O fenómeno elitista em Cabo Verde: o papel da educação escolar Maria da Luz Ramos. Resumo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "... 11. O fenómeno elitista em Cabo Verde: o papel da educação escolar Maria da Luz Ramos. Resumo"

Transcrição

1 O fenómeno elitista em Cabo Verde: o papel da educação escolar Maria da Luz Ramos Resumo O desenvolvimento da educação, e consequente valorização dos recursos humanos, articula-se com o processo de constituição da elite política em Cabo Verde, uma vez que a posse de um diploma escolar tem funcionado com um dos importantes critérios de recrutamento. O Seminário-Liceu de S. Nicolau e o Liceu de São Vicente representam os dois estabelecimentos de ensino que, historicamente, estão na génese da primeira elite crioula. Após a independência de 1975, a política de formação de quadros, implementada pelo governo para suprir a inexistência de uma universidade, marcaria o perfil dos caboverdianos que chegaram ao topo das estruturas de poder no arquipélago

2 Introdução E educação, enquanto instrumento de reprodução social, segundo a perspectiva de Bourdieu e Passeron (1977), pode ser geradora de fortes desigualdades no contexto dos países menos desenvolvidos, nomeadamente os da África subsaariana. Todavia, conforme salienta Franz-Wilhelme Heimer (1990), a educação só está capacitada para ser um veículo de transformação social se essa tendência for sentida na sociedade em toda a sua extensão. Caso contrário, pode mesmo constituir-se como um obstáculo ao desenvolvimento ao criar distanciamento e fissuras entre as populações, com consequências nefastas para os menos desfavorecidos, sobretudo quando as elites letradas se preocupam mais em reproduzir-se do que em criar estruturas de apoio escolar acessíveis a todos (Bassey, 1998). Em Cabo Verde, a educação escolar tem assumido um assinalável papel ao longo da História do país, chegando, em alguns casos, a ser um importante recurso económico quer em termos individuais e pessoais, quer ao nível do próprio país. Nos primeiros anos de povoamento das ilhas, as missões religiosas chamaram a si a tarefa de ensinar os rudimentos da escrita e da leitura aos escravos que eram posteriormente vendidos ao continente americano. Não havendo grandes possibilidades de exploração agrícola devido ao clima seco e às condições desfavoráveis dos solos, restava tempo para o desenvolvimento de outras tarefas, nomeadamente a evangelização; daí o forte contributo e empenho da Igreja Católica na propagação do ensino informal em diversas paróquias e, mais tarde, na criação oficial de estabelecimentos de ensino. Foi o caso do Seminário-Liceu de São Nicolau, primeira escola secundária do arquipélago a funcionar regularmente e que contribuiu para a formação de alguns sacerdotes, mas também de indivíduos laicos que integraram os serviços administrativos noutras colónias portuguesas. Já no início do século XX o ensino secundário passou a estar centrado em São Vicente, na sequência da extinção do Seminário-Liceu, transformando aquela ilha num auspicioso palco de formação da elite crioula, parte da qual se destacou durante a luta pela independência. Esta foi alcançada em 1975 e, nessa altura, a alfabetização da população tornou-se numa das metas principais do Governo do novo Estado. Ao mesmo tempo, também era imperioso ter indivíduos qualificados para assegurar o funcionamento das estruturas emergentes da administração pública e demonstrar a capacidade de sobrevivência do país de forma autónoma e independente. A ausência de universidades no arquipélago levou à assinatura de protocolos com países estrangeiros disposto a receber os estudantes cabo-verdianos em fazer um curo médio ou superior e, dessa forma, foi-se definindo um novo perfil da futura classe dirigente das ilhas

3 1. Seminário-Liceu de São Nicolau Aproveitando-se de uma certa tradição pedagógica junto dos escravos, do conhecimento da população local e dos objectivos de evangelização a Igreja Católica chamou a si a criação e implementação do ensino secundário no arquipélago. Os primórdios podem ser encontrados na ilha da Brava, passando depois por Santiago para finalmente se instalar em São Nicolau onde o Seminário-Liceu começou a funcionar a partir do decreto de 1892 (Carreira, 1977), após um acordo com o Governo. Tendo presente a pretensão de ser orientado para a formação de futuros sacerdotes, aquele estabelecimento não deixou, no entanto, de acolher indivíduos sem interesse pela vida eclesiástica, chegando, por vezes, a ser em maior número do que os primeiros (Andrade, 1996). O Seminário-Liceu pode ser visto como uma demonstração, não só da capacidade organizativa da Igreja Católica, mas também da sua aceitação e influência no arquipélago, onde não encontrou grandes resistências no processo e conversão ao catolicismo dos africanos levados para as ilhas, ao invés do que sucedia noutras colónias portuguesas onde o islamismo ou o animismo impediam o avanço do cristianismo (Carreira, 1977). Quer isto dizer que, os caboverdianos estariam mais preparados do que as outras populações nativas para ascender socialmente e, até mesmo, conquistar espaço aos proprietários de terras e comerciantes de origem europeia. Em suma, o clero esteve na génese da formação da primeira elite natural das ilhas: aquela que José Júlio Gonçalves (1958) denominou de elite luso-tropical que já integrava mulatos. A partir dessa altura surgiram padres e professores com origem cabo-verdiana, bem como, alguns intelectuais que viriam a ter uma prolífica produção literária, como foram os casos de Baltazar Lopes da Silva, António Aurélio Gonçalves, João Lopes, Francisco Duarte, entre outros. O ensino de qualidade providenciado pelo Seminário-Liceu, o seu carácter elitista e alicerçado em princípios religiosos e culturais dos portugueses (Borges, 1929) permitiu formar jovens que foram integrar os serviços públicos das outras colónias ultramarinas, desempenhado um papel de mediador entre as populações locais e os objectivos de assimilação gizados pelo Governo da Metrópole. Desse modo, Portugal poderia continuar a contar com a mãode-obra originária das ilhas após o final da escravatura, dada a inviabilidade económica do sector agrícola. O nível de instrução e a aquisição de conhecimentos aprofundados em diversas áreas era um garante da eficiência dos funcionários públicos. A propósito do sucesso daquele estabelecimento de ensino, Guilherme Chantre escreve: A formação que conferia aos educandos era de um nível tão elevado que lhes permitia distinguirem-se nas mais variadas funções que exerciam. Nos quadros públicos (Alfândega, Correios, Fazenda, etc.) demonstravam competência e guindavam muito aos cargos de chefia. ( ) Foram professores que criaram, no desempenho das suas funções, uma imagem exemplar de competência, de dedicação, de dignidade e de profissionalismo Excerto de comunicação apresentada numa palestra da Associação dos Antigos Alunos do Ensino Se-

4 Não obstante os propósitos da administração colonial, não há dúvida que o Seminário-Liceu de São Nicolau deixou uma forte marca na História do arquipélago ao gerar indivíduos que, progressivamente, acabariam por constituir a massa crítica do arquipélago. 2. Liceu Infante D. Henrique Criado através da Lei número 701, de 13 de Junho de 1917 (Silva, 1929), o Liceu Nacional de Cabo Verde substituiu o Seminário-Liceu de São Nicolau que durante cinquenta e um anos havia recebido aspirantes ao sacerdócio e outros jovens apenas interessados em prolongar a sua formação escolar. Quanto ao novo estabelecimento de ensino, implementado na ilha de São Vicente, também herdou esse carácter exclusivo mas com a particularidade de ser uma escola laica, menos abstracta e menos filosófica. Desde o início do século XX a laicização do ensino gerava uma acesa discussão entre acérrimos defensores de uma escola sem intervenção da Igreja e os que estavam cépticos face a possibilidade de reunir um corpo docente suficiente e qualificado e até de encontrar espaço físico para albergar um Liceu (Lopes Filho, 1996). Graças ao empenho do senador Augusto Vera-Cruz apoiado por algumas destacadas figuras da sociedade cabo-verdiana como Eugénio Tavares, Roberto Duarte Silva, Sena Barcelos, entre outros - foi aprovada em 1917 a legislação necessária para aquela escola começar a funcionar. Ultrapassadas as questões formais e burocráticas tornava-se premente tratar das instalações para as aulas, acabando o Senador por ceder a sua casa para instalar o Liceu que durante os seus três primeiros anos não encontrou outra morada (Lopes Filho, 1996). A abertura daquele estabelecimento de ensino, com a designação de Liceu Infante D. Henrique, teve um impacto social extraordinário, não só na ilha como em todo o arquipélago, visto que até 1960 era a única escola secundária em Cabo Verde, tendo acolhido vários discentes que mais tarde integraram o corpo docente; alguns até tiveram uma conspícua participação no movimento independentista, nomeadamente Amílcar Cabral, Abílio Duarte, Aristides Pereira, Silvino da Luz, José Leitão da Graça, etc. Aparte as questões geográficas, não se tratava de uma escola acessível a todos, pois o próprio sistema de ensino não havia criado condições para que tal acontecesse, no entanto, destacava-se dos Liceus das demais províncias ultramarinas portuguesas onde, quase exclusivamente, os filhos dos colonos, dos funcionários e dos militares portugueses constituíam o corpo discente, ou seja, a maioria dos estudantes encontrava-se entre a população branca. A situação era de tal ordem diferente que (...) apenas nove anos após a sua inauguração, no ano lectivo de , o Liceu contava com 178 alunos, sendo 31 de raça branca e 147 mista (Lopes Filho, 1996). Uma das outras novidades introduzida foi o acesso das mulheres ao ensino secundário, o qual não era possível no Seminário-Liceu de São Nicolau, contudo, desde início o Liceu Infante cundário de Cabo Verde, em Carnide, Lisboa. Disponível em id=14 [Acedido em 23 de Julho de 2011]

