Regras de medição na construção de edifícios

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Regras de medição na construção de edifícios"

Transcrição

1 Regras de medição na construção de edifícios Proposta de modelo para aplicação em Portugal para elementos secundários de cantaria, carpintaria e serralharia Rui Miguel Alves Mestre Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Engenharia Civil Júri Presidente: Prof. Doutor António Heleno Domingues Moret Rodrigues Orientador: Prof. Doutor Luís Manuel Alves Dias Co-Orientador: Prof. Doutor Manuel dos Santos Fonseca Vogal: Prof. Doutor Pedro Manuel Gameiro Henriques Outubro 2010

2

3 RESUMO A necessidade de uniformização dos critérios de medição na construção em Portugal, levou o Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) a criar, em 1969, um documento com esse objectivo. Neste documento incluem-se critérios de medição direccionados para a construção de edifícios, tendo-se tornado uma referência para o meio técnico nacional. Este documento foi, no entanto, alvo de algumas revisões e actualizações, remetendo a sua última publicação para o ano de Esta dissertação inclui-se num estudo que vem sendo desenvolvido pelo LNEC, contando já com duas dissertações concluídas no capítulo das regras de medição nomeadamente, para Movimento de Terras e para Revestimentos. Este estudo iniciou-se devido à necessidade demonstrada pela indústria da construção de um documento actual que sirva de referência às medições. A presente dissertação tem como objectivo contribuir para o estabelecimento de regras de medição para a construção de edifícios, no que respeita aos elementos de cantaria, carpintaria e serralharia. Para a criação da proposta do modelo de regras de medição, os documentos mais relevantes são identificados e analisados comparativamente, no que respeita à estrutura adoptada, ao conteúdo das regras de medição e à forma como estas se encontram dispostas no modelo. Posteriormente, é analisada a informação recolhida no meio empresarial nacional, através de entrevistas realizadas a técnicos da área de medições, as quais demonstram a realidade sentida na utilização das regras de medição, bem como algumas opiniões e sugestões para a construção do modelo. Após a análise da bibliografia mais relevante e da informação recolhida no meio técnico, efectua-se um cruzamento da informação, sendo explicada a proposta do modelo e, simultaneamente, todas as justificações necessárias. Por fim, é apresentada a proposta do modelo de regras de medição para elementos de cantaria, carpintaria e serralharia, juntamente com os critérios adoptados. Palavras-chave: Regras de medição, SMM7, ProNIC, Cantaria, Carpintaria, Serralharia. i

4 ii

5 ABSTRACT With the growing need for uniformity in measurement criteria for construction in Portugal, in 1969 was created a document with that purpose by Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC). This document focuses on measurement criteria for buildings construction. Despite still being far from its original purpose, it became the main, if not the only, reference to the companies. This document has been subjected to over some revisions and updates. Its latest edition was published in This thesis is included in a study currently being developed by LNEC, having already been achieved two purposes in the chapter of measurement rules, namely on Earthwork and on Cladding. This study was initiated due to the need demonstrated by the construction industry of an official and binding document, by which rules of measurement shall be established. This thesis aims at creating a model of measurement rules for building construction, particularly for elements of stonework, carpentry and metalwork. For the creation of the rules of measurement model, the most relevant documents are identified and analyzed comparatively towards the adopted structure, the content of the rules and how they are arranged in the model. Subsequently, the information gathered in national technical environments, through interviews with experts in the field, demonstrated the experienced reality in the use of rules of measurement, as well as some opinions and suggestions for the development of the model. After this analysis, the most relevant literature and information are crossed, explaining the proposed model and, simultaneously, all the necessary justifications. Finally, the proposed model of measurement rules for stonework, carpentry and metalwork is presented, along with the adopted criteria. Keywords: Measurement rules, SMM 7, ProNIC, Stonework, Carpentry, Metalwork iii

6 iv

7 AGRADECIMENTOS Sendo esta dissertação mais uma etapa do meu percurso académico e pessoal, não posso deixar de agradecer a todos aqueles que directa ou indirectamente contribuíram para a concretização deste objectivo. Em primeiro lugar, agradeço ao Professor Alves Dias do Instituto Superior Técnico, meu orientador científico, pelo lançamento do desafio, interesse demonstrado e esclarecimentos prestados ao longo da elaboração desta tese. Ao, Professor Manuel Fonseca do Laboratório Nacional de Engenharia Civil, meu co-orientador, agradeço as úteis sugestões e opiniões acerca da abordagem e desenvolvimento do tema. Ao Engenheiro António Cabaço, do Laboratório Nacional de Engenharia Civil, agradeço a disponibilidade e empenho, além das proveitosas sugestões que me deu ao longo do desenvolvimento desta dissertação. Aos Srs. António Policarpo e Luís Pimentel, da Mota-Engil, e ao Engenheiro Sérgio Bernal e respectiva equipa de medidores da Somague, cuja experiência profissional e conhecimento na área, permitiu que tivesse sido estabelecida a interligação entre os fundamentos teóricos com o necessário na prática, o meu muito obrigado. A todos os meus colegas e amigos, com quem tive o prazer de partilhar momentos inesquecíveis ao longo do curso. Gostaria de destacar os momentos e amizades criadas na TUIST, que em todo o percurso universitário me acompanharam. À minha família queria deixar um agradecimento muito especial, por todo o apoio e encorajamento demonstrados. Em particular gostaria de destacar a minha Irmã e o meu Pai pela paciência, apoio e compreensão tanto ao longo da minha formação académica, como no meu crescimento como pessoa. v

8 vi

9 Regras de medição na construção de edifícios. Proposta de modelo para aplicação em Portugal para elementos secundários de cantaria, carpintaria e serralharia ÍNDICE DE TEXTO RESUMO... i ABSTRACT... iii AGRADECIMENTOS... v ACRÓNIMOS E ABREVIATURAS UTILIZADOS... xiii 1. Introdução Considerações iniciais Justificação Objectivos Metodologia Evolução do Conhecimento Introdução Pesquisa Bibliográfica Caracterização da Bibliografia Curso Sobre Regras de Medição na Construção Standard Method of Measurement Standard Method of Measurement - Explained and Illustrated Civil Engineering Standard Method of Measurement Outra bibliografia consultada O Meio Técnico Identificação e caracterização das empresas consultadas Informação recolhida no meio técnico consultado Análise comparativa de métodos de medição Análise comparativa geral Análise comparativa particular Proposta do modelo de regras de medição Introdução Proposta do Modelo Capítulos das regras de medição Justificação da Estrutura Adoptada Conteúdo geral Descrição das unidades de medida vii

10 Conteúdo dos quadros Conclusões e desenvolvimentos futuros Conclusões Desenvolvimentos Futuros Referências Bibliográficas Anexos Anexo A: Proposta do modelo... A.1 Anexo B: Glossário de termos técnico... B.1 viii

11 ÍNDICE DE FIGURAS Figura 1 - Evolução histórica SMM 7 [10] Figura 2 - Datas de publicações SMM Figura 3 - Publicações CESMM [11] Figura 4 - Revisões do CESMM 3 [11] Figura 5 - Divisão normas DIN [9] Figura 6 Estrutura de medição na Mota-Engil Figura 7 Estrutura de medição na Somague Figura 8- Análise comparativa geral: características Figura 9 - Analise comparativa geral: CSRMC/ProNIC Figura 10 - Análise comparativa geral: CSRMC/SMM Figura 11 - Análise comparativa geral: ProNIC/SMM Figura 12 - Regras de Guarnecimento de vãos, CSRMC/ProNIC Figura 13 - Regras de guardas, balaustradas e corrimãos, CSRMC/ProNIC Figura 14 - Regras de abóbadas e arcos, CSRMC/SMM Figura 15 Rubricas SMM Figura 16 - Divisão dos trabalhos em portas e janelas Figura 17 - Regras de medição de portas e janelas, CSRMC/ProNIC Figura 18 - Regras de guarnecimento de vãos, CSRMC/ProNIC Figura 19 - Regras de medição de guardas, balaustradas e corrimãos, CSRMC/ProNIC Figura 20 - Regras de medição, CSRMC/SMM Figura 21 - Divisão dos trabalhos em portas e janelas Figura 22 - Regras de medição portas e janelas Figura 23 - Regras de medição fachadas Cortina, CSRMC/ProNIC Figura 24 - Regras de medição de guardas, balaustradas e corrimãos, CSRMC/ProNIC Figura 25 - Regras de medição de guarnecimentos de vãos, ProNIC/SMM Figura 26 - Regras de medição de portas e portões comerciais, industriais e de garagens Figura 27 - Caracteristicas/especificações/regras/unidades/definições/trabalhos Figura 28 - Separação dos elementos de carpintaria Figura 29 - Separação dos elementos de serralharia ix

