BORDADO DE GUIMARÃES GUIMARÃES EMBROIDERY. Renovar a tradição A tradition renewed. Isabel Maria Fernandes Coordenação Coordination

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BORDADO DE GUIMARÃES GUIMARÃES EMBROIDERY. Renovar a tradição A tradition renewed. Isabel Maria Fernandes Coordenação Coordination"

Transcrição

1 BORDADO GUIMARÃES EMBROIDERY DE GUIMARÃES Renovar a tradição A tradition renewed Isabel Maria Fernandes Coordenação Coordination

2 CANDIDATURA CANDIDATURE Operação Norte Operação Norte Comissão de Coordenação da Região do Norte Promotor Promotor A Oficina-Centro de Artes e Mesteres Tradicionais de Guimarães, CIPRL Produção Production José Manuel Nogueira Teixeira Bastos Assistente de Produção Production Assistant Tiago Andrade Colaboração Colaboration Museu de Alberto Sampaio A Oficina-Centro de Artes e Mesteres Tradicionais de Guimarães, CIPRL Centro Cultural de Vila Flor, Av.ª Afonso Henriques 701, Guimarães Internet Telef Fax Museu de Alberto Sampaio Rua Alfredo Guimarães, Guimarães Internet Telef Fax CATÁLOGO CATALOGUE Título Title Bordado de Guimarães renovar a tradição Coordenação Coordination Isabel Maria Fernandes Assistente de coordenação Assistant coordinators Maria José Queirós Meireles Patrícia Dias Moscoso Recolha de peças Compilation Maria José Queirós Meireles, Patrícia Dias Moscoso Inventariação Inventory Maria José Queirós Meireles, Patrícia Dias Moscoso Apoio à inventariação Supported by Alexandra Pacheco, Sandra Cunha Textos Texts Isabel Maria Fernandes, Maria José Queirós Meireles, Patrícia Moscoso Fotografia Photography Manuel Correia Desenho Drawing [n. os 1-6] Júlia Fernandes [n. os 7-10] Escola Insdustrial e Comercial de Guimarães Amostras de pontos Samples of stitches Maria Isabel Vales Oliveira, Maria da Conceição Miranda Ferreira, Maria da Conceição Pereira Ribeiro Tradução Translation Anthony de Seife Kinnon Design João Machado Produção Production João Machado Design, Lda Impressão e Acabamento Printing and Binding Rainho & Neves, Lda./Santa Maria da Feira Edição Publisher Campo das Letras Editores, S.A. Rua D. Manuel II, 33-5º Porto Telf Fax: E.mail: site. ISBN X Depósito Legal Legal Deposit /06

3 SumárioSummary 5 Agradecimentos Acknowledgments 6 Bordado de Guimarães passado recente com futuro auspicioso Guimarães Embroidery a recent past with an auspicious future Isabel Maria Fernandes 22 Bordado de Guimarães Da tradição à inovação Guimarães Embroidery From tradition to innovation Maria José Queirós Meireles 64 Catálogo The Catalogue Patrícia Moscoso 194 Glossário Glossary Maria José Queirós Meireles; Patrícia Moscoso 196 Mapa de pontos Table of Stitches Maria José Queirós Meireles; Patrícia Moscoso 206 Desenhar para bordar Designing for embroidery 230 Lista de termos e siglas List of Portuguese Terms and Acronyms

4

5 AgradecimentosAcknowledgments A realização deste trabalho deve muito à boa vontade de quem nos emprestou as peças. No entanto, não podemos esquecer aqueles que, apesar de não terem emprestado nenhuma peça, apoiaram, colaboraram e contribuíram com mais-valias para o crescimento e amadurecimento de um projecto que encontrou neste catálogo a sua concretização. It was through the good will of those who lent us textile samples that it was possible to accomplish this work. However we cannot forget those who, in spite of not having lent any pieces, supported, collaborated with and contributed by other means to the project's growth and development, resulting in the present catalogue. Pessoas individuais (por ordem alfabética)individuals (in alphabetical order) Abel Ribeiro de Sousa, Ana Castro Ferreira, Ana Pires, Ana Raquel Macedo de Freitas, António Emílio de Abreu Ribeiro, Arlinda Pimenta, Armando Malheiro, Armindo da Costa de Sá Cachada, Augusta Dias de Castro, Augusto Dias de Castro, Clotilde de Jesus Marques da Silva, Domingos de Freitas Fernandes, Eduardo Pires de Oliveira, Elisa Emília Folhadela Marques, Graça Ramos, Helena Carneiro, Helena Folhadela Miranda, Isabel Dias de Castro, Isabel Freitas, Isabel Maria Fernandes, Jean-Yves Durand, Jerónimo Ferreira, José Cardoso de Meneses Couceiro da Costa, José Ribeiro Pinto, Josefa Pinto, Luís Miguel Nunes Ribeiro de Sousa, Manuela Cunha, Manuela de Alcântara Santos, Maria Amélia Ferreira Miranda, Maria Augusta de Sequeira Leal Sampaio de Nóvoa Faria Frasco, Maria Belém Tavares, Maria da Conceição Miranda Ferreira, Maria da Conceição Pereira Ribeiro, Maria de Fátima Barreira Ribeiro, Maria de Fátima Ribeiro Macedo, Maria do Céu Freitas, Maria do Carmo Ferreira Ribeiro, Maria do Rosário Ribeiro Pereira, Maria Edviges Ruão Dias de Castro, Maria Emília Santoalha Motta Prego, Maria Emília Teixeira de Abreu Ribeiro, Maria Goretti Ferraz de Moura, Maria Guilhermina Viamonte da Silveira, Maria Helena Coutinho dos Santos Pinto, Maria Helena Dias de Castro, Maria Isabel Ferreira Vales de Oliveira, Maria João Motta Prego Cotter, Maria José Abreu Ribeiro Gomes Alves, Maria Madalena Jacinto Nunes de Sá Martins, Maria Olívia Almeida Ribeiro, Maria Rita de Moura Machado Maltieira, Maria Teresa Doutel, Maria Teresa Sáiz Peña, Rosa Maria Castro Ferreira, Rosa Maria Saavedra, Túlia da Conceição Fernandes Machado EntidadesOrganisations Artesanato, Bordados Regionais, Têxteis Lar; Biblioteca Pública de Braga; Casa Belane; Casa de Artesanato Santiago; Casa Pastor; Escola Secundária de Francisco de Holanda; Grupo Folclórico da Corredoura; Grupo Folclórico de Silvares; Lar de Santa Estefânia; Museu de Agricultura de Fermentões; Museu de Alberto Sampaio; Pousada de Santa Marinha da Costa; Sociedade Martins Sarmento

6 Bordado de Guimarães Guimarães Embroidery Passado recente com futuro auspicioso A recent past with an auspicious future

7 Isabel Maria Fernandes O bordado que hoje designamos como bordado de Guimarães, nasceu do mesmo modo que muitos outros produtos e designações de produtos fruto da vontade dos homens e das condições do território que o viu nascer. Como sucede com outras obras colectivas, sejam elas alimentares ou artefactos utilitários, é difícil definir-lhe a hora e o local exactos de nascimento e, ainda menos, conhecer- -lhe a paternidade. Digamos que o bordado de Guimarães, tal como muitos outros produtos regionais portugueses as colchas de Castelo Branco, a alheira de Mirandela, o queijo da Serra, a posta mirandesa é fruto de um conjunto vasto de factores, que se foram conjugando no tempo e no espaço e que contribuíram para que, hoje e aqui, ele mereça o nosso olhar atento e o nosso afecto. Guimarães foi terra propícia à fixação dos homens. O território permitiu, para além do cultivo dos produtos necessários para a alimentação, o desenvolvimento de uma série de indústrias também necessárias à vida das populações. No burgo vimaranense e nos seus arredores habitavam variados mesteres ferreiros, oleiros, ourives, sapateiros, cutileiros, curtidores, tecelãos, espingardeiros, pedreiros, escultores os quais, a par de uma nobreza e clero influentes, fizeram de Guimarães um entreposto comercial de certa importância. Podemos afirmar que o bordado de Guimarães é antes de mais produto de um território fértil em águas e em terras The type of embroidery, known today as Guimarães embroidery, was born in the same way as many other products the result of human will and the prevailing conditions in the area where they were born. In common with other collective works, whether culinary or utilitarian in nature, it is difficult to define an exact time and place of birth and, still less, to establish paternity. Let us say that, just like many other Portuguese regional products bedspreads from Castelo Branco, the garlic sausage of Mirandela, cheese from the Serra de Estrela or beef from Miranda do Douro Guimarães embroidery arises from a vast group of factors, which, acting over the course of time within a given area, united to create something unique that deserves our attention and affection here and now. The Guimarães region favoured human settlement. Besides the cultivation of produce vital for sustenance, the territory permitted the development of a series of industries not less necessary to the well-being of the populations. A wide variety of master craftsmen blacksmiths, potters, goldsmiths, cobblers, cutlers, curriers, weavers, gunsmiths, stonemasons, sculptors lived in the town of Guimarães and in its environs. Along with the nobility and an influential clergy, they made Guimarães a commercial centre of some importance. Above all Guimarães embroidery is the product of a region, rich in water and fertile of soil, that lent itself to the cultivation

8 8 BORDADO DE GUIMARÃES úberes para receberem o cultivo do linho. De facto, a riqueza natural do território vimaranense vai ser propícia à fixação do homem e é esse homem que vai encontrar, no seu engenho e neste território, os meios necessários ao cultivo do linho e à feitura do pano. Essas mesmas águas que alimentam um sem fim de rios e riachos também facilitaram o estabelecimento de engenhos do linho onde, desde tempos arcaicos, se produzia um bom pano que servia as terras vimaranenses e muitas outras por esse Norte fora. O linho, como sabemos, é o suporte vulgarmente usado para conter o bordado de Guimarães. E, se ao linho em terras vimaranenses podemos apontar data longínqua (no foral dado por D. Henrique a Guimarães, em 1096, este já aparece referido), o mesmo não podemos afirmar quanto ao bordado. Encontramos referências documentais a tecidos bordados existentes em solo vimaranense desde o século X 1, mas temos que esperar pelo final do século XIX para encontrarmos a primeira referência documental a bordados feitos em solo vimaranense (RELATÓRIO, 1991: 48-50; ; ; 231). Não se faria, antes dessa data, bordado em Guimarães? É provável que sim, mas os documentos pouco nos contam. E, se pouco sabemos sobre o bordado feminino realizado em Guimarães antes do último quartel do século XIX, também pouco sabemos sobre o que se bordava, onde se bordava, quem bordava e como se bordava no resto do País. O que nos resta de séculos anteriores são geralmente peças de traje civil, mas principalmente paramentaria religiosa, de um modo geral ricamente bordadas e feitas por mestres tecelões nacionais e estrangeiros. Poucos vestígios chegaram até nós, quer do traje civil usado pelo povo e pela burguesia de menores posses, quer da roupa doméstica usada no lar de cada um. Estes têxteis, se até nós houveram chegado em maior quantidade, poderiam dar-nos a conhecer o que era o bordado feminino desses tempos, em que ocupavam as mãos as senhoras das diversas classes sociais de então. Os tecidos são bens facilmente perecíveis eram usados continuadamente, e, mesmo quando velhos, rotos e puídos, logo eram transformados noutros objectos, para outros usos. É vulgar sabermos de cortinas que deram vestidos, de vestidos de adultos que deram trajes de crianças 2, de saias velhas que terminam em panos para vários usos. Também era costume, e foi costume que perdurou no meio rural minhoto até ao século passado, a roupa do casamento, que era vulgarmente a melhor roupa que o homem e a mulher do campo possuía servir para levar para a tumba (SAMPAIO, 1986: 23-25). Deste modo, poucos são os têxteis do dia-a-dia que chegaram até nós: ou of the flax plant. The natural wealth of the territory favoured settlement and the ingenuity of the people who settled here enabled them to develop the means for cultivating flax and producing cloth. The same waters that fed an endless number of rivers and streams also led to the establishment of flax mills where fine cloth has been produced since ancient times, supplying both the locality and the northern region. As we know, linen is the base fabric commonly used for Guimarães embroidery. And, if we can ascribe antiquity to linen in the Guimarães area (references already appear in the charter given by D. Henrique in 1096,) the same cannot be affirmed in relation to embroidery. There are documentary references for embroidery existing on Guimarães Naperão 1989 Place mat 1989