5 D. Henrique recebeu algumas alunas e mais tarde também passou a incluir professoras no seu corpo docente. Não menos despicienda, era, sem dúvida, a diversidade formativa de quem ensinava, pois, como refere Henrique Teixeira de Sousa, entre os professores (...) havia-os rigorosos, havia-os agnósticos; havia-os sonhadores, havia-os pragmáticos; havia-os rigorosos, havia-os tolerantes; havia-os, em suma, de todas as cores e de todos os paladares, num mosaico de interesses, tendências, conhecimentos, sensibilidades (Sousa, 1992, p. 47) diferentes do padrão que a educação de tipo seminarista implicava. Graças ao Liceu, São Vicente transformou-se no centro da intelectualidade do arquipélago. Às aulas juntavam-se tertúlias, competições desportivas, bailes, passeios, teatro, par de uma entusiástica actividade literária traduzida em folhas de imprensa que circulavam dentro e fora da escola. Todo este fervor intelectual impulsionou a fundação, em 1936, da revista Claridade 2 por parte de Baltazar Lopes da Silva, Jorge Barbosa e Manuel Lopes, todos com ligações ao Liceu. Não se tratou de um simples revista de artes e letras, mas de um importante movimento cultural que Aristides Pereira, antigo Presidente do país, designou de independência literária de Cabo Verde (Lopes, 2002). Os escritos dos Claridosos evidenciavam preocupações centradas na vida e na cultura das ilhas, através da abordagem de temas como a seca, a fome, a emigração ou as desigualdades sociais, tendo lançado as bases de uma expressão literária de carácter nacionalista que, mais tarde, seria inspirador para a argumentação política dos defensores da independência do arquipélago 3. Aliás, cinquenta anos após o surgimento da Claridade, o próprio Baltazar Lopes da Silva reconhecia que Pela militância expressa ou latente nas suas páginas, a acção da revista, e com ela, do grupo, configurava-se precursor da independência política (Lopes, 1986). Alguns textos publicados continham críticas mais ou menos veladas, à administração colonial e faziam correr ideias que colocavam em causa a legitimidade de uma governação pouco inclinada a valorizar a dimensão cultural das populações locais. Apesar disso, como bem nota Cláudio Furtado (1997), não é aceitável estabelecer uma relação estreita e directa entre os movimentos independentista e o movimento cultural desencadeado pelos Claridosos, visto que não existia uma coincidência entre os dinamizadores de um e outro grupo. Do Liceu de São Vicente saíram personalidades de nomeada que se afirmaram no arquipélago, nas outras possessões portuguesas ultramarinas e também na Metrópole, onde vários antigos alunos daquela escola tiveram a possibilidade de ingressar na Universidade, como foi o caso de Amílcar Cabral, principal mentor de luta independentista. A formação adquirida permitiu-lhes granjear excelentes classificações nos concursos para lugares de chefia nos serviços públicos da administração colonial, sobretudo em Angola e Guiné- Bissau (Lopes Filho, 1996). 2 Depois da revista Claridade seguiram-se outras com carácter semelhante, nomeadamente a Certeza (1944) e o Suplemento Cultural (1958) Antes de surgir a revista Claridade, outras publicações já haviam apresentado artigos que versavam sobre a realidade social cabo-verdiana. Foram os exemplos da Revista de Cabo Verde ( ), os jornais A Voz de Cabo Verde ( ) e O Manduco ( ) (Lopes, 2003)

6 A tradição intelectual e sindical fez de São Vicente um importante palco de formação política da elite, não só a nível local, como de todo o arquipélago. Os jovens que aí frequentavam o ensino secundário não se limitavam ao espaço escolar, pois praticavam desporto nos grupos e clubes organizados, promoviam tertúlias, publicavam artigos e integravam os movimentos associativos existentes na ilha. Todos estes ambientes eram locais privilegiados para o debate de ideias e também para a mobilização em torno da luta anti-colonial como começou a suceder, em particular, a partir do final da década de 1950, quando alguns partidários desse movimento se instalaram no Mindelo numa tentativa de buscar apoio para a causa (Lopes, 2003). Neste âmbito, foram muitas as reuniões realizadas com o objectivo de delinear estratégias, clarificar ideias e transmitir aos estudantes e operários os princípios inerentes à luta pela independência. Até 1960 o Liceu de São Vicente, foi o único estabelecimento de ensino secundário a funcionar em todo o arquipélago, não sendo de estranhar a sua assinalável influência no perfil da elite cabo-verdiana de então que se evidenciava pelo seu carácter intelectual e ideológico e pela sua integração numa ilha cosmopolita e de génese urbana. 3. Investimento na Formação Superior: emergência de uma Elite de Estado A consolidação ideológica e material do novo Estado independente exigia um grupo de indivíduos intelectualmente e tecnicamente bem preparados capaz de levar avante o projecto de desenvolvimento do arquipélago. A fórmula encontrada passou por uma intensa aposta na formação de quadros superiores para desempenhar funções nas novas estruturas emergentes. No contexto pós-independência, nem todos os antigos funcionários caboverdianos ao serviço da administração colonial estavam dispostos a participar activamente na constituição do Estado autonómico por não se identificarem com os fundamentos ideológicos do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), sobretudo no tocante à parceria com os guineenses na luta de libertação nacional. Essa falta de unanimidade não era uma novidade, pois desde os primórdios do movimento independentista que não havia consenso em torno da questão, contudo, o empenho de Amílcar Cabral muito contribuiu para ultrapassar a contenda. A sua morte, ainda antes da autonomia face a Portugal, recuperou a polémica e uma certa rivalidade no interior do próprio PAIGC entre cabo-verdianos e guineenses (Nóbrega, 2003). Todavia, uma vez alcançada a independência, os dois países mantiveram o sonho de unidade e foi esse princípio que conduziu ao afastamento de alguns dos antigos funcionários públicos entretanto regressados às ilhas quando ( ) rapidamente perceberam que a nova elite instalada no poder não estava disposta a perdoar-lhes facilmente o seu envolvimento com o colonialismo português (Batalha, 2004). Por seu lado, Gabriel Fernandes (2002) sublinha que no panorama político pós-independência não foi possível disfarçar o mal-estar entre... 16

7 as novas lideranças e o que sobrou da antiga intelligentsia local. É igualmente digno de nota que, para além da questão ideológica, esses funcionários públicos enfrentavam dificuldades de reintegração resultantes do vazio legal e das opções do novo Governo que estava mais inclinado a atribuir cargos relevantes aos que tiveram uma participação mais vicejante na luta pela independência (Lopes, 2002). Não obstante, houve quem fosse absorvido pelo novo quadro administrativo nas diferentes ilhas, enquanto outros tiveram oportunidade de ingressar nos serviços diplomáticos cabo-verdianos no exterior. Mesmo existindo alguns indivíduos capacitados para o exercício de funções técnicas e de chefia na administração pública, a verdade é que Cabo Verde continuava a necessitar urgentemente de quadros qualificados para salvaguardar a sua sobrevivência económica e viabilizar o seu desenvolvimento. Para tal, o Governo apostou na educação com um claro intuito de reduzir a taxa de iliteracia que se situava nos 75% na altura da independência e, ao mesmo tempo, assegurar o acesso a uma formação pós-secundária. Conforme demonstra o quadro nº 1, a educação representou um importante investimento público entre 1978 e 2000, com particular destaque para o período entre 1986 e Quadro nº 1- Investimento Público em Cabo Verde: Planos Nacionais de Desenvolvimento, (%) SECTORES Desenvolvimento Rural 27,9 20, Transportes e Comunicações 24,1 20,8 19,8 26,5 11,2 Educação e Desporto 3,8 6,7 11,1 13,2 8 Saúde e Bem-estar Social 2,9 2,7 9,4 4,2 14,3 Administração Pública 8,5 7 7,6 4,4 8,9 Construção 4 2,6 6,7 0,3 0 Habitação, Urbanismo e Saneamento 6,6 6,7 5,7 5,8 21,7 Indústria 7 19,5 5,3 8,8 6,5 Energia 5,8 5, ,2 Pesca e actividades afins 5,2 3,4 3,3 6,7 7,6 Turismo 2,3 2 2,8 5,7 0,4 Comércio 1,9 2,5 1 0,3 0 Comunicação Social e Cultura 0 0 0,3 0,4 0,2 Outros ,7 2 TOTAL 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 Fonte: I,II, III, IV, V Plano Nacional de Desenvolvimento de Cabo Verde Em 1975 a prioridade do Governo foi o alargamento da rede escolar, pro-

