A contaminação do solo e a destinação de resíduos sólidos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A contaminação do solo e a destinação de resíduos sólidos"

Transcrição

1 A contaminação do solo e a destinação de resíduos sólidos A prevenção da contaminação do solo nos Postos de Serviços e a destinação das embalagens de óleo em conformidade com a Política Nacional de Resíduos Sólidos.

2 Política Nacional de Meio Ambiente Áreas Contaminadas Resolução CONAMA Nº 420, 28/12/2009 Valores Orientadores e Gerenciamento de Áreas Contaminadas Eng. Maurício Prado Alves Conselheiro ABIEPS / COSEMA-FIESP Coordenador CEDAC/IBP/ONS/ABNT e CEE Avaliação de Risco a Saúde Humana/ABNT Coordenador Ambiental & Engenharia SINDTRR Diretor Técnico SERVMAR Ambiental & Engenharia Vice-Presidente Associação Bras. das Emp. de Consultoria e Engenharia Ambiental AESAS

3 Estrutura Contexto Legal Contexto Histórico Descrição sucinta da Resolução Nº 420/09

4 CONTEXTO LEGAL

5 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL CAPÍTULO II - DA UNIÃO Art. 23. É competência comum da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios: VI - proteger o meio ambiente e combater a poluição em qualquer de suas formas; VII - preservar as florestas, a fauna e a flora; Art. 24. Compete à União, aos Estados e ao Distrito Federal legislar concorrentemente sobre: VI - florestas, caça, pesca, fauna, conservação da natureza, defesa do solo e dos recursos naturais, proteção do meio ambiente e controle da poluição;

6 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Capítulo VI - Do Meio Ambiente Art Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao poder público e à coletividade o dever de defendêlo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações. 3º - As condutas e atividades consideradas lesivas ao meio ambiente sujeitarão os infratores, pessoas físicas ou jurídicas, a sanções penais e administrativas, independentemente da obrigação de reparar os danos causados.

7 POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE LEI 6938 DE 31/08/1981 Art.2 - A Política Nacional do Meio Ambiente tem por objetivo a preservação, melhoria e recuperação da qualidade ambiental propícia à vida, visando assegurar, no País, condições ao desenvolvimento sócio econômico, aos interesses da segurança nacional e à proteção da dignidade da vida humana, atendidos os seguintes princípios: V - controle e zoneamento das atividades potencial ou efetivamente poluidoras; VII - acompanhamento do estado da qualidade ambiental; VIII - recuperação de áreas degradadas; IX - proteção de áreas ameaçadas de degradação;

8 POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE LEI 6938 DE 31/08/1981 Art.4 - A Política Nacional do Meio Ambiente visará: I - à compatibilização do desenvolvimento econômico-social com a preservação da qualidade do meio ambiente e do equilíbrio ecológico; III - ao estabelecimento de critérios e padrões da qualidade ambiental e de normas relativas ao uso e manejo de recursos ambientais; VII - à imposição, ao poluidor e ao predador, da obrigação de recuperar e/ou indenizar os danos causados e, ao usuário, da contribuição pela utilização de recursos ambientais com fins econômicos.

9 LEI DE CRIMES AMBIENTAIS LEI 9.605, DE 12 DE FEVEREIRO DE Art. 54. Causar poluição de qualquer natureza em níveis tais que resultem ou possam resultar em danos à saúde humana, ou que provoquem a mortandade de animais ou a destruição significativa da flora: Pena - reclusão, de um a quatro anos, e multa.

10 LEI DE CRIMES AMBIENTAIS LEI 9.605, DE 12 DE FEVEREIRO DE Art. 56. Produzir, processar, embalar, importar, exportar, comercializar, fornecer, transportar, armazenar, guardar, ter em depósito ou usar produto ou substância tóxica, perigosa ou nociva à saúde humana ou ao meio ambiente, em desacordo com as exigências estabelecidas em lei ou nos regulamentos: Pena - reclusão, de um a quatro anos, e multa.

11 Lei de Crimes Ambientais LEI 9.605, DE 12 DE FEVEREIRO DE Art. 70. Considera-se infração administrativa ambiental toda ação ou omissão que viole as regras jurídicas de uso, gozo, promoção, proteção e recuperação do meio ambiente. 1. São autoridades competentes para lavrar auto de infração ambiental e instaurar processo administrativo os funcionários de órgãos ambientais integrantes do Sistema Nacional do Meio Ambiente - SISNAMA, designados para as atividades de fiscalização, bem como os agentes das Capitanias dos Portos, do Ministério da Marinha. 2. Qualquer pessoa, constatando infração ambiental, poderá dirigir representação às autoridades relacionadas no artigo anterior, para efeito do exercício do seu poder de polícia

12 RESOLUÇÃO CONAMA Nº 273, de 29/11/2000 Art. 1º - A localização, construção, instalação, modificação, ampliação e operação de postos revendedores, postos de abastecimento, instalações de sistemas retalhistas e postos flutuantes de combustíveis dependerão de prévio licenciamento do órgão ambiental competente, sem prejuízo de outras licenças legalmente exigíveis. 1º - Todos os projetos de construção, modificação e ampliação dos empreendimentos previstos neste artigo deverão, obrigatoriamente, ser realizados, segundo normas técnicas expedidas pela Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT e, por diretrizes estabelecidas nesta Resolução ou pelo órgão ambiental competente.

13 CÓDIGO CIVIL Lei de 10 de Janeiro de 2002 CAPÍTULO I - DA PROPRIEDADE EM GERAL SEÇÃO I - DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art O proprietário tem a faculdade de usar, gozar e dispor da coisa, e o direito de reavê-la do poder de quem quer que injustamente a possua ou detenha. 1º O direito de propriedade deve ser exercido em consonância com as suas finalidades econômicas e sociais e de modo que sejam preservados, de conformidade com o estabelecido em lei especial, a flora, a fauna, as belezas naturais, o equilíbrio ecológico e o patrimônio histórico e artístico, bem como evitada a poluição do ar e das águas.

14 CONTEXTO HISTÓRICO Quanto a área contaminada e seu Gerenciamento Referência: o Estado de São Paulo

15 HISTÓRICO FATOS MARCANTES Início do atendimento de casos de emergências em postos de combustíveis final década de 1980 Caso Rhodia Baixada Santista década de 1980 Projeto CETESB/GTZ 1993 Lei 9999/98 - ZUPI - Descaracterização/ Contaminação Aumento número de casos de emergências em postos de combustíveis

16 LEI ESTADUAL N , DE 09 DE JUNHO DE 1998 Artigo 1º - Nas Zonas de Uso Predominantemente Industrial - ZUPI (Lei n.1.817, de 27 de outubro de 1978) poderão ser admitidos os usos residencial, comercial, de prestação de serviços e institucional quando se tratar de zona que tenha sofrido descaracterização significativa do uso industrial e não haja contaminação da área, mediante parecer técnico do órgão ambiental estadual, desde que o uso pretendido seja permitido pela legislação municipal.

