Regras de medição na construção de edifícios

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Regras de medição na construção de edifícios"

Transcrição

1 Regras de medição na construção de edifícios Proposta de modelo para aplicação em Portugal para elementos secundários de cantaria, carpintaria e serralharia Rui Miguel Alves Mestre Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Engenharia Civil Júri Presidente: Prof. Doutor António Heleno Domingues Moret Rodrigues Orientador: Prof. Doutor Luís Manuel Alves Dias Co-Orientador: Prof. Doutor Manuel dos Santos Fonseca Vogal: Prof. Doutor Pedro Manuel Gameiro Henriques Outubro 2010

2

3 RESUMO A necessidade de uniformização dos critérios de medição na construção em Portugal, levou o Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) a criar, em 1969, um documento com esse objectivo. Neste documento incluem-se critérios de medição direccionados para a construção de edifícios, tendo-se tornado uma referência para o meio técnico nacional. Este documento foi, no entanto, alvo de algumas revisões e actualizações, remetendo a sua última publicação para o ano de Esta dissertação inclui-se num estudo que vem sendo desenvolvido pelo LNEC, contando já com duas dissertações concluídas no capítulo das regras de medição nomeadamente, para Movimento de Terras e para Revestimentos. Este estudo iniciou-se devido à necessidade demonstrada pela indústria da construção de um documento actual que sirva de referência às medições. A presente dissertação tem como objectivo contribuir para o estabelecimento de regras de medição para a construção de edifícios, no que respeita aos elementos de cantaria, carpintaria e serralharia. Para a criação da proposta do modelo de regras de medição, os documentos mais relevantes são identificados e analisados comparativamente, no que respeita à estrutura adoptada, ao conteúdo das regras de medição e à forma como estas se encontram dispostas no modelo. Posteriormente, é analisada a informação recolhida no meio empresarial nacional, através de entrevistas realizadas a técnicos da área de medições, as quais demonstram a realidade sentida na utilização das regras de medição, bem como algumas opiniões e sugestões para a construção do modelo. Após a análise da bibliografia mais relevante e da informação recolhida no meio técnico, efectua-se um cruzamento da informação, sendo explicada a proposta do modelo e, simultaneamente, todas as justificações necessárias. Por fim, é apresentada a proposta do modelo de regras de medição para elementos de cantaria, carpintaria e serralharia, juntamente com os critérios adoptados. Palavras-chave: Regras de medição, SMM7, ProNIC, Cantaria, Carpintaria, Serralharia. i

4 ii

5 ABSTRACT With the growing need for uniformity in measurement criteria for construction in Portugal, in 1969 was created a document with that purpose by Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC). This document focuses on measurement criteria for buildings construction. Despite still being far from its original purpose, it became the main, if not the only, reference to the companies. This document has been subjected to over some revisions and updates. Its latest edition was published in This thesis is included in a study currently being developed by LNEC, having already been achieved two purposes in the chapter of measurement rules, namely on Earthwork and on Cladding. This study was initiated due to the need demonstrated by the construction industry of an official and binding document, by which rules of measurement shall be established. This thesis aims at creating a model of measurement rules for building construction, particularly for elements of stonework, carpentry and metalwork. For the creation of the rules of measurement model, the most relevant documents are identified and analyzed comparatively towards the adopted structure, the content of the rules and how they are arranged in the model. Subsequently, the information gathered in national technical environments, through interviews with experts in the field, demonstrated the experienced reality in the use of rules of measurement, as well as some opinions and suggestions for the development of the model. After this analysis, the most relevant literature and information are crossed, explaining the proposed model and, simultaneously, all the necessary justifications. Finally, the proposed model of measurement rules for stonework, carpentry and metalwork is presented, along with the adopted criteria. Keywords: Measurement rules, SMM 7, ProNIC, Stonework, Carpentry, Metalwork iii

6 iv

7 AGRADECIMENTOS Sendo esta dissertação mais uma etapa do meu percurso académico e pessoal, não posso deixar de agradecer a todos aqueles que directa ou indirectamente contribuíram para a concretização deste objectivo. Em primeiro lugar, agradeço ao Professor Alves Dias do Instituto Superior Técnico, meu orientador científico, pelo lançamento do desafio, interesse demonstrado e esclarecimentos prestados ao longo da elaboração desta tese. Ao, Professor Manuel Fonseca do Laboratório Nacional de Engenharia Civil, meu co-orientador, agradeço as úteis sugestões e opiniões acerca da abordagem e desenvolvimento do tema. Ao Engenheiro António Cabaço, do Laboratório Nacional de Engenharia Civil, agradeço a disponibilidade e empenho, além das proveitosas sugestões que me deu ao longo do desenvolvimento desta dissertação. Aos Srs. António Policarpo e Luís Pimentel, da Mota-Engil, e ao Engenheiro Sérgio Bernal e respectiva equipa de medidores da Somague, cuja experiência profissional e conhecimento na área, permitiu que tivesse sido estabelecida a interligação entre os fundamentos teóricos com o necessário na prática, o meu muito obrigado. A todos os meus colegas e amigos, com quem tive o prazer de partilhar momentos inesquecíveis ao longo do curso. Gostaria de destacar os momentos e amizades criadas na TUIST, que em todo o percurso universitário me acompanharam. À minha família queria deixar um agradecimento muito especial, por todo o apoio e encorajamento demonstrados. Em particular gostaria de destacar a minha Irmã e o meu Pai pela paciência, apoio e compreensão tanto ao longo da minha formação académica, como no meu crescimento como pessoa. v

8 vi

9 Regras de medição na construção de edifícios. Proposta de modelo para aplicação em Portugal para elementos secundários de cantaria, carpintaria e serralharia ÍNDICE DE TEXTO RESUMO... i ABSTRACT... iii AGRADECIMENTOS... v ACRÓNIMOS E ABREVIATURAS UTILIZADOS... xiii 1. Introdução Considerações iniciais Justificação Objectivos Metodologia Evolução do Conhecimento Introdução Pesquisa Bibliográfica Caracterização da Bibliografia Curso Sobre Regras de Medição na Construção Standard Method of Measurement Standard Method of Measurement - Explained and Illustrated Civil Engineering Standard Method of Measurement Outra bibliografia consultada O Meio Técnico Identificação e caracterização das empresas consultadas Informação recolhida no meio técnico consultado Análise comparativa de métodos de medição Análise comparativa geral Análise comparativa particular Proposta do modelo de regras de medição Introdução Proposta do Modelo Capítulos das regras de medição Justificação da Estrutura Adoptada Conteúdo geral Descrição das unidades de medida vii

10 Conteúdo dos quadros Conclusões e desenvolvimentos futuros Conclusões Desenvolvimentos Futuros Referências Bibliográficas Anexos Anexo A: Proposta do modelo... A.1 Anexo B: Glossário de termos técnico... B.1 viii

11 ÍNDICE DE FIGURAS Figura 1 - Evolução histórica SMM 7 [10] Figura 2 - Datas de publicações SMM Figura 3 - Publicações CESMM [11] Figura 4 - Revisões do CESMM 3 [11] Figura 5 - Divisão normas DIN [9] Figura 6 Estrutura de medição na Mota-Engil Figura 7 Estrutura de medição na Somague Figura 8- Análise comparativa geral: características Figura 9 - Analise comparativa geral: CSRMC/ProNIC Figura 10 - Análise comparativa geral: CSRMC/SMM Figura 11 - Análise comparativa geral: ProNIC/SMM Figura 12 - Regras de Guarnecimento de vãos, CSRMC/ProNIC Figura 13 - Regras de guardas, balaustradas e corrimãos, CSRMC/ProNIC Figura 14 - Regras de abóbadas e arcos, CSRMC/SMM Figura 15 Rubricas SMM Figura 16 - Divisão dos trabalhos em portas e janelas Figura 17 - Regras de medição de portas e janelas, CSRMC/ProNIC Figura 18 - Regras de guarnecimento de vãos, CSRMC/ProNIC Figura 19 - Regras de medição de guardas, balaustradas e corrimãos, CSRMC/ProNIC Figura 20 - Regras de medição, CSRMC/SMM Figura 21 - Divisão dos trabalhos em portas e janelas Figura 22 - Regras de medição portas e janelas Figura 23 - Regras de medição fachadas Cortina, CSRMC/ProNIC Figura 24 - Regras de medição de guardas, balaustradas e corrimãos, CSRMC/ProNIC Figura 25 - Regras de medição de guarnecimentos de vãos, ProNIC/SMM Figura 26 - Regras de medição de portas e portões comerciais, industriais e de garagens Figura 27 - Caracteristicas/especificações/regras/unidades/definições/trabalhos Figura 28 - Separação dos elementos de carpintaria Figura 29 - Separação dos elementos de serralharia ix

