Colégio Militar de Curitiba Caro aluno

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Colégio Militar de Curitiba Caro aluno"

Transcrição

1 Colégio Militar de Curitiba Caro aluno Este Caderno de Apoio à Aprendizagem em Língua Portuguesa foi produzido para você com o objetivo de colaborar com seus estudos. Ele apresenta uma série de atividades a serem resolvidas. Servirão para que você verifique os conteúdos que já domina e os que precisará estudar com vistas a um melhor acompanhamento no 6º ano do ensino fundamental em nosso Colégio. Com ele, você poderá rever, aprofundar e/ou ampliar a aprendizagem de habilidades essenciais nessa área do conhecimento relacionadas à: - empregar os procedimentos de leitura em função dos diferentes em função dos diferentes objetivos e interesses do sujeito e das características do gênero e suporte; - estabelecer as relações necessárias entre o texto, outros textos e recursos de natureza suplementar que o acompanham (gráficos, tabelas, desenhos, fotos, etc) no processo de compreensão e interpretação do texto; - utilizar inferências pragmáticas para dar sentido a expressões que não pertençam a seu repertório lingüístico ou estejam empregadas de forma não usual em sua linguagem; Redigir textos considerando as condições de produção: finalidade; especificidade do gênero; lugares preferenciais de circulação; interlocutor. Esperamos que você possa ampliar seus conhecimentos. Bom trabalho! Projeto Pré-Requisitos 6º Ano Página -1 Página -2

2 Habilidade 1: Empregar os procedimentos de leitura em função dos diferentes objetivos e interesses do sujeito e das características do gênero e suporte. Descritores: 1. Localizar informações explícitas em um texto. 2. Inferir o sentido de uma palavra a partir do contexto em que foi empregada. 3. Inferir o sentido de uma expressão a partir do contexto em que foi empregada. 4. Inferir uma informação implícita em um texto. 5. Identificar os elementos de um texto (narrador/foco narrativo). 6. Interpretar texto com auxílio de material gráfico diverso (propagandas, quadrinho, foto, etc.). 7. Identificar a finalidade de textos de diferentes gêneros Leia o texto a seguir para responder aos itens de 1 a 7. A Criação do Mundo (Índios Carajás) Os índios Carajás, no princípio do mundo, viviam dentro do furo das pedras. Não conheciam a Terra. Eram felizes e tinham a eternidade, vivendo até avançada velhice, só morrendo quando ficavam cansados de viver. Um dia, os Carajás decidiram abandonar o furo das pedras, na esperança de descobrir os mistérios da Terra. Apenas um deles, por ser muito gordo, não conseguiu passar pelo furo da pedra, ficando nele entalado. Na Terra, que trazia uma escuridão sem fim, os índios percorreram todos os lugares. Descobriram frutos e comidas. Compadecidos do companheiro que ficara entalado no furo da pedra, levaram-lhe os mais saborosos frutos e um galho seco. Ao ver aquele galho seco, o índio entalado observou: O lugar por onde vocês andam não é bom. As coisas envelhecem e morrem. Veja este galho, envelheceu. Não quero ir para um lugar onde tudo envelhece. Vou voltar. E vocês deviam fazer o mesmo! E o robusto carajá voltou para dentro da pedra. Os outros continuaram a percorrer a Terra, que se encontrava nas trevas. Um menino carajá, junto com a amada, percorria a Terra em busca de alimentos. Como não havia luz, a amada sangrou as mãos nos espinhos, quando colhia frutos. O menino, na escuridão, comeu mandioca brava. Envenenado pela raiz, o menino carajá deitou-se de costas, a passar mal. Vários urubus começaram a andar em volta do seu corpo. Um dos urubus disse: Ele não está morto, ainda move o corpo. Outro urubu replicou: Não, ele está morto. Todos os urubus opinavam, uns achavam que o menino estava morto, outros achavam que não. Para que a dúvida fosse esclarecida, foi chamado o urubu-rei, com o seu bico vermelho e penugem rala na cabeça. Considerado o mais sábio dos urubus, a ave imponente declarou: Ele está morto. E foi pousar na barriga do menino. Inesperadamente, o menino carajá, que se fingia de morto, pegou o urubu-rei pelas pernas e o prendeu nas mãos. A ave esperneou, debateu-se, mas não se libertou das mãos do menino. Quero os mais belos enfeites. Disse o menino ao urubu-rei. A ave, para ser libertada, trouxe as estrelas no céu como enfeites aos olhos do menino. As estrelas eram belas, mas o mundo continuava escuro. Quero outro enfeite. O urubu-rei trouxe a lua. E a Terra continuava escura. Ainda é noite. Quero outro enfeite, este também não serve. Então o urubu-rei trouxe o sol. E o mundo ficou cheio de luz. O urubu-rei ensinou ao pequeno índio a utilidade de todas as coisas do mundo. Feliz, o menino soltou a sábia ave. Só então o carajá se lembrou de perguntar ao urubu-rei o segredo da juventude eterna. No alto do céu, a ave contou-lhe aquele segredo, mas voava tão alto, que todos ouviram a resposta, as árvores, os animais, menos o menino. E por não ter ouvido o urubu-rei, todos os homens envelhecem e morrem. (Fonte: Página -3 Página -4

3 1. Por que os Carajás decidiram abandonar o local onde viviam? 2. Leia a sentença a seguir retirada do texto: As coisas envelhecem e morrem. (linha 11). Reescreva essa frase, trocando o termo sublinhado por outro, mas mantendo o sentido que ele tem no texto como um todo.. 3. Leia a sentença a seguir retirada do texto: E o mundo ficou cheio de luz. (linha 35). Reescreva a frase, substituindo a expressão sublinhada, mas mantendo o seu sentido no parágrafo em que se encontra. 4. De acordo com a lenda dos carajás, há um menino que permanecerá feliz e viverá até avançada velhice, só morrendo quando ficar cansado de viver. Quem é esse índio? 5. Identifique: a. O narrador do texto. b. As personagens do texto Leia o texto a seguir para responder aos itens de 8 a 14. Mito da Criação (Grécia Antiga) No início, nada existia. Tudo era escuro e sem nada e isto era o Caos. Gradualmente a Mãe-Terra (ou Gaia) surgiu e foi ganhando forma e criou o Mundo. A Mãe-Terra teve um filho, Urano, que era o céu. Urano e a Mãe-Terra tiveram filhos juntos. Com a chuva vieram as plantas e os animais que se formavam das gotas que caíam nos oceanos e rios. Também surgiram monstros de muitos tamanhos, formas e feitios. Entre estes monstros havia três que apenas tinham um olho, bem no meio da testa, e chamavam-se de Ciclopes. Urano foi muito mau para eles, tratava-os cruelmente e baniu-os para o Submundo. Mais tarde começaram a aparecer seres com forma de humanos, mas enormes. Estes gigantes eram os Titãs e foram os primeiros deuses e deusas. Finalmente, a Mãe-Terra deu à luz a Idade do Ouro, que viveram numa época sem guerras ou confltos. Infelizmente, não tiveram filhos e a raça morreu, apesar de terem continuado na Terra como espíritos para ajudar e proteger as pessoas. A Terra-Mãe não conseguia perdoar ao seu filho Urano pela maneira como ele tinha tratado os Ciclopes e encorajou os Titãs, liderados por Cronos, para se revoltarem. Eles atacaram e venceram Urano e assim ficaram no poder. Do sangue de Urano caíram três gotas de sangue na Terra e assim nasceram as Eríneas. Estes eram espíritos de vingança e revolta, com cabeça de cão e asas de morcego. Eles perseguiam assassinos, principalmente aqueles que matavam familiares. Uma outra gota caiu no mar e criou espuma e da espuma apareceu a deusa Afrodite. Cronos casou com a sua irmã, Rhea (Réia), e tornou-se rei dos Titãs. Tiveram cinco filhos, mas Cronos, avisado que um deles o mataria, engoliu-os todos assim que nasceram. Para salvar o seu sexto filho, Réia enganou Cronos, dando-lhe uma pedra enrolada em roupa de bebê e escondeu a criança entre algumas deusas menores, chamadas de Ninfas, que criaram a criança em segurança. Esta criança era Zeus. Quando cresceu, Zeus regressou a casa disfarçado e colocou uma poção na bebida de Cronos, fazendo com que ele se engasgasse (...). As crianças que tinha engolido foram tossidas, sãs e salvas. Eram as irmãs Hestia, Demeter e Hera e os irmãos Plutão e Poseidon. Uma batalha feroz então teve lugar. Zeus libertou os Ciclopes que fizeram relâmpagos para ele arremessar. Fizeram também um tridente para Poseidon e um capacete mágico para Plutão que fazia com que quem o usasse ficasse invisível. A maior parte dos Titãs e Gigantes ficaram do lado de Cronos. Depois de uma terrível luta, os deuses mais novos, ou Novos Deuses, saíram vitoriosos. Os Titãs foram banidos e um deles, chamado Atlas, teve como castigo sustentar o mundo nos ombros. Zeus ficou Senhor dos Céus e rei de todos os deuses. Poseidon foi feito Senhor dos Oceanos e Plutão do Submundo. (Fonte: 6. Crie uma história no formato de tira de quadrinhos (entre três e cinco quadrinhos), recontando o diálogo do menino-índio que pediu os seus desejos para o urubu-rei. 7. O que essa história (lenda) dos Carajás explica para as próximas gerações de índios? Página -5 Página -6

