CONTAMINAÇÃO DE SOLOS: LEGISLAÇÃO APLICÁVEL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONTAMINAÇÃO DE SOLOS: LEGISLAÇÃO APLICÁVEL"

Transcrição

1 CONTAMINAÇÃO DE SOLOS: LEGISLAÇÃO APLICÁVEL Otávio Eurico de Aquino Branco Março de 2015

2 INTRODUÇÃO SUMÁRIO BASE LEGAL DA AVALIAÇÃO DA CONTAMINAÇÃO DE SOLOS GERENCIAMENTO DE ÁREAS CONTAMINADAS FUNDAMENTOS DA RECUPERAÇÃO DE ÁREAS CONTAMINADAS PANORAMA ATUAL DE AC NO ESTADO DE MINAS GERAIS COMENTÁRIOS FINAIS

3 INTRODUÇÃO Contaminação do solo e das águas subterrâneas: Indústrias, minerações, aterros sanitários, agricultura, etc. Contaminação do solo e das águas subterrâneas implica em potenciais riscos à saúde humana e ao meio ambiente.

4 FONTE: modificado de ANL, 2001 RESRAD-CHEM

5 Ilustração de um perfil típico de contaminação no solo por gasolina Tanque de armazenam ento Fase re sidual Va pores de gasolina Nível d água Fluxo de á gua subterrâne a Ga solina na fase livre móvel Fonte: FETT ER, 1999

6

7

8

9 Zona não saturada Poço Aqüífe ro Córre go

10

11

12 Represa do Rio Índice Drastic vuln Contorno da Bacia do Lamas Drenagem fluvial Projeto Vulnerabil da Contaminação Águas Subterrâne Agrotóxicos CDTN - IMA - FAP

13 BASE LEGAL A CONTAMINAÇÃO DO SOLO É UM TEMA AMBIENTAL COM AÇÕES REGULAMENTADORAS E NORMATIVAS RECENTES. ATÉ POUCO TEMPO, AS AÇÕES ERAM ORIENTADAS PELA LEGISLAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS, POLUIÇÃO DAS ÁGUAS, PLANOS DIRETORES DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO E DE RECURSOS HIDRICOS E DE LICENCIAMENTO EM GERAL.

14 BASE LEGAL (cont.) A LEGISLAÇÃO FEDERAL ESPECIFICA PARA AC É RECENTE. JÁ EXISTEM LEGISLAÇÕES ESTADUAIS ( SÃO PAULO E MINAS GERAIS) FINALIDADE DE CRIAÇÃO DE LEGISLAÇÃO: ESTABELECIMENTO DE CRITÉRIOS DE QUALIDADE REGULAMENTAÇÃO DE MEDIDAS DE GERENCIAMENTO DE AREAS CONTAMINADAS

15 BASE LEGAL Federal: Resolução CONAMA nº 420 de 30/12/2009 dispõe sobre critérios e valores orientadores de qualidade do solo quanto à presença de substâncias químicas e estabelece diretrizes para o gerenciamento ambiental de áreas contaminadas em decorrência de atividades antrópicas. Resolução alterada pela Resolução460 /2013 Parágrafo 8. Estadual-MG: Deliberação COPAM/CERH nº 02 de 08/09/2010 institui o Programa Estadual de Gestão de Áreas Contaminadas, que estabelece as diretrizes e procedimentos para a proteção da qualidade do solo e gerenciamento ambiental de áreas contaminadas por substâncias químicas.

16 LEGISLAÇÃO FEDERAL BASE LEGAL - Lei 6.938/81 - Política Nacional do Meio Ambiente introduz instrumentos de planejamento ambiental e determina a responsabilidade/penalidade para casos de poluição. - Lei 6.766/79 - parcelamento do solo urbano Define as competências do Estado e do Município sobre a questão do parcelamento do solo. É um instrumento importante na interface de áreas contaminadas com o desenvolvimento urbano. A lei não permite o parcelamento do solo em áreas poluídas.

17 BASE LEGAL RESOLUÇÃO - Resolução CONAMA 307/2002 dispõe sobre os resíduos da construção civil. - Resolução CONAMA 273/2000, dispõe sobre prevenção e controle da poluição em postos de combustíveis e serviços. - Resolução CONAMA nº 420/2009 dispõe sobre critérios e valores orientadores de qualidade do solo e estabelece diretrizes para o gerenciamento ambiental de áreas contaminadas.

18 BASE LEGAL DELIBERAÇÕES (DO ESTADO DE MINAS GERAIS) - Deliberação Normativa COPAM nº116/2008 Dispõe sobre a declaração de informações relativas à identificação de áreas suspeitas de contaminação e contaminadas por substâncias químicas no Estado. - Deliberação Normativa COPAM nº 117/2008 Dispõe sobre a declaração de informações relativas às diversas fases de gerenciamento dos resíduos sólidos gerados pelas atividades minerarias no Estado.

19 BASE LEGAL - Deliberação Normativa COPAM n. 131/2009 Prorroga prazos previstos para apresentação dos inventários de resíduos sólidos industriais e minerários, do cadastro de áreas suspeitas de contaminação e contaminadas por substâncias químicas e da declaração de carga poluidora. - Deliberação Normativa Conjunta COPAM/CERH 02 Institui o Programa Estadual de Gestão de Áreas Contaminadas, que estabelece as diretrizes e procedimentos para a proteção da qualidade do solo e gerenciamento ambiental de áreas contaminadas por substâncias químicas.

20 BASE LEGAL As áreas são classificadas como: I - Área com Potencial de Contaminação (AP); II - Área Suspeita de Contaminação (AS); III - Área Contaminada sob Investigação (AI); IV - Área Contaminada sob Intervenção (ACI); V - Área em Monitoramento para Reabilitação (AMR); VI - Área Reabilitada para o Uso Declarado (AR);

21 BASE LEGAL (cont.) RESOLUÇÃO DO CONAMA Dispõe sobre o estabelecimento de critérios e valores orientadores referentes à presença de substâncias químicas para a proteção da qualidade do solo e diretrizes e procedimentos para o gerenciamento de áreas contaminadas.

22 Resolução CONAMA nº 420/2009 Art. 13. Ficam estabelecidas as seguintes classes de qualidade dos solos, segundo a concentração de substâncias químicas: I - Classe 1 - Solos que apresentam concentrações de substâncias químicas menores ou iguais ao VRQ; II - Classe 2 - Solos que apresentam concentrações de pelo menos uma substância química maior do que o VRQ e menor ou igual ao VP; III - Classe 3 - Solos que apresentam concentrações de pelo menos uma substância química maior que o VP e menor ou igual ao VI; e IV - Classe 4 - Solos que apresentam concentrações de pelo menos uma substância química maior que o VI.

23

24

25

26 Solo (mg.kg -1 de peso seco) (1) Substâncias CAS n o Referência de qualidade Prevenção Investigação Água Subterrânea (µg.l -1 ) Agrícola Residencial Industrial Investigação Inorgânicos Alumínio (3) E Antimônio (2) E Arsênio (2) E Bário (2) E Boro E Cádmio (2) E 1, Chumbo (2) E Cobalto E Cobre (2) E Cromo (2) E Ferro (3) E Manganês (3) E Mercúrio (2) E 0, Molibdênio E Níquel E Nitrato (como N) (2) E Prata E Selênio (2) E Vanádio E Zinco (3) E

27 Resolução CONAMA nº 420/2009 Art. 20. Após a classificação do solo deverão ser observados os seguintes procedimentos de prevenção e controle da qualidade do solo: I - Classe 1: não requer ações; II - Classe 2: poderá requerer uma avaliação do órgão ambiental, incluindo a verificação da possibilidade de ocorrência natural da substância ou da existência de fontes de poluição, com indicativos de ações preventivas de controle, quando couber, não envolvendo necessariamente investigação; III - Classe 3: requer identificação da fonte potencial de contaminação, avaliação da ocorrência natural da substância, controle das fontes de contaminação e monitoramento da qualidade do solo e da água subterrânea; IV - Classe 4: requer as ações estabelecidas no Capítulo IV.

