Berna, 29 e 30 de Abril de 2010 (de 9h30 às 12h30 e de 15h00 às 18h00), Sala Heinrich von Stephan

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Berna, 29 e 30 de Abril de 2010 (de 9h30 às 12h30 e de 15h00 às 18h00), Sala Heinrich von Stephan"

Transcrição

1 UPU UNIÃO POSTAL UNIVERSAL CEP Doc 14a CONSELHO DE OPERAÇÕES POSTAIS Conselho fiduciário do Fundo para a Melhoria da Qualidade de Serviço Berna, 29 e 30 de Abril de 2010 (de 9h30 às 12h30 e de 15h00 às 18h00), Sala Heinrich von Stephan Relatório do Presidente (Item 14 da pauta) 1. Assunto Apresentação do relatório do Fundo para a Melhoria da Qualidade de Serviço. Apresentação das modificações ao Manual de gestão de projetos. Referências/Parágrafos 1 a 33 Add 1 2. Decisões aguardadas Tomar nota deste relatório e dos seus anexos. Aprovar as mudanças propostas ao Manual de gestão de projetos. 34 Add 1 I. Introdução 1. O objetivo deste relatório é fornecer ao Conselho de Operações Postais (COP) uma visão geral das atividades do Fundo para a Melhoria de Qualidade de Serviço (FMQS) até Dezembro de II. Relatório de atividade Projetos do Fundo para a Melhoria da Qualidade de Serviço 2. Entre 23 de Abril de 2001 (data de lançamento do FMQS) e 31 de Dezembro de 2009, todos os operadores que cumpriam as condições necessárias (exceto 6, onde 4 não dispunham de fundos) apresentaram pelo menos uma proposta de projeto em seu próprio nome (como projeto nacional) ou como um projeto regional ou global. O balanço da situação dos projetos do FMQS em 31 de Dezembro de 2009 é apresentado no quadro a seguir: Quantidade de projetos aprovados 1 Projetos cancelados/ retirados Projetos recusados Projetos terminados Projetos cujos resultados foram avaliados 1 Incluindo 18 projetos regionais e 3 projetos globais. FMQS

2 2 / 3. A lista dos 50 projetos aprovados em 2009, bem como seus orçamentos a título do FMQS figuram no anexo 1. Pelo segundo ano consecutivo, o montante dos projetos FMQS aprovados excede o montante das receitas do mesmo ano. / 4. Os três gráficos no anexo 2 mostram a evolução de ano para ano dos projetos aprovados (gráfico A e A ) bem como a repartição dos projetos por região (gráfico B). Resultados obtidos pelo Fundo para a Melhoria da Qualidade de Serviço 5. A avaliação inicial dos resultados de cada projeto é feita pelo Conselho fiduciário com base no relatório final do projeto, que deve demonstrar em relação aos indicadores de desempenho mensurados as melhorias constatadas em termos de qualidade de serviço. De fato, cada projeto a título do FMQS deve conter indicadores de desempenho indicando o nível de qualidade inicial, assim como o nível esperado no final do projeto. 6. Entretanto, para garantir uma melhoria duradoura da qualidade de serviço, a maioria dos resultados dos projetos FMQS é controlada uma segunda vez, no terreno, cerca de dois anos após o fim do projeto. O custo das avaliações, iniciadas em 2004, é financiado por uma retirada de 1% do montante do projeto, até um limite máximo de USD. Em 2009, 44 projetos puderam ser avaliados, onde 80% alcançaram seus objetivos de maneira duradoura. O Conselho fiduciário acompanha, com os operadores designados interessados, os 9 projetos cujas avaliações não deram os resultados esperados. As 149 avaliações dos projetos a título do FMQS efetuadas desde 2004 são apresentadas por ano no gráfico C (anexo 2). 7. O Conselho fiduciário também entendeu realizar avaliações dos aspectos financeiros dos projetos do FMQS para verificar se os operadores beneficiários do FMQS respeitam as regras financeiras do FMQS. Em princípio, estas avaliações se limitam aos projetos cujo orçamento do FMQS é superior a USD. Todas as 7 avaliações efetuadas neste âmbito demonstraram que as regras financeiras do FMQS foram devidamente seguidas. 8. O custo das avaliações efetuadas desde 2004 é de USD. Atividades de formação 9. O Conselho fiduciário aprovou uma proposta da Secretaria Internacional de realizar exclusivamente por TRAINPOST a atividade de formação regional sobre os aspectos financeiros do Fundo, especialmente as modificações introduzidas pelo 24º Congresso, em vigor a partir de Janeiro de A formação financeira on-line para o pessoal responsável pelo FMQS, via o sistema TRAINPOST, teve início em 1 de Dezembro de 2009 com os módulos em inglês e francês. Até meados de Janeiro de 2010, 152 pessoas estavam inscritas, correspondendo a 71 Países-membros da UPU. A formação em árabe e em espanhol teve início em 28 de Fevereiro de Para garantir maior participação neste curso de formação à distância, os participantes podem contar com um helpdesk por correio eletrônico que oferece duas formas de ajuda: uma assistência técnica e uma assistência relativa à formação para todas as questões envolvendo o conteúdo do curso. A assistência para a formação é feita pela equipe FMQS (encarregada da parte finanças) e funcionou de 1 de Dezembro de 2009 até 31 de Março de 2010, com tempo de resposta em no máximo 2-3 dias, em função da língua utilizada e da complexidade da questão. A assistência técnica, feita pelos especialistas TRAINPOST, é permanente. Ações de promoção 11. O Conselho fiduciário realizou um seminário sobre o tema do FMQS em Outubro de 2009 em Berna, durante o qual foram feitas apresentações sobre os projetos avaliados. O seminário também permitiu a apresentação das principais mudanças sobre os aspectos financeiros do FMQS, incluindo o fim do faturamento acelerado, tal como decidido pelo COP, a partir de 1 de Janeiro de Além disso, o Conselho fiduciário publica, após cada uma de suas reuniões trimestrais, um boletim informativo do FMQS em francês e em inglês. Este boletim, enviado aos coordenadores nacionais do FMQS por correio eletrônico, também é publicado no Website da UPU.

3 Prêmios do Fundo para a Melhoria da Qualidade de Serviço No âmbito do seminário do FMQS em Outubro de 2009, os 3 prêmios do FMQS foram entregues aos seguintes operadores designados, que mostraram excelente domínio da condução de seus projetos, atestada pelos relatórios de avaliação: Argentina, Bahamas, Belize, Bermudas, China (Rep. Pop.), Guiana, Hungria (Rep.), Malta e Eslovênia. III. Relatório financeiro 14. Em 31 de Dezembro 2009, o total dos recursos faturados desde a criação do FMQS era de cerca de 134,2 milhões de USD, um montante anual de recursos de cerca de 15 milhões de USD. 15. Em 2009, com cerca de 10 milhões de USD, os recursos anuais do FMQS continuaram a acusar uma queda geral, o que confirma a tendência verificada há alguns anos. O gráfico D do anexo 2 apresenta os montantes das receitas desde O gráfico E do anexo 2 mostra a repartição dos fundos de 2009 entre os beneficiários. 16. No sistema em vigor desde 1 de Janeiro de 2006 e válido até 31 de Dezembro de 2009, as contribuições anuais foram pagas em dois depósitos 1, pelos encargos terminais pelos operadores designados dos 128 países ou territórios ditos «industrializados», «em desenvolvimento» e «contribuidores líquidos» aos operadores designados dos 178 países ou territórios habilitados a beneficiar dos recursos do FMQS. 17. A partir de 1 de Janeiro de 2010, o pagamento antecipado (processo dito «faturamento acelerado») foi suprimido. Deste fato, haverá um único faturamento (faturamento definitivo) após aprovação das contas definitivas dos encargos terminais. Como conseqüência, os fundos do FMQS vão registrar uma queda em um período de cerca de dois anos (2010/2011), o período necessário para que o faturamento encontre seu ritmo normal. Entretanto, a acumulação dos fundos registrada deverá facilitar aos beneficiários o desenvolvimento dos projetos durante este período. 18. A repartição dos montantes pagos e recebidos foi estritamente proporcional aos fluxos brutos de correio 2 dos países industrializados para os países em desenvolvimento, os países contribuidores líquidos e os menos avançados, bem como dos países em desenvolvimento e dos países contribuidores líquidos para os países menos avançados. Convém notar que, no sistema aprovado pelo Congresso de Bucareste, os operadores designados dos 50 países menos avançados se compartilham 16% dos recursos do FMQS. 19. O gráfico F (anexo 2) mostra a repartição dos fundos do FMQS por região. 20. Em 31 de Dezembro de 2009, e desde o início do FMQS, cerca de 89.9 milhões de USD foi orçamentado, milhões já pagos, para o financiamento de projetos para melhorar a qualidade de serviço. O montante efetivamente disponível para novos projetos era de 62.8 milhões de USD. Política de investimentos 21. Em virtude das disposições do Ato de fideicomisso, a gestão financeira do FMQS é uma tarefa do Conselho fiduciário que também é responsável pela otimização e a segurança dos ativos líquidos e pela divisão da tesouraria disponível em investimentos a curto prazo e em outros tipos de investimento. Sa a Secretaria Internacional é responsável pelos investimentos a curto prazo, o Conselho fiduciário gere todas as outras formas de investimento através de seu Comitê das finanças e de investimento dos fundos, reunindo membros do Conselho representando a América (Estados Unidos), o Japão e a Rússia (Federação da). A principal missão deste Comitê é formular a política de investimento do FMQS tendo em conta a segurança e a liquidez dos fundos e a eficiência das estratégias de investimento. 1 Na forma de um depósito antecipado correspondente a 80% do montante estimado (processo dito «faturamento acelerado»), depois o pagamento do saldo («faturamento regular») após aprovação das contas definitivas de encargos terminais (cf. art. 8 do Manual de gestão financeira do FMQS). 2 Excluindo o correio sujeito ao mecanismo de revisão, os sacos M e o correio em quantidade.