4 8. Como surgiram as plantas, os animais e os monstros de diversos tipos, inclusive os ciclopes? 9. Leia a sentença retirada do texto: Urano foi muito mau para eles, tratava-os cruelmente e baniu-os para o Submundo (linha 08). Reescreva a frase substituindo o termo sublinhado por outro, mas mantendo o sentido que ele tem no texto como um todo. 10.Leia a sentença a seguir, retirada do texto: Uma batalha feroz então teve lugar. (linha 29). Reescreva a frase, substituindo a expressão sublinhada, mas mantendo o seu sentido no parágrafo em que se encontra. Habilidade 2: Estabelecer as relações necessárias entre o texto, outros textos e recursos de natureza suplementar que o acompanham (gráficos, tabelas, desenhos, fotos, etc) no processo de compreensão e interpretação de texto. Descritores 8. Estabelecer relações entre partes de um texto, identificando repetições ou substituições que contribuem para a continuidade de um texto. 9. Estabelecer relação causa/conseqüência entre partes e elementos do texto. 10. Estabelecer relações lógico-discursivas presentes no texto, marcadas por elementos coesivos. 11. Reconhecer diferentes formas de tratar uma informação na comparação de textos que tratam do mesmo tema, em função das condições em que ele foi produzido e daquelas em que será recebido. 11. De acordo com a lenda dos gregos, Zeus enganou Cronos e salvou seus irmãos. Como isso aconteceu? 12. Identifique: a. O narrador do texto. b. As personagens do texto. 13. Faça um desenho mostrando o castigo de Atlas. 14. Como a lenda grega da criação do universo e do nosso mundo é explicada no início do texto? Página -7 Página -8

5 Leia os textos a seguir para responder às questões. Texto 1 Cavando tocas para viver Os ouriços-do-mar são capazes de cavar pequenos buracos em rochas. Tais buracos são usados como abrigo por esses animais. Esse trabalho de escavar as duras rochas é lento e para tanto o ouriço usa exclusivamente seus espinhos, atritando-os contra a rocha. Um ouriço muito comum nas praias brasileiras é o ouriço-roxo ou pindá. Esse animal tem aproximadamente 10 centímetros de diâmetro e seus espinhos são rígidos e escuros. Texto 2 (Barros, Carlos. Ciências os seres vivos. São Paulo. Ática, 2009.) ouriço-do-mar (ou.ri.ço-do-mar) s.m. (Zool.) Invertebrado marinho, de carapaça redonda com muitos espinhos agudos. pl.: ouriços-do-mar 1. Observando os dois textos, é correto afirmar que: (A) o primeiro texto fornece o significado do termo, a classe gramatical e a separação em sílabas. (B) a intenção do autor do texto 1 é a mesma do autor do texto 2. (C) os dois textos tratam do mesmo assunto com um grau de profundidade diferenciado. (D) o texto 2 costuma ser encontrado em enciclopédias. Texto 4 Pantanal Estima-se que 10 milhões de jacarés vivam hoje no Pantanal, e com certeza um deles vai passar bem pertinho de você. Nesse zoológico a céu aberto, tuiuiús e periquitos voarão sobre a sua cabeça, enquanto antas, capivaras e catetos cruzam o seu caminho. Quem gosta de observar bichos em seu próprio habitat não pode deixar de programar uma viagem à maior planície alagável do mundo. Certamente, essa será uma das melhores viagens de sua vida. [...] Disponível em: <http://viajeaqui.abril.abril.com.br/sugestões/natureza/va_sugestoes_ shtml>. Acesso em 09 nov Texto adaptado. 4.O autor do texto, ao empregar o pronome de tratamento você, dirige-se a um interlocutor, que no caso é o próprio leitor. Assinale a alternativa em que o pronome possessivo destacado não está se referindo ao leitor. (A) Nesse zoológico a céu aberto, tuiuiús e periquitos voarão sobre a sua cabeça... (B)...enquanto antas, capivaras e catetos cruzam o seu caminho. (C) Quem gosta de observar bichos em seu próprio habitat... (D) Certamente, essa será uma das melhores viagens de sua vida. Texto 5 Desmatamento no Brasil: o verde em perigo Débora de Menezes 2. A expressão para tanto se refere ao: (A) ouriço-do-mar. (B) abrigo usado pelos ouriços. (C) trabalho de escavar as rochas. (D) espinho do ouriço. Texto 3 O Corvo e o Jarro Um corvo, que estava sucumbindo de sede, viu lá no alto um Jarro, e na esperança de achar água dentro, voou até lá com muita alegria. Quando o alcançou, descobriu, para sua tristeza, que o jarro continha tão pouca água em seu interior que era impossível retirá-la de dentro. Ainda assim, ele tentou de tudo para alcançar a água que estava dentro do jarro, mas, como seu bico era curto demais, todo seu esforço foi em vão. Por último ele pegou tantas pedras quanto podia carregar, e uma a uma colocou-as dentro da jarra. Ao fazer isso, logo o nível da água ficou ao alcance do seu bico, e desse modo ele salvou sua vida. Fonte: Esopo. O corpo e o jarro. Disponível em: <http://www.sitededicas.com.br>. 3. O corvo não conseguia matar sua sede porque: (A) tinha bico curto e não conseguia alcançar a água. (B) o jarro estava no alto e o corvo não conseguia atingí-lo. (C) não conseguia colocar pedras dentro do jarro. (D) no jarro não havia água suficiente. Página -9 O assunto não sai dos jornais: o Brasil está perdendo áreas verdes. O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais estima que 17% da Floresta Amazônica tenham desaparecido do mapa aproximadamente 700 mil quilômetros quadrados, uma área em que caberiam os estados de Minas Gerais, do Rio de Janeiro e do Espírito Santo. Mas não é só ela: 93% da Mata Atlântica não existem mais, e o cerrado encolheu 40% nos últimos dez anos, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Os fatores que contribuem para esse quadro preocupante têm como origem a urbanização, o desmatamento para a abertura de estradas e a expansão da agropecuária. Além de causar o empobrecimento da biodiversidade e contribuir para a concentração de gás carbônico na atmosfera, o fim das formações naturais destrói o hábitat de insetos e outros animais, que se tornam vetores de doenças, e ameaça os mananciais. Estudar essa questão e refletir sobre ela com base na leitura de mapas é a proposta do projeto didático que acompanha esta reportagem. Na Amazônia, a devastação se intensificou na década de 1970, quando o governo estimulou a ocupação da Região Norte, incentivando a população de outras localidades a desbravar a floresta. Assim, estradas foram abertas para facilitar o acesso. Adriana Ramos, coordenadora do Instituto Socioambiental, afirma que 75% da degradação ambiental ocorreram numa faixa de 100 quilômetros de largura ao longo das rodovias. Já o cerrado tem na cultura de soja a principal causa de seu desaparecimento. A organização não-governamental Conservação Internacional estima que o Brasil pode perder Página -10

6 essa formação vegetal até 2030 se o modelo de desenvolvimento do país for mantido. Mato Grosso concentra a maior área plantada. "A falta da mata original e o uso de agrotóxicos agridem os afluentes do Rio Amazonas que nascem ali, afetando a quantidade e a qualidade das águas", avisa o biólogo Mário Barroso, gerente da entidade. A Mata Atlântica, por sua vez, foi deteriorada pelos procedimentos usados na extração do ouro no início da colonização e, posteriormente, substituída por plantações de cana-deaçúcar e de café. Hoje a preocupação é a expansão urbana, especialmente na costa do Sudeste. Sem fiscalização, as áreas são preenchidas por propriedades irregulares, o que causa excesso de lixo, poluição dos mananciais, falta de água e exclusão social. Toda discussão facilita o entendimento sobre o que é desenvolvimento sustentável e leva os alunos a refletir sobre ações de preservação ambiental que diminuam o impacto causado pelo homem. 5. No trecho: Mas não é só ela... do 1º parágrafo, o pronome ela se refere: (A) à Floresta Amazônica. (B) a uma área. (C) a Minas Gerais. (D) à Mata Atlântica. 10. As aspas que aparecem no trecho: "A falta da mata original e o uso de agrotóxicos agridem os afluentes do Rio Amazonas que nascem ali, afetando a quantidade e a qualidade das águas", no quarto parágrafo são usadas para: (A) por em evidência um conceito. (B) evidenciar um dado estatístico. (C) destacar uma informação relevante. (D) reproduzir a fala emitida por alguém. 11. A palavra do texto cujo sentido equivale ao sentido da palavra desflorestamento é: (A) desmatamento. (B) devastação. (C) degradação. (D) desbravamento. 6. São vários os fatores responsáveis pela degradação das áreas verdes no Brasil. O único NÃO citado na introdução do texto é a: (A) urbanização. (B) abertura de estradas. (C) ampliação da indústria do papel. (D) expansão da atividade agropecuária. 7. O empobrecimento da biodiversidade, o aumento da poluição atmosférica, a destruição do hábitat da fauna são apresentados como: (A) causas do desmatamento da Floresta Amazônica. (B) consequências da devastação das áreas verdes. (C) causas dos vetores de novas doenças virais. (D) consequências naturais da evolução da Terra. 8. Na frase: A falta da mata original e o uso de agrotóxicos agridem os afluentes do Rio Amazonas que nascem ali, afetando a quantidade e qualidade das águas, avisa o biólogo Mário Barroso, gerente da entidade., o advérbio em destaque faz referência a que termo do quarto parágrafo? (A) Ao cerrado. (B) Ao Brasil. (C) Ao Rio Amazonas. (D) Ao Mato Grosso. 9. A finalidade do texto Desmatamento no Brasil: o verde em perigo é: (A) informar aos leitores dados sobre a devastação da flora no país. (B) solicitar aos governantes que tomem providência para diminuir o desmatamento no Brasil. (C) convencer o público leitor da necessidade no plantio de espécies da flora brasileira. (D) entreter o público alvo desse tipo de leitura. Página -11 Página -12

