOBAN. Janeiro a Março/2013

1. ANÁLISE DE DESEMPENHO OPERACIONAL DA AUTOBAN. Janeiro a Março/2013 1. ANÁLISE DE DESEMPENHO OPERACIONAL DA AUTOBAN Janeiro a Março/2013 As informações financeiras e operacionais abaixo são apresentadas de acordo com a Legislação Societária e as comparações são referentes

Leia mais

Apresentação de Resultados 3T16 e 9M16

Apresentação de Resultados 3T16 e 9M16 Apresentação de Resultados 3T16 e 9M16 Ressalvas sobre os resultados As informações financeiras consolidadas consideram a proporção da participação da Triunfo em cada controlada. Os números operacionais

Leia mais

Companhia de Gás de São Paulo - COMGÁS Formulário de Referência

Companhia de Gás de São Paulo - COMGÁS Formulário de Referência ANEXO 9-1-II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO 1. Informar o lucro líquido do exercício O lucro líquido do exercício de 2009 foi de R$ 367.867 mil. 2. Informar o montante global e o valor por ação dos dividendos,

Leia mais

NOTA TÉCNICA NT/F/007/2014 TARIFAS DE ÁGUA E ESGOTO DA SABESP NO MUNICÍPIO DE TORRINHA. Agosto de 2014

NOTA TÉCNICA NT/F/007/2014 TARIFAS DE ÁGUA E ESGOTO DA SABESP NO MUNICÍPIO DE TORRINHA. Agosto de 2014 NOTA TÉCNICA NT/F/007/2014 TARIFAS DE ÁGUA E ESGOTO DA SABESP NO MUNICÍPIO DE TORRINHA 2014 Agosto de 2014 1. OBJETIVO Autorização do ajuste anual das s de Água e Esgoto da SABESP para o Município de Torrinha

Leia mais

Ecovias dos Imigrantes anuncia resultados do 1T14 com: Receita Líquida cresce 22,7%

Ecovias dos Imigrantes anuncia resultados do 1T14 com: Receita Líquida cresce 22,7% Ecovias dos Imigrantes anuncia resultados do 1T14 com: Receita Líquida cresce 22,7% São Bernardo do Campo, 06 de maio de 2013 A Concessionária Ecovias dos Imigrantes S.A. anuncia seus resultados referentes

Leia mais

TARIFA DO METRÔ DE SÃO PAULO

TARIFA DO METRÔ DE SÃO PAULO TARIFA DO METRÔ DE SÃO PAULO A COMPANHIA DO METROPOLITANO DE SÃO PAULO - METRÔ A Companhia do Metropolitano de São Paulo - Metrô foi constituída no dia 24 de abril de 1968; Hoje, o Metrô de São Paulo possui

Leia mais

FINANCIAMENTO A INFRAESTRUTURA ADAILTON FERREIRA TRINDADE SUPERINTENDENTE NACIONAL PARA SANEAMENTO E INFRAESTRUTURA

FINANCIAMENTO A INFRAESTRUTURA ADAILTON FERREIRA TRINDADE SUPERINTENDENTE NACIONAL PARA SANEAMENTO E INFRAESTRUTURA FINANCIAMENTO A INFRAESTRUTURA ADAILTON FERREIRA TRINDADE SUPERINTENDENTE NACIONAL PARA SANEAMENTO E INFRAESTRUTURA Atuação da CAIXA 2 Áreas de Atuação Carteira Ativa por Macrosegmento Saneamento e Infraestrutura

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 642, DE 22 DE ABRIL DE 2008.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 642, DE 22 DE ABRIL DE 2008. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 642, DE 22 DE ABRIL DE 2008. Homologa as tarifas de fornecimento de energia elétrica e as Tarifas de Uso dos Sistemas de Distribuição,