28 GERENCIAMENTO DE ÁREAS CONTAMINADAS - GAC OBJETIVO : Minimizar os riscos a que estão sujeitos a população e o meio ambiente, por meio de um conjunto de medidas que possibilitem à tomada de decisão quanto às formas de intervenção mais adequadas

29 PROBLEMAS GERADOS POR ÁREAS CONTAMINADAS - existência de riscos à segurança das pessoas e das propriedades, - riscos à saúde pública e dos ecossistemas (curto e longo prazo), - restrições ao desenvolvimento urbano, - redução do valor imobiliário das propriedades.

30 GAC: METODOLOGIA UTILIZADA ESTRATÉGIA : AVALIAÇÃO EM ETAPAS SEQÜENCIAIS. FASES DO PROCESSO DE GERENCIAMENTO: PROCESSO DE IDENTIFICAÇÃO PROCESSO DE RECUPERAÇÃO

31

32 GAC : CLASSIFICAÇÃO DAS ÁREAS Áreas potencialmente contaminadas: áreas onde estão sendo ou foram desenvolvidas atividades potencialmente contaminadoras. Áreas suspeitas de contaminação: áreas onde foram observados indícios ou constatação de vazamentos, induzindo a suspeitar da presença de contaminação no solo e nas águas subterrâneas. Área contaminada: área onde há comprovadamente contaminação, confirmada por análises.

33 GAC: PROCESSO DE IDENTIFICAÇÃO Objetivo: localização das áreas contaminadas Estratégia: 1) definição da região de interesse 2) identificação de áreas potencialmente contaminadas (AP) 3) identificação de áreas suspeitas (AS) - avaliação preliminar 4) identificação de áreas contaminadas (AI) - investigação confirmatória

34 GAC : CLASSIFICAÇÃO DAS ÁREAS I - Área com Potencial de Contaminação (AP); II - Área Suspeita de Contaminação (AS); III - Área Contaminada sob Investigação (AI); IV - Área Contaminada sob Intervenção (ACI); V - Área em Processo de Monitoramento para Reabilitação (AMR); VI - Área Reabilitada para o Uso Declarado (AR);

35 GAC: PROCESSO DE RECUPERAÇÃO DAS AC Objetivo: adoção de medidas corretivas que possibilitem recuperar as AC, para o uso estabelecido, a ser atingido após a intervenção. Estratégia: 1) investigação detalhada 2) avaliação de risco 3) investigação para remediação 4) projeto de remediação 5) remediação 6) monitoramento

36 INVESTIGAÇÃO DETALHADA Etapa do GAC em que devem ser avaliadas as características da fonte de contaminação e do meio afetado, através da determinação das dimensões da área afetada, dos tipos e concentração dos contaminantes e da pluma de contaminação, visando obter dados suficientes para a realização da avaliação de risco e do projeto de recuperação.

37 COMPLEMENTAR o texto abaixo 2) avaliação de risco 3) investigação para remediação 4) projeto de remediação 5) Remediação 6) monitoramento

38 FUNDAMENTOS DA RECUPERAÇÃO DE ÁREAS CONTAMINADAS A recuperação de áreas contaminadas envolve aplicação de medidas corretivas necessárias para CONTER, MINIMIZAR ou ELIMINAR a contaminação, visando à utilização dessa área para um determinado uso. Podem ser adotadas duas estratégias, isoladamente ou em conjunto: * à compatibilização ao uso; * à adoção de medidas de remediação.

39 FUNDAMENTOS DA RECUPERAÇÃO DE ÁREAS CONTAMINADAS Quatro abordagens para o planejamento da recuperação: mudança do uso definido da área (minimização do risco); remoção dos contaminantes com ou sem mudança do uso (eliminação do risco); redução da concentração dos contaminantes com ou sem mudança do uso (minimização do risco); contenção dos contaminantes com ou sem mudança do uso (eliminação ou minimização do risco).

40 FUNDAMENTOS DA RECUPERAÇÃO DE ÁREAS CONTAMINADAS A seleção da técnica de remediação depende: do uso futuro estabelecido, características do meio contaminado, características dos contaminantes, objetivos da recuperação, localização da área, tempo e recursos disponíveis.

41 PANORAMA ATUAL DE AC NO ESTADO DE MINAS GERAIS Inventário 2012 de Áreas Contaminadas FEAM 530 áreas contaminadas no Estado de MG maioria postos de combustível. DN COPAM 116/2008: Declaração obrigatória de Áreas Suspeitas de contaminação.

42 Panorama de Juiz de Fora (FEAM, 2012): 13 Áreas Contaminadas declaradas ; Atividades: 11 postos de combustível e 1 indústria metalúrgica e siderúrgica; garimpo de ouro (Área órfã) Fonte de contaminação: 11 com Vazamento ou Infiltração e 2 com disposição de resíduos; Contaminantes: 11 com Hidrocarbonetos e 1 com metais e sulfatos e 1 com metal 8 Áreas Contaminada sob Intervenção 3 Áreas Contaminadas sob Investigação 2 Áreas em Processo de Monitoramento para Reabilitação

43 Obrigado.

CONTAMINAÇÃO DE SOLOS: LEGISLAÇÃO APLICÁVEL. Otávio Eurico de Aquino Branco Maio de 2016

CONTAMINAÇÃO DE SOLOS: LEGISLAÇÃO APLICÁVEL. Otávio Eurico de Aquino Branco Maio de 2016 CONTAMINAÇÃO DE SOLOS: LEGISLAÇÃO APLICÁVEL Otávio Eurico de Aquino Branco Maio de 2016 SUMÁRIO INTRODUÇÃO BASE LEGAL DA AVALIAÇÃO DA CONTAMINAÇÃO DE SOLOS GERENCIAMENTO DE ÁREAS CONTAMINADAS COMENTARIOS

Leia mais

III SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS CONTAMINADAS

III SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS CONTAMINADAS III SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS CONTAMINADAS PROCEDIMENTOS DA FEPAM NO LICENCIAMENTO DE ÁREAS COM POTENCIAL DE CONTAMINAÇÃO NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Eng. Quím. Mário Kolberg

Leia mais

SISTEMA ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE - FEAM

SISTEMA ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE - FEAM SISTEMA ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE - FEAM SISTEMA ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO

Leia mais

SEMINÁRIO SUL-BRASILEIRO DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS CONTAMINADAS

SEMINÁRIO SUL-BRASILEIRO DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS CONTAMINADAS SEMINÁRIO SUL-BRASILEIRO DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS CONTAMINADAS A SITUAÇÃO ATUAL DO GERENCIAMENTO DE ÁREAS CONTAMINADAS NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL FRENTE A RESOLUÇÃO CONAMA nº420/2009 Eng. Quím. Mário

Leia mais

Eliminação e Recuperação de Lixões em Minas Gerais: estágio atual e perspectivas

Eliminação e Recuperação de Lixões em Minas Gerais: estágio atual e perspectivas SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos Eliminação e Recuperação de Lixões em Minas Gerais: estágio atual e perspectivas Cíntia Guimarães dos Santos Gerência de Áreas Contaminadas/GERAC