7 Habilidade 3: Utilizar inferências pragmáticas para dar sentido a expressões que não pertençam a seu repertório lingüístico ou estejam empregadas de forma não usual em sua linguagem. Leia o texto abaixo para responder ao item 1: Descritores: 12. Identificar efeitos de ironia ou humor em textos variados. 13. Identificar o efeito de sentido decorrente do uso da vírgula. 14. Identificar o efeito de sentido decorrente do uso de outros sinais de pontuação ou outras notações. 15. Identificar o efeito de sentido do uso da sinonímia/antonímia. 1. Na tirinha, há traço de humor em: (A) "Que olhar é esse, Dalila?" (B) "Olhar de tristeza, mágoa, desilusão..." (C) "Olhar de apatia, tédio, solidão..." (D) "Sorte! Pensei que fosse conjuntivite!" Leia o poema abaixo para responder aos itens 2, 3 e 4: O CADERNO Sou eu que vou seguir você Do primeiro rabisco até o be-a-bá. Em todos os desenhos coloridos vou estar: A casa, a montanha, duas nuvens no céu E um sol a sorrir no papel. (...) O que está escrito em mim Comigo ficará guardado, se lhe dá prazer. A vida segue sempre em frente, o que se há de fazer. Só peço a você um favor, se puder: Não me esqueça num canto qualquer. (Mutinho etoquinho, letra retirada do site 2. A expressão A vida segue sempre em frente indica que na vida: (A) tudo acaba. (B) tudo passa. (C) tudo fica como está. (D) passamos por fases. 3. No poema, o verso Do primeiro rabisco até o be-a-bá sugere a aprendizagem: (A) do desenho. (B) da fala. (C) da escrita. (D) da leitura. Página -13 Página -14

8 4. A partir da leitura do poema, pode-se concluir que o caderno: (A) gosta muito de todas as crianças. (B) fala como se fosse uma pessoa. (C) sonha com desenhos coloridos. (D) gosta muito de rabiscar. Leia o texto abaixo e responda o item 5. O Encontro (fragmentos) Era a primeira vez que eu pisava naquele lugar. Nas minhas andanças pelas redondezas, jamais fora além do vale. Mas nesse dia, sem nenhum cansaço, transpus a colina e cheguei ao campo. Que calma! E que desolação. Tudo aquilo - disso estava bem certa - era completamente inédito para mim. Mas por que então o quadro se identificava, em todas as minúcias, a uma imagem semelhante lá nas profundezas da minha memória? Voltei-me para o bosque que se estendia à minha direita. Esse bosque eu também já conhecera com sua folhagem cor de brasa dentro de uma névoa dourada. "Já vi tudo isto, já vi... Mas onde? E quando?" (TELLES, Lygia Fagundes. Oito Contos de Amor. São Paulo: Ática.) 5. Na frase "Já vi tudo isso, já vi... Mas onde?" (l. 15), o uso das reticências sugere (A) impaciência. (B) impossibilidade. (C) incerteza. (D) irritação. Leia o texto abaixo e responda os itens 6 e 7. As Amazônias. Esse tapete de florestas com rios azuis que os astronautas viram é a Amazônia. Ela cobre mais da metade do território brasileiro. Quem viaja pela região não cansa de admirar as belezas da maior floresta tropical do mundo. No início era assim: água e céu. É mata que não tem mais fim. Mata contínua, com árvores muito altas, cortada pelo Amazonas, o maior rio do planeta. São mais de mil rios desaguando no Amazonas. É água que não acaba mais. (SALDANHA, P. As Amazônias. Rio de Janeiro: Ediouro, 1995.) 6. No texto, o uso da expressão "água que não acaba mais" revela: (A) admiração pelo tamanho do rio. (B) ambição pela riqueza da região. (C) medo da violência das águas. (D) surpresa pela localização do rio. 7. Na expressão Que calma! o uso do sinal de exclamação supõe: (A) horror. (B) ordem. (C) entusiasmo (D) surpresa. Leia o texto abaixo para responder o item 8. Os técnicos foram à reunião acompanhados da secretária, do diretor e de um coordenador. (Texto extraído do livro: ABAURRE, Maria Luiza & PONTARA, Marcela Nogueira. Português,1ª Ed. São Paulo: Moderna, p. 308.) 8. Se tirarmos a vírgula, teremos o seguinte sentido: (A) uma pessoa a menos terá ido à reunião. (B) o sentido não se alteraria. (C) uma pessoa a mais terá ido à reunião. (D) a ausência da vírgula implicará um erro gramatical. Leia o texto abaixo e responda o item 9. No meio de uma visita de rotina, o presidente daquela enorme empresa chega ao setor de produção e pergunta ao encarregado: - Quantos funcionários trabalham neste setor? Depois de pensar por alguns segundos, o encarregado responde: - Mais ou menos a metade! (Jornal Visão de Barão Geraldo, seção Sorria ) 9. O humor da anedota é gerado pelo seguinte fato: (A) o presidente da empresa não ter formulado bem a pergunta. (B) o encarregado não ter compreendido teoricamente a pergunta do presidente. (C) o encarregado não saber com exatidão quantos funcionários trabalham na empresa. (D) o encarregado omitir a realidade para o presidente Leia o texto abaixo e responda o item 10. A professora passou a lição de casa: fazer uma redação com o tema Mãe só tem uma. No dia seguinte, cada aluno leu a sua redação. Todas mais ou menos dizendo as mesmas coisas: a mãe nos amamenta, é carinhosa conosco, é a rosa mais linda de nosso jardim etc. etc. etc. Portanto, mãe só tem uma. Aí chegou a vez de Juquinha ler a sua redação: Domingo foi visita lá em casa. As visitas ficaram na sala. Elas ficaram com sede e minha mãe pediu para eu ir buscar Coca-Cola na cozinha. Eu abri a geladeira e só tinha uma Coca-Cola. Aí, eu gritei pra minha mãe: Mãe, só tem uma!. (Viaje Bem revista de bordo da Vasp, n 4, 1989) 10. O humor do texto é gerado pelo fato de: (A) a professora não ter empregado a vírgula no tema da redação. (B) a turma não ter compreendido o tema da redação. (C) Juquinha chamar a mãe e com isso empregar o uso da vírgula. (D) Juquinha não ter empregado a vírgula após a palavra mãe. Página -15 Página -16

9 11. Leia o texto: Vírgula pode ser uma pausa... ou não. Não, espere. Não espere. Ela pode sumir com seu dinheiro. 23,4. 2,34. Pode ser autoritária. Aceito, obrigado. Aceito obrigado. f. Vamos perder, nada foi resolvido. Vamos perder nada, foi resolvido. g. Não queremos saber. Não, queremos saber. Pode criar heróis. Isso só, ele resolve. Isso só ele resolve. E vilões. Esse, juiz, é corrupto. Esse juiz é corrupto. Ela pode ser a solução. Vamos perder, nada foi resolvido. Vamos perder nada, foi resolvido. A vírgula muda uma opinião. Não queremos saber. Não, queremos saber. Com relação ao uso da vírgula, explique a mudança de significados nos pares de versos abaixo: a. Não, espere. Não espere. b. R$23,40. R$2,34. c. Aceito, obrigado. Aceito obrigado. d. Isso só, ele resolve. Isso só ele resolve. e. Esse, juiz, é corrupto. Esse juiz é corrupto. Página -17 Página -18

10 Habilidade 4: Redigir textos considerando as condições de produção: finalidade; especificidade do gênero; lugares preferenciais de circulação; interlocutor. Descritores: 16. Compreende e atende à proposta dada. 17. Organiza o texto em parágrafos. 18. Redige períodos completos. 19. Tem noções de pontuação. 20. Emprega o vocabulário adequado ao gênero textual solicitado. 21. Emprega adequadamente os principais elementos coesivos. 22. Emprega adequadamente os sinais de acentuação. 23. Emprega adequadamente as letras maiúsculas e minúsculas. 24. Domina a ortografia da língua. 25. Produz texto coerente, sem ambigüidades e trechos desconexos. Página -19

11 PROPOSTAS DE REDAÇÃO PARA OS ALUNOS DO 6º ANO OS BALÕES NAS HISTÓRIAS DE QUADRINHOS PROPOSTA 1: GÊNERO TEXTUAL HISTÓRIA EM QUADRINHO Com certeza você já leu histórias em quadrinho, em gibis, revistinhas, livros ou na internet. As histórias em quadrinhos são narrativas ilustradas através de imagens, nas quais são usados diversos tipos de balões para representar os diálogos. Como você deve ter observado, nas histórias em quadrinhos há o uso de balões que contêm as falas das personagens. Observe que as falas são curtas e acompanham as imagens. Veja abaixo alguns tipos de balões usados nessas histórias: Abaixo apresentamos uma historinha de Calvin, um personagem criado pelo cartunista norte-americano Bill Watterson, que vive as emoções e aventuras do mundo infantil. Leia e observe as imagens e a distribuição dos diálogos dentro dos balões. VAMOS TREINAR! Meus sonhos estão muito reais! Na página seguinte, você encontra uma história em quadrinhos que possui os balões em branco. Crie os diálogos para os personagens de acordo com as imagens, a fim de finalizar a história. Fonte: Acesso em 06 de Novembro de Observe também que nos quadrinhos em que não há balões, a imagem cumpre o papel de representar as ações do personagem.