4 4 22. Assim, em 31 de Dezembro 2009, a liquidez do FMQS era de cerca de 91,9 milhões de USD, investida segundo as regras do FMQS. De acordo com as disposições do Ato de fideicomisso relativas à segurança dos investimentos, todos os fundos coletados ainda não atribuídos foram investidos em investimentos a curto prazo no mercado monetário ou em investimentos a médio prazo em forma de produtos financeiros com capital garantido. Os juros adquiridos permitiram compensar os custos de exploração do FMQS, em parte de 2001 a 2003 e integralmente de 2004 a Como os juros adquiridos em 2007 e 2008 foram maiores do que as despesas do fideicomisso, o excedente foi distribuído aos beneficiários do Fundo, em proporção ao total das liquidações anuais devidas a cada credor. Assim, em 2007 e 2008, respectivamente 5' USD e 2' USD foram pagos aos beneficiários do FMQS. Um total de 16'523'959 USD foi redistribuído desde o início do FMQS, em Graças a uma política prudente e conservadora de investimento, o capital do FMQS não foi atingido pela crise financeira mundial. De fato, o Comitê das finanças e de investimento, com o aval do Conselho fiduciário, reduziu alguns investimentos e o produto das vendas foi reinvestido em fundos monetários. Mesmo que os juros produzidos por estes novos investimentos não sejam tão importantes, eles permitiram continuar a garantir a liquidez do FMQS. O Comitê das finanças e de investimento continuará a acompanhar a evolução da situação financeira. Entretanto, os juros produzidos em 2009 não permitiram cobrir, todos os custos operacionais do FMQS. Fundo acumulados 25. De acordo com as disposições do artigo do Ato de fideicomisso, os beneficiários do FMQS podem pedir que os pagamentos anuais efetuados em seu favor pelos constituintes se acumulem durante uma parte da duração do fideicomisso, sob a supervisão do Conselho fiduciário. Em 31 de Dezembro de 2009, 18 beneficiários tinham acumulado fundos por um montante superior a 1 milhão de USD. Igualmente, segundo seu mandato, o Conselho fiduciário pediu a cada um dos operadores designados envolvidos que lhe comunicasse seu plano de atribuição dos fundos. Orçamento administrativo do Fundo para a Melhoria da Qualidade de Serviço 26. O orçamento administrativo do fideicomisso para 2009, financiado através do produto do investimento dos fundos disponíveis e aprovado pelo Conselho fiduciário, é apresentado a seguir: Encargos do Fundo para a Melhoria da Qualidade de Serviço Custos do pessoal Despesas de missão e de deslocamento do pessoal, financiamento participação nas formações para os países menos avançados, outras despesas como os custos de interpretação Orçamento realizado (em dólares dos estados Unidos) Consultores Despesas de informática Honorários do gestor externo dos fundos Outras despesas Despesas gerais (12%) Total dos encargos As despesas incorridas pelos fiduciários para a participação às reuniões e aos workshops do Conselho fiduciário foram integralmente paga pelos seus respectivos operadores designados e, assim, não são assumidas pelo FMQS. 28. Em 2009, o montante dos juros resultantes de investimentos foi inferior ao orçamento do fideicomisso. Assim, um montante de USD foi, conforme às regras do FMQS (artigo 5.5 do Ato de fideicomisso), retirado do capital proporcionalmente ao total das liquidações anuais devidas (montante do faturamento anual) a cada credor.

5 5 29. De acordo com as previsões, diante da situação financeira mundial, os juros gerados pela liquidez do FMQS não deverão cobrir integralmente os custos administrativos do FMQS para O Conselho fiduciário se interesse bastante a esta situação e já iniciou análises detalhadas sobre o futuro financeiro do Fundo em relação a algumas variantes. 30. O Conselho fiduciário também tomou medidas de contenção de despesas do fideicomisso e decidiu, entre outros, realizar a formação sobre as questões financeiras do FMQS apenas através de TRAINPOST, reduziu a quantidade de workshops de formação «projetos» por ano e congelou a criação dos postos suplementares dentro da equipe FMQS, apesar de um aumento exponencial dos projetos e dos trabalhos conseqüentes a serem efetuados pelo Secretariado. Assim, para aliviar a carga de trabalho da equipe FMQS encarregada da gestão dos projetos, o Conselho fiduciário já tomou uma série de medidas urgentes e outras medidas serão tomadas no futuro. 31. O Auditor externo das contas apresentou, em Outubro de 2009, seu relatório detalhado sobre os extratos financeiros do FMQS em 31 de Dezembro de De acordo com o certificado de verificação concedido pelo Diretor do controle federal das finanças da Confederação suíça, as operações do FMQS foram, em todos os pontos essenciais, conformes ao Regulamento financeiro da União Postal universal, ao Manual de gestão financeira do FMQS e às autorizações dos órgãos deliberantes do FMQS. IV. Eleições dos membros do Conselho fiduciário 32. Após as decisões tomadas pelo 24 º Congresso e as decisões do COP em sua sessão de 2009, o Conselho fiduciário, com o apoio da Secretaria Internacional, apresentou ao Comitê de gestão do COP sugestões em relação à eleição dos nove postos no âmbito do Conselho fiduciário, bem como aos procedimentos a aplicar nestas eleições. Esta questão é apresentada em detalhes no documento CEP Doc 14b. V. Reuniões do Conselho fiduciário 33. O Conselho fiduciário realizará quatro reuniões em 2010, a primeira em Delhi, de 27 a 29 de Janeiro e a segunda em Berna nos dias 13 e 14 de Abril. As duas outras reuniões terão lugar em Julho e em Outubro/Novembro de VI. Conclusões 34. O COP está convidado a tomar conhecimento do presente documento e dos seus anexos e a aprovar as modificações propostas ao Manual de gestão dos projetos do FMQS. Berna, 19 de Março de 2010 Philippe Hlavacek Presidente

6 Operador postal Título do projeto Orçamento FMQS (USD) África AOPAA Transporte rodoviário permitindo as permutas de correio entre os Estados membros da Associação dos ,75 operadores postais da África austral fazendo parte da Comunidade do desenvolvimento da África austral (CDAA) Burkina Faso Melhoria do encaminhamento das expedições postais ,00 Côte d Ivoire Redinamização do sistema de encaminhamento dos objetos ,00 Etiópia Desenvolvimento do serviço de transporte do correio em todo o país ,00 Gâmbia Melhoria da distribuição do correio ,00 Gâmbia Aquisição de veículos para a distribuição ,00 Guiné Bissau Entrega do correio em domicílio na capital ,00 Quênia Desenvolvimento de um modelo de contabilidade analítica ,00 Quênia Melhoria do encaminhamento do correio internacional entre o aeroporto internacional e a estação de permuta ,77 Lesoto Melhoria da segurança postal (CCTV) ,00 Libéria Melhoria da qualidade da rede postal ,00 Malawi Encaminhamento do correio interurbano ,00 Mali Melhoria do transporte do correio no território nacional ,00 Moçambique Melhoria do transporte do correio em Tete ,00 Moçambique Melhoria do transporte do correio em Inhambane ,26 Namíbia IPS ,89 Niger Melhoria do transporte do correio ,00 Nigéria Melhoria da distribuição do correio interurbano no país ,00 Uganda Generalização das caixas de correio individuais na estação de Correio de Clock Tower ,00 Senegal Melhoria do sistema de transporte interno - Fase II ,00 Seychelles Furgão postal para o Correio central de Victoria ,00 Total para a região África ,67 Países árabes Argélia Automatização do tratamento das expedições ,00 Djibuti Elaboração de um plano de desenvolvimento da qualidade (PDQ) ,00 Marrocos Sistema de avaliação e de acompanhamento da qualidade de serviço nacional ,00 Total para a região dos países árabes ,00 Ásia/Pacífico APPU Projeto principal de melhoria da qualidade de serviço para os objetos registrados na região Ásia/Pacífico ,00 Brunei Darussalam Melhoria dos serviços de distribuição ,00 Indonésia Implantação de casiers de triagem verticais nos centros de tratamento do correio ,00 UPU UNIÃO POSTAL UNIVERSAL CEP Doc 14a.Annexe 1

