RELATÓRIO DE PESQUISA. MUDANÇAS NA FORMAÇÃO MÉDICA no período de 1969 a 1993 Perfil do Estudante que ingressa no Curso de Medicina

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO DE PESQUISA. MUDANÇAS NA FORMAÇÃO MÉDICA no período de 1969 a 1993 Perfil do Estudante que ingressa no Curso de Medicina"

Transcrição

1 FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DA SANTA CASA DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE MEDICINA SOCIAL CENTRO DE ESTUDOS AUGUSTO LEOPOLDO AYROSA GALVÃO CEALAG RELATÓRIO DE PESQUISA MUDANÇAS NA FORMAÇÃO MÉDICA no período de 1969 a 1993 Perfil do Estudante que ingressa no Curso de Medicina Convênio 24/94 Projeto BRA/ co-fin. PNUD -MINISTÉRIO DA SAÚDE- ABRIL 1995

2 FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DA SANTA CASA DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE MEDICINA SOCIAL CENTRO DE ESTUDOS AUGUSTO LEOPOLDO AYROSA GALVÃO CEALAG EQUIPE TÉCNICA PRESIDENTE: JOSÉ CARLOS BITTENCOURT COORDENAÇÃO GERAL: REGINA M.G. MARSIGLIA COORDENAÇÃO TÉCNICA: SELMA PATTI SPINELLI

3 ÍNDICE APRESENTAÇÃO p.4 I INTRODUÇÃO p.5 1. Origens e objetivos da pesquisa p. 2. Breve Panorama do ensino médico no país: p. suas questões atuais 3. As interfaces do problema educação em p. geral e o mercado de trabalho 4. Marcos teóricos-conceituais p. II METODOLOGIA p. 1. Aspectos gerais p. 2. Caracterização do universo p. 3. O instrumento da pesquisa p. 4. Demais procedimentos p. III RESULTADOS p. IV TABELAS GERAIS p. V BIBLIOGRAFIA p.

4 Apresentação Este relatório, que dá cumprimento ao Convênio 24/94 que entre si celebram o PROJETO BRA/90-032, co-financiado pelo PNUD e o CEALAG Centro de Estudos Augusto Leopoldo Ayrosa Galvão, corresponde à primeira etapa de um amplo campo de pesquisa na Área de Educação Médica, constituída pelos professores do Departamento de Medicina Social da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. Esta primeira etapa previa uma análise completa dos dados obtidos num total de questionários aplicados aos alunos recém-ingressantes no curso de medicina. Apresentamos aqui, entretanto, resultados iniciais objetivados pelo Convênio em questão uma vez que a análise teve que se limitar às informações que pudemos sistematizar até o momento, tendo em vista o seu volume e riqueza de perspectivas a serem aprofundadas. Essa situação convém lembrar, era esperada e se justifica em parte, pelo tamanho da empreitada e também, pelo fato de não ter iniciado na data prevista. Possibilitou a inclusão de dados recém-colhidos em 1994 e agora o ano de 1995, que tivemos a oportuna necessidade de trabalhar conjuntamente para corroborar as informações previamente obtidas. Paralelamente ao trabalho da pesquisa realizada com pessoal reduzido e por temporário, nem sempre disponível, o campo de estudos criado no Departamento de Medicina Social envolveu diversas atividades (reuniões, palestras, divulgação dos dados na área acadêmica, etc.) em que os investigadores estiveram empenhados. Constitui-se através do Projeto, finalmente, um Grupo de Educação Médica, dedicado às questões candentes que desafiam a área de Recursos Humanos em Saúde. Este relatório apresenta então dois aportes ao campo de conhecimento da Educação Médica no momento atual: o primeiro, a análise dos dados em si e as perspectivas que aponta; o segundo, as contribuições recolhidas nos diversos seminários paralelos, a uma teoria de Educação Médica aqui esboçada. Neste espaço, convém citar os nomes daqueles que conosco compartilharam esse estudo cheio de indagações: à professora Maria de Lourdes Sylvestre Mahl agradecemos pela atenção no acompanhamento dos dados; à professora Tânia Di Giacomo do Lago agradecemos pelas observações pertinentes às questões de método.

5 À equipe técnica, composta por profissionais recém-egressas da Universidade, jovens intelectuais que, com seu entusiasmo, imprimiram às etapas de concretização o ritmo desejado. São elas, Fernanda S. Rossi e Flávia Cremaschi, na computação; Gabriela A. de Andrade e Paula G.M.Senna, sociólogas e Eunice Almeida da Silva, enfermeira e estudante de Antropologia. Agradecemos também a todos os demais, que em inúmeras oportunidades estiveram conosco, interessando-se pelo projeto. A continuidade deste Projeto e seu desdobramento em linhas de investigação é algo desejado e esperado.

6 I - Introdução 1. Origem e Objetivos da Pesquisa Os embates atuais dos Serviços de Saúde no Brasil passam necessariamente pela questão dos Recursos Humanos em Saúde, constituindo essa área o atual desafio para reflexão e superação dos problemas na área de saúde, para a população brasileira. De há muito, vêm se perguntando os educadores da área médica, que tipo de médico deve se formar para atender aos requerimentos dessa população. Bem verdade, esse debate extravasa os limites da realidade brasileira, sendo rebatido aqui e ali no plano internacional mas é que entre nós, que ele vem tomando vulto e assumindo características próprias, tendo em vista o esforço da formação social brasileira numa constituição de um sistema de saúde que, bem ou mal, ao longo do século XX, veio sendo cunhado nas políticas sociais do Estado brasileiro em suas conformações históricas. Nesse âmbito, ressaltamos inicialmente o papel que a experiência da Escola Médica da Santa Casa de São Paulo sua originalidade e os desafios que a proposta enfrentou desempenharam nesse contexto de transformações.¹ A Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo Brasil é mantida pela Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho e ligada à Irmandade de Misericórdia. Foi a primeira Escola Médica privada a ser criada na cidade de São Paulo em 1963, por iniciativa de um grupo de médicos que, além das atividades profissionais ali exercidas, estavam em sua maioria, envolvidos em programas de Ensino Médico em outras instituições. Entre 1963 e 1969, quando o Parecer nº 869/69 do C.F.E. fixou o currículo mínimo das Escolas Médicas do país, houve uma grande expansão de novas escolas médicas privadas e uma experimentação de currículos. Àquela época as instituições tinham liberdade de elaboração do currículo dentro dos parâmetros legais e frequentemente recorriam às velhas fórmulas já testadas pelas Escolas mais tradicionais, recrutando nelas seus professores. ¹ Valemo-nos para esta redação, do conjunto de textos e documentos produzidos pelo Departamento de Medicina Social desde 1963 até o presente momento. Além de depoimentos pessoais.

7 Tal fato, porém, não ocorreu na Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa; que aproveitou esse espaço de experiências curriculares e apresentou um currículo pleno, àquela altura bastante inovador, incorporando concepções da crítica do pensamento reformista da Educação em geral. No seu desenrolar histórico, a experiência passou por várias fases, porém, tendo em todas elas um eixo de desenvolvimento em torno das questões do social, tendo as ciências sociais concorrido pari passu com a formação historicamente tradicional das ciências físicas e biológicas na concretização do tipo de médico que visava formar. Sendo essa área uma proposta tão atual, na verdade, um dos eixos que a OPS/OMS propõem para vitalizar o debate sobre a transformação requerida pela Escola Médica.² Vale a pena acompanhar as fases de desenvolvimento das Ciências Sociais na Santa Casa, a fim de resguardar o seu pioneirismo neste campo. As fases assim se desenrolam: 1ª Fase 63/64: Criada em 1963 e estruturando-se em Departamentos (Lei de Diretrizes de Bases da Educação/1962), cabe ao Departamento de Medicina Social o ensino de um elenco de matérias que veiculasse conteúdos de projetos de ação em Saúde Coletiva. No entanto, o enfoque do ensino dessas disciplinas era essencialmente individual, isto é, centrado no paciente como indivíduo e no médico (seja em sua relação Médico-Paciente, seja na sua inserção num exercício profissional liberal que à época prevalecia como prática dominante). A concepção de Saúde Pública e do dever preparar o médico para o trabalho em serviços de Saúde Pública, sempre foi a diretriz dos conteúdos disciplinares do Departamento, para concretizar essas ideias de transposição do papel do médico em sua ação individual para o interesse coletivo em saúde, o departamento procurou absorver técnicas educacionais que enfatizavam a integração horizontal e vertical entre as disciplinas (intra-e-interdepartamentais) e o princípio de complexidade crescente do aprendizado segundo cânones pedagógicos modernizantes. Foi no entanto, a ênfase da vinculação teórico-prática do ensino com a realidade social do país, a ferramenta metodológica mais eficiente na concretização dessa transposição. ² Compromisso Social das Faculdades de Medicina em discussão em Edimburgo, A OMS/OPS pergunta: Como conseguir a incorporação das Ciências Sociais como um dos eixos articuladores da Educação Médica?

