ASSIM É A VIDA CHARLIE BROWN!

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ASSIM É A VIDA CHARLIE BROWN!"

Transcrição

1 ASSIM É A VIDA CHARLIE BROWN! : REVELADA A IDENTIDADE DISCURSIVA DO PROFESSOR NAS TIRINHAS DE SNOOPY DE CHARLES SCHULZ POR UMA PROBLEMATIZAÇÃO DAS IMAGENS DISCURSIVAS NO CAMPO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES 1 Alex Caldas Simões 2 Considerações iniciais As recentes pesquisas na área da linguagem, em especial no campo de formação de professores dentro da Lingüística Aplicada, têm indicado que novas identidades sociais tem se formando (ROJO, 2006, BOHN, 2005; FABRÍCIO, 2006). Nesse contexto moderno/pós-moderno conflituoso, fluido, imerso em uma constante ação de desintegração e mudança, e envolto em um novo dinamismo social (BERMAN, 2007; HALL, 2004; GIDDENS, 2007) há, como explicita Stuart Hall, uma crise de identidade do sujeito, uma vez que uma mudança estrutural está fragmentando as paisagens culturais de classe, gênero, sexualidade, etnia, raça e nacionalidade (2004, p. 9). Esse novo cenário estrutural tem levado a formação de um sujeito diferente, fragmentado: composto não de uma única, mas de várias identidades, algumas vezes contraditórias ou não resolvidas (HALL, 2004, p. 12). Estas identidades, portanto, não são fixas ou permanentes; alteram-se de acordo com os diferentes momentos históricos-sociais vividos por cada indivíduo ou sociedade. Dessa forma, nos cabe perguntar em relação ao campo educacional: que identidades o professor tem construído nesse novo contexto? Como tais imagens tem se perpetuado? Que implicações essas identidades formadas e/ou divulgadas pela mídia provocam no ensino e na área de formação de professores como um todo? Tendo em mente essas angustiantes questões do cenário moderno/pós-moderno e de pesquisa, procuraremos em nossa exposição refletir sobre a identidade do professor nas tirinhas de Snoopy de Charles Schulz ( ). Com este corpus de analise apresentaremos, então, as imagens discursivas formadas (ethos) advindas das proposições teóricas de Dominique Maingueneau (2005, 2008) e de Ruth Amossy (2005a, 2005b). Dessa forma procuraremos discutir nessa ordem: (a) Os conceitos de Ethos e de Cena enunciativa que nortearão este trabalho; (b) as analises das tirinhas de Snoopy de Charles Schulz que retratam o professor; e (c) a algumas considerações e implicações dessas imagens midiáticas formadas para o campo de formação de professores. Conceituando ethos discursivo e cena enunciativa 1 Sou grato aqui a professora Ana Maria Ferreira Barcelos pelas considerações realizadas a este trabalho, que foi objeto de apreciação em sua disciplina de mestrado cursada por mim durante o ano de 2009 na Universidade Federal de Viçosa (UFV). 2 Mestre em Letras pela Universidade Federal de Viçosa (UFV bolsista CAPES/REUNI).

2 A noção teórica de ethos é antiga e, segundo Maingueneau (1988), tal conceito retoma a Grécia antiga época em que Aristóteles (1378a) entendia que tal noção era uma imagem discursiva que colaborava na legitimação argumentativa de um discurso qualquer. O ethos que constituía o caráter do orador ou imagens de si que este apresenta no seu discurso para obter a adesão do outro (MENEZES, 2006, p ) era considerado juntamente com o pathos que correspondia a adesão do outro, as paixões e os sentimentos que propiciam a felicidade do ato discursivo (MENEZES, 2006, p ) e o logos que representava a racionalidade persuasiva de um discurso (Menezes, 2006) uma das provas retóricas que compunham qualquer argumentação possível na língua. A história do conceito de ethos, portanto, foi reformulada ora pelo campo da argumentação, ora pelo campo da Análise do Discurso. Cabe destacar aqui, conforme indica Maingueneau (1988), que esta noção foi reformulada por Oswald Ducrot (1984) 3 em seu quadro pragmático de linguagem: [e]m termos mais pragmáticos, dir-se-ia que o ethos se desdobra no registro do mostrado e, eventualmente, no do dito. Sua eficácia decorre do fato de que envolve de alguma forma a enunciação sem ser explicitado no enunciado (MAINGUENEAU, 2005, p.70). Maingueneau (2005, 2008), ainda explicita, citando Ducrot (1984) 4, que o ethos está ligado a figura do locutor L 5 ou seja, aquele locutor que é a fonte da enunciação e que possui uma série de características que tornam essa enunciação aceitável ou recusável. Ao retomar os estudos pragmáticos de ethos, o autor (2005, 2008) afirma: [...] o ethos se mostra, ele não é dito. Após esta reformulação o próprio Maingueneau, no início dos anos e , propôs a sua análise do ethos inserida em uma teoria de Análise do Discurso. Para Maingueneau (2005, 2008), portanto, todo discurso (oral ou escrito) pressupõe um ethos. Cabe aqui, antes de evidenciarmos as proposições teóricas-metodológicas de Maingueneau que nortearão a nossa análise, apresentarmos as noções de ethos de Ruth Amossy (2005a e 2005b), uma vez que estas são, em parte, recuperadas por Maingueneau em sua teoria. Para autora (2005a), portanto, relembrando Roland Barthes 8, o ethos se define pelos traços de caráter que o orador deve mostrar ao auditório (pouco importando sua sinceridade) para causar boa impressão: é o seu jeito [...] O orador enuncia uma informação e ao mesmo tempo diz: sou isto, não sou aquilo. O autor [Barthes] retoma assim as idéias de Aristóteles, que afirmava em sua Retórica: é [...] ao caráter moral que o discurso deve, eu diria, quase todo seu poder de persuasão (AMOSSY, 2005a, p. 10). 3 DUCROT, Oswald. Le dire et le dit. Paris: Minuit, DUCROT, Oswald. Le dire et le dit. Paris: Minuit, Locutor, segundo Ducrot (1984), citado por Eduardo Guimarães, representa o EU. O locutor é responsável pela enunciação que vai estar no enunciado. Ele se divide em Locutor L e Locutor l. O primeiro, é o que se representa como fonte do dizer (GUIMARÃES, 1995, p. 60); e o segundo, é o locutor-enquanto-pessoa-nomundo (GUIMARÃES, 1995, p. 60). 6 MAINGUENEAU, Dominique. Genèses du discours. Liège-Bruxelles: Mardaga, MAINGUENEAU, Dominique. Nouvelles tendances em analyse du discurs. Paris: Hachette, BARTHES, Roland. L ancienne rhétorique. Aide-mémoire. In: Communications, n.16, 1970.