12 x

13 ÍNDICE DE QUADROS Quadro 1 - Pesquisa internacional: União Europeia [8]... 6 Quadro 2 - Capítulos CSRMC [2]... 9 Quadro 3 - Capítulos SMM 7 [10] Quadro 4 - Quadro tipo SMM 7 [10] Quadro 5 - Área dois: SMM 7 [10] Quadro 6 - Área três SMM 7 [10] Quadro 7 - Área quatro SMM 7 [10] Quadro 8 Capítulos SMM 7 - Explained and Illustrated [13] Quadro 9 - Disposição da Informação: SMM 7 - Explained and Illustrated [13] Quadro 10 - Trabalhos incluídos no CESMM 3 [11] Quadro 11 - Quadro tipo CESMM 3 [11] Quadro 12 - Área dois CESMM 3 [11] Quadro 13 - Área três CESMM 3 [11] Quadro 14 - Área quatro CESMM 3 [11] Quadro 15 - Características gerais da bibliografia Quadro 16 - Comparação de capítulos: CSRMC/ProNIC Quadro 17 - Capítulos semelhantes: CSRMC/ProNIC Quadro 18 - Comparação de capítulos: CSRMC/SMM Quadro 19 - Capítulos semelhantes: CSRMC/SMM Quadro 20 - Comparação de capítulos: ProNIC/SMM Quadro 21 - Capítulos semelhantes: ProNIC/SMM Quadro 22 - Elementos de cantaria: CSRMC/ProNIC Quadro 23 - Capítulos estudados: CSRMC/ProNIC Quadro 24 - Guarnecimento de vãos: CSRMC/ProNIC Quadro 25 - Características/especificações: CSRMC/ProNIC Quadro 26 - Características/especificações: SMM Quadro 27 - Regras gerais SMM7: guarnecimento de vãos Quadro 28 - Unidades SMM 7: guarnecimento de vãos Quadro 29 - Comparação de unidades: CSRMC/ProNIC/SMM Quadro 30 - Comparação de regras de medição CSRMC/ProNIC/SMM Quadro 31 - Comparação de regras de medição CSRMC/ProNIC/SMM Quadro 32 - Elementos de carpintaria: CSRMC/ProNIC Quadro 33 - Capítulos estudados: CSRMC/ProNIC Quadro 34 - Características/especificações: CSRMC/ProNIC Quadro 35 - Características/especificações SMM Quadro 36 - Regras e unidades SMM Quadro 37 - Comparação de unidades: CSRMC/ProNIC/SMM Quadro 38 - Características/especificações de guarnecimento de vãos: CSRMC/ProNIC Quadro 39 - Comparação de unidades de guarnecimento de vãos: CSRMC/ProNIC/SMM xi

14 Quadro 40 - Características/especificações de guardas, balaustradas e corrimãos: CSRMC/ProNIC Quadro 41 - Regras e unidades SMM 7: guardas, balaustradas e corrimãos Quadro 42 - Comparação de unidades: CSRMC/ProNIC/SMM Quadro 43 - Unidades de medição em escadas: CSRMC/SMM Quadro 44 - Características/especificações de equipamentos: CSRMC/SMM Quadro 45 - Capítulos de serralharia: CSRMC/ProNIC Quadro 46 - Características/especificações de portas e janelas: CSRMC/ProNIC Quadro 47 - Características/especificações de portas e janelas: SMM Quadro 48 - Regras e unidades de portas e janelas: SMM Quadro 49 - Comparação de unidades em portas e Janelas: CSRMC/ProNIC/SMM Quadro 50 - Características/especificações em fachadas-cortina: CSRMC/ProNIC Quadro 51 - Características/especificações em fachadas-cortina: SMM Quadro 52 - Regras e unidades em fachadas-cortina: SMM Quadro 53 - Comparação de unidades em fachadas-cortina: CSRMC/ProNIC/SMM Quadro 54 - Regras e unidades em guardas, balaustradas e corrimãos: SMM Quadro 55 - Comparação de unidades em guardas, balaustradas e corrimãos: CSRMC/ProNIC/SMM Quadro 56 - Características/especificações de portas e portões comerciais, industriais e de garagem: ProNIC Quadro 57 - Características/especificações de portões interiores: ProNIC Quadro 58 - Características/especificações de portas e portões comerciais, industriais e de garagem: SMM Quadro 59 - Quadro tipo da proposta do modelo de regras de medição Quadro 60 - Área de classe de trabalhos Quadro 61 - Área de elementos incluídos/excluídos Quadro 62 - Área do quadro de classificação Quadro 63 - Área dos critérios de medição Quadro 64 - Unidades base de medida Quadro 65 - Arredondamento de resultados parciais Quadro 66 - Arredondamentos de quantidades globais Quadro 67 - Definição dos trabalhos Quadro 68 - Elementos incluídos/excluídos Quadro 69 - Elementos de cantaria considerados na proposta do modelo Quadro 70 - Elementos de carpintaria considerados na proposta do modelo Quadro 71 - Elementos de serralharia considerados no modelo xii

15 ACRÓNIMOS E ABREVIATURAS UTILIZADOS CESMM - Civil Engineering Standard Method of Measurement CESMM 3 - Civil Engineering Standard Method of Measurement 3rd edition CSRMC - Curso Sobre Regras de Medição na Construção DIN - Deutshes Institut für Normung LNEC - Laboratório Nacional de Engenharia Civil ProNIC - Protocolo para a Normalização da Informação Técnica na Construção RICS - The Royal Institution of Chartered Surveyors SMM - Standard Method of Measurement for Building Works SMM7 - Standard Method of Measurement for Building Works 7th edition xiii

16 xiv

17 Regras de medição na construção de edifícios. Proposta de modelo para aplicação em Portugal para elementos secundários de cantaria, carpintaria e serralharia 1. INTRODUÇÃO 1.1. Considerações iniciais Esta dissertação, intitulada Regras de medição na construção de edifícios. Proposta de modelo para aplicação em Portugal para elementos secundários de cantaria, carpintaria e serralharia., insere-se no presente curso de Mestrado Integrado em Engenharia Civil do Instituto Superior Técnico. Este trabalho foi desenvolvido seguindo as linhas orientadoras de investigações publicadas pelo LNEC, nomeadamente Regras de Medição na Construção [2], de 1997, bem como tendo por base duas dissertações de Bolonha desenvolvidas por alunos do Instituto Superior Técnico, Escavações e Movimentos de Terras Regras de Medição na Construção, Modelo Aplicável em Portugal [3] e Regras de Medição de Revestimentos na Construção de Edifícios Proposta de Modelo para Aplicação em Portugal [4] Justificação Para a realização de um determinado processo construtivo, é necessário envolver um conjunto de entidades muito heterogéneo, tais como o Dono de Obra, o Projectista, o Empreiteiro e a Fiscalização. Esta heterogeneidade leva à existência de conflitos em variados níveis, nomeadamente no que se refere às regras a utilizar nas medições dos trabalhos de construção quando estas não estão definidas no caderno de encargos da obra. A medição na construção é a determinação quantitativa dos trabalhos a executar numa dada obra, destinando-se a diversos fins relacionados com a gestão de obras, nomeadamente: orçamentação, planeamento, determinação de quantidades de recursos, elaboração de autos de medição, controlo da facturação, controlo das quantidades dos recursos e controlo económico de obras. [5] Quando se realizam medições numa dada obra, estas são em geral elaboradas em mapas designados por mapas de medições. A realização destes mapas é de extrema importância, pois é a partir deles que se realizam os orçamentos das obras, sendo o orçamento o resultado da aplicação dos preços unitários às medições efectuadas e incluídas no mapa de medições. As medições assumem um papel importante na construção e, de forma a minimizar os conflitos entre os intervenientes, torna-se necessária a existência de regras específicas. A nível nacional e dentro deste âmbito, existem disposições legais relativas a empreitadas de obras públicas, como o Código 1

18 dos Contratos Públicos [6], no qual são referenciados os métodos e critérios a adoptar na realização das medições estabelecidas no contrato, e o formulário de caderno de encargos relativo a contratos de empreitadas de obras públicas, na sua cláusula 26.ª do anexo I [7], de carácter não obrigatório, que estabelece a ordem de prioridade a observar na medição de trabalhos quando não são estabelecidos outros critérios no caderno de encargos, a qual se transcreve em seguida. As normas oficiais de medição que porventura se encontrem em vigor; As normas definidas no projecto de execução; As normas definidas pelo Laboratório Nacional de Engenharia Civil; Os critérios geralmente utilizados ou, na falta deles, os que forem acordados entre o dono da obra e o empreiteiro. [7] A falta de regulamentação para a definição das regras de medição no projecto e construção de uma obra constitui uma das principais causas de conflito entre os seus intervenientes. Compreende-se assim a necessidade de existirem regras de medição com carácter obrigatório de modo a serem utilizadas na realização do mapa de medições, evitando-se interpretações dúbias dos trabalhos aí descritos e respectivas quantidades. Assim, devem ser definidas regras que apresentem uma estrutura que se adeqúe às necessidades dos técnicos em obra e, ao mesmo tempo, uniformize os critérios utilizados, efectuando sempre uma interligação com outras aplicações na área da construção que se encontrem em estudo (ProNIC 1 ) Objectivos Com a realização desta dissertação, pretende-se elaborar uma proposta de regras de medição que se enquadre na problemática existente a nível nacional no que diz respeito à medição de elementos secundários em edifícios, nomeadamente de trabalhos de cantaria, carpintaria e serralharia. Para a realização desta proposta, são tidas em conta as disposições legais em vigor, de forma a colmatar as lacunas existentes no meio técnico. Com esta finalidade, torna-se necessário efectuar um levantamento da informação existente tanto a nível nacional, como internacional, adaptando-a de uma forma eficaz à realidade nacional. Com a presente proposta do modelo de regras de medição, pretende-se atingir os seguintes objectivos: Levantamento da informação relativa a legislação e bibliografia existente a nível nacional e internacional sobre as regras de medição aplicadas a cantaria, carpintaria e serralharia; Classificação e codificação dos elementos descritos nos mapas de medição que se inserem nas categorias em estudo; 1 ProNIC - Projecto que tem como objectivo produzir articulados standardizados para cadernos de encargos de trabalhos de construção civil, disponibilizando a todos os utilizadores da plataforma fichas de trabalhos, fichas de materiais e fichas de custos que se associam aos cadernos de encargos gerados, gerar toda a documentação necessária ao lançamento de uma obra, incluindo a Estimativa Orçamental, Medições Detalhadas e Mapa de Trabalhos e Quantidades [20] 2