Leia mais

COMGÁS ATUALIZAÇÃO TARIFÁRIA 16 DE DEZEMBRO DE 2013

COMGÁS ATUALIZAÇÃO TARIFÁRIA 16 DE DEZEMBRO DE 2013 N O T A T É C N I C A GÁS GEF 004/2013 INTRODUÇÃO COMGÁS ATUALIZAÇÃO TARIFÁRIA 16 DE DEZEMBRO DE 2013 Em maio/2013, a taxa de câmbio foi atualizada para R$ 2,03/US$. A partir da publicação da Deliberação

Leia mais

PPP integral Regulação e fiscalização. Comissão de Monitoramento das Concessões e Permissões CMCP

PPP integral Regulação e fiscalização. Comissão de Monitoramento das Concessões e Permissões CMCP PPP integral Regulação e fiscalização Comissão de Monitoramento das Concessões e Permissões CMCP Linha 4: primeira linha de metrô implantada em modelo de PPP. Poder concedente responsável por: Obras civis

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 832, DE 16 DE JUNHO DE 2009.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 832, DE 16 DE JUNHO DE 2009. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 832, DE 16 DE JUNHO DE 2009. Homologa o resultado definitivo da segunda revisão tarifária periódica, com a fixação das tarifas de

Leia mais

LICITAÇÃO DO SERVIÇO Transporte Coletivo Urbano CARUARU

LICITAÇÃO DO SERVIÇO Transporte Coletivo Urbano CARUARU LICITAÇÃO DO SERVIÇO Transporte Coletivo Urbano CARUARU O Serviço de Transporte O sistema possui atualmente 30 linhas cadastradas, operadas por 81 veículos, realizando 1.325 viagens nos dias úteis. Empresa

Leia mais

1 - INTRODUÇÃO PARECER CONSOLIDADO ARES-PCJ Nº 05/ CRBG PROCESSO ADMINISTRATIVO ARES-PCJ Nº 08/2017

1 - INTRODUÇÃO PARECER CONSOLIDADO ARES-PCJ Nº 05/ CRBG PROCESSO ADMINISTRATIVO ARES-PCJ Nº 08/2017 PROCESSO ADMINISTRATIVO ARES-PCJ Nº 08/2017 PARECER CONSOLIDADO ARES-PCJ Nº 05/2017 - CRBG ASSUNTO: INTERESSADO: REAJUSTE ANUAL DE PREÇOS DO CONTRATO DE PPP Nº 48/2012 SERVIÇO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTO-SEMAE,

Leia mais

IMPACTOS TRIBUTÁRIOS DA LEI /2014 NO SETOR ELÉTRICO

IMPACTOS TRIBUTÁRIOS DA LEI /2014 NO SETOR ELÉTRICO IMPACTOS TRIBUTÁRIOS DA LEI 12.973/2014 NO SETOR ELÉTRICO Sumário: Contratos de Concessão de Serviço Público (OCPC 05 e ICPC 01): PIS/Pasep e Cofins Regime Cumulativo e não-cumulativo: Atividade de Distribuição;

Leia mais

Teleconferência. Resultados do 2T de Agosto de 2011

Teleconferência. Resultados do 2T de Agosto de 2011 Teleconferência Resultados do 2T11 1 12 de Agosto de 2011 AVISO LEGAL Esta apresentação poderá conter considerações referentes as perspectivas futuras do negócio, estimativas de resultados operacionais

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE E RECURSOS NATURAIS. Decreto-lei n.º 147/95 de 21 de Junho

MINISTÉRIO DO AMBIENTE E RECURSOS NATURAIS. Decreto-lei n.º 147/95 de 21 de Junho MINISTÉRIO DO AMBIENTE E RECURSOS NATURAIS Decreto-lei n.º 147/95 de 21 de Junho A empresarialização dos sistemas multimunicipais e municipais de captação, tratamento e distribuição de água para consumo

Leia mais

Saneamento e Infraestrutura

Saneamento e Infraestrutura Saneamento e Infraestrutura Desempenho 2014 Contratação SUSAN Desempenho 2014 Desembolso SUSAN Perspectivas 2015 Linhas de Financiamento: SANEAMENTO PARA TODOS Tipos de Financiamento Financiamento Corporativo

Leia mais

DECISÃO Nº 84, DE 9 DE JULHO DE 2014.