3 Com isso Amossy (2005b) enuncia que o ethos é uma construção tanto linguageira (discursiva) quanto institucional (social). Dessa forma, o estudo do ethos deve se pautar em um estudo da interlocução que leva em conta os participantes, o cenário e o objetivo da troca verbal (AMOSSY, 2005b, p. 124) como irá desenvolver muito bem em sua teoria Maingueneau. A autora (2005b, p. 125) ainda postula o conceito de ethos-prévio chamado por Maingueneau de ethos pré-discursivo que corresponde a um ethos que precede a construção da imagem no discurso: [n]o momento em que toma a palavra, o orador 9 faz uma idéia de seu auditório e da maneira pela qual será percebido; avalia o impacto sobre seu discurso atual e trabalha para confirmar sua imagem, para reelaborá-la ou transformá-la e produzir uma impressão conforme às exigências de seu projeto argumentativo (AMOSSY, 2005b, p. 125). Amossy (2005b) em seu projeto teórico ainda esboça a idéia de estereótipo (ou estereotipagem), que desempenha um papel fundamental na constituição do ethos discursivo. Para a autora (2005b), portanto, a construção do ethos-prévio e do ethos dependem que estes sejam assumidos por uma doxa 10, ou seja, que se indexem em representações partilhadas. Afinal, será esta representação cultural pré-existente que será buscada pelo orador no momento de sua enunciação para melhor argumentar. Tendo em mente tais preceitos, podemos analisar agora as proposições teóricas de Maingueneau com maior clareza. Para o autor (2005) qualquer discurso, como já dito, possui um ethos discursivo formado por uma vocalidade específica. Essa vocalidade específica do discurso evidência uma fonte enunciativa, [...] por meio de um tom que indica quem o disse [...] (2005, p. 72). Existindo uma vocalidade, portanto, segundo o autor (2005), também existe um corpo do enunciador que, cabe ressaltar, não é o corpo real do autor. Com isso queremos dizer que um orador qualquer ao enunciar constrói um corpo de enunciador que por um tom específico evidência uma vocalidade também específica. Assim, conforme indica Maingueneau (2005, p. 72), a noção tradicional de ethos recobre não só a dimensão vocal, mas também um conjunto de determinações físicas e psíquicas atribuídas pelas representações coletivas à personagem do orador. O corpo do enunciador, o fiador 11, então, é composto por um caráter que corresponde a um feixe de traços psicológicos (MAINGUENEAU, 2005, p. 72) e por uma corporalidade que corresponde ao um estado de compleição corporal, a uma maneira de vestir-se e de mover-se no espaço social (MAINGUENEAU, 2005) que se constroem com base em estereótipos sociais. 9 Amossy (2005b) considera orador como o enunciador (ou locutor). O mesmo vale para o termo auditório: que representa para a autora o alocutário. 10 Para Amossy (2005b, p. 125) doxa corresponde ao saber prévio que o auditório possui sobre o orador. 11 O fiador, segundo Maingueneau (2005, p. 72) é uma figura que o leitor deve construir com base em indícios textuais de diversas ordens.

4 Ao considerarmos que todo discurso provém de uma cena de enunciação 12, temos, segundo Maingueneau (2005), que a figura do ethos não é somente um meio de persuasão, mas também é parte da cena enunciativa. Em resumo, então, podemos dizer que como o enunciador se dá pelo tom de um fiador associado a uma dinâmica corporal, o leitor não decodifica seu sentido, ele participa fisicamente do mesmo mundo do fiador. O co-enunciador captado pelo ethos, envolvente e invisível, de um discurso, faz mais do que decifrar conteúdos. Ele é implicado em sua cenografia, participa de uma esfera na qual pode reencontrar um enunciado que, pela vocalidade de sua fala, é construído como fiador do mundo representado (MAINGUENEAU, 2005, p. 90). Com isso, o leitor é incorporado definitivamente na cena enunciativa, e, através de uma percepção complexa advinda do material lingüístico e do ambiente, este formula o ethos discursivo efetivo. Esse ethos, portanto, é o resultado de uma interação complexa entre vários elementos: o ethos pré-discursivo, o ethos discursivo mostrado e o ethos discursivo dito 13 (cf. Diagrama 1). (Diagrama 1 Ethos discursivo efetivo. In: MAINGUENEAU, 2008, p. 19 adaptado) 12 A cena de enunciação é composta por 3 cenas: i) a cena englobante, que corresponde ao tipo de discurso (ex: político, religioso) (Maingueneau, 2005); a cena genérica, que corresponde a um contrato associado a um gênero discursivo (Maingueneau, 2005); e iii) a cenografia, que corresponde a uma construção própria daquele texto (Maingueneau, 2005). 13 A diferença entre o ethos dito e o ethos mostrado, segundo Maingueneau (2008) é muito tênue e muitas vezes é impossível distingui-los; o mesmo vale para o ethos pré-discursivo e o ethos discursivo.

5 Sobre as tirinhas de Snoopy A fim de contextualizarmos a tirinha de Charles Schulz ( ) para maior entendimento da seção posterior, discorrermos aqui, brevemente, sobre a história da tirinha de Snoopy e seus principais personagens. A tira Snoopy, segundo Charles Schulz (2007), foi a mais popular do mundo dos quadrinhos. Ela foi publicada pela primeira vez em 1950 e até hoje possui inúmeras reedições como a que utilizamos aqui publicada em 2006 pela editora L&PM e reeditada em A história da tira retrata o mundo de Charlie Brown: um menino adorável que se preocupa com o sentido da vida e que por vezes é incompreendido por seus amigos (SCHULZ, 2007, p. 5). Ele é muito inteligente e sonha em formar seu time de Beisebol. Charlie Brown é dono de Snoopy, um beagle-escritor de muita imaginação, um escoteiro que adora biscoitos de chocolate e que é amigo de Woodstock, um delicado passarinho amarelo que fala uma língua que só Snoopy entende (SCHULZ, 2007, p. 5). Em suas aventuras Charlie Brown é auxiliado por seus amigos (ver figura 1): (a) Lucy, que tem um consultório de psiquiatria e sempre sacaneia Charlie Brown puxando a bola de futebol americano bem na hora em que ele vai chutá-la (SCHULZ, 2007, p. 5); (b) Linus, que é o irmão mais novo de Lucy; ele tem uma relação de dependência com seu cobertor de estimação, do qual não se separa de jeito nenhum (SCHULZ, 2007, p. 5); (c) Sally, que é a irmã mais nova de Charlie Brown e á apaixonada por Linus (Cf. Schulz, 2007); (d) Patty Pimentinha, que sempre vai mal na escola, mas nunca perde o bom humor e é apaixonada secretamente por Charlie Brown para ela Minduim (Cf. Schulz, 2007); e (e) Marcie, que é uma garota míope e tímida e a melhor amiga de Patty, chamada por ela de senhor (Cf. Schulz, 2007). 14 As tiras de Charles M. Schulz foram publicadas diária e ininterruptamente por quase 50 anos o que nunca aconteceu com nenhuma outra HQ e chegaram a figurar em 2,6 mil jornais, atingindo um público de 355 milhões de leitores em 75 países e 40 línguas (SCHULZ, 2007, contra-capa).