Leia mais

FENSEG Federação Nacional de Seguros Gerais

FENSEG Federação Nacional de Seguros Gerais Federação Nacional de Seguros Gerais Gerenciamento de Áreas Contaminadas Estratégias, Legislação e Oportunidades (Lei 13.577 e Decreto 59.263) Sindicato da Seguradoras de São Paulo São Paulo, Abril de

Leia mais

Gestão de Áreas Contaminadas: o problema e as principais dificuldades. Cyro Bernardes Jr. Dezembro/2012 COSEMA/FIESP

Gestão de Áreas Contaminadas: o problema e as principais dificuldades. Cyro Bernardes Jr. Dezembro/2012 COSEMA/FIESP Gestão de Áreas Contaminadas: o problema e as principais dificuldades Cyro Bernardes Jr. Dezembro/2012 COSEMA/FIESP ÁREAS CONTAMINADAS É UMA ÁREA CONTAMINADA OU UM PARQUE ÁREAS CONTAMINADAS GESTÃO APROXIMAÇÕES

Leia mais

Resolução CONAMA 420/09 e Gerenciamento de Áreas Contaminadas em Âmbito Nacional

Resolução CONAMA 420/09 e Gerenciamento de Áreas Contaminadas em Âmbito Nacional Resolução CONAMA 420/09 e Gerenciamento de Áreas Contaminadas em Âmbito Nacional Agosto/2011 Gerenciamento de Áreas Contaminadas Conjunto de medidas que assegurem o conhecimento das características dessas

Leia mais

Gerenciamento de Áreas Contaminadas do Estado do Rio Janeiro

Gerenciamento de Áreas Contaminadas do Estado do Rio Janeiro qqaaa Gerenciamento de Áreas Contaminadas do Estado do Rio Janeiro Cadastro de Áreas Contaminadas e Reabilitadas 1ª Edição Instituto Estadual do Ambiente FICHA TÉCNICA Diretora de Licenciamento Ambiental

Leia mais

Declaração de Áreas Contaminadas e Suspeitas de Contaminação -BDA. Luiz Otávio Martins Cruz Gerência de Áreas Contaminadas - GERAC

Declaração de Áreas Contaminadas e Suspeitas de Contaminação -BDA. Luiz Otávio Martins Cruz Gerência de Áreas Contaminadas - GERAC Declaração de Áreas Contaminadas e Suspeitas de Contaminação -BDA Luiz Otávio Martins Cruz Gerência de Áreas Contaminadas - GERAC DN COPAM -116/2008 Dispõe sobre a declaração de informações relativas à

Leia mais

ÁREAS CONTAMINADAS E RECURSOS HÍDRICOS

ÁREAS CONTAMINADAS E RECURSOS HÍDRICOS ÁREAS CONTAMINADAS E RECURSOS HÍDRICOS Eng. Alfredo C. C. Rocca Gerente da Divisão de Áreas Contaminadas da CETESB ÁREA CONTAMINADA Local onde há comprovadamente passivo de contaminação de solo e água

Leia mais

INVENTÁRIO DE ÁREAS SUSPEITAS DE CONTAMINAÇÃO E CONTAMINADAS DO ESTADO DE MINAS GERAIS 2011

INVENTÁRIO DE ÁREAS SUSPEITAS DE CONTAMINAÇÃO E CONTAMINADAS DO ESTADO DE MINAS GERAIS 2011 SISTEMA ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE - FEAM INVENTÁRIO DE ÁREAS SUSPEITAS DE CONTAMINAÇÃO E CONTAMINADAS DO ESTADO

Leia mais

IV Fórum de Recursos Hídricos

IV Fórum de Recursos Hídricos IV Fórum de Recursos Hídricos CRQ-IV São Paulo, 17 de março de 2016 Panorama da Situação Atual das Áreas Contaminadas Eng. Rodrigo César de Araújo Cunha, Dr. Setor de Avaliação e Auditoria de Áreas Contaminadas

Leia mais

Conhecendo as Bases da Legislação Ambiental e sua Aplicação na Gestão de Áreas Contaminadas

Conhecendo as Bases da Legislação Ambiental e sua Aplicação na Gestão de Áreas Contaminadas Conhecendo as Bases da Legislação Ambiental e sua Aplicação na Gestão de Áreas Contaminadas Fernando Tabet Tabet, Paulino, Bueno & Franco Advogados Causas de Contaminação Poluição Continuada (acidental

Leia mais

Vigilância em Saúde de Populações Expostas a Solo Contaminado - VIGISOLO MÓDULO III - LEGISLAÇÕES

Vigilância em Saúde de Populações Expostas a Solo Contaminado - VIGISOLO MÓDULO III - LEGISLAÇÕES Vigilância em Saúde de Populações Expostas a Solo Contaminado - VIGISOLO MÓDULO III - LEGISLAÇÕES Site PISAST http://pisast.saude.gov.br:8080/pisast/saudeambiental/legislacao-relacionada/legislacaorelacionada

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ÁREAS CONTAMINADAS

GERENCIAMENTO DE ÁREAS CONTAMINADAS O que é uma Área Contaminada (AC)? Área contaminada pode ser definida como um local onde foi comprovada a existência de poluição ou contaminação, causada pela introdução de substâncias ou resíduos, por

Leia mais

PORTARIA FEPAM N.º 85/2014

PORTARIA FEPAM N.º 85/2014 PORTARIA FEPAM N.º 85/2014 Dispõe sobre o estabelecimento de Valores de Referência de Qualidade (VRQ) dos solos para 09 (nove) elementos químicos naturalmente presentes nas diferentes províncias geomorfológicas/geológicas

Leia mais

Engª Ambiental Larissa C. Lopes Cal AGOSTO 2017 GERENCIAMENTO DE ÁREAS CONTAMINADAS E O MERCADO IMOBILIÁRIO

Engª Ambiental Larissa C. Lopes Cal AGOSTO 2017 GERENCIAMENTO DE ÁREAS CONTAMINADAS E O MERCADO IMOBILIÁRIO Engª Ambiental Larissa C. Lopes Cal AGOSTO 2017 GERENCIAMENTO DE ÁREAS CONTAMINADAS E O MERCADO IMOBILIÁRIO Tópicos Definição de Áreas Contaminadas Arcabouço legal e técnico Etapas do Gerenciamento de

Leia mais

GESTÃO DE ÁREAS CONTAMINADAS NO ESTADO DE SÃO PAULO

GESTÃO DE ÁREAS CONTAMINADAS NO ESTADO DE SÃO PAULO FEDERAÇÃO DAS INDUSTRIAS DO ESTADO DE SÃOPAULO - FIESP XII SEMANA FIESP-CIESP DE MEIO AMBIENTE 07 A 09 DE JUNHO DE 2010 GESTÃO DE ÁREAS CONTAMINADAS NO ESTADO DE SÃO PAULO Eng. Alfredo C. C. Rocca Gerente

Leia mais

Qualidade do Solo e das Águas Subterrâneas. Rodrigo Cunha CETESB

Qualidade do Solo e das Águas Subterrâneas. Rodrigo Cunha CETESB VI Seminário de Políticas de Gestão da Qualidade do Solo e das Águas Subterrâneas AVALIAÇÃO DE RISCO NOVOS PROCEDIMENTOS ADOTADOS PELA CETESB Rodrigo Cunha CETESB São Paulo, 25 de setembro de 2008 PROCEDIMENTO