9 BORDADO DE GUIMARÃES 9 porque foram reutilizados; ou porque acompanharam o seu dono até à tumba; ou simplesmente, porque de velhos trapos se tratava, foram usados em tarefas menos nobres a limpeza do chão, o remendar de alguma manta ou ofertados a quem lhes poderia continuar a dar uso algum pobre de pedir que à porta passasse. Provavelmente foram motivos semelhantes aos atrás expostos os que fizeram com que não tivéssemos encontrado nenhuma peça bordada em Guimarães em período anterior ao século XIX. Mas, se não existe nenhum exemplar bordado, há pelo menos alguma referência documental ao que hoje designamos como bordado de Guimarães? Não, não há. Até porque, como constataremos de seguida, o «bordado de Guimarães» parece só começar a ganhar alma no final do século XIX, início do século XX. É só nessa altura que encontramos as suas raízes. Quer-nos parecer, e o tema é desenvolvido no texto que se segue, da autoria de Maria José Meireles, que o bordado de Guimarães entronca no que designamos por «bordado rico», ou seja, um bordado executado a linha branca normalmente sobre pano de linho cru e fino, por vezes de origem estrangeira, e no qual são utilizados diversos pontos minuciosa e delicadamente bordados por mãos femininas bem treinadas. O termo «bordado rico» é usado ainda hoje pelas bordadeiras vimaranenses, querendo com ele fazer a destrinça entre o bordado atrás descrito o «bordado rico», e o bordado popular, executado pelo povo e para o povo. Este «bordado rico» português, em que eram feitos os bragais das jovens casadoiras da burguesia e da nobreza endinheirada oitocentista, fazia-se e usava-se em todo o País, talvez com sentidas influências dos bordados de outros países europeus. No entanto, até ao momento, está por fazer a história geral deste bordado rico português, a branco 3 os locais de produção, os modelos utilizados O bordado rico, executado por senhoras vimaranenses e destinado a ornamentar principalmente roupa de cama e roupa interior, esteve presente na Exposição Industrial de Guimarães, que decorreu na cidade, em 1884, e que é documentalmente referido em diversos textos (RELA- TÓRIO, 1991: 48-50; ; ; 231). Mas, naquela exposição não foram expostas peças usadas pelo povo a camisa do lavrador, a camisa e o colete de «rabichos» (também designados «rabos») da lavradeira. Na exposição industrial apareceu apenas o «bordado rico», e, é a este e aos seus pontos que julgamos ter o «bordado de Guimarães» ido beber influências. Na sua origem documentada, que podemos situar no final do século XIX início do século XX, o bordado de soil from the 10 th century 1, but we have to wait for the end of the 19 th century until we find the first documentary reference for embroidery made on Guimarães soil (RELATÓRIO, 1991: 48-50; ; ; 231). Would embroidery not have been made in Guimarães before that date? It is probable that it was, but the documents tell us little. If little is known about the embroidery carried out by women in Guimarães before the last quarter of the 19 th century, it is also true that we know very little about who embroidered what, where and how in the rest of the country. What has survived from previous centuries are generally pieces of civilian clothing, mainly religious vestments, usually richly embroidered and executed by national or foreign master-weavers. Few vestiges have survived either of civilian clothing worn by the people and the less well-off town dwellers, or of the domestic clothing worn by them at home. If these textiles had survived in larger quantity, they could have given us a better idea of what was the embroidery of those times that occupied the hands of women from various different social classes. Fabrics are highly perishable continually being worn and even when old, ragged and threadbare transformed into other objects for other uses. It is frequent to hear of curtains turned into dresses, of adults dresses made into children s clothes 2, of old skirts that end up as cloths for various purposes. It was also habitual, and a habit which lasted until the last century among the rural inhabitants of the Minho, that the wedding clothes, which were commonly the best clothes that the agricultural classes possessed, served to take them to their grave (SAMPAIO, 1986: 23-25). For this reason, few day-to-day textiles have survived to our times: either because they were reused; or because they accompanied their owner to the grave; or simply, because they were old rags, were used in less noble tasks for cleaning the floor, repairing some blanket or offered to someone who could continue to use them some pauper begging at the door. It was probably for these reasons that no piece of embroidery from Guimarães dating prior to the 19 th century has been found. If there isn t any specimen of embroidery, is there at least some documentary reference to what today we call Guimarães embroidery? No, there isn t. As we will be established later, Guimarães embroidery seems to gain visibility at the end of the 19 th century and the beginning of the 20 th. We can only detect its origins at that time. It appears, and the theme is developed by Maria José Meireles in the text that follows, that the embroidery of Guimarães stems from what is designated as «bordado rico» (rich embroidery), that is to say, an embroidery executed in white thread usually on either coarse or fine linen cloth,

10 10 BORDADO DE GUIMARÃES Guimarães, que nestes seus primórdios talvez fosse preferível designar por «bordado popular de Guimarães» vai ser utilizado principalmente no traje do povo. Vai ornamentar a camisa de linho do lavrador, numa zona muito específica, o peitilho, bordado profusamente à cor branca, e complementado pela utilização da cor vermelha no nome bordado na ratoeira ou tabuleta (n.º cat. 13). Por vezes, o nome bordado na tabuleta era-o não em bordado de Guimarães mas geralmente em ponto de cruz. (n.º cat. 11). O Bordado popular de Guimarães vai também ornamentar quer a camisa da mulher rural usando maioritariamente a cor branca, mas podendo também ser bordado, no peitilho, a branco (a maior parte do bordado) e a vermelho (um ou outro motivo) quer o seu colete de rabos, usando-se nele, isoladamente, as cores vermelho, ou azul, ou preta. Neste bordado, que como vemos podia ser por vezes bordado a duas cores (no caso das camisas), eram usadas as cores branca, bege, vermelha, azul e preta 4 (cor usada na colete de rabos caso a mulher fosse viúva), de belo efeito decorativo mas sem grande rigor de execução, utilizando pontos do dito «bordado rico» e preenchendo, por vezes, quase completamente o tecido. Haveria este bordado antes do final do século XIX, início do século XX? Desconhecemos. Como já atrás referimos o bordado popular vimaranense anterior ao final do século XIX não chegou até nós. Ao serviço de classes sociais de menores recursos, o traje bordado, a existir, foi usado enquanto foi possível e, em muitos casos, acompanhou o seu dono até à tumba. Por outro lado, quer-nos parecer que o bordado popular de Guimarães, no qual entronca directamente o «bordado de Guimarães», deve ter surgido com a vulgarização da linha de algodão, o que sucede na 2.ª metade do século XIX e corresponde à implementação da indústria têxtil em Guimarães. O algodão substitui, provavelmente, o bordado a lã 5, e isto, por vários motivos resiste muito melhor ao uso e conserva-se durante mais tempo. Utilizar-se-ia este bordado apenas no traje popular vimaranense ou seria ele também usado no traje rural dos concelhos em redor de Guimarães? Também para esta pergunta não temos resposta cabal, sendo certo que até ao momento não encontrámos referências documentais a este tipo de bordado popular vimaranense a linha de algodão nos concelhos mais próximos como Braga, Famalicão, Póvoa de Lanhoso ou Barcelos, apesar de conhecermos uma camisa de homem bordada com bordado de Guimarães numa colecção particular de Braga, mas sem que seja possível dizer qual a sua proveniência de fabrico ou de uso 6 (TRAJO, 2005: [21]). Talvez este sometimes of foreign origin, and on which various closely-worked stitches were delicately embroidered by welltrained feminine hands. The term «bordado rico» is still used today by Guimarães embroiderers wishing to make the contradistinction between the embroidery described as rich embroidery and popular embroidery executed by the people and for the people. This Portuguese rich embroidery from which the trousseaux of the young ladies of marriageable age among the 19 th century wealthy bourgeoisie and the nobility were made, was produced and used throughout the kingdom, with noticeable influences from the embroideries of other European countries. However a general history of this Portuguese whitework rich embroidery, the centres of production and the models used, has yet to be undertaken 3. Rich embroidery, executed by Guimarães ladies and mainly destined to ornament bed linen and underwear, was present at the Industrial Exhibition, held in the city of Guimarães in 1884, and documented in several texts (RELATÓRIO, 1991: 48-50; ; ; 231). However, in that exhibition pieces worn by the people the farm worker s shirt, or the peasant-woman s blouse and tailed waistcoat were not exhibited. Only rich embroidery appeared in the industrial exhibition and we consider Guimarães embroidery to have been derived from this. Given that we can place its origin at the end of the 19 th century and beginning of the 20 th century, Guimarães embroidery, perhaps better designated in its early stages as popular embroidery of Guimarães would have been applied mainly to the clothes of the people. It ornamented the linen shirt of the farm worker but in a very specific part. The shirt-front was profusely embroidered in white and complemented by the use of red in embroidering the name in the small panel reserved for the purpose know as the ratoeira (mousetrap) (Cat. n.º 13). The name in the reserve was not generally embroidered in the range of Guimarães embroidery stitches but in cross stitch. (Cat. n.º 11). Guimarães popular embroidery would also decorate the rural woman s blouse. Although white was the principal colour, the shirt-front could also be embroidered mainly in white with red for one motif or another. The same applied to the tailed waistcoat, on which red, blue, or black were used separately. Shirts were sometimes worked in two colours using white, beige, red, blue and black, the latter being used on tailed waistcoats when the woman was a widow 4. This embroidery, which at times almost completely covered the fabric, created a beautiful ornamental effect using stitches from the repertoire of rich embroidery but without great rigor in its execution.

11 BORDADO DE GUIMARÃES 11 Toalha de mesa, pormenor Séc. XX, 2º quartel Table cloth, detail 2 nd quarter of 20 th century modo de bordar a camisa do homem, e a camisa 7 e o colete de rabos da mulher fosse também utilizado, por exemplo, em Felgueiras, cujo território e cujas gentes estão desde há muitos anos ligados à cidade vimaranense e que sabemos produzirem, desde as primeiras décadas do século XX, o bordado de Guimarães (GERALDES, 1913: 24). Quanto mais não seja, é difícil espartilhar um tipo de bordado dentro de fronteiras criadas de modo administrativo. O mais certo é que o bordado que hoje designamos We do not know if this embroidery had existed before the end of the 19 th or beginning of the 20 th century. As has been mentioned before, none of the popular Guimarães embroidery prior to the end of the 19 th century has survived to our days. To whatever extent they had existed, the embroidered garments in the service of social classes with fewer resources were worn as long as possible and, in many cases, accompanied their owner to the grave. It appears that popular Guimarães embroidery, from which Guimarães embroidery directly stems, must have appeared with the spread of cotton thread that occurred in the second half of the 19 th century and coincides with the establishment of the textile industry in Guimarães. Most probably cotton thread substituted wool 5 in embroidery and being more resistant, lasted longer. Were these embroidered garments only worn in Guimarães or would they also have been worn as part of the rural attire of the neighbouring boroughs? We don t have an exact answer for this question either, since up to the present we don t have any documentary references to this type of popular Guimarães embroidery using cotton thread in the boroughs closest to Guimarães, such as Braga, Famalicão, Póvoa de Lanhoso or Barcelos. Although we know of a man s shirt embroidered with Guimarães embroidery in a private collection from Braga, it is impossible to determine the provenance of its manufacture or use 6 (TRAJO, 2005: [21]). It is possible that the embroidered labourer s shirt, and the woman s blouse and tailed waistcoat were also worn in Felgueiras, for example, whose territory and people have for a long time been related to the city of Guimarães and where we know Guimarães embroidery was produced from the first decades of the 20 th century (GERALDES, 1913: 24). In addition it is difficult to confine a type of embroidery within borders created for purely administrative purposes. What is certain, however, is that the embroidery, designated nowadays as Guimarães embroidery, corresponded to the prevailing fashion in the dress of an area at a particular time, and to the personal taste of those who wore it. Although it is safe to affirm that Guimarães embroidery was produced in the borough of Guimarães, it is not safe to say that it was limited to these confines. The more a product is valued because it is the fashion or because of a favourable ratio of quality to price, or due to factor relating to use/ergonomics the greater its area of influence. Other questions should be asked, however. Was Guimarães embroidery only applied to the man s shirt, the woman s blouse and tailed waistcoat? Would it not also be used to embroider other pieces? Again the documents and the trousseaux are silent, or almost. Manuel de Melo Nunes Geraldes, in 1913, refers the production of Guimarães