8 Essa conjuntura era ideologicamente reforçada pelo modelo da Medicina Integral. A composição básica dos conteúdos sociais aí selecionados e inseridos no ensino eram assim explicadas pela formação dos professores e seu trabalho fora da Faculdade. Os professores de Medicina do Trabalho, Clínica Médica de Família e Epidemiologia, estavam vinculados ao exercício clínico profissional e ao mesmo tempo, ao Ensino de Saúde Pública; Professor de História da Medicina era médico, acadêmico das letras, exercendo ao mesmo tempo atividades médicas (Santa Casa) e literárias, de tal forma que o curso era considerado um ritual de introdução à Faculdade, na fase de recepção dos alunos novos. Cada qual incorporava o social à sua maneira e sensibilidade, mas não se procurava nitidamente, uma linha de abordagem, dentro dos parâmetros teórico-metodológicos da própria ciência sociológica. Finalmente, a conjuntura social de transição que marca o país nesse período, ao mesmo tempo que traz resquícios da modernização educacional dos anseios da reforma, coloca-se com a necessidade de enquadramento técnico-científico do conteúdo social, como um dado objetivo de realidade condicionante do fenômeno saúde, constituindo-se um desafio, a escolha da linguagem adequada, quando do trato de questões sociais e políticas no âmbito do ensino e da prática universitária. 2ª Fase (65-69): É marcada por seguidas mudanças e adaptações curriculares, tanto ao nível da Faculdade quanto ao do Departamento. Na faculdade a vinculação teórico-prática cada vez mais impõe a necessidade de um contato do aluno, o mais precocemente possível, com a prática hospitalar: no Departamento isso impõe a incorporação de professores e profissionais não-médicos com instrução social formal e médicos com formação de sanitaristas. Entretanto, a visão do Ensino Médico ainda é marcante e voltada para o individual e a aproximação com as disciplinas clínicas, sob o peso da integração, delimita o enfoque da Medicina Social. Essa conjuntura é ideologicamente reforçada pelo modelo de Medicina Integral, porém, adicionado com a consciência da necessidade de uma visão global da realidade social do país. Assim são chamados a partir do projeto de Medicina Social sanitaristas (médicos ou não), com visão social, ou seja, capazes de reforçar a prática individual médica do aluno com a necessidade de se considerar os aspectos sociais que circundavam cada caso a ser estudado. A incorporação do social nessa fase, se dá a partir dessa prática. Exemplo: uma assistente social escolhia casos ocorridos nas enfermarias e prontossocorros, onde as implicações sociais eram evidenciadas, num quadro geral e inespecífico, se eram estruturais ou comportamentais. Tudo era possível para discussão do caso em si; nunca do ponto de vista de uma teorização sociológica. Os textos teóricos eram frequentemente traduzidos e escolhidos em conformidade com a similitude dos casos e discutidos com

9 sistematização num curso do 3º ano médico, denominado Ciências Sociais Aplicadas à Medicina. Podemos explicar esse conteúdo por alguns pontos, a saber: a) pela formação e composição do corpo docente; b) pelas exigências da transposição individual-coletiva; c) pela fase de conhecimento da própria Saúde Pública, cujo modelo vigente de influência americana não prescinde da Educação Sanitária como principal ferramenta do trabalho do sanitarista e sobretudo porque; d) a Medicina Integral também tem essa ferramenta como elemento daquela tão procurada transposição. O papel do médico visto como moderador das atitudes desejáveis na prevenção faz com que a Educação Sanitária ocupe bastante espaço no Ensino do Departamento. Numa visão macrossocial da realidade brasileira, qualquer perspectiva globalizante levaria necessariamente a uma discussão de contexto, a qual não escaparia de uma ótica crítica. Ora a ideologia do Milagre Brasileiro trazia de cima para baixo em termos de poder uma forma do pensar ³ delimitando o espaço para aqueles que procuravam uma mudança da situação sanitária do país. Só a Educação Sanitária coube nesse espaço; ela fragmenta a sociedade em indivíduos; fragmentar os indivíduos em termos de seus conhecimentos/atitudes/crenças, tal qual acontece em qualquer âmbito da ideologia burguesa. 3ª Fase (69/70/71/72): A Educação Médica passa por intensa revisão crítica em função das dificuldades e crises que começaram a se esboçar, sobretudo nas escolas novas do setor privado, criadas no período de 67/68 e que, ao adentrarem o ciclo clínico, apontaram suas insuficiências, e as escolas tradicionais do setor público reclamavam do espaço perdido pela Educação em geral, no modelo de desenvolvimento caracterizado e delineado nessa época. Por parte da Escola de Ciências Médicas da Santa Casa,4 esse momento é marcado por um delineamento bastante claro e objetivo com relação ao tipo de médico e ao currículo que o formaria, movimento esse, que se não foi em termos quantitativos, abrangente, em relação ao corpo docente, pelo menos sensibilizou áreas decisórias e setores avançados dos departamentos. A resultante foi um esforço 3.Veja-se o capítulo das referências teóricas, a discussão sobre ideologia e projeto de formação. 4. Não serão aqui abordadas as experiências extra-muros como o Centro de Saúde Escola cujos fundamentos serão discutidos além, no texto.

10 da integração agora não só horizontal mas vertical, com a verticalização ao longo dos 6 anos, de 3 áreas consideradas fundamentais na Integração: Clínica Médica, Medicina Social e Psicologia Médica. Quanto às Ciências Sociais, a área de conceitos que mais começa a prevalecer é a antropologia e uma antropologia especial, porque: a) a integração interdisciplinar inibe os conteúdos conceituais mais globais; b) começa a prevalecer a busca por parte dos educadores médicos de modelos de ensino das Ciências Sociais e da Conduta; c) a integração interprogramática e interdepartamental deve-se repetir no âmbito interno, nas Disciplinas do Departamento. Como nesse momento a Epidemiologia é mais autônoma (prenunciando a transição do enfoque individual para o coletivo, que se definiria posteriormente), o modelo de ensino proposto partia de uma esquematização epidemiológica (História Natural da Doença) acrescida também da História Natural do Comportamento do doente. A Antropologia especial, acima referida, é aquela que, nesse momento teórico, confunde em limites com a psicologia social, cuja ótica é centrada no comportamento. Iniciado esse programa no 1º ano, o espaço do 3º ano antes ocupado pelas Ciências Sociais Aplicadas, continua sendo o conteúdo das Ciências Sociais Aplicadas às grandes áreas da formação médica: (Pediatria Pediatria Social), (Obstetrícia Obstetrícia Social) e (Clínica Médica Clínica de Família). Nesse nível, o social era tratado como epifenômeno de temas importantes. Ex: Aspectos Sociais da Desnutrição. Frequentemente, seja porque o esquema da História Normal de Doenças, inevitavelmente, ao tocar nas medidas a serem tomadas, envolvia discussão dos serviços de saúde a serem acionados, seja porque a formulação Aspectos Sociais inevitavelmente evadia-se do âmbito estrito da Antropologia Comportamentalista. Tornava-se cada vez mais tornava-se patente a necessidade de uma explicação de teorização global da sociedade brasileira. O enforque do coletivo na Medicina Social já está posto, porém, ainda numa concepção epidemiológica que subordina o social como fator da estrutura epidemiológica de causação do processo Saúde-Doença. Em termos de crítica à formação médica, o pensamento mais usual que se encontra nesse momento é aquele que investe contra a febre da especialização médica e suas conseqüências de fragmentação do objetivo da medicina. Por isso, assume fundamental importância, podendo ser considerado o verdadeiro divisor de águas no impasse teórico-metodológico da transposição individual-coletiva, o trabalho de Cecília Donnangelo 5 que analisa o processo de assalariamento, já iniciado e que se aprofundará na profissão médica na década de 70, o qual a consciência possível da visão liberal sequer podia admitir. Fizeram parte do cenário desta época constantes reuniões com outras escolas, onde se discutiam os conteúdos curriculares. 5 Donnangelo, M.C.F. Medicina e Sociedade. São Paulo, Biblioteca Pioneira, 1972