Leia mais

Gerenciamento de Áreas Contaminadas no Estado de São Paulo

Gerenciamento de Áreas Contaminadas no Estado de São Paulo Gerenciamento de Áreas Contaminadas no Estado de São Paulo CETESB Companhia Ambiental do Estado de São Paulo Elton Gloeden (Gerente do Departamento de Áreas Contaminadas) Novembro de 2012 GERENCIAMENTO

Leia mais

Dezembro INVENTÁRIO DE ÁREAS CONTAMINADAS DE MINAS GERAIS

Dezembro INVENTÁRIO DE ÁREAS CONTAMINADAS DE MINAS GERAIS Dezembro - 2015 INVENTÁRIO DE ÁREAS CONTAMINADAS DE MINAS GERAIS 2015 http://www.feam.br SISTEMA ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL FUNDAÇÃO ESTADUAL DO

Leia mais

Os Novos Procedimentos para o Gerenciamento de Áreas Contaminadas no Estado de São Paulo

Os Novos Procedimentos para o Gerenciamento de Áreas Contaminadas no Estado de São Paulo Os Novos Procedimentos para o Gerenciamento de Áreas Contaminadas no Estado de São Paulo Base Legal no Estado de São Paulo Lei 13.577, de 08/07/09 - dispõe sobre diretrizes e procedimentos para a proteção

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA GERENCIAMENTO DE

PROCEDIMENTO PARA GERENCIAMENTO DE PROCEDIMENTO PARA GERENCIAMENTO DE ÁREAS CONTAMINADAS AESAS ELTON GLOEDEN CETESB Setembro de 2008 PROCEDIMENTO PARA GERENCIAMENTO DE ÁREAS CONTAMINADAS RD 007/00/C/E (18.01.2000) RD 023/00/C/E (15.06.2000)

Leia mais

Sistema Estadual do Meio Ambiente- SISEMA

Sistema Estadual do Meio Ambiente- SISEMA Sistema Estadual do Meio Ambiente- SISEMA RELATÓRIO DA LISTA DE ÁREAS CONTAMINADAS DO ESTADO DE MINAS GERAIS - 2009 Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos Secretária de Estado de Meio Ambiente

Leia mais

Gestão e Gerenciamento de Áreas Contaminadas

Gestão e Gerenciamento de Áreas Contaminadas Gestão e Gerenciamento de Áreas Contaminadas São Paulo, 1 de junho de 2017 Sobre o IPT Fundado em 1899 Pioneirismo em áreas de metrologia, construção civil, meio ambiente e transportes Vinculado à Secretaria

Leia mais

Gestão de Áreas Contaminadas baseada na Lei Engº Rodrigo César de Araújo Cunha, Dr. Setor de Áreas Contaminadas CETESB

Gestão de Áreas Contaminadas baseada na Lei Engº Rodrigo César de Araújo Cunha, Dr. Setor de Áreas Contaminadas CETESB Gestão de Áreas Contaminadas baseada na Lei 13577 Engº Rodrigo César de Araújo Cunha, Dr. Setor de Áreas Contaminadas CETESB DISTRIBUIÇÃO POR ATIVIDADE 471 (13%) 147 (4%) 96 (3%) Outras fontes 25 (1%)

Leia mais

Atualidades sobre o Gerenciamento de Áreas Contaminadas no Estado de São Paulo

Atualidades sobre o Gerenciamento de Áreas Contaminadas no Estado de São Paulo Atualidades sobre o Gerenciamento de Áreas Contaminadas no Estado de São Paulo CETESB Companhia Ambiental do Estado de São Paulo Novembro 2011 GERENCIAMENTO DE ÁREAS CONTAMINADAS Conjunto de medidas que

Leia mais

Aspectos jurídicos DD CETESB 38/2017

Aspectos jurídicos DD CETESB 38/2017 Aspectos jurídicos DD CETESB 38/2017 Lina Pimentel Garcia 25/05/2017 Aspectos Gerais Resumo do histórico da legislação de áreas contaminadas 2007: Primeiro manual de gerenciamento da CETESB (DD 103/2007);

Leia mais

PROJETO SOLOS DE MINAS

PROJETO SOLOS DE MINAS PROJETO SOLOS DE MINAS Liliana Adriana Nappi Mateus Fundação Estadual do Meio Ambiente Walter Antônio Pereira Abraão Universidade Federal de Viçosa 15-04-2015 Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos

Leia mais

Setor Imobiliário: A Importância da Recuperação de Áreas Industriais

Setor Imobiliário: A Importância da Recuperação de Áreas Industriais Setor Imobiliário: A Importância da Recuperação de Áreas Industriais Dr. José Francisco Heitzmann Jr. Tópicos Contexto Histórico Legislação Metodologias de Avaliação Técnicas de Investigação / Remediação

Leia mais

INVENTÁRIO DE ÁREAS CONTAMINADAS ESTADO DE MINAS GERAIS: 2016

INVENTÁRIO DE ÁREAS CONTAMINADAS ESTADO DE MINAS GERAIS: 2016 SISTEMA ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE - FEAM INVENTÁRIO DE ÁREAS CONTAMINADAS ESTADO DE MINAS GERAIS: 2016 DIRETORIA

Leia mais

A importância do Gerenciamento de Áreas Contaminadas na proteção das águas subterrâneas São Paulo 19 de dezembro de 2013

A importância do Gerenciamento de Áreas Contaminadas na proteção das águas subterrâneas São Paulo 19 de dezembro de 2013 A importância do Gerenciamento de Áreas Contaminadas na proteção das águas subterrâneas São Paulo 19 de dezembro de 2013 Mateus Delatim Simonato Hidrogeólogo, Msc. Tupã SP Aquíferos no Estado de São Paulo

Leia mais

Situação Atual do Gerenciamento de Áreas Contaminadas no Estado do Paraná

Situação Atual do Gerenciamento de Áreas Contaminadas no Estado do Paraná Situação Atual do Gerenciamento de Áreas Contaminadas no Estado do Paraná Legislação Estadual PORTARIA IAP Nº 224, DE 05 DE DEZEMBRO DE 2007 Estabelece os critérios para exigência e emissão de Autorizações

Leia mais

Responsabilidade Civil e a Gestão de Áreas Contaminadas. Annelise Monteiro Steigleder

Responsabilidade Civil e a Gestão de Áreas Contaminadas. Annelise Monteiro Steigleder Responsabilidade Civil e a Gestão de Áreas Contaminadas Annelise Monteiro Steigleder Áreas Contaminadas Local onde há poluição ou contaminação, potencial ou efetiva, causada pela introdução de substâncias

Leia mais

Cenário do mapeamento de áreas contaminadas nos Estados do Rio de Janeiro e São Paulo.

Cenário do mapeamento de áreas contaminadas nos Estados do Rio de Janeiro e São Paulo. Cenário do mapeamento de áreas contaminadas nos Estados do Rio de Janeiro e São Paulo. Fabiana Pereira Coelho¹; Ubirajara Hutter Carvalho²; Thamires Henrique Teles da Silva³ Resumo: A necessidade de ocupação

Leia mais

DISCIPLINA: RECURSO SOLO. Áreas Degradadas e Áreas Contaminadas. Profa. Wanda R. Günther HSA/FSP/USP

DISCIPLINA: RECURSO SOLO. Áreas Degradadas e Áreas Contaminadas. Profa. Wanda R. Günther HSA/FSP/USP DISCIPLINA: RECURSO SOLO Áreas Degradadas e Áreas Contaminadas Profa. Wanda R. Günther HSA/FSP/USP SURGIMENTO DE CASOS DE POLUIÇÃO OU CONTAMINAÇÃO AMBIENTAL E ÁREAS CONTAMINADAS... ASSUNTO AINDA RECENTE...