6 (Figura 1 Foto de divulgação em baixo, da esquerda para direita: Franklin, Lucy, Linus, Patty Pimentinha e Sally; em cima, da esquerda para direita: Woodstock, Snoopy e Charlie Brown) Feito as devidas considerações, passaremos na próxima seção a observar a figura do professor nas tirinhas de Snoopy. O Ethos discursivo efetivo do professor nas tirinhas de Snoopy O primeiro aspecto a se analisar quanto ao ethos efetivo do professor corresponde à análise do ethos prévio afinal, antes de enunciar, o que a imagem física do professor nas tirinhas de Snoopy nos sugere? Ao analisarmos as tirinhas podemos constatar de imediato um apagamento da figura física da professora (no livro só há professoras) em todas as cenas do livro Assim é a Vida Charlie Brown. Como podemos perceber, em todo o nosso corpus de análise, os alunos percebem a presença da professora em sala de aula e interagem com ela quando solicitados, entretanto não visualizamos nenhum balão de fala do professor ou qualquer traço físico de sua figura forma-se, então, um ethos pré-discursivo zero 15. Esse apagamento pode nos sugerir muitas interpretações que evidenciariam por sua vez a construção de alguns ethos específicos de irrelevância, de poder, entre outros, mas que aqui não podemos confirmar ou indicar ao certo qual seria. Dessa forma, esse não-ethos discursivo se ancora, assim como as outras representações discursivas de professores, diretamente aos estereótipos sociais dessa classe: profissionais mal pagos, desvalorizados socialmente e que não conseguem adquirir instrumentos pedagógicos e de informação (Cf. CASTRO, 2003). Em nossa análise o professor aparece nas tirinhas (como podemos observar nas imagens 1 e 2) como aquele que pune e corrige, o que forma um ethos de alto saber conteudístico e de moral, afinal só corrige ou pune quem tem poder ou conhecimento para isso. As alunas na imagens abaixo (1) temem a repreensão e por isso ao perceberem que fizeram algo errado (dormir em sala de aula) logo tentam se justificar ( Estamos acordadas! (Imagem 1 SCHULZ, 2007, p. 124)). (Imagem 1 SCHULZ, 2007, p. 124) 15 Com isso queremos dizer que nas tirinhas de Snoopy não se forma um ethos pré-discursivo sobre a figura do professor. Com isso denominamos esse não-ethos pré-discursivo de ethos pré-discursivo zero.

7 (Imagem 2 SCHULZ, 2007, p. 74) Na imagem 1, podemos ainda perceber a formação de um outro ethos. Há um ethos dito de cansaço (o sono é percebido pelo conteúdo do balão em Z ) por parte das alunas o que é recorrente nas tirinhas de Snoop sobre a sala de aula uma vez que as alunas retratadas, Patty Pimentinha e Marcie, estão sempre sonolentas em aula, o que nos sugere um ethos de monotonia por parte do professor em sua forma de ensinar. A disposição fixa das carteiras de sala de aula sempre em fileiras e uma atrás da outra também nos sugere essa mesma imagem discursiva (monotonia). Uma outra imagem discursiva evidenciada nas tirinhas nos remete a formação de um ethos discursivo mostrado de impaciência, de inabilidade para compreender ou utilizar as tecnologias e de isolamento, conforme indica a imagem 3: (Imagem 3 SCHULZ, 2007, p. 65). Por essa imagem (3), então, podemos perceber que Charlie Brown tenta explicar a sua professora o porquê havia chegado atrasado para aula. A repetição da expressão de negação não, fessora... (5 vezes) nos revela um ethos de impaciência e de incompreensão da professora, uma vez que Charlie Brown explica três vezes um mesmo fato ( [...] agente veio caminhando... (Imagem 3 SCHULZ, 2007, p. 65)) e a professora parece não entender o que ele diz por fim ela ainda duvida do seu aluno ( [...] eu também nunca sei (1) o que está acontecendo... [...] (Imagem 3 SCHULZ, 2007, p. 65) a expressão nunca sei (1) nos indica um ethos mostrado de isolamento da professora em relação as outras atividades do corpo escolar, afinal ela nunca sabe

8 nada do que acontece fora de sua sala de aula. Além do mais, a imagem acima (3) nos indica que a professora não conseguiu entender o que o computador da escola disse, o que confirma a nossa afirmação anterior sobre o ethos de inabilidade tecnológica da professora. Ainda podemos perceber com esta imagem (3), por fim, que as mãos de Charlie Brown estão cruzadas e apoiadas sobre a mesa. Ele com isso forma um ethos mostrado/dito de respeito, o que nos sugere que a professora também possui um ethos de respeito talvez advindo do medo de punição, como sugere as personagens nas imagens 1 e 3 que justificam suas condutas para não sofrerem retaliações. Já com a imagem 4, abaixo, podemos analisar a formação de um ethos de rigor por parte da professora em suas avaliações. Ela, em sua aula, enfoca a exposição (o ensinar), mas não o aprendizado de seus alunos afinal muitos alunos além de Patty Pimentinha tiram D- ( Tenho a sensação que ela recebe por D-! (Imagem 4 SCHULZ, 2007, p. 75)) o que acaba por construir um ethos de despreocupação com o aprendizado de seus alunos por parte da professora (imagem 4 e 6). (Imagem 4 SCHULZ, 2007, p. 75) Ainda podemos evidenciar (imagem 4) a formação de um ethos mostrado de riqueza/boas condições financeiras da professora, como percebe-se pelos trechos: i) Notei que a nossa professora acabou de comprar um carro novo... (Imagem 4 SCHULZ, 2007, p. 75); e, ii) Será que as professoras ganham muito dinheiro? (Imagem 4 SCHULZ, 2007, p. 75) pelo trecho selecionado (imagem 4) podemos dizer que sim, pois a professora acabou de comprar um carro (e novo!). Nas tirinhas de Snoopy, podemos evidenciar ainda a formação de um ethos mostrado de autoritarismo da professora: ela não aceita sugestões (imagem 5) ( Tudo bem... isso foi só uma sugestão... (Imagem 5 SHULZ, 2007, p. 79)) e seus alunos só interagem com ela quando solicitados ( Ela está dormindo professora... (Imagem 5 SHULZ, 2007, p. 79)), respondendo perguntas teóricas (imagem 6) ou dando explicações para sua falta de disciplina (imagem: 1,3 e 5).

9 (Imagem 5 SHULZ, 2007, p. 79) (Imagem 6 SCHULZ, 2007, p. 94) Com a imagem 7, abaixo, podemos construir um ethos mostrado de velhice da professora ( Menos a senhora, fessora... (Imagem 7 SCHULZ, 2007, p. 96)): (Imagem 7 SCHULZ, 2007, p. 96) Apesar de não evidenciar sua aparência física, a imagem 7 nos remete a construção etária de um pessoa com mais idade, que deve ser respeitada ( Menos a senhora, [...] (Imagem 7 SCHULZ, 2007, p. 96)). A partir desses excertos do livro Assim é Vida Charlie Brown, esperamos ter colaborado para identificação da imagem discursiva predominante do professor nas tiras de Snoopy, a saber: os professores nas tirinhas de Schulz (2007) apresentam um ethos dito/mostrado de elevação moral e de conteúdo, de monotonia em suas práticas de ensino, de impaciência, incompreensão, inabilidade tecnológica, isolamento, respeito, rigor, despreocupação com a aprendizagem dos alunos, velhice e de riqueza/boas condições econômicas. Na seção seguinte, portanto, discutiremos as implicações da construção dessas imagens discursivas para o campo de formação de professores.

