Instituto de Cidades e Vilas com Mobilidade. institutodemobilidade.org

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Instituto de Cidades e Vilas com Mobilidade. institutodemobilidade.org"

Transcrição

1 Instituto de Cidades e Vilas com Mobilidade institutodemobilidade.org

2 ICVM Europa 1. MISSÃO Sensibilizar, informar e formar técnicos e cidadãos sobre a necessidade de construção de territórios sociais de Mobilidade, de acordo com as orientações políticas definidas. Promover uma nova cultura de mobilidade, através do exercício da atividade de investigação, desenvolvimento de estudos, projetos, planos, assessoria e certificação em todos os domínios de interesse do Planejamento, Desenho Urbano, Arquitetura e Gestão da Mobilidade.

3 ICVM Europa 2. PROJETOS E PARTICIPAÇÕES Certificado de Acessibilidade (Portugal/Brasil)

4 ICVM Europa 2. PROJETOS E PARTICIPAÇÕES Rede de Cidades e Vilas de Excelência Rede Nacional de Cidades e Vilas com Mobilidade CEN Bruxelas/CT 177 Jornal Planeamento e Cidades

5 ICVM Europa 2. PROJETOS E PARTICIPAÇÕES Palestras/Workshops Media Sensibilização e formação

6 ICVM Europa 2. PROJETOS E PARTICIPAÇÕES Membro do European Committee for Standardization (CEN/ECS Bruxelas) Membro do European Network for Accessible Tourism (ENAT) Membro da AMP Junta Metropolitana do Porto Provedoria metropolitana dos cidadãos com deficiência. Membro da APTTA Associação Portuguesa de Turismo Acessível Membro da CT 177 Comissão Técnica de Acessibilidade e Design Inclusivo Entidade fundadora da Comissão Técnica de Acessibilidade e Design Inclusivo IPQ Instituto Português da Qualidade Coordenação da elaboração das Normas Técnicas para a Certificação da Acessibilidade em Portugal Membro do grupo de trabalho das acessibilidades Secretaria de Estado da Reabilitação Coordenação da publicação Guia de Acessibilidade e Mobilidade para Todos, a convite do Governo Português Coordenação da publicação Acessibilidade e Mobilidade para Todos O Estado da Nação

7 ICVM Europa 3. PARCERIAS E PROTOCOLOS CEN/ECS - European Committee for Standardization (Bélgica) Eixo Atlântico do Noroeste Peninsular (Espanha) Urban Strategy (Espanha) SEAR Secretaria de Estado da Reabilitação INR Instituto Nacional para a Reabilitação IPQ Instituto Português da Qualidade Turismo de Portugal ANMP Associação Nacional de Municípios Portugueses AHRESP Associação da Hotelaria e Restauração de Portugal APTTA Associação Portuguesa de Turismo Acessível ASP Associação de Surdos APPC Associação Portuguesa de Paralisia Cerebral CPAC Centro de Produções Braille

8 ICVM Europa 4. CONTATOS Rua do Passeio Alegre, n.º Porto - Portugal Tel/fax:

9 Rede Brasileira de Cidades com Acessibilidade Universal

10 Rede de Cidades O que é?

11 Eficácia Boa imagem Celeridade na implementação Efeitos multiplicadores positivos Rede de Cidades Prestígio Complementaridades Marketing de cidade O que é? Formação pessoal e técnica Economia

12 Missão: Construir Cidades Inclusivas É um imperativo ético e social, traduzindo o respeito pelos valores fundamentais da solidariedade, da liberdade e da equiparação de oportunidades.

13 Missão: Construir Cidades Inclusivas Cidades acessíveis são + democráticas + acolhedoras + amigas dos cidadãos

14 Objetivos Adequar as cidades a todos os cidadãos de acordo com os princípios do design universal

15 Objetivos Cumprir os imperativos éticos, sociais e culturais contemporâneos

16 Objetivos Planejar o desenvolvimento das cidades

17 Trabalhar em Rede, fazendo mais com menos Rede de Cidades

18 O Método, o Planejamento e a Intervenção Executar Plano Diretor de Promoção das Acessibilidades: documento estratégico que contém a identificação das principais anomalias à acessibilidade encontradas na área de intervenção, tipifica soluções para correção, elabora estimativa orçamental e o cronograma temporal da intervenção. Selecionar área-piloto ou rota-piloto 2 meses Elaborar diagnóstico de acessibilidade universal 5 meses Elaborar propostas de intervenção, orçamento e cronograma 5 meses Facultativamente, podem ser promovidas campanhas de divulgação e de sensibilização junto da população para pleno entendimento da necessidade de adaptar, gradualmente, a cidade a todos os cidadãos.

19 O Método, o Planejamento e a Intervenção Elaboração do Plano Diretor de Promoção da Acessibilidade Execução das ações previstas para o ano 2 Execução das ações previstas para o ano 3 Execução das ações previstas para o ano 4 Ano 1 Ano 2 Ano 3 Ano 4 Protocolo de Adesão Entrega e Hastear da Bandeira de Adesão Pagamento 1 Conclusão do Plano Diretor Entrega da Bandeira de Planejamento da Acessibilidade Universal Pagamento 2 Verificação das ações tomadas Entrega da Bandeira Verde da Acessibilidade Universal Pagamento 3 Verificação das ações tomadas Entrega da Bandeira de Prata da Acessibilidade Universal Pagamento 4 Conclusão e apresentação de resultados Entrega da Bandeira de Ouro da Acessibilidade Universal

