DESENVOLVIMENTO DE EQUIPAMENTO MULTI-PROCESSO PARA INVESTIGAÇÃO EM MICRO-MAQUINAGEM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DESENVOLVIMENTO DE EQUIPAMENTO MULTI-PROCESSO PARA INVESTIGAÇÃO EM MICRO-MAQUINAGEM"

Transcrição

1 6º CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE FABRICAÇÃO 6 th BRAZILIAN CONFERENCE ON MANUFACTURING ENGINEERING 11 a 15 de abril de 2011 Caxias do Sul RS - Brasil April 11 th to 15 th, 2011 Caxias do Sul RS Brazil DESENVOLVIMENTO DE EQUIPAMENTO MULTI-PROCESSO PARA INVESTIGAÇÃO EM MICRO-MAQUINAGEM Gabriel Ribeiro, Ivo Bragança, Pedro Rosa, Paulo Martins, Instituto Superior Técnico, Av. Rovisco Pais nº1, Lisboa Resumo: A utilização de máquinas-ferramenta que executam automaticamente distintas operações de maquinagem é uma realidade à muito firmada na indústria, como p.ex., os centros de fresagem de controlo numérico onde o recurso a armazéns de ferramentas torna possível realizar diversas operações de corte por arranque de apara. No entanto, e apesar do elevado nível de automação todos os exemplos encontrados baseiam-se no conceito de máquina-ferramenta que permite substituir a ferramenta mas onde o mecanismo de remoção de material permanece inalterado. Quando existe a necessidade de maquinar uma funcionalidade por intermédio de um mecanismo de remoção diferente, por ex. de acção térmica por electroerosão, o componente é transferido para outro equipamento, mas sofrendo alguma penalização da precisão global devido as operações de manipulação (posicionamento e fixação). O presente trabalho desenvolve-se no domínio do microfabrico onde a manipulação de componentes apresenta uma dificuldade acrescida e os erros de posicionamento associados não são desprezáveis face às dimensões do componente (dezenas a centenas de micrómetros). Neste trabalho é desenvolvido um conceito de máquina-ferramenta multiprocesso no qual é possível seleccionar o mecanismo de remoção de material mais adequado aos objectivos da operação de maquinagem (entre acção mecânica, térmica ou química) mantendo a posição do componente inalterada sobre a plataforma de apoio. A máquina desenvolvida neste trabalho apresenta uma estrutura principal em pórtico, tendo sido utilizado mármore para a sua construção de forma a permitir aumentar a rigidez da máquina e reduzir a propagação de vibrações, aspectos fundamentais para o microfabrico. A cadeia cinemática está estrutura em dois sistemas distintos; Um primeiro sistema de posicionamento 3D do carro móvel em relação à matéria-prima (exactidão global de ±2µm) com tecnologia de fuso de recirculação de esferas num sistema de controlo em anel fechado com encoder linear; Um segundo sistema de posicionamento de precisão (exactidão global de ±0.5µm) associado a cada processo de fabrico. No presente trabalho o equipamento é utilizado na realização de furação através do processo de maquinagem electroquímica. Os resultados mostram o funcionamento do equipamento na avaliação da influência da temperatura do electrólito (parâmetro operativo) na furação da peça. Para além disso, o conceito apresentado é interessante para escolas e centros de investigação uma vez que proporciona uma redução dos custos de aquisição e da utilização da área de laboratório pois o mesmo equipamento permite realizar estudos com diferentes tecnologias de maquinagem. Palavras-chave: Máquina-ferramenta, Microfabrico, Maquinagem Electroquímica 1. INTRODUÇÃO O fabrico de micro componentes é um dos sectores da indústria transformadora que apresenta uma das taxas de crescimento mais elevadas motivado pelo forte impacto que tem nas nossas actividades quotidianas, emergindo como um sector independente, com destaque para aplicações na área da medicina, das comunicações, dos sensores, da indústria aeroespacial e da defesa, entre outros (Design Engineer, 2009). No entanto, e apesar deste crescimento, é ainda difícil o seu fabrico, de uma forma competitiva. Surge então novos desafios, como a necessidade de desenvolver sistemas com multifunções que possam lidar com variados materiais, para além do melhoramento da eficiência de produção, traduzindo-se num esforço maior para desenvolver a integração de fabrico em equipamento multi-processo e/ou produção híbrida. (Yong et al, 2003) Entre os vários processos que se encontram na linha da frente para se implementarem como tecnologias de microfabrico de componentes, a maquinagem electroquímica (ECM) surge como um dos principais candidatos para o fabrico de micropeças. Este permite o processamento de variados materiais, com especial interesse nos de elevada dureza. Não deixa rebarbas, danos térmicos, ou tensões residuais e não tem desgaste da ferramenta (Yong et al, 2003, Qin et al, 2010) Associação Brasileira de Engenharia e Ciências Mecânicas 2011

2 O presente trabalho desenvolve-se em torno da concepção, projecto e construção de um equipamento multiprocesso. Após o arranque em funcionamento, este será analisado e classificado de acordo com as suas características técnicas, nomeadamente mecânicas, eléctricas e de controlo. Após focado os variados aspectos da máquina, o equipamento é aplicado na furação de chapas AISI 304, onde se procura avaliar a influência da temperatura do electrólito na taxa de remoção de material para várias concentrações e utilizando um eléctrodo de 0.5mm de diâmetro. 2. OBJECTIVOS O presente trabalho tem como principal objectivo desenvolver um equipamento multi-processo que pela sua concepção modular permita o fabrico de um ou vários componentes simultaneamente, recorrendo a diferentes mecanismo de remoção de material e, desta forma explorar o campo de aplicação de diferentes tecnologias função das especificidades materiais e geométricas dos microcomponentes. Após o seu fabrico este será testado em condições reais de funcionamento, através da realização de um ensaio experimental no âmbito da maquinagem electroquímica. 3. CONCEPÇÃO, PROJECTO E FABRICO A apresentação do equipamento vai ser dividida em 5 partes. 1) Estrutura da máquina-ferramenta, 2) Servomecanismos de movimento, 3) Gerador de potência, 4) Circuito hidráulico de injecção e recirculação de electrólito, 5) Programa de controlo numérico Estrutura da máquina-ferramenta Num projecto de um equipamento para uma tecnologia dita convencional (ex. fresagem, torneamento entre outras) existe a preocupação em que a estrutura seja feita de modo a aguentar os esforços, diminuindo a deformação da mesma para que a perda de precisão seja mínima. Quando se projecta um equipamento em que utiliza um processo de não contacto (ex. EDM, ECM entre outros) não existe a influência deste tipo de esforços. No entanto, quando existe a miniaturização dos componentes, existe por consequência, no caso do ECM e EDM, a miniaturização das ferramentas. E, apesar de não haver esforços capazes de deformar a estrutura, podem existir factores, nomeadamente externos, indutores de vibração na ferramenta com a consequente perda de precisão. Ou seja, a fragilidade da ferramenta pode ao mínimo de forças externas perder a precisão devido ao facto desta vibrar, o que neste caso significa uma perda significativa de precisão no fabrico da peça devido às suas dimensões reduzidas. Após a constatação de alguns factos, tais como a importância da vibração, apresenta-se agora o estudo da estrutura que mais convêm ao estilo de equipamento que se desenvolveu neste trabalho. As duas configurações básicas principais consideradas para se fazer um equipamento deste tipo foram: estrutura em pórtico e em estrutura em C. A principal vantagem de uma estrutura em C consiste no maior espaço de trabalho proporcionado por esta, com a desvantagem que esta tem na deformação da estrutura devido aos esforços que as tecnologias processuais de contacto têm, o que neste caso é irrelevante. A estrutura em pórtico permite uma menor deformação estrutural para os mesmos esforços mecânicos quando comparada com a configuração anterior e melhor absorção de choques, a principal desvantagem prende-se pelo facto haver um maior constrangimento no espaço de trabalho. Optou-se então por escolher uma estrutura em pórtico pois permite uma maior rigidez de toda a estrutura e menores vibrações externas associadas (ex. bolhas de hidrogénio libertadas durante a maquinagem por dissolução anódica). Outra forma de consolidar a redução de vibrações é utilização de uma massa grande na máquina, por forma a absorver os choques e vibrações exteriores ao processo e mesmo entre os vários componentes dinâmicos do equipamento. Um dos materiais que se utilizou para acrescentar massa ao equipamento foi a utilização de mármore. A ligação entre os montantes é feita a partir de duas guias de elevada resistência aparafusadas com a configuração apresentada na seguinte figura. a) b) c) Figura 1 a) Vista frontal dos montantes e guias. b) Vista lateral dos montantes e guias. c) Foto da estrutura principal.

