Bento Anais do CID Vol.1 2º Semestre 2012 p

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Bento Anais do CID Vol.1 2º Semestre 2012 p. 34-42 34"

Transcrição

1 INSCRIÇÕES CORPORAIS: CICATRIZES COMO MEMÓRIAS EM RUBEM FONSECA E ADRIANA LISBOA Carlos Henrique Bento (IFMG) Resumo: Este trabalho propõe uma leitura das marcas corporais presentes no conto Dia dos Namorados, de Rubem Fonseca, e no romance Sinfonia em Branco, de Adriana Lisboa. No primeiro, encontra-se Viveca, uma travesti que se prostitui e que corta o próprio corpo com uma navalha com o objetivo de chocar e assustar os clientes, a fim de conseguir mais dinheiro. No segundo, a personagem Clarice exibe cicatrizes nos pulsos, resultantes de tentativas de suicídio. Nos dois casos, trata-se de indivíduos que exibem essas marcas como testemunhas de suas histórias trágicas. Nos encontros com os clientes, Viveca os rouba, e termina por cortar o próprio corpo, criando um ambiente dramático exacerbado. O conto narra a existência de várias cicatrizes em seu corpo, que podem ser pensados como uma forma de registro dessas experiências radicais. Clarice foi vítima de violência sexual, estuprada pelo pai na infância. Isso cria um trauma que condiciona as várias experiências que vive, especialmente as tentativas de envolvimento amoroso. Ela tenta suicídio, que não se completa. Segue a vida, exibindo as marcas altas, como pulseiras coladas em seu corpo. A proposta deste trabalho é analisar a presença dessas cicatrizes como arquivos que se relacionam com essas experiências viscerais, de pessoas que vivem em um limite perigoso e desconfortável da constituição subjetiva de suas identidades. Palavras-chave: Memória; Sinfonia em Branco; Dia dos Namorados Abstract: This paper intends to define the body marks present in Rubem Fonseca s short story Dia dos namorados and in Adriana Lisboa s novel Sinfonia em branco. In Fonseca s narrative, Viveca, a transvestite, cuts her own body to shock her clients, thus make more money. In Lisboa s narrative, Clarice shows her scars on her wrists due to many suicide attempts. In both narratives, the protagonists have these scars as a result of their own tragic personal history. Viveca steals her clients and ends up cutting her own body in an exaggerated deed. The short story portrays body scars that can be perceived as a means to register radical sexual experiences. Clarice attempts suicide but she does not succeed. She lives her life displaying the scars as if they were bangles 34

2 attached to her body. This work of analysis intends to study the scars as a way of visceral registration done by protagonists who live on the edge, shaping their identities in a violent way. Key-words: Memory; Simphony, Valentine s Day A memória é um dos temas mais caros a muitos campos de estudos na contemporaneidade, entre eles a literatura. Em tempos de um fluxo de informações de uma grandeza inimaginável, assim como de uma desorganização dessas mesmas informações, a memória se torna uma questão central. Entre as inúmeras abordagens e possibilidades de se pensar a memória, estão duas situações problemáticas: quando a lembrança, o rememorar, é indesejável por ser desconfortável, e quando os indivíduos se encontram em uma tal situação de marginalidade que podem não ter direito à memória, ou seja, quando não há interesse na manutenção de suas existências. Essas são duas faces da memória que este trabalho pretende tocar, ainda que de maneira não conclusiva, a partir de duas personagens: Clarice, do romance Sinfonia Em Branco, de Adriana Lisboa, e Viveca, do conto Dia dos Namorados, de Rubem Fonseca. Os dois textos são muito diferentes em termos de temática, de estilo de autores, de época de publicação e principalmente no desenvolvimento de suas tramas. A forma escolhida para as narrativas romance e conto encerram em si boa parte das diferenças. Mas há semelhança na forma visceral como se pode enxergar uma representação de uma síntese das memórias das personagens, concretizadas em marcas em seus corpos. A história de Clarice é contada junto com a de Maria Inês, sua irmã. As duas crescem em uma casa na zona rural de Jaboticatubas, cidade do interior do Rio de Janeiro. Desde novas, são duas garotas de temperamentos muito diferentes. Enquanto Maria Inês é esperta, inventiva e ousada, Clarice é quieta, introvertida e obediente. Maria Inês tem habilidade para inventar histórias e fascínio por coisas proibidas e por quebrar regras. Clarice é o seu inverso. A história das duas irmãs ganha contorno dramático no dia em que Maria Inês entra na casa em busca de Clarice, com a intenção de brincarem juntas. Chegando à porta do quarto, em silêncio, ele vê uma cena aterradora: Clarice está sendo estuprada pelo pai. Os olhos das duas se cruzam. O pai não nota a presença de uma testemunha indesejável. A narrativa informa ao leitor que o estupro ocorre muitas vezes, e Maria Inês mantém a desconfiança de que a mãe sabia dos acontecimentos, mas mantinha-se calada, sem tomar qualquer atitude em defesa das filhas. 35

3 As irmãs crescem, suas vidas tomam rumos diferentes. Clarice vai estudar no Rio de Janeiro, e depois volta para a localidade. Maria Inês, depois que vai estudar no Rio de Janeiro, não volta mais. Clarice se casa com Ilton Xavier, descrito por Adriana Lisboa como o marido dos sonhos de qualquer mulher. Ele é rico, educado, apaixonado por Clarice. Mas ela se sente presa e não consegue manter o casamento. Foge da casa, de Ilton Xavier, do lugarejo onde viveu. Perambula por muitos lugares antes de voltar. Em suas errâncias, refugia-se no álcool, nas drogas, em outros homens. Em um momento de intenso desespero, corta os pulsos com uma faca Olfa. Seu sangue escorre pelo chão do quarto de um hotel barato, mas não em quantidade suficiente para que ela morra. Socorrida, sobrevive. Em seus punhos ficam marcas dos cortes, cicatrizes altas, como tatuagens em alto relevo, mantendo a memória do contato com a lâmina Olfa. Viveca está em uma situação completamente diferente. É no calçadão de Ipanema, no Rio de Janeiro, que a encontramos, esperando por clientes. Ela é uma travesti em meio a inúmeras outras, exibindo-se em busca de dinheiro. Em um sábado, um banqueiro de Minas para o seu Mercedes perto dela, encantado com a sua beleza. Ele nunca tinha visto garota tão bonita (FONSECA, 2007, p. 127). Os dois seguem para um motel. O banqueiro vai ao banheiro, e quando volta, Viveca está nua sobre a cama. É o momento da revelação que muda o rumo da história. Ele vê o corpo feminino sobre a cama, mas com um órgão genital masculino. A visão provoca um misto de nojo e de revolta, e ele xinga Viveca. Alega que não notara que se tratava de uma travesti. A reação de Viveca é violenta. Começa a gritar, exibe um estilete, que o banqueiro não percebe de onde surgiu, e ameaça se matar. Nervoso, ele pede desculpas e procura a carteira prometendo pagar uma quantia maior para que ela encerre o escândalo e vá embora. A carteira não está mais no bolso de seu paletó. Ele diz que Viveca pegou a sua carteira. É a senha para que ela fique ainda mais alterada, afirmando não ser ladra. A tensão aumenta, assim como o desespero do banqueiro. Viveca começa a fazer cortes nos braços, enquanto grita, descontrolada. O banqueiro nota que seu braço carrega várias marcas de cortes mais antigos. Ao contrário de Clarice, os cortes feitos por Viveca são superficiais. Ela não tem a intenção de se matar. Quer apenas assustar o banqueiro, provavelmente com o intuito de extorquirlhe, lucrando mais com o programa e, talvez, vingando-se da recusa do seu corpo. Clarice corta fundo, com a intenção de se matar. Ela sobrevive, mas chega perto de concretizar seu objetivo. Viveca usa os cortes como uma estratégia de sobrevivência em um ambiente hostil, em que sua aparência é desejada, mas seu corpo desnudo é causa de nojo, de rejeição, visto como abjeto. 36

