mais científica numa dinâmica evolucionista.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "mais científica numa dinâmica evolucionista."

Transcrição

1 (2009) Onésimo Teotónio Almeida, De Marx a Darwin. A desconfiança das Ideologias. Lisboa, Gradiva Publicações.* Maria Gabriela Teves de Azevedo e Castro Departamento de História, Filosofia e Ciências Sociais da Universidade dos Açores. Rua da Mãe de Deus Ponta Delgada. Berta Maria Oliveira Pimentel Miúdo Departamento de História, Filosofia e Ciências Sociais da Universidade dos Açores. Rua da Mãe de Deus Ponta Delgada. I Apresentar Onésimo Teotónio de Almeida não é tarefa fácil, muito menos na obra que ora se lança De Marx a Darwin, a desconfiança das ideologias. À partida, Marx e Darwin são dois nomes que apontam para perspectivas diferentes, uma tradicionalmente mais ideológica a outra mais científica numa dinâmica evolucionista. Quero, antes de partilhar convosco a minha leitura da obra, agradecer ao Professor Doutor Onésimo Teotónio Almeida, o ter-nos facilitado a nossa tarefa dispondo-se a dialogar connosco, convidando-nos para o efeito à colocação de questões. Seguindo esta disponibilidade entendi ler a sua obra de modo a procurar lançar-lhe algumas questões e solicitar a sua ajuda para a respectiva compreensão. Onésimo Teotónio Almeida é nome sobejamente conhecido e referência não só académica, em diferentes áreas do saber e em descoincidentes lugares. No entanto, senti necessidade de conhecer um pouco mais sobre os seus trabalhos, pois todos nós nos reflectimos no nosso próprio estilo, já o disse Merleau-Ponty, e nas temáticas que escolhemos. Assim, comecei por tentar saber um pouco mais sobre o escritor. A verdade é que me ia perdendo na Internet com tanta entrada, links, referências e respectiva informação. Ainda comecei a tentar, pela * Nota do editor O texto que nesta oportunidade se inclui nesta secção destinada a recensear livros de autores açorianos ou contemplando obras de temática com interesse para o arquipélago, corresponde à apresentação pública da mais recente obra de Onésimo Teotónio Almeida. Pode bem dizer-se que se trata de uma peça tocada a duas mãos, em que duas professoras universitárias de filosofia discorrem filosoficamente, mas com a graciosidade e a informalidade que o apreço tido pelo autor explicará, sobre uma obra cuja densidade complexa, à luz da reflexão das duas autoras, resulta mais simples e, até, estimulante. Por isso, também, o texto a que as duas apresentadoras do livro chamam apenas notas, se mantém inalterado.

2 528 Boletim do Núcleo Cultural da Horta quantidade, perceber o quanto tinha escrito, desisti. Isto é, escreveu muito. Bem, muito é pouco, porque escreveu muitíssimo. Desde livros e prefácios de livros, a artigos em que é autor ou co-autor e à participação em Actas de colóquios ou congressos internacionais lá se encontra de tudo. Por isso, abandonei as novas tecnologias. Estando eu a conversar com alguém, que o Professor Onésimo Almeida conhece bem, a Doutora Fernanda Enes, disse-lhe da minha tarefa ao que me respondeu, para me descansar claro!: Ideologias? Esse é o tema do doutoramento dele. Sobre isso sabe ele falar. Interessante que, já lendo o livro, que hoje apresento, no capítulo Marx morto, Darwin posto? encontrei a seguinte afirmação que corroborava a informação recebida influenciado como estava pelas reflexões durante o processo de escrita da tese de doutoramento sobre o conceito de ideologia, em que o primeiro capítulo tentara desmistificar as pretensões do marxismo ao estatuto de ciência, mostrando como ele era uma ideologia e, mais do que isso, uma visão do mundo como outra qualquer, assente sobretudo na opção pela justiça como valor ético fundamental, pressentia que o paradigma marxista começava a soçobrar (p. 21). Como se pode verificar a informação da minha amiga em nada me facilitava a tarefa e por isso decidi voltar-me, apenas, para o livro que hoje estamos a lançar. De Marx a Darwin a Desconfiança das Ideologias é uma obra composta por uma introdução, Em jeito de explicação ao leitor, seguida de 5 capítulos, uma conclusão e dois apêndices sobre Darwin e os Açores e o Darwinismo nos Açores: Arruda Furtado, Sena Freitas e não só. Daqueles cinco salientarei o 1.º subordinado ao tema interessantíssimo Marx morto, Darwin posto? ; o 2.º intitulado A mundividência marxista: um rápido esboço ; passarei para o 4.º onde a Natureza humana e o determinismo biológico enforma o

3 Revista de Livros 529 conteúdo exposto e finalmente a conclusão. O 3.º e o 5.º capítulo ficaram para a minha colega Berta Pimentel Miúdo. Na introdução intitulada, Em jeito de explicação ao leitor, Onésimo Almeida afirma referindo-se a Darwin e ao facto da força com que a questão religiosa, levantada pela teoria evolucionista, em alguns blogues assumir, em Portugal, um pouco, embora nem de longe com a veemência com que surge em determinadas hostes norte- americanas, justificar a sua necessidade de reflexão [que lhe vem do interior do seu mundo vivido] ( ) e serem assim preocupações se calhar demasiado americanas para a sensibilidade portuguesa, reconhece o autor, mas continua convicto de que o seu trabalho traz a dimensão da partilha do questionamento que une todos aqueles que gostam de pensar. Se a introdução era para ajeitar uma explicação ao leitor, esta passagem, desajeitou-me a explicação pois Ricoeur afirma O sujeito que interroga deve ser considerado como pertencente à realidade sobre a qual interroga, pois só deste modo, isto é, pertencendo previamente a um mundo, é que podemos interrogarmo- nos sobre o seu sentido. O pressuposto heideggeriano de ser-no-mundo ganha toda a sua inteligibilidade como precedente da reflexão, pois na verdade, o intérprete nunca conseguirá aproximar-se do que diz o seu texto, se não estiver já posicionado na sua atmosfera de sentido 1. Valeu-me a referência a Tomas Kuhn e a Rorty para me descansar na minha inquietação de falta de mundo vivido para a interpretação uma vez que, de acordo com Onésimo, esses foram os pensadores que melhor ultrapassaram a fronteira linguística e cultural entre os EUA e a Europa (p. 24), onde me encontro na ultraperiferia. Por toda a obra perpassa a reflexão pessoal sempre fundamentada num profundo conhecimento teórico que vai desde a filosofia clássica à contemporânea, passando pela medieval e moderna, bem como pela ciência, pela epistemologia, e pela sociologia. Os fundamentos da reflexão em que o autor se apoia para ultrapassar Marx e ressuscitar Darwin, leva-nos pelas páginas de uma obra que se lê com enorme gosto, de um fôlego só, como se costuma a dizer na minha, na nossa terra. A exposição encadeada dos princípios, a tessitura ordenada das fontes e a finura da reflexão, perspicaz e arguta, garantem umas horas de repouso-dinâmico de leitura e longas horas posteriores de reflexão. Um dia disse-me o Professor Jean Ladrière Si quelque chose nous donne a penser c est parce que l a 1 Ricoeur, Paul, Philosophie de la volonté: II Finitude et culpabilité: 2. La symbolique du mal, Aubier, 1960, 1988, p. 327 e CI, p. 294.