3 A estrutura foi também projectada de modo a que acessibilidade fosse o menos afectada possível, o que resultou no corte dos cantos da base, transformando-a numa base hexagonal (Fig. 1 c). Este princípio permite não só a adaptação da mesa de trabalho na parte frontal do equipamento, como também a possibilidade de colocar equipamento secundário na parte posterior do mesmo Servo mecanismos de movimento Após a idealização e construção da estrutura principal da máquina, passou-se à construção do sistema de servomecanismos. Como regra, os servomecanismos foram concebidos de forma a serem o mais independentes possível entre si. Atendendo às características necessárias do equipamento: modular, versátil e facilmente adaptável a vários processos, sejam eles de acção mecânica, térmica ou química, com especial atenção para o último, foi preciso idealizar um sistema dinâmico capaz de ser polivalente. O sistema tem que atender a duas características importantes: ser rápido o suficiente no posicionamento do cabeçote ao longo da peça e simultaneamente ser preciso o suficiente durante o processo. Na figura seguinte são apresentados os movimentos disponíveis no carro móvel do equipamento. Figura 2 a) Esquema do movimento transversal rápido do cabeçote. b) Esquema dos movimentos verticais do cabeçote: carro Z2 movimento rápido; carro Z movimento de precisão. c) Foto do cabeçote. Os movimentos do equipamento apresentado dividem-se em dois níveis de actuação principais. O primeiro, que contempla todos os movimentos de aproximação rápida de modo a que a ferramenta seja posicionada o mais célere. São eixos que funcionam somente em modo manual, mas que permitem a visualização em tempo real da cota de posição, através de um encoder linear. Fazem parte deste nível, os eixos X2 e Z2 da Fig. (2). O segundo nível, comtempla os eixos de trabalho, nos quais fazem parte o eixo Z da Fig. (2) e os eixos X e Y da mesa de trabalho. No entanto devido à natureza do processo (perfuração), o eixo que mais importância teve na construção foi o eixo de penetração (Z), no qual foi feito um estudo mais exaustivo das suas propriedades dinâmicas. A mesa de trabalho apesar de permitir o controlo numérico, é no entanto, feito manualmente nos dois eixos X e Y, o que permite a rápida operabilidade por parte do executante. Em todos os sistemas dinâmicos da máquina foram utilizados motores contínuos e motores passo-a-passo. Os motores de corrente contínua foram utilizados nos eixos de aproximação rápida, nomeadamente eixo Z2 e X2, no primeiro foi utilizado uma transmissão por correia e no segundo uma transmissão por fuso de recirculação de esferas. Nos eixos de precisão foram utilizados motores passo-a-passo, que permitem um posicionamento em anel aberto, caso haja a necessidade de uma redução de custos. A transmissão do eixo Z foi feita através de uma correia pré-tensionada com malha de aço incorporada, de modo a suavizar os movimentos do eixo de penetração, enquanto o próprio eixo continha uma porca feita a partir de um polímero auto-lubrificante, capaz de garantir a elasticidade/rigidez no movimento dinâmico com consequências na redução de folgas e aumento de repetibilidade. O controlo numérico dos eixos de precisão foi feito através da interface entre uma placa de envio/aquisição de sinais, vulgarmente denominada de DAQ (National Instruments) ligada a um computador, e um circuito de potência. Todos os eixos têm sensores fim-de-curso, os quais têm posicionamento livre de modo a ser possível o seu reajuste em qualquer processo Gerador de potência Tal como foi dito anteriormente, o equipamento em questão foi construído de modo a que fosse possível utilizar tecnologias diferentes. No entanto, o gerador de potência desenvolvido para este equipamento foi feito com base na tecnologia de maquinagem electroquímica, tecnologia vigente em estudo. O circuito divide-se em duas partes principais: a primeira comporta a transformação de tensão alterna em tensão contínua, a segunda permite fazer a variação de frequência, entre 10 khz a 1MHz, de pulsos quadrados, com um duty-cycle fixo, obtendo desta forma uma corrente pulsada ideal para maquinagem electroquímica. O circuito variador de frequência foi concebido e projectado especificamente para o processo de ECM. A figura seguinte permite visualizar esquematicamente a disposição do circuito de potência.

4 Comutador 6 º C O N G R E S S O B R A S I L E I R O D E E N G E N H A R I A D E F A B R I C A Ç Ã O 1 1 a 1 5 d e A b r i l d e C a x i a s d o S u l - RS Transformador AC Ponte Retificadora Condensador Variador frequência Eléctrodo Resistência Variável Circuito variador Peça a) b) Figura 3 a) Esquema do circuito de potência utilizado em ECM. b) Foto do circuito gerador de pulsos Circuito hidráulico de injecção e recirculação de electrólito Dependendo do processo que se utiliza, o fluido também é diferente (seja electrólito, dieléctrico, líquido de refrigeração, ou simplesmente ausente), exigindo que o sistema de circulação seja vocacionado para as exigências do mesmo. O esquema seguinte corresponde ao circuito utilizado para maquinagem eletroquímica. Existindo também a possibilidade de acoplagem de um sistema de circulação alternativo a este. Figura 4 Esquema de injecção e recirculação de electrólito. 1 Tanque, 2 Bomba, 3 Resistência de aquecimento, 4 Sonda tipo K, 5 Controlador de temperatura. O circuito é constituído por um tanque (15l) (apresentado no ponto anterior), uma bomba de recirculação de electrólito (caudal:250l/h), uma resistência de aquecimento com agitador incorporado (SBS 1500W), uma sonda de temperatura do tipo K e um controlador electrónico de temperatura (Omron - E5CS). O tanque tem várias vezes o volume do tanque de trabalho para garantir a homogeneização do electrólito, tanto ao nível da temperatura como também da concentração do electrólito Programa de controlo numérico O controlo numérico para o interface da máquina foi criado com o propósito a ser intuitivo, mas também de fácil adaptação a qualquer tecnologia em estudo, daí a necessidade de versatilidade do software em questão, optando-se por um construído de raiz, ao invés de um comercial (software de código fechado). A linguagem utilizada para o efeito foi uma linguagem de programação por fluxo, o LabView. Esta linguagem tem duas grandes vantagens: a facilidade de adaptação do código a qualquer tipo de processo e a rapidez com que é executada. A próxima figura apresenta uma captura de ecrã do interface do programa utilizado em ECM, ECM Drilling Control, e o algoritmo do controlo adaptativo do processo.

5 a) b) Figura 5 a) Captura de ecrã do interface do programa ECM Drilling Control. b) Algorítmo do funcionamento do software de controlo Aparato experimental O aparato experimental utilizado no presente trabalho, era constituído por três módulos principais: monitorização e controlo do processo, o circuito de potência e o equipamento multi-processo desenvolvido. A figura seguinte demonstra a disposição de todo o equipamento utilizado durantes os vários ensaios. Osciloscópio T. Tensão T. Corrente Máquina multi-processo Transformador PC Controlo Placa de aquisição Condensador Placa de controlo C. Descarga Figura 6 Esquema do aparato experimental. A monitorização tinha dois objectivos principais: controlar de uma forma adaptativa o avanço da ferramenta e fazer a leitura dos parâmetros eléctricos do processo através de um osciloscópio (Agilent DSO1004A). Os sensores utilizados na monitorização foram: um transdutor de corrente (Bergoz CTB1) e um transdutor de tensão (Hameg Hz100). A aquisição e envio de sinais para efectuar o controlo adaptativo, foi realizado a partir de uma DAQ da National Instruments (PCI - NI-6024E). O circuito de potência utilizado, foi previamente descrito no ponto DESEMPENHO DO EQUIPAMENTO MULTI-PROCESSO Após o fabrico do equipamento da máquina foi necessário testá-lo em duas vertentes. A primeira direccionada para a avaliação mecânica: precisão, folgas, velocidade dos eixos, etc. A segunda vertente mais direccionada para a investigação, ou seja o teste do equipamento em condições de funcionamento real. De seguida é descrito o plano de ensaios que permitiu avaliar o desempenho do equipamento. Na parte mecânica foi utilizado um micrómetro de contacto de modo a medir a resolução, precisão e folgas dos vários eixos de trabalho que compõem a máquina. No caso dos eixos de aproximação rápida, foi utilizado os encoders que estavam agregados a cada eixo. O plano de ensaios experimental foi realizado de forma a ser possível avaliar todos os componentes pertencentes à máquina, inclusive todo o sistema de recirculação/injecção de electrólito. Os materiais seleccionados para a investigação foram o AISI 304, em formatos de chapa com mm. Os eléctrodos utilizados