11 O Departamento de Medicina Social da Santa Casa procurava absorver todas as mudanças possíveis e passíveis, extremamente condicionado pelo espaço ocupado pelos seus professores, nos serviços de saúde pública. Tal inserção lhe valeu muitas vezes, severas críticas de cooptação pelo sistema. Os departamentos mais atuantes podiam ser enquadrados em três linhas. 1) linha da crítica externa ao sistema; 2) linha da crítica interna ao sistema 3) linha do enforque individual preventista. Às Ciências Sociais restava um papel repicado, penetrando no espaço que lhe era possível, porém sem ainda conseguir uma autonomia ou identificação com seu campo próprio. 4ª Fase (73/75): Em 1973, o curso de C.S.A. do 1º ano, antes semestral se estende para anual, uma vez que, em avaliação, as disciplinas do programa interdisciplinar requisitam um espaço para a teoria geral dos conteúdos aplicados que antes ministravam. Esse fato, visto em perspectiva pode ser explicado em primeira instância, pelo assentimento geral do enfoque coletivo como especificidade do Departamento e pelo início de produção científica brasileira no campo da sociologia da saúde, criando condições para uma crítica dos limites dos modelos adotados. Internamente, o novo enfoque do social demandava um tipo de conhecimento deformação sociológica, o que inibia a equipe multi-profissional que o sustentava (havia apenas 1 sociólogo na equipe). Esse impasse foi resolvido com um curso de preparação para a introdução dos novos conceitos (o que marca também o início da sociologia como disciplina autônoma), que operou uma modificação da equipe de professores da disciplina. Nessa fase o Curso de Ciências Sociais se estrutura ainda partindo do individual, Estudo do Paciente, porém, segue-se uma unidade em que se procura enquadrar o Paciente na Realidade Social, caracterizada globalmente em termos econômicos e políticos; inclui uma crítica da explicação antropológica inicialmente adotada, como impossibilitada de alcançar as determinações gerais da situação do Paciente assim enquadrado e introduz o estudo da Estrutura Social. Neste momento, historicamente o país começa a perceber sinais da crise econômica que se deflagaria a partir de 1973, aprofundando a crise política (O governo brasileiro para fazer jus à face de democracia relativa passará pela turbulência das tumultuadas discussões em torno do ano eleitoral de 1974). Para a Educação Médica, o espaço de debates sobre a realidade social do país se desloca para o interior da Faculdade. Em 1974, a disciplina História da Medicina perde seu titular e passa a ser atribuição da equipe de Ciências Sociais. Em que se pese os limites deste primeiro conteúdo, esse curso é colocado no 1º ano, antes do curso de Ciências Sociais e como

12 seu pré-requisito pedagógico, uma vez que enfatizava as bases sociais da medicina no tempo. No 3º ano, a participação dos sociólogos ao lado de 2 médicos com conhecimentos de administração transforma gradativamente o espaço da Obstetrícia Social na disciplina Administração dos Serviços de Saúde Pública e Organização da Assistência Médica. O enfoque desse curso em termos de administração é sistêmicos mas sua meta pedagógica era a transposição da obstetrícia que os alunos estavam recebendo no âmbito clínico no DOGI, para o plano de estudo da Organização dos Serviços de Saúde Materna (área de Saúde Pública) e daí para a organização dos serviços de saúde em geral. A participação do sociólogo na estrutura do curso era desestruturante na medida em que se contrapunha o enfoque sistêmico adotado (estrutural e funcionalista, mas afinado com o Planejamento em Saúde que se operava na realidade brasileira) ao estudo histórico no desenvolvimento dos serviços de saúde sobretudo a Assistência Médica na Previdência Social e as transformações das condições de trabalho do médico. A pediatria social, embora curso autônomo gerido pelo Departamento, se aproxima definitivamente do Curso de Pediatria ministrado no 3º ano pelo próprio Departamento de Pediatria, prescindindo do sociólogo. Em 1975, pode-se entender como acabado o processo de implantação de um modelo estrutural de ensino das Ciências Sociais e a partir daí, um aprimoramento em termos dos conteúdos quanto a sua complexidade e especificidade pois a pósgraduação estava também a exigir um novo conteúdo (que obviamente não repetisse a graduação). Na graduação, a formação do aluno deveria conter as mediações entre o individual e o coletivo; na pós-graduação, o coletivo seria o objeto. Um aspecto desse período é a aproximação com a Medicina do Trabalho. Assim, desde o 1º contato com as Ciências Sociais no curso de História da Medicina, o conteúdo sociológico procurava explicitar a determinação social e a historicidade não só do conhecimento médico, como também das formas do trabalho médico, o que remetia a conceitos como: modo de produção, formação social, classes sociais, estado e ideologia. O ensino das formas históricas assumidas pela prática médica se torna bastante facilitado, pois, a essa altura, a produção sociológica no campo da saúde está em pleno desenvolvimento, bem como as traduções de autores estrangeiros que se ocuparam da medicina como objeto de reflexão. (A tônica dominante não é a sociologia na Medicina, porém a Sociologia da Medicina).

13 O curso de 3º ano, agora apenas Organização de Assistência Médica assume abordagem sociológica, abandonando-se o esquema anterior. Nesse momento curricular as Ciências Sociais tem uma oportunidade de reforçar conceitos básicos anteriores, para abordar a questão Médica como instituição prestadora de serviços e como prática profissional. 5ª Fase (76-80): Essa fase é marcada por discussão intensa sobre a Residência em Medicina Social. As categorias ocupacionais médicas se organizam e a profissão médica discute o assalariamento e assume posicionamentos políticos no âmbito da sociedade global. Politicamente, nosso momento histórico é marcado pelo período de distensão do Governo Geisel com avanços e recuos (veja-se o famoso Pacote Abril/77) mas o fato é que a conjunção da crise econômica, a falência do modelo abrem espaço para a discussão política e a crise do regime. No âmbito da Educação Médica, a graduação em medicina tem, necessariamente que se diferenciar da pós-graduação, uma vez que a Residência Médica é definida como curso de especialização (Parecer 14/77 C.F.E.). O Grupo de residentes pressiona a uma constante avaliação dos programas, impulsionado pela atuação política no exterior da escola e também porque é marcado por flagrante heterogeneidade quanto à formação, mas homogêneo na postura crítica (um dos critérios que o Departamento sempre valorizou na seleção de candidatos). O ano de 1980 é marcante, especialmente porque em todos os programas ressalta-se a dinâmica de disciplinas como Ciências Sociais e Epidemiologia cujas abordagens privilegiam essencialmente o Coletivo e se recoloca a prática em Saúde Pública, até porque, a estrutura de saúde pública é, sistematicamente pensando, o espaço mais coletivo que a realidade brasileira apresenta, sem adesão aos pressupostos sistêmicos e, ao mesmo tempo registrando-se aí a concreção de políticas sociais do capitalismo na nossa sociedade. 6ª Fase A década de 80: Fase em que o modelo estrutural de ciências sociais proposto pela ótica do materialismo dialético extravasa seus limites (filosofia e economia política) para as demais disciplinas do campo da medicina Social. No âmbito interno, a integração curricular das três áreas básicas enfrenta seus impasses (por razões diferentes, os três departamentos enfrentam seus problemas; o Departamento de Psicologia da Faculdade se esfacela, dificultando uma aproximação; o Departamento de Clínica passa por um esvaziamento e mudança de professores). Ao Departamento de Medicina Social cabe