4 As cicatrizes podem ser lidas como formas de memória a partir do seu potencial performático. Para tanto, há que se considerar as análises de Diana Taylor (RAVETTI; ARBEX, 2002), originalmente centradas no universo de práticas encontradas na América Latina, foco de seus estudos. A autora pesquisa o contexto pós-colonial, incluindo questões como dominação, ditadura, resistência, exclusão, massacres de povos indígenas. Suas conclusões, no entanto, podem ajudar a compreender a o que se passa com Clarice e Viveca. Diana Taylor trabalha com os conceitos de arquivo e de repertório. Arquivo se referindo a todos os registros escritos, repertório se referindo aos registros transmitidos por meio de práticas corporais, como danças, encenações, rituais, etc. A performance se coloca, assim, como um dos mais importantes veículos do repertório, ou antes, o repertório se expressa basicamente através de práticas performáticas. É a performance considerada em sua essência, baseada na centralidade do corpo, concebido como forma de exercitar, manter e transmitir a memória. Para Taylor o repertório, com sua essência performática, completa e até supera o arquivo, que não é capaz de manter a memória de uma parte considerável da experiência pessoal e/ou coletiva. Especialmente quando se trata de eventos traumáticos como os vividos pelas duas personagens em questão. A performance, assim, pode ser vista como uma forma de acessar um outro tipo de arquivo, aqui concebido como uma espécie de depósito da memória: o corpo. Acessar esse arquivo só é possível por meio de sua encenação, que se faz através dos mais diversos meios: dança, narração, rituais, etc. Só é possível manter esse conhecimento, esse arquivo que não se submete à regulamentação epistemológica da leitura e da escrita, só é possível transmiti-lo e manter sua relevância, por meio de sua constante colocação em cena. Para mantê-lo é necessário performá-lo. É exatamente o que as cicatrizes fazem no caso das duas personagens. No caso de Viveca, o aspecto performático é mais evidente, pois ela cria um verdadeiro espetáculo, gritando e desferindo golpes de navalha sobre a própria carne. Um espetáculo grotesco e dramático, que faz mais sentido como operador da memória quando o banqueiro nota as cicatrizes de cortes feitos anteriormente. Juntos, os cortes cicatrizados e os que estão abertos contam uma história de abjeção e de rejeição de um corpo que já foi alterado de muitas maneiras, passando por várias intervenções a fim de esconder os caracteres masculinos. Clarice não ritualiza de forma contínua ou repetida o seu drama. A tentativa de suicídio, cortando os dois pulsos com a faca Olfa, poderia ser um espetáculo, mas perde tal caráter por ter ocorrido em ambiente privado. No entanto, embora ela não se corte repetidas vezes, as cicatrizes altas nos dois pulsos obrigam-na a rituais que variam dependendo de sua intenção: esconde-las ou deixá-las visíveis. O jogo constante entre 37

5 esconder e mostrar as cicatrizes é revelado em passagens como esta: as cicatrizes deixadas pela faca Olfa estavam altas, haviam formado queloide, normalmente Clarice disfarçava-as usando pulseiras e relógios nas raras ocasiões em que estava em público (LISBOA, 2001, p. 24). Assim, as cicatrizes evocam memórias, ao mesmo tempo que são testemunhas de dramas que surgem dos eventos traumáticos por que Clarice passou. E nesse ponto há um complicador, porque as cicatrizes se tornam testemunhas eloquentes e constantes, ou seja, são algo que Clarice não pode evitar. Cada vez que toca os pulsos, ou que os vê, de alguma forma as memórias são mobilizadas. E são memórias que ela certamente gostaria de evitar. Afinal, isto é parte da natureza do trauma: recalcar a lembrança, tentar mantê-la adormecida, se não for possível apagá-la. Desta forma, surge uma das diferenças principais entre Clarice e Viveca, ou seja, a espetacularização do drama pessoal. Viveca é estridente, protagoniza uma performance dramática. O seu escândalo ameaça se propagar para outras dependências do hotel onde está com o cliente. Se isso acontecesse, as consequências poderiam se estender além da relação comercial, pois os cortes exigiriam intervenção policial. Se ele apenas gritasse, sem se cortar, sua atitude poderia ser apenas um ataque à relação com o cliente, quebrando o sigilo, que é parte do contrato tácito que se firma entre as partes envolvidas no comércio da prostituição. Mas os cortes levariam a situação além, tornando as possíveis consequências um drama difícil de precisar. Ao contrário, Clarice é discreta, e suas cicatrizes fazem sentido apenas quando confrontadas com as informações que são dadas pela voz narrativa. Não é ela que fala, e suas cicatrizes são as testemunhas de feridas que são feitas em algum lugar e momento fora do texto. Um fator importante a considerar no caso de se pensar as memórias de Clarice e Viveca é o conhecimento que o leitor adquire sobre elas. No caso de Viveca, nós a encontramos no calçadão de Ipanema, entrando na Mercedez de um banqueiro. O acesso lhe é franqueado pela beleza que impressiona o cliente. Do carro, há um salto para a suíte presidencial de um hotel, onde, em um curto intervalo, haverá a cena do escândalo e dos cortes. Ou seja, não se sabe nada a respeito de Viveca, de forma que a condução da narrativa leva à conclusão de que ela roubou o dinheiro do banqueiro e ainda tentou extorquir uma quantia ainda maior. Os dados que se tem sobre ela são: é bela, menor de idade, travesti e prostituta. Informações que para o leitor conservador e educado nos moldes de uma sociedade conservadora de bases cristãs, levam a um julgamento desfavorável. O banqueiro sai ileso da situação e do julgamento dos leitores. O fato de ter contratado os serviços sexuais de uma garota menor de idade ação ilegal provavelmente não é sequer notado. No caso de Clarice, a leitura do livro não fornece detalhes excessivos a respeito de sua vida. Há a 38