6 foram de cobre electrolítico com diâmetro de 0.5mm e comprimento de 400mm. O electrólito utilizado foi uma solução de H 2 SO 4 (a 96%) em concentrações de 10, 30 e 60 ml/l em água desionizada. A seguinte tabela apresenta os ensaios realizados. Tabela 1 Plano de ensaios. Material Concentração [ml/l] Temperatura [ C] Aço Inoxidável AISI , 20, 35, , 20, 35, , 20, 35, 50 Os parâmetros do processo que ficaram constantes foram os seguintes: frequência a 100 khz, duty-cycle de 50% e intensidade de corrente eléctrica de 2A Performance Após a construção da máquina, esta ficou com o seguinte aspecto, representado na Fig. (7), e com as características técnicas mostradas na Tabela 2. Figura 7 Equipamento multi-processo, a) Projecto; b) Foto da montagem final. Tabela 2 Características: mecânicas, eléctricas e controlo do equipamento de multi-processo. Características mecânicas Características eléctricas Dimensões (C x L x A) 850 x 850 x 750 [mm] Alimentação Monofásica Curso X/Y/Z 50/50/120 [mm] Tensão de 20 a 230 [V] Eixo de precisão Z Resolução 0.5 [µm] Folga 9.8 [µm] Repetibilidade 5 [µm] Corrente pulsada (Max. valor) Corrente em pico (Max. valor) Gama de frequências (útil do circuito) Velocidade 0,056 [mm/s] Características informáticas 9 [A] 36 [A] de 0.01 a 1000 [khz] Área de trabalho (X x Y) 125 x 50 [mm] Curso Eixo Rápido X2/ Z2 900/100 [mm] Resolução X2/Z2 2 [µm] Velocidade Eixo rápido Z2 1 [mm/s] Velocidade Eixo rápido X2 4 [mm/s] Fluxo de electrólito 10 a 60 [ml/min] Diâmetro do eléctrodo 0 a 2 [mm] Programa de controlo ECM Drilling Control Após a análise do quadro anterior, pode-se observar que o conceito ao nível mecânico funciona. Existe a possibilidade de operar no mesmo equipamento com diferentes velocidades de trabalho e precisão. A grande interactividade que o programa de controlo tem, em conjunto com a possibilidade de mudança do circuito de potência,

7 pode ser utilizada em variados processos, ou mesmo simultaneamente. O facto de se ter um único dispositivo para fazer este tipo de investigação acarreta outro tipo de vantagens, como o custo e o espaço ocupado quando comparado com equipamentos dispendiosos adquiridos em separado Ensaios experimentais O equipamento também passou pela avaliação em condições reais, nomeadamente, através de um ensaio em maquinagem electroquímica. Foi realizado o estudo da influência da temperatura do electrólito durante a operação de furação numa chapa metálica de aço inox AISI 304. A avaliação dos resultados consistiu na observação da evolução da taxa de emoção de material e da evolução do gap lateral do furo em relação ao aumento de temperatura. Figura 8 Evolução da taxa de remoção de material em função da temperatura do electrólito. A Figura (8) mostra que a taxa de remoção de material diminui à medida que a temperatura aumenta. Desta análise constata-se que a taxa de remoção de material, para a concentração de 30ml/l, decresce significativamente com o aumento da temperatura, enquanto para as outras concentrações o valor decresce ligeiramente. De acordo com (Fahidy et al, 2003), o aumento de temperatura num electrólito promove o aumento da condutividade, consequentemente reduzindo a sua resistência. Este fenómeno faz com que o aumento de temperatura aumente a dispersão de energia, devido à redução da resistência do electrólito, o que leva à diminuição da taxa de remoção. Ou seja a focalização da energia é menor. De salientar que a concentração de 30ml/l é a que apresenta melhor eficiência ao longo das várias temperaturas em comparação com as restantes concentrações. Figura 9 Evolução do gap lateral em função da temperatura do electrólito. Como verificado na Fig. (9), o aumento da temperatura do electrólito não tem grande influência no gap lateral nas concentrações estudadas, à excepção da concentração de 60ml/l. Ou seja, o aumento de temperatura, principalmente para os 60ml/l, promove uma remoção mais próxima à ferramenta.

8 5. CONCLUSÕES Este trabalho mostrou que o desenvolvimento de um equipamento multi-processo foi conseguido. Este apresenta como grande vantagem a sua versatilidade, e o facto de toda a estrutura ser modular. Em comparação com outros equipamentos, este apresenta inovações ao nível da construção, como a utilização de matérias não convencionais na estrutura da máquina, o exemplo do mármore. O modo em como foi concebido a posição dos vários servomecanismos permite a utilização deste equipamento para realizar vários processos em simultâneo (ex. EDM e ECM). O desempenho cinemático que a máquina apresenta é bastante aceitável dentro do panorama geral de máquinas-ferramentas. O software de controlo e o circuito de potência permitem ser ajustáveis independentemente do tipo de processo. A concepção permite não só utilizar a máquina para fazer maquinagem, mas também existe a possibilidade de se fazer outro tipo de estudos, (ex. estudo monodescarga do processo de electroerosão). A montagem do aparato experimental foi construída para o processo de ECM, com vantagens ao nível da investigação experimental. Após os ensaios experimentais para a avaliação do desempenho do equipamento, pode-se concluir que a taxa de remoção, independentemente da concentração do electrólito, desce com o aumento da temperatura deste. A taxa de remoção é máxima para 5ºC e para uma concentração do electrólito de 30ml/l. Já para o gap lateral, em todas as concentrações, este varia muito pouco em relação à temperatura. Contudo para a concentração de 60ml/l o gap tende a descer com o aumento da temperatura, devido à remoção ser mais próxima do eléctrodo. Após estes resultados pode-se concluir que o equipamento é uma viável como meio de investigação. 6. AGRADECIMENTOS Os autores querem agradecer o apoio financeiro do POCI REFERÊNCIAS Design Engineer - Materials Processes, 2009, Micro-manufacturing now offers advantages for specialist processes, 31 de Março de 2009, <http://www.engineerlive.com/design-engineer/materials_processes/micromanufacturing_now_offers_advantages_for_specialist_processes/21548/> Fahidy T. Z., Sioda, R. E., 2004, The estimation of electrolyte temperature in small-scale cells under electric current flow, Electrochimica Acta 49, Canada, pp Yong, L., Yunfei, Z., Guanga, Y., Liangqiang, P., 2003, Localized electrochemical micromachining with gap control, Elsevier Ltd., Sensors and Actuators A 108, China, pp Qin, Y., Brockett, A., Ma, Y., Razali, A., Zhao, J., Harrison, C., Pan, W., Dai, X., Loziak, D., 2010, Micromanufacturing: research, technology outcomes and development issues, Int J Adv Manuf Technol, Volume 47, UK, pp

9 6º CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE FABRICAÇÃO 6 th BRAZILIAN CONFERENCE ON MANUFACTURING ENGINEERING 11 a 15 de abril de 2011 Caxias do Sul RS - Brasil April 11 th to 15 th, 2011 Caxias do Sul RS Brazil DEVELOPMENT OF A MULTI-PROCESS MACHINE-TOOL FOR RESEARCH IN MICROMANUFACTURING Gabriel Ribeiro, Ivo Bragança, Pedro Rosa, Paulo Martins, Instituto Superior Técnico, Av. Rovisco Pais nº1, Lisboa Abstract. Machine-tools executing automatically many distinct operations were already set on the industry, such as, machining centers with automatic tool selection make possible various cutting operations in the same equipment. However, for the same equipment, even with a high level of automation on the present industry machines, is only possible to change the tool and the manufacturing process still remains the same. When the material removing process changes, it requires the operator to change the machine-tool, for example to an electro-discharge machining operation, and because of that the whole process suffers from precision lost due to workpiece transport and fixation procedures. The present work is based on the micro-fabrication, where the maneuvering of the components presents an even harder difficulty and the positioning errors associated is not despicable comparing with the overall dimensions of the component (a few hundred microns). The present work focus on the development of a concept of multiuse machine-tool, where is possible to select the material removal process suited for the objectives of the machining operation (as mechanical, thermal or chemical) maintaining the component s position on the support platform. The machine conceived for this presentation has a marble structure, which allows increasing the overall stiffness of the machine and reduce the vibrations, some of the main aspects required for micro-fabrication. The kinematics is based on two distinct systems: a first one for the 3D positioning of the headstock to the workpiece (with a global precision of ±2µm) based on a ball screw with a linear encoder; and a second one, for precision positioning (with a global precison of ±0.5µm) associated to the manufacturing process. The machine-tool conceived in the present work was tested for drilling operations with electrochemical machining. The results show a functional equipment used to evaluate the electrolyte s temperature influence in the workpiece drilling. The developed machine-tool also presents a reduction of acquisition costs and used area that allows combine various machining operations, which presents a great interest for schools and research centers. Keywords: Machine-Tool, Micro manufacturing, Electrochemical Machining Associação Brasileira de Engenharia e Ciências Mecânicas 2011