19 Definição das unidades de medição, regras gerais e específicas aplicáveis aos diferentes elementos de construção, sendo sempre acompanhada pelo tipo de obras analisadas; Caracterização, sempre que necessária, dos aspectos técnico-construtivos mais relevantes, garantindo-se assim um controlo da qualidade especificada na designação do trabalho, medidas de segurança e pormenores-tipo; Apresentação de exemplos descritivos e justificativos referentes aos objectivos acima identificados Metodologia Para a realização desta dissertação e de forma a atingir as metas traçadas inicialmente, utiliza-se uma metodologia baseada nos seguintes pontos: a) Pesquisa bibliográfica A pesquisa bibliográfica consiste no levantamento documental relativamente ao tema em estudo, sendo essa pesquisa dividida em documentos e aplicações nacionais e internacionais. No caso dos documentos internacionais, deu-se especial importância aos Países Europeus, de forma a dar sequência à crescente uniformização de regras utilizadas. Pretende-se, assim, recolher as referências bibliográficas mais utilizadas na área das regras de medição, sejam elas de carácter obrigatório ou apenas de uso facultativo. Considera-se que a exposição da evolução histórica desses documentos assume alguma relevância, pois poderá ser observado o processo evolutivo das regras de medição, bem como o impacto que estas tiveram nos países onde foram lançadas. Serve também como uma boa base de trabalho para o estabelecimento de regras de medição em Portugal. b) Consulta ao meio técnico Nesta fase realiza-se uma consulta ao meio técnico nacional através de entrevistas. Estas entrevistas tiveram como objectivo principal avaliar qual o conhecimento do meio técnico acerca da bibliografia consultada, tentando perceber se as regras contidas nesses documentos se encontram adequadas às necessidades actuais. São também recolhidas e analisadas as informações que se consideraram úteis para a construção da proposta do modelo. c) Análise Comparativa Após a análise bibliográfica e selecção dos documentos que se consideram relevantes para o tema da dissertação, realiza-se uma crítica e análise comparativa entre a informação recolhida em cada documento, verificando-se de que forma esta se complementaria entre si nos aspectos que se consideraram principais, nomeadamente: Qual a estrutura mais adequada para a exposição da informação; Qual a codificação e numeração dos trabalhos; Quais os elementos que deveriam ser inseridos no modelo. 3

20 Após a realização desta análise, seleccionam-se os aspectos importantes de cada documento, cruzando-os com a informação recolhida no meio técnico. Todo este processo tem como objectivo final a proposta do modelo de regras de medição a aplicar em Portugal. d) Proposta do modelo de regras de medição A construção da proposta do modelo de regras de medição surge após a pesquisa e a análise da informação recolhida. A proposta do modelo é construída de forma a conter actualizações relativamente à informação existente em Portugal, realizando-se as alterações que se consideram necessárias, com base na opinião e necessidade do meio técnico. e) Conclusões e desenvolvimentos futuros Por último, é efectuada uma análise retrospectiva e conclusiva da dissertação, descrevendo-se alguns dos problemas identificados durante a realização deste trabalho, bem como a justificação das decisões tomadas. São também descritas algumas sugestões para uma continuidade do estudo, quer no tema da presente dissertação, quer no capítulo das regras de medição. 4

21 2. EVOLUÇÃO DO CONHECIMENTO 2.1. Introdução Neste capítulo, pretende-se caracterizar o estado do conhecimento no âmbito das regras de medição na construção, tanto a nível nacional como a nível internacional com especial ênfase nos países pertencentes à União Europeia. A pesquisa bibliográfica desenvolvida abrange, numa fase inicial, parâmetros gerais da construção de edifícios, evoluindo posteriormente para parâmetros particulares, designadamente no âmbito deste trabalho. Nesta pesquisa, abordam-se aspectos gerais das regras de medição, nomeadamente a evolução histórica e a forma como a informação é apresentada. Esta abordagem tem como objectivo desenvolver as bases deste trabalho, para que se possa apresentar, no final, a proposta de um modelo de regras de medição Pesquisa Bibliográfica A primeira bibliografia analisada é a nacional. Esta opção deve-se ao conhecimento prévio de alguma documentação e à facilidade de consulta, tanto ao nível de acessibilidade, como de compreensão. Esta pesquisa tem como objectivo o conhecimento da história das regras de medição em Portugal, realizando-se, ao mesmo tempo, um levantamento de documentos já publicados sobre a temática e estudos actualmente em curso. No que diz respeito à pesquisa internacional, esta baseia-se em documentos e regulamentos utilizados nos países pertencentes à União Europeia. Esta opção deve-se à crescente uniformização e elaboração de normas e regras comuns aos países membros. Pretendeu-se assim adquirir noções das regras e normas aplicadas nos países da UE, de forma a desenvolver um sistema de medição para Portugal, que facilite a interacção entre os países na realização das medições, permitindo o cálculo do orçamento e execução de uma determinada obra de uma forma mais simples. A pesquisa internacional baseia-se num documento publicado pelo Royal Institution of Chartered Surveyors 2 (RICS) em 2003 [8]. Este documento foi elaborado através de um inquérito efectuado electronicamente às entidades responsáveis de cada país a nível internacional, desenvolvendo-se então uma base de dados com as respostas a este questionário. A lista de países apresentados no documento publicado pela instituição RICS são aqueles com que a instituição tentou efectuar o contacto, existindo no entanto outros países que não terão sido alvo de inquérito. No Quadro 1, apresenta-se uma síntese efectuada pela instituição RICS acerca dos documentos utilizados os países da União Europeia, para efeitos de regras de medição para trabalhos de construção. 2 RICS Instituição fundada em 1868 em Londres, recebeu a chancela real em Os seus membros são reconhecidos como medidores orçamentistas, que mantêm os mais altos níveis de integridade e competência nas especialidades de consultoria de orçamentos e de contrato e prospecção de mercado imobiliário [8]. 5

22 Quadro 1 - Pesquisa internacional: União Europeia [8] País Estado do conhecimento Autores Recomendado pelas autoridades nacionais Mencionado no caderno de encargos Alemanha Desconhecido Áustria Desconhecido Bélgica NBNB "Measurement for Buildings" - Measurement Methods for Quantities (standard method of measurement) 1982 Belgium Standards Institute Sim Sempre Bulgária Desconhecido Chipre Desconhecido Dinamarca Desconhecido Eslováquia Desconhecido Eslovénia Não mencionado na recolha Espanha Desconhecido Estónia Não mencionado na recolha Finlândia Não mencionado na recolha França Desconhecido Grécia Desconhecido Holanda Irlanda RAW - Rationalisation and automaton Groundwork, road buildin, civil stuctures Stabu - Standard Specifications for Construction of Construction of Commercial and Public Service Buildings and Housing Agências governamentais, organizações e institutos públicos, donos de obras Indústria da construção Hungria Desconhecido Itália Não tem SCS - Society of Chartered ARM2 - Agreed Rules of Surveyors Measurement SMM6 e SMM7 - Standard Method of Measurement 6th and 7th edition CESMM3 - Civil Engineering Standard Method of Measurement 3rd edition CIF - Construction Industry Federation RICS - The Royal Institution of Chartered Surveyors Building Employers Confederation ICE - Institution of Civil Engineers Letónia Não mencionado na recolha Lituânia Não mencionado na recolha Luxemburgo Desconhecido Malta Desconhecido Polónia Não tem Portugal Desconhecido República Checa Reino Unido Cenilky URS (Ústav racionalizace ve stavebnictvi) SMM6 e SMM7 - Standard Method of Measurement 6th and 7th edition Principles of Measurement International (POMI) CESMM3 - Civil Engineering Standard Method of Measurement 3rd edition Sim Sim Sempre Sempre URS (anterior governo) Não Por vezes RICS - The Royal Institution of Chartered Surveyors Building Employers Confederation RICS - The Royal Institution of Chartered Surveyors CE - Institution of Civil Engineers Roménia Não mencionado na recolha Suécia Desconhecido Sim Sempre Efectuando uma análise pormenorizada ao Quadro 1 e recordando que o inquérito efectuado data do ano 2003, altura em que a Bulgária, Chipre, Eslováquia, Eslovénia, Estónia, Hungria, Letónia, Lituânia, Malta, Polónia, República Checa e Roménia não pertenciam ainda à União Europeia, não é 6