12 x

13 ÍNDICE DE QUADROS Quadro 1 - Pesquisa internacional: União Europeia [8]... 6 Quadro 2 - Capítulos CSRMC [2]... 9 Quadro 3 - Capítulos SMM 7 [10] Quadro 4 - Quadro tipo SMM 7 [10] Quadro 5 - Área dois: SMM 7 [10] Quadro 6 - Área três SMM 7 [10] Quadro 7 - Área quatro SMM 7 [10] Quadro 8 Capítulos SMM 7 - Explained and Illustrated [13] Quadro 9 - Disposição da Informação: SMM 7 - Explained and Illustrated [13] Quadro 10 - Trabalhos incluídos no CESMM 3 [11] Quadro 11 - Quadro tipo CESMM 3 [11] Quadro 12 - Área dois CESMM 3 [11] Quadro 13 - Área três CESMM 3 [11] Quadro 14 - Área quatro CESMM 3 [11] Quadro 15 - Características gerais da bibliografia Quadro 16 - Comparação de capítulos: CSRMC/ProNIC Quadro 17 - Capítulos semelhantes: CSRMC/ProNIC Quadro 18 - Comparação de capítulos: CSRMC/SMM Quadro 19 - Capítulos semelhantes: CSRMC/SMM Quadro 20 - Comparação de capítulos: ProNIC/SMM Quadro 21 - Capítulos semelhantes: ProNIC/SMM Quadro 22 - Elementos de cantaria: CSRMC/ProNIC Quadro 23 - Capítulos estudados: CSRMC/ProNIC Quadro 24 - Guarnecimento de vãos: CSRMC/ProNIC Quadro 25 - Características/especificações: CSRMC/ProNIC Quadro 26 - Características/especificações: SMM Quadro 27 - Regras gerais SMM7: guarnecimento de vãos Quadro 28 - Unidades SMM 7: guarnecimento de vãos Quadro 29 - Comparação de unidades: CSRMC/ProNIC/SMM Quadro 30 - Comparação de regras de medição CSRMC/ProNIC/SMM Quadro 31 - Comparação de regras de medição CSRMC/ProNIC/SMM Quadro 32 - Elementos de carpintaria: CSRMC/ProNIC Quadro 33 - Capítulos estudados: CSRMC/ProNIC Quadro 34 - Características/especificações: CSRMC/ProNIC Quadro 35 - Características/especificações SMM Quadro 36 - Regras e unidades SMM Quadro 37 - Comparação de unidades: CSRMC/ProNIC/SMM Quadro 38 - Características/especificações de guarnecimento de vãos: CSRMC/ProNIC Quadro 39 - Comparação de unidades de guarnecimento de vãos: CSRMC/ProNIC/SMM xi

14 Quadro 40 - Características/especificações de guardas, balaustradas e corrimãos: CSRMC/ProNIC Quadro 41 - Regras e unidades SMM 7: guardas, balaustradas e corrimãos Quadro 42 - Comparação de unidades: CSRMC/ProNIC/SMM Quadro 43 - Unidades de medição em escadas: CSRMC/SMM Quadro 44 - Características/especificações de equipamentos: CSRMC/SMM Quadro 45 - Capítulos de serralharia: CSRMC/ProNIC Quadro 46 - Características/especificações de portas e janelas: CSRMC/ProNIC Quadro 47 - Características/especificações de portas e janelas: SMM Quadro 48 - Regras e unidades de portas e janelas: SMM Quadro 49 - Comparação de unidades em portas e Janelas: CSRMC/ProNIC/SMM Quadro 50 - Características/especificações em fachadas-cortina: CSRMC/ProNIC Quadro 51 - Características/especificações em fachadas-cortina: SMM Quadro 52 - Regras e unidades em fachadas-cortina: SMM Quadro 53 - Comparação de unidades em fachadas-cortina: CSRMC/ProNIC/SMM Quadro 54 - Regras e unidades em guardas, balaustradas e corrimãos: SMM Quadro 55 - Comparação de unidades em guardas, balaustradas e corrimãos: CSRMC/ProNIC/SMM Quadro 56 - Características/especificações de portas e portões comerciais, industriais e de garagem: ProNIC Quadro 57 - Características/especificações de portões interiores: ProNIC Quadro 58 - Características/especificações de portas e portões comerciais, industriais e de garagem: SMM Quadro 59 - Quadro tipo da proposta do modelo de regras de medição Quadro 60 - Área de classe de trabalhos Quadro 61 - Área de elementos incluídos/excluídos Quadro 62 - Área do quadro de classificação Quadro 63 - Área dos critérios de medição Quadro 64 - Unidades base de medida Quadro 65 - Arredondamento de resultados parciais Quadro 66 - Arredondamentos de quantidades globais Quadro 67 - Definição dos trabalhos Quadro 68 - Elementos incluídos/excluídos Quadro 69 - Elementos de cantaria considerados na proposta do modelo Quadro 70 - Elementos de carpintaria considerados na proposta do modelo Quadro 71 - Elementos de serralharia considerados no modelo xii

15 ACRÓNIMOS E ABREVIATURAS UTILIZADOS CESMM - Civil Engineering Standard Method of Measurement CESMM 3 - Civil Engineering Standard Method of Measurement 3rd edition CSRMC - Curso Sobre Regras de Medição na Construção DIN - Deutshes Institut für Normung LNEC - Laboratório Nacional de Engenharia Civil ProNIC - Protocolo para a Normalização da Informação Técnica na Construção RICS - The Royal Institution of Chartered Surveyors SMM - Standard Method of Measurement for Building Works SMM7 - Standard Method of Measurement for Building Works 7th edition xiii

16 xiv

17 Regras de medição na construção de edifícios. Proposta de modelo para aplicação em Portugal para elementos secundários de cantaria, carpintaria e serralharia 1. INTRODUÇÃO 1.1. Considerações iniciais Esta dissertação, intitulada Regras de medição na construção de edifícios. Proposta de modelo para aplicação em Portugal para elementos secundários de cantaria, carpintaria e serralharia., insere-se no presente curso de Mestrado Integrado em Engenharia Civil do Instituto Superior Técnico. Este trabalho foi desenvolvido seguindo as linhas orientadoras de investigações publicadas pelo LNEC, nomeadamente Regras de Medição na Construção [2], de 1997, bem como tendo por base duas dissertações de Bolonha desenvolvidas por alunos do Instituto Superior Técnico, Escavações e Movimentos de Terras Regras de Medição na Construção, Modelo Aplicável em Portugal [3] e Regras de Medição de Revestimentos na Construção de Edifícios Proposta de Modelo para Aplicação em Portugal [4] Justificação Para a realização de um determinado processo construtivo, é necessário envolver um conjunto de entidades muito heterogéneo, tais como o Dono de Obra, o Projectista, o Empreiteiro e a Fiscalização. Esta heterogeneidade leva à existência de conflitos em variados níveis, nomeadamente no que se refere às regras a utilizar nas medições dos trabalhos de construção quando estas não estão definidas no caderno de encargos da obra. A medição na construção é a determinação quantitativa dos trabalhos a executar numa dada obra, destinando-se a diversos fins relacionados com a gestão de obras, nomeadamente: orçamentação, planeamento, determinação de quantidades de recursos, elaboração de autos de medição, controlo da facturação, controlo das quantidades dos recursos e controlo económico de obras. [5] Quando se realizam medições numa dada obra, estas são em geral elaboradas em mapas designados por mapas de medições. A realização destes mapas é de extrema importância, pois é a partir deles que se realizam os orçamentos das obras, sendo o orçamento o resultado da aplicação dos preços unitários às medições efectuadas e incluídas no mapa de medições. As medições assumem um papel importante na construção e, de forma a minimizar os conflitos entre os intervenientes, torna-se necessária a existência de regras específicas. A nível nacional e dentro deste âmbito, existem disposições legais relativas a empreitadas de obras públicas, como o Código 1