20 Tipologia das Ações a Integrar Criação de faixas livres nas calçadas

21 Tipologia das Ações a Integrar Rebaixamentos nas travessias de pedestres

22 Tipologia das Ações a Integrar Reposicionar mobiliário urbano e sinalização

23 Tipologia das Ações a Integrar Criação de vagas de estacionamento para pessoas com deficiência

24 Tipologia das Ações a Integrar Colocação de sinais sonoros nos semáforos para pedestres

25 Tipologia das Ações a Integrar Criar acessibilidade às edificações que recebem público

26 Tipologia das Ações a Integrar Promover a adaptação dos transportes coletivos

27 Tipologia das Ações a Integrar Inclusão nos regulamentos municipais de medidas de cidade para todos

28 Tipologia das Ações a Integrar Ações de Sensibilização com crianças

29 Tipologia das Ações a Integrar Ações de Sensibilização com jovens

30 Tipologia das Ações a Integrar Cursos de sensibilização com técnicos

31 Tipologia das Ações a Integrar Realização de Palestras

32 Cerimónia Pública de Concretização de Metas: A Bandeira da Acessibilidade Bandeira de Adesão à Rede Brasileira de Cidades com Acessibilidade Universal no momento de adesão; Bandeira de Planejamento da Acessibilidade universal após 1º ano, no reconhecimento pela receção do Plano Diretor de Promoção da Acessibilidade; Bandeira Verde da Acessibilidade Universal após 2º ano, no reconhecimento da execução das ações propostas para este ano; Bandeira de Prata da Acessibilidade Universal após 3º ano, no reconhecimento da execução das ações propostas para este ano; Bandeira Ouro da Acessibilidade Universal após 4º ano, no reconhecimento da execução de, pelo menos, 75% do total das ações inscritas no Plano.

33 Obrigações Gerais do ICVM Brasil Elaborar com a Prefeitura o Plano Diretor de Promoção das Acessibilidades da Área Piloto ou Rotas-Piloto; Marcar presença no evento público de adesão à Rede e em todas as cerimónias públicas de atribuição da Bandeira da Acessibilidade; Disponibilizar conhecimento, competências e modelos de ação que constituem boas práticas no mundo; Difundir os resultados obtidos pelos membros da Rede Brasileira de Cidades com Acessibilidade Universal. Verificar regularmente a execução das ações incluídas na planificação anual.

34 Obrigações Gerais das Prefeituras Membro da Rede Atender o Plano e as suas Propostas de Ação; Organizar os eventos de atribuição das bandeiras; Executar as ações previstas no plano de acordo com o cronograma; Facultativamente realizar as ações de sensibilização à população; Dar conhecimento regular ao ICVM Brasil do estado de execução das ações.

35 Convenção Bienal De dois em dois anos será realizada a Convenção da Rede Brasileira de Cidades com Acessibilidade Universal para partilha de conhecimentos, experiências e competências. Investimento A Rede Brasileira de Cidades com Acessibilidade Universal tem a duração de quatro anos com a anuidade de R$ (quinze mil reais/ano); Os pagamentos serão efetuados no momento da adesão e decorridos 1, 2 e 3 anos após a adesão.

36 Adesão e Prazo para Adesão A Prefeitura, para aderir à Rede Brasileira de Cidades com Acessibilidade Universal, deve enviar Declaração de Adesão por via postal ou enviar um correio eletrónico oficial, com o teor da Declaração para Constituem-se como membros fundadores todas as Prefeituras que tenham aderido até ao final de 2014; Após este período as adesões podem ocorrer a todo o momento.

37 Instituto de Cidades e Vilas com Mobilidade Brasil Contatos Rua Santa Justina, 244, Apto 91 Vila Olímpia - São Paulo CEP (11) (11)

Instituto de Cidades e Vilas com Mobilidade. institutodemobilidade.org

Instituto de Cidades e Vilas com Mobilidade. institutodemobilidade.org Instituto de Cidades e Vilas com Mobilidade institutodemobilidade.org ICVM Europa 1. MISSÃO Sensibilizar, informar e formar técnicos e cidadãos sobre a necessidade de construção de territórios sociais

Leia mais

Cidades e Vilas de Excelência

Cidades e Vilas de Excelência cidades e vilas de excelência Cidades e Vilas de Rede / Network 2ª edição Cidades e Vilas de Instituto de Cidades e Vilas com Mobilidade Rua do Passeio Alegre, 20 4150-570 Porto - Portugal tlf / fax +351

Leia mais

PLANO DE SOLUÇÕES INTEGRADAS DE ACESSIBILIDADE PARA TODOS. Município da Miranda do Corvo

PLANO DE SOLUÇÕES INTEGRADAS DE ACESSIBILIDADE PARA TODOS. Município da Miranda do Corvo PLANO DE SOLUÇÕES INTEGRADAS DE ACESSIBILIDADE PARA TODOS Município da Miranda do Corvo A POPULAÇÃO É DIVERSA Vivemos numa sociedade estereotipada, desenhada para a maioria, que não tem em conta os direitos

Leia mais

Declaração da Cimeira Mundial dos Destinos para Todos Montreal, 2014

Declaração da Cimeira Mundial dos Destinos para Todos Montreal, 2014 Um Mundo para Todos Declaração da Cimeira Mundial dos Destinos para Todos Montreal, 2014 Tendo- nos reunido em Montreal, Canadá na Cimeira Mundial dos Destinos para Todos, de 19-22 Outubro de 2014, nós,

Leia mais

I Fórum Regional Empreendedorismo em Turismo Acessível. João Santos Câmara Municipal da Lousã

I Fórum Regional Empreendedorismo em Turismo Acessível. João Santos Câmara Municipal da Lousã I Fórum Regional Empreendedorismo em Turismo Acessível João Santos Câmara Municipal da Lousã Açores 24 de setembro de 2015 LOUSÃ território inclusivo Políticas públicas para a Inclusão Sensibilidade Social,

Leia mais

Eixo 1 - Organização e Trabalho em Rede

Eixo 1 - Organização e Trabalho em Rede Eixo 1 - Organização e Trabalho em Rede E1_O1E1A1 E1_O2E1A1 E1_O2E2A1 E1_O3E1A1 E1_O3E1A2 E1_O3E1A3 E1_O3E1A4 Harmonizar os instrumentos de planeamento e avaliação, utilizados pelos diversos órgãos da