7 Operador postal Título do projeto Orçamento FMQS (USD) Singapura Sistema de contabilidade informatizada para os encargos terminais, as despesas de trânsito e o correio-avião ,00 Sri Lanka Instalação de um sistema de vigilância em circuito fechado na estação de permuta central ,00 Vanuatu Melhoria do acesso aos serviços postais ,00 Total para a região Ásia/Pacífico ,00 Caribe Belize Melhoria do transporte das expedições do correio ,00 Total para a região do Caribe ,00 Europa/Ásia do Norte Albânia Fortalecimento dos sistemas contábeis do Correio da Albânia ,00 Azerbaijão Melhoria da rede de transporte e de distribuição do correio internacional na República Autônoma de Nakhitchevan ,00 Bulgária (Rep.) Implantação de um sistema de controle da retirada do correio nas caixas de correio ,00 Croácia Reconfiguração dos processos de triagem e de transporte do Correio Croata ,00 Hungria (Rep.) Máquina de controle com raio X ,00 Hungria (Rep.) Sistema transporte na estação de permuta do correio postal internacional ,00 Polônia Instalação de sistemas automáticos móveis de avaliação da qualidade do correio (AMQM) nos cinco novos centros ,00 de triagem da Polônia Rússia Reforma dos transportes longa distância - fase ,00 (Federação da) Servia Automatização e modernização dos principais centros de tratamento do correio em Belgrado, Nis e Novi Sad ,00 Eslováquia Extensão do sistema de controle da qualidade do correio (AMQM) ,00 Eslováquia Sistema internacional de logística e de rastreamento ,00 Ucrânia Implantação de um sistema integrado de contabilidade analítica ,00 Total para a região Europa/Ásia do Norte ,00 América Latina Chile Implementação do processo operativo ,00 Costa Rica Melhoria da segurança postal (CCTV) ,00 El Salvador Distribuição do correio em domicílio ,00 Equador Implementação e instalação de um sistema CCTV-IP para a segurança postal ,75 Guatemala Instalação de IPS ,00 Total para a região América Latina ,75 Projetos globais SI Participação ao sistema de controle mundial da UPU Período 2009/ ,00 SI Participação ao controle contínuo da qualidade do serviço internacional organizado pela UPU. Período: 2/ ,00 1/2010 Total para os projetos globais ,00 Total dos projetos aprovados em ,42 2

8 UPU UNIÃO POSTAL UNIVERSAL CEP Doc 14a.Annexe 2 Quantidade de projetos por ano (gráfico A) Orçamento dos projetos por ano (gráfico A') Milhões

9 2 Repartição dos projetos por região (gráfico B) Europa e Ásia do Norte 24% Ásia/Pacífico 19% Caribe 8% África 24% Países árabes 10% América Latina 15% Quantidade de projetos avaliados a cada ano (gráfico C)

10 3 Receitas anuais em USD (gráfico D) Repartição entre os beneficiários dos fundos do FMQS faturados em 2009 (gráfico E) N. de operadores designados Receitas 2009

11 4 Repartição dos fundos do FMQS por região (gráfico F) Caribe 2% Países árabes 8% Ásia/Pacífico 34% África 20% América Latina 9% Europa e Ásia do Norte 27%

12 UPU UNIÃO POSTAL UNIVERSAL CEP Doc 14a.Add 1 CONSELHO DE OPERAÇÕES POSTAIS Conselho fiduciário do Fundo para a Melhoria da Qualidade de Serviço Revisão do Manual de gestão dos projetos do Fundo para a Melhoria da Qualidade de Serviço Berna, 29 e 30 de Abril de 2010 (de 9h30 às 12h30 e de 15h00 às 18h00), Sala Heinrich von Stephan Relatório do Conselho fiduciário do Fundo para a Melhoria da Qualidade de Serviço (Item 14a da pauta) 1. Assunto Apresentação ao Conselho de Operações Postais (COP) de uma proposta de revisão do Manual de gestão dos projetos do Fundo para a Melhoria da Qualidade de Serviço. Referências/Parágrafos 1 a 5 2. Decisão aguardada em sessão plenária Aprovar a propostas de modificação do Manual de gestão dos projetos do Fundo para a Melhoria da Qualidade de Serviço. 6 I. Introdução 1. Após o Conselho de Operações Postais (COP) de 2009, o Conselho fiduciário fez um novo exame do Manual de gestão dos projetos do Fundo para a Melhoria da Qualidade de Serviço, no intuito de satisfazer às disposições da resolução C 15/2008 do 24º Congresso. Este exame resultou em uma análise detalhada das regras aplicáveis aos projetos regionais e globais, bem como um estudo das possibilidades para acelerar a apresentação das propostas de projeto, facilitar o acesso aos recursos do Fundo e promover a apresentação e a implementação de projetos referentes aos sistemas de avaliação da qualidade. 2. O Conselho fiduciário criou uma equipe de trabalho composta de membros do Conselho representando o Brasil, a Índia e Portugal. Esta equipe de trabalhou associou a Secretaria Internacional, as Uniões Restritas e vários operadores postais (constituintes e credores do FMQS) ao exame acima mencionado. 3. O objetivo deste adendo e apresentar ao COP os resultados da nova revisão do Manual de gestão dos projetos do FMQS. II. Modificações apresentadas ao Conselho de Operações Postais 4. As modificações a seguir do Manual de gestão dos projetos são apresentas à aprovação do COP. «Artigo 3 Princípios diretores 6. Recomenda-se que cada operador designado disponha de um plano de desenvolvimento da qualidade e que o submeta ao Conselho fiduciário com a proposta de projeto. O objetivo desta recomendação é garantir que cada projeto faça parte integrante de uma melhoria global da qualidade de DCDEV.FAQS

13 2 serviço e que os projetos futuros e precedentes se interliguem de maneira lógica. O plano de desenvolvimento da qualidade também incluirá projetos financiados por outras fontes, incluindo os projetos integrados plurianuais da UPU. Quando um operador designado credor não tem plano de desenvolvimento da qualidade, il recomenda-se que prepare um como projeto inicial a título do FMQS. Entende-se que os planos de desenvolvimento da qualidade são documentos estratégicos que devem continuar válidos durante vários anos e que o FMQS não pode financiar a atualização de um plano de desenvolvimento da qualidade em curso. O objetivo final do plano de desenvolvimento da qualidade deve ser a integração de todos os projetos necessários para alcançar os objetivos fixados no sistema de controle mondial ou, se não se aplica o SCM, as normas e os objetivos relativos à qualidade (de ponta a ponta) no serviço interno. 6.1 Os operadores designados cujos projetos estão ligados à preparação de um plano de desenvolvimento da qualidade devem cuidar para que todas as propostas apresentadas respeitem os parâmetros deste plano. Os planos de desenvolvimento postal e os planos estratégicos são considerados equivalentes aos planos de desenvolvimento da qualidade. 6.2 As propostas de projeto que não respeitem os parâmetros estabelecidos no âmbito do plano de desenvolvimento da qualidade devem ser devidamente motivadas. 6.3 Os operadores designados podem apresentar uma única proposta de projeto com vistas à implementação de todos os projetos incluídos em um plano de nesse caso, cada projeto previsto no plano de desenvolvimento da qualidade será considerado um sub-projeto». Motivos. Facilitar a apresentação e a implementação dos projetos. «Artigo 5 Compra de material e de serviços 1. Qualquer compra deve servir o propósito e os objetivos do projeto. 2. Compra de material As compras de material de um montante igual ou inferior a USD serão efetuadas com base na obtenção de faturas pro forma de três fornecedores. As compras de um montante superior a USD deverão ser efetuadas através de um concurso público nacional/internacional. 2.1 Quando uma proposta prevê a aquisição de equipamentos de categorias diferentes (por ex. veículos, material informático, caixas de correspondência) cujo montante total, incluindo todos os tipos de equipamentos, exceda USD, é necessário: realizar um concurso público nacional/internacional para cada categoria de equipamento cujo orçamento exceda USD, por exemplo, quando o orçamento «veículos» isoladamente exceda USD; obter faturas pro forma de três prováveis fornecedores para cada categoria de equipamento cujo orçamento isoladamente seja inferior a USD. 2.2 Autilização prevista, a qualidade técnica e o custo dos elementos de equipamento para os quais um pedido de compra é apresentado devem ser especificados. Todas as especificações relativas ao número de elementos de equipamento necessários, aos preços, às condições de entrega e aos eventuais custos de transporte, assim como uma estimativa dos custos de acompanhamento, tais como os custos de exploração, de reparação e de manutenção, e informações sobre a disponibilidade das peças de substituição, deverão ser fornecidas ao Conselho fiduciário antes que este aprove a compra de modo definitivo. 2.3 Em caso de aquisição de equipamento, o operador designado pode recorrer aos serviços de compra da UPU/do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), se for o caso, em função de suas regras específicas, sob reserva da aprovação do Conselho fiduciário. Neste caso, as despesas de gestão incorridas pelo organismo em questão deverão ser imputadas ao orçamento do projeto.» Motivos. Por coerência, este parágrafo foi deslocado; agora é o 4. «3. Concessão de contratos de serviços Em caso de concessão de contratos de serviços, é necessário um enunciado do ou dos objetivos visados. As razões que justifiquem a nomeação de um consultor devem ser expostas em pormenor na proposta. 3.1 Contratos de serviços para os trabalhos de consultoria podem ser atribuídos nas seguintes condições: para montantes inferiores a USD, com pelo menos uma oferta;