12

13 BORDADO DE GUIMARÃES 13 BORDADOS DE GUIMARÃES 13 Camisa de homem, pormenor Século XX, 1º quartel Man s shirt, detail 1 st quarter of 20 th century Camisa de homem, pormenor Século XX, 1º quartel Man s shirt, detail 1 st quarter of 20 th century Camisa de homem, pormenor Século XX, 1º quartel Man s shirt, detail 1 st quarter of 20 th century por bordado de Guimarães correspondesse ao gosto de uma região, de uma época, à moda no trajar e ao gosto pessoal de quem o usava. Por isso, se bem que seja seguro afirmar que o bordado de Guimarães se produzia no concelho de Guimarães, não é seguro dizer que a ele se confinava. Quanto mais valorizado é um produto ou porque é moda, ou porque é interessante a sua relação qualidade preço, ou porque é interessante a relação uso/ergonomia, maior é a sua área de influência. Mas outras perguntas deverão ser feitas. O bordado de Guimarães apenas se aplicaria na camisa do homem, e na camisa e no colete de rabos da mulher? Não seria também utilizado para bordar outras peças? De novo os documentos e os bragais são mudos, ou quase mudos. Manuel de Melo Nunes Geraldes, em 1913, refere a produção do «bordado de Guimarães», a recheio e a crivo em Vila Cova da Lixa, Vila Fria e «sobretudo em Figueiró da Lixa, concelho de Felgueiras, precisando que aí faziam «o serviço completo de quarto (um lençol, uma toalha de rosto e quatro travesseiros), quer bordado em recheio, quer em crivo, trabalho que leva, termo médio, quinze dias a fazer» (GERALDES, 1913: 25). De facto, a primeira referência conhecida ao termo «bordado de Guimarães» surge em 1913, no livro do autor acima citado (GERALDES, 1913: 24). Mas, será que ele chama bordado de Guimarães ao bordado que encontramos nas camisas de lavrador e nas camisas e nos coletes de rabichos da mulher? Alguns anos passaram, até que no livro «Guimarães: o labor da grei», publicação vinda a lume apenas em 1928, mas que se intitula «comemorativa da Exposição Industrial e Agrícola Concelhia realizada em Agosto de 1923», se volta a referir, sem contudo os designar como bordados de Guimarães, os «coletes de rabichos» das mulheres, em linho ou pano cru, bordados a linha «azul e vermelha» satin-stitch and drawn thread embroidery in Vila Cova da Lixa, Vila Fria and above all in Figueiró da Lixa, in the borough of Felgueiras, stating more exactly that they made the complete bedroom set (bed sheets, face towel and four pillows cases), embroidered both with satin stitch and drawn thread work, that takes, on average, fifteen days to complete (GERALDES, 1913: 25). Indeed, the first well-known reference to the term Guimarães embroidery appears in 1913, in the book by above mentioned author (GERALDES, 1913: 24). However, when he used the term Guimarães embroidery was he referring to the embroidery that can be found on the countryman s shirts 7, woman s blouses and tailed waistcoats? Some years later, the book entitled «Guimarães: O Labor da Grei» published in 1928, but commemorating the Borough Industrial and Agricultural Exhibition of August 1923, referred once more to the women s tailed waistcoats, in linen or tow, embroidered in blue and red and the embroidered men s linen shirts, having a reserve on the chest for embroidering the name in red thread but without designating them as Guimarães embroideries. This publication has the advantage of showing us, the first well-known illustrations of a woman s tailed waistcoat and of a man shirt, drawn by Luís de Pina and dating from 1926 (BRAGA, 1928: ). It is in the 1940 s that Guimarães embroidery begins to attract the attention of specialists like A. L. de Carvalho, who dedicates various pages to Guimarães embroidery, referring to both satin stitch embroidery and drawn thread work, accompanied by several drawings (CARVALHO, 1941: ). Guimarães embroidery begins to gain fame and various authors start to refer to it: Alfredo Guimarães, in 1940, without however designating it as such (GUIMARÃES, 1940: 5-15); Calvet de Magalhães, in 1956, who includes in Guimarães embroidery: padded satin stitch, bullion knot and drawn

14 14 BORDADO DE GUIMARÃES e as camisas dos homens, de linho, bordadas, «tendo ao fundo do peito a tabuleta do nome, bordada a linha vermelha». Esta publicação tem a vantagem de nos mostrar, as primeiras ilustrações conhecidas, datadas de 1926, de um colete de rabichos de mulher e de uma camisa de homem, da autoria de Luís de Pina (BRAGA, 1928: ). Mas, é na década de 40 do século XX que o «bordado de Guimarães» começa a merecer a atenção de estudiosos como A. L. de Carvalho, o qual dedica aos «bordados de Guimarães» várias páginas, referindo quer os bordados «em cheio» quer «em crivo», e apresentando diversos desenhos (CARVALHO, 1941: ). O bordado de Guimarães começa a ganhar nome e a ele se passam a referir vários autores: Alfredo Guimarães, em 1940, sem contudo o designar como tal (GUIMA- RÃES, 1940: 5-15); Calvet de Magalhães, em 1956, que inclui no «bordado de Guimarães»: o bordado de crivo, o de canutilho, e o cheio 8 (MAGALHÃES, 1956: ); e Clementina Carneiro de Moura, em 1961 (MOURA, 1961: 40-41). Esta autora informa que «os bordados apareceram no mercado não há muitos anos, mas a indústria local encontra-se em pleno desenvolvimento, o que é a prova de bom acolhimento que o público lhes faz. Actualmente estes bordados aparecem alguns só em branco; outros em cru e ainda outros em cinzento, todos eles de efeito discreto e agradável» (MOURA, 1961: 40-41). Esta é a primeira e única autora que conhecemos a referir a utilização do cinzento no bordado de Guimarães. É de facto entre as décadas de 40 e 60 do século XX, depois de artigos como o de A. L. de Carvalho e de Maria Clementina de Moura, e da aprendizagem teórico-prática feita pelas alunas da Escola Industrial e Comercial de Guimarães no curso de Formação Feminina, no final dos anos 50, que se principia a teorização e a estabelecimento de normas para a execução do bordado de Guimarães. Começa nessa altura a buscar-se as características do bordado de Guimarães, a teorizar uma arte que era do povo e ao povo servia. É então que se lhe pesquisam tanto os motivos e os pontos que o caracterizam como aquilo que o torna diferente de outros bordados, por exemplo, do bordado de Viana. É, de facto, uma época em que, em Portugal, se procura sintetizar o que se entende ser a «arte popular» de cada localidade ou região o galo de Barcelos, o bordado de Viana do Castelo, as rendas de Vila do Conde, o bordado de Guimarães. É também importante referir que, as senhoras das elites vimaranenses começam a utilizar o bordado de Guimarães para decorar as suas casas de campo. E é interessante verificar como estas estabelecem uma divisão clara entre o que se usa na casa da cidade (o bordado rico) e o que thread work 8 (MAGALHÃES, 1956: ); and Clementina Carneiro de Moura, in 1961 (MOURA, 1961: 40-41). This author informs us that the embroideries appeared on the market not many years ago, but the local industry is in full development, which is the proof that it is well received by the public. Currently these embroideries appear some only in white, some natural and others in grey, all them of discreet and of pleasant effect (MOURA, 1961: 40-41). This is the first and only author that we knew of who refers to the use of grey in Guimarães embroidery. It is in fact between 1940 and 1960, after the articles by A. L. de Carvalho and Maria Clementina de Moura, as well as the theoretical-practical course taken by the students of the Escola Industrial e Comercial de Guimarães in the course in Female Skills at the end of the fifties, that the theoretical base was established for Guimarães embroidery, along with standards for its execution. The study of the characteristics of Guimarães embroidery began at this time, theorizing an art that arose from the people and served the people. It was then that both the motifs and the stitches that characterize it were examined, as well as that which differentiates it from other embroideries, for example that of Viana. It was indeed a time in Portugal when an attempt was made to synthesize what one understands as the popular art of each place or region the rooster of Barcelos, the embroidery of Viana do Castelo, the lace of Vila do Conde, Guimarães embroidery. It is also important to notice that the ladies of the Guimarães elite began to use Guimarães embroidery to decorate their country houses. It is interesting to verify how they established a clear division between what was used in the city dwelling (rich embroidery) and what was used in the country house (Guimarães embroidery). This discriminate use rich embroidery in the city, and Guimarães embroidery in the country clearly shows how Guimarães embroidery had its origins in the popular Guimarães embroidery, and to verify that, when the embroidery begins to be worked and used by the elites, it remains in the rural sphere its is the preference for the country house. We say preferred because people like Mrs. Rita de Moura Machado used it as well to embroider dress shirts used on special occasions (Cat. n.º 28). There are some pieces described in the catalogue that document well that use of Guimarães embroidery in the country houses by the elite of the city a tablecloth (Cit.º 33) and two embroidered armchairs (Cat. n. os 36 and 37) from an estate in the outskirts of Guimarães, second dwelling of a well-known family resident in the city; as well as a man s shirt, expressly made to be worn on feast days (Cat. n.º 23).

15 BORDADO DE GUIMARÃES 15 Camisa de homem, pormenor Séc. XX, 2º quartel Man s shirt, detail 1 st quarter of 20 th century se usa na casa de campo (o bordado de Guimarães). Este uso descriminado bordado rico na cidade, e bordado de Guimarães na casa de campo, permite enxergar claramente como o bordado de Guimarães tem de facto as suas origens no bordado popular vimaranense, e verificar que, mesmo quando o bordado começa a ser feito e usado pelas elites, se mantém ainda na esfera do rural o seu uso é, preferencialmente, na casa de campo. Dizemos preferencialmente porque pessoas como a Sr.ª Dona Rita de Moura Machado utilizam-no para bordar camisas de «toilette», usadas em ocasiões especiais (n.º cat. 28). No catálogo descrevem-se algumas peças que documentam bem esse uso do bordado de Guimarães nas casas de campo das elites da cidade trata-se de uma toalha de mesa (n.º cat. 33) e dois sofás bordados (n. os cat. 36 e 37) que se encontram numa quinta dos arredores de Guimarães, segunda habitação de uma conhecida família residente na cidade vimaranense; bem como uma camisa de homem feita propositadamente para usar numa festa (n.º cat. 23). Este chamar de atenção para o bordado de Guimarães, que acontece, com atrás dissemos, entre os anos 40 e 60 do século XX, é continuado, depois do 25 de Abril, com a criação dos primeiros cursos sobre bordado de Guimarães. O primeiro acontece em 1989/91 e as alunas que o frequentaram aprenderam vários tipos de bordado; o segundo, acontece em 1996/97, e as alunas aprenderam apenas a fazer o bordado de Guimarães. Ambos os cursos foram ministrados por antigas alunas do curso feminino da Escola Francisco de Holanda as professoras Donas Maria Amélia Ferreira Miranda e Maria do Céu Oliveira Freitas. Destes cursos saíram algumas das bordadeiras que ainda hoje se dedicam a fazer e a vender bordado de Guimarães: as Sr. as Donas Maria do Rosário Ribeiro, Maria da Conceição Miranda Ferreira, Maria Isabel Vales Oliveira e Adélia Maria Pinto. Foi nesta evolução decorrida ao longo de vários decénios do século XX de bordado popular a bordado de Guimarães, de bordado usado pelo povo a bordado usado pela burguesia, que o bordado de Guimarães chegou até nós. Hoje, o bordado de Guimarães que estamos a tratar de certificar, se bem que utilize o mesmo mapa de pontos que caracterizava o bordado de meados do século XX, que tenha na mesma como suporte um pano de linho e que utilize praticamente a mesma gama de cores do fio, apresenta, no entanto, diferenças que convém assinalar. O bordado de Guimarães tem hoje uma formosura e uma harmonia que não tinha antigamente. Hoje, exige- -se às bordadeiras uma perfeição nos pontos e no As previously stated, Guimarães embroidery became a focus of attention between 1940 and 60, which continued after the 25 th of April 1974 (democratic revolution) with the creation of the first embroidery courses in Guimarães. The first took place in 1989/91, and the students who took it learned various types of embroidery. The second course, in 1996/97, only taught the students how to do Guimarães embroidery. Both courses were given by former students of the course in female arts at the Escola Industrial e Comercial de Guimarães the teachers Maria Amélia Ferreira Miranda and Maria do Céu Oliveira Freitas. Some of the embroiderers from these courses are still dedicated to producing and selling Guimarães embroidery: Maria do Rosário Ribeiro, Maria da Conceição Miranda Ferreira, Maria Isabel Vales Oliveira, and Adélia Maria Pinto. It is in this line of evolution that took place over many decades of the 20 th century from popular embroidery to Guimarães embroidery, from embroidery used by the people to embroidery used by the bourgeoisie that Guimarães embroidery has been handed down to us. Although Guimarães embroidery, whose certification is being negotiated, still uses the same range of stitches