Leia mais

Campinas Cidade Sustentável

Campinas Cidade Sustentável Campinas Cidade Sustentável A Prefeitura de Campinas adere hoje, com o Decreto que será assinado pelo Prefeito Jonas Donizette, ao Programa Cidades Sustentáveis da Rede Nossa São Paulo, do Instituto Ethos

Leia mais

Atenciosamente, Andrea Asti Severo Marilu Mourão Pereira Roque Bakof Coordenação de Pesquisa Diretora Técnica Presidente

Atenciosamente, Andrea Asti Severo Marilu Mourão Pereira Roque Bakof Coordenação de Pesquisa Diretora Técnica Presidente Mapeamento da realidade municipal e regional sobre acessibilidade e inclusão CARTA DE APRESENTAÇÃO Excelentíssimo Senhor Prefeito A FADERS Acessibilidade e Inclusão, órgão gestor e articulador da política

Leia mais

certificado de acessibilidade - ICVM accessibility certificate - ICVM

certificado de acessibilidade - ICVM accessibility certificate - ICVM certificado de acessibilidade - ICVM accessibility certificate - ICVM a importância do selo da acessibilidade 1. 2 3 1. a importância do selo da acessibilidade 3 Numa época de mudança como a que se vive,

Leia mais

Gabinete da Provedoria

Gabinete da Provedoria Gabinete da Provedoria Objetivos Gerais Objetivos Atividades/Tarefas Recursos Humanos Específicos Contribuir para tornar a Lousã Acessível Promover a Integração Divulgar o Trabalho do Gabinete da Provedoria

Leia mais

Acessibilidade: cidadania para todos

Acessibilidade: cidadania para todos Acessibilidade: cidadania para todos No meio do caminho tinha uma pedra... (Carlos Drummond de Andrade) Acessibilidade Condição para utilização, com segurança e autonomia, total ou assistida, dos espaços,

Leia mais

Responsabilidade Social na Engenharia da Mobilidade: Deficiência Física Qual o papel do Governo?

Responsabilidade Social na Engenharia da Mobilidade: Deficiência Física Qual o papel do Governo? Responsabilidade Social na Engenharia da Mobilidade: A Integração do Portador de Deficiência Física Qual o papel do Governo? Evolução das Terminologias Portador de Deficiência Física??? NÃO... Pessoa com

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Ações Inclusivas de Sucesso Belo Horizonte 24 a 28 de maio de 2004 Realização: Pró-reitoria de Extensão

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ALENQUER (nos termos da Lei n.º 12-A/2008, de 27 de Fevereiro)

CÂMARA MUNICIPAL DE ALENQUER (nos termos da Lei n.º 12-A/2008, de 27 de Fevereiro) Mapa Resumo dos postos de por cargo/carreira/categoria CARGO/CATEGORIAS/CARREIRAS A criar TOTAL Obs. Diretor de departamento 2 2 Chefe de divisão 6 6 Direção intermédia 3.º grau 2 2 Comandante Operacional

Leia mais

Fórum Crédito e Educação Financeira 25 de Janeiro de 2012. António de Sousa

Fórum Crédito e Educação Financeira 25 de Janeiro de 2012. António de Sousa Fórum Crédito e Educação Financeira 25 de Janeiro de 2012 António de Sousa Realidade: A literacia financeira dos portugueses Resultados do Inquérito do Banco de Portugal à População Portuguesa (2010):

Leia mais

Plano Municipal de Ações Articuladas para as pessoas com deficiência da Cidade de São Paulo

Plano Municipal de Ações Articuladas para as pessoas com deficiência da Cidade de São Paulo Plano Municipal de Ações Articuladas para as pessoas com deficiência da Cidade de São Paulo DIREITOS HUMANOS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS CONVENÇÃO SOBRE

Leia mais

Um Mundo para Todos. Declaração da Cimeira Mundial Destinos para Todos. Montréal - Outubro 2014

Um Mundo para Todos. Declaração da Cimeira Mundial Destinos para Todos. Montréal - Outubro 2014 Um Mundo para Todos Declaração da Cimeira Mundial Destinos para Todos Montréal - Outubro 2014 (Tradução livre do Turismo de Portugal) Um Mundo para Todos - Declaração da Cimeira Mundial Destinos para Todos

Leia mais

REGULAMENTO PRÉMIO PRESTÍGIO DE SUSTENTABILIDADE

REGULAMENTO PRÉMIO PRESTÍGIO DE SUSTENTABILIDADE REGULAMENTO PRÉMIO PRESTÍGIO DE SUSTENTABILIDADE Os Amigos do Cáster em parceria com a Câmara Municipal de Ovar criam o PRÉMIO PRESTÍGIO DE SUSTENTABILIDADE, inserido no âmbito do Programa Integrado de

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO 2016. Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental

PROGRAMA DE AÇÃO 2016. Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental PROGRAMA DE AÇÃO 2016 Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental ÍNDICE I - INTRODUÇÃO... 3 II EIXOS/OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 3 III AÇÕES E ATIVIDADES... 4 IV AVALIAÇÃO... 4 V

Leia mais

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89 N 9º15'50. AGENDA 21 escolar Pensar Global, agir Local Centro de Educação Ambiental Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.84" O 918 773 342 cea@cm-tvedras.pt Enquadramento A Agenda

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO FUNDÃO + ESCOLA + PESSOA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA 2013-2017 Agrupamento de Escolas do Fundão Página 1 Perante o diagnóstico realizado, o Agrupamento assume um conjunto de prioridades

Leia mais

1.º SEMINÁRIO DE ACOMPANHAMENTO Apresentação das operações em curso

1.º SEMINÁRIO DE ACOMPANHAMENTO Apresentação das operações em curso Política de Cidades Polis XXI Acções Inovadoras para o Desenvolvimento Urbano QREN/ POVT/ Eixo IX Desenvolvimento do Sistema Ub Urbano Nacional 1.º SEMINÁRIO DE ACOMPANHAMENTO Apresentação das operações