10 Algumas implicações sobre as imagens discursivas do professor evidenciadas nas tirinhas de Snoopy para a área de formação de professores Segundo Freeman (1996) e Freeman & Johnson (1998), o campo teórico pertencente à área de formação de professores focalizou por muito tempo as pesquisas em educação que privilegiavam os estudos Behavioristas, onde o aprendizado se dava como um processo-produto. Nesse sentido o foco das primeiras pesquisas sobre a educação era o estudante. Somente em 1970, segundo Freeman (1996), que as pesquisas da área mudaram seu paradigma: desde então elas tentaram descobrir sobre o que os professores pensavam e o que eles sabiam sobre ensinar. Houve, então, segundo Freeman & Johnson (1998), uma emergência por reconceptualizações, na medida em que se percebeu que o pensar do professor, suas crenças e concepções de mundo, juntamente com o contexto escolar, influíam decisivamente em sua prática profissional. Levando-se em conta tais concepções teóricas, nos perguntamos: em que medida as imagens discursivas construídas pela mídia (no nosso caso as tirinhas de Snoopy) podem afetar o campo de formação de professores e as atividades profissionais dos professores (em formação, em serviço e em formação continuada)? Antes de esclarecermos essa questão cabe-nos aqui refletir um pouco sobre como é formada a identidade profissional dos professores. Teles, refletindo sobre a identidade profissional dos professores de língua inglesa, afirma que a construção da identidade do professor leva em conta traços muito particulares da experiência pessoal de cada participante: sua história de vida, suas memórias e os eventos marcantes de suas vidas (2004, p. 59). Para Pimenta & Lima a identidade é construída por um longo caminho que parte de experiências informais a formais de ensino: Assim, a identidade vai sendo construída como as experiências e a história pessoal, no coletivo e na sociedade (2004, p. 63). A partir desses pressupostos podemos considerar que a Mídia (onde também se insere as tiras), agente formador de opinião coletiva, assim como as experiências pessoais e as histórias de vida dos participantes, também colabora para construção de imagens e concepções de mundo que favorecem/dificultam a construção da identidade profissional dos professores. Ao divulgar informações e imagens sobre os professores e o ambiente escolar, a Mídia acaba se tornando um difusor importante para cristalização/perpetuação de imagens discursivas. Segundo Barros (2007) em reportagem a revista Educação, a Mídia tende a reforçar certas imagens do professor e do ambiente escolar como um todo: Superficial, que não ultrapassa o fato noticioso, não investiga fenômenos de maior significação educacional [...]. É desta forma que alguns professores que se dedicam a analisar a cobertura da imprensa sobre a educação vêem o resultado da maior parte do material publicado. (BARROS, 2007, p. 40).

11 Com uma cobertura midiática superficial sobre a complexa atividade de ensinar do professor, a Mídia, por falta de especialização no assunto, constrói representações discursivas que muitas vezes não correspondem à realidade. Paulo Ghiraldelli Jr. (2007), em artigo publicado na Revista Educação, corroborando conosco, afirma que a Mídia repete jargões carcomidos, lugarescomuns e às vezes mais desinforma do que informa. Diante dessas reflexões, entendemos que explicitar as imagens discursivas do professor projetadas pela Mídia (sejam elas em tirinhas, livros, seriados, filmes ou outro) para os professores (em formação, em serviço ou em formação continuada) e analisá-las de forma crítica e contrastiva com a realidade vivida pelos professores potencializará a construção de uma identidade profissional real que favorecerá a mobilização de experiências para enfrentar situações profissionais específicas e conflituosas do campo educacional. A partir dessa reflexão, partiremos na próxima seção para as nossas considerações finais sobre as imagens discursivas do professor nas tirinhas de Snoopy e de suas implicações para o campo de formação de professores. Considerações finais A partir das proposições teóricas sobre ethos discursivo de Maingueneau (2005; 2008) e de Amossy (2005a; 2005b) analisamos em nossa exposição as imagens discursivas do professor advindas das tirinhas de Snoopy (2007) do cartunista Charles Schulz ( ) contidas no livro Assim é a vida Charlie Brown. De forma geral, em nossa análise descobrimos: (a) que nas tirinhas de Snoopy o professor não possui uma formação discursiva de ethos pré-discursivo, o que pode nos gerar muitas imagens discursivas sobre o porquê desse apagamento, mas que infelizmente em nossa análise não fomos capazes de desvendar essa problemática; (b) que os professores nas tirinhas de Schulz (2007) apresentam um ethos dito/mostrado de elevação moral e de conteúdo, de monotonia em suas práticas de ensino, de impaciência, incompreensão, inabilidade tecnológica, isolamento, respeito, rigor, despreocupação com a aprendizagem dos alunos, velhice e de riqueza/boas condições econômicas (conforme explicita o diagrama abaixo). Cabe ressaltar aqui que o estereótipo social que sustenta essas imagens discursivas parece não corresponder ao perfil de professor da atualidade, mas a um perfil de professor do passado. Conforme explicita Castro (2007), as imagens discursivas que identificamos em nosso corpus de estudo pertencem ao professor da metade do século XX: aquele que ensinava era uma mulher de fino trato advinda de uma nobre rica família que em nada dependia do seu salário para sobreviver; vivendo nessa condição a professora envelhecia e continuava a lecionar independente da revolução cultural e tecnologia que pudesse ocorrer em sua época, tanto é que seus métodos de ensino

12 continuaram pautados na monolocução, no rigor as normas morais e de disciplina, sem grandes interações em sala de aula 16. (Diagrama Formações discursivas do ethos efetivo do professor nas tirinhas de Snoopy) A partir de nossa discussão, portanto, podemos indicar que as tirinhas de Snoopy (2007) tendem a perpetuar ainda hoje a imagem discursiva do professor da metade do século passado, o que em nada colabora para construção de identidades profissionais engajadas com a realidade atual e dispostas a enfrentar os novos desafios do ensino. Surge, então, para o campo de formação de professores a necessidade de refletir criticamente sobre a divulgação e cristalização dessas imagens discursivas formadas pela mídia. Com isso espera-se que os professores (em formação, em serviço ou em formação continuada) possam construir/fortalecer suas identidades profissionais engajadas com a realidade atual, o que os preparará para mobilização de experiências profissionais para o enfrentamento de conflitos educacionais específicos. Referências Bibliográficas 16 Cabe dizer aqui que as tiras estudadas foram publicadas em 1985 e atualmente foram reeditadas em 2007.