4 530 Boletim do Núcleo Cultural da Horta il y a de la philosophie. Já Kant o havia afirmado e Ricoeur retomado essa mesma máxima quando a aplica ao símbolo afirmando Le symbole donne à penser. Este texto de Onésimo é um texto de filosofia. Faz-nos pensar. Leva-nos pela mão, adentro do seu pensamento, expondo, baralhando, construindo e descontruindo, dando e retirando conforme a questão que o interpela ou a conclusão a que chega, sempre prenhe de novas hipóteses a explorar. No primeiro capítulo Marx morto, Darwin posto? Onésimo afirma algo extraordinário, que vou pedir me possa ajudar a compreender: como é que o empirismo impõe uma nova metafísica (p. 27)? Continuando a leitura, entendi ser este um dos vértices das ideias que quer fazer passar nesta obra. Por isso, aquela afirmação encontra eco no capítulo 4, Natureza humana e determinismo biológico, onde justifica que nós vivamos cada vez mais dentro de um novo paradigma, o do empirismo racional (p. 73). Porém, acabou por me deixar sem chão, quando na página 121, já na Conclusão, afirma: A ciência não é uma metafísica, recordando Aristóteles. Estes textos, aparentemente vários, contêm a unidade de proporem uma explicação pelos meandros da ciência e suas relações com a filosofia, no entanto, fica-nos um pouco a sensação de apenas termos vislumbrado, como Moisés, a Terra Prometida e não termos lá entrado, mesmo com as referências posteriores a Thomas Huxley, o grande divulgador da obra de Darwin, com o seu ensaio sobre o evolucionismo e a ética procurando salvaguardá-la, que Onésimo reflecte mais profundamente no capítulo intitulado Natureza Humana e Determinismo Biológico, sumariada na afirmação do Duarte, Tudo na civilização é contra a natureza (p. 8). No segundo capítulo senti uma profunda identificação com os seus alunos. Assim como é difícil do exterior de uma sociedade cientificamente avançada entender, por exemplo, Bachelard e os seus obstáculos epistemológicos, assim também deverá ser difícil, do interior de uma sociedade capitalista compreender O Capital de Marx. Exige um trabalho de desconstrução da própria realidade em que nos encontramos, um profundo conhecimento de Hegel para se poder entender, como dizia o nosso Professor José Enes: Marx virou Hegel de cabeça para baixo. Como captar em toda a sua amplitude, do interior de uma vivência numa sociedade capitalista, a ideia que está expressa na seguinte afirmação: o paraíso terreal existiu de facto, e o ser humano era bom, mas o capitalismo foi, infelizmente, o pecado original que lançou a humanidade na senda de uma história de luta de classes (p. 53)?

5 Revista de Livros 531 É muito interessante a paridade lógica que estabelece entre a metafísica marxista e a cristã, a primeira ordem natural, o pecado original e a segunda ordem natural, aplicando a cada uma das doutrinas as respectivas figuras simbólicas que na dialéctica ganham corpo. Hegel esteve no Seminário de Tubinga com Schelling e tinham como divisa O reino de Deus. Marx mantém a mesma dialéctica, porém, invertida. Interessante! A revisitação, presente no capítulo 3 está a cargo da minha colega Berta Pimentel Miúdo em conjunto com o capítulo 5, pelo que não sendo este um diálogo de violinos é um trabalho onde os acordes se expressam por duas violas da terra. A capa da obra, da autoria de Armando Lopes, coloca-nos, no final, a questão: quando o primata espreita e olha em frente, o que justifica o Homem? Da minha parte Senhor Professor foi um prazer ler esta sua obra. No final percebe-se perfeitamente o seu subtítulo muitíssimo bem conseguido de acordo com o conteúdo que o mesmo enforma. Em terminologia muito sua, espero revisitá-lo, com mais tempo. Gabriela Castro II Começo por avisar que esta viola da terra vai desafinar: as cravelhas são de madeira, à antiga, e só tem um coração, mal-amanhado. A minha colega, Doutora Gabriela Castro, pôs a bitola científica em patamares de discussão muito elevados, pelo que a minha intervenção nesta sessão se resume a breves reflexões exploratórias de dois capítulos do livro, concretamente o terceiro, Cultura versus natureza uma revisitação, e o quinto, Do (re)conhecimento da ignorância como saudável atitude fundacional. Um destes dias, caminhando pelas calçadas de Ponta Delgada e tendo, então, conhecimento apenas do título da obra, De Marx a Darwin. A desconfiança das Ideologias, lembrei uma história que ocorreu há alguns anos, no contexto de uma disciplina por mim leccionada, História e Filosofia da Cultura. A reflexão em torno do conceito de cultura (trave-mestra do capítulo terceiro) implicou, necessariamente, uma incursão sobre o conceito de ideologia. Recomendei como leitura o texto de Onésimo Teotónio Almeida, publicado em 1995 na Revista Comunicação e Linguagens. A minha recomendação foi aplaudida com entusiasmo, pois os alunos, cerca de uma vintena e maioritariamente açorianos, conheciam sobejamente o autor (julgava eu!). Chegado o dia de análise e discussão do referido texto, verifiquei que o entusiasmo se metamorfoseara numa mistura de desconforto e confusão. Os trabalhos não avançavam, e por mais solicitações

6 532 Boletim do Núcleo Cultural da Horta que fizesse não conseguia obter um discurso fundamentado, pelo que perguntei abertamente: «Então, o que se passa?» Eis quando alguém se enche de coragem (é preciso coragem para dizer o que eu vou, simplesmente, repetir) e esclarece: «É que este Onésimo não tem graça!» Só então percebi que conheciam o homem, mas desconheciam o pensador. E não foi fácil reconciliar o homem da fala, com graça, no espaço público com o pensador da palavra, sem graça, do texto filosófico. Mas Onésimo Teotónio Almeida tem graça, mesmo! Tem muitas graças! Se quisermos olhar pelo lado religioso (estando aqui connosco o nosso querido Doutor Octávio Medeiros, Vigário Episcopal) não lhe faltam sabedoria, entendimento, fortaleza ou ciência. E uma das graças que Onésimo tem é, sem dúvida, a frontalidade e a seriedade com que discute os temas filosóficos, seja numa perspectiva histórica integrante dos problemas da metafísica clássica, seja numa perspectiva sistemática potencialmente estruturante da compreensão da vida humana na contemporaneidade, como é o caso desta última obra. O livro que agora nos pre-ocupa é, pois, um texto plantado em terrenos do saber, do mais puro amor à sabedoria, logo é aí que tem que dar frutos, entenda-se sementes do seu valor. Sendo um texto filosófico, por excelência, o discurso não deixa porém de reflectir a marca do homem, isto é, a argumentação é amiúde entrecortada por elementos narrativos extraordinários. Leia-se a propósito a citação da definição de anedota de Nöel Carroll, longa, analítica e palavrosa: «X é uma anedota se e só se (1) x é um discurso verbal integralmente estruturado, geralmente em forma de riddles ou narrativa ( ), implica a presunção de pelo menos um desses erros pelo implicado ou pelos ouvintes, (6) mas em que o erro é supostamente reconhecido como erro pelo ouvintes.» Como referi, o excerto citado não é de Onésimo Teotónio Almeida, o que é da sua autoria é a afirmação sucedânea e o enquadramento precedente. Diz Onésimo: «Estou certo de que ficaram finalmente a perceber por que razão rimos de uma anedota». Quanto à contextualização precedente da definição atrás lida, pretende ser o desmascaramento, via «Filosofia do Humor», da «táctica da avestruz» com que muitos pensadores revestem as suas (in)conclusões científicas. Relendo, em voo de reconhecimento, o capítulo terceiro, que recordo se intitula Cultura versus natureza uma revisitação, permitam-me começar precisamente pela segunda parte do título, «uma revisitação». A militância revisitante de Onésimo Teotónio Almeida é notória e única. Que eu tenha conhecimento, ninguém se lhe iguala. Trata-se, sem qualquer pretensão pseudo-analítica, de um aspecto