DECISÃO Nº 84, DE 9 DE JULHO DE 2014. DECISÃO Nº 84, DE 9 DE JULHO DE 2014. Reajusta as tarifas aeroportuárias aplicáveis ao contrato de concessão do Aeroporto Internacional de Viracopos, localizado em Campinas/SP. A DIRETORIA DA AGÊNCIA NACIONAL

Leia mais

Divulgamos a Medida Provisória nº 670, de , que traz os reajustes da tabela do Imposto de Renda das Pessoas Físicas.

Divulgamos a Medida Provisória nº 670, de , que traz os reajustes da tabela do Imposto de Renda das Pessoas Físicas. INFORME JURÍDICO 16/03/2015 464 Prezados (as) IRPF Reajustes da Tabela Divulgamos a Medida Provisória nº 670, de 10.03.2015, que traz os reajustes da tabela do Imposto de Renda das Pessoas Físicas. A Medida

Leia mais

Fórum PPPs em Iluminação Pública. São Paulo, 21 de outubro de 2014

Fórum PPPs em Iluminação Pública. São Paulo, 21 de outubro de 2014 Fórum PPPs em Iluminação Pública São Paulo, 21 de outubro de 2014 APRESENTAÇÃO DO PROJETO DE PPP MODERNIZAÇÃO Remodelação* e/ou eficientização** de cerca de 580 mil pontos de iluminação pública de modo

Leia mais

R$ ,15 (dezesseis milhões, seiscentos e trinta e quatro mil, duzentos e quatorze reais e quinze centavos)

R$ ,15 (dezesseis milhões, seiscentos e trinta e quatro mil, duzentos e quatorze reais e quinze centavos) DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO 1) Lucro líquido do exercício: R$ 16.634.214,15 (dezesseis milhões, seiscentos e trinta e quatro mil, duzentos e quatorze reais e quinze centavos) 2) Montante global e valor

Leia mais

PROPOSIÇÃO DE LEI Nº 760/CMSR/2015

PROPOSIÇÃO DE LEI Nº 760/CMSR/2015 DISPÕE SOBRE A CONTRIBUIÇÃO PARA CUSTEIO DO SERVIÇO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O povo de Santana do Riacho, através de seus legítimos representantes, aprova e eu, André Ferreira Torres,

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 196, DE 22 DE AGOSTO DE 2005

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 196, DE 22 DE AGOSTO DE 2005 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 196, DE 22 DE AGOSTO DE 2005 Homologa o resultado definitivo da primeira revisão tarifária periódica e as tarifas de Uso dos Sistemas

Leia mais

EcoRodovias Concessões anuncia resultado do 1T16: Lucro líquido atinge R$ 122,1 milhões, crescimento de 38,0%

EcoRodovias Concessões anuncia resultado do 1T16: Lucro líquido atinge R$ 122,1 milhões, crescimento de 38,0% EcoRodovias Concessões anuncia resultado do 1T16: Lucro líquido atinge R$ 122,1 milhões, crescimento de 38,0% São Bernardo do Campo, 12 de maio de 2016 EcoRodovias Concessões e Serviços S.A. anuncia seus

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço

Confira a autenticidade no endereço CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2017/2018 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR000499/2017 DATA DE REGISTRO NO MTE: 21/02/2017 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR009493/2017 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.002427/2017-12 DATA

Leia mais

LICITAÇÃO DO STPP/RMR. Programa Estadual de Mobilidade Urbana PROMOB

LICITAÇÃO DO STPP/RMR. Programa Estadual de Mobilidade Urbana PROMOB Programa Estadual de Mobilidade Urbana PROMOB Municípios: 14 População: 3.690.547 hab Área: 2.768,45 km 2 ARAÇOIABA SÃO LOURENÇO DA MATA MORENO 49.205 189 90.402 277 15.108 90 CABO DE SANTO AGOSTINHO

Leia mais

DECISÃO Nº 196, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2016.