17 Acidentes ambientais relativos a postos e sistemas retalhistas de combustíveis atendidos pela CETESB no período de 1984 a 2004 Fonte: CETESB (2005) - Relatório de atendimento a acidentes ambientais em postos e sistemas retalhistas de combustíveis 1984 a 2004

18 Publicação do Manual de Gerenciamento de Áreas Contaminadas

19 HISTÓRICO FATOS MARCANTES Criação da Divisão de Áreas Contaminadas /CETESB 1999 Procedimento para ação corretiva em postos de combustíveis (DD nº 007/C/E/2000, de ) Definição de procedimentos de gerenciamento de áreas contaminadas 2000

20 HISTÓRICO FATOS MARCANTES Publicação do documento Ações Corretivas Baseadas em Risco Aplicadas a Áreas Contaminadas com Hidrocarbonetos Derivados de Petróleo e Outros Combustíveis Líquidos - Procedimento Publicação de Valores de Referência de Qualidade e de Intervenção para Solo e Água Subterrânea 2000 (revisado em 2005)

21 HISTÓRICO FATOS MARCANTES Licenciamento ambiental dos postos de serviço - Resolução CONAMA 273/01 e Resolução SMA 05/01 Procedimento para Identificação de Passivos Ambientais em Estabelecimentos com Sistema de Armazenamento Subterrâneo de Combustíveis (SASC) Procedimento para a Identificação de Passivos Ambientais em Estabelecimentos com Sistema de Armazenamento Aéreo de Combustíveis (SAAC)

22 HISTÓRICO FATOS MARCANTES Procedimento para a Remoção de Tanques e Desmobilização de Sistema de Armazenamento e Abastecimento de Combustíveis Roteiro para Execução de Investigação Detalhada e Elaboração de Plano de Intervenção em Postos e Sistemas Retalhistas de Combustíveis (DD nº 263/2009/P, de )

23 HISTÓRICO FATOS MARCANTES Renovação das Licenças de Operação (Decreto 47397/2002) Decreto 47400/02 - Encerramento de atividades Publicação de listas de ACs 2002 Decreto /02 - Diretrizes e procedimentos relativos ao gerenciamento de áreas contaminadas no Município de São Paulo Lei PMSP /03 - parcelamento de solo, edificação ou instalação de equipamentos em terrenos contaminados ou suspeitos de contaminação

24 Guia para Avaliação do Potencial de Contaminação em Imóveis

25 HISTÓRICO FATOS MARCANTES Projeto de Lei 368/05 - do Executivo Termo de Cooperação CETESB SVMA 2005 Rede Latino Americana de Prevenção e Controle da Contaminação do Solo e das Águas Subterrâneas (ReLASC) 2005 Proposta de Resolução CONAMA Gerenciamento de ACs 2006

26 HISTÓRICO FATOS MARCANTES ABNT - Comissão de Estudo Especial Temporária de Avaliação da Qualidade do Solo e da Água para Levantamento de Passivo Ambiental e Avaliação de Risco à Saúde Humana 2005 ABNT NBR :2007 Poços de monitoramento de águas subterrâneas em aquíferos granulares Parte 1: Projeto e Construção ABNT NBR 15492: Sondagem de reconhecimento para fins de qualidade ambiental - Procedimento

27 HISTÓRICO FATOS MARCANTES ABNT NBR :2007 Passivo ambiental em solo e água subterrânea Parte 1: Avaliação preliminar ABNT NBR :2008 Poços de monitoramento de águas subterrâneas em aqüíferos granulares - Parte 2: Desenvolvimento ABNT NBR :2010 Passivo ambiental em solo e água subterrânea Parte 2: Investigação confirmatória

28 HISTÓRICO FATOS MARCANTES Resolução Conjunta SERHS/SMA/SS nº 03/06 outorga poços Decisão CG N. 167/ Capital, da Corregedoria Geral da Justiça Revisão do Procedimento de Gerenciamento de Áreas Contaminadas 2007 (DD nº 103/2007/C/E, de 22 de junho de 2007)

29 HISTÓRICO FATOS MARCANTES Publicação da Resolução Conama 420, em

30 Fonte: CETESB, 2011

31 4,17% 0% 23,3% 19,51% 28,21% Fonte: CETESB, 2011

32 Reabilitada AMR AC AI Fonte: CETESB, 2011

33 RESOLUÇÃO CONAMA Nº DE DEZEMBRO DE 2009 Dispõe sobre critérios e valores orientadores de qualidade do solo quanto à presença de substâncias químicas e estabelece diretrizes para o gerenciamento ambiental de áreas contaminadas por essas substâncias em decorrência de atividades antrópicas.

34 RESOLUÇÃO CONAMA Nº DE DEZEMBRO DE 2009 Art. 3º A proteção do solo deve ser realizada de maneira preventiva, a fim de garantir a manutenção da sua funcionalidade ou, de maneira corretiva, visando restaurar sua qualidade ou recupera - lá de forma compatível com os usos previstos.

35 RESOLUÇÃO CONAMA Nº DE DEZEMBRO DE 2009 Art. 6º Para efeito desta Resolução são adotados os seguintes termos e definições: V - Contaminação: presença de substância(s) química(s) no ar, água ou solo, decorrentes de atividades antrópicas, em concentrações tais que restrinjam a utilização desse recurso ambiental para os usos atual ou pretendido, definidas com base em avaliação de risco à saúde humana, assim como aos bens a proteger, em cenário de exposição padronizado ou específico; VI - Fase livre: ocorrência de substância ou produto imiscível, em fase separada da água; III - Bens a proteger: a saúde e o bem-estar da população; a fauna e a flora; a qualidade do solo, das águas e do ar; os interesses de proteção à natureza/paisagem; a infra-estrutura da ordenação territorial e planejamento regional e urbano; a segurança e ordem pública; XXII - Valor de Referência de Qualidade-VRQ: é a concentração de determinada substância que define a qualidade natural do solo, sendo determinado com base em interpretação estatística de análises físico-químicas de amostras de diversos tipos de solos;

36 RESOLUÇÃO CONAMA Nº DE DEZEMBRO DE 2009 Art. 6º Para efeito desta Resolução são adotados os seguintes termos e definições: II - Avaliação preliminar:...objetivo principal de encontrar evidências, indícios ou fatos que permitam suspeitar da existência de contaminação na área; VIII - Investigação confirmatória:...objetivo principal confirmar ou não a existência de substâncias de origem antrópica nas áreas suspeitas, no solo ou nas águas subterrâneas, em concentrações acima dos valores de investigação; IX - Investigação detalhada: objetivo aquisição e interpretação de dados em área contaminada sob investigação, a fim de entender a dinâmica da contaminação nos meios físicos afetados e a identificação dos cenários específicos de uso e ocupação do solo, dos receptores de risco existentes, dos caminhos de exposição e das vias de ingresso;

37 RESOLUÇÃO CONAMA Nº DE DEZEMBRO DE 2009 Art. 6º Para efeito desta Resolução são adotados os seguintes termos e definições: (Cont.) I - Avaliação de risco: processo pelo qual são identificados, avaliados e quantificados os riscos à saúde humana ou a bem de relevante interesse ambiental a ser protegido; XVII - Remediação: uma das ações de intervenção para reabilitação de área contaminada, que consiste em aplicação de técnicas, visando a remoção, contenção ou redução das concentrações de contaminantes; XIII - Monitoramento: medição ou verificação, que pode ser contínua ou periódica, para acompanhamento da condição de qualidade de um meio ou das suas características;

38 RESOLUÇÃO CONAMA Nº DE DEZEMBRO DE 2009 Art. 7º A avaliação da qualidade de solo, quanto à presença de substâncias químicas, deve ser efetuada com base em Valores Orientadores de Referência de Qualidade, de Prevenção e de Investigação. Art. 8º Os VRQs do solo para substâncias químicas naturalmente presentes serão estabelecidos pelos órgãos ambientais competentes dos Estados e do Distrito Federal, em até 04 anos após a publicação desta Resolução, de acordo com o procedimento estabelecido no Anexo I.

39 RESOLUÇÃO CONAMA Nº DE DEZEMBRO DE 2009 Art. 22. O gerenciamento de áreas contaminadas deverá conter procedimentos e ações voltadas ao atendimento dos seguintes objetivos: I - eliminar o perigo ou reduzir o risco à saúde humana; II - eliminar ou minimizar os riscos ao meio ambiente; III - evitar danos aos demais bens a proteger; IV - evitar danos ao bem estar público durante a execução de ações para reabilitação; e V - possibilitar o uso declarado ou futuro da área, observando o planejamento de uso e ocupação do solo.

40 RESOLUÇÃO CONAMA Nº DE DEZEMBRO DE 2009 Art. 23. Para o gerenciamento de áreas contaminadas, o órgão ambiental competente deverá instituir procedimentos e ações de investigação e de gestão, que contemplem as seguintes etapas, conforme ilustrado no Anexo III: I - Identificação: com base na avaliação preliminar, e, para aquelas em que houver indícios de contaminação, com uma investigação confirmatória, segundo as normas técnicas ou procedimentos vigentes. II - Diagnóstico: com a investigação detalhada e a avaliação de risco, segundo as normas técnicas ou procedimentos vigentes. III - Intervenção: execução de ações de controle para a eliminação do perigo ou redução, a níveis toleráveis, dos riscos identificados na etapa de diagnóstico, bem como o monitoramento da eficácia das ações executadas, considerando o uso atual e futuro da área, segundo as normas técnicas ou procedimentos vigentes.