16

17 BORDADO DE GUIMARÃES 17 Vestido de noiva, pormenor 2001 Wedding dress, detail 2001 acabamento que os trabalhos populares mais arcaicos não possuíam. Hoje, o bordado de Guimarães não enche por completo o campo em que se insere, pois deixou de ter como característica o «horror ao vazio» de que fala Maria José Meireles e que caracterizava o bordado popular de Guimarães. Hoje há uma perfeita simetria nos motivos bordados e privilegiam-se os motivos menos cheios, o que confere ao trabalho uma maior leveza. O actual bordado de Guimarães faz lembrar mais o bordado rico vimaranense da segunda metade do século XIX na perfeição de execução, na minúcia e leveza do desenho do que o bordado popular onde entronca. E isto deve-se, em nosso entender, ao facto de possuir hoje em dia uma finalidade e destinatários bem diferentes. De facto, actualmente, o bordado de Guimarães já não serve para bordar camisas de lavradores e coletes de rabos, pois já não há mais quem os use 9. Hoje, o bordado vimaranense serve para bordar: toalhas de mesa, camilhas, naperões, panos de tabuleiro, lenços de namorados (agora tão em voga) e muitas outras peças que aformoseiam o lar de cada um, ou melhor dito, o lar de quem aprecia bordados de qualidade e tem poder económico para os pagar. Hoje, o bordado de Guimarães, ao contrário do bordado popular em que entronca, também não é feito pelo povo e para o povo. De facto, passou a ser executado por bordadeiras, algumas das quais receberam formação profissional, às quais se exige rigor e perfeição nas técnicas usadas, o que leva a que o bordado demore mais tempo a executar, tornando-o necessariamente mais caro, e logo não acessível a todas as bolsas. É um «bordado rico», destinado a quem tem posses para o adquirir. Não é um bem necessário, é sim, um luxo a que alguns conseguem ter acesso. Também sabemos que o «bordado de Guimarães» extravasa as fronteiras concelhias e é produzido, em quantidade não despicienda no concelho de Felgueiras 10. Nada que espante. Com outros produtos tem sucedido fenómeno semelhante: o artefacto produzido numa região mais vasta, adquire o nome de um local mais conhecido por todos e onde é mais comercializado (assim sucede com o Vinho do Porto ou com a alheira de Mirandela). Guimarães é terra de pergaminhos, terra de indústria, terra de comércio, terra rica, por isso, não se pode estranhar que, quando por motivos da industrialização oitocentista, as mulheres do mundo rural vimaranense começam a empregar-se nas fábricas, os comerciantes de Guimarães se virem para terras mais distantes e mais rurais várias freguesias do concelho de Felgueiras para encontrarem a mão-de-obra de que necessitavam para produzir o bordado de Guimarães, que possuía um and colourways that characterized the embroidery of the mid 20 th century and continues to have linen cloth as the base fabric, it presents differences that are worth noting. Today, Guimarães embroidery has a beauty and a harmony that it didn t formerly posses. Today, perfection in the stitches and in the finish is expected of the embroiderers, which the more archaic popular works didn t have. Today, Guimarães embroidery doesn t completely fill the ground, unlike the aversion to emptiness which characterized Guimarães popular embroidery, and is mentioned by Maria José Meireles. Today there is a perfect symmetry in the motifs embroidered, with preference going to the less heavily worked motifs, imparting a greater lightness. Currently Guimarães embroidery is more reminiscent of the rich embroidery of the second half of the 19 th century in the perfection of its execution, in the minutiae and lightness of the design than the popular embroidery from which it stems. And this is due, in our understanding, to the fact that nowadays it has a very different purpose and public. Indeed Guimarães embroidery no longer serves to embroider the shirts and tailed waistcoats of the agricultural classes because they are no longer worn 9. Today, Guimarães embroidery serves to decorate tablecloths, valances, napkins, doilies, sweetheart s handkerchiefs (now so much in vogue) and many other pieces that embellish the home, or at least, the home of those who appreciate quality embroideries and have the purchase power to buy them. Furthermore, Guimarães embroidery today, unlike the popular embroidery from which it stems, is not made by the people, for the people. In fact, it is executed by embroiderers, some of whom have received professional training, from whom technical rigor and perfection is expected. This means that the embroidery takes more time to execute, necessarily making it more expensive and less accessible to all purses. It is rich embroidery destined to those who have the means to acquire it. It is not a necessity, it is a luxury to which only some have access. We also know that Guimarães embroidery overflows the borough limits and is produced in not insignificant quantities in the Borough of Felgueiras 10. It is hardly surprising since a similar phenomenon has happened with other products. In a similar process as that which occurred with Port Wine or Mirandela sausage, the artefact produced in a wider area is generally known by the name of the principal market where it is sold. We should not find it strange, given that Guimarães is a wealthy territory, abounding in industry and trade, that during the industrialization of the 19 th century, the women of rural Guimarães should begin to work in the factories.

18 mercado de venda consolidado Porto, Lisboa e outros mercados ricos do País. Já em 1913, Manuel de Melo Nunes Geraldes atenta nessa produção executada no concelho de Felgueiras: «Muito naturalmente perguntamos a nós próprios, porque se localizaria esta indústria nesta região tão pobre e retirada, que é Figueiró da Lixa. Achamos a resposta provável na vinda para aí de vimaranenses conhecedores desse género de trabalhos, e que, pelas menores exigências do meio, começaram de produzir mais barato, e como consequência a deslocação da indústria de Guimarães para ali» (GERALDES, 1913: 26). Deixou, por isto que atrás se indica, de ser este bordado, «bordado de Guimarães»? Não, de maneira nenhuma! Como tudo na vida, o bordado de Guimarães foi-se adaptando a novos usos e a nova clientela. Tudo na vida se transforma, já o dizia Luís de Camões: «Mudam-se os tempos, / mudam- -se as vontades, / muda-se o ser, muda-se a confiança; / As a consequence the Guimarães merchants, who sold their goods in Porto and Lisbon or other such prosperous markets throughout the country, turned to more remote rural areas various parishes of the Borough of Felgueiras where they found the labour needed to produce Guimarães embroidery. In 1913, Manuel de Melo Nunes Geraldes already referred to the production undertaken in the Borough of Felgueiras: Naturally we ask ourselves why this industry should be located in such a poor and remote area, such as Figueiró da Lixa. We found the probable answer in the arrival of Guimarães experts in that style of work, who, due to the lower expectations of this milieu, could produce more cheaply. As a consequence the industry relocated there from Guimarães (GERALDES, 1913: 26). Does the above cited reason imply that this embroidery ceases to be Guimarães embroidery? No, not in the least! As everything in life, Guimarães embroidery adapted to new uses and a new clientele. Everything in life changes, Toalha de mesa, pormenor Séc. XX, década de 60 Table cloth, detail 1960 s

19 BORDADO DE GUIMARÃES 19 todo o mundo é composto de mudança, / tomando sempre novas qualidades» (CAMÕES, 1980, II: 257) O bordado que hoje se produz em Guimarães, mas também em Felgueiras, é a evolução do bordado popular usado nos trajes rurais vimaranenses, desde pelo menos o final do século XIX, início do século XX, e que por sua vez foi influenciado pelo bordado rico oitocentista. Hoje, o bordado de Guimarães tem características bem definidas nos materiais (linho e linha), nos motivos, na gama de pontos utilizados, nas cores usadas isoladamente (branco, bege, azul, vermelho e cinzento), na perfeição do desenho e da execução e um mercado seguro que se pretende venha a ser alargado. O bordado de Guimarães tem um passado recente e um futuro que se prevê auspicioso. Ajudemos todos a preservá-lo e a divulgá-lo! as Luís de Camões said: all the world is composed of change, always adopting new qualities (CAMÕES, 1980, II: 257). The embroidery produced in Guimarães today, and in Felgueiras as well, is the evolution of the popular embroidery used on rural attire from the Guimarães district at least from the end of the 19 th century and beginning of the 20 th century, which in turn had been influenced by 19 th century rich embroidery. Today Guimarães embroidery, has very defined characteristics in the materials used (linen and thread), in the motifs, in the range of stitches applied, in the colours used separately (white, beige, blue, red and grey), in the perfection and execution of the design. It also has a secure market, although one that we hope to enlarge. While Guimarães embroidery has a recent past, we foresee an auspicious future. Let us help to preserve it and to disseminate it! 1 Ver as referências documentais encontradas em solo vimaranense e que referem tecidos bordados no texto de Maria José Meireles incluído neste catálogo. 2 Vale a pena passar os olhos sobre o Inventário da Infanta D. Beatriz, mãe de D. Manuel, datado de No seu testamento percebe-se nitidamente a reutilização de certas peças (cortina de ouvir missa, guarda-portas, frontal de oratório) para fazer vestes ou outras peças. E, mesmo as peças que a Infanta trazia a seu uso são dadas a outras mulheres que as vão continuar a usar. Morre a dona, mas a peça de vestuário não morre, passando sim para outras mãos (FREIRE, 1914). 3 Conhece-se bem alguns dos bordados regionais portugueses, como, por exemplo, o bordado da Madeira, o bordado de Tibaldinho, mas a história geral do bordado português ainda está por fazer. 4 O preto parece ser a cor usada no colete de rabos caso a mulher fosse viúva. Diga-se também que, apesar de Alfredo Guimarães referir os coletes de rabo bordados a preto e a vermelho, quer- -nos parecer que a cor usada era mais um castanho-escuro. Assim se refere Alfredo Guimarães ao colete de rabos: «colete de rabos do mesmo tecido, quase completamente bordado a preto e vermelho, com silvas, rosas, aves, corações e o nome e sobrenome da proprietária» (GUIMARÃES, 1940: 14). Também havia coletes de rabo bordados a azul. A eles se refere Alberto Vieira Braga: «coletes de rabichos, em linho ou pano cru, com enconchados, a toda a volta, a fita de lã, de várias cores, e bordados a ponto de marca, a linha azul ou vermelha, com desenhos em forma de silva, e o nome à volta, ou também bordados a sutache preto» (BRAGA, 1928: 133). 5 Façamos um parêntesis para falar sobre a lã. No século XIX a lã era bastante usada para tecer e bordar. De facto, antigamente 1 See the documentary references found in Guimarães referring to embroidered textiles in the text included in this catalogue by Maria José Meireles. 2 It is worth looking at the Inventory of the Crown Princess D. Beatriz, mother of D. Manuel, dating from In her will the reutilization of certain pieces (curtain for hearing mass, door hangings, altar frontal) to make clothes and other articles is clearly apparent. Even the pieces that the Infanta wore personally were given to other women who would continue to wear them. The owner died but the article of clothing lived on. (FREIRE, 1914) 3 Some regional Portuguese embroidery is well known, as for example the embroidery of Madeira or of Tibaldinho, but in general terms the history of Portuguese embroidery is still to be written. 4 Black seems to be the colour used on tailed waistcoats when a woman was a widow. It should also be said that, despite Alfredo Guimarães s references to tailed waistcoats embroidered in black and red, it appears to us that the colour used was closer to a dark brown. Alfredo Guimarães refers to the tailed waistcoat in these words: tailed waistcoat of the same fabric, almost completely embroidered in black and red, with brambles, roses, birds, hearts and the surname of the owner (GUIMARÃES, 1940: 14). There were also tailed waistcoats embroidered in blue. Of them Alberto Vieira Braga wrote: waistcoat with little tails, in linen or raw cloth, cockled all around with woollen ribbon of various colours and embroidered in blue or red thread, with designs in the form of brambles around; the name also embroidered or worked in black braid (BRAGA, 1928: 133). 5 Allow me to speak a moment about wool. In the 20th century wool was extensively used to weave and embroider. In fact, formerly flocks of sheep existed in larger quantities, mainly in