DECISÃO Nº 196, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2016. DECISÃO Nº 196, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2016. Altera unilateralmente o Contrato de Concessão do Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro/Galeão - Antônio Carlos Jobim, localizado no município do Rio de Janeiro

Leia mais

RESOLUÇÃO ARSAE-MG 78/2016, DE 29 DE JANEIRO DE 2016.

RESOLUÇÃO ARSAE-MG 78/2016, DE 29 DE JANEIRO DE 2016. RESOLUÇÃO ARSAE-MG 78/2016, DE 29 DE JANEIRO DE 2016. Autoriza a revisão das tarifas dos serviços públicos de abastecimento de água e de esgotamento sanitário prestados pelo Serviço Autônomo de Água e

Leia mais

Cenário Setor Aéreo Brasileiro Ministro Maurício Quintella

Cenário Setor Aéreo Brasileiro Ministro Maurício Quintella Cenário Setor Aéreo Brasileiro Ministro Maurício Quintella A associação foi criada em 2012 2 Princípios ABEAR Padrões Internacionais Estado Eficiente Liberdade Tarifária 3 + 2002 2015 4 Fontes: OACI, ANAC,

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL PRIMEIRO TERMO ADITIVO AO CONTRATO DE CONCESSÃO PARA GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA N o 010/1997 - ANEEL COMPANHIA DE ELETRICIDADE

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 689, DE 5 DE AGOSTO DE 2008.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 689, DE 5 DE AGOSTO DE 2008. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 689, DE 5 DE AGOSTO DE 2008. Homologa o resultado provisório da segunda revisão tarifária periódica e fixa as Tarifas de Uso dos

Leia mais

PARECER CONSOLIDADO ARES-PCJ Nº 63/2016

PARECER CONSOLIDADO ARES-PCJ Nº 63/2016 Americana, 19 de abril de 2016. PROCESSO ADMINISTRATIVO PARECER CONSOLIDADO ARES-PCJ Nº 63/2016 ARES-PCJ Nº 12/2016 ASSUNTO: REAJUSTE DE CONTRAPRESTAÇÃO CONTRATO Nº 213/2008 INTERESSADO: SERVIÇO AUTÔNOMO

Leia mais

ANEXO 4.1 MODELO DE DECLARAÇÃO DE PROPOSTA DE DESCONTO

ANEXO 4.1 MODELO DE DECLARAÇÃO DE PROPOSTA DE DESCONTO ANEXO 4.1 MODELO DE DECLARAÇÃO DE PROPOSTA DE DESCONTO À Secretaria Municipal de Obras, Infraestrutura e Transporte do Município de São Mateus Comissão Especial de Licitação Ref. Concorrência nº 002/2016

Leia mais

PROCESSO ADMINISTRATIVO ARES-PCJ Nº 05/2015 PARECER CONSOLIDADO ARES-PCJ Nº 19/ DFB

PROCESSO ADMINISTRATIVO ARES-PCJ Nº 05/2015 PARECER CONSOLIDADO ARES-PCJ Nº 19/ DFB PROCESSO ADMINISTRATIVO ARES-PCJ Nº 05/2015 PARECER CONSOLIDADO ARES-PCJ Nº 19/2015 - DFB ASSUNTO: INTERESSADO: REAJUSTE DO CONTRATO DE PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA Nº 048/2012 - ÁGUAS DO MIRANTE S/A SERVIÇO

Leia mais

Ecovias dos Imigrantes anuncia resultados do 1T16 Lucro líquido cresceu 16,9% no 1T16

Ecovias dos Imigrantes anuncia resultados do 1T16 Lucro líquido cresceu 16,9% no 1T16 Ecovias dos Imigrantes anuncia resultados do 1T16 Lucro líquido cresceu 16,9% no 1T16 São Bernardo do Campo, 12 de maio de 2016 A Concessionária Ecovias dos Imigrantes S.A. anuncia seus resultados referentes