14 reestruturar-se dentro dos parâmetros internos já mencionados e no âmbito externo se aproxima de outros centros de formação que discutem o âmbito da Saúde Coletiva e se posicionam politicamente mais organizados. Essa externalidade reforça o campo conceitual e coincide com o movimento do restante da Faculdade. Em termos curriculares, as disciplinas da Escola, que antes se sacrificavam (com certa perda de identidade) para se integrar horizontalmente, vão desenvolvendo e ampliando um corpo teórico de conceitos básicos e se nota, por parte das disciplinas do departamento, uma maior aproximação com as matérias básicas, sobretudo aquelas que por sua especificidade vêm o homem como totalidade. O Departamento assume o enfoque coletivo, como sua área específica, o que é plenamente concretizado na Residência de Medicina Social 6. No âmbito externo, essa fase marca a presença da ABRASCO Associação Brasileira de Saúde Coletiva fundada em 1979 como aglutinadora da discussão de toda a temática do campo, seja no âmbito acadêmico da constituição do conhecimento em sua área específica seja na construção social do Projeto Político da reordenação dos Serviços de Saúde rumo aos requerimentos da garantia e ampliação da cidadania do brasileiro em Saúde, tal qual a Constituição de 88 viria postular. Cabe aqui um breve comentário sobre o desenvolvimento da Epidemiologia, seja porque, essa disciplina viria a ser acionada como ferramenta de intervenção em nível técnico, na constituição/expansão dos serviços de Saúde, seja porque seu campo de conhecimento incorporava novas tendências modernizantes, adquirindo uma feição própria sobretudo aos países não desenvolvidos, onde a questão de saúde, para além da técnica, tem seu tratamento político. Ao nosso ver, o aporte dos estudos desenvolvidos sobretudo no México, pela Epidemiologia Social (destaque-se aqui a contribuição de Asa Cristina Laurell, entre outros) revitalizam o eixo de formação em Saúde Coletiva, conformando essa área, face a toda escola médica, como um campo de especificidades definido tanto prática como teoricamente. Como paradoxo aparente, entretanto, vale colocar que, como característica desse momento, a estranheza do relacionamento do Centro de Saúde Escola da Barra Funda, tradicionalmente aproveitado como campo de práticas e o deslanchar da Epidemiologia Social. 6. O Departamento de Medicina Social da santa Casa foi um dos pioneiros da Residência inter-disciplinar

15 O Centro de Saúde-Escola da Barra Funda em 1968, foi um dos marcos no pioneirismo da Escola Médica da Santa Casa. Concebido como campo de práticasdemonstração, não só para os alunos da medicina, mas sobretudo para a rede de serviços público,7 uma expansão de Centros de Saúde-Escola das Faculdades do Estado de São Paulo, sustentadas pela Rede da Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo em convênio com as faculdades, via departamentos de medicina social. Duas ordens de fatores explicam a dificuldades desse relacionamento: a primeira e que parece pesar bastante, é o caráter teórico da Epidemiologia Social, cuja disponibilidade interventiva no serviço tradicional de saúde pública encontrava seus limites; a segunda ordem de fatores diz respeito aos rebates próprios do que acontece na rede de serviços públicos, no processo de reordenação da reforma sanitária e suas relações intrínsecas com o desenvolvimento político calcado na abertura e eleições diretas, ou seja, no projeto político-eleitoral dos governantes do período. Some-se a isso, a crise dos anos 80 que se abate no Estado em todos os seus níveis. Esses breves comentários (cujos pontos cruciais serão retomados adiante no texto), nos permitem emoldurar as razões justificativas da pesquisa a que ora nos propomos. No momento presente, ou seja, em meio aos desafios da década de 90, quando emoldurada pela grave crise por que passa o desenvolvimento da sociedade brasileira, a Educação entra em crise e se questiona a Escola Médica é vértice desse processo de discussão, apresentando uma queda numérica de postulantes egressos do segundo grau e uma avalanche de críticas negativas ao seu desempenho e ao seu produto final, nos indagamos sobre o que está acontecendo. Essas indagações dizem respeito ao alunado (que tipo de aluno estamos recebendo), às instituições formadoras (que meios temos para avaliar nossas escolas) e às instituições prestadoras-utilizadoras dessa mão de obra ( a quantas anda o projeto sanitário no entrecorte do projeto político mais amplo e global da sociedade. Nosso trabalho tem portanto os seguintes objetivos: 1. Traçar um perfil do alunado que ingressa na Faculdade de Medicina. 2. Relacionar as especificidades do aparelho formador às características desse perfil. 3. Fornecer subsídios para a discussão do problema educacional-médico, num quadro de referência do campo de desenvolvimento dos Recursos Humanos em Saúde. 4. Formular propostas coerentes capazes de direcionar a Escola Médica nos seus ajustes internos e externos, face aos requisitos da nova ordenação da sociedade brasileira para o presente e o futuro próximo. 7 À época, a Secretaria da Saúde do Estado de São Paulo implantava a Reforma Administrativa e o Centro de Saúde Escola da Barra Funda ( e os profissionais duplamente envolvidos) serve de campo de provas e propostas inovadoras assumindo seu caráter experimental na Saúde Pública do Estado.

16 2. Breve Panorama do Ensino Médico no Brasil suas questões atuais A educação médica tem enfrentado nas últimas décadas inúmeros desafios decorrentes das transformações estruturais da realidade brasileira, no seu processo de desenvolvimento/ajuste à nova ordem internacional. Conquanto esses problemas também sejam comuns ao processo de desenvolvimento de outros países, sobretudo na América Latina, vale lembrar a especificidade de problemas que o processo histórico brasileiro acumulou e vem acumulando desde os seus primórdios até os tempos atuais.8 Em 1808, tão logo aportou à Bahia, D. João VI, alertado para a precariedade da situação sanitária e sob influência do fidalgo de sua Casa e cirurgião-mor do Reino, José Corrêa Picanço, expediu a 18 de fevereiro daquele ano uma Carta Régia, criando o primeiro curso médico-cirúrgico. Meses mais tarde, a 5 de novembro, o monarca mandou estabelecer no Rio de Janeiro, no Hospital Real Militar, uma escola de Anatomia, Cirurgia e Medicina. Bahia e Rio de Janeiro foram, assim, não só o berço do ensino médico no País, mas de todo o ensino profissionalizante, uma vez que, somente muito depois, no mesmo século, foram criadas escolas de Belas-Artes, Direito e Politécnica, em 1898, uma nova escola médica, a de Porto Alegre. O ritmo de expansão foi lento até 1960, quando existiam 28 escolas, 15 das quais fundadas na década de Por essa época, o fenômeno social da pressão por mais educação, ao lado do progresso acelerado da ciência e da técnica, exigindo mão de obra especializada de alto nível, reforçou o movimento de opinião, em torno da escassez de médicos para a população brasileira. Já então, esta deficiência era agravada pela concentração dos médicos nas capitais, em conseqüência de fatores econômico-sociais e de uma política assistencial que apenas contemplava os grandes centros urbanos. Não era difícil obter, por força de influências pessoais, lugares de médico nas instituições assistenciais, ao passo que na maior parte do interior, prevalecia a falta de condições para um exercício compensador da profissão. De 1961 a 1965, foram criadas mais 9 escolas médicas. Foi entretanto, a partir de 1966, até 1971, que se acelerou a expansão da rede escolar, fundando-se nada menos de 36 faculdades, de modo a perfazer o total de 73. Só em 1968 fundaram-se 13 novas faculdades! 8 Valemo-nos para esta parte de inúmeros trabalhos encontrados sobre História da Medicina no Brasil, bem como material da ABEM Associação Brasileira de Educação Médica

17 Crescia o número de instituições e aumentava também o de matrícula nas existentes. Em conseqüência do movimento dos excedentes, viram-se as escolas antigas obrigadas a receber número de alunos além de sua capacidade didática, enquanto as novas começavam a enfrentar o mesmo problema, ultrapassando, às vezes de muito, suas limitadas disponibilidades. A essa altura, fazia-se ouvir mais alto o coro das faculdades antigas, da Associação Médica Brasileira e de vozes responsáveis, advertindo contra a deterioração da qualidade do ensino médico, sacrificado pela massificação. O fenômeno da crise numérica não é peculiar à medicina, nem à universidade brasileira. È a primeira crise das universidades, em geral, a que se segue uma outra, financeira, uma vez que os recursos disponíveis não crescem na mesma proporção. No particular do ensino médico, a situação se agrava pelas condições peculiares ao treinamento prático, exigindo leitos hospitalares, laboratórios e pessoal docente numeroso e bem qualificado. As advertências encontraram ressonância junto a autoridades superiores, tendo o Ministro Jarbas Passarinho decidido criar uma Comissão de Ensino Médico, constituída de professores de várias regiões, e que se instalou a 10 de julho de Seu primeiro objetivo era proceder à avaliação da situação do ensino médico no País, suas características e perspectivas, seus aspectos positivos e negativos, a fim de propor medidas para elevar-lhe o padrão e corrigir distorções. Ao instalar-se, a Comissão solicitou ao Ministro que, de imediato, sustasse o processo de criação de novas escolas. A Comissão começou o trabalho pela elaboração de um questionário, enviado a todas as escolas, com o propósito de informar-se sobre as condições reais de funcionamento de cada uma. Em seguida, foram elas visitadas para verificação in loco dessas condições. Um ano depois, em agosto de 1972, foi entregue ao Ministro um relatório intitulado O Ensino Médico no Brasil. Documento nº 1 A expansão da rede escolar, depois aprovado pelo Conselho Federal de Educação. Pôde a Comissão concluir que não seria prudente recomendar, simplesmente, o fechamento de algumas escolas, em virtude das conseqüências sociais dessa natureza. Aconselhou a suspensão dos concursos vestibulares, naquelas em condições mais precárias, até que nova verificação comprovasse sua melhoria. Outras recomendações foram formuladas no sentido de estimular a recuperação das escolas carentes, e de melhor estruturar seus quadros docentes. Investigações subseqüentes verificaram, em muitos casos a eficiência das medidas aconselhadas. Salientou-se a necessidade de disciplinar o processo de formação de médicos, contendo a expansão desordenada da rede escolar e procurando estimar, em bases mais realistas, o número de vagas oferecidas pelas diversas faculdades. Reconheceu-se que o número de escolas era muito reduzido para as exigências do país, no início da década de 1960, mas que o crescimento fora demasiado rápido e descontrolado. Muitas vezes, não houve estudos prévios para a localização de novas escolas, nem previsão de recursos didáticos, sobretudo quanto ao corpo docente.