41 RESOLUÇÃO CONAMA Nº DE DEZEMBRO DE 2009 Art. 24. Área Suspeita de Contaminação AS, após a avaliação preliminar, forem observados indícios da presença de contaminação ou identificadas condições que possam representar perigo. Art. 25. Área Contaminada sob Investigação AI, aquela em que comprovadamente for constatada, mediante investigação confirmatória, a contaminação com concentrações de substâncias no solo ou nas águas subterrâneas acima dos valores de investigação. Art. 26. Área Contaminada sob Intervenção - ACI, aquela em que for constatada a presença de substâncias químicas em fase livre ou for comprovada, após investigação detalhada e avaliação de risco, a existência de risco à saúde humana. Art. 27. Área em Processo de Monitoramento para Reabilitação - AMR, aquela em que o risco for considerado tolerável, após a execução de avaliação de risco.

42 RESOLUÇÃO CONAMA Nº DE DEZEMBRO DE 2009 Art. 32. Para o cumprimento dos procedimentos e ações no gerenciamento de áreas contaminadas, o órgão ambiental competente deverá: Definir, com outros órgãos, ações emergenciais em casos de condições de perigo; Definir e avaliar os procedimentos de identificação e diagnóstico ambiental; Promover a comunicação de risco após a declaração da área como contaminada sob intervenção; Avaliar e acompanhar, com outros órgãos, as propostas, as ações de emergência, as ações de intervenção e monitoramento da área; Avaliar a eficácia das ações de intervenção; e Dar ampla publicidade e comunicar a situação da área ao proprietário, ao possuidor, ao Cartório de Registro de Imóveis da Comarca onde se insere o imóvel, bem como ao cadastro imobiliário das prefeituras e do Distrito Federal.

43 RESOLUÇÃO CONAMA Nº DE DEZEMBRO DE 2009 Art. 34. Os responsáveis pela contaminação da área devem submeter ao órgão ambiental competente proposta para a ação de intervenção a ser executada sob sua responsabilidade, devendo a mesma, obrigatoriamente, considerar: I - o controle ou eliminação das fontes de contaminação; II - o uso atual e futuro do solo da área objeto e sua circunvizinhança; III - a avaliação de risco à saúde humana; IV - as alternativas de intervenção consideradas técnica e economicamente viáveis e suas consequências; V - o programa de monitoramento da eficácia das ações executadas; e VI - os custos e os prazos envolvidos na implementação das alternativas de intervenção propostas para atingir as metas estabelecidas.

44 RESOLUÇÃO CONAMA Nº DE DEZEMBRO DE 2009 Art. 35. Após a eliminação dos riscos ou a sua redução a níveis toleráveis, a área será declarada, pelo órgão ambiental competente, como área em processo de monitoramento para reabilitação AMR. Art. 36. Após período de monitoramento, definido pelo órgão ambiental competente, que confirme a eliminação do perigo ou a redução dos riscos a níveis toleráveis, a área será declarada pelo órgão ambiental competente como reabilitada para o uso declarado AR.

45 RESOLUÇÃO CONAMA Nº DE DEZEMBRO DE 2009 Art. 37. Os órgãos ambientais competentes, quando da constatação da existência de uma área contaminada ou reabilitada para o uso declarado, comunicarão formalmente: Ao responsável pela contaminação, ao proprietário ou ao possuidor da área contaminada ou reabilitada; Aos órgãos federais, estaduais, distrital e municipais de saúde, meio ambiente e de recursos hídricos e ao poder público municipal; À concessionária local de abastecimento público de água; e Ao Cartório de Registro de Imóveis da Comarca onde se insere determinada área, bem como ao cadastro imobiliário das prefeituras e do Distrito Federal.

46 RESOLUÇÃO CONAMA Nº DE DEZEMBRO DE 2009 Art. 38. Os órgãos ambientais competentes, observando o sigilo necessário, previsto em lei, deverão dar publicidade principalmente em seus portais institucionais na rede mundial de computadores, às informações sobre áreas contaminadas identificadas e suas principais características... 3º As informações constantes do relatório mencionado no caput constituirão o Banco de Dados Nacional sobre Áreas Contaminadas.

47

48 Muito Obrigado!

A importância do Gerenciamento de Áreas Contaminadas na proteção das águas subterrâneas São Paulo 19 de dezembro de 2013

A importância do Gerenciamento de Áreas Contaminadas na proteção das águas subterrâneas São Paulo 19 de dezembro de 2013 A importância do Gerenciamento de Áreas Contaminadas na proteção das águas subterrâneas São Paulo 19 de dezembro de 2013 Mateus Delatim Simonato Hidrogeólogo, Msc. Tupã SP Aquíferos no Estado de São Paulo

Leia mais

SEMINÁRIO SUL-BRASILEIRO DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS CONTAMINADAS

SEMINÁRIO SUL-BRASILEIRO DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS CONTAMINADAS SEMINÁRIO SUL-BRASILEIRO DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS CONTAMINADAS A SITUAÇÃO ATUAL DO GERENCIAMENTO DE ÁREAS CONTAMINADAS NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL FRENTE A RESOLUÇÃO CONAMA nº420/2009 Eng. Quím. Mário

Leia mais

Vigilância em Saúde de Populações Expostas a Solo Contaminado - VIGISOLO MÓDULO III - LEGISLAÇÕES

Vigilância em Saúde de Populações Expostas a Solo Contaminado - VIGISOLO MÓDULO III - LEGISLAÇÕES Vigilância em Saúde de Populações Expostas a Solo Contaminado - VIGISOLO MÓDULO III - LEGISLAÇÕES Site PISAST http://pisast.saude.gov.br:8080/pisast/saudeambiental/legislacao-relacionada/legislacaorelacionada

Leia mais

Atualidades sobre o Gerenciamento de Áreas Contaminadas no Estado de São Paulo

Atualidades sobre o Gerenciamento de Áreas Contaminadas no Estado de São Paulo Atualidades sobre o Gerenciamento de Áreas Contaminadas no Estado de São Paulo CETESB Companhia Ambiental do Estado de São Paulo Novembro 2011 GERENCIAMENTO DE ÁREAS CONTAMINADAS Conjunto de medidas que

Leia mais

IV Fórum de Recursos Hídricos

IV Fórum de Recursos Hídricos IV Fórum de Recursos Hídricos CRQ-IV São Paulo, 17 de março de 2016 Panorama da Situação Atual das Áreas Contaminadas Eng. Rodrigo César de Araújo Cunha, Dr. Setor de Avaliação e Auditoria de Áreas Contaminadas

Leia mais

FENSEG Federação Nacional de Seguros Gerais

FENSEG Federação Nacional de Seguros Gerais Federação Nacional de Seguros Gerais Gerenciamento de Áreas Contaminadas Estratégias, Legislação e Oportunidades (Lei 13.577 e Decreto 59.263) Sindicato da Seguradoras de São Paulo São Paulo, Abril de

Leia mais

HISTÓRICO PRINCÍPIOS AMBIENTAIS CONSTITUIÇÃO FEDERAL LEGISLAÇÃO AMBIENTAL

HISTÓRICO PRINCÍPIOS AMBIENTAIS CONSTITUIÇÃO FEDERAL LEGISLAÇÃO AMBIENTAL DIREITO AMBIENTAL HISTÓRICO PRINCÍPIOS AMBIENTAIS CONSTITUIÇÃO FEDERAL LEGISLAÇÃO AMBIENTAL HISTÓRICO Período Pré-Colonial e Colonial 1500/1530 Exploração do Pau-Brasil e Tráfico de Animais Silvestres