Leia mais

Apresentação de Resultados 3T17

Apresentação de Resultados 3T17 Apresentação de Resultados 3T17 Ressalvas sobre os resultados As informações financeiras são pró-forma e estão consolidadas na proporção da Triunfo em cada negócio. O resultado do período não muda em função

Leia mais

Um novo modelo de negócios

Um novo modelo de negócios Congresso Nacional de Adm Hospitalar 23/06/2006 Alternativas para Viabilização do Sistema de Saúde Sinergia Público Privado Parcerias - Público-Privadas PPP Um novo modelo de negócios A necessidade de

Leia mais

PLANO DE INCENTIVO DE LONGO PRAZO DA KARSTEN S.A. OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES

PLANO DE INCENTIVO DE LONGO PRAZO DA KARSTEN S.A. OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES PLANO DE INCENTIVO DE LONGO PRAZO DA KARSTEN S.A. OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES O presente Plano de Incentivo de Longo Prazo Opção de Compra de Ações é regido pelas disposições abaixo e pela legislação aplicável.

Leia mais

Análise expedita da Concessão Rodoviária da Rodovia BR-116-SC/PR trecho Curitiba Divisa SC/RS. Apoio:

Análise expedita da Concessão Rodoviária da Rodovia BR-116-SC/PR trecho Curitiba Divisa SC/RS. Apoio: Análise expedita da Concessão Rodoviária da Rodovia BR-116-SC/PR trecho Curitiba Divisa SC/RS. Realização: Apoio: Execução: Análise expedita da Concessão Rodoviária da Rodovia BR-116-SC/PR trecho Curitiba

Leia mais

POLÍTICA TARIFÁRIA PARA O SETOR DE SANEAMENTO BÁSICO FLORIANO DE AZEVEDO MARQUES NETO

POLÍTICA TARIFÁRIA PARA O SETOR DE SANEAMENTO BÁSICO FLORIANO DE AZEVEDO MARQUES NETO POLÍTICA TARIFÁRIA PARA O SETOR DE SANEAMENTO BÁSICO FLORIANO DE AZEVEDO MARQUES NETO Patrocínio O DESAFIO DA UNIVERSALIZAÇÃO 37% DOS DOMICÍLIOS ESTÃO FORA DA REDE COLETORA DE ESGOTO, AÍ CONSIDERADAS AS

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.637, DE 4 DE MARÇO DE 2013

CIRCULAR Nº 3.637, DE 4 DE MARÇO DE 2013 CIRCULAR Nº 3.637, DE 4 DE MARÇO DE 2013 Estabelece os procedimentos para o cálculo da parcela dos ativos ponderados pelo risco (RWA) referente às exposições sujeitas à variação da taxa dos cupons de taxa

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES RESOLUÇÃO Nº 576, DE 31 DE OUTUBRO DE 2011.

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES RESOLUÇÃO Nº 576, DE 31 DE OUTUBRO DE 2011. AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES RESOLUÇÃO Nº 576, DE 31 DE OUTUBRO DE 2011. O CONSELHO DIRETOR DA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES, no uso das atribuições que lhe foram conferidas pelo art. 22

Leia mais

DOS FUNDAMENTOS LEGAIS

DOS FUNDAMENTOS LEGAIS DOS FUNDAMENTOS LEGAIS CLÁUSULA PRIMEIRA A concessão da Participação nos Lucros ou Resultados (PLR) fundamenta-se nas disposições contidas no artigo 7º, inciso XI, da Constituição Federal, na Lei nº 10.101/2000

Leia mais

NOVAS CONCESSÕES E A EXPANSÃO DA MALHA RODOVIÁRIA. 8º Encontro de Logística e Transportes

NOVAS CONCESSÕES E A EXPANSÃO DA MALHA RODOVIÁRIA. 8º Encontro de Logística e Transportes NOVAS CONCESSÕES E A EXPANSÃO DA MALHA RODOVIÁRIA 8º Encontro de Logística e Transportes São Paulo, 7 de maio de 2013 PROGRAMA DE INVESTIMENTOS EM LOGÍSTICA RODOVIAS 3ª Etapa do Programa de Concessões