7 Revista de Livros 533 revelador do homem e do pensador. A atitude de revisitação diz-nos do homem: ser alguém que está bem por onde passa, deixando pistas seguras, qual fio de Ariane, para um voltar sempre. Do pensador, diz-nos que não vive de verdades últimas, pré-fabricadas e feitas de uma vez para sempre. Parafraseando Ortega, diríamos que esta é a atitude autêntica do filósofo, pois o trabalho filosófico não se faz a talho de foice, mas usando a táctica, narrada no texto bíblico, da Tomada de Jericó: circundando repetidamente os problemas, para que da súmula de perspectivas conquistadas possamos chegar a planos superiores de compreensão. Outro elemento que marca e caracteriza o discurso de Onésimo Teotónio Almeida é o envolvimento da sua pessoa na análise dos problemas. Discurso directo, escrito e conjugado na primeira pessoa do singular, que todavia convoca reiterada e persistentemente o leitor para interlocutor, ora porque partilha as suas mais recentes leituras e experiências de pensamento, ora porque, recorrendo aos tais momentos extraordinários da narrativa, nos coloca dentro da sua casa a propósito de uma begónia que, tendo crescido desmesuradamente, teve que ser dividida em dois vasos iguais, embora com destinos diferentes. Leia-se: «Vês? conversa de Onésimo com o filho Duarte Biologicamente iguais e em vasos iguaizinhos, com a mesma terra e alimentos. Ponho a mesma água em ambas as plantas todas as semanas, mas nota lhes a diferença. Uma está num quarto voltado para sul, onde a luz do sol entra todo o dia, de Verão e Inverno; ( ). Repara como está esplendorosa. A outra, na galeria, está voltada para norte. Janela rasgada, muita luz, mas aqui não entra o sol directamente. ( ). Vê como está raquítica». Moral da história (sem repercussões quanto ao desempenho escolar dos filhos): a culpa é sua, Professor Onésimo. Pôs esta parte da planta num sítio onde mirrou. Passando a brincadeira, esta história remete-nos directamente para o plano em que o autor pretende que seja equacionado o debate e a reflexão: «Cultura é o que se opõe à natureza, isto é, tudo o que resulta da intervenção humana sobre a natureza». Profundo conhecedor de toda a problemática e polémicas em torno da definição de cultura, Onésimo Teotónio Almeida apresenta com clareza as duas vertentes (um pouco ou até mesmo muito gastas) do debate contemporâneo: construtivistas versus naturalistas. Os primeiros, defendendo que a cultura por nós herdada resulta de uma construção a desconstruir noutra construção. Os segundos, na linha de um reducionismo naturalista, propalado em vastíssima bibliografia contemporânea, especialmente no campo das ciências cognitivas,

8 534 Boletim do Núcleo Cultural da Horta pretendendo agrilhoar a realidade humana no reduto natural. Discutindo com os mais actuais e ilustres representantes destas duas orientações enviesadas da relação cultura/natureza, especialmente a segunda, seja J. Q. Wilson ou F. Crick, Onésimo Teotónio Almeida conclui pela impossibilidade de mapear a pessoa no seu todo, qual auto-transparência absoluta. Há toda uma dimensão constituinte e constitutiva da vida humana que escapa como água por um cesto de vimes ao determinismo naturalista, especialmente no domínio da racionalidade prática, da acção, ética e política, em que estão envolvidos conceitos fundamentais como liberdade, respeito ou justiça. Leia-se: «Daí que os debates sobre o grau de predomínio entre as forças da natureza ou da cultura permaneçam bem acesos no nosso tempo e não se consiga encontrar argumentos em favor do determinismo biológico, tal como ninguém até aqui conseguiu fazê-lo para outro determinismo qualquer. Apesar dos extraordinários avanços das últimas décadas, continuamos no escuro em relação a peças fundamentais do ser humano e da sua existência». Quanto ao interessantíssimo capítulo quinto, intitulado Do (re)conhecimento da ignorância como saudável atitude fundacional, breves palavras, apesar de ser um tema aliciante. Tratando-se de um vasto território, profusamente habitado por indivíduos que não querem perder o abrigo, as terras da ignorância são abaladas com frequência por irrupções forasteiras desestruturantes, que medeiam entre o reconhecimento e a conquista. A linha de pensamento seguida por Onésimo Teotónio Almeida tem matriz epistemológica, porém extravasando sentidos para outros âmbitos filosóficos. Sem recorrer, pelo menos logo de início, à famosa douta ignorância reclamada por Sócrates, que inaugurou a filosofia como discurso de desvelamento partilhado, e avançando na discussão das questões em torno da possibilidade e unicidade do conhecimento, o autor conclui que uma das marcas fundamentais dos nossos dias é a consciência da nossa ignorância. Qual raposa, na metáfora de Isaiah Berlin (ou João dos Ovos, na versão açoriana), Onésimo Teotónio Almeida, com a sua autenticidade filosófica, sabe as muitas pequenas coisas necessárias para a re-invenção do presente e compreensão do futuro. E por que de um balho furado se tratou, deixamos para si, Professor Onésimo, outros rodopios do pensamento, no caso concreto, vamos deixá-lo às voltas com Darwin. Muito obrigada a todos, especialmente a si Professor Onésimo Teotónio Almeida. Berta Pimentel Miúdo

DECLARAÇÃO POLÍTICA DO PRESIDENTE DO GRUPO PARLAMENTAR DO PS/AÇORES

DECLARAÇÃO POLÍTICA DO PRESIDENTE DO GRUPO PARLAMENTAR DO PS/AÇORES DECLARAÇÃO POLÍTICA DO PRESIDENTE DO GRUPO PARLAMENTAR DO PS/AÇORES Senhoras e Senhores Deputados, Senhora e Senhores Membros do Governo, No uso duma faculdade regimental, o Grupo Parlamentar do PS resolve

Leia mais

Resenha Resenha Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 8, n. 11, p. 133-135, jun. 2002 131

Resenha Resenha Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 8, n. 11, p. 133-135, jun. 2002 131 Resenha 131 132 LÉVY, André. Ciências clínicas e organizações sociais. Belo Horizonte: Autêntica, 2001. 224p. Lançado por ocasião do VIII Colóquio Internacional de Psicossociologia e Sociologia Clínica,

Leia mais

269- Anais - Congresso de Fenomenologia da Região Centro-Oeste

269- Anais - Congresso de Fenomenologia da Região Centro-Oeste HEIDEGGER: A REDUÇÃO FENOMENOLÓGICA E A PERGUNTA PELO SER 269 - Caderno de texto IV Congresso de Fenomenologia da Região Cenro-Oeste. Resumo: Maria Clara CESCATO - UFPB, Campus IV cescato@voila.fr Eixo

Leia mais

A liberdade religiosa. dos direitos individuais aos direitos sociais

A liberdade religiosa. dos direitos individuais aos direitos sociais D E P O I M E N T O S A liberdade religiosa dos direitos individuais aos direitos sociais Com a viragem do século, e sobretudo com o desenvolvimento das investigações das ciências sociais sobre o fenómeno

Leia mais

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR RESENHA Neste capítulo, vamos falar acerca do gênero textual denominado resenha. Talvez você já tenha lido ou elaborado resenhas de diferentes tipos de textos, nas mais diversas situações de produção.