Leia mais

CONTAMINAÇÃO DE SOLOS: LEGISLAÇÃO APLICÁVEL

CONTAMINAÇÃO DE SOLOS: LEGISLAÇÃO APLICÁVEL CONTAMINAÇÃO DE SOLOS: LEGISLAÇÃO APLICÁVEL Otávio Eurico de Aquino Branco Março de 2015 INTRODUÇÃO SUMÁRIO BASE LEGAL DA AVALIAÇÃO DA CONTAMINAÇÃO DE SOLOS GERENCIAMENTO DE ÁREAS CONTAMINADAS FUNDAMENTOS

Leia mais

Eliminação e Recuperação de Lixões em Minas Gerais: estágio atual e perspectivas

Eliminação e Recuperação de Lixões em Minas Gerais: estágio atual e perspectivas SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos Eliminação e Recuperação de Lixões em Minas Gerais: estágio atual e perspectivas Cíntia Guimarães dos Santos Gerência de Áreas Contaminadas/GERAC

Leia mais

Os Novos Procedimentos para o Gerenciamento de Áreas Contaminadas no Estado de São Paulo

Os Novos Procedimentos para o Gerenciamento de Áreas Contaminadas no Estado de São Paulo Os Novos Procedimentos para o Gerenciamento de Áreas Contaminadas no Estado de São Paulo Base Legal no Estado de São Paulo Lei 13.577, de 08/07/09 - dispõe sobre diretrizes e procedimentos para a proteção

Leia mais

Gestão de Áreas Contaminadas baseada na Lei Engº Rodrigo César de Araújo Cunha, Dr. Setor de Áreas Contaminadas CETESB

Gestão de Áreas Contaminadas baseada na Lei Engº Rodrigo César de Araújo Cunha, Dr. Setor de Áreas Contaminadas CETESB Gestão de Áreas Contaminadas baseada na Lei 13577 Engº Rodrigo César de Araújo Cunha, Dr. Setor de Áreas Contaminadas CETESB DISTRIBUIÇÃO POR ATIVIDADE 471 (13%) 147 (4%) 96 (3%) Outras fontes 25 (1%)

Leia mais

Conhecendo as Bases da Legislação Ambiental e sua Aplicação na Gestão de Áreas Contaminadas

Conhecendo as Bases da Legislação Ambiental e sua Aplicação na Gestão de Áreas Contaminadas Conhecendo as Bases da Legislação Ambiental e sua Aplicação na Gestão de Áreas Contaminadas Fernando Tabet Tabet, Paulino, Bueno & Franco Advogados Causas de Contaminação Poluição Continuada (acidental

Leia mais

Avaliação de risco e legislação ambiental

Avaliação de risco e legislação ambiental VII Seminário Internacional sobre Remediação e Revitalização de Áreas Contaminadas Avaliação de risco e legislação ambiental Ana Luiza Silva Spínola 21 de outubro de 2010 Contextualização Planejamento

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA GERENCIAMENTO DE

PROCEDIMENTO PARA GERENCIAMENTO DE PROCEDIMENTO PARA GERENCIAMENTO DE ÁREAS CONTAMINADAS AESAS ELTON GLOEDEN CETESB Setembro de 2008 PROCEDIMENTO PARA GERENCIAMENTO DE ÁREAS CONTAMINADAS RD 007/00/C/E (18.01.2000) RD 023/00/C/E (15.06.2000)

Leia mais

Gerenciamento de Áreas Contaminadas do Estado do Rio Janeiro

Gerenciamento de Áreas Contaminadas do Estado do Rio Janeiro qqaaa Gerenciamento de Áreas Contaminadas do Estado do Rio Janeiro Cadastro de Áreas Contaminadas e Reabilitadas 1ª Edição Instituto Estadual do Ambiente FICHA TÉCNICA Diretora de Licenciamento Ambiental

Leia mais

Aspectos jurídicos DD CETESB 38/2017

Aspectos jurídicos DD CETESB 38/2017 Aspectos jurídicos DD CETESB 38/2017 Lina Pimentel Garcia 25/05/2017 Aspectos Gerais Resumo do histórico da legislação de áreas contaminadas 2007: Primeiro manual de gerenciamento da CETESB (DD 103/2007);

Leia mais

Setor Imobiliário: A Importância da Recuperação de Áreas Industriais

Setor Imobiliário: A Importância da Recuperação de Áreas Industriais Setor Imobiliário: A Importância da Recuperação de Áreas Industriais Dr. José Francisco Heitzmann Jr. Tópicos Contexto Histórico Legislação Metodologias de Avaliação Técnicas de Investigação / Remediação

Leia mais

Gerenciamento de Áreas Contaminadas no Estado de São Paulo

Gerenciamento de Áreas Contaminadas no Estado de São Paulo Gerenciamento de Áreas Contaminadas no Estado de São Paulo CETESB Companhia Ambiental do Estado de São Paulo Elton Gloeden (Gerente do Departamento de Áreas Contaminadas) Novembro de 2012 GERENCIAMENTO

Leia mais

Situação Atual do Gerenciamento de Áreas Contaminadas no Estado do Paraná

Situação Atual do Gerenciamento de Áreas Contaminadas no Estado do Paraná Situação Atual do Gerenciamento de Áreas Contaminadas no Estado do Paraná Legislação Estadual PORTARIA IAP Nº 224, DE 05 DE DEZEMBRO DE 2007 Estabelece os critérios para exigência e emissão de Autorizações

Leia mais

Qualidade do Solo e das Águas Subterrâneas. Rodrigo Cunha CETESB

Qualidade do Solo e das Águas Subterrâneas. Rodrigo Cunha CETESB VI Seminário de Políticas de Gestão da Qualidade do Solo e das Águas Subterrâneas AVALIAÇÃO DE RISCO NOVOS PROCEDIMENTOS ADOTADOS PELA CETESB Rodrigo Cunha CETESB São Paulo, 25 de setembro de 2008 PROCEDIMENTO

Leia mais

Lei nº 6.938/81. Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Lei nº 6.938/81. Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos Lei nº 6.938/81 SINOPSE: a) Meio ambiente é PATRIMÔNIO PÚBLICO, devendo ser protegido, tendo em vista o uso coletivo; b) Planejar, fiscalizar e racionalizar o uso dos recursos ambientais; c) Proteger os

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA. Renato das Chagas e Silva Engenheiro Químico Divisão de Controle da Poluição Industrial FEPAM

GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA. Renato das Chagas e Silva Engenheiro Químico Divisão de Controle da Poluição Industrial FEPAM GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA Renato das Chagas e Silva Engenheiro Químico Divisão de Controle da Poluição Industrial FEPAM LEI FEDERAL 6938/81 DECRETO FEDERAL 99274/90 BASE PARA GESTÃO AMBIENTAL obrigatoriedade

Leia mais

ÁREAS CONTAMINADAS E RECURSOS HÍDRICOS

ÁREAS CONTAMINADAS E RECURSOS HÍDRICOS ÁREAS CONTAMINADAS E RECURSOS HÍDRICOS Eng. Alfredo C. C. Rocca Gerente da Divisão de Áreas Contaminadas da CETESB ÁREA CONTAMINADA Local onde há comprovadamente passivo de contaminação de solo e água

Leia mais

1º Encontro Preparatório da Engenharia e Agronomia para o 8º Fórum Mundial da Água NORMAS TÉCNICAS ABNT

1º Encontro Preparatório da Engenharia e Agronomia para o 8º Fórum Mundial da Água NORMAS TÉCNICAS ABNT 1º Encontro Preparatório da Engenharia e Agronomia para o 8º Fórum Mundial da Água NORMAS TÉCNICAS ABNT Campinas, 23 de Março de 2017 Química Monica Betterelli Diretora de Qualidade da AESAS Associação

Leia mais

GESTÃO DE ÁREAS CONTAMINADAS NO ESTADO DE SÃO PAULO

GESTÃO DE ÁREAS CONTAMINADAS NO ESTADO DE SÃO PAULO FEDERAÇÃO DAS INDUSTRIAS DO ESTADO DE SÃOPAULO - FIESP XII SEMANA FIESP-CIESP DE MEIO AMBIENTE 07 A 09 DE JUNHO DE 2010 GESTÃO DE ÁREAS CONTAMINADAS NO ESTADO DE SÃO PAULO Eng. Alfredo C. C. Rocca Gerente

Leia mais

Estabelece critérios e procedimentos gerais para proteção e conservação das águas subterrâneas no território brasileiro.