18 dos Contratos Públicos [6], no qual são referenciados os métodos e critérios a adoptar na realização das medições estabelecidas no contrato, e o formulário de caderno de encargos relativo a contratos de empreitadas de obras públicas, na sua cláusula 26.ª do anexo I [7], de carácter não obrigatório, que estabelece a ordem de prioridade a observar na medição de trabalhos quando não são estabelecidos outros critérios no caderno de encargos, a qual se transcreve em seguida. As normas oficiais de medição que porventura se encontrem em vigor; As normas definidas no projecto de execução; As normas definidas pelo Laboratório Nacional de Engenharia Civil; Os critérios geralmente utilizados ou, na falta deles, os que forem acordados entre o dono da obra e o empreiteiro. [7] A falta de regulamentação para a definição das regras de medição no projecto e construção de uma obra constitui uma das principais causas de conflito entre os seus intervenientes. Compreende-se assim a necessidade de existirem regras de medição com carácter obrigatório de modo a serem utilizadas na realização do mapa de medições, evitando-se interpretações dúbias dos trabalhos aí descritos e respectivas quantidades. Assim, devem ser definidas regras que apresentem uma estrutura que se adeqúe às necessidades dos técnicos em obra e, ao mesmo tempo, uniformize os critérios utilizados, efectuando sempre uma interligação com outras aplicações na área da construção que se encontrem em estudo (ProNIC 1 ) Objectivos Com a realização desta dissertação, pretende-se elaborar uma proposta de regras de medição que se enquadre na problemática existente a nível nacional no que diz respeito à medição de elementos secundários em edifícios, nomeadamente de trabalhos de cantaria, carpintaria e serralharia. Para a realização desta proposta, são tidas em conta as disposições legais em vigor, de forma a colmatar as lacunas existentes no meio técnico. Com esta finalidade, torna-se necessário efectuar um levantamento da informação existente tanto a nível nacional, como internacional, adaptando-a de uma forma eficaz à realidade nacional. Com a presente proposta do modelo de regras de medição, pretende-se atingir os seguintes objectivos: Levantamento da informação relativa a legislação e bibliografia existente a nível nacional e internacional sobre as regras de medição aplicadas a cantaria, carpintaria e serralharia; Classificação e codificação dos elementos descritos nos mapas de medição que se inserem nas categorias em estudo; 1 ProNIC - Projecto que tem como objectivo produzir articulados standardizados para cadernos de encargos de trabalhos de construção civil, disponibilizando a todos os utilizadores da plataforma fichas de trabalhos, fichas de materiais e fichas de custos que se associam aos cadernos de encargos gerados, gerar toda a documentação necessária ao lançamento de uma obra, incluindo a Estimativa Orçamental, Medições Detalhadas e Mapa de Trabalhos e Quantidades [20] 2

19 Definição das unidades de medição, regras gerais e específicas aplicáveis aos diferentes elementos de construção, sendo sempre acompanhada pelo tipo de obras analisadas; Caracterização, sempre que necessária, dos aspectos técnico-construtivos mais relevantes, garantindo-se assim um controlo da qualidade especificada na designação do trabalho, medidas de segurança e pormenores-tipo; Apresentação de exemplos descritivos e justificativos referentes aos objectivos acima identificados Metodologia Para a realização desta dissertação e de forma a atingir as metas traçadas inicialmente, utiliza-se uma metodologia baseada nos seguintes pontos: a) Pesquisa bibliográfica A pesquisa bibliográfica consiste no levantamento documental relativamente ao tema em estudo, sendo essa pesquisa dividida em documentos e aplicações nacionais e internacionais. No caso dos documentos internacionais, deu-se especial importância aos Países Europeus, de forma a dar sequência à crescente uniformização de regras utilizadas. Pretende-se, assim, recolher as referências bibliográficas mais utilizadas na área das regras de medição, sejam elas de carácter obrigatório ou apenas de uso facultativo. Considera-se que a exposição da evolução histórica desses documentos assume alguma relevância, pois poderá ser observado o processo evolutivo das regras de medição, bem como o impacto que estas tiveram nos países onde foram lançadas. Serve também como uma boa base de trabalho para o estabelecimento de regras de medição em Portugal. b) Consulta ao meio técnico Nesta fase realiza-se uma consulta ao meio técnico nacional através de entrevistas. Estas entrevistas tiveram como objectivo principal avaliar qual o conhecimento do meio técnico acerca da bibliografia consultada, tentando perceber se as regras contidas nesses documentos se encontram adequadas às necessidades actuais. São também recolhidas e analisadas as informações que se consideraram úteis para a construção da proposta do modelo. c) Análise Comparativa Após a análise bibliográfica e selecção dos documentos que se consideram relevantes para o tema da dissertação, realiza-se uma crítica e análise comparativa entre a informação recolhida em cada documento, verificando-se de que forma esta se complementaria entre si nos aspectos que se consideraram principais, nomeadamente: Qual a estrutura mais adequada para a exposição da informação; Qual a codificação e numeração dos trabalhos; Quais os elementos que deveriam ser inseridos no modelo. 3

20 Após a realização desta análise, seleccionam-se os aspectos importantes de cada documento, cruzando-os com a informação recolhida no meio técnico. Todo este processo tem como objectivo final a proposta do modelo de regras de medição a aplicar em Portugal. d) Proposta do modelo de regras de medição A construção da proposta do modelo de regras de medição surge após a pesquisa e a análise da informação recolhida. A proposta do modelo é construída de forma a conter actualizações relativamente à informação existente em Portugal, realizando-se as alterações que se consideram necessárias, com base na opinião e necessidade do meio técnico. e) Conclusões e desenvolvimentos futuros Por último, é efectuada uma análise retrospectiva e conclusiva da dissertação, descrevendo-se alguns dos problemas identificados durante a realização deste trabalho, bem como a justificação das decisões tomadas. São também descritas algumas sugestões para uma continuidade do estudo, quer no tema da presente dissertação, quer no capítulo das regras de medição. 4

21 2. EVOLUÇÃO DO CONHECIMENTO 2.1. Introdução Neste capítulo, pretende-se caracterizar o estado do conhecimento no âmbito das regras de medição na construção, tanto a nível nacional como a nível internacional com especial ênfase nos países pertencentes à União Europeia. A pesquisa bibliográfica desenvolvida abrange, numa fase inicial, parâmetros gerais da construção de edifícios, evoluindo posteriormente para parâmetros particulares, designadamente no âmbito deste trabalho. Nesta pesquisa, abordam-se aspectos gerais das regras de medição, nomeadamente a evolução histórica e a forma como a informação é apresentada. Esta abordagem tem como objectivo desenvolver as bases deste trabalho, para que se possa apresentar, no final, a proposta de um modelo de regras de medição Pesquisa Bibliográfica A primeira bibliografia analisada é a nacional. Esta opção deve-se ao conhecimento prévio de alguma documentação e à facilidade de consulta, tanto ao nível de acessibilidade, como de compreensão. Esta pesquisa tem como objectivo o conhecimento da história das regras de medição em Portugal, realizando-se, ao mesmo tempo, um levantamento de documentos já publicados sobre a temática e estudos actualmente em curso. No que diz respeito à pesquisa internacional, esta baseia-se em documentos e regulamentos utilizados nos países pertencentes à União Europeia. Esta opção deve-se à crescente uniformização e elaboração de normas e regras comuns aos países membros. Pretendeu-se assim adquirir noções das regras e normas aplicadas nos países da UE, de forma a desenvolver um sistema de medição para Portugal, que facilite a interacção entre os países na realização das medições, permitindo o cálculo do orçamento e execução de uma determinada obra de uma forma mais simples. A pesquisa internacional baseia-se num documento publicado pelo Royal Institution of Chartered Surveyors 2 (RICS) em 2003 [8]. Este documento foi elaborado através de um inquérito efectuado electronicamente às entidades responsáveis de cada país a nível internacional, desenvolvendo-se então uma base de dados com as respostas a este questionário. A lista de países apresentados no documento publicado pela instituição RICS são aqueles com que a instituição tentou efectuar o contacto, existindo no entanto outros países que não terão sido alvo de inquérito. No Quadro 1, apresenta-se uma síntese efectuada pela instituição RICS acerca dos documentos utilizados os países da União Europeia, para efeitos de regras de medição para trabalhos de construção. 2 RICS Instituição fundada em 1868 em Londres, recebeu a chancela real em Os seus membros são reconhecidos como medidores orçamentistas, que mantêm os mais altos níveis de integridade e competência nas especialidades de consultoria de orçamentos e de contrato e prospecção de mercado imobiliário [8]. 5