12 PROPOSTA DE PRODUÇÃO DE TEXTOS Agora que você observou como se organizam as histórias em quadrinhos, leia o conto abaixo, do autor Carlos Drummond de Andrade, e o transforme em uma história em quadrinhos. Ao fazer os balões, lembre-se de escolher o balão que expresse o tom de voz ou sentimento do personagem (grito, cochicho, alegria, raiva etc). Tente desenvolver a história em, no máximo, 12 quadrinhos. Para isso, selecione apenas as partes mais importantes da história original. O ASSALTO Na feira, a gorda senhora protestou a altos brados contra o preço do chuchu: Isto é um assalto! Houve um rebuliço. Os que estavam perto fugiram. Alguém, correndo, foi chamar o guarda. Um minuto depois, a rua inteira, atravancada, mas provida de um admirável serviço de comunicação espontânea, sabia que se estava perpetrando um assalto ao banco. Mas que banco? Havia banco naquela rua? Evidente que sim, pois do contrário como poderia ser assaltado? Um assalto! Um assalto! a senhora continuava a exclamar, e quem não tinha escutado, escutou, multiplicando a notícia. Aquela voz subindo do mar de barracas e legumes era como a própria sirena policial, documentando, por seu uivo, a ocorrência grave, que fatalmente se estaria consumando ali, na claridade do dia, sem que ninguém pudesse evitá-la. Moleques de carrinho corriam em todas as direções, atropelando-se uns aos outros. Queriam salvar as mercadorias que transportavam. Não era o instinto de propriedade que os impelia. Sentiam-se responsáveis pelo transporte. E no atropelo da fuga, pacotes rasgavam-se, melancias rolavam, tomates esborrachavam-se no asfalto. Se a fruta cai no chão, já não é de ninguém; é de qualquer um, inclusive do transportador. Em ocasiões de assalto, quem é que vai reclamar uma penca de bananas meio amassadas? Olha o assalto! Tem um assalto ali adiante! O ônibus na rua transversal parou para assuntar. Passageiros ergueram-se, puseram o nariz para fora. Não se via nada. O motorista desceu, desceu o trocador, um passageiro advertiu: No que você vai a fim do assalto, eles assaltam sua caixa. Ele nem escutou. Então os passageiros também acharam de bom alvitre abandonar o veículo, na ânsia de saber, que vem movendo o homem, desde a idade da pedra até a idade do módulo lunar. Outros ônibus pararam, a rua entupiu. Melhor. Todas as ruas estão bloqueadas. Assim eles não podem dar no pé. É uma mulher que chefia o bando! Já sei. A tal dondoca loira. A loura assalta em São Paulo. Aqui é morena. Uma gorda. Está de metralhadora. Eu vi. Minha Nossa Senhora, o mundo está virado! Vai ver que está caçando é marido. Não brinca numa hora dessas. Olha aí sangue escorrendo! Sangue nada, é tomate. Na confusão, circularam notícias diversas. O assalto fora a uma joalheria, as vitrinas tinham sido esmigalhadas a bala. E havia joias pelo chão, braceletes, relógios. O que os bandidos não levaram, na pressa, era agora objeto de saque popular. Morreram no mínimo duas pessoas, e três estavam gravemente feridas. Barracas derrubadas assinalavam o ímpeto da convulsão coletiva. Era preciso abrir caminho a todo custo. No rumo do assalto, para ver, e no rumo contrário, para escapar. Os grupos divergentes chocavam-se, e às vezes trocavam de direção; quem fugia dava marcha à ré, quem queria espiar era arrastado pela massa oposta. Os edifícios de apartamentos tinham fechado suas portas, logo que o primeiro foi invadido por pessoas que pretendiam, ao mesmo tempo, salvar o pelo e contemplar lá de cima. Janelas e balcões apinhados de moradores, que gritavam: Pega! Pega! Correu pra lá! Olha ela ali! É um mascarado! Não, são dois mascarados! Ouviu-se nitidamente o pipocar de uma metralhadora, a pequena distância. Foi um deitar-no-chão geral, e como não havia espaço uns caíam por cima de outros. Cessou o ruído, Voltou. Que assalto era esse, dilatado no tempo, repetido, confuso? Olha, um menino tocando matraca! E a gente com dor-de-barriga, pensando que era metralhadora! Caíram em cima do garoto, que sorveteu na multidão. A senhora gorda apareceu, muito vermelha, protestando sempre: É um assalto! Chuchu por aquele preço é um verdadeiro assalto! Carlos Drummond de Andrade

13 Leia a carta abaixo, denominada carta pessoal. PROPOSTA DE PRODUÇÃO DE TEXTOS 2: CARTA PESSOAL PROPOSTA DE PRODUÇÃO TEXTUAL Com certeza, assim como a Márcia da carta, você possui um amigo(a) que mora distante. Redija uma carta para seu amigo, contando as suas novidades e expressando suas saudades. Lembre-se dos elementos que compõem a carta e use uma linguagem adequada ao destinatário. Se você quiser, pode enviá-la por correio convencional, ou através do correio eletrônico ( ). Bom trabalho! Rio de Janeiro, 20 de Fevereiro de Oi Ana, como vai? Estou com muita saudade e resolvi escrever para você. Quero te contar que já comprei a segunda edição daquele livro que te falei. Estou muito ansiosa para começar a leitura, mas agora que as aulas começaram, não estou tendo tempo. Por falar nisso, as minhas aulas estão muito divertidas, pois estamos conhecendo os novos professores e aprendendo muitas matérias novas. Conheci também alguns colegas de turma, eles parecem ser muito legais. E você não vai acreditar! Lembra-se do André, que estudou com a gente na terceira série? Ele está estudando na minha sala e até perguntou de você. Olha, por enquanto, são essas as novidades. Escreva para mim, me contando o que está fazendo aí no Paraná e como estão suas aulas no novo colégio. Estou muito curiosa para saber. Muitas saudades. Fica com Deus. Um beijo, Márcia. CARACTERÍSTICAS DA CARTA PESSOAL A carta pessoal é um gênero textual utilizado quando um remetente deseja entrar em contato com um amigo, familiar, conhecido - o destinatário. 1.comunicação geralmente breve e pessoal, de assunto livre; 2.sua estrutura é composta de local e data, vocativo, corpo e assinatura; às vezes, também de P.S. ( post-scriptum), 3.a linguagem varia de acordo com o grau de intimidade entre os interlocutores, podendo ser menos ou mais formal, culta ou coloquial, e, eventualmente, incluir gírias; 4.verbos geralmente no presente do indicativo; quando enviada pelo correio, a carta é acondicionada em um envelope, preenchido adequadamente com o nome e o endereço do remetente e do destinatário. 5.O local e data são colocados no início da carta, normalmente à esquerda. 6.O vocativo pode conter apenas o nome do destinatário ou vir acompanhado de palavras de cortesia, como Caro senhor, Querida amiga, por exemplo, ou pode mesmo ser um apelido, que varia conformao grau de intimidade entre as pessoas que se correspondem. O vocativo pode ser seguido de doispontos, de vírgula ou não conter pontuação. 7.A despedida varia muito, podendo ser cortês, carinhosa ou formal. 8.A assinatura do remetente, normalmente o nome manuscrito, sem o sobrenome, finaliza a carta. Se algo importante houver sido esquecido, pode ser incluído depois das assinatura, um P.S. In: CEREJA, Willian; MAGALHÃES, Thereza. Texto e Interação. S. Paulo: Atual Editora, 2000, p. 18/19