Tamanho Grande Corte Fio EDM com controlo LP2WH AQ750L AQ900L AQ1200L AQ1500L

Tamanho Grande Corte Fio EDM com controlo LP2WH AQ750L AQ900L AQ1200L AQ1500L Tamanho Grande Corte Fio EDM com controlo LP2WH AQ750L AQ900L AQ1200L AQ1500L The O mundo da serie Grande em Corte fio EDM Linear Em resposta ao aumento de pedidos para fabrico de grandes peças suportadas

Leia mais

CONTROLE NUMÉRICO E AUTOMATIZAÇÃO INDUSTRIAL INTRODUÇÃO: NOÇÕES BÁSICAS DE CNC

CONTROLE NUMÉRICO E AUTOMATIZAÇÃO INDUSTRIAL INTRODUÇÃO: NOÇÕES BÁSICAS DE CNC CONTROLE NUMÉRICO E AUTOMATIZAÇÃO INDUSTRIAL INTRODUÇÃO: NOÇÕES BÁSICAS DE CNC Operador de máquinas convencionais Materiais recebidos pelo operador da Máquina Convencional Exemplo de Máquina Convencional

Leia mais

16 Congresso de Iniciação Científica DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA PARA MONITORAMENTO DE DADOS EM HSM (HIGH SPEED MACHINING)

16 Congresso de Iniciação Científica DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA PARA MONITORAMENTO DE DADOS EM HSM (HIGH SPEED MACHINING) 16 Congresso de Iniciação Científica DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA PARA MONITORAMENTO DE DADOS EM HSM (HIGH SPEED MACHINING) Autor(es) OLIVEIRO LEUTWILER NETO Orientador(es) KLAUS SCHüTZER Apoio Financeiro

Leia mais

AUDITORIAS TECNOLÓGICAS

AUDITORIAS TECNOLÓGICAS AUDITORIAS TECNOLÓGICAS ÀS EMPRESAS ETF PROCESSO MUITO DISCUTIDO E MUITO ALTERADO EPERIÊNCIAS DE REALIZAÇÃO DE AUDITORIAS TECNOLÓGICAS NO PASSADO SOB O TEMA DA TECNOLOGIA ERA SOLICITADA E TRATADA MUITA

Leia mais

ANEXO 14- PILHAS DE COMBUSTÍVEL

ANEXO 14- PILHAS DE COMBUSTÍVEL ANEXO 14- PILHAS DE COMBUSTÍVEL 198 Conteúdo 1 Pilha de combustível... 199 1.1 O que é um elemento a combustível... 199 1.2 Princípio de funcionamento... 200 1.3 Tipos básicos de elementos a combustível...

Leia mais

3. Procedimento e Montagem Experimental

3. Procedimento e Montagem Experimental 3. Procedimento e Montagem Experimental O presente trabalho é uma continuação da pesquisa iniciada por Leiroz [14]. A seção de testes usada para nosso estudo de deposição de parafina sob condições de escoamento

Leia mais

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO DE MESA TRIDIMENSIONAL PARA TOPOGRAFIA A LASER E MOVIMENTAÇÃO EM SOLDAGEM

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO DE MESA TRIDIMENSIONAL PARA TOPOGRAFIA A LASER E MOVIMENTAÇÃO EM SOLDAGEM CONVÊNIOS CNPq/UFU & FAPEMIG/UFU Universidade Federal de Uberlândia Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação DIRETORIA DE PESQUISA COMISSÃO INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA 2008 UFU 30 anos PROPOSTA

Leia mais

Utilização de DGPS para Monitorização de Frotas em Ambiente Urbano

Utilização de DGPS para Monitorização de Frotas em Ambiente Urbano Utilização de DGPS para Monitorização de Frotas em Ambiente Urbano Telmo Cunha (1,2), Phillip Tomé (1), Sérgio Cunha (2), Jaime Cardoso (2) e Luisa Bastos (1) (1) Observatório Astronómico da Universidade

Leia mais

Sistemas de Accionamento Electromecânico

Sistemas de Accionamento Electromecânico Sistemas de Accionamento Electromecânico Comando e protecção de motores Introdução SISTEMAS de ACCIONAMENTO ELECTROMECÂNICO, O que são? Sistemas capazes de converter energia eléctrica em energia mecânica

Leia mais

Influência da lubrificação na maquinabilidade do compósito Tungsténio/Cobre sinterizado (WCu25)

Influência da lubrificação na maquinabilidade do compósito Tungsténio/Cobre sinterizado (WCu25) Ingeniare. Revista chilena de ingeniería, vol. 2 Nº 1, 212, pp. 114-118 Influência da lubrificação na maquinabilidade do compósito Tungsténio/Cobre sinterizado (WCu25) Influence of lubrication on machinability

Leia mais

PROCESSOS A CNC. Objetivo da disciplina Cronograma O projeto Critérios de avaliação Contrato didático A máquina O Comando eletrônico

PROCESSOS A CNC. Objetivo da disciplina Cronograma O projeto Critérios de avaliação Contrato didático A máquina O Comando eletrônico PROCESSOS A CNC Objetivo da disciplina Cronograma O projeto Critérios de avaliação Contrato didático A máquina O Comando eletrônico 1 CFP SENAI VW OBJETIVO da disciplina PROCESSOS A CNC Exercício básico

Leia mais

Curso Automação Industrial Aula 3 Robôs e Seus Periféricos. Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica

Curso Automação Industrial Aula 3 Robôs e Seus Periféricos. Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica Curso Automação Industrial Aula 3 Robôs e Seus Periféricos Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica Cronograma Introdução a Robótica Estrutura e Características Gerais dos Robôs Robôs e seus Periféricos

Leia mais

FreziPUMP Com Sol, tenha Água!

FreziPUMP Com Sol, tenha Água! FreziPUMP Com Sol, tenha Água! A Frezite apresenta uma vasta gama de equipamentos para captação e gestão da água, o que permite escolher a melhor solução para o seu projeto. Apostamos em soluções autónomas

Leia mais

GreenControl GreenHouse Control System Manual de InstaladorV6.0

GreenControl GreenHouse Control System Manual de InstaladorV6.0 GreenControl GreenHouse Control System Manual de InstaladorV6.0 ProBoard Engenharia Electrotécnica, Lda. Lugar das Caldas, nº12 Tel/Fax : +351 253 924 633 4730 457 Vila de Prado e-mail: info@proboard.pt

Leia mais

Tecnologia Eletromecânica. Atuadores eletromecânicos

Tecnologia Eletromecânica. Atuadores eletromecânicos Tecnologia Eletromecânica Atuadores eletromecânicos 3 de junho de 2014 Parker Eletromecânica Entendendo as necessidades do cliente Gerenciamento do Projeto Analise do Sistema Aceite dos Parametros de teste

Leia mais

Integrando Tecnologias para Criar Soluções

Integrando Tecnologias para Criar Soluções Triex Sistemas Sistemas de Testes, Supervisão e Controle Integrando Tecnologias para Criar Soluções Multiplexador de Canais Em aplicações onde se deseja inspecionar por ultra-som grandes áreas em pouco

Leia mais

CONTROLO VISUAL DE UM TAPETE ROLANTE

CONTROLO VISUAL DE UM TAPETE ROLANTE CONTROLO VISUAL DE UM TAPETE ROLANTE José Fernandes; José Silva; Nuno Vieira; Paulo Sequeira Gonçalves Curso de Engenharia Industrial Escola Superior de Tecnologia de Castelo Branco Av. do Empresário,

Leia mais

A retificadora centerless inteligente. Simplifique com Smart 10

A retificadora centerless inteligente. Simplifique com Smart 10 A retificadora centerless inteligente. Simplifique com Smart 10 A retificadora centerless inteligente. Simplifique. Com projeto inovador, a retificadora centerless Smart 10 da BONELI é insuperável em performance.