Leia mais

ACORDO COLETIVO DO PROGRAMA DE PARTICIPAÇÃO NOS RESULTADOS (PPR)

ACORDO COLETIVO DO PROGRAMA DE PARTICIPAÇÃO NOS RESULTADOS (PPR) ACORDO COLETIVO DO PROGRAMA DE PARTICIPAÇÃO NOS RESULTADOS (PPR) Instrumento de Acordo Coletivo de Trabalho que celebram a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos CPTM e o Sindicato dos Trabalhadores

Leia mais

ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 604

ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 604 ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 604 Dispõe sobre o ajuste provisório dos valores das Margens de Distribuição, a atualização do Custo do gás e do transporte, o repasse das variações dos preços

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 176, DE 1º DE JUNHO DE 2001(*) (*) Vide alterações e inclusões no final do texto.

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 176, DE 1º DE JUNHO DE 2001(*) (*) Vide alterações e inclusões no final do texto. PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 176, DE 1º DE JUNHO DE 2001(*) (*) Vide alterações e inclusões no final do texto. OS MINISTROS DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA E DA FAZENDA, no uso das atribuições que lhes são

Leia mais

ANEXO X GLOSSÁRIO. Página 1 de 8

ANEXO X GLOSSÁRIO. Página 1 de 8 ANEXO X GLOSSÁRIO Página 1 de 8 1. Para os fins do disposto neste EDITAL, entende-se por: ACESSIBILIDADE: condição para utilização, por qualquer pessoa (seja ela portadora ou não de deficiência ou com

Leia mais

Bilhete Único em Campinas

Bilhete Único em Campinas Bilhete Único em Campinas Três Anos de Inclusão Social e Melhoria dos Transportes Wilson Folgozi de Brito DIAGNÓSTICO DO TRANSPORTE COLETIVO Chegada do transporte clandestino: meados de 1997 Serviço Alternativo

Leia mais

2. Informar o montante global e o valor por ação dos dividendos, incluindo dividendos antecipados e juros sobre capital próprio já declarados

2. Informar o montante global e o valor por ação dos dividendos, incluindo dividendos antecipados e juros sobre capital próprio já declarados PROPOSTA DE DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO QUE CONTENHA, NO MÍNIMO, AS INFORMAÇÕES INDICADAS NO ANEXO 9.1.II DA INSTRUÇÃO NORMATIVA CVM n. 481/09 1. Informar o lucro líquido do exercício O lucro

Leia mais

ARTESP - Especialista em Regulação de Transporte Ciências Contábeis FCC Prova tipo 001. Prof. Dr. Giovanni Pacelli

ARTESP - Especialista em Regulação de Transporte Ciências Contábeis FCC Prova tipo 001. Prof. Dr. Giovanni Pacelli ARTESP - Especialista em Regulação de Transporte Ciências Contábeis FCC Prova tipo 001 Prof. Dr. Giovanni Pacelli Agradecimentos aos alunos: Andressa Giglioli, Lin Chan, Regiane Aparecida pelo envio da

Leia mais

2. Informar o montante global e o valor por ação dos dividendos, incluindo dividendos antecipados e juros sobre capital próprio já declarados

2. Informar o montante global e o valor por ação dos dividendos, incluindo dividendos antecipados e juros sobre capital próprio já declarados 1. Informar o lucro líquido do exercício ANEXO 9-1-II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO O lucro líquido do exercício de 2009 foi de R$198.263.226,61 (cento e noventa e oito milhões, duzentos e sessenta e três

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGULATÓRIAS

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGULATÓRIAS ENERGIA DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGULATÓRIAS Endereço: Rua Albino Pinto, 292 - Santo Antônio CEP 95860-000 Taquari-RS Fone/Fax: (51) 3653.6600 - Disque-Certaja: 0800 541 6185 certaja@certaja.com.br - www.certaja.com.br

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 638, DE 17 DE ABRIL DE 2008.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 638, DE 17 DE ABRIL DE 2008. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 638, DE 17 DE ABRIL DE 2008. (*) Vide alterações e inclusões no final do texto Homologa as tarifas de fornecimento de energia elétrica