8 curando construir estabelecimentos de ensino em zonas recônditas para evitar que os estudantes tivessem de percorrer longas distâncias ou caminhos sinuosos. Também houve o intuito de a acção social escolar para apoiar crianças oriundas de famílias mais carenciadas. Contudo, tal como enfatizava José Brito (Secretário de Estado da Cooperação e Planeamento) durante a apresentação do I Plano Nacional de Desenvolvimento, em 1982: ( ) a acção educativa das massas não se resume a alfabetização, cuja erradicação no nosso meio está programado para 1990, mas em todas as acções que poderão ser desenvolvidas no quadro dos projectos e programas previstos no Plano e com o apoio das organizações de massas e participação popular. A política educativa passava igualmente por providenciar uma formação pós-secundária aos cabo-verdianos, mas não existiam estabelecimentos de ensino médio e superior, nem um número considerável de estudantes candidatos a esses níveis de escolaridade. Assim, a solução mais viável passou pela negociação de bolsas de estudo com Universidades e Institutos Politécnicos de países estrangeiros. Valendo-se da experiência amealhada pelo PAIGC na formação dos seus quadros, por via da Escola Piloto em Conakry, onde os alunos recebiam instrução vocacionada para o projecto independentista (Lopes, 2003), o Governo assinou protocolos com os parceiros políticos conquistados ao longo da luta autonómica, nomeadamente Estados do antigo Bloco de Leste europeu e Cuba. As universidades portuguesas e algumas africanas também recebiam os estudantes cabo-verdianos. Deve-se realçar que tais acordos não seguiam uma estratégia política relativamente às áreas académicas, como era característico do party system education existente em certos países socialistas onde era o partido no poder que seleccionava os jovens e definia o tipo de formação a receber (Farmer, 1992). Mesmo assim, as dificuldades linguísticas de alguns dos países de destino e a carência de pessoas capacitadas para trabalhar na criação de infra-estruturas nas ilhas empurravam os estudantes para cursos mais técnicos, por exemplo, no domínio da engenharia (Coutinho, 2010). As áreas jurídicas e económicas eram mais atractivas em Portugal ou Cuba. Essa denominada Política de Formação de Quadros estava muito associada ao processo de mudança em curso, sendo vista com algum sentido patriótico, conforme relatou Sidónio Monteiro (2002), um dos estudantes da época: O estudo não era apenas um sonho, tanto que ninguém se preocupava em escolher em que país estudar, mas sim uma resposta da juventude ao apelo à formação para fazer face ao desafio do desenvolvimento que se impunha com maior acuidade na altura. Passado o período de formação regressavam e eram imediatamente integrados na Administração Pública, visto que o Estado era o maior empregador de um arquipélago que mal conhecia a iniciativa privada. E assim se constituía a primeira elite pós-independência, cujo perfil assentava na posse de um diploma adquirido fora das ilhas, em contexto social, económico, político e cultural diferente do seu país de origem. É claro que, para além de dotar as ilhas com recursos humanos qualificados, o Governo pretendia garantir a consolidação e legitimação do poder conquistado com a independência,... 18

9 mas o investimento nesses jovens teve como efeito latente uma certa fricção entre os velhos burocratas, com forte herança política e que foram os primeiros a ocupar os cargos de chefia nos serviços estatais, e os jovens tecnocratas ávidos de colocar em prática os saberes técnicos entretanto adquiridos. Ora, reside aqui uma das molas impulsionadoras das críticas à governação do PAIGC no final da década de 1980, que, conjugadas com outros factores, culminariam nas mudanças introduzidas no sistema político em 1991 que passou a ser multipartidário. Conforme demonstrado no estudo 4 de Cláudio Furtado (1997) os quadros recém-formados tiveram dificuldades em ascender às posições mais elevadas nas instituições do Estado porque, amiúde, eram preteridos em detrimento dos mais velhos e daqueles que estiveram engajados na luta pela independência 5. Com as alterações ao sistema político, houve necessidade de procurar outras alianças capazes de continuar a garantir a formação dos jovens no exterior, não só devido a aspectos ideológicos inerentes, como também pelo facto dos regimes dos países da Europa de Leste terem entrado em colapso a todos os níveis: político, económico e social. A emergência de novos eixos de cooperação levou a um estreitamento dos laços com o Brasil que, desde então, passou a acolher mais cabo-verdianos nas suas Universidades, sendo, actualmente um dos destinos preferidos pelos estudantes, graças à proximidade linguística e cultural propagada através da popularidade alcançada nas ilhas pelas telenovelas brasileiras. Do passado restam, sobretudo, ligações a Portugal e a parceria com Cuba. Apesar de existir universidade pública desde o ano lectivo 2006/2007, bem como outras instituições privadas de ensino superior, os cabo-verdianos continuam a poder aceder a bolsas de estudo com uma oferta bastante diversificada em termos de países de destino (quadro nº 2) e também de graus académicos. Quadro nº 2 Bolseiros no exterior, por país de acolhimento e segundo o grau de formação (ano lectivo 2008/2009) Licenciatura Complemento de Licenciatura Mestrado Doutoramento Portugal França Macau Rússia Brasil Cuba Argélia Canadá TOTAL 4 A investigação incluiu um inquérito por questionário enviado a 137 membros do Governo, do Parlamento e dos Partidos Políticos, tendo sido recolhidas 85 respostas Os grupos sociais que evidenciam tenacidade e coragem no decurso de disputas por lideranças ou certas conquistas nacionais são tradicionalmente compensados com a sua nomeação para funções de chefia (Mosca, 1966)

10 Senegal China Marrocos Fonte: Anuário de Educação 2008/2009 Gabinete de Estudos e Planeamento São bastante visíveis os efeitos da Política de Formação de Quadros na dinâmica social do arquipélago, sobretudo na ascensão social e política dos seus beneficiários, tendo dado origem a uma verdadeira Elite de Estado. De facto, foi o Estado a promover e a investir na qualificação e capacitação do indivíduos e, posteriormente, a garantir o acesso a funções nos serviços públicos. Enquanto principal entidade empregadora assegurou a sua integração no mercado de trabalho e a progressão profissional, além de ter servido várias vezes de rampa de lançamento para carreiras políticas Educação e Elite O sistema educativo cabo-verdiano tem funcionado, em certo sentido, como uma agência de recrutamento, reprodução e integração da elite, com acentuada consequência no que tange aos contornos da estrutura social do país (Afonso, 2002). Na sua investigação sobre a elite política do arquipélago Furtado (1997) demonstra que 88,8% dos membros dessa classe dirigente acreditava ter alcançado uma certa posição política e social devido ao investimento na educação. Por outro lado, as chefias de topo dos serviços públicos de São Vicente manifestam o desejo dos seus filhos acederem a cursos superiores, de preferência no estrangeiro, para assegurarem o acesso a empregos bem sucedidos (Ramos, 2008). Trata-se de uma estratégia de reprodução através da qual os progenitores providenciam mecanismos diferenciados para incrementar a posição relativa dos seus descendentes na sociedade, como é o caso da aprendizagem de línguas estrangeiras, informática, viagens e férias fora das ilhas, cursos breves, ateliês temáticos, etc. Importa, ainda, realçar um outro aspecto peculiar do papel da educação na constituição da elite pós-independência: a dimensão internacional do seu perfil. Os quadros regressados ao país levam consigo um capital cultural institucionalizado, na forma de um diploma escolar, e um capital cultural incorporado (Bourdieu, 1979) acumulado ao longo da sua formação superior em países com características distintas do seu e onde, em certos casos, tiveram oportunidade de participar em actividades extra-curriculares culturais, sociais - algumas com carácter associativo, realizar estágios ou experiências laborais temporárias em empresas ou instituições, permitindo-lhes conhecer formas de trabalho, de organização, de gestão, etc., com utilidade prática para as suas actividades profissionais futuras. Afigura-se igualmente relevante o facto de muitos deles terem assistido a um período de importantes transformações na Europa, como Note-se, a título de exemplo, que todos os elementos que integram o elenco governamental desempenharam funções na administração pública, onde adquiriram importante experiência profissional e se inteiraram de algumas das questões essenciais relativas às políticas públicas e necessidades colectivas