6 enumeração de alguns acontecimentos mais importantes, mas a repetição leva à sensaçãoo de que conhecemos bem as personagens. Um dos aspectos importantes para se pensar a memória é considerar quem tem direito à lembrança. Afinal, a memória visa a manter as histórias e, por meio delas, a existência dos indivíduos. Mas, quem tem o direito de existir? Clarice foi vítima de estupro cometido pelo próprio pai, no seio de seu lar. Uma violência abominável que se repete por um certo período de tempo, difícil de precisar. Em função do trauma, é fácil entender a dificuldade de se manter o casamento, bem como o desenvolvimento de angústias que culminam com a tentativa de suicídio. As cicatrizes em seus pulsos são, portanto, se não legítimas ao menos compreensíveis. Há uma empatia entre o leitor e a história, típica da compaixão que se deve devotar às vítimas de violências das quais não podem se defender. Mas Viveca é alguém que, se foi vítima indefesa, isso é desconhecido do leitor. A visão de marcas anteriores no braço sugere que ela costumava se cortar para extorquir clientes. No entanto, seriam todas feitas por ela mesma? E de onde poderia surgir tal ideia? Cortar na própria carne para se obter vantagem financeira? O fato é que não se sabe nada sobre Viveca, mas o que se deve perguntar é: estaria o leitor interessado em sua história? Dada a condição marginal em que se situa Viveca, dada pela sua identidade como travesti e ampliada pelo trabalho de prostituta, haveria a chance de se contar sua história? Quem está interessado em saber de onde surgem travestis e prostitutas? Não são, simplesmente, produtos de falta de caráter ou de moral deturpada, assim como de desvios sexuais e de identidade de gênero? Viveca teria direito à memória? A reação do banqueiro ao deparar com uma alteridade tão perturbadora no contexto social machista e conservador que impera nos centros urbanos brasileiros mesmo nos maiores e mais presumidamente permissivos, como o Rio de Janeiro está longe de ser uma novidade na literatura ou em outras formas de expressão, como o cinema. Basta lembrar de casos paradigmáticos como o representado no filme Traídos pelo Desejo, dirigido por Neil Jordan, em que a descoberta do sexo biológico provoca o vômito da personagem masculina que cortejava a travesti. No entanto, o conto de Fonseca apresenta alguns aspectos interessantes. Em primeiro lugar, o banqueiro, casado, não se intimidou com o fato de procurar os serviços de prostituição e nem com a descoberta de que Viveca era menor de idade, fato revelado no momento da abordagem, ainda no calçadão. Embora ela seja descrita como uma garota de notável beleza e femininidade, a repulsa se dá pelo encontro com um corpo que desmentia a identidade de gênero presumida inicialmente. Há um choque no encontro com uma forma de identidade diferente e marginalizada. Afinal, o corpo da travesti, no caso, resumia não apenas a repulsa à homossexualidade, mas ao corpo que é modificado e que ostenta um 39

7 sexo escondido, disfarçado, negado até o momento da nudez completa. Um corpo que, rejeitando o padrão polarizado aceito socialmente, se torna abjeto, grotesco. Na narrativa de Rubem Fonseca, a reação do banqueiro não parece ser a afirmação do desejo heterossexual, mas a repulsa pela homossexualidade. Há um pânico grosseiro, pois exacerbado, gerado pela presença ameaçadora do falo no corpo do outro, que ganha proporções de infinitude especular: Não era uma garota. Era um homem, o pênis se refletindo, ameaçadoramente rijo, nos inúmeros espelhos (FONSECA, 2007, p. 130). Nesse trecho, a narrativa se refere aos espelhos que decoram a suíte presidencial do hotel para onde o banqueiro levara a travesti. Mas pode-se pensar nos espelhos como sendo a infinita cadeia de referências que reitera a proibição social da homosexualidade, vetando a um homem o relacionamento sexual com um corpo que também ostente um falo. Nesse contexto, a raiva do banqueiro é expressa em tom acusatório, chamando Viveca de pederasta sem vergonha. Assim, o travestismo se torna um agravante, uma forma de subjetividade mais abjeta que a homossexualidade, pois é capaz de esconder o sexo biológico, descoberto somente no momento da nudez completa. Essa característica enganadora muitas vezes fator de fascínio e de sedução - pode ser entendida como uma justificativa para o susto do banqueiro, sancionando sua indignação. No entanto, Viveca retruca: você sabia o que eu era, me trouxe aqui sabendo de tudo, e agora me despreza como se eu fosse lixo (FONSECA, 2007, p. 131). Esta fala denuncia que a indignação e a raiva do banqueiro são atitudes reveladoras do cinismo social. Pois nas grandes cidades, as áreas de prostituição costumam ser demarcadas, e sabe-se onde ficam as mulheres e os travestis. Some-se a isso a reprovação social à prostituição e a criminalização do sexo com menores de idade. Mesmo assim, o que provoca a raiva e a indignação é a homossexualidade e o travestismo, ficando todo o resto ignorado. A representação do travesti mostra uma das configurações corporais que desafiam a lógica normatizadora social, que estabelece rígidos padrões não apenas de comportamento como de morfologia corporal. Este tema foi tratado por Butler em ensaios reunidos no livro Undoing Gender. Nele, a autora afirma que a naturalização do gênero elege formas ideais não apenas para as relações, mas também para os corpos, que se tornam aceitos ou proibidos, gerando a marginalização de travestis, ou transexuais, ou qualquer outro tipo de forma ou apresentação corporal classificada como desviante. O livro apresenta reflexões sobre a morfologia corporal, pensando como a forma do corpo é normatizada e, em caso de não conformidade com a norma, se torna justificativa para a exclusão do sujeito, que é condenado a uma vida insuportável ou mesmo à morte social, e até literal. Isso ocorre porque o corpo não é apenas uma massa biológica, mas um amálgama que envolve as 40

8 práticas e contextos em que ele se insere e com que interage. Nesse sentido, pode-se dizer, por exemplo, que o corpo de um homossexual não se conforma ao padrão socialmente aceito, mesmo que não tenha sofrido nenhum tipo de intervenção. Isto porque, ao estar presente e mediar um comportamento proscrito, o corpo também se torna abjeto, e não apenas o ato. Viveca constitui, assim, exemplo de uma forma de existência que enfrenta tentativas de apagamento. E se socialmente não há interesse em que ela exista, certamente não há muito espaço para que ela conte sua história. Os cortes em seu braço, no entanto, atiram no rosto do cliente uma história, que embora seja difícil de decifrar, é suficiente para incomodá-lo. Ainda que se considere que os cortes eram feitos apenas como forma de conseguir mais dinheiro dos clientes, o braço de Viveca ostenta um inventário das vezes em que foi alugada para prazeres alheios de uma burguesia moralista e hipócrita. Ou talvez sejam um inventário das vezes em que sua condição de travesti foi rechaçada. Considerando que ela é descrita como uma garota de beleza notável, sua performance se constitui em um espetáculo grotesco, de alguém que propositadamente espetaculariza a destruição de uma parte do que se apresenta no texto como seu trunfo maior: a beleza do seu corpo. No caso de Clarice, os cortes que geram as cicatrizes em alto relevo testemunham eventos de violência traumática. Ela é confrontada com a memória de fatos que deveriam ser esquecidos. Quanto ao trauma, é importante ressaltar, como afirma Ana Maria Rudge, que não se trata do acontecimento em si, mas o modo como esse acontecimento incide sobre o psiquismo de alguém e por ele é processado (RUDGE, 2009, p. 08). Lembrar esse aspecto do trauma pode parecer fora de propósito, uma vez que o estupro sofrido por uma criança, especialmente quando o agressor é o próprio pai, se constitui em violência extrema, indubitavelmente. No entanto, é preciso lembrar de que o estupro é narrado por outras vozes no texto, que enfocam mais as impressões deixadas em Maria Inês do que em Clarice. A respeito desta personagem, as conexões entre o estupro e eventos posteriores que culminam nos cortes nos pulsos são resultados mais de inferência do que do que efetivamente se narra. Inferências que fazem sentido, claro, uma vez que a palavra trauma se refere a acontecimentos que rompem radicalmente com um estado de coisas do psiquismo, provocando um desarranjo em nossas formas habituais de funcionar e compreender as coisas e impondo o árduo trabalho da construção de uma nova ordenação do mundo (RUDGE, 2009, pp ). Seria esse trabalho de tentar reordenar o mundo que leva Clarice ao turbilhão de acontecimentos, atitudes e reações que encontram seu clímax na tentativa de suicídio. O estupro teria sido uma experiência de tal magnitude que a forma psíquica de ordenação do mundo fora comprometida. Organizar as coisas 41