22 Quadro 1 - Pesquisa internacional: União Europeia [8] País Estado do conhecimento Autores Recomendado pelas autoridades nacionais Mencionado no caderno de encargos Alemanha Desconhecido Áustria Desconhecido Bélgica NBNB "Measurement for Buildings" - Measurement Methods for Quantities (standard method of measurement) 1982 Belgium Standards Institute Sim Sempre Bulgária Desconhecido Chipre Desconhecido Dinamarca Desconhecido Eslováquia Desconhecido Eslovénia Não mencionado na recolha Espanha Desconhecido Estónia Não mencionado na recolha Finlândia Não mencionado na recolha França Desconhecido Grécia Desconhecido Holanda Irlanda RAW - Rationalisation and automaton Groundwork, road buildin, civil stuctures Stabu - Standard Specifications for Construction of Construction of Commercial and Public Service Buildings and Housing Agências governamentais, organizações e institutos públicos, donos de obras Indústria da construção Hungria Desconhecido Itália Não tem SCS - Society of Chartered ARM2 - Agreed Rules of Surveyors Measurement SMM6 e SMM7 - Standard Method of Measurement 6th and 7th edition CESMM3 - Civil Engineering Standard Method of Measurement 3rd edition CIF - Construction Industry Federation RICS - The Royal Institution of Chartered Surveyors Building Employers Confederation ICE - Institution of Civil Engineers Letónia Não mencionado na recolha Lituânia Não mencionado na recolha Luxemburgo Desconhecido Malta Desconhecido Polónia Não tem Portugal Desconhecido República Checa Reino Unido Cenilky URS (Ústav racionalizace ve stavebnictvi) SMM6 e SMM7 - Standard Method of Measurement 6th and 7th edition Principles of Measurement International (POMI) CESMM3 - Civil Engineering Standard Method of Measurement 3rd edition Sim Sim Sempre Sempre URS (anterior governo) Não Por vezes RICS - The Royal Institution of Chartered Surveyors Building Employers Confederation RICS - The Royal Institution of Chartered Surveyors CE - Institution of Civil Engineers Roménia Não mencionado na recolha Suécia Desconhecido Sim Sempre Efectuando uma análise pormenorizada ao Quadro 1 e recordando que o inquérito efectuado data do ano 2003, altura em que a Bulgária, Chipre, Eslováquia, Eslovénia, Estónia, Hungria, Letónia, Lituânia, Malta, Polónia, República Checa e Roménia não pertenciam ainda à União Europeia, não é 6

23 de estranhar a inexistência de informação em alguns destes países. Pelo contrário, no que diz respeito a países como a Alemanha e Portugal, a inexistência de informação é estranha, uma vez que por, volta desta data, já existiam alguns documentos a respeito de regras de medição: na Alemanha, desde 1992, com as Normas DIN [9], em Portugal, desde 1970, o CSRMC [2] do LNEC. Actualmente, em Portugal, encontra-se em desenvolvimento uma aplicação na óptica do utilizador, com o nome ProNIC, que tem como objectivo criar articulados standardizados para cadernos de encargos de trabalhos de construção civil, para os quais se definem a estrutura de classificação dos trabalhos, o articulado dos mapas de trabalhos e as próprias regras de medição dos trabalhos de construção. Nos restantes Países da UE, não se verificam grandes evoluções na documentação ou mesmo de normas associadas às regras de medição, não querendo isto significar que as regras de medição sejam um tema menor na investigação Caracterização da Bibliografia Neste capítulo, efectua-se a caracterização da bibliografia mais relevante para a realização desta dissertação. Apesar do elevado número de documentos existentes nos diversos países, a dificuldade de consulta e os objectivos inicialmente propostos levam à escolha de apenas algumas dessas publicações. Assim, de todos os documentos pesquisados e consultados considera-se que os mais importantes para a realização desta dissertação são: CSRMC Curso Sobre Regras de Medição na Construção [2] Portugal; SMM7 Standard Method of Measurement 7th edition [10] Reino Unido; SMM7 Explained an Illustrated [13] Reino Unido; CESMM3 Civil Engineering Standard Method of Measurement 3 rd edition [11] Reino Unido. Outros documentos: DIN Deutsches Institut für Normung 3 [9] Alemanha Curso Sobre Regras de Medição na Construção Introdução Como referido, o ponto de partida para a pesquisa bibliográfica consiste na procura de informação existente a nível nacional. Torna-se então perceptível que a bibliografia existente em Portugal é relativamente parca, existindo um número reduzido de documentos publicados pelo LNEC. 3 Deutsches Institut für Normung Instituto Alemão para a Normalização 7

REGRAS DE MEDIÇÃO NA CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS

REGRAS DE MEDIÇÃO NA CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS DANIEL JORGE MIRANDA FEIJÃO BERNARDO PREGO REGRAS DE MEDIÇÃO NA CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS PROPOSTA DE MODELO A APLICAR EM PORTUGAL PARA ESTRUTURAS METÁLICAS JÚRI Presidente: Engenheiro José Teixeira Trigo

Leia mais

A difícil concretização do processo de Bolonha no Ensino Superior

A difícil concretização do processo de Bolonha no Ensino Superior A difícil concretização do processo de Bolonha no Ensino Superior O SNESup e o Núcleo de Estudantes de Sociologia da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra realizaram mais um debate integrado

Leia mais

Gestão da Construção. Especificações, medições e regras de medição. Gestão da Construção

Gestão da Construção. Especificações, medições e regras de medição. Gestão da Construção Especificações, medições e regras de medição 2006/2007 PEÇAS DE PROJECTO PEÇAS ESCRITAS Na prática corrente, os elementos de um projecto classificam-se da seguinte forma: Peças escritas; Peças desenhadas.

Leia mais

Seminário. Regulamento dos Produtos de Construção: Novas exigências para a marcação CE. O que muda em 1 de julho de 2013?