20 20 BORDADO DE GUIMARÃES os rebanhos existiam em maior quantidade, principalmente nas regiões mais altas, e a lã era usada no traje do povo e no bragal das casas. Lembremos o já citado Relatório da Exposição de 1884, onde se explica que a indústria da lã não foi «incluída no catálogo, organizado oito dias antes da abertura da exposição, porque se ignorava nesse tempo que no concelho se fabricasse tal espécie de tecidos. Foi somente na véspera que se receberam os espécimes que lá se encontraram; 2 aventais e 2 cobertas. A urdidura é feita a fio de linho tingido, sobre o qual se levantam em alto-relevo vários ornatos a lã de cores. Estes tecidos preparam-se em muito pequena escala na freguesia de Santa Marinha de Arosa» tendo sido «urdidas com linho da terra fiado em casa e tecidas com lã produzida naquela freguesia, fiada lá, e tingida em Guimarães» (RELATÓRIO, 1991: 52). Também, na Póvoa de Lanhoso, em 1913, em Simães e em Frades, se teciam no tear «cobertas de linho e lã, ou algodão e lã; a urdidura é de linho ou algodão e a trama de lã» (GERALDES, 1913: 20-21). Sirva também como exemplo sobre o bordar a lã os trajes e fotografias antigas apresentadas numa recente exposição organizada no Mosteiro de S. Martinho de Tibães (TRAJAR, 2005). Também em 1884, na Exposição Industrial: aparecem «reposteiro bordado a fio de lã», «almofadas bordadas a lã e a matiz», «um almofadão bordado a lã em alto relevo» (RELATÓRIO, 1991: 103 e 104). 6 Muito agradecemos ao Dr. José Ribeiro Pinto que nos permitiu ter acesso à camisa de lavrador cujo peitilho é bordado com bordado de Guimarães e da qual é proprietário. Os dados que possui sobre a peça, indicam ter esta pertencido a uma família de Braga. No entanto, esta família bracarense adquiriu-a, já usada, a terceiros. Por isso, é impossível determinar a sua origem de proveniência e de uso inicial. 7 Note-se que é muito pouco referido o bordado usado na camisa da mulher. No entanto, Alfredo Guimarães publica uma dessas «camisa bordada, de camponesa», onde se pode ver bordado de Guimarães no término da manga e no peitilho (GUIMARÃES, 1928: 8, fig. 8). Veja-se também uma camisa de mulher neste catálogo (n.º cat. 14). Chame-se ainda a atenção para o facto de a camisa da mulher ser, por vezes, bordada a duas cores: normalmente as mangas a branco e o peitilho a vermelho. 8 O bordado a canutilho não pode ser separado do que Calvet de Magalhães chama «os bordados com ponto cheio» (MAGA- LHÃES, 1956: 117). Ou seja, o bordado de Guimarães tem canutilho e cheio. 9 É certo que ainda hoje, os ranchos folclóricos vimaranenses fazem uso das camisas de lavradores e dos coletes de rabos, mas apenas como memória de tempos idos que não voltam mais. 10 Também a este propósito se aconselha a leitura do texto de Maria José Meireles inserido nesta publicação. the highest areas, and the wool was used in the people s clothes and in household linen. Let us remember that the already quoted Report of the Exhibition of 1884, explained that the woollen industry was not included in the catalogue, organized eight days before the opening of the exhibition, because it was not known at that time that such a species of fabric was manufactured in the borough. It was only on the eve of the exhibition that the specimens put on display were received; 2 aprons and 2 blankets. The warp is made of dyed linen thread, on which various patterns in coloured wool are raised in relief. These fabrics are prepared on a very small scale in the parish of Santa Marinha de Arosa having been warped with homespun linen at home and woven with wool produced in that parish, spun there, and dyed in Guimarães (RELATÒRIO, 1991: 52). also, in Póvoa de Lanhoso, in 1913, in Simães and in Frades, woollen blankets or blankets of wool and cotton were woven on the loom the warp being of linen or cotton and the weft of wool (GERALDES, 1913: 20-21). Further examples of embroidering in wool on garments and old photographs were presented in a recent exhibition organized in the Monastery of S. Martinho de Tibães (TRAJAR, 2005). In the Industrial Exhibition of 1884 there also appeared a wall hanging embroidered in woollen thread, embroidered cushions in wool and graded colours and a cushion embroidered in wool in raised stitch (RELATÓRIO, 1991: 103 and 104). 6 We wish to thank Dr. José Ribeiro Pinto who allowed us access to the countryman s shirt with embroidered breast panel in Guimarães embroidery of which he is the owner. The information he has regarding the piece indicate that it belonged to a family of Braga, although this family acquired it second hand from a third party. For this reason it is impossible to determine its origin and initial use. 7 The embroidery applied to woman s blouse is very rarely mentioned. However, Alfredo Guimarães published one of these embroidered countrywoman s blouse, where Guimarães embroidery can be seen at the end of the sleeves and on the breast panel (GUIMARÃES, 1928: 8, fig. 8). See also the woman s blouse in this catalogue (Cat. n.º 14). The fact that the woman s blouse is sometimes embroidered in two colours should also be noted: normally the sleeves in white and the breast panel in red. 8 Bullion knot embroidery cannot be separated from what Calvet de Magalhães calls satin stitch embroidery (MAGALHÃES, 1956: 117). That is to say that Guimarães embroidery has both bullion knot and padded satin stitch. 9 It is a fact that Guimarães folklore groups wear the countryman s shirt and tailed waistcoat, but only as a memorial to times gone by, never to return. 10 On this matter it is advisable to read the text by Maria José Meireles included in this publication.

Guião A. Descrição das actividades

Guião A. Descrição das actividades Proposta de Guião para uma Prova Grupo: Ponto de Encontro Disciplina: Inglês, Nível de Continuação, 11.º ano Domínio de Referência: Um Mundo de Muitas Culturas Duração da prova: 15 a 20 minutos 1.º MOMENTO

Leia mais

GUIÃO A. Ano: 9º Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho. 1º Momento. Intervenientes e Tempos. Descrição das actividades

GUIÃO A. Ano: 9º Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho. 1º Momento. Intervenientes e Tempos. Descrição das actividades Ano: 9º Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho GUIÃO A 1º Momento Intervenientes e Tempos Descrição das actividades Good morning / afternoon / evening, A and B. For about three minutes, I would like

Leia mais

Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese

Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese Portuguese Lesson A Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese Story Time is a program designed for students who have already taken high school or college courses or students who have completed other

Leia mais

Guião M. Descrição das actividades

Guião M. Descrição das actividades Proposta de Guião para uma Prova Grupo: Inovação Disciplina: Inglês, Nível de Continuação, 11.º ano Domínio de Referência: O Mundo do trabalho Duração da prova: 15 a 20 minutos 1.º MOMENTO Guião M Intervenientes

Leia mais

Conteúdo Programático Anual

Conteúdo Programático Anual INGLÊS 1º BIMESTRE 5ª série (6º ano) Capítulo 01 (Unit 1) What s your name? What; Is; My, you; This; Saudações e despedidas. Capítulo 2 (Unit 2) Who s that? Who; This, that; My, your, his, her; Is (afirmativo,

Leia mais

GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO

GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO PROJECTO PROVAS EXPERIMENTAIS DE EXPRESSÃO ORAL DE LÍNGUA ESTRANGEIRA - 2005-2006 Ensino Secundário - Inglês, 12º ano - Nível de Continuação 1 1º Momento GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO

Leia mais

Teoria Económica Clássica e Neoclássica

Teoria Económica Clássica e Neoclássica Teoria Económica Clássica e Neoclássica Nuno Martins Universidade dos Açores Jornadas de Estatística Regional 29 de Novembro, Angra do Heroísmo, Portugal Definição de ciência económica Teoria clássica:

Leia mais

In this lesson we will review essential material that was presented in Story Time Basic

In this lesson we will review essential material that was presented in Story Time Basic Portuguese Lesson 1 Welcome to Lesson 1 of Story Time for Portuguese Story Time is a program designed for students who have already taken high school or college courses or students who have completed other

Leia mais

Inglês. Guião. Teste Intermédio de Inglês. Parte IV Interação oral em pares. Teste Intermédio

Inglês. Guião. Teste Intermédio de Inglês. Parte IV Interação oral em pares. Teste Intermédio Teste Intermédio de Inglês Parte IV Interação oral em pares Teste Intermédio Inglês Guião Duração do Teste: 10 a 15 minutos De 25.02.2013 a 10.04.2013 9.º Ano de Escolaridade D TI de Inglês Página 1/ 7

Leia mais

A tangibilidade de um serviço de manutenção de elevadores

A tangibilidade de um serviço de manutenção de elevadores A tangibilidade de um serviço de manutenção de elevadores Tese de Mestrado em Gestão Integrada de Qualidade, Ambiente e Segurança Carlos Fernando Lopes Gomes INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS Fevereiro

Leia mais

ACFES MAIORES DE 23 ANOS INGLÊS. Prova-modelo. Instruções. Verifique se o exemplar da prova está completo, isto é, se termina com a palavra FIM.

ACFES MAIORES DE 23 ANOS INGLÊS. Prova-modelo. Instruções. Verifique se o exemplar da prova está completo, isto é, se termina com a palavra FIM. ACFES MAIORES DE 23 ANOS INGLÊS Prova-modelo Instruções Verifique se o exemplar da prova está completo, isto é, se termina com a palavra FIM. A prova é avaliada em 20 valores (200 pontos). A prova é composta

Leia mais

Descrição das actividades

Descrição das actividades Proposta de Guião para uma Prova Grupo: Em Acção Disciplina: Inglês, Nível de Continuação, 11.º ano Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho Duração da prova: 15 a 20 minutos Guião D 1.º MOMENTO Intervenientes

Leia mais

Preposições em Inglês: www.napontadalingua.hd1.com.br

Preposições em Inglês: www.napontadalingua.hd1.com.br Preposições na língua inglesa geralmente vem antes de substantivos (algumas vezes também na frente de verbos no gerúndio). Algumas vezes é algo difícil de se entender para os alunos de Inglês pois a tradução

Leia mais

Prova Escrita de Inglês

Prova Escrita de Inglês PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Inglês 6º Ano de Escolaridade Prova 06 / 2.ª Fase 7 Páginas Duração da Prova: 90 minutos. 2014 Prova 06/ 2.ª F.

Leia mais

Exercícios extras. Na aula de hoje, você deverá arregaçar as

Exercícios extras. Na aula de hoje, você deverá arregaçar as Exercícios extras Assunto do dia Na aula de hoje, você deverá arregaçar as mangas e entrar de cabeça nos exercícios extras, que têm como tema tudo que vimos nas aulas do Segundo Grau. Atenção: 3, 2, 1...