18 As recomendações da Comissão foram rigorosamente cumpridas pelos Ministros de Estado da Educação, até que em 1976, o Conselho Federal de Educação veio a autorizar o funcionamento de mais duas escolas, perfazendo o total atual de 75. Nos anos próximos a 1970, formavam-se, anualmente, cerca de médicos. A partir de 1975, esse número atingiu, aproximadamente, médicos por ano, podendo-se estimar uma queda para de 1980 até Segundo estimativa de Jair Guimarães, em 1950 existiam em atividade no Brasil cerca de 22 mil médicos. Em 1979, são cerca de 95 mil. A proporção médico-habitante terá atingido, no fim desta década, um índice satisfatório, em torno de 1/ Porém, a distribuição dos médicos pelo território brasileiro mostra extremas variações, com o grande predomínio nas capitais, onde se encontram cerca de 70%, e com mais de municípios sem médico. Rio e São Paulo, onde se congregam cerca de 13% da população, tem quase 50% dos médicos. Quanto aos municípios sem médicos, há que reconhecer a influência dos fatores sócioeconômicos, como tem insistido Gentile de Melo, além dos demográficos, uma vez que neles não se abrigam mais do que 15% do total da população. Quanto à dependência administrativa, 41 escolas (55%) estão ligadas a universidades (25 federais, 8 estaduais e 8 privadas), enquanto 34 (45%) são estabelecimentos isolados (2 federais, 2 estaduais, 1 municipal e 29 particulares). Assinala Marcílio de Souza que a expansão da formação de médicos processouse, predominantemente, pela criação de novas escolas, embora tenha sido significativo o crescimento de matrículas. Acredita que isso possa tornar mais fácil a aplicação de medidas visando ao aprimoramento da educação médica, sem a necessidade de sustar, abruptamente, a demanda de ingresso na carreira. Vale notar que algumas faculdades obtiveram do Conselho federal de Educação, nos últimos anos, a redução de matrículas. Entre elas, a Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro, que, progressivamente, as reduziu de 320 para 280, 240 e, para 1980, 160 matrículas. Paralelamente, foram estas oferecidas em maior número em outros cursos como os de Enfermagem, Nutrição e Biologia. Há que ponderar a necessidade de melhor balanço na formação dos profissionais de saúde. Preocupa, sobretudo, a carência de enfermeiros, cujo número atual e produção ainda estão muito aquém do indispensável, apesar dos esforços desenvolvidos para seu aumento. Sentem-se efeitos dessa carência no funcionamento de nossas instituições de saúde, o que recomenda um verdadeiro programa de aceleração da formação dessa classe de profissionais.

19 Em trabalho recente, João Paulo Mendes procura situar a expansão do ensino médico dentro do contexto do ensino superior no País. O crescimento da educação universitária decorreu de uma pressão da demanda, que começou nos primeiros graus de ensino e repercutiu no mais avançado. Em 1980, deveremos ter mais de 100 alunos no grau superior para cada no grau elementar. Em 1960, a proporção era de 12,5 para 1.000, e em 1970 de 40,9 alunos no superior para no elementar. Acrescenta no entanto, outros fatores para expansão do ensino superior, especialmente na área médica: a fé na educação como instrumento capaz de proporcionar ao homem sua plena realização e o fascínio que a profissão médica ainda exerce. Dois problemas mais sérios emergem da análise das condições de funcionamento das escolas médicas: o do corpo docente e o das disponibilidades hospitalares. É evidente que a expansão docente não pode acompanhar a rapidez de crescimento do número de alunos, com a proliferação das escolas. Na maioria das recém-criadas não havia, nas cidades em que se sediavam, elementos credenciados para assumir os encargos do magistério. Daí a necessidade de recrutá-los em centros universitários mais ou menos próximos criando-se a figura do professor itinerante (com designações por vezes pejorativas), que passava um ou dois dias por semana em cada escola. O levantamento feito mostrou numerosos professores lecionando em três ou quatro faculdades, em alguns casos até em seis. Mal remunerado, sobretudo o docente de ciências básicas, encontrava nessa atividade desgastante um meio de melhorar os seus proventos, embora com sacrifício de sua comodidade e das vantagens do trabalho concentrado em um só local. Não existem dados atualizados e confiáveis em relação ao corpo docente das escolas médicas. Contudo, pode-se dizer que melhorou a relação aluno/docente, graças a vários fatores, entre os quais a ampliação dos quadros, os programas de pós-graduação, o maior número de docentes sem tempo integral. Sem dúvida, a valorização do magistério superior, através de medidas como a reestruturação da carreira acadêmica, o reajustamento salarial, a criação de melhores condições de trabalho, virá concorrer para a melhoria daquela relação. Não bastará, porém, atentar para o aspecto quantitativo, senão que será mister cuidar do aprimoramento dos docentes, a partir de seleção mais apurada e de critérios mais idôneos de ascensão na carreira. A deficiência dos leitos hospitalares foi uma das falhas flagrantes observadas pela Comissão de Ensino Médico, que estimou as necessidades para o ensino na proporção de um leito de hospital geral para dois alunos. Muitas escolas se distanciavam dessa recomendação. No entanto, segundo o depoimento de Marcílio de Souza, aumentou substancialmente o número de leitos hospitalares à disposição do ensino, atingindo cerca de 30 mil. O cálculo que arbitra a necessidade de, no mínimo, 1 leito para 2 alunos não passa de um índice relativo, uma vez que se devem levar em conta outros fatores como a rotatividade desses leitos, a utilização de ambulatórios e de outros serviços hospitalares para o ensino.

20 O que cabe estimular é a necessidade de entendimento entre as escolas médicas e as instituições hospitalares, públicas ou privadas, no caso das escolas não possuírem hospital próprio. Por vezes, essas instituições consideram inconveniente a presença de estudantes, ou mais onerosos os serviços, em decorrência das atividades de ensino. A propósito, vale a pena transcrever o pronunciamento da Comissão de Ensino Médico, no seu Documento nº 2, intitulado Ensino Médico e Instituições de Saúde. As responsabilidades didáticas e atividades de pesquisa podem, aparentemente, conflitar com os objetivos meramente assistenciais. Mas, há evidente interesse em buscar o equilíbrio adequado. Se é obvio que o primeiro dever do hospital é servir ao doente, não é menos certo que a mais alta qualidade de cuidado médico é atingida em ambiente de constante efervescência intelectual e de contínua indagação. Assistência, ensino e pesquisa não devem ser consideradas atividades antiéticas e sim complementares. Será, aqui, o caso de citar uma das maiores figuras da Medicina Clínica de todos os tempo, Sir William Osler que, já em 1900, escrevia: Na mente dos responsáveis por certos hospitais prevalece a noção estulta e errônea de que a presença de estudantes é prejudicial aos interesses do paciente. É exatamente o contrário. Eu iria mais longe e diria que nenhum hospital pode desempenhar completamente sua missão se não for um centro de instrução de estudantes e médicos. É necessário, pois, que os responsáveis pelas organizações hospitalares se capacitem de seu dever e de sua conveniência, colaborando com o ensino médico, porque, afinal, estarão ajudando a formar os profissionais cujos préstimos vão utilizar. A expansão das escolas médicas, criando a necessidade de maior número de leitos hospitalares, fez com que numerosas instituições, públicas e privadas, colocassem suas disponibilidades a serviço do ensino. É claro que, em contrapartida, é dever dos responsáveis pelo ensino colocar no mais alto nível a preocupação com esses serviços, fiéis ao princípio de que em qualquer tipo de unidades de saúde, desde os hospitais universitários mais altamente diferenciados e melhor equipados, até as mais modestas unidades sanitárias, o foco de atenção de todos os que participam na prestação de serviços de assistência médica deve ser, invariavelmente, o paciente. Tradicionalmente, uma escola de medicina propõe-se a formar profissionais mais capazes de diagnosticar e tratar as doenças, dispondo para seu treinamento, de laboratórios de ciências básicas e de centros hospitalares mais ou menos aparelhados. A inclinação vocacional do estudante de Medicina, em geral, era e ainda é, a de fazer-se doutor, para cuidar de indivíduos doentes. Os profissionais da Saúde Pública, raros e dotados de vocação para o sacrifício, eram formados nas poucas escolas especiais existentes. Com o tempo não aumentaram, significativamente, em número, por falta de apoio de incentivos. Mas o conceito de saúde mudou, deixando de ser apenas a ausência de doença, para se conceituar como o estado completo de bem estar físico, psíquico e social. Por fantasiosa que seja a definição nas condições