14 PROPOSTA 3 NARRATIVA Leia o texto e, em seguida, desenvolva a proposta textual determinada. O HOMEM CUJA ORELHA CRESCEU Estava escrevendo, sentiu a orelha pesada. Pensou que fosse cansaço, eram 11 da noite, estava fazendo hora-extra. Escriturário de uma firma de tecidos, solteiro, 35 anos, ganhava pouco, reforçava com extras. Mas o peso foi aumentando e ele percebeu que as orelhas cresciam. Apavorado, passou a mão. Deviam ter uns dez centímetros. Eram moles, como de cachorro. Correu ao banheiro. As orelhas estavam na altura do ombro e continuavam crescendo. Então, (...) (Os melhores contos de Ignácio de Loyola Brandão. Seleção de Deonísio da Silva. São Paulo: Global, p. 135.) Dê continuidade ao texto, observando a língua padrão culto e os elementos narrativos empregados. Não ultrapasse o número de linhas determinado: 10 a 15. PROPOSTA 4 LENDA Leia o texto e, em seguida, desenvolva a proposta textual determinada. A LENDA DE MANDI Segundo a lenda indígena, um casal de índios esperou por muito tempo a chegada de uma filha mulher. Quando ela nasceu, recebeu o nome de Mandi, que significa branca, por ter a pele muito clara. Um belo dia, Mandi ficou gravemente doente e morreu, apesar de todos os esforços da tribo para salvá-la. Os pais resolveram enterrá-la no centro de uma oca para que pudessem estar sempre perto de seu corpo. Despejaram tantas lágrimas sobre o túmulo da menina que nasceu ali uma planta. Sua raiz era clara como a pele de Mandi. Por isso, a novidade foi batizada de Mandioca. Letras, p.499.) (Marcelo Duarte. O guia dos curiosos. São Paulo: Cia. Das Reescreva a lenda, mudando os dados pessoais da personagem central e dando um novo desenvolvimento e final à narrativa. Empregue a língua padrão culto e não ultrapasse ao número PROPOSTA 5 FÁBULA Leia o texto e, em seguida, desenvolva a proposta textual determinada. O SAPO E O ESCORPIÃO Era uma vez um sapo e um escorpião que estavam parados à margem de um rio. - Você me carrega nas costas para eu poder atravessar o rio? perguntou o escorpião ao sapo. - De jeito nenhum. Você é a mais traiçoeira das criaturas. Se eu te ajudar, você me mata em vez de me agradecer. - Mas, se eu te picar com meu veneno respondeu o escorpião com uma voz terna e doce-, morro também. Me dê uma carona. Prometo ser bom, meu amigo sapo. O sapo concordou. Durante a travessia do rio, porém, o sapo sentiu a picada mortal do escorpião. - Por que você fez isso, escorpião? Agora nós dois morreremos afogados! disse o sapo. E o escorpião simplesmente respondeu: - Porque esta é a minha natureza, meu amigo sapo. E eu não posso mudá-la. Moral da história: Nada elimina o que a natureza determina. (Heloisa Prieto. O livro dos medos. São Paulo: Companhia das Letrinhas, 1998, p. 25) E se o sapo não tivesse dado carona ao escorpião? E se o escorpião não tivesse picado mortalmente o sapo? A partir do quarto parágrafo, apresente um novo rumo para a história, mantendo os mesmos personagens e o padrão de língua empregados. Sua redação deve ter entre 8 e 10 linhas. PROPOSTA 6: CONTO MARAVILHOSO Leia o texto e, em seguida, desenvolva a proposta textual determinada. AS FADAS Charles Perrault Era uma vez uma viúva que tinha duas filhas. A mais velha se parecia tanto com ela, no humor e de rosto, que quem a via, enxergava a própria mãe. Mãe e filha eram tão desagradáveis e orgulhosas que ninguém as suportava.

15 A filha mais nova, que era o retrato do pai, pela doçura e pela educação, era, ainda por cima, a mais linda moça que já se viu. Como queremos bem, naturalmente, a quem se parece conosco, essa mãe era louca pela filha mais velha. E tinha, ao mesmo tempo, uma tremenda antipatia pela mais nova, que comia na cozinha e trabalhava sem parar como se fosse uma criada. Tinha a pobrezinha, entre outras coisas, de ir, duas vezes por dia, buscar água a meia légua de casa, com uma enorme moringa, que voltava cheia e pesada. Um dia, nessa fonte, lhe apareceu uma pobre velhinha, pedindo água: Pois não, boa senhora disse a linda moça. E, enxaguando a moringa, tirou água da mais bela parte da fonte, dando-lhe de beber com as próprias mãos, para auxiliá-la. A boa velhinha bebeu e disse: Você é tão bonita, tão boa, tão educada, que não posso deixar de lhe dar um dom. Na verdade, essa mulher era uma fada, que tinha tomado a forma de uma pobre camponesa para ver até onde ia a educação daquela jovem. A cada palavra que falar continuou a fada, de sua boca sairão uma flor ou uma pedra preciosa. Quando a linda moça chegou a casa, a mãe reclamou da demora. Peço-lhe perdão, minha mãe disse a pobrezinha -, por ter demorado tanto. E, dizendo essas palavras, saíram-lhe da boca duas rosas, duas pérolas e dois enormes diamantes. O que é isso? disse a mãe espantada, acho que estou vendo pérolas e diamantes saindo da sua boca. De onde é que vem isso, filha? Era a primeira vez que a chamava de filha. A pobre menina contou-lhe honestamente tudo o que tinha acontecido, não sem pôr para fora uma infinidade de diamantes. Nossa! disse a mãe, tenho de mandar minha filha até a fonte. Filha, venha cá, venha ver o que está saindo da boca de sua irmã quando ela fala; quer ter o mesmo dom? Pois basta ir à fonte, e, quando uma pobre mulher lhe pedir água, atenda-a educadamente. Só me faltava essa! respondeu a mal-educada Ter de ir até a fonte! orgulhosa. - Se foi, tenho até um jarro de prata para a madame! Tome, beba no jarro, se quiser. Você é muito mal-educada disse a fada, sem ficar brava. Pois muito bem! Já que é tão pouco cortês, seu dom será o de soltar pela boca, a cada palavra que disser, uma cobra ou um sapo. Quando a mãe a viu chegar, logo lhe disse: E então, filha? Então, mãe! respondeu a mal-educada, soltando pela boca duas cobras e dois sapos. Meu Deus! gritou a mãe, o que é isso? A culpa é da sua irmã, ela me paga. E imediatamente ela foi atrás da mais nova para espancá-la. A pobrezinha fugiu e foi se esconder na floresta mais próxima. O filho do rei, que estava voltando da caça, encontrou-a e, vendo como era linda, perguntou-lhe o que fazia ali tão sozinha e por que estava chorando. Ai de mim, senhor, foi minha mãe que me expulsou de casa. O filho do rei, vendo sair de sua boca cinco ou seis pérolas e outros tantos diamantes, pediu-lhe que lhe dissesse de onde vinha aquilo. Ela lhe contou toda a sua aventura. O filho do rei apaixonou-se por ela e, considerando que tal dom valia mais do que qualquer dote, levou-a ao palácio do rei, seu pai, onde se casou com ela. Quanto à irmã, a mãe ficou tão irada contra ela que a expulsou de casa. E a infeliz, depois de muito andar sem encontrar ninguém que a abrigasse, acabou morrendo num canto do bosque. Acessado em 06/11/2012 Crie uma nova versão para o conto maravilhoso AS FADAS. Mantenha o tempo, o espaço, as personagens e o narrador, porém mude o enredo. Estou mandando que você vá retrucou a mãe, e já. Ela foi, mas reclamando. Levou o mais bonito jarro de prata da casa. Mal chegou à fonte, viu sair do bosque uma dama magnificamente vestida, que veio lhe pedir água. Era a mesma fada que tinha aparecido para a irmã, mas que surgia agora disfarçada de princesa, para ver até onde ia a educação daquela moça. Será que foi para lhe dar de beber que eu vim aqui? disse a grosseira e

Colégio dos Santos Anjos Avenida Iraí, 1330 Planalto Paulista www.colegiosantosanjos.g12.br A Serviço da Vida por Amor

Colégio dos Santos Anjos Avenida Iraí, 1330 Planalto Paulista www.colegiosantosanjos.g12.br A Serviço da Vida por Amor Colégio dos Santos Anjos Avenida Iraí, 1330 Planalto Paulista www.colegiosantosanjos.g12.br A Serviço da Vida por Amor Curso: Nome do (a) Aluno (a): Ano: 3º Componente Curricular: Língua Portuguesa Professor

Leia mais

7 Tal pai, tal filho. Acabada a assembléia da comunidade de. Cenatexto

7 Tal pai, tal filho. Acabada a assembléia da comunidade de. Cenatexto JANELA A U L A 7 Tal pai, tal filho Cenatexto Acabada a assembléia da comunidade de Júpiter da Serra, em que se discutiu a expansão da mineradora, dona Ana volta para casa com o Samuel, seu garotinho.

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento Eu e umas amigas íamos viajar. Um dia antes dessa viagem convidei minhas amigas para dormir na minha casa. Nós íamos para uma floresta que aparentava ser a floresta do Slender-Man mas ninguém acreditava

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto

Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto 3 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO

Leia mais

LENDA DA COBRA GRANDE. Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA

LENDA DA COBRA GRANDE. Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA LENDA DA COBRA GRANDE Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA CRUZEIRO DO SUL, ACRE, 30 DE ABRIL DE 2012. OUTLINE Cena 1 Externa;

Leia mais

Amar Dói. Livro De Poesia

Amar Dói. Livro De Poesia Amar Dói Livro De Poesia 1 Dedicatória Para a minha ex-professora de português, Lúcia. 2 Uma Carta Para Lúcia Querida professora, o tempo passou, mas meus sonhos não morreram. Você foi uma pessoa muito

Leia mais

O Livro de informática do Menino Maluquinho

O Livro de informática do Menino Maluquinho Coleção ABCD - Lição 1 Lição 1 O Livro de informática do Menino Maluquinho 1 2 3 4 5 6 7 8 Algumas dicas para escrever e-mails: 1. Aprender português. Não adianta fi car orgulhoso por mandar um e-mail

Leia mais

Resoluções Prova Anglo

Resoluções Prova Anglo Resoluções Prova Anglo TIPO F P-1 tipo D-5 Língua Portuguesa (P-1) Ensino Fundamental 5º ano DESCRITORES, RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS A Prova Anglo é um dos instrumentos para avaliar o desempenho dos alunos

Leia mais

CARTAS: REGISTRANDO A VIDA

CARTAS: REGISTRANDO A VIDA CARTAS: REGISTRANDO A VIDA A carta abaixo foi escrita na época da ditadura militar. Ela traduz a alegria de um pai por acreditar estar próxima sua liberdade e, assim, a possibilidade do reencontro com