13 AMOSSY, Ruth. Da noção retórica de ethos à análise do discurso. In: AMOSSY, Ruth (org). Imagens de si no discurso a constituição do ethos. São Paulo: Contexto, 2005a. p AMOSSY, Ruth. O ethos na intersecção das disciplinas: retórica, pragmática, sociologia dos campos. In: AMOSSY, Ruth (org). Imagens de si no discurso a constituição do ethos. São Paulo: Contexto, 2005b. p BARROS, Rubem. Como a mídia fala da escola. In: EDUCAÇÃO, Ano 11, n 125. Set p BERMAN, Marshall. Tudo que é sólido desmancha no ar. Tradução Carlos Felipe Moisés; Ana Maria L. Ioriatti. São Paulo: Companhia das Letras, p BOHN, Hilário I. As exigências da Pós-modernidade sobre a pesquisa em Lingüística Aplicada no Brasil. In: FREIRE, Maximina M; ABRAHÃO, Maria Helena Vieira; BARCELOS, Ana Maria Ferreira (orgs.). Lingüística Aplicada e Contemporaneidade. São Paulo, SP: ALAB; Campinas, SP: Pontes Editores, p CASTRO, Gilda de. Professor submisso, aluno-cliente Reflexões a docência no Brasil. Rio de Janeiro: Editora DP&A, p FABRÍCIO, Branca Falabella. Lingüística Aplicada como espaço de desaprendizagem redescrições em curso. In: LOPES, Luiz Paulo da Moita (org). Por uma linguística INdisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, p FREEMAN, D.; JOHNSON, K. Reconceptualizing the knowledge-base of language teacher education. TESOL Quarterly, v2, n3, p , FREEMAN, Donald. The unstudied problem : research on teacher learning in language teaching. In: FREEMAN, Donald; RICHARDS, Jack C. Teacher Learning in language teaching. Cambridge: University press, p GHIRALDELLI, Paulo. Mais problemas do que parece. In: EDUCAÇÃO, Ano 11, n 125. Set p GIDDENS, Anthony. As conseqüências da modernidade. Tradução Raul Fiker. São Paulo: Editora UNESP, p GUIMARÃES, Eduardo. Os limites do Sentido: um estudo histórico e enunciativo da linguagem. Campinas, São Paulo: Pontes, p

14 HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução Tomaz Tadeu da Silva; Guaracira Lopes Louro. 9 Ed. Rio de Janeiro: DP&A, p. MAINGUENEAU, Dominique. A propósito do ethos. In: MOTTA, Ana Raquel; SALGADO, Luciana (orgs.). Ethos discursivo. São Paulo: Contexto, p MAINGUENEAU, Dominique. Ethos, cenografia e incorporação. In: AMOSSY, Ruth (org.). Imagens de si no discurso: a construção do ethos. São Paulo: Contexto, p MAINGUENEAU, Dominique. Termos-chave da análise do discurso. Tradução Márcio Venício Barbosa; Maria Amarante Torres Lima. Belo Horizonte: Editor UFMG, p MENEZES, William Augusto. Estratégias discursivas e argumentação. In: LARA, Glaucia Muniz Proença (org.). Lingua(gem), texto, discurso v1: entre a reflexão e a prática. Rio de Janeiro: Lucerna; Belo Horizonte, MG: FALE/UFMG, p PIMENTA, S. G.; LIMA, M. S. L. Estágio e Docência. 2 Ed. São Paulo: Cortez, p ; 60-79). ROJO, Roxane Helena Rodrigues. Fazer Lingüística Aplicada em perspectiva sócio-histórica: privação sofrida e leveza de pensamento. In: LOPES, Luiz Paulo da Moita (org). Por uma linguística INdisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, p SCHULZ, Charles M. Snoopy Assim é a vida, Charlie Brown!: 3. Tradução Cássia Zanon. Porto Alegre: L&PM, p. TELLES, J. A. Reflexão e identidade profissional do professor de LE: que histórias contam os futuros professores? In: RBLA, v4, n 2, p

A REDAÇÃO DO VESTIBULAR E A CONSTRUÇÃO DE UM ETHOS DISCURSIVO APOIADO NO HIPERENUNCIADOR JORNALISTA

A REDAÇÃO DO VESTIBULAR E A CONSTRUÇÃO DE UM ETHOS DISCURSIVO APOIADO NO HIPERENUNCIADOR JORNALISTA A REDAÇÃO DO VESTIBULAR E A CONSTRUÇÃO DE UM ETHOS DISCURSIVO APOIADO NO HIPERENUNCIADOR JORNALISTA Gislane Kátia TESSAROLO AUTORA - MESTRANDA DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM LETRAS E LINGUÍSTICA UFG

Leia mais

EXTENSÃO DE ESPANHOL: CONTRIBUIÇÃO NA FORMAÇÃO DOS ALUNOS, DA CIDADE DOS MENINOS

EXTENSÃO DE ESPANHOL: CONTRIBUIÇÃO NA FORMAÇÃO DOS ALUNOS, DA CIDADE DOS MENINOS 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EXTENSÃO DE

Leia mais

*Doutora em Lingüística (UNICAMP), Professora da Universidade Federal de Viçosa (UFV).

*Doutora em Lingüística (UNICAMP), Professora da Universidade Federal de Viçosa (UFV). PRÁTICAS DE LEITURA EM SALA DE AULA: O USO DE FILMES E DEMAIS PRODUÇÕES CINEMATOGRÁFICAS EM AULAS DE LÍNGUA - PORTUGUESA 52 - Adriana da Silva* adria.silva@ufv.br Alex Caldas Simões** axbr1@yahoo.com.br

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática.

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática. PRÓ-MATEMÁTICA 2012: UM EPISÓDIO DE AVALIAÇÃO Edilaine Regina dos Santos 1 Universidade Estadual de Londrina edilaine.santos@yahoo.com.br Rodrigo Camarinho de Oliveira 2 Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

O TRABALHO COM TEXTOS MULTIMODAIS COMO MOTIVAÇÃO PARA APRENDER LE: UM ESTUDO DE CASO NA REDE ESTADUAL PAULISTA

O TRABALHO COM TEXTOS MULTIMODAIS COMO MOTIVAÇÃO PARA APRENDER LE: UM ESTUDO DE CASO NA REDE ESTADUAL PAULISTA 03070 O TRABALHO COM TEXTOS MULTIMODAIS COMO MOTIVAÇÃO PARA APRENDER LE: UM ESTUDO DE CASO NA REDE ESTADUAL PAULISTA Resumo Autor: Marcelo Ganzela Martins de Castro Instituições: UNINOVE/Instituto Singularidades/E.

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO Inês Aparecida Costa QUINTANILHA; Lívia Matos FOLHA; Dulcéria. TARTUCI; Maria Marta Lopes FLORES. Reila Terezinha da Silva LUZ; Departamento de Educação, UFG-Campus

Leia mais

Maria Izabel Rodrigues TOGNATO[2]

Maria Izabel Rodrigues TOGNATO[2] PROFESSOR OU EDUCADOR? CIDADANIA UMA RESPONSABILIDADE SOCIAL NO ENSINO DE LITERATURA E DA PRÁTICA DE ENSINO NA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA Referência: TOGNATO, M.I.R..