MEDICINA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE MEDICINA (SÍNTESE)

MEDICINA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE MEDICINA (SÍNTESE) PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE (SÍNTESE) Ao longo de mais de cinco décadas, a Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas) estruturou um ambiente acadêmico intelectualmente rico

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI ABRIL, 2005 Introdução A Universidade Federal da Bahia ao elaborar o seu Plano de Desenvolvimento Institucional PDI (2004-2008), incluiu

Leia mais

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus 2013-2016 0 1 Sumário Apresentação... 2 Análise Situacional... 2 Programas Estruturantes...

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Psicologia. O Presidente

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO BACHARELADO EM ESTUDOS LITERÁRIOS INSTITUTO DE ESTUDOS DA LINGUAGEM (IEL) DEPARTAMENTO DE TEORIA LITERÁRIA UNICAMP

PROJETO PEDAGÓGICO DO BACHARELADO EM ESTUDOS LITERÁRIOS INSTITUTO DE ESTUDOS DA LINGUAGEM (IEL) DEPARTAMENTO DE TEORIA LITERÁRIA UNICAMP PROJETO PEDAGÓGICO DO BACHARELADO EM ESTUDOS LITERÁRIOS INSTITUTO DE ESTUDOS DA LINGUAGEM (IEL) DEPARTAMENTO DE TEORIA LITERÁRIA UNICAMP I.) Histórico da criação do curso A proposta de criação de uma nova

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO

A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO 1. A Pesquisa e a pós-graduação A pesquisa sistematizada na PUCPR proporcionou uma sinergia significativa com as atividades de ensino. Um resultado inicial

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Médico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Capacitado a atuar, pautado

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Resolução

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 Sandra M. Zákia L. Sousa 2 As demandas que começam a ser colocadas no âmbito dos sistemas públicos de ensino, em nível da educação básica, direcionadas

Leia mais

PROGRAMAS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL : UMA ANÁLISE SOBRE O FAZER PEDAGÓGICO Maria Graças Galvão de Souza (UFBA)

PROGRAMAS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL : UMA ANÁLISE SOBRE O FAZER PEDAGÓGICO Maria Graças Galvão de Souza (UFBA) 1 PROGRAMAS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL : UMA ANÁLISE SOBRE O FAZER PEDAGÓGICO Maria Graças Galvão de Souza (UFBA) O presente trabalho trata de uma discussão sobre os aspectos pedagógicos dos programas

Leia mais

Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura.

Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura. RESOLUÇÃO Nº 04/2004 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura.

Leia mais

4 Quando o número de vagas proposto corresponde adequadamente à dimensão do corpo

4 Quando o número de vagas proposto corresponde adequadamente à dimensão do corpo MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior SESu Diretoria de Regulação e Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA Carlos Eduardo Queiroz Pessoa Bacharel em Filosofia e Direito; Mestrando em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Campina Grande

Leia mais

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL Com o advento da nova Constituição em 1988 e a promulgação e da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional em fins de 1996, novas perspectivas foram colocadas

Leia mais

VARIÁVEIS FUNDAMENTAIS NA DISCUSSÃO E NO PLANEJAMENTO DO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DOS INSTITUTOS SUPERIORES DE EDUCAÇÃO

VARIÁVEIS FUNDAMENTAIS NA DISCUSSÃO E NO PLANEJAMENTO DO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DOS INSTITUTOS SUPERIORES DE EDUCAÇÃO VARIÁVEIS FUNDAMENTAIS NA DISCUSSÃO E NO PLANEJAMENTO DO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DOS INSTITUTOS SUPERIORES DE EDUCAÇÃO Maria Beatriz de Carvalho Melo Lobo Roberto Leal Lobo e Silva Filho Diante da nebulosidade

Leia mais

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública 1 A construção histórica do Curso de Pedagogia 2 Contexto atual do Curso de Pedagogia 3 O trabalho do Pedagogo prática

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 5, DE 15 DE MARÇO DE 2011( 1 )

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 5, DE 15 DE MARÇO DE 2011( 1 ) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 5, DE 15 DE MARÇO DE 2011( 1 ) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

O ENSINO DA ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL

O ENSINO DA ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL O ENSINO DA ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL Historicamente, o ensino da administração no Brasil passou por dois momentos marcados pelos currículos mínimos aprovados em 1966 e 1993, culminando com a apresentação

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior - Conaes Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira - Inep SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

Área de Ciências Humanas

Área de Ciências Humanas Área de Ciências Humanas Ciências Sociais Unidade: Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia (FCHF) www.fchf.ufg.br Em Ciências Sociais estudam-se as relações sociais entre indivíduos, grupos e instituições,

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Medicina

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Medicina MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

Federação de Sindicatos de Trabalhadores das Universidades Brasileiras Fundada em 19 de dezembro de 1978

Federação de Sindicatos de Trabalhadores das Universidades Brasileiras Fundada em 19 de dezembro de 1978 GT HUE s e SEMINÁRIO Realizado no período de 12 a 14 de abril de 2010 PROPOSTA PRELIMINAR DE HOSPITAIS UNIVERSITÁRIOS E DE ENSINO E CENTROS HOSPITALARES DE SAÚDE ESCOLA (HUE S) CAPÍTULO I Artigo 1º. Este

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola

3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola 3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola João Ferreira de Oliveira - UFG Karine Nunes de Moraes - UFG Luiz

Leia mais

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Engenharia Agrícola e dá outras providências.

Leia mais

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR GLEICE PEREIRA (UFES). Resumo Com o objetivo de apresentar considerações sobre a formação do bibliotecário escolar, esta pesquisa analisa o perfil dos alunos do Curso

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO CIÊNCIAS BIOLÓGICAS LICENCIATURA PLENA ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS O Curso de Ciências Biológicas, através

Leia mais

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA Mantenedora: Fundação Presidente Antônio Carlos Mantida: Faculdade Presidente Antônio Carlos de Araguari

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

Competências e Habilidades Específicas:

Competências e Habilidades Específicas: DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Enfermeiro, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Profissional qualificado

Leia mais

COMO FORMAR MÉDICOS NO BRASIL FRENTE AOS ATUAIS DESAFIOS DA SAÚDE?

COMO FORMAR MÉDICOS NO BRASIL FRENTE AOS ATUAIS DESAFIOS DA SAÚDE? COMO FORMAR MÉDICOS NO BRASIL FRENTE AOS ATUAIS DESAFIOS DA SAÚDE? Vinícius Ximenes M. da Rocha Médico Sanitarista Diretor de Desenvolvimento da Educação em Saúde SESu/MEC Dificuldades para Implementação

Leia mais

Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012)

Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012) Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012) O Ensino de Direitos Humanos da Universidade Federal do

Leia mais

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão 1 V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Painel: Desenvolvimento Institucional Mudanças na Cultura de Gestão Roteiro: 1. Perfil das organizações do PAD. 2. Desenvolvimento Institucional:

Leia mais

III Princípios Gerais da Formação Médica

III Princípios Gerais da Formação Médica I Motivação Aprovação da Lei 12.871 de 22/10/2013; Necessidade de ter diretrizes curriculares em sintonia com o programa Mais Médicos; A oportunidade de atualizar e aprimorar as diretrizes de 2001; Acompanhar

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE NASCIMENTO, Elaine Cristina Universidade Tecnológica Federal do Paraná AMORIM, Mário

Leia mais

Pacto Nacional pela Saúde. Mais hospitais e unidades de saúde Mais Médicos Mais Formação

Pacto Nacional pela Saúde. Mais hospitais e unidades de saúde Mais Médicos Mais Formação Pacto Nacional pela Saúde Mais hospitais e unidades de saúde Mais Médicos Mais Formação 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Conheça mais: Programa Mais Médicos Faltam médicos no Brasil De 2003 a 2011, o número de postos

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

Notícia: Diretrizes Curriculares Nacionais Para os Cursos de Graduação em Psicologia 1

Notícia: Diretrizes Curriculares Nacionais Para os Cursos de Graduação em Psicologia 1 Psicologia: Teoria e Pesquisa Mai-Ago 2004, Vol. 20 n. 2, pp. 205-208 Notícia: Diretrizes Curriculares Nacionais Para os Cursos de Graduação em Psicologia 1 Câmara de Educação Superior Conselho Nacional

Leia mais

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às CURSO: ENFERMAGEM Missão Formar para atuar em Enfermeiros qualificados todos os níveis de complexidade da assistência ao ser humano em sua integralidade, no contexto do Sistema Único de Saúde e do sistema

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior Daes Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80 Disciplina: Metodologia Científica SERVIÇO SOCIAL Ementa: Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia Número âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O conhecimento e suas formas.