Leia mais

III Seminário Sul-Brasileiro Gerenciamento de Áreas Contaminadas. Porto Alegre, 11 e 12 de novembro de 2015

III Seminário Sul-Brasileiro Gerenciamento de Áreas Contaminadas. Porto Alegre, 11 e 12 de novembro de 2015 III Seminário Sul-Brasileiro Gerenciamento de Áreas Contaminadas Porto Alegre, 11 e 12 de novembro de 2015 Evolução e Perspectivas do Gerenciamento de Áreas Contaminadas no Estado de São Paulo Eng. Rodrigo

Leia mais

A contaminação do solo e a destinação de resíduos sólidos

A contaminação do solo e a destinação de resíduos sólidos A contaminação do solo e a destinação de resíduos sólidos A prevenção da contaminação do solo nos Postos de Serviços e a destinação das embalagens de óleo em conformidade com a Política Nacional de Resíduos

Leia mais

Estrutura da Apresentação

Estrutura da Apresentação SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente POLÍCIA Estabelecimento de Valores de Referência de Qualidade para Solos do Estado de Minas Gerais Patrícia Rocha Maciel Fernandes Fundação Estadual de Meio Ambiente

Leia mais

Portaria IAP nº 259 DE 26/11/2014

Portaria IAP nº 259 DE 26/11/2014 Norma Estadual - Paraná Portaria IAP nº 259 DE 26/11/2014 Publicado no DOE em 28 nov 2014 Aprova e estabelece os critérios e exigências para a apresentação do AUTOMONITORAMENTO AMBIENTAL DE ATERROS SANITÁRIOS

Leia mais

INSTRUMENTOS REGULATÓRIOS APLICÁVEIS À BARRAGENS DE REJEITOS DA CONCEPÇÃO AO FECHAMENTO. Débora do Vale/ Giani Aragão/ Aline Queiroz / Luciano Santos

INSTRUMENTOS REGULATÓRIOS APLICÁVEIS À BARRAGENS DE REJEITOS DA CONCEPÇÃO AO FECHAMENTO. Débora do Vale/ Giani Aragão/ Aline Queiroz / Luciano Santos INSTRUMENTOS REGULATÓRIOS APLICÁVEIS À BARRAGENS DE REJEITOS DA CONCEPÇÃO AO FECHAMENTO Débora do Vale/ Giani Aragão/ Aline Queiroz / Luciano Santos Introdução e Objetivo Os riscos associados às barragens

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA. Renato das Chagas e Silva Engenheiro Químico Divisão de Controle da Poluição Industrial FEPAM

GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA. Renato das Chagas e Silva Engenheiro Químico Divisão de Controle da Poluição Industrial FEPAM GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA Renato das Chagas e Silva Engenheiro Químico Divisão de Controle da Poluição Industrial FEPAM LEI FEDERAL 6938/81 DECRETO FEDERAL 99274/90 BASE PARA GESTÃO AMBIENTAL obrigatoriedade

Leia mais

I Congresso Internacional de Meio Ambiente Subterrâneo MESA REDONDA 6 Fundo para Áreas Contaminadas no Brasil. Aspectos Institucionais

I Congresso Internacional de Meio Ambiente Subterrâneo MESA REDONDA 6 Fundo para Áreas Contaminadas no Brasil. Aspectos Institucionais I Congresso Internacional de Subterrâneo MESA REDONDA 6 Fundo para Áreas Contaminadas no Brasil Aspectos Institucionais Sérgia de Souza Oliveira MMA/SMCQ/DQAM Setembro/2009 Áreas Contaminadas Na década

Leia mais

Banco de Declarações Ambientais - BDA Cadastro de Áreas Impactadas pela Mineração

Banco de Declarações Ambientais - BDA Cadastro de Áreas Impactadas pela Mineração Banco de Declarações Ambientais - BDA Cadastro de Áreas Impactadas pela Mineração Patrícia Rocha Maciel Fernandes Frederico José Abílio Garcia Gerência de Qualidade do Solo e Reabilitação de Áreas degradadas

Leia mais

Deliberação Normativa COPAM nº116, 27 de junho de (Publicação Diário do Executivo Minas Gerais 28/06/2008)

Deliberação Normativa COPAM nº116, 27 de junho de (Publicação Diário do Executivo Minas Gerais 28/06/2008) Deliberação Normativa COPAM nº116, 27 de junho de 2008 Dispõe sobre a declaração de informações relativas à identificação de áreas suspeitas de contaminação e contaminadas por substâncias químicas no Estado

Leia mais

Derivação de Critérios de Qualidade da Água para Substâncias Químicas no Brasil- Avanços e Desafios

Derivação de Critérios de Qualidade da Água para Substâncias Químicas no Brasil- Avanços e Desafios Derivação de Critérios de Qualidade da Água para Substâncias Químicas no Brasil- Avanços e Desafios Simone Valente Campos Farmacêutica-Bioquímica (UNESP), Mestre e Doutora em Toxicologia e Análises Toxicológicas

Leia mais

SEMINÁRIO SOBRE ÁREAS CONTAMINADAS FAZENDA CONTENDAS

SEMINÁRIO SOBRE ÁREAS CONTAMINADAS FAZENDA CONTENDAS SEMINÁRIO SOBRE ÁREAS CONTAMINADAS FAZENDA CONTENDAS DEZEMBRO DE 2005 MUNICÍPIO DE VALINHOS > Possui 96.426 habitantes. > Localização: km 82 da Via Anhanguera, 10 km antes de Campinas. > Sistema de gestão:

Leia mais

Tratamento de Resíduos Sólidos Orgânicos e seus Impactos Ambientais. Angélica S. Gutierrez

Tratamento de Resíduos Sólidos Orgânicos e seus Impactos Ambientais. Angélica S. Gutierrez Tratamento de Resíduos Sólidos Orgânicos e seus Impactos Ambientais Angélica S. Gutierrez OBJETIVO Compreender o impacto causado pelos resíduos sólidos orgânicos no solo e na água subterrânea. Leis ambientais

Leia mais

LICENÇA DE OPERAÇÃO E RECUPERAÇÃO

LICENÇA DE OPERAÇÃO E RECUPERAÇÃO O Instituto Estadual do Ambiente - INEA, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Lei nº 5.101, de 4 de outubro de 2007 e pelo Decreto nº 41.628, de 12 de janeiro de 2009, e suas modificações

Leia mais

Cavas de Mina: Uso para disposição de resíduos Possibilidades e Restrições Riscos de contaminação e cuidados ambientais relacionados à disposição de r

Cavas de Mina: Uso para disposição de resíduos Possibilidades e Restrições Riscos de contaminação e cuidados ambientais relacionados à disposição de r 21/10/2003 Cavas de Mina: Uso para disposição de resíduos Possibilidades e Restrições Riscos de contaminação e cuidados ambientais relacionados à disposição de resíduos sólidos ESSENCIS SOLUÇÕES AMBIENTAIS

Leia mais

QUÍMICA ANALÍTICA AMBIENTAL Prof. Marcelo da Rosa Alexandre

QUÍMICA ANALÍTICA AMBIENTAL Prof. Marcelo da Rosa Alexandre QUÍMICA ANALÍTICA AMBIENTAL 106213 Prof. Marcelo da Rosa Alexandre INFLUÊNCIA HUMANA SOBRE O MEIO AMBIENTE Industrialização Efeitos sobre habitat e saúde Preocupação ambiental Poluentes no Meio Ambiente