Leia mais

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1029 OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

Leia mais

O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil

O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil Andressa Ranzani Nora Mello Keila Maria Ramazotti O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil Primeira Edição São Paulo 2013 Agradecimentos A todos aqueles que, direta ou indiretamente, contribuíram

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola Autora: CAMILA SOUZA VIEIRA Introdução A presente pesquisa tem como temática Educação física para Portadores

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

ANÁLISE DO EMPREGO DO MARCADOR CONVERSACIONAL NÉ NA FALA DOS PROFESSORES DE GEOGRAFIA E HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO BÁSICA

ANÁLISE DO EMPREGO DO MARCADOR CONVERSACIONAL NÉ NA FALA DOS PROFESSORES DE GEOGRAFIA E HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO BÁSICA ANÁLISE DO EMPREGO DO MARCADOR CONVERSACIONAL NÉ NA FALA DOS PROFESSORES DE GEOGRAFIA E HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO BÁSICA Marta Oliveira Barros¹ ORIENTADORA: Dra. Daniela Gomes de Araújo Nóbrega² INTRODUÇÃO

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER ALVES, Ivanir da Costa¹ Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Iporá ¹acwania@gmail.com RESUMO A leitura é compreendida como uma ação que deve se

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM

AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM Kelly Cristina Sabadin kellysabadin@hotmail.com RESUMO A avaliação da aprendizagem escolar se faz presente em todas as instituições de ensino. É o tema mais

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA SILVA, Lourdes Helena da - UFV GT: Educação Fundamental /n.13 Agência Financiadora:

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE A CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE DO PROFESSOR DE INGLÊS DA CIDADE DE FAGUNDES - PB

UM ESTUDO SOBRE A CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE DO PROFESSOR DE INGLÊS DA CIDADE DE FAGUNDES - PB UM ESTUDO SOBRE A CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE DO PROFESSOR DE INGLÊS DA CIDADE DE FAGUNDES - PB 01. RESUMO Karla Rodrigues de Almeida Graduada em Letras pela UFCG e-mail: karlaalmeida.1@hotmail.com Izanete

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

Jardim Helena São Miguel Paulista PROJETO DE REGÊNCIA EM TURMAS DO ENSINO MÉDIO RECUPERAÇÃO PARALELA.

Jardim Helena São Miguel Paulista PROJETO DE REGÊNCIA EM TURMAS DO ENSINO MÉDIO RECUPERAÇÃO PARALELA. De acordo com às determinações constantes do Plano de Estágio Supervisionado, submeto à apreciação de V.Sª o plano de aula que foram desenvolvidas no Estágio de Licenciatura em Matemática no período de

Leia mais

Palavras-chave: Aquecimento global, Mídias, Tecnologias, Ecossistema.

Palavras-chave: Aquecimento global, Mídias, Tecnologias, Ecossistema. Aquecimento Global e Danos no Manguezal Pernambucano SANDRA MARIA DE LIMA ALVES 1 - sandrali@bol.com.br RESUMO Este artigo procura enriquecer a discussão sobre o fenômeno do aumento da temperatura na terra

Leia mais

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA Autor: Marusa Fernandes da Silva marusafs@gmail.com Orientadora: Profª. Ms. Mônica Mª N. da Trindade Siqueira Universidade de Taubaté monica.mnts@uol.com.br Comunicação oral:

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

RESPOSTA FÍSICA TOTAL

RESPOSTA FÍSICA TOTAL RESPOSTA FÍSICA TOTAL Valdelice Prudêncio Lima UEMS João Fábio Sanches Silva UEMS O método apresentado é baseado na coordenação da fala e da ação, desenvolvido por James Asher, professor de psicologia

Leia mais

O Programa de Desenvolvimento Educacional e suas Interfaces

O Programa de Desenvolvimento Educacional e suas Interfaces 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

O ENSINO DAS FUNÇÕES ATRAVÉS DO JOGO BINGO DE FUNÇÕES

O ENSINO DAS FUNÇÕES ATRAVÉS DO JOGO BINGO DE FUNÇÕES O ENSINO DAS FUNÇÕES ATRAVÉS DO JOGO BINGO DE FUNÇÕES Marcos Aurélio Alves e Silva- UFPE/CAA Alcicleide Ramos da Silva- UFPE/CAA Jucélia Silva Santana- UFPE/CAA Edelweis José Tavares Barbosa- UFPE/CAA

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA Anilda Costa Alves Jamile Alves da Silva Leônidas José da Silva Jr Universidade Estadual da Paraíba anildauepb@gmail.com milygta10@hotmail.com

Leia mais

Faculdade de Ciências Humanas Programa de Pós-Graduação em Educação RESUMO EXPANDIDO DO PROJETO DE PESQUISA

Faculdade de Ciências Humanas Programa de Pós-Graduação em Educação RESUMO EXPANDIDO DO PROJETO DE PESQUISA RESUMO EXPANDIDO DO PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: TRABALHO DOCENTE NO ESTADO DE SÃO PAULO: ANÁLISE DA JORNADA DE TRABALHO E SALÁRIOS DOS PROFESSORES DA REDE PÚBLICA PAULISTA RESUMO O cenário atual do trabalho

Leia mais

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 Resenha de livro Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 A presente resenha do livro de Moretto, (2007) em sua 2 edição tem o intuito de mostrar que a avaliação é um

Leia mais

Pedagogia Profª Silvia Perrone. Ensino de Língua Portuguesa. Roteiro. Teorias que orientam o ensino

Pedagogia Profª Silvia Perrone. Ensino de Língua Portuguesa. Roteiro. Teorias que orientam o ensino Pedagogia Profª Silvia Perrone Ensino de Língua Portuguesa Roteiro Teorias que orientam o ensino: empirista e construtivista. A visão de texto nas diferentes teorias. Ensinar a produzir textos na escola.

Leia mais

PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS

PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS Profª. Msc. Clara Maria Furtado claramaria@terra.com.br clara@unifebe.edu.br PLANEJAMENTO Representa uma organização de ações em direção a objetivos bem definidos, dos recursos

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

Palavras chaves: Criança, Educação Infantil, Corpo e Movimento.

Palavras chaves: Criança, Educação Infantil, Corpo e Movimento. CORPO E MOVIMENTO: CONCEPÇÕES E PRÁTICAS DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INFANTIL Tamiris Andrade dos Santos (UEL) tamiris_152@hotmail.com Gilmara Lupion Moreno gilmaralupion@uel.br RESUMO: Sabe-se da importância

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

As Tecnologias de Informação e Comunicação para Ensinar na Era do Conhecimento

As Tecnologias de Informação e Comunicação para Ensinar na Era do Conhecimento As Tecnologias de Informação e Comunicação para Ensinar na Era do Conhecimento Nirave Reigota Caram Universidade Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: nirave.caram@usc.br Comunicação Oral Pesquisa em Andamento

Leia mais

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Departamento de Letras Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Aluna: Esther Ruth Oliveira da Silva Orientadora: Profª. Bárbara Jane Wilcox Hemais Introdução O presente projeto se insere

Leia mais

ANÁLISE DOS TERMOS DE DESIGNAÇÃO PARA INCLUSÃO EDUCACIONAL NO WEBJORNALISMO

ANÁLISE DOS TERMOS DE DESIGNAÇÃO PARA INCLUSÃO EDUCACIONAL NO WEBJORNALISMO ANÁLISE DOS TERMOS DE DESIGNAÇÃO PARA INCLUSÃO EDUCACIONAL NO WEBJORNALISMO PALAVRAS-CHAVE: Análise, Educação, Inclusão. Lucas Lameira Martins RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar um trabalho