Leia mais

Plano de Atividades e Orçamento. Exercício de 2014

Plano de Atividades e Orçamento. Exercício de 2014 Plano de Atividades e Orçamento Exercício de 2014 Plano de Atividades e Orçamento para o exercício de 2014 Preâmbulo O Plano de Atividades do ano de 2014 foi elaborado de acordo com as expetativas dos

Leia mais

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL CADERNOS DE MUSEOLOGIA Nº 28 2007 135 GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL INTRODUÇÃO Os Sistemas da Qualidade

Leia mais

IIDENTIFICAÇÃO SUMARIA DO PROJETO

IIDENTIFICAÇÃO SUMARIA DO PROJETO IIDENTIFICAÇÃO SUMARIA DO PROJETO Título do projeto: Pensar Global, Agir Global Oito objetivos de Desenvolvimento para o Milénio, Oito Caminhos para mudar o Mundo Localização detalhada da ação (país, província,

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA A ACESSIBILIDADE EM ETAPAS DA 2 CONFERÊNCIA NACIONAL DE JUVENTUDE

RECOMENDAÇÕES PARA A ACESSIBILIDADE EM ETAPAS DA 2 CONFERÊNCIA NACIONAL DE JUVENTUDE RECOMENDAÇÕES PARA A ACESSIBILIDADE EM ETAPAS DA 2 CONFERÊNCIA NACIONAL DE JUVENTUDE Este documento foi organizado pela Comissão Organizadora Nacional (CON) da 2 Conferência Nacional de Políticas Públicas

Leia mais

ATO DA COMISSÃO DIRETORA Nº 15, DE 2013.

ATO DA COMISSÃO DIRETORA Nº 15, DE 2013. ATO DA COMISSÃO DIRETORA Nº 15, DE 2013. Institui a Política de Acessibilidade do Senado Federal. A COMISSÃO DIRETORA DO SENADO FEDERAL, no uso das competências que lhe foram conferidas pelo art. 98, inciso

Leia mais

CATEGORIA C5 EVENTOS PROGRAMADOS IDENTIFICAÇÃO. Subtipos:

CATEGORIA C5 EVENTOS PROGRAMADOS IDENTIFICAÇÃO. Subtipos: Ministério do Turismo Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Departamento de Estruturação, Articulação e Ordenamento Turístico Coordenação Geral de Regionalização Inventário da Oferta Turística uf:

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO ESPECÍFICO. Regulamento

CURSO DE FORMAÇÃO ESPECÍFICO. Regulamento CURSO DE FORMAÇÃO ESPECÍFICO ÍNDICE PREÂMBULO... 3 Procedimentos Técnico-Pedagógicos... 4 1.1. Destinatários e condições de acesso... 4 1.2. Organização dos cursos de formação... 4 1.3. Componentes de

Leia mais

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE SERGIPE DESO PRESIDÊNCIA ASSESSORIA DE MARKETING GESTÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE SERGIPE DESO PRESIDÊNCIA ASSESSORIA DE MARKETING GESTÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMPANHIA DE SANEAMENTO DE SERGIPE DESO PRESIDÊNCIA ASSESSORIA DE MARKETING GESTÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Primeiro Concurso de Desenho, Poesia e Redação da DESO: Por uma cultura de Saneamento Ambiental

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES

MINISTÉRIO DAS CIDADES MINISTÉRIO DAS CIDADES MINISTÉRIO DAS CIDADES Programa Brasil Acessível Arq. Augusto Valiengo Valeri FÓRUM NACIONAL DE TRAVESSIA ACESSÍVEL CET / CPA - SP 06 de novembro de 2007 São Paulo - SP Estrutura

Leia mais

SEMINÁRIO HIS SUSTENTÁVEL. Projeto da Habitação de Interesse Social Sustentável. Desenho Universal

SEMINÁRIO HIS SUSTENTÁVEL. Projeto da Habitação de Interesse Social Sustentável. Desenho Universal SEMINÁRIO HIS SUSTENTÁVEL Projeto da Habitação de Interesse Social Sustentável Desenho Universal Agosto/2010 CONTEXTO Protocolo de intenções firmado entre a Secretaria de Estado da Habitação, a Secretaria

Leia mais

Plano de Metas para uma Porto Alegre mais Sustentável.

Plano de Metas para uma Porto Alegre mais Sustentável. Plano de Metas para uma Porto Alegre mais Sustentável. EXPEDIENTE Realização: Prefeitura Municipal de Porto Alegre (PMPA) José Fortunati - Prefeito Secretaria Municipal de Governança Local (SMGL) Cezar

Leia mais

PROJETO DE FORTALECIMENTO DE CAPACIDADES PARA O DHL CNM/PNUD

PROJETO DE FORTALECIMENTO DE CAPACIDADES PARA O DHL CNM/PNUD PROJETO DE FORTALECIMENTO DE CAPACIDADES PARA O DHL CNM/PNUD TERMO DE REFERÊNCIA (Nº 16.2010) CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR(A) PARA FORMAÇÃO, CONSTRUÇÃO E ANIMAÇÃO DE REDE SOCIAL PARA OS BENEFICIÁRIOS E PARCEIROS

Leia mais

Iniciativa Move-te, faz Acontecer

Iniciativa Move-te, faz Acontecer Iniciativa Move-te, faz Acontecer Entidades Promotoras: Associação CAIS (Projecto Futebol de Rua): Fundada em 1994, a Associação CAIS tem como Missão contribuir para o melhoramento global das condições

Leia mais

Prefeitura Municipal de Botucatu

Prefeitura Municipal de Botucatu I- Identificação: Projeto Empresa Solidária II- Apresentação : O Fundo Social de Solidariedade é um organismo da administração municipal, ligado ao gabinete do prefeito, que atua em diversos segmentos