11 sejam, a queda do Muro do Berlim e as consequentes mudanças políticas no anteriormente Bloco de Leste, a consolidação da Sociedade de Informação, a globalização, a primeira Guerra do Golfo, o combate internacional ao terrorismo, entre outros. Tais eventos ou processos de mudança, mais tarde ou mais cedo, acabariam por ter certo eco no arquipélago e, nessas circunstâncias, a sua elite formada no exterior estaria teoricamente mais preparada para lidar com questões daí resultantes. Sendo Cabo Verde um país de intensa actividade diplomática e muito dependente do apoio e da cooperação com outros Estados, não serão despiciendos os contactos estabelecidos pelos jovens estudantes nas suas passagem pelas Universidades estrangeiras. Aparte os laços criados entre si, donde emergem afinidades ou dissensões eventualmente reproduzidas no regresso às ilhas 7, deve-se ter em conta que no contexto académico conheceram e interagiram com alguns dos futuros membros das elites governantes e não governantes dos países de acolhimento, o que poderia vir a ser determinante em negociações e contactos futuros. Apesar da aduzida dimensão internacional da elite cabo-verdiana, com percursos escolares partilhados não há uma conspícua tendência para o corporativismo de grupo, tal como acontece em países como França, Reino Unido ou Japão onde os seus dirigentes são recrutados, respectivamente, da École Normale d Administration, das Universidades de Oxford e Cambridge e da Universidade de Tóquio (Suleiman, 1979; Aberbach, Krauss, Muramatsu, Rockman, 1991; Page, 1999). Mesmo assim, parece ser possível identificar três grupos com base na trajectória da formação da classe dirigente de Cabo Verde, tendo em conta o país de destino: aqueles que estudaram em Estados socialistas (Europa de Leste, Cuba, África), os que frequentaram universidades portuguesas e, mais recentemente, os licenciados por universidades do Brasil. É o que acontece, por exemplo, com os dirigentes da administração pública da ilha de São Vicente (Ramos, 2008). Quadro nº 3 País onde a Elite de Funcionários Públicos de São Vicente realizou os estudos médios/ superiores País N % % válidas Cabo Verde 4 17,4 17,4 17,4 Portugal 9 39,1 39,1 56,5 Europa de Leste 2 8,7 8,7 62,5 Brasil 5 21,7 21,7 86,9 Outro TOTAL % cumulativa Fonte: Dados do inquérito por questionário aplicado aos dirigentes dos serviços públicos de São Vicente Os dados apresentados no quadro nº 3 não podem ser extrapolados para o 7 Note-se que o movimento independentista começou a ser gizado na Casa de Estudantes do Império onde os estudantes africanos, e alguns brasileiros, para conviverem, participarem em diversas actividades. Alguns dos futuros líderes das lutas de libertação nacional nas antigas colónias, como Amílcar Cabral (Cabo Verde), Eduardo Mondlane (Moçambique), Agostinho neto (Angola) entre outros conheceram-se lá e, em conjunto, foram adquirindo formação política, estabelecendo vários contactos e trocando experiências que se revelaram eficazes para os seus propósitos independentistas (Furtado, 1997; Lopes, 2002; Nóbrega, 2003)

12 contexto cabo-verdiano no seu todo, todavia, a consulta de alguns currículos dos altos funcionários públicos do país e de dirigentes de estruturas privadas indicam a mesma propensão. Outros países europeus, bem como os Estados Unidos da América, surgem, mais pontualmente e até, em vários casos, apenas ao nível dos estudos pós-graduados, como se pode constatar, por exemplo, no actual elenco governamental. A expansão do ensino superior no arquipélago não é alheio a esse facto, dada a carência de indivíduos no país com mestrado ou doutoramentos, ou seja, com qualificações para leccionar nos cursos que entretanto têm vindo a ser criados nas universidades públicas e privadas. 5. Considerações Finais O impacto da formação escolar na mobilidade social dos cabo-verdianos foi visível desde os primórdios da criação do sistema educativo, não sendo, por isso, de estranhar a sua valorização no arquipélago. Se no passado a posse de terra era tida como um elemento de riqueza e, porventura, de acesso ao poder, nos séculos XX e XXI o acesso aos meios de administração e de Governo transformam-se numa alternativa à abordagem clássica marxista de classes (Weber, 1982; Bakary, 1993) precisamente por permitirem alcançar importantes posições de liderança numa sociedade com uma estrutura estatal e uma economia centralizadas. A luta política que conduziu à independência nacional teve uma importante presença no contexto escolar, primeiramente no Liceu de São Vicente com os denominados Claridoso, de índole cultural, e depois em Portugal na Casa dos Estudantes do Império, revelando uma massa crítica bem constituída a qual conferiu uma dimensão mais intelectual e menos militarizada ao movimento independentista em Cabo Verde. Uma vez alcançada a autonomia, a educação escolar emergiu como uma estratégia de desenvolvimento do país para contornar as suas vulnerabilidades climatéricas e de isolamento. Aliás, o nível de formação dos cabo-verdianos, acima da média da África subsaariana, é, por vezes, apontado como elemento essencial para a sua categorização, a partir de 2004, como país de desenvolvimento médio segundo a decisão do Conselho Económico e Social das Nações Unidas. O desempenho dos recursos humanos do país, aliada à sua capacidade negocial no quadro da cooperação internacional, a maturidade democrática expressa através de diversos actos eleitorais livres e sem incidentes graves, os bons resultados da sua economia, participam na conversão do capital cultural da elite do país em capital simbólico, fazendo de Cabo Verde um caso paradigmático no contexto da África a sul do Saara

13 Referências Bibliográficas: Aberbach, Joel, Krauss, Ellis, Muramatsu, Michio, Rockman, Bert (1991) Comparing Japanese and American Administrative Elites. British Journal of Political Science, nº 20, Cambridge University Press, Cambridge, pp Afonso, (2002) Manuela, Educação e Classes Sociais em Cabo Verde, Spleen Edições / Associação Académica África Debate, Lisboa-Praia. Andrade, (1996) Elisa, As Ilhas de Cabo verde. Da «descoberta» à independência nacional ( ), L Harmattan, Paris. Bakary, Tessy (1992) Systémes educatifs, startification sociale et construction de l Etat. États et societies en Afrique francophone, Economica, Paris, pp Bassey, Magnus (1998), Western Education and Political Domination in Africa: A Study in Critical and Dialogical Pedagogy, BerginGarvey, Boston. Batalha, Luís (2004) A elite portuguesa-cabo-verdiana: ascensão e queda de um grupo colonial intermediário. In Carvalho, Clara, Cabral, João de Pina, A Persistência da História. Passado e Contemporaneidade em África, Imprensa de Ciências Sociais, Lisboa, pp Brito, José, (1982) IV Sessão Legislativa da II Legislatura Discursos Parlamentares Assembleia Nacional da República Popular de Cabo Verde, Praia, 27 de Dezembro. Borges, José dos Reis O Seminário-Liceu da Ilha de São Nicolau de Cabo Verde. Boletim da Agência Geral das Colónias, Separata do nº 45, Março, Lisboa, Bourdieu, Pierre (1979) Les trois états du capital culturel. Actes de la recherche en sciences sociales, Paris, n. 30, Novembro, pp Carreira, António (1977) Cabo Verde Classes Sociais. Estrutura Familiar. Migrações, Ulmeiro, Lisboa. Coutinho, Ângela (2010) Da luta de libertação nacional ao governo da República de Cabo Verde: as trajectórias dos membros do governo de 1975 a º Congresso Ibérico de Estudos Africanos, Repositório IUL-ISCTE, Lisboa. Dias, Patrick (1990) Educação e Desenvolvimento na África Sub-sahariana. Revista Internacional de Estudos Africanos, nºs 12/13, Janeiro-Dezembro, Lisboa, pp Farmer, Kenneth (1992) The Soviet Administrative Elite, Ptaeger Publish-

14 ers, New York. Gonçalves, José Júlio (1958) Colóquios de Política Ultramarina Internacionalmente Relevente. Estudos de Ciências Políticas e Sociais, vol. VII, Ministério do Ultramar Centro de Estudos Políticos e Sociais, Lisboa. Heimer, Franz-Wilhelm, (1990) Educação e Desenvolvimento em África: o papel problemático das teorias. Revista Internacional de Estudos Africanos, nºs 12 e 13, Janeiro-Dezembro, Lisboa, pp Lopes, Baltasar (1986) Depoimentos. Claridade, Revista de Artes e Letras, Edição facsimilada, 50º aniversário, ALAC, Lisboa, p.xiv. Lopes, José Vicente (2002) Cabo Verde Os Bastidores da Independência, 2ª edição, Spleen Edições, Praia. Lopes Filho, João (1996) Ilha de São Nicolau. Cabo Verde. Formação da Sociedade e Mudança Cultural, II Volume, Edição: Secretaria-Geral, Ministério da Educação, Praia. Lima, Mesquitela, A Poética de Sérgio Frusoni. Uma Leitura Antropológica, Instituto de Cultura e Língua Portuguesa, Lisboa,1992. Mosca, Gaetano (1966) A Classe Dirigente. In Souza, Amaury, Sociologia Política, Zahar Editôres, Rio de Janeiro. Nóbrega, Álvaro (2003) A Luta Pelo Poder na Guiné-Bissau, I.S.C.S.P., Lisboa. Page, Edward C. (1992) Political Authority and Bureaucratic Power. A Comparative Analysis, Prentice Hall / Harvester Wheatsheaf, Cambridge. Ramos, Maria da Luz (2008) A elite de funcionários públicos de Cabo Verde: o caso de São Vicente, dissertação de Mestrado [Texto Policopiado], ISCSP, Lisboa. Sousa, Henrique Teixeira (1992) Septuagésimo Aniversário do Liceu de S. Vicente em Cabo Verde. Comemorações do 75º Aniversário da Criação do Liceu de Cabo Verde, Associação dos Antigos Alunos do Ensino Secundário de Cabo Verde, Lisboa. Suleiman, Ezra (1979) Les Élites en France Grands Corps et Grandes Écoles, Éditions du Seuil, Paris. WEBER, Max (1982) Os Fundamentos da Organização Burocrática: Uma Construção do Tipo Ideal, In Souza, Amaury, Sociologia da Burocracia, Zahar Editôres, Rio de Janeiro