Leia mais

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas CONSTRUINDO CONCEITOS SOBRE FAMÍLIA DE FUNÇÕES POLINOMIAL DO 1º GRAU COM USO DO WINPLOT Tecnologias da Informação e Comunicação e Educação Matemática (TICEM) GT 06 MARCOS ANTONIO HELENO DUARTE Secretaria

Leia mais

OS MEDIADORES NAS HISTÓRIAS DE LEITURA DOS PROFESSORES Jeovana Alves de Lima Oliveira Secretaria de Educação do Estado da Bahia

OS MEDIADORES NAS HISTÓRIAS DE LEITURA DOS PROFESSORES Jeovana Alves de Lima Oliveira Secretaria de Educação do Estado da Bahia OS MEDIADORES NAS HISTÓRIAS DE LEITURA DOS PROFESSORES Jeovana Alves de Lima Oliveira Secretaria de Educação do Estado da Bahia INTRODUÇÃO: A proposta desse trabalho é apresentar a pesquisa de Mestrado,

Leia mais

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR RESENHA Neste capítulo, vamos falar acerca do gênero textual denominado resenha. Talvez você já tenha lido ou elaborado resenhas de diferentes tipos de textos, nas mais diversas situações de produção.

Leia mais

Blog http://conquistadores.com.br. + dinheiro + mulheres + sucesso social (mini e-book grátis)

Blog http://conquistadores.com.br. + dinheiro + mulheres + sucesso social (mini e-book grátis) Blog http://conquistadores.com.br CONQUISTADORES + dinheiro + mulheres + sucesso social (mini e-book grátis) Blog http://conquistadores.com.br CONQUISTADORES + dinheiro + mulheres + sucesso social (Este

Leia mais

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Ariane Baffa Lourenço 1, Maria Lúcia V. dos S. Abib 2 e Salete Linhares Queiroz 3 1 Programa de Pós-Graduação Interunidades

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

Principais discussões sobre o ensino-aprendizagem de matemática na educação infantil

Principais discussões sobre o ensino-aprendizagem de matemática na educação infantil 1 Introdução: A matemática é uma disciplina de fundamental importância na vida de todo mundo. Desde tempos antigos o ensino dessa matéria vem fazendo cada vez mais parte da vida dos seres humanos. Basta

Leia mais

Este artigo é uma breve resenha da tese de mestrado em economia de Albernaz,

Este artigo é uma breve resenha da tese de mestrado em economia de Albernaz, AMELHORIA DA QUALIDADE DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: UM DESAFIO PARA O SÉCULO XXI Introdução ANGELA ALBERNAZ* Este artigo é uma breve resenha da tese de mestrado em economia de Albernaz, 2002, 1 cujo objetivo

Leia mais

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA).

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). Alinne da Silva Rios Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP e-mail: alinnerios@hotmail.com Profa. Ms. Leila

Leia mais

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO Thiago Tavares Borchardt Universidade Federal de Pelotas thiago tb@hotmail.com Márcia Souza da Fonseca Universidade Federal de Pelotas

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

UM OLHAR PEDAGÓGICO SOBRE A RELAÇÃO ENSINO E PESQUISA NOS CURSOS DE LICENCIATURA NA ÁREA DA SAÚDE

UM OLHAR PEDAGÓGICO SOBRE A RELAÇÃO ENSINO E PESQUISA NOS CURSOS DE LICENCIATURA NA ÁREA DA SAÚDE UM OLHAR PEDAGÓGICO SOBRE A RELAÇÃO ENSINO E PESQUISA NOS CURSOS DE LICENCIATURA NA ÁREA DA SAÚDE Ana Cristina Oliveira Lima, bolsista PIBIC/ CNPq, anacristinaoliveiralima@yahoo.com.br, UECE. Brena de

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) -

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) - EXERCICÍOS DE FILOSOFIA I O QUE É FILOSOFIA, ETIMOLOGIA, ONDE SURGIU, QUANDO, PARA QUE SERVE.( 1º ASSUNTO ) Questão (1) - Analise os itens abaixo e marque a alternativa CORRETA em relação ao significado

Leia mais

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA LYSNE NÔZENIR DE LIMA LIRA, 1 HSTÉFFANY PEREIRA MUNIZ 2 1. Introdução Este trabalho foi criado a partir da experiência

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA Q U E S T Õ E S E R E F L E X Õ E S Suraya Cristina Dar ido Mestrado em Educação Física, na Escola de Educação Física da Universidade de São Paulo, SP, 1987 1991 Doutorado em

Leia mais

Apresentação. Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa. Situação 4 HQ. Recomendada para 7a/8a ou EM. Tempo previsto: 4 aulas

Apresentação. Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa. Situação 4 HQ. Recomendada para 7a/8a ou EM. Tempo previsto: 4 aulas Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa Situação 4 HQ Recomendada para 7a/8a ou EM Tempo previsto: 4 aulas Elaboração: Equipe Técnica da CENP Apresentação Histórias em quadrinhos (HQ), mangás e tirinhas

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DOS ENCARTES DE PREÇOS NA FORMAÇÃO DO ALUNO.

AS CONTRIBUIÇÕES DOS ENCARTES DE PREÇOS NA FORMAÇÃO DO ALUNO. AS CONTRIBUIÇÕES DOS ENCARTES DE PREÇOS NA FORMAÇÃO DO ALUNO. Autor: José Marcos da Silva Instituição: MIDS/Macaé E-mail:mzosilva@yahoo.com.br. RESUMO Na atualidade, é preciso que se crie novos métodos

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores VIVENCIANDO A PRÁTICA ESCOLAR DE MATEMÁTICA NA EJA Larissa De Jesus Cabral, Ana Paula Perovano

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Elisa Maçãs IDÉIAS & SOLUÇÕES Educacionais e Culturais Ltda www.ideiasesolucoes.com 1

Leia mais

DETERMINAÇÃO SOCIOLINGÜÍSTICA DO CONCEITO DE LEITURA Vilson J. Leffa e Rita de Cássia Campos Lopes,UFRGS

DETERMINAÇÃO SOCIOLINGÜÍSTICA DO CONCEITO DE LEITURA Vilson J. Leffa e Rita de Cássia Campos Lopes,UFRGS REFERÊNCIA: LEFFA, Vilson J. ; LOPES, Rita de Cássia Campos. Determinação sócio-lingüística do conceito de leitura. 46 a Reunião da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. Vitória, 17 a 22 de

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

MATEMÁTICA: É PRECISO LER, ESCREVER E SE ENVOLVER

MATEMÁTICA: É PRECISO LER, ESCREVER E SE ENVOLVER MATEMÁTICA: É PRECISO LER, ESCREVER E SE ENVOLVER Nilton Cezar Ferreira 1 Por mais de dois séculos já se faz reformas curriculares no Brasil, no entanto nenhuma dessas reformas conseguiu mudar de forma

Leia mais

PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO

PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO Extensão, docência e investigação. Danielle Gomes Mendes Theciana Silva Silveira Orientadora: Prof.ª Dr.ª Marize Barros Rocha

Leia mais

NAP NÚCLEO DE ASSESSORIA PEDAGÓGICA: PROPOSIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE LÍNGUA INGLESA NA UEPG