Leia mais

RECADO AOS PROFESSORES

RECADO AOS PROFESSORES RECADO AOS PROFESSORES Caro professor, As aulas deste caderno não têm ano definido. Cabe a você decidir qual ano pode assimilar cada aula. Elas são fáceis, simples e às vezes os assuntos podem ser banais

Leia mais

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES:

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES: Atividades gerais: Verbos irregulares no - ver na página 33 as conjugações dos verbos e completar os quadros com os verbos - fazer o exercício 1 Entrega via e-mail: quarta-feira 8 de julho Verbos irregulares

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

SARESP 2004 Prova de Leitura e Escrita 5ª Série EF - Manhã. Narizinho

SARESP 2004 Prova de Leitura e Escrita 5ª Série EF - Manhã. Narizinho SARESP 2004 Prova de Leitura e Escrita 5ª Série EF - Manhã Narizinho Numa casinha branca, lá no Sítio do Picapau Amarelo, mora uma velha de mais de sessenta anos. Chama-se dona Benta. Quem passa pela estrada

Leia mais

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa História Bíblica: Gênesis 41-47:12 A história de José continua com ele saindo da prisão

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Escola Municipal de Ensino Fundamental David Canabarro Florianópolis, 3892 Mathias Velho/Canoas Fone: 34561876/emef.davidcanabarro@gmail.com DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Nome: Stefani do Prado Guimarães Ano

Leia mais

Sugestão de avaliação

Sugestão de avaliação Sugestão de avaliação 6 PORTUGUÊS Professor, esta sugestão de avaliação corresponde ao quarto bimestre escolar ou às Unidades 7 e 8 do livro do Aluno. Avaliação - Língua Portuguesa NOME: TURMA: escola:

Leia mais

Geração Graças Peça: O livro das Parábolas A parábola do tesouro escondido (Mt 13:44)

Geração Graças Peça: O livro das Parábolas A parábola do tesouro escondido (Mt 13:44) Geração Graças Peça: O livro das Parábolas A parábola do tesouro escondido (Mt 13:44) Autora: Tell Aragão Colaboração: Marise Lins Personagens Menina Zé Bonitinho +++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

Centro Educacional Souza Amorim Jardim Escola Gente Sabida Sistema de Ensino PH Vila da Penha. Ensino Fundamental

Centro Educacional Souza Amorim Jardim Escola Gente Sabida Sistema de Ensino PH Vila da Penha. Ensino Fundamental Centro Educacional Souza Amorim Jardim Escola Gente Sabida Sistema de Ensino PH Vila da Penha Ensino Fundamental Turma: PROJETO INTERPRETA AÇÂO (INTERPRETAÇÃO) Nome do (a) Aluno (a): Professor (a): DISCIPLINA:

Leia mais

Luís Norberto Pascoal

Luís Norberto Pascoal Viver com felicidade é sucesso com harmonia e humildade. Luís Norberto Pascoal Agradecemos aos parceiros que investem em nosso projeto. ISBN 978-85-7694-131-6 9 788576 941316 Era uma vez um pássaro que

Leia mais

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos Prova de certificação de nível de proficiência linguística no âmbito do Quadro de Referência para o Ensino Português no Estrangeiro,

Leia mais

MERGULHO de Betina Toledo e Thuany Motta

MERGULHO de Betina Toledo e Thuany Motta MERGULHO de Betina Toledo e Thuany Motta Copyright Betina Toledo e Thuany Motta Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 MERGULHO FADE IN: CENA 1 PRAIA DIA Fotografia de

Leia mais

HISTÓRIAS EM QUADRINHOS. 01- Quem são os personagens que dialogam na história? R.:

HISTÓRIAS EM QUADRINHOS. 01- Quem são os personagens que dialogam na história? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - PRODUÇÃO TEXTUAL - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= Querido(a)

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO 2012/2013 PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA (Prova 3) 6º Ano / Ensino Fundamental

CONCURSO DE ADMISSÃO 2012/2013 PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA (Prova 3) 6º Ano / Ensino Fundamental Leia atentamente todas as questões e assinale a única alternativa correta. Texto 1 A menina que desenhava 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35

Leia mais

Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: PARA QUEM CURSA O 5 Ọ ANO EM 2014. Disciplina: PoRTUGUÊs UMA IDEIA TODA AZUL

Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: PARA QUEM CURSA O 5 Ọ ANO EM 2014. Disciplina: PoRTUGUÊs UMA IDEIA TODA AZUL Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSA O 5 Ọ ANO EM 2014 Disciplina: PoRTUGUÊs Prova: desafio nota: UMA IDEIA TODA AZUL Um dia o Rei teve uma ideia. Era a primeira da vida

Leia mais

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma.

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. PERTO DE TI Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. Jesus! Perto de ti, sou mais e mais. Obedeço a tua voz. Pois eu sei que tu és Senhor, o

Leia mais

Rios que voam. Yana Marull

Rios que voam. Yana Marull Rios que voam Yana Marull Yana Marull Drews Yana é jornalista, vive com a família em Brasília e já morou em outros países que também fazem parte da Bacia Amazônica. Ela adora escrever matérias sobre o

Leia mais

Bartolomeu Campos Queirós. Agradecemos aos parceiros que investem em nosso projeto. I SBN 85-7694 - 111-2

Bartolomeu Campos Queirós. Agradecemos aos parceiros que investem em nosso projeto. I SBN 85-7694 - 111-2 Ficava intrigado como num livro tão pequeno cabia tanta história. O mundo ficava maior e minha vontade era não morrer nunca para conhecer o mundo inteiro e saber muito da vida como a professora sabia.

Leia mais

Texto 1 PRA DAR NO PÉ (Pedro Antônio de Oliveira)

Texto 1 PRA DAR NO PÉ (Pedro Antônio de Oliveira) PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - LÍNGUA PORTUGUESA - 3 ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ========================================================================== Texto 1 PRA DAR NO PÉ (Pedro

Leia mais

Meu pai disse-me, à porta do Ateneu, que eu ia encontrar ( que eu encontraria ) o mundo e que (eu) tivesse coragem para a luta.

Meu pai disse-me, à porta do Ateneu, que eu ia encontrar ( que eu encontraria ) o mundo e que (eu) tivesse coragem para a luta. Tipos de Discurso (exercícios para fixação de conteúdo, bem como material de consulta e estudo). 1. Transforme a fala abaixo em um discurso indireto. Para tal, imagine que há, na cena, um narrador que

Leia mais

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem.

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem. Pais e filhos 1º cena: música ambiente (início da música pais e filhos legião urbana - duas pessoas entram com um mural e começam a confeccionar com frases para o aniversário do pai de uma delas (Fátima),

Leia mais

A.C. Ilustrações jordana germano

A.C. Ilustrações jordana germano A.C. Ilustrações jordana germano 2013, O autor 2013, Instituto Elo Projeto gráfico, capa, ilustração e diagramação: Jordana Germano C736 Quero-porque-quero!! Autor: Alexandre Compart. Belo Horizonte: Instituto

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO 2012/2013 PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA (Prova 2) 6º Ano / Ensino Fundamental

CONCURSO DE ADMISSÃO 2012/2013 PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA (Prova 2) 6º Ano / Ensino Fundamental Leia atentamente todas as questões e assinale a única alternativa correta. Texto 1 A menina que desenhava 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35

Leia mais

Momento com Deus Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 14/04/2013 AULA 02: O DILÚVIO

Momento com Deus Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 14/04/2013 AULA 02: O DILÚVIO Momento com Deus Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 14/04/2013 AULA 02: O DILÚVIO Versículo para Decorar: 1 Toda vez que o arco-íris estiver nas nuvens, olharei para ele e me lembrarei da aliança eterna

Leia mais

COLÉGIO SHALOM Ensino Fundamental 9º Ano Profº: Clécio Oliveira Língua 65 Portuguesa Aluno (a):. No.

COLÉGIO SHALOM Ensino Fundamental 9º Ano Profº: Clécio Oliveira Língua 65 Portuguesa Aluno (a):. No. COLÉGIO SHALOM Ensino Fundamental 9º Ano Profº: Clécio Oliveira Língua 65 Portuguesa Aluno (a):. No. Trabalho Avaliativo Valor: 30 % Nota: Minhas Férias Eu, minha mãe, meu pai, minha irmã (Su) e meu cachorro

Leia mais

Como uma onda no mar...

Como uma onda no mar... Como uma onda no mar... A UU L AL A Certa vez a turma passou férias numa pequena cidade do litoral. Maristela costumava ficar horas a fio admirando a imensidão azul do mar, refletindo sobre coisas da vida

Leia mais

Esta é uma história para divertir, ensinar e conscientizar. Boa leitura!