Leia mais

Gerenciamento de Áreas Contaminadas. Emanuel L Apiccirella - Hidrogeólogo Dezembro, 2013

Gerenciamento de Áreas Contaminadas. Emanuel L Apiccirella - Hidrogeólogo Dezembro, 2013 Gerenciamento de Áreas Contaminadas Emanuel L Apiccirella - Hidrogeólogo Dezembro, 2013 Gerenciamento de Áreas Contaminadas O controle de fontes é o meio mais correto e eficaz de reduzir problemas de contaminação

Leia mais

PROCEDIMENTOS CO-PROCESSAMENTO DE RESÍDUOS NO ESTADO DO PARANÁ. São Paulo, 04 de novembro de 2004

PROCEDIMENTOS CO-PROCESSAMENTO DE RESÍDUOS NO ESTADO DO PARANÁ. São Paulo, 04 de novembro de 2004 PROCEDIMENTOS CO-PROCESSAMENTO DE RESÍDUOS NO ESTADO DO PARANÁ São Paulo, 04 de novembro de 2004 LEGISLAÇÃO APLICÁVEL Resolução CONAMA Nº 264/99, dispõe sobre o co-processamento de resíduos sólidos; Resolução

Leia mais

TECNOHIDRO Projetos Ambientais

TECNOHIDRO Projetos Ambientais Gerenciamento de Áreas em Minas Gerais Seminário FEAM: Avaliação de Risco a Saúde Humana no Gerenciamento de Áreas FEAM-MG Belo Horizonte, 17 de agosto de 2011 TECNOHIDRO Projetos Ambientais Alexandre

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente CERTIFICADO DE CADASTRO DE LABORATÓRIO A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual nº 9.077 de 04/06/90, registrada no Ofício do Registro Oficial em 01/02/91, e com seu Estatuto

Leia mais

José Cláudio Junqueira Ribeiro. Belo Horizonte, 23 de setembro de 2008

José Cláudio Junqueira Ribeiro. Belo Horizonte, 23 de setembro de 2008 José Cláudio Junqueira Ribeiro Belo Horizonte, 23 de setembro de 2008 Órgãos Consultivos e Deliberativos: Conselho Estadual de Política Ambiental COPAM Conselho Estadual de Recursos Hídricos CERH Órgão

Leia mais

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida.

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida. SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos POLÍCIA Gestão de resíduos sólidos s no estado de Minas Gerais Palestrante: Bruno de Mattos Teixeira Data: 30/08/2010 POLÍCIA Competências

Leia mais

Áreas Contaminadas. Gerenciamento Estratégico. Renata Campetti Amaral Sócia Walter Hellmeister Consultor. Março/2016

Áreas Contaminadas. Gerenciamento Estratégico. Renata Campetti Amaral Sócia Walter Hellmeister Consultor. Março/2016 Áreas Contaminadas Gerenciamento Estratégico Renata Campetti Amaral Sócia Walter Hellmeister Consultor Março/2016 2016 Trench, Rossi e Watanabe Advogados Introdução Direito Ambiental Cenário Atual e Tendências

Leia mais

MONITORAMENTO EDÁFICO HÍDRICO

MONITORAMENTO EDÁFICO HÍDRICO MONITORAMENTO EDÁFICO HÍDRICO A Veracel realiza monitoramento dos solos e da água de rios nas áreas de influência dos plantios de eucalipto, com o objetivo de acompanhar os impactos da atividade silvicultural

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente CINTER Nº CERTIFICADO DE CADASTRO DE LABORATÓRIO Processo nº 176-05.67 / 17.2 00017 / 2017-DL A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual nº 9.077 de 04/06/90, registrada no Ofício

Leia mais

RESUMO DOS RESULTADOS DA AMOSTRA N / Processo Comercial N 11232/2016-1

RESUMO DOS RESULTADOS DA AMOSTRA N / Processo Comercial N 11232/2016-1 RESUMO DOS RESULTADOS DA AMOSTRA N 176251/2016-0 Identificação do Cliente: ETA São Vitor Amostra Rotulada como: Água Tratada Data da entrada no laboratório: 06/07/2016 16:10 Data de Elaboração do RRA:

Leia mais

Deliberação Normativa COPAM n.º 58, de 28 de Novembro de (Publicação - Diário do Executivo - "Minas Gerais" - 04/12/2002)

Deliberação Normativa COPAM n.º 58, de 28 de Novembro de (Publicação - Diário do Executivo - Minas Gerais - 04/12/2002) Deliberação Normativa COPAM n.º 58, de 28 de Novembro de 2002 Estabelece normas para o licenciamento ambiental de loteamentos do solo urbano para fins exclusiva ou predominantemente residenciais, e dá

Leia mais

Processo Nº PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS Mod:18.

Processo Nº PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS Mod:18. ANEXO IV ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Ácido Fluossilícico 20% NE: 262055 Ácido fluossilícico a 20% para fluoretação de água para consumo humano, para prevenção de cárie dentária. O produto deverá apresentar

Leia mais

1º Encontro Preparatório da Engenharia e Agronomia para o 8º Fórum Mundial da Água NORMAS TÉCNICAS ABNT

1º Encontro Preparatório da Engenharia e Agronomia para o 8º Fórum Mundial da Água NORMAS TÉCNICAS ABNT 1º Encontro Preparatório da Engenharia e Agronomia para o 8º Fórum Mundial da Água NORMAS TÉCNICAS ABNT Campinas, 23 de Março de 2017 Química Monica Betterelli Diretora de Qualidade da AESAS Associação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA TRANSFORMAÇÕES DA MATÉRIA E QUANTIDADES LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA NATUREZA. Uruguaiana, maio de 2016.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA TRANSFORMAÇÕES DA MATÉRIA E QUANTIDADES LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA NATUREZA. Uruguaiana, maio de 2016. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA TRANSFORMAÇÕES DA MATÉRIA E QUANTIDADES LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA NATUREZA CICLOS BIOGEOQUÍMICOS Uruguaiana, maio de 2016. 1 Na natureza nada se cria, nada se perde, tudo

Leia mais

V Seminário de Políticas de Gestão da Qualidade do Solo e das Águas Subterrâneas

V Seminário de Políticas de Gestão da Qualidade do Solo e das Águas Subterrâneas V Seminário de Políticas de Gestão da Qualidade do Solo e das Águas Subterrâneas Visão da CETESB no desenvolvimento das investigações em indústrias - status e sugestões Vicente de Aquino Neto CETESB Áreas

Leia mais

Deliberação Normativa COPAM nº..., de... de...