NAP NÚCLEO DE ASSESSORIA PEDAGÓGICA: PROPOSIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE LÍNGUA INGLESA NA UEPG 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA NAP NÚCLEO DE ASSESSORIA PEDAGÓGICA: PROPOSIÇÕES PARA

Leia mais

REPENSANDO O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA ESCOLA PÚBLICA: DA TEORIA À PRÁTICA

REPENSANDO O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA ESCOLA PÚBLICA: DA TEORIA À PRÁTICA REPENSANDO O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA ESCOLA PÚBLICA: DA TEORIA À PRÁTICA MARIA ANDRÉIA SILVA LELES (UNEC- CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA). Resumo As variadas metodologias do ensino aprendizagem

Leia mais

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO INTRODUÇÃO Francisca das Virgens Fonseca (UEFS) franciscafonseca@hotmail.com Nelmira Santos Moreira (orientador-uefs) Sabe-se que o uso

Leia mais

HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019

HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019 HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019 HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Evelise Raquel de Pontes Mariane Soares Sana Orientadora: Renata Junqueira de Souza. Instituição: Universidade Estadual

Leia mais

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS Fortaleza Ce Agosto 2009 Liádina Camargo Lima Universidade de Fortaleza liadina@unifor.br Categoria C Métodos

Leia mais

Daniele Renata da Silva. Maurício Carlos da Silva

Daniele Renata da Silva. Maurício Carlos da Silva SILVEIRA, Rosa Maria Hessel; SANTOS, Cláudia Amaral dos. Revistas pedagógicas e identidades de professor/a: quem é o docente de Profissão Mestre e Nova Escola. In: BASTOS, Liliana Cabral; MOITA LOPES,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA E FÍSICA NO ENEM: PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO CURSO PRÉ- UNIVERSITÁRIO DA UFPB LITORAL NORTE

A IMPORTÂNCIA DAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA E FÍSICA NO ENEM: PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO CURSO PRÉ- UNIVERSITÁRIO DA UFPB LITORAL NORTE A IMPORTÂNCIA DAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA E FÍSICA NO ENEM: PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO CURSO PRÉ- UNIVERSITÁRIO DA UFPB LITORAL NORTE ALMEIDA 1, Leonardo Rodrigues de SOUSA 2, Raniere Lima Menezes de PEREIRA

Leia mais

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA OS TEXTOS

Leia mais

ORATÓRIA ATUAL: desmistificando a idéia de arte

ORATÓRIA ATUAL: desmistificando a idéia de arte ORATÓRIA ATUAL: desmistificando a idéia de arte Autora: ADRIJANE ALVES DE AMORIM Introdução Estabelecer objetivamente a medida de um bom orador não é tarefa fácil. Para muitos, falar bem guarda a ideia

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 Claudemir Monteiro Lima Secretária de Educação do Estado de São Paulo claudemirmonteiro@terra.com.br João

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: PNLD, livro didático, língua estrangeira, gênero.

PALAVRAS-CHAVE: PNLD, livro didático, língua estrangeira, gênero. PNLD 2011: ANÁLISE DE UMA COLEÇÃO DE LIVRO DIDÁTICO DE INGLÊS Universidade Federal de Goiás Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística Mestranda: Maria Letícia Martins Campos FERREIRA mleticiaf@hotmail.com

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO

FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO SUPERIOR PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS Profª Msc. Clara Maria Furtado PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO CURRÍCULO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR PLANEJAMENTO DO CURSO OBJETIVOS

Leia mais

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística?

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? Universidade de São Paulo benjamin@usp.br Synergies-Brésil O Sr. foi o representante da Letras junto à CAPES. O Sr. poderia explicar qual

Leia mais

XIX CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA

XIX CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA XIX CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA IMPACTOS DO PIBID/INGLÊS SUSTENTABILIDADE NOS ALUNOS André Henrique Gonçalves (UESC) henriqueios@live.com Laura de Almeida (UESC) prismaxe@gmail.com RESUMO

Leia mais

TRADUTORES-INTÉRPRETES BACHARELANDOS DO CURSO LETRAS- LIBRAS: UMA REFLEXÃO ACERCA DA INFLUÊNCIA DA PRÁTICA DOCENTE E FORMAÇÃO PRECEDENTE AO CURSO

TRADUTORES-INTÉRPRETES BACHARELANDOS DO CURSO LETRAS- LIBRAS: UMA REFLEXÃO ACERCA DA INFLUÊNCIA DA PRÁTICA DOCENTE E FORMAÇÃO PRECEDENTE AO CURSO TRADUTORES-INTÉRPRETES BACHARELANDOS DO CURSO LETRAS- LIBRAS: UMA REFLEXÃO ACERCA DA INFLUÊNCIA DA PRÁTICA DOCENTE E FORMAÇÃO PRECEDENTE AO CURSO Marcos Luchi 1 (UFSC) Fabíola Sucupira Ferreira Sell 2

Leia mais

Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno

Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno A crise de representação e o espaço da mídia na política RESENHA Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno Rogéria Martins Socióloga e Professora do Departamento de Educação/UESC

Leia mais

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com Entrevista ENTREVISTA 146 COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com * Dra. em Letras pela PUC/RJ e professora do Colégio de Aplicação João XXIII/UFJF. Rildo Cosson Mestre em Teoria

Leia mais

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA Núbia Vieira TEIXEIRA; Solange Martins Oliveira MAGALHÃES Mestrado - Programa de Pós - Graduação em Educação - FE/UFG vitenubia@yahoo.com.br;solufg@hotmail.com

Leia mais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais Situando o uso da mídia em contextos educacionais Maria Cecília Martinsi Dentre os pressupostos educacionais relevantes para a época atual, considera-se que as múltiplas dimensões do ser humano - intelectual,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Secretaria de Estado da Educação Superintendência Regional de Ensino de Carangola Diretoria Educacional

SERVIÇO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Secretaria de Estado da Educação Superintendência Regional de Ensino de Carangola Diretoria Educacional SERVIÇO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Secretaria de Estado da Educação Superintendência Regional de Ensino de Carangola Diretoria Educacional Sequencia Didática destinada aos Anos Finais do Ensino

Leia mais

DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA

DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA Jessica Kelly Sousa Ferreira PPGFP-UEPB jessicaferreiraprofe@gmail.com INTRODUÇÃO A presente pesquisa embasa-se nos pressupostos de que o uso

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO.

UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO. UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO. PARTE 1 O QUE É FILOSOFIA? não é possível aprender qualquer filosofia; só é possível aprender a filosofar. Kant Toda às vezes que

Leia mais

DOCUMENTOS OFICIAIS DO GOVERNO - SUBSÍDIOS PARA A PRÁTICA DOCENTE DO PROFESSOR DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

DOCUMENTOS OFICIAIS DO GOVERNO - SUBSÍDIOS PARA A PRÁTICA DOCENTE DO PROFESSOR DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOCUMENTOS OFICIAIS DO GOVERNO - SUBSÍDIOS PARA A PRÁTICA DOCENTE DO PROFESSOR DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Alciene Ribeiro Feitoza da SILVA 1 Módulo Centro Universitário Ao atuar na formação de professores de

Leia mais