Esta é uma história para divertir, ensinar e conscientizar. Boa leitura! É de pequeno que se aprende, como diz o ditado. Pensando desta forma, as secretarias de Estado de Saúde e Defesa Civil e de Educação decidiram unir forças para combater um inimigo de todos: o mosquito

Leia mais

ENSINO MÉDIO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 001/2015 LÍNGUA PORTUGUESA. (1 à 10) 1/11

ENSINO MÉDIO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 001/2015 LÍNGUA PORTUGUESA. (1 à 10) 1/11 LÍNGUA PORTUGUESA (1 à 10) 1/11 Leia o texto: O HOMEM CUJA ORELHA CRESCEU Estava escrevendo, sentiu a orelha pesada. Pensou que fosse cansaço, eram 11 da noite, estava fazendo hora-extra. Escriturário

Leia mais

O Menino do futuro. Dhiogo José Caetano Uruana, Goiás Início da história

O Menino do futuro. Dhiogo José Caetano Uruana, Goiás Início da história O Menino do futuro Dhiogo José Caetano Uruana, Goiás Início da história Tudo começa em uma cidade pequena do interior de Goiás, com o nome de Uruana. Havia um garoto chamado Dhiogo San Diego, um pequeno

Leia mais

50 m i t o s g r e g o s

50 m i t o s g r e g o s Lucy Coats 50 m i t o s g r e g o s Ilustrações Guazzelli Tradução Ricardo Gouveia Copyright do texto 2002 by Lucy Coats Copyright das ilustrações 2009 by Guazzelli Grafia atualizada segundo o Acordo Ortográfico

Leia mais

Unidade 04: Obedeça ao Senhor Josué obedece, o muro cai

Unidade 04: Obedeça ao Senhor Josué obedece, o muro cai Histórias do Velho Testamento Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 04: Obedeça ao Senhor Josué obedece, o muro cai O velho testamento está cheio de histórias que Deus nos deu, espantosas

Leia mais

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER Atividades Lição 5 NOME: N º : CLASSE: ESCOLA É LUGAR DE APRENDER 1. CANTE A MÚSICA, IDENTIFICANDO AS PALAVRAS. A PALAVRA PIRULITO APARECE DUAS VEZES. ONDE ESTÃO? PINTE-AS.. PIRULITO QUE BATE BATE PIRULITO

Leia mais

AS TRÊS EXPERIÊNCIAS

AS TRÊS EXPERIÊNCIAS Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSA O 8 Ọ ANO EM 2014 Disciplina: PoRTUGUÊs Prova: desafio nota: Texto para as questões de 1 a 7. AS TRÊS EXPERIÊNCIAS Há três coisas para

Leia mais

LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS

LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS 1 LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS Lc 19 1 Jesus entrou em Jericó e estava atravessando a cidade. 2 Morava ali um homem rico, chamado Zaqueu, que era chefe dos cobradores

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA Rotina de Sala de Aula TEMA GERADOR: Bicharada

PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA Rotina de Sala de Aula TEMA GERADOR: Bicharada PREFEITURA MUNICIPAL DE ARARIPE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA DO PROGRAMA LUZ DO SABER INFANTIL PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA Rotina de Sala de Aula TEMA GERADOR:

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

FUGA de Beatriz Berbert

FUGA de Beatriz Berbert FUGA de Beatriz Berbert Copyright Beatriz Berbert Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 FUGA FADE IN: CENA 1 PISCINA DO CONDOMÍNIO ENTARDECER Menina caminha sobre a borda

Leia mais

Quem tem boca vai a Roma

Quem tem boca vai a Roma Quem tem boca vai a Roma AUUL AL A MÓDULO 14 Um indivíduo que parece desorientado e não consegue encontrar o prédio que procura, aproxima-se de outro com um papel na mão: - Por favor, poderia me informar

Leia mais

endereço: data: Telefone: E-mail: PARA QUEM CURSA O 6.O ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL EM 2015 Disciplina: Prova: PoRTUGUÊs

endereço: data: Telefone: E-mail: PARA QUEM CURSA O 6.O ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL EM 2015 Disciplina: Prova: PoRTUGUÊs Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSA O 6.O ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL EM 2015 Disciplina: Prova: PoRTUGUÊs desafio nota: Texto para as questões de 1 a 5. EI! O QUE ACONTECEU

Leia mais

Arthur de Carvalho Jaldim Rubens de Almeida Oliveira CÃO ESTELAR. EDITORA BPA Biblioteca Popular de Afogados

Arthur de Carvalho Jaldim Rubens de Almeida Oliveira CÃO ESTELAR. EDITORA BPA Biblioteca Popular de Afogados Arthur de Carvalho Jaldim Rubens de Almeida Oliveira O CÃO ESTELAR EDITORA BPA Biblioteca Popular de Afogados Texto e Pesquisa de Imagens Arthur de Carvalho Jaldim e Rubens de Almeida Oliveira O CÃO ESTELAR

Leia mais

ATIVIDADES RECUPERAÇÃO PARALELA

ATIVIDADES RECUPERAÇÃO PARALELA ATIVIDADES RECUPERAÇÃO PARALELA Nome: Nº Ano: 6º Data: / /2012 Bimestre: 2º Professora: Samanta Disciplina: P1 Orientações para estudo: refaça os exercícios propostos (inclusive folha extra) e as avaliações

Leia mais

Capa e Diagramação Jordane Mendes Nicole Ferreira. Texto Naraiany Almeida

Capa e Diagramação Jordane Mendes Nicole Ferreira. Texto Naraiany Almeida Capa e Diagramação Jordane Mendes Nicole Ferreira Texto Naraiany Almeida Nicole Ferreira Ilustrações Davi Vinícius dos Santos Gomes Ítalo Gabriel Pimenta Italon Antunes Barreto Jéssica Pâmela de Souza

Leia mais

2011 ano Profético das Portas Abertas

2011 ano Profético das Portas Abertas 2011 ano Profético das Portas Abertas Porta Aberta da Oportunidade I Samuel 17:26 - Davi falou com alguns outros que estavam ali, para confirmar se era verdade o que diziam. "O que ganhará o homem que

Leia mais

Estórias de Iracema. Maria Helena Magalhães. Ilustrações de Veridiana Magalhães

Estórias de Iracema. Maria Helena Magalhães. Ilustrações de Veridiana Magalhães Estórias de Iracema Maria Helena Magalhães Ilustrações de Veridiana Magalhães 2 No dia em que Iracema e Lipe voltaram para visitar a Gê, estava o maior rebuliço no hospital. As duas crianças ficaram logo

Leia mais

A Última Carta. Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead)

A Última Carta. Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead) A Última Carta Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead) E la foi a melhor coisa que já me aconteceu, não quero sentir falta disso. Desse momento. Dela. Ela é a única que

Leia mais

A turma. parte I Língua Portuguesa parte II Matemática

A turma. parte I Língua Portuguesa parte II Matemática parte I Língua Portuguesa parte II Matemática A turma 5 10 15 20 25 Eu também já tive turma, ou melhor, fiz parte de turma e sei como é importante em certa idade essa entidade, a turma. A gente é um ser

Leia mais

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Autora: Tell Aragão Personagens: Carol (faz só uma participação rápida no começo e no final da peça) Mãe - (só uma voz ela não aparece) Gigi personagem

Leia mais

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE A AUTORA, SOBRE O LIVRO, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO Para o professor Ou isto

Leia mais

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe?

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Trecho do romance Caleidoscópio Capítulo cinco. 05 de novembro de 2012. - Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Caçulinha olha para mim e precisa fazer muita força para isso,

Leia mais

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes All You Zombies Wendel Coelho Mendes Versão Portuguesa, Brasil Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959 Esse conto é minha versão sobre a verdadeira história de All You Zombies,

Leia mais

CAMINHOS. Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves

CAMINHOS. Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves CAMINHOS Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves Posso pensar nos meus planos Pros dias e anos que, enfim, Tenho que, neste mundo, Minha vida envolver Mas plenas paz não posso alcançar.

Leia mais

A ABDUZIDA. CELIORHEIS Página 1

A ABDUZIDA. CELIORHEIS Página 1 CELIORHEIS Página 1 A Abduzida um romance que pretende trazer algumas mensagens Mensagens estas que estarão ora explícitas ora implícitas, dependendo da ótica do leitor e do contexto em que ela se apresentar.

Leia mais

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história.

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Nem um sopro de vento. E já ali, imóvel frente à cidade de portas e janelas abertas, entre a noite vermelha do poente e a penumbra do jardim,

Leia mais

CD: Ao Sentir. Alencastro e Patrícia. 1- Ao Sentir Jairinho. Ao sentir o mundo ao meu redor. Nada vi que pudesse ser real

CD: Ao Sentir. Alencastro e Patrícia. 1- Ao Sentir Jairinho. Ao sentir o mundo ao meu redor. Nada vi que pudesse ser real Alencastro e Patrícia CD: Ao Sentir 1- Ao Sentir Jairinho Ao sentir o mundo ao meu redor Nada vi que pudesse ser real Percebi que todos buscam paz porém em vão Pois naquilo que procuram, não há solução,

Leia mais

Ideionildo. E a Chave Azul. Pelo Espírito Vovó Amália. Robson Dias

Ideionildo. E a Chave Azul. Pelo Espírito Vovó Amália. Robson Dias Ideionildo E a Chave Azul Robson Dias Pelo Espírito Vovó Amália Livrinho da Série - As Histórias Que a Vovó Gosta de Contar (http:\www.vovoamalia.ubbi.com.br - Distribuição Gratuita) - A venda deste produto

Leia mais

10 segredos para falar inglês

10 segredos para falar inglês 10 segredos para falar inglês ÍNDICE PREFÁCIO 1. APENAS COMECE 2. ESQUEÇA O TEMPO 3. UM POUCO TODO DIA 4. NÃO PRECISA AMAR 5. NÃO EXISTE MÁGICA 6. TODO MUNDO COMEÇA DO ZERO 7. VIVA A LÍNGUA 8. NÃO TRADUZA

Leia mais

Sal, Pimenta, Alho e Noz Moscada.