Leia mais

01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS

01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS 01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS OBS1: Adaptação didática (TRADUÇÃO PARA PORTUGUÊS) realizada pelo Prof. Dr. Alexandre Rosa dos Santos. OBS2: Textos extraídos do site: http://www.englishclub.com

Leia mais

BR-EMS MORTALITY AND SUVIVORSHIP LIFE TABLES BRAZILIAN LIFE INSURANCE AND PENSIONS MARKET

BR-EMS MORTALITY AND SUVIVORSHIP LIFE TABLES BRAZILIAN LIFE INSURANCE AND PENSIONS MARKET BR-EMS MORTALITY AND SUVIVORSHIP LIFE TABLES BRAZILIAN LIFE INSURANCE AND PENSIONS MARKET 2015 1 e-mail:mario@labma.ufrj.br Tables BR-EMS, mortality experience of the Brazilian Insurance Market, were constructed,

Leia mais

ESTRUTURA DE CAPITAL: UMA ANÁLISE EM EMPRESAS SEGURADORAS

ESTRUTURA DE CAPITAL: UMA ANÁLISE EM EMPRESAS SEGURADORAS ESTRUTURA DE CAPITAL: UMA ANÁLISE EM EMPRESAS SEGURADORAS THE CAPITAL STRUCTURE: AN ANALYSE ON INSURANCE COMPANIES FREDERIKE MONIKA BUDINER METTE MARCO ANTÔNIO DOS SANTOS MARTINS PAULA FERNANDA BUTZEN

Leia mais

3 o ANO ENSINO MÉDIO. Prof. a Christiane Mourão Prof. a Cláudia Borges

3 o ANO ENSINO MÉDIO. Prof. a Christiane Mourão Prof. a Cláudia Borges 3 o ANO ENSINO MÉDIO Prof. a Christiane Mourão Prof. a Cláudia Borges Avaliação da unidade III Pontuação: 7,5 pontos 2 LEIA O TEXTO A SEGUIR E RESPONDA AS QUESTÕES 1 E 2. Does the color red really make

Leia mais

[E F@BULATIONS / E F@BULAÇÕES

[E F@BULATIONS / E F@BULAÇÕES EXPOSIÇÃO BONECAS EXHIBITION DOLLS 6 A BONECA ANTIGA FRANCESA SÉC. XIX Maria João Pires Faculdade de Letras Universidade do Porto Apesar de o coleccionismo de bonecas se ter desenvolvido logo no século

Leia mais

Bem-vindo ao Inspector Stone uma produção da BBC Learning. Vamos começar o espetáculo.

Bem-vindo ao Inspector Stone uma produção da BBC Learning. Vamos começar o espetáculo. The case of the missing ring Script: part three A transcrição abaixo não é uma cópia fiel do áudio. Apresentadora: Bem-vindo ao Inspector Stone uma produção da BBC Learning English. Série 1 o caso da aliança

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO JOÃO FÁBIO PORTO. Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO JOÃO FÁBIO PORTO. Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO JOÃO FÁBIO PORTO Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática São Paulo 2010 JOÃO FÁBIO PORTO Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática

Leia mais

WWW.ADINOEL.COM Adinoél Sebastião /// Inglês Tradução Livre 75/2013

WWW.ADINOEL.COM Adinoél Sebastião /// Inglês Tradução Livre 75/2013 PASSO A PASSO DO DYNO Ao final desse passo a passo você terá o texto quase todo traduzido. Passo 1 Marque no texto as palavras abaixo. (decore essas palavras, pois elas aparecem com muita frequência nos

Leia mais

GUIÃO A. What about school? What s it like to be there/here? Have you got any foreign friends? How did you get to know them?

GUIÃO A. What about school? What s it like to be there/here? Have you got any foreign friends? How did you get to know them? GUIÃO A Prova construída pelos formandos e validada pelo GAVE, 1/7 Grupo: Chocolate Disciplina: Inglês, Nível de Continuação 11.º ano Domínio de Referência: Um Mundo de Muitas Culturas 1º Momento Intervenientes

Leia mais

Visitor, is this is very important contact with you. WATH DO WE HERE?

Visitor, is this is very important contact with you. WATH DO WE HERE? Visitor, is this is very important contact with you. I m Gilberto Martins Loureiro, Piraí s Senior Age Council President, Rio de Janeiro State, Brazil. Our city have 26.600 habitants we have 3.458 senior

Leia mais

TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS

TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE PSICOLOGIA E DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS SANDRA MARIA MORAIS VALENTE DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO Área de

Leia mais

Semestre do plano de estudos 1

Semestre do plano de estudos 1 Nome UC Inglês CU Name Código UC 6 Curso LEC Semestre do plano de estudos 1 Área científica Gestão Duração Semestral Horas de trabalho 54 ECTS 2 Horas de contacto TP - 22,5 Observações n.a. Docente responsável

Leia mais

LENÇÓIS ESQUECIDOS NO RIO VERMELHO INTERVENÇÃO URBANA

LENÇÓIS ESQUECIDOS NO RIO VERMELHO INTERVENÇÃO URBANA 572 LENÇÓIS ESQUECIDOS NO RIO VERMELHO INTERVENÇÃO URBANA Selma Parreira t r a v e s s i a s e d. 1 0 i s s n 1 9 8 2-5 9 3 5 As fotos registram a intervenção urbana, site specific que aconteceu no leito

Leia mais

Searching for Employees Precisa-se de Empregados

Searching for Employees Precisa-se de Empregados ALIENS BAR 1 Searching for Employees Precisa-se de Empregados We need someone who can prepare drinks and cocktails for Aliens travelling from all the places in our Gallaxy. Necessitamos de alguém que possa

Leia mais

Serviços: API REST. URL - Recurso

Serviços: API REST. URL - Recurso Serviços: API REST URL - Recurso URLs reflectem recursos Cada entidade principal deve corresponder a um recurso Cada recurso deve ter um único URL Os URLs referem em geral substantivos URLs podem reflectir

Leia mais

Prova Oral de Inglês Duração da Prova: 20 a 25 minutos 2013/2014. 1.º Momento. 4 (A), are you a health-conscious person?

Prova Oral de Inglês Duração da Prova: 20 a 25 minutos 2013/2014. 1.º Momento. 4 (A), are you a health-conscious person? Prova Oral de Inglês Duração da Prova: 20 a 25 minutos 2013/2014 GUIÃO A Disciplina: Inglês, Nível de Continuação 11.º ano Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho 1.º Momento Intervenientes e Tempos

Leia mais

A eficiência do signo empresarial e as estratégias de legitimação do campo do design

A eficiência do signo empresarial e as estratégias de legitimação do campo do design Marcelo Vianna Lacerda de Almeida A eficiência do signo empresarial e as estratégias de legitimação do campo do design Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Design

Leia mais

www.slippers4hotel.com

www.slippers4hotel.com www.slippers4hotel.com SLIPPERS4HOTEL é uma marca inovadora, criada para marcar a diferença no fornecimento de chinelos. Acima de tudo, pretendemos a satisfação dos nossos clientes, pelo que temos grande

Leia mais

NOTA: Professor(a): Bispo, Suzamara Apª de Souza Nome: n.º 3º Web. 3ª Postagem Exercícios de reposição ( listening )

NOTA: Professor(a): Bispo, Suzamara Apª de Souza Nome: n.º 3º Web. 3ª Postagem Exercícios de reposição ( listening ) Professor(a): Bispo, Suzamara Apª de Souza Nome: n.º 3º Web Barueri, / / 2009 Trimestre: 3ª Postagem Exercícios de reposição ( listening ) NOTA: ACTIVITY ONE: Put the verses in order according to what

Leia mais

O ÊXODO RURAL E A BUSCA PELA EDUCAÇÃO DENTRO DA EEEFM HONÓRIO FRAGA.

O ÊXODO RURAL E A BUSCA PELA EDUCAÇÃO DENTRO DA EEEFM HONÓRIO FRAGA. O ÊXODO RURAL E A BUSCA PELA EDUCAÇÃO DENTRO DA EEEFM HONÓRIO FRAGA. TORREZANI, Samuel Paulo 1 PAZINATO, Mateus Francisco 2 TRINDADE, Flavio Hubner 3 NEVES, Bianca Pereira das 4 RESUMO: O presente trabalho

Leia mais

Trabalho de Compensação de Ausência - 1º Bimestre

Trabalho de Compensação de Ausência - 1º Bimestre Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio Regular. Rua Cantagalo 313, 325, 337 e 339 Tatuapé Fones: 2293-9393 e 2293-9166 Diretoria de Ensino Região LESTE 5 Trabalho de Compensação de Ausência

Leia mais

Aqui pode escolher o Sistema operativo, e o software. Para falar, faça download do Cliente 2.

Aqui pode escolher o Sistema operativo, e o software. Para falar, faça download do Cliente 2. TeamSpeak PORTUGUES ENGLISH Tutorial de registo num servidor de TeamSpeak Registration tutorial for a TeamSpeak server Feito por [WB ].::B*A*C*O::. membro de [WB ] War*Brothers - Non Dvcor Dvco Made by:

Leia mais

MÁRCIA BRAGA TRABALHO DA MULHER NO BRASIL E SEUS ASPECTOS SOCIAIS

MÁRCIA BRAGA TRABALHO DA MULHER NO BRASIL E SEUS ASPECTOS SOCIAIS MÁRCIA BRAGA TRABALHO DA MULHER NO BRASIL E SEUS ASPECTOS SOCIAIS 2014 MÁRCIA BRAGA TRABALHO DA MULHER NO BRASIL E SEUS ASPECTOS SOCIAIS Porque a justiça social somente se alcança com a igualdade. À minha

Leia mais

Dedico este trabalho às minhas filhas à minha esposa pelo apoio em todos os projetos. iii

Dedico este trabalho às minhas filhas à minha esposa pelo apoio em todos os projetos. iii Dedico este trabalho às minhas filhas à minha esposa pelo apoio em todos os projetos. iii Agradecimentos Um trabalho destes só é possível com a colaboração, participação e esforço conjugado de um elevado

Leia mais

Colégio de Aplicação UFRGS. Name: Group:

Colégio de Aplicação UFRGS. Name: Group: Present Perfect: FOOD for THOUGHT Colégio de Aplicação UFRGS Name: Group: Present Perfect Simple Os Perfect Tenses são formados com o presente simples do verbo to have (have / has), que, neste caso, funciona

Leia mais

NORMAS PARA AUTORES. As normas a seguir descritas não dispensam a leitura do Regulamento da Revista Portuguesa de Marketing, disponível em www.rpm.pt.

NORMAS PARA AUTORES. As normas a seguir descritas não dispensam a leitura do Regulamento da Revista Portuguesa de Marketing, disponível em www.rpm.pt. NORMAS PARA AUTORES As normas a seguir descritas não dispensam a leitura do Regulamento da Revista Portuguesa de Marketing, disponível em www.rpm.pt. COPYRIGHT Um artigo submetido à Revista Portuguesa

Leia mais

Papel de algodão Cotton paper MOINHO

Papel de algodão Cotton paper MOINHO Papel de algodão Cotton paper O papel de algodão possui uma qualidade e textura invulgares, assim como uma durabilidade e resistência superior aos papéis convencionais, devido ao sentido desalinhado das

Leia mais

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios Sandra Sofia Brito da Silva Dissertação

Leia mais

Getting married! magazine. ideias e inspiração. www.simplesmentebranco.com

Getting married! magazine. ideias e inspiração. www.simplesmentebranco.com Getting married! magazine ideias e inspiração 04 nº www.simplesmentebranco.com JoaNNa & Luca 14 de JULho de 2012 por/by The Wedding Company os Nossos ForNEcEdorEs / our VENdors: convites e materiais gráficos

Leia mais

Bárbara Rodrigues da Silva 3ALEN, 2015

Bárbara Rodrigues da Silva 3ALEN, 2015 Pets reality There are about 30 millions abandoned pets only in Brazil. Among these amount, about 10 millions are cats and the other 20 are dogs, according to WHO (World Health Organization). In large

Leia mais

ESCOLA E.B. 2,3 DE LAMAÇÃES 2013-2014

ESCOLA E.B. 2,3 DE LAMAÇÃES 2013-2014 5º1 1 ANA CATARINA R FREITAS SIM 2 BEATRIZ SOARES RIBEIRO SIM 3 DIOGO ANTÓNIO A PEREIRA SIM 4 MÁRCIO RAFAEL R SANTOS SIM 5 MARCO ANTÓNIO B OLIVEIRA SIM 6 NÁDIA ARAÚJO GONÇALVES SIM 7 SUNNY KATHARINA G

Leia mais

Catálogo casa de banho l WC accessories. gestos que apetecem l tempting gestures

Catálogo casa de banho l WC accessories. gestos que apetecem l tempting gestures Catálogo casa de banho l WC accessories gestos que apetecem l tempting gestures VALENÇA BRAGA A NOSSA MISSÃO......VALORIZAR E ENGRADECER A TUPAI PORTO AVEIRO ÁGUEDA - COIMBRA GPS - N 40.58567º W 8.46558º

Leia mais

APONTAMENTOS SOBRE A POPULAÇÃO RURAL NO MUNICÍPIO DE VITÓRIA DA CONQUISTA BAHIA. 1 RESUMO

APONTAMENTOS SOBRE A POPULAÇÃO RURAL NO MUNICÍPIO DE VITÓRIA DA CONQUISTA BAHIA. 1 RESUMO 1 APONTAMENTOS SOBRE A POPULAÇÃO RURAL NO MUNICÍPIO DE VITÓRIA DA CONQUISTA BAHIA. 1 Ana Emília de Quadros Ferraz Altemar Amaral Rocha Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB Universidade Estadual

Leia mais

NCE/11/01206 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos

NCE/11/01206 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos NCE/11/01206 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos NCE/11/01206 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos Decisão de Apresentação de Pronúncia ao Relatório da

Leia mais

NAS TRAMAS DO COTIDIANO: ADULTOS E CRIANÇAS CONSTRUINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL

NAS TRAMAS DO COTIDIANO: ADULTOS E CRIANÇAS CONSTRUINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL Silvia Néli Falcão Barbosa NAS TRAMAS DO COTIDIANO: ADULTOS E CRIANÇAS CONSTRUINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL Dissertação de Mestrado DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO Programa de Pós-Graduação em Educação Rio de Janeiro

Leia mais

AT A HOTEL NO HOTEL. I d like to stay near the station. Can you suggest a cheaper hotel? Poderia sugerir um hotel mais barato?