9 novamente é um processo longo, doloroso e sem garantias. Às vezes sem volta, como na possibilidade de que o propósito do suicídio fosse alcançado. Por fim, convém lembrar que a memória é um labirinto, e que esse labirinto é ardiloso e tem regras próprias de funcionamento. Ela também é reorganizada e ressignificada constantemente em face das novas experiências que vão se acumulando. Clarice e Viveca carregam em seus corpos marcas que evocam memórias desconfortáveis. Cada uma a seu modo: Clarice tenta se matar e Viveca luta para sobreviver. Para concluir com uma nota literária, note-se a afirmação de uma personagem do livro A Pale View of Hills, de Kazuo Ishiguro: A memória, noto, pode ser algo em que não se pode confiar; muitas vezes ela é colorida fortemente pelas circunstâncias em que alguém se lembra (ISHIGURO, 1990, p. 156). Portanto, as memórias precisam ser lidas com cuidado e assim interpretadas. Mesmo as que remetem a traumas e experiências liminares, e se materializam por índices dolorosos e cicatrizes aparentes, como nos casos de Clarice e de Viveca. Referências BUTLER, Judith. Undoing Gender. Nova Iorque; Londres: Routledge, FONSECA, Rubem. Dia dos namorados. In: RUFFATO, Luiz. Entre Nós: Contos sobre Homossexualidade. Rio de Janeiro: Língua Geral, pp ISHIGURO, Kazuo. A Pale View of Hills. Nova Iorque: Vintage, LISBOA, Adriana. Sinfonia em Branco. Rio de Janeiro: Rocco, RUDGE, Ana Maria. Trauma. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.,

Judith Sonja Garbers Psicóloga Jörg Garbers Ms. De Teologia

Judith Sonja Garbers Psicóloga Jörg Garbers Ms. De Teologia A Discussão sobre Homofobia Como se posicionar Judith Sonja Garbers Psicóloga Jörg Garbers Ms. De Teologia Introdução Os homossexuais...?! A polarização Simplesmente tudo é lícito e Deus ama tudo. Tudo

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

Maria Beatriz, 12ºA, nº23

Maria Beatriz, 12ºA, nº23 Estes dois irmãos sofrem, obviamente, com os acontecimentos do passado, uma nãoinfância : duas crianças que tiveram de crescer sozinhos, cuidar um do outro e, juntos do irmão mais novo, lidar com uma mãe

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual

Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual Guilherme Schelb, Promotor de Justiça da Infância em Brasília (1992-1995), especialista em temas da infância e

Leia mais

CINE TEXTOS DUAS MULHERES

CINE TEXTOS DUAS MULHERES 1 CINE TEXTOS ```````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````` Informação reunida e trabalhada para apoio à exibição

Leia mais

ORIENTAÇÕES DE COMUNICAÇÃO SOBRE VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES

ORIENTAÇÕES DE COMUNICAÇÃO SOBRE VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES A proteção e a promoção dos direitos da infância e adolescência também devem ser contempladas na forma como falamos e comunicamos este assunto. Alguns cuidados com a comunicação são fundamentais para proteger

Leia mais

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história.

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Nem um sopro de vento. E já ali, imóvel frente à cidade de portas e janelas abertas, entre a noite vermelha do poente e a penumbra do jardim,

Leia mais

O Bêbado. O Alcoolismo visto pelas suas vítimas. S. Esteves

O Bêbado. O Alcoolismo visto pelas suas vítimas. S. Esteves O Bêbado O Alcoolismo visto pelas suas vítimas S. Esteves [ 2 ] Tente esquecer tudo o que pensa saber sobre as pessoas que bebem descontroladamente, abra sua mente e acompanhe a vida deste personagem.

Leia mais

As 12 Vitimas do Medo.

As 12 Vitimas do Medo. As 12 Vitimas do Medo. Em 1980 no interior de São Paulo, em um pequeno sítio nasceu Willyan de Sousa Filho. Filho único de Dionizia de Sousa Millito e Willian de Sousa. Sempre rodeado de toda atenção por

Leia mais

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero Nesta unidade, analisaremos os aspectos específicos referentes

Leia mais

O GRITO DE DENÚNCIA DE TEREZA: HISTÓRIA, CORPO E LITERATURA

O GRITO DE DENÚNCIA DE TEREZA: HISTÓRIA, CORPO E LITERATURA RESENHA O GRITO DE DENÚNCIA DE TEREZA: HISTÓRIA, CORPO E LITERATURA LUCIANA SANTOS BARBOSA* AMADO, Jorge. Tereza Batista cansada de guerra. São Paulo: Martins, 1972. Esta resenha objetiva descrever e analisar

Leia mais

Centro de Combate à Violência Infantil. O amor por princípio, a defesa dos direitos das crianças e dos adolescentes por vocação

Centro de Combate à Violência Infantil. O amor por princípio, a defesa dos direitos das crianças e dos adolescentes por vocação Centro de Combate à Violência Infantil O amor por princípio, a defesa dos direitos das crianças e dos adolescentes por vocação Centro de Combate à Violência Infantil Violência Física contra Crianças e

Leia mais

Questões de gênero. Masculino e Feminino

Questões de gênero. Masculino e Feminino 36 Questões de gênero Masculino e Feminino Pepeu Gomes Composição: Baby Consuelo, Didi Gomes e Pepeu Gomes Ôu! Ôu! Ser um homem feminino Não fere o meu lado masculino Se Deus é menina e menino Sou Masculino

Leia mais

A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE.

A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE. A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE. Desde os primeiros passos de Freud em suas investigações sobre o obscuro a respeito do funcionamento da mente humana, a palavra era considerada

Leia mais

Projeto ESCOLA SEM DROGAS. Interpretando o texto Por trás das letras. Nome: Escola: Série: Título: Autor:

Projeto ESCOLA SEM DROGAS. Interpretando o texto Por trás das letras. Nome: Escola: Série: Título: Autor: Projeto ESCOLA SEM DROGAS Interpretando o texto Por trás das letras Nome: Escola: Série: Título: Autor: O que a capa do livro expressa para você? Capitulo 1 - Floresta Amazônia Por que a autora faz uma

Leia mais

Dicas para você trabalhar o livro Menino brinca de boneca? com seus alunos

Dicas para você trabalhar o livro Menino brinca de boneca? com seus alunos Dicas para você trabalhar o livro Menino brinca de boneca? com seus alunos Caro professor, Este link do site foi elaborado especialmente para você, com o objetivo de lhe dar dicas importantes para o seu

Leia mais

Quais os comportamentos que se verificam?

Quais os comportamentos que se verificam? Por volta dos 3 anos a maioria das crianças começa a manifestar um maior interesse e preferência por atividades e comportamentos típicos do seu género. Este comportamento é chamado de comportamento típico

Leia mais

Sexualidade e Poder segundo Foucault

Sexualidade e Poder segundo Foucault Sexualidade e Poder segundo Foucault SUPERSABER Fenômeno cultural, social FREUD: Desconhecimento do sujeito sobre seu desejo ou de sua sexualidade FOCAULT: Problema da produção de teorias sobre sexualidade

Leia mais

QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: CLASSIFIQUE EM VERDADEIRO (V) OU FALSO (F) AS SENTENÇAS ABAIXO:

QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: CLASSIFIQUE EM VERDADEIRO (V) OU FALSO (F) AS SENTENÇAS ABAIXO: QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: 1. Um tapinha no bumbum não é considerado violência devido ao baixo grau de agressão. 2. A prática sexual com indivíduos menores de 14 anos, com o consentimento

Leia mais

Fique Ligado... Pólo de Prevenção à Violência Doméstica, Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes. Família Feliz! Família Feliz!