23 de estranhar a inexistência de informação em alguns destes países. Pelo contrário, no que diz respeito a países como a Alemanha e Portugal, a inexistência de informação é estranha, uma vez que por, volta desta data, já existiam alguns documentos a respeito de regras de medição: na Alemanha, desde 1992, com as Normas DIN [9], em Portugal, desde 1970, o CSRMC [2] do LNEC. Actualmente, em Portugal, encontra-se em desenvolvimento uma aplicação na óptica do utilizador, com o nome ProNIC, que tem como objectivo criar articulados standardizados para cadernos de encargos de trabalhos de construção civil, para os quais se definem a estrutura de classificação dos trabalhos, o articulado dos mapas de trabalhos e as próprias regras de medição dos trabalhos de construção. Nos restantes Países da UE, não se verificam grandes evoluções na documentação ou mesmo de normas associadas às regras de medição, não querendo isto significar que as regras de medição sejam um tema menor na investigação Caracterização da Bibliografia Neste capítulo, efectua-se a caracterização da bibliografia mais relevante para a realização desta dissertação. Apesar do elevado número de documentos existentes nos diversos países, a dificuldade de consulta e os objectivos inicialmente propostos levam à escolha de apenas algumas dessas publicações. Assim, de todos os documentos pesquisados e consultados considera-se que os mais importantes para a realização desta dissertação são: CSRMC Curso Sobre Regras de Medição na Construção [2] Portugal; SMM7 Standard Method of Measurement 7th edition [10] Reino Unido; SMM7 Explained an Illustrated [13] Reino Unido; CESMM3 Civil Engineering Standard Method of Measurement 3 rd edition [11] Reino Unido. Outros documentos: DIN Deutsches Institut für Normung 3 [9] Alemanha Curso Sobre Regras de Medição na Construção Introdução Como referido, o ponto de partida para a pesquisa bibliográfica consiste na procura de informação existente a nível nacional. Torna-se então perceptível que a bibliografia existente em Portugal é relativamente parca, existindo um número reduzido de documentos publicados pelo LNEC. 3 Deutsches Institut für Normung Instituto Alemão para a Normalização 7

C O N S U L T O R E S D E E N G E N H A R I A E A M B I E N T E

C O N S U L T O R E S D E E N G E N H A R I A E A M B I E N T E C O N S U L T O R E S D E E N G E N H A R I A E A M B I E N T E Fundada em 1962, a COBA é hoje a maior empresa portuguesa de Consultores de Engenharia 250 colaboradores. 400 colaboradores ao serviço do

Leia mais

Table of Contents. Lucas Nülle GmbH Página 1/5

Table of Contents. Lucas Nülle GmbH Página 1/5 Table of Contents Table of Contents Automação with UniTrain-I Course - Automation Technology 7: Sensors for automation 1 2 2 3 4 Lucas Nülle GmbH Página 1/5 www.lucas-nuelle.com.br Automação Acquire practical

Leia mais

Schmidt, Valois, Miranda, Ferreira & Agel - Advogados

Schmidt, Valois, Miranda, Ferreira & Agel - Advogados Schmidt, Valois, Miranda, Ferreira & Agel - Advogados Deuxièmes rencontres Franco - Brésiliennes de la Société de Législation Comparée Contractual Renegotiation with Public Entities June - 2010 Index Principles

Leia mais

11-12 DE FEVEREIRO DE 2010 SEVILHA DECLARAÇÃO DO FÓRUM CONSULTIVO SOBRE INQUÉRITO PAN-EUROPEU SOBRE CONSUMO DE GÉNEROS ALIMENTÍCIOS

11-12 DE FEVEREIRO DE 2010 SEVILHA DECLARAÇÃO DO FÓRUM CONSULTIVO SOBRE INQUÉRITO PAN-EUROPEU SOBRE CONSUMO DE GÉNEROS ALIMENTÍCIOS 11-12 DE FEVEREIRO DE 2010 SEVILHA DECLARAÇÃO DO FÓRUM CONSULTIVO SOBRE INQUÉRITO PAN-EUROPEU SOBRE CONSUMO DE GÉNEROS ALIMENTÍCIOS O QUE ESTÁ NO MENU EUROPEU? INQUÉRITO PAN-EUROPEU SOBRE CONSUMO DE GÉNEROS

Leia mais

VALOR ECONÓMICO DA ONDA

VALOR ECONÓMICO DA ONDA UNIVERSIDADE DOS AÇORES FACULDADE DE ECONOMIA E GESTÃO DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM CIÊNCIAS ECONÓMICAS E EMPRESARIAIS VALOR ECONÓMICO DA ONDA Rui Pedro Vitória Medeiros Ponta Delgada, setembro de 2016 FACULDADE

Leia mais

PORTUGAL UMA NOVA CENTRALIDADE LOGÍSTICA. Dia Regional Norte do Engenheiro 2012

PORTUGAL UMA NOVA CENTRALIDADE LOGÍSTICA. Dia Regional Norte do Engenheiro 2012 Dia Regional Norte do Engenheiro 2012 Bragança, 29 de setembro de 2012 José António de Barros Presidente de AEP 1 Gráfico I 2 Tabela I 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Exportações Globais (Bens e Serviços),

Leia mais

Preçário BANCO RURAL EUROPA, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANCO RURAL EUROPA, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANCO RURAL EUROPA, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo do Banco Rural Europa S.A., contém o Folheto de Comissões

Leia mais

O Funcionamento do Triângulo Institucional

O Funcionamento do Triângulo Institucional Construção da União Europeia O Funcionamento do Triângulo Institucional 25 de Junho de 2009 Centro de Informação Europeia 1 1 Como funciona a União Europeia? O sistema político da União Europeia tem vindo

Leia mais

Como funciona a UE. Como funciona a UE

Como funciona a UE. Como funciona a UE Como funciona a UE Como funciona a UE Três instituições principais O Parlamento Europeu, a voz dos cidadãos Jerzy Buzek, Presidente do Parlamento Europeu O Conselho de Ministros, a voz dos Estados-Membros

Leia mais

Projectos de Consultoria em SAP e Tecnologias Microsoft: Análise e desenvolvimento de soluções de software à medida

Projectos de Consultoria em SAP e Tecnologias Microsoft: Análise e desenvolvimento de soluções de software à medida Projecto Mestrado Em Gestão De Sistemas De Informação Médica Projectos de Consultoria em SAP e Tecnologias Microsoft: Análise e desenvolvimento de soluções de software à medida Luís Filipe Leal Sismeiro

Leia mais

RECENSEAMENTO ESCOLAR ANUAL 2005/2006 POPULAÇÃO ESCOLAR - Inscrições

RECENSEAMENTO ESCOLAR ANUAL 2005/2006 POPULAÇÃO ESCOLAR - Inscrições «Instrumento de notação do Sistema Estatístico Nacional (Lei 6/89, de 15 de Abril) de RESPOSTA OBRIGATÓRIA, registado no INE sob o n.º 9746, válido até 31/12/2006» RECENSEAENTO ESCOLAR ANUAL 2005/2006

Leia mais

Etiquetagem Energética de Produtos. 11 de novembro Custóias

Etiquetagem Energética de Produtos. 11 de novembro Custóias Etiquetagem Energética de Produtos 11 de novembro Custóias Produtos abrangidos pela diretiva europeia Foco da Comissão Europeia nos produtos que consomem energia Impacto direto no consumo de energia (Produtos

Leia mais

ELEIÇÕES EUROPEIAS 2009

ELEIÇÕES EUROPEIAS 2009 Direcção-Geral da Comunicação UNIDADE DE ACOMPANHAMENTO DA OPINIÃO PÚBLICA 15/09/2008 ELEIÇÕES EUROPEIAS 2009 Eurobarómetro do Parlamento Europeu (EB Standard 69) Primavera 2008 Primeiros resultados globais:

Leia mais

Venha conhecer a Zils. Come and meet Zils

Venha conhecer a Zils. Come and meet Zils Folheto informativo: GlobalForce. Incentivos http://www.portugalglobal.pt http://www.iapmei.pt/ http://www.sines.pt e-mail:zils@globalparques.pt Venha conhecer a Zils Leaflet: GlobalForce. Incentives http://www.portugalglobal.pt

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PAVIMENTOS AEROPORTUÁRIOS. Susana Brito Direcção de Infra-estruturas Aeronáuticas

SISTEMA DE GESTÃO DE PAVIMENTOS AEROPORTUÁRIOS. Susana Brito Direcção de Infra-estruturas Aeronáuticas SISTEMA DE GESTÃO DE PAVIMENTOS AEROPORTUÁRIOS Susana Brito Direcção de Infra-estruturas Aeronáuticas I) INTRODUÇÃO Genericamente, a gestão de pavimentos tem como objectivo definir uma política de conservação

Leia mais

ADVÉRBIOS ASPECTUALIZADORES NO TEXTO DISSERTATIVO PRODUZIDO NA ESCOLA

ADVÉRBIOS ASPECTUALIZADORES NO TEXTO DISSERTATIVO PRODUZIDO NA ESCOLA JOSÉLIA RIBEIRO ADVÉRBIOS ASPECTUALIZADORES NO TEXTO DISSERTATIVO PRODUZIDO NA ESCOLA Dissertação apresentada como requisito parcial à obtenção do grau de Mestre em Língüística, Curso de Pósgraduação em

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DA GUARDA. Escola Superior de Tecnologia e Gestão