Leia mais

www.keelautomacao.com.br Linha KSDX Solução em processamento CNC

www.keelautomacao.com.br Linha KSDX Solução em processamento CNC Linha KSDX Solução em processamento CNC Automatize a produção de sua empresa Instalada em Tubarão, SC, a KEEL atua na fabricação de equipamentos para Corte, Solda e Sistemas (CNC). Fundada em 2002, a empresa

Leia mais

SILECTRIS Sistemas de Energia Eléctrica, Lda

SILECTRIS Sistemas de Energia Eléctrica, Lda SILECTRIS Sistemas de Energia Eléctrica, Lda Rua João Eloy do Amaral, 116 2900-414 Setúbal Tel.: 265 229 180 Fax: 265 237 371 www.silectris.pt SISTEMAS E EQUIPAMENTOS DE PROTECÇÃO, CONTROLO, MEDIDA E AUTOMAÇÃO

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE BROCAS REVESTIDAS COM TiN NOVAS E REAFIADAS NA FURAÇÃO DO AÇO ABNT 1045

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE BROCAS REVESTIDAS COM TiN NOVAS E REAFIADAS NA FURAÇÃO DO AÇO ABNT 1045 AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE BROCAS REVESTIDAS COM TiN NOVAS E REAFIADAS NA FURAÇÃO DO AÇO ABNT 1045 Sandro Cardoso Santos Alexandre Martins Reis Marcio Bacci da Silva Faculdade de Engenharia Mecânica, Universidade

Leia mais

E.2 Instrumentos e técnicas de medida II

E.2 Instrumentos e técnicas de medida II E.2 Instrumentos e técnicas de medida II E.2.1 Preparação O osciloscópio é um elemento essencial na gama de instrumentos de medida utilizados em laboratórios de electrónica. A função essencial do osciloscópio

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO PARA O ENSINO DA TECNOLOGIA DE USINAGEM

DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO PARA O ENSINO DA TECNOLOGIA DE USINAGEM VI CONGRESSO NACIONAL DE ENGENHARIA MECÂNICA VI NATIONAL CONGRESS OF MECHANICAL ENGINEERING 18 a 21 de agosto de 2010 Campina Grande Paraíba - Brasil August 18 21, 2010 Campina Grande Paraíba Brazil DESENVOLVIMENTO

Leia mais

DISPOSITIVO PARA MEDIR O DIFERENCIAL DE TEMPERATURA EM COLETORES SOLARES PARA AQUECIMENTO DE ÁGUA

DISPOSITIVO PARA MEDIR O DIFERENCIAL DE TEMPERATURA EM COLETORES SOLARES PARA AQUECIMENTO DE ÁGUA ASADES Avances en Energías Renovables y Medio Ambiente Vol. 15, 2011. Impreso en la Argentina. ISSN 0329-5184 DISPOSITIVO PARA MEDIR O DIFERENCIAL DE TEMPERATURA EM COLETORES SOLARES PARA AQUECIMENTO DE

Leia mais

CIRCUITOS DE CORRENTE CONTÍNUA

CIRCUITOS DE CORRENTE CONTÍNUA Departamento de Física da Faculdade de iências da Universidade de Lisboa Electromagnetismo 2007/08 IRUITOS DE ORRENTE ONTÍNU 1. Objectivo Verificar as leis fundamentais de conservação da energia e da carga

Leia mais

VerticalLine V 160C V 160G. Centros de Torneamento Verticais

VerticalLine V 160C V 160G. Centros de Torneamento Verticais VerticalLine V 160C V 160G Centros de Torneamento Verticais VerticalLine V160C, V160G Compacto, rápido, universal Aumente a produtividade Sistema Forte com máquinas verticais O sistema modular efici- compactas

Leia mais

com construção de "Features"

com construção de Features FURAÇÃO e fresagem 2,5D com construção de "Features" de furação e fresagem 2,5D. Rápido, seguro e TOTALMENTE automatizado Construção de "Feature" Perfuração e fresagem 2,5D Leitura de dados, reconhecimento

Leia mais

OSCILOSCÓPIO DIGITAIS COMPACTOS PORTÁTEIS DE 2 CANAIS ISOLADOS MODELOS OX 5022 E OX 5042

OSCILOSCÓPIO DIGITAIS COMPACTOS PORTÁTEIS DE 2 CANAIS ISOLADOS MODELOS OX 5022 E OX 5042 OSCILOSCÓPIO DIGITAIS COMPACTOS PORTÁTEIS DE 2 CANAIS ISOLADOS MODELOS OX 5022 E OX 5042 Pontos-chave: 2 Canais isolados; Três instrumentos num só: osciloscópio de 20 ou 40 MHz, multímetro TRMS / analisador

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS E SERVIÇOS

CATÁLOGO DE PRODUTOS E SERVIÇOS CATÁLOGO DE PRODUTOS E SERVIÇOS EMPRESA A Jet Tek possui equipamentos de avançada tecnologia para serviços de corte que exijam qualidade, precisão e rapidez. Segmentos Como prestadora de serviços de alta

Leia mais

Robótica Industrial. Projeto de Manipuladores

Robótica Industrial. Projeto de Manipuladores Robótica Industrial Projeto de Manipuladores Robôs são os típicos representantes da Mecatrônica. Integram aspectos de: Manipulação Sensoreamento Controle Comunicação 1 Robótica e Mecatrônica 2 Princípios

Leia mais

ANALISADOR DE QUALIDADE DE ENERGIA MODELO PQM-701 CLASSE A SEGUNDO NORMA 6100-4-30

ANALISADOR DE QUALIDADE DE ENERGIA MODELO PQM-701 CLASSE A SEGUNDO NORMA 6100-4-30 ANALISADOR DE QUALIDADE DE ENERGIA MODELO PQM-701 CLASSE A SEGUNDO NORMA 6100-4-30 Suporte redes do tipo: Monofásico; Bifásico, com neutro comum; Trifásico com ligação estrela com e sem neutro Trifásico

Leia mais

Materiais em Engenharia. Aula Teórica 6. Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza)

Materiais em Engenharia. Aula Teórica 6. Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza) Aula Teórica 6 Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza) 1 ENSAIO DE TRACÇÃO A partir dos valores da força (F) e do alongamento ( I) do provete obtêm-se

Leia mais

TRANSFORMADORES DE MEDIDA

TRANSFORMADORES DE MEDIDA TRANSFORMADORES DE MEDIDA Transformadores de tensão MT e de 60 kv Características e ensaios Elaboração: DNT Homologação: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 2ª. Substitui a edição de Outubro

Leia mais

Programa de Unidade Curricular

Programa de Unidade Curricular Programa de Unidade Curricular Faculdade Faculdade de Engenharia Licenciatura Engenharia e gestão Industrial Unidade Curricular Tecnologia Mecanica Semestre: 3 Nº ECTS: 6 Regente José Francisco Ferreira

Leia mais

instalação de sistemas de terras

instalação de sistemas de terras 94 José Ribeiro joseribeiro@casafelix.pt instalação de sistemas de terras 1. Capturar o raio. Capturar o raio para um ponto conhecido de ligação preferida utilizando um sistema de ponta captora aérea específica

Leia mais

HYDAC KineSys Sistemas de acionamento

HYDAC KineSys Sistemas de acionamento HYDAC KineSys Sistemas de acionamento Veículos de manuseio de materiais Usinas termelétricas Máquinas injetoras de plástico Seu parceiro profissional para soluções de acionamento Todas as condições para

Leia mais

Controle para Motores de Passo usando módulo USB-6008

Controle para Motores de Passo usando módulo USB-6008 Departamento de Física e Ciência dos Materiais Caixa Postal 369-13560-970 São Carlos SP Brasil e-mail : andretec@ifsc.usp.br Controle para Motores de Passo usando módulo USB-6008 Introdução Neste projeto

Leia mais

Ensaios Não Destrutivos

Ensaios Não Destrutivos Ensaios Não Destrutivos DEFINIÇÃO: Realizados sobre peças semi-acabadas ou acabadas, não prejudicam nem interferem a futura utilização das mesmas (no todo ou em parte). Em outras palavras, seriam aqueles

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE AUTOMAÇÃO DA MEDIÇÃO NO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA

DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE AUTOMAÇÃO DA MEDIÇÃO NO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE AUTOMAÇÃO DA MEDIÇÃO NO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA Gilva Altair Rossi gilva@demec.ufmg.br José Maria Galvez jmgalvez@ufmg.br Universidade