Leia mais

Como se estuda filosofia?

Como se estuda filosofia? Como se estuda filosofia? Desidério Murcho Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Filosofia 1. Introdução Estas breves notas visam ajudar os estudantes a estudar melhor. Muitas das indicações

Leia mais

A INTERDISCIPLINARIDADE NO ENSINO DA FILOSOFIA esboço de síntese

A INTERDISCIPLINARIDADE NO ENSINO DA FILOSOFIA esboço de síntese 1 A INTERDISCIPLINARIDADE NO ENSINO DA FILOSOFIA esboço de síntese Carmelita Brito de Freitas FELÍCIO Faculdade de Filosofia carmelaf@terra.com.br Palavras-chave: ensino de filosofia; formação de professores;

Leia mais

Filosofia na Antiguidade Clássica Sócrates, Platão e Aristóteles. Profa. Ms. Luciana Codognoto

Filosofia na Antiguidade Clássica Sócrates, Platão e Aristóteles. Profa. Ms. Luciana Codognoto Filosofia na Antiguidade Clássica Sócrates, Platão e Aristóteles Profa. Ms. Luciana Codognoto Períodos da Filosofia Grega 1- Período pré-socrático: (VII e VI a.c): início do processo de desligamento entre

Leia mais

Redenção Acontecimento e linguagem

Redenção Acontecimento e linguagem Redenção Acontecimento e linguagem Pediram-me que fizesse uma introdução a este debate acerca da «Redenção Acontecimento e liguagem» do ponto de vista da teologia sistemática. Limitar-me-ei, portanto,

Leia mais

APRENDA A ESTUDAR UM GUIA PARA O SUCESSO DO ESTUDANTE

APRENDA A ESTUDAR UM GUIA PARA O SUCESSO DO ESTUDANTE APRENDA A ESTUDAR UM GUIA PARA O SUCESSO DO ESTUDANTE Leiliane Bernardes Gebrim Psicóloga CRP: 09/ 006042 Para que você tenha sucesso na sua aprendizagem é preciso que você seja um estudante ativo e comprometido

Leia mais

Todo processo de ensino-aprendizagem carece de um ponto de partida, algo que serve para desencadear a ação educativa. Os profissionais educadores

Todo processo de ensino-aprendizagem carece de um ponto de partida, algo que serve para desencadear a ação educativa. Os profissionais educadores Temas geradores Todo processo de ensino-aprendizagem carece de um ponto de partida, algo que serve para desencadear a ação educativa. Os profissionais educadores têm à sua disposição algumas estratégias

Leia mais

MEMÓRIAS DE ADOLESCENTES: UM PROJETO DE ESCRITA COM ALUNOS DO 1º ANO DO ENSINO MÉDIO

MEMÓRIAS DE ADOLESCENTES: UM PROJETO DE ESCRITA COM ALUNOS DO 1º ANO DO ENSINO MÉDIO MEMÓRIAS DE ADOLESCENTES: UM PROJETO DE ESCRITA COM ALUNOS DO 1º ANO DO ENSINO MÉDIO PATRÍCIA CAPPUCCIO DE RESENDE (FUNDAÇÃO DE ENSINO DE CONTAGEM), MARCELO GUIMARÃES BELGA (FUNEC - UNIDADE NOVO PROGRESSO),

Leia mais

RESENHA. Max Weber e a racionalização da vida: categorias weberianas em análise

RESENHA. Max Weber e a racionalização da vida: categorias weberianas em análise 1 RESENHA Max Weber e a racionalização da vida: categorias weberianas em análise Resenha de Sell, Carlos Eduardo. Max Weber e a Racionalização da Vida. Petrópolis: Vozes, 2013 1. Márcio J. R. de Carvalho

Leia mais

FILOSOFIA 12º ANO 3ª UNIDADE: UMA OBRA DA ÉPOCA CONTEMPORÂNEA: A ORIGEM DA TRAGÉDIA, DE NIETZSCHE

FILOSOFIA 12º ANO 3ª UNIDADE: UMA OBRA DA ÉPOCA CONTEMPORÂNEA: A ORIGEM DA TRAGÉDIA, DE NIETZSCHE FILOSOFIA 12º ANO 3ª UNIDADE: UMA OBRA DA ÉPOCA CONTEMPORÂNEA: A ORIGEM DA TRAGÉDIA, DE NIETZSCHE SUBUNIDADE 1: Introdução CONTEÚDOS OBJECTIVOS / COMPETÊNCIAS ESTRATÉGIAS / RECURSOS T.L. AVALIAÇÃO Os objectivos

Leia mais

Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais

Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais INTRODUÇÃO À sociologia Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais introdução à S Maura Pardini Bicudo Véras O CIO LO GIA Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais Direção editorial Claudiano

Leia mais

Plano de Aula de Filosofia para o Ensino Médio. Tema: História da Filosofia Instrumento de Pesquisa

Plano de Aula de Filosofia para o Ensino Médio. Tema: História da Filosofia Instrumento de Pesquisa Plano de Aula de Filosofia para o Ensino Médio Tema: História da Filosofia Instrumento de Pesquisa 1. Sensibilização e Investigação textual Primeiramente, serão apresentados os excertos dos textos sem

Leia mais

Temos assim que, ao longo do século XX, as tarefas tradicionais do Estado registaram um incremento extraordinário.

Temos assim que, ao longo do século XX, as tarefas tradicionais do Estado registaram um incremento extraordinário. Palavras do Presidente do Supremo Tribunal Administrativo Conselheiro Manuel Fernando dos Santos Serra Na Sessão de Abertura do Colóquio A Justiça Administrativa e os Direitos Administrativos Especiais

Leia mais

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Paula Botelho Mestre em Educação pela Faculdade de Educação da UFMG. Coordenadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação de Surdos (GEPES),

Leia mais

MATERIAL DE APOIO OFICINA EVANGELISMO PESSOAL MIN. FILIPE ARAÚJO

MATERIAL DE APOIO OFICINA EVANGELISMO PESSOAL MIN. FILIPE ARAÚJO MATERIAL DE APOIO OFICINA EVANGELISMO PESSOAL MIN. FILIPE ARAÚJO DO CONCEITO PARA PRATICA E, chegando-se Jesus, falou-lhes, dizendo: É-me dado todo o poder no céu e na terra. Portanto ide, fazei discípulos