Discurso do Governador do Banco de Cabo Verde, Doutor João Serra, nos actos de lançamento das novas notas de 500 e 5000 escudos e do Livro História

Discurso do Governador do Banco de Cabo Verde, Doutor João Serra, nos actos de lançamento das novas notas de 500 e 5000 escudos e do Livro História Discurso do Governador do Banco de Cabo Verde, Doutor João Serra, nos actos de lançamento das novas notas de 500 e 5000 escudos e do Livro História da Moeda em Cabo Verde, Salão de Banquetes da Assembleia

Leia mais

Trajectória de Actividades do Instituto das Comunidades

Trajectória de Actividades do Instituto das Comunidades INTRODUÇÃO O IC, criado pela Resolução do Conselho de Ministros nº 64/2001, de 3 de Setembro, é um serviço personalizado do Estado, encarregue de promover e executar a política governamental relacionada

Leia mais

CONTRIBUTOS PARA O DISCURSO DO SR. PRIMEIRO MINISTRO EM PORTUGAL ESTRATÉGIA E POLÍTICAS PARA A EMIGRAÇÃO

CONTRIBUTOS PARA O DISCURSO DO SR. PRIMEIRO MINISTRO EM PORTUGAL ESTRATÉGIA E POLÍTICAS PARA A EMIGRAÇÃO CONTRIBUTOS PARA O DISCURSO DO SR. PRIMEIRO MINISTRO EM PORTUGAL ESTRATÉGIA E POLÍTICAS PARA A EMIGRAÇÃO PASSADO: OS PRIMEIROS PASSOS 1 Procura e estabelecimento de um relacionamento profícuo com os países

Leia mais

Excelência, Sr Presidente da República, Senhoras e Senhores Ministros,

Excelência, Sr Presidente da República, Senhoras e Senhores Ministros, Discurso de sua excelência, o Primeiro Ministro, José Maria Neves, por ocasião da tomada de posse do novo Governo no âmbito da remodelação governamental anunciada no dia 24 de Fevereiro de 2010 Excelência,

Leia mais

CONCURSO NACIONAL DE VOZES & FESTIVAL REVELAÇÃO DE VOZES DA DIÁSPORA. Concurso. Nacional de Vozes & Revelação de Vozes da Diáspora - Projecto

CONCURSO NACIONAL DE VOZES & FESTIVAL REVELAÇÃO DE VOZES DA DIÁSPORA. Concurso. Nacional de Vozes & Revelação de Vozes da Diáspora - Projecto Nacional de Vozes & Revelação de Vozes da Diáspora - Projecto Concurso 2015 CONCURSO NACIONAL DE VOZES & FESTIVAL REVELAÇÃO DE VOZES DA DIÁSPORA PROJECTO APRESENTADO PARA EFEITO DE APRECIAÇÃO E RESPECTIVO

Leia mais

Palestra: A CPLP E A EDUCAÇÃO. (Escola Stuart Carvalhais - 7 de Março de 2007)

Palestra: A CPLP E A EDUCAÇÃO. (Escola Stuart Carvalhais - 7 de Março de 2007) Palestra: A CPLP E A EDUCAÇÃO (Escola Stuart Carvalhais - 7 de Março de 2007) Excelentíssimos membros do Conselho Directivo, excelentíssimos professores, caríssimos alunos, É com enorme satisfação que

Leia mais

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O relatório de avaliação do sistema de ensino superior em Portugal preparado pela equipa internacional

Leia mais

Cursos de Licenciatura

Cursos de Licenciatura DLLM Cursos de Licenciatura 2009-2010 1 Cursos de Licenciatura 2009/2010 1º Ciclo Bolonha DLLM Departamento de Línguas e Literaturas Modernas 2 Cursos de Licenciatura 2009-2010 DLLM DLLM Cursos de Licenciatura

Leia mais

A Língua Portuguesa em África: perspectivas presentes e futuras

A Língua Portuguesa em África: perspectivas presentes e futuras A Língua Portuguesa em África: perspectivas presentes e futuras Este breve texto é uma proposta de reflexão acerca de algumas das questões que, em meu entender, merecem destaque na situação actual do desenvolvimento

Leia mais

M ODELO EUROPEU DE CURRICULUM VITAE

M ODELO EUROPEU DE CURRICULUM VITAE M ODELO EUROPEU DE CURRICULUM VITAE INFORMAÇÃO PESSOAL Formador Profissional / Coordenador Pedagógico / Consultor de Formação Nome POEIRAS, VITOR JOAQUIM GALRITO Naturalidade Sumbe, Quanza Sul, Angola

Leia mais

Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Programa de Acção. Luis Filipe Baptista

Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Programa de Acção. Luis Filipe Baptista Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique Programa de Acção Luis Filipe Baptista ENIDH, Setembro de 2013 Motivações para esta candidatura A sociedade actual está a mudar muito

Leia mais

CURRICULUM VITAE 1. RESPONSABILIDADE ACTUAL E/OU DESEMPENHADA RECENTEMENTE

CURRICULUM VITAE 1. RESPONSABILIDADE ACTUAL E/OU DESEMPENHADA RECENTEMENTE CURRICULUM VITAE Nome: João Ribeiro Butiam Có. Nacionalidade: Guineense (Guiné-Bissau). Naturalidade: Bissau Estado Civil: Casado. Data de Nascimento: 15 de Outubro de 1975 Endereço trabalho: INEP (Instituto

Leia mais

Apoio a crianças e jovens em situação de risco

Apoio a crianças e jovens em situação de risco Ficha de Projecto Dezembro/2006 Designação Parceria Acordo de Parceiros de 20.12.05 Gabinete para a Cooperação do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social de Portugal Gabinete do Ministro do Trabalho,

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA DIPLOMÁTICA DE PORTUGAL (MEDIEVAL E MODERNA) Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA DIPLOMÁTICA DE PORTUGAL (MEDIEVAL E MODERNA) Ano Lectivo 2014/2015 UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA DIPLOMÁTICA DE PORTUGAL (MEDIEVAL E MODERNA) Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso

Leia mais

V Reunião de Ministros do Turismo da CPLP

V Reunião de Ministros do Turismo da CPLP V Reunião de Ministros do Turismo da CPLP Intervenção do Secretário Executivo da CPLP Senhor Presidente, Senhores Ministros, Senhor Secretário de Estado do Turismo, Senhores Embaixadores Senhores Representantes

Leia mais

Flash Comunidades. Este Boletim apresentará, de forma resumida, algumas acções implementadas ou em curso

Flash Comunidades. Este Boletim apresentará, de forma resumida, algumas acções implementadas ou em curso Flash Comunidades Este Boletim apresentará, de forma resumida, algumas acções implementadas ou em curso 1 CABO VERDE Nação Global O Ministério das Comunidades (MDC) vem implementando medidas que permitem

Leia mais

Exposição de motivos

Exposição de motivos Exposição de motivos Hoje, Portugal é uma sociedade onde vivem e convivem muitas culturas e etnias diferentes. Muitos são os imigrantes que aqui vivem, de diversas nacionalidades, e com um papel fundamental

Leia mais

Emprego e Formação Profissional

Emprego e Formação Profissional (%) Emprego e Formação Profissional Panorama: Maio 2010 Emprego: taxa de desemprego a 13,1% em 2010 O Instituto Nacional de Estatística, INE, apresentou os resultados da primeira fase do Inquérito ao Emprego

Leia mais

Seminário Final. O Processo de Bolonha em Portugal Presente e Futuro

Seminário Final. O Processo de Bolonha em Portugal Presente e Futuro Seminário Final O Processo de Bolonha em Portugal Presente e Futuro Universidade de Aveiro, 26 de Junho de 2009 CONCLUSÕES Relatora: Maria de Lurdes Correia Fernandes Sessão de abertura: Secretário de

Leia mais

SIGHT. lisboa cidade atrativa para estudantes internacionais. economia e inovação LISBON

SIGHT. lisboa cidade atrativa para estudantes internacionais. economia e inovação LISBON IN SIGHT economia e inovação lisboa cidade atrativa para estudantes internacionais LISBON A mobilidade de estudantes / investigadores funciona com um importante fator multiplicador de conhecimento, ao

Leia mais

Professor cooperante em S. Tomé e Príncipe entre 1981 e 1987. Professor do ensino secundário em Portugal entre 1987 e 1990

Professor cooperante em S. Tomé e Príncipe entre 1981 e 1987. Professor do ensino secundário em Portugal entre 1987 e 1990 CURRICULUM VITAE Nome: Augusto Manuel Saraiva do Nascimento Diniz Local e data de nascimento: Lisboa, 28 de Março de1959 Nacionalidade: Portuguesa ACTIVIDADE PROFISSIONAL Professor cooperante em S. Tomé