Leia mais

Autoridade de Gestão do Programa Operacional Regional do Norte. Autoridade de Gestão do Programa Operacional Regional do Alentejo

Autoridade de Gestão do Programa Operacional Regional do Norte. Autoridade de Gestão do Programa Operacional Regional do Alentejo Autoridade de Gestão do Programa Operacional Regional do Norte Autoridade de Gestão do Programa Operacional Regional do Centro Autoridade de Gestão do Programa Operacional Regional de Lisboa Autoridade

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS RELATÓRIO Agrupamento de Escolas Levante da Maia 2014-2015 RELATÓRIO DE ESCOLA Agrupamento de Escolas

Leia mais

AGENDA 21 LOCAL UM DESAFIO DE TODOS RESUMO

AGENDA 21 LOCAL UM DESAFIO DE TODOS RESUMO AGENDA 21 LOCAL UM DESAFIO DE TODOS RESUMO http://www.tterra.pt/publicacoes/guia_agenda_21.html 1. ENQUADRAMENTO A Agenda 21 Local mais não é do que um Sistema de Sustentabilidade Local (SSL) constituindo

Leia mais

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social PLANO DE ACÇÃO 2007 Introdução O CLASA - Conselho Local de Acção Social de Almada, de acordo com a filosofia do Programa da Rede Social, tem vindo a suportar a sua intervenção em dois eixos estruturantes

Leia mais

INICIATIVAS INSPIRADORAS MOBILIDADE PROGRAMA CALÇADA SEGURA SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - SP

INICIATIVAS INSPIRADORAS MOBILIDADE PROGRAMA CALÇADA SEGURA SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - SP MOBILIDADE INICIATIVAS INSPIRADORAS PROGRAMA CALÇADA SEGURA SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - SP ÍNDICE INTRODUÇÃO PERFIL DA CIDADE AS 7 ETAPAS PARA UMA CIDADE MAIS ACESSÍVEL LEGISLAÇÃO PARCERIAS FORMAÇÃO AÇÃO EDUCATIVA

Leia mais

1ª GERAÇÃO DE PLANOS DE PROMOÇÃO DA ACESSIBILIDADE DE PENICHE

1ª GERAÇÃO DE PLANOS DE PROMOÇÃO DA ACESSIBILIDADE DE PENICHE Pág. 1/6 1ª GERAÇÃO DE PLANOS DE PROMOÇÃO DA ACESSIBILIDADE DE PENICHE Os Planos que resultarão do desenvolvimento dos Programas de Promoção da Acessibilidade terão como objectivo a eliminação de barreiras

Leia mais

O Fórum Económico de Marvila

O Fórum Económico de Marvila Agenda O Fórum Económico de Marvila A iniciativa Cidadania e voluntariado: um desafio para Marvila A Sair da Casca O voluntariado empresarial e as políticas de envolvimento com a comunidade Tipos de voluntariado

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Introdução No âmbito da sua actividade, o Conselho de Prevenção da Corrupção (CPC), aprovou a Recomendação n.º 1/2009,

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO. Subtipos:

IDENTIFICAÇÃO. Subtipos: Ministério do Turismo Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Departamento de Estruturação, Articulação e Ordenamento Turístico Coordenação Geral de Regionalização Inventário da Oferta Turística uf:

Leia mais

Aviso - ALG-28-2015-11

Aviso - ALG-28-2015-11 Eixo Prioritário 5 Investir no Emprego OT 8 Promover a Sustentabilidade e a Qualidade do Emprego, e Apoiar a Mobilidade dos Trabalhadores PI 8.9 Apoio ao crescimento propício ao emprego, através do desenvolvimento

Leia mais

Plano de Comunicação e Educação para a Sustentabilidade

Plano de Comunicação e Educação para a Sustentabilidade Plano de Comunicação e Educação para a Sustentabilidade Versão 2.0 de 4 de Junho de 2007 Promotores: Co-financiamento: Introdução A Agenda 21 do Vale do Minho é um processo de envolvimento dos cidadãos

Leia mais

Programa 2063 - Promoção dos Direitos de Pessoas com Deficiência

Programa 2063 - Promoção dos Direitos de Pessoas com Deficiência Programa Momento do Programa: Momento LOA+Créditos Tipo de Programa: Temático Macrodesafio Fortalecer a cidadania Eixo Direitos da Cidadania e Movimentos Sociais R$ 50.000.000 Notas de usuário para Programa

Leia mais

CATEGORIA A7 OUTROS SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS DE APOIO IDENTIFICAÇÃO

CATEGORIA A7 OUTROS SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS DE APOIO IDENTIFICAÇÃO Ministério do Turismo Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Departamento de Estruturação, Articulação e Ordenamento Turístico Coordenação Geral de Regionalização Inventário da Oferta Turística uf:

Leia mais

Plano de Actividades 2010

Plano de Actividades 2010 Plano de Actividades 2010 Gabinete de Apoio ao Estudante com Deficiência Janeiro de 2010 O presente relatório explicita as actividades que, de forma permanente, são asseguradas pelo, bem como um conjunto

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

Conhecendo a Fundação Vale

Conhecendo a Fundação Vale Conhecendo a Fundação Vale 1 Conhecendo a Fundação Vale 2 1 Apresentação Missão Contribuir para o desenvolvimento integrado econômico, ambiental e social dos territórios onde a Vale atua, articulando e

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Inclusão Social e Emprego

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Inclusão Social e Emprego Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Inclusão Social e Emprego Eixo 5 - Emprego e Valorização Económica dos Recursos Endógenos Objectivo Temático 8 - Promoção da sustentabilidade e qualidade

Leia mais

GRUPO 6 - TRANSPORTE e MORADIA

GRUPO 6 - TRANSPORTE e MORADIA GRUPO 6 - TRANSPORTE e MORADIA Nº PROPOSTA 01 02 Inclusão do segmento dos surdos na isenção dos impostos, assim como as demais pessoas com deficiência, quando da aquisição de veículo de transporte de passeio;