Leia mais

Área teórico\prática: Clinicas y Politicas: procesos de subjetivación y invención

Área teórico\prática: Clinicas y Politicas: procesos de subjetivación y invención FORMAÇÃO ANTIMANICOMIAL NO ESTADO DE MINAS GERAIS: DESAFIOS E POSSIBILIDADES Autores: Camila Alves Soares Ana Marta Lobosque Sílvia Melo Karine Lage Fonseca Maria Elisa Freitas Camila Castanheira Rodrigues.

Leia mais

Mais Justiça social Mais Solidariedade Mais Atenção

Mais Justiça social Mais Solidariedade Mais Atenção A interiorização do trabalho e da formação em saúde: Mais Médicos e Mais Reforma Sanitária* No dia 5 de setembro de 2013, o Fórum de Estudantes da ENSP/Fiocruz coordenou a roda de conversa sobre a interiorização

Leia mais

FACULDADE DE SAÚDE, CIÊNCIAS HUMANAS E TECNOLÓGICAS DO PIAUÍ DIRETORIA GERAL

FACULDADE DE SAÚDE, CIÊNCIAS HUMANAS E TECNOLÓGICAS DO PIAUÍ DIRETORIA GERAL RESOLUÇÃO Nº 011/2008 FACULDADE DE SAÚDE, CIÊNCIAS HUMANAS E TECNOLÓGICAS DO PIAUÍ NORMATIZA O ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA FACULDADE NOVAFAPI. A Diretora

Leia mais

A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos.

A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos. A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos. A CONTEE, depois de uma trajetória de mais de uma década de permanente debate interno e sintonia com as entidades filiadas, se encontra

Leia mais

A Formação do Enfermeiro Frente à Reforma Sanitária*

A Formação do Enfermeiro Frente à Reforma Sanitária* A Formação do Enfermeiro Frente à Reforma Sanitária* INTRODUÇÃO Maria Cecília Puntel de Almeida O relatório final da VIII Conferência Nacional de Saúde, ao apontar as modificações necessárias no setor

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

LUTA MÉDICA ENTREVISTA: JORGE SOLLA Entrevista publicada na Revista Luta Médica nº 02 (janeiro/fevereiro de 2007)

LUTA MÉDICA ENTREVISTA: JORGE SOLLA Entrevista publicada na Revista Luta Médica nº 02 (janeiro/fevereiro de 2007) LUTA MÉDICA ENTREVISTA: JORGE SOLLA Entrevista publicada na Revista Luta Médica nº 02 (janeiro/fevereiro de 2007) Médico Pesquisador do Instituto de Saúde Coletiva (ISC) da Universidade Federal da Bahia.Ex-Coordenador

Leia mais

Indicadores e Padrões de Qualidade para Cursos de Graduação em Fonoaudiologia (Revisado em 11-11-99)

Indicadores e Padrões de Qualidade para Cursos de Graduação em Fonoaudiologia (Revisado em 11-11-99) DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS DO ENSINO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS ENSINO Comissão de especialistas de Fonoaudiologia-CEEFONO Indicadores e Padrões de Qualidade para Cursos de Graduação

Leia mais

FACULDADE VALE DO SALGADO

FACULDADE VALE DO SALGADO EDITAL Nº 8, 14 DE FEVEREIRO DE 2014 - EDITAL PARA SELEÇÃO DE MONITORES QUE INTEGRARÃO O PROGRAMA DE MONITORIA DA FACULDADE VALE DO SALGADO PARA O PERÍODO LETIVO DE 2014.1 e 2014.2. A Coordenação de Pesquisa

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 432 horras/aulla Coordenação Geral: Eng. Jacob Gribbler 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no 2º semestre letivo de 2001 para os alunos matriculados no 4º semestre.

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no 2º semestre letivo de 2001 para os alunos matriculados no 4º semestre. RESOLUÇÃO CONSEPE 38/2001 ALTERA O CURRÍCULO DO CURSO DE ENFERMAGEM, REGIME SERIADO SEMESTRAL, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso

Leia mais

Certificação Profissional na Construção Civil por Competências

Certificação Profissional na Construção Civil por Competências Extraído da Dissertação de Mestrado em Habitação de autoria de Orivaldo Predolin Júnior 2005, Predolin, O.J. A partir da idéia de que, para a melhoria da qualidade do produto final da construção civil

Leia mais

O Plano Nacional de Extensão Universitária

O Plano Nacional de Extensão Universitária O Plano Nacional de Extensão Universitária Antecedentes A universidade brasileira surgiu tardiamente, na primeira metade do século XX, pela união de escolas superiores isoladas, criadas por necessidades

Leia mais

II SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Faculdade de Educação da USP, 11 e 12 de agosto de 2000

II SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Faculdade de Educação da USP, 11 e 12 de agosto de 2000 II SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Faculdade de Educação da USP, 11 e 12 de agosto de 2000 O mundo de constantes transformações em que vivemos tornou obsoleta a idéia de que a educação

Leia mais

Formação de Formadores

Formação de Formadores REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: Formação de Formadores São Paulo 2012 1 Sumário Título I Da Constituição do Programa... 03 Capítulo I Dos Fins e Objetivos... 03 Capítulo II

Leia mais

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades

Leia mais

PARECER AINDA NÃO HOMOLOGADO

PARECER AINDA NÃO HOMOLOGADO PARECER AINDA NÃO HOMOLOGADO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADOS: Ministério da Saúde e Ministério da Educação UF: DF ASSUNTO: Proposta de habilitação técnica para a profissão

Leia mais

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE Paulo Eduardo Elias* Alguns países constroem estruturas de saúde com a finalidade de garantir meios adequados para que as necessidades

Leia mais

PLANO DIRETOR DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Brasil: Ministério da Saúde/ANVISA

PLANO DIRETOR DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Brasil: Ministério da Saúde/ANVISA http:///br/resenhas.asp?ed=8&cod_artigo=136 Copyright, 2006. Todos os direitos são reservados.será permitida a reprodução integral ou parcial dos artigos, ocasião em que deverá ser observada a obrigatoriedade

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR:

ESTRUTURA CURRICULAR: ESTRUTURA CURRICULAR: Definição dos Componentes Curriculares Os componentes curriculares do Eixo 1 Conhecimentos Científico-culturais articula conhecimentos específicos da área de história que norteiam

Leia mais

Aracaju: em foco o modelo Saúde Todo Dia. A Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva em debate

Aracaju: em foco o modelo Saúde Todo Dia. A Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva em debate Aracaju: em foco o modelo Saúde Todo Dia. A Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva em debate ALEXANDRE DE SOUZA RAMOS 1 Saúde como direito de cidadania e um sistema de saúde (o SUS) de cunho marcadamente

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade MANUAL DE ESTÁGIO Curso de PEDAGOGIA S U M Á R I O 1. Apresentação... 03 2. Proposta de Estágio... 03 3. Aspectos legais... 04 4. Objetivo Geral... 04 5. Campo de Estágio... 05 6. Modalidades de Estágio...