Leia mais

UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS III COLÓQUIO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS TERMOS DE REFERÊNCIA

UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS III COLÓQUIO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS TERMOS DE REFERÊNCIA UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS III COLÓQUIO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS ESTADO, NAÇÃO, NACIONALISMO E IDENTIDADE NACIONAL NOS PAÍSES AFRICANOS DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA

Leia mais

AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL -

AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL - AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL - Sónia Cardoso e Sérgio Machado dos Santos Gabinete de

Leia mais

Instituto Politécnico de Santarém Gabinete de Mobilidade e Cooperação Internacional Documento de orientação estratégica

Instituto Politécnico de Santarém Gabinete de Mobilidade e Cooperação Internacional Documento de orientação estratégica Instituto Politécnico de Santarém Gabinete de Mobilidade e Cooperação Internacional Documento de orientação estratégica 1. Introdução Assume-se que a internacionalização do IPSantarém não deve consistir

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 359/VIII CRIA O OBSERVATÓRIO DA VIOLÊNCIA ESCOLAR

PROJECTO DE LEI N.º 359/VIII CRIA O OBSERVATÓRIO DA VIOLÊNCIA ESCOLAR PROJECTO DE LEI N.º 359/VIII CRIA O OBSERVATÓRIO DA VIOLÊNCIA ESCOLAR A evidente importância de um ensino condigno para crianças e jovens está a ser seriamente posta em causa por factores de violência

Leia mais

Grupo Parlamentar. Projecto de Lei N.º 52/IX ALTERA A LEI DE BASES DO SISTEMA EDUCATIVO

Grupo Parlamentar. Projecto de Lei N.º 52/IX ALTERA A LEI DE BASES DO SISTEMA EDUCATIVO Grupo Parlamentar Projecto de Lei N.º 52/IX ALTERA A LEI DE BASES DO SISTEMA EDUCATIVO O chamado processo de Bolonha não é, por essência, negativo, particularmente se for adoptado numa óptica de estímulo

Leia mais

Ministério da Educação

Ministério da Educação Ministério da Educação Decreto Lei n.º 7/03 de 17 de Junho Diário da República, I Série nº47 17.06.2003 Considerando as últimas alterações verificadas na denominação dos organismos de administração central

Leia mais

9 12 98 19 (Pessoal). 2 62 27 61 (Trabalho) 2009-2012 Professora Assistente na Escola de Negócios e Governação, Universidade de Cabo Verde.

9 12 98 19 (Pessoal). 2 62 27 61 (Trabalho) 2009-2012 Professora Assistente na Escola de Negócios e Governação, Universidade de Cabo Verde. CURRICULUM VITAE Informação Pessoal Nome Telefone Correio electrónico Nacionalidade Carla Santos de Carvalho 9 12 98 19 (Pessoal). 2 62 27 61 (Trabalho) carla.carvalho29@gmail.com carla.carvalho@docente.unicv.edu.cv

Leia mais

ESPECIAL DIVULGAÇÃO DO PROJECTO. O projecto foi dividido em 3 componentes, nomeadamente: Portugal França Holanda Luxemburgo BOLETIM SEMANAL MDC

ESPECIAL DIVULGAÇÃO DO PROJECTO. O projecto foi dividido em 3 componentes, nomeadamente: Portugal França Holanda Luxemburgo BOLETIM SEMANAL MDC BOLETIM SEMANAL MDC ESPECIAL 19 Fev. 2015 Nº 2 DIVULGAÇÃO DO PROJECTO O projecto foi dividido em 3 componentes, nomeadamente: O Projecto RCCVGM, que teve como propósito o apoio à reintegração económica

Leia mais

Encontro Nacional de Profissionais de Sociologia Vendas Novas 2006 3 de Março. O Estágio como ponte para o emprego

Encontro Nacional de Profissionais de Sociologia Vendas Novas 2006 3 de Março. O Estágio como ponte para o emprego Encontro Nacional de Profissionais de Sociologia Vendas Novas 2006 3 de Março O Estágio como ponte para o emprego Emília Rodrigues Araújo Boa tarde a todos Quero, em primeiro lugar, saudar esta iniciativa

Leia mais

Recensão Crítica. Língua Portuguesa e Tecnologias de Informação e Comunicação. Docente: Prof. Fernanda Botelho. Teresa Cardim Nº 070142074

Recensão Crítica. Língua Portuguesa e Tecnologias de Informação e Comunicação. Docente: Prof. Fernanda Botelho. Teresa Cardim Nº 070142074 Recensão Crítica Língua Portuguesa e Tecnologias de Informação e Comunicação Docente: Prof. Fernanda Botelho Teresa Cardim Nº 070142074 Raquel Mendes Nº 070142032 Setúbal, Outubro de 2009 Referências Bibliográficas

Leia mais

Decreto-lei n.º 205/93 de 14 de Junho (DR 137/93 SÉRIE I-A de 1993-06-14)

Decreto-lei n.º 205/93 de 14 de Junho (DR 137/93 SÉRIE I-A de 1993-06-14) PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Decreto-lei n.º 205/93 de 14 de Junho (DR 137/93 SÉRIE I-A de 1993-06-14) O desenvolvimento das relações de cooperação entre Portugal e os países africanos de língua

Leia mais

Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados

Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados Cursos de Formação em Alternância na Banca Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados Relatório Cursos terminados entre 2006 e 2009 Projecto realizado em parceria e financiado pelo Instituto de Emprego

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO DO PAÍS EXIGE UMA NOVA ESCOLA DO 1ºCEB

O DESENVOLVIMENTO DO PAÍS EXIGE UMA NOVA ESCOLA DO 1ºCEB O DESENVOLVIMENTO DO PAÍS EXIGE UMA NOVA ESCOLA DO 1ºCEB Sem qualquer negociação, o Ministério da Educação anunciou, e está desenvolver, algumas medidas avulsas relacionadas com o 1º Ciclo do Ensino Básico.

Leia mais

O IMPACTO DA DESCENTRALIZAÇÃO NO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO LOCAL A EXPERIÊNCIA DE CABO VERDE

O IMPACTO DA DESCENTRALIZAÇÃO NO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO LOCAL A EXPERIÊNCIA DE CABO VERDE O IMPACTO DA DESCENTRALIZAÇÃO NO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO LOCAL A EXPERIÊNCIA DE CABO VERDE 1. CARACTERIZAÇÃO DE CABO VERDE 1.1 Aspectos físicos f e demográficos Situado no Oceano Atlântico, a cerca

Leia mais

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau)

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Plano de Acção para a Cooperação Económica e Comercial (2007-2009) 2ª Conferência Ministerial, 2006

Leia mais

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos Os Desafios da Fileira da Construção As Oportunidades nos Mercados Externos Agradeço o convite que me foi dirigido para participar neste Seminário e felicito a AIP pela iniciativa e pelo tema escolhido.

Leia mais

Mestrados ENSINO PÚBLICO. 1-ISCTE Instituto Universitário de Lisboa

Mestrados ENSINO PÚBLICO. 1-ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Mestrados ENSINO PÚBLICO 1-ISCTE Instituto Universitário de Lisboa *Mestrado em Ciência Política O mestrado em Ciência Política tem a duração de dois anos, correspondentes à obtenção 120 créditos ECTS,

Leia mais

Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP

Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP Lisboa, 10 janeiro 2014 António Rendas Reitor da Universidade Nova de Lisboa Presidente do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas Queria começar

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011

GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011 GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011 Versão Preliminar Este relatório tem por objectivo da conta do que de mais relevante foi realizado no cumprimento

Leia mais

ENTRE O MINISTÉRIO DA ECONOMIA, DO PLANO E INTEGRAÇÃO REGIONAL DA GUINÉ-BISSAU

ENTRE O MINISTÉRIO DA ECONOMIA, DO PLANO E INTEGRAÇÃO REGIONAL DA GUINÉ-BISSAU PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA ECONOMIA, DO PLANO E INTEGRAÇÃO REGIONAL DA GUINÉ-BISSAU A ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA - CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA (AIP-CCI) E A A ELO - ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA

Leia mais

Programas. cabo verde. Angola. portugal. s.tomé e príncipe. Fundación Universitaria San Pablo CEU

Programas. cabo verde. Angola. portugal. s.tomé e príncipe. Fundación Universitaria San Pablo CEU Programas de MESTRADO Online MBA Master in Business Administration Mestrado em Direcção de Empresas Mestrado em Direcção de Marketing e Vendas Mestrado em Direcção Financeira Mestrado em Comércio Internacional

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA I. OBJECTIVOS O objectivo deste ciclo de estudos é garantir aos estudantes uma sólida formação jurídica de base. Tendo

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 17 DE NOVEMBRO PALÁCIO DA REPÚBLICA

Leia mais

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO PREÂMBULO O projecto Estarreja COMpartilha surge da necessidade que se tem verificado, na sociedade actual, da falta de actividades e práticas de cidadania. Traduz-se numa relação solidária para com o