Leia mais

CENTROS DE USINAGEM VERTICAL

CENTROS DE USINAGEM VERTICAL CENTROS DE USINAGEM VERTICAL Desenho construtivo das máquinas para oferecer Alta Rigidez, Alta Velocidade e Alta Precisão A estrutura da máquina é basicamente em ferro fundido MEEHANITE, estabilizado e

Leia mais

CIRCUITOS E SISTEMAS ELECTRÓNICOS

CIRCUITOS E SISTEMAS ELECTRÓNICOS INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA Enunciado do 2º Trabalho de Laboratório CIRCUITOS E SISTEMAS ELECTRÓNICOS MODELAÇÃO E SIMULAÇÃO DE CIRCUITOS DE CONVERSÃO ANALÓGICO-DIGITAL E DIGITAL-ANALÓGICO

Leia mais

Sistema de Tensionamento de Correias SKF. A forma da SKF apoiar a transmissão Fácil Rápido Repetitivo

Sistema de Tensionamento de Correias SKF. A forma da SKF apoiar a transmissão Fácil Rápido Repetitivo Sistema de Tensionamento de Correias SKF A forma da SKF apoiar a transmissão Fácil Rápido Repetitivo Sistema de Tensionamento de Correias SKF Uma solução inovadora para as transmissões por correias É sabido

Leia mais

OPTIPROBE Ficha de dados técnicos

OPTIPROBE Ficha de dados técnicos OPTIPROBE Ficha de dados técnicos O indicador de caudal de baixo custo Instalação fácil Medidas exatas e estáveis Qualidade KROHNE KROHNE ÍNDICE DE OPTIPROBE 1 Características do Produto 3 1.1 O indicador

Leia mais

Tutorial de Eletrônica Aplicações com 555 v2010.05

Tutorial de Eletrônica Aplicações com 555 v2010.05 Tutorial de Eletrônica Aplicações com 555 v2010.05 Linha de Equipamentos MEC Desenvolvidos por: Maxwell Bohr Instrumentação Eletrônica Ltda. Rua Porto Alegre, 212 Londrina PR Brasil http://www.maxwellbohr.com.br

Leia mais

GESTRA. GESTRA Steam Systems. NRR 2-2e. Manual de Instruções 818464-00 Regulador de nível NRR 2-2e

GESTRA. GESTRA Steam Systems. NRR 2-2e. Manual de Instruções 818464-00 Regulador de nível NRR 2-2e GESTRA GESTRA Steam Systems Manual de Instruções 818464-00 Regulador de nível Dimensões Fig. 2 Fig. 1 Tampa transparente Rede (ver placa de características) Equipado com R m Regulador de esvaziamento Prefer

Leia mais

Teoria das Descargas Parciais

Teoria das Descargas Parciais Teoria das Descargas Parciais Quando uma tensão é aplicada aos terminais de um equipamento elétrico que possui isolamento elétrico (dielétricos - ar, SF 6, óleo isolante, fenolite, resinas, vidros, etc.)

Leia mais

CALDEIRAS DE CHÃO DE CONDENSAÇÃO POWER HT

CALDEIRAS DE CHÃO DE CONDENSAÇÃO POWER HT CALDEIRAS DE CHÃO DE CONDENSAÇÃO POWER HT POWER HT MELHORAR A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA É UMA DAS GRANDES METAS DA NOSSA SOCIEDADE NO SÉCULO XXI. A GAMA POWER HT, BASEADA NA TECNOLOGIA DA CONDENSAÇÃO É UM

Leia mais

Sistema de Instrumentação Virtual para Monitorização de Máquinas Eléctricas

Sistema de Instrumentação Virtual para Monitorização de Máquinas Eléctricas Sistema de Instrumentação Virtual para Monitorização de Máquinas Eléctricas Vicente Leite (1), José Batista (1), Rui Araújo (2), Diamantino Freitas (2) (1) Escola Superior de Tecnologia e de Gestão do

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA RESISTÊNCIA INTERNA DE UMA PILHA

DETERMINAÇÃO DA RESISTÊNCIA INTERNA DE UMA PILHA TLHO PÁTCO DETEMNÇÃO D ESSTÊNC NTEN DE UM PLH Objectivo Este trabalho compreende as seguintes partes: comparação entre as resistências internas de dois voltímetros, um analógico e um digital; medida da

Leia mais

CIRCUITO PARA MEDIÇÃO DE CORRENTES ELEVADAS

CIRCUITO PARA MEDIÇÃO DE CORRENTES ELEVADAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DISCIPLINA: INSTRUMENTAÇÃO ELETRÔNICA PROFESSOR: LUCIANO FONTES CAVALCANTI CIRCUITO PARA MEDIÇÃO DE

Leia mais

Escola Secundária/3 da Maia Cursos em funcionamento 2009-2010. Técnico de Electrónica, Automação e Comando

Escola Secundária/3 da Maia Cursos em funcionamento 2009-2010. Técnico de Electrónica, Automação e Comando Ensino Secundário Diurno Cursos Profissionais Técnico de Electrónica, Automação e Comando PERFIL DE DESEMPENHO À SAÍDA DO CURSO O Técnico de Electrónica, Automação e Comando é o profissional qualificado

Leia mais

Luis Filipe Baptista MEMM 2

Luis Filipe Baptista MEMM 2 INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLO CAPÍTULO V Transdutores Optoelectrónicos 2012/2013 Índice do capítulo Introdução Transdutores ópticos Transdutores optoelectrónicos - Absolutos - Incrementais Aplicações industriais

Leia mais

Desenho Técnico Fundamentos do desenho técnico; Construções geométricas; Desenho eletroeletrônico;

Desenho Técnico Fundamentos do desenho técnico; Construções geométricas; Desenho eletroeletrônico; EMENTA DE CONTEÚDOS Eletricidade Conceitos fundamentais da eletricidade; Circuitos elétricos de corrente contínua; Tensão alternada; Gerador de funções; Operação do osciloscópio; Tensão e corrente alternadas

Leia mais

José Novais (1997), Método sequencial para automatização electro-pneumática, 3ª Edição, Fundação

José Novais (1997), Método sequencial para automatização electro-pneumática, 3ª Edição, Fundação AUTOMAÇÃO (M323/3073) CAPÍTULO I Introdução à Automação 2013/2014 Bibliografia José Novais (1997), Método sequencial para automatização electro-pneumática, 3ª Edição, Fundação Calouste Gulbenkian Curtis

Leia mais

. linear ou rotativo. analógico ou digital. absoluto, incremental ou incremental-absoluto. princípio de operação

. linear ou rotativo. analógico ou digital. absoluto, incremental ou incremental-absoluto. princípio de operação 8 - Transdutores Um transdut or é um equipamento que converte variações de uma determinada grandeza física em outra. Por exemplo, um transdut or de posição converte variações de movimento em um sinal de

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA

MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA INSTITUTO POLITÉCNICO DE BRAGANÇA! "# $&%(')*&,+ -.,/!0 1 2 23 Índice: 1- Informações gerais sobre o projecto e cálculo...1 2- Tipologia estrutural...2

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CRAVADAS ESTACAS CRAVADAS ESTACAS CAP. XV. Processos de Construção Licenciatura em Engenharia Civil

1. INTRODUÇÃO CRAVADAS ESTACAS CRAVADAS ESTACAS CAP. XV. Processos de Construção Licenciatura em Engenharia Civil CAP. XV ESTACAS CRAVADAS 1/47 1. INTRODUÇÃO 2/47 1 1. INTRODUÇÃO Pré-fabricadas Estacas cravadas Fundações indirectas (profundas) Alternativa às estacas moldadas 3/47 1. INTRODUÇÃO Processo pouco utilizado

Leia mais

Semana de Atividades Científicas 2012 Associação Educacional Dom Bosco Faculdade de Engenharia de Resende Engenharia Elétrica Eletrônica

Semana de Atividades Científicas 2012 Associação Educacional Dom Bosco Faculdade de Engenharia de Resende Engenharia Elétrica Eletrônica Semana de Atividades Científicas 2012 Associação Educacional Dom Bosco Faculdade de Engenharia de Resende Engenharia Elétrica Eletrônica PLANTA DIDÁTICA DE INSTRUMENTAÇÃO PARA PROCESSAMENTO DE ÁGUA GELADA

Leia mais

R310PT 2604 (2011.08) The Drive & Control Company

R310PT 2604 (2011.08) The Drive & Control Company Carro linear eléctrico miniatura MSC-EL R10PT 2604 (11.08) The Drive & Control Company Carro linear eléctrico miniatura MSC-EL R10PT 2604 (11.08) Bosch Rexroth AG Carro linear eléctrico miniatura MSC-EL

Leia mais

Mezzo Compensação. cozinhas. Hottes > hottes tradicionais grande conforto. descrição técnica. p. 926. hotte de cozinha tradicional Conforto.