Fique Ligado... Pólo de Prevenção à Violência Doméstica, Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes. Família Feliz! Família Feliz! Fique Ligado... Pólo de Prevenção à Violência Doméstica, e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes O que você acabou de ver são situações que estão presentes em muitas famílias. Estas situações podem

Leia mais

www.rockstarsocial.com.br

www.rockstarsocial.com.br 1 1 Todos os Direitos Reservados 2013 Todas As Fotos Usadas Aqui São Apenas Para Descrição. A Cópia Ou Distribuição Do Contéudo Deste Livro É Totalmente Proibida Sem Autorização Prévia Do Autor. AUTOR

Leia mais

Resenhas de filmes Piaf: um Hino ao Amor

Resenhas de filmes Piaf: um Hino ao Amor 581 Resenhas de filmes Piaf: um Hino ao Amor Título Original: La Môme Gênero: Drama Tempo de Duração: 140 minutos Ano de Lançamento (França/República Tcheca/Inglaterra): 2007 Autor da resenha Henrique

Leia mais

Coaching e Constelação Sistêmica A Dança das Ferramentas Colaboração entre estas duas metodologias trazendo resultados mais abrangentes

Coaching e Constelação Sistêmica A Dança das Ferramentas Colaboração entre estas duas metodologias trazendo resultados mais abrangentes Coaching e Constelação Sistêmica A Dança das Ferramentas Colaboração entre estas duas metodologias trazendo resultados mais abrangentes Bert Hellinger soube muito bem como integrar conhecimentos de várias

Leia mais

Entendendo o que é Gênero

Entendendo o que é Gênero Entendendo o que é Gênero Sandra Unbehaum 1 Vila de Nossa Senhora da Piedade, 03 de outubro de 2002 2. Cara Professora, Hoje acordei decidida a escrever-lhe esta carta, para pedir-lhe ajuda e trocar umas

Leia mais

Vamos Combater o Abuso e a Exploração Sexual Contra Crianças e Adolescentes

Vamos Combater o Abuso e a Exploração Sexual Contra Crianças e Adolescentes Vamos Combater o Abuso e a Exploração Sexual Contra Crianças e Adolescentes A violência sexual contra crianças e adolescentes acontece em todo o mundo, em diversas famílias e classes sociais. O QUE É A

Leia mais

JANELA SOBRE O SONHO

JANELA SOBRE O SONHO JANELA SOBRE O SONHO um roteiro de Rodrigo Robleño Copyright by Rodrigo Robleño Todos os direitos reservados E-mail: rodrigo@robleno.eu PERSONAGENS (Por ordem de aparição) Alice (já idosa). Alice menina(com

Leia mais

29 DE JANEIRO DIA NACIONAL DA VISIBILIDADE DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS. Jaqueline Gomes de Jesus* 1

29 DE JANEIRO DIA NACIONAL DA VISIBILIDADE DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS. Jaqueline Gomes de Jesus* 1 29 DE JANEIRO DIA NACIONAL DA VISIBILIDADE DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS Jaqueline Gomes de Jesus* 1 Uma história única cria estereótipos, e o problema com os estereótipos não é que eles sejam mentirosos,

Leia mais

Qual o Sentido do Natal?

Qual o Sentido do Natal? Qual o Sentido do Natal? Por Sulamita Ricardo Personagens: José- Maria- Rei1- Rei2- Rei3- Pastor 1- Pastor 2- Pastor 3-1ª Cena Uma música de natal toca Os personagens entram. Primeiro entram José e Maria

Leia mais

ANÁLISE LITERÁRIA: OS ESTEREÓTIPOS DE BELEZA EM SHREK 1. O conto narra a estória de Shrek, um ogro que vive sozinho em um pântano, mas que

ANÁLISE LITERÁRIA: OS ESTEREÓTIPOS DE BELEZA EM SHREK 1. O conto narra a estória de Shrek, um ogro que vive sozinho em um pântano, mas que 1 ANÁLISE LITERÁRIA: OS ESTEREÓTIPOS DE BELEZA EM SHREK 1 Luciara dos Santos (UFS) I. ENREDO O conto narra a estória de Shrek, um ogro que vive sozinho em um pântano, mas que logo tem sua tranqüilidade

Leia mais

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um.

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um. coleção Conversas #10 - junho 2014 - Eu sou Estou garoto num de programa. caminho errado? Respostas para algumas perguntas que podem estar sendo feitas Garoto de Programa por um. A Coleção CONVERSAS da

Leia mais

VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG

VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG Um cacique kaingang, meu amigo, me escreveu pedindo sugestões para desenvolver, no Dia do Índio, o seguinte tema em uma palestra: "Os Valores Culturais da Etnia Kaingáng".

Leia mais

Blog http://conquistadores.com.br. + dinheiro + mulheres + sucesso social (mini e-book grátis)

Blog http://conquistadores.com.br. + dinheiro + mulheres + sucesso social (mini e-book grátis) Blog http://conquistadores.com.br CONQUISTADORES + dinheiro + mulheres + sucesso social (mini e-book grátis) Blog http://conquistadores.com.br CONQUISTADORES + dinheiro + mulheres + sucesso social (Este

Leia mais

DIA INTERNACIONAL DA MULHER

DIA INTERNACIONAL DA MULHER DIA INTERNACIONAL DA MULHER As Mulheres e a Exclusão Social 10 de Março de 2008 Salão Nobre Agostinho da Silva Areias Dia Internacional da Mulher PORQUÊ O DIA 8 DE MARÇO Neste dia, do ano de 1857, as operárias

Leia mais

HISTÓRICO DA LEI MARIA DA PENHA: A ORIGEM DA LEI 11.340/2006 E MARCOS NORMATIVOS NO ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA DE GÊNERO

HISTÓRICO DA LEI MARIA DA PENHA: A ORIGEM DA LEI 11.340/2006 E MARCOS NORMATIVOS NO ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA DE GÊNERO HISTÓRICO DA LEI MARIA DA PENHA: A ORIGEM DA LEI 11.340/2006 E MARCOS NORMATIVOS NO ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA DE GÊNERO SISTEMAS DE DIREITOS HUMANOS: 1. Sistema geral de proteção: tem por destinatário

Leia mais

Belo reparo. capítulo um. No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas. Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor

Belo reparo. capítulo um. No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas. Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor capítulo um Belo reparo Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas preciosas com ouro. O resultado é uma peça que nitidamente foi quebrada,

Leia mais

O OLHAR DAS UNIVERITÁRIAS ESTUDANTES DO CURSO DE GRADUAÇÃO DE ECONOMIA DOMÉSTICA SOBRE A VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER RESUMO

O OLHAR DAS UNIVERITÁRIAS ESTUDANTES DO CURSO DE GRADUAÇÃO DE ECONOMIA DOMÉSTICA SOBRE A VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER RESUMO O OLHAR DAS UNIVERITÁRIAS ESTUDANTES DO CURSO DE GRADUAÇÃO DE ECONOMIA DOMÉSTICA SOBRE A VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER Lívia Rodrigues 1 Ana Beatriz de Melo Holanda, 2 Natiane Muliterno da Cunha

Leia mais

Por Daniel Favero (*) - 02 Nov 2011

Por Daniel Favero (*) - 02 Nov 2011 Por Daniel Favero (*) - 02 Nov 2011 Diferentemente do que se imagina, Dilma Rousseff não participou do maior roubo praticado por organizações de esquerda para financiar a luta armada contra a ditadura

Leia mais

O gênero atuante: a performance de gênero em The passion of new Eve and Goodnight Desdemona (good morning Juliet)

O gênero atuante: a performance de gênero em The passion of new Eve and Goodnight Desdemona (good morning Juliet) O gênero atuante: a performance de gênero em The passion of new Eve and Goodnight Desdemona (good morning Juliet) Carlos Bento Resumo: Este texto usa a performance de gênero, teoria desenvolvida por Judith

Leia mais

CINE TEXTOS A OUTRA MARGEM

CINE TEXTOS A OUTRA MARGEM 1 CINE TEXTOS ```````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````` Informação reunida e trabalhada para apoio à exibição

Leia mais

Cara Professora, Caro Professor,

Cara Professora, Caro Professor, A olhinhos menina de rasgados Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos um belo livro de narrativa A menina de olhinhos rasgados, do premiado autor mineiro Vanderlei Timóteo.