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 636, DE 17 DE ABRIL DE 2008.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 636, DE 17 DE ABRIL DE 2008. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 636, DE 17 DE ABRIL DE 2008. (*) Vide alterações e inclusões no final do texto Homologa o resultado provisório da segunda revisão

Leia mais

Reconciliação do EBITDA Ajustado (Medições não contábeis) R$ milhões

Reconciliação do EBITDA Ajustado (Medições não contábeis) R$ milhões 1. Destaques financeiros 3T12 3T13 R$ % 9M12 9M13 R$ % (+) Receita operacional bruta 2.262,9 2.393,2 130,3 5,8 6.500,9 7.019,6 518,7 8,0 (+) Receita de construção 612,3 551,4 (60,9) (9,9) 1.741,0 1.703,8

Leia mais

COMO TUDO COMEÇOU...PORTO MARAVILHA

COMO TUDO COMEÇOU...PORTO MARAVILHA VLT Carioca COMO TUDO COMEÇOU...PORTO MARAVILHA Área de intervenção de 489 hectares, área comparável aos bairros de Copacabana (410 ha), Botafogo (480 ha) e ao Centro (572 ha) Concessão Administrativa

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA FAZENDA Processo administrativo

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA FAZENDA Processo administrativo RESPOSTA AO PEDIDO DE IMPUGNAÇÃO AO EDITAL Concorrência n.º 01/2016 OBJETO: Concessão do serviço público de estacionamento rotativo, compreendido neste a prestação dos serviços de implantação, operação,

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 734, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2008.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 734, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2008. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 734, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2008. Nota Técnica Relatório Voto Homologa o resultado provisório da segunda revisão tarifária periódica

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 639, DE 17 DE ABRIL DE 2008.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 639, DE 17 DE ABRIL DE 2008. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 639, DE 17 DE ABRIL DE 2008. Homologa o resultado provisório da segunda revisão tarifária periódica e fixa as Tarifas de Uso dos

Leia mais

ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 357

ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 357 ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 357 Dispõe sobre as Tabelas Tarifárias a serem aplicadas pela concessionária de distribuição de gás canalizado Gás Natural São Paulo Sul S.A. A Diretoria da ARSESP,

Leia mais

Documentação Anatel EMPRESA BRASILEIRA DE TELECOMUNICAÇÕES S.A - EMBRATEL PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO Nº 006

Documentação Anatel EMPRESA BRASILEIRA DE TELECOMUNICAÇÕES S.A - EMBRATEL PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO Nº 006 Documentação Anatel EMPRESA BRASILEIRA DE TELECOMUNICAÇÕES S.A - EMBRATEL PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO Nº 006 1. DESCRIÇÃO DO PLANO Este Plano de Serviço visa oferecer aos assinantes do Serviço de Telefonia

Leia mais

REAJUSTE DO CONTRATO DE CONCESSÃO DO MUNICÍPIO DE LIMEIRA ODEBRECHT AMBIENTAL LIMEIRA S/A

REAJUSTE DO CONTRATO DE CONCESSÃO DO MUNICÍPIO DE LIMEIRA ODEBRECHT AMBIENTAL LIMEIRA S/A Americana, 27 de abril de 2015. PROCESSO ADMINISTRATIVO ARES-PCJ Nº 31/2015 PARECER CONSOLIDADO ARES-PCJ Nº 18/2015 - CRO ASSUNTO: INTERESSADO: REAJUSTE DO CONTRATO DE CONCESSÃO DO MUNICÍPIO DE LIMEIRA

Leia mais

Concessão, Permissão e Autorização de Serviço Público. Diana Pinto e Pinheiro da Silva

Concessão, Permissão e Autorização de Serviço Público. Diana Pinto e Pinheiro da Silva Concessão, Permissão e Autorização de Serviço Público Diana Pinto e Pinheiro da Silva 1. Execução de Serviço Público Execução de serviço público Dificuldade de definição [...] o conceito de serviço público