INSTITUTO POLITÉCNICO DA GUARDA. Escola Superior de Tecnologia e Gestão INSTITUTO POLITÉCNICO DA GUARDA Escola Superior de Tecnologia e Gestão SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NOS INSTITUTOS DE EMPREGO. ESTUDO DE CASO: IEFP DA GUARDA PROJETO APLICADO DO MESTRADO EM GESTÃO

Leia mais

2. Emissão de. Outros Titulares. seguintes. 1.º ano. Anos. cartão. Grátis 30, ,00 30,00. Grátis 30, ,00 30,00

2. Emissão de. Outros Titulares. seguintes. 1.º ano. Anos. cartão. Grátis 30, ,00 30,00. Grátis 30, ,00 30,00 11.1. Cartões de crédito Designação do Redes onde o é aceite 1.º Titular Outros Titulares de (5) (1) 5. Recuperação de valores em divida (6) Millennium bcp Business Silver Grátis 30,00 20,00 30,00 Millennium

Leia mais

MATERIAIS E PROCESSOS DE CONSTRUÇÃO

MATERIAIS E PROCESSOS DE CONSTRUÇÃO Instituto Superior Técnico Departamento de Engenharia Civil e Arquitectura MATERIAIS E PROCESSOS DE CONSTRUÇÃO - GUIÃO 2009/2010 - Prof. José M.Gaspar Nero Profª. Inês Flores-Colen Nota Introdutória Este

Leia mais

Boas Práticas no domínio da Promoção da Saúde e Prevenção de Doenças Crónicas na Europa: a experiência atual do Projeto JA-CHRODIS

Boas Práticas no domínio da Promoção da Saúde e Prevenção de Doenças Crónicas na Europa: a experiência atual do Projeto JA-CHRODIS Boas Práticas no domínio da Promoção da Saúde e Prevenção de Doenças Crónicas na Europa: a experiência atual do Projeto JA-CHRODIS Luciana Costa Departamento de Promoção da Saúde e Prevenção de Doenças

Leia mais

1. Identidade do emitente ou do emitente subjacente das acções existentes às quais estão associados direitos de voto ii :

1. Identidade do emitente ou do emitente subjacente das acções existentes às quais estão associados direitos de voto ii : Molos formulários a utilizar para efeitos notificação da aquisição ou alienação percentagens importantes direitos voto e participações importantes em instrumentos financeiros, bem como notificação das

Leia mais

Duarte Rodrigues. Sintra, 21 de Setembro 2009

Duarte Rodrigues. Sintra, 21 de Setembro 2009 Duarte Rodrigues Coordenador adjunto do Observatório do QREN Sintra, 21 de Setembro 2009 O desafio da cooperação institucional As respostas Clusterização (EEC) Os factores críticos de sucesso Parcerias

Leia mais

MARINHA GRANDE MUSEU DO VIDRO MUSEUM OF GLASS

MARINHA GRANDE MUSEU DO VIDRO MUSEUM OF GLASS MARINHA GRANDE MUSEU DO VIDRO MUSEUM OF GLASS O Museu do Vidro tem como missão o estudo, a preservação e a divulgação dos testemunhos materiais e imateriais do Homem e do seu meio, no que diz respeito

Leia mais

VERSÕES CONSOLIDADAS

VERSÕES CONSOLIDADAS 7.6.2016 Jornal Oficial da União Europeia C 202/1 VERSÕES CONSOLIDADAS DO TRATADO DA UNIÃO EUROPEIA E DO TRATADO SOBRE O FUNCIONAMENTO DA UNIÃO EUROPEIA (2016/C 202/01) 7.6.2016 Jornal Oficial da União

Leia mais

Avaliação Preliminar dos Movimentos Aéreos no Aeroporto Internacional Antônio Carlos Jobim Galeão

Avaliação Preliminar dos Movimentos Aéreos no Aeroporto Internacional Antônio Carlos Jobim Galeão Íris Firmino Cardoso Avaliação Preliminar dos Movimentos Aéreos no Aeroporto Internacional Antônio Carlos Jobim Galeão Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção

Leia mais

Reutilização das Águas Pluviais RESUMO

Reutilização das Águas Pluviais RESUMO RESUMO No presente trabalho realizou-se um estudo, para verificar a possibilidade de utilização de um sistema de aproveitamento das águas pluviais, no campus do ISEL, a fim de analisar a viabilidade económica

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO DA PRÁTICA DE ENSINO SUPERVISIONADA

RELATÓRIO DE ESTÁGIO DA PRÁTICA DE ENSINO SUPERVISIONADA RELATÓRIO DE ESTÁGIO DA PRÁTICA DE ENSINO SUPERVISIONADA Maria de Fátima Rodrigues Ferreira Provas destinadas à obtenção do grau de Mestre em Educação Pré-Escolar e 1. º Ciclo do Ensino Básico INSTITUTO

Leia mais

PROJETO DE INTERFACES PARA ÁLGEBRA DE MAPAS EM GEOPROCESSAMENTO NO AMBIENTE SPRING

PROJETO DE INTERFACES PARA ÁLGEBRA DE MAPAS EM GEOPROCESSAMENTO NO AMBIENTE SPRING MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS INPE-9307-TDI/820 PROJETO DE INTERFACES PARA ÁLGEBRA DE MAPAS EM GEOPROCESSAMENTO NO AMBIENTE SPRING Ivan Soares de Lucena Dissertação

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO

INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO GESTÃO DE EMPREENDIMENTOS E OBRAS GUIÃO DA DISCIPLINA DOCENTES: Prof. Antunes Ferreira Prof. Pedro Gameiro Henriques Prof. Rui Cunha Marques Eng.ª Inês Flores-Colen ANO LECTIVO

Leia mais

Agradecimentos... I Resumo... III Abstract... IV Índice... V Índice de figuras... X Índice de gráficos... XXII Abreviaturas... XXIII Glossário...

Agradecimentos... I Resumo... III Abstract... IV Índice... V Índice de figuras... X Índice de gráficos... XXII Abreviaturas... XXIII Glossário... ÍNDICE Agradecimentos... I Resumo... III Abstract... IV Índice... V Índice de figuras... X Índice de gráficos... XXII Abreviaturas... XXIII Glossário... XXIV CAPÍTULO 1 1.1. - Introdução... 1 1.2. - Metodologia

Leia mais

Serviços Postais: Serviço Postal Universal Liberalização. Privatização. Concessão

Serviços Postais: Serviço Postal Universal Liberalização. Privatização. Concessão 1 2 Liberalização: Evolução do setor 3 Privatização: Caso CTT 4 Concessão: Impacto 2 1. Serviços Postais Instrumento essencial de comunicação e intercâmbio de informações Serviços de Interesse Económico

Leia mais

REDE DE ESTABELECIMENTOS POSTAIS RELATIVOS AOS CTT CORREIOS DE PORTUGAL, S.A., NO FINAL DO ANO 2009

REDE DE ESTABELECIMENTOS POSTAIS RELATIVOS AOS CTT CORREIOS DE PORTUGAL, S.A., NO FINAL DO ANO 2009 REDE DE ESTABELECIMENTOS POSTAIS RELATIVOS AOS CTT CORREIOS DE PORTUGAL, S.A., NO FINAL DO ANO 2009 1. SUMÁRIO EXECUTIVO... 1 2. ENQUADRAMENTO... 3 3. EVOLUÇÃO DA REDE DE ESTABELECIMENTOS POSTAIS... 3

Leia mais

ESTRUTURA EMPRESARIAL - PORTUGAL

ESTRUTURA EMPRESARIAL - PORTUGAL Aula Magna da Universidade Clássica de Lisboa - 11 de Dezembro de 2007 Conferência Internacional Sobre PME ESTRUTURA EMPRESARIAL - PORTUGAL Prof. Dr. Fernando Augusto Morais Gestor de Empresas pela Univ.

Leia mais

Luís Miguel Pereira Freitas. Mudança Conceptual no Tema Terra no Espaço com base na Interdisciplinaridade em Ciências Físicas e Naturais no 3º Ciclo

Luís Miguel Pereira Freitas. Mudança Conceptual no Tema Terra no Espaço com base na Interdisciplinaridade em Ciências Físicas e Naturais no 3º Ciclo Universidade do Minho Instituto de Educação e Psicologia Luís Miguel Pereira Freitas Mudança Conceptual no Tema Terra no Espaço com base na Interdisciplinaridade em Ciências Físicas e Naturais no 3º Ciclo

Leia mais

A avaliação visa certificar as diversas aprendizagens e competências adquiridas pelo aluno, no final de cada ciclo ( ).