Leia mais

Latusa Digital ano 3 Nº 24 setembro de 2006

Latusa Digital ano 3 Nº 24 setembro de 2006 Latusa Digital ano 3 Nº 24 setembro de 2006 Filho, não vês que estou queimando! Ondina Maria Rodrigues Machado * Fui a Salvador para o XV Encontro Brasileiro do Campo Freudiano, mas não só para isso. Fui

Leia mais

Gabinetes de Atendimento da Mulher e da Criança: a análise dos casos registados. Margarita Mejia, Conceição Osório, Maria José Arthur

Gabinetes de Atendimento da Mulher e da Criança: a análise dos casos registados. Margarita Mejia, Conceição Osório, Maria José Arthur Gabinetes de Atendimento da Mulher e da Criança: análise dos casos registados Margarita Mejia, Conceição Osório, Maria José Arthur Publicado em Outras Vozes, nº 7, Maio de 2004 A WLSA Moçambique concluiu

Leia mais

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA DESENGANO FADE IN: CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA Celular modelo jovial e colorido, escovas, batons e objetos para prender os cabelos sobre móvel de madeira. A GAROTA tem 19 anos, magra, não

Leia mais

Sedutor das Águas 1. Aluno líder do grupo e estudante do 8º Semestre de Comunicação Social / Jornalismo, e-mail: andrevg18@live.com.

Sedutor das Águas 1. Aluno líder do grupo e estudante do 8º Semestre de Comunicação Social / Jornalismo, e-mail: andrevg18@live.com. Sedutor das Águas 1 André Vasconcelos GONÇALVES 2 Glenda Pinto GARCIA 3 Janderson Brandão RODRIGUES 4 Juliane dos Santos BITAR 5 Naiara Guimarães ALMEIDA 6 Osnan Cid Penha JÚNIOR 7 Sue Anne Guimarães CURSINO

Leia mais

ÁLCOOL E JOVENS. O que um jovem precisa saber. para evitar problemas.

ÁLCOOL E JOVENS. O que um jovem precisa saber. para evitar problemas. ÁLCOOL E JOVENS O que um jovem precisa saber para evitar problemas. Cerveja, vinhos, caipirinha, chope: elementos da vida cotidiana de muita gente. Essas bebidas ajudam a celebrar datas festivas, a selar

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial 30 1. 3. Anna Freud: o analista como educador Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial ênfase ao desenvolvimento teórico e terapêutico da psicanálise de crianças. Sua

Leia mais

A Infância pede Socorro!

A Infância pede Socorro! Pai, Mãe, Ou Você que faz a função de Pai ou Mãe de crianças e adolescentes E, Educadores Abuso e Exploração sexual de Crianças e Adolescentes A Infância pede Socorro! PROJETO AÇÃO EDUCATIVA CONTRA A EXPLORAÇÃO

Leia mais

Sexo Nã o e Trãbãlho e Nossos Corpos Nã o Estã o ã Vendã Ruchira Gupta

Sexo Nã o e Trãbãlho e Nossos Corpos Nã o Estã o ã Vendã Ruchira Gupta 1 Sexo Nã o e Trãbãlho e Nossos Corpos Nã o Estã o ã Vendã Ruchira Gupta Esse discurso foi proferido por Ruchira Gupta em 1º de julho de 2010 no 4º World Forum on Human Rights em Nantes, França. Ruchira

Leia mais

A vivência na conjugalidade é todo um processo que engloba outros processos como a intimidade, a vida sexual, o trabalho, a procriação, a partilha

A vivência na conjugalidade é todo um processo que engloba outros processos como a intimidade, a vida sexual, o trabalho, a procriação, a partilha Existe um facto para o qual também devemos dar atenção: o agressor poderá estar numa posição de solidão. Poucos serão os agressores que terão a consciência do problema que têm, a agressividade que não

Leia mais

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual.

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual. Apresentação Este projeto é simples e pretende levar para o público algo de elevado conteúdo artístico. O orçamento da pré-produção e da produção é pequeno, já que a peça será encenada por dois atores

Leia mais

A VIDA ORNAMENTAL DE CARAS

A VIDA ORNAMENTAL DE CARAS 1 A VIDA ORNAMENTAL DE CARAS RESUMO Luciana de Oliveira 1 O objetivo deste artigo é fazer uma reflexão sobre o conteúdo da revista Caras, analisando através das observações de Roland Barthes em seu livro

Leia mais

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque Fantasmas da noite Uma peça de Hayaldo Copque Peça encenada dentro de um automóvel na Praça Roosevelt, em São Paulo-SP, nos dias 11 e 12 de novembro de 2011, no projeto AutoPeças, das Satyrianas. Direção:

Leia mais

ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME

ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME CENA 1. HOSPITAL. QUARTO DE. INTERIOR. NOITE Fernanda está dormindo. Seus pulsos estão enfaixados. Uma enfermeira entra,

Leia mais

HOMOSSEXUALIDADE E AMBIENTE ESCOLAR: A TEORIA QUEER COMO PROPOSTA PARA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE PROFESSORES

HOMOSSEXUALIDADE E AMBIENTE ESCOLAR: A TEORIA QUEER COMO PROPOSTA PARA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE PROFESSORES HOMOSSEXUALIDADE E AMBIENTE ESCOLAR: A TEORIA QUEER COMO PROPOSTA PARA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE PROFESSORES Vinícius Lopes Torres 1 Resumo: A homossexualidade é um tema que ganha cada vez mais

Leia mais

A violência doméstica é um problema universal que atinge milhares de pessoas, em grande número de vezes de forma silenciosa e dissimuladamente.

A violência doméstica é um problema universal que atinge milhares de pessoas, em grande número de vezes de forma silenciosa e dissimuladamente. A violência doméstica é um problema universal que atinge milhares de pessoas, em grande número de vezes de forma silenciosa e dissimuladamente. Trata-se de um problema que acontece em ambos os sexos e

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 252, DE 2013. Artigo 1º - Fica o Poder Executivo autorizado a instituir o Programa de Incentivo às

PROJETO DE LEI Nº 252, DE 2013. Artigo 1º - Fica o Poder Executivo autorizado a instituir o Programa de Incentivo às PROJETO DE LEI Nº 252, DE 2013 Autoriza a criação Programa de Incentivo às Semanas Culturais do Orgulho LGBT e de Inclusão Social da Diversidade nos municípios do Estado de São Paulo, e dá providências

Leia mais

UMA POÉTICA DOS ESPELHOS: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS CONTOS O ESPELHO, DE MACHADO DE ASSIS E GUIMARÃES ROSA

UMA POÉTICA DOS ESPELHOS: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS CONTOS O ESPELHO, DE MACHADO DE ASSIS E GUIMARÃES ROSA UMA POÉTICA DOS ESPELHOS: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS CONTOS O ESPELHO, DE MACHADO DE ASSIS E GUIMARÃES ROSA Glenda Duarte 1 glenda_idilios@hotmail.com O principal objetivo deste ensaio é a realização