AT A HOTEL NO HOTEL. I d like to stay near the station. Can you suggest a cheaper hotel? Poderia sugerir um hotel mais barato? I d like to stay near the station. Can you suggest a cheaper hotel? Gostaria de ficar por perto da estação. Poderia sugerir um hotel mais barato? I d like to stay near the station. (I would ) in a cheaper

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM DESPACHO-MG PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM DESPACHO-MG PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL CADERNO DE PROVAS 1 A prova terá a duração de duas horas, incluindo o tempo necessário para o preenchimento do gabarito. 2 Marque as respostas no caderno de provas, deixe para preencher o gabarito depois

Leia mais

Educação Vocacional e Técnica nos Estados Unidos. Érica Amorim Simon Schwartzman IETS

Educação Vocacional e Técnica nos Estados Unidos. Érica Amorim Simon Schwartzman IETS Educação Vocacional e Técnica nos Estados Unidos Érica Amorim Simon Schwartzman IETS Os principais modelos Modelo europeu tradicional: diferenciação no secundário entre vertentes acadêmicas e técnico-profissionais

Leia mais

WWW.ADINOEL.COM Adinoél Sebastião /// Inglês Tradução Livre 74/2013

WWW.ADINOEL.COM Adinoél Sebastião /// Inglês Tradução Livre 74/2013 PASSO A PASSO DO DYNO Ao final desse passo a passo você terá o texto quase todo traduzido. Passo 1 Marque no texto as palavras abaixo. (decore essas palavras, pois elas aparecem com muita frequência nos

Leia mais

OUTRA FORMA DE VER? A CONSTRUÇÃO DO AUTOCONCEITO DE CRIANÇAS CEGAS E AMBLIOPES

OUTRA FORMA DE VER? A CONSTRUÇÃO DO AUTOCONCEITO DE CRIANÇAS CEGAS E AMBLIOPES UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA CENTRO REGIONAL DE BRAGA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS OUTRA FORMA DE VER? A CONSTRUÇÃO DO AUTOCONCEITO DE CRIANÇAS CEGAS E AMBLIOPES II Ciclo de Estudos em Ciências da

Leia mais

User interface evaluation experiences: A brief comparison between usability and communicability testing

User interface evaluation experiences: A brief comparison between usability and communicability testing User interface evaluation experiences: A brief comparison between usability and communicability testing Kern, Bryan; B.S.; The State University of New York at Oswego kern@oswego.edu Tavares, Tatiana; PhD;

Leia mais

assumptions of that particular strengthening the participation of families and local communities in the strategic direction of schools, not taking

assumptions of that particular strengthening the participation of families and local communities in the strategic direction of schools, not taking Agradecimentos A dissertação do Mestrado que adiante se apresenta resulta na concretização de um projecto que me parecia difícil mas não impossível de alcançar. Foram meses seguidos de trabalho de investigação,

Leia mais

Infraestrutura, Gestão Escolar e Desempenho em Leitura e Matemática: um estudo a partir do Projeto Geres

Infraestrutura, Gestão Escolar e Desempenho em Leitura e Matemática: um estudo a partir do Projeto Geres Naira da Costa Muylaert Lima Infraestrutura, Gestão Escolar e Desempenho em Leitura e Matemática: um estudo a partir do Projeto Geres Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial

Leia mais

APRESENTAÇÃO. ABNT CB-3 Comitê Brasileiro de Eletricidade Comissão de Estudo CE 03:064.01 Instalações Elétricas de Baixa Tensão NBR 5410

APRESENTAÇÃO. ABNT CB-3 Comitê Brasileiro de Eletricidade Comissão de Estudo CE 03:064.01 Instalações Elétricas de Baixa Tensão NBR 5410 APRESENTAÇÃO ABNT CB-3 Comitê Brasileiro de Eletricidade Comissão de Estudo CE 03:064.01 Instalações Elétricas de Baixa Tensão NBR 5410 Instalações elétricas de baixa tensão NBR 5410:1997 NBR 5410:2004

Leia mais

LÍNGUA INGLESA CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA AULA. Conteúdo: Reading - Typographic Marks

LÍNGUA INGLESA CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA AULA. Conteúdo: Reading - Typographic Marks Conteúdo: Reading - Typographic Marks Habilidades: Utilizar as Marcas Tipográficas para facilitar a compreensão e também chamar a atenção do leitor. Typographic Marks O que são marcas tipográficas? As

Leia mais

Perguntas & Respostas

Perguntas & Respostas Perguntas & Respostas 17 de Abril de 2008 Versão Portuguesa 1. O que é uma Certidão Permanente?...4 2. Como posso ter acesso a uma Certidão Permanente?...4 3. Onde posso pedir uma Certidão Permanente?...4

Leia mais

Estereoscopia Digital no Ensino da Química AGRADECIMENTOS

Estereoscopia Digital no Ensino da Química AGRADECIMENTOS AGRADECIMENTOS O findar desta dissertação é o momento indicado para agradecer ao Professor Doutor João Carlos de Matos Paiva pela sua grande ajuda, pela disponibilidade sempre manifestada, pelo seu empenho

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA MÚSICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA

A INFLUÊNCIA DA MÚSICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA 1. Introdução A INFLUÊNCIA DA MÚSICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA Jhonatas Garagnani de Souza (G- CLCA - UENP-CJ/CJ) Juliano César Teixeira (G- CLCA UENP/CJ) Paula Fernanda L. de Carvalho (G- CLCA -UENP-CJ-CJ)

Leia mais

Treinamento para Pais Cidadania digital No Nível Fundamental. Parent Academy Digital Citizenship. At Elementary Level

Treinamento para Pais Cidadania digital No Nível Fundamental. Parent Academy Digital Citizenship. At Elementary Level Parent Academy Digital Citizenship At Elementary Level Treinamento para Pais Cidadania digital No Nível Fundamental Pan American School of Bahia March 18 and 29, 2016 Digital Citizenship Modules Cyberbullying

Leia mais

The Indigenous Population of Brazil 1991 Population Census

The Indigenous Population of Brazil 1991 Population Census The Indigenous Population of Brazil 1991 Population Census Authors: Nilza Oliveira Martins Pereira (principal author), Tereza Cristina Nascimento Araujo, Valéria Beiriz, Antonio Florido- IBGE The definition

Leia mais

SEYMOUR PAPERT Vida e Obra

SEYMOUR PAPERT Vida e Obra SEYMOUR PAPERT Vida e Obra Eva Firme Joana Alves Núria Costa 1 de Março de 1928 -EUA Activista - movimento anti-apartheid 1954-1958 - Universidade de Cambridge (matemática). 1958-1963 - Centro de Epistemologia

Leia mais

Duistt Duistt Collection Duistt Collection Duistt Duistt Duistt Duistt Duistt Duistt Duistt Duistt Duistt Duistt Duistt Duistt Duistt Duistt Duistt

Duistt Duistt Collection Duistt Collection Duistt Duistt Duistt Duistt Duistt Duistt Duistt Duistt Duistt Duistt Duistt Duistt Duistt Duistt Duistt Duistt Created in Oporto in 2014, Duistt is a furniture brand specialized in upholstery. Like the city, the company breaths history and modernity. It blends ancient knowledge and techniques with modern

Leia mais

Inglês 05 The Present.

Inglês 05 The Present. Inglês 05 The Present. O Presente Simples expressa uma ação que acontece rotineiramente, em contraste com o Continuous, que expressa, entre outras coisas, uma ação que esta se processando no momento. He

Leia mais

Dependent Clauses ( Orações Subordinadas)

Dependent Clauses ( Orações Subordinadas) www.blogpensandoemingles.com www.facebook.com/pensandoeminglesblog Dependent Clauses ( Orações Subordinadas) Para entendermos melhor este assunto será necessário observarmos como ele funciona em português.

Leia mais

WORKING CHILDREN. a) How many children in Britain have part-time jobs?. b) What do many Asian children do to make money in Britain?.

WORKING CHILDREN. a) How many children in Britain have part-time jobs?. b) What do many Asian children do to make money in Britain?. Part A I. TEXT. WORKING CHILDREN Over a million school children in Britain have part-time Jobs. The number is growing, too. More and more teenagers are working before school, after school or on weekends.

Leia mais

Inglês 11 The Present Perfect.

Inglês 11 The Present Perfect. Inglês 11 The Present Perfect. O Present Perfect é um tempo verbal em inglês que mostra uma ação que ocorreu no passado, mas os efeitos estão no presente. My grandfather has recovered from his illness.

Leia mais

Você sabe fazer perguntas em Inglês? Em primeiro lugar observe as frases abaixo: Afirmativo: Ele é estudante Interrogativo: Ele é estudante?

Você sabe fazer perguntas em Inglês? Em primeiro lugar observe as frases abaixo: Afirmativo: Ele é estudante Interrogativo: Ele é estudante? Do you know how to ask questions in English? Você sabe fazer perguntas em Inglês? Em primeiro lugar observe as frases abaixo: Afirmativo: Ele é estudante Interrogativo: Ele é estudante? Note que tanto

Leia mais

PRESENT PERFECT. ASPECTOS A SEREM CONSIDERADOS: 1. Não existe este tempo verbal na Língua Portuguesa;

PRESENT PERFECT. ASPECTOS A SEREM CONSIDERADOS: 1. Não existe este tempo verbal na Língua Portuguesa; ASPECTOS A SEREM CONSIDERADOS: 1. Não existe este tempo verbal na Língua Portuguesa; 2. Associa-se o Present Perfect entre uma ação do passado que tenha uma relação com o presente; My life has changed

Leia mais

Processo de exportação de perecíveis aos EUA. (Frederico Tavares - Gerente de Comércio Internacional, UGBP: Union of Growers of Brazilian Papaya)

Processo de exportação de perecíveis aos EUA. (Frederico Tavares - Gerente de Comércio Internacional, UGBP: Union of Growers of Brazilian Papaya) Processo de exportação de perecíveis aos EUA (Frederico Tavares - Gerente de Comércio Internacional, UGBP: Union of Growers of Brazilian Papaya) World Production of Tropical Fruit World production of tropical

Leia mais

WELCOME Entrevista Au Pair Care

WELCOME Entrevista Au Pair Care WELCOME Entrevista Au Pair Care MÓDULO 2. ENTREVISTA-PERGUNTAS EXTRAS ENTREVISTA FÓRMULA PARA O SUCESSO Passo 1 Vai ser uma conversa informal, então relaxe! Parte 2 Algumas perguntas vão ser as mesmas

Leia mais

COMITÊ DO ESPECTRO PARA RADIODIFUSÃO - CER SPECTRUM DAY 16.08.2011 A REVISÃO DA REGULAMENTAÇÃO DO USO DA FAIXA DE 3,5 GHZ UMA NECESSIDADE COMPROVADA.