Deliberação Normativa COPAM nº..., de... de... 1 Deliberação Normativa COPAM nº..., de... de... Dispõe sobre a utilização da areia descartada de fundição na produção de artefatos de concreto sem função estrutural. O Conselho Estadual de Política Ambiental

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 55, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2005

RESOLUÇÃO N o 55, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2005 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 55, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2005 (Publicada do DOU em 08/02/06) Estabelece diretrizes para elaboração do Plano de Utilização

Leia mais

AÇÕES DA VIGILÂNCIA EM ÁREAS DE RISCO

AÇÕES DA VIGILÂNCIA EM ÁREAS DE RISCO AÇÕES DA VIGILÂNCIA EM ÁREAS DE RISCO Município: Cotia S.P População estimada( IBGE/05 ) 175.008 habitantes Área 325 km 2 108 km 2 : Reserva Florestal 196 km 2 : Tendência Rural 21 km 2 : Cosmopolita Distância

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS e ÁREAS CONTAMINADAS. Profa. Dra. Wanda M. Risso Günther FSP/USP

RESÍDUOS SÓLIDOS e ÁREAS CONTAMINADAS. Profa. Dra. Wanda M. Risso Günther FSP/USP RESÍDUOS SÓLIDOS e ÁREAS CONTAMINADAS Profa. Dra. Wanda M. Risso Günther FSP/USP 1 POLUIÇÃO DO SOLO MOTIVO DE PREOCUPAÇÃO ATUAL DEVIDO A: Aspectos de proteção à Saúde Pública e ao Ambiente Publicidade

Leia mais

LEVANTAMENTO DE INDÍCIOS DE CONTAMINAÇÃO EM IMÓVEIS URBANOS LIC. Riscos Ambientais Potenciais na Avaliação de Imóveis Urbanos

LEVANTAMENTO DE INDÍCIOS DE CONTAMINAÇÃO EM IMÓVEIS URBANOS LIC. Riscos Ambientais Potenciais na Avaliação de Imóveis Urbanos LEVANTAMENTO DE INDÍCIOS DE CONTAMINAÇÃO EM IMÓVEIS URBANOS LIC Riscos Ambientais Potenciais na Avaliação de Imóveis Urbanos Resumo Executivo Riscos Potenciais Listas Públicas de Áreas Contaminadas Atividades

Leia mais

ESCLARECIMENTOS. Água do rio Doce e do mar Redução da turbidez Bioacumulação de peixes Diálogo

ESCLARECIMENTOS. Água do rio Doce e do mar Redução da turbidez Bioacumulação de peixes Diálogo ESCLARECIMENTOS Água do rio Doce e do mar Redução da turbidez Bioacumulação de peixes Diálogo A Samarco está empenhada em esclarecer todas as dúvidas e questionamentos sobre a atuação da empresa na recuperação

Leia mais

VALORES ORIENTADORES PARA SOLOS E ÁGUAS SUBTERRÂNEAS Revisão 2014

VALORES ORIENTADORES PARA SOLOS E ÁGUAS SUBTERRÂNEAS Revisão 2014 VALORES ORIENTADORES PARA SOLOS E ÁGUAS SUBTERRÂNEAS Revisão 2014 MARA MAGALHÃES GAETA LEMOS CETESB Setor das Águas Subterrâneas e do Solo (EQAA) TÓPICOS Base legal dos Valores Orientadores (VOs) Histórico

Leia mais

Avaliação e Remediação Ambiental no Contexto da Resolução 420/2009. Seminário Sul-Brasileiro de Gerenciamento de Áreas Contaminadas

Avaliação e Remediação Ambiental no Contexto da Resolução 420/2009. Seminário Sul-Brasileiro de Gerenciamento de Áreas Contaminadas Avaliação e Remediação Ambiental no Contexto da Resolução 420/2009. Seminário Sul-Brasileiro de Gerenciamento de Áreas Contaminadas Marilda M. G. Ramos Vianna Porto Alegre, 3 e 4 setembro de 2012 INCT-EMA/CEPEMA

Leia mais

MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO E DA ÁGUA APLICADOS À PRESERVAÇÃO DOS ECOSSISTEMAS

MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO E DA ÁGUA APLICADOS À PRESERVAÇÃO DOS ECOSSISTEMAS PHA3334 - Exploração de Recursos Naturais MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO E DA ÁGUA APLICADOS À PRESERVAÇÃO DOS ECOSSISTEMAS Grupo 3 Alex Turkie Farina Douglas Vieira Flávio Utumi João Vitor Lucas Mendes

Leia mais

CONAMA 357/2005 E CLASSIFICAÇÃO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS

CONAMA 357/2005 E CLASSIFICAÇÃO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS CONAMA 357/2005 E CLASSIFICAÇÃO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS Dra. Gisela de Aragão Umbuzeiro gerente da Divisão de Toxicologia, Genotoxicidade e Microbiologia Ambiental da CETESB email: giselav@cetesbnet.sp.gov.br

Leia mais

Barragens de Rejeitos de Mineração: Cenário Atual e Proposições

Barragens de Rejeitos de Mineração: Cenário Atual e Proposições Barragens de Rejeitos de Mineração: Cenário Atual e Proposições A Mineração A mineração é a atividade destinada a pesquisar, descobrir, extrair e transformar os recursos minerais em benefícios econômicos

Leia mais

RELATÓRIO DO PLANO DE MONITORIZAÇÃO DA QUALIDADE DE ÁGUAS SUPERFICIAIS DO ECO PARQUE DO RELVÃO

RELATÓRIO DO PLANO DE MONITORIZAÇÃO DA QUALIDADE DE ÁGUAS SUPERFICIAIS DO ECO PARQUE DO RELVÃO RELATÓRIO DO PLANO DE MONITORIZAÇÃO DA QUALIDADE DE ÁGUAS SUPERFICIAIS DO ECO PARQUE DO RELVÃO RELATÓRIO FINAL DAS CAMPANHAS DE MONITORIZAÇÃO - 2014 Janeiro de 2015 1. Parâmetros da Campanha inicial de

Leia mais

CENTRAL DE COMPOSTAGEM DE LODO DE ESGOTO DA ETE LAVAPÉS

CENTRAL DE COMPOSTAGEM DE LODO DE ESGOTO DA ETE LAVAPÉS 11 a Audiência de Sustentabilidade 30/09/2008 Tema: Compostagem de Resíduos Orgânicos CENTRAL DE COMPOSTAGEM DE LODO DE ESGOTO DA ETE LAVAPÉS Fernando Carvalho Oliveira Eng. Agrônomo, Ms. Dr. ETE LAVAPÉS

Leia mais

Adivane Terezinha Costa. Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Geologia

Adivane Terezinha Costa. Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Geologia Adivane Terezinha Costa Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Geologia BACIA HIDROGRÁFICA DEGRADADA. Cultivo morro abaixo e uso de agrotóxicos Crescimento urbano desordenado

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente CERTIFICADO DE CADASTRO DE LABORATÓRIO A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual nº 9.077 de 04/06/90, registrada no Ofício do Registro Oficial em 01/02/91, e com seu Estatuto

Leia mais

Contaminação das águas subterrâneas

Contaminação das águas subterrâneas Contaminação das águas subterrâneas i Infiltração de efluentes, irrigação de efluentes líquidos i Depósito de resíduos i Acidentes i Vazamentos em áreas de estocagem e dentro de processos produtivos i

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE RISCOS E DESASTRES NATURAIS NA AMAZÔNIA PLANO DE TRABALHO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE RISCOS E DESASTRES NATURAIS NA AMAZÔNIA PLANO DE TRABALHO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE RISCOS E DESASTRES NATURAIS NA AMAZÔNIA PLANO DE TRABALHO ANÁLISE DOS IMPACTOS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS NO

Leia mais

Oportunidades e Soluções em Lodo de ETEs.