Estabelece critérios e procedimentos gerais para proteção e conservação das águas subterrâneas no território brasileiro. RESOLUÇÃO No- 92, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2008 Estabelece critérios e procedimentos gerais para proteção e conservação das águas subterrâneas no território brasileiro. O CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS

Leia mais

Preparação para atuação profissional em meio ambiente Simone Paschoal Nogueira

Preparação para atuação profissional em meio ambiente Simone Paschoal Nogueira Preparação para atuação profissional em meio ambiente Simone Paschoal Nogueira São Paulo, 1 de agosto de 2016 ROTEIRO Instituições e Atribuições do Estado Quem faz o que? Constituição Federal Competências

Leia mais

III Seminário Sul-Brasileiro Gerenciamento de Áreas Contaminadas. Porto Alegre, 11 e 12 de novembro de 2015

III Seminário Sul-Brasileiro Gerenciamento de Áreas Contaminadas. Porto Alegre, 11 e 12 de novembro de 2015 III Seminário Sul-Brasileiro Gerenciamento de Áreas Contaminadas Porto Alegre, 11 e 12 de novembro de 2015 Evolução e Perspectivas do Gerenciamento de Áreas Contaminadas no Estado de São Paulo Eng. Rodrigo

Leia mais

Declaração de Áreas Contaminadas e Suspeitas de Contaminação -BDA. Luiz Otávio Martins Cruz Gerência de Áreas Contaminadas - GERAC

Declaração de Áreas Contaminadas e Suspeitas de Contaminação -BDA. Luiz Otávio Martins Cruz Gerência de Áreas Contaminadas - GERAC Declaração de Áreas Contaminadas e Suspeitas de Contaminação -BDA Luiz Otávio Martins Cruz Gerência de Áreas Contaminadas - GERAC DN COPAM -116/2008 Dispõe sobre a declaração de informações relativas à

Leia mais

Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica

Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica Rede de ONGs da Mata Atlântica RMA Apoio: Funbio e MMA Papel do Município no meio ambiente Constituição Federal Art 23 Competência Comum,

Leia mais

Dispõe sobre os procedimentos de licenciamento ambiental de estabelecimentos destinados ao recebimento de embalagens vazias de agrotóxicos

Dispõe sobre os procedimentos de licenciamento ambiental de estabelecimentos destinados ao recebimento de embalagens vazias de agrotóxicos Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente RESOLUÇÃO N o 334, DE 3 DE ABRIL DE 2003 Dispõe sobre os procedimentos de licenciamento ambiental de estabelecimentos destinados ao recebimento

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL LEGISLAÇÕES PERTINENTES

LICENCIAMENTO AMBIENTAL LEGISLAÇÕES PERTINENTES LICENCIAMENTO AMBIENTAL LEGISLAÇÕES PERTINENTES O MEIO AMBIENTE NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL Art. 225, CF: Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial

Leia mais

XXII EXAME DE ORDEM DIREITO AMBIENTAL PROF.ª ERIKA BECHARA

XXII EXAME DE ORDEM DIREITO AMBIENTAL PROF.ª ERIKA BECHARA XXII EXAME DE ORDEM DIREITO AMBIENTAL PROF.ª ERIKA BECHARA Meio ambiente na CF/88 A Constituição Federal reconhece e declara: O meio ambiente ecologicamente equilibrado é essencial à sadia qualidade de

Leia mais

ORIGEM E DIFUSÃO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL

ORIGEM E DIFUSÃO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL ORIGEM E DIFUSÃO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL Prof. Eduardo Lucena C. de Amorim 1 OBJETIVOS DA POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE Compatibilizar o desenvolvimento econômico e social com a proteção

Leia mais

ESTADO DO PARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE PIÇARRA

ESTADO DO PARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE PIÇARRA LEI MUNICIPAL N.183/2013. Institui o Plano Manicipal de Saneamento Básico do Município de Piçarra, instrumento da Política Municipal de Saneamento Básico e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

Atenção: - a palavra-chave de tem menos de 4 letras, por isso não foi destacada. LEI Nº 2767, DE 18 DE MAIO DE 2012.

Atenção: - a palavra-chave de tem menos de 4 letras, por isso não foi destacada. LEI Nº 2767, DE 18 DE MAIO DE 2012. Atenção: - a palavra-chave de tem menos de 4 letras, por isso não foi destacada. LEI Nº 2767, DE 18 DE MAIO DE 2012. INSTITUI O PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO, INSTRUMENTO DA POLITICA MUNICIPAL DE

Leia mais

Papel do Município no Licenciamento Ambiental

Papel do Município no Licenciamento Ambiental Papel do Município no Licenciamento Ambiental Vivian do Carmo Bellezzia Advogada Mestranda em Direito Ambiental pela ESDHC Especialista em Direito Público pela PUC-MINAS Especialista em Filosofia pela

Leia mais

Correlações: Artigo 4 e Anexo II alterados pela Resolução CONAMA nº 381/06

Correlações: Artigo 4 e Anexo II alterados pela Resolução CONAMA nº 381/06 RESOLUÇÃO CONAMA nº 306, de 5 de julho de 2002 Publicada no DOU n o 138, de 19 de julho de 2002, Seção 1, páginas 75-76 Correlações: Artigo 4 e Anexo II alterados pela Resolução CONAMA nº 381/06 Estabelece

Leia mais

O desastre ambiental de Mariana: análise sob a ótica do Direito Ambiental Brasileiro. Marcelo Leoni Schmid

O desastre ambiental de Mariana: análise sob a ótica do Direito Ambiental Brasileiro. Marcelo Leoni Schmid O desastre ambiental de Mariana: análise sob a ótica do Direito Ambiental Brasileiro Marcelo Leoni Schmid marcelo@indexflorestal.com.br Aula 03 Responsabilidade administrativa e penal no Direito Ambiental

Leia mais

Resolução CONSEPA nº 7 DE 17/11/2015 Norma Estadual - Rondônia Publicado no DOE em 24 nov 2015

Resolução CONSEPA nº 7 DE 17/11/2015 Norma Estadual - Rondônia Publicado no DOE em 24 nov 2015 Resolução CONSEPA nº 7 DE 17/11/2015 Norma Estadual - Rondônia Publicado no DOE em 24 nov 2015 Define a tipologia das atividades que causam ou possam causar impacto ambiental de âmbito local, nos termos

Leia mais

ASPECTOS LEGAIS DA CONSERVAÇÃO DO SOLO E DA ÁGUA. Londrina, 06 de julho de 2016.

ASPECTOS LEGAIS DA CONSERVAÇÃO DO SOLO E DA ÁGUA. Londrina, 06 de julho de 2016. ASPECTOS LEGAIS DA CONSERVAÇÃO DO SOLO E DA ÁGUA Londrina, 06 de julho de 2016. AS ATRIBUIÇÕES CONSTITUCIONAIS DO MINISTÉRIO PÚBLICO Artigo 127, da Constituição Federal: O Ministério Público é instituição

Leia mais

Áreas Contaminadas. Gerenciamento Estratégico. Renata Campetti Amaral Sócia Walter Hellmeister Consultor. Março/2016

Áreas Contaminadas. Gerenciamento Estratégico. Renata Campetti Amaral Sócia Walter Hellmeister Consultor. Março/2016 Áreas Contaminadas Gerenciamento Estratégico Renata Campetti Amaral Sócia Walter Hellmeister Consultor Março/2016 2016 Trench, Rossi e Watanabe Advogados Introdução Direito Ambiental Cenário Atual e Tendências

Leia mais

Roteiro da Apresentação. 1. Evolução Histórica 2. Problemas de Aplicabilidade 3. Reflexões

Roteiro da Apresentação. 1. Evolução Histórica 2. Problemas de Aplicabilidade 3. Reflexões Roteiro da Apresentação 1. Evolução Histórica 2. Problemas de Aplicabilidade 3. Reflexões Evolução Histórica da Legislação Brasileira Período Colonial (século XVI a XIX) contrabando de animais (rota marítima