A avaliação visa certificar as diversas aprendizagens e competências adquiridas pelo aluno, no final de cada ciclo ( ). Externato da Luz Ano Lectivo 2009 / 2010 Critérios de Avaliação Departamento de Ciências Humanas e Sociais Agrupamento História (3º Ciclo) Professor: Pedro Machado A avaliação é um elemento integrante

Leia mais

TABELA DE TAXAS e COMISSÕES de 12 de Fevereiro de 2017

TABELA DE TAXAS e COMISSÕES de 12 de Fevereiro de 2017 TABELA DE TAXAS e COMISSÕES de 12 de Fevereiro de 2017 1. a) Tabela de Taxas e Comissões para CFDs Título Tipo de Conta BÁSICO, STANDARD, PROFiSSIONAL BÁSICO, STANDARD, PROFISSIONAL TAXA FIXA PROFISSIONAL

Leia mais

Planeamento de Projectos

Planeamento de Projectos de Projectos José Cruz Filipe 1 Tópicos O processo geral O planeamento das actividades O planeamento de tempos O planeamentos dos custos O planeamento do risco 2 1 O processo geral O Triângulo Fatal Recursos

Leia mais

Situação Actual da Indústria Portuguesa de Moldes

Situação Actual da Indústria Portuguesa de Moldes Situação Actual da Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a ganhar projecção a nível mundial, impulsionada, pela procura externa e pela perícia e experiência

Leia mais

ANDRÉ NOVAES DE REZENDE DA LAPA PARA A CAPA: ESTUDO INTERSEMIÓTICO DAS CAPAS DE DISCOS DE SAMBA VINCULADAS À IMAGEM DO MALANDRO.

ANDRÉ NOVAES DE REZENDE DA LAPA PARA A CAPA: ESTUDO INTERSEMIÓTICO DAS CAPAS DE DISCOS DE SAMBA VINCULADAS À IMAGEM DO MALANDRO. 3 ANDRÉ NOVAES DE REZENDE DA LAPA PARA A CAPA: ESTUDO INTERSEMIÓTICO DAS CAPAS DE DISCOS DE SAMBA VINCULADAS À IMAGEM DO MALANDRO. Dissertação apresentada à Universidade Presbiteriana Mackenzie, como requisito

Leia mais

Reorçamento da Obra. Nome _Obra. Imagem _Obra, ou outra. Director de Obra: Director Produção: CE: Responsável. Assinatura. Data

Reorçamento da Obra. Nome _Obra. Imagem _Obra, ou outra. Director de Obra: Director Produção: CE: Responsável. Assinatura. Data Obra Nº: Reorçamento da Obra Nome _Obra Imagem _Obra, ou outra Dono de Obra: Data do Reorçamento: Versão nº Director de Obra: Director Produção: CE: Director de Obra Director Produção C.E. Pais Responsável

Leia mais

Conselho Regulador da Entidade Reguladora para a Comunicação Social. Deliberação 25/AUT-R/2008

Conselho Regulador da Entidade Reguladora para a Comunicação Social. Deliberação 25/AUT-R/2008 Conselho Regulador da Entidade Reguladora para a Comunicação Social Deliberação 25/AUT-R/2008 Alteração do controlo da empresa Rádio Nova Era - Sociedade de Lisboa 22 de Outubro de 2008 Conselho Regulador

Leia mais

MASTER S DEGREE IN INTELLECTUAL PROPERTY ADMISSION EXAM

MASTER S DEGREE IN INTELLECTUAL PROPERTY ADMISSION EXAM CADERNO DE QUESTÕES NOTA FINAL MASTER S DEGREE IN INTELLECTUAL PROPERTY ADMISSION EXAM Before reading the text, pay attention to these important and essential remarks. All the answers must be written in

Leia mais

Balcão. operador S/ 1,70 1,70 Grátis Grátis Grátis Grátis Qualquer montante Permanentes

Balcão. operador S/ 1,70 1,70 Grátis Grátis Grátis Grátis Qualquer montante Permanentes Entrada em vigor: 15fev2017 13.1. Ordens de transferência C/ operador S/ Operador 1. Transferências Internas / Nacionais Emitidas em euros 1.1 Para conta domiciliada na própria Instituição de Crédito com

Leia mais

2. CONTROLO DA CONSTRUÇÃO DE BARRAGENS

2. CONTROLO DA CONSTRUÇÃO DE BARRAGENS 2. CONTROLO DA CONSTRUÇÃO DE BARRAGENS A construção das barragens é uma etapa fundamental pois é nesta fase que se põe em prática as opções de projecto. É também na fase de construção que se adapta o projecto

Leia mais

Grid in Portugal. Recent past Present Next future

Grid in Portugal. Recent past Present Next future Grid in Portugal Recent past Present Next future Portugal, LIP, ATLAS 200620072008CPU (ksi2k)175350525disk (Tbytes)285684Nominal WAN (Mbits/sec)100100100 Portugal, LIP, CMS 200620072008CPU (ksi2k)75150225disk

Leia mais

Sistemas de Avaliação e sua utilização: uma ferramenta de trabalho para a sua apreciação e para os Exames pelos Pares

Sistemas de Avaliação e sua utilização: uma ferramenta de trabalho para a sua apreciação e para os Exames pelos Pares Rede de Avaliação do CAD Sistemas de Avaliação e sua utilização: uma ferramenta de trabalho para a sua apreciação e para os Exames pelos Pares Os membros da Rede do CAD sobre Avaliação do Desenvolvimento

Leia mais

RODA: A Service-Oriented Digital Repository

RODA: A Service-Oriented Digital Repository RODA: A Service-Oriented Digital Repository Database Archiving José Carlos Ramalho jcr@keep.pt José Carlos Ramalho jcr@di.uminho.pt Dep. of Informatics University of Minho 1 Context RODA (2006-2009) Metadata

Leia mais

Dormitórios Bedroom Collection

Dormitórios Bedroom Collection Dormitórios Bedroom Collection 1 2 Parque fabril com 3 High-tech industry. tecnologia de ponta. Com robôs e equipamentos computadorizados utilizados nas principais indústrias de móveis do mundo, a Província

Leia mais

ESTATÍSTICAS DO TRABALHO

ESTATÍSTICAS DO TRABALHO REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DOS RECURSOS HUMANOS DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO ESTATÍSTICAS DO TRABALHO SALÁRIO MÍNIMO (RETRIBUIÇÕES MÍNIMAS MENSAIS GARANTIDAS NA REGIÃO)

Leia mais

Índice: Gráfico 1 Gráficos 2 e 3 Gráfico 4 Gráfico 5 Gráficos 6 e 7 Gráficos 8 e 9 Gráficos 10 e 11 Metodologia

Índice: Gráfico 1 Gráficos 2 e 3 Gráfico 4 Gráfico 5 Gráficos 6 e 7 Gráficos 8 e 9 Gráficos 10 e 11 Metodologia Índice: Gráfico 1 - Despesa em I&D em percentagem do PIB - total nacional (todos os setores de execução)... 1 Gráficos 2 e 3 - Despesa em I&D em percentagem do PIB, por setores de execução... 2 Gráfico

Leia mais

INQUÉRITO AO CONGRESSISTA

INQUÉRITO AO CONGRESSISTA INQUÉRITO AO CONGRESSISTA 2015 INQUÉRITO AO CONGRESSISTA INTRODUÇÃO Tendo em conta a elevada relevância do Turismo de Negócios no posicionamento de Lisboa como destino, o Observatório do Turismo de Lisboa

Leia mais

Erasmus Student Work Placement

Erasmus Student Work Placement Erasmus Student Work Placement EMPLOYER INFORMATION Name of organisation Address Post code Country SPORT LISBOA E BENFICA AV. GENERAL NORTON DE MATOS, 1500-313 LISBOA PORTUGAL Telephone 21 721 95 09 Fax

Leia mais

Em Portugal o PIB per capita expresso em Paridades de Poder de Compra foi 76% da média da União Europeia em 2007.

Em Portugal o PIB per capita expresso em Paridades de Poder de Compra foi 76% da média da União Europeia em 2007. 1111 DDEE DDEEZZEEMMBBRROO DDEE 22000088 Paridades de Poder de Compra 2007 Em Portugal o PIB per capita expresso em Paridades de Poder de Compra foi 76% da média da União Europeia em 2007. Com base em

Leia mais

Introdução à Revisão Sistemática

Introdução à Revisão Sistemática Introdução à Revisão Sistemática Rafael Leonardo Vivian rlvivian.uem [at] gmail [dot] com Universidade Estadual de Maringá Departamento de Informática Laboratório de Desenvolvimento Distribuído de Software

Leia mais

NOTICE OF SUCCESSORS. Issue of Up to 100,000 Pro-Rata Basket Credit Linked Securities due issued by Deutsche Bank AG, London (the "Issuer")

NOTICE OF SUCCESSORS. Issue of Up to 100,000 Pro-Rata Basket Credit Linked Securities due issued by Deutsche Bank AG, London (the Issuer) NOTICE OF SUCCESSORS Issue of Up to 100,000 Pro-Rata Basket Credit Linked Securities due 2017 issued by Deutsche Bank AG, London (the "Issuer") under its TM Programme (ISIN: XS0461349747) NOTICE TO THE

Leia mais

Acção Local de Estatística Aplicada

Acção Local de Estatística Aplicada Acção Local de Estatística Aplicada Parceria Propósito Disponibilizar instrumentos para apoio ao ensino e à aprendizagem da Estatística, em acesso livre! Como? (Edutainment) Entretenimento Estatística

Leia mais

INTRODUÇÃO A melhor maneira de se mel horar a qualidade das obras, prevenir defeitos futuros e aprimorar as técnicas de reparo e reforço é o amplo con

INTRODUÇÃO A melhor maneira de se mel horar a qualidade das obras, prevenir defeitos futuros e aprimorar as técnicas de reparo e reforço é o amplo con RESUMO 0 enorme desenvolvimento da construção civil no Brasil, com predominância marcante das estruturas de concreto, não foi acompanhado por um desenvolvimento adequado da legislação correspondente, normas