Leia mais

6 O Projeto da MG-050

6 O Projeto da MG-050 61 6 O Projeto da MG-050 Em 2006, foi lançado o edital do Projeto PPP da MG-050 com o objetivo de recuperação, ampliação e manutenção da Rodovia MG-050. O projeto engloba ainda trechos da BR-265 (entre

Leia mais

Agenda. Conhecendo a Compesa Parceria Público-Privada. Contextualização Modelo de Negócios Investimentos. 20 dias 20 dias

Agenda. Conhecendo a Compesa Parceria Público-Privada. Contextualização Modelo de Negócios Investimentos. 20 dias 20 dias Agenda Conhecendo a Compesa Parceria Público-Privada 20 dias 20 dias Contextualização Modelo de Negócios Investimentos Conhecendo a Compesa Companhia Pernambucana de Saneamento Compesa Economia Mista de

Leia mais

Obrigações Supervenientes. Implicações para o Equilíbrio dos Contratos

Obrigações Supervenientes. Implicações para o Equilíbrio dos Contratos Obrigações Supervenientes Implicações para o Equilíbrio dos Contratos Características das Concessões Investimentos significativos Poucos usos alternativos Contratos de longa duração Exigência dos Concessionários

Leia mais

LINX S.A. Companhia Aberta de Capital Autorizado CNPJ: / NIRE:

LINX S.A. Companhia Aberta de Capital Autorizado CNPJ: / NIRE: LINX S.A. Companhia Aberta de Capital Autorizado CNPJ: 06.948.969/0001-75 NIRE: 35.300.316.584 ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 13 DE FEVEREIRO DE 2017 1 DATA, HORA E LOCAL: Aos

Leia mais

Sugestão para alteração: a outorga terá o prazo de 25 (vinte e cinco) anos, conforme estabelecido no Contrato.

Sugestão para alteração: a outorga terá o prazo de 25 (vinte e cinco) anos, conforme estabelecido no Contrato. 1 Item 7.1 do Edital Sugestão para alteração: a outorga terá o prazo de 25 (vinte e cinco) anos, conforme estabelecido no. Justificativa: Colabora na viabilidade do projeto. o prazo é adequado para a viabilidade

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 795, DE 7 DE ABRIL DE 2009

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 795, DE 7 DE ABRIL DE 2009 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 795, DE 7 DE ABRIL DE 2009 Homologa as tarifas de fornecimento de energia elétrica e as Tarifas de Uso dos Sistemas de Distribuição,

Leia mais

CONCORRÊNCIA - CO N. 10/2010, realizada através processo administrativo n. representado por Orlando Pedroso Lopes Marques, assinam o presente TERMO

CONCORRÊNCIA - CO N. 10/2010, realizada através processo administrativo n. representado por Orlando Pedroso Lopes Marques, assinam o presente TERMO TRANSPORTES PRIMEIRO TERMO ADITIVO DE ALTERAÇÃO DO CONTRATO DE CONCESSÃO N 04/2010, FIRMADO PELO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO POR INTERMÉDIO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE TRANSPORTES COM O CONSÓRCIO SANTA

Leia mais

III Seminário Internacional Desafios da Regulação no Setor Elétrico

III Seminário Internacional Desafios da Regulação no Setor Elétrico III Seminário Internacional Desafios da Regulação no Setor Elétrico Regulação da Distribuição em Portugal e no Brasil Principais Riscos Regulatórios João Aguiar Presidente Compra de energia para venda

Leia mais

OPERAÇÕES COM PARTICIPANTES EMPRÉSTIMO PLANOS I, II E III PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS

OPERAÇÕES COM PARTICIPANTES EMPRÉSTIMO PLANOS I, II E III PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS OPERAÇÕES COM PARTICIPANTES EMPRÉSTIMO PLANOS I, II E III PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS QUEM PODE SOLICITAR EMPRÉSTIMO PARTICIPANTES ATIVOS PARTICIPANTES ASSISTIDOS Manter vínculo empregatício remunerado

Leia mais