Mezzo Compensação. cozinhas. Hottes > hottes tradicionais grande conforto. descrição técnica. p. 926. hotte de cozinha tradicional Conforto. Hottes > hottes tradicionais grande conforto cozinhas Mezzo Compensação hotte de cozinha tradicional Conforto vantagens Compensação integrada. Filtros de choque montados de série. Iluminação encastrada

Leia mais

Sistemas de Força Motriz

Sistemas de Força Motriz Sistemas de Força Motriz Introdução; Os Dados de Placa; Rendimentos e Perdas; Motor de Alto Rendimento; Partidas de Motores; Técnicas de Variação de Velocidade; Exemplos; Dicas CONSUMO DE ENERGIA POR RAMO

Leia mais

Controlador Automático para Escoamentos de Gases

Controlador Automático para Escoamentos de Gases Controlador Automático para Escoamentos de Gases Aluno: Diego Russo Juliano Orientador: Sergio Leal Braga Introdução Medidores e controladores de vazão são peças fundamentais nos principais setores industriais,

Leia mais

XIX Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 13 a 17/08/2012 São Carlos-SP Artigo CREEM2012 SENSOR DE TEMPERATURA WIRELESS

XIX Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 13 a 17/08/2012 São Carlos-SP Artigo CREEM2012 SENSOR DE TEMPERATURA WIRELESS XIX Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 13 a 17/08/2012 São Carlos-SP Artigo CREEM2012 SENSOR DE TEMPERATURA WIRELESS Antonio Carlos Lemos Júnior, Ednaldo Lopes Rosa e Leandro Aureliano

Leia mais

PROJECTO BRAGG Um projecto na área dos sensores de fibra óptica Revista de Inovação Tecnológica, Outubro/Dezembro de 2001

PROJECTO BRAGG Um projecto na área dos sensores de fibra óptica Revista de Inovação Tecnológica, Outubro/Dezembro de 2001 PROJECTO BRAGG Um projecto na área dos sensores de fibra óptica Revista de Inovação Tecnológica, Outubro/Dezembro de 2001 O projecto Bragg teve como objectivo principal o desenvolvimento de cablagens avançadas

Leia mais

VIESMANN VITOSOLIC. Dados técnicos VITOSOLIC 100 VITOSOLIC 200. Controlador para sistemas de energia solar

VIESMANN VITOSOLIC. Dados técnicos VITOSOLIC 100 VITOSOLIC 200. Controlador para sistemas de energia solar VIESMANN VITOSOLIC Controlador para sistemas de energia solar Nº de referência e preços: ver lista de preços VITOSOLIC 100 Controlador electrónico por diferença de temperatura Para sistemas com produção

Leia mais

SISTEMA DE APONTAMENTO

SISTEMA DE APONTAMENTO Introdução SISTEMA DE APONTAMENTO Alunos: Lucas Castro Faria Carolina do Amaral Galhardo Orientador: Hans Ingo Weber Foi feito um estudo para aquisição de dados através da placa NI USB-6229, usando o programa

Leia mais

3 Descrição do Programa Experimental

3 Descrição do Programa Experimental 5 3 Descrição do Programa Experimental A melhor forma de se obter o comportamento global e local de estruturas aparafusadas é por meio de ensaios experimentais realizados em laboratório. Com esses ensaios

Leia mais

Exemplos das perguntas para Teste e defesas de Oficinas Gerais Serralharia

Exemplos das perguntas para Teste e defesas de Oficinas Gerais Serralharia Exemplos das perguntas para Teste e defesas de Oficinas Gerais Serralharia 1. Apresentar os esquemas de medição das dimensões a, b e c indicadas na figura 1 (desenhar as testeiras, orelhas e pé do paquímetro

Leia mais

Câmara para teste de mangueiras

Câmara para teste de mangueiras Câmara para teste de mangueiras A Superohm oferece um linha de Câmaras especiais para teste de mangueiras, as quais são modulares e podem ter uma única função ou varias funções juntas. Destinam-se às indústrias

Leia mais

Indice. 1 - Via Aéreas e Acessórios

Indice. 1 - Via Aéreas e Acessórios CATÁLOGO GERAL 2013 Indice 1 - Via Aéreas e Acessórios 1.1 - Birail em perfil de aço inox 1.2 - Birail em perfil de alumínio 1.3 - Monorail em perfil de alumínio 1.4 - Monorail ligeiro em perfil de alumínio

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE SENSOR INERCIAL E APLICAÇÃO EM BARCO AUTÔNOMO. José Maria Cipriano Torres (IC) Elder Moreira Hemerly (PQ)

CARACTERIZAÇÃO DE SENSOR INERCIAL E APLICAÇÃO EM BARCO AUTÔNOMO. José Maria Cipriano Torres (IC) Elder Moreira Hemerly (PQ) CARACTERIZAÇÃO DE SENSOR INERCIAL E APLICAÇÃO EM BARCO AUTÔNOMO José Maria Cipriano Torres (IC) Elder Moreira Hemerly (PQ) Resumo: Este trabalho teve por objetivo caracterizar sensores inerciais, especialmente

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR(A) DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Operador/a de Electrónica Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/16

PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR(A) DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Operador/a de Electrónica Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/16 PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR(A) DE ELECTRÓNICA PERFIL PROFISSIONAL Operador/a de Electrónica Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/16 ÁREA DE ACTIVIDADE - ELECTRÓNICA E AUTOMAÇÃO OBJECTIVO GLOBAL

Leia mais

Sensores Ultrasônicos

Sensores Ultrasônicos Sensores Ultrasônicos Introdução A maioria dos transdutores de ultra-som utiliza materiais piezelétricos para converter energia elétrica em mecânica e vice-versa. Um transdutor de Ultra-som é basicamente

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA RESISTÊNCIA INTERNA DE UMA PILHA

DETERMINAÇÃO DA RESISTÊNCIA INTERNA DE UMA PILHA TLHO PÁTCO Nº 5 DTMNÇÃO D SSTÊNC NTN D UM PLH Objectivo - ste trabalho compreende as seguintes partes: comparação entre as resistências internas de dois voltímetros, um analógico e um digital; medida da

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Estruturas metálicas Características Elaboração: GTRPT Homologado: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 1ª Emissão: EDP Distribuição Energia, S.A.

Leia mais

Controle de Posição em um Eixo Roscado

Controle de Posição em um Eixo Roscado Controle de Posição em um Eixo Roscado Prof. Dr.-Ing. Walter Lindolfo Weingaertner wlw@emc.ufsc.br UFSC Artur Schütz Ferreira artur_schutz@hotmail.com UFSC Allan Oliveira da Silva aos@labmetro.ufsc.br

Leia mais

SENSORES DISCIPLINA DE MATERIAIS ELÉTRICOS. ALUNOS: André Sato Érico Noé Leandro Percebon

SENSORES DISCIPLINA DE MATERIAIS ELÉTRICOS. ALUNOS: André Sato Érico Noé Leandro Percebon SENSORES DISCIPLINA DE MATERIAIS ELÉTRICOS ALUNOS: André Sato Érico Noé Leandro Percebon Indrodução SENSORES são dispositivos que mudam seu comportamento sob a ação de uma grandeza física, podendo fornecer

Leia mais

Cátia Homem, 9 de Janeiro de 2008 Página 1

Cátia Homem, 9 de Janeiro de 2008 Página 1 Escola Secundária Vitorino Nemésio Física e Química A Componente de física 11º ano Actividade Laboratorial 2.1 Osciloscópio Nome: Turma: Nº: Classificação: docente: 1. Questão problema: Perante o aumento

Leia mais

Elevadores. 3 Anos. Potente, Seguro, Compacto, Fácil de movimentar. Garantia. magnéticos manuais

Elevadores. 3 Anos. Potente, Seguro, Compacto, Fácil de movimentar. Garantia. magnéticos manuais Grande potência magnética na ponta dos seus dedos Elevadores magnéticos manuais Potente, Seguro, Compacto, Fácil de movimentar Ideal para a movimentação de cargas ferrosas acabadas ou em bruto, planas