Leia mais

English version at the end of this document

English version at the end of this document English version at the end of this document Ano Letivo 2016-17 Unidade Curricular MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO Cursos MANUTENÇÃO E REABILITAÇÃO DE EDIFÍCIOS E INFRAESTRUTURAS Tronco comum Unidade Orgânica Instituto

Leia mais

Design de Moda, Design Industrial e Arquitectura

Design de Moda, Design Industrial e Arquitectura APRESENTAÇÕES UBI Universidade da Beira Interior Design de Moda, Design Industrial e Arquitectura Data: 12 de Outubro 2013 16H15 / 17H00 Local: Business Conference LXD FIL Parque das Nações ORGANIZAÇÃO:

Leia mais

Preçário. Haitong Bank, S.A. Instituição de Crédito. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário. Haitong Bank, S.A. Instituição de Crédito. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário Haitong Bank, S.A. Instituição de Crédito Consulte o FOLHETO E COMISSÕES E ESPESAS Consulte o FOLHETO E TAXAS E JURO ata de Entrada em vigor: 7-ezembro-2012 O Preçário completo do Haitong Bank,

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DOS RECURSOS HUMANOS DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO SALÁRIO MÍNIMO

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DOS RECURSOS HUMANOS DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO SALÁRIO MÍNIMO REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DOS RECURSOS HUMANOS DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO SALÁRIO MÍNIMO (RETRIBUIÇÕES MÍNIMAS MENSAIS GARANTIDAS NA REGIÃO) Abril de 2009. ANEXO:

Leia mais

RETIFICAÇÕES. («Jornal Oficial da União Europeia» L 139 de 26 de maio de 2016) O anexo II é inserido com a seguinte redação:

RETIFICAÇÕES. («Jornal Oficial da União Europeia» L 139 de 26 de maio de 2016) O anexo II é inserido com a seguinte redação: 3.6.2016 L 146/31 RETIFICAÇÕES Retificação do Regulamento de Execução (UE) 2016/799 da Comissão, de 18 de março de 2016, que dá execução ao Regulamento (UE) n. o 165/2014 do Parlamento Europeu e do Conselho

Leia mais

Modelo de Formulário para a notificação do Estado-Membro de origem

Modelo de Formulário para a notificação do Estado-Membro de origem Data: 22 de outubro de 2015 ESMA/2015/1596 Modelo de Formulário para a notificação do Estado-Membro de origem FORMULÁRIO DE DIVULGAÇÃO DO ESTADO-MEMBRO DE ORIGEM 1.* Denominação do emitente: Futebol Clube

Leia mais

O Acordo de Dupla Tributação Portugal Brasil: questões

O Acordo de Dupla Tributação Portugal Brasil: questões O Acordo de Dupla Tributação Portugal Brasil: questões prá(c (c)ticas Mais-valias, dividendos e juros sobre o capital próprio prio 8 de Março o de 2010 TAX Índice Breve enquadramento O ADT Portugal Brasil

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE PROBLEMAS EM PROCESSOS DE NEGÓCIO USANDO A MODELAGEM DE PROCESSOS EM BPMN E A ÁRVORE DE REALIDADE ATUAL DA TOC

IDENTIFICAÇÃO DE PROBLEMAS EM PROCESSOS DE NEGÓCIO USANDO A MODELAGEM DE PROCESSOS EM BPMN E A ÁRVORE DE REALIDADE ATUAL DA TOC IDENTIFICAÇÃO DE PROBLEMAS EM PROCESSOS DE NEGÓCIO USANDO A MODELAGEM DE PROCESSOS EM BPMN E A ÁRVORE DE REALIDADE ATUAL DA TOC Margarita Boixareu Fiol Projeto de Graduação apresentado ao Curso de Engenharia

Leia mais

População Aprox habitantes. Área Aprox. 650 Km 2. Obras Licenciadas 2007 Grande Porto Edificação Demolição

População Aprox habitantes. Área Aprox. 650 Km 2. Obras Licenciadas 2007 Grande Porto Edificação Demolição População Aprox. 969.036 habitantes Área Aprox. 650 Km 2 Obras Licenciadas 2007 Grande Porto 2354 2189 Edificação 165 - Demolição Obras Concluídas2007 Grande Porto 1853 1794 Edificação 59 - Demolição Resíduos

Leia mais

Qual a relação entre o pensamento crítico e a aprendizagem de conteúdos de ciências por via experimental? Um estudo no 1.º Ciclo

Qual a relação entre o pensamento crítico e a aprendizagem de conteúdos de ciências por via experimental? Um estudo no 1.º Ciclo UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO Qual a relação entre o pensamento crítico e a aprendizagem de conteúdos de ciências por via experimental? Um estudo no 1.º Ciclo RICARDO

Leia mais

Salas de Jantar Dining Room Collection

Salas de Jantar Dining Room Collection Salas de Jantar Dining Room Collection 1 2 Parque fabril com 3 High-tech industry. tecnologia de ponta. Com robôs e equipamentos computadorizados utilizados nas principais indústrias de móveis do mundo,

Leia mais

EM PORTUGAL. As Energias do Presente e do Futuro. Situação, objectivo e desafios. Lisboa, 21 de Novembro de Álvaro Rodrigues

EM PORTUGAL. As Energias do Presente e do Futuro. Situação, objectivo e desafios. Lisboa, 21 de Novembro de Álvaro Rodrigues As Energias do Presente e do Futuro Lisboa, 21 de Novembro de 2005 ENERGIA EÓLICA E EM PORTUGAL Situação, objectivo e desafios Álvaro Rodrigues Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Instituto

Leia mais

SME Instrument Perspectivas de um Avaliador

SME Instrument Perspectivas de um Avaliador SME Instrument Perspectivas de um Avaliador Pedro Portela Seminário Horizonte 2020 :Oportunidades para a Indústria, AIMMAP, 14/10/2014 Conteúdo Nota biográfica O que é SME Instrument SME Instrument é para

Leia mais

Idade média das mulheres ao nascimento dos filhos e envelhecimento da população feminina em idade fértil,

Idade média das mulheres ao nascimento dos filhos e envelhecimento da população feminina em idade fértil, «Idade média das mulheres ao nascimento dos filhos e envelhecimento da população feminina em idade fértil, Departamento de Estatísticas Demográficas e Sociais Serviço de Estatísticas Demográficas 07/10/2016

Leia mais

Preçário RAIZE SERVIÇOS DE GESTÃO, S. A. INSTITUIÇÕES PAGAMENTOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 01-dez-2016

Preçário RAIZE SERVIÇOS DE GESTÃO, S. A. INSTITUIÇÕES PAGAMENTOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 01-dez-2016 Preçário RAIZE SERVIÇOS DE GESTÃO, S. A. INSTITUIÇÕES PAGAMENTOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de O Preçário completo da RAIZE SERVIÇOS DE GESTÃO, S. A., contém o Folheto de Comissões

Leia mais

LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA A CARTA DE BURRA

LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA A CARTA DE BURRA Pág. 1 de 5 LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA A CARTA DE BURRA PROCEDIMENTOS As novas linhas de orientação para acompanharem a Carta de Burra revista (1999) estarão disponíveis em breve. As seguintes linhas de

Leia mais

Sumário. Parte I Criação e formatação de pastas de trabalho. Introdução... xiii. Defina uma pasta de trabalho... 3

Sumário. Parte I Criação e formatação de pastas de trabalho. Introdução... xiii. Defina uma pasta de trabalho... 3 Sumário i Introdução........................................ xiii A quem se destina este livro............................... xiii A abordagem Passo a Passo................................ xiii Como baixar

Leia mais

Escola Básica do 2º e 3º Ciclos de Pinhal de Frades. Questionário sobre actividades a desenvolver no Estudo Acompanhado

Escola Básica do 2º e 3º Ciclos de Pinhal de Frades. Questionário sobre actividades a desenvolver no Estudo Acompanhado 9. Apêndices 47 Apêndice 1 Escola Básica do 2º e 3º Ciclos de Pinhal de Frades Questionário sobre actividades a desenvolver no Estudo Acompanhado Colega, O Estudo Acompanhado é uma área destinada a apoiar

Leia mais

Preçário MAXPAY, INSTITUIÇÃO DE PAGAMENTOS, LDA INSTITUIÇÕES PAGAMENTOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS

Preçário MAXPAY, INSTITUIÇÃO DE PAGAMENTOS, LDA INSTITUIÇÕES PAGAMENTOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Preçário MAXPAY, INSTITUIÇÃO DE PAGAMENTOS, LDA INSTITUIÇÕES PAGAMENTOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de O Preçário completo da MAXPAY-Instituição de Pagamento, Lda, contém o Folheto

Leia mais

Register your product and get support at www.philips.com/welcome Wireless notebook mouse SPM9800 PT Manual do utilizador a c b d e f g PT 1 Importante Campos eléctricos, magnéticos e electromagnéticos

Leia mais

2015 FORMAÇÃO. MARIONETAS DE FIO construção e manipulação FORMADOR :: MARCELO LAFONTANA CONVIDADO:: BERND OGRODNIK

2015 FORMAÇÃO. MARIONETAS DE FIO construção e manipulação FORMADOR :: MARCELO LAFONTANA CONVIDADO:: BERND OGRODNIK 2015 FORMAÇÃO MARIONETAS DE FIO construção e manipulação FORMADOR :: MARCELO LAFONTANA CONVIDADO:: BERND OGRODNIK , CONSTRUÇÃO E MANIPULAÇÃO é uma acção de formação certificada, que resulta de uma parceria