14 3 para montantes superiores a USD, com base em um concurso público nacional/internacional com pelo menos três ofertas. Neste caso, o Conselho fiduciário incluirá na sua notificação relativa ao projeto uma autorização para publicar o caderno de encargos e poderá estabelecer um valor máximo para o montante do contrato. 3.2 Quando um operador designado deseja confiar a execução de uma prestação de serviços de consultoria à UPU ou a uma União Restrita, ou recrutar um consultor colocado à disposição por um outro operador designado através da UPU ou de uma União Restrita, o Conselho fiduciário poderá, a pedido desse operador designado, autorizar a concessão do contrato de prestação de serviços com uma só oferta. Todavia, o recrutamento de consultores segundo este método deverá efetuar-se de acordo com os procedimentos fixados pela Secretaria Internacional, incluindo aqueles referentes à concessão e à assinatura dos contratos» Motivos. Por coerência, este parágrafo foi deslocado; agora é o 4.1. «3.2 As condições, o montante estimado do contrato e as grandes linhas do caderno de encargos devem ser incluídos na proposta de projeto, assim como seu custo e dua duração. 3.3 Os procedimentos relativos à concessão dos contratos de serviço também são aplicáveis nas mesmas condições de compras de serviços de formação junto a prestadores externos. 4 Em caso de aquisição de equipamento ou de serviços, o operador designado pode recorrer aos serviços de compra da UPU/do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) ou do Escritório das Nações Unidas para os Serviços de apoio aos projetos (UNOPS), se for o caso, em função de suas regras específicas, sob reserva da aprovação do Conselho fiduciário. Neste caso, as despesas de gestão incorridas pelo organismo em questão deverão ser imputadas ao orçamento do projeto. 4.1 Quando um operador designado deseja utilizar os serviços de consultoria da Secretaria Internacional confiar a execução de uma prestação de serviços de consultoria à UPU ou a de uma União Restrita, ou recrutar um consultor colocado à disposição por um outro operador designado através da UPU da Secretaria Internacional ou de uma União Restrita, o Conselho fiduciário poderá, a pedido desse operador designado, autorizar a concessão do contrato de prestação de serviços com uma só oferta. Todavia, o recrutamento de consultores segundo este método deverá efetuar-se de acordo com os procedimentos fixados pela Secretaria Internacional ou a União Restrita, incluindo aqueles referentes à concessão e à assinatura dos contratos. 4. O operador designado que apresenta a proposta deve ter em consideração e respeitar todas as normas aplicáveis aos contratos de serviços.» Motivos. Como as regras para a compra devem ser observadas em todos os casos, este parágrafo foi considerado redundante. «5. Os limites a partir dos quais as compras de equipamentos ou de serviços exigem um edital de concorrência devem ser respeitados por todos os países, incluindo aqueles cujas regras nacionais não requerem este tipo de procedimento. 6. Em alguns casos, os fundos do FMQS podem servir para financiar não apenas compras de material e serviços de assessoria, mas também trabalhos de infra-estrutura. Aliás, isto só é possível desde que estes trabalhos sejam plenamente justificáveis no âmbito de um projeto que responda aos objetivos do FMQS. O Conselho fiduciário decidirá caso a caso sobre a possibilidade de financiar as despesas a título de «trabalhos» por meio dos recursos do FMQS. 7. No caso em que o edital de concorrência se revele realmente impossível ou quando o procedimento de adjudicação ou de concorrência não tenha produzido os resultados esperados, o credor o operador designado deve fornecer todas as explicações e justificações necessárias à apreciação do Conselho fiduciário. 8. Quando um mesmo fornecedor é susceptível de ser utilizado para projetos ligados a projetos anteriores, cabe ao operador designado credor incluir as informações pertinentes na proposta de projeto, para exame por parte do Conselho fiduciário. 9. Quando os elementos previstos em um projeto FMQS são os mesmos adquiridos através de um outro procedimento nacional em matéria de compra, não é necessário efetuar um concurso especial para o projeto FMQS; todavia, devem ser observadas as leis e regulamentações nacionais aplicáveis a esta compra.

15 4 10. No caso onde o Conselho fiduciário imponha condições particulares relativas aos procedimentos de compra, por exemplo, compra de serviços de assessoria, estas condições devem ser pormenorizadas na notificação de aprovação do projeto. 11. Todas as condições relativas à compra de material e de serviços, incluindo todas as obrigações e responsabilidades do ou dos fornecedores, devem ser especificadas na documentação referente à compra, assim como no contrato.» Motivos. As modificações deste artigo visam não apenas harmonizar o texto com o do Manual (substituição de «credor» por «operador designado»), mas também tornar mais claras as regras do FMQS em matéria de compra, especialmente aquelas aplicáveis aos editais de concorrência. «Artigo 9 Verificação preliminar pela equipe do FMQS 2. A fim de tornar mais claro algumas questões que necessitam de mais explicações, a equipe FMQS pode solicitar informações suplementares ou mais pormenorizadas ao operador designado em questão, à União Restrita ou à UPU à Secretaria Internacional. Se as informações solicitadas pela equipe do FMQS não forem recebidas num prazo de quatro semanas, a análise da proposta será adiada para a próxima reunião do Conselho fiduciário.» Motivos. Adaptar o texto para levar em conta que a Secretaria Internacional é encarregada da apresentação e da implementação dos projetos FMQS globais. «Artigo 13 Princípios 1. Os projetos devem ser realizados de acordo com os planos e os objetivos, como descritos na proposta de projeto aprovada. Qualquer Os desvios em relação aos objetivos do projeto, bem como qualquer as modificações do mesmo devem ser apresentados por escrito por meio de um pedido de mudança de projeto (anexo 6) e ser aprovados pelo Conselho fiduciário. O Conselho fiduciário pode delegar esta decisão ao Presidente e/ou ao chefe do projeto FMQS, em alguns casos particulares. 1.1 Nos casos onde o pedido de mudança de projeto prevê um aumento de mais de 25% do orçamento montante do contrato passado com um fornecedor, uma nova proposta de projeto deve ser apresentada ao Conselho fiduciário para aprovação.um novo procedimento de compra deve ser lançado.» Motivos. Simplificar mais a implementação dos projetos; os projetos não devem ser submetidos de novo à aprovação do Conselho em caso de aumento de mais de 25% do orçamento FMQS. «Artigo 22 - Princípios 3. Se um operador designado tem a intenção de implementar um projeto global, regional ou comum, serão aplicáveis as seguintes condições suplementares. 3.5 Todos os operadores designados participantes devem indicar, por escrito, seu compromisso em apoiar financeiramente o projeto e especificar o montante dos fundos a utilizar para este fim, preenchendo o formulário do anexo 2. Também devem comprometer-se em alcançar os objetivos do projeto e em obter os resultados esperados» Motivos. Atualmente, um dos principais problemas referentes a inúmeros projetos regionais e globais é o fato de que alguns operadores participantes não se esforçam em alcançar os objetivos nem os resultados do projeto. «Artigo 23 Papel da UPU da Secretaria Internacional e das Uniãos Restritas 1. Além de seu papel de chefes de projeto (para os projetos globais ou regionais), a UPU Secretaria Internacional e as Uniões Restritas podem também ajudar os operadores designados a elaborar planos de desenvolvimento da qualidade e projetos individuais e a acompanhar sua implementação, se necessário. 2. Se um operador designado, uma União Restrita ou a UPU Secretaria Internacional pedir ajuda dos coordenadores regionais do Coordenador de projeto regional da UPU para a elaboração de uma proposta de projeto comum, global ou regional, as despesas da missão podem ser incluídas no orçamento FMQS do

16 5 projeto. A mesma regra se aplica se um operador designado pede ajuda de um outro operador designado para a elaboração de uma proposta de projeto 2.1 As despesas de viagem incorridas pelo pessoal da Secretaria Internacional ou por uma União Restrita para a elaboração destes projetos também podem ser incluídas no orçamento FMQS do projeto.» Motivos. Esclarecer a situação em que um operador solicita a assistência do pessoal da Secretaria Internacional ou de uma União Restrita para elaborar propostas de projeto FMQS (ver 1). «Artigo 31 Avaliação dos resultados dos projetos 2. O calendário de avaliação da implementação deve ser determinado especificamente, para cada projeto, no âmbito de um acordo entre o Conselho fiduciário e, conforme o caso, a UPU, Secretaria Internacional, a União Restrita ou o operadore designado escolhido para desempenhar o papel de chefe de projeto». Motivos. A Secretaria Internacional é encarregada da implementação dos projetos globais. «Artigo 40 Obligações, sanções medidas corretivas e período probatório 3. Se o orçamento do projeto for ultrapassado sem a aprovação prévia do Conselho fiduciário, este último recomendará sanções medidas corretivas. Estas sanções As medidas podem prever o desbloqueio progressivo dos fundo ligados ao para o projeto (atual ou projetos futuros), a imposição de técnicas de gestão financeira mais rigorosas e, segundo o grau de ultrapassagem das despesas, um faturamento por etapas das despesas excedentes do orçamento. 4. Se os fundos do FMQS forem desviados ou utilizados para fins não aprovados pelo Conselho fiduciário, poderão ser igualmente aplicadas sanções medidas corretivas. Estas poderão incluir o reembolso dos fundos utilizados ou a exclusão de qualquer financiamento posterior a título do FMQS. 5. Quando a implementação de uma proposta de projeto estiver sujeita a condições fixadas pelo Conselho fiduciário, o operador designado deve cumprir estas condições em um prazo de seis meses após a notificação. Se este prazo não for cumprido, o projeto será anulado pelo Conselho fiduciário. 6. Quando um projeto aprovado pelo Conselho fiduciário não for implementado dentro do prazo fixado no artigo 11, o Conselho fiduciário pode impor novos prazos. Se o novo calendário não for cumprido, o projeto será anulado pelo Conselho fiduciário. 7. Os projetos dos operadores designados sujeitos às obrigações ou às medidas corretivas descritas nos 2, 3 e 4 acima são consideradas devem observar um período probatório.» Motivos. Evitar qualquer confusão entre as medidas corretivas aplicadas pelo Conselho fiduciário do FMQS e as sanções aplicáveis no âmbito das disposições do Regulamento geral da UPU. 5. Uma revisão completa do Manual de gestão dos projetos será efetuada para substituir, se for o caso, o termo «UPU» por «Secretaria Internacional». IV. Conclusão 6. O COP está convidado a aprovar as propostas de modificação do Manual de gestão dos projetos do FMQS. Berna, 22 de Março de 2010 Philippe Hlavacek, Presidente do Conselho fiduciário do FMQS