Leia mais

PHA 3001 ENGENHARIA E MEIO AMBIENTE. Prof. Dr. Theo Syrto Octavio de Souza

PHA 3001 ENGENHARIA E MEIO AMBIENTE. Prof. Dr. Theo Syrto Octavio de Souza PHA 3001 ENGENHARIA E MEIO AMBIENTE Prof. Dr. Theo Syrto Octavio de Souza (theos@usp.br) Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Humano (Conferência de Estocolmo) 1972, Estocolmo, Suécia 113

Leia mais

Tratamento de Resíduos Sólidos Orgânicos e seus Impactos Ambientais. Angélica S. Gutierrez

Tratamento de Resíduos Sólidos Orgânicos e seus Impactos Ambientais. Angélica S. Gutierrez Tratamento de Resíduos Sólidos Orgânicos e seus Impactos Ambientais Angélica S. Gutierrez OBJETIVO Compreender o impacto causado pelos resíduos sólidos orgânicos no solo e na água subterrânea. Leis ambientais

Leia mais

Certificação ISO

Certificação ISO Sistema de Gestão Ambiental SGA Certificação ISO 14.000 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento das Boas Práticas, das Normas e da Legislação

Leia mais

Processo de Manejo Arbóreo em Empreendimentos Metroviários. Victor Bassetti Martinho 20ª AEAMESP SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA

Processo de Manejo Arbóreo em Empreendimentos Metroviários. Victor Bassetti Martinho 20ª AEAMESP SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA Processo de Manejo Arbóreo em Empreendimentos Metroviários Victor Bassetti Martinho 20ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA AEAMESP Curriculum vitae 2 Victor Bassetti Martinho Engenheiro Ambiental graduado

Leia mais

S UMÁRIO. Capítulo 1 Meio Ambiente Doutrina e Legislação...1. Questões...6 Gabaritos comentados...8

S UMÁRIO. Capítulo 1 Meio Ambiente Doutrina e Legislação...1. Questões...6 Gabaritos comentados...8 S UMÁRIO Capítulo 1 Meio Ambiente...1 1. Doutrina e Legislação...1 1.1. Conceito de meio ambiente... 1 1.2. Classi icação didática do meio ambiente... 3 1.3. O meio ambiente no art. 225 da CF/88... 4 Questões...6

Leia mais

Licenciamento Ambiental

Licenciamento Ambiental Licenciamento Ambiental - Lilian Ferreira dos Santos - Superintendente de Infra-Estrutura, Mineração, Indústria e Serviços Junho de 2010 O Estado de Mato Grosso Aproximadamente 20000 Empreendimentos cadastrados

Leia mais

Ciências do Ambiente

Ciências do Ambiente Universidade Federal do Paraná Engenharia Civil Ciências do Ambiente Aula 09 Aspectos legais e institucionais Meio Ambiente Profª Heloise G. Knapik 1 Por quê precisamos de legislação ambiental? Controle

Leia mais

É o ramo da biologia que estuda as relações entre os seres vivos e o meio ambiente em que vivem, bem como suas recíprocas influências.

É o ramo da biologia que estuda as relações entre os seres vivos e o meio ambiente em que vivem, bem como suas recíprocas influências. Da Ordem Social: do Meio Ambiente e dos Índios. Cretella Júnior e Cretella Neto Direito Ambiental Prof. Dr. João Miguel da Luz Rivero jmlrivero@gmail.com Do meio ambiente A CF de 1988 consagra o direito

Leia mais

DIREITO AMBIENTAL. Aula 9. Responsabilidades Administrativa e Penal Ambiental. Prof. Wander Garcia

DIREITO AMBIENTAL. Aula 9. Responsabilidades Administrativa e Penal Ambiental. Prof. Wander Garcia DIREITO AMBIENTAL Aula 9 Responsabilidades Administrativa e Penal Ambiental Prof. Wander Garcia 1. Responsabilidade administrativa ambiental 1.1. Infração administrativa ambiental - toda ação ou omissão

Leia mais

Módulo 2. Requisitos Legais Identificação da Legislação Aplicável Requisito da norma ISO Exercícios.

Módulo 2. Requisitos Legais Identificação da Legislação Aplicável Requisito da norma ISO Exercícios. Módulo 2 Requisitos Legais 2.1. Identificação da Legislação Aplicável. 2.2. Requisito 4.3.1. da norma ISO 14001. Exercícios. 2.1. Identificação da Legislação Aplicável Aspectos e Impactos Ambientais Identificação

Leia mais

A experiência do Estado de São Paulo e a visão da Câmara dos Deputados. Deputado Federal Arnaldo Jardim

A experiência do Estado de São Paulo e a visão da Câmara dos Deputados. Deputado Federal Arnaldo Jardim ABES Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 2º Seminário Regional Sudeste sobre Resíduos Sólidos Desafios das Políticas para uma Gestão Integrada de Resíduos Sólidos A experiência do

Leia mais

SUMÁRIO 1. NOÇÕES PRELIMINARES

SUMÁRIO 1. NOÇÕES PRELIMINARES SUMÁRIO 1. NOÇÕES PRELIMINARES 1. Direitos de terceira geração 1.1 Introdução 1.2 Direitos difusos 1.3 Direitos coletivos stricto sensu 1.4 Direitos individuais homogêneos 2. Meio ambiente: definição e

Leia mais

Sistema Integrado de Normas Jurídicas do Distrito Federal SINJ-DF

Sistema Integrado de Normas Jurídicas do Distrito Federal SINJ-DF Sistema Integrado de Normas Jurídicas do Distrito Federal SINJ-DF DECRETO Nº 36.992, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2015 Estabelece a nova tabela de preços cobrados pelos serviços solicitados ao Instituto do Meio

Leia mais

Resolução CONAMA Nº 396, de 03 de Abril de Dispõe sobre a classificação e diretrizes ambientais para o enquadramento das águas subterrâneas.

Resolução CONAMA Nº 396, de 03 de Abril de Dispõe sobre a classificação e diretrizes ambientais para o enquadramento das águas subterrâneas. Resolução CONAMA Nº 396, de 03 de Abril de 2008 Dispõe sobre a classificação e diretrizes ambientais para o enquadramento das águas subterrâneas. - Definições Águas subterrâneas: águas que ocorrem naturalmente

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 2.321, DE 2011 (Do Sr. Leopoldo Meyer)

PROJETO DE LEI N.º 2.321, DE 2011 (Do Sr. Leopoldo Meyer) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 2.321, DE 2011 (Do Sr. Leopoldo Meyer) Estabelece regras de segurança para a implantação e funcionamento de parques de diversão e estabelecimentos similares. DESPACHO:

Leia mais

SANEAMENTO E AMBIENTE: 3º ENCONTRO DA ENGENHARIA. Confinamento de Resíduos Industriais: técnicas e materiais

SANEAMENTO E AMBIENTE: 3º ENCONTRO DA ENGENHARIA. Confinamento de Resíduos Industriais: técnicas e materiais SANEAMENTO E AMBIENTE: 3º ENCONTRO DA ENGENHARIA Confinamento de Resíduos Industriais: técnicas e materiais Riscos de contaminação do solo e da água subterrânea Eng. Quím. Mário Kolberg Soares GERENCIAMENTO

Leia mais

Recursos Hídricos. A interação do saneamento com as bacias hidrográficas e os impactos nos rios urbanos

Recursos Hídricos. A interação do saneamento com as bacias hidrográficas e os impactos nos rios urbanos 74 a Semana Oficial da Engenharia e da Agronomia Recursos Hídricos A interação do saneamento com as bacias hidrográficas e os impactos nos rios urbanos SECRETARIA DE RECURSOS HÍDRICOS E QUALIDADE AMBIENTAL

Leia mais

O meio ambiente na CF/1988. José Antônio Tietzmann e Silva - Todos os direitos reservados

O meio ambiente na CF/1988. José Antônio Tietzmann e Silva - Todos os direitos reservados O meio ambiente na CF/1988 Japão (1946), Polônia (1952), Tchecho-Eslováquia (1960), Bulgária (1971), Confederação Helvética (1971), Hungria (1972), Panamá (1972), Ioguslávia (1974), Grécia (1975), Cuba

Leia mais

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos. Legislação Ambiental para Engenharia Ambiental e Sanitária - UFJF

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos. Legislação Ambiental para Engenharia Ambiental e Sanitária - UFJF SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos Rolfe Pinho Dias - SUPRAM - NRRA - Juiz de Fora 1 Regularização Ambiental Rolfe Pinho Dias Técnico Ambiental SUPRAM -Zona da Mata NRRA Juiz

Leia mais

Direito Ambiental Constitucional. Inclui Princípios constitucionais correlatos

Direito Ambiental Constitucional. Inclui Princípios constitucionais correlatos Direito Ambiental Constitucional Inclui Princípios constitucionais correlatos Constituição de 1988 Conceito jurídico de meio ambienteconstituição Art. 3º. Para os fins previstos nesta Lei, entende-se por:

Leia mais

Resolução CONAMA 307 de 5 de julho de Dispõe sobre gestão dos resíduos da construção civil.