Seminário. Regulamento dos Produtos de Construção: Novas exigências para a marcação CE. O que muda em 1 de julho de 2013? Seminário Regulamento dos Produtos de Construção: Novas exigências para a marcação CE. O que muda em 1 de julho de 2013? Ordem Dos Engenheiros, 2012-09-27 O Subsistema da Normalização do SPQ (Sistema Português

Leia mais

ACTA FINAL. FA/TR/EU/HR/pt 1. 1717 der Beilagen XXIV. GP - Staatsvertrag - 36 portugiesische Schlussakte (Normativer Teil) 1 von 20

ACTA FINAL. FA/TR/EU/HR/pt 1. 1717 der Beilagen XXIV. GP - Staatsvertrag - 36 portugiesische Schlussakte (Normativer Teil) 1 von 20 1717 der Beilagen XXIV. GP - Staatsvertrag - 36 portugiesische Schlussakte (Normativer Teil) 1 von 20 ACTA FINAL FA/TR/EU/HR/pt 1 2 von 20 1717 der Beilagen XXIV. GP - Staatsvertrag - 36 portugiesische

Leia mais

ANEXOS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO. relativa à iniciativa de cidadania «Um de nós»

ANEXOS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO. relativa à iniciativa de cidadania «Um de nós» COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 28.5.2014 COM(2014) 355 final ANNEXES 1 to 5 ANEXOS à COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO relativa à iniciativa de cidadania «Um de nós» PT PT ANEXO I: ASPETOS PROCESSUAIS DA INICIATIVA

Leia mais

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO 7.6.2008 C 141/27 V (Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO Convite à apresentação de propostas de 2008 Programa Cultura (2007-2013) Execução das seguintes acções do programa: projectos plurianuais

Leia mais

NÚMERO: 003/2010 DATA: 29/09/2010 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTOS:

NÚMERO: 003/2010 DATA: 29/09/2010 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTOS: NÚMERO: 003/2010 DATA: 29/09/2010 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTOS: Acesso a cuidados de saúde programados na União Europeia, Espaço Económico Europeu e Suiça. Procedimentos para a emissão do Documento

Leia mais

Especificação de materiais de construção no âmbito do ProNIC. 23 de Outubro 2009

Especificação de materiais de construção no âmbito do ProNIC. 23 de Outubro 2009 Especificação de materiais de construção no âmbito do ProNIC 23 de Outubro 2009 INDÍCE Apresentação geral do projecto ProNIC Objectivos, conteúdos, funcionalidades Contributos do ProNIC para a correcta

Leia mais

Fusões e cisões transfronteiras

Fusões e cisões transfronteiras Fusões e cisões transfronteiras Fusões e cisões transfronteiras Consulta organizada pela Comissão Europeia (DG MARKT) INTRODUÇÃO Observações preliminares O presente questionário tem por objetivo recolher

Leia mais

NEGOCIAÇÕES DE ADESÃO DA BULGÁRIA E DA ROMÉNIA À UNIÃO EUROPEIA

NEGOCIAÇÕES DE ADESÃO DA BULGÁRIA E DA ROMÉNIA À UNIÃO EUROPEIA NEGOCIAÇÕES DE ADESÃO DA BULGÁRIA E DA ROMÉNIA À UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 31 de Março de 2005 (OR. en) AA 23/2/05 REV 2 TRATADO DE ADESÃO: ACTA FINAL PROJECTO DE ACTOS LEGISLATIVOS E OUTROS INSTRUMENTOS

Leia mais

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE Durante muito tempo os países da Europa andaram em guerra. A segunda Guerra Mundial destruiu grande parte do Continente Europeu. Para evitar futuras guerras, seria

Leia mais

Formação Inicial de Professores na União Europeia. Florbela Lages Antunes Rodrigues Instituto Politécnico da Guarda

Formação Inicial de Professores na União Europeia. Florbela Lages Antunes Rodrigues Instituto Politécnico da Guarda Formação Inicial de Professores na União Europeia Florbela Lages Antunes Rodrigues Instituto Politécnico da Guarda 1999 - O Processo de Bolonha Um Espaço Europeu de Ensino Superior (EEES) globalmente harmonizado

Leia mais

Mobilidade de Estudantes Sessão de Esclarecimento 2015/2016 janeiro 2015 Núcleo de Relações Internacionais do ISEL

Mobilidade de Estudantes Sessão de Esclarecimento 2015/2016 janeiro 2015 Núcleo de Relações Internacionais do ISEL Changing lives. Opening minds. Mobilidade de Estudantes Sessão de Esclarecimento 2015/2016 janeiro 2015 Núcleo de Relações Internacionais do ISEL ERASMUS + Uma porta aberta para a Europa : O novo programa

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 27 de Abril de 2007 (02.05) (OR. en) 9032/07 SCH-EVAL 90 SIRIS 79 COMIX 427

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 27 de Abril de 2007 (02.05) (OR. en) 9032/07 SCH-EVAL 90 SIRIS 79 COMIX 427 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 27 de Abril de 2007 (02.05) (OR. en) 9032/07 SCH-EVAL 90 SIRIS 79 COMIX 427 NOTA de: para: Assunto: Presidência Grupo de Avaliação de Schengen Projecto de decisão do

Leia mais

A solução. para os seus problemas. na Europa. ec.europa.eu/solvit

A solução. para os seus problemas. na Europa. ec.europa.eu/solvit A solução para os seus problemas na Europa ec.europa.eu/solvit CONHEÇA OS SEUS DIREITOS Viver, trabalhar ou viajar em qualquer país da UE é um direito fundamental dos cidadãos europeus. As empresas também

Leia mais

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais EQUASS Assurance Procedimentos 2008 - European Quality in Social Services (EQUASS) Reservados todos os direitos. É proibida a reprodução total ou parcial

Leia mais

PROCEDIMENTO LEVANTAMENTO AMBIENTAL

PROCEDIMENTO LEVANTAMENTO AMBIENTAL PROCEDIMENTO LEVANTAMENTO AMBIENTAL Regulamento EMAS (EC Nº. 761/2001) A organização deve estabelecer e manter um ou mais procedimento para identificar os aspectos ambientais das suas actividades, produtos

Leia mais

GUIA do ESTUDANTE ERASMUS+ 2015-2016

GUIA do ESTUDANTE ERASMUS+ 2015-2016 GUIA do ESTUDANTE ERASMUS+ 2015-2016 Esclarecimentos de dúvidas/informações adicionais: Carolina Peralta/Isabel Silva Gabinete de Relações Internacionais - GRI Rua de Santa Marta, 47, 1º Piso sala 112-1169-023

Leia mais

VERSÕES CONSOLIDADAS

VERSÕES CONSOLIDADAS 9.5.2008 PT Jornal Oficial da União Europeia C 115/1 VERSÕES CONSOLIDADAS DO TRATADO DA UNIÃO EUROPEIA E DO TRATADO SOBRE O FUNCIONAMENTO DA UNIÃO EUROPEIA (2008/C 115/01) 9.5.2008 PT Jornal Oficial da

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Cartão Europeu de Seguro de Doença Nº: 20/DSPCS DATA: 18/05/04 Para: Todos os serviços dependentes do Ministério da Saúde Contacto

Leia mais

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI Tratado de Lisboa A Europa rumo ao século XXI O Tratado de Lisboa Índice 1. Contextualização 1.1. Porquê um novo Tratado? 1.2. Como surgiu o Tratado de Lisboa? 2. O que mudará com o Tratado de Lisboa?

Leia mais

E R A S M U S + ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Apresentação

E R A S M U S + ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Apresentação ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa Apresentação ERASMUS+ - Ensino Superior O Erasmus+ é o novo programa da UE dedicado à educação, formação, juventude e desporto. O programa tem início

Leia mais

Instituto Nacional de Estatística divulgou A Península Ibérica em Números - 2007

Instituto Nacional de Estatística divulgou A Península Ibérica em Números - 2007 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 21/12 Economia 20/12 Demografia Instituto Nacional de Estatística divulgou A Península Ibérica em Números - 2007 http://www.ine.pt/portal/page/portal/portal_ine/publicacoes?publicacoespub_boui=10584451&publicacoesm

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE)

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) 1. INTRODUÇÃO As actividades da União Europeia no domínio da

Leia mais

Participação Social das Pessoas com Deficiência Inclusão e Acessibilidade Digital

Participação Social das Pessoas com Deficiência Inclusão e Acessibilidade Digital Participação Social das Pessoas com Deficiência Inclusão e Acessibilidade Digital U. Lusófona, 11 Jul 2009 Luis Magalhães UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento Ministério da Ciência, Tecnologia

Leia mais

Normas Europeias para Projecto de Estruturas Metálicas

Normas Europeias para Projecto de Estruturas Metálicas CENFIM, Trofa 6 de Maio de 2014 Normas Europeias para Projecto de Estruturas Metálicas Rui Ferreira Alves O Sector da Construção no contexto da União Europeia Sector estratégico: relevante para promover

Leia mais

Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena

Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena E1819 V6 Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena REHABILITATION OF LUENA WATER SUPPLY SYSTEM PGA PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL (PGA) ENVIRONMENTAL MANAGEMENT PLAN (EMP) Adjudicante: Financial

Leia mais

MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ CÂMARA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ CÂMARA MUNICIPAL MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ CÂMARA MUNICIPAL PROGRAMA PRELIMINAR CENTRO ESCOLAR DE S.JULIÃO/TAVAREDE PROJECTOS DE ESPECIALIDADES 1 1. Introdução Pretende a Câmara Municipal da Figueira da Foz, desenvolver

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Índice Investimento público e privado no Ensino Superior Propinas Investimento público e privado

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 1/2010

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 1/2010 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 1/2010 APROVADA POR DELIBERAÇÃO DA COMISSÃO DIRECTIVA DE 19-03-2010 Altera o nº 4 da Orientação de Gestão nº 7/2008 e cria o ANEXO III a preencher pelos Beneficiários para registo

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO SOBRE A PROTECÇÃO DE DADOS DO ARTIGO 29.