Berna, 28 de Abril de 2010 (de 9h30 às 12h30 e de 15h00 às 18h00), Sala Heinrich von Stephan

Berna, 28 de Abril de 2010 (de 9h30 às 12h30 e de 15h00 às 18h00), Sala Heinrich von Stephan UPU UNIÃO POSTAL UNIVERSAL CEP C 2 2010.1 Doc 12a.Rev 1 Original: inglês CONSELHO DE OPERAÇÕES POSTAIS Comissão 2 (Encomendas) Propostas referentes às quotas-partes territoriais de chegada para 2011 Propostas

Leia mais

UPU UNIÃO POSTAL UNIVERSAL. CEP C 2 2011.1 Doc 8c (COP C 2 2011.1 Doc 8c) CONSELHO DE OPERAÇÕES POSTAIS. Comissão 2 (Encomendas)

UPU UNIÃO POSTAL UNIVERSAL. CEP C 2 2011.1 Doc 8c (COP C 2 2011.1 Doc 8c) CONSELHO DE OPERAÇÕES POSTAIS. Comissão 2 (Encomendas) CEP C 2 2011.1 Doc 8c (COP C 2 2011.1 Doc 8c) Comissão 2 (Encomendas) Propostas formuladas por grupos da Comissão 2 sobre o Regulamento das Encomendas Postais Propostas relativas ao desenvolvimento do

Leia mais

UNIÃO POSTAL UNIVERSAL

UNIÃO POSTAL UNIVERSAL UPU UNIÃO POSTAL UNIVERSAL CEP C 3 2014.1 Doc 12 CONSELHO DE OPERAÇÕES POSTAIS Comissão 3 (Serviços Físicos) Grupo «Avaliação e Melhoria da Qualidade do Serviço de Encomendas Postais» Relatório do Presidente

Leia mais

Berna, 27 de Abril de 2010 (de 9h30 às 12h30 e de 15h00 às 18h00), Sala Heinrich von Stephan

Berna, 27 de Abril de 2010 (de 9h30 às 12h30 e de 15h00 às 18h00), Sala Heinrich von Stephan CEP C 1 2010.1 Doc 6a CONSELHO DE OPERAÇÕES POSTAIS Comissão 1 (Correspondências) Grupo «Melhoria da qualidade» Berna, 27 de Abril de 2010 (de 9h30 às 12h30 e de 15h00 às 18h00), Sala Heinrich von Stephan

Leia mais

Norma para pagamento de diária a serviço e solicitação de passagem aérea

Norma para pagamento de diária a serviço e solicitação de passagem aérea Norma para pagamento de diária a serviço e solicitação de passagem aérea Objetivo: A presente norma tem por objetivo formalizar e agilizar os pedidos de diária e passagem a serviço da entidade bem como

Leia mais

UNIÃO POSTAL UNIVERSAL

UNIÃO POSTAL UNIVERSAL UNIÃO POSTAL UNIVERSAL 24º CONGRESSO CONGRÈS C 9 Rapp 3 Prova RELATÓRIO DA COMISSÃO 9 (REDACÇÃO) Terceira sessão Segunda-feira, 28 de Julho de 2008, 08h10 Presidência de Sr. Faouzi Belhassen, Presidente

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 752, DE 26 DE AGOSTO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 752, DE 26 DE AGOSTO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 752, DE 26 DE AGOSTO DE 2015 Regulamenta as linhas de crédito dos Programas de Geração de Emprego e Renda na área Urbana - PROGER Urbano Investimento. O Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo

Leia mais

UPU UNIÃO POSTAL UNIVERSAL. CEP C 2 2011.1 Doc 7b (COP C 2 2011.1-Doc 7b) CONSELHO DE OPERAÇÕES POSTAIS. Comissão 2 (Encomendas)

UPU UNIÃO POSTAL UNIVERSAL. CEP C 2 2011.1 Doc 7b (COP C 2 2011.1-Doc 7b) CONSELHO DE OPERAÇÕES POSTAIS. Comissão 2 (Encomendas) CEP C 2 2011.1 Doc 7b (COP C 2 2011.1-Doc 7b) Comissão 2 (Encomendas) Propostas relativas ao Regulamento das Encomendas Postais Propostas dos Países-membros (Item 7b da pauta) 1. Assunto Propostas de modificação

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA Gabinete de Cooperação EuropeAid. América Latina Gestão financeira e contratual

COMISSÃO EUROPEIA Gabinete de Cooperação EuropeAid. América Latina Gestão financeira e contratual 1 Introdução ao sistema financeiro (custos elegíveis ) Custos directos elegíveis por natureza Custos não elegíveis Período de elegibilidade Repartição das despesas financeiras em conformidade com oanexo

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE Local de trabalho: Maputo, Moçambique Duração do contrato: Três (3) meses: Novembro 2011

Leia mais

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Dispõe sobre o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico FNDCT, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

COMITÊ DA CONTA TFCA

COMITÊ DA CONTA TFCA COMITÊ DA CONTA TFCA REGIMENTO Título Das disposições INTERNO I preliminares Art. 1 - O Comitê da Conta TFCA é um órgão colegiado de caráter deliberativo, instituído pela Portaria 398, de 21 de outubro

Leia mais

Uma carta sobre o assunto será divulgada nas próximas semanas.

Uma carta sobre o assunto será divulgada nas próximas semanas. Berna, 17 de Maio de 2010 Circular da Secretaria Internacional 106 Modificações ao Regulamento das Encomendas postais Prezada Senhora, Prezado Senhor, O Conselho de Operações Postais (COP) 2010, em virtude

Leia mais

Criação de um fundo de ajuda de urgência da UPU para os países atingidos por catástrofes naturais e/ou que se encontrem em situações particulares

Criação de um fundo de ajuda de urgência da UPU para os países atingidos por catástrofes naturais e/ou que se encontrem em situações particulares CA C 2 2010.1 Doc 2b CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO/CONSELHO OPERAÇÕES POSTAIS Comissão mista 2 (Desenvolvimento e cooperação) Criação de um fundo de ajuda de urgência da UPU para os países atingidos por catástrofes

Leia mais

IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO

IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 DE DE FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO A presente Lei cria o Fundo Financeiro Imobiliário e estabelece o respectivo regime jurídico. Os princípios de planeamento,

Leia mais

O Acordo de Madrid relativo ao Registro. Internacional de Marcas e o Protocolo. referente a este Acordo: Objetivos,

O Acordo de Madrid relativo ao Registro. Internacional de Marcas e o Protocolo. referente a este Acordo: Objetivos, O Acordo de Madrid relativo ao Registro Internacional de Marcas e o Protocolo referente a este Acordo: Objetivos, Principais Características, Vantagens Publicação OMPI N 418 (P) ISBN 92-805-1313-7 2 Índice

Leia mais

Eventuais modificações do Acordo SPP e de seu Regulamento Resultados da pesquisa

Eventuais modificações do Acordo SPP e de seu Regulamento Resultados da pesquisa UPU UNIÃO POSTAL UNIVERSAL CEP C 3 2011.1 Doc 3b (COP C 3 2011.1 Doc 3b) CONSELHO DE OPERAÇÕES POSTAIS Comissão 3 (Serviços Financeiros Postais) Eventuais modificações do Acordo SPP e de seu Regulamento

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Publicada no DJE/STF, n. 127, p. 1-3 em 3/7/2013. RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Dispõe sobre a Governança Corporativa de Tecnologia da Informação no âmbito do Supremo Tribunal Federal e dá outras

Leia mais

S. R. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA DIREÇÃO-GERAL DO ENSINO SUPERIOR

S. R. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA DIREÇÃO-GERAL DO ENSINO SUPERIOR Regulamento de Formação Avançada e Qualificação de Recursos Humanos da Direção-Geral do Ensino Superior (Aprovado por despacho, de 15 de junho de 2012, do Presidente do Conselho Diretivo da Fundação para

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS FINANCIADO PELA UE/PELO FED

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS FINANCIADO PELA UE/PELO FED Divulgação limitada à Entidade Adjudicante e ao autor do documento, tendo em vista proteger os dados pessoais e a vida privada, bem como a confidencialidade de informações comerciais e industriais FORMULÁRIO

Leia mais

154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO

154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO 154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO Washington, D.C., EUA, 16 a 20 de junho de 2014 Tema 5.8 da Agenda Provisória CE154/27 5 de maio de 2014 Original: inglês SITUAÇÃO DO PROJETO PARA A MODERNIZAÇÃO DO SISTEMA

Leia mais

152 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO

152 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 152 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO Washington, D.C., EUA, 17 a 21 de junho de 2013 Tema 7.3 da Agenda Provisória CE152/INF/3 (Port.) 26 de

Leia mais

Es t i m a t i v a s

Es t i m a t i v a s Brasileiros no Mundo Es t i m a t i v a s Ministério das Relações Exteriores - MRE Subsecretaria Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior - SGEB Departamento Consular e de Brasileiros no Exterior

Leia mais

ICC 102-8. 27 abril 2009 Original: inglês. Regulamento. Conselho Internacional do Café 102 a sessão 18 20 março 2009 Londres, Inglaterra