Resolução CONAMA 307 de 5 de julho de Dispõe sobre gestão dos resíduos da construção civil. Resolução CONAMA 307 de 5 de julho de 2002. Dispõe sobre gestão dos resíduos da construção civil. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. O CONSELHO

Leia mais

Proconve sendo classificadas como ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORA E UTILIZADORA DE RECURSOS AMBIENTAIS Passíveis de inscrição no CTF DEVIDO AO IMPACTO AMBIENTAL FISCALIZAÇÃO CADASTRO TÉCNICO

Leia mais

Planos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos. Fernando Altino Rodrigues

Planos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos. Fernando Altino Rodrigues Planos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Fernando Altino Rodrigues Ética Ecológica e Ética Social Desenvolvimento Sustentável...permitir que os preços digam a verdade ecológica Weizsaecker INTERNALIZAÇÃO

Leia mais

DISCIPLINA: RECURSO SOLO. Áreas Degradadas e Áreas Contaminadas. Profa. Wanda R. Günther HSA/FSP/USP

DISCIPLINA: RECURSO SOLO. Áreas Degradadas e Áreas Contaminadas. Profa. Wanda R. Günther HSA/FSP/USP DISCIPLINA: RECURSO SOLO Áreas Degradadas e Áreas Contaminadas Profa. Wanda R. Günther HSA/FSP/USP SURGIMENTO DE CASOS DE POLUIÇÃO OU CONTAMINAÇÃO AMBIENTAL E ÁREAS CONTAMINADAS... ASSUNTO AINDA RECENTE...

Leia mais

LEI Nº 760 DE 18 DE ABRIL DE 2011

LEI Nº 760 DE 18 DE ABRIL DE 2011 LEI Nº 760 DE 18 DE ABRIL DE 2011 Dispõe sobre o Fundo Municipal de Meio Ambiente do Município de Paranatinga. CAPÍTULO I Do Fundo Municipal de Meio Ambiente Art. 1º Fica instituído o Fundo Municipal de

Leia mais

Cenário do mapeamento de áreas contaminadas nos Estados do Rio de Janeiro e São Paulo.

Cenário do mapeamento de áreas contaminadas nos Estados do Rio de Janeiro e São Paulo. Cenário do mapeamento de áreas contaminadas nos Estados do Rio de Janeiro e São Paulo. Fabiana Pereira Coelho¹; Ubirajara Hutter Carvalho²; Thamires Henrique Teles da Silva³ Resumo: A necessidade de ocupação

Leia mais

PREVENÇÃO. You created this PDF from an application that is not licensed to print to novapdf printer (http://www.novapdf.com)

PREVENÇÃO. You created this PDF from an application that is not licensed to print to novapdf printer (http://www.novapdf.com) PREVENÇÃO I CONTEXTO II A PRÁTICA III DESAFIOS I CONTEXTO I CONTEXTO 1. LEI Nº 9.433/1997 - Política Nacional de Recursos Hídricos - PNR Art. 1º Fundamentos... Bacia hidrográfica unidade territorial para

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 576 /2013 Institui o Projeto Calçada Limpa no âmbito das subprefeituras, e dá outras providências. A Câmara Municipal de São Paulo DECRETA: Art. 1º A presente Lei institui o Projeto Calçada

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA CRONOGRAMA DE CURSOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA - 2013 CUSTO LOCAL INSCRIÇÕES INFORMAÇÕES Gratuitos.

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO DA CAERN COMISSÃO PERMANENTE DO VESTIBULAR CARGO: ANALISTA AMBIENTAL PROGRAMA

CONCURSO PÚBLICO DA CAERN COMISSÃO PERMANENTE DO VESTIBULAR CARGO: ANALISTA AMBIENTAL PROGRAMA CONCURSO PÚBLICO DA CAERN COMISSÃO PERMANENTE DO VESTIBULAR CARGO: ANALISTA AMBIENTAL PROGRAMA 1 POLUIÇÃO E CONTROLE AMBIENTAL a- Crise ambiental b- Ética ambiental c- Meio ambiente e saúde Saúde e qualidade

Leia mais

I - a água é um bem de domínio público;

I - a água é um bem de domínio público; POLÍTICA NACIONAL DOS RECURSOS HÍDRICOS CF/88 São bens da União:; III - os lagos, rios e quaisquer correntes de água em terrenos de seu domínio, ou que banhem mais de um Estado, sirvam de limites com outros

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL FUNDAMENTAÇÃO LEGAL:

LICENCIAMENTO AMBIENTAL FUNDAMENTAÇÃO LEGAL: LICENCIAMENTO AMBIENTAL FUNDAMENTAÇÃO LEGAL: Lei 6938/81 (PNMA), art. 9º, inc. IV Dec. 99.274/90, art. 7, inc. I Resolução CONAMA 001/86 e 237/97 e 006/86 CF/88 art. 225 (proteção e prevenção) Art. 2º

Leia mais

SEGUROS PARA RISCOS AMBIENTAIS

SEGUROS PARA RISCOS AMBIENTAIS SEGUROS PARA RISCOS AMBIENTAIS O Seguro Garantia para a Lei SP 13.577 Sua Importância para o Mercado Segurador Rogério Vergara 12/11/2015 Seguro Garantia O que é o produto Os conceitos básicos do produto

Leia mais

V Seminário de Políticas de Gestão da Qualidade do Solo e das Águas Subterrâneas

V Seminário de Políticas de Gestão da Qualidade do Solo e das Águas Subterrâneas V Seminário de Políticas de Gestão da Qualidade do Solo e das Águas Subterrâneas Visão da CETESB no desenvolvimento das investigações em indústrias - status e sugestões Vicente de Aquino Neto CETESB Áreas

Leia mais

WORKSHOP 45 anos de ABLP. Simone Paschoal Nogueira

WORKSHOP 45 anos de ABLP. Simone Paschoal Nogueira WORKSHOP 45 anos de ABLP Simone Paschoal Nogueira São Paulo, 30 de novembro de 2015 Lixiviados Principal Legislação Resolução CONAMA 01/86 Significativo Impacto ( EIA) Resolução CONAMA 237/97 Licenciamento

Leia mais

Flávio Luis A. Bragante

Flávio Luis A. Bragante Diretor de Novos Negócios FAEX Sol. Ambientais. Bacharel em Química com Atribuições Tecnológicas Pós Graduado em Gestão Ambiental Membro da Comissão Técnica de Meio Ambiente CRQ 4a Região A 17 trabalhando

Leia mais

Responsabilidade Civil e Criminal nas Ações Ambientais. João Emmanuel Cordeiro Lima

Responsabilidade Civil e Criminal nas Ações Ambientais. João Emmanuel Cordeiro Lima Responsabilidade Civil e Criminal nas Ações Ambientais João Emmanuel Cordeiro Lima Responsabilidade jurídica ambiental. - Responsabilidade jurídica é dever resultante de uma violação a um norma jurídica

Leia mais

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Prof. Gustavo Nascimento Unidade I DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Desenvolvimento sustentável Histórico do conceito de desenvolvimento sustentável A Revolução Industrial foi um marco importante na humanidade

Leia mais

SIMEXMIN 2012 A QUESTÃO AMBIENTAL NA MINERAÇÃO E SUAS CONSEQUÊNCIAS. Ricardo Carneiro

SIMEXMIN 2012 A QUESTÃO AMBIENTAL NA MINERAÇÃO E SUAS CONSEQUÊNCIAS. Ricardo Carneiro SIMEXMIN 2012 A QUESTÃO AMBIENTAL NA MINERAÇÃO E SUAS CONSEQUÊNCIAS Ricardo Carneiro APROVEITAMENTO DOS RECURSOS MINERAIS E DOS POTENCIAIS HIDRÁULICOS APROVEITAMENTO DOS RECURSOS MINERAIS E DOS POTENCIAIS

Leia mais

Resolução Conjunta IBAMA/SEMA/IAP nº 005, de 28 de março de 2008.