GRUPO DE TRABALHO SOBRE A PROTECÇÃO DE DADOS DO ARTIGO 29. GRUPO DE TRABALHO SOBRE A PROTECÇÃO DE DADOS DO ARTIGO 29. 00065/2010/PT WP 174 Parecer 4/2010 sobre o código de conduta europeu da FEDMA relativo ao uso de dados pessoais no marketing directo Adoptado

Leia mais

Auditorias da Qualidade

Auditorias da Qualidade 10 páginas sobre s da Qualidade "Não olhes para longe, despreocupando-se do que tens perto." [ Eurípedes ] VERSÃO: DATA de EMISSÃO: 9-10-2009 AUTOR: José Costa APROVAÇÃO: Maria Merino DESCRIÇÃO: Constitui

Leia mais

TRATADO DE LISBOA EM POUCAS

TRATADO DE LISBOA EM POUCAS EM POUCAS PALAVRAS OS PRIMEIROS PASSOS DATA/LOCAL DE ASSINATURA E ENTRADA EM VIGOR PRINCIPAIS MENSAGENS QUIZ 10 PERGUNTAS E RESPOSTAS OS PRIMEIROS PASSOS No século XX depois das Guerras No século XX, depois

Leia mais

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO Portugal situa-se no extremo sudoeste da Europa e é constituído por: Portugal Continental ou Peninsular (Faixa Ocidental da Península Ibérica) Parte do território

Leia mais

ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS RESPOSTAS SOCIAIS

ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS RESPOSTAS SOCIAIS 1. bjectivo presente documento tem como objectivo definir o esquema de acreditação para a Certificação do Serviço proporcionado pelas várias Respostas Sociais, tendo em conta os Modelos de Avaliação da

Leia mais

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios Sandra Sofia Brito da Silva Dissertação

Leia mais

CONSELHO INTERNACIONAL DE ARQUIVOS COMITÉ DAS NORMAS DE DESCRIÇÃO. Orientações para a Preparação e Apresentação de Instrumentos de.

CONSELHO INTERNACIONAL DE ARQUIVOS COMITÉ DAS NORMAS DE DESCRIÇÃO. Orientações para a Preparação e Apresentação de Instrumentos de. CONSELHO INTERNACIONAL DE ARQUIVOS COMITÉ DAS NORMAS DE DESCRIÇÃO Relatório do Sub-comité sobre os Instrumentos de Descrição Orientações para a Preparação e Apresentação de Instrumentos de Descrição 1.

Leia mais

3. Engenharia de Requisitos

3. Engenharia de Requisitos Engenharia de Software 3. Engenharia de Requisitos Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Fases do desenvolvimento de software que mais erros originam (fonte: "Software Testing", Ron Patton)

Leia mais

A Participação do Conselho Superior da Magistratura em Organizações Internacionais

A Participação do Conselho Superior da Magistratura em Organizações Internacionais A Participação do Conselho Superior da Magistratura em Organizações Internacionais O Conselho Superior da Magistratura é membro de duas organizações internacionais que promovem a cooperação e concertação

Leia mais

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO. sobre os passivos implícitos com impacto potencial nos orçamentos públicos

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO. sobre os passivos implícitos com impacto potencial nos orçamentos públicos COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30.6.2015 COM(2015) 314 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO sobre os passivos implícitos com impacto potencial nos orçamentos públicos PT PT RELATÓRIO

Leia mais

Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas

Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas Fórum novo millenium Nuno Mangas Covilhã, 22 Setembro 2011 Índice 1 Contextualização 2 Os CET em Portugal 3 Considerações Finais 2 Contextualização

Leia mais

PLATAFORMA LOGÍSTICA DE LEIXÕES PÓLO 2 GATÕES / GUIFÕES (Área de Serviços Logísticos)

PLATAFORMA LOGÍSTICA DE LEIXÕES PÓLO 2 GATÕES / GUIFÕES (Área de Serviços Logísticos) ! " Capítulo I Introdução Geral Capítulo II Antecedentes do Projecto Capítulo III Conformidade com a DIA Capítulo IV Planos de Monitorização Ambiental Capítulo V Conclusões ANEXOS TÉCNICOS BIBLIOGRAFIA

Leia mais

Previsão da Vida Útil de Pinturas de Fachadas de Edifícios Antigos. Metodologia Baseada na Inspecção de Edifícios em Serviço. www.construlink.

Previsão da Vida Útil de Pinturas de Fachadas de Edifícios Antigos. Metodologia Baseada na Inspecção de Edifícios em Serviço. www.construlink. Metodologia baseada na inspecção de edifícios em serviço Universidade Técnica de Lisboa Instituto Superior Técnico Previsão da Vida Útil de Pinturas de Fachadas de Edifícios Antigos Metodologia Baseada

Leia mais

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL CADERNOS DE MUSEOLOGIA Nº 28 2007 135 GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL INTRODUÇÃO Os Sistemas da Qualidade

Leia mais

Novos Programas: Outras Práticas Pedagógicas 1

Novos Programas: Outras Práticas Pedagógicas 1 Novos Programas: Outras Práticas Pegógicas 1 Maria Conceição Antunes Num estudo sobre os professores de no Ensino Secundário, em que participei (e que foi apresentado neste mesmo local, em 1996, no I Encontro

Leia mais

3. EDUCAÇÃO. O Estado reconhece a todos o direito à educação e à cultura (CRP, art.º 73º), bem como ao ensino (CRP, art.º 74º).

3. EDUCAÇÃO. O Estado reconhece a todos o direito à educação e à cultura (CRP, art.º 73º), bem como ao ensino (CRP, art.º 74º). 3. EDUCAÇÃO Quadro legal O Estado reconhece a todos o direito à educação e à cultura (CRP, art.º 73º), bem como ao ensino (CRP, art.º 74º). A Lei de Bases do Sistema Educativo (Lei n.º 46/86, de 14 de

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

Sistema de Certificação de Competências TIC

Sistema de Certificação de Competências TIC Sistema de Certificação de Competências TIC Portal das Escolas Manual de Utilizador INDICE 1 Introdução... 5 1.1 Sistema de formação e certificação de competências TIC...6 1.1.1 Processo de certificação

Leia mais

= e-learning em Educação Ambiental =

= e-learning em Educação Ambiental = Agência Regional de Energia e Ambiente do Norte Alentejano e Tejo = e-learning em Educação Ambiental = PRINCIPAIS RESULTADOS DO RELATÓRIO FINAL Dezembro de 2010 Título: Financiamento: Plataforma de e-learning

Leia mais

Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR:

Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR: 1ª AVENIDA DINAMIZAÇÃO ECONÓMICA E SOCIAL DA BAIXA DO PORTO Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR: Unidade de Gestão de Área Urbana Dezembro 2012 Índice

Leia mais

CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA

CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA 1950 9 de Maio Robert Schuman, Ministro dos Negócios Estrangeiros francês, profere um importante discurso em que avança propostas inspiradas nas ideias de Jean Monnet.