ICC 102-8. 27 abril 2009 Original: inglês. Regulamento. Conselho Internacional do Café 102 a sessão 18 20 março 2009 Londres, Inglaterra ICC 102-8 27 abril 2009 Original: inglês Regulamento P Conselho Internacional do Café 102 a sessão 18 20 março 2009 Londres, Inglaterra Regulamento de Finanças e Disposições Financeiras da Organização

Leia mais

153 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO

153 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 153 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO Washington, D.C., EUA, 4 de outubro de 2013 Tema 5.2 da Agenda Provisória CE153/5 (Port.) 30 de setembro

Leia mais

CEDIN - Centro de Documentação e Informação Tecnológica. Manual dos Serviços de Informação Tecnológica. Passo-a-passo para os clientes

CEDIN - Centro de Documentação e Informação Tecnológica. Manual dos Serviços de Informação Tecnológica. Passo-a-passo para os clientes CEDIN - Centro de Documentação e Informação Tecnológica Manual dos Serviços de Informação Tecnológica Passo-a-passo para os clientes CEDIN INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ÍNDICE 1 - Apresentação 02 2 - Por quê

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA O presente conjunto de Condições Gerais de Venda da GLUAL HIDRÁULICA se aplica a todas as entregas e a todos os serviços. ARTIGO 1. INFORMAÇÕES GERAIS ARTIGO 2. - OFERTAS E PEDIDOS ARTIGO 3. ESTUDOS, PLANTAS

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE A GESTÃO DE PROJECTOS

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE A GESTÃO DE PROJECTOS Nº FICHA Nº PERGUNTA RESPOSTA 1 2 2 2 O que significa exactamente a obrigação que tem o Beneficiário Principal de organizar e manter a contabilidade da globalidade do projecto, bem como de compilar a documentação

Leia mais

PROTOCOLO referente ao Acordo de Madri relativo ao Registro Internacional de Marcas adotado em Madri em 27 de Junho de 1989 *

PROTOCOLO referente ao Acordo de Madri relativo ao Registro Internacional de Marcas adotado em Madri em 27 de Junho de 1989 * PROTOCOLO referente ao Acordo de Madri relativo ao Registro Internacional de Marcas adotado em Madri em 27 de Junho de 1989 * Artigo 1º - Membros da União de Madri Os Estados partes do presente Protocolo

Leia mais

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A.

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. 31 de dezembro de 2014 com o relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A CONGRESSOS NOS DOMÍNIOS DA LÍNGUA E DA CULTURA PORTUGUESAS

REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A CONGRESSOS NOS DOMÍNIOS DA LÍNGUA E DA CULTURA PORTUGUESAS REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A CONGRESSOS NOS DOMÍNIOS DA LÍNGUA E DA CULTURA PORTUGUESAS 2015 Enquadramento A Fundação Calouste Gulbenkian (Fundação), através do Programa Gulbenkian de Língua e Cultura

Leia mais

I Convocatória. RedEmprendia Trading. Missão Comercial a Medellín Colômbia 2014

I Convocatória. RedEmprendia Trading. Missão Comercial a Medellín Colômbia 2014 I Convocatória RedEmprendia Trading Ligando empresários para facilitar os negócios internacionais Missão Comercial a Medellín Colômbia 2014 O RedEmprendia Trading é um programa de RedEmprendia destinado

Leia mais

CAPÍTULO XI FINANÇAS

CAPÍTULO XI FINANÇAS CAPÍTULO XI FINANÇAS A. INVESTIMENTO DOS FUNDOS DA ASSOCIAÇÃO As decisões referentes aos investimentos da associação deverão tomar como base as declarações sobre normas de investimentos para o Fundo Geral

Leia mais

CA 2013.2 Doc 13b CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO. Conferência estratégica da UPU prevista em 2014. Nota da Secretaria Internacional (item 13b da pauta)

CA 2013.2 Doc 13b CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO. Conferência estratégica da UPU prevista em 2014. Nota da Secretaria Internacional (item 13b da pauta) CA 2013.2 Doc 13b CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Conferência estratégica da UPU prevista em 2014 Nota da Secretaria Internacional (item 13b da pauta) 1. Assunto Convite do governo da Côte d Ivoire (Rep.) para

Leia mais

Luxemburgo-Luxemburgo: Serviços de tradução AMI14/AR-RU 2014/S 059-098331. Convite à manifestação de interesse

Luxemburgo-Luxemburgo: Serviços de tradução AMI14/AR-RU 2014/S 059-098331. Convite à manifestação de interesse 1/5 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:98331-2014:text:pt:html Luxemburgo-Luxemburgo: Serviços de tradução AMI14/AR-RU 2014/S 059-098331 Convite à manifestação

Leia mais

REGRAS DE PROCEDIMENTO DA CONFEDERAÇÃO PARLAMENTAR DAS AMÉRICAS

REGRAS DE PROCEDIMENTO DA CONFEDERAÇÃO PARLAMENTAR DAS AMÉRICAS REGRAS DE PROCEDIMENTO DA CONFEDERAÇÃO PARLAMENTAR DAS AMÉRICAS REGRAS DE PROCEDIMENTO DA CONFEDERAÇÃO PARLAMENTAR DAS AMÉRICAS 1. Desenvolvimento das reuniões do Comitê Executivo 1.1 Ordem do dia 1.2

Leia mais

ICC 110-13 Rev. 1. 23 março 2015 Original: inglês. Termos de referência para Comitês e órgãos consultivos. Antecedentes

ICC 110-13 Rev. 1. 23 março 2015 Original: inglês. Termos de referência para Comitês e órgãos consultivos. Antecedentes ICC 110-13 Rev. 1 23 março 2015 Original: inglês P Termos de referência para Comitês e órgãos consultivos Antecedentes O presente documento contém os termos de referência atualizados para os seguintes

Leia mais

EDITAL DE COMPOSIÇÃO DO COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS

EDITAL DE COMPOSIÇÃO DO COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS EDITAL DE COMPOSIÇÃO DO COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS A Secretaria Municipal de Agricultura, Desenvolvimento Rural e Meio Ambiente convida os Órgãos Públicos

Leia mais

DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

DAS DISPOSIÇÕES GERAIS ANEXO À RESOLUÇÃO Nº 490, DE 24 DE JANEIRO DE 2008 REGULAMENTO DE CONSELHO DE USUÁRIOS DO STFC CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Este Regulamento estabelece as regras básicas para implantação,

Leia mais

Regulamento PAPSummer 2015

Regulamento PAPSummer 2015 Regulamento PAPSummer 2015 Artigo 1º Objectivos do programa, montante e designação das bolsas 1. O programa PAPSummer pretende dar a oportunidade a estudantes portugueses (Estudante) de desenvolver um

Leia mais

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO Lúcia de Fátima de Lima Lisboa RESUMO O presente artigo apresenta o fluxo de caixa como uma ferramenta indispensável para a gestão financeira

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

REGULAMENTO DELEGADO (UE) N.º /.. DA COMISSÃO. de 4.3.2014

REGULAMENTO DELEGADO (UE) N.º /.. DA COMISSÃO. de 4.3.2014 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 4.3.2014 C(2014) 1229 final REGULAMENTO DELEGADO (UE) N.º /.. DA COMISSÃO de 4.3.2014 que completa o Regulamento (UE) n.º 1299/2013 do Parlamento Europeu e do Conselho no que

Leia mais

Administração. Contabilidade

Administração. Contabilidade Escolas Europeias Gabinete do Secretário-Geral Administração Contabilidade Ref.: 2006-D-94-pt-5 Original: EN Versão: PT Remodelação das disposições relativas ao reembolso das despesas de viagem das missões

Leia mais

REGULAMENTO DE CONSTITUIÇÃO E REGULARIZAÇÃO DE FUNDOS DE MANEIO

REGULAMENTO DE CONSTITUIÇÃO E REGULARIZAÇÃO DE FUNDOS DE MANEIO REGULAMENTO DE CONSTITUIÇÃO E REGULARIZAÇÃO DE FUNDOS DE MANEIO Em conformidade com a Lei n.º 8/2012, de 21 de fevereiro e Decreto-Lei n.º 127/2012, de 21 de junho Aprovado na reunião ordinária da Câmara

Leia mais

Perguntas frequentes procedimentos Código dos Contratos Públicos

Perguntas frequentes procedimentos Código dos Contratos Públicos Perguntas frequentes procedimentos Código dos Contratos Públicos Questões de âmbito geral - Os novos procedimentos adotados pela FFCUL aplicam-se a que tipologias de projeto? Os novos procedimentos implementados

Leia mais

REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I. Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos

REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I. Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos Art.1º A Diretoria Regional (DR) da SBEM-RN é órgão executivo

Leia mais

BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE

BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE ANEXO III DISPOSIÇÕES ESPECÍFICAS BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE III. 1 - Definições FASE DE ENTRADA Para além das previstas no artigo II.1, aplicam-se à presente convenção de subvenção as

Leia mais

Guia para a elaboração dos relatórios sobre o projeto (Relatório descritivo e Relatório financeiro)

Guia para a elaboração dos relatórios sobre o projeto (Relatório descritivo e Relatório financeiro) Guia para a elaboração dos relatórios sobre o projeto (Relatório descritivo e Relatório financeiro) A elaboração de relatórios deve servir, em primeiro lugar, ao próprio projeto: como retrospecção das

Leia mais

Acordo Referente aos Serviços de Pagamento do Correio

Acordo Referente aos Serviços de Pagamento do Correio Acordo Referente aos Serviços de Pagamento do Correio Os abaixo-assinados, Plenipotenciários dos Governos dos Países membros da União, face ao disposto no parágrafo 4 do artigo 22.º da Constituição da