Leia mais

A FILOSOFIA E TECNOLOGIAS: FORMAÇÃO E OPINIÃO PÚBLICA CRÍTICA

A FILOSOFIA E TECNOLOGIAS: FORMAÇÃO E OPINIÃO PÚBLICA CRÍTICA A FILOSOFIA E TECNOLOGIAS: FORMAÇÃO E OPINIÃO PÚBLICA CRÍTICA Elvio de Carvalho Graduado em Filosofia pela UFSM/RS. Membro do projeto Formação Cultural. helviocarvalho@hotmail.com Valmir da Silva Acadêmico

Leia mais

Canguilhem e as ciências da vida

Canguilhem e as ciências da vida Canguilhem e as ciências da vida 679 CANGUILHEM, G. Estudos de História e de Filosofia das Ciências: concernentes aos vivos e à vida Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012 1 Lizandro Lui 1 Instituto

Leia mais

MULHERES, LEITORAS DE ROMANCE

MULHERES, LEITORAS DE ROMANCE MULHERES, LEITORAS DE ROMANCE PAULA VIRGÍNIA DE ALMEIDA ROCHETTI (FE - UNICAMP). Resumo Vários estudos vêm sendo feitos a fim de investigar a relação que as mulheres têm com o romance. Alguns buscam as

Leia mais

DATA: 18/12/2015 VALOR: 20,0 NOTA: NOME COMPLETO:

DATA: 18/12/2015 VALOR: 20,0 NOTA: NOME COMPLETO: DISCIPLINA: FILOSOFIA PROFESSOR: ENRIQUE MARCATTO DATA: 18/12/2015 VALOR: 20,0 NOTA: NOME COMPLETO: ASSUNTO: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SÉRIE: 2ª TURMA: Nº: I N S T R U Ç Õ E S 1. Este trabalho contém

Leia mais

Não é sem um certo tremor que se aceita um convite como o que a Directora da nossa Biblioteca me endereçou, o de apresentar em breves palavras esta pequena exposição, uma exposição que despretensiosamente

Leia mais

A dúvida cartesiana dos sentidos na primeira meditação como elemento fundamental para compreensão das meditações metafísicas de Descartes

A dúvida cartesiana dos sentidos na primeira meditação como elemento fundamental para compreensão das meditações metafísicas de Descartes A dúvida cartesiana dos sentidos na primeira meditação como elemento fundamental para compreensão das meditações metafísicas de Descartes Juliana Abuzaglo Elias Martins Doutoranda em Filosofia pela UFRJ

Leia mais

Revista Sul-americana de Filosofia e Educação RESAFE A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO

Revista Sul-americana de Filosofia e Educação RESAFE A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO 83 Relato de experiência A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO Vânia Mesquita 1 Resumo: O presente relato busca introduzir a discussão sobre o filosofar em sala de aula como uma importante possibilidade

Leia mais

Filosofia para crianças? Que história é essa?

Filosofia para crianças? Que história é essa? Filosofia para crianças? Que história é essa? P Isabel Cristina Santana Diretora do CBFC ara muitos provoca espanto a minha resposta quando me perguntam: qual é o seu trabalho? e eu respondo trabalho com

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

Tradução. Magda Lopes. A Lei da Felicidade_miolo.indd 3 27/05/2011 16:03:32

Tradução. Magda Lopes. A Lei da Felicidade_miolo.indd 3 27/05/2011 16:03:32 Tradução Magda Lopes A Lei da Felicidade_miolo.indd 3 27/05/2011 16:03:32 INTRODUÇÃO Da Lei da Atração à Lei da Felicidade Alguns anos atrás, um livro chamado O segredo, de Rhonda Byrne, abalou o mundo

Leia mais

Os fundamentos do juízo: a faculdade do juízo e a conformidade a fins

Os fundamentos do juízo: a faculdade do juízo e a conformidade a fins 2. Os fundamentos do juízo: a faculdade do juízo e a conformidade a fins As considerações iniciais deste capítulo dizem respeito à faculdade do juízo, elemento sem o qual não é possível entender o fundamento

Leia mais

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão Jorge Esteves Objectivos 1. Reconhecer que Jesus se identifica com os irmãos, sobretudo com os mais necessitados (interpretação e embora menos no

Leia mais

Orar é uma atividade regular na vida de Jesus, um hábito, uma disciplina, um vínculo. Essa passagem é pedagógica e ilustra uma vida de fé!

Orar é uma atividade regular na vida de Jesus, um hábito, uma disciplina, um vínculo. Essa passagem é pedagógica e ilustra uma vida de fé! Faculdades EST- Pastoral Universitária Culto de Abertura do Semestre 2013/2 Prédica sobre Lucas 11.1-13 Pastora Iára Müller Leitura de Lucas 11.1-13 O tema da oração e da persistência em orar sempre volta

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA I. OBJECTIVOS O objectivo deste ciclo de estudos é garantir aos estudantes uma sólida formação jurídica de base. Tendo

Leia mais

VAMOS CONSTRUIR UMA CIDADE

VAMOS CONSTRUIR UMA CIDADE VAMOS CONSTRUIR UMA CIDADE Versão adaptada de Eugénio Sena para Wir Bauen Eine Stadt de Paul Hindemith 1. MARCHA (Entrada) Uma cidade nossa amiga Não queremos a cidade antiga. Nós vamos pensar tudo de

Leia mais

O DEVER MORAL NA PRIMEIRA SEÇÃO DA FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES DE KANT

O DEVER MORAL NA PRIMEIRA SEÇÃO DA FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES DE KANT O DEVER MORAL NA PRIMEIRA SEÇÃO DA FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES DE KANT Fernanda Martins de Oliveira Bueno Prof. Dr. Arlei de Espíndola (Coordenador) RESUMO Nesta comunicação ocupar-me-ei do

Leia mais

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC)

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) Diversidade Linguística na Escola Portuguesa Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) www.iltec.pt www.dgidc.min-edu.pt www.gulbenkian.pt Actos de Fala Quadro Geral Significado e contexto

Leia mais

TEXTO RETIRADO DO LIVRO: RESILIÊNCIA COMO SUPERAR PRESSÕES E ADVERSIDADES NO TRABALHO

TEXTO RETIRADO DO LIVRO: RESILIÊNCIA COMO SUPERAR PRESSÕES E ADVERSIDADES NO TRABALHO TEXTO RETIRADO DO LIVRO: RESILIÊNCIA COMO SUPERAR PRESSÕES E ADVERSIDADES NO TRABALHO O QUE PODEMOS APRENDER com a experiência de vida de pessoas resilientes é que, para enfrentar situações difíceis, é

Leia mais

Sobre a higiene oral

Sobre a higiene oral Olgierd Swiatkiewicz Sobre a higiene oral dos alunos da Escola Superior de Tecnologia de Setúbal Nos tempos que correm todos temos cada vez mais cuidado com a higiene da boca e porque nos preocupamos com

Leia mais

FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA BRUNA TOSCANO GIBSON RESENHA

FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA BRUNA TOSCANO GIBSON RESENHA FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA BRUNA TOSCANO GIBSON RESENHA BELÉM 2010 FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA BRUNA TOSCANO GIBSON RESENHA Trabalho apresentado à disciplina Teoria e Técnica da Tradução