Leia mais

imediato, a magia (o âmbito da comunhão) da participação onde se tem a distância.

imediato, a magia (o âmbito da comunhão) da participação onde se tem a distância. A CRIANÇA EM WALTER BENJAMIN E FLORESTAN FERNANDES FLORES, Zilá Gomes de Moraes - UNIJUÍ GT: Educação de Crianças de 0 a 6 anos/ n.07 Agência Financiadora: Não contou com financiamento. Na atualidade muitos

Leia mais

A proposta deste trabalho, a partir da história fictícia de Melvin, protagonista do

A proposta deste trabalho, a partir da história fictícia de Melvin, protagonista do Prévia do Estudo de Caso A proposta deste trabalho, a partir da história fictícia de Melvin, protagonista do filme Melhor Impossível, tem o intuito de fazer a correlação entre a vivência do personagem

Leia mais

16 Matheus Vieira Fernando Alves

16 Matheus Vieira Fernando Alves Introducao Quando me propus a refletir sobre a aplicação do RPG na Educação, nunca pensei que escreveria sobre isso, muito menos que os escritos se transformariam num livro. Entretanto, quero tomar o cuidado

Leia mais

Gangues, Criminalidade Violenta e Contexto Urbano: Um Estudo de Caso

Gangues, Criminalidade Violenta e Contexto Urbano: Um Estudo de Caso Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Centro de Estudos de Criminalidade e Segurança Pública (CRISP) Conferencia Internacional Violencia en Barrios en America Latina Sus Determinantes y Politicas

Leia mais

Existe uma terapia específica para problemas sexuais?

Existe uma terapia específica para problemas sexuais? Existe uma terapia específica para problemas sexuais? Maria de Melo Azevedo Eu acho que a terapia sexual para casos bem específicos até que pode funcionar. Ou, pelo menos, quebra o galho, como se diz.

Leia mais

Lei MARIA DA PENHA 3 anos depois

Lei MARIA DA PENHA 3 anos depois Lei MARIA DA PENHA 3 anos depois Três anos depois, lei Maria da Penha diversifica perfil de mulheres que procuram ajuda contra violência doméstica. Quais são os resultados trazidos pela lei Maria da Penha?

Leia mais

Uma Prostituta Carioca Foi (de Novo) Sequestrada e Ameaçada pela Polícia

Uma Prostituta Carioca Foi (de Novo) Sequestrada e Ameaçada pela Polícia 1 2015 VICE Media LLC Uma Prostituta Carioca Foi (de Novo) Sequestrada e Ameaçada pela Polícia março 19, 2015 Por Matias Maxx Repórter Foto por Matias Max. No ano passado, poucas semanas antes do início

Leia mais

Indice. Bullying O acaso... 11

Indice. Bullying O acaso... 11 Indice Bullying O acaso... 11 Brincadeira de mau gosto. Chega! A história... 21 O dia seguinte... 47 A paixão... 53 O reencontro... 61 O bullying... 69 9 Agosto/2010 O acaso Terça-feira. O sol fazia um

Leia mais

A Vida Passada a Limpo. Ayleen P. Kalliope

A Vida Passada a Limpo. Ayleen P. Kalliope A Vida Passada a Limpo Ayleen P. Kalliope 2011 Este livro é dedicado ao meu querido filho, Pedro Paulo, que ao nascer me trouxe a possibilidade de parar de lecionar Inglês e Português, em escolas públicas

Leia mais

CINE TEXTOS O MIÚDO DA BICICLETA

CINE TEXTOS O MIÚDO DA BICICLETA 1 CINE TEXTOS ```````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````` Informação reunida e trabalhada para apoio à exibição

Leia mais

CORPO, GÊNERO E SEXUALIDADE. Silvana Vilodre Goellner

CORPO, GÊNERO E SEXUALIDADE. Silvana Vilodre Goellner CORPO, GÊNERO E SEXUALIDADE EDUCANDO PARA A DIVERSIDADE Silvana Vilodre Goellner O corpo é algo produzido na e pela cultura. Mais do que um dado natural cuja materialidade nos presentificano mundo, o corpo

Leia mais

1. a) Relacione às suas traduções os temas mais frequentes presentes em blogs de adolescentes:

1. a) Relacione às suas traduções os temas mais frequentes presentes em blogs de adolescentes: Blogs agosto/2009 Blogs são sites estruturados de forma a permitir atualização rápida por meio de acréscimos dos artigos ou posts. Eles são, em geral, organizados de forma cronológica inversa, tratando

Leia mais

Por que a cada 15 segundos uma mulher é espancada no Brasil

Por que a cada 15 segundos uma mulher é espancada no Brasil Jornalista responsável/design: Beth Rezende Por que a cada 15 segundos uma mulher é espancada no Brasil SECRETARIA DA MULHER Sindicato dos Metalúrgicos da Região Sul Fluminense? Apresentação Nos últimos

Leia mais

O discurso de mídia em relação a mulher 1

O discurso de mídia em relação a mulher 1 O discurso de mídia em relação a mulher 1 GLÁUCIA PEREIRA DE SOUZA UNIVERSIDADE CATOLICA DE BRASILIA O objetivo desta comunicação é fazer uma primeira discussão sobre o discurso da mídia em relação à mulher,

Leia mais

Escrita Eficiente sem Plágio

Escrita Eficiente sem Plágio Escrita Eficiente sem Plágio Produza textos originais com qualidade e em tempo recorde Ana Lopes Revisão Rosana Rogeri Segunda Edição 2013 Direitos de cópia O conteúdo deste livro eletrônico tem direitos

Leia mais

30 de Abril de 2016, Auditório 3, Fundação Calouste Gulbenkian

30 de Abril de 2016, Auditório 3, Fundação Calouste Gulbenkian Sessão de Atribuição do prémio Miguel Portas 2016 30 de Abril de 2016, Auditório 3, Fundação Calouste Gulbenkian Intervenção de José Manuel Rosendo, jornalista da Antena 1 na Sessão Meus amigos, boa tarde...

Leia mais

LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS

LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS Mestranda Kézia Dantas Félix 1, UEPB 1 Resumo: Neste artigo estudo o debate estabelecido em torno do cânone literário,

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

Entre 1940 a 1960, uma coleção de romances intitulada Biblioteca

Entre 1940 a 1960, uma coleção de romances intitulada Biblioteca I M A G E M N O B R A S I L COM A PALAVRA, AS IMAGENS! representações do feminino nas capas dos romances da Biblioteca das Moças (1940-1960) Maria Teresa Santos Cunha Entre 1940 a 1960, uma coleção de

Leia mais

PorqueHomensMulheres:Layout 1 31-08-2009 13:03 Page 17 INTRODUÇÃO PROCURA-SE PARA UMA NOITE PROCURA-SE PARA TODA A VIDA

PorqueHomensMulheres:Layout 1 31-08-2009 13:03 Page 17 INTRODUÇÃO PROCURA-SE PARA UMA NOITE PROCURA-SE PARA TODA A VIDA PorqueHomensMulheres:Layout 1 31-08-2009 13:03 Page 17 INTRODUÇÃO PROCURA-SE PARA UMA NOITE PROCURA-SE PARA TODA A VIDA PorqueHomensMulheres:Layout 1 31-08-2009 13:03 Page 18 CONFRONTAMO-NOS HOJE EM DIA

Leia mais

Educação Sexual e Metodologia

Educação Sexual e Metodologia Educação Sexual Marcos Ribeiro Educação Sexual e Metodologia...Não saco nada de Física Literatura ou Gramática Só gosto de Educação Sexual E eu odeio Química... Legião Urbana Essa discussão não é recente.