Leia mais

ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais

ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais 12054/02/PT WP 69 Parecer 1/2003 sobre o armazenamento dos dados de tráfego para efeitos de facturação Adoptado em 29 de Janeiro de 2003 O Grupo de Trabalho

Leia mais

Guia do Estudante Erasmus - Período de Estudos

Guia do Estudante Erasmus - Período de Estudos ESTE ANO VOU CONHECER NOVAS PESSOAS ESTE ANO VOU ALARGAR CONHECIMENTOS ESTE ANO VOU FALAR OUTRA LÍNGUA ESTE ANO VOU ADQUIRIR NOVAS COMPETÊNCIAS ESTE ANO VOU VIAJAR ESTE ANO VOU SER ERASMUS Guia do Estudante

Leia mais

DURATINET: Rede Transnacional para promover a durabilidade das infra-estruturas de transportes no Espaço Atlântico

DURATINET: Rede Transnacional para promover a durabilidade das infra-estruturas de transportes no Espaço Atlântico DURATINET: Rede Transnacional para promover a durabilidade das infra-estruturas de transportes no Espaço Atlântico M. Manuela Salta Laboratório Nacional de Engenharia Civil Av. Prof. do Brasil, 101, 1700-066

Leia mais

INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS

INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS Introdução O presente documento pretende apresentar uma visão geral das principais conclusões e recomendações do estudo da European Agency

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

DIREITO COMUNITÁRIO. Aula 4 As revisões dos instrumentos fundamentais: o aprofundamento 2

DIREITO COMUNITÁRIO. Aula 4 As revisões dos instrumentos fundamentais: o aprofundamento 2 DIREITO COMUNITÁRIO Aula 4 As revisões dos instrumentos fundamentais: o aprofundamento 2 As revisões dos tratados fundadores 07/02/1992: Assinatura do Tratado sobre a União Européia,, em Maastricht; 20/10/1997:

Leia mais

Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 79,0% da média da União Europeia em 2013

Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 79,0% da média da União Europeia em 2013 Paridades de Poder de Compra 2013 11 de dezembro de 2014 Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 79,0% da média da União Europeia em 2013 O

Leia mais

Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais

Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais Impostos e taxas com relevância ambiental 2013 31 de outubro de 2014 Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais O valor dos Impostos

Leia mais

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Agosto de 2011 1 Contratos de Construção Enquadramento Contabilístico e Fiscal 2 Revisores e Auditores 7

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Agosto de 2011 1 Contratos de Construção Enquadramento Contabilístico e Fiscal 2 Revisores e Auditores 7 Assuntos Resumo Fiscal/Legal Agosto de 2011 1 Contratos de Construção Enquadramento Contabilístico e Fiscal 2 Revisores e Auditores 7 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL AGOSTO DE 2011 Ministério das Finanças - Gabinete

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

SISMO BUILDING TECHNOLOGY, TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO ANTI-SISMICA: APLICAÇÕES EM PORTUGAL

SISMO BUILDING TECHNOLOGY, TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO ANTI-SISMICA: APLICAÇÕES EM PORTUGAL SÍSMICA 2007 7º CONGRESSO DE SISMOLOGIA E ENGENHARIA SÍSMICA 1 SISMO BUILDING TECHNOLOGY, TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO ANTI-SISMICA: APLICAÇÕES EM PORTUGAL M.T. BRAZ CÉSAR Assistente IPBragança Bragança Portugal

Leia mais

WorkinProject 8 Manual de Referência Rápida

WorkinProject 8 Manual de Referência Rápida WorkinProject 8 Manual de Referência Rápida Flagsoft, Lda 2015 Índice 1. Introdução...3 2. Integrador - Interface com o utilizador...4 3. Registo de actividade - Folha de horas...5 4. Agenda e colaboração...7

Leia mais

O contributo do Sistemas de Informação Geográfica na Gestão da Informação Estatística

O contributo do Sistemas de Informação Geográfica na Gestão da Informação Estatística O contributo do Sistemas de Informação Geográfica na Gestão da Informação Estatística 31 de Maio e 1 de Junho de 2007 Angra do Heroísmo ana.oliveira@ine.pt AGENDA 1. Enquadramento 2. Informação Geográfica

Leia mais

Sociedade de Geografia de Lisboa

Sociedade de Geografia de Lisboa Sociedade de Geografia de Lisboa Tema A internacionalização das empresas portuguesas para os Países da Europa Central e Oriental (PECO) Autor Rui Paulo Almas Data Lisboa, 25 de Junho de 2012 1 A internacionalização

Leia mais

Guia de Acesso à Formação Online Formando 2011

Guia de Acesso à Formação Online Formando 2011 Plano [1] Guia de Acesso à Formação Online 2011 [2] ÍNDICE ÍNDICE...2 1. Introdução...3 2. Metodologia Formativa...4 3. Actividades...4 4. Apoio e Acompanhamento do Curso...5 5. Avaliação...6 6. Apresentação

Leia mais

À Firma. À Firma. À firma

À Firma. À Firma. À firma À Firma À Firma À firma Sua Referência Sua Comunicação de Nossa Referência Data Assunto: Convite para apresentação de proposta. Ajuste Directo n.º 6/2009. Em cumprimento do disposto no artigo 115.º do

Leia mais

CASSTM NOTA 376/03 ANEXO 2REV

CASSTM NOTA 376/03 ANEXO 2REV CASSTM NOTA 376/03 ANEXO 2REV DOCUMENTO 3 DIREITOS E OBRIGAÇÕES DOS TITULARES DOS CARTÕES EUROPEUS DE SEGURO DE DOENÇA OU DE DOCUMENTOS EQUIVALENTES NA SEQUÊNCIA DAS ALTERAÇÕES DO PONTO I DA ALÍNEA A)

Leia mais

Notas sobre o formulário Acto de Oposição

Notas sobre o formulário Acto de Oposição INSTITUTO DE HARMONIZAÇÃO NO MERCADO INTERNO (IHMI) Marcas, Desenhos e Modelos Notas sobre o formulário Acto de Oposição 1. Observações gerais 1.1 Utilização do formulário O formulário pode ser obtido

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA -

PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA - PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA - 1. ENQUADRAMENTO Na sequência da consulta pública acima mencionada, promovida conjuntamente pelos reguladores português e espanhol, vem

Leia mais

AUTO-ESTRADA A41 LANÇO FREIXIEIRO / ALFENA MAPAS ESTRATÉGICOS DE RUÍDO

AUTO-ESTRADA A41 LANÇO FREIXIEIRO / ALFENA MAPAS ESTRATÉGICOS DE RUÍDO ASCENDI AUTO-ESTRADA A41 LANÇO FREIXIEIRO / ALFENA - RESUMO NÃO TÉCNICO - - ADITAMENTO - JUNHO 2010 CERTINOR Engenharia e Consultoria, Lda. DIVISÃO DE ACÚSTICA APLICADA Av. da República, n.º 2503, Sala

Leia mais

GECoRPA CLASSIFICAÇÃO DAS EMPRESAS DA ÁREA DA CONSERVAÇÃO DO PATRIMÓNIO ARQUITETÓNICO E DA REABILITAÇÃO DE CONSTRUÇÕES ANTIGAS

GECoRPA CLASSIFICAÇÃO DAS EMPRESAS DA ÁREA DA CONSERVAÇÃO DO PATRIMÓNIO ARQUITETÓNICO E DA REABILITAÇÃO DE CONSTRUÇÕES ANTIGAS GECoRPA CLASSIFICAÇÃO DAS EMPRESAS DA ÁREA DA CONSERVAÇÃO DO PATRIMÓNIO ARQUITETÓNICO E DA REABILITAÇÃO DE CONSTRUÇÕES ANTIGAS Grupo I PROJETO, FISCALIZAÇÃO E CONSULTORIA Categoria I.1. Conservação e Restauro

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

5. Esquema do processo de candidatura

5. Esquema do processo de candidatura Projecto e colecção de perguntas e respostas sobre o Exame Unificado de Acesso (disciplinas de Língua e Matemática) das quatro instituições do ensino superiorde Macau I Contexto Cada instituição do ensino

Leia mais

Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança)

Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança) Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança) 1 - Apresentação Grau Académico: Mestre Duração do curso: : 2 anos lectivos/ 4 semestres Número de créditos, segundo o Sistema