Leia mais

TEMAS TRANSVERSAIS, PEDAGOGIA DE PROJETOS E AS MUDANÇAS NA EDUCAÇÃO

TEMAS TRANSVERSAIS, PEDAGOGIA DE PROJETOS E AS MUDANÇAS NA EDUCAÇÃO TEMAS TRANSVERSAIS, PEDAGOGIA DE PROJETOS E AS MUDANÇAS NA EDUCAÇÃO ULISSES F. ARAÚJO TEMAS TRANSVERSAIS, PEDAGOGIA DE PROJETOS E AS MUDANÇAS NA EDUCAÇÃO Copyright 2004, 2014 by Ulisses F. Araújo Direitos

Leia mais

A Ética e sua relação com o sucesso profissional do administrador e do contador

A Ética e sua relação com o sucesso profissional do administrador e do contador A Ética e sua relação com o sucesso profissional do administrador e do contador www.ricardoalmeida.adm.br ricardoalmeida@ricardoalmeida.adm.br Realização: 08/02/2007 Apoio: Boa Noite! Gostaria de desejar

Leia mais

É necessário (re)ler Ferdinand de Saussure nos manuscritos originais. Entrevista de Laurent Wolf com Simon BOUQUET

É necessário (re)ler Ferdinand de Saussure nos manuscritos originais. Entrevista de Laurent Wolf com Simon BOUQUET É necessário (re)ler Ferdinand de Saussure nos manuscritos originais Entrevista de Laurent Wolf com Simon BOUQUET Nessa entrevista Simon Bouquet fala da importância de se retornar aos escritos originais

Leia mais

AULAS DE ORATÓRIA: DO ENSINO DO GÊNERO ORAL FORMAL À CONSTITUIÇÃO IDENTITÁRIA

AULAS DE ORATÓRIA: DO ENSINO DO GÊNERO ORAL FORMAL À CONSTITUIÇÃO IDENTITÁRIA 1 AULAS DE ORATÓRIA: DO ENSINO DO GÊNERO ORAL FORMAL À CONSTITUIÇÃO IDENTITÁRIA Bianca Alves LEHMANN 1 Universidade Federal de Pelotas/UFPel biancalehmann@gmail.com Resumo: A competência comunicativa é

Leia mais

Direitos reservados Domingos Sávio Rodrigues Alves Uso gratuito, permitido sob a licença Creative Commons 1

Direitos reservados Domingos Sávio Rodrigues Alves Uso gratuito, permitido sob a licença Creative Commons 1 1 O caminho da harmonia. Colossenses 3 e 4 Col 3:1-3 Introdução: Portanto, já que vocês ressuscitaram com Cristo, procurem as coisas que são do alto, onde Cristo está assentado à direita de Deus. Mantenham

Leia mais

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO INTRODUÇÃO Francisca das Virgens Fonseca (UEFS) franciscafonseca@hotmail.com Nelmira Santos Moreira (orientador-uefs) Sabe-se que o uso

Leia mais

ENTREVISTA. Historien (Petrolina). ano 4. n. 9. Jul/Dez 2013

ENTREVISTA. Historien (Petrolina). ano 4. n. 9. Jul/Dez 2013 549 ENTREVISTA Historien (Petrolina). ano 4. n. 9. Jul/Dez 2013 CONVERSANDO SOBRE ENSINO DE HISTÓRIA ENTREVISTA COM CARLOS AUGUSTO LIMA FERREIRA Rafael de Oliveira Cruz 1 As reflexões sobre a prática de

Leia mais

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 FORMAÇÃO

Leia mais

Márcio Ronaldo de Assis 1

Márcio Ronaldo de Assis 1 1 A JUSTIÇA COMO COMPLETUDE DA VIRTUDE Márcio Ronaldo de Assis 1 Orientação: Prof. Dr. Juscelino Silva As virtudes éticas derivam em nós do hábito: pela natureza, somos potencialmente capazes de formá-los

Leia mais

Ana Maria Bettencourt

Ana Maria Bettencourt 16 17 Entrevista Ana Maria Bettencourt Ana Maria Bettencourt Tendo optado por mudar o mundo através da educação, Ana Maria Bettencourt fala de uma escola onde a responsabilidade pelas aprendizagens está

Leia mais

Não sei em que mês nasci!

Não sei em que mês nasci! Não sei em que mês nasci! Cristina Martins, Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Bragança Paula Maria Barros, Escola Superior do Instituto Politécnico de Educação de Bragança Introdução

Leia mais

Conhecer a FCH, Conferências Multidisciplinares. VOLUME 5 Filosofia. Filosofia e Direitos dos Animais. Questões de Filosofia Aplicada

Conhecer a FCH, Conferências Multidisciplinares. VOLUME 5 Filosofia. Filosofia e Direitos dos Animais. Questões de Filosofia Aplicada Conhecer a FCH, Conferências Multidisciplinares VOLUME 5 Filosofia Filosofia e Direitos dos Animais. Questões de Filosofia Aplicada Lisboa Universidade Católica Editora 2011 Índice Apresentação................................

Leia mais

PRODUÇÃO DE SIGNIFICADOS NA SALA DE AULA DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL

PRODUÇÃO DE SIGNIFICADOS NA SALA DE AULA DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL PRODUÇÃO DE SIGNIFICADOS NA SALA DE AULA DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL Amarildo Melchiades da Silva Universidade Federal de Juiz de Fora xamcoelho@terra.com.br José Eduardo Ferreira da Silva C.A.

Leia mais

NOVA ÁGORA: CAMINHO PARA A AÇÃO

NOVA ÁGORA: CAMINHO PARA A AÇÃO NOVA ÁGORA: CAMINHO PARA A AÇÃO Inicia-se, esta semana, a Nova Ágora. Um espaço, por definição, de encontro, de troca de ideias, de estilo aberto, de respeito pela opinião diferente; no fundo, é um espaço

Leia mais

revista FIDELIDADE - A vida cristã dinâmica Preparando a aula Plano de aula

revista FIDELIDADE - A vida cristã dinâmica Preparando a aula Plano de aula Base bíblica: João 3.1-23 Texto áureo: Jesus respondeu: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer da água e do Espírito, não pode entrar no reino de Deus (João 3.5). Preparando a aula Ore

Leia mais

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA PLANO DE ENSINO 2011-1 DISCIPLINA: Estudos filosóficos em educação I - JP0003 PROFESSOR: Dr. Lúcio Jorge Hammes I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Carga Horária Teórica: 60 (4 créditos) II EMENTA Aborda os pressupostos

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

Mestre e discípulos conversam sobre o conceito de realidade.

Mestre e discípulos conversam sobre o conceito de realidade. HETERONÍMIA 7. REALIDADE Mestre e discípulos conversam sobre o conceito de realidade. Horóscopo de Alberto Caeiro, feito por Fernando Pessoa. «Uma sombra é real, mas é menos real que uma pedra» Uma das

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA A REDAÇÃO DE UMA DISSERTAÇÃO OU TESE

PRINCÍPIOS PARA A REDAÇÃO DE UMA DISSERTAÇÃO OU TESE 1 PRINCÍPIOS PARA A REDAÇÃO DE UMA DISSERTAÇÃO OU TESE Prof. Dr. Flávio Villaça Professor Titular de Planejamento Urbano da FAU-USP Versão de 20/12/04 Flavila@uol.com.br INTRODUÇÀO Este texto foi elaborando

Leia mais

PESQUISA DIAGNÓSTICA - SISTEMATIZAÇÃO. - Sim, estou gostando dessa organização sim, porque a gente aprende mais com organização das aulas.