Leia mais

Pós-Graduação. Mercados Internacionais e Diplomacia Económica. 1ª Edição

Pós-Graduação. Mercados Internacionais e Diplomacia Económica. 1ª Edição Pós-Graduação Mercados Internacionais e Diplomacia Económica 1ª Edição 2011/2012 Mercados Internacionais e Diplomacia Económica Coordenação Científica Prof. Doutor Joaquim Ramos Silva Prof. Doutor Manuel

Leia mais

HELLO CABO VERDE EXPO 2011

HELLO CABO VERDE EXPO 2011 New Bedford, 31 de Janeiro de 2011 HELLO CABO VERDE EXPO 2011 Exposição sobre as Oportunidades de Negócios e Turismo em Cabo Verde New Bedford, MA 27 a 29 de Maio de 2011 OBJECTIVO O objectivo da exposição

Leia mais

ACEF/1112/22947 Relatório final da CAE

ACEF/1112/22947 Relatório final da CAE ACEF/1112/22947 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL)

Leia mais

RESOLUÇÃO SECRETARIADO NACIONAL DE 29 DE JANEIRO DE 2015

RESOLUÇÃO SECRETARIADO NACIONAL DE 29 DE JANEIRO DE 2015 RESOLUÇÃO SECRETARIADO NACIONAL DE 29 DE JANEIRO DE 2015 O ano de 2015 é o primeiro em que nos encontramos integralmente fora da alçada da Troika e no qual o Governo poderia ter operado uma real mudança

Leia mais

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Nós, representantes democraticamente eleitos dos Parlamentos de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné- Bissau, Moçambique, Portugal,

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE

ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Lisboa A.1.a. Outras Instituições

Leia mais

A RELEVÂNCIA DA EDUCAÇÃO PRÉ ESCOLAR NAS OPÇÕES DE POLÍTICA EDUCATIVA DO ESTADO DE CABO VERDE

A RELEVÂNCIA DA EDUCAÇÃO PRÉ ESCOLAR NAS OPÇÕES DE POLÍTICA EDUCATIVA DO ESTADO DE CABO VERDE A RELEVÂNCIA DA EDUCAÇÃO PRÉ ESCOLAR NAS OPÇÕES DE POLÍTICA EDUCATIVA DO ESTADO DE CABO VERDE Resumo Bartolomeu L. Varela Universidade de Cabo Verde Janeiro de 2015 O presente texto analisa a importância

Leia mais

EDITAL Nº 21/10. Regulamento

EDITAL Nº 21/10. Regulamento MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL EDITAL Nº 21/10 Regulamento - - - Frederico Fernandes Pereira, Presidente da Assembleia Municipal do Barreiro, torna público que, por deliberação deste órgão

Leia mais

Os Empresários, as Empresas e a Inclusão Social. João Oliveira Rendeiro Presidente da Associação EIS Empresários pela Inclusão Social

Os Empresários, as Empresas e a Inclusão Social. João Oliveira Rendeiro Presidente da Associação EIS Empresários pela Inclusão Social Os Empresários, as Empresas e a Inclusão Social João Oliveira Rendeiro Presidente da Associação EIS Empresários pela Inclusão Social Conferência "Compromisso Cívico para a Inclusão" Santarém, 14 de Abril

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO O Programa Nacional de Microcrédito, criado pela Resolução do Conselho de Ministros Nº 16/2010, pretende ser uma medida de estímulo à criação de emprego e ao empreendedorismo entre

Leia mais

Feiras livres e mercados no espaço lusófono: aspectos metodológicos

Feiras livres e mercados no espaço lusófono: aspectos metodológicos Iolanda Évora Feiras livres e mercados no espaço lusófono: aspectos metodológicos Apresentado no âmbito do Projecto Pró-África, CNPq - Visita Exploratória Feiras livres e mercados no espaço lusófono: trabalho,

Leia mais

Por volta dos anos 80/90, ouve sefalardeumapedagogiacentradanaescolacomoorganização. Nesta

Por volta dos anos 80/90, ouve sefalardeumapedagogiacentradanaescolacomoorganização. Nesta A Escola portuguesa no séc. XXI (1/5) Falar de Escola é falar de educação. Compreender a escola é, também, compreender a evolução das ideias sobre educação ao longo dos tempos. Nesta linha de evolução,

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO

A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO 1. A Pesquisa e a pós-graduação A pesquisa sistematizada na PUCPR proporcionou uma sinergia significativa com as atividades de ensino. Um resultado inicial

Leia mais

Entrevista. com. Reitor da Universidade de Cabo Verde, António Correia e Silva

Entrevista. com. Reitor da Universidade de Cabo Verde, António Correia e Silva Entrevista com Reitor da Universidade de Cabo Verde, António Correia e Silva A Universidade Pública de Cabo Verde vem assumindo cada vez maior importância na formação superior orientada para o conhecimento

Leia mais

APRENDER COM A DIVERSIDADE CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER COM A DIVERSIDADE. Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal

APRENDER COM A DIVERSIDADE CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER COM A DIVERSIDADE. Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal 18 DE FEVEREIRO A 13 DE MARÇO DE 2008 A inducar (http://www.inducar.pt) é uma organização de direito

Leia mais

LEGISLAÇÃO APLICÁVEL AOS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PORTADORES DE DEFICIÊNCIA

LEGISLAÇÃO APLICÁVEL AOS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PORTADORES DE DEFICIÊNCIA LEGISLAÇÃO APLICÁVEL AOS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PORTADORES DE DEFICIÊNCIA PRINCÍPIOS GERAIS APLICÁVEIS: Todos os portugueses têm direito à Educação e à Cultura, nos termos da Constituição Portuguesa

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL GABINETE DO PRESIDENTE

ASSEMBLEIA NACIONAL GABINETE DO PRESIDENTE ASSEMBLEIA NACIONAL GABINETE DO PRESIDENTE Discurso de SE o Sr. Presidente da Assembleia Nacional por ocasião da sessão inaugural da III edição do Curso de Liderança e Inovação na Gestão do Desenvolvimento,

Leia mais

CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Centro

Leia mais

Rio de Janeiro, 5 de Dezembro de 2003

Rio de Janeiro, 5 de Dezembro de 2003 Intervenção de Sua Excelência a Ministra da Ciência e do Ensino Superior, na II Reunião Ministerial da Ciência e Tecnologia da CPLP Comunidade dos Países de Língua Portuguesa Rio de Janeiro, 5 de Dezembro

Leia mais

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros Decreto Lei n.º 15/99 De 8 de Outubro Considerando que a política científica tecnológica do Governo propende para uma intervenção

Leia mais

Ciência na Cidade de Guimarãeswww.ciencianacidade.com

Ciência na Cidade de Guimarãeswww.ciencianacidade.com Ciência na Cidade de Guimarãeswww.ciencianacidade.com Cidade de Guimarães Faixas Etárias do Concelho 65 ou mais 24-64 anos 15-24 anos 0-14 anos 0 20000 40000 60000 80000 100000 População do Concelho 159.576

Leia mais

DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE

DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE CRIAÇÃO DE EMPREGO NUM NOVO CONTEXTO ECONÓMICO 27-28 demarço de 2014, Maputo, Moçambique A conferência de dois dias dedicada ao tema Diálogo Nacional Sobre

Leia mais

Polícia e o Natal das Crianças

Polícia e o Natal das Crianças Nº 4 - Março 2010 Assinatura de Protocolo - SES da PN e SS da PSP Polícia e o Natal das Crianças A o longo de muitos anos, o Serviço Social vem programando, conjuntamente com as unidades policiais e serviços,

Leia mais

O Ministério da Justiça da República Portuguesa e o Ministério da Justiça da República democrática de Timor - Leste:

O Ministério da Justiça da República Portuguesa e o Ministério da Justiça da República democrática de Timor - Leste: Protocolo de Cooperação Relativo ao Desenvolvimento do Centro de Formação do Ministério da Justiça de Timor-Leste entre os Ministérios da Justiça da República Democrática de Timor-Leste e da República

Leia mais

Fundo Mundial para o Ambiente

Fundo Mundial para o Ambiente Check upon delivery Só a versão proferida faz fé Fundo Mundial para o Ambiente Comunicação Apresentada por Monique Barbut, directora geral e presidente Fundo Mundial do Ambiente Em visita à Guiné-Bissau

Leia mais

ajudar é humano www.pista-magica.pt

ajudar é humano www.pista-magica.pt ajudar é humano www.pista-magica.pt Objectivo da apresentação 0Demonstrar a importância e necessidade premente da capacitação/ formação dos voluntários e técnicos que coordenam os voluntários no âmbito

Leia mais

visite o nosso site em:

visite o nosso site em: 1 O QUE É A BOLSA DE VALORES? As bolsas de valores são mercados secundários especialmente organizados onde são transaccionados valores mobiliários. Trata-se de mercados estruturados e dotados de instrumentos

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO LIVRO: CABO VERDE ABOLIÇÃO DA ESCRAVATURA SUBSÍDIOS PARA O ESTUDO Iva Cabral