Oportunidades e Soluções em Lodo de ETEs. Oportunidades e Soluções em Lodo de ETEs. ÁREAS POTENCIAIS NA BACIA PCJ PARA O RECEBIMENTO DE LODOS DE ETE PARA USO AGRÍCOLA ÁREAS POTENCIAIS NAS BACIAS PCJ PARA O RECEBIMENTO DE LODOS PARA USO AGRÍCOLA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DO SOLO DISCIPLINA SEMINÁRIOS EM CIÊNCIA DO SOLO II

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DO SOLO DISCIPLINA SEMINÁRIOS EM CIÊNCIA DO SOLO II UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DO SOLO DISCIPLINA SEMINÁRIOS EM CIÊNCIA DO SOLO II Discente: Vinícius Gedeão Bezerra de Carvalho Orientador: Clístenes Williams

Leia mais

Mananciais de Abastecimento. João Karlos Locastro contato:

Mananciais de Abastecimento. João Karlos Locastro contato: 1 Mananciais de Abastecimento João Karlos Locastro contato: prof.joaokarlos@feitep.edu.br 2 Vazão 3 Escolha do Manancial - Qualidade Análise físico-química e bacteriológica; Características de ocupação

Leia mais

A experiência do Estado de São Paulo e a visão da Câmara dos Deputados. Deputado Federal Arnaldo Jardim

A experiência do Estado de São Paulo e a visão da Câmara dos Deputados. Deputado Federal Arnaldo Jardim ABES Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 2º Seminário Regional Sudeste sobre Resíduos Sólidos Desafios das Políticas para uma Gestão Integrada de Resíduos Sólidos A experiência do

Leia mais

RESOLUÇÃO 10/2013 REGULAMENTA O PROCEDIMENTO DE NORMAS DE RECEBIMENTO E MONITORAMENTO DE EFLUENTES NÃO DOMÉSTICOS DO MUNICIPIO DE ARAGUARI MG

RESOLUÇÃO 10/2013 REGULAMENTA O PROCEDIMENTO DE NORMAS DE RECEBIMENTO E MONITORAMENTO DE EFLUENTES NÃO DOMÉSTICOS DO MUNICIPIO DE ARAGUARI MG RESOLUÇÃO 10/13 REGULAMENTA O PROCEDIMENTO DE NORMAS DE RECEBIMENTO E MONITORAMENTO DE EFLUENTES NÃO DOMÉSTICOS DO MUNICIPIO DE ARAGUARI MG Considerando a necessidade de disciplinar matéria de competência

Leia mais

A RESOLUÇÃO CONAMA 20/86 E AS LEGISLAÇÕES ESTADUAIS DE CLASSIFICAÇÃO DAS ÁGUAS E LANÇAMENTO DE EFLUENTES

A RESOLUÇÃO CONAMA 20/86 E AS LEGISLAÇÕES ESTADUAIS DE CLASSIFICAÇÃO DAS ÁGUAS E LANÇAMENTO DE EFLUENTES A RESOLUÇÃO CONAMA 0/86 E AS LEGISLAÇÕES ESTADUAIS DE CLASSIFICAÇÃO DAS ÁGUAS E LANÇAMENTO DE EFLUENTES Marcos von Sperling (1) Engenheiro Civil. Doutor em Engenharia Ambiental pelo Imperial College, Universidade

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO DA CAERN COMISSÃO PERMANENTE DO VESTIBULAR CARGO: ANALISTA AMBIENTAL PROGRAMA

CONCURSO PÚBLICO DA CAERN COMISSÃO PERMANENTE DO VESTIBULAR CARGO: ANALISTA AMBIENTAL PROGRAMA CONCURSO PÚBLICO DA CAERN COMISSÃO PERMANENTE DO VESTIBULAR CARGO: ANALISTA AMBIENTAL PROGRAMA 1 POLUIÇÃO E CONTROLE AMBIENTAL a- Crise ambiental b- Ética ambiental c- Meio ambiente e saúde Saúde e qualidade

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente CERTIFICADO DE CADASTRO DE LABORATÓRIO A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual nº 9.077 de 04/06/90, registrada no Ofício do Registro Oficial em 01/02/91, e com seu Estatuto

Leia mais

ÍNDICE DEFINIÇÕES E GLOSSÁRIO 2 1 INTRODUC A O RISCO ACEITÁVEL 8 2 FUNDAMENTOS LEGAIS E APLICAÇÃO 8

ÍNDICE DEFINIÇÕES E GLOSSÁRIO 2 1 INTRODUC A O RISCO ACEITÁVEL 8 2 FUNDAMENTOS LEGAIS E APLICAÇÃO 8 Nov/2014 00 00 1 ÍNDICE DEFINIÇÕES E GLOSSÁRIO 2 1 INTRODUC A O 7 1.1 RISCO ACEITÁVEL 8 2 FUNDAMENTOS LEGAIS E APLICAÇÃO 8 3 METODOLOGIA ADOTADA PELA AGENCIA AMBIENTAL 8 3.1 ÁREAS QUE POSSUAM FONTES POTENCIALMENTE

Leia mais

Deliberação Normativa COPAM nº115, 23 de Abril de 2008 (publicado no dia 26/04/2008)

Deliberação Normativa COPAM nº115, 23 de Abril de 2008 (publicado no dia 26/04/2008) Deliberação Normativa COPAM nº115, 23 de Abril de 2008 (publicado no dia 26/04/2008) Dispõe sobre a aplicação agrícola do resíduo siderúrgico, denominado pó de balão, em áreas de plantio de florestas homogêneas

Leia mais

Resolução CONAMA Nº 396, de 03 de Abril de Dispõe sobre a classificação e diretrizes ambientais para o enquadramento das águas subterrâneas.

Resolução CONAMA Nº 396, de 03 de Abril de Dispõe sobre a classificação e diretrizes ambientais para o enquadramento das águas subterrâneas. Resolução CONAMA Nº 396, de 03 de Abril de 2008 Dispõe sobre a classificação e diretrizes ambientais para o enquadramento das águas subterrâneas. - Definições Águas subterrâneas: águas que ocorrem naturalmente

Leia mais

RSU CONCEITOS, CLASSIFICAÇÃO E PANORAMA. Profa. Margarita María Dueñas Orozco

RSU CONCEITOS, CLASSIFICAÇÃO E PANORAMA. Profa. Margarita María Dueñas Orozco RSU CONCEITOS, CLASSIFICAÇÃO E PANORAMA Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com INTRODUÇÃO Semelhança entre processos de geração de RS num organismo vivo e numa sociedade Fonte: Barros,

Leia mais

para empreendedores imobiliários em terrenos com potencial de contaminação

para empreendedores imobiliários em terrenos com potencial de contaminação Exigências da CAIXA ECONÔMICA FEDERAL para empreendedores imobiliários em terrenos com potencial de contaminação 24 SET 2008 Atuação da Caixa É o principal i agente de fomento ao desenvolvimento urbano

Leia mais

SANEAMENTO E AMBIENTE: 3º ENCONTRO DA ENGENHARIA. Confinamento de Resíduos Industriais: técnicas e materiais

SANEAMENTO E AMBIENTE: 3º ENCONTRO DA ENGENHARIA. Confinamento de Resíduos Industriais: técnicas e materiais SANEAMENTO E AMBIENTE: 3º ENCONTRO DA ENGENHARIA Confinamento de Resíduos Industriais: técnicas e materiais Riscos de contaminação do solo e da água subterrânea Eng. Quím. Mário Kolberg Soares GERENCIAMENTO

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente CERTIFICADO DE CADASTRO DE LABORATÓRIO A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual nº 9.077 de 04/06/90, registrada no Ofício do Registro Oficial em 01/02/91, e com seu Estatuto

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE RESPOSTA A EMERGÊNCIAS PRE PARA ATENDER AS EXIGÊNCIAS DA NOVA NR-20

COMO ELABORAR UM PLANO DE RESPOSTA A EMERGÊNCIAS PRE PARA ATENDER AS EXIGÊNCIAS DA NOVA NR-20 COMO ELABORAR UM PLANO DE RESPOSTA A EMERGÊNCIAS PRE PARA ATENDER AS EXIGÊNCIAS DA NOVA NR-20 A nova Norma Regulamentadora NR-20, em seu item 20.14.2, determina que a empresa deve elaborar o plano de resposta

Leia mais