PESQUISA DIAGNÓSTICA - SISTEMATIZAÇÃO. - Sim, estou gostando dessa organização sim, porque a gente aprende mais com organização das aulas. ESCOLA MUNICIPAL BUENA VISTA Goiânia, 19 de junho de 2013. - Turma: Mestre de Obras e Operador de computador - 62 alunos 33 responderam ao questionário Orientador-formador: Marilurdes Santos de Oliveira

Leia mais

Conceitos Básicos. Profetizou em Israel, durante o reinado de Jeroboão II (Século VIII a.c.), cumpre seu ministério por 30 anos

Conceitos Básicos. Profetizou em Israel, durante o reinado de Jeroboão II (Século VIII a.c.), cumpre seu ministério por 30 anos Oséias Salvação Conceitos Básicos Oséias, o profeta, era filho de Beeri. Profetizou em Israel, durante o reinado de Jeroboão II (Século VIII a.c.), cumpre seu ministério por 30 anos O nome Oséias era comum

Leia mais

Prova Escrita de Filosofia

Prova Escrita de Filosofia Exame Final Nacional do Ensino Secundário Prova Escrita de Filosofia 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 714/Época Especial 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Centro de Competência de Ciências Sociais. Departamento de Ciências da Educação. 1.º Ciclo em Educação Básica. Programa. Unidade Curricular

Centro de Competência de Ciências Sociais. Departamento de Ciências da Educação. 1.º Ciclo em Educação Básica. Programa. Unidade Curricular Centro de Competência de Ciências Sociais Departamento de Ciências da Educação 1.º Ciclo em Educação Básica Programa Unidade Curricular Teoria e Desenvolvimento Curricular Área Científica Educação Regente

Leia mais

RESENHA PRIMEIRAS LETRAS, PRIMEIRA LEITURA: PRÁTICAS DE ALFABETIZADORES DE JOVENS E ADULTOS

RESENHA PRIMEIRAS LETRAS, PRIMEIRA LEITURA: PRÁTICAS DE ALFABETIZADORES DE JOVENS E ADULTOS RESENHA PRIMEIRAS LETRAS, PRIMEIRA LEITURA: PRÁTICAS DE ALFABETIZADORES DE JOVENS E ADULTOS CARVALHO, Marlene. Primeiras letras: alfabetização de jovens e adultos em espaços populares. São Paulo: Ática,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 20 Discurso na cerimónia "Jovens

Leia mais

Línguas e sujeitos de fronteira: um pouco mais, e ainda, sobre a educação de surdos Regina Maria de Souza

Línguas e sujeitos de fronteira: um pouco mais, e ainda, sobre a educação de surdos Regina Maria de Souza Sumário Apresentação Valéria Amorim Arantes... 9 PARTE I Educação de surdos.... 15 Regina Maria de Souza Núria Silvestre Línguas e sujeitos de fronteira: um pouco mais, e ainda, sobre a educação de surdos

Leia mais

Aula 03. o ato de ler. Leitura e conhecimento. Os poemas. Caríssimo aluno,

Aula 03. o ato de ler. Leitura e conhecimento. Os poemas. Caríssimo aluno, Aula 03 o ato de ler Caríssimo aluno, A leitura é componente fundamental do processo de aprendizagem, pois está relacionada a todas as disciplinas de seu curso. Convidamos você para fazermos algumas reflexões

Leia mais

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil º Uma iniciativa: Com apoio: 1 Encontros do Observatório, 23 Maio 2014 1. Contextualização O Observatório de Luta contra a Pobreza na Cidade de Lisboa definiu como prioridade temática para 2014 a, problema

Leia mais

O Sr. ELIMAR MÁXIMO DAMASCENO (Prona- SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, manifestamos o especial

O Sr. ELIMAR MÁXIMO DAMASCENO (Prona- SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, manifestamos o especial O Sr. ELIMAR MÁXIMO DAMASCENO (Prona- SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, manifestamos o especial sentimento de ocupar a tribuna para tecermos comentários

Leia mais

DA REFLEXÃO À ACÇÃO - UMA PROPOSTA DE TRABALHO

DA REFLEXÃO À ACÇÃO - UMA PROPOSTA DE TRABALHO DA REFLEXÃO À ACÇÃO - UMA PROPOSTA DE TRABALHO - Grupo de reflexão na área de psicologia sobre questões relativas à orientação sexual - Artigo apresentado no Colóquio de Estudos G(ay)L(ésbicos)Q(ueer)

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO 1

PROJETO PEDAGÓGICO 1 PROJETO PEDAGÓGICO 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Título: Às vezes eu tenho medo Autor: Michaelene Mundy Ilustrações: Anne Fitzgerald Coleção: Às vezes eu tenho medo Formato: 20,5 cm

Leia mais

O QUE É A METAFÍSICA?

O QUE É A METAFÍSICA? Álvaro de Campos O QUE É A METAFÍSICA? O QUE É A METAFÍSICA? Na opinião de Fernando Pessoa, expressa no ensaio «Athena», a filosofia isto é, a metafísica não é uma ciência, mas uma arte. Não creio que

Leia mais

O Cliente ao alcance do mouse!

O Cliente ao alcance do mouse! Capítulo 11 e-crc uma importante ferramenta de marketing A minha vivência, como consultor, pôs a descoberto duas das grandes dores de cabeça dos empresários a prospecção e comunicação com clientes. Todos,

Leia mais

Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos

Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos Escolas Europeias Bureau du Secrétaire général du Conseil Supérieur Unité pédagogique Referência: 1998-D-12-2 Orig.: FR Versão: PT Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos Aprovado pelo Conselho Superior de

Leia mais

Vamos começar nossos estudos e descobertas????????

Vamos começar nossos estudos e descobertas???????? Aula 07 RESUMO E RESENHA Vamos iniciar nossos estudos???? Você já deve ter observado que pedimos que leia determinados textos e escreva o que entendeu, solicitamos que escreva o que o autor do texto quis

Leia mais

Como Elaborar um Projeto de Pesquisa

Como Elaborar um Projeto de Pesquisa Universidade de São Paulo Como Elaborar um Projeto de Pesquisa Wanderley Dantas dos Santos & Marcos Buckeridge Instituto de Biociências USP Graduação 2008 São Paulo, 2008 Como Elaborar um Projeto de Pesquisa

Leia mais

Ano Letivo 2011/2012 2º Ciclo 5º Ano

Ano Letivo 2011/2012 2º Ciclo 5º Ano AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Planificação Anual EMRC Ano Letivo 2011/2012 2º Ciclo 5º Ano Tema Conteúdos Competências Específicas Avaliação Lectiva 1 Viver Juntos Mudança de ano

Leia mais

HISTÓRIA: UMA CIÊNCIA EM CONSTRUÇÃO

HISTÓRIA: UMA CIÊNCIA EM CONSTRUÇÃO HISTÓRIA: UMA CIÊNCIA EM CONSTRUÇÃO Elias da Silva Maia Doutorando HCTE esmaia@ig.com.br UMA VISÃO DE CIÊNCIA Podemos considerar e definir ciência como as atividades, as instituições e os métodos ligados

Leia mais

FEED FORWARD #31 SETEMBRO 2014. Coaching, a arte secreta de convidar a Felicidade

FEED FORWARD #31 SETEMBRO 2014. Coaching, a arte secreta de convidar a Felicidade WWW.MINDCOACH.PT FEED FORWARD Coaching, a arte secreta de convidar a Felicidade #31 SETEMBRO 2014 Alexandra Lemos Executive Coach International Coach Trainer da ICC para Portugal MAFALDA FERREIRA TERAPEUTA

Leia mais

Rio de Janeiro, Agosto de 2013.