Leia mais

2. Emissão de. Outros Titulares. seguintes. 1.º ano. Anos. cartão. Grátis 28,85 -- -- -- 19,23 26,44. Grátis 28,85 -- -- -- 19,23 26,44

2. Emissão de. Outros Titulares. seguintes. 1.º ano. Anos. cartão. Grátis 28,85 -- -- -- 19,23 26,44. Grátis 28,85 -- -- -- 19,23 26,44 11.1. Cartões de crédito Designação do Redes onde o é aceite 1.º Titular Outros Titulares de (5) (1) 5. Recuperação de valores em divida (6) Millennium bcp Business Silver 28,85 19,23 26,44 Millennium

Leia mais

PROMOVER O ACESSO À INFORMAÇÃO PARA A APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA

PROMOVER O ACESSO À INFORMAÇÃO PARA A APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA PROMOVER O ACESSO À INFORMAÇÃO PARA A APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA O acesso à informação é um direito fundamental de todos os alunos com ou sem deficiência e/ou necessidades educativas especiais. Numa

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 3.8.2005 COM(2005) 361 final 2005/0147 (COD) Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que revoga a Directiva 90/544/CEE do Conselho relativa

Leia mais

Regime jurídico da qualificação profissional dos técnicos responsáveis por projectos, pela fiscalização de obra e pela direcção de obra

Regime jurídico da qualificação profissional dos técnicos responsáveis por projectos, pela fiscalização de obra e pela direcção de obra Área de Prática - Imobiliário Julho 2009 Regime jurídico da qualificação profissional dos técnicos responsáveis por projectos, pela fiscalização de obra e pela direcção de obra A Lei n.º 31/2009, de 03.07.,

Leia mais

1 Escola Superior de Desporto de Rio Maior

1 Escola Superior de Desporto de Rio Maior Instituto Politécnico de Santarém ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR MESTRADO EM DESPORTO REGULAMENTO DE DISSERTAÇÃO Este regulamento enquadra-se no âmbito do artigo 21.º do regulamento específico

Leia mais

Luis Magalhães Presidente da UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento, IP Portugal

Luis Magalhães Presidente da UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento, IP Portugal Computadores e Internet nas Escolas em Portugal IV Encontro sobre os Objectivos do Milénio da ONU e as TIC, dedicado às Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC), Inovação e Conhecimento FIL, Parque

Leia mais

Uma Rede de apoio à competitividade das empresas. 30 de abril de 2014, ISCTE-IUL, Lisboa

Uma Rede de apoio à competitividade das empresas. 30 de abril de 2014, ISCTE-IUL, Lisboa Uma Rede de apoio à competitividade das empresas 30 de abril de 2014, ISCTE-IUL, Lisboa Quem somos Quem somos? Onde estamos? Criada pela Comissão Europeia no âmbito do Programa Quadro para a Competitividade

Leia mais

Normas do CAD para a Qualidade da Avaliação

Normas do CAD para a Qualidade da Avaliação Rede de Avaliação do CAD Normas do CAD para a Qualidade da Avaliação (para aplicação em fase experimental) As normas em anexo são provisórias e foram aprovadas pelos membros da Rede de Avaliação do CAD,

Leia mais

Barómetro das Profissões

Barómetro das Profissões Número 1T/2011 Período: 1 de Janeiro a 31 de Março Abril 2011 Realizado por Isabel Machado para IPAM Carreiras INTRODUÇÃO O presente Barómetro trimestral inserido na investigação do IPAM Carreiras pretende

Leia mais

Guia de Apoio à Realização de Inspecções Ambientais

Guia de Apoio à Realização de Inspecções Ambientais Guia de Apoio à Realização de Inspecções Ambientais 1-Introdução As inspecções ambientais são o garante da implementação e cumprimento da legislação ambiental por parte das empresas que exercem actividades

Leia mais

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Identificação

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Turismo sobre a ESEC 4 3.2. Opinião dos alunos sobre

Leia mais

COMO ELABORAR UM RELATÓRIO CIENTÍFICO

COMO ELABORAR UM RELATÓRIO CIENTÍFICO COMO ELABORAR UM RELATÓRIO CIENTÍFICO 1. O que é um relatório? Um relatório de uma actividade prática, é uma exposição escrita de um determinado trabalho ou experiência laboratorial. Não é apenas uma descrição

Leia mais

CÓDIGO INTERNACIONAL ICC/ESOMAR PARA A INVESTIGAÇÃO SOCIAL E DE MERCADO

CÓDIGO INTERNACIONAL ICC/ESOMAR PARA A INVESTIGAÇÃO SOCIAL E DE MERCADO CÓDIGO INTERNACIONAL ICC/ESOMAR PARA A INVESTIGAÇÃO SOCIAL E DE MERCADO INTRODUÇÃO O primeiro Código para a Prática de Investigação Social e de Mercado foi publicado pela ESOMAR em 1948. Depois deste foram

Leia mais

Avis juridique important 31991L0412

Avis juridique important 31991L0412 Avis juridique important 31991L0412 Directiva 91/412/CEE da Comissão, de 23 de Julho de 1991, que estabelece os princípios e directrizes das boas práticas de fabrico de medicamentos veterinários Jornal

Leia mais

Atualidades. Blocos Econômicos, Globalização e União Européia. 1951 - Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA)

Atualidades. Blocos Econômicos, Globalização e União Européia. 1951 - Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA) Domínio de tópicos atuais e relevantes de diversas áreas, tais como política, economia, sociedade, educação, tecnologia, energia, ecologia, relações internacionais, desenvolvimento sustentável e segurança

Leia mais

Transição da escola para o emprego: Princípios-chave e Recomendações para Responsáveis Políticos

Transição da escola para o emprego: Princípios-chave e Recomendações para Responsáveis Políticos Transição da escola para o emprego: Princípios-chave e Recomendações para Responsáveis Políticos No final do ano de 1999 a Agência Europeia iniciou um projecto de investigação, a nível Europeu, sobre o

Leia mais

Política agrícola e protecção e gestão eficiente da água

Política agrícola e protecção e gestão eficiente da água Política agrícola e protecção e gestão eficiente da água Francisco Cordovil Director do GPP Conselho Nacional da Água Ponto 4 da ordem de trabalhos Lisboa 3 de Dezembro de 2010 Política agrícola e protecção

Leia mais

ACORDO SOBRE A PARTICIPAÇÃO DA REPÚBLICA DA BULGÁRIA E DA ROMÉNIA NO ESPAÇO ECONÓMICO EUROPEU

ACORDO SOBRE A PARTICIPAÇÃO DA REPÚBLICA DA BULGÁRIA E DA ROMÉNIA NO ESPAÇO ECONÓMICO EUROPEU 443 der Beilagen XXIII. GP - Beschluss NR - 18 portugiesischer Vertragstext PT (Normativer Teil) 1 von 21 ACORDO SOBRE A PARTICIPAÇÃO DA REPÚBLICA DA BULGÁRIA E DA ROMÉNIA NO ESPAÇO ECONÓMICO EUROPEU EEE/BG/RO/pt

Leia mais

Sumário executivo. From: Aplicação da avaliação ambiental estratégica Guia de boas práticas na cooperação para o desenvolvimento

Sumário executivo. From: Aplicação da avaliação ambiental estratégica Guia de boas práticas na cooperação para o desenvolvimento From: Aplicação da avaliação ambiental estratégica Guia de boas práticas na cooperação para o desenvolvimento Access the complete publication at: http://dx.doi.org/10.1787/9789264175877-pt Sumário executivo

Leia mais

Esclarecimentos a dúvidas relativas à interpretação do Programa de Qualificação, colocadas por entidades interessadas na Qualificação.

Esclarecimentos a dúvidas relativas à interpretação do Programa de Qualificação, colocadas por entidades interessadas na Qualificação. Esclarecimentos a dúvidas relativas à interpretação do Programa de Qualificação, colocadas por entidades interessadas na Qualificação. 1 - Na sequência da análise do programa de procedimento relativo ao

Leia mais