Leia mais

23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares

23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares 23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando estabelecer disposições comuns para regulamentar o

Leia mais

Espanha-Alicante: Prestação de serviços de auditoria de certificação para o IHMI 2015/S 231-418942. Anúncio de concurso. Serviços

Espanha-Alicante: Prestação de serviços de auditoria de certificação para o IHMI 2015/S 231-418942. Anúncio de concurso. Serviços 1 / 6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:418942-2015:text:pt:html Espanha-Alicante: Prestação de serviços de auditoria de certificação para o IHMI 2015/S 231-418942

Leia mais

PROPOSTAS PARA ATIVIDADES ADICIONAIS

PROPOSTAS PARA ATIVIDADES ADICIONAIS AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS PARA ATIVIDADES ADICIONAIS EM PROJETOS APOIADOS PELO PROGRAMA CIDADANIA ATIVA Os cerca de 7,5 milhões postos à disposição do Programa Cidadania Ativa pelos países financiadores

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE FINANÇAS E ORÇAMENTO APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO

Leia mais

154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO

154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO 154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO Washington, D.C., EUA, 16 a 20 de junho de 2014 Tema 5.5 da Agenda Provisória CE154/24, Rev. 1 30 de maio de 2014 Original: inglês SITUAÇÃO E NÍVEL AUTORIZADO DO FUNDO

Leia mais

Programa STIC AmSud/CAPES

Programa STIC AmSud/CAPES Programa STIC AmSud/CAPES PROGRAMA DE COOPERAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO FRANÇA - AMÉRICA DO SUL Edital CGCI n. 002/2008 1. Do programa 1.1 O Programa é uma iniciativa da

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.177, DE 7 DE JANEIRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 4.177, DE 7 DE JANEIRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 4.177, DE 7 DE JANEIRO DE 2013 Altera as normas para contratação das operações de crédito fundiário ao amparo do Fundo de Terras e da Reforma Agrária, de que trata a Seção 1 do Capítulo 12

Leia mais

Convenção nº 146. Convenção sobre Férias Anuais Pagas dos Marítimos

Convenção nº 146. Convenção sobre Férias Anuais Pagas dos Marítimos Convenção nº 146 Convenção sobre Férias Anuais Pagas dos Marítimos A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho: Convocada para Genebra pelo conselho administração da Repartição Internacional

Leia mais

BOLETIM ADMINISTRATIVO Nº 020 DE 12 a 16/05/14

BOLETIM ADMINISTRATIVO Nº 020 DE 12 a 16/05/14 Leia-se:...Art. 1º DELEGAR COMPETÊNCIA e as responsabilidades decorrentes ao Superintendente Regional do DNIT nos estados de Goiás e Distrito Federal para Lavrar o Termo Aditivo de Prorrogação de prazo,

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DE LISBOA Deliberações CMC POR: 9/10/2007, 15/07/2008, 30/01/2012 e 8/08/2012 SAÚDE (LISBOA) ENTRADA EM VIGOR DA ÚLTIMA ALTERAÇÃO EM 9/08/2012 NA REDAÇÃO DADA PELA DELIBERAÇÃO

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E CULTURA DIREÇÃO REGIONAL DA EDUCAÇÃO MANUAL I

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E CULTURA DIREÇÃO REGIONAL DA EDUCAÇÃO MANUAL I MANUAL I LOCAÇÃO OU AQUISIÇÃO DE BENS MÓVEIS E AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS ATRAVÉS DE PROCEDIMENTO DE AJUSTE DIRETO 1. INTRODUÇÃO O presente documento pretende disponibilizar informação básica para que as unidades

Leia mais

Programa CAPES-PVE CAPES. Processo Seletivo 2010 Edital nº 049/2010/CAPES/DRI

Programa CAPES-PVE CAPES. Processo Seletivo 2010 Edital nº 049/2010/CAPES/DRI Programa CAPES- Processo Seletivo 2010 Edital nº 049/2010/CAPES/DRI A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior-CAPES, Fundação Pública, criada pela Lei nº. 8.405, de 09 de janeiro de

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO N.º ---/SRIJ/2015 REGRAS DE EXPLORAÇÃO DE APOSTAS HÍPICAS MÚTUAS ONLINE

PROJETO DE REGULAMENTO N.º ---/SRIJ/2015 REGRAS DE EXPLORAÇÃO DE APOSTAS HÍPICAS MÚTUAS ONLINE PROJETO DE REGULAMENTO N.º ---/SRIJ/2015 REGRAS DE EXPLORAÇÃO DE APOSTAS HÍPICAS MÚTUAS ONLINE O Regime Jurídico dos Jogos e Apostas online (RJO), aprovado pelo Decreto-Lei n.º 66/2015, de 29 de abril,

Leia mais

www.iesalc.unesco.org.ve

www.iesalc.unesco.org.ve Edital para concorrer aos Fundos do Projeto Diversidade Cultural Com o propósito de apoiar a criação e o fortalecimento de programas e projetos de pesquisa e/ou de promoção do bem-estar social desenvolvidos

Leia mais

Chamada MCTI/CNPq Nº 09/2015 - Auxílio Promoção de Eventos Científicos, Tecnológicos e/ou de Inovação - ARC. Perguntas Mais Frequentes

Chamada MCTI/CNPq Nº 09/2015 - Auxílio Promoção de Eventos Científicos, Tecnológicos e/ou de Inovação - ARC. Perguntas Mais Frequentes Chamada MCTI/CNPq Nº 09/2015 - Auxílio Promoção de Eventos Científicos, Tecnológicos e/ou de Inovação - ARC Perguntas Mais Frequentes 1) Onde encontro o Formulário Online de Propostas? O formulário Online

Leia mais

REGIMENTO INTERNO AUDITORIA INTERNA DA UNIFEI. CAPÍTULO I Disposições Preliminares

REGIMENTO INTERNO AUDITORIA INTERNA DA UNIFEI. CAPÍTULO I Disposições Preliminares REGIMENTO INTERNO DA UNIFEI CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º. A Auditoria Interna da Universidade Federal de Itajubá é um órgão técnico de assessoramento da gestão, vinculada ao Conselho de

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.880, DE 9 DE JUNHO DE 2004. Conversão da MPv nº 173, de 2004 Institui o Programa Nacional de Apoio ao Transporte do Escolar

Leia mais

ANEXO AO REGULAMENTO DO PROGREDIR

ANEXO AO REGULAMENTO DO PROGREDIR ANEXO AO REGULAMENTO DO PROGREDIR O presente anexo ( ANEXO ) estabelece as normas regulamentares complementares ao PROGRAMA regido pelo REGULAMENTO registrado em 09/11/2012, no 6º Cartório de Registro

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão do Controlo Orçamental 06.02.2012 2011/223 (DEC) PROJETO DE RELATÓRIO sobre a quitação pela execução do orçamento da Agência Comunitária de Controlo das Pescas para

Leia mais

$VVRFLDomR%UDVLOHLUDGH 7HFQRORJLDGH/X] 6tQFURWURQ$%7/X6. 'HPRQVWUDo}HVILQDQFHLUDVHP GHGH]HPEURGHHGHH SDUHFHUGRVDXGLWRUHVLQGHSHQGHQWHV

$VVRFLDomR%UDVLOHLUDGH 7HFQRORJLDGH/X] 6tQFURWURQ$%7/X6. 'HPRQVWUDo}HVILQDQFHLUDVHP GHGH]HPEURGHHGHH SDUHFHUGRVDXGLWRUHVLQGHSHQGHQWHV $VVRFLDomR%UDVLOHLUDGH 7HFQRORJLDGH/X] 6tQFURWURQ$%7/X6 'HPRQVWUDo}HVILQDQFHLUDVHP GHGH]HPEURGHHGHH SDUHFHUGRVDXGLWRUHVLQGHSHQGHQWHV 3DUHFHUGRVDXGLWRUHVLQGHSHQGHQWHV 17 de janeiro de 2003 Aos Administradores

Leia mais

O BANCO EUROPEU DE INVESTIMENTO

O BANCO EUROPEU DE INVESTIMENTO O BANCO EUROPEU DE INVESTIMENTO O Banco Europeu de Investimento (BEI) promove os objetivos da União Europeia ao prestar financiamento a longo prazo, garantias e aconselhamento a projetos. Apoia projetos,

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Desenvolvimento de instrumentos e métodos promotores da igualdade de género nas empresas

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Desenvolvimento de instrumentos e métodos promotores da igualdade de género nas empresas AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Desenvolvimento de instrumentos e métodos promotores da igualdade de género nas empresas ÁREA DE PROGRAMA: PT07: Integração da igualdade de género e promoção do

Leia mais

COBERTURA DE PERDA DE LUCRO BRUTO E DESPESAS EXTRAORDINARIAS

COBERTURA DE PERDA DE LUCRO BRUTO E DESPESAS EXTRAORDINARIAS COBERTURA DE PERDA DE LUCRO BRUTO E DESPESAS EXTRAORDINARIAS Forma de Contratação do Limite Máximo de Responsabilidade 1. SEGURO A PRIMEIRO RISCO RELATIVO A seguradora responderá pelos prejuízos de sua

Leia mais

BANCO MUNDIAL DIRETRIZES DE DESEMBOLSO PARA PROJETOS

BANCO MUNDIAL DIRETRIZES DE DESEMBOLSO PARA PROJETOS BANCO MUNDIAL DIRETRIZES DE DESEMBOLSO PARA PROJETOS DEPARTAMENTO DE EMPRÉSTIMOS 10 de maio de 2006 Direitos autorais 2006 Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento / BANCO MUNDIAL 1818 H

Leia mais

1. O Comitê de Promoção, presidido pelo Dr. Ernesto Illy, reuniu-se pela nova vez sob a égide do Convênio de 2001 em 25 de maio de 2006.