Rio de Janeiro, Agosto de 2013. Análise da Política de enfrentamento a violência contra a mulher num município do Rio de Janeiro. Universidade Federal do Rio de Janeiro - Escola de Serviço Social Dayana Gusmão [Resumo: O combate à violência

Leia mais

O Capital no Século xxi, de Thomas Piketty, por Elísio Estanque e Ana Alves da Silva

O Capital no Século xxi, de Thomas Piketty, por Elísio Estanque e Ana Alves da Silva RECENSÃO O Capital no Século xxi, de Thomas Piketty, por Elísio Estanque e Ana Alves da Silva Análise Social, 216, l (3.º), 2015 issn online 2182-2999 edição e propriedade Instituto de Ciências Sociais

Leia mais

FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA

FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA A prova de filosofia se mostrou abrangente em relação aos conteúdos propostos. Destacamos algumas pequenas observações nas questões envolvendo o livro X da República de

Leia mais

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo.

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. Rorty e o realismo como instrumento da emancipação humana Alguns filósofos 1

Leia mais

Ensino Fundamental II Projeto Eu Com

Ensino Fundamental II Projeto Eu Com Ensino Fundamental II Projeto Eu Com A proposta educacional do Colégio Nacional, consolidada no Projeto Eu Com, leva em consideração o alcance dos objetivos propostos em Lei para o Ensino Fundamental II,

Leia mais

SABER ESTUDAR: Estuda num local que favoreça a concentração e que seja sossegado. Não estudes com televisão ligada.

SABER ESTUDAR: Estuda num local que favoreça a concentração e que seja sossegado. Não estudes com televisão ligada. SABER ESTUDAR: 1. CONDIÇÕES FÍSICAS E PSICOLÓGICAS Estudar é uma actividade que se aprende, tal como se aprende a nadar ou a andar de bicicleta. Claro que nestas situações o treino é fundamental! Existem

Leia mais

CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS

CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS PRODUÇÃO E RECEPÇÃO DE TEXTOS Lingüística Textual : Recepção e Produção de Textos Visão Sistemática e Particular. Gêneros e Estruturas

Leia mais

O ENSINO DE FILOSOFIA NA ESCOLA BÁSICA: UMA LEITURA FOUCAULTIANA Liliana Souza de Oliveira - UFSM

O ENSINO DE FILOSOFIA NA ESCOLA BÁSICA: UMA LEITURA FOUCAULTIANA Liliana Souza de Oliveira - UFSM O ENSINO DE FILOSOFIA NA ESCOLA BÁSICA: UMA LEITURA FOUCAULTIANA Liliana Souza de Oliveira - UFSM Introdução O artigo 36 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei n. 9.394/96) determina que

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

SOBRE GESTÃO * A Definição de Gestão

SOBRE GESTÃO * A Definição de Gestão SOBRE GESTÃO * A Definição de Gestão Chegar a acordo sobre definições de qualquer tipo pode ser uma tarefa de pôr os cabelos em pé, e um desperdício de tempo. Normalmente requer compromissos por parte

Leia mais

FILOSOFIA. Fernando Pessoa FILOSOFIA

FILOSOFIA. Fernando Pessoa FILOSOFIA Fernando Pessoa FILOSOFIA FILOSOFIA Se há um assunto eminentemente filosófico é a classificação das ciências. Pertence à filosofia e a nenhuma outra ciência. É só no ponto de vista mais genérico que podemos

Leia mais

INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM. * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais e sistemas financeiros.

INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM. * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais e sistemas financeiros. INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM Fato Social - Exterioridade (o fato social é exterior ao indivíduo). - Coercitividade. - Generalidade (o fato social é geral). * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais

Leia mais

DUAS RUAS. Maria Ferreira, 12º D3

DUAS RUAS. Maria Ferreira, 12º D3 DUAS RUAS Maria Ferreira, 12º D3 Trabalho elaborado para a disciplina de Projecto e Tecnologias Vídeo, leccionada pelo prof. Roberto Esteves RESUMO: Apresentação descritiva de todo o processo de pré-produção,

Leia mais

Projeto de Pesquisa: Estrutura e natureza

Projeto de Pesquisa: Estrutura e natureza Projeto de Pesquisa: Estrutura e natureza Após a entrega do exercício D (folha síntese do projeto de pesquisa, vamos rever o projeto de pesquisa e a introdução da tese. Após a aula, além do exercício D

Leia mais

Prefácio Prefácio Ao fim de uma década de seminários de investigação dedicados à apresentação de trabalhos empíricos e teóricos e à análise de temas específicos de educação matemática como a resolução

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LEITURA

A IMPORTÂNCIA DA LEITURA A IMPORTÂNCIA DA LEITURA Quem não possui o hábito da leitura, precisa desenvolvê-lo, pois é difícil uma formação de qualidade sem muita leitura. Como você costuma selecionar seu material de leitura? O

Leia mais

Índice. Sabedoria literária para viver com autenticidade e paixão... 11. Oscar Wilde: o homem que amava os prazeres... 115

Índice. Sabedoria literária para viver com autenticidade e paixão... 11. Oscar Wilde: o homem que amava os prazeres... 115 Índice Sabedoria literária para viver com autenticidade e paixão... 11 Oscar Wilde: o homem que amava os prazeres... 115 Bibliografia recomendada de Oscar Wilde... 125 Referências bibliográficas... 127

Leia mais

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 Arlete Mourão 2 Essa frase do título corresponde à expressão utilizada por um ex-analisando na época do final de sua análise.

Leia mais

A importância de ler Paulo Freire

A importância de ler Paulo Freire A importância de ler Paulo Freire Rodrigo da Costa Araújo - rodricoara@uol.com.br I. PRIMEIRAS PALAVRAS Paulo Reglus Neves Freire (1921-1997) o educador brasileiro que via como tarefa intrínseca da educação

Leia mais

Mãos na massa. com a cabeça a pensar. Actividades para crianças dos 8 aos 12 anos. Encarte NOESIS #66 6/22/06 5:43 PM Page 1. Destacável Noesis n.

Mãos na massa. com a cabeça a pensar. Actividades para crianças dos 8 aos 12 anos. Encarte NOESIS #66 6/22/06 5:43 PM Page 1. Destacável Noesis n. Encarte NOESIS #66 6/22/06 5:43 PM Page 1 Mãos na massa com a cabeça a pensar Actividades para crianças dos 8 aos 12 anos Destacável Noesis n.º 66 Concepção de Odete Valente Faculdade de Ciências, Universidade

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave fenomenologia; método; mística

RESUMO. Palavras-chave fenomenologia; método; mística RESUMO FENOMENOLOGIA E MÍSTICA Uma abordagem metodológica Elton Moreira Quadros Professor substituto na Univ. Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), Faculdade Juvência Terra (FJT) Instituto de Filosofia

Leia mais