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO ESAG CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO ESAG CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO ESAG CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO FABIANO LEHMKUHL GERBER O PÓS-VENDA COMO PREMISSA DO MARKETING DE

Leia mais

O Índice de Custo do Trabalho aumentou 1,2% face ao trimestre homólogo de 2014

O Índice de Custo do Trabalho aumentou 1,2% face ao trimestre homólogo de 2014 14 de agosto de 21 Índice de Custo do Trabalho 2º trimestre de 21 O Índice de Custo do Trabalho aumentou 1,2 face ao trimestre homólogo de 214 O Índice de Custo do Trabalho ajustado de dias úteis registou

Leia mais

Avaliação Técnica Europeia

Avaliação Técnica Europeia Avaliação Técnica Europeia Pedro Pontífice (LNEC) Seminário Regulamento dos Produtos da Construção. O que muda em 2013 Ordem dos Engenheiros, Lisboa, 27 de setembro de 2012 A Aprovação Técnica Europeia

Leia mais

Secretaria de Estado da Juventude e do Desporto UM COMPROMISSO NACIONAL Medida 1 Saúde e Segurança nas Instalações Desportivas

Secretaria de Estado da Juventude e do Desporto UM COMPROMISSO NACIONAL Medida 1 Saúde e Segurança nas Instalações Desportivas UM COMPROMISSO NACIONAL Medida 1 Saúde e Segurança nas Instalações Desportivas A, no contexto do compromisso de responsabilidade partilhada estabelecido no Congresso do Desporto, com o movimento associativo

Leia mais

Questionário Grau de Satisfação dos Docentes 2º e 3º Ciclos do Ensino Básico e Secundário

Questionário Grau de Satisfação dos Docentes 2º e 3º Ciclos do Ensino Básico e Secundário 93 Questionário Grau de Satisfação dos Docentes 2º e 3º Ciclos do Ensino Básico e Secundário Pretende-se, com este questionário, fazer o levantamento de alguns aspetos que o GAP considera relevantes para

Leia mais

Newsletter Informação Mensal - MARÇO 2016

Newsletter Informação Mensal - MARÇO 2016 PREÇOS DO LEITE À PRODUÇÃO - Preços Médios Mensais PRODUTO (Leite de vaca cru com teores reais de matérias gordas e proteínas) Newsletter Informação Mensal - MARÇO dezembro As Newsletter do SIMA podem

Leia mais

O Programa de PPP e seu Desenvolvimento

O Programa de PPP e seu Desenvolvimento Rui Manteigas Estradas de Portugal, S.A. Direcção de Concessões Diferentes fases de desenvolvimento do sistema rodoviário 1ª Fase 2ª Fase 3ª Fase Maturidade Sector Público Concepção, construção e operação

Leia mais

CRIL CIRCULAR REGIONAL INTERNA DE LISBOA TÚNEL DE BENFICA. Suspensão dos Aquedutos das Águas Livres e Francesas.

CRIL CIRCULAR REGIONAL INTERNA DE LISBOA TÚNEL DE BENFICA. Suspensão dos Aquedutos das Águas Livres e Francesas. CRIL CIRCULAR REGIONAL INTERNA DE LISBOA TÚNEL DE BENFICA Suspensão dos Aquedutos das Águas Livres e Francesas. 1 Auditório da FEUP, Porto, 26 de fevereiro de 2014 António Campos e Matos Domingos Moreira

Leia mais

Estatísticas da Central de Balanços. Margarida Brites

Estatísticas da Central de Balanços. Margarida Brites Estatísticas da Central de Balanços Margarida Brites Estatísticas da Central de Balanços Índice - Central de Balanços do Banco de Portugal - Fontes de informação - Produtos da Central de Balanços Novas

Leia mais

3. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (PARTICULARES) (ÍNDICE)

3. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (PARTICULARES) (ÍNDICE) 3.1. Cartões de crédito Redes onde o é Cartão BPI Prémio Cartão BPI e Multibanco Cartão BPI Gold e Multibanco Cartão BPI Campeões Cartão Visa FC Porto Cartão BPI Zoom Cartão ACPMaster Cartão BPI Premier

Leia mais

Newsletter Informação Semanal a

Newsletter Informação Semanal a EUR / Kg Peso Carcaça CONJUNTURA SEMANAL Newsletter Informação Semanal 19-10 a 25-10- COTAÇÕES MÉDIAS NACIONAIS - SEMANAIS As Newsletter do SIMA podem também ser consultadas no facebook em: https://www.facebook.com/sima.portugal

Leia mais

6ªEd.Lisboa.Porto.Braga.Coimbra

6ªEd.Lisboa.Porto.Braga.Coimbra 6ªEd.Lisboa.Porto.Braga.Coimbra 28 horas de formação teórico-prática 55 horas de formação prática aplicada 7 horas de contacto com fornecedores de software comercial Datas de realização: Lisboa: 8 de Setembro

Leia mais

ECONOMIA E GESTÃO DE EMPREENDIMENTOS DE CONSTRUÇÃO

ECONOMIA E GESTÃO DE EMPREENDIMENTOS DE CONSTRUÇÃO ECONOMIA E GESTÃO DE EMPREENDIMENTOS DE CONSTRUÇÃO Armando Costa Manso Paula Couto António Cabaço Sónia Raposo Ana Brandão de Vasconcelos Filipa Salvado Lisboa LNEC 19 de junho de 2012 I.1 Atividade desenvolvida

Leia mais

Manual Instructions for SAP Note Version 1

Manual Instructions for SAP Note Version 1 Manual Instructions for SAP Note 1973349 Version 1 TABLE OF CONTENTS 1 CHANGES TO CONTENT OF TABLE VIEW V_T596G... 3 2 CHANGES TO CONTENT OF TABLE VIEW V_T596I... 4 2 To perform the following changes,

Leia mais

Salas Premium Premium Collection

Salas Premium Premium Collection Salas Premium Premium Collection 1 2 Parque fabril com 3 High-tech industry. tecnologia de ponta. Com robôs e equipamentos computadorizados utilizados nas principais indústrias de móveis do mundo, a Província

Leia mais

A QUEM INTERESSA ESTE PROCEDIMENTO OPERACIONAL

A QUEM INTERESSA ESTE PROCEDIMENTO OPERACIONAL Pág.: 1 / 8 ÍNDICE 1. OBJECTIVO E ÂMBITO 2. DOCUMENTAÇÃO DE REFERÊNCIA 3. MODO DE PROCEDER 3.1. Introdução 3.2. Recolha de Currículos dos Candidatos 3.3. Organização Interna dos Currículos 3.3.1. Arquivo

Leia mais

Principais alterações:

Principais alterações: 1 eidas o novo Regulamento Europeu sobre certificação digital que substitui a legislação Portuguesa O que é o eidas? No próximo dia 1 de Julho entra em vigor o Regulamento nº910/2014 do Parlamento e do

Leia mais

Agradeço a Deus, aos meus amigos Ana e Paulo locks sem os quais eu não teria conseguido concluir este curso, ao meu orientador Prof.

Agradeço a Deus, aos meus amigos Ana e Paulo locks sem os quais eu não teria conseguido concluir este curso, ao meu orientador Prof. Dedico este trabalho aos meus pais Darci (in memorium) e Ana, ao meu querido filho Davi, aos meus irmãos Indalécio, Adelita, Eliane e Eliz, e ao meu amigo, compadre e cunhado Eduardo, pelo incentivo que

Leia mais

Mapas Digitais de Trânsito em Tempo Real

Mapas Digitais de Trânsito em Tempo Real Especialização em Transportes e Vias de Comunicação Sistemas e Tecnologias Inteligentes de Transportes Painel Lisboa 10 outubro 2012 Mapas Digitais de Trânsito em Tempo Real Dr. Luís Gabriel Fernandes

Leia mais

Proposta de Lei n.º 12/XIII/1ª. (Orçamento de Estado para 2016) PROPOSTA DE ADITAMENTO

Proposta de Lei n.º 12/XIII/1ª. (Orçamento de Estado para 2016) PROPOSTA DE ADITAMENTO Proposta de Lei n.º 12/XIII/1ª (Orçamento de Estado para 2016) PROPOSTA DE ADITAMENTO Objectivos: As embalagens plásticas e o plástico em geral assumem um peso significativo na produção total de resíduos

Leia mais

Prescrição e Aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos

Prescrição e Aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos Colégio de Engenharia Agronómica O ACTO DE ENGENHARIA AGRONÓMICA Ordem dos Engenheiros 6 de Janeiro de 2006 O Acto de Engenharia Agronómica Prescrição e Aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos Paulo Cruz

Leia mais

Envia-se em anexo, à atenção das delegações, o documento da Comissão C(2008) 2976 final.

Envia-se em anexo, à atenção das delegações, o documento da Comissão C(2008) 2976 final. CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de Junho de 2008 (02.07) (OR. en) 11253/08 FRONT 62 COMIX 533 NOTA DE ENVIO de: Secretário-Geral da Comissão Europeia, assinado por Jordi AYET PUIGARNAU, Director

Leia mais