Leia mais

PROCEDIMENTO DE REALIZAÇÃO MONTAGEM E DESMONTAGEM DAS PLATAFORMAS MÓVEIS

PROCEDIMENTO DE REALIZAÇÃO MONTAGEM E DESMONTAGEM DAS PLATAFORMAS MÓVEIS P.880.0 de 20 REGISTO DE ALTERAÇÕES: Elaborado Verificado Aprovado EDIÇÃO DESCRIÇÃO Representante Permanente do empreiteiro em obra Gestor da Qualidade (Obra) Director Técnico Empreitada Data Criação (PA)

Leia mais

Ventilação na Restauração

Ventilação na Restauração Ventilação na Restauração As deficiências na climatização e na exaustão de fumos dos Restaurantes são um problema frequente. Muitas vezes há deficiente extracção de fumos, com caudais de ar insuficientes,

Leia mais

Motores em miniatura proporcionam um grande desempenho para analisadores médicos

Motores em miniatura proporcionam um grande desempenho para analisadores médicos thinkmotion Motores em miniatura proporcionam um grande desempenho para analisadores médicos Os analisadores médicos são elementos fundamentais do setor de diagnósticos médicos. São ferramentas versáteis

Leia mais

Monitor de Temperatura MONITEMP

Monitor de Temperatura MONITEMP ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 INTRODUÇÃO O Monitor de Temperatura MoniTemp foi desenvolvido para supervisionar até 3 (três) canais de temperatura simultaneamente, ele é utilizado para proteger

Leia mais

Electron do Brasil. Tecnologia ao seu alcance. Tecnologia Digital. www.electrondobrasil.com. Catálogo Monitemp - rev3. Qualidade Comprovada!

Electron do Brasil. Tecnologia ao seu alcance. Tecnologia Digital. www.electrondobrasil.com. Catálogo Monitemp - rev3. Qualidade Comprovada! Electron do Brasil Tecnologia Digital Qualidade Comprovada! Ensaios de Tipo Realizados Tecnologia ao seu alcance Catálogo Monitemp - rev3 Produtos Certificados! www.electrondobrasil.com O Monitor de Temperatura

Leia mais

ESTUDO APLICADO DE UMA EÓLICA

ESTUDO APLICADO DE UMA EÓLICA Temática Energias Renováveis Capítulo Energia Eólica Secção ESTUDO APLICADO DE UMA EÓLICA INTRODUÇÃO Nesta exposição apresentam-se as equações e os conhecimentos necessários para a resolução dos exercícios.

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE MECATRÔNICA

DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE MECATRÔNICA DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE MECATRÔNICA Gilva Altair Rossi 1 ; José Maria Galvez 2 ; Douglas Iceri Lasmar 3 Universidade Federal de Minas Gerais, Departamento de Engenharia

Leia mais

Automação industrial Sensores

Automação industrial Sensores Automação industrial Sensores Análise de Circuitos Sensores Aula 01 Prof. Luiz Fernando Laguardia Campos 3 Modulo Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina Cora Coralina O que são sensores?

Leia mais

ANÁLISE DE FALHAS EM COMPRESSORES DE PARAFUSOS. Fabiano Ribeiro do Vale Almeida Universidade Federal de Itajubá

ANÁLISE DE FALHAS EM COMPRESSORES DE PARAFUSOS. Fabiano Ribeiro do Vale Almeida Universidade Federal de Itajubá ANÁLISE DE FALHAS EM COMPRESSORES DE PARAFUSOS Fabiano Ribeiro do Vale Almeida Universidade Federal de Itajubá Márcio Tadeu de Almeida Universidade Federal de Itajubá Trabalho apresentado na 6 a Conferência

Leia mais

NOVOS ANALISADORES DE QUALIDADE DE ENERGIA SÉRIE QUALISTAR MODELOS CA 8331 CA 8333 CA 8336 CA 8435 PARA USO EXTERNO, COM ÍNDICE IP 67

NOVOS ANALISADORES DE QUALIDADE DE ENERGIA SÉRIE QUALISTAR MODELOS CA 8331 CA 8333 CA 8336 CA 8435 PARA USO EXTERNO, COM ÍNDICE IP 67 NOVOS ANALISADORES DE QUALIDADE DE ENERGIA SÉRIE QUALISTAR MODELOS CA 8331 CA 8333 CA 8336 CA 8435 PARA USO EXTERNO, COM ÍNDICE IP 67 Nota prévia: os três analisadores de qualidade de energia da série

Leia mais

TORNO MECÂNICO PARALELO UNIVERSAL

TORNO MECÂNICO PARALELO UNIVERSAL - Foto meramente ilustrativa podendo não conter os mesmos acessórios/cores do orçamento, marca NARDINI, Modelo ND - 220 GOLD, procedência NACIONAL, produzido por Indústrias Nardini S/A, de acordo com normas

Leia mais

Sensores e Atuadores (1)

Sensores e Atuadores (1) (1) 4º Engenharia de Controle e Automação FACIT / 2009 Prof. Maurílio J. Inácio Introdução Sensores Fornecem parâmetros sobre o comportamento do manipulador, geralmente em termos de posição e velocidade

Leia mais

Medições com strain gage

Medições com strain gage Medições com strain gage Renan Azevedo Engenheiro de Produto, DAQ & Teste NI Henrique Sanches Marketing Técnico, LabVIEW NI Pontos principais Conceitos básicos de strain gage Conceitos básicos das medições

Leia mais

MEDIÇÃO DE GRANDEZAS ELÉCTRICAS UTILIZAÇÃO DO OSCILOSCÓPIO E DO MULTÍMETRO

MEDIÇÃO DE GRANDEZAS ELÉCTRICAS UTILIZAÇÃO DO OSCILOSCÓPIO E DO MULTÍMETRO TRABALHO PRÁTICO MEDIÇÃO DE GRANDEZAS ELÉCTRICAS UTILIZAÇÃO DO OSCILOSCÓPIO E DO MULTÍMETRO Objectivo Este trabalho tem como objectivo a familiarização com alguns dos equipamentos e técnicas de medida

Leia mais

ni.com Série de conceitos básicos de medições com sensores

ni.com Série de conceitos básicos de medições com sensores Série de conceitos básicos de medições com sensores Medições de temperatura Renan Azevedo Engenheiro de Produto, DAQ & Teste NI Henrique Sanches Marketing Técnico, LabVIEW NI Pontos principais Diferentes

Leia mais

Título: Controle de um sistema Bola- Barra com realimentação através de imagem

Título: Controle de um sistema Bola- Barra com realimentação através de imagem Título: Controle de um sistema Bola- Barra com realimentação através de imagem Autores: Caio Felipe Favaretto, Henrique Corrêa Ramiro, Rômulo de Oliveira Souza e Marcelo Barboza Silva Professor orientador:

Leia mais

SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade

SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA INSTRUMENTAÇÃO ELETRÔNICA PROFESSOR: LUCIANO CAVALCANTI SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade

Leia mais

ANEXO IV EQUIPAMENTOS RELATIVOS AO SISTEMA AUTOMÁTICO DE DETECÇÃO DE INCÊNDIOS

ANEXO IV EQUIPAMENTOS RELATIVOS AO SISTEMA AUTOMÁTICO DE DETECÇÃO DE INCÊNDIOS ANEXO IV EQUIPAMENTOS RELATIVOS AO SISTEMA AUTOMÁTICO DE DETECÇÃO DE INCÊNDIOS A - DETECTORES AUTOMÁTICOS Segundo [2], os detectores de incêndio são os aparelhos de detecção de incêndio que registam, comparam

Leia mais

R volucionário. Um passo além do módulo de célula solar. Um passo além da produção de calor com matriz solar. Alta performance. Prático.

R volucionário. Um passo além do módulo de célula solar. Um passo além da produção de calor com matriz solar. Alta performance. Prático. inside ideas R volucionário. Um passo além do módulo de célula solar. Um passo além da produção de calor com matriz solar. Revo é um sistema solar já concebido e desenvolvido em uma forma híbrida de modo

Leia mais

Motores Lineares Industriais

Motores Lineares Industriais Motores Lineares Industriais Sistema de accionamento puramente eléctrico Controlo de posição livre ao longo de todo o curso Para tarefas de posicionamento precisas e dinâmicas Vida útil maior com a tecnologia

Leia mais

1088 - INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL. Cópia das transparências sobre: TRANSDUTORES DE POSIÇÃO

1088 - INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL. Cópia das transparências sobre: TRANSDUTORES DE POSIÇÃO 1088 - INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL Cópia das transparências sobre: TRANSDUTORES DE POSIÇÃO Prof. Demarchi Capítulo 4 TRANSDUTORES DE POSIÇÃO 4.1 Potenciômetros Resistivos A resistência de um condutor elétrico

Leia mais