COMITÊ DO ESPECTRO PARA RADIODIFUSÃO - CER SPECTRUM DAY 16.08.2011 A REVISÃO DA REGULAMENTAÇÃO DO USO DA FAIXA DE 3,5 GHZ UMA NECESSIDADE COMPROVADA. COMITÊ DO ESPECTRO PARA RADIODIFUSÃO - CER SPECTRUM DAY 16.08.2011 A REVISÃO DA REGULAMENTAÇÃO DO USO DA FAIXA DE 3,5 GHZ UMA NECESSIDADE COMPROVADA. PAULO RICARDO H. BALDUINO 0 Conteúdo 1. Introdução

Leia mais

Guião N. Descrição das actividades

Guião N. Descrição das actividades Proposta de Guião para uma Prova Grupo: 006 Disciplina: Inglês, Nível de Continuação, 11.º ano Domínio de Referência: Um Mundo de Muitas Culturas Duração da prova: 15 a 20 minutos 1.º MOMENTO Guião N Intervenientes

Leia mais

Erasmus Student Work Placement

Erasmus Student Work Placement Erasmus Student Work Placement EMPLOYER INFORMATION Name of organisation Address Post code Country SPORT LISBOA E BENFICA AV. GENERAL NORTON DE MATOS, 1500-313 LISBOA PORTUGAL Telephone 21 721 95 09 Fax

Leia mais

A DISLEXIA COMO DIFICULDADE DE APRENDIZAGEM SOB A ÓTICA DO PROFESSOR UM ESTUDO DE CASO

A DISLEXIA COMO DIFICULDADE DE APRENDIZAGEM SOB A ÓTICA DO PROFESSOR UM ESTUDO DE CASO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO A DISLEXIA COMO DIFICULDADE DE APRENDIZAGEM SOB A ÓTICA DO PROFESSOR UM ESTUDO DE CASO NEUZA APARECIDA GIBIM PONÇANO Presidente Prudente SP

Leia mais

Lesson 6 Notes. Eu tenho um irmão e uma irmã Talking about your job. Language Notes

Lesson 6 Notes. Eu tenho um irmão e uma irmã Talking about your job. Language Notes Lesson 6 Notes Eu tenho um irmão e uma irmã Talking about your job Welcome to Fun With Brazilian Portuguese Podcast, the podcast that will take you from beginner to intermediate in short, easy steps. These

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES DE INGLÊS. Exercise 1. a) Complete o quadro abaixo com as formas do verbo To Be, no tempo Presente Simples.

ATIVIDADES COMPLEMENTARES DE INGLÊS. Exercise 1. a) Complete o quadro abaixo com as formas do verbo To Be, no tempo Presente Simples. ATIVIDADES COMPLEMENTARES DE INGLÊS Exercise 1 a) Complete o quadro abaixo com as formas do verbo To Be, no tempo Presente Simples. I You He She It We You They b) Reescrevas a s frases a seguir nas formas

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO COM ARMAS DE CAÇA. FOSSO UNIVERSAL CAMPEONATO REGIONAL NORTE - 2007 2ª. CONTAGEM - 24 e 25 de Março

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO COM ARMAS DE CAÇA. FOSSO UNIVERSAL CAMPEONATO REGIONAL NORTE - 2007 2ª. CONTAGEM - 24 e 25 de Março GERAL 1 1 129 00817 Herculano Lopes do Nascimento 8 C.C. Matosinhos S 25 24 25 25 1 99 2 113 00540 Rodrigo Dourado Fernandes 10 C.T. S. Pedro de Rates S 25 25 24 25 0 99 3 88 00588 Carlos Augusto Torres

Leia mais

Cultural Identity of Young Volunteers Differences and understanding Empowering People. Volunteer Profile Questionnaire

Cultural Identity of Young Volunteers Differences and understanding Empowering People. Volunteer Profile Questionnaire Volunteer Profile Questionnaire 1 Índice 1 VOLUNTEER PROFILE QUESTIONNAIRE... 1.1 Country... 1. AGE... 1. GENDER... 1..1 GENDER vs... 1. Qualification... 1..1 QUALIFICATION GREECE VS PORTUGAL... 1. Are

Leia mais

DOCUMENTOS DE PREVENÇÃO DE RISCOS PROFISSIONAIS NA CONSTRUÇÃO NA TRANSPOSIÇÃO DAS DIRETIVAS COMUNITÁRIAS PARA PORTUGAL

DOCUMENTOS DE PREVENÇÃO DE RISCOS PROFISSIONAIS NA CONSTRUÇÃO NA TRANSPOSIÇÃO DAS DIRETIVAS COMUNITÁRIAS PARA PORTUGAL DOCUMENTOS DE PREVENÇÃO DE RISCOS PROFISSIONAIS NA CONSTRUÇÃO NA TRANSPOSIÇÃO DAS DIRETIVAS COMUNITÁRIAS PARA PORTUGAL Susana Sousa 1 José M. Cardoso Teixeira 2 RESUMO A Diretiva Comunitária nº 92/57/CEE

Leia mais

Lição 40: deve, não deve, não deveria

Lição 40: deve, não deve, não deveria Lesson 40: must, must not, should not Lição 40: deve, não deve, não deveria Reading (Leituras) You must answer all the questions. ( Você deve responder a todas as We must obey the law. ( Nós devemos obedecer

Leia mais

Intellectual Property. IFAC Formatting Guidelines. Translated Handbooks

Intellectual Property. IFAC Formatting Guidelines. Translated Handbooks Intellectual Property IFAC Formatting Guidelines Translated Handbooks AUTHORIZED TRANSLATIONS OF HANDBOOKS PUBLISHED BY IFAC Formatting Guidelines for Use of Trademarks/Logos and Related Acknowledgements

Leia mais

PROVA COMENTADA E RESOLVIDA PELOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO

PROVA COMENTADA E RESOLVIDA PELOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO Uma prova, para avaliar tantos candidatos deve ser sempre bem dosada como foi a deste ano. Houve tanto questões de interpretação (6) como de gramática

Leia mais

1. Out of 61 African territories, of which 53 are independent, how many of them are considered never have been colonized?

1. Out of 61 African territories, of which 53 are independent, how many of them are considered never have been colonized? Africa Em que pensas quando lês a palavra África? Que imagens, pensamentos ou idéias vêm à tua mente? Que preconceitos ou estereótipos constróis em seu torno? Quantos deles são realmente verdade? What

Leia mais

Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superio Resultados da 1ª Fase do Concurso Nacional de Acesso de 2011

Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superio Resultados da 1ª Fase do Concurso Nacional de Acesso de 2011 14286394 ALBANO LUIS ANDRADE PEREIRA Não colocado 14388714 ANA BEATRIZ MARTINS MACHADO Colocada em 3133 9104 14371141 ANA CATARINA MOREIRA LEAL Colocada em 7003 14319342 ANA CATARINA SOUSA RIBEIRO Colocada

Leia mais

MFIG - TRABALHO Codigo Nome turma Nota Trabalho 110402106 Adriana Castro Valente 2 15,0 110402107 Alex da Silva Carvalho 3 14,9 70402122 Alexandre

MFIG - TRABALHO Codigo Nome turma Nota Trabalho 110402106 Adriana Castro Valente 2 15,0 110402107 Alex da Silva Carvalho 3 14,9 70402122 Alexandre MFIG - TRABALHO Codigo Nome turma Nota Trabalho 110402106 Adriana Castro Valente 2 15,0 110402107 Alex da Silva Carvalho 3 14,9 70402122 Alexandre Jorge Costelha Seabra 2 18,2 110402182 Ana Catarina Linhares

Leia mais

Organização Sete de Setembro de Cultura e Ensino - LTDA Faculdade Sete de Setembro FASETE Bacharelado em Administração

Organização Sete de Setembro de Cultura e Ensino - LTDA Faculdade Sete de Setembro FASETE Bacharelado em Administração Organização Sete de Setembro de Cultura e Ensino - LTDA Faculdade Sete de Setembro FASETE Bacharelado em Administração VICTOR HUGO SANTANA ARAÚJO ANÁLISE DAS FORÇAS DE PORTER NUMA EMPRESA DO RAMO FARMACÊUTICO:

Leia mais

MAUS TRATOS NA POPULAÇÃO IDOSA INSTITUCIONALIZADA

MAUS TRATOS NA POPULAÇÃO IDOSA INSTITUCIONALIZADA Universidade de Lisboa Faculdade de Medicina de Lisboa MAUS TRATOS NA POPULAÇÃO IDOSA INSTITUCIONALIZADA Catarina Isabel Fonseca Paulos Mestrado em Medicina Legal e Ciências Forenses 2005 Esta dissertação

Leia mais

Treinamento para Pais Cidadania digital No Nível Fundamental. Parent Academy Digital Citizenship. At Elementary Level

Treinamento para Pais Cidadania digital No Nível Fundamental. Parent Academy Digital Citizenship. At Elementary Level Parent Academy Digital Citizenship At Elementary Level Treinamento para Pais Cidadania digital No Nível Fundamental Pan American School of Bahia March 18 and 29 April 5 and 18 May 3 and 9 June 6, 2016

Leia mais

Ministério da Educação e Ciência Resultados da 2ª Fase do Concurso Nacional de Acesso de 2013

Ministério da Educação e Ciência Resultados da 2ª Fase do Concurso Nacional de Acesso de 2013 14870896 ANA CATARINA DE JESUS RIBEIRO Não colocada 14583084 ANA CATARINA DA ROCHA DIAS Não colocada 14922639 ANA CATARINA SOARES COUTO Colocada em 7230 Instituto Politécnico do Porto - Escola Superior

Leia mais

Inglês 17 Past Perfect

Inglês 17 Past Perfect Inglês 17 Past Perfect O Past Perfect é um tempo verbal utilizado quando temos duas ações que ocorreram no passado, porém uma delas ocorreu antes da outra. When you called, she had just received the bad

Leia mais

TURMA 10 H. CURSO PROFISSIONAL DE: Técnico de Multimédia RELAÇÃO DE ALUNOS

TURMA 10 H. CURSO PROFISSIONAL DE: Técnico de Multimédia RELAÇÃO DE ALUNOS Técnico de Multimédia 10 H 7536 Alberto Filipe Cardoso Pinto 7566 Ana Isabel Lomar Antunes 7567 Andreia Carine Ferreira Quintela 7537 Bruno Manuel Martins Castro 7538 Bruno Miguel Ferreira Bogas 5859 Bruno

Leia mais

75, 8.º DTO 1250-068 LISBOA

75, 8.º DTO 1250-068 LISBOA EAbrief: Medida de incentivo ao emprego mediante o reembolso da taxa social única EAbrief: Employment incentive measure through the unique social rate reimbursement Portaria n.º 229/2012, de 03 de Agosto

Leia mais

Corrida da Saúde. Infantis A - Feminino

Corrida da Saúde. Infantis A - Feminino Corrida da Saúde Classificação geral do corta-mato, realizado no dia 23 de Dezembro de 2007, na Escola E.B. 2,3 de Valbom. Contou com a participação dos alunos do 4º ano e do 2º e 3º ciclos do Agrupamento

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA ESCOLA DE ESPECIALISTAS DE AERONÁUTICA SUBDIVISÃO DE ADMISSÃO E DE SELEÇÃO

COMANDO DA AERONÁUTICA ESCOLA DE ESPECIALISTAS DE AERONÁUTICA SUBDIVISÃO DE ADMISSÃO E DE SELEÇÃO Questão: 26 30 41 A questão 26 do código 02, que corresponde à questão 30 do código 04 e à questão 41 do código 06 Nº de Inscrição: 2033285 2041257 2030195 2033529 2032517 2080361 2120179 2120586 2037160

Leia mais

Sistema de Reciclagem da Água dos Restos de Concreto

Sistema de Reciclagem da Água dos Restos de Concreto Águas de Restos de Concretos Reciclagem Notas de aula Prof. Eduardo C. S. Thomaz Sistema de Reciclagem da Água dos Restos de Concreto Exemplo: Firma Sohnt / USA - Concrete Reclaimer Conjunto do Sistema

Leia mais