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO. NÚCLEO DE DEFESA DO IDOSO E PESSOA COM DEFICIÊNCIA ALEXANDRE DE OLIVEIRA ALCÂNTARA

REFLEXÕES SOBRE A VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO. NÚCLEO DE DEFESA DO IDOSO E PESSOA COM DEFICIÊNCIA ALEXANDRE DE OLIVEIRA ALCÂNTARA REFLEXÕES SOBRE A VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO. NÚCLEO DE DEFESA DO IDOSO E PESSOA COM DEFICIÊNCIA ALEXANDRE DE OLIVEIRA ALCÂNTARA FORTALEZA, 17 de junho de 2011. VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO PESQUISA: Violência

Leia mais

Série de livros apresenta a história dos EUA como folhetins

Série de livros apresenta a história dos EUA como folhetins 1 de 5 13/12/2010 13:24 08/12/2010 08h00 - Atualizado em 08/12/2010 08h08 Série de livros apresenta a história dos EUA como folhetins 'Pulp history' traz episódios de história com textos de 'pura ação'.

Leia mais

Como o cinema nacional pode ser socialmente relevante e interessante?

Como o cinema nacional pode ser socialmente relevante e interessante? São Paulo, Ano II, n. 04, jan./abr. de 2015 Como o cinema nacional pode ser socialmente relevante e interessante? Sobre a representação multicultural de personagens em obras audiovisuais educativas Autor:

Leia mais

REGRAS PARA NÃO SE TORNAR UMA VÍTIMA DA VIOLÊNCIA URBANA

REGRAS PARA NÃO SE TORNAR UMA VÍTIMA DA VIOLÊNCIA URBANA SEGURANÇA PESSOAL EM ÁREAS DE ALTO RISCO REGRAS PARA NÃO SE TORNAR UMA VÍTIMA DA VIOLÊNCIA URBANA (Adaptação) BANCO DO BRASIL DILOG/ PRINCIPAIS AMEAÇAS Seqüestro relâmpago Com duração de 1 a 24 horas,

Leia mais

BANCO DO BRASIL GEREL Belo Horizonte (MG) NUSEG - Núcleo de Segurança SEGURANÇA PESSOAL EM ÁREAS DE ALTO RISCO

BANCO DO BRASIL GEREL Belo Horizonte (MG) NUSEG - Núcleo de Segurança SEGURANÇA PESSOAL EM ÁREAS DE ALTO RISCO SEGURANÇA PESSOAL EM ÁREAS DE ALTO RISCO REGRAS PARA NÃO SE TORNAR UMA VÍTIMA DA VIOLÊNCIA URBANA (Adaptação) DILOG/ PRINCIPAIS AMEAÇAS Seqüestro relâmpago Com duração de 1 a 24 horas, geralmente para

Leia mais

SELF, SOCIEDADE & SEXUALIDADE

SELF, SOCIEDADE & SEXUALIDADE SELF, SOCIEDADE & SEXUALIDADE Leila Sharon Nasajon * A sexualidade representa uma questão crucial no desenvolvimento e na preservação da identidade pessoal e social. Para que relações interpessoais satisfatórias

Leia mais

70% 500.000. De acordo com a nova lei, são crianças e adolescentes. 1. de estupro

70% 500.000. De acordo com a nova lei, são crianças e adolescentes. 1. de estupro O QUE É VIOLÊNCIA SEXUAL Todos os anos, estima-se que 500.000 70% Mulheres das vítimas sejam vítimas de estupro no Brasil, e que outros tantos milhões sofram com abusos e violências sexuais. de estupro

Leia mais

Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes

Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes daqueles que consideramos nossos. Costuma indicar desconhecimento

Leia mais

SOCIEDADE E DIREITO EM REVISTA

SOCIEDADE E DIREITO EM REVISTA CINE LEGAL - APRENDENDO COM FILMES O TERMINAL Heloisa Helena de Almeida Portugal 1 Esperar às vezes é sinal de sabedoria, de escolher o momento, de se preparar; esperar, porém, pode ser muleta para fazer

Leia mais

Papel e estratégias do Ministério Público na defesa dos direitos das mulheres e principais limitações na aplicação da Lei Sobre Violência Doméstica

Papel e estratégias do Ministério Público na defesa dos direitos das mulheres e principais limitações na aplicação da Lei Sobre Violência Doméstica Papel e estratégias do Ministério Público na defesa dos direitos das mulheres e principais limitações na aplicação da Lei Sobre Violência Doméstica (Síntese a partir dos slides) Por Lúcia Maximiano (Procuradoria

Leia mais

A comunicação e o marketing. como ferramentas estratégicas de gestão social

A comunicação e o marketing. como ferramentas estratégicas de gestão social A comunicação e o marketing como ferramentas estratégicas de gestão social Ricardo Voltolini* Transformar causas em marcas fortes que tenham longevidade, personalidade, consistência e sejam uma referência

Leia mais

O DESEJO DE MORRER. A ideia do suicídio é uma grande consolação: ajuda a suportar muitas noites más. Suicídio

O DESEJO DE MORRER. A ideia do suicídio é uma grande consolação: ajuda a suportar muitas noites más. Suicídio O DESEJO DE MORRER A ideia do suicídio é uma grande consolação: ajuda a suportar muitas noites más Suicídio Os comportamentos suicidários constituem um flagelo da nossa sociedade contemporânea. Contudo,

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

Perdão. Fase 7 - Pintura

Perdão. Fase 7 - Pintura SERM7.QXD 3/15/2006 11:18 PM Page 1 Fase 7 - Pintura Sexta 19/05 Perdão Porque, se vocês perdoarem as pessoas que ofenderem vocês, o Pai de vocês, que está no Céu também perdoará vocês. Mas, se não perdoarem

Leia mais

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação.

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Introdução Criar um filho é uma tarefa extremamente complexa. Além de amor,

Leia mais

LEI ROUANET PROJETO ESTÓRIAS

LEI ROUANET PROJETO ESTÓRIAS LEI ROUANET PROJETO ESTÓRIAS Projeto Estórias I. Introdução O projeto Estórias nasceu da necessidade de incluir na literatura infantil personagens com câncer e o ambiente hospitalar. A literatura que contém

Leia mais

Um pouco mais sobre desenvolvimento social e os Transtornos do Espectro Autista

Um pouco mais sobre desenvolvimento social e os Transtornos do Espectro Autista Um pouco mais sobre desenvolvimento social e os Transtornos do Espectro Autista www.infanciaeadole scencia.com.br O desenvolvimento social ocorre ao longo de todas as etapas do ciclo vital. Entretanto,

Leia mais

O Que Os Homens Realmente Pensam E Não Tem Coragem De Falar

O Que Os Homens Realmente Pensam E Não Tem Coragem De Falar O Que Os Homens Realmente Pensam E Não Tem Coragem De Falar Pedimos perdão pela sinceridade mas o manifesto vai mostrar que você foi totalmente iludida sobre o que um homem procura em uma mulher. E digo

Leia mais

CASOS COM TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE E PROCESSO COM HOMÍCIDIOS DOLOSOS

CASOS COM TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE E PROCESSO COM HOMÍCIDIOS DOLOSOS ANDRESSA FRANCIELLI ROCHA CASOS COM TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE E PROCESSO COM HOMÍCIDIOS DOLOSOS IVAIPORÃ PR 2012 INTRODUÇÃO Como se há de verificar, por meio desse trabalho será apresentado modelos

Leia mais