APRESENTAÇÃO DO LIVRO: CABO VERDE ABOLIÇÃO DA ESCRAVATURA SUBSÍDIOS PARA O ESTUDO Iva Cabral APRESENTAÇÃO DO LIVRO: CABO VERDE ABOLIÇÃO DA ESCRAVATURA SUBSÍDIOS PARA O ESTUDO Iva Cabral O convite que me foi feito por João Lopes Filho para apresentar o livro Cabo Verde abolição da escravatura subsídios

Leia mais

1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO

1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO 1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO A actual transformação do mundo confere a cada um de nós professores, o dever de preparar os nossos alunos, proporcionando-lhes as qualificações básicas necessárias a indivíduos

Leia mais

A C o o p e r a ç ã o E s t r u t u r a d a P e r m a n e n t e : D e s a f i o s e O p ç õ e s p a r a P o r t u g a l *

A C o o p e r a ç ã o E s t r u t u r a d a P e r m a n e n t e : D e s a f i o s e O p ç õ e s p a r a P o r t u g a l * A C o o p e r a ç ã o E s t r u t u r a d a P e r m a n e n t e : D e s a f i o s e O p ç õ e s p a r a P o r t u g a l * Luís Faro Ramos Director Geral de Política de Defesa Nacional do Ministério da

Leia mais

Universidade de Coimbra. Grupo de Missão. para o. Espaço Europeu do Ensino Superior. Glossário

Universidade de Coimbra. Grupo de Missão. para o. Espaço Europeu do Ensino Superior. Glossário Universidade de Coimbra Grupo de Missão para o Espaço Europeu do Ensino Superior Glossário ACÇÃO CENTRALIZADA Procedimentos de candidatura em que a selecção e contratação são geridas pela Comissão. Regra

Leia mais

Projeto de Resolução n.º 617/XII. Recomenda ao Governo a valorização e reconhecimento da educação não formal EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

Projeto de Resolução n.º 617/XII. Recomenda ao Governo a valorização e reconhecimento da educação não formal EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Projeto de Resolução n.º 617/XII Recomenda ao Governo a valorização e reconhecimento da educação não formal EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Enquadramento O debate e o apelo ao reconhecimento da educação não formal

Leia mais

O INSTITUTO POLITÉCNICO DE MACAU e os seus projectos no âmbito da Língua Portuguesa

O INSTITUTO POLITÉCNICO DE MACAU e os seus projectos no âmbito da Língua Portuguesa O INSTITUTO POLITÉCNICO DE MACAU e os seus projectos no âmbito da Língua Portuguesa Carlos Ascenso André Luciano Rodrigues de Almeida Vítor Silva Instituto Politécnico de Macau Obs. Macau não adoptou ainda

Leia mais

Sindicato Nacional do Ensino Superior - Associação Sindical de Docentes e Investigadores

Sindicato Nacional do Ensino Superior - Associação Sindical de Docentes e Investigadores PROGRAMA DA DIREÇÃO DO SNESup Lista A Mandato 2012-2014 Vivemos uma crise, um período em que as respostas às dificuldades sentidas já não são conseguidas no quadro em que nos situamos. Apesar dos naturais

Leia mais

A Construção da Nação em Cabo Verde: Do Nativismo ao Nacionalismo

A Construção da Nação em Cabo Verde: Do Nativismo ao Nacionalismo Resumo Decorridos cinco séculos, desde a descoberta do arquipélago de Cabo Verde, os investigadores em Cabo Verde e no exterior, buscam compreender o passado histórico e levantam questões que têm alimentado

Leia mais

Clube de Francês / Oficina de Francês (Sala Virtual)

Clube de Francês / Oficina de Francês (Sala Virtual) Agrupamento de Escolas de Santo André, Santiago do Cacém Código: 135513 NIFPC: 600075907 Escola Secundária Padre António Macedo Clube de Francês / Oficina de Francês (Sala Virtual) 2007/2014 Luísa Maria

Leia mais

Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013

Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013 Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013 UNIÓN EUROPEA 1 de junio de 2011 3. SUMÁRIO EXECUTIVO A avaliação do Plano de

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU NOS DOMÍNIOS DO EQUIPAMENTO, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES.

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU NOS DOMÍNIOS DO EQUIPAMENTO, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Decreto n.º 28/98 de 12 de Agosto Protocolo de Cooperação entre a República Portuguesa e a República da Guiné-Bissau nos Domínios do Equipamento, Transportes e Comunicações, assinado em Bissau em 11 de

Leia mais

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Identificação

Leia mais

Formação inicial de Educadores de Infância e de Professores na Universidade do Minho: Das Licenciaturas aos Mestrados em Ensino

Formação inicial de Educadores de Infância e de Professores na Universidade do Minho: Das Licenciaturas aos Mestrados em Ensino Formação inicial de Educadores de Infância e de Professores na Universidade do Minho: Das Licenciaturas aos Mestrados em Ensino Laurinda Leite (Universidade do Minho - Instituto de Educação) 1. A Universidade

Leia mais

O ensino e a cooperação na investigação para o turismo entre os países lusófonos: uma reflexão

O ensino e a cooperação na investigação para o turismo entre os países lusófonos: uma reflexão O ensino e a cooperação na investigação para o turismo entre os países lusófonos: uma reflexão Alexandre Panosso Netto Escola de Artes, Ciências e Humanidades Universidade de São Paulo Fábia Trentin Departamento

Leia mais

NCE/10/00531 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/00531 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/00531 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Cofac - Cooperativa De Formação E

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

DECLARAÇÃO EMPRESARIAL DE LUANDA

DECLARAÇÃO EMPRESARIAL DE LUANDA DECLARAÇÃO EMPRESARIAL DE LUANDA Por iniciativa da Confederação Empresarial da CPLP e das associações empresariais dos PALOP, realizou-se em Luanda, República de Angola, a 17 de Julho de 2014, o Fórum

Leia mais

Serviço de Apoio à Criação de Emprego e estágios

Serviço de Apoio à Criação de Emprego e estágios Serviço de Apoio à Criação de Emprego e estágios Outubro de 2009 Agenda EM DESTAQUE Estágios e Suplemento ao Diploma- uma aposta no futuro! Índice Nota Editorial Eventos/Notícias Na Primeira Pessoa Manz

Leia mais

GUIA DO CANDIDATO ESTAGIÁRIO LEONARDO DA VINCI MOBILIDADE

GUIA DO CANDIDATO ESTAGIÁRIO LEONARDO DA VINCI MOBILIDADE GUIA DO CANDIDATO ESTAGIÁRIO LEONARDO DA VINCI MOBILIDADE I. U.PORTO - ENTIDADE DE ENVIO/PROMOTORA...3 II. MOBILIDADE TRANSNACIONAL DOS ESTAGIÁRIOS...4 III. ESTÁGIOS DO PROGRAMA LEONARDO DA VINCI...4 IV.

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2011

PLANO DE ACTIVIDADES 2011 PLANO DE ACTIVIDADES 2011 MARÇO DE 2011 Este documento apresenta os objectivos estratégicos e as acções programáticas consideradas prioritárias para o desenvolvimento da ESE no ano 2011. O Plano de Actividades

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO CARTA EUROPEIA DO DESPORTO Objectivo da Carta... 3 Definição e âmbito de aplicação da Carta... 3 O movimento desportivo... 4 Instalações e actividades... 4 Lançar as bases... 4 Desenvolver a participação...

Leia mais

E F P D E G PALOP Eduardo Cruz

E F P D E G PALOP Eduardo Cruz E F P D E G PALOP Eduardo Cruz Formedia edcruz@formedia.pt 312 Experiências de formação presencial e à distância de empresários e gestores nos PALOP Desde 2001, a Formedia Instituto Europeu de Formação

Leia mais

Conferência Internacional Os Regimes Cambiais face aos Desafios da Economia de Cabo Verde

Conferência Internacional Os Regimes Cambiais face aos Desafios da Economia de Cabo Verde Conferência Internacional Os Regimes Cambiais face aos Desafios da Economia de Cabo Verde (No Âmbito das Comemorações dos 10 Anos da Assinatura do Acordo de Cooperação Cambial) SESSÃO DE ABERTURA Intervenção

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Declaração conjunta dos governos da República Portuguesa e da República Popular da China sobre o reforço das relações bilaterais

Declaração conjunta dos governos da República Portuguesa e da República Popular da China sobre o reforço das relações bilaterais Declaração conjunta dos governos da República Portuguesa e da República Popular da China sobre o reforço das relações bilaterais A convite de Sua Excelência o Primeiro- -Ministro da República Portuguesa,

Leia mais

ILUSTRES PARTICIPANTES DO FÓRUM EM CIÊNCIAS

ILUSTRES PARTICIPANTES DO FÓRUM EM CIÊNCIAS DISCURSO PRONUNCIADO POR SUA EXCELÊNCIA JOSÉ EDUARDO DOS SANTOS, PRESIDENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA, NA SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO FÓRUM EM CIÊNCIAS DO DESPORTO APLICADAS AO FUTEBOL Luanda, 29 de Agosto

Leia mais