Leia mais

Como se Tornar um Município Amigo do Idoso. Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso

Como se Tornar um Município Amigo do Idoso. Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso Como se Tornar um Município Amigo do Idoso Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso 2 3 GERALDO ALCKMIN Governador do Estado de São Paulo ROGERIO HAMAM Secretário de Estado de Desenvolvimento

Leia mais

Telejornalismo e Educação para a Cidadania: uma experiência de Educomunicação

Telejornalismo e Educação para a Cidadania: uma experiência de Educomunicação Telejornalismo e Educação para a Cidadania: uma experiência de Educomunicação Educomunicação Comunicação-Educação Uma área emergente Pesquisa na linha do NCE/ECA/USP As pesquisas do NCE/ECA/USP buscam

Leia mais

A SECRETARIA NACIONAL DE TRANSPORTE E DA MOBILIDADE URBANA (SEMOB)

A SECRETARIA NACIONAL DE TRANSPORTE E DA MOBILIDADE URBANA (SEMOB) A SECRETARIA NACIONAL DE TRANSPORTE E DA MOBILIDADE URBANA (SEMOB) ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO 1. SEMOB 2. POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA 3. PPA DA UNIÃO 2012-2015 4. PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO

Leia mais

GRUPO 5 - COMUNICAÇÃO

GRUPO 5 - COMUNICAÇÃO GRUPO 5 - COMUNICAÇÃO Nº PROPOSTA UF e Nº Original da Proposta 01 Garantir que todo material produzido pelo poder público e privado seja produzido e veiculado em sistema de braile, texto digital, caracteres

Leia mais

SELO SOCIAL VIRAVIDA. Você acaba de chegar ao SELO SOCIAL VIRAVIDA SELO SOCIAL VIRAVIDA REGULAMENTO

SELO SOCIAL VIRAVIDA. Você acaba de chegar ao SELO SOCIAL VIRAVIDA SELO SOCIAL VIRAVIDA REGULAMENTO SELO SOCIAL VIRAVIDA BOAS VINDAS! Você acaba de chegar ao SELO SOCIAL VIRAVIDA SELO SOCIAL VIRAVIDA REGULAMENTO 1. DO SELO 1. O Selo Social ViraVida é uma iniciativa do Serviço Social da Indústria - SESI,

Leia mais

ORIGEM OBJECTIVOS: Iniciado em 2004, por um desafio lançado ado pelo Governo Português, para o Campeonato Europeu de Futebol. MISSÃO: Criar e desenvolver, em contínuo, nuo, uma Rede de Estabelecimentos

Leia mais

Marca Priolo Balanço do desenvolvimento e implementação (2013-2014)

Marca Priolo Balanço do desenvolvimento e implementação (2013-2014) 2015 Marca Priolo Balanço do desenvolvimento e implementação (2013-2014) Azucena de la Cruz Martin Gabinete CETS Terra do Priolo 01-01-2015 Marca Priolo Balanço do desenvolvimento e implementação (2013-2014)

Leia mais

Estrutura da Apresentação

Estrutura da Apresentação Capacitar para Qualificação e Inovação das Redes Sociais do Minho-Lima (CQIRS-ML) Seminário Redes Sociais, Desenvolvimento e Coesão Social do Alto Minho: Diagnóstico, Perspetivas e Ações 2014-2020 19 de

Leia mais

Comissão Social de Freguesia de São Julião do Tojal

Comissão Social de Freguesia de São Julião do Tojal Acta Constituinte Comissão Social de Freguesia de São Julião do Tojal ( Resolução do Conselho de Ministros, 197/97 de 17 de Novembro, com as alterações introduzidas pela Declaração de Rectificação nº10-0/98

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA PARA A VALORIZAÇÃO DE PRODUTOS E SERVIÇOS TURÍSTICOS DA ROTA DO ROMÂNICO

REGULAMENTO DO SISTEMA PARA A VALORIZAÇÃO DE PRODUTOS E SERVIÇOS TURÍSTICOS DA ROTA DO ROMÂNICO REGULAMENTO DO SISTEMA PARA A VALORIZAÇÃO DE PRODUTOS E SERVIÇOS TURÍSTICOS DA ROTA DO ROMÂNICO Objetivo Artigo 1.º 1. Este regulamento tem como objetivo estabelecer condições e normas para a obtenção

Leia mais

RESOLUÇÃO CPA/SMPED 019/2014 PASSEIO PÚBLICO A Comissão Permanente de Acessibilidade CPA, em sua Reunião Ordinária, realizada em 28 de agosto de 2014.

RESOLUÇÃO CPA/SMPED 019/2014 PASSEIO PÚBLICO A Comissão Permanente de Acessibilidade CPA, em sua Reunião Ordinária, realizada em 28 de agosto de 2014. RESOLUÇÃO CPA/SMPED 019/2014 PASSEIO PÚBLICO A Comissão Permanente de Acessibilidade CPA, em sua Reunião Ordinária, realizada em 28 de agosto de 2014. Considerando o previsto na Constituição da República

Leia mais

ELABORAÇÃO, DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO DE PROJETOS EDUCATIVOS MUNICIPAIS E DE PROJETO EDUCATIVO METROPOLITANO

ELABORAÇÃO, DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO DE PROJETOS EDUCATIVOS MUNICIPAIS E DE PROJETO EDUCATIVO METROPOLITANO ELABORAÇÃO, DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO DE PROJETOS EDUCATIVOS MUNICIPAIS E DE PROJETO EDUCATIVO METROPOLITANO OBJETIVOS, METODOLOGIA E ETAPAS DO PROJETO EDUCATIVO MUNICIPAL Concebendo a Educação como