1. O Comitê de Promoção, presidido pelo Dr. Ernesto Illy, reuniu-se pela nova vez sob a égide do Convênio de 2001 em 25 de maio de 2006. PC 37/06 International Coffee Organization Organización Internacional del Café Organização Internacional do Café Organisation Internationale du Café 5 junho 2006 Original: inglês P Decisões e Resoluções

Leia mais

DECISÕES. DECISÃO DO CONSELHO de 26 de maio de 2014 relativa ao sistema de recursos próprios da União Europeia. (2014/335/UE, Euratom)

DECISÕES. DECISÃO DO CONSELHO de 26 de maio de 2014 relativa ao sistema de recursos próprios da União Europeia. (2014/335/UE, Euratom) 271 der Beilagen XXV. GP - Beschluss NR - 17 Beschluss Portugiesisch (Normativer Teil) 1 von 7 L 168/105 DECISÕES DECISÃO DO CONSELHO de 26 de maio de 2014 relativa ao sistema de recursos próprios da União

Leia mais

Programa de Estudantes - Convênio de Pós-graduação - PEC-PG - 2006

Programa de Estudantes - Convênio de Pós-graduação - PEC-PG - 2006 Programa de Estudantes - Convênio de Pós-graduação - PEC-PG - 2006 1. Do objeto: O Ministério das Relações Exteriores (MRE), por intermédio do Departamento Cultural (DC), a Coordenação de Aperfeiçoamento

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

Parceria para Governo Aberto Open Government Partnership (OGP)

Parceria para Governo Aberto Open Government Partnership (OGP) Parceria para Governo Aberto Open Government Partnership (OGP) 1ª Conferência Anual de Alto-Nível da Parceria para Governo Aberto - OGP Roberta Solis Ribeiro Assessoria Internacional - CGU Conselho da

Leia mais

DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE

DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE 2008: Promulga o Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República da África do Sul no Campo da Cooperação Científica e Tecnológica,

Leia mais

REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DOS CTT-CORREIOS DE PORTUGAL, S.A. I.

REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DOS CTT-CORREIOS DE PORTUGAL, S.A. I. REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DOS CTT-CORREIOS DE PORTUGAL, S.A. I. Âmbito e Objetivo A Comissão de Auditoria ( CAUD ) no exercício das

Leia mais

ACORDO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL

ACORDO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL ACORDO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL O Japão e a República Federativa do Brasil, Desejosos de regular suas relações mútuas na área de Previdência Social, Acordaram

Leia mais

EB 3854/03. 15 novembro 2003 Original: espanhol. Projetos/Fundo Comum. Junta Executiva Londres, Inglaterra

EB 3854/03. 15 novembro 2003 Original: espanhol. Projetos/Fundo Comum. Junta Executiva Londres, Inglaterra EB 3854/03 International Coffee Organization Organización Internacional del Café Organização Internacional do Café Organisation Internationale du Café 15 novembro 2003 Original: espanhol Projetos/Fundo

Leia mais

SIALM SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS 1 SIALM SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS

SIALM SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS 1 SIALM SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS 1 SIALM 2 OBJETIVO COMPLEMENTARIDADE O SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Microempresas foi criado pela Portaria n.º 68, de 15 de fevereiro, e enquadra-se no Programa Valorizar, estabelecido

Leia mais

As principais alterações trazidas pela Instrução CVM 571 encontram-se resumidas abaixo.

As principais alterações trazidas pela Instrução CVM 571 encontram-se resumidas abaixo. MERCADO DE CAPITAIS 01/12/2015 CVM ALTERA INSTRUÇÃO QUE DISPÕE SOBRE A CONSTITUIÇÃO, A ADMINISTRAÇÃO, O FUNCIONAMENTO, A OFERTA PÚBLICA DE DISTRIBUIÇÃO E A DIVULGAÇÃO DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO

Leia mais

ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA SECRETARIA DO MERCOSUL

ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA SECRETARIA DO MERCOSUL MERCOSUL/GMC/RES. N 01/03 ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA SECRETARIA DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, as Decisões Nº 04/96, 24/00, 1/02, 16/02 e 30/02 do Conselho

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

Programa Gulbenkian Inovar em Saúde

Programa Gulbenkian Inovar em Saúde REGULAMENTO DO CONCURSO Concurso para financiamento de projetos em Literacia em Saúde 2013 Artigo 1º Objeto O presente Regulamento estabelece as normas de acesso ao concurso para financiamento de projetos

Leia mais

Concurso Público Urgente N.º 10001016 Página 1

Concurso Público Urgente N.º 10001016 Página 1 CONTRATO DE AQUISIÇÃO DE SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PARA O CENTRO HOSPITALAR DE LISBOA CENTRAL, E.P.E. CONCURSO PÚBLICO N.º 1-0-0010/2016 PROGRAMA DO PROCEDIMENTO Artigo 1.º Entidade adjudicante

Leia mais

CONCURSO DE IDEIAS VEM REGULAMENTO

CONCURSO DE IDEIAS VEM REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS VEM REGULAMENTO PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL Artigo 1.º Âmbito das iniciativas de apoio a empreendedores emigrantes O Alto Comissariado para as Migrações, I.P. (doravante ACM, I.P.) propõe

Leia mais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE REGULAMENTO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM REGIME PÓS-LABORAL

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE REGULAMENTO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM REGIME PÓS-LABORAL UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE REGULAMENTO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM REGIME PÓS-LABORAL Preâmbulo A necessidade de expandir a informação superior dos profissionais integrados no mercado trabalho constitui

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO NACIONAL DAS ALFÂNDEGAS GABINETE DE ESTUDOS TÉCNICO-ADUANEIROS

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO NACIONAL DAS ALFÂNDEGAS GABINETE DE ESTUDOS TÉCNICO-ADUANEIROS REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO NACIONAL DAS ALFÂNDEGAS GABINETE DE ESTUDOS TÉCNICO-ADUANEIROS ASSUNTO: MEDIDAS PARA ADMINISTRAÇÃO DE REEMBOLSO DO IVA SOBRE MATERIAIS E SERVIÇOS COMPRADOS

Leia mais

PRÊMIO QUALIDADE TOTAL ANOREG PQTA 2014 10ª EDIÇÃO REGULAMENTO

PRÊMIO QUALIDADE TOTAL ANOREG PQTA 2014 10ª EDIÇÃO REGULAMENTO PRÊMIO QUALIDADE TOTAL ANOREG PQTA 2014 10ª EDIÇÃO REGULAMENTO 1. ÍNDICE ÍNDICE... 2 2. APRESENTAÇÃO... 3 ANOREG BR Associação dos Notários e Registradores do Brasil...3 Missão... 3 Visão... 3 Política

Leia mais

Anexo 8: Arranjos de Implementação das Aquisições

Anexo 8: Arranjos de Implementação das Aquisições A. GERAL Anexo 8: Arranjos de Implementação das Aquisições Esta operação é um empréstimo de US$ 240 milhões, voltado a diversos setores. Ela contém um componente SWAP de US$ 237 milhões e um componente

Leia mais

REGULAMENTO MARCAMUNDOS

REGULAMENTO MARCAMUNDOS REGULAMENTO MARCAMUNDOS Título I (MarcaMundos) Capítulo I (Definição) Art.1 1. O MarcaMundos (MM) é um projeto da Associação de Estudantes da NOVA Medical School Faculdade de Ciências Médicas da Universidade

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 565, DE 15 DE JUNHO DE 2015

INSTRUÇÃO CVM Nº 565, DE 15 DE JUNHO DE 2015 INSTRUÇÃO CVM Nº 565, DE 15 DE JUNHO DE 2015 Dispõe sobre operações de fusão, cisão, incorporação e incorporação de ações envolvendo emissores de valores mobiliários registrados na categoria A. O PRESIDENTE

Leia mais

Lei 12.973/14 Valmir Oliveira 18/03//2015

Lei 12.973/14 Valmir Oliveira 18/03//2015 Lei 12.973/14 Valmir Oliveira 18/03//2015 Page 1 Da base de tributação Page 2 Alteração do art. 3º da Lei nº 9.718/98 Art. 52 A Lei nº 9.718, de 27 de novembro de 1998, passa a vigorar com as seguintes

Leia mais

PROCEDIMENTO. Ref. Pcd. 3-sGRHF. Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT

PROCEDIMENTO. Ref. Pcd. 3-sGRHF. Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT PROCEDIMENTO Ref. Pcd. 3-sGRHF Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT Data: 14 /07/2011 Elaboração Nome: Fátima Serafim e Helena

Leia mais

Síntese dos direitos dos passageiros do transporte em autocarro 1

Síntese dos direitos dos passageiros do transporte em autocarro 1 Síntese dos direitos dos passageiros do transporte em autocarro 1 O Regulamento (UE) n.º 181/2011 (a seguir designado por «Regulamento») é aplicável a partir de 1 de março de 2013. Estabelece um conjunto

Leia mais

Anúncio de concurso. Serviços

Anúncio de concurso. Serviços 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:367014-2013:text:pt:html Espanha-Alicante: Prestação de serviços de apoio domiciliário a favor do pessoal estatutário

Leia mais