Sal, Pimenta, Alho e Noz Moscada. Sal, Pimenta, Alho e Noz Moscada. Cláudia Barral (A sala é bastante comum, apenas um detalhe a difere de outras salas de apartamentos que se costuma ver ordinariamente: a presença de uma câmera de vídeo

Leia mais

O menino e o pássaro. Rosângela Trajano. Era uma vez um menino que criava um pássaro. Todos os dias ele colocava

O menino e o pássaro. Rosângela Trajano. Era uma vez um menino que criava um pássaro. Todos os dias ele colocava O menino e o pássaro Era uma vez um menino que criava um pássaro. Todos os dias ele colocava comida, água e limpava a gaiola do pássaro. O menino esperava o pássaro cantar enquanto contava histórias para

Leia mais

Disciplina:Língua Portuguesa Professor (a): Cris Souto Ano: 8º Turmas: 8.1 e 8.2

Disciplina:Língua Portuguesa Professor (a): Cris Souto Ano: 8º Turmas: 8.1 e 8.2 Rede de Educação Missionárias Servas do Espírito Santo Colégio Nossa Senhora da Piedade Av. Amaro Cavalcanti, 2591 Encantado Rio de Janeiro / RJ CEP: 20735042 Tel: 2594-5043 Fax: 2269-3409 E-mail: cnsp@terra.com.br

Leia mais

O Menino do Futuro. Dhiogo José Caetano

O Menino do Futuro. Dhiogo José Caetano O Menino do Futuro Dhiogo José Caetano 1 Início da história Tudo começa em uma cidade pequena do interior de Goiás, com o nome de Uruana. Havia um garoto chamado Dhiogo San Diego, um pequeno inventor que

Leia mais

Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 18.1 Conteúdo: Tempos verbais.

Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 18.1 Conteúdo: Tempos verbais. 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 18.1 Conteúdo: Tempos verbais. 3 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO

Leia mais

www.rockstarsocial.com.br

www.rockstarsocial.com.br 1 1 Todos os Direitos Reservados 2013 Todas As Fotos Usadas Aqui São Apenas Para Descrição. A Cópia Ou Distribuição Do Contéudo Deste Livro É Totalmente Proibida Sem Autorização Prévia Do Autor. AUTOR

Leia mais

PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS

PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - PORTUGUÊS - 8º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== BRINCADEIRA Começou

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA PROVA 3º BIMESTRE 6 ANO

LÍNGUA PORTUGUESA PROVA 3º BIMESTRE 6 ANO PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO LÍNGUA PORTUGUESA PROVA 3º BIMESTRE 6 ANO 2010 QUESTÃO 1 Folheto Publicitário No

Leia mais

Palavras do autor. Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura.

Palavras do autor. Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura. Palavras do autor Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura. Durante três anos, tornei-me um leitor voraz de histórias juvenis da literatura nacional, mergulhei

Leia mais

Gabarito - LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA - Grupos D, E, F e G. Leia o conceito de pontuação e os fragmentos de texto abaixo:

Gabarito - LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA - Grupos D, E, F e G. Leia o conceito de pontuação e os fragmentos de texto abaixo: Leia o conceito de pontuação e os fragmentos de texto abaixo: Pontuar é sinalizar gramatical e expressivamente um texto. Celso Cunha, Gramática do Português Contemporâneo, p.618. Texto I Que bom vento

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA PROVA 1º BIMESTRE 3º ANO

LÍNGUA PORTUGUESA PROVA 1º BIMESTRE 3º ANO PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO LÍNGUA PORTUGUESA PROVA 1º BIMESTRE 3º ANO 2010 QUESTÃO 1 Esta notícia apareceu

Leia mais

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Carnaval 2014 A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Nesta noite vamos fazer uma viagem! Vamos voltar a um tempo que nos fez e ainda nos faz feliz, porque afinal como

Leia mais

NOVENA COM AS CRIANÇAS NOSSA SENHORA APARECIDA 2015

NOVENA COM AS CRIANÇAS NOSSA SENHORA APARECIDA 2015 1 2 COM MARIA, EM JESUS, CHEGAMOS À GLÓRIA! 5º Dia (Dia 07/10 Quarta-feira) CRIANÇA: BELEZA DA TERNURA DIVINA! Na festa de Maria, unidos neste Santuário, damos graças a Deus, por meio de Maria, pela vida

Leia mais

As 12 Vitimas do Medo.

As 12 Vitimas do Medo. As 12 Vitimas do Medo. Em 1980 no interior de São Paulo, em um pequeno sítio nasceu Willyan de Sousa Filho. Filho único de Dionizia de Sousa Millito e Willian de Sousa. Sempre rodeado de toda atenção por

Leia mais

A VERDADEIRA HISTÓRIA DOS TRÊS PORQUINHOS

A VERDADEIRA HISTÓRIA DOS TRÊS PORQUINHOS COLÉGIO NOSSA SENHORA DE SION Troca do Livro Lições de Português e de História 3º ano 3º A e B 3º C 3º D Semana de 7 a 11 de outubro quarta-feira segunda-feira terça-feira Leia o texto abaixo para realizar

Leia mais

Shué também cantou na Festa de Natal da Escola O Gotinhas...fim 42 43

Shué também cantou na Festa de Natal da Escola O Gotinhas...fim 42 43 O Gotinhas 43 Era uma vez um País feito de nuvens. Ficava no cimo de uma enorme montanha impossível de expugnar. Lá viviam muitos meninos. Cada um tinha a sua própria nuvem. Uma enorme cegonha do espaço

Leia mais

SOUL LOVE, A NOITE O CÉU É PERFEITO

SOUL LOVE, A NOITE O CÉU É PERFEITO SOUL LOVE, A NOITE O CÉU É PERFEITO ALUNA: LAIANE ZANOTTO GEMELLI ANO: 2012 LOCAL: Chapecó DESCRIÇÃO DOS PERSONAGENS PRINCIPAIS Jenna: 17 anos, alta, magra, ruiva, cabelos lisos, olhos verdes, traços delicados,

Leia mais

noite e dia marconne sousa

noite e dia marconne sousa noite e dia marconne sousa Mais uma noite na terra a terra é um lugar tão solitário cheio de pessoas, nada mais onde se esconderam os sentimentos? um dedo que aponta um dedo que desaponta um dedo que entra

Leia mais

Neste mês Festinclã 2001

Neste mês Festinclã 2001 Neste mês Festinclã 2001 No ano de 2001, a atividade estadual de Guias teve como tema Cantando a Vida. Os clãs de São Paulo soltaram a criatividade e o talento que incluiu além das tradicionais músicas

Leia mais

Os dois foram entrando e ROSE foi contando mais um pouco da história e EDUARDO anotando tudo no caderno.

Os dois foram entrando e ROSE foi contando mais um pouco da história e EDUARDO anotando tudo no caderno. Meu lugar,minha história. Cena 01- Exterior- Na rua /Dia Eduardo desce do ônibus com sua mala. Vai em direção a Rose que está parada. Olá, meu nome é Rose sou a guia o ajudara no seu projeto de história.

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

Carcará composição: João do Vale/José Cândido

Carcará composição: João do Vale/José Cândido 104 A FLOR E O CARCARÁ Carcará Lá no sertão É um bicho que avoa que nem avião É um pássaro malvado Tem o bico volteado que nem gavião... trecho da canção Carcará composição: João do Vale/José Cândido Ana?

Leia mais

JANELA SOBRE O SONHO

JANELA SOBRE O SONHO JANELA SOBRE O SONHO um roteiro de Rodrigo Robleño Copyright by Rodrigo Robleño Todos os direitos reservados E-mail: rodrigo@robleno.eu PERSONAGENS (Por ordem de aparição) Alice (já idosa). Alice menina(com

Leia mais

Roteiro para curta-metragem. Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM

Roteiro para curta-metragem. Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM Roteiro para curta-metragem Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM SINOPSE José é viciado em drogas tornando sua mãe infeliz. O vício torna José violento, até que

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO 2015/2016 PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA (Prova 1) 6º Ano / Ensino Fundamental

CONCURSO DE ADMISSÃO 2015/2016 PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA (Prova 1) 6º Ano / Ensino Fundamental Leia atentamente o texto 1 e responda às questões de 01 a 12 e 18, assinalando a única alternativa correta. Texto 1 O pote vazio 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24

Leia mais

PROVA DE SELEÇÃO LÍNGUA PORTUGUESA SÉRIE: 8 ANO. Candidato (a):

PROVA DE SELEÇÃO LÍNGUA PORTUGUESA SÉRIE: 8 ANO. Candidato (a): PROVA DE SELEÇÃO LÍNGUA PORTUGUESA SÉRIE: 8 ANO Data: 12/01/2015 Candidato (a): Valor: 10 Obtido: Analise o cartaz da propaganda. QUESTÃO 1 (1 PONTO) - Observe o texto principal da propaganda. Que estratégia

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA 7º ano 2º Trimestre / 2015 BATERIA DE EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES

LÍNGUA PORTUGUESA 7º ano 2º Trimestre / 2015 BATERIA DE EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES 1. Você aprendeu que o sujeito é o termo da oração que informa de que ou de quem se fala e que o predicado é o termo que contém uma informação sobre o sujeito. Nas orações abaixo, transcreva e classifique

Leia mais