Leia mais

PROGRAMA ESCOLA + Voluntária

PROGRAMA ESCOLA + Voluntária PROGRAMA ESCOLA + Voluntária 1. Apresentação O voluntariado é considerado como uma atividade inerente ao exercício de cidadania que se traduz numa relação solidária para com o próximo, participando de

Leia mais

Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA)

Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA) Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA) Definições O Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades irá conter um programa das intenções necessárias para assegurar a acessibilidade física

Leia mais

IMPORTÂNCIA E IMPACTO DO PROGRAMA PASSEIO LIVRE PARA A CIDADE DE SÃO PAULO. JOSÉ RENATO SOIBELMANN MELHEM Arquiteto e Urbanista

IMPORTÂNCIA E IMPACTO DO PROGRAMA PASSEIO LIVRE PARA A CIDADE DE SÃO PAULO. JOSÉ RENATO SOIBELMANN MELHEM Arquiteto e Urbanista IMPORTÂNCIA E IMPACTO DO PROGRAMA PASSEIO LIVRE PARA A CIDADE DE SÃO PAULO JOSÉ RENATO SOIBELMANN MELHEM Arquiteto e Urbanista Mobilidade social Envolve a integração de todos sistemas de circulação: 1.

Leia mais

Regulamento para adesão ao Projeto Lipor Geração+

Regulamento para adesão ao Projeto Lipor Geração+ Regulamento para adesão ao Projeto Lipor Geração+ Entidade Promotora A Lipor, Serviço Intermunicipalizado de Gestão de Resíduos do Grande Porto, desenvolve periodicamente Planos de Educação e Comunicação

Leia mais

CIDADES INTELIGENTES DIREITO DA ENERGIA RITA NORTE

CIDADES INTELIGENTES DIREITO DA ENERGIA RITA NORTE CIDADES INTELIGENTES DIREITO DA ENERGIA RITA NORTE CIDADES INTELIGENTES NOTAS INTRODUTÓRIAS As cidades - espaços de oportunidades, desafios e problemas Diagnóstico dos espaços urbanos: Transformação demográfica

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE BELÉM, A CÂMARA MUNICIPAL DE BELÉM, estatui e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

O PREFEITO MUNICIPAL DE BELÉM, A CÂMARA MUNICIPAL DE BELÉM, estatui e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS LEI Nº 8.068, DE 28 DE MAIO DE 2001 Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, no Município de Belém,

Leia mais

Presidência da República

Presidência da República Presidência da República Casa Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.098, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2000. Civil Regulamento Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade

Leia mais

Regulamento do Green Project Awards

Regulamento do Green Project Awards Regulamento do Green Project Awards A GCI em parceria com a Agência Portuguesa do Ambiente e a Quercus Associação Nacional de Conservação da Natureza, institui um Prémio de reconhecimento de boas práticas

Leia mais

Quem somos A (Assessoria Tatiana Rolim em Inclusão Social) é uma Empresa que atua na inclusão de pessoas com deficiência na sociedade, através da inserção destas pessoas no mercado de trabalho. Visando

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo III: Conselhos dos Direitos no

Leia mais

A observância da acessibilidade na fiscalização de obras e licenciamentos de projetos pelos municípios

A observância da acessibilidade na fiscalização de obras e licenciamentos de projetos pelos municípios A observância da acessibilidade na fiscalização de obras e licenciamentos de projetos pelos municípios Luciano de Faria Brasil Promotoria de Justiça de Habitação e Defesa da Ordem Urbanística de Porto

Leia mais

O PROVEDOR DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO CONCELHO DE VISEU. Prof. Joaquim Escada

O PROVEDOR DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO CONCELHO DE VISEU. Prof. Joaquim Escada O PROVEDOR DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO CONCELHO DE VISEU Prof. Joaquim Escada Como surgiu a ideia da criação desta figura no Concelho de Viseu: - Contactos do Executivo da Câmara Municipal de Viseu com

Leia mais

EIXO 1 - Empreendedorismo, Empregabilidade e Educação

EIXO 1 - Empreendedorismo, Empregabilidade e Educação PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL de ODEMIRA 2014-2015 EIXO 1 - Empreendedorismo, Empregabilidade e Educação Promover o conhecimento e o acesso dos empresários aos apoios e incentivos no âmbito do empreendedorismo

Leia mais

Acessibilidade e inclusão social para os cidadãos surdos e deficientes auditivos

Acessibilidade e inclusão social para os cidadãos surdos e deficientes auditivos Acessibilidade e inclusão social para os cidadãos surdos e deficientes auditivos No Brasil há necessidade de conscientização e cumprimento de Decretos e Leis para a promover acessibilidade e inclusão social

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO

PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO Alentejo 2020 Desafios Borba 17 de Dezembro de 2014 ALENTEJO Estrutura do Programa Operacional Regional do Alentejo 2014/2020 1 - Competitividade e Internacionalização

Leia mais

ColorADD 1/5. Sistema de identificação de cores para daltónicos

ColorADD 1/5. Sistema de identificação de cores para daltónicos ColorADD Sistema de identificação de cores para daltónicos Desenvolvido por Miguel Neiva, designer gráfico português e professor da Universidade do Minho, o projeto ColorAdd procura ajudar a minorar um

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

Engenharia de Segurança Viária

Engenharia de Segurança Viária Engenharia de Segurança Viária Transporte sustentável salva vidas Através da promoção do transporte sustentável, a EMBARQ Brasil está trabalhando para reduzir a poluição, melhorar a saúde pública e criar

Leia mais

Programa Olho Vivo no Dinheiro Público 5º Concurso de Desenho e Redação da Controladoria-Geral da União CGU para o ensino fundamental e médio

Programa Olho Vivo no Dinheiro Público 5º Concurso de Desenho e Redação da Controladoria-Geral da União CGU para o ensino fundamental e médio Programa Olho Vivo no Dinheiro Público 5º Concurso de Desenho e Redação da Controladoria-Geral da União CGU para o ensino fundamental e médio TEMA: A sociedade no acompanhamento da gestão pública: Todos