Resolução Conjunta IBAMA/SEMA/IAP nº 005, de 28 de março de 2008. Resolução Conjunta IBAMA/SEMA/IAP nº 005, de 28 de março de 2008. Define critérios para avaliação das áreas úmidas e seus entornos protetivos, normatiza sua conservação e estabelece condicionantes para

Leia mais

CURSO DE CAPACITAÇÃO DOS MUNÍCIPIOS PARA GESTÃO AMBIENTAL

CURSO DE CAPACITAÇÃO DOS MUNÍCIPIOS PARA GESTÃO AMBIENTAL CURSO DE CAPACITAÇÃO DOS MUNÍCIPIOS PARA GESTÃO AMBIENTAL LICENCIAMENTO E FISCALIZAÇÃO DE POSTOS REVENDEDORES INEA DILAM GELRAM SELART NLPS LEGISLAÇÃO APLICADA Resolução CONAMA Nº 273/2000. Determina a

Leia mais

SNUC - SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

SNUC - SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Prof. Dr. Thiago Leite Engenheiro Florestal (UnB-DF) Mestrado em Ciências Ambientais e Florestais com ênfase em Educação Ambiental (UnB-DF) Doutorado em Ciências Florestais com ênfase em Agroecologia (UnB-DF)

Leia mais

Licenciamento Ambiental no Brasil

Licenciamento Ambiental no Brasil Licenciamento Ambiental no Brasil Prof. Dra. Érica L. Romão. Departamento de Ciências Básicas e Ambientais Escola de Engenharia de Lorena, Universidade de São Paulo, EEL-USP O que é o Licenciamento Ambiental?

Leia mais

Legislação Ambiental / EIA RIMA Legislação

Legislação Ambiental / EIA RIMA Legislação Legislação Segundo legislação brasileira considera-se impacto ambiental: "qualquer alteração das propriedades físicas, químicas e biológicas do meio ambiente causada por qualquer forma de matéria ou energia

Leia mais

Tratamento e Descarte de Resíduos de Obras

Tratamento e Descarte de Resíduos de Obras PROCEDIMENTO DO SMS Tratamento e Descarte de de Obras PR-99-992-CPG-003 Revisão: 02 Página: 1/6 1. OBJETIVO Definir padrões para o manuseio e descarte de resíduos produzidos pelas empresas contratadas

Leia mais

Gerenciamento de Áreas Contaminadas. Emanuel L Apiccirella - Hidrogeólogo Dezembro, 2013

Gerenciamento de Áreas Contaminadas. Emanuel L Apiccirella - Hidrogeólogo Dezembro, 2013 Gerenciamento de Áreas Contaminadas Emanuel L Apiccirella - Hidrogeólogo Dezembro, 2013 Gerenciamento de Áreas Contaminadas O controle de fontes é o meio mais correto e eficaz de reduzir problemas de contaminação

Leia mais

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida.

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida. SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos POLÍCIA Superintendência de Atendimento e Controle Processual TERMO DE COMPROMISSO E TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA Daniela de Souza Superintendência

Leia mais

Seminário Sul-brasileiro de Gerenciamento de Áreas Contaminadas. Porto Alegre, 3 e 4 de setembro de 2012

Seminário Sul-brasileiro de Gerenciamento de Áreas Contaminadas. Porto Alegre, 3 e 4 de setembro de 2012 Seminário Sul-brasileiro de Gerenciamento de Áreas Contaminadas Porto Alegre, 3 e 4 de setembro de 2012 Experiência na aplicação da Resolução CONAMA 420 Rodrigo César de Araújo Cunha CETESB Companhia Ambiental

Leia mais

RESOLUÇÃO ANP Nº 8, DE DOU

RESOLUÇÃO ANP Nº 8, DE DOU AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS RESOLUÇÃO ANP Nº 8, DE 9.2.2011 - DOU 10.2.2011 O DIRETOR-GERAL da AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS - ANP, no uso

Leia mais

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva 1. HISTÓRICO DE REVISÕES Revisão: 02 Página 1 de 6 DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20/08/2013 00 Emissão inicial 21/08/2014 01 03/12/2015 02 Definição mais clara da sistemática de tratativa de cargas

Leia mais

Estado do Rio de Janeiro PREFEITURA MUNICIPAL DE BELFORD ROXO GABINETE DO PREFEITO

Estado do Rio de Janeiro PREFEITURA MUNICIPAL DE BELFORD ROXO GABINETE DO PREFEITO LEI COMPLEMENTAR Nº 094 DE 06 DE JANEIRO DE 2009. Dispõe sobre critérios e procedimentos destinados à atividade de Licenciamento Ambiental no Município de Belford Roxo e estabelece a Taxa de Licenciamento

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL MUNICIPAL E CAPACITAÇÃO DE GESTORES INEA/DIGAT/GEGAM

LICENCIAMENTO AMBIENTAL MUNICIPAL E CAPACITAÇÃO DE GESTORES INEA/DIGAT/GEGAM LICENCIAMENTO AMBIENTAL MUNICIPAL E CAPACITAÇÃO DE GESTORES INEA/DIGAT/GEGAM INTRODUÇÃO A Gerência de Apoio à Gestão Ambiental Municipal (GEGAM) atua na articulação com os 92 municípios fluminenses para

Leia mais

Lei Complementar n 140/11. Competências: Licenciamento e Fiscalização

Lei Complementar n 140/11. Competências: Licenciamento e Fiscalização Lei Complementar n 140/11 Competências: Licenciamento e Fiscalização Características Iniciais Fixou normas, nos termos dos incisos III, VI e VI do caput e do parágrafo único do artigo 23 da CF. Cooperação

Leia mais

Os processos de segurança da informação devem assegurar a integridade, a disponibilidade e a confidencialidade dos ativos de informação da Apex.

Os processos de segurança da informação devem assegurar a integridade, a disponibilidade e a confidencialidade dos ativos de informação da Apex. 1 POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Disposições Gerais Os sistemas de informação, a infraestrutura tecnológica, os arquivos de dados e as informações internas ou externas, são considerados importantes

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO E AJUSTAMENTO DE CONDUTA

TERMO DE COMPROMISSO E AJUSTAMENTO DE CONDUTA INQUÉRITO CIVIL N : INTERESSADOS: COMPROMISSÁRIO E POPULAÇÃO EM GERAL OBJETO: MANUTENÇÃO DE PÁSSARO DA FAUNA SILVESTRE EM CATIVEIRO. TERMO DE COMPROMISSO E AJUSTAMENTO DE CONDUTA No dia de de, compareceu

Leia mais

O novo decreto estadual de áreas contaminadas

O novo decreto estadual de áreas contaminadas O novo decreto estadual de áreas contaminadas Eng. Rodrigo César de Araújo Cunha, Dr. Setor de Recursos para Investigação e Remediação de Áreas Contaminadas CETESB Regulamenta a Lei nº 13.577, de 8 de

Leia mais

PARECER Nº É o relatório.

PARECER Nº É o relatório. PARECER Nº 11661 Estudo de Impacto Ambiental - EIA/RIMA. Equipe multidisciplinar. Licitação. Serviços de assessoramento e consultoria. Resolução CONAMA 01/86. Comunicado CAGE Nº 03/97 O Secretário dos

Leia mais