Leia mais

CURSO: MESTRADO ACADÊMICO

CURSO: MESTRADO ACADÊMICO COMUNICADO no 002/2012 ÁREA DE ZOOTECNIA E RECURSOS PESQUEIROS ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Zootecnia e Recursos Pesqueiros PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO DE PUBLICAÇÃO

Leia mais

identificação e detalhamento dos indicadores definidos para mensurar os resultados do projeto.

identificação e detalhamento dos indicadores definidos para mensurar os resultados do projeto. APRESENTAÇÃO O presente documento se refere ao Plano do Projeto de Implantação das Estratégias de Ensino - a ser executado por Instituição de Ensino Superior - IES que se inscreva para fazer parte do Projeto

Leia mais

GATTI, Bernardete; BARRETTO, Elba. Professores no Brasil: impasses e desafios. Siqueira de Sá. Brasília: Unesco, 2009.

GATTI, Bernardete; BARRETTO, Elba. Professores no Brasil: impasses e desafios. Siqueira de Sá. Brasília: Unesco, 2009. Professores no Brasil: impasses e desafios. Siqueira de Sá. Brasília: Unesco, 2009. GATTI, Bernardete; BARRETTO, Elba RESUMO EXECUTIVO O objetivo deste estudo foi o de prover um balanço da situação relativa

Leia mais

Pós-graduação em Cirurgia: Mestrado e Doutorado

Pós-graduação em Cirurgia: Mestrado e Doutorado Pós-graduação em Cirurgia: Mestrado e Doutorado Saul Goldenberg A Portaria 77/1969 do Conselho Federal de Educação criou e regulamentou a Pós- Graduação "estrito senso". A partir daí começamos a nos envolver

Leia mais

ACS Assessoria de Comunicação Social

ACS Assessoria de Comunicação Social Sistema Nacional de Avaliação e Progresso Superior Uma nova sistemática de avaliação do Ensino Superior brasileiro 1. A evolução da avaliação As universidades brasileiras dispõem de mecanismos de avaliação

Leia mais

EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO ENSINO DE ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM

EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO ENSINO DE ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO ENSINO DE ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM Severino Aprígio de Morais Graduando Enfermagem CEL severo.aprigio@ig.com.br Diane Mello Contino Graduando Enfermagem CEL enfermeirabmgse1@hotmail.com

Leia mais

ÚNICA EDUCACIONAL LTDA FACULDADE ÚNICA DE IPATINGA PROJETO DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

ÚNICA EDUCACIONAL LTDA FACULDADE ÚNICA DE IPATINGA PROJETO DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL ÚNICA EDUCACIONAL LTDA FACULDADE ÚNICA DE IPATINGA PROJETO DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Março de 2015 SISTEMA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL A avaliação é entendida pela Faculdade Única de Ipatinga como um processo

Leia mais

COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO. Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira

COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO. Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira Sumário Psicologia no Brasil: percurso histórico Psicologia no Brasil nos últimos vinte anos Referências legais e organização

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 Janete Maria Lins de Azevedo 2 Falar sobre o projeto pedagógico (PP) da escola, considerando a realidade educacional do Brasil de hoje, necessariamente

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

Plano de Trabalho 2013/2015

Plano de Trabalho 2013/2015 SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FUNDAP SEADE CEPAM CONVÊNIO SPDR USP FUNDAP SEADE CEPAM ANEXO I Plano de Trabalho 2013/2015 OUTUBRO DE 2013 I. JUSTIFICATIVAS

Leia mais

CARTA ACORDO Nº. 0600.103.002 Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho mantenedora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

CARTA ACORDO Nº. 0600.103.002 Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho mantenedora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Ao Ministério da Saúde Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde Departamento de Gestão da Educação na Saúde E-mail: deges@saude.gov.br - prosaude@saude.gov.br CARTA ACORDO Nº. 0600.103.002

Leia mais

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

RESOLUÇÃO CUNI Nº XXXX

RESOLUÇÃO CUNI Nº XXXX RESOLUÇÃO CUNI Nº XXXX Aprova o Projeto Acadêmico CECANE/UFOP. O Conselho Universitário da Universidade Federal de Ouro Preto, em sua xxxx reunião ordinária, realizada em xxx de xxx de 2011, no uso de

Leia mais

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS Kely-Anee de Oliveira Nascimento Graduanda em Pedagogia - UFPI Patrícia Sara Lopes Melo Mestre em Educação

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES Nº 5, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2001. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Nutrição. O Presidente

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA

O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA Vera Alice Cardoso SILVA 1 A origem: motivações e fatores indutores O Curso de Gestão Pública

Leia mais

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES KOWALCZUK, Lidiane Mendes Ferreira - PUCPR lidianemendesf@gmail.com VIEIRA, Alboni Marisa Dudeque Pianovski - PUCPR alboni@alboni.com Eixo Temático: Formação de Professores

Leia mais

A legislação e a Orientação Educacional

A legislação e a Orientação Educacional A legislação e a Orientação Educacional A legislação relacionada à educação no Brasil auxiliou o Orientador Educacional a fortalecer-se como profissional, muitas vezes embasado em pressupostos teóricos

Leia mais

RH NA ÁREA. Clarice da Fontoura Paim Mestre em Administração e Negócios (PUCRS) UNIRITTER cfpaim@cpovo.net. 1 Introdução

RH NA ÁREA. Clarice da Fontoura Paim Mestre em Administração e Negócios (PUCRS) UNIRITTER cfpaim@cpovo.net. 1 Introdução RH NA ÁREA Clarice da Fontoura Paim Mestre em Administração e Negócios (PUCRS) UNIRITTER cfpaim@cpovo.net Resumo: Considerando a necessidade de orientação das pessoas para o aproveitamento de vagas disponíveis

Leia mais

Curso de Medicina no GHC: A base para nossos desafios

Curso de Medicina no GHC: A base para nossos desafios Curso de Medicina no GHC: A base para nossos desafios Objetivos do Programa a) Diminuir a carência de médicos em regiões prioritárias; b) Reduzir as desigualdades regionais na área da saúde;

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE LOGÍSTICA - BARREIRO

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE LOGÍSTICA - BARREIRO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE LOGÍSTICA - BARREIRO 1. Perfil do Curso O curso visa atender a demanda do mundo do trabalho por formação na área de gestão da logística em nível superior de ensino.

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES 1 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL 1.1. Perfil Comum: Farmacêutico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva.

Leia mais

PROGRAMA DO PÓS-GRADUAÇÃO EM SEXOLOGIA CLÍNICA

PROGRAMA DO PÓS-GRADUAÇÃO EM SEXOLOGIA CLÍNICA PROGRAMA DO PÓS-GRADUAÇÃO EM SEXOLOGIA CLÍNICA 1. Nome do curso e Área(s) do Conhecimento - Pós-Graduação/Especialização em Sexologia Clínica - Área do conhecimento: Medicina - Forma de oferta: presencial

Leia mais

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO ENSINO SUPERIOR A DISTÂNCIA: LIMITES E POSSIBILIDADES DE INSERÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO E ASCENSÃO PROFISSIONAL

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO ENSINO SUPERIOR A DISTÂNCIA: LIMITES E POSSIBILIDADES DE INSERÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO E ASCENSÃO PROFISSIONAL A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO ENSINO SUPERIOR A DISTÂNCIA: LIMITES E POSSIBILIDADES DE INSERÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO E ASCENSÃO PROFISSIONAL OLIVEIRA, Silvana Aparecida Guietti de (UEM) COSTA, Maria Luisa

Leia mais

SEMINÁRIO DE GRADUAÇÃO ENADE 2015

SEMINÁRIO DE GRADUAÇÃO ENADE 2015 SEMINÁRIO DE GRADUAÇÃO ENADE 2015 ROTEIRO SINAES Princípios e concepções Os Ciclos Avaliativos do Enade e os Indicadores de Qualidade Enade 2015 PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO SINAES Responsabilidade : responsabilidade

Leia mais

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Conselho Universitário - CONSUNI

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Conselho Universitário - CONSUNI REGULAMENTO DA CLÍNICA ESCOLA E SERVIÇOS DE PSICOLOGIA - CESP Aprovado pela Resolução CONSUNI nº 11/15 de 08/04/15. CAPÍTULO I DO OBJETIVO DO REGULAMENTO Art. 1º A Clínica Escola de Psicologia é o ambiente

Leia mais

A FORMAÇÃO CONTRADITÓRIA DAS CLASSES DOMINANTES

A FORMAÇÃO CONTRADITÓRIA DAS CLASSES DOMINANTES A FORMAÇÃO CONTRADITÓRIA DAS CLASSES DOMINANTES Luiz Carlos Bresser-Pereira Senhor, nº 24, março de 1980 Estou passando pelos corredores e ouço: Quando as empresas brasileiras forem dirigidas por administradores

Leia mais