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO. TEMA: Pequenas corrupções - Diga não

REGULAMENTO DO CONCURSO. TEMA: Pequenas corrupções - Diga não REGULAMENTO DO CONCURSO 7º Concurso de Desenho e Redação da Controladoria-Geral da União Ensino fundamental e médio TEMA: Pequenas corrupções - Diga não OBJETIVO O 7º Concurso de Desenho e Redação, promovido

Leia mais

VEREADOR POLICE NETO VSB / Adelino Ozores 31/07/2013

VEREADOR POLICE NETO VSB / Adelino Ozores 31/07/2013 2013 VEREADOR POLICE NETO VSB / Adelino Ozores 31/07/2013 Plano de Acessibilidade Plano de Acessibilidade Plano de Bairros INTRODUÇÃO Vivemos em uma cidade construída por pessoas e para pessoas, onde os

Leia mais

Protocolo de Colaboração Rede Embaixadores para a Responsabilidade Social das Empresas dos Açores

Protocolo de Colaboração Rede Embaixadores para a Responsabilidade Social das Empresas dos Açores Protocolo de Colaboração Rede Embaixadores para a Responsabilidade Social das Empresas dos Açores Introdução Considerando que nos Açores, são já muitas as empresas e organizações que assumem convictamente

Leia mais

Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé

Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé Introdução Este material surge como resultado do acompanhamento das apresentações do Plano de Mobilidade

Leia mais

JOVEM COM DEFICIÊNCIA

JOVEM COM DEFICIÊNCIA JOVEM COM DEFICIÊNCIA 1. Promover cursos de educação profissional de nível básico (técnico e tecnológico nos termos da Lei 9.394/96) e superior em espaços públicos e privados, respeitando a inclusão de

Leia mais

Regulamento do Green Project Awards

Regulamento do Green Project Awards Regulamento do Green Project Awards A GCI em parceria com a Agência Portuguesa do Ambiente e a Quercus Associação Nacional de Conservação da Natureza, institui um Prémio de reconhecimento de boas práticas

Leia mais

Regulamento. ARTIGO 1 (Objecto) O NUTRITION AWARDS, tem os seguintes objectivos:

Regulamento. ARTIGO 1 (Objecto) O NUTRITION AWARDS, tem os seguintes objectivos: Regulamento A Associação Portuguesa dos Nutricionistas e o Grupo GCI Gestores de Comunicação Integrada, com o apoio institucional do Ministério da Saúde e do Ministério da Educação, em parceria com a Direcção-Geral

Leia mais

Número de. Empregados. Pessoa Física Nenhum R$ 50,00 R$ 600,00. Microempresa Até 5 R$ 70,00 R$ 840,00. Acima de 5 R$ 400,00 R$ 4800,00

Número de. Empregados. Pessoa Física Nenhum R$ 50,00 R$ 600,00. Microempresa Até 5 R$ 70,00 R$ 840,00. Acima de 5 R$ 400,00 R$ 4800,00 FICHA DE ADESÃO Por esta Ficha de adesão, solicito meu ingresso como associado da ABRIMPE ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE INCENTIVO E MELHORIA EM PROJETOS EMPRESARIAIS, EMPREENDEDORISMO E EDUCACIONAL, comprometendo-me

Leia mais

de CriAtividade ABRINDO PORTAS PARA O FUTURO!

de CriAtividade ABRINDO PORTAS PARA O FUTURO! ABRINDO PORTAS PARA O FUTURO! PROMOTOR O Torrance Center (www.tcportugal.org) é uma associação científico-pedagógica, sem fins lucrativos, que tem por objetivo promover o desenvolvimento da criatividade

Leia mais

O Desafio da Implementação das Políticas Transversais. Professor: Luiz Clóvis Guido Ribeiro Período: Novembro de 2013

O Desafio da Implementação das Políticas Transversais. Professor: Luiz Clóvis Guido Ribeiro Período: Novembro de 2013 O Desafio da Implementação das Políticas Transversais Professor: Luiz Clóvis Guido Ribeiro Período: Novembro de 2013 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS Secretaria Nacional de Promoção

Leia mais

O QUE É O SITE MUNÍCIPIOS?

O QUE É O SITE MUNÍCIPIOS? O QUE É O SITE MUNÍCIPIOS? Apresentação Histórico Estratégia de comunicação e políticas para promoção do municipalismo forte e atuante A atuação da Confederação Nacional de Municípios na comunicação pública

Leia mais

SETEMBRO: MÊS DA MOBILIDADE E INCLUSÃO

SETEMBRO: MÊS DA MOBILIDADE E INCLUSÃO SETEMBRO: MÊS DA MOBILIDADE E INCLUSÃO COORDENAÇÃO Ana Paula Nascimento Subsecretária de Desenvolvimento Urbano EQUIPE RESPONSÁVEL Rita de Cássia Santos de Souza Coordenadora do Vitor Santos Lisbôa Subcoordenador

Leia mais

X Conferência Nacional de Assistência Social INFORME CNAS Nº 03/2015

X Conferência Nacional de Assistência Social INFORME CNAS Nº 03/2015 X Conferência Nacional de Assistência Social INFORME CNAS Nº 03/2015 Recomendações aos Conselhos para garantir a acessibilidade nas Conferências de Assistência Social Ranieri Braga - Informes Conselho

Leia mais

PROGRAMA RESPONSABILIDADE SOCIAL EDUCAÇÃO. Regulamento do Programa de Bolsas de Educação. Introdução

PROGRAMA RESPONSABILIDADE SOCIAL EDUCAÇÃO. Regulamento do Programa de Bolsas de Educação. Introdução PROGRAMA RESPONSABILIDADE SOCIAL EDUCAÇÃO Regulamento do Programa de Bolsas de Educação Introdução Considerando a importância e oportunidade do Programa de Responsabilidade Social do Comité Olímpico de

Leia mais